Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04666


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Quinta Fe ira 2
Tuilo agora depende de ns mesmos ; da nossa prudencia moderado e energa : con-
tinuemos como principiamos c seremos apon lados enm admirar, o 'cntr,. as Nac es mais
Otilias. (Proclamado lUAssemhlea Geral du'rrazil )
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Cuaima l'araib- e Jtio grande do Norle segundas e ellas feira.
llouitoeGmnluM i -0 e24-
Cali Serinhaem Rio b'ormozo Porto Calvo, Macei e Alagoas no !.
Palei'l '13. Sanio Aniuo quintas fciras. Olinda todo os dias.
H.
DAS DA SEMANA.
3J Se, s. Fernando Re. Chae. Aud. do J, deD. da 2. v.
31 Tero. Pclninilla s. V. M Bel. Aud. do J. de D. da 1. v.
\ Quarl. Firmo M. Aud. do J. de D. da 3. Y.
2 Quii, jejum s. Marcelino M. Aud do juiz de I). da 2. v.
3 ."exl. O SS. C-r cao de Jeius. s. Ovitl.o B.
!\ Sab. a. Francisco Caracioli Re. Aud. do J. de D. da 3. v.
| Oom. s. Marciano M. a. Bon faci B. M.
P reamar do din 2 dejunho
i." a II horas e VI ni. da manh..
2. a 12 limas c lli ni. da lude,
de JiMilio.
Auno XVIII. N. 117-
MaugaLi'.^' M1-it>mx
Tyrrrzsr- "
O Diario publica,-** iodos o das que n."io [oran Santificados : o pre9o da assignalure h
(lenes tai] reia por quartel pagos adiantados. Os annuncios dos asignantes sao inserirle*
gratis e iis dos que o nao torean raido de Su reia por linha, Aarcclamace devem sar
dirigidas a e*la TvnograBn ra das CrUlM D- ', ou a [naca da Inde|iendrnria toja de livroa
N muero 37 e 38.
("ambio sobre Londres'27 d. p, 11).
.i Taris 350rea p. franco*
. i.isli.ia Sil a 1I p. 100 depr.
Orixi-Moedadefi.iOU V. 1.1U0
>. N. 15,000
, de 4.000 S.S00
Pr.*TA Ptac5e -*M
CAMBIOS no da I. de jimio.
Chata Petos Columnares 1,720
i Mexicanas 1,720
a rriu.la 4,500 a 1.500
Moeda de cobre 3 por 100 de deacenlo.
Ijeseoniu de Inlli. da Alfandaga 1 por 1U0
ao mei.
1,720 Idea de Ierras de boas fimat 4 ale|.
PHASES DA l-UA ISO MEZ E JMIO.
Quarl, roing. a I -- s 'l horas e 32 m. da manh.
lua Nora a S-- s 7 huras e i).i m. da tard.
Quarl. rese, a 15 ks 2 horas e 83 m da lard.
La cheia a 22-- is 7 lunas e 2 m. da lard.
I > 1 \ R
1>E PERli
IC O.

PARTE OFF1CIAL
LE. N. 100.
CONCEDE DEZ LOTERAS DE CEM COSTOS DE BE1S
CADA IMA A IRMANDADE DO SS. SACRAMENTO DA
BOA-VISTA.
O Barao da Boa-vista Presidente da Provin-
cia de Pernambuco. Fago saber i todos os
seus habitantes que a Assemblea Legis-
lativa Provincial Decretou e eu sanecio-
nei a Le seguinte.
Artigo i.' Fico concedidas Irmandade
do Santissimo Sacramento da Freguesia da
Boa-vista dez loteras de cem con tos de reis
cada urna.
Artigo 2." 0 Governo da Provincia dar o
plano para a execugo d'esta Lei contando
nao so a porcenlagem como o imposto den-
t-o do capital.
Artigo 3." Continuar a mesma Irmanda-
de prestar con tas na forma do disposto no
Decreto de nove de Junho de mil oitocentos
e trinta e sele.
Ficfio revogadas todas as Leis era contrario.
Mando por tanto todas as Authoridades ,
quem o conhecimento e execuco da re-
ferida Lei pe tencer que a cumprio e fa-
c3o cumprir lo inteiramente como n'ella se
contera. O Secretario desta Provincia a foca
imprimir, publicar e correr. Cidade do
Recifo de Pernambuco nove de Maiode rail oi-
tocentos e q liaren la e Jous; vigsimo primeiro
da Independencia e do Imperio = Eslava o
o Sello das Armas Imperiaes as Barita da Roa-
vista ss Carla de Lei, &c.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 23 DO CORRENTE.
Ollicio Ao inspector do arsenal de mari-
nha auctorisando-n para nomear interina-
mente ao fiel da Escuna = Lebre = Joze
Luis da Silva para encarregado da mesma ,
em consequencia de ter fallecido o individuo ,
que oceupava este lugar e ser necessario
provel-o.
Dito Ao commandante da supramencio-
nada escuna communicando a expeJicSo da
ordem antecedente.
Dito Ao commandante das armas, di-
sendo, que pelo major Antonio da Silva Gus-
mo lhe sero apresentados os prets e rela-
eoes de mostra para o pagamento de 4 meses
desold que tem vencido o destacamento
de guardas nacionaes existente na comarca
de Flores, im de que estando conformes ,
baja de dar as suas ordens para que sejo
cobradas e entregues ao dito major se-
gundo requisita o commandante superior d'a-
quelle municipio.
Dito Aosupracitado commandante supe-
rior participando o conledo no precedente
ollicio ; approvando a nomeaco do alferes
Licinio Poreirio Norston e Andrade para com-
mandante do destacamento de guardas nacio-
naes da comarca cima referida; esignifican-
do-lhe que dar as providencias necessarias
sobre os tres meses adiantados de sold que
requisita para o mesmo destacamento.
Dito Ao chefe da legiao da guarda na-
cional do Limoeiro ordenando que mande
dispensar do servido dos corpos que per-
tencerem os inspectores de quarteiro lim
de que possfio desempenbar exactamente as
funeges de que se achio encarregados.
Dito Ao delegado interino do Limoeiro ,
intelligenciando-o de ter dado a ordem ante-
rior cm satisfago do que requisitou em seu
olUcio de 10 do correte; e determinando-
lbe que, remeta ao chefe de legiao a-
cinia mencionado urna relaco nominal dos
i'ispectores de quarteiro.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha participando-lhe ter expedido ordem
ao inspector da thesouraria da fasenda para
indemnisar o mesmo arsenal das despesas fei-
tas por conta do ministerio da guerra com o
costeio do patacho = Pirapama = na sua ul-
lima viagem Ilha de Fernando, o com o for-
necimento d'agoa para as pravas de tropa do
norte que forao transportadas a corte as
barcas de vapor = Pernambucana a= e = S.
Sebastio =s na importancia de 328jilol
reis.
DitoAo chefe interino da legiao do Ca-
bo disendo que no sao admissiveis as ra-
ses apresentadas em seu officio de 9 do cor-
rente mez para justificar a falta de compri-
men lo das ordens que Me forao expedidas
em data de 2 de Abril prximo indo ; orde-
nando-lhe que expela aos commandanles
doscorpns da legiao de seu interino comman-
do as mais terminantes ordens e empregue
todos os meios que as leis tem posto sua
disposicao, lim de que sejo, quanto antes,
cumpridas as determinages da presidencia ,
e remeltido ao commandante das armas o con-
tingente que devem dar os referidos corpos
para o ha la I hilo destacado: e significando-I he,
que deve dar todas as providencias ao seu al-
cance para que o 3. hatalho d'aquella le-
giao prehencha os fios, para que foi organi-
sado e preste o servido que he obrigado;
responsabilisando na forma da lei os rs-
ped i vos officiaes quandoisto se recusem.
no ir ao cu me da seria azul at encontrar-
se com o 3. districto comprehendida a par-
te que d'antes partencia freguesia d'agoa
prela.
O 3. districto limitar-se- pelo riaxo da
Janeada de sua nascenga at a barra do rio
= Sirinhaem as donde subir at a hura
do riaxo = Recruta = c desta nascenga
do mesmo riacho atrevessando a estrada da
Ilha de llores at o cu me da serra azul com-
prehendendo a parte que d'antes pertencia
freguesia de Serinhaem.
As freguesias de Una e barreiros forma-
ro um s districto.
DEM DO DA 21.
Portara Estahelecendo provisoriamente
o seguinte de conformidade com o artigo 2.
do regulamento numero 122 de 2 deFeverei-
ro do correte anno. As partes da freguesia
suprimida da Luz, que ficarao pertencendo as
freguesias de S. Lourengo da malta e Ja-
boa to e forao comprehendidas no termo da
comarca do Pao do Alho formaro ura dis-
tricto sugeito dila comarca do Pao do
Albo.
A porco da freguesia de Taquaralinga .
que pela ultima diviso judiciaria icou perten-
cendo comarea do Brejo formar um dis-
tricto limittado pelo riaxo = Taboca = ,
da sua embocadura no rio = Capibaribe =
atea extrema da freguesia de Cimbres e su-
geito aos termos reunidos do Brejo c Pes-
queira.
O districto de Quipap oreado pelo regu-
lamento provisorio de 4 do corren te oom-
prehender todo o julgado de paz da capella
curada de Quipap com as povoacoes de S.
Benedicto e Barra da Jangada e Rear
pertencendo comarca do Bonito que foi
unida a freguesia do Altinlio pela lei provin-
cial n. 94 dsete do correte.
A mesma freguesia do Allinho ica gubdi-
vidida em mais quatro districtos da maneira
seguinte :
O 1. districto comprehender a povoaco
lo Altinho e todo o territorio nao compre-
lendido nos mais districtos.
O 2. districto comprehender o termo do
julgado de paz da capella curada de Bebedor.
O 3. districto fica com os mesmos limites
do julgado de paz da capella curada de Ca-
pueiras.
O 4. districto comprehender a povoaQilo
de Panellas com todo o termo do julgado de
paz da capella curada deste nome.
A freguesia do Bonito ica subdividida em
trez districtos da seguinte maneira :
A povoac3o da villa do Ronito e os luga-
res niiocomprebendidosno 2. e3. districtos
formarn o 1. districto, denominado do Ro-
nito.
O 2. districto ser limitado pela Barra de
riaxaonorio d'Una at aserra = Agoa ver-
molha=, e d'alii atravessando a estrada
de verde, junto ao sitio do Francisco Cacta-
O districto de Serinhaem conservar os
mesmos limites que tinha qnando foi es-
tabelecido pelo regulamento de 21 dej Margo
d'este anno conforme a diviso civil e ec-
clesiastica expressa no artigo 5. da lei pro-
vincial n. 83 servindo-lhe de extrema da
parte do norte o riaxo = Pindobinha = ,
a pesar da alteracao que leve a diviso ec-
clesiastica pela Lei numero 102 de 7 de Maio
do corrente.
Officio Ao commandante das armas, di-
sendo em resposta ao seu olficio que in-
formou os requerimentos de Joo Joze Pache-
co e Joaquim Trajano da Silva este guar-
da nacional do terceiro batalhao e aquello
do 4. ambos perlencentes ao batalhao desta-
cado que os faga desligar do referido corpo,
mandindo-os apresentar ao commandante
superior d'este municipio para os faser subs-
tituir por outros.
Dito Ao chefe de polica significando ,
em resposta ao officio de seu antecessor da-
tado de (5 do presente no qual represen lava
contra o I. tenentc da escuna de guerra = 1.
de Abril = por nao ter cumprido um man-
dado do nolificagao que pelo delegado do
1. termo d'osta cidade lhe fora mandado a-
presentar por um olficial do justiga. que n'es-
la data expede as convenientes ordens ao re-
ferido commandante para se prestar essa
diligencia de polica mandando apresentar
ao mesmo delegado as testemunhas precisas
para a formago da culpa do marujo Joze de
Figueiredo.
DitoAo mesmo, dizendo que, tendoo
delegado do termo do brejo representado so-
bre a nescessidade de conclm'r-se a obra da
nova cadea d'aquella villa cumpre queex-
pega as suas ordens ao mesmo delegado pa-
ra que lhe remeta o orgamento da obra pre-
cisa concluso da referida cadeia im de
que a presidencia a vista d'elle possa dar as
necessarias providencias.
DitoAo commandante geral do corpo de
polica, signilicando-lhe, que fica addiada pa-
ra o anno inaneeiro prximo futuro a requi-
siefio que faz em officio de 12 do corrente ,
de um quantilativo para acabar os concertos
do quartel do corpo do seu commando alle-
gando j se achar consumida a quantia de um
cont de rs. que se liie mandou fornecer
para os ditos concertos.
DitoAoengenheiro era chefe, determi-
nando-lhc que ordene aoengenheiro Kers-
ting obste a continuagao da edificagSo da
bar reir, que em seu officio de 21 do corrente
informa achar-se cons'.ruindo nos cercados do
engenho Soccorro atravessando estra-
da ; por isso que de tal oh a proviria prejui-
zo ao transito publico.
DitoAo commandante Ja escuna-Lebre-,
ordenando-lhe em consequencia do que in-
forma cm oflicio de 19 do corrente que ad-
mita ao servigo da mesma escuna o piloto
l.oui'ngo Joze Baptista o qual ser con-
servado, em quanto esliver doente o oflicial
da dita escuna queso acha no hospital.
DitoAo inspector do arsenal de marinha ,
intclligenciando-o de ler ordenado a admis-
so de que rcla o oflicio antecedente.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DI V 18 DO f.
OllicioAoE\m. Presidente, enviando-
Iheeni duplicata o mappa da forga cITecti-
va dos corpos de linha existentes na provin-
cia perlenoente ao mez p. p. e bem as-
sim o da guarda nacional destacada as com-
marcas servigo da polica.
Di (oAo mesmo Exm. Sr. transmit-
titido-lhe para ser presente a junta de justica,
o processo verbal Coito ao R. soldado do ba-
talhao jirovisorio Manoel Antonio da Silva ,
pelo crime de desergao.
DitoAo mesmo Exm. Sr. reinviando-
lh o requerimento do Luiz Martina da Costa,
com a informadlo que fora exigida do tenen-
tc coronel commandante do batalhao de guar-
das naciunaes destacado*
DitoAo mesmo Exm. Sr. enderegan-
do-lhe os requerimentos de JoaoJoze Pacheco,
o Joaquim Trajano da Silva guardas do ba-
talhao destacado que pedio ser desligados
em consequencia de nao estarem no caso do
servir alim de que os mesmos requerimen-
tos diferisse como achasse de justiga.
DitoAo inspector da thezoiiraria remet-
lendo-!lie para seren pagas os papis de con-
tabitidade do destacamento da commarca do
Pao d'allio devendo de ser a respectiva im-
portancia entregue ao cabo d'esquadra Olega-
rio Joze Reixoto.
DiloAo piefeilo interino da commarca do
Ronito devolvendo-Hie os papis de conta-
hilidade do destacamento relativos ao mez
prximo lindo para serm substituidos por
outros, de conformidade com as ordens an-
teriormente dadas e que para nao demral-
os pagamentos tropa convinienlc seria e-
xnminaros papis antes da remessa ecor-
rigir as faltas.
DitoAo prefeito interino da commarca de
Garanhuns, reinviando-Ibe os papis de con-
lahelidade do destacamento pertencente ao
mez de Marco ultimo por nao virem orga-
nisados de conformidade com as ordens esta-
belecidas e que para evitar dclongas nos pa-
gamentos.., muito conviria examinar os pape-
is antes da remessa.
dem no da 19.
OllicioAoExm. Presidente, disendo-lhe,
que se offerecera para servir na companhia de
cavallaria na qualidade de clarim o corneta
do corpo de polica Francisco de Paula Bizer-
ra e parecendo-lhe dever ser acceito o seo
olfereciment rogava a expedigiio de suas
ordens para que fosse daquelle corpo dimit-
tido e remeltido para se Ih'averbar a praga
na 1. linha.
DiloAocapitao Anacido Lopes de Santa
Anua para.que entendendo-se com o capi-
tao icormado A. M. de M. de M. Pmen-
lel examinasse o milhor local em que deve
de ser construida na orlaleza do brum urna
cysterna obra que se comprometa fazer a
sua custao mencionado capito devendo ao
mesmo tempo organisar o respectivo orga-
mento e en vi a -lo a secretaria militar.
DitoAo capitao commandante interino do
3. hatalho d'arlilharia inlelligenciando-
o da commissio do que eslava encarregado o
capito Adelo Lopes de Santa Anna.
DiloAo chefe de polica deprecando-Iho
algunas informacOes acerca do recruta Mano-
el Francisco Bizarra que reclamara soltura,
por ser casado vivar com a mulher e ter
si iorecrulado contra a lei.
dem do da 20.
OllicioAo Exm. Presidente enviando-
Ihe competentemente informado o requeri-
mento do capitao Joze Cae tao d'Andrade Ca-
misao que pedia ser empregado pois que
estando como est avulso e havendo deixa-
do na corte a sua familia 40ji rs. mensaes ,
nao lhe era possivel manter-se com IOji rs.
DitoAo mesmo Exm. Sr. enviando-lh-
XEMPLAR ENCONTRADO


r-\
b.
a conta do que so estara a dever de fardamen-
losao sargento Francisco Xavier Matliias c
soldados Francisco Venancio de Souza, e Jozo
da llora em vista dos requerimentos e do-
cumentos que acompanhavo a mesma conta ,
afim de que a* mandassc satisfazer pela the-
zouraria entregando-se a emportancia ao
commandante do 3. batalho d'artilharia ,
por intermedio do respectivo quartel mestre,
para ser difinitivatnente paga aos individuos
cima mencionados.
DitoAo Exm. general e commandante
em chefe do exercito do Sul communicando-
lhe que do 1. deste Diez em diante foi e-
levada a 30. rs. a preslago mensal^ de 23,>
rs. que deixara o alteres Manuel Claudino
d'Oliveira Cruz devendo-secra consequencia
dedusir dos vencimentos deste oflicial, a im-
portancia da referida prestago.
DitoAo mesmo Exm. Sr. requisitando
a guia que devia de ter acompanhado o alferes
Francisco Pedro do Reg Brrelo quando
da cidade de S. Pedro do Sul, embarcou pa-
ra a corte, pois que sem este documento, nao
se lhe pode abonar vencimentos por esta pro-
vincia onde presentemente se acha.
DitoAo inspector da lliezou'rara com-
1nunicando-lUe quedo l. deste mez em di-
ante, era elevada a 50,> rs., a prestacao men-
sal de 25,) rs. que deixou nesta provincia
em socorro de sua familia o alferes de caca-
dores de boba Manoel Claudino d'Oliveira
Cruz expedicionario ao Rio Grande do Sul.
DitoAo presidente da junU desaude, pa-
ra que desse a sua opiniao acerca dos eonlie-
cimentos cirurgicos de Joze Soares de Souza ,
que pretenda exerceras funeges do seo mi-
nisterio na liba de Fernando de noronba.
DitoAo delegado da commarca do Rio
Formo zo devol vendo-I he os papis de con-
tabilidaiiedo destacamento pertencentes ao
mez p. p- > Para sersm de novo organisados
em armona com as ordens expedidas em di-
ferentes datas pelo que nao podo ser pagos,
e ncm sua emportancia entregue ao doutor
Manoel Teixeira Pexoto, conforme sua au-
thorisago.
DitoAo commandante do deposito en-
viando-lhe o papis de contabilidade das pra-
vas destacadas na liba de Fernando perten-
centes aos mezes Fevereiro, Marco e A-
bril deste atino acompanhados de urna con-
ta demonstractiva dos pagamentos assigna-
da pelo commandante U IIlia afim de que
desse a taes papis conveniente destino e
communicando-lbe que se recolhero do
destacamento o cabo Albino Nunes da Roxa ,
e soldado Manoel Gomes Teixeira, cujas
guias lhe remeta.
No mesmo sentido se offieiou ao comman-
dante da companhia d'artifices remettendo-
lhe os pipis, e contas dos mezes Marco e
Abril do corrente anno e bem assim um at-
testado passado pelo 2. tenente A. M. deC.
Delgado que serve do discarga a urna espa-
da com bainha pertencento ao soldado Mano-
eKyriaco da Fonceca, a qual cahira ao mar,
no acto de desembarcar nallha.
DitoAo commandante interino do 3. ba-
talho d'artilnaria comraunicando-lhe, que
fa'ecera no hospital da liba de Fernando no
dia20d'Abril prximo lindo, o \. cadete
Joze Esteves d'Almeida adddo ao batalho
do seo commando que estava cumprindo ali
a sentenga de dous anuos de degredo qu lhe
fora imposta, devendo faser desta occorrencia
a necessaria verba em seos assentos.
DitoAo mesmo authorisando-o para
administrar os concertos que se esto fa-
sendo na fortaleza do brum e dando a res-
peito as convenientes insirucges,
THESOURARIA DA FAZENDA,
EXPEDIENTE DO DA 18 DO P.
OficioAo Sr. commandante das armas ,
com a informago do commissario fiscal do
ministerio da guerra relativa a guia do alfe-
res Manoel Joaquim Madureira.
dem do da 11).
Dito -AoExm. Sr. Baro Presidente da
provincia informando o requerimento do ins-
pector do arsenal de marinha.
DitoAo Sr. inspector da alfaudega a-
gradecendo o exemplar das notas e reflexes
alguns artigos do regulamenlo de 22 de Ju-
nlio de 1836 queoffereceu o 2. escriptura-
rio da mesma alfandega o bacharel Joo
Carlos Pereira lbiapina.
DEM do itiv 20.
DitoAo Sr. administrador da meza do
corU^lado participando ter sido approvada
por aviso de 1(5 de Outubro de 1840 expedi-
do pela secretaria de eslado dos negocios da
fazenda a nomeago do guarda Joze Louren-
co Xavier Quintino.
dem do da 23.
DitoAo Exm. Sr. Baro Presidento da
provincia, informando o requerimento de
Manoel Antonio de Je/.us.
DitoAo mesmo Exm. Sr. idem sobre
oofficio do inspector do arsenal de marinha ,
em que pedio a S. Ex. o Sr. Presidente se
dignasse deliberar que destino devia ter'os
artigos que sobraro da ambulancia que
na barca Triutnpho da nveja havia condu-
sido para a liba de Fernando de Noronba o
cirurgio mor Antonio Correa dos Anjos.
DitoAo Sr. administrador da meza do
consulado dizendo que em vista do que poem o feitor conferente da meza encarre-
gado do expediehte do Pao Brazil, na repre-
senlago que acompanhou o seu ofllcio de 20
do corrente que o mesmo feitor devia pro-
ceder como julgasse conveniente de confor-
midade com as ordens existentes e que por
conseguinte se entendesse que entre o Pao
Brazil em toros e lascas tambem se encon
trava quantidade de superior qualidade co-
mo tal devia separal-o
EXTERIOR.
HESPANHA.
As (binas de Madrid de 17 19 de Abril que
nos trouxe o correio de boje offereccm mui
pouco interesse.
As discusses das Cmaras versavam sobre
assumptos de secundaria importancia ; eram
alm disso faltas de aniroago. Nota-se no
parlamento hespanhol urna certa fadigae ti-
bieza que tira aos seus debates todo o at-
tractivo e apenas alguma questo pessoal o
faz sabir do estado de apathia em que parece
acbar-se.
Na sesso do Congressodo dia 18 poroc-
casino de urna interpellago feita ao ministe-
rio pelo deputado Uzal, acerca da priso de
um homam aecusado de pertencer Sociedade
denominada da propagado da f tinha ha-
vido expresses e ataques pessoaes que in-
troduziram notavel perturbaco na Assem-
bla. Alguns jornaes censuram acremente
esta occorrencia.
Nao havia das provincias noticias alguma
de importancia.
O Correio Nacional transcreve do Jornal
dos Debates os seguintes artigos sobre o casa-
mento de S. M. a Rainha Isabel:
Nao sabemos que grau de certeza pode
ter a seguinte noticia que o Morning Post as-
segura ter recebido de um correspondente
digno de toda confianza e que se l tambem
na Gazeta de Augsburgo :
Podemos assegurar que o casamento da
joven Rainha de Hespanha, D. Isabel 2.,
questo que ameagava de produzir urna seria
desintelligencia entre os gabinetes de Franca
e de Inglaterra est a ponto de arranjar-se
definitivamente. Os dous Governos esto de
aecrdo sobre este objecto a fim de evitar
urna colliso entre as grandes potencias da
Europa e decidiram ele>er um marido para
S. M. entre os Principes que nao tem espe-
cie alguma de connexo com estas duas na-
ges para que nem a Inglaterra nem a Fran-
ca liquem na posico de exercer influencia
Ilegitima as questes politieas da Hespa-
nha. Por estes ponderosos motivos a Ingla-
terra abandonou o seu projecto de enlacar a
Rainha com um Principe da Casa de Cobour-
go a Franca cedeu das suas pertenges em
favor de um Principe da dynastia de Orleans,
e a Austria renunciou a esperanca que Uvera
de a casar com um Archiduque de Austria.
Sabemos por canal mui fidedigno que a e-
leigo combinada da Inglaterra e da Franga
recau definitivamente em um Principe da
Casa de Baviera e que Mr. Pageot, que ha
pouco viera d Londres, fra enviado em
misso extraordinaria a Vienna para obtar
a adbeso da Austria a este projecto de casa-
mento e sua mediago para qua as Cortes de
Berlim e S. Petersburgo lhe deem o seu cen-
sentimento e approvago.
k Nao de suppr que as grandes poten-
cias do norte opponbam obstculo algum serio
a esta allianga em attengo a que ella deve
ter por consequencia provavel o restabeleci-
mento da ordem o da tranquillidade nesta
Hespanha, agitada lia tanto porconvulses
intestinas
A Gazeta de Augsburgo publica a se-
guinte correspondencia :
As grandes Potencias oceupam-se prin-
cipalmente neste momento com o casamento
da joven Bainha de Hespanha. Desde que o
ministerio Tory assuraiu o poder Sir Robert
Peel nao tem cessadode apresentar esta ques-
to como urna daquellas de cuja solugo im-
mediaU dependem o repouso interior, e a
ordem na Pennsula. A Grara-Brelanha,
a Franga e a Austria tem feito para este (un
convengoes matrrmoniaes que por urna ou
outra razo nao tem oblido o assuntimento
das crandes Potencias. Em lim o gabinete
das "Tullierias est de aecrdo com o de S.
James para que um Principe de urna das
Casas catholicas da Alemanha meridional seja
o esposo da Rainha Isabel.
Um correio de Londres trouxe a noticia
de que Inglaterra approva este projecto de
casamento c de que ella se empenUar se-
riamente em que a corte interessada e as do
norte o approvcm. Como o Gabinete de
Vienna declarou j que s propozera um Ar-
chiduque de Austria como meio termo entre
as proposiges oppostas da Franga e da In-
glaterra nao ha a menor dtivida de que a
Austria a Prussia e a Russi approvaro
com prazer esta eleigo cm razo dos lagos
estreitos de parentesco que unem as mesmas
Potencias a essas Casas.
COM MU NIC A DO.
O povo anda nao est de todo desassom-
brado dos receios de rusga : as acertadas pro-
videncias e precauges tomadas na noite de
10 deste mez pozerao em sustos a populago
desta capital. Nos ignoramos os fundamen-
tos desses receios nao sabemos qual a natu-
reza da sedigo ; pois cada um em falta de
provas d cabida em seu animo a ludo que
lhesugere a imaginago agitada. Todava a
observarmos os passos que deo o Governo ,
as medidas, e precauges que tomou nao
nos podemos forrar suspeilas deque justos
motivos teve elle para assim proceder.
Mas apezar de que nao falto por ah ho-
mens ambiciosos e descontentes que ol-
gario de promover a desordem nada teme-
mos pela paz e tranquilidade da Provincia ,
gragas ao bom senso dos Pernambucanos ,
gragas energa do nosso prezado patricio o
Exm. Baro da Boavista que sobejas provas
h dado da^sua habilidade governativa do
seu amor s nossas instituiges, e dos seus
fervorosos desejos do incremento, e prospe-
ridade do Brazil, especialmente desta nossa
Provincia. ?
Em verdade custa a crer, que anda baja
em Pernambuco quem se lembre de revolu-
ges : e para que ? Para dcscerem do poder
estes, e sobirem aquelles ? Que fructos te-
mos colhido das revolugoes, e sediges por
que temos passado ? Ah innumeraveis fa-
milias ainda hoje seresenlcm dos terriveis
effeitos das passadas desordens; ainda hoje
muitas jazem na mendicidade e na miseria,
funesto legado que Ibes deixou a impruden-
cia de seus pas Por va de regra as sedi-
ges e revollas nao produzem se nao des-
gragas, e males de toda a estofa. Basta a
dcsconfianga de rusga para entorpecer as
transaeges commerciaes, e para conseguin-
temente augmentar a caresta dos gneros,
&c &c. He to medonho, e I orrivel o as-
pecto.da guerra civil to escarmentados an-
damos desse flagello infernal, que basta o
presentimento ou receio da sua apparigo
para levar o susto a inquielago varias en-
fermidades e por ventura a propria niorte
ao seio das familias. Qual a mi qual a es-
poza que nao temem pela vida do caro fi-
Iho ,. do prezado espozo, apenas ouvem ainda
que sejo meras atoardas de revoluga" pr-
xima ?
Que de proveito tiramos dos nossos deva-
neios revolucionarios ? A indutria e a ri-
queza fogio dos nossos lares o povo de dia
em dia se barbarizava e adquira hbitos a-
trozes e j o patbulo j o degredo, j a
emigrago io-nos cortando em flor a nossa
brioza e heroica Mocidade Pelo contrario
logo que por urna parte a experiencia e por
outra um maior grao de illustrago nos desen-
ganro a respeito das rusgas logo que en-
celarnos o caminho carreteiroda paz ,eda lei,
ludo entrou a prosperar entr nos a olhos
vistos: o incremento de Pernambuco tem ad-
mirado at ao estrangeiro. E a que devemos
esta felicidade se nao paz de que gozamos
h uns poucos de annos ? E seremos to lou-
cos que voltemos atraz que desandemos a
estrada da prosperidade para nos arremessar-
mos na voragem das revolugoes ? Ser cri-
vel, que tornemos aos luctuosos das de nos-
sas maiores desgragas por satisfazermos ca-
prichos -e conlentarmos ambiciosos ?
Felizmente Pernambuco le boje nao he o
Pernambuco de 22 23, e 2i. J l se vai
o lempo em que as declamaces de um pe-
ridico furibundo s palavras mgicas de li-
berdade de despotismo eminente &c. &c. ,
corria-se ao campo do antigo Erario depu-
nbo-se Prezidentes Commandantes das Ar-
mas appresentavo-se listas de proscriptos ,
e tudo se fazia a fortiori e a bel prazer
Jos desordeiros. Hoje o nosso povo j se nao
deixa engolozinar desses confeitos.
Sim Pernambucanos o nosso bom senso v
o nosso amor industria que s pode me-
drar no remanso da paz tem-nos cotiduzido
rpidamente pela estrada da civilisago a um
incremento verdaderamente espantoso ; re-
leva por tanto que nos nao desviemos de
to bom caminho. Guardemos oosso brio, o
nosso valor para suslentarmos a Integridad
do Imperio a Conslituigo e o Imperador.
Sabet que urna pequea forga de soldados
lnglezes saltou em um dos portos do Para e
assenhoreou-se desse terreno. Para isso he,
que devemos atlentar mui seriamente. Para
isso he que devemos olhar com toda a in-
dignago do verdadeiro patriotismo. Para
desafroritarmos tamanho insulto para obs-
tamos a to inesperada usurpago he, que
nos devemos aparelbar, e langarmos mo das
armas se assim for preciso. 0 que fizemos
aos Balavos anda podemos fazeraos Bretons,
se nos pozerem na dura necessidade de nos
defendermos de sua injusta aggresso. Caros
Patricios nada do rusgas : conservemo-nos
unidos obedegamos lei; que lodos seremos
felizes. Cerrai os ouvidos s sugestes de
homens despeitosos ou aventureiros que
s anhelo a perlurbago publica que con-
cidera como urna especulagao poltica. Nao
acreditis que se tente contra as liberdades
patrias, antes estas sero consolidadas mais
e mais proporgo que houver mais ordem,
maior observancia e respeito da lei. 0
Exm. Baro da Boavista he nosso patricio ;
filhodo Systema Representativo elle o amav
elle o acata e ja mais ousaria tentar contra
a vida de seu pai. O Governo actual do Bra-
sil be enrgico sim ( qual convem sejo to-
dos os Governos) mas est dominado dos
melhores desejos de felicitar a sua Patria,
desempenhando a importante commisso de
que o encarregra o Nosso Anjo Tutelar o
Defensor Perpetuo do Brasil. Nao nosdes-
lizemos pois da senda da obediencia da jaz
e da ordem ; que s assim seremos felizes.-
CORRESPONDENCIA,
Snrs. Redactores.
Costume antigo he da nossa Ierra procuiar
o descrdito de um emnregado, quando so
pretende o lugar por elle ocupado ; eis por
que se tem abocanhado tanto os em pregados
da Cmara Municipal, cujos lugares alguem
ousou prometter e tal vez que j se livessem
encomendado cazacas para serem pagas com o
ordenado que se pretenda adquerir.
No seu diario de 51 do passado appaieceu
um senhor que se diz morador do largo do
Carmo o qual denuncia o snr. Fiscal do bair-
ro de Santo Antonio por consentir depozi-
tarem- se carrogas no dito patio, isto em con-
travengo a una postura da Cmara Munici-
pal que o prohibe e com o seu testemunbo
quer talvez que o snr. Fiscal seja inmediata-
mente demiltido mesmo sem ser ouvido, e
por consequencia que se d o lugar ao seu p-
rente Que excellente Cidado Que forga
de testemunha Morando cu em urna das
ras alem do Carmo tenho de costume pas-
sar todos os dias de duas a quatro vezes pelo
patio da mesma Igreja e com quanto tenba
visto algumas vezes urna carroga parada n'elle
isto nunca he eflectivo e sim urna ou outra
vez, e sempre em horas desencontradas ; e
se he certo que naquelle lugar mora o pro-
pietario d'.eila claro he que nao deve a car-
roga parar no patio de S. Joze, para d'ab ser
recolbida caza de seu dono : por conseguin-
te nao ha depozilo como inculca o snr. cor-
respondente. Demais consta-me que o snr.
Fiscal j multara o propietario daquella car-
roga e muito antes que o correspondento
se lembrasse de recorrer ao prelo e se ell
quer que o seja mais vezes avize-ologo qua
a carroga se demorar. pois nao ha lei ou pos-
tura que obrigue o Fiscal estar de viga em
um lugar, quando tem um to grande bairro
paiacorreger. Sou, snrs. Redactores, seu
Venerador e creado.
O Justiceiro.
A PEDIDO.
PAIU' ,,
Carta de convite que os Coromijsionados o Com-
menda.kr Marcos //ntonio //.icio, os Propie.ario
Jo i Morencio Heniiuues da Silva Porabo n
el J >ze de Mello Frene B.rat. diiigiro aos u
p,e dos Civis e Militares, Eleitores do Glle^o ae.
[, Cidade e mais habitantes da mesma ; lenas sw
pessoalmente con vid-dos por urna Commisso
xms. S.irs. Predcnle e e^ommanda..te das W
Os habitantes ila Cidade do Para dtzejmdo iwr
hum lestemunho publico da consideracao e esU^
que v (Ao ao meri o e srveos do Exm. &nr.
lor /Venanlo de Souza /''raneo, deliberan dai ui
baile em seo obsequio e para se toroar esl w
MELHOR EXEMPLAR ENCC


n
+mm*
.3.
a
i
mis prilhante eonvido a V. S. e a sua Iltuslre Fa
niflia para a elle comparecer no H '7 dn correntr
un *s casas n. 6 ra ,d)S Mercadores pelas 8 horas
. MCi'te.
lllra. Snr......
11 i
61 habitante* dasta Cidade animados dos naris pu
ros sentme oos de gratido e recooliecimcnto pelos
gerioos presta lo? a Protincia pelo Exm. Snr. Dou-
tor bernardo de Souza Franco na Presidencia d
mesma que deixosi >>o dia 5o do mei passado pira
enlrecar ao E*m. Sur. Rodrigo de Sonza da Sil a
/'untes, queiendo dar hiun tesicoiunlin no equivo-
ca do qiiantu saliem >precim u marcha saina e Cons-
titucional que seguio S. Cxc. era i{ mezes de sua nd-
iiii8lr*co, e no pe den.lo no curto espaco de tem
m que lns leslava ale a paitida de S. Exc. para a
Corte do Imperio onde vai tomar assen'o na AVwii-
hlea Geral Legislalira dar mais decididas prova-> do
quaulo Ihe siio votados, p.-na o que todava aguanlo
Otilias mais opporluuas occazioes rezolveio dar
l,um baile que leve lugar lioutem 7 do c rrenle e do
(iual faiemos huma -uccinti deser.pco.
Sen que sajamos exagerados podcmrs assevear
que fui o mais explendido e suinptuozo que se tem
visto na Provincia e couiecan.:o pela excedente caza
me foi scolbida, que he a do Sr. Joaquim Antonio
Ja Silva na ra da 6'adeia sem duvi a a mais prc pria
acomm.-dada para este iim e que eslava decora-
j con os mais reos movis oilerecendo vista as
eipacyzas Sallas que se achavo esclarecidas por hu-
ma iininens Jaile de luzes o in-br aceio e elegan-
cia. As 8 heras da noite ebegru o Exm Sr. Ujtitor
Br.tnardo de .S'nua Franco cuja entrada fot anrun-
ciada p< r muitas e repetidas girndolas
r, e loi recelado com huma excellenle sinfona exa-
cutada por lium granda numero de Mi./i w q<>
compunlio a oiquesta. Ion o depois enlrario o
Exm. Sr. actual Presidente e oSr. rigadeiro Coin-
mandante das Armas, que ioro reoebidos Ja nei-
ma forma. 0) concurso das p i cipaes 1 essoas da
lilaila Iwi to extraoidinario que as sallas quazi U-
caro inti ausitaveis das quaes servir.) do mais
bello ornamento eento e vinte duas Senhoras tica-
mente vestidas. Divizavo-se em todos os semblan-
tes os mais expressivos signaes de prazer nasc s
nao s da conl'ormidade dos sentiuientos que ani-
mavo os corares de todas as po.-soas que ali se <
cliavo como tambem da prezenra da pessoa que
fazia obje<:to de tanto 1 igozijo.
A 9horas comecou o baile por huma contradiiica
lugleza marcada pelo Exm- Sr. Uoulur Franco, de-
ujs da qual foi servido luna cxplendido cb e dili-
c.dos doces. Wesle inlervallo cantaro aSra. do Sr.
Alendonca a a lilha do Sr, Alachado djas arias
Italianas do melhor gosto ; e depois coneio de
novo doces e refrescos. Seguio-se lian a quaurilha
Fianceza lida a qual caulou o Sr. Mendonca e
a (Iba do Sr, l'ae. Uancaro-se nimias oulr.s-
quadi ildas Francezas em cujos intcrvallos cantaro
mais Igunaas euhora<, e Irez meninas em (oro.
As.-im durou o baile al as 4 horas da madrugada ,
pieheiicliendo-.'.e todos os intervalos com doces e
refrescos excellenlcs pecas de mtizica. Desde que
eomacou at acabar-se o baile subirlo ao r infinito
numeio de giran :olas.
y*D*sla iorma o* Parencts dero lium testemunho
do quanto prezao ao l \in Sur. D.utor Fiat-co e
do p'.uco luiiiiainanlo com que raivozos c imp lentes
z >luS mulos das viitude* cvicas que orno tu exi
mi Cidado prateauUiM manchar huma reputarn
assaz l*in fundada.
Hoja parle o Vapor que tem de levar a seu bor-
do o rxiii. Sr. Doulor Franco que vai lomar asen-
ta na Asstmbla Geral Legislat va de que he d gnu
alambro ; se a Provincia por hnm lado gema sob o
fizo das saudades que iba cauza a auzencia de S.
xe. p. r ouiro Ihe serve de lenit.vo o possnir em
sea seio uin sabio al.lministrador cujas qnalidades ,
e ta un os ja da tranquilidad*, e a lemliranca dos serviros que a-
iiualle eomo Ueputado vai prestar ao Impenoea
1 rovmoia qua se ulana de Ihe ter dado o beico.
i lamentas Ihe sejo j.opicioa.
AO EXM. 8NR. DOUT0R BERNARDO DE SOUZA
FRANCO.
Despedida.
Prasti amiga silencio a voz augusta ,
Queam teas ouvidos calla ,
i tz da gratido a voz d'um Povo
'Qua qua* Ibes caro por mostrar-te ancua ,
O' da Patria espera nca
farense os .aiens.s 'ta sadam
Com reapeito e saudade ;
O sculo fraternal da despedida
Acoeita que sinceros te oll'erecem
Moa n3 mentidos labios :
/ rosperos veot. s teo haixel condusara
A's praias do Janeiro ;
E 'a faze eJoqutnte brado ergueudj ,
Couhecer respeilar sagrados loros
Us /'ovo que iscolbeo-te.
( Treze de Malo. )
VAR1EDADE,
A8 DESPEDIDAS PELO DIARIO.
Que um, ou outro sujeito por muito oceupa-
fazer urna viagem extempornea e precipi-
tada nao teiiha vagar para despedir-se pes-
soalmente de seus amigos edepessoas, a
qnem deve favores e attengCes e por isso
recorra ao prelo para nao faltar a esse dever
de civilidade no h para que se extranhc j
reprove : mas que desculpa se pode dar a
muitos, que sem nenhumas destas razes ,
Ja se nao despedem se nao pela imprensa ?
Parece, que he moda o despedir-se a gente
pelo Diario : e que boa descoberta para se
forrar ao mais pequenu incommodo !
Bom fora que a taes com modistas se pa-
gasse na mesma moeda, isto he ; que em
voltando das viagens, os seus amigos &c.
tambem os vizitassem pelo Diario, dizendoj
NTRADO
pouco mais 011 menos F., nao po Ion lo
por muito occtipado ir pessoal fazer os seus
cumprimentos ao snr. S., vale-se do nielo
para o felicitar da sua boa viuda desejando-
Ihe saude mil venturas No Rio de in-
neiro ja houve um sujeito, que papava todas
as vizitas sem arredar p de sua caza.Man-
dava sabir a seje bem fechada., e o pagenj
com um masso de bilheles com o seu nome
i-os entregando de porta em porta pnde
parava a sege : lodos suppunhSo que o do-
no ali ia incerrado ; maso magano tinha li-
cado em caza muito a seu gosto. Valha
nos Dos com tanto espertalho e com-
modista !
E D I T A E S.
0 Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama,
Commendador da Ordem de Christo Ple-
gador e Conego honorario da Imperial
Capella Director interino d'Academia Ju-
rdica de Olinda por S. M. o I. Que
Dos Guarde tic. &C.
Fago saber a quem convier que acuanti-
se vaga a Cadeira de l.alini do Colegio das Ar-
tes d'Academia Jurdica de Olinda, em ob-
servancia do Art. 2. Cap. 2. dos Estatutos
pon lio a concurso a dita Cadeira com o prazo
de quatro mezes da data deste dentro do
qual dever habilitar-se os que quizerem
concorrer. Recife 1. de Junho de 1842.
Miguel do Sacramento Lopes Gama ,
Director interino.
= Pela administrago meza do consulado
se faz saber que no dia i de Junho se nao de
arrematar porta da mesma administrago
duas caixas de assucar branco aprehendidas
pelos respectivos empregatios dos trapixes do
Angello e Pelloirinho por inexactido das
taras ; sendo a arremataco livre de dispe/.as
ao arrematante. Meza do Consulado de Per-
nambuco 50 de Maio de 1842.
Miguel ArcanjoMonteiro d'Andrade.
Gontinuaco da lista dos Juiados-
Mariano Joze de Coito.
Maximiaco //rancisro Uuarte.
Nuno Mara deSeixas.
)ik fre Joze da Costa Jnior,
Pedro Marciano.
, Alexandrino de Barrot Cavalcanle.
l)r., Domelles Pessoa.
Ji ze Cardoio,
, tironeo Ferreira.
Polycarpo N'nner Correia.
Patricio J07C Horges de Freitas.
Porfirio da Cunha Moreira.
Prxedes da Fonceca Goitinho.
Rodolfo J. j Z/aiala d'.-/lnie.ila.
Iiili o Joze 6'nrrt'ia de ,
, Gomes ra Foncrca.
Silvestie Gor.ralves dos Santos Jnior
, Joaquim dn Nascimento.
Sebasij Jo?e da Silva B a;a.
, dos Occulos A reo-verde Pcrmmbuco
Severino lUnriqnes de 6'a.stro Pimentel.
Simplicio Joze de Mallo.
Dr. Antonio Mavignier.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Tito Ficck Romano.
Thomaz de Aquini Fon.eca.
, Pereira Pinto.
, Jote da Silva Gusmo.
, Jnior.
, de Carvalho de Souzi Brando.
ThomCirreia ile Araujo.
Vicente Ferreira Gomes.
, Joze de /frito.
, Thomaz Pires de Figeredo Camargo.
, Antonio dn Esperilo Santo.
Victorino Jo/e de Sonza Travaco.
N. B To 'os aquelles que se julgarem com di-
reito fazer suas reclamaces por terem sido in-crip-
tos ou iirelerid s na prezente lista hajo de ap
prezenta-las ao Doulor Juiz de Uireito da 1. Vara do
Grime desta Giiiade para seretn attennjdos como
for de justica. Delegatura do 1. /^estrilo do Teimn
da Gidade do BecUe 20 de Maio 184?.
/Vancisco Carlos Rrando.
DECLARACAES.
O Vapor Raianna sae para a Baha e Rio
de Janeiro sabbado 4 do correrle as 10 ho-
ras da nianlia. /
= O Arcenal de Marinha4em preciso de
comprar os seguintes objecfcs : travs de 28
palmos de coraprimenlo s #polegadas de gros-
ura cem ; ditas de ^B palmos de compri-
menlo e de 8 polegada de grossura vinte;
ditas de -44 ditos de dito e de 8 ditas de dita ,
dezoilo ; ditas de 30 ditos de dito e de 8 ditas
de dita, trinta e cinco ; ditas de 40 ditos de
dito e de 6 ditas por 9 ditas vinte; ditas de
30 ditos de dito e de 0 ditas de grossura, vin-
te ; ditas de 55 ditos de dito e de 8 a 9 ditas
de dita, sete: as pessoas que os tiver, po-
dem comparecer nesta Inspeoc-o tratar do
ajuste com o lilm. snr. Inspector. Secreta-
ria da lns|ieci;;n> do Arsenal de Marinha de
Pernambuco 28 de Maio de 1842. -- Alexan-
dre Rodrigues dos Anjos secretario.
= 0 Arsenal de Guerra compra ponjo de
covados de pao azul que seja proprio para
factura de capotes para a Tropa : quem o li-
vor apresente-se com amostra na sala da Di-
rectora do dito ^Arsenal nos dias 1. e 2. do
corrente.
THEATRO.
O Beneficio d'Antonio da Cunha Mondonga
quedevia ter lugar na Quinta fera licou
transferido para Sexta l'eira 3 do corrente. O
resto dos bilhetes acha-se a venda na mao do
Snr. Zcbedeo Cezar, camaroteiro do Theatro.
0 artista Joze dos Reis tem destinado
pa.aquarta feira 18 do corrente um nove
e escolhido espectculo e entre as dillerentes
novidades que tero lugar em esta noite se
cantar ( muito tenipo pedido ) um novo e
gracioso duelo em Pcrtuguez por o tnesino
artista e Madame Emilia Amanti 5 leudo pe-
zar a mencionada Amanti o nao se poder bem
expressar nesse idioma ; por isso roga aos be-
nignos Espectadores que Ihe desculpctn qual
<|uer impropriedade de termo tendo com ella
mais esta attenco liberalizando-Ihe mais
este favor.
Tambem lera logar em esta funcoo a
grande o nova Pantomima que tem por
titulo lima corrida de Toiros em Des-
palilla.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimcnto do dia 31 de Maio 9:808^300
Rendimentodo dia 1. de Junho 1:825^917
DESCARREGAO I10JF. 2 DE JIMIO.
Rarca Francesa = Zilia = Fasendas.
Brigue Porluguez = Feliz Deslino = Vinho ,
e vinagre.
Brigue Inglez= Mary Queen Of Scots = Fa-
sendas louca sabo e ferragens.
Barca Austraca = Robert = Carvao, ferro,
e louca.
Barca Austraca = Dario = Farinha de tri-
go.
Brigue Inglez = Terra Nova = Bacalho.
Galera Brasileira s= Brasil = Bacalho.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Cear o Hiate S. Antonio Flor
do Brasil promptoa seguir viagem ; quem
no icesmo quiser carregar ou ir de passagem
dirija-senobecoda Lingoeta n. 126, ou ao
mestre Henriquer Joze Vieira da Silva.
ET Para o Maranhao sahe impreterivel-
mente no dia 5 de Junho o Brigue Escuna
Nacional Amalia, Capilo Estanislao Joze
Rodrigues tem nicamente praca para cem
barricas de assucar, recebe passageiros, e
escravos a frete : os pretenden tes dirijao-se a
Machado & Santos na ra do Amorim ou
ao Capitao a bordo.
ssr Para Lisboa te 15 do corrente o Brigue
Porluguez Tarujo 4. pur ler a maior parte
de seu carregamento a bordo 5 ainda pod
receber alguma carga assim como passagei-
ros para o que tem muito bons commodos :
quem se quiser utilisar, dirija se aos Consig-
natarios Mendes & Oliveira ra do Vigario
D. 15, ou ao Capitao do referido Brigue,
Manoel de Oliveira Franco.
L E I L E S
= A Senhora Viuva do fallecido Dr. Clas-
sen far leilo por intervengo do corretor
Oliveira da excelente mobilia que guarnece
o sitio da sua residencia no Minguinho pa-
pa-terra sexta feira 3 de Junho s 10 horas
da manhi ; e adverte-se, que a grande va-
riedade dos objectos e o prego qualquer
que seja porque sero vendidos, muito deve
convidar a concorrencia dos snrs. arrema-
tantes.
tar Lenoir Puget & Companha eflectu-
ario hoje 2 do corrente, o Leilao annunciado
para hontem o qual nao pode ler lugar por
cauza da chuva.
AVISOS DI VEBSOS.
tsr Joo Antonio de Moraes, retira-se
para fora do Imperio a tratar de sua saude.
tsy Joze Tavares Ja Gama, Brasileiro, re-
tira-se para o Ro de Janeiro a tratar de seus
negocios.
Piorre LcNeveu; retra-se para fora da
Provincia.
tsj- Alexandre Joze Pessoa ; retira-se pa-
ra o Aracaly.
Cr- Nemczio Pereira de Lira; relira-se pa-
ra o Aracaty.
Joao Pereira de Carvalho c Cneha r
subdito portuguez retira-se desta provineia
para o porto de Loanda.
tsf* Antonio Manoel da Roza ; retira-se
para o Aracaty.
sss^ Preciza-sc de um homem para feitw
do Engenho^l'ererecas que bem saiba dc-
zempenhar o lugar e que alem desta quali-
dade saiba ler, e sendo cazado milhor ser, e
pretendere darum ordenado superior aos que
s coslumo a dar por tal emprego, u.T.a vez
que preencha quanto se Ihe determine, quem
peilender se entender com o rendeiro do
mesmo Joao Francisco Santos de Siqueira ,
na ra da Aurora nico sobrado de um andar
que existe naquella ra.
ssy Quem annunciou querer um cont da
reis hypothecando urna caza em Olinda; di-
rija-se a ra lonieo & llamos para tlizer onde he a caza ,
a ver se faz con la da-lo.
tir A sociedade das artes mecnicas desta
Cidade tem a honra de participar ao respei-
tavul publico que tem de abrir no dia 5 do
corrente mez no consistorio da Igreja de S.
Joze as 10 horas da manh |o curso de me-
cnica paraos artistas mestres de ollicinas ,
o manufacturas: professado por Joaquim Joza
de Carvalho, Racharel em letras.
HT Manoel Pereira Mus Tavares, faz
siente ao respeitavel publico, que ninguem
contrate de inaneira alguma comseoirmo
Fre Caetano de Santa Engracia Munis a cr-
ea de seo sobrado d< dois andares na ra do
Padre Floriano D. 2 por isso que tendo o
aniiunciante chamado dito seo irmo a Juizo
para pagar-Ihe as rendas do Engenlio Mundo-
novo que elle indevidamente e de m f tem
recebidoa mais de dezannos e com as quaes
levanten dito sobrado,eno tendo outros bens
com (pie endenizar possa ao annunciante, ca-
zo triunfe como espera sob pena de ser con-
ciderado de m f qualquer que com o dilo
seo irmao contratar e dever fazer-se a exe-
CUQfio em dito sobrado, em puder de qualquer
leiceira pessoa como a lei permite : adver-
te-se tambem que se tem feito embargo pelo
cartorio do escrivao Magalhes em qualquer
escriptura de hypotheca ou venda que a-
crca do mesmo sobrado pertenda fazer dito
Fre Caetano e para que ninguem se adame
a ignorancia se faz o prezente annuncio.
Cf Preciza-se de um homem para criado
de libr que saiba ler e que alem de bem
dezempenliar n seu lugar como criado, tem de
ser caixeiro da caza de purgar doEngenho Pe-
rerecas na Commarca do Rio Formozo e
de outros trabalhos de agricultura, para o que
ten ha presumo ; quemo pertenderse enten-
der o rendeiro do mesmo Joao Francisco San-
tos de Siqueira na ra da Aurora nico so-
brado que existe nadita de um andar.
= Visto que o outro socio da Nova Pastoril,
(que pelo seu aransel parece ser o mesmo)
vio aresposta que Ihe deo o sensor da mesma,
e nao licou Snptisfeito ; lem o mesmo a res-
ponder a seu segundo annuncio encerido
pelo Diario do I. de Julho pela mesaia for-
ma que pergunta ; qnal o motivo por quo
o sr. socio e seus collcgas da minora, se nao
reunirao quando o mesmo sensor pedio a nu-
nio da sociedade ao director por duas vezas ,
achando-se elle sernpre na caza do mesmo di-
rector, muitas vezes com outros socios pa-
ra o mencionado im de aprezentar oexame
das contas. E finalmente qual o motive por
que o snr. socio e lodos que se acharar aa
sesso de 12 de Abril p. p. nao ficarao com
as mencionadas contas que o Sensor apresen-
lava juntamente o exame que tinha feito o
qual o patentcou bocalmente. Curtamente ,
o que dahi se segu he, que dessa data m
vante era para servir de pao de amostra ,
como diz o 1. Socio na sua primeira pergunta,
e estar a esperar como criado na segunda. A-
gora tambem por ultimo lembro ao snr. so-
cio que quando recebi as contas, foi da indo
de um socio e esta entrega me foi feita f
tendo j decorrido 8 dias dias depois daquelle
que a Sociedade reunida, assentou quena-
quelle momento dviao ser entregues ao Sen-
sor. Para destruir oque o snr. socio diz no
seu annuncio e fallar-lhe com toda a fran-
quesa a verdade relativo ao que me pergun-
ta e me quer lembrar he que me foi preciso
ser ta extenco ; alirmando que j mais Ihe
responderei a perguntas de semelhante lote ,
s sim responderei, se o snr. socio for capaz
le se assignar com o seu nome ; porque do
contrario nao sei com quem fallo ; e note ,
que quando assm o lizer, preciso que me
late de outro assumpto, e nSo negocios ten-
dentes a Sociedade, pois tenho mais em que
eu'dar, j)or ter deveres e obrigacoes a
ouniprir.
ey Precisa-pe alugar moleques e pretas pa-
ra venderem azeitfl de carrapato s tardes: na
r ua das Lurangeiras, lado do poeots P. 7.




MUTILADO

y-~


c,
IMLULAS VKGKTAKS E UN1\ EUSVES AMERICANAS.
"Estas pilulas ja bem coiiliccidas pelas gran-
des curas que tem feito nao requerem nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo to simples que nao fazem mal a
mais lenra crianga : eni lugar de debilitar ,
fortilico o systema purilico o sangue ,
augmento as secreges em peral: tomadas ,
seja para molestia oh roica 011 somente co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado de conslipago, depois de sua
operago, como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar e nao
causarem incommodo nenhuni. 0 nico de-
posito dellas cm casa de D. Knotli, agen-
te do author : na roa da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinba vai embruihada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
ERMITA CE.
tsr Nova fabrica de .loaquim do Reg Bar-
ros Pessoa em Apipucos, para refinado de
assucar ao modo da Europa de varias qua-
Jidades licores linos conservas alimenti-
cias vellas, charutos &e. o deposito he na
ruada Cadeia de S. Antonio armazcm do Sr.
Cardozo D. 4.
Aluga-se a casa e parte do sitio per-
tencenteao Exm. Senador Manoel de Carva-
Iho Paes de Andrade ; na estrada que vai pa-
ra a Soledade : os pretenden tes dirijo-se ao
Corre tor 01 i ve ira.
OT Da casa n. 8 da parte do nascente na
ra do Collegio cabio a ra de urna janella ,
sabbadoa tardinha um caitat ou poico
do matto pequeo anda com urna corroa de
duas fivellas ao pescoco e um pedaco de cor-
rente de ferro ; quem o achou leve-o a casa
a cima que se lhc dar de achado o valor do
bicho.
= As rodas da 1. parte da 10. lotera do
theatro leudo sidoannunciadas para o da 14
de Junho correnle pelo presente se faz pu-
blico que ellas tero seo empreterivel anda-
mento no dia 7 do mesmo corrente mez.
= Desta provincia se retira Leonardo Gil,
natural de Santa Mara do Pranos em Caliza,
rezidente nesta provincia a 8 mezes, Tvendo
de criado no collegio de S. Antonio ; para a
provincia da Baha e para constar faz este
annuncio.
= Qualquer preta forra que qufter ir para
a Villa do Brejo da Madre de Dos, para crea-
da de homem solteiro ; dirija-se a praca da
Boavista ao entrar da ra do Arago 1.
sobrado segundo andar para so tratar do
ajuste.
V= No dia sexta feira 27 do corrente Maio,
indo da ra das Flores para a da cadeia do Re-
cife desapareceu um rapazinho Portuguez ,
por nome Joze dos Santos, idade 12 annos ,
vindo prximamente na Barca Tentadora ;
levando vestido calca de rscado escuro, ja-
queta de ganga sinzenta colete escuro c-
palos brancos de bizerro e chapeo de pello
de ceda ; o que se julga ter sido dosemeami-
nliado para o mato. Roga-se por tanto a qual
quersnr. que souberdeste pequeo, o favor
e candado do mandar encaminhar para a ca-
za de Joo dos Santos Nunes de Lima mo-
rador na ra das Flores, ou para a do snr.
Joze Pires de Moraes & C. na ra da cadeia
do ecife pelo que se ficar muito agra-
decido.
tsr O abaixo assignado residente fla C-
dade do Rio de Janeiro, manda inserir o pre-
sente annuncio n'esta Provincia de Pernam-
buco para declarar a quem interessar pos-
sa que nao tem dado procurago a pessoa
alguma sobre os bens deixados por seus falle-
cidos paes A e por isso toda e qualquer tran-
saco que sobre os mesmos alguem baja fei-
to he nulla e Ilegal e pelo o que protesta,
Rio de Janeiro 11 de Maio de 1842. =Joo
Guilherme Ferreira Pinto.
**- Marcelino de Carvalho Rapozo reli-
ra-se para o Rio Grande do Sul a tratar de
seus negocios.
XST Felis de Cantalicio retira-se para a
Cidade do Loauda.
t*y- O abaixo assignado faz sciente ao pu-
blic' que dar principio a reviso dos pesos,
e medidas das aferces do Municipio de 0-
linda do primeiro de Junho em diante, den-
tro da mesma Cidade e os que moro lora do
primeiro de Julho t o ultimo do mesmo mez,
na ra dos 4 cantos casa n. 20. =Bento Gon-
salves.
VST Precisa-se de 1:200f com hypotheca
em urna casa terrea ; quem quser "dar an-
nuncie.
W Quem precisar de urna pessoa capaz
para ensnar por casas particulares gramma-
tica latina, primeiras letras, e msica anr.un-
cie ou diiija-se ao pateo de S. Pedro casa ter-
rea Decima 4.
i4
ty Aluga-se urna casa terrea com 4 quar-
tos e sala adiante e atraz com quintal e
cacimba na ra do Cotovello, ospretenden-
tes dirjo-se a ra do Crespo loja de Manoel
loaquim Gomes.
tsr Quem annunciou no Diario n. 115 u?r
duas pretas para mandar ensinar a engommar
em urna casa de familia querendo trazer as
ditas pretas para se ensinar dirija-se a ra
do Amorim no terceiro andar da casa de Cae-
tano Joze Coelho; assim como tambem se
engomrna com perfeigao.
cr A commisso administrativa da Socie-
dade Apolnea manda convidar aos Srs. So-
cios a rcunirem-sc em sesso extraordinaria
no dia 5 do corrente pelas 0 horas e meia da
tarde para se tratar do dficit da mesma So-
ciedade.
tsr Joze Fernando Bastos com loja de cal-
cado defronte da Cadeia convida aos Srs. que
tiverem pinhores em sua mo os vo tirar no
praso de 30dias contados de hoje era diante,
e na falta sero vendidos.
yar Quem precisar de um rapaz portu-
guez de 17 annos para caixeiro de venda ou
outra qualquer oceupago dirija-se a ra do
Alecrim venda D. 1 por baixo do sobrado do
fallecido Monteiro.
s^~ Precisa-se de urna ama para amamen-
tar urna crianza e preferece-se urna de Olin-
da, ou de seus suburbios.|e que queira ir para
o Recife : a contratar na ra do Bom Sucesso
em Olinda no nico sobrado.
COMPRAS
tsr Um escravo moco que nao seja vicio-
so paga-se bem e urna porco de cabo de
linho : na ra de Agoas verdes D. 38.
VS2S" O primeiro tomo das memorias do Ca-
valeiro de Kilpar : na ra do Rangel D. 35 ,
ou annuncie.
sis*- Urna Geometra por Bezout, e urna
Grammatica portugueza por Padre Fortes ;
quem tiver annuncie.
tsr Qualquer animal recen temen te morto,
a saber passaros e quadrapedes, menos ani-
maos domsticos, bem como cavallos caes
&c. ou galinhas, pers e patos, pois estes
nao sequerem para cm palhar : na ra do
Coltego D. 8 e no atierro dos Affogados de-
fronte do viveirodo Muniz em casa do admi-
nistrador do Correio.
tsr Para fora da provincia mulatas creo-
las e negras de nago, com prendas ou sem
ellas de 14 a 20 annos, e negros da mes-
ma idade sendo de bonitas figuras ; no be-
co da Boia perto do forte do mattos pegado
ao sobrado do Sr. Bellem das 10 as 3 horas da
tarde.
ssr Urna escrava que saibacoser bem fa-
zer lavariuto cortar roupas paca homem, e
enanca:-, que entenda do arranjo de urna
casa de familia, nao sendo vendida por algum
motivo que a torne deffeituosa, nao se olha
a prego : na ruado muro da Penha sobrado
de dous andares D. 18 ou na ra Augusta so-
brado de 1 andar que tem a entrada do lado
do viveiro do Muniz.
VENDAS.
c=y Decreto n. 157 de 4 do corrente mez,
que altera as leis e instruces das Elleiges ,
prego 1(30 e reunida toda a legislado sobre
elleiges a 400 res ; na praca da Indepen-
dencia loja de livros n. 37 e 58.
tsr Urna venda muto boa, com 4 portas de
frente, e 1 para o beco na ra d'Agoas-ver-
des ; a tratar na mesma.
tsr Vende-se ou aluga-se urna canoa que
pega cm 1 milheiro de lijlos de al venara: no
estaleiro defronle do Convento do S. Fra cis-
co a fallar com o mestre do mesmo.
tw Urna boa venda no pateo do Terco
D. 9 com poucos fundos, e bons com mo-
dos para familia pois tem urna sala al az ,
alcova cozinha fora quintal com cacimba ,
e bom soto com 3 quarlos e duas jan ellas
para a ra : a tratar na mesma sendo a di-
nheiro ou com desobriga a Piaca.
nr No botequim da Estrela vende-se quo-
tidanamente cha caf chocolate e nas
Quintase Domingos, mo de vacca cabidel-
la galinha assada carne de porro borra-
cho podim pastis de nata e para petiscos
a noute peixes de diversas maneiras galinha
assada e ensopada borraxos hervas, ba-
gess papos de per, e bebidasvinho i!o Por-
to dito engarrafado de superior qualidade ,
dito da Madeira serveja e champanhe.
tsr Meios bilhetes da Lotera do Theatro:
na ra do Cabug loja de relojoeiro junto ao
Sr. Bandeira.
*- 0 tratado de economa poltica por J.
B. Say economa poltica por Droz e geo-
metra aplicada as artes por Dupin ludo em
muito bom tizo, o por pr-'co commodo ; em
Olinda na ruado Bom Sucesso no nico so-
brado.
ssr Cassas bordadas de agulba de muito
boa qualidade e2f5u0 a peca, chila azul de
ehadrez muito propria para camisas de prelos
ou outra qualquer obra a 120 o covado e em
pecas a 110 : na p.-acinlia do Livramenlo lo-
ja n. 29.
tsr Dous escravos mocos e robustos ha-
bis para todo o servico de campo : no pateo
da S. Cruz sobrado de 2 andares que (ica con-
fronte ao oito da Igroja.
tsr Urna escrava cabra com um lilho de
3 mezes tem bom leile e boas habilidades:
na ra do Collegio venda D. 8.
S2F" Urna morada de casa terrea no pateo
doCarmo: na ra do.Arago a fallar com
Antonio de Freilas Correia D. 25.
VST Urna venda na ra da Conceico da
Boa vista, com poucos fundos e com ranxo
para matulos no quintal: a fallar na ra do
Arago cora Antonio de Freilas Correia De-
cima 25.
tsr Urna negrinha crela de 15 a 16 an-
nos de bonita figura e mumbanda boa
costureira tem principios de engommar ,
vende-se para a trra ou para fora : no beco
do azeite de peixo ao entrar da parte da Ma-
dre de Dos na terceira casa a esquerda no
segundo andar.
tsy Urna venda na ra da senzala velha
defronte do beco do Campello : a tratar na
mesma.
^SSS" Um carrinho de duas rodas, sendo in-
glez e que admite querendo dous cavallos ,
o qual com quanto seja antigo de muito bo-
nito modelo, e de melhor construco: na ra
da Aurora no nico sobrado de um andar que
tem nesta ra a fallar com Joo Francisco
Santos de Siqueira.
tsr Bilhetes e meios ditos da lotera do
Theatro que corre no dia 7 do corrente : na
loja de chapeos do largo de palacio.
BT Um escravo com 20 annos, capaz de
todo o servico e muito bom para pag-em: na
ra do Livramenlo D. 10 primeiro andar.
tsr Um relogio sabonele de ouro lavrado .
orisontal marca pequea c muito bom re-
gulador por preco commodo ; quem o pre-
tender annuncie.
W Urna porcao de garrafas pretas a 6,y o
cento chocolate de Lisboa a 520 a libra ,
batatas novas chrgadas ltimamente a 80 rs.
a libra banha de porco a 400 dita man-
leiga superior a 48o dita mais inferior a
320, carne de toucinho de Santos, eorelheiras
muito novas e proprias para feijuadas tapio-
ca do Marnho da melhor qualidade possi-
vel a 140 a libra cha isson de primeira sorle
a 2i560 e lodos os mais gneros por barato
preco: na ra do Arago venda da quina De-
cima 22.
tsr Azeite doce a 4*800 a caada ,
a garrafa dito de carrapato a 5,200
de coco a 2*880 manteiga ingleza a
480 e 800 rs. presuntos a 320 lingoigas
a 560 paios novos espermacete a 700 a
libra, sag a 280 sevadinha a 160 fari-
doMaranhoa 120 e 14Q, cha perolaem cai-
xinhas de duas libras dito isson a 2*560 ,
papel almasso branco muito proprio para ar-
madores e para escrever caf do Rio a 5
a arrobae 160a libra, batatas inglezas no-
vas e todos os mais gneros de venda : na
ra Nova venda D. 55 ao p da ponte.
tsr Luvas de seda de todas as qualidades ,
sem dedos a 600, ditas pretas e de cores com
dedos a 640 ditas pretas para homem a 900
ditas de pelica a 640 ditas brancas de algo-
do a 300 transelim de burracha a 80 rs. ,
thesouras finas para costura a 200 pentes de
tartaruga para marrafa a 1*600 banhas
fiancezas muto finas a IgOeSOO rs. brin-
cos pretos a 280 carias portuguezas a 1 200
omasso, macass perola muito lino a 280 ,
hnha de marcar a 20 rs. facas e garfos mui-
to finos, agoa de colonia superior, bicos, col-
xetes caivetes e outras militas miudezas
por barato preco : na ra do Livramente loja
de miudezas D. 5*.
tsr Dous moloques Je lia 16 annos; una
preta de bonita figura de 20 a 22 annos .
perfeita engomrna leira cose e cozinha mui
bem ; urna dita ama (fe leite, com urna cria
de 5 mezes, a preta cozinha, e engomrna com
perfeico, e he recolhida, sem vicio algum;
dous pretos mogos de todo o servigo; una
preta perfeila costuiera, corta e faz urna
camisa e vestidos com toda perfego ; una
negrinha e urna mulatinha de 12 annos; urna
preta lavadeira de sabo e varrelia por 550* :
na ra do fogo ao pe do Rozar o D. 25.
tsf Urna venda nos affogadibs, com poneos
fundos, na ra de S. Miguel D, II a tratar
na mesma.
Lindas sedas para vestidos de Snras. ,
e6i0
, dito
320,
loques de sodas c de papel de todas as qua-
lidades superiores flautas de 1 e 4chaves
de bano aparelhada de prata ditas de i
o ochaves de granadinho lo bem aparelhadas
de prata ; ditas de una quatro c cinco
chaves de buxo ludo nas suas competen-
tes caixas suspensorios de seda de bor-
racha, superiores violcs, todo o encordoanien-
to completo para o mesmo muito.novo es.
pngardasde todas as qualidades para caga
sapatos para Snras. ditos de bizerro para homem
lindas sestinhas para costuras de Snras. e me-
ninas, ricos pentes de tartaruga de massa pa-
ra Snras. e meninas marroquim para forro
o verdadeiro porgante e vomitorio de le-roi'
cKegado ltimamente de Pariz os verdade
ros poses parisienses purgativos anti-siphj.
Uticos anti-darlrosos e anti-bilosos espo-
ras de mola, e tarracha com aro e sem elle pa-
ra saltos de botins, e outros muitos objectos
na ra Nova D. o loja que foi de Frederico
Chaves.
ssr Sacas de farinha de mandioca de supe-
rior qualidade por prego commodo : na rua
da Cruz n. 52.
xz?- lima cadoirinlia nova acabada de pin-
tar por prego commodo : na praga da Bu3
vista D. 16.
t*&- Um negro mogo possante, bom tra-
balhador de p para abrir viveiro e traballia
bem de enchada e de servente de pedreiro
em S. Amaro sitio do Rapozo.
tsr Duas pretas de bonitas figuras e com
algumas habilidades : na rua da Cruz n. 32.
tsr B'lhetes e meios ditos da lotera do
theatro que corre impreterivelmente no dia
7 do corrente : na rua da Cadeia do Recife
loja de fazendas n. 55 junto ao cambista V.
eir.
tsr" Um pelo bom official de alfaiate e
cozinha sufrivelmente o ordinario : na rua
do Livramento D. 5 em casa de Antonio Fer-
reira de Souza.
^- Cadeiras de halanro com assento dn palli-
nha eenc.slo da mesma manpiezaj de condu-
r mezas de jantar camas de venlo com arma-
cao cadei as com a-seulo de palhtn!ia americanas,
ramas de vento muito hciu leilas a r,#.oo t.scie
pinho a 3/jtfoo c jiiilio da Suecia com 3 porgadas
de grnssiirn, dito serrado ludo mais em i ou h do
3ue em outra parte ; na rua da Florentina em caza
e J. /Jeriifler.
ESCRAVOS FGIDOS.
ssr Fugio a lempos, a Joaquina Roza (pre-
ta Gege ) da Baha um escravo de nome An-
tonio nago Gege carpina de idade de 20
annos pouco mais ou menos orejhas viradas
para dentro, signaes miudos pelo roslo, e um
grande na testa alto e magro consta que
anda nesta Provincia ; quem o pegar leve-o a
caza de Antonio Francisco da Costa na pra-
cinha do Livramento que receber degra-
tificago 50* reis.
tsr Fugio no dia 24 de Maio um preto de
nome Jacinto de nago angola de 18 a 20
annos bstente alto e grosso sem barba ,
bastante bugal, com caigas de estopa e cami-
sa de chilla azul ; quem o pegar leve a venda
de Diogo Rodrigues em fora de portas que
ser recompensado.
ts^- Na noute do dia 3i *Ie Mio para o i.
de Junho desapareceo um negro anda bugal
de nome Joze alto e secco do corpo le-
vou vestido calcas de estopa de enfiar ca-
misa de chila jaqueta de brim triguero ve-
Iho supoe-se estar escondido por nao saber
as ras ; quem o pegar leve ao principio do
atierro dos afogados em casa de Silvestre Joa-
quim do Nascimento quesera recompensa-
do do seu Irabalho.
S27" Fugio no dia 31 do passado um negro
de nago mocambque, estatura regular, chcio
do corpo com calombos ao p das urelhas
signaes de sua ierra nariz bastante chato,
de 20 a 24 annos levou vestido camisa de
brim ceroulas de algodo da lena chapeo
de palha ; quem o pegar leve a rua da praia
arnidzem de Manoel de Souza Guimares,
que ser recompensado.
B9" Da-so 50* de gratficago a quem pe-
gar um negro de nome Joze, de nago Ca-
gange baixo, de idade de 40 annos levou
vestido camisa de bata azul, caigas de ganga
tambem azul, falla alguma couza atrapalha-
do ; fugio no dia 12 do correnle; quem o pe-
gar leve a rua da Cadeia do Recife D. 62.
tsr D-se 50ji de gratificago a quem pe-
gar um molalo acibocolado cambado das
pernas, estatura regular de 45 annos de
nome Apolinario entende bem do t:abalho
de sitio e desconlia-se que esteja trabalhan-
do em algum a titulo de forro ; quem o pe-
gar leve a rua da Cadeia do Recife D. 62.
RECIFE NATYP. DEM.F. DEF. =1842.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTF


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG0THBBCF_P89DSH INGEST_TIME 2013-04-13T02:33:54Z PACKAGE AA00011611_04666
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES