Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04709


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino fie 1842.
Quinta Feira 28
Tuilo apara depende de nos meamos ; da aossa prudencia modeaco e energa : con-
tinenles como principiamos e seremos apuntados coni adaiiraco enlre as Nacoes piis
, |i,is. (Proclamarlo da Asaemblra Geral do Iran.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Coiin:ia, Parailk e Mi grande do Norte segundan e sextas feiras.
Boail ;franli..i.- a '0 2*
Cabo Serinliarm Mi l'ormor.n Porto Calr Macri e Alagnas no 1. 11, e 'i
t aieij '3- Sanio Anido quintas feiras. Olinda todos os das.
S. Seg.
*i fferf.
27 Qjr
2S Q.mt
29 Scx .
30 Sal.
31 I "
DAS DA SEMANA.
* s, Tiapo Ap. Chtistovfio M.
ss. Siinplironio Olimpio, e Tbeodolo Mm. Mel. A mi. ilo J. n> J)t Jai. .
i. r.iille,iu Medico. Aud. do J. de I), da 3. v.
n. Innocencio P. Card. And do juii de P da 2. v
'. Marlba \. Aud. doJ.deD. da i.r.
jrjuin 5 HiiIiihi M. Re. Aud. do J. de I), da 3. .
. Anna May da M.iy de Dos.
de .Julho.
Anuo XVIII. N. 160.
O Diario publicase todos os dias que nao forem Santificados : o prec0 la assignn W
de tres mil N1 por quartel pagos adianlados. Os annuncins ilos assignantes sae inseraos
gratis e os dos que o nao foiem raio de NO res por linda. As rri-lamaciii-s ilnrm sor
dirigidas esta Tyuograna rus duCrtuea D. 3, ou a preci da laVoe4eMi Inja le liiroa
KT......_ 0* ^f
' Numero 37 e 3S.
CAMBIOS >o da 27 DIJULBO.
compra venda.
Cambio lkf( Londres 20 | d. p. IU.
m l'aris 300 reis p. franco.
.i Lisboa 100 por lili) da pr.
Moeda de cobre 4 pur 1(10 de ilesconii.
Iiirm de letras de boas limas le i) cf
Desconlode bilh. da Alfinil-.' I J
mai.
Ooro- Moedi de 0,400 V,
N.
. de 4,000
l'niT Patacei
Icios (lolumnarea
ii dM Mrm-anea
muida
15,060
1K.80J
S.SU
i ,8to
1,820
1,820
1,840
10,100
10,000
0 000
1.840
1.S40
1.840
1,0MI
Preamar do rtia 28 de Jullio.
l.'i 9 lloras t 18 ni. ds mann.i.
2. a 9 horas r-'l ni. da larde.
RUASES A I.UA NO HEZ E JULHO.
I na Nora a 8-- s 4 boras e 44 ni da manb
Quarl. creac. a 14 as 7 lloras e 40 m. da lard
La cheia a 22-- As S huas e 30 m da mauh,
l.Uurl, ming. a 30 s 0 liaras e 24 ni. da i.n I.
DIARIO DE "PER
PABTE OFFICIAL.

DKCRETOS.
Hei por bem nomear ao brigadero bario
do Caxias commandante cm chefe das torcas
do operacoes da provineio de Minas lou-
vando-o pelo bem que desempenhou igual
cominisso na provincia de S. Paulo de que
lica exonerado, loze Clemente Pereira do
met concelho ministro e secretario de esta-
do dos negocios da guerra o tenlia assim
entendido e faca execular com os despa-
chos neceesartes. Palacio do Rio de Janeiro,
em dez do julho de mil oitocentos e quaran-
la e dous vigsimo primeiro da indepen-
dencia e do imperio. Com a rubrica de Sua
Magosta.ie Imperial.Joze Clemente Pereira.
Hei por bem nomear ao coronel Joze Tho-
tnaz Henriqucs commandante das armas da
provincia do S. Paulo. Joze Clemente Pe-
reira do meu concelho ministro e secre-
tario de estado dos negocios da guerra ote-
nlia assim entendido o faga execular com os
despachos necesario*. Palacio do Rio de Ja-
neiro em dez de julho de mil oitocentos e
quarenta o dous vigsimo primeiro da in-
dependencia u do imperio.Com a rubrica de
Sua Maestado Imperial.Joze Clemente Pe-
reira.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 22 DO COMIENTE.
Olficios Ao commandante das armas, c
ao inspector da thesouraria da fazenda re-
metiendo para a sua intelligencia e exe-
cugo copia da portara do conselho supremo
militar de 27 de Jtinho ultimo, em que se
parlecipa haver S. M. o Imperador por de-
creto de 5 de Marco do 1859 reformado ao
segundo lente avulso de primeira linha
Antonio Egidio da Silva.
Ditos Ao Exm. o Rm. Director do Ey-
ceo o ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes participando haver jubilado
em 10 do correte a professora da cadeira de
primeiras lettras do bairro da Roa-vista Jo-
zefa MariadaConceico Martins, na forma
do artigo 10 da lei provincial n. 43 de 10de
Junhodel837.
Dito Ao Engenheiro em chefe autori-
sando-o para mandar proceder aos reparos ,
de que neeessita o barracao que serve de azi-
lo aos mendigos dirigindo-se pelo orcamen-
lo que se procedeo o acompanhou o seu
olficio de 20 do corren le e na forma pres-
en pa pelo reguiamenlo de 2o de Maio ul-
timo.
f)tos Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes ao chefe de polica e
ao inspector fiscal das obras publicas intel-
lgenciando-osda autorisago, dada no pre-
cedente olficio.
PortaraOrdenando, que se passe no-
meago de Alferes para o batalho de guardas
nacionaes destacado ao cidado Francisco Jo-
ze dos Sanios e Albuquerque.
Officios Ao commandante das armas, e
ao inspector do thesouraria da fazenda, sci-
entificando-es da supramencionada nomea-
co.
Dito Ao agente da companhia das barcas
de vapores dizendo queira dar as suas or-
den! ao eommandante do vapor = S. Sebas-
to = para receber, e transportar acorte,
o alferes Joao Carlos Cavalcanle de Albuquer-
que o primeiro cadete Francisco Pinto de
("astro e o soldado Joze Pedro Jnior ca-
marada do dito alferes.
Portara Ao director interino do arse-
nal deguurra determinando, que mande
pagar id com mandan le da companhia de Vti-
ITctfs acuantia- de i ira trocen tos cincowrHa e
seis mil res importancia do instrumental
comprado para a banda de muzica da mesma
companhia.
Olficio Ao commandante das armas, ap-
provando a organsaeo da supractada banda
de muzica e communicando a expedlcco
da precedente ordem.
MitoAo Juiz interino e escrivo da
irmandide do S. S. Sacramento da freguesa
da Roa-vista significando ter approvado o
plano da lotera ltimamente concedida
favor da continuaco das obras da Igroja ma-
triz d'aquella freguesa ; e remetiendo una
copia do dito plano assignada pelo secreta-
rio interino da provincia.
DitoAo engenheiro em chefe aceusando
recebido o seu olficio de 21 do corren te, em
que d parte de se ter (indo nodia II opraso
de oito mezes concedido ao arrematante da
obra de Parnameirim para dal-a prompla e
que esta ainda se nao acha em estado de ser
recebida ; o signifcando-lhe em roposta ,
que o mosmo arrematante deve pagar a mul-
ta que est su jeito pelas condiefies do res-
pectivo contracto a qual lhe ser exigida
pelos nielo* legaes.
Dito Ao mesmo disendo que para po-
der Presidencia dar autorisaco que S.
m. pede em olficio do 18 do presento mez ,
para lazar substituir ponte do Zumb por
um atierro he necessario que rcmetta o
orgamentoda despesadessa obra; pela ma-
neira determinada no regulamento de 25 de
Maio ultimo.
DitoA Domingos Louren^o Vaz-Cura-
do concedendo-lhe a dispensa que solici-
ta, do lugar de lerceiro supplentedo juiz mu-
nicipal da comarca de Goianna.
Dito Ao Engenheiro em chefe intelli-
genciando-o de que a vista das razos expe-
didas pelos inspectores da thesouraria da fa-
zenda, edaalfandega nao pode ter lugar
a reclamado que faz do segundo andar
dos armazens da mesma alfandega para tor-
nar mais extensa a casa da reparligo seo
cargo e poder assim eslabelecer um gabine-
te para o inspector fiscal; e dizendo-lhe que
procure outros meos de dar a reparligo das
obras publicas a necessaria capacidade.
Dlo Ao commandante das armas ac-
eusando recebido o seu officio d'esta data a
cerca das pracas e dos ncrutas ltima-
mente viudos do Para Rio grande do nor-
te o Parahyba : e significando que ten-
do o vapor = S. Sebastio = de largar
para a corle no dia 23 do corrente as seis ho-
ras da maulla deve fazer embarcar com an-
tecedencia os recrutas c pragas que no
mesmo deven, seguir.
Dito A junta qualilicadora de Goianna ,
aceusando recebidas as listas dos cidados
votantes c elegiveis e dos fogos daquella
freguesa.
INTERIOR.
S. PAULO.
O baro de Caxias veador de SS. AA. im
periaes fidalgo cavalleiro da casa de S. M.
o Imperador commendador da ordem de
S. Rento de Aviz cavalleiro das do Cru-
zeiro o Roza condecorado com a medalba
da guerra da independencia c general em
Chafe do exercito pacificador da provincia
de S. Paulo.
Fago saber a lodos os individuos excepto
os chefesque por ventura lenhfio lomado par-
te na revolta desta provincia por suggestes
desses ambiciosos de mando que ahusro da
boa f dos habitantes pacficos desta enfada e
seus contornos', que H o< aPfo da Mi
dias ,' roldados da pnblieaeao liaste se me
presentaren., Ira'/eudo s armas que Ibes,
fofo dadas-pelos re^ridoaehefes 4a rovolla ,

podero voltar s suas habitaces e cordinii
ar na sua vida domestica ; porm que os (u
assim nao obrarem sendo presos serio re
metlidos para a capital do provincia onde ,
entrando cm processo sero punidos com to-
do o rigor das les.
Quartel general do exercito pacificador na
cidadede Soroeaba, 21 do juuho da 18t.
Rarao ile Caxias.
Illin. e Exm. Sr. A noticia da re-
volta de Soroeaba aqu chegou a 2l> do me/,
prximo passado por um COrreio militar cx-
peilido pelo chefe dos revoltosos com commii-
nicaroes a mim o outras autoridades bem
como ao mejor Paula langel sendo por to-
das com a maior indignagao recebidas taes
commtinicages e inmediatamente com o di-
to major dei todas as providencias para que se
nao insinuasse nesle municipio a anarchia ,
contando com a lidelidade de sua pacifica po-
pulago que assaz lem manifestado sua deci-
dida adheso ao throno constitucional do Sr.
D. Pedro II respailo s lela e amor sagra-
da causa do ordem.
Tanto eu como o referido major logo escre-
vemos cartas a pessoas de nossa amizade, nao
SO da Coritiba, como de Castro, e que mais po
deriSo influir para a manutenerlo da ordem ;
e tnnbo a satisfaco de annuncar a V. Ex.
que tambem nos ditos municipios nao lem lia-
vdo o menor niovimento em pro! dos revol-
tosos e que esta comarca al o presente se
conserva intacta do contagio da anarchia.
guando aqui chegou a dcsap.radavel noticia da
desordem de Soroeaba apenas linhao aqu
chegadoduasompanhias do batalho Catha-
rineiise porm imme.liatnmente checro
mais duas o no da I" do corrente pelas ) ho-
ras da noile o coronel Joao Joze da Costa Pi-
mental encarcelado pelo governo de S. M. o
Imperador do commando das l'orgas desta co-
marca ctijo coronel transitou desde Coriti-
ba al esta villa sem o menor recelo c para
all rcgrcssoii no din 2 levando duascompa
nhias do racadores deixando aipii o major
Paulo Rangel com o commando da torce desta
villa e Rio Negro. Vindo porm a noticia (que
so nao verilcou) quemarchava una torga dos
Campos Graes para plantar aqui a anarchia ,
e por francas as communicaces pelo Rio Ne-
gro com a provincia do Rio Grande do Sul ,
liz um appello guarda nacional e guarda
policial que sem hesitar prompa se reuni ,
e esta em numero de 258 e aquella de 111
homens a quem honlcm na revista que pas-
sei tive a honra de 1er a proclamago de V.
Ex. e que de minha parlo dirig mesma
- V. Ex. bajado aulhorisar a thesouraria par ,
e as referidas despe/.as.
Julgando que seria interceptada polos re-
voltosos de Soroeaba a correspondencia que i
V. Ex. tive a honra dirigir em 20 do mez pr-
ximo paseado remello agora copia do meu
olficio daquella dala ciimprndo-mo main
participar a V. Ex. que pelo correio da ma-
rmita ainda nao recebi coiiimuiiicacao algnma
de \. Ex. depois docessado o correio mi-
litar,.
Finalmente cumpre-mo pedir a V. Ex.
que baja de continuar a dar-me suas ordena .
pudendo contar com minha lidelidade, patri-
otismo e debis torcas e licar dcscansndo so-
bre os sen limen tos de ordem queanimo os
Lapienscs e (craio que o posso alfirmar) os Co-
ri ti baos em geral.
Ten lio a salislacao de poder assegurar a V.
Ex. que as autoridades desle municipio todas
so tcm prestado com proniptidao a prol da sa-
grada causa e de maneira tal queso se lor-
iiao dignos de louvor e o mesmo acontece
com a guarda nacional e guarda policial.
Dos guarde a V. Exc. Onarlel do com-
mando superior das legioes de guardas nacio-
naes da comarca de Coritiba na villa do Prn-
cipe 7 de juuho de 1843. tito, e Exm.
Sr. bario de Moni'Alegre presidente desta
provincia de S. Paulo. Manocl Antonio da
Cunba commandante superior interino.
S. Paulo 50 de junbo.
Com prazer soubemos que o Exm. e Revm.
Sr. hispo diocesano domittira o padre Romu-
aldo Joze Paes do emprego de vigario da vara
de Soroeaba nomeando para subslilui-lo ao
digno e honrado Sr. padre Francisco Theo-
dosiode Almeido Eeme nico sacerdote dos
residentes em Soroeaba que sempre repellio
as ideas e principios anarchicosquo traidora e
vergonhosamente professavo os mais padres
daquella cidade e que alm disso lem feito
j nio pequeos sorvigos, enlre os quaes de-
ve ser mencionado a quasi total reedilicago
da igreja matriz, em cuja obra nao se poupou
a trabalhos e estoicos c at despezas. Espe-
ramos que S. Ex Revm. (pie tantas pro-
vas lem dado de relevante patriotismo, adhe-
so ordem e amor ao lliroiio de S. M. o Im-
perador nao deixar de ultendcr a um pon-
to importantissimo qual a nomeagao de yi-
garios para as respectivas parochias da provin-
cia. Sabida a influencia do que sempre ro-
zrao os vigarios em suas freguezias e esta-
mos certos que na rebelliao actual tivero os
parochos milito grande parte por que av-
lenle que tdlcs possuem e dispoem dos meos
I.X. B UC He lunilla |iai su uinBi .. ...v.^...- ...... -,--------- ...
guarda nacional e guarda policial, fazendo- mais proprios e efhe.,/.es para dispor e conven-
Ibes distribuir armamento para a defesa da sa-
grada cauza que sustentamos qual a do ra-
eer o pavo e constante que elles para a
presente erise nada despresrio. Convm
zao, dajustico, de cuiossentimentos todos pos milito arre.la-los .los lugares onde elles
se acho aqui animados". | prevalec>rao-se do Rel.g.Ao do Ceo o do In-
Eu faltara ao meu dever se nao patenleas-! torno para promover entre os seus paiocina-
se a V Ex. o quanto o major Paula Rangel nos a deslealdade e a liaicao ao throno de S.
ncanjavel se lem esmerado por todos os
meios ao seu alcance pura a sustenlaca de
l.1o justa Causa. Pelo capitao da guarda naci-
onal desta villa Antonio Al ves do Oliveira ,
M. I. : convm tirar-Ibes essa arma podero-
sa capaz ao mesmo lempo dos mais santos
e dos mais infernaes resultados segundo a
maneira por que > applicada e nao entrega-
Ullol ucaiu una miiuinu i..^^ ~...------- ...------------,----- ,-- ~
que duas vezes por mim lem sido mandado a la se nao a sacerdotes de reconlieci Ja probida-
Coritiba com communicaces tendentes a mrs-j de do costumes puros e inteira adhesao a
ma causa por que lauto elle se interessa par-| sagrada caus i do Rra/.l c monarchia brazi-
lieipei ao coronel commandante das torgas de i leira.
nao haver nnvidade nos campos geraes o Em o n. leste jornal demos urna lista
com o major Paula Rangel lhe enviamos a so- ; dos padres que forflo entrados na rebelliao de
tisfactoria correspondencia que daquella parto I Soroeaba j recrulando gente armindo-a
ti vemos, e que oCraditamos sinceras ; porm, e coHocondO-se armados sua frente ji u-
no obstante, continuo a lar bombeiros e sondo da superslio o fanatismo, como meios
proprios para os campos com receio de que de persuaeao ; essa lisia penos toi ministra-
os einissarios de Soroeaba nao consigan per- da por pessoa conhecedora do lugar e dos far-
lurbar a ali a ordem e para que estejamos los. com quanto j extensa, nao abrangia os
em d a com as noticias do estado da opiniao padres todos que trabalhro pela rebelliao ;
pora^uella mesma parte. Eslou suppciUaki miiitosoulrt>s exislem los quaes ter. scji
ji0ih os pagamentos aguarda nacional e mu- ( dnvula noticia o Exm. Sr. bispo, aos quags
nicio a guarda policial que ae acha ruuida ,| esparaitis>bajado l'a/ez a doi-la justica ; por
benveomodespezis de propiiosc bombeiros. ei;quos saceitlotes setnlo s pessoa mais u-
ohIras extraordinarias ; isim espero, que tns qiuuido virtuosos e hoiuiidos sao as
' -


-*-*^
2
ss
mais perniciosas quando qiieiem dar par
o mal.
Anto-honlem chegou a nta capital o
Exm. general oSr. baro d-Caxias ; asna
entrada foi a pplaud ida com as mais sincera
douionstiaces .i pr.r/er dos liahiUint'VS cidade que se arlin puasuidfis para cun S.
Ex. des mais |"U'"'> ''<)idia SS'ntimenlosi
"ululan amizade e reeonhecinientu palo he
roicu i'dfVHiilissiiiiii S'ivico Por elle prest -
uo nesta cccasiao .1 mais crlica eoi que n<>
temos adiado provincia toda A Ma glo-
ria foi era S. Paulo de ura genero novo ; a
sua victoria nao foi hanhada de sangue brazi-
leirq nao lionvo cruzamenlo de armas ; o
ge ral conceito o alto renome do Exm. Sr.
general a lealdade dos Paulistas por outro
lado bastro para alcanc.ar-lhe os Ionios.
Honra seja feita ao oobre general cuja pre-
senta cnjn nome s bastn para confun-
dir es traidores mnnarchia e desarmar os
lilhos desta provincia que se achavo Iludidos
por esses mesmos rebeldes e traidores ; hon-
ra seja igualmente feita aos leaos Paulistas
que apenas vno em S. Ex. um defensor
la gloria paulistana abandonarlo as Bleirat
rebeldes a que estavio sujeilos, nao por von-
tade sua mas s pela forga por vis traidores
empregada O nome do F.xm. Si har o df
Caxias flear gravado nos corachas de todos o
leaes Paulistas que sabem prozar a honra di
sua provincia ultrajada por despreziveis aven
tureiros ; a sua gratidfte, osen reconheci-
rnento serao ciernas.
Nao devemos deixar de mencionar o so-
cego quielago e seguranoa em que perma-
neceu esta cidade durante a ausencia do Exm.
general, devidas actividad* zeloe pericia
do commandanle militar desta praca o r.
lenente-curonel Joze Gervasio de Queiroz
Carreira que soube conservar na forga qu
fazia a guarnigo desta capital a mais rigoro-
sa disciplina o ao mesmo lempo a mais bou
vontade para o servico interno da mesma.
( Do J. do Com. )
as armas e pondo em coaego as aulhorida-
des constituidas. Este successo dar occa-
sifiO a que pessoas mal intencionadas ou illu-
lidasespalhem., como ja o t-'in feito boa-
ios os mais funestos procurando aterrar-vos:
limpie porem que estejais vigilante e u-
lidos confiando as providencias do gover-
no que fortalecido pela autoridade das
li'is e animado pelo nico desojo de salvar
*s instituiges que nos regen) e o throno do
Senhor D. Pedro II vela incessantemente
sobre a sorte da provincia.
l.'ni-uos com o govemo observai as medi-
das que ueste momento dao as autoridades a
bem da seguranga publica : tende constancia
e firmeza eo jrito daanarchia ser soirocado
pela forga irresistivel da le e da opinio pu-
blica. Viva a Beligio do Estado Viva a
Cnnstituico do Imperio Viva S M. o Im-
oerado o Senhor D. Pedro II !
Palacio do governo do uro-Prelo 15
iunho de 48i2.Bernardo Jacintho da Vei-
ga Presidente da provincia.
Illm. e Exm. snr. Conslando-mc queso
ochavan forcas rebeldes em Queluz concer-
tei com o major Castrioto commandant mi
litar de Rezende, ir alacal-as no da Sdocor-
rente, pidas !l horas do da, seguindo elle p'du
lado oppostoda Parabyba; marchei no referid
Oia pelas 7 horas ila madrugada com 200
haionetas sendo 150 do batalhfto de fuzilei
ros e ."0 do provizorio Defeza do Thro-
no e com mais .'10 pragas do esquadro de
oavallaria ; porem sendo presentida a nossa
marcha pelos poneos rebeldes que al se acha
vfio po/ero-se estes em fuga precipitada a
vista do (pie fazendo juneco com o major
Castrioto de aocordo com elle os fiz perse-
guir por nina partida nl<-a fazenda do rebel-
de Israel, suppondo que ali se reuniran j
porem nenhum rebelde foi encontrado, por
levaren) mais de meia legua de dianteira. Im-
mediatamenle entraran em exereicio as novas
autoridades de Queluz que se achava re-
fugiadas em reas e deixando ali cem pra-
gas de guamigo nos retiramos.
Cont com este municipio pacificado e no
ponto de Barreiros, onde havia reunidos re-
beldes se acbo boje em exereicio as nossas
autoridades civiz com um destacamento de
7>0 pragas provisorias ; c achando-se livre to-
do o transito daqui para a corte a minha
correspondencia com V. Ex. ser pelo Bana-
nal e nao pela Praia do Frade.
)s rebeldes estilo perdendo cada dia a for-
ca moral que a principio tinhfio contrihii-
indo muilo para isso a ordem que se publicou
da perda dos bens dos criminosos,
Achao-se presentes minha entrada em
Queluz n dezembargador Brrelo Medroso e o
juiz de direito chefe de polica da provincia
do Rio de Janeiro, a qnem tenhn entregado
os presos para os procesaos, a fim de serem
remettidos para a corle corn os procesaos e
ja se acho pronunciados o padre Joze Alves
Leite, eoex-juiz de paz Joaquim Xavier de
Salles, que paraalii remelti.
Dos guarden V. Ex. Quartel do com-
inando militar na villa de reas 6 de julho
de 1812. Illm. e Exm. snr. Joze Clemente
Pereira ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra. Pedro Paulo de \l<>-
raes llego major commandanle militar.
min\s (r.iixi>.
Procteruacfio do Presidente da Provincia.
Ouro-Pretanos (I grito de rebellioaca-
ba de rebordar na pacifica provincia de Minas.
0< gil dores, nqHellesque sob falsos pre-
textos tramara contra o ihrono oonslitucio.
na! do Senhor l>. Pedro II e contra a i
lilienail garam a exeeucfid deseu*
plan, Barbacena recon
A revolta de Barbacena.
Os patriotas de c ficaram muito melancli-
cos e sombros com as ultimas noticias de Mi-
nas : chovem as pragas sobre a cabega dos im-
0 'rialistas e nao ha um s dos patriotas li-
bertadores que nao lastime nao haver nina
halla bem dirigida alravessado o bravo
Joze Thomaz Ilenriques que leve o arrojo
le escalar na Bocinha da Negra e enxolar
dahi os incendiarios da ponle do Parahy-
buna.
Pelas noticias que boje publicamos pde-
se contar que a revolta de Minas est agoni-
zando e que anda d'esta vez nao sera salva
i patria das leis que covernain nem estabe-
l-oidoo svstoma republicano, que tantas ven-
turas nos promette. A faego anarchisadora
st annullada inteiramente : cumpre que o
governo fazendo-a punir saiba aproveitar
a victoria para restabelecer em todo o impe-
rio o dominio da ordem e da liberdade e dar
ao imperio o impulso que carece as vas da
prosperidade c da civilisago.
Viva o Senhor I). Pedro II. !
Temos mui lisongeiras noticias da provin-
cia de MinasGeraes : em logar competente a-
eharoos leitores as proclamages do presi-
dente e commandanle das armas. Aonde
tinlia chegado o echo da autoridade imperial
todos corriam as armas para defender a cons-
litmcSo a integridade do imperio e o thro-
no ameagado A forga reunida em Ouro-
Preto Sabara Piranga Cachoeira e ou-
tros logares prximos capital, chega a 4,000
homens, bem armados,, mnniciados e ani-
mados de grande enthiisiasnio pelo Impcra-
dof e pela causa constitucional. O Ouro-
Preto est foi liicado : nao seria pois f-
cil aos rebeldes apoderarem-sc d'esse impor-
tante ponto. Dalli j havia marchado urna
forte columna contra os rebeldes cuja avan-
gad* se pchava no Ouro-Branco ; 111 legoas
distante de Barbacena.
Por toda a estrada do Mar da Ilespanha se
rene a guarda nacional om defesa do gover-
no imperial ; e o arraial do Espirito Santo ,
que se diz fora sublevado pelo patriota BarSo
do Ponbal foi abandonado p#los revaltosos
mal souberam se avisinhava ma forga de
300 homens da provincia do Bio de Janeiro ,
(pie parliu da ponte da Sapucaia comman-
dada pelo Coronel Freitas.
A villa de Tamandu que fora surpre-
hendida pelos patriotas que intentaran) as-
sassnar o ex-deputado Joao Antunes Correa ,
linh sido por este mesmo corajosa-
mente restaurada: o digno vigano de Taman-
du lendo evitado os assassinos e ruido as
immediacr.es urna forga de 200 e tantos bo-
rn ns all enlrou Iriumpbante, e os fez pren-
der Na Campanha se aprontava e eslava
prestes a marchar urna forga para baler os
rebeldes ou salteadores que liaviam invadido
a villa pe Baependy. A columna do intelli-
rentee distincto Coronel Joze Thomaz H*n-
riques tinha desalojado das suas IrncbeirfS
os Iludidos soldados dos rebeldes da Bocinha
da Negra ; penlendo estes 12 morios ; e dii-
noso '. Jornalado Commercio eque essa co-
lumna j se achava em Simo Pereira duas
leguas alen* d'eate logar e em marcha sobre
Barbacena Ora constando que teni chegn-
dojas partes olliciaesd'este combale e marcha
triumphanlc admira que se nao lenham pu-
blicado. Sei.i por nao se querer dar relevo
aos fi/ilosdo bravo Coronel Henriques ? .
J se noton a mesma fiiesa a respeito do Sr.
Tenenle Coronel Amorim Bezerra o bravo
de Campias ... Nio serao lambem anjos da
victoria oles dignos Baasileiroa ? '
No Bio Preto j chega a 1,000 homens a
rcuniio da guarda nacional e s alli se es-
pera algum armamento para marchar oiilra
columna e licar assim aborta a communi-
cago com a provincia lemitrophe. Ignora-
va-se pnsio que se nao julgava superior a
forga po Parahybuna o numero dos rebel-
des nos acampamentos do Torvo e Bio do
Peixe.
O *r. Honorio Hermelto tinha chegado a
Valenca em -i do correle acompanhado
doBrigadeiro Ignacio (iabriel Monteiro de
Barros, e ah foi receido com granda en-
ihusiasmo.
No Mar de Ilespanha Paral)} ha do Sul em
Vassourase Valenca continuavam os donati-
vos e subsciipges de dinheiro e mantimentos
para as foi gas constilucionaes. San dignos
do maior elogio o patriotismo o generosidade
de seus habitantes Os Srs. Francisco Leite
Bbpiro espu irmao Custodio Ferreira Leite ,
lo Mar de Ilespanha offerlaram G:000ji rs.;
9 subscripgSo de Valenca em que j falla-
mos sobe a 10:000,00(> rs. ; o Sr. Conde
de Valenga tinha mandado dar da sua fazenda
16 boiseos mantimentos qu bssem preci-
sos para a gente reunida no Ouro-Prelo &.C.,
tic. Todava tanta generosidade nao encon-
trou anda imitadores na corte la I vez por
que seus habitantes nao menos generosos ,
sabendo que um dos ministros que devia o
sello da heranga de certos escravos ( cu jo se-
nhor pretendeu libertar ) requerera pagal-
o em 0 l|2 annos por prestages mensa-
es !... julgam os cofres pblicos recheados ,
e a naco nSo precisada de esmolas.
Nao temos noticias ofliciaes de S. Paulo at
20 do mez pascado nm as teremos to ce
do segundo affirma o Je-nal do Commer-
cio porque os 8 vapores quo o governo
mandou ao Bio Grande buscar dous batalboes,
fortes de 1,500 pregas, s poderAo aqui prin-
cipiar a cJiegar do dia 10 ou 11 em diante !...
No entanto ahi anda carregando caf a Gen-
til Campista que podia ter ido buscar as
malas a Snelos, para nos tirar da tcrrivel
anciedade em que nos deixou o ultimo officio
do Sr. B. de Caxias datado em Sorocaba a
20dejunho, no qual.nos annunciara sua
entrada alli. levando por diante os rebeldes
em numero de 1,600 com baten tes ... tanto
mais que se tem espalhado que o Sr. Barao
ile Monle Alegre f(\ra demittido o substituido
pelo Sr. Caxias na qualidade de vice-presi-
dente e que este lambem pede sua demis-
sfio em raaao de se terem aggravado suas mo-
lestias. Ora muito interessando saber-se
que derrota levaram os l,G0O fidelissimos
combatenles el-re Tobas o Gran-Cruz
Feij e todos os mais cmplices de rebel-
liao deSormaba ninguem reparara n'esse
pingo de cera mais que se gastasse com o aire -
(amento de ou ta berca de vapor.
Cheou honlrm o correio de Ierra o nada
de novo nos diza folha do governo ( que nao
oflicial ) acerca das villasdo norte de S Pau-
lo ; do balalho de fuzileiros, que os facine-
rosos de Eorena puzeram em torturas ; dos
acastellados do Bananal ma forga que marchou por P.iraly Cimba e
Guaratinguet. para vir reforgar aquelle
batalbo na villa de Aras .'... Tudo sao mys-
lerios, segredos da abelha !... Mas a poca
das mizericordias inda est Ion ge Sr. J.
Clemente cumpre castigar os criminosos ,
os inimigos do l.hrono e da uniodo imperio ,
deixemo-nos de pelloticas de espertesas do
rato !... Viva o Senhor D. Pedro II !
( S. de 8. )
vem da fieguezia do Ouro Fino. Igualmente
requisita) auxilos de Caldas o Jacuhy para a
dita cidade que j de ve contar mais de mil
homens.
Neste municipio ludo se lera conseguido
sera obstculos, nao s pelo zelo do dito
commandanle suppcrior que goza de bem
merecida influencia eadjulorio das autorida-
des e mais cidados prestantes como por-
que seus habitantes estil na melhor disposi-
go possivel, o se pretAo prompamente com
suas pessoas soccorros de mantimentos o
subscripees voluntarias.
Ha poneos dias por esta:- lambem corta-
da a communicago para essa corta pela mi-
nio de Lorena dirigi-me ao presidente de
S. Paulo fazendo-o sc.ienlc do que tem OC-
corrido nesta provincia, alimde noscom-
municar ao governo de S. M. I. comode
dar as providencias que estivessem a seu al-
cance : o que agora poder fazer visla das
ultimas noticias
Dos guarde a V. Ex muitos annos. Villa
de Pouso Alegre 2 de julho de 1842.Illm.
e Exm. Sr. Joze Clemente Pereira minis-
tro e secretario de estado dos negocios da guer-
ra.Joze Innocencio de Campos juiz de di-
reito interino da comarca do Sapucahy.
VILLA DA POMBA.
Illm. e Exm. Sr. Tenho a honrado par-
ticipar a V. Ex. que no lia i do corren le en-
tre! no Arraial do Bio Novo com a forga que
pude retiir na Sapucaia e Arraiaes do Kaga-
do e Espirito Santo e logo no mesmo ins-
tante remelti ao juiz de paz desta villa um
dos mais influentes na rebellio a communi-
cago que por copia aprsenlo a V. Ex. No
mesmo dia organisei um batalho das forcas
que me acompanhro e das que achei no
Bio Novo o com elle me puz em marcha pa-
ra rala villa no dia 6 marchando todo o dia
por picadas inlransitaveis por terem os re-
beldes embarazado as estradas ; fiz alto a li-
ma legua de distancia da villa para tomar
guias que me dessem conhecimento do mo-
Ihor lugar para atravessar o rio da Pomha ,
visto terem sido destruidas todas as ponles.eao-
amanhecer do dia de hoje para atacar os re-
beldes que aqui existio segundo dizem ,
em numero de seiscentos a oitocentos homens;
porem elles nao esperrflo que as forcas de
meu commando deseovolvessem a boa vonla-
de e valor com que marchavfto e pozero-se
em to precipitada fuga apezar do entrn-
cbeiramenlo que tinho levantado na villa,
que quando entroi ao meio dia apenas en-
contrei dos influentes o r. Appollinario Joze
da Silva, que mandei prender e ento cons-
lou-mo que s tres horas da madrugada se li-
uhao posto em debandada deixando al os
mantimentos que tinho para o almougo a
alguns arreios o cavados que mandei entre-
gar ao juiz de direito.
Dos guarde a V. Ex. Cuartel d com-
mando das forcas na villa da Pomba pro-
vincia de Minas 7 dejnlho de 1812. Illm.
cExm. Sr. Joze Clemente Pereira minis-
tro e secretario de estado dos negocios da
guerra.--Antonio Joaquim da Silva Freitas.
Exm. Sr. as actuaos circunstancias ,
julgo de meu dever informar a V. Ex. do es-
tado desta comarca e dar noticias k cerca da
rebellio desta provincia principalmente por
oslar interceptada a communicago com o go-
verno da mesta.
Dfsde que aqui se soube dos aconlecimen-
tos de S. Paulo desenvolvero o digno com-
mandanle superior da guarda nocional deste
municipio e mais autoridades toda a energa
necessaria ; e collocou-se destacamentos da
mesma guarda nacional em differentes pon-
tos c de 60 pragas nesta villa alem das
do destacamento do corpo policial em nume-
ro de 10. Em Caldas tambem deslacou a
guarda nacional e seguio para S. Paulo vo-
luntariamente um capito com 3> soldados .
osquaes, depois deestarem em Campias ,
enlniiao em Sorocaba com as forgas legaes.
I llimamente em consequencia de ter re-
henladoa rebellio nesla provincia maiores
medidas se tem tomado tanto que depois
da entrega de Baependy tem marchado da-
qui para a cidade da Campanha OO homens,
inclusive as pracas do dito corpo policial e
continuar a remesas de loicas que se vai reu-
nindo, estando-se i espera de 100 pracas que i
Por cartas da cidade da Campanha pro-
vincia de Minas, datadas de 25 de junbo ,
sabemos que no Ouro-Prelo em odia 19 ,
havia quasi tres mil homens em armas ani-
mados dos melhores sentimentos e que no
dia 21 ou 22 sabia da mesma capital una
grande forga com 2 pegas de artilbaria so-
bre S. Joo'de El-Bei e Barbacena.
OEhltOTA DOS REBELDES NA ROSINrtA DA NEGRA.
Ponte da Parahybuna 0 de julho, s 0
horas da noite.
.. Duas iioras depois da sabida do correio
ebegou a noticia de que hoje mesmo, s 0
horas da manha foro atacados os rebeldes
da Bocinha da Negra e o resultado foi fugi-
rem todos deixndo toda a bagagem. Houve
pouco fogo pois os rebeldes fugiro logo.
Nossa gente fica no lugar em que at agora
era acampamento delles e senhora das trin-
cheirascom que se acoberlavo. Dizem que
Ildefbngo irmo dos Serqu iras est preso
pelos nossos ( valha a vordade ). Era com-
mandanle dos rebeldes.
( Carta particular.)
Por pessoas chegadas do Onro-Branco ,
Minas Geraes consta-nos que havia grande
forga no Ouro-Preto o qual se achava muito
fortificado temi partido urna columna de
inaisdeGOO homens para atacar Barbacena.
No dia 21 do passado chegro do Ouro-
Branco as gcardas ayancadas desta columna.
A villa de Tamandu que se achava domi-
nada pelos rebeldes foi restaurada por uma
ii.n .i iegal de 500 homens.


*>
O espirito publico do todos os lugares do
interior da provincia tinha-so manisfcstado
rom grande cnthusiasmo a favor da legali-
iliJe.
Os rebeldes fugirao do arraial do Espirito
Santo logo que soubero approxiniar-se-lhes
urna forca ,,l provincia do Rio de Janeiro ,
jommandada polo coronel Freitae.
( 4- do /I. de 8. )
OS REVOLTOSOS DE MINAS.
A prsenle sitoaeao do imperio < digna de
seria reilexao : silo crticos os dias em que
vivemos mas nao sao desesperados, (Juc
importa que a anarehia levante o eolio e a mea-
ce tragar-nos entregando nossos direitos ,
nossas vidas e fortunas ao .alvedrio das fac-
ones ? Ainda as nossas instituic/es nao per-
derlo toda a sua forca ; os homens do ins-
tincto uo poderam relaxar todos os la-
cas da iiHao : se se perderam as ideas
moraes, restam-nos os inleresses, e digamos
tildo resta-nos o egosmo ; e nos momen-
tos difliceis o egosmo o desejo de guardar-
mos nossas posicAes sociaes teem salvado as
naces do abysmo que as anteara subverter.
Por nm lado os interesses sociaes por outro
as instituQdes nos salvaro ; mas neeessa-
ro que o governo saiba dirigir os primeiros
e tenba f as oulras : he ardua a tarefa .
mas os lempos nao solrem que deploraveis
mediocridades invadam os poderes polticos do
estado eos conquisten!. Coragem energa,
inteligencia forte sao os dotes que carecem
os que governam em momentos critieos ; u-
nio resignaco sacrificios sao qualidades
que dos governados se exigem em taes occa-
sioes.
A situado actual obriga os amigos da mo-
narchia e da inlegndade do imperio a mais
de um sacrificio : nao ho este o tempo de cen-
suras nos o temos comprehendido 5 amen-
tados pelo inimigo commum quando a fac-
co anarchisadora incendeia e devasta povoa-
fifls nao temos coragem para incommodar-
mos o poder com observaces a respeito de
sua marcha ; so urna circunstancia nos for-
jara a tanto s a lraic.no do governo co-
roa nos levara a comhatel-o e enlo o far-
amos com energa, e por todos os modos que
a constituido e as leis permiltem.
Sem o querermos tragamos a prolisso de
f da Scnlinella na presante conjunctura ;
nao entondam porem os leitores que abdica-
mos o direito de olTarecer ao governo os con-
selhos de seus amigos liis para dehelhr o i-
nimigo de prevenil-o dos embustes da fac-
eto Iraicpeira que se abraca com as insti- i
tuices para melhor combatel-as o derrba-
las.
Por todas as informac/es que havemos ro-
lhido a respeito da revolta em Minas sabe-
mos qne os revoltosos all illudiro os povos ,
que tomaram armas em defeza do imperador:
he essa a mais concludente prova da forca que
ainda tem as instituicOes monarchicns em
nome d'elias e por ellas armam os calieras da
revolta essas partidas que precorrem as estra-
das e que impedem a livrecomnmnicaco en-
tre aquella e a provincia do Rio de Janeiro.
Outro m-io de que se servem os chefos fac-
ciosos he o emprego de alguns sacerdotes que
pregam aopovomenlirr.se embustes Entre-
tanto, nao he a revolta de Minas to grave
como geralment; se presume : no momento
em que o governo imperial se decidir a dar o
ultimo golpe desde que todas as forcas te-
nho commandantes que as dirijam ao comba-
le e um centro que dirija as operac/tes os
revoltosos desapparecero como o fumo e se-
r infalivel a paciieaeao da leal provincia de
Minas (eraos.
A demora porem com quanto nao a-
meace seriamente a integridade do imperio ,
causar grandes males tanto provincia de
Minas como a de S. Paulo e a capital do im-
perio. Na impotencia de levarem ao cabo seus
planos inferhaes os chefes da revolta fanati-
saro o povo e faro do ineendio e do rou-
bo outros tantos meios do opposieo ; quem ,
com tanta facilidade queimou a ponte do Pa-
rahybuna nao duvidar incendiar as fazen-
das dos imperalistas, saqueal-as arrsal-
as !... O governo imperial nao ignora qual os
sentimentos os inslinctos feroses d'essa gen-
io que qualilicou o incendio da capital da Ba-
ha como resultado d'um plano estratgico
mal combinado, que queima e destroe as
pon les como meio de opposieo ao ministerio;
nao Ihes do quartel portanio ; dirija o pensa-
miento nacionalOrdem monarchia e hber-
dade .'guerra aos incendiarios e assassinos !
Vivan Imperados !
( S, deO.)
DIARIO DE PERNAKO.
cao dos honrados habitantes e protesta des-
de j seu elerno reconhecimento
N. B. Osbilheles achAo-se no mismo thea-
tro.
aviso MARTIMO.
Trouce-nos o Vapor Paquete do Sul che-
gailo do Ro alguns .lomaos mais que che-
gao at 15 do corren lo e dcixamns trans-
cripto o que nelle adiamos do mais nolavd. gr* Para o Maranho o Brigue Tenlaeo ,
Por toda a parte vilo os sediciosos de corr- forado o encavilliado de cobre, o bem conhe-
da dando costas s tropas da legalidade. N'n ,-ido nesia praoa os pretenden tes para carga,
Coi te achava-se organizado um corpodev..- (..,.r,lVos a irote epassageimspara oque lem
lunlarios Imptiaes com posto dos Emprega ,.x :e||enles commouos dirijao-se a ra da
dos pblicos qne se havo ouerecidn parra- j M0.la n. HO a tratar com Firmiiio .lo/e Fe-
jiidr a O. N. no servico da pra?a. Ws* ^0za.
A fragata Paragoss sabio no da 2 do cor-
reule para Lisboa levando a seu bordos Srs.
I.impo Torres llomem Routor Merelles
o conego Geraldo e Jo/.e Francisco Guma- r t? ,. .......
. tsy Joaquim (1. \. Guimaraos la/ leilao
l E I I. A O.
A Babia eslava tranquilla at o dia 21.
A! EDI DO.
expostos e relatados estes
utos de Revista civil entre partes Recor-1 ?ut,ras ,Iiversa8 nulidades de doce viudo, de
intesJosThoms de Campos Quaresma. e'1'"*" ,_pene,ros com tapioca do Maran bao,
... .. 1 m r ..mi. i um porcao de albos vindo do estrello caixas
corrido Jacome Gerardo Mana l.umacl.i, | '^ -. Mm _. -v...
Vistos
A
ren
recorrido
negao pedidRevista" por nao haver null-; Jtaf'
dado manifesta nem njustica notoria nos |CUI """"
Aceordos de (pie se recorre. Regressem os
Autos ao Juizo onde foro senticiados ,;
pagos pelo Recorren le as cusas. Rio .'i de,
de .lulho de l842r Douctor Figueirodo ,!
Przidente^
vencido Campos, vencido Nabuco -
Carneiro de Campos Albuquerque Pin-
to Silva.
1 no seu armazem defronte da cscadinlia da al-
: fandega no dia 28 do corren te pelas lo ho-
ras da manb dos gneros seguintes pur
: conta e risco de quem pertencer : latas com
! simonte da Babia marmelada em caixas e
fardos com enminhos e caixas
COM M ERGIO.
ALFANDEGA.
Rendmento do dia 27 de .lulho ;:892.<48fi
DIC8CRRE6Afi No DIA 28 DE J0LB0.
Brigue Americano = Hannah = Ve I las, ba_
nhadeporco, farinha e bolaxa.
Brigue Sardo = Maria = Massas arcos al-
pisla alfa/.ema, ervadoce e cominho.
Lisboa ;
c'ira ,
sucar.
AVISOS DI V ERSOS.
3= Diz D. Joanna Francisca daConceico o
-Petra Arago Queiroz.: Silva que tendo sido brbaramente assassi-
nado seu marido Luiz de Castro o Oliveira ,
no dia 1T> do corrente : roga aos Credores do
mesmo hajart de compareccrcm no dia HO
do corrente pelas 10 horas da manh na ra
do Sal, segundo andar do sobrado em que
; mora o Escrivo dos Protestos para que nes-
| ta occasio a annunciante aprsente o oslado
deploravel de sua caza.
nk Lotera de IV. Scnhn-
ra do Roza rio corre nfa-
Hvelmentc n > da 7 de A-
2;osto prximo ; os bilhe-
tes achao-sc a venda nos
lugares do costil me.
= Joze do Carmo d'Oliveira e Antonio
da Cruz soldados que forao do extincto Re-
giment d'ArtlIhoria comparocao na Secre-
taria Militar sobre objecto do servico.
33 O abaixo assignado a viia a quedas pes-
soas a quem leni comprado efeitos o bote-
qiiiin da uniflo da ra dos quarteis para
apresentarem suas contas albe o dia 31 do
oorrente Jullio ; pois o abaixo assignado dei-
xa a sociedade que lem com o sr. Lourengo
da Costa Loureiro.
Joze Gonc.alvcsde Faria.
= Quem precisar de una mullier para a-
nia de una casa de bomem solteiro ou de
pouca familia ; a dila ama engoma e cosi-
nba : dirija-se a ra da senzalla nova na ven-
da de Miguel dos Anjos de Lima D. II.
= Dezapareceu do porto do Snr. Manoel
Luiz Goncalves urna canoa aberta que pe-
ga em o a Gcentos lijlos cuja canoa supo-
em-se estar para banda da cidade de Olinda.
e Santo Amaro: foi desemeaminhada na oc-
casio da cheia do mez passado : quem a a-
char leve na ra do ^^ gario D.
do Sur. .\uno Maria de Seixas
bem gratificado.
%T A luga-se o primeiro andar, e arma-
zem da casa de 4 andares na rila da moeda
delronte do ferreiro Caelano o aniiazem he
milito proprio para qualquer eslabeleeimen-
to : a tratar na ra do Visrario D. 12 com
MOVIMENTO DO PORTO.
NAVIO. ENTRADO NO DIA 27.
Rio de Janeiro Rabia Sergipe e Macei'
13 dias ; Vapor Brasileiro Paquete do su
de l40 tonel Commandnnte Malhias de
Rarros Vplenle equip. 24 : ao Comman"
danle.
SAIIIDO NO MFSMO DIA.
Patacho Porluguez Paquete da Ter"
Cap. Augusto ile Eolito carga as-
I) E C L A R A C O E S .
= O juiz de direito da 5. vara do civel
desta comarca do Recife faz publico a quem
convier que adan lo-se impedido de dar au-
diencia as horas que tem marcado 8 horas
do dia ) pelos trabaIhos em que se ada da
meza parochial que boje da audiencia as 7
horas do dia.
= Carlas seguras que existem :ia admi-
nistradlo do correio para Adrinano Manoel
Soaras Joze Antonio Rastos Joo Gaslam-
bide Bernardo Joze Lopes.
= Pela Administradlo da Meza do Con-
sulado se faz saber que no dia primeiro de
Agosto do corrente anno se ha de arrematar
porta da mesilla Adminislracan urna cai-
respectivos
12 em casa
, ipie ser
xa de assucar aprehendida pelos
empregados do trapixe da companbia por fal- \ \;uno Maria de Seixas.
siicaco do assucar ; sendo a arrematac;o li-
vre de despesas ao arrematante. Mesa do
Consulado de Pernambuco 27 de .lulho de
1842.
Miguel Arcan jo Monleiro de Andrade.
THEATRO.
Beneficio de M. Carmela Adelaide Lucci ,
para domingo 51 de Julho apresentar-se-ha
a comedia em arlos O mo Amigo nos
intervallos a beneficiada cantar a Cavati-
na da Opera Semiramidc Bel raggio Lu-
singhier aceompanbada com coro do cele-
bre M. G- Rossini a beneficiada junta-
mente com seo pai execularo urna scena ,
e duetlo aconipanhado com crtro -- Quanto
Amore da Opera Lelixir d'amore doSe-
nhor Cavalier Gaetano Donizelli. Eiso ex-
pectaculo que a beneficiada tem a honra de
oterecer ao respeitavel publico d'esta cidade ;
com o qual espera merecer a benigna protee-
sa Voou do segundo andar do sobrado D.
10 defronte do lliealro Domingo 2 do cor-
rente um chexeo que tem o dedo inferior
quasi aljalo de maneira que pnusa sobre
elle e milito mango ; quem o troucer ou
descubrir onde elle se ada recebera dez
mil reis.
= Aluga-se urna grande casa terrea nova
com os seguintes cmodos 2 grandes salas,
o quarlos com sotao c janollas cusinha
fora sen copiar, toda envidracada com
quintal e cacimba; por proco cmodo: na pra-
cada Independencia X. 2o.
ss O Kngraeado que levou dernaoMO de Jo/e Ribeiro Simos na praca
da independencia D. 25 5 vols. das obras
seguintes: I vol. o Pirata ; ouiro Fabian-
na eos 5 Vico-Raimundo, oslando por se
acabarem s com lombadas de marroquim
encarnado e ponas ; queira ( por favor )
mandar leva-os pagando-se alguma cousa
de seu trabalho. e guardando-sc segredo:
pois que do contrario he fcil saberse quem
quer -que foi. segundo as informacoes dos
vizinhos.
= Perdeu-se una carteira encarnada que
cabla d'uma casaca no dia 24 do correle .
na Igreja Matriz de Santo Antonio, que nao
contiliba mais que alguns papis particulares,
e recibos que s inlnressam a seu dono : a
pessoa que a tiver adiado, ipieira por obze-
quio entregnl-a ao Sacrislao da niosma Main'/
qu loni ordem para receber.
= Silverio Manoel dos Reis, nao podendo
despedir-se essoalmciitc como Ihecumpria.
de todos os seus amigos o pessoas que Iho
Iribntarao a mais olliciosa prova iLamizado ,
e boneliconcia por occasio do prejuizoqite
sollreu pelo sinislro do Brigue Portuguez A-
l'ricano do qual era Capilao : roga-lhes ,
descufpem esta involuntaria falla ; pois que a
breviilalo de sua partida para a Cidade de
Lisboa, nao Ihe den lugar a cumprir um de-
ver lao sagrado como o do reconhecimento ;
ollcrecendo-lhes ao mesmo tempo os seus ser-
vicos naquclla capital.
sa O snr. que anniinciou ter duas casas de
um sobrado no bairro do Recife para bypo-
thecar ou vender ; dirija-se a loja de cabos \.
5. defronte do Corno Sanio que achara com
quem tratar.
= Da-se a premio de 2 por con lo no mez ,
sobre penhores de ouro ou prala du/entus
mil rs. ou menor quanlia : na ra .Nova lailo
do norte penltima loja se dir quem di.
ss Precisa-so de una ama com bom leitee
semlilbo, ainda mesmo captiva sendo bem
ladina ou criolita ; na ra Nova D. 2.
33 Sonjean lavrador o gravador sobre to-
dos os metaes, se ollerece ao publico para
qualquer trabalho concernenlc ao seu olicio ,
o qual far com toda promptido : no pateo
da Matriz D. 8.
\= Sahira luz e achilo-se a venda na
loja de livros da praca da Independencia X.
57 o 58 : os Elementos de Direito Poltico de
j Macare], vertidos em Portuguez pelo Dr. Ca-
zimiro Joze de Moracs Sarniento. O Ilustro
I autor dosla obra tendo sido cncarregado de
instruir alguns mocos Egyptanos que pelo
Governo de seu pai/. tinhao sido mandados a
Franca para se imbuirem na civilisacao eu-
ropea t'ormou o seu plano de ensino, no
qual como dovia inclnin a Scicncio do Direito
Poltico : nao havendo porem adiado um 1-
vro francez, que Ihe servisse de texto para as
lic/ies, porque absolutamente o nao havia ;
deu-se ao insano trabalho de compol-o, ex-
trahindo de quasi lodosos melbores Publicis-
tas ou nacionaes, ou estrangoiros ou mor-
ios ou vivos quer antigos quer modernos,
os necessarios maleriaes para organsar a o-
bra projectada, a qual lelizmcnte concluiu
com lano louvor, o approvacfio, que pos
soas que se podom ter na ronia de juizes da
materia julgandn-a como diz o Autor no
seu Prefacio, snflicente introduc/io para es-
tudos maioros a propria para as pessoas .i
quem falloscc o lempo necessario para cslu-
dar fundo qualquer materia pediro-lho
que a desse ao prelo ao que elle acceden, o
lamanha extracto levo a obra que tendo-se
consumido logo a primeira odirjo appareccu
segunda mais crrela da qual o Traductor a
verteu para Portuguez, levado nicamente
pelo dezejo de miiiiozear as Academias do Rra-
zil com um excedente compendio qne ainda
nao possuio em a lingu verncula aos ho-
mens instru os com um tracladinbo que Ibes
pode servir de manual, e a todos o Rrazilei-
ros ePortuguezescm um livroclaro, con-
cizo e que s conten doctrinas correales ,
egeralinente das per exactas, onde ge pos-
so instruir a coica da origem lins c efl'eilos
da sociedade civil, das vantagens e sobr'ex-
cellencia da Monarchia Reprezenlntiva Cons-
titucional e Hereditaria ; em lim em que
podt-m apprender os seus direitos e deveres
como cidados. A obra ho um volume prela-
do de 279 paginas no interlinhndas em 4. ,
e em bom papel, e bello lypo. A traduco
nAo conten gallecismos, est fiel, doseii-
pocada e corrente. Cusa cada exemplar o
mdico pre^o de 3.200 rs.
= O abaixo assignado faz cedo ao respei-
lavel publico que osla exorcondo o emprepo
de Solicitador dos Auditorios desta Cidade o
Comarca do Recite. legtimamente authoriza-
docom Provizao do lllm. o Exm. Snr. Prozi-
denle da Rcllacfio : por tanto aviza a todas as
pessoM, (pie se (piizoroni utilizar dos seus
servicos que o devem procurar na ra d'A-
guas-verdes D. 22 sobrado de um andar,
das 6 t as 8 da manh o das duas da lardo
as 5 ; asseverando que seio todos servidos
no desempenho de seu emprego com fideli-
dado e promptido. Recife 20 de Julho de
1842.
Francisco Antonio Rabello de Carvalho*


i
1MI.ULAS VEGETAliS E UMVEUS.VES AMKUrClN.YS.
Estas pilulas ja bem conhecidas pelas gran-
des curas que lein feito nao requeren! nem
diela e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo to simples que nao fazem mal a
mais tenia enanca : eui lugar de debilitar ,
Ibrlilico o syslema puriticfto o sangue ,
augmento as secregoes em geral : tomadas ,
seja para molestia c!irnica uu somenle co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de constipago depois de sua
operago como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui lacis a lomar e nao
causarem incommodo nenhum. O nico de-
posito dellas em casa de I). Knotb agen-
te do author: na ra da Cruz N. 57.
N. B. Ca seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
C^" Joo Ebeling subdito llamburguez ;
retira-se para Maroim com escalla pela
Babia.
fST Len C. professor de desenho recen-
temenle ehegado de l:ariz se offerece para
dar liccoes de desenlio : o seu curso compor-
se-ba de principios de desenlio retratos ,
pintura a oleo aquarella, desenbos de llo-
res pintura de payssagem, desenbos de or-
natos e cnfeiles : quem se quiser utilisar de
seu preslimo dirija-se ao paleo da Matriz de
S. Antonio D. 8 : a fallar com o Sr. Samjean.
tsr Arrenda-se um bom sitio perto dcsta
praga, por prego comino do lodo cercado de
limao ecom bstanlos pi de larangeiras, e
oulras muilas diversas fructeras boas tr-
ras de plantagoes e milito boa casa de mora-
dia por ter ditas sala*, 4 quarlos, cozinlia fora,
quarlopara pelos estribara para dous ea-
vallos; os pretenden tes dirijao-se aO Hospicio
na primeira Cirien.i rjf casas terreas n ul-
tima que lira junto ao porlao dvfionts do s,>
brado novo de um andar, ou no atierro da
Bo Vista D. 9.
ssy O Sr. J. F. M. queira vir no prano
de 8 ilias pagar a quem o Sur. nao ignora a
quantia de lio.) quedevea 10 annos ao
para forno como para a musseirs dirija-se a
ra estreila do Bozario lujada mlojiiieiro-.
UT- Libanio Nunes de Ohveira hrasile'i-
io retira-se para o Bio de Janeiro.
=a O snr. que tirou urna carta no Correio,
por engao vinda do Porto1: qeira annun-
ciar sua morada para ser procurado, pois ja
ito he a primeira ; ou queira fexar e bolal-a
no mesmojCorreio.
= Madama Sonjean parteira franceza ,
moradora no paleo da Matriz de Sanio Anto-
nio D. 8 aviza ao respeitavel publico que
se acba prompta a exercer nao s a faculda-
de de parteira, como a de sangrar e vaccinar :
para o que as pessoas que se quiserem apro-
veitar de seu prestimu a acharAosempie pron-
ta a toda e qualquer bora a mostrar o gran-
de conbecimento que tem da sua faculdade.
tsar Precisa-se alugar um prelo coziuhei-
roe que tenba boa conduela; quem liver an-
iiuncie.
COMPBAS.
tsr- Urna porco de borrachos ; quem ti-
ver annuncie.
-v ssy Dm Diccionario Jnglez por Constancio,
que seja uzado ; quem liver annuncie.
C3" Bous cazaes de coelhos : na ra da
Cadeia do Becife n. 51.
>E3" l.'ma garganlilha ou crrenle de ouro
sem feilio : na ra das Cruzes no terceiro an-
dar do sobrado que faz quina pira a pragara
Independencia.
fallecido Vigario Antonio de Mello e Albu-
querque.
%W Na ra do Queimado loja D. 5 do lado
ropoento precisa-se fallar ao Snr. Estevao
Joze Bodrigues da Cunba.
S3^" Precisa-se do urna ama de idade e de
boa conducta para fazer companbia a una
senbora que mora s : quem esliver nestas
circunstancias annuncie.
ssy Precisa-se tres ou 4 Irabalhadores de
enehad.i para limpar capim em um sitio em
Bemica : na ra do Trapiche novo n. 16.
S2T Na padaria do paleo da S. Cruz D. 5
defronte da Igreja precisa-se de um bom a-
massador e que saiba tambem de forno.
S2r- Precisa-se do um rapaz que saiba
bem cscrever em po luguez e se tiver prin-
cipios de grammatica e de ortografa no mes-
mo idioma lano melhor : a tratar em S. A-
maro com Jo/e Consalves Ferreira Costa, ou
no Becife. -
ssr Quem anniinciou querer alugar um
pianno dirija-se ao pateo da S. Cruz casa
junto a do Sr. Pirelte.
*& O Sr. Joe Joaquim da Costa auzen-
teaoSr. Joo Baptisla Fragozo, queira di-
rigir-se a casa de Manoel Ignacio de Oliveira
para receber certa quantia que se Ihe remelle
dcS. Catbarina.
tsr O Sr. Manoel de Jess eSouza, queira
ter a bondadede dirigir-so a casa de Manoel
Ignacio de Oliveira na praea do Commercio !
ou annuncie sua morada para se tratar ne-
gocio que lhe diz respeito.
tSF" Quem precisar de um homem casado
com ronca familia (|uesabeler, escrever, e
contar muito capaz e que abona a sua con-
ducta para administrador de engenho ou
oulro qualquer eslahelecimento fora da praga
do que tem brstante pratica por ja ter sido
lavrador em um engenho no sol, e estar o
fado de todo o servigo de campo e bom pi-
cador para ensinar cavados : annuncie.
nr O gato martez que dcsapareceo da
ra das Flores aoannuncianle do Diario de
22 do corrente nao ode ser o de que traa
o annuncio do Diario de 20 ; porque alem de
nao ter as orelbas eortadas Ibi comprado ..o
Capito l.essa do Brigue Poi luguez Feliz Des-
tino; por isso novamente e pela ultima vez
lo^a-seaquemo p.gou queira rpstilui-lo a
seu dono na ra a cima nu casa D. 3.
cy Quem aonunoiou querer vender quar-
los carr<'gadores baixo dirija-se a ra da
Aurora D. 0.
tzr Precisa-se de urna ama para todo o
servigo de una casa de pouca familia prefe-
rindo-se crela : na praga da Independencia
VENDAS.
Aparelhos para guarda nacional do
ultimo padnio viudos do Bio de Janeiro
por barato prego : na praga da Independen-
cia n. 20.
t^' Polassa da Bussia nova de primeira
norte : i-m casa Je Manoel Ignacio de Olivei-
ra na praga do Commercio.
ssy Fina boa meza de jantar toda enver-
nisada com duas gavetas : no pateo da S.
Cruz tenda de marcineiro.
tsp Vende-se ou hypolheca-se a retro,
urna casa terrea de pedra o cal nova, e an-
da esl sem ropartimenlos internos cita
alem da ra do Mondego com quintal e ca-
cimba offerece proporgoes para estabelecer
qualquer oficina ou industria ter a con-
digo de ser na entrada geral para esta Cida-
de avahada legalmente de prximo por um
mdico valor : na ra das Cruzes no primei-
ro andar da casa da quina junto a praga da
Independencia.
tSf Duas moradas de casas terreas novas
e bem construidas : na ra Direila D. 53 lado
donascente.
W Um pianno de muito boa qualidade ,
por prego commodo : no pateo re S. Joze
D. 8.
tsr l'maprela do bonita figura, re 10
annos engomma lava tem principios de
costura e vende na ra : na ra de S. Bom
Jess das crelas casa terrea com duas janel-
las envidragadas defronte do sobrado da Mar-
ciana.
tw Fma rica cadeira nova envernisada
e dourada forrada de sera, e de muito bom
goslo por prego commodo : na ra do Cal-
dereiro D. 25.
C7- Fma escrava de 12 a li annos, re
bonita figura : na ra do Bangel D. 7.
"ssy Os seguintes livros em bom uzo : os
Martyres ; Feliz Independenie; Oriente ; E-
milia e Affongo ; Mecelanea ; Amores de E-
car Dragos de balanga grandes por pre-
go cpmmodo ; e urna negra com urna cria de
8 mezes para fora da provincia : na ra No-
va loja de ferragens D. 10.
SST Fina escrava de bonita ligura ; e 4
canoas proprias para abrir : na ra da Cruz
numero 25.
tZST Um melhodo de rebeca com muito bo-
as msicas : na ra da Cruz n. 18 segundo
andar.
BT Panno de linho aberto proprio para
babados largo a 5^600 e estreito a 5,)200 a
pega de 50 varas : na ra do Fagundes sobra-
ro D. 4 c na ra do Queimado lojas I). 5 ,
21 e 15.
K^- Superior tabaco simn le ra Babia em
latas de libra a 400 rs. e sem lata a 500 ,
hngoicas a 520. paiosa 2j2O a duzia. amei-
xasalOO, passas a 210, rr.anteiga ingleza
a 000 franceza a 400 e de tempero a 100,
espermacete a G80 lelria a 280 azeile doce
a 4200 a caada e a 500 a garrafa penei-
ros re sal de urna quarta velha a 520, queijos
llmennos a I 200, vinhode todas as quali-
dades papel de peso Imasso c de enibru-
Iho : no pateo do Tcrgo venda D. 4.
sa Pannos finos a 2j000, 2880, 3* 5200
4500, niadapoles a 2020, 5c 5200 4* ,
e 5000, coi tes de vestidos de cassas a 22 0 ,
e 2880 ditos do novo padroe finos a 5,> e
5500 e o covaro a 100 180 e 200 rs. ,
e muito finas a 240 o 280 lencos de loqnim
da India com franja a 2j chapelinhas de pa-
Iba eneitadas para sen hora a 2rf e oulras
m:iitas fazendas finas e ordinarias, muito
baratas : na loja da viuva do Burgos.
t^ Queijos muito novse da melhor qua-
lidade possivel a 1120, manteiga franceza a
440 litria muito nova a 280 sebo de Ho-
landa a 400 espermacete a 000
n.2.
tsr Quem precisar de um homem
tanto
loise ; Herosmo de Amisade ; MedtagSo ;
Carlos e Mara ; Alonco ; Iddalina ; Novelas
galantes ; Carolina de LechtfHd ; Cartas de
Fcho a Narciso ; Eufemia Fbulas re Ezo-
po ; Grua re fogo ; historia de Georgiana ;
Novellas escolhidas ; Paulo e Virginia ; o sa-
crificio frustado ; Lira ; obras re Castilho ;
Florentina e Bozina ; o Benegado : na cam-
boa me i ro.
~ xzr Colego das leis decretos e alvars
de 1750 a 1800 7 v. Direito ni"rcanlil ; re-
portorio geral ou ndice alfabtico das leis
estravaganles do Reino de Portugal; Asssen-
lo da suplicago escola mereantil ; tratado
sobre as leis marilimas de 1810, historia uni-
versal ; commercio do Brasil : na ra estrei-
la do Bozario botica de Joao Pereira da Sil-
ve ira.
C^- Fma caza terrea na ra por detraz re
S. Joze D. 5 : a tratar na mesma.
E3" 4 vaccas prenhes crelas e fillias do
pasto por prego commodo : na Boa vista
venda I). 5 de Domingos ra Silva Ferreira.
OP* Fmi morada de caza terrea na ra ras
5 ponas com grande quintal e fundos para
a ra Augusta : na ra da senzala velha nu-
mero"!.
loucinho
de santos a 200 rs. papel de peso a 5200 a
resma dito almasso a 5. pomada a 460 a
iluzia superior chi isson a 2560 vinboen-
a ira fado a 400 a garrafa e sem o casco a
560 fsforos a 40 rs. a caixinha genebra
da Holanda a 320 a botija tapioca do Mara-
nho a 140 algodo de carosso a 80 rs. a
libra sevada a 120 canela a 1120 a libra :
na venda defronte da ribeira da Boa vista com
a frente pintada re amarello D. 28.
tsr Joaquim Gonsalves do Cabo vende a
sua loja de fazendas na ra do Livramenlo ,
contendo 1 :700ji a dinheiro ou a praso com
boas firmas, ou Iroca-sc por alguma casa ter-
rea ou algum pequeo sitio perto ra praga e
como se considera nSo dever nada a praga
agradece a todos os Srs. que lhe fiarAo as suas
fazendas de baixo de sua firma.
tsrFma porco do pombos de boa qualida-
de f por piego commodo : na ra da Moeda
n. 140.
tsr O Brigue Escuna Beja Flor, forrado e
encavilharo re cobre re muito boa marcha ,
os pretendentes podem o examinar defronte
do cao.s do trapiche novo ; e tratar com Fir-
minoJoze Felisda Boza na ra ra Moeda n.
140; assim como man em caixa de 16 libras,
5 (scravos e urna negra engommadeira e
ensaboadera.
CT Dous a Squarlos em boas carnes,
bons carregadores baixo ; quem os pretender
annuncie.
t&- O Brigue Escuna S. Joze de 148 tone-
ladas e de construgo brasileira acha-se
fundiado defronte da Lingoeta ; trata-se com
Delfino Gonsalves Pereira Lin.a na ra Nova
D. 22.
tar Um negro de bonita figura para to-
do o servigo : na ma da Cruz D. 60.
tsr vende-se para pagamento de dividas
um pequeo sitio pegada a Igreja da Soleda-
de que foi do Capilao SebastiAo da Bocha
do Manac com casa de vivenda cacimba t
alguns arvoredos Ierra propria : no Cor tu
me na ra nova dos Prazeres a fallar com a
viuva do mesmo ou na ra das larangeiras
sobrado de dous andares que tem porta de co-
xeira.
y Farnha da trra de boa qualidade a
6ji400 o alqueire pela medida velha : no pa-
teo i o Carn.io quina ra ra de Hurtas do lado
direito D. 1.
cy- L;m engenho de fazer Mancar na Ire-
guesia de Fnna distante do porto de em-
barque duas legoas e rneia bastantes tenas
ale para levantar oulro, com maltas de loda
qualidade de madeiras para o labaratoro do
mesmo, boa casa de vivenda caza de pur
gar, he engenho tapado, ludo re perra, ser-
r'agoa cercado, bem tratado, grande
cavallarice de pedra
pez de lote de 164 toneladas novo brra-
doe encavilharo de cobre, e de superior mir-
cha : trata-se com Matheus Austin A Com-
panbia na ra do Trapiche novo n. 12.
or Lencos pretos de seda da India bar-
ricas com farelo ditas com farnha do milho,
penles para marrafas, vellas de espermacete,
gangas amarellas, algoduzinho para sacos ou
roupa de escravos ,^ meias barricas com fa-
rinha de trigo : emeasa do Matheus Austin
& Companbia na ra ro Trapiche novo nu-
mero 12.
C?" Fma armaco que serve para funilciro
ou para qualquer negocio de canqulierias :
na ra Direila confronte ao beco do Serigado
I). 50.
tsg" Fma duzia de cadenas um sof um
jogode bancas ; tildo re Jacaranda obra do
Porto c moderna : na roa da praia armazem
de Joze da Silva ("ampos.
i27" Sacas com milho de fora a 5^200 cada
urna : na ra da Cruz D. 46.
tsr Urna muala e um mulato ambos
mogos e de bonitas figuras a mulata cose ,
engomma cozinha e muito hbil para to-
do o servco e o mulato olficial de pedreiro
e proprio para i agern : na ra ro Crespo D.
6 lado do norte.
CJ* (l.clei ;i. de li.-iliiic.) eoin nsiento l>* itfhi-
nli.'i t-ene'si.) la mesma marquezas r mezas de janlar camas cl> vcnlu rom arn.a-
co eadeims com assenlo de paihinlia aineiicanas,
cama.- de vrnto milito liem leits a /jf-joo < ;.s ce
pinlio a 5j5oo e pinito da Sarcia com 5 poirgadas
que cm outra parle ; na na da Plurenlina em caza
de J. ^i'ianger.
ESCBA VOS FGIDOS
xsw Boga-se as authoridades policiaes,
capilaes de campos e pessoas particulares da
Parahiba do Norte, ou de oulro qualquer
Districto a aprehengiio da escrava Joanna do
nagao angolla cor fulla ; foi do Capito Ni-
colao Tolcntino de Vasconcellos, da mes-
ma Provincia, cujo signal mui vizivel ho
ter ella um dedo do p aleijaro a qual fez
a primeira fgida e fura preza furtando inicias : quem a pegar levo-a a ra
do Palacete no I. andar ro sobrarlo amarello ,
que se gratificar.
ssr a noile de 10 de Maio fugiro um ne-
gro e urna negra com os signaes seguintes ;
o nogro he fulo do rime Antonio Pedro ,
ladino bem talante que parece crioulo por
ter viudo muito pequeo da sua tena que
diz ser Benguella bem parecido, altura
ordinaria grosso do corpo leudo j sua
pintas de cabellos brancos pela fizionomia
nao representa ter mais de 50 annos de idade,
lem um signal mui dislinclo em sima de um
p que he urna marca redonda ro lamanho
dequatro vintensde piala por lhe ter cabido
em dito lugar niel quente na rclinacao de
assucar em cujo emprego j esteve ; tevou
alem da roupa ro corpo alguma mais de sur-
lmenlo dentro re um surrAo de pele de oar-
neiro branco carnizas o serolas de algodao
da Ierra caigas e jaquetas de dveras fa-
zendas e cores j rizadas, levando mais urna
rede de algodo quaze nov?. o baiMa ver-
melha : este negro foi escravo do Sr. Leo-
nardo Bizerra Cavalcante do brejo da Madre
de Dos do Snr. Joze Peres Campello do
Engenho Cangass do Snr. Joze Mauricio
de Oliveira Maciel depozilaro geral e do
Snr. Ignacio da Boza. A negra de nago
osla de nome Catharina reprsenla ter
quarenta e tantos annos de irade bem pa-
recida de cara nariz afiliado grossa do
corpo peilos grandes altura propocional,
um ralo na cabega re carregar tabolleiro ,
lalhosdesua trra cm ambas as {faces prill:
cpiando os ditos talhos logo debaixo das ma'
ges the aos cantos da boca como arquiad^-,
una perna mais grossa do que outra pez
apapagaiados leudo um signal mui vizivel ,
que venia ser no meio re urna das candas
um enxaeo ou calombo : levou no corpo
saia re ganga a zul j uzada e cabego de
madapolAo j velho pao da costa quaze
novo -levando mais de subcelenle 4 vestidos
j uzados sendo 5 de chita e um de cassa
eom palmas azues. SahirAo todos na mesma
hora lano o negro, como a negra por se-
ren t.dos pareceiros, e escravos do mesmo
Snr ; quem delles souber e os pegar haja
de ieva-os a Snr. dos ditos na ra Velha da
Boa-vista sobrado da esquina que volfa para
a ra da Alegra que ser generozamenle
pago de lodo seu trabalbo ; assini como pro-


ra
pdra ,' senzala de lelha boa
moendade ferro, os 5 eixos boas laxas osla-s P'OCerer com todo o rigor da lei con-
grandes e novas, e tem cinco assenladas lra'iuiq"cr pessoaqueos tiver amiziado se
e urna por assentar : a tratar rom Joo P'S* P '"'"'"Ki' nao fizer conduzir
Mara Seve. so seo 5,nr- pdo meio que Ibr mais egnveni-
____ ,. nulo
123" VnJc-sc ou freta-se para quaIquii C- ___
parteo Bngue Lscuna Amw'kujiuJL.F, Lo RECIFE NA TYP.~BB-M?F. DE F =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFSYT438S_2MFEAL INGEST_TIME 2013-04-13T01:28:08Z PACKAGE AA00011611_04709
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES