Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04674


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno ce 1849.
Ter^a Feira 14
ludo agora depeude de """ meamoa ; 1 noaaa prudencia modera.. e energia : ciin-
iejioa como principiados e lercinoe apodados rum a.!mira.;;io enlre es Piaron mais
'"'. (Proclaniactio da Assembla Ceral do iran.)
. PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
r anua ^,"'^', > e Hio grande do Norle sesundeee sellas friras.
B.'.nio 5 Garanlme 0 e 24-
f hi Serinbaem Eio Pormo,o orlo Cairo, Macei e Alajoas no-1. "
i- \'S. Sent Anto quietas letras. Olimla todos os dias.
DAS DA SEMANA.
43 'e'. # Amonio F. Pedroeiro da Profirila
44 V:r. flailio Magno. Bel. Aud. do J. de D. dal. r.
1; Qjrl. Vicio M. And. do J. de D. da S. r.
16 Quint. Jo:, FrnC,co ''" Mm Aod* ',0 Ju!l ** ^ da 2. v.
47 Srt. Tbereta B. And. do .1. de D da t.
lS Seb. Leoncio M Re. Aud. do J. de D. da 3. e.
Q Do. S Julin de Falconieri V.
14, t 2!
r O. ttosqt/o nao fo,em m0O ,1, 80 i. po, lib. As reclamar,,,, de"-, s
Numero 37 e 3S.
CAMBIOS no da 11
Cambio a*hte tflMrTM 27 <1 p. *U.
v Paria 350 rrin |i. fianco.
,> .islioa 95 por 100 d |>r.
Mocil de cobre 4 por 400 (le descont.
lden.dclelraadeh.ia* firmas 1c ni e .
Descont de bilh. da AlUnd-a 1 por 100
aomei.
de jimio. compra
00O- Moeda de fi/iOO V I8,SW
V 15.30J
, Je 'i.OO'.l
I'raU Petarics
i. Peoi Columnttei
n dito Mtt>CM*l
ipiuda
S.MO
1.700
1,7(W
1.700
i ,(i(l1
venda.
45,600
lii.Ul)
s,(.oo
1,7S0
1,7 SO
4 ,7 SU
4,020
Preamar do da 14 dtJmiho.
4. a 9 ora. e 48 m. da manK3.
2." a 9 horas e 42 m. da Urde.
Quart,
La Nova
Quart. creac.
I.ua cheii
PHASES HA LA NO MEZ UE JUMIO.
aM. .1 /. hor.t>M '"' *
, S-- 7 horas e 55 m, da larJ.
a 1i ka 2 lioraa e 35 m. da tard.
t 22-- s 7 horas e 2 m. da lard.
OI \ RIO l>E I'KHIVAMBIjC
PARTE OFFICIAL.
LE N. 107.
Ai-TonuA o presdeme a construir om* prisao
BMITENCIAR1A E CASA DE CORRECCA.
O Baro da Boa-vista Presidente da Provin-
cia do Pernambuco. Faco saber lodos os
seus habitantes que a Assemblea Legis-
lativa Provincial decretou e eu sanccio-
nei a Lei seguinte.
Artigo!." Fica o Presidente da provincia
authorisado construir n'esta capital urna
priso penitenciaria e urna casa de corree-
cao. ,
Artigo 2." Urna commissAo nomeada pe-
lo Presidente da provincia ser encarregada
de indicar a localidade mais conveniente e
osystema, quesedever seguir, organisar
os planos plantas os rcgulamentos e orna-
mentos pondo em harmona a legislaco vi-
gente com a natufesa, e ndole d'esles estabe-
cimentos.
Os trabalhos da commisso serio submetu-
dos approvacao da Assemblea Provincial.
Artigo 3. Ficao n'esta provincia deroga-
das todas as leis, e disposices em con-
trario, t .
Mando por tanto a todas as Authoridades ,
k quem o conhecimento e execuco da re-
ferida Lei pvrtencer que a cumpro e t-
cito cumprir to inte ira mente como n'ella se
conten. O Secretariodesta Provincia ataca
imprimir, publicar, e correr. Cidade do
Recite de Pernambuco nove d Maiode mil 01-
tooentos e quarenU e Jous; vigsimo primen o
da Independencia e do Imperio = Lstaya o
Sello das Armas Imperiaes = Barfto da Boa-
vista = Carta de Lei, &c.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 8 DO CRREME.
Officio Ao commandante das armas ,
communicando que em atiendo ao] que
requisilou em seu officio de 0 do corrente ,
ha expedido ordem ao director do arsenal de
guerra para pagar as despesas, que se fise-
remeom a conducto dos utensilios, que ocom-
mandante do batalhao destacado tem de rc-
metter s companhias de Goianna e Limo-
Dito Ao juiz de paz da freguesia de Ipo-
juca significando-lhe em resposta ao seu
officio que acaba de receber ; que com
quanto os moradores da fraego d'aquella fre-
guesia que leudo passado pertenec-
freguesia de Scrinliaem tornou a passar pa-
ra aquella mesma freguesia estejo sujeitos
ao subdelegado de Serinhaem todava co-
mo as eleices primarias sao feitas por paro-
cbias devem os referidos moradores da dita
fracefto volar n'aquella freguesia que per-
tencem ; e n'ella fazer-se a qualfica^o dos
votantes e do numero dos fogos ; assistindo
o subdelegado d'aquella freguesia este acto
ni forma da lei.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa
senda dsendo que nada iniluindo na
certesa do que vencerflo as pravas do destaca-
mento de Pao d'alho as emendas que vem
nos prets n3o procede a duvida do fiscal do
ministerio da guerra e pode mandar pagar
os ditos prets que volto segundo o seu
officio datado hoje.
Dito Ao mesmo intelligenciando-o de
ter havido S. M. o Imperador por decreto de
I 4 de Abril prximo passado nomeado feitor
d'alfandega d'esla provincia o feitor da mesa
do consulado Joao Francisco Dnarte : e de-
terminando-lhe expeca as necessarias or-
dens para o cumprimenlo do mencionado de-
creto.
Portaras Nomeando supplentes do deje-
gado do termo de Iguarag : em primeiro lu-
gar ao lente coronel Francisco de Hollanda
Cavalcantede Albuquerque : em segundo Se-
h-islio Antonio de Albuquerque e Mello: em
terceiro Joaquim Elias de Moura : em quar-
to Francisco Honorio Biserra Meneses Jnior:
em quinto Joaquim Gomes Ferreira de A breo
A Mello : e cin sexto Antonio Moreira de Car-
valho.
Ollicio Ao rhefe de polica remettendo
as seis nomeages cima mencionadas, im
de que lhes d o devido cumprimenlo e di-
reego.
Dito Ao chefe de legiao da guarda nacio-
nal do Limoeiro ordenando que mande
un dos cornetas dos coi pos da legio do seu
commando fazer temporariamente o servigo
na quarta companhia do batalhao destacado ,
que existe n'aquella comarca.
Dito Ao commandante das armas par-
ticipando ter expedido a ordem antecedente ,
em resposta ao seu offiebde G do Corrente,
em que a requisitava.
Portara Ao commandante do vapor =
Correio Brasileiro = ordenando, que rece-
ba seu bordo e transporte para a corle o
cirurgiao mor Antonio Correia dos Anjos ,
que vai responder conselho de guerra.
Officio Ao inspector da thesouraria da
fasenda determinando que mande abonar
ao supramencionado cirurgiao mor as come-
dorias de embarque 5 e passar-lbe guia de
qualquer venciinento que por esU provincia
tenha recebido.
Dito Ao commandante das armas par-
ticipando o contedo na portara e ollicio
antecedentes.
Dito Ao mesmo, dsendo que em con-
sequencia d! ter submettido decisao do Co-
verno Imperial oseu oflico acerca das forra-
gens que julga competir aos cqmmandantes
doscorpos, Qo pode mandar abonar as di-
tas forragens sob lianga segundo a sua pc-
quisicao de G do corrente.
Dito Ao commandante geral docorpo de
polica, significando, em resposta em sen olli-
cio de t do corrente que deve demiltir o sol-
dado da sexta companhia do mesmo corno ,
Joze Ferreira dos Passos e mandal-o^pre-
sentar ao commandante das armas tlm de
servir no batalhao de guardas nacionaes des-
tacado, segundo requisita o mesmo comman-
dante das armas visto que o mencionado in-
dividuo nao podia engajar-se n'aquelle eor|>%
depois de fr sido designado para servir no
referido batalhao destacado pelo chefe (lo I.
batalhao da guarda nacional d'esle municipio,
de que he praca.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA I. DO CORRERTE.
FLtilITfl
DIANA URSEOLA.
OllicioAoExm. Presidente, disenlo-
Ihe, (iue de conformidade com as suasordens
orao desembarcadas de bordo do vapor = Ba-
hiana = 70 praeas vindas do norte, consta,li-
tes dasrelaertes n. I. e 2-, do vapor = Sao
Salvadoras .0 de quolrata a relaco 11. 5,
e dovapor= Correio Brasileiro as 39 descri-
tas na relaco n. i, prefasendo o total ce
189 que passaro a ser encorporadas ao ba-
talhao provisorio sendo deste desligadas 10,
que embarcaro no vapor = S. Salvador = ,
cujas guias se estavo passando c cm lempo
opportuno lie serio enviadas.
Dito Ao mesmoExm. Snr., remelten-
do-lhe competentemente informado o reque-
rimento de Manoel Vieira da Costa que pe-
dia fosse desligado da segunda companhia
do batalhao de guardas nacionaes destacado ,
seu lilho Joo Aleixo de Santa Auna por
ser o arrimo de sua pesada familia.
Dito Ao mesmo Exm. Sur., remelten-
do-lhe competentemente informado o reque-
r ment do ex soldado de cavallaria Joaquim
Tiiomaz d'Aquino que pedia ser transporta-
do a capital do imperio, lugar de sua nalu-
ralidade.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. transmet-
lndo-lhe informado para ser presente a S.
M. o Imperador o requcrimcnlo do alferes
de cacadores delinha FranciMo do Reg Bar-
ios Falcao, que supplicava a graca de ser
conlirmado nos poslos de lente e capitao ,
a que fora elevado em propostas legaes o em
virtuile de seosservitjos a prol da independen-
cia na campanha da Babia.
DitoAo mesmo Exm. Snr. remelten-
(lo-lhe competentemente informado o reque-
r [neniodo alferes de cacadores de liuha Jo-
zc Cvriaeo Ferreira vindo do Maranhao ,
com destino acorte que pedia .!emorar-se
aqui por afeunsdias, em quanto conclua
cerlos arranjos de familia da (pial se achava
ausente desde 1859.
Di lo Ao Exm. General commandante
das armas da Baha rcmetlendo-lhe a guia
do sargento Joio Antonio Leito que segua
para aquella provincia em companhia do co-
ronel Joze Thomaz Henriqucs e communi-
cando-lhe que na mesma embarcaco se-
guiao o alferes J. T. 11. Jnior, primeiro
cadete V. Q. L. Henriques sargento quar-
tel-mestre Joze Alves Moreira Junior e sol-
dados Manoel Gomes Ferreira e Januario
Joze Fraga.
DitoAo inspector da thesouraria, coin-
inunicando-llie em resposi ao seu ollicio
do I. deste mez que eslavo paseadas as
ordens ,' para que prestassem na mesma the-
souraria flanea dasquantias que recebero
para cavalgaduras, o major. c o ajudanle do
batalhao de guardas nacionaes destacado.
Dito Ao lente coronel commandanto
do batalhao de guardas nacionaes destacado,
ordenaodo-lhe que lisesse constar ao major,
Episodio da historiado Archipelago.
I.
Um banquete de irmos.
0 imperador Mahomet chegava de fazer es-
quipar quarenta embarcares e de confiar o
seu commando a Giali-Bach que por seus
numerosos successos tinba adquirido o sobre-
nome de Invencivel. O roteiro do general
turco eslava d'antemo tragado. Elle devia
logo cingrar para o sul do Archipelago, e sub-
metter na passagem as ilhas de N10 e Santo-
rin para vir depois arvorar em Naxos o fer-
midavel signal do Crescente. Esta guerra ,
assaz dillcil de explicar, por se gloriaren, en-
Uo os Gregos da allianca com Mahomet, a
quem tinham ajudado a sentar sobre o throno
ottomano, era o resultado de um incidente o
mais pueril na apparencia. Mahomet dizia ter
i; ao ajudantodo batalhfio de seu commando
que l'ossem a thesouraria prestar fianga das
([iiantias que r.ceberio para compra decaval-
oa,lu,aS' .... tv
Dito Ao mesmo enviando-lhe um olli-
cio do commandante geral do corno de poli-
ca que tralava do guarda Joze Ferreira dos
Passos a fim de que inlormasse em que da
fora designado o guarda para o servico do ba-
talhao destacado c por quem lhc fora apre-
sentado.
Portara Ao commandante do deposito ,
mandando excluir do mesmo, passar guias,
c ler promptas a embarcar 110 vapor == Cor-
reio Brasileiro = no da que se lhe indica-
ra cinco pravas da Parahiha do norte quo
devifiO seguir para a corle.
Dita Ao lente coronel commandante
do batalhao provisorio mandando excluir
com guia de passagem para a companhia de
artfices o soldado Zelinno Nunes Barbosa.
Dita Ao capitao commandante da com-
panhia de Artfices autorisando-o a receber
recebido urna affronla do duque de Naxos, poi-
que estando em Smyrna este principe tinha
despresado vir tributar-lhe a homenagem de-
vida a magestade da sua coroa. Accesa por
urna chispa murmurava pois a guerra no
horisor.te. J Giali se fazia de vella e pela
sua parte Vcneza que serva de escudo ao
Archipelago e havia tomado o duque de Na-
xos debaixo da sua especial protecgo cn-
viavaaos porto domar Ego um numeio
consideravel de embrcaseles sob a direccfto
de Pedro Loridan.
Mas esperando o da do combate assaz
exagerados temores, surdos tumultos e
lulas pessoaes laceravam as entranhas do Es-
tado. Em Naxos principalmente a preo-
cupado dos espirtos eslava no seu auge e
os agentes pagos por Mahomet nao contribu-
an, pouco para entreter no centro da cidade a
desorden, eaconfuzo. Cm anno antes, a
paz do Archipelago nAo se teria compiomet-
lido por tan pouco. O duque Krispo pol-
tico profundo e astucioso, tinha morrido dei-
xando urna mulher agonisante e quatro fi-
Ihos dos quaes os tres mais mocos estavam
divididos por um odio hypocrita e desen-
freada inveja S o mais velho o duque
Jacques que tinha succeddo a seu pai ; era
um homem de nm carador nohre e generoso :
e ainda que joven j se havia feilo consi-
derar por um valor a toda a prova e pela
austeridade de seu governo. Porem as frau
des secretas e as intrigas de seus irmiios em-
baracavam continuamente as suas melhores
ntenQes. Elles tinham visto com pesar sua
elevacfio ao throno ducal 5 o que elles que-
ran. 1 era a dvso do Archipelago. Illu-
didos por sua esperanza na morte de Francis-
co seu pai elles tinham jurado satsfazer
a lodo o cusi sua ambico e se haviam ni-
co com o fim de perder Jacques. A oocasiao
da guerra que ia rebentar lhes parecen fa-
voravel ; e um da, emfim julgando ter ex-
pirado a hora se reuniram tarde em urna
das sallas mais soladas do palacio resolvi-
dos a tocar o grande elfeilo e pedir aos va-
pores da orgia alguma audaz e decisiva ins-
piracAo.
Veio a noute e com ella o silencio c o re-
pouso. To smentc a intervallos se escuta va
osubtil murmurio das ondas, que se que-
bravam sobre os recites assaas tres ho-
ras a ilha de Naxos se havia afloi mecido por
urna briza tranquilla e docemente embalada
pelo mar.
De repente duasjanellas da torre do velho
palacio, edificado n 13. scalo por Marcos
Saudo, se a foguea rain como dous ardiles
llamantes no meio das trevas. Candelabros
deouroilluminaramexplendidamenteumame-
sa cubera deiguarias numerosas e de esco-
midos vnoos. Os tres irmiios Ivrispo toma-
ran! logar em roda desta mesa.
Estamos em seguranza ? perguntou
Marcos com um ar inquieto e jaeque, j se
rclirou ao seu quarto ?
Desde o crepsculo da tarde, disse Gui-
lhcrme, elle se cncerrou com Pedro Loridan,
e nao appareccu mais.
Vos VOS enganaes replicou Joo ; I c-
dro Loridan deixou Jacques depois de urna
curta conferencia o tornou a voltar
ao porlo de Dr.agiU.fl onde fez amainar as
vellas da sua frota que cra na enseada1
atquechegou Giali, cuja esquadra cruja




com pula do passagom a prac,a mencionada
na portaria cima.
Dita Ao lente coronel commandanle
do batalhAo provisorio, mandando excluir
do mesmo com guia lie passagom para o 5.
batalhAo d'artilliera a p o segundo cadete
do sexto batalho de cacadorcs addido ao
do seu commaudo Amaro Joze dos Pas-
aos,
Dita Ao commandanle interino do tur-
co i ro batalhAo de art i Iberia aulorisando-o a
receber com passapcm o segundo cadete de
que trata a precedente portara.
DitaAo lente coronel commandanle
do batalhAo provisorio, mandando excluir do
mesmo o segundo cadete addido JoAo Anto-
nio Leilo cuja guia dbvia enviar a secreta-
ria militar.
Dita Ao mesmo mandando excluir o se-
gundo sargento Antonio Joze Machado Bel-
fort, e furrieis Nicolao Constantino de Moli,
e Vctor Goncalvcs Freir que espontanea-
mente' liio servir noexercito do sul deven-
do enviar suas guias a secretaria militar para
terem destino.
dem do da 2.
Oflieio-Ao Exm. Snr. Presidente, en-
vando-lhe o requoriineuto-, .do alferes Jo/e
Lu/. Texera Lopes pie leudo de seguir
para a corte pedia se Iba mandasse passar
guia pela thesouraria dos vencimentos que
poresla provincia recebera.
Dito Ao mesmo Kxm. Sr. propondo-
Jhe para demissao o cabo de esquadra It.no-
cenco da Costa Pinhoiro do tercero bata-
lho d'artlheria a p e os soldados Francis-
co Joaqnim de Sou/a da companhia de art-
fices ; Manool Francisco da Silva o Mano-
el Antonio do Monte do batalhAo proviso-
rio por terem sido inspecionados pela jun-
ta de saudc cm sessAo de 50de Maio ultimo,
e ulgados incapa/es do servieo como se
deprehendia do parecer que era propro origi-
nal transmita.
Dito Ao mesmo Kxm. snr. enviando-
llie competentemente informado o requer-
mente do Tencnle coronel rommandante da
llha de Fernando, que por seu procurador
pedia o pagamento de vencimentos atrazados
pelo lempo que lem estado na mesma llha.
Dito Ao mesmo Exm. snr. remellen-
do-lhe na mesma conformidade o requeri-
mento do Cirurgir, Jo/e da Silva Costa que
peda o pagamento de vencimentos pelo lem-
po que estado na llha.
Dito Ao Tenente coronel Francisco Mame-
de de Almeida chote interino da 2. Legio
da Guarda Nacional desto Municipio exi-
gindo os esclarecimentos que a cerca doorQa-
menlo e corrame, se pedira em ollico de
l.'i de Margo dosle anno ao Tenente coronel
Antonio Carneiro Machado Rios que em da-
ta de 2o do mez passado responde que es-
tando enlo fora do com mando da Legio ,
passara a requisioo e o mappa que por co-
pia a acompanhara ao poder de s. s.
Dito Ao Major commandanle interino
do 3. Batalho de Arlilheria a p ', dizendo-
Ihe em resposla ao seu ofico do I. do cr-
rente que licava sciente de haver tomado o
commando do dito Batalho conforme o de-
terminara em ordem do dia 28 do mez pas-
sado.
Dito Ao Tenente coronel commandanle
do BatalhAo de Guardas Nacionaes destacado,
d/endo-lhc que em Ordem do dia se pro-
videnciara a respeito do Facultativo que pe-
dia para o Batalho, em ollico de 51 do mea
passado.
neste momento as visinhancas de Canda.
- Loridan um chefe experimentado, dis-
se Guilherme ; e mais que ningucm eu deso-
jara ver cair a pedamos dcbaxo dos denles do
leo de S. Marcos o estandarte de Mahomel.
Mas pelo oo meus irmos ; que se Jacques
devesse gozar s deste triumfo talvez que
eu me esqueoera que son ohnsto e (aria
suflragios porGiali !
Jacques est condemnado replicou
Marcos com urna expresso feroz. Elle faz os
preparativos e as despesas de urna guerra ,
cu jo xito saberem os impedir que elle veja.
Se a sorte coroar a empreza de Loridan na
sua volta ello achara no Archipelago dous
em vez de um Senhor.
l.'m escravo valaquio que desde muito
era a alma damnada dos tres irmos o a dis-
creta lestemunha das suas orgias pegn de
urna medida de viulio de Chyare e encheu
os copos dos tres convidados. Bebeu-se
saude do successo das armas de Veneza.
Pois que estamos reunidos propoz
Guilherme o mais moco dos irmos Krispo;
Portarla Ao Major commandanle interi-
no do 5. Batalho de Arlilheria a pe man-
dando em cumprimenlo da I.ei dar demissnac
soldado da B. companhia Pedro Gomes da Cti-
nlia, por ter sem nota comlnidoo seu onga-
jamento o nao querer continuar no ser-
vico.
TIIEOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 27 1)0 P.
OlirioAoExm. Sr. Baro Presidente da
provincii, com a informaco do 2. escritura-
rio da eonjadoria, cncarregado da contabilida-
de militar, pelaqual consta a importancia, que
so tem pago ao tenente coronel Apolinario
Florentino do Albuquerque Maranho ex
profeito da eommarca de Garanhuns pelas
despesas feitas com a condcelo dos recrulas
d'aquolla eommarca para osla cidado desde
o. de .Idilio de 18~9 at esta data.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento de Elias Eliseu Simplicio do
Carino.
DitoAoSr. procurador fiscal interino,
com a conla assignada pelo contador da the-
souraria pola qual se mostra quanto o ex
administrador dos dizimos de Rodellas Ga-
ranhuns o Sao Louronco da Malta deixou
dearreeadar de diversos dove-lores nos an-
uos do 1820 a 18o2 afim de que proceden-
do como forde direito promova o embolso
da fazenda.
DitoAo Sr. inspector da alfandega remet-
iendo por copia os decretos de 11 de Abril
prximo passado peloS qnaes lorio demit-
lidos o feilorconferento Pedro Joze Cardo/o,
o o amanuense Manoel da Fonccca o Silva.
Igual oflieio se dirigi ao sr. contador da
(h oso tirara.
DitoAoSr. contador da tliesouraria re-
metiendo por copia o aviso de 50 de Margo
ultimo, que acompanhou oofficio do Exm.
Sr. Baro da Boa-Vista Presidente da pro-
vincia de 21 de correte mez para ficar na
intelligencia (loquean bacliarol Caetano Joze
da Silva Santiago juiz de diroito da eommar-
ca do Lfmoeiro se Ihe devem abonar os se-
os vencimentos por haver mostrado que
a conlinuaeo do seu estado do molestia o o
tractamento em que est nao Ihe permitiera
partir parosla provincia.
II)EM DO DIA 28 DO 1.
OlTicioAo Exm. Sr. presidente da refo-
cilo expondo que sendo os srs. juizes de di-
reito desta provincia obrigados para rece-
hercm os seus ordenados a mostrar por um
altcstado quecstivero cm exercicio pa-
reca que semelliantes attestados podo ser
substituidos por urna rolaco ou ponto men-
sal como se praticava com os srs. desem-
bargadores ; e que se S. Ex. julgassc pre-
ferivel este melhodo so dignasse expedir suas
ordens a este respeito.
DitoAc sr. administrador da mesa do
consulado para informar, em que dataforore-
colhdasthczoiirariaasquantiasde557,>26l,e
182^061 rs. depositadas na quella mesa pelos
direitosde 2 por cento da moeda que em
20 o 28 de margo de 1859 exportou para a
provincia do Bio de Janeiro : o negociante A.
Schramm alim de se dar cumprimenlo' a
ordem do tribunal do thesouro publico nacio-
nal de 29 de Margo findo.
DitoAosr. ex thesoureiro da lotera do
seminario de Olindi para informar se con-
forem com os respectivos la loes os 4 meios
bilbetes premiados de que requereo paga-
mento .loaquim Jos Ferreira.
procedamos diviso das ilhas cuja sobera-
na nos esl certa para o futuro ; assumamos
desdo esta non te os ttulos que para cnto
nos devem pertencer.
Esta diviso seria muito prematura ,
fez observar JoAo cujo sangue fro e tran-
quillidade nao se havam ainda alterado ; e li-
ma sabia rellexo... o exame dos direitos de
cada um de nos...
Quem falla aqui derefloxo e de direi-
tos? inlerrompeu Marcos com urna voz de tro-
vo. Nosso irmo JoAo qtiterera ressuclar em
seu proveto os privilegios que recusamos a
Jacques, nosso commum espoliador ? Nenlni-
ma vontade pode aqui erigir-se rainlia bem
o sabis Meus direitos soosvossos, meu
irmo .loo os vossos sao os de Guilherme.
Nada mais nada menos somos iguaes. E'
sorlo que eu recorro para nos decidir.
Bem pensado disse Guilherme e eu
me submetto j sua deciso.
E eu tambem accrescentou JoAo, com
una (locura bypocrita. Vos nao me hartis
comprebendido meu irmo ; cu s quero a
minha parte. Assim o ordenara a stricta
DitoAo sr. contador da Ihcouraria, par-
ticipando para sua intelligencia em vista do
oflieio do Kxm. Sr. Harn Presidente da pro-
vincia de 27 do passado expedido em con-
formidade do aviso da secretaria (Pastado dos
negocios do imperio de \ do mesmo mez que
se mandn pagar ao sr. bacharel Joaquim
Nunos Machado a quanlia de )00,n rs. im-
portancia da ajuda de cesto do hila que
Ihe competa na qualdade de deputado goral
por esta provincia a o. legislalura.
DitoAo mesmo sr. dem dem tuto de 7
do passado dem da juda de custo de volta
dem.
Dto-ldem dem dito a quanlia de l-.800.ji
rs. idem aos srs. diputados o sargento mor
Manoel Ignacio do Carvalho Mondonga c o
bacharel Urbano Sabino Pessoa de Mello,
Jem.
DitoAo mesmo sr. contador participando
para sua ntolligonca lor o Exm. Sr. Baro
Presidente da provincia communicadoem of-
ficio do 27 dos passado que S. H. o I. at-
tendendo a stipplica do sr. juiz de direito da
2. vara do oivel o bacharel Urbano Sabino
Pessoa do moIIo houve por bem ordenar.
que pelo thesouro publicse Ihe pagasse ,
por conla do crdito concedido para esta pro-
vincia a importancia dos vencimentos do
referido lugar desde \ de Selembro at 20
de Novembro do anno passado.
REPARTICAO DA POLICA.
Parte Jas occorrenccs do da 7 do correte.
Forte bontem presos pela patrulba do Cor-
po Policial no lugar da Riboira o prelo Zp-
iirino escravo de Lu/ Ignacio Ribero Ro-
ma por oslar fgido ; por um cabo do mes-
mo corpo : outro preto do nomo Manoel es-
cravo de Rento Joze da Silva uagAlhftes, por
querer dar com um pao em um sugelo cujo
nome so ignora ; o pela Guarda da Ribeira ta
Boavista o escravo de nomo Antonio, por
estar ebrio : forao todos recolbidos cadea ,
segundo a parte hoje dada polo Commandanle
Geral do supr-amencionado corpo, o qnal
communca igualmente que a Patrulba ron-
dante na ra Nova encontrara enforcado den-
tro de una casa o cadver do um preto da
costa que parece ler-sc suicidado ; e que
nAo occorrera mais novidade nesta Cidado.
Secretara da Polica de Pernambnco 8 de Ju-
nho de 1812.
Dita dasoccorrencias do dia 8.
Forafi ontem presos pela 1. patrulba do lugar
das b* ponas o preto donme JoAo, escravo por
estar ebrio, e insultar a mesma Patrulba ; o
pelo Inspector de Quarteirfin da ra de S.
Goncalo o preto liberto Pedro de Souza Pai-
va por dar em um sugelo no roslo com u-
ma garrafa o JoAo Andr da Costa soldado
do Batalho Provisorio, cuja culpa nao cons-
ta segundo a parte hoje dada pelo Comman-
danle Goral do Corpo Policial ; o qual parte-
cipa nao ter occorrido novidade nesta Cidade.
Dita do dia 0.
Consta da Parte dada hoje polo Comman-
danle Goral do Corpo Policial, que fora pre-
sos pela 1. patrulha do distrcto do Carmo a
ordem do Sub Delegado os paizanos Manoel
Munz do Souza Jorge e Francisco de Olivei-
ra por ospancarem um preto ; atacaran com
palavras injuriosas a mesma Patrulha na oc:
casio de os prender. Nada mais consta ter
occorrido.
Pessoas despachadas nos dias8e9 do corrente.
Maranho = Ludgero Vagner Alemo.
Babia = Manoel do Jess Monteiro Bra/.i-
lero adotivo.
Lisboa = Joze Texera Bastos portuguez ,
levando era sua companhia sua mulhor e 5
Albos menores.
Angola s=s Jacinto Augusto de Miranda por-
tuguoz.
Rio de Janeiro x=s Pierio Le Neveu Franrcz.
Jermano preto escravo de Vicente Fran-
cisco afeudes das Chagas Candida ppC-
ta escrava do Antonio Ferreira da Costa
Braga.
A PEDIDO.
Meo Amigo Para de Maio do 1842.
Muito estimei pela sua carta saber do socogo ,
que desfruta Pernambnco sombra da Admi-
nistradlo do Exm. Sur. Reg cuja familia co-
mo Vm. sabe prozo por simpalhia e gra-
lido.
A nossa Provincia nao gozou menos socego
durante o ospaco de H mezes sob a adminis-
trago do Commondador B. de Souza Franco
e s de vinto das para e he que qualor/e indi-
viduos entre grandes e pequeos descon-
tentes com a energa do Governo, tem-se con-
loiado para de tractarem e mancbarcm ( co-
mo se o podessem ) a reputagAo de um Parir
ensc que faz honra aoseu Paiz e ao Go-
verno que o fez. oceupar j por duas vezes a
cadeira da Prezulencia dcsta Provincia. Elle
he bastante conhecido n'ossa Provincia de
Pernambucoondc fez seus estudos e eslou
certoque justiga Ihe ser frita, apezar dos in-
solentes e nojontos impressos produzidos
por um individuo por nome Figueredo ; que
he Secretario do nosso Commandanle das Ar-
mas e est authorizado (e pelo emprego que
elle oceupa sabe-se por quem) dar luz esS
las produegoes iguaes aquellas com que elle
propro Figueredo concorreo favor dos de-
zordeiros do 1855, 7 de Janeiro (a caballada.)
He difllcil do conceber-se como aquello, de
cuja nniAo cora o Prezidentn da Provincia de-
pendo o socogo e prosperidade do povo se
atreve concorrer vergonliosamente para a-
chincalhages ; mas h homens para ludo e
anda sobi Ao e por isso deviAo os Paraenses
Amigos da ordem recommendar esse homem ,
que nao sabe sustentar a dignidado de seus
gales ao Governo Central de quem todava
dizem espero-se providencias.
Disponha do presumo anda que diminuto
do Seu Amigo.
S. P. L. I.
K DITA ES.
justiga o a verdadeira amisade que nos liga.
Consultemos a sorte replicou Guilhei-
me ; mas por que meo ?
Nada mais fcil, respondeu Marcos.
Con ten tomo-nos de adjudicar-nos boje tres
das melhores ilhas do Archipelago ; Milo
com suas minas de podras preciosas Samos
com suas vinhas douradas e Naxos o pa-
raso da Grecia a rainha das Cycladas
Para o resto outra vez nos determinaremos
Eia Bugg continuou elle dirigndo-se
ao escravo chega-me aquello vaso de barro
de Campanha....elle nos vai servir d'ora-
culo.
Bugg obedece. Marcos pousou o vaso di-
ante de si ; e faz.endo escolba entre os fruc-
tos maravilhosos que um cesto continha :
Esta roma de cores vivas, e frescas,
disseello Naxos. Este cacho de uvas re-
presentar Sainos. Quanto a Milo ajun-
tou elle destacando una joia que brilhava
na laxa de sua gorra esta esmeralda ser o
seu smbolo. Agora Bugg volta-te e res-
ponde segundo o ten capricho as perguntas
que vou fazer-te. Respeito a Bugg escravo ,
I*, a geed dos Cidadfiog resllenles n*le Te mo do
fe.cie que tem i qualideikl exigidas per li para
serem Jur dos oranifadaJl corten(e miiij de
184/, pela os en ivh ju' cta revisura cuirpo la do
Douloi Juis d- /ireito inte, ino da I." Varado
t'rifiit Jo.e NiC' lat Rig.ieim Costa c mo ."rl-
denle dclla e o 1) utor Piomotlor Joie tVen.ari-o
Ga[\HO Alcanforado e o do P Pr*sieente ('a C-
mara Municipal o C ronel Jote de zYarrm ialc3o
de Li-ceida lodos bajo assignadss.
Antonio Joze de ^Ihuquerqne.
,, /?<>telho Pinto de MesquilH.
,, ('.ornes Lial.
,. Joo da rlesurreico.
Arcenio I intimado da Silva,
/neeleto Antonio de Moraes.
I) ndov //iitjnio /oaquin de A/oraea Silva.
,, Vicente do Nascinacnto Fiito1.
y/nt mi Joaquitn de Mello.
,, ,, de Sa'\rn //ibeiro,
Joze Pereira de Si
,. Pedio das Neves.
,, /'Vai cisco dos Sanios /fraga.
,, Henr.que Mafia.
Alexamlre Rodrigues dos yfnjos.
Antonio Aunes Jacoino Cites
Cari's francisco da Silv'.
Pereia de /Vanos. ,
Alves Z7atboza
/'Vane seo .i/na.

>
Senhores porque elle vai deslribuir thro-
nos !
O Valaquio se voltou. Marcos levanlou no
aro cacho do uvas dzendo :
A qual de nos das tu isto ?
A vos mesmo senhor.
E isto ?
Ao meu senhor Joo.
E isto continuou tocando a esme-
ralda.
- A meu senhor Guilherme, respondeu
Bugg.
Sou senhor de Milito exclamou Gui-
lherme t esgolando de um s trago seu copo
cheio do um licor amhar-cheiroso.
E eu principe de Samos! disse Mar-
cos.
E eu Duque de Naxos, acrescentou
Joo sempre fro e impassivel.
Sem duvida o apanagio be um tanto
secco para vossos mritos meu irmo Joo ,
diss'e Marcos com irona; e parece- me que
esta perspectiva nao satisfar completamente
o vosso orgulho. Entretanto ser mister
con ten lar-vos....


e>~
Dr.,'i

Agoalinho HenriquM ra SiWa.
Dontor .fcostinho rta Silva Naves.
Amaro t?t>ualve< .los Sant a.
Can io Ai ecltto Lope de Santa A wa.
Al/grln Ce* *,' ,,l>* **"lOS.
Doutor Ant rio da AMumncS* Cabra I.
Ant nio AtiIhio F'rreira Lope.
-, B*i>l\Hu /ibriro de /Via.
' lento Fr.
Carne lo Pu>s a.
da Cosa Reg VJonleiro
I* I)a ls do .!
: \'t //rnelas Cmara.
Heuino da .Silva
,',' Fax* io de IMendo ra.
/-'elis dos .Van! i.
CpitiO /nlinio Ferreira da /nnuncimo.
/ni nio A'inncico de vi. ura.
,|..!.i|iiim de /fimeirta Guedrs
de M I o Pachte >.
)r.,. Joze Alves Ferraba.
., de Magadres Vasto*,
nlonino ., de Mira i da /'alco.
Ant.n.e de Oliveira.
,, ,, I'imi (iu maraes.
,, Ricardo do llego.
Jf de S LriiS >.
da A'ilva usmSo.
Lu de Soma.
da Silva Nev .
Vital de Olive ra
CuilZo Antonio leira Cotillo,
//ng'deiio y*leix> /..ze dt Ulieira.
Anl -nio domes IVoh
,, de S Leilo.
Altx.nie Joze Lopes.
Tetunte Coronel A nonio l'ermano Cavalcante.
Antonio Carnciro Machado Aios-
Marlins II heiro.
Jcie da Costa.
CarJoso d Queiro Fonceea Jnior.
/Irigadeim ntonin /rodrigue* de Almeida.
A ionio Lin? da Silva Martins.
Anetelo Jote de Mendonca.
Antonio Luis Gomal ve*/en eir ..
,, do A ni ais I Silva.
Joze Gomes <*o Correio
,. de Soisa Cocetro.
Clemer te Esleves de Lai ras.
de 11.1 nda Cavalcante.
da S Cavalcaule Lins.
de Soia Lio
dos Santo* Stqueba.
,, Joaauim de Viello.
,, de Holanda Cavalcante.
., -loze Duai le
,, Goncalves Ferreba.
Amaro Fernando Daltro Jnior.
/lennc'o Antn o de A/iranda.
/i'cnto / ze Alves.
//rilmlomeo Francisco da Sou *.
/i'cnto //midira de A/ello.
,, .laze einande* barros,
"emardiua Pe eir de H. ito.
Uuno Amonio de .SVrp //randa >
//sillo Rodrigue* Seixas
/.'rnarilii Joze Martins Pereira.
Vento Joze da Costa .
Carlos ^ugusio Nogneira de Campos Juaior.
//o.iior Cimiente Jote /'erreira da Costa.
Caelano da .Viva Aievedo
,, Joit da Silva.
Uuintino Calhardo.
,, da C ata Moieira-
Tene)lc Coronel Caelano Alberto Teizeira.
tuslodio Manoel Goncatvei.
Canuto Joze- Vellos i da Siiveira.
Omitir C* imito J .ize- de 11 raes Sarment.
Cypria o. Luis dt Paz
Claudino O. nici > A/a. luido.
Dom tigos (i is /'as* l de Miranda .
,, da Si.va /;,i maies.
A/alaquias de A guiar P. Ferreira.
,, Alione i /'ei reir,
"r. ,, de S isa Lio.
lie libio Goucalves Pereira Lima.
"io s Antonio de Ajraet e Silva.
Attanislau Pereira de Oliveira.
r.vmiito Mendes da Cuulia Azevedo,
Estevo ., .,
Elias /TaptitU da Silva.
Fumino tleicnl.no t:e Moran Ancora*
/'lancisco Crneiro M aliado Ki n
/Jippe Ser\u\o Bisen a Cavalcante.
Fulgencio 7 Tan le de A l-uquerque Mella.
' rancisco Joze Serilo Lial.
., de Paula Freir.
ii A'ibeiro de Vritu.
i
>
>



Francisco Antonio Pereira da Silva
,, Manoel da Costo
i .. ., /'igueira.
,, Cavalcante de .Voua Lio.
{Continn.r-ss-lia )
A l'.'im.'ini Municipal to Hccife e seo ter-
mo tc.
Faz saber que pelo Exm. Presiden le da
provincia, em virtude do avizo de M de Maio
prximo passado foro dadas as convenien-
tes ordens para a convocarlo da nova as-
semblea geral ordinaria proeedendo-s ns
eleiQes da maneira seguinte : qu.i a priaiei-
ra reunido, para formar o collegio paroclihil,
que deve nomear os eleilores seja feila im-
pretcrivelniente as fjeguezias des*fe munici-
pio nodia 24 de Jullio prximo futuro, em
conformidade das nstrucertes n. Mu de 4
de Maio do corrente anno e mais ordens em
vigor : que a reuniAo do collegio eleilo"al dos-
te districto para a eleicjio dos dnputadosa as-
semblea geral Legislativa dever faser-sc no
dia 14 de Agosto prximo futuro ; e a ulti-
ma e geral apurac/io dos votos nesta cmara
no dia H deSetembro dbprezente anno.
E para que chegue ao conhecimento de to-
dos mandn a cmara fazer o prezente, que
ser publicado pela imprenta. Recife em G
de Junbode 1842.
Joze de Narros FaloSo de Lacerda
Pro-Presiden te.
Fulgencio Infante d'Albuquerquc e Mello.
Secretario.
\sr Pela Administrado da Meza do Con-
sulado se faz saber que hoje 4 4 do corrente
mez se ho de arrematar porta da mesma
AdministracSo duas caixas de assucar branco
aprehendidos pelos respectivos empregados do
Trapixe do Angelo por nexatido das taras,
sendo a arrematado livre de despezas ao ar-
rematante. Meza do Consulado de Pernam-
buco 8 de Junho de 1842.
Miguel Arcanjo Montetro d'Andrade.
DECLARACE.S.
Marcos, vos interpretis mal meus
sentimenlos e vossas supposicdes....
Imped que as fagamos, interrompeu
Marcos declarando-nos osegredo das graves
meditaces, que vos oceupam. Dizei-nos
em fim oque pensis....
Eu pens responden Joafl que vos
divids milito cedo a presa que anda nao
possus.
Nao se nao sso ? diz Guilherme com
furia. Juremos a morte de Jacques, ea
presa ser nossa. Bug|! Bugg! traze-nos
esse odre de malvasia. Um juramento co-
mo urna planta da qual se ressecariam os
renovos, se por negligencia o nao regas.se-
nios !
Esta delicada facecia fbi caudada com es-
trondosos clamores, e dos rubicundos labios
dos tres irmos lento respirou um grito lgu-
bre de morte.
Bem dsse Marcos mas preciso que
a palavra se siga logo arco. Aonde est o
punhal que o deve ferir aonde o braco de-
dicado que lancar seu cadver ao mar ? E'
tsr Os donos das laxas de ferro que se
acbao no caes da Alfandega silo avisados para
as despachar e d'ali remover por todo o pre-
sent Pie* de Junho ; por quanto tendo de
se proceder a obra no novo trapiche preciso
se faz o lugar por Mas oceupado para deposi-
to de matoriaes.
tsr' D'ordem do Snr. Inspector se annun-
cia que no dia 1-4 do corrente se hade ven-
der em hasta publica na porta do Almoxarifa-
do d'esta repartirlo os medicamentos que
sobrarlo da ambulancia fornecida a Barca
Triunfo da Inveja na sua viagem para a Ilha
de Fernando ; as pessoas a queni a compra
dos mesmos medicamentos possa convir sao
convidadas pelo presente a comparecercm no
dito dia e hora. Secretaria da Inspeoiio do
Arsenal de Marinha de Pernambuco 7\ de
Maio de 4842.
Alejandre Rodrigues dos Anjos ,
Secretario.
tsr O Administrador da mesa das Rendas
geraes internas avi/.a aos Snrs. Tesoreiros da
2. rt Decima de mo morta constantes da Re-
lacjio ahaixo que venhSo pagar the o dia 20,
o que se achilo a dever do 4 simestre do cor-
rente anno de 4841, a 1842, pena de se pro-
ceder contra os omissos. Recife 14 de Junho
4842.
Francisco Xavier Cavalcante de Albuquerque.
lrmaudade das Almas do Recife. 526#430
Ordem terceira de S. Francisco. 765,464
IrmandadedeS Benedito. 454000
Dita do SS. Sacramento do Becife. 84*060
este punhal, he este braco que dos falta.. .
aonde o encontraremos ?
Parece-me que nada he mais fcil, res-
respondeu Guilherme. Entndamo-nos com
algum hom judeu de Salnica a quem pa-
garemos largamente esta morte. NAo se tra-
ta se nao de ser generoso : dez piastras por
cada gota de sangue Ou mais anda ; Bugg
nao poderia seguil-o em um de seus noctur-
nos passeios sob osolivaesde Panerma ?,...
Destro resoluto, elle joga o punhal como
um Condoleiro de Veneza. NAo dexaria de
atlribuir-se este homicidio aos agentes dosr.
de Sommerivo cujo odio para com a casa de
Krispo he conhecido...
Que julgaes deste meio ? perguntou
Marcos ao principe Joo lixando sobre elle
olhos de lince.
Eu o acho oxcellente respondeu JoSo
com um tom mais natural. Mas um irnico
sorriso resvaJou imperceplivel sobre seus la-
bios.
Apenas o silencio se havia restabelecido ,
resoaram passos no corredor. Os do*is baten-
Dita d Bozario dos brancos do Re-
cifej......... 01*020
Dita di Espirito Santo..... 41,>940
Bom Jpzus Jos Passos..... ll*Z22
lrmntade de Santa Luzia. ^7,>2._)<
Dita dp Rozarlo dos Pretos. 7>0.>870
Dita ijo Snr. Bom Jezus das Portas. 241*970
Dita ib SS. Sacramento de S. An-
tn o......... 520,112
Dila dB Cenceigfto dos Militares. 44.)9I0
Sido blinda........ lJSOO
Reclliidas de Olinda..... 27*000,
irmandade do Livramento. 47*790
Dita de S. Anna dos Militares. 15*000
Dita dos Martirios. ..... 41 *880
Dila do SS. Sacramento da Boa-
vista......... 48#600
Dita da Viassacra...... 44S80
S. Anna da Boa-vista..... 10<800
Congregaco do Collegio. H*250
T H E A T R O .
Joze dos Reis Director da Companhia de Ar-
tistas Gimnsticas Muzica e Mmica lem a
honra de annuncar aos Ilustres e magnni-
mos habitantes desta Cidade que na note
de Domingo 19 do corrente dezempenhar
0a bem escolhida e mui variada funego cujos
pormenores se achanlo com a sufficentc an-
tecipaco nesta mesma folha e nos cartazos ,
e para mais comodidade do Publico : os ca-
marotes se acho venda desde j no poder do
Snr. Zebedeo Cezar.
Dito de llespanha = dem a 7.">.
Entrn um carregamento do varios gneros
de Barcelona c Malaga do qual
se vendern I,SO pipas de vinho tin-
to a 75.000 a pipa cataln 404|har-
ris de azeite a -2:100 e 4000 raixaa
de Passas a 2:500 a caixa.
MOV MENT DO PORTO.
NAVIO SAHIDO >0 DIA 11.
Rio Grande do Sul ; Barca Americana Nava-
rino Cap J. W. Mackaw carga a que
trouve de Lisboa.
I. El LO ES
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Randimento do dia 11 de Junho 4:907.,395
DF.SCARRF.UAil HOJA 14 DK JIMIO.
Barca Austraca = Gara = Farinha de tri-
go.
Barca Austraca = Robert = I'erro o Car-
vo.
Barca Nacional = Firmesa = Clisas com ea-
nella ditas com fogos artificiaos ,
miudesas gigos, e barricas com bo-
tijas vasias.
Brigue Inglez = Floravelle es Carvo.
Brigue Hespanhol = Florentino = Vinho ,
vinagro azeite e passas.
Barca Inglesa =s Manchester = Bacalho.
Brigue Inglez = Terra Nova = Bacalho.
PRAGA DO RKCIFF. 11 DE JUNHO DF. 1842.
Bevista Mercantil.
Cambio sobre Londres = As transages da
semana foraO em ludo limitadas pe-
las continuadas chuvas.
Gneros de ExportaeAo= mu pouca altera-
gao tem liavdo no mercado depois
de nossa ultima revista e apenas o
algodao vendeo-se de 5:500 a 5:700
por arroba de primeira sor le e
4:700 pela segunda.
Azeite doce = Vendeo-se de 2:100 a 2:200 o
galio.
Bacalho = Entrou um carregamento que se
est rclalhando.
Tabaco Maependim = Vendeo-se de 2:200 a
4:000 reis.
Vinho Tinto PBB = dem a 123*000.
Dito Branco = dem dito.
Dito de oulros authores = dem de 90.) a
9Sj000.
Dito de Malaga seco = dem a 90,y
tes da porta foram empurrados quasi ao mes-
mo tempo. Os olhos dos tres irmos se diri-
giram para o mestno alvo. Um homcm esla-
va em p no limar, era Jacques.
Esta apparcAo fo um raio.
Entretanto era preciso tomar um partido.
Acurvados por seu terror, escarnecendo a
humiliagAo elles se esforcaram por revocar
um sorriso a seus labios resfriados e gague-
jar algumas palavras. A tranquillidade de
Jacques os aterrava. Elles se julgaram con-
demnados. Mas estes temores nao lardaran)
a desvanecer-se. Jacques nada sabia.
Que he isto meus irmiios Ibes diz el-
le em um tom benvolo, onde todava se no-
ta va o isento de una reprehenso- vos vos reu
nis assim sem me advertir i' nao terei algum
direito de queixar-mc ?
Esta excluso nAo deveria offender-vos,
respondeu Marcos e nem deveis attrbuil-a
scnn convicgAo profunda em que estamos
da importancia de vossos cuidados pela felici-
dade do Archipelago e ao escrpulo que fa-
xsy Crabltec Heywortli Si Companhia fa-
zem leilAo por iitervenco do Correlor Oli-
veira, de uin perft'ilo soiiimeiilo de fazendas
inglezas de prompta extragao (Ruarla I'eira
I'i do corrente as 10 horas da mauha no seu
armazem na ra da Cruz.
tsr" Amcrim IrmAoscont nnaro o seu lei-
lo no armazem de Fernando Joze Rraguez
nos dias I i c 15 do corrente de rolos de fu-
mo harris e quartolas de toucinho por
con la de quem pertencer.
AVISOS DI VEBSOS.
S2y O Fado novissimo livro ou jogo de
sorles engranadas ofTerecendo um gostoso .
encrctenimenln das companhias sociads e di-
vertidas; dedicado a todas aquellas pessoas,
que em bella sociodade qtiiserem rir-se com
os despara tes de una fortuita sorte o por
meio de 5 dados vir cada um no conheci-
mentodo estado riquezas, heranca, amisa-
des fortunas, contendas, gostos : etc. que
ter. Segunda ediro brasileira correcta,
mui augmentada, e mais completa que todos
os livros de surtes at hoje publicados : na
praga da Independencia loja do livros n. 37
e58.
lotera do theatro.
SSfOs premios saludos na extracgAo da 1 .
parte da 10/ Lotera sao pagos hoje 14 do
corrente no escriptorio do respectivo Thezou-
reiro das 10 lioras da inanhA urna da larde ,
continundoos pagamentos nos dias 15 e 40
s mesmas horas c deste ultimo dia em di-
ante sQuarlas e Sabbados de todas as se-
manas.
cr As rodas da 2.* parte da 10.a Lotera
correal imprelerivlmente no da 12 de Julho
prximo futuro e os Bilhetes acho-se a
venda nos lugares docostume.
sry O Bacharel Joze Francisco de Paiva ,
propoem-sc advogar ; as pessoas que para
isso o qtiiserem procurar dirijo-se a rita do
Rozario estreila I). 30 primero andar.
xsy 0 Secretario da Socicdade Apolnea ,
por orden) do Di redor da mesma Sociedade ,
aviza aos Snrs. Socios que hoje 14 do corren-
te pelas 0 horas da tard" ter lugar a ultima
reuniAo, para se tratar sobre odelicitdamesma
Sociedade, e com qualquer numero de Socios
que aparega so deliberar como for mais con-
veniente a mesma Sociedade na forma dos Es-
tatutos.
sPrecisa-se alugar 1 1."un 2. andar de so-
brado as ras prncipaes do bairro de S. An-
tonio com tanto quetenha soto e que as
duas salas sejo claras c o aluguel nao exce-
da de 200* reis annuaes : promette-se todo o
aceio da casa eonservago nella pois at
se pode convencional- o arrendamento com
papel passado pelo tempo que agradar ; a
quem convieresle negocio annuncie.
riamos de rouhar ao Estado um s dos vossos
preciosos instantes.
Tendes razAo, replicou Jacques com
dogura. O Duque de Naxos divorciou-se com
todos os prazeres e vos sois mais feliz do
que elle. O recolhimento he necessario a um
Soberano mormente na vespera de urna
guerra. Mas que queris vos i' Vossos ale-
gres cantos vieram ferir meus omitios, eo
desejo me instigou a concertar com vosco a
minha voz. Sois vos .meus irmos, que me
haves tentado.
-- O Ceo abengoe a vossa inspiragflo ex-
clamou Guilherme que comegava asocegar-
se. Vamos Bugg cscolhe para o nosso caro
ir mo o Duque de Naxos o melhor dos
nossos vinhos de Sainos, e o mais bello dos
nossos copos de ouro !
Deram a Jacques o logar de honra e o
banquete conlintiou sem oulro imidente. So-
mente depois de alguns minutos o principe
Joo deixou a mesa e sahio.
(Gontinuar-se-ha.)


rSi
ta
A
t*y Aluga-se urna casa no^Coelho lia ra
dos Prazores, com 5 q mirtos, salas, cozinha
fura e quintal est caiaJa e pintada e
aluga-se por prego commodo ; quem a quizer
dirija-se dita ra a foliar com Francisco Jo-
/e Arantes das 0 as 8 horas da manh edas
3 da tardo em dianle.
1MLUI.AS VBGBTAES E UNIVKllSAKS AMKKICVN.VS.
Estas pilulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem feito, nao requeran nem
dieta e nem resguardo alguin ; a sua eora-
posigo to simples me nao fazem mal a
mais lema crianca : em lugar de debilitar,
fortifico o systema purifico o sangue ,
augmentao as secreges em geral: tomadas,
soja para molestia chroica ou somente co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado de constipadlo, depois do sua
operago como quase lodos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar e nao
causaren incommodo nenliuni. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth agen-
te do author: na ra da Cruz N. ol.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada en:
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
t3* Oabaixo assignado arrematante do
UT O Snr. Manoel Consalves d queira ir a ra da Cadeia nova D. 4 bascar
urna carta viuda na Barca Tentadora do Porto.
B9r A pessoa que estiver as circunstan-
cias de sor ama de urna casa sabendo bem
cczinbar dirija-se a ra Nova D. 20 no se-
gundo andar.
vsr Um rapaz Brasileiro de 28 aunos se
oferece para caixeiro na praga ou fora dalla ,
ou mesmo para cngcnbo para o que dar
(ador a sua conducta ; quem de seu prest i -
mo se quiser utilisar dirija-se a ra Direita 1).
45 junto ao beco do serigado.
ar O Snr. Francisco Consalves da Cunha
queira dirigir-se a casa de Antonio Francisco
.los Sanios Braga para recebar um barril de
toucinho vindo do Bio de Janeiro na Barca
Firmeza.
ssr Pedro Muller annuncia ao publico ,
quem ninguem contrate com Francisco Soa-
res da Silva sobre qualquer pega do estabeli-
mento da senzala nova em que tem parte o
annuncianle porque he falgo o annuncio do
dito Francisco Soares publicado no diario de
8 do corren te como breve se mostrar em
juiso.
9* A crela que veio do matto criar na
praga que annuncia ler morrido o me-
tidos resina de ansien oin libras lulo por
prego commodo : no atterr.i da Boa vista D-
cima 10.
das as qualidades bicos largos e estreitos ,
meiasdo seda pretas-e de cores compridas
o curtas luvas suspensorios estojos com-
contracto do quarenta res por caada de be-, ninoe procura outro para criar declare a
bidas espirituosas do consumo da Provincia sna morada ou dirija-se a ra Augusta no
faz scionte a todas as pessoas que negocian em j segundo andar de uns sobrados amarelos que
ditos gneros quedo I. de Julho do corren-1 len no principio da ra, indo pelo lado da
te anuo Ihe pertence a cubranga do referido Igreja dos Martirios c promete-sc ser bem
imposto e que nesse mesmo dia passar a! p^,
tomar nota de todas as bebidas depositadas jy Quem tiver algnma crianca para criar
nos diferentes armazons, para Ihe seren le- em urna casa particnlar empregando-se to-
vadosemeonta as que liouverem de vender
para fora da Provincia e pagarcm os direitos
to somente dos que venderem para o consu-
mo e para se nao chaniarem a ignorancia al-
guns que queiro subtrair-.se a pagar fazo
prezente annuncio. Becife 8 de Junho de
1842. Joze Joaquim Dias Fernandos.
tar Joze Gonsalves Ferreira da Costa con-
tinua a mandar fazer atierros, tanto grandes
como pequeos, por commodo prego com
do zolo e cuidado 8 por menos prego do que
outra qualquer pessoa anuuncie.
SSJ- Aluga-se o primeiro andar da casa n.
5 da ra da Cadeia velba com sala e alcova
adianto o atraz e com fugo para cozinhar
com carrito.
e- Na padaria o paslelaria franceza no
atierro da Boa vista D. 22 receboo-se lti-
mamente um magnifico sortimento de obje-
ctos de confeitaria que servem pela sua su-
como pequeos, poi cumiuuuu |>ii,u, min elos ue conieiiana que servem pea au su-
mis ou menos demora conforme os donosl hida qualidade tanto para soires como pa-
quiserem : ajusta por impreitada um tanto rapresentes, taescomoas afamadas amen-
por braca conforme o fundo he ou ajusta tao j ,|oas reaes cobertas fructas espelhadas de
bem por canoas, bota canoas de areia em obras assucar, caixinbas ornadas de desenho guar-
de casa, e enebe caixoes de casas por canoas nocidas dos melhores confeitos hcelas de
no impreitada. e recebe o dinheiro no lim'de j r()||,a com as afamadas ameixas d Tours as-
qualquer atierro quandod por prompto para sr,, como os Irascos da excellente e ja bem
ser medido: elle lbi que mandou lazer no
Hospicio aquello grande atierro do Kxm. Sr.
Joze Carlos .Marinck da Silva Ferrio e ou-
tros muitos em a ra d'Aurora, e s deixa de
tomar qualquer atierro ou impreitada quan-
do de todo em todo lhe pode dar prejuiso ou
nao tire resultado por pequeo que soja : os
pretendentcs dirijo-se n.s ras da Aurora
em casa do Sr. Joze Jacinto da Silvoira D. !),
apreciada agua de flor de laranja
tw A[*ehendeo-sea um moleque por se
supor ser furtada urna argola de cornalina ;
quem for seu dono dirija-se a ra da Cadeia
D. 4 que dando os Biguaes lhe ser entregue.
tsr Existe na ra da Alegra n. 9 urna
sen hora mestra eapaz e de bons costumes ,
que sabe ler, eserever e contar, boa cos-
tureira rendeira e bordadeira e que en-
que he p opria para lipoia > loalhas aiitn-
dadas feilas no paiz nina boa fechadura de
broca o segredo, una sama de angieo com
pouco uzo : na ra do Encantamento arma-
zem por baixodo sobrado do Be verendo Viga-
rio ilo Recite.
tss* Um preto ladino do gento angola do
20 annos : na ra do Crespo D 5 lado do
norte.
SS9- O bem conhecido cavallo melado com
carro o todos os arroios proprios da fabrica do
farinha do atierro da Boa vista ; para levar
um poso imenso nao ha cavallo nenhum ca-
paz como este pois pode andar muito fcil
com 8 barricas com farinha no carro cu qu-
tra qualquer couza quo soja do mesmo peso ;
adverte-se que so vender ludo junto ou sepa-
rado : na mesma fabrica do atierro da Boa
vista. ^
\3T Urna casa terrea em Olinda na ra
do Carmo I). 7 com chaos proprios com
200 palmos de quintal no rundo da mesma ca-
za : em fora de portas venda 0. 10.
ssy Ora escravo ainda moco para fora da
provincia : em fora do portas venda D. 16.
tsr Urna escrava moga boa lavadeira ,
cozinha o ordinario : na praga da Indepen-
dencia n. 1.
taf Vinhos de Bordoaux de Bucellas de
madeira secco, e malvasia de champanhe ,
licor de losna : na ra do Vigario D. 10 em
casa de L. A. Dubourcq.
G?" I'ma barretina para oflicial de artilhe-
ria com todos os seus aparelhos por prego
commodo ; Saluslio Tito Livio traduzido
de seda piola para pes.-oge corles de colotes
ile seda e outras muilas couzas precisas e
de bom gosti, tu lo o mais barato possivel :
na praga da Independencia loja n. 21 e 22.
%sr Una negrinha de angola de bonita li-
gura de 10 annos e um moleque da mes-
ma nacao c idade e um negro proprio para
o servigo de campo : na ra do Rangel venda
i). 41.
tsr Travs du 40 50 e 55 palmos, e en-
xameis de 20 palmos : na ra da Aurora pri-
meiro andar do quarto sobrado.
ts&- Agoa de tingir os cbelos e as suigas,
cada vidro vai acompanhado de um papel ex-
plicativo : na ra do Livamento loja de cha-
peos D. 17.
ss^- Um moleque de lia 10 annos, urna
preta de 20 annos de linda figura ; saben-
do com perfeigo engommar'e cozinhar e he
muito desembarassada : na ra Jo Fogo ao
p do Rozario D. 25.
tsr Um moleque de angola, de 14 anuos,
sem vicio e muito deligente para qualquer
servigo : na ra Nova D. 54.
ts?- 50 espanadores : na ra da Ps junto
a casa da quina que tem lampio.
52^- Urna cama decondur, urna marque-
za 3 mangas de vidro, um espelho grande.
5 mezas urna empeada para bilhar e al-
guma louga de vidro umacommuda: no'pa-
teo do hospital doParaiso D. 10.
= Um mulato escuro canoeiro e com
principios de carpina de robusto c sem achaque lgutn : quem o
pretender v ao 2. andar V^brado na rus
commodo; a usiio lilO kiviu uuiu/.mu r---- ,;i
ao peda letra, c Lomea de Conuense em por- de S. I-raneisco em c;.jo 1. arflar mo.a ose-
em casa aoar. joze jaenuu ua .nnnu mr. -,: mreira renueira e noruaueua e quu cu-
na praga da Independencia loja de chapeleiro tende de grammatica porlugueza ; quem se
do Sr. liveiral). 28 na ra da Cadeia loja qser utilisar de seu prestimo que ser
do Sr. Joaquim Consalves Casco D. 45 r on- ,r,ut0 cm conla dirija-se a casa a cima, ta
J,. .11.. ....: i I nn A <. t\rr\ i.ni.iL' .iC'jC i ..._'__________U.
de elle vai todos os dias em cujas casas.
= Preciza-sc fallar ao snr. Domingos dos
Santos dos Prazeres cazado com a sra. D.
Francisca Boza do Livramento e morado-
res no lermo da villa das Cabaceiras da com-
marca do Brejoda Aroa a negocio do seu in-
teresse: o mesmo sr. ou seu procurador naja
de declarar a sua residencia nesta cidade.
Antonio Lopes Ferreira retira-se para
Portugal a tratar do suasaude.
sr* 0 Snr. Manoel Pinheiro de Mendonga
dirija-se a casa n. 40 da ra da Cadeia do Be-
cife, para receber urna carta vinda do Serto.
XZT Precisa-se de una criada que saiba
engommar lavar e coser: na ra do Colle-
gio D. 8 primeiro andar.
%sr Aluga-se o pnraeiio andar do sobrado
da ra Direita D. 11 com coinmodos paia urna
grande familia : a tratar no terceiro andar
do mesmo.
cr 0 Padre Lemos e Silva, faz sciente ao
respeitavel public que o estabelecimenlo
de cncadernaco que elle dirige; passou da
Florentina velha para a ra da Florentina
nova casa que faz quina para a ra do S.
Amaro onde se acha como sempre prompto
para receber e apromplar toda e qualqner
encadernago por mais diicil que seja ,
acressando o ler recebido a poucos dias um
rico sortimonlo de marroquins proprios para
a encadernago ir.gleza e ter couros de dife-
rentes qualidades para a encadernago em ro-
' levo.
tar Precisa-se alugar um piano, para por
elle aprender-se : quem o tiver annuncic.
5^ Precisa-se de um cont de res com
liypotheca em una morada do casa em Olin-
da e ato se vender com muilas vantagens
ao comprador quem quiser dar annuncie.
ss O snr. Joo de Miranda queira annun-
cia r sua morada para ser procurado a nego-
cio de seu i ulerease.
bem eiiina meninos.
COMPRAS.
tSF1 0 arrobas de capim posto no porto das
canoas do Becife : a tratar com Manoel An-
tonio da Silva Motta na ra da Cadeia do Be-
cife n. 0.
-ssy O Archivo theatra! ; quem tiver an-
nuncie.
tsr Um livro de titulo Alvetar; quem ti-
ver annuncie.
VENDAS.
luguez : fia ra de Agoas verdes D. 50.
t2W Um negro do meia idade robusto e
proprio para todo o servigo e mesmo para o
campo do que tem pratica : no largo do forte
do mallos n. 9.
Um bonito escravo de naeo, bom so-
cador de assucar sem vicios nem achaques:
na ra por detraz dos Martirios D. ?.2.
N t^- Sapalos de borracha por prego com-
modo : na ra do Bangel D. 7.
BT- Urna negra que sabe lavar cozinhar
o ordinario vende na ra de 20 annos :
nos 4 cantos da Roa vista venda D. 40.
igy Urna negra moca que sabe engom-
mar e fazer todo o servigo de urna casa : na
Soledadc em casa da Senhor Xiquinha que
rende llores confronte a Igreja; assim como
vende-se pomhos um carneiro e una ovelha
mang.a.
SS5*- Um casal de pombos mariollas vindos
prximamente de Lisboa ; quem os quiser
annuncie.
CT Taboado le pinho da Suacia costado,
costadinho assoalhoe forro proprio para ca-
zas e fundos de barricas de meia polegada
a 5|4 de grossura remos de faia vergontas
para mastaros, pregos ripaz, caixaes, e ca-
bega de pipa tudo de superior qualidade e
por prego commodo : no armazem de Joze
Antonio da Silva Vianna na ra da Moeda.
O" 12cadeiras, um sof e ua banca
redonda de meio de sala tudo de Jacaranda
e moderno; muito em conta : na primeira
casa do beco do Peixoto ao sahir na ra Au-
gusta.
ts^ Um engenho na freguesia de Seri-
nhaem junto a Villa na beira do rio, com
muito boas proporgoes capaz de fazer 2 a 5
mil pes de assucar o qual engenho he feito
de novo e tem porto de embarque ao p e
lie todo de matta virgem: na ra da Cadeia do
Recife n. 17.
v cr Bicos penles dourados de differentes
gostos para sen hora botes de todas as qua-
lidades para homem e pequeninos para
vestidos epunhos de vestidos para snra. ditos
de retro/, de differentes cores alfinetes dou-
rados e de camafeo o mais rico possivel, pali-
teiros de casquinha de prata muito lindos ,
lanternas bordadas com castigaes bordados-
lisos, oculos grandes de ver ao longe o me-
nlior advogado Joze Narcizo.
tsr Um violo de excedentes vozes, por
prego commodo : na ra do Queimado D. 2
lado do nascente.
C3- Lista geral da I. parte da 10. Lotera
do Theatro : na Praga da Independencia loja
de livrosN.7* 57 e 58.
ssy Urna cadeira de dous bracos nova ,
pintada e domada forrada de seda com bor-
las bandmiellas vidro cochim e tape-
te : na ra do Calderoiro atraz da ra de
tlortas D. 25.
t7~ Una negrinha de naco, de 15 an-
nos e com principios de costura um mo-
leque de naeo com principios de pedreiro ;
e um mualo claro ptimo para pagem : na
ra Direita D. 20 lado do Livranjenlo.
cr Um prelo crelo de 22 annos cano-
eiro muito deligente, robusto, escm acha-
ques ao comprador se dir o motivo da ven-
da : na ra estreita do Rozario Dcima 50 no
primeiro andar.
Urna meza gaande de madeira de oleo
com duas gavetas e boas fechaduras feita a
moderna por prego commodo : na ra Au-
gusta do ladodireito n. 0.
tsr Continua-sc a vender barricas com
farollo a 4* a barrica : no armazem de
Fernando Joze Brague7 junto ao arco da Con-
ccigo.
^ts^ 100 pares de sapatos de homem, pe
dra jaspe da Rabia para fazer pos de calgar ,
bolina, em grandes porges e a retalho; um lhor possivel, castigaes para mangas de vi-
.... I ...... L .. .whiIlhI.. I i lUKfM nilfl flttltlQ ll'.lf 1 rlurv Kin/Ltr*nl.n^ *> palanquim acabado de novo que ainda nao
foi servido tudo por prego commodo : na
ra da Cadeia do Becife n. 12.
tsr Bichas prelas grandes chegadas pr-
ximamente de Lisboa vende-se e aluga-se ,
indo o dono aplica-las por sua conta : na ra
das Ci u/es ao p da Typografia.
cy Una canoa de carreira aborta em
bom estado, que pode com 10 ou 12 pessoas;
um negro bom canoeiro por prego commo-
do : no alieno da Roa vista sobrado de Ma-
noel deSouza Rapuzo.
vzr Um quarto forte para carga urna
vacca de leite cora da carnahuba, dita ama-
relia meios de sola couros de cabra cor-
dro bandeginhas ricas de casquinha com
thesoura de espevitar, salvas de differentes
tamanhos bordas de prata bandejas li-
nas de todas as cores e differentes tamanhos ,
garrafas grandes e meians vidros compridos
com agoa de colonia jarrinhos de porcela-
na e cheiro superior macass e espiritos de
chairo bules de metal superior um apare-
Iho de 2 bules urna leiteira e um assuca-
reiro de casquinha lina um par de serpenti-
nas de bronze para 5 luzes o castigal cha-
peos de sol de seda para homem taplos pa-
ra canaps capaxos de esparto do Porto,
sabo lino de eheiro e sem elle litas de to-
ESCRAVOS FUGIDOvS.
tSS" Fugio em 5 de Main, do cin< n'e uno
um prelo canoeiro de norae Joze, o qnal
nherido por JoteCoidfir., por le sido cp-
livod.>-Sn s Cudeiros, e depois captivo do
Snr. Joze Vital carcereiro da cadtia desla ci
dad ? do R i'if<- ; e leudo o id sino pieto um
pasaporte dado pelo Juii de p.i dos Affoga-
dos no auno de it!4l paia o dito ir no Bre-
joda Madre de Deo osle tobando nlo en-
liegoo por (I i se exigir dele e que pode-
r ser que tenln lirado oulro em viriuded'
primeiro ; cuneta ms (|ue o tliio anda ton
una prela vendando miud zas e p'idt-ra ser
(pie no pas>aporle da mtsma pret.i ellee*leja
inclu do e por sso toga-s a lodas a aulo-
ridade.i (apilaos de campo, qo o piendio
apesar di- qualquer tiluln ou mesmo pa.s.i-
porle que .i dilo aprsenle. O^ signaes sio os
eguintes ; calvo i'aJede 5o'aniis p-iuo
mais ou u'if nos tem j cabellos l>raiie<>s a
tef-ta em cima do olho lera um la lm olbos
glandes cor de Fgo marcado de bexigas no
i oslo, barba rada, fallo de denles na fren
te da parle de rima boca grande baixo d.
corp, alguma couza refnicado, muito pro*
Dslico, c quer se intilu'ar por fono quem
o pegar leve na Praca da Ui.a-tisl D. 4 ^ue
ser bom rtcoiup nsado.
ts^ Fugioou desaparecco no dia 12 de
Margo do eorrente anno do lugar do Arraial
um escravo de nome Jeaquim de 18 annos,
de bonita ligura leYou camisa de estopa de
mangas curtas tem a cabega um tanto com-
prida e no dedo mediato ao polegar da mao
direita urna cicatriz de urna ferida que leve ,
e oulra sobre o poito de um dos ps : quem o
pegar leve a ra das Floros \). 12 que rece-
ber HOa de gratilicago.
RECIFE NATYP. DEM.F. DE F. =1842
J.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY3O6EQNF_3OWSYE INGEST_TIME 2013-04-13T02:58:42Z PACKAGE AA00011611_04674
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES