Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04654


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
A11 no de 1842.
Quarta Feira 18
Tuilo agora depende de nos mesmos ; da nossa prudencia moderar e energa : con-
tinuemos como principiamos e aeremoa aponlados coni admirac.'io enlre as Noyes mus
mllas. (Proclamacao daAssembl.a (eral do iran)
PARTIDAS DOS COBREIOS TEBBESTBES.
I,,nimia Taraiba e Ido grande do Norte secundase sanas feiras.
Ituniloe iaranbiiin a 10 e24-
Cabo Serinhaem Mi Formoio Porto Calvo Marci e Alagoas no I. 5 ,11,
l'aje 13. Santo Ani.io quintas feiras. Olinda lados os ilias.
DAS DA SEMANA.
1G Seg. 'i1 Oilava JnHo Nepomareno M.
17 'J'erc. + 2- Oitava s. Paacool Bajlo'F.
s, Quart. a. Tmporas jejumS. Venancio Aud. do J, de D. da 3. t.
19 Quii, Pedro Celestino P. Aud. do juii de D. da 2. vara.
"'O Se*'- Temp. jej. a. Bernardino de Sena F. Aud, d-> J.deD. da 1. v.
21 Sb. Tc'mu. jej. s. Manos B. Re. Aud. do J. deD. da 3. t.
22 l>. ,>,, Trindade. s. Hita de Cassia ^ iu. .
Anno XVIII. N. 105.
de Maio.
O Diario [MbUca-M lodoi M (lias <\>f "fio for.-m Santificados : o oweo da aisignalura bo
de tre mil rea por (luarteT pagOl adiaiitadm. Os annuiinos dos asignantes sao inserido*
gralis e os lloique o m.o. torea] ratiiO d 80 rail poi linba. As rc.lainiicrs devem ser
dirigidas a esta TvpograSa ral dkl Crines !> 3, oa oraca da Independencia loja Je livro*
Numero 37 c 38.
Cambio sobre Londres 28 d. p, IV.
,. Paria 840 re* p. franco.
i.isboa 89 I 'JO p. 10U 'le pr.
OCRo-Moedadeti/lOll V. I..1U0
V I.i,DO
de 4,000 S.300
1.720
CAMBIOS so o* 14 de maio.
S'ltvT Peos C.olumnare 1
.i .. Mexicanoa 1
a n'iuda 4,500 a i
Moeila ue cobre 3 por 400 de descont.
OeacOBtoaa bilb, da Allandtga 1 por
ao me r..
dem de letras de boas Irmas le lie
,72o>
.72!
Hit
y reamar do aia 18 de Maio.
i." a 11 lunas e 42 m. da manba.
2. a 12 lloras a (i m. da tarde.
Prata- PaUo/ran
PHA8E8 DA I.L'A l\0 HEZ B MAIO.
yuart. ming. 2--s 10 horas 6 28 m. da manb.
La Nora a 10-- s !) horas e 10 ni. da manb.
Uuart. creso, a 17 as J hora e 42 m. da manb.
La ebeia a 24 sis 7 horas e 21 m. da manb.
I> IA I.I O DE PERNAA
PARTE OFFICIAL.
f.OVERKO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 30 DO P. P.
Ollicio Ao Commandante das Armas,
significando-flie que tendo representado o Ci-
rurgio encarroado da vaceina nesta cidade ,
que nao obstante haver embregado tudas as
deligencias seu alcance para levar a ell'eto
a ordeni que Ihe fora transmetlida pela presi-
dencia em virtudedo Im|>erial Aviso de lo de
Setembro do auno p. p. nao conseguir reva-
ciuar um s individuo porque ninguem se
Ihe a presen tara para tal lini ; e indicando o
mesmo Cirurgio que se poderia efectuar o
ensaio de revacinagoem alguns soldados que
estando no caso da conveniencia della se fos-
sem apresentando por turnos semanarios alim
de se conseguirem as desejadas experiencias ;
impreque fazendoexaminar entre as pravas
de I. lintia aquellas que tivercm tido be-
xigas ou huiiverein sido vaccinaiias a niais
annos mande apresentar aodito Cirurgio
s quintas feiras de cada semana algumas das
mencionadas pa cas.
Dito Ao Inspector da Thesouraria da Fa-
senda commuuicando-lhe que S. M. o Im-
perador houve por bem por Decreto de 51 de
Margo ultimo, aposentar Joze Manuel de Ser-
pa Brando no emprego de Thesoureiro da Al-
fa ndega desta Cidade.
Dito Ao mesmo communicando-llie, que
leudo S. M. o Imperador por Decreto de ."1
ile Marco ultimo nomeado para Thesoureiro
da Alfandega desta Cidade Joaquim Joze de
Miranda Jnior cumpre que o tara entrar
em exercicio logo que tiver prestado a compe-
tente Manga na forma do regulamento respec-
tivo.
Dito Ao mesmo communicando-lhe, pa-
ra seo conhecimento e para o faser constar
as Eslaces competentes que S. M. o Impera-
dor houve por bem determinar que fosse reeo-
nhecido cnsul da Suissa nesta Provincia oSr.
Theodoro Chavanes nomeado interinamente
para este emprego pelo respectivo Cnsul Geral
Dito Ao Director do Arsenal de Guerra
autorisnndo-o para mandar faser os reparos
que absolutamente forem indispensaveis na
salla da direccu do mesmo Arsenal.
Dito Ao Juiz de Direito Manoel Teixeira
Peixoto respondendo-lbe que a presidencia I-
cou inteirada da participacao que Ihe fez de
ter annulado a principiada extraco de 900 bi-
lhetes da 2. parte da O. lotera do Theatro ,
em consequencia de se acharen! em urna das
urnas duas sedulas de maise de papol dille-
rente das oulras ; e de haver determinado que
se procedesse a nova extracto.
Dito Ao Inspector do Arsenal de Mari-
nha respondendo-lhe que pode ajustar com
o consignatario do Patacho = 4 de Maio =
que segu para o Cear a conducan dos mu-
llios de esteiras d'Angola que para all tcm
de ser remeltidos.
Dito Ao mesmo autorisaudo-o para
comprar as cortinas que sao precisas para a
aliota e bem assim os bonets para a gente
que a deve guarnecer.
Dito Ao Engenheiro L. L. Vautbier,
significando-Ihe que tendo representado a C-
mara Municipal do I.imoeiro que a ponte de
Perauira seacba bastante deteriorada a ponto
de privar o transito publico para a mesma Vil-
la e para o centro da Provincia ; Ihe ordena
a presidencia que faga examinar o estado em
que se cha a referida ponte c orgar as Jepe-
sas dos consertos que forem absolutamente in-
dispensaveis para evitar-se que lique emba-
ragado o referido transito.
Dito A Cmara Municipal do Limoeiro ,
communicando-lhe a expedigo da ordem su-
pra.
da 2DE maio.
OfficioAoExm. Snr. Rispo Diocesano,
respondendo ao seo ollicio em que solicita que
o Reverendo Ere i Carlos Capuxinho se trans-
porte ao lugar denominado Panellas alim de
ahi abrir misso. que o mesmo Religioso tem
de seguir para a Provincia do Maranhao em
consequencia do que ha determinado S. M. o
Imperador em Aviso de 8 de Janeiro ultimo.
Dito Ao Commandante das Armas re-
mettcndo-liieas guias dedous soldados inv-
lidos pertenec!tes a esta Provincia e viudos
da de Maranhao.
Dito Ao mesmo enviando-lhe os oflicios
do Coronel Chefe de Legio de Olinda, do
Tenente Coronel Chefe do segundo Batalho
da mesma Legio o da Cmara Municipal de
Iguarass que do esclareciinentos a cerca
da organisago dos corpos do numero de
pragas do que se elles compe e das suas
respectivas paradas.
Dito Ao Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes ordenando-lbe que mande
pagar aos membros Ja Assembla Legislativa
Piovincial os subsidios que vencerao na ses-
sa ordinaria deste anno.
Dito Ao mesmo para mandar pagar a
importancia do pret, que se Ihe remelle dos
jomaos gratilicacoes commedorias e farda-
mento que vencerao as pragas da Compa-
nhia de engajados no moz de Abril ultimo na
importancia de 1:028i4-30 reis.
Dito Ao Presidente da Relacio com-
municando-lhe que tendo S. M. o Imperador
nomeado por decreto de 21 de Margo ultimo
Joze Francisco do Reg Rangel serventua-
rio vitalicio do officio de Escrivo das Appela-
eoes e aggravos da mesma Relago tem a
presidencia Ihe concedido licenga para exercer
provisoriamente o dito olicio at que apresen-
te o competente titulo.
Dito A Cmara Municipal do Cabo re-
mettendo-lhe as nomeagoes dos seis supplen-
tes do Juiz Municipal d'aquelle termo, alim
de lh'os mandar entregar Picando a mesma
Cmara authorisada para tomar-Ibes o devido
juramento.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 4 DO COltR ENTE.
OfficioAo Exm. Presidente remeten-
do-lhe a conta do que se eslava a dever ao
sargento quartel mestre Joze Alves Moreira .
e soldado Manoel Gomes pelo lempo que
serviro na guerra do Maranhao para que
houvesse de mandar que pela the/.ouraria
fosse paga, entregando-se a importancia ao
commandante do 3. batalho d'artilharia ,
por entermedio do seo quartel mestre.
DitoAo mesmo Exm. Sr. significando-
Ihe que sobre representago do commandan-
te da 2. c mpanhia do batalho de guardas
nacionaes destacada a servico da polica de
Goianna tenho-o encumbido de examinhar ,
e mandar orgar os indispensaveis reparos do
quartel dadila companlua,os quaes tendo sido
com efleito avaliados ein (Oj rs. rogava a
S. Ex. houvesse de dar suas ordens para
que fosse dita importancia entregue ao capito
F. de P. Meira Lima que bia ser encarre-
gado da administrago de taes concertos.
DitoAo Exm. Vice-Presidenteda provin-
cia das Alagoas remetendo-lhe o requeri-
mento e documentos do soldado Manoel Mi-
quilino do batalho provisorio, para que
tivesse a bondade de prestar a necessarias
informages acerca do seo allegado para com
fundamento encamiuliar a pretengo deste
soldado a deciso do governo de S. M. o i.
DitoAo cnsul de S. M. E. significan-
do-lheem resposta ao seo officio desta dala ,
qu* mandara porem liberdade ao recruta em
custodia Joze Joaquim da Costa G ni maraes ,
por ser cidado portuguez c que bavendo
I engao da nome a sobrenome dos ou iros
Idous recrutas paraos quaes tao bem recla-
mava soltura pelo mesmo motivo convinba
que primeiro fosse disfeito o engao.
DitoAo inspector da llie/ouraria re-
meltendo-lho o prel do batalho de suardas
nacionaes destacado, pertencentc uo moz d A-
bril p. p. para que houvesse de mandar sa-
lisfasera respectiva importancia M qual se
nao achavao incumbidos os vencimentos da
conipanhia de Goianna devendo por issoo
pret, ser considerado cuino caulella para
ser substituido opportunamente por oulro .
que contivesse os vencimenlos da .relerida
companhia.
DitoAo mesmo rcinetlendo-lho os papis
de contabilidade do destacamento da com mar-
ca de Santo Anto relactivos ao mez de No-
vembro do anno p. p. que nao foro anda
pagos tlevendo-se entregar a respectiva im-
portancia ao procurador Francisco Tavarcs
Corris.
DitoAo mesmo remettendo-lhe a guia
que pela pagadoria das tropas da corte Ib i pas-
sada ao capito Joze Caetano d'AndraJe Ca-
miso, que sendo mandado servir nesta pro-
vincia seacha presentemente desempregado,
devendo de seos vencimentos dedusir-se
mensalmente a quantia de 40,> rs. que dei-
xou a sua familia na corte.
DitoAo prefeito da com marca do Orejo ,
disendo-lhe em aditamento a ollicio de 2 do
corrento, que aseo procurador nesta capital
Jo/e Joaquim da Costa se entregara a quan-
tia de 113.>!P20 rs. pertencentc ao ex-solda-
do Pedro da Silva Capoeira para que elle a
mandasse entregar a S. S. afim de plati-
car o que se disse no ollicio de 12 do mez p.
p. contatldo-so por esta forma os riscos da
viagem.
DitoAo tenente coronel do batalho pro-
visorio remettendo-lhe as guias que tronce
do Maranhao o alfares. Mendos (uiniares .
para que com ellas praticasse o mesmo que
se determinara em oflicio de 2 remetiendo
as guias de outros ofliciaes.
PortaraRomeando o conelho de direc-
go que tem de tomar conhecimento da jus-
lionco, que dora para servir na qualidade
de 1. cadete, o soldado Antonio Ignacio R-
heiro Roma.
DitoAo tenente coronel commandante do
batalhSo provisorio mandando reconhecer
primeiros cadetes aos soldados Manoel An-
tonio de Santiago Lessa Luiz Antonio J'AI-
buquerque Maranhao Manoel Thomaz d'Al-
buquerque Maranhao Joaquim Manoel dt)-
liveira Maciel, e Joo Carlos Manoel de Sa-
boia que em concelho de drecgo foro jul-
zados taes. na forma do alvar de 16 de
Marco de 1737.
TRIBUNAL DA RELACE O'.
Scsso de I i- do corren te.
Os embargos de Jo/.c Rodrigues de Oliveira
Lima contra D. Ignacia Mana Xavier no cazo
de appellago civel desla cidade escrivo Re-
g Rangel ; foro despresados mandndo-
se cumprir o accordo embargado.
Os embargos de Joze do Reg Toseanno de
Britu contra Joze Luiz dos Santos e sua mu-
Iher na cauza de appellago civel da cidade da
Parahiba escrivo Bandeira ; foro despie-
zados.
Xa appellago civel de Joze Ferreira do Val-
le contra Antonio de Santiago Carvalho, viu-
do da cidade da Fortaleza do Sear escrivo
Jacome ; foi julgada pela reforma da sen lenca
recorrida.
Na appellago civel da villa Federal de Ca.-
beceiras appellante Francisco Tavarcs Paes
d'Andrade appellados Domingos dos Santos
e outros : nio toniaro conhecimento da mes-
ma app'dlaco por nao ler sido assignadu o
termo respectivo.
REPAUIICAO DA POLICA.
Parte das occorrencias do dia 13.
Pelo commandante geral do corpo de poli-
cial foi boje participado que o inspector do
quarteirfioda ribeira prenderabontem noito
a escrava de nome Angela e o menor Joo
Baptista por seren encontrados deitados nu
ra e que nao occon eo niais novidade.
O suppleule do delegado do termo de San-
io Anto participa igualmente que pelas II
horas da noite do dia 3 do corrente fugiro da
respectiva cadea nove presos para cuja cap-
tura expediiu-se ja as necessarias ordens.
Parto das occorrencias dos das 14, e 13.
Por commuiiicaco feita pelo comman-
dante goral do corpo policial consta que no
dia 1 do corrente fora recolhido'ao respec-
tivo cdiablico o preso Manoel Pereira de
Freitai, remettido pelo delegado d'Olinda e
Iguarass por ser desertor de marinha : e
que no dia 13 foro igualmente presos pelo
delegado do I. ternio^lesta cidade o soldado
do sobredido corpo Marcoliuo Joze Villa-No-
va por ter olfendido lisicamente a um bo-
mcni que d'ordem do mesmo delegado hia
ser recolhido cadea; e pelo inspector de
quarteiro de S. Joze Joze Mara Campos ,
por ter insultado ao mesmo inspector : e ,
finalmente que nao occorrera oais novi-
dade.
dem do da 10.
Da Parte boje dada pelo commandante
geral do corpo policial consta que furo
hontein presos e rocolhidos a cadeia pelo
inspector de quarteiro da ribei^T, Manuel
de Medeiros TheutunioNoves de Carvalho ,
Joze Pedro Marques e Joze escravo, por
um inspector de quarteiro de S. Frei Pedro
(onsalves, Antonio Domingos da Rocha o
Joze Teixeira ; pela 1. palmilla rondante
na ra do mundo-novo Francisco Antonio
de Carvalho por infraego /Jas posturas da
cmara municipal pela '. patrulha da ra
nova o escravo de nome Luiz ; pela da san-
ta cruz outro de noii'c Antonio ambos por
se suppor eslarem fgidos ; pela das 3 puntas,
Fidelis Francisco 5 o pelo capito de 1. linlu
Mesquita Pimenlel, o preto Manoel escra-
vo para una averiguago policial assim co-
mo que nao occorrera mais novidade.
Pessoas despachadas no dia 14.
Biode Janeiro Severo, preto, escravo de
Joo Pires Ferreira Hen-
rique preto escravo de
Francisco Ribeira Pires.
Joanna prela escrava
de Vicente Antonio do Es-
pirito Santo.
Manoel, Juliana Joze ,
e Justina pidos escra-
vos de Manoel Joze V-
anna.
Domingos, preto escra-
vo de Antonio JozeAlves.
P* II. L. Kalkmamm ,
Alemo.
Padre Manoel Ignacio de
de Souza Costa e S, bra-
zileiro adolivo.
Padre Manoel de Oliveira
Silveira krazileiro ado-
tivo. ,
Joze Gomes Sobral, bra- \
zileiru adotivo.
Jou Antonio Soares por-
Para
Portugal
Babia
Parabiba
luguez.
Angelo Rodrigues Pinto,
brazileiro, levando em sua
companhia sua mulher ,
i lilhos menores.
Passou-se titulo de residencia Joo da
Silva Lob= Pedro Molir = Antonio Joze
I

I

.1
f /
i
V



/
Alves Lopes = Manoe] Joze \<-\ la= Joa-
quim Marlins = Joao Antonio lall = Mano-
i'l Joaquim Dias de Castro Joaquim Alves
da Cesta = Vicenta da Silva liamos i= Manb-
cl Joaquim Ferreira = Joze Pereira da Cuo-
ta = Antonio Jos Paulo c!e Carvalho= Joa-
quim Antonio de Campos=SimeonDaniolo=
Jos de Medeiros Aguiar = Luiz Manoel Jor-
ge'= M. S. Mawson = Jo&o Wlson =s Ma-
tliias Kramersc Jo/o Baptista Gomes=Ra-
fael Fernandas Abranes =Felisberto Clau-
dio Pereira d*Abren.
Exisiem anda na respectiva societaria os
ttulos de residencia ja annunciados do Joa-
quim Joze=Joaquim de Souza Cont = An-
tonio Jo/e da Silva = Antonio Joze Pereira=
Gaspar da Silva Lovo= Antonio, Gomes Sa-
raiva = Joaquim Antonio da Silveira = Wil-
lia.m C. Comyn = Nicols Hartery = Joo
Matheos= Cuilhorme May = Caetano d'AI-
ineida = Francisco Muniz Pon tes = .Manoel
Joze de Figueredo=Joy.e Fernandos Limas?
Victorino Joze d'Almoida actualmente Vic-
torino Joze Hontlro= Francisco Jo/o d'A-
raujo Regalo Honro Joze Fernandos Bastos.
EXTKKIOK.
MARIO Ol PERXAIBICO.
SI
Deli.iixo da rulirlfa Corrtspon lencia Allero, se
le n. Sun ( l-M|, ii: ;' i de 3i de M uro
o seguinte arlijflquc nos pureceo digno de oeeupar a
BtieiCHO dos uessos l.iiUrrs e | or iso ap:i o co-
niamoi :
A luglueriii e<> Biazil. No prtscnle ai.no de
i84n expira o tratado de coiiiincrcbi catre ;. Inglater-
ra a <> Brasil segn lo inlcrp elacio d'< su- que ba
leus muosd) parte d'esta expiracu e da sua pou
ca dsposiciio p.ii renovar o lrala.no. Por outra par-
ta, Inglaterra exige ; ua cntinuaefio por roaia
dousannos con$ide>: a*to < ten- rU parlecipacao
como alguma ooasa rtificrcota lo lermo da duraco
do nata 10 l c mrnerc o, e do qual nio se devant duzir osrtilos dous .mn-s Seria rirffic entender a
importancia e as conv< leticias puasi' 11* d'esla liver-
geocia entra ;s dous paas sem linear urna vista re-
trospectiva para a insto, i dj Braxil, 6 f ser urna
clara resenta la sua actual situaco.
Culta quanto te Bfhzi] u'.> goza-se outr'ora de me-
llior administrar du que as colonias Heapannolas ,
isto c -in quau'.o ell>: lesae empobrecid) o todo
o modo pra. ticvel c c inse rado ta .to quanto era
possivel a queco de qualquer detenvolfimento que
llie pudesse lar (oren propria todava O Brasil !-'
la ua mineouravi liquesa natural, tmbrevJfl
tui non un j>'.' abastado.
(uaiitij i Joho desembarenu all em 8oS cim
toda a sus comitiva c rtez o uuico ineio ci colan-
te que ha\ia eia ouro e prata c -; moeda le ca-
bra to escatM (jnc era i I iu ;: inte nsuffiaento par
ra as necessidadts das classes inferiores, e eslava por
un piemio mu subid >.
Com a.'i'me Reimportan i n uovj c'cmento
urna Corte cdiu giandes prtc sc. e o que l.. pe >r
ollio? liscae* que ie Lisboa nao tirdiao pedido enxer-
gar bcii us recursos
rao lo^o visiveis. A mocita de prata loi depreciaila
a u po. ceuiu e o oaro que assim receba > um va-
lor sobra natural e mu to superior -i" intrnseco, dei-
xou o pas Bnto recorreo-se a urna imnoensa cu-
nhagem le c ibre e como est. con vid iu U'i-a enor-
me uitrofiKc"o elv tn c .;. fa sa loptOu se ual-
ineute cuino ineio circulante o papel.
.Ni cuito espaco ie ./i .-.unos f. i o 5r.2lem-'olire-
cido e na volta .ie l) Joo para Portugal em 1SC-.,
linbo desappareci o inteirainente la circuiar > o
ouro e a piala sendo substituidos pelo obre e pa-
pel e o cambio liaba descid da ?i a 47-
Porttil. nao se pode dizer que 1). Pedroxntras-
se no lioveruo do Krazil em circunstancias favora-
veis. J entSo exietiSo dilapidaco e a disordem,
e inda augmeiit r nirfis co:u guerra de Portugal,
t posteiioriente com :i de Bueuos A\res
U Brasil esava lis,o to a alcncar sua iudepen-
cia a to.lo o custo e para mo se c ntrabio em I 'i4
um einprestiuio ile b,000,roo libias o qual se fez
dep.is umn addicco de 1,4oo,000 lilir^-s para o em
prestimo Portugus Assim, o Brasil tor un-se pre
sa iK.s iapit.iis:a> Euiopeos. Kj amo de 18:7 con
cluio se o tratado t\ comiacrcio de Inglaterra cuja
jieor istipuiaco fu que o Brasil se obrigou a na
itipi maiores dii-citos d> qoc l porCeUto sobre
pi.n-s p.t-r las-Hilas Inglesas que f.isscm Importa i>-9
INo boiivc cu o reprocidade alguma ra pa.te da Iu-
gl.-.tein porque ua al,uus dos principac. generis
.le cxportaio lo lira?il se tc.-u exigido direitot at
*.'oo por canto. ErttSo o Brasil ticou tamUein cora a.
roaos ligadas a respeito .i.-.s oivt;-> nares eilrangei-
ras poi que embira exigisse d'ella ; naiores direito'
(1* por ecuto ) paia arrecadar inaior rend cot
tuao isto s servia pata p oteger o coipmercio los
Ingleses e expedir do mercado todas as mercadorias
estrangeiras. Aisiui iiiinguou utna riaspiincipes
fonU-s la renda ; j-otqtie'in l-'es circuustancias o
Brasil uo po le geraloientc impr ma;s lo que i5
jioi eet.to de d.reit-is de i npoitacio ossetn qtiaes
lo.ssetrj os generas ou qualquer que fose a sua ori-
gen) ; e in esta a rZo poique no- trata-es sube-
quenus com os paires estrangeiroa foi necssaria-
meiue dei.ada de mo esta dilleienca.
Em 18.-) 1 se elleituou a Coovencao para a ext 1-
ciio d Tialico .la Escrava deo o Miazil uma consi leravcl parte la sua renda ;
porque anteriormente percebia a rere la de conside-
ra veis direitos dalfan.lega nao s pelos Aucaiios
importados; tr.as tauiiem pelos gene, os exportados
para compra-Ios ouparatroc.r pr elic. E' li.-m
verdaJe que ora se exige a'l: um lireito sl'exp rto-
co mus subido pot t dos os gneros que vo para a
iriea ( Ciemos q;. 2j ,.;.i o^uio ; mas esta medi-
da iiiteiiainente uur ada pelo emuaegue a a M ,u-
te-Video Jos gneros pn-cis ..s pira este trafico e
lab; para a costa >'' po
sados por aUo fia lr da porto
' loutina.)
O Paquete Ingloz q-ue cheou aqui a I i do
correte troace-nosjomaesioRioeBadia, que
nos dao a eottosa de que na parte S11I do Impe-
rio nao fui alterada a tranquilidade publica. O
que maisoccapa na Corte os espiritos he, co-
mo em todo o imperio, aquftstio Inglesa. Na
Assembla Provincial do Rio de Janeiro havia-
se encerrado no dia25do pussado a disoussfip
do parecer da cominisso especiai nomeada pa-
ra dar sua opinio sobre o requerimento do
Sr. Dias Molla a cerca da dita questao. O pa-
recer foi approvado por 22 votos contra 2.
Diz aSentnella Pessoa bem informada
nos communica que tendo desembarcado ,
ao norte de Campos no dia iodo corronte .
1 ollicial o 15 marinheirosdi corvetta inglesa
Rose' commottero aljjuns attentados em
consequencia dos quaes forain presos torga
( porque resistram ) pelo juiz de paz da Bar-
ra Secca. )>
Parece que o negocio da dissoluco da As-
sembla nao lie mais um objecto de contro-
versia.
Daremos em nosso seguinte numero um
projecto de lei declciooes, que se assevera
ter sido approvado na respectiva seceo do
Consclho d'Estado ; c lhc ajuntaremos as ob-
servac/Jes que llie faz um correspondente do
Brasil ondo e-se projecto vem transcripto ,
assim como no Jornal do Commercio ; ainda
que nao como artigo ollicial.
Nada colhemos nos Jomaos da Corte a res-
peito do Rio Grande', o hinverno lalvez con-
corro para a inaccao das nossas toreas e das
dos rebeldes naquolla Provincia, ond.i elle
j he sensivel c divide perfeitamenlc as -asta
gfles.
Em Minas se ac bou a eleicao para uin Se-
nador com triumphodo partido da ordem. He
este faoto uma amostra infalivel das c^res da
maioria da Provincia om quem os auarclus-
tas como que lirmavo suas melhores espe-
raneas ssa eleicao nao he o resultado nem
de violencias nem da influencia que a Lei
das reformas lo Cdigo poderla dar ao Gover-
no. Kis aqui o resultado das votarles.
Candidatos do partido da ordem.
Honorio 77 votos
Jos Cosario 710
Belisario 674
Candidato! da opposico.
Cimpo 651
Cosa Pinto 606
Jos Feliciano 597
Publicamos boje a aecusacao, que por par-
le do Kxm. Presidente do Cear loi feila a
Frei Jacintho de S. Anna parodio de urna
frepuesia daquetla provincia como author
de um representaeo ,,equivalente um libel-
lo famoso contra omesmoKxm. Presidente,
r ublicada no Rio de Janeiro. Convencido de
calumniador foi o l'rade libelista condemnado
a qtialro meses de priso ; osen aecusador
porm satisfeito de baver provado quem era
o sen detractor lhe perdoou depois da sen-
tenca. Procedondo assim o Snr. Rrigadeiro
Coelho don mais urna prova de que a sua al-
ma generosa apoiada sobre urna conscienca
pura, inaccessivelavingancas, sabe despre-
zaro inimigo trahicoeiro c infame que em
sua impotente raiva para nutrir a sua inveja
monte e calumnia. Essa prova porem nao he
nem para osseus amigos e atleicoados nem
para as pessoas quo nao tendo com elle relaco
alguma, sito lodaviaimparciaese.justiceiras; el-
la serve sopara a quelles que feicliandoos olhos
experiencia ainda vacillo em seusjuizos en-
tre o calumniador de prolisso e o homem de
probidade experimentada entre o cobarde
Baquioso de vinganca e o homem generoso in-
capaz de villana 5 entre o facinoroso que te-
me a punidao ; e o Km pregado xecto que est
encarregado de o reprimir. Para esses ho-
mons que se apregoao de diflicil convceo
sirva essfl processo o o aclo do Sr. Brigadei-
ro Coelho de peso ao sen juiso em favor do ca-
lumniador e contra quantas aecusaces a es-
mo llie tem feito pessoas, que despraeada-
mente ainda considero talvez como virtude
atacar o Cidadao honesto spelo crime de
se achar em lugar eminente.
: i'.: todod pab
CKARA.
\ccusa5S0 feita por parte do Exm. Snr. Bri-
gadeiro Joze Joaquim Coelho Presidente
da Provincia do Cear Fr. Jacintho Je S.
Anna.
Ilim. Sur. Delegado. A cauza mais sa-
,'. grada a cauza da \m;\i tem boje de ser
tratada ueste Tribunal. Uma vctima da ma-
ledicencia e da calumnia vem aqui pugnar
polos seus direilos, e amparar seu crdito dos
golpes injustos.; que lhe alira cobarde, e
vergonzosamente um agcessor onusto. Este
he o 11. presente, Fr. Jacintho de San tan ua,
e aquelle oOignissiiuo Brigadeiro o Exm.
snr. Joze Joaquim Coelho, a quem tenho -
honra de representar na qualidade de seu Proa
curador. Sinto intimamente que as fot-
cas me faioco que nao lenha"a--precisa ilo
uslracao para advogar lao justo pleito mas ,
o que me falla de capacidarJe ser supprid-
pola perspicacia o reconlieeida justica do
meritissimt) Julgalor. Tendo decahido do
poder aquelles que se servirn do sagrado
nomo do nosso sempre amado Monarchn pa-
ra exercitariim injustas, c accintosas visitan-
cas 5 aquellos em lim qne jograd a ultima
carta qual a da Maioridade anticipada pa-
ra (a despeito do justo e honesto) seelle-
varein mais alta posicao do Imperio : achan-
do-se o Ministerio oconp.-.do polas pessoas de
maior criterio e nacionalidado ; foi nomea-
do para dirigir o leme da administrarlo desta
Provincia o Exm. Rrigadeiro meu consti-
tuinte.
Elle achot o Cear na maior con ti agr cao
possivel, no mais deploravel estado em que
odeixou o homem da designacao elleitoral ,
o Senador Aloncar. Dotado porem de animo
eminentemente justiceiro tratou de acalmar
o exaltamento tas paixdes polticas e cotn-
qou a manifestar una itnparcialidade a toda
a prova, dando a cada um o que era son ,
collocando dest'arte a desorganisada maquina
em seus devidos eixos. Entretanto isto altas
mente dcsagradou aos que tinhaO apoiadb a-
malversacoes do ex-Presidente ; privados dos
coffres pblicos, de (pie dispunho a seu bel
presar, desalojados dos empregos, que, 011
lites nio podan caber, 011 nao podido ser por
elles desemponhados ; em urna palavra redu-
cidos a gozar nicamente aquillo a que ti-
nho direito, se irritara _sobremaneira, e
comecarao a (a/er oppoziQflfl ao Covorno nao
oppozico constitucional, nao dnalisando sous
actos, e manifestando os erros, ou defeiios
destes, mas sim inventando tactos, men-
tindo vergonzosamente e laxando as mais
inocentes aeces de feros e horrorosos cri-
mes. Desengaados porem de que a oppo-
sico nicamente adtuinistraco nao era suf-
ficiente para seus sinislros (iris trataraOde
positivamente atacar a possoa do administra-
dor ; contra elle disparara lodo o fel da ma-
ledicencia, imputar.ul-llie accoes nunca por
elle praticailas, em lim ate quizeraO reputar
como um deffeito odever meu Digno Consti-
tuintc a alia posieo om que s. acha Mi-
nente a suas virtudes. e nao a nobreza ou
exaltamento de sous antopassados. Veste es-
tado se achava aopposi^Ao, cada vez mais
despeitosa pelas insinticoes da Corte quan-
dodesgraQadamente foi, no dia8de D-zem-
bro prximo passado, cruelmente assassinado
o Major Jofio l'acundo de Castro Menzes,
cuja ntorto ainda ste hojo seniio podeattribuir
justamente a alguem pois que ilo tinha con-
tra si um numero Ilimitado de inimigos pe-
la maior parte adquiridos na sua desastrosa
Vico-Presidencia. OpartidO hostil ao Covorno.
que a nada.ainda de mais perverso recua .
nao duvidou para seus lins manchar a r i
putacodo Exm. Presidente, imputando-lite
ac^o tilo negra. Clamrao sem consciencia,
e ate arrojarao-se a fazer chegar anlo o Tino-
no as vozes da impostura, e da calumnia. O
B. prsenle det-Iemhrado da sua sagrada mis-
sao calcando seus mais sagrados deveres ,
com olTensa da religiao da moral. c dos bons
costumes atreveu-se a dirigir ao Governo de
S. M. o Imperador uma representarlo, na
qual prodigaliza ao Exm. Brigadeiro as mais
revoltaates calumnias as injurias mais avil-
tantes.
Nesla representa?o o B. falla verdade, a-
lassalha sem piedado a honra de um cidado
por muitos ttulos respeitavel, emprega em
lim os mais ignobeis meios ao alcance do per-
verso para conseguir um fim de particular
inleresse seu, e de seu partido qual o da
demisso do actual Presidente. Eu como
orgodcste, nao me appresento barra des-
te Tribunal para exercer uma vinganga sim
para mostrar aos Cearenses e ao Brasil in-
leiro, que elle conserva illibada sua honra ,
ao passo que Fr. Jacintho de Santa Anna he
um mentiroso um falsario um Sacerdote
corrompido, e um impudentsimo calum-
niador 5 vis|o que nao prova ( nem jamis o
poder faser) asasseredes infames, que se
achilo transcritas na sua representago.
O meu digno constitilinte que sempre
tem sido reconhecido possuidor das excellen-
tes qualidades de boni pai, bom espozo e
ptimo cidado : meu constituinlo que re-
levantissimos servigos tem prestado ao Bra-
sil : cojo desinteresse he patente a toda a
prova; cuja cllevaco 80, e nicamente deve
i suas virtudes c a sen patriotismo nao so
,le conservar a sangue trio e com o vigor ,
|ue sompro acompanha oinnoeente fez cha-
mar a Juizo o representante falsario a quem
conjura appresento em publico os funda-
mentos dosjtiizos, que tem emittido contra
elle. .
Como provar o B. que o Exm. Brigadei-
ro se tem militarmente manifestado a
favor do um partido cujas iniquidades a-
poia ? Ser por ventura com as pronto-
tas e enrgicas providencias que tem dado,
jara a captura dos criminosos ? Pela protec-
cfio honro ? Pola averso que mostra let-
ao filme Pela imparcialidadc, .e jusliya ,
que constantemente pratica mesmo com os
seus mais enearnigados inimigos i1 Ser por
nao attendr ao espirito de partido. quando
trata de prover os eniprecos ?
Como provar o calumniador que o meu
digno constituinlo se tem at esquecdo de
que he pai, para exercer vingancas. e a-
(i trocidades e derramar a discordia em um
roban ho pacifico? Ser com o promoto
remedio, que presta aos desgragados ? Com
a protecgo innocencia desvalida i' Com fa-
zer reinar apa/., tranquilidade, eseguranca
em urna Provincia que lhe foi entregue sub-
mergida na anarebia, as dissoluges, na
guerra civil ; na Provincia em lim que es-
lava considerada o theatro dos horrores, e
das perseguiees i' < *
Com (novar que o Exm. Presidente he
feroz, vil, e inhumano mercenario que
se oceupa nicamente em chapear novos
coflVes em detrimento do Tbrono, e do Al-
l lar? Ser por ter elle depois de militas
hatalhas, das quaes sempre sahio coberto de
louros, so conservado pobre tirando sua
subsistencia somenle dos lucros que a Lei
he concede ? Obrar em detrimento do
Throno, e do Altar, quem por ambos ainda
se nao recusou a arriscar ale sua propria ex-
istoncia ? Quem nao pequeos esforcos tem
prestado para o restabelecimenlo da ordem ,
oda Lei no Bio Ciando Baha, Pernambu-
co e Cear ?
Eis pois o nenlmm fundamento Jas aecusa-
ces do representante ; eis pois manifestadas
mentira a calumnia c a impudencia !'! !
.Nao basta porem o coithecimento da verda-
de a punico do calumniador he. indispensa-
vel, so nao para satisfaco do oilendido ao
monos pelo inleresse da SociedaJe que re-
quer prompto castigo para o injusto aggres-
sor As injurias pessoaes que ferein a
honra ( diz um eseriplor criminalista ) e que
podem faser perder a 11111 cidado aquella con-
siderago que tem direito de exigir dos u-
tios devem ser punidas com a infamia.
O nosso Cdigo crimina! no artigo 2o2 tem
estabelecido a pena para o crime comcnellido
lelo II. ; visto quo nao foi a calumnia com-
meiiida por meio de papis impressos, e sim
em tuna represenlaeo particular dirigida ao
Coverno : deve pois ser punido com a pena de
dous a seis mozos de prisfio e mulla curres-
pondenle a melado do lempa ; pena esta que
podo ser imposta por esto Juizo ltenlas as
disposicoes do art. 12 7 doCod. do ProCWO
o as do art. 212 do regulamento de 51 de Ja-
neiro do brrente anuo.
Neo deve esmorecor ao merilissimo Julga-
dor o em prego que entre nos oceupa o B.
He verdade, que o Sacerdocio tem em todos
os lempos formado uma ordem mu distinc-
ta ; suas funeges sublimes os fazem partilhar
com a Divindadc a venerago dos mortaes,
mas isto he porque devem ser considerados o
modello da rnoralidade a guia das conscien-
cias, e costumes dos outros homens, porque
em lim mais por seus exemplos, do que por
seus discursos devem exhortar sous coneid;:-
dos unio, concordia humanidade ,
indulgencia e tolerancia. Estar nesle
caso o 11. ? Merecer a venerago e respei-
to que devem ser tributados a um Sacerdo-
te digno ? N'o por certo.
Um Sacerdote intolerante ( diz um ce-
lebre moralista) nao pode ser olhado como
orgao do um Dos cheio de paciencia e bon-
dade. I'm Sacerdote perseguidor e fanti-
co que planta a discordia entre os homens,
nao he se nao um impostor que falla em sen
proprio nome e cuja linguagem be guiada
pelo inleresse delirio e furor
IS'o vos trema, pois a mito imparcial Jul-
gador na senlenca que ides proferir 5 lem-
brai-vos que como Juiz recto deveis casti-
gar o crime rendendo assim um tributo
virtude : lembrai-vos tambem deque oque
boje succedt) ao meu constituinte yos pode
igualmente succeder; um calumniador anda/.
vos pode tambem ferir em vossa reputago.
Se continuar a calumnia sem castigo males
sem cotila pezaraO sobre a Socicdade ; casli-
gai por tanto o B. nao s para que elle seja


sfPSS
!3


d'ora em -liante ni ais cireun pecio, e respei-
ta'Jor dos direitos d os domis cidados como
ara exemplode oulros muitos.
Permilta-se-mc que em connluzo eu di-
rija algunas palavras ao R. comasquaes
milito pode elle ganliar.
A pala'vra deve servi'j' aos homens para com-
municarem Seus pensamentos e transmitti-
rem-se verdades que- sempre sao realmente
uteis. O mentiroso pcea contra todos os seus
deveres e por conseguinlo se torna nocivo a
s:iis assoeiados. A i*ecompensa do menti-
roso ( diz Aristteles ) he nao poder ser acre-
ditado mesmo quando falla verdade Os
Persas punio com a infamia o mentir : os
Indios queriao que o convencido de menti-
ra fosse declarado incapaz de qualquer empre-
o. Os mentirosos sao a causa de todos os
crimes que se commcltera no mundo pois
que o erro e a impostura sao origens fecun-
das de todas as calamidades que affligem o
"enero li urna no. A' vista disto nao continu
o K. a faser o triste papel de calumniador ,
sustente sua dignidade respeite a honra a-
Iheta e a verdade e ainda poder ser aco-
lhido pelos homens de bcm. ('cara 10 de A-
hril de 1818. 0 Procurador ,
Joaquim Saldanha Marinho.
COM M ERGIO.
ALFANDEGA.
Ilendimcuto do dia 11 de Mao Rs. 4-.606j49o
descarregao hoje 18 DE maio.
(Jalera Nacional e== Brasil = Barricas vazias.
Pfctacho Americano = Lucy = Miudesas,
barricas abatidas editas com lam-
pos.
Barca Francesa se Camelia = Paseadas.
Uriguo Inglez = Chadebuch = Bacalho.
Brlgue Portnguez s=s Primavera = Fasen-
das ferragens caixas com pomada
caixotes com sebo, iniudosas, vinho,
e, vinagre.
Brigue Portugus = Tarujo i. = Fasen-
das Dliodesaa carnes vinho vi-
nagre azeite sebollas e pedra.
PIUCA DO HKCIKE 14 DE MIO.
Revista Commereial.
Cambios--Ilouvero pequeas transacesa 27
l|2d. por!i, e algumas ainda por
menos.
Algodo As entradas tem sido mui diminu-
tas por causa das copiosas cliuvas, c
podem-se obler pequeas pon-oes a
o^U por,,.
Assucar- Fst em apalhia e ha vendidos, a
Gol) por i, sobre o ferro.
Couros- Yenderao-se a 135res por libra.
Azeite de peixe dem de 1000 a 1100 o ga-
lao.
BacalhoO deposito monta a 5:100 barri-
cas e as vendas, limitadas de8,>300a
9,) 000.
Breu- Vcudeo-se a 5,>0Q0 o barril.
Familia Americana nova- dem a 18000 a
barrica.
Dita Francesa dem a 18^000 a barrica.
Bita de mandioca- dem a 5*000 a sacca.
,.RIO DE JANEIRO 26 D'ABRIL.
Os presos corren tes pouoa ou nenhuma al-
teradlo offerecem dos ltimos que demos com
data de 9.
CAMBIOS NO DIA 23.
Cambios sobre Londres. 27 112
Pars..... 510
<( Ha ni burgo. 658
lletaes. Dobroes bespanhoes 29*400
onicio
Illm. eExm. Sur. OChefe do Poiicia
da Provincia das Alagos acaba de participar-
me em Ollieio de 11 d correle mez que na
Cidade de Maceio tintino sirio prezm dons
Portuguez.es como introdiiclotes .e olas fal-
sas de dez mil reis do padrao verme lio <
que sobre as que lhe foro aprehendidas se
havia procedido a neeessaria vestoria cuja;,
di Berengas a respeilo das verdadeiras foro
notadas, e por isso tenlio a honra de remet-
iera V. Exa. o resultado da raesma vestoria
para seu conhecimento signilicando-lhe i-
gualmente que nesta data ordeno a todos os
Delegados que faeno as necessarias Indaga-
r/es a respeilo dos individuos que taes No-
tas inlroduzirem e os processem como lo.- de
Lei, para serem punidos.
Dos Guarde a V. Ex. Secretaria da
Polica da Provincia de Pernambuco 22 de
Abril de 1842. Illm. e Exm. Sur. Bardo
da Roa-vista.
Differencas mais sensveis das Notas falsas de
dez mil reis do padrfio encarnado.
O- I da palavra Imperio he mais prximo
da linba intima da tarja aonde vem o Decre-
to do que as Sedulas ou Notas verdadeira ;
o pape! niostra perfeitamente ser de algodoos
incorpado cheio do fallas brancas nas letras
quasi a rasgarem-se as linhas de agoa per-
pendiculares sao mui vesives (piando nas ver-
daderas sao quasi imperceptiveis; a tinta en-
carnada he bastante grossa e quasi cor de
lijlo, a tinta escura he mais clara do que
nas verdadeiras e a tarja do centro be igual-
mente mais clara : e com algumas fallas de
tinta nas letras miudas das palavras dez mil
reis dez mil reis Assignado Antonio l.u-
iz Dantas de Ra ros Lei le Conforme. Fr-
cisco de Barros FalcJo Cavalcante d"Albuquer-
que AmanuenseEst coniforme. O Of-
licial Maior Antonio .los de Oliveira.
No fi.n -!? acto Mua n< Cnilii A-ninti ca'i-1 julgar credor do annuiiciaiite quoira no
prazo de tres dias, apreeenlar suas coritas
para (sendo justas) seren pagas : constando
ao afinunelante que durante o lempo que o
Sr. Antonio Joze.Rebello Gnimaraens trab-
Ilion na sua caza do cncadei iiacao contrahio
vanas dividas nao fin nome do annuncian-
te e por este motivo varias peaatMg se te-
nho aproveitado para dizerem icar a casa
devendo faz te declarando que a caza
nada lcou devendo mas antea Ihedevem.
e que oannunCiante nao esta obrigado a pa-
gar dividas de seus tiabalhadores contrahidas
em sen nonic sem autorizaco competente ,
quanto mais nao lendo sido.
Collegio de Santa-cruz.
A Direccfto desle collegio qtierende- dar
provas nao equivocas do que. alein do infali-
gavi'l zelo pela educacao C instruccao da .Mo-
cidade tem mais que ludo sob valas o amol-
da h urna nidada desvalida, a maiof das virtu-
des Iheologaes, a candada e vendo que mul-
to meninos alias dotados d'engenho e ap-
lido infelismente se achara pela indigencia
privados de viren) un dia a ser uteis a si ,
ao son paiz e SOCedade em geral, resol-
ven o saguinte: -I."- Admiltem-se no re-
cinto d'este collegio gratuitamente qatro a-
lumnos dous na qualidade de Pensionistas ,
os outros dous como meio Pensionistas. -2.-
lar.i ufiat pr rosa Aria das milhores autorei. C -
luido ine spji o drama se canlii' un jocosissino
Dttccto c. in leda a sua lin.d-Mnia se a p >r a men-
i-inn.T'a Aa-aati e sen espoz. Concluir l varia.I
! n iv*i espectculo com huma nova e. dive lidnsi-
iii! Pantoroinia eomporta palo Diacla ginna tico
que se intitula o Tribunal em conl'uzo, ou s rn.i-
: :ivIi:i ca Mgica negra
NSo sa^revine o l'nlilico exagerando ahclezie
j r.zalaiie disa Pantomima ; poique s pertenoa a
cu disco: ninientii e ooneepcao a deeeiJir i rd ou
ii ta o ieu 'iieieciinciilo ; porcm podo la a-
' i uic^tr (|ue tanto pela accS coma pela marcha, >i-
cidcn'ca edive liilssiinus leonas leie produzir
o mais bellissimo eileilo e ganhar a Publica v* ecta-
I cao send. dc/empenliada l'ela c-mpa diia ;iii-
nast'Ca e a maior parte res Actoies (pie forenuo
rornpanhia normal do Tiiealr dcsla Ci ade. He
cotn o n l'eii'o expectaculo que o 15 neci i*lo tem
liorna He convidaraos lllnstrcs habitantes d'isia Ci-
dade ro^anfo-ihes a sua prolccr.i nesia iiuule.
Principiar ?s oras do CJflumC.
. B. Os camarixes aclio-se a scn'a de-de j;i no
inesnio Tlieatro em peder di aciu.il caroarotairo o
Sur. Ziphclc > ("ezir para maiT comodidadfl rfo
Publico, rxcaptuando os dos lllullrissimos Sur ns-
ignante8 dos dive timeuto* >\o Artista Jozc dos Beis
que a ngo do racsaio se lhe reservara athe o da
i y do corrente.
A VI SOS |)I Y E USOS.
DECLAR ACOES.
r,oMi'\Mii\ DE nKBintni:.
Tendo de comeen r as obras do oncana-
* ment das aguas da n ascent^ do Piala no dia .,,.; alumnos sero na tu raes d'esta cidade ,
i I. d .millo prximo futuro o conselho de .,,..,,,N e par.s qlK. outr'ora livessem exer-
|libcrativo dacompanhia convida as pessoasleij^aig,,,,, empregodecathegoria riisoteda-
que quiserem contractar o fornPCimenlO dos.je r|ws (1,, p,>|os rev.-/cs lia Ibrttma deixas-
canosde farro, para que hajaode a pros n suas familias no deploravel estado da io-
lar as suas propostas, declarando os prego*, digertcia. -7,.- Os pretendentes appresnta-
asgarantas que exigem eo lempo emq r;,., os s^guintes documentos. I. Ortidau
se compromettem a satisfazer a encommend d'obilo du respectivo pae. 2. Attestado do
advertkido que devem remetteMs em cart parodio que comprove lions cc.stumes e indi-
feixada ao director o Sr. Jozc Hamos d'Oii- i gencia. 5. Cerlido autlientiea
veira im de seren perante o mesmo ron-J qu () pae exerc ra.
selho abertas e lomadas em consdera^So.
O abaixo assignado poder da os neeessarros
esclarecmentos, a respeito da qualidade do
da patria. .
Pesos hesuanhes. .
da patria. .
Pegas de 6^400 velbas
de novas
-Moedas de iOOO. .
Prata......
Apolices de 6 por cento. .


K
((

((
29*400 nom
28*600 ((
i#80S c
iiSO
IjSOO ((
loOOO <(
850
87
73 u
E D I T A E S.
= Porordem do Illm. Snr. Inspector da
Thesourario de Fasenda se faz publico o ofli-
cio, queaoExm. Presidente 4 Provincia
dirigi em 22 de Abril prximo lindo oche-
fe de Polica dcsta cidade a cerca de notas
falsas de dez mil reis do padrao vermelho ,
que foro mtrodiizidas na Cidade de Macei ,
e das differenQa3 que tem as ditas Notas fal-
sas das verdadeiras. Secretaria da Thesou-
raria da Fasenda de Pernambuco 10 de Mam
de 1842.
Joaquim Francisco Bastos.
Ollicial Maior.
A Cmara Municipal dcsta cidade do
Recifo, faz sesso e traordinaria no dia l)
do corrente.
= Pelo Lyreo desta cidade se faz publico,
que da dala deslea W dias, rao a concurso
as segnintes cadeiras de prmeiras ledras :
a do Ronito, pelo- abandono do respectivo
professor por mu i lo mais de dous m<'z da h'Pguezia de Barreiros qudseacha vaga,
e a subst.ituigo das cadeiras da cidade d'O-
linxa creada por lei novissima (Passembla
provincial: os candidatos que se oppozerem
s ditas c.nleiras habelilcm-se na forma, da
lei. I.yeco desta cidade I." de mao de I8-2.
O secretario
Joro Facundo da Silva Guimares.
Pela administraco da meza do consu-
lado se faz saber que no dia 10 do corrente
mez se lia dfi arrematar i porta da mesma
administraco urna eaxa de assucar brancoa-
prehendida pelos respectivos empregados do
Irapixe do Angello r-or nexaclnlo da tara ;
sendoa arrematacilo lvre de dispe/as ao ar-
rematante. Meza do Consulado de Pernam-
buco 1 i de Maio de 1842.
Nb impedimento do administrador.
Francisco Manoel de Almeida Catanho.
CONSULADO BRITNICO.
Os residentes n'osta cidade subditos do
Sua Magestodc Rritanico sao convidados as-
sislir ao ajuntamento dos mesmos senhores
n'este consulado a meio dia na sexta feira 20
do corrente mez para cpnsiiiar de novo sex-
ta resoliico feta na ultima rcunio. Consu-
lado Rritanico em Pernambuco 13 de Maio
de 48 H.
II. AugustusCowper
Cnsul.
T II E A T R O .
Programma do espectculo que lia de Subir
scenn Dominan vintee dois do correnta, em benefi-
cio do primeiro ctor Joaquim Joze da Gama. O
Kcnelicindo vni ter a homa de apprc/.cnlar ao Illus-
Irado Publico desla Cidade um p mposo e mui vari-
ado espectculo tendo o goal de-annunciar que
para seu maior bnllianlisiiio se arJpVezcniaro { po
obzequio ) o Aitista Jo?e dos iteis, c sha companhia
a fazer pacte de to extraordinaria fonccSo. I)e-
zeiiipn- ada huma gran e sinl'onia darbeitura re-
prezentar-se-h pela 1 ? vez neste Tlieatro o novo e
ensigna drama ein tres artos que se denomina a
N.'io de Sargiie, Este bello e opliui Hamaque
lautos apiauzos tem merecido, e tau'as enclieules (em
dado no Thea'ro Nacional da roa Lisboa, huma da* produeces i Aunaticas (pie iliui-
to liomo o seo autor c o beneficiado cuidadoso nos
neus imprescietiveis deveres para cjm o Publico, tem
feilo todos os exl'orcos para que e-te i rama suba a
.scein o Biais bem (iezeii.penbad j possivel no qual
:e apprezentai o Artista Joke dos Kes-a ezaoutai
um dos principacs p.ipeis.
38 do em prego.
ferro, o da qantidade grossura e diame-
melro dos canos que se exigem.
B. J. Fernandos Barros.
Impedidos, o abaixo assignado e si:a
familia, pelas circunstancias aguravantes que
Ihes rodeio de birem positivamente com-
primentar e a presentar seus devidos resp -i-
tos ao Illm. Sr. Dezembargador Chefo de Po-
lica desla provincia Anlonio Ignacio d'Aze-
vimIo a sua amab'llissima expoza e caros
filliOS ; valem-sedi) favor do Sr. M. V. deFd-
ria de Ibes manifestar por sua concei-
luoza folba lacs embaraces e os sen ti m -n-
tos que Ibes animo pelas suas prosperidji les.
ipie Ihes de/i'j'io permanentes : pois, alemde
Ihes impor o carcter sublime de taes perso-
nagens, a obrigaQo de os filicitar ; devem
corno um tributo pidos generosos obsequi-
os e mil favores que d'ella receberao prdi-
gamente na provincia do Maranhao a obri-
gagfio de nao deixarem occullos estes reco-
nbecimenlos dos quaes um s instante se
nao esquecem; e muito folgSodo rigoz|o que
se tem sentido tiesta provincia pelo despacito
do dito Sr. pelo qual a tranquilidade publi-
ca mui prosperar esem a/.afaina.
Antonio Joze Victoriano Borges d'Almeida e
Albuquerque.
.No dia 10 as sele horase meia da nou-
te indo um moleque comprar rap botica do
abaixo assignado por engao deo una caixa
de prata pertencente a outra possoa cujos
signaes sao os segrales : caixa de piala com
dous com modos para rap toda de gomos li-
zos alguma ronza usada e amassada em
ak'iras dos cantos : defeito acomodado para
boleo de colete ; roga-se a pesso a quem lhe
fr ollerecida a entregar na mesma botica .
que ser recompensado.
Luiz Pedro das N'eves.
Aluga-se urna grande caza na estrada
deJoO de BarfOS, n qual consta de duas gran--
des salas com quatro quartos duasalcovas
com portas de vidracas e retiro, tinasja-
nelas en vid cacadas com porta iIi fenle, e ou-
tra de oitao para o quintal, cozinlia lora,
grande quintal cercado de moeiros, com al-
guris alvoredos de fruto c boa cacimba, c
poi tao na frente quem quizer annuncie.
=. Pa-se200. rs. sobre pinhores d,o ou-
ro e prata ; na primeira venda do atierro da
Boa-Vista ao p da ponte se di/ quem he.
7 O Thesoureiro faz pagamentos da se-
gunda parte da sexta Lotera da Matriz da
\ afibuencia de Pensionista^ assim d'esta
provincia como das limitroplies (' cada vez*
mais vigorosa.
('.limpie declarar que o collegio limita-se
smente admissaO de Pensionistas e alguns
meio Pensionistas por seren graves os in-
convenientes ; (ue resultara da concurrencia
d'ulumnus externos com internos.
BF" Roga-se ao Si'. F. 1). C. que em i
d junio de 1840 lomou emprestado a quan-
tiadecem mil reis dando para spo paga.ment
mu recibo para rm'ber do sr. thesoureiro
dos ordena.los da thesouraria geral Lus Ro-
drigues Sello e con le opre/.'-nte nao tem
sido pocivel rece!)1!' do dito sr. Ibesrlureiro
a dita quanlia por dizer u mesmo Sr. Ihesoq,.
n'ironada dever ao'dilosr. F. I). C. queira no
prazo de orlo dias mandar saptisfazer a refe-
rida quanla,de cen mil reis, e rr-sgalaro
seo recibo visto que n mnima validad*1 tem
tido do contrario ser o SCO nome publicado
na folha por inteiro e se proced ira na forma
da lei, visto que dita quanlia foi empresta-
da sem juros nem gando algum csim para
servir ao referido sr.
S^r Domingos Alvcz Alfonso respondendo
ao annuncio, do sr. quera quer, que lie,
qge raivozo pocalgum molido o Iratou por
Domingos Gatego no diario de 15 do cor-
rente mez declara que arresto nao be penho-
ra feita por execuco de sentenca, (jue arresto
gmente tem lugar contra (nem est para
auzenlar-se ou est distruindo os bens e
nao tem os d rais o que nao pode dar-se a
respeilo do sr. Antonio Pendra Pinto de Fa-
ria que alem disto a letra pela qual se fez
o arresto, nao esl* vencida e por isto pode
dizr-se que n8o existe debito, e ltima-
mente nao consta que tal arresto TOSSe jul-
gado por sentenca e o aiinuneiante tem Ks-
criptura de hipoteca a retro l'eixado ; e (em
com ella seguro o seo direito, assim copio
declara que nao quer rebaler a letra como
pertendeu quem requereo tal arresto do qual
0 sr. Pinto ja pedio vista.
C7" Como nos tres bairros desta cidade do
Reci fe existen! divercas (avernas quevendem
garapa e .-Igumas dellas deixaram de vender
garapa picada observando v cumprindo a
postura da cmara, henecessaraidadvertr,quc
inda existem outras queconlinuo a vender
a (lila garapa picada e como as leis sao pro-
mulgadas para lodo o individuo geralmen-
to ; bem (ue as [Ilustres autoridades a
quem competir ponbO suas vistas era tal
ohjecto.
= No dia 2 de marco desaparecen um
Boavista nos dias 10, -20, e2l do eor negro de nomo Jofio, nacao banguelia ida-
repte Maio. no consistorio da mesma Ma-)<|e Siannos, pouca barba, alto, falla bas-
triz das onze horas as duas da tarde ; ef tanto' alrevessada tem um signal branco
nas Oiiarlas e Sahbados i'm f:i- : liare
sidencia na ra da Gloria l>. i i.
E*y Gaspar da Silva Froes t< n de
retirar para fora da provincia Olga na
dever a esta praca, e no cazo dealguem su
lem um c,B,
inidOS lados de baixo do braco ; quem
n aprender oeonduza a rua do Amorim on-
in fabrica de moer cafe d" Anlonio \az
iveira que receber cen mil reis de gra-
tilicaco.


i4
tsr Quem achou urna scdula do cem mili
rs. desde! a ra do Vigarie at a porla do
theatro', querendo. restituir, dirija-sc a ra'
Nova D. 5 que receber 30tf ris.
tsr 0 abaixo assignado faz sciente ao ros-j
pcitavel publico que dcixo!i de ser caixeirol
do Sr. Antonio da Costa Fcrrcifa desde o
dia lo do corrente. Joo Baptista Rodri-
gues.
tsr Quem precisar de 200 a premio so-
bre pinbores d'ouro ou prata dirija-se a ra Di-
reila venda D. 40ao pedo beco do serigado.
tsr Quera anntnicioii precisar de 200j a
premio sobre pinbores de ouro ou prata di-
rija-se ao pateo do Carmo casa de Gabriel An-
tonio, a fallar com Joze Mara Ferreira da Cu-
nba. .
tsr A commisso administrativa da Socie-
dade Apolnea manda pela segunda vez con-
vidar aos Srs. Socios para sesso hoje 18 do
corrente a fim de se tratar sobre o dficit da
sociedade.
vr Aluga-se um moleque para todo o
servigo de urna casa : na ra de S. Rita No-
va I). 18 lado do Nascente.
tT Aluga-se o quarto andar e soto da
casa cita na ra .Nova 1). 11 : a tratar na loja
da mesma.
tsr Antonio Vleira, subdito portuguez. re-
tira-se desta provincia.
tsr Alugo-se dous pretos para serventes
de pedreiro ; quem os pertender dirija-se a
ra larga do Rozario .junto a botica do Snr.
Rartholomco no segundo andar.
tsr Na ra do Vicario n. ID casa de Mon-
des & Oliveira existe urna carta vinda de
Lisboa para o Sr. Ambrozio Leilo da Silva.
ts^" Quem precisar de urna parda de idade
de 'vo annos", que sabe coser engommar ,
cozinbar e todo o mais arranjo de urna casa
dirija-se ao beco dos Martirios D. 1.
jry Ueclara-se que o Sr. Antonio Moreira
Pinto Barboza est concorde com o scu credor
sobre a divido, que contrato na ra do Quei-
mado D. 1.
tsr A pessoa que perdeo urna letra acceita
por Krancico Joze de Pinito dirija-se a ra
do Trapiche Novo n. 18.
tsr Entregou-se um bah a um preto na
ra da Alegra para trazer para S. Antonio .
oqual desapareceo com dito bah e como
nelle levasse alguma couza de importancia ,
roga-se a quem der noticias delle se dar me-
tade do valor no beco da Polo D. 7.
tsr No da 17 de Marco do auno passado
furtaro do sitio do abaixo assignado dous
quartos sendo ub russo e outro castanho
com frente aberta ps calcados ambos com
o ferro 0 na cocha direita ; quem os
mesmos descobrir ou pegar receber 20j de
grutificago a se guardar segredo : na ra
das Flores D. 12.
Joze Antonio Correia Jnior.
tsr Cosem-se vestidos do ultimo gosto ,
chapeos golas, e toucas, tudo com o maior
asseio e delicadesa para todas as senhoras
do grande tom ; assim como ongommo-se
vestidos c roupa de homem com perfeigao :
na ra larga do Rozario sobrado que faz fren-
te para o beco do peixe frito, primeiro andar.
= Luiz Joze de Souza retira-se para fu-
ra da Provincia por algum tempo dei-
xando por seus procuradores o seu mano Ma-
noel de Souza (luimares o o seu Amigo o
Sr. Antonio Pinto Lopes e roga as pessoas
que forem seuscredores de Ihe apresentarem
suas coritas no praso de 5 dias para seren
pagas.
tsr Lava-so engomma-se e cose-se to-
da qualidade de costuras todo pelo menos
prego possivel ; na ra do Amorim defronte
do nichft da Piedade sobrado de dous an-
dares aonde tem o pulieiro.
tsr Joanna do Rosario Guimares Macha-
do vi uva do linado Joaquin Lopes Machado,
roga a todos os credores do dito seu marido
hajao de comparecer no dia 20 do corrente
na casa de sua residencia no atterro dos alio-
gados pelas 10 horas do dia a lim de obser-
varen) o estado de sua casa e poderem deli-
berar a bem dos interesses de todos.
*** tST Na loja de alfaiate de Manoel Joaquin
Venancio no atterro da Roa vista, na quina
do beco se fazem as obras seguintes com a
maior brevidade e perfeigao : casacas de su-
perior panno preto e de cores a 50j sobre-
casacas de ditos a 54j caigas de panno pre-
to e azul a 14* coletes de veludo preto liso
a 8 ditos de setim preto lavradu e de co-
res oi dito liso de macu a 5j farda para
guarda nacional a I6 o jaqueta de pao a
^OOO ris.
tsr Antonio Joze da Silva Lima ; retira-
se para llanda.
= Beroardino Gomes deCarvalho, reti-
ra-se para Lisboa.
tjj Os SVs. que tem pinbores de ouro e
prata no segundo anclar do sobrado nov*o con-
fronte ao tanque'd'agoa do porto das canoas
da ra Nova com o praso ja vencido os
vao tirar ate o dia 20 do corrente.
tsr Arrenda-se a propriedade da Roa-via-
gern com terreno para plantar crear em
grande ponto, matas e una casa grande
de vivenda : quem quiser annuncie.
= Manoel Rodrigues Pimenta da#Cunha ,
retira-se para a Baha.
= Norberto Moreira subdito portuguez,
retira-se desta provincia.
tsr Precisa-se de um cozinb>?iro ou cozi-
nheira livre ou escravo para cozinhar o
jantar ordinario de urna casa de familia sem
o trabalho de fazer compras. e onus de
dormir fora da mesma casa ; qraem estiver
nesta circunstancias annuncie.
Plulas vegetaes e universaes Americanas.
Estas plulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que temfeto, nao requeren) nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo to simples, que n8o fazem mal a
mais tenra crianga : em lugar de debilitar ,
fortifican o systema purifico o sangue, e
augmentan as secregoes em geral: domadas ,
soja para molestia cbroica, ou so-mente co-
mo purgante suave ; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado deconslpago, depoisde sua
operago como quase todos os purgantes fa-
zem ,'e por serem mui facis a tomar e nao
causaren) incommodo nenhum. O nico de-
posito dallas em casa de D. Knotli, agen-
te do author : na rua da CruzN. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituaro com o sello da casa em la-
cre preto.
Collegio Francez'do Espirito Santo.
A directora deste collegio tem a honra de
participar aos paes de suas educandas e aos
mais paes de familia que pertendem mandar-
Ihe novas educandas que para tornar mais
fcil e menos dispendioso o provimentoda
roupa que os estatutos exigio toda branca ,
altera boje o i. do art. 7 dos mesmos esta-
tutos no sentido seguinte.
Art. 7. $ 1. O uniforme do collegio que
consta de un vestido branco e singello com
um avenlal de sarja preta ser reservado u-
nicamente para os dias de sabida e de recep-
gio, licando ao arbitrio das familias mandar a
roupa da cor e qualidade que lhes zer maior
conveniencia para servir nos dias lectivos
em que ascollegiaes ando entretidas com seus
esludos no interior do estabelecimento. De-
ver toda a roupa ser decente singelia e
sem enfeite algum.
Fico abolidas as disposicoes dos estatutos
contrarios a este novo artigo.
A Directora.
Urna senhora cazada e de bons costu-
raos moradora em Olinda na rua de S. Rento
n. 28 se propoem a receber meninas como
pendonistas ou meias pendonistas como
melhor convier a seos pas
a lr, escrever contar
para ensinar-lhes
grammatica por-
lugueza cozer e bordar de toda a qualidade,
lavarintos cortar e fazer vestidos tocas e
chapeos de todas as qualidades, e querendo os
pais tambera se Ibes ensinar o francez mu-
zica edanga : a mesma Sra. comprometie-
se a aprontar com a brevidade possivel toda a-
qualidade de comer jantares agados tor-
tas doces de todas as qualidades; sendo tu-
do feilo com perfeigao aceio e em conta ;
tambera se coze borda-se faz-se vestidos,
tocas e chapos para fora.
AVISOS MARTIMOS.
tsr Para Philadelpbia segu viagem nestes
10 dias a bem conhecida Barca Americana
Globe Capito N. Eslins ; quem quiser car-
rogar ou ir de passagem para o que tem ex-
cedentes commodos dirija-se ao Capitaoa
bordo ou aos consignatarios L. G. Ferreira
liCompanhia.
L E I L A O'
tsr O Correlor Oliveira far leilo se-
gunda feira 25 do corrente as 10 horas da
manila em o sitio que foi do fallecido Bai-
rSu, no Cajoeiro, da mais esplendida;' mo-
Iiilia, que at hoje se tem oirerecido a venda
publica ea mais apropriada paraadorpo de
qualquer casa por muita asseada que seja .
pertencentea um respeitavel Cidado dop Es-
tados L'nidos prximo a retirar-se desta
praga e parajiieihor informago se noto al-
guns dos principaes artigos de diirerentes sa-
las a saber : sala de vesitas conten) Iremos
com espelhos mui ricos e lampos de pedra
marmore branca, um pianno dos mais raros .
pela sua superior qualidade com chapa de K
ferro interna para prender a cordeago, e con-
servar a anago um espelho mui lo grande
para sala um sof de mogno com travissei-
ros e as cadeiras para igualhar perfectamen-
te envornisadas una estante de msica ,
mesado meio desala 4 cadeiras de bracos
de variados gostos, urna caixa de costura com
tampo de pedia j caixinha para cha apare-
lhos de procelana da india 5 lampioes mo-
dernos com vidros lapidados e pingentes w*>
lindo relogiode cima de mesa bom regulador,
quadros de vistas no Bio de Janeiro e mui-
tos outros objectosde fantasa ; sala de jan-
tar : duas bancas com lampos de pedra mar-
more aparador mesas de janlar, um apa-
rellin completo da melhor procelana branca
de Franca um dito igual para deser com
pratos altos para frutas um dito de gosto ex-
quisito um dito para cha, bandejas. gar-
rafas do cristal de cores para vinhos copos ,
e muitos objoctos de vidro raros \ alcovas e
quartos : um magnifico leito de mogno um
dito de madeira cipreste, lavatorio de mogno.
com lampo de pedra, dous lindos guarda rou-
pas de senhora com bons espelhos e lampos de
marmore cadeiras lampifie esleirs de
canlo que guarnecer todas as salas da casa :
e alero de grande trem de cozinha ha um
carro americano que leva 4 pessoas com os
perlences e arrotos completos para um ou 2
cavados, um dito mui leve de duas pessoas ,
e outro de 4 rodas para um e 2 cavallos com
os arreios competentes. Senhoras ou ho-
mens decentes que queiro examinar os
ditos rticos podem dirigir-se ao menciona-
do sitio sexta feira e sabbado 20 e 21 do cor-
rente que entao tudo Ibes ser espontanea-
mente patente.
tsr Adolpho Schramm far leilo por in-
tervengo do Correlor Oliveira de grande
.ortmento de fazendas inglezas da Suissa ,
Alemanha e Francezas as quaes se offe-
recero a venda positivamente para liquida-
gao de contas ; Sexta feira 20 do corrente as
10 horas da manha em ponto, no seu ar-
mazem da rua da Cruz.
tsr Gaskell Johnson cVCompanhia far
leilo por intervengo do Corretor Oliveira ,
de grande porgo de fazendas inglezas com
toque de avaria e de muitos oulras proprias
deste mercado em bom estado ; quinta feira
19 do corrente as 10 horas da mar.ha em pon-
to no seu armazem da. rua da Cruz.
ditas de madapolo largo de galo 4^200 reis
ditas entrelio a 3.>000 ditos a 2*900 chi-
tas de cores 140,100, e 200, pao para co-
brir mesa a lj rs. lencos de seda lina para
senhora a biiO, ganga azul trangada a 140,
cortes de vestidos de cassa de bom gosto a
2800 o nutras murtas fazendas por prego
commodo : na rua do Queimado quina do
beco do peixe frito D. i.
tsr Um cavallo para carga : defronte da
ribeira da Boa vista venda por baixo de
um sobradiuho.
tsr Dous escravos mogos de bonitas figu-
ras cozinho de forno e massas ptimos
officiaesdesapateiro fazem broseguins com
muita perfeigao tanto para homem como pa-
ra senhora vendem-se para fora da provin-
cia por isso se dao a contento : na rua de
Agoas verdes sobrado de 2 andares D 12.
s?y Optiraos charutos da Havana llam-
bnrgo Caxoeira, p da de fama va : na rua
do Cabug loja do Sr. Bandcira.
cr Carros de rr.o para conduzir atterro,
salitre refinado em barricas de 5 arrobas e
meia milito em conta cha aljfar en) cai-
xinhasdell el2 libras, charutos da Hava-
na e de Manilha barricas com lijlos de
limpar facas e armamento : na rua da Alfan-
dega velha armazem n. 5.
tsr Lm escravo ainda mogo, proprio pa-
ra qualquer servigo : na rua do Trapiche
novo n. .1(5.
*- Dous escravos de nago com bonita
figura um bom canoeiro e o outro ptimo
para todo o servigo : na rua Direita D. 20 la-
do do Livrame::lov
.jar Cm cabm serrador e canoeiro e en-
trale do servigo de engenho : na rua direita
passando o beco da pon ha sobrado de dous an-
dares de varando de ferro.
C^- Sacas com farinha de mandioca alva ,
e fina por prego commodo : na rua da Cruz
armazem n. 10 junto ao charuteiro.
t25" Fardo em barricas chegadas lti-
mamente de Lisboa : no armazem de Joa-
qun) Gonsalves Vieira Guimares no caes da
ulfaridega.
tsr 'ma escrava de 12 a 14 annos bas-
tante doligente e ptima para mumbanda
na rua estreita do Rozario D. l no primeiro
andar por cima da relinaco.
ESCRAVOS FGIDOS.
COMPRAS
+>tsr O segundo tomo do Jornal das fami-
lias e Jornal de comedas onde tem a pe-
ga Tartufo ; quem tver annuncie.
tsr Livros em branco de papel pautado
meia holanda com 17 l|i polegadas de com-
primento ell Ii de largura ; quem tiver
annuncie.
VENDAS.
tsr A venda cita na rua larga do Rozario
D. 1 : a tratar na mesma ou na rua Nova
D. 20.
tsr Urna cama de Jacaranda, urna dita de
angico com todos os seus pertences urna
cmoda de jacarando urna marqueza dita,
12 cadeiras oom assento de palha dito,
duas bancas de angico e duas ditas de con-
dur : na rua Nova loja de marcineiro junto
a I groja da Conceigo.
-*r?- Caigas de panno pelo prego de 4fo00 ,
que servem para qualquer pessoa : na rua
do Queimado D. 11. v,
tsr Farinba de mandioca vinda de S. Ma-
theus a 5ji a saca e 4,>800 sem saco : na
rua da Cadeia n. 17, e no armazem do falle-
cido Moleta : sendo em porgo grande ser
por menos alguma couza.
tsr Um sobrado de um andar com soto ,
era chaos proprios na rua do Fagundes D.
7 ou troca-se por urna casa terrea que te-
nha bom quintal na rua de Hortasou de S.
Thereza: a tratar na rua do Rangel venda
Decima 55.
tst Rarricas com sardinhas de superior
qualidade chegadas prximamente de Lis-
boa por prego commodo : no armazem de
Fernando Joze Braguez junto ao arco da Con-
ceigo.
SSr Galo largo e fino de ouro, dito es-
treito para divisa de Alferese de Capito, di-
to largo branco tambem fino globos e es-
trelas douradas para divisas de guarda nacio-
nal um cressente de cabello para senhora ,
tudo por prego commodo: na praga da In-
dependencia loja de Antonio Felippe da Silva.
"^ss^ Um moinho grande de moer caf, por
prego commodo : no piteo da penha tenda da
ferreiro.
sr Urna porgo de pedra dera : na rua
da senzala nova I). 2(i segundo andar.
tsr Pegas de bretanba de rolo a 1*900 ,
T No dia 12 de Margo p. p. desapareceo
do sitio do abaixo assignado no principio do
Arraial um escravo de nomo Joaqun) de
bonita figura de 18 annos tem a cabega
um tanto comprida urna cicatriz no dedo
mediato ao polegarda mo direita e outra
sobre o peilo de ura dos pos cujo escravo
consta ter sido seduziJo ; quera do inesrno
souber ou descubrir se Ihe gratificar com oU>
e se prometo segredo na rua das Flores D.
12 todos os dias uteis de urna boro as 5 da
larde, ou r.o dito sitio.
Joze Antonio Correia Jnior.
MOV1MENTO DO PJORTO.
NAVIO ENTRADO NO DIA 15.
Macei ; 2 dias Sumaca Brasileira Bom Je-
ss dos Navegantes de 54 tonel. Cap. Jo-
o da Silva Porto equip. 7 ,. carga assu-
car : a Antonio Gomes da Silva.
SAHIDOS NOMESMODIA.
Macei ; Barca Ingleza Nightingale Cap.
Tilomas Hunter carga lastro.
Maranlro ; Brigue Escuna Brasileiro Voador.
Cap. Manoel Antonio dos Santos carga
diversos gneros.
, ENTRADOS NO DIA 14
Bio de Janeiro e Baha; 18 dias, Paquete
Inglez Express Commandante Herrick.
Havre de Grace ; 59 dias Barca Franceza
Camelia de 509 tonel. Cap. Joo Baptista
10
fazendas : a
Guilbert equip.
L. A. Dubourcq.
Poito ; 28 dias, Barca Porlugueza Tenta-
dora de 400 tonel. Cap. Emidio Joze Je
Oliveira equip. 28 carga vinho : a Ma-
noel Joaqum Ramos e Silva ; passageiros
105.
Londres ; 5idas, Brigue Sardo S. Joze For-
tuna de 501 tonel. Cap. Simio Sardi ,
equip. 14 carga lastro : a Joo Pinto de
Lomos & Filtra.
SABIDO NO DIA 15.
Acarac} Patacho Nao. Aurora, Cap. Joaqun;
Pereira dos Santos carga diversos gne-
ros ; passageiros Manoel Joze; Domiciano.
brasileiro e Joze de Souza Guimares J-
nior portuguez. -
REC1FE NATYP. DE M. F. DE F. = 18*"-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKYNM4IWP_612C6K INGEST_TIME 2013-04-13T00:39:06Z PACKAGE AA00011611_04654
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES