Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04660


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Q u arta Fe ira 25
Tudo agora depend* de a MMDM nOM pruiencil ,noderip5 e Cfie ,
.inuemo como ,,r....M:raos e ,eremo8 .^tado. c, adn.iraco "entre .. Nac*. n..i.
IM. _^__________________(FrocUmacao dnAsserabla Geral do iraiil.)
PARTIDAS DOS CORRElOS TERRESTRES.
Go.n. i"'"-; i,'-?;nde loiw. .,.,.,. S1(1S feiris
Bonito eGaranliuru. a ') e 24-
C,b0 Sennh.^.Wio.l'oTmoio, Porto Calvo M.jtf e Alapiaa o 1. ,11,
r.je Sanli.An.uu. quinta* fer.a. Olincla |0 ios os ,yits '
DAS DA SF.MANA.
>3 Se. Bilu *'"- Chnc. And. do J, de D ,ia T
Tere. Afr" ** Rel- Au<1- do J. de D,. a, ,), ~
25 Ooart. iJ-=-r ? P. Aud. do J. d. _. d, 3 T'
2f, Omni. *S!*L Co.rP D- J F elip,* Neri Fnndador
-)7 Sext. ,0'" M- *" d' J.de D. 4 v
>S $ab. Geruiuno B. Re. Aud. do J. ^ rj_ ,3'^ T
M) Do. M*'uirui B. s. Martirio jfl_
de Majo,
Auno XVIII. N. III.
O Diario publica-au lodos os dita c[iii- nao taren Santificados o p"'r" J* .asignatura ni
da tres mil rail por quartal pagoa ndantadoi. Os a.nunrjoa do.asairn.nta sao aaeifflM
gratis c os dos que o 11.10 l'oicni .1 rar.ao de SO reia por liaba. As icclamar.s deven ser
dirigidas a esta Tj pografia ra das Crines D. 3. 011 a Jim", da ladapcndeMU loja de lirrO'
Pl uaaaro 37 c 3S.
Cambio i.hre Londres 27 d. p. 11!
11 Paria 350raas, franco,
Lisboa Sita 90 p, 100 He pr.
Ouro- Moeda de 6,400 V, 18,100
., ii N. 15.000
. a dr 4,000 S.300
PnT Paiaoea
CAMBIOS NO DA 24DEMAI0.
l'tnT PeosColumn.rea 1,720
ii Meiicanoa 1 ,720
di 1,500 a 1.!>0
Mneda de sobra 3 por 100 de aconto.
Desconiode bilh. da Alfamiega 1 por llK)
ao mez,
dem di- let'as de boas limu le a 1 e {.
1,720
PllASRS DA LA M) MEZ UE A1A1U.
l*vr
P reamar do un 25 de Maio
1." a 5 horaa e 18 m. da manha.
2. a 5 horas a 42 m. da larde.
(uart, ming. a 2-- a 10 horas < 28 111 da manh.
La Nova a 10-- s 0 porai e l'.l m. da manh.
Quart. uiaae. a 17 -- ka 9 horas e 42 m La cheia a *2'l lis 7 horaa e 21 m. da m.iiili.
DIARIO IH
RNAMBUCO.
PARTE C/FFICIAL.
LF,N. 94.
O Baro da Roa V iSta Presidente da Provincia
de Pernambuc ^. Fa<^j saber a todos os
seus habitanl ^ que a Assembla Legisla
tiva Provinci a| Decretou e eu sanecionei
Lei seguir 1te.
TITULO 1.'
DESPEZA PROVINCIAL.
Artigo i% O Presidente da
Provinci t |ie autorisado para
despen1 jer no Exercicio do an-
no r janee i ro do priineiro de
.lull ,0 de mil e oito rentos e
qu;irenta e dous a trinta de
J'alhodemiloitocentosequa-
renta e trez ; a quantia de. 623:865*185
capitulo 1.
Assembla Provincial e Secretaria do 0>ver-
no.
Artigo 2." Com o subsidio
-e ajudadecusto dos membros
da Assembla Provincial. 20:102.400
Artigo 5." Com a Secreta-
ria da Assembla litando
em vigor as disposigoes do
artigo 3. da Lei N. 90 e
autonsada a Commisso de
Polica para contratar com
quem por menos flzer a pu-
blicacao dos trabalhos por Ta-
hygraphos tendo ella em at-
tenco os servidos prestados a
Assembla pelos concurren-
tes......... 6:050i000
Artigo 4." Com a Secreta-
ria do Governo subsistindo os
ordenados acuaes e destri-
'buidos os emolumentos com
ifliialdade pelo Secretario Of-
icial Maior, Oflieiaes, Escrip-
turarios, e Amanuenses. 12:132,)000
capitulo 2."
Arraadacao e fiscalisaco das Rendas Pro-
vinciaes.
Artigo 5. Com a Thesoura-
aria das Rendas Provincias ,
subsistindo as disposicoes do
artigo 5. da Lei numero 90
respeito dos ordenados e ex-
pediente. .... .5:3001*000
Artigo 6. Com a Mesa das
Rendas Internas, tendo o Es-
wlvio Administrador mais a
gratilicaQo de tresentos mil
reis, e o Thesoureiro a de du-
sentos para quebras; e com as
diversas Collectorias elevan-
do-sequinze porcentoa com-
misso da Collectoria de Olin-
Artigo 7. Com a gratificado
concedida ao Tbesoureiro da Me-
sa do Consulado para quebras.
Artigo 8. Com oSoIlicitador
la Fasenda......
Artigo 9. Com a Inspeccodo
acucar, ealgodao observn-
dole em toda a sua extenco
as disp-isices do artigo 8. da
Lei numero 73 e contempla-
do o ordenado do Fiel da Ba-
lanca do novo trapiche. 8.360*000
capitulo 3.
InstruccSo Publica.
Artigo 10. Com o Lyceo d'es-
ta cidade ,' tendo os Prtfesso-
res o honorario de UTO cont de
13:900*000
200*000
300*000
reis o professor de desenlio ,
e os Adjuntos o de oitocentos
mil reis divididos estes hono-
rarios conforme o artigo 1. ca-
pilulo2. da Lei numero 4o,
nao perdendo todava os pro-
fessores a respectiva gralifica-
go, quando estiverem doen-
tes ; continuando em vigor o
novo plano que poder ser
reformado pelo presidente da
Provincia, si julgar necessario.
Artigo 11. Como seminario
Episcopal, elevados os ordena-
dos dos. professores oilenta
mil reis e do substituto das
tres cadeiras quinhenlos mil
reis.........
Artigo 12. Com os professo-
res de Lalim, comprehendida
a gralificacao de dusentos mil
reis do professor do Rairro da
Boa-vista para aluguel de ca-
sas elevado seiscentos mil
o ordenado do professor de Goi-
anna, tendo o Professor do
bairro do Recife ordenado igual
ao do Professor do Liceo, abo-
lidas as Cadeiras do l'o do A-
Iho Bonito Roa-visla e as
que vagaren) na cabegasdas co-
marcas pouco populosas, sendo
devido o ordenado somonte
aquelles professores que tive-
rem mais de dez alumnos, que
frequentem as aulas. .
Artigo !3. Com os professo-
res de primeiras lettras aboli-
da a gratificacao que actual-
mente vencem por terem mais
de cincoenta alumnos; Picando
em vigor a disposiefio do artigo
12 da Lei numero 90 sobre os
alugueis de casas ; igualado o
ordenado do l rofessor da cida-
de de Goianna ao que vence o
da cidade de Ofinda ; contem-
plados n'esta qnota os ordena-
dos quepercebem o substitu-
to das cadeiras d'esta cidade ,
o professor e porteiro do En-
sino-muluo, e as despesas d'es-
ta aula ; comprehendido tam-
bem o ordenado de tresentos e
cincoenta mil reis para o subs-
tituto das aulas de Olirtda o
qual servir no Colegio dos or-
laos ; removida a cadeira de
meninas de Maranguape para n
AfTogado a cadeira de meni-
nos de Taquara para a povoaco
de Boa-viagem e a do Emge-
nho Dous Bracos na fregue-
sia da Escada para a vil'a de S.
Antao ; creando-se urna subs-
titua para as aulas d'esta cida-
de ; podendo o Presidente da
Provincia prover independen te-
niente de novo concurso as tres
oppositoras approvadas no ulti-
mo concurso ; authorisado tara
bem para suprimir, quando va-
garen) as cadeiras que nao fo-
rera necessarias e a remover
as que esto criadas em lugares,
em que elle as nao julgar conve-
nientes........59:716*000
Artigo 14. Com o jardim Bo-
tnico........ 2:000*000
Artigo 15. Com o professor
da cadeira de obstreticia que
ica incorporada ao Liceo. 1:000*000
capitulo 4.
Forca Policial.
Artigo 16. Com a forca poli-
cial.........152:000*000
CAPITULO O.
Culto Pulico.
Artigo 17. Com a Cathedral
deOlinda....... 11:956*000
Artigo 18. Com as congru-
as dos Parochos e Coadjuto-
res suprimidas as congruas
do Parodio e Coadjuctor da
Taquara.......2i:o00*000
Artigo 19. Com os guisa-
incntoi, e fabricas das matri-
18:900)000 ses. ........ |:498#080
Artigo 20. Com os reparos
das capeilas mores dasNnatri-
ses......... 7:000.v000
CAPITULO 6.
Sopenos Pblicos.
5:150*000 Artigo 21. Com a propaga-
rlo da vaccina, tendo os Ci-
urgioes da Cidade de Goian-
na e deOlinda, mais cem mil
reis de gratificariio para cura-
remas pessoas pobres. 5:400*000
Artigo 22. Com o Hospital
deCaridade...... 6:000,>ooo
Artigo 25. Com o hospital
dos Lasaros, sendo dous con-
tos ds reis para o reparo do e-
dificio e capella ecento e
vinte mil reis para oEnfer-
meiro. 5:000)000
Artigo 21. Com os ex-
postos........ 5:000.v000
Artigo 25. Com o Reco-
II i ment da Conceiro deO-
22:050*000 linda....."... 180*000
Artigo 26. Com o sustento
dos presos pobres. 8:000*000
Artigo 27. Com a socieda-
de de Medicina do Recite pa-
ra premios, impressao de me-
morias e de mais despesas
do seu expediente. 2:000*000
Art. 28 Com a mensali-
dade de seis mil reis para ca-
da um dos Religiosos Capu-
chinhos, actualmente exis-
tentes no Hospicio da Penha
desta Cidade..... 452*000
CAPITULO 7.
Illuminaco e Obras Publicas.
Art. 29. Com a Ilumina-
cao da Cidade do Recife, 0-
linda e AfTogado conti-
nuando em vigor a disposi-
do art. 55 da Lei Provincial
n. 75 cerca da illuminaco
por gaz ......
Art. 50, Com todas as o-
bras publicas preferidas as
estradas do Pao do Alho e
San'o Anto, ficando em vi-
gor a disposicao do artigo 55
da Lei n. 90.....200:000*000
Art. 51. Com o Theatro
Publico em prestacOes men-
saes de dous contos de reis. 24:000*000
capitulo 8.
Aposentadoras, e Jubilacfies.
Art. 52. Com os Aposen-
tados ...... 5:059*055
Art. 35. Com os Jubilados 4:000*000
capitulo 9.
Despesas Eventuaes.
Art. 54. Com as despesas
eventuaes...... 16:000*000
Rs. 625:805*185
TITULO 2.
Receita Provincial.
Art. 33. He oreada a Re-
ceita Provincial para o anno
financeiro d'esta Lei naqu-
tiade....... 650:750*000

26:155*050
Artigo 56 Para eileituar-se esta Receita
lica o Presidente da Provincia authorisado
arrecadar as seguintes imposiees :
^ I. Tn-z por cenlo no assucar exportado.
^ lJ Cinco por cento no algodo calle e
funio. exportados.
5 Tasas las caixas fechos barricas ,
ou sacas de assucar o sacas de algodo de-
vendo ser inspectadas somenle as caixas, o
fechos de assucar e sacas de algodo.
^ Dous mil reis por cabega de gado ,
que lor consumido.
5 Dizimo do gado vacum ecavallar.
^ 6 Dcima dos predios urbanos.
^ 7 Vinte por cento na agoa-ardenle do
consumo.
^ S Dizimo do capim de planta nos muni-
cipios do Recife eOlinda.
^ i) Sellq das heraucas e legados.
^ 10 .Meia sisa dos escravos.
^ M Cinco mil reis de cada escravo despa-
chado pata lora da Provincia.
$ 12 Despachos dos navios, e passaportes
para lora do Imperio.
<^ 15 Passaportes de Polica.
^ 1 Novos e Velhos direitos dos empre-
gos Provinciaes.
18 Quarenta reis por libra do tabaco fa-
bricado qua trocen tos reis por anoba do nao
fabricado o Irezentos reis por milbeiro de
charutos de consumo e que nao forem do fa-
brico d\ provincia.
^ 1( Doze mil oitocentos reis de cada ola
ra, senaria, fabrica de tabaco de charu-
tos de chapeos e casa de cambios.
$ 17 Imposto sobre s casas de modas, e
de leiiao.
^ 18 Taxas das passagens dos rios nos mu-
nicipios do Recife e Olinda.
19 Matricula dos alumnos das aulas de
Lalim da capital, odas aulas do Lyceo, e
Seminario sendo anr.ua! a matricula de La-
lim nao s da capital como de toda a Provin-
cia guardada a disposicao do artigo 58
20 da Lei n. 65.
20 Taxas das barreiras da Magdalena ,
Caminos c Giqui subsistindo a disposi-
cao do ortigo 58, 20 da Lei n. 90.
21 Sobras das eonsignacoes marcadas para
obras publicas e prises uosorcamentos geraes
dos anuos anteriores conforme a lei geral de
20 de Oulubro de 1858 ; tendo esta renda ap-
plicaco especial para o dficit.
^ 22. Ojironla reis por caada de bebidas
espirituosas de consumo da provincia ex-
cepto a agoa arden te de fabrico nacional, sen-
do feita a anemataco no municipio do recife.
25. Furo dascixas e fechos de assu-
car conforme o artigo 8. da lei n. 75.
2. Melado da divida activa proveniente
de i nipos tos provinciaes anterior ao 1. de Ju-
Iho de 1850.
25. Divida activa proveniente deimpos-
tos provinciaes posterior ao 1. de Julho de
1850.
20. Mullas das filsificacoes do assucar ,
algodo, e in fraegoes de contractos.
27. Reposiges e restituigoes.
28. Venda de gneros e utensilios pro-
vincias.
29. Supprimenlo do dficit quo o co-
fre geral deve (azor com a deduego determi-
nada no art. 40 da lei geral n. 243.
50. Juros da divida activa provincial con-
forme o art. 58.
Disposigoes Geraes.
Artigo 57. Ficoeni vigor os artigos 12,
15, H, 15 18 e 19 da lei n. 24; ar-
tigos 42, 13 da receita, c artigos 5. 5. ,
6. e 7. das disposigoes geraes da lei* n.
05 artigos 40, 41 45 41, e 47 da lei
n. 90.
Artigo 38. Os devedores da decima dos
predios urbanos pagarn doze por cenlo ao
anno de juros que comegaro correr
quanto s dividas existentes tres mezes de-
pois da pubcaco d'esla lei, e do primeiro
ILEGIVEL

.
#*--


55TO=aa;,:-J-"
semestre do anno financeiro quanto as divi-
das futuras dando o Presidente da Provin-
cia o rogulamento para escripluraco e ar-
recadaco d'estes juros que ser applicados
para o dficit.
Aos mesmos juros sao obrigados todos os
devedoresdos outros impostos.
Artigo 39. Fiea o Presidente da Provin-
cia uthorisad arrendar urna casa para o
Lvco e Coliegio respectivo.
Artigo 40. Fica oertencendo ao municipio,
ecommarca do Bonito a freguezia do Alti-
Artigo 41. Osamanuenccs da contadoria
provincial em caso de necessidade, pode-
ro ser incumbidos de qualquer escnptuTa?ao,
e contabilidade que csto cargo dos es-
criturarios. __
Artigo 42. Fica o arrematante do 4. lanco
da estrada do Pao do Albo absolvido da mul-
ta em que incorreo e prorogado por mais
um anno o praso estipulado no respectivo con-
tracto para o complemento da obra.
Artigo 43. Os saldos que bouverem no
ar.no financeiro d'esta li, assim como as
quotas nao despendidas ficAo especialmente
apnlicadas para o dficit dosannos anteriores.
Artigo 44. Fica o Presidente da Provincia
authorisado para dar um regularaento ad-
ministraco dos bens dos orfos e estabele-
cimentos de caridade aos quaes sero encor-
porados os bens do hospital da misericordia
deOlinda 5 extinguindo-se as duas adminis-
tragoes actuaes que seriio substituidas por
um administrador, um thesoureiro e um
escripturario nomeados pelo Presidente da
Provincia que fixar os ordenados de caca
um d'elles.
Artigo 45. No laucamente da decima dos
prcdktturbanos se observar dora em diante
a seguinte alteraco.
$ 1. Quando os collectores nao qur/.crem
estar pelos recibos do aluguel ou nao con-
cordarem os propietarios que habitao os
seus propnos predios com o lancamento fe-
to pelos collectores ter lugar o arbitramen-
to por este modo.
2. O proprietario ou seu procurador
nomcar um arbitro eo collector outro e
o que ambos decid i rem de conformidade sera
irrevogavel. Mas havendo discordancia na
ten^o dos dous arbitros o terceiro, quese-
ra nomeado pelas parles no mesmo tempo
e acto em que forem nomeados os dous dar
urna deciso definitiva a qua! nunca ex-
ceder o termo dado entre os prec-os estabele-
cidos pelos dous arbitros e nao tera recur-
so algum. .
Artigo 46. Fico revogadas todag as leis
em contrario.
Mando por tanto a todas as authondades ,
a quem o conhecimento e execucQo da refe-
rida lei pertencer que a cumpro efacao
cumprir to inteiramente, como n'ella se
contera. O Secretario desta Provincia a fa-
ca imprimir publicar, e correr. Cidadc
do Recite de Pernambuco em sete de Mam ce
mil oitocentos e quarenta e dous vigsimo
primeiro da Independencia e do Imperio.
Estava o sello das Armas Irnperiaes Barao
da Boa-vista Carta de Lei pela qual V.
Ex. manda executaro Decreto da A. L.Pr,
que houve por bem sanecionar oreando a
receita e fixando a despesa para o anno fi-
nanceiro que ha de correr dol. de Junho
de mil oitocentos e quarenta e dous ao ulti-
mo de Julho de mil oitocentos e quarenta e
tres na forma cima declarada. Para
V. Ex. ver Sellada e publicada na sej
cretaria da Provincia de Pernambuco em 7
de Maio de 182 Casimiro de Sena Mad-
relaJoze Xavier Faustino llamos a fez.
DitoAo Sr. contador da thezouraria .
idem a licen?a concedida ao juiz de direitod-
crimeda commarca do Cabo o hachare! hir-
inino Pereira Monteiro.
dem no da 12.
OITicioAo E provincia informando o requerimento do ci-
rurgio mor Antonio Correa dos Anjos.
DitoAo mesmo Exm. Sr. dem sobre
as forragens que o Sr. commandante das ar-
mas mandou contar aos capites mandantes
nomeados para o 5. batalho de artilharia a
p e batalho provisorio.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento do capito Luiz de Queiros
Coutinho.
dem do da lo.
OfllcioAo mesmo Exm. Sr. com a requi-
sqo do procurador fiscal da thezouraria rela-
tivamente as duvidas c inconvenientes que
tem occorrido na execuco da lei de 29 de No-
vembro do anno passado e instruces de
12 de Janeiro do corrente.
PortaraAo Sr. thezoureiro dos ordena-
dos sobre os descontos que se devem fazer
as mensalidades do contribuinte do Monte
Pi dos servidores do estado, o coronel t ran-
esco Joze Martins.
DEM DO DA 14.
OfiicioAo Sr. commandante das armas
a respeito dos vencimentos, que o Exm. Sr.
Barao Presidente da provincia mandou abo-
nar ao cirurgio mor Antonio Correa dos
Anjos.
TBIBUNAL DA BELAQAC".
Sesso de 24 do corrente.
Oa^gravodepetcn de Manoel Elias de
Mouiadojuizodocivel da 2. vara desta cida-
de contra Ilussel Mellors & C. nSo teve pro-
vi ment.
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA 9 DO CORRENTE.
OfiicioAo Sr. inspector da alfandega par-
ticipando a aposentadora concedida ao the-
zoureiro da mesma Joze Manoel de Serpa
Brando, por decreto de 51 de Marco deste
anno. .. r
DitoAo Sr. contador da thezouraria fa-
zendo igual participado.
DitoAo Sr. administrador da meza do
consulado participando ter sido approvada pe-
lo Exm. Sr. Ministro da Fazenda a nomea-
o do guarda da dita meza Vicente Ferreira
Rodrigues Leite.
DEM do da 10.
OfiicioAo Sr. inspector da thezouraria da
fazenda da provincia da Parahiba partici-
pando ter esta thezouraria em cumprimen-
foda ordem do Emx. Sr. Baro Presidente da
provincia e do que dispoem a le de 20 de
Outubrode 1837, mandado pasar aoIllm.De-
pulado por aquella provincia, Manoel Lobo de
Miranda Henriques, a ajudade custodeOOO* rs.
RIO DE JANEIRO.
SENHOB.
Os Ministros de V. M. I. incorrerio em gra-
ve responsabilidade para corn o Paiz trahi-
rio as suas consciencias, serio indignos da
conlianca que V. M- l Tem nelles depositado,
se nao viessem pedir com o mais profundo
respeito a V. M. I. urna medida que as cir-
cunstancias reclamo imperiosamente para
manter contra os embates das faeces o Sys-
tema Monarchico Constitucional Representa-
tivo nico que pode assegurar a Salvaco do
Estado.
sem duvida melhor prevenir a tempoascon-
sequencias, que a marcha incalculavel das l'ac-
ces costuma acarretar com sigo do que lu
tar com ellas depois de haverem producido r-
reparaveis estragos.
A actual Cmara dos Deputados, Senhor ,
nao tem a forca moral indispensavel para a-
creditar seus actos, e fortalecer entre nos o
Systema llepresentativo. Nao pode repre-
sentar a opinio do Paiz ; porque a expresso
da vontade Nacional, e das necessidades pu-
blicas somente a pode produzir a liberdade
de voto. A existencia dessa Cmara nao he
compativel com a ideia de um Governo regu-
lar 5 porque nella predomino homens que
pondo de parte os meios constitucionaes, nao
recuo diante de outros que subvertem todas
as ideias de organisaco social invadem ,
usurpo e tendero a constranger no exerci-
cio de suas attribuices os outros Poderes do
Estado.
Ainda nao se apagrao da memoria dos
Brasileiros as recordaces das tramas, e vio-
lencias que na Eleico da actual Cmara dos
Deputados foro commettidas em quasi todos
os pontos do Imperio. O triumpho eleitoral,
calcadas embora as Leis do pudor, foi o ob-
jeclo em que puzero todo o seu desvelo as
influencias que a despeito da vontade Nacio-
nal ento predominavo e o resultado coro-
ou seus deploraveis esforcos, porque conto
na Cmara dos Deputados decidida maioria.
0 Brasil inteiro Senhor, se levantar pa,
raattestar que em 1840 nao houve eleices
regulares. Sao irregularmente suspensas (a-
te mesmo em massa) autoridades cuja adhe-
so he suspeita, ou duvidosa ; o'dens com
prevenc*o lavradas sao confiadas aos agentes ,
que presidem empreza eleitoral, para re-
mover obstculos, e impedir que predomine
a vontade publica ; empregados pblicos sao
collocados na dura colliso de optar entre o sa-
crificio da sua consciencia e o pao de seus
lilhos ; operarios de Bepartices publicas ,
soldados, marinheiros de embarcacGes de
guerra sao constrangidos a levar carga cer-
rada em listas que lhes sao impostas um
voto de que nao tem consciencia; agentes
subalternos da menor moralulade e autori-
zados para proceder como lhes aprouver ar-
.eHmcntao, e armo individuos, cujosdi-
reitos sao mais que conlestaveis cuja nacio-
naldade mesma he duvidosa e muitns a
quaes, nao pertencendo sParoch.as, nao
tem nelhs voto estes reg.menlos invadem
os Templos, arranco das Mesas com.violen-
cia e rasgando-lhes as-vestes cidados que
>ara as con.por hviAo sido chamados. eos
substituem por outros forca-, expeliera do*
mesmos Templos com insultos, e ameacas
cidados pacficos que "I" W"
exercer um dos mais preciosos d.re.to.s de ci-
dadohvrc, qualodeelegerosseus epre-
sentantes F. se esses regimentos nao baslao,
se o cidado nao se acobarda ura ace.no
iaquelles agentes obedecido pela forca arraa-
da o accoramettidos os Templos pmf na-
dos por bayonetas, e corre o singue Bra-
sileiro!
Quando todos esses meios falho he empre-
ndo outro recurso : empenho-se em pertur-
bar por todos os modos as operares eleito-
raes. Se a maioria dos cidados indignada se
retira sem entregar as suas listas, appare-
cem, nao obstante, pojadas as urnas de um
numero deltas excedente ao dos adad.tos ac-
tivos da Parochia. Das mos dos que as pro-
clamado recebem as Mesas as listas aos ma-
cos aos centos e sem conta quer venhao,
ounao, assignadas-, quer os nomesque por
baixo dellas se lem sejo ou nao de cida-
dos activos, de meninos, de cscravos, e
ainda mesmo imaginarios. E como se tanto
na-o bastara he a apuraco feita por essas
Mesas urna amarga e criminosa derisao do
direito de votar Conto os votos como lies
apraz ; lem os nomes dos votados como mea
parece ; apuro listas em massa. Esta Capi-
tal foi com indignaco teslemunha dessas Ni-
turnaes as quaes dissero ser eleices d um
povo livre.
A esses attenlados outros accrcscem : rou-
bo-se as urnas; substituem-se aellas s lis-
tas verdadeiras ou pelo menos publicamen-
te recebidas, outras falsas ; e ate nao se he-
sita diante da escandalosa e to publica fal-
sificacSo das actas quando o resultado que
apresento nao est em ludo ao sabor dos in-
teressados. .
Em alguns lugares he o numero dos hlei-
tores apparen temen le augmentado por urna
maneira incrivel e espantosa. Collegios hou-
ve que nao podendo sequer dar cein Elei-
tores apresentrao todavia mais de mil.
Nao ha quasi parle alguma do Imperio, Se-
nhor onde algum desses altentados contra n
liberdade do voto nao fosse perpetrado em as
eleices da actual Cmara dos Deputados.
Huma Cmara Legislativa eivada em sua c-
rigem por tantos vicios e crimes desconcei-
tuada na opinio geral dos Brasileiros que os
testemunhro jamis poder conciliar a es-
tima veneraco e prestigio que produzem a
forca moral to necessana a taes Corpos po-
lticos e a manutenco ao rgimen repre-
sentativo. Osseus actos nao podem encon-
trar aquella obediencia fcil e voluntaria ,
que he Dina da convieco que tem os gover-
nados, de que para elles concorrero por meio
de urna eleico livre. Nem ella consiguir ,
quaesquer que sejo seus esforgos, dominar a
raso social.
Entregue necessariamente publicidade tu-
do quanto se passa em urna Cmara Legisla-
tiva chama para o campo da diseussao a in-
telligencia as paixes os interesses de to-
dos os membros da Associago he quotidi-
anamente julgada condemnada ou approva-
da. De quanta forca moral deve ella gozar ,
de quanta confianga deve ser revestida para
que nao soffra quebra a sua autoridade, por
essas quotidianas sentencas ? lima Cmara
Legislativa desconceituada he a maior calami-
dade que pode aflligr urna Naco.
Contra a Cmara dos Deputados que acaba
deconstiluir-se ergue-se de cada ponto do
Imperio urna queixa exprobrando a sua ori-
gem urna violaco de Lei ; logo no mesmo
da da sua eleico ouvio-se em cada ponto do
Imperio um protesto contra ella a raso pu-
blica a foi condemnando foi decretando a
sua dissoluco ; e cada facto que ia depois ap-
parecendo mais a confirmava em sua ten ten-
ca. Acceitar ou tolerar tal Cmara he
concorrer para que seja falseado o Systema
Bepresentativo e impellir a Naco para que
seja abysmada na anarchia ou no despotis-
mo.
Beconhecem os Ministros de V. M. I. que
os principios de ordem nao foro de todo re-
pellidosda composico da actual Cmara dos
Deputados e reconhecem-no com tanto mai-
or praser quanto isso prova a forca da opi-
nio Nacional que apezar de comprimida
conseguio collocar na mesma Cmara homens
& J3S ConstiUS e M Aclo A,U,c,o-
ilta* A uteVltoid. por outr, a que.
i litierild'li '.,._.i o fnrc:i mora
;-v Naoinnal o a torca moral
i-intp.l nn miao wacioiidi w~
lanicia op ( r elltre nos o Systema
utdispensavt lr|,Mm" ,rcn|.,tVn
\lnn rchicn .Constitucional Bepresenlal vo.
UiZo os Ministros de ^. M, L nao
momento era pedir a \. M. I.
E por
hesitarfio um
a providencia
que lera a honra ^f^g^"o^pfiwi-
Maos de Y. M. I.
ver por bera. Janer0 em 0 i. de Maio
r,oa n v M L- Subditos fiis e mni-
(lel8i2. De \ M. de Paranagu.^
reverentes Mal ** r. ..
comprehendida no Decreto ,
de deposilar as Augustas
to reverentes- vianna.Paulino
Candido Joze de An _Viscondc d-branles.
Joze Soares desonza.- nn .pft r011tinhQ _
. Oliveira Coutinho.
Aurehano de Souza e
Joze Clemcnlo Pereira.
DECRETv 1
i ., 'oo que Me ex-
Tomando cm consKleraci SecrelariS d-Es.
puzero os Meus Ministros i. e Ten(Jo ouv_
tado no Belalorio desta dala, |p. por be|n ^
dooMeu Conselho 0*. .e confere .,
Usando das attrihra^cs que a um
Constituido no Artigo cenlu a a dog De_
grapho quinto, DlvflJ^5n\ atraque
potados e Convocar debe^ ja i do
se reunir no dia primeiro de Noven.
corrente anno. v.nI1, do mcii
Candido Jos de Araujo Vianna Jo dos
Conselho Ministro e Secretario d Estado
Negocios dolmpcnoo lenha L^
e faca executar com o despachos nec;^ao;
Palacio do Bio deJaneroemo de M*J0
de 1842 vigsimo primeiro da Indepe >deo
ciae do Imperio. mkFSTADE' 0
Com a Rubrica de SI A MACLblAUt
Impera ^r_;nddo Jq^ dQ Arallj0 \-anna.
Le-se na Sentinella : .
Hontem, 1." de maio foi dissolyida a ca-
conleciincnto pouca sensaco ten, JJJJJ
pacifico povo da capital em cujo ffm
bom senso depositando o governo ^
lianca, nao precisou deapparalo de fo, "
mada. Mesmo dous batalhoes da guarda
cional que fizeram exercic.o no Paasem IJdj
co j se tinham recomido as suas pa.ada.s ,
e debandad.. depois das 9 horas.
A mais perfeita tr.nquillid.de tem reinado,
at agora : eos amigos da monarch.a sel h-
citain por esle acto de energa e dignid.de dos
conselheiros da cora. .
Tendo subido scena o drama W se ""
milha que to applaudido tem sido sem-
pre, houve grande concorrenc.a .'ionten
noite no theatro de S. Pedro, e moto poucos
camarotes estiveram vasios. Poder-s^
^er que a platea fora mandada pela po.
mas a gente dos camarotes as senho. "
por modo nenhum. Isso confirma onfl.
ju/o: pouca sensago tem causado a disso-
luco E nem mesmo o contrario se devia
esperar da illuslraco fluminense bem cons-
ola de que S. Magestade exerceu n'essacto
urna das suas grandes prerogativas. Honra
e louvor ao povo do Bio de Janeiro.
Le-se no Jornal do Commercio de 10 do
corrente. M
Recebemos hontem folhas e cartas de Mon-
tevideo at 29 do passado.
0 general Bivera tinha sido nomeado direc-
tor da guerra contra Rosas j e o almirante
Brown segundo se afiirraa havia-se com-
promettdo a separar-se da causa que ate a-
gora tera defendido. Brown era esperado em
Montivido no da 30. Dm passageiro vindo
no]vaporassegura-nos ter visto na imprensao
manifest em que declara os motivos da Ma
defeceo.
0 vapor de S. Paulo trouxe-nos a noticia de
queoSr. Baro de Mont'Alegre entregou a
presidencia da provincia ao vice-presidenie
Vicente Pires da Mota e por se achar ado-
entado pretenda seguir para seus nge-
nhos. ,
A dissoluco da cmara dos deputados ae-
sanimou muito aos Andradistas.
Foi chamado responsabilidade o immun-
do Tebvrec.
Na villa da Atibaia nao queriam empos-
sar as novas authoridades policiaes; mas, ten-
do sido mandados2o permanentes, comman-
dados por um capito e acorapanhados do
chele de polica e havendo sido suspensa k
vb


a
icamara municipal tornaram psse as ditas
authoridades sem a menor novidade.
No (l foram empossados os novos empre-
ados pelo juiz de direito por declarar c-
mara que isso lb<- nflo compela.
Consta tambem que em Sorocaba o solar
de el-rei Tobas bouvera reluctancia a esse
respeilo.
Cartas de Montevideo dzam que por va
da legado brasileira pediram amnista Ca-
navarro e onlros chores da rebelliodo Rio
Grande. (Seutinellftde 11 de Maio.)
S, Paulo 7 de Maio,
... Para ir lomar assontoj no senado cn-
ftrcgou o Sr, baro de Monl'Alegre a presi-
dencia nodia 2 do corrente ao vice-presid8iile
Vicente Pires da Motta. Com a chegada po-
ren das ultimas noticias da dissolugAo re-
solvcu-se o barfto a lcar apezar de muito a-
doeulado oquetalvez o obrigue a ir passar
algum tempo nos seus engenhos 'segundo
OUvi dreer.
Por ora nada apparece por aqui que annun-
eie tempeslad, e a noticia da djssolugfio tem
desanimado muito os opposicionistas 5 hoje
paraojulgamentodo Tebyrie nao apparcceu
pinguen.
Na villa da Atibar nao derao posse s no-
vas anthoridadcs creadas pela lei da reforma
do cdigo, sem todava, dxerem que a
nAodavo. Marcou-se-Ihes da paracumprir
esta formalidade e, como nem assini o fizes-
sem forao a -4 do corrente 25 permanentes ,
commandados por um capilo companhan-
do o cliefe de polica o qual levou as ins-
trucces necessarias da presidencia para a
mesma villa. Foi a cmara suspensa e toma-
ro posse as novas authoridades sem a menor
jiovidade,
A cmara de It declarou que nAo lhe com-
peta dar posse aos novos em pregados mas
sim ao juiz de direito o qual segundo se
diz ja Ins tinha dado posse.
( Carla particular. )
( J. do Com. de 11.)
Pelo Vapor Amelia temos noticias do Porto
Alegre alhc 26 de Abril.
Nada havia occorrido de novo e o Conde
do Pdo pardo anda nao tinha partido para o
exercito.
OchefedecsquadraGrenfell que, como
ja dissemos fra chamado a Corle veio de
passagem no vapor Amelia.
( J. do C. de 8.)
2.
Algodoem pl. 1.
9
800 1. q. 90 las, tachas de cobre ,'e de ferro. Por tem-
5*500 pode 3 mezes a decorrer igualmente do I. de
4*p00 .liillio prximo o fornecmento d'agoa-ar-
'>l'>;is. tinta branca preta e verde, se-
ca nto arcos de tonel c de pipas cravos de
, pipa lijlos Inghv.es bonels arcos de
forros de urna polegada ale 11 4 oleo de li-
li liara sebo em pao, maga decre\ alvaiade ,
;iVo colla. As p*\ssoas a queni convenha
t'i/'.M- cada um destes fornecimentos, sao con-
vidadas pelo Si>nhor Inspector apr sentar
lis suas propostas na secretaria d'esla Inspei-Ao
Faz saber que no dia 25 do Corrente se bao at o dia 15 de Junho prximo. Secretaria
d arrematar em praca ao meio da na da InspeesAo do Arsenal de Marinha de Per-
Joze Alfonso Ferreira.
Francisco Jos Maririh,
EDIT A ES.
Vicente Th.imaz Pires de Figueredo Cam irgo,
ComendadordaOrdem.de Christo. In
tord'AlfandegaAc.
III.IIIIII M PEIIYlHIltCU.
Sob o titulo competente deixamos trans-
cripto quanto por hoje podemos dar a lr aos
nossos substriptores das noticias que nos
tronce o Paraense do Rio de Janeiro. No se-
guale N. publicaremos mais alguns arti-
gos.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rcndimcnto do da 24 de Maio Rs. 6:994*452
DESCARREGA HOJE 25 DE MAIO.
Barca Francesa = Zlia = Fasendas, e quei-
jos.
Brigue Portuguez = Tarujo 4." = Pedre.
Xialera = Brasil= Fasendas drogas fumo ,
barricas vasias, e sabo.
Barca Portuguesa =3 Tentadora = Vinho e
arcos.
Brigue Francez = Circonstance = Fasendas
MEZA DO CONSULADO.
Pauta dos precos corren tes do assucar algo-
dAo e mais gneros do paiz que se des-
pacho na mesa do consulado de Pernam-
buco na semana de 23 a 29 Maio de de
1842.
4. q. 4800
Assucar b. n. 4. sorte 4*900
2. 4*800
0. 4*700
4. 1*550
4*400
G. 4*250
Dito ditovelho 4. 4*700
2. 4*600
S. 4*500
4. 4*550
5. 4*200
6. 4*450
Dito mase. n. 4. 4*100
2. 4*000
Dito dito velho 4. 900
2. q. 4400
4. q. 4600
2.q.
4200
2. q. 4400
porta d'alfandega 75 caixas com 900 queijos
flamencos averiados avahados por 40 res
cada um pertencentesa Bolli Chavano, nos
termos do artigo 265 do regulamento ; sendo
a arrematacAo lvre de diretos ao arrema-
tante. Alfandega 24 de Maio de 1842.
V. T. P. de F. Camargo.
O Illm. Sr. Inspector da tbezouraria
das rendas provnciaes manda fazor publico ,
que por nAo terem tido licitantes os impos-
tos ahaixo declarados rao novamente pra-
ca nos dias 25 27, c 28 do corrente pelo
preco medio dos rendimentosdos tres annos
anteriores conforme o decreto de 14 de No-
vembro de 1805 e officio do Exm. Sr. Pre-
sidente da provincia datado de 11 do corrente
mez.
Por tempo de um anno os segntes im-
postos : furo das caixas, e fechos d'assucar.
Tax das narreiras da Magdalena Cequia
e Carvalhos. Dita das passagens do rio no
Cordeiroe Caldereiro.
Por tempo de tres annos os seguintcs di-
tos: vinte por cento na agurdente de consu-
mo nos municipios deOlinda Goianna, N-
zareth Pao do Albo LimOeiro Bonito ,
GaranhUns, Simhres Flores e Tacarat ,
Boa-vista e Cabrob.
Quarenta res por caada de bebidas espi-
rituosas do ronsumo na provincia excepto a
agurdente de fabrico nacional.
As pessoas que se proposerem a estes con-
tractos compareci na sala das sessoes da
mesma tbezouraria munidos de fiadores ido-
neos o competentemente habilitados.
Epara constarse mandn aflixar o presen-
te e publicar pela imprensa.
Secretaria da tbezouraria das rendas pro-
vnciaes de Pernambuco 43de Maio de 1842.
O Secretario
Luiz da Costa Portocaireiro.
Perante a Tbezouraria de Fazenda se ha de
arrematar, pelo maior preco, que se offere-
cer, a renda da caza de 2 andares, e Ioja ,
sita na ra Direta desta Cidade. do lado do
nascente D. 5 pertencente a Fazenda Pu-
blica por tempo de um triennio financero ,
contado do I. de Julho de 1842, ao ultimo de
Junho de 1845. As pessoas, que se propo-
zerem a licitar devcrAo comparecer na sala
das sessoes da mesma Tbezouraria, nos dias
7, 40, e 14 de Junho prximo vindouro,
competentemente habilitadas. Secretaria da
Thezouraria de Fazenda de Pernambuco 14 de
Maio de 4842. Joaquim Francisco Bastos ,
Offical Maior.
DECLAR AC-OES.
De ordem do Senhor. Inspector do Arsenal
de Marinha se faz publico que no da 27 do
torrente pelas 4 4 horas da manba em vr-
tude da authorisago do Exm. Sr. Presidente
se vender em hasta publica na porta do
Almoxarifado do mesmo Arsenal urna por-
ciiode cabo velho de linho. As pessoas a
quem convier a compra deste- objecto sAo
convidadas pelos mesmo Senhor Inspector
comparecerem emdito dia e hora. Secre-
taria da InspecAo do Arsenal de Marinha de
Pernambuco em 25 de Maio de 1842 Ale-
xandre Rodrigues dos Anjos.
tSF" O Arsenal de Guerra precisa comprar
6 pfanos; quem os|tiver queira comparecer no
dia 25 do corrente as 40 horas da manila na
salla do seu expediente.
ssy O Arsenal de Guerra precisa comprar
urna porcAo demadeirasde grandes dirnensoes;
as pessoas que quiserem vender poderAo com-
parecer boje as 40 horas da man ha.
0 Arsenal de Marinha tem de contratar ,
com quem por menos (izer os fornecimen-
tos dos objectos precizos para o mesmo Ar-
cenal, e Embarcares da Armada abaixo
declarados : por tempo de um anno a decor-
rer do 4. de Julho prximo emdianle; o
fornecmento de pao bolaxa carne verde,
plvora grossa e lina cafle agoardente ,
assucar, tijolo. Por tempo de 6 mezes a
decorrer tambem do 4. de Julho prximo o
fornecmento de farnha arroz bacalhao ,
feijAo loucinho vinagre, azeile doce e
de coco sabo spermacete sebo em vel-
nambuco em25 de Maio de 4842.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Societario.
O abaixo assignado morador na ra di-
reta sobrado D. 53 1. andar, faz cente
aos moradores da mesma ra principiando
do beco dos pecados mortaes ao patio de N.
S. do Terco e do beco do Lobato ao do si-
ngado, que acaba de ser nomiado inspector
deste quarteirAo competindo-lbe as atrbu-
coes doart. 66 ( 1 ) do regulamenfo n. 120
de 51 de Janeiro do corrente anno assim
como o disposto no art. 108 do mesmo regu-
lamento ( 2 ) por tanto querao os Srs. es-
trangeiros que tem a sua residencia dentro do
mesmo distrito se apreseutarem na caza ci-
ma com seu titulo de residencia.
Caetano Pinto de Veras.
( 1 ) Competem aos inspectores de quars
teiroes as seguinles attribuic/ies nos seu
quarteirfies.
1. Vigiar sobre a prevenc/10 dos crimes. ad-
moestando aos comprehendidos no art. 12
2. do codigodo processo(*)para quesecorrijo,
o (piando o nfiofaco dar disso parte circuns-
tanciada aos sub delegados ouaos juizes de
paz respectivos.
2. Fazer prender os crimino/os em llagan-
te delicto os pronunciados nfioalliancados ,
e os condemnados a prizo.
3. Observar e guardar as ordens o instruc-
cOes que lhe forem dadas pelos sub delegados
o juizes de paz para o bom desempenio des-
tas suasobrigac/jes.
Quando as ordens o instruccoes dos sub
delegados e juizes de paz. forem oppostas em
materia sobre a qual a sua autboridade he cu-
mulativa deverao recorrer ao delegado, e
observar o que esto decidir.
(2)0 titulo de residencia deve dentro
de tres dias ser apresentado ao inspector do
quarteirAo, en que for rezidir o cstrangei-
ro para lhe poro visto. A falta desla apre-
gentaejio ser punida com a mu'ta de um a
dez mil rs.
(*) Obrigar assignar termo de bem viver
aos vadios mendigos behados por habito ,
prostitutas que pertiibo o socego publico ; os
turbulentos, que por palav*s,ou accOesoffen-
dem aos bons costumes, e tranquilidade publi-
ca e a paz das familias.
T II E A T R O .
tsr 26 de Maio Reneticio de Manoel Inno-
eencio Pereira Candozo pega O Sino das
Duas lloras = Solo Inglez = farca= Abelha
Mostr. =r
MOV ME NT O DO PORTO
NAVIOS SAIIIDOS NO DIA O.
Suspendeo do lameiro para Lisboa a Corveta
de Guerra portugueza D. J0A0 Primeiro ,
Commandante o Capito Teen te Soares
Franco.
Fundiou no lameirAo para acabar de carregar
a Barca Sueca Susan.
ENTRADOS NO DIA 24.
Bio de Janeiro com escala pela Bahia e Ma-
cei ; 11 dias sendo do segundo porto 3
, dias e do ultimo 18 horas Vapor Brasi-
leiro Parahense de 240 tonel. Comman-
dante Joo Frederico Berrizo, equip. 24 ;
a Joaquim Baptista Moreira ; passageiros
Brasileiros : Exm. D. Manoel de Assis Mas-
carenhas, Antonio Marques de Amorim,
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonga ,
Caetano Joze de Santiago Dr. Felis Pei-
xotode Brito e Mello, Joze Pereira da
Graca Dr. l'rbano Sabino de .Mello Joze
Franco de VasconseUo Joaquim Baptista
de Mello Alexandre Ribeiro Miranda de
Fonloiua Padre Antonio Pinto de Men-
donga Joz.: da Costa Barros Coronel
Manoel de Campos Silva, Dr. Joaquim Nu-
iles Machado: francez Dellelier, e o Hain-
burguez Joze Wigmar.
Maldonado : 19 dias, Brigue Inglez Andes
de 212 tonel. Cap. John Gavy equip.
10, carga lastro : a Me. Calmont & Compa-
nbia.
MIII DOS NO MESMO DIA
Bio de Janeiro j Barca Bjasileira Triumpho
da Inveja Cap. Carlos Evaristo Justinia-
no carga varios gneros ; passageiros.
Brasileiros o 1. Tenenle Desidejio Joza da
Silva, 1. dito Jeze Baplista de Oliveira Gui-
marAes e o portuguez Joze Joaquim Gas-
par.
Bio de Janeiro ; Patacho Brasileiro Aguia do
Magaratiba Cap. Galdino Antonio de
Castro, carga diversos gneros.
AVISOS MARTIMOS.
tar Para o Porto segu viagem com toda
brevidadeo muito velleiro e bem acreditado
Brigue Portuguez Primavera CapitAo Joze
(.'arlos Ferreira Soares ; quem no mesmo
quiser Carregar ou ir de passagem para o que
lem exccllcnles commodos, dirija-se aos seus
consignatarios Mendes & Oliveira na ra do
Vigario D. 15 ou ao referido Capito.
C3- Para a Bahia segu viagem com toda
breVidade a Sumaca Amisade ; quem na mes-
ma quiser carregar dirija-se a Gaudino A-
gostinho de Barros atraz do Corpo Santo D.
67 ou ao CapitAo Joze Pedro.
tsr~ Para o Rio de Janeiro o Patacho Santo
Amaro ; quem quiser carregar ou ir de pas-
sagem dirija-se a Gaudino Agostinho de
Barros atraz do Corpo Santo D. 67.
GF" Para a Bahia sahe impreterivemente
nodia 25 do corrente o Hiate Nacional Flor
de LaraageiraS forrado de cobre e de pri-
meira marcha, nao recebe mais carga por es-
tar com o seu carregamento complet so re-
cebe passageiros, para o que tero excellen-
tes commodos ; quem quiser transportarle
dirija-se a ra da Cadeia velha lojade fazen-
das n. 17.
C5" Para o Aracaty pelo Ass. o Hiate 0-
linda subir no dia 5 de Junho, anda rece-
be carga miuda ; trata-se com Manoel Joa-
quim Pedro da Costa.
L E I L 0 E S
t- Cals Jnior nao Leudo podido concluir
o seu leilo no dia 14 porcauza da chuva ,
ta-lo Quarla t'eira 25 do corrente, por inter-
vencAo do Corretor Oliveira, constando de
varias mercaduras Suicas e Francezas de
proinpta exlrago de algumas ferragens e
miudezas de perfumaras muito linas ; as-
sim como de um rico par de espeihos grandes,
algumas espingardas iuglezas de 1 e 2 canos.
Hf A Senhora viuva do Dr. Classen far
leilao por intervengan do Corretor Oliveira ,
da inteira mobilia da sua casa, que ser ven-
dida por qualqucr prego assim como dous
excellentes carrinhoscom arreios, e um bom
cavallo ; Quinta fera 26 do corrente as 40
horas da manhA, em o sitio de J. dosS. Por-
to no Manguind Papa tena.
AVISOS DIVERSOS.
C7 Quem quiser tomar roupa para lavar
de varrelia pagando-se mais .do costume ,
dirija-se ao assougue defronte da Cadeia. .
A pessoa que oflereceo a meia pataca a
oitava da prata tomando toda enclusiva
a faca aparelhada dirija-se a ra da roda
D. 8.
Quem annuncou querer dar 5 contos
de res a premio, com hypotheca em um pre-
dio dirija-se a ra da roda D. 8 ou dealare
sua rezidenca para se hir falar a respeito.
ti/- A pessoa que estiver as circumstan-
cias de ser ama, sabendo cosinhar, e tratar
de urna caza dirja-se a ra nova D. 26 se-
gundo andar que se far o ajuste.
= No acougue defronie da cadeia fcz-se
lingoigas de encomenda 24o res a libra ,
podendo os snrs. capites de navios guarda-
la-a at um a dois mezes semspodrido.
tsr Um dos maiores credores do casal do
finado Manoel Joze deMedeiros, tendo pelo
Diario do anno passado previnido para quo
ninguem contratasse a venda de bens mo-
vis ou de raz com a viuva daquelle fina-
do D. Anna Michaela dos Anjos, ou seU
Genro Manoel Joze Nunes de Medeiros : pelo
presente relifu-a o mesmo avizo visto cons-
tar o mesmo credor que aquelles devedores
pretenden! vender urna escrava de nome An-
na creoula nao obstante achar-se em anda-
mento o libello proposto pelo referido credor.
Roga-se ao Illm snr. Chefe de Polica, de ter
em vista nos Passaportes deescravos, que
tem de sair para fora da Provincia, vistoes-
tarem de acord venderem para fora.
Manoel Antunes Villaga.
, ILEGIVEL
I
11


/
l'ILLl.AS VEGETAES E UNIVERS.VE8 AMKR'CANAS.
Estas pilulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que lem feito, nao requeren) nem
dieta e nom resguardo algiini; a sna com-
posieo to simples que nao fazem mal a
mais lenra crianza : em lugar de debilitar ,
fortificiSo o syslema purilico o sanguo ,
dugmento as secrecGes em ,geral : tomadas ,
seja para molestia clironica 011 somonte co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado de conslipaeo depois de sua
operario como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mu lacis a tomar e nao
causarem incommodo nenlium. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth agen-
te do author: na ra da Cruz N. >7.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tsr Joze de Mello Costa retira-sc para o
Aracaty/levandoem sua companbia o seu cai-
xeiro Manoel Tavares.
SST" Henry Heylyn Comyn retira-se para
Inglaterra.
ST Francisco Joaquim Duarle, vai a Ma-
cei tratar de seus negocios.
Joao Rento da Luz brazileiro adodti-
vo retira-se desta provincia.
Victorino Joze Netto subdido portu-
guez retira-se para Pora da provincia.
(Jualquer Sr. Sacerdote que quizer ser
coadjutor da ireguezia de N. Scnhora da Paz
dos Alfogados annuncie pois tem duas ca-
pellanas mui boas ambas dentro da Matriz
urna as quintas feiras e outra nos domin-
gos, ediassantos; alem disso tem o terco
do que rende a Ireguezia e a metade da de-
zobriga. A quem convier dirija-so ao mes-
mo vigario na mencionada freguezia rezi-
dente em a ra de motocolomb. Declaro
mais que tem outra capellana na capella do
lo/ano ou do Paraizo em a ra de S. Mi-
guel ; e em todas as capellanas desta matriz
tem bons estipendios.
H0" A Direcco do Cabiiiele Litterario avi-
za aos socios do mesmo Gabinete que uzan-
do d'autborizacao que llie 'oi conferida na
ultima reuniao d'Assemblea Geral transfe-
rio o (abineto para o primeiro andar do so-
brado I). 14 na ra do Livramento e que
o mesmo Gabinete estar aberto das 4 as 0
bor;s da tarde para serem entregues pelo
Bibliotecario os livros, que forem pedidos na
conformidade dos estatutos. 0 Secretario ,
Joze Bernardo Gaivao Alcanforado.
tsy A pessoa que annunciou precisar de
800, a juros sobre pinbores de ouro dirija-se
apracinba do Livramento em casa de Iler-
culano Joze de Freitas, D. 21.
. cy Quem precisar de una ama para casa
de pouca familia dirija-se a ra do Colegio
D.6.
cf Aluga-se urna canoa para 000 lijlos
com canoeiro ou sem elle e tamhem se alu-
ga urna preta que compra co/inha e leva:
quem precisar dirija-se a ra Nova na penl-
tima loja do lado do norte.
cr Aluga-se un preto para servente de
pedreiro : na ra Direita padaria D. 55.
C3" Labolhiere tem a honra de partecipar
a seus discpulos e os amantes de danca ,
que continua as suas lie,oes de noule na sua
casa na ra >ova D. -4.
pessoa qne se offerece para negocio de en-
genho com escravos por mais pesado que
seja u servico dirija-se ao Bemedio a fallar
coro Joaquim Joze de Almeida.
ssy Tomas Fras cidado Boliviano, rc-
lra-se para Inglaterra.
cy Alexandre Joze pessoa retira-se para
fora da provincia.
ssy O Sr. que foi Quinta feira II) do cor-
rentea reparlicjio do Sello levou por en-
gao trocado um cbapeo de sol de seda preta,
dirija-se ao Livramento casa ao p da botica
D. 22 para o destrocar.
ZZT Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra do Amorim : a tratar no forte do ma-
tos prensa de Carneiro Monteiro.
sai Aluga-se metade de urna casa: as o
puntas D. 18 lado do nascente.
s^r O Sr. Manoel Joaquim da Silva Maci-
eira queira ir receber urna carta na travessa
do Bozario D. 12.
cy Quem annunciou querer dar o:000,> a
premio dirija-se a ra do Livramento ven-
da D. 5.
%sr Quem tiver urna negra de pouca ida-
de*', quesaiba bem coser e engommar e a
queira trocar por negro de nacio bem ladi-
no moco e robusto ; annuncie.
ssy Arrenda-se um armazem com commo-
dos suficientes para qualquer estabelecimento
com estribara para ter um cavallo, na ra
da senzala velha : a tratar na ra do Qnema-
du D. 7 no lerceiro andar.
ssf- Quem quiser passaportes para passa-
geiros e escravos e folbas corridas diri-
ja-se a ra do Vigario ao Snr. Luiz Borges de
Siqueira e Francisco Gonsalves Gurjo que
dir quem os tira.
ny Quem precisar de um rapaz brasileiro
que sabe bem ler escrever e contar para
ciixeiro de loja ou de escripia tem al-
guma exactido dirija-se ao atierro da Boa
vista de baixo do sobrado de Manoel Joze da
Costa.
sss' Fr. Antonio do Carmo tendo de ir a
Bahia no vapor prximo, e nao podendo des-
ped r-se pessoalmente das pessoas, que o
honraraocom a sua amisade e a quem deye
tantas consiJeracoes, aproveita-se deste meio
para pedir-Ibes o desculpem desta falta, cer-
tos que cumplir ali no pouco tempo,que
tenciona demorar-se, as suas ordens e de
que o acompanbo saudozas lembran^as des-
sas pessoas.
s- Fma senbora costureir se offerece a
todas as senhoras do bom totn que na sua
casa se fazem vestidos do ultimo gosto cha-
peos toucados o golas ludo moderno ,
e tambera se engommo vestidos de senhora ,
e roupa de bomem com todo asseio por pre-
go o mais com modo possivel: na ra larga do
Bozario casa da quina do beco do peixe frito.
S27" Da-se um cont de reis a premio de
um e quarto por cento a pessoa que der
melhor bypotheca : annuncie.
ssy Lns dos apaixonados rogaao Sr. Joze
dos Beis para tornar a repetir a danca Chine-
za e a devertida danca dos pauzinlios e is-
to por muito obsequio e favor.
53 Qualquer pessoa que tenha canoas e
se queira encombir de atterrar um atterru
em um terreno por detraz do atierro da Boa-
vista que tem de frente 100 palmos e 150
ditos de fundo o qual ja se acha bastante
cr Na ra do Colegio n. 8 e no atierro
dos Allegados defrontdo viveiro do Muniz
em casa do administrador do Correio compra-
se animaos recen temen tes morios para empa-
Ibar, a saber: quadrupedes e passaros,
nao se devendo entender no iHimerodos pn-
meiros nem dos segundos animaos domsti-
cos : assim conioconx>.s, buscos e mais pro-
ductos do mar.
er Pos de larangeiras e Imioeiros em
estado de se poiierem transplantar : na ra
Direita I). II lerceiro indar.
N.E3- Cma obra de Breviarios em bom uzo;
quem tiver annuncie.
VENDAS.
.umoui m m; s; P >r preco commodo no estalei-
%S&!* *"# p**- a l,8Ur"
beco do Peixe frilo ven 'a l- 4-
as Pura lora da Provincia um n-pro bom offi-
ciJruT.Mpai.iro moco e bonita ugr V* V^V>
commodo ..a ra de Agoas-veMe l>..H.
r r Da. escrav bo... trabah.ador de entad. e
,nu7w gehwn para todo servic,.,, e por preco commo.
(!o na ra do sel) D. } .
i^> Un, cavallo cor preta de bon. tamauho ,
combos andares e inuit. lorie; r.a ra da Ladem
do Ilecife n. ti. .
&T Salustios iradiisido. ao p BuTro ) em broxoia a # .e. ; em lmda na ra de
Uaibia* Fe< reir bobrack n. M.
i_j- Um porquinbo .e malo milito manco ; na
ra do N. uutira U. 6. ,
tf- Cadeira. de balanco com ssento d paliu.
nha e encosU da mesma marquezas de condu-
cr O abaixo assignado faz sciente aos' allerrado e s poder faltar dous palmos de
moradores das ras do Sol, Flores e Paz ,
que foi nomeado Inspector deste Quarteiro.
Joze Jernimo de Souza Limoeiro.
cy JozeSoares Pinto Correia mudou-se
da ra de S Cruz para a ra da sebo I). 20
ao ir para a trempe ladodireito.
cy L'ma crela de bous costumes se olfe-
rece para ama de urna casa de pouca familia
pois sabe engommar oozinbar e propoe-se
a todo o servico de urna casa : na ra Nova
D. 11 lado do sul.
ar Fr. Galdino de S. Ignez e Araujo nao
podendo despi'dir-sejpesssoalmcnte de todas as
pessoas que llie sao credoras de eslima ,
amisade respeitos c gratidao recorre a es-
te meio para signilicar-lncs a constancia de
seus sentimentos para com ellas e o desejo,
que tem de lhes prestar na Provincia da Ba-
hia para onde vai por pouco lempo os ser-
vic/>s a que loem direito.
XST Para o amanhecer no dia l( do cor-
rente furtariio de um dos sitios em Bolem
duas cabras urna vermelha paixa e bas-
tante gorda, e a outra esbranquicada as
atterro : dirija-se ao aterro da Boa vista loja
de alfaiale na quina do beco.
cr A pessoa que por Nazareth Limoei-
ro e S. Anio no anno passado promoveo ,
urna subscripto para certo fim subentendi-
dido ; avisa aos mesmos, que em desempe-
nbo da mesma empregou G60j em dous dos
objectos para que era destinada e que Ihe
nao lom sido possivel depr ainha este fardo,
que tao penozo Ihe tem sido por se achar
ainda por fora melhor de 200, que se des-
tina para o terceiro objecto ; e aproveita fi-
nalmente a occasio para rogar, e advertir
aos que tem faltado queja agora forcoso he
que acabemos com isso sob pena de haver
urna grave injustica relativa.
c/- Aluga-se metade de urna casa terrea
com rommodos para qualquer pessoa que se-
ja capaz pois tem bastantes commodos e
juntamente vende-se um relogiocom caixa de
prata e regulador por prego commodo : na
ra Direila D. 41.
ty Guilherme Purcell, rctira-se para fo-
ra do Imperio para tratar de sua saude le-
quaes foro encontradas no lugar do Hospicio, vando em sua companbia sua senhoia e qua-
e como se pretende preceder contra quem as tro lilbos.
furtou ou contra quem as tiver de baixo de
m f ; quem dellas souber queira partici-
par em liellem a 1). Francisca Joaquina Boza
defronte do sitio do Tresse onde receber u
adiado.
A,pessoa que annunciou precisar da
C O M P B A S .
Urna cadeira de rebuco da Bahia : na
ra do Vigario n. 8.
Sabio a luz e vende-se na prac.a da
Independencia loja de livros n. 57 e 58 as
Notas eBellexesaalgunsartigos do regla-
mento das Alfandegas. Esta obra nao be s
interessanto paraos em pregados como para
os negociantes, e pessoas que despacho mer-
caJorias, pois Ihe dconhecimentos que nao
podem adquerir com a simples leitura do re-
gulamento.
^t^" Alcatifas modernas a 400 o covado ,
merinos pretos e de cores a 1M00 e 2^400,
casemiras lisas e de listras a t 700 sedas,
setins pretos lavrados a 100 grvalas de se-
Iiiii preto a 040 fustoes pintados finos a
S60 o covado, saias alcoxoadas para senhora
a 2# cassas pintadas finas a 200 rs. o cova-
do cortes de vestidos de chita fina dos mais
modernos a 5*000 chilla roxae azul a 100
e a 120 rs. o covado, cobertores de IS a 1 j600
e de algodao a 000, algodo americano a 120
e 140 a vara, dilodobrado preferivel do da
trra para vestir escravatura guardanapos ,
toalhas e para a tualhados de linho e de al-
godo franjas babados do Porto bicos ,
rendas de todas as larguras e oulras muitas
fazendas por barato proco : na ra do Crespo
loja de Antonio da Cunha Soares Guimares.
tsr Cm sitio na ponte de l'xoa com ca-
sa de vivenda e para pretos, com arvores de
fructo : no atterro da Boa visla em casa de
Bernardo Joze Carneiro Monteiro no primeiro
andar.
^vr Chapeos de sol de seda do Porto com
cabo de osso a SjoOO pecas de bahados de
linho com 50 varas da largura de um pal-
me proprio para toalhas e lences por 4,y :
na ra do Fagundes sobrado do um andar D.
dolado do mar.
tST Barris de 1 14 de vinho do Porto de
superior qualidade, saccas de farinha muilo
beacom alqueire medida velha nos armazons
do Vasconcellos na ra da Cruz e caesd'al-
fandega do finado moleta a tratar com
Francisco Marques Rodrigues & Irmos, nos
mesmos lugares ou na ra do trapiche quina
da dos tanoeiros n. 12.
= Fma exeellente casa terrea a sobrada-
da feita a moderna e com cmodos para
grande familia : que a pretender annuncie.
cy Vellas de carnauba muito bem eitas de
6 em libra a 520 reis as cinco ponas ao sa-
hir no largo da fortalesa loja de fasendas e
miudesasD. 54.
= Doce de calda mesmo para embarque
por prego cmodo na ra do Mun do novo
D. 28.
= Fma sumaca um mastro de imberiba,
um dito de pinho um gurup de canella ; na
ra da senzala velha armazem de licores de
Joaquim Lobato.
= Urna espada propria para official de
muito bom gosto bordada e cum um Ie-
treiro- viva o Imperador Pedro II. e junta-
mente urna banda de retrs ludo por preco
muito cmodo ; na ra dos Pires n. 7.
cy Lim escravo de naco proprio para
qualquer servieo: na ra do trapiche novo
n. 16.
= Urna morada de caza terrea no bairro de
S. Antonio em boa ra a qual rende men-
salmente I2j res e urna escrava d'Angola
com excelentes qualidades que se afiangara
ao comprador : na pracinha do Livramento
D. 25.
tsy Fma casa de taipa no atterro dos Affo-
gados, em bom local : na ra de Agoas ver-
des D. 55.
S3T Um preto de naco angola de 25 an-
nos com bonita figura ; urna preta crela ,
de 21 annos ISvaccas boas leiteiras 8 ja
perto de apartarem 4 prximas a parir, e
urna parida a um mez e tambem algumas
crias das mesmas vaccas duas egoas muile
novas e prenhes e urna novilha : na ra da
da Madre de Dos loja D. 21.
**i^-\ieira novo Uicionario Portalil das 1 nguas
Portuguea Ingleza Do.tur Gnldsmitli Historia
da (recia Mestre Ingles em muito bom estado ,
e todos novos ; por preco commodo ; na ra das
Cruzes l). 4.
Cj* Urna cauoa nova d'atnarelh, que carrega dez
r mezas de imitar camas de vento com arma -
cao cade, as con. a-sentr> de palli n-.a americanas,
ama, de v.nlo muilo be.n leitas ufoo, iM o.
uiuho a 3#5oo pinlio da Suecia com J polcadas
m gramn, <* serrado ludo mais en. con.a da
,,ut ero outra paite ; na ra da l-'lor.ntu.a em caza
de J. ^eianger
y- Agu. de Ungir os cabellos e as uiisa ; na
ra ..o Livramento loja de chapeos U. 7.
S^f- Uwa mea redonda de Jacaranda com ga-
ve:as bailante grano* sem dlio ; na ra do lina-
ro csticia .5-
l_j- Vellos de carnauba a -.8o res; na ra de Ma-
noel coco 4.
jp^. Um preto crioulo le idade de 1 annos,
muito bom canueiru e t.mbem emende de .apu-
na ra do cano veinla Ca esquina se acha-
te iro
r coro quem tratar.
i_r Um e-ciavo de ancolia idade de 18 a ao
ann.s bonita figura si ni vicio nem achaques ,
muitc corpuleuto; e vent e-se por preciso : na ra
Velha o a de um anda junto a venda da esquina
do beca que entra p.ra a ra da Alegra.
jvj" Um >ei reno com Irenie para a ra d Aur-
ia e para a do Htspici > e junto dtlle um aliaga,
do coro denle s para a ra no Hospicio
na ra Nova lado do 1101 te penult ma loja.
a tratar
ESCRAVOS FGIDOS.
jy No dia :fi do correle fugi) um eccra>o de
nacj de nome Antonio, com os signaes seguinle. -
alio de boa prezeura reprezeuta ler de iiia( >i
annos ; quem o pegar, leve a seo .Sur. o Vigano-a*
Santo Antonio ; na~rua do Kaot;el O. 2j.
3rty a a5 no c Trente Maio de 184a, lugio unr-
negro de nome Matheus de hoa altura cor prela>
nao muilo u>ocodocorpo cara larg, e com pio-
las pret. s de bungas, reprezenia ter de idade 3o an-
nos, e lalla muilo auave(,ado porem lie ladino e
lem as nadigas s gnaes de nma surra que levou a
dois mezes, por ter fgido e andar procurando quem
o furtasse ; levou vestido carniza de mangas curtas ,
e calcas tudo de algodo traucano ; quem o prender
queira levallo a su Sur. o Uijor Ant .nio da Silva
(usm na ra d > Que inado, que ser bem pago.
~ Fusiono dia 18 do conenle indo venucr
peixe um'negro pi-r nome Delfn >, de idode de 3
a23anns, com os signaes seguiules. stloura de
hamhurgo carniza do me 1110 pao de mang Ciirta,.
um boiiet azul Jng'ez rosto curto olhos grandes ,
olba de uma banda nao tem barba o Snr. be mo-
rador em ib-a de Portas e Cuan-M Huberto Ma
noel Alve.
jrp fr'ugio 1 o dia ig do corrente Maio o pret
Domingos naco congo idade ib' annos OJUtUl
e corpo ordinario cor lula bastante ladino t a-
balhou de ca pina, e lem sido servente de obras pu-
b icas e tainb. in he ganl.ador de ra ; os appre-
hensores leveiu a ra do Ciespo, sobrado de j an-
dares U. >i que rero recompenemos.
%-j- Na noule de 19 do corrente i'ugiro um ne-
gro e uma negra com os signaes secuintes ne-
gro he ful de no e Antonio Pedro, ladino, ben
lalanle que parece cr ou o por ter vindo muilo pe-
queo da sua trra que diz ser Benguella bem
parecido altura ordinaiia grosso do corpo, tendo.
i suas pintas de cabellos braticos pela lizionomia^
nao iepiezenta ter mais de 5o annos de idade tem
um sigua I mui distiucto em sima de um p que he
uma inaica redonda do lamanho de quatro vintn
de prata, por Ihe ler cabido em dito lugar mel quen-
te na refinaco de assucar em cujo empreo j es-
leve : levou alem da roupa do corpo alguma mai.
neiro brano, carnizas, scroulas de algodo da
trra calcas e jaquetas de diversas fazeuda. ,
e cores ja u'zadas levando mais uma rede de algo-
do qua e uova e baca vermelha : este negio loi
escavo do Snr. Leonardo Bize ra Cavalcante do
brejo da ^'a re de Dos du Sm. Joze Pens Cam-
pello do Ivigenbo Cangass do Snr Joze AuuriciO'
de Oliveira Maciel, depozitario geral e do Snr.
Ignacio da doza. A neg a be de naco costa de
iiuine Citheiii.a repiezenta ter quareuta e tantos
anuos de ida e bem paiecida de caa nariz afu-
lano gro.'Sa do corpo pe'os grandes a > tura pio-
poicional, um ralo na cabeca e carregar tabolleiro,
talbos de sua tena em amba's ai laces principiando
os ditos talhos logo .ebaixo das maces me ao can-
tos da bocea, como arquiados, uma perna mai. gro*-
sa do que outra pez aiapagaiados lenoo nin sig-
nal mui vizivel que vem a ser ter no meio de
uma -las cauellas um ensaco ou caioiobo: lovou
no corpo sa a e ganga azul j uzada t cabe-
co de madapolo j ve bo panno da cesta qua-
ze ivo levando mais de sulselente 4 vestidos j
.i'.a.ns s mi 1 5 de chita e um de cssa coih pal-
mas azues- Sahiio todos na mesma hora tanto o
negro como a negra por serem todo, parecciros ,
e escravos do mesmo Sur. ; quem deles souber e os
pegar, baja de leva- los ao inr. dos ditos na ra Ve-
lha da Boa-visla s biado da esquina que volta para
a ra da Alegra ser generoz men e pago de ludo
seo tiabalho j assim ci;m> pro:esta- e proceder com
todo o rigor da iei contra qualquer que os tiver aioi-
ziado se dejuis desie auuun. io os nao fizer condu-
zir ao seo Seuhor pelo meio que for mai.conve-
nienie.
RECIFE NATYP. DE M. F. DE F. =1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2AJNE1ID_BSQ785 INGEST_TIME 2013-04-13T02:53:56Z PACKAGE AA00011611_04660
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES