Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04751


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Sexta-feira 21
DIARIO
meco A soob.ipoIo.
PiSimHTO Aditdo. Aiann
Por trimeilre............ y"
Por semestre............. .Kg!
Por nao.............. ,300
Poo morrao auraiMSTS.
Poi quirtel...... 4/500
VOTIOIAI DO lMPHtlO.
Pari. ... 23 deOutubiMInaa... i5deiietbr.
Maranhao 26 de dito S.Paulo. 3 de dito.
Cea"... 31 de dllo. R. de J.. 25 de Oulub
Parahiba. 10 de Nobr." Babia... 3l de dilo
di as na. umm, AraimoiAg.
i7Seg. S. Gregorio
Taumaturgo b.
18 Tere. S. Bomao m. ;
19 Ooart. S. Izabel rai-
nlia de Hungra f. ;
20 Quii. S. Felii.
21 .seat. Aprsentasao dc
Nossa Scnhora.
22 Sab. S.Ciclliav.m.
23 Dom. S. Felicidade.
Juitode Orphnt
2.e5. as 10 horas.
I. vara'do eivel.
3. e 6. ao meio-dia.
Fasenda.
3. rli.au 10 hora.
2- eora do eiwf.
4. e sbados ao mrlo-d.
lOfo.
Tercas e sab.dos.
de Nove i libro de 1851
N. 2G4.
inri Da.
Crcicente i 30, a I hora e 7 minuto! da tarde.
Chela a 8, as 9 horas e 2 minutos da t.
Hingoante 16, as 7 horas e 2 minuto*da m,
Nora 22, as 11 horas e 47 minutos da tarde.
FBKAMAn di non
Primeira s 2 horas e .Vi minutos da tarde.
Segunda s horas e 18 minutos da manbaa.
ARTIDA1 DOA COBBEIOl.
Golanna e Parahiba, s segundas e sextaa-
felras.
Rio-Crande-do-Norte, todas as qulntas-feiras
aomeio dia.
Garanhuns e Bonito, 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, 13 e28.
Victoria, s qulntas-feiras.
Ollnda, todos os das.
NOTICIAS riTBANGIIHll.
Portugal.
Ilespanba.
Franca...
Blgica...
Italia.. ..
Alemantia.
Prussia ...
Dinamarca
Russia...
Turqua..
i i de Ontbi
8 de dito
8 de dito
S de dito
3 de Outbr|
.') de dito
3 de dllo.
3 de dilo
I de dito
24 dcSelbr
[Austria.. SdeOnlbr
Lsulssa.... 8de dito.
Succia... I de dito
Inglaterra 9 de Oulbr.
E.-nldos 24deSelbr.
Meilco... 15 de dilo.
California 30 de Agosto
Chlll. 26 de Abril.
Rueos-A. 3 e belb.
Montevideo 6 de dito.
CAMBIOS DI 19 DE NOriafBBO.
Sobre Londres, a 28 3/1 e 29 d. p. lfOOO Firme.
Paris, 331 por Ir.
Lisboa, sem tranaacces.
RUS.
Ouro.Oreas brspanholas----- a 28/600
Hoedaa de 6/400 velhas. 16/000 a 16/200
de 61400 oras. 16/000 a 16/200
dci/ueo....... 9/000 a 9/I0O
Prata.PalacSes brasileiros.. 1/940 a l/9'<>
Pesos coluinnarlos... 1/920 a 1/OT0
Ditos meiicanos..... 1/740 a fjW'O
PARTE OFFICIAL.
Gommando das armas.
(Juartcl general na cidadt do Bteifi, 11 di noerin-
oro de iS.'ii.
OaDBM DO DIA N. 28.
OSr. marechal de campo graduado An-
tonio Correa Seara, commandante das ar-
mas, manda publicar para intelligencia da
guarnilo, e devido effeito a imperial pro-
visto que se segu, datada 1 e 11 dejmeiro
do correte anno, a qual Ihe foi por copia
trnsmettida pelo Exm. Sr. presidente da
provincia om 8 deste mez.
Dota Pedro, por Braca de Dos, e unni-
me serlamacSn dos povos, imperador cons-
titucional e defensor perpetuo do Brasil :
faco saber aos que esta minha provisSo vi-
rem; que, tendo subido minha augusta
presenta urna consulta do conselho supre-
mo militar, datada de 8 de norembro do
anno prximo passado, que mandei pro-
ceder acerca da representando da contado -
ria geral de guerra, sobre qual o disconto
3ue do seu sol lo devora sofTrer um oflicial
o exercilo, que eslivor descontando pela
quinta parte, para indomnisado da fazen-
da, publica, quando entrar no Hospital, ou
em conselho de guerra, casos em que fica
reduzido a meio sido, e conformando-me
intelramente rom o psrecer do conselho :
hei por bem, por minha immediata e impe-
rial resolucSo de II do mez de dezembro
lindo; mandar declarar, que quando se der
o caso de algum oulcial pastara perceher
sement metade do seu sold, por se achar
no hospital, ou em conselho de guerra, se
ihe dever descontar a quinta parte do dilo
meio sold para indemnisacSo do que esli-
ver devendo fazenda publica, e nSo a
quinta parte do sold por inteiro ,- devendo
torero este descont ter lugar, logo que el-
) tornar a vencer o sold por inteiro, por
haverem cessado aquellas cirnumstaocias.
Pelo que mando a autoridad e a quem com-
pete, e mais pessoas a quim o conhecimen-
to desta pertencer a cumpram e guardem
to ioteiramente como dovein, e nella se
conlem.
S. M. o Imperador o mandou pelos mem-
bros do conselho supremo militar absixo
sssignads. Joaquim Flix Conrado a fez,
nesla corte ecidade do Rio de Janeiro, aos
11 das do mez de Janeiro do anno donas-
cimento de Nosso Senlior Jess Christo, do
1851. E eu o conselheiro Manoel da Fonseca
l.imae Silva, marechal de campo, vogal o
secretario de guerra fz escrever o subs-
crevi.-Ios Joaquim de Lima e Sil -
esse plienomeno ; porin o agradecimento
he urna grande vlrlude, e um despota min-
ea deve conliar na influencia das virtudes
quando tem reduzido a sua poltica a sudo-
car e extirpar o germsns de todas ellas.
Dissemo-lo muitas rezes i he necessirio
que Rosas se persuado de que no absolutis-
mo nem ludo silo vantagens, e de que as-
sim como tem (osado amplameote destas,
tamben tem que aceitar as suas desvan-
tagens. Semear a desnmralisacilo, o egos-
mo, os vicios, e pretender que as horas
supremas se revelem as grandes virtudes,
be urna insensata chimera.
E pois a pioclamacSo do esclarecido ge-
neral L'rquiza falla a nacSo oriental a po-
derosa lingusgem dos sentimeutos nobres
e sympathicos, e essa voz tem um inques
tioiiavcl direito a ser ouvida. Pelo menos
assim o des-jamos cordialment.
Mas os principios e sentimenlos exprimi-
dos nesse documento, assim como todos
os actos anteriores do general, trouxeram-
nos i memoria um faci desagradavol que
no he ocioso consignar aqui.
Quando, liaver cincoenta dias, se agi-
tou tanto o projecto de embarcar e enviar
a Rosas as tropas argentiuas, o grande e
umoo argumento dos seus autores reduza-
se humanidade que envolva tal facto.
Urquiza (dizia-sej vai degola-las.
Ah vai degola las! Calumniar aos seus
iniun.:us, altribuir-lhes os seus crimes e
vicios, lal foi sempro oproceler do Rosas.
NSo reparavam que ao repetirem ess-is lro-
zes palavras, apparentaulo cr-lss, nao
laziam senSo conslituir-se orgSos passivos
do tyranno. Val degola-las !
ah estSo agora os factos deste mez ; ah
esta rasa nobre proclamado, dando um
alio o porduravel desmentido s cosluma-
das imposturas do que ella denomino com
perfeita juslica o abotnioavel oppressor
dos Argeiilioos.
Entretanto, dosejamos quo este desenla-
ce sirva para o dianle de lir,o a renos ca-
valheiros, e o mosmo tempo de satisfago
aos liomens cujos sentimeutos generosos se
procurou por om alarma, mas a quem o
Ijoiii senso preservou da rede lancada por
urna diplomacia arteira o hostil. *
( Commcrcio del Plata. )
[Jornal do Commercio.)
OSIMILEZES E O TRAFICO DE ESCRA-
l VATURA.
L se no Nacional:
Um oflicial de um navio mercante que se
acha actualmente na costa occedental da,A-
frlca communicou-nos as seguintes curio-
INTERIOR.
i alcaides ordinarios, acompanhados deque-
tro proprietarios domiciliados no departa-
mento, e dos mais booi conceifuados por
suas qualidados pessoaes.
4. Nos casos a que so refero o artigo
RIO Dli JANEIRO.
4 dnovembro de 1851.
Polo vapor de guerra Pedro II, entrado preceJente, o cherepoliticoou alcaides pro
hontem de Montevideo, recebemos folhas a ceder verbal e summanamente.
carias daquella cidade at 36 do passado. As resoluces tomadas nos citados
O Pedro II trouxe de passagem o Sr. Fon- c" ser3o poslas inmediatamente em
seca Coala, ajudanted'ordens do Sr. conde execucao, som prejuizo dos recursos de
Caxias, portador dootliclos deS. Ef. para O jueixa e outros, om demanda dojustica que
gorerno imperial. f,cam partes peranle o govorno, que re-
OSr. Fonseca Costa devia vir noGolfinha aolvorS o caso com audiencia do fiscal ge-
no qual tinna tomado passigem. Aconte ''
ceu porm que salundoo Golftnho de Mon- 6. Estabelocidas as juntas ecoooJMCO
tevido no dia 21 encalliasse no dia 22 na administrativas, passarSo para ellas as fal-
reslioga da ilha de Gorrili, em consequen-'lcudde que seconferem aos chefes politi-
cia da grande cerracSo que havia, o da cosou olcaides pelos arts. 2 e 3.
ter sido atterrado pela forca da correte. 7. Os commaodanles militares, ou os
Nopolendosafaro (olfinho cora os pri- chefes especiaes de forcas existentes nos
meiros esforcos quese lizeram, desembar- deparlamentos, cooperario com as que te-
cou em Maldonado oSr. Fonseca Costa com nna assuas orJens para o exacto e promp-
olimde pedir auxilio t nossa esquadra, e to cumpiimeulo ds resolucOes adoptadas
ISo velozandou que na machaa do23 esla- Por"quellssautoridades, debaixo da mais
va ja em Montevideo. M" responsabilidade.
O commandante em ebefe das forcas na- .' 8- Fica a cargo do ministerio do inte-
vaes expedio immediatamente a corveta rlor dictar as instruccOes, e salisfazer as
Euterpee-a soccorro do Golftnho, mas este consultas que requer o fiel cumplimento
tinha conseguido deseocaltiar, e quando a do que se dispOeneste decreto,
corveta cliegou ilha de Gorrili singrava Jt fl. Communique-se, ele.
para o Rio de Janeiro. Teve, pois, de se-
guir viagom o Sr. Fonseca Costa no vapor
Pedro II.
Em Montevideo nada tinha occorrido de '' instruccOes :
tSuarex.
Manuel Herrera y Obei.
Este decreto foi acompanhado das seguin-
tos, Costa, Ramos e Queaada, alguns ofBclac |cemiterio eslava convenientemente dispos-
subaltcrnos c alguns soldados, que se erobar-1 to( ,. ornadas com gosto todas as sepulturas,
caram no uceo nainoile de 7, refugindose prima, entre [od pr ss0 ^^j,,,,, ft.
a. Tp":entg.,edc.,er?dividuo. em Rueos- hf"co geral. a sepultura da mado conego
Ayres f grande impressao, pois se apalpava |(,er,MJ Le,le1 B'sl0' Pal desenlio da gTI-
uma realldadc que nada tem de lisonciro p,-Jnalda de saudadoso outras flores naturaos
ra a m causa do tyranno. Aquellcs que o ro-jquo guarneca m a louza, representndoos
le ni nao pdcui oceultar seu petar, assim co-1 emblemas da morte e formando no centro as
no a multidao que o detesta eslava chela de I iniciaos do uome da finada,
jubilo. Diila-sc que Maia e namos, fallando i Meu amigo, o conego Ceraldo he da escola
com Jimeno, encarecan, mullo os perIgos que, ant|g do ^ em ensina hOII-
linbam corrido ao einbarcar-sc. Embusteiros f -. ."* ^
Odescnlace da guerra no Estado Oriental, i r I'*1 respeilo e amor lilial vao
eaproiima iovasao do general Urquita, li-, "< nham causado grande iranstnrnn na cabr{a de na'> extinguom com o ilosapporeclmenlo da-
Rosas. Dava-sc islo como rasao para nao te- 'quelles que nos deram o ser.
reta sido castigados os individuos presos por j licitemos ns morios, rur.inn monda ndo-ns
deserco. Continuara esta, porin, cin grande] misericordia Divina, o Vamos tratar dos vi-
la ni 8,s particularidades acerca do que est teu-
Cbrisostomo Callado. Conforme IZ **K"i*fff **!?*XllSZ
BtptisU Kerreira. Conforme.O oQicial-
maior, Joaquim Prea Machado Portella.
Vanrtido f.tal Ptrreira,
Ajudante de ordena encarregado do dctalhc(
EXTERIOR.
QUESTA DO PRATA.
Montevideo, 23 de outubro.
A proe/nuiarjao do general Urquisa aoi
Orltnlati.
* As cadeias com que vos opprimia o
lyrsnno da minha patria estilo despedaza-
das, a s me falta quebrar as que oppri-
mem o desgranado povo de Buenos-Ayres,
aonde impera anda o abominavel oppressor
dos Argentinos, a quem os soldados da li-
bertado lem anda que combaler. *
Estas palavras "possuem toda a sublimi-
dade do grandioso ohjacto que as inspira,
e da conviccio e sinceridade com que sSo
13o nobremeote proferidas.
Sim, a cadela lancada sobre o solo do I ro navio do emigradas que all chega. Es-
Oriente pelo atroz tyranno do Occidente! tes navios, sogundo nos informa nossocor-
deixou de existir; masfalta quebrar as. respondento, so pequonas embaicacOes
queopprimem o desgranado povo de Bue-lcosleirascommandadss por oscravoseman-
nos-Ayres, onde impera anda o abomina-. cipados, os quaes tomam abordo, mesmo
vel oppressor dos Argentinos, falta anda em Serra Lioa um numero de negros ongaja-
isso, porque sem isso a liberdade oriental .dos por um corlo lempo, mas. que em vez
estar sempro, quando nao compromoltida, | de serum levados para a Cuicnna ou para a
pelo menos pouco segura e sobre-saltada; Jmaipa, como ajustam, so levados para o
falta, porque a base da tranquillidade e golpho de Renio, onde sao vendidos
na rosta de Gui. Accra perlenceo oulra
ora aos Dinamarquezes; que venderam-na
Gran lii eiauha, dous ou tres annos de-
pois com o forte Quilla simado do outro la
do do cabo de S. Paulo. Por 250,000 fran-
cos Inglaterra comprou assim a soberana
de 22 leguas de cosa '. O forte didanamar-
quez de Accra tinha um material que valia
pelo menos esta summa. lio para deplorar
que Mr. Guisot nao acceitasse a offerla que
foi fcita no seu ministerio para a compra
deste territorio, no qual se faz um estenso
commercio om ouro em p, eternos urna fai-
toria considoravel. Como quor que seja, os
factos que te.ii vindo ao nosso conhecimcn-
to sao de natureza a dar urna ideia singular
da philantropiados residentes inglezes para
com os negros. Sera possivel quo o gover-
no inglez ignoro o como suas leis contra a
escravidSo silo all observadas? Em Accra
no lis um inglez que n<1o possua cscravos
o alguns tem de 150 a 200. Quando um pro-
pietario de escravos quor desfazor-se de
algum dcllos,|vende-o ao espitao do primei-
________I- J____J-ui.. ... .111 ,.I,...... I.*.
CIRCULAR.
Mioisterio do interior,
a Montevideo, 25 de outubro de 1851.
Remello a V. S. copia do decreto que
o governo acaba do expedir, 'orde-
nando a entrega aos seus legtimos donos
das propriedades confiscadas ou oceupa-
progresso de lodos os paizes do Prata est,
ninguem se illuda, em que Buenos-Ayres
volva slidamente i vida da lei, da regula-
ridade, e das adiantadas ideias da poca ;
falla, porque a desapparicSo de Rosas da
scena poltica he urna alta necessidade do
secuto e da civilis nao, assim como o seu
solemne castigo he urna imperiosa oxigen-
is da moral publica, da jusca universal ,
falta, porque he indispensavel rehabilitar
ante o mundo o crdito dos povos argenti-
nos, mostrando com os factos que nSo acei-
taram expontaneamente um systema excep-
cional e brbaro, que be nomioal e fantas-
magrico o podeiio do seu oppressor com-
mum, eque elles so capazes de cmanci-
par-se por si meamos da lutella ignominio-
sa de um sclvagem, assim como s3o mere-
cedores de um porvir de ventura e liber-
dade. ,
Falta, he verdade, essa parte da obra
confiada ao homem providencial; porm,
repelimo-lo, ella ser consumada com igual
felicidade. Os habitantes da provincia de
Buenos-Ayres estilo completamente aborre-
cidos, sacrificados, anciosos por que appa-
recam all os estandartes libertadores; e
bem longe de terem algum luleresso pessoal
na sustentar,So de Rosas, tem-no grandissi-
inii na sua queda.
Hacerlo quo ha all muilos liomens enri-
quecidos pelo tyranno; porm ou nos nSo
conbecemos o coracSo humano, ou esses
liomens sSo os menos dispostos para sacri-
ficar-so em prol do despota a quem dcveni
a opulencia que j firmaram.
O constante systema que segu Rosas da
enriquecer a duas duzias dos seus, de per-
verter lodosos homens, de redu/ir oculto
daviitude e do mrito ao culto de dinheiro
c da sua pessoa, esse systema que nSo he
urna iovencSo de Rosas, porque foi em to-
dos os seclos o de todos os lyrannos, he
eflicaz e excellenle para consolidar urna
tyrannia ou usurpacSo j ostabelecids, o
que se v isenta de eventualidades sinis-
tras; porm he pessimo e funestsimo
quando a tyrannia chega a ver-se em peri-
go ou em crise. Entilo esses homens, por
um effeito desse mesmo apego ao dinheiro
adquirido, o dessa mesma perversilo de
ideias e do senlimentos, pe o seu primei-
ro cuidado na salvacSo da sua fortuna, sem
euidarem muito do inlerosso pessoal do
dspota. E porque procederiam de outro
modo? 8o o agradec ment poderla produzir
Se a escravidSo pois nao existe mais no
cdigo, permanece nos hbitos o he levada
a tal cxtencSoquenessos paizes, nosquaes
os cavallossSo raros, os tulburis e oulros
vohiculos sao puxados por negros que sao
arreiados quatro ou seis junios. Quando
Ressiane, hispo dos missionarios, actual-
mente em i.aliSo, visitou Accra, deve-se re-
cordar em honra sua que recujnn enirr
em um dessesvehculos, e preferio andar
p debaixo de um sol abrasador a distancia
de duas legoas que ha entre a cidade hol-
landezaoa ingleza de Accra. Os residen-
tes inglezes nSo silo ISo escrupulosos e fa-
zem driles seus meios ordinarios de trans-
porte. Ests senhores exprobo aos Portu-
guezes o porem seus negros em ferros, en-
tretanto elles proprios tom no forte urna
prisfo na qual os negros sSo medidos pelas
mais treviaes olTensas, e don le sao tirados
orontndos juntos pelo poscoco qusn-
do sSo empregados nos trabalhos pblicos.
Em serra LiAa para onde os negros captu-
rados sSo levados bem como para Accra, o
azorrague he empregadocomo meio de ex-
citar aolrubalho, e como correccSo. Em S.
I.uiz no rio Senegal, accrescents nosso cor-
respondente, os refens dados polo povo vi-
sinlio as autoridades francetas sSo bem
tratados, porem o mesmo nSo tem lugar em
Accra. Em urna expedifSo recont feita
pelos inglezes contra um povo visinho e na
qual o governador general das possessOes
inglezssMr. J. Winnietfoi morto. os refens
trazlos foram tratados como prisioneiros
no forte.
a' vista destes factos perguntamos a nos
mesmos se todos os ofliciaes do esquadrSo
inglez nSo faltam ao seu devor deixando de
informar seu governo do modo como as lois
da Cran-Brelanha sSo observadas em seus
estabelecimentos na costa de frica .' Se o
gobinete do S, James ignora o que est leu-
do lugar em suas possessOes, esperamos que
as particularidades cima mencionadas o
esclarecerSo solire o objecto, e que ello da-
r ordeos taes que ninguem|seja autorisado
a dizer quo a philanthropia ingleza he urna
falsidade.
Seholcher.
(Do Times )
importante. Reinava a maior harmona
entre os alliados, o segundo noticias do boa
fon te estava o todos concordes sobre a mar-
cha futura das operacoes.
Conlinuavao embarque disforcis sobo
commando do general Urquiza. Tendo ro-
solvido o governo fazer seguir ludo por
mar, demorava sua sabida para o dia 28, a- d,s or pessoas estranhas.
lim doassistir ao embarque do ultimo sol- Em consequencia proceder V. S. a dar-
dado. Ihe exacto cumprimento,cingindo-se as se-
0 sto da emigraco, que lanta gente le- guinies .instruccOvs :
varado Estado O iental para Buenos-Ayre, ." As propiedades sa entregarSo im-
rcfluia para Montevideo. S em dous dias, mediatamenl-i pondo seus donos de posse
23 e 2, chegaram a esta ultima cidade 326 dellas.
passageiros vindos de Buenos-Ayres. 2. Em qualqucr propriodado do esmpo
O Comercio del Plata de 26 do passado am quo antes da invasSo tenha havi lo po-
d as seguiotes noticias do nosso exer- pujacio ou fazenda, oque so nellas encon-
cito : trarse presumo pertencer a seu dono.
Faciltaram-nos dados fidedignos acal- 3. No caso de prova em contrario, pro-
ca do pessoal e material do exercilo impe- cod ir so ha seguudo o quo dola resultar.
rial que se acha actualmente neste Estado, < Verificado quo os ouenpantes sflo do-
s ordens do Sr. conde de Caxias; o como nos do que existe no campo, dar-se-lhes-ha
os consideramos exactos e de ulerease, a- um prazo razoavel, pagando entretanto ao
qui publicamos. proprietario um arrenlamento convencio-
c llevemos dizer desde j que na breve nado com elle, ou determinado pelo cnefe .""e medidas que toma e quantas vejes as rc-
campanha que fez este exercilo om nada poltico o pelos quatro propriola ros do quo yoga, para Ihe dar ideia de como anda aquella
soffreu a siude dos seus soldados. f*"a oart. 3 do projecto, se os inleressados caheja. A loucura deque aecusava a L'ruuia
a A rigorosa disciplina observada por es- nSopulerem concordar. |veio innocular-se no nosso governador, pois
te exercilo foz-sa senlirvantajosamente em 5. O proprielario das estancias conlis- nao juro que nao tenha J o cerebro trauaior-
lodaia maroba. O Sr. conde prescreveu cadas conservara o direito denominado de("du. a vista das vaclllacocs de ludo quanto
semTrea invofabllidade das propiedades, a. | "'para cumulo dc desventuras, as noticias
presenpSSo que, segundo nossas mforma- 6. as propriedades urbanas, islo he, ^ cJiegam das provlaclas do interior sao
Oes, foi religiosamente observada. n>s das cidades, villas ou aIJas, se tomara
O gado consumido em grande numero on consideradlo o valor das respectivas
gor este exercilo, e tu lo o que necessitou propriedades, devendo ceder o menor ao
nesla campanlia, foi pago com o maior es- msior. Assim, por exemplo : Se o edificio
crupulo. i levantado valessa mais do que o terreno
Eis-aqui os dados a que nos refer- que oceupasse, o proprielario deste terreno
idos sorobngado accle-lo ao proprielario da
O exeixito brasileiro entrou ueste Esla- casa, pela sua avahara actual, verificada
donodioTde setombro.ecompunlia-sedelPor peritosnomeados por V. S. do accordo
quatro divisOes, commandadas, a primeira com os inleresjados; e o dono da casa sera
ob-igado a fazer este pagamento nos termos
escala, sem que enganasse aos iiifeles arras-
tados a servir, ncm a apparente atlabilldade
do dictador, nem os rigores que einprega com
frequencia para atalaar a deserco.
A repugnancia para servir era invrncivel,
e lodos desejam ardentcincnte o suspirado dia
em que osvalcntes do general Urquiza passein
o Paran. Ver-se-ha ento quao rphemero he
esse poder dc Rosas. Os mesmos que mais ape-
gados se mosiram sua pessoa aflrouxarain
inuito cm sua audacia, e coinecaram a cultivar
rclacoes que ale hoje tlnham por crime
manter.
O commercio esla em completa paralrsa-
cao. A i o.| un-11, .ei geral fez com que as casas
de grosso trato se fechasscui tarde, e s ave-
marias fcchav4iu-se tambem quasi todas as
lajas*
Fallava-srcm novas niudancas, c corra de
plano que o general Guido seria nomeado che-
fe dc polica, c que Jimeno seria substituido na
capitana.
Continuavain osexercicios com frequencia.
A polica, segundo dU una carta, tinha
ordein de fazer una lista dc todos os lilbos de
cstrangeiros.
lugar no dia 28, c para ijue seja o mais esplen-
dido possivel, serao convidados lodos os estran-
geiros, cousa em que antes nao se tinha con-
cordado.
Distribuio-se um programma. Ha nelle
cousas bellissiinas; por exemplo :
Ao apresentar-se a Sra. D. Manuelita no
salao queiinar-sc-hao viole c una bombas...
Quando se retirar queiinar-se-ho outras vln
te c nuil ,i
He una sala dc bombacas; esperamos que
o general Urquiza nao dar lempo a que rece-
ba D. Manuelita salvas de canbouacos. Entre-
tanto, bom he que Rosas procure alordlr-se
com essas l'uncres e com o tremendo castigo
que Dos depara aos malvados 1
A seguinte carta, escripia em Buenos-Arres
no dia 24, d as ultimas noticias :
Vai isto dc mal a peior para o chefe supre-
mo. Mu,, nao poder coininunicar-ltic a cias-
pelo marechal Bento Manoel, a segn Ja pe-
lo hriga leiro Caldwell, a lerceira pelo bri-
gadeiro Fernandez, o a quarta, ou lgeira
de vanguarda, polo coraoel Ha vi I Ca na-
varro.
' O effectivo doste exercilo he de cerca de
16,000 homens, 7,000 infantes, e 9,000 ci-
valleiros.
ii Sua arllharia consta de 19 poets, ca-
ohoes e obuzes paixhans ; urna compa-
nhia de foguetes do Cougreve, urna do sapa
dores, urna de pontoneiros, e urna de trans-
porte.
Actualmente ha no Cerro um batalhSo
de arllharia armado como infantaria, o 2o
regiment de cavallaria com 600 pracas,
quo acompanhou o Sr. conde, e alguns
pontoneiros.
Achando-se j o exercilo deste lado d
Santa Luzia, apresentou-so grande numero
dc guardas nacionaos da provincia do S. Pe-
dro, mas o conde os mandn rogressar
sua provincia. Esta forca nlo se inclue no
numero cimo indicado.
Como cima dissemos, entrou o exer-
cilo neste Estado no dia 4 desetembro che-
gou ao Rio Negro no dia 30 e a Santa Luzia
em 12 do correnle. Actualmente acna-se
acampado di maneira seguidle : aslrespri-
meiras divisOes na margem es.pierda do
Santa Luzia, e a quarta ou ligoira em Canc-
iones.
As divisOes orientaes que vinham in-
corporadas ao exercilo imperial foram pos-
tas pelo conde de Caxias disposicSo do
general Garzn.
NSo deixa de ser digno de notar-ae a
circumslancia de acharem-se reunidos nes-
te Estado tantos exercitos e em um espaco
do terreno tSo limitado. Porom mais nola-
vel he ainda que essa agglomoracSo de sol-
dados nSo tenha originado urna s quena
da parte dos habitantes. Todos rospeita-
ram religiostmentea ordem dos seus gene-
raes Inviolabilidade das pessoas, res-
poito a propriedade.
O governo oriental comecava a promulgar
as medidas nocessarias para levar a effeito o
decreto que annullou todos os actos e dis-
posices governativas dictadas pelo gone-
ral Oribe, e que sSo oppostas 3 constituirlo
eSs leis do paiz.
Em25do passado ordenou a reslituicSo
de todas as propriedades confiscadas por o-
piniOes pelitiesa, para o que publicou o se-
gundo decreto :
< MINISTERIO DO INTERIOR.
Montevideo, 25 de outubro de 1851.
Decreto. De conformidade com o que
dispon o ait, 144 da constituido, o governo
decide edecreta :
Ait. I. Todas as propriedado confisca-
das serSo enlregnes a sous litimos donos,
ou aquellos que os representaren) legal-
mente.
2. Essa entrega so far por meio dos
chofes polticos, ou dos alcaides ordinarios
dos departamentos, na falta daquelles.
ecom as condicOesque sjuslar como von-
dedor. Do mesmo modo so proceder no
csso contrario.
< 7. as casas edificadas nis chcaras ou
quintas lartil consideradas como as das es-
tancias.
8. Todas as hibitace* do acampamen-
to deverSo ser demolidas, c por conseguidle
nSo estSo sujeitas a accordo nenhum.
Dos guarde a V. S. muilos annos.
Manuel Herrera y Olies.t
Sr. chefo politico dc
Por outro decreto da mesma dala manda-
rilo-so ce.-ir todas as medidas exlraordini-
riis aexcepcionaesquisa govorno lomara
durante a guorra que felizmente lerminou.
Eis o decreto :
Ministerio do interior.-- Montevideo, 2J
de outubro de 1851.
a Decreto.A necessidade de defender
osdiredosda repblica obricou o governo
dictas medidas extraordinarias o excip-
cion.ies, que dovem ees..,ir, visto ter o res-
tabelecimonto da paz poslo em completo
vigoras leis o o rgimen constitucional.
" Conseguintemenle o governo resnlveu
de creta :
Art. I, Ccssam desde ji todas asdisposi-
(Oos quo foram dictadas om consideradlo
ao estado de guerra em qne se acaa a rep-
blica.
2. Todos os bens que por decreto do 13
de frvereirode 1813 foram posios sob a a I-
nnnislrarJo do Estado voltam aos seus le-
gtimos donos,
" 3.As casas e outras propriedades que
nSo estao actualmenlo oceupadas por pes-
soas a quem pela resolur3ode20 de setem-
bro de 1817 se declarou protecfSo e ampa-
ro na habitacao para ellas e suas familias,
scrao immediatamenle entregues a seus
respectivos proprietarios.
'* 4. As casas oceupadas pelas pesssoas
amparadas a quo se refere o artigo anterior,
serio evacuadas e entregues a seus donos
no espaco de dous mezes, contados do pro-
sete decreto.
Urna disposico especial regulara op-
portunamento o modo de itlender ao alo-
;amentodosenipreg:doda nado o OC-
cupaeo dos odificios necossarios para o
ervico pnblico.
" 6. Ccmmuaique-se, etc.
" Suirez.
" Mauuel Herrera >j Obei. *
As noticias de Buenos-Ayres alcancSo a
24 do passado. Reinava a maior conster-
noc.Su e desanimo'entro os partidarios do
dictador. As noticias do Estado O iental e
do interior, onde appareceu mais urna ma-
nifestsgSo contra e chefe supremo, tinbSo,
segnndo se allirma, desorientado completa-
mente o general Rosas. Em Buenos-Ayres
mesmo noUva-se certa alfervescencia, que
em oulros pocas teria rostido a vida a
mulla gente, o quo hojo passiva despereo-
bida da policii.
As seguiotos noticiisque extrahimos do
3 .As dillieiil.li, lej ou queslOis ejes- Commercio del Pinta de 23 oTjrccem baslan-
sorias a que der lugar a execucSo do que lointoresse;
so ordena nos dous arligos que precedom, Enlrou nouloni do Buenos Ayres o va-
cumo criacSo, productos de terreno, sus- I por norte-americano Manuelita llosas, saln-
ponsSodo colheita de fruclos, vendas de do daqucllc porto no dia 21.
gado, existencias, etc., serSo resolv las o i N inanha daqucllc dia chegou o vapor
terminadas pelos ditos cliefes polticos ou Prinre. lao nclle os chefes roslslas Maza, Bus-
iofaustas. Segundo rnelos recebldos hontem
foi cleito em Santiago del Uslero governador
proprielario D. Antouio Taboada, que se pro
nunciou contra o dve systema do cliefc supre-
mo.
n Antes de Taboada era o governador inte-
rino, por morte de Ibarra, D. Mauro Carranta.
Logo que Taboada se pronuncioit fugio
Carranza paraTucuinan, e d'alli tirou SOo ho-
mens, com os quaes inarchou para Santiago,
afuu de subinetter Taboada ao dore sysleuia,
Bsle sahio da cidade c ps-se em caiupanhas
onde se Ihe reuniraui os commaodanles ruraes
e a pequea forca da cidade. Segundo as ulti-
mas noticias iiiarclnva sobre Carranza.
Logo que llosas soube dos accontccimen
los de .-mu mandou tres proprios para o
in.erior, c pouco depois mandou oulros tres
com ordem de fazer retroceder os primeiros.
tiste liiiiiii'in titubeia cin ludo, c mosira isto o
estado do seu espirito.
Em quasi todas as demais provincias sen-
te-se igual fermentajo, bcinquc nao se mani-
fest abertamente.
o Ksl aqui D. Prudencio Rosas. Eis o mo-
tivo que originoit sua subslituico e sua vinda
a esta cidade. Um soldado da sua diviso disse
em Chascoinus, diantc do ajudante de U. Pru-
dencio e de outras pessoas, que desejava pas-
sar-se para Urquiza, para que ludo se acabas-
se e pudessein ir todos para o seu trabalho, que
este modo de viver era um Interno.
i< O ajudante deu parte a D. Prudencio do
que tinha ouvido ao soldado, e poucas lloras
depois era este fusilado. No dia inmediato,
amanheceu junto porta dc I'rudcncio a ca-
beca do ajudante, c durante .1 noite tinham
desappareeido mudos soldados da legio. D'a-
qul nasceu a reinocJo de D. Piudencio.
n Segundo parece do a I). Jeronyiuo Cosa o
commando da diviso dc Palcrmo.
Continuain as levas rigorosas. Das paro-
chias daGonceicao, Halbaneda c Pilar tiraran)
todos os homens que encontraran!. Dis-se que
oestes dias faro o mesmo as parochias do
centro.
Cartas de San Nicolao dizem que Kchsgue
se retirara para o Rosario, abandonando Santa
l'V, e deisando all una forca pequea de ob-
servaco.
couunercio est parado. Colaco ollici.il
das mitas :ii:i a 320 pesos, cambios sobre Lon-
dres 73 1)1 a 74a______________
DEM 9 DK NOVBMBRO.
Ao amigo auttnti,
NSo sei por onde principie esta carta :a
poltica esta estafada, e bem sabe que he a
poltica urna fonle inexhaurivel para os es-
criplores pblicos, emcujo rol ja toBci lu-
8ar-
Os factos da semana sSo pequcninos e ja
sabidos : nSo se dir porm que o seu ami-
go deixou de escrover-lhe pelo grande cor-
reio fluminense, Jvr/in do Cvi/merctO, e
nSolhedeu asuolicias quo correm na ca-
pital do imperio.
Dizia-llio eu na minha ultima e.nti, quo
mepreparava para irourir missa polos fina-
dos, e pretenda ir em piadosa romaria ao ce-
miterio de Catuoibi orar pelos que foram.
Por aqu comecarei : fui com offeito missa,
esmo (mo o ca triol ico romano deve fazer, e
notei quo as igrejas eram menos frequenla-
das do que amigamente, quando tinhamos a
gra.nl" exposicSo deossos desenterrados.
Parece que essa exposicSo dava motivo
para outra, que sem duvida era mais do
agrado dos que appareciam. Dir-lhe-hei po-
rm quo por isso mesmo hei de sempre lou-
vara grande medida tomada na quadra do-
lorosa da epidemia com quo fomos flagolla-
dos, de se ostabelecerem os cemiterios. lia
males que vm para bem ; da epidemia tira-
mos essa vantagem.
O cemiterio do S. Francisco do Paula foi
iii t i frequentado no dia de finados. Desde
as 8 lloras da maullan at as 4 da tarde nao
doscoulinuou a concorrencia dos visitantes,
augmentada com o acompanhsmenlo de 7
onterros quo ali se lizeram nesse dia, um
dos quaes foi acompanhado por 75 segos. O
vos, que tanto iocommodo nos d8o.
Eu nSo queria fallar-lhe de Mootivido ;
como pretorirei porm esse ponto, se he elle
ainda a questSo principal que domina to-
das as outras ?
As noticias dali continuam a ser, como
era de esperar, mudo satisfactorias.
Os excmplos de desolado o barbaria que
apresentava o Rio da Prata, onde quer que
chogava o dominio de Rosas e dos sana sal-
des, foram substituidos do Estado Oriental
por um espectculo de que o mundo otTere-
co pouco- precedentos, e que oas sociedades
mais cultas seria um facto que provaria civi-
lisac/io pratica ; e digo pratie, porque, tan-
to om civilisa^So como em liberalismo ha
sempre grande diilcrenei entres theorica e
a pratica entre a palavraea accSo.
Em M'iuti video, homens e exercitos que se
tinham combatido cruamente por maia de 8
annos, abracaram-so sobre o mesmo campo
cohorte dss ruinas e dos despojos da lula, e
nSo houve um s conflicto, um s desagrado
pessoal : houve pelo contrario a maior cor-
dialidade, a maior cortizia. A isto he que
chamo einhsacilo pratica.
O governo oriental principiou j a restabe
lecer o imperio da lei, com applauso univer-
sal, em todo o territorio da repblica. As
medidas extraordinarias da guerra foram to-
das revogadas, eos decretos inconstitucio-
nal de D. Manoel Oribe annullados em no-
mo da ennsli linean.
As propriedades por este confiscadas volt-
ra m conseguinlemeole ao caminho dos seus
legtimos donos, e tomaram-se disposi-
c'irs equitativts e prudentes para decidir
as qucstOes que deviam resultar do augmen-
to ou deteriorado daquellas propriedades.
A este espectculo de reparado assiste o
exeredo brazileiro como garanta a como ex
emplo, porque do feito, he elle um exemplo
de ordem, ue disciplina o do respeito s pes-
soas e as propriedades cxtislenles no lerito-
rio qne oceupa.
Persoado-me que este exercilo, de cuja
unmero e posiQes ja o Jornal do ComnierctO
deu conta aos seus leitores, nSo se retirara
por ora, ao menos em sua totali lado. He ne-
cessario que complete sua grande obra ;
qne sua presenta sirva para impedir que
urna faisca qualquer, proJuzida por esta lu-
la elcitoral que se prepara naquelle paiz,
torne a despertar o ioceodio ISo felizmente
sopitado. Assim a influencia brazileira Oca
associada a todos os beneficios da paz, aos
interesses mais reaes, mais eitaes daquello
pov0.
Emquanlo assim se refaz a nacionalidade
oriental, o bravo general Urquiza embarca
em Montevideo as legiOes com que vai liber-
tar as provincias argentinas.
Rosas na i tem forr;a que possa oppr
dos libertadores, anda que a sorte da cam-
panlia tivessedo decidir-seem urna balalba.
Nao he assim, porm, que se ha de decidir
aquestSo; ludo annuncia que apenas se
olTerecer um apoio respeitavel opiniSo do
povo argentino, quebrar elle por si mesmo
sua opprobriosa cadeia; que as scenas do
estado oriental se reproduzirSo, e que a vic-
toria da civilisacSo ser lao completa, e
Doos queira tSo incruenta, na margam dt-
reita do Prala, como foi na sua margem es-
querda.
Ja algunas provincias argentinas roco-
sa m seu apoio a Rosas ; outras esto dispos-
tasa imita-las; e a propria cidade de Bue-
nos-Ayres, metrpoli! do feroz dictador, d
indicios de commover-se.
Ja au ha illusSo possivel, Esse gigante
que tanto aterrava a alguns dos uossos es-
tadistas ; esse gigante ante o qual lord Pal-
merston fez inclinar a altiva herdeira de
Roma, tem ps de barro. NSo tardar a
calor, e o sol de 1852 allumiara o mais bri-
Ihante dos triumphos "da diplomacia biasi-
leira.
He natural que alguns tratados consi-
guen], scnSo todos, a mxima parte dos a-
justes que devooi resultar da maravilhnsa
mudaoca de situac.3o quo o Brasil cooseguio
realisar; ea este respeito desejo desfazer
j um erro em que, sem intenso, pede ca-
lnr algum contemporneo.
Neguei na minha ultima carta que hou-
vosse cessSo da ilha de Mirtim Garca ao
Brasil, c projecto de confederar ao Imperio
Montevideo, Eolre-Rios e Corrientes. Rati-
fico essa negativa, mas nSo diz ella, nom
querdizer, que nao haja tratados. Longe
disso, estou convencido deque os ba.ede
quo sso igualmente honrosos e convenien-
tes aquel les que os colobraram.oomo ospero
se vera dentro de inui poneos das.
Ao passo que se aproxima a fra de Pa-
lermo a sua ultima hora, oslorco-se, deses-
perada, em conlorsOes horriveis. Seus eom-
missanos, a quem em Buenos-Ayres se d a
alcunha do representantes, sanccioniram,
com forca de lei, os ostravagantes dosgostos
da raiva impotente da fra.
Por umi dessas leis approvaram a deela-
racio de guerra ao Brasil, que dizem se acba
comida as notas queem 18 de agosto p. p.
dirigi Rosas ao Sr. Southern, ministro in-
glez em Buenos-Ayres.
Recommondo ao honrado Sr. James Hud-
son a leilura dessa chamada lei de Buenos-
Ayres, e espero que S. Exc. a julgara digua
de ser trausmdtidaalord Palmerston,acom-
panhada desta singela e inaocentiasima
pergunta.
Visto como Rosas promulgou una lei.de-
clarando a guerra ao Brasil.e que essa guer-
ra, como o Sr. Hudsou pode ver na Gaseta
Official de Buenos-Ayres, amases o Brasil
com urna subversSo poltica c social, nlo
julga S. Exc. que he de direito inconcusso,
natural, que o Brasil tomo todas as medidas
paraqueosouinimigo nSo possa robuste-
cer-se e fazor elfoctiva a guerra que decla-
rou, e os lins horrendos que diz ter em vis-
ta nessa guerra ?
Como resposia, bastar-mo-hia saber o qu,
N
T
*r*




i-.
t
I'
*m
cnusaiBQcato grm licir, quo he quaai perorpdi
ixilir o lem ID ps da llura. So de con-
lul tr-,l'0 jlpu MJo rr|(rt#,lo sau*ia;da-
sIlas'crialurM desMba por 111 iliai-
:raj l.iijtwo Uari a prezaj> All foi-
jfjde iftuilnauxilio pm marlnneiro iuir
servo," tMTnertnro 'i\ae oaieomprtftv j atoo*
esU toudaiwi eydnoht-tm to-naea'da cmiuia,* soni gruida aafor-
br do fulmnenlo, se liver i desgrasa do -o o energa oonsegulo ubir e amarrar a
cahirnaamSos dquelie IIlustre a grande cor'1 ni urna arvore pequeni
amerieaeo como lhc chamavam nfio ha mul-
to tempo certas pessoas que cu inoneco
Vari, lord PaMetMoo *
do Brasil. M
A declar,
pula sua
I ha preste
prolocejad
ralidadoquc al
01 urna arvore pequea. Apoudo
oella subiram todos, menos as senhorise
o minino, que l'orant atadas pela cuiten
Esta nova le triz urna'invida-le queja guindadas par cima. Gastara man liad
foiissignalada pelo Jornal do Commercio; menos de umi lior. Finalmente entrsrsm
jjotidade lio nova qua nao ten precedente: n ultlms parte da scensflu.
Otbonrados legUlidore de Bueoos-Ayrasl "favo! l cita u menina, ojoven Culi Bur-
conferirn ao general Urquizi por umir-'deHnV)mc *' """."k ,, .'i"...... En'
ligo prro,g titulo de ?,!! .: \%^S5&^%
Tolos O dignos legisladores Hsigni'am e,|fl r,.,lie|,0 que l chegou; precedeu ao
elsis le epozerim a disposicao de Rosas pai.mJ r aos outroi cou.paohelros. Snat
a fama e o porvir dos laes representantes e pa|arras foram un 1 autmicao para oa tajan-
do leus representados, at le rom docorrf- ici Krainquatro horas e lucia dei minutoi
du dous anuos depois de terminada glorio^ depois linlia cite coiupaaheiro jauto a si; as
smenle a guerra contra o general Urquia cinoo uorat eitiviin todos em cima. Fellcite-
0 contra.o Bras(l. A nue vira esti condicSi "">"" estao salvos!
O tal ni- 1.11.o promette:
A quo vira esta riiili(,n
do dous anuos T Que meditara fazer Kosas
dous anuos depois do seu triumptio com a
rama o porvir dos seus devotos t-omoitssa-
rios i'
Se estes estpidos otferecimeatos nao ro-
velassem claramente a triste condicSo dos
cscravosqueosfazom; se sua prupria exa-
geraciu uao denuuclassa a violencia da ty-
rmni quo pesa sobro esses orgos de ter-
ror, bastara ver no tim de laes uirorecimon-
OS B lir.ua de O. J0S0 J Urquiza
11. (... 1 -. -1. .1 -M- mear, ni mu linii, ders.n os
vlajanles atgnal de terein chegidu a salva.nen-
lo, soltando foguelet do ar dr lO em 10 minu-
tos. Atliui passaram al aa sele huras desce-
ram envo um pouco para o lado de liolafogo.
omquanto os .narinhelsosacceudiain eui varios
lugares una materia eombuitivel de que esla-
va coberta a inoulanlia. Em meos de tres
minutos apresntou-ie o 1'J de Assucar com
uni 1 caro de fogo.
A sede Ib I o inaior iuoommodo que seullrain,
aioda mais que o cantacu! ja tinha.ii acabado a
Este cavalleiro he, segundo moinformam, a|.oaq.ielevaraiii, e viram-se obrij-ados a bc-
gm anciSo dbil e pacifico O co do pu- bei- a que encouirara.n uos coroatas, e pesar
nhal de Hosss o U niurer-se,
fallar c as-
signar, pois ii.lo .vi asslgnou proscripcao
o a mono para seu mio, sanio que pro-
ferio un discuto pedindo-a !!...
llar, r sociedade possirel onde aquello
quegoverna im,0e a violaco de todas as
leis da naluroza, da religiSo, da sociedad-
oda familia?
Fallando destis lei de llosas, parece me
opportuna a occssiSo para dizer que a ic-
cusaeflo que nuiles se faz ao illuslre gene-
ral l'iquiza do ler-se vendido ao Brasil, ae-
cusicjlo de que alguus indiscretos so ti-
nham feito echo, ba absolulsmculc talsa.
Cslou habilitado pal des nen-la do mo 10
o mais solemne, e para acrescemar que o
general l'rquiza no recebeu do Brasil, nem
a pretotlo de subsidio, nem do neulium
outro mudo, um so real.
A combiuaco do general l Brasil foi urna combinucSo reciprocamente
hbil e nocessaria, mas reciprocanieule hon-
rosa c desinteressada, como tem sido to-
das as negociaces e transacOes empruhen-
didas 1. felizmente concluidas no Rio da
l'rala pela actual admiin>tracao biasi-
leira.
Ja Ibe del noticia de um dos diplmalas
quem lord Palinerslon conlluu por su
parte o manejo don negocios do Ido da l'i.i-
ta ; falloi-lhe de Southern, quedcvevirdc
Buenos-Ayres substituir oesta corte ao Sr,
Hdson : agora tratarei de Gore, que vsi de
Jlonlov.di'-) para Buenos-Ayres substitu*
ao Southern. Me bom conhece-los pa liuiu coinprohender a poltica ingleza as
margena do Prata.
Para dar-lhc cata noticia de Gore, servir-
1110-hei dp meslo livro que tilo curiosas o
verdicas informacesdeu deSouttiero.
Em fins de 1847, diz o autor a queme
retiro, apezar das serias difTIculdades que
sobrovierim entre os guvernos do franca e
d Inglaterra em consequencia dos casa-
mentos hespanhoes, o gabinete das Tulhe
ras tentou anda realar a entente cordiale,
ao meno as margens do Rio da Prata. Di-
rigi, pois, urna proposito a lord Palmers-
ton para mandar, de accordo com a Fran-
ca, um quarta misso, quo seria encarre-
gida de negociar um tratado di paz entre
Montevideo c Oribe, prescindindo comple-
tamente do general llosas.
M i> Montevideo era urna cidado somi-
Irincea, c menos que nunca quera o che-
lo do t'orcigneOffice servir una ciust que
or nossj, e elle llOOs proferido contra Mon
icvideo as palavras de colera: Duenda nt
Carlhago.
Fui em taes disposices do espirito que
lord Palmerstou encontrou ocspilSo Gore,
que fallou logo ao ministro dos pasaos que
cutio eslava dando para olitor o comman-lo
de um navio de guerra. Lord Palmerslon,
depois de ousir altentamcnte a leliciiaclo
ijuu Ihc fazla Gore pedindo-lbe o seuapoio,
respqndeu : Posso olTorecer-lhe cousa me-
llior : lera urna mlssilo diplomtica.NSo
entendo nada disso, mylord.Tanta mc-
llior; he o homem da que justamente pre-
ciso : va aoianbSa sem falta procurar-me
cm Downing-Streft.t
Com tffoito, liulic'l Gore, capitao da
inarinlia ingleza, parti em principios de
1818 para o Ido da Piala, ao mesmo tempo
que o plenipotenciario francez Gros.
A eacolha do ministro inglez prova em
demasa queessa misso nada tiuha do s-
rio; e em caso de necessidade outroa factos
podaramos citar em apoio oessa sn| t
NSp tiOUTO dilliculdado para Go e em ser
fiel 10 que delle se quera, porque nao sa-
lua nada da queslao ; mas lord Palmerslon
linha-lhe couliado poderes que podiam,
conforme 0 acontecimeoios, acreditar
seu neo ag'nte, ou para com o seu prote-
gido, o general Q ibe/ ou para coni o gover-
110 de Montevideo
Como esta ci lado mo suocumbio, se-
gundo as espera ovas do ministro ntenme 1
Gore contitiuuu junta o goverau oriental
1 funccOesde aucarregado de negocios da
GrSa-Brelanlia >
Abi tem como Core veio pira a Ame-
rica, a porque ae tem conservado en-
cairtgado do negocios. A polillo ingle-
sa tm eoipr por principio,, c do reuni abstimenlo da preponderancia
fraiieez Em Montevideo, alm desse prin-
cipio, lia cutio que he igualmente seguido
tirar toa as vantigens possiveis, trenca
qlem vencer. Da ni esas poli tic. dubia que
ora parece proteger o dictador de Bueuus-
\yres, ora pare.ee crcum*'ever-se no li-
dc estar quasi podre psreceu-lbes deliciosa
Depms de conieniplarinos a cldade e arre-
baldes, disse-uie um dos viajantes, e alegrar-
nos com multas de uossos cantigas iiacionaes,
que parecan) transportar-nos trra d pa-
tria, fu-moa descansar as II horas na 1 oor-
inir, pois todos, lenos o iiieulno. cstavamua
d.-ni im.i-Ijui- ni. excitados pelo genio do lugar.
As luses lougiuquas, o umr du vento, o pfu-
caro elevado em que nos adiamos, como que
os separavam do resto do inundo, e uos at-
11 ah mi para o Dos da natureta. que Uabila
templos noconslruios por inos de horneas.-
Ao alvorecer estavam ludos oceupados em
bastear os doua pavilhoes d.s duas priuclnaes
nacfles da America,do B rasll c dos Estados Uni-
dos i juntaraui Ihe o da Giaa Bretanlia, as
horas da ......lu do 1 de noveinbro eslava
ejte trabadlo concluido, c oa viajautes em tor-
no das tres bandeiras derain tres vivas coio en-
thusiasino, como nunca ouvlri aquella uionta-
nha solitaria.
Priucipiou a descida, c agora apparerc um
pongo novo, que houtem uo havla. O logo
quelmou o caplm em que ulles c segurarain e
.ip.n.ii un apedtaesid nua e lisa. Ue>ceram
coiutudo, e u uuico desastre Ij a queda ue
umi p.-dra pei|Ueua, que. cahludo oa cabeca
dasesihora ingleza, ario-lhe una brecha, e
qne todava uo a desaniiuou.
Ma ili-oii. peno do cume acharam urna ba-
la de niii'i .111 de 2-i; coijecturaraiu que de-
via ler ido adrada da foiiaUza de santa Cru,
o que parece incrivel, pela altura em que es-
lava. He o thrupheo da caiiipaulia ; carrega-
raiu com ella, Chegaram au ponto de partida
sera accidente vollaraul A sociedade depuis
de una ausencia de 30 horas.
Ha uiiillo provsvel quo outros tentoni a
mesma empresa ; eu toruo a dizer-lhe, uSo
vou la.
Vou agora dar-lhe una noticia que por
ce-tu o na do inquietar pelas flnancas da
Ierra que us uto nascer -, phraso proferida
em ailu lugar, o que nosei porque tem da-
do motivo a baui improprios mulejus. Esta
o nosso Ferraz recostado nos lomos que co
Iheu como pr-si lento do Itocroio Mirilimo,
a o Leopoldo n3o mallos embebido as glo-
rias que ale ni; .11 como ajudanla de um ca-
pilo de mar o guerra, o oem dio fe da bo-n-
ba que mus da ni nos da Ins ha de arre-
li ntir silln'as c-li-cis. lio cnui singu-
lar .' 0 mundo osia em mov non o scJelo-
ado, succedom-se as revolucoos com es-
pantosa rapi icz, o homum ergue sobarbo a
oni e como que quer negar o peusauon-
to que dictou os seguiutes versos -
'2' -.
Arsda capital cantlnuacn em pHilmo el de una silea lejpa
ealaao; to um reijMri'> a-lar nnf lia sutam da asa eii ofle
deseg. A qainr''sl Iraiiir mu |nj^sliiio' UHT calca'|Bfl^o>,' A'akwfclHssSo <[*'
rii aiiilu 'ido ex|ii-riiiH-ptaJji qual lar 6' Outea) do engaakifo
r Ihar modo a-lnze-lo : ,lna se tilo pato- ln le O orcaineut
S'iu 11W10: Ahita de .linhefro lie semore' mon lo muniepa"
lima raslo muiloforte, para nona mu-
ntctpalidade he capa com que se cobrem
todos oa desinazelos. Anda nio vi que a
cmara procurasso os molos de augmentar
a sua tonda, nem a,1 menos no lo ao carpo
__
Cf
ios
A' ciimmissaaoUiiiilicasfcU__
nutro do i-smo, informando 1 pelijBo _
dos pi-oprietarioi. a dono de estabelecimen- Extslian
tos di ra da Praia, a respeilo do fazimentoj *
_ > a* ns- I a 11,1 m An 11 m ni que pretenden] de um rampa demideir* Sahiram
legislativo que o imoosto de seges seis e'm 'sobro o caas.--lnd foriu-se por ser contra- anll IJJ 2* l)._ d nlrad
henetioiu das calcada, que ne a primeira o rio planta da cidade. I Depois d est poc
Foi'approvado um parecer d cammluBoj Eni-ter
de polica, dando por conferidas exaolad
mais urgonte nucessidade da capital.
Seeupudesse lar vototn materia, acuu-
s- zasseometho lo de ole*ment a Mao-Adam
mas tena ao mesmo lempo medu que ola-
lo patrn pan da-lo a algn curioso que o quizesie
fazer por ter ouvido dizer que otat calca-
monto se faz com casoalhos.
\ n i cun umi ultima noticias terminar
esta carta. As nusss coinmunicc,decom
a Europa que 19o avantajado melhorainen-
to lec-ln' .un Como e-ti.lieli-ciin.into da li
nha de vapores de Southamplon, brava-
mente rn iberio notavel das*n*olvimento.
0 (riegos e rngulamento de 18
' aajto sobre o rigiitro dos
sendo om cunsequan-
li o missionario ci-
ue.
iodico de i do
cor-
286
pueh
_ W-
trente r
i u Da urna- sarta, qua tamos prenote n-
cripta de Porto Calvo de pessoa fidedigna, so-
mos interinados, que uin caoravo do senhor do
engenho Malio-Groiso do ternjt de Porto das
Peoras, matara com cinco facadla alia mu
Urer.
O dito eicravo .chama-se Damasio; tem-sc
A deatlnguldo no genero das inilvadazas.
1 J Consta-nos que o Sr. brtgadelro Jote
I Lciie Pacheco, que esta pravlucla velo Ins-
....... .1. Iiniil
as comas da receita e despea municipal inlj Adinlnlairacltogeral dos estabelecimentos ae.Polonar o tercelro IntalhSo de.Unha.eocon-
elusivo is dos trabalhos do cemiterio, perj carid.de, .7 Je novembro de 5.. u 1. -o nmo b.u bio u, de,r^
encent .0 mez de outubro proumj Jfl ^jud,que honra do camu.aanw'd, d"
lindo. I .. w I batalhSo. e a da cousellia. todava, em oh,...
O Sr. vareador Mamede fez o aguilita re-
querlmnnto que foi ipprnridt) "
A connnisslp Uejidan^. ao mo osla-
do em que efiywBjOTO^w"riste no cemi-
teno, nir se acmrera muiios quebrados, he
de parecer qoe-ae fao*. o abate de 3,809 rs.
om iiiilneii'.i, lie ni lo por 18/ e ueste senti-
do se d 'lira o 1 equei imoulo d j Andr Hen-
il |ue Welmir.
Paco la cmara municipal do Recilo,
S'i que a nova com intima de paqu tesa va-
por entre L'verpiol o o ftl 1 de J-n >iro man- em 11 de novembro de 1851 Mamede
dou ja cou-truir quatro vipOres. Podemos1 Man lou-soordem os llscaes p.r apre-
poi. es erar que por todo o anno da 185- senlareiu o relaiorio do estado de suas fro-
te c im- cummuoicacOes regulares de quin- joexln
zeem q-.indo das, llaspacharam-se as peticoos Anton'o No-
DARO DE PMMIBCO."
moira, ao db Movs*nao ds iai.
batalhSo, e a do cuoselho. todava, em obse^
rauela auregiilamenlii r^iperll..,, nm...ni||
brlgadelro ral levar tudo ao conheciineoto do
'Vons'l^iif i^KejoM Sf^Dllarlelr^d
parle para Serglpe.
1 i vi" "> ,,
Depola de termos concluido o tracto acl-
aao
daqui
1 viporS.A'aluotior. que boje entrou ma. noobemo 01 ioront do lioalndoip
, ttvemo jorn.es do K0 de wneiro T">- us 1"" ,"*01'" ' * ,' '' '5. ni.;. ,a por ja se acbar muito id anuda a hora (8
lat de 10 do crrante, d Baoia at uollij oio no, fo, po,.lVel colher deile,
da
multa
Pelo
do sol
com 4
17, o de:Alagas 18, ,,,,,,
As noticia do Hiu da Prt de maior in- a, aaUa ae Montevideo chegavam a 6 do
teresaa sfio ocompl'to oiubeleclmentg da crreme. 0 general Urquita ( Uaha regret-
pac no estado oriental, o os pinjaran vos do sido a sua provincia, eu hr oonselheiro d jj.
general I!.quiza para a mira campan'ia, que lado Caroeiro Leio chegra a cldi '
1 B. S.IL.b.t.^4 -. .. .14 1\ A __ & ..,!._ .. __
cidade -de Mon-
dove nAr Lermo ao reina 1o do dictado Ro- 'evldd no da 31 o pastado, leudo lugar no
A proposito, os p.ssaKeiros eo Ta,j, que brede Aloieid.. Andr Hanrique W.lmer, J,7em Buen" g" 0^ dia a do crrante a%ppreae0tatlojSfjytS-
diqui sanio em 15 de vlembro, quenam- Antonio Piulo da Barros, Gnapronl Ber-
so amargamente do tratamenio que rwebs- Ira l, DomiiiKos Barbosa Rodrigues, Cop-
r.-i-n. niz-'tn una mee, queosviihut ufio calves e Keis. Jjaqunn Tcixeira Hinto, Jos
silo bobivei, e quo nada liana a bordo que Peres da ti tu, Jo 10 Soares Velloso, Jos
se puie,..i comer senio carnelro. n IV. 11 Joaquim Pe-reira Jos ll-ginio de Mirandae
sido o hieu nico sustento, esoreve 11 n del- outrusjos tlibeifo do Id ido, Luiz Antonio
les, de sorle quo quandu ohegar a Soo- Per ira, Miguel Concalves Rodrigues Kran-
tii.iii.it-ii, n.o me hei do admirar dme vr ca, Manuel Homao de Carvalho, Sebastiau
coherlo de lia. Ja na va je u anterior ti- (encalva da Silvi, Weuceslio Hacnado
uhsni navido grandesquenas do niosmo va- Frei a l'ereua da Silva, e levanlou-se a
por; parece que o comnniidaiile h 1 o cul- sessio
padu. O mesmo nio couteoe a resperto do t'uJooJos< Ferrelra de Agolar, aecretario
Teviot e do Severa, dosquaes rallflo todos a iunaerel, (Jlijira, prndente. --Mamede
amito bem. Krnc.-Canw.ro|lon(r.
1

Betuno di erir cmi doi premios da t8* lotera
a bmefleio do A/onle-pia ocal de era ma dos
M i,t., -1 da filul. ..rrahiaV m 7 de novem-
bro lie l8jl.
1 K. -152...........20:000*000
4.jU...........10:000/000
4-V04.......:. .
idus .........
I853--2771--4SZ2-O256-S890
69ii7..... 1
W1-. g8S--inba-MzH--l.Wi
l9-?0..f3Ji6U73- -4297
981II80--I398157j-2olJ0 .
3191-3674- 37s7--3810--4:)46
I
1
o
10
'20
BAUNCO DA RECEITA E HESPEZA DO1
EsrABlil.EClMK.NTdsUE CARIA E. VB-
IIIKICAII NO MEZ DE (HirUHO DE
1851.
fleceia,
4-O|i/it00 l'or saldo era lio do pausado, a saber:
Em letras 4:074/945
Era une 1I.1 -1 :i:io>48i
2:000/000
' 1:000*000
400/000
.;---------6:47t|12
43BI--4423--44O--4T67-6I88
56i5338- 511 o-0617 -5B7c
60 a 39- 79- 92 '81-- 173\
100 427- 4iS 521 554 \
645- 67o- 7H2 73 889 j
lOlJ-lliUl1091 1148--II82I
i443-.l*8il"l4n4-l80 -16151
lo70-i.'i-2IOI--2l.H-2S7i,
2312-296-2408426-2337/
2720- i8O!-30t63lU-:i.'iO5l
3ji7- 3561- 3745- 3901 403jl
410611144187-4192-4105 1
4521- 4339- 465-148124899 I
494I-5372-54I6-5425--57.6 '
100 de.
1800 de.
200/000
100/DUO
4MKN)
20/000
Keceblda do Ulm. Sr. Joao Nepoinu-
ceoo da 3'lva fortella, majur e
com 111.1 n .aun- iiiu-ili) do no 1.0 ba-
lalho de infantaria, iinportaocia
dos veuclineoioa do soldado do
mesmo baialho Vicente da Silva
Campos, no mea deseleinb'o ulti-
mo, cujo soldado est fui trata-
meulo 110 hospital dos lazaros
Da thesourai ia da lanuda provlocial,
importancia do curativo das pra-
cas do ou po de pulida do 1,1 de
Janeiro a 30 de abiil
dem por coala das quolss voladas
n 1 le du orcameiito vigente
Di procurador da admiuistracao por
I ciHii.i do rendliuento doa predios
Da di ve, sus por ooola do cspeclacuto
em beoeQelo doa eslabelelmentos
, de carldade
-.i/Si-O
1:844/100
4:125/00
550/000
m s.w. ,.;. "";- co do governo, onde ent.agoa ao presidente da
t.dor de Montevideo ja se icn. do m/cia ,?,., ,ua carIa c;fdrneV. E.noou?
para O Paran, leu lo lahllo-dsll 00 di 1 Ut meru eegi.inie tr.iiscreveremos um artigo dn
a divisan correillina, o deveado nagor no Jrnat o->ommereio, em que em as particuU-
1 inmediato nutra Ue 5,00 entrmanos, o rtdadet desta aelo, assiuioutras nuticia de me-
s no dia aa o propno Urpulz com o resto or loteresse,
das lu c.o. ro1 sepultado no di 11 do qorrentc do ceini-
Canstava por carias que o groaso do no- terio de fiaiumby o Sr. Joaqun. Franco de S,
aoexercto Yl-einnaill sobre o rio Uru- M^^X'VS!^,^d,''n^
M., ..quanUdur... as .par.efl. do ugLO^ASSlSt&Z W?W
alliado,icn.odq-se n dala da ultima no- Foraio n,llladu, para eg.eoea Irnpe-
Ueas, parle em Durasno, e parte Qbro rlaes: nos Estados Unidos o Sr. Lat Pedralrt
Santa 1,1/1,1. Sudrd, cin Itatntiurgo o Sr. Antonio Jos linar
A conle enca do Sr. conde de Calas 00tn le Goodiiii, e em Londres o Sr, Joaquiui 1 no-
Urquiza, e com os ministros orienlaes, Her- g^Ad Amara!._______^^__
re/a e Baitlo, no da 16 do passado. leve, sa- ^^^^^^r^^^^^^^^^^|r^^^*a*
gunioooommerciodel Plata o mais satis- (.O1I1II1UI11CH4I0.
lactorio resultado para lodos oa inlerestes,
liavendo inletra cticordia acerca da marcha
das ooeracdns projecladas. O cunde entrou
om Montevideo nu dia 17, leudo antes visi-
tado o almirante Greenfell a bordo do Al-
fonso.
Km Buouos-Ayrvs trabalhva activamente
Rozas com a sua sala, que Ihe proinelta mYishabililadas para desempenhir as fune-
apotheosoa, e fulmioava ternois amllia- ^ de representante da provincia; e es-
mas contra o govemador de Kntre-Rios, de- ppro que ns mgmus senhoies au he-ita-
claradooiiminosod aiutraicao. Em urna rflo em inseri-lo em suas lisias, dindo as-
das leis promulgada polos honradoa repre- ^M umt prova ue aue 8,bem apieoiar o
senlantas so v mencionado urna celebre de- nje i0
clareci da guerra contra o IJ asil, de quo i Aj ptimas qnalidndes que ornam a pes-
alia. nao bs meaiorn. Diste molo, em- 'g0I uo Sr. r. Monteiro de Andride, sua
quanlo llosas desatina, e maio desconcerla- |lutra8o, probi lade a indepeadeneia de
do pela derrota de Oribe se prepara para a ca,act,r, comjrovadoi com o gen ex.m.
Achando so oroxima a eleicdo dos 36
deputados agsembla desta provincia, ea
von lembrar ios dignos eleilores de todis
as parochias o nono do Sr. Dr. J0B0 Paulo
Monteiro de Andrade, promotor publioo d
.....mu do Cabo, como urna das pessoa6
Mas onde,
Eiaquea d'homens, tt.lo levast-e o bomem,
tjiian I 1 1 Ulan.loa mesqutnbez do engenho
Co'a i-nin-'ii.si l-i 1 doseres, o desvair.
E's co da cadeia da existencia,
Pensalor animal : a altiva fronte
Sobro o p do leu nada abale e humilha.
miles di mais estrela iu lillcrenca ou da
mais pe falta neulrilidaue. O governo In-
gle* tem dado, esta diodo e aiuda ha de dar
multe que azer so mundo. O Qai be a gran-
de* a predominio da Iuglateria,os aieiua
sao lodos.
Aiodi Iba 0S0 fallei diousada ascensSo
ao Pao de Assucar; sao ideias do Vorle-
Araericsiu) Bardan que desti vez cncon-
UOM compinieiros pira a sus arriscada 001-
preza : uuiupnroi agora este dr.ver, asse-
guraodo-lbe desde jaque, apezar da ufana
3ue dove ler um homem que subi au P3u
e Assucar, cu la no irla oem queme dee-
sm ludas as riquezas do mundo.
Ivram dea os viajantes, conlando-se en-
tre elles duas leuhorai e um menino, todus
oalrangairoin^aliirtai da cidade no da 31
de outubro, s II horas da manhaa, ecne-
giriaa iopoolo do desembsrqut, oadede-
vnui comecar ascaoqto, ao meio-dia me -
ae uta quarto. Depois da grande fadi-
gts, a muito tequiosos, aocaram prl-
meira tubid* perpendicular da moatanha i
I hora. Abi deacansaram um pouco, e um
dos cojapaoiieiros que dusinimira, quiz
vollir, o quo o3o fez, codeado ,is rogati-
vas das sen horas. O que nfio alcansarJo
seuboraa, p unc pi I mate quaudo s!u bo-
nitas I.embrc-se da historia do genero Ilu-
mino.
A' hora e meia comrcaram a segunda su-
bid, miis ditlictl e pengosi, e os duas cha-
yual ali.iiei', qual Imiiilliar Compre-
se o inundo de hoje com o mundo de ha 25
annos, e ngam em que se parece n. Tudo
esla mu lad 1 I Quantummutalusab tilo E
o homoin vai para dtsiile, nflo encoutra obs-
tculos, e de arrojo em arrojo, muito re-
ceio ver anda em nieus das, que no se-
ra o longos, castigada a vaidade a sobarba,
dos sabius da terr
O enro he, porm, que ja estSo comple-
tamente ni id id is as reacO 's do globo ; vai
a gente daqui a Lisboa com tuda a seguran-
za cm 21 das, o anda espero Ter diminui-
da a vtagem, lugo que se faca ali no Para
urna estrada de farro queveuha cortando
al o Rio do Janeiro. U eve nenio hei de
conversar com o Tcnretru Aranha no Alto
Amazona:., ou com o Levsrger no M-tto-
Grosso, em menos de cinco minutos, gracas
aos tel-grapnos elctricos.
Tudo 1 -tu espanta, nSo he assim ? Pois se
quer motivo para maior assombro, eslu le
a .um ost -i,-.l 1. .N.o tarda que a scienca tire
do limbo esta gran 10 descebarla, e ah o-ta
a liomli 1 que ha de eslourar sobra os nos-
sos Ferraz e 1.......l-ln, os duus Cerbsros da
u I 11 le.'i d 1 Ido il-> .1.11-ir 1.
Lm la| patn, que em Pars tem feito pron-
tas em balos aerostticos, e de qa-un os
nossos joroaes tem da lo noticias osla dis-
pnslo a vir ao Brasil en um esfregarde
ollioa. Ja o annunciuu, e nada menos pre-
tenda do que umi bella lirio ou 1na11l1.il
cahir em cima do morro do Castalio.
11-,i, pens que o Sr. Petin ha 11 na possoa
muito huma a, incapaz do h-gar o seu a
dono ; mas queui nos assegura quo o genio
empreneudedor dos C mu aban.listas nao se
auroveilem da uveurjSo? Meu charo Sr
Ferraz, cuidado se a cousa pega, nem .ir
pos, nem Sareeja, nom Leopoldo, nem nln-
2000 premios. j
O pagamento dos pu mos desta lotera pr 11,-
cipia na qulota-felra 10 do coi reute, em casa etpea.
.iu tliesourelro Joiio Pedro da Vciga, ra da Pago aos euipregado* dos eslabeled-
Quitanda o. Mi. 1 memos, eusordeuadus de julfao a
ilio de Janeiro, 7 de noveuibro de 1831.O seleiubro
escrivao, Fruneitco d* *uii 'mi n-u
( Jornal Uo i'.oatmcrcie.)
t I |lll----------^r-v-1-..pS.Ii1
PERNAMBUC9
CAMM.A
Ans .-ni. riitriifjs, e .ptvi'iiii' do grai
Urhu-jiii.il, seutjoruaM reooldo
1 m 'i'i.iiiiiin ulihno
A \l.iti.n 1 iihhi i de Jess, impor-
tancia do pao e bolacha, queforue-
Ceu de julho a seteinbro
Ao rrgeuie do grande hospital, des-
pega* de seteniDro
Ao inemn dem de botica
A tote Lula Inooceocio Poge Jnior,
importancia do jornal do serveute
da mesma botica, vencido em dito
mes de setrmbro
ALourent^oJuiiuiauo daRochaFer-
reira, por bUas l33/')0
.Vbatiinenio de5por cento 0j7.i
jA 1 benfeloJos Ferrelra deSimpaio.
dem para o hospital regimeoul
A regme da casa dos espostos Anua
Tberei-a de Sena Carduso, importe
daa dqspeas do mi/, de agosto
A mesma, dem de setembro
Aos enfermeiras e serventes do hos-
{iital dos lazaros, seus jornaes de
lillio a setembro
Ao regente do mesmo hospital, dcs-
pt'/a de julho
Ao mesmo, idem de agosto
Mcni dem de setembro
MUNICIPAL.
SESSA'O EXrilAORmNxlU, DE ti DE NO-
VKUllllll UE iS'il,
l'itii-lni-iu il-i Sr Oliccira.
l'reaeules os brs. "airns, Mamede, Carnelro
Monteiro e franca, laliaudoseio causa partid,
pada os Srs. Pires Kerreira, e l)r. s-iiu -, e coio
ella os mais senhores, abru-sc a lesso, e foi
lu i e .ipinuv ul.i a acia da antecedente.
Foi lido o seguinle
EXPEDIENTE
Um oilii'ioilo Kxm. presidente da pro-
vincia, i m'ir nuil -i, de cotiformi lade coni
o que osla cmara Ihe iiifoniiou om 29 do
mez lindo, a nomesrfl > deManoel Luiz Vi-
rieg pura administrador do canutarlo.--lo-
teirada.
Outro do mesmo, oxiginlo pira poder lo-
solvor acerca 'lo uue esta camsra sollicilou
em ofeio do 89 do mez de outubro ultimo,
queso Itipdeclao.sse quanto ron leu em ci-
i.i um dos ultimo- tres Hnnos o Imoosto so- .
Z mscales o hoCleiras-Qoe ".po" I^H'cdo '-,U"'or,e,leJ**"
desse com o que Coialtasse da cunladoria. U Jos Sabino Lisboa por I2lambates
Uutroilomesmo, approvanlo a arrems|i-!A Manuel Esterando Na.clniento
i;.io que li/e .i ni us coulratadores do lm ue Quiotelro Si Iruio, importancia da
'cioieuto de C'fnes verde i, das rendas da ri- anaaoao do altar do grande hos-
bona da freguezia deS. Jose de dez lalllos! Piul .
lo acougue da Boa-Vista por 1:53*/com a -dlvenos poroccasiao da represen-
c nulo;,lo deseressa arroinalacflo por Sali-
nos e o fazerem elles a sua custa as*hb as,
na refendi riboira, a que SB Obrigaram, Com a obra lo hospital Pedro II
c ni-11 ule-. du deseoho quo apieseotarain.
Inleirada.
Oilro do ju'z de paz do primeiro dlslrclo
da f egU"Zia da Varzea, pariicipaodo achar-
o l'or doim.ionu, o jimoei Iranci-cu
lo Paula Ctale lile d-l Albu |Ueri|ui', e (cr
f ilieci o Jos Antonio Currea (.ornes, eletlo.
res por aquella tregueos, oqueassi n pro-
vl-lonct sse a cmara na furnia da lei.--ijna
se expedisse diplomas .i iois suppleoles,
pem cumo out ds das diiTereutes fregu-
ta du ni in ci.oo, para substituirn oselei-
toi-'-s que constar leuliam falle ido.
6uS/.t0O
71/080
12/000
H6/825
lacodada no theatrodeSauta Isa-
bel em beneflelo dos cstabeleei-
nenlos de candade
Por saldo em cala a saber:
Em letras
i- in inocua
2:074/915
4:031/850
lula, o intrpido U'quiza promette que a
su nuvacampanha lera um -icsl cin> muda
mais rpido e hrilhaule, e se res.iousabiiisa
pela queda do tyranno, a quem ja considera
em terr.
Em outro lugar encontrarlo os leilores
em ,i ruaos extra li i dos do Jornal dS Com/ner-
co o complemento o continuar9o deslas
iii/ooo iuiporlanl-s noiicias.
.. ro .na 7 do corrento suicidou-se ni efir-
12:5 0/888 te com um tiao de pistola um purtuguex
de nome Joe I'-reir da Silva, que trabi-
Ihava iio c mi.-ini em urna peureira de Jos
loglez, sendo este acto desesperado attri-
t'481/833! Du' "''S^osios de fmilis.
' I No dis 6 deu um cadete -topnni-iro b-
tslh.io -o fu i i ei ros, chama Jo Joaquim l'er-
Ki/ouO leira liat-In i filhu, u ua bayunela voutre de Jos Filippe da Triada le, de qua
O deisnu trateuiente enfermo, sendo o cri-
"4/0/8 ma Bttnbuido a varios motivos.
Comegatam a appa-ecnr na prar;a do Rio
de Janeiro moedas falsas de 211/dOO, com
perb ito cuiili, pnic ii mais pesadas do que
as v na letras, e nSo tendode ooro senSo
urna folha muitn lina, que eavnhra o otltro
metal empregado no seu fabrico.
Tinba igualme.te a iptrecido atni letra
da quanua '18 49.525/000 'es con o aceite
l'alsillcado dos S<. Matwcll Wrigln & C,
a qual foi apresentida a le-c in'o ao 8r.
4a|5t0 Jos iti hei'O daCarvalho Jnior pelo por-
i luguez Antonio Jos Ferrein, que foi cn-
iniji.e a jusiica, tendo declarado que a
SJIafi dita letra fra achada por seu socio Dmiel
07/000 j5e ,]e Hittoi, m aroa dd largo do Pavo.
I Os lenles co oneis graduados denti-
I39500 Iharls, Albiao dos Sanios Pereir, Ilygino
Jo-i' Co ito c I (Inocencio DuS'aq no Ferreira
302/785 de Araujo foram promov los a elf'i'tiv da
248/9.I& de .ios seus postos o n mi-vi l-is commau-
2b7/830 dantas: o primeiro do co po de ariilharia
de Maltd-Gross i, o sogunlo, du quirt
na ("'',''0 &* iriiihiria a p, e o lercelros
' ,do l-Tcairo luiaili.l i da mesma arma.
O Sr. coronel Antonio Cardoso l'erei'n
Ide Mello fui -xone'ido lo commanrb da
23/140 'ba do Peinando, por issirp. o ter pedido
i Furam rioii leccradus por S M. Fi lelisst-
[ma os Srs,: amonio Sal lailha da Ci.in,
com a co ninen l-i da ordem da Noss'i S-
i'1flV4nn "''"ra ''* C mceigao de Vlia-Vigosa o
j/_ commen lador Joaquim Sfaooel Monteiro,
e-lMuoT *''*KulaDl9 porlu tulo de Oaiio da E-t-ella, e o c inini 'mia-
do- J-isii Mara Coliseo de Magsl.'iaes, con
D do i-iiiii'. do :!-il.'.--.i
t:IO(l/79'i O Sr. O. Carlos Von Huchkofter foi agra-
r-.... piulo por S. M. el-rei das Ouas Siciliis com
12:510/886 u h-tulo do Cavalleiro da real or lom de
-----=francisco I, eo Sr. Dr. Lalle.nant recabeu
s iu-iniis da ord'iti da Estrella du Nort
plsiissimo proco ler n'aquella promotori
publica (aonde nenhum laclo se tem a pre-
sentado em seu il sai, antes mullos icios
du sua vida particular 1'ilUm mu alto
em seu abuno tudo os reapajlos) as-
seguriui que elle lara na diputicio provin-
cial relevantes servicus esli provincia que
O vio nascer. A sua consumada prodeucii
sua boa ndole e imenedes, a pir di sui
instrucoSu e literatura, neeeasariamante
corros -ou lea i expeotalivi de todos os
soiilio-cs elctores conscieiioiusos qu> Ihes
deiein 09 seus sulTragius, a de lodos os
Pernambucanos que, uuirindo ve-dsdeirm
seatimenlos de patriotismo, team rito la-
teresse no bem geni do seu psiz.
V.
COMMERCIO.
. AI.KAMll-.liA.
llendimenU) do djap. .13*41,581
Desearregam hoje 21 de novembro.
Barc (i menea na Joan Farnitm I ariolts
de trigo.
Bsrc franceza Etisoteth mercadorias.
Barca inglo/a Osprag b ical lao.
U igu nule/ Goroa Aotiaa idem.
'sen iu dtnama-que/.a Etpreu merca-
doria,
linpertacaO.
Suroac brigilein S. Antonio- Vincedor,
tinda de Santa Cathiria pela Bibla, oini-
stgaadia Machido & l'inlietro, twnifestou
o seKuinte:
3532 alqueires de familia ; ios consigna-
tarios.
Escuna dinimirqaez*. llolstein, vindido
Buenos Ayres, consignada Amorim Ir-
(inlos, mauifestou o sejuinto :
2700quintaeshespaahoea carne secca;sos
consignatiriu.
CONSULADO GERAL. .
Itendimento do dul a 19. > 9:848,891
dem do dia 20. ,. t:93,l*
, ....,...,, .i ;
i 10:126,806
DIVERSAS PROVINCIAS
Itendimento do dia 1 a 19.
dem do di 20.
I 1:004.613
.i il6.799
--f-
l;0JI,4s
Outru do Use 1 do hairro do Recita, padQ-PMiMVM* rs., pelo
OliMitiBfoi.
EU&JfSSJL :W U qf o condocorou S. M. ol-rei da Sud
pa e .lurueg i,
Acia-sc humeado ecarregado dos n,e-
ehi-sc despendido por
tersos regeutes com a botica, obra do hospital
'adro II. ordenado de einprega ios a quautia
_
gue n lia de pr uli-t.culo au COOtrabaudo.
O mesmo digo ao Sr. ministro da jusiici,
acahou-se a repress3o do trauco alrinen-
lo elle cono qoizor a sus socolara; nJo
cesse de perseguir o chafo in polica com
uas uniros, niiu d descanco au Poli loro a
aus seus permananteshe nogrinho no mar,
neg luiio o n ierra : os traficantes sao cpa-
les deludu.
I'oi iqui a nSo se sabe em quo se lia de
e nprogar O dinlieiro. o icio Ciet.no, o
no-So pruiaiio actor, ten Iu suas rases pa-
s n o repius ut.ir no theatro ruvisurjq,
c ij.i olir-i vai du tal aliadla nenio i|u a
todos admira, resul.eu recousiruir o theatro
do S. l'eiro,duas vetes qu-lmado. Al instar
do que se lez vara o piovisurio, prelenle
lie vender accOos ii ni lo aos accionistas 400
iccias. Osproprielarius presiam-seao ne-
gocio, e mes no lomaran grande nuojero de
CvOes ; dizeni-nie que ja Ta conlraclo, mas
creio que ludo esla em palavras ; nada ha
por ora de deliutlivo
Em um* dS minhis carias pissadis no-
ticiei-lbeo onsaio de calcamento de ferro
que pretenda fazer o Ironeo. MSo me acre-
ditari quindo Ihe ou ilis-.fr que qdasi lojs
demora pruveiu da falta de licenca da
tilma, cmara municipal, que se n9o reu-
na. Da maaot demori se queixisn os par-! ojippi das rez;s mortls pira consumo no
liculareaqusquerem construir. Para a se-. matiJouio desta cidade, na semana de 3 a
Inanu comeca a obra du Irenoo ; veremos 9 do corrate ( 438 J.Inleinaa
como se elle sabe dalla. Outro do mesmo, dando parte da eislen-
(I i se man lasse pagar au cu nrji.iu Jim An-
tonio Marquesa quantia de 12/ le duas cor-
ridas sani.arias que fez nos das 10 e 13 do
moz de uut'ibro lindo, cujis tn titas impor-
tara m em 48|."Mandou-ae p*8Sar mandado
do pagamento.
Oit'Odu llscal de Santo Antonio, parlici-
pan lo seF a i'!i,io' i incui daa mu ) do mez
o lo de 'Jal/, e pe lio lo 30 niiti-lassii p,_
;iii si Dr. llauoel li ..mo de Fanas. a quan-
tl> dd 18/ de tres visitas Sanitarias quu fez
aos dias 2, lo h 16 do dito mez.--Matidou-
sc pistar mairdadji"
Huiro lo nic.m i, informan lo contra o
requerimeiito de Jos Jonjiicn l'oein, ,,
resp-oio de um cano deesg.ii existente ua
ra do Cabula, u sua prupne i.i i>. n. 10...
Intei'ad, rt indeferiu-seorequiri nenio.
0 itWJ'drt mesnd. paitlcpan id que junto
ao arco de s nti Antonio,' ertrp,oul os luga-
res sa contillda a fazef despejos in uuudus,
que o guarda municipal pdr si s nSo lie
snlHcieni" para ub-tir scm-ih.iii-i abuso,
uiesiiio purqUO, a ser Ompieg.dO CXelusiva-
ient'nesSeser/ico. falt.ra a ujiiostj,u
nSo ubalaute, occooisse o guarda'no uieu-
i o indo trabadlo, at qU > CuOsoguisse re-
il u i infraccdo.
Outro do fiscal da Boi-Visti, dizoudo qu:
com edillcac,,1o do grande hosptil do ca-
ri-lado, a ra que lho piss pelo oitSo do
li Jo do norte lici um pouco estreti, e Ihe
Sirece cnovenieule que seja alargada.
anJou-so ouvir ao ongouheiro cordiador.
Outro do fiscal de S Jos, remllenlo
ser di quamia de
ue veiu o referido saldo
21 ra.
O e.iii iv.io,
alnlonio Joie Uomn do Comi.
1) llir.uui el i o,
Jos Ptrel Ferreira.
.>lniipi rio mor intu ii dos extabt-
lecimcdto de carldade,
do a 31 de ntubro de
1851.
Grande hospital.
MIENTES.
Etistiam
ntraram
Salnruiii.
Horreram
existam.
Curados, i i--.-
Melhocados. .
N3ocurado.. .
as 24- li. d'enlrada
Depois dessa poca
^z
35
U4
8
4
0
s
44
Hospital tlu.s laz.iinis.
DOENTES.
Existam
Bntrarm
Sahiram
HoTreraiti
Exstnm
Corados.
Melhorados .
N5o curados.
S
18 16
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
18 16
KbCi i do Brasil junto crfy de Roma o
Sr. c inimeiiilaJor Jos Bernardo deFiguei-
redo.
O Sr. Sents cnsul de Franca nesta pro-
vincia foi removido para Silnay, as qua-
li-lad-- de cnsul da primeira el.ase
: O Sr. conseiheiro Candi lo '.: i. lista lilivi ira licav.i m convalesceo9i da enfer-
in i i-di que o :ic"tii'ii. tleu, e que desco-
rio-sc ser una herma eslrangulada, e uSo
illuniiacilo de inUstinos, como princi-
pio sC SUppOZ.
O Sr. Francisca Ferrer de BuIhQes Cir-
vaiho nioacceitoura n une ic d-illi -sonrei-
'O da ice -iienoria nu municipio da corte.
O sr. Candi lo Rodrigues Soares de Me i
retios ful iiuinoado secretario de fabricada
ferro.
Auha-so doziguado odia 30 do crrenlo
par a rcuniao dos colle^ios eletoraes, que
iev^m elezer us debutados a assembl
tiroviucial du Ro as sessdes le 1852 a 58
Falleceram o Sr. conselneiro nto iiq
/os Pedrosa, adiilu i legaco de Hottu-
tal, e Ignacio Pereira da Costa proprielrio
i.i typographia nmeriema, e eeduor dos
peridicos, Sete de Abril, Seuleiu-lla da
Mouarcliia, e'Correio da Tarje,
fio da 31 Uo passado subi ao Po de As-
sucar urna carlvtna com osla de nove Nor-
te-Americanos e um inglez os quiei Uzeram
ali treinulir em triumpho as bandeiras nor-
te-americana, ingleza e brazileira.
'Di Babia indi nos consta deinteressa.
Procedii-se i eleicSo dos deputados provin-
cias pan proxim legislatura.
Da Aligois informa o Tempo em o n. 17
que, ao termo di Impentriz nouve um dis-
turbio, du qnil resultirim trez mortes eo
farimenlodo onze pessois, por cauza ds
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
ItAliS l)tl'ER.NA\IBi:CO.
Kendimonlodo dia il...... 620,888
CONSULADO PROVINCIAL. .
Ron lmenlo du dio 20.....(i038746
Movimiento do porto.
Navios entrados no da 20.
Rio de Janeiro a partos intermedio^-- di
IS lloras, e du ultimo porto 18 huras, pa-
i) i"l.e de vapor br com oan lante o primeiro lente A, C. a
A. Colitinho. Traz isou bordo: prQsta
ioviii i.i, Jo.lo dos neisJe Suuz.i Dutl|,'
as Atiioni i Ffinciacb,EslevSo CsvalcaD-
le de Albuquerque e 1 escravo, Jos l'ran-
Cisco ilc l.iceida, l'iaucisco Antoii Sor-
6ss Perelti a t escrav, Juq Fe'reir de,
enezea, Manuel Jus Rodrigues Tofros
Jnior, pidre Joiquim Mauricio \V-iuier-
loy c 1 escrava, segundo cadete '''iohhz
Po npeo Lins WanJer'iiy, Antortio 'os ni-
uilro Bastos, Thomaz jull,' padre Ma-
nuel Vicente de Ara ojo e 1 escrito, Fran-
cisco Joiquim Aires Rulriguas, Apollffa-,
rio Jo- dos Santos Andrade,' Braz Dmiz
de Scqueira Mciel, MiqO'l Teixetra Pin-
to, Joao de Alm'irJa MjittjrO','padre'Hj"
no'l Cor leiro la Cruz, Ur utonicHIBa-
roda Moura, Filiciarto Roque Cuerri, Aa-
toiiio Pedro de Guerra usa s Minora': pa-
ra o norte, D'. Juiquim Viitonlo Altas Rl-
bero e t escrito, Frihcsca liaj'-nun la
de Nazareth e 1 (lirio menor, Dr. Jos Jala-
sen do Passo, Antonio lluhrique Leal, Ma-
nuel Alves da Costa Fer/eir, Dr. Jos Pi-
res de Carvalho AlOuquerquo e Sesera'
vos, csc iv.lo Jos Cuines Mmoira, disprn-
ceiro Antonio Innocehcto Corren da Sil-
i, segundo cadete Manoel RiymUodo
ordeiro.
Babia -6 das ,
820 touetladis,
13, em lastra
panhia.
Buenos Ayres -- 88 das, brigue hesosnhol
Florentino, de 805 tohellidjs, capil J-
cintho Mrstny, equipigem 14 cirg
, brigue intlez Tilu, u
is, captta.) W.W., e'qulpagem
i ; a Jimes Crabtree & Com-


mm
mp
^
^^
*m
ear08*cc ;a
Havmi
ai & IrmBos. Segu Hes F"> 8,0 ., per anno ni
Amanw ., Livraria darua d Cru do baifro do Rtcife
a
^ol' j"m'o p".to.*nt?!?e_df,':!,i*n,; I i56'
r.por inglezTertqtt.eommsallatite R.
ut,.|1. Trai aeu bprlo i para'eala; pro-
So,.,., Joie BernarJo F'Ku'^'Vn?
r. familia. Panercio Prederico C. Rt-
beco.oD8lheiro Aotbtiio P;'n ";
ciel Motrteiro e 1 criaJu, JoSo Jos Jos
neis con su senbora, Antonio Jos ce
i ornes, Aercliand !oW 1*1. AUMmo di
i ,;usmao, Braz Pereira N,unei, Igna-
Aviso8 maritimos.

.Silva
'cioTeeiradaCunha I. Jnior. Augns-
toflark-a1 de Silva Santos, Alborto Schi-
fhei|Un,.*ernirtPJos AlTanao, rV*"?'S-
coNery da Fonsec, Antonio Nery da Pon-
seos, j'-P. Seppoctier. P. Agostioho Caite
e Francisco A Chihirihere. i
" HavtM sahidfi i mt"no '"
KU1TAK.
--Vende-se 0 hiat Caprichos},! do par-
to do *o tonelladis, encello..teniente cons-
truido a da muito superiores mi de tras, cu-
ino ao mar ero Janeiro passado.Oest prom-
to de lulo para iKguir vigem ; os pretn-
d-Mit-s o po lerflo examinar defronte do
oaes do Ramos onde se aeha ancorado pa-
ra tratar na prag doCommercio 0. 2.
Brigue Kscona "Arcena"
Segu ein pucos diaa para o Par com es-
calla pelo MiirnliJo ; ainla pode rebeber al-
guma carga miuda : trata-se com o conslg
airahlb '-^balebrasileiro ConceicSo Flor'natano J. I(. da foiiseci Jnior, n ruado
as virtudas, meatre Elias do Rozarlo ,: Vigario n. 23, segn lo andar, ou con o ci-
carga bacalha'o a, miia gneros. pililo na prega do commercio.
no de Jiuairo-- brigue inglaz C. T. Sutton, I Brigue Escuna, "Laura
cipitiu J. Le Brun, carga asesina que I com brevidade seguir* para o tlaranhflo
irnuxe. com escalla pelo Cear ; para carga o passa-
geiros trata-se com oconsignatmoJos Bap-
tist i da Fonseca Jnior m ra do Vigario n
83 a.0 andar, ou com o cap tilo na praga do
-- Cou*jlt.& LpiM,,eml)lieain para O Rtol Asverte-ge aoSr. Bernardo do Albu-
lo Janei o, o su escravo preto, creoulo, de|querqt;e Fernandas Gama, qubb Beu corres-
nome Joaquina, jipondeiiienesta praga, nao tem pago a subs-
.. o lllm. Sr. Inspector da ttiesourari da Commecio.
fizenda provincial, em cnnVorimento da or- / _.p4r 0 Rio Grande de Sulsegue com mui-
Jim dftxm. 8r. presidente da provincia de i, brevidade o patacho vinta nove de aetem-
15 do corrale, manda fazer publico, que bro.tendo jaa maior parte da carga proapla,
nos das 1, 8 e 4 de dezembro prximo vin- plr, 0 rejio dir.ja-so a JoSo Prancisco da
deuro, l' a prac'para aer arrematado pe- ou2 : ra d Cruz n. 7ouao capilo Ma-
noteo tribunal administrativo da ms*mi noel Jos Monteiro Vlauna, na Praeaa
thesourarjaij a quem por menos fizer a obra .. para (jgboa pretende aahir com brevi-
do canoortos supplerhentarios da ponte, aio barca portugueza allgeira,* para
.ulue o rio Sirint.ae.n,avahados cm (12,400. cama ou p.saaceiros trata-se com o seu ca-
A arrematagflo sera feiti na forma Jos p|tg0 Antonio Joaquim RodnKues ou coa)
irta.ie27 da-tein! 86 de 17 de nwio do, fr.ucisoo Severino Rbello & Pilho. ,
sorranto auno. i i Para o Rio de Janeiro, segu com bre-
te i.osoa que so ^ropozerem a esta ar-; vidu.le por ter parte da orga enganjada, o
reintac!lo, coui|uiegam na aala das sessdes volairo patacho Clmnuna, para o resto da
Ju mesuio tribunal, uosdi-is ai.un nuMiciii- carga ou oscravos a frete : dirija-se a JoflO
na'
i
"secretaria da thasoura.ia da fazenda pro- apuao e pratico Amonio auyoira aiaciei ju-
,inci.ldePernambuco( 19 de novembro de i "'Or,saguo para o Para em dneltura o*il
I81-O s-creUriy possivel o costumada bwvidade : quem na
Aotomo Parreira da AununoiacSo.' mosma quizer carregar, ou tomar passagem,
OJaosulas ospociaes da arrematado. antonda-se com o capitap, og com Jofio
l'.Aj obras dependentei desU airema-; Carlos Augusto Ja Silva, ni.ua da cruz do
taca*, serio faites de conformida Je como. Recito, armazom n. 13. ,
"ment .presentado ao Ez.u. Sr. p.esi. --Para a B.hn sahe com muita bravea-
dentada provincia, pelo p.eco do 64-2.400. de por ter parte d* carga prompla, a Suma-
O arrematante cornacara a obra nOi aa nacional .Carlotaa mestro Jos t.oncalves
riso de um m.ioontado da data daparli-' Sim.aspara restante da carga.o passage.ros
LacSo que Ihe fOr fe.ta da approv.cSoda ,a tratar com o mesmo mestro ou com Luiz
arre.nat.c8o pelo governo, e os concluir Jus de Sa Araujo na ra d. Cruz n. ,33.
do praso do qualro mezo, ambos contados rara o lito do Janeiro.
di meso a parliciiiaefio. y,u .sahir ciim a maior hrcviiia-
hf A importancia da arremalacao aera i ., ... .li.
tiga em dua proat.coes iguees; a primei- i de posstvel, o veleiro patacho hra-
ndepoisda ter fe.lo motada da obra, e-aa,leiro \ nlcnte : quem n) mesmo
seguuJa depoia de lavrar o termo do rece- .._ ,_..
"memo dilio.tivo. j W carregar, embarcar ata-ayo
i.' parafudomais que nao est deierml^ia lrete, ou- ir de passagem dirt-
Dido pelas presentes clausulas, seguir-se- rBnian iln mrsmn l;ran- "liares, e quando anda abre os ps para of
bi intei.a.nente o que dispOe o regula- J-se "O captiap uo mesmo i rail u ( g ( ^ ^^^ de ciM> roio f saja ]e
manto. Conforme. --O secretario,
Antonio Ferreira da AnuunciacSo
-- A caara municipal desta ci lado con-
trita coroquom'pormenosfizeraconductfio ivjonipaiinia na rua uu at-apaiuac protsti-se contra quem a tiver : quema
dolixodearuaadacidadeemea.rogasoo ca- jj 3 pagar lore-a Fra de Portas ni ru< do Pi
nmt sendo o contrato por freguezias :os I ^ o Cear o hiato N. Ollnda a ira- I' B. H8 quesera gratificado.
,nteres,ados podrm apresenl.r na casa di; g Velh, | Nl1 rut d Senzall. Volha n. 131, casi
nesma Cmara, auas propoataaem carta fe- J'4 ul ,de Mari Felizmlnada Albuquorque, grati-
No dia 2 do enrrente njez d(iajyiare- tarro, 'la lloa Vial
cu do moIrSo de F's de Portas, um bal*, sa precisa'se de
13o grande juiadoaan B mas esvernas or.igajl ta'mbnmlMdas, pa
neiroj quebrado : quem o ti ver far;ao favor
deiraF-ade Portas, c*fs.o. 87, qoesani
gralilIcaJo.
No dia 22 do cori4nl, finda a su li.-.i
cia do Sr. br. juiz do civel da segunda vara,
vaiapracia reqaqrimento do Ur. procura-
dor fiscal Ja fazenda provincial, una parte
Jo sobrado de S andares sito na rua larga
do Rozario n. 30, para pagamento de sello
do l.eranca di fazenda provincial do inven-
tario da finada Francisca Mana da Couceic.9Q
Maya como consta do escripto qoe se acha
em ino do porleiro.
Ao re do AIarve.
Hecovarde, tratante e vil, aquello que
chegando a urna trra estran'ia, enoonlra
....lia um deaconhecida que o recebo com
igisalho,leva-o para sua cisa, instruo-o
das menores particularidades de sua vida,
proporcion-lhe os meios do subaistencia,
e alinal tem outro motivo mus do que a m
ndole de que he dotado, pretende, como
recompensa de tu lo islo,morder a mo que
se Ihe offeraceu, envplvendo nos seus desa-
foros o honem que est mu.lo cima delle
em todas as suas accOes. Voltaropiqs siii-
sim fdr preciso. O'Tnael. '
Aiiverte-aoao Sr. SebaatiSo Luiz Fer-
reira que quanlo comprar sua* pipas de vi-
nho, ou vinagre haj de as deitar na frente
da porta desua taverna.e 080 na dos seus
vizin os-ujeitos a levar urna multa innocan-
toass.n como,rolar as pipas pela sua caf{a-
Ja,que as quebrando tem Jeconcertar,osen-
dodesi-us yisinhos 1180 lo da cuidado, isto
Jvio l" um aeu v.z.niio oifendiJo.
Malinas de AzavaJo Vilarouco embarca
para o Rio dejaueirn o escravo pardo de no-
nio Baaiiip, remetli lo da ci l le do ico pro-
vincia do Qpira, por Jos Juaquim Ozorio.
-- Jo.'io Luiz Vianoa responde ao Sr. da
rua do Queimado n. 30 qua nada Ine deve
i'iiii(uhiiI') dilo autor njo acabar de esgo-
t quii fbi lladdr, visto O mesmo auior ja ter
"lili.lo um mandado da pinhora coaira a
ico.o i o em con', inca para em meu poder
sendo este de 13.60J, eo que o dilo autor
eiige em segredo- sor 5,000, rs. pudendo
mandar buscar o dito mamado para inais
dopressa receber.
Precisa-sa do 800,000 rs. a premio sob
hypollu'ca em du.s moradas do casia ter-
reas : UO pateo da l'eniia n. 5.
- Desapareo no dia 9 do enrrente mez,
urna escrava d nonio Fausiina com os sig-
nies s mutiles : estatura baixa, cor fufa,
com fallado denles na frente da parte de
cima, tem urnas marcas brauc.s nos cal-
cisco Nicolao de Araujo, na praca |g,,da azul e pao da costa Esta preta foi
do Commercio ou a Novaes &' J CirtaodeCamiaii; dcsonfla-
desta ciJadc con- ,m teja occulla em slgu.ns cisi, pois
ifizeracondnt?flo Companhia na rua do ITaPrfllleiprote8t<-0eoatra quema ti
chada. Paco da cmara municipal do Itoci-
(cem se-s.li.de 18 de novembro de 1851.
Y. A. de Oliveira, presidente. Manoef Fer-
reira Accinli, secetario mlerino.________
Deciaragoes.
13.
I>.. r. !; A* lono'irn su case bom, a quem appn: uider, o levara
Para 0J.10 de Janeiro, sa-l d|U m, olde?not,cja7d prela'uurinda,
hir com a maior brevidade pos- escrava, de 20 annos pouco mais u monos,
or ter narte da carga eo- qualfugioha poucosdias, elevou vestid
portar pune uai.u, tu rouxo efir de caf com listras aiues, o ja
sive
gajada. a bem conliecida escuna desbotado; esta preta he crioula, Mli boa,
--------; nacional Mara Firmina canito J tm oHibio superior bastante grosso, o
O vapor braaileiro.l'araen-1 ,.1 n i j o fOra comprada no da saxta-feira H do cor
se commndante a. C. de'Joao lernaroo aa noza quetn rente, a Joaquim R.beiro, boticario, e por
morador
Mello, .leve cbegir dos portos i pretender embarcar carg na mes- intermedio do cjrretor Virisshoo,
do Norte at 24 do crrante r ',_mi,__._-> "a rua Augusta.
ira para Micei Bilua o Rio dejma, ir de passagem, ou embarcar^ .. Tira.9e pa3SBp0,tMp,ra dentro e fra
' escravos, p.le eutende-se com o doimporio, titulo de residencia, e folhas
~,m i iliiri n nm n Anra-1Oorrltta. por preco t.lo commodo que nao
mesmo capito, ou com o consrg- acn,ra ''em tire por Prec,oma.s commodo :
natario Luiz Jos de ba Arrujo ,
mez, o seguir pa
Jioeiro no Jia seguinte.
- Pela lubdelegacia de Sanio Antonio se
lar publico, que fui ipreheiidido na noite do
da 14 do correlo um quarto rusto com
cangalha, que vagava na rua da Paz,
THEATUO DE S- IZIBEL.
21.1 RtCITA DA ASSION ATURA.
Subbado, 32 de novimbro de 1851.
Subir aseen depois de urna escolbida
oovertura, pelaorcbealra, o muito imer-
.-auto e applaudido drania em 3 actos
O Peregrino Blanco
ou
Os Menmos d'Aldeia.
.lo Um do drama as senhoras Linda e Car-
mena cantarao o exceliento duelo da
opera
Anna Bolena.
Enseguida a senhora o.Mauoella eosse-
ahores.Monteiro.e Raymundo, execulirSo a
Quilo ipplaudidaTuiadilba llospailliola
iQtltulaoa,
.....O Poeta e o Vluzico.
UarA lm ao espectculo a graciosa come-
dia em i acto
A CMARA DE MWHA MULHER.
Os bilbates acbm-se venda no lugar do
costumo.
Coaaacar as 8 bofas.
PubUcaces litt-rar a.
TRATAMENTO HMEO-
PATUICO.
oas HOznaviAS vEwaasag,.....
o conselho jos doemes para1'se enrarom a
ai i mesmo, aem pfeeisarea de medico;
peloptof lion.ceupallia -
Gvuet-BimatH.
Sabio a luz e acha-sc a venda no consal-
loriobonKoopatliico da rua das Cruzes n.
28, palo preco *e 1,000 r.
1 iCAtHOUCO. ,. '
Joro I religioso. ,
Este jornal, que coniecod publjcar-se
m Lisboa no mezdemarQ dolpresent'e anuo
na rua da Cruz n 33.
Para o Porto.
Sabe com a maior brevidade
possivel, por ter parte de seu car-
regamento, a linda e veleira gale-
ra portugueza Bracbareflse
los comino.ios para pas
quem na mesma quizer ca
tem
ni rua dis TrloChelras n.12, achara com
quem tratar.
m Aviso.
Roga-se encarecidamente 10 dono de cer-
ta it verna ni rua da Cruz ; que evite a rau-
niSo da cerlo grupo do peliniras, e ms lin-
guas que lo las aa noite ah sa reunem a fal-
lar das vid os it. vadas; e a maneira que oa
eo os si despej mi uiaoios torturas soffrem
aceados cotnmodos para passagei- isv.ciimasdo ze-ngue immundoidessishn
,r Srnm 8as ferims isto se faz para evitar que ou
uizer car- com a, armas ja s. Francisco ou de 6'. Este-
reear, ou ir de passaem, enten- vo se fac var essa baniogralhidor; que
, V T71 .? i | ....... ~.,n ,. ir,, ^no orool nrol i'iolom Clu'llllVa
da-se com o capitao nodrigo Joa-
quim Correia, na praca do Com-
mercio, oa com Novaes & Compa-
nhia na rua do Trapiche n. 34
-- Para Lisboa a galera
ganda, cap.tao Silverio
sahe n'o Jia 22 do corrente.
ceber carga a fre*, berr oomo passagei
ros, : qyem pretender dirija-so ios consg-
nala' ios Ohveirae irmSos, na rua Jq Apol
Ion. 14. '
....... .Par* Babia......
Em poucosdias pur tir partade seucarfe-
gamento pro.npti. O thate LigMIro'a forra/O
e prega Jo de Cobre pira a aarg i, e paisag^i-
ros d.rij 10tb a rua JO Vigario n. 5.
-- U,hu p.Ucno Sanli Crz guo co m
brv.daJo por lar meio carregamaulo peo al-
to para o rost) a pa^sageiros lrata-se so lado
do Corpo-Santo loja Jo massa.nes o, 25
com seu zarregua cruel pretendem eoebuva
lhar aquellos que Ibe volam ornis subara-
no desprez.0.
* *
--. Aluga-se urna casa terrea com sotao.
no sitio do Cordeiro, i margem do rio Capi-
uortugueza Mar- barDe( com COmmodos para grande familia,
Mauoel dos lleis,|cogjnfcg fracochelrai estrrt,aria para 6 ou
., e anda pode re- 8 cavallos, e quaito para Ciadj ; urna dita
" maisp-quena no mesmo sitio, tambero com
commodos para familia, cosfriha fara, e es-
tribara para 4,cavallos : para ver no mes-
mo sitio, e para tratar com Gabriel Antonio,
no pateo do Csrmo n. 17.
- Lu ha-, do mez passado, fugio do en-
genho Junoueira daCommacca do Cabo um
um negro de nome Joflo Monjope, de idide
de 60 annoa pouoo maisoa menos, ho de es-
tatura regular, enhnio do curpu, No Jia 17
Leil^es.
--0 crrelo.' Miguel Carneito, fara K'iWlo
no dl sabbado 22 do' corrdnla as 10 horas
di manila no seu irmazaui na rua do Tra-
pidhe 0. 40,daoma P0rc30 da cadeirls ame-
ricanas, Com pouco ozo, e ouirss d Jaca-
randa, metas, bancas, consblloa codi pe-
ilr.i, pa nno, inis-.is e uzados lstreg.Cah-
dieiros, laniernas, I0u(l, vidro e bulros
mullos objectos por todd qualqOer prbgo
a. ni '.-Mini urna porfo de rap Baha a-
>i prata Pedro B % n esoeileute tinta preta
conM" differe.ites artigos, cuja linaoagemj pa escrevar.
pura', dlnna sa. eerudicSo nSo vulgar os{r Eugm,0 Galliot tendo om Paris feito
torngo a-saz int-ressanUs ; no o sendo me- MUuiJ ea,pregu em rico objectos do mais
...... > f i.________i. ~.- .. .....,.-,. in ,,,<> milite I ... .
nos a C/ironica religiosa, que se le 'em iodos
os i!.is nmeros, Oa qual se da noticia Cir-
cu..UnciiJa do clupeiulo progresso que o
oathufinismqj como os seus proprins iulmi-
po c'omTcsso por toda parle vai a-
zfldo. '
O y. i i;o da assignatura, pela nossi moada,
corresponde a'9,00^ rs. por anuo, l nume-
ro contando cada numero 8 paginas em
formato d quarlo grande, ninor que o folio
oravnafib-' '
Subscreve-se pira est excellante jornal
m livrarta ii. 56 da rua da Cruz bairro do
lec.fe, sendo salisfelto preso da assigna-
lura no icio d subscripto, e o porte do
correio' no rfccebmenio dis respeclivas
'olbis.
A Cazata dos hospities.
Repertorio medico brasileiro.
Redactor o Dr. Carloa Luiz de Sales.
Ele peridico siho i luz nos diis l. e
'5 da cada mez. pada numero consta de 16
Inginas d improsso, a duas columnas.com
c'Pl. Formara no (ni do auno um volunte
ue perto de 400 paginas, e entfio os senho-
res subscriptores receberSo um frontespi-
cio e um iodtee geral das materias.
Sobacreve-se para AGazeU.dosHojpi-
apuriJu gusto,|e da moda, ua.aalo.no de
salas de visita, gabinetes e tdu'c'adores, e
pira uso particular de senhoras e homens,
os quaea objectos furmam como que urna
linda, quai.to adnnravel expm.cilo em pomo
pequeo, Que continua a franqueiar Jiaria-
meniB ao publico entendedor e apieciadur
do ta'S galaotarias otn su. casn na roa da
Cruin. 1, .segn.I<. anda', desde as 11 lluras
la manlina atis :i t[->da tarde ; o tonco-
nando fazer sua vngem convenyllre conti-
uuaroutro le.lo do restante .la dita collec-
(3o, o qual lera lugar por interven;9o do
curretor OliVer, sugun.la-feira, 4 db COr-
renle, das Vi lloras da minliKi em dianto na
mencionada casa.
i ii i. a r.n ......
Avisos diversos.
No pateo do Hospital, casa n. 9, hypo-
theci-se um escravo por seu valor, licando
os seus servidos pelos juros da quantia to-
mada, pelo lempo de 8 mezas.
Anlonio Ferreira Goma*, subdito por-
tuguaz, retira-se paralara do imperio.
Aluga-se o segundos teiceiro andar da
casad* rua do Queimado Di'40. ?...
do currante, fugio do mosrao engenho urna
negra de no ne liieie/a, le idadde4Sa50
anu.i- ; alia mag/a, ci'ir bem retia, coslu-
n.a ntitular-se farra : quem os pegar, leve-
osao Jilo engenho, ou n > Rec.fa ao pateo
do Cuino n. 17, que sera bem gratificado.
-- Na primera audiencia do S'< Dr. juie
dos feitos da fazenda, depoic que esta se lin-
dar e no mesmo lugar, se ha de arrematar
urna casa por venda, ha rua dos 4 Cantos em
Olin la, avallada em 700,000 rs., pinhorad*
a loso Joaqin i. da Aliiieid iuedes, um m-
nibus por StJ.OOOrS., e um carro de 4 ro-
das por 150,000 ra., penhora los a F'edarico
llausom, um terrono no lugar dos Coelhos
Com 80 palmos de frente, e ISO de fur.do,
por :ijo,oou rs. ; penhorados a Francisco Xa-
vier da Fonseca Cuuti.il.o urna prenca d
>, casa n 33. Na mesma ca-
utn nogro para o sorvico de
H'Pj'I I? 11!
'.-'Alu(a-e utni ilU da um prmeiro an-
dar na rua do Livnmento n. I : i trilar
noegundo an lar do mesmo sobrado.
v PTOisa-se do um conlra-mestre para
corlar: na loja de alia .ate da rua Nova nu-
mero'60
, Alugi-so um mulato cozinheiro, sem
vicio, muito fiel, para casa de familiaiquem
precisar, diiija-aa ao aterro dos AfogaJos,
defonle Jo viveiro do Muniz, sobrado da
aaqumi n. 18.
Antonio Jos de FreitisCuimarfleg, re-
tira-se para f>a do i ni ci
Aluga-sa um prctu ro/u.heiro : na rua
Direitn o 32, sogundo ai.Jar.
-- ijuem'.ver para alugar, um piano: di-
rija-sa a rua do Livramento n. 4, ou an-
nuncie.
Alaga-so um bom sitio no lugar dq
Cordeiro a margem Jo Capibanba com boa
casa, ostrlbaria para 3 cavallos, casas para
prelos e feilor,, pommar e j'arjim assim co-
ma biixis, como cipim e mutta ortalice :
irat i- .o na rua do Queimado n. 30 segunda
andar.
OSr. JoSo Lins Vianna queira vir sil-
dar o que Jcva na rua do Queima Jo n. 30 2 *
j miar.
O juiz da irmandade do SS. Sacramen-
to, Ja freguesil de S Jos desla cid ule con-
ii i. por meio deste aos i unan da mesma
irmandade para quedomingo 3 Jo correte
couiparrcao no consistoriu da Igreja de N
S. do Terc.o,as 10 horas da ma.iha alim de
se fazer a eieie.io da meza reg Jora que tem
de lui.ci mar pira 0 annu vindouro de 1852 :
paracujo li n convida o o. o upan cimento do
naior numoro de irmfios,e roga a lo ios que
bajo de comparecer no Jia, e hora marea la
pelo reseme.
A festa est perto, os freguezes devem
su lingu a loja de fazendas da ruado Col-
legio para se suitirem do bom e barato.
-- AS fazendas da loja Ja rua do Collegio
estao-se vendando multo baratas, como se-
jSo midapolSo a 140, 160 e ZOO rs .
bom chitas Je 160 rs., que ricas chitas I
cassas chitas a 2,200 rs. cortas de cambraia
de barra a 1,500 ditas com listras a 4,000.
--Os abano assignados,faze n saber ao pu-
blico, e principal...culo ao Sr. Juiz de paz
do prime.ro dastricto da freguoza de S. Fr.
Pelro Cuncalvcs do Recite que des le o dia
18 do corrente deixarSo de ser oificiaos.e de
derviro.n naquelle destriclo, pelo que rogu
ao me un Sr. juiz Je paz, que nutiJe o rs-
Crtvam riscjrsous nomes e.n seu protocolo
visto uio quororsm continuar mus a servir
naquelle juizo. Joaquim UiasUirlins, Po-
dro Fe i reir das Chagas
A moza regedora da irmandade do divi-
no Fspinlo Santo, convida a todos os seus
presados Intuios para comparecer., no do-
mingo 23 di corrente, pelas 2 '. horas da
tarde, no consistorio da ines.na Irmandade,
aliinde louiarom cipas o encorporaJos, a-
o iipaniiatoin a procisao de Corpus Cnris-
r tS.
-- A moza regolora da i.man 1- 1" do N.
S. da (.une.ic'iu erecta na Ig'oja da Cong'e-
gj^o mga a tjdos os Irmos da u.esma, a
c M.p i. ec.'ie.n no consistorio, no Jomiugo
23 do correte pelas 2 i a lloras da tarjo, pa-
ra acompanharem a proeisso da Corpo de
lieos.
Matbias do Azevedo Villarouoa, em-
barca ,iar< o Rio de Janeiro o aeu escravo
parlo, de nome Bazilto, de ida le 18 annus
-- I) 's.i,.pareced Ja Casa ... 56, Ja rua do
llaugel, uta carauna (yassaro;. quem o n-
ver pegado, querenJo o entregar sera re-
compensa Jo, poieudo-o fazer na mesma
casa acuna.
-- Precisa-so deum paJeiro, para traba-
li.ar pe tu Jesla ornea, quem est.var naslas
circunstancias dirija-se a lUadaCadela Vo-
lha II. 40.
Oezeja-se fallir com oSr. Ignacio Jos
da Silva a negocio de seu inleresse, anuun-
claasua inoradla para sor procurado.
Ruga-se ao Sr. Jos Rodrigues ..o l'as-
so,o favor Jeapporecer na rua Nova, veuJa
o. SO, a negocio qne mo ignora.
- Aneii la-se, o t.iniieni se vendo, urna
gran le casa e sitio, no logir do Munteiro a
margem do rio Capib.ribe, leudu a mesma
6salss,e8 giaudes quartos, toda circulad,
do pateo, e varan ias de ferro com algrela
para flores, grande quintal murado, com
casa para prelos, estimara grande, e mu.tu
boa batxa Je capim, e mais coinmoJidades :
a tralar com Antonio Jos TaiSeira Bastos,
oaixeiro dos Srs. JoSo Pinio de Lentos S Fi-
ltra.
- Est Intado a compra da casa de taipa
na Cabanga perleucentea Jeronymo bebas-
tito de Aluucasiio, se alguem livor a recla-
mar dinja-se nesles 3 dns, oas Cinco Pon-
las n. 4.
Atlencio.
Oabaixo assign.du, morador nas Cinco
pantas nv4, faz publico a todas as pessoas
flue tiverem penuores em seu poder, seja
nalfra qualitade, os rsgate da data
teste a 30 das, du contrarise ven Jen par..
pagamento. Manuel Joaquim Pinto Ma-
chado ..u.maraes.
l'i-ecma-.-alugar i.illa preta o no com--
!ihe| o i'i.gumuio : no aterro da Boa-Visli,
aja n. 58.
PAR.V PASSAR A FESTA.
Aluga-se urna ba casa no Manguinho,
passaiulu a pona do lado esq lerdo, com mi
jos commodos e multo frese, tem 3 janel-
tii defrunie, e 1 porta, com boa sala na
frente, e outra alraz ; 3 quartos solSo e co-
,n.l.. Iiira, com um pequeo quintil e Ca-
cimba, o por preco commodo : a tratar na
rua da Calea do Rec.fe n. 30.
Precisa-so alugar urna ama forra ou ca-
tiva, para fazer lodo oservico de urna casa :
ai rua di Cadeia coufronta ao ttiealro Ve-
Iho.
De bordo do brigue nacional Carlos, an-
corado junto a punte do Hecife, fugio um
toravo pretd por nnma bernardo, d esla-
Paga-se 40.000 rs. mensies por o'
gros .ara ervirem no thealro d'Apollo :
quem tiver amuincia, ou di'ija-aa rua do
Apotincas! n 27 segundo andar.
.- Precisa se alugar um escravo para ser-
vir em casa da homem soltero : quem l"ei
dirija-s- rua di Caleii Velha n. 48, pr-
meiro anJar. *
DA-ae pi de vrndagem a preloa, ros-
ponsab lisando-se seus aenbores : na praca
Ja Boa-Vala n. 9.
Compnhia do Bcl.ir.be.
Ossenhores accionistis di companhia Je
Bablcibe, piom man lar receber o7* di-
videndo, na razio de 2,500 rs por apolice.
-- Alluga-se o prmeiro andar do aobrado
n. 24 rua da Aurora muito fresco, a com
mu .i..< commodo i a tratar ni mesma rua n.
26.
- Precisa-se da um caixeiro deidade!5
a 16 innos qu-< enten la de venda : em I-ora
da Portas, na roa do Pillar n. 147.
Precisa-se Je urna acia que saibien-
gommar e cosinhar, para casa de pouca fa-
milia: no Manguinho junto a paJaria ao
virar para a haixa ver 'e
Paga-se 480 rs., do vendagem por ca-
ada de azeite na rua do Rozario estrena
n 87 Na mesma casa vonde-se urna I .zari-
na de caca.
Retratos ,,botogenicos. na rua No-
va n. 6i segti id i
J. J. Pacheco, tendo de ratirir-se pira o
portos do aul, previne .-. qurm quize' pos
suir o relratocom perfeita ....-Ihanci.qo, i
ra dignar-ae prucura-lo al 2s Jo corrente,
dia em quep.eleuJe paralisar seus trah-
loos O mea.no vende urna u...lidia de jaca
randa coiistaudo Je 1 s.'fa, 12 ca leirae,:
ditas Je uraco, 2 bancas e 1 jar.lmeira par
o meio de sa|s, bem como 30 tenas Je vi-
dro, ludo por coinmo lo pre^o O a lista ler-
nau.eul agradece ao reSp'itaVol publico
ic-ta edaue o benigno acoln jionlo que se
dignou Ja- -ihe.
^^99 99 ?,9&&&99 99999?*
.fA li/tnt I uprnd .Ul*n n..uan' '
algodo nanua non enees porM,000 rs. pe-Ia^f. ordinaria, ro9to re londo, cabrulna cres-
nt.orada a Anlonio J .se Pereira de Menlon-
(i ; ludo por oieaufSo da fazen Ja nacional,
contra seus devedores : quem taes objectos
pretender comparec no lugar indicado, as
10 horas da ...a ulula.
-- Adverte-se ao Sr.1 altores da quarta
classe, Jorge Rodrigues Sidreira, mande le'
var n... 5 pinnas, o papal que no ignora ;
,isto antes que venbaabirc do Norte, pira
se nao dar mais explloic.des-
Segunda -faira 24 do corrente, pelis9
lloras do dia, se ha de arrematar em le.l. .
publico, pelo porleiro do juizo a armaco
a genaroa exisleaies na taberna, sita n*
rua da Concaifilo da Boa-Vista, avahada om
33a,3l0 rs.. : a requerimento de Joaquim
Luiz Ferreira, curador fiscal do fallido Ma-
nuel Marques FernaodM.
Oa Sr*. Luii Jos da Silva, Flix Gomes
Cpimbra, Jos Mana Marcineiro, Manuel Joa
(dos, e bi'rbn no quexo; tr'ajava c.la e
canos, do aliod.il) risCadjO'. quem o appre-
In i. ler e. lova-l i a rua da Cadeia do Recite
i.. 12, uu n buido do mesmo brigue, se i
beal giatdicado.
M.wioel de Alineida Lopes, com casa
dec.insignaclo para comprar e vender ea-
cravos, la.npara esrta provincia, Como pa-
ra fura dela, motlou asm residencia da
rea da Cadeia do Hit.fe, n.51, para a rua
da Cacimba, n. 11, anuda morn o finado
Cxm. v.gario. Barrate,onde".continua, oll'e-
recendo-se toda a segura.na precisa para oa
anesmos e bom tralamento.
Aluga-se a casa n. i, da rus
da Cadeia de S. Antonio, propria
para algum advogado, ou socieda-
de : trata-se na mesma rua n. 9,
qbimdoSouza, Triato Francisco Torres e COnj Joo da Cunha Soares Gui-
llcnrique Jos Brisne de Souza Ranget :t .
qbeiram fazer o favor de irem atrs do thea- [maraes.
tro, armazem de toboas de pinho. f -- Precisa-se alugar urna casa com sitio,
' Um moyo brasileiro, rhegado ha pou-j'ou sem elle, na cipunga, ou ainda miis
cas dias, offerece-se para cirxeiro : quem perto, com tanto que lenha banho no rio
precisar, dirija-se a travossa do Vlgsno n. dplbirrbe, e se] 1 perto delle : nost* lypo-
jjquose dir quem he. .......gnpliia se dir quem precisa.
Bons (Jarros para p,i.seio!
JJ Na rua das Flores, detroutu da CO-
$ cheira do Sr.JosMaria, abr.u-sc u.na $
< outra com este lelreiro na frenlo Jo 9
5* eJifucio carros de aluguel ahi ^
f acbarSoosbons f.eguezes, ricos Car- 9
v ros,cabriolls & .por accommo.la-
9 Jo prei;o,ali01 de 10 ios po.iere.n se re-
c.uar nos bellos passeios Je nossos *>
** arrebaldes, em a losla que a porta
.9 nos bate. *
.'t ?-*lffc**'*-:",*^*t
preciza-se de um port .guet que seja
perito em plantarles do s.tiu, e saiba ti-
rar formigas, quem estiver nelas circuns-
tanciase quizer trabalhar no sino na traves-
a do Remedio 11. 21 e.ilenda-se com seu
proprielano, o Porleiro Ja AlfanJega desl-
cnlade, na mesma repartido qjea vista da
prova que dor desibero que cima se des<-
ja, e da sua boa conducta &. &. tratar-so-be
do aiusle.
Mascates e boceteiras.
O arrematante do imposto dos mascates e
boceteiras, dcito municipio do Recifo, faz
cerlo aos mesmos, que Jo dia 15 w dianle.
Jar principio a pas>ar as ditas liecncas, e
a quem iuleressar po lera procura-li na
mesma Casa das afaricOes, certo d- que n3o
serSo atlendl los nos lempo* das corridas,
Sobre pretextos infuoda los, po.s que p.ra
i.u \m. piiidien o lugar competente de
irem tirar a mencionada licenca.
jNovr tintur.rii iranceza na rua
Vclha 11.74
Ahi tingem-se obras le qualquer pinito,
eliinpg-secazcasqu(lcam como novas,
ludo por pi"c," c oiiiiiu lo
Precisa-se alugar urna escra-
va, que seja boa cosinbeira e coin-
praieira, : quem a Uver dirija-.se
a ma da Assumpcao ou muro da
'enha o. 16.
Hotel no Monteiro.
Domingo, 16 do crreme, abre-9e esle
estaoeleci.neulo com as seguinies pro-
porc,i5 s:
Sala mobillada e indepondente, pira as
familias, que indo a paaseio quizerem des-
cansar.
Quirtos propsrados para dormida.
Espacosa e bo.n .uejiJa sala dejantar,
eo.n capacida.1.1 de servir a 10 pessoas.
: Sitio para recrcio e passeo.
Estribara e arranpis paia cavallo.
,' CoojiJa uieusal e avulso, prepiram-se jan-
tires e prazuutos, aluga-se louca, vidros ,
bandejas ele <-tc,
Tudo por pre tenl.i Jos prcten Icoles
Coi 111) ras.
, Compram-sa escravos e vendem-se de
eommissffn, para dentro e fra da provin-
cia : na rua da Cacimba, sobrado n. 11, on-
de morou o Sr. vigario do Recite.
-- Compra-si urna refinac3o, qu sja bis
tanto afreg.iezada : que n a l.ver anuuucie
por esle Diario, para ser procurado.
-- Compra-se urna paiaria que seja em
bom lugar, e eateja afieguez.da, a com-
pra-sea dinheiro : quema livor aanance
por este Diario.
Vendas.
F0LII!\IS PARA 1832
Sabtraoi a luz as folltinhas im-
pressas nesla typograpbia, sendo
de porta a 160 rs e de algibeira
3io rs cOntendo todas as de al-
gibeira alm do calnd.irio, a de-
linitao dos corpos celestes, astro-
logia, cometas, continnacSo da
chronologia principiada, ba annos,
juizo das mii.laiKMs de lempo pe-
los meteoros, til.el.i dos emolu-
mentos dos parochos em todas as
funecoes religiosas, e unas colle-
cedesde ancdotas,bons ditos,etc.
nutras a confissSo do manijo e un-
irs alinguagem d*s flores, fruclas
e jogop de finezas de flores e breve
sahiro asdealmanak, muito acres-
centado e corrigido : vendetn-se
n livrarta da pfaca da indepen-
dencia d. G 08.
j-Vende-se a taberna da rua Augusta n.94.
da esquina do viveiro, a qual vende mu'110
(ara trra'; a vende pelo dono ter do fazer
urna viagem e 0S0 ter 1 quem diixar en-
tregue : a tratar na mesma.
-- Vendem-se caixis com vidros palo di-
minuto prego de 6,500 e 7,000 rs., e bota-ae
vidros om vidraras por prego commodo : na
rua Direiti, loja de pintor n. 39
Vendo-sp t* portas novas da cedropro-
priis para qmlquer caza por prego commo-
Jo; na rua do Vigario n. 5-
Pommatein cutllleiro, no aterro da
Bna-Viata n. 18, tara a honra da-prevenir ao
publico, que vende na sua loja', caheca 'as
da seda vegatal, pelo mdico p'eco Je 6.000
rs. ; osi 0"S que ven lia pir 4,000, a S.OOO
ra.; easd- 3,000, por 2,000 '%.: al n de e
acharem tu tas as fazendas Je boas qua|i ta-
les, e garantida* ; timbe ti vende mui bda
po na li par< o mserver la la a qual. 11 le da*
ferro ou .;o polido, para que a fer ugem OS
(lo destn : elu preqo de 200rs. a caixa.
Bom e barato.
i'.oniun.-e a v.ui 1 manteiga Ingle-
za a 720 rs. libra, dita fr-mca/a a 560 rs.,
loucinho a 200 rs., farinha do reino a 80 '* ,
aa'UCar refina lo e hrancii a 80 rs., leva la a
100 rs., caf Jn c rogo a 140 rs., v'las Je ei-
. o-01 accie 720 rs, ditas da carnauba de 6
a 8 em libra a 300 is chuurigis novas 4(0
'a queijos novosa 1,440 rs., v.uho de l.is-
boa a 21o e 260 rs. a ga rrafa, sebo do Porto
s.oveja patente inglezi, garrafas e melas
Jilas, bolaxinha ii.glezi,passi< noval, figo,
en hysun. arroz alvo e grao le, todo do
bom o melhor, p.c menos p'eqo doqueett
nutra parto, n muito bem pasado : ua vena
lo pal -o Jo c-ifitoj que vira para o becw
Ja Itomba. por baixo do sbralo de um
au lar n. 13.
- luda ae veniem algurts terrenos alga-
lo e pule 1. liolici. lo com 150 palmos de
fumloecom a frente qun o co'norador qui-
"i Un 11 ira 11 Sul .-.un 1 liara o No rio a noen-
te e nascu.le n~ rua Ja Coneo'Jia tr.vess*
lo monteiroe do Cllde|relro, p.ga.u 20 ra.,
porpaln.o 1I.1 f. 10, o pe t od d -s podem
eutenderem-se rom o Sr. P d o Jos Texei-
ra Cuimaraes com armazem lera d iras, o
nat-'iaes as C'Sas do Sr J Cungalv
la S'lva defroutedo me.mu le.renu uu qual
e e-tJ edilicando dous predi .
Vende-se un excedente terreno con
100 pal "Os de frente h 400de mu lo, sondo
arto .i orado no seguimento Ja 111 Jos Pi-
res : na rua da M-lu/. Ja B 1 vista r,.l6
Vende-se urna murada du caza, com
quintal e uina moia igoa no fundo tambero
em qiii-.i I i'i'ii'in.l.i. siti na (rua A'igu-ta
11. 15 : a tratar no paleo do Carino vend
11. 1.
Vomle-se urna escrav moga de bonita
lisura, rero.Indi, e com tlluita l.ablli lides :
na rua Ja Coucor Jia casa do vigario de San-
to Antonio.
Veude-se na loja de Jos Joaquim
Moreira &c Lompanhia, na rua
Nova n 8.
co.i. le canil, an branca de teda, fizenda
legoslo e propria para casamentas, bailes
e Uiealros, e assegura-se que o prego he o
nal commodo possivel ; cort s de sedas li
sas de furia cores, padrOes lindos e boa fa-
en.ia, o oulras mais Uzeadas, cliegadas de
prximo e que sa acbam a venda na mesma
loja.
MOB1LIVS DE FERRO.
Vendem-se ricas mi.lu tas de fer-
ro, como canaps, mesas, cad-iras
com braco i; sem elle, e muitos ou-
tros olijeclos de ferro : no arma-
zem de K ilk.iiaiiii Irm.'os, na rua
da Cruz n. 10.
Na rua da Guia n. 12, vende-se umi es-'
crava moga, sem vicios e nem achaques.
Ven 1.....-.i alguna ahaeaxis, pmprios
para emb.rque : em o filio junto ao enge-
nho da Torre, na heira do no.
-- Ven lem-se raaastras. com duas arro-
bas de balitas, as mais Onvas que ha no mer-
ca lo : na esc Jtnha, armazem de Dias Per-
1 en,1, e na rua Ja MaJre Deua n 14.
S e-i I.- se urna laver.ia na Soledade ,
com noucus funJus, na estrada da JoSo Fer-
nandos V.eira u. 28 : a tralar na mea ul ca-
verna.
Vendem-se duis cimas em bom estado,
urna de amarello para Casal e oima para sol-
teiro de jacann la, por prog 1 com nodo : a
tratar no lim do becco Largo do Rcife, le,
llieiru de labois.
Venle-S urna bonita preta sadia,
de muito boa conducta e com algumas ha-'
1.nola le, assim como um moloqu crioulo,
de 9 annos, Com principios de coz.una, e
quj sabe servir a urna mesa, por ter tido
pralica em um hotel un sap..'e. o crelo,
muilo bom oflictal, que da 610 rs. diarios,
este para a praga, por elle assim o pedir e
ser digno disso : ha rua larga do Rozario n.
35. loja.
Vendem-so e alugam-se bichas, chafa-
das ltimamente de Hamburgu, por prego
co.nniod.i: na rua de S. Amar u. os.
HOTASSA l)\ UUSSlv.
No armazem de Jo- Teixeira
l^asto, na rui do Trapicbe n. 17,
lia para vender, nova e su.ierior
potassa da Hussia, ebegada recen-
lemente.
Aos 30:000,000 de rs.
Acaba de cliegar pelo vapor S.
Salvador, osbilbetes, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da lotera-
do 10 de Janeiro, a beneficio do
theatro di Nictheroy cuja lista
ch'gi pelo prim iro vapor, even-
dem se na ua 'iu Quciiii-i.il>, luja
de feragens n. 3j ,\, de Antonio
Jos And igues de Souza Jnior,
pelos muilo b ir.uos precos abiixo :
liilltcics inteiros aa.out)
Me tos l.il lio tes ii.o.m
Quartos 5,5oo
Ott.vos a,8oo
Vigsimos 1,3oo
Cortes do ch'ta e cassa.
Continua a havor grande sortimento de
cortes de vestido de chita, curo I*aovados
em om s pedago. 2,000 rs.; d.t.w doaa-
sa de cores, fizas bons pad-Oes-, a 2,000 rs.:
na loja do sobrado amarello, aa rua do
Uueimedo n. 2
Sapatos de tapete.
Ven iem-sc 10 bem conhecidu corteada
tapete, para sa patos, a 500 rs. o par: na
rua do Queimado, loja do sobrado amarello
n. 29.
Algodfio para saceos.
\a inji 10 sobrado amarello), nos quarro
cintos di rua do Queima lo n. 2t, vende-a*
al godSu para saceos, por prego muito com-
modo.
Casimiras baratas. ,
Vendem-se os mais modernos corteado
casimira, que ha no mercado, a afcSOOrs.
cada corle, lendo grande sortimeoto para o
comprador escolher: na rua do Queimado,
loja do sobrado amarello o. 29.
Toalbas a guardanapos.
Ni loja do sobrado amirello, nos quatro
cantos da rua do Queimado n. 29, tem para
vender um grande eortimeoto-de toa I h ai de
diferentes tamauhos, e em peca que se ven-
de em varas ; aasim como um grande sor-
limenlo de guardanapos de diversos tama-
nhose quilidades, e que tudo ae vende por
prego de agradar ao comprador.


re
m9PM AGENCIA
da fundicio Low-Moor.
UUA DA SEN7AI.I.A NOVA N. 42,
tiesta estabeleeimcnto conti-
na a haver um completo sorti-
mento de mocndas o meias moen-
daa para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Para as escolas.
Vende-se no pateo do Collegio, loja do
livni zul synopgi. do general Abreu o Li-
ma, ullimamentedopt.d. pelo \-\ dente da provincia como compendio de lei -
tura e historia do Kra.il as escolas prima-
rias da provincia.
Trecoern brochura 3,560
Encadernada 3,200
>im < *-
< ALCOOAO' PARA SACCOS.
vende-se muilo bom algodflo parasa- tu
eos de assucar, por prego commodo :
(ni casa de Ricardo Royle, na ra da ?
B Cadeia n. 37. y
Deposito da fahrlcn ile Todos os
Santos na Balita.
Vende-se, em casa deN. O. Rieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado ila-
quella fabrica, muilo proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por pregocom-
modo,
-- Vendem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa c no Mi del
Janeiro, em caixas de ioo libras)
sortidas, de i a i6em libra,etam-
Lem de um tamanho, por me-
nos pirro do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
rio de Machado & Pinheiro, na
ra do Vigario n. ly, segundo
andar.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vinide-se este compendio, approvado para
as aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
praca da Independencia, livruria n. 6 e8.
Pechinxa.
Vende-si na ra do Crespo na loja da es-
quina quu volta para a cadea, coites de
cambraia cor de rosa e de outras cores do
Ultimo goslo a 3,000, 3,500, 4,000, e 4,500 ;
ditos de cassa-cliila a 2,000 ; ditos da expo-
sicSo a 2,210; cortes d chita com lcova-
dos a 1,800 ; cortes Je fust.lo a 560 ; cor-
tes de calca de brim escuro a 800,960,1,120;
ditos de brim amarello do puro linho a
1,440,1600; lencos de cambraia muilo linas
proprias para mSo a 320; e oulras multa
fazendas que se tornSo recommendaveis pe-
la boa qualidade.
.\rados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Vende-se um excollente sitio cm Ile-
boribe, pcrtcnccnte ao Padre Francisco Jos
de Lira; a Tallar no mesmo sitio, ou na
ra da Aurora n, 62, segundo anJar.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. i-, ha
muito superior cal nova en pedra,
ebegada tiltimamente de Lisboa
Chegucm freguezes a fazendas
baratas.
Bombas de Ierro.
Vendcm-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do .Brum ns. 6, 8 e io,
fundido de Ierro.
Farinha de mandioca.
A mais nova e mais barata farinha de
mandioca que ha no mercado, vende-se na
ra da Cruz do Recife, armazom n.13, de
JoSo Carlos Augusto da Silva.
Moinhos de vento
eom bombas de repucho para regar hurtas
d baixas decapim : vendem-se na fundigo
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
na. 6.8 o 10.
Kiu casa de J. Kellcr S Coni-
panhia, na ruada Cruz n. 55, acha-soa ven-
da onxcelleoto e superior rinho lie Bu-
cellaa, cm barris de 5.*, be muilo recom-
mendavel as casas estrangulas, como ex-
excellente vinlio para pasto.
Taixas para engenho.
Na fundicio de forro da ra do Brum,
acaba-se de receberum completo sortlmcu-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptidflo embarcam-se, ou
carrogam-se em carros sem despezas ao
comprador.
DE VERES DOS UOMLNS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernagao, a 500 rs.,
cada um: na livraria n. 6 c8, da praca da
Independencia.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, vendem barris com cal
em pedra, chegada ltimamente de Lisboa,
na barca
queein outra qualq
deia do Itecifen. 50.
.Azeite de earrapato da fabrica de
Aimiij i ,\ Filbos, no Penedo.
4
Par Mosquiteiros. .cicetrx no rosto; Pv A 2 aaa<-. I' I i ra, e um dedo do urna das Baos w!!, '
Vend.m-se a. 'r'JT"o Qu.im.uo, loja O, e S.X^jfe'1 p"a &.,
17, pega, de cambraia branca de rada, nn-'d*P ,!; ,? ."" ler P^^'s, e mo s
Vendcm-so 50 palmos da terr. de fren-
i to .. i
itra fugld. quefizera. Rota w A !i
authoriJ.dsPol1ci.e.7e!c.TiUe,U
, a captura dola, e a enUeg, d(
- Po^udor;z'05o"ooo5rsond9'9 ,r,i,"';
Tonucm-fo . le, no lugar da C.pung. ao p da b.ixa ver-! e,mlL *5K"r" dSl V ""''"S"' "' 'u
de.livre8edeombarc.do; m,mar>- do Liyr.melrto n. J_5, onde se gratn,?'
tender dirija-so ru. d. Santa Cruz na Roa-
vista n. 5, que se dir quem vende.
Casemiras
\ de lista, pretas, i 4,000 rs. o corte, e do co-
BOA GRATIF1CACAO-.
Aiisentou-sc na noite de 2n d
outubro passado o mulato (J|e!
mentino, de ao annos de idade"
pouco mais ou meos, magro aL
tura regular, tem muito pequeo'
kiana Ja Una L^ .. I'. I I ..__.
SALSA P ARRIL jiADE BRIST0L
MAllirilnAHinAlS.
A salsa parrilha deBristol data desde 1832, e tem const.ntemenlo m.ntido su. repul- 'M *'50. f"eod" elstica e bo. : n. ru.
cSo, sem necessid.de do recorrer pomposos .nnuncios de que as prnparacOes de me- a* Cadei. do Recite n. 33.
rito podem despeus.r-se. O suceaso do lr. Bristol tem provocado infinitas invejas, e I Vende-se um selim inglez qu.si novo
entro outras, as dos Srs. A. R. D. Sands, de New-Vork, preparadores o propietarios da : D* ru* da Cruz "
..Isa parrilha conhecida pelonomede Sands. NSo se fia.
Estes scnhoressoliciUrfloeui 1849 a agencia de Salsa parrilha deBristol,ecomo nao I Antonio de Almcida BriodJo e Souza buco de barba e Hila muito mansa
o pudessem obler, fabricarSo urna imitacSo de Bristol. tendo vendido a sua vend sil. em 'u' miando anda narece nu
Eis-.qui .carta que os Srs. A. R.D. Sands escreveram .o Dr. Bristol, no dia 20 de abril Nov. n. 71 convid. oa seus freguezes p.r' : t iue n"0 pisa,
Ihes ( ~
d. Bo
procos
vidos t
mauteiga ingleza filo dita 560, e"480 rs. di-' elusivo
ta franceza 520, banha 400 rs., cha do me- r { i/iiiio
Ihor 2,000 rs., dito 1920. dito prctodo me- "n0 8zn|j e a|em do mais algum
Ihor que ha neslo mercado 1920, a Ib. tem 3 calcado, um par de borzegains nar
embrulhos chinezes o embrulho 6V0. ei- AnJ i' ,. B, ,s Par-
permacete640,carnauba28O, aevadinha 160, f > mnoes ue madrepciola
ervilhasl20, letria, 160, nz branco 80 rs., brancos, e consta que levara nm
tapioca 80 rs., dita do ararula 120, chocla-' ra.|l ailoii m
te 320, chouricas 400 rs., assucar refluido cav?"> que naquella occas^o a-
pelo diminuto preco de 80 rs. a Ib., aflanca Migara, o qual tem os sienaes se
se a qualidade, milho a 120 a cuia, anOz de ,,,|ritrs ___raslanlm K...; i '
casca 120, feijaomulatii.no320, alPista960, S"'"1" ~ castanlio, barrigudo,
panco560,azeite de coco 480, dito doce 480, cimas pretas, gordo e tem um ta-
* Lisboa "
cal?a e aqueta de pan
no
de 1842, e que seacha em nosso poder
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nosso apreciavel sonhor.
Em lodo o aano passado temos vendido quanlidades coisideraveis do extracto de
salsaparrilha de vm. e pelo que ouvimos dizer de suas virtudes aquellos que a tem usa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentar muitissimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultarla multa vantagem, tanto, no.
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos resiionda sobre esto assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um moz, ou cousa semelhanie, teri.mos muito prazer em o
ver em nossa botica, ra do Fulton n. 79.
FicSo s ordens de Vm. seus seguros serv loros.
(Assignados) A. R. D. Sands.
COHCLUSAb
I.'A.nliguid.de da salsa parrilha de Bristol, he claramente provada, pois queell.
data desde 1832, e que a de Sandg s ippareceu em 1842, poca na qual este droguis- J'n'gro oom 80 rs. a garr.fi, dito do Lisboa Uto em urna anca: he nrovavr-l n...
la nlo pode obler a agencia do Dr. Bristol. f 110, qucijos do reino 800 rs.. carne do aerlflo____:_______ .'I"e
2. A superioridade da salsa parrilha de Bristol he incontestavel, pois que nSoobs-
branda!'''or'menos preco'd' Ilanle a concurrencia da do Sands, e de urna porcSo de outras preparacOes, ella tem man-
utra qualquer parte: na ra da Ca- t|d reputscao em qu.si lod. a Amer.ca.
As numerosas experiencias fetas com o uso da salsa panilla em todas a. inferan la-
des originadas pela impureza do sangue, e o bom xito obtido nesta corte pelo lllm. Sr.
Dr. SigauJ, presidente da academia imperial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos Peixoto em sua clnica, e emsua afamada casa desaudena Gamboa,pelo lllm.
Sr. Dr. Saturnino de liveira, medico do exercilo, e por varios outros mdicos, per-
miltcm hojo de proclamar altamente as virtudes eicazes da salsaparrilha deBristol.
Vende-se a 5,000 rs. ovidro; na botica de Sr. Jos Mari. Goncalvos Ramos, ra
dos Quarteis pegado ao Quartel de Polica.
-- Estn "azeite pela perfeic.3o cm quo he
fabricado nSo s serve em lugar do azeite
doce o de coco, para qualquer qualidade de
candieiros por mais delicados que sejSo,
como he muito prcllrivel a qualquar outro
por dar urna luz mais brilhanl, ser mais
duralivo, e seu cusi ser mais barato ; n.1o
tem o cheiro desagradavel que exala o azei-
te de earrapato commum, mu em nada
dellesoassemelha. Vendo-se em barriz de
16caadas. 2,400rs. a caada, no armascm
deJ.J. Tasso Jnior, ra do Amorim n, 35.
Vende-se um cano de qua-
tro rodas, muito leve, para um ou
dous cavallos: na cocheira do Mi-
guel Sougei 7 no aterro da Boa
Vista.
Vendem-se chapeos para pagens, ga-
lOesde ouro edeprala.botoes domo- S
tal branco, e amarello: na loja de *
sirgueiro, no pateod. matriz. ^
Vende-se farinha SSS muito
nova c de superior qualidade: a
no
de
tos, no armazem do A mies,
caes da alfandega.
Novos gostos '. !
Na roa do Crespo n. i4. loja
Jos Francisco Dias,
vendem-se finissimascassasfrancozasde ri-
qusimos goslos e novos padrfies pelo ba-
rato preco de 700 rs. a vara, corte de Cam-
braia liza fazemla muito lina 2,240 rs., o cor-
le { metido de seu valor 3 ditas rom salpi-
corte de cambraia
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas de carnauba imitando
espormaceto : na loja de selejio da ra da I
Cadeia do Recife n. 36.
Vende-seo sitio do Santa Anna, que
(ca defronte da taberna de Niculo Rodri-
gues da Cunha, o qual tem casa com bas-
tantes commodos e cupiar fora, e diversos
pos de alvoicdos com fructos : quem o pre-
tender comprar dirij3-se a ra do Livramen-
to, taberna n. 5, que achara com quem tra-
tar.
Vende-se um moleque crioulo, de 12
annos de idade, um casal de cscr.vos de
meia idade, 2 escravos de servico de cam-
po, 2 escravas mocas, que engommam c co-
zioh.meum. dita de meia idade : na ra
Direita n. 3.
Peneiras de rame.
Vendcm-se ptimas peneiras do rame
na ra doCabuga, botica n. 11.
Ricos sinteiros.
Vende-se, ou troca-se
por um cabriolet.ou carro,
n5o olhando-se a diffe-
renca, um excellente cavallo, bs-
tanle gordo e bom andador: a tra-
tar na ra da Cadeia de S. Anto-'aZi. do Recfe n/s.
nio n. g, com JoSo da Cunha Soa- -- Vende-se azeite de mamona perfeU-
verd.deira, 200 rs. ib., sendo de 4 p.r. ci- 1ue,"a passar por forro, he boliei-
m.,cretlho 240, linguicas do mesmo 240, ro e escravo de Luiz Antonio Si
bolaxinha ingleze 160, cafe de caroco 140, ; ol~
e ludo mais por diminuto preco, e de ludo 1ueira quem o pegar Icve-o a ra
se da mostr.s. da Cadeia do Recife n. ai, queae.
~ Vendem-se tludoros de navalhas par. -i ,Wi,mM,.j. ^
loj. de b.rbelro! n. ru. estreiU do Rozario Ffl "impensado,
n. 21. Desaparecen no di. 13 do corrente, um
Admiravel sortimento de louc, vi- 'a.irSTl.y
drada.
T.nto do Porto como d. Babia, como se-
jam : panellas, tijellas, grandes escarolas 'goaaosinno ezu trancado, e mais algomi
com cabo, fregideiras, alguidaros, talhas 0UP*- Sup)-seter tomado. direcco do
para doce, jarros finos, qu.rlinh.s, gar-l Bonito. ">" mor. o seu antigo Sr., de
raj., copos, resfnadciras, moringues; tudo! 1uenl ,",a, ll8 'orava a mS do dito mole-
para resfri.r.gaa, vasos linos de todos os'?ue; ro8,-se,suloridadeshajam deapre-
ue ae ua ie annos, bastante esperto, sec-
I co do corpo, estatura regular, e pea gran-
. des ; levou camisa do riscado azul, calca de
, .IgodSosinho azul trancado, e mais algunii
tam.nhos p.ra flores, balaios para meninos|!l9r|de-lo, e leva-loa cas. deseuSr.o ma-
andarem, ditos para costura, baldes par. j<>r Antonio da Silv. GusmSo, o. ru. Impe-
compias, calungas para prezepio : n. ra d. "' n- '*
res (, u una raes.

Chapeos do chile.
Vendem-se ch.peos do chile peque- &
0 nos 4,000 rs. : n. ru. do Crespo 4
mente purilic.do, muilo Uno e.lvn, como o
[ de coco, a 400 rs. a garrafa ; este azeite alm
de durar muito mais, d una luz ciar, o bri-
Ihanle qne o de coco ou doce, e serve em
qualquer candieiro por mais delicado que
seja, nSo tem cheiro algum, e nem deita fu-
1 maca, tambem he recomnenl.vel par. as
lampidas de igrejis : na ru. eslreita do Ro-
Vondem-se ricos sinteiros achamalolados,
ultima moda de Pars : na ru. do Queiai.-
tralar com Juanoel da Silva &an-|don. )6i |0j
tada com 5 varas a 1,600 rs., casses de cor
escura por 240 rs o covado, ditas pretas a
100 rs.o covado, dem para babados e corti-
nados a 2,400 rs. pesss, cortes de chita
"in 12 covados a 1,800 e 1,920 rs. : na ra
do Crespo n. 6.
Viiiho de Champagne,
e superior qualidade : vende-se no arrr.a-
em Kalkmaou Irmos Ra da Cruz, n. 10
Deposito de cal e potassa.
J?o armazem da ra da Cadeia
doHecife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
-iin como potassa ebegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Casa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para Tora della, para
o que se oficrece muitas garantias
a seus donos .- na ra da Cacimba
11. 11, primeiro andar.
Agencia de Ldwin Maw.
Na ra de Apollo 11. 6, armazem de Me. Cal-
nontSt Companhia, acha-ae conaianlcmenlc
bona aorliineoloa de taia de Ierro coado c
baUdo, tanto rasa como fundas, mocndas lu-
cirs todaa de ferro para animaos, agoa, ele ,
ditas para armar em madera de lodos os (a-
manhoa e inodellos o mais moderno, machina
horisonlal para vapor, com forca de 4 caval-
los, coucos, pasaadeiras de ferro cstanhado
para caaa de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, escovens para navios, ferro iogles
Unto ein barras como cm arcos folhas, c ludo
por barato preco.
Vendem-se velas de espermaccle, em
c.ix.s, de superior qualidade: em casa de
1. he I ler & Companbi. : na ra da Cruz nu-
mero 55.
0 Vende-se um grande sitio no lu- y
0 gardo Manguind, que lica defronte Q
Q dos sitios dos Srs. Carneiros.com ja
\ grande cas. de vivenda, de quatro q
n agoa., grande senzalla, cocheira, q
^ asa I r i Kai Pi Kiiva ll u ? r> i m nuo tfiio_ "^
eos 640 rs, a vara,
Poss.s do cambraia com lislras de cores ; pintado de cor.de gostos modernos 2,200 rs,
com 8 varas, por 3,200 rs., cortes de dita j0 coi te, superiores chitas fraacozas cores
comsalpicos a 2,800 rs., ditas de cassa pin- muito lixasede novos padrec a 210 c 260
rs., o covado, ditas cslreil.s cores de vinho
e de call o de ganga a 200 rs., o covado.
Fill do linho branco o de cor propria para
mosquoleiro 640rs,a vara,brins trancados es
curo e cor de ganga com listas miudinhas a
1,000 rs. o corte, assim como outras mui-
tas fazendas por baratos procos.
.Morulla- superiores.
Na fundirlo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, ach.m-sc venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modoloe
oonstruccSo muilo superior
Aos amantes do bom e barato.
Na ra do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-so casemira preta,
a 5,000, 5,500, 7,500 c 8,000 res o corte ;
ditas do cor, a 5,000 e 6,500; panno lluo
preto, a 3.000, 3,500, 4,000 C 4,500 ; dito
vente, a 2,700, 3,000 e 5,000 ris ; dito azul,
a 2,600, 3,500, 4,000e 5,000 ris; dito cor
de rap, a 2,600 o covaJo : e oulras muitas
fazendas por preco commodo.
Vende-se superior farinha
tras.
ja de miudezas, e da-se amos-
100,000 rs. de gr.tificcSo.
Roga-se .s autoridades poliei.es, que cap-
turem o escr.vo Manuel, pertencente Se-
bastiao Marques do Nascimonto, fgido des-
de o di. 8 do mez de selembro. Foi
elle escravo do Sr. Gabriel AITonso Riguei-
ra, i quem foi comprado ltimamente : tem
28 annos de id.de pouco mais ou menos, cor
fula, com falla de dous dente, n. frente, a
de cabellos do lado esquerdo da calmea, que
se torn. bem visivel por perecer urna co-
ra, tem olhos pequeos, heleos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, he oflicial
de funileiro. Tr.j.va jaquel, de riscado
azul, calca branca, camisa de m.dapolo, e
levou um. trouxa, contendo caigas e jaque-
tas : quem o apprehonder e levar ra ila
.Aurora n. 62, receber'a gratilicacio oro-
e perto da pr.c. por ser antosdY caVa Fo7- nn'dis'lri''rri!! SJEROSSl L'gdl 1Rodond,.' >etlida. Suspeita-so que fosse seduzido, e
te 1 a fallar com Nicolao C.dault n. ru. do Sitan ^ess/vil a h''V "T," 'eg'," em Ipor isso desde P*"-" contra quem'o
Apollo n. 20, segundo andar, ou ni Mica 1i dri f.lnl VSS/S. suPef,ores '"".'conservar em seu poder.
daRoa-Vista.na cas. queomesmoali es m?i Se Smi, ? m,"d,oc' ludo J Hontem sabio do lugar de S. Amiro.
edificando. eSm "" esla hJ^08'0 de ?r*"ie> *"ses.e do a vender leite, escrova crioula de norae
-.- Vende-se ou troca-se por urna oronrie- ^T^rt^l*^!*?"'. !**. > "..o. pouco mais ou menos,
Vendo-se um sitio a heira do no, com is,rio UverOi h. 47 .0 volt.r p.r. o pateo do
excellente casa, tendo de frente 70 palmos ,'C.rmo.
^^hnee|0f""do .com eran,dfl s,la adi"'e.2 A pechincha.
com grande b de^c.pim,^?erre,,o"e boa"'fK^Li*fS ne 5'000 rs' corte : "
^^^!^^^^ I "VfSSrrSSm U* nedonda.
Meias de seda.
Vendem-se muilo suponores meias de
seda, tanto cor do carne como preta, a 2,000
rs. o par : na ra do Queimado n. 16. loj.
de miudezas.
Luvas de pelica para homem.
Vendem-se luvas do pelica ponto ..
p.ra homem, a 1,700 rs. o par : na ra
Queimado n. 16, loja de miudezas.
Luvas de pelica para senhora a 800
o par.
Vcndem-se muito novas luvas de pelica 'o proprio, e com "m'itos'prdelar.ngol- i"?oe^aJdliB.ltiw2JE|l?a!,l!,0lE!!,, >lc noJe, julga-se esl.r futa.';
dI do Re- por isto roga-se as authorid.des policiaesa
estrib.ru, baixa de capim que sus-
supenor
de mandioca, muito fina, cm sae-
tas deseniliaicada do patacho
Conceicao, vindo do Ko de Janei-
ro, entrado cm 06 do corrente mez
de outubro, por preco commodo:
nos nrmazens de Antonio Annes c
Dias Fcrreira, no ees da Alfande-
ga : a tratar nos mesmos, ou com
iN'ovaes & Companhia, na ra do
Trapiche n. 34.
Cal virgem em pedra
Chegada recentcmentc do Lisboa, em anco-
ras muito bom acondicionadas ; veudo-se a
prego muito commodo : no armazem de
Silva Barroca, na ra do Trapiche n. 19.
Chegucm freguezes antes que se
acabe.
No armazem do Marlins & IrmfiO, na ra
da Cruz do Recife n. 62, chegaram ultimar
mente os seguimos gneros de muito boa
qualidade : --queijos lon inglezes e do l'nrto, conservas inglezas o
francezas com ililTerentes frutas, latas de
m esiriumia, UOI1B UD11|IIIU l|UO 3UB- M
S trata 3s 4 cavallos, grande cscim- jjj.almao, ditas rin ervilhas e sardinhas de
J* ba, com bomba e tanque coborto JjJNantes, ditas com bolachinhas inglezas,
2 Pra banho bastantes arvoredos de m"rn|e|a,,"'e Lisboa, moslarda, o muilo a-
9 fructo : na ru do Collegion. 16, se- Ojcreditadocb deS. Paulo, caixas com muilo
v> gundo andar. O 'superiores macas linas para sopa, gigos com
O690Q9C OOGCSOOSOGO chamP'llllei vinho de Xerez, Madoi ___Vendcm-se relnrrioa de oi/-'cc"" ePorl0' gsrrafas com exlrait de ab-
venuem-se reiogios de ou- sjnlh8 e ootros mu|tos gcncros> tudopo,
ro e prala, patente inglez : na ra mdico preco.
da Senzalla Nova n. 4a. No aterro da Boa Vista, loja n.
Inda continua a fender-se barato. > l^< defronte do tribunal do com-
Cortes do casemira preta por 5,000 rs., di- J mcrcio,
tosdebrim escuros delislr.s 2,000 rs eLontnua.se a vondpr risradns n
1,600 r., ditos de cstor 1,120 rs., riscados l coniinua-se a venaer riscados es-
de .Igodflo 180, e 200 rs., nscadinhos euros, muito fortes, ptima fazen-
franceze. a 120 rs. o covado, e muitas mais da para roupa de escravos, c pelo
fazendas por baratissiino prego na ra do!.. '. '
crespo n. 6. diminuto preco de 100 rs. o cova-
Arados de ferro. do e outras muitas fazendas ba-
Vendem-se arados de diversos jratissimos.
modelos, assim como americanos. Vendem-se cortes de vesti-
com cambio de sictipira e bracosjdotleseda chinezes, a i.'.ooo rs.
da ferro : na fundicao da ra
Brum ns (1, S e 10.
do jo corte : na loja n. 3, ao p do ar-
ico deS. Antonio.
para senhora, a 800 rs. o par 1 na ra do
Queimado n 16, loja de miudezas,
Ligas do borracha a 200 rs o par.
Vendem-se na ra do Queimado n. 16,
loja de miudezas.
Bonitas luvas de trocal a 800 rs. o par.
Vendem-se luvas de nogal para sonhora,
a 800 rs. o par : na ra do Queimado n. 16,
loja do miudozas.
Ricos cachos da lloros.
Vendem-se ricos cachos de flores, a 1,500
rs. ; ditos a 1,000 : na ra do Queimado n.
16, loja de miudozas.
Luvas de seda a 500 rs..
Vendem-se luvas pretas de seda, a 500 rs.
o par : na ra do Queimado 11. 16, loj. de
miudezas.
-- Vndese superior farinha de mandio-
ca do Santa Calharina, a bordo do patacho
Margarida, l'undiado defrontodo arsenal de
guerra : trata-sn a bordo, ou na ra da
Cruz n. 33. com Luis Jos de S Araujo, .on-
de tambem se vende saccas grandes com fa-
rinha do Ccar.
Artilharla & cegadores. m
Vendem-se Superiores luvas de re- ?
Iroz preto propnas para uniforme de
artilharia n caradores : n. loja de sir-
JJ gueiro, no pateo da matriz.
Vendem-se amarras de ferro : na ru.
d. Senzalla nova n. 42.
Na Praia do Santa Rita, armazem n.
43, de .Manuel Jos flantas, ha para vender
Jacaranda em coisoeiras e toros: a tratar
com Jo3o Francisco da Cruz, na ra da Cruz
numero 7.
Vende-se.
Sal de MaranliSo, em paneiros a commodo
prego, no armazem do Sr. Antonio Annes
no Caes da Alfandega, ou Iratarcom J. II, d.
Fonsec. jnior, na ra do Vigario o. 23, se-
gundo andar.
-- Vende-se una preta perfeita engom-
madeira, e cozinheira, com urna cria do mn
anno, urna dita sem habilidades porm de
boa conducta, o que se afianga,3pretos bons
tr.balhadores deenchada, 2 moleques criou-
los de 16 annos, 1 molecote bom cosinhei-
ro, 1 pardo bom trabalhador de enchada 1
na ru 1 do Rozario n. 22 segundo andar.
Vendem-se taboas de cedro,
proprias para forro de sala e obras
demarrineiro; oleo de linliaeaet
botijas; remos de faia; cimento cu
barricas e meias ditas, tambem se
vende em pequeas porcoes de ti-
nas : atrs do theatro, armazem
de Joaqttim Lopes de A Impida.
Chegaram do Rio de Janeiro o acham-
se a venda as lojas de livrosdoSrs. Doura-
do no pateo do Collegio, e Antonio liomin-
guesna ra do Crpo, uns importantes fo-
Ihetos intitulados Vordades ElhicasPol-
ticase Ecconomicas,pelo diminuto prego de
500 rs.
Vendem-se barris do oitavos com vi-
nho linio da companhia do Alto Douro no
Porto: quem os pretender entenda-se com
Anlonio Fi.ucisco doMoraes.agenteda mca-
ma companhia, ou no armazom do Sr. Jos
Joaquim Dias Fernandas. O mesmo tambem
tom para vender pipas, malas ditas, e barris
de quarlo tanilieni rom vinho tinto duliia
companhia : a fallar com os mesmos cima.
Burros.
Vendem-.') burros muitocmco.ita : a Ira-
lar na ra do Queimado n. 14.
rem e levar a
mosmo lugar
que segu do
iv, uustauuu cmiiuiii., em procuri
SKS uUimaa,eDt9 Pel uto prego d, c.pella do mesmo Santo Amaro. Adver-
uciuuuors. te-se, que. pret. 3vou chiles e vestido de
- vonae-so um. mni.l. sadia, moga do chita desbol.do, esai.de lliodlo zul poi
bonit. ligur., cose chaa e engomma sofln- cima.
Sfu i! ,lrU 1! T ?," C"eJ' do Recire'! nes.pp.receu n. Urde do di. 13 do cor-
loja de JoSo da Cunha M.galhSes n. 51. rente um escravo por nome Joaquim Um os
;:::
ras, fjgueiras, pitombeirs, assafroeiras.
goiaboiras etc., 1 bom tanque; e
!pogo d'agua oxcellente; tambem
da por anno se fizer conta : .
idaC.dei. do Recife n. 54.
Attenc3o.
Vendem-se magos de'meias dt linho. li-
nas egrossas: na ra da Cadeia do Recie
n. 32, loja de fazendas, por prego mais com-
| modo do que om outra qualquer parle
n :"11Noc1?criPtorio,l8Frncisco Severino
Rabello & Mho vendo-se barris com ca
gem de Lisboa chegada agora n. b.rc
g6,r* VeSl0 diminu! P"-co de 4,000 i.
dio .o D d. mSi' !in.0irgir t*10" lleme" !fono*" o0Cr.0Vad0 '' xl^ P'" cobcrt,s. "". Joelhos, levo c.mis. de algodSosibho bran
viveros 2 wC 0,,aM' com 2'a 200 e 220rs. o cov.do, e oulras muit.s fa- co, cale, do dito azul, este escravo foi do
mSSJSSSSTJSS^A mU'l0S C0_ "nd"'Pr.PreS0S "ito commodos: na mato: que o pegar leve-o typogr.pbi,
lodo o Veai JEtamh.m "P"n* PVr iv Q"e,n,ad0 23; mp.rci.l. fallar com viuva Roma quem-
tZimaS. M,sllrM' por a|-' "i Ve"dom-8e dous terrenos, para edii- r recompansado.
na ruaX Cada ffiab pr,.* : *U' 'c,t1]0'"" r"! d* Pr"a ,0 l,dn da 0* "yS- Desapp.receu no di. domingo, lido
na ru.d. Cadeia do Recile, n. 54. no de Miranda : a tratar na ra Direita, pri- corrente, um prelo que reprsenla ter 45a
Vcndem-se cortes de casimi- meiro andar da casan. 32. 50 annosdeidade.de naci cacange, baito,
ra de tres e meio covado* a / nnn I. "" Vell(e-se urna rnuU de elimo, com cheio do corpo, sem defeilo.lgum no corpo.
a di I LOVatl0s> 0 4.J00 5ch.vesdepral. : n. ra Nov. n. 63.. levou vestido, caiga de casemira azul clara
rs., a uinueiro a vista : na loja Vendem-se escravos baro- dequ.drosejvelha,colele desetim preto
de quatro portas ao p do arco de
S Antonio n. 3.
Farellos de arroz.
Recentemonte chegado em s.ccas, a prego
commodo.no armazem do Sr. Antonio An-
nes, no Caes da Alfandega, ou a tratar com
J. B. da Fonseca Jnior : na ra do Vigario
ii 23, segundo andar.
Vende-so vinho do Porto do fetoria,
de 21 annos, de superior qualidade, tanto
em b.rnsde quinto, como engarrafado, por
mdico prego, attendendo a su. qualidade :
no largo do Linimento n. 20.
Vende-seos pertences da fabrica fran-
ceza de faser phosphoros; por commodo
progo : na ra da Aurora venda n. 24 se dir
quem vende.
Baile*.
As mais bellas e delicadas cambr.i.s de
sed. de cores claras ptimas pira noivas,
bailes, the.tros em di.s de galla ; chegaram
a loja n. 33 da ra da Cadeia do Recife onde
se d3o amostr.s,o se vendem por procos com-
modos
Vcnham ver.
Vendom-se n. ru. do Queimado, loja n.
17, chapeos de sol da seda cor de caf, su-
periores a 5,500 rs., cortes de casemiras de
cores escuras a 3,840 rs., chitas francez.s
inris e de cores flxes a 210 rs. o covado
cambraias francezas de coras modernas a'
560 rs. a vara, pegas de cambraia liza mui-
to fina com8 l|2 varase 3,500rs. cada peca
cortes de cassa pintada 2,000 rs., e outr.s
fazendas por prego muito barato. Ilam-se
as amostras com penhores.
- w hh fuiMuu roga-se portal
negras mocas e bonitas .- na ra des policiaes ecapitSe.de cimpo, .captura
das Larangeiras n. i4, secundo oomesnio>lev.ndo-oa ruado Vig.rion.u,
a_j i lerceiro andar, que se recompensar.
< nuc i. .. Auzentou -se o. noute de 27 do correnta
Vende-se um molequo de 18 .20 n- o mulato Clementino deid.de20.anos pou-
nos de idade, bonita llgur. : na ra Direi-|co mais ou menos, magro.altur. regulai, o
*'j f.ll. muito mansa, costum. andarcalgado
Vende-se superior farinha do Mar.- e bem vestido levou um. trox, de roupa,.
nhao, aloors. edita de .r.ruU. 160 rs. const. que lev.r. um cav.llo quealugra
Vende-se um moleque, de idade de 11 ness. occasiao, o qual temo, .iga.es so-
annos, ptimo p.r. aprender qualquer ofli-guintes : cast.nho, barrigudo, dinas pre-
cio : a tral.r ni ru. das Flores n 11. tas, e gordo. He prov.vel que queirt pas-
Lindos chapeos para senhora. s,r Pr torro : h9 oolieiro.e escravo de Luiz
""Vendem-se chapeos de palhinha com!Anto.nio. SVjff, que(m pegar leve- *
tranca e cabello, uito bem enfeilados : n. rua.da CrtaWWl n. 20 quese recompen-
No di. 12 de novembro do corrento n-
no, des.pp.receu de cas. de seu senhoro
0 Vende-se cortes de cas. chit
7 varas de muito bonilor padrOea
2,000 rs., o corto, na ra do Crospi
com
a
n 23-
Crespo, f>
-- Vendem-se 2 bonitos carnelros capa-
dos e m.nsos, proprios para montara de
meninos. Na mesma casa vende-se um bom
fagote para msica militar: na passagem da
Magdalena, casa terrea do lado direito antes
de chegar ponte grande.
-- Vende-se um negro creoulo, com idade
23 annos pouco m.i. ou menos, que cosi-
nha o diario de urna casa: quem o preten-
der dirjase ao caes do Ramos, armazem n
2, que se dir quem vende.
- Vende-se um adorego Ue ouro de lei o
do bom goslo por prego cominudo n. pra-
ga da Independencia u. 35, loja de calgado.
ru. do Collegio o. 3, loja de miudezas.
Vende-se uo moinho de pedra, col-
cadosobre urna mesa, por preco coinmolo: i
na ra da Auror. n. 62, loja do funileiro. que Drel de nomeJh,omar' de M,de ,ono,
faz esquina p.r. o Ierro i com .Iguns c.bellos brancos n cibec, de
P, ha mina ,U ti....... I nagSo Mussambique, bastante alto, migro,
L-narutos de lia vana 'pernas finas, andando sempre multo d.rei-
lia superior qualidade : vendem-se no ar- to, tem caroco. sobre o nariz, sigoal pro-
mazom de kalkmann Irmaos, na ru. d. priod. n.cSo; recommeud.-se cplura do
Cruz n. 10. mesmo. .. .utorid.de. e .o. capililes de
MhaTTnTa i i campo : i|uum o mesmo aprehender sera
CiSCraVOS futidos generosamente recompensado pelo dito seu
Q *_______ senhor Luiz Gomes l'orreir., no Mondogo.
ii...nn.r..... ~ uesd8 ** do eiembro p. p. fogio
me" Venando Ha id uiraT cori0ul0de "<- do engenhoJuss.rar. .oscr.va Mara Tbere-
Su 5S ?im% J n r8 25, 28 ann0S' eQm deW annos de id.de.esUtur. regul.r.c.r
fmdaiadmdene,,. r.eme,-.eSL9 eSC:aV0 fulla' <"os grandes e abotu.dos, tem de
BoiS^S0^S;h,?i?,t0 hJ!nild''.e menos met.de do deJominimodamao es-
fu?oPnodiat4doenr?^ A,UM Cl"r,'' 1U8rda ella mtitul.-se de forra e costum.
nodo lev.-lo 1 d\%u \>qa,\m Peg,r ^nder peixe, anda pe. ribera, e .ch.-se .
ennroMmenie rrmn.J i '* qu9 sera coilad. por tr.z do viveiro do Muni. ou su.s
-- DomZ 16 ,rPeeSad0i A immedi.gOes:quem .c.ptur.r leve-. .
t*n*o^U?*SS?^^!?gtt!tio ad"do."obradoPn. 22.tr.zdu
i!-_j ue< a e the.lro queosgratilicirbem.
30,000 rs.,aegr.lilic.gll0'
Desappareceu no di. 15 de julho do cor-
rente .ano um muleque crioulo de nome
Paulino de idade de 10innos pouco mais
ou monos,cor amarelada por ter vicio de co-
misa do
sem
. perlence ao Sr. Anto-
nio Jacinto da Silveira de Um ; quem o po-
gir Uve-o a rui da Cacimba n. ti ou
ra do Livramento n. 26 segundo andar qua
receber a gralilicnclo a cima, e so protesta
contra quem o tiver ocultu.
nome Citrudes crioula, pertencenle .os
herdeiros do finado Francisco Joaquim Pe-
roin de Cirvaldo ; cornos sign.es seguin-
tes: id.de de 50 annos, altura regular, al-
guns cabellos brancos, com duas esfoladu-
rasnoroato n. ,,.(.;. "'"""' ou monos.cor amarelada por ter vicio U
br ag.r-se l'cvnu duas I,, ,..C!lU?'. *""" ra8r ler".""s chato o feo levou cami!
t. e5ulr.deTuSr algodaosinho suja e caiga de riscado,
r.lL.2Lfldt2S^"l"u~"'n: cb.peu, este oscr.vo por ene. .o Sr. A
re l.s, e panno lino velho : quem i pegar ou
della tiver noticia, dirija-sea ra Forraos,
stima casa terrea, quo sor recompensado.
tutpfencAO.
Continua esl.r fgida escr.v. parda
de nome F.ufrosinn, b.lxa, che do corpo.
peitos grandes, olhos pequeos, com urna
M.-df: FVi \


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E926DK3WB_ZWWA8V INGEST_TIME 2013-04-13T02:03:51Z PACKAGE AA00011611_04751
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES