Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04752


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXVlI
Sabbatlo 22
de Novembro de 1851
N. 265.
DIARIO DE PERMMBUCO.
Miago .traoiiirglo.
PiStMUCTO AouWTiDO.
Par trimestre...........
Por aeiueatre .........
Por anno .......
Po deut.o butiumstim.
Por quartel......'.'; '
WOTICIA1 DO 1MVSHIO
1/000 ,7
8/000
Par.....23deOutub
Maranbao 26 de dito
Ce.ra... 31 de dilo.
Par.bfb.. 10 de Nobr."
Mln.s... I5de
S. Piulo. 3 de
R. de/, i i de
Baha... 17 de
4/500
etbr.
dito.
Novbr.
cilio
DAS da iinmi
Seg. S. Gregorio
Taumaturgo b.
Tere. S. Roraao m. ;
Ouart. S Izabel ral-
tilia de Hungra f. ;
Quint 8. Flix.
*'U- Aprsenllcao de
Nossa Senhora.
Sab. S.CIclliiv.m.
ora. S. Fellcid.de.
AUDIMIClAs.
Jmo di Orthiai
i.tb.it lOhora.
vara do eivel.
3. e. ao meio-dia.
Faitnda.
3. e6. s lo hora*.
2- foro do civtl.
4. e sbados ao melo-d,
Rtlfio.
Tercas e sbados.
rramatlDii,
Crescente i 30, a I bora e7 minutes da tarde,
Cbeia a 8, ai 9 boraa e 1 minuto da t.
Mingoante 16. as 7 horas e 2 minutos da m.
Nova 22, as 11 horas e 47 minutos da Urde.
""i di non
Primeira as i horas e 42 minutos da tarde.
Segunda s 4 horas e 6 minutos da manhaa.
FABTIDA DOS COBBIIOI.
Coianna e Parablba, s segundas e seitaa-
feiras.
RIo-Crande-do-Norte, todas as quintas-feiras
aomeio da.
Garanbuns e Bonito, 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, 13 e 28.
Victoria, s quintas-reiras.
Olinda, todos os diat.
roTioiAi isiBwonBU,
Portugal. 14 de Ontbi.Austria.. 3de Outbr
Despacha. 8 de dito j.Suissa.... 3de dito.
Franca ... 8 de dito [Suecla... I de dito
Blgica... 5 de dito Inglaterra 9 de Outbr.
Italia.. .. .'lele Outbr E.-Unidos tdeSelbr.
Alemnica. 5 de dito Mxico... 15 de dito,
Prussla ... 3 de dito. California 30 de Agosto
Dinamarca 3 de dito Chlli. 26 de Abril.
Ruisla... I de dito Buenos-A. 1 .e Setb.
Turqua. 21 de Seilir^ioiitevideo de dito.
CAMBIO DE 21 DI KOTCH1IO.
Sobre Londres, a 28 3, e 2 d. p. 11000 Firme.
Pars, 331 por fr.
Lisboa, sem transaccSes.
MAM,
Ouro.Oocas bespanholas.... a 28/800
Uoedas de 6/400 velhas. 16/000 16)200
> de 6M00 oras. 16/000 a 16/200
* de 4/000....... 9/000 a 9/100
PraU.Patacdea braslleiros.. 1/940 a l/9'0
Pesos columnarlos... 1/920 a 1/930
Ditos mexicanos..... 1/7*0 a l/7:.0
EXTERIOR.
QUESTA IX) I'RATA.
Montevideo, 5 de novembro.
Relrospecto mental.
i rol, eaeamparam.li em roda do qu artel ge- das vistas. O Bill que falta para consol i-
(neral. daros ben adquiridos, o impelir que >e
1 | Na noile de 7 alguns chefes argentinos, renovem as prevencOes de partido que nSo
I Maza, Costa, Quesada, Rustos, e poucos podein ser extinctis em um dii, parteos s
'eulciies suballernos ibsndonaram os seus sabedoria, prudencia e juslioa das lutori-
corpos e pediram um asyloa bordo da cor- dades que tem a seu cargo conservara paz
'veta de S. M. B. Tieted, onde permanece- publica e as garantas individuaos.
A guerra do Estado Oriental osla perreiti- rm t que d'ihi pissiram para Buenos- O general Urquiza deu com razio multa
mente terminada. O exercito com que Ro- Avreg importancia ios seotimentos de concordia
sis a Ibmentava poz-seis ordens do gene- "(jm r,ct0 nottvel deates acontecmentos que se hflo manifestado desle que passou
ral Urqozae marcliou com ella a libertar a he ter permanecido no estado oriental o ge- o Uruguay at terminacJo da guerra no
sua patria. Os batalhOes orientaos que si- Deral Oribe. Os antecedentes que motiva- Cerrito. Eilesnos promeltem para o fu-
tiavam esta pra?a, unidos aos que adaten- ram este successo estSo explicados nos se- turo urna paz slidamente estabelecida, co-
dism. msrcharSoigualmente, lazendo parte guintes documentos, que so urna repre- moque demonstram palpael..ionte que as
do mesrao ex*rcito, a acabar com o nico S8nt,cj0 ae ,|gUns cidadSos notaveia habi- razOos em que Rosas se fundava para jua-
inimigodos povosdo Rio da Prats, com a t,nles j0 Cerrito, e a respostaque Ihes deu tincar a sua tyranniaeram solemnes impoa-
raiz de todos os seus males, com D. Joo Ma- gen(,ra| Urquiza. tura com que engaase Europa, caluro-
noel de Rosas. EflB Sr gf)yernador o cspitSo-gone- niando essos paizes. Ella reinJicou i
Brincos e vermolhos, federaes e uniti- f(( t fn,\ae\t ae Entre-Rlos. brigidriro honra do Rio da Prata, mostrando ao muo-
rios, sobo estindarte do general Urquiza, ._eqeri| o. just0 Jos derquiza.Reconhe- do que os Orientaos e Argentinos todos
assegurarUo com este nico facto queda cenJo em V. Exc. o arbitro da situacao em delestam as guerras em que se vom envol-
do tyranno. Todo o poder deslo flrma-se S9Bcha esta pirle da nacao oriental, vidos, o ao tyranno que os impelle para
nos odios que soube plantar as persegu- qUe |ulou coir, as pretencOes da interven- ellas.
coesquerez, e na lenacidade com que esta ca anglo-franceza ; e reconheendo lam- Esta he idea que domina na parlicips-
continuamenle irntsndo estas rendas per b(jm em v ^ Q 'd d(J conceder como cao que fez ao governo delegado de Entre
actos violentos e por esse estylo msultuoso aulori(ladesu rem;asgaraniiasnecossirias Itios.e quo copiamos dos diarios daquelia
queoropreganosseusperiodioosequ^obri-^^ que de|U necei)sUm por ossa situicSo. provincia
" para permsnecerem no piz respeitai'-"
lodos os seus direitos, recorremos a '
' i .- A*& l 'US CJCJU utBIH imcBaai l.lll peje uasi aeiu.e.iei,
ma 'ie?!iL^?,d0J,?.l!C?i' .p.!' solicitando as m.is completa para a pesso.
O'ibo,
Viva a Conrederaco Argentina!
Mornm os inimigos da urganisaijSo na-
general Rosas com urna perfeicUo que teria ~" bngaTerrV7enVra',F"Man".,,l" O'boi governador e cipitao-genenl da pro-
onchidoeje sombro o admirador de Lucre- com qem S0J amigos e numerosos con- vincia de Entre-ltios, genenl em chefe do
ciaBorgia. ,,:,.!. ,t c ladSos resueitsveis insUm com empeiiho sou exorcilo. o general da vanguarda dos
As.m, po s desde que os h.b Un tes jdo ropublic, para que exercitos adiados.
Rio di Prita compreliend.m !" correndo-Si un veo sobre lodo o pasudo
amar-so cono irmSos, ou raspeilac-se como
homnm ci
Rotas cahirSo
e Quartel-general em Penharol, 8 de ou-
o!noirmae)s,ouraspmla--seco0 pT,n,nec,r inqol||0 8 respoitado tubro de 1851.
SKA J52Z1 H?i2*nt no tl da su, familia.- E a V. Exc.. cuja Ao Exm. Sr. governador delegado da
J^lTr^l ^.L,,t^^ magn.nimidade do coracBo e elevados sen- provincia de Entre-Ros D. Antonio Cres-
VSSLSSSiSSAn^. li,nenl0i nossaotaoc,nWidos. Ihe devo. po.
n k ^.crnln -5S rf'qu':'riuniusquenenhum oriental tenha que im- Cheto do jubilo apresso-mei commu-
S'.Sl0?lhSnJEESk r P,urar lio*pt.ldade estraogein, e que nicar a V. Ex. que a gloriosa c.mpanh. do
na Rapoblica Argentin^i Imojjsra "> l |09sa0J vIV0rH lrauquMlos nos seus lares, exercitos all.ados tarminou, a quo nolis %
5"i,,f.0J?:!?fa.! i-?.1l! ?/"m qUe amparados pelas leis da patria. resolveu, defronte da immortal Montevideo
fallar na raca voraz e mordas, que a illuatria-
sieei i ha de dar por darante, e livrar-nosdo
eminente perlgo em que vivemos com a tole-
rancia de scraeltunte raca, que so pode ser de
alguma utilidade presa.
Andou bordejando em noasa costa um brigue,
que segundo as noilclas e proceder, vlnha car-
recado de fardoa vivos da Costa d'Africa.
Deu bastante que faaer por alguns dias po-
lica, que llenera Ibe srja feita, mostrou bastan-
te actlvidade; at que os trancantes de caine
bumana entenderam mais seguro buscar o or -
te, onde, disein desovou o tal brigue.
Est, seno sou engaado, o Rio tirande
com esses habitantes mais de cor de alcatrao,
e Mr. Iludson, a philanlropia personificada,
com mais essa logracao, apeaar de aeus longos
bracos, e penetrantes othos. featou multo con-
vencido deque as autoridades do Rio Grande
csaturaro Mbueae; mas tambem oestoude
que com aquelles nao negociar o coinmau-
daote de alguin cruzeiro na Serra Lea, ou em
outra qualquer possessain inglesa.
y&o me canso de admirar o arrojo dos negrei-
ros !.... E mine i canaare tambem de inaldiie-
los, c suas iosaciavcls aeiibi^es.. Quintos ma
les fuluros noesto riles preparando ao pa?!
Quantos insultos, quantas humllhacdes nao te-
mos sotlrido por causa daquellas feraa?! Felii-
iiiciiii- j.i se val desenvolveodo entre a popula-
co una negaco compra de taes iniseraveis;
j ella vai contiecendo que aquelle comtnercio
be criminoso, e j vai respeltaodo as leis, que
ovedam. Continuando o noaso governo, couiu
preMiiieuicnte o lem fello, a perseguir com to-
da as forjas os traficantes, a tomar os Africa-
nos, em breve nioguem,pjr preco algu'n, que
rer liavdos.
Anda temos entre nos alguns Individuos que
cntendem, que sem os bracos escravos, nossa
agricultura nao pode medrar; mas felizmente
taes individuos estao abafados pela oplnio ge-
ral. Sei f" ni que, se fosae extincta de chofre
No dia 4 a tarde chegou de volt o viporl Ni escolha de sua pesso nSo r6de dei-
kffonso, e no dia seguinte os uniros vapores, 5 xar de ver-so mais um testemunqo de con-
tendo deixado em Eotre-ltios o governador i sideracSo pira com o governo da Repu-
obteve em frente de Montevideo.
Pule encontrar resistencias, poique ha si- ,
do lio lougo o periodo em que Ilusas tem
excitado as ms piixOes do povo que a si-
zania tem croado railes; mas o general Ui-
quizi oBo s levt principios e palavras de
concordia pin convencer os bons, mas tam-
bem urna Torca militar consideravcl para su-
nparados pelas leis da patria.
( Segucm-se as sssignaturas.
Penharol outubro de 1851.
agrande questiio entre a liberdadeea ly-
rannia das repblicas do Prsla.
O exercito con que o dictador dos Ar-
te Aos Srs D. Franciscos. Antunha,D. Jo5o gentinos opprimia a esta desgranada repu-
Francisco Jiro, D. Manoel Jos Errisquim, blica, e impunha aos ministros e aos go-
etc., etc. vernos da Franca e da inglatera, e que hoj-
ce Tendo considerado a solicitacBo que esl comr.osco, lie a requisifBo mais valiosa
me dirigiram alguns respeitaveis ci ladaos que pos.o oiTerecer a minlia patria para rei-
jtitir osmios. ,| orientaos manifestando seus desejos deque vindica-la ante o mundo da humiliiacBoem
Nos nossos anteriores artigos pan o ex- nBo saia do territorio da repblica o briga- que tem gemido,
tenor temo-nos esforcado por rizer conhe- deiro general D. Manoel Oribe, e de que Todo o pessoal o material do exsrcilo
cer a na turras da causa adoptada pelo gene- corren l0.se um v0 80Dr8 passa(io possa de Buenos-Ayres esta unido as armas liber-
rl Urquiza, aesta grande revolucao come- vver tranquillo e respeitado noseio da sua tadoras dos que, guiados pola grandeza dos
cada e dirigida por elle, desejada e apoiada fltm,\t dBvo responder aos senhores sig- principios que tem proclamado, o pela san-
por todos, oque ha de dar em resultado a natarius qu sendo us meus sentimentos lidido da causa que defendem, tem triutn-
pizdoRioda Pnti, a concordia da lodos 0 os dos govarnosalliados reconciliar todas priado, oppondo aos tyranno o poder irre-
os seus habitantes ea orgamsiijao legal do a opiniOes, uniformar todos os ssnlimen- sislivel da oplniilo popular.
Conrcderac.30 Argentina. Os isctos que l09 e conciliar todos os interesses, pode Daiei depols a V. Ex. os detilhes cir-
lem ocorrtdo no Estado Onetilal bao de- o brigadciro-Roneral D. Manoel Oribe por- cumsUnciados dotes gloriosos aconteci-
monslrado melhor do que as nossis pala- maneccr no seio da sua familia, na certeza mentos, pelos quacs felicito a V. Ex., A-i
vrss que a lyraonia, a desordem o as vio- deque sera devidameute respeitado. merica toda, aos povos opprimidos da Con-|mequo nao foi das mais indulgente*, e um ou
encas com que Rosas tem osean talisido o |,eog guarilB aug cidadaos orientaes federacao Argentina, ea lodos os amigos da I''" t4ugg tiveram gales para perpetuo da
entre nos a escravalura, a agricultura solfreria
Cheto do jubilo apresso-mea commu- juin guipe mortal, atslm como tambem sei que
aiphilantropia dos cultores das batatas nao
quer vedar a introdueco dos Africanos por
uosso bem, ii' ni dos pobres da pelle tostada, c
'im por seus clculos algbricos coinmerciaes ;
mas nluguein chegar a coovencer-inedeque a
abolido do trafico mi be conveniente ao Hra-
sll. S quein descunhecc a immeiisa vanta-
gein do trabalho livre sobre o escravo, t quem
ii.io enxerga que a falta de bracos livres
grande parte, provm do aviltamento a que
teui desodo certos servicos, por serem fenos
por bracos escravos, s finalmente quein nao
compreende, eiue unicameiitc a falla de bra-
cos escravos ir fazendo educar os livres para
os enipregos da agricultura, poder anda sus-
tentar a necessidade da conservaco do trafico.
Sempreme accontece envolver-me cm ques-
tflessuperiores a inlnha capac-idade de ntelli-
gencia, mas, como estou certodeque sera in-
dulgente com estes meus arrojos, por isso nu
procuro corregir-ine. Minhas Iracas opiuides
nao vo iolluir em suas'crenchas, e quem me
julgar etei erro, corrija-me, segundo us pre-
ceitos da civilidade, que nao com a grosseru de
uin arreeiro, que eu aer-llie-hei grato.
Fnidoii ua acaso o jury do filar, e dizein-
muneio foruiavam um systama aborrecido llllllloi anos.
por lorias estas populafes, e at pelos mes -
o dicta-
si Jfcsi ot de VrguiM. *
dios instrumentos de que se serv
dor. I Estes cavalheiros replicaram na frm
Hoje vamos recopilar os successos que se segUinte
passarim no mez de outubro desde o dia 4.
SSo os osis importantes, porque puzorim
termo aguerr do EstadoOiiental, e deli-
nearan) perrenlmente a nilmeza desta gran-
de revolucao e a (.osigao de todos os seus
sciores.
Iiberdado.
ce Dos guirde a V Ex. por muitos an-
uos.
JasCo J. // Vrquisa.
O general Urquiza cou 20 das acaupa-
e Os cidadSos orientics absixo sssigm- do no arroo Pantanoso, a duas leguas da ci-
rios : dade, no rueio das suas divisos. Ali rece-
Reslauracao, outubro 9 de 1851. I b*u ^"itaieale um grande numero de vi-
Ao Exc. Sr. Justo Jos de Urquiza, go-
vernador ecapitao general da
sitas, e na sua barraca reuniram-se os ho-
urquez, gu mjujj, arnbos os partidos. Nao lia nen-
SrSH .!... hu"' quo nao se retirasso contente), por isso
servia de limite as operic,0es de uus e ou
tros. A gusruicSo da pratja dispunba-se i
sihir pin reunir-so peloCerro aos seus all -
idos, quindo se solicilou e conerdou em
utni tregus pin trstar.
A negoci<}ao iniciou-se pela seguinte
communicifao do general sitiador :
o Exm. Sr. governsdor genenl D. Justo
Jos de Urquizi.
e tjusrtel general, 7deouiubrodo 1851.
Sr. general. Se no 09tado a quo a surte
das arma trouze o exercito do meu cum-
ulando oBu tivesse oulro ca j\inho a tomar
pura salvar a honra e a liberdado senBo urna
resistencia todo o trance, ella saria louva-
vel, anda que fosse desgrscada.
l'orcm quando esses bens podein con-
servar-sepor meio de hoorosas concessOes
di pirte de um vencedor que sabe apre-
ciara verdadein gloria, orna luta mus Ion-
gi ds miuhi seria entBo vituperavel.
Contando pois com essos cooUecidos
sentimentos e V. Ex tenho a honra de In-
cluir is proposlss em ofliem snpirado. que
podem servir de base a urna immeditaca-
pilulaco se fejrain aceitas por V. Ex., e as
quaes entretanto se podis fizer, qBo se
alterando o essencial, as mo.iilicatjeies ou
impliacOes quo V. Ex. julgar convenientes.
t Sou de V. Ex. stenlo e sffecloessimo
servidor-
Manoel Oribe.
(Segu o projecto de capilulic.to ipreson-
iando pelo general Oeibe que publicamos
no Jornal do Comercio de i3 do p issado.)
O general Urquiza fez a estas bazes as
moaillcc;Oes seguimos, que fonm aceitas
pelo general Oriba vio termo expressados
na communicai;ao que copiamos junto del-
lis.
(Seguom ss concesses feitss pelo gene-
ral Urquiza, que publicamos no Jorncu' do
Comercio dei do psssado.)
O gonerai urioe aceitou estas concessOes
dingindo ao general Urquiza a carta se-
guinte:
Exm. Sr. governador-general D. Justo
Jos eje Urquiza.
Passo del Molino, it de outubro de
1851.
Meu estimado genenl e amigo.
NSo tenho o menor inconveoiente em
aceitar as novas concessOes que, modiflcin-
do as aoteriores, me foram remullidas por
V. Ex. com s sus spreciavel de hontem 10
do crrante.
S liz a respeito dolas so Dr. Villidemo-
V. Ex ilgumas
de V. Exc. com dita de hontem, em que
expressa que, sendo os seus sentimentos
eos dos governos illiados reconcilar todas
ss opiniOes, uniformar todos ss sentimen-
tos e conciliar todos os intoresses polo o
brigadeiro-gener necer no seio da sua familia, na certeza de
que ser devi lamente respeitado.
< NBo esperav,i ni menos de V. Exc. os
ahaixo assigoados, depois que o povo orien-
tal linli i dado a V. Exc. a maior prova di
son conlianca, levantando as armas ao ou-
vir-lli proclamar liberdade, conslitui(3o,
fraterni lado e independencia. Y'to esuora-
vam monos, Exm. Sr., os abaixo assigna-
dos, porque a paz, a ordetn e a uniao tem
sido constantemente o voto nico da itvu-
tanoso, onde teve umi grinde conferencia
com o general Urquizi, da qul saluram
ambos completamente salisfeilos.e na qual
licaram combinadas tolas as operacs ul-
teriores. Ti vemos o praior de possuirem
ntis-.il cidade o nobre con le por varios dias
exercito brasiletro chegou at Canelones,
oa lem hojeo seu acampamento.
Tendo o general Urquiza resolvido levar
suis tropis por mar pin i provincia de Bo-
tre-Rios, abandouou suas cavalbadas, eco-
mi-.;oii a fazer passar as suas divisos no
da 22 de outubro. Etnbarcou d -po-.s no
dia 31, e sahio no 4 de novembro com urna
divisao de 3,000 homens. Ficamlodavia
5,000 acampados na i. ni la do Corro, os qua-
caiico. hutre eatea fu coadeniuado um escra-
vo de uin senbor de engenlio dessa proviocia,
que, estando fgido, c em um coito as mallas
do engeubo Santo Antonio ou O-spiritei Sjnto,
tu .tini a oulro escravo, disse elle, por ser mul-
lo preguicoso, e nao procurar comida para a
sociedade, utilisando-se da que era adquirida
pehs outros sucios I
alostrou ser iuimigo dos Parsitas das socie-
dades, e saber podar os pimpolbos infecundos,
que consoinem a sciva i mas o jury que nao
gosia de julses particulares, e que acumulaui
o judiclario ao execulivo, tratou de inuiilisar
suai habilidades econmica, administrativa e
judiciaria.
He este uui bem aproveilavcl, exeiuplo para
os senbores cummunislas. c talvez delle pn-
desiem tirar a principal base para seu precoui-
sado sysleina social Na sociedade tal qual be
a miseria, peuuria e suas consequencias, sao
bem rigorosa puolf o indolencia, mas no selo
do coiiimunisiuo deve haver alguma cousa
mais positiva para os zangdes.
Nao sei se eslarei em erro ; mas assim o en-
tendo, e o tal prelinho o mostrou pralicainente.
Faeo ponto aqui desejaodu-lhe saude, felici-
dades e boas grosas de patacas. Amen.
sioocoiiManiomeme o voio umuo ua ivu- eg panira brevemente,
blica na longa e desastrosa guerra que por ollige.te de toJas 1S
tantos annos sustentou.
ce Digne-se, pois, V. Exc. aceitar a mais
sincera gratidBo dos cidadilos abaixo assig
nidos poli generosidade e
com que acolheu
ri lambem persu
dos Orientaes que at aqu
dos d'aquelle valento desgracido gene-
nl, nSo ha de V. Exc. encontrar resisten-
cia alguma nniformidade de todas as opi-
niOes, de todos os smmenlos, do todos
os interesses dos Orientaes.
Dos guarde a V. ic. muitos annos.
(Seguem s>> ss sssignaturas
Urna vez feita a pai e aberta a commu-
nicacao entre cidade e o cimpo, a popu
lac<1o correu com enlbusiasmo a goztr de
um bem por tanto lempo appeteciJo. Os
habitante da cidade sihindo para o Cerri-
to, e os dessas pangeos entrando na cida-
de, formavam em duas correles oppostas
urna alegre romaria que durou por oito dia
consecutivos. A autoriJade linha declara-
do festivos estes dias, e o povo aproveitou-
se largamente di festa, sendo urna circums
tancia mu notavei que neata mistura de
possoas que um dia antes se olltavam como
inimigos nflo houvesse urna s violencia,
um so insulto, um gesto o provocado,
ou que lizesse renscer os antigos renco-
res ou preveocOes.
Tinham-se extinguido estes de repente e
totalmente ? NBo o eremos; isto seria
contra a natureza humana ; porm a neces-
sidade da paz e di concordia he tilo profun-
damente sentida por todo o mundo, que una
eoulros parocem ter se imposto a le de
guardar todos as attrn(0es que os indivi-
duse um povo civilisado devem observar
ge-se ae todas as suas conversacoes
que o seu flm he passar immediatamenle o
paran, o chegar com um exercito numeo-
- so, nao levando no coracSo odio sen3o con-
a uisolicS q T. o.lxr.nno, nem n.cabeca outr. cousa
adir so. dii oai DO? Dt0 ^UB "a 8eJ* r*<""<* -a confederacSo
ad r-sc da que Por pirto segun,j, tI.ai,u0, 0 restabelecimento da
'" ordem, e a concordia entre lodosos Argeu-
tinos, islo he, um programan oxactimente
opposlo ao do dictador, que em 20 anno
de commando conseguio fazer de sua pa-
tria um lugar de miseria, de oppressBo e
de escndalos.
' Commrcio del Plata.,
(Do Jornal do Commercio,)
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DJ DIARIO DE l'Elt-
NiMBUCO.
I'ciru/ii/'eii, 17 di novembro de iSi .
Motivos podcroslsslmos me obrigarara a fal-
tar-Ule com a inisslvs de 14, o que em verdade
multo me sensibilisou, porquauto sou systne-
malico, e nao gosto de faltar aos meus costu-
me inveterados ; porm sel que me desculpa-
ra aquella pequea ommlasSo, proteslandu-le
ser d'ora em diante to pontual como o mais
cabecuuo breto ; assim Dos me ajude e Ihe
d pachorra.
Nada (em bavido de notavei, que mereca
uieocao, a excepcio, nem sei como Ihe renca
sem oflensa dos uieus Mecenas, sem que me ta>
chem de ridiculo em minhas noticias.... mas
como fia tenco, l vou, anda que o negocio
oo he multo de zombarias. Tem sido accom-
meltldns, em alguns lugares do interior, os
cae de hydropbobla, e tem innoculadoa varias
pessoas, das quaes algumas teein aldo victimas,
Coma ine um amigo, queaaaiatio em un lugar
onde a terrlvel molestia grassou coto mais tor-
ios, gue entregara esta
incumbencias verbaes que espero se digne
atlender e prem pratica com a benevolen-jsordens ou vtoloncias.
en quemo lem manitostado em todo este
negocio.
Repitoquesoude V. Ex. alTetuosissimo
saliendo servidor.
Maneje/ Ori'Ae
l.m conseqaencia destes ajustes todas as
ca, que iaxia horror ver os caes enfurecidos
enlre si. A autoridade pois nao teve necs-lr*1" estrada mordendo a quintos eooontra-
sid.de de f.zer-.e sentir par. repiimir de- ^r.".bd?rap.P,^ ^ W '. for.m 2.8k) pri-
. cas di tnlantiria argonlina que servio com
rio di; janehu.
RIO, 12 DE NOVEMBItO DE 1851.
Pelo paquete inglez Pince recebemos hon-
tem jomaos e cartas de Moutevi ico que dSo
noticias at inanhaa de 6 do corrente.
O governo oriental continuava a tomar
mec las para completo restabelecimento do
reg'men legal.
Entre os varios decretos que para este llm
tem publicado, notmos.aldi daquelles que
j dimos noticia, um que pOe termo ao des
ierro do getieral Rivera, e oulro mandando
proelecer as eleicoes dos representantes e
senadores, e dos Miembros dis juntas eco
nomico-administrativas.
Por meio dos commandantes de polica
dosdeparlamentos e de outras auloridados
administrativas, anioviveiswi nulmn dogo-
verlo, la esie fazendo sentir sus cenlo legal
no territorio da campinhi, quo porlanto
lempo estere sob o dominio militar do um
exi*cito invasor.
0general Garzonera o candidato do par-
tido picilicador a presidencia da repblica.
Mas i cha va-so gi avemenle eiil'crm '. Da lia
tuu11 que o genenl pidocn, e seus soiTri-
miMilns enrmeos exac-rbarani-sc durante
ostnbalhos de urna campaoha no rigor do
invern. A molestia desta distincto Orien-
tal era vivamente sentida pola maioria, se-
nBo pela totalidade dos seus compratriulas.
Pruvavel como oa a sua eleifilo, rece a-
va-se uBo chegassa a gosar por muito lem-
po ta honra do mando snpremo da rep-
blica.
Ogeneral Urquiza j linha rezressido
sua provincia. Embaicou em Montevideo na
tarde de 31 do mez ultimo, e seguio pan
Guileguaychu na mniiliilo seguinte a bordo
do Tapor de guerra bresiloiro Alfonso. No
seu embarque recebou do governo oriental
proras da maior disttocfao. A tropa formou
au langa docaes ufuz-lhe coiiliiioiii-ia, e as
bateras da cidade salvaram com 21 tiros.
o ministros e outras autoridades do paiz
acompaoharam o general enlre-riinoo at o
lugar do embarque.
No vapor Alfonso e nos vaporo] Recite, D.
'Pedrto no brugaau, que com elle seguiram
- .... .el. 40 ,...-.. ce-.. I.-., r-. n o.... ...
rdensouyioionciss. qur estlvessem, qur nao .teclado da mo- ss a lofanlana argentina que servio com
Conlitbuiram poderosamente pira oblar | lesiia. O atnsamigo referc-me que vio uina Uritjo. Anleriormonte ja linua sido tran-
te bello resultado is recommonlacas do crionlinba, de 12 a M anuos, macada da mu- \ portada alguma tropa e restavim amia em
leste
general Urquiza, que conserrou, emquaoto
permanecen entre no, a altilude ea lin-
guigem, nBo de uro vencedor, mas de um
arbitro, amigo dos homens de ambos os pir-
Iropis e autoridades orientaes estibelecidas i tidos, e empenhado em reunir todos de-
no Cerrito reconheceram a autoridade dolbiixo das leisdo paizc da proteccSo disiu-
governo, e todos os corpos argentinos selloridades iogitimaj.
pusenm asordis do genenl Urquiza. No] Elle fez quinto era.da sua competencia
lesiia, ejual sucumbi em menos de oito lio-1 Mostevido cerca de 5,000 pescas
ras, que l.ala lastima.
Agora digaui os critleos, que foi redicula mi-
aba censura a cunara municipal pela celebr-
rima postura canina de pellados e cabelludos.
Certamente que nao deverla merecer duas li-
nha de urna inlnha carta urna rae; lao dain-
ninha, quando outros anlmaes teein merecido
as honras de multas; mas, como cada um dlrl-
argenti-j
dia 8 marchara mem columna pars o l'eoha-J fazer, equanto corresponda ts suas eleva-1 ge seu barco como ibe coavm, tanto bel de
trooi que conduziram, sem que em
sua viagem ocaorresse nenhum accidente.
O exircito ttperial oslava acamoado so-
brea margem direita de Santa Luzia, 12 a
14 leguas da cilade de Montevideo. Com-
punha-se de 16,000 bnmoni ; mils de 7,000
lincas de infmliria, 8,500 de cavallana, e
urnas 800 do srlilhirii, com 23 bocis de
fogo.
Ditii-se que brevemente levantaria o seu
campamento para estabelecer-se em outro
ponto.
O Sr. conaelheiro de estado Cirneiro LeBo
chegou a Montevideo no da 31 do passsdn,
ao por do sol, tendo tocado na Illa d i Santa
Catharina, onle o Imperador demorou-
se 42 horas pan receber provimooto de
carvao.
Informado, apenas fundeou o vi mr, de
que o governador Urquiza seachava a bordo
le V."p'c". para ali dingiu-si inimoluli-
mente, e consta que Uvera uina breve entre-
vista com o dito governador e com o minis-
tro das relacis exteriores co Est'lo Orien-
tal llirrera y Ob'S, que tamben l eslava o
fora despcJir-se do general.
A noticia di s i cliegada e da sua missBo
foi dada pelo Comercio del Piala do I.* do
corr ntee proluzio muilu favorav-'l sensa-
e; i. S. Exc. foi logo no dia iinmedialo cum-
prunenlado por parto do governo O iotital e
por varias pessoas do lugar, nacionaes c bra-
sileras.
No da 5, urna hora da tarde, t 've lugar
no palacio do governo, o aclo da sua apre-
s 'iiiae.'.li. O presidente da repblica linha
a sou la lo os 2 memhros do ministerio, e o
plenipotenciario do Brasil Oilt'OU na sala di
recep(3o acompanhalo por seu secretario o
Sr.llr I'aranhos, pelo encarregado de nego-
cosdo llnsil o Sr. Silva Ponte, e pelo olll-
clal-maiorda secretaria dos eiilrangeiros,quo
o foi buscar sua casa Na entrada e na sa-
hiela.a guarda do palacio, vestida do grande
uniforme, formou alase fez continencia ao
ministro brazileiro ao som do hymoo o-
nenlil.
Eis o discurso que S. Exc. recilou ao en-
tregar a sua carta credencial :
' Sr. Presidente.Tenho a honra de en-
tregar i V. Etc. i carta credenc al pela qual
S. M. o Imperador do Brasil, meu Augusto
Soberano, incumbe me de urna missao os-
pecial junto da p.-ssoa de V. Exc.
Nost'i acto de S. M Imperial reonhecc-
r V. Exc mus urna solemne deinonstrac3o
do apreco em quo S. >l. tem as relioflai de
i ni-1 I com .--i i llopublica, mais urna pro-
va do desvelo esolidlude com quo procura
desempeonar as ubrigar,0es da allimcii com
ella enu rain 11, contribuir quaulo em si
couber para que apuna urden legal uel-
I. so consoldela!, e co.il a paz e a ordem sua
independencia e futura prospen lade.
" Recprocos interesses polticos e coin-
merciaes pon de.ii o imperio aos l-.nl is
que com elle oceupam a America do Sil
dentre os estabelecidos as margens do l'ra-
ta e dos seus illljenles, a repblica Oriental
do Uruguay he aquella colU o qoal mais es-
trellas Se tunan eSSlS relae.ii ^ de 111 illa
seguranza, paz o engranJocimcalo ; nao s
por sua posn;3o geograpnici, cumo at pe-
las tradicdes da frateruidade queoutr'ora
a ligou ao imperio. A uianutoiicao da ni ln-
penueocia tl.--.tc- Estado, sui prospori lade o
pai sHo ubjoclus da mais mu na e fervorosa
afl'-icBo do Brasil, 3o olameiitos indispon-
Saveis pira a tranquilidade de suas fron-
teiras.
" Mnilia missSo especial junto da pessoa
de V. Exc. lem por lim principal garantir ef-
licazmenle esses recprocos inteiessos, pro-
crenlo, por todos os meitis que conve-
nhim, Urmir slidamente a independencia
deste Estado e suas retacos de boa intelli-
gencia <- amisade co n imperio.
" E felicitando nesta occasiSo, em nome
do ni 'ti Augnsto Soberano, a Repblica
O iental do Uruguay e a V. Exc. pelo trmm-
pho incrtienlo qoe pz termo guerra frati-
cidaque por tantos anuos assolou, e foi
para o imperio causa de perdis, vexatnes e
continuas iuquietai;0es, eu desempauho o
primeiro e U'o dos mais gratos llovere di
minha miss3o ; sou orgBo o interpreto Del
da emoQBo que por essa feliz successo sen-
tio S. M. o Imperaior ; emociloque foi pira
elle tanto mais viva, quinto t3o prospero
resultado he em grande parte devido ao es-
clarecido patriotismo dos Orientaos, que
abandonando bandeira contraria gloria
e reacs interesses do sou bello paiz, torna-
rim impossivol resistencia, e assim evita-
ram o derramamento de sangue de irmBos e
a sigos.
" Julgar-me-hei muito feliz, Sr. presi-
dente, se ou c inseguir junto pessoa de V.
Exc. corresponJer a honrosa missBo que o
meu Augusto Soberano dignou-se do com-
metter-me, roalisanlo do modo o mais se-
guro e vanlajoso para os doos paizes as vis-
tas omioenlemenle pacilicas, imigaveis e
justas que presidetn poltica internacionil
do impori i.
A resposta do presidente da repblica he
igualmente muito exprossiva assas satisfac-
toria para as relacOis quo o imperio procu-
ra estrellar com esse Estado v i nao, e o
mais lisongeira possivel a pessoa do pleni-
potenciario brasileiro.
Sr. ministro.A Repblica Oriental,
quo vio s 'iipre no imperio do Brasil sou
m eis fiel alliado, o a,uno mais firme de sua
independencia e a garanta mais solids de
suas mstiiiiii,'!'s, uo po lo deixar de lison-
gear-se altrnenlo polos repelidos leslenu-
utios e|n pt'ieai ni mais completa evidencia
a convierto produzdt por urna longa serie
de fictos.
As pocas do paz, de bem-estar e de
eograndecimento pira a Repblica au lam
sempreligadas pelas recordacas da influen-
cia que sobre ellas tem exercido o im-
perio.
Daqui a conflaoca com que v seguro o
seu porvir, desde que esl elle garantido
por um poder tilo forte, quBo justo.
Aceito, pois, Sr. ministro, com reco-
nhecimenlo, em nome da Repblica, o novo
tcstetnunho deimisade sincera, e de gene-
o Imperador Ihe
blica.
> Essa escolha contribuir multo emeaunen-
te para estrellar cada vez mala oa vinculo de
anulo entre ambo o paizes, e para perpetuar
a paz que consolida sua reciproca prosperi-
Queira V. Exc. ser o interprete, ante S. M.
o Imperador, dos sentimentos que animara, o
governo da repblica, e doa votos que rila faz
por qoe longoa annoa assegure elle i nacao bra-
sllrlra a maior IVIicid.de e bem-estar.
Uina carta que temos vista refere que noi-
te o commandante das armas inandou por um
omcial compriinentar a S. Kxc, e rog.r-lhe-
que recebesse a saudacao de urna lwadaae
msica militar, que tocou varias peca aporta
de sua residencia.
O Sr. conde de Casias, que viera a Montevi-
deo apenas teve noticia da chegadi do Sr. Car-
ino n Leo ; regressou lo seu qnartel-general
em Canelonea na tarde do dia 5. Na inanhaa
de 9 tencionava Ir aquella villa o Sr. Carneiro
l.eio. Acoinpanhava-o o commandante em
chefe da esquadra brasileira.
De Ituenos-Ayres ha datas at 3 do corrente.
Nada tiuha all accontccido de importante O
dictador Rosas continuava com oa seus festn
c mascaradas, fea espalnar eeue, apenas tlvesse
tomado todas as suas disposlcdes, sahirla para
a campanil, com D. Manuelita. Sobre essas
dsposces diz o Commerrio del Piala de 5 do
crrenle:
i O paquete de vapor Princc entrou hontem
de buenos. a.yres, d'onde sahio na vespera
conduaindti para este porto (80 passagelros.
As noticias daquelia cidade contirinan que
Rosas faz grandes preparativos para eaperar na
defensiva ao general Urquia. Ha no arsenal
uina actividade febril; esto ae aprontando eou-
aa de 10,000 lancas, c todas as repartiedes tra-
balhaiu sem descanso.
a \ campanba esta Inteiramente despovoida
por isso que os reermamentos tem lirado ate os
rapazes.
i i un un-,,- expedido ordens positivas para
o norte para afast.r a 10 legoas da costa do Pa-
ran tudas as cavalbadas e gados, c para des-
tacar piquetes atim de vigiar esta costa -, e no
caso de veritic.r-se invasao do lado de P.ntrc
Ros, ha ordens para que todas as forcas se
coucenlreui na Guarda de Lujan, ponto distan-
te cousa de 25 legoas da capital. All se ba de
estabelecer o quartel-geueral, e neste sentido
tambem se expediratn ordens aos commandan-
tes c juizes de paa do sul.
O coinuiandaiiie D. Pedos Rosas eslava j
no porto do Tuy com a sua Torca de cavallana
para vigiar a costa.
.e A divisao do coronel Lagos eslava em mar-
cha para reforjar a que coinmaudava D. Vicen-
te Goniale, sitiado enlre o Rosario e San Nico-
ls. Hoje coimuanda esta divisao o leuentc-
coronel serrano, que foi desle estado.
i Rosas liaba inaudado para os Santos Lu-
gares os coronis bustos e Quesada, que lam-
bem paritraui daqui, para disciplinaren) os re-
crutas que de todas as partes cliegam quclle
pumo.
e r'alta-nos espaco para extractar as noticias
que oos coimauuicain as cartas de ztueaos-Ay-
res, por isla nos limitamos ao que acabitnos de
tlizer. Todas ellas coalirmaui a existencia de
uen descontentaenento universal, e o deseju di
passada do exercito entre-riauo. A deserco
ta crescendo, e as maltas serrem de asjlo a
ninii i gente.
Diz o en i carta que entre os soldados aquar-
telados a se ouve a cada iuslante fallar coiu des.
embaraco de Roaas e do seu maldito ayslema,
cujo prestigio alerradur parece acabado.*
- que falla he ver qual ser o aspecto que
tomaro aa cousas logo que o geueral Urquiza
pisar a provincia de Dueos Ayres, e tratando
de cortar o u gordio, se dirigir com a actlvi-
dade que o caracterlsa .le a Ouardade Lujan
em direitura. O que excederla todaa as nossas
esperancas reria ver llosas frente do exercito.
muito mais do que a sua primeira espada
tailiague, queramos ve-lo dirlgiudo a opera-
ces da guerra e commando em chefe n'uma
biialaa.a
A emigracode Ituenos-Ayres para Montevi-
deo era coosiileravrl; pela nuior parle de
Orientaes. Rosas j nao Ihe oppunna o menor
embaraco.
Eis como as tullas do dictador explioaui o
desenlace da queslao oriental.
Acconteclmcatos que aluda uo podemos
compreieeoder, e que porlanto nao queremos
qualiQcar, decidirn! o general Oribe a capitu-
lar com os inimigos que invadlraui o seu paiz,
e o exercito oriental que elle coinmaudava a-
bandonou o campo sem dar um Uro. As di vi-
sOes argentinas, rcduzida ltimamente a pou-
co mais de dous mil hmeos, forana sacrifica-
das. Alguns dus seus ebefes, olnciaes e solda-
do, chegaraiu ja capital..
Na parle exterior publicuios o rctrospecto
mensal do Commercio del Valo.
[Jornal do Commercio.)
ouse entre-nanas, que deviam ser igual- roso interesse que S. M.
nenie levadas sCualeguiyehu nos vapores olTereco nesta occasiBo.
brasiletro a no Uruguay, quo perlence sol Correspondendo aos votos dos meus
Estado Oriental. : concidBos, cabe-ma o dever do contribuir
Deviam partir lambem por sqtiolles dias com todos os meus esrurcos pira o conse-
jara Eniru-iiios a,500 infantes orientaos guimenlo dos importantes objoctos que fo-
:om s pecas sob o commando do coronel ram confiados elevada intelligoncia a ao
Cesar Diss. dislincto zelo de V. Exc.
PERMAWBCq___
Repartidlo da Polica.
PARIE n i DI i 12 DE NOVEMBRO.
Nao couata que houvease occorreucla alguma
nesta capital.
DEM DO DIA 13.
Foram presoa : a ordem do delegado do pri-
meiro dislrlcso deste termo o pardo Manoel,
escravo de Leandro t'erreira do Rosado, para
avetigauedespulielaese francisco Xavier, para
recruta ; e a do subdelegado da freguexl. de
Samo Antonio, .11 moel, escravo de reroaudo
Jos da Rocha Pinto, a requisicao de seu se-
nbor.
DEM DO DU 14.
le ra ni presos: a ordem do delegado do pri-
meiro disinti deste termo Antuulo Kn mino
da Silva e Antonio ios de Sant'Anna, para re-
crutas; a ordem du subdelegado dafreguesla
de San I'iei Pedro oncalves doRecife, Manoel
Joaquim da Cumia, para averlguacespnllctaei,
- s Americano Jamas ValanUm, arequuiy5
do respectivo cnsul; e a de, subdelegado da
freguczla de Santo Antonio, uin crioulo de me-
nor idade, escravo de Jos Martin l'edra, por
crime de ferieneutos.
DEM DO DIA 15.
Poram presos! a ordem do delegado do pri-
meiro districto deste termo o Portugus Ma-
noelCarnelro, por lujurias, e Matblaa Jos Al-
ves, sem declaracu do motivo; a ordena do
subdelegado da frftuexU de Santo Aolualo, o
prcto Miguel, escravo, Dor criiue de furto; a
ordein do subdelegado aa freguezia de Sao Jo-
s Ignacio Citne e Lima, por cnuie de oen-
sas physicas; e a do subdelegado da freguezia
da Varaea Jos Luiz de Souta Feriaz, por In-
sulto.
DEM DO DIA 17.
Foram preso i a ordem do juiz dos fei-
tos da f.zenda, o preto Antonio Francisco
Macota, por nao ter dado conti do deposito
que Iba fra conliado; a ordem do deloga-
do do primeiro districto deate termo, o
preto Luiz da Costa, por crime de de fort-
unemos ; ordem do subdelegado da fre-
guezia de Sin Frei Pedro Goncalves, Junes
llermods, por ebrio, PcJro Jos dos San-
ios, e Marcelino Antonio Goncalves, sem
declira;3o do motivo; a ordem do subde-
legado da freguezia da Boa-Visti, Paulo da

II FGIVFL


-
,./;

_________ -^ ~ _________
i i
Costa, para tormBo, JOq. escravo *e
Joflo Borges, por B,ter 'urlaaJb uin cafalio,
e o preto Bernirdo, escravo, Mm deolara-
cflo do motivo; i ordem do subdelegado
ato fregueila dng Afiigados, o sol lado do
eorpo de polica. JoBo Ellas de Azeve lo,
para ser processido, porm ola se declara
por que erlma ; do aubpalsgado da fre-
guesa da Varzea, Francisco de Souza Visa-
na. para recrula, Manoel Flix dos Santos,
e Eslevlo Mirinho, para averiguares po-
Itciaes.
dem do d:a 18.
Foram presos : i otdem do subdelegado
da fregueiia da San Frti Pedro Concalves
do Recito, o escraro Jos, por crime de
furto j e A do subdelegado da freguezia de
.Santo Antonio, oulro escravo de no no Ale-
landre, por espancamento.
Correspondencia.
Senhore redactores. l,i coni au'preza
em o n. 114 do Ecco Ptrnambueano de 21 do
correle, debaixo da epigrafoNoticias di
Patria um trecho, ero que se declara, que
eu den uma grande faca la em um portu
gvez, morador na ruada Florentioi, ic-
creacentando-se, que os ficultativosafllrma-
ram, que o dito portuguez o3o escapara.
E como nio devo deixar sem resposla uma
calumnia to asquerosa, urna invectiva to
niisoravel do redactor 'aquella Tulla, a pre-
co-mo a mandar-lhe estas linlus para o seu
bem conceituado jornal, a lim de que aquel-
lo calumniador nio lique campando.
He falso e filcssimo. que eu houvesse
praticado o facto, que me altribue a Rejc-
elo da indicida folha, e nlo menos falso
he, que o portuguez que se ella refere
esteja em perigo de vida e gravemente leu-
do. Se ferimento elle sofreu, foi toito lal-
vei, nSo por pessos algum>, mas por occa-
siio de ter elle cihido sobre os muitos fer-
ros de ponta, que tem em sua loj da mar-
cinaria na propria casa cm que mor.
Esse portuguez lio meu cunhado, e com-
quanto eu ulo gostedaeua ni m de por-
tar aa para com minha irman, e muluersaa,
todava rasflo niu linha para o ferir, e por-
tanto he uma calumnia ir nssiina, quo
roe altribue o redactor de Uceo, somante
para Icr o gostode tirar de mim uma vin-
ganca indigna pelo facto de havereu como
voluntario prestado ao govern?, ea ordem
publica oa .-ei v{os- que estavam ao mou al-
cance, como o mesmo redactor declarou.
Fra molhor que elle, informando-se da
verla de, n.'oi aventurasse uma calumnia
contra a minha pessoa, de quem nunca re-
cebei offaasa algumi.
Tenham senhores reiaderes, a bondiJe
de publicar esta correspondencia do
su .
loaguim Moreno ia Coila
Srs. redado re.Nao me he possivel res-
ponder ao enturro de insultos assignados
publicados no Diario a 259 palo Sr. Hel-
io, porque seria preciso proflessar a mesma
moral, ter a mesma educar;!!1), possuir a
mesma insolencia desso Sr.: essas contis
aba toma-las ao tribunal competente, ni-
co proprio para me desafroiilar. Como o
motivo deasa Bello Sr. seja uma vinginca
injusta, e o lim denegrir a minha rspu'.a
io, eu dire em poucas pnlavras pirquj
eziste nr-lle a vontsdfl da vingar-se; e n
qoe pretende alcanzar rom essas diatribi.
Quer-se elle vingar de eu ter defendido
D. Mara Thereza de uma injusta demanda,
que o Sr. Bello propnza dita Sra. sua lia,
fundado em umi obrigagJo, qua j tinha
sido paga aaeu pai ( o que o Sr. P. -. 1 j pra-
ticou naturalmente por innocencia ; e por-
que foi convencido da sua imprudencia li -
cou endemoninnado contra mim. Qusr-se
vingar anda o5r. Bello de mim porqua me
oppuz s coutas da tulella de sua iv I).
Maria do Nascim nlo, onde prelenlia ureju-
dicar aquella Sr 1). Mara Thereza libada
tulellada, opposiclo qua medrou. Quar-se
vingar tambern o Sr. Bella porque me op-
puz que elle fosso nomeado te dativo da predila.sua av qualidade c >m que
pretenda picjudicar-me na compra, qua eu
lizera de melade de urna propria dada na
ra da Cadeia Velha. Quer-se vingar linal-
mente porque nlo levou ao bico a lictaclo
que ageociou fazer seu irmlu Joaquim Jos
Bello em toda a casa, elevando-a de 5 cun-
to, em que fra avahada em 14 cont*, li'
todas estas demanlas c quotas decalno
o bello do Sr. B lio o por liso julga-secom
o direiloda me cubrir de improperios.
O lim que lein elle om mira, inventan lu
sustos e dtorvos a quem por ventura mo
queira comprar a propriedide da ra das
Trinclieiras, consista em embaracir, que
eu pague alguna quinhesdo preco da quel
la proprielado da ra da Cadeia, de que
inda aou responsavel a trez herdeiros;a
qoem o.S'r. Bello com isto prova a boa smi-
yailequo Ibes consagra ; razio porque eu
vendo dita casa das Trincheiras. Este Sr.
Bello nada tem com os bens qua Gcaram de
Joaquim Gomes da Silva Azevedo Mecido
'i.i SS annoa, e de certo o o -m propO de-
mandas injustas como as quo ello perdeu c
se acaSo squi declaradas, muit i melhor le-
na proposto outris S3 Iheassistissa direito a
razio correspondente a sua lilancia.
Demais se he berdoiro, como arrola e iu-
ventariante;dos'bens daqudlefaleciduexiste
no res, eetivo carlorio, exlrahia dalla o seu
formal e vi hsvero qu: hija de pertcnecr-
Ihedequem direito ti ver ; ni certeza de
que a casa da roa das Trincheiras ha mi-
nha por ter aido arrematada em basta pu-
blica.
Emquanto a historia que relata da con-
ta, ella tuda he de sua frtil composicio,
nem aeria crivel pretender eu fazer assignar
peloSr. Bello em campa nba aberta eomigo
qualquer conla Oelie verdadeira, quanto mas
colitis falsas como elle refere.
A lieos Sr. Bello nem mais palavra me ar-
rancar, poia quepalavras niloadubiosopas.
A Daos at nos vormos em lugar autoiisado.
Queira Sr. redactar dar lugar a estas rabis
cas de seu constante leitor.
Manoel fibelro da Cunha Oliveira,
nem me consta quo esta tenhi nunca hit
do, nem eu o consentirla, ao manos nflo
havendo a urgencia a quo deu no Rio de
Janeiro a febra amarells, em que mandan lo
buscar a ncelo para meu sobrialio, fui o
coadjutor, atropellado de servieo, encon-
trado na rus, trazando debaixo de seus ha-
fcitoa viatorios, roquete, cstolla, ritual e o
vaso da Sinta-ncjSo. Por este lado, pois,
alio be tonda la a especie de cansura que
faz o Sr. lente.
Quanto ao raais dire, que logo que ti-
ve noticia dessi or.currencia, lembrei ao
Sr. pa Ir. Manoel Florencio a conveniencia
de levar os ulhoa baixos quando for em
administrac,!! > dos Sacramentos, sem lhe
importar quo o mundo caa aos pedacos
em roda della. Porque, que oulra couaa
fazer utilmente em lempos emque boleei-
ros atropellam impunomante as procissOes,
em que u SS. Sacramento he levado aolem-
rqne de Almelda, equlpagem 6, carga
couros e sola. Traz 4 passageiros.-- Ficou
dequarontona.
fl'uuJoi ukidot no matla dia.
Paria portos intermedios paquete de va-
por braaileiro S. Salvador, com nandante
o primelro lente Coutlnho. Conduzdes-
la provincia Kredenco Timra Manoel
Csrneiro l.oal e I escravo, Jos Liberato
Barrozo, Joaquim Mondes da Cruz Guima-
res Jnior e t escravo, Dr. Jos Mariano
Alves Sarrio, Francisco llyginio Jansen
Vieira Mello, llugulino Ayres Freitas Al-
buquerque, Agostinho Morrira Guerra ,
Thomaz Costa Ferroira SerrSo, Raymufl-
do Alexan Ir Valle de Carvalho e I escra-
vo, Dr. Jos Alfredo Machado, Fllippe
Concalves Marlins Vieira de Souia, Ho-
mualdo Souza Pies, Jos Mandes da Silva
GuiraarSes, Fabricio Gomes Podroza e
Joao BroxadoSoars Guimaraea
g
nemente, e quando cavalleiros rocam im- Soulliampton e portos intermediosvapor
inglez Tevio't, commandante R. Rivett.
Con luz desta proviucia, Francisco A.CIu-
bariber,
Liverpool pela Parahiba barca ingleza
William Russel, capillo Jamea Shelford,
Carga a punementc sous civallos pelas varas do
palio i1 AinJa ha poucos dias, Srs. Redac-
tores, o seu estimavel Diario apresentou
uma Mi severa, como justa cansura a tal
respeito. Quaesquor que fossem os moti-
vos desse Sr. cadete, o peior de tudo he
que o mal n i i esta so nelle.
Sou, Srs. Redactores,
Seu iiinito respeitador,
O padre Venancio Henriquei de Resende,
Vigario de Santo Antonio.
Sr. Redactor diExpectador.
Li o seu n 6, de sabbadn 15 do corren-
te, e ao posso que reconheci ogran Jo
talentode V. S., lamentei o penoso esta-
do em quesoacha com a encommenda de
que sa fez cargo, de urna publicaclo jurna-
leiratheatral, critica e literaria. Com
effeil um tal trabalho julgo nSo deixar a
V. S. para comer timpo algn; pois na
ver lado he grande a missio de um escriptor
desasa ordem, pnrquanlo se ella eutenlar
que para sercnlcj thialral Iba he bastan-
te conhtear o actor no palco, e ah tSo
smenteavalia-lo, he forc ido ouvi-lo sem-
pre e sempre, e islo alcm de encommodo
lie dispemlioso : sa pelo contrario elle en-
tender que a critica theatral consiste em
ser mal-dizente, calumnialor, profanador
da vida privada de qualquer artista, inda
maior lhe he o trabalbo, porquo envolve
n'uma infamia a quem assim o entender,
pois que ha de recebar paga dessi trabalho;
e entilo na verdide he triste o recaberal-
guempaga para detrahir deoutrem. Jul-
go que V. S convir comido.
Ora vamos ao que mo levou a rasbiscir
e-i s li ibas. Eis-ine agora com V. S.,
agradecenJo-lhe o titalo com que veii mi-
mosear-mede esenptorilesle j o de-
claro, pira sau cabal conhecimento, que o
nSi sou; conleutando-mo apenas com a
miuha pequea posiji de actor vassallo, e
be plebeo, n3o aspirosceptrosdo tliea-
tro algn, porquo alm de pesado he mu
Dr. Manoel Mandes da Cuaba Azsvcdo. \e possivel, o vefeiro patacho bra-
Nesta obra indica o autor, interpondo a I v.lo.i. ...,.. ,QU,n
suaopiniao.asduvidasqueaa podan sgi- sileiro Vleuta : quem nimesmo
taajobre a intelligencia pratioa da muios' riuizer carregar, emli.ircar cscravos
artigos, as numerosas antinomias, que re-L fr..p ou jr e r.assao''m diri-
sultamdecertasdlaposictJascanipradas en.JaIre,e ou ae passagern ain-
ja-se ao capitSo do mesmo Fran-
ciaco Nicolao de Araujo, napraca
do Gommercio ou a Novaes &
Gompanhia na ra do Trapiche
KD1TAES.
despendioso -como V, S. nlo ignora, e
mo s3o estas ousis para o seu nir.gnem :
o inda mesmo quando o l'osse, o que neg,
prefereria aot.'sganbar o po no palco per;
nambucano com o soor de meu rosto corno
actor, do que orno escritor vender a mi-
nha penna aalgum Carme de intrigas
quu eagangoni mal segura mo comprar
quizesse psra seupeito largode papel.
Julgo qua com este meu fraco pcnsimen-
to couvira tambam V. S. qua deve saber
que o meu proced ment nesta proviucia
ten sido exempiar, para o qui appello
O Ulna. Sr. Inspector da theaouraria da
fazenda provincial, em cnmprimenlo da or-
dem do xm. Sr. presidente da provincia de
15 do crrante, manda fazer publico, que
nos das 1, S e 4 de dezembro prximo vin-
douro, ir a praca para ser arrematado pe-
rante o tribunal administrativo da mesma
tbesouraria, a quom por meuos flzer aob'a.
dos concertos supplementarios da punte,
sobre o rio Siriahaem,avaliados em 6t3,400.
A arrematafio sera feita na forma dos
arts. al4 e 27 da lei n. 286 da 17 de m. io do
correte auno.
As pessoas que sa propozerem a esla ar-
rematacSo, compirocam na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias aci na mencio-
nados pelo meio dia, competentemente ha-
bilitados,
E para constar se mmlou afllxar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 19 de novembro de
1851.O sioretano,
Antonio Kerreira da Annunciaijao.
(Clausulas especiaea da arrematacSo.
I." As obras dependentes desta arrema-
tacj, serio feilas de conformdade com o
ornamento apresentado ao Exin. Sr. presi-
dente da provincia, pelo preco de 642,400.
2." O arrematante conectar a obra no
prasnde um mez contado da datadaparli-
cioacOoque lhe for feita da approva^ao da
arremata?io pelo governo, o os concluir*
no praso de quatro mezes, ambos contados
da mos a participa;3o.
3. A importancia da arremalaQo sera
paga em duas prestarlos iguaes; a primei-
ra depois de ter fcilo metade da obra, e a
segunda depois de lavrsr o termo do rece-
bimento dilinitivo.
4.* Para fulo mais quonio esli delermi-
nado pelas presentes clausulas, seguir-so-
ha inteiramente o que dispon o regla-
mento. Conforme. O secretario,
Antonio Forreira da AnnunciacAo.
A cmara municipal desta cidade con-
trata comquem por menos fizera condcelo
do lixo das ras da cidade em cirrocasou ca
vallus, sendo o contrato por freguezias : os
intereaaados podem apresentar, na casa da
mesma cmara, suas propoitasem carta te-
tro ai, e com outrasda le de 3 de dezembro
de 1841, os efTeitos ordinario da alguna ar-
tigos de vo em damno da justica, e da humanidade,
a necessidade de alguna esclarecimentos,
o declaracOes interpretativas,que incumbe
ao legislador braaileiro, para dar a nossa le- n> 34-
gislaf&o repressiva um systema de uoifor-
midade com o direito publico da naci, e o
plano anda mal comprehendido de nosssf
instituicOas judiciarias, os abusos enormes,
que a ignorancia, e a mi f de alguna juizei
tem felo de auaa melhores Iheorias no Jul-
gamento dos crioiea polticos.
O autor demonstra as auaa assersoes com
argumentos tirados dos mesmos textos da
le, dos principios da jurisprudencia com-
mum, e autondade dos escriptores, que mais
se tem oceupado, edistioguido na sciencia
do direito punitivo.
O mrito desta obra exclusivamente do-
duzido de sua materia, consiste no interes-
se de animar os jorens estudiosos, e os ami-
gos sinceros da verdide a uma investiga-
rlo rell cti la das questOes, que nella sio
descutidas.
Nenhuma outra obra deste genero nos
consta at hoje que tenba aparecido desde a
publicacflo de nossos cdigos crimanaea.
Este mutivo, anda que fosso o nico, nio
serla menos lisongeiro ao sau autor, nem
menos til aos que o quizerem imitar, ou
-- Para o Ceari o hiate N. Ollnda : a tra-
tar com Manoel Das, oa Senzalla Velba n.
134.
Para o Hio de Janeiro, sa-
hir Ciim a maior brevidade pos-
sivel, por ter parte da carga en-
gajada, a bem conhecida escuna
nacional Alaria Firmina capitSo
Joio Bernardo da Hoza : quem
pretender embarcar carg* na mes-
ma, ir de passagem, ou embarcar
escravoa, pe entenderse com o
mesmo capitSo, ou com o consig-
natario Luiz Jos de Sa Arrujo ,
na ra da Cruz n. 33.
Para o Porto.
Sahe com a maior brevidade
possivel, por ter parte de seu car-
IUCII!f3U!ll aunque ui|i/j um luii.ai, uu 1*1
julgaro mrito de suas obseivacoes. Assig- pegamento, a linda e veleira gale-
na-se na livraria do e licior Baciiarel Abreu
e Lima por 5,000 rs. cada obra a pagar-se
na occasiio da intre^a. Depois de toiebada
assigaatura cuitara 6,000 rs. cada exempiar.
ELEMENTOS
M
Homaopathia.
Sahioa luz a segunda parte desta obra i _
composta pelo profassor homosopatha Gos- "
set ni noiii. Recebem-se assignaturas para mi
ubra inteiraa (,000 rs., nu consultorio
bomceopathicoda ra das Cruzas n. 28. De-
pois da publicarlo da terceira parle, o pro-
co ser elevado a 8,000 rs. para aquellos
que nio tiverem assignado. No mesmo con-
sultorio, acha-sea venda tudo quanto he
necessario para o estudoea pratica da bo-
mocopathia, como seja
para Historias de
priadus para a prov
encarrega-se do man
neixou de ser eaixeiro Joio Jos Cor
rea Machailo de sau to Manoel Jos Correii
desde o da 21 do crranle mez.
Osenhor, autor do aviso ou pedido
aodono de certa renda da roa da Cruz in-
serto no Diario de honlem, baja de declarir
em qua venda desia ra se renen pe.
ioai que merecam ser tratadas de pelin"
tras, mis llngoas, e baodo gralhador, com
oque muito obsequiaraUoi vendelhio
Ainda esti por a I lugar (em razio de to-
sido necessaria fazer alguna reparos) i ei-
cellente caza nova de pedraecaf, comern
ge sitio, maltas arvores de fructo, extr-nji
baila; e ptimo banlio do capibiribe ,10
corredor de S. Joio da Matriz da VarzM
Os reparos precisos estio concluidos, e i
cha-se hoje prompta, e pintidi de novo"
trala-ae ni ra da Cideia do Recito loj n'
41 preferindo-ae quem a tomir em irrendi-
mento.
Desappareceu do engenho Caxang di
freguezia da Escada no da 10 do corrento
mez de novembro um preto escravo de no-
me Francisco Ciriri, que a pouco tempo foi
vendido por os herdeiroa lo fallecido teen-
te-Coronel Antonio Francisco de Carvalho
Cordelro, do Brejo da Madre Dos e tem o
mesmo escravo os aignaes seguate! tito
migro,fei(oes regulare9,poremolnos peque-
os e espantados, he de Angola, porem veio
muito pequeo, que parece crilo, da idade
pouco mais o menos de 95 annos, ja nlo he
a primeira vez que foge, eheprovavel qua
procure a casa doseusaotigos senhores
quem encarecidamente se roga bem como a
todas as autoridades policiaes e pessaasdo
povo de o prenderen], e remetieren) io
mesmo engenho Caxangi a aeu seohor, o
ra portugueza Bl achrense temjnlJor Uarianno Xavier Caroeiro diCunbi
i j lou nosta cidade a praca da boa-Vista mu
acetados commodos para passagei-ln. 3isagundo andar, qia em qualquer des-
ros : quem na mesma quizercar-t partes sera recibido pagas todasu
regar, ou ir de passagem, enten-de8',ez,scom VWS
AO PUBLICO.
Somos toreados a responder aos aleives s
di-se como capitao Kodrigo Joa-
: uim Correia, napraca do Com-lin8uUo.r08ao1ir.0 1ue nositinmem VrV-
' T v ,, .senca o'um publico generoso, justo a hos-
ercio, OU com [Novaes S Lompa-IpIUlairo ; maa em poucas palavras daremos
nhia na ra do Trapiche n.
Leiloes.
--O coi rotor Miguel Carneiro, fari leilSo
no dia sabbado 22 do corrente as 10 horas
. da manbia no seu rmazem na ra do Tra-
livru.s ""P'essos i pjc|)e n 40iJe uaia porc3o d,, Cieitls ,mo.
doentes. regimens apro-!rjcan,9 com
ivincia de Pernambuco, e' rinJ 'mez,s
landar fornecer qualquer it p,nnos,
34.'a nossa delTaza peranle esse mesmo publi-
co, que al hoje, sabedor do nosso corapor-
tamento, nio acreditara por certo a mise-
ra v.'I asserclo que nos fa em por meio i'.
um annuncio assignadoo Tnezeu 1Com
eiTeito, S. me. a quem algum alliadu do re
de Algarve,( sem que este inlerviesse ) trou-
xea campo em uma comparadlo no Diario
para a nobie e hospitaleiri populaciu de chada. Paco da cmara liiunicipal do Heci-
Parnambucu, que de corto dar a merecida fe em se5sa0de 18 de novembro de 1851.
altenc,ao ao ladrar da gotos rafeiros, aos | p. a. ae Oliveira, presdeme. ~ Manoel Fer-
quacs nunca offandi, ao passo que elle to rejri Accioli, secretario interino,
birbiramonle, e fallando a todas as regras: 0 ,)r_ ousteJo Manoel ds Silva .Juimaries,
a dec-ncia, bocanhami juiz d,a|reilo da primeira vara civel.e do
commercio.nesta cidade do Recito de Per-
nambuco po: S. M. I. e C. que lieos guar-
de, etc.
Faijo sabor aos que o presente e lila I vi
a um hospede quo lio smente procura ga-
libar o pi pela suh arte; masceitacomo
estouque papis atirados contra o vento, 1
sempre volta 11 subre a cara de quem os'
ati'a, estes brindes em nada ma desacreli-j Tem que lendo-se'por osle juizo de com-
tario no palco pernambucano, onde pisa mercio,e por execuco de G orgeKenwoith
tanta-gente I i assim como julgo pequea! & companhia, proc-dido a penhora em cin-
guarida para guardar inclume, a quem Co contos e setenta e um mil e quinhetos
uor sua ndole, conducta e proc:dar, sel rise.n dinheiro, procedido da arrematado
deixadoscoberlo, a qualquer do vulgo que, aa |0j, de Joio Antonio Comes Guimarles,
ccrlo e mu lo -de Jocumentos clironolo-' sendo cinco contos esetenla o um mil e qui-
gicusde sua escandalosa vida, aqu ealli, nhentoa no deposito geral, e oilocentos mi
lhe provo enmes, e baratea baldoes. rejs I10 deposito publico, por isso em cum-
Agora quanto a V. S. dizer que pelo lado primento do artigo 547 do decreto n. 737 de
do esenptor he o que fallava 10 tneatro de 25 de novembro de 1850 sa Taz sciente ios
Apolloredondamente engauou-sa porque credores incertos do mesmo executado pira
pouco uzo, e oulras de jaca- de 19 do crrante, pouco lhe filtou para nos
bancas, consollos com po- apresentar como um menJigo que secoibe
...novse uzados. Iustres,can-,n,srui,s'e"tuom asmes urna esmola por
encommenda de medicamoulus homcoopa-. deros ianlernas, louc-, vidro e outros caridade, e que vendo-o sem abrigo, ole-
thicos; tanto avulsos como em caixas, em;rauitM objeclos por todo qualquer preco : vaios adeitar-se sobre uma enxerga no
assim como uma porcio de rap da Babia a- vSo ue n08Sa ecada :. Nlo, senhore,
ri preta Pedro 2', o excellento tinta prela compete-me dizer que nio toiaasim; uns
para escrever. lOSibem, outros he percuto qua Ih'odigi.
-- Eugenio Galliot tendo em Paris toito mos: porque, se eativeramos no caso de
avultadoempregoem ricos objeclos do mais mendigo antes teriamos recorrido a i|gu-
apurado gosto, e da moda, pira adorno do '"" ll,s numerosas pessoas de represeuta-
salasde visitas, gabinetes e loucadores, e So n'esta cidade 1 quem vieuos recom-
globulos como em tinturas
No prelo : i'al/iogeneiia dos medicamen-
tos brasileiros.
Elementos de anatoma e phieiologia com es-
lampas, paraoscuriusosem homecopathia.
Itoga-se aus senhores assignantes o ob-
sequio de mandar receber seus exempla-
res no consultorio humee ipathico da ra 1 para us0 particular ale senhoras e homens, mandado e qua lio cordialmente nos rce-
os quaes objeclos formam como que uma beram, do queacceilar esmolas de mi des-
linda, quantoadmiravel exposicio om ponto 'conhecida, para evitar mordermoaessa mi
pequeo, uue continua a franqueiar diaria- generosa, de quem sempre e em lodosos
,; mente ao publico entendedor e apieciadur[Ponls julga-ss superior a todos o ho-
1 do tana galantarias om sua casa na ra da ":
TRATaMMT 110MEO-
PAT1GO.
das MOLESTIAS VENSREtS,
econsellios aos doentes para so curarem a I Cruzn. I, segundoaudar, desde as 11 horas
si mesmo, sem precisarem de medico; da manbia atis 3l|2datarde; e tenclo-
O re do Algarve chegando a Pernambuco
nio percisava quem Ibe iodicasse ou pru-
pelo professor hoiiccopalha nando fazer sua viagem convem-lhe conti- porcionisse os meios de subsistencia, tn-
Gosset-imonl. [nunoutro leilio do restante da dita oollec-l1'"09 comsigo, porque trazia hablitacss
Sabio a luz e acha-se a venda no cnsul-r {lo, o qual lera lugar por intervenelo do,D'sl,ntes hablita^Oes que o nosso aggres-
lorio lioinccopatlnco da ra das Cruzes n.' curretor Oliveira, segunda-feira, 24 do cor- 'sor troiix- tambem quaudo aqui se apresen-
28, polo preco de 1,000 rs. 1 rente, das 10 boras da manilla em diante ni tou> poisque o artista nio carece d'ontras
Avisos martimos.
mencionada casa.
U correter Miguel Caroeiro far leilSo
i no da terfa-feira 25 do correte so meio
---------- dia em ponto de uma porfi da vasos de
Vende-seo hiate Caprichos}, de per- Vidro, os mais elegantes possivel para Bo-
to do 40 tonelladas, oxccllentemenle cons- res cujO jrao 1 .,iao em |oles sorlijos ou
truidoode muito superiores madeiras, ca- Cjmo determinaren! os pretandentes, o uma
inoao mar en Janeiro passado.e esla prom- porcio da charutos da Babia,
lo de tu lo pata seguir viagem ; os prelen- .
para V. S. e nitros vergonhosaiucnte se dis-
compoiem pelos prelos, ha muito que o fa-
zem, h 1 muito que os vejo cospidos e amar-
rotadosem laes gazetas, sem que para isso
fosse mister minlia chegada.
Teriniuo pois pedindo a V. S, que tanto
se oceupe de minha pessoa, quanto eu dese-
java uccipar-rge com a de V. S., aquem bo-
je me dirijo acunselhando-ma, por ser ius-
tigado por um meoinua quem declaro que
com elle nio me quero devirtir ; e de V, S.
espero que sja para com nosco pobres ar-
tistas, juiz i.upaicial, probo, e de honra co-
mo o esfera o actor.
Cyritlo Nortins da Costa
COMMERCIO.
qno dent de 10 dias contados da data desta
co-nparesam nesto juizo, a allcgarj.n a pre-
toroncia que tiverom sobru a referida quan-
lia, sob a pena comminada no mesmo cita-
do artigo.
E para constar mandei passar o prcaente,
e mais dous du mesmo theor, que serio aul-
lados nos lugares determina ios no art. 538
do mesmo decreto.e publicado pela itu-
preusa.
Dado nesla cidade do Recito do Pornam-
buci. aos 10 de oulubro da 1851.Pedro
Tertuliano da Cuulia, esenvio o subsce-
vi Cusi lio Manoel da Silva CuiuiaiSes.
Declarayoes.
O vapor braaileiro Parten-
se cummandanta A. C. de
Mello, deve ebegar dus portos
do Norte al 24 do crrante
denles o po lorio examinar defronte do
caes do Ramos onde se acha ancorado : pa-
ra tratar na praca do Commercio n. 2.
tingue Kscuna "Arcelina"
Avisos diversos.

-- A mesa regedara da rmandada do Se-
ALKAM1KGA.
Reodimento do dia 21 17.308,619
Desearregam hoje 22 de novimbro.
Barca Iranceza tlisabet/t mercadorias. mez, e seguir para Macelo Baha e llio de
Brigue americano General Worlh fari- Janeiro no dia seguinte.
nba e bulachinlns. Cartas seguras viudas do sul parios
Escuna diuamarqueza -- Espress merca- seguintes Srs.:Jos Teixeira Campos, H 1-
dorias. | noel Jos Goncalves, Jos dos Santos Lave,
COiNSIJLADO GERAL. Eplfanio Manoel Zuanuy, Jos Vicente .-e
Rendimento do dial a 20. .10:926,8)6 Lima,GasparAnt. Vieira Guimarls, Manoel
liem do da 21........3:052,131 AlvoGuerra Jnior, Francisco Joaquim. ----------iba lo, Joaquim d'i Albuquerqua Mello,Jos
12:978,937 Antonio do Sampaio, Jos Francisco Ballena,
1 Caetano da Costa Mureira. O prer;o corren-
IHVMiSAS PROVINCIAS. I te para Tbomazda Silva Fontes no Maraiblo
Rendimento do dia 1
dem do dia 21. .
a 20.
1:021,426 deixou de seguir por falta de sellos.
311,932,
1:333,358
-----------,21/
TIIEATKOI1E S- IZABEL.
le: 1700 saceos com 8000 arrobas de as-
aucar.
Parahiba, biate brasileiro Flor do Brasil,
Sri. (doctores.Li no seu Diario n. 263
le hoje, 20 do corrente novembro. uma
correspondencia do lllm. Sr. segunlo-te-
nenie do batalhio de artilharia a 1 Jos
Angelo de Morios Reg, em resposti a um
artigo do Echo Pernambucano sobro mi oc
currenc a havida entre o Sr. paire M un
Flore.co e um til cadete, i|u eslava de
servieo na guarda do Hollejo, entio com-
inandaila pelo dito Sr. segundo-tenante ;
e Miitmdo profundamente que tal oceur-
rencia tiaesae lugar man nao em occasiio
em que o Sr. padre Manoel Florencio ia
em cumprimento dessa importantissima
parta dos deveres paroebiaes, de que elle
me too toito o favor de eocarregar-se,
todava tocarei lmente n'aquella parle
que, como vigario da freguezia mais me
lde desairar.
Diz o Sr. commandante qne o cadete nio
sabia qua o padre ia em administraciu doa
Sacramentos, porque nonhum signil carac-
terstico lavava que indicssse a aolemnida-
dadcowacto, e tanto que a sentinella sio
gritou is armas. Nflo sei qual be o dever
doa sent aellas a reapeito do eaao em qoea-
t.io mas sei quo o Sr. padre Manoel Fio-
rancio ia de roquete e esto lia, e com o vaso
di Sanu-I)i>cc.au as rosos, e um hornera
levando alintefM, cruz eealdeirinba da- Navio mirado no das 81.
gua benla-. be eata a nica formilidadef Aracaty 12das, hiate brasileiro Duvido-
com que costoma aabir a Sauti-Uncciu,: zo, de 43 li* tonelladas, meslre Joio llen-
RECITA DA AS SIGNATURA.
1 \ |)iiiln.:iii. Sabbado, 22 de nouiuiiro di 1851.
Liverpool, barca ingloza William Russel,1 Subir a scena depois de uma escollida
ie 441 '.onelad'S, con.luzo o seguale : ouvertura, pelsorchestri, o muilo intsies-
140U saceos com 700 arrobas de assuear, 1 sanie e applaudido drama em 3 actos
carroca com seus pertences. (J Peregrino Mi anco
dem, escuna ingleza llenry & Margara!,! ou
lo 163 tonelladas, conJuzin o seguinie: ; r .1 __j>l.i _
504saccas cum 3095 arrobas o 14 libras de ^S Meninos (i Aldea.
algodio. i No lim do drama as senhoras Landa e Car-
Idem pela Parahiba, brigue inglez Waiier. mella cantarlo o excellenle duelo da
Baiue, de 359 lonelladas, conduzio o seguin- opera
Juna Bolena.
Em seguida a senhora I). Manoella e o se-
da28 tonelladas, conduzio o seguinte: 195| nhoros Monteiro e Raymundo, executarto a
muilo niiplau 1 ida --Tuna lilha llespanhola
intitulada,
O Poeta e o \luzico.
Dari lim ao espectculo a graciosa come-
dia em t acto
A CMARA DE MINHA MI.l.lIKIt.
Os bilbetes acham-ie i venda no lugardo
costume.
Comefar ai8 horai.
barricas e tinas bacalhao, 400 arrobas cir-
ce secca, 1 gigo louca e 15 barricas cerveja.
Rio Grande do Sul brigue brasileiro Ju-
no, de 190 tonelladas conduzio o seguin-
te:-- 1625 atqueire deaal, 956 harneas com
6747 arrobas e 9 libras deassucir.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEKNAUBUCO.
Rendinoenlododia 21. .... 185,399
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento d da 21.....713,890
Movimento do porto.
Vigario n. 23, segn Jo andar, ou con o ca- lugar no domingo prximo, 23 do corrente,
pililo na praca do commercio. o transmiti a seus irmios; rogando-lbos
Brigue Escuna "Laura" Iquecompurecam na matriz as 3 horas da
Com brevidade seguir pira o Maranhlo larda daquelle dia, afim de acompanharem
com escalla pelo Cear ; para carga e passa- procissio. A mesa espera do zello e rell-
geirostrata-se com o consignatario JusBap- Riosldade de seus irmios o cumprimento
tista da Fonseca Jnior na ra do Vigario u. "esse dever, com o que mais concorrerlo
28 2. andar, ou com o capitio na praca do para o maior explendor do um aclo de lio
Commercio. alta mignitude. Roga outro sim a aquellos
Para oRioCrandedcSulseguecom mu-1 'rmlos que tem capas da irmaudado em
ta brevidade o patacho vinte nove de setem-!8uas casas. obsequio da as mand irera le-
bro.tendojaa maior parte da carga prompta, v,ra '8reja. caso nio possam, ou nlo quei
para o reslo dinja-se a Joflo Francisco da, ram comparecer.
Cruz: roa da Cruzn. 7ouao cipilflo Ma- O abaixo assignado solicita lor dos audi-
noel Jos Montairo Vianm, na Praca. torios faz sciente a todos os seus constituin-
Para Lisboa pretenda sahir com brevi- esi e mais pesaoas quo de seu presumo se
dade a barca portugueza Llgeira.a para quizerem utlisar.q'o podem procurar na ra
carga ou passaceiros Irala-socomo seu ca-: ue Santa Thoreza, casa terre n. 28, para
pitio Antonio Joaquim Rodrigues ou com oae mudou sua residencia.
Fraucisco Sevorino I!,bello & Filho. Thoodoro de Almeida Cosa.
i) a' "" Quinteiro& Irmioacabam do recebor
.".,.. .... I no vapor S. Salvador ricas estampas de Nos-
O bergantim brasileiro Mana Libsnia, se- sa Senhora ds Conceigio, e oulras muitas
gue viagem em poucos das t para carga e estampas proprias para quadro, assim como
passageiros trala-so na ra da Cideia, es- o incendio do theatro de S. Pedro do Alcan-
criptorio n. 14. i tara, a entrada do duque de SalJanha, no
- Para a Baha sahe no da 23 du curren- porto a9 |,j9boa, nao vasco da gama; os mes-
te impretenvelmcnle a sumaca brasileira mog recobem qualquer encommenda ten-
Carlola, mestre Jos Goncalves Simas, so jonte a ihograpbia havendo tilo smenle
ple receber alguns passageiros: a tratar demora do 20 das.
com o mesmo mestre ou com o consignis- .. Dosapparcceu da f ibrica de caldelreiro
rio Luiz Jos de S Araujo, na ra di Cruz ja ru, 0 i)rum n. 28, no dia 17 do corrente
n- 33. > mez da novembro o prelo Antonio, de na-
PAHA A PARAHIBA. [ Co cabinda, que representa ter 45 annos de
i lade, altura regular, otieio do carpo, cara
nos
que nlo sejim as do mrito o boi repuli-
lo.
Nio somos inimigos, creio eu, qaasf lo-
dos o sabem, e ao menos nanea o seremos
por no-si part-, mis ha cos u.nes damnados
defliceis de porderem-se, que slo chinca-
Iharmos is vezea e sem motivo una dos ou-
tros ; nlo temos lio bons principios ... ha
a primeira vez que escrevemos para um jor-
nal, porque be tambem aprimeira vez que
nos fui-caraui a tal arrojo.
Par nous e est feni.
O rei do Algarve.
O Expectador,
Publicarlo theatral, critica e Iliteraria.
Sabio o n 7, e vende-se ni ra do Colle-
gio n. 9, no pateo di mesmo, luja do Sr.
Dourado, na ra do Crespo n. II, no aterro
da Ba- vista n. 74, e na ra do uozario.loja
de encadernaflo u. 8.
O conseibo da admlnstracSo naval lem
de contractar a compra de 60 alqueires de
farinha de mandioca, de primeira qualida-
de. pira fornocimento dos navios armados,
pelo que convida-so aos inleressados em
dita venda, a comparecerem as 12 horas do
dia 25 do corrente com suas propostas e
amostras, na sala de auas sessoes.
Sala do conselho da admio3trac8o naval,
21 de novembro de 1851.O secretario,
Chrislovio Saotiago de Ofivein
Duas palavras ao Arango-tango, autor do
communicodo publicado no Echo Per-
nambucano de 21 do corrate tobais-
signaturaO lrmlo Cgo.
Li vai verso.
Man liiilo, mandriloe mandriio,
De cmico passou a caloteiro I
He meo fllho he mi pai! he mi esposo .'
Nlo pode ser soffrivel compaoheiro!
O Pai Lzaro.
No dia 24, as 4 boras da tarde, se b.lo
le arrematar, na ra dis Flores, na porta
do Sr. Dr. juiz de ausentes, os despojos per-
tencentes ao finado Grangeiro.
A pessoa que anuunciou querer com-
prar urna reflnarjSo : dinja-se a ra Direita
n. 76
Precisa-so de uma ama deleite.- Da ra
doCabugi, botica n. II.
No dia 25 do corrente na aala das au-
diencias do juizo civel da primeira vara tem
de serem arrematadas as rondas das seguin-
Salie impretcrivelmente at quar- !" ',*.,
', auocetiua, mullo cauanuuo nos pinos e ,j0 sor0in irremainuan as rumias u. Reyutur
ta leira, da semana que vem, o bem rom bastantes cabollos brancis na cabeci,!tl.9 niu ,us na ruida Alegra da lloa-Vis-
.nuhi'i'i U\ liiatp luisilpid Rene- e um pouco carrancudo; he oiUcial de cal-
connecido biate brasileiro rpa- dl)jrei:0i foi encontrado as cinco Pentas, o
darte : para carga e passigeiros, seguo o caminbo dos Afogados, e ha uatu-
node diricir-se a ra da Cadeia do r'' 1ue seguase mais adiante por ter levado
V, ., o i <' tola a roupa que tinha, e por ja ter sido
Kecile n. a.J, a tratar com A. a U. pegido do oulra vez na freguezia da Esca-
Ferreira Estrella. da: roga-se portauto, aquem o pegar de
Para a Baha. 'aa-lo na dita fabrica cima, que ser re-
Eu) poucosdias por tur paiiedeaeucarre- 'compensado,
gamento prompto, o hiato Ligeiroa frralo Despedida,
e pregado de cobre para a carga, e passagei- Os abaixn assignados se dispodem de seus
ros iln ij.in-s: a ra do Vigario n. 5. amigos, olferecendo ao mesmo tempo seus
Vende-se 12 portas novas ile cedro pro- sinceros prestimos para o sul. A galera a-
priis para qualquer caza por pre(o commo- cha-se aberta s amanhia (domingo) o se-
do; na ra do Vigario n. 5. gunda-feira. Callos D. Fredricks & Com-
Para o Rio de Janeiro, segu com bre-1 panhia, professores de retratos a electroty-
vidade por ter parte da carga enganjada, o; l0, no alono da Boa-Visti n. 4.
veleiro patacho Clementina, pira o resto da | Desappareoeu no dia 20 do corrente um
carga ou esoravos a frete : dirija-so a Joio
Francisco da Cruz, na ra da Cruz n. 7.
l'ara o Para em direitura.
A escuna nacional EmlliiK, di qual he
capitao e pratico Antonio Silveira Maciel J-
nior, seguo pira o Para em direitura, com a
possivel e costumada brevidade .- quem ni
mesma quizer carregar, ou tomar passagem,
enlonda-se com o capitio, ou com Joio
Carlos Augusto da Silva, na ra da Cruz do
Recito, armazem n. 13.
..para a Babia aaha com omita brevida-
de por ter parte da carga prompta, a Sumi-
sa nacional Carlota mestre Jos Goncalves
Sim,as para restante da carga, e passageiros
a tratar com o mesmo mestre ou com Luiz
Publicares Iliteraria.
Publrcar-ie-ha al o (im do corrate mez, Jos de Si Araujo na ra da Cruz o. 33.
a obra intitulada observacOes sobres Para o Rio da Janeiro.
varios artigos do cdigo do processo crimi- v n-i.:.,,,. n m.;nr hrrvida-
nal, e da lei de 3 de dezembro de t84j pelo ai salllr com a ra",or "reviaa-
preto de Angula, de idade 25 annos pouco
mais o menos, de nome BeneJiclo, birba-
do, he cosiuheiro, alto, ps grandes, levou
vestido olea de panno preto, camisa bran-
ca lina, chapeo brinco de maca, suppCe-se
ter sabido em alguma barcada ou esteja oc-
culto em alguma casa: roga-se aa autori-
dades policiaes ou espilles de campo apren-
dan: e remettam para esta praca, a entrega
ao abaxo aasiguado morador na ra da
Cadeia, que sa pagarlo todas as despezas.
Jos Goncalves Torres.
-- Preclsa-se de uma prela coiinheira
parao servieo de urna casa de pouca familia:
no aterro da Boa-VIsti n. I, loja.
Francisco Das Forte, cididlo portu-
110?, retira-se para fra do Imperio a tratar
e sua saude.
Antonio Jos re Freitas Guimares.ra-
tira-se para fra do imperio.
la.asde ns. 4 e 24 avalladas em I20,000rs.,
a de n. 8 em 96,000 rs., a de n. 10 em 90/
j-.," is do ns. 16, e 18 em 8tg por cxecuclo
do hachorel Luiz de Boa-Ventura Salerno
contra Antonio Pereira por foros que se a-
cha a dever.
Aluga-saa loja da ra dos Qu'Heis n.
16, com grandes fundos para olQcina de
marconina, armizem, ou outro qualquer
estabelecimenlo a tratar na mesma ctst I.'
andar.
Juaquim Lobato Ferreira embirca para
o Rio de Janeiro o seu escravo Joio de nielo
Angolla.ho conhecido por Joflo Pedro.
Foi entregue ao Sr. capillo Joflo Bip-
tista de Souza Braga, antes da chegada do
vapor do Norte uma folha corrida, que o
mesmo Sr. mindou correr por Jorge Rodri-
gues Si I ro,o
~ A pessoa que tem snnunciado por este
jornal querer fallar com Ignacio Jos da Sil-
va dirja-sea sua loja rui do Crespo n. 2.
No pateo do Hospital, casa o. 9, hypo-
theca-aium escravo por seu valor, ficando
os seos servicos palos juros di quintla to-
mada, pelo tempo de 8 mezes.
Antonio Ferreira Gomes, subdito por-
tuguez, retira-se para fra do imperio.
-- Aluga-se o segundo e te: ceiro andsr di
casa da ra do Queimado n. 40.
Gouveil & Leite, embarcam para o Re
de Janeiro, o seu escravo preto, creoulo, da
come Joaquim.
Alugam-se colchas novas, para afasia
do Corpo do Deus : quem as pretender, di-
riji-so ao sacristSo da Madre de Deus.
-- Alnga-sa um preto cozlnhciro : na na
Direita n. 32, segundo andar.
"f


_ no dii 8 do eorrente mez duappsre-
.,U do moirSo de Fra de Portas, um bate-
,,' grande j*uado com embonos, fl algu-
nas caverna* pregadas tambom usada, pa-
erp ja quebrado : quem o ti ver fas* o favor
Je ir Kra de PorUs, casa o. 87, que aera
gr.'- No'd?'22 do correte, Jinda a ausen-
cia do Sr. Dr. juiz docirelda ataunda van,
vaiapraeaa requerimento do Dr. procura-
dor (lscal da uzeada provincial, orna par
do obrado de 3 andar aito ni ra larga
do Rozario n. 30, para pagamelo -e sello
de heranca da hienda profineial do WM-
(rio da ln.d Franciaca Mar a da Conceicflo
Maya como consta do escripto que ae acha
en mSo do porteiro. ,,.
Malillas de Azevedo Vllarouco ombalta
para o Rio d#Jauelrn o eacravo pardo de no-
mo Basilio, remellilo da cidaJe do IcO pro-
vincia do Ceara. por Jos Joaquim Ozono.
PrecUa-se de 800,000 ra. a premio aob
hypolheca eia duas moradas de caa ter-
reas : no pateo da Penba n. 5.
Tira-se paasaportes para dentro e Tora
dolmporio, titulo de residencia, o folhas
corridas, por preso ISo commodo que nao
achira quem tire por preso oais commodo :
na ra daa Triucbeira* n. 12, achara com
quem tratar.
Aluga-se urna casa teriea com sotao,
no sitio do Cordeiro, i margem do rio Capi-
baribe, com commodos para grande familia,
coslnha fra, coobeira, estribarii para 6 ou
8 cavallos, e quarto pira criado ; urna dita
mais pequea no mesmo sitio, tambem com
commodos para familia, cosinha Tara, e es-
tribiria para 4 cavillos : para ver no mes-
mo sitio, e para tratar com Gabriel Antonio,
no pateo do Carmo n. 17.
Segunda-fe ira 2 i do eorrente, pelas 9
horas do da, ae ha de arrematar em leii.1i
publico, pelo porteiro do juizo a armacSo
e gneros existentes na taberna, sita na
ra da CeoceicBo da Boa-Vista, avaliada em
339,310 rs.: a requerimeoto de Joaquim
I.uizFerrelra, curador fiscal do fallido lia-
noel Marques Fernandes.
Aiiverte-ae ao Sr. Bernardo de Alhu-
querque Fernandes Gama, que o seu corres-
ponden^ oesta prs, nflo tem pago a subs-
cripcSo do Diario.
Aluga-se urna preta, boa cozinheira ,
compradeira e mais airanjos de casa : no a-
terro da Boa Vista, casa n. 33. Na mesma ca-
sa precisa-se de um nogro para o servico do
padaria.
Aluga-se urna sala da um primeiro an-
dar na ra do Livrameulo n. I : a tratar
do segundo andar do mesmo sobrado.
-- Precisa-ae de um contra-meitre para
cortar: na lija io alfaiale da ra Nova nu-
mero 60
Aluga-se um mualo coiinheiro, sem
vicios, muil fiel, para casa du familia: quem
precisar, diiija-se ao aterro dos Afogados,
J f o.iio do viveiro do lluniz, sobrado da
esquina n. 48.
Quem tiver para alugar, um piano: d-
rija-se roa do Livramento n. 4, ouan-
nuncie.
Aluga-se um bom sitio no lugar do
Cordeiro a margem do Capibaribe com boa
casi, estribara para 3 cavallos, casas para
pretos e feilor,, pommar o jardim assim co-
mo baixas, como capim e multa ortalice :
Irala-se na ra do Queimado n. 30 segundo
indar.
O Sr. JoIo Lilis Vianna queira vir sal-
dar o que deve na ra do Queimado n. 30 2.*
indir.
Ojuiz da irmandade do SS. Sacramen-
to da freguesia de S. Jos desta cidade con-
vida por meio deate aos irmSos da mesma
irmandade para quedomingo 23 do correte'
Paga-se 480 rs., de vendagom por ca-
ada do azeite. na ra do Rozario estrella
n. 37. >a mesma casa vende-ao urna lizari-
na do caca.
Retratos photogenicos, na ra No-
va n. 61 seguido andar.
J. J. Pacheco, tendo de ralirar-ae para os
portos do sul, previne a quem quizer pos-
luir o retratocom perfeita semelhanca,que-
r dignar-se procura-lo at 28 do eorrente,
da em queprelende parausar seus traba-
Iboa. O mesmo vende urna mobilia de Jaca-
randa cooataodo de 1 sof, 12 cadeiras, 2
ditas de braco, 2 bancas o 1 ardineira para
o meio de sala, bem como 30 tenas de vi-
dro, ludo por commo lo preco. O artista ler-
nsment) agradece ao respeitavel publico
desta cidade o benigno acoltiimeolo queso
dignoudar-lhe.
9 Bons (Jarros para passeio
i I '
. Na ra das Flores, defronle da co- *
f) cheira do Sr.Jos Marii, abriu-se urna A
outra com este letreiro na frente do O
ediflicio carros de aluguel -- abi
acbarSoosbons freguezes, ricos car-
ros,cabriolis & A.por accommuda- gi
dopreco.sflmde todos poderemse re- 9
creiar nos bellos passeios de nossos ff
arrebaldes, em a testa que a porta
noa bate. ____0

Preciza-ae de um port'iguez que seja
perito em plantacOes de sitio, e saiba ti-
rar formigas, quem estiver nestaa circuns-
taociis e quizer ira balitar no ailio na travea-
sa do Remedio n. 21 onlenda-se com seu
proprietano, o Porteiro da Alfandega desta
cidade, na mesma repaiticSo que a vista da
prova que der de sabor o que cima H desa-
ja, e da sua boa conduela &.&. tratar-so-he
doaiuste.
Masca tes e boceteiras.
O arrematante do imposto dos mscales e
boceteiras, desta municipio do Recite, faz
cerlo aos meamos, que do dia 15 em dianle,
dar principio a pas-ar as ditas licencas, e
a quem iuleressar po lera procura-io na
mesma casa das afjric,Oes, certo de que nSo
serSo Hendidos nos tempos daa corridas,
sobre pretextos infuodaJos, pois que para
isso se faz publico o lugar competente de
irem tirar a mensionada licenca.
Nova tinturara Iranceza na ra
Vellia n. "]l\.
Ahi lingem-se obras de qualquer panno,
eliuipao-secaz.casqueflcam como novas,
tudo por preco commo lo
I'recisd-se alugar urna escra-
va, que seja boa cosinheira c com
pratleira, : quem a tiver dirija-se
a ra da Assumpcao ou muro da
Penha n. 16.
Hotel no Monteiro.
Domingo, 16 do eorrente, abre-se este
estabelecimento com as seguintes pro-
porcOes
Sala mobillada e independente, para as
lamillas, que indo a passeio quizerem des-
cancar.
Quarlos preparados para dormida.
Espacosa e bem arejada sala de jantar,
com capacidade de servir 140 pessoas
Sitio para recreio e passeio.
Estribara e arranjos para cavallo.
Comida mensal e avulso, preparam-se jau-
leros e prezuntos, aluga-se iouca, vidros
bandejas, etc. etc.
Tudo por pre?o muilo rasoavel, e acon-
Canoa de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bomba* para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a mo, por animaos ou vento.
Guindastes, guinchos e macaco.
Prensas hydrauiicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicaa.
Columnas, varandas, grdese portos.
Prensas do copiar cartas e sellar.
Camas, carros do inflo e arados de ferros,
etc etc.
Alm da superioridade das aua obras, j
geralmente reconhecida, Bowman & Me.
Callum garantem a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remettidos
pelos senhores que se dignaren! de fazero
Ihes encommendas, aproveitandoa occasifie
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que teem
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nSo pouparflo esforsos e diligencia
para continuaren! a merecer sua conQanca.
COLLEGIO ESl'lRIT-S A (UTO.
Director, Frandioo de Salles d'lbuquerque :
Conta o collegio Espirito-Santo, silo
na ra do Moudego, do bairro da Boa-
Vista n. 44, um anno d existencia, e o seu
director se comprax de haver reilisado a s i-
usineao de urna das mais urgentes necesi-
dades da paiz, qual seja a de um estab jleci-
montobom dirigidoe regularisado, ondea
mocldade receba conveniente educasflo.
Rem desanimado concebera o director do
collogio Espirito-Santo, um tal proj 'O
to, porque i lodos os respeitos o comidera
superior s suaa forjas ; mas condado por
outra parte no poder de sua vontade, nos
desojos de sou corasflo, enos cooselbos de
amigos prudentes, nflo duvidara de o por
em pralica ; e boje suas esperances ae
acham at certo poni reilisadas, porque no
pequeo espaso de um onno lia o seu colle-
gio coln lo excellentes resultados, sen lo
que nenhum recalo tom de offerecer i re-
commen iac,ao das pessoas que sflo capazes
de apreciar Iralialhos dcst i ordem. Ja por
diversosaonuncios bao director feito pu-
blico, quanto inteiessa saber cerca da
economa internado collegio, e ordem das
materias que nelle so eusinain, com a indi-
r.ica.i de respeclivos professore, o da clas-
silicasilo dos alumnos, e tal lio a conliausa
que iim em si e em seu estabelccimento que
constantemente ha convidado a pessoas
que o quizerem voiificar faz-lo por in-
peceflo pessoal, visitando o esUbelecimento
a qualquer hora do da. Hoju sobretudo o
dirictor se dirige aos pais de familias mora-
dores fra da cidade, para quem muilo es-
mais a arrugia por semelhante motivo. -- Se-
gundo o lugar de sua .'habitacSo, se hmido,
sec3o,araado ou ventoso, suieito a tebres ou
OUtra inlermidade. -- Terceiro se na familia
tem apparecido cisos de molestias por des-
posieflo hereditaria ou adquerida. Quarto
se doenle de syphilis pela primeira, segun-
da ou mais vezes, em que lempo o foi pela
primeira ver, o tempo ou intervallo que mo-
dlou no sorfrimento de urna i outras,
quiesos principaes symptomas que enlSo
experimentar, remedios &. de que utu,
efteitos lo imt.(.'fin ou incommodo do uso
de mercurio, ou outro qualquer remedio,
de que se lombr lho fra subministrado, e
em que dose. Quinto se o mal do que pre-
cedrtemento se trata, fr precedido, acom-
dpanhadoou seguido de algum oulro acci-
rente ouainrermidado, qu^r de origem di-
-ersi, quer precedente da mesma syphilis.
Sexto em llm, quaes os symptomas quer
no i'llertvo paderimento de mal venreo ou
outro qualquer desappareceram, modefica-
ram-se ou existem sem alterarlo apreciavel,
e que nada menos importa que a declara-
gao do tempo da molestia, sua ospecie ou
qualidade e curso al o memento da consul-
ta, complicacOoi sobre viudas e meioa de
de queso tom teto uso.
I iinilirao il* Aurora.
C. Slarr & Companhia, respeitosamente
annunciam ao publico, que o seu esUbele-
cimento para manufactura de toda a espe-
cie de marhinismo. tendo desde o seu prin-
cipio em 1829 ido constantemente augmen-
tando, tem hoje chegado a um estado de
p-u'-'ii; ni tal, que n9o he inferior aos me-
Ihore.i queexislein em todo o imperio, tan-
to pelo que diz respeito a capacidade do
edificio, como pela excel'encia dos mate-
riaos e pericia dos seus empregados; o que
os habilita a olferecer-se com confiansa pa-
ra a puntual execucilo de toda a especie de
machinas de vapor, de qualquer tamaito
ou descripsflo que sejam, llxas, para na-
vios, ou locomotivas. Igualmente caldei-
raa para vapor de todas as dimensOes, enge
uhos para cannas movidos por vapor, por
agos, ou por animaos, com todas as varie-
dades de moderna invenciio. Tachas de to-
dos os tamanhos, alambiques de ferro de
todas as capacidades, instrumentos de agri-
cultura, io.las d'agoa e moinhos de vento
de todas as qualidades. Alvarengas e em-
harca(es de ferro de qualquer porte ou for-
ma que se desejem. Puntes de ferro de to-
dos as dimenses, gradaras, varandas, por-
tOes, columnas, sinos hydraulicos, hoias de
forro, e n'uma palavra todas as obras de
ferro e bronze, de quo o paiz possa precisar-
SALSA PARRJLHA DE BRISTOL
salsaIr-mmIeIw.
A salta parrilha doUristol data desde 1832, e tem constantemente manlido sua reputa-
Sflo, sem necessidade do recorrer a pomposos annuncios de que aapreparasos de m-
rito podem despensar-se. U sucesso do Dr. Bristol tem provocado infinitas mvejas, o
entre outras, as dos Srs. A. H I). Sands, do New-York, preparadores e proprietano* da
aalsa parrilha conhecida pelo nome de Sands.
Estes senhores solicitarlo em 1843 a agencia de Salsa parrilha de Bristol, e como nlo
opudossem obter, fabricarSo urna imitaslode Bristol.
Eis-aqui a carta que os Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no dia 20 de abril
de 1842, e que se acha em nosso poder :
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bofa lo, etc.
Nosso apreciavel sonhor.
E-n todo o anno panado temos vendido quantdades coisideraveis do extracto de
salsa pamina de vm. e pelo queouvimos dizer de suas virtudes aquellos que a tem osa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentar muitissimo. Se Vm. quizer
razar um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vantagem, tanto a no*
como a Vm. Temos muilo praier que Vm. nos responda sobreest assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, ou cousa semelliante, teamos muito prizer em o
ver em nossa botica, ra do Fulton n. 79.
Fic8o s ordensde Vm. seus seguros servidores.
(Assignados) A. R. D. Sands.
COlTOLUSAb-
I.' A antiguidade da aalsa parrilha de Bristol, he claramente provada, poi* queella
data desde 1832, e que a de Sands s appareceu em 1842, poca na qual este droguis-
ta nflo ple obter a agencia do D;. Ilrslol.
2.' A superioridade da salsa parrilha de Bristol he incontestavel, poi* que ndo obs-
tante a concurrencia da de Sands, e de urna porsflo de outras preparacas, ella tem men-
tido a sua reputasio em quasi toda a America.
As numerosas experiencias feilas com o uso da salsa parilha em todas as informida-
des originadas pela impureza do sangue.e o bom xito oblido nesta corte pelo lllm. Sr.
Dr. Sigaud, presidente da academia imperial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos Peixotoem sua clnica, e emsua afamada casi desande na Gamboa,pelo lllm.
Sr. Dr. Saturnino do liveira, medico do exercito, e por varios oulros mlicos, per-
m i tem hoje de proclamar admenlo as virtudes eIcazes da salsa parrilha de Bristol.
Ven le-se a 5,000 rs. o vidro; na botica de Sr. Jos Mara Consalves Ramos, ra
dosQuart'is pegado ao Quartel de Polica.
picialmenti foi o seu estabel'-'Cimeulo pro- Grasas a energa do governo, existo ja uuin
jetado. He verla le incoot.stavel, que um escelloiiteealrada relia em liona recta u
d(semliii7asos com que lula a educasSo da poote da Boa Vala para o eslabelecimento
mocidadonesta provincia, he a ralla de urna em Sanio Amaro, oque oferece a maioi
casa de ensino, para onde sejam devlda- commodidade s pessoas que o quizerem
monte enviados os lilhos dis pessoas que visitar.
habitan fra da cidade. A m direcsSo do* -- O abaixo assignado, nao he mais pro-
estudos primarios, a berda da moralidade curador da extincta companhia de Por nanv
com que sflo educados no lar paterno, a lal- buco e Parahyba.o mora na ra do Apollo n.
la dos disvellos que sflo indspensaveis na 20, onde pode ser procurado sobre negocio.
primeira infancia, o descuido acere da sa- do recebimento de assucar.agoardenle e ou-
de dos meninos, sflo obstculos que desa- los quaesquer gneros de exporlasfloque
lentam os pais de familia lia. iJa de se a| ar- lho loreai consignados a cummissAo; todos
larem deseus fillios, em una ldade em quo os dias uteis das 8 horas da maDblaasS d*
as primeira iinpresscs se perpotusm, e larde, fra disto no portovellioda Capunga
doixam consequencias quo acumpanham a junio ao porlflo da Sra. viuva Lasserre.
existencia al a mais adiantada idaib. Ha
sobretudo na remosflodessesembarasosque
Jos Antonio de Souza Machado.
Nos dias 14, 18, e 21 do concnle mez
con i renlo do consistorio da Igreja de N tenlo ,j0"s prete'nJentes
S. do Terso, a* 10 huras da manhSa afim de i __ \ ,-.,.;, j,: modas francezas de mada-
se fazer a eleicflo da meza regidora que tem me Millochau Buessard, recebeu-se pelo ul-
de fuDcionarpara o anuo vindouro de 1852 : |lln, naV|0 yjndo de Fransa, um grande
para cujo Iim convida o c ompari cimento do g0riimento dechapeus de todas as crese
maior'numero de irmflos.e roga a toJos que qmdades.e manteletes e capotinhos de se-
haflo de comparecer no dia, e hora marcada J0 de coreSl e preta,juntamente com alguns
pelo presente. da cambna bordada que todos se vendern
A festa eat perto, os freguezes devem niuito barato,
so dirigir a loja de fazondas da ruado Col-| .. precisa-sede urna criada, sminlepa-
legio para se suitirem do bome barato. rj aerviso de cozinha e compras, |ara
-- As fazenda da luja da ra do Collegio uma casa ,i0 muito pouca familia : na ra
estflo-se vendondo mullo barata, como se- ,|0 Rozario da Boa-Vista, sobrado n. 82.
jflu madapolSo a 140, 160, e 200 rs j ._ y, Cas de moda Inncezas de madar
bom ; chitas de 160 ra., que ricas chitas! I me Millochau Buessrad.as senhora aclurflu
cissas chitas a 2,200 ra. cortes de cambraia | para pB.3lir as festaa, sorlimento de tudo o
do barra a 4,500 ditas com ristras a 4,000 quecomponha a toilette de bom gosto.tanto
-- Precisa-se de um padeiro, para traba- vtn ciJade,como para o campo, e por pre-
Jhar perto desta prasa, quem estiver nestas (.l)S ni;us ra,u4viis send > d-quali lado igual
circunstancia dirija-te a ra diCadea Ve- 0 _ue |,R cm 0uira qualquer parte
Iba ii. 40.
O abaixo aasignadoi/izem saber ao pu-
blico, e principalmente ao Sr. Juiz de paz
do primeiro destricto da freguozia de S. Fr.
Pedro Gonsalve* do Recife quedesleodia
18 do eorrente deixarfio de ser ofliciaos.e de
Vrvirem naquelle deslriclo, pelo que rogBo
io meauo Sr. juiz de paz, que mande o es-
li sacerdote que tem pralica do
Z ensino de primeiras letras, gramma-
4 lica latina e franceza, geoaielna, oiu- *
i zica vocal ede alguns instrumentos, 9
a inclusivamente de piano acceita a ,
m capollania de algum engenho proxi- $g
i rao a esta prasa subjeitando-se a la- >
crivam riacar seus nome em seu protocolo I 2er sua residencia nonio tiver de
visto olio quererem continuar mais a servir ^ exorcer o ensino das referidas mite-
al rias: a pessoa que com o mesmo qui- <*
naquelle juizo. Joaquim Dias Martina, Pe-
dro Fercira di* Chagaa
A meza regedora da irmandade do divi-
no Fspinto Santo, convida a todos os seus
presados IroiSoa para comparecerem no do-
mingo 23 do eorrente, pelas 2 : horas da
tarde, no consistorio da mesma Irmandade,
Iim de tomarem cipas e encerporados, a-
1 oinji.uiharem a procissflo de Corpus Chris-
tus.
A meza rege lora da Irmandade de N.
S. da Conceicjlo erecla na Igroja da Congre-
gasflo roga a todos o IrmSos da mesma, a
comparecerem no consistorio, no domingo
m zer contratar, dirija-se a ra Nova n.
gf 8, onde ser informado.
*
+
Paulo Calgnoux, dentista
fiwicez,offcicce cu prest- W
1110 no publico paro todos os *
niistcres de na protUMOl
pode ser procurado a qual- *
Uiicr hora cih sua casa, 1111 *
ra larga do Rozarlo, 11. JO? j
si-rundo andar
23 do correte pelas 2 >/i hora da Urde, pa- SB9S9 999
ra acompanharem a procissflo de Corpo de
heos.
- Arrenda-ge, e tamhem se vende, uma
glande casa e sitio, no lugar do Monteiro
margem do rio Capibaribe, lendo a mesma
11 salas, e 8 grandes quarto, toda circulada
do pateo, e varan :a* de ferro com algrete
Na flores, grande quintal murado, com
casa para pretos,estritiana grande, e minio
boa baixa de capim, e mais commodidades :
a tratar com Antonio Jos Teixeira Bastos,

BOWMAN MC. CALLUM, engenhei-
ros machinislas e fundidores de ferro mui
caixeirodosbr. Joao Piulo deLemog* H- respetosamente annunciam aos Senhores
* Ipro'prietano do engenhos, fazendeiros, mi-
- Preciaa-ae alugar uma ama forra ouca- jejrp negociante, fabricantes e ao res-
: pena vid publico, que o seu estabelecimento
de ferro movido por machinada vaporcon-
Uinaem effectivo ejercicio,'e se acha com-
1 Lopes, com casa p|eiamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfelta conreesfio
das maiores pesas de machinismo.
Habilitados para emprebonder quaesquer
obra da sua arte, Bowman ce Me. Callum
desejam mais particularmente .chamar a
alloncfio publica para a sseguintes, por
erem dellas grande sorlimento j prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em preso como em qua-
lidade da materias primas e mSo d'obra
a saber:
Machinas de vapor da melhorconslruccflo.
Moendas decanna para engenhos de lo-
do os tamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaea.
Rodas d'agoa,moinhos de vento eserraas.
Manejos independentes para cavallos.
Roda dentada*.
Aguilhcs, bronze echumaceiras.
Cavilhes e partfuao* de todos o* tama-
nhos.
Taixas,pres,orirooboccadefornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a mflo 011
por animaes, e prensas para a dita.
Chapa* de fogflo o frnos de farinha.
'iva, para fazer todo o servio de uma easa :
na ra da Cadeia coufroule ao tlieatro Ve-
Iho.
Jecunsigoaso para comprar o vender es-
travo, tanto para cata provincia, como pa-
la fura deila, uiunu a sua residencia da
ra da C eii do H ere. n. 51, para a ra
da Cacimba, n. II, Clin, v garlo, na. reto, onde continua, oll'o-
receud.i-bo luda a aeguransa precisa para os
"icsnius e bom tratamento.
Precisa-se alugar uma casa com sitio,
uu sem ello, na capunge, ou ainda mais
Perto, com tanto que lenha banho no rio
Capibaribe, e seja perto delle : nesta lypo-
nraphia se dir quem precisa.
'- Precisa-ae alugar um escravo para ser-
vir em caaa de hornera solleiro : quem tiver
dirija-se a ra da Cadeia Voiha n. 48, pri-
nieiro andar.
Comp mliia do Bebiribe.
Os senbores accionist da companhia de
Bebiribe, pdem mandar receber n 7. di-
videndo, na razflo de 2,500 rs. por spolice.
Aliuga-se o primeiro andar do sobrado
" 24 ra da Aurora muito fresco, e com
Quitos commodo : a tratar na mesma ra n.
ha pensado o director do collegio Kspirl- dopois da audioncia do Sr. Dr. juiz da I va-
to-Santo. Um methodo fcil adaptado ra do civel, tem de ser arrematado em pras
indiligencia dos meninos, o respeito mais porvenda.osbensmovoisesimoveutes.cons-
inviolavel aos principios da religiSo, e d lesdoescripto em m3o do porteiro do au
moral, uma regulandade do conduela n3o ditorio Joo Januano Serra Grande, ponno-
preiudicada pela falta do refooillamentone- rados a Elias Cocino Cintra, por exocuQflo
cesarioasdebeia rorsada inlaocia, illimi- da Viuva e Fillioa de Agoslinho llenrique
tado disvello quanto sa lee tratamento da Silva.
dos meninos, urna localidade que prehen- ^^^MMXMMMMUMStttmm VA
cha toda as condi(,l5eshygienicas, prov- 9 CoilSIlitorO llOlliet- |
dencias acertadas e prudentea respeito do *J
alimento, dormida e mala-runccOes physio-
logicas nissa idade tflo impressionavel, eis
os pontos sobre que o directo tem appiica-
dotodoo seu estudo e cuidado ; ejulgar
pelos resultados que ha colhido, elleseani- m
ma i afiansar aos pais de familias, que llie (
quizerem confiar a educasflo de eus flhos, ,M
que o collegio Espinto-Santo, he pru- 0
prio para remover a duvid que por ven- gg
tura conservern aquellos respeito. O di- tf
rector espera por tanto, que seus esforsos g^
n8o sera depreciados, e que o seu collegio aja
sera honrado com a coml'unsa daquellas _-
pessoas que sabem quanto vale uma educa- gg
s3o acurada, eque no progreaso e desenvol- ,^
patliico. I
Sllua do Colegio n. 25/
metro andar.
8 O Dr. I*. A.Lobo Moscoso,
9 rl consultas gratis aos po- "
Ka bres, todos os dias das 8 as |
j i a horas da manlia.
5 l'ralica qualquer operacSo -
M de cirurgia, ou Itecebe escravos doentes A
para tratar de suas enfermi- I
dades.ou fazer qualquerope- J
i raco, por prc?o commodo. &
Venle-s um lindo moleque crioulo,
le i lile de 18 auno, pouco mai, 011 me-
iin, para fra da provincia, aa habilidades
que tem a vista do comprador se llie dir e
lambem o motivo porque se vende: no ater-
ro da Boa Visla, sobrado n.20, primeiro
andar.
Vende-sceramarella, na ra do Hos-
icio ii 1, pelo barato preso de 56d r. a
ibra.
Vende-so um eacravo bom bolieiro o
le boa couducla : na rua daa Larangeiras n.
14, segundo andar.
l. .lvidosa 8oo, 2,5oo., 3,ooo, 4>ooo
e 6,oao rs., no atierro da Boa
Visla, defronte daboneca,
h chegado recentemente o bem onheci-
dos ea ii.i.'s do Aracaty, tanto para honem
como para menino, a 800 r., e de orelha a
1,01)0 rs.; ditos de couro de lustro para di-1
tos, a 2,500rs.; ditos para homens osme-l g nurnoiosas experiencias feilas com"o
lliores que tem vindo da Bahia, a 3,000 o'uso da salsa parrilha em todas as enfermi-
1,000 rs, e botins a 6,000 rs. ; assim como dades, originadas pela impureza do sangue,
um novo e completo sorlimento de cilsadoi i o o bom esito obtilo na corte pelo lllm.
francezes de to laa as qualidade, lauto para' sr. Mr. Sigaud, presidente da academia im-
liomem, como para senhora, meninas e me- penal de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Commedas de folha.
Vendem se combudas da folha de flandrss
pintadas, ringiudo madeira : na rua da Ca-
deia do Recife, loja n. il de Antooio Fraa-
cisco Correia Cardoso.
Veude-se um braso de I,llanca novo
do aulor Komflo, e urnas cunxas de batanea
de latflo, e um temo de peis de bronze de
8 libras a mcia quaita e um candieiro pro-
prio para loja ou venda : na rua Direita
n. 10.
Vende-so um muleque de 18 a 20 an-
uos de id de, por precisSo : na rua larga do
Rozario n. 32.
SALSA PARRILHA
DE
AS
nios, pelles domarroquim e cortes de ta-
pete a 480 rs., e sendo em porses d-so por
menos, tu Jo alim de se apurar dinheiro.
Madrinas de fazer caf a vapor.
Vendem-se machinas de tazor caf, que
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
sua afamada casa de laude na Gamboa, po-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
dico do exercito e por varios oulros medi-
co, permitlein hoje de proclamar altamente
pela maeeira de trabalhar se tornam a me- s virtudes clDcaies: da
h-i
Compras.
Compram-se escravos e vendem-sede
commissflo, para dentro e fra da provin-
cia : na ruada Cacimba,sobrado n. II,on-
de morou o Sr. vigario do Recife.
Compra-so uma padaria que seja em
bom lugar, e ealeja afroguezad, e com-
pra-sea dinheiro: quema tivor aunan nc
por este Diario.
Vendas.
hores que s tom descoberto o pelo dimi
uto pree.i de 6,000 rs.; assim como outra
grandes do 16 xicras de caf,em lulo jguaes
asvindas de fransa : na ru i da Cadoia do
ilecife, loja o. 64, de Antonio Francisca Cor-
reia Cardozo.
l!'nliricos de \o f ni'.
Vendem-Si banheiros de xoque, em tudo
iguaes ao vindo de Inglaterra, al mesmo
na pintura : na rua daCaleia do Reciten.
6, loja de Antouio Francisco Correia Car-
dozo.
Bellas psrisienses.
-Na rua doCrespo, loja n 16, ha um rico
s Tli nenio de cass intituladas bollas pi-
risienaes, fazenda multo propria do tempo
prsenle, por servir para vestidos e roupes
de senhora, e ven Jem-so por mdico preso,
assim como lindas rasas inglezas de tintas
seguras, a 240 rs. o covado.
-- Ven le-se n na esciava moca, cnoul.i.
com habilidades : na rua do Cabug n. 3,
segundo andar.
-- Narua daScnzalla Velha n. 18, om o
novo armazem de vinhos, continua-ae a ven-
der excellentes vinhos de Lisboa PRIt e Fi-
gurara por 200 e 240 rs. a garrafa, 1,500 e
1,800 rs. por caada.
vimento dagers<1o nascente, veem o ver-
dadeiro germen de nosso engrandecimeoto,
e de nossa rutura prosperidade.
si ^^^f?^^^^ a>f3# T.
0 COSSULTORIO l'M'int HOMCeOPITHlCO *
>- DE PERNAMBUCN. V
# Derigiao pelo Dr. Sabino Olegario Lud- W
t.i yero Pinho. 9
Ba do Trapiche Novo n. 15. W
9 Todos os dias uteis se darao consultas 4
?5 e remedios de grasi aos pobros.desde
pela manhfl, at a duas horas da tar-
J de. As correspondencias e imforma- *>
B S1' podero ser dirigida verbal- >
mente, ou por escripto, devendo o
doente indicar primeiro: o nome, a
t idade, estado, prolissflu, econstitui- *
4) sflo ; eegunio: as molestias, que tem
*/i ti Jo, e os remedios tomados; lercei-
i-IW i a poca do apparecimento da mo- ?
V lestia actual, e descripsflo minuciosa, 9
ti dos signaesou symptomas que soffier >
**.*-*avav^* 4#**i.*r*i
J J. Keller Cutiieiro 8t Ar-
meiro.
previno o respeitivel publico dest cidade
que abri o sen esial clecl r.ento na loja n.
II no atierro da Boa-Visla ( que loi doSr.
Lcompte ) onde ello se acha pro ti pto para
concertar ou fazer de novo qualquer artigo
concernanle a sua proflssflo, como tambem
se oceupur cm amolar navalha, thesoura
etc., o espera qui gnsar das inleiras con-
[ianra de seus fregu-zos pela baratez4, e
presteza com quo lenciona servi-los, tam-
bem recomonda o seu grande sorlimento do
forramontas para marcineiros, torneiro",:
esculptores, ferreiros, e canoeiro9, martelo los meteoros,
para ourives, ferro para fuoileiros, ditos mentos dos pa
para capim, muinhos pan ef, buril, th.- fon religiosas, e urnas coile- bode'oso"e'bai.nso p'eio' barato preso de
ccOesde anecdotas,bons ditos.etc.. Woora a duzia.b.ba los de l.nho bordado*
SALSA PARRILHA
DE
Nota. Cada garrafa conten (loas libras
de liquido, c salsa parrilha de Brislol he
garantida, purame ite vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-se a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Mara Consalves Ramos : rua dos
y 11 neis pegada ao quarlel de policia.
m*Bmmmw&m#mwmmmwt
*Gantois l'ailhet& Companhia.|
Continua-se a vender no deposito
9 geral da rua da Cruz n. 52, o excel-
l lintee bem conceituado rap areia
ii preta da fabrica de Caotois l'ailhetei I
m Companhia da Babia, em grande* e fi
9 pequetas porses pelo preso ostabe-
lecido. aja)
Cadeiras.
Vendeai-se cadeiras para meninas; no ar-
mazem de Kalkmann Irmflos, na rua da
Cruz n. 10.
Em casa de J. lveller &C
Companhia, na rua da Cruz n. 55,
excellentes bonete para homens, ta verda-
deira palha da Italia, muito proprios para o
campo, tanto pela esquisitisse do moJello,
como pela duraeao e commodidada di pro-
So; a elles ante que se acabara.
Attencoao barato.
Na rua do Cabug, luja nova n. 6, exisle
um ompleto sorlimento de quinquilha-
7111 lilil 1 V l'llil IV!/ rias por proco muito commodo, como
I UIjIIJ Hl.lil I .111 1 lO'K. s.jam meiascurtas muito linas, e com lis-
S i lu .mi a lu/. as lol Imillas im- tras a 3,500 r, diUs do ditas compridas a
, ____.- j 4,500 rs. a duza. bicos do diversas larguras
pressas nesta typographia, sendo muil0 |nosede palmo pelo barato preso de
de porta a 160 rs C de tlgibeira 800 r. vara, assim como um completo or
a > M.i.,,|. n,laa 04 Ir. il- limenlo do luvas, sen lo de pilic para s-
* 3ao rs coiitcndo todas as de al- nnor, 800 rs. 0 par> ,nils & lorcai asoo
"ibeini alm do Calendario, a de- ra., ditas pretas do seda a 800 r. o par, di-
Inicio dos corpos celestes, astro- to^^^n-*^
ligia, cometas, continuacao da )ani0 ||na como lavradaj d vari largura
chronologia principiada, ha annos, P.rPaeC0^mnu!,o:a'Ta2,r.' ^ZiSEmlL
. o I rilis com 200 jarda a 880 ra. a duzc, ditas
juizo das mudanoas de tempo pe- ,je ditasns. loo e 120 o mai fino que tom
tabela dos emolu- apparecido 1,200 rs. a duzia, superiores
___1 ._ ,. j.. ao capachos.lanlos compridos como redon los,
rochos em todas as ,,eFm(lltn'banit,s cores, superiores facas ca-
Vende-se ni loja de Moreira &ha para vender um piano forte ,
Companhia na rua Novan. 8 chegado ltimamente da Enropa
souras pira cortar 13a de enrneiros, corren-
tes para amarrar cachorros, tarros, limas,
de seJa vegetal, brida, esporas tudo pelo
presos mais baratos possiveis.
A pessoa que quizer consultar 00 tra-
dtr-se de molestias aguda* ou chronicas, pode
irigir-se rua larga do Rosario 11. 30, aon-
deesl rezdindo o Cirugiflo Bernardo Pa-
rata do Carmo, que est promplo e exercer
sua faculdadeem qualquer hora. Para com
as pessoa* pobres se prestar grates, a pes-
soa que o queira consultar por escripto de
qualquer uso a que perleiiQa, dever em ter-
mos clarse precitos declarara* soguintes
principaes circumlanci. Primeiro aua
idade, temperamento, oonatituiclo, dbil ou
valetudinaria, se vigoro ou ladia, habito,
occupaslo, acorescendo, *a fr de sexo fe-
minino, a declarasflo do eatado de aua re-
5ras, numero de lilhos que tiver tido, ee I lies
era de mamar; incommodo mais nota-
ren tado e corrigido : venaem-se um orl"iment0 de gale* branca* a amarel-
n livraria da praca da Indepen- lo pelo diminuto preso de io rs. a vara
dencta n. o e o.
assim como rendas e eapiguilhas, superio-
res ponte de balea para alisar a 320 ra es-
covas linas para cabello a 640 rs., slflnetes
delatSo e de ferro, bengalas, briuquedos
para meninos,assim comodiversss imagen
Vende-so superior farinha do Mara-
nhflo, a 100 rs. e dita de araruta a 160 rs.
PaRINUADEMANDIOCA.
, i, r 1__j._____1:__. de barro, obra muito bom acabada, e por
A melhor farinha de mandioca pr00.rnms bar,t0s do que em outra qual
que ha no mercado, vende-se a bor-quer paite.
,L ,1 .....,..-, ^ Aiilonin rnlnula Vondem-se patos do couro de lustro
do da sumaca h. Antonio, entrada de Lisboii p>rs ien^ou 1>600 r8.. na pr,.
de S. Catharina id da 10 de no- cada independencia ns. 13 o 15, loja do
rembro.fundeada confronte a esca Ar,nle.s- nmm .-,,._ ,,, da9i
,.,,,,. a. I Vendo-se uma escrava creouti aenx
dtnha do C ollegio: trata-se a or- annos de itat do da mesma sumaca, ou na rua do robusta, propria para todo o emso, e rti-
n Vigario n. 19, segundo andar, es- J^.' 0cmS j*"'*0 TK'.'do
I JZ^tf&ZSSSfa ?"q". cripUrio de Machado & Pinheiro., C.ldeire.ro n. 02.
e com excellentes vozes
na casa dos mesmos.
trata-se
..111 lo Collegio n. 4.
Novo sorlimento do chapeo de sol, para
homem e senhora, a saber :chapeos do
sol de se la, armacSo de baleia, de 4,500 r i.
para cima; ditos ditos para senhora, de 4,000
rs. para cima ; ditos de panno lino, de ar-
masflo de baleia e de ferro, de 1,600 a 3,200
rs. ; ditos ditos de armagflo de junco, da
1,200 a 1,800 rs., to lo Ii nipos: grande sor-
limento de seda e pannos, em peca* para
cubrir os mesmos, bilmas para vestidos*
espartilho de senhoras. Conoertam-ae to-
da qualidades de chapeo de ol, tudo
com pi ri'ei can o por menos preso do que em
outra qualquer parte.
-ubra lo em (oiii mili.
Yende-sc, muito em conta,
titn bonito sobrado sito na rua
do Meio, n. 58, avallado era
2:00o000, emo qual tem parte
rsula Alaria das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alvesde faiva na
importancia de ior,473 rs. quem
pretender dirija se a caza de Kal-
kmann IrmSos, rua da Cruz,
a. 10.
Molduras dourada
de tpdas os larguras: vendem-se no arma-
zem de Kallkmann irmSos.ruada Cruz o' 10.
Tinta em oleo
branca everde: vndese no armazem do
Ikalkminn irmflos, ru daCrnz n. 10


Bom e barato.
Continoi-se ven ier manteiga ingle-
u*i 720 r. libra, dita franceza a 560 rs.,
toucioho a 200 rs.. farinh do reino a 80 r.,
g 100 rs., cat de oro;o a 140 rs., velas de ea-
nermacete a 7M rs., ditas de carnauba de 6
e 8 em libra a 300 rs, chourigas novas a 440
t queijos novos a 1,440 rs., vinho de Lis-
boa a 210 e 380 rs. a garrafa, sebo do Porto,
serveja patente ingleza, grrars e meias
ditas, bolaxinh ingleza,passas novas, figo,
cha liv-..... arroz alvo e graudo, ludo do
bom e melhor, pelo menos prego do que em
outra parte, e muilo bem pesado : ua venda
do pateo do Carmo que vira para o boceo
da Bomba, por baixo do sobrado de um
andar n. 13.
Pommateau cutilleiro, no aterro da
Boa-Vista n. 16, tema honra de prevenirao
publico, que vende na sua loja, cibcga de seda vegetal, pelo mdico prego de 6,000
rs. ; esporas que venda por 4,000, a 3,000
rs.; c as de 3,000, por 2,000 rs.; alm de se
acharem tods as fazendas de boas qualda-
des, o garantidas ; tambero vende mu boa
pomada para conservar la da a qualidade de
ferro ou >go polido, para que a ferrugem os
no destru : pelo prego de 200 rs. a caixa.
lnd se vendem alguns terrenos alaga-
dos e parle beneficiados com 150 palmos do
fundoc com afrente que o comprador qui-
zertantoparaoSulcomopara oNortea poen-
AGENC1A
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SIC.NZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Para as escolas.
Vende-se no pateo do Collegio, loja do
livro Izul a synopsis do general Abreu e Li-
ma, ltimamente adopta Ja pelo Kxm. presi-
dente da provincia como compendio de lei-
tura e historia do Urasit as escolas prima-
rias da provincia.
Prego em broebura
Fncademada
* ALCODAO' PARA SACCOS. r
fl) vende-se muito bom algodfio parasa- V
$ eos du assucar, por prego coinmodo:
9 em casa de Kicardo lloylc, na ra da
m Cadeia n. 37. t>
Deposito da fabrica le Todos os
Santos na llahia.
Vende-se, em casa deN. U. Bieber&C.,
4
2,560
3,200
le e nascente ni ra da Concordia travessa na ra da Cruz n. 4, algodo transa lo da-
do monleiro e do Caldeirelro, pagam 20 rs., quella fabrica, muilo proprio para saceos de
porpala.o de foro, os pert-ndeiiles podem assucar eroupa de escravos, por ;.recocom-
ontenderem-se com o Sr. Pedro Jos Texei- mono.
ra Cuimarles com armazem de m id-iras, e
materiaes as esas do Sr. Jos (encalves
da Silva defronte do mesmo teireuo no qual
se estao edificando dous predi.>s.
Veiidem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa e no Rio de
Janeiro, em caixas de ioo libras
- Vende-se um excelente terreno coto ,-,,.1^-. de I a l6 em libra, e tam-
IOOpsItos de fredo a 400de fundo, sondo i .
parto murado no s-guimento da ra dos Pi-, bem de um so tamanlio, por me-
res: na ra di Milriz da Boa-Vista n.16. | nos preco do que em outra qual-
Vende-se urna morada do caza, com i r ,
quintal o urna meia agoa no fundo lamben, quer parte : trata-se no escripto-
com quintal e cacimba sita na|rua A'Jgusta !|-io de Machado & l'inheiro, na
n. 15:. tratar no piteo do Carino venda l^ do y-^ fi .^ seguIldo
Vende-se urna escrava moga de bonita andar.
ligura, recoiiiid, e com multas habilidades : prncpios eraes de economia pu-
na ra da Concordia casa do vigario de San- ",,, '
to Antonio. blica e industrial.
Vende-se na loja de Jos Joaquim Vende-se este compendio, approvado para
., J as aulas de pnmeiras letras, a 480rs. : na
Aloreira &C Lompanhia, na ra prga da Independencia, livraria n.6e8.
Noca n. 8, Pechinxa.
cortes de cambiis branca de seda, lazenda Vende-se na ra do Crespo na loja da es-
degfplo e propna para casamentes, bailes quina que volta para a cadea, coites de
utheatros, o assegur-so que o prego he o cimoraia cor de rosa e de outr.is cores do
mais commodo possivcl ; cort'sde sedas I i- ultimo gosto a 3,000, 3,500, 4,000, e 4,500 ;
sis de furia rores, padres lindos e boa fa- jtP. jt cassa-chita a 2,000 ; ditos da expo-
zenJa, e outras niais lanudas, chegadas de sigilo a 2,210; cortes di" chita com 12cova-
proximoeque se achain a venda na mesma jos 1,800 ; cortes Je distilo a 560 ; cor-
loja. tes de caiga de brirn escuro a 800,960,1,120;
MOBlLl\S DE FERRO. ditos de brirn amarello de puro liado a
., k,l!a Ja f._ '1,440,1600: lengua de cambraia muilo tinas
Vendem-se ricas mobilias de fer- ;__.,.. p;n iotiM. e outras muita
ro, como canaps, mesas, cadeiras fazen las que >e tornSo recommendaveis pe-
com braco c sem elle, e muitos ou- : la boa qualidade.
tros obiectos de ferro : no arma- Arados de ferro.
, Ji/ ii i I Na fundico da Aurora, em S. Amaro,
zem de Aalkmann lrmaos, na ra jvendem-se arados de ferro de diversos mo-
da Cruz n. io. dlos. -
--Na ra da Guia n. 12, vende-sc urna es- L --Vende-se um excellente sitio em Be-
beribe, perteneento ao Padre Francisco Jos
i de Lira ; a fallar no mesmo sitio, ou na
ra da Aurora n, 62, segundo andar.
Antigo deposito de cal
crava moga, sem vicios e nem achaques.
\endem-se alguns abacaxis, proprios
para ombarque : em o sitio junto aoenge-
nho da Torre, na beira do riu.
Vende se urna taverna na Soledado ,
com roucos fuudos, na estrada de Joflo Fer-
nandos Vieira n.28 : a tralar ua mesma ta-
verna.
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
Vendem-seduascamas em bom estado, muilo superior cal
Bombas de trro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota' para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de ierro.
Farinha de mandioca.
A mais nova e mais barata farinha de
mandioca que ha no mercado, vende-se n
ra da Cruz do Recife, armazem n.13, de
J080 Carlos Augusto da Silva.
Moinhos de vento
eom bombas de repuebo para regar borlas
d baixas decpim : vendem-se na fundicao
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6.8 e 10.
Eni casa de J. Kcller St Com-
panhia.na ruada Cruz n. 55, aelfa-se a ven-
da o excellenlo e superior rinhotie Bu-
rrllax, em barris de b.\ he muito recom-
mendavel as casas estrangeiras, como ex-
excellente vinho para pasto.
Taixas para engenho.
Na fuudigSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortlmen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, a>
quaos acham-id a venda por prego rom-
modo, e com promptido embarcam-se,ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
DEVERES DOS IIOMENS,
a 5oo .rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernagio, a 500 rs.,
cada um: na livrarian. 6 e8, da praga da
Independencia.
Deposito de cal virgen.
Cunha & Amorim, vendem barriscom cal
em pedra, chegada ltimamente de Lisboa,
na barca Margarida, por menos prego do
queem outra qualquer parte: na ra da Ca-
deia do Kecifen. 50.
Azeite de carrapato da fabrica de
Araujo & Filhos, no Fenedo.
Este azeile pela perfeigo cm que he
fabricado nSo s serve em lugar do azeile
doce e de coco, para qualquer qualidade de
candieiros por mais delicados que sejSo,
como he muilo prelirivel a qualquar outro
por dar urna luz miis hrilhant", ser mais
duralivo, e seu cusi srr mais barato ; nfio
lem o cheiro rlesa(radavel queexala o azei-
te de carrapato commum, nem em nada
delleseassemelha. Vende-se em barriz de
16 caadas a 2,400 rs. a canada, noarmasem
de J. J. Tasso Jnior, ra d o Amorim n. 35.
Vencle-se um carro de qua-
tro rodas, muito leve, para um ou
dous cavallos: na cocheira do Mi-
guel Sougei no aterro da Boa
Vista.
-- Vende-se farinha SSS muito
nova e de superior qualidade : a
tratar com Manoel da Silva San-
tos, no armazem do Aunes, no
caes da alfandega.
Novos gostos !! !
Na ra do Crespo n. i4. loja de
Jos Francisco Dias,
vendem-se linissimas cassas francazas de ri-
quissimes gostos e noval padrOes pelo ba-
rirto prego de700 rs. a vara, corte de Cam-
braia liza lazenda muitofloa 2,240 rs., o cor-
te (' melade de seu valor ditas com salpi-
cos a 640 rs, a vara, corte de cambraia
piulado de cor,de gostos modernos 2,200 rs,
s francezas cores
rec a 210 e 260
Vendem-se taboaa de cedro, r Admiravel sortiinento delouca vi-
proprias para forro de sala eobras! drada.
de marcineiro; oleo de linhaca em I Tanto do Porto como da Bahit, como se-
. ... ', jam : panellai, tijellas, grandes eagarolM
botijas; remos de laia; cimento em Jcom c,bo, fregideina, algutdares, tilhaa
barricas e meias ditas, tambem se'para doce, jirros finoa, quariinhas, gar-
nova eni pedra, corte, superiores chitas f
KtsswwcfflTS|*spdi 'urmcnlc ;,e t1 ^ iwSwSSrv
tratar noflm do becco Largo doeclc, te- Clieguem iieguezes a lazendas l?.d C.ff edo ganga a 200 rs.,ocov.do.
tra
Iheiro de laboas.
Vrnde-se urna bonita prela sadia, e
de muito boa conduela e com algumas ha-
bilidades, assi.n como um molcque crioulo,
de 9 annos, com principios de cozinna, e
que sabeservir a urna mesa, por ter lido
pralica em um hotel ; um sapaleiio crelo,
muilo bom otlicial, que da 610 rs. diarios,
esle para a praga, por elle assim o pedir e
ser digno disso : na ra larga do Itozariu n.
35, loja.
Vendem-so e alugam-se bichas, cliega-
j Fill de linho branco e de cor propria para
Paratas. J mosqueteiro 640rs,a vara.brins trangadoses
Pessas de cambraia com lislras de cores euro e cor do ganga com listas miudinhas a
com 8 varas, por 3,200 is., cortes dedila .uOOrs.. o corte, assim como outras mui-
vende em pequeas porcoes de ti-
nas : atrs do theatro, armazem
de Joaquim Lopes de Almeida.
-- Vendem-se barria de oitavos com vi-
nho tinto da companhia do Alto Douro no
Porto: quem os pretender entenda-se com
Antonio Francisco deMoraes,agenteda mes-
ma companhia, ou no armazem do Sr. Joi
Joaquim Das Fernandes. O mesmo tambem
lem para vender pipas, meias ditas, e barr*
de quarto tambem com vinho tinto da dita
companhia : a fallar com os meamos cima.
Burros.
Vendem-se burros muito em conta : a tra-
tar na ra do Queimado n. 14.
Ilicos sioleiros.
Vondem-se ricossinteiros achamalotados,
ultima moda de Paris : na roa do Queima-
do n. 16, loja de miudezas, e da-ae amos-
tras.
Meias de sed*.
Vendem-se muito superiores meias de
seda, tanto cor de carne como preta, a 2,000
rs. o par : na ra do Queimado n. 16. loja
de miudezas.
Luvasde pelica para homein.
Vendem-se luvas de pelica poni loglez
para homem, 1,700 rs. o par : na ru* do
Queimado n. ic, luja de miudezas.
Luvas de pelica para senhora a 800 rs.
o par.
Vendem-se muito novas luvas de pelica
para senhora, a 800 rs. o par : na ra do
Queimado n 16, loja de miudezas,
Ligas de borracha a 200 rs o par.
Vendem-se na ra do Queimadu o. 16,
loja de miudezas.
Bonitas luvas de trogal a 800 rs. o par.
Vendem-se luvas de trogal para senhora,
a 800 rs. o par: na ra do Queimado n. 16,
loja de miudezas.
Ricos cachos de dores.
Vendem-sn ricos cachos de flores, a 1,500
rs.; ditos a 1,000 : na ra do Queimado n.
16, loja de miudezas.
Luvas de seda a 500 rs..
VenJem-se luvas pretas de seda, a 500 rs.
o par : na ra do Queimado n. 16, loja de
miudezas.
-- Vndese superior farinha de mandio-
ca de Santa Catharina, a bordo do patacho
Margarida, fundiado defronte do arsenal de
guerra : irata-se a bordo, ou na ra da
Cruz n. 33. cmn i.uiz Jos de Sa Araujo, aon-
de tambem se vende saccas grandes com fa-
rinha do Ccar.
da Cadeia do Recife n. ai, quese-
ra recompensado.
- Desipareceo no di* 13 do correte um
moleque de nome Mimede, crioulo, de ida
de de 45a 16 annos, bastante.esperto ser
co do corpo, estatura regular, e pea ,
des ; levou camisa do r|scdo zul,m u
sigo l9o*ip.ho azul trancado, e mais alium,
roupa. Supa-seler tomado direccSo dr.
Bonito, onde mora o seu antigo Sr, da
quem inda he escrava a mSi do dito mole,
que: roga-se as autoridades hajam de aprn"
hende-lo, e leva-lo i casa de aeu Sr. o tn
jor Antonio da Silva Gusmlo, narut Ioida!
ilaln.64. ^"
100,000 rs. de graliflcagto.
* Roga-se as autoridades policiaes, que cid.
turem o escravo Manoel, pertencente a Sgl
bastiSo Marques do NascimenA, fgido des-
de o dia 8 do mez de setembro. Fq
elle escravo do Sr. Gabriel Alfonso Iti'guei-
raj i quem foi comprado ltimamente : tai
28 annos de idade pouco mais ou menoi, cOr
fula, com falta de dous denlas na trente
de cabellos do lado esquerdo da cabega, que
se torna bem visivel por parecer urna co-
rOa, tem olhos pequeo*, beioe* grossos
rafas, copo*, resfriadeiras, morlngues;ludo
para resfriar agua, vaaua Uno* de todos os
tamanhos para flores, btalos para meninos
andarem, ditoa para costura, baldes para
compras, cilungas para prezepio : na ro* di
Cadeia do Recife n. 8.
Vende-se azeite de mamona perfeita-
menle purificado, muito fino e alvo, como o
de coco, a 400 rs. garrafa ; este azeite alm
de durar muito mais, d urna luz clara o bri-
Ihante qne o de coco ou doce, e serve en
qualquer candieiro por mais delicado que
leja, 1180 tem cheiro algum, e nem delta fu-
maga, tambem he rceom nen 1avel para as
lampidas de igrejas: na ra estreit* do Ro-
tarlo tavero* n. 47 o volUr par* o piteo do
Carmo.
NSo se lia.
Antonio de Almeida Brand So e Souza
tendo vendido a tua venda sita em a ru,
.Nova n. TI convida aos seus treguezes par1
Ihes continuarem a comprar, em o atierro sem barba, baixo, corpo regular, he offlclii
da Boa-Vistan.43, pois rende-se tudo pelos de funileiro. Trajava jaqueta de riscado
pregosseguintes: afianga-se,aerem bem ser- azul, caiga branca, camisa de madapoln, >
vidos tanto em pregos como em qualidades, levou urna trouxa, contando caiga* e jaque-
mauleiga ingleza 610 dita 560, e 480 rs. di- tas : quem o apprehender e levar i ra di
la franceza 520, banha 400 ra., cha do me- Aurora n. 62, receberi'a gratiflceglo pro-
Ihor 2,000 rs., dito 1920, dito preto do me- mettida. Suspeila-se que fosse seduiido, e
Ihor que ha neste mercado 1920, a Ib. tem 3 por isso desde ja protesia-se contra quem o
embrulbos chinezes o embrulho 610, es- conservar em seu poder.
perm*cete640,carnauba 280, sevadioha 160, Desappareceu n* tarde do dia 13do cor-
ervilhas 120, letria, 160, anz branco 80 rs., rente um escravo por nome Joaquim tem 01
tapioca 80 rs., dita de araruia 120, chocla- signaos aeguintes: boa estatura, representa
te 320, chnurigas 400 rs:, assucar refinado ter 35 annos de idade, falla desembargada
polo diminuto prego de 80 rs. a Ib., aflanga- ps grandes, tem todos os dentes da frente'
se a qualidade, milho a 120 a cuia, anz de nariz chato, quindo anda estala as juntas dos
casca 120, fejSo mulatiuho320, alpista 960, joelhos, levou camisa de algodSosioho bran-
paingo560,azeite de coco 480, dito doce 480, co, caiga do dito azul, este osera to foi do
vinagro bom 80rs. a garrafa, dito de Lisboa mato: quem o pegar leve-o a typograpbia
140, quoijos doreino800 rs., carne do sertSo imparcial a fallar com a viuva Roma que se-
verdadeira, 200 rs. a Ib., sendo de 4 para ci- r recompensado.
ma, ea relalho 210, linguigasdo mesmo 240, Desspparecu no dia domingo, 12 do
bolaxinha ingleze I61), cate de carogo 140, correte, um preto que representa ter 45 a
e tudo mus por diminuto prego, e de ludo 50 annos de idade, de afio cagange, baixo,
se da amostras. cheio do corpo, sem defeito algum no corpa,
Vende-se o engenho Lagi Redonda, levou vestido, caiga de casemira aiul clan
oodistriclode porto Calvo, urna legua em dequadroie ja velha, coleta desetim prelo
distancia dessa villa.de auperiores trras, velho, jaqueta de brirn pardo,camisa dema-
tanto de cmna, como de mandioca e ludo o dapolSo, chapeo de aeda preto ; presume-so
mais; he composto de grandes varseas.e do que anda pelos arrebaldes desta cidade, pois
melhor cercado possivel; acbam-se desmoro apezar de ser do sertio no sejulga que te-
nados os seus edificios, por isso que lem e- i nha voltado : roga-se portento as autoridi-
tadouns poucos de annos de fogo morto, despoliciaes e capilSes decampo, a captura
-A a a. Ai, *m *v [jtitufkjfn jai am. >* a* (a \ T. .&___-_ __ *
Artilharla & cagadores.
Vendem-se Superiores luvas de re-
tro/ prelo proprias para uniforme de
r ti lita na e cagadores 1 na loja de sir-
gueiro, no pateo da matriz.
memorando assim cada vez mais as Ierras
para sua producgSo, voode-se a dmhoiro,
ou a piazo, e mesmo em permurla de es-
cravos etc. : a tralar nesta cidade com Lino
do mesmo, levando-o a ra do Vigario n. II,
lerceiroandar, que se recompensar.
Auzenlou -se na noote de 27 do correnta
o mulato Clementino de idade 20 annos pou-
Jos de Castro Araujo, na praga corpo Santo co mais ou menos, magro,altura regular, a
n. 3, ou com Jos du Barros Pimentel do Re- r*!la multo mansa, costunia aodarcalgido
goFalc9o, junto ao passo de Camaragibe,
no seu engenho versea de Souzs.
-- Na loja de f.zendasda ra do Collegio,
'vendem-se ricos cortes de cambraia e, seda _
chegados ltimamente pelo diminuto prego; tas,e gordo. He provavel que queira pas-
de 10,(100 rs. Is*r por forro : he bolieiro.e escravo de Lui
--Vendem-se corles de cassas de cores, Antonio Siqueir : quem o pegar leve-o
finas, a 1,800 rs. ; ditos de cambraias aber- ra da Cadea-Velha n. SOquescrecompen-
e bem vestido; levou urna troxa de roupa, e
consta que levara um cavado que ilugra
nessa nccasiSo, o qual tem os sigoaes se-
guinles : cistsnho, barrigudo, dinas pre-
das, a 3,800, 4,000 e 4,500 rs.; ditas de bar-
a 160. 180 e
com salpicos a 2,800 rs., dilas de cassa pin-
tada com 5 varas a 1,600 rs., cassas de cor
escura por 240 rs o covadu, dilas prelas a
10U rs. o covado, idem para bahados e corti-
nados a 2,400 rs. a pessa, cortes de chita
om 12 covados a 1,800 e 1,920 rs. : na ra
do Crespo n. 6.
Vinho de Champagne,
das ltimamente de llamhurgo, por prego e superior qualidade : vende-se no arrr.a-
commudo: na ra de S. Amaro n. 28. em Kalkmauu lrmaos Ra da Cruz, n. 10
Vende-se a taberna da ra Augusta n.94, v 1 t
na esquina doviveiro, a qual vende muilo LfCpSItO tlC '-Sil C J)OI:lss!l.
par trra; se ven lpelo oonu ter de lazer No armazem da ra da Cadeia
una viagem e u3o ler a quem eixar en- .- .,
tregua: tratar na mesma. do Hecile n. 12, na muito supe-
FOTASSA DA RUSSIA.
INo armazem de Jos Teixeira sim como potassa chegada ultima-
Dasto, na rui do Trapiche n. 17, mente, a precos muilo rasoaveis.
ha para vender, nova e superior Casa de commissSo de escravos.
potassa da Hussia, chegada recen- Vendem-se escravos e recebem-
temente. se de commissao, tanto para a pro-
Cortes de chita e cassa. vincia como para lora della, para
Continua a I, hit grande sorlimento de O que se o Itere ce umitas garantas
corles do vestido de chita com 12 covados seus dorios na ra da Cacimba
em um so pedago, a 2,000 rs. ; ditos de cas-
sa de cores, fixas e bous pad'es, a 2,000 rs.:
na loja do sobrado amarello, na ru do
Queimado n. 29.
Sapatos de tapete.
Vendem-se os bem condecidos corles de
tapete, para sapatos, a 500 rs. o par: na
rna do Queimado, loja do sobrado amarello
n. 29.
Algodo para saceos.
Na loja do sobrado amarello, nos qualro
cantos da rui do Queimado n. 29, vende-so
al godSo para saceos, por prego muito com-
modo.
Casimiras baratas.
tas fazendas por baratos pregos.
Mullida- superiores
Na fundirlo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-sc venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
ojns rucean muito superior
Aos amantes do bom c barato.
Na ra do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-se casimira preta,
a 5,000, 5,500, 7,500 e 8.0U0 lis o corte ;
ditas de cor, a 5,000 e 6,500; panno lino
preto, a 3,000, 3,500, 4,000 e 4,500; dito
verde, a 2,700, 3,000 c 5,000 ris ; dito azul,
a 2,600, 3,500, 4,000e 5,000 ris; dito cor
de rap, a 2,6u0 o covado : e outras muitas
nor cal de Lisboa, em pedra, as- lazendas por prego commodo.
n. 11. primeiro andar.
Agencia de Edwin Maw.
! Na r-ja moni.v Companhia, acna-e conalanlemenle
bons aortiiiiealos de taixa de ferro credo e
1. indo, lauto rasa como fundas, moendas lu-
cirs [odas de (erro para aniuiaes, agoa, ele,
dilas para armar em niadeira de lodos os ta-
manhos e inodellos o mais moderno, machina
horisontal para vapor, com (orea de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro eslanbado
para casa de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, escovens para navios, ferro ingles
tanto cin barras como em arcos folhas, e ludo
Vende-se superior farinha
de mandioca, muito fina, em sac-
cas desembaicada do patacho
C'onceicao, vindo do l\\o de Janei-
ro, entrado cm aG do corrente mez
de outubro, por preco commodo:
nos Hrmazens de Antonio Annes e
Dias Ferreira, no caes da Alfande-
ga : a Ira lar nos mesmos, ou com
iNovaes & Companhia, na ruado
Trapiche n. 34.
Cal virgem em pedra
Chegada rccenteoiente de Lisboa, em anco-
ras muilo bem acondicionadas ; vende-se a
prego muilo commodo : 110 armazem de
Silva barroca, na ra do Trapiche n. 19.
Clieguem freguezes untes que se
acabe.
No armazem de Marlins & lrm3o, na rU*
da Cruz do Recife n. 62, chegaram ultima-
mente os seguintes gneros oe muilo boa
qualidade: -queijos londrinos, prezonlo*
Vendem-se amarras de ferro
da Senzalla nova n. 42.
- Na l'raia de Santa Rita, armazem n..
43. de Manoel Jos Dantas, ha pira vender a *'500 rs;i chlts "n,s' .
inenronil ,.1,1 r .,,,, ,.. iA-aa a .r 200 rs. o covado ; ditas para cobortas, lina*. ...
com J^oV^nciscoTcruz, n". ra d.cru 20? e 22 ..o.% oulra, muitas h- P^.??1..!Jd'-de .???
numero 7 zendas, por pregos muito commoJos : ni
Vcnham ver rus do Que'oiado n. 23.
Vendem-so na ra do Queim.do, loj. n. Vedem-se escravos bara-
17, chapeos de sol de seda cor de caf, su- j tOS, mocos e de bonitas figuras, ne-
periores a 5,500rs, cortes de caaemiras de gros molecBes e moleques, boii-
cores escuras a 3,840 rs., chitas Irancezas f .uu,|iu. 1 u un...." .^v..
finas 11 decores fixes a 240 rs. o covado, los mualos, ptimos para pagens, 'generosamente recompensido pelo dito seu
cambraias francezas de cores modernas a negras mocas e bonitas f na ra i sebor LuizGomes Terreira, noHondego.
560 rs. a vara, pegas de cambraia liza mui- 6 v Desde 1* do seiembro p. p. fugio
. cada pega, ,aas ^arangeiras n. 14, segUQdo'a0 engenhoJussarara aecrava MariaTnere-
' andar | za de48 annos de idado.estalura regula ,coi
- Vende-se um moleque, de idade de II fulla' 'n r,1od"*1! *,Unad annos, ptimo par aprender qualquer offl- menos meta ledo dedo mnimo da mSo es.
ci : a tratar na ra das Flores n 11.
Lindos chapeos para senhora.
No dia 12 de novembro do corrento so-
n, desappareceu de casa de seu senhor o
com alguns cabellos brancos n cabeg, de
nagSo Mus-ambique, bastante lito, magro,
peroas finas, andando sempre muito direi-
to, tem carogos sobre o nariz, signa! pro-
prio d* nagflo; recommeud*-se a captura do
mesmo as autoridades e aos capites do
campo : quem o mesmo aprehender seri
lo fina com 8 1|2 varas a 3,500 rs,
cortes de cassa pintada a 2,0il0 rs., e outras
lazendas por prego muito barato. Dam-se
as amostras com penhores.
-- Vendem-se 2 bonitos carneiros espa-
des e mansos, proprios para montara de
meninos. Na mesma casa ven le-se um bom
fagote para msica militar: na passagem da
Magdalena, casa lenoa do lado direilo antes
de chegar a ponte grande.
Veudem-se cortes de casimi-
ra de tres e meio covados, a a.5oo
rs.
a dinheiro a vista : na loj
de quatro portas ao pedo arco de
; quera ; eila intitula-se de forra ecostumi
vender peixe, anda pela ribeira. o acha-sea
coitada por tra/, do vivoiro do Huuii ou suas
Vendem-se chapeos de palhinha, com immediages: quem a acaplurar love a ao
tranca e cabello, muito bem enfeilados : na segundo andar no sobrado n. 22atrttdo
ra do Collegio n. 3, loj de miudezas. | theatro que es gratificar bem.
Vende-se um monillo de pedra, col- i 100,000 rs. de gratilicigSo.
cado sobre urna mesa, por prego commodo: j DesaparSono da 12 de agosto do crranle
na ra da Aurora n. 62, loja de funileiro, que anno o cabra Romoaldo porein he de supor
faz esquina para o aterro. 'que troque o nome, representa ter 45 a 50
Em casa de J. Kcller & annos pouco mais ou menos com alguns ca-
bellos brancos, e o reslo muilo pretos e es-
ba lo, quiD-
he grosso do
<*<^mn.nl.:-. ...(.( C Denos orancos, e o resio muuo
S Antonio n 3. Companhia, na ruada Lruz n. 5d, lir,doS( r.n, desosngada.hebar
Vende-se vinho do Porto de feiloria, [vendem-se marroquinssuperiores, do fugio ro de barba fet, I
de 21 anuos, de superior qualidade, tamo indos de Franca nelo ultimo corpo, altura, regular levou vestidocamizi
embrrisdquii.lo;comoeiig.rr.f.do, porl e P de algodSozmhoecaiga de bnm branco su-
modico prego, atlendendo a sua qualidade : navio. js, e cbipu de plhf, levou urna troxiotii
no largo do l.ivramento n. 20. Vendem-se cix*s com vidros pelo di- de roupa, e seduzo um mualo cahouculi-
-- Vende-se os pertences da fabrica fran- minuto prego de 6,500 e 7,000 rs., e bota-se do de nome Fraocisco de idade 18 annos que
ceza de faser phosphoros por commodo vidros em vidrsgas por prego commodo : na foi em companhia delle e levou chapeu
prego : na ra da Aurora venda n. 24 se dir [ra Dlreil, loja de pintor n 39. couro, he seco do corpo.sllo, cor de cae 11
quem vende. -- Vende-se um moleque de 18 a20n- boca pequen, beicos roXus, cbellos e>ti-
- Vende-se ou troca-se por urna proprie- nos de idade, bonita figura 1 na ru. Direi- rados e pretos ps Ch.toseo**m+
dade de casas nesta praca. nm sitio na pas- ti n.14.________________________^^ tos.quando falla afetaqnerer se ingleza
sagem da Magdalena, com excellente casa i P~" ^e mu,lo pronostico, levou vestido camu.
nova e muito bem repartid*, tendo2 salas, EsCraVOS iWltlOS. f do riscado americano
1 _^_^^_^^ ti zemiraazul com lislro ldo, porem he de
- Desappareceu o escravo crioulo de no- 8.uPor *u.e t-8nl"! nudd.0 d.e l.re'. nm?,i:
2 gabinetes, 2 alcovas, 1 quarto para dis-j
penga, 1 grande copiar, cozinha fura, co-
por baralo preco.
Vendem-se velas de espermscele, em
Vendem-se os mais mdeme* cortes de caixas.desuperiorqualid.de: em casa de
casimira, que ha no mercado, a 5,500 rs. ,J. Keller & Companhia : na ra da Cruz nu-1 ingiezes e do Porto, conservas inglezas e
cada corle, lendo grande sorlimento para o mero 55. .r, |f'*"cezas com diffeienles fruas, latas de
comprador escolher.- na ra du Queimado, ; O loja do obrado amarello n 29. j -- Vende-se um grande sitio no lu- ii N
i'oalhas e guardanapos.
Na loja do sobrado amarello, nos qualrn
cantos da rus do Queimado n. 29, ter para
vender um grande so lmenlo de loalhas de
difeientes tamanhos, e em pega que se ven-
de em varas ; assim como um g'an le sor-
tioienlo de guardanapos de diversos taina-
uhos e qualidades, o que tudo se vende por
prego de agradar ao comprador.
Aos 9.0:000,000 ders.
Acaba de chegar pelo vapor S.
Salvador, osbilhetes, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da lotera
do Itio de Janeiro, a beneficio do
theatro de INictheroy cuja lista
chega pelo primeiro vapor, even-j}60(
N'antes, ditas com oolachinhas inglezas ,
f gardo Maiiguinho, que tica deronte Q ui-rmelad de Lisboa, mosiarda.o muito a-
q dos aillos dos Srs. Carneiros, com r creditado cha de S. Paulo, caixas com muito
0 grande casa de vivenda, de qualro p .auperiuies magas finas para sopa, gigoseom
Q agoas, grande senzalla, cocheira, mlchtmpaohe, vinho de Xerez, Madeira. Bu-
^*^ ,, 1 .-, t... 1 ,. i .....,..... ana, *_ ^^ .~ll_- .n...t~ _^tu. __._ :. ,
estribara,
lonla 3 a
1, baixa de capim que sus- q <
4 cavallos, grande cacim- J
dem-se naiua do Queimado, loiade algodSo a iso, e 200 rs., riscadinhos
de erragens o. 3j A, de Antonio
Jos Rodrigues de Souza Jnior,
pelos muito baratos precos abaixo :
Bilhetes inteiros aa,ooo
Meios bilhetes 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos a,800
Vigsimos i,3oo
celias ePollo, garrafas com exirait de ab-
~ venta aon la vanos, giaiiue cbl..... a* Slllllie 6 l'Ull'OS muilOS genOTOS, ludo pOI
* ba, com bomba e tanque coberto z" I mdico prego.
J para bai.ho bastantes arvoredos de g j\0 at-ri0 da fioa Vista, loia n.
V fructo :na ra do Collegion. 16,se- ), or j -i i j J
O gundo andar. I lo, delronte do tribunal do com-
Q&QQOOG OOOO0OOOOOO mcrcio,
Vendem-se relogios de ou-!continua-se a vender ripeados es-
roe prata, patente inglez : na ra CUros, muito fortes, ptima fazen-
da Senzalla Nova n. 4a. ,]a para rou,)a e escravos, e pelo
Inda continua a vender-se barato, 'diminuto preco de ioo rs. o covd
do e outras multas fazendas ba-
ratissimas.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas do carnauba imitando
acete : na loja de saleiro da ra da
Cadeia do llecife n. 36.
Vende-se o sitio de Santa Anua, que
Oca defronte da taberna de Nicolao Rodri-
gues da Cunha, o qual lem casa com bailan-
tes commedos, c cupir fon, e diversos
Cortes do casomira preta por 5,000 rs., di-
tos de brirn escuros de lislras a 2,000 rs e
)u\rs., ditos de castor 1,120 rs., datados
francezes a 120 rs. o covado, e muitas mais
fazendaipor barilissimo prego na ru do I vena
Crespn. 6. \ntum
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambio de sicupira e bracos I ps de alvoreds com fructos : quem o pre
iln fprrr na fiinilirSn .la rua ,lntendercomprar dirij-sea ruado Livramen-
da ierro na 111001930 da rua uo r l|bemi n s que achara com quem {n_
Brum ns. o, 8 e 10. Jt,r.
cheirapara c.rro.epara 2 c.v.llos : terre-Ime Venancio, deidaJede25 a 28 annos, com do veio do R.o.raojdedoNo rlP" "Js
110 proprio, e com mullos ps de larangei- falla de um dente na frente, este escravo esco^ ter fug.do.quem os pegar leve-oi
ras, figueiras, pitombeiras, ssafroeiras, foi da Madre de Deus, falla muito humilde, e J ru,.d" C*cimbtcn,* ." ... a
hoje pertence ao engenho Aguas Claras, 'e'' defr?nte de S, Francisco casa dobr.
Insiii no dia 14 do corrente : quem o
goiabeiras etc., 1 bom tanque; e 1 um bom
poco d'agua excellente; tambem se arren-
da por anno so Ozer conta a tr.lar na rua
da Cadeia do Recife n. 54.
No eseriplorio do Francisco Severino
Rabello & lilim vonde-se barris com Cal vir-
gem de Lisboa chegada agora na barca iLi-
geira, pi-lo diminulo prego de 4,000 rs.
Vende-se urna ilh no lugar dos.Reme-
dios, aopda ponte dos Afogados, com 2
viveiros, 2 excedentes casas, muitos Co-
quiiros, c urna grande planta de capim, por
todo o prego, ou tambem se troca por al-
guma morada de casa nesta praga : a tratar
na rua da Cadeia dn Recife, n. 54.
^$>9&9Q99O90GGQ4r!)
Chapeos do chile.
* Vendem-se chapeos do chile peque-
^ nos a 4,000 rs. na rua do Crespo 4
m n. 23. 4
Vende-se um sitio a beira do rio, com
excedente casa, tendo de frente 70 palmos,
e mi de fundo, com grande gala adente, 2
gabinetes, e 2 alcovas. sala igual atraz, mais
3 quaitos, e cozinha ; com mais de mil
palmos de cumprimenl'j e 800 de largura,
com grande baixa de capim, terreno de boa
producgSo, excellente banho ao p de cast,
e perto da praga por ser antes da casa For-
te : a fallar com Nicolao Gadault na ru do
Apollo n. 20, segundo andar, ou ni praga
da lloa- Vista, na casa que o mesmo ali est
edificando.
I'ara Mosquileiros.
A 2,000 rs.l'.l
Vendem-se na rua do Queimado, loja n
17, pegaa de cambraia branca de rede, fin-
giiulo fil, proprio pira mosquileiros a 2,000
rs. cada pega com 8 1(2 varas.
A pee!lincha.
Na ru do Queimado, loj n. 19, vendem-
se cortes de casimira, de lindos e vanados
gostos, a 4,500 e 5,000 rs. o corte : a ellas
que o lempo be proprio.
-- Vende-se urna fraut de ebino, com
5 chaves de prata : na rua Nova o. 63,
Vendem-se dous terrenos, para edifl-
cago, na ru di Pnia ao lado de Jos Hygi-
no de Miranda a tratar na ru* Direit, pri-
meiro andar da cisa 11. 32.
p gar
podo leva-lo a iua Direiia n. 14, que ser
generosamente recompesado.
REPETigAO.
Continua a eslar fgida a escrava parda
de nome Lufrosina, baixa, cheia do corpo.
peitos grandes, olhos pequeos, com urna
cicatriz no rosto proveniente de queimadu-
ra, e um dedo de urna das m3os estirado.
He de presumir ter |tomado para as bandas
Rento Jos Fernandes Barros, que receberi
a gratificago a clm, c ss prtesis contri
quem os liver ocultos.
Desapareu no dia 9 do corrente mez
urna escrava de nome Faustina com os sig-
naes seguintes: estatura baixa, cor fufa.
com falta de dentes na frente da parle de
cima, lem urnas marcas brancas nos cil-
nhares, e quando anda abre os ps para os
lados ; levou vestido de cihla roxo, e saia de
nes_jlgodaoazul e pao da cost. Estapirelato
mo por ter ja sido pres. no Brejo da rea du, Cerillo de C.nu.u ; dcaeonlla-se que
em outra fugd. que Ozeri. Roga-se norUn- tei,,!Ulu algum. es, pois desde J
' as authoridades Policnes, e espitaos de Prot^l-"* coatr* 1uem
to
mpo a captura della, e a entrega na rua
do Livramenlo n 35, onde se gratificar o
portador com 50,000 rs
BO\ CKATIFICACAO-.
pgir lere-a Fora de Porus na ru do Pi-
lar n. 123 que ser gratificado.
Na rua da Senzalla Velba n. 134, casi
de Mara Felizmina de Albuquerque, grati-
fiaa-sc bem,* quem appreender, e levar*
Ausentou-se na noite de 27 de dit cas, ou dr notiaia, da preta Laurind,
outubro passado o mulato Ule- escrav".Je 22annos pou ""i" "Si
1 ma iu viv qUa| fUg,0 na pouco* das, e levou vestido
mentino, de ao annos de idade rouxo cor do cf cora listrts azues, e j
pouco mais ou menos, macro, al- debulado; et* preta heenoula, fall be*.
\ o e tem o labio superior bislaole gromo, a
tura regular, tem muito pequeo fora comprada no da sexta-feira 14 do cor-
buco de barba e filia muito mansa, fnte, a Joaquim Ribeiro, boticario, e por
,,,,',,,,1 1 intermedio uo cjrrelor Vilssiujo, morador
quando anda parece que n3o pisa na ,, Augusta.
bem com os calcanhares, costuma Em dis do mez passado, fugio do en-
mil ir v \\r ni,, s L i:j. i genho Juojuelrada Comm.rca do Cabo um
andar calcado e bem vestido, le- 5m negro le nome ioio MonjoFe( de ,d.de
vou urna trocha de sua roupa, in- de 60 annos pouco maisou menos, hodees-
clusive calca e aqueta de panno ttur"'e8,""> e.00!'0 d0 corp0'' I0 d',frt!.
n n Y i I"""* f v'"v do crreme, fugio do mesmo engenho umi
uno azul, e alm do mais algum negra de nomeTuereza, de dadede4550
calcado, um par de borzegains par- anno* *lu nj8'' i:0r bam *"""bi c?s'"'
A am i,',., r, ma i ntitular-se forra 1 quem os pegar, leve-
oos, com ootOes de madreperola 0sao dito engenho, ou ni Reoife ao paico
brancos, e consta que levara um do Carmo n. 17, que ser bem gratificado. .
n,,||n nn naniMll. .A... > I De bordo do brigue nacin! C*rlo,n-
cavallo, qe naquellaoccasio.a-'cof.^junto.pan^jo ,(ecif-f fugio um
lugara, o qual tem os signaes se- escravo preto por nome Bernardo, de esu-
oninl-* .. rnhnl,., l...' i. tur ordinaria, rosto redondo, ctbello eras-
guinies -- castanlio, barrigudo, cdo.,eb,rua'no queixo. t'r, c.l
cimas pretas, gordo e tem um ta- camisa de algodao nacido: quemoipp"-
Iho em urna anca; he nrovavel que hender leva-lo* ru da Cadoi* do Recif
P 1 i- n. 12, ou a bordo do
queira passar por forro, he boliei- bem gratificado.
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a rua
mesmo brigue, sen
vVPyi1 "i' ^ K.nr Fm
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVMXRZ229_U6O2ZC INGEST_TIME 2013-04-12T23:17:15Z PACKAGE AA00011611_04752
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES