Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04675


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Q liarla Fe ira 15
Tudo afor'dependc de nos mesmo ; da nossa prudencia moderaco e t ne rgi : Con-
liaaeMOt como principiados e seremos ayontadot com admirac.o entre a Nacies mais
eattll*, (Proclainac.io da Asteniblea Geral do Ira/il.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
(ioianna Parail. e JUo grande do Nnrie, segundase eeilaa feiras.
Hnnilo ; fiaraniioi.s 0 c 24-
Cabo Serinhaem Rio r'ormoio Porto Calvo Macei e Alago no i. \\, 21
l ale'i 13. Sanio Anlao quimas feira. Olinda iodos os das.
Anuo XVIII. N. 126.

0 Diario puMicft-M lodos os dias .| nito forem gaatifiradoa : 0 pWJO da assignalur be
detrea mil reit por auartelpagoa adiantadoa. 0a aentmoio do aaaigoaatal sao inserido
gratis e ns .los q-ic o nao torea i/..io de HO rris por linlia. Ai rc.lainaroes devem sr
dirigidas acata T>r.giali roa da Crtuei *i i,r,V" Independencia Ifljt de litiH
NoniTo 37 o 38.
CAMBIOS no da 11 i, ii mo.
Cambio sobre Londres Ti i p. 11
Paria SiOreiap. franco,
a aslma '.'> pOI lllll de pr.
Motila demilire 4 por 100 de descont.
Iden. de letr de hoai firmas fe il e l
DesROntode bilfa. da MfandtJga 1 poi l0
au mej.
Ol
Pnri
compra venda.
- Moeda de 6.40(1 V. 18,600 <5,C0(I
N. Ji.30) iS.UtO
Je 4,000
Palocoes
Psxoa '"tdutnnaies
dii) Meicaaai
rriuda
S.'lllll
1,760
1.7611
1.760
1,000
s.fiO
1,780
i .780
1,6 >0
Preamar do din l de Jimito.
t.* a 0 hora c (i m. da manlia.
2. a 10 horas p 30 m. da tarde.
P1USBM DA I.UA NO MBZ UK .ll.'MIO.
Ouarl, ming. a I A> i horas e a? ni. da niaiili.
la Nora S-- is 7 boraa e ti ni, da lord,
(.liiarl. rese, a l.i horM e 33 m. da l.n.l.
I,na ehtia a 22 7 hura e 2 m. da lard
DIARIO HE PERNA
IIC O.
G O V E R N 0
PROVINCIA.
expediente: do da 9 do comiente.
Olicio Ao commandante das armas de-
terminando em resposta ao sen oflicio de 7
do crrante que mande proceder por um
olcial de arlilheria ao ornamento das despe-
sas precisas para o concert da priso da for-
taleza de Tamandar remettendo-o para
vista d'elle poder a presidencia resolver o quo
convier.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
senda disondo, que mande abonar asco-
medorias de embarque ao primeiro cadete do
sexto bata I lio de caladores Joo Carlos de
Saboia que tem do embarcar amanh para
a corle.
Portara Ao commandante do vapor =
Correio Rrasileiro = ordenando que re-
ceba seu bordo e transporte para a corte
o supramencionado 1. cadete.
Olicio Ao commandante das arrpas ,
communicando-lhe ter expedido as orJens an-
tecedentes.
Dito Ao mesmo aecusando recepeo do
seu olicio do 7 do crrente em que da par-
le do mo estado do quartel de Gaib ; e sig-
nificando-! he em resposta que deve mandar
proceder por um ollicial de arUlheria.ao or-
gamenlo provavel dos concertos que Ibrcm
absolutamente indispensaveis e remettel-o
presidencia lim de que a vista d'elle pos-
sa resolver como julgar conveniente.
Dito Ao Juizde direito da primeira va-
ra do crime aecusando recebido o seu ofll i,
em que diz que tondo de reunir-se a jun-
ta revisora no termo de Olinda para a apura-
53o dos respectivos jurados vacilla sobre que
esenvo o deve acompanhar, por quanto o
esenvo privativo do jury, Joze Alonso Gue-
des Alcanforado tem nomeagAo especial para
o termo do Recife; e signifcando-lhe em res-
posta, que 8 de Abril prximo passado no-
meou Joaqiiim Joze Cyriaco escrivo priva-
tivo do jury d'aquelle termo, e n'esta dala
lhs ordena que sollicito o seu titulo, lim
de entrar logo em exercicio.
DitoDo secretario da provincia Joa-
quim Joze Cyriaco, communicando-lhe a no-
meagao e ordena supracitadas.
Portara Ao commandante do vapor =
Correio Rrasileiro = intelligenciando-o de
quo deve seguir para a corte amanh na ma-
r da tarde.
Oflicio Ao juiz de direito interino da co-
marca do Garanhuns disendo, em resposta
ao seu olicio de 29 de Mao ultimo, que, nao
havendo o seu antecessor remellido prisiden-
cia o processo do reo Antonio condemnado
a pena ullima pelo jury d'aquella comarca ,
como ver do olicio que por copia se Ibc
enva cumpre que satisfaga o que a le
exige similanle respeito.
Dito Ao ctiefe da legio do Nazaretb ,
communicando ter approvado a proposta para
olfciaes do secundo batalho da mesma legi-
o, que acompanhou o seu olicio de 4 do cr-
rente ; e determinando que a mande pu-
blicar e ordeno aos proposlos que sollici-
tera os competentes ttulos lim de pode-
rem entrar em exercicio.
Dito Ao director do arsenal de guerra ,
approvaodo a organisaco da oflicina d'alfaia-
te quo propoz em oflicio de hontem assim
como a iiomeaco de um mestre com o venci-
mento diario do dous mil res e urn contra-
inesire com o de mil quatrocenlos e quarenta
reis tambem diarios.
Portara Ordenando ao inspector do ar-
senal de marinha, quefornecaa barca de va-
por= Paquete .lo Sul = de tudo quanto pre-
cisar e ihe for pedido pelo respectivo com-
niandanle.
Oflicio Ao inspector da thesouraria da,
fasenda significando, em solucao ;is duv-j
das 1o commissario Fiscal do Ministerio daga Jofio Ferreira uannel Vieira.
Ionio Joze de Carvalho San-Tiago Do-|p*a e Malla alem de seivm pouco nteres-
mingos Francisco Manoel Gongalves Rra- santos. variam consideravelmcnte as tuas
guerra e do encarregado da contabilidade __
militar submeltidtis ao contiecimenlo da
presidencia por seu oflicio do primeiro do cr-
rante que o aviso da secretaria d'eslado dos
negocios da guerra do J3 de Janeiro d'este
anno he expresso em declarar sem efleiloa
disposicao do de 5 de Sctembro de 1833 so-
bre a suspencAo de suido feila ao capito
Joo Pedro de Araujo e Aguiar, e que o oflei-
lo d'aquelle aviso n'esta parte nao pode ser
outro que o pagamento do sold que se
suspendeo ao dito oflicial : e ordcnando-lhe ,
que ajuste a conta dos sidos desde o dia 1.
de Abril de 1832 que foi, quando come-
cou elle a deixar de receb-1-os em coise-
quencia da suspengio que se fez para que
se Ihe pague por aquella Ihesousaria os ven-
cidos nos annos de 1839 1810 e 1811 e se
d parte do resto da divida ao ministerio com-
petente lim de se pedirem fundos para seo
pagamento de conformidade com as ordens
imperiaes.
Dito Ao mesmo, devolvendo os docu-
mentos que envin com o seu oflicio de \
do crrante ; e dizendo que deve mandar
pagar Manoel Joaquim Pedro da Costa a im-
portancia do frete de 30 cndeles de plvora ,
qno fez condusir para o Cear urna vez que
prove com documento aotliontico nao ter re-
bebido n'aquella provincia o mencionado fro-
te.
RKPARTICAO DA POLICA.
Parto das occorrencias do dia 10 do crrante.
Consta da parte dada doje pelocommandante
geral do corpo policial que fora preso pela
1. palrulda da ra nova o preto Manoel,
escravo por briga; o que a patrulha.que ron-
dou o destrito .le Fura de Portas hontem do
meio dia s seis horas da tarde prendera a
Mara de Lima por briga e que chegando
no quartel da companhia de operarios a
pessoa corren a Imniisiar-se no dito quartel,
e exigindo a mesma atrulha que a entre-
gassem os alemes armados de cceles se
opposero a entrega.
PassarSo-se ttulos de residencia = Tho-
maz Dowsley = Francisco de Paula Pereira=
Rurchard Tiele = Antonio Joze do Reg =
JoAo Joaquim Lins Marlins = Joaquim Mon-
teiro = Ignacio da Cruz actualmente =
Joaquim Monteiro da Cruz = Joaquim Xavi-
er da Maia = Daniele P. Auslin = Manoel
Gomes = Joze Alexandre da Silva = Jozudc
Retancurt Amarante = Manoel Joaquim da
Cruz = Joze Momohr i= Joze Ferreira Ras-
tos = Joze Gomes da Silva = Antonio Joze
Alves = Avelino Pereira dos Santos = Ren-
to Joze da Costa Guimares== Antonio Joze
Gomes = Ignacio Joze da Costa Joaquim
Joze Ricardo Antoniode Azevcdo Ramos-
Francisco lavares da Silva.
Existen) anda na secretaria de Polica, os
ttulos de residencia j annunciados os quaes
pertencem aos individuos a dantc nomeados=
Gaspar da S'lva Loyo= Caetano dcAlmeida
Francisco Joze de Araujo Regalo Douro
Joze Fernandes Rastos Joaquim Antonio
de Campos Manoel Joaquim Ferreira
Joaquim Alves da Costa Manoel Joaquim
Dias do Castro Joo Antonio Hall Joa-
quim Marlins Manoel Joze de Almeda
Joo Nilson M. S. Mawson Luz Ma-
noel Jorge Ribeiro Pedro Molir = Fels-
berto Claudio Pereira de Abreo = Rernardino
Joze Pereira = Fernando Sbrela = Jacinto
Joze de Moraes Manoel Tavares Cordero
Rernardino Pinto de Menezes Charles
Boop Manoel da Cruz Pereira Joze
Thomaz Manoel Joze de Rastos Soutello
Manoel Lourenco de Azevedo Luiz Fr-
reo! Buenard Luiz Leger Wauthier An-
K\TKI\IOK.
I nformaQes acoren do estado das cousas no
Levanto ; entre tanto o que parece mais pru-
vavel qua a Sj ra continua a ser thealro do
desordena o ii<: sanguinolentas persegiic/c's
t .... ------------ contra os cllrislAos.
Alguna nmeros mais do Diario do Gover" A imprensa peridica do Inglaterra de
no e Nacional de Lisboa al a data de 12 de i Franca e Alemanha oceupa-se parlicular-
Maio p. p. ltimamente recebdos pouca. < mente da"questao da casamento da Rainlia de
noticias adiai.tao s qua temos publicado de Hospanha. A (pinio mais seguida que
Portugal. i"1" Principe de Bavieira devora ser o futuro
As midas mnisteriaes com as opposicio- U'spso da joven Isabel.
nstas conlinuo a sustentai rendida o porfi-: jornaes do Pan/, poueo dizein que mere-
sa polmica eujo theina principalmente sao C& especial menguo.
a prximas eleicoes as quaes assaz dAo que A consli uceo d diversas lindas de cami-
entender aos polticos do lodos os partidos Indos de ferro eos projectos apresentados
nao menos quo ao Governo d'aquelle Reino.
Cartas ta Reira-Alta relerem a apparigfto
d'uma epidemia a que nao do nomo e que
comecou a fazer estragos sensivois principal-
mente em Cima Coa. S na pequea cdade
de inhol morrerfio mais do 100 pessoas no
curto espago de trinta das. A molestia, con-
a
na Cunara dos Depulados para as levar a ef-
feilo sao o principal ohjeclo das suasdis-
cnssoes.
Tinlia fallecido repentinamente no dia ''.>
do una apoplexia estando no seu gabinete
o assignar alguns papis do expediente, Mr.
Huinann., ministro da Fazenda Julgou-se
urna crise
linuava a lavrar para o oeste c j linda que a sua inorte daria occasiao i
apparecido as Villas de Trovoes o da Pesque | ministerial
ra causando mu i tos estragos.
rccomposigo no ga-
oii a urna
bnelo ; mas nao leve nutra consequencia se-
______ nao a de sor substituido por Mr. I.acavo
Os Jomaos Hespanhoes alcahgavSo at 5 de Laplagne.
Maio porem interainente destituidos do in- Htvia lambem fallecido no dia anterior Mr.
teresse para um leilor estrangeiro. O do- Bertin de \oaux principal redactor do Jor-
bates das Cmaras orno sem importancia o nal dos Debates.
das Provincias nao hava noticia adjunta que As anuas fraucezas proseguiam alcangan-
merecesse especial mengo. |dO vantagens consideraveis na frica.
L-s iioCaldolico de Madrid que durante' ---------
os 10 das da lunivao do Sanlissimo Sacra-: syki a. Damasco, 13 de Marco
ment na Igrcja de S. Thoms communga-
ro23> pessoas n'esse templo.
Debaixo da rubrica Noticias Diversas
d o Nacional as seguintes :
Entre as pessoas que ctimprirao o preceilo
da Paschoa na lgreja de Notre Dame em Pa-
riz depois das conferencias do Abitado Ra-, disputa com um tilico a quem linda pedido
vignau, nolava-so Vielor-Hiigo que se a- urna qiiantia do dinlieiro que este Ide devia.
proximou meza sagrada da com m un bao j Tondo ambos edegado smaos, o lu reo fez
com n-ilavel e edificante devogAo.
Lin empro;ado do consulado ingle/, foi pre-
so da poucos dias o. condii/.ido ante o ede-
fe da po'icia quo o insullou cxtremamcnle.
Tondo disto protestado o cnsul inglez o
cliefe da polica viu-se odrigado a dar-lhe sa-
lisfacao.
No .a 11 de Fovoreiro um inglez leve urna
O Doutor Ingle/. Milnc Edevarde mem-
bro da academia das sciencias moraes e poli-
ticas e rorrespondcnlo da das sciencias ,
abjuren a religAo protestante para abracar a
Calholica c recebeo pela primeira vez a
commundo da nao do cura de Nersaldos. O
Rispo respectivo Ide administrou o sacramen-
to daconlirmacAo.
As foldas do Parz receddas em Lisboa
cdegavAo at 28 e as do Londres at 30
d'Adrl p. p. porem erao tanto ninas como
oulras de multo pouco interesse.
Noticias do Paquete de Inglaterra.
prender o inglez. O cnsul britnico inter-
veo n envin o chanceller do consulado a
tallar com o coininandaute das Iropas.
Quando o chanceller so apresentou no quar-
lo gritaram os soldados morra o guia-
our ( infiel ) e ocom-ul nao tem podido
oblor satisfagAo segundo informou do facto
o embaixador britnico em Constantinopla.
As noticias de Deir-el-Kamar de lo de Fe-
vi-reiro annuncian <|ue linda rebentado urna
violenta insurrcigAoentri osdrusose oschris-
lAos londo tido estes ltimos sessenta fli-
dos e tres moitos. Asseguram que Ornar'
Pacha presenciara esto combate sem fazer o
! menor esl'orco para restabelecer a ordein. Os
ischeiks da monlanda apresentaram da al-
Alem da questAo do novo imposto sobre as gum lempo a_ Ornar um protesto contra u
rendas que ainda se agita sAo de nina im- installago do hispo anglicano em Jerusalem ,
porlancia inui secundaria os assumplos de
que se tinha ltimamente oocupado o Par-
lamento britannico.
NAo liavia ulteriores noticias da India. Con-
tiuuava o embarque do tropas com destino
para differontes portos dos dominios brilanni-
porque o estabolecimonto deste bispado atn gava a sua crenca religiosa e poderla oom-
(iromeller a Iranquilidade publica.
Nestes ltimos dias foi maltratado o capi-
lao de um vapor inglez.
Im capucliiudo de Genova convidou a 17
eos naquella vasta regiAo. Tinha sido nomea-
do Governador da presidenc-a de Madi aste o
marque;, de Tweedale e para a de Romdaim
Sir George Artdur. A repulagao destesdous
l'unccionarios dava gcralmente esperangasde trihue aos israelitas de Damasco,
que a sua gerencia seria fecunda em feli/.es re-
sultados para a seguranga e prosperidaile da-
quHIas possessos.
Nada se sabia da China.
do crrante mez O conselho e as pessoas nO-
laveis das ctuilissos cdristAs para celebra-
ren! o aniiiversario da morle do seu colle-
ga o padre Thoms cojoassassinio seat-
A concor-
rencia foi numerosa nolando-se nella os
membros do consulado francez com o seu u-
niforme. Um ecclesiaslico maronila recitou
is oacoes proprias do acto c nos qualro an-
Noadiantavam nada as ultimas noticias I gulos do mausoleu se liam inserpgoes, urna
dos Lslados-Lnidos acerca das quesloos pon- das quaes alludia ao pretendido assassinio do
denles entre o seu Governo e o Governo in-I padre Thoms.
glez ; entre tanto v-se por ollas que o- Algumas mulheies d.- Modemcl-AIi mor-
bre maneira embaragosa c grave a situagao reram no principio desle mez ; a autdoridade
linanceira em que se acha o primeiro. [sanitaria tinha ordenado que so lizessem'visi-
As cartas de Alexandria de Constantino- tas do saudu c que se tomassem medidas de



M
precaugAo porem era necossario ilcanc;ar|
aulhorisagao do Pacha que anda a nao li-
nha concedido. Acrcdita-se que varias mu -
Hieres do harem fallecern* sem se haverem
queixado dos seus padeeiinenlos para evi-
tar as visitas dos mdicos.
( Gazells de Lepsick. )
india. Bomba i m 2t> de Marco.
Por noticias de Jellalabad saliia-se que no
dia 20 de Fevereiro l kbaKhan approvei-
tando a opporlunidade de se adiaren) as inu-
ralhas daquella cidade alluidas cm muitaspar-
tes por um lerramolo que livera lugar a 19,
U/era um ataque sendo repeliido com gran-
de perdu pela diviso do general Sale. Dizia-
se que os Affagaiis perder,) naquella occasiAo
JOO homens. Sahia-se igualmente que o
general Pollok eslava promplo para penetrar,
ou queja linha entrado a pissagem de Kybur,
mediante urna convencAo por elle feita com os
Kyburis pela qual se com pro me te da parte
do governo ingleza pagar-lhesdous laques de
rupias.
Os prisionciros ingleses cm Cabul disia-
se queerambera iraetados e que Akbar-
Kan havia proposlo a troca das sen horas que
ge acham ero aeu poder com asna mulher
e familia que exisliam em Ludian.
Os olliciaes prisioneiro; informam, que o
enviado sir W. Macnagten nao lora assassi-
nado por Akbaiklian 5 mas pelo contrario .
que elle lizera ludo o qiM eslava ao seu alcan-
ce a favor dos ingleses, o que posteriormente
so a elle devidoo boro ti aclmenlo que as
senhoras o oulros prisioneiros leem reee-
bido.
As noticia da China chegavam at o de
Fevereiro.
O plenipotencia! o ingle/, linha vollado de
Qiusan para Macan e suppunlia-se que to-
mariam ioiinediaUmcnt; medidas fortes con-
1 traCanlAo.
Oschins tiabalhavam em levantar novas
rortiCBCdeS na embocadura do rio do Cantan.
edisia-so que irezengenheiros europeos, que
se suppoe seren hollandeaes ou allemaes ,
dirigiloos trabdlios. Ambos os canaes do
rio eslavam completamente obstruidos com
entulhos de pedras. Km Hongkong tinham
sido apresados muitos juncos petos cruseiros
ingle/es. Toda aeompanh* do vapor Ma-
dagascar naufragado as costas da China
l'oi posta em liberdade e ja linha chegade a
Maco.
Constava pelos jornaes de Madrasle, que a
fragata u Cumbrian Tundeara no ancoradoro
daquella cidade na larde de 21 de Fevereiro ,
tendoaseu bordo o novo governador geral
de Bengala lord Ellemboroug. S. Ex. fui
comprimen lado a bordo pelo governador de
Madraste e oulros empreados e sendo in-
formado dos desastres de Cabul, e da critica
posigao dos negocios no AlTagnistan se fe/.
de vella para Calcuta no dia immediato.
FRANCA.
Paria 26 de Abril.
A morle de Mr. Ilumann leve logar segun-
da feira ao meio dia e um quarlo por um
ataque de apoplexia ; pouco lempo antes des-
te acontec ment o conde de Bolinera secreta-
rio geral do ministerio de Finaneas linha es-
tado com Mr. Ilumann no seu gabinete a
submetter-lhe o relatorio sobre os inspecto
res dos correios e Mr. Ilumann Ihe linha
feito algumas correcgOescom sua propria m&o,
tinha-se tambero occupa.lo em uro trabalho
relativo le dos caminhos de ferro. Tendo-
se o conde de Boubers retirado entrn o vis-
conde leGerrninygenro do Mr. Ilumann, e
alguns minutos depois odeixou Mr. Nou-
ton ebefe do gabinete entrou no (piarlo ,
em que o visconde Germiny linha dexado
Mr. Ilumann assentado para consultar o
ministro sobre alguns negocios olliciaes e o
achou mor lo na sua cadeira de hraco com
a cabega encostada sobre a mesa e com a
penna com que linha estado a cscrever na
mo. Immedialamenle foro chamados al-
guns mdicos.
O Doutor Blandin consegue sangra-lo no
brago mas sem efTeilo. Todos o soccorros
de medicina appicados uestes casos foram
postos cm execugo, mas sem eleito. O Mi-
nistro tinba dado, como era de costume ,
audiencia na mesma inanh e nenhum sig-
nal na sua saude davn o mais leve indicio
desta catstrofe, Mr. Ilumann nasceu em
Strasbuurg a R de Agosto de 1780 e linha
l2 annos de idade. Foi Horneado Par ero
IS57. Kra grande ollicial da lej-iao de hon-
ra., Sua consliluicAo era robusta e promet-
tia longa dtiraQio. Era alto e hem formado,
deixou muitos lilhos uns empregados as
legacoes oulros no exercito.
O Jornal dos Debates diz que logo que a
noticiada morte de Mr. Ilumann foi com mu-
llicada aos oulros Ministros, teve lugar un
tonselho de gabinete c que unnimemente
foi resolvido que simplesmenle se nomearia
uro suocessor a Mr. Ilumann ; e abandonou-
se a idea de urna modilicacAo no gabinete.!
Uesolveo-se cm seguida que a pastada fazen-i
da fosse otferecda a Mr. Hiplito Passy. Mr.
Passy rocusou a nomeagao 1 pesar das reite-
radas persuages do Marecbal Soult a Mr.
Guzot, declarando ao mesroo lempo que
continuara a sustentar a actual cd ministra-
eAo. Consegiiintemente o Marecbal Soult
dirigiu-se a Mr. Lacave Luflaguo, que accei-
lou e presin juramento ilo olicio na mes-
ma tarde, na presenga do Pe.
O Monitor de lerga feira publicou o Decreto
da nomeagao de Mr. Lacave para o logar de
Mr Ilumann. Mr. Lacave tinha ja servido
na administragAo do Conde Mole. A sua no-
meagAo foi bem recebida sobre ludo na bol-
ga aonde os fundos francezes tiveram algu-
roa sabida. (Diario do G.)
Do Jornal do Commercio extrahimos aseguin-
le noticia sobre o Rio da Prata.
Montevideo 29 d'Abril.
Ah Ibes remeti copia do tratado celebra-
do entre o Estado Oriental o as provincias de
Santa F e Entre-Rios para dar cabo do go-
vernador de Rueos- A y res. Posso garantir-
Ibes a sua authenticidade.
O presidente da Repblica Oriental do U-
ruguay general em chefe do exercito e os
l'Ains. governos das provincias argentinas
Entre-Ros e Santa F, animados do mais al-
to espirito de liberdade e civilisaco em prol
dos povos a que presidero ; a |ienetrados da
necessidade de por termo desoladora guerra
que o governador de fado da provincia de
Ruenos-Ayrcs faz aos povos argentinos e
Repblica Oriental de Uruguay contrarian-
do os sagrados principios americanos, e pon-
do em pralica o execravel systema de inter-
vengan armada para dispiV a seu arbitrio da
independencia e soberana dos povos c rep-
blicas vizinhas, perturbando nelles a paz pu-
blicne o pleno gozo de seus direitos.
E sendo ja inelieaz todo e qualquer arbi-
trio que nao seja o das armas pira trazer o di-
to governador ao cumprimento de seus deve-
res ; desojando por outra parte organisar os
poderosos elementos empregados at hoje pa-
ro destruir o seo exorbitante e desptico po-
der resol ver o fazer um tratado de allianga
olfensiva e defensiva entre os tres governos
que sirva de base s ulteriores operages da
guerra que deve fazer-se ate a desapparicAo
do tyranr.o garantindo por esse meio o de-
senvolvimento da opiniAo dos povos quege-
mem debaixo do seu espantoso poder ; e para
isso procedero a nomear os seus respectivos
commissarios, a saber :
S. Ex oSr. presidente da Repblica Ori-
ental do Uruguay general em chefe do seu
exercito ao seu secretario em campanha o
Sr D. Jos Luiz Bustamante ; S. Ex. oSr.
governador e oapito general da provincia de
Entre-Rios ao Sr. Dr. D Santiago Dergui ,
ministro de estado na rcpartigAo da guerra e
manaba ; e S. Ex. o Sr. governador e capi-
tAo general da provincia de Santa F ao Sr.
D. Domingos Crespo ; os quaes depois de
terero trocado os seus poderes respectivos ,
que achro em boa e devida forma estipu-
larlo os artigos seguintes :
Art. |." Estabelece-se urna allianga oflen-
siva e defensiva entre os mencionados gover-
nos da Repblica Oriental do Uruguay da
provincia de Entre-Rios e da de Sania F ,
contra o governador de Rueos- A y res D. Jo-
ao Manoel Rosas.
2." Os governos contractantes compromet-
tem-se solemnemente a por em acgo todos
os elementos de guerra de que posso dispr
para formar cada um um exercito em estado
de combater.
3." Debes se formar o exercito unido, que
deve fazer a guerra at obter a deposigAo do
governador de Ruenos-Avres D. Joao Manoel
Rosas e sua completa separagAo dos negocios
da Repblica Argentina.
i." Fica nomeado general cm chefe do
exercito unidooExm. Sr. presidente da Re-
pblica Oriental do Uruguay brigadeiro ge-
neral D. Fructuoso Rivera.
." As altas partes contractantes obrigAo-
se debaixo da garanta da sua honra a nao
largar as armas em qcanlo nao obtiverern a
deposinio do dito governador de Ruenos-Av-
res e sua separacAo dos negocios pblicos.
li." As roesmas altas partes contractantes se
comprometilo, da maneira a mais explcita
e formal a promover por todos os meios e
vias legaes a minian de urna grande conven-
gan nacional na Repblica Argentina, depos-
to que seja o actual governador de Ruenos-A\-
res para que proceda sua organisago e
constituigao conforme a seus principios e
lorma de governo que livre o espontneamen-
te queira adoptar.
7." Sem prejuizo do estipulado no art. 2.",
o governo oriental dar ao de Entre-Rios um
subsidio mensal de oitomil pesos lories e mi-
tro igual ao de Santa F os quaes gerie re-
embolsados um auno depois da pacilicaco da
Repblica Argentina com a ruinado tyranno.
H. O governo oriental, com a mesma con-
iligao de reembolso t no mesmo prazo pro-
porcionar aos de Entre-Rios e Santa Feo ar-
mamento e mais utensilios de guerra que prc-
cisarem para o apresto de seus espectvos
exercitos.
9. O general em chefe do exercito unido
desdo a ratificacAo do presente tratado lo-
mar todas as medidas de guerra que julgue
convenientes anda antes da organisago do
dito exercito.
10. Nao tendo permillidoa urgencia doca-
so e agrande distancia que ha entre esle pon-
to e a capital da provincia de Corrientes a
concurrencia do Exm. Sr. governador dessa
provincia a esla convencAo para a qual eslava
disposto e para a qual o chamAo osen alio
patriotismo e ohrigages nacionaes ser-lhe-
ha remettida com o correspondente convite
para que forme parte do presente pacto.
ti. O presente tratado ser ratificado por
S. Ex. o Sr. presidente do Eslado Oriental e
pelo governo de Entre-Rios dentro de tres
dias, e dentro dequin/e por S. Exc. o Sr.
governador e capitAo general da provincia de
Santa F devendo Irocar-se as ratiicagoes
na cidade do Paran aos vintc dias da data
des te.
Em teslemunho do que nos os abaixo as-
signados commissarios dos Exms. governos
da Repblica Oriental do Uruguay e das pro-
vincias de Enl'e Rios e Santa F assignamos
de nossa mo tres exernplares desle tratado ,
sellando-os com nossos sellos respectivos nes-
te lucrar de Galarza cosa de Cualeguaicb ,
aos 12 dias do mez de Abril de 1S2. Joze
Luiz Rustamanle. Santiago Derqui. ~ Do-
mingos Crespo.
INTT.mOU.
SAO PAULO.
0 Prezidente da Provincia publicou a seguro-
te proclamacAo :
a Paul islas !
Pela primeira vez o grito da rebeliose
ouvio na provincia de S. Paulo Para abla-
lo o governo da provincia chame u para ao
p de si os guardas nacionaes e o governo
imperial fez entrar por todos os pontos da
provincia forgas numerosas. Ellas vem de-
fender o thronode Sua Magestade o Senhor
D. Pedro, a constituigao do imperio a li-
berdade todos os direitos do cidadAo ; poi-
que o governo de Sua Mageslade, o governo
da provincia nAo quer, nao pode querer a
oppressao a perseguigaode ninguem. Reu-
n-vos, Paulistas em torno do governo:
sede leaes e generosos como sempre ; que a
provincia ser salva e com ella a uniAo bra-
zileira.
Baro de Monl'Alegre.
O snr. baro de Caxias depois de desem-
barcar em S. SebasliAo, onde se demorn
duas horas para dar algumas providenciase
entregar o commando do 2. bata I bao de arti-
1 hara ao leen te-coronel Joze Vicente de A-
morim Bezerra chegoii a Scntos pelas 9 ho-
ras da maulla do dia 21 e ao meio dia parti
para a cidade de S. Paulo onde con lava en-
trar no mesmo dia.
Os prmeiros actos da administragao do sr.
bario de Caxias e as medidas que nos consta
ler adoptado justilco plenamente a bem
merecida conlianca que nelle depositou o go-
verno imperial e do-nos a lisongeira espe-
ranza de que brevemente estoja restabelecida
a ordem publica em loda a provincia de S.
Paulo.
A' sabida do vapor Paquete do Sul >> ,
corra em Santos que apparecer.t urna procla-
magao em Sorocaba convidando os Paulistas a
pegar em armas para se separarero do im-
perio ; mas esta noticia carece de conir-
magAo.
O espirito publico em S. SebasliAo linha se
pronunciado aberlaroente pela ordem e tor-
eas da guarda nacional se licavo ali organi-
zando contra a sedigao de Sorocaba.
Consta-nos que o snr. bario de Caxias
mandara prender ero Santos a Elizeo de Aze-
redo Coiitinho que ali pregava doutrinas
subversivas. (J. do C.)
MINAS CERA ES.
OURO l'RKTO, 10 1F. MAIO.
O crralo que aqui chegou a 8 do corrento
Irouxe para esla cidaile a noticia datada do
I. s \\ horas, de que aeabava naquelle mo-
mento de ser dissolvida a cmara dos depata-
dos. No palacio da presidencia reuniro-se-
muitos cidadaos e no quarlel alguma tropa y
mas ludo sem o menor estrepito, e r-Qoita
passou-se em perfeita tranquillidade.
O snr. Carlos Carneiro de Campos, a quero
foi communicada esta noticia veio hontero
de manila de Marianna e le&olvcu adiar in-
mediatamente a assemblea provincial que
ha pouco linha comecado a sessAo, para evi-
tar descomedimentos e ms direcertes dadas ao
espirito publico sobretodo com a viuda para
a assemblea provincial de alguns depulados
geraes.
. O adiamenlo fez-se de um modo muilo pa-
ciico, suspendendo-se immediatamente os
trabalhor. e retirando-se os deputados mul-
los dos quaes confessao que era essa urna me-
dida mu razoavel e indispensavel depois da
dissolugAo da cmara.
Ilonteni mesmo relirou-se o snr. Carneiro
de Campos para Marianna por acbar-se mui-
lo incommodado e passou de novo a admi-
nistragao da provincia ao vice-presidente o sr.
Ilerculano.
Talve que alguma interpretagao menos ex-
acta se possa dar ao acto de vr elle nica-
mente adiar a assemblea : mas posso assegu-
rar-lhe que houve entre elle e o vice-presi-
dente o mais peifeilo acord. O snr. Ilercu-
lano nAo se recusou de modo algum a assig-
nar o acto do adiamenlo 5 enlendeu comludo
que em poca tAo importante caba aosnr.
Carneiro de Campos a preferencia.
A's G horas da tarde (!< Iiontem chegou o
portador das noticias olliciaes com o relatorio
do ministerio, &C. Muila gente eslava dis-
posta a soleinnisar esle importante acontec-
ment, por acto pblicos ; mas tero prevale-
cido a opiniAo de que nAo convem dar passo
algum que parega provocagao aos vencidos ,
mormenle na capital da provincia.
Ougo dizer que nenhum dos deputados
provinciaes esperar aqui os dous mezes do
adiamenlo j e algum ha que protesta nao to-
mar parle activa na poltica nem mesmo n
prxima campanha eleitoral por eonhecer
que a opposigo nada pode conseguir actual-
mente. Em summa os hemens nao poden*
disfargar o profundo abatimento em que cahi-
rAo e parece-me que laii cedo nao poder
organisar plano nenhum que preste.
Dos depulados de Minas que forao corle
nenhum regressou ainda a esta capital. A-
penas consta que o snr. passra poi Rar-
bacena para S. Joa e que dali escrevra ,
declarando que havia-se retirado oceulta e r-
pidamente, que nao sabia dos companheiros,
que todas as ras da corle se achava oceupa-
das por tropas e os Andradas retidos de or-
dem do governo. Veremos agora se s. b. se
retira para os Estados-Unidos como (dzeni)
assegurou que faria no caso de dissolvev-sa
a cmara dos deputados.
A assemblea provincial nada fez de impor-
tante senAo negar assento aos supplenles (por
que erao governstas), contra a expressa
disposicao de urna le que ao mesmo lempo
tratava de revogar ; e resolver que se Jirigis-
se assemblea geral urna representago con-
tra as reformas. Este ultimo acto passou co-
mo que desapercebido de sorte que agora se
diz que fra volado poucos momentos antes
do adiamenlo : parece-me porem que pouco
efTeilo poder produzir as actuaos circuns-
tancias.
O Guarda Nacional peridico que nafl
lem redactor conhecido e que hesomente
notavel por seu descoroedimento, appareceu
hoje com um artigo virulento em quedeploia
que dissolvida a cmara icasse a opposigafi
privada do seu ultimo refugio; declarando
larobem que por tal motivo deve apparecer
as provincias algum movimento. A aulho-
ridade competente est resolvida a chama-lo
responsabilidade, e creio que qualquer acto
de vigor ser bastante para cohibir-lhe os
exeessos.
Por hora nao vejo cousa alguma na provin-
cia que deva dar-nos serios cuidados ou a
que o governo nao possa occorrer com os
meios sua disposigao. (Carta particular.)
(dem.)
O Paquete Inglez nao nos ppdia adiantaras
noticias que tinhamos do Ro ; trouce-nos
porem Jornaes, donde podemos colher alguns


pormenores das noticias que houvemos Ofi- francisco Antonio de Oliveii
cialmente o donde extrahimos alguns arti- Dr"> CUvtor Pereira de
go.s interessantes.
Parece que os de Sorocaba se tem decla-
rado ndependentes para formarem urna rep-
blica de que he presidente o Padre Peij.
lio mus urna repblica modelo, de que por
miseria nossa J contamos algumas ; esem
iurida ter achado o Padre Feij neste sys-
lema o governo Forte que elle ja rom tanto
i'inpenbo procurou. A maior proeza dos se-
diciosos he terem atacado a fabrica de ferro
de Ipanema e assenhorearem-se le un* tre-
zcntos Africanos iivres que ali estavo em-
p:egadoS os quaea logo armara e admilti-
ri em suas ileiras baptizando-os defenso-
res da patria. Grande he a tnclinaco dos
nossos republiqueiros pelos patriotas Africa-
nos nao he fcil decidir qual he mata espan-
toso si o republicanismo proclamado por
gente da maior e irais ridicula c estulta aris-
tocracia ; si o provincialismo que exclue os
Rrasileiros que nasceraO alem de urna mon-
tanh ou da outra banda de um rio, e que
adopta e abraca os brasileirissimos Africanos,
vendidos por seus patricios ao primeiro espe-
culador de oscravos que se-lhes aprsenla.
Mas anda bem que he isto mais urna prova da
falta de apoio que os sediciosos tem adiado
na maioria da Provincia que nao ignora que
a principal mira dos velhacos eslava nos qui-
ndenios contos que dizem existio nos co-
fres provinciaes.
A Assembla Provincial de Minas dirigi
sua represenpeo Paulistana sobre a lei das
reformas do Cdigo : e alguns ex-Depulados
geraes corrido para all a juntar-se aos seus
correligionarios ; mas fechou-lhes o digno
Presidente a porla addiando a Assemblea ,
cuja maioria representava o partido faccioso da
Provincia.
Dizia-se que o Marechal Andreas eslava a
partir para o Rio-Grande; nao passava porem
por certo que fosse render o Conde do Rio-
Pardo. Daquella provincia nada se sabe.
A Rabia levo sua runga em Santo-se no in-
terior da provincia por causa de posturas
municipaes ; mas havia cessado adesordem.
No thealro da capital houve um desaguisado
do que resultara algumas contuses e urna
cabera quebrada por causa de urna repre-
sentarlo rica : a desordem comecou enlre
pessoas desaffeicoadas aos cantores e alguns
compatriotas desloa ( italianos ) suscitada
por intrigas dos cmicos do thealro. Os co-
fres da Tliesouraa das rendas provinciaes foi
roubado na quantia de 8 a 9 contos do reis
deixando os ladroes anda 5, cujo furto nao
podero eflYctuar: este roubo foi feito sem
arrombo de portas.
Foi demittido da Presidencia do Maranho,
o snr. Joo Antonio de Miranda : dizem que
o seu succossor ser o snr. Venancio Joze
Lisboa.
O Governo Imperial anaulando a designa-
cao feita pelo Vice-Presidente do Para para a
eleicio de um Senador determinou que fos-
se esta feita pelos futuros eleitores.
EDI TAL.
Continuarn da Lista geral dos Jurados.
/elippe Carneiro de Olinda Camprllo.
t'iancisco de Paa'a C.neia de Araup Ju or.
i ,." Pac 6 reto
i ,, Pires A'amos
Augusto da Cosa Cuimares.
, Chavier de Miranda.
i Joze da Suva-
i, Cliavier de M-tos
i J' , Chavier Afartius fastos,
rernin J ze Felia da Rosa,
francisco Gonc Ivas tastos;
it hzerra de Va coocelloa.
Feliciano Joaquim dos Stutit.
PIs Francisco de Souz A/agalhes.
n A/gueis.
fel'p|.e Lopes Netto.
Ooutar Filiyfe Lopes Netlo.
^lippe Mena Calido da /onceca.
/ancuco Antonio das Chagas.
> n da Sousa.
., Pereira de Brilo.
i. Joaquim Cerdoso,
ti Joze Mawnho.
i Ludger) da Pai.
> Manuel de Ahneida Catanbo.
ii de Paula //aplist.
i Gomes dos Santos.
.i Quein.1 roncara.
ii arre o.
Serfico re A-sis Carvalbo.
i Oimoei da Silva.
,, Cliav er e
., R iririgues da Cruz.
., Cbavier Cavalcante.
i. .Sergio de Afaltos.
r.
ra.
.. /futo
Joze /ftdrigues
Cor Martii
,, de Salles Ibuque que.
,, iic Paula Lopes liis.
Lopes Viaiiiia.
,, de /farros Falca..
Adiei o Pires.
,, de Salles da Costa M)nleiru.
da A'ilra Sauliag.. Jnior.
., /T.toni.i Cavalcante C ssciro.
Luis Maciel Vinnna
ii J. aqmm Kibeiro de tfrito.
i Lu>:* Ferreia.
Frutiiosj Jo.t Pereir* Ooira.
Caudim Agr.slinho Ae Barrar.
iGuilavo I, e di R-jfr
liegorio Auiunes de O iveira
Doutor Joze Ailonio Pereia /biapina.
i Joo '" los ,, |t
i. ., Floripe'. Dial.
/ze Tilomas d'iiiar Pi'es/Vire'rn.
Tene-te C ironel jos (i un s dos .Vanios Pereira.
loic Filiueiras tic Aranjo.
.. 'awlu i Leite
,. A'unci'cn da R '. lia Guedes.
Joaquim He Sous* Lia .
Joo delito da .Vilva
1 >ze A' touio P .reir
Jjo //aj-iisti de .Vnuza
, Co-reia de yY-auj >
Mariulio Fakn.
Joze Frri< DuWa
Kiaocisco do Bego /Tarros.
Peres Campello.
.. Pir.li> da Mctta
/oaquiti Cliaviei ie'na.
Jo?e Carvalho da Costa,
loaquim .Litc de Mendonca Jnior.
Joo Pinto 'e I." m h Jimi.ir
Joze Pereira da Cuidia
,, Ant-nii /Jomes Jnior.
Joaquim de Olivei'a.
., Man el /'iusa
., /ixicalves Perreira Cojta.
Joo Lei e Pita Orligue'ra.
Jnze Ariloii Pinto
, Di ; i da .Vdva
I 5 A'\ngelst4 da Costa
., Aiptisla lt beirn
y.>ze didii^ues Pe-iira.
., il/aria da Costa Paiea'.
-da Silva Meodonra .luni.ir.
,, A tfn;o da .Vilva (.'nllo.
Joaquim (ioncalves Ferreia.
lote .. fon tes.
.. P'rrira Vianna.
Joo Lele de .szeved .
., f'iancisco ios Santos
J ze G uralves Turres.
,, Gomes Lial
y/nioi.i tVaateg.
Jai/*' vas de f.ai valba Purto.
, A/'guel Ha Costa
., Cardos Ayres Junior
,, Vara A'cve
,, J ze de A orim.
,, Nepnmuceno llanoai.
Joze Dia* ra Silva M io
,. ;1/aria .Veve
, Antonio Lourei.ro.
,. (I mrs Ta- ares.
,, (' uralves Casco.
,. Jeionimo Monte ro.
,, Pires de jl/oraes
Jro Joze de Crvalbo Morati.
/gnaci- A t no B uges.
Ooutor loa > Joze Pinto
'o/e /fainuind da Cjsta Alener.es.
Jote (irme- T vaiai Junior.
fgn ci > Manoel Viegas.
,. Neri Fe reir
do Reis Campe lo.
Jacome Garald j Ma ia Lumacbi de Mello.
Januarin ^lezandrin da Silva /?ibero Caoeca.
Dnutor Jo i An'.ani-i de.S'ouza //eltro.
Joa Antn o Villa ceca
,, Aicenii Barboza
Cavalcante de A/ello Albuquerque.
( Continnar>se-ha )
D E C L A R A C O E S.
= O Arsenal de guerra preciza de oulciaea
de coronheiros para os seos trabalhos, aquel-
les que estivercm as circunstancias, hajo
de comparecer que sero bem pagos.
tsr Os (fonos das laxas de ferro que se
achao no caes da Alfandega sao avisados i ara
as despachar e d'ali remover por todo o pre-
sento mez de Junho ; por quanlo tendo de
se proceder a obra no novo trapiche preciso
se faz o lugar por ellas oceupado para deposi-
to de materiaes.
O
do-se em particular com grandes e extraor-
dinarias experiencias de forjas nas-columnas
latones que pela vez primeira apresenlfm
em este Thealro. A contintnco ter lugar
por Madama Amante e Jos dos Reis o di-
vorlidtssimo Duelo em Portuguez da opera o
Knredador, que no anterior expeclaculo foi
visto com tanto interesse e satisfaeflo pela
, galaotaria das lindos e delicadas passagens que
o emb-lliv.ao. Seguir a execu^ao da bellls-
siina o mui divertida panlomima que pela
primeira vez se executa em esta cidade que
lem por titulo os Acntecimentos inespe-
rados ou o forno diablico, e o ceg rabequis-
ta. Dirigido pelo artista e director Joze
dos Ri-is pois que muilosensivel a tanto aco-
Ihimento e aplauzos jamis estar ocio/o ,
para que os Ilustres expeeladores tenliao o
mais recreativo entrclenimenlo ; e achem no
expeclaculo um inuocenle recreio, promo-
vendo-lhe rizos e prazer. Finda a qual hade
seguir-sc para terminar tao escolliida funco
alinda e sempre aplaudida -- Tonadilha cs-
panhola da Chiquita com nova tragedia e
quadras. O interesse e salisfago com que
tem sido vista e a pedido de mullos con-
coprentes decidiro a sua continuae/to anda
este da que ser por ultima yez
N. R. Os camarotes se acho venda des-
de ja sendo o seu encarregado o senhor Zebe-
deo Cezar.
Principiar as horas do coslume.
TBEATRO.
PROGRAMA
Do variado espectculo que o artista gim-
nstico Jos dos Reis tem a expor ao respei-
tavel publico Domingo 19 do correte no
Thealro desla cidade. lina famoza sinfona
dar principio ao divertimenlo, depois Mada-
ma Emilia Amante cantar pela vez primei-
ra em esto Thealro a nova cavatina coreada na
opera Adriano em Siria muzica do mes-
tre Mercadante. Em seguimento se apresen-
taro os artistas Jos dos Res, e Joaquim dos
Reis a emprehenderem rarissmas sortes o
evolucOes Alhleticas pois que a porfa pro-
meten fazer os maiores exforros para mere-
cerem a benevolencia d"um publico to ava-
liador do mrito como indulgente deslinguin-
= Os Irez Vicozos ou Destino e educa-
gao ; que a pedido de militas pessoas se re-
presenta a Renefciode Pedro de Santa Roza ,
por cauza da chuva icou para boje quarta
fe ira I> do corrente no Thealro publi-
co = Personagens. = Loredano rico pro-
prietario Gama. = Florindo dado a sen-
suahdade, Antonio Lopes Ribeiro =s Ro-
mualdo dado a embriaguez Gamboas
Leandro dado ao jogo, Eleuterio = Mal-
donado vadio Cunha Guimares = D.
Frederico jogador, Joze Mximo Cabral =
L'm Negociante do Rio de Janeiro Joo Joze
Lopes. lTm Official de Polica Pedro de S.
Roza = O correlor de Florindo Pedro da
Silva = Eduardo Juz de Direito Sebastiao
Arruda =a Pedro creado Modesto das
Chagas = D. Eulalia Rita da Gama= D.
Ilcnrqueta, Joanna de Frelas Gamboa=
D. Adelle Jozefa Candida de Mello =s Mada-
ma Lucinda Luiza da Concecao = Soia .
creada Mara Joaquina. = Parte I. = O
Rouho e o Jogo = Parte 2. = A Embria-
guez e o Incendio = Parte 5. r= Sensualid -
de e Assassnio. Os intervallos sero prebn-
cbidos por escolhidas overturas. Rematar
o Expeclaculo com o Pantomimo = A Ke-
cruta na aldeia.
COMM-ERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimcntodo da H de Junho I2:222^9."9
DF.SCARREGA H0JE 15* DE JUNHO.
Rarca Austraca = Gara = Farinha de tri-
go-
Rarca Austraca =s Robert = Carvo de pe-
dra.
Rrigue Inglez = Floravelle =: Carvo de pe-
dra.
Rrigue Hespanhol = Florentino = Vinho ,
vinagre azeite caixas com nozes,
ditas com bixas e passas.
Patacho Portuguez = Paquete da terceira =
Soblas.
RIO DE JANEIRO.
CAMBIOS NO DA 21 DE MAIO.
Cambios sobre Londres. 27 i 12
Pariz. 34o
i < Hamburgo. UO
Metaes. Dobroes hespanhoes 28^900
da patria. 28jo00
Pesos hespanhoes.
da patria.
Pegas de 6i 41)0 ?.
de <( n.
Moedas de 4.) 000.
u Prata.....
Apolices de 0 por cento.
1*810
1*780
i5*630
15*100
8*';0Oa8.,*K0
841|2a843|4
72 a 72 i 14
EXPOIITACO.
. 10
. 2*
Arroz. .
Assucar.
Caf..... 3.) 500
Carne secca. ,,700
Farinha de mandioca 4* 400
a grossa 3*200
Fejao preto. 7*0)l)
Milho..... 2*000
Tabaco maependim. o* 400
Toucinho. 4*000
o sacco
2*200 a y>
5* 400
2*000
>> sacco
5*880
9*000
24*00 sacco
4*600 g
MOV.MENT DO PORTO.
NAVIOS NTRADOS NO DA 12.
Lisboa ; 27 das Patacho Portuguez Paque-
te da Terceira de 127 tonel. Cap. Augus^
to Antonio de Couto, equip. 11 carga
varios gneros : a Thomaz ile Aquino Fon-
seca passageiro o portuguez Manoel Ro-
drigues Pinto.
Maranho, e Ass ; 28 dias Rrigue Escu-
na Brasileiro Laura de 105 lonel. Cap.
Luiz Ferreira da Silva Sanios equip. 15,
carga farinha o arroz a Firmino Joze Fe-
lis da Roza.
Nova llollanda : 85 dias Galera Ingle/a Flo-
rencia de 433 tonel. ('ap. W. II. (ooil-
win equip. 24 carga azeite de Esper-
maceti* : ao Capillo.
Celte ; 40 das Rrigue Sardo Daro do 150
tonel. Cap. Jacome Romsenhar, equip.
10, carga vinho, e azeite : a Luiz Rru-
gueire.
Macelo ; 17 horas Rrigue Escuna de Guer-
ra Brasileiro Fidelidado Commandante i
1. Teen te Felippc Joze Pereira Lial.
ENTRADOS NO DA 15.
Riode Janeiro o Rabia, 19 dias, trajea-
do do ultimo porto 5 das Paquete Inglez
Peterel Commandante o Teen te William
Crook.
Macer ; 30 horas, Rarca Ingleza Nighlnga-
Iede263 tonel. Cap. Thomas lluuter ,
equip. I 4, carga algoJo assucar, e cou-
ros : a James Crahtreo & Conipanha.
Riode Janeiro ; 15 dias Polaca Sarda Gio-
vede 127 lonel. Cap. Joo R. Chiozza ,
equip. 10 carga carne secca : ao caplao.
ENTRADO NO DA 14
Baha ; 7 das, Galera Americana Cicero do
251 tonel. Capitn R. Siinond, equip.
26 carga azeite de Esperniacete: a Joseph
Ray.
A V ISO M A R I T I M 0.
t?* Para o Rio de Janeiro a sabir com bre-
vidade o bergantim nacional Imperador D.
Pedro, forrado, e pregado do cobre, cap-
lao Joaquim Soares Miarim : para carga ,
escravos a fele, e passageiros, tracta-sccom
Joaquim Raplista Moreira no seu escripto-
rio ra de Apollo ou com o capto a bordo.
LE I LOES
sst" Crahtreo Hoyvvorth & Companhia fa-
zem leilo por intervenco do Correlor Oli-
veira, deum perfeilo sortimento de fazendas
inglezas de prompta extraco Quarta feira
22 do corrente as 10 horas da manh no seu
armazem na ra da Cruz.
cy Amcrim limaos conl nuo o seu lei-
lo no armazem de Fernando Joze Rraguez
heje 15 do corrente de rolos de fumo bar-
ris, e quarlolas do toucinho por conta do
quem pertencer.
AVISOS DI VERSOS.
cr Sabio o n. 22 do Carapuceiro. Tracta
da se.le dos empregos pblicos enlre nos. Traz
urna Variedade sobro a troca dos estados, e
profssdes ; e arremata com urna Ancdota
enlre um Medico e urna enferma. Vendo-so
na praca da Independencia loja d livros n.
37 o 58.
CP" O abaixo assignado faz publico pela 2.
vez a todas as pessoas que lm penhoresde
prata e ouro em seu poder os venho res-
gatar mpretervelmente ate ao ultimo do
presente rnez do Junho ; do contrario os ven-
der para seu pagamento e faz publico para
que se nao chamen) a ignorancia em lempo
algum.
Jeronymo deAbreo.
= Por engao sahiu na lista geral da 1.
parte da 10. lotera premiado com 8* rs. o
n. 2500, quaodo devla ser n. 2505.
= A commissao administrativa di socie-
dade Terpsichore convida aos senhores so-
cios para hoje as 6 horas da tarde apresenla-
rem a relaco de seus convidados para a
partida de 28 do corrente anniversario da
soeiedade.
= O Cnsul interino da ConfederacAo Suis-
sa em Pernambuco desejando ter noticia de
Joo Henriques Paulo Noblatz, natural do
Canto de Solme na Suissa o qual se-
gundo varias indicares, embarcou-se em
Lisboa em 1828 para esta Cidade ; pede as
pessoas que possao dar alguma informaco
sobre o dito Noblatz queiraO lor a bondade ,
de as transmittir ao Consulado Suisso ra
da Cruz N. 44.
= Precisa-se d'tim cont edusentos mil reis
a que se d hypolheca em rasa terrea em ra
principal no bairro de Santo Antonio ; a-
il uncie.
I
I


&SSBB1
i*mj*tS'*ni*f4 jm
4
a?

PH.LUS VKUETAKS E VNlVHttS.VKS vmkhuhx.ys.
Estas pifullS j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem leito nao requeren] tem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posico tao simples que nao fazem mal a
mais tenra orianga : em lugar de debilitar ,
fortifico o sysiema puriiico o sangue ,
diigmciitao as secretos em geral: turnadas ,
seja para molestia ehronica ou somonte eo-
mu porgante suave; o molhor remedio qiue
tem apparecido por nao deixar o estomago
naquelle estado de constipado depois de sua
operado romo quaso todos os purgantes la-
zein e por seren mu facis a tomar e nao
eausarem nconimodo nenhum. nico de-
posito dellas em casa de I). Knolii, agen-
te do aullior: na ra da Cruz N. 57.
N. R. Cada caixinha vai cmbrulhada era
seu receituario oom o sello da casa em la-
cre ore lo.
tsr Oabaixo assignado, arrematante do
contracto de quarenta res por caada de be-
bidas espirituosas do consumo da Provincia ,
faz sciente a todas as pessoas qu negocio em
ditos gneros quedo I. de Jullio do crlen-
te anno Ihe pertence a cobranca do referido
imposto e que nesse mesmo da passar a
ro Alexandre de tal dirija-se ao Mondegu
. 20 a fallar com Mara do ('armo.
S_J" Tendo o abaixo assignado lirmado
mu apudauta mpressa para ser sen pro-
curador em causas judioiaes o *r. Jozo Anto-
nio Concia Jnior aconleceo perder-se, por
isso para evitar alguma duvida que possa apa-
recer para o fucturo faz o presento annuncio.
Manoel Ferreira Ramos.
tU" O Dr. C. J. de Luna mudnu a sua
residencia para a ra de Hurtas I). 6S sobra-
do de um andar.
cy Precisa-se alugar nina preta quo l-
nba leite e sera cria para criar um meni-
no : na ra do Fagundcs sobrado 1). 5 da
parte da niar.
tsr Antonio Joaquim Alves dos Santos ,
inestre tanoiro rog a todas as pessoas e em
particular aos seus freguezes de nao pagarem
conta alguma do annunciante se nao a elle
em pessoa por cauza de terem aparecido al-
gutnas contas pagas do mesmo com lirnia fal-
ca o que espera dos ditos Snrs. e do que
ficar muito agradecido.
tsr O abaixo assignado tendo feito publi-
co por esta folha no anno de 1840 que deixa-
va de se assignar Antonio Joze Pinto Guima-
tomar nota de todas as bebidas depositadas rfieS de novamente o repele que se assigna
nos diferentes armazens para Ihe serem le- \ Antonio Joze Nunes ("iiiimares.
vados em con ta as que houverem de vender' xs" Antonio Bernardo Cavalcanti. faz sci-
para fora da Provincia e pagarem os direitos! ente ao publico que se retira desta Cidade pa-
to somonte dos que venderem para oconsu- rao Rio Formozo dexando aqui por seu
nio e para se nao chamaron) a ignorancia al- \ procurador Antonio Francisco da Costa Bra-
gunsque queirao subtrair-se a pagar fazo|ga; outrosim que fui devedor Jones Pater
przente annuncio. Recite 8 de Junho delftCompanhia de 5:091 rs. de que passou 54
1842. Joze Joaquim Dias Fernandes. letras, que ja pagou eseachao em poder do
tsr Joze Consalves Ferreira da Costa con- r< Francisco Joaquim Cardozo e por isso
tinua a mandar fa/.er atierros, tanto grandes ))t>iihtidia Iransagao so |>ode fazor com taes le-
corao pequeos, poi com modo prego, com (l.;1,. visto q'elas forfio pagas ao originario ere-
maisou menos demora conforme os dorios (j0|. ^ com quem o annunciaiile est saldado,
quiserem : ajusta por impreitada um tanto 0 s;-10 aquellas letras de nenhum valor,
por braca conforme o fundo be ou ajusta tan, ^^ Acha-se na loja de livrosda praga da
bem por canoas, bota canoas dcareia em obras Independencia n. ,"7 e 58 una encommenda
de casa, e enche caixos de casas por canoas i a 0gr< Victor Manoel de Vasconcellos, que
no impreitada. os recebe odmheiro no imdej moroU |ia Provincia das Alagoas e de quem
qualquer atierro (piando d por prompto para ))a noticia morar actualmente nesta Provincia:
ser medido : elle Coi que mandn fazer no s0 0 mesmoSnr. Vasconcellos quiser ali apa-
Hdspicio aquello grande atierro do Exm. Sr., rPC(M.( n(1 pessoa por elle authorisada Ihe ser
Joze Carlos Marinck da Silva Ferrao, c ou-1 ontrogun a referida encommenda.
tros muilosem a ra d'Aurora, e sdeixa del v:=. Fugio urna cabra (animal) das de raga
tomar qualquer atterro ou impreitada quan-I ^e Lisboa Cor preta e com urna corda ao
lo de todo em todo Ihe pode dar prejuiso ou p^ogo : quem a lev;>r a praga do Commer-
nio tire resultado por pequeo que seja : os c0 casa ,je Angelo Francisco Carneiro ser
pretendentes dinjao-se niS mas da Aurora \\em recompensado.
801 casa doSr. Joze Jacinto da Silveira I). 0, i ^^ Alnga-se urna canoa grande, que car-
11a praga da Independencia loja de chapeleiroj rca ^pjQr ajlos de alvenaria por prego
do Sr. OliveiraD..28 na ra da Cadena loja commodo : na pracinba do Livramento nu-
do Sr. Joaquim Consalves Casco I). 45 on-| mPr0 o
de elle vai todos os das em cujas casas. tsr o rapaz q,ie antiunciou no Diario de
s= Preciza-se fallar ao sur. Domingos dos | j do corrente querer ser caixeiro nesta pra-
Santos dos Prnzeres cazado com a sra. I). ca 0,| para o mallo offereoendo fiador asna
Francisca Roza do Livramento e morado- !oon(|ucta f dirjanse a ra do Cal lerciro ven-
res no termo da villa das Cabaceiras da com-
marca do Rrejoda rea a negocio do seu 11-
teresse: o mesmo sr. ou seu procurador baja
de declarar a sua residencia nesta cidade.
. A brela que veio do mallo criar na
praga que annuncia ter morrido o me-
nino e procura oulro para criar, declare a
sua morada ou dirija-se a ra Augusta no
da D. 2G.
tsr Antonio C mes da Silva relira-sepa-
ra fora da Provincia.
tsr Da-se dinheiro a juros sobre pinhores
de ouro ou prala a dous por cento : no at-
terro dos Alfogados na venda junto ao sobra-
do do Sr. Rrito.
tsr O Sr. Joaquim de Carvalho de Li-
segundo andar de mis sobrados amarelos que | ma ou Antonio de Carvalho de Lima tenha
tem no principio da ra, imto pelo lado da|a bondadede procurar na ra do Queimado
I). 8 nina caria vinda do Porto com a sob-
scripta de Joo Rotelho Netto para entregar
Igreja dos Martirios e promete-se ser bem
paga.
Quem tiver alguma crianga para criar
S2?"
ao mesmo Sr.
em urna casa particnlar empregando-se lo- da faz-se o presente annuncio.
e como se ignora a sua mora-
do zelo e cuidado e por menos preco do que
outra qualquer pessoa anuuncie.
S3^ Aluga-seo primeiio andar da casa n.
, da ra da Cadeia velha com sala c aicova
udiante e alraz e com fugo para cozinhar
com carvao.
aatprecisa-se alugar um 1. ou2. andar de
sobrado as mas prncipaes do bairro de S.
Antonio, com lano que tetilla sotao, eque as
iluas salas sejo claras e o aluguel nao exce-
da de 200.> reis aiinuaes : promeito-se lodo o
aceio da casa conservacao nella pois at
se pode convencional1 o arrendamenlo com
papel passado pelo lempo que agradar \ a
quem convieresle negocio anuuncie.
C7- Racharel Joze Francisco de Paiva ,
propoem-se advocar ; as pessoas que para
isso o quiserem procurar dirijo-sc a ra do
Rozario estreita I). 30, primeiro andar.
car Mlle. Zo Papn professora de msica,
residente nesta cidade ra Nova 1). 11, de-
fronte da Igreja, d lic/tes de pianno em casas
particulares a rasao de I2.>K00 reis por mei
duas ligues por semana sendo no bairro de
S. Antonio ea rasao de 13 pelas mesmas
lines sendo nos bairros da Roa-vista Re-
cite. Tambem d liges de canloria pelo pro-
co que se convencionar.
S57" Qualquer pessoa que se adiar com
direito a urna marqueza que se empalhou
do anno passado por mandado do marcinei-
tsr Qualquer mestre alfaiate que precisar
de um oflicial para eonlra-mestie dirija-se
ao beco do Padre D. 7 ou annuncie.
ij" A quem Ihe faltar um eaixo com urna
pouca de lotiga que se supoe ser de jantar ,
dirija-Se a praga da Roa vista D. 4 no deposi-
to de assucar refinado, qm dando os signaos
Ihe ser entregue.
t9~ Quem precisar do una parda de idade
para ama de nina casa de homem solteiro ,
dirija-se a ruada erzala velha n. 55.
C O M P RAS.
V^T" A Historia de Mil e utna Nonios, catan-
do completa e em hum uzo : na ra Direita
I). ."8
tiT De um a ." ipiarlos que eslejo em
boas carnes para viagem assim como tara-
b(*m 11111 jogo de mallas de pregara estando
em bonj uzo: na ra do Livramento loja
D. a.
C?" Diariamente 8 arrobas de bom capim,
pesado no recebimeiilo e poslo na ra da
Cuia ou na ra nova da Alfatidega : a tra-
tar com rcenlo Fortunato da Silva na Allan-
dega.
C5" Agrammalica portugueza pe!o Paire
Fortes e paga-se aimdeseu valor: na ra
de Apolo no segundo ou lerceiro andar za do Sr. Domingos Joze Marltns Vieira.
i^j- Duas escravis que nao sjo viciosas .
e que saibo bem eniomniar. e cozinhar;
um pardo que sirva para pagcffi \ B um es-
cravo moco que nao seja vicioso, pago-sc
bem : na ra de Agoas verdes I). 58.
V E M) A S .
tsr lina preta com urna cria de 2 annos ,
sabetido cozinhar coser, e lavar : no bote-
quim do beco do 'l'liealro.
S2T l'm cavallo com andares e duas bes-
las prenbes : no arihazom do Refino na Roa
vista.
cr Lina preta crela de 20 annos com
todas as habelidades albo de ler e esere-
ver ao comprador se dir O motivo porque
se vende : na loja da (juina da ra do Crespo
que vira para a do Queimado.
ET Aparelhos para cha. de porcelana dou-
radose pintados ditos azu : e mais cores.
ditos para meza azues e de mais cores de
muito boifl roslo manirs de vidro lapidadas
e lisas ingl vas de milito boa qualidade .
lanternas de p de vidro o lapidadas bande-
jas finas imitando jaciran l em cor, garra-
fas para vinho lapidadas campoteiras la-
pidarlas para doce copos para agoa calis
para vinho e ditos para champanbe ludo ra-
to lapidado e do ultimo gosto caslicaes de
vidro moldados ditos de cristal, pratos de
vidro e cempoteiras moldadas dita* lisas ,
outras militas mais fazendas por precocom-
modo : na ra Nova loja de louga ao p da
botica do Sr. Pinto.
tST Vinagre muito proprio para conservas.
em pipas e quarilas a 50a a pipa cerve-
ja branca em barricas de i dn/.ias a 2,y a du-
zia genebra de llollanda de superior quali-
jdade a 0.) 400 a frasqueira charutos da Ba-
bia a 400 rs. a caixinba: na nn da Cru/.
D. 1.
xtnr Bombas de ferro para cacimbas, fo-
Ihas de ferro cartas portuguezes muito finas
a 1*500. papel almacoazul de primeira qua-
lidade a .v a resma : na ra da Cruz D. 04.
ssr ." pares de castigaos de casquinha
muito lina lavra los s"ndo o lavor em pra- I
ta dous pares de jarros grandes de dores e
una colleco de 8 quadros grandes com a
moldura lavrada ludo de bom gesto c com
pouro uzo ; um guarda roupa e una meza
de jantar : na ra da Viragao casa de mar-
cineiro.
tsr Rap pri ceza chegado de Lisboa nc
Patacho Paquete da 'l'erceira a 2,>200 a li-
bra : na loja de serigueiro na quina da ra
do Cabug.
S3^" 200 varas de panno de algodo da tr-
ra a 22o rs. a vara urna rede com 12 bracas
de cotnpriniento muito propria para despes-
car viveiros ; na ra do Livramento n. 29.
ts^ Utna me/a de jantar das que se abrem
e fechao conforme a circunferencia que se
quer a inda em muito bom uzo : na ruada
Conceigao da Roa vista casa defronte do ran-
xo do Rufino.
lJ- lima escrava parda recolhida de 20
annos de boa conducta ama de casa co-
zinha ongomma cose e lava muito bem,
urna bonita escrava de nacao de 18 annos ,
com um lindo molequinho tem ptimo lei-
te engomma com lodo o asseio ; urna di la
de 18 annos boa para todo o servigo ; urna
parda recolhida boa cozinheira : urna es-
crava e utna moleca de 15 a 20 annos ; 5
moleques de 12 a 18 annos sendo um opti
ido cozinheiro e alfaiate dous pardo3 ; 4
escravos sendo um bom canoeiro e carniceiro:
na ra le Agoas verdes D. 58.
Vtsr Covados Je chita fina a 120 140 e
100, decassa decordao e flores de cor a 20,
de metim branco finissimo a 5<00 de ganga
azul idem a 120 trancada de listras a 140 ,
castores de cor a 240 de setim de macu
com flores de cor a 240 de panos linos de
todas as cores prego muito commodo do
palba da india a 200 ; de chita azul muito
larga e encorpada a 120 rs. varas de brim
1 raneado e de listras com mistura de linhoa
i()0 rs. cortes de vestidos de catnbraia bom
tom 0 varas e meia a 4ji pessas de cassas
pintadas de 14covados a 2,* 400, e o covado a
200 grvalas do core pretas a 200 man-
tas de fil de linho bordadas de cor a 1 800 ,
chales de metim a l.*l20. de chita ljt len-
cos encarnados de quadros blancos a 200,
pannos de meza a 1ji e outras militas fazen-
das superiores de bom gosto, e prego ba-
rato : na ra do Crespo D. 12 loja de Manoel
Joze de Souza C.
C7* 20 i couros de cabra muito grandes e
de superior qualidade : na ra da Cadeia do
Recife n. 62.
VZf- 5 pretos a 525 cada um mogos,
bons para todo o trabalho duas pretas mo-
cas de bonitas figuras cosem, engommo,
ecozinhao um mulalinbo de 16 annos, mc-
lhor figura possivel para pagem : na ra do
agoas verdes D. 57.
cr Duas duzias de costado de amareln ,
duas canoas fechadas com mais do 00 palmos
cada urna um quarto novo urna porgao
de caixas vazias grandes e pequenas tildo
por prego commodo : na padaria de Joo Lo-
pes de Lima.
t^ Dous moleqnfs de 10 annos, um pre-
to de 25 anuos todos de nagao ja ladinos,
sam vicios nem achaques e de bonitas fig,,_
ras : na ra Nova n. 107).
S?y vi portas grandes novas que ainda nao
forao servidas muito bem feitas por pre-
go comino lo : na ra de Ilortas D\ 25 lado do
poenle.
tsy Duas negras urna de 14 annos com
principios de costura e a outra de 50 annos
lavadeira : na ra do Vigario n. 16.
;- Sicas con) milito bom e novo feijo
branco chegado ltimamente do Porto, tendo
cada saca um alqueirc da medida velh'a por
preco commodo i na praca da Independen-
cia 28 e 29.
tsr Candieiros mui elegantes, e de nova
invengo e modelo mui bem trabalhados ,
e que do por isso urna luz mui brilhanle pro-
prios para qualquer Ibeatrinbo particular, oti
outro qualquer estabelecimento, chegados
ltimamente de Franca : no beco do Abreu
na praga do Commercio em casa de Joze Tor-
quato Pinna junto ao barbeiro.
t^f 7 cazaes de pombos bons batedores :
na ra do Livramento D. 11 do lado direito
no lerceiro andar.
= lima cadeirinha de bragos em moflo
bom uso, utna marqueza e condur com
assento de pao e urna cama de casados de
angico, e em excedente uso 5 todos estes ob-
jectos do-se por cmodos pr-gos : na ra do
Rangel D. 17.
tsr L'ma bonita escrava de nacSo Angola ,
he recolhida sem defeito algum o que se all-
anen sabe cosinhar bem engomar liso ,
cose chao"; ensaboa corn fierfeigo e de ge-
nio o mais dcil que se lem visto em seu se-
xo : quem a pertender fale amada Cadeia
do Recife D. 12 no segundo andar ; adverte-
se iptese nao vendo por menos de 50041 ma
idade he de 22 annos.
= Oilo arrobas de sera amarela no prin-
cipio do atierro dos AfTogados em casa de Sil-
vestre Joaquim do Nasciinento.
= Dados para gatnao e para so res de
S. Joo na ra do Cabug luja do Bandei-
ra.
= Una negra nago de Angola de idade
18 annos bonita figura cosiuha o diario de
urna casa lava bem roupa de sabo e tem
principio de engomar na ma dk caro boa do
carino segundo andar do sobrado D. 11.
tsr Bichas pretas grandes chegadas pr-
ximamente de Lisboa vende-se e aluga-se ,
indo o dono aplica-las por sua conta : na ra
das Cruzes a o p da Typog rafia.
tsr Lina canoa de carreira aborta em
bom estado, que pode com 10 ou 12 pessoas;
um negro bom canoeiro por prego commo-
do : no atierro da Boa vista sobrado de Ma-
noel de Souza Rapozo.
tsr Um preto ladino do genlio angola de
20 annos : na ra do Crespo b. 5 lado do
norte.
tsr O bem condecido cavallo melado com
carro e lodos os arreios proprios da fabrica de
lannlia do al ierro da Roa vista ; para levar
um peso imenso nao ha cavallo nenhum ca-
paz como este pois pode andar muito fcil
com 8 barricas com farinha no carro cu ou-
tra qualquer cotiza que seja do mestno peso ;
adverte-se que se vender ludo junto ou sepa-
rado : na mesma fabrica do atierro da Roa
vista.
tsr Vm preto crelo de 22 annos cano-
eiro muilo deligcnle, robusto, esem acha-
ques ao comprador se dir o motivo da ven-
da : na ra estreita do Rozario Dcima 50 no
primeiro andar.
ESCRAVOS FGIDOS.
tsr Fugio ou desapareceo no dia. 12 de
Margo do corrente anno do lugar do Arraial
um cscravo de nome Joaquim de 18 anuos,
de bonita figura levou camisa de estopa de
mangas curtas tem a cabega um tanto coni-
prida e no dedo mediato ao polegar da mao
direita urna cicatriz de urna ferida que leve ,
eoutra sobre o peitodeum dos ps : quemo
pegar leve a 1 ua das Flores D. 12 que rece-
ber 50, de gratilicagao.
RECIFE NATYP. DE M. F. DE F =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFQ7W1EIC_R21H9S INGEST_TIME 2013-04-12T23:16:36Z PACKAGE AA00011611_04675
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES