Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04692


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Quinta Feira 7
U1S
Indo agora depende denos meamos; da nossa prudencia moderaeiio energa : eun-
. n#, ,.0ni piincipiair.oe e serenes apon lados cun admirarfio entre as Naries mais
(ProrlamacAo da Asamblea (".eral do rrn/il )
linue
eal'M.
PARTIDAS DOS CORREIOS TEflRESTRES.
Cuianna Paraiba e Hio grande do Norte efundas 0 texlas feiras.
Bonita s Waranliw.i 0 a 24-
Cabo Serinhaein Rio tormoia Porlo Cal? Macei e Aligan no I.
ft'y Salo An,:"10 1 quin' fe'"- Oliada lodos os das.
DI AS DA SEMANA.
\ > s. Iiabel Bainba de Portugal. Chano. Aod. lo .1. de D. da 2. .
irv- s Atlianario M. Bel. And do J. de D. da*, r.
< Qiui. a. Domingas V. M. And. do J. de I>. da 3. v.
7 Qutui s. Pulquera V. M. Aud do juir. de D da 2. v
S Sel a Pn.copio M. And. do J. de D. da l', r.
!l Sab. a. Cyrillo B. M. Re. Aud. do J. de I), da 3. v.
4,i I) oi. a. Janiurio e seus Comp. Mm.
II. e 2J
de Jullio.
Anno XVIII. N. 143.
O Diario publica-a*.- lodos o dM que nao forem Sanlifieadoa prefa 4. ..signetare be
de iros mil rol, por ,,uartel.pn=os adi.nlados. 0* ..nnuurioa do. ss.go.nles ..1. .nser.da.
W e os do nua o nao for.nl i rttAo de 80 re i. po. linl... Aa reclaraaroe. derera s.r
- dn'd'as aes.aT.vpogralia ra das Cru.e 1). 3, ou a pr.c. d. J.depende.c. Uj. de Urr.s
Kuinero 37 c 38.
.'<
CAMBIOS .no da
Cambio sobre Londres 2< I d. p. 1U.
l'aris SfiOreia p. franco.
lislma fOO por 100 de pr.
Moeda dr cobre por 100 de aconto.
Idea '' letra* i boe firm.s U a 1 e -
Jles-nnlode hilh. da Alfands*. \ pr l*>
o mei.
de jiLiio. compra
Ooro- Moed. de 6,*09 V. S.rr
. N. 45,SO>
,600
PlUI
a de 4,000
- Patacea
Peoa Columnare.
illln Mciiranaa
miuda
1,83
4,S30
4,830
4,iU
vaa.
40.'M
16.001
K.Sfl
.,31
1,801
4.850
i ,liO
'reamar do f/in 7 de Jullio
4.a a 3 boras e i 2 m. da manba.
2. a 4 lloras e (i ni. da larde.
Ouarl.
la
Quarl
La
PHASF.S da i.ua no mez d jdliio.
ming. a SO ,""" m H" ,,rl,
Nova a K-- s 4 b.irae e M m. da maoli.
rese, a 14 aa 7 horas e 4! m da lard.
clieia a 22-,s S huras e 3fi m. da manli;
RN \ MBUCO.
PARTE OFFICI&L.
Dito Ao Cheto ile polica, commimican-|oommiincando-lhe qbeofcxm. Snr. Pro-
oler nesta data Horneado os siipp.rn.t8s de Mente liso conceder a hcenca que pedir
GOYERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE 1)0 DA I. DO COMIENTE.
(lllicio Ao Agente da companhia das bar-
cas de vapor duendo qneira ordenar ao
minmanilante do vapor = Paraense 3= que
receba a seu bordo e conduza para a corte
disposigao do Exm. Ministro da Marmita u
pardo Joze da Silva Amaral que voluntaria-
mente se olferece para servir na Marraba.
Dito Ao commandanle das armas e ao
Inspector da thesouraria da fasenda, commu-
nicando achar-se nomeado Joaquim Pe reir
Xavier deOliveira para Alferes de commisso
jo batalbo provisorio.
Dito Ao commandanle das armas, trins-
meltindo os processos dos reos particular
Joze Rodrigues de Souza sargento Francis-
co Ferreira de Magalbaes Cabo Pedro Cbri-
sostomo daCunha e soldados Manoel Anto-
nio da Silva e Olivira e Serafim Gomes, os
quaes foro julgados pela junta de jusliga a
Jim de que faga dar cumprimento as senten-
c,as nelles proferidas.
Portara Ordenando ao Commandanle
da escuna = Lebre que remeta ao Chele
le polica o preso Miguel Gomes Corris, que
trouxe da provincia da Parahiba a ser en-
tregue ao mesmo Chele de polica.
Ollicio Ao Chele de polica ntelligen-
ciando-o da expedQo da ordem antecedente
em resposta ao seo officio de 50 de Junho ul-
timo emque a requisilava.
Portara Determinando ao Commandan-
le do registo do porto que deixe sair livre-
mente M. A. de Lemos subdito Brasei-
ro que segu viagem para a corte do Rio de
Janeiro.
Dita Ao Administrador Fiscal interino
das obras publicas ordenando que entre-
gue ao Engenheiro L. L. Vaulhier lodas as
niadeiras lurramenlas e mais objectos .
que estavao cargo d'aquella Administragao ;
assim como os dlerentes armazens.
Olfico Ao supracitado Engenheiro, par-
ticipando ter expedido a ordem precedente.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha disendo em resposta ao seo oFicio acer-
ca do pagamento dos sidos devidos ao mari-
nheiro Teydores Leuden desembarcado do
Cter = Esperanza de Bebirbe =, que
mande pagar-lhe o que se lhe dever perlen-
centoao annolinanceiro lindo; e revertendo a
guia que acompanhou ao seu dito ollicio.
subdelegados dos districtos do Cimoeiro o' fiara hir a corte dar conta de sua commis.-
sfto e bem assim que se expedir ordem a
thesouraria para na sua ausencia ahonar-se
Taquaritinga por S. S." propostos e en-
viado as respectivas nomeaces ao Delegado
do Limoeiro, autorisando-o para dill'eriro
juramento nos estes, comoaoutros (|uaes-
quer, e aos subdelegados quando a cantara
municipal nao esteja reunida, ou se nao reu-
nir promptamente : e dizendo-Ihe que ,
convindo que esta autorisago ao delegado
para deferir o juramento aos seus subalternos
se faga geral fim de que o servigo policial
nao solfea a menor interrupgao cumpre que
S. S.J a transmita todos os delegados da
provincia.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 2o DO PASSADO.
OfficioAoExm. Presidente, ponderan-
do-lhe os incovenientes que resultarao a
cntabildale e escripturagao do batalhao
de infantaria de guardas nacionaes destacado,
d'addieem-se ao mesmo todos os destacamen-
tos da guarda nacional em servigo da polica
as difieren tes Comarcas sendo por tanto de
utilidade ao servigo que licasse subsistindo,
o syslema que est adoptado para o pagamen-
to de taes destacamentos, e de nenhum elfei-
toasordenscommuncadas em 9 e 20 des-
te mez sobre tal ohjecto.
DitoAo mesmo Exm. Sur., significan-
do-lhe que tendo-so offerecido para se'rvi-
rem no sul os teen tea Manoel Cavalcanle
da Silveira Rizerra e Joao Marinho Caval-
cante de Albuquerqiie rogava a expedigfto
de suas ordens no caso de que fosse acceilo
o olferecimento para que o vapor = Paque-
te do Sul = os recebesse a seo bordo e que
pela ttiesouraria se Ihes abonasse alem das
comedorias de embarque, dous meses de sol-
do adiantados passando-se-lhes guia.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. remelten-
do-'he um ollieio do tenente coronel comman-
danle do batalhao de infantaria de guardas
nacionaes destacado em o qual relatava o
acontecido no dia 2i no engenho Jiqui en-
tre a patrulha que sob a direegao de um ins-
pector de quarteirD conduzia uns recrutas,
e a escravalura do mesmo engenho.
DitoAo mesmo Exm. Snr., restitu n-
do-lhe competentemente informado o reque-
rimento de Manoel Fraticisco de Murga sol-
dado do terceiro batalhao de artilheria a p ,
que pedia a S. M. o Imperador demisso do
servigo.
Dito Ao coronel Francisco Joze Martins,
a sua familia a importancia do sold de sua
patente.
Dito Ao commandante da lorales do
lirun para que lisesse passar para bordo do
paquete do sul, o 2. lente Joze de Barros
Cavalcanle.
Dito Ao Desembargado!- Chefo de poli-
ca communicando-lhc que o lecruta Vi-
cente Fen eir Villarint fura posto em cus-
todia por allegar izempgfles.
Dito Ao lenle coronel commandanle
do batalhao de guardas nacionaes destacado,
mandando prender o cabo d'esquadra Fran-
cisco Manoel Gomes e proceder a conselho
de investigago para se conhecer do facto
relaolado no olfico do commandante geral do
corpo de polica que lhe remellia.
PortaraAo mesmo mandando exclu-
ir do batalhao os soldado Francisco "Vegas ,
eGoncalo Manoel de Santa Anua, ambos da
quarla companhia, devendo mandar entregar
este ultimo ao commandante do destamento
do corpo de polica existente na comarca do
Limoeiro por ser desertor do dito corpo.
Dila Ao tenente coronel commandante
do batalhao provisorio mandando excluir
do mesmo o enviar suas guias a secretaria
militar, o tenente de commisso Manoel Ca-
y-aleante da Silveira Bizerra c soldado Mano-
el Mathas do Sacramento seo impedido que
se offerecero para servir no sul.
dem do da 27.
OllicioAo major commandante da for-
taleza do Brum scientilicando-o que a tar-
de se lhe a presentara un destacamento pa-
ra substituir na guarnicao outro que delta
lora tirado para a povoacao dos Allogados.
Dito Ao commandante do destacamento
dos Alogados providenciando acerca do for-
necmento do mesmo e remeiit'-ndo-lhe al-
tel.
Dito Ao tenente coronel commandanle
do batalhao de guardas nacionaes destacado ,
para que lizesse constar aos capitaes Maxi-
oliano Francisco Duarte e Joo Saraiva de
Araujo Galvo que a Presidencia indilirira
seus roquerimentos nos quaes pediao o ven-
cimento desold da data de suas nomea-
ges e nao do exercicio de seus postos.
Djlo Ao commandanle do batalhao pro-
visorio alim de mandar para a fo ra lesa do
Brum um destacamento (ue all se devia
apresenlar boje a tarde.
Dito Ao mesmo mandando que pela
caixa do batalhao fossem abonados dous me-
ses de sold aos ollciaes que tinhode se-
guir para a corle corlo que a caixa seria n-
deiiinisada pela thes.uraria.
Dito Ao commandante do terceiro bata-
lhao de artilharia para mandar forneccr i-
gual abono ao segundo lente J. J. de M.
R. M.
Portara Ao lenle coronel comman-
dante do batalhao de guardas nacionaes des-
tarado mandando excluir do mesmo logo
que por outros fossem substituidos os guar-
das Bernardino de Olivira Corage Antonio
Joze Cnvalcante e Francisco Luiz da Silva ,
por assim o determinar a Presidencia.
Dita Ao mesmo mandando excluir da
(piarla companhia e entregar ao comman-
dante do destacamento do corpo de polica
existente no Limoeiro, o guarda Manoel do
Santa Auna por ser desertor do dito cor-
po.
dem do da 28.
OllicioAo Exm. Presidonte, remetten-
do-lhe informado o requerimente do segundo
cadete do batalhao provisorio Torcato Ale-
xanJrinodos Santos, que pedia passagem
para aguarnigo das Allagoas.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., remetten-
do-l!>e informado o requermenlo do soldado
Manoel Miquilmo do batalhao provisorio que
pedia demisso do servigo.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. rogando-
11 u' a expedigo de suas ordens, para que fos-
sem abonados dous mezes de sidos adianta-
dos aos olciaes que seguio para a corte ;
assim como as comedorias de embarque.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. remetten-
do-lhe urna representagao do tenente caronel
commandante do batalhao destacado e pe-
dindo providencias para que as pragas do
dito batalhao em servigo fora da companhia
nao fossem por outras substituidas pelos
chefes de legioes ou delegados sem ex-
pressa ordem superior.
Dito Ao Exm. General commandante
das armas na corte conimunicando-lhe, que
o tenente Joo Marinho Cavalcanle de Albu-
querque deixara a siu familia quando em-
barcou para a corte a prestago mensal de
25,0 res que devia de serdedusida de seus
vencimentos no corpo onde fosse servir, a
contardo I. de Agosto de dianle.
Dito Ao inspector da thesouraria, com-
municando-lhe o exposto no officio cima.
Dito Ao mesmo remettendo-lhe os
F@iL.KIIl TO
0 DIA do indigente.
Urna mulher urna familia e nada de pao ,
tal era havia um mez o texto afilictivo de
meus pensamentos e de minhas rellexoes que
me ocupavo anda mais a noite passada.
Os omno faza on lim esquecer a meus filhos
que se linhodeitado sem cea, minlia mulher
seguia-lhesoexemplo depois que seus gritos
haviam cessado de a mortificar e cu velava
tristemente a seu lado pensando no meio de
lites dar de comer no dia seguinte! Tinha
amigos ejulgava achar n'ellesalguns soccorros
suflicientcs ao menos para affastarem de mim
por um dia a viva inquietago que me devora-
va. Conceb pois o projecto de os soliicitar e
apenas a aurora appareceu sobre o horisonte,
levantei-me sem fazer bulha e langando um
temo olhar sobre as caminltas de meus infe-
lizes filhos dous dos quaes, para cumulo de
desgraga estavam doentes lhes dsse n'11111
tom imfterceptvel : Dormi dorm : outro
tanto lempo que roubais ao sentimento de vos-
sus necessdades! Nao verei as lagrimas que
ilM-'HWH!
derramareis quando acordardes : vou buscar
com que as enxugar.
Sahi de caza e passeei por algum te i-
po as ras de Londres espera do mo-
mento em que meus amigos se levantario, poi-
que dizia comigo mesmo elles nao esto
em necessidade como eu.
lem e certos do jan lar d'hoje repouso an-
da tranquillainente. No momento que fazia
esta reflexo encontrei o honrado Thom.
Espantado de o ver tocedo, mas unicamen-
mente oceupado dos meus negocios para lhe
perguntar a causa apressei-me a expor-lhe
a minha allligao e a esperanga que me levava.
Dirigis-vos mu'to mal me dsse elle jo-
guei toda a noute ; que covil de ladrOes !
Perdi ludo que podia perder e agora cor-
ro a esta taberna, onde sou condecido a pe-
dir um escudo emprestado para ver se me
desforro. Qnz re presentar-I he que urna
parte d'esse escudo que hia pedir e perder ,
bastara para dar de iantar a minha familia ,
mas era tarde porque anda bem nao tinha
acabado de fallar ja se acheva bastante Ion-
ge de mim! Bellecti sobre a sorte dos juga-
dores, e a laslmava sinceramente quando
mepareccu aperceber ao canto de urna ra
meu amigo William conversando com urna jo-
ven rapariga que eslava meia escondida de-
traz da porta de certa caza.
Apressei o passo acenando-lhe com a mo .
. e hia chama-lo quando elle poz o dedo na
Todos cea 11 on- boca para me advertir que em calassc.-Calu-
da me diz elle, dirgmdo-se para mim ,
nAo me chamis pelo meu nome. L'ma rapa-
riga encantadora habita esta caza e urna
mienfadoiilia me prohibe a entrada ; mas
a criada deciarou-se por mim : acaba de me
prometter UUl Rendez-vous para amanli
noute e ou vou inlbrmar-me da hora Um
momento exclamei eu segurando-o pelo
brago, e descrevendo-lhe em poucas pala-
vras a minha situagao.Sinto inuito, me res-
pondeu elle mas nao tenho seno ttm gui-
neo e esse devo-o criada que me serve lo
bem e me prepara urna to bella noute.
Nao duvideis acerescentou elle allantndo-
se de mim que se tivesse outro o poria
que me nao pareca honesto. Passe a cas<
do James : este acabava do partir para o
campo. Nao eucoittrei Jenkinson o qua
me nao espantou pois eontava pouco com
elle visto que a um anno me devia dous
guineos. Nao fui mais feliz em casadeGeor-
ges ; achei-o com o seu alfaiate que lhe
provava urna magnfica casaca ea quera
mandn embora sem Iho pagar. Jurou-me
que cstava sem dinheiro ; que nao tinha se
naoaquantiade que necessitava exactamente
para pagar o hilhete de thealro n'aquella nou-
te c a sege que ahi o devia levar e trazer a
casa donde conclu que o desejo de meob-
zequar ceda ao de ir nVste lugar publico
mostrar a elegancia da sua cazaca Tinha
vi=lo todas as pessoas que condeca, esobre
as quaes poda contar. Fatigado d'andar ,
nao tendo comido nada desde o janlar do
dia antecedente extremamente embaracado
da maneira por que pastara o dia com a mi-
nha familia e sentindo o grito da necessi-
d'lSDOSicaodo meu amigo Conlinuei o meu stdade no fundo do meu estomago
caminho menos affliclo de nao levar o gui-
neo de que to grande necessidade tinha do
que de o ver sacrificado a um divertimenlo
va tristemente com os olhos no
zendo-me a mim mesmo que um
go vira muto a proposito. De repente um
, marcha-
chao d-
bom almo-



k
*!'*>
O
* *** ~
papis de contabilidade do destacamento do
Brejo, para seren pagos ea respectiva im-
portancia entregue ao portador Pedro Fran-
cisco de Mello.
hitoAocommandante da fortalesa de
Gaib recommendaiido-llie a conservago
do quartel do destacamento fizendo tempo-
rariamente os rep ros que Ibssein precisos.
Dito Ao Tenente coronel commandante
do batalhao destacado mandando excluir as
do pragas da o. companhia, e abrir assento
as que se assentaro ein suhstiluigo.
Portara Ao tenente coronel comman-
dante do batalhao provisorio mandando em
cumprimento ao aviso imperial de G do cor-
rente mez dar baixa ao soldado Francisco
Marcellino da Fonceca que no batalhao tem
o nome de Francisco de Sales Bizerra por
ser filliode viuva e servir de amparo a sua
indigente e numerosa familia.
dem do da 50.
Olicio Ao Exm. Presidente informan-
do um segundo requerimenlo do soldado do
batalhao destacado Antonio Joaquimde San-
ta Anna que pedia ser excluido do servido
do mesmo batalhao.
Dito --- Ao mesmo Exm. Sur. mandan-
do-I he apresentar para ter destino o re-
cruta Angelo Custodio por ser incapaz de
servir nal. linha pordoente cujo remita
lora enviado pela salla das ordens.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enviando-
lhe competentemente informado o requeri-
menlo do sargento quarlel mestre do bata-
lhao de artilheria a p que supplicava a
nomeago de alteres para o batalhao de guar-
das nacionaes destacado.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. disendo-
lhe que a escolta que conduzira os recrutas
da comarca do Brejo estava no caso de ser
paga dos vencimenlos constantes do pret que
devolva menos da importancia -Jo falda-
mento por ser contrario tal abono ao dis-
posto no artigo 8. das inslruccoes de G de A-
brldo 1811.
Dito Ao inspector da thesouraria com-
municando-lhe quedo 1. de Julho em di-
ante cessava de ser cobrada a prestago que
deixara o segundo tenente Antonio Barbosa,
por se ter recolhido a Provincia do Maranhao,
onde se achava.
Dito Ao capilao Alfonso Honorato Bas-
tos ordenandolhe quedo i. de Julho em
diante deixasse de tirar a prestago do so
gundo tenente Joze Antonio Barbosa.
Diio Ao major cominaiidantc da fortale-
sa de Tamandar communicando-lhe que
do 1. de Julho em diante se tirara pelo de-
posito os vencimenlos do soldado Joo Fran-
cisco, os quaes Ihc seriad enviados pelo com-
mandanle respectivo mandando condusilos
na occasio em qu* mandasse cobrar os sidos
do destacamento.
Dito Ao delegado do termo do Brejo ,
dando-Ihe o esclarec ment que pedir acerca
do cantarada do commandanle do destaca-
mento.
Dito Ao commandante do deposito, de-
terminando-lhe que conederasse recolhido
da disergo no da 20 de Margo deste anno ,
o soldado Joo Francisco que fra preso no
termo do Bo-formoso e se acha preso em
Tamandar para ser julgado pelo crime de
morie e que tirando vencimenlos para este
soldado o I. do mez vindouro em diante,
os remetlesse ao commandante da fortalesa,
sempre que elle os mandasse procurar.
Dito Ao tenente coronel commandante
do batalhao de guardas nacionaes destacado,
ordenando-lhc, que o Ciriugio ajudanto Jo-
ze Soares de Souza fosse fazer as vesitas o
passar as revistas dos doenles no quartel do
5. batalhao de artilheria sem que por este
servigo licasse dispensado do que Ihc compe-
la no batalhao.
Dito Ao commandante interino do ter-
ceiro batalhao de artilheria communicando-
llie o exposto no olicio cima.
Dito Ao mesmo remettcndo-lhe para
ser archivado o processo verbal feito ao oapi-
to Anacleto Lpes de Santa Anna cuja sen-
tenca fra hoje publicada na ordem do dia.
Dito Aocommandante do batalhao de
guardas nacionaes destacado mandando que
fosse excluido da segunda companhia o sol
dado Joan Aleixo de Santa Anna logo que
fosse apresentado o substituto que ofbrecia
para servir no seu lugar.
Dito Ao desembargador chefe de polica,
enviando-lhedous officiosdo capitSoA. M. de
M. para em vista delles proceder como fosse
de Lei.
Dilo Ao mesmo. disendo-Ihe que assen-
tara praga o remita Lourengo Joze Bomo.
Dito Ao mesmo procurando saber se
ainda convinlia que fosse mandada para o
Manguind a guarda anteriormente requisi-
tada.
Dito--- Ao Delegado suplente do termo de
Nazareth dizendo-Ihe que assentaro praga
los recrutas Joze Maria de Macena que Ihc
remetiera com seo ofico de 20 do corren te ,
e forao postos em custodia os de nomes Ma-
lillas Borges Teixeira e Matheus Joze Lou-
renco para provarem izempges que alle-
garan.
DEM DO DIA 1." DO CORRENTF..
Officio Ao Exm. Prezidente remetlen-
do-lhe competentemente informado o reque-
rimenlo do cabod'esquadra reformado Calisto
Joz dos Alijos que pedia o pagamento dos
vencimentos; que suspensos Ihe foro por nao
ter apresentado a provisSo de sua reforma ,
obstculo que havia desaparecido em vista do
Aviso imperial do 10 de Vovcmbro do anno
! p. passado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr.r., mandando*
Ihe a presentar para lerem conveniente desti-
I no quatro recrutas vindos de Goianna, que
; nao estavo aptos para o servigo do F.xercito,
Dito Ao mesmo Exm. Snr.. inderessan-
do-lheos reqiierimentos de Francisco Bazilie
d'Aranda Theodoro Bebello da Luz Feli-
ciano Gomes, e Joaquim Joze de Santa Anna.
lodos soldados do Batalhao d'infantaria de
Guardas Nacionaes destacado para que em
face do parecer da junta de saude que os
inspeccionou, de.sse o deferimento que conve-
niente achasse.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. communi-
cando-lhe em additamento ao officio desta da-
ta que dos recrutas vindos de Goianna fo-
rSo postos em custodia os de nomes Jernimo
Ferreira da Silva M guel Lopes de Castro ,
Joaquim deMenezes e Athanazio Severino .
por allegarem izempges que tinho em seo
favor.
Dito -- Ac Tenente Coronel Commandante
do Batalhao d'infantaria de Guardas Nacio-
naes destacado dando-Ihe o esclarec ment
que pedir acerca do Capilao e Tenente que
foro sorteados para servrem na presenteses-
siio dos Jurados, serem ou nao dispensos do
servigo d'escalla.
Dito Ao mesmo ordenando-lhe a ex-
cluso dos soldados Lourengo Calixto de San-
tiago e Francisco Antonio de Souza que
pequeo papel milito bem dobrado se apr-
senla aos meus olhos apanho-o e, sup-
pondo conter dinhero apresso-me a mlle-
lo na algibeira.
Um raio d'alegria ferio ninha alma. Meus
dedos agitados d'uma especie de movimento
convulsivp voltavam e tornavam a voltar o
embrulho sem poderem deixar a algibeira
que o continha. Andava com una nova co-
ragem e bem depressa odiando para o
lado, me vi a porta d'um botequim. Esta-
va cangado e quasi desfulecido percisava re-
fazer minhas forgas e julguei que o ceo me
tinha'ali conduzido dando-me com que pa-
gar o meu almogo. Enlrei e sentei-me de-
fronte d'um liomem muito gordo que ten-
do os colovelos apoiados sobre a mesa e as
mos debaixo da cabelleira dorma profun-
damente ao fumo d'uma chicara de cal que
Ihe icava debaixo do nariz e ao lado de um
prato de manleiga e de um pao que ten-
lava em vo o seu appetile. Eu hia chamar
para me darem um almoco pouco mas ou
menos semelhante quelle quando pensei
que a prudencia exiga que examinasse pri*
n i ciro o papel que afortuna me linha depa-
rado. Abri-o pois com urna mo trmula :
nao continha se nao qunze reis Esta descu-
berta sem suspender as minhas necessidades,
me prohibi de as salisfazer e fui obligado
a contentar-me com as noticias da manh.
A leilura da gazeta um triste almogo : esti-
mara ter feito outro mas solido. Meus o-
Ihos depois de terem percorrido alguns pa-
ragraphos se ixaram sobre o dorminhoco
que se achava defronte de mim. Este ho-
nrem me dizia eu dorme diante do seu
caf por pouco que seu soinno dure o li-
quido arrefecer e nao prestar depois se nao
para deitar fra. Se eu o tomasse antes de
esfi iar nao prestara um grande servigo ao
dono mas tambm Ihe nao causara grande
transtorno. Minha mo, em seguimento
d'esta reflexo se aproximava involuntaria-
mente da taga mas eu a retire! a um mo-
vimento do dorminhoco que n'este mo-
mento abri um par de grandes olhos anda
carregados de dormideiras. Chamoii o ra-
paz ordenou-lhe que levasse aquella mal-
dita chicara de caf porque dizia elle nao
poda comer nem beber logo que acabara de
dormir. Pagou-a ainda que Ihe nao Uves-
deviso de ser apresenlados na Secretaria mi
litar, para se llies dar destino.
DEM DO DIA 2.
Olicio Ao Exm. Prezidente propon-
do-lhe para reforma por terem sido inspec-
cionados e julgados incapases do servigo pe-
la junta de saude a l cadete, 1 cabo, 1 cor-
neta, e 5 soldados do Batalhao Provisorio, as-
si ni como a i soldado do Deposito.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. remetten-
do-lhe a relagao das 40 pracas do Batalhao
Provizoiio que fora do mesmo excluidas ,
e passadas para bordo do Vapor Paraense, com
dcslino a Capital do Imperio.
Dito Ae mesmo Exm. Snr. remelten-
do-lhe as conlas dos vencimentos da escolta ,
que veio condusindo os recrutas da Cidade de
Goianna a lim de que fosse paga pela The-
zouraria visto nao liaver dinheiro na Colec-
toria daquella Cidade por onde devia de ser
satisfeita dita conta segundo as Instrucges
de 6 d'Abril.
i, DitoAo mesmo Exm. Sr. transmittin-
do-Ihe o requerimenlo do lenle J. J. da S.
Lisboa, que pedia um abono de IoGji rs. ,
para ser-lhe disconlado nos seos sidos pela
8. parte.
Dito-Ao Dezembargador Chefe de polica ,
devolvendo-lhc o recruta Antonio Joaquim de
Sania Anna que or ter urna chaga no cal-
canhar estava inhabilitado para o servigo
do exercito.
DitoAo mesmo respondendo ao seo of-
ficio de 25 do mez passsado que acompa-
nhara urna representago do sob-delegado da
fregueza de S. F. Pedro Gongalves, ver-
sando sobre o prcedimento do ajudante do
batalhao destacado e de alguns soldados da
guarda principal com respeto ao soldado
Claudino Francisco, que sendo preso se
nao quiz recolher a cadeia para onde loi
mandado pelo dito sob-delegado.
PortaraAo tenente coronel commandan-
te do batalhao provisorio mandando excluir
do mesmo e passar para bordo do vapor
- Paraense com deslino a corle a 4G pra-
gas cujos nomes Consta vAq da relagao que se
Ihe transmita.
DilaAo lenle coronel commandante do
batalhao de I. de guarda nacional destacado,
mandando d'ordem da presidencia, desligar
com {;uia para o respectivo corpo o guarda
Francisco Luiz da Silva.
BEPABTICAO DA POLICA
Parte das occorrencias do da 4.
Consta da Parte dada pelo Commandante
Geral do Corpo Policial, nao ter occorridono-
vidade.
*
Pessoas despachadas nos das i ,2,4, 5, do
corrente.
Montevideo Eltienne Pintor = Francs.
Rio Grande do Snl Paulo, Joaquim Antonie
Domingos e Thereza com urna cria es-
cravosde A mor m & ] maos.
Loanda Rodrigo da Costa Carvalho = Por-
tuguez. Joze Mendes de Fre tas = Por-
tuguez.
Aracaty Joo Vera Lopes = Brasleiro. In-
nocencio Correia Gongalves = Brasleiro
Rosa escrava de Joze Maria Sarment.
Goianna Manoel Machado = Porluguez.
Ico Francisco de Paula Baplisla Carneiro =
Brasleiro adoptivo leva em sua compa-
nhia o seu escravode nome Raimundo. Ma-
noel Barboza as Brasleiro.
Porto Calvo Francisco Aflbngo do Reg Mel-
lo Brasleiro.
se tocado e levantando-se pesadamente to
mou cambaleando o caminho da porta.
Nunca na minha vida fui to vivamente ten-
tado de cousa alguma como de pedir a este
liomem dme fazer presente d'esta maldita
taga de caf que elle desprezou. No momen-
to em que elle hia sabir chegou um homem
que me pareceu ser um correio e que tra-
zendo-o ao p de mim tirn d'algibeira urna
gran je bolea cheia de ouro quedespejou sobre
a mesa. Muito infeliz me julgava por ter to-
dos estes thezouros a cinco polegadas de dis-
tancia de meus dedos que experimentavam
urna forte atrago sem que com ludo onsas-
seeslender a n.o. Estiva a ponto por mais
de urna vez de declarar a estes honrados se-
nhores que cinco guineos me lornario per-
teitamente feliz ; porem a vergonha e o co-
nhecimento do mundo superiores feme e as
oulras privagesque me atormentavo tor-
naran, minha lingos immovel. Conlentei-me
de morder roers unhasccn urna dexleri-
dade e presteza espantosa em quanlo meus
visinhos contaram o seu ouro Acabado islo,
o dorminhoco lornou a por os guineos ( era ni
duzenlos ) na bolga e melteo-a negligente na
Sul da Provincia Manoel Francisco Honora-
to = Brasleiro.
Aracaty, Antonio do Monte Rodrigues =
Brasileiro. Manoel Joze de Oliveira = Bra-
sleiro. Joze Ribeiroda Cruza B. Joa-
quim Joze Bibeiro da Cruz = B. Bernar-
do escravo de Joze Bibeiro da Cruz.
Pariz Pedro Bodrigues Dantas = B.
Trieste Thomaz Robertson = Ingles.
Cear Antonio Thedoro Ramos = Porlu-
guez. Joze Antonio Ferreira = P.
Goianna Joze Joaquim dos Santos = Brasi-
leiro leva em sua companhia sua mulher,
urna filha e um filho.
Pvdem-nos a publlcacao do seguale extrata,
do Echo.
A PROVINCIA DE PERNAMBl'CO.
Na criseactual ( lesse no peridico Brasil).
k o Governo he a ordem. Na trise actual,
ernambuco reclificar esta mxima respon-
dendo : Eu serei o ncleo entre o Poder e
asinstituiges ; eu serei a pedra angular da
monarchia oparadeiro contra exorbitancias
possiveis de qual quer partido vencedor.
Cremos que se houver entre nos inteira boa
f nao ser impossvel este, plano ; ciemos r
^ue se os Pernambucanos de todos os credos
reflectirem bem nos seus verdadeirosinteres-
ses que nao podeni estar segregados do inte-
ressegeral, e da preponderancia poltica da
sua Provincia de boin grado Ihe prestaro
todo o seu assentimento.
Cumpre fazer desde j urna pequea decla-
raco. Quando concebemos a idea de adoptar
a nossa Provincia cuja lealdade ao Monarcha
jamis foi equivoca urna aclitude que se
possa dizer popular e de conlianga, de repres-
so contra os excessos da opposigao degenera-
da boje em rebelda no sul do Imperio e de
equilibrio necessario para o futuro se na
embriaguez da victoria os golpes desfeichados
para esmagar o que he rebebi ameagarem as
inslituicoes do paiz declaramos, que mu
longe estamos de desviar ou querer solopar
essa adheso compacta que o Povo Pernambu-
cano consagra Administragao do Exm. Sr.
Baro da Boa-vista e consagrara a de qual-
quer Presidente; queom tanto desvello sus-
tentasse a causa da Monarchia: nao; por
que tal adheso corresponde perfectamente a>
base de nossas convieges que he conservar
Pernambuco invulneruvel ao predominio dos
partidos em exploso ; e por que at hoje os
passos dados pelo Exm. Sr. Presidente esli
longo de a logar essa energa e brio que nao
deve morree nos povos que se dizem livres ,
para coadjuvar sem conslrangimento a accio
administrativa. Nao tem havido enlre nos
perseguigoes ; tem havido algumas providen-
cias depois do fatal roinpimento de Sorocaba.
Quem de boa f as pode condemnar ? Se nao
tem havido perseguigo segue-se que exis-
te na Provincia liberdade e ordem : conser-
ve-mo-la uesta esfera pela l'orga da opinio
fundada no seu verdadeiro inteeesse aquelle
mesmo que Ihe ministra a deploeavel crise
do Brasil, e se hoje se pode dizer ecom ra-
/.o se diz que o Governo he a Ordem, Per-
nambuco poder dizer se for mister a Lei
he a rbita do Govcrqo. *e isto he nao crer
na impeccabilidade ministerial, tambem nao
he principio subversivo : se nisto respira al-
gum provincialismo he um provincialismo
todo de dedicaco ao Brasil : por quanto se
fiir admissivel que a Monarchia perigue pelas
exigencias que se pronunciao aosul o Brasil
cujo elemento de vida he a Monarchia acbar-
se-ia no norte, e Pernambuco he o norte. A-
algbeira do colete. Depois de ter dito ao
que lh'a trouxe que podia hir para os seus
negocios, crusou os bragos sobre opeito e
lornou a dormir profundamente. Meus olhos
deslumhrados pela vista preciosa d'este ouro,
estavam fixos sobre a algibeira que o conti-
nha e proouravam atravez do estofo o es-
pectculo que tanto os havia deleitado. O
desejo de obter a mais pequea porgo d'es-
te dinheiro a necessidade em que me va ,
e a esperanga de que debaixo da massa de
carne e gordura que me ofl'ereeia o dormi-
nhoco podia haver um corago sensivel, me
decidiram a pedir meia folha de papel pen-
na e tinta ea escrever o segu n te : Se-
nhor : a pessoa que est assentada defronte
de vos, achava-se presente quando recebes-
tes urna grande somma de dinheiro. Ella
tem urna mulher que Ihe cara muitos fi-
Ihos que nao ama menos ; p v-se n'este mo-
mento na situagao a mais desgranada e tristo
para um marido epai. Eusou-vos desco-
hhecido, Senhor 5 massou homem e infe-
liz e posso coRvencer-vos em menos de dez
minutos da minha honradez e rectidio. Vos
consolareis urna familia inteira emprestan-
l tm


gora procuraremos dar algum desenvolvimen-
to s nossns theses irnprimindo-lhe por
assim dizer aquella concistencia corprea ,
que melhorconvem ao Mundo das realidades.
Dado mas nao concedido que a pronun-
ciago de Sorccaba toma urna concistencia fa!,
ou pela contingencia das eventualidades da
guerra ou por urna deoepgo temporaria da
opinio, que despule por muito lempo ao Go-
verno central a deciso do pleito e mesmo
que ponha em duvida a victoria ; qu interes-
*c material, que preponderancia poltica, que
especie de gloria caberia Pernambuco secun-
dando esse pronunciamenlo ? Nenhnm ab-
solutamente nenbum. J ninguem ere, que
neste Mundo de desterro em que vivemos e
mormentc no Brasil so levem a efleito revo-
lugocs por amor da causa publica, nao se tracta
d'oulra cousa, que de substituir individuos
individuos; hecouza tosediga! ? Mas que ga-
nhava Pernambuco peloaccesso d'hum Mi-
nistro Tobias-Feij ? Que poderiamos obter
da influencia excluziva dos opposicionistas do
Sul ? Acaso nao responde exuberantemente a
experiencia do passado ? Sem duvida. Dir-se-
, que o voto de Pernambuco faria estancar
a conflagrago da guerra civil e isto seria um
grande bem recouduzindo o paiz ao seu es-
tado normal cabendo Provincia gloria nao
pequea de salvar anda outra vez a unidade
do brasil: mas que seria do prestigio da Mo-
narchia que repousa na nviolabilidade do Mo-
narcha ? Quesera da Constituigo cuja ba-
se integral concste na independencia e har-
mona dos Poderes ? Como se poderia con-
ceber o Monarcha que he por si a chave de
todos os Poderes polticos que exerce uns
por seus Ministros outros mediante o seu
Conselho como achal-o em armona e inde-
pendencia ao mesmo tempo de um Ministerio,
e de um Conselho que Ihe fosse dictado se-
no imposto por um partido soh as armas ?
Sao to obvios os absurdos o perigo o des-
moronamento contidos em taes presuppostos,
que miis ampia deduccao se tomara fastidi-
osamente didctica.
Ser possivel crer que os Res de S. Pau-
lo os Cales de Sorocaba cederio Per-
nambuco o primado da revoluco ( e para que
o quereria elle ) se Pernambuco pela sua
preponderancia no norte izesse pender para
ellesa victoria victoria que sem o norte ti-
les jamis podero alcancar ? Virio os Des-
cendentes de Amador Bueno depr a sua
mitra da opposigo aos ps dos simples guer-
reiros netos de Joo Fernandes Vieira ? Qual!
He preciso estar demente, nao oonhecer o or-
gulho iticomportaveldestes Buenos E Per-
nambuco enlao se comprotteria para a eleva-
gao exclusiva desles Srs. que miseria !
Poroutro lado oque pode a Provincia {>a-
nhar repellindo a seduego dos soro-cabanos?
Tudo absolutamente tudo quanlo os Pau-
lislasquizerem perder presistindo na suade-
fecgo. A influencia provinciana, por que os
Pernambucanossoro em maior n.emprega-
dos pelo Imperador as armas no foro e
na fazenda ; elles sero preferidos nos acces-
sos, ganhar a sua Provincia no augmento de
sua exportago, por que a difllcencia do mer-
cado de S. Paulo consequencia natural da es-
tagnaco de sua agricultura pelo estado de
perturbago e guerra far reverter para os
portos do norte as expeculages mercantis :
teremos acrescimoem nossa populaco por
que muilas emigraces havero se o triunfo da
legalidade for tardo ( filiamos debaixo de hy-
polhese nao provavel. ) Em fim ganhar a-
inda mais ganhar tudo quando supplan-
do-lhe alguns guineos por pouco tempo. Eu
nao terei a coragem de olhar para vos quando
acordardes, e por isso me conservarei com as
maos nosolhcs rogando-vos que vos dirjaos
a mim se vos dignardes tomar em conside-
raco a minha supplica e poupando-me a
confusode me fallaides sobre este assump-
to no cazo contrario.
Dobrei omeu bilhete pu-Iodiante delle ,
e fuiassentar-me na extremidad-* opposta do
botequim. L tendoa mo nos olhos mas
olhando por entre os dedos lingia dormir ,
e flucta va entre o temor e a esperanza. Vi
em fim o meu dorminhoco acordar pegar
no bilhete l-lo voltar para o lado onde
eu eslava os seus grandes olhos, e chamando
depois o mogo do bolequim, perguntou-lhe
por que se consentan) ali os fugitivos de Bed-
laiii ? ( a ) Depois d'esta tirada o bom dor-
minhoco desatou a rir immorieramente ,
e sahio olhando para mim e encolhendoos
hombros. A minha situago mais fcil de
imaginar do que dedescrever. Detestei a
minha locura, e tendo pago o papel, que me
( a ) Casa dos orates em Londres.
lada a hydra de 50 cableas ( a sedigo ) o Mi-
nisterio forobrigadoa recordar-* que Per-
nambuco est forte ilustrado rieo e dr
guarda Constituigo se o Ministerio luVado
ila torrente das paixoe; Iluminas ousasso p.is-
saralem do Robicon iln-> lili-na los patrias.
Damos a esta frase o valor que Mis pode l"i
segundo a Le fundamental. Ol! E Pornam
buco ser sem contradicho o baluarte da M-
narchia.
COMH ERGIO.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 6 de Julho 9:l86jl94
DESCAIIRECAO' BOJE 7 DE JLI.1I0.
Brigue Inglez = Cora = cobre folhas de
flandres ferragens louga e ma-
quinismo.
Brigue Dinamarquez Mclitta lijlos e
pedras.
Brigue Portuguez = Conceigo Flor do Lis-
boa = pedras.
M0V1MENT0 DO PORTO.
NAVIOS SAIIIDOS N0DIA.6.
Falmouth ; Paquete Inglez Ranger Com-
mandanteoTenente Turner.
EDI TAES.
Vicente Thomaz Pires de FigueiredoCamar-
go Commendador da Ordem de Christo ,
Inspector da Alfandcga de. ,
Taz saber que no armasem n. G exstem a-
lem do lempo permiltido pelo Regulamento
as mercadorias abaxo descriptas, as quaps se
dentro de 50 riias nao forem despachadas se
proceder a sua venda em hasta publica por
con la e cusa deseusdonos, sem que I lies
fique rompetindo allegar cousa alguma contra
o efleito desta venda = 9 Quartolas com sor-
veja entradas em 15 de Agosto de 1811 ,
vindas na Barca Ingleza =a Pakenhar =
Contramarca 2o, matea JW, consignadas
Ordem.
IG Barriz com vinagre, entrados em 18 de
Dezombro de 1841 vindos no Brigue Ham-
burguez = Amecilia = Contramarca 158,
marca consignados a !I. Mechrtens.
5 Quartolas com vinho entradas em l8de
Janeiro de 1812. vindas na Escuna = A-
melia = Contramarca 189, marca con-
signada ao Cupitao. Alfandega G de Julho
de 1842.
V. T. P. de F. Camargo.
ss Pela administrago da meza do consu-
lado se faz saber que no dia 11 do correrte
ino/. se ho de arrematar a porta da mesma
administrago duas caitas de assucar masca-
vado aprehendidas pelos respectivos em pre-
gados do trapixe novo por inexactido das
taras e una saca do milho aprehendiJa
sem despacho pelo guarda commandante da
1. barca de vigia ; sendo as arrematages li-
vres de despezas ao arrematante. Meza do
Consulado de Pernambuco 5 de Julho de 1842.
Miguel Arcanjo Monteiro de Andrade.
Bcnlo de Barros Falco de Lcenla Fiscal
do bairro da BoaVisla cm virtude da Lei
&c.
Faz saber, a quem Ihe convier, que em
conformidade da Postura addicioual de 7 de
custou cinco reis, retirei-me precipitada
mente mais vermelho do que um pimento,
e esconden do-me com medo que se nao des-
cobrisie a minha confuso c a minha ver-
gonha. Tomei tristemente o caminho de ca-
sa chorando e pensando na minha familia ,
a quem nada tinlia que levar e reflectindo
dolorosamente no que acabava de me acon-
tecer. Meu Dos exclamava eu he possi-
vel que o corceo do homem seja susceptiva
de urna similhante inhumanidade ? Pois que
este nao quiz ajudar-me para que me insul-
to u ? Devia elle opprimir a indigencia com a
humiliago Porem para ser sensivel
desgrana he necessario t la experimentado.
Talvez que um dia elle aprenda a lastimar-
me ; elle ter remorsos de sua conducta para
commigo e enlo eu serei nimiamente vin-
gado. Como acabava estas palavras e vol-
lava o canto da ra urna mulher com o tra-
je da pobreza voio sollicitar a minha compai-
xo. A necessidade eslava pintada sobre o
seu semblante a dor nos seus olhos e a per-
turbaco se exprima pela sua voz.
Na verdade meu Senhor me diz ella,
eu nao estou costumada a mendigar 5 porem
Julho de I85G, cm vigor; so tero validado
os conhocimeulos que servem de licenga aos
mscales e hoceteiras aquellesque forem as-
signados pelo Prezidente Secretario e Pro-
curador ila Cmara 5 sob pena de serem mul-
lidos tolos os contraventores. Becife 5 de
I11II10 de 1842. Benlo de Barros Falco de
f.urerda
DECLARA C OES.
-i. A Cmara Municipal desta Cidade faz
sessio extraordinaiia no dia 14 do cor-
ron te.
= Hojc he a arremalaco pela Meza do
Consulado, da gembra charutos o cigarros,
que hontem se annunciou.
A VI SOS MARTIMOS.
cy Para a Babia segu com toda brevida-
de a Sumaca Nacional Aguia de Maugaratibu
de boa marcha e forrada de cobre quem
quiser carregar ou ir de passagem dirija-so a
Gaudino Agostuho de Barros na pracinha do
Corno Santo D. G7.
cr Para a Baha segu com muito brevi-
dade a Sumaca Nacional Amisade de boa
marcha e forrada de cobre para carga e
passageiros trata-se com Gaudino Agostuho
de Barros, na pracinha do Corpo Santo De-
cima G7.
LEI LOES.
cy John Gatis por estar prximo a retirar-
se para Inglaterra far leilo por inlerven-
codo Corrotor Olivcira, Quinla feira 7 do
oorrente as 10 horas da man ha na casa de
sua residencia ra do Hospicio contigua do
Sr. Commandante das Armas da excellonte
mobilia de sua dita casa quasl toda nova ,
por ter sido foila de encomenda poneos me-
zas o consiste principalmente cm mezas re-
dondas e compridasdo meio de sala ditas de
jogo o de jantar sof cadeiras modernas ,
ospelhos lindsimos aparador com lampo
de pedra marmore tapetes Jeitos cmo-
das lavatorio.", carleira porttil de mogno,
taboinhas venesianas para janellas porcela-
na muito fina para mesa cha &c. utenci-
liosde cozinha e muilos outros objectos di-
gnos de atrahir a concurrencia de pretenden-
tes tanto pela qualidadq como pelos prefos;
haver mais a venda urna linda colego de
livros muito estimados dos authores Uyron ,
Gihhon Irvinge outros assim como urna
Carraca e arreios para urna cavallo que per-
tenceo a fabrica de moer trigo e um ptimo
escravo chegado no ultimo vapor do Para ,
acostumado a cortar e serrar madeiras o
proprio para engenhoou qualqiicr servigo.
CT O Corretor Olivcira continuar a fa-
zer leilOes por con I a de quem pertencer,
d'ordem do Cnsul do S. M. F. o em sua
presensa 011 de um Delegado Sexta feira ,
Sabbado e Segunda feira 8, 9, e 11 do cor-
rente as 11 horas da manh no trapiche do
Vianna dos restantes salvados do Brigue
Portugucz Affricano.
S2S" O Ieilaodos objectos que conduzio de
Serra Leoa a Barca Ilerniilinda foi deferi-
do para hoje 7 do correle, por haver no
mesmo lugar outro dos salvados do Brigue
Affricano e por isso se fazem para este dia
as inesmas notificarnos ja referidas.
AVISOS DI VEBSOS.
= O N. 28 do Carapucciro est hojn peca!
Tracla de todas as cousas e algumas mais :
v. g. discorre sobre a arte dos physionomis-
las, que pretendem conhecer o genio e ca-
pacdade da gente pelos cabellos olhos, na-
riz bocea, un has, pelle, cor &c, d'onde
provem muito juzo temerario. A final trac-
ta da estravagancia das modas actuaes qu*
lornro ao Seculo de Sully e do D. Vasco
da Cama menos no artigo ancas. Vcnde-se
na praga da Independencia n. 57 e 58.
S3T Joo Gatis subdito inglez retira-se
para forado Imperio levando cm sua com-
panhia a sua senhora.
c^ Pergunta-se se o regulamento para
a colecta e cobranca do imposto do 20 por
cento sobre o consumo de agoa ardeote de
prodnco basileira authorisa ao arrematante
a coletar todas as (avernas desta Cidade den-
tro de sua casa e se um tavorneiro avisa-lo
que deixou de vender dita agoa ardente deve
rao AfTogado para lhc dar este aviso, sujeito
a nao o adiar am casa.
ssr Tendo-sc annunciado ja por mais de
urna vez que existe urna carta vnda do Rio
de Janeiro para ser entregue ao Sur Joaquim
Antunes da Silva Castro, e nao tendo sido pos-
sivel obter-se noticias do dito Sr. talvez por se
adiar fora do provincia roga-se a qualquer
pessoa de seu conheeimento o obsequio de di-
zer a sua morada ou dirigr-se a ra Nova
defronte da CoDCeCiO n. 1U5.
C^" A pessoa que annunciou precisar de
urna ama para Cosa de um homem viuvo di-
rija-se a ra estrella do Rozario D. 50.
Quem precisar de umj menino portu-
guez de 15 a I latinos para caixeiro de loja
venda ou armazem v o qual sabe 1er escre-
ver e contar dirija-se a Trempre na Boa vis-
ta em casa do Teen te Joo Fernandes do
Castro.
ss^" 0 abaixo assgnado faz sciente ao Sr.
Thom Pereira Lagos arrematante do impos-
to de 20 por cento sobre o consumo de agoa
ardente de producto brasilera que deixou
de vender dito genero em sua (averna na ra
Augusta quina defrontc do beco do Peixoto
desda hoje 7 do correntc mez que no da 6
pagou o trimestre vencido e foi coletadoem
porgo que sua taverna nao consom por es-
la cauza he que deixou de vender tal genero.
Bernardino Pereira Ramos.
= Joaquim Teixeira l.cite retira-se para
o Cear.
= Anua Joaquina, filha de Joze da Silva
Mcndanha j falescido empregado que foi
no Trem faz publico que Ihe consta que
em seu nome se anda requerendo pararece-
berem o que o Governo ficou a dever do orde-
nado do seu falescido Pai; e como ella ate o
presente nao tenha feito procurago nenhuma
para este fim : por isso roga a quem compe-
tir haja de nao entregar quantia alguma que
Ihe posss pertencer se nao ao seu legitimo
procurador, depois d'ella ter feito constar
pelo Diario quem elle he.
s= Preciza-se de urna ama parda ou preta ,
que saiba coser engomar e cosinhar : na
ra da Cruz I). 9, 2. andar.
= A Meza Regedora da Santa Caza da M-
zericordia da Cidade d'Olinda convida a to-
dos os irtiiaos, para sssistircm a posse e Te-
De um Domingo lOdocorrenle, as A horas
da tarde.
Faz-se ver ao respeitavel publico qua
hoje 7 do corrente pelas 4 horas da tardo, va i
a praca a caza do falescido Antonio Machado
da Cunha sita na ra da senzalla velha, com
lodos os perlences de padaria que he na
porta do snr. Juiz d'Orfos e Auzentes ,
na ra do Collegio.
meu marido est doente em demazia para 1
Irabalhar, e meus filhos nao o podem substi-
tuir por serem muito criangas. Tende com-
paixo d'elles eexcusai-me. Cinco reis( eu
tenho o mais ) nos procurara o pao de que ca-
recemos desde ontem.
Eu nao tinha se nao dez reis de meu ; mas
lisongeava-mequeo meu tempo, e o meu tra-
balho com que devia contar mais do que com
os meus amigos pagariam se nao o meu
jantar, ao menos a minha cea e do meus fi-
lhos. Dei pois mulher os nicos dez reis
que tinha exeusando-me de Ihe nao poder
dar mais. Ella nao respondeu olhou para
a moeda que I he dei, pz a mo sobre o pei-
to levantou os olhos para o Ceo sup-
plicando-o de se encarregar do seu reconhe-
cimento e lavada em lagrimas correu a
casa do padeiro mais prximo.
Na minha siluago acabava de fazer bem a
um desgrngado e a satisfago que por isso
experimenta va acalmou um pouco os meus
pezares. Achava-me porto de casa a fadi-
;a me obrigou entrar para repousar um mo-
mento antea de continuar as minhas dili-
genaias. Apenas entrado, minha mulher
corre a mim. langa-me os bragos ao pescogo ,
o me diz. Meu amor tenho muito boas
noticias a dar-te : o pobre Mr. Jenkinson
veioesta manh a nossa casa e tuve a at-
tengo de me trazer os dous guineos que tu
Ihe emprestaste o anno passado ; vamos jan-
tar. Sentamos-nos a meza. Tinhamos u-
ma escolente sopa. O bom comer o amor,
e o contentamento eram os nossos convida-
dos. Nao te afflijas mais, meu bom amigo, mu
diz minha mulher, depois de jantar.A
providencia nao nos abandona ; ella~nps as-
siste nos momentos mais crticos. Trouxe-
ram-me bastante obra assegurando-me que
nunca m *is me faltar e que hade ser bem
paga. M. L. entregou-me alguns papis
dos quaes quer que tu tires muilas copias e
disse-me que amanh sem falta recebersa
commisso do emprego qua te prometteo.
Tua filha Gertrudes est muito melhor do que
eslava esta manh. A febre de Sally dimi-
nuio milito ; e Belty sabe j perfeitamente
a cango de q' tanto gostas. Por tanto se que-
res regalar-te logo com oteu copinho de vinho,
ella experimentar a sua voz e nos seremos
hoja a gente mais feliz do mundo. B. F.


'L.,-. .
mmrrt*iu,nm mrmb<**:w>*< r.+n*i' f*-y**xt-im*** 4
Inara
C7" Joo Gomes Martins solicitador nos
militnos desta Cidade tem mudado .sua re-
sidencia para o principio da na do Bangel D
58 o que faz publico e particularmente as
pessoas com quem tem negocios.
tu~ JoaoGatis^ director da companhia da
fabrica de farinha de trigo tendo de se re-
tirar para Inglaterra aviza a todas as pessoas
que tiverem con tas com a mesma fabrica de
pagarem com a maior brevi.lade aos Snrs. Jo-
nes Patn & Companhia osquaes (cao co-
mo procuradores da mencionada fabrica.
PILULAS VEGETAES E UN1VERSAES AMERICANAS.
Estas pilulas ja bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem feito nao requeren) nem
dieta e nem resguardo algurn ; a sua com-
posigo to simples que nao fazem mal a
tnais tenra crianga : cm lugar de debilitar ,
fortifico o systema purilicao o sangue ,
ugmento as secreges em geral : tomadas ,
seja para molestia chronica ou somente co-
mo purgante suave; o mclhor remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de constipando depois de sua
operado como quase todos os purgantes fa-
zem e por se rom mui facis a tomar e nao
causarem incommodo nenhum. O nico de-
posito dolas cm casa de I). Kuolli, agen-
te do author : na ra da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada om
sen receituario rom o sello da casa em la-
cre preto.
eir Joo Baplista Herbster vai a Euro-
pa com seu lilho Joo Adolfo Herbster.
= Walter Grainger subdito Britnico ,
retira-se da provincia.
E Joze Thomaz das Noves subdito por-
tuguez retira-be para portugal.
cy Aluga-se urna preta para' vender toda
qualidade de venda por ter muita pralica
s^" Alugo-se o segundo c lerceiro andar
da casa n. 55 da ra da Cruz : a tratar n
primeiro andar da mesma.
cy Quem precisar de um homcm capa/
para fazer cobranzas no matto inda que se-
ja para fora desta provincia e que ira por
menos do que qualquer outro dirija-so a
praga da boa vista sobrado D. 15 que so dir
quem quer fazer tal negocio.
BT" O tbesoureiro da Sociedade Tlieatral
Philo-Thalia', comprou por con la da mesma
um mcio bilhetc da segunda parte da dcima
lotera do thealro de n. 5158.
tur F. Begord & Companhia faz sciente a
todas as pessoas que tem pinhores de ouro
ou prata em seu poder os vo resgatar impre-
terivelmente at; o dia 15 do corren te do
contrario passando este dia os vender para
seu pagamento.
xsy Prccisa-se de 4:000ji a premio por
espado de dous annos rom hypolheca em
um lamoso sobrado no bairro de S. Antonio :
trata-se na ra de Agoas verdes D. 58.
S2^" Convida-se aos Srs. Socios la compa-
nhia da serrara denominada Jacaratinga, pa-
ra comparecerem a reunio geral quo ter
lugar sabbado 9 do corren te as 10 horas da
manh em casa dos Srs. Fox & Stodart na
roa da scnzala nova para deliberar-se sobre
sobre objectos da mesma companhia visto
esperar-sc diariamente a maquina de Ingla-
terra.
milla:
3-
COMPRAS
na na ra do Vigario n. 27, ou annuncie.
tr Sonjean luvrador c gravador sobre
todos os ructaes se olerece ao publico para
qualquer trabalho concernente ao seu offlcio,
o qual far com loda a promptido : no patio
da Matriz D. 8.
SSS" Madama Sonjean., parteira franceza ,
moradora no palio da Matriz de Santo Anto-
nio D. 8 avisa ao respeitavol publico que
se acha prompta a exercer nao s a faculda-
de de parteira como a de sangrar e vacci-
nar ; para o que as pessoas que se quiserem
aproveitar do seu presumo, a achsro sem-
pre prompta a toda e qualquer hora e mos-
trar o grande conhecimento que tem da sua
faouldade.
tST* Osabaixoassignados previnem o pu-
blico que ninguem faca transago alguma com
as seguintes letras sacadas por ellos que se
Ibes extraviaro visto ja terem prevenido os
acceitantes para as nao pagarem caso I lies se-
jo apresentadas a saber : n. 267 acceita
pelo Sr. Joze Joaquim de Mosquita vencida
em 15 de junho p. de rs. 158j700 ; n. 552
acceita pelo Sr. Joze dos Santos Neves ven-
cida em 50 de. Junho p. do rs. 299,>280 ;
n. 405 acceita pelo Sr. Antonio Gomes Pe.
sos vencida em 50 de Junho p. de rs. 200* 5
e tambem rogaoa quem as tiver achado de
as levar no seu escriptorio ra do trapiche
novo D. 15 que ser gratificado.
Alexandre Mackay & Companhia.
tST Precisa-se de urna ama de leite da-
se boa paga : annuncie.
c^ Os Srs. que tm bilhetes premiados
da Loteria de N. S. do Rozario da Boa vista ,
tenho a bondade de os ir recebar nestes dous
das na Igreja da Conceigao dos Militares co-
mo ja se annunciou at o dia 8.
. cr Manoel Joaquim Gomes precisa sa-
ber de um pequeo de nome Joze Mendes Pe-
reira de Meireiles iiho da Cidade do Porto,
eque Ihe veio recommendado para lhe en-
tregar cartas de sua familia.
t?" Quem precisar de um caixeiro brasi-
lero que sabe 1er escrever e contar in-
da mesmo para fora do Imperio annuncie.
tsy Quem annunciou querer comprar urna
salva sendo de boa prata dirija-se as 5 pon-
tas D, 25 venda do lampio
sr Quem annunciou querer comprar urna
commenda de Chrislo bem arranjada diri-
ja-se a ruado S. Rita nova D. 8, lado do
nascente.
C3* O Sr. Ovidio Gonsalves Valle que mora
na Ibura e o Sr Jernimo Cezar de Mello ,
queiro dirigir-so a ra da Cadeia do Recife
luja n. 17 a negocio de seus interesses.
cy Quem precisar Je um mogo hrasileiro
de 22 annos, para caixeiro ou outro qualquer
cm prego pois sabe bem ler escrever e
contar, di rija-se ao pateo da S. Cruz quina
da ra velha sobrado de um andar.
t#" Aluga-se urna sala com alcova mo-
bilhada querendo o pretondente dirija-se a
praga do Com merejo botequim do Almeida;
fio mesmo vende-se urna bengala de unicorne.
cr Escravos de ambos os sexos com vi-
cios ou Remelles grandes ou pequeos : na
ra da Cadeia de S. Antonio sobrado de um
ondar D. 8 defronte do Sr. Cardozo.
tSF" Um corrame de lustro en) meio uzo :
na ra do Rangel venda D. 40.
tSf Escravos ladinos de 18 a 20 annos ,
de boas figuras e tambem alguns com offi-
cio de Pedreiro e carpina para tora da pro-
vincia : na praga do Commercio em casa de
Manoel Ignacio deOliveira.
G7- Cm bom cavado : na ra da Cruz D.
9 no segundo andar.
ssy O Diccionario Theologico da segun-
da odigo as Decadas por Joo de Barros ,
continuadas por Diogo de Coulo ; e o Diccio-
nario Geogrfico Hespanhol : na ra da Ca-
deia do Recife n. 40 ou annuncie.
VENDAS.
SZT Potassa nova da Russia em barra pe-
queos : na praga do Commercio em casa de
Manoel Ignacio de Oliveira.
tsy Meio bilhetes da Loteria do Theatro :
no ra do Cabug loja de relojoeiro junto do
Sur. Bandeira.
s=y Um silhao com sua manta que s
servio tres vezes por com modo prego : na
praga da Independencia n 9.
ssy Biliietes e meios ditos da loteria do
thealro: na ra do Cabug loja de miudezas
junto do Sr.|Bandeira.
52T O verdadeiro ungento snelo bem co-
nhecido pelos seus milagrosos efleitos para
queimaduras feridas, ou chagas chegou
novamente de Lisboa : na ra Nova dofronte
da Igreja da Conceigo n. 105.
S2F Um pardo de 20 annos oficial de sa-
pateiro, e urna negra moga prenhe : na ra panno
da Cadeia do Becife loja de fazendas n. 17.
s*r Farinha de mandioca de S. Matheus
de muito boa qualidade a 4 a saca : na ra
da Cadeia do Becife loja n. 17.
t^1 Urna escrava crela de 14 a 15 annos ,
sem vicio e de boa figura : ntt ra do Cabug
loja de fazenda D. 4.
S23~ As Dcadas de Barros, continuadas
por Diogo do Couto : acbam-se a venda em
casa de Cardoso Ayres loja de papel ra
da Cadeia do Becife.
BT Tres moradas de casas terreas a di-
nheiro ou a prasos as ras da Boda ,
Quarteis e Cotovello (na Boavista) : os com-
pradores dirijo-se a ra da Cadeia de San-
to Antonio junto a casa do Cardoso das Al-
varengas a fallar com Joze Affonco Moreira.
CJ" Meios bilhetes da 2. parle da 10. Lo-
teria a favor das obras do thealro Publico a
-L>500 ; napiaga da Independencia loja de
miudezas D. 21 e 22.
SS3~ Farinha de mandioca superior che-
gada ltimamente de S. Catharina por preco
cotnmodo : na ra do Vigario n. 7.
ts- Duas arrobas de cera arnarela: na ra
larga do Rozarlo D. 0.
C? Urna Geometra e Algebra de Lacroix;
quem a pretender annuncie.
tir- Telhas de vidro c farinha de trigo ,
da marca superior de SSSF e SSF, por prego
cmodo : em caza de N. O. Bieber & C. ra
da Cruz D. 03.
viy A armago de urna loja no atierro da
Boavista. prompta para qualquer negocio,
no vallor de 260* : na ra da Cadeia velha
loja 11. 5i.
Urna venda na quina da roa do No-
. com excedentes commodos para fa-
a tratar na mesma.
Na praga Independencia urna porga
ilo qu.irtos e bostas : na rila doQueimado
D. 10 a fallar coin Joo Antonio Maciol.
SS" A parte de una casa na ra da Con-
cordia : quema pretender annuncie.
tsy lima negra ladina anda moga, boa
ligua, sabe cozinbar o ordinario lava rou-
pa vende na ra he fiel e nao tem vicios
nem achaques : na Boa vista beco de Joo
Francisco D. G5 de fronte do lampio.
S=y Para fora da provincia urna escrava de
angola moga faz ludo o arranjo de una
casa; e urna parelba de canarios de imperio
muito novos e canto nii sonoro : na praga
da Independencia n. 5.
ssr Urna preta de idade de 20 annos, boa
figura eoznha e ensaboa vende-se por
necessdade : na ra Dreita padaria D. 43 ,
junto ao beco do serigado.
ssy Para fora da provincia um mulalinho
de 15 annos, por prego eommodo por ter urna
perna torta : na ra da Cadeia do Becife loja
de forragens D. 37.
CS" Sacas de farinha de mandioca de Ma-
g superior o chegada recentemente alquoi-
re cogulado medida velha a 6*300 : na ra de
CollegioD. ti.
tsr Um methodo de muzica para violo
( de Mollino 1 por proco eommodo; na ra do
Cottivello caza de duas janellas envidragadas
defronto da mangueira.
S2T Uma olaria de pedraecal bastante
grande com bom forno c com barro para
toda qualidade de obra ; annuncie.
CS" Barricas com farinha Americana nova,
meiasdita com ditas dita, sacas com arros de
vapor ditas com dito de fabrica ditas com
sevada condessas balaios latas com pilu-
las da familia ludo de boa qualidade e por
com modo prego ; na ra estroita do Rozario
D. 17.
tsr Um nioleqne de idade 18 annos; cm
fora de Portas n. 50 venda por baixo de um
sobrado ao p do Pilar.
tsr Vende-se ou aluga-se bixas muito bois,
tanto em lamanho como em qualidade ; por
prego eommodo : na ra estrella do Bozario
D. 17.
or Um mulato sadio reforgado annos bolieiro borrador que sabe tratar
de arreios carros e cavaJIos cntende de
horla e jardim e de boa figura : na ra da
Cadeia na casa por cima da loja de chapeos
ao lado da cadeia ; vende-se por nao querer
servir a seu snr.
su? Cassas pintadas a 200 rs. o covado e
cortes de vestidos de dilas do 1700 a 5600 ,
chitas d'assentos escuras e claros a 160 o co-
vado e cortes de dita de patente a 5600 ; al-
catifas de novos padroes a 400 rs. o covado0;
tuslo alcoxoado branco e pintado a 560 o
covado ; cortes de colotes de sarja de cores a
1000 rs. ; grvalas de setim preto a 640 ;
lengos brancos e pintados a 160 ; gollas de fi-
l de linho modernos a 1600 ; saias para se-
nhoras a 1600 ; panno atualbado para tualha;
ditase guardanapos de diferentes lmannos;
proprio para os mesmos ; assiin co-
ur- Por cmodo prego os seguintes livros,
obras do snr. Arcehispo da Babia Historio
Kccloiastica e Ponelle : na ra Nova lado
do Norte penltima loja.
t&- Uma negra crioula bonita figura ,
idade 24 annos engoma, cozinha, lava tan-
to de sabo como varrela e roflna assucar ,
vende-se por prego cmodo : na ra do Fa-
gundes 1). 18,
w Duas canoas uma quazc nova e ou-
tra de meio uzo ; a 1. he de 500 lijlos de al-
venaria e a 2. d 500 e tantos : vende-se a
dinbeiro ou a p razo com firma a contento,
e por prego razoavel : e bem assim hum
jogo de gamo conlendo as tabulas e 2 co-
pos de marlim por prego cmodo : na praga
da Independencia N. 20.
tsw~ Urna casa torrea D. 5 na ra Velha
do bairro da Boavista perlencente a Pasco
Mara do Bozario, cuja caza se acha hypo-
thecada ; e para constar a quem a quizer
comprar faz-so esta declaracao.
ssy Qualro saccadas de pedra decantara
de Lisboa da melhor que dalli cosluma vir,
muito fornidas e o mais bom polidas que se
pode dezejar ; e assim lamban) um caixo de-
telhas de vidro da melhor qualidade para clara-
boias de, cazas : na loja da ra do Bozario es-
treita D. 23.
Uma preta de nome Catharina nagflo
cr
mo hum bem completo sorlimento de fazen
das linas e ordinarias por pregos commodos :
na loja de Antonio da Cunha Silva Guimares
ra do Crespo D. 5 lado do Norte.
tsr As seguintes obras -- Pasroal Joze de
Mello Processo orfanologico por Carvalho ,
Indicador de cambio Diccionario francez ,
Historia da Grecia Economa Poltica por
Joze Droz, traduzido pelo Dr. JoaO Candido
de Dos e Silva ; ludo por eommodo prego :
no 2. andar do 1. sobrado no beco do Ouvidor
defrontc do Thealro de manh ate as 10 ho-
ras e de tarde das 5 em diante.
Cf* Pos anlibiliosos, condecidos pelas
grandes curas que tem feito nao requeren)
nem dieta e nem resguardo algum : a sua
composigo he to simples que nao fazem mal
a mais tenra crianga, em logar de debilitar for-
liico o systema purilicao o sangue e aug-
mento as secreges em geral; lomudos seja
para molestia chronica ou somente como pur-
gante sua/e be o melhor remedio que tem
apparecido porque nao vexa o estomago de-
pois da sua operago, de mais sao conhecidos
por um dos mais poderozos anlihiliozos. Ven-
de-se na loja do snr. Maximiano Joze Ramos
D. 10.
SS5" Urna duzia de cadeiras um camap .
e um jogo de banquinhas tudo de oleo ; 2
espelhoa de salla em bom uzo e vende-se
muito em conla por haver precizio : na ra
do Fagundes D. J8.
songo Doa ngura ,' boceteira coze lizo ,
engoma lava de sabo e varrela cozinha o
diario de uma caza e finalmente tem de ida-
de 24 annos : a fallar na loja de Joze Gomes
Leal, na ra da Cadeia do Recife.
tSF" O engenho Queimadas moente e cor-
rente com safra criada para 1800 pes, e
com vargens muito boas para canas e arroz r
com grande sufliciencia para 6000 pes boas
mallas e bonito de vista ; Indo quanto se
planta d com grandeza um quarto de kgoa
ao porto do embarque : quom o quiser nego-
ciar dirija-se atraz da Penha caza lerrea
D. 1.
U?- Uma Alva para qualquer Igreja para
o servigo de Sacerdote bastante rica feita
em pao de esguilho bordada de susto ,
com o bieo do mesmo bordado da dita Alva ;
adverte-se que o bico anda falta meia vara
para se acabar : as 5 ponas D. 57.
s=y Para "fora da Provincia um negro de
nago idade 18 a 20 annos por prego eom-
modo : no principio do alterro dos AfTogados,
sobrado da viuva de Joflo Baplista Correia Nu-
iles a fallar com a mesma.
XS&~ Urna carroga muito boa com cavado
ou sem elle : na ra Nova lado do Norte ,
penltima loja.
ssy Urna venda cita as 5 ponas D. 46 ,
com poneos fundos : a tratar na mesma.
ss^ Um sobrado de 5 andares em chaos
proprios na ra do Livramenlo D. 13: a
tratar com Manoel Coutinho.
c? Farinha de tamarana em porgo maior
e menor como agradar ao comprador : na ra
da Florentina nova do lado do nascente de-
fronte do sobrado do Eiras.
siy* Um mobilia de Jacaranda obra do>
Porlo moderna e em bom uzo : na ra da
praia armazem de Joze da Silva Campos.
123- Para fora da Provincia dous escravos
de bonitas figuras : na ra do Vigario n. 15
no primeiro andar.
ESCRAVOS FGIDOS.
v*r
o
No dia 2 do corren te fugio o preto
Francisco, mogambique seg de um olho ,
ievou caigas de algodo da Ierra e camisa do
mesmo de mangas curtas e bastante suja ;
quem o pegar leve a casa de Joo Leite Pita
Ortigueira na ra da Cruz n. 90 que gratifi-
car.
sss- Roga-se as authoridades policiaes ca-
piles de campo e pessoas particulares di
Parabiba do Norte a aprehengo da escrava
Joanna de nago angola a qual foi do'Ca-
pito Nicolu Tolenlino de Vasconsellos da
mesma provincia cuja escrava he fula e o
signa! mais visivel que tem he um d;do do p
alejado : a entregar no primeiro andar do
sobrado amarello do palaceta que se gratifi-
car.
K5- No dia 1. do correnle fugio um cscra-
vo de angola de nome Antonio cozinheiro,
idade vinte e tantos annos com os signaos
seguintes: alto, delgado, bem parecido,
olhos vermelliados pez cachados pouca bar-
ba e brinquinho na orelha ; levou vestido
carniza branca jaqueta azul, e caigas pro-
tas por cima de outras brancas : quem o a-
prehender leve-o a ra do Bangei casa da qui-
na do beco lo Carcereiro D. 25, quesera
recompensado.
RECIFE NATVP. DEM.F. DE F =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUW014MQ1_A2IGG3 INGEST_TIME 2013-04-13T01:18:21Z PACKAGE AA00011611_04692
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES