Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04678


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1849.
i
abbado 18 de
ludo aKor. depende de roesln0, d. oS8. prudnc. .odertlo CMiti. e..
cMW;friMfHM. e,e,eB..rt.d0,r0m,,mir.5lo^;;;V;- J
' _______ (Frocl.m.eau d.Ae.,b,r Ger.l do ira.il.)
r P..RT,SAS ^ vCORREIOS TEBBESTBES. "
Cabo Ser.nhaem Rio Formo.o Porto Cairo, M.cei e Al..., no 1 44
t.r -i S.nto A.tSo rju.nta. >;,.. oii.d. ,odo, ..di... '
e M.
das da semana.
1.1 le,'. s. Antonio F. P.droeiro da Pmia
44 1.1.:. Bazilio Magno. R.l. And. do J. de D di 1
45 Qirt. Victo M. And. do J. de D. .1. 3. t.
(1 QlI. .. Jo. Fr.nci.co ft.gi. Mm Aud. do juii de D
17 Si*, a. Inercia R. Aud. do J. de D. da 4. T.
4S Sal. .. Leoncio M Re. Aud. do J. <)e T>. ,| 3.' T-
.'J Di, s Juliana de Falconieri V.
dar
.1 millo.
Anuo XVIII N. 129.
O Diario publica-ae lodo os dias que nAo forcrn Santificados : o preco da ataignalura bo
de Iros mil res por qu.rlel pago! adianlados. Os MaUH ios dus assipiautcf silo inseridos
Bralia e iis do.qua o nio brea raiO de SO .is poi liaba. As nrlamacors derem ir
dirigidas aealaTypograGa ru i das Crines D.J3, oa n [iraca d. Independencia' loja de livroa
Numero 37 c 3.S.
CAMBIOS no da 17 de jimio. compra venda.
Oi.ro- Moed. de 6.40 V. 45,500 45.600
Cambio .obre Londres 27 d, y. J.
Paria- 350 reis p, franco.
.i Lisboa 95 por 100 de pr.
Moeda de cobre 4 por 400 de descont.
dem de leira. de boas firmas le a 4 e .
Desconlo de bilb. da Alfand-^a 1 por 400
ao raer. j
N.
r 4,000
F'a.T Palacoe*
> Peio ('olumnarea
n dito Meiirana.
miuda
45.301
S.4O0
4.71W
4,760
1,760
i,m
45.500
s.noo
4.7SO
4.7S
4./SO
4,620
Prea mar do din IR df Jnnlio
4. a0 boraa f 30 m d m.nb.i.
2.- a llora? e 54 ni di tarde.
Quarl. inR
I a Nora
Quarl.
P11ASES DA I.UA NO MEZ E JMIO.
a 4 -- 4 hora, e 32 m. da manli.
a R-- a 7 horas e 55 m. da tari,
creac. a 45 -- ka 2 horas e 33 m da lard
La
cheia
22 -- 7 horas e 2
e m.
da i.inl.
IHAIUO |>r |>e |> ivAII l I CO.
PARTE OFFICIAL
Illm. Snr. V. S. expedir com urgencia
as suas ordens aos Delegados e Sub-delegados
desta cidade para que nao fago prender pa-
ra recrutas os trabalhadores das obras publi-
cas, nem os balseiros e canoeiros que vem
trazer gneros ao mercado e ando nesie gi-
ro de cabotagem-, a fim de que nAo fiqueni
parausadas as referidas obras em prejuiso do
servido publico nem o commercio sofra pri-
vagoes com a falta de taes individuos que
tem deixado de comparecer com o receio de
seren recrutados : e quando por ventura al-
gum delles seja preso para recruta e os Enge-
nheiros encarregados das obras reclamem a
sua soltura esta se dever effectuar imme-
diatamente. Dos Guarde a V. S. Palacio
de Pernnmbuco .7 de Junhode1842.
Birnda Boavista. Snr. Dezemhargador
Chefcde Polioia.
Expedio-se ordem no mesmo sentido ao
Commandanle Geral do Corpo Policial.
GOVERNO DA
EXPEDIENTE DO
0[TlC0
PROVINCIA
da 24 do p.
- Ao commandante geral do corpo
de polica recusando recebido o seu olicio
de 12 do corrente no qual requisita um
quantilalivo para acabar os concertos do quar-
tel do corpo do seu com mando em raso de
ja se ter consumido a quantia de um cont
do reis que para tal fim se mandn por a
disposigoda repartigo dis obras publicas :
e signilicando em resposta, que fica adiada a
sua requisito para o anno fnanceiro futuro.
DEM DO DA 14 DO CORRENTE.
Ollcio Ao cidado Luiz Gomes Ferrei-
ra participando ter S. M. o Imperador Ac-
, i i t\ 1.....~ ---"' kiii vviicuuciii;id lio (lili"
lado o olfereci ment, que fez de seus fi- determina o imperial a viso de 12 de Maio ul-
Ihos Luiz de Moraes (ornes Ferreira e Jo-
ze de Moraes Gomes Ferreira para assenta-
rem pra^a no tercero balalho de artilberia
p obrigando-se presentar dous cida-
daos brasileiros fardados que sirvo em qual-
quer corpo do exercito pelo tempo da lei em
lugar dos ditos seus filhos que continuarAo
a estudar em V ra ira se ni que pelo corpo
recebao vencimento algum al entrarem em
servido activo : intelligenciando-o de haver o
Mesmo Augusto Senhor determinado, que
mandando a presidencia dar destino aos dous
individuos cima indicados, faga abrir assen-
lamcnto de praga no referido terceiro bata-
Ibao aos filhos de S. S. com a clausula de
que o segundo s contar antiguidade qu.ni-
do tiver completados idade marcada na lei :
disendo-lhe haja de entender-se com o com-
mandante das armas e Ihe aprsente os
dous cidadaos que offereceo tim de que
se Ihes miinde assentar praca em um dos cor-
pos de linha da provincia : e signilicando-
he que pela secretaria (Testado dos nego-
cios da guerra seolh'ciou ao ministro do bra-
sil em Pariz para recbenlos filhos de S. S.
o devido juramento, e remetter a presiden-
cia o respectivo termo.
Dito Ao commandante das armas com-
municando ter sido acc^ilo porS.'M. o Im-
perador o offereciment de que trata o an-
terior otlicio, com as clausulas cima mencio-
nadas e ordenando que faca assentar pra-
pelo referido Euiz Gomes Ferreira.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
senda remetiendo para sua inteligencia e
execuglo copia do imperial aviso da secretaria
d'estado dos negocios da guerra de II de
Maio ultimo mandando pagar D. Esco-
lstica Mara da Conceigo viuva do coro-
nel de segunda linha Joaquim Ramos d'AI-
meidiyos sidos atrasados^ que se Ihe de-
vem e Os^upfor vencendo
Dito Ao iii^poftor do apenal de mari-
nha transmiltindfl^piVda tabella pela
qual se devem regular nos das de festas na-
ionaes as salvas e embandeiramentos das
embarcagoes da armada que se acharem
nVsti- porto.
Dito Ao commandante das armas re-
metiendo copia da tabella dos das festivos ,
em que as fortalesas devem conservar igada a
bandeira nacional.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
senda ordenando em consequencia do que
ligo I. do decreto do 4de Maio lindo a pesar.' deve-se cumprir a ltleral dispusgo do decre-
de nao ter comparecido o parodio nem seu lo referido que manda chamar o supplenle
legitimo substituto em razo da copiosa chu- do subdelegado 5 competindo Vm. dar co-
va releva declarar-Ibes que a vista do re- mo deo as providencias lim de ser cha-
ferido decreto nAo pode a dita junta instalar-
se nem trabalhar com efieito legal sem a
reunio dos trez membros que sfio o juiz de
paz o parodio e subdelegado ou seu le-
gitimo substituto. Da mesma sorte nao se
ileve ella reunir na povoagAo de Paratibe ,
mas sim na de Maranguape, onde est a paro-
diia ou dentro da matriz 011 em qualquer
outra casa", m'qe formis com moda a reu-
nio : oque o juiz de paz nlo pode deixar as
funeges de presidente da junla para servir
DIANA URSEOLA (*).
timo que mande pagar ao bacharel Joze
Francisco de Paiva os vencimentos que Ihe
competem como auditor da gente de guerra
durante o lempo, quo interinamente servio
o referido lugar na falta do auditor effectivo ,
bacharel Joaquim Nunes Mechado.
Dito Ao juiz de paz Francisco de Paula
Sonsa l.eao e a Antonio Francisco de So02<
l,eo = Respondendo ao olficio de 12 do cor-
rente em que Vms. participAo ter inslalla-
don'estedia na povoagAo de Paratibe a jun-
ta qualificadora dos votantes creada pelo ar-
Lionello appareceo. Era um homem al-
io vigoroso e cujo tal he nAo era sem ele-
gancia mas um exaroe com mais attengAo
teria feito descubrir em sua figura o carcter
de audaz sem intelligencia, no seu surrir um
confuso mixto de estupidez e crueldade. Es-
ta forga brutal nAo era mais que urna mis-
c,ra ; por detraz eslava o corago mais co-
barde e o mais accessivel a todos os temo-
res. Lionello era um dos guardas do caslcllo
le Paleon-Oros antigo logar forte, a duas
legoas do porto das Potmides e que enlo
servia de prisAe do Estado.
Eis-me aqu, Senhor...
Bem E te'us Cyprios estAo comtigo ?
Sim Senhor.
Quantos sao ?
Cinco.
( ) Vid. Diario N, 123, e 127.
Soassaz. Agora prepara-te a obede-
cer-me... Chama os teus homens, e acompa-
nha-me a caza de Pedro Urseolo medico fa-
vorito do defunto duque meu pai.
A estas ultimas palavras um espantoso
presen tmenlo se apoderou de Diana. Ella
levantou o reposteiro e seguindo a passos e
com a vista, a Joo e seus aclitos so emba-
ragou detraz d'elles no longo corredor que
conduzia ollicina de Urseolo
No momento de baler porta de Urseolo ,
JoAo se voltou para .ioiiellu.
Se alguem um dia souber o que aqu se
passar esta noute a tua vida mo pagar.
E ao mesmo tempo bateu com as costas da mo
na fechadora que produziu um som argen-
tino e prolongado. A porta abriu-se. Pe-
dro nAo pode reler um grito vista destes vi-
ziladores misteriosos. Lionello tomou o cui-
dado de tornar a fechar tudo e Diana se viu
cercada de urna oscuridade. S.u coragAo pal-
pitava com violencia e um suor fri banha-
va sua fronte : applicou o ouvido porta e
superando o impelo de suas emogOes ella es-
cu lou.
Vos eris muito atTeigoado a meu pai,
disse o principe J0A0 com voz insinuante ; e j
|eu tenho pensado qqe se seu ilho vjesse pedir
de fiscal na qualidade de subdelegado por
ser expressoo artigo I. do dito decreto em
chamar o supplenle do subdelegado e nAo o
do juiz de paz ; sendo mais por esta razAo in-
competente a junta de 2 membros, que Vms.
installarao. Cumpre por lanto que se
installe a junta competentemente presidida
pelo juiz de paz com o vigario e o supplen-
le do subdelegado d'essa freguesia para Come-
gar os seus Irabalhos na forma do sobredl-
to artigo primeiro do decreto que a creou.
Dito Ao vigario da freguesia de Maran-
guape communicandoo conteudo do olicio
antecedente.
Dito Ao chefe de polica significando
em resposta ao sen olicio d< 8 do corrente ,
f|ue approva a diviso do segundo distrieto de
guarag, e rem nr-meado para subdelegado
ao ciddAo Antonio Dourado de Azevedo Ca-
va lean le e para vupplenles os seis cidadaos ,
constantes das nomeagoes que com a de
subdelegado Ihe remelle.
Dito Ao delegado do termo de Olinda =
Em resposta ao olicio que Vm. hontem di-
rigi esla Presidencia pedindo eschreci
mentos sobre a escolha que o juiz de paz da
freguusia de Maranguape pretende fazer do
lugar do subdelegado, que igualmente serve,
para entrar na junta qualificadora estabele-
cida pelo Decreto de 4 de Maio do anuo cor-
rente, chamando o supplenle de juiz de paz
para presidil-a cumpre diser-lhe que a
vista do artigo primeiro do mencionado de
creto deve o dilo Juiz de paz presidir a jun-
ta e ser chamado o primeiro supplenle de
subdelegado para membro da mesma, por
quanto nAo sendo incompativeis, senAo
n'este caso os cargos de juiz de paz e sub-
delegado e exereendo-os ambos o dito Juiz
de paz nao Ihe compete para a especie em
questo a escolha que pretende mas sim
o soccorro das vossa lu/.es e da vossa arte ,
encontrara em seu porte a recompensa da
sua confianga reconhecendo em vos um bom
e fiel servidor
A memoria de Francisco Krispo pode
tudo na minha alma Senhor. Fallai pois..
bragoe pensament acgAo e conselhos, lu-
do ponho a vossos pos : dispondede mira.
Essa submissAo me loca', eeu saberei
reconhece-Ia. Pedro Urseolo o que ides
escular o mais brilhante testemunho da
estima que fazemos de vos. Tracta-se de urn
segredo d'Estado em que desejamos inici-
ar-vos. Nos temos urna mu alta opiniAodo
vosso espirito para recear cedis a escrpulos
intempestivos Vqssos hom.'in poltico ; o
duque Francisco o dizia muitas vezes. A
idade tem sem duvida augmentado em vos es-
ta sagacidade prudente que caraclerisava
antigamente as vossas menores acgOes ; mas
deveis saber que ha temeridades necessarias.
Existe em Naxos um homem perigoso que
incorreu no nosso odio.... Este homem pode
comprometiera paz de todo o ducado e um
desterro seria insufllciente. E' preciso que
elle desaparega misler que elle morra e
que a sua morte ainda que sbita possa
ser tomada como efieito do acaso... Tenho eu ,
mado o dilo supplenle para que nao deixe
de se reunir junla no primeiro Domingo pr-
ximo. Oque tudo Vm. far constar ao di-
to subdelegado da freguesia referida e a seu
primeiro supplenle.
Portara Ordenando ao commandante do
brigue escuna = Fidelidade = que mande
desembarcar e entregar ao commandante
das armas os soldados Joaquim Joze de Santa
Amia Miguel Rodrigues e Joze Mariano
de Sania Anua que condu/.io da proviucia
das Alagoas.
Olicio Ao capilao lente Antonio Fir-
mo Coelho ordenando em cumplimento
do determinado no imperial aviso de 9 de
Maio ultimo expedido pela secretaria de es-
tado dos negocios da marinha que entre-
gue o commando do brigue escuna =3 Nicle-
roy= ao primeiro teen te Felippo Jozo Pe-
reira Leal e passe commandar o bri"ue
escuna = Fidelidade = com o qual (tetera,
quanto antes, seguir para a provincia doCea-
r e alli licar estacionado em lugar da escu-
na es Bella Americana = que tem de re-
gressar ao porlo d'esta cidade.
Dito Ao primeiro lenle Felippe Jozo
Pereira Leal ordenando em cumprimento
do imperial aviso da secretaria d'estado dos
negocios da marinha que passe tomar o
commando do brigue escuna xa Nicteroyss
entregando o do Brigue escuna = Fidelidade
-= aocapitao lenle supramencionado.
Dito Ao delegado do segundo termo do
Recite significando em resposta ao seu oli-
cio deudo corrente que ja se expediro as
convenientes ordens para se mandar alugar a
casa, que requisita para prisao.
Dito A Manoel Ferreira Rabello, disen-
do que vista das razoes que expende em
seu olicio de 50 de Margo prximo passado ,
concede-lhe a deiiiisso que pede do lu-
gar de subdelegado da freguesia de Flores.
Dilo Ao commandante das armas, ac-
cusando recepcao do seu olicio de II do cor-
rente em que informuva o requerimento de
Joaquim Fernandos Gama, pedindo, que se-
ja excluido do balalho de guardas nacionaes
destacado por ter sido indevidamente quali-
licado Andr Alves da Gama ; significndo-
le em resposta que a visla da informagAo
do tenente coronel commandante do dilo. ba-
lalho nao tem lugar apretengodo suppli-
Senhor Urseolo, necessidade de dizer mais,
o nAo advinhaes o que exija da formidave! ex-
periencia do mais douto medico do Archipe-
lago i'
Mas, meu Senhor accrescentoa Ur-
seolo com urna amprente tranquillidade.,
esse homem de que me nao dies onome
tem sem duvida commetlido algum gran-
de crime.... Ura para quo em pregar meios ,
cujo segredo tarde ou cedo se trahir ? Se el-
le culpado a lei pode castiga-lo ; o diri-
gindo-vos a vosso ir mo o duque reinante
ao principe Jacques?. ..
Senhor Urseolo, eu nAo vos pego ovos-
so conselho.
E porque nAo perguntareis a Jacques o
seu meu Senhor ?
Desgrasado essa palavra te custar
cara .. Tu sabes pois ? ...
Tudo meu Senhor e como invo-
oasles ainda agora a sagrada memoria do du-
que Francisco p em seu nome que recuso a
feia cumplicidade de um fratricidio que a-
trahir sobre este paiz a maldigo de Dos ...
Crs tu misero insensato replicou
Joslo que nao poda conter seu furor ; eres
escapar-nos assim Mas ah Depois de ter
escutado ijossa confisso tu nos despedirs
.
I


,*

i
*' I
i
}


i.;
-jante : o devolvetydo-lhe o documento mu*
acompanhou o requerinionlo referido lim
de que seja entregue a parte.
INTERIOR.
fc. 59. liim. e Exm. Sr. -Tenlio a hon-
ra de passar s mos de V. Ex. um dos exem-
plares que me veio mo da proclamago do
chefe dos rebeldes sobro a qual julgo-me
dispensado de fazer rellexes.
Dos guarde a V. Ex. Palacio dogoverno
de S. Paulo 25 de maio de 1842. -- lllm. e
Exm. Sr. Paulino Joze Soares de Souza
Baro de Monte Alegre.
PROCL.VMACA.
Paulislas! Os fidelissimos Sorocabanos, ven-
do o estado decoaego a (]ue se acba reduzi-
doo nosso augusto Imperador o Sr. 1>. Pedro
II por essa oligarchia sdenla de mando e ri-
queza acaho de levantar a voz elegendo
me presidente interino da provincia para
debellar essa hydra de trila caberas que por
mais de urna vez tem levado o Brazil borda
doabysmo e libertar j. provincia desse pro-
cnsul que postergando os deveres mais
sagrados, veio commissionado para reduzi-Ia
ao estado do misero Cear o Parahyba.
Fiel aos principios que hei adoptado cons-
tantemente na car reir publica, nao pude he-
sitar em dedicar mais urna vez minhas debis
lorias na sustentado do throno constitu-
cional.
Paulistas! Ovosso patriotismo j den o pr-
meiro passo preeedeudoe seguindo os vossos
representantes quando liis interpretes de
vossos senlimeBtos elamio contra essas
leis que cerceando as prerogativas da cora
e as liberdades publicas deitro por Ierra
a consliluigo : o vesso valor e firmeza far
o resto.
Mostremos ao mundo inteiro que as palmas
colindas as campias do I!o da Prala nao
podem definhar as do Ypiranga.
Os descendentes do Ilustre Amador Bueno
sabe ni defender os seus direitos a par da ide-
lidade que devem ao throno. Unio, e a pa-
tria ser salva. Viva a nossa sania religio !
ViyaS. M. o Imperador! Viva a constituigo!
Raphael Tobas de Aguiar.
Santos levou alm de varios officiaos 50
piacas de cavallaria e 70 de artilharia e in-
fantaria. ( Id. do 1. de Junho. )
Pelo vapor Ypiranga entrado bontem
noite de Santos com 29 horas de viagem r-
cebeu o governo oTicios do Exm barAo de Ca-
xias datados do quartel general do Pinheiro
cm 31 de maio.
S. Ex. communica que as Coreas rebeldes
chegar apenas a 000 homens e que. fa-
zendo um reconheciment sobre ellas no lia
28 com 130 caladores, conseguio dar-lhes s-
mente urna descarga por Cugirem espavoridos
para urna legua de distancia deixando no
campo 2 morios alguns cavados ensilhados ,
armamento e muniges. 0 Sr. baro de Ca-
xias eslava preparando alguma cavallaria pa-
ra dar um ataque decisivo.
At aquella dala nenhum outro" ponto da
provincia tinha adherido ao movimento revo-
lucionario de Sorocaba antes em aliumas
villas, como na de Campias e Mogi dasCru-
zes havia j grandes reunies de forgas im-
periaes.
AcidadedeS. Paulo est muito bem fort-
licada e reina ali o melhor espirito. En Pa-
ranagu S. Sebastio e oul'as villas do li-
toral continuavo as reunies da guarda naci-
onal que acuda de muitos pontos em defen-
sa da legalidade.
(dem de3de Junho. )
Por decreto de 21 do corrente Coi demtti-
rfo o conde do Rio Pardo do rommando em
chela do exercito de operaces da provincia do
Rio Grande do Sul.
ceu a imperial Camilia promoiperio de bor-
do da corveta-escola Cornea em cujas vergas
se achavo poslados os guardas marinhas, nu-
merosos vivas que foro correspondidos pela
multido com muito enthusiasmo.
Fizero-se ento os ltimos aprestos para
a cahi ao mar. Passado* alguns momentos,
ouvio-se um estalo a enorme massa princi-
piou a mexer-se como por encanto : o seu
movimento foi a principio indeciso e lento ;
mas adquiri logo velocidade e corren rpida e
direita ao longo da carreira ensebada no
meio dos vivas e applaus..s dos espectadores
ale que entrn arfando no mar cujas ondas
viero pratear por um momento o seu costa-
do at entilo virgem. Pouco a pouco foi-se
retirando a rnnltidSo que presenciara tao ma-
jestoso espectculo fazendo votos para que
a corveta cncontrasse sempre ventos favora-
veis, mares bonancosos, o um lugar distinc-
to no empenho de sustentar a gloria e honra
nacional.
Pessoas entendidas tecem os maiores elo-
gios construeco tiesta nova corveta que
monta 20 caroadas de 52. E obra do Sr
Joze Joaquim Ribeiro Pimenla. Fol princi-
piada em setembro de I80 ; cumpre porm
notar que se constrio ao mesmo lempo o
patacho Argos, que est boje em Montevideo.
S. M. deu a esta corveta o nomo de Euterpe.
( J. do Com. )
O commando geral do exercito do Rio Gran-
de foi conliado interinamente ao brigadeiro
Bitanenurt. O brigadeiro Sera e outros of-
ficiaes forao chamados corte.
Acabode ser demittidos o director e vice-
d i rector do arsenal de guerra e forio substi-
tuidos o I. pelo coronel de artilharia Joo
Eduardo Collaco Amado e o 2." pelo major de
engenheiros Galdino Justiniano da Silva Pi-
mentel.
Por oflicios recebidos honlem de S. Paulo .
comdatade25do corrente, sabe-se queoExm.
baro de Caxias oceupava naquelledia as pon-
tes do Pinheiro e do Anastacio as estradas
que vo para o sul da provincia e que inu-
tilisra as de Santo Amaro e do 0'
Nesses dous pontos oceupados pela tropa le-
gal tinha j o Sr. baro de Caxias mais de80()
homens, devendo ser cjonsideravelmente aug-
mentada essa Corc;a no dia 25 com o resto do
batalho 12 e grande numero de pracas da
guarda nacional. A parte do batalho de ar-
tilharia que se achava em Santos raarchou pa-
ra S. Paulo no dia 20.
Os sediciosos segundo as melhores infor-
mages, poderio ler, ao mais, 500 homens
de cavallaria e 100de infantera.
Urna carta particular de Santos com data
de 28 reCere que houve um pequeo encon-
tr entre urna guarda avanzada da diviso le-
gal e urna partida de sediciosos, no qual per-
dero etes i morios e 41 prisioneiros.
(J. do Com. de 51.)
O Vapor Guapiass que sahio hontcm para
Foi exonerado da vice-presidencia do Ma-
ranho o primeiro vice-presidente coronel Jo-
ze Theodoro Corra de Azavodo Coulinho, em
consequencia de suas enCermidades e nme-
ado em seu lugar o Doutor Joaquim Franco
de S.
lancando-nos o anatheiiia e ludo se sabena !
Desengana-te velho tu te perdes sem salvar
Jacques Um outro ser menos escrupulo-
so do que tu.. e dentro de urna hora o Cerro
nos lera desembarazado d'elle Quanto ao
teu silencio a priso no-lo garantir. e
mais tarde talvez a morte .
Vos sois o Senlior da minha vida dU-
se Urseolo com urna lenta gravidade. To-
mai-a eu vo-la entrego.
A causa de Jacques assaz snela para t?r
seus marlyres ordenei da minha sor-
te..... Mas tomai cautclla iiiiu senlior to-
mai sentido a jusliga de eos viga sem ces-
sar e castiga depressa algumas vetes !
- Calla esses loncos ameagos minha jus-
tica para mim excede a jusliga de beos.
Vamos Lione'lo faz o teu de ver.
N'um instante Pedro llrsoolo Coi carrega-
do de ferros e dispuseram-se a conduzil-o ;
aporta se voltou lentamente sobre seus gon-
ros.
Os brandos chamejaram segundo vez de-
baixo da abobada e urna suida maldieo ,
escapada aos labios de Joo, fez reteir
tristemente o seu ecco Diana, que mal res-
pirava Diana que suecumbia sua dor ,
se prolougoupor delraz de um pilar donde
CAHIDA AO MAR DA CORVETA EUTERPE.
O dia de hontem Coi para a corveta, que es-
tava em construeco noestaleiro do arsenal de
marinha o dia rie sua inaugurago, de seu
baptismo de seus esponsaes com o mar, con-
forme a expresso de um escriptor distinclo.
Desde as onze horas da manha o morro e
convento de S. Bento e o arsenal estavaoa-
pinhoados de espectadores; o mar eslava eoa-
Ihado de botes falas e escaleres, e com dif-
fculdade se podia conservar desembarazado o
espago em que devia para logo arremegar-se a
linda corveta.
Depois das 2 horas da tarde ebegou S. M.
o Imperador com suas augustas irmes ; sci-
biro logo a bordo acompanhados dos mi-
nistros e secretarios de estado e mais pessoas
de graduago e depos de visitarem o na-
vio dirigiro-se para a tribuna que se havia
levantado junto ao mar. Quando ali appare-
PR0JECT0 DE REPBLICA.PROCLAMAgA DE EL-
HEI TORIAS !
Parecen) exageradas em parte as noti-
cias que nos deram e publicamos no ultimo n.
da 'Sentinella', respeilo ao que de novo tem
occorridoem S. Paulo. A repblica nao foi
ainda proclamada ; porem os fidelissimos So-
rocabanos regidos pelo Snr. Tohias discu-
tem com as armas na mo e praticando .
talvez crimes horrorosos as bases e os
meiosde a por em pralica ; assim preparam
a gloria e o ti iumpho dos chefes do partido do
ccete e do bacamarte.
Urna proclamaciio de um dos res de S. Pau-
lo o corajoso e lidelissimo Sr. Tobas por
ah corre de mo em mo.....
Nao padece a menor duvida que o tal fideli-
ssimo potentado foi acclamado,em o dia 17 do
corrente presidente da provincia, em Soro-
caba e no dia 18 em It por uns 20 ho-
mens que para all foram mandados. N'esta
vila os rebeldes fizeram reunir um batalho
da guarda nacional sob pretexto de se dar
posse ao novo chefe nomeado pelo Baro de
Mont'Alegre, e sua frente proclamaram o seu
novo presidente. Consta porem que muitos
guardas se retraram inmediatamente para
engrossarem agrande reunio de gente que
seorganisa para defender o governo legitimo
do Imperador.
Aqui publicamos a proclamago para conhe-
cimento do leitor ; se verdica ou se apocri-
pha ignoramos.....Eil-a :
(Ja fica transcripta.)
E ento que tal est o rasgo de fideli-
dade do hero sarocabano ?! Ora na verdade,
os homens teem muita razo para fazer a sua
repblica : o estado de coaego a que se acha
reduzldo o Senhor D. Pedro II. por essa oli-
garchia sdenla de mando e riqueza ; essa hy-
dra detrinta cabegas que, por mais de urna vez
tem levado o Brasil borda do abysmo ; esse
procnsul que foi commissionadopara reduzir
a provincia ao estado do misero Cear e Para-
hyba^ essas leis que, cerceando as prerogati-
vas da coma e as liberdades publicas, deila-
ram por trra a consliluigo e mais esses e
essas essas o esses ludo isso sim ludo
isso devi i mover os descendentes do Ilustre
Amador Bueno a mostrar ao mundo inteiro que
as palmas colbidas no Ro da Prata natural-
mente pelo Sr. Jacinto Boque) nao podem defi-
nhar noYpiranga:uh! os fidelissimos de Soro-
caba a par da fidcldaic que devem (embora
nao a guardemj ao throno, sabem defender os
seus direitos !...
Pois que cousa supportavel que todos
nao possam ver o Senlior D. Pedro II; que
de S. Paulo nao se avisto a S. M. e quo s
no Rio de Janeiro se goze essa garanta que a
todo o cidado ou torga a nossa consliluigo
poltica?... pode-se soffrer una oligarchia s-
denla de mando e riqueza no Brasil, que a
aaturfza lalhou para urna monanhia bara-
ta ?!... E o abysmo, a que a tal Sra. hydra
de ttinta cabegas tem levado o imperio!... po-
is graga ? nao hiamos nos to bem com a re-
gencia do padre Feij? para que o fizeram
abdicar?...... Andem ; agora bem fei-
lo ; ahi est urna hydra, e ento que hydra,
meus Deus de trinta cabegas !!!...
0 misero Cear e Parahyba retrogradaran!
do camnho da liberdade os patriotas, a
quem os perversos appellidavam de faego do
ccete e bacamarte s por que cm defensa
de seus direitos c da virgindade das veslaes ,
l deram um ou outro tiro urna ou outra
cacetada, nem se quer piam, vivem coactos!..
A esse estado quera o governo reduzir S.
Paulo mandando-Ihe um pro-consul ; mas
a parte mais Ilustrada da provincia o athe-
neo de Sorocaba nao est pelos autos;
e trema o Brasil trema o mundo inteiro
(menos Piratinin), se o governo persiste; que
o valor e firmeza#dos Paulistas far o resto!..
Qhe importa que em todas as provincias va
sendo excutada a le das reformas judiciarias-,
quando a opposieodizia que p Brasil todo se
lovantaria contra ellas ? quid inde ? as outras
provincias nao se movem porque nao teem a
Huslrago e a coragem de Sorocaba. Pois
nao ; perlo de S. Paulo corre o caudalosissi-
mo Ypiranga em cujo lveo crescem frondo-
sas as palmas colbidas no da Piala Ali Ire-
mam tremam que o raio certo!!!..'..
(Da.Sentinella da Monarchu.)
EDIT AES.
viu passar o fatal cortejo. Lionello ia na
frente com a espada desembainhada. Pedro
pareca tranquillo e seu andar firme e
compagado era o do innocente que urna
sentenca dirige morte. Joo Krspo vinha
atpaz plido e com os olhos em fogo : Che-
garam assim silenciosos ao meio da galera.
All Joo fez sinal ao Cyprio e tomando-o
d parte.
Lionello Ihe dsse elle muito baixo ,
tu respondes pela cabega d'este preso. Nun-
ca as torres de Poleon-Oros hospedaram al-
gum mais lerrivcl. Que alem de ti nao veja
um s vvente que s respire ar que a
muito custo pendra pelas fendas de teu mais
hediondo calabougo .... vai ....
A quadrilha de Lionello atravessou o pateo,
e franqueou logo com o preso a giade prin-
cipal do castello. Joo que se tinha encos-
tado para a ver partir, deixou pouco a pou-
co desvairar seu pensainento em vagas medi-
tages Os fuios da sua ambigo fugiam ao
sopro imprevisto de estranhas inquietages :
a firmeza de L'rseolo tinha desanimado
Que furei pensava elle e em quem me
fiare agora Elle langou um olhar terr-
vi-i sobre a cmara de Urseolo como se di-
rigisse seu espirito para urna esperanga per-
dida. Era ali com efleifb era naquella
cmara que sua sorte acabava de decidir-se
Um ceg instincl.) ali o conduzio : o tandie-
ro eslava quasi a apagar-se : elle se cliegou a
reanimar-lhc a luz. Ento eU&contemplou
com urna sorte de espanto esta salla cheia de
segredos nintelligives estes armarios que
encurvavam debaixo de thesonros desconhe-
cidos este respotoso sanctuario da sciencia ,
ao qual acabava de roubar seu sacerdote ,e s
capaz de Ihe explicar seu misterio .. Elle se
nxprobrou de ter aCastado to depressa a Ur-
seolo cuja resol ugo depois de ha ver re-
sistido ao artificio caos ameagos leria tal-
vez cedido s supplicas e aos tormentos. Es-
te abandono Ihe revelava sua fraqueza. Por
lano vista desta fileira formidavel de vi-
drose de vasos que parecam desafiar seus
desejos, czombar da sua impotencia, sua
vontade se exaltou. Um (lestes vasos conli-
nha a bebida que elle precisava. Poz-se a es-
quadrinbar ludo, a por e lirar Cracos, a res-
pirar seu aroma, a deciCiar os rtulos pro-
seguindo una louca esperanga crendo adiar
a cada instante a palarra do impenetravel e-
nigma e interrogando com urna violencia
enfurecida esta sciencia rehehe, que ficav
suida a seus rogos, ou que Ihe responda n'u-
CONTINUAgA DA LISTA GERAL DOS JURADOS.
Severino Henrique de Castro Pimentel.
Simplicio Jote de Mello.
Dr. Antonio Mavignier.
Sebastio Lopes Guimares.
Antonio Acioli.
Paes Brrelo.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Thomaz d'Aquino Fonceca.
Pereira Pinto.
u Joze da Silva Gusmo.
K a Jnior.
a de Carvalho de Souza Brandio.
Tbom Correia de Araujo.
Trajano Cezar Burlamaque.
Vioente Joze de Brito.
Ferreira Gomes.
Thomaz Pires de Figueredo Camargo.
a Antonio do Espirito Santo.
Victorino Joze de Souza Travassos.
Vital de Mello Albuquerque.
E eu Joze Adunco Guedes Alcanforado
na lingoa de queelle nada entenda.
Durante este tempo, Diana o observava, es-
piava seus movimentos advinhava suas an-
gustias. Como todas as mulheres de um nobre
corago ella senta sua energa embeber-se
na chamma de to crueis emogeu. A proxi-
mdade do perigo faziada fraca donzella urna
nobre e corajosa herona. Ento ella quiz
langar-se entre seu pai e Joo, para implo-
rar a rompaxo dcste ; porem ella sabia que
as lagrimas nao extinguen) laes incendios.
Todava era preciso salvar Jacques salvar
seu pai !.... Anda se ella podesse esperar
pelo dia, teria indubitavelmente adiado um
meio de instruir o Duque e de parausar as-
sim o cffuito da conspraco. Mas nao, o
crme estava imminente. Um signal por ven-
tura !... e o assassno ia obedecer e a espada
ferir Jacques estava sentado no meio de
seus matadores tranquillo, sem deSConlJ"
anga longe de toda a communicaco. Lila
nao podia advertl-o nem por sua presenga ;
nem por seus gritos porque a nao deixariaw
chegar a elle e seus gritos morrreriam entre
as marmreas paredes da galcfia antes de clie-
^arern salla do banquete. De repente oc-
correu-he urna uspirago celeste. Impossi-
bilitada de impedir o crimo leve idea de to-


o
mar-I he a responsabilidade. Este papel, de
urna eslrauha dilliculdade, a nao alorrou.
Km vez de deixar as ruaos de Joo o io des-
te trama odioso, emprehendeu ella mesara
dirigil-o. Sem Ihe privar a necessidade de
procurar un cumplice resolveu oflerecer-
se. Ella s v um projecto gigantesco e de
uma execuco perigosa: mas Diana encarou-
o sem tremer porque julgou sinceramente ,
que elle era sugerido pelo sopro de Deas.
Joo tirilla suspendido suas indagacoes, re-
nunciava a urna tentativa insensata e se dis-
punha a deixar a ollicina de Urseolo. Mas
antes de se retirar a sua raiva se desafogou
ein que.xas e imprecares.
O Ceo e o inferno esto de mos dadas
Contra miin exclamou elle, mas apesar de
tudo Jaiques morrar. Seguiremos o conse-
llio de Guilherme. O punhal de Uugg subs-
tituir esta rnesma noute o veneno que Urseo-
lo me recosa. Comludo o veneno teria dei-
xadu menos signaes !... oh! mal d icio um
raio nao vira pois que esclareca estas trevas !
lima voz nao resvalar a meus ouvidos a m-
gica palana que serve de guia neste labirinto
obscuro Oh qnem me dir esta palavra
preciosa ?
Eu vola posa dizer eu !
Joo su voitou vio Diana immovel delraz
Escrivio o escrevi. = Regueira Costa = Joze
Bernardo Gal vio Alcanforado = Joze de Bar-
io* Falcio de Lacorda. = Est conforme
O Escrivo
Joze Atronco Guedcs Alcanforado.
Eni aditamento a Lista Geral dos Cidados
que tem as qualidades exigidas por Lei para
aeren Jurados, foro mais incluidos e exclui-
dos pela Junta Uevisora composta do Dr. Juiz
dcDireitoda 1." varadoCrirne como Presi-
dente d'ella, do Dr. Promotor Publico Joze
Bernardo Galvio Alcanforado e do P. Presi-
.ler.te da Cmara Municipal o Coronel Joze de
llanos Falcio de Lcenla em Sesso de 8 de
Juilui do eorrente anno. Os seguintes Jurados.
INCLUIDOS.
Aman) Benedicto de Souza.
Antonio Teixeira Lopes Jnior.
Dr. ". Joze Pereira.
CaeUno Piulo de Vera*,
llamingos Joze Soares.
Francisco de Paula Salles.
Alexandrino de VnsconcellosCalassn.
CioucjIo Joze da Costa S Jnior.
Jo/.e Bernardo Fernando* Gama.
Joaquim Viegas.
Dr. Luis de Franca Muiiiz Tavares.
Manoel Antonio Viegas.
EXCLUIDOS
lente Coronel Antonio Germano Caval-
canle.
Joze Antonio dos Santos e Silva.
Peres Campello.
Luis Joze da Silva Guimarfles.
Eu Joze Allbnco Guedes Alcanforado Es-
crivo o escrevi. = Joaquim Nunes Machado-
Joze Bernardo Galvio Alcanforado = Joze de
Barros Falcio de Lacorda. es Est conform :.
0' Escrivio
Joze Affonco Guedes Alcanforado.
= Pela Administrado da meza do Consu-
lado se faz saber, que no da 20 do corren-
te mez se bao de arrematar porta da mesura
Administraco, duas caixas d'assucar branco,
aprehendidas pelos respectivos Empregados
do Trapiche do Pellourinho, por inexactido
das taras; sendo a arremalaco livre de
despazas ao arrematante. Meza do Consulado
de IVniambuco 15 de Junho de 1842. o
impedimento do Administrador Francisco
Manoel d'Almeida CatanJjo.
DECLABACES.
= 0 Vapor S. Sebastiio recebe a mala
para o Norte hoje ( 18 ) as 10 horas do dia.
= O sr. Sancho de Bettencourl Bereguero
Cezar. venha a Administraco do Correio
Geral, para receber ama carta vinda da Ba-
bia em mo estado.
= Os snrs. que tem n'esta secretaria apo-
sentado propostas para os fornecimentos d
diversos objectos queirio comparecer no dia
20 do eorrente pelas 11 horas da man ha ,
a lini de se realisar o contracto dos mesmos
fornecimentos. Secretaria da Inspecco do
Arsnnal d Marinha de Pernambuoo em 16 de
Junho do 1842.= Alexandre Rodrigues dos
Anjos secretario.
tsr* A renda triennal da casa de dous an-
dares e loja sita na ra Direita D. 3 per-
tencente a Fazenda Nacional se ba do nova-
mente |/r em hasta publica peranle a The-
louraria no dia 21 do eorrente, pelo preco
de 186*050 reis por anno para ser arrema-
tada. Secretaria da Thezouraria de Fazenda
de Pernambuco 17 de Junho de I8i2.
Joaquim Francisco Bastos,
()in = O Dr. Manoel M"lides da Cunha e Aze-
vedo Juiz. do Crime, da audiencia Tercas ,
e Quintas feiras de manila nu caza do an-
ligo Lyceo e recebe as parles em sua caza ,
ra Nova a qualqucr hora do dia.
THEATRO.
PROGRAMA
Do variado espectculo que o artista gim-
nstico Jos dos Beis tem a expor ao respei-
Uvel publico Domingo 19 do Theatro desla cidade. Urna famoza sinfona
dar principio ao divertimento depois Mada-
ma Emilia Amante cantar pela Tez primei-
ra em este Theatro a nova cara ti na coreada na
opera Adriano em Siria muzica do mos-
tr Mercadante. Em seguimento se apresen-
taro os artistas Jos dos Beis, e Joaquim do-
Beis a emprehenderem rarissimas serles e
eyolucfics Atblelicas pois que a porfa pros
meten fazer os muiores exforcos para mere-
ce re m a benevolencia d'um publico to ava-
liador do mrito como indulgente destinguin-
do-se em particular com grandes e extraor-
dinarias experiencias de torcas as-columnas
laleraes que pela vez primeira aprcsenlAo
em este Theatro. A continuigo ter lugar
por Madama Amante e Jos dos Beis o d-
vertidissimo Dueto em Portuguez da opera o
Enredador, que no anterior expectaculo (o
visto com tanto interesse e satisfaco pela
galantaria das lindas e delicadas passagens que
o embellezco. Seguir a execuQo da bellis-
sima e mui divertida pantomima que pela
primeira vez se executa em esta cidado que
tem por titulo os Acontecimentos inespe-
rados ou o forno diablico, e o ceg rabequis-
ta. Dirigido pelo artista a director Joze
dos Beis pois que muitosensivel a tanto aco-
Ihimento o aplauzos jamis estar ociozo,
para que os Ilustres ex poetado res tenho o
mais recreativo entrctenimenlo ; e achem no
expectaculo um innocente recreta promo-
vendo-lhe rizos e prazer. Finda a qual hade
seguir-se para terminar to escolhida (unci
alinda e sempre aplaudida --Tonadilha es-
pntala da Chiquita com nova tragedia e
quadras. O interesse e satisfago com que
tem sido vista e a pedido de muilos con-
currentes decidirio a sua conlinuaco anda
este dia que ser por ultima vez
N. B. Os camarotes se acho venda des-
de ja sendo o se encarregado o senhor Zebe-
deo Cezar.
COVIMEIIGIO.
ALFANDEGite
Itendimento do da 17 de Junho 9:561 #087
DESCARRECA IIOJB 18 DE JUNHO.
Brigue Hespanhol = Florentino = Vinho ,
azeite chumbo e passas.
Brigue Ingles == Floraville = Ca vio de pe-
dra.
Barca Austraca = Gara = Farinha de tri-
go.
de si, e recuou como tocado da appahcao de
um fantasma.
Vos aqui, Diana, disse elle lixando sobre
ella una vista espantada ; que interesse vos
conduz que esperis vos ?
Espero que uo matareis una mulher
que tendes amado. Comludo voso poderieis.
Vos sois poderoso e for te e eu nao sou mais
que urna pobre donzella que chora s vossas
plantas. Nada vos impidir de punir de um
mesmo golpe a orgolhosa que desdenhou vosso
amor e a imprudente que surprendeu vossos
segredos! Mas vos nao o fareis; vos me escu-
tareis e eu obterei a graca de meu pai....
Duvido ; porque nio Iha concederei se-
nio com urna nica condiccio que elle s
pode cumplir.
Eu advinho essa condieco, e eu mesma
a satsfarei. Esse veneno que elle vos recusou,
eu vo-lo darei, eu Educada desde a infancia
junto delle, tenhe sido lestemunha de lodosos
seus trabalhos.....Eu sei aonde elle guarda
os simples que curam, e os cidos que matam.
Recompensai-me dignamente*; meu senhor ,
b Jacqees moriera.
Um sentimento do incredulidade poz ento
Joio em guarda contra una proposicio to
sbita.
Devo eu crer-vos murmurou elle pro-
curando penetrar com a vista o p.msamento
Patacho Portuguez = Paquete da torceira =
Vinho', vinagre, azeite e miudesas.
Hiato Brasileiro = Especulador = Fasendas,
ferragens, espermacete forro e car-
vio de pedra.
Americano = Poultney = Fari nlia de
trigo.-
Brigui
MOV MENT DO PORTO.
NAVIOS NTRADOS NO DIA 16.
Ilha da Assencco ; 14 das Barca Ingiera
Halmiton de 290 tonel. Cap. Richard II.
Alien equip. 18 em lastro : a Frcdori-
co Robdliard ; passageiros 12.
Ballimore ; 50 dirs Brigue Americano Po-
ulleney de 251 tonel. Cap. James Monit,
equip. 9 carga farinha de trigo fazen-
das e cha : a L. G. Perreira ei: Compa-
nhia.
ENTRADOS NO DIA 17
Babia ; Patacho Nac. s. Antonio de 81 tonel.
Cap. Antonio Vieira da Silva equip. 7,
carga farinha : ao dito Cap. ; passageiro a
brasileira Alexandrina Joaquina.
Benguclla ; 25dia Brigue Portuguez Du-
que de Braganca de 210 tonel., Cap. Joa-
quim Ignacio Ribeiro equip. 19, carga
marim: ao diloCapito ; passageiro o por-
tuguez Sebaslio Pimentel de Almeida Pe-
reira .
AVISO MARI T I M O.
tsr Para o Rio de Janeiro o Brigue Ten-
laco de superior marcha forrado e cncavi-
Ihado de cobre bein condecido nesta piaca,
partir dentro de poucos das, para carga,
passageirose escravos a fete trala-se com
Firmino Joze Felis da Boza na ra da Mocda
n. 140.
tsr Para o Bio Grande do Sul seguuir
com brevidade o Brigue Escuna Tito Cap-
to Antonio Francisco Pereira-, quem no mes-
mo quiser carregar ou embarcar escravos ;
trata-se com os consignatarios Amorirn Ir-
mos na ra da Cadoia do Recite D. 21.
L El LA
%W Leilo que faz o Cnsul Portuguez da
armaco e mais utensilio* da venda que per-
tenceo a extinta sociedado de Miranda i Pe-
reira sto para liquidar : no dia 20 do cor-
renta pelas 11 horas da manha na ruado
Vigario n. 2o.
A VSOS DI VERSOS.
------------------- i M I I I <
= O N. 25 do Carapueeiro sabio recheado
de bons becadinhos. Traeta primciramente
da piedade ou compaixao, e faz a devida jus-
tica ao bello sexo, assim como aos homens
chores : e finaliza com um sonho Eleitpral ,
que parece cousa viva e que se est vendo.
Vende-se na praca da Independencia loja de
livros N. 57 e 58.
t&" Quem precizar de huma ama para ca-
za de portas a dentro ; dirija-so a ra do Jar-
dim, do lado direito, caza D. 18.
= Prec.za-se de um portuguez pata feito-
rizar escravos cm um engenho distante desta
praca 2 Iegoas : no armazcm de carne seca
de Antonio Caldas da Silva ou annuncie.
intimo de Diana ; e vossas oiTerendas sao
ellas bem sinceras ? Sois vos que me vindes
dar vida a todos estes fantasmas d'ambl$o ,
de poder e da grandeza que parecan] fu-
gir diante de mim Tendes pois esquecido o
vosso odio ?ou nao foi nunca esse odio sent
um sonho da niinha imaginaran.
Diana comprehendeu a necessidade de des-
truir por um sustentado ingimento as ulti-
mas desconfianzas de Joo e de o convencer
inteiramenle da sua sinceridade. Suas du-
vidas eslavam j inteiramenle abaladas pela
perspectiva de um triumpho onde o inte-
resse de sua cobica hia tornar-ss satisfeilo.
Ella comecou para as dissipar a insultar
por meta de una narrado mentirosa a fra-
quesadeseu amor proprio, e a credulidade
de seu orgulho.
Vos nunca conhecestes meu' coraedo ,
respondeu ella lentamente. Vos tendes sus-
peitado um odio que nao existia..... Nes-
te momento vos vos engais arespeito do
que obro. 'Aalmaum livro misterioso,
onde noledes ainda distinctamenlo Se-
nhor......
Durante esta conversaco odia linha co-
mecadoa apontar e esclareca com um pli-
do claro o rosto de Diana lesela. Nunca
ella linha estado to bella. Seus olhos bri-
Ihavo aos resplandores da aurora como duas
Arrcnda-so um sitio na estrada de S.
Amaro para Belem comexcellente casa pa-
ra grande familia um grande mirante que
tem milito boa vista oito quarlos duas sa-
las com um grande copiar, casa de fazer fa-
rinha com lodos os seus pertencos nocessarios
e cozinha fora bastantes arvores fructferas,
lena para planlaco baixa para capm 2
viveiros e urna grande ilha com bastantes
ps de coqueiros : na ra do Rangel D. G.
csy Na noulo do dia 11 do eorrente per-
deo-se desde a ra dos Martirios athe o atier-
ro dos Afogados confronte ao viveiro do Mu-
niz urna toalhadolavarinto largo e aborto
<'m roda da toalha ; quem a achou pode levar
ua ra Direita loja de fazenda D. 41 que ser
gratificado.
ssy Na ra Direita sobrado de um andar
n. lo ao pe de dous de veranda* douradas, se
fazem bolos chamados do S. Joo de difieren-
tes massas enfeitadoscom capellas de alti-
nim ramos tlorcs e o mesmo s. Joo
feito de allinim ludo milito bem feto e com
mu lo perfeicjio e lambem s* faaem bolos
para cha.
=r Para esclarecimenlo do annuncio feito
no Diario de lo do eorrente N. 126 pelo sr.
Antonio Bernardo Cavalcanti, respeito s le-
tras que foi duvedor aos snrs. Jones Patn &
Companhia lem a responder o abaixoassig-
iifido, quo essa quantia constante das ditas
trite o <|iiatro letras foi paga pelo mesmo
abaixo assignado, aos mesuios snrs. Jones
Patn & Companhia. e nio pelo dito ser.
Antonio Bernardo Cavalcanti em conse-
quencia do que licaro sendo de propriedado
do dilo abaixo assignado, desde o dia 4do
Agosto do anno prximo (indo; cujas letras
para se verificar o annuncio a respeito o-
ra tieciissario que o dilo sur. Cavalcanti tivaa-
se pago as suas importancias ao abaixo assig-
nado o que nao tem feito ; e para maior
prova do prsenle annuncio, quena osnr.
Antonio Bernardo Cavalcanti, cerlilicar-se
com a clareza quo Ihe passei cm 50 da Mata
p. p. nao so sobre a quantia de 5:i28j000
rs., provenante das ditas 54 letras ; como
lambem de mais 5 que mu passou por o, 7 e
9 mezes a vencer daquella data 50 de Mata ,
pela quantia mais que mo he devedor de Bs.
1:194*865 rs., cuja clareza servir para nie-
Ihor esclarecimento de quaesque/r pretextos
Caluros. Becilo lo de Junho de 1842.
Francisco Joaquim Cardozo.
= Ao Exm. Sr. Prezidenle da Provincia ,
roge as pobres viuvas e filhos dos Olliciaes ,
que por opinies polticas se comprometerio
em 1824, haja de interceder por ellas ao Exm.
Snr. Ministro da Fazenda ou ao que com-
petir, alini de Ibes seren pagos :s sidos atra-
zados de seus finados maridos visto j o te-
reni sido o Tenenle Padilha o Major Mano-
el Maehado da Silva Santiago e mais 2 ou 3
Ofiiciaes segundo toi publicado por este Dia-
rio e haverem j fundes decretados para tal
lirn : pois que de nutra surte nio Ihes ser f-
cil oonseguirem por nao poderem ter procura-
dores no Bio de Januiro e pelo que o Ceo re-
compensar a S. Esa.
= 0 Primeiro secretario da Sociedade-.Na-
lalenso faz sciente aos Snrs. socios de que
Domingo ( 19 ) pelas quatro horas da tarde
sesso para se deliberar sobre um ebjeeto
urgente.
perolas humedecidas c ua suas faces, cu'
ja alvura era anda animada pelo barrete pre-
to que trasia na caneca respirava a emocio
alormentadora, que abata a sua alma.. En-
to o passado ressuscitou corno por encanto
na Icmbranca de Joio. Era um amor que os
annos linham adormecido : um instante asa-
bava de o acordar. Bapido como um raio ,
seu pensamenlo concebeu um plano onde os
interesses d'este amor e os da sua poltica se
achavam sabiamente combinados. Este ni-
co meio Ihe parecen devor manler sua paz e
garantir sua impunidade.
Diana disse elle depois de um longo si-
lencio quervsme sejais enviada |>elo in-
ferno ou pelo Ceo, ou me entrego a vos. Mas
isto nao he um brinco: a minlia vida o meu
poder, niinha seguranza..... axibtem ostrei-
tamente unidas : nio posso expor ludo sem
considerado. Diana, impecamos que
um sopro inimigo deslrua mais larde este fr-
gil andamio...... Nossas mos se junto pa-
ra comelter um crime..... preciso qae nos-
sas mos se nao dosunam.....nos correremos
junios a fortuna de urna acgo impa..... nos
parlilharemos seus bene fraternidade impossivel de romper..... doust
cumplices nunca se desvainan.
Um fro mortal coou pelas veias de Diana.
(Continuarse-bajk
I



I
id


^F
A
WLl'I.AS YKCETAKS E LM\ KltSAKS AMKHICA.N.VS.
Estas pitillas ja bom conhecidas pelas gran-
des curas que ten) feito nao requeren) nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua eom-
posigao tito simples que nao fazem mal a
mais tenia cranea : em lugar de debilitar ,
fortificao o syslema purilicAo o sangue ,
dugmentao as socrogos om geral : tomadas ,
seja para molestia oh roica ou somenle co-
mo purgante suave; o mellior remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de conslipagio depois de sua
operagao como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mili lacis a tomar e nao
eaiisarem incommodo iienliuiii. O nico de-
posito dellas em casa de I). Knoth agen-
te do author: na na da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai enibrulhada em
seu receituario com U sello da casa em la-
cre prelo.
\T Antonio G >mes da Silva retira-se pa-
ra fora da Provincia.
C?" D. Joanna Francisca de Menozes, avi-
sa as pessoasque tem pinhoresde orno e pra-
ta em seu poder liajao de os vir remir no
praso de 20 Jias alias passar a vende-los
para seu pagamento ; queirao procurar na
ra de Agoas verdes 1. 6.
J* Joze Vicente retira-se para Loan da no
Brigue Pernam'bucano.
SSF~ A pessoa a quem convier dar aqui se-
te-centos mil res [vara os receber na villa do
Penedo de pessoa multo certa queira en-
tender-se com Joo Baptista de Medeiros no
forte do malos na prensa do Carneiro Mon-
teiro.
tsr O Bacbarel Formado Antonio Joaquim
de Moraes c Silva Curador geral dos Orfos,
e Ausentes ic. tem ostabelleci Jo o seu es-
criptorio no bairro de Santo Antonio ra do
lio/ano larga piiineiro ailar do sobrado da
esquina defronte da Igreja ao voltar para a
ra estreita do mosino nome ; e advoga no
crime e civel, quando nao for incompativel
com o logar, queexercc: as pessoasque com
elle tiverem de tractar, podem-o procurar no
seu escriptorio das 7 horas da nianha ate as
3 da tarde.
C9* Miguel Joze Alves, subdito portuguez
retira-separa fora do Imperio.
IST Faz-se scinteao publico, que no pa-
tio de Santa Cruz no bairro da Boavista tem
urna mestra de meninas qucensina a proco
commodo Jer, escrever, e contar, cozer
tanto chito como lavarinto cacund borda-
do de linda d'ouro e de marca : a pessoa
que quizer authorizar-se do seu pouco presu-
mo dirija-se ao sobrado defronte da Igreja
de Santa Cruz com varandas pintadas de en-
carnado, que achara com quem tractar.
C? Quem precizar de urna ama para todo
servido de urna caza de portas a dentro ;
dirija-se a ra do Jardim lado direito D. 18.
t7 O Sr. Livio Lopes Castello Branco ,
queira ler a bondade de aparecer na ra velha
na casa D. 37 para negocio de seu interesse ,
ou annuncie sua morada.
tsy Josquim de Queiroz faz sciente ao
respeilavel publico que de boje em diante se
assignar Joaquim de Queiroz Monteiro.
tsr Quem precisar de urna ama para casa
de um homcm solteiro ou de pouca familia
para o servigo de portas dentro dirija-se
atraz dos Martirios 1). 5.
H^Precisa-se de urna crela forra de meia
idade para tratar de um doente : na pra-
cinhado Livramento D. 36.
v3~ Por ordem do Sr. Narciso Joze Fer-
reira do Cear, foi comprado o meio bilhe-
teda primcira parte da segunda lotera de N.
S. do Bozario n. 802.
t^ Quem precisar de urna preta para todo
o servico de urna casa por prego commodo ,
dirija-se a ra da S. Cruz defronte do oilao da
mesma Igreja D. 9.
tsr Aluga-se um sobrado de dous andares
com quintul e cacimba, na ra da Florentina;
quem o pretender dirija-se a ra do Crespo
1\ T I.J- 1_____I '
ra e Francisco Gonsalves Gurjao na Mesa
ilo Consulado que dir quem lira com a
maior presteza possivel.
ssy A pessoa que annuneiou dar l:21>0*
sobre hypolhoca em urna casa terrea dirija-se
a ra Direita no fundo da Igreja do Livra-
menlo I). 2 a tratar na loja confronte o bco
que volta para S. Pedro.
%sr Aluga-se um preto oplimo padeiro por
ser muilo anligo no officio por (JO diarios :
quem o pretender dirija-se a ra dos Marti-
rios D. M.
1SF" s Snrs. Joze Mara I ias da Silva e
Joze Francisco Arrullada Cmara, drijn-se
a ra da Cruz i). 27 para se Ihes entregar
urnas caitas.
CJ" Aluga-se um segundo andar das casas
da ra dos Torres defronte da casa do Snr.
Joio Pinto de Lomos o qual tem commodos
para familia : a tratar com Joao Antones Gui-
ri) a raes.
ssr A pessoa que annuneiou no diario de
quatorze do corrento ter para vender hum
casal de pombos' manlas dirija-se ao atierro
da Boa vista D. 19 ou annuncie onde se deve
procurar.
xar Na padaria do paleo da S. Cruz D. 3
precisa-se de um homcm para a masseira ,
que seja bom entendido ueste trabalho
tsr O Bacharel formado Joo Floripes
Dias Brrelo Lente adjunto da cadera de Lo-
njea do Liceo continua advogar na casa de
sua residencia ra do Queimado I). 7 se-
gundo andar.
tj- Joze Teixeira Bastos tendo de se
transportar com sua familia para a Cidade de
Lisboa e nao Ihe sendo possivel despidir-se
de todos os seus amigos pelo deminuto espa-
co de lempo que tom de demorar-se pelo
prosent'; se despede, e se offerece para aquil-
loque Ibes prestar naquella Cidade.
l^yQuem precisar de urna de ama leile par-
da forra, dirija-se a ra do Bangel D. 35, na
mesma casa ha para se alugar 2 pretos um
be oflicial de serrador.
s=y Boga-se a pessoa que ti ver recebido da
Bahia alguma carta ou dinheiro para Sanxo
de Biltaneourt Berenguer Cezar, naja de an-
nunciar a sua morada.
SOCIEDADE APOLNEA.
CT Hoje 18 he partida do corrente mez.
tT A Direcgiio da Soci.;dade Amisade nos
Une avisa aos Srs. Socios que a sessSo or-
dinaria om assembla Geral adiada em 13 do
corrente continua com os seus trabalhos
Domingos 19 do corrente pela3 tres horas e
meia da tarde na casa de suas reunies.
SS?" Os ahaixo assignado administradores
da casa do fallecido Joaquim Lopes Macha-
do rogfio aos devedores do dito fallecido, de
vlrem pagar os seus dbitos a mesma admi-
nistracao visto se acharem legalmente au-
Ihorisados : no escriptorio do primeiro abai-
xo assignado. = Henry Forster & Companhia,
A. Schramm.
C O M P B A S
1). 7 ladodosul.
ssy Km casa de Francisco Antonio de Oli-
veira no atierro da Boa vista ; precisa-sc de
um criado para servir mesa : na mesma
compra-se um mulatinhode bonita figura, de
12 at 18 annos.
w A pessoa que annuneiou precisar de
urna oflicial para envernisar queira annuneiar
a^ua morada.
ty Avisa-se as pessoas que. tomarao di-
nheiro sobre pinhores a Victorino Joze Cor-
rea de S na venda cita no beco da Carva-
Iha D. 5 per tencente a Sebastilo Joze Co-
mes Penna queirao tira-Ios no praso de 15
dias do contrario sero vendidos para paga-
mento do mesmo.
L3~ Quem quiser passaportcs para passa-
geiros e escravos tuinas corridas, dirija-
se a ra do Vigario ao Srs, Borges de Siquei-
E^- Um pianno ordinario para se apren-
der : quem tiver annuncie.
ssy L'm cavallo de estribara magro, ou
um quarto capaz de fazer una viagem; quem
tiver annuncie.
*?" Duas escravas mogas que saibo en-
gommar e coznhar ; um preto mogo de bo-
nita figura e um mulato nao sendo vicio-
so ; todos estes escravos pago-se bem : na
ra de Agoas verdes D. 38.
tsw Lma loalha de lavarinto ou bordada
sendo lina: no principio do atierro das 5 pon-
tas ou annuncie.
VENDAS
KST L'm proto moco de bonita figura pa-
ra lodo o servigo de 2o annos : urna mar-
qtioza de condur urna banquina, urna car-
teira de cima de meza urna grammatica in-
gleza de Siret Prockt Library, 5 volumes ,
um Saluslio Job Etica Lgica Metaphi-
sica : na ra do Bangel na loja do sobrado
I). 39.
G7" Assucar refinado caf moido em
grosso o miudo por prego commodo: na ra
da senzaa nova n. 2 junto ao porto das ca-
noas.
ts*" Diversas msicas para pianno, flauta,
e violochogadas ltimamente de Frauga : na
ra Nova D. G loja do bom barateiro de Guer-
ra Silva & Companhia.
E^lima llaula de bano com urna chave de
prata por prego commodo : na ra Direita
D.41.
tsg" Fina casa terrea com solo e mu tos
commodos na ra do Fagundes ; e duas
canoas noyas para abrir : na serrara de Jo-1 ramos de llores
ao Antonio Baptisla Muniz junto a ribeira.
C?r Um pardo brincos de lilagr com o
peso de duas oitavase meia e 18 grao por
10.; e urna orlhogralia de Madureira por
2*400: na praga da Independencia loja nu-
mero 10.
tsr Urna venda com poneos fundos, na
ra da senzaa velha defronte do beco do Cam-
pillo : a datar na inusuia.
SST Barricas e meias ditas de l'arinha de
trigo pilulas da familia e condeeas ludo
de boa qualidade, e por barato prego : na ra
estreita do Bozario D. 17.
SST Carlas porluguezas a 1*200, ditas
francezas a 2*000, pontos de tartaruga a
biO, papel de peso fino a 2*800 a resma,
transelim de burraxa a 80 w. luvas de seda
liara senhoraa 300, pretas para homem a 900
ditas de algodo muilo finas a 500, ditas de
pelcaaOi, dados para sorte de S. Joo.
agoa de coloni de muito boa qualidade em
frascos grandes e oulras multas miudezas
baratas : na ra do Livramento I). 5.
F l'm cavallo de cano muito bem ensi-
nado tanto para duas como para 4 rodas ,
por'prego commodo : na ra do Collego De-
cima 4.
iss* Una casa terrea no bairro de S. Anto-
nio que paga 10* im-nsaes ; e urna parle de
um sobrado no bairro do Becife : a tratar na
loja de cera ao p da Igreja do Livramento ,
D. 18.
C?- Bolaxa pop a para escravos a mil
rs. : na padaria da ra Direita D. 12.
C5~ Dous alicorees na ra do Palacete : na
ra de S. Francisco sobrado da quina do beco
do uvidor I). 11
sssy A obra intitulada o Portuguez at o
quartotomo: na ra Nova D. 4 do lado da
Matriz por prego cornmodo.
fCT" Fin gargantilha com 23 oitavas de ou-
ro de lei seui feilio: na quina da ra das
Cruzes que bola para a praga no terceiro
andar.
sy llm excellonle escravo crelo che-
gado a pouco do Maranhao entonde de ar-
ranjo de sitio e mellior (lo trafico de botica
por se ter'emprogado neste servigo alguns an-
uos : na ra dos Quarteis D. 5
vtjy Obras completas de Vollairo 7 v. com
estampas linissinias Thier revolugao france-
za 4 v. Flores Estradas 5 v. obras com-
pletas de Potier Say curso completo de
Economa Poltica Bieardo Economa Poli-
tica 2 v. Diccionario Italiano e Portuguez de
Joaquim Joze da Costa eSa 2 v. Diccionario
Francez de N'apoleo Laudis 2 v edigo
de 1840 Parcel reforma financeirade Ingla-
terra Blair curso do Bhetoriea e de Bellas
Letras Tratado de chimica Elementar theo-
rica e pratica por L. J. Thenard 4 v. e ou-
tras obras : na ra larga do Bozario D. 9.
re?- Salitre de superior qualidade, barrs
de cem libras a 100 a libra : no armazem
de L. G. Forreira ov Companhia.
X2W Um escravo de nagao angola de 29 a
30 annos para fora da provincia ; na ra do
Livramento D. 10.
s*" Urna canoa de conduzr agoa por
prego commodo : na ra da Cadea do Becife
loja n. 45.
s^ Damasco de seda de todas as cores e
igualmente telhas de vidro com beira pro-
prias para clara boias : no Becife ra da Con-
ceigo loja n. 28 de Joao Mara Seve.
tsr Pilulas de familia verdaderas l-
timamente chegadas em o navio Tentadora,
em frascos do 50, por prego commodo: na ra
da Cadea do Becife loja de ferragens n. n. 45.
ssr Sal do Ass a bordo do Brigue S Ma-
ra Boa Sorte ancorado defronte do trapiche
novo : a tratar com Joze Gonsalves Casco na
ra da Cadeia do Becife n. 45 ou a bordo do
mesmo Brigue.
tsr Candieiros mu elegantes e de nova
invenco e modelo mu bem trabalhados ,
e que do por isso urna luz mu brilfianle pro-
pros para qualquer tliealrinho particular, ou
outro qualquer estabelecimonto chegados
ltimamente de Franga : no beco do Abreu
na praga do Commercio em casa de Joze Tor-
quato Pinna junto ao barbeiro.
tsr- Urna negra crela de bonita figura, de
>.\ annos ptima engommadeira cozinba.
lava de salino o varrella ; urna duzia de ca-
doras um canap e um jogo de banqur-
iihasdeboa madeira tudo ern meio uzo :
na ra do Fagundes D. 18.
v-cy Allbngo S. Martin com loja France-
za na ra do Cabug D. 2 lado direito quem
vai para a Boavista tem para vender, alem
de muito bonsbbjectos concernen tes a lojas
de canquilharias, as fasendas seguntes : boas
sedas do gosto mais moderno para vestidos de
senhoras ; blom bicos de seda de fil de fi-
nito e d'algodo ; filas muito boas ; capellas e
challes de seda de bom gos-
to; chapeos de seda 1. qualidade, em gos-
to c fasenda para senhoras ; ros gapatos do
seda com capucho para quando as senhoras
saliirem do Theatro do Baile ao S'iares pa-
ra preservar d'alguma constipago, por qiian-
to sempre se esl suado quando d'estes ad-
junelos se sae : cpalos de polimento bni-
zeguins dito ; cpalos do selim de d'iraqne,
de marroquim e chinellos para se andar por
caza
tudo
para senhoras; como tambem
loda a qualidade de calcado para homens e
crianges ; meias de seda de todas as quafida-
dfcs tanto para senhoras como para homens
luvas de pelica de I. qualidade o outras de
cabrito, de seda e de algodslo tanto para
senhoras como para homens ; veos de fil de
linho de 1. qualidade ; lengos de seda de
garca e de fil, como de cambraia para m5o
pentes de tartaruga para tronga ; ditos de di-
ta para desembaragar ; ditos do bfalo; di-
tos de tartaruga para marraras ; e ditos finos
de marlm ; caixinhas com agulas francezas
bem surtidas a 480 rs. ; perfumaras de toda
a qualidade e de 1. sorte ; bonnelsde pao
de ganga riscada e de vludilho tanto para
homens como para meninos; oculoscom bo-
nitas armagoes para todas as vistas; chapeos
de sol dos melhores que lia ; sortimento de
fundas e suspenses para quebradura de ho-
mens te. &c. Contina a vender os bons se-
lins Inglezes, chamados rega Ha dores por
sorem de arges de barbalana como tambem
para senhoras de todas as qualidades ; tudo
como j se sabe muito barato ; e bem assim
marroquns de primeira qualidade a 15*000
rs. a duzia.
rar Um mulato muilo bom carreiro, va-
queiroe sangrador na extengo da palavra ,
de boa figura, e ptimo para o servigo de cam-
po no que eslava em progado o motivo da
venda se dir ao comprador : na ra de Agoas
verdes 1). 12.
CT Urna banca redonda de Jacaranda para
meio de sala com 4 gavetas ; na ra estrei-
ta do Bozario loja de marcineiro D. 25.
d" Um sortimento de relogios patente,
e horisontal ditos de parede com desperta-
dor por prego commodo : na ra das Cru-
zes casa de relojoeiro francez D. 4.
ESCBAVOS FGIDOS.
xsr Na madrugada de 15 do corrente fri-
gio de bordo do Brigue Paquete de Pernani-
bucofundiadoao pe'das escadas de Palacio,
o escravo Antonio crelo de 18 a 20 an-
nos sem barba tem na cara upias malhas.
bem feito de corpo alto lie bem conhecido
por fallar quando quer gago levou vestido
duas camisas una branea'e outra de riscado
de quadros azues, caigas branca, chapeo pre-
to, ignorando-se se mudou de calcas por ter
furtado urna a bordo a um marinheiro ; as-
sim como um chapeo um relogio 14* em
sedulas cujo escravo foi vendido em 9 do
corrente poro Sr. Francisco Xavier Carneiro
Lins ao abaixo assignado. o qual roga a quem
o pegar de o conduzr ao dito Brigue ou ao
forte do mallos na casa da quina da ra da
Lapa no segundo andar que ser genorosa-
mente gratificado : adverte-se que o dito es-
cravo he muito capadocio e cosluma a andar
por Apipucos Pogo da panella, e Casa forle.
Leopoldo Joze da Costa Araujo.
Col.
i
3.

<->
EBRATAS DO COMMUNICADO
DO DIARIO PC. 127.
i. L. 5. e6. assegurem-lhe- lea-se-
assegurarem-lhe
10. pssa ~ lea-se passa
22. passe a van te atraz dos
evos loa-se passe o-
vante atravez dos evos-
30. -- nao offerece-- lea-se --
offerece -
3. -- Cripinada -lea-se Cre-
pinada -
42. c43.- baldadas ? lea-se -
baldadas ?!! -
30. -- esta sua collocagSo lea-
se esta m collocago -
34. importa comegada a nar-
rago ; lea-se- impoi-
ta;comegada anarrago;-
v 35. lado potico-lea-se lado
poltico
51. sem apoia-Ia- lea-se-em
apoia-la -
59. -- vicio lea-se vigo -
02. Vollaire- lea-se Vol-
ta i re -
BECIFE NATYP. DEM. F, DE F =^1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E87X0CMGW_2DCQUR INGEST_TIME 2013-04-13T01:04:26Z PACKAGE AA00011611_04678
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES