Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04747


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*

Anno XXV11
Seg unda-eira 17
de Novenrbro de 1851.
N. 260.
DIARIO DE m PEMAMBICO.
migo DA sOBOIlIFUlO.
Ftuamo Adiamiado.
por trlmeitre............
Por lemeitre .c...........
Por anno ..''"*'
Paoo dbntio OIl-
Po, fl^.i.'.V^a.o *
Para .... S3 deOulublMinii... :5de
Marao'bo 26 de dito |S. Paulo. 3 de
Cear... 31 de dito. R. de J.. '2de
Parahibi. 10 de IS'obr/'Hahia... 3l de
I nas da una na.
4/000117 Seg. S. Uregoriol
hyrj00[ Taumaturgo b. ;
15/P0 18 Terf. S. Roraao m.;
ni Quarl, S Izabel ral-
l/On ul>a de Hungra f.
20 Quint S. Flix,
Jetbr. 21 Seit. Aprsenlaco de
dito. Nossa Senhora.
Oulub 22 Sab. S.CIcllia v.m.
dito 23 Dom.S. lellcid.de.
ACDinreAs.
luiie OrphUoi
J. r.'i. S III linr.ii.
I. tara ia eitel.
3. c6. ao meio-dia.
Pateada.
3. e6.il 10 hora.
2' vara do eive.
4. e sbados ao incio-d.
BUfSo.
Tercas a abados.
ErHUIBIIDEI.
Creicente i 30, a I bora e7miuutcsda tarde.
Cbeia a 8, M 9 horas e 2 minutos da t.
Hingoante 16, ai 7 horas e 2 minutos da m.
Nova 22, as 11 horas e 47 minutos da tarde.
rnumo di hoj
Primeira as 11 horas e 42 minutos da manbl.
Segundis 11 horas e 6 minutos da tarde.
HBT1DI DOS COBIIOS.
Ooiauna e Farabiba, al segundas e jeitas-
feiras.
RIo-Craude-do-Norte, todas as quintas-fclras
ao ni.-1.1 dia.
G.irjnhuus c Bonito, a 8 c 23.
Boa-Vista, e Flores, i lie 28.
Victoria, as quintas-rriras.
Oluni.i, todos os das.
NOTICIAS I8TUANOEIBA*.
Portugal. 14 de Ontbi,Austria.. SdeGutbr
llespanba. 8 de dito Sulisa. .. 3 de dito.
Fran(a... 8 de dito Suecla... I de dito
Blgica... 5 de dilo .Inglaterra 9 de Uulbr.
Italia.. .. 3de Oulbr.E.-Uuidos 'JldeSelbr.
Al. in.nl i. 5 de dito |Mcxico... 15 de dito,
Pmssia ... 3 de dito. California 30 de Agosto
Dinamarca 1 de dito lOhill. 26 de Abril.
Russia... I de dilo ;ucno-A. i e Setb.
Turqua. 21 de Selbr|Montcvldeo (ide dito.
CAMBIOS DE 15 DS KOTMBBO
Sobre Londres, a 28 .1/1 c 29 d. p. IfOOO Firme.
Paris, 331 por fr.
Lisboa, sem transaccoea.
BfXTAES.
Ouro.Ouc,as hesnannolas.... a 28/500
Hocdas de BflOO reinas. 16/000 a 16/20P
de UI400 novas. 16/000 a 16/200
de 4/000...... 9/000 a 9/100
Prala Patacdes brasileiros.. t/90 a 1/9'"
Pesos columnarlos... 1/920 a 1/920
Ditos mexicanos..... 1/710 a 1/750
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 12 DE NOVEHBUO DE
1851.
Ollicio Ao comisando das armas, re-
iiieltendo por copia o aviso circular da re-
particSo da guerra de 30 de agosto ultimo,
bem como as relicOes. a qua elle so refere
dosoulciaes do exercito que, pelo decreto
dando mesmo mez, e nos termos do artigo
12 da lei n. 585 da. 6 de selembro do auno
invado, litaram pertencendo tos corpos
do estado menor de segunda classe, enge-
ohoiros, arlilhrii, eavallaria e infantina.
Vida asrelac.fjes publicadas nos Diarios
de Pruarnbuco sob nmeros 199, 200, 914
e 843, da 5 e 23 de setembro, a 27 de ou-
tubro deste anpo. Remelteram-se guies
copias a pagadoria militar.
DilO Ao director do arsenal de guerra,
remetiendo copia do um olllcio do agente da
compaobil das barcas de vapor, relativa-
mente sos quatro cilxes, que tem do ir
pata o Miranliflo, alim de que fique Smc.
prevenido a respeito do embarque dos mes-
inoscuxes no primetro vapor, que passar
pin o aorta, se o referido agente avisar.
Dito A cmara muucip.>l do Recita, ap-
proviti'lo b airematacSo que do imposto
ubre oi mscales e boceteiras, fez Antonio
i;oncalves de Moraes, pela quaolia de 400(
rs por lempo de um inao, a contar do 1.'
deoutubro ultimo. -
DEM DO DIA 13.
Cilicio-- At Eim. presidente do supremo
tribunal de justas, trnsmittindo a rospos-
la, qun deu o juiz de dirlo da comarca de
Santo AnlSo, a portara que S. Exc. Ihe ex-
pedio com data de 27 de setembro ultimo.
Dito Aodesembargador chafe de poli -
m, dizendo que com a copia, que remelle
do ollicio do capitSo, do porto, responde ao
que dirigi o antecessor de S. S., referindo-
seotro do subdelegado do Poro da Pa-
uelli, acerca das madeiras, cujo corte acha-
re prohibido por le, as quaes silo lapinhoSa,
peioba imirella, dita branca, pao-brasil ,
secupira merim, jatahy amargoso, ingelim
dilo, pi d'arcos, piquii, sapucalas jala-
bi, vinbitico, potuaiey, dito-jatahj e ci-
dro vermelho.
Dilo Ao mesmo, Iransoiillindo, para
sen governo copia do officio da cmara mu-
nicipal do Ouricury, informando acerca da
falta de rcuui.li) do jury daquelle l r......
Dito Ao director do arsenal de guerra,
dizendo licar sciente da luver fallecido no
da II do correte, o aprendiz menor da-
quelle arsenal, ilanoel Simplicio dos Reis.--
Cofflmuoicou-se a pagadoria militar.
Dito A ihesouraria da l'azonda provin-
cial, para que a vista do certificado passado
pelo director das obras publicas, mando pa-
gar a Joao Paes Brrelo, arrematante do s-
timo lauco cu estrada do Sul, a quantia de
2:542,154 rs. em que importa a sogunJi
prestacSo do respectivo contrato, vislo ter
elle iialisado os dous tercos da menciona-
da obra. ln,lerou-se ao mesmo director.
Dito Ao delegado do primeiro dislric-
lo deste termo, remetiendo copias dos ofli-
cios do inspector do arsenal de marinha e
do administrador do consulado acerca da
entrada clandestina da lumen S. Antonio
Concejero, pela barreta do Sul, do porto
desli cidade, alim de que, tendo em vista o
termo de adiada o interrogatorio, que de-
volve, proceda ciimioalmenlo contra o* que
importaran) clandestinamente madeiras ,
que nSo podia m cortar sem licenca do go-
verno imperial.
Dilo Ao commandanto superior da guar-
da nacional da comarca de Flores, aecusan-
do recebido o olllcio om que Smc. expOa os
motivos, pelos quics nSo so poleram anda
concluir os traballios da qualifica;3o da
guarda nacional da villa Bell t odadeTa-
caratu', a recommeuJandu novamcute toda
a actividade na conclusSo e remessa dos di-
tos tribalhos, afi ni de dar se quinto antes
exocucBo a lei novissima da guarda nacio-
nal, como convm o servico publico
Dilo -- A Porfirio da Silva lavares (Jouti-
i)l)o dizendo que, a vista da InformacSo
quo remelle por copia do desembargador
i'liefede polica, d3o poda admiltira escusa
que pedio Smc. do cargo de subdelegado
di Ircguetia de Pao d'Alho.
FOLUETHl.
UMA NOITE EM BARCO OE VAPOR. C)
(roa xin osbin. :
XIV.
A poueal leguas do caslello de Sedau do qual
nos fillou o doulor, dlsse elle, acham-seos res-
tos do castello de Uouillon que pertencia a
tnesma familia. Nao longe destes restos v-se
anda boje urna casinha que livre de lodo o obs*
laculo exterior goza de urna villa encarnadura
sobre ai enconas vlilnhas e dcixa sua sombra
correr incessanlementc uu balancar-se nasa-
goas de Veinoy, as quacs correm a scus ps. A
parle principal dcsla morada, a qualcoulaj
inultos seculus, he hoje ainda assombrada por
urna dessas tapecarias massissas, verde c ama-
relia, quercpicientam grandes arvores obscu-
ras c personagens de tamanho inais quenalu-
ral, ornamentos que a linagioaco ligura sem-
pre quando quer iniciar-se nos misterios das
cmaras de nossos avs. ITina cadeira de ps
de carvalho encerados e torneados em espiral,
de assento quadrado. larga, profunda o balxa,
de espaldar dlretlo e longo existe all diantc de
urna mesa do uicsino cslyllo, junto de utna
grande chemin de pao moldado, cujo manto
locava quasi no soaltio.
Val bein por duzentos annos que uo mciado
de nutubro eslava sentado ueita cadeira um
honiem de quem se fallar, cmquanio hourer
egaislaahabis ambiciosos.dcslrus para zoinba-
rrin doa povos: lito he at au fin do muudo.
l^sse boinem poderla ser o lypo delles, se o mo-
delo nSo tivesse sido acbado desde o da em que
houve inteiesscs de estado que dirigir, cora-
toes limpies que engaar: iilo be desde que
urna jocledade exiale.
Apassagein em queslao orea va pelos ciucoen-
ia annos; sua fronte larga e alta era assombra-
da por cabellos nuil prelos; seus labios finos e
aperlados iiidlcavam ao uiesino lempo a reser-
va c a astucia; acu sorrisn ligeiro, quaodo elle
queria sorrlr, nao era sciu encantos posto que
cabase (*)Ffd o Diario n. 256.
DEM DO DIA 14.
Officio. Ao commaQdo das armas pa-a
mandar por em liberdada os tros recrulas
de no mes JoSo Jos Birbosi, Jos Vicenta
Ferreira a Manuel Luiz do Souta, que, se-
gundo os termos de insoeccSo que a compa-
nhiram.ao ofilco d'aquelle commando, fo-
ram julgidos iacapazes pan o servico mili-
tir.-- Communicou-so ao desembargador
cbafe de policia pira fazer constar as auto-
ridades que os recrutsram.
Dito.--Ao commandante do Presidio da
Fernando recomen lando que proceda as
miiores investigarles carca do desippa-
recimento do MntMOildo Jos Ignacio Cit-
to, que, segunde supp!3e 8. S. morrora em
occasiSo de ni lar pescando carangjos, o
que quiudo se pussa crer quelenha havido
fuga do referido preso, vonham as cunfron-
tac. i -, c signaes caractersticos pira se da-
rom as providencias necessirias.
Dito. Ao director geral da inslruccSo
publica intuirn in-o de luver designado os
professores pblicos padre Miguel Vicente
de Barros Mmeca, Joaqum Antonio de Cas-
tro Nunes o Jos Antonio fioncalves de Mel-
lo para eximinidores dos prelen Jantes is
cadenas de instrucQSo elementar das fre-
guesias de Ingazeira, Serra Tallin la e da
povoacSo do Joazeiro.
Dito. Ao juiz de direto da comarca di
Boa-Vista aecusando recebido o ollicio, em
que S. me. as rasos quo leve para no-
mear interinamente a Rufino Jos da Cunha,
para o lugar vago de escriv3o do jury eex-
ecu do o seu proeodmenlo, visto competir-lhe
justameute a nomear;3o interina para o re-
feriJo lugar.
Dito. Ao director das obras publicas
inl'i .ni lo o do ha vor autorisado o inspec-
tor de thesouraria da fa/elida provincial pa-
ra mandar saplisfazer O pedido de
16:377,960 rs., que S. me. onviou com o seu
ollicio de 4 do corronte, a recommonland'),
que, em vista do exposl) na informacSo
que remelle porcopia do mesmo nspeclor,
d'ora em diante, o at segunda ordeni da
presidencia, fa^a regular do um modo mais
moderado as despezas com taes obras, ora-
bora so supendSo, ou so l.ie.ui mai, lenta-
nieiite as que l'orem monos urgantas. of-
liciou-se nesle sentiJo ao mencionado ins-
pector.
Dilo.-- Ao juiz de paz da freguesia de S.
Jos. r.ecebi o ollicio que V. inc. me dirigi
em data do 22 do nvz pasudo, pedindo us-
elarecinientoi sobro o procedimenlo que
dovo ter com o escrivo interino dessa jui-
zo, que serve no iropoditnonto do effecliv.i,
a fim de se uvitaruin quaesquer duvidas que
possSo suscitar-se : e em rosposta se dio
Dll'ei'i'e. dizer-lba, que urna voz que o o-icri-
vsm interino esleja onpclentemenlo jura-
mentado, na forma do disposto no artigo
60da lei de 15 deoutubro de 1827, nenhu-
mi duviili pode suscitar-so acerca da le-
galidade do seu oxorcicio.
Dito. A cmara muDiotpal do Itecife
Em solucaa ao officio de 21 de ouiubro ulti-
mo, em quo V. mes. podem, que llies escla-
rcese a vista do.disposto no linaldo artigo
77 do regulamenlo provincial do 17 de levo-
reiro deste auno,lie da obrigacSo das irman-
dades l'azorem tapar a sua cusa as catacum-
bas reservadas, em que fore.a sepultados os
respejlivo irmSos, ou se a cssa cmara cor-
re semelluntc obrigacSo, tenlio a decla-
rar-lites que, pelo que se ocha ostabelecido
no citado artigo, n8o podem as corporacfss,
deque traa o artigo 76 do citado regula-
meuto, carregar com dospeza algoma alem
dos 5,000 rs. pagos pur cada cadver inhu-
mado em suas catacumbas, mas, reflelindo
essa cmara na disposicSo de taes arligos,
combinados com os arligus 22 e 23, o na de-
clararlo feila por osb governo em ollicio do
20 de maio passado, deve propor ludo quin-
to julgar ciivenionte para melhor se regu-
lare, o as vantagens e os encargos das refe-
ridas corporales na acquisii;3o dos terre-
nos precisos para osjazigos privados, que
prclendein lor no cemiUrio.
PERNAMBUCO__
RECITE, |15 DE NOVE.MBRODE 1851.
AS 6 hobas DA ulioic.
BETaOSFECTO SEMANAL
.Neo ha iiiuitus das que, fallando lias pro-
uaturaliucule mu cuidadoso de sen rosto, rile
deixava crescer e sacrilicava alternativamente
segundo o gosto lbc dlzia que Ihc fkava bem
ou mal, um eslreilo bigodc prelo como galo c
decotado com arte; una longa e espessa mos-
ca desenhava-se-lhe cin pona na cova da bar-
ba ; seu olhar ordinariamente expressivo c
comprehensivo linha-se colao tornado triste c
lnguido. Ooin as peroas esleodidas e cruza-
das diantc do logo, com a cabeca encostada no
espaldar da cadeira, elle alogava-se inollcmen-
teem urna onda de traveiseiros'eniretanto que
sele raparigas cada qual mais linda e mais ex-
citante, as quaes elle cbainava com un tom
inellifluo eiu lingoa cstrangeira, suas sobri-
nhas, suas charas aobrinhas o ccrcavam c sc-
giiiain-nocoiii os olhos para ajudar, para ser-
vir seus ineuore caprichos, scus menores mo-
vimentos.
i.111 un. iile, diste-Ibes elle, em una gyria
meio ilaliaua; nielo frauceza que liuha coui-
poslo para si c na qual chamava 1:1o cngracad.i-
iiieule o famoso parlamento de uniao o pul i-
menlo de Uuguon, lingoagem risivel, que loda-
via a despeito da salira, fui preciso por lim acei-
tar ao serio, e que nao reprodutirei um un-
anle aeguudo alguinas memorias seno para
dar urna ideia dclla. Certaincnte iniuhas que-
ridas, se a saude nao me faliassc, eu estimarla
limito viver semprc aqu e sMcansar, enlrc vos
da fadiga de governar os IraRens, que nao ine-
recem que una pessoa se estrague cm seu ser-
vico. Ah eu nao conhecia anda esies fran-
cezei velhacos! se eu os conhcccra!... accres-
cenlou elle franzindo os beicos e agitando as
nios de cima para baixo em sigual deabne-
gaco desdenhosa.
Ao depois aps um ligeiro silencio que nin-
guein inierrompeo, clledisse ei.ui o accent) da
mais persuasiva compalxao para corasigo mes-
mo.
Ah duei por toda a parle, iniuhas que-
ridas, que sao suas malicias que me bao redu-
cido a este estado, do qual ceilaiiienle nao me
reslabclecerel jamis. Dlzei por toda a parle
que para puui-los bein eu leria aceitado Ja os
oHerccimenlos do imperador para governar
scus vassallos, se nao eslivesse doenie e nao
amasse inulto este tao boui reiuo. Direi por
luda a parle que luso nao he mn cont: sim
di/elo-ominhas quciidas que diris a verdade.
Acabando csias palavras, elle dcixou cahir a
cabera mais lnguidamente que nunca, comn
fazo moribundo esgoiadopor uinultlmo esfor-
ro. Suas queridas sobrlnbas proiuetteram na-
da esquecer da comedia, que finalmente se
cisses, mostramos a soro ras3o daquelles,
que objectavam contra a frequencia destes
actos religiosos entre nos, lundando-se as
acfOes indecorosas e indacentes, que nel-
les ni ni t -is vezes so praticavam. Poisbam,
hoj vemo-oos ni necassidada de voltar a
materia, n3o pin susteatarmos a nossa
opiniao, mis t3o smente para narrar um
escndalo, a vista do qual licsmos estupe-
factos e mesmo indecizos sobre a 1'orci
nossi o(niiiiio a da de nossos adversarios.
He o caso. No domingo 9 do crrente le-
ve lugar umi procisso do Senhor dos Pas-
sos feila pelos irm9os devotos da S. Jos, os
quaes com toda a pompa a vaneracSo con -
duztram a imagem doBedemptor da igrej
do Terco pira o convculo do Carmo, tnn-
sit nido por diversas ras do bairro da S.
Antonio. Logo io passsr a proaistfio poli
rui Nova uro buleeiro, que, vinlodi Bu
Visti, conJuzii em um cirro tres mulheres
com parecencis de lllhas de Jerusalom, com
a maior sem coromonia o iosoloncia rom-
peu con elle por entro asilisque fsziam
is ir ilion l.i les, o atravossou issim repim-
pado lodi a procissio, sem que os solda-
dos, qu i laziaui a guarda dola, Ihc oppu-
zessam o monor obstculo. Nada nos ad-
mirou nussa aee.ei do um selvagem, scnlo
a in.lill'.'i- oiei, i i n queso consenlio que
elle a praticasso. Mas isto ni i lio ludo ; o
que dos sorprendeu l'oi a irrevoreucia e li-
lien iii.i.;.un. com que varios individuos des-
ta cldado vestidos do essaca segu im a pio-
elssSOCOui os chapeos na cibera, quindo
entre ellos e o S. S. Sicramento ii.ii mo-
ili.iv.i sen.io umi pequea guarda de linha.
que a acompanhava, Imitando deste modo
a ostupida ignorancia do duus individuos,
quo nos parocaram ustrangoiros, o quo,
mntalos a cavallo, ani logo ips do refu-
ndo guarda com as c)ba?ascobertas, em
quanto a prociss3o passava pela dita ra.
O contagio do oxemplo propagoc-so com
lauta rapidez que, em um instante nos vi-
mos, d'enlre todos quanlos acompanbava-
D)os a prociss3o, quiaisscom o nosso cha-
peo na mSo ; e cufiados entre a maiuria de
tantos gamonitos e birbantes, tomos obri-
gados rccolhor-nos a urna esc.iJa. al quo a
prociss3o voltasse pala rui do SOI 6m d-
rcc(3o a das Flores. No seriamos exactos
scn3o mencionassemos entre o sequilo tor-
cido da prociss3o dous doutores, um medi-
co, outro jurista, quo 11 infici, Iropados om
um carriuho, seguiam-na, aquello desco-
le rt i, fin: ii.l i o n i. mi mii a, e. esto imi-
tando a mola geral, o modernismo, do que
depois so ariopeodeu.
On, cis-aqui porque enten lom alguin,
que luyendo anda outro nos pessoas, que
assm proeedom, nSo devom por sso mes-
mo os objeclos mais sagrados da leligiao
ser Untas vozes expostus a irreverencia e
desacato do petulantes lilijiluios.
Janos cliegam ao ouvido as criticas pi-
cantes dos philosoplios desabusados da
poc, quo entro outras froleiras nos re-
i o .fino a 11 lio r fio \- de religi.io, qua a nossa
lei fundamental consigra, mimoseando-nos
o mesmo lempo com o epitheto de lana-
lieos: cin'i.n.i E bem que n3oevessomos
dar-llies resposta, loJavia, como estamos
de marc, sooipre diremos que aquella li-
berdido nSo permiti a uingiiem desrespei-
tar a religiSo do estado, quo devo ser icata-
da cxlcriormente, alm do quo nfio nos
consta que nesta cidade baja brasileiro al-
gum.que prol'esse pablicamenlc outra cren-
ei religiosa, que u,i i soja a dominante.
-inlo ao fanatismo diremos quo, coin-
quaotoas idoias do Munccr fossim mais lu-
nestis ios homons do quo as de Spinosa, sem
ombargo disto antes nos quoremos adiar
com os sectarios lo fiel dos anabaptistas,
do que com os do philosopbo hollafidcz.mc-
nos esclarecidos do quo ello.
I'oram visitados os aeougucs dcsta ci-
dado por urna commissilo composla dos
Srs ti. s. l'ereira do Carmo o Sa l'ercira,
inirii- i-l i pelo conselho do salutiridado, a
qual consta-nos encontrou fio i cune, tendo
pui e u notado quo no centro do acougue di
Uua Vista havia quem veulesse carao adozo
plicas; isto prova o que temos dito por
vezcs, e he que os Srs. coutraladoic:' sao
Iludidos por immoDSOs volaquetes que vi-
vero deste trafico, o que procaram desacre-
ditar o contrato ; loichem pois, os mesmos
sen lenes o corarjSo a considera(as particu-
lares, dispessam os velhacos, u o povo se-
, r bem servido ; pois Cm verdade olios tuem
tanto inleresse, como* Osfconsumidores na
boi qualidado.
No da 9 timbem fizeram os prelos do
biirroda Boa-Vistn sua fosta do llozario.
Itepcliram-sa as mesmas m> piclorescas,
que mencionamos quando demos conli do
festejo dos pretos de S. Antonio, e ludo se
passou am calma e socego, poiem coi\ me-
nos foliciJade quo da oulra vez ; porquant),
estanJo reunidos alguns delles na prac,a do
referido bairro da Boa-Vista, um carro, que
por all passou, dirig lo por um buleeiro
estonleado ou pouco perito no ollicio, dei-
t'in por larra tres prelas, passaalo por ci-
ma de duas, que licaram muito roaltrali-
das, e umi das quacs, supfie-se nao es-
capar.
No da 10 um cavallairo, que viuha cor-
reado pola ra do Queimido em seguimen-
toa ra disCuzes, deu um 13o pequeo
en. ki'i.ci em um moleque, quo o atirou
sem falla no chlo, o por pouco que o n3o
mitou. Esto tacto lio to usual nesli c la-
de, que o n3o refereramos, sen3o tivcssu-
mos da notar qua, actundo-se presenta ao
successo um soldado, nem soquor procurou
preol'iro delinquento ; co quo he mam,
oslan lo prximo uro individuo, quo so diz
lilho d) Esculapio, n3o accuilio para reme-
diar o ,-olu unento de pobrn molcquo.
lia para arripiar os cabellos o ver a im
prudiucia, com que os canos e os cavallus
correm desabridamonto pelas pontos o polis
ras mais ostreitaso miis frequentadas da
cidade, do soite quo, o infeliz pe3o esl s
cali momelo cxpos'.o asar pisado pelos
irricioDies,
A issjuiac3o dislogislasdafazeiidas dcsia
ciJado, acaba de resolver que os sous asso-
eiados (55 o i 58 logislas dos maioros) n3o
i ic.iin compra alguma, casa commorcial
ingleza dos Srs. Admison II uvie ec Compa-
nhia, om consoquancia dostes Srs. regeltl-
rem entregaras fazon las quo alguns de
seus associados haviam arrematado em um
leilSo fcito pola referida c isa ; parece bem
fundada esta rasoluglo porque, se aqucili
cssa nao quena abrir ere lito aos.langadurcs
devia preveni-los, por intermedio do corro-
tor ; mas unta vez entregue o lauco, he iu-
dubitavel que eslava a ven ti feta, o qna
alm da injuria, aquella cisa n3o .se por-
tou com a digniJadc de um commerciante,
llendeu a alfindog de 10 a 15,65:730,321
ris.
As parcas forain fatacs a 23 pessoas, sen-
do 7 prvulos o 16 adultos, destes 5 mulhe-
res e II homens. Sahiraui 10 embircac,09S,
cenii.i a ii 16 j sondo I com vinhos que 10-
guio para o sul, c oulra de i h nina dti trigo
que fu para a Ualiia, 1 com f azoadas, '2 com
bacalho, 3 com luiiin.i da trigo e oulros
gane-os, o as mais com gneros do paiz o
cstrangeiros com guia
JUI1Y DO KECll'K.
5.aSESS.V0'0RDINAKIA KM 12 DE NOVEM-
BRO DE 1851.
Presidencia do Sr. r. Me Silvx.
l'iomotor, o Sr. l)r. Abilio Jos Tavares da
Silva.
Advoyado, o Sr. Dr. Antonio Vicente do
Nascimento Feitosa.
A's onza horas di manhSi, feta a chi-
mada acham-so prosentis 38 Srs. jurados.
O Sr. 'residente abre a sessSo.
ProecJe-se ao sorteio do consollio que
tem de julgar ao reo Jacinlho Jos Cabial da
Cuoha, aecusado pelo crime do lerimonlos
leves.
S ilieui sorteados os Srs. Antonio Joi-
quim de Souza lbeiro, Jos Amonio Gon-
calvos do Mello, Caotano Gomes de Sa, Joa-
qum Jos do Souza Sarrin ), Anlonio Joa-
quimde livoira Baduem' Antonio Epami-
nondas de Mello, Christovam G. Ilrekeu-
leldes, Jos Virissimo dos Aujos, .Manoel
Biptista de Souza,Joilo Rodrigues do Miran-
da, Jos i.oneilve. Torres e Beinardo Joso
Maitins l'ereira.
Prestado o juramento do c.-tylo,
O Sr. Ifreiidinle liz ao reo o seguiulo
INTEimOGATOIIIO.
iuiz : Como so chama i'
Reo l Jacinlho Jos Cabial da I uulia.
Juiz : Donde he natural ?
Reo : Da lina de S. Miguel ?
Juta i |)c quo vive.
'i : Do ollicio de sapaleiro.
Juf; : Dnde mora '
conirahsra o hatillo de representar tioseiia-
meiile, e pur calculo diaotc dellas, como dian-
te dos eslrangelroi, c apiesentaram purlia a
seu bom lio julepos que semprc elle toinava
delicados.
Nessc momento dous homens que parcciain
ao iiieiiuo tempo seus familiares c seus criados
secretos cntraram, sem se faierein preceder,
na cmara deslc pobre doeotc perseguido. Um
eulrcgou-lbe urna caria que elle lomou e abri
com in.ii) dcsfdlleccule ; mas apeuas a leo, res-
o. ne-ii scus olhos, endlreitou sua Ironie. O ou-
tro dissc-lhe duas palavras ao ouvido, as quaes
pelo que parece Ihe dcrain grande gosto, pois
nao foi preciso mais para que immcdiaiaiucnlc
se posesse de p.
he singular, disse elle com urna voz firme,
bcsiogular o etfeilo que produi una boa no-
ticia subre os orgos do honiem mais enfraque-
cido. A gente se torna a achar, se retcinpera,
laz-sc moco e robusto : Minhas sobrinhas, csse
li un Mi. .le I iIhi i. que tanto vos ama, essa
boa madama de Fabert; utua verdad^ira ami-
ga que vos iralou em Sedan co.no se livesseis
sido suas rilhas sua irmaa, sua encantado-
ra u ni.m, -- urna lia para vos' todos pasiam
bem c .Un e, un-vn. de lodo o coracao on .'
minhas sobtiubas, alegrai-vos, ride, folgai!
Isso he pro.-rio de vossa Idade, c eu terci limi-
to prazer nisso. Evos, meus amigos, diiine
cartas de jogar e trazci -me alguus desses bous
habilautcs de Uouillou, para que cu Ibes resti-
tu um pouco de seu diuheiro.
Senhor, rcspoudeu sem se encomiuodar
mn dus dous homens aos quaes elle se dirigia,
os habitantes de nouillou nao querein mais vir,
dizcui que vos os engauais no jogo.
Quem beque da o contrario I" Pois esses
narotas nao sabein que nao jogo assm seuao
com iiieiit amigos c que para ellc lano quan-
to para inini a caria be llvre com tanto que se
seja deslro. Ah! eu cscrupulisaria certaineu-
le de ter na conscieucia isso de seu dinheiru,
cootiuuou elle fazendo eslalar a extremidide
da unha, se riles me livcsscm apanhado urna
su vez cm Uigranle ; mas emlini passarcuios
bein sem clles, au he assim, meus boosami-
gos? Veui c d'Artaigaan, meu uiosqucleiro
de boa fortuna, pde-te aqu ejoguemos jumos:
isso ser nina fclicidadcpara ti.
Ser preciso que V. Eminencia me ternera
iiiliroo, respondeu o mosqueleiro, para que
eu possa jogar; pois afllrmo qile gastei ineu
niluon lni(. cin seu servico.
Ah! d'Artaignan, meu amigo, meu fiel,
rcspoudeu a einiuencia cbamando as lagrimas
Reo : Na lloa-Vista.
Juis : Sibo porqin comparece ueste
tribunal ?
Reo : Por va d un alugueis de urnas
casas que lui recebur.
iui, : De quem era i casi de que falla i'
Reo : Era do Sr. hr. Idiosa o eu como
procurador dulla.
Ji3 : Quem mora nessa cisa t
Reo : Nessa occasiSo morava Maooel
Jos Vieira Rraga
luis: Conliece a esso Manool Jos Viei-
ra Braga
R.,o : Couheeo porque Iho aircudei a
casa.
uiz levealguina lula com esto Bra-
ga?
Reo : live, sin), Senhor.
Jufi : I i.-. a essa Braga .'
Reo : Estando cu uo sein de uiiiilia ca-
sa, ontrou esse liomem pola porta dentro o
deu-mo duas bordoadas o depois tilo mes-
mo deu com a cabeca na chavo que tinha na
porla, onda so lerio.
Ju';: Em que pule di eisa lutou rom
o Bragj '.'
Reo : \a sala mesmo.
Jki's : -- A chavo na qual se ferio Ifiaga,
cm quo porla eslava .'
Reo : Eia da porta da i ua.
Juis : -- Alguem presonciou a lula que te-
ve com o Braga ?
Reo Vio o Sr. Paulino o outro, e l'oi
que n iipartau o barulho.
Jai: : Koi preso nessa oretaiSo '
R:o : l'ui, sim, soulioi.
Juj : -- Por quem ','
Reo : Pelo mosmoSr. Paulino.
Js : Esse Paulino era Inspector de
quarteir&o?
Reo : No, senhor.
Uis : Quauloo Braga se leim elle es-
tava presente ?
Reo Eslava, sim, tenllOI.
Juij : Sibe esrrover '
Reo : Sim, senhor.
S,iu lidas as pecas do pi'oc :> J e lindas as
a'il _.'!,.' pro e contra,
OSr. I'resiucnte faz o rulalono da ClUSg e
entrega ao conselho os quosilos, c a vista
das respostsa dadas pelo conselho, ubsolve
o ro.
DARO de mmiroco.
BWl'E, |6 OB NOVMtBRO DE IM1,
Rom como aunuiiciaiiios em o piecedenle
numero deste Diarit, os proprietifios, ca-
pitalistas e negociantes desla piaea icuni-
nm-se honiem (15: petis 11 horas da ma-
uli.i.i no pilaciodo governo pan liiniarum
em considorac,ao a proposta que Ibes fez o
Exro. presidente da provincia em circular de
4 do correute, a qual consiste na CTMOtoa
InltalIscSo de um hinco de Je.,osito e des-
cinto.
A rouni3o uomeou para seu piesideiito o
Sr. r. Podro Krsncisr.i do Paula Cavalcanti
de Albuquerquc, para lu secretario o Sr.
Dr. Jos Bernardo Galv3o Alcanfora lo e pa-
ra 2. o Sr. Dr. Gervasio '.oucalvos da Silva,
a depois dealgumas consiJeriijOes resolveu
ilelliiilivauonle quo se oreasse o referido
banco, subscrovendo logo as pessoas pre-
santes urna somuia cousideravel; nem ou-
tra cousa era do esperar do reconhocido in-
lero;So quo tais peaSOSS tomam pelo pro-
grosso o augmento da provincia.
I'oram criadas duas commisses, urna eu-
i.iri,'-iJ;i de orgaiiisar c aprcsonlar os es-
tetiilos que devem rogero cstabalcciment,
a oulra encirregala do prumo\cr o numero
deaccionistos do mesmo. Para primeira
l'orain uomoadosos seuhuies I).". P. 1*-1*. Ca-
valcanli do Albuquerque, J. J. Moaleiro, l.
Biebor, Dr. J. B. t.. Alcanforado o L. G. rer-
reira, e para a segunda os senderes M. C. da
Silva, I'. Voule, II. J. de Olivcira. E. B. ds
Silva c Medeiros.
OExm. Sr Di. Victoi de livoira p-omo-
vonJo a i ; 'ic.iu o ni -la 11)., io do tao til es-
tibelccinionlo, d-ju urna prova conviuconlo
do muito quo se empeiilia peloongrandcci-
uionto desta rica provincia. Poinambaco
j bomdizia a S. Exc. pela coutinuacio do
socego e iranquiltidado quo o honrado Sr.
5 juza llamos com sua adminslrarao sibia
e roela Illa proporcionara ; hoje porm elle
o bamdiz anda mais, porquautu rcooiihoce
aos olhos, nao digas dessas eousas que me cau-
.siiu dor: T sabes bem que esses palifes me
tem roubado, arruinado, que cu eslou pobre
a pootu de envergonhar-me cu incsiuo disso
t sabes bem que te amo, que le tenho promel
le i...un ijiel.i de Dos, um bello posto de ci-
pito-tenente uos inosquelelros do rei : U'Ar-
lalgnan, meu amigo, nao me apouqueotes ; pe-
de emprestado alguus lui/cs a de l.ionne, que
os tem semprc voinslgo c joguemos.
_ Mas disse o outro lioiiiein ao qual se linha
chamado deLioiine. Vossa Duiiiiencia sabe bein
pelo contrario que nao tenho um s luiz desde
ai ultimas viagens secretas que me mandou l.i-
zer para einbaravar em sua ausencia os pio-
gressos do Sr. coadjutor, e para sondir as iu-
teucoei do Sr. principe depois de aua pritiio do
Harre-de-Grace.
Tambein ni de Leonnc ? respondeu a emi-
nencia no mesmo tom .' Veris que todof os
meus amigos me fallaran) ao mesmo lempo he
o que sempre acontece ua desgraca. Entre-
nlo, de Llonne, ja le disse que Icnho IlDIgl-
nado, para miiilia volla ao poder, urna boniia
mn. .Imli i encarnada ao uso do povo, e que ua
refundl(o que sera iiiislcr fucr-se, naverj
que ganhar duzenlos mil escudos, dez mil dos
quaes sero para leus leaes serviros, de I.iou-
ncl E t le queixas!... Ah velliaco, couti-
uuou elle sorriudo, fe que nao rae mostraras
o fundo de tuas algibeirai '... Moslrao... An-
da la, empresta alguuia cousa a esle pobre
d'Arlaignan que verdadciraineule he pobre co-
mo um mosqueleiro; pois esu gente nao sabe
coonomisar nada... Ou enlo, de Lloune, se
preferes isso. joga eomigo.
__Sr. veiii-me una ideia, inlerrompeu o Ar-
laignan, se V. Eminencia quizesse suuieulc
adiantar-iue um anno de meu suido do poslo
de capilo tencnie que tem a bondade de pro-
inellcr-me ha tanlo lempo, cu podena jo^ar ja
c J sem o soccono de Mr. de Lioune.
Sem duvlda acercscenlou esle ullimo; ou
antes se S. Eminencia quizesse igualmente pa-
gar-me adiautado mil escudos sobre os benefi-
cios da moedinha do povo. eu me oUereeena
de bom grado a ser respeilusaineole seu pir-
ceiro. .
Ah! n.o he decente, nem de um bom co-
racao mofar tao cruelmente de ineuiulorlii-
nco presente, c faricls inulto melhor cm pro-
curar alegrar meus tristes passaiempos; mas
csculai, inarolos que queris despojar-ine, ac-
ercscenlou o personagciu IcvauWodo repeuli-
namenlc .1 vos que tlnha tornado a cabir uo
lacrimoso, consiulo cm emprestar a vos am-
que jogar eomigo algumas parlidas:
lu'o nagarei, palavia ilc cjidcal I puis
bos com
mas vos n'o pag
en o l ii ei dcscoular de vosioi mal prximos
ordenados. E vede como procedis, pois agas-
lir-iuc-hei se vir que trapaceis.
Durlo Isso, nosso jogador dirigio-se para
um armario o qual abri com duas chaves, so-
bre todas as pralelciras havia grande lceos de
couro cheios de ouro roubado sem duvida com
mullo oulro ainda a nossa pobre Tranca ; o
cmincnlissiino avaio, por um moviinenlo que
ie il. era de habito e de inslinclo, cheirou al-
guus desses saceos com seu nariz romano : ao
depois tomando o peso a um dellcs com mo II-
songeira, vollou-sc para d'ArUignin e disse-
Ihc inoslrando-o:
Quando me tiveres somciitc Irazido um
sacco deslc lamauliu, guarnecido coniu esle es-
t, nao esperaras mais lempo a coinpanbia
que sabes : porque nao obslaulc a uiiuba vou-
tade, bem ves que o inleresse do re elige que
secomeee por aquello que pagatu, o mais
que posso fazer he dar-te a prclereucia a prc-
fo de dous mil escudos.
-- He pois esla semprc a sua eoudicao, 5'r. ?
perguuluu d'Artaignan. Enlo nada arrisco
cm resignar-iue a esperar al au meu ultimo da.
Nao, nao; oh! quanto s simples! cute
farei casar com alguma vclha rica que se glo-
riar encanlida de ter leito a conquista de um
capito coma tu ; e t me pagaras eoui o dote
nada mais fcil que isso,
-- Mas a velha rica, Sr,, oude est ella dis-
se lailimosauenie o futuro capilao.
Oh! a vclha! a velha: se le embarazas
c no lo pouco, nunca lrsnidj. Ora vamos,
disse a cmiueucia dirigindo a conversac) para
eu lim c trancando cuiladosaiueutc saceos c
armario, tomai cada um estes selcula lunes, e
jogai ambos contra miin: nao ser deuiais.
Elles poscram-sca jogar com etfeilo ; a emi-
nencia gaubava sempre, com quaulo scus ad-
versarios com um singue fri igual ao seu uo
lizcssciii nenhuui escrpulo degauhar-lhe seu
ouro da mesina inancira pela qual elle couse-
guia ganhar o delles, Quando a'.Vi-i u;o.ui e
de Lioune perdern! seu ullimo luiz, cxcilina-
rain ambos com mo humor :
Nao ganhemos uina i mo I be impossivel,
que V. eminencia nao tenha trapiciado, desde
o priacipio at o lim da ponida!
-- Quem he que d>z o contrario? \s sois
ineptos, quelsal-vos loucauenie de que eu voi
icnha buido com vossas propriis armas. Os
setenta lulies que lenbo gaulio a cada um de
| vs voliam para o laceo como he jusm, e cu
que nflo se coiitcnlindo com distribuir tu-
dos justics recta e imparcial, occuoa-setam-
bBm dos moios de proporcionar-lliu toda a-
Scle de melhoramentos.
... i ... i
Correspondencia.
Sri. Redactorei.Pira destruir certas ia*
sinuiQes perlidis, que alguem propaliva*
sobre o estado lisongeiro de liningas, em
quo licou o nosso convento ao deixar o
provincialado o llevd. padre fre JoSo de
Santa Isibel Pavo, do mez do maio do
anno passado, quando assumi so cargu de.
p-rir, liz publicar immediatamente uo Dia-
rio de l'crnambuco n. 192 de 21 do agosto
d'aquelle anno urna conli especiticida do
milla lo debito quo a administraca'o do
mesmo Revd. padre ex-provincial nos loga-
va, oreando em I li.'ill.
i.n' "i i ncnliuma recruninicao appureceii
porque talvez fosse mistar fazer arrel'ecer
a desagradivel impressao de tal oceurren-
cia, o mesmo porque nflo tundo linda de-
iiiiil i tempo algum do nosso priorado,
serll ate, irrisorio imputar-se-nos logo e-
ses dbitos contralndos desde .uiio de 1841
a maio de 1830 durante iquella administra-
cao, como se|-iiii : a Manoel Esleves do Na.--
tmenlo Quioleiro, US/faiO, de cera e resto
doarmacio; a Minoel fnneisco Rodrigue
. boje fallecido', '2IU/70, procedente de
i'ornecimento de cera ; a Antonio Valentim
dos Santos, 137/520, de cera; a Morena e.
Kragoso, 329s/620, de inedicarDeatos ; a
M pul & nutra. i.'iS'Vno, por um sino,
e outras dividas inclusive de medico, idvo-
gado, solicitador, harbeiro, que todas fo-
ram mencionadas n'aquelle peridico. Ago-
ra, porm, quo contristados viimos ir a
piafa um dos melhores predios pertenceo-
tcs ao nosso convento, o engenho Sinto
Elias, silo em Serinhaem por pinhora
que no mesmo eft'ocluou Anlonio Jos de
Magilh3es Bastos, pela quantia de ris
9:2-21^500 capital juros at agoslo de 1849
procedente da cessSo que Ihe fez Antonio
Ricardo do llego, que luvia accionado o
nosso convento, e par isso se hypotccarain
aquello- Bastos lodos os renJimentos dos
hens presentes o futuro?, estipulando juros
de um c meio por cento ao mez, como cons-
ta da e-n-i iptui'.i assignada pelo dilo padre
ex-proviociul fru JoSo de Santa Isabel Pavo,
ero 21 do agosto de 1814, no cutorio do
labelliSo Jos Alexaudre Eerreiri, lioje exis-
tente no dn labeHiii Salles, igora que es-
ts faclos .-i.i i co.no que esquecidos do
publico a quom om tempo noticiaiuus, e
qnandu, para eoiiliccimenlo da vedado e
juslilicscSo di nossi ordem, domo nos
pressi de paleulear a rss3o pela quil dVs-
i'arle se ii diminuir ., nosso ja IHO atnes-
I ii i ti i.i lo patrimonio sem o mnimo luluilo
i'odoestare oflenJer a p ssoa alguna; sur-
gi o nosso iiiii.in, o llevd. padra inestrc
fre J ..o de Santa Isabel Pavflo, aedido
inteiramenle do rcfidln.o da cidade que
vive de nos segregado, liuindo licenQi su-
perior sob pretexto de ichir-se eoformo
com a correspondencia publicada na /i-
irensa n.244 de II do correute, talndo-
nos de inexactos e falsilios, e desihau-
do-oos para provar em como tos divids
I'oram coutrahidas durante a sua adroiois-
ii.ii_-.iii, otl'erecinlo-su a paga-las uo caso
do dos ser isto possivel. EU'ectivamente,
sendo oulra a nossa missao, que d3o ItM-
teutar polmicas pola imprensa com um
companheiro nosso ja idoso, que deveoxem-
plilie ir-no-, o nlu iiiquiet ir-nos no silencio
claustral, oslando fura dalle, fugimos de
entrar em todos os pormenores dessas oc-
currcncias, appeliando para a sua conscieu
el i i: amor da verdade, visto como nao nos
he possivel erar que ello queira contrariar
aquillo quuso olfcessea mus simples uis-
lieeco ocular de qualqucr curioso, que su
d ao Irabalho de ir examinar no cartono
do labeliao Salles a data d'aquelle escriplu
ra do deiiilo e hypoiheca, so preste a inda-
gar desses credores do uosso convento des-
de quando se conlrahiiam tiea dividas, em
urna palavra recorra ao mais perfunc.orio
exani da nossa escripturai;3o desde aquel-
lo lempo folla, a qual pomos sem recol
e pira desangano ao sen alcance.
I'.ir e -H i nao u-1humiomu) mesroo Rovd.
padre fre Joao de Santa fi-afi -I l'avdo taotu
dospejo, porqae lazamos toda ajus'.iea as
-a- ui- e moraliJadc; euibora elle du-
| gSSSSSJSSSSSSSSSSSSiBlSBlB.
lerei o cuidado de uo esquecer o cinpreslimu
que vos lii paia abatte-loa de vosaoi, piuiiiiiius
ordenados : podis estar cerlos disso-
Mas observando que o mo humor dos dou
paicilios Ihcs sombreava cada vec mallo ros-
to, i que isso podia acabar por indispo-los con
Ira si, a eminencia se desdisse, c sem todavij
perder um sdinhciro de seu gauho, pelo cou-
trrio augincntaiido-o, seu espirito fecundo
ciu recursos, semprc cusa dos pobres enga-
llados, achou meio de fazer reverdecer a face
cutrislecida de scus dignos aclitos.
Sch mil escudos! aposto seis mil escudos
comligo trAitaignaii, que d'aqul a feverciru
prximo ao mais lardar, cstaro eslabelecldos
para que ludisponlias delles como eulenderes,
tres cargos de inspectores das leuhas da cidade
de t'aris, bons cargos c que icndero junto-,
sete mil escudos por anuo; c comligo, de Llon-
ne, aposto olto mil escudos em como aotei de
seis mezes scio creados qualro bons cargos
lautbein de conselheiros do rei pregoeiros du
viuliosquc rendero bem um pelo oulro uove
mil escudos por auno, paia que l uspoubas
delles como le parecer. Sao idelas de Parti-
celli, as i|uics foigarci muito de ver pollas em
pralica, e que vcrdadciraineule l depeudem
de miulia volla a Paris. Se pois qucreii apos-
temos !
Pois sim! respondern! ao mesmo lempo
os dous apostlos.
Elies se creraiu c com raso, maii assegura-
dos por meio djslas apostas do que por toda-.
as proiucssas do inundo, pois sabiain que a
eminencia que nao podia abaizar-ie a tratar di-
rectamente por li mesmo de certos iiupostos ou
euipregos deste genero que elle inventiva, ti-
nha o costuuic de acbar assim que adquerir al-
guma cousa aiudamesmo perdendo.
As sele raparigas sahirain desde que viraui u
lio restaurado sbitamente saude, dislraliir-
se ua companhia de seus conlidenici. Urna
delinque nao era a mais bonita, porem que ic
desiioguia por iniiieiras, por um sorrlso, por
um olliar ebeios de encanlos, com a physiooo-
uia a mais graciosamente alegre eulrou leudo
em sua pequea e caruuda mo utna uova car-
la que .io.ibav.im de eulregar-lhe para sua emi-
neucia.
' Oesde que o lio solicito abri esta carta e
aoube do que coullnha, sua pb.vsiououiia vol-
lou de alegre ao inelaucolico lo rpidamente
como linha passado ha pouco do melanclico
ao alegre.
Au! de I.ionoc. de Lioune 1 disse elle ca-
hindociu iinciJ.-ua, t nao eiUvat beinins-
J li cnxitT


monslre todo o daaajo da profocar-noa pan
om disctalo, e ooi Uncu aqualles baldosa
que sabemoa pordotr pela carldade que noi
reconimenda o evangellio, aeotindii alias o
escndalo que d'aln provm ao suoulo,
quem reapelUmoa. Knt'otmlo, nlo Ira
pode aocaorrer araaJo deque te pretende
prevleicer pira dtcllnar a su responsa-
bilidad!) de que taes actos foram talvez
priticadoi por ouiioi a quem delegaste par-
te de seua poderes, porque n'aqoella pooa
elle ora a nica autoridade da nrdem (o/ac
latum delta cita) visto como nao lnvia prior
e todas as funccoes por ai exercia ou com-
netlla a quem ihe convijiha, etomava cui-
tas rctn e por c.onsogulnte devo responde-
pelos (actos dessessous prcposlos mandata-
rios ou agontes, etc., pelo priocipioQui
fcil ptralium, est perinde ac si facia per
sipsum.
Nunca tivemos por lim dar a entenler
que, crescendo somonte o debito durante
aquella adminislracSo, houreratn disaipa-
i;Oes extravos, porque, como ja dissemos,
prezamos a repulacSo alheia, e subre t ido
respeitamos ao nosso ex-proviricial; mas
a verdade nSo pode ceder ou tras conai le -
racOes sociaes, eso por amor della, ejus-
liBcac,uo da nossa orden), be que pesarosos
communicamos ao publico o dissabor de
.quo eramos victimas por causas albeias da
nossa vootade, sem nunca persuadir nos
que olTandcria a susceplibilidade de al-
guem.
Agradecemos ao Hevd. padre mestro ex-
provincial fre Jo3o de Santa Isabel PavSo
a offerta que nos fu de satisfazer as dividas
cootrahidas auranto a sua adminisfracAo,
n.io sabendo conciliar aideia de opulencia
que elle ostenta para isso, coro o voto de
pobreza que prestamus como religiosos
ante os sagrados altaros, e devemos obser-
var, sem grave prejuizo, a monos que nSo
saja para se tornar recommcndavel pela sua
dedicaco nossa veneranda ordem.
Multo agradecer aos Srs. Redactores a
publicacSo destas liabas.
Fre Seru/im do Coraco de Mariu,
>g
! I
Estas qtiestOes slo eerlamonto bastante
roram de phtliyaica : 136 homent, 113 mu- tros qua recaben! subsidios tlevou-se no mez
Iheres. De pneumona, 53 homena, 42 mu- do agoato a 1(9,885 Trancos ; a dos tlteatroa |graves, valem a pena da que o governo si
Iherea. De catharro pulmonar: 31 homens secundarlos a 395,039,163 ; a dos concert,(preocupe seriamente dallas aliai da empe-
53 raulharei. De febra inleritis: 159 ho-reproiantcOes lyricas, ballea, a 97,7l ffan-|dir quo o mal faca noroa progressos. Seria
mana, US mulheres. De febre typhoide: eos. U c. ; a das curiosidades diversaCa!por tanto urgente apresentar. desde a aber-
53 liomena, 29 uullieres. De febre central: 58,905 fr. 50 c. Il.iuve sobra o mez prees- ; tura da asscmblea, u u projecto de le para
63 homena, 31 mulheres. De apoploxia :\denteum augmento seosirel.
Prior.
mBtmmmmBmmmaBesmmmmmm
Publicaco a pedido.
Attentendo, que senUo lleve come.-sar pro-
cesso algum sem queum juiz coosle ler-seIn-
tentado o meio da cunciliac3o, ait. 161 da
coostituic3o|eque no caso do ser isto permel-
tido, ii.i j se ioio continuar o processo, sem
que se ostento dito meio, atlendendo quo a
acejo de manutencSo aSoesta comprehenda
na classe dos que despendo a conciliac.no,
e que tambem nem a autora, nem o reo sSo
pessoas, que nSo possam transigir art. t> da
disposicao provisoria: attendendo que com
' [ minio a providencia da manutencSo se possa
uompreheuder na gcnoralidadedas palanas
casos quo nSo sofiem demora do artigo
.i. da disposicu provisoria : e por isso se
podesse conceder o maulado da manu-
tencSo independontede cDiiciluc.no, todava
n.ii poda dispensar, que postoriorineute a
olla se Uzease dita conciliaco, como ho ex-
presso no citado art. 5 e dos aulus nao cons-
ta, que se intentassa tal me id : atlendendo,
que a falta de conciliario, nos casos om que
ella he necessaria, he nullidade iusaniavel,
que alela a lodos us tenaos do processo
posterior ao que sa ella dco : por oslas ra-
sos julgo nullo o prosenle processo, e con-
demno a autora as cusas.
Recite i<> de agosto de 1851.
Jo.". Raginundo da Costu Menotes.
35 homens, 20 mulheres. Nasceram mor-
ios: 105 cianeas do sexo mascolino e 69
do sevo feminiao. Morreram de angina:
9 rapazes, 9 raparigas. De convulcOes 30
rapazes, 38 raparigas. Desarampo: 6 me-
ninos, 13 meninas. De bexig: 1 manino,
2 meninas, abaixo de I anno; 5 meninos,
3 meninas de I a 6 snnos, 1 menino de 8 a
8 annos, I rapariga de 15 a 30 annos, 3
homens e 5 mulheres de 30 a 50 annos, 1
mulher de (0 a 50. Morreram do moles-
tias diversas 528 homens, 506 mulheres.
Suicidaram-so: 33 homens, 3 dos quaes
com menos do 20 anuos, e 5 mulheres. O
numero de bitos de meninos e de pessoat
grandes por m deslas de peito foi menor
que no mez precedente. Ilouvo 83 morles
mais que no mez precedente por febres in-
ternos, menos meniuos nasceram morios,
houve menos angina, porm mais bexiga. ees, 256 piemontezes, 157 polacos, 6& por-
Carruagens. Verificara m-sa durante o mez
515,395 partidas das estceles; 9,058 de mais
que no mez precedente, 889 objeclos es-
quocidos as carruagens foram entregues
pelos cuchnos.
Viajante. Chegaram a Pars durante o
mez de agosto, vindos do interior, 18,925
viajantes; 7,65t artistas,operarios, 370 es-
tudilos, 1,915 funcionarios 1,068 militares
5,225 negociantes, 3,706 propietarios ;
vindos do exterior, 18,873 viajantoa, 3 afri-
canos, 389 allomaos, 652 americanos, 5,155
inglezes, 195 austracos, 52 badenses, 151
bavaros, 706 belgas, 29 bohemios, 30 brasi-
leros, 7 china, 71 dintmarquezos, 3t5escos-
seses, 5egypcios, TMllespanhoei, 29 gregos,
5hailienses, 60 hanoVriarios, 30? hollande-
zes, 59 hngaros, 3 indios, 133 irlandezes,
526 italianos,31 vapolitanos, 32 norvaguen-
VARIUDAUIS.
ESTATISTICA de pars no mez
DE AGOSTO.
A temperatura do mes de agosto foi ge-
ralmente mais elevada que no mez deju-
lliu; sabbido 33 elevou-se at 31 o mxi-
mo, no fim do mez, a 29, desceu at 13,8,
ao meio da. O vento soprou de L.,-E 1
dll; O, 8 dias, S -S.-0 2 das; O. N. O 2
das; N. 3diis ; N-E, 2 dias; N.-N.-E., 2
dias; E 5 Jias; N.-O., 2 dias. O ceu
osteve encoberto lidias; anuviado 5dias;
nimio nublado 6 dias; etioveu 1 di.i ; fez
bon tempo 9 dias.
bitos.Morreram em l'iris no mez do
agosto 2,158 pessoas, 1,151 homens, 1,007
mu Hieres; 23 pessjBS de mais que no mez
precedente, o qual contava 229 de menos
que o mez de junho. Alguns peridicos
teem, poia, dito sem ras3o que a mor ali-
dade tinha sensivelmente augmentado.
Com menos de 3 mezes morreram 269 me-
ninos do sexo mascolino, 73 do seto fcmi-
uino. De 3 mezes a um auno; 78 do sexo
niascolio, 73 do sexo fominioo. De 1 a 6
annos: 127 do primeiro sexo, 161 do se-
gundo. De 6 a 8 annos: 13 do primeiro,
13 do segundo. De 8 a 15 annos : 21 do
primeiro, 22 do segundo. De 15 a 20 an-
uos : 55 do primeiro, 50 do segundo.
De 15 a 20 annos : 55 homens, 50 mulhe-
res. Do 20 a30 annos: 113 homens, 107
mulheres. De 30 a *0 annos 108 homens,
87 mulheres. De 50 a 50 annos : 103 hu-
raens, 81 mulheres. De 50 a 60 annos: 109
homens, 71 mulheres. De 60 a 70 annos :
SO homens, 71 oiulheros. De 70 a 80 an-
uos: 51 homens, 55 mulheres. A'cima dj
0 annos: 95 homens, .1 mulbsrM. Mor-
Mjiiiiiii.'/ios. IjitiaiMn em Pars duran-
te o mez de agosto (exclusivo odia 31)
19,031 saceos con gulos, 88,519 ditos com
familia, 86,805 hectolitros e 63 litros de
vinho, 5,389 hect, 26 lit. do alcool; todas
estas quanlidades sSo menores que as do
mez precedente. Entraran!, alc.ii disto,
polas barreiras 760.575 kilogrammas, e pe-
los loatadouros 5,370,811 kilogrammas de
carne de vece i; de carne de porco 313,532
kil vindos dos maladouros e 350,566 kil,
pelis barreiras; total 5,795,283; termo
medio 192,176 kilogrammas.
O lermo medio do ez preceJento foi de
131,202 kil. Venleram-se nos mercados
pblicos 81,832 kil. do carne de vacca de
71 e. i Me. o kilogrammo, 109,203 kil.
7 de vitella de 73 c. a 88 c. o kil., 70,255
kil. do orneiro de 95 c. a 99 c. o kil.,
6,773 kil. de porco de c. 27 a 91 c. o kil.,
total 230,788 kil 2. Entraram polos cami-
nhos de ferro 57,725 kil. 5.
Venderamso durant o mez do agosto :
527,895 aves, 25,565 menos que na mez
precedente; venderam-sa 317,392 pombos,
175 510 rrangos, 650,335 coelhos, 55,27o
gansos, 12,127 (Orus, 10,503 capes, 7,503
patos, etc.
Vcnderam-se 332,275 kil. do paites d'a-
gua salgada, e 39,721 de peixes d'agua do
ce; 5,583 conlos do ostras, 552,896 kil. de
maiitciga, 7,118,151 ovos, 25,503 queijus ;
os precos tem sido os rnesmos, pouco mais
ou menos.
Foram proepssados durante o mez 17 pa-
deiros, 5 carniceiros, 16 negociantes de
vinho, 5 mercadores, por pesos falsilicados,
6 boticarios ou droguistas.
Seguranza. Foram presos 2,088 indivi-
duos: 1,153 homens, 62S menores e mo-
mios; 1,931 em flagrante, 155 por man-
dados. 1,852 dos individuos presos habi-
11 ni om Paria, 259 as provincias, 873 no
tecm instruc(3o alguma, 1,207 sabem ler
e escrever, 8 reem urna nslrucc^o superior
1,518 nao teem meios de vida, 635 vivem
do traballio manual, 5 silo abastados, 693
estaiem reincidencia de senlencas corre-
conaos, 56 desonlencas crimiuaes.
D'entre estes ros 116 sin estrangoiros,
-i foram prezos por abuso do confanca : 17
homens, 3 menores ou meninos, 5 mulhe-
res, 58 por fuga do desterro : 55 homens, 3
tugues, 575 prussianos, 315 russos, 72 sar-
dos, 183 saboianoa, 9jsax09s, 102 suecos,
I20 9UHS0S, 67 turcos, 66 nrtemberguezes.
( Presie.
A QUESTA DO (JURO.
Os espritus eslSo de tal surto absortos em
Franca pela gravilade da siluac^o poltica,
que deixaram passar quasi desapercebidas as
noticias recebidas|da Australia sobre as des-
cocerlas de novac minas de ouro tSo ricas e
mas consideraveis talvez que asida California.
O Journal des Debis que consagra' osla ma-
nhSa s.'u primeiroPars a estas des cober
tas, contenta-se con dar as novas Informa-
COes quo vieran) ao seu conheclmanto por
meio dos periodos americanos o inglezes
porm nSo acrescenta nenhuma reflexSo
econmica sobros influencia que estas no
vas minas poden exercer sobre as relacOes
internacionaes e sobre os costumes do mun-
do inleiro.
Resulta das informacOes obtidas pela
commiss3o ingleza em SSc Francisco qua a
producSo annual da California pode elevar-
se, termo medio, a 350 ou 360 milhOes de
francos durante o espaco de mais de duz an-
nos, oquefaria para esse periodo decenal,
uma massa de ouro de mais de 3 mi Iha rose
meio de milhes derramados na circuladlo,
indepcndcnlemonte da produ(5o ordinaria
das minas dos monlcs Ourals.
Se as noticias vindas da Australia nSo s3o
exageradas e se este paiz produzir igual-
mente mais de 350 milliOes por anno, aera
para toda a trra uma producto do mais de
800 milliOes por anno, ou de 8 militares de
milnOes para duz anuos.
He evidente que uma tal afluencia deste
metal precioso devora modificar do um mo-
do perigoso seu valor intrnseco e talvez rc-
dun-lo laxa da piala.
Quando no mez da Janeiro passido, o go-
verno francezsaliindo de sua apathia pela
Horacio do valor das moedas de ouro na
lio .ni.11, na Delgica e em muitos oulros Es-
tadas da Europa, nomeou uma commisaSo
para oxaminar esta grave quastSo, ponsou-
se quo sabina daslcoxame alguma medida
Necisiva, e qua a commissilo so pronunciara
positivamente pro, ou contra a aitcracSo do
valor das moedas, e que no caso em que cl-
julgasse devor consorvar coucorronta-
fazer suspender, li nova ordem, o fabrico
das moedaa da ouro em Franca, ou para re-
gular ao menos as quanlidades qde poderSo
ser anilladas por moz ou por anno.
He verdade quo este fabrico tem diminui-
do um pouco ha seis semanas na casa de
moeda de Pars : as perlurbacOos polticas
lom fono procurar as moedas da ouro, e tem
augmentado ao niesmo lempo o cambio das
notas de banco e dos soberanos inglezes.
Tem resultado d'ahi que os especuladores
os quaes expedan) na um annoquanlidade
enormes de soberanos para serum conver-
tidos em moedas de ouro francezas porque
a libra esterlina nao valia em Franca senSo
-'t-80 parausaran) suas remessas desde que
o soberano inglez cuslou em Pars, ao cam-
bio de 25-13 a 95-30; mas nlo se do ve cu li-
bar inuito nesta aparencia do melliameulo
nos cambios. Por pouco que a calma re-
muca nos espiritos e que o ouro continua i
e III uir da California a da Australia, o cambio
sobre Londres tornar a cahir inmediata-
mente abaixo de35 francos, e havort novo
lucro em converter os soberanos em moe-
das de 30 francos.
; Praa:)
COMMERCIO.
5 ditas tecldos de algodflo ; IC. Kenwor-
Ihy&Companhia,
58 ditas a 1 fardo Jilos divanos; a J. Ry-
der & Companhia.
1 embrulho objtctoa de usa particular ; a
J.w. Jetlaj.
8 caixas lecidos de algodlo; a Roslron
Dultan 4 Companhia.
30 barris manteiga ; a F. C. de Olivelra.
7 caixas tecidos de algodSo; a Kalkmann
Brotbers.
1 embrulho papel; a T. Hywood.
6 saceos amostras ; a diversos.
iOqueijoa, 90prozunto, 9 caixas biscou-
tos, 9 barricas, 1 barril a 1 casto conservas,
3 barricas a I meia dita cerveja, I lata caf,
1 embrulho e I caixa eipeciarias, 9 barris
vinho, | lata cevada, t pote touclnho, S la-
tas queljos, 10 barricas sal, 1 caixa fornos,
1 dita estojo, 1 dita esleirs, 1 pacota aseo-
vas, 1 cesto louc.4 e vidros e 1 barril carne ;
ao capito.
Barca ingleza Ospray, vinda de Terra No-
va, consignada a Me. Calmont <\ Companhia
manifeatou o segulnta t
3500 barricas baoalho ; aos consigna-
tarios.
CONSULADO UERAL.
Rendimento do dial a II. 3:653,355
dem do da 15........ 636,929
5:280,273
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dial a 15. 25I.1S7
dem do da 15....... 10,338
^
ALFANDECA.
Rendimento do dia 15 11:575,051
Desearregam hoje 17 dtnovimbro.
Barca ingleza Co/umoai mercadorlas.
Barca inglois Oipray bacalho.
Barca americana JoAn Fanum merca-
dorias.
Rrigue inglez Waller Ruine bacalho.
Escuna dinamarqueza -- Etpress -- merca-
dorias.
Escuna brasileira iuro idem.
Rrigue inglez June Eiskine bacalho.
Imito ra c ii O.
Calera ingleza Columbus, vinda de Liver-
pool, consignada a Me. Calmont & Compa-
nhia, manifestou oseguinte :
b barricas e 6 caixas ferrages, 50 ditas
queijus; a Brandera Rrandis & Companhia.
39 caixas eS fardos diversos treidos; a
Fox Brothers & Companhia.
5 fardos diversos tecidos, 1 caixa roldas ;
a C. J. Aslley & Companhia.
200 caixas passas, 2 ditas mercadorias, 12
ditas vinho, 37 ditas o 58 fardos diversos te-
cidos, 3paootes dilos de ISa, 85 caixas cha,
62 mcias ditas dito, 2 volumes objectos do
uso particular, 2 tonelladas, 18 quintaos e 2
251,505
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 15...... 356,515
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 15 .
450
Licor .'.........Canalla
Dito ... .7.....Garrafa
Arroz pilado 2 arrobas um Alquero 4,1
Araras.........Uma ii,ooo
Panafjioa........Um
Bohenas.........Arroba
Biscoitos.........
Caf bom .'......"
Dito restolho.......
Dito com casca ...... <
Carne acoca.....
Coucos com casca .
Charutos bons ....
Ditos ordinarioi. .
Dito relagia e primor .
Cera de Carnauba
Couros de Boi salgados.
Dito espixados
Dito de ouca
Docos de calda .
Dito de rjoiaba .
Dito secco.....
Estopa naeional. .
Farinha do mandioca
FeijSo......
Fumo bom.....
Ditorostolbu ....
Gomma......
Gengibre .....
Lonba de acbas...
Dilo de toros ....
3,200
3,360
5,000
4,000
3,400
4,800
2,830
4.000
1,60o
700
4,000
S.500
US
t45
13,000
400
240
500
. Arroba 1,280
Alqueirol,80
3,000
Arroba 5,500
. a. 8,00.1
. Alquoire 4,8
. Cento

c
. Arroba
. Libra
.Um
.Libra

. Anoba
. Cento
a
Prancbasdeamar.de 2 oust. Um
Ditas de louro......
Costado de amarello de 35 a
40 p. de o.o 2 i a 3 de I.
Dito dito usuaea.....
Cosladinbododilo.....
Soalbo de dilo......
Forro do dito
516,865, CojUdo de ,
PRACA DO RECIPE, I5DENOVEMRRO DE
1851, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios- Oa saquea da semana varia-
rain segundo os prazoa do pa-
gamento. Sacou-ae a 28 3|4 d
por i i ra. com o prato de 1)0
das, ao qual anda ha lellras
oderecidasi a 29 por 30 dlaa. e
a 291)4, ipor dinheiro descon-
tado.
Algodao- Vierain ao mercado 9l4 aac-
ca, que foram ve ndldas a
1/800, 4/900, 5/000 e a 5/200
ra. por arroba o de qualidade
superior; e fez-ae venda de
una partida eiiatente no por-
to de Macelo a 5/ra. por ar-
roba posto a bordo.
Asaucar Veoderam-se 2,000 aaocoa do I
mascavado de 1/450 a 1/500 Ponas do boi
ra. por arroba; a entrada foi pjgjsgQg .
pequen
dito
Cosladinho de
Soallio de dito.......
Forro de dito......
Dilos de cedro......
Toros de tatajuba......Quintal
Yaras de pirreira.....Duzia
Ditas de aguilhadas .... <
Ditas de quirls.......i
Rodasde sicupira para carros Par
Eixos do dita para ditos
Mol om pipas.......Uma
quartolas......Canad
barirs........Huin
Hilho..........Alqaeira 1,980
Podras de amolar..... a 1,200
Ditas de filtrar...... 7,000
Cento 3,300
2,600
1,600
0,500
20,000
8,500
86,000
14,000
9,000
7,500
4.J00
6,400
6,200
3,800
2,500
3,000
1,600
1,200
1,500
2,000
40,000
16,000
34,000
190
6,800
a
menores e 1 mulher, 96 por lerimentos, 57!mento valor legal s pecas de prata e s
homens, 31 menores 7 mulheres e I meni
na ;29 por dilictos polticos l 23 homens, 6
menores: 285 por dolidos diversos -. 173
homens, 62 menores, 5! mulheres, meni-
nas. 38 por velhacadas, 27 homens, 6 meni-
nos, 5 mulherose I menina; 218 por men-
dicidade : 123 homens, 59 meninos, 71 mu-
lheres, 5 meninas, 209 pelo crime de re-
lulli.o, 150 linmons, 42 rapaces e meninos,
16 mulheres, 1 monini. 816 por vagabun-
dos, int homens, 338 moninos, 61 mutila-
res, 13 meniuas : 17 por venda Ilegal de im-
pressos, 12 homeus, 5 meninos, 1 mulher ;
263 por furtos, 40 homens, 85 meninoa, 65
mulhes, 12 meninas. Ilouveram menos pri-
zOosque no moz precedente, havendo mais
por vagabunlos.
Alienados. Foram encerrados durante o
mez 109 alienados. Sahiram como curados
125; morreram 55. Ilouveram 22 recahi-
dos, e 1 evaso
Exposlos. Foram engallados desde 3 a 12
annos 26 meninos, abaixo de 2 annos, 266.
Total 292. Destes 260, 18 foram reconheci-
dos legtimos, 197 naturaes, 51 do nasci-
mento incerto, 150 nascidos nos hospicios,
55emcasa das parteiras ; ISOpertencem a
mulheres quo habitan) o departamento do
Sena de oulros departamentos, 6 foram en-
geilados por falta do pagamento de mezes
do alimento.
pecas de ouro, acouselharia ao monos algu-
mas modidas do prudencia, alim de impedir
qua o fabrico da moeda de ouro se deson-
volvesse em uma mu grande oscalla; porm
preferio-ae liar no statuguo, e ha um anno a
casa da moada do Pars le.u cunliado para
mais de 300 milhoas de moldas de ouro.
Lata circulaco nada leria qua lizesse aie-
morisar, se por acisodevessi licar ahi : o
publicoaceita com prazeras moedas deuu-
ro qua sSo de um transporte mais commodo
e maisagradavol qua as embarazadoras pe-
cas do 5 francos; purm as noticias da Aus-
tralia deveriam fazor refleclir quo o fabrico
das moedas da ouro n.io deve ser levado
mais longe antes que se tonha recebido in-
furma(0es bem exaclas, sobre a producto
futura das minas de ouro. Porque so se con-
tinuara fabricar as mesmas pruporcOes che-
gara um momento em que o valor real do
ouro se afastar a tal ponto do valor ofli-
cial allribuido s moedas legaes, quo a que-
da do valor das moedas no po lera mais ser
evitada, o neste caso, resultar desta altera-
cium.i perda que podera elevar-so a uma
somma consideravel e que ser representada
por muitas centenas de milliOes. Dous sys-
lam.is tem sido desenvolv los com mu i la
persistencia e talento a respeito desta perda.
Uns tem sustentado que olla recahira no-
I cossariamonle sobro os particulares, e ueste
arrobas ferro em folhas, 50 lilas oleo, 30 Arroz ----- Opilado a vanr foi vendido de
barris dito, 50 ditos manteiga, 30 ditos al- '
c-lrau C 30 ditos pixe; aos consignatarios.
I bigorna, 2 caixas machinismo ; a Bow-
mom i* tic. Callum.
51 ditas, e 5 fardos diversos tecidos, 1 tina
carne, 3 caixaa nantioiootos, 100 barris
manteiga; a i. Pater & Companhia.
8 ditas, 23 barricas o 2 caixas, ferragons,
pacote ac, 2 bigornas, 300 fogareiros, 27
caixas fio de algudflo e do Iinho ; a S. P. Jo-
hnston & Companhia.
5 fardos barbante, 1 caixa allinetos, I dita
bastidores de ac, 2 ditas, 68 pacoles o2i
barricas ferragens, 2 ditas vidros, 10 bigor-
nas, 10 barris vinho, 25 ditos manteiga, 6
dilos carveja ; a E. H. VVyatt.
13 tonolladas, 15 quinlaes e 6 libras do
ferro em fulbas o arcos, 100 caixas folhas de
flandres ; a Antonio V. da Silva Barroca.
6 lardos lecidos do algolao. 15 dilos fa-
zendas para saceos; a N, O. Biober & Com-
panhia.
11 ditos e 11 caixas tecidos de alg0d3o, i
dita selins, I dita objectos de uso particu-
lar, I embrulho joias ; a Alamson rJowieet
Companhia.
a 2/100 por arroba,
Bacalho- Ai vendaseingrnsao ellcctua-
rain-ae de 7/509 a 8,000 ra.
ra. por barrica; e a retalbo
de 8/a 8/500 ra.; Hcaram em
ser 13,500 barrlcaa,
Uatatas Venderam-ae de 440 a 040 ra.
por arroba.
Cafe- ----- dem de 3j88o a 4/000 ra. por
arroba.
Carne secca Os prc(os continuaran) de 5/
o3/200 ra. por arrobas; lican-
do em acr 45,000 arrobaa.
Cha Uysaon Vcndcu-aede 1/500 a lfHOO rs,
por libra.
Cerveja dem de 3/600 a J/HOO rs. por
duzia de garrafaa.
Far. de trigo- dem de i2s a 16/500 rs. por
barrica, Meando em deposito
8,000 barricas.
Louca Fex-ie venda de facturas de
louca ingleza com o premio de
240 a 242 por cento sobre a
factura.
Passas Venderam-sc de i) a 5/ra.
por cala.
Vinhos -O de Lisboa marca PRRven-
"Heu-se de 132/ a 136/ra. por
plpa.e de Falcao de i.'ltf' a 140/
Sola ._.....
Sarca parilha. .
Tapioca......
Unhasdo boi.
Couros de cobra .
Azcito decairapato.
. Moldo 180
Meio 2,080
, Arroba 30,000
1,600
Cento 200
23,000
. Canad 720
Movimento do porto.
1 caixa ferragens; a Joiquim Antonio dos |S,b3.....uSrfc"" de 80 a ,00"'por
8,?rtlI.A.nn"Aeil i* i *P Liverpoo'l'a 3|8 p, o algodo.
5 ditas fio de algodSo 6 barricas e 16 pa- Letra, com venchneuto at abril for.m diacon-
truido. O coadjutor maldito tem seguido a
c5rte at ao campo de Ainblemont a duaa le-
goai de Sedan. 11c Tabcrt quem me manda di-
er iaao; elle accresccnta que aabe de boa ori-
gen) que, mo grado da rainha Anua, meu inl-
migo val ganhando cada nv. mala favor no es-
pirito do joven re, iqiifiiiiiju.li'. entretan-
to eatavamos em bom cainlnho para vollarinna
triumplianlea a barbaa do parlamento!
Ao depoia tlazarino, pola era elle, ballan-
caudo as lilaos aobre os bracos da cadeira, per-
maneceu um momento com a cabeca inclinada
e como abaorla por um penaameuto deeiaivo
para aeu futuro. losensivelincnte elle se dea-
enrugou, aorrlo c olbando coinplacenlemcnte
para aquella de auaa aobrinhaa que Ihe tinba
entregue a carta, pedio-lhe que ncasae, e dia-
sa a de Lionne c a d'Artaignan que sa-
bisaem, que ludo nao eatava perdido, queellea
veriam maia larde os gloriosos eSeitoi de ludo,
Quando uCCU s cun a subiiiili pcgu-lbt: na
inoslnha com ambas aa moa e sorrindo com
uina, eQ'uao crcscenle, disae-lbe :
Matia, a sobrlnba a quem maia amo lleu-
lle aa clnoo Mancinl que aeniprc, mo grado
u, lenbo preferido s duas Martiuoi, liara
Conlam-se entre as ni3is 59 criadas, 341 caso o dia da diminuicSo do voior das moe-
custurciras, 32 fanqueiras, 12 jornaleiras e, das produzira uma perturbagao na socio ia-
8 hvadeiras. 5 mSes engeitaram cada uma de. Oulros, pelo contrario tiro susontado
2 lllhos; 33 destas.m3es nasceram em Pa-i que o publico nao tinha aceito as moedas
ris, 157 nos departamentos, 33 tem anda de ouro por seu valor normal, senao con)
paes, 157 nSo os teem mais, 50 liuliam tido I a garanta do governo, e que se bouvesse
ja (lllios, 186 declararam estar abandona-1 prejuizo nellas o governo s devia ser o ros-
das pelos pas de seusfilhos. punsivui. So esle ultimo systcma prcvale-
Montc pi. Foram empenhados durante o cer, seria preciso no oa em quo a moeda
mez 108, 289 arligos no valor de 1,763,835 da ouro deixasse desor moeda legal, ins-
l'rancos; oram dosempenhados 97, 520 ar-'Crevorna le do orcamento u.na somma do
tigus no valor de 1,680 francos. I200 a 300 inilhes, e mais lalvez afim de
Thealros. A sotima djsreceitas dos ihen-1 retira-la da cirmilacjio.
cou iguahneuledistaute. Ooua gntlnlios bai-
xoa nnuiediatainente comprimidos, foram apc-
i i-------- -- ''
ra seu aoberano bem amado nao eaqueeas a
fclicidade que teria em tornar a ver, anda que .
por um s Instante, aua lace nobre e querida;; V" ouvldos, c uma scena como essaa que se
e penas terminando, em leu tio, Mara.' Oize '"nos roiuaoccs de la scudery ou na tfrence
que nio pudendo tazer agora mais, elle rog |ue Hacine, paaaou-se aqu entre dous aman tea
de dia e de noite ao co para que laca tiiuiu- quecoconlravain-ac depoia de tres incaea de
pliar S. Uageaude dos inunigos externos e bem "'
asaiin daquellea cen mil vetes mala perigosos
que o cercana no interior e cnganain aeu grao-
de coraco. Nio delaca de fater iaao, Mara, c
lu i un i fronte cointeus encantadores labio
Era pela madrugad* que Isao tinha lugar.
S doua amantes c aeus cmplices podiam es-
tar de pe em urna hora to fresca ; e todava
um homein de chambre pardo que o~o pareca
A dcil Mancioi, depois de ter depoato aobre de nenhuma loria prepo.to guarda do caa-
a fronte do tio o oaculo pedido, foi lugo escre- tell, 'ancava ja do alto da lorre de Auatria ao-
ver, e quando a carta fui inmunda, apreaen- bre: o valle uuiolhar inquieto. flTao vendo nada
tou-a ainda abena a Maiarino, apoiandote dc batante peno, ou tcmeodo talvez que uao
com urna mo sobre o espaldar da cadeira eae-1 obaervasaem, o homcm de chambre pardo
guindo com os olboacoui um sorriao de satis-1 deaceu por esta capele de escarpa que foriaia
f.cao seus olhoa radiantes. I a junecao desse doua arcos auspeuaos e eatcn-
Ura sabe, minha divina, disae o tio quan-1 deu sem perigo de aer vitto, aeu olho vivo e
do acabou de ler, que lu tornarUa loucoa lo-1 prolundo por casa bcatelra perpendicular para
dos os soberanos do mundo. toda as obscuridades do valle, ala ao pe du ro-
l)oua dias depoia daquelle que o cardeal coedo; depola do que levanlou tubltameole
mandou Artaignan levar debalio degrandea,"fronte inclinada, parllocomouin rclanipa-
apparencias de uiyalerio, como ee elle de nada, 8> desceu nao aei como do cattello e cabio co-
aoubease, a carta da aobrioha ao campo de Am- mo o ralo a seis pastos dos dout amantes.
blemonl. para entrega-la pcasoalmente ao re,
miaba aobrinha do coracao, volto a esse pro- eu vos direi o que acouteceu, conlinuouo doit
i celo tao bello que nao tenho abandonado se-1 tor, mas como quero ser nel ao meu habito de
uao cora pesar: Mara, te eu le reaac rainha I nao contar as cuusaa seuo sobre o lugar que
de Franca, dlae, arto eaquecerlaa que he a leu I Ihea aervio de aceoa, aaiainoa primeiratnentc j
tio querido que deveriai tua condicao, leu real I dessa casa c tornemos a paasar a ponte.
poder?,.,,
Mas, meu tio adorado, reapoudeu Maria,
\ me. aabe bem que eate caaamento be impos-
mvcI, que oa principes se opporo seiapre a
elle, e que a proprla rainha Anna apeiar da
auiiaade que lbe lem, nao far jamls dobrar
seu orgulho ala ao ponto de conaealir niaso.
Maria, DO* temos en Sedan, gratas a eate
bom guveroador, Mr. de Fabert, que no-Ios
protege, tbeaouros que abanaran, utuitoa or-
^ulbos, que pagariain inuilaa coroaa; e ac nao
lenbo lomado a peito obier para ti uma parte
da de Inglaterra, he pnr que aa couaas correui
ainda inuito em favor deate lonco filis Crom-
vrrll. Miaba querida sobrlnba, deixa-te au-
lla oulra borda do Sena, rodeamos o roche-
do apique sobre o qual se levanta o caslello em
uma peninaula c achamo-nos em um segundo
valle que divide o rio e que se aasuinbra de uin
lado com os reversos das mesinas aliuras e do
oulro com a longa e predoininaote ceosla cu-
bera de matos que l'at face aovclbo forte. O
doutor contiouou:
Itous dias depoia um mancebo de aoberba
appareocia, de nobre roste ae ialroduiia dc-
baiso de um deslarce que liuha alguma graca,
poalo que foaae dos mais campestres (era no
lempo dos Tircea e dos CaladonsJ, ao longo des-
asa cercas que vedea l sobre a diielta da agoa;
elle era seguido de um hornera que ae pareca
mete guiar por leu lio ao qual amas e aere- inulto com eate d Artaignan, que tenho> mulita
mus bem auccedidoa. O joven re Lula est li vetes comeado. A uinslgoal que Ihe rol feno
mala enamorado que cuaca dos leus encantos, i pelo oulro, este ultimo con.ervou-se em dia-
ao I, >rua rasu, minha bella aobrinba ; el-tlancia, inmediatamente urna liada rapariga
i- mandn pedir nolleias tuaa a Mr. de TaUtrl, 1 moatrou aua cabeca Inccrta e enfellada entre
.icellentii bumeiu, que me d parte de ludo! i duas inoutas (ir malos; ao depoia andando com
Vnda l Mana, tu. uao podes deiiar de agrade, a0 l'l'> olbaod cm torno de ti como
cer ao re: eacreve-lhe urna desaaa carlaa quef uma crlanca medrosa, adianlou-se um pouco
aa muluereacbam sempre em aeu coracio pa-' seguida de umapetaoaque a um elgnalaeu, a-
_ Ah ab eiclainentou elle ajunlaudo aa
mas, quem leria jmala suppoato que uina tt-
Iba doillutlre baro romano Lourenco Man-
clni, que uma nela do illuatrisslmo Sr, Paulo
Mancinl, que uma sobrlnba, a maia querida
das sobrinhas do einenenllssmo cardeal Maiza-
i un, manchara a tal ponto a honra de sua ca-
sa, que um desconhecldo, uin vil archeiro, u,n
relrc, ura desses miseraveis [rondeuri talvez
que peraeguem a juventude de noaao augusto
rei. ..
De vagar! eminente cardeal 1 ioterrompeu
o mancebo, cujo orgulho nao pOde devorar es-
os Insultos esiudadoa. O cardeal, poia era alu-
da Maziarlno, que de propoaito provocar esic
aoberbo de vagar! represealou repentinamen-
te como actor conauraado, o pasmo, a confu-
colos ferragens; a Antonio Francisco 'de
Moraes.
1 ditollo ; a li Bowmann.
9 fardos tecidos de algodSo ; a A. lazar
de Abreu.
1 caixa ditos de dilo ; a J. P. Adour &
Companhia.
1 barrica louca ; a J. Anlonio Baslo.
1 caixa tecidos de 13a; a Deane Youle &
Companhia.
7 barricas ferragens, 10 caixas tecidos de
Iinho ; a Ridgway llobilliardoi Companhia.
63 pacotes tecijos de algodao, 69 caixas
ditos diversos, 1 dita portences paraescrip-
torio ; a Raslron llooker & Companhia.
29 ditas diversos lecidos, 1 dita livros de
conta, editas o 1 embrulho miudezas; a
II. ftoyle & Companhia.
3fardse 3 caixas diversos tecidos, 2di-
tas ferragens, 2 ditas camisas de algodao, 5
ditas miudezas, 1 dita perlences para os-
criptorio, 1 caixinha relogios, 100 barris
manteiga; a II. Gibson.
9 fardos e 31 caixas diversos tecidos; a
Russall Mcllors At Companhia.
1 pacole o 5 fardos ditos de algo lo; a i.
Crablree & Companhia.
7 ditos e II caixas dilos de dito, 1 dita
com 1 chapeo e I 3|5 jardas de panno; a Jo- i
nes Patn & Companhia.
bou, mas sem colera nem desdem, Luis XIV. ;
entretanto Diana de Poitlers ofra de nosso avd
Frauciaco de cavalhereaca memoria Mas tran-
qullliaal-voa, Sr. cardeal, accrescenlou ellees-
tendendo uina mo afectuosa a Maziarioo, eu
destino cousa inelhor sobrlnba do meu maia
dedicado amigo.
Osolbosdo cardeal brilharam de alegra e
de esperanca.
Luis XIV, continuou :
Tenho dado meu corayao vossa aobri-
oha ; fatei o resto obtendo para ella de minha
niai a metade da coioa do rei de Franca e de
Navarra eu vos ajudarei.
Maizarlno nao cabla em si, elle eslava aliuci-
nado, tinha a vertigein. quasi que o orgulho o
sutfjca : porqae o orgulho era o seu fraco, e
mais de uma vea esteve a ponto de destruir to-
do o ndame de tua prodigiosa fortuna. Era,
aua embriaguez, elle dirigi ao joven monar-
uba esta patavra lomada.Itislurica;
Ah / grande principe, teudes em vos o ca-
nillo de qualro res sublimes e de um bonico)
honrado]
Compre confeasar que ncata clrcumstancia
S. M. fora efieclivaraente limito honasto. 3ea-
slvel desde este lempo lisonja, elle apertou
maia alTectuoaaraenle alada a mo do car-
deal.
As cousaa tinhara aido hbilmente dirigidas
eoino vedet. A paiso do joven principe, aeu
amor proprio to destrmenle acariciado ti-
nham sido aobre inaneira excitados pela carta
de Mara. A cabeca ainda louca de Lula liba-
se esquentado sao pensar no cavalheresco de
uina aventura deste genero; e debaiao de uin
incgnito verdaderamente pastoril, guiado por
d'Artaignan. o portador da carta amorosa, elle
delira uma manha o campo de Amblemont,
nao cooliando aua sahida aeno aoa guardas de
aua bartaca. lima entrevista tinha sido asalg-
nada desde a vespera i Mancinl que leve o cui-
tadas a l e 1|8 por cento ao mea.
Ficaram no porto li.) eiubarcacet: sendo
4 americanas, I belga, 36 braaileiraa, 2 dina-
marquesas, 5 francezas, l hamburguesa, 12
inglezas, 7 portugue-iat c I sarda.
Pauta
Dos jtreeo corrale rio assucar, tlyoddo, e
mais gneros do palt, que se despachan na
mesa do Consulado de Pernainbuco, na se-
mana de 15 0 a 22 de Novembro 3e 1851.
Assucar eme. braoco 1" qual. Arroba 2,000
ij i< -'
a mase .... a
bar. c sac. branco
mase....
refinado.......
AlgodSo empluma de 1'qual.
Dito.......2"
Dito ....... 3'
Ago'ardente caxaca 20 cra0J P'Pa
Dita.........Canad
Ditadecanna......
Dita.........Canad
Dita rcstilada.......Pipa
Dita.........Canad
Genebra.........Canad
Dita.........Botija
Navios entrados no dia 15.
Terra Nova -- 31 dias, brigue inglez Sprsy,
de 250 tonelladas, capiSo Archiball sto-
ck, equipsgem 13, carga, bacalho; a
orilom.
Ilamburgo 56 dias, escuna dinamarqueza
Express, de 100 tonelladas, capito C.
Holk, equipagem 7, carga,aimento,eilci-
Irilo ; a Roth Bidoulac.
Philadelphia 60 dias, barca americana
John Farnum, de 259 tonelladas, capiUo
S. P. Willeby, equipagem 13, carga, fari-
nha e mais eneros; a Malheus Auslin &
Compaobia.
Terra Nova 31 dias, brigue inglez Jane
Maskone, de 931 tonelladas, capillo Tho-
maz Kirk, equipagemII, ctrga, bacalho;
a Mr. Calmont & Companhia.
Richmond 36 dias, barca americana Grey
Nonti l, do 265 tonelladas, capiUo E. G.
Winsor, equipagem 9, carga, farinha de
trigo; a Malheus Auslin oc Companhia.
Parahiba ltate nacional Flor do Brasil,
de 28 tonelladas, mostr Henrque de Sou-
za Mafra, equipagem 5, ctrga, loros de
mangue; a Antonio Jos de Castro.
Torra Nova 35 dias, barca iogleza Roben-
son, do 188 tonelladas, capiUo John
Boyes, oquipagem 12, carga, bacalho; a
Lo Bretn Schramm cV Companhia.
Navios sabidos no mesmo dia.
Rio Grande do Sul pelo Rio de Janeiropo-
laca franceza Eugonia, capitSo G. Andr,
com parta da ctrga que touxe.
Rio Grande do Sul escuna brasileira San-
ta Cruz, capilfiO Manuel IV fe na de S.
ctrga, assucar e sal. Passtgeiros, a fami-
lia do capiUo, 3 esclavos a entregar, e I
escrava remellida pela policia.
Parahyba hiato brasileiro Eibalacdo,
mostr Antonio Miguel Alfonso, ctrga,
fszenJa e carne. Passageiros, Joaquim
Ignacio da Silveira Borges, Joao Antonio
Golzio, Maria Victoria da IncarnacSo.
Navios entrados no dia 16.
Parahiba13 horas, biate brasileiro Tres
I raos, de 31 tonelladas, meslre Jos l)u-
arledeSouza, equipagem 5, carga toros
do mangue; a Jotquim Duarte de Azarado.
200 dem--35 horas, hiele brasoiro Espadar-
1,600
1,300
2,300
1,400
3,500
5,200
4,800
4,400
40,000
220
58,000
4 s ,01)0
260
450
ccalculadas ; aeu bom amigo o arcebiipo de' titulo duques de Uouillou e consegulnieinenlc
Colon-ha, principe de Lege Uoba-lhe dado esta I V. M.
asilo, colkicaiio a dous passos da Fraaca, iolre \ Na paz de Nimegae, Luis XIV nao eaqueceuas
a qual ieus olbos cstavam incestaotemeate observagfle de aeu ministro. ouillon para a
abertos como sobre a mais rica preuque havia, Fraafa, da qual sem duflda oo teria pastado
a depenar oo mundo ebristo. Elle oba aa- ; ao depois se nio foase.ii aa conquistas taocus-
nunciado que tria multo mala longe ; at Vien-
iii, Ulrez, onde o imperador, ao aeu ver, meo-
digavascii aervricos ; mas vendo que Part que
-ir. ,1..L_ _^U_ i .. __- i .h .1.. auaaa .....
losas do Imperio Ue Napoleo Magno.
O que Luis esqueceu foi a promessa do man-
cebo amoroso c sobresaltado que lucra ena um
elle uba crido delaar, por falta de sua pessoa' bello movimento de id jilo, Mancinl em pre-
fin uiu grande embaraco, orabava de seus senca de seu to : peta se continuou por mais
aineafoa, o astuto multo de proposito cahira algum tempo seu amor a esta rapariga, revol-
doente no camlnbo e parara por acaso junto de \ tou-se logo com sua mai com as exigencias pou-
seu querido Fabert, junto de seus caros thesou- co circumspectas de uma italiana de raga du-
ros e Junto do campo do .-el. vidosa que pretenda seniar-se ao seu lado no
Seu telo e aua prudencia nao permittirain ao mais bello throno do mundo. Foi preciso que
Joven monarooa voltar s a sua barraca. Luis a eminencia se resignasse politicamente a
disseenUo graciosamente u que se elle o qui-j abandonar urna parte de seus planos orgolho-
so, ornis profundo respeito, entretanto que dado de nao faltar uo dia seguinte e que como
a sobrioba conllnba o mais que poda um li-
geiro sorriso que eslava prestes a revelar-sc
em seus labios*
Ah! tenhor meu rei! meu augusto so-
berano l>albuciou elle, perdoe-me V. M. se....
mas, replicou elle, como cobrando animo, e
V. M. mesmo nao poderia querer que asubri-
nbaa mais querld de seu aft.rifoado vassallo,
de seu mais seloso servidor, i>e seu dedicado
ministro, de um principe eminente da Igrrja
catbolica e romana, ae esquecejse a ponto.....
De ser amante de um rei ce Franca, ac-
sobrinha escupulosa e bem educada iluda da-
do parte de tudo a aeu bom to para que podes*
se aproveittr-se. O hornera de chambre pardo
n.V) faltou hora, a sobrinha representara bem
at ao lim o seu papel i ella esperimeutra al-
ternativamente todos os estremeclmentos do
amor ; a surpreaa, o citase e em ultimo lugar o
espanto e o rcconnecimectto.
De que modo se achava Ma/.arim r sua fa-
milia de collateraes fcmlninos ein Bouillon?
He porque o cardeal ministrse havia ah re-
sesse. poderiaacotnnanha-lo at l : poia antes
deablaerem chegados, uma ordem escripia
que c; precederla fatua que o coadjutor de r.t-
ris por quero elle nunca tomara grande Inte-
resse, fosse posto em Lugar seguro. O cardeal
sorrlo cora buraildade, aceitou o lugar aeguro
para o coadjutor, no interesse do rei; mas nio
pensou, nao obstante todo o seu desejo. que
losse ainda hora de tornar a por o p em Fran-
ca. Elle toiuou smente o cuidado de fater di-
rigir, como costumava, seus carros de braio
vasloa para Pars, alim de conbecer o acolbl-
meuio que se fazia a suas nobrea oagnias e
julgarpor este modo das attencOes ou'dos in-
sultos que o novo Ihe reservava elle corapro-
metteu-se afm disso para com Lula a voltar
antes de oito dias e a ajuda-lo ao entreunto
com scuscontelhoj.
l;ma rcflcxao veto anda ao cardeal antes de
deixar o re.
sciihor, disse-lhe elle levantando osolhos
para o castello de Uoudlon, nao acf.ais, Dos
guarde de malea nesta vida e uaoutra ao meu
digno c geuerotu amigo o arcebispo de Colo-
nba, noachais, senbor, que este inexpugnavel
castello be Terdaddirauente o p esquerdo de
vossa boa cldadella de Sedan, que a familia dos
Turenai talve um pouco contra sua vontade,
doou a vosso generoso predecessor Luis o Jus-
to ? Nao quero mal, repito, a eate blspo de Ca-
nda ; maa em sua succeisao que nao pode tar-
dar, pols be velbo, entra naturalmente uma
parle das antigs conquistas dos valientes con-
des de La Marck, InJusiamente tolerada ao prin-
cipe de Liege pelos traladoa de Cateaav-Lain-
bresls, parte que toca de dlrelto aos her-
fuglado em uma de suas desgracas apparentei delros dos principes de Sedan, sempre em
sos ao amor proprio de Anna de Austria, para
conservar ao menos o poder sem igual que re-
conquistara, hile se teria en to voltado de bom
grado para o throno de Inglaterra, maa Carlos
II por sua ves o despresou. Era preciso que
para o futuro olbasse para algum duque ou
principe sereuissimo. Entretanto Maria Menci-
nl foiobrigada a apar(ar-ae da corte, e sepa-
rando-se do rei, ao qual a lerabranca arranca-
va ainda lagrimas de ternura, laucn-lbe como
uma ultima rede, para tornar a apanba-lo se
fosse posslvel nesta hora suprema, estas pala-
vras celebres, pensadas cora a cabeca mais que
com o coraco: a Vos sois rei, Luis, vos cho-
ris I.... e eu parlo '-
Nao lot preciso menos que esta historia con-
tada com o aal que niaso punba o espirituoso
amigo do commlssarlode marinha para desen-
rugar um pouco nosaas frontes assombradas
pelas narracOea precedentes e pela chava qne
nao tinha cessado de bater nossas vidracas. O
dia comecava a despontar quando o doutor ees-
sou de fallar. Em sumira passamos uma nolte
bastante animada e mu variada e talve que
Doasa maneira de oceupar o tempo em barco de
vapor tente alguns outros, os quaes se loreiu
mais fellaes em suas historias, nlo o seria cer-
tamente mais que eu em mctis encoolros.
IIM.
[ l'ii-iMif'- io fratce:.


**
de 7 tooolladas. mestre Manee] Fi-
' gaeiredo Lopes, equlpagem 5, carga toros
, fcoiangue; a Antonio da Coila Ferrei-
h Estrella. Passageiroa, Manoel Rodri-
gues de Carral bo, 1 Bulher 8 fllhos me-
ores.
EDITAES.
0 nr. Jos Raymundo da Coala Meneies.julz
municipal suppiente da **V*1*>A
dooommorcio. oesta o dado:do Rerede
Pernambucopor8.M. I. e C. que ueos
guarde, etc. .
Faco saber aos que o presen o edital yi-
rem, que vala do expedido de urna pell-
ejo de Samuel Power Johoston & Compa-
rta, em que me reqnereu embargo contra
Marcelino Jos Itibeiro. ae acha a berta a ex-
odlcio porestejuzoa falicncie deste pela
sentenca dolbeor seguinte :-A"vista da m-
qurcflo de folhaa oito a folbas dez a que
ei-olticio proced em consequencia da pet-
ijo folhaa duas do credor Samuel Power
Johnsloo, da declarafBo folbas doze de
Marcelino Jos Ribero, esta provado, que
estebecoinmercianle, ecessara os eeus pa-
gamentos, por eata razio o declaro fallido,
eaberta a sua faliencia desde o da 15 de
outubro pasaado, que fixou para tormo le-
gal de sua exislencia; assim pois ordeno
que se ponham sellos a todos os seus bens,
livros e papeia, faiendo-ao para isto com-
municaciloao respectivo juiz do paz, e ser-
vindo de curador flacal o credor Brander a
liraudis, a quem iiomoio para esas encargo,
devendo prealar joramenio anles de princi-
ciplar a exerce-lo, e cusas.
Recife, II de novembro de 1851.Joa
llaymundo da Coala Menezca.
Em cnraprimenlo do que todos os credo-
res presentes do referido fallido compare-
ram em casa de minha residencia, na ra
da Madre de Dos em o dia 18 do corrate as
10horas, afim do se proceder a nomeacao
de depositario ou de depositarios, que hilo
de receber e administrar provisoriamente a
casa fallida.
E pare que chegue a notioia de todos,
uiandei passar o presente, e mais tres do
mesmo theor, sendo un publicado pela ira-
prensa, e oa mais atusados nos lugares de-
signados no art. 139 do regulamentode 95
de novembro de 1851.
Dado nesta cidadedo Recifo,em II de no-
vembro de 1851.Eu Joaquim Jos Pereira
dos Santos, eacrivao o subscrevi.Jos Ray-
mundo da Costa Menezes.
omsjor JoSo Valcntim Villela, juiz do paz
do primeiro anno do primeiro dialricto da
freguezia do Senhor Sanlissimo Sacra-
mento do bairro de Santo Antonio da ci-
dade do Recife, eto. etc.
Faco saber, que por ofllcio de 24 de se-
tembro p. p. do Exm. presidente da provin-
cia me foi enviado o decreto n. 798 de 18
ile j u I lio do correnle anno, quo contcm o
reglamento do registro de nascimentos e
bitos, para o fazer executar neste districto
de paz no primeiro de Janeiro do anno pr-
ximo futuro, o qual conlm as disposic,es
seguinles :
Art. 5. Os' registros dos nascitreolos e
bitos estarSo i cargo do cicrivao do juiz
de paz do respectivo districto.
Art. 6. O registro do nasciment ser fei-
lo i vista da participado da pessoa que por
esto regulamento he obrigada a faze-la, c
no praso de 10 das depois de dado i luz o
recem-nascido.
Ait. 7. S8o obrigados a fazer a participa-
cao do nascimenlo i
I.* O pai, sendo filho legitimo o recem-
nascido ;e na sua falta a mili ou pessos por
illes aulorisada.
3.a A mai do recem-nascido, sendo elle
f i 1 ti o Ilegitimo, ou o pai que o reconnecer,
ou pessoa por elles autonaada.
3. Oa funccionaros das casas decarida-
de ou hospicios, que tiverem es8a incum-
bencia, ae 1 Mr exposto o recem-nascido ; ou
a pessoa, oirl cuja casa fr dcixado, ou que
tiver achado em abandono, ou que fr para
issu aulorisada.
4. O senhor do recem-nascido cscravo,
ou o administrador de casa, fazenda, ou
quslquer estabelecimenlo rural, ou pesso
por elles aulorisada.
Art. 8. O escrivao lavrar no livro com-
petente um termo, em que declare odia,
meza anno, o lugar em que he escriplo; a
hora, dia, mez e anno, e lugar do nasci-
menlo; o sexo, e nome que liver, ou que
liouver de se dar ao recem-nascido; os no-
mes dos pala, sendo filho legitimo, e n3o o
sendo, o nome da m3i sement, ou tambem
o do pai que o reconbecer, ou deste somon-
te, se n9o quizer declarar o da mSi; a pro-
fissBoe domicilio dos pais. Se a pariicipa-
(3o fr feita por pessoa autorisada nos ter-
mos do art. 7.0, aera tambem declarado o
seu nome, proflssSo e domicilio. Se o pai
ou m3i do recem-nascido fr inligenaou
caboclo, far-se-ha mencSo dessa circuns-
tancia, com especilicncao da tribu ou nac3o
a que perlence. O termo ser assignalo
pelo escrivBo, e por duas lestemunhas, e
pelo pai ou pessoa que tiver feitoa partici-
pado, estando presente. Se a parlicipacSo
fr por eacripto, i*so mesmo ser declarado
no termo, e ella ser reservada para ae ro-
melter oom os livroa lindos cmara mu
nicipal respectiva :
I." Se o recem-nascido fr algum expoe-
to, far-se-ha dcclaracSo da idado provavel,
do sexo, do nome que tiver, ou que se hou-
ver de lbe dar, dos signaes que trouxer, e
'le quaesquer circunstancies de lempo e
lugar que posssm concorrer para ser contie-
ndo.
a. So fiir cscravo o recem-nasoido, ser
declarado o nome do senhor, o dia e lugar
do oascimento, o sexo, a cor, os nomes dos
pais, ae eales foreni casados, ou smente o
da mBi, sendo ella sol teir*. E se neste acto
Mr conferida liberdade, isso mesmo sede-
clarar ; portento, o escrivSo por fe a iden-
liJadeda pessoa do senhor, que asaiguar o
lermo com duas lestemunhas.
Art. 9. Logo que fallecer qualquer indi-
viduo ae far participadlo ao escrivio, para
que este dentro em 34 horas lavre o termo
de ohitc).
Art. 10. sao obrigados a fazer essa parti-
upir;8o:
i." O cabega de familia, em cuja casase
der o fallecmeolu, ou a pessoa que lbe suc-
eder, so for elle o fallecido.
3.* A pessoa que aseistir ao fallec ment,
se odefuolo morava a, ou o visinbo que
tiver noticia da morte.
3.* Os mordomoa, administradores e pro-
pi.'stos dos eslabelecimentos pblicos, como
hospilaes e prisOes, e os superiores dos cor-
pos conectivos, como corporales religio-
sas, convenios e semelhaotes, onde aconte-
(cr o failecimeulo.
* Ot generaes commandantes das ar-
mas, e commandaotes dos corpos ou desta-
tiinentos, e guainices, pelo que loca aos
ofUciies e pracas que fallecerem nos quer-
is e acampamentos respectivos.
5." Os eacrives das execucts crimes,
miando fr punido algum reo com a pena
Pllal.
E pira que chegue ao cohecimento de
'"dos os habitantes deste districto mandci
'vrar o prsenle termo que sera aftixado
Declara 9 oes.
No prelo i Vaihogeneiia doa medicamen
tos brasil eiros.
aolzer vendar, comparec no dia 18 do cor- Roga-so aos aenhorea aaaignantes o b-
rente, traiendo sua proposta e o oculo para sequo de mandar receber seus exempla-
aer examinado. re8 n consultorio homosopathico da ra
-- 0 arsenal de guerra compre livrosem daa Cruzas n. 38.
3
branco pautados de diversos tamanhos:quem
os meamos se propozer a vender comparec
oo dia 18 do corrente, trazendo sua pro-
posta.
AVISO
De
Avisos martimos.
rtJLVIS ES, ET IN PLTVERIM REVER-
TERIS.
,-Veude-se, ou Iroca-se por arcos de bar-
ra, ou linas volites, a ctcellente Nenia, ou
elogio fnebre, feito em o da 17 de adum-
bre em occasiBo da molledo ettudante do
lyeu, Ignacio Joaquim Pereira dos Sahtoa,
at?* em o dia 39 de agoafcb, ludo de 1851. O
publico deve dar extracto ana raros exom-
plares deste sublimo ouropel do p em quo
nos Invenios tornar ; e no qual vogela seu
denodado autor. A olles, quo o precinho
convida...____________________________
Aviuvaeo irmSo do linado .Manuel
Luiz Vieira, vem por meio do presento
agradecer a todos os sonhores que so
I
dignaran) accompanbar o intorro, e
assislirao ofllco no stimo dia, que
se colebrou pola alma do mesmo fi-
nado.
aaMajaMaMaaaaaaaaaMffaillriawi im mu a
O Sr. queannunciou precisar de urna
Para Lisboa pretende sahir com brevl-
dade a barca porlugueza Llgeira.i para
. orden do Illm.Sr. directora geral da carga ou passiceiros trala-se com o sou ca-
InstrucBo publica fago sabor a quem convier ptBo Antonio Joaquim Rodrigues ou com
havendo o mesmo lllm. Sr. representado Francisco Severino Rabello Jnior,
ao Exm. Sr. presidente da provincia a inexe- $te por estes dous das para Macelo, a
quibilidadedo art. 17combinado com o art. barcassa Boa Esperanga por ja ter a
18 do regulamento de ISdemaio deale au- maior parte da carga, puem na mesma qui-
no relativamente as ferias, e exames das an- zer canegar dinja-se ao Trapiche do algo -
las publicas deinatruccao elementar, houve daoa tratar romo mestre Conrado Joaquim
S. Ex. por bem alterar somente nossa parlo de Lira Flores.
o dito regulamento. mandando quenas re- "l.'p.r. Hacei. velleir. sumaca nacional fij?* [o>* de mc'na : d,rlJ,-sc,, ru
eridas escolas sejBo dadas as ferias no da 7 Paraguass, sahe por estes oito dias im-1
de dezembro p.,
dia 3 de feverei
Novembro del85l. u amanuense anu- cadeia do Recito n. 5l:assegu
vista,Candido Eustaquio Cesar de Mello te ,nas bacato do que em barcassas
REAL COMPANAIA DE PAQUETE 1NGLEZ A Para 0 R|0 de Janeiro, segu com bro-
VAPOR. vldade por ter parte da carga enganjada, o
No da 30 deste mozespers-se veleiro palacho Clementina, para o resto da
o vapor Teviot dos portos do carga ou oscravos a frete : dirija-se a JoBo
Sul.o qual dopois da demora do Franrisco da Cruz, na ra da Cruz n. 7.
costume.seguira para Europa. j,ara 0 par em direitura.
par. passagem Wjft&JSiiB*' *"" nacion" Eml,i"> d' fl"" he
va egencie,43 ra da Alfandega-Velha. capjlao pralJco An(onJo silvojra M^je, Ju.
> ,u c, ^l-a^inrfforal da ins. nior.aeguc para o Par* em direitura, coma
De ordem do lllm. Sr. director g ins- possve|% C0Kstum,da brevidade l quem
.i,%~, ...-..------ -,_------ -- .. raa pi.uoll/a folien* suiho ..^.u^-. ,...: n o
soiBoda las as ferias no da 7 paraguassii, sahe por estes oito dias im- "'," .", ,
..squ.es terminarao oo petirivelment, que na mesma quizer car- "/s,a .Jusla,? *?"!" trrf "
iro. Directora geral 13 de Pegar ou ir de passagem dirj.-se a ru. da !!I (-'a1 6, "'"ELIT^?"
,. O amanuense, archi- c.'dei. do Recife n. sil.ssegur'.-seser o fre- f^^TSsISS^SVSLI^JL
Sm.as para restanlo da carga, o passageiros
ii traa i- com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de S Araujo ni ra da Cruz n. 33.
Para o Hio de Janeiro.
Vai Mhir Com a maior brevida-
TIIEATHOI1E S- IZABKL.
1-. RECITA DA ASSIGNATU
Suhira aseen i depois de urna escolhida .,",.,,' '_______
ouveriura, pela orchestra, o muito nteres- siletro V alent : quem m mesmo
sanie e a^piaudido drama em 3 actos quizer carregar, embarcar cscravos
O Peregrino Branco a frele ou r depasaagem f dr.
Os Menina d'Aldeia. J?"se P'<> 4do m.eamo Fran"
No Um do primeiro acto a Sra. Landa exu- cisco Nicolao de Araujo, na praca
cutara urna excellente aria. do Commercio ou a Novaes &
Terminadoodrama a mesma senborae a -, Xranirhp
Sra. Carmela Lucci cantarao o bello duelo tjompanhta na ra do lrapictie
da opera n. i \.
Jupa Bolena. \ Para o Cear o hiele N. Ollnda : a tra-
tar com Manoel Dias, na Senzalla Velha n.
Dar lim ao espectculo a graciosa come- 134.
dia em i acto ~ Para a Babia, o hiate Ligeiro, por ja
'ter alguma carga : quem quizer carregar ,
ou ir de passagem, dirija-se a ra do Viga-
rio n 5.
Para o Hio de Janeiro, sa-
hir com a maior brevidade pos-
sive', por ter parle da carga en-
gajada, a bem conhecida escuna
nacional Alaria Firmina capito
JoSo Bernardo da Roza : quem
pretender embarcar carg na mes-
ma, ir de passagem, ou embarcar
escravos, pode entender-se com o
mesmo capito, ou com o consig-
natario Luiz Jos de S Arrujo,
na ra da Cruz n 33.
Cear, Maranlio e Para.
Segu com brevidade, o brigue
escuna brasileiro Arcelina : quem
no mesmo quizer carregar, dirija-
se. a Jos Baptista da Ponseca J-
nior, na ra do Vigario n. a3, se-
undo andar, oucom o capito na
raca.
Para o Porto.
Sahe com a maior brevidade
possivel, por ter parte de seu car-
regamento, a linda e veleira gale-
ra portugueza Bracharense tem
aceiados commodos para passagei-
ros : quem na mesma quizer car-
regar, ou ir de passagem, enten-
di-se como capito Kodrigo Joa-
quim Correia, na pra?a do C!om-
nercio, ou com Novaes & Compa-
nhia na ra do Trapiche n. 34.
6, que achara romquom tratar, isto no pra-
ZO de 8 dias, lindos nSo se responsabiliza,
por Apotecas, ou dividas que sobre a dita
x"ta. goffreu na noito do din 11 para amanhecer
-Aluga-seo 3." e 3.' andar da ra do je 15 do corrente; consistindo este em 4 ca-
5o,ooo- rs. de gratifcalo. |
Ilesappareceu a escrava Thereza, que re-1
presenta ter 40 a 50 annos de idada; estatu-1
re alta, secca do corpo, cor fula, pee peque*!
nos e limpos, rosto um tanto cornpiido, an-
dar espigado, fall um tanto atravessada por
ser de nac3o congo ; anda quasi aempre do
sala azul, e pinno da costa ja usado, e tam-
bem com a testa amarrada com um lenco;
esta preta veio do serlBo do Brejo da Madre
de Dos em lina de feverciro, estove na pra-
ca oceupada, vendendo azeite da carrapato
at o dia 4 de abril do correnle anno que de-
8apparcccu ; suppOo-se esta preta estar em
alguma casa com outras da mesma naciu,
visto o senhor da mosmaescrav j tardado
lo las as providencias para o mato e quo nSo
consta l.i estar, roga-se a todas as pessoas
particulares o autoridades policiaos a caplu
ra-la e leva-la casa de Joaquim Jos Ker-
rcira no Forte do Mallo, ou ao seu senhor
Jos Antonio Pereira, no Brejo da Madre de
Deoa, que recdbor a gratiflca;ao cima
mencionada.
Precisa-so de um boro ollictal de charu-
teiro : trala-se na fabrica de licores da tra-
vessa da Concordia.
Attencao.
O afllridor deste municipin gratifica bem
a quom Iho der noticia de um roubo que
Ou i n.i o n. 40 ideiras novas de assonto do palhinba, 1 mar-
A revista. co pertencente a cmara municipal, e I ca-
Peridico litterario e recreativo. ; x3o pequeo com diversos ferros necessa-
. Sabio o n. 10. e acha-se o venda na praca ros a afliic3o : a pessoa que dlaiil the der
Ja independencia loja do encadernato n. noticia recobcr a gratilicasBo otferecida, e
13 e na livraria do Sr. Dourado undo tambem lbe guardara segredo.
recebe-se assignatura por urna serie de lo ~ No dia II do corrente desappareceu da
US. a 1,000. [i i,n .e.i i do Pasmado, da casa de JoHo Bap-
,>"o dia 9 r!o carrente mez dosapareccu lista de Araujo, urna muletada nonio Mara,
una escrava de nomo l'austina con os sig- de idade 39 annos, cabello cortado ecaxia-
oars seguinles: estatura baixa.cor fula,tem do, estatura e corpo regular, fei;0es miuJas
falla do denles na frente, quan lo andaos- a lindas, com falta do um danto na frenlo no. I*
palha os pe para os lados, nos mesmos ps qucixo do cima, cum um sigual de carne ao d
SALSA PARRILIM
DE
As numerosas experiencias feitas como
uso da salsa parrilha em todaa as enferml-
dades, originadas pela impureza dosangue,
o o Ilion xito obtilo na corte pelo lllm.
Sr. Iir. Sigaud, presidente da ara tema Im-
porial de medicina, pelo illustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, e ora
sua afamada casa do saude na Gamboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
dico do oxercito e por varios outros mdi-
cos, permit'em hoje de proclamar allmenle
as virtudes efticazos da
SALSA PARRILHA
DE
Nota. -- Cada garrafa conlem duas libras
de liquido, o a salsa parrilha do Briatol ho
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, pota8sium.
Vendc-se a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Mara eongalves damos : ra dos
Quartuis ooga la ao quarlcl de policia.
MAKMKLADA DE LISBOA.
Cbegada no ultimo navio, de su-
perior qualidade, em latas de dif-
ferentes tamanhos e por preQO
commodo : vende-MS na ra do
("ollegio venda de Francisco Jos
Leite.
A CMARA DE MINHA MI l.lll'.ll.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
costume.
Comecar as 8 horai.
Theatro de Apollo.
17*. RECITA DA ASSIGNATURA.
Terfa-feira, 18 de novembro de 1851.
Depois de urna bella ouvertura, subir
com todo o lirilliaulis.no o magnliico drama
O PBEVSTE DE PARIS.
Personasen e actorex.
Samuel Levy, o Sr. Seana.
Simeao, oSr. Cyrillo.
O Prevosto, o Sr. AmoJo.
Eric, o Sr. Telles.
Um Abbade, o Sr. Jorge.
Sara^Sra. I). Leopoldina.
Itachol, a Sra. D. Soledade.
CortezOes, soldados, salteadores, etc., etc.
Terminar o espectculo com a jocosa
comedia em I acto
O Judas em Sabbado de Aleluia.
Oi papis de Faustino e Maricota, aerSo
executados pelos Srs. Cyrillo e D. Leopol-
dina.
Os bilhetes cstSo desJe j venda no
t OMITO-
Publicaran Iliteraria.
Publrcar-se-ha at o flm do corrente me/,
a obra intitulada observares sobre
varios artigo* do cdigo do processo crimi -
nal, e da le de 3 de dezembro de I8li pelo
(Ir. Manoel Mendos da Cunta Azevedo.
Nesta obra indica o autor, interpondo a
sua opioifiO, as duvidas que se podem agi-
tar sobre a inteligencia pralica de minios
arligos, as numerosas antinomias, que re-
sultan) de certas disposicOes comparadas en-
tre si, e com outras da le de 3 de dezembro
de 1811, os otleitos ordinarios de alguns ar-
tigo desta lei, e do regulamento respecti-
vo eandamno da justica, o da humanidad",
necessidade de alguns esclarecimenlos,
o d.-cUfauies interpretativas,que incumbe
ao legislador brasileiro, para dar a nossa le-
gislar ) repressiva um systema de uuifor-
midade com o diroito publico da na;Bo, e o
plano anda mal comprehendido de nossas
inslituic -s judiciarlas, os abusos enormes,
que a ignorancia, u a m f do alguna juizes
tem feito de suas melhores theorias no jul-
gamento dos crimes polticos.
O autor demonstra as suas assersdes com
argumentos tirados dos mesmos textos da
le, dos principios da jurisprudencia com-
mum, e auloridade dos escriptores, que mais
se tem oceupado, e distinguido na scieucia
do direito punitivo.
0 mrito desta obra exclusivamente do-
duzido do sua materia, consiste no interes-
an de animar os jovons estudiosos, e os ami-
gos sinceros da verdade a urna investiga-
|So refleclida das queslOes, que nella sBo
descutidas.
Vnnjnim outra obra deste genero nos
consta at hoje que lenba aparecido desde a
publicacao de nossos cdigos crimanaes.
Este ni..tivo, ainda que foseo o nico, nlo
serla menos lisongeiro ao seu autor, oem
menos til aos que o quizerero imitar, ou
julgaro ment de suas obseivaQOes. Aaaig-
na-se na livraria do edictor Bacbarel Abreu
e Lima por 5,000 rs. cada obra a pagar-se
na occaaiBo da intiega. Depois de fechada
assignatura custar 6,000 rs. cada exemplar.
ELEMENTOS
DE
Honuropathia.
Sabio a luz a aegunda parle desta obra
composta pelo professor homceopalha Gos-
sesBimoot. Recebem-se assignaturas para
a obra inleira a 6,000 rs., no consultorio
bomecopatbico da ra das Cruzes n. 38. De-
pois da publicado da torceira parte, o pre-
co ser elevado a 8,000 ra. para aquellea
que no tiverem asuguado. No mesmo con-
sultorio, scha-ae a venda ludo quanto he
necessario para o estuloea pralica da bo-
mceopathia, como aeja : livros impressos
para historias de doentes, regimens opro-
tem urnas marcas brancas,levou vestido de lado da bocea, e outro do cuello abano do
chita azul, e saia azul uzada, esta escrava qusxo, dedos das iu.'ios linos o cuin,u idos :
foi enconlrada no dia 10 na Passagem em quem a pegar leve a seu senhor cima re-
uma casa que est fazendoo Sr Fouseca di- fot i Jo, e nesta praca a Jos Patricio em Fura
zeudo ella que hiacomprar ananaz para ven- do Portas; protestando contra quem a oc-
der.portanlo desconfia-se que anda pelo po- cuitar e baver os dias deservigo.
co ou caxangi:quem a pegar leve-a a ra do -- Kaz-so almoco, jantar e ccia para lora
Pilar em Fora do Portas n. 123 que sor com multa limpezae aceio, c manda-se le-
gratificado. var em casa so for preciso : na ra da Praia
Desdo 14 de solomillo p. p. fugio becco do Carioca n. 9. Na mesma casa lo-
do ongenhoJussarar a oscrava Mora Thorc. ma-sa conla de roupa para lavar eengora-
za de48 annos do dade.estalura regular.cor mar, ludo com mullo aceio e perfei;Bo.
fulla, olnos grandes e aboluaJos, tem do -- Um moco brasileiro. chegado aqu do
menos meta lodo dolo mnimo da mBo os- poucosdios, offoreco-se paracaixeiro -.quem
querda ; oila intitula-so do forra e costuma precisar dirija-so a travesea do Vigario n. 3,
vender peixe, anJa pela ribeira, e acba-so a qnc se dir quem lio.
coitada por trazdo vivoiro doMunizou suas Precisa-se de urna ama, que
imhieliacOei: quom a acapturar love-a ao __________i____j:_; j___^
segundo ondar jo sbralo n. 23 atrazdo engomme ecozmheo diarto de una
thcatro que es gratificar bem. casa, de pouca familia : na ra Bella
Vendem-se taboas de cedro,
pioprias para forro de sala eobras
'emarcineiro; olj de linba^aem
Luis Francisco do Barros Reg, reme-
te para o Rio de Janeiro o seu cscravo do
nome Luis.crioulo.
-- Koga-se muito encarecidamente ao Sr.
Manoel Augusto do Figucirodo haja de con-
cluir o negocio que lom para a parte das
Cinco Pomos anles que : etc.
numero 9.
liba de S. Miguel.
Na freguezia dos Fennaes de N. Scnlio-
ra da Luz, no lugar do Senhor dos Afilelos,
na ilha deS. Miguel; existo tres alqueire,
do muito boa vinlia, e de muito rendimens
Napolen Gabriel Bez, ombarca para o lo, livre, o desenbarai^ada de qualquer duvi-
R10 de Janeiro as suas esclavas de nomo, da, como ludo se podo aqu pruvar, os quaes
Joanna, Vieencia, ambas crioulas. tres alqueires de vinba, se veudd muito orn
-- Para quo se nao suponha quo u 1 aba- conta, e por baralissimo proco, sement al
xo assignaJa livo alguma parte 110 podido o dia 20 do corrente, visto que a nBo se ven-
que transcripta apareces no Diario de lion- der aqu, at este da, so mandar ordem
tem assiunsdo polos Srs. Germanistas, a- para aquella liba, pelo vapor inglez Teviot,
presso-mc a declarar que agradeceudo sobre que lem daqui passas no da 20 para ali,
manoirn tanta honrara, nao estou disposla para l serum vendidas : tratar na ra do
a fazer augmentar a j crcscnla folha do Ot- Alecrim, por detraz da ra Augusta, casa n.
donados ao Sr. Germano quo por cert nSo 8, as 6 horas da manha, o das 3, as 8aa
iiecessila augmcuU-la por ter a sua com- tarde.
panlna ja mu bem co 11 pie.a.
Emilia Matilde Valenca.
Segunda feira lOdocorrenleaslOda noi-
tedcs'o 111 im-. 10 furtados a titulo de aluguc/
-'c iv.illos (la coxoira junto do hotel cominor-
cio poruminddividuoquo diz cliainar-se An-
tonio Jos Goclho -e morar na ra d'Agoas
Verdes ; este homemhe branco o ropiesenla
de -l.\a 50 anno-,altura um i ouco mais que a
Precisa-se alugar um andar, ou cisa
terrea, o quo terUia comaiodos para familia,
e quo nao snja em ra muito retirada: quem
a tiver, tora a bonJade de annuneiar para
ser procurado.
Preciza-se de um porluguez que seja
perito em plantacOes de sitio, e saiba ti-
rar formigas, quem estiver tiestas circuns-
I
Leiloes.
~ O Corretor Oliveira far loil3o, por or-
dem do Slufrio. capitBo da barca america-
na iRutba, e por conta e risco do quem per-
tenecido 775 barricas de farinha de trigo
avariadas, salvadas da dita barca, naufra-
gada na costa do Rio Grande do Norte, na
sua recente viagem procedente de Balthmo-
re : segunda-feira, 17 do corrente, s 10
horas Ja manhBa, no armazem do Araujo,
becco do Gonfalves.
Fox Brothers far leilBo, por inter-
voncBo do corretor Oliveira, de variado sor-
timento de fazendas inglozas, as mais pro-
prias desle mere ido : terfa-feira 18 do cor-
renle, s 10 horas da maiih 1, uo seu arma-
zem, na ra da Cadeia.
O corretor Oliveira far leil3o, por coa-
la e risco de quem pertoncer.da grande por-
oso de salgados da barca americana Kuth
naufragada em maraenja, na sua viagem
procedente de Baltemore, consistindo em
tiran loe-, estaos, encardas, quidernes,
molicies, cabos de mam I lia e outros, pegas,
ferro grande, corrente, vergas, paos de cu-
tellos, mastareos, trancas, chapas de vergas
oscoveus,doua tonois grandes, e outros ar-
ligos tniudos : quarta- feira, 19 do crran-
te, as 10 horas da manila, no Trapiche do
Angelo. __________
Avisos diversos.
-- Quem precisar de urna mullier forr"
para ama de casa de portas dentro, e para
todo o servico : dirijr-se a ra dos Cupia-
les n. 3.
s prova quo der do saber o que cima so desa-
ja, e da sua boa conducta 6. &. tratar-so-he
do ajuste.
-- Precisa-so de urna criada, para urna ca-
si cstrangeira do pouca familia : na ra da
Aurora n. 8, segundo andar.
Precisa-so de homem portuguez para
caixeiro de urna loja de nffhina.para tomar
conta e vendcr:quem estiver tiestas circuns-
tancias aununcte para ser procurado.
Declara-so que siacliamja liquidados
os negocios do Sr. JoBo Luis Vtanna na ra
Nova n. 26, e consta que este sonlior, u
so retira para fora da provincia.
O abaixo assignade parlecipa ao rospei-
tavul publico 'pie Antonio Jos da Cosa
deixou de ser seu caixeiro desdo 38 de outu-
bro p.p. Francisco Antonio Marlins Miranda.
-- Dozeja-se fallar com o Sr. Ignacio Jos
da Silva a negor-iode seuinteresse, annun-
cio a sua moradia para sor procurado.
-- O grande hospital de caridade precisa
de enfermeiros; quem estiver nestas cir-
cunstincias dirija-se ao mesmo hospitil pa-
ra tratar do ajuste,
Co
mpras.
Banco commercial.
A commissSo encarregada pelos se-
? nhores accionistas do banco desta *
provincia, instalado hoje 15 de n'o- 0
vembro de 1851, convida aoa senho- 9
res que quizerem subscrever para o "
mesmo, a comparecerem na ra da 9
Cadeia n. 36, escriptorio do Sr. Ma- 9
noel Goncalvcs da Silva, al ao meio
dia, dos dias uteis da prxima sama- %
estar patente a assigna-g}
--- -- y*www.... wiRn, ^w wv.w w.umwuv imn Historias uo uucino, rD^ilurun piu- vp 08, aondO
nos lugares mais pblicos do referido dis- ,,riados para a provincia de Pernambueo, e > tura.
i'icio.o publicado pela imprensa. R eu loz-ieanrregt-*e de mandar remecer qualquer I Q99*9?99?&*9i ##*
'luim da Silva Reg, escrivOo escrevi. 'encommeoda de medicamonloa bomceopa- Jolino Jos de Araujo, remotte para o Rio
JuBo Valcntim Villela. thicos, tanto avulsos como em caixas, em'de Janeiro os aeus escravos de nome Fran
Kerife, i3demaiodel881.
glbulos como em t
mluras.
cilino e Roberto crilos, de menor idade.
i. tancias e quizer Irabalhar no silio na travs-
Mguiai.rostoco.npndo,su,Sasecal)elosbem sa uo Ra^oJio i( entelldi.M com scu
pintaJos.costumairajar do c.saca calcas, de pr0pre,.rl0 0 Porleiro da Alfandega desl
r.sc.do.chapeo peto.tudo bastan euz .do ar- ,;,, IU mesma repiftc|,0 qjea vista da
ticulaoaixo muito seno : sinaos dos cavallos
Um russo com pintas anuncias eistiaifo,sa-
bugo corlado,e denles ipicbrii Jes,una sobre-
cana bom visjvel, o ja quoimada na mao cs-
querda por dentro, tem lodos os andares c
muito conhecido por serra branca,bo ardi-
go o bastante gordo, espitihaco rulico; oulro
castanlio de moiafreute aberta ps calcados,
muito bom carregados baixo, mas spero,
bom carnudo e grosso, denles intuiros o
herios do sima,orelhao pcquenas,uioa pella-
dura oude assenta o seliui, um dclles bu
tioiii assiado eoutro sem arreios por assim
o ter exigido o conductor dizondo que este
era para sua sonhora ir montada, e que pa-
ra esse Hu linha sncios proprios e quos
chegavSoa muribeca a tratarem du um bap-
lisa lo e voltavBo uo segundo tila porcina
demora e muitas indaga^Oes lotu provado o
furto: o nome e morada foi fale/, e por isso
se roga-se as autoridades j gente do povo a
puiiicfio do conduclor e cavallos o quo ser
(.onerosamente -ci.io recomponcajos.
Precisa-sc alugar um criado para o servi-
Co interno, e externo do urna casa de pouca
frmilia na ra di Alegra da Boa-Vista
n. 43.
O abaixo assigoado, lento precisJo de
ira diversas partes desta provincia, odas
Alagoas, para activar as suas cobratifas,doi-
xa por seus procuradores a seus caixeiros
o outros, durante a sua ausencia.
Ignacio JoBo da Silva.
Na ruada Guia n. 36, primeiro andar,
precisa-se de urna ama para o servico de
casa.
Desappareceu no da 8 do correnle mez
um escravo creoulo por nomo Bonifacio, de
idade 18 annos, pouco maisou menos; alto,
seceo do corpo, tem os psapalhe'ados,falla
desembarazado, e muito regrista, lem urna
fstula na testa,tem toJos os denles da fren-
te, he muito esperto, julga-so quo esta acol-
lado na Boa-Vista ou no Porto da Madeira ;
traja de varios uniformes : roga-se as auto-
ridades policiaes e capilBes de campo,a cap-
tura do mesmo, levando-o a ra do Amoi un
. 25, que se recompensar.
O Expeclador
Publicado theatral, critica e Iliterario.
Ilojo ao meio dia sahe o n. 6 : assigoa-se
na ra do Collegio n. 9, pateo do mesmo,
casa do Sr. Dourado, e ra do Crespo, loja
n. 11.
Aluga-se urna preta para todo o servi-
do ; coze, engomma, lava, e sabe tratar bem
do crianzas, esta preta lie costumada a se
alugar em casas estrangeiras : quem a pre-
tender dirija-se a ra d0L1vraraenton.il.
Quem quizer acabar de ctisr urna cri-
ante com leite, em sua propria casa, procu-
re na ra do Cabuga, terceiro ailar n. 3.
Couveia & Leito embarcBo para o Rio
de Janoiro os seus escravos, Jos pardo, ti -
lippe o Francisca, 1 reos creoulos.
- Os Srs. Luiz Josc da Silva, Flix Comea
Coimbra, Jos Mara Marcinciro,Manocl Joa
quim de Souza, TrisiSo Francisco Torres e
llenrique Jos Bnsne de Souza Rangel,
queiram fazer o favor irem atraz do theatro,
aromara de taboas de pinho.
-- Bailar & Oliveira, exportnm para o Rio
de Janeiro os seus escravos,Domingos e Joa-
quim creoulos.
-- Precisa-se de dous serventes para as
obras da igreja de N. S. do Livramenlo :
quem os tiver dirija-se a mesma igreja,
Compratn-se escravos o vendem-se de
cor.iniisso, para dentro o lora da provin-
cia : na ra da Cacimba, sobrado n. II, on-
de morou o Sr. vigario do Recife.
Compra-se urna burra da ferro fundido,
de 3 1[2 a 3 palmus de largura, o em bom
estado : na ra do Trapicho n. 44.
.- Compra-se um sitio feito ou Ierras pro.
prias para levanla-lo, o qual porm seja a
margem do Capibaribe, tenha baixa paia
capira, e outras vantagens: na ra do Ara-
gBon. 13, segundo andar.
Compra-se urna escrava mofa, qnc sai-
ha engommar e cozinhar, e fazer todo o
mais servico de urna casa a qua^soja de boa
conducta : na ra do Apollo n. 19, primeiro
andar.
-- Compra-93 13a de frexa barragu la, ou
dcearneiro: quem tiver e quizer vender,
dirija-se a ra Nova n. 38, loja de solim,que
paga-se bem.
Vendas.
FOLINIUS PARA. i85j.
Sahiram a luz as bem condeci-
das 'olbinhas de porta, impressas
nesta typographia, as quaes se (i-
zerain muitos acressimos, sem com
ludo augmentar de preco : ven-
de-sc a 160 rs. cada urna, e por
menos sendo em porcao, na livra-
ria da praca da independencia n.
6e8. Breve serSo publicadas as
de algibeira.
Ycide-se 40 travs de 31 palmos de
comprido de boa qualidade, 40 ditas de 25
ditos, e 60 mio travessas, 30 onxams
de 20 a 26 o outras maderas por preco mui-
to barato no armasen de madeiras defronte
do convenio do S. Francisco.
Yonde-se auperior marmeiada deOdi-
vlss, chegada na barca Ligeira: na rua.do
Trapiche n. 40, primeiro todar.
botijas; remos de faia; cimento em
barricas e meias ditas, tambem se
vende em pequeas poredes de ti-
nas : atrs do tbeatro, armazem
de Joaquim Lopes de Almeida,
Vende-so um moleque crtoulo de 17
annos, quo por sua boa conducta prefere-se
vndelo para a praca;na ra da Cadeia do Re-
cife n. 37,2. andar.
Vendo-so urna escrava de oieia i lado
quesabo cosinbar, engomroar, lavar, e fazer
o mais servico de 1 orlas a dentro de orno
casa, a qual se vende por sua dona ter pre-
cis3o do valor: no boco do Lobato, da ru
de Santa Tereza n. 13 casa onde morou o
Padre Brrelo.
'R'9^^ *i99.Q^99&99Q(9999
9 Vende-se corles de casas chita com ?
> 7 varas do mulo bonilor padrOei a 9
v 3,001) rs., o corlo, na ra do Crespo, 9
9 n 23- 9
Vendeiu-se 50 acedes da companhia de
Boberiba :na casa de cambio do Sr. Silvana,
-- Vende-se um sitio pequeo na estrada
de Belm com arvores de frutos eoulras logo
a botar, com casa do taipa cubera de palha,
troca-so por urna casa terrea : na rna do
Praia n. 58.
Vendem-se 2 cachilhos dealcovaeum
do porta do va randa : na ra Direita o. 3.
Vende-so a taberna sita oa ra das
Cruzes n. 28, com osortimento que tem, oa
-o 1 ni nue.ni a fallar na mesma taberno.
Vendem-se 3 escravos, sendo urna mu-
lata e um negro, proprios para todo o aer-
vn;o, assim como 3 pocas de paunode linho
muito fino, tudo se vendo barato: na ra
do Queimado n. 14-
Vendem-se barris de oitavos com vi-
nho tinto da companhia do Alto Douro no
Porto : quem os pretender en ten la-so com
Antonio Francisco deMoraes,agenteda mes-
ma companhia, ou no armazem do Sr. Joae
Joaquim Diis Fernandos. O mesmo tambem
lem para vender pipas, meias ditas, e barris
do quarto tambem com vinho tinto da dita
companhia a fallar com os mesmos cima.
Burros.
Vendem-se burros muito em canta : o tra-
tar na ra do Queimado n. 14.
-- Vendo-so um sitio a beira do rio, con
excellente casa, tendu do frente 70 palmos,
0 90 do fundo, com grande sala adianto, 2
gabinetes, e 2 alcovas. sala igual atraz, mais
3 1111.11 lo-, o cozinlia ; com mais de mil
palmos do euui;ii iment 1 o 800 de largura
com grando baixa de capim, terreno de bo
prodcelo, excellento bando ao p de casa,
e porto da praca por ser anles da casa For-
te : a fallar com .Nicolao Gadaull na ra do
Apollo n. 20, segundo andar, ou ni praca
da Boa-Vista, na casi que o mesmo ali est
edificando.
-- No becco do Carioca armazem n. 9, de
Antonio Pi'itoSoaros, vendom-se os segua-
les gneros muito novse mais em conta
do que em outra qualquer parlo, como so-
la ni : arroz pilado branco, < verruelho ; di-
to de casca, milho em saccas e alqueires ;
farinha de Santa Catharina, e de 5. Matheus;
estoiras de pepiri, e tapiocas doMaranbfloa
1,800 rs. a arroba.
Vende-se 1 cama de armario muito
forte, e com pouco uso; e 1 relogio patate
-ine.i : na ra Nova n. 16.
Na ra das Cruzes n. 23, segundo an-
lar, vende-so una linda escrava do naci
S. Tom, engomadeira, cozinheira e lava-
Jera do aabBo ; 11:11 lindo escravo crioulo
de 22 annos, ptimo canoeiro.
Vende-se ou troca-so por ama propre-
dadode casas nesta praca, um sitio na pas-
sagem da Magdalena, cora excellente caso
nova e muilo bem repartida, ten Jo 2 salas,
3 gabinetes, 2 alcovas, 1 quarto para dis-
penca, 1 grande copiar, cozinha Tora, co-
. liona para cirro, e para 2 cavallos terre-
no proprio, e com muitos pos de larangoi-
ras, figueiras, pitomberss, asssfroeiras,
goiabeiras etc., 1 bom tanque; e I um bom
poco d'agua excellente; tambem se arrea-
da por anuo se fizar conla : a tratar na ra
da Cadeia do Recife 11. 54.
Sen le ... nnr lo ven oom mo Jo II ma r-
mac3o propria para taberna, e a caaa he ba-
rata, pois paga 10,000 rs e tem commodos
rara nella morar urna familia, ten gran-
de quintal, cacimba, cczinba fora com
fdg3o,.alm da armaciloinvidracada, h bal-
do ffielia.lo, e 8 parteleiras, e 1 fra, no
mesma taberna vende-se urna cisa em chao
proprio, e quo rende de alug-.iel 10,000 rs.,
por proco commodo ; o ho oa ra da Guia,
n. 32.
Vende-se urna ilha no lugar dos Reme-
dios, ao p da ponte dos Afogadoa, com 9
vivelros, 3 excellentes casas, muitos co-
queiros, e urna grande planta de eepim, por
lodo o preco, ou tambem se troca por al-
guma morada de casa nesU praca: a tratar
na ra da Cadeia do Recife, o. 54.
Vende-se urna escrava crioula de boni-
ta ligura, que cozinha bem, e engomma al-
guma cousa, e he bOa quitaodeira, e fax to-
do o mais servico de urna caaa: na ra do
Apollo n. 22, segundo andar.
= Vende-se urna casa terrea por preco
comrao lo 1 quem a quixer, dirija-se os Cin-
co Ponas, o. 8t.
Vende-se urna escrava bastante mofa,
propria para lodo o servico tanto de casa,
como de ra, o tem bOa conducti, por preco
commodo: na ra do Fogn. 23, ce dir
quem faz este negocio.
T
rr


AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
Hl!A UA SENZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimcnlo conti-
na a haver un completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ierro Latido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Para as escolas.
Vende-se no pateo do Collegio, toja do
livi i> azul a 8j nopsis do general Abreu e Li-
Bombas de Ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
f ii 11 1 i c a o de ierro.
Moinhos de vento
eom bombas de ropuoho para regar hortas
d baixas decapim : vendem-se na fundicflo
de Itowmaii o. Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6.8e 10.
Km eam ir J. Keller S Com-
panbia, na ruada Cruz n. 55, Bcha-so a ven-
da o escolenlo e superior ihilm de MSu-
cvltas, en barris de 5.*, he muilo recom-
mendavel as casas eslrangeiras, con.o ex-
4
mu, ltimamente adoptada pelolCim. presi- excelleiile vinho para pasto.
dente da provincia como compendio de lei-
lura o historia do Hrasil nas escolas prima-
rias da provincia.
Preco ein brochura 2,560
Encidernida 3,200
Vende-se noarniizeui da ra da Cruz
n. 48, o seguiote a precos rasoaveis.
Latas com bolaxinha de Alemanha.
Carrifescom sevadinha.
Frascos de vidro boca larga de todos os
tamanhos.
Sag mu tu lino.
fr "iaputoi de tpele.
0 Vendem-se os bem cunhecidos cor-
% los de tapete para sapitos a 500 rs. o
8j par : na ra do Quoimado, luja do so-
( 11 i.i lo uinarcilo n. 20.
TMXM i*ia-i, ciitrculio.
Na rundic3o de ferro da ra do lirum,
acaba-so do receber um completo sortlmcn-
. to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaos acliain-sc a venda por proco com-
Alvaiade fino. 0do, o com promptidflo cinbarcam-se, ou
Zarcao esecinto, lcarrogam-se om carros sem despezas so
Verde Irancez, comprador.
Deposito da fubi-len de Todos os, DEVERES DOS 11MENS,
Suatos na Itnliin. .
Vende-se,emcasa deN. O. Uieber&C.,[ a JOO rs.
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado di-1 Vundu-se esto compendio Bprovado para
quella fabrica, muito proprio para sarcos de I as aulas, cm incia encadernar;3o, a 500 rs.,
assucsr eroupa deesenvos, porprecocom-|c:ida um : na livraria n. 6 e8, da praca da
modo.
-- Vendem-sc cera cm velas ,
labricadss em Lisboa e no lliode
Janeiro, cm caixas de ioo libras
sortidas, de i a i6em libra, e tam-
bero de um tamanbo, por me-
nos preco do que em outra qual-
(jtu'i' parle : trata-se no escripto-
rio de Machado & l'inheiro, na
ra do Vigario n. 19, segundo
andar.
Principios gciaes de economia pu-
blica e industrial.
Vcnde-se este compendio, approva lo para
as aulas de pi uncirs letras, a 480 rs.: na
praija da IndepenJencia, livraria n. 6 c8.
9999W *"* l,,t?*9tte %
ALCOD.U)' PARA SACCOS.
(* vi-ii ln-.-i! muito lioni ilgodfio pansa- \
eos ilc assucar, por prego commodo:
(* em casa de Iticardo Roj le, ni ra da ?
01 Cadeia II. 37.
t **S: "it
'echinxa.
Vende-? na ra do Crespo na loja da es-
'iiiu.i i| i volta pala a cajea, cuites de
cambraia cor de rosa e de outras coros do
tHimogoslo a 3,000, 3,500. 4,000, e 4,500 ;
ditos de cassa-chita a 2,0U0 ; il los da expo-
sicilo a 2,210; corles U chita com 12cova-
dos a 1,800 ; cortes Je fuslo a'560 ; cor-
les de calca ile b.im escuro a 800,96o,1,120;
ditus do liiim amarello de puro linho a
1,4*0,1600 ; lencos de cambraia muito finas
proprias para nilo a 320 ; e oulras muila
fjzcn las que le lornSo reconunondaveis pe-
la boa qualidade.
Arados de ferro.
Na fundicao da Aurora, cm S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Independencia.
-- Vendem-so velas de esperncele, em
caixas, de superior qualidade : em casa de
J. Keller & Compaiihia : na ra da Cruz nu-
mero 55.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
coai cambao ci sicupira e bracos
da ierro r na fundicao da ra do
Brum ns. 6, 8 e 10.
Deposito de cal virgem.
Cunta em pedia, chegada ullimamonto de Lisboa,
na barca o Margarida, por menos preco do
quo cm outra qualquer parte: na ra da Ca-
deia d i ni', iie n. 50.
Azcite de carrupato da fabrica de
Araujn & Filhos, no l'cncdo.
Este izeile pela perteicfio rom que he
I iIm i -.ni i n.'iii e serve em lugar do izeile
doce o de eoeo, para qualquer qualidade de
candieiros por mais delicados quo sejilo,
como he muilo prellrivel a qualquor oulro
por dar urna luz nnii brllhante, ser mais
duralivo, e s;u custo sr muis barato ; nSo
tein o cheiro desagradavel que exala o azei-
le de canapato romnium, neni em inda
ilelleseassiMiieihii. Vende-se em barril de
16 can utas a 2,100 rs. a cauada, no armasen)
deJ.J. Tasto Jnior, ruido Amorim n.35.
Inda continua a vender-se barato.
Corles dccasemia preta por 5,000 rs., di-
tos do briui escuros do lislras a 2,000 rs e
1,600 rs., 'I i los de castor 1,120 rs risoados
de algoJSu a 180, e 200 rs., rlioadinhoa
francezes a 120 rs. o cuvado, e inultas mais
fazendas por baialissimo prcc.0 na rui do
Crespo n. 6.
r'ariiiUa.
Vende-80 superior o muito nova familia
de S. Catharina : a bordo do patacho Va-
, A!TO@UlAEl-|ll!)IPillBO@IBIIABill
SALSA P AWjLHAjDE BRIST0L
SAlSAlRnTlEirSARIDS. '
A salsa panillia dellristol data desde 1832, e tem constantemente tnantido sua reputa-
tilo, sem uecessidade do recorrer a pomposos annuneios de que is preparares de m-
rito pudein despeusar-so. O sucesso do lir. Diislol tem provocado infinitas invejas, e
entre outras, as dos Srs. A. It Sands, de New-York, preparadores e proprielarios da
salsa parrilha conliecida pelo nome de Sands.
IC5tesseiihoiessolicitr5oem 1842 i agencia de Silsi pirrilhi de Urislol, e como nSo
o pudessem obter, fabiicarfio urna imilacSo de Urislol.
Eis-aqui a carta que os Srs. A. R. D. Sands esr.revenm lo Dr. Bristol, nu dia 20 de ibril
do 1842, e que acacha em nosso poder :
Sr. ur. C. C. Bristol.
bfalo, ele.
Nossj apreciavel senhor.
BU lodo o auno passado temos vendiJo quautiJades eo'.si.leiaveis do extracto de
salsapairilhade vm. e pelo que ouvimos dizer de suis virtudes aquelles que a tem usa-
do, julgamos que a vendida dita medicinase augmontar muitissimo. Se Vm.quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultarla muila vintugem, tanto a nos
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos responda sobre esle issumpto, e se Vm.
vier a osla cidade daqui a um moz, ou cousasomelhante, teamos muito prazer em o
vemeni nossa botica, ra do l'ulton n. 79.
Fico as ordens do Vm. seus seguros servidores.
(Assignauos) A. II. D. Sands.
Vendem-se miudezasf f.or t>-
do o preco, para liquidar : narros
dos Quarteis n 16.
Vende-se urna pela di Cusli bol
quilindeln, que pigi um seto diario -. ni
ra daCuia n. 9,
-- Vendo-se o resto de urna factuia de
velas de cera de cirmubi, das alvss, de
piimeira qualidade, dasquevem para ossi
provincia, sendo de 6 em libra, em caixas
de arrolla, a 300 rs. libra : ni loj de la-
zendas di rui do Queimado n 45.
Vende-so um multo rico horco do jaca-
randa, de muito moderno e oxcellenle gos-
to, e com um rico cortinado pin o mesmo,
ou sem elle ; ludo muilo binlo: quem pre-
ten.ler, annuncie por esta fulha, ou deixe II-
car sou nome na toja de livros do Sr. Doun-
do, no largo do Collegio n. 6, pin ser pio-
curado.
COWGMJSAb.
I.-Aaiitiguidade da salsa parrilha de Bristol, he claramente provadu, pois que ella
il.ii.-i desde 1832, e quo a de Sands s appaieceu em 1842, poca na qual esto droguis-
ta nao ple obter a agencia do *. ilristol.
2." A auperioridade da salsa parritba de Bristol he incontestavcl, pois que n3o obs-
tante a concurrencia da de Sands, e de urna porcSo de outras preparacoes, ella tem man-
lido a sua reputacoeni quasi (oda a America.
As numerosas experiencias feitas com o uso da salsa parilha em todas is informida-
des originadas pela impureza do sangue, e o bom xito obtido nesla corle pelo lllm. Sr.
I)r. SigauJ, presidente u'a academia iaipciial de medicina, pelo lllustrado Sr. I)r. An-
tonio Jos l'eixoto cm sua clinica, e em sua afamada casi de saude na Gambo,pelo lllm.
Sr. Ir. Saluriuno do Oliveira, medico do exercilo, e por varios oulros mdicos, per-
mitlcm boje de proclamar lilamente as virtudes eflicazes da salsa parrilha de Urislol.
VenJe-sfl a 5,000 rs. o vidro; na bolica de Sr. Jos Mara Concalves Rimos, ra
dos Quarteis pegado ao i.iu irlel de Polica.
N. B. Tem sabido estes dias o annuncio da salsa parrilha de Bris-
tol, em razao Je se estar esperando, ecomo j lenha vindo, sc'pre-
vine ao publico, que continuadamente haver este precioso reme-
dio, e que uao haver maisfalt, assim como se pede desculpa as
pr.sso .s que o tem procurado.
Deposito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
na Babia.
Espellto (le pirede
com ricas moldurus : vendem-se no..i
zom de Klkminn rmeos, rui diCruz
Charutos de Havana '<0
lio superior qualidade : vendem-u nn
miiem de Kilkmina Irmaoi, B. ',"
Cruz n. 10. ro''
Molduras douradas
de lodis os lirgurii: vedem-ie no arm
zemde Kallkmann Irmos, ruada CrUi D' \
Escravos fugid
os.
Oesipirecou nodi Udocorrenle un
molequede nome Mimede, crioulo, de id
de de 15 16 nuos, Instante esperto
co do corpo, estatura regular, e ps '..,,"
des ; levou eam isa do riscido azul, c|CiT
algoilSosinbo z"ul trancido, e maig algn?
roupi. Supa-seter tomido i dircccSo i
Bonito, onde mora o leu inligo sr d
quem anda he escrava mfii do dito mnl
que: rogi-seisautoridideshijim do aora'
de-lo, e leva-lo rasa deseuSr.i. m!'
i seu Sr. o mi.
> Vende-se em casa de Domingos Al-iliorAntouiodaSilv Gusmao. ni ra iJ!.*'
> ves Mitheus, na rui di Cruz do Re- lial n. 64. "n|)e'
BOA GRATIFICACAO".
** cife n. 52, primeiro andar, algodSo ^
:> transadodaquellafabrica, muitupro- .,
* prio pin saceos e roupa de esera- 2J
|J vos, assim como lio proprio para re- ^
^ desdepescir e pivios pin vellas, <
por preco muito commodo. ^
-- Vende-se um oxcellenle silio cm tie-l'ente, o^ na ra do Trapiche, irmizemnu-
beribe, pcrtenceutii ao 1'aJrc Francisco Jos D
de Lira ; a fallar no mesmo sitio, ou na
ra da Amura n, 02, segundo andar.
Antigo deposito 'de cal
virgem.
i>a ra do Trapiche, n. ha
muilo superior ca nova em pedia,
chegada ulliuiamcntc de Lisboa
Lotera do 11 o de Janeiro.
Aus 20.000,000 rs., na casa feliz,
los quatioeaiiios da ra do (Jueimalo n.
20, v.enJem-sc os muito afortunados biibc-
los, quartos, oitavos, vigsimos, da decima j Q
O
Vendem-so amarras de ferro: na ra
Ja Senzalla nova n. 42.
-- Vende-se farinha SSS muito
nova c de .superior quali tratar com Alanoel da Silva San-
tos, no ni.i /ni do Aunes, no
ces da alfindcga.
Q ~ VenJc-S um grande sino no lu- O
0 gar ilo Maiiguinho, que tica defroulc
0 dos sllios dos Sis. Carneiros, rom Q
(vj grande casa de vivenda, dequalro m
grande senzalla, cotheira, m
I-i ll-l Vil (til : III .'.lili m_> ''
ilava lotera do Ibealro de S. Pedro de Al- O .es,r,barl oaixa de capim que sus- ^
antan. cuja lisia chega ale o da 20, a el- t1e,lla 3 3 cayallos, grande cacini- Q
M que estilo no resto. 01 ba- 1hon,ll)a. e ,lan1u0 co.ucr Q
,', .... v____.1... ~ Para banho bstanles arvorcilos de )
ca
les .
(jheguem freguezes a lazendas j Fr"uc\o'Tn^a"dolroTle"gi*o"n.''ii,Ve- ^
baratas. gundu andar. V
Pessis de cambraia com lislras do cores! <3QOOi? O^O'OO'^'iiOO
com 8 varas, por 3,200 is., corles dedilaj ,\ovosgosto3 !
l\a ra do Crespo n. i4. loja de
com lpicos a 2,800 rs., ilius de cassa pin-
tada com 5 varas a 1,600 rs., cassas de cor
oscura por 240 rs o covado, ditas pretal a
100rs.o covido, idem paia babaJos corti-
nados a 2,400 rs. a pessa, corles do chita
om 12 covados a 1,800 o 1,920 rs. : na ra
do Crespo n. 0.
Vinho de Champagne,
e superior qualidade: vende-sc no arma-
em kalkniaon IrmBoi Hua da Cruz, n. 10
Deposito rio cal e potassa.
No aim.i/cni da ra da Cadeia
do Kccilc n. 13, ha muilo supe-
rior cal de Lisboa, cm pedia, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
PffW'Vvi; V vvVV'vvVv
m Praca da Independencia n. 17. 4K
(Sj Vende-so galSo de ouro e piala di
# superior qualidade tanto para de\ izas ^
(* como para boneles o chapeos de | a- ">
(B gens .'ia mesma loja s vendo toda a
qualidade de o ni formes militares lu-
l ilo por prego maiscommodo do qucein 9
outra parl.
Casa de commisso
Vcndem-se escravos e recebem-
se de commisso, tanto pura a pro-
vincia como para fra delta, para
o que se oicrece umitas garantas
a seusdonos : narua da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Agencia de Edwin fllaw.
.Vi ra de Apollo n. armaiem de Me. Cal-
inuiilS Companhia, acha-ae couiiaiueniealc
bons aorllmenlos de tiiixa de ferro coado e
balido, lano rasa co
eiras loilas de ferro i
ditas para armaren madeira de todos os ta-,
nanhos c modellos o mais moderno, machina de rape, a 2,600 o covado : 0 oulras mullas
liurisuiit.il para vapor, com furca de i caval- fazendas por prego commodo.
los, coucos, passadeiras de ferro cuantiado Pi/eSUntOS lie lailiego. Cebo do l'or-
para caa de pulgar, por menos preco que oz ',
de cobre, cscoveu para navios. Ierro ingles lO em Velas, pomada emciixas.
uniiicn barras como em arcos iolhas, c ludo Vendem-S9 om poi'filo o a rctalho.por me-
por barato preco. nos do que em outra qualquer paito: na
1'aiinlia de mandioca. ,, da Cad.ia do lucir n. 24, armazem.
A mais nov e mais bmti firinh de (Jheguem ou barato, chitas finas
mandioca que lu no merca Jo, vende-se na j ,. ro Q -o./:.
i na di Cruz do ftecfo, irmaz.em n.13, de
Jos Francisco Dias,
vendem-se DnlsaimiS cassas francjzas de ri-
quissmes gustse noves padrOes pelo ba-
rtlo prei;o de 700 rs. a vara, corle de Cam-
braia liza lazenda multo lina 2,240 rs., o cor-
le (' nielado de scu valor, ditas com salpi-
cos a 640 rs, a vara, corto de cambraia
piulado de cor,dc goslos modernos 2,200 rs,
o coi le, supeiiorcs chitas francezu cores
muilo lixasede novos padrOcc a 210 e 260
rs., o covado, dilascstreilas cores de vinho
e do calT e de ganga a 200 rs., o covado.
riti de linho braOCO c i!c cor propria pura
mosquelcir 6401-8,8 vara.brins trinca dos es
curo c cor de ganga com listas miudinhas a
1,000 rs o coi le, assim como outras muj-
tas fuzendlS por baratos prefos.
Vende-se um carro de qua-
tro rodas, muito leve, para um ou
uous cavados: na cocheira do Mi-
guel Sougei no aterro da Boa
Vista.
Lenco*-.
Lencos de eanbraii abortos, propimpara
senhofss e meninos a 300 rs ditos com bi-
d escravos. coa roda e palmas nas ponas a *0'J e 440
' is., ditos de Ciimbraia de linho para huinem
a 400 rs. : na ra do Cuspo n. 6,
Uoendns saperiores.
Na luioiie.i i de C. Stirr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de cannn, lodas de ferro, de um modelo e
oonstrucfo muilo superior
Aos umantts do bom e barato.
Na ra do Crespo, luja da esquina que vol-
ta i ai a a cadeia, vende-se casimira preta,
a 5,000, 5,500, 7,500 o 8,000 res o corle ;
ditas do cor, a 5,000 e 6,500; pumo lino
..,n"i?ie, ."" a C Pret(,< a a-000' 3'50| ?00 c *-500 dil
pT ^imaei rBoa?V,c: ; '-de, a 2.700, j. 000 c ii.OOt. ris ; dito azul.
madeira de todos os ta- *a i.6O' 3-500' *>000 e 5'00 rels < Mo eor
Vende-se superior farinha
de mandioca, muito fina, em sac-
eos dcscmbaicada do patacho
ConceicSo, vindo do io de Janei-
ro, entrado cm a(i do coi rente mez
de outubro, por prero commodo:
nos arinazens de Antonio Aunes e
Dias ferreira, no cues da Alfandc-
ga : a tratar nos mesmos, ou com
NovaesSe Companhia, na ruado
Trapiche n. 3/|.
Cal virgem cm ped a
Chegada rcceiitemonte dn Lisboa, em anco-
ras muilo he :i acondicionadas ; vende-se a
i'ii'eo muilo commodo : no armazem de
Silva Barroca, na ra do Trapicho n. Ifl.
Aos Sis. marcineiros.
Canos dourados para ps do mesas, para-
lusos para camas francezas na ra Nova lo-
Jl n. 16, de Jos l.uiz Peroira.
Vcnde-se no aterro d3 lloa-Vista,
loja n. 78.
Muilo bom couro de luslro, a 2,800 o a 3/
rs. a pello : li vellas pira sapatos, a groziaa
700 is. ; sapalOes de couro do lustro do Ar.i-
caly, a 2,000 rs.,bolins de dito pelo diminii-
t'i preco de 7.00J rs. ; e outras muitas fa-
teodia quo vista do comprador se far ne-
gocio ; cora amarella, a 640 rs. a libra.
Vende-so urna preta boa cosinheira, la-I
vadeira, c boa para arranjos do Casa por
350.090 rs. para liquidarlo :
do It 1? 1 rio n. 35, loja.
-- Vendein-sa paneros com iriuha lina
igual a de muribeca a 1,600 rs., com um al-
queirc novo, saccas da dita com 11111 alquei-
re velliua 4,000 rs. : ni ra da Calciadc
Santo Antonio n. 15.
INovo trein para cusinha.
Chsleiras, frigideiras, panoli is e esvar-
las de farro forradas de paredaa,facas com
garlos muilo linas, culheics de mcUI prin-
cipe que se confunden! com os de prata.cai-
relilhas e hcelas do faia | ara doce, grellias
para torrar p3o, machinas para cale, mui-
nhos, aliuofanzes o mais perl.'iiees do cu-
sinha : na ra Nova n 16, luja de ferragens
de Jos Luiz l'jreira.
Chpeos do chile.
Vos Irtrn-cu ohafii>nu Ar> f\>\\n nanuo.
vertical de l'orca de 400,000 libras;
3 grandes caldeiras montadas, pa-
ra o fabrico do sabao ; !\ ditas pa-
ra derreler sebo; todos osperlen-
ces necessarios para o fabrico do
stearina e s'bao ; rj eseravos en-
tendedores do serviro geral da fa-
brica ; i terreno annexoa fabrica,
com 7 bracas de fenle e i5 de
tundo; 1 dito fronteiro a mesma
fabrica, com 18 bracas de Irente e
a8 de iundo : as pessoas quepre-
temlereni comprar, pdem nesta
praca dirigirem-se a J. Keller &
Companhia.
*8fi*M!i
. Corles de valida da ultima moda. 1
s Cortes de vestido de cassi seda com 4
O lislras o quadros de scJa,lindas cores 4
ti. e modernos goslos : dilos do dito de 4
t cambraia com barra de ricos borda- >
S> dos e os competentes figurinos : ditos 4
%) de dito de cambraia abarla com Iloics j
tV adamascadas a do bonitas cores : di- 4
4V> tos de dito de garca.fingindo blondo, S
* do dilicadissimosgostos e o mais mo- ;
derno quo ha no morca lo : um com- M
a> pelo sortimento de corles de vestidos 4
* de soda,brancas, de cores e furia co- 4
> res, e oulras muitas fazendas de gos- 4
si to.quo se vendem por pregos de agr- 4
ra larga i/ dar ao comprador: narua do Quei- 4
4g Diado, loja do sobrauo amarello, nos .4
!. qiialro cantos n. 29. 4
. Na Praia de Santa Hita, armazem n.
43, do Manuel Jos Dantas, ha para vender
Jacaranda em cossoeuas e toros : 1 Iralar
com J0S0 Francisco da Cruz, na ra di Cruz
numero 7.
Ausentou-se na noite" de 2t de
outubro passado o mulato Cle-
mentino, de 30 annos de idade
**- t\A^& pouco mais ou menos, magro, a|-
Vende-so una parelhi de embonos ue1 rf,,,|ar i.m mi,iin .
cedro: na ra da Cadeia do ftecife, toj. I *Ura "S"1"' ^rn multo pequeo
n. 20. buco de barba e hila muito mansa
Vende-se ceri de carnauba, da melhor quando anda parece que nao ni
3ualidade, om porco e as saccas : na ra ,___
a Cadoia do Itecfe, loja n 20.
-- Vcnde-se urna preta crioula, de 22 an-
nos, por pre;o commodo: a tntar ni rui
Nova n. 20.
Vende-sa um vestido de sedi brinco,
livrado c sau uso, proprio pin cisamentos,
biptisidos, etc.; issim como umi cama de
armacfio de angico, tambem quazi sem uso,
ludo por muito menos do seu natural va-
lor : no largo de S. Jos n.
Chegaram do Rio de Janeiro o ichini-
sei venda ms tojas de livros do Srs. Doura-
do no pateo do Collegio, e Antonio linmin-
gues na ra do Crespo, uns importantes fo-
Ihetos intitulados --Verdades Ethicas-Poli-
licase EccoDOinicss,pelodimiuutopro;ode
500 rs.
Aos imantes dos lindos pissarinhos
Na 1 na di Aurori n. 32 vendem-se cei-
rlos viudos de Lisboi pela barca uLigeiri, e
vende-se por prego commodo 11.na armic3o
de vend sendo composta de bilco feixido,
I caixSo iuvidrafido, e oito parteleiras
guarnecidas, e vende-se umi caza terrea
com cmodos para familia, bom quintal e
cacimba na ra da Cuia "ni cho proprio,
querendo 10,000 rs. mensaes.
Vende-seo sitio de Sanli Anua, que
fici defronte di tiberm do Niculo Rodri-
gues di Cunha, o qual tom casa com bs-
tanles commodos e cupir lora, e diversos
pi de alvoicdos com fructos : quem o pre-
tender comprar diriji-se a rui do Livrameu-
to, labcriii n. 5, que achara com quem tra-
tar.
Farcllos de arroz
decentemente chegado em saccas, a pre?o
commodo.no nrmazcmdoSr. Antonio Au-
nes, no Caes da Alfandega, ou a tratar com
J. B. da Fonseca Jnior : na ra do Vigario
II 23, segundo andar.
Superior rap a 5oo rs. a libra.
Vende-so muito superior rap em boles e
meios boles, a imitic,3o do de meuron, em
caixas do 50 libras, fazendo-se ilguma def-
ferenfaaquem comprar de 100 libras para
cima : na ra dos Quarteis loja n. 24.
Vende-so milho a 2,000 rs asacca.pa
ra acabar : na ra da Cadeia de Sanio Anto-
nio 11. 15.
-- escravos sendo um oosinheiro o
canociro, o oulro de s;rvico de campo ; na
bolica da ra do Rangel se dir que.n
vende.
--Vende-se urna taverm na ra direita des-
ta cidade n. 2l,em um dos melhores lugares,
por ser de quina para o beco da l'onba onda
transita muila gente.e tambem se faz nego-
cio com urna pessoa que tome ella por ba-
!aiiivi.sc .11 mili se sociedade entra comalguns
fundos faz-ae este negocio pelo caixeiro cair
doente : tratar na ra rui do .s ma Rita n.
97 ou na mesmo.
Vende-se rap de I.isboi em frascos j (IU| ca|c, bmic
bem com os calcanhares, costuma
aodar calcado e bem vestido, e-
vou urna trocha de sun roupa, in-
clusive calca e jaqueta de panno
fino ozul, e alm do mais algum
calcado, um par de borzeguins par-
dos, com botics de inadreperola
brancos, e consta que levara um
cava I lo, que naquella occasiSo a-
lugra, o qual tem os signaes se-
guintes : ~ caslanho, barrigudo,
dinas prctas, gordo e tem um ta-
Iho em urna anca; he provavel qoe
queira passar por forro, he boliei-
ro e cscravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a ra
da Cadeia do liecife n. 11, que 6e-
r recompensado.
Ni Urde do dii 9 do corrente mez, de-
sapareceu di ra do Collegio, umi escrita
por nome .Mana, de nacSo benguclla, eom
os signaes seguinles ; baixa, cheii do cor-
po, com falta de deoles na frente, ecoai
ambos os pleos dos bracos sicitiizados,
Vendem-se chapeos do chile peque-
os a 4,000 rs. : na ra do Crespo 4
n.23. f
A 2,000 rs, corles de vestido de
cassa.
Vendem-se cortes do cassas piuladas, de
lindos padros, 2.000 rs.: na na do Quei-
mado, loja 11.8, defronte da botica.
Vende-se.
Sil do Muranlio, em panoiros a commodo
prego, no armazem do Sr. Antonio Annes :
no Caos da Alfandega, ou Iralar cjm J. It. da
Fonsacajnior, na ruado Vigario n.23, se-
gundo andar.
Vcnde-se urna preta perfeita engom-
mad 11ra, e cozinheira, com urna cria do um
Jo3o Carlos Augusto d.i Silva._
Vendem-sc relogios de ou-
ro e prata, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. 42.
a 6,oou rs. r peca, e a 1 Go rs. o
covado.
Ven lem-se chitas linas, da cures filas e
de bonitos padries, a meia pataca o cova-
do, o a 6,000i pega : na ra do Queimado
I n. 8, loja defronte da bolica.
Cheguein freguezes aut<'S que se 'anno, urna dita sem habilidades porm do
' boa conducta, oq Irabalhadorcs deenchada, 2 molequescriou-
los ile 16 anuos, I niolecote bom cosinhei-
rn, 1 pardo bom trahalnidor de enchada :
na ra do Rozario n. 22 s.'gundo andar.
Vende-so 2 moieques crioulos mocos
inplczes o do Porto, conservas ingle/as ede bonil |gur(ls sonuo uai de xUic dcv 9
francezas com diferentes l.utas, lelas de annos e oulro de 12;iiuem quizer diriji-so a
proveniente do queimadura anlig ; levou
vestido de algodSo de listra >irgi j uzado,
e parirlo da costa : roga-se as autoridades
policiaes fassi apreender, ou mesmo os
cipites de esmpo, e 1 levem 10 Pisseio Pu-
blico loja n, II de Kirmiino Jos Rodrigues
Ferrein, quo gritiQcir.
Kesippireceu no dii 5 do crrente do
engenho S. Juo do Cabo,o escrivo Valerio;
alto, cheio du corpo, e espadiudo.cara cur-
ta c larga, 11 iriz chito, ladino, um poucu
gago, com uns tilinbos na cara por ser di
costa; tambem tem urna marc de leridj
em s: 111,1 do peitodop esquerdo junto aos
dedos. Ser muito bem recompensado quem
o levar o dito er.genhn, nu no Mondego em
casa do IIm. Sr. commendador Luiz Comes
Ferreira, ou ao engenho Frigoso, ao Dr.
Miguel Joiquim Carneiro da Cunha.
100,000 rs. de gratificado,
Roga-se as autoridides policiaes, que cap
lurein o ejeravo Manoel, pertoocente a Se-
bastiSo Marques do Niicimento, fgido des-
de o dii 8 do mez de sotembro. Foi
elle escravo do Sr. Gabriel Alfonso Riguei-
r.i, i quem fui comprado ltimamente : tem
28 annos de idade pouco miis ou menos, cor
fula, com falta de dous denles na frente, e
de cabellos do lado esquerdo da cabeca, que
se torna bem visivel por pirecar urna co-
ra, tem olhos pequeos, beicos grossos.
sem birba, baixo, corpo regular, he oIDeiil
do funileiro. Tnjav aqueta de riscado
.izul, cilca brmci, camisa de madapoln, e
Chafado agn na barca Ligoira.neo miisjievou uma tr0uxi, contendo calcase jaque-
fresco i|iii'in no mercado, os senhores fre-
gueses que estilo acostumados a tomar a boa
pita la no deixirSo de manjar buscir ao
largo da Assemblea 11. 4.
--'Vende-se um cabriol novo comcober-
.la, e mui'o moderno na coxeira do Sr, li-
guel.no alterro da Roa-Vista.
lis : quem o apprehender o levar i ra di
Aurora n. 62, recebeni-i RratitlcacSo pro-
meltida. Suspeita-se que fosse seduzdo, e
poc isso desde j protesli-se contri queme
conservir em seu poder.
esippireceu ni Urde do dia 13 do cor-
ronte um escrivo por nome Joaquim tem os
No esrriptorio de Frincisco soverino signaes seguintes : boa estatura, representi
acabe.
No armazem deUirlios dcIrmOo, na rui
da Cruz do Recife n. 62, chegaram ltima-
mente os seguintes gneros Je minio boa
qualidade : -- queijos Ion trinos, prezuntos
salmSo, ditas de crvilhas o sirdiuhas de
Nan'.es, ditas con holachinhas ngleas#
mermelada de l.ishna, moslarda, o muilo a-
creditadocba de S. Paulo, ciixascom muilo
superiores macis linas para sopa, gigos com
ehan piiiih ', vinho de Xerez, Madei-a, r..i-
ccllas e Poito, garrafas con cxliiit do ub-
sinlhe o oulros muitos gneros, lu lo pot
mpdico pre^o.
luem quizer dinj
rili da Cl leia do Recifo loja n. 51 do Joo
da Cosa M-agalh3es
~ i>a ra di9 Cruzes n, 22 segn Jo and ir
vendo-se umi escriva de 27 annos boniti fi-
guri lenla engonmi leiri, o custureira,
cosinha, e I iva, duas ditas de meia idade o
3 molccotes de 18 a 22 annos bonitas figuras
o um delles lie um ptimo mostr de issu-
cir, estivador, e canueiro, e um moleque de
Vndese urna preta criou'a, de hoa j lo annos o^limo pira aprender olllcio o um
ligura.quitandeira, lavadeira e tambem cu-1 escravo onlimo canueiro.
zinha, sem vicio e muito sadia, o motivo se Vende-se uma ciss to:
dir ao comprador : na ra da Cidea do
Recife o. 20.
No aterro da Boa Vista, loja n.
iS, defronte do tribunal do com-
mcrcio,
continua-se a vender riscadoses-
i ni ii muito lu ir-, ptima fazen-
da para roupa de escravos, e pelo
diminuto preco de loo rs. o cova-
do c outras muitas fazendas bi-
ratissimas.
Vende-se no Maranho, a fabrica
Ae bugias stiarineis e sabo.
Os administradores da liquida-
cao de Theodoro Chavanes, ven-
dem a fabrica denominada .Uara-
ohensc, na ra do Fiopontao, des-
ta cidade ( parlo dos remedios) ,
a saber : casa em que esl mon-
tada a fabrica, com so bracas de
frente c i5 de fundo ; i prensas
hidrulicas, orisontaes de torca de
0oo,ooo libros, cada una ; i dita
rea com bons
commodos e propria para se passar a fesli,
fila no Arrouiii.i lu,ii un dita cita nos Arroga-
dos ra do S.Miguel.e um sobradinho na ra
de Murtas com terreno pitia eillOcar-M duas
moradas de caza : na ra Augusta sobrado
n. 15.
Vende-so uma negra de meia i lado de
muito boa conducta a qual lava e eiigomina
por preco 350,000 rs ; quem pretendor di-
rija-so a ruadas Trinxeins n. 12.
--Vende-se umi preti do naso, bonita fi-
gura idide 26 annos, cosinha muito bem e
engomma sufrivel, ensahoa muilo bem, faz
todo servica de casa : o motivo da venda se
dir ao cuiupridor;vende-S) pan o mito ou
pira lora da ierra na ra do Amorim n. 25.
-- Vendo-se u na morada de casa terrea,
sita na ra qo Padro Kloriano desta cidade
Rabello & lilho vonde-se barris com cal vir-
gem de Lisboa chegada agora na barca Li-
geira, pelo diminuto precaD de 4,000 rs.
^99999999S9
S- Vende-se um sitio a beira do rio 4
ti com excelente casa lendo de frente 0
> 70 palmos e 90 de fundo, com grande fp
* sala adianle, 2 gabinetes, e 2 aleo-
|9 vas, sala igual atrs, mais :; quarts, 4
(} cozinhi; com mais de mil palmos -5#
t ile c Miipninent i e800deficnte.com 9
grinle baixa decipim, terrono de &
> boa producco, oxcellenle biuho ao
< p de casa, e perlo da prac por ser
Ifl antes da Casa-Forte : i filiar com 4
0> Nicolao Cadauil ni rui do Apollo n. ?
20, segundo andar, ou na praca da 9
> Roa-Vista na casa que o uiosmo ahi 9
* osla e.liii '.n lu. 9
t999a> W& l)i#a^ *^^99a^9aV999
Vendo-se umi commoda em bom uzo
por preco commodo : ni mi do Apollo, ir-
mazem n. ai ighiri eam quem Iralar.
-- Vende-so uma canoa que carreg 100
ti jlos de alvenaria grossa, em muito bom
estado : na ra do Cabug n. 18.
Vcnde-se uma escrava j idosi, qoe in-
tendo de todo o STvicaJ de uma casi, e cosi-
nha l'i'in : quem a quizer dirija-se so becco
do Lobato na ra de Santa Thereza n. 12
Vende-se um sito pequeo com caza e
muitas plantas, de frutas, bom rivein e
a.ellior bmhojiiomanguiohon.35.
Aiteuyo ao barateiro
Na ra Nova n. 8 loj de Jos Joa*
quim Moreira & Companhia,
Veudem-se forlcs e flecxivos chicotes
para carro, pelo baratissimo preijo de 1,500
ris, caixas de muilo boa madeira, feitas
com muilo trabalh i e goslo, destinada ni-
camente para preparos do barbas, polo de-
minuto prego de t,000 ris, chicles de bor-
racha para cavallo, fortissimos o de qualida-
de tal, que su vista os compradores pode-
n.68em c lilos proprios, cuja venda so faz rSo avaliar, mesmo por seremos primeiros
para mo re ai ir uma tupotiioca que ni mesma que neste genero iqui tem vindo o pceo
c.sa lu, os pertendentes dirijilo-se ao cir dir-ie-ha cm segredo a quem prelindor.
torio do Sr 'l'ibaliim uilhurins Pataicio 'IMilt-i o....,.!<,
Rezerri Cavalcante, ra dasTrinxeiras, qie amia Clll UIL-U
achira com quem tratar. ; brinca o varde: vende se no armazem de
- Ven Je-so uma nogra da meia ilade.! K'lkn"n" 'mulos, rua da Crnz n. 10
som arinque algum, por preci muito com-
um lo: na nu do Livraioento, vendan. 38.
A priso de C mes s com girantia, uma
axcelleule inacmna do ll roine p na destil-
lar igo ir Joule, espirito ele, por metadle do
valor por lar algum uso na rui di Praii
S. Rita n. 17.
Cimento
ltimamente chegado, vendeu-
se por menos do que em outra
qualquer parte : na rm da Cruz,
n. 10.
ter 3 unios de idide, falla desembarac,idi,
ps grsndes, tem lodosos denles da frente,
nar:/ chato, quindo anda estelis juntas dos
joelhos, levou camisa de algodSosioho brin-
co, caifa do dito azul, este escravo foi do
malo: quem o pegar leve-o a lypograpbia
imparciil a fallir com a viuva Roma que se-
r recompensado.
Dessppireceu no dii domingo, 12 do
correte, um preto que representi ter 45 a
50 mnos de idade, de nac3o cicange, baixo,
cneio do corpo, sem dofeito algum no corpo,
levou vestido, calca de cisemiri azul clin
de quidrose j velha, coleta desslioi preto
velho, jaqueta de hnin pardo,camisi du ma-
dapoln, chapeo de seda prclo ; presuroe-se
que anda pelos arrehal Jes desti cidide, pois
ipezirdeser do serijo nflo se julga *jue le-
nha vollido : roga-se portauto ai lutoridi-
des policiaes e cipilSes de cimpo, cipturi
do mesmo, levindo-0 a rua do Vigario n. II,
lerceiro andar, que se recompensar.
-- Auzentou -se ni noule de 27 do correnta
o mulato Clouionlino de idade 20 annos pou-
co mais ou menos, magro,altura regular, e
falla muito nians, costuaia andarcil;ido
e bem vestido; levou uma troza de roupa, o
enlista que levara um cavallo quealugira
nessa occisiao, o qual tem os signaos se-
guintes : cistanho, birrigudo, cliois pre-
tas, e gordo. Ha provavel que queira pas-
sar por forro : he botieiro,e escravo de Luiz
Antonio Siquoira : quem o pegar leve-o a
rua da Cadeia-Volbi n. 2Uqueserecumpeii-
si r.
No dia 2 do corrente, sabindo de im-
nlii.i urna negra vender hiolii, de nome
Citharina, calmnia, al boje 10 n3o he ip-
parecida, constando que t.-m andido por
Cimpo Grinde, Belcm e Casa-Forte : he
baixi, nSo he mign, cm redonda, olhos de
cachasseiri. tem os signaos di ni(So ni P'
es i u o Ja, pisa como quem padece de bicho,
ou rheumalico : quem a pegar podo leva-la
casi da rua di Sinta Cruz n. 66, defronte
di ribein, que ser recompensido.
No dii 12 ds novembro do correnlo au-
no, dessppireceu de cisi do seu senhoro
preto de nome Thomaz, do idide 40 annos,
com ilguns. cabellos brincos na cibec*, de
iic.iu Mussambique, bstanle alto, migm.
peinas linas aullando sumpro muito direi-
to, tem carolos sobre o niriz, ligoil pro-
prio di medio; reeoaiinouda-so a captura d"
mesmo as autoridades e aos cspilies de
cimpo : quem o mesmo aprebander sera
generosamente recompensado pelo dito sen
senhor Luiz Comes I'orreiri, no Mondego.
''' -v. vaTvimu- M.F.nr Fm
*a*V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2JZOEBDD_K0G61W INGEST_TIME 2013-04-12T23:28:40Z PACKAGE AA00011611_04747
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES