Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04708


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo ile 1843.
Quarta Feira 27
Toilo ej.ira Jepne .ueoies como pr.acip.air.oa eremos apuntados com admiraoo entre Naafea mu, ft
=_____________tProclamacao d. A tiembla Geni do'iraiil.) .&
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTBES.
fioiaona, FaraiLa e Rio jrende do Norte, segundas e sextas toras.
Boaito ; Garaabuai 0 e 24
Cabo Serinhaem Rio l'ormoro Pono Caire, Macei e Alago bo 1. *
raje 43. Santo Antao quintas feira*. Olinda lodos os dias.
H, 21.
DAS DA SEMANA.
ti Se<. Tiago Ap. a. GfcetarSo M.
ti l'rc. a'. Simphronio Olimpio, e Theodolo Mm. Re. K,\, do J, |r p da 1 t
*7 Qjart. a. Pantaleo Medico. Aud. do J. de D. da 3. r.
2-S Quiut, s. Ianocencio f. Card. Aud do juii de ]) da 2. y
9 Srit. a. Morilia V. Aud. do J. de D. da 1. r.
?0 Sah. jrjum a. Rufino M. Ral. Aud. do J. dt D. da 3. r.
"M Do, a. Anna Miy da May de lieos.
8
de Jiillio.
Anuo XVII. N. 150.
i forrm Sanlifu
ka
0 Diario publca-aa todjs oa dias <.. So torrm Beatificado* o i'c0 ,], uainatura ,
d ir.'s mil rea por quartcl pagoa adiaatadoe. Osannuncms ' gralii ni ilnv qiic .i n.i f,ii.'in a raiug da SO res por linio. Aa nctaaaaoeea Aareai ser
irifitlaa a esta I rpografi i roa daa Crozea D. '!. od a praea da ladepeadeacia loja de lirrus
Pinatero 37 o 3S.
Cambio eobre Loadrea 26 ] i. p. ID.
u ii Pars 360 res p. ftsnco.
n j) Lisboa ||)0 por 100 da pr,
Moe.U ile cobre 4 por 400 ii- daanoato.
dem de letras de hoas firmas le a 4 e (.
PaaOOntuda bilb. da Alfands^a I
MI,
20 riFJixiio. compra venda.
Orno- Mncdada 6,400 V, ,0.960 16.100
N. J.i.SiJ 16.00U
> de 4,000 S.800 ii,m
Pam-Falaoo 1,820 1,840
Peros Columnares 1.820 t,HM
ii dita Meiiranas 1,820 1,840
> miuda 4,040 1 ; Pamar lo ilia 27 dt Julho.
1."a N Loras e 30 m. da auuibS.
2. "a 8 doras e 54 m. da tarde.
-**
PH4SE.S DA I.UA MO MF. 7. DE JULHO.
1 na Nots a S-- as 4 horas e 4'l m. da nianli
Qnart. rese, a 14 ka 7 horas e 49ai, da lard
La i-litia a 22-- is H doras e 36 na. da manli.
Oaart, min*. a lilt -,s II horas e 24 ro. da tard.
I IA RIO l> E P E K N \ li K V11 <>.
'! '..... 0 '-
PARTE OFFICIAL
COMMANDO DAS ARMAS.
FXPFDIFNTR RO |A 21 DO COMIFNTK.
Offico Ao Exm. Presidente envian-
ilo-llie o processo verbal eito ao R. Manoel
Antonio de Lima .soldado do balalhAo de
infaiifaria de guarda nacional destacado polo
criinc de disenso para ser presente a junta
de justicia e del I a obter final sentencia.
Dito Aomesmo Exm. Snr., mandan-
do-lhe a presentar para ter o deslino que jnl-
gasso conveniente o paisano Miguel Vences-
lao.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. rogando-
lliea expedieco de suas ordens para que
fosse dada a guarda das barrenas da ponte
da Magdalena pelo corpo do polica.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. remelten-
do-lheas requi.sices dos objectos precisos a
torca destacada ern Olinda e rogando-lbe a
remessa para ali de dous calcetas que silo
necessarios a condueo d'agoa e limposa do
quartel.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enderes-
sando-lbe informado o requerimento do alfe-
res commandante do destacamento do Rio
Formoso que pedia o pagamento de venri-
mentos atrasados a que se julga com di-
reito.
Dito Ao Inspector da thesournria, com-
municando-lhe a existencia da torga destaca-
da em Olinda, cujos vencunentos deviao ser
entregues a pessoa que na mesma tbesoura-
ria apresentasse os respectivos papis de con-
tabilidade.
Dito Ao commandante interino da ibr-
talesa de Itamarac dizendo-lhe que com as
armas ali existentes poda armar aquellas
pravas do destacamento que viessem desar-
enadas temi o cuidado de as rece be r quan-
lh-: outras explicaces que pedir acerca das
salvas dos dias 51 de Maio, e8 de Dezembro
de cada anno.
Dito Ao Delegado do termo de Paje do
Flores exigindo as .segundas vas dos pa-
pis de conlabilidade do destacamento de Ja-
neiro ao ultimo de .liinlio do torrente anno
FOiLMETO
JOAO FERNANDRS ANDEIRO.
COHF. DF. OLRF.M ,
1585.
III. O MESTKE D'AVIZ.
,.....Uns talia ari'ld
TemperetaLici'vinis ? .
( Virg.En- Lh. //. J
Corra o anno do Senhor 1585 ; era o
dia 5 de dezembro da que havia assomado
tao brillianle e lindo quo mais nao fura pos-
sivel. Un co puro como o diamante e
mais azul e l'ormoso que a torqueza fazia
coar pela alma pensamentos celesliaes. I,a
liella trra de Portugal como um dia tao al-
vo e bem estrelado alimentava em seu ie-
{jago luto Era a regente a causa da amargu-
ra de seus vssallos !...
( Vid. Diario N. 1;>7 e l.'iH.
cuja importancia lora paga ao major Antonio
da Silva GusniAo e primero commandante
Joze Robe I lo Padlba e dizendo-lhe que o
ollicial cominandante do destacamento embo-
ra fosse de cavallara tinha os mesmos ven-
cmentos que os do infantaria ; isto he sol-
d e addicional pela tabella do 1. de De-
zembro de 1841.
Dito Ao commandante do deposito mi-
thorisando-o a mandar fazer o armario deque
tinha necessidade para guardar a roupa do
hospital regimenlal empregando para esse
fim as taboas mencionadas no seo ollicio de
9 do corrento e o carpina existente no mes-
mo deposito.
dem no da 22.
Olficio Ao Exm. Presidente remot-
tendo-lhe a conta dos instrumentos compra-
dos para a banda de cornetas da companhia de
artiices, alim de que se servisse da man-
dar salisfazer.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., rommuni-
cando-lhe que daconformidade com as suas
ordens foro nesta data desembarcadas do
vapor S. Sebastio 47 pravas que passaro
a perlencer ao batalbo provisorio e bem as-
sim hio ser passados para abordo do mesmo
vapor os remitas vindos do norte que se a-
cho aquarteladosna fortaleza do brum dos
quaes tres deixario de embarcar por estaroni
doentes no hospital regimenlal certo qui-
tan to o restante das pracas do Para, como
estes recru tas hiao com mandados pelo major
graduado Joze I/jcas Soares Raposo da Ca-
mera.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enviando-
Ihe o pedido das lusos do batalho provisorio,
para ser despachado e satisfeito.
Dito Ao major Fernando da Costa 1*88-
liluindo-lhe a contada daspesa feita com a
compra di cal necessaria aos roncertos do
forte do Gaib para que incluisse tal des-
peza na con la que tinha de dar dos dinheiros
recebados para as obras a seu cargo.
Dito Ao commandante do forte do Gai-
b communicando-lhe o exposto no ollicio"
cima odiscndo-lhe que (cava inleirado de
quanto liie participara em seu ollicio de 20
do corrente.
Dito Ao major commandante da forta-
leza do brum, ordenun-llie o embarque no
vapor S. Sebastio dos 78 recru tas que alise
achavo aqnartelados, com destino a capital I DitoAo aiferes Francisco Joze de Son
do imperio. j za Alvos roinmimio.niilo-llie o desembar
DitoAo capilao Alfonso Honorato lias-; que das 17 pracas. edizendo-lhe quetendo
tos, commandante interino do forte do bu-i e voltar ao Para de requisico ile seu respec-
raco desonerando-o da cobranza, e paga-! tivo commandante das armas, devia entre-
mento das prestacoes das familias das pracas! gar o conimamln das "" pracas restantes, ao
expedicionarias a diversas provincias, e or-| major Raposo da Camera logo que abordo
se llie apresentasse e eflecluar o seo desem-
barque depois do qual se llm doria df-s-
denando-lhe que todas as ordens o papis
relactivos d'este ramo de conlabilidade. de-
viao ser entregues ao major commandante do
batalho d'artilhariaII. I. de C. Mendonca.
Dito Ao major commandante interino
do batalhauda artilbaria a p communican-
do-lhe o exposto no ollicio procedente.
Dito Ao mesmo mandando suspender
o pagamento das prestar-Oes que tieixaro
nesta provincia o mu/ico Manoel Bemardes
d"Aleanlara.e soldados Francisco de Santa f.la-
tino.
hitoAo major commandante da torca
estacionada em Olinda dando-lbe varios es-
clareoimentos que pedir acerca do servico
que devora ali fazer o ordenando-lhe que
incluisse nos prets, e rolac/cs de alteracfies
o corneta .1. J. de Santa Anua tirando-
Mus vencimentos do da 17 om diante.
Portara ---Ao major .1. L. S I!, da Ca-
de M.
ra, o Manoel Marques, este por se ter recolhido mera ordenando-lhe que se apresentasse a
do Para, e aquel les por ten ni tidoali demis-1 bordo do vapor S. SebasliSo e ali tomaran
sao. Conclua pedindo-lhe urna relacAo or- o commando de ."pravas do i'ara que Ihe
mal das pracas de pret, expedicionarias do serio entregues pelo alfares Souza Alvos, e
Para, que deixaro com declaraco dos i dos 78 recrutas vindos do norte no vapor Pa-
quantilalivos c at quando se acho pagos. I quete do norte, fazendo nao so desles co-
Dito Ao lente coronel commandante mo daquelles entrega ao Exm. Ministro
i|o balalhAo de infantaria de guarda nacio-
nal destacado, 'ndo-Ihe para seren
entregues as partes os requer montos de
Francisco Joze das ('.hagas Francisco Pe-
reir Machado eJoao Correia dos Santos,
cujas prestacoes foro indeliridas pelo Pre-
sidente.
Dito Ao major Joze Lucas Soarcs Rapo-
so da Camera, commnnicando-llie, quedos
81 recrutas que conduzia do Ro Grande do
norte para a corte foro recolhidos ao hos-
pital reginiontal alim de seren traclados .
os de nomos Francisco'lavares de Olveira ,
Lourenco da Rocha, e EslevSo Joze Barbosa,
que por esla causa deixaro de embarcar com
os mais no vapor S. Sebastin.
Dito--Ao commandante do vapor S. Se-
basliao communicando-lhe que dordem
t{a presidencia hio sor agora desi
da Guerra logo que chegasse a corte apre-
sentando-llie o ollicio que incluso adiara, t
que alem destas pracas segifto no raesmo va-
por com igual destino o aiferes J. C. C. de
Albuquerque, primeiro cadete F. P.
Castro, e soldado J. P Jnior.
RFPARTICAO DA POLICA.
Parle das occorreucas dos dias 2 20.
i" pracas das 80 viudas do Para
O amor, esse reverbero de centelha do co.
havia tornado aalma de I). Lianor tao agita-
da como o mar, quando turbado por mil
hrridos furaces ; e seu to grande dt;sar de
todo9era sabido !...
Se nos horneris do seculo presente podesse-
mos entrelazar nossos pensamentos rom os
do seculo XIV, veramos o quo se passava
nessaa almas quando so tralava de punir o
arrojo de estranhos quando a honra portu-
gueza tinha urna civa por mu pequea qu
fesse ; porem hojeesses lempos ja passaro:
hoje nem mesmo se querem conservar os an-
tigos monumentos para que as turbas se nao
lembrem do que fomos e do que somos Que
dirio esses homens nossos a vos se surgis-
sem da campa e vissem a m f>; o orgu-
Iho e a inveia que reina na trra de Alfonso
Henriques ? Que dirio ao ver seus gigantes-
cos e soberbos edificios onde a par das ru-
gas da senectude apparecera recentes cica-
trizes, reduzidas a p pela mo dos ho-
mens !...
Ah que de raiva nos lancario o estigma
e o anathema e talvez de vergonha accor-
ressem a aninharem-.se as lousas donde e
haviao levantado !...
Alguns caralleiros montados rm ginelcs
corredores, galopa vao pelo terreiro da Se e(meida.
do Altores Soti/a Alvos o que para bordo do
mesmo vapor se passario 78 recrutas que
deviJio seguir para a corto ao mando do ma-
jor Raposo da Camera que se apresentnria
a bordo levando em sua companhia o alfoces
C. C. d'Albuquerque, primeiro cadete
F. P. de M. Castro, e soldado J. P. Jnior.
Consta da parte do cumman I mt ;eral
do corpo policial do dia 19, que loio hon-
tcm presos no destricto de Fora do Portas ,
pela patrulha rondante do mesmo corpo dous
estrangeiros e Rita Mara ,xpor eslarem em
desorden.., Consta das parles do comman-
dante geraido corpo policial, do dia 21 ter
sido preso em a noile do mesmo pelo ins-
'mbarcadosjpectordo quarteiro do dislricto da ra nova
ao mando i ordem do respectivo sub-delegado ocrcou-
lo Francisco Xavier d'Oliveira por furto
Coi rebolludo acadeia ; o do dia 24. que fora
assassi nado com urna r,i"-i,i pelas 7 horas da
noile d > mesmo da o portuguoz padeiro Luiz
detal. valendo-se o aiilhor de to barbara
atrocidade para escapar-se da perseguico
' da policia da obscuridade da noile e acti-
le com um bacinete o o corpo com um fral
ilo ; as grevas e os coxoles rangio ao toca-
rem-se pelo galope incerto to ginele ; einpa-
relhados com elle cavalgavo Ferno Alvaros
de Almeida o rommendador Jurumenha ,
Lourenco Martins Vasco Lourenco e Lopo I riqussimas franjas de ouro eslava sentada
Vasquez; eaps do todos viao-se vinte he-j D. Lianor; donas sem conta a ce rea vio o
mens de colas e hracaes e espadas enmocami- aos ps se Ihe ajoelhra o conde dOurem. O
bremodo curioso o por isso nao ser desas-
sisado mc. para la transportemos o leitor.
Jf'um espacoso retrete cujo ledo era alo-
ballado e o chao de niarmore branco e pre-
lo; om um estrado forrado de escarate, com
nlieiros.
Chogaro aos pateos :
com elle parro todos.
As folgancas que ali ora se respiro
disso o Mestre apontando para os pacos nao
sero de mu longa duraejio !
TinhAo-lhc apenas escapado dos labios es-
tas palavras quando ao longe se lobrigou
conde de Rarcellos o conde D. Alvaro Pacs,
o Mestre parou o j Ferno Aflbnso e Vasco Peres. guarnecio o
retrete.
E D. Lianor so respirando ternuras ,
bebia a largos tragos o amor, c neste momen-
to olvida va tristura e merancorias !
Anleiro olhava de lito para urna das janel-
las semi-abertas e por ondo se va o sol ir
um cavalleiro montado n'uma bacanea cober- escondendo-se no occidente. Assiin como o
ta com almatrixa ; ao cliegar-se recon he-: astrlogo durante urna pura noite se com-
cera sor Rui Pereira. iprazem admirar as brilhantes estrellas do
Rui Pereira, Ihe diz o mostr, ide firmamento assim D. Lianor se comprazia
vos diante o quanto poderdes e dizsi a Alva- em nao despregar os olhos do conde d'Ou-
ro Paes que se laca prestes para tratarmosn rem.
que elle sabe. Senlio-se urna rajada de vento 6 Andern
Rui Pereira ufastou-se procurando for-:deo um estremecSo.
a dt; cravar osacicates nos ilhaes da pobre a- Tendea medo .'. Ihe pergunlou com
voz meiga "
mas
se encaminhavo para os pacos dos condes de
Assumar. que ero onde boje est o I.imooiro.
Na frente a o Mostr d'Aviz robera a fron-
nimalia aprossar-lhe o tardo passo. | voz meiga D. Lianor.
Oinoslre apenu-se a enmecou n pratoar'. Nao, senhoro acudi Ainleiro
mui do manso com Ferno Alvares de Al- o que ora se passou bem singular !
Dal apoucos momentos. Ferno
de Almeida tinha entrado nos Pacos.
Oque dentro do palacio senassavq eraso-
(tque Coi
Mvares 'linlia os olhos cravados n'uma verde
plantazinha que entre a leuda do muro que
alem sobranceira se eleva se balanceava Uo


iw-^wr-ftu'JA^-Lw-. ''aBUuuwir.^. *m .
.. ."ji#-:-,-^k^^'
vidade Jo averno; o quo das partes dos mais
das n:ccbidas nao mencionan novidadet.
t.t-----------
LNTfc.LiIOK.
Dos guarde a-V. Es, Palacio do Governo
Idn8. Paulo, 25de Jnnho de 4842 lllm.
o Exm. Sur. Joze Clemente Pereira. Ba*
i rao de MontAlegre.
Anuo do na^ciment do Nosso Sonlior Jc-
zus Chrislo di* mil oito rentos quarenta o
j iluus aos \inte do junho do dito anno, nes-
jj_ 82-lllm. e Exm. Sur.- Tenbo alta imperial cidade de"$. Paul ecada publi-
lionra de levar ao conhecimento de V. Ex lea onue foi vindo o subdelegado da fregue-
que hoja recebi participaban do general emjzadaSe, sargento mor Matheos Fernandas
chefe bao de Caxias de haver adiado o se- Canlinbo, con i ueta mente com o doutor pro-
nador Diogo Antonio Foij na cidade de So-J motor publico Francisco Joze de Lima pa-
rocaba e te-lo posto en. custodia. Julguei con- ra elleito de proceder-se revista das prisoes:
S.
veniente que o mesmo senador toase conduci-
do a esta cidade para faze-lo seguir para o
Rio de Janeiro. V. Ex. se dignar por esta
noticia na presenta de Sua Magostado o Im-
perador.
Dos guarde a Y. Ex. Palacio do governo
de S. Paulo 22 de Junho de 1812. lllm.
eExm. Snr. Joze Clemente Pereira.- Ba-
rio deMont'Alegre.
entraodo-se no exame dos presos existentes
na priado denominada Forte entre ou-
tros presos compareceu Gabriel escravo de
Joze Innocencia dcliveira da villa de S.
Hoque e pergunlando o dito subdelegado
qual o motivo de sua priso, por elle foi res-
pondido: Que seu senhor mandn elle inter-
rogado a esta cidade com urna besta para
receber carga em casa do Bernardo Joze Po-
N. 83. film, e Exm. Snr.-DepoisI toGavian, a quem troiixn urna carta do di-
da fausta noticia que tive a honra de commu-j lo seu senhor e chegando as nove horas do
nicar a V. Ex. em o mcu oflicio de 21 do cor- dia em easa do dito Bernardo Gavio este
rente, s tenbo a dizer actualmente que as t receben a caria ejinandou que elle interroga-
forgas rebeldes lem-se despersado, como o i do tirasse a cangalba da besta e descansasse
at nova ordem e que passado lempo em
que ello interrogado amarrou a beata em um
pao verde no terrero do mesmo Bernardo
Gavio e dormio um pouco no mesmo ter-
reiro veo o mesmo Bernardo Gavio, e
major Galvo que os commandava parti-
cipou ao governo em chefe baro de Caxias ,
que os mandou perseguir bem como ao che-
le da rebellio que consta hia fugindo pa-
ra a suafazenda de Parnapitanga.
Do norte da provincia nao tenbo recebido mandn que elle interrogado puzesse a canga-
communicavdes havendo o correio sido rou- lina na besta e fosse receber a carga no por-
bado em a cidade de Taubat ; assim ignoro | tfio do Tobas dando ordem a um rapaz pn-
o que tem occorrido alem da inesma cidade. ira mostrar o porteo ao interrogado dizendo
Na villa de P.iraliyliun i onde haviu te-1 que Vollasae, a sua cssa depois de receber a
mores de que os amigos dos rebeldes lentas- carga. Que elle interrogado foi ao porto do
sen) alguma cousa nada lizerao, e consta I Tobas e la recebeu espingardas e tornou
por caria particular que rugirn para Tauba- i com ellas casa de Bernardo Gavio o qual
t, e que o delegado de polica*se acbava na j diese a elle interrogado que era tarde j para
referida villa com torcas legaes. seguir, e que fosse com o burro carregado
N* comarcado Coritiba eslou persuadjdo | pouzar na chcara d II Gavio, adianto de
Santa Anua eque voltasse sua casa n'ou-
tro dia cedo. Que elle interrogado foi dormir
na dita chcara e no dia seguinte veio casa
do dito Gavio, o qual mandn que elle seguis-
se,mandando um camarada e um escravo levar
elle interrogado a urna casa no Curro que
lem nina venda na esquina e que ehegandn
na dita venda entrn por ella elle interro-
glo e foi couduzido pelo quintal com arvo-
redos at dar em outra casa dentro do quin-
tal e nessa dita casa lambem recebeu algu-
nas espingardas e nessa deixou elle inter-
rogado asduas bruacasque trouxe de S. Ro-
que e mais quatro espingardas que nao pu-
I raneisco Jos do Lima. Como toslemu-
nhas presentes Joao Baptista Ramos.
- -Francisco Antonio de Oliveira.
Secretaria da polica do S. Paulo 25 de
junho de 1812.--- Est conforme.- Alexandre
.1 s do Seixas amanuense da mesma.
N. 80. lllm c Exm. Sr. Hoje re-
(.bi as rornmunicac/ios da provincia de Minas
(.'raes, que passo s mfins de V. Ex. Em
i'UiSeqeiineia do estado d.iquclla provincia ,
o bario de Caxias j fez partir mais do cem
homensde tropa de linha com direceo villa
do Jacareby, com ordem de se njuntarem com
ai pracas eommandadas pelo major Solidonio,
que a 27 do mez passado reqnisitara ao dele-
gado da mencionada villa de Jacareby auxilio
de gente e armamento para ir contra a cidade
de Taubat. Depois de amanha partera mas
200homens n:j. mesma direccao c o general
em chofo pretende OOOUpar as estradas que por
aquello 'ado communico com Minas e a
vista dos inovimenlos daquella provincia ,
lomar a resol ucjin de operar sobre ella e para
es.se lm parte para ali com brevidade.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do governo
deS. Paulo 2 de julhode 1812. lllm. e
Exm. Sr. Jo Clemente Pereira. Baro de
Mont' Alegre.
-- N. 87. lllm. e Exm. Sr. Depois
da debandada de Sorocaba e da inleira disper-
san dos rebeldes a provincia exeepeo
ile alguns lugares do norte est toda na met-
que a rebelliao nao achou apoio algum. Re-
cebi communicacesoBciaesda villa do prin-
cipe em dala de 9 ede Paranagude 17 do
crrenle. Os officios e convites de Tobas fo-
ro feralmente regeitados com indignaco :
o nmito digno .'oinmandaiitij superior
Manoe
Antonio da Cunlia cbamou a guarda nacional
e polica para del.'Hilera comarca se por ven-
tura os rebeldes tentassem fazer alguma diver-
sao para esse lado ; ussa loica reunida com
o batalho catharinense em pregado pelo co-
ronel Pimentel, que desenvolveu a maior ac-
tividade nao s deve conservar a mesma co-
marca illesa da rebelliao como corlar a re-
tirada aos de Sorocaba.
O coronel Joo da Silva Machado suba pa-
ra Coritiba no da 18 deste.
Dcos guardo a V. Ex. Palacio de S. Paulo,
25 de Junho de 1842.lllm e Exm. Snr.
Joze Clemente Pereira.Baro do Mont'Ale-
9 _:\. Ki.Ulm. e Exm. Snr. Passo as
mosdeV. Ex. acopia aulhentica do inter-
rogatorio feilo ao conductor de nma poreo
de armas remelldas deste cidade aos rebel-
des. Por ella ser presente a V. Ex. o com-
porlauento do bngadeiro reformado Ber-
nardo Joze Pinto Gavio Peixoto ao qual
expesso ordem para retirar-ae para o Rio de
Janeiro o apresentar-se a\. Ex.
dorio ir por nao caber no cesto e que vol-
tando pelo quintal sabio pela venda por
onde tmlia entrado e seguio com o burro
carregado para S. Boque pelo caminbo dos
inheiros em cuja ponte foi prso pela guar-
da. Accrescentou que elle interrogado pedio
guia a Bernardo Gavio c este lbe disse que
nao era preciso pois que um moco que es-
lava ao p dello ira atraz delle interrogado.
- E para constar mandou o juiz lavrar este
auto, em que assigna-se com o doutor pro-
motor e testemunhas : o pelo interrogado
assigna-se Benedicto Antonio Eloy por t
mesmo nao saber escrever.--- Eu Jos Pascoal
Baylo escrivo o escrevi. Canlinbo. Be-
nedicto Antonio Eloy. O promotor publico,
louca e altiva que pareca querer an oslar; pensar noque ia succeder foi aps delles.
com o dos dos venios : BOprou o curo c cis
qu foi derribada...
E que tem isso ?..
Oque tem ?... tornou AnJeiro com voz
alterada nao sabe V. A. qu3 aquella plan-
tazinlia semolhavel vida do homem r Ho-
je sobrado com possancas e logo amanba
abatido e derribado
QuaUtosois pueril !
E um sorriso anglico corren pelos bei^os
do D. Lianor
O meslre d'Aviz disse i;m pagem que
cntrava a toda a pressa.
Estas palavras soro aos ouvidos do conde
d'Ourem como se fosse o ribombar do 1ro-
vfto.
0 conde d'Ourem encarou paludo com D.
Joao : foi Ira vado pelo bra^o o nio grado
sen achou-se fra do aposento.
llouve um momento em que tudo licou
quedo...
Sentio-se um suspiro abalado...depois um
soluco... depois o baque de um corpo...
Joo Fernando Andeiro j no era deste
mundo...tinha-lhe fgido a vida !
Oh quao bem lbe augurara o coraQo seu
destino !...
Gomes Freir corra por loda a cidade bra-
dando em altas vozes :
Accorro ao meslre que o mato nos
Pacos.
Estas palavras levanlro urna grita inau-
Vinlc hoinens d'armas pi ecedio o mostr j dita entre o povo que irigoso so reunir em
e elle depois de saudar a todo1- de tal gui- pinhas no largo dos Pacos.
Que expectaculo se enxergava !
sa fallou :
V. A. julgar cstranba a miuha volta
to azinha ; porem seu espanto ceaaar quan-
do souber que venho em busca de mais ho-
mens pois os que me forao dados nao hastio
para cumprir o que me ordenoil.
Mulo me pa/ a vossa franqueza D.
Joo. Em breve tfereis o livr.i dos vassallos ,
e eiilo melhor escolhereis.
Tennotamhem a pratica a sus comvos-
co cond i d'Ourem e negocio de alta mon-
b'oiitlnl i 6 um -lie.
ii 0. l.'ai
lu mar de cabecas !
De todas as partes se ajuntava povoleo a
todos os ngulos se topavo a todos os n-
gulos quasi se esmagavo contra as esquinas
das ras. As escadas dos Pacos ero subdas
e desculas mil vezes ; ao blasphemar dos ve-
Ibos se unilos as injurias e o deprecar dos
mancebos.
Bri lem-se as portas, dizifio uns.
Queimem-se os l'.nos lornavAo ou-
llUi.
Que ruido Quocoiifu-Mn
fugio
Ibor ordem O chefe da rebelliao
acompanbado de poucos dos mais compromet-
tdos ou que mais temio a punico. 0
com mandan te das torcas revolladas despedio-
ae s*guudo o mesmo parlicipou ao harflo de
Caxias. A pacilicaco inleira da provincia
nao peder demorar-se mais do que a cho-
cada da tropa aos lugares em que poucas pes-
soas trabalhao por entreter um cnlhusiasmo
facticio : o xito da lula do Sorocaba deve ter
completamente abatido a lodos os sequazes da
desorden). A rebelliao de Minas nao pode
acbar aqui auxilio o nem atear de novo o in-
cendio quasi extinclo.
Todo o lado desta provincia que confina
com aqii'lla da altura de Jaearahy para o
sul possuido dos melhores sontimentos
como tnoitrou declarando-se pela causa da le-
gdidadc (pie era aqui ameacada. Pode V.
Ex. estar certo que cooperarei com todas os
meios que estiverem minha disposico para
que a autoridadede S. M. Imperial se ja prom-
'.amente restabele< ida na provincia de Minas
Dos guarda a V. Ex. Palacio do governo de
S. Paulo, 2 dejullio de 18i2 lllm. o Exm.
Sr. Jos Clemente Pereira. Baro de Mont'
Alegre.
lllm. e Exm Sr. Acenso recebidos
quatro avisos de V. Ex., dous del;"), eos
outrosde 17 do crreme mez e sobre a ma-
teria delles sou a dizer que j nao necesito de
mais forcas para asta provincia, por q" as q'
tenbo sao mais que sulfioiento para oceupar
as principaes povoaces della, o qua j ordenei,
e para dividir em partidas volantes quo per-
signo os insignificantes restos dos rebeldes que
por ventura posso anda apparecerem algum
ponto do que nao ba nenhuma probabili-
dade ; pois que anda bnntem noiie recebi
um oflicio do major Francisco Galvo de Barros
Franca que commandou em chefe a forja
rebellada : no qual me partidpou ter desde-
dido os puncos bomens que anda o acompa-
nhavo o que nao obstante mande! ojenla
cavalleiros persegui-lo e < niuito de crerque
o prendo.
Vou fazer concentrar algumas forjas sobre
a fronteira da provincia de Minas e ordenar
aosduzentos bomens ltimamente viudos des-
sa corle que pratiquem um passeio militar pe-
las villas do norte at Taubat e se fdr ne-
cesiro marcharei sobre clin, cuja revolta ne-
nhum cuidado me d.
Com a poli tica de desarmar os primeiros re-
beldes que se me apresenlro e manda-Ios
para suascasas sem com ludo garantir-lhes
censa alguma dei o ultimo garrote na re-
belliao.
Dos guarde a V. Ex. Quartel general
do exercito pacificador, em Sorocaba 22 de
junho de 1812.lllm. e Exm. Sr. conse-
Ibeiro Joze Clemente Pereira ministro e se-
cretario de estado dos negocios da guerra.
Baro de Caxias, general em chefe.
lllm. e Exm. Sr. O estado do sul e
oeste desta provincia o mais satisfactorio
que se pode desejar : os rebeldes nao tem bo-
je nenhuma forca reunida por insignificanto
que soja nem esperanzas de a reunir ; e a-
lm disso mais de )00 individuos que servi-
ro rebelliao se me hilo apresentado trazen-
do as armas que Ihes distribuirn ; tenho
lambem adiado grande porreo de armamento,
nao s em diversos lugares onde os ditos re-
beldes o linbao escondido como pelas estra-
das e mesmo muitos dos principaes chefes
me tem escripto pedindo perdo, como V. Ex.
ver das cartas juntas as quaes nao respon-
d nem respondo sendo um dellas do ma-
jor Francisco de Castro Canto e Mello, quo
tanto cooperou em favor da rebelliao ; e pelo
contraro, tenbo activado as partidas que an-
ilo em busca delles ; muito principalmente
do chefe Rafael Tobas de Aguiar que roe
consta acbar-se escondido para o lado da sua
fozenda denominada Paruapitanga a-
companbado apenas por um seu criado para
cujo lugar mandei o major Joo Bloem com
urna forca decavallaria e infantera.
Tudo quantoV Ex. me ordena a respeto
da provincia Je Minas Geraes j por mim ti-
nha sido providenciado pois que ordenei ao
teen te-coronel Joze Vicente de Amorim Be-
zerra e ao padre Joo Vieira Ramalho quo
marchassem com as forcas de Campias e Mo-
gimerim, atOuro Fino eoperassem contra
os revoltosos daquella provincia com toda a
actividade e que me communicassem o es-
tallo das povoaces por onde passassem.
Ordenei ao teen te-coronel com mandan te
do batalho de Jacareby que regressasse ao
lugar da sua parada vi.*to j nao ser neces-
sano nesla capital o referido batalho ; no en-
tretanto que enllocado elle naquella villa ,
me facilitar tirar della e da de S. Joze 200
bomens que reunidos a 100 de prmeira
linba que daqui partirn operem sobre a
villa do Taubal edali pela estrada de Mi-
nas at Sapucahi-merim ou mesmo Itajub
se necessario fr.
Tenbo-me demorado nesta cidade quatro
dias esperando noticias da provincia de Mi-
nas Geraes pelo lado de Ouro-Fino ; e logo
que saiba que por ali nada lia de extraordina-
Todos estes ps a batercm todas estas bo-
cas a bradarem lodos estes bracos a cruza-
rera-se faziio por sem duvida mor matina-
da que os habitadles do monte Elna ao ve-
rem fra do alcance a frota de Eneas como
com lao vivazes cores no-lo descieve o divino
Virgilio. Haveria alguem que fosse capaz de
applacar tantas tas?
Haveria alguem que amainasse tanta alma
requeimada pela sede de vinganca?... Um s
homem para tantos foi bastante !
O quo so as turbas !...
Chegou o mestru d'Aviz a urna das jnel-
las e to gr.iDde tempestade serenen com
este razoar :
Amigos apacifleaivos j eu sou sao e
vivo gragas a Dos !
O povo prorompeu em applausos o vivas
ao meslre d'Aviz.
Nem mais um grito nem mais urna pala-
vra e todos se afaslro em quielaco.
Dillicil empreza sera querer esbocar um
quadrofiel das dores' e pungimenlos que io
l dentro n'alma de 1). Lianor. Seus olhos
nao verlO lagrimas mas quantas vertiao
seucora^o Seus labios exleriormente nao
seltaYlO queixumes mas quanlos soltario
interiormente! Seu corago era de mulber ,
sua alma toda fogo loda amor, e com taes
almenlos melhor se pode imaginar o que com
jajavr.it. *. n<> 1'uib: iih/.i:.
>. Lianor tinha leconcenIrado oda
dores : e se dores desabafadas martiriso ,
dores reconcentradas mato !...
Apenas ao saber da morte do conde, pro-
ferio estas palavras vagas :
Com elle me mataran um bom servi-
dor !
E ninguein mais lbe ouvio um s lamento !
0 meslre d'Aviz depois de ludo aquieta-
do e havendo assegurodo a D. Lianor que
nada tinha e recear, desembargou os
Pajos o foi-se a banquetear com um de seus
amigos, emquanto D. Lianor pranteava,
rccolhida no Seu aposento a morte do seu
valido!
.Nessa mesma noite um sahimento sem
ricas tellas sem canucos de padres sem
renques de brandes, dirigia-se a occullas
para a greja de Martinlio.
Nem urna lagrima, nem urna benco.
nem um soldada nem um suspiro !...
Apenas a um dos cantos da igreja se lnlio
aggiomerado alguns escadaes que com blas-
phemias e injurias nronuneiavao um no-
me.....
E esse nome era o de Joo Fernandcs An-
deiro conde d'Ourem !
P. M. JlMOll.
I IM


<>
le s 8 horas da manhaa marchou o Exm.
general em chefe do sen ultimo acampamen-
to no Pama-Tres e antes das 10 es-
tando vista de Sorocaba mandn que as
guardas ayancadas cominandadas pelo capitto
Monte-Negro capilar CocHirt e alteres Al-
bergara rcconheccsscm as vizinhancas da
ciliado 5 equandooExm. general dlspunha
a forca para a atacar vio que as guardas a-
vancadas tinho alravessado aponte penc-
trado o interior da cidade no mel de vivas
o de acclamac/ies e soube que os rebaldes mi
ro como creio pois o espirito dos povos
desta provincia e mesmo dos da fronleira da-
quHIa cheje um perfeito contrasto do que
ibi a um mez antes partirei sobre as villas
do norte com a cavallaria que aqu tenho ja
bem montada e em Taubat ou Guaratin-
guet assentare o meu quarlel-general a-
f,m de activar os movimentos do coronel
Manoel Antonio da Silva e do major Pedro
Paulo.
Seni contar com as forjas existentes na co-
marca do Cortiba das quaes ainda nao roce-
|ii o competente mappa tendo em armas
:;,000 bomens e mais loria se. fosse preciso
Envi a V. Ex. por copia o oflicio que
me dirigi o major Francisco Galvto de Bar-
ros Franca com mandan te em chele dos re-
beldes no diu immediato a fuga delles da
cidade de Sorocaba e bem assim a proclama-
do do Tobas feita poucos momentos antes
de fugir ; cujas pecas talvez soja conveniente
publicar con a analyse que ellas merecem.
Da mencionada cidade de Sorocaba fiz um
jmssco militar pela villa de Porto Feliz ci-
dade ilo It e villa da Parnahyba o em todas
deixe fortes guarnic/jes o commandantes mi-
litares principalmente em Sorocaba c It ,
que ficarAo guarnecidas pelo batalhao numo-
io 12.
Ha cinco das que ordenci ao coronel Silva
Machado que fzesse partir da villa de Castro
para a cidade de Sorocaba o batalhao cathari-
nensa ali existente e logo que elle chegue ,
farei com que renda o batalhao n. 12, o qual
projecto concentrar sobre o lado do norte da
provincia.
0 major Solidonio Joze Antonio Pereira do
Lago quo mandei marchar da villa de S. So-
bastao para a de Santo Antonio da Parahy- qUeah tito.
buna oceupou-a sem a menor resistencia ; Ao nomo do Exm. general, ainda coberto
e hojo mesmo Ihe envo cem soldados de pri- das glorias da paciicacto do Maranho e
meira linha com ordem para avancar at respeitavel aos cheles militares das forcas re-
laubat deixando na supradita villa da Pa- baldes por tantas tradiges de pericia e bra-
rahybuna urna guarnigo e as novas auto-1 vura se deve sem duvida o primeiro desa -
nutenco ('as suas
forcas, ou nao o podando i Porto; 39 dias, BrigueBrasilelrollarqiie7.de
mesmo facer, por ter de antemSo pastado Pombal de 157 tonel. Cap. Fernando Jo-
para a Europa todos os seus fundos disponi* zedeAlmeida, equip. 15, carga podras 6
veis e nao adiando recurso por outro lado j moblia: a Manoel Joaquim llamse Silva,
depois de esgotados osdinheiros pblicos que Rio de Janeiro 5 ludias; Brigue Brasileo
existiCo nas respectivas administraces o col- Bom Jess ; de 219 tonel.; Cap. Joto Ro-
respe
abandonava ao roubo o cuidado da
lectoras
subsistencia das suas tropas e proniettia em
lunar de sold o saque desta capital ollerc-
.,-' durhVs para aniraal-os e dispd-loa ao au- lito de Janeiro; 26 dias ; Briguo Escuna Bra-
,,.. desta cidade, a libevdadc de insultar nos- ziiero Fama ; de 169 tonel ; Cap. Mano-
Irigues Amaro equip. 16 : carga carne ,
e l'arinlia de mandioca a C. AgostinliO de
Barros.
lamillas. Taes crfio as vistas c os nietos
tarde do dia li) linho-se dispersad dei- de que nsavto os chafes rebeldes para conse-
jando as pegas da fabrica do ferro montadas guir seus infornaes intentos o que de manc-
nos intrincbciramenlos. Quando o Exm. ge- ra aguiua nos sorprende pois conhecido oj^
neral receben esta noticia, ja se aebava a ('in-
cenla pnssos do Rio Sorocaba frente da
ea vallara quo marcha va na vanguarda; en-
trn na cidade no meio do enthusiasmo do
pouco povo que lia dentro delta e depois de
percorrer todos os seus arrabaldes aqu es-
tabeleceu osen quarlel-general.
Desde o Jagoar as forgas imperiaes divi-
didas em duas columnas urna das quaes for-
ma a primeira brigada commandada pelo
coronel Joze Leile Pacheco vierto assallan-
do os acampamentos rebeldes fazendo de
noite e por veredas pouco praticadas, mar-
chas toreadas, afim de os sorprender: telera, guer-sopara osrepellir, gracas s providen-
el Antonio de Souza : equip. 13 ; carga
carne seca a Amorta IrniAos.
SAHIDOS NO MESMO DA.
rebelde Tobas como era possivel que umjCabode Boa Esperancei Barca Ingloza llal-
homem que sempro deu o mais revollante mitn Boss; Cap. Richard llalmiton Alien;
cxemplo de immoralidade qu la/.ia nirsmo' carg aSSUCar.
garbo de despiezar todas as leis do pudor e da. Genova ; Briguo sardo s. Joze j Cap. Simoni
houestdade livesse agora pela honra de nos-1 sardi; carga assuoar.
sas familia^ a mnima rontemplaeo ? Como Parahiba 5 Brigue Ingle* Cora ; Cap. Jonh
era possivel que nodssc sua brutal pha-l Mlle; em lastro
tange ampia [bordaje de fazer-nosos maiores! ENTRADO no [>1a2G.
ultrajes o atacar-nos no ponto mais melindroso Montevideo 40 di as Brigue Americano (le-
para qnem coiihcre oque ('honra.1 Feliz-i neral Boliver ; do 196 tonel.; Cap. John
mente esses monstr. s achio-se debandados e C. Dxey; equip. i \ carga lastro, a Joze
incapaces de fotmar corno, gracas ao valore1 Ray. Vem arribado com agoa abarla.
eutbiisiasnio dos Paulistas que souberto er
porm o desanimo dos rebeldes, que des-
de que elles presentirlo os bem combinados
movimentos das forgas imperiaes e a div-
sao do goneral em chefe que nunca mais se
demorro um dia nos acampamentos que ti-
DECI.AIl AI'.AU.
cas e soecorros que nos tbrSo forneeidos pelo -------- --------------
joverno gracas ao valor, boa vontade dis- O Delegado do Termo de Olinda faz pu-
iplina e moralidade das forcas imperiaes, blico. que tem designado o dia quarta eira
iliacas pericia a bravura do Exm. general! de todas as semanas para as audiencias na
De Sorocaba nada por ora sabemos se mo'sala em qtio as cosluma daroJuiz Munici-
vero desde a |>onte da Cutia at esta cidade ,: me chegou da fregueaia de Taluy fab ica | pal da mesina Cidade ; em cujos dias podero
e para forgarem as marchas precipitadas que!'le S. Joto do Ypanema urna forca -Icgalsia i comparecer os estrangeiros residentes no mes-
lzero deixarto em Baruery urna peca de! que sorprenden eaprsionou alguna rebeldes! mo Termo alirarcm seos ttulos de residen-
artlharia e todos os mantimenlos de reserva : quc fazio guarnico daquelle ponto. cia. Delegatura do Termo de01iuda20de
ridades civis j empossadas.
Dos guarde a V. Ex. Quarlel-general na
cidade de S. Paulo 2 de julho de 1842.
lllm. e Exm. Sr. conselheiro Joze Clemente
lento de que elles se apoderir3o ; e que suc-
eessivameute foi degenerando no medo e pa-
vor quo os obrigou a desamparar vergonbo-
samente os muios e fortificagoes da cidade em
Pereira ministro c secretario de estado dos qufl |Vai.tro o grito da rebello : ao en-
negociosda guerra. Barao deCaxias ge- | thusasmo coragem e disciplina dos soida-
neral em chefe. dos que S. M. 1. enviou a sta provincia e
Froclamago publicada no momento da fuga (ja guarda nacional qu se offereceu para de-
dos Bebeldes em Sorocaba. i rosa da grande causa do throno e da unio do
Paulistas Chegou o lempo de raostrardes mpprio se deveris urna victoria infallvel, se
se sois bomens ou vis cobardes. Ou se dir i os rebeldes ousassem alguma vez encarar a pe
-ainda ha Paulistas ou os Paulistas de ; f,rm exercito imperial; mas a cobarda dos
boje valem menos do que as mulheres. ~ j rebeldes Ihe deu alm de outras a aprec-
Coragem Paulistas, mosirai-vos como li- avel vantaeem de oceupar a cidadi
vres, e nao como escravos. Morcamos todos,
mas nodoixemos nossa posteridade exem-
plo de temor e cobarda. Nao pensis que fu-
gindo evitareis o castigo; pelo contrario, aug-
mentareis a elle a deshonra. Paulistas de-
sempenha o vosso nome cubr-vos de glo-
ra e salvemos a patria. -- Viva a santa reli- j poder acreditar ueste
gio. Viva aconstitugfio jurada. ~ Viva o I (m a evidencia est
Imperador em liberdade. Rafael Tobas .le
le rebellada
Aguiar.
lllm. o Exm. Sr. Baro de Caxia. -- Cons-
tando-me levemente que V. Ex. amnistia-
ra a todos que estivero em urna forga a qual
j dectrogada ; no caso de ser certo pode V.
Ex. contar com migo desde esta dacta j a-
prezentado : rogando mais a V. Ex. que
pelo portador em vie um Documento paia
que sem veixame algum eu possa recolher-me
nimba Caza. Espero com toda brevidade a res-
post.i; eonfiado na nossa a mizade he que me
anima a incomodallo. Dezejo-lhe todas as for-
tunas e flicidade por ser de V. Ex. amigo
Yerdadero obrigado Francisco de Castro
do Canto e Mello.
Escara tunea 2o de junho de 1812.
lllm. e Exm. Sr. ~ Dezejand pon-
par o Sangue Brazilero que sempro me foi
caro ( como V. Ex. nao deve ignorar ) des-
ped a forca que compunha o Exercito do
meu commsndo o que levo ao conhecimento
de V. Ex., afim de que d as necessarias
providencias afim de que alguns individuos
mal intencionados senao aproveitem da occa-
so para saciar suas vngangas particulares
contra cidadoens pacficos. E visto achar se
V. Ex. munido de poderes para tudo apla-
nar espero que nao desprezar gloria de
contribuhir para que taes perceguigoens, nem
outras quaesqueis se realizem contra indivi-
duos que to espontneamente ac bao de
depor as armas. Dos guarde a V. Ex. A-
campamento 20 do junho de 1842. -- lllm. e
Exm Sr. Barao do Casias Commandante
em chefe das torgas Expedicionarias. Fran-
cisco Galvio de Barro.- Franga.
Sorocaba, 20 de junho.
Finalmente foro desalojado os rebeldes
doaatrquarle-^eneral. No Jia 20 do corron-
sem queimar urna so escorva !
Quem ouvio ou leu tantas discursos e jor-
naes em que a opposigo prgou a anarchia
pura em que ameagou o throno rom o le-
vantamento da provincia inteira se nao fos-
sem salisfeitas suas loueas exigencias como
destecho ? Mas em
dando a esses misera-
veis cheles da rebello um desengao forma!,
anda que tardo : a provincia de S. Paulo nao
feudo do Sr. Bafael Tobas, nao est fecha-
da na sua mo para ser sacrificada aos seus
caprichos e oriMilbo ; os Paulistas nao des-
merecer Ao o alto conceito em quecslavode
leaes ao throno imperial.
Depois que o Exm. general entrou nesta
cidade soube-se que os principaes cheles re-
beldes desapparecrao e fugirodesde odia
10 eque o acclamado presidente se casou
face da igreja com a marqpeza de Santos nes-
sc dia e quo com ella fugio tres das depois.
A debandada das forgas rebeldes foi no dia 19
tarde e consta que aquelles que se conser
vrfiodebaixode forma marcharan, com al-
guns dos cheles sua frente pela estrada de
Itapetininga : se tentarem evadir-se para a
comarca de Coritiba sern cercados no (tarare
pela? forgas imperiaes que ah se acho sob o
commando do benemrito coronel Joo da Sil-
va Machado ; em fim em breve os rebeldes
ficar desengaados se nao o esto j, de
que a provincia de S. Paulo nao est dispos-
ta para ser thealro de suas sanguinolentas
correras.
S. Paulo 2o de junh.
De um olfico do Dr. Filippe Xavier da Bo-
cha juiz municipal e delegado de Campias,
que Iranscrevemos em o principio do nosso
numero 15, ve-se que a forga rebelde que ha-
va oceupado a villa da Constiluign eslava
preparada e disposla nao so a saquear a villa,
como insultar as familias, nao tendo lugar
este horroroso e brutal procedimento porque
pessoas sensatas e respetaves do partido da le-
galidadehavio concorrdo e obrigado a fugir
O rebelde Feij aeba-se preso em Sorocaba: | Julho de 1842.
ali fura adiado depois da entrada das forcas Joaquim Cavalcante de \lhijqur-rquc-.
imperiaes oculto em urna rasa : naturalmente1 Delegado.
as correras que fez pelas villas e cidades cir .......
(piando tratava de as facer cumviztnhas ,
clarar-se pela icbello agg0Viirto suas mo-
lestias (pie o puzerto fra de estado de re-
trar-se com a pressa e actividade necessara
em urna fuga como a que experimentraO OS
mais ebefes e forcas rebeldes.
Consu igualmente que a ex-marqueza de
Santos fura tambem encontrada em Soi-ocaba ,
e que O Exm. general a faz. regressar para a
capital
No dia 23, publicou-se nesta capital a
lili. Al BU.
Beneficio de M. Carmela Adelaida Lucci
para domingo l do Julho apresentar-se-ha
a comedia em 5 actos O mo Amigo nos
intervallos a beneficiada cantar a Cavati-
na da Opera Semiramide Bel raggio I.u-
singhier aceompanhada com coro do cele-
bre M. G RotSini a beneficiada junta-
mente com seo pai executarfio urna scena ,
e iluetto acompanbado com ciiro -- Quanto
suspensfo dos 6, 7, 8, 9 c ludo artigo Arnore da Opera (.elixir d'amorc doSe-
179 da conslluicSo do imperio por espaco de 1 nhor Cavaber Gaetan Donizetti. Kis o ex-
im auno.
( Do J. do Com. )
IIIBIIO HE PBRVWBI'CO.
Tvemos noticias do Rio de Janeiro pelo
Bergantn Bom Jess, as quaes chego at 10
do crlente. Como lero visto om nossos lei-
lores, e como esperavo os amantes da or-
dem a provincia de S. Paulo est de lodo
desassomhrada da sedigao que nascera em So-
rocaba. Em Minas no tem sdiantado nada
os perturbadores 5 mas nao estiio ainda de to-
do debandados
pectaculoque a beneficiada lema honra de
I ufierecer ao respeitavel publico d'esla cidade ;
' com o qual espera merecer a benigna prolec-
: e1o dos honrados habitantes c protesta des-
de jasen eterno rcconhcciinento
N. B. Os bilhetes aebao-se no mesmo thea-
lro.
A V I SOS DI VERSOS.
COMMEItClO.
:7'2l.>(i.
S:5lKvS3l
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 22 ilc Julho
Dito do dia 20.......
DK8CABBEGAO No IMS 27 DE JL'LUO.
Brigue Americano sa llannah = Farinba de
Iriso.
Barca Ingleza = Prescilla =0 resto da carga
Escuna Sarda = Maria = Diferentes gneros.
MOVIMENTO DO PORTO.
senu-lhantes malvados. Sabemos igualmente I Montevideo
3ne idntico desiino tinho os rebeldes qoa
irigio'a esta capital pois o chefe Tobas |
nao querendo empregar o scu dinheiro na ma- |
NAVIO SAU1D0 NO DIA 2i.
New York e Terra Nova ; Escuna Ingle/a 0-
lello Cpa. Thcmas Kirth ; em lastro.
ENTRADO NO DA 24.
Genova; 48 dias Brigue Sardo Mara de 17o
toneladas: Cap. Joo Baptisla Scola. equip.
17, i caiga maesas papel o &c. : s .Men-
des >\ Oliveira.
ENTRADOS NO DIA 2b
Baltimore; Bdas 5 Brigne Escuna Ame-
rieanoHannah del 52 tonel.; Cap. J. I.
Smitb equip. 8, carga hnnha de trigo :
Henn ForsterA Companha.
21 dias : Brigue Sardo Lvida
de 14K tonel. Cap. Andre Stapnara :
equip. II carga carne - limaos.
ty Como quer que o Carapuceiro N. 33
tractasse da vasta materia do ciume agora
por congruencia o N. oda concelhos s mu*
Hieres cujos maridos forem ciosos e vico ver-
sa. Em unir, variedade hacia da educacao do
bello suxti e conclue com una Ancdota que
pode ser concidoradas por urna carapucinba
suplementar. Vcnde-se na praQa da Inde-
pendencia N. 57 58.
%zy Preciza-se de urna ama forra ou cali-
va que tenha bom e bastante leitc para
criar una crianca de 18 dias de nacido : na
ra do Bangel sobrado lo 2 andares D. IX.
=s Roga-Sfl ao thezoureiro da lotera de
N. Senhora do I.ivramento quo uto pague,
os deis meios bilhetes Na. 1733 e2!4 sen-
do que saiao premiados por terem sido fur-
lados ; cujos bilhetes esta assignados por
Joaquim da Silva Lopes 8 Soarw Bozas as-
sim como nao deve pagar se nao aos dois so-
cios que esto assignados.
= Oabaixo assignado comprou por conta
ilo sr. Manoel de Barros Franco morador em
L'nna dois meios bilhetes de segunda parte da
quinta lotera de N. Senhora do Livrameulo
de nmeros 4070 183" os quaes fico em
meo poder.
Joaquim Antonio do S. Tiago Lessa.
as 0 abaixo assignado declara aos interes-
sados dos vinto e um bilhes da segunda parte
ila ;'i. lotera a favor das obras de N. Senhora
do Livramento desta cidade, que tem mais
qualro meios billetes a reunir a mesma so-
ciedade de ns. 481K 470 165 4030.
Manoel Joze de Bastos Mello.
= Joao Baptisla Pereira faz publico a
esla respeitavel praca.que por baver oulro de
igual nomo de boje em diante se assigna
por loto Baptista Paula da silvalra.
= Da-se a premio de dois por cenlo l00,>,
i 300,j rs. sobro pnhores de ouro ; quem
procizar annnncie para ser procurado.



PILLAS VF.GF.TAES E (MiVRRSAES aMF.IUCaN.vS.
Estas plalas j bem conliecidas pelas gran-
des curas que temfeito, nao requeran uem
dieta e nem resguardo algum; a SUS com-
posigo to simples que niio fazem mal a
mais lema enanca : em lugar de debilitar ,
fortifico o systema purilicao o sangue ,
aujnjento as secreces em geral: tomadas,
seja par.) molestia chronic;i ou soniente co-
mo purgante suave; o mellior remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelh estado de constipado depois de sua
operarao como quase todos os purgantes Fa-
zem e por seren mui facis a tomar e nao
causarem incommodo nenhuni. O nico de-
posito dallas em casa de D. knoth agen-
to do aullior: na ra da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tsr Aluga-se uin grande armazem na ra
de S. Francisco D. 2 : a tratar no mesmo so-
brado.
tsr Len C. professor de desenlio recen-
temente ehegado de Pariz se offerece para
dar liccoes de desenho : o seu curso compor-
se-ha de principios de desenlio retratos,
t pintura a oleo aquarella, desenhos de llo-
res pinturadepayssagc.il, desenbos de or-
natos e enfeiles : qocm se quiser ulilisar de
Mil prestidlo dirija-so aopateo da Matriz de
S. Antonio D. 8 : a fallar com o 8r. Samjean.
tsr Urna pessoa cliegada a pouco de Fran-
ja, se offerece ao respeitavel publico para dar
por um methodo moderno c fcil licges da
lingoa franceza : quem de seu prestimo se
quiser ulilisar dirija-se ao palco da Matriz
de S. Antonio I). 8 fallar com oSr. Samjean
que Ihe dir quem lie.
tsr rrenda-se um bom sitio perto desta
praca pelo pieco de 100 todo cercado de
limo ecom bastantes pea de larangeiras, e
outras muitas diveraas fructeiras boas tr-
ras de plan taces e muilu boa casa de mora-
dia por ter duas sala*, 4 ojiarlos, coziuha fora,
quarlo para prelos estribara para dous ca-
vallos j os. pretendentes dirijo-se ao Hospicio
na primeira carreira de casas terreas na ul-
tima que ica junto ao porlao defronte do so-
brado novo de um andar.
tsr Desaparecen no da 22 do sitio de Jo-
ze Duarla Rangel na estrada do Giqui dous
quartos com us signaos seguintes : um ca-
xito capado tem um car reg com salto em
urna perna ; oulro russo com o mesmo an-
dar ; qualquer pessoa que os tiver adiado .
Jeve-os ao mesmo sitio, ou na ra do Quei-
madoD 2, que ser recompensado.
tsr 0 Padre Joo Francisco do Espirito
Santo t -ndo dua* vzes annnuciado por es-
te Diario o furto de dous cavados do quintal
do Collegio dos Orfos faz scienle a todos e
quaes quer senhores que se dero ao traba-
Ihoe ouidadoem solicitaren) noticias dos mes-
moscavallos, nao* SO pelas annuncios desta
folha como por muitos manu-scriptos que
destrihuio 5 que j foi tomado um ( sendo o
alasoj n'S-a praca em mande l\ E por ja-
to fira asss agradecido pelo incommodo. que
tomaro nesga parte faltando porem o cas-
tanho enjossignaes ja os publiquei, e sao
os mesmos castanlio feio magrero, cau-
da aparada pelo meio clinas grandes es-
trela na testa dous ps calcados de branco
do piador para baixo signa) enooberto, bom
canegador baixo orellias meias rabanas .
urna bebda no ollio direito mas esta logo se
hade desvanecer quando melborar de una
conluzo e tem do mesmo lado um carneo
a maneiro de um bucado j roga-se portanto
a qualquorsnr. encarregado de Polica, ou
nutra qualquer pessoa a pesquisa e tomada de
ditocavallo que receber i0> de gratifica-
do c pagar-se-ha qualquer despeza levan-
do a seu dono no Colegio dos Orfos.
w Precisa de um portugus ou brasilei-
ro solteiro idoso e sem familia que laiba
Jer, eserever e entenda alguma couza de
pharmacia para ser enfermeiro no Colegio
dos Orlaos em Olinda : no mesmo Colegio a
tratar com o Director.
tsr O rouboannunciado no Diario n. 137
feilo na noute de 21 para 22 do corrente na
taverna da ra das Trincheiras D. 33 furta-
rAo mais 4 meios bilhetes da segunda parte
dajquinta lotera a favor das obras de N. 8.
tsrD-se GOf)* a premio om pequeas por-
cues a 2porcento ao mes sobro pinho-
n's de ouro ou prala : as5 ponas D. i 7 ni.
quina do beco do Marisco.
ssy Precisa-se de um caixeiro portugue/
"le 13 a 1 i annos : na roa Nova fh 3.
tsr Joo EbHing subdito Hamburguez :
retira-so para Maroim com escalla pela
Babia.
tsr Precisa-sede um feitor de campo pa-
ra um engenho Je pouca fabrica que sej-
branco ou pardo casado com nouca familia
na praeinha do Livramento D. 26.
tsr Alugo-se athe 8 escravos para traba-
ibarem em um engenho perto da praca 4 le-
goas e meia : a fallar com Antonio Luiz Vi-
ira ; assevera-se o bom tratamenlo dos es-
cravos.
tsr O Sr. Director da Sociedade Euterpi-
na convoca a commisso administradora para
sesso boje as 6 horas da tarde.
tsr Eibanio Nunes de Oliveira Brasilei-
leiro retira-se para o Rio de Janeiro.
tsr Precisa-se de urna ama sem .filho, que
tenha bom e bastante leite para criar um.'
menina de quinze dias : na ra do Rangel
D. 18 segundo andar.
K3~ Prelende-se comprar a casa terrea cita
na ra do Fagundes do bairrodc S. Antonio
D 9, pertencente ao Snr. Joaquim Rufino
do Hcgo ha vendo alguma pessoa com direito
a mesma propriedade queira annunciar por
esta folha no praso de oito lias contados de de precise vinlio do Porto de 22 annos : na
tsr Mol de'abelha milito novo pastas e
imeix.is, vellas de espcrmacele de o e C em
ibra a 800 c todos os mais gneros de ven-
ia por preco commodo e sacas con; farinha
W 3# : as 5 ponas D. 23 onde tem lampio.
*ssr Arroz pilado a 13,y o alqueira da me
dida velha : na venda que ica defrontc da
Penha por baixo do Juiz de Paz D. 42.
T" l'ma negra de angola de 30 annos ,
cozinha i ordinario, e lava : no piimeiro an-
dar do sobrado D. o entrando no peteo do
Carino indo pira a ra de Horlas.
tsr Pascoal Joze de Mello, Processo or-
fanologico por Carvalho Indicador de cam-
bio Diccionario francez historia da Grecia,
Econnmia Poltica por Joze Droz traduzido
oHo Dr. Joo Candido de D os e Silva urna
coleca de leis pelo IVzembargador Delgado .
lesde a compilaran Filipinai athe o auno de
1822 e urna obra de Borges Carneiro tudn
por prego commodo : no segundo andar do
sobrado da quina do beco do ouvdor defronte
"lo thaatro de man lia athe as 10 horas, e
de tarde das 3 em diante.
tsr Taboado de pinho da Suecia costado,
costadinho assoalho e (orro propriopara ca-
sas e fundos de barricas de meia polegada a
3|4de grossura remos de faia, e vergontas
de pinho tudo por proco commodo : no ar-
mazem de Joze Antonio da Silva Vianna no
forte do Mallos.
Caixotes com duas duzias de garrafas
na
oaquim
hoje do'contrario perder todo o direito que
na mesma tiver depois de lindo ojpraso mar-
cado.
COMPRAS.
tsr Duas negras velhas que saibo vender
na ra e que sejo robustas : na ra do Co-
legio D. 4.
tsr Escravos de ambos os sexos para fora
da provincia e tambem carpinas, pedreiros,
e ferreiros que sejo mocos e de bonitas fi-
guras : na camboa do Carino D. 11 segundo
andar.
tsr Um moleque de 14 annos que sai-
na coznhare compaar; quem tiver annuncie.
tsr Escravos de ambos os sexos e tam-
bem com officios carpinas, pedreiros e fer
reros para fora da provincia : na ra da
Cadeia de S. Antonio sobrado de um andar
de varanda de pao D. 8.
praca do Commercio em casa do Domingos
Joze Vieira.
SW 4 duzias de taboas de assoalho de lou-
ro de 30 palmos de comprimento e dous
reforcados de largura e oito libras de cera
amarella a 280 a libra sacas de farinha da
trra com alqueire da medida velha, por pro-
co commodo : na ra do Rangel I). 6 lado do
nascente.
OT" Para guarda nacional de cavallaria .
urna barretina bonet canana, espada, um
par de pistolas urna holuadura dourada ,
tudo era meio uzo e por preco commodo : na
ra do mundo novo D. 9.
tsr Um viola o de muito boas vozes, 3 pe-
ras de sacada com 20 palmos de romprimen-
to de muito boa qualidade
zal velha padaria n. 31.
"*ssy
3400 e 5500 vellidos lavrados para coletes
VENDAS.
tsr Farinha da trra de boa quali Jade a
6^400 o alqueire pela medida velha : no pa-
leo .'o Carnio quina da ra de Hurtas do lado
direito D. 1.
*-t^* Bicos de di Aeren tes larguras, e prelos
a 120 a vara rendas largas papel pintado
proprio para encadernaco de livros dito al
masso francez a 2900, dito de peso a 2^900
a resma dito dourado fino a 320 a folha,
estojos de navalhas finas, abutuaduras de
massa setim, veludo, amarellasa 720 e
de dflerentes qualidades a 500 fitas de gar-
Ca a 80 e 120 rs. a vara bandejas de dinceh-
tes pulegadas, lnhas d" carritel a 340 aduzia,
luvas de seda para senhora a 000, e garganti-
llas francesas do ultimo gosto : $a ra do
Calinga lojade mudPzasD. 3.
tsw Una negra de bonita figura moga de
20 annos cozinha e engomma perfeta-
mente ; um prelo de lodo o servido; um i
negrinha e urna mulatinha de 12 a 13 annos;
urna mumbanda reeolhida de 10 annos,
cese mui bem ; urna preta corla e faz urna
camisa com toda perfeicSo, e lodo o mais
servico de urna casa : na rna do Fogo ao pe'
do Rozario D. 23.
tsr l'ma boa meza de jantar toda enver-
nisada : no pateo da S. Cruz tenda de mar-
cineiro.
HT l;m taxo de cobre com 18 libras por
preco commodo : na ra do Cotovello D.- 50.
ssr l'm cava I lo pedrez excedente quar-
lo de carregar grande peso por ser muito
possante : na praca da Boa vista n. 3.
tsr Dous a 3 quartos em boas carnes ,
bons carregadores baixo ; quem os pretender
annuncie.
na ra da sen-
Pannos finos azues e pretos a 2400
5500 vellidos lavrados para
a 2400 o covado dito azul ferrete a \ rs. ,
garca de seda lavrada para vestido a 320
lencos de garca a 320, chitas encarnadas com
flores amarellas a 240, cassas pintadas com
bonitos padres a 400 a vara : na ra da Ca-
dma velha loja de fazendas D. 34 ao sabir do
arco da Conceigo primeira loja a esquerda.
tsr L'm negro para fora da provincia ou
engenho de 24 annos canoeiro o caiador :
na ra da Alegra no piimeiro sobrado.
tsr 4 escravas mo?as, cozinho engom-
mo e lavo urna dellas cose mui bem ;
urna mulatinha de 18 annos cose engom-
ma e faz o mais servico de urna casa j dous
escravos para todo o trabalho ; dous moleques
de 12 a 18 annos : na roa de Agoas verdes
D 37
tsr Um terreno no atierro dos Anegados
do lado direito indo das 5 pontas com 50
palmos de frenle : na venda defronte do beco
doquiabo.
BT Urna negrinha de 16 annos lava, ro-
so e cozinha o ordin rio : na ra da Moeda
n. 15-1.
1^ Urna negra da costa com dous filhos
um de oiio annos e o oulro de 4 : na ra da
Cadeia do Recife n. 10.
tsr Vende-se ou hipotheca-se a retro abpr-
to duas moradas de casa de um sobrado com
quintal, e um terreno anexo ao dilo quintal,
no bairro do Recife; quem pretender annun-
cie.
ts^ O I. e 2. tomo de cxi rcicios espiritna.
es : na eidradi da ra do Rangel D. 9.
tm Urna bou cscrava tom algumas habil.
daes que a vista do comprador se dirO: na
ua doCabug loja de Antonio Rodrigues da
Cruz*
ssr Urna canoa aberla quasi nova, que pe-
ga em 800 lijlos por preco commodo
padaria da na direita da vi uva de
Lopes Machado D. 34.
tsr Meias barricas de farinha de trigo da
marca Galega: em casa de Henry Foisler &
i.,ompanhia na ra do Trapiche novo n. 17.
t* Taxas de ferro coado e balido em bom
sortimenlo e outras ferragens mais para en-
genho ; superior farinha de mandioca cliega-
da ltimamente de S. Calharina por preco
commodo ; e um moleque muito robusto
proprio para aprender qualquer cilicio : na
ra do Vigario n. 7.
tsr Um sortimonto de f niente das melhores fabricas do fraila ; como
sejo senas d'agoa de encaixe de carpin-
teiro com chaves de trinco circulares &<.
e outras ferramenlas para difieren tes oflicios:
no atierro da Boa vista I). 53.
t^" Fina caza terrea ua Soledade D. 32 em
chaos proprios com um terreno contigno,
fazendo o todo 60 palmos de frenle. com 400
ditos de fundo com arvoredos de de varias
qualidades lugar muito proprio para se pas-
sar a eslaco calmosa por ser u u i lo perto da
Cidade e nao precisar para isto de ter des-
pezas ctm cavallos : na rua da Guia sobrado
de um andar D. ll.
tsr No Recife rua da Cruz D. 12 escriplo-
rio de Joze Antonio Gomes Jnior se vendo
por prego commodo sacas com alqueire de fa-
rinha de mandioca frita na Muribeca tanto
da muito fina e alva, como da mais ordinaria
tsr vende-se para pagamento de dividas
um pequeo sitio pegado a Igreja da froleda-
de que foi do Capito Sebastio da Rocha
do Manac com casa de vivencia cacimLae
alguns arvoredos torra propria : no Coi tu
me na rua nova dos Prazeres a fallar com a
viuva do mesmo ou na rua das larangeiras
sobrado do dous andares que tem porta de co-
xeira.
KRMITACE.
Nova fabrica de Joaquim do Reg Barros Pes-
soa estabelacida nos Apipucos que se pro-
pe a refinaco de assucar pelo processo mais
perfeito uzado na Europa ; vellas chai utos,
conservas, Ac. o deposito he na rua da Ca-
deia de S. Antonio D. 4, e vende-so pHos
precos seguintes : assucar refinado suprefino
em pedra e em p a 160 a libra dito de se-
gunda qualidade a 120 dito de terceira a 80
rs. dito mascovinho a 70 rs., niel da re-
furaco a 480 a caada e 80 rs. a garrafa, vel-
las de primeira qualidade a 10/ a arroba e a
320 a libra charutos de primeira qualidade
m caixas e o cenlo a 1 ,>600 ditos de segun-
da dita a 800, ananois inteiro em caixa de
flandresa 1*280, dilocnfalnada n. 2 a 800,
dito n. 3 a 480, dito n. 4 a 320 rhom velbo
* 400 a garrafa cognac dito a 640 vinho
de caj a 320 agoa de colonia a 1# a garra-
fa xarope de maracuj a 480 dita lamari-
no puro cm polpa a 800 a caixa.
ESCRAVOS FGIDOS.
tsrNo da 5 do corrente fugio o r-egro Julo,
estura baixa grosso, olbosaluniacauos, cor
preta pez grossos e fovfciros pelos ladoi e
lurnozelos com falta de um a dous denles
na frente da parte de cima, quem o pegar le-
ve a rua das Cruzes D. l que ser recompen-
sado. r
tsr Nodia8 deJuIhode 1838 desapareco
a negra Delfina Benguella a qual tinha
Um mulato de bonita figura de 18 a
20 annos, official dealfaiate : na rua larga
de Rozario D. 7 loja de Joaquim JozeLody."
ehegado a poneos dias de Macei por ter si-
do comprada l a Pedro Joze da Costa casa-
da com Thereza da Costa pretos forros es-
tatura alta secra docorpo cor fula testa
a heleos roxos e tem duas pintas
pre-
por pre^o
Antonio Caldas
, 3 canoas de amarello sendo urna de
do Livramento n. 4290 firmado por Joaquim 45 palmos e duas de 35 ditos
J,?rS F,>rna,,des c Benedicto nu- commodo : no armazem de
mero 201!l com a firma de Joaquim de S Lo- da Silla,
pes Fernandos, e n. 1333 e 274 nteressados tsr L'ma porco de prala velha : na rua
com boa res Rozas ; roga-se ao Snr. Thcsou- do Crespo D. 11.
reiro da mesma lolem nao pague ditos bilhe- #r Toalhas de bretanha de linho fodao
tes.Aft naoaspossoasacima declaradas, o os abertas de lavarinto na rua da senzala M-
Srs. que vendem billi.-tesde os nao reo^ber Iba n. 41 segundo andar.
cm troca de outros. y l'mi>snnnvnn,.aOM:rxi.n .( ,
,^_ n-- s^ m escravo que cozinha solnvelmen-
I rccisa-se de um sitio pequeo perto te, e para todo o servico : na rua do Raneel
quem tiver annuncie. I D. 24 no primiro andar.
delrontedasescadinhas da alfandega no ar-
mazem do Snr. Guimares, e em sua rasa na
ruadoAmorim, agoa arden te do reino de
29 graos papel de peso dito de maquina ,
e pardo arroz de casca a4ja saca choco-
late e barris com vinho.
tsr Dous moleques um de 14 annos *
outrode lo
reilho, e se julga que fora furlada: quem a pe-
gar levo a camboa do Carmo D. H noseguu-
do andar que ser gratificado com 50*
da praca
tsr Fideles, crelo do Maranho, bem
preto, cheio do corpo, barbado estatura
regular lugio no dia ll docorreute : quem
um negro de 20 annos muito" JOs? tW*?i^M. 1 *
robusto, e todos de bonitas figuras na cam-
boa do CarmoD. ll nosegundo andar,
tsr O Brigue Escuna S. Joze de 148 tone- va
ladas ede construyo brasileira .,*,. LV-andar no GiooV,"l0^ e rob,,sta 9,-
F'^ s anuar no iquia aonde morn : quem
a pegar leve a dita casa ou na repartieo do
tsr Fu6io da casa de Joo Dias Barboza
Maoudnna na rua de S. Bita nova a escra-
fundiado defronte da Lingoeta trata-se com
Delfino Gonsalves Pereira Lima na rua Nova
correio que ser gratificado.
do o servico
Urna negra de bonita figura para (o-
rvico : na rua da Cruz D. 60.
R ECIFE NA TYP. DF M. F. DE F. = 1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXSEXMRHR_4ELF8Y INGEST_TIME 2013-04-12T22:11:08Z PACKAGE AA00011611_04708
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES