Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04710


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Sexta Feira 29
ludoaKoradeper.de de Husmeamos ; da lotaa prudencia modeia<-.".o e eneria : c.in-
limiemaM rom principiamos e seremos apontados con admirarlo nlre U Nardes Main
roltlW. (Proclamaran, da Aasemlilra PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
fioianna, Paraibi. e Hiogrande do Norte, segunda e fcextai feira. ,
Bonio tfiaranbui.. fc.0 e24
Oho Serii.haem, H.o ti.rmoio Pono Cairo Naeei e Alagoa* nal." H,e '21.
aiei'i ^- Santo AnlJo i ininlaa leira*. Olinda lodos os dias.
25 Se;,
'fi i.-rc.
27 Qjart
2S O"'0*
19 Sea
JO Sah.
31 I JU-
DIAS DA SEMANA.
.3. s. Tiago Ap. s. Clirislovo M.
. S". Simphronio Olimpio, e Tlieodolo Maa. Re. Ad. do T. 4a J). dal.
. a. l'Milalefto Medico. Aud. do J. de D. da 3. .
l g. lnnocencio i'. Card. Aud do juiz de D da "2 v
',. Marllia V. Aud. do J.deD. da 1 t.
jejum Rufino M. Re. Aud. do .1. de D. da 3. v,
s. Anua M4y da May de Dos.
de Jullio.
Anno XVIII. N. IflJ,
O Diario pul-lira ae todos os dia* qo B.lofoiein Saflliiiaadoa d p'*yo di taiga ai
da Iroaj mil rea por fiiiarlcl pagfH adianiadns. O* anuaienna dos .'isign antes saa iuterido*
(ralis e 01 dos SU.....i.mi Cu i ni i r.ir.io Je NO rea por linlia. \s rivlamarfirs deven s*r
dirifidaa aealaT)pografia upa daaCrosea 1). >. oaa praea da Independeiria luja drlirroa
Numer .17 c 3S.
cambios m. maSS dejolmo.
compra venda.
i. ,.. to.
i p tim*".
Caml-io sobre) Iondie. "}li
,- Paria ;iiiii ro
ii t-iaboa lili) poi IHIl 4 pr,
Motila de obra. 4 poi IUO de descanto.
Iilrtr. In letra -Ir boaa firma. I r- a I i- 1
peseimln de liilh da Alfar.i-.' i a '
me?.
Orno- Monis de 6,400 V. J.i.UOO
N. ..i.SJ
de 4.0(10 8,800
Pfata i'alacoe* I.SJll
reos Columnarea I.S2(I
dito Mniianns I.S'O
m,il Mili)
H'i Illlt
lli IKitl
II (10(1
4,840
I.S'.H
1.M0
Picaimir itu din '.'!l Ue JuiliO.
I."a II) horas r li m. da man'.'.'i.
2. a Id luirs- .1(1 ni. da larde,
I na .Nova
ijuar.. orate.
Lila cheia
Qoarl, ming.
IMHSF.s DA LA ISO MA DE .1(1.11(1,
S-- s 4 lioraa e 4'i m. da manli
a I i as 7 luirs a 'i!*m. da i.ird
a 2'2-- :i R huras r M\ m da man'.,
a 30 -- s 0 luirs e 2'i m. da lai I.
mm
) I Alt IO )E PE
H
DE RETOS.
Hei por bem demiltir do lugar de medico
da minha imperial cmara ao Dr. Joaquim
Candido Soares de Meirelles. Candido lo/e
de Aranjo Vianna do mou conselho mi-
nistro e secretario do estado dos negocios do
imperio, o tenha assim mitendido e faja exfl-
cutar com os despaclios necessaros Palacio
do Rio de Janeiro em 50 de juiho do 1812
vigsimo primeiro da iniiepemiimcia e do im-
Impera-
iianna.
Dito Aocaplao da companhia d'artifi-1ntrgJo, nem jomaos apparecem. lreslypo-1
oes, dizendo-llic em rosposla ao seo officio-j grapliias forfto destruidas.
luVm tarde.
NTIUOK.
ptsrio.Com a rubrica de S. AI. o
dor.=Qandido Joze de Araujo Viam
Hei por hem ordenar que Rernardo Pinto
Gavio Peixoto nao seja mais conciderado co-
mo veador da minha imperial casa. Candi-
do Joze do Araujo Vianna do mou conselho.
ministro e secretario do estado dos negocios
do imperios o tenha assim entendido e ta-
ra exocutar com os despachos necessarios.
Palacio de Rio de Janeiro em nov de julho
de mil oitocentos e quarenta e dous vig-
simo primeiro da independencia e do imperio.
Coma rubrica de Sua Magesta leo Impe-
rador.Candido Joze de Araujo Vianna.
Hei por bem ordenar que Joze de Castro
Canto e Mello nAoseja mais conciderado gen-
tiihomem da minha imperial cmara. Candi-
do Joze de Araujo Vianna do meu conselho .
ministro e secretario de estado dos negocio*
do imperio, o tenha assim entendido e fac.%
executar com os despachos necessarios. Pa-
lacio do Rio de Janeiro, om nove de julho
de mil oitocentos quarenta e dous vigsi-
mo primeiro da independencia e do imperio.
Com a rubrica de Sua Magestade o Impe-
rador.Candido Joze de Araujo Vianna.
de 21 que ao arsenal de guerra se bavia ex-
pedido ordem para o pagamento do instru-
mental de sopro comprado para o temo de
cornetas da dita companhia.
Dito Ao delegado do termo de Nazarotli.
communicando-lhe., "que ficava com praea
assente o recruta Ignacio Ribeiro que i-
com pan har o seu oicio de 19 do crrante.
Portara Nomeaudo o conselho de .li
recejio, quesob sua presidencia tem de to-
mar conhecimento da justiicagao de nobreza ,
que peranle o auditor de guerra deo o solda-
do de cavallaria II. E. da Costa Gama alim
de ser reconhecido cadete da primeira clas-
se.
Iguaes portaras se expedirao nomeando
os consellios do segundo sargento Pedro Joze
Borges l'xi, e soldados Julio Cezar Pessoa
de Saboia, e Joze da Cunta Moreira todos
do halalho provisorio.

COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE 1)0 DA 23 DO CORBENTK.
Oflicio Ao Exm. Presidente, ponderan-
do -Ihe a necessidade de trocar o armamento
da forcea da guarda nacional destacada em 0-
linda por outro do adarme 17 e envian-
do-lhe neste sentido urna requisiejo que lo
bem continha outros objectos.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. rogndo-
me houvesse de passar ordem aocommandan-
te do vapor S. Sebastio para receber a seo
bordo o transportar a corte tres mulhe
res casadas com praea s viudas do norte.
Dito Ao major commandante da for^a
destacada em Olinda rospondendo o seo of-
ficio que tractava da requisitjo de torga arma-
da, que Ihe fuera o juiz de paz de Marangua-
pe para manter a ordem naseleices.
Portara Ao teen te coronel comman-
dante do batalhSo provisorio mandando in-
corporar ao mesmo bitalhao desde 22 do cor-
rente a 47 pracas viadas do Cear e Para
no vapor S. Sebastio.
dem do da 20.
Ollicio Ao Exm. Presidente, acerca de
dous rapazes do collegio dos orlaos que to-
cando trompa e flauta convinha serem en-
gajados na muzica do batalho provisorio, e
rogando-lhe a expedirlo de suas ordens para
serem apresentados ao respectivo teen te co
ronelcommandanta urna vez que tivessem
a idade competente e nao houvesse para is-
so impossibilidadtt
DitoAo Commandante do deposito, man-
dando considerar recolhido da desergo e
perdoado por se ter apresentado na provincia
da Parahiba dentro do praso marcado no in-
dulto de 18 de Julho do anno passado o sol-
dado Joo Bernardo da Silva Soares, deven'o
exeluil-ocom guia de passagem para as com-
panhias provisorias da dita provincia.
REPARTICA0 DA POLICA.
Pessoas despachadas nos dias 7, e 18 do
corrente.
Rio de Janeiro, Joze Ferreira Pereira = Rra-
zileiro.
Inghlerra John Gales = Inglez.
Sergipe. Joaquim Joze Ribeiro = Brazilero.
Caravella Matilde escava de Antonio Vi-
eira da Silva.
Ro Formozo Francisco, escravo de Manuel
Carlos Velloso de Mi lio.
Ro de Janeiro Marcolino, escravo da vi uva
Costa li Filho. Flora orioula escrava d>'
Manoel Maximiano Guedes. Pedro de Al-
cantara Pereira = Portuguez.
Maranho Dentista Lus de S. Agostnho=
Italiano.
Aracaty Val ter lranger = Inglez e seu
escravo Joze. Manoel da Paixo= Bra-
zilero.
Sernhaem Alexandre M. Ewing = Inglez.
Macei Auna Joaquina do Carmo= Bra-
zileira.
Rio de Janeiro Epyfano dos Reis Faria =r
Portuguez. Anua escrava de Franeisc
Carvalho Rapozo Joze Antonio Ferreira da
Silva = Portuguez.
wmmmmmmmmmaastsmssBBBBtmmBssm*
EXTERIOH.
AI.NDA O INCENDIO DE HAMIU'IIGO.
Hamburgo 6 de maio s 2 horas.
Quasi que nao ha esperanza de suspender
o progresso do terrvel lligello. Os habi-
tantes refugio-se em chusmas nos arrcbaldes
c tculo horrivei. N4o tem ha vido porem
desordem alguma nesta destruidlo de urna
grande cidade.
Reere-se um facto grave que poderia cx-
'dicar a rpida exten3o do flagcllo. Pensan-
do desembaragarem-se de materias que natu-
ralmente devio augmentar o incendio al
guns habitantes langro nos caros azeite ,
olese espiritos ; mas estes lquidos inflam-
mrao-se eacarretrao o incendio de um quar-
tfiro a outro o quando menos se esperava ;
porque inuitos destes canos por baxode di-
versos quarteiroes da cidade e pelas aber-
tas Ihe communicio o fugo.
7 de maio de manh.
Dizem que o dinheiro e livros do banco es-
to salvos. As pedas sao enormes e jul-
ga-se que passar de 100 milhes. As com-
panhias de seguro nao podem resistir-lhe ;
muita gente licar reduzida miseria. Sabe
Dos onde parar o incendio; cousa alguma
indica o Bar. Grande numero de casas Coi de-
molido para atalhar o incendio mas nao se
obteve o resultado esperado. Nem cartas se
Falla-se em 1.500 casas queimadas Os
canos estao seceos. Aseases derribadas de|
nada (em servido. Estamos as mftos de Dos:
se o con nos nao enviar scennos nao ve-
inos qnaes serio as partos da cidade que pode-
r ser salvas.
O incendio marcha em borroso progresso :
trozo ras eslo ateiramentfl destruidas : os
hornos esto extenuados ; lodos cuidaoso-
menleomsalvar-s; : nao so procura extinguir
nem atalhar o fogo.
8 de m.iio denianh.
Dura o incendio. Porto de 2,000 casas p*g-
rao topo. Alguna Ingleses tem sido maltratados
em diversos pontos da cidade, por sehaver es-
palhado o boato do que operarios dela naco,
t|uo haviao sido despedidos de urna fabrica
r to fogo a esta fabrica o occesienado assim
iinmensos desastres.
dem.Outra carta.
A cidade est em grande parte destruida :
50 ou 40 mil pessoas eslo sem asylo ; falta o
pao ; a desordem est no sen auge nao ha
mais polica. Alglins individuos, entro el
les operarios inglez.es suspeilos com rasAo
ou sem ella do haverem roiitribuido para
entreter o fogo afim de roubarem tem si-
do enforcados pido povo que est em um
estado de exasper.igao iinpossivol de dcsrie
vi>r. Chegob nesle instante um regim-nto
de dragos dinamarquez para ajudar a resla-
bdecer a ordem. A esperanca momentnea
do suspender o fogo de novo se rjesvaneceu .
o vento tornou a mudar. A inquietaofio re-
dobla continuamenl" ; mua se vio cousa
Igual. So resta a desesperacao aes habitan-
tes desta infeliz cidade.
dem, de tarde.
As adgas do banco onde se ach o dnhe -
r> orfle cheias d'agua. Quarlorze ras tem
sido abrasadas, quatro mais ou menos, as
mais no lodo. Cinco grandes edificios eo
tre elles a greja de S. Nicolao :
( Moniteur).
EscrevtMn de Hamburgo a 7 de maio :
O foso tem nteirmenta destruido mais do
terco desta desgracada cidade. Os mais bel
los quarteiro 8, mais i icos e mais populo
sos. j nAooxi-item. Asign-jis de S. Ni
S. PALLO.
Illni. o Exm. Snr4;Tendo no dia Li do
corrente mez recebido na \illa de S. Sebas-
tio um ollicio dala Jo de 11 do mesmo mez,
do general barfio do Casias para marchar
Sobre osla afim de bater os rebeldes quo
aqui fossem encontrados. e impossar as au-
toridades legitimas passei a dar as seguin-
tes providencias visto que dos <> caradores
queencontei naqueila villa, j.i linda feilo
marchar para n cidade Je Santos o0 em
ColoedeS. Pedro o senado todas as ca-
sas que bordo o Alster do lado do amigo
jungfersting, a oadoa &C., torio prosa da*
charomas
Foi com grandesesforgos e demolindo al-
gumas casas que se conseguio pies-rvard.
urna ruina total o lado da baca do Aisle:-,
chamado novo Jungfersting.
Os anedoivs da cnlad" atulhados dfl Irasle-
e de infel/.es pared ni um acampamento. A-
nessoas mais ricas so relirarao para Aliona,
Acabou-se esta cidade-, sea Providencias-
nflo apiedar deJIa. Oasoccorros que chegn
do Hdiiover e Husteis allivaos os Irahalha-
loros exhaustos de forras mas poueo offei-
to produzem porque mal comprimido o
fogo da um lado j de outro appsrece mai
violento.
A'a o horas da larde.
Um rijo sudoeste que se levantou a alga-
mas horas den nova actividada ao incen-
dio.
Diz-se que os malfeitores se tem aprowita-
do da desodam para langar<-ni fogo nosquai-
teires que anda estavfio sent-is. L manar-
lo da plebe entrogo'i-se In h deira. Tem
havido algumas prises.
A norte ser terrivel, ajulga-la pela n-
tonsidadeactual do fogo, que devora nas
inteirasao mesmo tmipo.
( National. )
( j. do Commercio. j
consnquencia das ordens do mesmo haro que
mo forfto i'ommunicadaa em oflicio do com-
mandan le militar da mes;i a el iado.
Principie! por dar immediatamente orden.
para nina revista peral lia guarda nacional das
las villas de S. Sebastio e Bella da Prince-
sa o no dia marcado IS do corrente ,
reunidas as ditas guardas condec o espiri-
to de patriotismo de que se achavo ellas pos-
siiidas e com parlioulandade o da primeira,
poisque vista de una falla que llios deri-
gi o Consta da copia que junto remello a V.
Ex. oonvidandd-osque comigo marchas-
sem vi com prazerque quasi todos me que-
rio^seguir naqnelle mesmo momento oque
iiAo ora possivel alienta a fulla de. aimamen-
11 e arranjos necessarios e mesmo poique
levia deixar aquellas villas em estado de de-
f.'za e por iSSoordonei para o da 19 nova
revisla i m eujo aclo Jirifci nuda Tulla ,
constante da copia uu-' tambern junto een-
l,lo com o numero d -~0 pracas de primeira
luiha 70 de guardas naoionaes e urna for-
a de 30 Cldadfiosde Cavallaria qu Voluiita-
riamonle se mo ollerocerao para acoinpannar-
mo o urna pega de calibro ." dei principio
i marcha ueste mesmo da.
Aqui cumpre-medizer a V. Ex. quegran-
lo foi a minha satisfagan e a ImiragAo en ver
|ue no .-lirioespago de odias lodos porfa
Lrabalharao para apromptar o armamento ,
corrame, carluxame \ montara pegae por-
Ihe novo ouvido e ludo islo fulo em um lu-
r,ir desliluido de recursos movidos pelo as-
irlo do onlom e palri dismo dos povos da-
|udl i villa ( S. Sebaslifto ) que a nada se
itoupara, j ol'iec ndo volmilariamenie
quanliaa para promptifeagAo da marcha ,
lvsando-se um desejo geral em sens habi-
laiites em seguir-ino entrograndose sem
lislincgao de emprogos a lodo c qualquerser-
vigo.
No dia 19 dito marchei, como haria com
antecedencia combinado com o Doutor juiz
municipal da Jacarahy o com o capitn Mar-
eellino Joze de Carvalho morador desta vil-
la que tambern me ha va communicado que
linda urna porgio de gente armada e volunla-
.a para se reunir niim. E porque o mo
caminho da sorra e diflUculdade na conduccao
da pega ( (,uo fez a'ompanhai-ino em conse-
qnencia das noticias verhaes c escripias que
lodosos dias receha do que o rebelde padre
Valerio de Alvarenga Ferreira tiuha urna for-
ra cerca de 300 homens, alem da escravatura
trinada )e carreta puxada a hus, usnes
otis primoiros dias lizesse com que nao pu-
leasa avuncar milito foi neceasario bivacar
om a tropa em caminho.
No da sogiiinte il, vendo os bravos que
me seguiaoque a pega con-luzida da manei-
a intentada produzina grande demora, foi
lal a influencia do que se reveatirAo que si
me oleiecrao e subirfio a serra continuando
pela estrada carreaando a pega sobre os hom-
hros. Diflicil he Exm. Snr., pintar o esta-
lo pessimo da grande parte dos caminlins que
linda mais intiansilaveis lioaro c ilU -s copio-
sas chovas davdas oeste dia porem quo Ra-
la servio a diminuir o desojo de -ivangarem
tara chogarein con. avidez ao lugar a que se
deslmavao para dcdellar os rebvddes.


2
Neste mesmo dia 21 em marcha rece-|
bi urna coniniunicaco do juiz municipal de
Jacarahy em que me fazia ver ler tido no-
ticia que os rebeldes desta villa haviAo rece-
bido Urna porgAo de armamento c gente e
que por isso se achavo fortes ; c portanto
me prevena do que a forga por elle dirigida
e destinada n entrar na villa na mesma oc-
casio em que desse o signal combinado pa-
ra a entrada corn a do m?r commando nao
opodia fa2erem consequencia da referida no-
ticia e por nao dever ex por a sua gente :
que me resolvesse eu se devia continuar na
ni i n ha marcha ou retroceder nao hisitei um
momento na escolha o por isso rom o maior
fervor e desejo pronurei entrar ne.ta villa .
desde entao maior fui o enthusiasmo dos meu-
camaradas. Na mesma imito em distancia
de Hegoas desta villa veio a encontrar-me
o capilAo Marcelino Joze de Carvalho com-
municando-me que a sua gente se achava em
caminho na distancia d ; 5 leguas para fazer
juneco com a de men commando e segui'
as minhas ordens eommunicando-me ao
mesmo lempo ter-lhc constado que os rebel-
des saliendo da minha marcha lnhAo f-
gido precipitadamente abandonan loas suas
casas e dexando a villa em soreg na qual
tres dias antes havio proclamado a Rafael To-
bas de Aguiar como presidente da provincia.
No dia 22, ao amanhecer prosegu em
minha marcha, e logo que se me reuniu a
gento apresentada pelo dito capilAo Mareelli-
no segui para a villa em cujo trajelo .
tendo de passar pela fazenda do Rio Claro
do referido rebelde padre Valerio, onde co-
mo cima disse me conslava haver reunan
de gente armada e muniges ile guerra or-
deiin apenas me achei as suas immedia-
9>s, um cerco, que foi executado com tal
anxiedade pela tropa que em menos de tre.-
miutos lodos os pontos della se achavAo guar-
necidos, depois do que passei a ordenara
busca e f i encontrado oceulto em um paiol
debaixo de urna grande porgAo de milho u-
ma esteira com 8 espingardas dentro e mais
duas canaslras fechadas a ehave no mesmo
lugar, que ludo fz seguir comigo, e'nesla
villa na presenga de varias pessoas entre
as quaes se achava o juiz municipal de Jaca-
rahy, as fiz abrir, e nellas fora" enconlra
das 7 pequeas latas de libra de plvora u
na grande Com 8 ditas outra maior Com u -
ma arroba dita, diversos saceos com chumbo.
1G laucas de ferro, novas c mais urna pe-
quena caixa con tendo cordoes e ou tras peca*
d'ouro e pedras ordinarias de cujos objectos
mandei proceder a um inventario que consta
da copia inclusa para ser entregue autor-
dade a quetn competir apenas mo seja ordena-
da a sua entrega. Apparecera mais fora
destas canaslras tres pistolas carregadas e
urna carta dirigida ao padre Valerio sem as-
signatura que segundo pessoas enten i-
das, como o tabellio da villa de S. Se las-
tifio, que comigo marchou, e o juiz munici-
pal de Jacarahy reconhecra" ser a letra
de.........., cujo original remello para que
V. Ex. conheca a fdelidade com que este em-
pregado servia a S. M. o Imperador !
Pelos escravos do dito padre Valerio prin
cipal agente e allioiador dos rebeldes nesla
villa me foi dito que elle havia fgido hon-
tem para a Villa de Taubat e pelo estado
em que se achava a casa da fazenda bem se
deprehendia que o havia feito precipitada
mente.
Segui depois deste cerco para a villa da
Parahybuna onde cheguei as o 1|2 horas da
tarde, com todas as forgas do meu comman
do, e foi recebida debaixo de vivas ao nosso
joven Imperador o senhor I). Pedro II.,
constituido poltica deste imperio c Reli-
giao, acompanhados estes vivas de repiques
de sino e fogos de artificio, encontrando gran-
de parte das casas fechadas e sem gente por
haverem as familias abandonado-as quando os
rebeldes aqu estivera ; e com quanto esti-
vesse em socego postei diversos piquetes na*
diversas embocaduras e ordenei nutras pro-
videncias officiando logo ao presidente da
cmara municipal para convocar e dar pose
as novas autoridades o que ale ao presento
se nao eflectuou por se acharem em distancia
os supplontes.
Hoje logo ao amanhecer reeebi um o
ficio do doulor juiz municipal dt Jacarahy,
declarando-me que se achava em marcha para
fsta com urna forca de cavallaria e outra de
infamara porem que, tendo recebido no-
ticias de que os rebeldes *e achavo na villa
de S. Joze e se dtspiinno a atacar a de Ja-
carahy eslava indeciso se devia entrar nesta
ou retr)ceder, eem resposta lis-lhe ver qu-
ine achava na villa com a for;a sob o meu
commando, 6 que entenda desnecessaria a
sua entrada nesta pois que me consideran
com forga mais que suffieente para contero
socego della e mais lugares prximos ; porem
o mesmo juiz municipal, poneos minutos
depois, officiou de novo dizendo-me que.
nAo sendo verdica a noticia que me aeabava
de dar eslava resolvido a vr aqu descansar
com a tropa visto achar-se milito prximo .
o que verficou pelas 11 1|2 horas da
machi.
Tend eu sido informado que nesta villa
nm diversas casas de rebeldes exista arma-
mento e muniges de guerra distribuidas pelo
mencionado padre Valerio Luiz Mariano dr
Tolosa e Joaquim Antonio Ferreira do An-
Irade, juiz de paz ordenei a busca em toda-
ellas as quaes assisti com o dito juiz muni-
cipal de Jacarahy e miis pessoas. e nestas fo-
ro encontradas armas reunas com baionelas
nutras differentes armas e diversos papis de
correspondencia a respailo da rebelda. Con
servo-me aqu com toda a Torga do meu com-
mando at que fiqnem cmpossndns as novas
autoridades.
Consta-me que a villa de S. Luiz est su-
blevada e que o agente dessa sublevac/to 6n
mesmo padre Valerio. Ha poucos momentos
fui informado que da villa de Taubat veio
nm individuo rebelde bucaraqui urna porgAo
de escravos que estavo em urna chcara f
meia legua desta villa trazendo forca com-
sigo e por sso mandei marchar inmediata-
mente urna forga de 20 soldados e um oflicial
a bate-Ios e a buscar nSo s os escravos como o
iT\mo individuo ; porm nada encontraran
trazen lo os escravos que forSo aqu entre-
go** ao sen legitimo senhor.
A' entrada nesta villa dodoutor juiz muni
cipal d<* Jacarahy chogrAo as satisfactorias
noticias de haverem os rebeldes evacuado a
cidade de Sorncaba noticia esta que causn
a manr satisfagAo, e pela qual dou mil para-
hens a V. Ex.
Nesta occasiio tambem tenho a honra de
nassar s mAos de V. Ex. a copia da ordem do
dia de hoje e pela qual V. Ex. conhecer
quaes os officiaes que mais se tem distinguido.
Nao devo deixar desapercebido o nome do
oadre Joze Antonio Pinto, da villa de S. Se-
bastio. Este cidado sem duvida un-
dos mais distinctos daquelle lugar pelo sen
afferro e adheso sagrada pessoa de S. M
Imperial e pelos importantes servigos que
tem prestado ao mesmo Augusto Senhor e
"ansa da le nao s como particular mas
tambem como delegado de polica.
Tudo o mais que fr occorrendo irei com-
municando a V. Ex.
Dos guarde a V. Ex. Quartel do com-
mando militar na villa da Parahybuna, 2?
le junhode 1842. -Illm. eExm. Sr. conse
Iheiro Joze Clemente Pareira ministro e se-
cretario de estado dos negocios da euerra.
Solidonio Joze Antonio Pereira do Lago, ma-
jor commandante militar.
Campo-Bello de julho.
O Sr. Brrelo Pedroso o chefe de polica
e o major Castrioto foro honlem a Arias e
induziro o major commandante de fuzileiros.
que ali se a cha a marchar sob-c Queluz c
nara o mesmo destino marchara a guarda na-
cional de Rezende. Esta marcha ter lugai
amanhaa e amanhaa estaremos em Quelnz
onde nAo encontraremos resistencia. Os re-
belde* destes lugares esto completamente de
sanimados e depois da batida que tiverfin
no Salto anda nao ouro ali apparecer.
A muitn salutar medida de que trata o av'so
de 23 do p. p. expedido pelo ministro da
fazenda tem produzido o melhor eTeto.
Nada podia melhor converter os chefes do
partido.
Pnsso asseverar que estes municipios est<
snlvos da lava revolucionaria. O enthnsias
lo povo pela ordem quanto se pode desojar
Resto alguns pequeos grupos que reunem-
s e dispersaO-se segundo as circunstancias.
Sao elles objectosde polica porque vAo to-
mandn o carcter de salteadores. Nada mais
fcil do que os fazer desapparecer.
(Carta particular. )
DIOC.0 ANTONIO FU I J AO BAKA DE CAXIM.
Sorocaba 14 dejunho de 1842.
( 2. va.) Illm. e Exm. Sr. baro do Ca-
sias Quem dira que em qualquer tempo
o Sr. Luiz Alves de Lima seria obrigido a
comhater o padre Feij ?Taes sao as sonsas
deste mundo ..
Em verdade o vilipendio que tem o governo
feito aos Paulistas e as leis anti-constitucio-
naes da nussa assenibla me obrigro a pa-
recer sedicioso. Eu estaria cm campo com
minha espingarda se nao estvisse moribundo ;
mais fago o que posso. Porm alguns cho-
ques tem j produzido espirito de vinganga ,
e eu tmo que o desespero traga terriveis con-
s'quencias ; e como persuado-meque S M.
I. hade procurar obstar as causas que derAo
motivo a tudo isto lembra-me procurar a
V. Ex." por este meio o rogar-lhe a seguinto
HCcommodagAo que honrosa a S. M. I. '
a proviucia ; e vem a ser : Io, cessem
as hostilidades : 2 rcMre-se da provin-
cia o baro de Mont' Alegre e sen vice-presi-
lente at queS. M. nomiV quem Ihe parn-
c >r e a provincia pede a V. Ex. que intere-
e>da perante o mesmo senhor para que nfto
nomo socio amigo ou alliado de \ascon-
,.|l0s : ." que a lei das reformas fiqm
>iispenea at que a assembla receba a repre-
ientagfioquo assembla provincial dirigi a
mesma sobre este objecto : 4. que liaja
imnisla ceral sobre tojos os acontecimenlos
que tivero lugir e sem execpgo ; embora
^eja cu s o exceptuado, o se dcscarregu-
sobre mim lodo o castillo.
Exm. Sr. V. Ex. humano justo o
leneroso : espero nao duvidar cooperar para
> bem desta minha patria. Eu Ihe asscwro
pie exigirei a execugo deste tratado por
oarte do governo actual da provincia e como
-ommandante de nossas loicas pode concluir
lefinilivamente esta capitnlago.
Heos felicite a Y. Ex. como desoja quem
le V. Ex. amigo obligado c venerador. -
Diogo Antonio Fej.
P. S. O portador Ihe entregar alguns ex-
'mplares de um peridico que redijo.
BarAo de caxias a Diotro Antonio Feij.
Illm. e Exm. Sr Diogo Antonio Feij.
Respondo a V. Ex. pelas mesmas palavras
la sua carta hoje reeebi la. Direi : Quan-
to pensara eu em alaum lempo que teria de
usar da forga para chamar ordem o Sr. Dio-
ro Antonio Feij ? Taes as eousas deste
mundo !! As ordens que reeebi de S. M. i>
Imperfidor sao em ludo semelhanlcs s que
medeuo ministro da jnstica em nome d-<
regencia nos dias 7* e 17 de abril de 1842 .
isto he que levasse a farro e fogo todos os gro-
os armados que eneonlrasse ; e da mesma
maneiraque entAo ascumpri ascumprrei a-
aiora Nao he com armas na mo, Exm. Sr.,
que se dirigem suplicas ao monarcha, e nem
com ellas empunhadas admittir 'i a menor das
eondigoes que V. Ex. me propoe na referida
<;arta. Disponho de forgas quadruplas da-
luellasque hoje apoAo o partido desordeir.'
lesta provincia e sobre a posico em que
V. Ex. se acha marrho ellas em todas a>
drecges : e dentro em pouco tempo a cidade
lo Sorocaba ser cerrada e obrigada pelos
meus canfines o baionelas a render-so.
Nenhuma resposta recebo que nao seja a
prompla disperso e submissAo dos rebeldes.
O portador entregar a V. Ex. urna porgAo
de exemplares da proclamacAo que dirijo aos
verdaderos e leaes Paulistas ; o bem a assm
la que no mesmo sentido fez publicar S. Ex
o baro de Moni' Alegre legitimo presi-
dente desta provincia. Sou do V. Ex. at-
iento venerador e criado. BarAo de Ca-
xias.
Diogo Antonio Fej ao Baro de Caxias.
Exm. Sr. barao de Caxias. Da sua res
posta collijo que nAod esperangas de accom-
modagaoalguma e que reduz os Paulistas a
mtregarcm-se discrgfio ou tentarem a
sorte do desespero. Confosso a V. Ex. que
nunca contei com semelhante resolucAo sua.
Talvez de viva voz eu podesse convencer-lhe
la justiga da causa do que defendemos mas
n meu estado de enfermidade embaraga-me
lo grande jornada ; com tudo se V. Ex.
quizer; aproximando-se mais em hora e lu-
rar certo eu me ^sforgarei por comparecer.
Entretanto, se V. Ex. quer poupar sangue ,
Ihe lembra algum meio decente proponha
que cu trabalharei por obter a approvagAo ;
dis lavo as mos, aconteca o que acon-
t -cor.
Dos guarde a V. Ex. muitos annos. So-
rocaba 18 de junho de 1812. De V.
Ex. amigo venerador e obligado servo.
Diogo Antonio Feij.
Parihihuna 2 de julho de 1842.
Venci a repugnancia que tinha d ir ver
as reliquias da incendiada ponte do Parahy-
buna mas para logo Uve de arrepender-me :
aligurava-so-me fabulosa a noticia de tal acto
da parte de homens que de antemo mais que
muilo deverfio coniecer-lhe a inutilidade ,
porque nada ha mais fcil que atravessaro
rio cm que se ella achava ; a realidade do a-
contecimenlo como que sorprendeu-me. N
I. do correle s 5 horas da tarde, lagri-
mas se me deslisrAo pelas face* vista do es-
pectculo que apreseiitao os solitarios pilare
sobre os quaes invocAo vinganga ascinzas cii;
que se tornro tantos con tos de rei e cui-
dados consumidos. De loda a parte chovem
imprecacoes contra as incendiarias cabegas
dos vndalos que pdenlo sem fazer-se pe-
dacos eonceber lo infernal prejecte. Os
Lropeiros em torno de suas cargas amonloa-
las nos ranchos chorSo a perdadla ponte
como o pai mais temo a moiteda filha de seu
oragao e com o maior prazer encar^egAo-se
le levar aos pontos por nos oceupados os pe-
irechos de guerra que Ibes sao confiados j
queoutro meio se Ihes nflo depara de Vinga-
rem-se dos autores de scus prejuizos e trans-
tornos.
O Exm. Sr. Honorio aprcsonlon-se pela
segunda vez no acampamento de nossas for-
gas alem do Parahybuna, epor mais de
las horas conferio em particular com o coro-
nel Joze Thomaz Henrques. .T dove de ter
sabido que os rebeldes nenhum obstculo of-
ferecero passagem da forga impejial, que
operou-se com mais facilidade do que se qua-
Iro dos dellesquizessem dofender o ingresso
pela ponte.
Os rebeldes aproveitande-so da formida-
vel posigAo que Ibes offerece um valle pro-
tegido por dous monles ingremes e por urna
pequea nula tralAo de entrincheirar-se ,
e sem ousarm mostrar-se fazem tiros que
a ninguem offendecn posto que muitas balas
cruzem-se sobre nossas cahecas ou respeilo-
sas caio ao nosso lado. Ha tres dias ti vemos
um pequeo liroieio o tendo um dos rebel-
des deixado a trincheira e apresenlado-se a
nosso alcance, dangandoe chacoteando-nos,
foi inmediatamente passado por urna bala e
quando vollava para os seus, um soldado nos-
so correu para elle o o ronduzio tfo nosso a-
eampamento atravez de urna saraiva de ba-
las que Ihe derigiAo os rebeldes sem ser of-
fendido por ellas. O prsioneiro que vveu
anda depois de ferido 24 horas poda ape-
nas declarar que a nir parte de seus compa-
aheiros sao levados a pegar em armas por se
lliesdizer que vAo libertar o Imperador, e
que anda assm poucos so conservario se a
embriaguez em que os Irazem continuamente
Ibes nao tirasse os meiosde evadrem-se.
Em minha primeira carta fallei-lhe da e-
nergia e actividade do Exm. Sr. presidente
Honorio : nesta dir-lhe-hei que a sua cora-
eni causou admiragAo aos reinos militares.
No primeiro tiroteio que tivemos ninguem
mais que S. Ex. expou-se ao perigo. Tendo
recebido ressa occasiAo alguns officios no
campos abri e leu ouvindo o sbillo das.,
balas e lendo-se-lhe advertido do per.go
que corra, respondeu que antes de ler os ofli-
cios se nao retirara. Dadas as providenci-
as que Iho parece rao adequadas relirou-se ,
inteiramcale dcsacompanhado deguardos, e
s com os dous enipregados de sua secreta-
ra pernoitou a pouca distancia de pontos oc-
upadow-peJo. inimigo.
( Carla particular.)
MINAS ERAES.
Illm. e xm. Snr.Tenho a salisfago de
comwiuncar a V. Ex. que honlem oceupei
48 Irincheiras dos rebeldes coliocadas na mi-
nha frente ao p da ponte do Parahybuna
(cm dar um liro por isso que temerosos
elles de una bouca de fogo qua consegu Colo-
car n'um morro superior s suas Iriniheiras ,
e de urna partida por quem os mandei bater
pela retaguarda, retiraro-se completamente.
I inmediatamente avancei sobre a Rociuha Ne-
ira que era osen acampamento e a oceu-
,>ei tambem depois de um pequeo tiroleio ,
teguindu logo para a fazenda do lldefongo de
Siqueira Lete onde acampei. O inimigo
tugio na mais completa debandada deixan-
lo espingardas pistolas roupa farinha ,
Jc. ; at no caminho se achou urna caiga com
quinzs mil reis no bolso.. ForAo presos tres
uretos que eXistiAo entre os rebeldes, e que
breve remellerei a V. Ex.
Dos guarde a V. Ex. Acampamento da
Rocinha da Negra 6 de Julho do 1842.
Illm. e Exm. Snr. conselheiro Joze Clemen-
te Pereira ministro e secretario do estado
los negocios da guerra.Joze Thomaz Hen-
rques coronel commandante de columna.
Illm e Exm. Snr.Nesle momento ,
que sao dez horas da manh reeebi o aviso
recpmmendadopor V. Ex., dirigido ao Co-
ronel Cid commandante da segunda colum-
na de operaces da provincia de Minas ; im-
mediatamentu fimarchar o guarda nacional
loo Joze Raposo a quem dei portara pa-
ra se Ihe prestaren) cavalgaduras na sua mar-
cha que reeommendei fosse feita com a ul-
.ima brevi Aproveito esta occasio para ter a honra
le participar a V. Ex. que boje marchou ,
liara se encorporar primeira columna j
de po8.se da Rocinha Negra a forga do pri-


?>
mciro balalhAo da 15.J logiAo da guarda na-
cional, no total de 125 pracas e do segun-
do balalhu ila IcgiAo no tota! de 79 e da
forcea policial permanente no lotal do 19
pracas; vindo assim a reecber boje a colum-
na una forra de 221 todos animados do
melbor espirito e decidido rnthusiasmo pela
sagrada causa que defendemos.
Dos guarde a V. Ex. Quartel docomman-
do militar na villa da Parahyba do Sul 7 de
julho de I8t2.lllm. eExm. Snr. Joze Cle-
mente Pereira minislro e secretario do es-
trido dos negocios da guerra.JoAo Rabello
de Viisconcellos Souza, lente coronel
cnmmandantc militar.
Hio Jrelo 7 de julho de 1812.
Ilnnlem s duas horas da tardo aqui enlrou
o Exm. snr. conselheiro Honorio, pre/iden-
le da provincia do Rio de Janeiro acompa-
nhado dobrigadeiro Ignacio Gabriel, do vis-
ando de Baependy e do varios vereadores
da cmara municipal e pessoas gradas da vil-
la de Valonea. A guarda nacional, cm nu-
mero de pcrlo do 1,000 pracas pertencentes
a esta freguezia e s de S. Joze o S. Francisco
de Paula da provincia de Minas, e de Valen-
Ca Vassouras e Iguass da do Rio de Ja-
neiro, sob asord ns docommandantesupe
rior Vernek desde pela manbA aguardava ,
debaixo de forma a chegada de S. Ex., que
foi recebido inda na sua provincia pelo viga-
rio diversos olliciaes, pelo l)r. Firrnino ,
juiz de direilo nomeado para esta comarca e
por um piquete de cavallaria que o acompa-
nhou. I inmediata mente depois de chegar
passuu em revista a dita forca ; e esta manh
fe-la reunir e organisar em dous hatalhocs
provisorios, e um esquadro de cavnllaria
nomeando ao brigadeiro Ignacio Gabriel para
coinmandal-a em chele.
Ningucm ousavu reconbecer o campo in-
mediato a este ponto recejando sorpresas dos
rebeldes e esta ignorancia de suas posigrs
o torcas occasionava continuos alarmas c sus-
tos que pelo menos incomniodavao : o Exm.
snr. Honorio quiz convencel-os de que as ar-
mas dos inimigos nao curato mais longe que
as nossas : montn a cavallo c enliou a estra-
da da polica que vai a S. Joao de El re, e
por ella andn mais de duas leguas e meia
sera que nada oncontrasse, e assim fez co-
nbecer que os rebeldes estao anda punco dis-
poslos a mcdiretn rom as nossas as suas
armas.
iXeste momento cbega a noticia do trium-
pho da Rocinha da Negra pela forca ao man-
do do coronel Joze Thomnz e a tropa e povo
prorompem em entbusiasticos vivas.
Uuvi que S. Ex. vai partir de novo para a
Parabybuna com un contingente de 500 pra-
vas das que aqui se acho incluindo neste
numero as 85 de primeira linha que espero-
se. Parece-me acertado este passo : o coro-
nel Joze Thomaz j luta com os rebeldes ;
cumpre avancar e para o fazer com adese-
jada celeridade convem que seja reforjada sua
columna, em quantoque este ponto tica mui-
to defendido pela guarnicAoque se Ihe dei-
xar.
Qs homens que alardeavao coragem e torca
nao nos dao lempo de contar-l!;es as fileiras ,
e parece que nao tomo o negocio mui seria-
mente.
Se nos diversos pontos do imperio onde ha
rebentado rebellines bouvessem autoridades
com a energa e actividade do actual presiden-
te do Rio de Janeiro ellas durario .rnente
o lempo que tem de existir a que tratamos de
debellar.
Presidio do Rio Preto 7 de julho ,
s. 10 da noite.
Subtrahi-me multido de tropa e povo
que atopeta a ra da casa em que hospedou-
se o Exm. snr. conselheiro Honorio, para
communicar-lhe o prazer de que nos encheu a
todos a noticia do primeiro triumpho das ar-
mas imperias nesta provincia de Minas. O
bravo coronel Joze Thomaz, lendo observado
que os rebeldes entrincheirados no Ponto do
Parabybuna diminuido, esuppondoque iriAo
ca regar sobre urna partida de 160 plagas,
que s ordens do capito Pinto Ibes fra dar
pela retaguarda, avancou sobre as trincheiras
que lomou sem queimar urna cscorva e per
seguindo por um quarto de hora os fugitivos
rebeldes, oceupou > Rocinha da Negra ou-
tr'ora quartel-general da rebelda, e para logo
dirigio-se ao engenho do traidor Ildefonso de
Siqueira Leite que depois de invocar nos-
sa clemencia com mil protestos disparou um
tiro contra o commandantc da linha de atira-
ilores, a quem felizmente nao off ndeu.
A noticia (leste triumpho produzio urna ex-
ploso de entliusiasmo dos valentes imperia-
listas aqui reunidos; e n'um instante a mul-
tiiiao de luzts em todas as casas, os repetidos
vivas a S. M. o Imperador e aos objeclos mais
caros ao coraco brazleiro, fogos do ar,
msicas, cVc. manifestaras o sentmento de
que se acho animados.
A forca reunida pede em altas vozes a con-
duzAo ao campo inimigo invojosa da gloria
de seus irmos do Parahyhun a quem de-
rSo repetidos vivas e ereid i|u em breve Ihe
ser feita a ventada so os Iludidos Mineirqs
nao entrarem na ordem.
O Exm. snr. Honorio sabio boje aeomp-
nhado do Exm. hrigadrro Ignacio Gabriel
Monteiro de Rnrros, eommandante [testa co-
lumna, do Vscorne de Baependy, do com-
mandanfe superior Vernek e de lustrosa olli-
e successivos fogue-
so havia reunido na ra ,
tes ero lanzados ao ar.
E' notavel o patriotismo que tem pa ten lea-
do toda esta gente : subscripees voluntarias
de vveres para o exerclo imperial c de nu-
merario para suas despezas gobem a muilos
contosde res ; e sem fazer mencAo de in-
innnmeraveis cidad&OS que tem poslo snas
vidas e fortunas .i disposicAo do governo no-
laremos simiente que o Exm. visconde de
Bi p'ndy nao tem repousndo ora apresen-
I mdo-se na villa da Parahyba a conferir com
o Ex ni. Sr presidente sobro 09 meios de se-
gorar o ponto do Rio Preto o adjacenles ora
a presen tando-ee nesses pontos e em os diver-
-s lagares cm quo precita sua pre-
cialidadc, a visitar as linbas e pontos im-
portantes o quas lodo o dia empregou nesta I seen,
visita ; porem os rebeldes anda nos estn a .V Parto de l.ono homens achAo-se reunidos
leguas, que so estivessem a una ou duas; no Rio Preto o logo quechegn o anim-
antes de desponlar o da d'amanbfl serau a- mente esperado todos os das, teremos aher-
panhados s mos pelos briosos imperialistas ta a communicacAn com a provincia de Mi-
aqui reunidos. n.-.s. Ignora-so o numero da pessoas que totn
Os vivas e som de msica nao medeixojos rebeldes nos acampamentos rio Torvo e
continuar : largo a penna para Ir tambem [ Rio do Peixe; mas provnvel que nao soja
hradar Viva S. M. n Imperailor a Cons-j superior ao da Parabybuna.
tituico cas I.es! 0mesmo patriotismo da que alle cima
(Carta particular.) tem produzido pfleilos iguaesnos municipios
Ponte da Sapucaia 9 de julho. I *,a 1>arah>'?a v feuartjrt e nfio
No da 1 desle seguio leste ponto o coro- I r P8P0 wr !*m tropascarregadaa de man-
nel Freitas com a ultima forca para se reu-
nir no Rio Novo com os outros que eslavo
al para atacaros rebeldes da Pomha firar.-
do o coronel Custodio Ferreira Leite com al-
guns guardas em numero de 40, que sAo ren-
didos de oto em oito dias e as margens do
Rio Kagado acho-se SO pravas de piquete em
imenlo uerecdos por pessaas pouco abas-
tadas e nutras at dcsconhecidaa : a tanlo
oliriga o amor da ardem e las inslilu^oes Jo
paiz.
( Carla particular.
Arrozal, 8 de julho.
......Jo/e Breves contin i a estar aqui tra-
pe
ln domingo prncipiaio as eleigoes no da
23 : forJio suspensas nesse dia e continuaro-
sc noseguinte. NosAffogadosprocedero-sepa-
eiicamenle.eo mesmo surcedeo na Muribeca,
S. AnlA), Escada e Limoeiro. Sao estas as
rreguezias doDde temos noticias : seguem es
islas det'leitores que bavemos obtido.
Eleilores da Freguezia dos Affogados.
0 Exm. Bario da Roa-vista
Os Sis. Coronel .Manoel Cavalcanle de
Albuquerque M"llo
Juiz de Paz .Manoel Joaqun) ifo Repo Al-
buquerque
Francisco l-inz Macel Vianna
Dr. Sebastio to Reg Barros
Francisco Xavier do Miranda
Francisco Carneiro Machado Ros
ze Duarle Rangel
Joze Antonio Correa Comes
Pedro Cavalcante d'Albuquerquc I.in/
Manoel Joze da Costa CiumarAes
Manoel .1 :n|uim Antunes Concia
Firmino Thcotonio da Cmara Santiago 40
o79
534
:;2.*;
;;is
:;io
:m
:,og
305
;;oo
;;or,
i96
i9."
SI-
494
195
49
quatro picadas que se communicAo com o I halhando a favor da leealtifade a cujo dispr
distrcto Je SiniAo Pereira e Rocinha da Xe- ; estao tanto sua influencia como sua bolsa. Em
gra oceupado pelos rebeldes.
Estes guardas prend-rAo seto cscravos de
um rebelde seductor dos povos e mnito in-
fluente : estes escravos appareei1rAo neste dis-
trcto a pretexto de virem apadrinhar-se com
o coronel Custodio mas como aquelles re
beldes tem dito que nao podendo lanza-
rlo mo dos escravos suppondo que virAo
com o pretexto de fgidos para s.'duzir os es-
cravos deste distrcto, a razAo por que esto
aqui presos at que o governo determine o
que se deve fazer delles.
Nos dias G e 7 passro 11 dos rebeldes para
este dislreto dizenilo serem seduzdos c
que querem prestar Servico neste distrcto.
Do dia 14 do passado para c quando peste
ilislricto chegou a noticia de Rarbacena, o co
ronel Custodio nAo lehl poupado passo neni
linheiro, afm de ao menos defender este dis-
trelo e felizmente nelle nAo temos um so
propenso rebellio antes todos com muta
coragem para defender o throno de S. M. Te-
mos anda milito mantimento, 40boiseol-
gum dinheiro e todos os guardas tem sido
pa^os todos os sabbados a OO reis diarios
O irmAo do coronel Custodio aoompanlmu
as torqas para,Pomba, com toilos os guardas
e olliciaes ; licou s o coronel e o juiz de paz ,
que muito tem coadjuvado psse negocio.
Cuido que a este lempo j bro atacadoa
Pomba que tem pouca gente m armas e
quas toda propensa a voltar para a I 'galidade.
segundo informfio nnsque para l forAo man-
dados para esse lim.
(Carta particular.)
Parahyba 9 de julho.
.......J saber! que no dia o foro oceupa-
das pela nossa for^a as trincheiras da Rocinha
da Negra e fazenda de Ildefonso de Siqueira
Leite. Agora mesmo me chepa a noticia de
esta re m presos 9 rebeldes entre ellos o co-
ronel Costa Lage.
As oflertas de manlimentos anda conti-
nuAo : est aberta urna su bscri pe Ao que il
esperancas de subir a mais de quatro cortos
de reis. ( id. )
Pelo Rrigue Mrquez do Pooibal recebemos
o Preriodico dos Pobres no Porto nt i dala
de 4 de Junbo p. p. oqual pouco adiauta i>
noticias que livenios anteriormente de Lisboa,
as quaes alcancao a 24 de Main. As follias de
Madrid chegavn a 20 e as Inglezas a 28 do
mesmo mez de Maio.
Em Portugal anda nAo se tinhao conclui-
do as eleicoes pois que o dia l't de Junho era
o designado para a reunido das Assemblas
Primarias. Os jornaes da OpposicAn espnlha
vAo o boato de que nao seabrriAo as Cortes a
S de Julho : mas queOcariSo addiadaa para
Xnvemlno : boato que era ri/smenlido pilos
Minisleriaes; assim corno a mudanca de Mi-
nisterio ijue era igualmente aiinunciada pe|,.s
primeiios aoque chama o Peridico dos Po-
bres estrategia eleitoral.
Havifiosido frequenles n'aquelle Reinos
ataques apoplticos (lo9 i|iiaes liaviao falles-
cido repentinamente varias pessoas notaveis h
distioctas. Xos seguintes nmeros Irans
cieveremos osartigos que nos parecerem mais
inleressantes.
NOTICIAS EI.EITORAKS.
As oieicdes continuAo cm sua marcha sem
iTtandes ncovenientest Depois de a|guma.<<
companbado do Exm. Sr. brigadeiro fgoa-1eonteslaces entre o Juiz de Paz e os tfem-
cio Gabriel Montero de Rarros, que depois |bros( de eleicAo ) da Meza de S. Fr. Pedro
nio dk IAMEIB0.
Vaienga 4 de julho.
Hontem s4 horas da tarde enlrou nes
ta villa o Exm. Sr. presidente Honorio, a-
sua casa que se tem reunido todos os quedos
ilfTerentes lugares do municipio tem coneor-
ido a ajudar o nosso muili digno juiz o Dr.
Machado Nuiles
De Joaquim Breves s sabemos que conti-
na a andar em giro de sua fazenda para o
Rananal o dahi para S. JoAo, o parece que
anda confia em que seus amigos polticos a-
inda erao cabera o Ihe dm occasifld de
distinsuir-se
Todo o nosso municipio acba-se animado
das melhoresideas, e promoveii-s una suhs
cripen cuja lista all Ihe mando e que a-
inda continua.
Acarbamos de br as melhores noticias de
Qu-duz mide enlrrao as nossas tropas.
Joze Jnaouim de Lima foi chamado pelo
e parti mmedialanien-
a r-ceber as o-dens di
(Carta particular.)
[ J. do Com. ]
presidente Honorio,
le para o Rio Preto
S. Ex.
III.IMO DR PEIMIIIK CO,
de haver ajudado a organisar a torca do Ma
deHespanha, se Ihe reuni na villa do Pa-
rabybuna. S. Ex. foi hospedado pelo Exm.
Sr. visconde de Baependy, e um instante
depois de haver ebegado foi visitado pela c-
mara municipal autoridades o pessoas gra-
das do lugar. A noile toda n villa illuminou-
se e um choro do msica tocou o hymnu
nacional defronte da casa em que eslava -,.
Ex., lindo oqual, di-u este vivas a S. M. o
Imgerador, constiluco do estado caos
Valencianos amigos da lri vivas que farfto
respondidos com enthusiasmo pelo povo que
Goncalws, por causa de pessoas excluidas
iiideviilualmentp na lista dos cidadaos acti-
vos depois de alguns ligeiros desvos das su-
as altribuicoes a Meza do Recite procede em
ordem. A de Santo Antonio tem sido o mo-
delo da ordem : aqu lodosos trabalhos tem
sido executac'osemregra,enemuma s pessoa
tem procurado alt'-ra-la. A da Moa-vista Ira-
halha do mesmo modo. EuiUlinda, flze-
ro-se as eleicoes sem per tur baldes : na S
foro os votantes ouvir a missa em urna re-
ja e volar em outra : assim o disse o Juiz di
Pa. Em Maranguape por causa das ebuvas
Joze Joaquim de S. Anua FiazAo
O Vigario Joo Antonio Torres
Luiz Carlos da Costa Clampello
Francisco das (".hagas Cavalcante Pessoa
LnurenQO Joze de Moraes Carvalbo
Miguel Arcan jo do Xascimento Pustbumo 492
JoAo Anaslacio Camello Pessoa 191
Proessor lenlo Francisco de Paria 28."1
Suplentes.
Dr. Luiz de Carvalbo Paes d'Andrade !32
Francisco de Carvalbo Paes d'Andrade 14?
Joaquim d'Almeida Catanho 144
JoAo Jo/e de Miranda 140
Joze Rodrigues de Olivera Lima 157
Eleilores da Freguezia da S d'Olinda.
Votos.
Dr. Joaquim Francisco de Parias 29
Major Silvestre Antonio de Laage Jnior 292
CimrgAO-Mor Francisco Joze do Amaral 290
Cap. Joao Baptista da Silva Manguinho 288
Proprietario Joze Tavares Gomes da Silva 287
Teen te Jo/e Pedro da Mlva 287
Major Jood'Alemaoda Cmara Cisneiro 287
luiz de Paz Francisco Esteves d'Abreu 28(i
TabelliAo Joaquim Jo/e Ciraco 28?)
Teen te Filippc Manoel deCliristo Leal 285
Major JoAo Paulo l-'erreira 285
Tenerte Antonio Joaquim Rebello Pessoa 281
Proprietario Bernardo Ferreira Loureiro 280
Supplentes.
Colleclor Francisco das Chazas Salgueiro 28
Honego Francisco Antonio MendesGurjao 26
iub-D<'|egadu Baeharel Antonio Joze de
Souza Gomes 20
Teen te Coronel Ignacio Antonio de Bar-
ros FalcAo 19
OviMUitUO.
ALr.VXDEGA.
Rendimento do dia 28 de Julho 3:617|092
DE8CARBEGA0 No DIA 29 DE JILHO.
Brgua Sardo = Mara = Papel, cominbo ,
v:nho man barricas com alpisla .
ervadice alfazema marmore e
l'eixes de arcos.
Brigue Brasileiro sss Mrquez de Pombal =
Trastes sebolas e o resto da carga.
Brigue Americano = Ilannah ss Fazendas,
banha de poico farinha e bolaxinna.
Brigue = Coneeicao Flor de Lisboa = Pe-
dras.
M O V I M E X T 0 DO PORTO
.NAVIO KNTRADO NO DA 27 .
S. Miguel; 2 dia, Sumaca Urania de 71 tonel.
Cap. Joaquim Joze Pereira equip. 7, car-
ga rouros assucar e algodAo: ao Capito.
SAIIIDU NO MESMO DIA.
Rio de Janeiro : Brigue Brasileiro Imperador
D. Pedro Cap. Joaquim aares' Mearini ,
carga diversos gneros.
KNTRADOS NO DIA 28.
Ceara ; 9 dias, Bngne Brasileiro Empresa
de 15i tonel. Cap Francisco Ferreira
Borges equip. 12, em lastro: ao Capi-
IAo.
Salem ; 45 das Brigue Americano Ganges
de 170 tonel. Cap. Henry Towre, equip.
10, carga farinha de trigo e mais gneros:
a Henry Forster 7 Companhia.
Swansea ; 40 dias Galera Dinamarqueza
llarpe de 224 lonel Cap. P. F. Mos ,
equip. 15. carga carvAo de pedia: ao Ca-
pitn
I) E C L A R A CAO.
=r O Arsenal de Mnnha tem de contrae
lar no dia 1." de Agosto prximo pelas \




uSi
wne>i>i|;
4
"" JTX H..LUMU-.
Iiora.' da manliia. os fornecimontos por tein- lutlanln cm Olinda lu ija-so a ra NoVa I).
jio de tioiis me/os dos scguilites ojectos : 21 a negocio de sen intersate
arroz 1'eijAo vinagre, loucinho chaca- 535" Aluga-so urna casa assobradada com
Hio : as pessoas a quem convii-i fazer o [or-j commodos p?.ra urna gran Je familia cita na
necimonlo dequalqurr d'e&tes objoctos s ra da Alegra : a tratar com se) propriela-
convidadas pelo Sr. Inspector comparecer, rio Marcelino Joze Lopes.
cm dito da c hora, com as suas propostas. tsr D-se800,> a juros a dous por cento
Secretaria da Irispeegao do Arsenal de Ma- ao mea sobre boas firmas ; na loja de se-
rinha de Pernambuco em 28 de Julho del leiro do atierro da Boa vista.
1842.
Alexandro Rodrigues dos Alijos,
Sei relario.
THEATRO.
BwifOcio de M. Carmela Adelaide Lucci,
para domingo 51 de Julho, a presen tai -se-ha
a comedia em 3 actos O mo Amigo nos
intervallos a beneficiada cantar a Cavati-
na da Opera Semiramide Bel raggio Lll-
singhier aceompanhada com coro do cele-
bre M. G Rossir.i a beneficiada junta
mente com seo pai ejecutarn urna scem .
e duetto acompanbado com coro -- Quanlu
Amore da Opera l.< hxir d'amore do 8e-
nhor Cavaber Gaelano Donizctli. Eiso ex-
peclaculo que a beneficiada tem a honra d1
ntierecer ao respeilavel publico fiesta cidade
com o qual espera merecer a benigna protec-
gao dos honrados habitantes e protesta des-
de jseu eterno reCouhecimento
N. B. Os biHieles achao-se no mesmo thea-
tro.
AVISOS DI VERSOS
Hoje (29) vai a praca em arrendamen-
to a casa e sitio que (01 do fllecido Jozi
Francisco Xavier Lima em Apipucos ; a>
pessoas que. pretenderen! lancar poderf
Compaiecer as 4 horas da tarde a porta di
Sur. Dr. Basl s, Ji'iz do Civol da primein.
vara.
= Na rna das Trinchriras D. 9 precisa-
de urna ama forra, ou caliva que siiva d
portas para f.ira.
PILt'LAS VEGETAES E UNIVERSAES a.MF.IIICANaS.
Estas pilulas j hern Condecidas pelas gran
des curas que tem feito nao requeren] neo
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigao tao simples que nao fazem mal 1
mais tenia erianga : em lugar de debilitar
foriificao o systema puritieflo o singue .
augini'iilai) as secreeoes em ge ral : tomadas
seja para molestia chromea ou somonte ro-
mo purgante suave; o inelhor remedio qn>
tem appareciilo por nao deixar o cslornag
naquelle estado de conslipagAo depois de BU*
operaeo como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mili facis a tomar e nao
eansarein incommodo nenhuin. O nico de-
posito dellas em casa de B. Knoth agen-
te do author : na rna da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tar LibanioNunes de Oliveira brasilei-
10 p tira-se para o Rio de Janeiro.
tsr A essoa que annunciou terduas casas
de um sobrado no baiiro do Becife, para hy-
potbecar 011 vender dirija-se a ra da Ca-
deia do Becife n. 9.
3" Quem annunciou ter dous ou 3 quar-
tos carregadores para vender, dirija-se a
ra das Cruzes I). 9 terceiro andar.
tsr Precisa-se alugar um moleque de 13 a
lannos, para o servido de urna casa de
pouca familia que saiba comprar na ra e
que seja fiel, dando-se o sustento e 8j men-
saes : na Soledade segunda casa nova junto
das do Sr. Herculano.
tZr' Deseja-se saber quem he nesta praga
o correspondente do Sr. J0A0 Antonio Pinhci-
j'O lavrador lo engenho Tapigoca comarca
de Goianua.
tsr O abaixo assignado faz publico, e pa-
ra que ninguem se-lame a ignorancia que
o drama histrico Catharina Alvarez Para-
guss representado na Baliia no Theatr
Publico de S. Joao as noutes de 2 e 3 de
Julho do correnle annnocom feliz sucesso, e
quesera repetido no dia 2i do mesmo mez .
e expressamentc escriplo pelo abaiso assigna-
do para o memoravel dia 2 de Julho, he de
sua absoluta propriedade por ser producSo
sua e nao ter cedido o seu manu-scripto a
pessoa alguma quer nesta provincia da Ba-
bia como fora delta : outrosim declara qm-
perseguir com todo o rigor das leis quem
quer que seja que abuzar do s:,u direilo de
propriedade declaragAo esta que o abaixo as-
signado vc-se na necessidade do fazer por mo-
tivo de sUSpeitaS que tem de ihe haverem fur-
tivamente tirado nina copia do referido dra-
ma.= Babia 11 de Julho de l8i2: =Ambro-
sio Roiizi.
tsr OSr. Antonio Claudino Pessoa es-
l'm rel com seu com pelen te trassado :
c-m Olinda ra do Balde n. 21.
tsr Para guarda nacional de ca val lar a ,
urna barretina nonet, canana espada, um
farde palatinas cuma botuadura dourada ,
tudo em meio uzo e por preco commodo : na
na do Mundo novo D. 9.
cr Urna porgo de Ift de cana propria pa-
ra enrher oolxes e travisseiros c sacas com
arroz branco tudo por baiato preco : na ra
do Aragao venda I). 44.
tsr Duas casas terreas : no allcrroda Roa
vista na loja de Joo Le i te Pila Ortigueira.
>us^* Os seguintes livros una novos e ou-
tros em hom uzo pelo mais mdico prego,
Diccionario francs c porlnguez por Eonseca;
grammatica franceza por Monteverdo, FabSe
de la Fontaine j Theatre de Yol taire, Eco-
nomia poilica.por M. Ilhus: na ra da Cadeia
do Recife na loja de Joze Gomes Lial.
tsr Erna negrinha cagango, rceolhida de
bonita figura de 13 anuos com principios
di COZnbor emuito geitosa para todo o
arranjo de urna casa,ou troca-se por um cre-
lo ou crela da mesma idade para fora da
provincia : na ra da Codeia do Recite n. ;v>
primeiro andar.
2^ Carne verde muilo gorda a 80 rs. a.
libra do dia 31 to corren to em van te : no
beco largo na ra da senzala velba do lado di
reito e no beco da Lapa.
tS* Urna negrinha de 1 4 annos: na rna da
vn'de-se urna farda de Guarda Naci- Cad'ia nova defronte do Iheatro 0.9 primei-
begunda vez se faz sciente ao publico,
que pretende-so comprar a casa terrea cila na
ra do Fagundes do bairro de S. Antonio ,
. 9 per. Joaquim Rufu.o do
Bego bav'-ndo alguma pessoa com direito a
mesma propriedade queira annunciar por
esla folha no praso do oilo dias contados da
ilacta do primeiro annuncio do Diario de 27
do correnle, do contrario perder todo o di
reito que na mesma livor depois de lindo o
praso marcado
ssr Denovoese torna a pedir encareci-
la.iniintta p-ssoaque por este Diario an-
nunciou j a lempos remedio para molestia
de olhos que de novo torne annunciar ,
pois nao tem sido possivel ao enfeliz que p -
lece tal molestia diseobrir esse remedio qu
se Ihe faz n necessario; alem de se Ihe com-
prar se Ihe tieareternamente agradecido.
== Quem liver para alugar alguns preto
ou pretas para vendeiem pao na ra asjus-
tan-lo-se por mez ou semana sendo fiis ,
ou ainda pagando-se-lhe a vendage ; e bem
ssim
nd e 2 taixos grandes de cobre, queservem
ura fazer cera ; dirija-se a padaria atraz da
Matriz da Boavisla.
17 Aluga-se mol ques para venderem na
rna : na ruado Livramento D. 20 lado da ra
Direita.
C^- Alma-se urna prelapara o servico t>
lerno c externo de nina casa, menos paia
vender na ra cozinba o ordinario cose .
engomma liso : na p ac da Boa vista D-
cima A.
OF Precisa-se alugar um preto, dando-se-
Ibe comida e dormida : na restacio de agoa
nrJ nte da ra de S. Rila.
C O M P B A S
SS^- Erna garganlilha ou corrente de ouro
s -m feitio : na ra das Cruzes no terceiro an-
lar do sohi'adoque faz quina pira a piscada
Independencia.
ssy Em ca vallo que seja hom e novo c
|ue ja ten ha uzo de andar em carro ou urna
parelha de quartos que sejAo novos e bons,
>ara seensinarem a andar em carro : na ra
Nova D. 2H terceiro andar.
tSF~ Erna negra de angola que seja moga .
de bonita figura seja boa quitandeira, c sai-
ba o arranjo interno d'- urna Caza: na ra de
Aguas verdes D. 17 lado do nascente.
cr Ouro sem feitio : na ra do Crespo
D. o lado do norte.
VENDAS.
ssy Erna colecto de 8 quadros grandes
com muldura lavrada o.ira de muilo gosto.
dous paies de jarros grandes com flores um
par de cas'.icat-s de casquinha muilo fina la-
vrados sendo o lavor em prata um par de
lanlernas de vidro lavradas : na ruada Vira-
go casado marcinciro.
K3T Erna beca rica e nova de selim de
macan bandada de vellido lavrado com o
sen competente chapeo de pacta da mesma fa
zenda, para algum magistrado : na ra da
Conceicao do Becife n. 28.
52#* Em silho para montara de senhora ,
com manta cabecada e mais arranjos : no
Rttife ra da Conceigo loja n. 28.
tsr Dous moloques um de \A annos e
oulro de 10; e um negro de 20 annos to-
dos de bonitas figuras : na camboa do Carmo
I). II no segundo andar.
tsr 00 palmos de um terreno ja alterrado,
com bastante fundo na ra do Palacete : a
tratar com Marcelino Joze Lopes.
ss^- O verdadeiro vomitorio de Le Boy ,
chegado ltimamente de Pariz, e os v rda-
deiros pos parisienses: 11.1 ra Nova loja fian
reza I), o que foi do Frederieo Chaves.
cr I jn selim com manta de maracaj e
cabezadas 1 urna banda de rctroz nova um
tnlim um fiel de ouro para espada 4 es
Irelas douradas e um fardam^nto completo
para guarda nacional : na ra Direita loja de
couros D. 20 lado do Livramento.
tSP Hum Feileiro com seis palmos de al-
tura i' quatro e meio de largura um ba de
fullia duas impanadas e una porco de
almarios tudo proprio para loja de faz'-ndas
ou miuib'sas : na ra Direita D. 41.
C" Em venda com pticos fundos : no
pateo do Tercio D. 7.
10 andar por cima da venda.
t^- Muilo nova e boa salsa parrilha por
prego commodo : noarmazem de Fernando
Joze Braguez junto ao arco da fVmceicao.
tsar Em cavallo al.v/ao de estribara bom
andador baixo, esquipador, em boas carnes ,
S' m deleito n-'m achaques lanibem se troca
or quartos que sirvAo para carga: na ra
do Hospicio casa junto a do Padre Mestrc La;t-
rentino.
tST Marques & Yeiga venJem por 200
rs. a libra de bom presunto defronte das
escadinhas da alfandega no armazem do Sr.
GuimarAes o cm sua casa na ra do Amo-
rim agoa anlente do reino de 29 graos sa -
cas com arroz de casca a 4,> papel meia ho-
landa deembrulho o chocolate.
ts^ Erna negra de angola de 30 annos ,
boa lavadeira de vanella : no beco do trem
sobradinlio meia-agoa.
tsy Uma caza terrea cila na ra de S. Joze
do bairro de S. Antonio com xos proprius:
no beco do Tambi da Boa-vista D. 7, ou an-
nuncie.
tsr Em cavallo ruco de estribara d'anda-
res baixo o meio alguma couza gordo sel-
lado c enfrendo ; por preco commodo na So
lidade venda confronte ao oilo da l;reja.
tsr Em molalinho de 13 a 14 annos de i-
dade bonita figura, ptimo para pagem ou
para se mandar ensinar oficio ; por prego
commodo, na ra do Terco na esquina do beco
do Marisco D. 10.
Em negro de 19 a 20 annos crioulo
bonita figura, ofllcial de alfaiate, e com prin-
cipio de coznlini 10, e dous paus de carnauba;
na ra Direita D. 54.
tsv Yende-se ou bypotheca-se a retro ,
una casa terrea de pudra o o, nova, e an-
da est sem reparlimentos internos cila
alem da ra do Mond' go com quintal e ca-
cimba offerece proporcoes para eslabelcccr
qualquer oflicina ou industria e ler a con-
dcao de ser na entrada geral para osla Cida-
de avallada legalmente de prximo por um
mdico valor : na ra das Cruzes no primei?
ro andar da casa da quina junto a praca da
Independencia.
r.x Bracos de balanza grandes por pie-
qo commodo ; e urna negra com urna cria de
8 mezes para fora da provincia : na ra No-
va loja de ferragens D. 10.
t_j* Erna escrava de bonita figura ; e 4
canoas proprias para abrir : na ra da Cruz
numero 23.
tsy Em melhodo de rebeca com muito bo-
as msicas : na ra da Cruz n. 18 segundo
andar.
tsr Joaquim Gonsalves do Cabo vende a
sua loja de fazendas na ra do Livramento ,
contendo 1:7004 a dinheiroou a praso com
boas firmas, ou IroCa-se por alguma Casa ter-
rea ou algum pequeo sitio porto da praca e
como se considera nao dever nada a praca
agradece a todos os Srs. que Ihe fiarAoas suas
fazendas de baixo de sua firma.
%ST 0 Brigue Escuna S. Joze de 148 tone-
ladas e de constrnco brasileira acha-se
fundado defronte da Lingoeta : trata-se com
lK'llino Gonsalves Pereira Lin.a na ra Nova
D. 22.
C?- O Brigue Escuna Beja Flor, forrado (
enc.ivilhado de cobre de muito boa marcha
do caes do trapicho novo : o tratar com Fir-
mino Joze Felis da Roza .a ra da Moeda 11.
140; assim como man m caixa de 10 libras,
5tscravos, e una negra engommadeira e
ensahoadeira.
ssy Erna mulata e um mulato, ambos
mogos e de bonitas figuras a mulata cose ,
engomma toznha e muito hbil para to-
do o seivico e o mulato oflicial de pedreiro
e proprio para pagem : na ra do Crespo D.
0 lado do norte.
ts^" vende-so para pagamento de dividas
um pequeo sitio pegado a Igreja da Soleda-
de que foi do Capito Sebastio da Rocha
do Manac com casa.de vivenda cacinii-.. 1/
alguns arvoredos Ierra propria : no Corlu-
me na ra nova dos Prazcres a fallar com a
vi uva .do mesmo ou na ra das larangeiras
sobrado de dous andares que tem porla de co-
xeira.
SS7* Farinha da Ierra de boa qualidade a
0,y400 o alqueire pela medida velba : no pa-
teo o Carmo quina da ra de Hurtas do lado
direito D. I.
SSS"" No Recife ra da Cruz D. J2 escriplo-
rio de Joze Antonio Gomes Jnior se vende
por prego commodo sacas com alqueire de fa-
rinha de mandioca l'eita na Muribcca tanto
da muilo fina e alva como da mais ordinaria
ssr* Erna negra de 25' a 30 anuos, com al-
guuias habilidades para fora da provincia :
na ra das Cruzas D. 8.
tsr Um moleque sem vicios, de 12 annos,
ede nacao angola : na ra da praia armazem
de Joze da Silva Campos.
tsr I ma escrava de nagao moga < oz-
nha lava desabo va r re I la ; urna dita do
20 anuos quitandeira ; e um oseravo cano-
eiro : na ra Direita D. 20 lado do Livra-
mento.
ESCRAVOS FEGIDOS.
tsr I- ugio no dia 23 do corrente o negro
Dom.ngos de naco angola de 30 annos ,
altura regular ps cambados para os lados^
e nina das peinas tem urna grande cicatriz, de
urna feriua que leve, t m o ap> linio de cbam-
hiri, e descoiilia-se queseguisse para as par-
tes do sul be de cor preta, feiges miudas,
boca pequea olhos vivos parece crelo :
quem o pegar leve ao bsco da lingoeta venda
d Joaquim Joze Retidlo que gratificar.
S^* Fugio no da 24 do corrento o escravo
Miguel cagange levou vestido caigas e
c-imisa de brim, do estatura 01 diara, tern al-
guns signaos do fogo pela testa he muito la-
dino : quem o pegar levea ra do Qucimado
notiea de Joze Alexandrc Ribeiro que sera
recompensado.
tzr Tito, de angola do 18 a 20 annos ,
com um dos tornozelos do pesquerdo inclia-
do muilo ladino que parece crelo be pin-
tor e bulieiro suspeita-se estar trabalbando
de pintor011 servente em alguma obra nesta
Cidade particularmente em Olinda para
onde uza acoilar-se encontrou-se a cerca de
13 dias em reunios com outros moloques ca-
pa.locios tem vicio de jogar, par cujo moti-
vo faz frequentes fugas : quem o pegar leve
a ra de Vigario D 12 que receber 20, de
gratificago.
tsr Fugio do engenho Parasinho freguesia
de Cuna Comarca do Rio Formozo desde
Julho do annop. p. o nscravo de nome Po-
dro angola mas muito ladino cor fula ,
pez apalhetados ja tem alguns cabellos
braneos o o melhor signal que tem he mar-
cas de sarnas as nadegas : quem o pegar le-
ve ao dito engenho a seu proprietario ou
nesta praga a Antonio Baptista Ribeiro de Fa-
ria quesera gratificado com I00#.
tF~ Fugio da Cidade da Babia em 15 de
Abril do corrente anuo, do poder do seu snr.
F. A. Raulino o preto de nagao Nag, de
nome Felis carpinlero de 30 annos he
bastante alto cor fula sem signaos no ros-
to pernas cumplidas eum tanto arquiadas,
andar cambbanle posto que apressado he
bem fallante muito com primen teiro e capaz
de se intitular por forro. Ha toda probabilida-
de de ler vindo para esla Cidade; por tanto
roga-se as authoridades policiaei a lira de o
prender e lambcm aos mostrea de estaleiros
caso o lenhaO admitido no seu trabalbo de o
levar a ra da Cruz n. 27 que ser generosa-
mente recompensado.
tw Nt da 27 do correnle fugio urna negra
crioula de nome Felicia qciedesapareceu in-
do buscar agua ao quintal, com vislidode ris-
cado miudo cln ia do corpo ps um tan-
to apalhetados, o estatura regular; quem a pe-
gar leve loja de Earioca e Selle ra do Quci-
mado D. 3 que sei hem refompengado.
.1
os prelendentes podem o examinar defrontej RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. = 1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGWMTL2A8_XBSSPD INGEST_TIME 2013-04-13T00:19:42Z PACKAGE AA00011611_04710
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES