Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04695


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Amo de 1842. Segunda Feira 11
Tad agora deue.de de no e..p.; d. o... prodnc. .J.r.rfo, e ..erri. con.
.....mas o pre.p..,. e .ere.,*, .nonlado, co.4d.wr.cao entre .. & .,
0,W'___________________ (Proclamacito daAssemblra Ceral do Iran.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES
fioimiK, r*rka e Ro grande do Norte, secunda, e teit feir...
limite sfcaraalltini O e 24- i
t..o ermUem Rio Formo,. Pono C.W. M.cei e Alago., .o i. J.
i aj.A 43. Sanio Antao quintas feras. Olinda todos es diaa.
DAS DA SEMANA.
H Sej. s, Sabiuo s. Sidronio M. Chae. Aud, du J. de D d. 2 T
12 fsro. h. Jo.io Gualberto Ab. Bel. And do J. de D. da 1. T '
43 Qjrt. i. Anafl-io P, M. Aud. do J. de D. di 3. T.
M Quftll. Bo.v.tntur. H. Cird. And. do juz de I). da 2 v
I > Se*, k. Calillo de Lellis Aud. do J. de D. da \ T
M Sab. Ttinmpli., d... .Cruz. N. Sr.. do Carato. Rei. Aud.de J. de l). d. 3 y
/' |)om. O Anjn (.ustudio do Imperio, a. Aleixo.
de Jullio. Anno XVlI. N. 146.
O Diario publica-ae lodoa os das que nao forem Santificados : oreo, i, .ssiga.t.rs
de tres mil reis por quartel pagos adiantadoa. Os aanuneios doa assignaates aio inserido,
gratis e os dosqu. o nao forem a raio de SO reis por linha. As rerlamanora derea. ser
dirigidas a esta Tipografa ra das Cru7.cs 1). 3, ou a praca da ladepeadeacia laja de kinea
Kumero 37 e 3S.
CAMRIOS no da 11 DEJULHO.
Cambio sobre Londres 26 i d. p. III.
H a Paria 360 reis p. franco.
. Lisboa IDO por 100 de pr.
Mor.1 de cobre 5 por 100 de descont,
dem de letras de boas firmas le a 1 e f.
Descont de hilli. da Alfand'gal por 100
ao mei.
ctmpra voida.
Ou.o- Moeda de 6,400 V. !,(
N. lo.M
> -Je 4,000
P*1TA Patacoea
Peao. C-olumn.r.a
a dita Mexicaaaa
ii muida
S.tOO
1,830
i,sao
1.S30
i.aoo
10. M
1 titeo
3
tJUt
1,?V
fi*m*mmf>.
nil T-
Preamar do dia II de Jullio.
1. a 6 lloras e 54 m. da man!-.).
* a 7 horas e IS m. da tarde.
PHASF.S DA LOA NO MEZ E JDLIIO.
Ouart, ming. a 30 as 11 knra. e 22 m. da tari.
I ua Nora a S-- s 4 horas e 44 m. da manb,
Q'uarl. crese. a 14-- as 7 horas e 49 m da lard.
La cheia a 22-- ds 8 horas 36 m. da manli.
SM IISIQ dr pE |sI\ \MlUCO.
PARTE OFFICIAL.
PA.0ll'ICAg\O DES. PAULO.
film, a Exm. Snr. Como j tive a hon-
ra da commullicar a V. Ex. tomei a olen-
*\v* na Itoilo de i I do corrente e dividindo
n forga sol) meu commando que nao passa-
va de novecentos homens das trez armas ,
em duas columnas e marchando toda essa
iioito por caminhos que se julgavo imprati-
caveis procurei atacar os rebeldes quu en-
to montavo a mil, de flanco o pela frente ,
porem estes temerosos pela audacia dos
meus' movimentos, e pela bravura com que
avancarao as torgas ao meu mando retra-
ro-se da fazenda de Caracupuiva que oc-
cupei.
No dia immedialo, anda dividido em duas
columnas procurei bntel-os de frente e de
revez ; mas ellos relirro-se precipitada-
mente da margem esquerda do rio Raruery ,
que oceupavo, cahindo em nosso poder urna
pega de arlilharia alguma bagagem, e gran-
de poroiode manmentos.
De entflo para c perdi as esperances de os
poder atacar quem desta cidade de Soroca-
ba para onde havio concentrado todas as
suas foveas em numero de mil e seisccnlos
combtanles, e assesada a arlilharia que tin-
holirado da fabrica de ferro deS. Joo de V-
fianemn ; e ordenando ento ao coronel Leite
Pacheco que commandava a columna que
tirilla ido oceupar a cidade de Il abandona-
da pelos rebeldes ao teen te coronej Bezer-
ra, commandanle da de Campias, e ao ma-
jor Bloom, oiroetor da referida fabrica e com-
mandanle das forjas de Tat y que a mar-
chas Porcadas viessem fazer junego contigo
aio alto t/o Boa Vista, um quarto de legoa dis-
cante dosta cidade, afim do cercar o inimi-
go puz-me em marcha pelas oito horas da
manila da fazenda do Passa-Tres, apenas com
700 homens ; o notando nao encontrar du-
rante a iniuha marcha algum posto avanzado
dos rebeldes desconfiei de que liouvessem a-
bandonado a cidade foco da rebellio ; e or-
denando ao capito Montenegro, coraman-
danteda vanguarda que seguisse sobre a ci-
dade fez este oHlcial a sua entrada nella ,
pelas 10 horas da manh ao som dos repi-
nella existio cahindo em nosso poder tres
pegas de arlilharia que os rebeldes havio
assestado as avenidas da cidade e suas trin-
cheiras algum armamento e Ai prisionei-
ros lidies incluindo um major.
Os rebeldes pozerao-sa hontem a larde e
noile em completa fuga sendo seus chefes os
primeiros que disso Ibes dero o exemplo. As-
sim jiois, Exm. Snr. julgo pacilicada esta
provincia ; porque a rebel'io j nao domi-
na em nenhuma das povoagoes dequo se a-
ehou de posse taes como a cidade de It e
as villas de Porto Feliz e Constituico o a
dcsmoralisaco em suas fileiras tal que os
influentes na revolta j nao gozo do presti-
gio algum e acabao de provar sua impo-
tencia.
J grande poroso de rebeldes se mo tcm
apresentado ; o que nao obstante faco per-
seguir os grupos delles que vo em debanda-
da ; e estou convencidissimo de que se nao
toroarO a reunir em grande porgao em nen
hum dos pontos desta provincia.
Dos guarde a V. Ex. Quartel general do
exercito pacificador da provincia de S. Paulo
na cidade de Sorocaba. 20deJunhode 1842.
Illm. e Exm. Sr. conselheiro Joze Cle-
mente Pereira ministro e secretario de es-
tado dos negocios da guerra. barao de ca-
xias general em chefe.
Quartel general do exercito pacificador na
cidade de Sorocaba, 20deJunhode 1842.
OROEM DO DIA.
Soldados Na noilo de M do corrente mer,
partimos do nosso acampamento nos Pinhei-
ros em duas columnas afim de atacarmos os
rebeldes que se acliavao junto fazenda de-
nominada Caracupuhiba ; perem estes ven-
do a audacia de nosso movimento e a bravura
com que avangastes sobre seu campo aban-
donaro-no.
Dahi ainda em duas columnas e por ca-
minhos que se julgavflo impraticaveis, acam-
pamos na margem esquerda do Rio Baruery ,
que os mesmos rebeldes tinho oceupado na
ves pera, e.foi talo terror que infundistes em
suas fileiras que a desmoralisago appareceu
nellas c a fuga foi-tAo precipitada que ca-
hioem nosso poder toda a sua artilharia ba-
gagem e grande porgAo de mantimentos.
Sempre avangando recebi duas mensa-
gens dos referidos rebeldes as quaes pro-
punho condigOes desai rosas aos di rei tos da
coroa do nosso augusto monareba condigoes
que rejeitei conl o mas soberano despreso.
Hontem acampasteis a duas legoas desta j que V. m. offerece oarl. 470 do reglamen-
to n." 120, combinado com o art. 114 da le,
que reformou o cdigo do processo criminal,
l.0eo.*do art. 2."do rcgulaioento n.*145,
compre advertir-lhe que o art. 115 da dita
le mandando conservar com sua jurisdicgfio
os adunes juizes do civel est em harmona
com o 470do dilo regulamento n.* 120 que
deve ser litteralmente executado pelos sup-
plenles dos juizes municipaes que s exer-
ceni as altribuiges criminaes epoliciaes,
quo Ibes eonfere a lei de o de dezembro de
lHit ; no competindo por consequeneia aos
cidade c boje vosachaisde posse della sem
que queimasseis urna s escoiva : Uo grande
foi o desanimo desse punhado de ambiciosos
e perjuros que una vez tentur8o anarchisar
esta bella provincia que .foi sempre o mode-
lo de fidelidad.'.
Soldados nossa tarefa est quasi conclui-
da ; os rebeldes j nao occupAo una s po-
voago importante das que so havio apode-
rado poique a cidade de It a do Campi-
as e as villas de Porto Feliz e Pucicaba, j
eslAo debaixo do dominio legal ; e eu estou
contente de vos pela disciplina constancia
e bravura que haveis mostrado nesta breve
jornada ; e espero que continuareis a portar-
vos da mesma maneira respeitando os di-
reilos de propriedade dos habitantes desta
provincia e bem assim seus coslumes por-
que sdessa maneira que vos mostrareis
dignos do titulo de pacificadores da provincia
de S. Paulo.O general Barode Caxias ,
commandante em chefe.
DECRETO.
Achando-se interrompidas as communica-
gea entre os municipios da (]unha Bana-
nal reas Queluz Silveira Lorena e
Guaratinguet e a capital da provincia de S.
Paulo ; caltendendo, alem d'isso, a promp-
tidAp com que se devem dar as providencias
tondenles a reslabelecer a ordem perturba-
da na referida provincia pela rebellio que
ultiiDmentqse manifestou em alguns loga-
res d'ella hei por bem que os referidos mu-
nicipios fiquem desannexados da mencionada
provincia e cncorporados do Rio de Ja-
neiro emquanlo durarem as circunstancias
extraordinarias que tornAo indispcnsavel es-
ta providencia. Candido Joze de Araujo Vion-
na f do meu conselho ministro e secretario
de estado dos negocios do imperio o tenha
assim entendido e facaexecutar com os des-
pachos necessarios. Palacio do Rio de Janei-
ro em 18 de Junho de 1842 vigsimo pri-
meiro da independencia e do imperio. Com
a rubrica de S. M. o Imperador. Candido
Joze de Araujo Vianna.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 4 D0 COMIENTE.
Officio Ao juiz municipal supplento do
termo de Nazarelh = Resolvendo a duvida ,
IF@LIH1ITB
HISTORIA DOS TRES PROVERBIOS.
Os proverbios s3o como sabis a sabedo-
ria das nages les veriles barbues segundo
urna enrgica o pittoresca expressao que a-
chfi nao sei aonde, Nao vedes pois aqu
essas boas velhas e veneraveis verdades de
barba branca e comprida que se dirigen)
para o fundo do Oriente paz de adagios
inoraos e de sabios proverbios : eis tres que
viram do Oriente e chogaram Hespanha
com os consquistadores rabes. Sancho o
proverbio encarnado a Hespanha vvente,
n India a Arabia. Eu vos vou contar a
historia dos meus tres proverbios.
Era no anuo de 1009. Toda a Andalusia
era ento em commogo Um lerrvel ru-
mor pora os Mouros que a habitavam depo-
is da conquista circulava surdamente entre
esta raga nobre e fera que linha feilo da
Hespanha um paz cilivizado, quando todo
o rosto da Europa gema na barbaridade e
as trevas. Elles diziam com tamor que
Fillippe terceiro do nome os qneria ex-
pulsar d<5 suas trras da Hespanha e que j
edicto estava prsparado. Depois de 1492 ,
onno da descorberta do Novo Muudo, anno
em que Granada foi tomada por Fernando o
Catholico os Mouros s habitavam a Hespa-
nha cmo servos dos christAos. Elles tinham
com ludo obtido depois da tomada desta cida-
de encantada de Granada que elles conser-
varan) sua religiAo mas e f nao dada aos
infelizes. E' nina mxima esta dos masul-
mamos que os cbristAos I fie applcaram, o os
reis que succederam a Fernando imposeram
aos Mouros a obrigagAo de parecer ihrislAos
quando o nAo fossem e a inquisicAo os ator-
menlava sem eessar.
NAo importa elles eupportavam com resgna-
go estes tormentos sobodilicioso cierna da
Andalasa por que. como dsse nm poeta
mouro:
O paiz da Andalusia 6 nobre entre lodos ;
os passaros all fazem seu ninho, e os anima-
es ferozesdalli fugem. ,.
Ora elles teriam solrdo tudo para icar
nesta bella e feliz patria ; porm eram amoa-
gados de os expnlsar.
CordovaoGranada exclamavam lastimosa-
mente : Allahakbar! Dos he grande!
Elles tinham rasAo de suplicar, pois que
desgragadamenlc o fatal edicto appareceu e
a emigragAo gemente e desgragadamenlc de-
va logo comegar.
Durante dois annos os navios Iransporta-
vam diariamente em frica, estes pacficos
mouros que se entrogavam ao commercio e
agricultura e em nome da religio se comet-
lia um neto de ferocidade. A maor parte
destes desgragados exilados passaram a Ar-
gel ; mas alguns delles nao se podendo re-
solver a dcxar o paiz natal, se refugiaran)
as montanhas preferindo ao exilio una vi-
da pobre O errar.te.
Sdi Hassan e sua mulberFalima foram do
numero destes escravos dos logares da sua pa-
tria e seguiram aAlpuxarras um bando de
proscriptos como elles. Mas elles foram per-
seguidos sem piedade pelos soldados de Filip-
pe 3. Elles tinham fgido sem ouro ncm
prata da sua cara Granada e lendo-se des-
cuberto o seu retiro foram obrigados a fugir
a toda a presa. Tudo lhe taltava pois para
viver e mesmo nada lhe tera servido o ou-
ro as cavernas das montanhas.
A colonia fugitiva de que elles faziam par-
te tnha sido dispersa pelas tropas que a per-
segua e elles eslavam sos c vagabundos
todo o dia, e noile dormiam um somno hor-
rvelmente agitado. Por felieidade estas mon-
tanhas sfio fertilissimas, seno elles teriam
morrido.de fome ; porque os habitantes os
repelliani como entes amaldigoados e losa-
dos de peste. Esta existencia rude e agitada
deveria ter destruido Falima mulher iraca ,
e milindrosamonte educada. Ella resistiu ,
juizes municipaes funego alguma civel em
quanlo nAo for extincto no respectivo termo o
lugar de juiz do civel. Fica assim respondido
o seo officio de 20 de Junho.
Dilo Ao commandante das armas, orde-
nando, em cumprimento do Imperial Aviso de
14 de Junho ultimo expedido pela Secreta-
ria d'Estado dos negocios da Guerra, que man-
de passar para ascompanhias provisorias da
provincia da Parahyha os soldados Joo Ber-
nardo da Silva Soares, e Antonio Martins
A y res na forma pedida pelo Exm. Presiden-
te da referida provincia.
Dito Ao mesmo determinando, em cum-
primento (Jo Imper..il Aviso de 10 de Junho
prximo (indo que mande dar baixa as pra-
gas constantes da relagAo que por copia
lhe remelle assignada pelo oflicial maior da
Secretaria.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha,
remetiendo, para sua inlelhgencia, eexecu-
eao na parte que lhe toca copia do Impe-
rial Aviso de 4 de Junho ultimo sobre o Im-
perial marinheiro Leocadio Joze Antonio, que
por orcasio de urna salva perder o brago di-
reilo bordo da escuna = Bella Americana.=
DitoAo'director interino do arsenal de
guerra uulborisando-o para dar baixa aos a-
prendizes menores Thoms Fernandes de
Xoronha, Manoel Rodrigues, Joo Agoslinlio,
Agostinbo Dantas, Antonio Francisco de Pau-
la.^ Luis Ferreira Franca o Andr Avelino,
que assentrAo praga na 1.' linha segundo
participa em seo officio do 1.* do corrente.
Dito A' cmara municipal d'esta cidade,
significando em resposta ao seo ollicie de 12
de Maio prximo passado, que deve continu-
ar fazer o fornecimento de luzes para a ca-
deia d'esta capital.
Dito Ao director interino do arsenal de
guerra ordenando que ponha promptas 20
e seu marido Hassam nAo pode resistir ; elle
morreu, e Fatima que linha junto a si urna
joven e bella lillia que Dos lhe tinha en-
viado do eco no seu feliz cazamento e que
lhe encommendou de acariciar, amar K e
proteger custa de seus das encarregou-se
desta misso com alegra. Ella amava Zebra
mas que seu pai e sua mai maisque o
marido que acaba de perder e inais que a
si proprio amava-a como se ama urna (Iba
nica, da qual se tem festejado com trans-
porte o dia do nascimento, e que se tcm vis-
to crescer, cobrindo-a todas as occasies de
bcjos. Ella nAo estava expatriada nem
banida nem viuva tendo sua filha nos bra-
gos. Ve-se muitas vezes que os filhos que sao
tAo amados e adorados como era Zehra ,
nao sAo reconhecidos e sao tanto menos -
maniese cariciadores quanlo mas caricias,
e amor maternal inspiraran). Com tudo Zehra
nao era destes filhos, esta retribua a sua
mai o amor que olla lhe tributava e quan-
do Sdi Hassan morreu ellas choravam e
para confundir suas lagrimas e fazer desap-
parecer o vacuo que ticava entre ellas a-
bragaram-se mais estreitamenle e maram-
se cadavs mais para se consolaren).
Zehra ra bella como o sao quasi todas ao
muheres de ra^a oriental. Seus grandes, o-
lhos pretos langavam nobres e pdicas ts-


2.
i,

1/
mantas, que o Exm. Presidente da provincia
do Kio-grande do norte diz faltar no arma-
mento e equipamento elle remedido por
aquelle arsenal e mande fazer urna bandeira
para a companhia provisoria da dita provincia,
fim dt> seren enviadas na 4." occaso.
Dito Ao commandante das armas par-
ticipando em virtude do Imperial Aviso de
2 deJunho ultimo, que S. M. o Impetrador
houve por bem mandar declarar por Imperial
Resolugo de 4-4 de maio prximo passado, to-
mada sobre consulta do conselho supremo mi-
litar de 22 de abril antecedente queasgra-
duages concedidas aos officiaes honorarios
doexercito, sao puramente honorficas, sem
que taes mercs tenho outro lini que offe-
recer o gozo pacifico dVllas aos agraciados ,
que nAo firo por este titulo obrigadoi servi-
do algum militar ainda que acompanliadas
sejo da concesso de sidos : o que os mes-
mos officiaes n3o podem ser preferidos por ou-
tros de igual patente da guarda nacional ou
das extinctas milicias pois qut pelas leis
existentes sempre os officiaes da i.' linha
tivero preferencia respeito dequaesquer ou-
tros de igual graduagfio e nenhuma lei dis-
pe o contrario favor dos officiaes da referi-
da guarda nacional.
Dito A cmara municipal do Bonito ,
dizendo que pode mandar demclir a casa
ella pertencente e de que tracto em seo of-
llcio de 9 de maio d'este anno ; nao s para
evitar a ruina queameaea como para sea-
proveitar o seo material.
Dito Ao commandante superior da guar-
da nacional d'este municipio intelligeneian-
do-o de ter approvudo a proposta que arom-
panhou o seo ollicio do inez ultimo para os
postos vagos de officiaes do 6. balalho ; e
authorisando-o fazer entrar logo em exer-
cicio os officiaes nomeados determinando-
Ibes porem que sollicitem quanto antes ,
as respectivas patentes.
Portara Ao commandante geral do cor-
pode polica ordenando, que mande apre-
sentar todos os das as 8 horas da manha na
sala das ordens da Presidencia um inferior
im de ser incumbido da remessa dos officios ,
e ordens que forem expedidas pela Secre-
taria.
Dita Encarregando o oflicial as ordens da
Presidencia de fazer entregar polo inferior ,
que todos os dias lhe mandar apresentar o
commandante do corpo de pulicia e pelos 2
ordenanzas existentes, os officios e ordens ,
que forem expedidas pela secretaria provi-
denciando que a entrega se effeitue promp-
tamente para que o servido publico nao ve
nha soTrcr, como por vezes tem acontecido.
Officios Ao presidente interino da rela-
co aos juizes de direito do erirne da 1. e
2. vara aos juizes municipaes de Olinda e
Iguarag e ao inspector da thesouraria da
fazenda participando a nomcaco do Bacha-
rel Antonio Herculano de Sousa Bandeira pa-
ra promotor publico dos termos de Olinda e
Iguarag nesta comarca.
Dito Ao juiz municipal de Nazareth =
Tendo-se por decreto de 45 de maio p. p. reu-
nido o cargo de juiz de orphos ao de munici-
pal d'essetermo nao pode V. m. accumular
asfuneges de juiz de orphos quando subs-
tituir o juiz de direito do crime por serem
estas duas funeges incompativeis vista do
art. 3.* do regulamenlo n. 4 4o que passou
tas sob suas espessas e arqueadas sobrance-
Ihas. Sua fronte elevada c seus cabellos
pretos cahiam em ancis ao redor de seu pes-
cogo. Ella tinha feito quinze anuos quando
o cruel edicto de expulgo foi publicado.
A morle de seu pai a fez cahir n'um estado
de languidez e bem depressa de doenga que
uierrou sua pobie mi. Y-r sua filha loen te,
expirante porque os olhos de urna mai ve em
duplicado os males de sua filha vendo-a
deitada sobre a erva no fundo de urna gru-
ta sem outro soccorro do que a agua de urna
fon te visinha tudo isto era bastante para
enlouquec?r Fatima. Ella teria arriscado tu-
do para salvar sua filha. Os soldados que
perseguiam os banidos os habitantes que
os entregavam que lhe poderiam fazer ? Sua
filha soffria e era bastante. Ella resolveu a-
bandonar o seu retiroe correr prosima villa,
para pedir auxilio. Mas deixar Zehra s !
ella hesilou por muito lempo.
Finalmente depois de ter feito urna orago ,
correo a urna aldea visinha. Ella podia ser
agarrada no caminhn massacrada nao tor-
nar a ver Zehra ; esta ultima idea a atlerrou,
e militas vezes esteve a ponto de voltar gru-
ta. Em im no extremo de um eslreilo
vallo vio urna pequea cabana e um ho-
inpm que eslava sentado no solar da porta.
Nao hesilou mais e sem olhar, uem corl-
aos juizes de direito a correieo que fa7.i<
os antigos provedores das comarcas nos le tos
ilojuizo de orphos. S as funches de juiz
lo ci/el que podem ser accumuladas pido
juiz municipal tanto quando substituir o do
crime, por nao serem os juizes do civel sugei-
tos correico ainda que exercitem funegoes
de juiz de orph03 segundo o art. -487 do re-
gulamento n. 120 como quando estiver no
exercicio das funegoes policiaes e criminaes
le juiz municipal, e das de juiz de orphos,
visla do art. 2." do decrelo n. 155 de de
fevereiro e art. 5. do regula ment d'esta
Presidencia de 50 de maio d'este anno.
Dito Ao chefe de polica remetiendo
um officio do inspector d'Alfandega em que
da parte do ter sido apprehendido um africa-
no bucal na lancha do brigue = Ba-ventu-
ra =, oqualseacha retido bordo da 2.'
barca-de vigia ; fim de que fazendo veri-
ficar si elle com effeitohe novo lhe man-
de dar o destino que a lei tem designado.
Dito Ao inspector d'alfandega, ordenan-
do, que mande por disposigo do chefe de
polica o africano suprau.enc onado.
Dito A cmara municipal do Pao do a-
Iho, significando em resposla ao seu officio de
20 de junlio ultimo, aeompanhado das postu-
ras addieionaes cuja approvaco sollicito ,
que as enviar Assembla Legislativa Pro-
vincial quando se reunir ,
lomadas em considerago.
lim de serem
COMMANDO DAS ARMAS.
Antonio Pedro de SBarretto, Commenda"
dor d'Ordem de S. Bentod'Aviz Tenen-
te Coronel, e Commandante das Armas
da Provincia de Pcrnambuco por S. M.
o I. &c.
EDITAL.
Faz saber ao Sr. Alferesde Commissaodo
Batalho Provisorio Domingos Eustaquio da
Cunha que se deve apresentar da licenga
queobteve, por j a ter excedido desdo o
dia 1. do corren te mez de Julho devendo
sua apresentar-o ser feita no improrogavel
praso de dou. mezes acontar do referido
dia 1. deste mez a fim de evitar a pena de-
signada no artigo 4. da ResoTucao de 26 de
Maio de 1835 em virtude da qual e do
disposto no artigo 5. se faz o presente cha-
mamen lo. Quartel do Commando das Ar-
mas dePernambucoOde Julho de 1842.
Antonio Pedro de S Barrctto.
Quartel do Commando das Armas de Per-
nambuco 9 de Julho de 1842.
0RDEM AUDICIN Al-,
O Commandante das Armas em obser-
vancia ao artigo 5. da Resolugo de 26 de
Maio de 4855 faz sciente as tropas da guar-
nico que se acha ausente por excesso de
licenca desde odia 1. deste mez, o Sr. Al-
feres de Commisso do Batalho Provisorio
Domingos Eustaquio da Cunha.
Antonio Pedro de S Barrelto.
EXPEDIENTE DO DIA 1 DO COMIENTE.
OfficioAoExm. Presidente, remetten-
do-lhe competentemente informado o reque-
rimento de James Pinches 2. sargento do
batalho de guardas nacionaes destacado ,
que pedia ser do servico do mesmo dispen-
sado.
sultar o rosto deste homem para saber qual
seria a sua alma ella se dirigiu a elle e ca-
bindo a seus ps, exclamou : Minha
filha! minha filha vinde.
Aquelle a quem se linha dirigido com urna
voz to supplicante nao deixava de ser piedo-
so porque ouvio suas queixss vio suas la-
grimas e a acompanhou at gruta. Quan-
do all chegaram eslava Zehra rio delirio de
urna febre ardente cuja exaltaco augmentava
sua belleza.
Quanto bella disse o hespanhol.
Como ella sofre replicoua mi.
Ento este homem e Fatima sustentando
em seus bracos a joven donzella a levaram
para a cabana no fundo do valle ; onde urna
velha criada a recebeu preparou urna ca-
ma e Zehra apenas all collocada redobrou o
seu delirio. Quando tremia todo seu .corpo
com o fri sua mi a aperlava eslrei lamen le,
procurando trocar com sua filha dando-lhe
o calor de seu sangue o extremecimento
mortal que a gelava ; e quando ella ardia e
abrasad de fubre a pobre mi passava nni-
tes inleiras a agitar o ar ao redor della e a
espaldar sobre sua fronte ardente um balito
puro e fresco. Ella se esgolava para alliviar
Zehra egragasa tantos cuidados ella tornou
vida e saude e lambeui a urna grande
bellesa. Qual foi a sua alegra quando a
DitoAo mesmo Exm. Sr. rogando-lhe
a expedigo de suas ordens para que a the-
zouraria por conta dos vencimentos do des-
trmenlo de Sennlmcm aboiiasse a quantiaj
de 500,i rs. que seria encontrada lo.oque
para a mesma lliezouraria entrasse os respec-
tivos papis de contabelidade.
DitoAo mesmo Exm. Sr. enderessan-
do-lhe competentemente informados, os re-
quenmentos dos primeiros cadetes Joo Car-
los de Loeio e Almeida e Antonio Carlos
Paes Barrelto que pedio a nomeago d'al-
terea para o batalho de I. de G. N. desta-
cado.
DitoAo mesmo Exm. Sr. transmittin-
do-lhe o requerimento informado dosolda-
do Joaquim do Mello S Cavalcante que pe-
dia ser despensado do servico do batalho
de I. de G. N. destacado a que eslava per-
tencendo
DitoAoExm. Commandante das Armas
do Maranho aecusando a recepgo do seo
ollicio que involvia as guias do i. tenente
Joze Antonio Barboza c soldado invalido
Joze Francisco das Chagas os quaes (izero
a sua apusentago nesta provincia.
DitoAo inspector da Ihezouraria remet-
tendo-lhe para serem satsfetos os papis
de contabelidade da companhia de G. N. des-
tacada na Cidade d'Olinda relativos ao mez
de Junho ultimo.
DitoAo Commandante Geral do corpo de
polica respondendo o seo officio de 8 de
Junho que versa va sobre a divida do sol-
dado Manuel Al ves d'Abrantes com um re-
querimento do mesmo soldado no qual pe-
da se lh'ajustasse con tas de fardamento ,
sendo a sua divida encontrada neste ajuste
Dito-Ao Delegado do termo de Iguarag ,
pedindo-lhe informacoes acerca do recruta Vi-
cente Ferreira Villarim que eslava em cus-
todia para provar zenpc>s que allegara.
DitoAo Delegado do termo de Serinhaem,
remeltendo-lhe a quantia de 500^ rs. por
conta dos vencimentos do destacamento cu-
jos papeisdecontabilidade fasn voltar ao seo
poder por nao estaren: organisados em for-
ma a qual foi ensinuada
DitoAo Tenente Coronel Commandante
do Batalho Provisorio ordenando lhe a re-
messa da fd'officiodo soldado particular Joze
BodriguesSoares para ser anexa ao conce-
Ihode guerra.
Dito-- Ao Major comandante interino do 5.
Batalho de Artilheria exigindo a f de offi-
cio do 2. Sargento J. P. F. Magalhes.
Dito Ao mesmo, remeltendo-lhe para
ser competentemente archivado o Processo
verbal feilo ao B. Pedro Chrisostomo da Cu-
nha cabo de Esquadra do Balalho do seu
commando, cuja sentenga fura"publicada ho-
je na ordem do dia.
Dito Ao Tenente coronel commandante
do Batalho de Guardas Nacionaes destacado,
mandando que fosse excluido do mesmo e
apresentado na secretaria Militar o guarda
Alexandre Joze de Araujo.
dem do da 5.
Dilo Ao Exm. Presidente mandando-
Ihe apresentar para ter conveniente destino o
guarda Alexandre Joze de Araujo que acaba-
va de ser desligado do Batalho de I. de
Guardas Nacionaes destacado pelo seu pes-
smo comporlamento.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. restituin-
vio levantar-se e andar se tivesse visto a
sua bella mesquita de Cordova tornada mu-
sulmana se tivesse entrado em Granada li-
.vre e socegada nao teria experimentado
maiores accessos de alegra : sua filha era
sua Granada esua Cordova sua religio ,
e sua patria ella andava por toda a casa
gritando : Minha filha, est melhor, el-
la est salva !
E ella esl ainda mais bella responda
o hespanhol.
Dos na lornou a dar ... ella mi-
nha...
Seu hospede extremeceu quando lhe ou-
vio eslas exelamedes em lingoa rabe e
vollando-se para a sua velha creada lhe falln
em voz baixa ; e por seus gestos conhecia-
se que elle dizia : Eu nao me tenho en-
gaado.Elle era um hespanhol de raga ,
um christo velho e por consequencia um
nimigo jurado de Mouros e Judeos. Zehra e
sua mi estavam n'um perigoso asylo ; mas
Fatima nao pensava nesles perigos ella li-
nha salvado sua filha e na sua ventura, nao
reflectia na imprudencia que acabava de co-
melter.
Como j dissemos o hespanhol linha fica-
doatterrado, porem socegando-se folicitou
a mi de urna maneira que pareca sahir do
corago o depois de lhe ter dado a conhe-
do;lhe, com informago a requerimento de
Estevao Joaquim das Chagas que pedia ser
dispenso do Batalho de I. de Guardas Na-
cionaes descacado.
Dito Ao Inspector da Thezouraria pa-
ra que houvesse de mandar pagar ao Thesou-
reiro da Irmandade da Conceigo dos Milita-
res a quantia de 51 200 rs. importancia
de 8 sepulturas dadas pela mesma Irmandade
aos soldados que falescoraO no mez de Junho
ultimo.
Dito Ao Vice-Presidente da Meza Rege-
dora da Irmandade da Conceigo dos Milita-
res communicando-lhe o ex posto no officio
cima.
THESOCRARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 50 DO PASSADO.
Officio Ao Exm. Snr. Visconde d'Abran-
tes presidente do tribunal do thesouro pu-
blico nacional, com a remessa de trinta con-
los de res em notas corladas e com o ca-
rimbo de = nulilisada = pelo vapor para-
ense commandante I F. Berrizo.
Dito-- Ao Exm. Snr. Baro Presidente
da Provincia informando o requerimento do-
bacharel formado Clemente Joze Ferreira da
Costa.
Dito Ao Snr. inspector d'alfandega, com
as conlas das despezas feitas para o projerto
do novo caes d'alfandega, a fim de as mandar
pagar pelo cofre da mesma ao engenheiro
L. L. Vauthier como determinou o Exm.
Snr. Baro Presidente da Provincia em ofnV
cio de 27 do passado.
Portara Ao Snr. collector de diversas-
rendas do municipio de Olinda recommen-
dando em addilamento a Portara que se lhe-
dirigi em 10 dedezembro do anno prximo
findo que para a cobranga do sello addicio-
nal pode guiar-se pelos arligos 1 a 3 5 a
9, e 4 4 a 20 das inslrucces de 4 \ de novem-
bro de 4855 e pelo 4. do alvar de 47 de
junho de 4809 que se lhe enviou por copia.
Iguaes portaras foro dirigidas a todos os
mais Snrs. collectores da provincia.
TRIBUNAL DO JURY DESTA CIDADE.
Da 8 de Julho.
Denuncia contra Leonardo Alves de Souza,
pelo homicidio em sua muMier Mara da Con-
ceigo : foi condemnado a gales perpetuas.
REPABTICAO DA POLICA
Parte das occorrencias do da 7
Da parte boje dada pelo Commandante ge-
ral do corpo Policial, consta somente que fo-
ra bontcm prezo pelo Inspector de quai teiio
de S. Joze desta Fregueza de Santo Antonio ,
o prelo de nomo Joo escravo o qual foi
recolhido cadeia : e das parlecipagoes quo
tenho continuado recebe r dos di fie rentes
pontos desta Provincia, consta igualmente ,
que nenhuma occorrencia tem havido.
Passara-se ttulos de residencia aos indivi-
duos abaixo declarados, os quaes os deve-
ro quanto antes ir sollicitar na respectiva se-
cretaria. Joo Francisco Marques Am-
hrozio Alves Coelho, Joze Mara Thomaz da
Silva Antonio Joze Mendes Manoel Pere-
ra Lamego Joo Baptisla Vieira Ribeiro,
Antonio Joo Furtado, Antonio da Silva Oli-
cer que ella se tinha trahido assegurou-lhe
protceco para ella e para sua filha to
bella e to adminvel, ajunlou elle ixan-
do sobre Zehra suas vistas que faziam er-
rar e vacillar sob suas palpebras osolhos da
joven anda pdica.'
A protecgo do hespanhol devia ser cara-
mente comprada porque na madrugada se-
guinte Zehra aterrada acordou sua mi
que eslava dormindo depois de ter vellado.
tantas noutes cabeceira da sua querida da-
ente :
Minha mi minha mi eu temo es-
te homem.... elle me atierra ; acaba de me
fallar ; ao principio de urna voz doce e mei-
ga e depois olhando-me carregado disse que
sabia que eramos mouras e que nos ia en-
tregar.... Ellepegou no meu brago pronun-
ciando eslas palavras e o aperlou com vio-
lencia ... Eu quiz fugir ; mas elle me ruteo ,
ameagando-me eeu s me pude escupar,
quando enlrou a velha creada a qual ello
falln ao ouvido e tornou a sahir. Nao ha
duvida alguma. ella vai denuuciar-as....Mi-
nha mi minr.:t. ierra.... elle chega fujamos por esta janella,
por este jardim.......
( Continuar-se-lia. )

^


?>~
veira Francisco Gongalves da Silva, Gui-
llicrmc Mulligan Joaquim Pe re ira Cae-
lano Pedroco Manoei lote Rodrigues ,
Jozc Maria Pereira Ramos Joze Fernandos
Torras Vietorino Joze Moreira Antonio Jo-
ze de Souza Manoei Rodrigues da Silva Fi-
gueiredo Francisco Joze Pacheco deOlivei-
ra, Joaquim da Cruz Rarroso, Manoei Luiz
Oe Madureira Ventura Pereira Penna Joze
Antonio de Lima Manoei Maximiano Gue-
tles, Manoei Antonio de Sampayo Manoei
Joze da Cunha Francisco Martins Ferreira ,
Joo Coelho de Almeida, Joze deOliveira
Martins Joze Maria da Costa Carvalho, Joo
le Freitas Cu i maraes Luiz Fernandes Bra-
ga Jozc Martins da Silva Joao Frederik
Ichutt, Joze Trillo Joo Antonio da Malta,
Manoei Marques Marianno, Antonio de Sou-
za e S Manoei Francisco Pon tes, John
Grey, Rento Fernandes Joz'i Alves Joa-
quim Pereira de Ol ve ira Joze Antonio da
Silva Manoei de Renevides da Costa Ma-
noei Joaquim de Torres Renjamin F. Jinal-
niss Joo Joze de Couto Domingos Ferrei-
ra das Nevos Guimares Francisco Antonio
Simes Joze Francisco Martins, Joze Laza-
ry. Antonio Rodrigues Fernandes Vieira ,
Joaquim Joze de Souza, Alexandre Fortu-
nato Cassareto, Antonio Cabral Rodrigues
de Vazconccllos, Nicolu Hoffmam Joze
Maria Rorgus Luiz Joze de Carvalho Jozc
de Azevedo Carvalho, Francisco Manoei Vi-
eira e Cruz Joo Simoens de Almeida, Jor-
Francisco Pereira, Joo Calis Antonio Gon-
calves Lagcs, Henrique Julio de Mallo Joze
Gomes da Silva Joo Maria da Cunha An-
tonio Joze da Cruz Joo Pereira da Silva ,
Antonio de Souza Moreira Francisco Anto-
nio Coelho Manoei Joze Vieira Pierre Vc-
tor Roulitreau Justino Meroz Joze Rodrigues
de Andrade John Rroadbent Richard
IRoyte Thomaz Lalham Joaquim Martins
'Ja Silva, Antonio Pereira Mendes, Joze Al-
ves da Silva Guimares Joaquim Luiz Car-
telas Joze Antonio Marques, e Manoei Jo-
ze Moreira.
Existen) ainda na mesma secretaria bastan-
tes ttulos de residencia j publicados pelo
Diario de 1o do mez prximo passado n.
126, os quaes nao tem sido ate agora sol-
licitados.
No dia 9 nao occorreo novidade.
UNTKKIUK.
esta' pacificada a provincia de s. paulo.
LIm mez depois de sua saida da corle o
general Raro de Caxias eslava no palacio
do governo de Sorocaba sem que para a
oceupago desta cidade se tivesse qtiuimado
urna nica escorva. Os rebeldes que rom-
pero insolentes e pretenda* o subverter o im-
perio s mostraro valor para fugir em con-
tinua debandada mal Ihe appareoio os bra-
vos defensores da patria. Apenas no comba-
te da Venda Grande quisero resistir e meia
tiora bastou para serem dispersos.
Menos de trinta dias foro sumYientes ao
dstincto Rrazileiro general Raro de Caxias
para com habis manobras desalojar os rebel-
des de Campias It Porto Feliz Soro-
coba e de todos os pontos em que se havia
aquartelado. Honra ao bravo c intelligente
general que filho querido da victoria aca-
ba de juntar s palmas do Maranho pacifica-
do as palmas da pacificago de S. Paulo !
Poucos dias Ihe sero agora necessarios pa-
ra organisar na provincia de S. Paulo urna
policia militar capaz de dispersar os pequeos
grupos de rebeldes que ainda seconservem
reunidos. E depois a patria dello exige no-
vos e mais importantes servigos ; a gloria Ihe
aponta o Rio Grande .
A noticia da pacificago de S. Paulo pro-
dtiziohontem nestaoorteo mais vivo ertlhu-
siasmo. A alegra por ver sulTocada a rebel-
lio quasi sem eflusio de sangue divisava-
80 em todos os semblantes. A cidade illumi-
nou se denoite ; eS M. o Imperador, com
SS. AA. II. foro ao theatro, onde foro
recebidos com repetidos e estrondosos vivas.
( J. do Commercio. )
DIARIO DE PElIYUllim
VIVA O IMPERADOR !
Aeabou a revolta de Sorocaba As tropas
H*rr?criaes commandadas pelo bravo Raro de
Cisiis entrara nessa c dade de que os a-
narehislas havio feito o seu centro de ope-
taces, sem queimar um cartuxo Tantas
bravatas ameacas furores tudo se esvae-
ceu cerno o fumo Desde as immediagoes da
capital ate o It desde Campias ate Soroca-
ba nao terio as torgas da legalidade occa-
sio de sa medirem com as dos rebeldes si
estes nao fossem nolhidos de sorproza em Ven-
da grande. Por toda a parle'os Monirchistns
PaulNtanos, desassnmbrados da presenca dos
rebeldes recebio de bracos aberlos e trans-
portados de jubilo o Pacificador da Provincia,
que Ibes restitua a ordem a seguranza a
liberdade. Sm, a liberdade quo no Brasil
est identificada com o trono Nei|e esto
firmadas nossas garantas nossa felicidad,- .
nossa existencia Se queremos ser livres ,
se queremos legar a nossos descendentes a es-
peranza de virem a ser um dia urna nacao res-
peitavel si queremos hoje ser conservados na
lista das Nacfies sustentemos com todas as
torcas o throno Imperial, procuremos dar-
Ihe todo o prestigio lornal-o nahalavel ao
mais forte choque da demagogia : esse throno
he o emblema da ordem e sem ordem nao
pode existir a menor associago. viva o
imperador !
A energa que o Governo Imperial tem des-
envolvido depois que appareceu a revolta de
Sorocaba tem sido a taboa de salvaran para
o Rrasil inteiro. Si elle tivesse Traqueado ,
estaramos no abismo a cujas bordas fomos ar-
rastados pela desenfreada demagogia que
regulava a sua ousadia pela moderacn ou a-
apalhia do Governo : gragas pois-Ihe sejo
dadas, e nao arrepie elle a carreira encelada ;
pOis deve boje conhecer que transigindo nao
coiitem os perturbadores.
Nossos leilores tero visto sob os respecti-
vos ttulos algumas providencias do Governo
Imperial a respeito da Provincia de S. Paulo -,
mas ellas nao se limtara s aquella Provin-
cia : existia na capital do Imperio o centro da
revolugo.
Foro suspensos na Corte e provincia do
Rio de Janeiro por espago de um mez os 0.,
7. 8., 9. e 10. do art. 179 da Consti-
luigo.
Foi chamada aoservigo naCorte a guarda
nacional de reserva -, a maioria dos Empre-
ados se havia j olTerecido.
Foro presos a 18 do passado os snrs.
Antonio Paulino Limpo d'Abreu.
Nicolao Rodrigues dos Santos Franga Leite.
Joze Francisco Guimares.
Gabriel Pinto d'Almcda.
GeralJo Leite Raslos.
Manoei Joaquim dos Passos.
Francisco de Sales Torres Homem,
Balbno da Franga Ribeiro.
S. M. o Imperador ordenou que nao
fossem mais considerados veador da S. I. casa
Joze Feliciano Pinto Coelho gentis-homens
dem Francisco de Caslro Canto e Mello e
A. P. Limpo de Abreu e mogo da S. I. C-
mara Leopoldo Augusto da Cmara Lima.
Maudou-so recolher e depositar no ar-
senal de guerra todo o armamento e municoes
que se achavo venda no Rio de Janeiro.
O Vapor S. Salvador que nos trouce as no-
ticias que levamos transcriptas deixou a Ba-
hia em perfeita tranquillidade ate 5"do coi-
rente. A noticia da pacificago do S. Paulo
foi ali recebida com vivas demonstraces do
maior prazer. No seguinte numero daremos
aos nossos leitores mais algunas particulari-
dades sobre a Provincia de S. Paulo e as no-
ticias do Rio Grande e Minas.
Veio de passagem no vapor o Exm. Viscon-
de de Olinda.
Continuaco do Cuinmunicado inserto no Diario nu-
mero 127
Verdade oh I vem da escurido que a tanto
De entorno aos 01 leus se embasteca
Negro em insado veo rasgar do engao
C da calumnia prfida
Garret.
Snrs. RR. Quando laucamos mo da penna para
rfcar a Crepioada impropriamente intitulada Ora
ciio fnebre sempre esperamos ser polidamente
combalidos pelo Snr Acadmico em que deviamos
suppor toda a urbanidade, pelo uso que esse pseudo
litleratodevera ter feito dos hvros que sao os melhores
meslres da ci vilidade e tolerancia : eis seno quan-
do o famigerado energmeno Campean desee a-
rena para responder as muitas e graves aecusaces
que Ine (izerainos soltando-nos boles mortaes de
insultos t.'un atrozes que desde j renunciaria-mos
encarnicada luta i que nos atiramos contra este gi-
gante da Patagonia M por um momento anda nos
nao suspendesse o panos o caneado gritar da ver
dade cuja deflesa oot nao podemos forrar ; erabo-
ra arrastemos com a temidade fia polemice.
Eis-nos por tanto tegunda vez em campo, po-
rem continentes e moderados como sempre a-
lim de no deixar-nos enlraidiar do vivo ressentimen-
to que causou sem duvida a njustica e sem raza >
com que o invencivel Atldetaacolheu tam mal a quern
tam urbanamente o tratou.
Para que eminenlissimo Escriptor em vez ele
mostrar que o seu Exordio era revestido da simpli-
cidade que recoinenda Maury quando diz O coinc-
[ co de um discurso deve ser simples e modesto alim
de conciliar ao Orador a benevolencia do audito-
rio : em oulro lugar Devem-se evitar no Exor-
dio as imagens allectadas e as metforas ambicio-
sas c, &c. deslisou-se da queslo e fez-se todo
extorco* afini de mostrar falla de lgica no citado
Cardea! dizendo que os fragmentos de Uossuet. e
Sneca, com que elle excinplilicou a simplicidade ,
cuno se dedil/, das snas palavras tal he" provio
a arle nao a simplicidade ? Para que illuslrissi-
iiio citador mnlilon a opinio do sabio escriptor,
H|>rrsentaii'lo o cxemplo e deixando talvez as teas
de araulia d seu caslcllo o preccito que to tenni-
KHiiieiitcnU condemna o seu carpircm os sinos ",
u .iiio S Sa. achou tam mal exemplificado aecu-
s ii.do (Pesia arle o Ilustre escriptor de um peccado
conl i a as leis do raciocinio ? Pois j que locou na
prima permita-nos que tiramos a segunda e lite
pcrgiinlemos que sentido liga a palavra arte, que
o seu paladar nao pode saborear bem? Ser a arle
>\b poesa do desenlio da pintura &c. &c on a
arle Oratoria exercendo um preceito seu. qua| o da
simplicidade que o citado cardeal a poucas linhas
i ccommcndia c all exemplilicara ? Itcspouda o
Magistral Retorico antes de pulverisar o Cardeal
Mam y.
O que porem mais admira Snrs RR. he que
o profundo orador pretenda deflender se da grave
aecusaco que invadir o seu Exordio f'azcndo o res-
peilavel Quinliliannr. aullior de luna parvoice. Tal
lie com efleito a misquinhez intellcclual com que
prelendeu tornar difl'crenle da opinio de Manrv que
recomenda a simplieidaile Exordial o preceito de
Oiiinliliann que'hftptisa como universaes e inva-
i'iavcis tam someule duas regras que sao o ulil e o
decoro ; e isto porque fes Sapienlissimo Snr. ?
cerlamenle porque desconheceu que se o mil he tu-
do aquillo que concorre para o Orador ganliar a
causa ; e si a simplicidade do Exordio como mi
exactamente pensou o Cardeal citado concilia ao
orador a benevolencia do auditorio ; a simplicidade
que recominenda Maury acha se inanisfestBinenle
incluida no til que prescreve Quinliliano Como
pois he que Quinliliano o livra nesle ancusio
transe, ainda fazendo S. Sa das tripas coraco ? !
Mas este escriptor ( Maury ) por man dialctico
nao agrada a S. Sa. queja ovarreu da gallera dos
l>ons i.rgumcntanles He mislcr por lano que parafu-
seinos oulro para nos acodir a borda de tam insou-
davel abismo. Felizmente deparamos na Hellioi ica
Kranceza com o seguidle pensamento que canonisan-
do o ulil tam endiosado por Quinliliano consagra o
preceito da simplicidade do xordio. '-Exordio,
lemos deve ser limpies e modesto, e alhe acom-
panhado de um lom submisso e respeilosn ; a lim
de que o orador poca insinuar-se gradualmente nos
espiritos ; porque o ora e relmpagos conspira contra si o auditorio Tal
he segundo o pensar do mesmo author (mas con-
tra o de S Sa que desde j o ir langendo com a
sua saliiica inoidacidade ) o exordio da Oraco f-
nebre pela esposa de Caros piimeiro, e o da Hcn-
riquiada de voltaire
" Os defeilos particulares dos plegadores diz
Timn ( Livre des Oraleui s ) s*o : a monotomia a
inchaco das melaforas ou asperesa das expresses,
a analoga forrada das cilares bblicas &c.
Agora, ciifronhado Relator co que jugamos
ter provado que S Sa calumniou Maury nao en
tendeu Quinliliano e menos defendeu o seu exor-
dio pe'initta que Ihe mandemos mostrar ao Publi-
co o plagio que houvc por hem impreslar-iKS ; pois
nenlium hoiiiem deve fa/.er aecusacoes tam serias
sem algmn documento sob pena de carregar com
o odioso epithelo de calumniador n^sponda-nos
se, porque nos servimos para exemplificar a sim-
plicidade do Exordio de dois cxemplos que nos ofl'e-
receu o Cardial Maury na sua obra Ensaio sobre a
lunucncia temos plagado Noel e La Place oue
laiiibein os Irasem c quem S. Sa someule leu
lornaudo-se il'esla arle echo de echo ? Por oulro lado,
como he que temos plagiado os diados eseriplores; se
S. Sa COnfcssa que nos descubrimos implicidide
onde Maury leparon com arte? Chamar-sc-h com
rasfio plagio Snrs RR a identidade de opinics ,
ou pensamentos que se exprime per termos diver-
sos ?!! lora que inelhores arrcios buscaria quem de
proposito quisesse passar por pedante ? Parece-nos
ouvir o aulhorilativo Orador responder-nos com lo-
dos os seus classicos Latinos as costas, e masticando
por ahi algnm pedaco de Quintiliano, a quem aferra-
do desalmadamente' qnal planta parasyla. mistura a
cada pera do seu guisado mas com quem ( pesada
burla !) li sempre nial surtido por no saber coze
lo ncm adunado Porem a final dogmtico Snr ,
para que S. Sa. nao nos arranhe mais os ouvidos
com o imaginario plagio ; la vaio pedaco de Uossuet,
em que infortunadamente descubrimos simplicidade,
e Maury arle (opinies diversas no seu maduro pen-
sar mas apesar disto plagiada huma da outra : e es-
la :.')
" Chrcliens que la memoire d'une grande rei-
ne filie immc, mere de roa si puissants et
souveiuinc de trois royaumes appelle dp lous co-
les celie triste ceremonie ce discours vous
lera paroilre une de ees exemples redoutables
qui etalent aux yeux du monde sa vanil tou-
ic en lien: Vous "verrez dans une seule vie tou-
les les exlrimils des dioses humaines ; 8tc Mais
adiante Voila les enseignements que Dieu donne
aux i os : ainsi fait il voir au monde le neant de ses
pompes, edesesgrandeurs. Por no ter agora
presente a tragedia de Sneca que citamos deixa-
mos para quando S. Sa. exigir de nos ( no caso de
responder-nos como esperamos ) o apaesentar a pa-
gina em que lemos os cilados versos
Conlinuar-sc-lia
PRACA DO RF.C1FE 9 DE JLLH0 DE 1842.
Revista Mercantil.
Cambios sobro Londres = Houvera" transa-
ges regulares pelo Paquete Ingle/
a 20 112 d. a 66 e 90 dias, urna
transago a 50 dias a 26 d. sobra o
Governo Inglez.
Algodo = As entradas foraO muito diminu-
tas algumas vendas se lzera pa-
ra a Rarca Kranceza Camelia a 6:200
e 6:000 a arroba.
Assucar = Tem regulado as vendas da sema-
na a 700 por arroba.
Haca I hu = O Deposito anda por cerca da
:800 Ramees, e pouca sabida
tem havido u as vendas a retalho
tem regulado de 7:800 a 8:000.
Rolaxinha Ingleza = Nao h.
Carne secca = Existem a bordo de oito Em-
barcages 30:000 arrobas de qual-
dade inferior a maior parle tem
havido pouca extraego. A do Rio
Grande tem-sc vendido a bordo de
1:000 a 2:000 rs. e a de Monto
Video de 1:000 a 2:000 rs.
Dita do vacca salgada = Vendeu-se de 18ji a
20.j rs. o barril.
Farinha de trigo = Ha em primera mo
2:o00 barricas, o vcndeii-se de
21* a 22,)i a barrica.
Pntenla da India = Vendeu-se a 170 a
libra.
Potassa da Russia =a dem a 220 a libra.
I) C L A 11 A C 0 ES.
ssr Hoje he a arremalago das favas, cha-
rutos cabo de linhoOxc. na Alfandega an-
nunciado no Diario ultimo.
tsr Tanibem he boje a arremalago de 2
caixas de assucar mascavado na mesa do Con-
sulado idem.
AVISOS MARTIMOS.
ti?- Para o Aracaty segu viagem o Pata-
cho Maria & Luiza ; quem no mesmo quiser
carregar entenda-se com seu proprietario An-
tonio Joaquim de Souza Ribeiro na ra da
Cadea do Recife.
LE LOES.
Leilo que faz a viuva do Joo Carlos
Pereira de BurgosPonce de Lefio hoje i\ do
frrente as 11 horas da manh na casa de sua
residencia em o primeiro andar da quina da
pracinha do LivranieiiU'., peranteo Snr. Dr.
Jniz de Orlaos de diversos trastes que con-
\ tem mezas para jan lar mangas de vidro ,
: hanquinhas oratorio presepio sela de S.
Antonio, papeleira guarda roupa secre-
[taria, cmodas, paies cautos para sala,
se pOe em leilo a requerimento da viuva n-
I ventarianle D. Francisca da Cunha Randeira
de Mello para pagamento dos credores, con-
formo a concordata.
Quinta fera 14 do corren te de varias
qualidades de fazendas em lotes : na ra
do Crespo loja I). 8, as 10 horas da
manh.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimenlo do dia 9 de Julho I:l03,28l
DKSCARREGAd HOJE 1 i DE JCI.IIO.
Brigue Porluguez = Conceigo Flor de Lis-
boa = pedras.
Brigue Dinamarquez Meltla barri.1 ile
carne, sobrecellenles, lijlos e pe-
dras.
AVISOS DI VERSOS.
*y As rodas da Lotera
de Nossa feenhora do Li
vramento, andao nipre-
tervelmenle no dia 26 do
corrente ; e os respecti-
vos bilhetes acho*se a
venda nos lugares do cos-
I u/ne.
tsr 0 ahaixo assignado comprou e tem
em seu poder o bilhote n. 2908 da segunda
parle da 10. Lotera do Theatro publico
desta cidade, perlencente ao Senhor Pa-
dre Antonio da Trndade Antunes Meira.
Francisco Joaquim Cardozo.
XST Prcciza-se de um menino do 10 a 12
annos, para caixeiro de urna venda, que te-
nha piatica ou nao : na ra do Rozario,|ar-
ga defronto do beco do Peixe frito venda
pequea.
cr O abaixo assignado com caza de nego-
cio no becco da Linguela, pertendo retirar-se
para Portugal deixando sua caza entregue
a seu mano Antonio de Sousa a quem deixa
autorizado para pagar as cotilas que o mesmo
dever comprar e vender como atitigamente,
iicando lambem autorizado a receber ascon-
tas que deverem ao mesmo.
Joze de Souza e SilvaL


*
a
o seu alugucl nao exceda
tsr O Snr. F. S. S. queirn ler a bondade
de ir pagar a quanlia de 15*160 que be
devedor na ra do Queimado a mais de 3 ali-
os.
tsr Antonio Francisco de Azevedo Cam-
pos nao vende mais agoardente desde 6 do
corrente ; no Patio do Carino D. 8.
Preciza-se alugar alguns pretos, e que
8 deis mil rail por
inez dando-se o sustento para servido
moderado a tratar na ra da Azeite de pei-
xe na paderia de Manuel Ignacio da Silva Tei-
xeira.
tsr Preciza-se de uro forneiro, que en-
tenda bem de todo servigo de urna padaria ,
eque abone sua conducta ; a tratar na ra
estrella do Rozarlo na loja de relojoeiro ,
que se dir quem preciza.
or* Epifaniodos Reis Faria; relira-se d'es-
ta Provincia.
tsr Terceira vez se aviza aos Srs. que tem
pinhores na venda da ra do Rozario estreila
que faz quina para o patio do Carmo os van
tirar no prazo de 8 das do contrario icaraO
sem elles por quequem est de posse dos ditos
retira-se para fura da Provincia.
OT Nos dias 15, 16, e 20 do corrente mez
se hade arrematar a porta do Snr. Doutor Juiz
de Direito da 5. vara do Civel na ra Nova
pelas 4 horas da tarde por venda a grande
propriedade do um andar com grande quin-
tal na ra da Gloria, perlencente ao execu-
tado Ignacio de JeztlS Randeira a qual est
avahada em 1 4:000* reis prego este como-
do vista das vanlagens que oflerece dito pre-
dio ; quemo pertender compareca nos ditos
dias nos quaes ser arrematada enfalivel-
mente.
C^ Respondendoaoannuncio do Sr. Lou-
rengoCavalcanle de Albuquerque sobre o em-
bargo no citio c casa de sobrado na ra do Se-
bo do bairro da Roa-vista pertencente ao
Sur. Joo dos Santos Nunes de Oliveira em
que diz o dito Snr. ser j possuidor que o
seu embargo Coi feito no dia 2 do corrente
mez j se adiando a muito embargado por
outro debito do Snr. Doutor Francisco Xavi-
er Pereira de Rnto e este embargo foi feito
em cousequencia de apparecer no Diario de
30 do mez p. p. que o dito citio e sobrado
se achava hypothecado ao (nado Joaquim da
Silva Regadas e por isso nao devia ser ven-
dido estando hypothecado nern o annunc-
ante sabe quaes scjao outros bens que possua
o referido Snr. Santos nesta Cidade, poisque
duas casas terreas que linda urna na ra do
Sebo paredemeia ao sobrado e outra na ra
do Cotuvelo lo bein dizem j as ler ven-
dido.
Joo Francisco Regis.
S9T Aluga-se a casa e parle do sitio do
Exm. Senador Manoel de Carvalho Paes de
Andrade no corredor do Rispo perto da
Soledade : os pretendentes dirijo-se ao Cor-
retor Oliveira.
tsr Precisa-se de urna ama de leite da-
se boa paga annuncie.
tsr D-se a premio de 2 por cento ao mez
a quanlia de 400* sobre pinhores de ouro ou
prata ; quem pretender annuncie.
tsr Aluga-se metade de um sobrado com
grandes commodos : a tratar na ra Direila
D. 41.
No dia 5 do corrente furtaro do llos-
tsr Crablree Heyworth & Comp. previ-
nem a quem pretender comprar urna casa no
patio da Penha que foi no inventario dos
bens do finado Francisco Ferreira da Antiun-
ciago, aquinhoada ao ilho desle Felis Fer-
reira da Anniinciagao, que cssa casa est pS-
nhorada pelos Annuncianles assimcomoos
deniais bens de raiz do casal e por isso em-
barazados para podcrem ser vendidos ; o para
que ningucm se chame a ignorancia fazcrn
o presente aviso.
= Pedro d'Alcantara Pereira, subdito
portuguez retira-se para Rio de Ja-
neiro.
PILULAS VEGETAES E UNIYKRSAES AMERICANAS.
Estas [ululas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem feito, nao requerem nem
dieta e nem resguard algum ; a sua com-
posico lo simples que nao fazem mal a
mais lenra changa : em lugar de debilitar ,
forlifico o syslema purilico o sangue ,
augmento as secretes em geral : tomadas ,
seja para molestia chroica ou somente co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelie estado de constipago, depois de sua
opcragAo como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar e nao
causarem incommodo nenhum. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knolh agen-
te do aulhor: na ra da Cruz N. 57.
N. R. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tsr Roga-se ao Sr. Thesoureiro da lotera
do theatro para que nao pague caso saiao
premiados o bilhete da segunda parte da de-
cima loteria a favor das obras do theatro, sen-
do n. 2047 e meio bilhete da mesma I te-
ria n. 5474 cujos bilhetes orao desencami-
nhados do poder do abaixo assignado.
Antonio Gonsalves Lagos.
picio de N. S. da Penha d'esta Cidade um dos
poucoscalix, que havio no Hospicio: por
tanto o Prefeito do mesmo Hospicio roga por
caridadea toda e qualquer pessoa a quem for
' oflerecido por venda o sobredito calix, e mes-
mo a aquelles, que delle liverem noticia te-
lilla) a bondade de o tomar ao sacrilego, que
o apresentar, e restitui-lo ao supradito Pre-
feito pelo que ficar no mais ingenuo agra-
decimehto.
tsr O abaixo assignado com procurador
bastante de Roaventura Antonio Maciel, em
consequencia de ter por acaso visto o aununj
ci do Diario de 9 do correnta em que se
diz que na porta do Sr Dr. Juiz de Orfos e
Auzenles se havia arrematar ( boje ll de
Julho)os bens gneros de loja e escravos
do fallecido Joze Domingues da Costa ,, tem a
declarar a todas as pessoas que no mesmo ne-
gocio se i nteressem que os escravos Fran-
Antonio Gonsalves Lages, perdeoou
furtarao-lhe um bilhete da segunda parte da
decima loteria do Theatro n. 2047, e meio
dito da mesma loteria n. 3474; roga-se a
pessoa que os tenha em seu poder de resti-
tuidos na ra da Cadeia loja de ferragens D.
46 que ser recompensado.
i j- O arrematante da imposic&ode 20 por
cento consumo das aguas ardentes de produ-
go brasilcira responde ao annuncio de
7 do corrente que as intrucefies para o re-
ferido arrematante nao marca a sua muradla
milito se admira que o Snr. Pergunlador
ignore ter eu casa nesta praga e encarrega-
(lo com ordens ni i n has ao Sr. Amaro Benedi-
cto de Souza como escriplurario do mesmo
contracto para dessedr a toda e qualquer
pessoa igual pertengSo que desejava o Ilus-
tre Perguntador.
Thom Pereira Lagos.
or Quem precisar de urna ama de leite
dirija-sea ra da Cruz n. 40.
*ar A pessoa que tem urna barcassa na
praia do Collegio para vender sendo a dita
oliada de encarnado annuncie a sua mora-
da para ser procurada.
tsr Na noute de 29 para 3o de Junho p. p.
do quintal do Collegio dos Orfos furtaro 2
cavados, os quaes lomaro adireco do Re-
cife o que se coligi pelos vestigios dos ras-
tos ateo Rrum
seguintes : um
os cavallos tero os s
alazo pequeo de
meias
cisco, mulato de 50 a ti nos Maria crela, de
30 anuos e Manoel angola de 20 annos ,
acha-se hypothecados por hypotheca publi
ca feita no cartorio do Snr. Joze Alexandre
Ferreira ao meo conslituinte pela quantia de
4:211*000 e os juros a vencer isto em 12
de Agosto de 4841 lempo este em que o dito
fallecido gosava de todo o conseito nesta pra-
ca a qual hypotheca foi por 6 mezes e se
aclia vencida desde 12 de Fevereiro corrente ,
o que se faz sciente para evitar contestares
com qualquer pessoa que na boa f os arre-
mate. Joo Antonio Maciel.
carnes, bom carregador baixo cauda meia
curta a frente aberta 5 ps calcados si-
gnal encoberto malhado de branco pelo
lombo e por isso bem c mhecido cujo ca-
vallo he de meo mano Marcelino Firmo das
Chagas Portella morador nesta Praga na
ra do Jardim ; o outro he castanho cauda
aparada carregador baixo dous ps caiga-
dos pouco ate o piador eslrela na testa ,
signal encoberto, magrerAo orelhas meias
cabanas com belida no olbo direito por cau-
sa de urna pancada mas esta logo se hade
desvanecer, quando desenflamar a conluzo;
este cavallo pertonce ao abaixo assignado ;
roga-se porlantoa qualquer encarregado de
polica ou outra qualquer pessoa a quem se
olerecer laes cavallos que o tome, (loan-
do na intelligenci de ter gratificago e pa-
ga-se qualquerdespeza; podem ser entregues
ao supracitado mano ou ao Snr. Rento Go-
mes Pereira na ra do Rangei com venda ,
ouao mesmo annunciante em Olinda ; se fo-
rem levados pelo mesmo ladro, dar-se- 10*
por ambos, guardando-sosegredo inviolavel,
do contrario pro tes (a-se perseguir com o rigor
da lei ondoquerque forern adiados. = Pa-
dre Joo Francisco do Espirito Santo.
Dezapariceo no dia 8deMaiop. p. u-
ma canoa de carreira com dois bancos e
corrente : quem a adiar leve-a a Francisco i
t* Quem tiver para alugaj um escravo
queenlenda do servigo de otaria, annun-
cie.
COMPRAS
O Diccionario Tipolgico de Rrgier
N. tST
e a Grammatica
tiver annuncie.
Franceza de Sevne; quem
VENDAS
5 pon-
%3T Sabio a luz o acha-sea venda na loja
de livros da praga da Independencia n 57 e
58 a Conslituicao do Imperio do Brasil, com
notas explicativas com a citago das pagi-
nas das obras dos principaes Publicilas, e das
Leis secundarias que teem sido polmugadas
relativamente aos artigos da Constituigo
Esta obra he de summa ulilidade nao s aos
estudantes do curso jurido mas a todas as
pessoas pois poupn o insano trabal!;o que
d o procurar as obras de Direito Publico os
lugares em que se acho desenvolvidos os pon-
tos sobre que se deseja consultar acrescendo
que as explicagoes ajudaro muito as pessoas,
que nao houvercm esludado o Direito Publico
a comprchender a Lei fundamental eonhe-
cimento que. todo o cidado deve aspirar. Pre-
go 2*000 reis.
TBF Folhas de relagoes simestres impres-
sos em bom papel ; na praga da Independen-
cia n. 57, e 58.
tsr Pipas que orao de agurdente dous
caixes grandes para mostrar gneros em la-
verna urna escada de mao temos de me-
didas de pao e de foi lia ditos de pesos de
meia arroba ate meia quarta balangas com
correntes de latAo sacas de milhoe farinha ,
1 barril para azeite de carrapato : as
tas D. 25 venda do lampio.
tsr lima negra creoula a vista do com-
prador se dir as habilidades : no pato de
S. Pedro primeiro andar do sobrado da quina
da ra do Fogo.
tsr No deposito de caf moido na Santa
Cruz da Roa vista, na padaria de urna s por-
la vollada ao poente preco muito coni-
tnodo qualidade o melhor possivel sem a
menor mistura bem moido sendo de oito
libras a menor porgao que se vende.
tsr Ca moido da melhor qualidade e
sem a menor mistura bem moido e nao
tragado, por prego muito commodo para
tornara ser vendido pelo mitido ; qualquer
porgao, ese manda levar em casa dos eom-
pradores : na ra do Azeite de peixe na pa-
daria de Manoel Ignacio da Silva Teixeita.
* tsr Pannos finos prelos e de todas as co-
res a 2*600 e 5,* ditos muito finos de todas
as cores chales de l ditos imitando a se-
da chapeos de sol de todas as qualidades,
dilo para cabeca, chitas madapoles algo-
des transados e lisos xilla a 110 c outras
muitasfazendas ludo por barato prego : na
ra do Livramento casa amarella D. 5.
tsr Dous milheiros de lijlos do tapamen-
to de bom barro proprio para sobrado: no
beco largo da Matriz de S. Antonio D. 6.
tsr Sal do Ass a bordo do Patacho Ma-
ria Luiza fundiado defronte do trapixi nevo :
a tratar com Antonio Joaquim de Souza Ri-
beiro.
tsr Urna cmoda de amarelo feita a moder-
na por prego commodo : na ra estreita do
Rozario loja de marcineiro D. 50.
tsr Um rico e moderno Atlas Geogrfico ,
como poucos por aqui, com 40carias, con-
lendo a theoria das estages revoluges an-
nual da trra pavilhes martimos de todas
as nages do mundo conhecido ludo na
mais rica impressodo auno de 1840 : na ra
Nova loja do Vilaga.
tsr L'ma negra crela bonita figura de
24 annos engommadera, cozinha lava de
sabio e varrella e refina assucar : na ra
do FagundesD. 18.
cy Lm preto ladino de 20 annos bo-
nita figura ; na ra do Crespo D. 5 lado do
norte.
tw Seboem rama de boa qualidade em
qualquar porgao : a bordo do Rrigue Paque-
te de Pernambuco, fundiado ao p das enca-
das do Palacio.
OT L'ma carroga com um boi mango, acos-
lumado ao mesmo servigo um arreio para
cavallo de carroga novo: a quem Ihe faltar
urna canoa ja velha comprida aberta que
leva 600 lijlos que existe desde a primeira
cheia no mangiiinho dirija-se ao atierro dos
aflbgados fabrica de sabo que lhe dir quem
a tem.
tsr ma preta sem vicio robusta
Ionio d Carvalho Siqueira segundo andar-
te Bilhetes c meios dilos da lotera do
theatro : na ruado Cabug loja de relojoeiro
junto do Sr. Bandeira o no atierro da Boa
vista loja de fazendas D. 24.
ssrRicas mezlnbaa de costura para senho-
ra e um grande sortimenlo de trastes cons-
tando de cadeiras de Jacaranda, de oleo, ame-
ricanas de pallia de assento de pao ban-
qunhas de Jacaranda, e de oleo, cmodas da
Jacaranda de angco e con.lur marque-
zas decondure amarello so fas de Jacaran-
da guarda lougas de amarello secretarias
com estante mesas de janlar lavatorios ,
tocadores mezas de meio de sala relogos
para cima de mesa camas de vento ban-
quinhas de amarello e muito mais trastes
ludo de supe ior qualidade e por prego com-
modo : na ra da Cruz armazem de trastes
n. 51.
tsr Urna escrava de nagAo de 44 a 15.
annos lava cozinha o nao lem vicios nem
achaques : na la Direila loja do couros D-
cima 21.
wC" IIm moinho e um borrador de moer
caf por prego commodo : no beco do Mon-
leiro venda da quina.
tsr Um negro perito forneiro vend.-so
por se ter 5 do mesmo officio e d-se a ex-
perimentar por 5 a 4 dias na ra Direila
padaria da viuva do Machado.
tsr Um moleque proprio para todo o ser-
vigo : na ra da Cruz n. 52.
ssr Bilhetes e meios dilos da loteria do
theatro os bilhetes a 8500 e os meios a
4*500 : na praga da Independencia loja d
miudezas D. 20.
tsr Um moleque de lo annos cozinha >
engomma e ensaboa c serve para pagem *
nao tem vicios nem achaques : na travessa do.
Rozario D. 12.
tsr Bilhetes e meios ditos da loteria de*
theatro: na ra do Cabug loja de miudezas.
junto do Snr. Bandeira.
tsr Um ptimo escravo padeiro e fornei-
ro, e cozinha o ordinario a vista do com-
prador se dir o motivo da venda o qual
tambem so aluga : na ra das Trincheiras
sobrado D. 25
S2T Selins inglezes elsticos muito finos ,
ditos ordinarios francezes superiores lalins
e cananas de couro branco e preto proprio
para o esquadraode guarda nacional e para
o balalhao destacado barretinas bandas fi-
nas aparellios de barretina para cavallaria
aparelhosde enxergoes de cama por prego
commodo: na ra Nova loja de seleiro defron-
te do oilfio da Matriz junto a vendado Lima.
tsr Meios bilhetes da loteria do thealro a
4*500: na ra Nova loja franceza D. o- na
mesma d-se 200* a premio de 2 por cento
ao mez sobre pinhores de ouro ou prata.
SST Um preto e urna prela casados com
duas crias, urna de 9 a 10 annos e outra de
16 mezes todos do bonitas figuras pro-
prios para o mallo ou engenho : na ra da
Cadeia do Recite loja de fazendas no canto
n. 58.
tsr Farinha de mandioca superior, chc-
gada ltimamente de S. Catharina por prego
commodo : na ra do Vigario n. 7.
sar Um mulato sadio reforgado !o 18
annos bolieiro borrador que sabe tralar
de arreios carros e cavallos entende de
horlae jardim e de boa figura : na ra da
Cadeia na casa por cima da loja de chapeos
ao lado da cadeia ; vende-se por nao querer
servir a seu snr.
CJ- Cadeias de balanco com assento de palhi-
niia cneoslo da mesma marciuezas de condu-
ru mezas de jantar camas de vento com ama-
cao cadeiras com acento de palbinlia mei canas,
cama de vento mullo l.em leitaa a tS.oo c*M e
uiiiho a 3joo t pinl.o da Suecia com 3 polcadas
de firossura, dito serrado ludo mais em con.a do
que em outra parte ; na na da Florentina em caza
de J. //t'riiigcr.
ESCRAVOS FGIDOS
co-
zinha boa lavadeira cose engomma liso
boa vendedeira de ra pois he muito ladina ,
Rodrigues da Cruz na ra do Cabug que pa- e he ptima para o servigo de campo na ra
gara generozamente. j larga do Rozario em casa "de Francisco An-
ssr Joaquim crelo do sertao de 10 a II
annos fullo que parece cabra, com un>a pe-
quena cicatriz no nariz corpo reforgado ,
falla muito desembarassado embigudo, com
camisa de chila azul uzada e caigas de algo-
daozinho trangado e sem chapeo desapa-
receo no dia 5 do corrente a larde e foi en-
contrado pouco depois no atierro dos Aflbga-
dos : quem o pegar leve a ra da Aurora so-
brado D. 5 que ser gratificado.
t^~ Desapareceo no dia 9 do corrente urna
escrava de nomo Maria ja de idade, pelo que
ja tem alguns cabellos brancos e tem um
signal preto sobre o hombro : quem a pegar
leve a ra da praia casa ao p da ribeira de
francisco Mar; .-.s de Lemos
?ara.
que recepen-
RECIFE NA TVP. DE M. F. DE F. =1842
^k.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1T72MFLD_DR8I0P INGEST_TIME 2013-04-13T02:35:48Z PACKAGE AA00011611_04695
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES