Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04743


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Quirta-fcira"12
DIARIO DE
(|e Nnvp.hr< Hfl 15|
/
25R
PEMAMBK
raigo da suBoaivolo.
Pistmino Aduutaoo.
Por trimestre............
Por semestre c *..........
Por nao ..........
Paoo beniso butiiisti.
Por qnirtel........JLA.Jj '
moticias no mwwm'o-
Para .... ffl deOutubjMInas. tSde
Maranhao 26 de dito IS. Pealo- Je
Ceari... 31 de dito. J-<"' *"
Paralilba. 3 de Nobr. Babia... l de
4/000
8/000
4/500
jetbr.
dito.
Oulub
dito
Das DA SBMW.
10 Seg. S. Andr Avel-
lloo sacerdote ;
11 Tere. S. M.irii n'.o.
12 Oiarl. S .11 ii linhii
II Quii S. Eugenio b.
i i "Si S. Clemcutino.
I j Sah. S. Gerlrudes v
Leopoldo
l(i Pon. S. Cnnt'lo de
Lagos ; s. Valerio
audiemciah.
JuisooV OrehJoa
2. e5. s 10 horas.
I. vara do civel.
3. e. ao ineio-dia.
Pasenda.
3. e6. s 10 horas,
t* tara do civel.
i. e sbados ao inclo*d.
HelarSo.
Tercas c sabidos.
Entusan oca.
Crescente 30, a l bora e7minutcsda larde,
Cbeia a 8, as 9 horas e 1 minutos da t.
Mingoaute 16, as 7 boras c 2 minutos da ni.
Nova 22, as II boras e 47 miuutos da tarde.
HUaTAB DK HOJE
Primeira s 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda s 8 horas e 6 minutos da tarde.
rAnriD! do colinos.
Goianna e Parahlba, s aeguadis c seilai-
felras.
Rlo-Oraude-do-Norte, todas as qulntaa-feiras
aomeio dia.
Garanhuna e Bonito, 1 8 e 23.
Roa-Vista, e Flores, i i3 e 28.
Victoria, s quiotas-feiras.
Olinda, todos os das.
NOTICIAS ithnoiibas.
Portugal.
Hespanha.
Franja ...
Blgica..
Italia.. ..
Alemanlia.
l'russia ...
I'im m .i i i
Rusta...
Turqua.
(4 de Ontbi
8 de dltn
8 de dito
, de dito
3de Outbr
5 de dito
3 de dito.
I de di lo
I de dilo
21 de .-iiiln
Austria.. 3deOntbi
Sulssa. .. 3 de diio.
Suecla. de dito
ilnglaterra 9 d Outbr.
E.-Unidoi 24 de Setbr.
Mxico .. l.'i ilc Hiio,
' amonna 30 de Agosto
Chlll
26 de Abril.
i'uenos-A. J u'e Setb.
Montevideo 6 de dito.
CAMBIO DE II DC NOTMIIHO.
Sobre l.oodres. a 28 ait e 29 d. p. lfOOO Firme.
Par., 331 por fr.
Lisboa, sem traoaacedes.
StlTAU,
Ouro.tocas hespanholas,... a 28/600
Noedas da 6/40o velhas 16)00 a 16/OO
de 61400 oras. lb/lHi0 a 16/200
a de 4/W'O...... 9/000 a 9/100
Prala.Pataces brasilelros.. 1J(II0 a 1/BI0
IVscis columliarlos... 1/920 a 1/920
Hilos mexicanos..... 1/710 a 1/7K1
PARTE OFFICIAL
Uommando das armas.
(Juarttl general na cidade do' Becife, 3 de no-
vemliro Je 1851.
0KDIM DO DIA ti. 23.
O raireclial de estopo graduado comman-
ilsntedas armas, determina quo Oque d ligadoda companlils de artlleos em a qual
esta addldo O Sr. segundo lente Jos
Francisco dos Santos, visto quo 10 meies
seacha con parte de doente.
0 msrechal tem observado, que as pracas
do pret do corpos do exeroito existentes
uesta gutriiicSo, afastando-so dos respecti-
vos flgurinos, trajim tantaria, usando de
calc*s cotn bolsos e do fardas com gilas o
cannOes de velludo, o que denota inlisci-
piiiiH.ou pouco xelo dos Srs. com mandan-
tes Jos corpos, cotn especialidad* dos de
companhias, que s.1o os primeirus respon-
Slvell por actos desta ordem : determina
por tanto que cessesomelhsnte abuso, e II-
mita-seaessa rccoaimanil<,1o semoom-
pregode meios repressivosqueestSo a seu
alcance, ua convicfSo de que uns e outros,
no cumprimento de seus deveros, applica-
rilo de ora a ante todos os seus cuidados
pan que as pracas de pretsem distincg.lo
trajeo) uniformemente em harmona com
osflgurioos.
Antonio Crrela Sera.
TBIBURAL DA HELAC.O'
SESSAO HE 8 DE NOVEMBRO DE iS.'n .
l'rrmlcaa do Exm. Sr. conielheira Azevedo
As 10 horas da manhSa, estando presentes
os Srs. desembargadore Villares, Basto',
lelo, Souza, Relio lo, I.una Freir, Tellr-s,
Pcreira Honteiro, Vallo e Santiago: o Sr.
presidente declara iberia a ses<3o.
Foram lidos em mesa os seguinles ofll
cios da presidencia : communicando, que
por decreto fonm amnistiados diversos in-
dividuos pronunciados pelos acontecimen-
tos polticos que tiveram lugar ltimamen-
te nesla provincia.
dem communicando reconduciio do
bacharel Antonio Borges Leal no lugar de
juiz munieipil e de orphSos do termo de
Agoa Prela.
dem communicando a remocSo dobn-
1-lnrel Caelsno Estelita Cavalcanti Pesaos
do lugar de juiz municipal o de orphSos do
lermo de Pao d'AIno para o de finianna.
Ilem communicando a concessilo do 30
ilms de lici'iica com ordenado o juiz de di-
reilo do Cabo Francisco Elias do Mego Dan-
tas para tratar de sua saude.
JLGAMENTO.
Api olanles, Andrade & I-nios; sppellado,
JoSo Francisco Florencio, como tutor. -
Conlirmaram a sentenca quanto a nulli-
dade.
Appellinte, Jos Baplista llilieiro de Folia ;
sppellado, Francisco Kibeito de Brilo. -
ll"s. rezarni os embirgns.
Appellante, Joaquim feixeira Peixolo;ap-
pellada, Izabel Francisca de Olivoira.
Despiezaran* os embargos.
Appellante, D. Biiles Sebastiana de Moraes;
ppcliado, Antonio Jos Pereira. Uespre-
xtram os embargos.
Appellante, D. Francisca Thomazia da Con -
ceicSo Cutiha ;appellado, Eduardo Bull.
Foram recebidos os embargos.
Appellante, I) Francisca Joaquina da.Con-
ccicaii, como tu tura ; appellado, Pedro
JosPereirs dos Sanios Alvarengj.Fo-
ram recebi osos embargos.
Appellante, Fraucisca Mara; appelluilu, I).
ConsUntina Jacinlha da Motta.Foram
desprezados os embargos.
DILIGEDCIAS.
Appellmte, o juizo ; appelhdo.-, os herdei-
ros de l.ourenco Anlouio de Albuquerque
e Me.lo.Maudaram uuvir o Sr. dosoni-
bargador procurador da coros.
Appellante, Francisco Pedro Bandeira de
Jlollo; appellada, a fazenda nacional.
Manda'am com vista ao Sr. deseuibarga-
dor procurador da cora.
Appellante, o juizo; appellados, os herdei-
rosdeJosc di Cunta Teixeira. Manda-
ritn com vista aoSr. desembargador pro-
curador da roroi.
Appellanles e app> Hados, Munoel Ignacio de
Afilia e JoSoVieira da Cunba.Uauda-
rsm pag-r a dizima.
Appellante, Manoel Flix Bandeira ; appel-
lada, D. Mara Jos Fenuira de Sepulveda.
lan laiuui uve-liar a ili/imi
Appellinle, Confalo Marinho F.lco; appel-
FOLIIETIW.
lado, Antonio Pinto de Carvalbo.Mso-
daram averbir adizims.
Appellante, o juizo appellados, os herdei-
ros de Henrique Pedro de Aloeids.Mao-
darsm ouvir o curador geral e ao Sr. de-
sembargador procurador da cora.
Appellante, Aflonso Jos de Albuquerque e
He,lo; appellada, a irmandade das Almas
da matriz do Recife.Foram recebidos os
artigos do habilitacHo.
DESIGNtgOKS.
Appellante, Jo3o Carroll; ippellado, Cbris-
tovSo Starr.
Appcliant, Maris do Atrparo; ippellido,
Vicente Cu<*desGondim.
Appellante, Manoel Jos Soares ; ippelladus,
Donslxy & Companhia.
Appellante, Jos Fernandos Tenorio de Al-
buquerque Tererico ; appellados, Jos
l; ii i o/.i de M '"i.i- e outros.
Recrrenos, M II >r> Ris-.il c Companhia :
recorrida, companhia de vapores repre-
sentada por seu agente.
atvisAes.
Passaramao Sr. desembargador Villares
an Sr. dosembargador Bastos as seguinles
appellacOos em que silo :
Appellanles, Amaro Concalves dos Santos o
oulro appellados, Marccllno Antonio Pe-
roira e oulro.
Appollinte, D. Candida Agostinba de Bar-
ros ; aupellado, Jos Candido de Carvallio
Medeiros.
Apoellante, o cnsul fraocez : appellado,
Diogo Baptista Fernindes.
Passaram do Sr. desembargador Bastos
ao Sr. desembargador Lelo as seguinles ap-
pella(0es em quesOo :
Appellante, o juizo; appcllido, Jo3o l.eitilo
di Silva.
Appellante, o juizo; appellado.Candido Fer-
reira de Ulivein.
Appellante, ojuizl do autontes; appellado,
J.ieConcilves do Psrjo.
Appellante, Antonio dos Santos deSiqucira
O Sr. desembargador Firmino pe lio nova
ilislnbuicao pira a appellafSo civel em que
sflo :
Appellante, o curador da lioram;* de Justino
Moro/.; appellado, Antonio Gomes Villar.
UISTFIl l.UI^t-..
Ao Sr, desembargador Bastos o seguin-
les recursos em que s3o :
Recrrante, JoSo Jos da Cruz j recorridos,
ta noel Carlos Godinho eoulros.
Appellante, Diogo Jos Leile Guimaraes;
ppollado, JoAo da Silva Braga.
Ao Sr. desembargador Lelo as seguintes
appellar;0es em que sSo :
Appellante, Manoel Jos Soares de Avelar ;
apuellada, Manuela Francisca Monteiro
Regadss.
Ao Sr. desembargaior Souza as seguin-
tes appellacH s em que sSo :'
Appellante, Jos Aulonio Pereira de Albu-
querque; appellado, Jo3o Ferreiri do
Prado.
Levantou-se i scssSo a hora c meia.
EXTERIOR.
Lisboa, 10 de outnbru de 1851.
Atlocufo da cmmiiiio ctntral deuirlido
earlitta do Ptfria,
O raitido modc do vai por toda a parte
levantando un g ilo unisono da liberda o
com ordem, emopposn;3o a i clamor anar-
cbico dos seus conlrarios. Fiel s sus tra-
ilii.-i"., convietu nos seus principios, gru-
pa-se em Ionio da sua bandcia, eaciedita
a gua lo pela >ua consiancia !
A coiitnissSu central e.eiloral carlista
do Purto, ten lo a sua frente o nobre conde
de Terena o out'os distinctos cevalheims,
lanca s provincias do nono um pro enrgico o siuciro, e, invcenlo o utilizo
moloDos e o ni'U nire'to,unili a sua
ju.-tica a justifa dos seus concidadSns, e
nppi'll i siilem'iemonle ilo verbo fatal da
sulemiemouie
Cavalcanti ; appellado, F.stev3o Josc Paes revolla para a senlenija da urna?
Un i id. Oparlilo nio ii'i'.iilo nao podi ter mos-
Passarain do Sr. desombargador Luna. Irado mais longaiirmili je nem maiur con-
Freire ao Sr. desetcbari{aiior Telles as se
guintes ppellar;es em quesSo:
Appellantu, o juizo ; appellado, JoSo Perei-
ra de Araujo.
'assaiam do Sr. desembarga lor I.cSoao
Sr. desembargador Souza as seguimos ap-
peliaces em qu s3o :
AppellauLe, Fraooiacu Antonio da Cama;
apiellada, Mara da Paz.
Passaram do Sr. desembargador Souza ao
veucinionto tu smtidsdo di sui caus
Comprimida debaixo do p sulV>csdor da
dictadura, avexol i poruin o ler arbitrario,
sui'ido noreducti dos poderes doscriucio-
noos, a urna esi nimio lunge de poder
considerar-se ivre. Eulretiuto o partido
nio ni lo nom por is ta a voz, firme esegua, no neio do ven-
daval, e, ciui al que o Divino Mostr re-
oom nendava aos discnulus, surge a cima
Sr. desembargado!' Rubello as seguinles ap-j das sublt'vir;(ies, e, d'aln, explici, atlos
pells(es em que Silo : | os arligos do s-u ce Jo e as espeangas da
Appellante, Domingos Francisco Cavalcanti; sua reli :iao Cuino o espirito d Dos, o
apiellados, D Iguez M.nu das Mevus c sou b'ado dc-lisa, s moro o oulros. isup-rlicio oessas vigas rovollas, afavez da
Pjssaiain do Sr. desembargador Rubello
ao Sr. desetnbirgadur Lina Freir as se-
guidles appelln(es em que s3o :
confusa o di tiiiniilto : spiritiu ei ere-
balur iuji'ii aquat
t) pailJu ni i i-".i lo, na allocur;3o publi-
Appellatue, Aulonio Jos Pimenli da Con-,cada pela commis-iio elcitural do Pono,
cei$ilu ; appellado, Joaquim Marlinho da franco e sincero nSo disTarca osperizosda
Cruz Corroa.
Appellante, Jos Antonio da Costa ; h jiji -lia -
do, Antonio Jus do Medeiros Bilaticourt.
Passaram do Sr. desemoargador Luia
Freir a i Sr. desembarga.lor Telles as se-
guinles sppellaQ'S um uue silo :
Appellautos, F.-lovi'i Paes Brrelo e sua
mulher ; appellados, Francisco Paes Br-
relo e soa ni- I ii i'.
Appellanlo, Filippe Santiago Vieira da Cu-
tiha ; appellado, Thomaz Luis Caldas.
Ao Sr. desembargador Villares as seguin-
les appellacdes em que silo:
| Appellante, o D. atibado de S. Bento de Olin-
da ; appellados, Manoel Gamillo Valcacer
e sua niuloer.
Passaram do Sr. dpsembirgador Telles au
Sr. desembargador Pereia Moiileno ss se-
guinles 111111 -11 .i i, o s em que silo !
Appellanle, Manoel Boliigues da Silva e
sua mulner ; appellados, Azevedo < Ir-
mo.
t'issaiain do Sr. desembargador Valle au
Sr. desembargador Santiago as seguinles
appella(es em quos9o:
Appellanlo, Joo da Silva H go e Mello ; ap-
pellado, Francisco Josc RoJrigues Ssca-
vcm.
Appellante, Florencio Jos Carueiro Montei-
ro ; appellados, Mano I Cactauu Soans
Carueiro Monteiro e outros.
i Passaram do Sr. duseinbargadur Santiago
ao Sr. dosemhargadur Villares as seguinles
i ippellafes em que s3o :
I Appellante, o juizo; appelladus, Jo3o ln-
. niel Wulphorpp & Cuiupatihia.
> Appellante, ojin..o; appellado, Jos Jero-
11\ u Momcii'O.
UMANOITE EMBARCO DE VAPOR. D
( FOB ZJ50N aUXBZN. I
XIII.
lia mu lu das, as nessoas que nioravaiii com
madama de .Santo Esievfio observam-na com
um silencio esludado, do qual ella nao advinha-
va a verdadelra causa Ilavia ein ludo o que a
cercava, e por aaaini diser al no ar que respi-
rava, como um segredo, como um mysterio
que ella uo poda penetrar.
Cma vez, como estlvcsse niais prnfundaueu-
te absorta que de ordinario por suas ludaga-
coes e por suas Inquietaces, proposeram-lic
mu joiio de cartas para dlslrahir sua iiuagina-
i.jo. Ella pegou as cartas c achou-se face a
tace com o conde.
Pecdi, disse este depois da primeira pani-
lla ; mas lisongeio uic de que a Sra. se diguar
de conceder-uie a desforra.
Pronunciando estas palavras, elle tira da bol-
sa e lanca sobre a mesa varias oioedas de curo
entre as quaes achavam-se algumas que eram
estrangeiras e tinham uini forma e nina emglo
ingnlarcs. Madama de Santo Estevo reparou
neUaa.
Sao cutiosas dlssc ella observando inais
parcularineuie urna deslas uioe ias com os
olhos c com a iiio; cu linua. nioedaa Kine-
Ihautes a esta na soninia que cnvlci ao uieu
'lauqiieiro GueliVde .ilarselua.
Guetry'dc Marselhal resp-audeu o conde;
ol l'l a elle uiesino que as gaulici no jogo.
-- !-.niao ganboa-lhc muito diobeiro? per-
gunlou luadaua de Sanio Csievao.
ion idaci-iilas mil lunas, rcspoudeu o con-
de sem le abalar; c antes de uinu alguciu Ule
filil na uma soiuma Igual.
Saj ento oltoccutas mil libras!.... olto-
(*) File o Diario n. 46.
cenias mil libras respondeu por uuas vezes a
interlocutor!; esla souiina escede seus capl-
laes conbecidos, e helmposslvivcl que a tenlia
perdido sem l'azer buucarota, accresccutou
ella.
Ao depois veio-llie ao pcnsainento que ha
uiuitosdias procuravam eui casa occultar-lbe
urna noticia dcsfavuravel, e que neuhuuia car-
la Un- tlnlia sido entregue, nao obstante lereni
ebegado uiuitos crrelos. Lin pcqueuo acces-
so de fro percurrcu-lnc as veas, ella levan-
tou-se tremola e exclamou :
Mfnlias cartas! mlnhas cartas! liagam-
ine que quero le-las; quero que me digaiu lu-
do I quero saber ludo!
linio Un- loi cueclivauteiile descobe-to Ella
nao se linlia engaado : Guetry havla leito bao-
carola.
A esta noticia madama deSauto Estevao cabe
de costas sobre una cadelra,
I al ve/ seja eu o amor de sua ruina, diase-
Ihe o conde ; mas em au a Sra. pode reparar
ludo. Hasta que na rrsposta que sem duvida
dar a carta que lbe eacrevi, se digne smente
de d o -ni- a cunhecer sua decisao.
Islo provou a madama deSauto Estevo que
ella tivera rasao em nao se apresaar a enviar
ao couJe sua primeira epstola todava sua
poaicao piescnlc impuz-llie algumas amargas
relleses, pois sabia bein que casaudo-se faria j madama do Sanio Esleviiu, acuno a necessida
o sacrificio de sua liberdade; mas o conde pu j de de respirar o ar embalsamado da tarde de-
nba lana Braca, lauta bondad.-, tanta genero- balso desse bello co de Provenca, e as vldra-
sidade, lauto ardor em seus ou'ereciuientos, cas foram novauenle aballadas e as cotlinas
aliu de que era lo doce, principalmente para levantadas.
urna uainoradeira, recuperar una fortuna tao Que be liso I csclamou a coudessa, nao
rpidamente ecclipsada q.e ella reol.eu pas- eslamos na estrada de Au ; para onde noa te-
sar pela nerda de sua independencia para re- vam poi ?
cobrar o que liulu perdido. emais a rtque- ~ ao lenha medo, replicn o conde, que
za, o ouro c um titulo nobre sao ineios tao aluda nao tluha proferido una lyllaba desde a
concludeules de alieneo Ella cedeu. bora da partida; o cocbelro lomou uuaalaiho
Aceito, disse em vos balsa ao ouvido do que deve couduzir-no< inals pro nptameotc
tonde-, cidade.... Pois bein, para eutretd-la voo con-
--Ilem! dou por isso mil gracia ao eco e ur-lbe urna historia; quer oavl-la?
Sra. Miuha fortuna de boje em dame pcrieuce- Sujeiu a urna vaga luquleacao, a condessa
llic, responden o coude com una iodivisivcl nao respoudeu, isas uao obstante liso o conde
alegra do iuferoo sem Itac tirar osollios de ci- couluu .ua historia da inaoelra segulule:
ina; oh/ siin, lalna fortuai inteira penen- Havla ullliiiameule em Baslia, na Oorsega.
ce-lbe, ella be ua como a Sra. he nimba ; disse elle, um espadaclilui que era o terror de
apressemos a hora, aprestemos, poi. estou an- loda a liba. Elle matara por si s ein pleno
closo por vr concluido ene negocio. da mais rapaies bellos c cfteloi de esperanfas
luta i-mu as incertezas do exilo. Cm fen-
le so das faccO-s adversas, o sou triu-opli i
mo poda set duvidoso; mas, eui frente
d-ssis farades armadas, da dictadura, jsto
lio, da oppiesslo c do estiHagema, da vio-
l.-iu-n e da fraudo, he nobre e leal pon te-
rar us contingencias. A urna nao se oll'O'e-
co abo ta elisro ao voto nscional; diaule
della est a cohorte dos poderes extraordi-
narios, ofsclo nico nos ainiaesda histo-
ria constitucional! o Keplro de forro da
dictadura, como a espada de Damoc es, im-
pende um -ai.-a lora sobre lodos os que se
Iba aproximam. A garanta das leis foi
calcada, e a prepotencia d'uma goveruanca
absoluta fez, em roda da uiesiili urna, um
claro que se .i3u p lo alravessar som peri-
go. ApeSir disso espesar deludo, o par-
ildo'iuo lerado tem niuiti fe e ion i.;u.il
r- -.. .'ii,ir.ni. 0 partido .1.11 li'r.nlo ll i lilla
uS I .ni i ni --, de ii ilion ii :;i lo c moralida-
de, que, ora cliamauinumerosasas phl-
langes -ios seus adversarios, ora afieetsaa
um desdem sobarbo para c m n iu-i_n:li-
c-inciido seu grupo. Chuado, nesti
llora solemne, preseuca dopnz, o parti-
do moderado vai l'a/.e-lo com dignidado e
franqueza i nao oceulta as suas queix.s,
uem esconde os seus rucos, neni vacilla as
suss cicutas. (,111.111 lo tem que dizer oiz
ludo; quiiido t m de juntar o faci i pa-
Uvra procuia sniiare q-ae a lalavra oBu se
opponha o Tacto. U seu verbo lu- s um,
e nuil s a sua sceftu. Luvanli a in.i i o a
voz : na vuz esta a exprs,3u do -e i dog-
ma ; ua iii.lo leva escnpio o soa voto. I'o ios
podeui ve-lo oouvi-lo, e, enii|uaiilo us seus
i imigos se cfoL'i un oa vaii^lt lo das suas
a^gssiaaiiM^Mataig8gM.sas1ssa^M
Sr. be muco, disse sorriudj uiadaiua de
Santo hstevo.
Amoroso como um iiicuiuo! respoudeu o
coude.
ijuuue dias depois, gracas ao empeuho c
sollicltude de Mr. de Macneinira, b casamento
leve lugar ua capella dooastello.
Acabada a cereuionia, o coude disse a sui es-
posa que lbe pareca pouco decente que ella
peiniaiiecesse por inais lempo sepultada no
campo, e propuz-lbe partir naquclla mesilla
larda; mas liso com um tom que se pareca
muito menos com uma supplica que com urna
ordem. A vos ba pouco tao nu I lili u a do cou-
de, fortaleceu-se rcpeotinaineote ; elle man-
dava como senhor oude uo da aulecedeule sup-
plicava como cscravo.
Todava o praier iuvbloulario de vollar con-
dessa e com acaueca ifllaiila ,a aoselo de uma
cidade oude a sociedade a liulia coberto de
nuil cxpi oli.idu merecida, Hsoogclou o urgu-
Ibu da uoiva que sem inulto cusi cunseuiio ua
partida. Ellca se meiteraiu por tanto ua car-
ruageiu. I
Debaiio do pretesto de interceptar os raios
do sol que llie ollendlaui a vista e a de sua es-
posa, o conde lerautou as vinracas e abalauu
cortiuas; utas como o dia eslivesse ein sua
declluaco, inadama de Alaucnemara, ha p -mi
.....I..... i. U_... l ..__.T ______. .
evolucfles, recommonda-se elle pela firme-
za da sua ufiii !'.
A gran ie reuuilo r|e;lo-ul carlista doPor-
to nisnifesta nacSo, o esoecialrnente as
provincias do norte, os seus desejoi o o
seus princii'ios, etnrimindo so co no con
vm ao crdito e honra le um part lo qui-
ten! fetn si mesmo. Nada mais accres-
centamos. A commissSo eleitoral la se-
gunda cidade do reino Mtitfoz a espectativa
da todos os bons ci ladSos : por ella, por
nos, o por todos, foigamos em pagar-lhe
um tributo do alto preco em que a temo*,
transc-evendo aqni a sua encllenle alloco-
<;Xo. He mais um documento que so areni-
va para a nossa historia !
ii Tendo non, os ooaixo 8S*itHdos, silo
escolhidx p-lo pariilo conservador nesli
ci-lal-, para dirizirmos pela sua paite un
dislricto do Porto oslrablnos das prxi-
mas eleicO s, para que o governo est cha-
mando o paiz; uensamos que mo d-via-
mos di'i-iiii ir a honra da singular coufianca
que tinta irnos murecillo
O pi imairo dover que reconliecemos,
aceitan lo o encargo que nos foi coin-neill-
do, nos vamos dosempenna-lo ci n a le d-
dade das noss resolucSn desomos lies ios principios a
s clausules queobrigam o partido qnenis
o-r iIIh'j, na presenca ds circuin-tsnci is
era que o paiz se acha, causa las ida funes-
ta revolta do abril, o pelos actos anda
imis fuuest s do urna dictadura sem szm-
iiie.lii. e sem pen.ainc lo neulium que tc-
uli-i sido generoso o eleva lo.
o Dfe-'sores do.-: principios sobre os
quaes esta fundada a monarchia easinsti-
tiue/i-N, sobre os quacs se funda o direlto
do 'ola a socieda le, a paz e a o lu da
Europa, nos tomimos a revolta do abril
como um sucdsso altitnente criminoso
Condemnamos, porlaulo, osados daan-r-
chis que romperam em abril todos os vn-
culos da disciplina militar, o a iinptmida-
de com que se pretende e.quecor no cxerci-
loponuguez o assassinio barnaio e tro<
de um c i.iim-n lano benemrito, que ti-
nha tomado o seu posto do honra para fazei
eufar ua tibe lionca soldad is amotinado*,
poique .sti un nuil i lo alum do grande-
mente perigosa, o.ila encutnindo os vicios
e a violuucia da lltuacjlo aclual.
Condemo linos tambeiu a usjurpacfii
que so vio dotlas as altnbuijO s e pio-
rogalvas da c iros, exerci-laa duranlo
revolta, sem titulo, nemeusa, e nem cir-
i-ii ii-laio- a. que a jusiilicassoiii. puf um
g n ral no usj do ni 1 is implo nbltnc, '
lora le todos os limitas da ca la, bein c-nvi
a mi ;.'io cun -|u-' nsse lempo os m uis
tros lesponsav is da cora mp'diiiii em
l.i-h 11 os aclos do poder execuilve, com a
coujicilo de tiOo ser manalo o co Irario
! pelo comiilaii lauto das forc,"* sublo'adss.
i ,L peloniestiio molo nos con leinn unos a
(dictadura, eospode.es ext-aordiimios de
'que o ministerio se invcsliu ofilcialmeolfl
| pelo dec-olo do 2o de malo,lo los us actos
I desta dicta lua, que noesieja.n importan-
do direitos a li|uirido<.,--e a Qigrauld usur.
! pat;ao que naquelle -lito decreto, e nos do !>
de juohoe 2S Jo mino se coinuiellou, das
all iii o...... que pelo ai ligo 110 a li I da
Carla coiiipoteui somonte ascjilei, para po
der ser dec elada a refor na de algons dos
seus arligos cousliluciunaes ; e por isso re-
pitamos nullas as piocuraces, que os col-
legios t-leitoraes deioj aos dupulspos viol-
tos ni cunfotmi Ja le daquelles n-v i -,
para as julg>rmOs piSSldlS unicamenl) na
io- ni orjiuiiia.
" Tflo pouco pelemos ipprovir, an-
tei protst.moa nergicainenlo cont'a a
il -.-' 'i; i d i un rialll i I -, com que logo no
principio da revolta sedeu a referencia no
piovimeuto dos Cargos publicos eiclusiva-
mente ao* psrll larios de urna crenca poli -
tica, e se removeram di id uinii|iac3o do
paiz, sem pretextos se quir pliusiveis, os
lioneiis que seinpro mili uu da lo garantas
ao turnos s io*tnuic,"M.
" Ni queremos que o governo lo paiz
seja couiposto de ele nonios que deem ga
ia ul i m de ordem,qu-i a a Imiuistracilo du
esta lo s-i u3u dirija pelo o lio, uem co n ex-
clulo de parlido neulium..\s cousnlera-
iii-iiii exercilo como urna insiiluic/iu neoes-
saiio para minlcr a i idcpe .d-ncia do paiz
e a paz interna, e por lamo qiere nos que a
disciplina seja severa, para qui ello pu-s>
senure ser, oomidevant, etaonoiilmen-
te obediente as ordons do governo, u o seu
mais firme apoio para a conservaeflo da or-
dem em qualquer slt-iSQflO.
" (Queremos que s-Jl s vcrani-n'o falmi
nado todo o arbitrio ou de nuns'ratSo do pnsicin, dantc das dilllcoldtde que se lho
exercto a respeilo dos negocios do 'Slado, oppuzeram.
n qualquer peitrncllo de inlluir na conser- Ozala que nesta grave conjunctura os
c3o ou iii'uii-s"iu dos miuisii'os da cora, illodidos se desenganassem, que n, sm
.orno actos do brbaro vandalismo, e at- odio a ninguem, veramos com prazer vol-
iciilados dos priuci.iins irais sagrados em tarem da posic3o que lomarem a todos os
que se funda a monarchia, a exi-tencia e dissidentes, e a qualquer homem que tlver
a conservadlo da sociedade, e a do mesmo o deseoguno dos males a que a nar-Bo osla
exercito. < exposla, e dos perigos que a sociedade coi
" .Nos queremos que as prurogalivas da re, que o liver, so he permeltido dize-lo,
coros spjam ioviolaveil, e o chefe do estado das susspropriss conveniencias.
gose de todo o prestigio e consnleracao de
nma monarchia constitucional, que os
partidos se organisom de modo que as
su*s disputas nunca saiam da osphera le-
gal,que as n| i.iii-.i de cada cidldiO sejam
res penadas.
" i'ugnamos pela orgsnisarjSo da adini-
ui.-li je.io lo .nz, e da lacnia publica,
pela moralidade e pela juslici dos actos de
todos os luncciouarios do estado.
" Klooates os principios c as clausulas
segn lo as quaes na prsenlo oceasiflo o
patudo conservador he obriga lo aira urna.
fazemos votos por lauto para que a rovol-
ii Porto 6 de outubro de 1851.
Conde de Terena,
Presidente
Conde de t'erreira,
Vice-presdente.
Conde de Seinod3e$,
Bernardo ios* Vieira da HolUi.
A. R. O. Lopes Branca,
Primeiro secretario.
Josa' Varlins Cando Ltitio,
Segundo secretario.
Antonio Mara Barroso Pereira,
Segn Jo secretario.
'Ua le.)
ta ilc abril seja completamente con lemnada
polo miz peante ella, u que, dessassombra-: niloii 13 dtonlubro.
diaadministraco da forc que f.zisi-! Sern v3os rec ios. os que se apodera i,un
lUacSo aclu meio dos seus el-ltos, se pioiiuneie com i auo ordenanca eleitoral de 20 de junho,
franqueza e hvremente sobre as verd Jeir.s, Val manifestar em todo o sou alcance o pen
conv-niencias publicas. > smenlo da regeneraco ?
He com todas estas enndic que o par-1 Tinh i-se visto o orgulho do dictador aba-
tido conservador quer quo desomponhem ole"Jo o throno. Tiuha-se piesonceario o
son mandato os deputados que forem tlei- "dar da mais srdida ambicao, recolhendo
tos oelos meios de sui influc icia o impur- Pu,r "'O'os l .dos ignobeis o I uclo de mon-
lanciano paiz ; o eipondo-as os eleilores. [ llJo patriotismo, de perfi los pro i estos ; a
nos emon Biiius que principiamos a desom-' ""1" ouslava a crer n urna Iraico, a iodos
p'iihai leal o rraiicamcnlea cominlssio dif-; 'J[ospeitos infame.
licil, mas muito honrosa, que nos foi en-] NOu .odia porro durar a mesma repug-
cirregada iisncia depuis d aquella decreto. Aopini3o
,. .. ..Igi'ial aeeeitou-o como a I iva lancada au
O partido conservador nao ignora as t| m0liwiia. amoaCi,llJo n;1u m, Ulas
di fliculiadcs que tem de encontrar na em-
lodos os dogmas da sua icligiAo.
I -Ii- -i'li'n iiu.imiii nio poda dei.1l de
ua-ccr dos dictamos do una illuslrada pre-
vi s3o.
Mo direoios agora os fundamentos quo
desde lu'.o justiliciuam similhanlcs insp-
i'a;0cs. A iinpronsa moderada levouaques-
ao ultimo g'au de evidencia.
"Apesar disso, pnrm os defensores olli-
p'nza a qUB se e-rope, e al nSo sabe se po-
lari veno4' na contenda desigual, que so
ol'rece: l'nrque na sun fronte n3o s es-
timos ant'gos adversarios, roas os ltimos
dissi lentos que lizeram e suslcnla n a re
v .|u, ou partic.iam della; e por unse
pelos oulros a hostil pnci.lidadedas aulon-
dad'S, qie ellas nos eslam leNciiand) ivn
lo los os se is actos. cis da liluacflu lom moidido essas demons-
tinham po' isso de viicm ao paiz, 0 partido I ac-editaron> uu pe'ign que os carlistas des-
come vad ii alHiidoua'ia a siluaoSo a todos I cubrirn desde lugo, a muito mili ni renn-
aqu lies quo preseuloroente a susleiitun, te da obra, delineada por toda a contextura
para que do.iois il um duro desengao os | da f uosa ordenanca ; segundo aqual nada
ilud ios, a nacSi, e os homens Unidos o be tSofaoil como flear da caria cousiiiucio-
cui resolucdo podess-un oonlieceros prni-i nal apenas 0 nume, ( so laulojpor decen-
cipios qu-luili im :c escoln -r o su-l.enlir,| ca, ou para pretexto, com que S) posssni
illudi,- ulguus reparos, ililVa.cntes d-aq-iel
les que os regeneradores esporam acabar
e quaes eram iseooveoieoeasdalodo
Mus o partido conservador tem oulros
doveros, o, anda nooasude uo vencer, os
s-us i'abaihos, HcarSo sen lo um protesto
Solemne contra todos os actos violentse
Injustos d< revolta, afioi da naijlo so icir
habilita la em mitra algumt occasiSo legal a
fizer. movida das sois maiores proc*ades(
justiga que fr devids a l idOS OS parlidos, V
a lodosos nouicns que t'in dirig lo, e an-
da h u'Ofern de dirigir osseu* destino*.
i A i-ni lena qi,c o psrli lo i- ni- rva lo
levanta no loampamoito eleitoral i>> ttm
pos a signifleaojio de nenliuns liomons.
l-.-tan esc pos iii-lla sement os nicos
principios, segundo OS quaes cilo eutunde,
que se po sustentar a moiiarchi, e u na
.-ii- ia o ii ni govonaJa ; contra as quaes
cstunus ven Jo aquellos que o cnefe di re-
volla prociaiuou, o quo depois foram acei-
tos o ampliados co n o all-trio m8 duspo
tico e-Ios decretos dos minisil'os, que s
im, uzera n ao throno e ao paiz.
a A i' nulo ra que o pariido conservador
leva da iic.la luc a tem por tanto, orno ja
expuzemos, a aignidcacio da esiabeii tale
da carta, cuino le fuu lamental do e-lsdo. e
a da sus reforma nicamente pelos meios
que nolta estwn cslabeleculos, porque esse
lucilo na poje ser lomado, iiedi porlendi-
do, o nem oxeteido por uinguein, por u i
de revolta e nioiins, a di couservacSo
la moiiarcliia e de Indis as COndicOilS da so-
ciedade, a da obediencia c da disciplina
do o..- cito, da observancia de loJas as
leis do estado, que a inuiaii lad > e a jus-
lira nos partidos leja ii uuu ve da ic, o res-
peuadu o direilo de toJos os cid>d3os.
So o parlido conservador SoCCumbir na
lucia em que vahe cnlrar, o lompooascir-
cuuislaucias explicarse a lazdo poique nao
Vence i, o qu -lia purquo poje Iriuuiphar u
guvernu que esta ijingindu os destinos dos-
is afio. Fioai enlo com a saliafacau
de iiaver smenle cumprido os s US devores,
Oom a gloria de Oilo it-rabiudonadua sua
do que i' i 'i o pudldo 11/- r de uuiie os pu-
uhaes dos salteadores e dos amantes closos. Era
tao grande o temor que se tlisba delle que nin-
guem ousava cunfessar publicaiueute o odia
que tal malvad i Ihe inspirava.
A condessa pareca dislrahida.
Escute, sebhora. disse o coude, que estou '
clteraudn ao ponto luteressanle, escute!.. .
-- Por lim, conliuuou elle, este luiseravel
niaioii uu antes assassiu-m um inauceoo de j
gi-audc ,.pean., a, que iusultara, sem ter para |
isso o menor in-itivo Essc mancebo linhi dous
ir na os, os quaes resolvern! viuga-lo ou mor-
rer por elle; ambos cavaram urna cova no lu-'
gar em que ae propunliam receber seu adver- I
sario, >e euviaram-lUc um desali pala o dia '
seguiute.
Aesse dia (escute beni isso, senliora, luler-
roinpco o conde! clles acbarau-sc nu lugar
marcado, munido s cada um de urna espada e
acharaiu o espadachn! armado com a sua, s e
ciuiii i-I em sua destreza.
Se quercui couibaitcr ambos juntos, con-
sinto ni..o.
Nos combatereinos ambos, porm ser um
depois do oulro, respouderaui ellcs. Esta cuva
que abriinu uiustra-lhe bein quaes &;io uossas
unen toes: ella he destinada aus vencidos,
Juaesquer que elles sejam ; pois he larga e p-
e comer a todos.
ii inais velbo poc-se no recto, e ao piiuie-
ru golpe que lbe atlrou o adversario, foi tras-
passado de parle aparte; eslava mono! seu
irinao pegou-llie por um braco c arrasiou-o
para deuiru da cova sem derramar urna lagri-
ma; ao depois poz-se uo recto por sua vez e
quer fosse acaso, qur fosse o elicito de um es*
torco desesperado, ferio o espadachn! uiorlal*
meuie. Enlao elle o puia igualuieutc por um
braco e aira.la-o para a cova na qual o lanca
ainda vivo junto do irinao niortn,
Vivo?,... i-tcljinuu a coudessa... Quebor-.
ror!
Sun vivo, respoudeu o conde, c laucou so-
I;re elle Ierra al que licou Inlcirameuie cu-
beilo.... Nao acha isso justo/
A condessa nem reaponder olbeu para o ma-
rido com olhos espaulados. Era isso ao por do
sol.
- Porque rasao olba assim pan inim ? per-
guulou o coude; acha acaso que me pareco
com algiiem ?
Sliu, responden enlao a condessa ; mas uo
posso ua i mi.o ii/., i-IIh' com quem.
-- Com una de suas victimas, senhora ; mas
ellas sao lautas I ... todava nao be de presu-
mir que tetilla perdido a Icuibrao.a de Luiza
de Lougueil.
Luiza de Lougueil! csxlainuu a coudes-
sa...,
Eia niiuha Irmas! enclaniou lambeiu o
conde, mas com una voz de Iroviio, miaba ir-
ii.ii que a seuliora malou l'aulo de Foresta
que morreo prla seuhora em urna ierra estrau-
geira, era meu irmiio! De Lougueil ao qual a
seuhora rouboua rasao, era meu cuuhado; ai-
lu todos os nieus prenles foram vlciiinas da
seuhora. O espadacliiiu que aeineia a desgra-
na e o terror uas familias lie a senhura o vio-
gador. soueu! eu que leulio supportado lan-
os males sem inorrer, eu que arruinei seu
bauqueiro din risco de arruinar-uie a inin
proprio para obriga la depois a lancar-sjeiu
nu-o. lu no.! Fui eu que para obl-la, aacrl-
tiquri o Ululo que comprei com uieus beus ;
mas linalmenle tenbo-a em meu poder, a se-
nhora perleuce-uie eui corpo e alma, e estou
decidido a pagar-Hic inorle por morlc, a preci-
plta>la no abysiuu!
Para oude me leva eulo ? perguntou
anda a desgiacada.
Para a sepultura de meu cuuhado. o qual
est anda vivo!
Perdoe-me! perdoc-mc' cu Ihe peco.
Nao perdo, respoudeu o linplacavel con
de ; somos ebegados.
A canuageni paron com elteito e o coude
empiiiiuu com violencia sua esposa que lula-
va de balde para nao decer; ao depois el!
fes eulrar coinsig-i em una ca.a isolad.i. A
conles-a subn lu comra sua voniade os de-
gi is das esoadas, ouvta a voz de um louco que
profera palavras sem ne.io misluradis com gil-
los e Usadas eslra vagantes.
Para onde me leva enlao cxcljuiuu ella
pela leiceira rea,
Para a sepultura de meu cunhado, reapon-
lim o L-uiiie, Que leuie? nao est a seuhora
com seu esposo ?
com os meios suasorios da forca, e da perso-
guiOalo leroz.
.Nao presumimos agora, uem de Ir dar mala ,
lus ao qu de si lie Uo claro, e tflo diffusa*
inonlc lem sido tratado poi to-Jos os joruics
do partido mo tarado ; nem Uo pouco de r
Icvanlir io norsus, rin quc.n nii leve alma
cipaz de os sentir, juaudo decrelou a coin-
pli-ti destrui(j da lei lundainental do os-
ado.
Queremos nicamente fazer nolsi aus de-
fensores d'aque lo venerando cdigo das
uossas liberdades, que he tal a torca das ra
mi'si|ocus levaram a temer pela surto do
llirouo e da casta, que os seus propnos al-
guz s se vua ai obligados a coul'ossa-la pu
mica e solemnemente.
Uusndo lallnsse outo Ululo de juslilica-
clo au partido carlista, i--! s o pona a co
beito de lodas as luvoclivas, c-nn que o icm
iniui i. a lo aquellos mesnios, que depois
vicram a-forcar-llio as ras -s da opposic,3o
feta aociladodccrelo de -JO de jolino, o ao
oulro dei6 dejuilio, quo em nada alicrou
o peusaiueuio primoriiai n'aquullo, suguudo
os enuiusiasiicos emboras, que a si, e a lo-
dos os seas, deu por isso o jornal munito-
ria!.
Oulro governo qun nao fosso o dos rege-
nerado es, e que nao houvesse MHltldo
compromissos com OS ho nens descloinbio,
anda quaiMo por urna cegueira, ou por una
ii M-lli'x.iu, livesse cado em sancciouar os
principios que la estilo incluidos nos doiit
Celebras decretes, abrirla os olnos leudo o
que nos vamos copiar; emedilarii sisuda-
neiite uas rellexos que n.i i pude deixar do
suggerir o que ali se encentra escripto.
He uma conlis.no, nem se quer provoca-
da, m.s que a propua consoUoOM arrancou
a quem mus lucrava em a nio fazer. Con-
liss3o n i de um adversario s, mas de uiui-
losde luios os que assgiiaram, como
c mi ii ...i i i-.-'i .o-! progressistAi y rasn:
Isso be horrivcl!.... Elle est louco, dissi.
ella.
A senhora o curar, respoudeu o coude.
Fallando assim elle abri a porta de urna c-
mara que eslava illuiuuiada por un plido cla-
ro, e einpurrou para dentro a coudessa, a qual
achou-se euiai ein frente do espectro de Lou-
gueil com seus olhos espantados, com seus ca-
bellos eiiibraoquicados esua barba ein desor-
den!. U espectro recua de espaulo, ao depois
volia c d um sallo como um ligre ao aspecto
de sua victima.
A condessa quer fugir, ella cabe; levaulam-
II l I'iI.HU l'-lll I ...
Prodlgallse a seuhora os meamos cuidados
que a meu desgranado prenle, disse Ii lamen
le o conde antes de sahir a um medico que
ni an Km .ii nu o. Uc mu mal de familia, elles
se rccoiiheceram.
-- bolla, nao achain que ininba viuganca
val.; a do Sr,? ptiguufcuii u atoubecido logo
que liudou esta uarracao que comparava com
a miaba.
Nao respondemos a estaqnestao, lauto ac li-
ulia augmentado ainda o uosso espanto; Unto
a pliysiunouila, o lom, o aspecto Uegmatica
uicule lerrivcl desse homem parecan! dizct-
iiii. que era elle, elle mesmo que tlohacou-
suuimado e.i i viuganca, que liuhamos diantc
de os o coude ; todava elle nao oos disse na-
da uials, e retirou se aileocloso e sombro para
seu cauto como d'antea. NOS nao o inlerro-
gamos; demais he de presumir que elle nao
nos leria respondido,
Quaudo uos rcsubellecemos um pouco du
terror que a lu.lona do desconhecldo lisera
correr em oossas velas, o coiniulssarlo da ina-
linhadisie depuis de algum lempo de silencio !
Ora bcoi! estamos I ai los de melodramas
c de tragedias, pcriuilll-ine scohorcs,quc vos
sirva um eulreuiez para fechar nusso seruo ou
aotes nossa nollc; pois vejo que de uarracuu
im nai i acuo estamos per tu de ver o dia aeiu
termos dormido mu s insume. Ueste modo
na hora em que estamos, se mliilia historia foi
um saporfico, ser aluda assim de alguui
valor.
(Conliiiuar-je-h.)
MUTILADO
m


"S1
.o ora um
~Vitriota, e Re-
aran clles oie-
mes.
gen*
/Vqoll
gti i
O |i tem ..lostrmlu o moslri que nlo
sito por elle involvidus nas retornas di
" ctrli illaragrio essencinl dos poderes po-
lilieo, nem slgama offensa do direitos
di rainha.
Qua oais lio preciso para rospondermos
aos nossos detractores?
No serio alterados esencialmente os po-
ros poltico!, nm sodrorSo offensa alguma
os direitos da rainha, nSo porque deixen de
estar snbjeitos, uns o outros, ao alvitro .dos
oovos eleitos nito porque deixen da estar
comprohenlidos nt extenclo do mandado
que a ordenang Ibes concodeu ins proen-
r:ifi)'si|inmindi passar; mas porque os
deputados elaitos tarBo presente qus o
pan tom mostrado nSo serem por ello in-
volvidas as reformas da cirta a alteradlo
egsencial dos poderes polticos, nc n offensa
alguna dos direitos da rainha, como dis-
se a commissSo eleitoral progressista. (!)
Estira ou nSo ahi o abysmo que os car-
listas temen:'
Correm ou n3o correm perigo o throno,
o a lei fundamental da monarchii, entre-
gues, n'esse vago e indefinido do mandato,
ao capricho, ao pnrenesi, e porveiitura ao
ciumed'uma cmara disericiouaria, verda-
doiramonte constituale .'
He a propna connissflo progressista que
appella, ein boa ou en m f, para a apre-
ciacSo das opinio s do paiz, sem so atrever
a tocar nem levemente no ponto importante
da questao actual; porque n j > pode Jesco-
nhecer que la existe o vicio, l eslu o peri-
go, onde nos o consideramos.
Ser coin esse banal appello da commis-
sSo para os seulinionlos do paiz, que su ha-
de responder a una cmara, quando olla se
decida a fazor uso intoiro dos poderes lili-
mitiilos de que se acharam investidos os
seus membros.
Deixar ella sendo compcsla de soten-
bristas de so querer prevalecer do direito do
seu mandato escripto, para considerar mais
do quo as Torcas d'elle, os argumentos das
maniTestages do paiz, a que tito sincera-
mente recorreu a commissSo eleitoral pro
gressisla, uo seu intuito de atteauar a m
impressSo, que ten feito no espirito publico
acilada preparada pela regenerado, pira
entregar o throuo e as instiluiges aos seus^
inimigos? .
Pondo, porm de parle ludo mais -- que
nosobrgiria a divagar demasa Jo o exame
ilas circumstaucias a que os regeneradores
nos cncaminham-- perguutaremos nica-
mi'iHu, porque ras3o fui, que a commisso
ostensivamente quiz prcJispor os nimos
dos seus eleilores, o dos seus candidatos, de
forma que desviasse toda a suspeilasde que
as cousas podenain vir a cncaminhar-sa pa-
ra o ponto a que de certo s> dirigem, sendo
Coi porque recorihece, que efTeclivainento
l esta no mandato a insidia com que se
Ambos os partidos sJo conhociJos polas i Marqun d Frontilrt, Presidente
suis iloulriuas o pelos seus actos. Nennu- I Dr. Antonio Corren Calieira, Secretario.
na illusBo que tentn, nenhum rodeio qncl Lnii kuguiln flabeloda&Uvr, Secretario,
usen), pode mudar-Ibes a phisionomla. Jn|(r# adhuit twanima t udt a conminlo
3uer procederoela orden e pela Iegali ladejwnral.;
O molbormento ilo paiz : o outro perfl-j (Do EitoiaVre.)
2*
ras li'in proclamado a forga como direito, a
reveltacomo principio salular, a illagalida-
de como exclusivo ciminho deobterasre-
formis. Desda 183* at hojo, os Tactos e a
pardos Tactos os escriplos nais authenti-
cos domons'ram que estes Toram sempre os
expedientes empregados para-assaltar o po-
do- e o converter em ruina e desnoralina-
mento, com o falso nome de progrosso, que
he a aceito constante e coherente de todos os
elementos sociaes, e nflo a impetuosa tor-
rnole dos males o discordias quo traz con-
sigo a confusao violenta d'ellos.
Seria una injuria uaclio nju'gal-a capaz
de so i.ln lir i ponto de justificar com o seu
voto a orgulhosa disignaelto de parli lo na-
cional que tomou pira ai osla escola. So
ESCREVE-LIIE OSECUINTE EM DATA DE
29 DE SETEMBRO.
A Talla de lord Palmerston em Tiverton
tom il iln occasiSo a commentns lias folhas
desta ciJade ; cis aqui o que sobre ella diz o
t'.onslilucionel.
Lord Palmerston tom razSo em dizer aos
eleitores Tiverloo que o quo excitara mala
que ludo aadmiragilo dos estrangeiros om
Londres Tora o esretaculo de orden que ali
testemunh9ram sen desenvolvlneoto mili-
tar, meramente em rospo'to a lei. A Ingla-
terra n3o precisa de centenas do milhar de
homens armados para preservara tranquili-
da lo publica, bistSo-lhe para sso seus po-
Tormaram urna illimgs A populadlo prus
siana levantou-so enthusiaslioamonte vox
de Frelerir.o Cunerme III; a lula durou
os anuos de 1813 o 18(4, o terminou com
a desiruigio do i operio frincez pela bata-
Iha de Waterloo. N-stas campanhas o prin-
cipe Guilherme asisti s batalhas de Kitz-
baeh e Lepsic. Na icg3o de Gross-Grors-
chen, que reprimi a ayancada de um cor-
po Trancez sobre Barlio, entretanto que
NapoleSo commandava emDresla, o prin-
cipe fente dos couraceiros de Branden-
burgo rechissou um destacamento francez
e perdeo outro cavallo. Ao depois olle
commindou urna brigada e esteve presente
lia batalha de I.-ion durante a avanca la dos
alliados sobre Pars, e no ultimo conflicto
dianto da capital francezs. Em Watorloo
ello com mandn a cavallara deresorva do
qii irlo corpo dos Prussianos ; durante o
longo periodo de paz quesaguio-sea 1815,
o piincipe Guilherme foi por tres vezes
commanilanto Ha fortaleza do Mogunca ;
om 1830 foi governador general das provn-
Em 18*6 enviuvou, eom
f Canes i mdtncia do Timts. )
PERNAMBUCO
CMARA MUNICIPAL.
caos com saus baslSosinhosque pclamaior
parlo conservan occullos para a presenta-los cias do lneo.
outra ve'z ainda, abusando a boa f do povo, Sme"tB "ocizu de neeessidado ; porem se- is9 perdou seu filho, o principe Wilde-
eillaquiando-a com promassas e juramau- ra ,40 CJ,mo a,ir.m""' o resultado da mar que duranlo suas viagens pela India
superiundade de suas lastituicflos sobre as tomou parta as operaefies contra os Sikbs
dos outros paizes ? Tmanos a liberdado dobaixo do commando de Sir llenrquo Har-
de nao ser de sua opiniSo e peusamos que dinge. File deixi um filho e duas lllhas,
a Franca por exeinplo, com quanto seja o- o principe Adalberto, Hara, rainha de Ba-
bngadi a pormanocer dobaixo do armas viera, e Isabel, casada com o priucipe Car-
coiiira as empresas das Tceles, ho todava los de llone.
um dos paizes, cuja constituido social ne-
nosdo.i.i oll'erecer pretexto para novas rovo-
luciies. Por vqntura acha-se em Inglaterra
urna applicago uto larga o to gcral dos
principios da liberdade civil e poltica? Te-
mos nos urna aristocracia privilegiada? He
acasoosoloentrn nos a proprieladede 30 ou
*0 mil familias? Ceilimente quo nSo. NJo SE.SSA'0 EXTRAORDINARIA, DE 29 DE OU-
ha mais cm Frunce nonhum vestigio de pri- TURRO DE iSSt.
vilegios e distingOes de Nobroza. O solo he Preji'deneia do Sr. Olieeira.
dividido entre onze milhes do propriet.- VrtKM a, Sr8. MalncdCi Carnciro Monlci.
nos; elle perlence oin grande parte aquel- ro, tranca, e Pires Ferrelra, fallando aemcau-
las quo o lavnm, e ho essa vasto legiJo de sa participada o Sr. Dr. Sama, e com ella o
lavradores proprielarios, de camponozes, inalj Srs., abriu-te a scsso, efol lidacappro-
como os chamara, islo he homens dos dis- vada a acia da antecedente,
tridos ruraes, quo forma a base da ordem Foi "d o aegulnic
social e do poder extraordinario da Franca. EXPEDIENTE
Por ventura nSo se achara no commer- L'm ofllciodoExm.Sr. presdonte da pro-
co e as manufacturas a mesma extrema di- vincia, devolvendo a planta do novo mata-
visSq do fortunas qua na propriedade ter- douro publico com o relalorio da commis-
ritorial ? Nos coutamas niio menos de sSo encirregida do dar seu parecer sobre o
1:100,0*0 pessoas que tem patentes ou licon- mesmoobjeclo, e recommendando que con-
(a ii i.i commorciarem, e o que sao ellos, siderandoc discutindo esta cmara o que
pelo maior parte ? Obreirosquese tem tor- do parlencente materia ponderam os me-
llado manufactrenos pela forja do traba- dicos emdito relatorio, e ouvindo mesmo,
llio, da ordem e da economa. f'cn acaso so julgasse conveniento, lguns outros vo-
nossa populacho agrcola que invejaron nc- tos professionaes sobre a questSo sanitaria
nhum respoitoa soitcdasclassos correspon- que se liga ao projeclo do matadouro, ro-
deles em Inglalorra ? NSo o pensamos. O solvessenovamentecomo melhor entendes-
progresso que o pauperismo vai fazendo en- se a respeitu da localidade o mais con licites
tro nossos vfsinhus he notorio, o duvidamos da importinto obra, que so tem do fazer
que o systema de casa de trabalho possa attonuendo sempro aos inconvenientes pra-
ser impjrlado para esto lado do canil. O ticos, que no circulo positivo das funcefles
quo lie ceno lie que em nossas ciladcs n3o administrativas enenntra as vezes o voto
se va a mesma lernvel miseria quesa ve as abstralo do homem scientifico, que nito cal-
grandes cidaJes de Inglaterra; nunca ja- cula em todas as suas rolaces a aplicaco
mais ninguem vio em Pars homens to es- do un ideia oflerecila tamiolstrafSo pu
farrapalos como em Loudres. Dostas con- blici.Que fosse dito offlcio e relatorio ro-
sioragiJes pdese concluir que se as cas- mettiloa commissSo especial dos Srs. Car-
ses mais altas do povo mostrara um sonti- neiro Monteiroo Manedo.
ment do obediencia que nflo exista entre Outro do mesmo, mandando pr nova-
us, nao he isso devido a serem suas insli- nenio cm praca os alugueis das casas sobre
tuicoes sociaes superiores as nossis. A ciusa queversam o requerinento de Ricardo Ito-
deve
pinia
e
los, conseguiu apoderar-so do governo, o
modo por que tem geriloos negocios p-
blicos o os attontidns a quo se alreveu con-
tra o Cdigo Fundamental, nitopodemdei
xar de a precipitar em brevo do po lor, por-
que a base d'elle nSo se lirma na juslica e
na Ini ; mas na forra, na dcsorgauisarj3o e
no arbitrio.
Dopois de prometter a liberdade da urna
e de ter decretado a roforma inconstitucio-
nal da carta, o governo ousa conservar os
poderes diclatoriacs que exoiraram apenas
foi convocada a i; e; t para o aclo eleitoral.
fen lo n i in.to a forfa publica, sem respon-
sabilidade possval, sequestran lo as garan-
tas polticas o destruindo a divisSo dos po-
deres, fra da qual o governo represautati-
vo nflo existe, manda oleger os deputados,
velando o arbitrio e a forca com despreso
das lib'rdades publicas sobra o adornis
solemne do povo porluguez e pesando so-
bro elle armado das influencias illegaes que
encarra a dicta lura inconslilucional e exor-
bitante que soirremos!
Este poverno fra da lei pela temeraria I
sustenlaco da dictadura perante o processo
elcit >n I e polo altela lo do decreto incons-
titucional para a reforma da carta por um
po ler constitointc e quo ella nito conhece e
n3o admiti, nito duvdou proporcionar ao
part lo cx.iltilo todas as facilidades para
alcancar depressa o objecto das suas espe-
rances. Pedinlo-llieo sil-ncio para os ac-
tos illegaes om que dianamonle incorre,
procura, esquecido do ludo, arrancara na-
e.l'i mu vol cot que sniicciene as un providencias que projaoll para consolidar a
sua exisleucia no poder c lov.ir ao lim os
planos subversivos, corados com o especioso
titulo da re ir :iv moJita las para arrasar
pelos fun lamentos as instituicOes a come(ar
pela carta.
no proco de -20,800 rs porque canproo o
milheiio da tyjolo existente no camiterio,
por se acbar a maior parta delln reduzida a
pedacos eser dapeior qualidadopossivel ;
a commissito de edifleacao, as petices,
vindaa da preildencia, do Jos Francisco
Tavares e Jos Mamede Alves Ferreira, re-
Suerendo titulo* de aforamento de terreno
e mariulia.
Foi arrematado o imposto sobre nscalos
e boceteiras por Antonio Concalvas de Mo
raes por 400,000 rs.
Ad-itou-seo lauco de 1:553,000 ri. dos
contratadores do forneoinento de carnes
verdes sobre os dez acougues da Boa Viola
o a ribeira de S. Jos, obrigando-se ellos a
lie aro m cot o restante dos lalhos pelos pro-
cos j oQarecido, o a fazeren na dita ribei-
ra a obra constante do desenlio que apre-
sentaram, deixando a cmara de aceitar o
ofl'orecieiiio da nai* 1.000 rs. sobre o
referido I meo que fez um individuo,
on vista das vantagens offereciuas pelos
outros.
Mandou-se submeller a arrematado a
approvacBo do Exm. presidente.
Despacharam-se as peticOes do Antonio
Alves da Fonseca, Ancelmo Ferreira ('.ama-
ra. Frederico Chaves, Francisco Cabral,
Henrique Guibson, Joa |uim Ignacio Ribelro
Jnior, Jos lligyoo de Miranda e outros,
JoSo Ribeiro Possoa, Joaquina Maria da Con-
ceicrio, Ignacio Manoel Viegas, Joaqun Paes
Pereira da Silva, Jos Joaquina Pereira, e le-
vautou-se a sessSo.
i u Joo lo,,'- Ferreira de Agular, aecretario
cada difl,M; cada hora 3,380,
uto i3 e cada segundo 1. Estasi n.?J?" '-
eonpeuida polos nasciroenlosVciuV ..
nnrntimadmni,. nm ..;___ Sua S8o
O
aproxoidanento nn"Vgessimo Xt if
norrem. uus Pie
" Al pesio casadas viven mais t*
que as eelibatarias, principalmente
ipo
W tem
urna cooducta activa e aobria. o. hn""u
de estatura alta duram mais que o,J!"s
nos. As nutrieres at 50 annos ten mS
vantagens para a oonservaclo da existen,
do que os homens, as passado cata ^l"
a sorteest a seu favor. P0C1
" O numero de casamentos est oalcni.a
na rulo de I7S por 1,000. Os casamenta
sao mais Traquete* perto dos equinuciT
isto he, en.junho e dezembro do qua '
outro lempo. Aquellos que nascem na nr
nevera sao ordinariamente mais robusin
Os nasoimentos e a morte, he mais frequn'
tedeooite. iUBn-
" 0 numero dos homem em estado d.
pegar em armas, calcula-se na quaita pi
da populacBo. ,"1"1
f Estandarte, i
COWMERCIO.
ALFANDEGA.
endimonto do dia 11 7:810 331
Dcsenrrcgam kojiide novimbro. '
Barca porlugueza Ligeira mercadorlaa
Barca ingleza W. Hussell dem.
Brigue sueco -- Sevr farinha de trigo
Brigue francez Eugtnie vinho.
1'roclamando.i refirma dacartaconsttuci-
quiz abrir o cauinbo, na bypotliese do Iri- [onal da ir.ouarcliii como fonte de paz, da II-
umpho eleitoral, aos conpbeus do partido berda.lc.do jastial,deeconomla.demoralida-
oxulladoi' dee derespoiloas Iais,|irocu'aconi pomposas
Aquella extraordinaria advertencia da phrases oscon ler os seus vjrdadeiros desig-
1 imiiii.-N.io eleitoral valo o mesmo que di- nloi, sedozr os povos para os obrigar en-
zer ella. ganadooa firmar pelasanccSo nacional as
t lie verdade, que a soberana da rainha, illegali.lades obti las pelo imperio do arlii-1
nlodososdilTircntoscapilolos, os mais es- tro Ilimitado c da ambic.to insaciavel.
senclues, dosyslema representativo da car- O maior allenlado ha Je corto entregar a I
la, foianisu:ncltidos a librrima aecuo da socieda le ao conflicto das paixoVs ; erc-|
cmara electiva. formada a carta inconstitucionalmente,
Podom sortrazidos discussio; podem quaes
serjulgados inconvenientes, do primeiro ao lumte
ultimo; poden ser elimina los do contexto eque,..
da carta, ubstiluidos, ou emendados de fnr- mais audaz, porque depeu Je so da si, o no aa lac" depois dos aconlecimontos quo de 60
na, que rique degenerada a monarclna cdigo nao cuconlra obstculo nem defosa ?"""iu a esta parte si ten succodidu un aos
'ouslilucional n'uma semi-republica, polos Oque licara da carta oda monarcliia? Qae uu.3* ..
leos. futuro nos espera ; que direitos e garantas V 5,ece S0Dr0 nesno assumpto diz o sj-
II verdade, que nao se poier con- nos conserva-n? Opaiz subjelto vaga au-',uln'9-
testar aos eleitos do povo o direito de re- ciadade de una crise indefiuidads, foi o j^" B|*am.0f ,
solveren, segundo suas opiniftes, sobre os noio mais opporiuuo quo o gevarno dcsco-
ponlos mais graves --qua todos podem ser brio para firmar a ordem, assim cono as
propostos para ser emenda los ; visto que o persegoices civise militares, l'oram o mo-
mandato do mesmo povo en nada reitrio- thodo mais fcil do explicara tolerancia,
goessa faculdado aos seus representantes anuncia la nos seus programmas !
Rasito tem os cartislas para rece, ir d'essa A fazenda publica desorganisada, a recoi-
Reparligo da Polica.
PARI'E DO DI i 27 DE OUTUBRO.
Foram presos : ordem do delegado do
primeiro dislricto deste termo, Joo Agos-
tinlio dos Passos, por insultar a urna pa-
trulba ; a ordem do subdelegado da fre-
guezia de San Fre Podro Goncalves, opor-
tuguez Antonio Pereira de Oliveira Maia,
por comprar objectos filiados, e o preto
Paulo, escravo de Jos Paulo da Fonceca,
sem declararlo do motivo ; orden do
subdelegado da fregueaia de Santo Antonio,
Manoel Antonio da Silva Amorim, e Anto-
nio da Rocha, por crine de offeasas phisi-
cas ; orden do subdelegado da freguezia
de San Jos, Pedro Jos, Ladislao Francis-
co da Gloria, e Manoel Francilino, para
recrutas, Antonio Jos, Jacintno Ribeiro
Mneles dos Sanios, Jos Manoel, o'sescra-
vos Jos, Guilherne, e Paulo, som decla-
rarlo do motivo; e ordem do subdelega-
do da freguezia da Loa-Vista, o preto Elias,
escravo que foi do finado Jos de Albuquer-
que MaranhSo, por haver espancado a urna
iniiiiier, Gaudino Pereira de Lira, para ave-
riguares policiaes, c o escravo Manoel,
por ter sido encontaado con uma faca de
pona.
DEM DO DIA 28.
Foram presos: ordem do delegado do
primeiro dislricto deste termo, o preto Po-
dro, escravo, por ebrio ; e do subdele-
gado da freguezia de San Jos, Joilo Bap-
lista, som declararlo do motivo.
DEM DO DIA 29.
Foram presos: a ordem do delegado do
: ser procurada na ililforeuca da moral e iuaido da Siiva'o"out'ro's7o*a" propsTa dos I Primiro districto deste termo, a preta The-
lo publici. O seuso moialdipopuli- conlractadores do fornecimento de carnes resa. escrava do Joso Vicira de Figueiredo,
asubjcrcvl, CHIMira, presidente. Mamtde i f1?11? nglez lVnr Baine- becalho.
Franca.Curniirooitiro.-ffarroj. ,llate brasileiro Ltgeiro- farinha de trigu
Inipoitaciid.
Polaca Tranceza Eugenie, vinda de Cello.
consignada a Le Bretn Scbramm & Com-
panhia, unnifestoii o soguinti :
159 pipas, 60 meias ditas e 109 barris vi-
nho, 25 ditas e 50caixas azeite de Oliveira
14O0O killogramna sil narinho ; aos con-
signatarios.
Brigue inglez W|t0r Baine vndo de
Terra Nova, consignado a Johnston Pater &
Companhia, maniTestou oseguinte:
2503 barricas bacalho e 100 gigos bali-
tas; aos consignatarios.
CONSOLADO GERAL.
Rendimento do dial a 10. 1:831,246
dem do da 11........ 506,261)
2:537,506
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do da 1 a 10 .
dem do da II......
3*,3I2
41,931
76,243'
cito nao tom sido pervertido un Inglaterra verdes, licanJo subsislonte a mesma pro
comoon Frang por uma seria do revuluefles poita na parte rotativa s rendas que nSo
da o que pur muilas vezes te n saludo li 10111- houveram concurrentes, e sujeilando-se os
fazerem prego
em questao.lntei-
iser.lo os limites dVsse poder c >nsti-1 ^>"M di lula. Nosso dever presento lie res- nesmos coiitractadores
e, Ilegal, exorbitante que ella rojeita laurar a autoridade sua ascendencia e seu- separado sobro as casas 1
i por isso'mesmo se tornar absoluto e Prest'gio,eisso infelizmente nao he u.nacou- da.
* .... >:l l.iml I......... .Ini ......i ^.........i ... ..... 1.. 1 .> V Or. ...i .,1 1. i... on
mge da desputar a verdade
Outro do mesno, approvando, em vista
do que a cmara llio oxpoz em oflicio do 21
do correnle, que se enlregasse Antonio
Goncalves de Morad, com as garantas ne-
cessarias, a arrecadagao do imposto das
aferigOis, visto tor offereci lo mais 1,000 rs.
dos elogios fetos por lorJ Palmerston ao sou sobr6 o prego da ultima arrematag3o.Que
paiz; porem 11J0 pido.nos consentir om S9 C||t'egassi, e se expedisseordom con-
converte-los, cono l'iz o ~ Journal das Da- '"doria para passar as letras do costumo.
bals, contra a Franca o contra a rojubli- Outro do mesmo, devolvendo approvado
ea. A Inglaterra ha prestado immonsos ser- o plano da nova luira de catacumbas do o-
vjgos a civilisagSo, porem tem feito sso de n,'lorio publico,-- Intoirada, e mandou-se
sem declaragSo do motivo; I irdem do
subdelega lo da freguezia de S- loe, Flo-
iin la, escrava de Isabel .Mara d'Arruda,
Isabel, escrava de Justino Pereira de Farias,
por desorden!, Amonio Pedro, e Jos Perei-
ra, por briga ; ordom do subdelegado da
freguezia da Boa-Vista, Fauslina de tal, e
Francisca Maria das 1.hagas, para e 11 rec.lo,
e Joaquim dos Santos, para recruta ; e
do subJelegado da freguezia de M ui i Inca,
Anlouio Florencio Demolas, som decla-
rago do motivo.
DEM DO DA 30.
Foi preso, ordem do subdllegado da
freguezia de Sin Jos, Mjdo m 1;..... s Cir-
1K110, para recruta.

illimitadaliberlade,ilada"pelairdenangaaos la diminuida; a despeja augmentada em ">'nodo cgoisticopor dinhe.ro. A Ingletcr- ??***'*. ?'iem a0 procurador para nanda-
novoseleitos, em qnanto ao uircilo de quo ceios de contos ris ; nanhuma providen-; ra,lle unagrando potencia, pore n so desoja encaixiiiiareexpor.
ollesvaoser investidos, por obra c graga ciagrandae til: neiibum rasgo de genio Jng". do mrito comparativo das duas na- ",lro dos 'embros da commissSo no-
dos dictadores di reganeragao. que mostr os horisontcs d'una poltica coos 1'boracs, pergunte-se ao povo do velho I""", esta cmara, om virlude do art.
Mas u3oa contecera a-sim. Os procurado- provident; o ere lito arruinado;* amoa 1 ^, novo mundo.--Con quen synipatisaos /,7,0/?.l.*m,',l ..em,.terl:.mt"8."
res do povo bao-Je s^r gen rosos. NSo serio gado poninos ordenados cereaados dos
esscncialmcnU-alterados os poleres polili- servidores do estado ; os emprestnos sem
eos da carta. N:Vi soflreram ollensa alguma publicidade; cni lira 110 exercito e na ad-
osdireiiosda rainha, porque o paiz t-ni inmistragito civil a ennfuso, o arbitrio, a
mo>trado e mostra n3o seren por ello iovol- suspcns.Vi das leis, e o lesgos:o goral, taeslf8 a Frango se levahta e reclama s-us dirci- 3r; veroador NatvoJe.
vidus na reforma esses captulos do crodo so os feudos da uicladura, cujas pomos .os> tolas as nagocs se levantan timbera ? ouiro ao ii.-cu ue S. Jos, remHtondoo
cartista. u Toram seguidas depresja do mais severo!''-"" 3o 5B liniilao a aplaudir ioiilSo. Is- maPPa das rezas norias para consumo 110
Mas se a '.raduegao d'aquclla alvertcncia, desmentido |su acontece porquo o povo francez nao se 'douro desta cidade, na semana de-20 a
juslilica plenamente os rectos, que temos E,, 0 rnomenlo de vollirmo a traz dVstet00"?8 sumenlc cm ,lar um P0JC0 "'* '> ,, HrCrr,C"te/*2,,,.rln1lelr',11a-. ,
pela soite do 1 aiz, c langa toda a respousa- pr, ? c "om "l" f. *',""?'* ceao o im '"" d' '"Spau ai lo,',johM 8tlcas I Pr .0Aulro ?, '""""'lor interino do co-
eciaicio, pe onde o governo ceg o im- ,,,, p,ocail 0 pr0cima os direitos do toda nilorio, dizendo n3o ter nunca exigido das
mais.com a Inglaterra ou com a Franga ? Se J" sej Parecor a respeilo.Que se ollici-
a Inglaterra emprelicnde una reforma poli- as lica, o mundo olha, admira algumas vozes, por'anteo ben pensado trabalho offeroci-
applaudo muitas, poren n3o se niovo; mas ll0' o que fosse publicado, o reinetlido ao
Publicago a pedido.
Exportaco.
Baha, barca auslriaca Norma, de 506 lo-
nolladas, couduzlo o seguinle : 2000 bar-
ric is farinha de trigo, 9 caixas drogas, 1 di-
ta quadros dourados, 320 colheres do pao o
30 broxas para caiar.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendinentodo dia II...... 387 258
CONSULADO PROVINCIAL.
lieniMiicnto do da 11..... 386,5SS
Movimento do porto.
Navio entrado no dia ti.
Celto -- 56 dias, brigue francez Eugenio, de
1*1 tonelladas equipagen 10, carga
vuilios e mais gneros ; a Le Bretn
Schranm&Conpauhia. Tendo falleci-
do naviagem o capitao assumio o coro-
mando o piloto Juseph Scadeng.
gente, a situagaoa que nos levarara os re
KZ'rrmerrccesnecial vislo nua oor mitin- SSL1 V^Z?*"'' fl,l,1,,,Jo '"'rc- nidada nn sufragiomis iiijdwmlo'MO "Minopoiiao.
Por nerc especial, visto M>b ^mh" ff' W* quo existe nos Erados Unidos da Ampies 2 | Outro do me
de.x.r.nos ho sem que sej.m alterados os^ [s, espeTams "a* ffl. vi?lS J. do '" 152! *JH!**r.* "'.10""0 se co1-
soncialmenle os poderes polticos do es- paiz, que Portugal n3oseir langar nos bra- Oerlim9 desetimbrudc IS5I.
eireito, reslabolecoiido a loi. A Ku- loces, pujc exercor cjm j,e,i ca, na c J" tambem d'ourar os emblemas', que cootni"
tercede a eonmiislo' eleitoral setembristo, rVrVtr'inplJVM principas' "c'o'se'rv^do'. | PB-dndo nouvesse a
ni' 1 i
locasse diariamontc no cemiltci uma guar-
da de 6 DO .nena para prevenir que elle con-
meia i'inuasso a solfrcr insultos iguaes aos que
ldo.(.) gos d'uma poltica falsa, exagerada, c clicia
Por muila generosidade, e por comprazor de perigos e tormentos,
cornos caracteres assignados no manifest, A honra do partido conservador est nm-
llontem poucos minutos antes do
noito morrea o principe Frederico Guilher- | Ihe dirigiram ih tarde do dia2i do corre-
iiiuCirios da i'russia en sua residencia no |lc.--ltesolveu-se negativamonta.
MBriEa>ta0ttmn alo""na rnbn",3r ,,l91,nonsl1,ar !U.,n.e,T2?10 ",hciu rd,if e,,e ert rm5 Jo r-lleid | Outrodo mesmorexpondo u3oso fie-
os direilos da rainiia.l.) nunca desment la ao throno o a lidelida le : ,,10 larcha Fiederico Guilherme
Viu-sojaibalimentoigualaeste? ii.vanavel asdoutrinas da cirtae da ordem. lio do actual rei. Com auan O
Lis aqu os homens, a quem os dictado- Unido n'uma s vontado, crente n'uma s fe, principe tivosso ultimamenla lu
res entregaran! innitos meios do levar ao cunpre-lho sustentar o seu posto e erijuer
lim a empresa, concertida de uma -regene- um muro do bronza qne seja inveucivel pa-
nc3o sui generis, de que n3c baja memoria ra o ltenla lo que violan lo o cdigo politi-
nos nossos Tastos, oque excida toda a ex- co uasua base e camiiilianlo sempro, havia
pectiliva.
eram perigosas de
pou-
as dissid mcias particulares e. co ao tratamento medico, o que llio permit-
iiitercssesdevam ceder aobomjto transportar-sc para llamburgo alin da
1 usar das agoas do M incubad. Re^rossan
_ principe
Adalberto, o o ajudante de servigo. Ao anoi-
tecer sentiu-so mais inco nmodado, o que o
obrigou a ir deitar-sa logo s novo horas ;
Equeren quo n3o recaemos polos p,- % [iZT' "^'^ '"^ ^ Z^X&L!**.
,,Pioqs do ,y/tema, e pe. aorte da parr,a a s.lvag3o do estado he a nossa propria d"res.abalec^^^ ""o^raa!' ceden uT"5'"
1 une vaheda -iinui.-.i em que ella so achar salrag.lo ; -
siluig3oque receanos? os pequeuos
Pouco ceriamente, seo partido mulera- goral o ao interesse publico
do nao empregar tolos os esforgos para lio necassario unido e zelo, he preciso,do ultima"en\e"dairrDra'ca esTavTde-
destruir no campo da leg.Ud.de. corrernos todos, u.n. ; o escolher'nas as- .ermina !o1'll p,X inwr'o na Italia
_________l">t-"an<'"rle) sembleas primarias oloilores de deputados quando dentro la poucos dias foi novanen-
A COMMISSAO ELEITORAL CARTISTA DO <|u,e Prol,fa,n Para representantes das opi-i te atacado da doenga do p.-ilo ; [mo obstan-
D1STRICTO HE LISBOA. AOS ELEITO- l Dl?es croncal vadoras lio uens illuslrcs pelo tie isso andava de p e anda honten jantoa
RES DO MESMO DISTRICTO. i*ab8r' fortes Pe a '"meza, respeitaveis pelo como costunava con sou filho, o principe
Est prximo o dia em que a urna cnsul- ""clere inabalaveis pela independencia;
lado por todas as opiniOes, ba-de proferir V" hu,'Dens dl8,los da causado quch3o-
una dteisfio solenne. Sriaduvidar da jus-l,?" d-fansores/
tica o suppor qpc uma cleigao livre, sea'. "nore do partido moderado tem sido, I pelas onze leve un ataque do qual morreu
houver, possa consummar pelo voto naci- H!*.e,f?",_p.rf era ~ lll"!'u,"l8 coma mo-| poucos minutos antes de uieia noite.
nal a victoria de ambig -s quo non se legi-
timaran! pelos meios legies, antes se arro-
jaran cegamente contra elle-, pisando aos
pi os deveres nais santos, e Temido os di-
reitos mais sagrados.
A lucia eleitoral he entre o partilo con-
sol vador, cuja divisa loi sonprc a carta, e a
escola exaltada que so gloria de resumir a
sua politiea no brago armado da guerra, ac-
1 it ,11 lo como titulo honroso a denomina-
gao de revolucionario.
So estes os verdadeiro?, os nicos com-
lutenles, retiradad'uma piule a s 111 realis-
ta pela voluntaria e publica resignagSo do
recurso eleitoral; annullada a l'rai cito go-
vernativa pela nalureza da politiea quea-
doplou, constituindo-sa moderador inpns-
ivel, e conciliador tortuoso, dos dois prin-
cipios activo c caracleristcns, que n'este
momento disputim a preferencia dos respec-
Ficderico Guilherme lercairo, c ,1o de n3o tor si Jo sepultado em catacumba
amorta do ,da cmara o cadver do hachare! Falippe
gar de re- de Barros da Vasconcellos, pojando o ter
penta, todava ja ora esperada ; ha dous an- ido, como o abuso e pouco escrpulo do
nos que elle perJau a siude robusta de qui alguus parochos, quo passam guias de en-
aniiorpirte da familia goza. E.n margo 'commeud.gSo, declarando que o cadavor he
pissadofoi alacaio do doics no peito, que de pessoa pobre, entretanto quo recebem os
narchia, ordem com a carta, e reforma com
a lei. Con esta divisa, por esto erado poli-
tico pelejou a venceu om todas as lides, e
confia t iiinijiliai- anda iwsta, cuja victoria
espera ser urna das mais decisivas a todos
os resueltos.
A commiss3o sabe, e com prazer o decla-
ra, que nenli'im carlista he cipaz de se s-
quecerdo dever eleitoral cm occasio t3o
grave. A cunsciencia o a regiam poltica
nunca vacilaram n'estesdias do experiaucia
nacional, quo s.to das de eterna memoria
para os pan i Jos pela jubilo do triumpho e
pela satisfagao de generosos sacrticios c-
vico* coosummados !
Eleitores do dislricto de Lisboa !
A victoria ser nossa, porque a verdade,
1 moral, a loi, fl jiiiiiga estilo do nosso
da eimni's-.io
lado.
Lisboa e sala dai sessns
tivos syalvma.se que por forga ha-de i.m [Eleitoral carlista 1
d'elles prevalecer e triunphar. | d'outubro de 1851.
artista do districlo de Lisboa 10
O fallecido principe era o nais mogo dos
lilhos legtimos do Frederico Guilherma se-
gundo; elle nasceu om Posldao aos 3 deju-
Ihode 1783, ecazoue t8j*com a princeza
Mara Auna lo llcssa llamburgo. Ellesarviu
activamente no exercito durante a guerra
com a Franga, a qual terminou Ha desas-
trosamente na batalha de Jena. Na acgilo
que tave lugar em Auesstaet ames dosta ba-
talha, o principa dirigi un ataque de ea va I-
lana no qual seu cavillo foi varado por
uma baila.
Em 1808 enprehenJcH una nisslo a Pa-
rs, pira procurar obtor de Napoleao algu-
na diminuig.il) dos pozados encargos que
tinlia imposto a I'russia pelos termos do
tratado de Filil. O quo olio rio do gover-
no francez desse peno lo, lavou-o a aguar-
dar com esperanga a tompo em que o povo
orussiaoo se levantan i contra o Jugo impe-
rial. A fatal i-ampaiih 1 russi da 1812 deu
seus emolumentos; e bem assim quo indi
viduos ha, que incuiubindo-se de enterra-
mentos, e racebendo da lam lia do morto a
inportancia das sepulturas, tratan de ai-
cancar atlestados da pobreza, ecom ellos
obtem guias gralis, fazendo dest'arte seu
meio de vida.Resolvau a caara quinlo a
primoira parto, quo fosse ouvida a connis-
sao enea negada dos netocios do cemiterio;
e quanto a segunda, ^uc o adninistrador
aprasantasso provasdo sua assergao, para
se po ler solicitar providencias do governo
da provincia.
Foram approvados 3 puoceres da con-
missio de petigOes; un indicando as rasOes
con que dovia acamara olliciar ao Exm.
presidente da provincia, defendendo-se das
injustas irguiges que Ihe fez o conseiho
de silubndade no seu relatorio apresenta-
do no trimestre lindo 110 ultino deiuoho
do crrante auno ; e a outros, opinando que
se infu. m:i.-3c lavoravelnente ao mosmo go-
verno as pretengdes do procurador desta
cmara e do administrador interino doj co-
mit-rio.
Tamben foi approvado um parecer da
commiss3o do saude, dizendo, que raos-
1 rin lo Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior sor
llr.isileiro, seu titulo de pharnacia pode
considarar-se conprebendido no previlegio
do decreto de 27 de oulubro de 1835.
Resolrau a cmara se ofOciassa ao Exn.
presidente di provincia pira aulorisar um
e 111 prest uno do 12.000,000 rs., de renla pro-
vincial para contiaugSo di obra dacapellu.
do cenilerio.
Mandou-se remettor connissto encar-
regidi dos negocios do cenilerio o reque
O Sr. primeiro amanuense desta reparti-
g.tii informe con urgencia abaixo da prosen-
tc, qual o estado, em que se acba a escrip-
turug.lo dos diflcreules livros de registro
desta mesma repartigilo, declarando at que
epocha so echam escriplos, assin cono se
ja tiveram principio os mappas dos traba-
Ihos da adminislragao da jusliga crininal
relativos ao auno corrento.
Secretaria d.i polica de Pornambuco, 28
de outubro de 1851. -- Figueira do Mello.
Cumprindo a orden do V. S., xarada na
poitana supra, tenho a significar a V. S. ,
que, examinando o archivo desta secretaria
millo pudo observar o seguin'o : --queoii-
vro do registro de tuja a correspondencia
om os Exns. presidente da provincia e
ministros e secrolarios de estado, acha-se
smente escripturado at o ultimo de de-
zonbro do anno proxino passado, que o li-
vi o de 10 1,1 a correspondencia con os dole-
gados e subJeTSgados commandante do
corpo do polica, carcereiro e cirurgiao da
cadeia, acha-se escripturado lambam alea
mesma data; que o da correspondencia con
quaesquer autoridades,ou eupregadrr)den-
tro da provincia, que n3o fre-n os cima
uieiir.ioii.idus, acha-so escripturado at o
fin de margo ultimo ; que o da coi respn-
denos com as autoridades de fra da pro-
vincia, acha-se escripturado at o dia 12
de agosto ultimo; que o do registo de pas-
ED1TAES.
Pela adninistragflo da meza do consu-
lado se faz publico que no dia 1* do corren-
te se ha de arrenatar em basfa publica, a-
porta da mesma. 17 saccas de algodao da
proviucia da Parahiba, con 63 arroba* e 18
libras no valor de 3*3,327 is porapprehen-
g3o feito pelo arqniador Joaqun Ignacio de
Barios Lima,servindo de feitor conrerente,
por eslarem ditas saccas viciadas, por ler
encontrado ni occisiBoda qualilicigao ama
grando pedra en cada uma das ditas saccas.
Meza do consulado de Pcmambuco 10 de
oovembro de 1851. O adninistrador.
Jo3o Xauier Carneiro da Cunta.
O llln. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da proviucia de
29 do correte, nanda fazer publico, que
nosdias II, 12 e l3denovembro prximo
vindouro, ir a praga para ser arrematado
perante o tribunal administrativo da mes-
ma thesouraria, a quen por nenos lizer a
obra de um l.nge de caes no aterro dos Alo-
nados na exteng3o do 370 palmos ivaliada
en 1:338,755 rs.
A arromis g3o ser foi te na forma dos
arls. 2* e 27 da lein. 286 de 17 de maio do
corrento anno.
As pessoas que so propozeren a osla ar-
rcniatagSo, conparegan na sala cas sesses
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados p lo meio dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandn afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazouda pro-
vincial de Pernambuco, 30 de oulubro de
1851.-O secretario,
Antonio Ferreira da Aiiuuncigio.
Clausulas espociaos daairemalagfiu.
I.' Acunstruccflo do oses do aterro dos
Afogados ser* feta de conTormida leconi o
saportes icba-se escripturado at odia l |orcamento e planta approvado pelo Exm.
de abril ultimo; e quo finalmente o do re- a. pre,dente da provincia, na importancia
gislro das legitimagoes acha-se escriptura- io ,.3jg 755 IS
.1 1 at o lia 8 lo mesmo me/.. E tenho mais
a mi.) mar a V.S que ainda lulo se deu
principio aos mappas dos trabalhos da ad-
minislragao da justiga criminal, relativos
ao corrento anno, que deven ser dados por
osla roparlig.io, na fu.-,na do artigo 176 do
rogulanenlu n. 120, do 31 de Janeiro de
1812, e cuja conTecglo deman Ja muito lem-
po, cuida lo o atlengSo, para qua sejan exac-
tos e combinen com os mappau remetlids
pelos juizes de direito.
Secretaria da polica de Pornambuco, 28
de outubro de 1851. Antonio Jos de Fra-
ts primeiro amanuense.________________
VARIliDADIi.
o sigoal; a Austria, a Itussia e I'russia rinanto de Andr Wilmar, peJindo abite
f
Le-sa ni Semaine
" Un jornal estrangeiro publica os se-
guinles clculos, quo nao deixim do ser cu-
riosos.
' O numero di idiomas differenles que
se falla en todo o univeraj] nonla a 3,06* ;
divididos desta sorte : na Europa 587 ; ni
Asia 937 ; na frica 276 ; e na Anencal26*.
Os habitantes do nosso globo proessam
mais de nilreligifl.-s. O numero de homens
asi igual ao das mulheres. A idade
2.a As obras principiarlo no priso de um
mez contndose da data en que fOr entre-
gue o termo de arrematag.lo, e conclinr-
se-liou no de mezes.
3.a O pagamento cffccluar-se-ha na fur-
nia .nter mi nuda 00 art. 39 da lei provin-
cial n. 286.
*. Para ludo o mais que n8o est deter-
minado nas presentes clausulas seguir-se-
na inleiramenteo que dispOe a predita le.
Conforme --0 secretario,
Anlouio Ferreira da AnnunciagBo.
Declara5es.
- o lllm. Sr. inspector da Ihesouraria
di fazenda desta provincia, manda conside-
rar as pessois que se julgarem con direito
ao aforanento dos terrenos do marinha,qu3
exilien como devolutos no flm da na Im-
perial e prximos ponte dos Afogados,para
que no praso de 60 dias contados desti data
aprpsentem os seus documentos e titulos
en vii lude dos quaes se po.-sam julgar pos-
seiros dos meamos terrenos, reconhecendo
ni forma da lei 1 fazenda publica por se-
nhora directa delles; sob peni de seren a-
he qiu...
nedia da vida est calculada on 33 annos. forados as diversas pessoas que os ten ro-
A quarta parte das pt-ssois norre antes do 7 querido.
aiinos;a nieladc aules dos 17,0 aquellas qui Secretaria da thesouraria da fazenda do
- Pernambuco, 11 de nuvcovbro de 1851.
passam desta idade, gosam de uma ventura
que nao ho concedida a motade do genero
humano,
" Sobre o numero da 10 mil homens ha
probibilidide de queso un podar chegar
a idade da 100 anuos; sobre o de 100 so (
poder8o vivar 66 annos ; mas denlre 500 sa-
ri dilllculloso haver um quo chegue ios 80
annos.
" A popiilacao de lodo o Universo est
calculada en 1:000,000,000 do Ii ilutantes 1
cadl anno fallir;m 33:333,333 individuos ;
oflicial-maior,
Ignacio dos Saldos da Fonseca.
-No dia do correte vagava sem destino,
01 praia do Rio doce, destrictodo I." Quir-
teir.lo desta freguezia, um pequen de no-
no Ralnundo, pardo rliro, lera de idade
10, a 11 amos, que sendo eucoolrado pelo
inspector respectivo, djse que tlnha-se
perdido da cita de sen pu. e que nfle sabie
onde eslava ; se lembnvi ser de Olinda, a
cono nflo houvesse quen o recl.nuse bo-
MUTII ADO



i. fo remetido para osla subdelegioia, onde no da quinU-foira IS do corrente as ib ho-
'"..:_._____5 .1:....___;,;-! ,.<.. na Hi m>nMi no ou armazem na ru do
= 3-
-- OSr. Manoel Joaquim Di>s de Castro, .Percha, de nova invenci, espingardas, Na ra do Anrora n. 52, ,
salido interrogado, disso a principio, que e- ras di manMa_ nosou_ ,r aie nj na ra dojtenlia a bondade dse dirigir ao escritorio, polvarinhos, e lliosourns para unlias, coslu- com urgencia tallar ao Rvm. pado
precisa-se
. rarlrc JoSo
Y. liviu natural de Pedias" de Fgo, o sou Trapiche n. 40da di veraos adornos para sala do Novaos & Compsnhia : na ra do Trapl- raa o lardim, caivetes, estojos I e 2 nava- Bonlo Aives Ferrelra capellSo do engenho
Mi sa chamava tlaneel Joaquim, masaup- ejardioi sendo de pedras agatha.e alabastro,
pondo-se que com malicia ncultavadizer a por qualquer preco que se olTereca, assi.n
verdade.toi mandado com um sollado cor- como urna rica me de Jacaranda com pe-
reralgumas ras, a Dmde erpcralguem dra sobre a qual esta de,en|ladaacell )ar.
conheoido; enta diase aer escravo de um ga com a maior perfcicflo possivel : e ao
Sr. de ame Jernimo Carneiro de Albu- meio da em ponto, ira a leilao urna porcSo
querqueMaranhflo, morador no atierro da de caixaa de 12 garraras, coa. superiores vi
Bot-i'ista, donda sahira em urna segunda- nhoa, madeirasecco e muscatel dobetubal.
feira, ato su faz constar ao publico, para -t"8en8m^'^0'e0,do 9m fr? fe'l
conbecimeuto de quem tiv.r direito ao d.lo avultado emprego em ricos objectos do
menor Italmundo, quer come escravo quer mais apurado gosto e da moda para ador-
como livre nos de salas de visitas, gabinetes elouca-
Subdelegada de Polica da Froguezia da dores, e para uso particular de seahoras e
SnestacidadodeOlindaSdonovembrode homeos, os quaes objectos formam como
1851.
O subdelegado suplente.
Miguel Jote Teixeira.
que urna linda, quando admiravel exposi-
cSo em ponto pequeo, que continua a fran-
quear diariamente ao pubilco entendedor e
apreciador de taes galantinas em aua casa,
na na da Cruz n. I, segundo andar, des-
de as 11 Imras da manhSa al as 3 da tarde;
o tenciouando fazer urna viagem, convein-
Ihe fazeruin leilflo do restante da dita col-
Depois de urna eacolbida ouvertura, au- loe;So, o qual lera lugar, por intervenclo
bir a -cna o aparatoso, e muito appiauJido do corretor Oliveira, sexla-feira, 14 do cor-
drama em rucios. i reate, das 10 horas da n.anliSa em diante na
O Tributo das Cem Virgens. mencionada casa.
TIBATBO DE S- IZABEL.
19'. RECITA DA ASSIGNATURA.
Quarta-feira 12 da novembro de 1851.
No terceiro acto durante o bailo,;: Sr'.tun-
da secutar as difflcris variaces de
Shisa.
Torminar o espetaculo com a intoressan-
te comodia em 1 acto ornado do msica.
Kely
00 ,
A volta Suissa.
Ciuejar as 8 horas.
Os bilheles achSo-ae a venda no lugar do
cnstume.
Por motivos imprevistos nilo pode ter lu-
gir o duelo annunciado anteriormente, do
que se pede desculpaaorespeilavel publico.
Theatro de Apollo.
15V RECITA DA ASSIGNATURA-
lloje 12 de novembro de 1851.
lixtra do actor Bernardino de Senna
Silva Loureiro.
Depois do urna nscolhida ouvertura, su-
bir de aovo acea com todo o apparato
a bella tragedia um 5 actos
NOVA CASTRO.
Pernonageni e adores.
1). Alfonso IV, roi de PortugM, o Sr. Senna.
D. Pedro, aeu lilbo, o Sr. Amodo.
I). Sancho, condestavel do reino, o Sr. Mi-
randa.
Coelho, conselheiro do re, o Sr. Telles.
Pacheco, conselheiro do rei, o Sr. Costa.
Oombaixador de Castella, o Sr. Jorge.
D. Nuno, o Sr. Mello.
D. Ignez de Castro, a Sra. D. Leopoldina.
Elvira, aia de D. Ignez, a Sra. D. Carolina.
Dous meninos, lillius do D. Pedro o do D.
Ignez.
Terminar o espectculo com una jacosa
Inca.
Terminada a tragedia, soguir-se-ha com
toda a magnificencia a grande scena da
Coroo<;ao.
Os bilhotes esto desde j venda n
lliealro.
'I II I l '
Avisos diversos.
Kr-tratos.
O proprielario da oilicina, estabelecida ua
ra Nova n. 61, tendo de retirar-se para os
portos do Sul, previne a quem se quizer
utilisar de sua art, quelra dignar-se pro-
cura-lo at ao fim do correte mez.
che d. 31, a negocio que Ihe diz respailo.
Altenc3o.
No atierro da Boa-Vista, loja de fazenda,
de 4 portas n 60 vondem-sn riscadinlios de
lindos pa.lrOes muilolllnose largos a 320 rs o
covado, ganga amareis, lindas fasendas pa-
ra jaquetas e palitos, a 2(0 rs. o covado,cr-
tenles de casta para vestido.2,000 rs.e 2,560
madapolflo muito lino 4,000 rs. a pec.a, ca-
misolas do algodo a 800 rs. corles de caifa
do castor 800 e 1,000 rs.cliapens de sola 1,280
mantas do l de linbo, bordadas, 320 lencos
com bico de cor muito bonitos 400 rs., di-
tos sem bico 210 e 160, chitas finas escuras
a 160 o 200 o covado, o muita fazenda por
prorjo c.jiiiini)J.i.
-Na Ba-Visla becco dosFerreiros n. 5
vende-so um crioulo brasileiro vindo do Bio
de Janeiro.
Queui precisar do um rapaz de 15 a 16
annos para caixeiro do padariaou de arma-
zem de cama dirljt-soao becco do Amorim
defronte do armazem do Santos.
Alugs-se um bom preto para servante
ou para outro qualquer servido: quem o pre-
Ilias garantidas, cabecadas, e redms para Arariba de baixo, na fregnezia do Cario.
carros, deaeda vegetal, brides, esporas etc. Manoel de Almeida l.opea, com casa
tudo pelos precos mais baratos possiveis. do consignagio para comprar c vender es-
Perdeu-se no dia 9 do corrento, uns cravos, tanto para osla provincia, como pa-
corazea de braco, cuoastoados em ouro, ra fura dola, mudou a sua residencia da
contando entre um e outro coral, nma cha- ra da Cadeia do Recife, n. 51, para a ra
pinba do mesmo metal, e presume-se havor da Casimba, n. II, aonde morou o finado
sido perdido da ruada ConceicSo da Boa- Exm. vigario. Brrelo, onde continua, offe-
Vista, ao aterro casa n. 33, primeiro andar, recendo-se toda a seguranza precisa para os
aonde a pessoa que o intregar, ser gratifl- mesmos e bom tratamento.
cada. **#>#*##*#< *#
i
AVISO.
Adverte-se ao publico O
que no dia a5 do presente, O
he o encerramento dos tra- J
O
Avisos maritimos.
Gear, Maranho e l'ar.
Segu com brevidade, o brigue
r.-ciina brasileiro Arcelina : quem
no mesmo quizer c .rregar, dirja-
se a Jos Baptista *1 Fonseca ,n-
nior, na ra do Vigario n. a3, se-
gundo andar, oucom o capitao na
'raca.
Para o Porto.
Sahe com a maior brevidade
possivel, por ter parte de seu car-
regamento, a linda e velcira gale-
ra portugueza Bracharense tem
aceiados com modos para passagei-
ros : quem na mesma quizer car-
regar, ou ir de passagem, cnten-
da-se como capitao Rodrigo Joa-
quim Gorreia, na iraca do Coni-
mercio, ou com Novaes & Compa-
nliia na ra do Trapiche n. 34
Vende-se o patacho nacional-- Clomen-
luia,-- forrado e pregado de cobre, prom-
pto a seguir' viagem para ver, acha-ae
fundiado no ancoradouro do Forte do Ma-
tos, e para o ajuste na ra da Cruz n. 7, afa-
hr com JuSo Fanciscn da Cruz.
Para a Bahia sabe com muita brevida-
de por ter parte da carga prompta, a Suma-
ca nacional Carlota musir Jos Concalves
sim.as para restante da carga,c passageiros
a tratar com o mesmo mostr ou com Luiz
Jus de S Araujo na ra di Cruz n. 33.
Para o Rio de Janeiro.
Vai sabir com a maior brevida-
de possivel, o velero patacho bra-
sileiro Valente : quem n mesmo
quizer carregar, embarcar osera vos
O
o
o
o
Q balhos do cstabelecimento q
0 Electrotypo. o
OOOOOOO<30>3OO -- Precisa-so da 600,000 rs. a Juros, di-se
para garanta a firma de urna pessoa desta
prac," bem conhocida e acreditada : a quem
convier, annuncie por esta folha.
Offerece-se um rapaz brasileiro, casa-
do, que sabe lr, escrever e contar, com
examedelingua nacional e principio de lin-
gua latina, habilitado paraensinar primoi-
ras letras, fura desta cidade, ou mosmo
qualquer engenho : quem se quizer utilisar
de seu prestimo, dirija-se a roadoBangel
n. 46, primeiro andar.
Na ra da Cruz n. 38, pre-
cisa-se de un bom cozinheiro.
Pedc-se ao eximio artista o Sr. uima-
rSes a repeticu do dramaO Captivo do
Fezfazendo a parte do conde de Tavora o
Sr. Amuelo, e de Leonor a Sra. D. Maria
Leopoldina ; cont desde j com a satisfacSo
do mou pedido, o receba o digno empreza-
rio os sinceros agradecimeutes de um seu
Admirador.
-- Precisa-se do um caixeiro para veml
da qual tenha pratici: na rui de Dorias
n. 52.
-- Precisa-so de um preto captivo para
padaria, ainla mesno som pratici; se pre-
feo dar o mesmo ou mals que sedaaum
lioineni forro : a tratar na ra do Cotuvello
n. 29.
Precisa-so alugar um pequeo sitio nue
tenha urna casa decente para pouca Tamilia,
alguna alvorodos de Iructo e estribarla, e
que seja em algum dos lugares seguintos:
Soledado, Manguind, Capunga ou pissa-
gem da .Magdalena : quem o liver annuncie
ou dirija-se a ra da Cruz n. 55.
Pede-se
Aodistincto actor o Sr. Germano Francisco
de Oliveira a repeticSo da graciosa Tonadi-
Iha Espanhola onde muito agrada ao pu-
blico a muito joven, amavel, linda o bella
Sra. D. Manoella, com sua gravo honesti-
dade.
No palco brasileiro,
Encanta com seu gesto feiticeiro;
ii i. n todos sem querer,protide c captiva
Sou porte delicado e expicssao viva.
Para se passar a Testa. 'O Um sacerdote que tem pratiua do
Aluga-seuma caaa eom bstanlas com-* ensino de primeiras letras, gramma-
modos para grande familia, cocheira e estri- 'i" latina e ranceza, geometra, oiu-
baria, no delicioso Caxaog : quem preten- # zica vocal ede alguns instrumentos,
der dirija-so a ra Nova n. 63. 9 inclusivamente de piano acceita a
O Sr. A. Lacare. tem a honra de levar capellana de algum engenho proxi-
aoconhecimentodorespeitavelpublioo, que # mo a esta praca subjeitando-se ala-
acaba de abrir um novoeatabelecimentode > zer sua residencia aonde tiver de #
relojoeiro, no aterro da lloa-J/ista n. 11, a- ( exercer o ensino das referidas mate-
onde ao acha prompto para fazer quaesquer rias: a pessoa que com o mesmo qui-
concertos, mesmo os mais diOiceis que se zer contratar, dirja-se a ra Nova n.
podero apresenlar, Unto om relogios do 4 8, onde ser informado,
algibeira, como de musa e parede. C!'9a9A999$994v9l>)9#9tf
Aluga-seuma mulhertorra, para ser-] Aluga-se para se passar a fesl urna
tendor falle na ruado Cabuga lojadeJoa- vir urna casa de pouca familia, e tratar de elegante casa terrea, com bons commodoa
quim Jos da Costa Fajoges. | meninos pepuenos etc. : na ra do Brum, iPara familia, com dous sotios, um delles
O Sr. F. A. C. hoje deve ir pagar na ra; cas de* andares no segundo. com bonita vista para o mar, e para o Rec-
da Praia n. 24 a quantia do 142,500 rs. pro- i Jo3o Baptisla Cardoso subdito bra-, e, e muito fresco, a qual n3o desagradar a
venionto de cincoenta arrobas da carno quo'sileiro.de idade 17 annos, rolira-se para a,quema protendor.em Oindana ladeira da
comprou no 1 da julho do anno p. p. isto Babia. Biquinha, e porto dos banhos doces esalga-
nesles 3 das do contrario ter de ver o seu. -- Antonio Joaquim Vidal, embarca para dos: a tratar no mesmo lugar, no varadou-
noaie por extenso nesto Diario. o Rio de Janeiro a sua escrava, creoula, de.ro, ra do Balde, n. 24.
-- Nos dias 14, 18, e 21 do cononle mez nome Eugonia, e duas crias menores. i-** WJ&aVMMMMftt^iJI aaWj.,
depois da audieucit doSr. Dr. juiz dar. va-i Joaquim Jos Lody, embarca para o Kio SU (Jo 11MII1 t.O f i O lOillCO- "
ra do civel, teic de ser arremalado em praca de Janeiro, a sua escrava Luisa parda.
porvouda,osbens movis o simoventes,cons-, Precisa-sede urna criaua. smenle pa-
tesdoeseriplo em mflo do porleiro do au-'rao servido de cozinliB e compras, |ara
ditorio Joo Januario Sorra Grande, ponho- urna casa de muito pouca familia: na ra
rados a Elias Coelho Cintra, por execugSo do Rozarlo da Boa-Vista, sobrado n. 32.
da Viuva e idilios de Agostiuho Henriques Precisa-se de alugar urna ama paia
da Silva. f'zcr lodo o sorviso de una cisa do pouca
___ Precisa-ge" alugar uma escra- familia, forra ou cativa : na praca da Inde-
l i pendencia u. 22.
va, que seja boa cosinneira c com-1 pr9C|Sa-se de um pequeo para caixei-
pradeira, : quem a tiver dirija-se ro, que tenha pratica deveuda: na ruada
a ra da Assumpco ou muro da irora' ".' .' ,
... c i INova tinturara lranceza na ra
'enra n. lo. v lh /
-- Aluga-se um bom sitio no lugar do ... Veina n. 74.
Cordeiro a margem do Capibaribe cora Ah tmgom-se obras de qualquer panno,
Uueiaiado n. 30 segunda
,,,.(.,, aterro da liua Vista, casa n. 33 ; na mesma
-Precisa-sede um pequeo de 12 a 16 casa precisa-sede um negro para oservico
annos e quo tenha pratica de venda : no pa- a,J Padaria.
teo do Carillo venda nova n. 2. ~ No,Pf te o Terco n 22 caza de ran-
- Precisa-se alugar urna ama para servico fl8C0 *'to Oiorio, allugiio-see vendem-o
de uma casa do muito pouca familia : na ra ??..* "i"burB0. prximamente deseni-
dos Quarteis loja n. 24.
Ila-so dinheiro.a juros : na ra do Ran-
gel n. 36 primeiro andar
D-se de 100,000 rs. ato um cont sobre
pinhores de ouro o j prata premio de dous
barcadas.
A
Jiuns Ganos para passetol '
Na ra das Flores, defronto da co-
por cont ao mez : quem pretender dirija- f ",r do Sr.Jos Maria, abnu-se urna #
se a ra Urg do Bozario loja do miulezas ra ,con> sle ietreiro na frente do
- all
cir- #
nimoda- 0^
opreco,aliin de lodos podoremse re- W
'* creiar nos bellos passeios do nossos (
g arreb.ildes, em a lesla que a porla flp
m nos bate. v
l'erciza-se de uma ama branca do uieia
Idade, que saiba cozer.engo'iunar, cozinhar
11. 26 quo la se dir quem d, e quem tem od'liic.o --carros de aluguel--
um negro meslre refinador deassucar, e co- l* achar-joosbons freguezes, ricos
zinheiro para alugar ou vendc-lo. r.os,c"bno!,els .*>,'"'r_,'c.c^n!_m.(
Precisa-so alogar urna casa com sitio,
uu sem elle, na i- > miga, ou anda mais
perto, com tanto que tenha banlio no rio
Capibaribe, e seja porto doli : nosla typo-
graphia se dir quem precisa.
--Precisa-so fallar aoSr. Jos Rolrigues
Prannos, ilho dn lugar de Paranhos, na
freguesiade Amorim, a negocio de seu in-cum toJa a perfeico o aceio sendo fiel ede
Jos Mondes da Silva CuimarSes, cida-
d8o portuguez, relira-so para fura da pro-
vincia.
~ Precisa-se de um menino do 12 a 14 an-
nos de indade, destes chegalos ltimamen-
te do Poito, para caixeiro de loja de miude-
zas : na ra larga do Rozario, loja de miu-
dezas.
-- Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra das Agoas-Verdes n. 48, bastante
fresco, e commodos para qublqqer familia :
no armazn) da rualova 11. 67.
PEItCNTA-SE.
teresse, na vonda da esquina da ra do Cul-
legio u Manoel Antonio dos Santos Font ts.
A revista.
Periolico Iliterario o recroativo.
Sabio o 9. n. e acha-se a vcnJa na p-a;a
da independencia loja de encadernac,ao n.
13 e na livraria do Sr. Dourado onde tambem
recebe-so assignatura por uma serie do lo
ns. a 1,000.
Precisa-sede um caixeiro para vender
pSo na ra com um preto cin uma l'reguc-
zia pequeo : na padaria do paleo da Santa
Cruzn. 6.
~ Precisa-se de um criado para servico
externo de uma casa : na ra d'Alegria, na
lloa-Vista, n. 42.
--OSr Augusto Carlos Bittancourt Avcl-
lar, tem uma carta nocscriptoriu de Olivei-
ra Paiv.i & Cumpanhia ; ni ra do Trapi-
che n. 5.
- No dia 15 do crrente moz, se ha de ar-
rematar linda a audiencia do Sr. Dr. juiz
municipal da segunda vara, uma casa lorroa
com 34 palmos do frento, n. 73 o 75, da ra
Imperial, para pagamentos de dcimas quo
a mesma (leve, a requerimento dos herdei-
ros do falescido Jos da Costa Pinto, cujo es -
cripto aclio-se em inflo do porten o, he a ul-
tima praca.
Aluga-se um sitio na estrada dos*Af-
flictos junto a tamarinoira, e defronte dosi-
cisco Nicolao de Araujo, na praca
do Commercio ou a Novaes 8c
Companhia na ra do Trapiche
n.34.
Para o Aracaty.
Segu at o dia 15 do con cute o novo
hiato 1 Cspibaribe, mostr Antonio Jos
Vianna : quem quizer carregar ou ir de pas-
sagem, dirija-so a ra do Vigario n. 5, ou
com o meslre do mesmo no trapiche do al-
godo.
-- Para o Cear o biale N. Olinda : a tra-
tar com Manoel Dias, na Senzalla Velha n.
134.
Para o Rio de Janeiro, sa-
hira com a maior brevidade pos-
sivel, por ter parle da carga en-
gajada, a bem conhecida escuna
nacional Maria Firmina capitao
Joo Bernardo da Roza : quetn
pretender epibarcar carg na mes-
na, ir de passagem, ou embarcar
cscravos, pode entender-se com o
mesmo capitao, ou com o consig-
natario Luiz Jos de S Arrujo ,
na ra da Cruz n. 33.
T
eiles.
wj j ti i .uiiiuiniviio.b m 1 1 mu \/.ji-
A decadenc a aquetem chegadoalgumas t da senhor.i I). Marcelina, com uma ooa
feras centraos, causada pela arrccadacdlode caSa com commodos para familia, cocheira,
80 rs por carga, cobrando-se ate do volu- estribara e quartos para pretos tem mui-
me de ouas cuias, faz com que serogueao ios arvoredos do excellentes trueUl, una
Sr. thesoureiro provincial, so digne deca- boa cacimba, de boa agua de beber, e uma
rar, nesta folha, se ISo mnimas porces os-, 0ulra que serve para regar e lavar, com sua
ao no caso de pagar a mencionada quan- competente bomba ; quem o pretender di-
tia, como a forca estHo pagando, ou seso hja-soarua do Rozario da Boa-Vista, n. 20,
deve-ser de cargas de cavallo, como enten-' que |i achara com quem tratar.
" .111 P-ecisa-sc de umaaina.de leite : na
- na tarde do da 9 do corrente mez, de- ra do Queimado n. 9 ; piga-se, bem ser-
sapaioceu da ra doCollegio, uma oscrava vindo
por nome Mana.de nacao bengiiflla, com' Pcdc-so a Ilustre cmara municipal
ossignaesseguintes: baixa, ctiea do cor- que se dignem providenciar o frequentedes-
PO, com falta de denles na frente, e com pejo que se faz no arco de Santo Antonio,
a frete, ou ir de passacem diri-
ia-sp ao canilSo dA mearan Fran ambos os pleos dos bracos sicalnzados, nfio s por ser improprio o lugar.como pro-
ja-seao capitao 00 mesmo fran-, proveniente de queimadura amiga; lovouhibido pelas posturas
- vestido dealgodao de listra larga j uzado,' .. Precisa-se alugar um preto para fazer
e panno da costa: roga-se as autoridades alguns servicos do padaria : na ra laga do
policiaca a fissa apreender, ou mesmo os Rozario n. 48.
capitaos de campo, e a levem ao Passeio Pu-| -. p,Cisa-se alugar uma uugra para todo
Dlicolojan, lldeHronano Jos Rodrigues o servico de uma casa de pouca familia : na
rerreire, que gratificar. | rua larga do Rozarlo n. 32.
Dssapareceu uma prela crioula do no- Precisa-sa da 6 servontos para as obras
me taustlna, com os sigoaes seguintes : cor de podreiro que se estam fazendo na admi-
luia.oaixa, chela do corpo, sem denles na nisiraco do correio desta cidade.preferindo-
frente, da parle de, cipa, tom urnas marcas sea pessoas llvres,quem quizer comparec a
de rendas nos calcinhares, cujas maras li- mesma repartico a fallar com o adminis-
caram brancas, quando anda esparralba os trador, Antonio Jos Comes do Corroio.
pes para os lados, levou vestido roxo de chi-1 .- Perderam-se na noite do 8 para 9 do _
ti, esaia de algodflo azul ja uzada e panno corrente novembro, no sallSo do trealro dejris parasenhora, veos Ue cores de gaze pe-
da costa ; esja prela ro comprada ao Sr. Apollo, una oculos d'aro de ouro, tendo um los mesmos, rico assorlimento de gros de
Jos da Fonseca Silva, vendedor de escra-'dos vidros raxado : quem os acbou tora a ruidos furta-cores para vestido que se von-
vos : quem a pogar lovo-a a rua do Pilar! bondado de manda-Ios entregar a Manoel dea vontade do comprador gros do noples
em (ora de Portas, casa n. 123, quo sera Cardoso da Fonseca, na praca do commercio, corda rosa, franjas o tranca de seda pretas e
gratificado. que gratificara ao portador. ido cores,iransa de seda branca,bom cliaua-
Precisa-se embarcar para o Rio de Ja- A deverle-se auSr. Bernardo de Albu- lote (Teto para vestido ou capotiuho : na
boa conducta, o le- ni. .1 d de familia, pa-
ra lomar conta da direc.30 do uma caza do
h.un.-ni sollciro ua praga da independencia
loja n. 3.
Na Urde de 13 do corrente ir a prag
por venda, perante o r. Dr. juiz do orphflos
destu termo, e a requiiimoiilo dos t'Sta-
menteiros da finada Izabol Maria da Costa
Ramos, a casa de dous andares e solflo da
rua Nova n. 46, pertencenle ao casal da mes-
illa tinada, e avallada em l j.000,11110 de res,
sera a iilii.ni pi.ici. O escriplo aclia-seuml
mflo do porleiro do juizo, Amaro Antonio
do Faria.
Madama Rosa Ilardy modista bra-
m le ira rua Nova 1. 34.
Tem a salisfacojflo de sciontilicar ao mui-
to respeitavel publico, e Jeslinclamenle aos
scus freguezes, quo seu cslabclccimonto do
novo se acha prvido do um espl. ndido e
variavel sorlimonlo do ricas l'azendas fran-
cjzas, as quaes so vendein por i-reco mdi-
co, consistindo com ricos chapeos de soda e
gr /. do naples franzidos e lisos, do flores|e
penaclios.braocos e decores.para senhura o
menina, ditas de soda o palliulia fina, com
abas largas de lindos enfeitcs para menina
e crianza chapus de pallia liua, redondos
para meninos de um a seis annos cdapoli-
nhas do pallia lina enfeitados em Paris, com
lita escessesa, brilhontes capotinlios, preto
de seda e do groz de naples, furta-cores,
para senhora o meninas, ditos cliamalote
preto para senhora, ricos cabecees de b co
de linlio lino d seda a imiUco de blon-
de, e bordidode prala para bailes ou thea-
tro, guarnecidas com delicados enfeitose
do gosto o mais moderno, ricas iomeiras
guarnecidas de bico de linho e lindissimas
litas, bonitas camisinhas do cambraia e
fil do linho bordado para senhora, man-
guitas o peitillios de lil linda e cam-
braia bordada do ultimo gosto para sculio-
ra, ricas locas dd senhora do lil linho,
ricas capellas de llores para noivas e madri-
nhas de casamento, ricas guarnieres do llo-
res brancas para vestidos de casamento, ri-
casluvas de p-lica enfeitadas de branco pe-
los mesmos, ricos corles do se.la e groz de
naples lavrado branco para vestido do uoi-
vas,um grande aortimento de bicode blonde
da largura de um dedo at um palmo, ditos
de seda largos o estrello?, ditos de linho de
largura de l a 4 dcdos.ospai tilhosdo primeira
qualulal.' para senhora e meninas do idade
de 7 a 12 a unos, ricos lequcs de papel, pen-
tes tartaruga, litas largas de tolas as cores,
crep de lodas as cores, luvas prela para so-
nhoraemeninas.ditss depelica para homem
e senhora,lin ios los para uoivas.ricos cha-
peos de montara de palha enfeitadas em Pa-
natliieo. i
1 i
milita do Colegio n. 2pri-,
2 metro andar.
U Dr. 1*. A.Lobo Moscoso,
^ d consultas gratis aos po-
^11 fu es, todos os dias das 8 as
I 12 horas da manhSa.
t* .. 1
aj 1 ratica qualquer operacao
^ de cirurgia, ou de partos.
Recebe escravos doentes
5 para tratar de suas enfermi- 1
I dades,ou fizer qualquerope- i
$ racao, por preco commodo. q
-- -m 1 MM WB'-'r m .1
Aluga-se uma casa terrea com solSo,
no sitio do Cordeiro, a margem do rio Caoi-
baribe, com commodos para grande fami-
lia, cozinha fura, cocheira, estribara para
6 ou 8 cavallos e quarlo para criado; uma
dita mais pequea no mesmo sitio, tambem
com commodos para familia, cozinha fura'
estribara para 4 cavallos: para ver no mes-
mo sitio, e para tratar com Cabriel Anto-
nio, no patoo dn Carmo n. 17.
Na primeira audiencia do lllm. Sr. Dr.
juiz dos felosda fazenda, se arromataraO
por cxeciicAo da fazenda provincial, os bens
penhorados a JoSo Baptisla Pereira Lobo, os
quaes silo os seguintos : I 11 sitio no lugar
do 1*0(0 da Panclla, avaliado em 8:000,000 ;
duas casas terroas contiguas ao mesmo si-
tio, urna avahada em 1 :00,000, o outra em
:S00,O00; oum sitio no lugar de Apipu-
cus, avahado cm 6:000,000 : c os bens an-
nunciados em o Diario de Pernambuco,* do
24 do crrenle.
Preciza-se do um porlnguez que seja
perito oin plantados de sitio, o saiba ti-
rar formigas, quem cstiver noslas circuns-
tancias e quizer irabalhar no sitio na travs-
sa do Itemedio n. 21 entenda-se com seu
proprielario, o l'ortciro da Alfandoga desta
Cidada, na mesmi ropa'ticflo que.a vista da
prova quo der desatiero que cima so des 1-
ja, e da sua boa conducta do a i ust.
1 Pitillo i.ui;, iioiix. ill llli-la J
r frailee/, oflcrccc seu presta I
* mono publico jiaru lodosos; o
* 111 i-le es de sua |iroflsso : %
9 p.nli' ser procurado a fiial- j
& rua larga do Bozario, 11. 30, 4
(t$ ~iuiiniio andar. "
*$** i ; >v *;***581iv. i
Compras.
Compra-se lfla de frexa barreguda, ou
do rarneiro : quem livor e quizer veoder,
dirija-se a rua Nova 11. 28, loja de selim,quo
paga-so bem.
Comprain-sfl escravos e ven demsede
cu:;.un ~ ', para dentro o fura da provin-
cia : na rua da Cacimba, sobrado 11. II, on-
de morou o Sr. vigario do Kecife
Co.npra-se um sitio feito ou Ierras pro-
prias para levanla-lo, o qual porm seja a
margem do Capibaiibe, lenha baixa paia
capim, e nutras vantigens: 111 rua do Ara-
gflo n. 12, segundo andar.
Vendas.
se cortas da cassa de lindos padrfles, a 2,000
rs., o corle com 7 varas ; panno preto muito
Uno, a 2,800 rs. o covado.
Vende-so farinba de milho nova, e j
penirada, e prompta para bolos, canclna,
epBo da provenca, as arrobas e libras: na
rua do Rangel n. 5, loja.
Luvas ade peljca.
Vendem-se luvas de pelica para hoajcm,
'Tancas e de cores, pelo commodo preco da
1,000 rs. o par : na loja de miudozas da rua
do ..ollegio o. I.
Cartas finas para vollarete.
Vendem-se cartas finas para voltarete, a
por prego mais commodo do que em outra
qualquer parte : na roa do Gollegio n. I.
loja de miudezas.
Vende-se um Virgilio primeiro urna
fbula, em muito bom estado e por proco
commodo : na rua da Senzalla Velba n.70,
primeiro andar.
Cheguem freguezes, antes que'se
acabe.
No armazem deMartios & IrmBo, na rua
da Cruz do Recife n. 62, chegaram ultima-
mente os seguintes gneros de muito boa
qualidade : -- queijos Ion trinos prezuntos
ingiezes e do Porto, conservas inglexas o
francezas com differenlcs frutas, latas do
salmSo, ditas de ervilbas e aardinbas de
Nantes, ditas com bolachinhas inglezas ,
'nainiciada de Lisboa, iPostardi,o muitoa-
ce.litado cha deS. Paulo, caixiscom muito
superiores macas finas pura sopa, glgoscom
champanlie, vinho do Xerez, Madeira, Bu-
ccllas e Porto, garrafas con- axlrait de ab-
sinthe e outros muitos gneros, ludo por
mdtiico preco.
Vende-se uma linda escrava crioula,
de 18 anuos, com habilidades : na rua da .
Praia n. 43, primeiro andar.
As pochichas abaixo declaradas esl.'io
se acabaudoFreguezes a ellas; chitas finas
do cuberta a 7,01:0 rs. a pega, cortes de ei-
semiras do ultimo gosto a 5,500 rs., cortes
de cambraia de barra a 4,500 rs., ditos de
listras de coros a 4,500 e 4,000 rs., ditos de
cassa chita a 2,240 rs., casemira prela lina
a 2,200 rs. etc., o muitas outras fazendas
que com a prsenos dos freguezes ss mos-
trar : na loja das pechinchas da rua do
Collegio.
Vende-se na livraria da rua do Crespo
11.11, diccionario' francez de Napolen A-
land, dito de Boquete, dito fraucez, in-
glozel. F., prontuario de Ideologa moral
4volumes, compendio da tocologa 6 volu-
ntes, historia do brasil 12 voluntes. Na mes-
ma casa tem um sortimento delivrosclas-
sicos, e varias obras em francez, inglez,
e l.itim; tambem se vende a lu Jo folha po-
ltica, e o Expectador Tneatral.
Vcndom-so no caf francez da rua No-
va, lingoinjas francezas multo em conta as
libras, vinagre muito bom a 1,000 rs. a ca-
ada, ahzintho muito bom a 1,500 rs. a gar-
rafa.
Vtndem-se urnas partes de urna caa
terrea 111 rua de S. Jos 11. 43: a tratar na
rua estreita do Bozario, sobrado da quina,
que entra para a rua do Fogo.
Luvas de pelicu para menino.
Ven letD-Se luvas de pelica para menino
pelo commodo prefo de 1,000 rs. o par: na
luja de miudezas da rua do Cullegio u. 1.
Lst'jos para homem.
Vendem-se estojos para homem pelo com-
modo preco de 3,000 rs.: na loja de miu-
dezas da rua do Collegio n. 1.
Luvas pretas de trocal.
Vcndein-so luvss pretas do trocal sem de-
dos, pelo commodo preco do 800 rs. : na lo-
ja de miudezas da rua do Collugio n. 1.
Em casa de J. Kcller &
Companhia., na rua da Cruz n. 55,
vendem-se marroquins superiores,
vindos de Franca pelo ultimo
navio.
Lm casa de J. Keller Se
Companhia, na rua da Cruz n. 55,
ha para vender iim piano forte ,
chegado ltimamente da Enropa
e com excellentes vozes trata-se
na casa dos mesmos.
O Novos cortes de chita. O
y? Na loja do sobrado amarello, nos 9
O qu tro cantos, da rua do Queimado O
O n.!?9, continua-se a vender cortes de O
O chita c de riscado de novos padrdes C
Q com 12 covado* intuiros pulo liara- fj
} lissimo prego de 2,000 rs. cada corte. Q
O cautelista Salustiano de
Aquino terreira faz sciente ao
respeitavel publico, que no dia ao
do corrente mez, deve chegar do
sul o vapor inglez Tcviot, conduc-
tor das listas da 18. loteria do the-
atro deS. Pedro de Alcntara, e
FOLINUAS PARA i85. (da a8. loterii do Monte K, e pa-
Sahiram a luz as bem condec-1
ga logo que receber as listas, sem
descont algum, todo c qualquer
premio que sabir nos bilhetea ,
meios, quartos, oitavos e vigsi-
mos, vendidos na prafa da Inde-
pendenciin. i3 e i5, loja de cal-
cado do Arantes, e na rua da Ca-
deia do Recife n. \(>, loja de miu-
dezas : a elles que se estSo aca-
bando.
- .---------------------. ^. v.. viimiui/ub niuu IUI.U liJlll paita ^it.w v*m ^ ^ ...... ^ ,, m
neiro, em algum navio a sabir com brevida- querque Fernando Gima, que o seu corros- mesma ioia fazem-se vestido de casamento,
do, 300 saccas com algodflo: a tratar na pondente nesta praca no tem pago a subs-
cripclo do Diario.
J. J. Keller Cutiiero& Ar-
de bapti.iado, tocas do menino e de senhora
Leilao d; batatas novas,
Hoje hk leilao de 300 cnaatrasde batatas
'invaa, aerflo vendidas por todo o preco,
per laso roga-se aos compradores que alo
eesquecam deaparecor. no Caes da Al-
"Duega, as 10 horas da mantisa.
- O corretor Miga! Carneiro, fari leilao
rua da Cruz n. 2.
AtloncSo.
O abaixo assignado, faz sciente que
deixou de ser caixeiro da casa de Francisco I me 11 o.
Xavier de Oliveira ,V Companhia desde o da previne ao respeitavel publico desta cidade
10 do corrente, oagradeco aos mesmos se- que abri o seuestabelecimentoia loja n. 11,
nhores o bom tratamento o delicadeza, com no atierro da Boa-Visti,(que fui do Sr. Le-
que o trataran). comptejonde elle se acha prompto para con-
Benigno Merino da Silva Pegado, ceitar ou fazer de novo qualquer artigo con-
Pede-seao lllm Sr. Germano Fraucis- cementos a sua profissflo, como timbom se
co de Oliveira, emprezarodo theatro de S. oceupa a amolar navalhas, thezouras etc.
Izabel, que se digno unir su. sublime e espera que gosara da inteira conflaoc
companhia, a senhora D. fcmilia Malhilde de seus treguezes pela baralea e presttfza
Vallenca, pois muito dezejamos ver em sce- com que tenciona servi-lo, tambem reco-
m esta actriz que tantos applausos recebeu monda o seu grande sortimento de ferra-
do publico desta cidade, sempre prompto a mentas para marcineiros.tornelros esculpi- ..
apieciar o mrito. res, ferreiros e canoeirs, martellos para ou- para aquella lina, pelo vapor mgioz levioi,
Os Germanistas rives, ferros para funileiros, ditos paraca-'que tem daqui passas no dia 20 para ali,
--Precisa-se de 11 m rapaz de 12 a 14 an-' pim, moinhoa para caf, buril tezoura para l sercm vendidas: tratar na rua do
nos, que seja estrangeiro, para -aixeiro de para cortar lfla de carnelros, correntea Alecrim, por detraz da rua Aiign"!,-asa n.
venda: na travessa do Dique, deposito de para amarrar cachorros, Urros, limas, e um 8, as 6 horas da manhSa, e das s, as da
espirito. I sorlimenlo de chicotes e bengalas de Cuta '
capoliuuos de todas as qualidades,com per-
fcicflo o proejo commodo racebem-se todos
os mezos flgurinos modernos,que impresta a
sous fregueses.
Illii de S. Miguel.
Na freguezia dos Kennaes do N. Senho-
ra da l.uz, no lugar do Senhor dos Afflictos,
na ilha deS. Miguel; existo tres alqueire,
de muito boa vinha.ede muito rondimens
lo, livre, e desenbaracada do qualquer duvi-
da, como tudo se poda aqui provar, os quaes
tres alqueires de vinha, so vende muito em
conta, e por biralisgimo preso, smenteat
o dia 20 do corrente, visto que a nflo se ven-
der aqui, at esto dia, se mandar ordem
tsrde.
liillielcs
Meios
Quartos
Oitavos
Vigsimos
32,000
11,00o
5,5oo
2,800
1,300
iI.h Inlliinli is deporta, impressas
nesta typographia, as quaes se fi-
zeram muitos acressimos, sem com
ludo augmentar de nreco : ven-
de-se a 1G0 rs. cada uma, e por
menos sudo em pon-fio, na livra-
ria da praca da Independencia n.
6 e 8. Breve serao publicadas as
de algibeira.
-- Veode-se uma taverna com muito
poucos fundos, muito afreguezada e so faz
lodo o negocio: na rua da Moda n 25.
Vende-se um relogio do ouro, patente
inglez e novo, por prerjo commodo : no ar-
mazem de M. Carneiro, na rua do Trapiche
n. 40.
Vende-se sola envernisada e
vaquetas, para coberta de carros :
na rua da Cadeia Velha, armazem
n. Co.
No aterro da Boa Vista, loja n.
18, defronte do tribunal do com-
mercio,
continua-se a vender riscados es-
curos, muito fortes, ptima fazen-
da para roupa de escravos, e pelo
diminuto preco de 100 rs. o coya-
do e outras muitas fazendas ba-
ratissimas. no iqsigne fabricante americano, Jamos
___ II nimia nnr muli-r nina Masson, A sua composiefio he Taita de pro-
na ainua poi vender uma posilo para ,uslrar coa,agoa o conservaro
vacca tourina,das.vindasde Lisboa |UStro, tanto de invern como de vorSo ; a
oa barca Ligeira, que d grande grande vantagon que ha nesta graxa be a
, ,. H jm!conscrvac.!lo do calcado, e lustrarem-se os
porcao de leite, e que se vende env losou botins ain la mesmo molhados.
Na rua do Queimado loja a, 19, vendein-1 da Madro de eos.
/S.
**,
a,'.


A elles lilesque se acabem
Ni ro do rjoeimado, toja do ferragem de
Antoni Jos Rodrigues do Snoza Junior n
37. vendem-eDilh'lesda lo'cri do Rto de
Janeiro, do theatiode S. Pedro di Alcanta-
ra, cuja Hala deve. chegar pelo pnmairo Va-
por no da 19 ou 0 do corrente, e se vendcrn
pelospregos mais baratos que lia no merca-
do, sendo bilhetes inleiros 22.000 r mei-
os, 11,000 rs. ; quartos, 5.500 rs. ; o i lavo..
2,800 rs. ; e vigsimos, 1,300 rs.; u elles
que se estm acabando.
- Vende-se a (alterna da rus da Florenl-
uan. 30, cnm poucos fundos, e com muila
freguezia por ser d" esquina, e tein commo-
dos pra familia, e> uno precizendo, lugar
portar porta no retiro, e licar o lugar da
venda reduzido a um p< queoo aluguel, que
\inho de Champagne,
e superior qualidade : vende-se uo anr.a-
ein Kalkmauu 1-mSns Rus da Cruz, n. ID
W
Vellas de esperrnacele
Vendem-se caizas de esper- g
mcete : em easade iticardo
rloyle, ra da Cadeia Velha, *
5 n. 37. m
mmWBwmmmm wwBt&mmmi
-- Vende-se orna cas torreo, sita na ra
da Praia, n 40, defroote do desosito do car-
vflo. por mdico prego : n botica do pateo
do Cirmo, se dir quem vende.
i n,i da Cadeia do Recife lojan. 64
Nesse novo eslabelerimeiito, acha-s a
s6 a vista do comprador Tara l-, o dono desle 1
emtbelecimentoso vende por ter de reli-1 venda, alm de um complecto sortimento
rer-se para frada provincia, e nSo tem a de obras d cob'e o romas, naus, nacas,
quem o deixe : a tratar na mesma. I banheiros, dito de choque, dito de fogSo.
t- Vea.le-se um moleque de 10 mos, dito de encost, commodusete etc.sendo 10-
um dito de 18, bom olticisl de alf.ialo eco-1 das eslas obras pintadas a lingir madeira;
zinbeiro. 4 pretos bons ganhadures e pan
todo oservlco, um dito de meia idade, booi
para sitio; um dito bom mest c de assucar
eesrreiro ; um pardo d*20 aunus bom pra
pagem, ou qualquer servico, e muito hbil;
:i pretas com algumas habilidades, ihim dita
de ilion idade, que cozinha c engomma:
os ra da cacimba n. II, aonde inorou o ti-
nado uigario do Recita.
Para os amante* da Cesta.
O caf francez da ra Nova, recebeu um
variado sortimento d.- conserva, como se-
jam : champigiiom, articiaiit, chuux fleure,
saucisses irulfP, carrol-uj'is. fevs accomo-
de, perdix dont aux-cnaux, alluctcs, becas
se, becassinez, asperge, Iruf-z purs, pt
cailltiuff uno em hierre, dito herr de
porc, dito pluvier, dito de veau, dito de fui
dozestrabourg, SaucItM de ubeos cm libia,
moustsrd, crvilhas, innilor d'asperges
oseilles, cepes, julieime, sardinhas, fruclaa
em conhaque, mauteiua fresca, sem sal, vi-
Uho de diversas qualidades, azeito doce
vermoulhe, hieschot francez e suisso, ab-
zinlh em gnalas muito em couti, portar
grande sortimento, vinagre o conhaque
muito bom em garrafas, e barris, concer-
vas inglezas,cerveja fraoceza, e charutos de
diversas qualidades, tu 10 vende-se o mais
en conti possivel, o cafe todos os di 1-, das
3 horas em diante.
Vende-se 11111 negro de boa
figura, muito sadio c de bons cos-
lum.es, o que se atianca ao com-
prador, por isso proprio para o
servico de qualquer casa, ou esta*
belecimento: na ra da Gadeia do
Kecife n. 55.
Novos livros lioina'pathico.s.
Haas. memorial du mudecin homuco-
pathisle ou repertoire elphabetique de trai-
teinc 1 el d'experieuces boiuocopalbiqucs.
1 VOl. 1850
Teste Traite hoir.oiopaliquede niala-
dies sigues elchrouiques desenfanls. 1 vol
1850
Jahr Vouveau Manuel de medicino ho-
BJO'opathiquP. I vol. 1850
Jahr Du tiailement homueopathiques
des maladirs do la peau o*, des lesiona oxle-
ricures eu general 1 vol. 1850
liaitmann Therapeliqnc hon.icopallii-
qUOdea uialadies aigues ct des maladies
chroniques 2 vol.
Ileriug .Medecioe liomoaopalque 1I.1-
meslique 1 vol. 1851.
Vende-se 110 puteo do Collegio, casa litro azul.
S^-Maimelada peitoial na ra es-
.. Ireita do Hoxario n. 43.
Adverte-se a rapaziada que rslo bello rc-
galu do p Uo Inina-se rrcointiiemlavel a
saude, muito piiucipalmeiilo aquellas pes-
soas, que padecem din iiilcrleclivos ; o pre-
cinbu da lata bu 1,000 rs.
Vende-se a taberna 110 boceo do
Peix Frito 11. 5, bem afreguezada, com
poucus fundos,para quem quizer principiar;
a tratar com o saigradur Jusc Auecleiu da
SilB, ou na mesma venda, coji Amonio do
Espirito Santo Luna.
Vende-se na ra do Hospicio n. 14 un
cavallo de estribara, um scliin anda novo,
urna pela voltaica de Danicll, e vanos oh-
leclos proprios para a galvanoplastia, assim
como urna puicao de reagenles puros paia
analys'-s chimicas.
Veiideiu-sc na cunfeitaria da ra cstreita
du llozai io 11. VI, tiohchinlias de ai'aruta do
Rio do Janeiro, pelo diminuto ii.i.-ii de
1,600 rs. a lata.
Lotera do hio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs., na casa Miz.
Itos qualiiicaulos da ra do Queimado
20. vendem-scos muito afortunados bilhe-
tea, quartos, oitavos, viKCsimos, da decima
oilava lotera do theairo de S. Pedro de Al-
cntara, cuja lista chega ate o da 20, a el-
les que cslao no resto.
-- Vende-sena ra das Critlel 11. 22 sp-
gundo andar, urna prela creoula, de 26 ali-
os de idade, pinta engomma.leira e cos-
tureira. coza e lava : e outra dita de20 ali-
os, engomma liso, cosuiiia e lava; um
inulecoU de 18 auno-, e um dito de 10 duas
pretas do meia idade, e um esciavo de na-
i;So, ptimo caiiueiro.
Superior viulio de champagne.
Vu le-se poi 'prego coaimodo no arma-
zo.n da rila da Cruz n. 40.
Vendem-se escravos mofjos
de bonitas figuras, molecdes, ne-
gros mocos, mulatos bonitos, ne-
gras mocas, molecOes e outros mul-
los escravos, por pi ero rasoavel :
na ra das Larangeiras n. 1 |, se-
gundo andar.
AGElNCIA
da fundico Low-IUoor.
RA DA St.NZAl.LA NOVA M. 42.
Neste estabeleeimcnto conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engeoho, machinas de
vapor, e taixas de ierro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Para as escoias.
Vende-se no pateo do Collegio, loja do
livro azul a synupsis du ;eiieral Abreu e Li-
ma, ltimamente adoptada peloxm. presi-
dente da provincia orno compendio de Iti-
tura e historia do Hrasil nos escolas prima-
rias da provincia.
Preco em brochura 2,560
Eucailemada 3.200
-- Vende-se iioarniszuui da ra da Cruz
11. 48, o scguinle a precoi lasoavois.
Latas com bolaxiuha do Alumauhi.
i.arral'es i'uni aevadinha.
Frascos de vidro boca Im .1 do todus ui
tamanhos.
Sag muito lino.
Alvaiade lino.
Zan-r.o esecinte,'
Vei de francez,
machina de fazer 16 chicaras de caf, sendo
a sua perfei(.1o tal que nSo deixSo de com-
petir com as vindas de Franca, alcm dcstas
existo urnas oulras de nova invngalo que pe-
la maneia do trabalhar so torna mu supe-
rior a pi un 11.1 e digna do ser vista.
Deposito da rubrica *l Todos om
Santos na Baliiu.
Vende-se, em casa deN. O. llieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodo transado da-
quella fabrica, muito proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por pregocom-
mojo.
Deposito de eal e potassa.
No armnzcm da ra da Gadeia
doltccie n. ia, lia muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedia, as-
sim como potassa ebegada ltima-
mente, a preces muilo rasoaveis.
-- Vendem-se cera em velas ,
fabricadas cm Lisboa e 110 Rio de
Janeiro, em caixas de 100 libras
sortidas, de 1 a 16 em libra, e tam-
bera de um tamanho, por me-
nos pre^o do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
no de Machado ck i'inlieiro, na
ra do Vgario n. i<), segundo
andar.
Antigo deposito de eal
virgeni.
Na ra do Trapiche, 11. 17, ha
muito superior cal nova ein pedia,
chegada ltimamente de Lisboa
Principios geiaes de econouiia pu-
blica e industrial.
Vcndc-se. este compon lio, npprovado para
as aulas de prinieiras letras, a 480 rs. : na
praga da Indepen luncia, livraria n.6e8.
Simonte fino da Guchoeira.
Vende-SO o verdadriro simnnte da Ca-
choeira as libras, muito superior m quali-
dade, a-sim coin us verdadeiros charutos
deS, l'elix; vi 11 ios por cnconinieuda da C -
choeira, lugar de S. Flix, vende-se tudo o
pelo nas I ;.' lo preg doquoeui ouli'a qua-
quer parle : na na do Collegio 11. 25. tu
beruo de Uanoal Antonio dos Santos Foutes.
- Em casa do Shapheilem 6t Tobler ra
da C uz n. 38 v. nde-se superior serve}* pre-
ta frauceza realhade lOgigosa iSp-ir
duzii.
Agencia de Edvvin Maw.
Na ra de Apollo 11. (i, ariiiazein de He. C'al-
niniii.v Coiopanbla. aclia-se cousianlemcnte
buns boilimeiH de talla de ferVo eoadn e
balido, (iiii.1 rasa como fundas, mtundas in-
citas todas de Ierro para aiiiiuaes, agoa, ele,
ditas para aunar ciu uiadeira de lodos os la-
uianhos e nudellos o mais iiioderuo, inacliiiia
horisoutal para vapor, com fui'(a de A eaval-
los, coucos, passadeiras de ferro esianliado
para casa de pulgar, pur menos preco que o
de cobre, escovena para navios, ferro ingles
tanto em barras como em arcos folhas, c ludo
por barato prego.
lamilla de mandioca.
A mais nova o nais barata larinlia du
mandiocaque ha no mercado, v n le-se na
ra da Cruz do Itecife, aimazcn 0.13, de
J080 Carlos Augusto du Silva.
V**vVPV"?**# VV V V y V V V
j piaga da Independencia n. 17.
^ Vcndc-sc calfio ile ouro e prala de ^
V superior qunlnlade lauto para d'Vizas -^
!} como pora bneles 11 chapios da pa- ^
9 neos. .Na mesma loja s-.i ve me toda a ^
qualldade de uniformes militares iu- si
'* do por prego maiscoinmodo do queom f I
ul'a paite. f> 1
Gasa de commissao de escravtis.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fr della, part
o que se olerece muilas garantas
a seusdonos : na ra da Gacimba
n. 11, primeiro andar.
Gbeguem freguezes a fazendas
baratas.
Pessas de eambr ia com listras decores
com 8 varas, por 3,200 is., corles de dita
comsalpicns a 2,800 rs., ditas de cassa pin-
tada com 5 varas a 1,600 rs., c.issas de cor
escura por240 rs ocovado, ditas pretas a
100 rs.o covado, dem para babados ecorti-
nados a 2,100 rs. a pessa, cortes de chita
om 12 covados a 1,800 e 1,920 rs. : na ra
do Crespo o. 6.
Pariuha.
Vende-se superior e muito nova familia
de S. Calhanna : a bordo do patacho Va-
lente, ou na ra do Trapiche, armtzem nu-
mero 9.
Vende-se um cavallo muito bom
c muito gordo, tendo todos os an-
dares, proprio para menino, ou
__senhora montar, por ser peque-
1: quem pretender diiija-sea cocheirade
Joto da Cunha Res, junto do hotel com-
mercio, na ra da Cadeia deS. Antonio,
luda continua a vender-se barato.
Corte* docisomira prela por 5,000 rs., di-
tos de brim escuros de listras a 2,000 rs e
1,600 rs ditos do castor 1,120 rs riseados
de algodilo a 180, c 200 rs., "iscadinhos
francezes a 120 rs. o covado, e mullas mais
fazendas por liaralissimo prego na ra d
O ~ Vende-se um grande sitio no lu- O
9 gar do Manguind, que tica defronte O
,3 dos sitios dos Srs. Carneiros, com 0
q grande casa de vivenda, de quatro 0
m aguas, grando senzalla, cocheira, ^
n eslribaria, baixadecapim que sus- ~y
Z lenta 3 a 4 cavallus, grande cacim- n
S? ba, com bomba e tanque coborto S
^ para bando bastantes arvoredos de 2?
fruclo : na ra do Collegion. 16, se- *j
3 guudo andar.
Novos gostos !! !
Na ra do Crespo n. i4. loja de
Jos Francisco Das,
vendem-se finissimascassasfranozas de ri-
quissimrs gestse novo uadrOes pelo ba-
rsto prego deTOOrs a vara, corle de Cam-
biaia liza l'azcnda muito lina 2,240 rs., o cor-
to ( metade de sou valor) ditas com salpj-
cos a 640 rs, a vara, corte de cambraia
pintado de cor,degosios modernos 2,200 rs,
o coi te, superiores chitas francezas cores
muito Usase de novos padrOec a 240 o 260
rs.. o covado, ditas estrellas coies de vinho
de catTo e de ganga a 200 rs., o covado.
Till de liulin brancu o do cor propria pars
mosqu.leiro 610is,a vara.brins liangadoses
curo c cor do ganga com listas miudinhas a
1.000 rs o corte, assim como outias mui-
las fazendas por baratos pregos.
No aterro da ion-fista, loja n.
18, del ron te do tribunal do
coinmercio
Yendciu-se ricos corles de cassa
a 000 rs., e chitas de padres es-
curos e cores lisas a noe 1G0 rs.
o covado !!!
familia de mandioca.
No 111 ..- na do \ntonio Annes Jacomo
Pires no caes d'Alfandega vende-so familia
do mandioca em sacas, sendo do ptima
qualldade, o por prego o mais commudu do
mercado.
Vende-se um carro de qua-
tro rodas, muito leve, para um 011
dous cavados: na cocheira do Mi-
Sougei
no aterro da Boa
guel
Vista.
l'adaria.
Vende-se urna padsris, no Isrgo das Cin-
co Ponas: a tiatarcom J. J. Tasso Junior ,
ou com Juaquim l.up-s do Almeida, caixei-
ro do Sr. Joao Matnpus.
Lentos.
Longos do cambraia aberlos, proprio para
sen oras e meninos a 360 rs ditos com bi-
co a ruda e palmas as puntas a 400 e 440
rs., ditos do cambraia de linho para liumoin
a 400 rs. : na iua do Crespo n. 6.
Arados de Ierro.
.Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Pechinxa.
iiombas de Ierro.
Vendem-se bombas de repuso.,
. 1 I Vendc-S". na ra do Crespo na loja da es-
pendulas e picota para cacimba : I quina que volta para a calea, coites de
na l'Ua do rillll ns. 6, K e IO, jcambraia cor de rosa B de ootras cores do
.. ultimogoslo a 3,000, 3,500. 4,000, e 4,500;
lunuicao ae leno. Iditosdecasst-ohiaa a.ouO tu tos da ex^o-
MoiullOS de vento jsigo a 2,210; corles d- chita com 12 cova-
eoiii bombas do repucho para regar hurtas idos ,.8tl0 crJM Ja lusin" J*0 ; cor-
d baixas de capim : vendem-se na fund.glo ** C"1? !" "r"n curu e 80O,O6u,l,12O;
deowmani tic. Calluui.ua ra .. .um ,,l,"s ,,H l,rim ''"o puro linno a
ns. 6 8 e 10. 1,440,1G00; lencos le cambraia mullo finas
-'Emeasa de J. Keller VCoiul|iroPrla* Pkra "inoa320; e outras muiia
panhia. na ruada Cruz n. 55, acl.a-se a ven- pz'" "s que e loino rccoinmundaveis pe
da oxcellentoe superior rin/10 re Hii-ila boa qu-lidade.
celta, cm barris de 5.". he muitu recom-[Azcile de carrapalo da labrica de
mendavel as casas eslrangeiras, como ex-
excellente vinho para pasto.
DEVEREb DOS UOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio apruvado para
as aulas, em meia encadernagau, a 500 rs.p
cada um: na livraria 11. 6 e 8, da praga n,
Independencia.
Vendem-se 1 elogios de ou-
roeprata, patente inglcz : na ra
da Senzalla Nova 11. \-.
~ Venlem- velas de esperrnacele, em
caixas.de superior qualidade : em casa "de
J. Keller t\ Companlua : na ra da Cruz nu-
mero 55.
Arados de Ierro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
con carabao de sicupira e bracos
da ierro I na fundico da ra do
liruin os. 6, 8 e 10.
Xalxaa para cugenlio.
Na fundiglo do ferro da ra du llrum,
acaba-se de recebar um completo sortlmon-
tu de taixas de 3a 8 palmos de bocea, as
quaas acliain-se a venda por pregu com-
modo, e com prouiptidlo cmbarcam-sc,ou
carregam-su cm cari os sem despozas au
cuuipiadur.
Vendem-se amait'as do fe ru : na ra
da Senzalla uuva 11. 42.
Arauj ck Filbos, no l'cnedo.
Este izelte pela poifeigo cm que lio
fabijcado nfio s serve em lugar do uzeite
doce o de cuco, para qualquer qualidade de
csiidieiros pur mais delicados que sej3n,
como (lu muito pielirivel a qualquor oulro
por dar urna luz ni 11. hrilhauti, ser mais
duralivo, e seu cusi ser mais barato ; nSo
tem o cli'iru dosagradavel que exala o azei-
te de canapato commum, nem em nada
dolieseassemelha. Veolo-soem barriz de
16 caiudas a 2,400 rs. a cauada, no armasen)
de J. J. Taaso Jnior, ra d o morim o. 35.
9S99>- *#
* ALCODAO' PARA SACCOS.
vende-se n.uitobom algodflo para sa- .1
* eos de assucar, [ior prego commodo; v
* em casa de Iticardo Koyle, ni ra da (1}
% Cadeia n. 37. ?
Vende-se um cxcellenle sitio em Be-
heribe, pertencente ao Padre Francisco Jos
de Lira ; a fallar no mesmo sitio, ou na
ra da Aurora n, 62, segundo andar.
I'ara liquidar.
Vende-se tan liquidar, na ruadoCabug
n. 12, confronto a ra das Laranjeiras, li-
bras do liuhas por piego moito barato,a
saber :-linhasns. 16, 20, 22, a 800 rs. a li-
bra, ns. 14,90, 28, a 850 rs. a libra, ns. 30,
Vende-se superior farinha* Ra do Crespo n. a3. ,
de mandioca, muito fina, em sac- Vende-se pegas de chita para vestido a
, ', 1 4,500, ea I80oc<>vodo. cortes de ca-emiras
cas:, desembaicada do pataclio modernas a 5,000 chita luga para coberta a
(onceicao, vindo do lio de Janei-'180 ra., ocovado, longos de Ha e seda a 180
, _.'.- __. i chales da roosma fazeuda por prego commo-
ro, entrado em a6 do corrente mei -0> m d, t0(1 M coreft roodernos ptr,
de outubro, por preco commodo: I vestido a 480 rs. a vara, corles de csstor es-
_* ___. ...... j_ ___ __ [euros para calca a 640, meias para menino
nos armazens de Antonio Annes e mu|t0 ?,, o eout'rit mu; r.d,
Dias terreira, no caes da Alfande- muito baratas.
ira- i ii ,1 n- nos iiirsinos oiicoiii -Sahiu o segundo e ultimo vol. ds insti-
ga a tratar nos rnesmos, ou com luit0Mdodirej|o,..,., brMeiro formu|,dl
Novaes ck (.ompanltia, na ruado segundo osystfma do insignojunsconsulto
Trapiche n- 34.
^^^5
? ap;ilu$ de tapete. ? Vendem-se os bem conhecidos cor- Q
%: tes de tapete para sapatos a 500 rs. o
0 par: na ra doQueimado, loja do so- -*
lirado ama eilu n. 29.
#>if#
Vendem-se 2 escravos mocos
proprios para todo sei viro na ra
de SantaThercsa n. 42.
Moendas xiipcrlores.
Na fundigSo da C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-seS venda moendas
de canna, lodas de ferro, de um modelo e
oonstrucglto muito superior
Aos amantes do bom e barato.
Na ra do Crespo, Inja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-se casemira prela,
a 5,000, 5,500, 7,500 e 8,000 ris o corlo;
ditas de ei'ir, a 5,000 e 6,500; panno lino
preto, 1 3.000, 3.500. 4,000 o 4,500; dilo
verde, a 9,700, 3,000 e 5,000 ris ; dito azul,
a 2.600, 3,500, 4,000 e 5,000 ris ; dito cor
de rap, a 2,600 o covado : e outras muilas
fazendas por prego commodo.
- Vendem-se 50 saceos de estupa, novos,
com 2 varas cada um, a 320 rs.: na ra lar-
ga du l(oz*riu n. 48, primeiro andar.
A bordu do patacho brasileiro Margs-
rida, tundeado delimite do trapiche doal-
godSo, esl a venda a superior farinha de
mandioca de S. Catharina, chegada ein 2
do corrente: trata-se abordo com o capi-
to, ou com Luiz Jos de Sa Araujo, na ra
da Cruzn. 33.
Presuntos de lamgo, cebo do Por-
to em velas, pomada em caixas.
Vendem-se em porgSo e a rotalho,por me-
nos do que em outra qualquer parte: na
ra da Cadeia do llecife 11. 24, armazem.
~ Vende-se farinha SSS muito
nova e de superior qualidade : a
tratar com Manoel da Silva San-
tos, no armazem do Annes, no
caes da alandega.
Ricas franjas para cortinados a
3,900 rs.
Mello Freir, do qual se celligiu tudo que
1109 he applieavel de ennfurmida lo com o
I10SSO gnveruo, acldicioiando-so todas aa
disposigOes das leis brasiieiras publicadas a-
t 1850 pelo Hr. Lourengo Trigo de Loureiro,
esta obra he de urna necessidade incontes-
tavel, guia clara, segura e infalivel na sci'jn-
cia do direilo.NCo havera de corlo legisla-
dor, magistrado, nem advogado que possa
dispensar tflo olil obra: vende-seos 2 vol.
por 10/ is. no pateo do Collegio,cisa do li-
ViOazul.
- Vende-so a muito afreguezada loja de
cueade'iHgao da ra estrella do Rozano u.
5, com todas as farramentas precixs : a tra-
tar na mesma ra, loja de miudezaaj). 2 A
junto ao deposito de pSo.
vv v vvmvv* f f f f tf fft
Deposito de tecidos da I ubi i- ^
ca de Todos os Santos,
0. na Baha. ^
> Vende-se ein casa do Domingos Al- 4
3** ves Matheus, na ra da Cruz do Re- 4
* cifen. 52, primeiro andar, algodSo
transado daquella fabrica, muilopro-
prio para saceos e roupa de escra- ^
vos, assim como lio proprio para re- 2
0. des de pescar e pavios para veilas, <
^ por prego muito commodo. ^g
* AAMAsAMO AA* A AAAAAA A
Vendem-sc folhas de flandres sortidas,
em casa deKussell Mellors& Companhia : na
esquina da Lingueta n. 32.
Vendem-se duas casas terreas, sendo
urna na ra da Cloria n. 24, e outra na ra
Velha n. 105; e um sitio com terreno na So-
lidado junto ao foguHoiro, com casa detai-
pa ; tudo se vondora por prego muito com-
modo, por seu dono se retirar para lora: a
tratar na ra Velha n. 105, do bairro da Boa-
Vista.
-- Vende-so a mais superior agua do co-
lonia em frascos, a 1,000,2,000, 3,000,4,000
e 6,000 rs. na loja n. 2.da rui Nova.
A. Colombiez com loja na ra Nova n
2. atraz da matriz, tem para vendor barato a
dinheiro a vista, spateles de de lustro para
humem com forma ingleza, o sola batida ;
sapatos do lustro para senhora, ditos de
marroquim, ditos il duraque, ditos de sil-
ln Illanco, e ditos de marroquim preto;
formas de botins, modelo inglez ; chinelas
i
*

I Nova fabrica de cha-
JULpos na ra Nova n.
I'!.
Vendc-se superiores chapeos francez
chegados ltimamente, a 6,500, 7 non
7,500 rs.; chapeos de caslor braico'r.,V
dos, proprios para os passaios, a 6,5on r,
chapeos de massa, brancos, pardos e nrin'
rapados, a 3.000 e 3,500 rs. ; bonets de ,
nose da outras qualidsdes da muito Lm
sto, para criangas, por precos coromodoT-
RUSW, para enanca, por precos COmmodo.-
bonets de cabellos, muito proprios, para L'
uzar em casa, por ssrem muito frescosa
1,500 rs. ; hapos do masa finos e eotre
Anos, e de outras qualidades, por procos
rssoiveis etc.,
Vende-so na ra do Cabug 11.12, franjas id? Ia* pa" l}0 ditss de 13a para sa-
nito lindas, para cortinados, pelo barat.s- nl,or" \,sap,tlnhos ? PDnode cores com
no prego de 3,900 rs. a pega de 15 varas;' P0"1" d,e fouro de luslro P*r, man'" i
__ i,__ 'I hn nik 1I0 iltiriim iir.ln. i-... ,.. o .- iln l.i.: .
mu
simo
para liquidar.
Cadeiras.
Vendem-se cadeiras para meninas, no ar-
mazem de Kalkmunn lrmfios,'na ra da
Cruz n. 10.
?** *>*
C9 Cortes de vsstiilu (lautlimamoaa. a)
(,. Cortes do vestido de cassa seda com 4
fr- listras o quadros de seda,lindas cores 9
c< e modernos gostos : ditos de dilo de J
t> cambraia com barra de ricos borda- a)
(i dos o os competemos figurinos : ditos O
de dito de cambraia aborta com llores a)
j adamascadas o de bonitas cores : di- 4
ti, tos de dito de garga.lingindo blonde.
bolina do duraque pretos gaspiadis de lus-
tro, para senhora ; sapatos de duraque de
cores, psra meninasa 500 rs ;e chinellas
iuglezas que servo o para es senhoras que
v3o loma bandos.
Vende-se no aterro da Boa-Vista,
loja n. 78.
Mulo bom couio do luslro, a 2,800 o a 3/
rs. a pello : fivellas pra sapatos, a groziaa
700 is. ; sapalOes de como de lustro do Ara-
Caly, a 2,000 rs.,bolins de dito pelo diminu-
to prego de 7,011 irs ; o outras muitas fi-
acndas que o vista do comprador so far ne-
gocio ; cera amaiella, a 640 rs. a libra.
Ven iom-S3 2 molecotes de idadd de 16
de d.licadissimos gostos e o mais mo- 'aonos, sendo um carreiro ; 3 escravos de
B du, q,, 'i'0 re,:oado um c,"n- i servico de campo, um cazal do escravos de
f pelo sortimento do curtes de vestidos 4 todo o semgo, e urna escrava do mcia ida-
P. P.8eA"'l!:8,.lc!s,..dB c."ros ? lurla c- de : na ra Ihreita n. 3.
Vende-se una boa propriedad de casi
terrea, sila 111 ra velha do biirro da Boa-
ttstan.22 : a tratar na ra Arag3o n 40,
.ai na ra do Vigario 11. 4.
Vende-se uina prota boa cosinheira, la-
vadeira, o boa para arranjos de casa por
350 000 rs. para liquIdagSo : na ra larga
do l; ./..i 10 n 35, loja.
( res, c outras multas fazendas de gos- 8
? lo.que so vendetn por pregos de agr-
0 dar ao comprador: na ra do Quei- a
t> mado. luja do sobrado amarello, nos f quatro cantos 11. 29. <)
i'ara litjuidar.
Vende-se na ra du Cabugi n. 12, con-
fronto a ra das Laranjeiras, miudezas mui-
to baratas; como seja penlcs do haleia de
alizar cabello, linta ingleza, rolroz do todas
as coies, suspensorios do burracha.requifeg
para enfeites de vestidos, (guias frn-
eezas, earriteit du lindas de todas as cores,
o brancas do 100 e 200 jardas.libra de lindas
em novelos.brancas o de cores, espelhns de
varios tamanhos, caixas de colxeics bran-
cos e pretos, botOes de caiga, ditos de ma-
dre-perola, do agnt c de linlia, ligas de bur-
racha, com nomes de senhora.' bonets de
cabello para menino, linlia de maica, aljo-
fares, cscovas para cabello, bicos laigos,
rendas, lilas de soda lizas o lavradas, as a-
mnslras estilo patentes; aderegos e bi i neos
pretos, franjas para cortinados, e muilas
mais cousas, pelo prego mais comino lo, e
n.io se u 111 a lucrus.
Vende-se, por preco com-
modo, para fechar contas, tuna ca-
xa com marroquins e chapeos do
UbHy, vindos no vapor Fernam-
bucana, litaba de roriz, panno de
linlio e outros arligos mais : no
cscitorio de Nuvaes 6c Compa-
nhia, na ra do Trapiche n. 34.
Cheguem que he pechincha a 240
rs. o covado.
Veode-se brim azul dequadrindos com
4 palmos d>) largura, para palitos e jaquetas
pelo barato prego de 240 rs : na ra do
Queimadn n. 8, loja defionteda bolica,
Tudo di pnmeira qualidade.
Vendem-se supeifinos ligos a 200 rs. a li-
bra, DOMxJnha ingleza a 200 rs.a libra; mau-
Cihapos do chile.
VenJom-se chapeos do chile peque- *
nos a 4,000 rs. : na ra do Crespo 4
n.23.
**** tV*fl.4,* a*,V**4l .
-- Vendem-se. paueos cun farinha fina
igual 11 de munbeca a 1,600 rs,, com um al-
queire novo, saccas da dita coro um alquei-
ro velnoa 4,000 rs : na ra da Cadeia de
Santo Antonio 11.15.
Palitos de fugo do Superior qualidade,
ja muilo bem connecidps, 110 correr da Oti-
la d'agoa n.5s. Ilons nagosqua regulan! de
200 a 400 palilo, o fabricante responde pela
qualidade pur um anno, pelo diminuto pre-
go de 1,000 rs. o ceulo. Na fabrica, a 1,280
rs., e pela ra na caninho de carneiro que
vendo um menino ; s nicamente por quem
se responsabilisa o fabricante por haver ou-
tros que ve.nJeiii duendo que sSo da casa
da caixa d'agoa, quaudo nao sSo.
Vendem-se na villa de Iguarass, 25.a 30
bois de sulla para carro: quem os quizer
comprar procure na mesma villa a Francis-
co das Chagas Ferreira Duro, nos dias de
domingo, uusegunda-feira de qualquer se-
mana por seiem eates os dias que o dilo se-
nhor seinpio so acha na mesma.
Vende-se urna porgilo de cipim ver-
de muito bom na ilua deS. Joilo : a tratar
com Joaquim Ribeiro Pontes, na ra da Ca-
deia do Kucife n. 54.
O PAMETETA.
0 Vondonl-sj charutos da Paneteta.di- Q tos superiores de llavana : em caixas Q
Q de 100, na ra Nova luja o. 9. Q
Vende-sa, aluga-se, ou troca-se por
yson superior a 2,240 rs. a libra; loucinho
de Santos a 160ea200rs. a libra, araruta
nova a 160 is.;seva Imha franceza a 160 rs. a
libra, fejo muil novo e alvo a 320 rs. a
cuia; goimna de malarana a 320 rs, a libra ;
e 11111 1 esl ule.1 uar I lidias c i-b ndes que nan ha
iguaes em paite alguma, a 500rs. cada lima;
e oulros maisobjclos pelo mais barato pos-
sivel : nos Ountro Cantos da Hoa-Visla ta-
berna da esquina de S. Congalo, debaixo do
sobrado 11 I
VendemJse travs de 35 a 40 palmos, e
de boas qualidades, por piego muito com-
modo a Ir.lar na ra do Qjeimado n. 57.
#!?
(Jatcnni as modernas.
Vondem-se as mais modernas case-
? miras que ha no cercado a 5,500 rs. m
cada corte: na loja do sobrado ama- j}
tt relio, nos quatro cautos- da ra do ej
t. Qii'iiuado n. 2. <4
36, a 050 rs. a libra, 11. 40 a 1,200 rs. a li-1 +*>*>*>****M*WBWm
bra, n. SO a 1,300 rs. a libra, n. 60 a 1,400 Vonde-se um ptimo e aovo* bilnar,
tejga ingleza a 610 rs. alilira', franceza a 560 urna cas-, um sitio na estrada do ArraiaL'ao
rs. a libra; cha brazilciro lino a 1,600 rs.ch p do Sr. Costa, con bsiu para capim e
vem s.11 mi:.i. i> a ntn __ 1-1 __r *._ ..
rs. a libra, n. 100a 2,200 rs. a libia, linhas
de todas es C nesa 1,2U0Ts. a libra.
com lo us os seus p 1 lences completos, rc-
cenlementi chegadode Londres : lia ra da
--\ unde-so urna parda,moga.buuita e com Cruz, o. 9, no armazem de Davis i\ Compa-
habilidades,e um bonito parduibo de 3 anu- [ ohia.
Uenosito de c Cunha & Amorim, vendem barris com cal nos por Ih-ler inurrulo o ma-, proprio para, Vendem-se relogiosd'ouro de patente
empadra, chegada ltimamente de Lisboa, criar.e eduear.por 220/a que dentro do pou- inglez, da mais acreditada fabrica de l.iver-
na barca Maignrida, por menos prego du'co lempo segundo a falta que vai navendo pool, por pregos commodos : na esquina da
nue un outra qualquer parte: na ra da Ca-tdesla gente valera 500,000 rs : quem quizer Lingueta n. 32, casa de llussell Mellors ci
deado llecife n. 50. rva na ra larga do llozano 11.35 loja. Companhia.
bastantes fruteuas : a tratar ua ra das
Cruz.es 0. 25.
Vendo se u 111 cavallo, prop io para ca-
briol : a tratar na ra do S Amaro ua co-
cheira do S-. Agoslinho.
-- Veode-se urna cama de ai maguo dcan-
gied, enve uisa ia, por prego ejmuiodo : uo
aterro da lija Vista o. 38.
Aos Srs. marcineiros.
Carros dourados para psde mesas, para-
lusos para camas Trancczas : na ra Nora lo-
ja n. 16, de Jos Luiz l'ereira.
Novo 1 re ni para cusinha.
Chaleiras, frigideiras, panellas e cagaro-
lasde forro forradas de porcelaua,facas com
garos muito linas, colheres de metal prin-
cipe que se confundom com as de prata,car-
relilhas e hcelas de raa para doce, grelbas
Escravos fgidos.
-- Desaparoceu 00 dia 8 do corrente o
escravo de nagdoangola.de nomo Louren
go, representa ter30annos pouco mais na
menos, altura regular, g'osso do corp, C01.
preta, olhos pequeos e afumagados, p0r be.
ber muilo, falla um pouco alrapalhada iP
vou caiga e camisa de riscado americano
bonde panno j uzado : quem o pegar L
ve-ooa ra da cacimba o. II. quesera bam
recompensado.
-llesappareceu no dia 5 00 corrente do
engenho S. JoSodo Cabo, o escravo Valerio'
alto, choio do corpo, e espadauJo,cracur-
ia c larga, nariz chato, ladino, um pouco
gago, com uns taliobos na cara por ser di
costa; ia ni bem tem urna marca de ferida
em sima do indio do p esquerdo junto aos
de Jos. Ser* muito bem recompensado quera
o levar o dito engenho, nu no Mondego om
casa do llm. Sr. commendador Luiz Comes
Ferreira. ou ao engenho Fragoso, ao Dr.
Miguel Joaquim Carneiro da Cunda.
100,000 rs. de gralicagSo.
Iloga-se as autoridades poheiaes, que cap-
turem o escravo Manoel, pertencente a So-
bastiSo Marques do Nascimento, fgido des-
de o dia 8 do mez de antemuro. Foi
elle escravo do Sr. Cabriel Alfonso Riguei-
ra, i quem foi comprado ltimamente : tero
28 anuos de idade pouco mais ou menos, cor
fula, com falla de dous denles na frente,e
de cabellos do lado esquerdo da cabsga, que
se torna bem visivel por parce t urna co-
rea, tem olhos pequeos, beigos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, ha ofllcial
do l'uiiileii'o. Trajava jaqueta de riscado
azul, caiga branca, camisa de madapoln, e
levou urna trouxa, contendo caigas o jaque
tas : quem o apprehender e levar rus da
Aurora n. 62, receber a gratillctgto pro-
medida. Suspeita-sc que Toase seduzido, e
por isso desde j protesia-se contra quemo
conservar em seu poder.
Desappareceu na tarde do dia 13 do cor-
rente um escravo por nome Joaquim tem os
signaos seguintcs: boa estatura, representa
ter 35 anuos de idade, falla desembaragtda,
ps grandes, tem lodos os dentes da Tiente,
nariz chato, quando anda estalaas juntas dos
joelhos, levuu camisa de algodSosinbo brau-
co, caiga do dito azul, este escravo foi do
malo: quem o pegar leve-o a typograpbia
imparcial a fallar com a viuvi Roma que se-
r recompensado.
Desappareceu no dia domingo, 12 do
corrente, um preto que reprsenla ter 45 a
50 annosde idade, de nacSocagange, baixo,
cheio do corpo, sem dcfeito algum no corpo,
levou vestido, caiga de casemira azul clara
de quadros e j velha, colele de selim prclu
velho, jaqueta de brim pardo.camisa de ma
dapolSo, chapeo de seda preto ; presume-ss
que anda pelos arrebaldcs ilesta cidade, pois
apezardeser do sertilo nSosejulga que 1-
nha rollado : roga-sa portanto as autorida-
des puliciaes o capimos decampo, a captura
do mesmo, levndo-o a ra do Vigario n. II,
lerceiro andar, que se recompensar.
11 /enI mi -SO na limite de 27 do em l'i'lll".
o mulato Clemeutioo de idade 20 anuos pou-
co mais ou menos, magro,sltura regular, e
falla muito manaa, costuma andarcalgido
e bem vestido ; levou urna troxa de roupa, o
consta que levara um cavallo que alug'ra
nessa occasiilo, o qual tem os signaes se-
guinles : castanho, barrigudo, clioas pro-
tas, e gordo. He provavel que queira pas-
sar por forro : he bolieiro.e escravo de Luiz
Antonio Siqueira : quem o pegar leve-o a
ra da Cadeia-Velha n. 20quoserecompon-
sara.
100,000 rs. de gratilicagSo.
UesaparSonodia 12 de agosto do correlo
anno o cabra.Romoaldo porem he de su mi'
que troque o nome, representa ter 45 a 50
anuos pouco mais ou menos con algn* es-
beltos brancos, e o resto muilo pretos e es-
tirados, falla descangada,he barbado, quau-
do fugiu foi de barba feta, he grosso do
corpo, altura, regular levou vestido camizi
de algodaozinho ec jas, echapu de palhr, levou una Iroxioha
de roupa, e seduzio um mulato acaboucula-
do de nomo Francisco de idtde 18 aunos que
foi em eompanbia delta e levou ehapeu do
couro, he seco do corpo, al lo, cor de canda
boca pequea, beigos roxos,'cabellos o.-i',
rados e prelos, ps chatos eus dedos a hur-
tos,quando falla afeta qnerer ser inglezado
he muito pronostico, levou vestido carniza
de algodo riscado americano e caiga de ca-
semira azul com lislra ao lado, porem be de
supor que tenha mudado de trage.o Romoal-
do veio do RiuCraode do Norle para onde se
desconfa ter fgido,quem os pegar leve-os
a ra da Cacimba n. II ou a ra da Ca-
deia defroote de S, Francisco casa do Sr.
Ueulo Jos Fernandos Barros, que recebura
a gralificacfio a cima, e sa prtesis contra
quem os tiver ocultos.
30,000 rs., de gralilicagO'
Desappareceu no da 15 de julho do cr-
renle anno um muleque crioulo do nome
Paulino de dado de tOannos pouco mais
ou menos,cor amaielada por ter vicio de co-
mer trra,naris chato e feo levou camisa de
algodSosinho suja e calcado riscado, sem
chapea, este escravo portence ao Sr. Amo-
nio Jacinto da Silveira de Una ; quem o pe-
gar leve-o a ra da Cacimba n. II ou a
ra do Livramento o. 26 segundo andar que
recebera a gratilicagJo a cima, ese protesta
contra quena o livor oculto.
No da 3 do cprrenle mez. Desapare-
cen a preta Mara da naca o usa, de idade do
26 annos pouco mais ou menos, foi vender
fruclas, e ortalice com um laboleiro b miau
te grande, e o fundo foi feito de cabeceira
de cama, que anda tem alguna lavurc* do
inbutidos, be alta, tem paitos grandes, mais
cabidos; falla bem claro, levou vestido de
riseadiniio azul ja desmaiado, com urna
emenda por baixo, as orcinas arguliohas
ae ouro chatas, e tem urna costura ua mu-
nheca da tno esquerda : por. lauto roga-se
a todas as autoridades policies, e capiles
dd campo, que, se a virem a prendaiu n
levem-a na ra da Cadeia do Kecife n. 25,
que serSo bem recompensados.
- Desappareceu no di 12 do passado, O
Cal Virgemm pedra !Mla, represante sel corpolehto;"levouci-
Chegada recenlemente de Lisboa, em anco-' misa de alguduotuhoe caigas de brim brau-
raa muilo-bo'ii acondicionadas; ve ide-se a co sujas, chapeo de couio cuma iruxinha
prego muito coinaiodo : no armazem da de roupa : esto caba veio do toara; q
Silva llanoca, na ra do Trapiche ti. 19. o pegar leve o a ra da Cacimba n. II
Farinha muito lina, alva, seccae uova, sera recompensado,
chegada uliimameiite de S. Matheus a bordo
da sumaca cl>araguassa,fuuueada defroote
da alfandeg, a 2,800 rs. livres para o navio.
uem
que
lega


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB5P4CISC_FHCTFL INGEST_TIME 2013-04-13T01:37:58Z PACKAGE AA00011611_04743
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES