Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04683


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno.de 1842.
Sabbado 25 de
Tallo S" depende de ns mesn.os ; noasa prudencia aioderaco eenerga : c.m-
WHUu.il* coo principiante e aereataaai......adns ruw nJaraeim etre >s Nacei niaia
(Prorlaniacio da Asaembla Geni do rraiil )
.al'!
ARTA.S NDOS COKREIOS TERRESTRES.
fcoul'ia, TaraiL e Rtograade do Norte,. ic;undae ela feira.
Iloaiio ; (ranljii- u 'O e 24-
Cabo Serinhaeui Uio l'otinoio Pono Caira M.rei e Alago*! no I.
I aje.i 13. Sanio Anl.io quimas fciraa. Olinda lodo o dial.
H.
DAS DA SEMANA.
ti Se,', a. .Silverio P. M. Chae. Aud, do J. de I), da 2.
21 I:-'. MI Goa)ajfa. Bel. Aad do J. de D. da 1. t.
22 Qjrt. Paulino II. Aud. do J. de D. da 3. v.
23 Oi-inl. jepii > lo"! Snrerdoli-. Aud do juir. de I). da 2. v
24 S1I NaNmala de .loan llaptista
2 S.;!>. i.Guilhl*e Ali. Ilel. Aud. do J. de D.daS. t.
.'(> Da. A Purera de \. Snra.
.uiIio.
Anuo XVIII. N. 134.
^Ujitf?^.: i.'agr
O Diario publica se lodoi os das que n.io forra Santificado : o preco da ajaigsHW* k
de tna mil rea por auartel pago* adianlados. 0annum-i dos aislantes *... inseridos
.....lia ,- s dos o no. torem raaao de SO rea por linha. ks iNlamefie* deten, a..
diricidaaaeilaTypografia roa da* Crawl II. 5, oaa prafadalaeVpMatoflu loja de lino.
ftumero 3? B 3S.
CAMBIOS no n 23 DE jimio.
compra vonda.
Cambio olie Londres 27 d p. II'.
r Paria 380 reia p. franco.
>, Lisboa 03 pOl 100 de pr,
Moeda .Ir >l>rc .i por 100 de dtaconlo.
le delelraadeboa Rraaai le 4 i-
paaconlude bilh. da Alfa.. K- I i'" l0
ao me i.
Otilo- Moeda de 0.401) V. Ifi.OHO
ti. I...VI i
. de 4.000 S.1'00
I'hi.i Pateo I |8M
,i Pe tul Coluinuaie 1,8*0
u din Meaic-anoa I .S30
.. viuda <,0
f,?00
l.UUO
SSdl
l.S.t"
l.ai
I ,s:o
I,650
'^T
Ptramar to tfa 2.S deJunh
1. a (i lioraa e t m. iln ni.inv.."i.
2. a ti lunas e 30 m. da tarde.
pitases DA i.la t\ MEZ KJrjNHO.
Qu.n. > a I ** '' "' "'"- "' ';' ""*
l.ua No-* ,S- lia 7 boas r...> m. da tard.
Quari. oreae. a 18- a 2 buraa e Km da lard.
La chela a 22-- i 7 hoiai e 2 ro. da lard.
I> I A R
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA JUSTINA.
decreto n. 171 de 13 de maio dk 1812.
Reclara quaes os Termos da Provincia de
Pernambuco, que devem ser reunidos a outros
debati da jiirisdicaode mu Juiz Municipal e
de Orlaos o quaes nao ; cria tro/, lugares de
Juiz Municipal e um d'Orfos na Capital, <
um promotor Mil cada comarca marca or-
denados a esses Km pregados.
Ilei por beni, para exeeucao da Le numero
2GI de 3 de Dezembro do auno prximo pas-
tando e em oonformidade dos respectivos Re-
k'iilamenlos Decretar o sejjuinte :
Art. i. No termo da cidade do IlecilV de
Pernambuco baver trez Juizes Municipaes ,
rom jurisdicocumulativa, e um Juiz de
Orlaos.
Art. 2. FcHoreunidosdebaixo dajurisli-
c/iodemn Juiz Municipal, que accumulaiei
as funceea de Juiz dos Orlaos na naesma pro-
vincia o Termo de Cimbres com o do Brejo.
eo de Sirinbaem, cmodo Rio Kormoso.
Art. Os Termos de Olinda Iguarac ,
(ioianna Santo Anio, do Cabo, do Boni-
to deCaranbuns do Pao do Albo do
i.iinoeiro, de Nazaretb da Boa-Vista, e
de Flores lerocada um um Juiz Municipal.
|iw> acciimnlar as tanecitkdo Juiz iloi Or-
ilios.
Art. -4. llavera um Promotor Publico no
Temo da Capital da Provincia ; outro para
us ilous Termos de Olinda c IguaraQ e um
..meada luna das comarcas da mesma Provin-
cia.
Art. 5. Cada um dos Juizes Municipaes e
de Orlaos cima mencinalos, e o Juiz dos
Orlaos da capital vencerao o ordenado dequa-
Iro ceios mil reis.
Art. G. O Promotor do Termo da capital
vencer o ordenado de um cont doris os
mus de oilo cotilos mil reis.
Paulino Jo/.'f Soares de Souza do Meu Con-
seibo, Ministro e Secretario d'Estado dos
iNegociosda JusliQa o tenba assim entendido e
laca executar. Palacio do Bio de Janeiro em
FLE-1 Til
DIANA URSEOLA (*).
V.
Paleon dos.
Diana recuou alguns passos ; urna alegra
piedosa innundava sen oracflo : sua misso
deanjo estava em lim cumprida. Poucoa
pouco Jacques tornou a abrir os olhos e os
moveuem lomo de si. Passou sobre a sua
fronte a mSo como para dissipar os fumos
de um sonbo ; depois descobrindo urna mu-
Iher qu lentamente se aproximava.
Onde estou eu murmurou elle, e
quem sois vos ? A donzella deitou para traz
su capuz.
Diana Urseola Diana aqui nesle lo-
gar fnebre ? Ob poderei cu saber ?
Tudo Senhor mas deixai-mo agra-
decer Dos de ter difundido sobre vos os
raios da sua infinita graca Porque se vos
exists ao Co o deveis, e sem elle a pobre
Diana nao teria conseguido talvez salvar-vos
de uma morte jurada por inimigos podero-
sos.
Que dizeis i' Como lenbo eu levantado
( ) Vid. Diarios Ns.
130, \7iTx
125, 127, 121),
I o do Maio de iSi2. vigsimo rimoiro da
Independencia e do Imperio = Com Rubrica,
de S. M. o Imperador = Paulino Joze Soa-
res de Sou/a. Fsla conforme = JoAo Car-'
neiro de Campos. Antonio Joze de Olivei-
ra Ollieial Maior.
DECRETO N. 177 DE i.p> DE MAIO DE
1812.
Marca a gratilicaco que devem vencer os
Cbefes de Polica das Provincias do MaranbAo.
Cear Alagoas e Pernambuco.
Ilei por beni para exeeucao do artigo lor-
ceiro da Lei n. 2(11 de .^ de Dezembro do au-
no prximo passado Decretar o seguinte :
Artigo nico os Cbefes de Polica das Pro-
vincias do Maranbao Cear e Pernambu-
co vencerao cada um a gratificarlo animal
de oilocenlos mil reis. O das Alagoas a de
seis ceios mil reis = Paulino Joze Soares de
Souza do Meu Conseibo Ministro c Secreta-
rio d'Estado dos Negocios da Justica o te-
nba assim entendido e faga oxecutar. Pala-
co do Rio de Janeiro em lo de Maio de 1842,
vigsimo primeiroda Independencia e do Im-
perio =5 Com a rubrica de S. M. o Imperador
= Paulino Jo/e Soares de Souza = Est
conforme = Joao Carneiro de Campos.
Antonio Joze de Olive ira Ollieial Maior.
MINISTERIO DA GUERRA.
Tabella dosdias festivos om que as fortalezas
ilos porlos das capilaes das Provincias do
Imperio devem conservar igadada a Bandei-
ra Nacional desde o romper do dia al ao
por do Sol.
Mezes Dias N." das salvas.
Janeiro !) dia em que S. M. 1. o Sr. D.
. Pedro l. se dignou declarar, que lica-
ria no Rra/il.........I
Mareo 11 Natalicio de S. A. Imperial a Se-
nbora Prnce/a D. Januaria. ... 3
a 2*i Anniversario do juramento da Cons-
lituicfio..........3
Abril 4Natalicio de S. M. Pidelissima'a Se-
nbora I). Maria da Glora.....1
7 EtavacAo a tbrono de S. M. o Impe-
lador o Senhor D. Pedro II. 5
Maio 3 Abertura d'Assembla Geral Legis-
lativa.......... r>
.iulbo23 Anniversario do dia qa o mes-
mo Senhor foi declarado Maior. >
Agosto 2 Natalicio de S. Alteza a Senbora
*. Princeza D. Francisca.....
Setemhro 7 Proclamaco da Independencia
por S. M. o Imperador o Sr. I). Pedro 1.a 3
Oulubro l!) Dia do Nome de S. M. o Im- _
perador o Senhor I). Pedro II. >
De/.emhro 1 Natalicio de S. Alteza a Se-
nbora Prince/a I). Amelia.
2 Natalicio de S. M. o Imperador o Sur.
I). Pedro II....... r'
S Conceico de Nossa Senbora Padroeira
do lni|)ero........ '
0I1SKUVAC.ES.
As salvas serio de 21 tiros. Ojiando se an-
nuncao trez salvas sern dadas em todas as
fortalezas a priineira ao toque d'alvorada, a
segunda urna hora da larde e a terceira ao
por do Sol.
Nos outros das, em que seanuun-ia so
urna, ser dada uma liora da larde. Secre-
taria d'Estado dos Nogccios da Guerra em (1
de Maio de l8i2 = Jo/e Clemente Pereira==
Fsl conformo = No impedimento do ollieial
Maior, I.ihanio Augusto da Cunha Mallos. =
Conformo.
O Ollieial Maior.
Antonio Jo/o de Oliveira.
to arden tes odios e de que inimigos que-
ris vos fallar ?
D'infamesque meu p.ii vos aconselha
va, em vo, de temer.... de vossos rmAos.
Meus irmAos Nao me engais Dia-
na. Ousaram elles i'.. .
O mesmo JoAo Kispo vos deitou o vene-
no.... Felizmente, eu era sua cumplice c
fui ru quem o havia preparado. ..
Diana entrou depois cm longos detalhes.
Contouo que tinha percebido da orgia dos
trez irmaos as proposites feitasa Crseola .
sua pristoam Paleon-Oros as buscas infruc-
tuosas de JoSo na ofieina do medico, sua
conferencia com elle e o pacto criminoso
porque se linham reciprocamente ligado.
Anjo salvador, exclamou Jarcpies depois
da narraeo de Diana ; como lenbo eu mere-
cido um tal sacrificio i'
__ Vos me perguntais mas vos tendes j
esqueci.Io aquella noute fatal em que eu vela-
va triste c desesperada cabiceira de m-
nha querida ama, vossa nobre mae vos ten-
des esquecido aquella audaz tentativa de rap-
to aos olhos mesmo da pobre doente aquel-
es temores horrorosos, aquelles gritos sufo-
cados que saiam do leto da dor em quan-
to eu implorava a resistencia do ceo aquel-
las violencias odiosas, a que eu teria suecum-
bido talvez se vos nao chegasseis ; vos tani-
bem comoum anjo enviado l do alto!....
Ai para me pergunlar a causa de meu sa-
crificio msler que tenhais esquecido tudo
isto.
g;overno da provincia.
EXPEDIENTE 1)0 DIA 18 1)0 CBRENTE.
Ofiicios Ao presidente interino da rela-
cao e ao inspector da thesouraria da fazen-
da participando ter S. M. o Imperador por
decretos de 23 de Maio ultimo nomeado ao
hacharel Francisca Domingues da Silva para
o lugar de juiz de direito da comarca do Bo-
nito e removido do de juiz de direito do ci-
vel da comarca de Santo Anlao para a mesma
vara da de Nazarelh ao hacharel Francisco
Eli is do liogo Dantag : d'esta para aquella ao
hacharel Antonio Raplista Gitiranna ; da vara
criminal de (ioianna para a mesma do Brejo
ao hacharel Joao Paulo de Car Val ho e d'es-
ta para aquella ao hacharel Anselmo Francis-
co Perelli : e inlelligenciando-os de haver a
I presidencia determinado cm cumprimento
'' do Imperial Aviso de 27 do |mencionado me;,
i que excepco do ultimo entrem em ex-
ercicio independenlenieiitejde suas cartas,
que dever apresontar dentro do praso de
tre/. mezas.
Pilos Aos hachareis Antonio Raplista
Gitiranna Francisco Elias do Reg Dantas,
c Jofto Paulo de Carvall.o scienticando-os
de haverem sido removidos na forma cima
declarada: o dando-lhos a ordom que n.)
ollicio precedente diz Ibes foi expedida.
Hilo Ao juiz municipal e de orphaos do
termo de (ioianna coiniiiunicando-lhe a re-
mocAo para a comarca do Brejo do juiz
de direito da vara criminal d'aquella coma-ca;
e ordenando que tome conta da referida va-
ra e entre logo em exercicio.
l)lo Ao inspector da lliosoiwaria da fa-
zenda remetiendo copia da provisao do con-
selho supremo militar de 18 de Abril ultimo
sobre o pagamento dos meios sidos nos olli-
ciaes envolvidos na revolucAo de ,7 de Novem-
bro de 1837 na cidade da Rabia c amnis-
tiados pelo decreto de 22 de Afjoslode 18-W),
e que se Ibes deixou de pagar durante o lem-
po, que eslivero em processo,e sentenciados.
Dito Ao coinmandante das armas en-
viando copia da stipraclada provisao e da
de i de Abril prximo passado acerca das
liornas c continencias que compelem aos
ofllciaes generaos do exercilo quando em-
barcados bordo de qualquer navio da arma-
da nacional.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha transmillindo copia da supramenciona-
da provisao de l de Abril do crrente auno.
Ditos Ao director interino do curso ju-
rdico deOlioda o ao inspector da thesoura-
ria da l'a/enda comniunicando-lbes adiar-
se licenciado por i me/es contar do dia ,
em que expirou a sua priineira licenea o
portetrodo referido curso jurdico Joze An-
tonio Fernandes.
Dito Ao inspector da Ibcsourara da fa-
senda Iraiismiltindo copia do decreto nu-
mero 177 de lude Maio ultimo, marcan-
do a gralicacao que devem vencer os che-
les de polica das provincias do Maranbao ,
Nao eu nada tenbo esquecido. Mas
esta lembranca nao existe j na minha ma-
LMiiacao Diana ; ella me deseeu ao cora-
co___ E nao tens lu tradnzido o meu silen-
cio eadvinhado o meu pensamento '.' nao
tens nunca interpretado a linguagem destes
olhos que por toda a parte te procuravam ?
Oh Diana cada vez que eu a secretamente
visitar minha mAe illa lias tu atravez das
lagrimas que sobre ella derramava o agra-
dec men lo que se diriga a ti, sua guarda
vigilante i' Eu mejulgava mas nao ousava
(izer-me ten amigo. Eu quena seguir-te as
trovas rodear-te de cuidados misteriosos ,
vigiar-te como Daos veHa sobre suas eraatu-
ras, escudando-as com a sua invisivel protec-
cao... E nao sabase me tinhas entendido.
ias boje Diana preciso que estas trovas
se esclarecam e que biza cnilim o dia nes-
le coracao devorado pela incerteza D/e-me
se nao tenbo (ido Justina de acreditar em uma
secreta sympathia que nos estretava anda
que separados!..... Diana! responde-me
sinceranwnlo !..... Se, deposta a minha t-1
midez en me tivesse curvado diante de li,
chamando-te minha irniAa ferias tu recu-
sado chamar-me leu irmto?
Fina irmaa teria fe lo maisdo quoeu ?
Havia na pergunta de Jacques e na respos-
ta de Diana dous catlogos que rosoarum
nos ouvidos d'um e d'oulro com uma embria-
gadora docura. Depois, a este movimcnlo
(la alma que os tinha (rbido succedeo a-
Cear, Pernambuco, e Alagoas.
quella surpresa cheia de lemor e de alegra
que enlangueco e nao pode resumir-se, s'-
nao em um longo silencio. Diana so aventa-
ron primeira a rompe-lo....
O sol vai dispontar disseella; nao es-
quejamos Senhor que eu ai tenbo debu-
xado a obra e a vos penlence o coroa-la. E'
necessaro tomar um partido. Que Taremos ?
Teu pai ilsse Jacques depois do um
momento de rellexAo est encerrado cm Pa-
leon-Oros.... E* d'elle sobre tudo que eu te-
nbo necessidade__ Vamos a Paleon-Oros.
Mas isso ser intil fez observar Dia-
na.
Talvez. Eu conheco l.ionello : mas
de uma vez elle tem tremido ao som d'esta
voz e a vista d'esta espada elle obede-
cer___
O caminho do cemilerio a Paleon-Oros era
de quasi una hora. Rpida por Diana e Jac-
ques esla hora se cscoon unas vezes em con-
versas deliciosas oiitras em temse prolon-
gados silencios.
Quando chegaram d'anteda Ibrmidavel por-
ta de ferro da fortaleza Diana nao pode exi-
mir-se de un vago temor : Jacques confian-
do mais em sua estrella divisou uma sent-
nella que muilo lempo linha feilo o sen ico
interior do palacio ducal.
Reconbeces-me lu ? disse elle ar-
rebatando-lhe a arma que tinha as maos. ,
O principe Jacques exclamou o bes-
.


%
Dito Ao chele do polica remetiendo o
cilicio do subdelegado de Maranguape com
data il I(> ilo corren le flm d que baja de
daros esctarecimenlo.s |)orelle pedido*.
Dilo Ao mesmo participando que S.
M. o Imperador por-decreto de l.'i de Maio
ultimo liouve por bem marear a graljjicacAo
le 800a res anniiaes ao chele de polica d'es-
t provincia.
j)ilo--A enmara municipal do Ronito ,
significando ero solnco das duvidas que
propoe em seu ollicio de I i do corren le : I.
qu se deve entender que a disposico do
artigo 2. do decreto de de Maio passado ,
coniprehendendo todos os cidados activos .
comprehende lano os volant< s como os
clegveis, qu tiverem a residencia de um
me/, na forma do rilado artigo : 2. qu;
vista da intelligencia dada a palavra = Elei-
tor = pelo Governo Imperial nao podo es-
tender-se a disposico do artigo 2o aos votan-
tes as assembieas parochiaes, tanto mais
quanto ficario n'esle caso esbulliados os cida-
dos do direito de volar o que nao aconte-
ce com os F.leilores om cuja impossibilidadc
sao chamados os respectivos supplontes.
Dito A inesma disendo, que, nao
liavendo a le prevenido o caso em que se
deesa o cunhadio entre os membros da junta,
creada pelo artigo 1. do decreto de i de .Maio
ultimo nao procede a duvida (|ue expe
presidencia em seu ollicio de 1 do corrente.
iiu:m no da 20.
Ollicio Ao commandante das armas, or-
denando em aUenco ao que lite represen-
tou Victorino Antonio Martina que mande
dispensar do balalho de guardas nucionaes
destacados ao lilho do supplicanto Victori-
no Antonio Martina Jnior, suarda do 3.*
balalho d'ostc municipio.
Dilo Ao commandante superior da guar-
da nacional d'esle municipio inlelligencian-
do-o da expodicTro da ordeni antecedente e
determinando que mande substituir o 80-
pramoncionado guarda por nutro do mesmo
balalho.
Dito Ao collelor das diversas rendas da
comarca do Bonito significando em resposla
ao sen nfficin de o do corrente : I, que elle
nenhuma ingerencia lem na formaco das
listas dos cidados que podem votar, e ser
votados, conipelindo-lhe somonte dar res-
pectiva junta os esclarecile ritos e informa-
goa, que ella pedir-Ib e 2." que os cidados,
que nao pago o imposto animal de 12*000
res nao poden) ser excluidos das listas dos
volantes pois que esta condieco s apparece
no art. .'i.0 2." do cap. 1 do projecto a-
presenlado pelo couselho d'estado, oqual nao
fui anda approvaJo, nem serve de instruccoo.
Portara Mandando passar previa les, de
procurador liscal da thesouraria das rendas
provinciaes ao Machare! Joze Bernardo Galvo
Alcanforado, e de promotor publico d'esta co-
marca ao Machare! Benvenulo Augusto de Ma-
galhaes Taques
OllicioAo Machare! Joze Rernardo Gal-
vo Alcanforado, concedendo-lbea demissSo,
que pede em seu ollicio de boje do lugar de
promotor publico d'esla comarca : commun-
cando-lhe tel-o nomeado procurador liseal da
thesouraria das rendas provinciaes ; c deter-
minando-lhe que sollicite o seu titulo para
entrar logo em exereicio
Ditos Ao presidente interino da relaco,
e ao inspector da thesouraria da fazenda par
licipando a demisso e nomcaco de promo-
tor publico de que tratao o officio e por-
tara antecedentes.
Dito Ao iuspector da thesouraria das
rendas provinciaes, scienlificando-o da nome-
aco de procurador fiscal respectivo ordena-
da pela precedente portara.
Dito Ao presidente da associaco com-
mercal, communicando que, tendo a Pre-
sidencia remedido ao Exn. Snr. Ministro da
marinha a representac.o que a mesma asso-
ciaco Ihc dirigi, pedindo outro regulamen-
to policial do porto acaba de receber o Aviso
do i de maio ullimo, no qual o mesmo Exm.
Snr. faz ver que havendo-se organisado
um regulamenlo geral de polica para lodos os
poilos do Imp'rio logo que elle forappro-
vado sedar^ as providencias que a refe-
rida associaco reclama
Ditos Aos Juizes de direito, Antonio
Baplisla Gitiranna Francisco KliasdoRego
Dantas, e Joo Paulo de Carvalho, significan-
do-Ibes em ddilamento aos oficios, que Ibes
dirigi em 18 do corrente que podem exer-
cer as funecoes das varas para que foro re-
movidos debaxo do mesmo juramento, que
j havio prestado.
Dilo A'cmara municipal do Pod'a-
Iho dizendoem resposta aoseu officio de 2
de maio ultimo em que pedio a criarlo do
um correo n'aquella villa que visla da
informacao do administrador do correio geral
d'esta cidado quem ouvio tal respeito ,
nao pode ler lugar o que pretendem pela
pouca utilidade, que resultara do estabeleci-
mento de urna agencia na mesma villa e por
nao con vi r exceder a quantia marcada para
osle ramo do dospeza.
Dilos Ao presidente interino da relacao,
e ao inspector da thesouraria da fazenda re-
metiendo em cumpriniento do Imperial A-
viso da Secrelaria d'Eslado dos negocios da
Justica de 2o de maio lindo copia do decre-
to de lo do dito mez pelo qual S. M. o Im-
Drto Ao inspector da thesouraria da la-i parador houve por bem designar os termos
zonda remetiendo ascontas do que se deve ao
I." sargento Mano:'l Joze Carneiro fim de
que, estando conformes mande entregara
sua importancia ao commandante interino do
.'1 balalho de artilbaria i pe por intermedio
do seu quarlel-mestre.
Dito Ao commandante das armas, com-
municando ler expedido a ordem precedente
em resposla ao seu ollicio de 17 do corrente ,
em que a requisitava.
d'esta provincia, que devem ser rcuidos
outros debaxo da jurisdicc/io de um juz mu-
nicipal edeorphos, c criar n'esta capital
trez lugares de Juz municipal e um de or-
phos c um promotor publico em cada co-
marca; fixandoordenados estes Emprcgados.
Dito Ao Juz municipal do termo de I-
guarac intelligenciando-o de que na for-
taleza de lia marac nao podern ser recebidos
os presos de justica segundo havia requisila-
tero. E este nome discorreu comoascn-
i lia de um raslilho de plvora toda a linba
de sentinellas, que se achavam especadas
ero volla dos fossos de Paleon-Oros.
Elle mesmo dase o principe. E pois
sabes quem son faze que a ponte levadica so
abaixe diante de mim. E como o besteiro
hesitara.Nada temas ; Jacques te revela da
tua obediencia para com o traidor Lionelio ,
e te recompensar melhor do quu elle nao
saberia puni-lo.
O espanto que se havia apoderado do
besteiro fo to profundo que apenas pode
articular algunas palavras sem nexo. Re-
cordou-sc comludo que rio caso de algum a-
contecimento linba ordem de tocar a cme-
la. Ento afastando-se o mais possivel de
Jacques cuja presenca Ihc pareca ao menos
sobrenatural embocou como pode a trombe-
la e irm hornera apparecou immedatamen-
te sobre a mu ral ha.
Depressa aporta depressa depressa!
gritn o besteiro com urna maravilhosa fcil i-
ilade. Abaixai a ponte.....j.....sem demo-
ra__ ordem....
Ficou suspenso, e nao ousou acabar \es- .
lo meio lempo, Jacques se linba retirado I na"
com Diana aalguma distancia e ambos as-i
sentados debaixo das primeiras arvorea de um
pequeo bosque de oiiveiras onde os raios
da loa mo penetravam seno a distantes in-
tervallos, acompanhavam em silencio os pru-
gressosdesta scena. [
Esls lonco, Luolzi diz Lionelio com
voz forte e nao conheces o castigo reserva-
do a toda a sentinella que loca intilmente
a rebate ? Que vertigem te prendeu e que
| viso le perturhou o espirito para incommo-
dar-me assm no meio do meu primeiro som-
no ? Term nou o lempo ja tua viga ? Anda
te resta urna hora. Somos atacados ? En
nao vejo inimigos.
Lutzi, enredado entre a juntura de Jac-
' ques e as perguntas de Lionelio tcmeu
j compromellcr-se por qualquer palavra impru-
j dente e nao respondeu.
Por minha alma replicou Lionelio ;
leucrcioque o bregeiro zomba de mim se
I nao lem perdido sbitamente o juiso. Ouvi;
contnuou elle fallando aos guardas que vi-
giavam dentro da fortaleza abri-me cami-
nad para que eu rnesmo v castigar aquelle
insolente que me insulta e de quemobte-
ria talvez urna resposla afagando-lhe as es-
padoas com a prancha desta espida__
.Mas Lionelio nao liona anda darlo dous
passossobrea ponte, j Lul/i eslava junto
d'elle.
Se tendea cuidado da salvago da vossa
alma, balbuciou precipitadamente o besteiro,
nao vades rnars longo e escutai-me....Elle
est all... entrada do bosque das oiivei-
ras !__
Quem esl sli ? de quem fallas p
D'elle capito do duque de Naxos...
do principe Jacques__
Procura explicar-te mais claramente,
do porque o calaboueo da dita fortaleza ; a-
lem de nao ler a precisa segur-anca Sirve
tambem de alojamento s pracas do destaca-
mento.
DitoAo inspector da thesouraria da fa-
zenda remetiendo a con la do que se deve ao
ex soldado do deposito Joo Francisco a
lim deque, estando conforme a mande pa-
gar, segundo requisita o commandante das
armas em officio de I do corrente
Dito Ao referido commandanle das ar-
mas, communicando a expedico da ordem
supra.
Dito Ao inspector lo arsenal de msri-
nha ordenando, em ciimprimenlo do Im-
pera! Aviso da Secrelaria d'Estado dos nego-
cios da marinha que satisfaga as icqusices
de combuslivel para o servco da navegaco
Je vapor que Ihc forcm follas pela intenden-
cia da marinha da corte ; o que saque sobre a
referida intendencia proporco que forsa-
tisazendo os respectivos servicos.
Dito Do secretario da provincia ao Dr.
Antonio da Silva Naves communicandodhe,
terS M. o Imperador nomeado-o por decre-
to de 8 de abril p. p. para o lugar de Juz mu-
nicipal e de orphos do termo da cidade de
Oliuda ; bem comi que nesta dala a presi-
dencia tem nomeado aoBacbarel Joze Bernar*
ilo Galvo Alcanforado para o lugar de procu-
rador fiscal da thesouraria das rendas provin-
ciaes que S. S. eslava interinamente exer-
cendo.
ADVERTENCIA.
No regulamenlo das obras publicas Irans-
crpio no Diario N. I.">2 artigo 21 no lim
da 2. parte em vez de- do Engenheiro em
chefe lea-se do respectivo cliefe : o no
fim da o. parle do mesmo artigo, em vez
de pelo Kngenbero em chele lea-se pelo
respectivo chefe.
RISPADO DE PEBNAMBFCO.
Dom Joo da Purilicaco Marques Perdigo ,
Conego Regrante de Santo Agoslinho pela
Graca de Dos e da Sania S Apostlica ,
Misno de Pemambuco do Concelho de S.
M. I. eC. &c,
A todos os Nossos Diocesanos, Saude Paz
e Renc,o em Nome de Jess V.. que nos pe-
rnio com seu precioso sarigue, libertando-nos
tlocativeiro da culpa para nos isenlar da ira
ventura.
Tendo sido publicadas pelo Diario desla Ca-
pital N. LIO, as Letras Apostlicas, pelas
quaes S. Sanlidade, com o mais profundo
senlmento, declara deleriorad'a Bel;go Ca-
tlica A. Romana no Reino d'llespanba de-
plorando aos pez de Jess C. crucificado. ( por
elTelo de su"ardente Caridade para com a Grey
Universal, que divinamente Lite Coi confia-
da) a di-sdilosa sorte d'arpjelles que com a
ma'or desvonlura lem aberrado do Calholicis-
mo para segurem suas abominaveis e de-
lestaveis paxes, eaquecidos tolalmeate dos
sagrados deveres para com o 1." Chele do
Christianismo Successor de Jess C. e a
Este immediato sobr'a Ierra prerogativa que
O tonstilue I. Dignidade do mundo Prelado
Que vens tu c ccnlar-me de Jecqucs e do
duque de Naxos !.... eu nao le percebo.
Valha-me Dos Digo-vosque o princi-
pe Jacques acaba de fallar e pretende entrar
com oSenhor em Paleon-Oros ...
Jacques repeli Lionelio desatando a
rir. E' preciso confessar Lutzi que tu le
deixas lograr fcilmente. Ters lomado por
Jacques um louco que se er Senhor do Ar-
chipelago ol um avenlurero que se lera
divertido tua cusa....
Eu conhego o principe tornou o bes-
teiro e juro que elle se nao a sua som-
bra.
Em em! que dizes lu l ? ajuntou
com um lom agitado Lionelio que nao es-
lava muito maissocegadoqueo besteiro Lutzi:
acreditars tu em milagros e fantasmas ? A
sombra de Jacques A avcnura divertida ,
e por S. Joo eu nao desgostaria de en-
Ireter-me um instante com a alma errante do
defacto.
Nao brinquemos com o inferno disse
Lul/i ; o partido nao > igual.
Bom eis aqu Lutzi (pie lem modo !
mas lens boa disculpa eu nao acredtarei
nunca em similhantes laucaras. Os morios
sao morios e o inferno mesmo...
Jacques se linba chegado durante este es-
trondoso periodo do Lione'lo que diseu-
brndo-o perdeu sua confianza e den um
grande grito. Menos dispo.'to a n.aldizer do
inferno e dos milagros poz-se e comecou a rosnar oracoes ; seu espanto a-
dos Prelados Galicga visivel da Igreja que
O reconjiece seu digno Presidente, como *e
osse urna s iocese ; e sendo propria da pie-
dade chrisl a uuio dossenlimenloscaridosa-
mente insinuados a favor .los contristados na
tribulaco por aquelle, em-quem considera-
mos depositado o assombroso Poder que seu
Divino Consliluinte Lhe communicou ; con-
veninto Nos paruca exhortar os lilhos de
Nossa dileceo, para que dirijo ao Pai das
Luzes as Preces que sua devoco Ibes inspi-
rar, quaes o Saulissimo Padre rocomenda
coma maior OrlboJoxia, esperando que os
lilhos da Igreja militante esforcando-se un-
nimemente aplacar a ira de Dos Omnipoten-
te mplorem com o maior ardor a Eterna
Clemencia para que se digne proteger a cau-
sa da Religio vexada e perseguida extraor-
dinariamente no Reino Hespanhol, e permit-
a que esta como nica verdadeira prospe-
re llorega e se dikle por lod'o Orbe.
Satisfasendo mente do Sanlissimo Padre ,
he mister que suppliquemos a cessaco d'a-
quelles dias de tribulaco naquelle Reino ;
,|ne invoquemos humildemente o patrocinio
da Virgern Mi de Dos, poderosissima el-
delissima Protectora da Igreja sollicitando
na mesma occasio o Soccorro do Prncipe dos
Apostlos bem como o de lodos os Sanias ,
principalmente dos que por suas virtudes ,
e milagros, mais illuslraro a Igreja lles-
panbola.
Este vehemente zelo (demonstralvo da
perfeita adheso e iidelidade que o Povo
Caliiolico Romano deve tributar s admesta-
eors do Primado Pontificio, dirigidas a feli-
citar espiritual e temporalmente o Rebanho
de Jess C. ,) far desear sobre nos a Divina
Piedade sem pro prona a escolar nossassup-
plieas posto que indignos sejamos de que em
nos se verifiquen! as eternas .romossas. Pa-
ra esle lim devenios ser animados pelo regosi-
jo que gosamos qnando em considera-
do s noticias que nos tem sido transmiit-
tidas comprehendernos como propagada tem
sido a fe Calholca em paizes ainda os mas
remolos pela fervorosa caridade de muilos
Misionarios que a osles logares sao envia-
dos para que seus habitantes obscurecidos
pela densa nuveni da obsi cago sejo livres
das trovas da ignorancia, e do erro, rece-
bendo a esclarecida e brilhante doutrna do
Kv.Tuyllio
Verdicamente podernos allirniar o salutar,
e prodigioso progresso na f precioso resul-
tado dasfadigas, e Irahalhos dos hornens A-
postolicos que, imitando com decidida de-
liberaco os primeiros enviados por Jess C.,
nenhum temor Ibes causa penuria o mo
tralamenlo os insultos o a prTaejio ou
carencia das comodidades anda as mais ur-
gentes existencia acreditados por este pro-
cedimento conl'ormissimo com o Evange.hu,
que omnmodamente roprova o d'aqudlcs,
que, dessiminando o erro nropagaO nova
doulrina bsona e opposla que prol'cssa-
mos para com esle modo de vida e ptima
doscuberla, subsist rem deleitavelmonle, ex-
igindo ou exlorquindo ( N. R. ) avultadas
sommas, honroso cmodo, o. aprasivel
tralamenlo, inlciramente alheio dos Minis-
honava a srra docilidade A' primeira pala-
vra enlregou todas as suas chaves. Jacques
se introiiuziu com Diana as covas do trrelo.
Ento Lionelio procurou reunir a sua genio ;
mas muilos linhum j tomado a estrada de
Naxos, fugindo precipitadamente. Lionelio
julgou prudente fazer como elles e se esca-
pou prnmptamente sem voltar a cara urna
s vez para o Castello que o Ceo nc seu
pensar acabava de entregar ao inferno.
Senboresda fortaleza Jacques e Diana de-
ram logo a liberdade a Crseola que passou
da deaesperaco mais inesperada alegria. Pu-
zera-no em poucas palavras ao faci doq'se li-
nba passado e lizeram conselho sobre o que
restava a obrar. Primeiro que ludo era mis-
ter que Diana en Ir asee em Naxos. Ella sen-
lia comludo separar-se anles que todo o
perigo tivessa cessado para Jacques.
Nada mais temas por mim, lhe disse o
duque moslando-lhe a guarnico de Pale-
on-Oros que acabava de ?ubmetter-se e.
turnando Osela pela mo. O duque de
Naxos pode triumfar agora de seus persegui-
dores ; ha um exorcito e um primeiro mi-
nistro.
Em adeos de esperanca se permiifou. P*-
dro accompanhon sua Ulna at villa de Moni,
e veio rounir-se logo dcpoifl ao duque om
Paleon-Oros. y
( Conlinuar-se-ha. )
-i


v>
Iros da nova Lei. Que notavel diflerenca !
Admiremos os maravilhosos effeitos prove-
nientes da dilatado da f nos Estados-Unidos,
onde segundo eonsta prximamente se
criuio 5 Bispados Catholicos alem de 9 ,
que j exista, e bemdi^amos a Providen-
cia que so digna propagara f professada no
Paiz da Santa Cruz para confuso dos que ,
postergando sem nejo algum o Carcter que
llies foi impresso n'agoa regenerativa para
nclles permanecer eternamente abandona*}
os s?ntimentos religiosos que seus Pais Ihes
imbuirafi convencidos de suasolidez, e ve-
raridade.
ritamos, dilectissimos Irraos e filhos ,
nossa esperanca, senlimentos, e snpplicas
j'i d'aquelle a quem devemos respeito e
veneraco, pois que a misericordia do Es-
crutado? dos corac/ies j mais pode soffrer
limito para os que nella confiar), naTiavcn-
do abuso. A mistura de nnssas lagrimas coni
as do Santo Pontfice, seja o mais odorfero
sacrificio, dirigido infinita Beneficencia. 0
dinheiros aterimos por mil reH sacadas por
A. Schram e abonadas por C. de M. Vas-
concellos deDrumond. sobre FrcrhfihgJ.
Goschen d'aquella cidade,
Portara- AoSnr. 'Li'soureiro da fasen-
da para entregar an diio \. Schramm a
quantia de Bs. 17:777*777 correspondenle
a L. st. 2:000== de qn Iracta o pre-
cedente offico.
Dita Ao snr. 2 Escriplurario da Coala-
doria encarregado da contabilidade milihr
para remelter com urgencia mesa da T: -
souraria as Fes de Officios de todos os Ca
pelliles Cirurgoas mores e Cirurgm.s A-
judantcs do Exercito pertencentes esta
Provincia a fim de serem remettdas ao sr.
Commandanle das Armas, como delerminou
o Exm. snr. Barati Presidente da Provincia
ent offico de 50 de Mao findo para ser cum-
prido o Imperial Avizo de 27 de Abril prxi-
mo passado.
Dita-- Ao mesmo, dem, urna rclaco
los Officiacs e F.mpregados da liba de Pnr-
aromalico perfume de nossas oraces na he nando de Noronha com declarac/io de todos
i ogeitado apesar do proprio demerito. Tal os vencmentos que percebnm e das or-
be a immensa Bondade do Supremo Dos, dens porque estes se pago.
que adoramos cijos Thesonros sao inexhau- dem do da 4.
r,v*w Officio -- Ao Exm. snr. Visconded'Ahran-
Esculclos reverentemente a voz do nclito | tes Presidente do Tribunal do Thesonro P.
\ ice Gerente do Kterno Pastor. Sua piedade, N. sobre o supprimento que esta Thesoura-
Dto Ao Fxm. snr. Bara Presidente da
mansida, <*. Caridade para com seus mais ra lera de fasor do Para.
declarados nimbos he superabundantemen-
ti! notoria em tod'o Orbe Catholico e nao ; Provincia sobre o requerimiento de Manoel
Catholico. Attemfei como Ello patenteando Joaqum Pedro da Costa.
a mais vehemente e penetrante magoa pelas I wem do da 0.
atrocsimas injurias, e calamidades que Dito-- Ao mesmo Fxm. snr. informan-
seus veneraveis irmaos, os Bispos d'aquelle do o de Daniel Bodrigues de Santa Anna.
Reino lom supportado j mais pranta as I Dito Ao mesmo Fxm. snr., idem o de
venenosas setas, com que tem sido mimo- Francisca Xavier d'Assumpgo.
seado pelos impressos redigdos em Madrid | Dito Ao snr. Inspector da Thesoiiraria
( transcritos no Diario de Pernambuco.) 'de Fasenda da Provincia da Parahiba rc-
quaes audaz e acintcmente tem procurado \ meltendo a ndacAo das letras que exigi em
intrigal-0 e ndispol-o com a Igreja por fac- i sen offico de 0 de Maio prximo findo con-
los cuja invoncao he mili propria dos Escri-
tores de. tal paiz quando umversalmente he
in.tnife.st a eminente virlude de um Ponl-
lice, que tanto se tem esmerado pelos mais
forme a declaraco que fez em 50 do mesmo
mez.
Dito-- Ao snr. Inspector da Alfandega
partecipando ter Sua Magestade ) Imperador,
ar.luos Sacrificios, a sentar da corrupeo ou (Concedido o seu Imperial Beneplcito no-
a conservar intacto o Deposito di f. Cons-' mcacAo do snr. Fernando Biabar, para Vice-
t intrnenle firme em defiender os Dogmas da Cnsul de llamburgo nesta Cidade.
l.digio o a Disciplina da I ;reja entrogu >
sua vigilancia o paternal sollictudo Elle
exige a lid observancia das I.da Cannicas ,
decretadas pelos Concilios Gcraes em vigor ,
posto que combatidos a pesar da experiencia
da tamos seculos ter feito ver a illuso em que
estay constituidos os adversarios da Igreja Or-
I hojosa quando inlilmente s'esforcari a per-
seguir o mesmo a everter ( se possivel fos-
se) uina Igreja cujos solidos fundamentos ,
'Igual parlecpacfio s fez ao snr. Adminis-
trador da meza do Consulado.
iih:m do da 7.
Ollieio -- Ao Exm. snr. Barati Presidente
da Provincia informando o requerimento de
Fui;. Antonio Barbosa de Brito.
Portara -- Ao snr. Thesoureiro dos Orde-
nados para pagar a I). Firmina Alexandrina
ile Almiar, a quantia do 1 lo.)000 rs. im-
portancia do Monte Pi, que Ihe compete por
jamis po.lern ser arruinados demolidos ou fallecmento de sol! Marido o I.Tencnteda
aniqulalos segundo a promessa de seu E- Armada Joiquim Joze de.vguiar.
lerno, e Omnipotente Edificador. dem do da 8.
Esta perlinas, o obstinada tentativa ere-' Officio Ao Exm. snr. Baro Presidente
dora da maior censura, he somonte aropria da Provincia, informando o requerimento do
lins que promovem. e protegem os meioslJuiz de Direilo Caelano Joze da Silva San-
d'obler um flu, cuja consecugAo nao he pos- Tiago.
si val. Tao porfiada rancorosa erenega-1 Dito-- Ao mesmo 'Exm. sr. communi-
da perlcnc/io nada menos importa que um cando a duvida ofTcrrcida pelo Commissario
allantado do finito contr'o infinito Poder | Fiscal do Ministerio da Gera nos Prets do
da limitada, contra Ilimitada Virtud? ; da j destcamelo do Pao d'Albo.
humana insufficiencia contr'a Sufficiencia! Portara Ao snr. Thesouruiro dos orde-
Divina ; da misera estupidez e crassa igno- nados para pagar ao Coronel Joze Bernardo
rancia, contr'a Incriada Sabedoria ; da im-' Salgueiro a quantia de 110*000 res im-
becilidade do entendimento e rasati huma- portancia da Tenca, que Ihe foi concedida por
na, contr'a mente e Designio Eterno. Carta Imperial de 12 de Novcmhro prximo
Residencia Episcopal no Palacio da Soleda- passado.
dem do da 0.
de aos 21 do Junhode 1842:
Joo Bispo Diocesano.
THEOLBABIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA 1. DO CBRENTE.
Officio-Ao Exm. Snr. Baro Presiden-
teda Provincia informando o requerimento
do capitao Joo Pedro de Araujo e Aguiar.
Dito Ao Snr. inspeetor da Thesouraria
ila lenlas Provnciaos, enviando a conta das
despesas fritas com diversos presos de .dstica
da comarca de Flores que por engao veio
r-meltda a esta thesouraria.
Dito Ao Snr. Inspector da Alfandega,
participando ter S. M. o Imperador approva-
do a nomeago do Snr. Antonio Marques de
Amorim para Vice Cnsul de Lubeck nes-
ta cidade.
Igual participado se fez ao Snr. adminis-
trador do Consulado.
dem oo da 2.
Officio Ao Exm. Snr. Visconde d'Abran-
t''s presidente do tribunal do Thesouro pu-
blico nacional com as terceiras vas de 7 le-
tras que ltimamente forAo remettidas pa-
ra Londres na importancia de83:l7l,599 rs.
Dita --- Aos Snrs I L. Glosmid, VV. Thom-
pson e \V. Kng agentes do Brasil em
Londres com duas letras no valor de I. st.
2 OfficioA< inspector da alfandega parti-
cipando a nomeacao de JoAo Francisco Du-
arte feitor da meza do consulado parafei-
tor da dita alfandega por decreto de M de
Abril p. p.
I;ual participagAo se fez ao sr administra-
dor do Consulado.
DitoAo mesmo sr. administrador, para
(car na inteligencia deque o jornal que
se deve abonar ao anligo fiel dos armazens do
pao brasil F. N. de Oliveira Cruz be de
1j500 reis nos das uteis : e nAo de IjIOu
reis como se Ihe communicou em officio de
27 de Abril ultimo.
DitoAo sr. inspector gcral interino das.
obras publicas para em vista da declarado
do Exm. Sr. Barao Presidente da provincia ,
noolficio de 15 de Abril prximo passado,
e dos documentos que o acompanharo ,!
mandar pioceder a demarcacAo e avaliago do
terreno allagado que requeri por afora-
mento perpetuo D. M. F. de (larvallio Paes
d'Andrade na ruado hospicio do bairro da
Boa-vista.
tuguez JozeCorreia da Silva por Ihe ser ap-
prehendida unta faca compona; e por ou-
Ira patrulha do lugar do Carino, a creoula
Esperanza por desobediencia cujos presos
forao rocolhidos cadeia segundo consta da
parle boje dada pelo commandanle gcral do
corpo po'icial.
Da 20.
FirlT li >:ilem presos pelo inspector de
; n I -irao da ra da senzalla nova Sebas-
'i iii Mara da ConceQfto e Maria Joaqui-
na por briga ; pela \. patrulha de polica ,
que rondn na mesma ra o preto Benedic-
to escravo por desobediencia ; o pelo ins-
pector de quartero de Fura de portas mi-
tro preto de nome Mathias enjo motivo s?
ignora.
E' o que consta da parle dada boje pelo
commandanle geral do corpo policial.
Da 2l.
Da parle boje dada pelo commandanle
geral do corpo policial consla somente que
fora hontem preso pela 1 patrulha do lugar
do mundo novo Jacintho Benevdes por
espancar a sua mulher e que fora reeolhido
cadeia desta cidade onde nAo oceorreo no-
vidaJe.
A mesma tranquilidade continua gozar-
se no interior da provincia segundo ascom-
monicaees que n'esta semana me tem si-
do faltas pelas aulhordades respectivas.
Pessoas despachadas nos dias 20 o 21 do
correte.
Bio de .laneiao ss Eaurinda Francisca e li-
ma cria escravas de Manoel Joze Vianna ;
Honorafico escravo de N. O. Bieber A-
Companhia.
Cear = Manoel Antonio Torres poilu-
gnez.
Alagoas = Manoel c Cesar, escravos do
haeltarel Ovidio Saraiva de Carvalho.
Caruar = Hiplito Francisco dos Sanios,
brasileiro levando em sua companhia o seo
escravo Antonio.
( Apaas se soube d'este borrivel aconteci-
mento foro um hatalhSo de linha ,e urna
companhia da guarda municipal poslar-se di-
ante dos escriptoris do caminho de ferro que
se fecharlo; chegou o prefeito de polica pio-
cedeo a urna av. riguacjlo e a meia noite es-
ta va em Meudon para colher all novas infor-
macoes.
Onumero dos feridor.nAo.-ndava por menos
de l;J0, segundo se dizia ; o dos morios era
de 30 a 40.
Diz-se que urna das locomotivas fez cxplo-
vAo e que o puxador de folies que nfto se
ac ou foi laucado ao ar a urna altura d<- mais
d s. ss uta ps.
f Selle cariocas IbrAo completamente in-
cendiadas ou quebradas.
( Ce Xalional. ;
i: DI TAL.
Vicente Thomaz Pires de Fgucircdo Carnar-
io, Commcndador da Ordem de Christo ,
e Inspector da Alfandega por S. II. I. c
C. O Sr. D. Pedro Segundo a Quem Dos
G. Ac. ove.
Faz saber que no dia 27 do corren te ao
meio dia na porta d'Alfandcga se ha de arre-
matar em hasta publica por o,>o00 reis 1?
du/.ias de bolo>s e una do brincos de beju-
tena bisas ; apprehendidas sem despacho po-
lo guarda Thomaz Jo/e da Cosa c S ; sendo
a arrematado lvre de direitos. Alfandega
23 d Junhodo 1842.
N. T. P, de F. Camargo.
D E C I. A B A (1 A .
EXTEMO
B
BEPABTICAO DA POLICA.
^arte das occorrencias do dia 17 docorrente.
For^o hontem presos pela palmilla, que
rundou no lugar de Fra de Portas o por-
ivviuz Ode mvio.
'( Detalbes sobre o desastra acontecido no
caminho de ferro de Versalhes. )
L-se no Siccle o"seguinte.
Eis-aqui as informaces que colhemos da
bocea d'um administrador do caminho de fer-
ro e que podemos dar por cortos.
O transporte de sinco horas e mca volla-
va de Verstiles ;etle era rebocado por trez lo-
comotivas c compunha-sc de quinze a dezoito
car rocas.
Entro Bellevue c Meudon a primeira loco-
motiva, maquina de quatro rodas paron sub-1
lamente ; quebrou-se um doseixos .
A Segunda locomotiva que ia precipitada ,!
veio esbarrar-se na primeira, esmagou o
puxador de folies e impellida pela forca do
vapor montou sobre a maquina parada e que-
brou-a. O fogo da maquina nAo se contendo
mais no fogao cabio totalmente entre os tri-
filos. Entretanto, o transporte semprc se
adiantava arrastado pelos dous rebocadores.
Entilo activando o vento as chammas o
fogo pegou por baixodas carrocasque tinhfio
sido ha pouco pintadas de novo. Foi um in-
cendio borrivel, e para augmentar anda o hor-
ror d'esta scena era impossivel aos desgraga-
dos encerrados as crnicas em que j o fo-
go lavrava o ahrirem as portinhollas fecha-
das com chaves asquaes so os conductores ti-
nliAo comsigo : de trez conductores s um
tornou apparecer.
Assim os infelizes viajantes encerrados
as cariocas tornarao-se em poucos inslantes
pieza das chamas.
Esta tarde viero para Pariz os seus cadve-
res que cstavao estendidos na salla da espera;
mas nao a presen tavAo mais do quem mon-
illo de carne e de ossos denegridos e calcina-
dos pelo logo sem forma ; desfigurados e im-
possiveisde reeonhecer.
Athc nao se podia saber o seu numero ; ns
contarAo doze pessoas vctimas d'aquella mor-
te horrivel ; outros pretendem que o seu nu-
mero nAo se etevava seno a 7 ou 8.
Quando se foi a Meudon procurar esses tris-!
tes restos, estavAo amontoados debaixodos;
destrozos d'uma (arroga, donde foi mister ti-
ra-Ios com varas e ps.
< Quanto ao numero dos feridos, he impos-,
sivel sabtVlo esta tarde ; una grande parte i
d'aquelles infelizes ficou em Meudon: ninitos
foro levados para o hospicio de Nccher ou-j
tros muitos se lzero conduzir para suas ca-
zas. Im dos administradores do caminho de
ferro ficou com ni braco euma peina quebra-
dos.
c?" O arsenal de guerra compra as madei-
ras seguintes 8 travs com 12 palmos de
comprmanlo, c8 Delegadas de grocura em
quailro, l(> enchameis com 12 palmos de com-
prmento e f polegadas de grocura em qua-
dro 12 enchameis com 5G palmos de im-
prmenlo eO polegadas de grosura em qua-
dro 10 travs com trifila palmos de com-
plemento e oito polegadas de grocura por
urna face e seisdilas por outra 2 Ira ves
com com .">l palmos de comprimento, e 8 po-
legadas de grocura em quadro 2 travs com
2o palmos de comprimento, e 8 polegadas do
grocura em quadro. Todas estas madeiras a-
cima ditas serao da qualidadu seguinle sa-
pucaia de pililo sicupira meirim, massaran-
duba mando pequi marlim louroli ,
jatoba angelim amargozo cumar po-
darco eorueo de negro e algum camacari
de carunxo paos de sicupira meirim pao
d'olio pao d'arco com o comprimento de
Ti a 25 palmos e de 1, a 2 dilos de grocura
em quadro, e lao bem pode ser redondo tendo
a dita grosura : e que nao lenha branco en-
chameis, e travs de Cumar, de Buranhem,
com 2o a ".Opalinos de comprimento el
a 8 pdlegadas dVgrocura.
COMiMEKC.
ALFANDEGA.
Bendimenlododia2o de Junho 6:739*108
DESCARUECA I10JE 2o DE JLXHO.
Barca Francesa = Casimir de Lavigne =
Fasendas.
Polaca Sarda = Daro ss Vinho.
Brigue Dinamarqui'z = Caroline Amalie =
Qucijos e garrafas vazias
AVISOS MABIT IMOS.
= A Barca Brasileira Temerario, segu
para Benguella e Loanda ate 30 do corrente ,
o anda recebe alguma carga miuda.
MOVIMEiNTO DO P0RT9
NAVIOS SAHIDOS NO DIA 22.
Canal; Brigue Ingle/. Andes ; Capitao John
Gay ; carga assucar.
Parahiba ; Brigue Inglez Terra Nova ; Cap.
Sclater ; carga assucar.
A V I SOS 1)1 VERSOS.
Snrs. Redactores.
Nesle nosso mundo de illuzes tem-se tae
to generalizado o nzo de pilulas que se pods
dizer que em lodos os ramos a"os negneioa
pblicos e particulares marchoas piluas n-
vanguarda : ora, quem assim observa, e re-
llexiona tem repugnancia em engulir as ve-
gelaes nao obstante o sem nmeros de ana
nuncios respeito de que a lempos andl
pejado osen Diario, e fatigado o respeitave
Publico. Veste estado de duvida, eu me di-
''
f
a
!
v


>
i
rijo ao mesmo Publico, rogando-lh, que
cid se proprio beneficio sirva-so dizf aitu-
in.i cousa sobre lu objecto pois si lio corto
que elle engole pilulas muilos annos deve
do eilar habiltalo a julgar da uli.dade das
vogetaes. E por que contra tactos nao ha ar-
gumentos appsreAo os no mus dos enfermos
restablecidos com o ii/d dossas mireulosas
pilulas ; por que cu lambem soj| doeuto .
tambem quero resolver-roe a engulir pilulas ,
pois gosto de seguir o born tooi.
Espero que uinguemj se enfade cem oque
fica expendido tn;; rogo os Snrs Redacto-
ros lonho a bou la.i.- de publicar com o que
multo obrigarao ao
Acautelado.
= A abaixo assignada faz ciento que Ma-
nocl Lopes da Silva desde odia 18 do cor-
rente nao he mus seu caxeiro.
Joaquina Maria Pcreira Vianna
Segunda feira <27 corre
a Lotera de N. S. do Ro-
zarlo : o resto dos Buhes
achao-sc a venda as ritas
Cadeia Sr. Vieira, Colegio
Sr. Ilenezes, Cabug Sr.
Moieira, Praca da Boa-
vista Sr. Saraiva junto a
Matriz,
o Domingos da Silva Patricio subdito
portuguez retira-se para o Angola.
PILULAS VKCETAESB UNIVEH8.VBB \MKIilC\N \s.
Kslas pilulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem foito, nao requeren) neni
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo Ifio simples que nao 1'azcin mal a
mais lenra enanca : em lugar de debilitar ,
fortifiefio o systema purilico o sangue ,
dugmenlfto as sccrecoes em geral: tomadas,
seja para molestia chroica ou somenle co-
mo purgante suave; o mellior remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de conslipacao depois de sua
operago como quase todos os porgantes fa-
zem e por seren mui facis a lomar e nao
cansaran ncommodo nenhuni. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth, agen-
to do nulhor: na riu da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinlia vui ombriilhada n:
seu receitiiario com o sello da casa em la-
cre pelo.____
IThcodore Malhieu Crurgiao
(dentista da Beal Cmara de S
i.M. T. a Sen hora I). Maiia
Kegnnda lainha de Portugal,
narlecipa as pessoas que Ihe
flem fallado para a colocago de
denle arliliciaes, que podem aparecer quan-
doqniserem poisja tem lodosas ferraroen-
tas vende pos den ti fr icios balsamo odon-
til,:ico escovinbas para denles: na ra
Nova l). 7 lado da Matriz : assim como as
horas que o mesmo faz as oporacoes aos po-
bres he das 7 as 8 horas. )
tsr Aluga-se o armazem do sobrado de i
andares da ra do A mor i m defronte do ler-
reiro Cactano, mui proprio para eslabeleci-
ipenlo COmmerCial ; ea casa torrea na ra do
Cotovello n. i : a Iratar na ra do Vigario
1). 12.
tsr Quem precisar do un homem solleiro
para padaria e da algum lampo gratis, at
se aplicar annuncie.
tsr Quem precisar de um homem sollei-
ro para caixeiro de engenho que sabe ler ,
escrever ed fiador a sua conducta no caso
de ser preciso annuncie.
tsr Boga-so aquem for oTeiecido um pe-
so de arroba de bron/e com una argola de
chumbo soldado no mesmo peso hajo de
aprehender, rois foifurtadoda relinaeo da
praga da Boa vista no din 19 para 20 do cor-
rente ; e leva-!o a dita relinagao que ser gra-
tificado.
Mr* Aluga se nm primero andar de um
sobrado no beco do peine fiito I) 5, com
commodos para pequea familia na ra do
Padre. Floriano n. 5y venda que fica junio ao
beco tapado.
tsr Aluga-se urna casa terrea nos Coelhos
com duas salas 5quarlos cozinba (ora c
quintal por prego commodo a qual est
caiada e piulada : a tratar na ra dos Praze-
rescom Francisco Joze Arantes.
tsr Precisa-se de um feitor que seja sol-
teiro para um engenho pe to da praga no
atierro da Boa vista naprimeira leja d'-taza-
das viudo da ponte.
tsr Precisa-se de una sen hora de bon*
costumes quesaiba bem coser para ensi-
llar meninas junto rom outra senliora, c esta
sem familia dando-se-llie casa para morar n
sua satisfagan ', e mesmo outras vantagens
como seja costuras ; (|iiem Iheeonvier dirja-
se a roa da Cadeia do Recite n. G, terceiro
andar.
tw Acha-se una ancora perto da quina
do lorrcao em que esta boje a associago co.n-
mercial no caes da alfandega a qual que
rendo sen dono vender pode dirigir-so a rua-
da Cadeia do Recile I). 39.
%~y O abaixo assignado previne ao respei-
livel publlC que ninguem cuntale negocio
algum coma Senhora I). Auna Joaquina da
Camba viuva do finado Capitao SebastifiO da
Rocha Domanache acerca de una morada de
casa terrea nu Soledade D. 8 ultima no correr
da Igrej pois que s tem a mesma viuva
nina parte na dita casa e o mais pertence a
berdeiros presentes e auzentes ; assim como
consta por um documento nao se poder ven-
der a refiida casa, e para se nao alegar igno-
rancia em lempo algum faz-se o presente an-
nuncio. = Major Joaquim Caetano- de Souza
Couseiro.
izr Precisa-se de um bom refinador nao
se olha |irego ; quem cstiver nestas circuns-
tancias annuncie
szr Asselim Martina Jambo brasileiro ,
retira-se para o Rio de Janeiro.
is^- lloj! as i horas da tarde he a arrema-
tado porta do Juiz dos Fritos da Fazenda ,
I ja annunciada no Diario anterior de muilos
e diUerentes objectos por diversas excugoes.
xj- lloje he a venda de ouro e prata na
Thesoururia da Fazenda annunciada no ul-
timo Diario.
i.;.?- l'ma senliora do bons coustumes se
propiie a tomar criangas com ama para se cri-
arom com leiie impcvlidas e desimpedidas ,
lambem recebe as que estiverem ja des-
mamadas para se ac harem de criar ; mora
agora na ra do l.ivramento sobrado D. 2 jun-
to a viuva de JoaoCirios Pereira de Burgos.
ta Aluga-se um negro que sabe cozi-
nha r e fazer o servigo de urna casa proprio
para homem solleiro; quem o pretender d-
rija-se a ra do Nogueira sobrado D. 6.
ssr Na ra da* Trineheiras loja do so-
brado D. 9, precisa-sc le urna ann para por-
tas lora.
izr Arrenda-se urna grande casa terrea ,
cita no principio da estrada do Manguind ,
que fra apouea edificado pelo seu proprleta-
rio o Dezembargador Maciel Monte!ro : quem
i pretender driji-sp a ra de Hortas D. 70.
ss Boga-se aos Penates queirao declarar a
sua morada para se Ibes restituir a sua pega
- acgo de graca que fui casualmente adiada.
Fcilmente conhecerianios os Penates por sua
cor escura e carapinba provenientes nao
da maternidade mas sim do fumo e calor,
urna vez que ate poneos das habiuraa ch -
min, e mais ainda por estar junto dita
eca um buhte assignado com as iniciaes =
ti .1. M., porem para evitarmos duvidas ,
queremos que se declarem.
= Na loja de Didier Boberl & C. na ra
nova D. 7, c 8, acha-se o deposito dos
venladeiros purgantes e vomitorio de Leroy ,
dos bolos armenios tio condecidos pelas nu-
merosas curas das molestias secretas e do
vindode salsa-parrilha do doutor Carlos Al-
berto
= A viuva do falecido Joaquim Leocadio
if Oliveira Cuimares convida os credores do
mesmo falecido a comparecerem na caza de
sen irmfto Bernardo Antonio de Miranda na
ra do Torres n. 4 em o da 50 do corren-
te Jundo pelas 11 doras da mandil; a fin
de conhecci em do estado de sua caza.
= Precisa-se de urna mulherde idade,
nao empollando que seja a cor desta ou aquel-
la condicao pois so se exigir capacidade e
osla abonada por alguem que he para se
erfearregar do arranjo de urna caza em tratar
de molestias de escravos comida cozer
para os mes mus o bom arranjo da caza e
outras coir/as, (pie se dir aprssoa que lie
para hir a um engenho na freguezia da com-
marca da Rio For mozo : quem cstiver tiesta
circunstancia annuncie para ser procurada.
\SF" Arrenda-se urna casa bastante grande
na travessa da ra de S. Joze : na ra de
Borlas D. 70.
tSF" Domingo 20 do correte pelas 1 horas
e meia da tarde ha sessao da Sociedade Ami-
sade nos uno na casa de suas rounifes.
tsy O Sr. LuizCezar Pinto de Faria, quei-
ra mandar buscar urna carta na restilago
de agoa arden te na ra de S. Bita Nova.
l^- Na tarde do dia 28 do correte tem de
ser a rrematada urna cscrava na praga do Juiz
do (' .el da primeira vara, na ra da Aurora,
aval .oda por 200j.
oy OSr. Antonio Machado Dias Jnior ,
ou o Snr. Raimundo Joze Bello, queirao pro-
curar Manuel Caetano Soa.es Carneiro Mon-
teiro que Ibes des -ja fallar.
tST Aluga-se um s d.r.idibo na ra por
delraz da ra .Nova coiu din modos para
una pequea familia e bem assiado: qnem
o preteuder ,lirija-se ao primero andar d..
sobrado D. 7 da ra .Nova lado do norte.
tsr Da-se 20b sobre pinhoi'es de ouro ou
prata : na ra Nova D. 3, loja fiauceza.
tsr M S. Mawson dentista mglez mu-
dou a sua residencia da ra do ColleglO, para
a ra da Cruz do Recife n. 57 aon le conti
nua a platicara sua prolissao.
U? Pxcisa-se de Ob a premio sobre a
lirmadeun. hropriftario quem quiser uai
dirija-so ao pateo de S. Jo/.w casa de ourives.
i?r A pessua que precisar de urna ama
parda para casa de um homem solteiro que
sabelvmdesempenhara sua oceupaco eflm
lodo o zelo e cuida lo, dirija-se a ra do I adre
Florianno D. 25.
COMPRAS.
tsr Escravos de ambos os sexos com vi-
cios ou semelles grandes ou pequen OS : na
roa da Cadeia do S. Antonio sobrado de um
ondar I). 8 del'ionle do Sr Carduzo.
tST 7 a 12 libras de resina de batata que
seja muilo boa : na ruada Cadeia n. .*>, pri-
mero andar ou annuncie.
>T A Historiada Igreja Pernambucana ,
por o Bispo Fialho: no Convento de S. Fran-
cisco a fallar com \'v. Joo Capislrano de Mon-
donga ou annuncie.
tsr Garrafinlias que lenhao servido de Le
Roy, purgante ou vomitorio : na ra da
Cruz no Recife venda n. 25. .
yiy Um compendio dfl geometra de La-
croi x em bnm uzo : na ra eslreila do Ro-
zarlo sobrado novo de llazlio Consalves Fcr
reir no primeira andar.
V E N DAS.
tsr l'm prelo para todo o servigo : no at-
ierro da Roa vista D. iO.
ssy rmaicscrava de nacao com bonita fi-
gura lava bem de vari ella e de sabo co-
zinha o ordinario e vende na ra : na ra
Direila I). 20 lado do Livran.enlo.
tsr Pas de filtrar agoa urna canon de
cancira nova carreja 12 a 1t pessoas : na
ra da praia serrara do Carbal.
tsr lu cavallo de estribara com todos os
andares < muilo forte por pirco cmodo :
no monteiro o fallar com o Manuel da Ponte.
uy Dma otaria no Barbalho, com rnuto
e bom barro para qualquerohn obligndo-
se os vendedores a levantar as partes, que a
grandechein do rio Capbaribe exlragou o
que ja se comessou a fazer com Sffgufanga : a
fallar com scus proprietarios lianoel de Al-
biiquerque Barros Cavalcante & Irmao n
escriplorio do Dr. Joao Baplista Soares.
l'm sitio no lugar dos Posaos nos A fio-
gados com casa te: rea mrrado cmi 100
o tantas bracas de fundo e outros tantos pal-
mos de frente : na ra da Alegra casa de Jo-
ze Jacinto.
tsr Vende-se e aluga-se bichas de muilo
boa qualidade e por prego commodo: na
ra estrela do Bozario D. 17 padaria de
Francisco Alves da Cunda.
tzr A posse de um terreno com 120 pal-
mos de frente e um muro dobrado no mes-
mo terreno no quintal da ordem terceira do
Carino pelo prego que est a seu dono, sen-
do no canto de duas ras marcadas: na ra
Nova ao peda ponte armazem de trastes do
Snr. Vi laca.
tsr Urna preta para fura da provincia de
nacao de 2"> anuos bonita figura sem
vicio algum faz lodo o servigo de um casa ,
engomma cozinhp e cose cdo, faz doce ,
refina assucar e lava roupa ludo com per-
feico : na ra do Cabug loja de miude/.ns
junto a botica.
t9f* Uma caderinda de bracos em muilo
bom uzo ; na ra de Borlas D. 70.
r l'ma venda com poneos fundos, na >-na
de A pojo ao p do porto das canoas : a Ira-
lar na ra da Cuia n. 10.
tsr Panno encarnado muilo fino e ease-
mira de todas as cores : na ra do Cabug
D 7.
tsr l'ma porgSo de pranedoesde amarello,
e louro : no Forte do Mallos em cima do
armazem de Joze Antonio da Silva Vianna ,
ra da Moeda.
\St Barricas com farinda de trigo de di-
versas qualidades e meias ditas com dita
americana sacas com arroz do MarandiU) ,
ditas com sevada condecas hlalos, atas
com pilulas da familia pessas de galao de
diversas qualidades caixoes com edapeos de
braga o muilos outros gneros por prego
commodo : na rui estrela do BozarioD. 17.
CT A Biblia do Padre Antonio Pereira ,
em 7 volumes ainda nova por prego com-
modo : na ruada senzalla velha D. 3t.
try Ancoras e dai ris do verdadeiro vinlio
tinto c hranco PBB : no armazem do Fer-
nando Joze Rragucz junto ao arco da CoPCei-
go assim como batatas inglezas novas, te-
cenlementc chegadas por arroba a mil res.
tsr Tres molecotes de loa 18 anuos, seni
vicios nem achaques sendo um optino co-
zmheir ; 4 ditos para todo o servigo um
bonito mulato bom pagem ; uma negrinha ;
e 5 escravas com haliilidadcs : na ra de A-
goas verles D. 58.
Or Um negro de riaijio ; na ra do Quci-
mado loja de ferragens D. 14.
tsr l'm iiiolequede, lia ioannos ; o nina
negrinha de 10 a 11 anuos: na ra do Sebo
I), i.
tsr Dous moleques de 12 a 14 annos, bem
figurados, sem vicios nem achaques: no at-
ierro da Boa vista D. 19 venda junto ao beco
do ferreiro.
tsr l'm sof de Jacaranda uma marqueza
decondiir, 5 camas uma de angico, e duas
decondur 0 cadeiras de amarello com as-
senlo de laboa : na ra Nova loja de marci-
neiro junio a Igreja da Conceigrto.
IST 5 alqueires de f-ijo mulatinlio bom,
pela medida velha a 6*300 : na quina da ra
do Aragao venda D. 22.
X3F" l'ma negra muilo moga do genlio
de angola hbil para todo o servigo; e da-
se de oem mil rs. a um cont, a juros de 2
por cento ao mez sobre pinhores de ouro ou
piala : na ra de Agoas verdes as Beni-
avcnlurancas D. 6.
SST" Espirito de v nho tanto para chapelei-
ro com para niarcineiro : na restilago de
agoa ardenle na ra de S. Bita nova ; assim
como compra-se botijas que forAo de gene-
lira.
tsr l'm selim com seus perlences em bom
uzo e 5 portas grandes que ainda nAc. foro
servidas : na camboa do Carmo D. 25 lado
do pculo.
SF* lina armnefto que serve para qual-
quer estabelecimenlo na ra da Boda, com
muilos commodos para morar 2 familias inde-
pendente : as S jionlas D. 25 onde tem lam-
pio.
tir l'm ptimo cavallo e um uiojequude
15 annos, bonita figura, e sem vicio algum:
na praga da Independencia n. 7.
tsr Lina es rava de bonita figura de 2t
anuos, angommadeira cozinha sofrivel,
lava de sabo e varrella ; uma dUza de ca-
deiras ; um canap"; um jogo de bancas,
tildo em uicio uzo i na ra do Fagundcs De-
cima 18.
tsr Farinda de mandioca de S. Cathariiia,
de boa qualidade, a bordo do Patacho S. An-
tonio Triunfo fundjado na praia do Collegio,
a retalho c em porgo por prego commo-
do : a bordo ou na ra da Cadeia 1). 21 ,
em casa de Amorim Irmos.
tsr Sacas com alqueire de farinda de man-
dioca feita na Muribeca tanlo da muilo fina
como da mais ordinaria : na ra da Cruz D.
12 escriplorio de Joze Antonio Gomes J-
nior. __
ESCBAVOS FGIDOS.
tsr No dia primero do corren le fugio o
moleque Lourengo da costa bastante la-
dino baixo, del8annos bem prelo, com
dous signaos no rosto da Ierra delle, algum
couza arquiado das pernas gordo camisa
debala, he caqoeiro e pedreiro : quem o
pegar levt a seu Snr. no silio do Cajuciio : e
uma crela quasi cabra fugio a lempos de
nome Felicia b.iixa secca do corpo, nim-
io moga ser recompensado quem apegar.
tar A 20 dias pouco mais ou menos fugio
um escravo de nome Manocl nago cassan-
g, leudo os signaes seguinles: tem un fer-
ro ao pesengo um dos dedos da mo tilin-
ta alejado sendo o mnimo estatura ordi-
naria corpolento e levou caiga de pao da
costa e camisa de algodo : tem sido visto
no lugar do Monteiro Api pucos e Poco da
panella: quem o pegar leve-o a seu sr., na ra
da Aurora Joao Francisco Santos de Siquei-
ra que ser gratificado.
tar Fugio no dia 12 do correnle acreoula
Maria Benedicta que foi escrava do sr. Joa-
quim Luiz de Mello Carioca alta bonita fi-
gura bem preta com falta de denfes na
frente lat le cima ; levou pao prelo e su-
jo e ja u/.a.Io : quem dola souber leve-a a seu
sur. Manoel Joaquim Pascoal Ramos ra
das agoasverdes 1). 57 que ser bem recam-
pengado,
RECIFI NA TYP.1)"m7f. DE F. =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVMXMS4Q0_DK9LMM INGEST_TIME 2013-04-12T22:15:56Z PACKAGE AA00011611_04683
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES