Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04759


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842. Segunda Feira I,"
Todo sor drpenile .le ns mesmos ; ,1.-, n0ssa andancia 1
:;;;::.....-e-*--. ^jSEtTiSSrttiL'asi s
_________._____________(froclinufao d.Assembla Geral Oo |r.ril.)
Iin
ti
r p PAIiTII>A.S DOS CORREIOS TERRESTRES
Boiiiio s GaraKbunt i O e 24
Cabo >,nl,acm f\, Fotbo.0 Por.,, Calve M.cci e Al..
a,e 13. Sanio Anuo qolnla, fc!rM. Olinda" lodo, ., di...
srxlas frir.is.
oas no 1. T
M, e 21.
das da semana.
i J** l. S. Pedro advincula. Chae. Aud. do .1. ,1, I). ,ia
Xr' ll"'AnJ^ Re- A..1. do J. de D. da 1. v
3 Qiart. l,.vec;,o ,lc s. i:,levr,0 i.rol(1 Ad d<> ,
Ev :m'rv,'c~l'un,u,w-Au ., V V Ara. das Nev. Aud. do J. de D. da 1 ,
i .Sal,. 1 rnslKura?an de Christo. Re. Aud. do J. de D ,1.3 v
/ Don. s. Car-tuno, s Dnalo M. '
de Agosto, Anno XVIII. N. 163.
O Diario publica-te tod* odial ,oe n.io forem Sanlificados : prec0 da ..aignatiira he
de Ira. mil reis por quarlel pago, adianl.do*. Os annuucioi dos a gr.U e o. tasque o nfio forem t radio de SO res por linlia. As recUm.c.cs devera mi
dirigida, a esla Typografia ni. da1 Crines D. 3, ou a praca da Independencia loia de lirros
Numero 37 c 38.
CAMBIOS NO DA 25) DEJL'LHO.
Ciml.in Mitra Londres 20 | d. p. 111.
;, l'ari. 360 reis | franco.
i.isboa 100 por 100 da pr.
Moeda ,le cobre 4 por 100 ile ileaconlo.
Itlerr. d letras de boas firmas le a i e 1.
D.MOntolfo bilb da Alfaml-ja I a >
M.
compra venda.
Oo.o Mor,! de 6.400 V. 15,980 46,100
N. 15,S0J 16.000
* d. 4,000 8,800 0.000
I'"" Pataces 1,820 1,840
P.toa ColuBB.r.* 1,820 1,84*
dito Meiic.no. 1,820 1,840
iud. 1,640 1,680
Preamar do
*." 0 horas
2. a I) horas
Un 1. 1 dt tgotio
30 fi, d< inai,!'.".
., i ni da tarde.
P1IASK.S DA LA NO MEZ UE AtiOSIO.
la Nova 6 -- ;i 0 horas e 2! m. da lard
Qaart. ereac. a 13 a. 3 horas e 4 m da manh:
La eheia a 20 -- s II lior.s e ,i6 m. d. lard.
Qa.rl, min,;. a 21 --. I liona t 30 m. da manh.
IV A M B U C O.
C-OVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 28 DO l'ASSADO.
OlliciosAo commandante das armas, e
aoinspector da thesouraria da fazenda in
lelligenciando-os de haver sido promovido
por decreto de 4 de Julho corrente ao posto
de alferes ajudanle da fortaleza de Itamarae,
sem direito accesso o sargento quartel-
mestre com exercicio de almoxarife na for-
taleza do Brum Francisco Joze Comes.
Portara Ordenando ao commandanle
do vapor = Paquete do sul = que recolha
ao arsenal de guerra as 215 espingardas do
adarme 17 queconduzio da corte do impe-
rio para esla provincia.
Dita Ao director interino do supradito
arsenal, determinando, que receba e man
de recolher aos respectivos armazens as sn-
pramencionadas espingardas.
Olicio Aoengenheiro em chefe orde-
nando que com a possivel brevidade remet-
a urna informaco exacta do estado da obra
precisar para concluir-se.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda Iransmittindo as ordens do Presi-
dente do tribunal do thesouro publico nacio-
nal sob os nmeros ;v>7 o >'8 .jetadas de 0
11 do corrente.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha dizendo que atienta a impossibilida-
de que S. m. informa liaver de se con-
seguir tarvo de pedra para fornecimento do
vapor = Paquote do norte == cumpro, qui-
lbo mande fornecerlenha segundo prepon ;
recommendando-lhe que faca todos os es-
forc para obter o referido carvo lim de
que nao appareca outra falta ; e delerminan-
do-lhe informe, se o dito vapor peder a-
nianb largar deste porto.
Dito Ao cliefe da legio do Rio-formoso.
int.-lligenciandoo deque lito com prazer o
seo olicio de 19 do corrente em que parte-
eipa quedeixou a villa de Serinhaeui em
estado de pacificaco ; e signilicando-Ibe,
que confiado nos bons sentimentes que o a-
nimo espera ; que nao poupar meios pa-
ra conseguir que ello se perpetu.
Dito Ao commandante das armas par-
ticipando-lhe ter indeferido por despocho de
21 do corrente o requerimentode Anua Joa-
quina de Almeida que acompanhou o seu
olicio de l) do corrente e no qual pedia el-
la que seo ilho Joo Evaristo Veloso da
Silveira cadete do t<-reoiro balalho de ar-
tiiaria a p, fosse relaxado da prisao duran-
te o tempo preciso para ir tomar conta de
urna pequea fazenda no sertao do pon bal
com a eondico de no seo regresso continuar
a cumprira sentent;.!, que llie ib i imposta
pela junta de juslica.
COMMAN'DO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 27 DO PASSADO.
Olicio Ao Exm. Presidente, enviando-
llie a guia do soldado Joo Bernardo da Silva
Soares que ubteve passagem para as compa-
ubias provisorias da provincia da Parahiba
do Norte e signiicando-lhe que o solda-
do Antonio Martins Ayres cuja guia to
bem llie enviava nao eslava ligado a nen-
hum corpo por se Ur dissolvidoo que Ihe
pertencis na provincia do Maranbo onde
li/era a campanha eregressara em compa-
nbia do alferes Francisco Joze do Bozario.
Dilo Ao delegado do primeiro districto
desta cidade, communicando-lhe que (ca-
va com praca assente, o voluntario Manoel Jo-
ze que ncompanharao seu ofllcio desta data.
Dito Ao mesmo mandando-lbe apresen- j
tar o paisano Manoel Felis que requisltara
em seo olicio desta dala, o qual se viera of-
lerecer para servir no c.xercito.
Dilo Ao delegado do termo de Iguarac ,
dizendo-llie em resposta ao seo olicio do io-
je, queorecruta Vicente Ferreira Villarim ,
que eslava om custodia assentara praca.
Dito Aojuiz de |iaz da freguesia d'o Ma-
ranguape signiicando-lhe em resposta ao
seo olicio de 20 do corrente, que a fbrea
precisa para manter a ordem as delces de
sua freguesia devia ser requisilaila ao com-
mandante do terceiro balalho ila guarda na-
cional do municipio de Olinda por ser o
mais prximo do lugar e que nesle sentido
teria de receber ordem da Presidencia.
Dito Aoeommandante do balalho pro-
visorio, communicando-lhe, que eslava no-
meado ; assim como os capitaes Luiz de
QueirozCoulinho, Francisco Pinto de S o
Manoel Fernandes da Cruz, vogaes dos con-
selhos de directlo de varias pracas que pre-
tenden! Servir na qualidade (e cadetes da
primeira classe e que os vogaes Horneados
se deviao reunir cin a secretaria militar as 10
horas da manh do da 29 do corrente.
Dito Ao commandante do deposite di-
zendo-lhe em resposta ao seo olicio de 27 ,
que devia tiraros vencimenlos pertencentes
ao soldado Francisco Bizerra de Oliveira ,
durante o tempo que o mesmo soldado so
conservoudoente c em Iractamenlo no ter-
mo de Goianna visto ter a elles direito.
DitoAo primeiro lente commandan-
te interino da companhia d'artifices remet-
lendo-lhe a guia do alferes addido F. J. de
S. AI ves, para que extractas della o que
convinha para se cobrar pela folha os vn-
cimritos que se Ihe deve devendo depois
enviar referida guia a Secretaria militar a-
lim de ser Iransmcttida a thesouraria.
Portarla Ao lente coronel comman-
dante do balalho provisorio mandando em
Gumprimenlo ao aviso da repartido da gner-
ra de 4 deste iez e olicio da Presidencia
de 26 ilar baixa aos soldados Manoel Fran-
cisco da Silva da terceira companhia e
Manoel Antonio do Monte da quinta por te-
rem sido inspicionados pela junta do sande ,
e julgados incapazes do servico.
Iguaes portaras se expediro ao major
commandante do terceiro batnlhao de arti-
Iharia a p para a baixa do cabo d'esqua-
dra Innocencio da Costa Pinhero, c ao com-
mandante interino da companhia d'artifices ,
para a baixa do soldado Francisco Joqitn
deSouza.
Dita Ao major commandante interino
do batalho terceiro de artilharia mandan-
do em cxecuco ao aviso da repartieo da
guerra de 28 de Junho deste anno addir ao
mesmo batalho com vencimenlos de sold ,
e elape para nelle es[erar sua reforma o
ex-soldado do exmelo regiment d'arlilharia
JozodoCarmo d'Oliveira que sfr licaria o-
brigado ao cumprimenlo das revistas de mos-
tra.
I'alco afim do dignar-so mandar dar as
mesmas guias o cernpetenta desuno.
Dito Ao mesmo Exm. Sur. rogando se
dignasse expedir as suas ordens ao comman-
i dan te do vapor = S. Salvador = para vir re-
| ceber a thesouraria a quauti> de 20:000
1 reis em notas para entregar na thesouraria
da provincia do Para
Portara Ao Snr. thesoureiro dos orde-
nados mandando pagar a D. Anna de Si-
queira Castro a quanlia de S:802.v882 reis,
do meo sold e Atonte pi militar. que
deixou de receber desde o primeiro de Janei-
ro de 1827 at 50 de Junho de 182.
dem no ni\ 12.
Olicio Ao Sur. Inspector da thesouraria
de fazenda da Provincia do Para enviando
por conta do suprimsuto determinado pela
ordem do tribunal do thesouro publico na-
cional de 10 de Janeiro do corrente anno a
quanlia do 20:000. reis em notas pelo
commandante do vapor = S. Salvador.
Dilo Ao Snr. inspector da alfandega
participando ter o Exm. Snr. Baro Presi-
dente da Provincia prvido interinamente a
Tiloma?. Joze de Sena, no lugar de amanuen-
se da dita alfandega que se aohava vago pe-
la demsso dada a M. da F. c Silv.
dem do da 1".
Portara AoSnr. thesoureiro dos orde-
nados remetiendo a nota relativa ao con-
trbunte para o monte po dos servidores do
estado o Snr. Desemliargador Gregorio da
Costa Lima Belmonl.
Si
nhao a nteneo do forrar os Estados l'nidos
a adherir a este. Os Estados l'nidos tem tan-
ta conlanea no sentimenlo de juslica das po-
tencias que nao receio similhanle resultado ,
o veriao com satisfcelo que vos Snr. inime-
diatamente da tribuna na Cmara dos Deputa-
dos em nome da vossa naco declarasseis
que taes nao s3o as suas nteneres ; mas so
outra cousa acontecer se se friutrar a sua
conliancd em nada mudar a sua resoluto;
julgarifio do mesmu modo os seus deveres e
nao hesitariao em cumpri-los. Preparar-se-
io com ancia na verdade mas sem susto ;
com pesar, mas com firmesa a entrar em urna
dessas lucias desesperadas que refere a his-
toria do mundo em que a bondade do direi-
to c o favor da Providencia bao dado a pre-
ponderancia a urna fraqueza relativa', habi-
litando-a para alTronlar o mais forL*.
THESOIJBABIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA I I DO l'ASSADO.
Olicio Ao Exm. Snr. Baro Presiden-
te da Provincia participando que lendo a
thesouraria resolvido que asolapes e forra-
gens para a tropa de primeira linda no presen-
te semestre fossein as inesmas mareadas pa-
ra o semestre passado por nao ter havido
alteradlo no proco dos gneros : rogava se
dignasse de mandar as suas ordens a res-
peilo.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. com as gu-
as do cap to I.. P. da Fonccca lente A.
R. de Almeida segundos tenrntesj. de B.
Cavalcarile ej. I. de M. Reg Monteiro
Sdos alteres II. J. F. do Menezes J. de S.
r'errt'ira, C. A, Carnauba, eF. do R. B.
TRIBUNAL DA BELAC'V.
SESSArt DE 30 DO P. P.
Os embargos de Joanna Francisca do Sa-
cramento contra Joo da Conceico Bravo ,
na cauza da appellaco civel desta cidade ,
escrivao Ferreira ; foro despresados man-
dando-se eumprro accordo embargado.
Na appellaco civel desla cidade ippel-
lante Joz'1 Joaquim da Cosa e appellados Ro-
S9S ,\ Bragas escrivao Ferreira ; se julgou
pela ennlirmaco da sentenca recorrida.
Na appellaco civel da comarca do Rio For-
mo/o appellante o Reverendo Prior do Con-
vento do Carmo do Recife appelladas D.
Francisca de Paula e Mara da Conceico
Cavalcante de Albuquerque vi uva do capito
mor Alvaro Barhalho Fchiia Cavalcante, e
outros escrivao Ferreira j se julgou pela
reforma da sentenca de que se recorreu.
Os embargos de Joze Pedro Vellozo da Sil-
veira contra Joo Vieira da Cunha na cauza
dO appellaco civel d Rcgn Rangcl : loro disprezSdos mandndo-
se cumprir o accordo embargado.
Os embargos de Manoel Joze Lopes Riaga ,
centra Francisco Joze Rodrigues na appella-
co civel desta cidade. escrivao Bandeira ;
foro recebidos e reformado o accordo em-
bargado.
Os embargos de Joze lligino de Miranda ,
contra I). Anua Jon,nina do Nasrimento Du-
tra na appellaco civel desta cidade escrivao
Mcrro Rangel : foro disprezados mandndo-
se cumprir o accordo embargado.
Na appellaco crime do jury desta cidade.
appellante o Doufor Promotor Publico ap-
pellados Joze Joaquim de Figuereido, e Fran-
cisca Maria dos Arijos escrivao Ferreira ;
julgaro procedentes os recursos e reforma-
das as senteneas appelladas.
EXTKniOI..
Noticias de Hespanha.
At 19 de Maio. Em Chiclana perto de
Cdiz houve ubi motim contra a Municipa-
lidad.' por laucar tributos no pao e cantaras
d'agoa : uns 200 homens entre os quaes 30
ou 40 d'espingardas, uns 30 fc paus, o res-
to desarmados se dirigirfio casa da Cma-
ra querendo depor o 1. alcaide de nomea$So
popular : noite chegrao villa 40 cavallos,
contra os quaes os amotinados der3e urna des-
carga que a nenhum ferio ; a cavaliarta car-
regou havendo dous feridos mortalmente ,
e oulros menos gravemente segundo urna
carta 5 ou 0 e segundo outra 30 : tambetn
morreu urna rapariga que eslava janella ,
por se disparar inadvertidamente a espingar-
da d'um dos paizanos. Eslava instaurada
devaca. O chefe poltico na proclamado diz
isto !
A honra militar ultrajada o dever do
honrados militares e a propria defeza for^ou
os soldados a derramar algum sangue, e san-
;ue por ventura innocenlo, porm necessa-
rio para fazer conl>ecer que a frca do go-
verno a da f.ci. Assim licou singada a-
qijL.Ha.
Em os das 9 10 c II houve em Sevilha
novos motins das cigarroiras : a authoridade
inter ve i o com a frca que oceupou as aveni-
das da fbrica e mandando-as laucar lora do
Jardim de Cbristina aonde estavo fazendo es-
tragos : prohibiu os grupos instaurou pro-
cesso e deu-lhes seguranza de que os tra-
balhos da fabrica nao seriflo interrompidos.
Foro presos dez cigarreiros e vinte cigarrei-
ras por implicadas no motim. Espartero an-
nunciou no im do jantar do dia 15 que todos
os domingos haveria sarau no seu Palacio.
Em Barcelona tem havido alguma pristi ,
e diz-se que o chelo poltico (dir a sua re-
moco para outra provincia. A Le insiste
em que o dia 3 era desligado para um movi-
ntenio popular excitado per agentes estran-
geiros ou tal vez pelo mesmo governo.
No dia 20 havia do disculir-se pela 5. vez
o processo de mais de 50 ecclesiaslicos d'Al-
carria pela niaior parte parochas por felici-
tarem o cabido de Toledo pela sua expedif&o
Regencia interina : duas vezes discordarn
os juizes e por isso nao houve anda sen-
tenca.
Fallcceu em Madrid de um cancro na lingoa
o Duque de Ahumada : era do partido conser-
vador e ofllcial distincto desde a guerra da
independencia lendo oceupado logares dis-
tinctos nos concelhos dacora e no parla-
mento.
PORTO 1." DE JIMIO.
A parle mais nolavel da nota dirigida a Mr.
Gui/;t por o General Casa Ministro dos Es-
lados Unidos em Paria a seguinte :
O Governo Americano nojulga ver-
dale que as altas potencias cunlraclantes ti-
Folhas al 21 de Maio. Cm projeclo ap-
presentado pelo deputado (uihert deu o alar-
ma a todo o Congresso : prope a admissio
dos algodoes estrangeiros com certos direilos.
Apesar de pedir o M. da fazenda que o depu-
tado relirasse o projecto foi esle tomado em
consideraco por 74 votos contra 36.
Para neutralisar a impresso que havia do



i
fazer nos depulados c oloresses calales : o c fortificar no bcm. Nao menos temos agra-
deputado Mata inlerpellou o M. da fazenda se!decido a Deus a continuado da paz ti esta ca-
tinha proposito de formular algum prbjecto pilal, cujos habitantes teem dado provas de
sobre este vilaUssumplo e ein que epocha o
appresentaria respondeu o M. Ulrraativa-
hom sonso mansido e obediencia as leis e
podem servir de modelo para a prosperidade
mente e que a poclia dependa do seus col- .Jesle valo imperio
. Estes nossos sentimentos, meus caros ir-
Isto foi na sesso de 20 : na de 19 havia-se maos, nos desejamos manifeslar-vos e ora
lido o parecer da comniisso continuando ao! o laxemos tanto mais voluntariamente, quan-
minislerio o voto de conlianca para fazer asi lo nos persuadimos que vos os parlliaes com
modiicacoes convenientes as pautas. O de- nosco; e, se nao fosse a conianga que em
nuthdo Silva se oppoz. s depositamos cabalmente justificada pelo
Passou nos Depulados a lei dos 100 milhes vosso comportamento na conjunclura actual,
de reales. noS vos diramos aqui alguma colisa de mais
A BelagAo de B-trceUna nao approvou que', particular ; nos vos tragaramos. abrinJo os
se sobrestivesse na causa da Juncia de vigi livros sanctos e tolheando as vidas daqueljes
incia e mandn continuar as diligencias
judiciaes.
Em muilas provincias eslo apparecendo
partidas de bandidos que roubfio e assolo.
O Vigario capitular de Cadix foi condomna-
do pelo Tribunal de Granada a um annode
deportaco a dez legoas de Cadix por se recu-
sar a mandar 1er as missas conventuaes a
conleslaco do governo Allocugo do Papa.
O fiscal pedia a pena de degredo perpetuo com
occupagAo das temporalidades.
ai:uupai' O jurado absolveu por o votos contra 1um j urna dominac3o temporal, elle r<
artigo da Folha volante que principia Bil- natureza do imperio que vinha e
bau I.d'Abril econclue tal a lber- sobre aterra: Nao he deste
dade dos despotas que nos domi&o O ar-
tigo fra denunciado em nomede /.urbano.
Folhas at 26 do Maio Havla modifica-
go no Ministerio. Foi encarregado interi-
namente da Fazenda Valde, antigo Intenden-
te de Porto Hico e Reputado das Constiluin-
tes. S. Miguel foi encaregado interinamen-
te da pasta da Marinha. As Cortes parece se
io addiar por alguns das em quanlo se ulti-
mavo os arranjos ministeriaes.
O Regente accompanhou a ProcissAo de
Corpus Christi ; Icvava a cruz do Pronuncia-
ment de Selenibro e ia accompanhado de
todas as notabilidades militares que havio na
Corte. A Rainba e Infanta estavo as va-
randas das casas da Cmara.
[ Do Castellano de 24 de Maio. ]
Hontem tarde fallou-se d'um prximo
pronunciamenlo nesta corte para ser procla-
mada a Conslituico de 1812. Dizia-se pu-
blicamente que se daria o rito na praca dos
touros e que generalisado o pronunciamen-
to haveria junta e todas as de mais disposi
^oes do costume. Ouvimos que as authori-
dades tomrao varias disposges a fim de o e-
vilarem entre eutras o terem reunidos va-
rios corpos da guarnicao. A final passou-se
o dia sem que occorr. sse novidade alguma ,
porm hoje contina a mesma inquielagAo e
a primeira perguntaque todos fazem unsaos
% outros quando se eucontrao na ra : que ha
* de pronunciamenlo ? Alguns assegurao que
licou transferido para o dia 13 do prximo
Junho. _
(P. dos P. no Porto.)
JNTERIOH.
RIO DE JANEIRO.
PASTORAL.
1). Manoel do Monte Rodrigues de Araujo ,
por merc'. de Deus e da Sancta S Apost-
lica Rispo do Rio de Janeiro do Conse-
Iho de S. M. o Imperador, seu Capel lao-
Mr Commendador da Ordera de Chrislo,
&c. &c. d'C.
Ao Clero da Corte-e Provincia do Rio de Ja-
neiro graca e paz da parte de Deus Padre
e da de Nosso Senbor Jess Christo.
S Contristados pelos lastimosos acontecimen-
los que teem alterado a ordem e a paz publi-
ca as provincias limitrophes um motivo
todava e sem duvida bem forte de consola-
co temos nos tido sabendo que a desor-
den) nao penelrou antes recua diante dos li-
mites desta provincia confiada protecgAo do
glorioso marlyr S. Sebastiao ; e se nos movi-
inentos criminosos havidos n'essas provincias
teem apparecido alguns dos nossos irraSos ,
esquecidos da missao que recebera lo divino
autor e instituidor do sacerdocio misso de
paz 6 de salvaco para as almas o clero do
Rio de Janeiro se tem conservado fiel sua
vocagAo e absolutamente estranho polti-
ca. Nos temos, meus caros rmSos na hu-
mildad* de nosso coragAo c as nossas fracas
oraefles agradecido a Deus, de quem dima-
na todo o bem este singular beneficio ; te-
mos na sua presenca deplorado um escndalo
que pela solidariedade do sacerdocio reca-
be sobre lodos nos e nao cesamos de ro-
par Ihe que em sua misericordia se digne de
retirar a unsdo mal e a outros de conservar
vares sanctos que nos preceder* na carreira
do ministerio de que somos incumbidos nos
vos tragaramos, dizemos, o carcter augus
to, o espirito e as obrigages do nosso esta-
do. Aquelle que nos enviou vos sabis,
nao quiz jamis cncarregar-se de urna com-
msso temporal, conhecendo e decidindo de
um facto alheio do ministerio sagrado ( S.
Luc. 12, 13 e 14) e quando se Ihe pedia o
desenvolvimento de torga ou a manifesla
cao de outro semelhante meio propro de
recordava a
estabelecer
mundo o
meu reino ( S. Joflo 18 e 30 ), dizia e a-
crescentava para os seus apostlos os res
das naces as trala com imperio ; pelo que
vos respeita nao seja assim ; mas aquelle
que entre vos c o maior, seja como o menor ,
e o que governa como o que serve > ( S.
Luc. 22, 25e20). Um ministerio, por
tanto, um servigo todo de fraternidade, de
docura de paz de caridade e que s se
encaminhe ao bem espiritual daquelles que
Jess Christo nos entregou ao apartar-se des-
te mundo este o carcter, este o espirito do
sacerdocio christAo. Nao foi de utra ma-
neira que obraran os que nos precedera no
sagrado ministerio e cujas memorias esto
em bengo ; s para Deus existindo e para
trabalharem na propria e alheia sanlificacSo .
e esquecendo inteiramente este mundo, seu
poder, suas honras e suas riquezas; um
Francisco Xavier, um Vicente de Paulo um
Francisco de Salles e tantos outros que nun-
ca acabaramos se os qnizessemos agora c-
numerar.
Mas nSo he isto necessario ; pelo vosso
actual comportamento que tanto nos tem
consolado nestes dias de infelicidades, vos
lendes mostrado, meus caros irmSos que
sabis a que escola pertenceis. lima s re-
commendago vos faremos e, que, as
es taces e homilas ao povo que sois obriga-
dos a fazer pelo vosso officio pastoral, nao
cesseis de repetir e de affervorar ou em as-
sumpto particular, ou fazendo-o entrar na-
quelle de que vos orcupardes, a obediencia
que devida aos supremos poderes do esta-
do ; a S. M. o Imperador o Senhor D. Pedro
II.; aoseu governo s leis emanadas da as
semblea geral e a todas as autoridades legti-
mamente constituidas. N'isto nao farcis se-
n3o insistir em um ponto essencial da moral
christ que he urna forte garanta da ordem,
da paz e da prosperidade geral e por isso
lo alta e claramente inculcado pelo principe
dos apostlos : < Sede dizia elle, sub-
missos a toda a sorte de pessoas por amor de
Deus ; seja ao rei como a soberano seja -
quelles que elle enva para governarem....,
porque assim he a vontade de Deus ( S.
Pedro 2, 13, lie 13.)
Em quanlo ao mais meus caros irmaos ,
conduzi-vos como at aqui; sde applicados
ao vosso ministerio e somente a elle ; e vos
alcanzareis alem de outros bens aquelle
que est cima de todos, qual he vossa bema-
venturanga no dia da vinda do Senhor :
lieatus He servus, quem cun venerit Do-
minus invenerit ita facientem.( S.-Imc.
12, e 43.)
E para que chegue a noticia de todos ,
mandamos que a presente carta pastoral seja
lida estago da missa conventual na forma
coslumada. Dada na residencia episcopal da
Conceigo sol) o nosso ignal e sello das nos-
sas armas, aos 24 de junho de 1842. E eu
o conego Joze Antonio da Silva Chaves Se-
cretario do Rispado a subscrevi.
| MANOEL BISPO CAPELLAfl-HB.
fJ# S. Chaves.
Pastoral que V. Ex. Revm. foi servido man-
dar publicar, exhortando ao clero da corte e
provincia do Rio de Janeiro, na forma cima
declarada.
Para V. Ex. Revm. ver e assignar.
ciado as diversas phases da nossa historia pol-
tica e social, ou havor totalmente esquccido o
j.assad anda lo prximo para ignorar a
que fim tende a revolta do Sorooaba c Rarba-
eena quaes os desejos dos revoltosos. Os
iliefes sao homens conhecidos ; os principios
<|uc propalan) s3o os meamos de que sempre
se servirn) qur no governo quer na op-
posic&o 5 poique entAo simularlo olios sen-
lmenlos que nao professam principios que
iiAoadaplum? Porque hastear a bandeira da
inonarchia nq campo da revolta quando os
desejos dos chefes revoltosos sao destruir a
inonarchia e entregar este bello paiz mais
desenfilada anarchia em que fazem consis-
tir o governo republicano ? A todos os crimes
eommettdos querem os republicanos junlar
o vicio da hypocrisia como-so ainda fosse
lempo de fazer-nos acreditar em appar^ncias ,
como se nos nao fosse licito estudar os fados
para comprehendermosos planos d'esles re-
generadores que incendeiam e matam em
nome da lib rdade !
A reforma do cdigo do processo a crc-
ago do concelho de estado a interpretagao
do acto addicional sao as causas que segun-
do os revoltosos, os obrigaram a tomar ar-
mas contra o governo. Vejamos al que
ponto essas causas podem justificar o atten-
tado dos revoltosos : mas anles de tudo ,
conven) ponderar que o chefe dos revoltosos
o padre Feij e que no segundo plano repre-
sentam o padre Alencar i> padre Jos Rento,
o padre Marinho, Ottoni, e todos os mais
que seguiram o ex-regente em seus desatinos
governativos s5o individuos lodos solidarios
dos principios do padre Feij que os defen-
dern) e sustentaran) quando o estadista do
inslincto nos governou.
Vimos entAo com espanto esse despola de
batna com prelenges cromwelcas cen-
surar o corpo legislativo por nao sanecionar
seus disparates, por tr ousado censurar seu
governo prfido! Quamm em que occasiAo
respeitou esse padre a constituigAo do impe-
i nos mais graves negocios & ouvir o concelho
de estado c a prova mais forte da nao exis-
tencia da POaccO ii oral que agora mesmo ,
quando forcejum por abalar.imperio os revol-
tosos de Sorocaba e do Barbwna o Impera-
dor ainda se nao Uignou ouvir o seu concelho;
todas as medidas tem sido tomad js pelos mi-
nistros. Onde est por tanto a eoaogSo : onde
,i olygarchia ? nem por sombra existe.
Conl'essai-o explicitamcnle : pesa-vos a au-
loridade imperial no IJrazil; j nao podis for-
mar essas camarilhas cuja continuacao que-
ris em vez de conceibo de estado: queris as-
pirar ao mando supremo boje oceupado peto
Senhor D. Pedro II ; sabis que o tbrono im-
perial tranca-voso caminho da ambiguo e da
intriga e por isso incTtidiaes mataes je-
volucionaes provincias estancaes as fonles
.la publica prosperidade para, sobre ruinas
do tbrono e da nagAo algardes vosso domi-
nio sanguinolento e feroz vosso governo re-
publicano....... nao a anarchia de que s is
sacerdotes !
Estaos Iludidos! Os Brasileiros'querem
monarchia constitucional e representativa :
elles a lerAo a despeito de vossos esforcos.
Deus protege o Brasil co Imperador. Vi-
va o Imperador Viva a integridade do im-
perio
( S. da M. )
DIARIO DE PBHNAIMO.
0 ylK Ol'EIIKM OS REVOLTOSOS.
E ncoossario $r myope nao tdr presen-
rio quando encontrn elle obstculo em
suas mais imperiosas disposiges aos seus de-
sejos eminentemente revolucionarios e ins-
tinctuaes ? Qual foi o artigo que elle nAo vio-
ln desde oulubro de 1835 at setembro de
1857 ? E entretanto esse mesmo padre
e seus apauiguados que hoje se erguem ven-
gadores da Conslituico e lomam armas ,
porque dizem que a lei de interpretagao a
reformou Hypocritas zombam da consti-
tuigAo desprezam-a quizeram revolucio-
nariamente substituil-a pela de Pouso Ale-
gre e boje com zelo pharisaico se rehol-
lan) contra a lei que acaboo com a anarchia
das assemblas provinriaes! Essa lei est
julgeda pela nagAo e nao terAo os facciosos
de Sorocaba e Barbacena bastante torga para
contrariar esse julgamenlo. A interpretagao
do acto addicional salvou a centralisagAo do
imperio, salvou a cora ameacada de s<*r es-
bulbada de suas prerogalivas pelo modo por-
que as assemblas provinciaes entenderam
sua aleada.
Refrmaram-se algumas disposiges do c-
digo do processo criminal, isto he procu-
rou-se fazer mais eflectivas as garantas do
cidado brasileiro, entendeu-se que as for-
mulas indispensaveis para o descobrimento
da verdade no crime nAo deveriam estender-
se e ampliar-se apunto, qne n'cllas encon-
trassem os criminosos meios deevadir-se
justa punigAo das leis ; porm Feij e seus
consocios que nao querem que no paiz se
firme a autoridade que almejam pela de
sordem pela immoralidade publica nAo
pdem soffrer a reforma do cdigo do processo
criminal. Entretanto o mesmo Feij e seus
amigos nunca se importaran) com esse cdigo,
iesacreditaram-o violaram-o pediram sua
reforma e por autoridade propria o reforma-
ran) de um modo desptico, sanecionando em
seus decretos violencias de mais de um ge-
nero. SAo elles os mesmos que agora to-
man armas para combatler a lei de 3 de de-
zembro E'mais um pretexto mas tAo ftil
como o outro.
A IqLdo concelho de estado he o terceiro
pretitoT Dizem os revoltosos : Com o con-
celho de estado crcou-se urna olygarchia que
prende o coage a autoridade imperial que a
conslituigAo creou livre. e nos queremos
libertar a cora d'essa coacgAo. Que zelo pela
coroa E sois vos os defi nsores da cora vos
que quizestes, c ainda queris arrancar-
Ihc todas as suas prerogalivas vos que a
desejaes despida de todo o prestigio e re-
duzida a um simulachro vo e impotente ,
a um instrumento de vossos crimes Dizei-o
a oulres, que nAo a nos que vos conhecemos.
Um concelho de estado consultivo nunca foi
embarago a authoridade a quii elle dado
o Imperador nao nunca obligado mesmo
O Governo receben parlicipages da Boa-
vista no dia 50 datados de 17 de estarem
dispersos os sediciosos do Exu: mal que sou-
bero os taes turbulentos que de todas as par-
tes Ihes io dar caga ', debandaro-se e pro-
curaro refugiar-se. Caldo pois mais esta
esperanga dos nossos patriotas por excellencia:
que fatalidade O Livio principal agente
c da sucia e malreiro veterano homisiou-
se em Caranhuns. He um lobo, quefugio
aos gritos dos cacadores e est a espreila do
occasio favoravel.
Naosabcmosqual dos dousassassinatoscom-
meltidos a semana passada he o mais es-
candaloso pela insolencia dos assassinos ;
mas sem duvida nenhuina o requinte de ci u-
eldade com que foi comellido o desse pobre
escravodo Sr. Navarre o loma muito mais
lionivel do (|u o outro Para nos desabo-
naren) peante as naces < ivilisadas para
nosapresentarem face do mundo como um
povo brbaro baslavo os assassinios re|>e-
tidos todos os dias, commettidos com preme-
ditagAo e sangue fri ; Mas he forcoso que
sejamos conhecidos nSo s por barbaros,
orno tambem por crueis \ que fagamos es-
quecer os notnes de horrivel celebridado* de
todos os monslros que nos tem precedido !
NOTICIAS ELEITORAES.
Temos tido notii as de diversas parecidas da
provincia ; mas nem una lista de Eleilores.
No Cabo houvera algumas desagradareis al-
terages na occasia de se formar a Meza. No
Bom-Jardim o Juiz de Paz declaroti-se coac-
to : assentou que era urna potencia ; a Meza
chamou o supplente e baldou-lhe os inten-
tos. Em Nazarelh tambem o Juiz de Paz do
sua auctoridade suspendeu os Irabalhos Elei-
toraes e retirou-se. Verifica-se o quedsi-
mos sobre Iguarass. O Pa.-ocho com o Juiz
de Paz do Buique dividira as eleiges desta
freguezia em duas partes assignando um dia
posterior ao 24 para as de Alagoa de baixo .
cuja erecgAo em freguezia ainda nao eslava
effectuada. De Ina Agua-preda e Tijucu-
papo acabamos de ter noticias que dAo por
concluidas as eleiges em tranquillidade. No
dia 28 as do Rio formozo maicliavo sem
novidade.
KACTOS DIVERSOS.
Quinta fe ira da semana linda pelas 7 ho-
ras da noite na ra da gloria um assassiuo
cavallo matn a Joaqun) da Silva Castro com
um tiro ile pistola disparado a queima ron
pa. Diz-se que osse desgranado tinha mu-
tos inmigos, e devia algumas dessas dividas,
deqne ninguetn jamis se julga pago pilas
vas ordinarias. A polica prendeu um mi-
jeito que Ihe pareccu rhdiciado nesle assas-
sinio.
He falso o boato da mortc de um carpin-
teio no becco das barrenas : temos a certe-
za de que o homem, graeas a Dos, est vivo o
sao.
A 29 do passado de bordo do cales Espe-
ranza do Bebribe fondeado nesle porto ,
:ahio ao mar o marinheiro Joze CacilLas, ein
consequenca de um accidente epilptico o
nao appareceu mais.


>
__No da 24 do passado appareccu na cs-
liaJa de Apipuros um escravo doSr. Navar-
,.c quasc moribundo de bordoadas que Ihe
davio dado em uma casa : havio-lhe rapado
anteriormente a cabega e dado-lhe uina lior-
rivelsurra,
. A policia tem ltimamente felo unta
rande colbeita de ladi oes de escravos os
quaes se vfio denunciando uns aos outros: pa-
rece que j passo de 8 os presos e indiciados.
__A muilosdas dizem rodfio noite
no paleo do calino dous vultos que se. fazem
suspeitos; o que lern intengoes sinistras a res-
pedo dfl um morador daquelle pateo c que
andou fazendo concilages ah por fora.
VARIEDADE.
tarta do letrado de Miranda ao Barbeiro.
Meu Mstre. Quando se tracta de Elegcs
nao ha Pai por filho nern fillio por pai. Cada
um trabalha primeiro para si, depois para
quedes que o posso ajudar a fazer boa figu-
ra. Os publicistas e moralistas eango-su em
declamar que una Nago quando nao sabe
eleger os seus representantes nao digna de
ser livre c que se deve observar qual a
tendencia dos povos para estas ou aquellas
pessoas e ir com ellas para que a eleigo se-
ja o mais conforme possivel, senfio ao vol
geral daNagao,pelo menos ao voto da matara,
para que segundo as leis e no toro da consci-
encia a eleigo seja valida e valido o que dc-
cidirem os Deputados.
Meu Meslre em todas as nacoes ha..Gene-
raos de banca que risefio batalhas ataques
de pravas intrincheiramentos marchas e
contra-marchas cousa pasmosa mas vin-
do execugSo acho que o seu lempo fora
empregando todos os recursos e collocando
as cousas nos locaes que no momento se tor-
no de primeira e absoluta necessidade. Pois
moralistas! isso mesmo urna miseria! es-
os Sis. sabem acconselhar o justo e hones-
to e clamfio elles com os olhos no Co, e to-
rnando a sua pitada de esturrinho chcios de
sulficiencia nao se deve fazer mal, nem
que seja para vir bem ; mas ludo isto seria
muito bm se esto pobre mundo nfio formi-
gasse em velhacos que sombra das theor-
as vAo svu caminho calcando leis theorias
e moral.
Ora Mcatn;, querer governar pelas re-
gias da moral era metter a creanga as
mos das bruchas. A poltica va i seu cami
nho so solada vea moral faz-lhe urna
cortezia muito grande tributa-lhe respeito
diz-se sua devota e apaixonada mas fica lu-
do nisto ella vai o seu caminho e o seu
caminho tortuoso doble, hypocrita, men-
tiroso deste caminho nunca ella se alasta ,
so no caso de ver que a moral vai de accordo
com ella ; entfio abraga-a agarra-se a ella ,
e so a laiga quando nao llie ja necessaria.
Fazer Eleiges consultando consciencio-
^samenle a vontade do Povo isso seria a
planta mais extica a cousa mais rara e no-
va que nppareceria no mundo. Nao houve
pouvo algum antigo ou moderno que vis-
se similhante cousa a vontade do Povoesl
na boca e as mfios dos traficantes e bem
poucos sao os que nao trafico nesla fazenda
de Eleiges. A salyacfio da Patria o bem
estar do Throno a independencia nacional.
a consolidado da Lei fundamental emfim
todos os grandes palavres e gurrado palavria-
do se emprega por todos os Partidos e cores ,
e mu poucos sao os que sabem atinar com o
que convem.
Equando um part Jo voq' oontrotem mais
reeursosmaissympathias,maismciosde vencer,
ento e so entfio que o partido contrario e
que teme ser vencido., Ihe falla em moral ,
li.e langa em rosto traficancias Ihe exprobra
falsilicages e toca a rebate contra ludo o
que esse partido receoso de ser vencido ,
tem feito e praticado. De sorte Mestre ,
que os mesmos e mais mesmissimos meiosde
vencer quaesquer que elles sejo so sfio
immoraes no mizo do partido vencido e es-
te mesmo partido vencido as partes em
que triumpha chama justos sanctos e ho-
nestos os recursos que empregou e que sao
os mesmos e mesmissimos que classilicou de
immoraes nos circuios por onde os oppostos
vencerfio.
Estas gritaras estes alaridos estas m-
precages j esto to ouvidas tcm-se re-
pelido tantas vezes e o povo ja est to eos-
turnado a esta algazarra e calumnia que diz.
Quem os nao conhecer, que os compre .
I,a foi a voz do Povo inglez consignado na
Peligo monstro levada ao Parlamento com
tres milhoes de assimaturas e conduzida em
Iriumphn por 8 homens e accompanhada de
milhares de obreiros com bandeiras te. ; e o
\lwdao
Parlamenlo recebou-a ; foi defendida im-
pugnada c no fim os legisladores nfio pude-
ro acceder aos principios exagerados na pe-
lgo.
Ora Meslre para que mais de 3 milhes
de inglezes assignassem esta potigo quan-
tos meios justos docentes c honestos se cm-
pregro quantos toneis de eerveja se esgn-
trao e quanlas mil libras se ospalhrfio '.
E para que ? p.-.ra versos principios repu-
blicanos se radiefio para ver se os radicaos
vem ao Poder Isto em toda a parto c o mes
mo : a sen ha o sancto a palavra de or-
dem eacontra-senha o Povo masoqne
verdade real o que se segu : larga as pas-
tas que as quero eu por mimo !
E tanto isto Meslre exacto que se os
Republicos ehegassem ao Poder, j se agonia-
vo com poligOes assignadas ja nao digo por
3 milho-s do individuas basla 20 mil assig-
naturas Governar e comer eis aqui o que
quer a maior parte da gente. Barriga e ga-
veta eis aqui Meslre o Dos a le i o
Re, o svstema representativo de grande par-
le dos Espadistas de todas as nages. As es-
tradas sodiversas ascarroapens sao dilTe-
rentes, mas o fim da viagem semprc o mes-
mo. Barriga e gaveta p
0 Governo que hojo nos dirige apesar do Manteiga
que dizem os seus adversarios honesto o ,
decenio : o seu primeiro dever sustentara
sorte, que nem a20d. por 1>
ha quem saque sobre Inglaterra .
e sendo este paiz O termmetro
das operages de cambio, nfio
houverfio durante a semana tran-
zages sobre paiz algum. Os me-
taes preciozos sao procurados e
aparecem mais compradores que
vendedores.
Continufio a ser diminutas as
entradas, c o prego he nominal
a (ijOOO a .
(ssucar = Houvero algumas entradas e
o mercado tornou-se mais franco
lendo-sc feito vendas a 700 por
ro o ferro.
= Sfio procurados a 1 13 rs. por Ib.
O depozilo anda por cerca de
1200 barricas e tem-se vendido
deT.'iOO a 8.)000 a retalho.
Carvfio de Podra = Vendeu-se a 2G> a to-
Fariohade Trigo = Enlrarfio 1300 barricas
em dous navios com as quaes
subi o depozilo a 2300 em pri-
meira mfio. A Americana nova
vendeo-se a 20., e a velha a 18,*
a barrica.
A Ingleza vendeo-se de 001 a
010 rs. a Ib. ea Franceza con-
00 reis a dla.
Couros :
Oacalho
tinua a
Carta Constitucional, o Throno da Rainha ai Massas = Vendeo se a 5^00a .
ordem publica e promover a consolidaco Papel Almaco = I. so. te dem a 0|iuu
*tZ32ttZ'* .-evolugo, a | Dito tonco ^"iScm a 2;000 a diUa.
anaArZmasSexigenciasPinjustas e abusivas Vclasde Espermacete =^e, e^0 a^OO
e offereccr nagfio um estado de cousas fixo J< mer" '
seguro que de a lodos os Cidadfios garantas entementc suprido.
p nnscrpdores internos e externos seguranga >
S^^^a. que recorra mais estrei- Conferirn durante a semana nav.os
ta economa ; pois que so assim pode resta- para fora do fonmo-. Co.
belecer-se o nosso crdito, e pode tornar-se ^H1 P0^
a janhar a confianga externa e interna quasi ra p8M de Wf^
Miguis, Dr. Felippe Lopes Netto Dr. An-
tonio Joaquim de Moraessilva, Luizda Va-
ga Pessoa Joze Pereira Vianna. ForaOdes-
pensados -- Nuno Mara do seixas, Antonio
Joaquim de souza Rbeiro, Francisco de Pau-
la Gomes dos santos. Antonio Luiz Gongal-
ves Fcrreira Joze Francisco Pinto Gmma-
res, Jofio Bernardioo do Yasconcellos .Joa-
quim Francisco de Mello Albuquerque, irn-
cisco da silva Santiago Jnior, Antonio A-
velino Fcrreira Copes. Foi eliminado Mano-
el Francisco de Paula Cavalcantee Albuquer-
que. ForaO multados no grao mnimo Jofio
Corroa de Araujo Francisco Xavier da Mol-
la Joaquim Xavier Vianna, Luiz Antonio
de Moraes. ForaO chamados e serviraO na
dila sesso Dr. Antonio Vicente do Nasci-
mento Fetoza Br. Jofio Floripes Dias Bar-
iclo Dr. Manocl Jozti Pereira de Mello, Br.
Antonio da Assumpgfio Cabial, Jofio Valen-
(im Villela Antonio Ferreira d'Annuncia-
efio, Coronel Joo Francisco de Chaby Ma-
noel Florencio Alves de Moraes, Joaquim
Claudio Monteiro, Dr. Joaquim d'Aqumo
Fonceca Luiz Gomes Ferreira Joze Joa-
quim de Olivera Antonio Pedio das Neves ,
Justino Pereira de Faria Francisco Antonio
de Olivera Onofre Joze da Costa Theodo-
ro Machado Freir Pereira da silva. E para
que chegue a nolica daquelle a quem con-
vier mandei lavrar o prsenlo, eser publi-
cado pela mprensa. Rccife 14 de Julhode
1842. = Joze Afongo Guedes Alcanforado ,
Escrvao o esciev.
Joaquim Nunes Machado.
janhar a conlianga exierua unc na quasi
perdida. Eis a missfio do Governo e por
isso seu devpr procurar todos os meios para
alcnngar este fim.
O Governo faltara ao seu dever seria
mesmo um Governo mu e inepto so nao
procurasse ter no Parlamenlo urna maiona
respeilavel que o sustentasse e defendesse nes-
ta tarefa importante Exigir do Governo que
chame a Corles os seus inimigos encarnigados,
esses homens que querem urna rovoluco to-
dos os mezes os Intrigantes os ambiciosos ,
os homens que hostilisrfio a causa que o
Governo defende querer a Carla o nfio
querer a Carta ; querer Governo e nfio
querer Governo finalmente andar caga
com um foro morto.
E' Mestre necessario fiscalisar as ren-
das publicas ; cobr-las por um svstema sim-
ples e pou.o dispendioso acabar com as con-
tadorias com a agiotagem^/com o commis-
sariado com os grandes ^Estados maiores ,
com as inuteis repartigoes do Arcenaes c fun-
dieres : r.ecessario livrar o Governo da tu-
lpia soberana do Tabaco da Conlianea do
Banco e do chamado Crdito Nacional : o
necessario alliviaro Povo dos muitos tributos
que nfio pode pagar: preciso pagar aos Em-
pregados pblicos aosEgressos, as Frei-
rs aos Pensionistas : preciso acabar com
o contrabando e animar a agricultura a
industria as artes e o comercio do Paiz .
E pode o Governo fazer ludo isto chamando
aos destinos da Patria os hmens que sfio in-
teressadosnacontinuagfio destes llagellos os
homens que se tem enrequicido custa do
suor do Povo P os homens que nogoceifio com
o contrabando? os Agiotas os com i loes.
Pode o Governo'alcangar ludo islo chamando
aosconselhos da nagfio os homens que que-
rem B. Miguel a inquisigfio as Torcas P os
homens que querem Repblica desordem
permanente anarchia perpetua ?
Mestre voto meu nfio pilha esta gente ,
quero caras novas gente cujas habilidades
eu ainda nfio conhega. So formos a urna ,
como vai o burro do moleiro a atafona j se
nos entretemos com satisagOes com tran-
sacoes com contemplagOes entfio e me-
Ihor deixar-nos disto e appellar para o ma-
nifest doSaraiva, cuie o Evangelho dos
Miguelistas o dos renegados os quaes para
sevingar nfio tem duvida dedizer- Morra
Sansoe todos que aqui estao Qod Deus
avertat O Letrado de Miranda.
xas de assucar 12 lechos dito ,
180 barricas dito, 1-410 couros
salgados 2000 meios de so!a e
vaqueta.- Valor 10:4ll.vl20
Cabo da Boa-Esperanca = Barca Ingleza lla-
milton 21.'0 barricas com assu-
car, 80 saceos dito, 220 Ib.
doce 20 meios vaquetas. = Va-
lor 28:748*170.
Lisboa = Palaxo Portu;uez Paquete da ler-
ccira.
80 caixas )
9 fechos ) Assucar.
134 barricas)
32 Ib. Boce.
14 taboas de amarello. = Nalor
Rs. 8:272^24i.
Hamburgo = Brigue Binamarquez P. C A-
melia 228 caixas I fechos, 105
barricas com assucar, 3:120 chi-
lpes, 72 lbs.de doce, 131 meios de
vaqueta, m-oeda rs. 4:054960.
=Valorrs.20:o04>330.
DECLARA CAO.
= O Arsenal de Marinha tem de con trac-
lar no da 1." de Agosto prximo pelas 11
horas da manha, os fornecimentos por lem-
po de dous mezes dos seguintes objectos :
arroz feijao vinagro toucuho o baca-
Iho ; as pessoas a quem convier fazer o for-
necinionto de qualquer destes objectos sao
convidadas pelo Sr. Inspector comparecer
em dito da e hora, com assuas propostas.
Secretaria da Inspecgo do Arsenal de Ma-
rinha de Pornambuco em 28 de Julho de
1842.
Alexandre Rodrigues dos Anjos,
Secretario.
AVISO MARTIMO.
COMMERCO.
MOV MENT DO PORTO
NAVIO SAIIIDO NO DA 20 DO P.
Porlos do Norte; Vapor Brasileir* Paquete
do Sol commandante Mathias de Barros
Valen lo.
dito no da 30.
Hamburgo 5 Brigue Dinamarquez Princeza
Corolina Amalia Cap. John Bentzon ;
carga assucar.
EDITA L.
MUCA DO RECIPE 30 DE JIMIO DE 1842.
Revista Mercantil.
Cambios As noticias particular viadas
da corte de ter de entrar na cir-
culacao maior numero do not-
tas, desanimou os sacadores de
O Dr. Joaquim Nunes Machado Juiz de Di-
reilo da I. Vara do Crime na comarca do
Becifc ,- por S. M. I. que Deus Guarde te.
Faz saber que tendo convocado a I. ses-
sfio ordinaria dos Jurados para o dia 28 Je
Junho as 0 horas o addiada para o da .1U do
mesmo mez por nfio haver comparecido nu-
mero legal e ser preciso notificarem-se ou-
tros Jurados : dos Juizes sorteados compare-
crfio AnlonioDorncllas Cmara, JooCa-
valcante de Mello Albuquerque Jofio Fran-
cisco Duarto Antonio Teixeira Lopes J-
nior Vicente Joze do Biito, Jofio da Silva
Santos Joze Rebollo Padilha Bruno Anto-
nio de Serpa Brando Bento Joze Fernandos
Barros Francisco Anlonio das Chavas, I no-
maz de Carvalho Soares Brando Joze Pinto
da Motta, Bernardo Joze Martins Pereira-,
Francisco Joze da Silva Joaquim Canuto de
Fkuoircdo, Joze Biogo da Silva Caotano
da" Costa Moreira, Br. Jernimo \illcla de
Caslro Tavares Joze Mara Freir Gameiro ,
Coronel Joze de Barros Falcfio, Antonio Gon-
,-ilves Ferreira, .lezuino Joze Tavares Joze
dos Sanios Nunes de Olivera Maximianno
Francisco Buarte Miguel Felino da silva ,
Canuto Joze Vcllozo da silveira Francisco
Joze silvira Joaquim Elias de Moura Felis
= A barca Temeraria sahe impretervel-
mente para Luanda com escalla para Ben-
guella no dia 3 de Agosto ; roga-se aos srs.
carregadores de levarem inmediatamente
os conhecimentos ra da Cruz n. 37.
= Para Montevideo segu viagem com to-
da brevldade o brigue sardo Mara muito
velleiro e forrado todo do cobre ; quem sel-
le quizercarregar ouhirde passagem para
0 que tem excedentes cmodos : dirija-se aos
seos consignatarios Mondes A Olivera ra
do Vigario B. 13.
= Para o Aracal^ segu viagem a soma-
ca Estrellado Cabo tem parto de seu carre-
gamente pronpto e purtende sahir a 17 de
Agosto; quem quizer frotar dirija-se a Ma-
noel Joaquim Pedro da Costa.
Cir Freta-se para Hamburgo ou qualquer
outro porto da Europa o velleiro o novo
Brigue inelta CapitfioH. W. JacobSon de
lote de 180"tonel. forrado e encavilhadode
cobre : os pretendentes dirjo-se aos consi-
gnatarios Me. Calmont & Companhia.
ssy Para o Cear pretende sahir com bre-
vidade o Brigue Impreza. recebo passageros:
a tratar com o capitfto Francisco Ferreira Bor-
ges na ra da Cruz.
EF- Para o Rio Grande' do Sul, sahir
por todo o presente mez o Brigue Paquete do
Pernambuco tem os melhores commodos
para passageiros e recebe escravos a frele ;
quem pretender qualquer das couzas enlen-
da-se com Leopoldo Joze da Costa Araujo,
no forte do mallos casa da quina da ra da
Lapa no segundo andar.
s^* Para a Baha segu viagem ate o dia
8 do correte o Brigue Escuna Bcija Flor,
forrado e eneavilhado de cobre e de muito
boa marcha pode ainda receber um quarto
do seu carregarnenlo assim como para pas-
sageiros offerecc excedentes commodos ; os
pretendentes dirijo-se a Firmino Joze Felis
da Roza : na ra da Moeda n. 140.
VST Freta-se para qualquer porto do Im-
perio o Brigue Escuna Bella Marida forra-
do de cobre e de boa marcha : quem o pre-
tender dirija se a Gaudino Agostinho de Bar-
ros na Pracinha do Corno Sanio D. 07.
tST" Para a Baha segu viagem a Sumaca
S. Bomingos torrada de cobre e de boa mar-
1 cha ; quem na mesma quser cariegar dirt-
I ja-se a Gaudino Agostinho de Barros, na cer-


4*
loza He que seguir o ufais Urde allic o .lia i
do enrente.
C5' I ara o Rio de Janeiro segu viageni
cotn todo brevidade o Brigue l.oo; quem qui-
ser carregar ou ir de passagem dirija-sc a
Gaudino Agostinlio do Jarros, na pracinlia
do Corpo Santo I). 67.
taf Para o Rio de Janeiro stfgue viagem
com toda brevidade por ter parle de sen car-
regamentoprompto, o bem condecido c ve-
le tro Brigue Rom Jess 5 para carga e pas-
sageiros trata-se com Caudillo Agostinbo de
Barros na praciuba do Corpo Santo I). (7 ou
com ucapitao Joo das Condeoas.
AVISOS DI VERSOS.
ASSOCIACAO COMMKRCI.VL.
lia reunio geral dos Socios boj ao
meio dia em ponto na sala das sessfles
da Sociedade a tim de se illeger nova Mesa
de Direcgo de con form idade com o artigii
8. do Cap. 3. dos Estatuios.
Joze Jernimo Mcnteiro, Secretario.
A Lotera de W. Senho-
ra do Rozario corre infa-
livelmente n > dia 7doc or-
rente ; os bhetes achta-
se a venda nos lugares do
coslume.
35~ O abaixo assignado avi/a os Snrs.
que tem cotilas com elle, o se algum se julgar
seu credor aprezente suas con tas no pra-
zo de o dias no escritorio do Sr. Joze Fran-
cisco Lisboa na ra da Cruz do Recife que
sendo Jegaessero pagas; assim como aviza
aos Srs. scus devedores queiro pagar ao mes-
mo Sr. Azevedoquel acharfio seos crditos
para quem os quizer restaurar : r.a mesma
caza do Sr. Azevedo se sacca para o Porto a
qn'antia do 2:000,y rs. moeda forte no Porto.
Antonio Joze Affonco.
t2J* Hoje 1. do corrento Agosto, vai a
praca do snr. Juiz dos Orphaos Carneiro da
Cunha, defronte da Matriz da Boavista 2
escellentes escravos mogos, por dividas ; e
urna grande caza envidragada quintal mu-
rado at o rio sita em Beberibe por ser a
ultima praca por 1:200.>000 rs.
=Oferece-se um portuguez, chegadoapou-
00, para caixeiro de qualquercaza : anuncie.
= Joaquim Joze de Amorim mudou a
sua residencia para a*ra da Cruz rasa n. 22.
= Precisa-sede serventes para as obras
da matriz da Boa-vista : fallar com o admi-
nistrador da mesma.
tsz Precisa-se de urna ama para gasa no
Forte do Matto a fallar na ra da Moeda por
cima do armazem de Joze Antonio da Silva
Vianna.
tsy O snr. padre Antonio Tbomaz Tei-
xeira, nueira annunciar o lugar de sua resi-
dencia n'esta praga para se Ibe entregar duas
cartas \ indas do serto.
cr Raimundo Frederico da Costa e Silva,
retira-se para o Maranhao.
cy Agostinbo Joze Fernandes Guimares
retira se para portugal a tratar de sua saude.
OT O abaixo assignado segunda vez avisa
a todas as pessoa a quem tem comprado effei-
tos para o botequim da l'nio da ra dos
Quarleis a apresentarem as suas contas ho-
je pnmeiro de Agosto alba as 10 horas da
manh pois o abaixo assignado deixa a so-
ciedade que tem com o Sr. Lourengo da Cos-
ta Loureiro.
Joze Gonsalves de Paria .
tSF" O Sr. Bernardino da Cosa e Souza ,
queira ir ou mandar buscar urna carta vinda
da Cidade do Porto : na entrada da ra do
Rangel D. 59.
tar Permuta-se urna casa na ra de Hor-
tas pertencente a Ricardo da Silva por
outrana ra dosCurraes ve!los pertencen-
te a Padre Bernardo Luiz Peixoto se as
quaes houver algum embarasso apareja no
praso deoitodias
tsr O Capitfio Joze Lopes de Carvalho ,
retira-se desta provincia, a tratar deseos ne-
gocio* neste Imperio. por isso faz o pre-
sente annuncio para conhecimento das pes-
soas, com quem tem tido transages de
que se aoha saldado em contas.
tar Boga-se aos Sn. Manoel Martins da
Silva Vianna e Joaquim de Souza Mello i
queiro procurar no trapiche da companhia ,i
cartas vindas da Parahiba, que nao forSo en-
treges por serem desconhecidas as suas re- '
silencias; assim como no mesmo trapiche se
entregar dous sacos com assucar a pessoa
queapresentar ordem de Victorino Pcreira
Mata.
tST" Izabel gandida de Carvalho Ferreira .
retira-se para o Porto a tralar de sua saude ,
com duas lilhas menores.
var Antonio Candido Augusto, c s'ia mu-
Iber Mara Candida Augusta : retira-se dosli.
provincia.
srv- O Brigue Escuna Americano R. F.
Loper forrado de cobro, e de primeira mar-
cha prope-se a seguir viagem para Loandn.
adiando de prompto o seu completo carrega-
monto 5 quem nellc pretender carregar pode
ir inscrever a quantidadede volumes na ra
da Cruz n. 57 a im de ver se convem ou
nao seguir dito vaso tal destino.
l'ILl'LAS VEGETAES E UN1VEHSAES AMERICANAS.
Estas pilulas j bem conhecidas pelas gran
les curas que tem feito nao requeren! nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo to simples que nao fazem mal a
mais tenra crianca : em lugar de debilitar ,
fortifico o systema puriico o sangue ,
augmentan as secreees em geral: tomadas .
seja para molestia chronica ou somente co-
mo purgante suave; o nielhor remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de conslipago depois de sua
operagao como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mu facis a lomar e nao
causaren) incommodo nenhum. 0 nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth agen-
te do author : na ra da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada en:
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
UT Precisa-so alugar um sobrado no bair-
ro da Boa vista ou S. Antonio : na praca da
Independencia loja n. 2.
tsr O Brigue Inglez Newburn Capillo
J. M. Wrangles arribado no porto de Na-
tal do Rio Grande do Norte com agoa aber-
ta na sua viagem de Maurituis para Londres
[carregado do assucar precisa de dinheiro a
risco sobre o casco, fete e carga, para fazer
os consertos necessarios de seguir viagem pa-
ra seu destino; quem quiser fazer este ne-
gocio queira cntender-se com os Agentes
do Capilo n'esta praga Me. Calrr.ont & C.
tsr Na ra da Roda I). 2l engomma-se
liso, com muita perfeicoe asseio tambem
cose-se costura de alfaiate e nutra qualquer
costuras com muita delicadeza, assim como
loma-se alguma negriuha escrava para se en-
sinaracoser, bordar, marcare fazer lva-
lo direilo saliindoda Roa vista ; sua aula es-
t aberta todos os dias das 8 horas da manh
at ao meio dia e das 5 da larde as 10 da
nonio. O mesmo professor tem estabelocido
urna escola de tiro de pistola, e d ligues des-
ta mesma arma por um mclhodo que facilita
a seus discpulos de tirar destrmenle em
0 ligos como as pessoas que se tem exercita-
Jo por muilo lempo, o proco das ligues lie
de 10. pagos adiantados.
tSP- O abaixo assignado faz publico, o pa
ra que ninguem se adame a ignorancia, que
o drama histrico = Catharina Alvarez Para-
guss = representado na Babia no Theatro
Publico de S. Joo ras noutesde 2 c 5 de
Julho docorrenle auno com feliz sucesso e
que ser repetido no dia 2t do mesmo mez .
e expressamente escripto pelo abaixo assigna-
do para o memoravel dia 2 de Julho, he de
sua absoluta propriedade por ser producto
sua e nao ter calido o seu manu SCrptO
pessoa alguma quer nesta provincia da Ba-
bia como fora della ; oulro sim declara que
perseguir com todo o rigor das leis quem
quer que seja que abuzar do seu direilo de
propriedade dedarago osla que o abaixo
assignado v-se na necessidade do fazer por
motivo de.suspeilas que tem de lite haverem
furtivamente tirado urna copia do referido
drama. = Rahia 11 de Julho de 1842.=Am-
brosio Ronzi.
= Osnr. CaetanoTheodoro Antuncs Vil-
laca annuncie a sua morada, 011 dirija-sc a
ra estreita do Rosario D. 17.
VENDAS.
rinto ; (udo por pceo commodo.
t3- Aluga-se urna casa na ra doCotovdo
junto ao porlo da otaria doSr. Correia, com
commodos suficientes para urna familia tem
soto bom quintal e cacimba : na ra do
Cabug loja de miudezas junto a botica.
lar Perdeo-se um par de botes de ouro .
de punho no dia 28 do corrente indo-se
pelas ras das Flores Cano paleo do Cal-
mo e ra das Trinciieras ; quem o tiver
adiado leve a ra Nova armazem n. oi que
ser recompensado.
MT Alugu-se um bom escravo cozinhei-
ro e prop'io para outro qualquer servieo : na
ra Nova armazem D. 5i.
isr A requerimento de Joze Dias da Silva
como tutor de Ezequiel Joze de Carvalho se
ha de arrematar a porta do Snr. Dr. Juiz de
Orfos d-sta Cidade a renda annual da
caza terrea D. 16 cita na ra da Gloria do
bairro da Boa vista no dia primeiro de A-
gosto do correnle ; os pretendentes podem
comparecer no mencionado dia as A horas da
tarde ; lambem existe em poder do mesmo
Joze Dias da Silva urna carta de importancia
vinda do Porto para ser entregue pessoal-
menlea Manoel Antonio do arvalho Fontes ,
o mesmo a pode procurar na ra da Cadcia
do Becife loja de ferragens n. 20.
tS" O Sr. Manoel Joze de Gouya quei-
ra annunciar a sua morada ou dirigir,-se a
ra do Queimado loja de ferragens D. 15, que
se Ihe desoja fallar.
v-s- OsSrs. administradores da casa falida
do Sr. Manoel Pereira Guimares & Compa
nbia aviso a todos os Srs. Credores da mas
sa administrada para se reunirem no dia 5
do corrente pelas 11 horas da manh no es-
critorio da adminislragona ra da Cruz no
Recife para Ibes sor patente o estado actu-
al da mesma casa.
ssy O Sr. Candido Liberato da Silva Ma-
ciel queira por bsequio annunciar a sua mo-
radia negocio de seu interesse.
ss^ Quem annunciou precisar de urna ama
de idade e de boa conducta dirija-sc a ra
da Cadeia do Recife sobrado n. 22.
tar Aubertin professor de sgrima da im-
perial escola militar d em sua casa como
em casas particulares ligues de florete e
espada por um methodoque permite a seus
discpulos de poder exercer em assalto mes-
mo que seja publico depois de 25 ligues por
prego commodo na ra do sebo n. 21 Ja-
Vende-se ou hypolheca-se a retro,
urna casa terrea de pedra e Cl nova, e an-
da est sem repartimentos internos cita
alem da ra do Mondego com quintal e ca-
cimba o fie rece proporgoes para eslabelecer
qualquer officina ou industria e ler a con-
digAo de ser na entrada geral para esta Cida-
de avahada legalmente de prximo por um
mdico valor : na ra das Cruzes no primei-
ro andar da casa da quina junio a piara da
Independencia.
ssr Urna rica cadeira nova e de muito
bomgoslo, por prego commodo : na ra do
Calderero D. 25.
tar Caixascom 200 charutos da Babia por
l* rs. : na ra do Rangel venda D. 35.
v Sr Exercicios espirituada por IWnar.Jf-e ,
Diccionarios de casos de consciencia por Eu-
zebio : na ra da Cruz 0. 18 segundo andar.
S^- Crn oseiava para fora da provincia ,
crela, de 18 annos coso bem engomma ,
ensaboa cozinha sofrivel e compra na ra
e he muilo carinhosa para meninos; quem a
pretender annuncie.
E7" L'ma escrava crela de bonita figu-
ra, de 26 annos, boa lavadeira o cozinhei-
ra : na ra dos Quarleis sobrado defronte da
loja do fallecido Aronca no primeiro andar.
do Rio-grande muilo
Linguas seecas
boas ; na ra da Praia armasem de Gtii-
IhermeSoares Rolelho.
= Caf moido c tambem se torra e moe
a rio reis no Forte do mallo na venda de
Antonio Joz Francisco de Carvalho defron-
te da fabrica de Antonio Vaz de Oliveira.
= Conlinua-se a vender os verdadeiros
pos parisienses purgativos anti-syphliticos,
anti-darlrosos e anli-biliosos ; com o com-
petente receituario reeentemente chegados
de Franga : as lojas seguintes de chapeos
no atierro da Boa-vista D. 10 de Meroz re-
lojoero na praga da Independencia, e na
ra Nova D. 5 defronte do oito da Matriz
= l'ma negrinha casanje recolhida de
bonita figura de quinze annos com princi-
pios de cozinhar e muilo geitosa para o ar-
ranjo de urna casa ou troca-se por urna cri-
la ou crioulo da mesma idade por ser para
embarcar para fora da provincia na ra da
Cadeia do Becife numero 5 primeiro andar.
= l'm sitio de trras com fruleiras e ca-
sa de vivenda no lugar de Paratibe : quem o
quizer comprar dirija-se ao mesmo lugar em
casa de Francisco Profiro Alves de Oliveira.
= l'ma escrava recolhida de bonita figu-
ra engoma coze cusinha com perfeigo,
sinco ditlas com boas habilidades urna dit-
ta mucamba recolhida idade 15 annos seis
escravos por cmodo prego um bonito mu-
lato idade 18 annos bom oflicial de lanoeiro .
um dito ptimo pagem dois escravos sem vi
cios por 820.> reis na ra de Agoas-verdes
D. 38.
tgr Sacas com farinha de mandioca de boa
qualidade e prego commodo bem como
sacos vasios proprio para dito genero : na ra
de Apolo armazem D. 13.
tsy l'm morada de casa terrea de pedra c
cal junto ao convento do Carmo e forei-
ra ao mesmo convento, por i:200.>, outra
no atierro dos AfTogadoscom os dous pitos
de taipa por 500,v duas ditas na baixa ver-
de na Capunga imbss do taipa e em chaos
proprios por 700.* : na pracinha do livra-
mento I). 3(i.
US- lina olaria bastante grande de pe-
dia e cal, com u m bom. fbrno e com bar-
ro para toda qualidade de obra : na Magda-
lena a fallar com Francisco das Chagas Caval-
canti pessoa.
S37 Um sitio na estrada do Bozarinho, com
casa de sobrado boas baixas tanto para a-
pim como para vaccas de leite bastantes ar-
vorodos cu troca- se por prqdios nesla pra-
ga : na ra da Conceigoda Roa vista casa de
Rufino Gomes.
vtar Carros de duas e i rodas com cober-
ta fi sem ella com lodos es ai icios lani-
pies &c. completos e ingl zcs : em casa
de Me. Calmont <.\ Companhia na ra da Ca-
deia do Recife.
CF* l'ma escrava de 50 annos cozinha e
vende na ra : no paleo do Hospital do Pa-
raio por cima do ullimo assoogue a fallar
com Antonio Duarte.
137" Uma boa casa terrea em boa ra, com
quintal cacimba e porlo que rende 12,y
mensalmenle : na pracinha do Livramento
D. 25.
tT" Superior vinho engarrafado da ma-
deira secco, malvasia, e de Bucellas de 1851:
na ra do Vigario n. 16.
Taxas de ferro coado e batido em bom
sedimento e oulras ferragens mais para
engenho ; superior farinha de mandioca ehe-
gada ltimamente de S. Catharina por pre-
go commodo ; e um moleque muito robuslo,
proprio para aprender qualquer officio : na
ra do Vigario n. 7.
tar Erna escrava cozinha engomma ,
cose, faz doces, refina assucar, ensaboa,
e lava de varrella, de 18 a 10 annos : na ra
de dorias I). 22.
tsr- l'm pianno inglez de superior qualida-
de chegado prximamente e urna porgo
de livros em francez : na casa da quina de-
fronte do trapiche novo.
O?* l'ma duzia decadeiras um sof um
jogo de bancas obra do Porto e moderna: na
ra da praia armazem de Joze da Silva Cam-
pos.
ssr Fin mulato mogo do bonita figura ,
official de pedreiro ; uma negrinha crela ,
muita uni>ifa a lio 1 tcnihijn ,i,. i.| annos ,
cozinha o ordinario engomma liso e cose-
e um cavallo caslanho esquipa carrega, e
em boas carnes : na ra de Agoas verdes De-
cima 12.
tsr l ns poucosde caixilhos prop ios para
armadlo de loja : na ra do Queimado I) 1.
SST l'ma beca rica e nova de selini de
macu bandada de vellido lavrado com o
seu competente chapeo de paeta da mesma fa-
zenda, para algum magistrado : na ra da
Conceigo do Becife n. 28.
5y- Cadeiras de lialanco com assenlo nha e encost da mesma marquezas de COuda-
r meza, ttt jaxtar cama de vcnl.i coM am.a-
gao cadenas com assenlo de palhiolia meiicaans,
canias de venlo muito bem leilas a tff'joo U,j ie
piuho a 5f5oo e pinlio da Suecia com ") pj|. j/adas
de srosur, dito serrado indo mais em coma do
que em outra parte ; na na da Florentina em caa
de J. Zieaiiuer.
ESCRAVOS FGIDOS.
tsy Desaparecoo no dia 27 do p. p. o mo-
leque Joo de 12 anuos vestido de cami-
sa dealgodozinhoja bastante suja cor bem
prela olhos vermelhos pos apalhelados :
que o pegar leve a ra Augusta casa de Joo
Izidro Lopes Lima quesera gratificado.
SSF- Fideles, crelo do Maranho, retinto,
encorpado vistoso, barbado ftige a 1 i do
p. p. e tem sido visto na Povoago do Mon-
leiro dizendo ler sido vendido o que he
falgo : quem o pegar leve a ra do Vigario
n. 16 que ser gratificado.
cr Fugio da Cidade da Babia em 15 do
Abril do correnle anno, do poder de seu sur.
F. A. Raulino o preto de nago Nago, de
nome Felis carpinleiro de 50 annos he
bstanle alto cor fula sem signaes no ros-
to peinas compridas e um tanto arquiadas,
andar cambbante posto que apressado he
bem fallante muilo comprimenleiroe capaz
de se intitular por forro. Ha toda probabilida-
dedetervindo para esta Cidade; porlaiilo
roga-se as authoridades policiaca a lim de o
prender e lambem aos mes tres de estaleiros
caso o lenhaoadmitido no seu traballio dejo
levar a rua da Cruz n. 27 que ser generosa-
mente recompensado.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. = 1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC0CT9P3R_ELB4AM INGEST_TIME 2013-04-12T21:48:30Z PACKAGE AA00011611_04759
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES