Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04758


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXV11
Sabbado 29
DE
He Novembrode 1851.
N. 271.
PERMMBUCO.
vacgo ba sobcripijo.
PiOMSBTO ADUNTAIIO.
por trimestre atst\; %
Por aeraestre e....... '.
Por auno.............
Pioo dikiio DuTimiiui.
Poi rjuartel.............
NOTICIA DO IMPERIO,
p..... 8 deNovbr.latlnu... :5dc
MaraobSo 11 de dito S.Peulo. Tde
Cear... 15 dedil. R. de i.. 11 de
Parablba. 21 de Nobr. Babia... 17 de
000
8/000
19/030
4fi00
otbr.
dito.
Novbr.
dllo
DlasDt aiMlITA.
AUDIEWOIA^.
24 Seg. S. Joao da Cruzl Juin de Orphios
25 Tere. 8. Jucunda v.2.e5.l 10 hora.
26 Unir!. S. Pedro Ale- I. rara do civil.
xandrino b. m. (3. e6. ao meio-dia,
27 Quint. S. Maarlda. Faada.
28 ejt. S. Gregorio III. 3. c (i. 10 hora.
Sab. (Jejun ) S. Sa-
turnino m.
30 Doni. I.' do drenlo
S. Andre ap.
aBa_Maai
2* rara do eivel.
4. e sbado ao inelo-d.
Relafo.
Terca e sab ido.
IfHMIBEllJE,
Crcscentea 30,a I bora e7mlnutoada larde.
Cbeia a 8, as 9 boras e i mi utos da t.
Mingoanlc a 16, as 7 boras e 2 minutos da m.
Nova 22, as 11 horas e 47 minutos da Urde.
m* AMA B DI HOJI
Primeira as 10 horas e 8 minutos da tarde.
Segunda s-10 hora e 30 minutos da manhaa.
PABTIDAl
DOa connrioi.
Goianna e Parahiba, s segundas e sextas-
feiras.
Rio-Crande-do-Norte, todas as quintas-reirs
ao meio dfa.
Garanhuns e Bonito, 8 e 23.
Doa-Visla, e Flores, i 13 e 28.
Victoria, s qulntas-feiras.
Olinda, todo os dias.
NOTICIAS T1TRANGEIBAK.
Portugal."*M de Ontbi; Austria.. 3 de Oulbr
Hrspanba. 8 de dito [Sulssa.... 3 de dilo.
Franja... 8 de dllo LSueela... I de dllo
Blgica,.. 5 de dllo Inglaterra 9 de Oulbr.
llalla.. .. 3de Oulbr K.-Unidos 24 de Selbr.
A l.iiii. n I .i. A de dllo iMrxIco... 15 de dito,
l'russla ... 3 de dito. ICalifornia 30 de Agosto
Dinamarca 3de dilo Chlll. 26 de Abril.
Russla... I de dllo Kuenoi-A. J i!e Setb.
Turqua.. 21 de Selbr^lonlevldeo 6de dito.
CAMBIOS SE 28 DI XOTIMBIO.
Sobre Londres, a 28 3/1 e 29 d. p. 1#000 Firme
Pars, 333 por fr.
Lisboa, sem transacedes.
METAEI.
Ouro.Oncasbespanholas.... *aT!
Hoedas de 6/400 vclhas. 16/000 a lfl
. de 6(400 novas. 16/000 a Iff
s def/DOO......, 9/000 a '
Prata.Patacas biaiileiros.. 1/940 a i
Pasos columoarlo... 1/920 a 1/
Ultoa'nciicanos..... 1/740 a
MINISTERIO LU GUERRA.
LE N. 631 DE 18 DE SETEURRO DE
1851.
Determina a* penas e o processo para al-
guna crimes militares.
Dom Pedro II, por graga de Dos o unni-
me acclamacao dos poros, imperador cons-
titucional e defensor perpetuo dp Brasil
laxemos saber a todos os nossos subditos
que a nssembla geril decretou, e nos que-
rotvof a lei seguinte :
Art. t. No csso de guerra externa serlo
punidos com a pana de motto na provincia
em que tiverem logar as oporaefies do exor-
dio imperial, a bem assim era territorio
adiado, ou inimigo, oceupado pelo meslo
exercito: 1 .', os espiOes; S., os que nss
guardas, quartois, arsenaes, forlalezis, -
campamentos, postos militares e hospi-
taes, lentarotn seduzir as pracasde nrimci-
ra linha, polica, guarda nacional, ou
quaesquer oulraaque facam parte das tor-
cas do govorno, tanto de mar como de tr-
ra, allm de que deserlem para o inimigo ;
3,o, os que nos mosmos lugares cima men-
cionados tentaren) seluzir as msalas pra-
i; is, aflm de que se levantem contra o go-
vorno, ou os seus superiores ; 4., os que
atacaren) sentinellis ; 5.*, os que entraren)
as fortalezas em ser pelas portase luga-
jes ordinarios.
l. O crimes dos ns. 2 e 3, sendo com-
metlidos no dito caso do guerra oxterns,
na provincia em que tiverem lugar as ope-
racos do exercito, e as guardas, quarteis,
fortalezas, acampamentos, postos milita-
res e hospitaes, nSo sendo porm a deser-
c3o para o inimigo, ou sendo os referidos
crimes commetlidos na dita provincia fura
dos mencionados lugares, ou em qualquor
outra do Imperio, no mesmo caso de guer-
ra externa, aerSo punidos coma.pena de
gales perpetua no grao mximo, 20annos
no medio, e 12 no mnimo.
2. Se os ditos crimes forem commetli-
dos em lempo de paz em qualquor provin-
cia e lugares, a pena ser de a 6 annos de
prisSo com trabalho ; mas se a desereno
for para paiz eslrangeiro, a pena ser de 4 a
12 annos de prisSo com trabalho.
3. Ocrime de dar asylo ou transporto
a deseitores, conbecendo-os como taes, se-
r punido cm lempo do guerra com a pena
de 6 a 12 annos do prisSo com trabalho, e
em lempo de paz com a de prisiio simples
por 6 a 18 mezes.
4. Com a mesma pena de 6 a 18 mezes
do prisiio simples, e com a de mulla do de-
cuplo do valor dos objectos comprados, se-
r punido o crime do comprars procas do
exercito, polica, guarda nacional, e quaes-
quer nutras que facam parte das funjas do
governo, pecas de armamento, fardamento,
equipamonto ou municO-s de guerra, se
taes objectos tiverem sido torneados pelo
governo.
t, 5. Os crimes de que tratan) os l.,
2., 3." e 4. da presente lei, bem como os
deque Iratam os arts. 70, 71,72, 73 o 76
do cdigo criminal serSo, quando cornmet-
tidos por paisanos, processadose julgado
na forma da lei n. 562, de 2 de julhode
1850. Sendo porm commeltidos por mili-
lares, serSo estes julgados pelos consellios
de guerra, e punidos com as penas estaba-
lecidas por esta lei, e pelo cdigo criminal,
seas nilo hniivrr especiaes nos reglamen-
tos eleis militares.
6. O crimes de que trata o principio
deste artigo em todos os seus nmeros, fl-
cam considerados militares, e aquolles que
os commctlerem ficam sujeitos ao julga-
mi'nto dos consolos de guorrs, anda quan-
do militares nSo sejam.
7. SerSo tambera considerados milita-
res todos os crimes commettidos por mili-
tares as provincias em quo o governo man-
dar observar as leis para o estado de guer?
ra, e bem assim os commettidos por mi-
litares em territorio inimigo, ou de alija-
dos, oceupado pelo exercito imperial, sen-
do porm applicadas as penas do cdigo cri-
minal nos crimes meramente civis.
8. No caso de guerra exlerna o gover-
no lies tjutorisado : 1., a crear provisoria-
mente na provincia em quo tiverem lugar
FOLHETIM.
*
ou
MEMORIAS DE Uffl MARIDO. C(
toa Eugenio ara.) ;
as operaefles dagueira, urna junta de jos-
tica mllilaripara o julgamonto, em segun-
da instancia, dos crimes militares de sua
competencia ; 2., a prohibir na dita pro-
vincia as publicaces e reunios quejulgar
capazas de favorecer o inimigo, excitar ou
mantera desorden), senilo os transgresso-
res ponidos com a pena do 3 a 9 mares de
prisiio aimples, nrooessados e julgados na
forma da citada lei n. 562, de 2 de julho de
1850 ; 3.", a Tazar sabir dos lugares em que
a aua presenta for perigosa, tolos aquellos
que hi nilo tiverem d imicilio, o mesmo os
que o tiverem, so a necessidade dasopora-
cas militares o exigir, o s eraquanto du-
rar essa necessidade.
Art. 9. Ficam revogadas quaesquer dis-
posicOes om contrario.
Mandamos porlanto a todas as autoridades a
quem o conheciinento e esecuc&o da referida
lei pertencer, que a cuinprain e facam cum
prir e guardar tao inteiramente como nella se
conten. O secretarlo de estado dos negocios
da guerra a faca Imprimir,publicar e correr.
Dada no palacio doRl> de Janeiro, aoa 18
das do mez desetembrode lii, trigeslmo-sei-
lo da independencia c do imperio.
ImporaJor com rubrica e guarda. Ha-
noel- Folizardo de Souza e Mel'o.
Carta de lei pela qual V.M. Imperta! manda
executar o decreto da aiseinbla geral que
houve por Im-ii sanecionar, detefminanJo
as penis e o processo para alguns crimos
militaros.
Para V. M. Imperial ver, Carlos Antonio Pc-
dra de llarro a fe.iuweio de QtuiratC o-
linho Ualtoso Cmara.
Sellada na chancellara do imporio, em 20
de sotembro de iSii .--losino do fascimenlo
Silva. --Registrado.
Fui publicada a presenta lu na socrotaria
de estado dos negocios da guerra, em 20 de
s lomhio ilo 1851."/.,oa"io Augusto daCu-
nha Mallos.
Registrada a 11. 163 v. do livro ." da leis.
Secretaria de estado dos negocios da guer-
ra, em 20 de sotembro de 1851.-Joi< renun-
cio Canialice.
Rio de Janeiro. Ministerio dos negocios da
guerra,emsde novembrode 1851.
Illm. e Exm. Sr. Tendo o tonente-coro-
nol graduado Jos Pinto da Silva, esquecido
das mais triviaes rogras e disciplina militar,
de que devera dar nSo interrompido exein-
para a boa execu3o da lei n. 631 de 18 do
corrente, ap.rovar" o rsgulamento que cor
este baixa assignado por Maooel Flizardo
Souza e Mello, do meu conselho, miuislr
secretario de estado dos negocios da guei
que as-im o tenha entendido ti faca exe
tar com os despachos necessarios. Palaci
do Rio de Janeiro, em 30 de setemhro
1851, trigsimo da independencia e do i
rio. Com a rubrica d S. H. o Imperad1
Minoel Flizardo de Souza e Mello.
Ileou/amsnro para exeeu^o da le n. 631,
18 (lo crranle, que determina ai penas t o
proceno para alguns evimes militare.
Art. 1. Flca provisoriamente creada
provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul
urna junta de justica militar para o juica*
manto em segunda e ultima instancia crt
crimes de sua competencia.
. Ar. 2. Esta junta se reunir no lugar qo
Tr designado pelo ptesidente da provincia j
e em quanto o mesmo presidente reunir **
funeco js de commandante em chafo do exei
cito em operacOes, ser presidida pelo vid
presideole que fr designado palo gover
imperial.
Art. 3. Almidu presidente, ser a jun
composta de tres vogaos militares e tres m
gistrados os vogaes militares garfio olli-
ciaos generae, ou coronis, e os magistra-
dos serSo desembargadows, ou juizes de di-
rolto, sendo uns e outrs designados pelo
presidenta da provincia, o dispensados db
todo outro servido emquanto se ai-haror
empregados noste. Os processus serSo rela-
tados pelos juizes letrados aos quaes forem
distribuidos pelos presidonles da junt, qu
observar a orden e forma da dislribui(3o
seguida as rclacOes.
Art. 4. SSo da compotencla do-la junto o
julgamento em segunda instancia dos reos
!;no forem julgados por conselhos de guerra
eitos na provincia do Rio Grande, ou ai
territorio inimigo ou de alliado occupida)
pelo exercito imperial, por crimes militaros
possivel ossilutares ofTeitos das disposicOes
que ha a respoito daquello nasconte estahe-
lecimento agrcola, julgo conveniente trans-
miltira V. Exea inclusa copia do regula-
monto de 9 de novembrode IN',0, para que,
tomando-o na devila consilera^o, e vul-
garisando o conbcimento da ludo quanln
nelle so prescreve, toroe accessiveissuas
vaotagens todos os soldado industriosos
que, tendo as condicries legacs, so queiram
ir estabeieccr naquella colonia, propondo-
me V. Exe. um ofllcial do exercito, que re-
na as qualidades necessarias para se pflr
tosa da mesma colonia, e dar-lho o impul-
so e desenvolvimonto que ella reclama, se-
guindo as nstrucefles deste governo.
Dito.A pagadura militar, transmitlndo
os documnnlos relativos aos dbitos,cm quo
se acham alguns oiliciaas do exercito para
rio o oitavo batalliSo do caladores, e bem
assim copia do ollicio que a presidencia di-
rigi nesta data ao commanJo das armas,
alim de que torne effectiva a responsabilida-
de dos ditos olTiciacs, que tem do restituir
quantias aquella pagadoria.
Dito. A mesma, devolven lo os docu-
mentos da despoza feita com o fornecimen-
t coosiderados taes pela lei n. 631 de 18 to de medicamentos ao hospital rcgmontal
penle, que tambom no poda s-lo, visti mulher; appMIados, Carlos Jos Gomes
4o ait, 65 da lei regulamentar das eleicOeg. \ da Figueirti lo e outro.
ranuiinir i,i,..oimi |Appellan'.c, Jos Andr Pereira do Albu-
GOVERNODA l'RVINGIA. f. querque ; appellado, Joilo Ferreira do
EXPEDIENTE DO DA 19 DE NOVEHRRO DE. Prado.
1851. fAppellante, Francisco Antonio da Cama;
OPdcio.-Aocommandante das armas. Ten- appcllada Mara da Paz.
do sido era maio passado inlerrompidos pe-' Passaram do Sr, desombargador Luna
lo invern os trabalhos da fundaclo da co- Freiiv aoSr. desombargador Pereira Mon-
lonia militar no lugar denominado PilOen-l tero as segu'ntos anuellacOes em quo 3o :
teira, na margem esquirda di Rio Piran-1 Appellanlc, Jos Antonio da Costa ; appella-
gy, retirando-se o engen'ielro Christiniano do, Antonio Jos de Madeiros Bitancourt.
Pereira de Azerndo Coulinlio, que delles es-, passaram do Sr. do-cmliargador Pereira
lava incumbido, e havenlo agora cessado Montoiro ao Sr. desembargador Valle as se-
esse obstculo, sem que so d algum outro guinlos aopellacOoi ora que s-lo :
inconveniente na conlmuac.a'o dos mesmos' Appeilante, Gallito Jos. da Rocha ; appella-
tr.ib il.ios, que cumpre por lodos os mudos j do, o jnizo.
activar para sa eonseguirem o mais breve' Appeilante, o julzo ; appellaJos, Ignacio
Jos Gomes e outros.
Appellanlc, o juizo, appellados, Manoel Pi-
res Ferreira o l.uiz Pires Ferreira.
IMOlKCIaS.
Appellanle, o juizo; appellado, Jo5o Pereira
do Araujo.
Appellanlc, Domingos Francisco Cavalcanti;
appellados, D. ignez Mora das Neves o
outros.
Appeilante. Jos Alexandre Corma do Meno-
zes; appellado, Antonio Ferreira Lus-
toza.
Ni) foram julgadoi os de mais feilos com
di i as-igui lo pnrhaver faltado a soss.lo os
Srs. dc-embargadores cima mencionados.
l."vantoj-s; a sessfo no meio da.
EXTERIOR.
QESTAO 1)0 PRATA.
Montevideo. 21 do outuliru.
A proclainafo do general Urqnisa aoi
orienlnes.
As cadeias com que vos oppsimi.i o l\ -
(i i ni no d i in nli patria estilo dnsticdaca-
o das, e s me falla quebrar bs qnooppri-
a mem o desgranado povo ilo Rueuos-Ayres,
go
silo dos processo, regular-so-ha pelo, reg:
ment do conselho supremo militar, lei i
11 de outubro de 1827, resoluco do prime
ro dejunho do 1830, e mais leis em vigor,
po, analysa'do en uraa correspondencia es- suas sontoncw serio dadas execu?So sera
lampada no Jornal do Commercio n. 300, do recurso algum, excepto o de graca no cas
31 de outubro ultim, a ordem do dia em quo ocuuselhciro Vicente Pires da Molla, no1 Palacio do Rio de Janeiro, cm30 deselem-
execiicio das tuneces de presidente da pro- bro de 1851. Manoel Flizardo de Souza e
vieta de S. Paulo, notara as faltas que o Mello.
mesoio tenente-coronel graduado commet-
--------------- ,. --- .---- ii ,,T|.- ..1 inc-lll II m^iiBi mu uiiirf, iiuimtii'ii-rtiit,|
lesetembrodelSol, ouporoutras era vi- no, mezes dejullio, agosto e sotembro ul- ,aond0iine.a inda o abo.ninivel opjres-
[Of. |limosi)ainiporlanciide3:026/al9rs. o de- Mr do rgonliBIM, qOIII os suida do.-
A.t. 5. A junta, noconhec.mento o dectt clarando que pode continuar a pratica ate dl |iuerJlll.0 t^Binda que combater. .
tra quando no com mando do corpodeguar- aj NJIcTli' II |()
nicSo fixa da quella provincia ; abnlancan-
D\ FAZENDA.
do^se a empregar no'ssa publibacfio termos EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 21
tSo doscommodidos e usultoso, quanti' OUTUIIIIO.
douco compativeis coro a nosieSo de um Ao inspector da alfandega, participando
militar,aajna nodendo se julwp<*gendido. i ter aido indefendo o rocurso de i.u.liieime
n3.) linha tolavia perdido o recurso do julzo Cailhnes, capitSo do bngue inglez l'auline,
do governo imperial, a aue se devera diri- conlirmada a sentenca que julgou proca-
gir : ili'toi iiiin.-i S. M
ruido o recurso uo juizo ""-', ^-f'-" "- -
a que se devera diri- e confirmada a sentenca que ju
l.o Imperador quo V. dente o^purohensao das 200 caix
ixasdo corve
V.
O domingo chegou. Ns-Jleviaiiioi meren-
dar cm cata da mil de Joao ftaym undu c jamar
em casa de ininha av. Rrulo e eu parllinos
do Sania Barbara inteiramente alegre por cau-
sa dos dous praaeres de que lamos gozar.
Madama Raymundo morava no lien do bairro
de Santo Antonio em urna ruazinba estrella e
aperladaque fleavaJunio da barreira. Eu nao
vi mais que Ires ou qualro casas de um aspecto
pobre, disseininadas em toda a eslenco desta
ruaslnba e cercadas de jardins. (lualquer se
creria no fim de urna cldadezinha de provincia
a cem legoas de Pars; a erva errscia entre as
pedras da ra, quasi nunca pasaavam carros
nesta solidao. Joao tiuha parado dlaute de uiua
casa velba de um s andar completamente Iso-
lada, bateo na pona. A pranebeta de um pos-
tigo interior praticado nessa pona fui removi-
da, au vi dons olbos examinar-nos, ao depoi a
pona folaberla. e una velba criada recebeu-
nos; paluda e magra vestida de preto, lendo na
cabefa uiia especie de louca branca, ella pare-
cla-se quasi com u na religiosa. Entretanto
que Joao a abracava ^ordlalinente ella disse-llie
cm vil/, baixa algumas palavras dasquses elle
pareceu admirado. Segul-o atravez de um cor-
redor sombrio e enlrel com.elle em una iala
modestamente alfaiada. Com grande espanto
nicu acbel ahi cinco a seis homen de idade ma-
dura e vestidos como artistas abastados, uns
com chapeos,outros com barretes. Um delles
sobre ludo fea em inlm grande iuipressao por
sua figura marcial; elle poda ter pouco mais
ou menos quarenta e cinco annos, robusto e
il[o eslava vestido mel militar, meio u paisa-
na e tlnha na cabeca um bonet de polica verde
com vivos encarnados; sua tez morena, seus
C) Vid o Diario 270.
Exc. roprehenda severamente es-e ollicial,
por eu proced manto, faiendo-lhe sentir
que o mesmo agusto s mlior fulgara em ver
que elle procure fazor osquocer, applicando-
se inteiramente aodesempenho de seus de-
veros, o crime ora qcu incorrou.
E para quo o referido icnenle-coronel
graduado possa reconhecjre esludar as fal-
tas encontradas nos corposque ommandou
na provincia da S. Paulo, o procure evita-las
no de Minas Geraes, remetto a V. Exc copia
do relatorio do iuspectur daquelles curpos o
coarnel Manoel Antonio da Fonscci Costa,
d'onde se evidencia que o estado era que o
tenente-coronel graduado Pinto os entregou
a seussuccessores foi tal, que nao obstante
os maiores esforcos anida lulo se altingio
aquella regulan la lo indis,ion-..v -I, o que
elle so ilgura ter conseguido.
Deus guarde a V Exc. Manoel Flizardo
de Soma e Mello Sr. presidente da proviu-
cia de Minas Geraes.
DECRETO W. 830 DE 30 DE SETEMBRO
DE 1851.
Approva oragulamento para execucao da lei
n. 631, de 18 do corrente, que determina
as penase o procasso pata alguns crimes
militares.
Ten lo ouvido o parecer das secrjOes reuni-
das de guorra e marinha.ede jusiiei eesiran
geirns, do conselho do eslado : hei por bem,
ja lio incluidas no manifest, ii-io em ad-
ditamento que ellu poda fa/.er no acto da
primeira visita, como dispOe o decreto do 22
dejullio de 1812, D:clara-seque o proluc-
to da appreheos.lo n3o compete sement aq
cscrivSo e no amanuense do livro mes re,
como fe Jeduz do processo, mas a toda >
classe dos csclipturarios, nos termos do re-
glamento de 19 do Janeiro de 1838, nico
do art. 7., o da ordem de 9 do maio o mes-
mo anno.
longos biftode prelo ; seu cabellos que iam
encanecendo, o fogo de seu olhar, davain-lhe
essa physionoinia resoluta que eu logo ao prin-
cipio lepare!.
Estes bomens pareceram-me sombros ou
tristes; ellesconversavam em vos baila quan-
doentrauo; vendo Joao, todos se levantaram
e accolheram-no com urna especie de deferen-
cia misturada de cordialidade. Raymuodo-a;
perlou-lhes a mao, entretanto que o hointin
alto de bigodc e bouei mililar, depoif* de' ter-
me considerado por duas vetes mufattenla-
mente, dase a Joao em mela voz:
Tua mi cstcoin.... (e acabou lio balxo
que nao entend as outras palavras ) Temos de-
pols que conversar com ella.... t fars bem
em ires esperar no jardiin, nos nao no demo-
raremos inuito.
1 Bernardina avlsou me de que eu vos adia-
ra aqui, respondeu Joao.
Ao depoi considerando attentamenlcscu in-
terlocutor elle disse-lhe com um lora signifi-
cativo :
E.,.. nada de novo?
Pelo cootrrio, respondeu com ar som-
bro o hornera de bigodes. He por Isso que vie-
rnes esta manhaa.... Tua boa mai le dir lu-
do.....
Al outra vez, repiicou ilayinundo, es-
tendendo a mao a esta personagem. At outra
ve Cftarpinlisr.
C^manTae;". Jlo" parajun.o de ... Ce IP' *
horaem a quem eu acabava de ouvlr chamar 'nquietatao.
MINISTERIO DO IMPERIO.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 16 DE
OUTUBRO
Ao presidente da provincia do Santa Ca-
Iharina, aecusando-se a rccepccSo do ollicio
em que d conta da duvida em que eslava o
juiz de paz mais votado da cidada da Lagu-
na,e se podara chamar-so para votar na elei
eSo de deputados provinciaes um eloitor pro-
nunciado por crime de responsibilidade, uu
o respectivo supplente; e atiprovando-so a
deliberac3o que toraou de rosponderao mes-
mo juiz de paz, quanto ao primeiro, que fal-
tan lo a qualidade de oleilor aos pronuncia-
dos em qualquer processo em que se ache a
pronuncia compelentemento sustentada, co-
ran j anteriormente se lera declarado por
esle ministerio, nBo poda squelle eloitor
ser chamado para votar ; c quando au sup-
nos, o vestirem.se como horneo, miaa avo
tiiiba-me dado caria branca aete respeito. fclu
trajava porlanto moda de cnlao urna casaca
de panno aiul claro com botdes dourados, uina
calca verde justa, bola moda dos huisaro
franzidas no peilo do p. grvala branca de
mussulina mettida na gomma, com pootas com-
prldas que Hguravam orelbas de lebre; nnal-
iiienii- meu colele de casimira cor de laranja
-com palma delsava passar a corrente de ouro
e o parendengues de meu famoso relogio. Om
chapeo redondo posto banda sobre meus ca-
bellos demasiadamente frisados e uina benga
linba na ino completaran) ese trage que rae
linha altrabido o epilheto merecido de peff-
melre.
Entro ncslas particularidades, pueris talvet,
porque o trage de Joao Raymundo conlrastava
singularmente, c cumpre diz-lo em aua van-
tagem, coin o meu. Com etlWto suas calcas
largas de riscado, sua sobrecasaca aiul escura,
sua grvala preta passada negligentemente eui
torno do pescoco assentavam muito melhor em
sua idade c em sua liorna do que assentava em
inim o meu trage moda.
O aspecto da casinha triste, pobre e solitaria
em que nos achavamos, o profundo silencio
que abi rclnava, a especie de misterio que me
tinha parecido presidir convemaco de Ray-
mundo e deases bomens de caras trales e reso-
lutas ; ludo me causava um sentiinenlo de sor
boje seguida no pagamento de taes despe-
'zas, urna vez que nSo havendo disposicilo,
ou ordem em contrario tenhi ella sido tci-
tamente approvada nos exaraos ou revisos
dascontas, satisfattas por aquella pagado-
ria, cumprindo porm que prucure investi-
gar as causas d avultada importancia da
despeza cima mencionada, alim do acau-
telar qualquer prejuizo que se procure cau-
sar a fazenda.
Dito.A mesma, approvando quo seja re-
mottlida para o presidio de Fernando a m i-
deira destnala para as rolas da casi de
farinha do mesmo presidio, bem como o co-
bre necissano para ella, alim da sorem ;I i
felas taes rodas, vistoque o cirpin cha-
mado para as apromular aqui n9o so quiz
sujeilar a fazerosso traballi. por monos da
40/"--Nestesonlido olliciuu-so ao coinman-
d uii" do mencionado presidio.
D to.A mesma. Comoollicio do',inspector
di t.'i osniii.il-, i da fazenda de II docorrente.e
cora^iyiarecer do respectivo procurador fis-
cal coplas n. 1 e2, respundo ao ollicio de V
S.do 2le outubro ultimo,dizenlo-llie qu i
hfevu continuar o pa lio Manoel Florencio de
Albuquerque a prestar os sorvcus, quo esta
prestanJo ni furlalcza do llrum, porm po-
la forma proposta por V. S. no seu citado
ollicio era quanto ludo se lava uovamcnle
ao cjnhecimento do goveruo imperial.
PortaraNomeaudo, de conformidula
com a proposia do director do censo provin-
cia o liat-liai el Rento Jus de Souza para o
lugar de director do censo no municipio do
Brujo.--Communicou-se aquello diroctor.
TRIBUNAL DA RELACA O'.
SESSAO DE 22 DE NOVEMBRODE 1851.
Presidencia do Sr. desembargador Villares
As 10 horas da manhaa, rJm lo presento
os Srs. desembargadores Bastos, Souza,
llebello, Luna Freir Pereira' Montoiro, e
Vallo ; faltando com causa o Sis. deiembar-
gadores Lefio, o Tulles: o Sr, presidente
declara abena a scs*3o.
amadla,
Passaram di Sr. desembargidor Rabello
ao Sr. desembirgador Luna Freir as se-
guintes appellaces era que sflo :
Appellantes, Pedro Jos Rodrigues e sia
Charptnlier, lendo-me novamenle considerado
com urna hiidadc que me einbaracava, disse
em vos baixa algumas palavras a Raymundo
Tinhamo-nos sentado Joo c eu sobre um
banco de pedra no fundo do jardn, esperando
que madama Raymundo podesse receber-nos
Evidentemente tratava-se de mim.e o epithe- quando meu amigo advlnhando-me openn-
tode p(imelr chegou mesmo aos meus ouvi- 'ment disse-mc sorrindo:
dos. Esta palavra fezsorrlr aJoSo; mas elle] Achas-noa tristemente alojados, nao he
respondeu seriamente vollaodo-e paran meu assim Fernando ?
lado, c cm voz bastante alta para que eu o ou- j E como eu healtassc em responder, Joao re*
vfsse : i p!lc4ra com um tom de exprobacao atnigave!:
He meu camarada, meu melhor amigo. ( Com este leu medo de Hender, de cop-
Embora, dlsse Charpentler considerando- |trariar agente, nao peders jamis diier sim-,
me de novo ; c accrcscentou^aperlandu a mao pie c francamente o que pensas.
de Raymundo -- Adeua meu tilho. ] Poi bem, francamente, meu charo Joao,
me Haymundo com um accento de profunda
deferencia.
Eu o,io pude conter um moviinenlo de aur-
preza, poi mullos delles, como ja disse, II-
nliain barretes na cabe(a e estavam vestido
como artistas.
Joao repiicou sorrindo de novo:
Achas mal veslidos os amigos de minha
mi, nao bel*
Nao posso diier que tenham inteiramente
o ar de.... petimetres, respond eufasendo allu-
sao ao epinicio do hoinein de bigodes.
Juan poz-se a rir c disie-me :
(Joviales a Charpentler? He verdade que
elle me disse fallando de ti: Este rapaz nao
parece um rapatde sua idade; est venido co-
mo verdadeiro petimetre.... He aindaecdo.*
Ento, disse eu a Raymundo sorrindo por
minha vez, comprchendo o espanto que causcl
a esse senhor, pols desde que enlrei em la ca-
sa, nao cesiara de considerar-mecomo um ani-
mal curioso, e conl'esso que isso me einbaraca-
va iini.Oi.
Gonfesso que o amigos de minha mai nao
tem maneiras mui polidas, elles nao sabem 00-
cultar iieo sua surpreza, nem seu pcnsainento;
mas amrmo-U'i accre.scenioii Joocom um tom
commovido e temo, que os homens que aca-
bas de ver alo dos mais bravos,... dos mal
honrados que ha no mundo.
E que vem elles faxer em casa de tua mil?
perguntei a Joao com uina curiosldadc In-
fantil.
Por um momento elle framio sua negras
sobrancelhas com ardentc enfado; esta nn-
preaaao nao durou, elle diasc-me affectuoia-
mente i
Que vao fazer em casa de tua av os ami-
gos que ella recebe?
Vao v-la.
Que ba cutan de admirar que os amigos
de oiiiilia mi venbam ve-la?
- Oh!.... nada..,. -- be que ...
He que ?
Calel-me nao ousando acabar. Joao conli-
nuou lomando me cordiaimenic a mao :
Pobre Fernando! sempre reticencias! Di-
la da lei, da egubridide, e !"";,, nJ 8""
las ideas la romea fall i,r. curu Pr cm alafl""i m" 1uom
ICuoToRMrS'-iante^S^^ rede jangada por
It, necessidade doseculou da J'.jlo,"a='a rtoirt o hostil.
idos

Estas palavras possuom toja a subliini la-
do d) grandioso obocto qua as inspira, e da
eouvice i o sincoridado com quo so tao no-
bremente proferidas.
Sim, a cadeia laucada sobre o solo do
Oriente pelo alroz lyrauno do OoldeolO dei-
xou do existir; mas filia quebrar as que
0|ipriir,cm o desgranado povo de Ktienos-
Ayres, onde impera anda iialiomii)av>.'l op-
piessor do argentinos. Fall anula, isso,
porque sem isso a liberdado or: nial estar
sempre, quanlo nao compromcltida, pelo
menos pouco segura e sobresaltada ; falta,
porque a base da tranquillidade e progresso
de todos os paiz s do 1'raU est, uiuguem
su llada, em que Ruenus-Ay.res voivn sol
danunto vi la '
das andiantada
quo a desappa
tica be urna a
civilisagao, assim como o seu .-olemne cas-
tigo he una imperiosa exigencia da moral
publica, dajuslici universal ; falla, porque-
o : ludispensavel rehabilitar auto o mundo
oc.edilodos povusargentinos, mostrando
com os fetos quo nlio aecitaram ex.iuuta-
iio.un -ito um sy-lema excupcionat o brba-
ro, que lio nominal u pli nitasmagorico o
podero do seu oppr.essor c iinmuin, o quo
elles -.lo capazes de cmancipar-su por si
mesmos da tutela ignominiosa do un sel-
vagan), assim como silo raorecedoros do um
porvii de ventura c liberdade.
Folla, he verdade, esta parte da obra cin-
liidn ao humera provincial; porm, rupeli-
mo-lo, ella sera cotisuminala com igual
lolic.i i le. Os habitantes da provincia de
Uu -nos-A; res estilo complolaiuonte abor-
rec los, sacrificados, anciosos porque appa-
recam all os clan l,u(es libertadores ; e
bora longc de tereni algura inlaressc pes-
soal nasusleiilagJo de Rosas, tem-o gran-
dsimo na sua queda.
lie corlo quo ha all muitos homons enri-
quecidos pelo lyrauno; porui oc nos uo
conhuce.nos o cjiaco humano, ou osses
verter Tollos os homens, do reduzir o culto
da virtude o do morilo io culto do dinheiro
eda sua pessoa, eis o systema que nSo he
urna inveiieo de Rosas, porque foi em to-
dos os seculos o do todos os tyrannos, he
ellicaz e excellenle para consolidar una ty-
rannia ou usurpaQSo ja eslabelecida, e quo
se v isenta do eventualidades sinistras;
porm he pessimo, he funestissimo quando
a tyrannia chega a ver-se era perigos ou
em crise. EntSo esses homens, por um ef-
feilo desse mesmo apego ao dinheiro ad-
quirido, e dess-i mosma pecversSo de ideas
o de iilimentns, poein o seu primeiro eui-
d olo na -ilvae i de sua fortuna, sem cui-
darem muito do interesse pessoal do des-
nota-fcDoroue profivdoriam de outro modOtV
S o"gradeclmnt poderia producir csso
pheriomeno ; porm o agradecimcnlo lie
urna glande virio le, n um despota nunoa
iluvo confiar na inlluencia das virtude-
quando lem reduzido a sua politioa a suffu-
car e extirpar o germen do todas lias'. *
Dissemo-lo muitas vezes : he aecessaiio
que Rosas so persuada de quo no absolutis-
mo nem tudo sflo vantagens, e de que assim
como tem gozado amplamente tiestas tam-
hem tom quo acaitaras suas desvntagen.
s me .r a dosmoralisa(ao, o egosmo, os
vicio*, c pretender que as horas supremas
so revelen) as grandes virtudes, he urna in-
sensata chmela.
E pois a proclamadlo do esclarecido ge-
neral Urquiza falla a nacSo orioital a pode-
rosa linguagem dos -entmionto- nobres a
sympathicos, e essa voz tem um lnquestio-
nave di o 11 a scrourida. Pelo menos as-
sim o desejamos corlialmenta.
Mas os principios o sentimeotos exprimi-
dos nessa documento, assim como tndos os
actos anteriores do general, trouxeram-nos
memoria tira laclo dcsagradavcl quo nflu
ha ocioso consignar aqui.
Quando, llavera cincoenta dias, so agi-
tou tanto o projecto do embarctr e onviar
a Rosas as tropas argentinas,' o grande e
nico argumento dos seus autores reduzia-
so a Irania ni la le que envolva tal faci. Ur-
quiza fdzia>sa| val degola-las.
Ahlvai degola-las'. Calumniar aos seus
inimigos, ntlribuir-llies os saus crimes,
vicios, tal foi synpro o proceder de Rosas.
Nao reparavam que ao rapetirom essas fo-
rozes palavras, apparenlaudo er-las, nSo
faziara senuaconslltuir-so urgHos passivos
do lyrauno. V*ai dogoli-las!
Ah eslito agora os factos das-lo mez i ah
est ossi nobro proclamaca >, dando um ol-
tu e perduravcl dnsmonti lo as costumadas
i.'.ip i-iu as do que ella denomina com per-
faita justiga-oaomiaoues oppressor dos Ar-
gentinos.
Entretanto, desojamos quo oite desenlace
sirva para o dia:ite de l:e n cortos eavaltiei-
ros, e ao mesmo terapo d s salisfacao aos ho-
ineus cujos sontlmeutos geu'rosos sa pro-
boni
por urna
. Commerclo del Piala.)
(Jornal do Commercio.,
INTERIOR.
I'arahijba, 2V de nooembro de 18 51.
Muito enfadado pela mascada, que lion-
tetn loraei na Penha, e sua fOstanca, da qual
apenas gozci com os olhos, pego hoja na peo-
na paraescrovcr-lhoojioticiar-lhe, nSooquc
se passou n'aquella lugarejo de saudosasro-
c r laoes, porque meu estro anda nSo osla
para issu disposto, o nilo quero sacrilicar
a belleza do lugar e suleinnideda, da testo,
desneven.io-a cora os nial delineados tra-
tos, quo o enfado podca. produzir; porm
sim o pouco importante, que tam occorri-
do depois da minha ultima.; o urna recti-
lieaeo a um artigo,quo li de um jornal
dessa provincia sobro -negocios desta.
Nada obraran) de novo os thuggs; e Julgo
que estim n espectativa, a vero resultado
da tontalva contra o subdelegado d'Alhan-
dra, sobro a qual nada anda transpira.
i II i lilamente deu-so um linio na fregu-
Santa Rita, bom indicativo da
_ uezia do
homens sao os menos dispostus para sacri-i falta de respailo la leis, que teem certos
licar-se em prol do despola a quem devem i individuos, que occtipara algaraa impor-
a opulencia quo j firmaran). Unca na sociedado, e quo podem contar,
O constmte systami que s'gue Rosas do por, isso com a pestilenta proteccSo, ger-
enriqaocer a duas duzas dos seus, de per- inen de todos os nossos males sociaes. Eo
aenodo proviinento terreo e de um solao in- um chapeo ornado de um penacho das tres
teriur. Oracsculando o meu amigo, eu lauca-I cores.
Joao e eu deiando a sala cm que ealavam e- 'acho que esla hablacao nao he muito alegre. logo que nao comprchcndc que minha mil
do pensamento, todava, cumpre dize-lo, eu o I amars
mereca, porquanto minha av fazendo-mc as
voniades, satisfazla lodas minliaa fanlazia.
Ora, aendo a mal impetuoia necessidade de
quasi todos os rapases de quinte a desasis an-
u a peior fortuna. No momento tinque Joao
E esses homens que ealavam esperando pronuncia va estas palavras com um ar pensa.
na sala, aventurei eupergunlar a Joao, quem Uro, passou.se a meus olbos um faci estra-
taof nbo.
Velhos amigos de minha mai, responden- A tasa, mu baixa em si n3o era coniposla
va iiiachiualincnlc os olhospara a leudas pra-
llcadas na parede do solao, dealinadas sem du-
vida a ai o i ir umceleiro queserda deseccador,
bem com o indicavam iiiuila pecas de roupa
estendidas obre cordas. Uc repente vi urna
dessas pecas de roupa dubrar-se vagarosamen-
te como se do Interior alguem a livesse aparta-
do com pice.ni, ei; ao depol9 appareceu aos
meus olhos um rosto de boiucui, paludo, c
meio coberto de uina longa barba ruiva. Esta
vlsao nao durou senao um segundo ; todava
pude observar as feicde deste homem c a ma-
ueira como estava vestido. Sem duvida elle
avistou-nos no jardim a inim c a Joao, poi rc-
tlrou-se sublmenle teniendo lalre ter sido
surprehendido.
Rayiniindo absorto nao scicii) que preocu-
pacao nao linba sem duvida nada observado do
que me bavia iinpressiouado ; eu la abrmdo a
bocea para coiumunicar-lbe este singular in-
cidente, quando a vclli i criada lornou a appa-
recer na pona da aala c fez um -mil a Joao.
Vem, Fernando, dissc-me elle levantan-
do-se; ni i o lia mal puje receber-nos, vou a-
pre-eiil.u- le a ella.
Segui a Raymundo c deixei para em oulra oc-
casio lallai-liie da appancao do boniciiide
barba ruiva.
Quando enlrinos em casa da mai de meu
amigo, cis-aqui o que vi.
A cmara em que a velba criada nos intro-
duzio, dava para o jardim, bem como as ou-
tras desle aposento. Tudo era de um aceio
extremo, ina de una simplicidade austera;
ahi se viam movis de madeira pintada, um la-
drilho lustroso, c um tapete pequeo posto ao
pe da cama ornada de cortinados branco.
Miaba alteDcio c ininha curiosidade foram
sobre tudo vivamente exctalas por tres objec-
tos disposlo ao longo da parede ;
O primeiro formava urna sorle de iroplico no
qual acbavam-sc grupados : um felxc de varas
I .iiii lis de helores lendo em cima um bonet
phrygio, um espidagao de cavallaria c una fa-
cha de seda tricolor com franjas de ouro.
Entre este objecto c um outro do qual falla-
re! logo, via-se um retrato de grandeza natural
representando um hoiueui trigueirn e paludo;
seu rosto ao longo do qual desciam laugo au-
nis de cabellos prelos, linha una cipresso
ao iiiesino lempo grave e doce. Esla persona-
geni vestida de casaca azul de canhoc largos
agaloados de ouro eslava cfngida d" uina ban-
da tricolor ; una de suas maos apoiava-se so-
bre o puuho da espada, com a oulra segurava
Joao Raymundo apezar da juvenilidade de
suas feledes parecia-sc de tA sorle com o ori-
ginal deslapinlura que eu nao duvidel um ins-
tante que este retrato nao fosseodcscu pal.
J)o outro lado do painel vi una coma sinistra.
Cid quadro envidracado, de bordadura preta
conlinha urna camisa ceberta de largas nodoa
de um vermelbo escuro, e um inolho de cabel-
los prelos asss longo, atados por uina fita co-
mo urna meada de seda; em cima do quadro
estavam eioriptas estas palavras emuma vo-
luta : *
30 de nivoso anno
Marlyr da liberdade.
Lcmbrci-me entilo da sombra expresso das
feices de Joao Raymundo, quando me dlsse
uina ves: Meu pai he mor i Eu advinhei que a
sua morte se rcferiaui sem duvida estas fne-
bres reliquia; tive bastante Imperio sobre
inim para occullar minha surpreza e ininha
emocao, mas meu palmo nao estava ainda aca-
bado,
Quando entramos no quarlo de dormir d^
madama Raymundo, esta oceupada em arru-
mar alguns papis em urna secretaria, Ilnlia as
costas voltadas para n. No flm de um ins-
tante lecliuu a secretaria e veio Icr coninosco.
Nao sci por que raso, pensaudo na luai de
Raymundo eu me linba Ugurado uoia mulher
alia, magra, de ar sombro c severo. Que er-
ro l eu va diante de mili) unta das mais ailrac-
tivas liguras que se pode sonhar. Madama Ray-
mundo com quanlo livesse ento trinta c seis
annos, pouco mais ou menos, pareca apenas
ter trinta; ella era ruiva, de estatura mediana,
mas completa; seu vestido preto tornava des-
lumbrante a brancura de aua icz; seu gran-
des olbos azucs tinham urna expresso tao do-
ee, tao penetrante, tao melanclica e lodavla
lio all'ectuoaa, que tendo-se seu olhar fiado
um instante aobre mim, corei e perlurbel-me ;
seu narl ligeiramente aquilino, suas sobran-
cethas aclnzenladas e ligeiramente arqueadas
d.iv.ini a mas fcicoe encantadoras, nao obs-
tante a suavldade do olhar, um carcter de fir-
meza uoiavel, temperado por um meio soiriso
que dcixava eutrever denles de perola.
Que dirci de mais..., eu linha quinte annos
c meio, madama Raymundo era a primeira mu-
llicr aoja bcllea me impreaslonava e scuii-im:
apoderado de*ijm embaraco inexprimivel.
;Conlinar-j(-lia.)
>sT


que podcr fazcr o enverno, por melhorcs
que sejam suis ntenjfOss, quaudo alm di
proteccllo, qu sempre sadesenvolveu en-
tro s autoridades proc slantcs, cm pr.il
de tae.s inJividuoa, occorce, que ningucm
se quar prestir a depor contra os-poderoso
ou seus protegidos ? Quinto n3o custou
a obter-se, segundo he publico, lestemu-
1111 is, que depozssom contua o iniser.iv 'I
Miguel Pereira, smente porque file tem
un infalircl baramart*, e meia duzia de
amigos, que anda ignoro, se os'o do seu
bicamarle ou dosua pessoa T Cu mosmo
que iaM> Ihoescavo Itun mis sob mu ca-
poto aquello Ctcrnon, do qu lodos os p-
tentelos, que o protegen), do que a furi-
bunda sanha des iaimigos da verdade. Va-
mos ao facto. v
Um pobra'homem ten-ora um oercado
una planta de capim, com que sustenta
seus animara : alguns visiiilinsoiitMil"i.rn
de ensilar 'aquella planta ck |ihiih ms
do commiuiismo, ni s olla que nurtci leu
os nii'iliofliCDs tratados dos communisUs
vermellios da illustrada Franca, ententeu
de sustentar com todo o rigor AtTonsino,
que lile p rmilleni nossas eternas ordona-
cOes., outr'ora do reino, boje do imperio,
constitucional o independo:ite com duas
cmaras legislativas, o prendeu um escravo
do tal senli i de me liana altu'a poltica
com um animal, em que pretenda cinlu-
zirocapim; mas felizmente negro burro
fugiram, porque a Colicidado procura ao
que pode mas,* antes quo elle os podesse
conduzir ao subdelegado, que lalvez com
tuda isso sa incommodasse tanto como eu
com a piineira camisa que me vest am.
Chegaud em fuga aquellas douj%a*maes
casa de seu respetivo dono, estB-tituu-
se sobrematirira, o no oseesso de scu furor
das; o o individuo s foi vlcUme- depois
que tez urna victimi. Sim, elle-loi m orto
ero resistencia, na qual mitou antes um
soldad) ciin um divinte, que traza.
Foi exacta a vinda, nSo deliru, porai de
ambos os cadveres,enp um Civallo, mo
do di i, porm de note Jjnas rase acto, llllio
da ignorancia, foi muMO roprovado, e ha
publico, que S. Exc. conservou minios
di s pres i quem o praticou, e.quqa.'fe'z. dar
com l > la o decencia sopulturaa vTd'wnis ;
mandando f.zer ao sida lo um enterro
llmpo, em attenefio a baver m irrido briosa-
mente no des'mpenho do seus deveres.
facto do delegado de Patos tem san
tanto de ver 11 le, e j li na folba da Ordem
urna representarlo contra ello creio que
nflo finar impune.
Entro na larga quosto Florentino-Este-
v3o, cm que muito ile proposito nSo tenho
querido loor ; o cono sou IndilTarente di-
go o qne tongo colhi lo, sin att mico -s
De lia muito lempo reina intriga mortal
entro apuelles dous S'nhores, abastados, e
poderosos. Ca la qual quexa-se, que o nu-
tro o quer matar, o mais da urna vez o l-
ente coronel Mi noel Florentino tem la-
zilo perante as autorida los individuos, que
dizcm o coronel r.-l vi >, ou scu sobrinho,
piraisioostomcinv lado; mis o vordadoiro
he, quo ou por seus go lios acessos ao ho-
micidio, ou polorespeilo reciproco das fa-
milias, pois ambos as tom, todos dziam,
que nonhum dalles tentari contra o outro,
o que be verdade, tanto quo ambos se to-
mem.
Pela improns lem-si biratenlo es maio-
res insultos, e n'isso fleam.
Eltimatneuti soffrou o coronel EitevSo
um Uro, e, como era naturil, pessoas, que
nilo conhocm d i pe lo u l-iioulo coronel
alguns preparativos. He materia da unii brlgadeiro Mendiboru, e pira a do interior
prooesso jadicil, e como a inslruocSo dos o Dr. Bartholomeu Herrera, que foi anear-
procesaos no Chile nSo he publica, nada ae regado interinamente das pastal dilustica
Hn.l aM^L___L -1 .s AA _l .a n ^M ->A_________- n *_______1_____& j__k___a >. HT ,v f.i Xn ll llHAH HAul __ _
pode sroer dos seos pormenores. Entre-
tanto disso-se que nesta ci-la lo e om Sin-
tiago deveriam ter tido lugar movimentos
smultaneos como os de Serena o Conceico.
O que houve na oapital nlo foi revoluco
rsiiiraJ4ublova?ao msisoriginal do que se-
ria, V
Quitrocompanhias do batalho da li-
nha Cttacabuco, cujo resto- se achava em
Valparaso, recebram orde.m de marchar
para este porto, a em lugar do faze-lo, na
madrugada do da em que devam partir
sulilvnr.im-su pi-jn i.mi lo o commandante
e alguns olllsacs. Nesse acto emprehende-
ram a expedicSo sobre Aconcagua, esperan-
do seguramente sarem racebidos com ben-
q5os nesta provincia.
a Antes de ctiegarem ao termo da sui
marcha, hostilisados pela retiguarda pela
forQi que o governo enviira em sua perse-
guirlo, e pela frente pela guarda nacional
do S- Filippee dos Andes, dolidos na para-
,;e n dehacibuco, de grande nomeada na
historia do Chilo, aondo as suas armas oh-
tiveram o triumpho de 12 de fevercro, c
cujo nomo Tora dado ao bitalno como urna
distinccSo honorfica, resolveram retrogra
if Jactla eaWWts do
Banco de Pornimbum
o estrangeiros. Na faznnda floou interina-
monte o ministro da gera.
Discutia-se no congressso um projecto j
de le sobre a livre importaclo dos cereaes "
Em noli va receiava-se urna revolucSo
por motivo de una quesillo a respailo do
estanque da quina. A convanc.8o naoional
annullou no l'de setamhro o conlractoque
o govorno ti nhi celebrado com o banco so-
bra a extrac(3o daquelle importante artigo,
e o ministerio recusava dar execuc&o aquel-
la resolufo.'
Em Venezuela descubrio-se uma conspi-
ragflo que tinha por li n derribar a adminis-
traclo. O presidente Monaga, investido pe-
lo conselho de estado com poderes extraor-
dinarios, suspenden as garantas constitu-
cionaes e prendeu todos os indiciados.
Na America Central parece oerta a recons-
IruccSo de parto 'la aotiga repblica. O
pacto dos.Estados de Honduras, Salvador e
Nicaragua fpi approvado pela assembla
conslituinte. Guatemala o Costa Rica con-
ervavam-se'ainda indepeadentes.
Ni repblica do Equador tinha adiado
echo o prouunciamonto em favor do gene-
ral Urhina. As provincios de Cuenca, Ma-
tava a ampliacSo do banolicio que a Iei i
cade s aos irmos das confrarias reli
-^-ml't,^^^6',idl? i0'?*"10 er Umbom
sis, e consequentementa a vlolaclo dis ol colrwnitllo a puolicafSo de outris em,"
posieflas do regulamento do cern torio e?pi-e- das jjfTereeldas 1 od aceioniata Sr. Uarrnr.
juizo da municipaldade. e qu*fortoYagisladas neo ti por satisfar
Outro da commiasSo especial, oHercen-' de seu octbt como par 6onheciimnlo id
loo projecto de resposta que entenda de- accionista* que nSo assistirao a discussa
No artigo 9. Suprima-ae --Sl000:ooo*u'
No rt. .-- Em lugar de at a eno,"
chamou nieia duzia dos seus, lo ls-arma-l Florentino, o attriliuiram a elle; mas o i-
lar, n3o manchar aquello sitio e nomeglo- navio Chimborago adheriram ao movimen-
riosoe declarar que tintillo sido engaados. 1 lo, que era apoiado polo govorno di Nova
Esso mesmo bitulh.lo esta actualmente uoljKranada
dos dos competentes clavinotes, c iudis-
ayensaveis fica, o segulram para casa do
p ibro aiite-communista. Cli.'gada all a ca
rdvana.'o tal senlior, em altos gritos, Cha-
mou o pobro paejante, dizcndo-ibe quo
ves.e promplo para matir o Borrjr; e
como elle nilo quizesse entrar 110 jogo, 1n.1l-
tralou-o muito de palavras, e disse-lho que
d'.illi em diante seus oscravos cortanam
smenle 110 seu sitio quanto capim ello
precisasse para s, c mais algum amigo,
u que, teje afJoutasse a obstir, l'ie loma-
ra larga ou estreitas contas cu o aquella
clavinot, que em sua m.'i 1 rcnle cojio
corda de tripa.
O pobre homem anda assombra.lo, 0 n3o
pode encontiar uma ; teslemunha cana quo
aprsente sua quoixa. E entJu? Viva a
constituirSo e 11 liherdade do induslri!
Esquecia-medizer-lhe, que o tal ""' ssche
liberal,o amant" da santa lemocrncia. Euco-
mo n.1o lonho avs de sangue azul, era meio
inclinle) a democracia, e syni,>aUiisava
sollrivelmeiite com olla; mas depois que
tenho visio surgirem lo seio della, os mais
uvagorados demcratas, com instnclos
iii ) publica, o nSo accoilou como autor do
allenlido, ja porque til proceder parnco
llo cazar-so coma sin iillole, ja parqu3
ninguem silja 1'aquella vi igem do coronel
; ambos tinham suas caitollas no vi jar; o ji
porquero lugarcr.i muiti improprio para
a e nboscairi, j finalmente porqu 1 lia pouco
lempo, no mes no lugsr, 11111 individuo que
iaafeira, soIlVca um tiro paru roubi-lo.
N'eslo c-talo estavam as cousas quan lo
chegou o Ex n s, que segundo tenho ou-
vido, tractou da in lagar do facto, e 11 jila Co-
Iheu contra o Florentino.
lilinanicnlo soubo-so quo cm Pernam-
buco estavam prozos os dous cahoeolos, que
atiraram 110 coronel Estevito, o qncconlis-
savam tjr sido man lados polo Florentino,
111 'ii -ih 1 -.ini mii soube-so tambem que a'
snblelegacia deTaquara, d'onde ora sub-
dulegado o lente coronol, o son lilho Si-
tustino primeiro suplonto, iin.'ia silo sup-
pri oda. Nilo oslar cnnlonto o autor do
aligo? J'oderia o tx.-n. Sa, ainla quando
estivesse provada a criminali lado do len-
lo coronel obrar Ingalmentu mais alguma
cousa? Dir-nie-ha, iljmiltjr o tenerle co-
mis absolutos do que o gnlo sultlo, t-mlu] roal, e sin fillin, conserraodo n suii !els-
' hacia ; mas a qu:m 11 1:110 un, que mo fos-
sa pessoa do Estevilo ou do Flo-ontino '!
Agora siiba mais, que foi preso um cabo-
do, tio dos intitulados nssassinos do coro-
nel Esta vilo, que diz, quo a mais de dous
tomado tal medo ao negocio, que quan 10
vejo um enthusiista pela ciusa .popular
vou-me esoifodondo,
trais.
como desagravir
aquello delinquenle?
olhaodo sompre de
a ):isli,s, e punir
Dicanl paduini, os "'-"'es levou qu?lle coronel, a pe lido d'ol-
santos marlyrcs da libarda le, e os inthu- 'e> aquellos dous caboclos, o disso-o, sogun-
siastis da civilisa^o e do progresso. (l l,uv' a varias pessoas, peranlo o sutade-
Piocesso mo polo haver sem oiumero leK'do d'Alhandra, repotindo-o perante o
sacramental de tres a cinco testemunls, "r- ch'fo de pohcia d'.'sla provincia,
o que acho jus'o. A polica nada polo obrar Assfm como disse.qae aquolles caboeolos,
sem aquella formula; o soverno, isso la tend ido esperar na estrada, como coslu-
sedl sieriio no, nunc asss punido do sin- "'avam, um in lividuo para roubar, tra-
lo cdigo constitucional Entilo oque fa- lar" n0 coronel sem o conhocer, o que con-
zcr?... NSo sai; porm anteado, quo bina com o primeiro botodo publico,
deve muar-so tambem o nnlc-eommunila, Saiha mais que os calioiolos cstam na ci-
nrroganhar os denles, c ve- se assim es- ociado Coiana, e que ludo negam per inte
pauta o su meefro as autoridades em dirTurentes inierrogalo-
sci beni que vou marchando solT vcl r' IS porque t"in passado : assim como dis-
nieiito para queni osla amarrotido da I' -
nha; porm n5o es'.a cm mirt doiiar de
fazopii.inhas r> II'Xes, quiiulo rae encoa-
tro com cortos desaforos, "que pratieados
cornigo, me lariam ch'gar a musa' la ao
soram, quo o seu urimeiro d"poimenlolh"S
I ira Insinuado pelo proprio pal, c que mes-
mo na cadeia do Goianna so Ibes tom si o
insinuado, que sustentem o primeiro de-
poimeilo. Finalmente que o subielegado
nariz, n3u poss 1 deisardslastimar o es'a- 'Planto d'Ubanlra, que soffr-.ii a pouco o
do em que nos pozaran!, quem n3o sel, llro>''"' proprio, que oren leu o cabocolo,
cuja cura tenho iccoios de n3o ver. 11"" depoz parante o Dr. cholo de polica,
N3o Ihe cont cma historia muito cii"ra- e subdelega 10 d'aquella villa,
cada que aqu grassi sobra ce-la alminis Uuanto o mais na la direi, porque n3o
tracSo, los rindas n5o sei de quera, por-|,enno masSode dcirenlor ao Sr. Florentl-
que anda nilo colhi lodos osesclarecim-n-'"> n ningu-m, o uiiicuncnte do diziro
tos; porm muito bseve o porci anconhe- flusouco, o colho com toda a verdade, e a-
cmento do facto ; e sera una lic,3o do' qeilo souhorque se defenda cono pudor,
ooiij modui lucrificandi, cusa dabirba! '-slil Satisfelto O devorque me impuz de
longa, oomo, sScostuma dlzer. | defender aelualidado.e aogoverno, quan-
Vaoros-agOra ao artigo sol re a Parabylia, do merecossom, como agora, assim corno
que li na Impttnsa, n. 249 de 17 do corren- l,e eousural-os, quando so arre lassom d'a-
te, o que em verdade muito me ha de cus- lu" qu i cnteiido juslo.
lar. Cerlo eu rfto entrara em tal quesillo \ Esla Ia va' longa de mais. A Dos, sau-
sealli nSo lesse fictos, que ou n3o lh'osdee felicidades, o longe de dos valontfjes
tenho noticiado, ou de uma manein dille- Para s:'K"rnca do corpo, e tranquillidade
rento, como foram Wiedidos, e me nSo <* "pirilo.
reconbecesse por isso obnga 10 a susten-
tar o que dlsse, ou dar a ras3d do que nSo
date,
O autor uo artigo, a que me refiro, ml
informado, diz pue esta provincia, que
oulr'ori gozava socogo be boje Imsio thea-
tro de liorriviis espectculos. Eu muito
lonho lastimado, e continuo a lastimar,
com aquella senhor, tacs espectculos;
mas, para saber so marchamos em lulo
de acord, quizara que mo ella dissesse
at onde faz retrocolr o seuoutr'ora -
Sa o retrocedo ao lempo do meu Suido go-
vernador Itapozo concordamos; mas si o
deixa em epoc mais prxima, discord;
porque dir-lho-hoi, que antes do sempre
pouco louvado Pedro Chaves, ou rara mo-
llior clizer, i (iiatrar3od'aquelle enrgico presdeme, os
cri.nes cresciam issombrosni'nio de inuo
roi.nno, lano que ello cm seu primiro
rotatorio assemb a provincial apresentou
um mappa minociosiiisimo o horroroso, s 11 arligolnunici nos,mappa que no se-
;:iin lu di'clinou tanto,, que baixou a cinco
nortes em todo o anuo, je me nao dina
a mimoria.
as ras desta cidade, as lojis, dedil,
i-em qualquer eanto, osassassinos dcseni-
penhavam suas nefandas commisiOes, e
aquello mesmo presi lente asando vilima
com muitos que o acomointuvim, entre
riles o honradissimo e de tolos estimado
desemhsrgador Luna Freir, qq 1 solieu um
higo do chumbo no pesclo, daatrocidalc,
audacia e inveterado costume dos homi-
cidas.
Durante a administradlo d'aquelle sonbor
uessaram os assissinios, que reapparece-
lain logo ii_ue. subi a poltica llojo decahi-
da, e ornis be, commettidos alguns polos
subdelegados c inspectores de quartcir.lo,
como se podar ver das folhas ds, oiilSo,
opposicSo; e entro miltiares cilare um na
cidade d'Ara, feilo pela polica, anxiliada
pelos demoras Miguel e Arcenio, e outro
n'uai infeliz advogado de Campia ou Ala-
ga-Nova, aendo tomada a um dosissaaii-
nos uma pistola, que foi reconhecida ser
do, cnlo, promotor publico do lugar I...
Desde ent3o contiuuaram os crimes a as-
sassinios at liojo, que, gracas s cons-
tantes e nilo discOHinadas providecias de
seis administracQUS, que temos tido, teem
ressidu miis alguma cousa. Sabe bom o
autor do artigo que a moralidade se nao
plauta de promplo em um povo, e por-isso
ainda lastimamos um ou oulw facto, quo
iiifcliznienle vai apparecendo.
Refere iiiinli 01 o fado occorrido com o
doslacamento da Cruz-do-Espirito-Santo;
mas, perdoi-me, nflo lli'o reflriram exac-
tamente. Aquella ficto lamentivel deu-se
1110 6 DE NOVEMliltO.
Ileccbmos hontom pela crvela ingleza
Champion, folhas de Valparaso at 30 dese-
terabro,
i'razem a noticia de tar rcbonlado uma
sedic3o militar na provincia do Coquimbo.
Os motivos consignados na acta lavrada po-
los sublevados silo: a randilatura ollicial
do prosidente da rapubliea, a corrup^.l j e a
violencia ; os lios, a ventadeira repblica, e
a puro;a am ludo o por lodo.
Para conseguir so estes flus, para justiQ-
caram-se aquellas motivos diz o mercurio,
principia-so pelo crimo de um motim mili-
tar, e conliuua-sc com o despoj 1 da pro-
priodade Individual, rom n dBport'cg", eon-
tribuicOes violentas, sollados ngios, o ou-
Ins in didas desla nalircza, lodos vcrd.i-
dcias, purasc pacificas.
O mesmo pono neo; 110 scu numero do 25
desel-mbro, faz a seguiuto resinha dos
iconteciiiientosal aquella Jal 1.
" Nos das 7 e 13 deslu mez rebentou na
Serena, provincia de Coquimbo, um raotini
militar, e na Conceic3o, cipilal da provin-
cia, uma assuada, quo causaran! um susto
geral, porque o paitido que foz opposic3o a
presidencia espalhou a noticia do que estes
movimentos revolucionarios seriam secun-
dados por todo 11 paiz.
" Vio-se quo nao suocedcu assim. As
oulros provincias pronunciaram-se pola or-
dem, e posto se note as uiassas um mao
es: irito, procedente do dcscontentamento
poltico infundidn nos clubs, at hoja nfio
so cz sentir excosso algum rapice, nom
sanguinario, que seriam os quo poderiam
causar algum temor pela vida ou pela pro-
propri 'dada.
V o ii mi seiitnnoiit i do povo, o seu ha-
bito de paz, e a sua honradez caracterstica,
d3o esperance de que, ainda quaudouma re-
volucSo mais impon,mo losso possivel no
paiz, poder-se-hia contar que a vida a a pror
pueda lo seriam resaeitsdas polos partidos,
a O poder exocutivo foi investido po-
tempo de um anuo de alguns poleres ex-
traordinarios, depois do terem sido decla-
radas em estado do sitio as provincias do
Santiago, Valparaso,
sorvico da nac3o, c outro marcha para o
sul a pacificar a Concei(3o.
Os revolucionarios da Sorena est3o so-
lados e ver-so-h3o combatidos pela guarda
nacional das provincias do Aconcagua o At 1-
maca. Os da ConceifSo pela furca do que
dispOe o general Vid, que se acha na fron-
ieira, e o intendente do Nuble. Alm disso,
ogenoral ulnes, tro upan n lo dosex-mi-
mstrosde junao, os Srs. Garca, .Reyes e
Tournal, e de alguma forc qui o seguir,
marchou para o sul com o lio do fazer va-
ler a sua influencia a favor da paz
Segundo todas as probabilidades o tri-
umptio da ordom n3o se demorara muitos .)r
das. Espara-se obtl-o sem derrnmar uma
gota do sangue o sem causar a menor des-
g-aca.
A sediclo oslendeu-so somente a villa do
lloliui, onde foi suffocada immediatamonte
peio governador do Curic.
Os sublevados 11 vane iran at Illapcl on le
fonm bat los pelo coronel Campos Guz-
maii, licando prisioneiros alguosdos cheles
da revolla.
A Verdade, poriodico do Talca, dix com
dala do 26, quo a iusurroicSo eslava ja limi-
tada cidade da GonceioSo,
Ndala das ultimas-noticias era opinulo
ge'al que a Iranquillidade publica seria
promptamente rrsubelccida. O general
Bulncs, ex presidente da repblica, p?-sc
frente da forca armada para hateros ro-
voltosos, o achava-se em marcha sobre Co-
quimbo.
O novo presidente do repblica foi em-
possado dogoverco no dia 18 de setembro.
O Mercurio diz :
a Toaiou posie da presidoncia da reji'i-
l'lic 1, ro-ii formalidades uo cslo, o Sr.I
l>. Mouuol Monlt. Circumscreveu o seu|
programma administrativo nestas lacni-
cas palavras que tinha pronunciado 110dia
8 om um banquete quo lhedoram os seus
amigos :
l'ara realisar a paz e aprosperidade pe-
las quaes fazois votos 13o fervorosos, as mi-
nhas forcas sSo insuflicientes; necessito pa-
ra isso da r00pera 1;.in de todos vos, do au-
xilio do todos os cidad3os, tanto amigos
como inimigosda nova presidencia. Ilou-
vestes por bem pflr-mo i testa do uma plia-
langode operarios, para quo todos juntse
animados do uma mesmi intencflo eons
triia.nos na repblica o lomplo da paz 00
monumento da prosperidade.
a Oganisouo ministerio com os Srs. D.
Antonia Varas para o interior o relatos ex-
t'ruros, ll. Geromino Urmeneti para fa-
zunda, I) Fornando l.asoano para a ju-lii; ,
II. Jos Francisco Guia pora a guerra e
Os porlos da Esmeralda e de Sants Rosa
foram declarados portos litres.
________( Jornal do .Gommercio. )
r "' 1 mi o 11 '
PERNAMBUCO
CARIARA MUiNICIFAL.
SESSA'0\EXTItAORDIN\BIA DE 18 DE NO*
V VEHBRODE 1851,
>^rMic/neio do Sr. Olieeira.
Prsenles os Srs. Mamedo, Cirneiro Mon-
loiro, Franca e Figueiredo, faltando sem
is Srs. Piros Forreira e
s 017.:', e rom ella os miis Srs., abriu-se
a sossSo, e foi lili e approvada a acia d'an-
locedonlo.
Foi lido o scgulntc
EXPEDIENTE
l'm ollieio do Etm. presidente da provin-
cia, romettendo nova plantis, nicas que
desse exist|am na respectiva secretiria,
sendo seis da estrada dos Apipucos, duas da
de Boberibo, o uma da Ponte do Ucha.In-
toirala, o que fosscui remedidas ao enge-
nh"iro cordeador para rove-las e forra-las,
delerminando-se-llio levanlisse da nova-
meato a planta da povoaclo dos Afogados,
visto nlo ter vio lo co o aquellas.
Outrn do mesmo, transmiltindo, omidi-
laraonlo ao de 5 do correlo, o desenho o
proposta oflorecidos polos contratadoros do
farnerimenlo de carnes verdes.Inleirads,
e mandou-searchivar.
Via a cmara dar a Ei. presidente da
provnola acerca do ollieio do commandante
do corpo de polica sobra a reclamacSo do
fiscal deS. Antonio.
Outro do mesmo, indicando o distincli-
vo de quedavem usar os guardas munici-
pios pira como tacs, seren roconhecidos e
rospeitados, resol vendo a cmara se ofDc-
asse aoExm. presidente da provincia pira
pelo arsenal de guerra mandar fornecer as
espadas ocinturOes, correndo por sua cos-
ta a despeza do lonu cimento, aa partlci-
passe ao chefo de polics, e ae expedase
ordem 10 procurador para fornecer oa de-
miisobjectos que constiluoni o distinctvo,
por uma s vez.
Dous da commdsSo de 1 eticos, 11 ai so-
bre o requermento da Caetano Pinto de
Veras, ainda sobre a quesillo di plsnla da
travessa dos Remedios e outro sobre os de
Francisco da Costa Barcellar a Jos Marcel-
lino Alves-da Fonseca, a respoilo de cujas
materias, a rnmmissflo disso nada tinha a
accrascentar, por importaren ollas a repro-
duca do que a respeito desti quesillo lem
occorrido.
A cmara recebeu da presidoncia o rogu-
lamento dos serviros fnebres, apresenta-
do pela commiss3o encarragada do o fazer,
e mandou-o transmittir commissSo dos
Srs. M mu le e Carnelro Honleiro.
Msodou-se ordem so procurador para res-
tituir a Joaquim Pinto a Importancia por-
Sue arremitou um talhodo i(ougue da Boa
ista 22,500 rs.
Foi lido o manlou-se remalter commis-
sSo de polica, o requerimonto do contador
interino desta cmara, pedindo se llie pa-
gue o ordenado correspondente a esto em-
prego.
Despacliaram-so as poti^oos de Antonio
Nobru d'Al meia, Antonio Goncalvcs dos
Santos, Aiilono Jos Duarte, Antonio llo-
lelh 1 Pinto de Mesquita, Aleixo Jos deOli-
vaira, Bartholomeu l.ouronco, Francisco
11 inii.1.1 d" Almeids, D. Ignacia Lopes ds
Silva, Joaquim Pinto, Luiz Jos da Costa
\ un i -i ni, (2) l.ouronc 1 Mua da ConceicSo,
Manoel 1 omino Foi reir, e levantou-S9 a
sessito.
Eu Manoel Ferrclra Accioll, secretario inle-
rinoa escrevi.OUviira, preiidente.Mamtdt.
Barrot. Cirniiro Honleiro.-- Ferreira.Pi-
gutiredo.
em que tiver lugir o primeiro devidorf
do digi-se al 3 mezes depois das i
talacoes do Banco. "'"
No art. 19 -- En lugar do 3(3 -- dga-je ..
No art. 9s.-5uprima.ae a palavra indivi
dualmehto-Suprimi-setimbem-eouosora
contados dita--at*ofim.- H era
No art. 31. -DapoisdeeleicSod nim
direccao-diga-sa-esupplenles. Em le,,
de 7 directoressejSo-9 directores e 53Un-
pleotes. v
No art. 69. Suprima-sej-- assim como
nSo responder por engao da vencimentoi
provanientos de cotas erradas nosmesmos
documentos.
Com a publbacSo destas linhas muito oh.
sequiarSo Srs. Redactores a um silencioso
sssignante. Accionista do Binco.
COMMERCIO.
Repnriico da Polica.
PARTE DO I1IA 26 DE NOVEMBRO DE 1851.
Foram presos: a ordem do delegado do
primeiro districto desto termo Joaquim Jo-
s de Santa Auna, para recruta, e o preto
.ALFANDEGA.
Rendimento do dia 28. 14.331 5$;
Ducarregam hoje 29 de novimbro. '
Barca ingleza Linda mercadoriai,
lliite brasileiro Vuvidoio gneros do
paiz.
Ini|ini liriHi
Hiate brisiloiro duvidoso, vindo do Ara.
caty, consignado 1 Jos Manoel Martin
manif stou os-guinto :
465 couros silgados, a ciixas velas, 870
estoiras, 400 lijlos, 37 saceos cera, i,u8
molos de sola, I caix rapaduras, 1 bsrrici
bjectos de uso, 910 courinhos miudos, 1
caixSo imigens, 1 ciixa e 1 pacote calcado;
a ordem. '
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dial a 27. 21:795,915
dem do dia 28........1:342 371
33:138,281
DIVERSAS PROVINCIAS
itendimento do dia 1 a 27. 2:067 2i9
ldomdodii28.......167,518
2:234,747
uiarinha. Os dous primeiro* peitencjiu,
ol' 110 ministerio do general llulnes. I
tirara n-so I). Mximo Mujica, 1111 ii!'o
liji-'iei, u o corunol Vidal, ministro da
guaira.
A poltica do presdante, segundo o sen
programma, e apezar dos succassos que
tomos referido, pareco sor fusionista. Nis
to marcha do accordo com a opnio pu-
blica
Quer s?rvr-so de todos os honens, sem
distinccSo de cor polioa, para conluzlr o
paiz pela sania da paz e da prosperidade.
No 1 s' sibi de roinococs 11 is cargos admi-
nistrativos. >
O general Bulnes, ni occasiao do entic-
gar a presidencia, dirigi nigilo un m a-
nifosto em que descrove a -11 o c~<-.. na par-
to material o linaneoira, em quo duixa a re-
publica depois dos doz annos do scu yovor-
no. o quadro he bstanlo lisongeiro. Di
situadlo poltica nada disso.
Esta lacuna foi cstranhala polo Mercurio
" o general l ilnes, diz elle, des,iede-se
dos scusconci lad.losem urna Memoria mui-
to bem oscripta, om qu3 se enumerara os
molhorameulos por quo passou o paiz nos
doz annos da sua administrac3o. O que o
publico estranliar, como nos ostranhamos,
he nflo encontrar uma linhi sobre dous as-
sumptns, lalvaz dos mais importantes : Io.
a prosidoneia ; 2, a siluac3ocm que doix
a or 1 mu publica.
Este silencio fez na.scor as mais siois-
tras conjocturas sobra o juizo quo o ex-pre-
sideuta forma do seu surcessor e da origm
dos males que oslamos deplorando. Quan
do n.lo poderdos dizar bem do uma pessoa,
calai-yos, diz o proverbio, e este parec sor
o motivo do 13o notavel silencio, so n.io he,
mo he que opare;a.
A candidatura nSo foi dis suassympa-
thias .'
N3o julgou em sua conscicncia servir o
paiz, apoiando-a ?
N3o v o coroado os sous esfor^os ?
Nao er que deixa um successor digno
do paiz e do posto que elle oceupou por doz
annos i'
Porque no o recommondais faco do
mundo, porquo nSo p'dis que se Ihe
preste a conllauca com que tendel govor-
nado?.
a A ordem publica n3o tem sido alterada,
na a deixais alterada ou compromettida ao
lempo de retinr-vos ?
a Qual das adminislracdes responde pola
situac3o actual i'
Aceita o novo presidente a responsibi-
lidjdo legada ao seu governo ?
N3o sabemos como explicara oaisgSo
que assignalamos. II* mais de um anuo
que a ordem principiou a soffrer fortes aba-
les ; ha mais de um anno quo se sent urna
igitagflo surda na pulida. Nada nos diz a
despodida do general Bulnes.
s m.i porque elle n3o responde pelo qne
succedeu no seu governo durante o ultimo
anno ?
Ser porque er quo nada significa e
Outro do mosmo, approvando a arrema- iLuiz> escravo de Jo3o Cavalcante, a disposi-
tacio feila por Antonio Goncalvas de Mo-|SBo subielegado da freguezia dosAfoga-
es do imposto sobro mascates a bocetel- |00s sem declarac3o do roolivo ; ordem do
w, pola a qumtia de 400,000 rs.-Mandou- (subdelegado da froguezia de S. Fre Pedro
! lavrar o respectivo termo, o passsr as Gonsalves, o crioulo Antonio Po Ir, por
letras. haver espaucado a Jos NarcisoPereira, e
Outro do mosmo, declarando, em solu- Jos Francisco Alejandre porbriga; a or-
?3oao qua a cmara Ihe dirigi, podioda, aem do subdelegado da Treguezia dos Ao-
esclarecimentos, so as irmandades teom "dos, a crioula Joanna, escrava, por an-
obrigaco, em vista do disposto no final do dr fgida ; o a do subdelegado da fregue-
art. 77 do regulamenlo do cemiterio, de fa- *' dl Varzea, JoSo Martina de Souzi,' por
zerom tapar sua cusa as catacumbas re- 'urlo do cavallos .',
servadas, cm quo forem sepultidos os sous
intuios, ou so a cmara corre somelhante
obrigic3o, que, palo quecsla ostabelecido
no citado arligo, no podem as corpora-
cOes do que trata o art. 76 do citado regu-
lamento, carrocar com despeza alguma,
alm dos 5,000 rs., pagos por cada cadver
inhumado
BEOIFE, 28 niNOVIMBRO DI 1851.
A barca Linda chcgalu hoje do Liverpool
emsuas catacumbas ; mas que, trouxo-nos o 7Vmc.s de 8 a'20 do outbro
relloctuiilo a cmara as disposicOes de taes prximo passado.
artigos combinados con os arts. 22 e 23 e A Inglaterra coulinuava tranquilla; a ex-
n!i5Lo!55 '"'""'"Pf/S'dene^emor- | posicK universal tinha sido encerrada, os
Iiciodi20do maio passado; deve propor exoositoros estavam j retirando sous ob-
ludo quinto julgar cinvonionto para mo-
Ihor se rogularem s vantagons e os encar-
gos das referidas corporacOas na acquisi-
c3o dos torrnos precisos para os jasigos
privados, que pretondem ter no cemiterio
i--A* commissilo enearregada dos negocios
do cemiterio, e ao vereador Franca.
.Outro do dosembirgador chefa de poli-
fcia, communesndo ter mandado entregar
lo procurador desta cmara no dia 13 do
jrrente a quanliado 110,000 rs., importan-
cia de multas impostas pir diversas infrac-
ta?'s do regulamento n. 120 do 31 da Ja-
neiro de 1844, aos nove estrangairos, cons-
tantes da rclacao quo acompanhou ao mes'
mo i'ili.'io.Hilara la, e mandou-so aecu-
sar a recepc3o, e participar a contadoria.
Oulrodo tooente Antonio Egidio da Sil-
va, encarregado da molifSo dos terrenos
do marinha, dizendo ler-lhe sido remelti lo
da thesouraria da fazenda goral um offlcio
datado de 5 dejulhodo correnteanno, cj-
brindo um requermento desta cmara, do-
cumentado e infrmalo, requisitanlo para
urna praca publica, um terreno na ra do
Brum, a(im delle proceder a competente
melicSoe demarcac3o, scientificmdo-lheo
jectos do palacio do vidro.
O.s consol! Indos ficiram om Londres de
97 l|l a 97 3|8 ; os fundos brasiloiros de86 a
87 ; os qualro por cento porlu<;uezes de 32
l|4a 32 l|2; os qualro o moio por cont
russosa 101 1|2; os tres por conlo hospa-
iilioes a 38 l|4 e os dous e meio por cento
hollandozes, do 58 l|2 a 58 11 i
Em Franca tinham rebontado em Che-
duas insurrcicOas, uma apoz a outra, por
rcm ambas foram promptamente supprimi-
das, sondo presas algumas pessoas.
A artilhana da guarda nacional de Char-
Ires o Chatcaudun, e Euro-et-Loira foi dis-
solvida pelo perfeilo de policia.
Como quer quo o gabinete se achasseem
opposicno com o presidento di repblica
acerca da loi do 31 de msio, a qual he sus-
tentada pelo primeiro e combaltida pelo so-
gundo, os ministros dersm todos a sua de-
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 28...... 520,710
i;\|ioiiriio.
Liverpool por Macoi, galora ingleza Bo-
nita de 389 lonelladas, conduzio o seguin-
te--944 saccas com 5,300 arrobas e 14li-
bras de algodSo.
MaranhSo e Para, brigue escuna brasilei-
ro Arcelma, c induzio o seguinte; 20 bir-
rias de cfiumbo, 50 pipas de vlnho, 1 cana
cora pennas de ac, 20 gigos com garrafas
de vinho champagne, 2 pipas com vinagre,
20 barricas com farinha de trigo, 120 ditas
com b.n:ilinio, 100 caixas com psssis, 50
ditas com ligos, 30 ditas com velas de com-
posic3o, 4 ditas com oharope do bosque, 1
"inin iiiho com mpressos dos mesmos, 1000
cocos soceos, 120 caixinhas com doce de
goiaba, 6 ditas com rap, 25 pipas de vinho,
tinto, 20 caixas com velas de composicJo,
2 caixas com miudezos, 4 caixas com garra-
fas de charope do bosque, 1 embrulho com
impressos do mesmo, 780 barricas com
3,948 arrobas e 5 libras de sssucar brinco,
100 pe Iras de amolar.
Philadelphia, patacho americano Edirru
II, Faln de 227 tonelladia, coriduzio o so-
guinto 255 barricas e 2,145 sic-oi com
12,773 arrobase 13 libras de assucar.
CONSULADO PROVINCIAL.
lien liniorito do da 28 1:286,70a
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 28.
Liverpool 36 das, galera ingleza i.in li ,
de 3(5 lonelladas, capito Daniel Creen,
equipagem 17, carga fizenlas e mais g-
neros ; a Deane Youle& Companhia. Pas-
sageirns, Manoel Tlioolfo Alves Ribeiro e
Job W. Evins.
Montevideo 44 das, hrigue brasileiro Sem
Par, de 393 lonelladas, capilSo Jos Joa-
quim da Costa, equipagem 14 em las-
tro ; a Novaes & Companhia. Velo rooe.
ber o pratlco a segu para o Ass.
Paribiba 24 horas, hiate nacional Tres Ir-
mSos, de 30 touellad.iS, mestre Jos Dmr-
te de Souza, equipagem 5, carga toros de
manguo ; a Joaquim Duarte de Azevedo,
Passagoiro, Francisco Cirneiro.
misso, inclusive o prefeito do polica. O dem--24 horas, hiate nacloml Conceicao
correspondente do Times escrevendo-lhedof Flor das Virtudes, de 26 tonellidis, mes-
Paria diz que o Uonileur annunciara que oj tre Elias do Rozario, equipagem 5, cirga
presidente aceitara a resignacSo dos mnis- toros de mingue ; a Paulo Jos Bautista,
tros; masque elles contiuuariam no exer-l Shebhoren--44 dias, brigue sardo Mathille,
cicio desuas func;9es at que Ibes fossem
nomeados successores, o que ainJa nSo ti-
inspector da mesma thesouraria ter parti- nha lido lugar.
cipido a esla cmara de somelhante remes-1 pars licara tranquillo.
sa ; mas como at agora nonhum resultado Ni Austria e na liinamarc fillivs-aa tm-
Aconcagua, e Co-
luimb. Com ellos ser expedita o .us
rospL-iiavl a sua aeco para conjurar com-1
pletimente e revolucSo do que sppareccram i que om nada influirn]~as commueoes que
assomos. : tom tido lugar .'
A acta do motim da serena di'ere da I Ser porque penal que a eloic3o ha um
que se lavrou ni ConceicSo ; por esta e ou- facto desipercebi lo? >
no. motivos, s houvo accordo no pensi-
mento, nSo bouve plano, generaes coro-
nis, nem homens de bstanlo respeito o
tenlia apparecido dessa pirlicipacSo, roga-
va dssa a cmara ordem ao seu procurador
a que camello soentondesse, alim de as-
sistlra referida demarca;3o.Assim sa re-
solvcu.
Outro do subdelegado do S.-Jos, partici-
pando ler falloeido Anlonio Lopes Pereira
la Carv illio, que era eleitor por aquella I re -
gunzia, fimdequese expedisse diploma
io legitimo supplanle.--lnteirada, por ja s.
ter assim resolvido.
< i 111 i de Manos! Jos Mari ins Ribeiro, juiz
he em crise ministerial, mas a ordem pu-
blica permaneca sem altoracHo em ambos
estes estados.
Nos mus paizes nada do extraordinario
tinha ocecorrido.
Communicado.
,. O BAWCO DE PERNAMBUCO.
Ha hoja o dia aprisa lo para a cIai;3o da
directoria da mais importante empresa or-
ganisada em nossa provincia. Sabemos que
?!i".. .."j*?. !.lW?*.A-J.'.'-lU* eseolha desta adiiiiiiistraSao depende
O porto de Coquimbo estava bloqueido
pelas l i-gas inglezas, por tsrem-se apode-
rado os revoltosos do vapor mercante inglez
prestigio que qnizeisem tornarse ciudi-.Fre/ly.
Idas: 0 Per estiva tranquillo sitisfoilo com
Em Valparaso descobrio-se uma ten- o seu-novo presidente. O ministerio foi
como Ido roliri em uma das minlias passi-| tativa revolucionaria, sorprehendendo-se mudado, entrando pira a pasta da guerra o
pedindo uma copia di divisa > do mesmo
districto, foiti por esta cmara.Mandou-se
remellar.
Oulro do snbdelegedo do bairro do len-
le, dizendo ter multado, por infraesflo do
art. I.* til. ti das posturas, a Pedro Anto-
nio de Carvallo), morador no becco do Por-
to, e Anlonio Rodrigues, morador junio ao
mesmo becco, e que a cmara mandasse ar-
racadar as mullas.Maudou-se expedir or-
dem ao procurador para este lim.
Outro do fiscal de S.-Jos, remetiendo o
mappa das rezes moras para consumo no
mol admiro desta cidade, na semana de 10 a
16 do correnle (444).Intairada.
iiiiio do fiscal da Boa Vista, expondo o
eslsdo da mesma frcguozia, e indicando os
melhoramentos a adoptar-se.~A' couimis-
sSode policia.
Outro do liscil do Poco, no mesmo as-
sumpto O mesmo daslino.
O Sr. vereador Franc fez o seguinte re-
quermento que foi approvado :
i Requeiro que esta cmara ordeno qua
novo seja annunciado pela imprensa o
recebimento das propostss para a limpezi
des ras da cidade, e quelaesannuncios so-
ja m repetidos at o dii di prxima sesslo.
T Pago da cmara, 18 de novambro de
1(51O vereador, Franca.
Foram aparovados os seguiotos pare-
ceres :
Um da commissSo enoarregada dos no-
Socios do omitorio, apresentando os fun-
imantos quo entenda se deyia levar a pre-
sent do Exai. presdanle da provincia com
a represenlacSo do administrador do cemi-
terio, relativa ao abuso de sa admiltr al-
guam depois ds morto nis irmn lides, co-
mo acoinecou com o fallecido baclurel Fe-
lippo do Barros Vanconcellos, o que impor-
som duvida n3u s o crdito e prosperidade
do cstabolec.iment como o intoresso parti-
cular dos accionistas, a ulilidade publica, a
O desenvolv ment do espirito do sssocacSo
em emprezas.
Para evitar as msconsoquencias de uma
eseolha menos boa vimos despertar aos Srs.
accionistas, o convida-los a comparecern!
todos a grande rouniSo que hoje lem lugar
no palacio da presidencia.
Aprovoitamos a occasij psra apresen! ir-
mos uma eleic3o de pessoas que em nossa
n ii ii a i i i: opiuiao, entendemos silo dignos
de merecer a prcferendi, a saber :
Presidente da assembla /eral.
O Exm. Sr. Dr. Podro Francisco de Paula
Cavalcinti de Albuquerque.
Secretarios da mesma.
O Sr. Dr. Jos Bernardo i; 11 vao Alcinforado.
Gervasio Goncalvos da Silva.
Directores.
Os Srs. Commendadares Francisco Antonio
de Oliveira ( para presidenta ).
Manoel Gonfalves da Silva.
Os Srs. Antonio Valentn da Silva Barroca
( para secretario.)
Fernando Biebsr.
Jos Antonio Bastos.
Jo-e Anlonio Marques de Ainorim.
Manual Ignacio do Oliveira.
Coi/ii/iissdo de exanu de canias.
Os Srs. Joo Ignacio de Medairos Reg.
J i.se Jaionyni i .Montoiro.
Jos Pires Ferreira.
_______ Por alguns accionistas.
.....-- ... q^i
Correspondeucia.
Srs. Redactores. Publicando honten o
seu interessanle Diario, as emendas ao pro-
de 144 lonelladas, capitSo Pedro Narizi-
no, equipagem II, em lasn*j; a Sapore.
EDITAKS.
Faco saber que achandose vaga a ci-
deira de rheto-ici do oollegio das aites des-
ta academia jurdica de Ollmla por dlleci-
menlodo professar Luiz Paulino Cavalcanli
Vellez de Guivira, est posta concurso!
dti cadein, cujo praso sera tres mezes con-
tados da data desta. ,
E para que ehegue a conhaclmento da to-
dos mandei affliar esto nos legares do cos-
tume a publicar pela imprensa.
Secretaria da icadomia jurdica de Olinds,
24 do novembro de U5I.
Viiconde de Goianni.
Fico saber a quem convier que achn-
do-se vigi a cadolra da substituicSo de in-
glez efrancez docillegio das artes desti
academia jurdica, est posta a concursos
dila cadeira, cujo praso Jera tres mezes
contados da data deste.
E para que ehegue ao conbaclment de
oos mi ndei alDxar este nos tugaros do
costume, e publicar pela imprensa.
Secretaria da academia jurdica do Olinds,
24 de novembro de 1851.
________ Visconle de Coianna.
. Declarafoes.
Pela 2.a se-sai da meza do consulado
provincial so a minucia, que no dii i." de de-
zembro prximo vindouro, se principia i
contar os 30 dial para o pagamento a boc
do corre da decima dos predios nrbinnos
desla cidade, do primeiro semestre do snno
financeiro de 1851 1S52. a que lindo esta
prazo incorrem tolos os qua deixarem do
pagar,na multa de 3 por OjO sob j) valor de
seus debilos, e serSo q> pro.npto execu-
tados.
vapor brasileiro Pornambucmo
dove chegir dosTlortos do Norte ateo dii
2 dedezembro, e seguir para Micei, Ba-
ha e Rio de Janeiro, no dia seguinte-
REAl COMPANAIA DOSPAQUKTES INUCK A
VAPOR.
No da 1 de deimbro es-
pers-se ovipor a fay com-
mandinle Clispman ds Europs,
o qual depbtt di demora do
costume seguir para Os porlos do Sul; pira
passgem dirija-so em cisa da afinen n.
43, ra do Trapiche novo.
- De ordem do IIIm
'. sr. director geral da
MFI l-IOR FVFMPI AF



instruecSo publica, figo sanea,* quem-eon-'
vier qu' Por leliberacSo aprovadajde S.
ic.'o Sr- presidente da provincia'fra-alest
cida'lc, e da deJJlInda o ex.mes.de ins-
truccSo elementar aerBo felos era-cada es
cola pelo respectivo Sr. profesar, e Junta-
mente com alguma pesio*- idnea, da uon-
lianca do Sr. inspector do respectivo circu-
lo que tem obrigaeOo da presidir a todo
cisesoxames.
tem os individuos, que tem escolas par-
ticulares quer de inslruccBo primaria,quer
eoundaria,ato ultimo do prximo mez de
dezembro podem requerer suas licencia ;
us de Janeiro vlodouroem dianleningueru
sem licenca poder ler escola sob as penas
.mpostas no reguiamentoe 12 de mam des-
Direotoria geral, S de novembro de 1851
Candido Eustaquio Cesar de Mello, amann-
onse archivista.
THEr.TRODESIZr.BEL.
i-RANDE ESPECTCULO VARIADO DRAM-
TICO ECANTO
EX BBNSFICIO Di CADTOBA
Mu iclla I.:mhIi.
Sabbado, 29 de novembro Se 1851,
Depois de urna escoihida ouvertura, subi-
r scena o muito interessante e appl.u-
mo drama em quatro actos e um prologo
intitulado *
LZARO a PASTOR.
.No lim do prologo a beneficiada cuntir a
bolla aria da opera
Ernani.
No lim do primeiro-acto a beneficiada e a
Srt. D. Cirmcll, cantarSo o bello duetto da
opera
Norma.
No interv.llo do terceiro ao quarto acto
ser executada pela beneficiada as dilliccls
Viri3c0es de
Rhodas.
Dando flm o espectculo com a muito
applaudida cavatina intitulada
POLACCA DOS PURITANOS.
A beneficiada espora merecer a proteccBo
do Ilustrado publico desta cap l I.
Os bilhetes acham-se dosde j venda
em casa da beneficiada na ra da UniSo n 3,
onodia do espectculo no theatro.
Tlieatrode Apollo.
18.' RECITA DA ASSICX ATURA.
Segunda (eir I. de dezembro de 1851.
Em festejo do feliz anniversario deS. M.
oimporador.
Deooisdeuma brilhanle ouvcrlura esecu-
lada em grande or_che,tra, o depois de can-
tado o
Hymno nacional.
perante a aflige de s. Magestade, subir a
scena pela segunda vez o drama
O irmitaO da serra de cintra.
O emprezrio tendoannunciaJo a repre-
senlacSo' dd idiota, e tencionando lovar a
scena o Mytrio D. JoSo de Mar.nBa, no dia
10 do mesmo oiez de dozembro, vio-so obri-
ga lo, em rasBo dos trabalhos do segundo, a
deixar de ensaiar o Idiota, o de leva-lo tito
breve a scena ; e espera que o genoroso pu-
blico desta cidad, o dosculiar desta vez
mais.
Comecar s 8boras.
.Para o Rio Orando de Sulsegoe com mui-
la brevidade o patucho vinte nove de setem-
iro'teado Ja a mu or parte da carga prompta,
para o resto dirija-se a JoBo Francisco da
Cruz : roa da Cruz n. 7ou ao c.pilBo Ma-
uoel Jos Monteiro Vianni, na Pinga.
-- Para o Cear o hiato N. Ollnda : a tra-
tar com Manoel Dias, na Senzalla Velba n.
134.
Para o Arscaty at o dia 5 de dezembro
o patacho cAr.c.ty a tratar com Manoel
Dias na ra da Senzalla Velha n. 139.
- Para o llio de Janeiro, sa-
liir com a inaior brevidade pos-
sivel, por ter parte da carga en-
gajada, a hetn conhecida escuna
nacional- Mara Firmina capito
JoSa Bernardo da Roza : quein
pretender embarcar carga na mes-
ma, ir de passagem, ou embarcar
escravos, pode entender-se com o
mesmo capito, ou com o consig-
natario Luiz Jos de S Arrujo ,
na ra da Cruza. 33.
Para o Porto.
Sahe com a maior brevidade
3"
JoBo Cavalcanli de Albuquerque Wan Aluga-se por preco commolo para pas-
derlei abaixo assignado e morador nesta ci- ar a fesla, urna elegante cata terrea, com
dade declara, que o molequo Luiz, crioulo, non* comino los para familia, tem, dous so-
que vendeu para esta mesms cidadefoi pro- tBos, um dellescom bonila vista parto mar,
so o recolbido a cadeia a ordem do Sr. Sub- epara o Recife, na ladeira da Biquinha id
lelegadodos AfTogados Ihe pertence parte; Olin la, a tratar no mesmo lugar na ra d)
Balde n. 21
Precisa-so de urna negra, paraveader
n ra o f.zcr algUm s-rvico em Ha i a
tratar no nt Tro di Roa Viita, v:b*TT *3
-r aNa ra Diroila, junto do neceo apSeri
por quanto leudo falecido sua a o no
termo de SerinhBem. e representando
o abaixo assignado, cntlo menor e
mais iluiis ir.iiTos. a seu finado pai
Antonio Ferreira da i .ni/, leve de tocar
possivel
riles tres, do heranea a escrava crioula de ado n. 89, srgundo sobrado, precisa-se da
nome Maria ; porem sou lio Manoel Ferreira urna ama de casapara homom soltero, miis
da Cruz hoje morador na freguesi da Esca- nBo sendo muc*.
da, que foi o invenlarianto dos bens, apos- Na ra do Mondego'n. 12, cnsin.m-sa
sondo-seda dita escrava nunca a entregou.e esclavas a engommar com toda a par (Mego
em sen poder teve ella dos flllios Cosme, e e asseiu quem se quizer utilisar, dTrfla-se
este Luiz ; e constando agora ao abaixo as- a mesma que achara com quem t-atar.
signado quando seu to trata de vender es- Pr-cisi-so fall.r ao Sr. Manoel llaltlu-
tes escravos, o baixo assignado roga as au- zar de Ulivelra Bastos, roga-se-lho pois de
thoridade a quem competir nfloentreguom annuuciar a sua morada, ou do dirlgir-sa
o dito escravo preso a seu tio, e ne n a outra ra da Vigario n. 19, escriptorio de Machado
alguma pessoa, at que o abaixo assignado & l'lnhciro.
ro |u ir i seu direita pelos moios compe- -- JuliSo Jos de Araujo, ronnllo para o
lentes.JoBo Cavalcantc de Albuquerque Rio de Janeiro, os seus escravos Francolina,
Wandorlei. cabn, e Norbcrlo, crioulo, ambos de me-
Reipondendo ao annuncia'do thesau- or idad".
reiro da loteria deN. S. do Livramento pu- Antonio Jos Teixeira, subdito porlu-
bllcalo ni Imprensa- n. 159 do 28 do guez, relira-se para fra do imperio,
cerronte mez, em que pedo para que nos Per- ;__ i.'0 r,.ia(J0 Ja estribara do
nambucanos devamos preferir o comprar
_ bilhetes das loteras da nossa provincia.es- quintal da tasa f|tie mora f ranas-
I or ter narte de seu car- 'ouJeaccorlo.uma vezqueo plano das nos- co Antonio Vieira, na ra diSole-
I, por ler parte ae seu car glg |0[era3 0fferecam as mesmas vantagens _____,. ., ,
regaraento, a linda e veleira gale-qoasla'rLTi'e7iVa"d^Rlo;"oVoopairoda dade. ao yoltar para o Manguinl.o,
ra portugueza Bracharense tem ""*.SJIaSSX?-""-- u-m cavall,nho russo com uni9S
ra portugus fracdrcisc tomorg,n,sldo ., Ili0 anima de manaira nnh,,m.r,i|. X;" "-,'
aceiados commodos para passaget-'aigumaos amantes deste licito jo^oa con- P'nt'samarellaspelocorpo, muito
Car- correrem para o prompto andamento dcllas, bem teito de casco, cabeca c ore-
'"f^'1^"!^!!^^1?^0^^," ,has pequeas, tem um'baki no
retirar Mmenle o nremio do 4.60o,O r.v, x i _
ros
re
d
qu
quem na mesma quizer
egar, ou ir de passagem, enten- s7trr fomente o premio do i,6uo,ooors., nas Pienas, tem um oaui no
i-se como capito Rodri"o Joa- Ijiuido, ho muito mais vmtajoso arriscar- Itig^r da picadora, tem urna mar-
... (. s 11,000 rs., valor do moio billiota da loto- c;, de ferro na anra lif milito ara
,uim Correa, na pra?a do Com- ria di it.o de Janeiro, para gnnhar9:200,ooo ,. ae ,Lrro naanca, ne inulto ar-
l'ncrcio.OU com Novaes & Compa-'rs. liquido.oqual .vende na p.aqadalri- uigo, a"
i- j t_:1. > \r. I dependencia n. 13, e 15, loja de calcado 'lo Jie uoni
nhia, na ra do Trapiche n. 4!Ar!.ntos,eesl firmado orn a assignatora
Para o l\io de Janeiro, em brevo de Ferroira nossa mui digno cau- Bl" -"
n- Jigo, anda ptimamente baixo e
galopcador : a peasoa que
hender, ou der noticia aon-
mez, por ter o seu carregamento r^spcilavel publico quellcat
' *. i ,i fosta para o auno de 1852 pi
rasferida a sua rente, as ti borasdi manh i, em
' i -i lesia para 0 auno un isj: por |
prompto, pole receber algumas u igr'oja en,0bra, ficando po
por s>chara di- m dos saldes do palacio do tiW'er-
i porem a mesma -r .' o
miude"zas, passageirjs c escravos a eleisaJ. n0' if}m de se elegerem os direc-
fmiP oirprprp^dn nara estes os1 c"l,il5 F' Cost precisa tomar a tores do mesmo banco,
ireie oiierecenao para csil. ib rs(,n ;) n nn%rihn lla blirci
uina ama
risco sobre o casco o aoparelho da barc __ |r-- ,i
mclliores pgasalIlOS : trata-se com ingleza Ospray, aquanlia da 8:000,000 rs. reoisa-se aiuga
ns rnnsicnatarios Machado Se Pi- 0,n nioodl' ueto imperio, para costlo e deleite, para acbar de criar urna
os consignatarios jjucnaao oc 11 des ,10Jl0 mnsmo to l|a m(!Sina bar. .' nreOrindo-
nheiro, na ra do Vigario n. 19, ca.aquam este negocio omvier, dinja-se enanca ae seie mezes, preierintlo-
seeundo andar, ou com o capito casa deM. Calmont scompanhia. se preta e captiva : na na da S
Acha-se justa o comprad a esa da Cruz n. 66. defronte da ribeira.
na praca. ra do Padre Floriano n. 68: quomsojul- D- j .
- Freta-so para qualquer parte do Norte, gar Corr. algum direilo, ou hypotheca, an-' *
atao Cear a barcassa a Nova Esperanza nuncie yor estes t dias. leite :
grande nova e de boa coiistruQBo, ou rece-
lic-s carga a frele para o Rio Orando do
Norte e a'ss i a tratar na ra da Madre de
Dos o. 34.
..-i:-z;^ir^ipgMjHMJi 1
Leiloes.
de una ama de
na ra do Cfcbng, botica
-- Ainda est por alagar (om razo de ter i
sido necessario fa/.er alguna reparos) a ex-1
cellcnte casa nova da pedra ocal, com gran-' Precisa-so de urna ama deleito, q le re-
ge sitio, muitas arvnros do fructo, extensa esba urja enanca, que leal 7 mezes c moio
baixa o ptimo banho do Cipibaribe, no'de idade, para criar nro gua casa, e quede
cortador do S. JoSo da Matriz da Varzea. .conhocimento de sua conducta : no pateo
jlrKiaiatturccisos estro concluidos, e a- do Terco n. 93,
cha-se iijopTOmpta, o pintada de novo : Dina mulher se ofTereoe para ama de
tratase na ra da Cadeia do Recife, loja n.; casi do pouca familia: no pateo do Ter(o
h toyle l'ar leilo por
intervencao do corretor Oliveira ,41 preferindo-se quom a tomar amarrida-.u. 1, segundo andar.
Publicacds lilteraria.
ELEMENTOS
DK
, Homosoftithia. .
Sabio a luz a segunda parle desla obra
romposta pelo professor homceopatha Cns-
s-t llimont. II Tidiem-s assignaturas para
a obra inteira a 5,000 rs., no consultorio
homceopathico da ra das Cruzes n. 28. De-
pois da publicado da terceira parte, o pre-
50 ser elevado a 8,000 rs. para squdles
que nBo tiverem aseignado. No mesmo con-
sultorio, acha-se a venda todo quanto he
necessario para o estudoea pratici da ho-
mceopalhia, como seja : livros itnpressos
para historias de doenles, regimens apro-
priados para a provincia de Pern.mbuco, o! ~.^.<
encarrega-se de mandar fornecer qualquer Hoja ter lugar no theatro de S. Izabel o
encommenda de medicamentos homceopa- beneficio da senho'a Landa. O estado do viu-
da um vario sortimento de azen-
das inglezas, proprias do mercado,
par l'eichar contas : boje, 29 de no-
vembro de i85i.
Augusto Cazar de Abreu far leillo ,
por intervencao do corretor Oliveira, de um
completo Miriim ni" de iazeu las inglezas.
todas proprias du morcado : segunda foira,
l.o je dezembro, as 10 horas da manhBi, no
seu armazem, ra di Cadeia.
-- Ocorrator Miguel Carneiro, Iransferio
o seu loilBode lionlem para boje sabado,
29 do corrent. ____ -
Avisos diversos.
thicos, tanto avulsos como em caixas, em
glbulos como em tinturas.
I*o prelo : Patliogeneetados medicamen-
tos brasileiros.
Elementos de anatoma e phitiologia com es-
tampas, para os curiosos em homceopalhia.
Roga-se aos seohores
sequio de mandar reccuer soug exempia-i Hospital res
res no consultorio horneoopathico da rualgP.rc,ado 0 piuti'd''quTm'quizeVcinira-
vez om que se ada esta honrada e digna ar-
tista, lie sem duvila morecedirde compai-
x3o, e a concorrencia seu beneficio deve
reputar se um acto de cari lade. Aos cora-
cesbem formad is, aos homens que si bem
I apreciar o que he a desgraca, se reco'iimen-
s senhores assignantes o ob-; aa 0 expoct,cll|0 que |,oje so representa
andar receber sous exempla-1 Hospital recimenlal da Silidide tem de
da Cruzes n. 28.
TRATAA1ENTU UOMliO-
PATH1CO.
DAS MOLESTIAS VKMiBKAS,
e consolhos aos doenles para sa curarom a
si mesmo, sem precisarem de medico;
polo professor homceopatha
Gossel-Bimont.
Sabio a luz e acba-se a venda no consul-
torio homceopathico da ra das Cruzes n.
Mi pelo pre^o de 1,000 rs.
mimmmmm^B'mmtmmmmimm^eageBBm
Avisos martimos.
lar este servido podo dirijir-se ao mesmo
nos dias 8 as 9 horas do dia.
-- Fardando Jos da Rocha Pinto, embar-
ca para o Rio de Janeiro os sous escravos
Raimundo pardo, e Maria, crioula
--A matriz de S. Antonio,tem de fazer gra-
dantes para os altares da masma Igrejt, e
para isso convida aos Srs. entalhadores, que
quizer esse servico, comparcC'irom na mu*
ma malriz,das 10 horas as duasda tarde para
contratar-se, que ser preferido a quem
por meuos fizer, segundo o modelo que se
convencion.r.
-- Aluga-se um sitio no corredor da var-
se.bem plantado com casa para gran le farri-
lia,para festa e por anoo : a fallar na ra da
Cadeia do Recife n. 6t.
-- No dia I \ as 4 horas da tardo, na ra
U abiixo assignado, ratili-
nh^ e'mK^o'tr^frV seu"; cando seus annuncios pelos jor-
escravo (oraido, do ida le de 10 annos. naes da capitil em iSin e iS'19 ,
-- llorda-se com perfeicHo do muito bom 1 (1Prlnea ohp rnnli-
posto renoste.rosebandeiras. c mais obras. 1 P^10 P^e.lle ecla-a, que COntl-
Na mesma casa paga-se 480 rs. por caada nua a nao assignar e saccar lettras
i'deazeile:nirua estrella do llozario n. 37- de pCSSOS alguma.porque naO'deve
, -- precisa-so diuinn preta capliva, para o 1
> (o servico de una casa fraqoeza 1 (,a ra duie iiem tem Iransacoes a lazer, por
atierro da Boa Vista, loja n. 1. cujo motivo .ser c he falso qual-
__|,r.!cisa-sn em Olin l.i, do um pequeo, I f^_ ,
del9al4annos,pnracaixeirodeloj,deiVfqur papel assignado pelo annun-
zen las e miudezas, prefere-so portnguez: cianle dessa nalureza ; assiui como
a tratar na ra da Cadeia do Recife, lJ", tmnbem declara, que todi e qual-
Precisa-se de um moip, quo tenjia as quer pessoa na mesma capital e na
habilitaces nocessarias, pira excrcar r/lrj-
gar de caixeiro, em urna casa da negocio em
Maroanguipe : quem pretender, dirija-so
uestes 15 a ra do Vigario n. 33.
-- Na ra da Moda n. 7, primeiro andar,
faze o-se espanulores da rnelhor qualldade
possivel, por prego commgdo, a contento do
comprador.
Antonio Jos Ribeiro Bastos, embarca
pora o Rio de Janeira, o seu escravo, de no- em 10 de novembro de io5i. -Joao
me Elias. r Mauricio Na noute d-i 19 docorrente, desappa- ,. u_ '
receu, urna preta de nacSo,. por nomo Ma- Aluga-se urna engommaders, escr -
ia. estatura regular, bas.anB secc. do cor- va, 00. fu,ra, para cisa de fannlia: na ra do
cidade do Ria.Fortnoso, como j
anirttnciou, nada tem que procu-
rar daannunchntc, por qualrpier
divida, que em sen nome se laca
por pequen 1 que seja. Kngenlio
Gindahi da freguezia de Sci inhaem
-- Para o Arac.ty segu com a maior bre-
vidade possivel o hiatoDuvidosopara
carga epassagelrus : trala-seao lado do Cor- das Flores, a porta duSr.r. juiz do ausan-
110 Sanio toja de massanres n. 25 .'. o tifio de arrematar um c ivallo e mais
-Paiaoltio Grande do Sul protende sa- despojos do finado Manoel Vieira da Rosa,
bir brevo o brigue Feliz Unifio por ter urna lassim como o resto dos despojoafjdo Dnfdo
parte do seu carregamento prompto, inda iCraDgeiro.
recebe carga a frete. Quem no meamo qui-j -- Pede-seao digno empresario dothea-
zer carregar pode entonder-so cornos aon- tro de Apollo, o Sr. CuimarBe, a'represen-
signatarios Amorim & Irmflos ra da Cadeia tacBo do drama Catbarina lloward. _
n. 39
-- Para o Rio de Janelro.segue com fcto-
vldadc por ter parte da carga enganjada, o
Veleiro patacho Clemenlina, para o resto- da
carga ou escravos a frete : dirija-so a JoSo
Francisco da Cruz, na ra da Cruz n. 7.
Para Lisboa sabe impreterivelmcnte
nu dia 7 de dezembro o brigue portuguez
ConccicSo de Maria. Aiuda recebe alguma
carga e paisigeiros para o que tem excel-
entes commodos, Irata-se com seus consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonseci & Vi
Iho : na ra do Vigario n. 19 primeiro an-
dar ou com o capilio na prac.a
Para o Rio de Janeiro sahe no* dia 31
docorronte, o patacho Santa Cruz. Anda
recebe alguma carga miuda, passageiros e
escravos a frete : a trilar ao lado do Corpo
Santo, loja c'e massames n. 25.
Para o Rio Grande do Sul, seguir em
poneos das, por ter a maior parte do seu
carregamento prompto, o brigue nacional
Deus te Guarde capitfio Lauriano Jacintho
de C.rvalho, e anda recebe alguma carga a
frele : a tratar com Baltar & Oliveira, na ra
da Cadoia do Recife, armazn n. 12.
U patacho brasileiro Valen-
te, de que he capito Francisco Ni-
colao de Araujo, segu raprcte-
rivclnuote para o Kio de Janeiro,
no domingo, 3o do corrente: para
carga miuda, passageiros e escra-
vos a frete, trata-se com o capitSo,
u com os consignatarios Novaes
& Compaahia na ra do Trapi-
9hen.34.
Ilrum, sobrado de 4 andares no segundo
-- Francisco Joaquim Cardozo, embarca
para o Rio do Janeiro, dous escrafos oreou-
ios, Severino o llena licta.
-- No dia 3 de dezembro, linda a audien-
po, ja de meia idade; com tnd is os denles
da fronte e urna marca M em um dos bra-
cos, quando falla pouco se percebe e parece
maluca por fall.r muitas vazei s, andava
%%&^"^***&
asseoto branco, com llores encarnadas, ca-
misa do algo 18o o um panno da'Costa ji ve-
lho<: a pessoa que a capturar, levando a ra
Augusta, sobraJo da um andar o sotBcrn. 9,
ser pago do S'.u trabalho.
-- Desappareceu doengonho S.Amarinho,
freguezia da Varzea, no dia 24 docorronlo,
um molecotede nomo Eufrazio.coir. ossig-
naes seguinles : -- representa ter de 2a a 22
annos, estatura regular, bem pret), do na-
ci Mussambiquo. nariz nBo chato e um tan-
to arrebitado, bonitotoo ps psquonos: quem
o pogar, leve-o a ra do Collegio, vend n.
5, ou ao inosnT) engonbo, quesera bem ro-
1 -compensado.
-- Precisa so de um mdlequ, para una
casa de pouca familia : na ra Nova, luja do
cutileiro 11. S6.
-- Precisa-se de um feitor, pata um pe-
queo sitio nesta cidado ; a tratar no Hospi-
cio no sitio do porlas verdes, junto do da
Viuva Cunta.
NapoleBo Gabriel Hez embarca para o
Rio de Janeiro, seus escravos seguintes.Luiz
Un calcanhar redondo.
-- Na ra Direita sobrado de un andar n
33,. ao p da botica,f^z-se bolinhos para cha,
vendidos em libras, lambem arranjam ban-
dejas dos niesmos com flores, ramos.liguras,
e varias galantarias, com muila perfeijllo, ei v'cen"e'io'ulos!
barato preco.tambem se faz pastis de uate, | __ Joaq'uim Joso' (;orreia faz saber aos
de carne, bolos francezes, pBo-do-lo, doces gfeu3 dovejores q0 selleple receber suas
de ovos, doces de calda, doces secos da caj i|jyj 8 qUBin as |)agar a0 Sr. Laurianno
e varias qualidades, barnzinlios com dito pto jo Paiva perder o sou dinhoiro puis
muito baratos c bom doce. I il0 |,aiva naJa mals te,n oa gociedade a-
- Oes.pp.reccu no di 25 do correntia os- |ea Ja aivda da -185,036 rs. que falta m
para enteirar 1526,947 rs. quo ficou
crava Josefa preta do Angolla, idade 36 an
nos pouco mais ou menos levou vestido de
riscadinho amarello empalmas, ja uzado,
pauo da costa de listas encarnadas o mican-
gas 00 pescoco, ust baslnte magra e com
devendo a prar;a.
-- Na ra da Aurora n. 32 precisa-so para
caixeiro de veuda um rapaz que abone a
sua conddcla na mosnia casa vonde-se urna
. osa tem commodos pa
recompensado. mt caga jla p,ra vender excellentes cauarios
^~ l5,O0Ors C comer. I reconlemsnle ebegados de Lisboa, e por
Precisa-se alugartim prelo na confeit.ria commodo prefo.
o.43,da ruadoRozarlo,pagando-aolS,OOOrs. Precisa-sealugar um.rmazem que sir-
eda-se sustento. va para se bular qualquer estabelecimanto,
Ao lllui. Sr. Germano Francisco de O- e'mesmo comprando-so algunsobjectos que
liveira muito digno emprezirio do Iheatro conlenba a dita casa, sendo nas ras seguin-
deS.lz.bel,roga-se-lbo encarecidamente que los: ra da Cruz, ra da Cadeia, praca do
por sua bondade baja de levar em scena no Commercio, ru. do Trapich, e Vigario;
dia dous de dezembro a tonadilha esp.oho- quem liver aniiuucie pura ser procurado ou
I. o Poeta o o Muzico por cujo obzequio dirija-so ra da Aladre-de-Deus, taberna
Ihe ficarSo sumameute agredecilo os seus n. 36.
Apologistas. Antonio Jos Ribeiro Bastos, embarca
-Joaquim Jos Corris pede aos seuscre- para o Rio da Janeiro o muleque creoulo de
doresque lhetiremuma conl.correnteeap- nome Jos.
parecam sabbado as 4horas da larda para ar- Aluga-se nm solBo com alguns com-
ranj.rmos nossas contas. modos e muilo fresco, proprio para 1 ou 9
Precisa-se allugar um prato : na rus da rapazes solteiros n. travessa dos Qnarteis :
IClori. refiusaa n. 114. a tr.larna ra da Florentina n. 30.
le arromatar 3 escravos, penliorados a Ma-
nool Joaquim Soares, por execu;o do JoBo
Tavares CordeiroescnvBo Molla.
-- Aluga-se um pequeo sitio com excel-
ente casa 110 lugar da Cipunga, defronte do
Sr. Deburcq : a tratar nos Coelbos, na se-
gunda casa, delronte do muro do hospital.
-- Adverte-S ao Sr. Bernardo de Albu-
querque Fernandos Gama, que o seu corres-
pondenlo nesta pra^a, nBo tem pago a subs-
cripto do Diario.
-- Aluga-se urna casa em Olinda na ledei-
ra da misericordia n. 12,prompta,limpa.cai-
aJa o pintada; a fallar para ver com o Sr.
Antonio Luiz Conzaga na ra do Malinas
Ferteira; e para .justar com Joaquim da
Asscnc,.lo Queiroz, na ra do Mundo Novo
n. 30.
- Antonio Ricardo do Reg, embarca pa-
ra o Rio do Janeiro, o seu escravo Manoel, do
11 ..i;iln Angol 1.
-- Precisa-so de urna ama, quo tendo bom
leite, sendo asseiada e cuidadosa, queia a-
mamontar urna crian;, do dous mozos :
quen rstiver noslas circumstaucias ( sendo
forra),dirija-se atrs da matriz da Boa Vista
n. 16.
-- Precisa-se de um bonica para fiitor do
engenho, muito perto desta praca : na ra
Nova n. 67.
Aluga-se metade de urna casa, com en-
trada separada, constando do sala devisi-
ta, Mcova, s.la*de j.ntar, cozlnh. e um ex-
cellente terraco : a quem convier, dirija-se
a ra do Crospo n. 5, para se Iho cnsinar
a ra.
ca como para o mato, dirija-se as Cinco-
Puntas n. 100, fqaa informarfio a conducta
ou no piteo de s. Pedro n. 1: a tratar com o
mesmo caixeiro.
-- 1'io.m-s ao Sr. T. G. P. G., morado
em Aurqr,,\ail'-ira inandir pagar a quan
liante IQ2jftBtffs da'fizr11 las que comprou
para ji^e outra* de '{uo i.bouou a diversos,
om Sajre Aaiarinhoa pessoa que no igno-
ra ; emquaato nBo o fizer ter de ver o seu
aernc repetidas vezes no jornal.
(J secretario da irmandade
de N. Scnhora da Conceico dos
Militares, vista do art. iS dos
estatutos, que regem a dita ir-
mandale, convid a todos os ir-
mfios da mesma, pira que compa-
recam no dia 3o do corrente mez,
as 8 horas da manhaa, no consis-
torio di referirla irmandade, fim
de se proceder a nome cao do pre-
sidente, quo ha deservir no anno
de i852.
Altenco.
A mesa rog lora da rniind.de do Divino
Espirito Santo, em consequencia da dilibe.
rirjn da mesa cinjuncta, convida a-todos
03 irmBos a comparecercm no consistorio
la mesma, no domingo, 30 do corrente, as
9 horas da manilla, para reuniBo do mesa
geral, o pode aos mesmos nBo fallem, por
ser de grande inleresse mesma irmanda-
de, o quo so tem a tratar.
-- Napolen Gabriel Bel embarca par.
o Rio de Janeiro o se;is eslavos se-
guinles : I >-' o li.iiniie.il. crioulo, Izabel
crioula.
AttencS >.
O arrematante dos imp slos das
BfencoeS, das lice icas dos mscalos e boen-
leiras, niudou-se para a rus das Agofc Ver-
'*%*e .??.?;? *'**
,1 Paulo Gulg-noux, deatlrtii.
! rraiieez, offerece sen irci-
J mono MiiMico in tollosos W
i.ilstcres rt nu profflssao 1 m
pMeaer proenrmlo 11 |iil- 9\
9 quer iiora cm sna casa, 11 1
* mu litigado Rozarlo, n. 3<> *
9 -...linio anilnr.
Aluga-se um bom sitio no lugar do
Cordeiro, a margem do Cipibaribe, com boa
casa, estribarla para 3 cavallos, casis para
prelose feitor, pomar ejardin; assirn como
baixa, com cipim e muila ortalice : a tra-
tralarna rus doQiRimadon. 30, segundo
andar.
-- Precisa sedo urna criada, smente pa-
ra o servico de cozinha o compras, para
urna casa do muito pouc. famili. : na ru.
do Horario da Boa-Vista, sobrado n. 32.
acha-se justa o contratada compra da
casa e. mei. agoi no fundo di mesm., na
ra Augusta n. 15 : quem se julgar com al-
gum direilo ou hypotli-ca annuncie uestes
quatro dias por esta folba.
49i*i4BSS$99*)*'?
Q Um sacerdote que. tem pr.lica do i
3 ensind deprimeiras letras, gramma-
ttica latina e franceza, geometra, mu- *
zica vocal ene alguns instrumenlos,
S# inclusivamente de oiano acceila a .
eapellania de algum engenho proxi- g
ii mo a esta praca subjeitando-se a fa- $ zer sua residencia aonde tiver de t,
4 excrcer o ensino das referida mate- <%
4 ras: pessoa que com o mesmo qut- ?
"? zer contratar, di;ija-sa a ra Nova n. fe!
4 8, onde sera informado.
>>>tt* *
I'recisa-se ulugar uma escra-
va, que sej \ boa cosinheira c rom-
pradeira, \ quem a tiver dirija-se
a ra da Asaumpcao ou muro da
i'enha n. 16.
Hotel no Monteiro.
Domingo, 16 do corronle, bre-se esle
estabelecimento com as seguinles pro-
porches :
Sala (nobiliaria e ndependento, p.ra as
familias, que indo a pajseio quizorem des-
cancar.
Qnartos propnrados para dormida.
Espacosa o bem arejaria sala Ja jantar ,
com capaciriade de servir a 40 pessoas.
Soiti para recreio e passjio.
Estribara e arranjos para cavallo.
Co 11 la mens.loavulso.prep.rani-sejan.
t.ros e prezuatos, aluga-se lou^a, vidrus '
bandejas, etc. ele.
i Tudo por preco muito rasoavol, o acon-
tento dos prctenJentes.
Manoel de Almeida Lopes, com cisa
da consignado para comprar e vendor es-
cravos, tanto para esta provinoia, como pa-
ra fura della, mudo 1 a sua residencia da
ra da Cadeia do Recife, 11.51, para a ra
da Cacimba, n. 11, aonde morn o finado
Exm. vigario, Uarreto.onde continua, ofTe-
recendo-se toda a seguranca precisa para os
mesmos e bom tr.lamento.
Precisa-se alugar urna casa com sitio,
ou sem elle, na capunga, ou .inda mais
perto, com tanto que lenba banho no rio
Capibanbo, eseja porto della : nosta lypo-
graphia se dir quem precisa.
Preciza-sa de um portiguez que seja
perito em plantacoes do silio, e saiba ti-
rar rormigas, quom cstiver noslas circuns-
tancias e quizer Irabalhar no sitio na traves-
sa do Remedio n. 21 entenda-se com seu
propriet.no, o l'oiloiro da Alf.ndega desta
ci lari, na mesma reparlicBo que a vista da
prova quo dar desatiero que cima se desi-
ji, e da sua boa conducta &. &. tiat.r-so-be
do aiuste.
Nova tinturara franceza na ra
Vellia n.74.
Aln lingem-scobras de qualquer panno,
o lnnpBo.se cazacas que licam como novas,
ludo por preco omino lo
Precisa-se de um negro para o servico
do padaiia 110 atirro da Boa Vista, casa nu-
mero 33.
Compras.
I. b. Vollmaier afinador do pianos
~. faz scienteaorespeilavel publico des- *
& sa cidade,que se aclia prompto a qual-
t quer hora do dia para exercer o seu ?
til oflicio tanto ni cidade^omo nos seus
f. arr,.baldes,a precos uiiiiUi favoraveis, ?
0 Ple ser procurado na rna da Cruz 9
I n. 38. 9
Aluga-se urna casa terrea com solBo,
no sitio do Cordeiro, margem do rio Capi-
banbe, com commodos par. grande familia,
cosinha fra.cocbeira, estribara para 6 011
8 cavallos, e quarto p.ra criado ; urna dita
mais pequea no mesmo sitio, lambem com
commodos para familia, cosinha fara, e es-
tribara para 4 cavallos : pira ver no mes-
mo sitio, e p.ra tratar com Gabriel Antonio,
no pateo do Ctrmo n. 17.
-- Quem precisar de um caixeiro brasi-' ressa3 nesta tvpoTanhia, sendo
leiro para venda ou arm.zem de assucar ou> o r. ., -
qu.lquerestibeiecimouto, tinto para a pra- de porta 3 1O rs e de alglDCira
-- Coinprain-se escravos e vendem-sede
coiHinlssSo, para dentro e fra da provin-
cia : n. ruada Cacimba, sobrado n. 11,on-
de inoriiu oSr. vigario do Recife.
Compra-se dous pares de cachilhos para
alcova ou saccada do varan Ja, oslando em
bom estado : ua ra da Senzalla Velha n.
100.
Compra-so urna socrelria, quo seja po-
quena e om bom estado no aterro da Boa
Vista, luja n. 3.
--Compra-so urna preta, quo saib. bem
coziobar e engommar, agradando pag.-se
bem : na ru. do Amorim n. 25. ._______^
Vendas
FOMIliS PARA 1852.
Sahiraiii a lar. as folhinhas im-
^^
a 3aors contenjo todas as de al-
gibeira alm do calendario, a de-
finicao dos corpos celestes, astro-
logia, cometas continuacao da
chronologia principiada, ha annos,
juizo das mudancas de tempo pe-
los meteoros, taliela dos emolu-
mentos dos parochos em todas as
funcedes religiosas, e urnas colle-
cedes de anee Jotas.Iions ditosjetc.,
nutras a confissao do manijo e nu^
trasalinguagenidas flores, finetas
e jogos de iuezas de.llores, e breve
salir;n as de almanak, muito acres-
centado e corrigdo r vendem-se
n* livrria 'da pra9a da Indepen-
dencia, n' 6 e 8.
Vendem-se as seguintes ta-
bres: geograpliia por ('Innclurd
eA.iMuntz, com rica encaderna-
rao, aa mappas e 3oo estampas 4
Uaphael, Paginas da Juventilde ,
por A. de Lamartine, vers3o.Por-
tugueza; Tratado (,'ommercialjora-
culo, ou o livri) dos Destinos : na
ruada Cruz n. -lo, primeiro andar.
.Vende-se.liverna do pateo da Penli
n. 10, com poucos fundos propn.'para,
quaiquer pessoa principiante; a tratar coa
o dono d. mesma.
A Henean.
Vende-so, por 3. JO:),ono rs., o sobrado de
dous andaras c solBo, com t r pci ra e loj. re
partida, com boa c.cimba na cinglo e era
cbBos proprios, no Recife n. ra do Apollo
n.29: na mesma ra n. 31, se dir quem
vende.
Vonde-ie um prelo escravo, perfeito
cozinheiroe canoeiro, bonila figura, s.dio
e sem vicos, aos pretendenies se dir o mo-
tivo porque se ven lo : r.a ra larga do Ro-
zarlo, loja n. 35.
A elliis rapaziada, que a esta est
prxima c recebe-sc dinbeirn.
fresco paro os pas eis.
Na Icyi dn miudezas n. 3, ao p da ponte
da lloa Vista, vendem-sa os afortunados bi-
lhetes, miostusautollas da loteria de Nossa
Scnhora do li visar, en lo.
lUiado Fasscio Publico n. 5.
Vcndam-sc 18 caixilbos envidracados e
promplos para qualquer obra, por preco
muito commodo.
Para voltarete.
Vendem-se sartas ta|S francezas : na ra
do Crospo n. T.
Vende-sa azeile de orrapalo a 200 rs.
agarrafa, osenlo a caada 1,440, gracha
om lata 100 rs., azeitonas novas, figos, pas-
sas, assucar reliqadp, dito decaroco.farinlia
do reino, dita da H.ranhSo 80 rs., tudo
por menos preccl do que em outra parte :
no pateo do Carme-Ven la n. 13 dtbaixo do
sobrado do um ni lar na quina du becco (la
Bomba.
-- Ven le-so um torr.dor e um moinbo lu-
do cm uzo'; ve.nda-so*' por seu dono nSo
querer continuar: na venda do pateo do
Carino 11. 13.
II1 vanos puros.
Na rui da Caricia rio Une i fe n. 30, charu-
tos riellavanapurosa'IOgOOOrs, a CaiX.
Vendem-sejioiirmazam da ra da Ma-
dre de lieos 11. 3l.feneir.is do-aramo.pro-
nrias para padarin e iilinai;ao, azeitonas,
uiiibii, leijB, ceblas O balatas,' ludo por
preco commoJo.
S. Flix.
Chegou una nova porcBo dosjiom acre-
lilados cliarutos, o sa ^enJemna ra do
Quclmado n. 9, por 3,000 rs. a caixa.
l'rezuntos
Vendom-so prezuntos americanos, muito
superiores e por barato.preco: 110 caes da
Alfandoga, armazein rieironlo da arvore.
Vende-se urna escrava creouli, moca e
com habilidades^ na" ra do Cabuga n. 3*
egundo andar. JH
Vende-se um chorBo pira oflici.l dSs
cavallaria. um rologio patente suissn e orna
cama da .rm.cBo : na ra Nova n. 16.
Vende-sa urna preta stdia, vendedeira,
cozinheira, l.vt bem e'lz O miii rra njo do
casa, por 320,000 rs : n. ru. larga do Roza-
rio, loja n. 33.
Vende-so um escravo pardo, de 15 an-
uos de idade, ptimo paira pagem, sem vicio
algum o que se afiance om ora da Portas,
casa n. 86.
Bilhetes do Ro de Janeiro.
aos 30:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da
Independencia n. 4 1 vcudem-se
bilhetes interos, meio, ruarlos,
oitavos c vigsimos, a beneficio da
stima loteria do theatro da impe-
rial cidade de NWierny, que ha-
ra de correr no i\ i5 docorren-
te; na mesma loja tambem se ven-
dem bilhetes inteiros, mcios, quar-
tos, oitavos e vigsimos, a bene-
ficio da segunda loteria do Hospi-
cio de Pedro II, que havia de cor-
rer no dia a5 a i-] do corrente.
Vendemos barra de oitavos eom v-
11I10 tinto da comp.-nhia do Alto luuro 110
Purlo : quem os pretender entenda-se com
Antonio Francisco de Uoraes.agento da mes-
ma companhta, ou no armazein do Sr. Jos
Joaquim luis Fernandas. 0 mesmo tambera
tem p.ra vendar pipas, meias ditas, e barria
do quarto tambem com vioho tinto da dita
companhia : a fallar com os mesmos cima.
-- Na Praia de Santa Rita, arm.zem n.
43, do Manoel Jos Dantas, ha p.ra vender
j.carand em coisoeiras e toros: a tratar
com JoBo Francisco da Cruz, na ma da Cruz
numero 7.
Vcnham ver.
Vandeni.se na ra do Queimado, loja n.
17, chpeos de sol de seda cor de caf, su-
periores e 5,500 rs., corles de casemiras da
cores escuras a 3,8*0 rs., chitas francez.s
finas e de cores Oxes a 310 rs. o cov.do,
cambraias francezas de cores modernas a
5G0 rs. a vira, pecas de cambnia liza mui-
to fina com 8 1|2 Varas a 3,500 rs. cida pac,
cortes de cassa pintada a 2,030 rs., outras
fazendas por preco. muito bir.to. f)im-se
as.mottraf com peuhores.
y Para finalisar.
Ni rus do Rozario n 43, vendem-se latas
com m.rmelada peitor.l, pesando 3 libras
cada urna, pelo insignificante preco de
610 rs.
Um sobrado de dous andares.
Vende-so um sobrado Ja 2 andares e so-
lBo com bom quintil murado,D. 21, na ma
estrella du Rozarlo : a fallar com lose Mara
Placido.
*
\R FNCONTRADO


w
^
SHS
^ Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000 ,
2:000,000 e I :O0Q,Ollii de rs.
Na loja a Vjma yttir & Filhos, na ru
dn Cadeia do Recife ;n. 24, reccberam polo
vapor S. Salvador, entrado do flio do Janei-
ro, no da 20do"corri>le., lista da 18 lo-
tera do thoatrerdeS. Pedre. de Alcntara, e
28. lotera a benqjicio do Monte lio c Geral
dos Servidores do Rstado, e pela msmo va-
por chegeram os njui afortunados bilhetes e
cautellasda 7.*. lotera a beneficio do ttica-
trodo Nictheroy ,>;!, lotera a beneficio do
Hospicio de-Pedro II, dosquaes vem alista
opriqjeiro vapor, e trocani-so por bilhetes
j premiados das loteras do Rio de Janeiro
e desta provincia.
PICHINCHA.
Anda existe urna pequea quan-
tia das superiores cojxas de lioho,
do mellior gosto que tem apparc-
Cido no increado, pelo barato pre-
co de io.ooo rs. cada ama : na ra
. -o (Jueimaflo, loja n. 17.
Vejide-se cimenta 8,000 rs. a barrica:
Da rna- Nova n. 33 ; assim como urna verga
depedra para porta.
Vonde-se um muleque cranlo, de ida-
de 18 20 annos : na ra Direilfn. 14.
Vende-se farinha do Maranho 100
W., araruta a 160 rs. : na ra Ilireita n. 1*.
Dinheiro vista.
Vendem-se pelo custo solios inglezes,for-
1 a Jos de couro de porco, ditos de borrenha,
ditos desoa com estufo, sillines para mon-
tara de senhora, cabegada roligas, ditas
chatas de lustro, esporas finas de metal
branco, estribos de metal branco, ditos de
ac: na ra Njva n. 28, loja da seleiro.
Vendem-se portos, portas e sacadas
de podra com sol-iras de granito, deposita-
das defronte da fundlcglo do Starr.em Santo
Amaro : a tratar oa ra da -Cruz iff Recife
u. 51.
No armazein de Jos Joa-
, quim Dias Fernandes, da travessa
da Madre de Dos n. la, ha para
vender, caixas com enxofre; ditas
com azeite lino em garrafas; ditos
com vinlio museatel ; farinha da
marca SSSF e fontana, e outros
gneros de estiva de diversas qua-
lidades.
Vendem-sB selins inglezes ,
para montara de hornen 1 e-senho-
ra : na ra do Trapiche n. 42 ar-
mazem de Adamson Ilowie &
Corapanbia. tf
Vende-se panno de algodoj
para saceos, muito superior e ba-
rato : na ra do Trapiche n. t\-xt
annazem de Adamson Hovie &
Companhia.
Figura* e vasos para jardim.
Chcgaram do I'orto'as mclhoros usurase
Casimiras baratas.
Vendem-se os mas modernos cortes de
casimira, qua ha no mercado, a 4,500 rs. ca-
li da corte, tendo gran le sortimonto para o
comprador escolher "chitas francezas de
lindos padrOes, de Ares (IxirS^'i tO rs. o
eovado; ganga amarelta par Uqaiel,as .pa-
litos de meninos, a 246 rs. o eovado^ na rua
do Queimado n. 19.
Vendem-se verikdfeirojrc'ha-
rutosde Ha vana, os mas superio-
res que tem vindo a esta praca :
prezuntos de Westphalia, lingnas
seccas de Buenos Ayres e lentilhSo
em garrafoes, tudo chegado recen-
temente: noarmazem de W.Bauch
na ruada Cruz n. i5.
- O dono da fabrica de charutos, da rua
Nova n. 56, avisa a todos os seus ficgueces
e s mas pi'ssnas quo se quizerem utilisaf
dos seus muito apreciaveis charutos, que
Vendem-sc ancoras e amar-
ras de ferro para naviqs : em casa
de GaJfKenworthy& Companhia,
na rua da Cruz n. 1.
Vcndem-sc retoos de ou-
ro-e^nrata, de sabonete e de vidro,
pafraJnje inglez .- em casa de Geo
Wen.Yvo'rtuy & Companhia, na rua
da Cruz n. a.
Vende-se superior panno de
algodao para'saceos de assucar :
em casa de Geo Kenworlhy &
Companhia, na rua da Cruz n. a.
Vendem-se arreios para ca-
vallos de carro e cabriole!, ebega-
dos agora : em casa de Geo Ken-
wortby tk Companbia, na rua da
agora tem novo sortimenlo, que se appel- '"z
dam : regala de S. Flix, regala, regalos, Vendem-se cabos de linlio C
llavanna, imperlaes, a vista-faz-fe, patuscos, I m.nii1-. .,_ ,i r-_ |f_n_
viajantes, fama, yaya, cegadores, da Baha, ,(le mantilla, em casa (le Oeo IVen-
quem fumar sabara, a oxperioncia-o-pro- worthy & Companhia, na rua da
var, a boa-fama, Emilios, voluntarios, e (jru, n ,
outras mutas qualidades que serSo presen-1 ...
tes. Vendem-se sillines de couro
--Em fora de portas ruado Pilar n.135, ,<]e porco ,,ara m0ntaria de Sflnho-
ha para vender nmescravo cnoulo comofil-! 1 1 j
co do pedreiro preferindo-se a quem com-, bem como caliecaas de couro
prar para ombarpue.por motvos.sendo pro-, branco : em casa de Geo Kenwor-
prio dos que se procura para tal destino I,, ,, ., ,
tanto pela perfecono seu ofllcio.com boni-ll,y & t ompannia, na rua da l ruz
ta figura, na mesma casa ha um bonito es- n. 1.
caler proprio para ror apaixonado, ou para algum capitao de nn, na rua do Trapiche n. 34, tem para
embarcaefio : he novo o construido de supe- 1 Tender por _, Commodo os soguintei ob-
nuresmadciras : qnom prccizar procure no jecl0, chegados ltimamente: chapoosdo
referido lugar. [chile interfinos, tinta para escrever, graxa
-- Vende-se czaos de gangos : na rua do om potcs para ca|cado, linha de roris, macos
Collegio 11.5, sodira quomM vende._ com palitos enfoitadose panno de I111I10 : a
ajf@9W#**^***' iralar no mesmo escrptoro.
N. loj, dS^raVeTonosqua- %?W*** ** riquissifllOS vasos pa-
tro cantos da rua do Quomado n. 29 0 tem para vender novafazenda para # i Vendem-se ricos vasos do porcelana di
9 vestidos da senhora, denominada mi- (9 China do varios tamanhos para flores e per
mosda osposii;3o, fazenda dedilica- i# fumaras, de todasasqualidade: na rua da
dssimos gostos e cOres muito lixas (9 Cruz do Kecife defronte do CorpoSanlo loja
Sapatos de tapete.
Vendem-se os bem conhocidos corles de
tapete, para sapatos, a 500 rs. o par : ns
ma do Queimado, loja do sobrado amarello
n. 29.
Algodao para saceos.
Na loja do sobrado amarello, nos qualro
cantos da rua do Quema lo n. 20, vende-se
al (,'odlo.para saceos, por preco mu Ito com-
modost
A#c #c$ ##
? ALGODAO' PARA SACCOS. *
? vende-se muito bom algodao parasa- ti
9} eos de assucar, por preco commodo: A
(S em casa de Ricardo Roylo, na rua da #
9 Cadcian. 37. %
Casimiras baratas.
Vondem-se os mais modernos cortes de
casimira, que ha no mercado, a 5,500 rs.
cada corlo, tendo grande sortimento para o
comprador escolher: na rua du Queimado,
loja do sobrado amarello n. 29.
A os 20:000,000 ders.
Acaba de ebegar pelo vapor S.
Salvador, os bilhetes, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da lotera
do ftio de Janeiro, a beneficio do
tbeatro de JNiclberoy cuja lista
chega pelo primeiro vapor, e ven-
dem-se na rua do Queimado, loja
de ferragens n. 37 ai, de Antonio
Vende-se um carro de'qua-
tro rodas, muito leve,, para um aVu
doos cavallos: na cocheira do Mi-
guel Sougei no aterro da Boa
Vista.
Tnlxas pnrn engenho.
Na fondicKo de ferro da na do Rrnm,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de booca, as
quaas acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptidAo embarcam-se,ou
carregam-se em carros sera despazas ao
comprador.
Vende-se farinha SSS muito
nova e de superior qualidade : ,a
tratar com Manoel da Silva San-
tos, no armazem do Anncs, no
caes da alfandega.
-. beS3pm'9t dehovombrode 185tde.
sapprejseudoengonho Ona na fre,,,
nomo deManocl Jo8o,.foi 5pSr,"joSo"nib
da Ejcada om eacravo de 25 annos do id,,!.
pouMmajaouiBnoa, he_ conhec.lo Pe|0
ro de VasconcellosPessoa desta praca
ga-e bejn a quem o entregar na rua di n!"
Dha, venda da esquina do Sr. Joao pin.
Reges de 8ooza, ou no mesmo ongenho .
dono do dito escravo Antanio Joaquim r
valcanli de Albuquerque.' w"
De 23 para 2* de novombro de iai
desappareceu do engento Onca na rn,..,..!.'
da Escada, um
engenpo Onqa na froiup?.'
muloqu. de 18aS0anno5
Aitilhafla & cacadores.
$ Vendem-se superiores luvas de re- #
B troz prelo proprias para uniforme de $
&; aftilharia e catadores : na loja de sir- %
gueiro,' no pateo da matriz.
Moeiiclns superiores
Na fnndicSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se i venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
oonstrucgo muito superior
FaBINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca
pelo diminuto preco de 440 rs. oco
a>j vado.
4
Lencos de seda.
Vendem-se lencos de seda de urna s cor
polo commodo preco de 1,280 rs., e meios
ditos para pescoco de homem a 610 rs. : na
loja de miudezas da rua do Collegio n. 1.
Balanras romanas.
Vondem-se balancss romanas para pesar
32 libras, ditas para 25, ditas para 16, sem
se precisar de pesos: na loja de miudezas d>
rua do Collegio n. 1.
-- Vende-sc urna mesa de amarello com
as suas compelemos gavetas, com qualro
palmos de largura c sete de comprimento :
na rua Relia n. 16.
de barbero n. 58.
Vende-se um pequeo sitio, com casa
do pedra e cal o vivero de peixe, planta de
capm, coqueiros e muito mais arvorodos de
frucla de uivcrsasqualidsdei, bem cercado
c amurado de urna baada, por prec,o com-
modo, por seu dono so retirar tratar de
sua saude : nos Afogados na rua do Catuc,
laverna do Joao Hespinhol, a tratar com 0
mesmo.
Hua do Crespo n. a3. *>
Vendme-secortes de cambraia com8
varas, o cores escuras a 3,000 rs. ?
#80S
- Inda se vendem alguns terrenos alaga-
vasos pira jardim, de louca fabricada na-
quelle paiz ; as amostras oslan patentas pa-
ra quem quizer comprar: na rua da Cadcia
do llecife 11. 38, uu na rua do Irapicho n.
40, segundo andar.
Grande pechincha para una casa
de familia.
Vende-sc um mtala perfeila coziiilieira,
lavadeira, eiigoiiiiija e faz doces, por proco
muito commodo, por iio ser bonita figura :
a traiir na rua do Crespa; loja n. 16, da
esquina. *
Vende-se por prego commodo urna com
moda em bom uso: na rua do Apollo, ar-
ma;om n. 34.
Clia/BRiZILEirv.
Vende-se eh ttrasileiro em latas de libra,
a 2,000 rs. cada urna; quem, considerando
.que o cha da India he preparado com o ail,
e secco dentro da va^ilias de cobre, c por
censequencia impregnado de materias vene-
nosas, que affectam asaudo, nSo preferir
de certo o cha brasllciro, quo he preparado
de um modo muito simples, o secco sobre
laminas de I-Tro,lornando-se porasso mesmo
muito mais saudavel: no pateo do Collegio,
casa do livro azul.
l'efltes de tartaruga.
Vende-se na rua das Trinchciras n. 3, loja
de tartaruguciro, pintada de verde, penles
de tartaruga de muito superior qualidade e
do ultimo gosto, jior prego mais commodo
do quoem ouira qualquer parle : assim como
so concertam todas sfequalidadas de obras,
nSo seudo vasada, Vcompra-se tartaruga
e puntes velhos.
Vende-se um preto da costa proprio pa-
ra armazem de assucar,ou para outro qual-
quer servigo. na rua da madre do Dos fabri-
ca de chapeus n. 3.
Vende-se o cento de ceblas a 320 rs.,
Na rua do Collegio n. 5, vende-se s-
bolas muito novas a 320 rs. o cento, latas
rom bolachinha de araruta muito nova a
2,400 ngulas novas a 360 rs. a Ib, paios
a240rs., farinha de araruta a. 140 rs-, mar-
melada nova a 500 a Ib., jalea' de marmello
a 480, doce de goiaba muilo lino mandado
lazer deencommendi, queijos muito bonse
outros muilos gneros por prego muito
commodo : o proprietario desle cstabeleci-
ineiito dezeja-seafreguesar e promete servir
bem os freguezes.
-- Vonde-se u-n piano nglez, em bom es- dos e parle beneficiados com 150 palmos de
lado, por 150,009 rs. : na rua do Cabug n. fundoe com afrente que o comprador qui-
16, segundo anJar. zertantoparaSulcomoparaoNortea poen-
Vende-se una oscrava creoula com too nascenterii rua da Concordia travessa
muito bom leile, bonita figura sem vicio e do monteiro e do Caldeirelro, pagam 20 rs .
ncm achaques, engomma, cozinha>e lava de por paln.o do foro, os pertendentos podom
sabSo: na esquina la rua do Rozario, de- eiiteoderem-se com o Sr. Pedro Jos Texei-
fronte da igreja n. 39. ra Cu i mar,les com armazem de m 'deiras, e
Veode-se urna parda de 20 a 24 annos materiaes as casas do Sr. Jos Congalves
deidade, bonita figura, engomma, eoso e 'da Silva defronte do mesmo terreno 110 qual
cozinha, nio tem vicios e nem achaques: na ,se estSo edificando dous predios,
rua da Concordia, quem vom da pontea es- -- Vendem-se e alugam-se bichas, choga-
querda, segunda casa lerroa. 'das ultiniameole de llamburgo, por prego
Chita larga franceza, a a4>rs- commodo: na rua de S. Amaro 11. 28.
33,000
I 1,000'
5,5oo
a, 800
i,3oo
Vende-se chita franceza larga padrOes
modernos, oscuros o claros, e cores filas,
pelo baralissimo prego do 240 rs. o covadoj
tendo grande porgSo para oscollier: na loja Basto, na rua do l'rapicbc 11. IT,
1 ha para vender, nova e superior
i, poiassa da Hussia, ebegada recen-
teniente.
rua do Queimado n. 29
Sedas furta cores,


Deposito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
na Babia.
Vende-se om casa de Domingos Al-
ves Hatheus, na rua da Cruz do Re-
cifen. 52, primeiro andar, algodao
J transadodaqucllafabrica, muilopro-
j? prio para saceos e roupa de escra-
J vos, assim como fio proprio para re-
aa> des de pescar e pavios para vellas,
aa> por prego muito commodo. g
6*M6>*Mf>*fcM AAAAA
Vende-se, por preco com-
modo, fumo em folln, para cha-
rutos de primeira e segunda qua-
lidades, macella chegada ltima-
mente do Porto, e cal virgem de
Lisboa tambem desembarcada
poucos dias : a tratar no armazem
de Dias Fcrreira, no caes da al-
fandega, ou com Novaes & Com-
panhia, na rua do Trapichen. 34.
a 1,70; rs
eovado,
por lao diminuto preco, que mdei
zara de ter um vestido de seda pi-
ra a festa ? na rua do Queimado n.
10, vendem-se as melhores c bo-
nitas sedas furia cores, para vesti-
dos de senhora, meninas e mante-
letes, a 1,700 rs. o eovado ; dam-
se as amostras, ou mandam-sc as
pecas em casa para mellior o com-
prador escolher.
Vende-se um escravo do gento, do
idade 25 a 30 annos, he cslivador e sabe re-
mar em alvarengas : quem o pretender pro
cure no becco da l.ingoeta, taverna n. 8.
Na rua daSenzalla Velha n. 48, em o
novo armazem do vinhos, continua-se a ven-
der excedentes vinhos de Lisboa Plllt o Ki-
gueira por 900 e 240 rs. a garrafa, 1,500 o
1,800 rs. por caada.
C3T; Araruta a i,Goo rs.
Na rua do Rozario n. 43, vendem-se latas
com bolachinhas do araruta do Rio de Ja-
neiro, pelo commodo prego de 1,600 rs.'a
lata.
- Vende-se ou aluga-se um sitio cm 0-
iiiu 11a 111a do '.mu Sueessu paasoudo a
bica do Rozario o segundo sitio : a tratar no
mesmo.
Vende-so a grande casa terris, sila na
rua do Mondcgo, n. 56, pertencentc a Rita
Mara da PaixSo, He urna das casas melho-
res construidas nesta cidade, tendo grandes
accommdages, feita^om muita seguran-
za aceio e de gosto moderno. Tem cin-
co janellss do frente, com grande porto de
ferro ao lado, quatro salas, dez quartos,
grande cozinha, comioodos para creados e
escravos, estribara e grande quintal mu-
rado. Acha-so hypothecada aos Srs. Jos
Antonio Uasto, e Deane Youle i Companhia
sendo que vende-so para pagamento destas
hypolbecas e com o consenlimento dos mea-
mos CfBdores hypolliecarios. As pessoas
quo a pretenderen!, queirHo dirigir-so ao
r. Jos Antonio li.sto, na rua da Cadeia
do Recife n. 34, qual so acha competente-
mente autorisada para o ajuste.
Vendem-se s patos de couro
de lustro de Lisboa, para senhora,
a 1,600 rs.: na praca da Indepen-
dencia n
rantes.
Vende-se o engenho Lago3 Redonda,
no districto de porto Calvo, urna legua em
distancia desaa villa, de superiores trras,
tanto de canna, como de mandioca e ludo o
mas; he composto de grandes varseas.e do
melhor cercado possivcl; acham-se desmoro
nados os seus edificios, por isso que tem es-
tado uns poucos de annos de fogo morto,
melhorando assim cada vez mais es trras
para soa producgSo, vende-se a dinheiro,
ou a prazo, e mesmo em permurla de es-
cravos et Jos de Castro Araujo, na praga corpo Santo
n. 2, ouaom Jos de Barros Pimentel do Re-
g I'alcSo, junto ao passo de Csmaragibe,
no seu'engenho varsca de Souza.
Yetidem-se relogios de ou-
ro cprata, patente inglez : na rua
da Senzald Nova n. 4a.
i3 c i5, loja do A-
Bilhetes inteiros
Meios bilhetes
Quartos
Oitavos
Vigsimos
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SEZAI.LA NOVA .N. 4aU
Mcste estabeleeimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Deposito da fabrica ile Todos os
Santos na Ilaliia.
Vende-se, em casa do.V O. Hieber&C.,
ua rua da Cruz n. 4, algodSd transado da-
quclla rabrica, muito proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, porpregocom-
moio.
Para as escolas.
Vonde-se no pateo do Collegio, loja do
livro azul a synopsis do general Abreu o Li-
ma, ltimamente adoptada pelo Kxm. presi-
dente da provincia como compendio de le-
tina e historia do Itrasil as escolas prima-
rias da provincia. Jaa-a'*''^^^
Prego em brochura 2,560
Encadernada ,2000
-- Vendem-se cera em veas ,
fabricadas em Lisboa e no l io de
Janeiro, em caixas de 100 libras
sortidas, de 1 a 16 em libra, e tam-
bem de um s tamanho, por me-
nos preco do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escrpto-
ro de Alachado & I'inheiro, na
rua do Vigario n. 19, segundo
andar.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vendo-so esto compendio, approvado para
aS aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
praga da Independencia, livraria n. 6 o 8.
-- Vende-so um escravo bom bolieiro e
de boa conducta : na rua das Larangeiras n.
14, segundo andar.
-- Vendem-se 12 porlas novas de cedro,
proprias para qualquer casa, pur progo com-
modo : na rua do Vigario ii.
Arados de ferro.
Na f.indigno da Aurora, em S. Amaro,
cortea'dewsMd'o'de wl7 w.dS dem-80"adsdee"deai"* *-
em.um s pedago, a 2,000 rs.; ditos de cas- dl0SVende-se.um excellente sitio em Re-
Jos Rodrigues de Souza Jnior, quea no mercado, vende-se a bor-
pelos muito baratos pregos abaixo : ,. da sumaca S. Antonio, entrada
de S. Catharina no da ao de no-
vembro,fundeada confronte a esca-
dinha do Collegio: trata-se a bor- n" .'
POTASSA DA RUSS1A.
INo armazem de Jos Teixeira
de idade; estatura regular, cor bem p,0i,
creoulo, mages do rosto altas, nariz chato
cabega e orelhas pequeas ; ievou voslidd
caiga azul desbotada, camisa de madapoln
chapeo do palhe novo, chama-so Antonio
he provavelque tonba procurado Iguarasau'
ouPaod'Alho, onde tem rnfli entre escra
vos do engenho Lavagem, ou mesmo o en"
genho Abreus ua freguezia de Nazareth oa
de tem parceiros : paga-se bem a que'no
levar no engenho Onga seu senhor Ign,
ci de Molienda Cavalcanti. Jnior, ou n
tregar neata praga ao Dr. Joao Lins Caval"
canti de Albuquerque, na rua Augusta, es
quina do Dique.
Continua a estar fgido desde o dia is
do crrante, o moleque de. noine Mamcde
cnoulo, de idade de 15 a 16Janoos, baslanti
esperto, secoo do corno, estatura regular
pese mos granSs^Uvou camisa de ra!
cado azul, caiga do algOdSosinn.o azul tran-
cado, e mais alguma roupa. SuppAa-ss tur
tomado a direcgo do Bonito, onde mora o
seu antigoSr. J0S0 P. Alves ex alferes de po-
lica, de quem anda he escrava a mSi do dito
moleque: roga-aaa* autoridades hjam de
anpreende-lo, e leva-lo a casa de seu Sr. o
ijor Antonio da Silva Gusmlo, na rua im-
perial n. 64. que ser generosamente recom-
Toallr.s e guardanapos. -
Na loja do sobrado amj|rollo, nos quatro
cantos da rua do Qucimaap>p. 29, tertpara
vender um (rnndo soitimoftto do toallias do
diferentes tamanhos, o eni pega que se ven-
de cm varas ; assim como um graad^or-
timento de guardanapos de diversos tama-
nhos e qualidades, cquetudo se vende por
prego de agradar ao comprador.
Cortes de cinta e cassa.
Continua a haver grande sorlimento de
do da mesma sumaca, ou na rua do
Vigario n. 19, segundo andar, es-J
criptorio de Machado 8c Pinheiro.
-- Km casa de J. Keller St Com-
panhia, na ruada Cruz n. 55, acha-se a ven-
da o excellento e superior ri 11/10 tte II11-
cvIIiik, em harris do 5.\ he muito recom-
mendavel as casas eslrangeiraa. como ex-
excellente vinho para pasto.
Vende-se superior farinha
de mandioca, muito fina, em sac-
cas desembarcada do patacho
Conceicao, vindo do Rio de Janei-
ro, entrado cm aG do corrente mez
de outubro, por preco commodo:
nos nrmazens de Antonio Annes e
Dias Ferreira, no caes da Alfande-
ga : a tratar nos mesmos, ou com
Novaes & Companhia, na rua do
Trapiche n. 34.
Cheguera freguezes antes que se
acabe.
Noarmazem de Martins & Irmo, na rua
1 Cruz de Recife n. 62, chcgaram ltima-
mente os seguintes gneros de muito boa
qualidade : -- queijos londrinos, prezuntos
inglezes e do Porto, conservas inglezas e
francezas com diferentes- frutas, latas de
salmSo, ditas de ervilhas e sardinhas-'de
Nantes, ditas com bolachinhas inglezas ,
mermelada do Lisbna, moslards, o muito a-
credtadocb deS. Paulo, caixas com muito
superiores magas linas para sopa, glgos com
champanhe, vinho de Xerez, Madeira, Bu-
cellas ePoito, garrafas com extrait de al>-
sinlhe e outros mulos gneros, tudo poi
mdico prego.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas de carnauba imitando
espermacete : na loja de saleiro da rua da
Cadeia do Itecife n. 36.
Escravos frgidos.
sa de cores, fixas e bous padrOes, a 2,000 rs.: .
na loja do sobrado amarello, na rua do beriK perteneento ao.Padre Francisco Josc
Queimado n. 29.
Arados de ferro.
Vendem-sc arados de diversos
modelos, assim como americanos
com camban de sicupira e bracos
Desappareceu da fabrica de caldelreiro
da rua do lirum n. 28, no dia 17 do correte
mezde novembro o prelo Antonio, de na-
gSo cabinda, que representa ter 45 annos de
idade, altura regular, cheio do corpo, rara
abocetada, muito cabelludo nos peitos e
com bastantes cabellos brancas na cabega,
e um poucocarrancudo; he oflicial decal-
deireiro, foi encontrado as Cinco Penlas, e
seguio o caminho dos Afogados, e he natu-
ral que segulsse mais adianto por ter levado
toda a roupa quo tinha, e por j ter sido
pegado de outra vez na freguezia da Esca-
da : roga-se portanto, a quem o pegar de
leva-lo na dita fabrica cima, que ser re-
compensado.
BOA GRATIFICAR AO'.
Ausentou-sc nanoite de 27 de
outubro passado o mulato Cle-
mentino, de ?.o annos de idade ,
pouco mais ou menos, magro, al-
tura regular, tem muito pequeo
buco de barba e falla muito mansa,
quando anda parece que nao pisa
bem com os calcanhares, costuma
andar calcado e bem vestido, Ie-
vou urna trocha de sua roupa, in-
mer(1 55. smi i-umu potassa chegada
Farinha de mandioca. mente, a pyeos muito rasoaveis.
A mais nova e mais barata familia de Agencia de Ldwin Maw.
mandioca que ha no mercado, vende-se1 na Na rua de Apollo n. 8, armazem de Me. Cal-
rua da Cruz do Recife, armazem 0.1:1, de monttt Companhia, acha-ae conatanlemenie
JoSo Carlos Augusto da Silva. bona lortlmentos de taina de ferro coado e
IlennMtn Ip ral virnom batido, tanto rasa como fundas, moendas in-
ueposuo ue ca virgem. c|rM loda,de fcrr0 para ,niin.ef, agoa, ic,
Cunha & Amorim, vendem barns com cal uu.is para armar em madeira de todos ot ta-
em pedra, chegada ullimamonte de Lisboa, manhoa c modellos o mais moderno, machina
na barca Uargarida, por monos preco do horisonlal para vapor, com forja de 4 caval-
queem onlra qualquer parte: na rua da Ca- '0,> coucos, passadeiras de ferro catanhado
deia do Recife n. 50.
de Lira ; fallar no mesmo sitio, ou
rua da Aurora n, 62, segundo andar.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. I7, ha
da ferro : na fundicao da rua do minio superior cal nova cm pedra,
lirum ns. 6, 8 e 10. chegada ltimamente de Lisboa
Bombas de ierro. Vinho de Champagne,
Vendem-se bombas de repuxo, e superior qualidade : vende-se no arma-
pndulas c picota para cacimba : K,lkm??u lr-maosRu" da Cru/> ",0
na rua do B.,.,1, ns. o, 8 e 10, ^psito de cal e potassa.
fundicao de Ierro. | No ""azern da rua da Cadeia
-- Vendem-se velas de espermacete, em do Kecife n. ia, ha muito supe-
caixas,de superior qualidade: em casa de rior cal de Lisboa, em pedra, as- "i;"-
J. Keller & Companhia: na rua da Cruz nu- : ._ li j i,- jClusiveJcalca ciaqueta de panno
- fino azul, e *\wT do mais algum
calcado, um par de borzegains par-
dos, rom liotoes de madreperola
brancos, e consta que levara um
cavado, que naquella occasiSo a-
lugra, o qual tem os signaes se-
guintes : castanho, barrigudo,
clinas pretas, gordo e tem um ta-
Iho em urna anca; he provavel que
queira passarpor forro, he boliei-
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a rua
da Cadeia do Recife n. 21, que se-
r recompensado.
-- Em dias do mez passado, fugo do en-
genho Junqucira da Commarca do Cabo um
dade
es-
17
urna
a 50
_, costu-
ma intitular-so forra : quem os pegar, lve-
os aodiio engenho, ou no Recife ao pateo
do Carmo n. 17, que ser bem gratificado,
-- Auzentou -so na noule de 27 do corrente
o mulato Clementino deidade 20 annos pou-
co mais ou menos, magro,altura regular, e
falla muito mansa, costuma andarcalgado
e bem vestido; Ievou urna troxa de roupa, e
consta que levara um cavallo quealugra
nessa occasiSo, o qual tem os signaos se-
guintes : castanho, barrigudo, clinas pre-
tas, e gordo, lie provavel que queira pas-
sar por forro : he bolieiro.e escravo de Luiz
Antonio Siqueira : quem o pegar leve-o
rua da Cadeia-Velha n. 20 que se recompen-
sar.
ferro
para casa de pulgar, por menos pre;o qucoz
Azeite de-carrapato da fabrica de a^*. ."* p" "'...ft. i.gi..
Araujo ck Filhos, no Penedo.
-- rale azeite pela- perfeig3o tm que he
fabricado nSo s serve em 4ugar do azeite
em barras como em arcos folhas, c tudo
por barato preco.
Q Vcnde-Stium grande sitio no lu- <
un un; iiuu b*i auno mu tw.;.ii iju Jl/KIIH ^ i 'j#
doce c de coco, para qualquer qualidade de gar do Manguinho, que lica defronte
candieiros por mais delicados que sejSo, O 3os lllos uo.s hrs- Carne.ros.com 0
como he muito prerivel a qualquer outro O """1" ?e ^"?,m H^w"
por dar urna luz m,is MlhaaU ser mais O If^Jl^fJTA'llVJ^VS! O
durativo, eseu custo s
temo chero desagrada
te de carrapato com
delleseassemellia.
16 caadas a 2,400ts.
deJ-J' Toinhos' *?"." -"WWWWWMW
eom bombas de ropucho para regar hortas' jaI virgem em pedra
d baixas de capm : vendem-sena fundigSo Chegada rccentemenle de Lisboa, em anc*
do Bovrman & Me. Callum, na rua do Brum "s mult0 !0,n condicionadas; veude-se a
ns c, n el o prego muito commodo: no armazem de
'UBVEIIES DOS HOMENS, flV "T^ "'rua Tr"i"che"',9-
r uasa de commisaao de escravos.
a 300 rs. i 1
vende-se este compendio .provado par.' Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece muilas garantas
a seusdonos .-narua da Cacimba
,n. 11, primeiro andar.
as aulas, cm Biela encadcrnagSo, a 500 rs. .
cada um : na Hvraria 11. 6 e 8, da praga da
Indopondoncia.
Tinta em oleo
brinca o v.'rde: ven le so no armazem de
kalkminn Irmilos, rua da Crnz n, 10
Gratifica-se com 180^?
Na noite do dia 22 do corrente foram dn-
semeaminhados, 3 tscravos, sendo urna pre.
ta crioula, do nome Flornda, prenha da
idade que representa 24 annos, tendo os sa-
naes seguidles : deotes limados, altura re-
gular.tem o ar desfargado.a qual foi do fran-
cez JoSo Lobato fabricante de chapeos de sol
da rua do Passeio, e o molato Bazilio de ida-
de quo represente 19 annos, espigado, e com
busso ; Ievou vestido caiga e camisi de rs-
cadinboazul, e chapeo de couro, he natu-
ral do Ico, Antonio mulato de idade det7
annos pouco mais ou menos; Ievou cai-
ga de ganga amarella de quadros, levan-
do tambem outra caiga de ganga azul, tem
os denles limados : pede-se as autoridades
noliciaes, ou quem os apprehooder Tle o
levar a rua do Collegio*.^ que logo rece-
ber a quantia cima mencionada. .
100,000 rs. de gratifcagBo.
Roga-se as autoridades policiacs, que cap-
turem o escravo Manoel, pertonceate a So-
bastiSo Marques do Nascimento, fgido des-
de o dia 8 do mez de setpabro. Foi
elle escravo do Sr. Gabriel A (Tongo lliguei-
ra, quem foi comprado ultiniamentc : tem
28annos de idade pouco mais ou menos, cor
fula, com falta de dous denles na frente, e
de cabellos do lado esquerdo da cabega, que
se torna bem visivel por parecer urna co-
rOa, tem olhos pequeos, beigos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, be olUciil
do funileiro. Trajava jaqueta de riscado
azul, caiga branca, caensade madapolJo, e
Ievou urna trouxa, contendo caigas e jaque-
tas : quem o apprehender o levar rua da
Aurora n. 62, receber-a gralicago pro-
medida. Suspeita-se que fosse seduzido,*
por isso desde j protesta-se contra quemo
conservar em seu poder.
Desappareceu na tarde do da 13do cor-
rente um escravo por nome Joaquim tem os
signaes seguintes: boa estatura, representa
ter 35 annos de idade, falla desembaragada,
ps grandes, tem todos os denles da frente,
nariz chato, quando anda estala as juntas dos
joellios, Ievou camisa de algodKosinho bran-
co, caiga do dito azul, este oscravo foi do
mato: quem o pegar leve-o a typograpbia
imparcial a fallar com a viuva Roma que se-
r recompensado.
Desappareceu no dia domingo, 12 do
corrente, um preto que representa ter 45 a
50 annos de idade, de nagSo cagange, baixo,
cheio do corpo, sem defeilo algum no corpo,
Ievou vestido, caifa de casemira azul clara
de quadros e j velha, coleta de salim preto
velho, jaqueta de brim pardo,camisa dema-
dapolSo, chapeo de seda preto ; presume-so
que anda pelos arrebaldes desta cidade, poii
apezardeser do serto nSo sejulga qoete-
nha voltado : roga-se portanto as autorida-
des policiaes o capitfles de campo,- a captura
do mesmo, levando-o a rua do Vigario u. II,
lerceiro andar, que se recompnsala.
30,000 rs., de graliflcagO'
Desappareceu no da 15 de julho do cor-
rente anno um muleque cnoulo do nomo
Paulino de idade de 10 anuos pouco mais
ou menos,cor amarclada por tor vicio de co-
mer trra,naris chato e feio Ievou camisa de
algodaosinho suja e caiga de riscado, seta
chapeo, este uscravo pertence ao Sr. Anto-
nio Jacinto da Silveira do Una ; quem o pe-
gar leve-o a rua da Cacimba n. II ou a
rua do Livrament o. 26segundo andar qui
recebar ajrraliflcaca'o a cima, e se protesta
contra quem o tiver qculto.
. Desapareceu na tarde de 22 do cor-
rente, urna preta crioula de nome Herencia,
de idade de 15 16 annos.coin os signaes no
guiotes : bastante lita, e magra, olhos bran-
cos, bastaule prela, pernas um pouco ar-
quiadas para os lados ; Ievou vestido bran-
co com pilmas roxas, e um chales de Uae
seda j velho, suppOe-se andar acoitada em
algum calogi, poisallanada sabe das ras
deja cidade, por ter a pouco viudo de fra
pea primeira voz : quem a pegar leve-a a
roda matriz da Boa-Vista u, 33, quo sera
generosamente recompensado,
-- Desapareceu nodia 23 do correle, do
sobrado n. 22, da ruadas Cruzas, urna es-
crava creoula de nome Leduvina de 20 an-
nos, com os siguaes seguites : alta, e refor-
jada do corpo, bem preta, rosto comprido,
nariz grande, olhos papudos, beigos grossos,
maos e ps grandes ; Ievou vestido de cas
de listras escoras, foi em corpo porm p-le
sor que tenha aranjado algum panno para se
tragar, esta preta foi comprada ao Sr. Ami-
da qu tem taberna ao pateo da ribeira, e
antes desto, foi captiva do Sr. capitSo Hara-
nho; e suppOe-se ella ter ludo para os en-
genhos Penedo, e Congaga, por seren dos
parantes de seus senhores, lugares que ella
ji tem estado por varias vezos, e tenbo no-
ticias que ella passou no dia 26, na ponle do
Catanga, com um prelo velho dizendo que
bia para S. Lourougo, para ver tua senhora
moga ; por isso roga-se aos senhores deslcs
ongenbos, e aos mesmos^ca.pilSesde cainpOi
do appreonder ej>jze-la a monciorlaia casa
cima, que serSo generosamente gratifica-
dos.
Desapareceu rio dia 8 do corrente,
villa do Cabo, o escravo cabra de nomo Mi-
guel, representa tor 30 a 35 annos pouco
mais ou m Jiros, com os signaes seguintes:
pouca barba, rosto comprido, beigos gros-
sos, bocea regular, bastante gago, esUW*
ordinaria, um pouco cheio do ao'rpo, e ca-
bellos encarapinhados : quom o appreender
e levara casado Dr. juiz municipal do mes-
mo lugar ac.ma, ou a do Sr. Antonio Joi*
quim lluarque na ruado Livramenlo n. >
sera generosamente gratificado
VvTvi'-in: M '
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHFRATW8T_VRZDET INGEST_TIME 2013-04-12T21:40:44Z PACKAGE AA00011611_04758
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES