Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04679


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 184!*.
Scguwln Feira
20
aullo
linio egpra de pend- Je n* mesmoi ; da posta prudeneia moderajao e ener-ia : c.n-
dbo prineipiamoa e sereaioa apnntadna mni admirado Vmre U NejOa aja
i no SI'i u<-!- "v u. nrwiui ua ua pruneoea C!Ollerae;iti ecnrrill : ei
ni coaio prineipian-.o* e sereaioa apnptadne cum admiiae.'to 'enlre u NariVa ni
> ____^________ Proelaniaao ila Asaeubla f.eral do ratil\;
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTTfeS.
ftiiacoa, TaraiU e Rio gran de do i> orle, aeguudaae sexlas feiras.
Nanita s Garntalo -O e 24-
Cab". Se'inbaem R'" FowoiO, Parlo Calvo, Maeei e Alinas n<> t. s ,11,
Laief M- Santo Anuo quillas feiraa. Oliada lodos a. das.
U)
DAS DA SEMANA.
|ef. STerio T. M. Chae. Aud. Jo J. iW D. da 2. ,
I i'fio. i-uizGonratja. Re. Aud. do J. Je D. da 1. y,
?2 Ojrl. a. Paulino B, Aud. do J.deD. da 3. t.
f3 Ouiui. ji-jum a. Jnoo Sacerdote. Aud do juir. Je D. ca 2. V,
ti Sel. Nasciaienln de a. Jo.'in Baptista
fS.il. a.fiuilhe-tuir Al. Re. And. do J. da D. da3. .
T)>. A Pnrexa de Pt. Snra.
de Jiinho.
Auno XVIII N. 130.
O Diario puMil-n-M todoi >s dita naio n.io forem Santili.ados : o pree. da aHignaliire 1
.le tres il rea por ouartel pifo* adiantaA>a. Os aemuarioa do. aaeigoaale s.ia ioaendu-
gralis e oa dos n. o na fo.en & raio de Sil ,, por linl.a. ree|ej0>a de.eni aar
dirigida.eaiaTrpoirafia re daa Crowe I, *u pra Numero 37 e 3S.
CAMBIOS no da 18 ui: jimio.
Ora... Mocdad*MM V,
N.
de 4,H)u
com pea venda.
Cambio sobre l.on>'.re 27 d p. IV.
l'aria 3J0 re p fraueo.
d .iahoa !> por 100 Je p'.
M..eda Jeeobre4 por 100 He .leeennto.
Me. Je leiraa de hoaa lirmas li- a 1 e {.
l), .!., de bilW. Ja .Vlfaud-;. I po- 100
PaaT Paiaeoee
. Pama Colnmnarta
o di 10 Neiiea-as
a aiiuda
I...74W
J.S.iOt
S.rtKl
l.st
I,0
t.S'H
1,6|
l:>.9t*0
t,7d0
8,80.
1.840
1.81
1,840
.fl?U
I'IUSES A .UA NO HEZ DK JONHO.
, | 'i borii e 3? "> da manli.
PKtunar do din 2o de ./nidia
1. a 2 limas e 0 ni. d nianbi.
2. a 2 lioras 30 ni. da larde.
Quarl. ajing. -
la Non a S- a 7 hmaa e .>;> m. d.
Qurl. rese, a I-i 2 liraa e 33 m d
La ebfia 22 -- 7 Waa a 2 .
lar).
n laril
11 un.
IA R10 !> E P'E !\ A M BIICL
PARTE 0FFICIAL.
MINISTERIO DA GUERRA.
frr/ntorio aprestintado a S. M. 1. com o
decreto e quadro da organisaco dos ojfi-
c:aes docxacilo.
SoiihorPelo decreto n. 260, do I. de
Feseinliro de 1841 o governode V. M. o-
brigado a organisar denlro do prazo de un
ruino o quadro dos olTiriaes do exercito ,
marcando o uumero quedeve liavar em cada
posto o distribuindo os existentes em qua-
tro citases : 1. dos elTectivos que coas-
tituiro o quadro doexeicilo, devendo entrar
uesta classe somente os que sa actiarem capa-
?.es de todo o servico de paz e de guerra ; 2.,
dos aggregados que, estando as circumstan-
ciaa dos primeiros excederem o numero el-
ti-rtivo de que se compuser o mesmo <|uadro ;
. dos iyiiIsos destinada para os olliciaes
que, pudendo ainda prestar servido modera-
do nao cstiverem as circumstancias de ol>-
terem reforma; 4. Gnalmente dos ret'or-
uiados.
Se dillcil parece odescmpenlio da primei-
r* parte do sobredito decreto pela impob9-
bilidade de marcar com acert em cada posto
nm numero de olTiciaes to exactamente cal-
culado que iii.mii seja menor do necessario pa-
ra as exigencias do servkjo nem maior que
o indispensavel, aliin de nao augmentar a
daspesa do exercito ja assaz crescida e que
antes cumpre diminuir; a execuQao da segun-
da offerece obstculos quasi insuperaveis ,
quando se attendo necessidade de conciliar
os inleresses do exercito com a justiga devida
aoj direitos adquiridos de benemritos mili-
tares em longos annosde servidos ; e muito
muis ten do ellen de ser jnlgados vista de in-
formaajes que nem sempro sao imparciaes ,
aomo iVira para desejar.
Mas cumpre executar quanlo antes urna
lei quo leude a dar ao exercito urna organi-
go regular de que padece grande falla, o
que muito dever contribuir para o reslabeie-
oimenlo da sua disciplina ; e a minha consci-
encia repousa tranquilla na con vieran de ter
ernpregado lodos os meios praticaveia para
queamesma lei seja executada com regulari-
dade na primeira parle, e com a equidade pos-
siral na segunda fasendo organisar a rela-
mi que corre impressa das antiguidades
de todos os olTiciaes do exercito d que tan-
to se careca e encarregando de ordem de
V. M. I. urna commissocomposla de tres
olTiciaes generaes, dislinelos por seus conhe-
cimenlos militares daqualilicaQodos mes-
riios ofliciaes vista das inspecQOes legaes
porque passaro de suas fes de olicio e das
iuformaces ofliciaes que se puderam obter ,
e de preparar o projecto da organisago do
quadro do> olliciacs do exercito.
Sobro os trabadlos d'esta commisso que
julguei conveniente adoptar com pequea al-
terago formulei o decreto junto daorgani-
saco do mesmo quadro que sendo exami-
nado pela commissao de marinba e guerra do
conselbo de estado foi por ella jugado me-
recedor da soberana approvacjio de Vossa Ma-
geslade Imperial.
Na fixaco do numero dos ofliciaes genera-
es liveram-se presente as necessidades do ser-
vido em que devero ser empreados como
sao especialmente os logares do conselbeiros
de guerra e vogaes do conselbo supremo mili-
tar e de cornmandantes los coi-pos do exer-
cito divisoes e brigadas em circumstancias
ordinarias o extraordinarias ; accrcscendo a
conveniencia de que sejam tambem olliciacs
generaes o commandanle do imperial corpo de
ehgerdieiros o director da escola militar o
os cornmandantes das armas de algumas pro-
vincias.
Julgou-se necessario dividir o estado maior
lo exercito em duas classes determinndo-
se para a primeira classe o numero de oflicia-
es que pareceram necessrios para exercerem
os empregos da adininistrago mais activa do
exercito de ujudanles-generaes quarteis
mestres generaes secretarios militares dc-
putados asistentes c ajudautes de ordens ,
alem de oulras cominissoes proprias dos ofli-
ciaes do estado-maior: logares todos impor-
tantes que milito intluem na disciplina do
exercito e no bom xito das suas operagoes \
e que exigindo olliciacs babilitados com co-
nbecimentos scientifleos e praticos tem si-
do confiailas at boje ordinariamente aos pa
rentes amigos ou protegidos dos generaes, a
titulo de maior confianza e nem sempie
com o desejado acert. 0 numero dos oflicia-
es do estado-maior da segunda classe mais
reduzido ainda que mu i tos sejam os empre-
gos para que sao destinados relativos ao ser-
vido de [iracas o fortiicages arsenaes e ar-
ii) a/.cus de arligos bellicos e mais estabelcci-
mentos militares alem de di Reren les com-
misses semelbantes; mas attendeu-se a que
taes empregos, pormuitos anuos, poderAo
ser servidos por ofliciaes da terceira classe.
Na determinago do numero dos olliciacs
engenheiros foi considerada nao s a necessi-
dade de dar a todas as provincias os de que
BIANA URSEOLA (*).
Noi mister continuou Joo que, de-
pois desta noute em que assignamos este
pac.. que tal vez a eondemnagao de nossas
almas um de nos possa impunemente gravar
com a sua parte de remorsos a conscieucia do
ouiro;, e dizer-lbe : pertence-to Escuta-
nie Diana tu sabes se te tenho amado se
tenho soArido leus despresos .... Ob que
estas lenibrancas ujam para sempre que
todo o rancor se extinga Sejamos fortes pe-
la unio. Dize-me Diana, dize, se me se-
r permiltido depor boje a leus ps un amor
a to longo lempo desdenhado
Nem mais boje que hontem respondeu
I>iaa com um tom altivo. A (ilba de Pedro
leselo tornando-se vossa cumplice nao en-
temJe renunciar sua dignidade de mullier ,
e fazer to bom contracto da sua bonra :
( *) Vid/Diario N. 125, ,127el29.
ella repeli em outro lempo a vergouba que Ibe
teria adquirido o titulo do ama do principe
Joo ella a repulsa hoje da mesma serte.
Estou prompta a servir-vos porem reserv-
me o direito de dictar as condiges.
Que queris pois, tornou Joo com sur-
preza.
Oque eu quero ? urna parte doste po-
llero desta grandeza que vos dou Quero
que a paga seja proporciona' ao servido. .
Quero ser Duqueza de Naxos e nesta quali-
d >de ir eu mesma abrir mcu pai os ferrolbos
do calabougo de Falcon-Oros.
Estas palavras pronuncidas com o acento
daverdade, acabaran) de persuadir Joo Kris-
po. At ento Diana nao era para elle seno
urna (Iba desesperada que desejava a todo o
cusi resgatar a vida de sen pai ; agora era
urna mulher orgulhosa que trocava urna a-
m-tade do crime pela amelade de um tbrono.
Guiado pela perversidade de seu proprio ins-
tincto Joo entendeu mvlbor esta razo que
a primeira e pensou que esta luz linlia tra-
li ido o intimo pensamento de Diana. Logo
lodas as duvidas se desvaiieceran cjulganlo
possam precisar para o seu progressivo nie-
llioramenlo material mas tambem que elles
sao os mais proprios, por sua maior instruc-
,co. para o estado-maior do exercito que
alguns sao empreados na escola militar.
Mais dillcil era marcar o numero dos olli-
ciacs combatentes com relago s tres ar-
mas de infantaria cavallaria e artilbaria.
Quanto a divisan das armas foram consulta-
das as necessidades do servico cm attencao as
circumstancias locaes do paiz e para a de-
signaco do numero lomou-se por base que
este so prestasse a urna organisaijo regula'-
doscorposde todas armas, qualquer que fbs-
se a forca annualmenle lixada pelo poder le-
gislativo entre dez c dezaseis mil bomens; pa-
r'ecendo conveniente que, ou a forga augmen-
te ou diminua dentro dos extremos que se to-
maram por liase, exista sempre o numero de
ofliciaes para a primeira liypothese alim de
evitar a irregularidade de supprir as faltas
com ofliciaes de commissao a que tem sido for-
zoso recorrer, extremamente prejudicial ao
servico e disciplina do exercito e reconlie-
cidamente oneroso lasenda nacional.
A' vista do exposto julgo merecedor da
soberana approvacao de V. M. I. o decreto
da organisago do quadro do exercito que ,
em execuco do decreto n. 160, do I. de
Dosembro de 1841 tenho a boma de olfe-
recer a alta considerago de V. M. I.
Sou Senhor com o mais profundo res-
peiloe acatamenlo ; de V. M. I. o mais li-
l subdito e humilde criado O ministro da
guerra, JozeClemente Pereira.
DEOKETO.
Artigo i. O exercito do imperio do Brasil
ser composto dos olliciacs de primeira Huta
constantes doseguinte quadro :
1. Estado maior general :
Marcchal do exercito I ; teenles-gone-
raes, I; mareehaes decampo 8 ; brigadei-
ros, 16. Soma 20.
2. Estado maior do exercito ele primeira
classe :
Coronis, 12; tenentes coronis, 12;
majores 2i ; capiles 24; tenentes, 21;
alferes -24.Soma 108.
3. Estado maior do exercito de segunda
classe :
Coronis, 6; tenentes coronis 6; majo-
res 24; capites, 2i; tenentes, 24:
alferes, 24.Soma 108.
i. Imperial Corpo de Engenheiros :
Coronis 6; tenenles-coroneis, 12; ma-
jores 18 ; capites 24 ; prmeiros tenen-
tes, 50; segundos tenentes, 60. Soma 150.
5. Infantaria : Oito batalhoes de infan-
taria compostos de oito companhias cada
um.
Ofliciaes do grande e pequeo estado maior.
Coronis ou tenentes coronis comman-
danles,8; majores, 8; ajudantes 8;
quarteis-mestres 8 ; secretarios 8: capel-
les 8 ; cirurgiries mores 8 ; cirurgios
ajudantes ,8.Soma 64.
Oflei.ics de companhias.
Capites, 64; tenentes, 04; alferes, 128.
Soma 256.
Oito.batalhoes de cacadores compostos de
seis companhias cada um.
Olliciacs do gratad*1 e pequeo estado maior.
Coronis ou tenentes coronis cornman-
dantes 8; majores, 8: ajudantes, 8; quar-
teis-mestres 8; secretarios 8 ; capelles ,
8; cirurgioes-inores, 8; cirurgies ajudan-
tes 8.Soma 61.
Olliciacs de companhias,
Capites 48 ; tenentes 48 : alferes ,
90.Soma 102.
Em circumstancias ordinarias haver s
um alteres em cada compendia passanllo a
aggregados os mais modernos.
. Tres rgimen tos de cavallaria, compos-
tos de oito companhias cada um.
Ofliciaes do grande s pequeo estado maior.
Coronis 5 : tenenles-coroneis, o ; ma-
jores 3 ajudanlos, 5 ; quarteis-mestres ,
: secretarios 3; capelles, 3 ; cirurgios
mores 3 ; cirurgies ajudantes 3 ; vete-
rinarios, 3; picadores 3.Soma 55.
Ofliciaes de companhias.
Capites, 24; tenentes, 24; alferes,
48.Soma 06.
Em circum.dancias ordinarias haver s
um alferes cm cada companhia passando a
aggregados os mais modernos.
7. Artilbaria : Tres halalhes de arti-
Iherin a p, compostos de oito companhias
cada um.
Oflieiacs do grande e pequeo estado maior.
Coronis, ou tenenles-coroneis comman-
danles, 5; majores, 5; ajudanlos 5; quar-
teis-mestres 5 ; secretarios 5 ; capelles,
5; cirurgies mores 5; cirurgies ajudan-
tes, 5.Soma 24.
Ofliciaes de companhias.
Capites 24; primeiros tenentes, 24; se-
gundos tenentes 48.Soma 96.
m corpo de artilbaria a cavallo, com pos-
to de quatro companhias.
Ofliciaes do grande e pequeo estado maior.
Coronel ou lente coronel commandan-
le 1 ; major, 1 ; ajudanle 1 : quartel
meslrc 1; seoretario 1; capcllo 1; cirur-
de seu interesse mesmo deixar-lhe nutrir u-
ina esperanza que elle se absterja bem de
realisar
Minhas palavras sao pois to obs-
curas ajunlou elle com espanto que as nao
leudes comprehrsndido ? Osceptro do Ar-
chipelago vos pertencede direito : offerecer-
vo-loem troca da vossa affeicao eis qual era
o mcu intento. Diana continuou elle cin-
gindo com seus bracos o corpo da donzella ,
vos me tendes emlni algum amor 1'
Ella reuni todas as suas forcas e respon-
deu com urna voz fume.
Eu vos amo Sr.
Joo imprimi sobre seus cabellos um dila-
tado heijo. Ella nao linha previsto este su-
plicio : resignou-se-lhe e soflocou em seu co-
raQo este desgosto. Mas desembarazndo-
se de seus bracos ella corren precipitada pa-
ra o armario aoiide estavam postas numero-
sas garrafas. Depois de um exame minucio-
so escolbeu d'entre todas una e apre-
sentando-a ao Duque:
Tomai lhe disse e se urna mo atre-
vida langar esta noute no copo de Jacques o
comido ueste frasco juro que ao romper da
aurora os sinos da Cathedral suar o toque
de seus fuucraes !
Joo pegou no frasco com um transporte de
alegra, qne logo rep;imio.
Obligado Diana.... Eagora disse el-
le offereccndo-lhe a mo permilti que vos
condusa a casa da Duqueza minha mi...
AIravessaram cm silencio a galera, disse-
I racn-se um adeos, e a porta do quarto da du-
\ queza se fechou sobre Diana. Era lempo de
estar s. Esta di:simulaco a teria submet-
tido a urna cruel tentativa. Ella se proslrou
de joelhos e com nina voz atormentada de
suspiros :
Oh nao ser exclamou nao ser
' mcu Dos esta mentira urna das que vos
me perdoarcis ?
Mas Joo, no momento de ir aggregar-se
a seus irmos, foi relido por um ultimo es-
crupulo.
Seu espirito suspeitoso nao poda mesmo
dar crdito i lealdade no crime. Semsea-
justar primeramente idea de urna traito ,
com ludo nao se cegou de sorte que nao
conservasse alguma desconfianza de um sa-
crlico lao imprevisto. Por outra parte el-


I
l
i



gio mor, 1; cirurgio ajudante 1: vete-
rinario I; picador, I. Soma lo.
OfficiaeS ile Companhias.
C pitaes, 4 5 primoiros lenles, 4 5 se-
gundos lenles 8.Soma 16.
Em circumstancias ordinarias liavor so
un segundo lenle em cada companliia ,
passando a aggregados os mais modernos.
8. Quatro companhias de artfices.
Capilaes i; priineiros lenctes 4; se-
gundos lenles 8.Soma 10.
9. l'm corpo de ponloneiros sapadoresc
niineiros, conipostode duas companhias.
Oficiaes do grande e pequeo eslado inaior.
Tenente coronel, ou major commandanle ,
1; ajudanle, 1; quartel mostr I; secre-
tario 1, cirurgio ijudanle I.Soma 5.
Officiaes de companhias.
Capilaes, 2; primeiros lenles 2; se-
gundos lenles 4. Soma 8.Tolal 1287.
Artigo 2. governo designar animalmen-
te as pravas de pret de que dever compor-se
cada um dos sobreditos cor pos segundo a
loria que forlixada cas necessidades do ser-
vido fxigirem dando aos mesmos corpos a
orgapisago que julgar mais conveniente ,
podendo, em oircunislancias extraordinarias';
crear oulro de novo : se as praxis de pret de-
cretadas excederem de 10 mil. Joze lilamen-
te Pereira do mou conselho, ministro e se-
cretario de estado dos negocios da gUena, o
lenhaassim entendido e faca executar com os
despachos necessarios. Palacio do Rio de Ja-
neiro em 25 de Abril de 1812, vigsimo
primeiro da independencia e do imperio. -
Cora a rubrica de S. M. o Imperador. Jo/e
Ciernen le Pereira.
D(0S Ao Commandanle das armas e
ao Inspector da thesouraria da faz-inda par-
lecipando emeonsequencia do Imperial Aviso
de 14 de maio ultimo que o Alferes de ca-
tadores de I.1 Italia Antonio do Alhuqiierque
Maianliao foi reformado por Decreto de 2 de
Dczembro de 1850.
Dito__Ao Inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes ordenando que mande sa-
tisfazera conla que lite remelle de objec-
in comprados para o Lyco d'esla cidade, na
importancia de 82000 reis.
Dito Ao Exm. eRm. Director do Lyeo,
participando haver expedido a ordem pre-
cedente. i
DitoDo Secretario da provincia a Joo
Cancio Prospero Moiitanha cominunicando
ter S. M. o Imperador approvado a nomea-
co que a Presidencia fez Je S. m. para o
Emprego de Porteiro da Biblioteca do Curso
jurdico de Olinda ; e dizendo-lhe que sol-
'icite o seu titulo pela Secretaria d'Estado dos
Negocios do Imperio, segundo determinan
Imperial Aviso de 19 de maio ultimo.
COMMANDO DAS ARMAS.
lacado visto haver aiuda falla do Tambores.
Dito Ao mesmo Exm. Sur. procurando
sabor por que reparticajlevio ser foilas as
disposas com o transporte de varios utoncis ,
pie foro roqusitados para as Companhias do
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 15 DO CBRENTE.
llicio Ao Chele da legiao de Iguarac ,
remeltendo un exemplar do decreto o ins-
truccflesdeC de abril de 1841 sobre o recru-
tamento.
Dito Ao Inspector da thesouraria da fa-
zenda intelligenciando-o de ter participado
o General commandanle em chefe do exerci-
to do sul, que o Cirurgio Ajudante do 0."
batalho de cacadores de 1 linha Joze Fe-
lis de Moraes tendo deixado sua familia
n'fes Provincia a cnnsignaco de onze mil
reis a augmentara com mais sote desde ou-
tubro de 1850 : o ordenando-lhe que man-
de salisfazer dita familia o acrescimo que
se estiver dever e continu a pagar-lhe na
conformidade da referida participarlo.
Dilo Ao Exm. General em chefe supra-
mencionado coinmunicando-lhe a expedic-
co da ordem antecedente.
Ditos Ao Inspector da thesouraria das
rendas provinciaes ao Engenheiro em chefe,
e ao Administrador Fiscal interino das obras
publicas remetiendo copias dos nevos reg-
lamenos para a rnparlico das obras publicas
d'essa provincia, com data de 25 do correle,
usquaes devero ser postos em elfeilo no dia
l."de Julho prximo vindouro: e ordenando ao
ultimo, que de as necessarias disposices, pa-
ra que as contas d'aquella ailnunislracao -
quem fechadas impreterivelmente no fin do
rnez corrente.
Dilo Ao Juiz relator da junta de Justica,
transmittindo para fazer prsenle mesma
junta o processu dos reos Joze Rodrigues Soa-
res, particular do batalho provisorio, e Joo
Francisco Ferreira Magalhes 1.* sargento
do 5." batalho d'artilharia ambos d'esla
provincia.
le considerava um cumplice como nm inimi-
go de que era misler sempre acautelar-se ,
e como Diana era mulher leve medo. Quem
sibe ? De urna indiscripgo ; e de um remor-
so tal vez...
Quero assegurar-me da donzila, pen-
sou elle como me apoderei de sen pai.
Neste momento Lionello entrou.
Pedro est em segredo ? perguntou o
printpe.
J o poslei segundo as vossas ordens ,
meu senhor, ii'um logar aonde nao tem
espaco se nao para sentar-se e o ar preciso
para nao morrer.
Rem est. Tu ves esta porta ?
Sim meu senhor.
E' a nica que eommunica com oquar-
lo da duqueza mai : Diana Crseola acaba de
entrar nelle. Gonduz para aqui dous dos teus
camaradas e para mais segurancia fi-
cars com elles. Lionello escuta bem a or-
dem que te dou. Esta porta para ninguem
dfve.abrjr-se ; e cusa da vossa vida impe-
diteis que Diana transponha o seu limiar.
Contai com minha vigilancia disse Lio-
nello, Juro f msus soldados que esta cania-
EDITAL
Antonio Pedro de S Brrelo, Commendador
da Ordem de S. Rento d'Aviz, Tenenle-Co-
ronel, e Commandante das Armas da Pro-
vincia de Pernambuco por Sua Magestadeo
Imperador que Dos Guarde &c.
Faz saber ao Snr. Alfores do Batalho Pro-
visorio Bcnto Ferreira Marques B.-azil que
so deve apresenlar da lcenga que obteve por
j a ter excedido desde 50 de Maio do corren-
te anno cuja apresentac,o deve de ter effei-
to no prefixo prasodedous mezes a contar
do referido 50 de Maio alim de evitar a pena
designada no Art. 1 da Resoluco d'Assem-
blea Geral Legislativa de 2G de Maio de 1855,
em face da qual e do disposto no Art. 5." se
faz o presento chamamento Quartel do Com-
mando das Armas de Pernambuco 18 de Ju-
nho de 1842.
Antonio Pedro de S Brrelo.
Quartel do Commando das Armas r!e Pernam-
buco 18 de Junho de 1842.
ORDEM ADDICIONAL.
O Commandanle das Armas em obser-
vancia ao Art. 5." da ResoluQo d'Assembla
Geral Legislativa Je 20 de Maio de 1855 de-
clara as Tropas da guarnco, que se acha au-
zenle por excesso de I cenca desde 50 de
Maio deste anuo o Snr. A'feres do Ralalho
Provisorio Bento Ferreira Marques Brazil.
Antonio Pedro de S Barretu
EXPEDIENTE DO DIA 6 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. Prezidente transmi-
tindo-lhe competentemente informado o re-
querimento de Manoel Cavalcsnti da Silveira
Bizerra Tenente de Commisso cmpregado
no Batalham Provisorio que supplicava a S.
M. o. a confirmago do dito posto.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. restituindo-
Ihe com informacao do Tenente Coronel Com-
mandante do Batalham de Guardas Nacionaes
destacado, o requerimentode Domingas Ma-
ra da Conceico, que pedia fosse excluido do
servico do dito Batalham seo ilho Antonio
Ignacio Maxado por ser elle o seu nico ar-
rimo e de sua familia.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. rogando-I he
a expedico de suas ordens ao Chefe da Legio
de Guardas Nacionaes do Limoeiro, para que
m-mdnsse um corneta faser temporariamente
o servico na 4 w Companbia do Batalham des-
Batalham de Guarda* destacado em servico
fura da Capital.
Dilo Ao mesmo Exm. Sr. encaminhan-
do-lhe competentemente, informado a reque-
rimento >Im Alferes Francis-o Antonio da
Fonceca UalvAo, e Joaquim dos Santos Noves,
destacados em Fernando de Noronha que
pedio o pagamento do vencimenlos que se
Ibes estavo a lover.
Dito Ao mesmo Sr. rogando-lbe a expe-
diento de suas ordens para que (tosen rece-
bidos a bordo do Vapor Correio Brazileiro ,
cinco pracas pertencentes a Provincia da Pa-
rahiba cujas guias lhe enviava e mais 1
2 sargento e 2 furrieis que so ollerece-
ro paia servir no exercito do sul.
Dito Ao mesmo Snr. significando-lhe que
posto setivesse submeltido ao governoimperial
adeciso de se deverem, ou nao abonar caval-
gaduras aos capites mandantes dos corpos ,
onde nao majores julgava todava conve-
niente, que aos reeridos mandantes se abo-
nassem as forragens competentes mediante
urna llanca prestada na Thezouraria pois
que ditos mandantes estavo privados da gra-
tificado do commando do suas companhias ,
por assim o determinar o aviso de 15 de Ja-
neiro deste anno.
Dito-Ao Exm. General comandante cm che-
fe do exercito, remettendo-lhe as guias do 2o
sargento Antonio Jos Maxado Belforl. e furri-
eisNicoloTolentino de Mello,e Vctor Goncal-
ves Freir que se o florecer o para servir no
mesmo exercito eseguio nosta occasio pa-
ra a corte no vapor correio brazileiro.
DiloAo Exm. Gunoral commandanle
das armas da corte communicando-lbe que
no vapor correio brazileiro seguio com des-
tino a servir no exercito do sul o sargento ,
e furrieis mencionados no officio cima e ro-
gando-Ihe que em opportuna occasio fu.csse
seguir taes pracas para o exercito jacompa-
nhadas do oficio que lhe transmittia para o
commandante em chefe.
Dito--Ao Exm. Coronel Francisco Jos
Marlins ; remettendo-lhe a Portara de no-
meaco e mais papis que serviao de funda-
mento aoconcelho de guerra a que hia res-
ponder o capilam d'artlheria Adelo Lopes
de Santa Anna, pela culpa de s ter entregue
nesla Provincia 108 presionemos livres ,
quando receb.-o na corte 111, o recomendan-
do-lbe que coma possivel brevidadeconvocasse
oconcelho e lhe dessf andamento.
Dito -- Ao Major commandante da fortalosa
do brum disendo-lhe em resposta aoseo of-
ficio do 51 de maio ultimo, que approvava as
instrucc,es que remetiera tendentes ao ser-
vido interno da mesma fortalesa.
Dito Ao Sub-delegado da freguesa da
Boa-vista disendo-lhe que pelo commandan-
te do batalham provisorio, lhe seria apresen-
tada a relaco das pracas do mesmo batalham,
queem conformidade com a lei estavo no caso
de votar as prximas elei^oes segundo requi-
silava em seu officio de 4 do corrente.
Dito Ao Commandante inlerino de ita-
marac dizendo-lhe que poda responder
ao juiz municipal de Iguarass que a forta-
lesa nao linha priso segura, onde fossem re-
colhdos os presos de justica c cummunican-
do-lhe que no despacho dado no requerimen-
to do almoxarife em contrario a soluco do
seo officio do i do corrente.
DitoAo Commandante do vapor corrcio-
brazilero, mandando-lhe apresenlar a bordo
o ex-soldado Joaquim Thomaz d'Aquioo, que
segundo as ordens da prezideneia doria ser
condusido a corte.
Dilo Ao Commandante geral do corpo do
polica dando resposta ao seo oflicio qu#
tractava do soldado Jos Ferreira dos Passos ,
que sendo designado para b batalham de guar-
das nacionaes destacado, se engajara depois nx>
corpo do seo commando.
Portara Nomeando o concelho-Je guerra
do capitam Adelo Lopes de Santa Anna.
Dita Ao Tenente coronel commandanle
do batalham de guardas nacionaes destacado ,
mandando excluir com guia para o respectivo
corpo o guarda Miguel Archanjo Romio ,.
que devia ser por oulro substituido.
ra ser nina priso segura como a de Paleon-
Oros.
Tranquiilisado por esta parte Joo cor-
ion torre oceultando o frasco sob as pregas
do seu gibo.....
O banquete nao linha aindo terminado e
Jacques conversa va alegremente com seus ir-
mtagi
Bugg mudou os copos para os encher de
um vinho velbo de Cienta. Porem Joo lhe
tirou a medida das mos diz.endo-lhe ao ou-
vido algnmas palavras. Bugg se retirou sem
responder
Eu quero disse Joe logo que Bugg par-
tiu fazer-vos as honras deste vinho genero-
so o conde de Provenca ha muito mandou
a nosso pai. Permitti-me olfereccr-vo-lo e
de o deitar en mesmo.
Elle torneou a mesa vagarosamente e ser-
vio a Jacques o ultimo: depois agilundoe
levantando o seu copo.
A' saude da prosperidade do Anhipela-
go exclamou e do bom xito da exped*
cao de Pedro Loridan !.......
Entretanto Diana presa de vivas inquta-
ta^oes era atormentada de desejos de vollar
TB1BNAL DA RELAQ'-O'.
Sesso de 18 do corrente.
Na appellaco crime do Juizo dos Jurado?
desta cidade appellante Raimundo Nonato
Cavalcanli, e appellado o Dr. Promotor pu-
blico Escrvo Rogo Rangel, se nao tomn
conhecimento do recurso nterposto.
Na appell-go crime do Jury da Villa de
Estrenos, appellante Severino Ramos da
Costa appellado Franqueo Pereira de Brilo,
Escrivo Postumo ; foi julgado improcedente
o recurso.
Na appellaco crime da Cidade da Fortale-
za appellante oJuizo, appellado Joaquim
Ferreira de Souza Jacaranda Escriro Ja-
eomo ; se mandn remelter o Processo ao
Juizo competente na forma do ^ 29 do Re-
gulamento de 2 de Fevereiro do crreme
anno.
Os Embargos de Joo Manoel Finio Chaves,
contra Firmino Joze Felis da Roza Escrivo
Ferreira ; foro despiezados.
Na appellaco cirel do Juizo desta Cidade ,
appellante Manoel Zeferino dos Santos ap-
pellado Adolfo Schramm Escrivo Reg Ran-
gel ; se julgou pela conrmaco da sen tenga
recorrida.
Na appellaQo crime dos Jurados da Cidade
da Parahiba appellante Luiz Caetano Bor-
ges appellado Victorino Pereira Maya Es-
crivo Ferreira ; foi julgado nullo todo o
Processo.
REPARTICAO DA POLICA.
Parte das occorrencias dos das |4, ei5do>
corrente.
Consta, segundo as partidpaces, feitas pe-
lo Commandante geral do corpo policial, que
no dia 14 foro presos Manoel Joo por um
soldado do mesmo corpo, por estar espancan-
do a urna preta ; e Joze Francisco da Costa,
pela 1. Patrulha do lugar do mundo-novo,
por lhe ser apprehendido um caivete cujos
presos foro recolhidos Cadeia ; assim como
quehontem nao occoreo novidade n'esta Ci-
dade.
da 16.
Da Parte boje dada pelo Commandante ge-
ral do Corpo Policial consta que honlen? nao
occorreo novidade.
Pessoas despachadas nos das 16 e 17.
Porto com escalla por Lisboa = Antonio
Lopes Ferreira porluguez.
Rio Grande do Sul == Pedro cscravo da
Marcelino de Carvalho Rapozo.
Rio Formoso = A (Tonco, escravo de Fran-
cisco da Cunha Machado.
Aracaty = Padre Francisco Ayres de Mi-
randa Henrique.
galera por espiar as actes de Joo. Quiz
sabir; mas dous guardas se atravessaram di-
anledella : soube que eslava encerrada e se
sontiu envolvida de um gelado tremor. Jac-
ques eslava perdido.
Nunca um tal acontecimenlo tinha sido
mais bem organisado. As sentinellas guar-
davam a porta ; Lionello as vigiava 5 e Bugg,
agachado a um canto sem movimentoecom
o olho alerta espiava juntamente urnas e
oulra.
111.
A saluda secreta,
Quando Dianna se viu assim encerrada c
impedida de todo o soccorro humano horro-
risou-se da sua propria obra. Contava para
salvar Jacques com a demora que loria permit-
tido a qnalquer servo aifeigoado de chegar-se
a elle e deobslar-lheo elfeilo da bebida e
de fazer-lhe una revelaban que seria im-
preterivelmente segu da do immediato casti-
go dos culpados. Agora era preciso renun-
ciar a este fcil trumpho. Diana era victi-
ma do seu estratagema e Jacques ia passar
da vida aosomno e do somno morte.
Ento ella sentiu a cabeca tontear-lhe e
sua vista petrificar-se toda a sua alma se
embeheu lumia interna desesperado. A ima-
gem de Jacques soffrendo de Jacques mor-
rendo por ella veio >ostar-se-lhe diante do
seus olhos Nottas fnebres murmuravam a
seus ouvidos : ella suecumbia sua dor sem
mesmo encontrar forca para a luctar.
Mas apenas dissipado este sonho osenli-
menlo lhe tornou pouco a pouco: elh se for-
tificou por urna oraco e se poz com can-
dura sublime a esquadrinbar por todos i
cantos do quarto como se desde o tempo
que o habilava lhe nao conhecesse por gos-
to as disposicOes mais misteriosas. Nao im-
porta ; ella eslava presa e ao lado das an-
gustias as mais terriveis-, Dos pe sempre no
coraco dos encerrados esta chama ; que nem
as abobadas mais hmidas, nem a falta de ar
poderiam extinguir \ este raio que reluz na
espossa treva dasenxovias que anima a vi-
da prompta a gelar-se e que se chama es-
peranza.
K
Conlinuar-se-l>- )


?>

Parahiba com escalla para Babia e Sergype
__ jze Antonio de Souza Machado portu-
iu'cz levando em sna companhia o seo escra-
vo de nome Francisco.
Rio de Janeiro Joze Manoel Pinto, Por-
tuguez.
Mai-inlio =Jozefa escrava de D. Fer-
naiidina Amalia Maria da Cunlia.
Luanda = Joaquim Raimundo Lapenberg,
brrsilciro.
.Secretaria ta Polica de Pernambuco 17 de
Junhode 1842.
da 18.
Touros = Andr de Souza Miranda e Silva,
brazileiro levando em sua companhia o seo
fmulo de nome Manoel Francisco.
Dito= Ignacio Gomes de Castro brazilei-
ro levando em sua companhia sua mulher .
dois lilhos menores e um escravo de nome
liento.
Estados Unidos ss Claude Antoine Rafun ,
francez Michel Minero, sardo.
Macei s Antonio Gomes da Silva por-
tuguez.
Aracati = Antonio Jos Nunes Guimaraes,
portuguez.
Atalaia as Miguel Pereira da Silva, bra-
zileiro.
________ ***
A PEDIDO.
Ao lllm. e Exm. Snr. Baro da Boa-vista ,
Prezidente desta Provincia.
SONETO.
Oh Patria d'heroes Pernambuco, exulta !
Quanlo vio de notavel toda a Historia,
T cheio de prazer, cheio de gloria,
Reproduzesem ti, em ti avulta :
Essa Roma orgulhoza Alhenas culta,
Perdendo vio por ti sua memoria ;
Nao te ornao das conquistas a victoria ,
S presto punes quem a Le insulta.
!Nem s Titos p'ra si Roma rezerva ,
Rcgossabem melhor, oh! Patria,ornar-te...
Sen nome por brazo guarda conserva:
Ah quanto deve tal hroe honrar-te !
Sei>or hum lado he (Uno de Minerva ,
He por outro leu (ilho be Reg, he Marte.
Por J. A. daFonceca.
Manoel Martins Ribeiro ... 2
Joze Rodrigues A* Souza .... 2
Paulo Cavalcanle de Albuquerque 2
Mczde Maio.
Aula de Geometra.
Antonio de Paula Almeitla Albuquerque 5
Antonio Joaquim Buarquo .... 2
Feliciano Rodrigues da Silva ... 2
Secretaria do Lyceo 17 deJunho i|i 1812.
O secretario
J. Facundo da Silva Gdinia:a >s.
= Hoju he a arrematado de 2 caixas il
assucar branco na Meza do Consulado.
= Hoje se realisa o contracto do forn menlo d diversos ohjectos para o Arsenal de
Marinha.
THEATRO DE TARDE.
A's 4 horas em ponto Dia de S. Joo :
grande Expectaculo de Jovens artistas com-
posto de representago de Brlela 'in msica,
Dantas e Cantonas = Entrada geial 500 rs.
COM M ERGIO.
Tente Antonio Joze Francisco Paixo : pas-
sageiros brasileiros = Antonio Corris dos
Anjos o Antonio da Costa Braga.
Dito ; Patacho Brasileiro S. Amaro Capito
Manoel Joze Ribeiro, carga diversos g-
neros : passageiro brasileiro = Lmbelino
l'Vrn'ira Dias.
Mi Grande do Sul ; Brigue Nac. Austral ,
Gap. Antonio Joze Pereira carga diver-
sos gneros : passageiros brasileiros= Ma-
inel Antonio Correia e Marcelino Carva-
.lio Raposo.
ENTRADOS NO DIA 18.
Baltimor 5 50 dias; Brigue Americano Pont-
tiney, de 251 tonel. 5 Capito James Mo-
natt ; equip. 9 j carga Farinba de trigo ;
consignado a Luiz Gomes Ferreira.
Santa Helena; 14d. 3 Rarca Inglcza llamil-
ton, de 290 tonel. 5 Cap. Bicardo Ilamil-
ton 5 equip. 18 ; carga lastro.
AVISO MARTIMO.
EDITA ES.
Pela administrado da pieza do consu-
lado se faz saber que no dia 22 do Brrente
se ha de arrematar porta da mesma admi-
t istracao urna caixa de assucar branco apre-
hendida pelos respoclivos empregados do tra-
pxe da companhia por inexaclido da tara ;
>cndo a arremalaco livre de de.-pezas ao ar-
rematante. Meza do consulado de Pernam-
buco 17 de Junho de 1842.
No impedimento do administrador
Francisco Manoel d'Almeida Catando.
Luiz Francisco do Mello Cava lean te, Eservo
v Administrador da Meza de Rendas Inter-
nas Provinciaes desta Cidade tic.
Vaco saber a quem convier que do dia 1.'
ao ultimo do corrente mez sao contados os
trinta dias marcados para o pagamento a boca
do cofre da decima dos predios urbanos dos
irez bairros desta Cidade e Povoaco dos Af-
fogados do 2.' simestre do anno financeiro
de 4841 a 1842 findo o prazo marcado por
lei, serio executados ledos os devedores, nao
s pelo simestre lindo como dos annos ante-
rore pelo principal e juros na forma do
Art. da Lei Provincial n.* 94 do prezentean-
no. E para que o referido conste a quem pos
sa interessar, mandei publicar o prezente pe-
lo Diario de Pernambuco. Mexa de Rendas
Internas Provinciaes 14 de Junho de 1842.
Luiz Francisco de Mello Cavalcanle.
DECLARARES.________
Pelo Lyceo d'esta cidade : continuacio das
faltas dadas pelos seus alumnos; a saber.
Nomes. Faltas
Metes de Abril e Maio.
Aula de Rhelorica.
Galdino Joo Jacintho Borges .13
Fabio Vellozo da Silveira..... 11
Joze Maria de Figueredo ..... 7
Amaro Bitorra Cavalcante Carneiro 6
Francisco de Paula Gomes Pcixolo 5
Francisco Verissimo Bandeira ... 4
Joze Filipeda Silva ...... 4
Joze Gamillo Ferreira Babello .
Joaquim Belizario Lins Ucha ... 2
Aula de Francez.
Isidoro Martins Suriano..... 4
Joo Tiburcio da Silva Guimarcs 3
Pedro d' Alean tara Guimaraes Peixoto 3
ALFANDEGA.
Randmenlododia 18 de Junho 2:410*520
descarrecaO uoje 20 de junho.
Brigue Hespanhol = Florentino = Vinho ,
chumbo e passas.
Barca Austraca = Gara = Farinba de tri-
go.
Brigue Americano = Poultney = Fasendas,
cha, e farinha de trigo.
Brigue Inglez = Floraville = Carvo de pe-
dra.
Patacho Portuguez = Paquete da lerceira =
Vinho vinagre, azeite e carnes.
Polaca Sarda = Bario = Vinhos.
IMtAOA DO RECIPE 18 DE JUNHO DE 1812.
Revista Mercantil.
Cambios Nao consta terem havido trans"
aces e os precos colados podem"
se dizer nominaes.
Algodfio Sem transages.
Assacar No fim da semana oi mais pro-
curado, e as vendas regularade
(550 a 700 por arroba sobro o
ferro.
0)UroS Sao procurados de 155 a 140 por
libia.
Baralho Tem-se retalhado de 7* a 8*500
a barrica conforme a qualidade.
Carvo de prdra Nao ha.
Cha Hysson e Perola Vendeo-se a 1:920
a libra.
Carne seca Entrara dous carregamentos ,
um de Montevideo e outro do Rio
Grande do Sul cora os quaes
existem no mercado 36:000 ar-
robas.
Farinha de Trigo Entrou um carregamen-
to de Baltimor que ainda se nao
vendeo. A de Trieste tem-se ven-
dido de 21* a 25*000 rs. a barrica ,
a retalho e a Americana a 22*.
Dita de Mandioca Tem-se vendido de
4*800 a 5*000 rs. a saca.
Manteiga A Ingleza tem variado de prego
conforme a qualidade ; a melhor
alcancou 500 rs. e a mais ordina-
ria 250 por libra. A Franceza con-
tina de 260 a 280 rs.
Salitre Vendeo-se a 160 por libra.
Vinho = O de Lisboa da marca PRB tanto
branco como tinto, vendeo-se a
122*000 a pipa.
Chegou um carregamento le Cette de 200
pipas que obteve 81*000 rs. por pipa.
Para o Ro de Janeiro saldr com
muto brevidade o Brigue Nacional Rebotigas,
Capito Joaquim Joze dos Santo; Malhado ,
por ter a maioria de sen carregamento prom-
pto quem quser carregar embarcar es-
cravos ou ir de passagem para o que tem
bons com modos dirija-se aos seus consigna-
tarios Amorim Innaos na ra da Cadeia D-
cima 21.
L E I L A 0
MOVIMENTO DO PORTO.
NAVIOS SAHIDOS NO DIA 18.
Cear, Maranho e Para Paquete de V-
por Nac. S. Sebastio Commandanle Joze
Maria Falco : passageiros brasileiros =
Joze da Costa de Brito Sanxes, Dr. Angel-
lo Custodio Correia, Antonio Joze Machado,
Manoel Jansen Pereira Joaquim Franco de
S, Joo Pedro Dias Vieira, Exm. Di. Venan-
cio Joze Lisboa, Manoel Joze de Albuquer-
que Miguel Fernandes Vieira Felippe
Joze Gomes do Machado, Joze Pedro de 0l-
vera Puanha Joaquim Joze Goncalves Ri-
beiro, Joo Carlos Pereira Ibiapina eo
Alemo Wagener.
Rio de Janeiro ; Brigue Escuna de Guerra
Nac^ Andorinha, Commandante o Capito
Leilo que fazo Cnsul Portuguez da
armago e mais utensilios da venda que per-
tenceo a extinta sociedade de Miranda & Pe-
reira Uto para liquidar : no dia 20 do cor-
rente pelas 11 horas da manha na ruado
Vgario n. 25.
AVISOS DI VERSOS.
SOCIEDADE EUTERPIXA
0 Sr. director niandu convocar a coinmis-
siio administradora para reunir-se boje as 6
lioras da tarde ; e convida aos srs. socios pa-
ra enviarem as propostas de seus convidados
para a prxima partida do da 1. de Julho ,
anniversario da sociedade
cy O Snr. Francisco Raimundo Salcna
Souza e Abrcu ou algur-m por elle aulhori-
sndo dirija-se a repartigo do Correo a Joflo
Dias Barboza Macudum para negocio de seu
inleresse ou annuncie sua morada.
= Appareceo a 4 ou 5 dias urna negrinha
crioula que representa ter de 10 a 11 annos
de idade niuito maltratada e quase nua pe-
dindo um agazalbo c disendo ser forra e llie
morrera a m ; porem como se desconfie 8OT
captiva adverle-se por este annuncio que
com os respectivos signaos seja procurada no
1. andar do sobrado D. 16 prximo Igreja
de N. S. do Tergo : adverte-se que nao se res-
ponsabilisa por fuga por nao ter a casa lugar
de eguranga.
= A pessoa que tiver urna escrava ou es-
cravo que nao tenlia ackaque nenhum seno
de ser avangado na dade e nao exceda no
valor de cem mil rs. ou decent e quaren-
ta: annuncie sua morada ou dirija-se ao
Afl*ogado na venda do snr. Joze de Miranda.
= Da-se 500* rs. a premio sobre penho-
res de ouro ou prata : quem pretender an-
nuncie sua morada.
s= Precisa-se de 2:500* rs. a premio por
tempo de um anno, dando-se por hypotheca
urna casa de excedente valor : a tratar na ra
da SenzalU velha sobrado junto a destillago.
= Aluga-se una casa terrea no bairro da
Boavisla nos 4 cantos ao entrar para a ra
do Cotovello lado esquerdocom commodos
para urna grande familia : a pessoa que a pre-
tender dirija-se a ra dos Quarteis 1. andar
do sobrado D. 11.
= Perdeu-se na noute de 15 do corrente,
desde a ra do Azeite de peixe ate ao patio da
Santa Cruz na Boavisla uns oculos de arnia-
go com aro de prata e os vidros redondos
e de cor azulada ; dentro em urna caixa pre-
ta quadrada dos mesmos oculos : quem os
achou far o favor entregar na ra do Azeite
de peixe no Recife a Manoel Ignacio da Sil-
va Teixeira. que gratificar.
cj~ Victorino Francisco dos Santos de-
clara a seus amigos e freguezes que mudou
sua residencia do atierro dos Affogados para
ra do Rangel, entre os snrs. Mendello e
Farias fabricante de vellas e ah espera os
seus amigos e freguezes, que seru bem ser-
vidos.
= Offerece-se urna mulher preta para a-
ma de leite : quem do seo preslimo se quiser
utilisar annuncie.
= Os Srs. que tem penhores de ouro e
prata com o prazo j vencido no 2 andar
do sobrado novo confronte ao tanque d'agoa
do porto das canoas os vam tirar at o dia
30 do corrente pois do contraro sero ven-
didos peanlo teslestemunhas, para paga-
mento do principa] c juros icando o annun-
ciante sem responsabilidade algunia para com
os mesmos Snrs. : vende-se na mesma casa
duas corren tes ou grilhfio de ouro superior fei-
tos no Rio de Janeiro pagando o comprador
meio feitio.
s Sabio o N 19 do Espelho das Bellas :
contem o seguinle: Mximas e pensamen-
tos marido como ha muitos mulheres co-
mo ha poticas ; ancdotas : vende-se nos lu-
gares do coslume.
z= Antonio Bernardo Cavalcante por seu
baslante procurador avista do annuncio do
sr. Francisco Joaquim Cardoso no Diario
de sabbado 18 do corrente Junho tem a de-
clarar para conhecimento do publico que
as 5i letras de 5:428iP da divida de Jonnes
Paton&C. de que naquclle annuncio'se
trata (Icario em poder do dito sr. Cardoib,
nao como propriedade destesr. e sim em pi-
nhor e seguranga das tres letras de 1:194*865
res, que o annunciante deve ao mestuo sr.
Cardoso a quem licou de pgalas nos prazos
estipulados como consta do recibo e clare-
za que o annunciante tem em seu poder e
por isto logo que ditas tres letras torem pa-
gas tem <> annunciante de receber aquellas
trinta e quatro e mesmo quando nao pa-.
gue nos seos vencimentos dilas tres letras ,
nenhum outro direilo tem o sr. Cardoso se
nao cbralas judicialmente e nao lcar eom
34 letras como propriedade sua c declara
mais que por conta daquelas 34 letras o an-
nunciante j fez pagamentos a Jonnes Pal-
ton & C., com urna casa com asaltear, eou-
tros gneros que orgaro em mais de quatro
ceiitos mil res e he devedor aosr. Cardoso
somenle daquelas tres letras e com esta
verdade tem esclarecido o que sobre o caso se
tem passado para nao baver duvidas ao futu-
ro. Como procurador bastaute Antonio
Francisco da Costa Braga.
er O aliaixo assignado dono do botequim
da Estrela, com grandeconstrangimento avi-,
za a seus frejuezes, que d'hoje em diante ,
nao fia mais ; por isso que se acha eom bas-
tantes fiados e como os seus fundos sejo
pequeos e nao possa impatar e nao deze-
ja que a caza caia ; por esse motivo pede aoSj
seus freguezes nao se escandalisem pora.((.
resolugo ; pois nao era de minbas intencOes
se por acaso prompamente pagassem. As
pessoas que boje em diante quiserem entrar
de assignantes, pagarao a mensalidade adian-
tda e sero bata servidos, com asseio e
promptido como he de costume : o mesmo
roga aos que Ihe devem bajo ile vif pagar
suas cotilas por isso que pretende queimar
os lvros. asa Joze Joaquim do S Pegado.
tS" No primeiro andar lo sobrado da qui-
na da ra das Cruzes aonde se aprotnpto
bandejas de bolinbos o mais iguarias de do-
ces ; tambem se fazeni bolos de S. Joo, com
loda perfeigo enfeita Jos com alfinim a
contento das pressoasquo os ancomendaretn.
t^ Tbomas Robertson, subdito inglez re-
tira-se para forado imperio.
C^ No dia nove para 10 do corrente, des-
aparecen do porto do Sr. Manoel Luiz Gonsal-
ves no Recife urna canoa de lote de 600 lir
jlos que tinha viudo do Cordeiro para so
concertar dos estragos sofridos durante um
empreslimo era que estivera e ocanoeiro
que a conducir e amarrara a recomendou
aos negros do Snr. Manoe Luiz Gonsalves ;
os quaes todava nao do solugo della; quem
da mesma der noticia dirija-se a ra do Vi-
gario D. 12 que era gratificado.
tST Joo Paulo Xavier de Salles solicitador
dos auditorios, faz scienU ao respeitavel pu-
blico que mudou a sua residencia da ra
da Florentina nova para a travessa da mes-
ma que busca por a parte da ra da Roda,
casa nova que a pouca scacabou sem decima,
que fica detraz dos sobrados de Joze Fernau-
des Eiras ; quem de seu prestimo se quiser
utilisar o achara prompto todos os dias das 6
horas as 9 da nunh e das duas as 4 da
tarde.
XST A pessoa que quser negociar um co-
nhecimento da Contadoria Gcral de sidos
atrasados pertencentes a urna viura cujo co-
nhecimento a Thesourara Cera! deve pagar
por estes 3 mezeg, o mais tardar, logo que
cliegue quota marcada para esse pagamento :
dirija-se a ra das Trincheiras. D. 16 que tem
nicho na freute quesefara qegocio vanta-
jozo a quera comprar.


r1
"*^!.?^ OMUmteti*M!!
ea
4
MLLLAS VEU&T.YES R l'.NIX KUS.VKS AMKUK.AN.VS.
Estas pitillas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que ten. feito nao requereio nem
dieta 8 n"iii resguardo algum ; a na com-
posigao tito simples que nao fazem mal a
mais loma crianza : em lugar de debilitar ,
fortificao o syslema purilicao o sangue ,
ugmento as secreg<*es em geral : tomadas ,
/a do homem solteiro e tambotn saiba Ira
larde dnenle : na ra por delraz da Matriz
Je S. Antonio em un sobrado de dous anda-
res no primeiro andar.
cr O Tmente Coronel Ignacio Antonio de
Barros Kalcaocomprou por con la do Reve-
rendo Conego Joo Rodrigues de Araujo, o
bilhele intciro den. 1901 da primeira parle
seja para molestia cbroniea 011 somonte co-| da segunda lotera do Rozarlo da Roa vista,
mo purgante suave; o inellior remedio que j er Aluga-se o primeiro andar da casa da
teni apparecido por nao deixar o estomago na do Queimado D. 8 : a tratar na loja da
naquelle estado de conslipagao depois de sua
oneraQta, como quase todos os purgantes fa-
zem ,.e por seren mni facis a lomar e nao
causarem incommodo nenliiun. O nico de-
posito dellps em casa de l). Knoth, agen-
te do autlior; na ra da Cruz N. 57.
N. 1*. Cada caxinha va embriilliada om
seu receiluario com o sello da casa em la-
cre preto.
= O caixa da Sociedade-Permanente, de-
clara aos soeios que dos 8 meios bilhetes, e
1 inleiro que ha va comprado por oonta da
niesma da 1 parte da dcima lotera do
theatro apenas sabio 4j em um meio e que
esta quantia fica em pregada por conta dos dez
socios em um meio bilbete n. 119 da I = parle
da lotera a favor do X. S. do Rozarlo.
de Agoas
niesma.
tsr Quem annuuciou no Diario de 10 do
lorente precisar de urna pessoa para enver-
nisar urnas obras dirija-se a ra
verdes I). 50 ou annuncie sua morada.
HT" Quem precisar de um bom administra-
dor do engenbo dirija-se a fora de portas
venda R. 10.
ssr A pessoa que amiunckm precisar de
200. a premio por 4 mezes dando boa fir-
ma sendo que esta agrade dirija-se a ra
(fo Vigario na venda da quina de Francisco
Ferretrada Silva.
IST Quem precisar do urna ama para co-
zinbar e engommar dirja-se a ra do No-
gueira 0. lo.
ty Quem precisar de 500, a premio dan-
\T Aluga-se um escravo excellenle cozi-
nlieiro para qualquor casa de pasto por mais
..blindante pie soja desempenha com asseio,
promptdo e gosto qualquer janlar mili
sad dolado de fergas bastante deslru
na lmpesa o asseo de urna casa ; tambero
se vender chegaiido-s a prego para prova
nenhuma duvida haver em da-la para ser
experimentado ; teui um nico deleito, que
parece ser inherente a mor parle dos cozi-
nheiros o de beber mus este defoilo como se-
ja nslle peridico fcil por jsspse lorna de
o desviar: no sobrado de 2 andares no atier-
ro dos AHogados defruiite do viveiro do Mu-
nz.
cr Qftn annuncioui querer comprar um
pianno ordinario dirija-se ao paleo da S. Cruz
casa ao p da do Sr. I'eretle.
cr l*i ecisa-scalugar urna casa terrea em
qualquer ra do bairro ;de 8, Antonic que
nao exceda do lOj a i9f-, tendo quintal e
cacimba: a tratar na ra de S. Rila nova D.
18 lado do nascenle.
Ero casa deJ. 0. Elster ra do vigario do fiador a contento, dirija-se a praca da
I. 55 ha para vender cartas Poitugue/as de
ptima qualidade fabricadas no Rio de Ja-
neiro ; bem como lem couros branco de lus-
tro pronrios para lelins de Olllciaes.
= O Administrailor da Meza di; Rendas
internas geraes declara, que o simeslre de
que tracU osen annuncio inserido no diario
de 1 ido coi rente hqo2, e nao o primeiro
como por engao apareceo e por isso inclui-
da no debito a Ordein 5 de S. Francisco,
que devera quanto antes pagar o que de facto
deve.
= Advcrle-se ao Sur. M. Z. que ten ha a
bondade de nao uzar de vender bilhetes de lo-
teras quo ja tem corrido, por que pessas que
vito comprar e nao reparo esles engaos
lico logradas, e como esta ja aconteceo
nao so comigo como tobem com mitra pessoa;
por isso faz-se o prezenle annuncio.
Iliim que licou logrado.
ST* Aluga-sc um bom armazeni com sa-
bida para duas mas e por isso proprio para
armazem do assuear na ra do Azeilo de
peixe : a tratar no caes da Alandega :io ar-
niazem de Dias Ferreiratx Compaiihia.
ty O Bacharel Formado Antonio Joaquim
de Moraes e Silva Curador geral dos Orlaos,
e Ausentes criptorio no bairro do Santo Antonio ra do
Rozario larga primeiro andar do sobrado da
esquina defronte da Igreja ao voltar para a
ra estreila do mesmo nomo ; e advoga no
erime ecivel, quando nao for'incotnpativel
com o logar que exerce : as pessoas quo com
elle liverom do tractar, podem-o procurar no
seu escriptorio das 7 horas da manh ate as
5 da larde.
cr Miguel Joze Alvos subdito portuguez
relira-separa fora do Imperio.
GT Os abaixo assignado administradores
da casa do fallecido Joaquim Lopes Macha-
do rogo aos devedoresdo dito fallecido, de
virem pagar os seus dbitos a mesma admi-
nistrago vistoso acharem legalmente au-
thorisados : no escriplorio do primeiro abai-
xo assignado. = Ilenry Forster & Companhia,; circunstancias dirija-se a ra da Cadeia do
Independencia n. 5.
ssy Mm resposta ao annimiio do Sr. Silva
Medciros tem-se a dizer-lhe que por nao se
saber com certeza a pessoa a quem foi com-
prado os bilhetes da sua rifa por isso foi o
motivo de se ter feito aquello, annuncio por
(pie do contrario ja a muito tempo se leria
hido recebero dinbeiro dessa pessoa que os
vendeo ; portanto roga-se de novamentc ao
Sr. Medeiros que queira indicar o lugar que
se pao ditos bilhetes.
%Z5~ PrecLa-se de urna casa de sobrado
para urna familia em urna destas ras :
da Cadeia nova, Colegio, Cabug, e Quei-
mado ; quem lver dirija-se a fabrica de cha-
llos junio a cadeia.
tSP Precisa-se de dous pequeos para
caixeiros : no forte do Mattos em cima do ar-
mazem de Joze IVreira Yianna, ra daMoeda.
xsr Precisa-so alugar um sitio que seja
distante da pra^a meia legoa pouco mais ou
menos e que tenha pasto suficiente para 0 a
10 vaccas de leite todo oanno ; quemo liver
annuncie ou dirija-se ao atterro da Boa
vista D. 10 a fallar com Frederico Chaves.
iv Na padaria o pastelaria franceza no
atterro da Boa vista D. 22 (recebeo-se lti-
mamente um magnifico sortimento de obje-
ctos de confeitaria que servem pela sua su-
bida qualidade tanto rara soires como pa-
ra presentes ludo como as afamadas amen-
doas reacs cobei tas (rulas espelhadas de
assuear caixinlias ornadas de desenlio guar-
necidas dos molhores coufeitos hcelas de
folha com as afamadas ameixas do tours, 3S-
sim comoos fraseos d excellenle e ja bom
apreciada agoa de flor de laranja.
C? Precisa-se de uro homem Europeo pa-
ra feitorisar escravos em um engenho distan-
te desta praca 10 legoas : no armazem de car-
ne secca de Antonio Caldas da Silva ou an-
nuncie.
t^ Quem annunciou no diario de 18 do
correnle querer comprar um quarto capaz de
C O M P RAS.
%ST l'm selim com seos perlences em bom
estado; c um bom cavallo carregador que
esteja bem carnudo : no atterro dos AfTbgados
D. 18, defronte do viveiro do Muniz.
tsr Moldas velhas de GOO rs.: na ra da
Cadeia velha do Recro loja de Joze Gomes
Leal 1). 20.
** ssr A obra com pela de Voltaire, em meio
uzo : quem livor annuncie.
tai Escravos de ambos os sexos para fo-
ra da provincia sendo de bonitas figuras pa-
go-se bem : na ra da Cadeia de S. Anto-
nio sobrado do um andar D. 8 defronto do Sr.
Cardozo.
V tsr A Historia da Igreja Pernambucana ,
por o Bispo Fialho : noConventodeU Fran-
cisco a fallar com Fr. Jofto Capistrano de Men-
don^a ou annuncie.
CF- O Diario de i de Maio do anno passa-
do no que vem a falla do Sr. I)r. Monteiro na
abertura da Sociedad de Medicina : na pn-j ma"j0 Ounmado D. !.">.
i o da Boa vista cujas ru*
das correni infalvclmcn-
le a '27 do corrale: u s
lugares do cosfume.
\sr Um ptimo mo.eque sem vicio al-
gum do 10 anuos : na praca da Independen-
cia I>. 7.
tzg- t'm escravo moco, proprio para o ser-
vico de campo: na pracinha do Livramento
loja D. 20.
OPTrescamas urna de angiio, e duas do
condur, um sof de Jacaranda, urna marque-
za de comlur 6 cadeiras de amarello rom
assento de taboa : ua rualS'ova loja de marci-
nairo junto a Igreja da Conceigo. -
sir 19 libras de limalha do ferro, ou mes-
mo a libras por proco commodo : na ra do
Queimado loja de ferragem D. 7.
tsr l'nia negrinba de 10 anuos, e um
moleque da mesma idade, e nago de bonitas
figuras: na ra do Rangei venda I). 4l.
tSF" lina boa osara va da costa de 28 a 50
annos boa quitandeira cozinha sofrivel,
coso eiigomma e tem principio de fazer
lavarinto tem ptima figura e he muito
deligente lauto em casa como na ra: na rita
da Cadeia do Recife loja n. 88.
^y Cadenas de bataneo com assento d* j.||.
nlia eencsh) da mesma inarquezas de condu-
r mezas de juntar camas de vento com arma-
eo cadeiras com assento de palliinlia amei canas,
eamas de vento mi.ilo bem ledas i || w ritas i
piuho a 3^5oo t pinito da Suecia com 3 pibgadas
de i;iMsnira, dito serrado ludo mais em coma do
(|iie em outia parte ; na na da Florentina em cata
de J. /feMigcr.
> tsr Bolins de Lisboa a 258o chapeos
prelos francez^s a Oooo rs. lenc.os pretos
muito grandes a supeiiores 3*, A, e.ri>
rs. panos e gazemiras de todas as cores,
vellidos lizos, e lavrados cambra i as do bom
lom muile finas, sarjas p ra vestidos, eco-
letos oscocezes para capoles e um comple-
to sortimento de (odas as fazendas, e por
preco commodo : na loja de Carioca A Sette ,
a da Independencia loja de livros n. 57 o 58.
es* Fin relogiode orno patente inglez ;
quem livor uinuncie.
2(K)0 lijlos de alvenaria grossa ; 500
do ladrillio e 500 telhas postas na camboa
da ponte do manguinho : na rita da Cadeia
loja de chapeos n. 12.
S2^ Dous pretos |ior 32o.> rs. cada um ,
mogos muito robustos para todo o trabalho ;
duas pelas com boas habilidades ; urna dita
por 350,* rs. ; e urna mulalinba de 18 annos,
coze engommn e faz o mais servigo d'uma
caza: na rita das Agoasverdes I). 57.
VEiXDAS.
ESCRAVOS FGIDOS.
tsy JNa ra da cruz D. 10 urna porgo de
cera amarclla.
C^- l'ma morada do casa torrea cita na ra
do fagundes 1). 0 quem a pretender dirija-
se a ra do crespo D. 7 lado do sol quo se Ihe ;
dir quem a vende.
= l'm habito da o domda Roza: quem!
o perten Jor dirija-se a ra do Crespo loja do' Por ,a"ar7Hm
ManoelCamilloPi.es. duas cam.sas u
tSW Na madrugada de 15 do crtenle fu-
gio de bordo do Brigue Paquete de IVrnam-
bucofundiadoao pe' das oseadas de Palacio,
o escravo Antonio crelo de 18 a 20 an-
uos sem barba tem na cara urnas malhas,
bem feito de corpo alto he bem conhecido
do quer gago, levou vestido
ma branca e outra de riscado
co;
ques, idade 13 a 18 annos ; um bom mule-
que ptimo cosinheiro ; o escravos mogos a-
fazer una viagem, quorendoum em idnticas ooslumados ao servigo de tiigenho ; um
^ lua escrava tecolhida, sem defeito al-1 (uad,os **> c'" branca' ,chaPeo ^
)um idade 20 annos, com um lilho mt.la- I norando-se se nit.dou de calcas p,r ler
it.l.o, idade 2 annos, e con. lodas as quali- furtjdo uma a ^ a um 5 g''
dades necessarias para urna casa 5 urna parda c,omo um c,,aPeo fum n']?*10 14*e
boa cosinheira : 5 escravas para todo o mi* SenlS, C,,JO fCraV fo' Ve"d,d em *
co; umamulcca, idade 15 annos; 2 mul- ^rrenle por o Sr. Francisco Xavier Carne.
A. Schranini.
= Da-se pelos annos que convier una pio-
Recife n. 5 i.
v@" Quem annunciou no Diario de sabba-
priedado de muito boas trras, ao sul da praga do querer comprar um cavallo para viagem
0 legoas para nella se edificar um engenbo querendo um de estribarla muito forte o por
em cuja factura se encontraran vantajozas pro-
percoes que se requerem para promplo adian-
tamento da obra : a quem convier annuncio
por esta folha para ser procurado.
= Aluga-se um escravo creoulo para qual-
quer servc ou Para servente do qualquer
obra do pedreiro, do queja lem bastante pea-
tica por ter sido sem pro esssa a sua oceupa-
Co : na ra dascruzes D. 0, segundo andar.
= ASra. Renedicta que no dia 10do coi-
rento foi a ra da praia olforecer-se para ama,
quifa por obezequio dirigir-so a mesma ra
o casa queso lhe'dezeja fallar.
= Na ra da praia no I andar da casa do
Sr. Pacheco percisa-se d'unia ama para o
servigo interno de urna caa de pouca familia.
CS" Joze Mondes de Froilas subdito por-
tuguez relira-se para fora da proviucia.
i8^ O abaixo assignado-subdito portuguez
retira-so para fora do Imperio e avisa ao i
pilbico que deixa por sen bastante procura-
dor o seu sogro o Sr. Repto Joo Cordnzo e
roga a seus devedores quoii ao ter a bondade
mandar-Ibes salisfazer suasdividasdoquelbes
(cara obrigado.=Rodrigo da Costa Carvalbo.
ts?~ Precisa-so de urna ama para casa que
seja de dado, prela ou parda, que saiba
ingommare cozinhar o ordinario de urna ca-
Monteiro a
prego commodo dirija-se ao
fallar com Manoel da Ponte.
tsr Ninguem faca negocio algumcom Luiz
Francisco Crrela Gomos de Almeida com
um sobrado sitio e casas terreas que ja es-
tilo hypolbecadas o embargadas.
cy Precisa-sede 2 liomens para assenta
rem praca pelo lempo da lei em qualquer
dos corpos de linlia desla provincia, e atlie
mesmo no de artfices, se este ultimo mclhor
convier aos quaes se darj'i a gratilicaco que
se ajustar; quem esliver neslas circunslan-
cins de acceilar esta proposta dirija-se a ra
ila Cadeia do Recife D. 50 primeiro andar.
ES" Quem precisar de um rapaz de dado
de 15 anuos portuguez para caixeiro de es-
criptorio ou loja tiesta Cidadc oqual entin-
de algtima coliza de francez e da fiador a
sua conducta annuncio.
pardo ptimo pagom ; e urna escrava boa cn-
gommadeira c costureira : na ra das Agoas-
verdes 1). 58.
sp- l'ma preta d'angola idade 2-1 annos,
bonita figura sem vicio algum cosinha com
perfeigao o ordinario, e lom prinoipio de en-
goniinadcira : no alterro da Roavista loja de
alfaiate na quina do beeo.
C3" l'm escravo de 18 a 20 annos boa fi-
gura c hbil para todooservico na ra do
Rangei, entre os snrs. Mendello o Earias,
que tem fabrica de vellas : a fallar com Victo-
rino Francisco dos Santos.
tsr Assuear refinado e CafT modo por
grosso e miudo j na refinago da rita da Sen-
zalla nova N. 20 junto ao porto das canoas.
furtado tima a bordo a um marinbeiro ; as-
sim como um chapeo um relogio ,14* em
do
Carneiro
Lins ao abaixo assignado, o qual roga a quem
o pegar de oconduzir ao dito Brigue ou ao
forte do mattos na casa da quina da ra da
Lapa no segundo andar que ser generosa-
mente gratificado: adverte-se que o dito es-
cravo he muito capadocio e costuma a andar
por Apipucos Poco da panella, e Casa forte.
Leopoldo Joze da Costa Araujo.
tsr Da-se 100 rs. de gratificago a quem
pegar um mulato acabocolado fgido lem-
pos estatura regular idade -io annos pouco
mais ou menos, de nomo Apolinario ; enfeu-
de bem de trabalho do sitio; desconfia-se que
esteja trabalhandoem Igum a titulo de for-
ro : quem o pegar leve-o a ra da cadeia do
Recife I). 62.
tsr No dia 24 de Mio prximo passado ,
fugio do silio das estradas dos Afflictos per-
tencenle ao sur. Joze Joaquim de Mesquita ,
Sabbado 18 do correnle perdeo-se una
Carleifa ja tizada contendo cm sedulas 000, a
700 entre ellas lem tima de 20 muilo arrui-
nada e eslava com forro de papel pelas Costas,
e mais uns papeisque s servem ao an o unc-
ante; roga-se a pessoa queachou que queren-
do restituir dirija-so a ra do Colegio D. 5.
que se Ihe dar nielado da quanlia o so lite
ficar eternamente grato.
xcr Ramalhetel vol.de 1840; Dicciona- i ,?la es1;r!,va de..nmo CacUi"a nagao cabun-
rio Portuguez 5 vols. ; Vesinho Raimundo 4
ditos; Segredos da confisso I dito ; Lord
das libas I dito ; Amigos rivaes I dito ; Car-
tas inglezas 1 dito ; Stiras d'Aulo Porsio ; 1
dito: Aventuras de um joven portuguez 1 di-
to ; Quanto se expoequetn ama 1 dito; Cam-
ponez lidalgo 2ditos; Dolte de Suselte 1 di-
to; llannah o Willon 1 dito ; Viajante suc-
io I dito ; Conselheiro das Damas 1 dito : En-
sata potica I dito ; Obras poticas do Nicolao
Tolenlino2ditos ; Clotilde I rji(s= Em bom
lypo c igual papel : na ra do Collegio D. 5 ,
botica de Cyprianno Luiz da Paz.
wr- Hieles da Lotera
de Nossa Scnhora do Roza
d, alta, retinta, testa grande, cabello
rente ao casco com unas sicatrizes as ca-
nellas, de ftidas antigs : quem a pegar le-
ra boa recompensa levando-a ao menciona-
do sitio ou a ra das Agoasverdes D. 58.
ssr I a-so de gratilicag/io IOOji rs., a
quem aprehender um negro de nome Joze ,
fgido no dia 12 de Maio prximo passado ,
du naci cassango baixo de idade 40 an -
nos pouco mais u menos ; levou vestido ca-
rniza de bala azul o alga de {jang azul,
e falla alguma cotisa atrapalhado : quem o
pegar leve-o a ra da cadeia do Recife
D. 02.
RECIFE NATYP. DEM. F. DE F =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV4V9U6YH_9U0YOM INGEST_TIME 2013-04-12T21:34:58Z PACKAGE AA00011611_04679
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES