Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04651


This item is only available as the following downloads:


Full Text
a
Anuo de 1&42. Quinta Feira 12 de
Tuilo por dapamle e m'ra meamoa ; da nnasa prudencia, mtrlracfu), enriad ron
linutin.is BOBO i>rinci|>iamna, remos apuntados com ailmiracjo entre < DlinVi man
alias. (Proclamaran ila Asaemblra Ceral duirasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, Pa'aiba, r Kiii'raaile do Norte, na segunda r sr'iia feira.
Komi (ia.-athunv a -lile'i-i.
Cabo, S-riiibarm, Rio Formnc, Pono Cairo, Maceio, e Ala;oas no 1 II, e 21
Faje ti- Sanio Anuo, quinla feira, Olinda iodos 01 diat.
DAS DA SEMANA.
I Sap. i Tere. AntomiilO Are. Kel. Aud. do juii de Direilo da I, rara.
2 Quii, ". Joanna Prinrea. Aud. do juii de D. da 2. vara
43 SMI. N. Sra. dos Marlvn-a. Aud, do .I.deD. da \, y,
"a *ab. s.mI. Re. Aud. do .1. de D. da 3. y.
*5 Don. Paacoa do Espirito Santo, s. I doro Lavrador.
31 ai o.
Auno XVIII. N. 10*.
na
O Diario publica-sc torios os das qae nao (oren Santificados: o preco da aaaignatura h.
de tres mil rea por quarlel pagoa adiatadns. Os annuncioa doa asaipnantea sao insaridoa
gratis, eos dos que o ii;'io fnrem raa.to de 80 reta por liaba. As rer-lamar.ora de rea ser
rlirijidas a esta Tipografa ra das Ctuiea I). 3, ou n prafa da Independencia lujas deliTroi
Nmeros 37 e 3V
CAIMI5IOS.no da fl de Maio.
I.unlin sobre Londres 2S d. p. 4U.
a> j* Taris 3^0 res p. franeo.
. Lisboa S!a Ocro-Moeda de 6,400 V. i.OUO
N. 44,900
. de 4,000 S.200
PbT* Paiacces 1,680
PnaTa PeioajColumnarea 1,680
u Mexicanos 4,680
nuda 4,440 a 1,46(1
Moeda de cabr 3 por 100 de diaconto.
Iliscont de billt. da Alfandega 1 por 100
ao mer.
dem de letraa de boaa firmal 1 a
ale |.
Pleamar do da 12 de Maio
\.n a G luirs r .Vi m. da manila.
2." a 7 horas e IS ni. da larde.
P1IASF.S UA LA NO MEZ E MAIO.
Quart, ming. a 2 -- ti a 10 horas e 28 m. da manir.
I-tia Nova a 10 --
Quarl. rese, a 1 / --
I.ua cheia a 24 lis 7 huras e 21 m. da nianli.
s '.I horas e 10 m. da manir.
js 0 horas e 42 ni da manir.
PERNAMBUCO.
PARTE OFFICIAL
REPARTICO DA POLICA.
Parto das occorrencias.
Consta das parles dadas pelo com man-
dan te geral do corpo policial, que folla pre-
zs no dia 7 do corrente d'ordem do 1. dele-
gado do termo a escrava de nome Joaquina ;
e pela I. patrulha rondante na ra do palace-
te Manoel Joaquim porjulgal-o suspeito e
no dia 8, pela patrulha rondante na ra da
Madre de Dos, os pretos Joao, Concalo, Jos,
Manoel, Paulo, e Joaquim escravos de Ma-
noel Cardo/o da Fonceca por terem dado de
entre elles urna bofetada em um individuo ;
pela I. patrulha rondante em Fora de Portas,
um preto bucal, por se ter Janeado d'um na-
vio ao mar ; e pelo commandante do destaca-
mento domesmo corpo existente na povoa-
ro de Beberibe Manoel Tbomaz da I'aixo,
por ter pertendido assassinar a sua sogra : foi
rccolhido cada desta cidade.
Pessoas despachadas no dia 10.
Ilha de S. Miguel por Lisboa : Placido Jos
do Reg Couto brasileiro adoptivo.
Provincia do Cear : Jos de Mallos e Sil-
va brasileiro.
Rrejo d'Areia: Francisco Jos Machado Cui-
mares, portuguez.
1NTEIMOK.
a 2. pelo 2." tmenle da armada Jos Bernar- | pa estalislico do sen dislricto. Mifiha opiniao] a lei inteligencia que eu suponto errnea;
des Santarcm que preslo nisto um servico
meritorio o digno de todo o elogio e o he
igualmente o prestado pelo doulor Francisco
da Silva (lastro que tambem gratuitamente
cura as enfermas do estabelecimento.
O II."0 administrador em prega em prl das
meninas a sen cargo zelo igual ao que na edu-
caco de seus lillius de/.envolve bom e cari-
nhozo pai de familia e est tambem monta-
do o estahelecimenlo qae he de esperar se
aproveilem alguns pais de familia desta excel-
lente caza de educado em que podein me'-
ter como pensionistas suas jovens Ribas. Esta
instituico be digna das simpatbias de todos
os coracoes bem formados e caridozos e me-
rece dos poderes polticos do estado a protec-
co que a sociedade deve a todos seus mem-
bros, ecom especialidade aos fracos e de-
zampa rados.
Santa caza da candado c hospital dos
lazaros.
PARA'.
DISCURSO DO KXM. VlC.E-I'ltKSIDEMTF. 0 SU. DD.
IIF.UNVRDO DE S01ZA l lUXCO NA ABERTURA
DA ASSKMltl.KA LEGISLATIVA PROVINCIAL
EM 14 DE ABRIL DE 1842.
(Continuago do n." antecedente. )
0 recoRiimento das educandas conten 51
orfans sustentadas pelos cofres provinciaes ,
12 pela cmara municipal da cidade e 3j0-
vens pensionistas particulares ao todo 08 ;
e da conta apprezentada pelo R."1" administra-
ilor veris ,' que seu rendimento e quantia
votada no valor de rs. 47#3K) por cada um
mez nao hesuliciente para cubrir a despeza,
a qual orea por 500. rs. pinsaos afora os
ordenados da regente, e regente reformada.
Esta despeza he por certo mui avultada e
cumpre minora-la pelo menos em quanto
dficit to quantiozo e progressivo inhabili-
tar o the/.ouro provincial para fazer face
todas suas despezas ; e fi.xar por tanto o n."
das educandas prohibindo admiltir alguma,
preenchido aquelle. Convem igualmente de-
signar as circunstancias das que devm ser
admittidas ; para que segundo o lim da ins-
tiluico s o sejo as orfans desvallidas, e
dezamparadas a qcm a sociedade devo pro-
teco, e ensino. Huma lei orgnica do es-
tahelecimenlo he por tanto preciza ; e espero,
que nella venha incluida authonzaco ao go-
verno provincial para reformar o regulamento,
ou estatutos da casa quando como actual-
mente mostrar a pralica que preciza algu-
mas modilicacoes.
O mappa e expozieo appenso apprezen-
tado pelo R."'0 administrador da caza padre
Salvador Rodrigues do Coutto, contem infor-
macOes e requiziges que merecen) attenco ;
e lendo eu por vezes vizitado o estabelecimen-
t posso informar que estao adiantadas mui-
tas meninas em leitura caligralia arilhme-
tica grammatica portuguesa e costuras ,
c algumas em dezenho, muzica vocal, e (lau-
ca. Em pbucos dias estar prompto um pian-
no, e terr ellas meio de se applicarem a mais
esta interessante prenda. A muzica e deze-
nho sao anda ensilladas gratuitamente, a I.
pelo R.m0 conego Margal Antonio Ferreira, e
Nao apprezentou ainda a administracao da
santa caza o novo compromisso para cuja
eonfoccoa authorizou a lei provincial o." <2 ;
B porque o aguardava esta presidencia e era
informada que eslava entre mos tem es-
passado qualquer reforma que em virtude
da mesina lei eleva fazer; e igualmente porque
marcha administrado actualmente o estabele-
cimenlo com tanto zelo, e to feliz rezultado,
que faz honra ao provedor, pagador, e irmaos
mezarios.
Pela vez primeira depois de lardos annos
foi o producto das lavras da fazenda do Rio
Capim superior a suas despezas e deu saldo
de rs. 873.) 1 (J) al o lim doanno financeiro
prximo passado ; despendeu o hospital lazaros sement rs. 3:327.>37.* sobrando um
saldo de 1:529*985 rs.; e foi o saldo total do
estabelecimento de 3:831.>2H rs. nio obs-
tante ter pago a ulministraco dividas ante-
riores nVvalor de I :!M 3.52G rs. A adminis-
tracao continua em seus louvaveis esforcos ,
e conta poder melhorar do da cm dia suas
rendas.
Administracao da juslica e estalistica.
A administrado da juslica civil o cri-
minal que cercada deombaracos, que 1 lio
oppunholeispouco applicavcis s circunstan-
cias peculiares desta extensa provincia mar-
chava entorpecida e mal poda prestar ao
cdado a proteegao devida garantir-lhe ps
bens c perseverar-Ihe vida d esperan-
cas deganhar vigor, e direceo com a exe-
cuco da lei n.# 2G1 de 3 de dezembro do an-
no p.p., a que comecei a proceder com todo
o zelo que pode empregar administrador de
provincia a muitos ttulos interessadona pros-
peridade desta importante porco do Imperio
Brasileiro.
Tornada geral toda a administracao da Jus-
tina em virtude da lei n." 103 de 12 de maio
de 1840, e n. 20! de 3 de dezembro de I8'i 1,
julgo dever dispensar-me de entrar em por-
menores sobre este tpico e mesmo sobre a
estatistica da provincia para cujo inelhoramen-
to me parece conveniente que votis quan-
tia que se possa destribuir pelos delegados,
que apprezentarem mais exaclo mappa esta-
listico do seu dislricto.
Os dados que tenho podido obter sobre a
estatistica da provincia sao ainda inexactos ;
e to smente o juiz de paz do 2. dislricto da
villa Je Bahio Manoel Raimundo Seco remet-
tco nestes ltimos dias um mappa estalislico
de seo districto que a ser exacto tem mui
grande valor pela clareza, evaredade das
cazas e notas que contem. D este map-
pa a. aquelle dislricto 1330 habitantes, e por
tanto 380 mais que os ltimos que Imita-
mos eeu dezejaria que to bello cxemplo
fosse seguido por todas as authoridades, que
esto em circunstancias de poder tirar o map-
Rendas da provincia c estado da sua agri-
cultura e conimercio.
As rendas provinciaes arrecadadas durante
o anno linanceiro ultimo de 1810 a 18 il des-
erao a 100:023.413 rs. (cando por arreca-
dar i7:333.>31i rs. em quevem incluidas'di-
vidas de annos atrazados ; e havendo sido a
despeza tulal paga rs. 220:133,>803 o por
pagar rs. 17:287.)033 foi o dficit doanno
apenas 2880,>00l se se levar em conta a
receita toda do anno embora arrecadada em
annos posteriores ; coque linlia de descon-
tar-so por um lado de dividas incobraveis ser
compensado com o producto das collecloiias
ainda nao entrado aquello lempo.
Em o anno corrente porem he superior o
delieit, nao s em razao da diminuicao dos
impostos decretada as ultimas l.eis do Orca-
mento em alivio da agricultura athe enlio
dcmaziadamcnlu sobrecarregada ; porem e
principalmente pela ha i xa de preco (pie tem
dado os gneros no mercado, e diminuicao
da prodiico de alguns delles eauzada pela ir-
rgularidade da e^taco inveruoza. Das re-
BCes apensas. veris Sis. a exportarlo
com[arada do anuo linaneeiro lindo e de 8
inezesdo auno corrente athe lim de fevereiro,
e que havendo diminuicao sensivel na do
arroz, assucar e outros gneros do menor
vulto vai liaver nao peipieno aumento du-
rante o anno na exportacao de cacao e sa-
patos de horrax:. Falta ainda tomar-se em
consideraco os 4 mezes do anno dff alguma
exporlaco e comm^rcio que sao mareo ,
abril maio juulio e tenho esperanzas de
que a de quazi todos os gneros iguale do
auno (indo com excepcao do cacao, e borraxa
que o exceder em milito ; c poderei verificar
o pensamento que tenho, que a diminui-
cao das rendas he mais devida a baixa de pre-
cos dos gneros, que a alguma outracauza.
A entrada e sabida de navios para Portos
Estrangeiros guarda proporcao com o anno
linanceiro anterior.
Athe im de fevereiro ultimo tem chegado
as rendas arrecadadas a 104:847,>370 reis ,
quantia mui inferior despeza animal orea-
da em rs. 310:072^000 do que tem pro-
vindo atrazo nos pagamentos cargo dos co-
fres e dever-se j em fevereiro 24:013^330
rs, nao incluindo quanlias fixada para o-
bras publicas o nao pagas ainda e continuar
de dia em dia niaior o atrazo. Esto dficit
podo ser suprido em parte procurando arre-
cadar a divida activa, quazi toda cobravel ,
e que cliega rs G4:370.v500 e para o que
se fazem os precizos esforcos e em seguida
vos proporei algumas medidas precizas ; re-
cebendo da thesouraria da fazenda as quantias
devidas ao cofre Provincial no valor de rs.
30:20,)800 j e conloando a arrecadar de
Antonio Dias (uerreiro parto da enorme
quantia cm que (icou debitado. Cuerreiro
esl quazi dezobrigado da divida que con-
trahiu com a fazenda geral c j comeca a
pagar a que deve ao tbesouro provincial.
Alem destes meios, e porque no sejo
suficientes convem lancar mo d'outros que
tendo a molhor fiscalizar a percepeo dos im-
postos para o que devem concorrer muito as
novas leis sobre julgamento de contrabandos,
ejuizo dos feitos da fazenda, e os repartir
com mais igualdade sobre todos os gneros ,
se ni os aumentar sobre algum nem fazer
demaziado grvame agricultura e com-
mercio da Provincia dignos de toda a possi-
vel proteciifio. (ieneros ha como pescado
secco e de moma, cal de pedia, telhas, po-
tes, mexira e lio d'algodo, que nao pago di-
zimo por urna inteligencia, que se tem dado
Srs. decidir se esto j incluidos naquellas
leis ou se o devera ser em outra como meio
vantajozo do aumentar a receita sem sobre-
carregar com dczigualdade os outros generes.
A dispzicflo do arl. 13 da lei Provincial
n. 94, j repelida de annos anteriores con-
tribue igualmente para a diminuicao da re-
ceita ordenando que s paguem direitos na
exportacao entre outros gneros o arroz e
algodao. Passo assim desapercebidos e
sem pagar imposto algum cerca de 30:000 ar-
robas de arroz em que se pode orear o consu-
mo annual da Cidade e mercados do iuleri-
or, que supre ; e perde o lliesouro Pro-'
vincial neste genero, o no algodo renda
nao dispensare! em occazifto de tanta urgen-
cia. Eu preferir lanzar mo destes e ou-
tros meios aumentar impostos sobre gene-
ros, queja os pago ; o far o restante em
beneficio do tbesouro a nova organizado ju-
diciaria que habilitando as Justinas territo-
rial para entrar Iegalnienlc as cazas em que
hajo contrabandos processar com edicacia
seus proprietarios e contrabandistas e pu-
ni-los, faz-nos conceher esperangas de que
ter diminuicao tao illicito trafico qne u-
ZUrpa mui grandes sommas aos cofres p-
blicos.
Bem fquizera eu entrar em mais pormeno-
res sobre a receita provavel do anno prximo
futuro c meios de a aumentar ; porem se-
ria demaziado longo na enumeragfio de fac-
tos precizos para instituir comparaces en-
tre o auno ultimo linanceiro de W40 a 1841
e o futuro de 1843 a 1844, sobre que se vai
legislar, e lia muito risco em raciocinar desde
j sobre dados que estando ainda mui dis-
tantes tem militas variacoes que soTrer.
Proceden! estes obstculos da epocha esco-
tbida para vossa reuniao, que sendo em
abril e antes do lim do anno linanceiro ,
mister he trabalhar sobre dados do um anno
linanceiro j lindo a 10 mezes e paraoutro,
que ainda est distante 13 mezes. Dahi a
confuzo nos clculos da raceita e despeza ,
e a necessidade de alterar annualmente a lei
do orcamento promulgada na sesso anterior,
e antes de ter comecado a executar-se.
Estes e outros inconvenientes verifico-se
igualmente a respeito do anno financeiro mu-
nicipal suas contas orcamentos balances
&c. e eu ainda urna vez vos lembro a vanta-
gem que proviria de abrir a assembla le-
gslativa da provincia seus trabalhos em agos-
to ou selembro tendo j para se regular as
contas e os baleos do anno financeiro pr-
ximamente (indo o comeco de execucAo da
lei actual e nao to distante o armo finan-
ceiro futuro. Odia 13 de agosto, aniver-
sario da independencia da provincia ou o
mageslozo 7 de setembro sao dias notaveis ,
e proprios qualquer delles para a installaco
da assembla legislativa parense.
Nao tendo sido recebidas as quantias pro-
venientes de impostos laucados em leis do
orcamento de annos anteriores sobre caixei-
ros estrangeiros e pelas razes, queja ifma
vez vos foro communicadas continuo a
figurar noslivros, e balancps estas dividas, jul-
gadas incobraveis e a este respeito requisita
o tbesouro provincial providencias, que vos
dignareis dar.
Rcparlices publicas.
Em cumprimento da lei provincial n. 94
de 23 de junho de 1811 dei secretaria do
governo o regulamento com data de H de
marco ultimo e a tabella dos emoftmenlos,
que o acompanha, e espero, que discutindo-o
vos dignareis separar a parte, que Impro-
priamente orgnica da Secretaria, ecujas


..i
disposiges invariavois devem ser consignadas
em Lei", daquella que he propiamente Re-
glamentar e deve continuar a faser parte de
um heguI&mCTlte interno reformavel a jui-
so do Presidente da Prvintt econforme as
necessidades occorrentes.
' Esto ate cerlo ponto prevenidas no Regu-
lamento as principaes prceises da Secretaria,
nrelhor dcstribuidos seus trabalhos e mais
l>em lixado o arranjo do archivo que eslava
como que desgovernado, e sujeito se per-
derem papis de muita importancia do que
tem havido innmeros exerftplos. Para se
levar porem a elfeito a desti ibuigo e clas-
silicago dos papis do archivo mistr he vo-
tar quantia para se pagar pessoa que tentia
suflicientes -principios e pratica (leste traba-
lho e que se queira dar a elle por urna retri-
biigo lixa e por urna vez j e linda a des-
tribuigo dos papis poder entao continuar
archivista e sem prejniso dos scus trabalhos,
um Km pregado da Caza.
Em 31 de Agosto do anno p. p. conced
reforma ao i. Oficial Pedro Valenle da Costa,
cujas molestias inhahililavao para continuar
no servico e preciso he que votis a qan-
tia apnual de 00,> rs. para pagamento do or-
denado j que Ihe coube na raso de sua anti-
guidade.
Fo posta em execuco no Thesouro Pro-
vincial a Le N. 93 de 22 de Junho do anno
prximo passado dando nova forma aquel-
la Repartigo a qual vai em andamento or-
dinario ; "e a liecebedoria Provincial contina
na falta de una boa caza para sua accommo-
dago c representa o sen Administrador ,
que sao de primeira necessidade assoalhar a
casa cm que actualmente existo e a mobi-
Jar decentemente, e qual convem a urna Re-
partigo diariamente frequentada por grande
n. de pessoas.
Cmaras Municipaes.
Tem remettidoo balanco, e orcamento se-
mestral e annual, que ordeno osartigos
20 e 21) das leis provinciaes n. 85 e 100, as
cmaras Municipaes, que constoda relagao
junta, sendo notavel entre as poucas, que U-m
faltado a este dever a cmara municipal desla
cidade, a qual ainda athe agora nao apprezen-
Inu os balancetes devidos em Jullio do anno
lindo e os devidos em Janeiro p. p. nem
satisfez vez alguma dispozicodo artigo 2Uda
lei provincial n. 83 citada que impoem ao
prezidente da cmara obrigago de enviar to-
dos os mezes ao prezidente da provincia ba-
lancetes de sua receita e despeza com observa-
ces relativas ao estado das obras que esli-
yerem em andamento.
Dahi tem rezultado nao ler cu podido dar
providencia alguma para prevenir o estado de
marasmo completo em que se acho os cofres
daeamara, que segundo sou informado vai
parar suas obras por falta de meios tendo
despendido avultadas sommas cujo empre-
go preciza saber-se ; e como a cmara actual,
que nao he responsavel pelo mal, que j en-
controu feilo d como motivo da falta da
apprezentaco dos balancetes orcamento, e
balancos molestias do secretario e traba-
lhos da secretaria da cmara, espero a appre-
zentaco das contas quedevem vir por in-
termedio desta presidencia para dar as provi-
dencias preci/.as eque forem possiveis sen-
do certo que a falta de multa sobre os pre-
sidentes e secretarios da cmara desta cidade ,
que nao cumpro a dispozigo do artigo 29 da
lei n. 85 ha de contribuir mais ou menos
para a inexecuco desle art.
Militas cmaras municipaes tem remettido
posturas que vosser aprezentadas eme
tem requizitado asapprove provizoriamente ,
o que hei feilo para oceorrer de pronto as ne-
cessidades dos municipios ; tenho porem ex-
cluido alguns artigos ou parte delles e alte-
rado outros que ou excedio a aleada das
cmaras municipaes ou sahio fora do circu-
lo de suas atlribuigoes.
Com tudo mister he que tenhao ellas suas
posturas regularmente approvadas, e esperao,
que as publiquis na prezente sesso, ou
dando a cada urna das cmaras posturas espe-
ciaes, ouum cdigo de posturas geral p^ra
todas e alguns artigos especiaes para as que
os precizarem.
Com data de 19 de Julho do anno passado
publiquei para direcgo das obras a cargo das
cmaras municipaes o regulamento, que vem
impresso no Yolume das leis provinciaes pro-
mulgadas na passada sesso e por elle se
vo comegar a dirigir as obras de alguns mu-
ricipios nao o podendo ser em todos porque
a difidencia dos chefes nao o tem habilitado
nara pagar as prestages que esto lixadas
para estas obras.
EmofICK)del2de Fevereiro deo parte a
cmara municipal de Macap de estarja ns-
tallada a da nova villa de Marzaga tendo
sido eleita em virtude do decreto n. 80 de 30
de Abril de 1841 que havio dado cumpli-
mento ; e remetteu j esta proposla dos em-
pregados municipaes da jusliga a qual nao
tem mais lugar com a execugao das reformas
do cdigo do processo criminal.
As rendas municipaes decretadas na lei
provincial n. 100 $ 2. e 4. do art. 3 e 2.
5. i. o., c G.'do art. 4. nao tem sido per-
cibidas e como seria avultado o producto
tem a cmara municipal desta cidade mais cs-
sa caliza de falta de meios para fazer face as
suas despezas. Na reprezentaco da recebe-
doria provincial e que vos ser prezente e
as informages a que proced acharis as
razes desta falta de cobranga ; falta a que o
gove-no provincial nao pode oceorrer, porque
est determinado no art. t. e 8. da le citada,
que estes impostos sero cobrados na recebe-
dona provincial c como ; e nao me compete
alterar taes dispoziges a cujo respeito nem
mesmo fui ouvido-, porque a lei do orgamento
municipal nao tem sango.
Sou deopinio a este respeito, que urna
impozigo de patente sobre cada urna caza cm
que se vendo os objectos impostos naquelles
e langada segundo o valor do aluguel
da caza ou com outra qualquer baze seria
de muita vantagem cmara e evitara
qnpstes importantes que podem originar-
se de outro qualquer modo de percepgo des-
te imposto. He inegavel queas cmaras mu-
nicipaes nao tem rendas suflicientes eque
mister he vota-las c taes que seja eflecti-
va sua arrecadago.
Sade Publica.
Artigos de posturas de algumas ca maras
municipaes versAo sobre medidas tendentes a
conservar a sade dos habitantes dos destric-
tos e creio que sao executadas ; e entre
outras medidas julguei dever modificar ou
sobreestar na aprovago de artigos em que se
ordenava que todos os enfermos de elephan-
tiasis fossem recolhidos ao hospital do lazaros
desta cidade. He este um estabelecimento
de mu pouca capacidade eque nao poderia
abrigar todos os enfermos da provincia e
para evitar a accumulago de to grande n.
delles as proximidades desta cidade me p a-
rere que se deve tolerar que fiquem em suas
cazas os que no interior da provincia existem
fra dos povoados, ao menos athe que ha ja
hospital que os possa accommodar todos.
0 iagello das bexigas tem ltimamente de-
xadode vir juntar seus terriveis effeito aos
males, que sofre a provincia, e como que au-
Ocanal do Anauer foi Um po das ramagens,
esgalhos, e madeiros que Ihe obstruido a
pa-sigein e concluido elle pas.saroos tra-
balhadores para o de Tabatinga; mais impor-
tante 5 porem mais difcil de limpar e csca-
var, e ja esto limpas cerca de 300 toezas,
tehjdo sido ejts'obras di rgidas a principio pe-
lo coronel Joo Kenriques de Mallos e actu-
almente pelo caplto lenle da armada Fran-
cisco de Piula Ozoro incumbido igualmen-
te da obra do pharol das salina* quevou
mandar dar comego.
Est concluido o caes sobre o rio em frente
da cidade desde a ponte da escadinha athe o
Fortim de S. Pedro Nolasco, e continuada as-
sim athe em lenle da caza do commercio a
ra da Boa-vista. Tendo percorrido cerca de
150 bracas e se eslendido atlie alem da pra-
ca do rommercio a comegar a ra nova do im-
perador parou por tocar no Fortim, eser
precizo esperara authorizago que para de-
molireste velho edificio ped ao governo im-
perial alcancei, e comego a por em execu-
gao estando j derrubado em parte e qua-
zi atterrada a praca ganba sobre o rio em
frente da caza do commercio. No entretanto
que nao vinha a authorizago mandei passar
os trabalhadores para o lado da ponte de pe-
dra comegar o caes que faz face dca do
lado direito daquclla e esto j fe i tas cerca
de 4o bragas e adiantada a excavago da d-
ca (pie vai dando atierro para a ra ganba
sobre o ro.
Esta mudanga da obra para o lado da ponte
de pedra era athe preciza paraabrir desde logo
a dca e dar s embarcagoes de pequeo lo-
te o abrigo que ao longo da praia lhe ia
roubando o caes, abrigo que Ibes vai cm
breve comegar 'i prestar aquella ; e he vizivel
oadiantamento da obra nao obstante os obs-
tculos que a dificulto entre os qua-
es se pode enumerar um terreno paludo-
zo que exige estacada para sobre ella se
firmarem os alicorees e engole forga de
macaco vigas de 2o e 30 palmos. He obra
cujas vanlagenssao j conhecidas, e s-lo-ho
ainda mais para o futuro \ e a posteridade ta-
ra justioa as assembleas e presidentes da
provincia, que se esforgaro por ver lindo o
grande caes que continuando a ra da Boa-
vista abrindo a ra nova do imperador e
as duas dcas dos lados da ponte de pedra a-
formozeou a cidade aumentou-a e faciii-
tou a fiscalizaco dos embarques c dezem-
barques.
Nao obstante porem a reconhecida vanta-
gem da obra tem ella urna, c outra vez encon-
trado oppozigao, e estara parada a nao ser o
niaies, uuuMiirua uiunuud, o i.um-f Mu*, .*. .. .
xiliado a incuria que tem havido no emprego empenho, que fago por levar avante urna em-
davaccna. J urna vez ti ve a honra de vos
propor a creagAo de um directorio vaccnico ,
como podis ver do meu relatorio na abertura
da sesso de 1839 e insisto na idea de urna
reforma a este respeito que pode ser mes-
mo se opreferirdes fiar urna quantia para
retribuir a qualquer professor que se der a
vaccinago mandar vir e conservar vacci-
na e seria conveniente que a retribuigo
seja na razo do n. dos vaccinados e cuja
vaccina for reconhecida boa. Sem isto temo,
que continu a nao haver vaccina na provin-
cia no obstante as providencias tomadas em
27 de Junho de 1840 e haver na capital um
medico vaccinador pago pela cmara muni-
cipal.
Obras Publicas.
As obras publicas e provinciaes em mos
alem da factura e concert de Matrizes so-
bre que j tratei sao a factura e concert
de algumas cazas de cmara e cadeas a-
bertura e limpeza do canal do Anauer e
Tabatinga e as obras do caes da marinha ,
e dcas do lado da ponte de pedra.
A falta de dinheiro nos cofres tem obstado
a que se destribua a quantia votada e se d
comego as obras das matrizes. Dahi o atra/.o
em que est a de Gameta o pouco adianta-
mento que vo tendo as obras da de Bujar ,
e outras que tem tido partedas quantias que
Ibes tocaro. A commisso da de Santarem
tendo empregado a que lhe foi destribuida
pediu authorizago para contractar sua obra
com Antonio Dias Cuerreiro e o approvei
com a condigo de entrar para o thezouro
provincial por coata de sua divida a quantia
por que a ajustou fazer. #
Algumas cmaras, como a de Porto deMoz,
e Viga tem ainda em ser parte da prestacio ,
ou prestages, que recebaro para estas obras,
e tendo a 1. arrematado a factura da caza da
cmara e cada approvei a arrematago, com
tanto que fosse feilo este edifficio segundo
urna planta que lhe enviei. A da Viga of-
ficiou dizendo que nao acha arrematante e
pedindo authorizago para fazer a obra por ad-
ministrago que ainda nao assenti.
preza, que emprebendi, ecomecei na inteira
conviegao, que fago um grande servico a pro-
vincia, e cidade em que iive a honra de nas-
cer, e onde espero lindar meus dias. Nao en-
trarei nos pormenores da oppozico porque
sinto athe recordar taes lacios, e me retiro aos
documentos que vos fago apprczentar sobre a
requizigo, que fiz a cmara municipal desta
cidade da demoligo de um ou dois predios
seus, avaliados em MO rs. cada um, para dar
ao caes urna passagem indispensavel sua
continuago, preciza para seu aterro eque
tenda poupar mensalmenie aos cofres pro-
viucaes valor superior caziuha demolida.
A maioria da cmara municipal recuzou-se
minha requisigao, edezobedeceuminha or-
dem; pelo que foi suspensa-, esatisfeila aquel-
la pelos vereadores supplentes veriicou-se
valer a caza demolida 200. rs., continua a o-
bra com actividade, e em poucos annos a bel-
la ra nova do imperador ser a mais con>
mercial parte da cidade de Belem. Tenho cs-
peranga de que approvareis esta demoligo ,
que j haveis implcitamente authorizado no
art. 28 da lei provincial n. 100 e em cazos
de muito menos urgencia. Seria fazer-vos
clamoroza injustiga eslou cu persuadido ,
em declarar, que aceitara satisfeito qualquer
responsablidade, que me podesse rezultar de
ter ordenado a medida de que trato, verificada
como foi sna indispensabilidade. Esla gran-
de obra contnuou dirigida athe agora pelo
major Albino dos Santos Pereira romman-
dante docorpo deartilharia, que tendo-a co-
megado, e levado aa estado em que est com
zelo, e actividade, e com a probidade que
lhe he lo reconhecida a deixou agora para
ser substituido pelo capito Joaquim -Victori-
no de Souza Cabra!, e he de sentir, que a nao
podesse concluir e gozar excluzivamentc a
gloriada direegao de obra to importante, e
que sempre se prestou gratuitamente.
Objectos diversos.
Deu-se execugao lei provincial n. 92, e
bem que no principio produzisse a adminis-
tiacoda venda de carne verde por contado
lliezouro, e sob a administrago da cmara
municipal da cidade a vantagem de a fazer ter-
o publico a methor progo "om ludo a inaL
voltaro as coi/as ao mesmo estado, estatu
cara como dan tes a vacca no mercado desta ci-
dade, co lliezouro provincial perdeu em me-
nos de7me/es a avultada sommade 2:097.>o3l
rs. Cesou por lano aquella empieza-, ese-
us motivos e os da perda veris Srs. do
officio da cmara municipal e informagao .'o
administrador, sendo miuha opinio, que a-
lem de vicio orgnico, proveniente da negagao,
que para estas administrages tem os corpos
colleclivo da municipalidad^ haviaoem cam-
po contra aquella interesses mili valentes e
que tivoraoo vigor de deitar abaixo a empre-
za. Espero vossa decizo a este respeito.
Repiezenta o Rmo. Vigario de Jangapi,
que existindo colocada a igreia matriz sobre
terreno particular nao podem os moradores
edificar suas hahitages, e formar em torno
da groja urna povoago pelo que pede vos
digneis ordenar a compra do terreno precizo;
e sua requizigo me parece de justiga.
Ocommandante do corpo de polica pro-
vincial de 1. linha pede cquipamento para as
pragas do corpo, e coiito nao ha quantia lixa-
da para estudespeza a vos Srs. toca salisfazer
sua requizigo na parle em que for indis-
pensavel.
Tenho informages de que nao forao suf-
licienles para levar anliga regularidade os
corpos de batalladores quazi de/.organiza-
dos desde a execucao. que teve a lei provin-
cial n. 84, as dispoziges da lei n.
Conlinuo os engajamentos fingidos ,
ha pragas para oceorrer ao servigo publi-
co e nao tem cessado as dezerges, e
faltas s moslras e paradas ludo por fal-
ta de castigo legal. As dispensas concedidas
pelo 1. do art. 1. da Lei N. 84 citada faseni
apparecer grande desigualdade entre os Cida-
dos alistados nos Corpos Policiaes que nao
tem taes dispensas, e os alistados as Com-
panhias de trabalhadores: He preciso, que
fagis desapparecer estes inconvenientes.
A Cmara Municipal de Melgago represen-
ta a necessidade de elevar de novo Villa a
Freguesia de Portel, e este mesmo pedido fei-
lo j por algumas das Authoridades desle Dis-
tricto, me parece justo eque o Dislriclo de
Portel*, cuja popolaco orga por la almas,
seja elevado Villa com os seus antigos li-
mites.
Os mais eselarecimentos que me forem
pedidos ser-vos-hao dados pela Secretaria da
Governo, e Inspector do Thesouro Provincial1,
eooncluo aangando-vos a mais inteira e leal
cooperagoem todas as medidas, que possiio
exigir a segurancia tranquuidade e prospe-
ridade futura da grandiosa Provincia para que
vamos legislar.
Est aberla a sesso. 14 de Abril de 1842.
Bernardo de Sonsa Franco.
91.
nao
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimcnto do dia 11 de Maio 4:549*094
DKSC.VRnEGAO HOJE 12 DE MAIO.
Barca Inglesa = Columbus = Fasendas, lou-
ga ferragens tintas, presuntos,
carvo de pedia e ferro.
Patacho Americano as Lucy = Barricas aba-
tidas e ditas com lampos.
Brigue Portuguez = Tarujo 1." = Fasen-
das vinhos vinagre azeite, car-
nes gaiollas com passaros penet-
ras e sebollas.
Brigue Portuguez = Primavera = Fasendas,
ferragens barris de azeite ditos de
presuntos trastes e vinhos.
LanxaS. Jos = Flor do Mar = Fasendas, e
miudcsas.
1MP0RTACAO.
0 Brigue Portuguez = Primavera == vin-
!o da Cidade do Porto entrado no-corren le
me/., consignado a Mendes & Oliveira ma-
nifestou oseguinte.
1 o pipas com vinlio, 3caixas com linhas &
miudesas -4 cunhentes com ferragem >4
barr.', com dita 5 ditos com presuntos,
sacco com rolhas 1 caixa com fazendas,
Mendes tx Oliveira.
o pipas com vinho, 8 ditas com vinagre, a
Jo/e Carlos Ferr)ra Soares Jnior.
*> harriz com azeite 30caixas cora vellas
de sebo a Joaquim Joze da Costa Leito.
12 pipas com vinho a Domingos Joze Vi-
eira.
2(KI barricas vasias a Domingos Alvesda
Cunta ii Silva.
(' caixas com chapeos a Francisco Mar-
ques Rodrigues \ Irmo.


2i barriz com ferragem, a Manoel Joaquim
Ramos e Silva. \
3 barris com ferragem o(> cadeiras a Del-
Ji;o dos Anjos Teixeira & Ribeiro.
2 fardos com capadlos, a Manoel Fernandes
Guedes. .
48 cadeiras a Manoel Joaquim BrandAo.
1 caixacom noses- 1 embrulho com fascn-
<|as a Jo/e Ramos da Cruz.
2 cmodas -4 lavatorios i Poltrona -5
caixas eom fasendas e miudesas 2 ancorlas
com cnm azeitonas 1 saccocom noses l) pi-
pas com vinagre 10 barris com vinho 12
pipas com vinho a Joaquim Pereda.
t barriz com presuntos i caixas com la-
mneos a;Miguel Antonio da Costa e Silva.
8 barris com ferragem 10 caixas com po-
mada-2 ditas com lio 5 ditas com vellas de
sebo, a Antonio Joaquim Rodrigues de Son-
ya.
:'. caixas com I i n has i> barris com ferragem
4 ditos com azeite 2 caixas com pomada -1
dita com conserva-8 ditas com ferragem e
miudesas a Silva Barroca & Andrade.
4 barris com ferragem 3 cunhenles com
dita 8 caixas com pomada-30 ditas com vel-
las de Sebo a Francisco Xavier Martius Bas-
tos.
2 barris com ferragem 1 caixa com linhas
e miudesas- 1 dita com fasendas- 1 dilade
caixas de chifre a Joaquim Ferreira Mendos
Guimares.
Fora do manifest.
13caixas com lerragens e miudesas- 1 di-
ta de volantes e galoes-1 dita de pilulas- 1 di-
ta do fasendas 5 ditas de chapeos 2 barris
de carnes 2 latas com conservas 1 caixas
de miudesas 73 barris de ferragem 1 dito
de azeite 1 dito com vinho 1 dito com sar-
dinhas-1 caixa de tamancos- 1 dita de con-
servas 2 fardos de fio 2 caixas de calcado
1 por^Ao de sebollas 2 caixas gnora-se 2
saceos de massas para chapeos 11 arabastos
4 caixas de plantas 15 gaiollas com passa-
ros 2 viveiros com canarios 3 barris com
peixe 1 corren le de ferro -2 ancoras 5i5
patacoes 8t pegas deouro-2 moedas de
ouro.
0 Brigue Porluguez = Tarujo 1. = vm-
do de Lisboa entrado no corrente mez con-
signado a Mendos x Oliveira manifestou o se-
guinle.
4 caixa com impressos- 8 pipas de vinagre
50 barris de vinho 10 pipas de dito, a Fran-
cisco Severianno Rabello.
1 saccada de pedia a Victorino Joze de
Souza Travassos.
2caixas com obras de latAo a Joze Perei-
ra Teixeira.
23 barris de vinho a E. Schaeler.
1 barril com carne a Bernardo Antonio de
Miranda.
300molhosde sebollas, a James Cookshott
& Companhia.
5 barris de vinho a Nuno Maria de Sei-
xas.
1 caixa com livros impressos a Manoel
Joaquim Ramos & Silva.
20 barris com carne ao CapitAo.
l.caixa com um fogo de ferro a Jos An-
tunes Guimares.
i barril com carne a Joaquim Jos Ber-
nardes.
1 dito com vinho a Gaudino Agostinho de
Barros.
7 pipas de vinho 45 barris de dito 12 pi-
pas de vinagre a Antonio Joze de S Arau-
1 caixo de chapeos invernisados e varias
miudesas a JoAo Germano da Silva.
i caixa de livros impressos 1 barril de
carnes a Joo Domingues da Silva Porto.
1 lata de rap um embrulho de meias, a
Joze Marques da Costa Soares.
A caixas com rap 20 barris com azeite
doce.
5 pipas de vinho 50 barris de dito 2o
ditos de vinagre- 1 dito de carnes^ 5 caixas
com chapeos a Thomazd'AquinoFonceca.
162 pipas de,vinho-144 barris com dito
400 varas de lagedo -(20 molhosde sebollas
20 meias pipas com vinagre A pipas de dito
6 caixas com toucinho 80 barricas varias
\ caixa com impressos 5 barricas com cal
20 barris com azeite, a Mendes & Oliveira.
Fora do Manifest.
2 barris com vinho a Gaudino Agostinho
de Barros.
1 caixAo com bonc-ts e miudesas ao Capi-
tAo.
-10 barris com azeite a Mendes & Olivei-
ra.
A caixas com cha a Manoel Ferreira Li-
ma.
1 dita com urna imagem a Antonio Ta-
varesdi Silva.
com car '
Fora do Manifest.
\0 presuntos a ordem 0 volumes dita.
1 Embrulho ignora-se 1 barri
ne a Antonio Manoel de Santa Rita,
1 barril com carne I dito de azeitonas,
Felisberto Claudin d'Abreu Pereira. VARIEDADL.
1 embriilliode cordas para guitarra a Jo- noticia a mosA
Ao Joze da Cruz. HYDROP.UHIA.
1 caixa com diferenles objectos I emhru- Com ostc titulo4encontiamos em um dos
ll.o ignora-se 1 dita com rap 1 canudo Ni. do Times receido pelo ultimo Paquete,
com lantijoilas 1 sacco de sement* 2 fe llin :,rliS 1" devera teressar a, curiosidad*
de,nossos leitores. Tracta-se de um novo
systcma de medicina, que primeira vista
parece urna daquellas invencocs empyricas e
ridiculas com que o charlatanismo cosluma
especular sobre a credulidade do vulgo ou
lalvoz urna caricatura da Silencia feila de pro-
posito para provocar a irrisao e aflligir os dot-
tores com mais um epigramnia. Entretanto
ease systema annuncia-seja acompanhado pe-
lo testemunho do fados lom sectarios e ha
professoresqueo recommendam. Dareiosciu
extracto urna idea desla descoberta ou antes
desta ressurreir-Ao porque o methodo que se
apresenta com pouca diferen^a a clnica
proverbial do Dr. Sangrado. A introduccio
que o articulista ingle/, faz sobre o assumpto.
contem algumas observaedes qne comprchen-
dem a parte jocoseria e a lilosolica do as-
sumpto.
Ate 1810 era apenas conhecido em Ingla-
terra o nomo de Priessnitz ; acaba porem
de publicar-se em Londres urna obra intitu-
lada = llydropathia ou cura por meto de
agoa fra, praticada por Vicente Priessnitz
de Graefenberg. Por R. J. Claridge = e he
esta obra que da motivo ao artigo em que o
Escu-
los de engomar 2 gaiollascom 6 casad de de .nossos leitores. Tracta-se dc_um
rolas -1 prtico com parreiras 2gaiollas ooni
dois cachixos a Ordem.
O Patacho Americano = Linoy c= vindo de
Roston consignado a Henry Forsterov Com-
panhia manifestou o segunde.
20 qyartolas com azeite ele peixe 2 embru-
hos ignora-se 807 caixas de sabao 100
barris com manteiga 20 ditos de prc-
gos 38 ditos eom banha de porco 05 caixas
ile vellas de espermacete 25 ditas de cadeiras
10 ditas decanclla 2 Arados- I instrumen-
to para Agricultura 500 libras de junco 1
quartolla ignora-so 50 barricas de bacalho
Al caixas de vinho do cidra-27 embrulhos com
51 duzias de cadeiras 21 escovas 11740 pes
de taboado de pitillo i caixa de cha 2894
barricas abatidas 102 ditas com fundo e
tampos 20 duzias de baldes 10 ditas de h-
celas vastos 8 ditas de tinas 2 ditas de lava-
torios 5 caixas de assucar candi 2 ditas com
dose reloios de paredo 20000 charutos- 3
caixas com chapeos de palha 1 dita de ditos,
chicles e graxa 1 fardos de chapeos I em-
brulho cora espedios e harmnicas 1 caixa
com drogas-1 fardo com colxes 1 caixa
com pertencesdos relogtos, a Henry Forsler Times ollercce algumas nocoes sobre o
& Companhia.
1 caixa com charutos 1 quartola ignora-se
1 fmbrullio com chicotes 0 caixas com fs-
foros 2 ditas com chapeos, a F. Davise Com-
panhia.
1 Barrica com fruas seccas 1000 barris de
plvora a Luiz Gomes Ferreira & Compa-
nhia.
1 ha I anca romana a A. Schramm.
A Barca Inglesa = Columhus = vinda de
Liverpool entrada no corrente mez con-
signada a Me. Calmont & Companhia ma-
nifestou o seguirite.
A fardos com fasendas de linho 2 barricas
de ferragem -50 feixesdc paz de ferro 10
fardos de fasendas de algodao 28 caixas de
dilas a B. Lassesto A Companhia.
10 toneladas de ferro a Silva Barroca &
Andrade.
31 barricas de ferragem, a Kenworlliy
Brander a Brandis.
3 caixas de qneijos-10 presunto, aW.
E. Smilh.
14 caixas de fazendas d'algodao-8 fardos
com ditas 1 caixa de fazendas de lAa a Geo
Kenworthy & Companhia.
8 ditas com fasendas de algodao 40 gigos de
louca a Fox Brothers
0 Fardos com fasendas de la 55 caixas
de ditas de algodao-I dita com um retra-
to a Deave Youle & Companhia.
27 lardos de fasendas d'Algodao 4 ditos de
linho 2 barricas de ferragem a Johnston
Pater & Companhia.
25 fardos de fasendas d'algodo- 18 eaixas
de dita dita 3 barricas de fenagem 1 cai-
xa com charutos 1 fardo com livros a Or-
dem.
5caixas de fasendas d'algudAo a Russell
MellorsA Companhia.
4 caixas de fasendas de linho 2 ditas de
dita de seda e algodao 2 ditas de dita de al-
godao-2 fardos de dita dita, a Monteiro.
51 caixas de fasendas de algodao 3 fardos
de ditas de lAa 2 ditos com ditas de algodAo
5 caixas dita dita algodAo e seda 1 dita de
botes- 1 dita de chapeos de sol de algudao
1 dita de fasendas de seda e saceos para via-
gem 1 dita de fasendas de seda a Royle &
Companhia.
13 caixas de fasendas de algodao 50 tone-
ladas de carvc*- 24 caixas de fasendas d'al-
gudAo 100 barris de manteiga -2 fardos de
fazendas de la 3 ditos com ditas algodao
1 caixo com obras de couro 30 volumes com
lonas a Me. Calmont & Companhia.
12 caixas de fasendas de algodao 5 far-
dos dita dita 10 fardos ditas de linho 4 cai-
xas ditas dito 4 ditos ditas 13a 0 fardos di-
tas dita 1 caixa de farragem 27 barricas di-
ta 4 caixas obras de couro 1 fardo com fio
10 ancoras 100 barris com manteiga a Ja-
mes Crabtree & Companhia.
10 caixas com chapeos a Alexaudre Me.
Kay & Companhia.
2 caixas com fasendas de la & algodao- 23
fardos com ditas de algodao 14 caixas com urna incompleta educaeo; e lendo cegado o
dita dita a G. Jonson & Companhia. pal viu-se obligado aempregar-se nos traba-
1 dita com vidros, a Ramm & Companhia. Ibos do seu pequeo patrimonio. Na visi-
1 caixa com roupa- 1 embrulho obras de nhanca havia um vclho expenente que cos-
couro, a Doutor Mav. lumava empregar a agoa fra no curativo do
lapio de Graofenberg e o seu systema.
Eis-aqui como ojornalisla ingle/, entra na
materia. ,
O que he hydropathia ? Esta deve ser
naturalmente a pergunta que se nos farde-
pois de se 1er este titulo. Responderemos que
he o systema de curar todas as molestias cu-
raveis a que est sujeita a especie humana,
pela accao nica da agoa fria da fon te do ar,
e do eiereicto. Esta deinieo he sem duyida
paradoxal, e nos a recebemos ao principio
com desconfianza, porque vivemos n'um
lempo demasiadamente frtil em imposturas
c misticismo ; com ludo demo-nos ao tra-
badlo de lomar conheciinento do systema
pralicado por Vicente Priessnitz no estabeie-
cimento que elle (undou, e em que suporto-
teude em Graefenberg na Silesia Austraca .
e aecusar-nos-hiamos de negligencia senao
cliamassemos a attencAo do publico sobre es-
te objecto. Se o systema he falso convem
((iianto antes reconhecel-o porem se he ef-
fectivo, como allirmAo os seus advogados,
he necessario accelerar a sua propaga^Ao em
favor do genero humano. Os facultativos ,
e os pharmacoplas tractarao de certo as
perteneces de Priessnitz com despreso ees-
carneo ,^nas se ellas sao bem fundadas, c se
o seu systema for geralmente adoptado, o re-
sultado nao ha de ser objecto de riso e de
mofa para s doutores e droguistas que nao
terAo muito em que se oceupar.
Segundo as deas de Priessnitz todas as
drogas sao venenos e as fontes mneraes em
vez de vida ofierecem a morle as suas agoas.
O cavado e o boi que fogem das agoas de Har-
rogate tem maisjuizo do que o liomem : a
natureza creou as nausialivas para evitar que
os animaes as bebessem \ o animal que segu
o instincto aeerta e o homem que raciocina
erra. A casa do boticario nosso visinho ,
onde corramos a buscar allivio, e donde
gafamos eom a esperanza de o alcanzar a-
meaca de cahir ao a fat do camponez da
Silesia e o seu nome ser amaldigq/ido des-
de Carlsbad ate Cheltenham por todos os es-
peculadores de agoas desde Ems ate Har-
rogate de Topltz ate Tronbridge.
Agoa fria pura da fonie he urna bebida que
assegura a saude e longcvidade e a sua ap-
plcacao de varios modos tanto interna como
externa he declarada por Priessnitz como o
nielhor medico. Nossos leitores bao de rir-
se com a nossa profeca da ruina dos droguis-
tas e boticarios porem em todo o caso he um
fado grave se devem ter-se por verdadeiros
os dados que temos presentes se mais de
7000 doentes padecendo complicadas mo-
lestias em estado agudo ou ch ron ico e
mutos dos quaes estavam desengaados por
habis mdicos melhoraram com o tralamen-
tode Priessnitz em Graefenberg.
Vicente Priessnitz, filho de um pequeo
lavrador nasceu no mesyio logar onde exis-
te o seu estabelecimonto. Os poneos meios
ile seu pai nao Ihc permitliram mais do que
seu gado o parece que fo deste exemplo que
o joven Priessnitz tirou a primeira idea do seu
systema. O seu primeiro doente foi elle mes-
mo eis-aqui como M. Claridge conta esto
caso maravilhoso.
<( Na sua primeira mocidade levou alguns
couces de um cavado que pizando-o depois
de o ter laucado ao ehAo lhe quebrou duas
costelUs. Chamando um cirurgiAo para o
curar disse-lhe este que nunca mais chegaria
a estado de continuar no seu tra^balho. Pri-
essnitz nao desanimou c leudo o costume do
applicar a pequeas contusoes agoa fria, lem-
brou-se de a empregar na sua cura. Para es-
le elleito a sua primeira idea foi por as cos-
tellas na sua posicao natural, e carrejando o
abdomen contra urna cadeira, recebeu a
maior poi'QAo de ar que lhe foi possivel, e ele-
voii por este modo extraordtoariameiite.a ar-
ca do peito. Fste penoso esforco produziu o
resultado que elle esperava as costellas en-
traram no seu logar -- poz uns pannos mo-
linillos em agoa na parte offendida bebeu a-
goi abundantemente comeu coto muita
parcimonia e licou em perfeito repouso.
Km dez das j sabia e um anno depois con-
tina como anteriormente em seus trabadlos
ruraes.
E demasiado longo o artigo e suas citac para os limites desta Folba, e por isso resumi-
remos a historia. Priessnitz empregou com
exi'.o feliz em alguns doentes que o procura-
ra::! o systema com que se havia curado a si
mesuro. Crosceu rpidamente a sua reputa-
cao ; e era j consideravel numero das pes-
soas que elle tractav em difieren tas enfermi-
dades e militas as que se achavam inteira-
mente restabelecidas. A inveja nao poda
perdoar tanta feliedade. Priessnitz foi de- *
iiunciado s authoridades de Yienna como
um impostor pernicioso saude publica. Vi-
ram delegados da authoridade competente a
Graefenberg informar-.se da verdade, e dos
fundamentos da accusacAo examinramos
pannos inolhados que Priessnitz applicava aos
seus doenles reconhecfcram que era agoa
pura a que delles se extrahira, ouviram a
mudos individuos que disseram ter sido cura-
dos por Priessnitz -- nao havia queixa contra
elle e o effeito deste inquerito foi consentir-
se-lbe a pratica de um systema de que nao ti-
nlia resudado nem era natural que resultas-
se mal alguni. O numero dos casos de curas
augmenta va successivameute. Entre os do-
entes que reconeram a Priessnitz entrou M.
Claridge que padeca um reumatismo agu-
do e que em pouco lempo se achou inteira-
mente bom. M. Claridge escreveu a sua o-
bra em testemunho de gralidao, e com o f\tn
verdaderamente filantrpico de faser conhe-
cido o systema lAo simples como admiravel a
que devra a saude. M. Claridge d urna i-
dea pratica Jo tratamento que selhefizera.
Priessnitz mandoti-o mellar n'um banho d'a-
goa fria em que esleve tres minutos e deu-
lhe as seguintes instrce/tes que se embru-
Ihasse de manh n'um cobertor ; que se co-
brsse com quanla roupa podesse soffrer ; que
provocasse urna hora de suor e que depois
involvido no mesmo cobertor se mettesse
n'um banho fri por espaco'de5 minutos;
que se-vestisse o paseasse ale ao almo?o qua
deva ser simples; que s 10 horas tomasse
um banho fri de irriga^ao e que logo de-
pois tomasse um banho aos pl de 15 minu-
tos que jantasse urna bora ; que as 4 re-
pelisse o banho de irrigacao; s 7 o banho
aos ps ; que se deitasse depois das 9 horas
involvendo as pemas e os ps em pannos mo-
ldados em agoa fria. M. Claridge continuou
ueste tratamento por espaco de tres meses du-
rante os quaes para lser exereicio andara
mil milhas. Em lodo o tempo do tratamen-
to gosou da mais robusta disposigao, nAo ten-
do outro incommodo alem de urna pequea e-
rupeo da pelle as pemas. Durante o cura-
tivo s era permitlido beber agoa.
Fste tratamento contrasta de tal maneira ps
hbitos communs que excita naturalmente a
irriso e a incredulidade-- que parece mais
urna licgAo extravagante do que urna realida-
des entretanto no mesmo artigo, de que ex-
trahimos esta narraQAo vem o extracto db
una carta do r. Behrend medico de Ber-
lim sobre o systema de Priessnitz dando-
o como urna importante descoberta referin-
do-se a militas provasda sua efficacia, edi-
sendo que em Breslw, Brunswick Dresda,
Gotha Bavicra Cassel, Berlim e oulras
partes se tem feito estabelecimenlos onde so
pratica este systema. O mesmo Dr. Behrend
diz que praticando a medicina por espaco do
15 annos e sepdo edictor por mais de 6 de
nm Jornal de Medicina tratara com despreso
o systema Priessnitz logo qua leve conheci-
meiito delle ; porem que indrt Graefenberg
se convencer da soa prodigiosa eflicacia, e o
/


t m i xmem*aJ*xgmgmtt t muu i
f'^> <
tem actualmente por seguro para o Iratamcn-
in de varias molestias. O Dr. Behrend ac-
orescenta que ha'grande varicdade no modo
de o appliear.
Depois de ludo isto que acabamos de re fe-,
lir o arliculista do Times nao moslra tanta
confisnca como osen compatriota Claridge, e
oJDr. Prussiano no systema dePriessnitz ,
porem diz que elle merece ser investigado.
Que dirAo a este respeito os mdicos uortu-
guezesi' O que elles quiserem-- talvez cou-
sa nenhuma ou que oecupmos duas colum-
nas desta Folha cora urna impertinencia, lla-
veria utilidadc em provar isso mesmo e nos
desojaramos nesta materia, que tambera
como o Times julgmos digna de invest-
gacao vera opiniao dos nossos facultativos
rnlre os quaes para lionra do paiz ha de
corto, eminentes prol'essores na sciencia.
(Diario do Governo.)
tsar No primeiro andar da (juina da ru i valha junto ao tanque d'Agoa do Sr. Cabio
dasCru/.es apromplao-se bandejas de boli-feahi achara coitl quem tratar,
nhos de tudas as qualidades assim como
T II E ATRO.
O Artista Joze dosleis summamente a-
pradecido ao continuo acolhimento cora que
um Povo o mais amavel, ( qual he o desta
I Ilustre e heroica Cidadc ) o favorece ; de dia,
c de noite nao cessa de lser astudo para a-
presentar-lhe espectculos variaveis que pre-
onchAo as vistas com que anhela promover
o recreio dos benignos espectadores; que bus-
,se fazem podins de pao arroz e de pao de l.
doces dovos como seja alelria, papos de
anjos semedo pastis de nata e pao de
lo. ludo com enfetes de alinim e tam-
bera seaprompto lindos arvoredos para meio
de mesa cora urna bonita columna de do-
ces seceos ,"* com toda delicadeza do llores
de aliiuim tudo mu beni feito e por pre-
50 asss coinmodo a contento das pessoas que
quiserem.
ssr O Sr. Antonio Manoel da Silva queira
dirigir-seao pateo do Carmo quina da ra de
Hortas venda D. 1 receber urna carta vinda
do Porto que por engao (o tirada do cor-
reio.
jy A pessoa que annunciou querer com-
prar ti m relogiodirija-se a ra da Conceic-
I). 6 das 5 horas em diante.
tzr Preciso-se de 400ji a premio de dous
por cento ao mez com.hypotheca em urna
casa terrea no bairro de S. Anlouio na ra
estreita do Hozario loja de encadernador.
SS9" l'ma senhera portugueza se ollferece
para ama de urna casa de pessoa capaz e que
tenlia poi:ca familia : na ra larga do Rozara
I). 9.
ts^ Joo Antonio Soares retira-se para a
Cdadeda Baha.
S2- .Manoel Lucio da Silva brasilero, re-
U- Para fora da provincia cscravos negri-
>:basde nacao crelas, e mulatinlias de
ir de um so-, bonitas liguras de 1 i a IS anuos o" mole-
boniteza : r.o
no
aluga-se um pelo para I gundo andar do sobrado de 4 ditos das
outro qualquer lra- horas da manli as 3 da larde.
SS3" AlUga-SC o priim-iro
brado na ruado Amorim I). 14 |>referndo- ques crcoulosde igual idadu o
se aburar ambos os andares : na ra velba beco da Bola ao pe do forte do mallo
lado
011
D. 57 ; na mssma
trabalbar em sitio
balbo.
ssy Quem precisar de nm rapaz brasilero
para caixeiro de armazem de assuear ou loja
de fazendas iiinuncie.
Cj- 0 Padre I.emos e Silva faz scienle ao
Se-
V K N I) A S .
i^?" O reguliinento n. 120sobre a Polcia.
impresso em 4 cora inargens, e bonito typo:
respeitavel publieo que o eslabelecimento1 na praga da Independencia loja de livros n.
de encadernaco que elle dirijo pattou da j 57 e 58 pelo prego de 400 reis.
ra da Florentina velba lado do muro de S., ts&- Cadeiras de balance com assento de
Francisco, para a Florentina nova casa que 1 palhinha e encost da inesma camas de ven-
ra a ra de S. Amaro, onde sejtocom armaco marquezas de
cao neste innocente e serio passatempo, u- tra-sc para o Aracaty a tratar de seus nego-
nia honesta dislraccao aos trabulbos e cuida-
dos dos seus domsticos a (lseres : paracujo
fim. tem preparado para Terca feira, urna
funccAo recreativa, e variavel : e mesmo
dispendiosa pois nunca toldera os necessa-
rios gastos para ahrilhanlar as funegocs em
que o publico tem mostrado evidentemente
tomar interesse e satisfacAo.
cos e leva em sua companhia um seu mo-
leque de nome Valentim.
CF" Antonio Ferreira da Costa Braga faz
scienle ao respeitavel publico, que Antonio
Moreira Pinto Barboza ja ajustou as contas
quetinhacom o annuncia/ite.
ey Precisa-se de um cozinhe-iro ou coz-
nheira livre ou escravo para cozinhar o
Hi, B. Os promenores se poderao ver nesta janlar ordinario de urna casa de familia sem
nicsnia folha Sexta feira e Sabbado e nos
cartazos do mesmo dia. Os Camarotes serao
distribuidos por o sur. Zebedeo Sezar.
de
da
fazer compras e onus de
mesma casa ; quem estiver
A VI SOS DI vi: B SOS.
cr* A pessoa que tirou urna carta do cor-
roa pira Antonio Jos AfTonso queira an-
nunciar sua inoradla, ou restitu-la no ar-
mazem u"e assuear defrontc do Corpo Santo
K. 4.
<3T O Thezoureiro das Loteras
do Theatr.o faz publico que hoje 12
do corrente principia a pagar ospre
mios saludos na extraceo da segun-
da parte da 9.a Lotera [com excep-
co do premio grande por se achar
judicialmente embargado] das dez
horas da tnanha a huma da tarde,
continuando o mesmo pagamente
jios dias 13 e 14, edeste ultimo em
diante as Quartas eSabhados de to-
das as Semanas.
Us liillietes da 1.a parte da 10.a
Lotera cujas rodas andao imprete-
1 ivclmente no dia 14 de Junho pro-
simo futuro, achao-se a venda nos
lugares do costume.
Pilulas vegetaes e universaes Americanas. ]
Estas pilulas j bem conhecdas pelas gran-
des curas que tem feito nao requerem nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
posigao to simples (pie nao fazem mal a
mais tenia manga : em lugar de debilitar ,
ortifcAo o systema purilico o sa-ngue e
augmento as secrecoes em geral : tomadas ,
soja para molestia ebronica ou somente co-
mo purgante suave ; o mellior remedio que
tem apparecido por nao deixar o estomago
iiaquelle estado de constipago depois de sua
iperagao como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar c nao
<-Misaren! incommodo nenbum. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth agen-
te do author: na ruada CruzN. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
%3T O Sr. Luiz Lucio Monteiro da Franca
queira ir pessoalmente buscar urna carta vin-
da do Maranho, no pateo do Hospital do Pa-
raso venda I). 21.
%& Joaquim Raimundo Lapmberg re-
tira-se para Foanda.
Dj- Declara-se que o Sr. Antonio Moreira
Pinto Barboza est concorde feom o seu
o trabalho
dormir fora .
nesta circunstancias annuncie.
cr A commisso administrativa da Socie-
dade Apolnea manda convidar aos .Snrs. So-
cios a reunirem-se hoje 12 do corrente em
sesso evtraordinaria.
Oabaixo assignado, negociante nesta I por haver outro de iuual norae de hoje em
faz quina pai
acha como SClupre promplo para receber e
apromptar toda e (pialquer eneadernacao.'por
mais difcil que seja acrecendoo ter recebi-
dea poucosdias um rico sortiment de mar-
roquins pi;oprios para encadernaco^ ingleza ,
e ter couros de dillerentes qualidades para
encadernacio de relevo. '
tsy Precisa-se de urna ama de meia ida-
de para o servico de urna casa de pouca fa-
milia o que saibfengommar : na praca da
Independencia m. 2.
tST" Arrenda-se um sitio na estrada de S.
Amaro que vai para Belem com commodos
para 5 familias : na ra das Cruzes'I). 1.
K3F A pesssoaque quer fallara D. Josefa
Mara da Conceicao dirija-se a pontjJ velba
a casado Sr. Cato.
is^" Quem precisar de um pequeo che-
gado a pouco do Porto. para caixeiro por ter
ja sido caixeiro 1 a unos na mesma Cidade
dirija-se a ra do Cobug loja de miudezas
n. 1.
ssy Manoel Joaquim Rodrigues de Souza
faz sciente ao publico que foi nomiado ins-
pector de quarteirao da ra do Queimado ,
desde a quina do Colegio at a q nina da ra
do Crespo.
e^ Quem pretender o sitio de Antonio de
Souza Raiuel na Magdalena por arrenda-
mento dirija-se ao mesmo Ratigel ou an-
nuncie.
Joo Joze Fernandos faz sciente que
divida de 50j que o mesmo
1 a qt
clarada no diario de 10 do corrente.
credor sobn^
contrahionasTpontas I). 12 a qual foi de-
praQa e morador na praea do commercio,
declara ao publico que oannuncio de acres-
cimo de nome nao seentende com elle.Do-
mingos Joze Vieira.
iSF* Precisa-se de um rapaz de 16 annos ,
para tomar conta de pretos e de 2 carrosas
para couduzir pipas : na ra da Cadeia do
Recife n. G.
CJ" Aluga-se um bom aimazem de ra a
ra por preco commodo cito na ra da
moeda no fundo da venda do Sr. Alexandre
levando-se em conta alguns consertos que
bou ver de precisar : a tratar na ra do No-
gueira D. 19 lado direito ou no pateo de
S. Pedro D. 8 lado da VjraggO.
tsr Manoel Estevo Pereira Campos re-
tira-se para a Cidide da Parahiba.
iZF" Precisa de um feitor para um sitio,
perlo desta praca : na ra Nova 1). 2G ter-
ceiro andar.
tsr Arrenda-se um sitio na estrada do
Monteiro com urna boa casa de vivenda ,
coxeira estribara, bastantes arvoredos de
fructo e cacimba de agoa doce : na ra No-
va D. 20 terceiro andar.
ta^O Sr. Ignacio Martins Pessoa ou quem
suas vezes fizar, queira annunciar a sua mo-
rada para se tratar negocio que lhe diz res-
peito.
O" I m agricultor com 6 escravos se offe-
rece para negocio de engenho com sua admi-
nistrado lora della ou qualquer outro
trabalho independen te do engenho por mais
pesado que seja ; quem precisar annuncie.
CT Precisa-se de um sobrado de dous an-
dares ou de um com commodos para urna
grande familia em qualquer das ras do
bairro de S. Antonio, e que nAo exceda o
seu aluguelde 210. ; quem tiver annuncie.
tr Os Srs. Carlos Joze de S. Arma An-
tonio de Paula e Mello Joze Pinheiro Velho
Cabral de Mello Joze Pedro de S. Anua ,'
Caetano Joze Coelho Manoel Cardozo, Joao
Anastacio da Cunha e Felippe Duarte Pe-
rpira, queiro dirigir-se a ra das Trincheiras
l). 9 na mesma casa precisa-se de urna pes-
soa para vender livros na ra com urna pre-
ta dando-se-lhe 40 rs. emeada pataca co-
mida e casa.
S27* Precisa-se de um cont de reis a ju-
ros, daudo-se hypotheca na maior parte da
casa U. 5 do pateo da ribeira : na ra da
Roda D. 8 ou a fallar com o Sobral Nasci-
mento.
c?" Aluga-se um armazem como fundo
de mais de 80 palmos e 40 de frente com
porto de embarque e desembarque na ponte
diante se assignar Joo Jo/e Feniandes de
Carvalho de cujo nome lera tizado e conti-
nua a uzar.
S2T" Aluga-se urna canoa grande e nova ,
para carregar agoa : na ra do Cabug loja
de miudezas n. o.
tsy Quem precisar de urna senbora des-
empidida e sem lilbo para ama que sabe
bem desempenbar a sua prolissao, annuncie.
ss^ Km casa de Francisco Bezerra de Vas-
concellos ua na de Apolo existe urna
carta para o Sr. Ignacio Consalves Lima.
AVISOS MARTIMOS.
C5~ Para Lisboa saldr no dia 20 do cor-
rente o Brigue Portuguez Josefina anda
recebe alguma carga e passageros para o
que tem excedentes commodos ;. quem qui-
ser carregar ou ir de passagem falle ao Ca-
gitAo P. A. da Rocha ou em casa de Men-
des & Oliveira na ra do Vigario n. 15.
ST Para Phladelphia segu viagem nestes
10 dias a bem eonhecida Barca Americana
Globe Capito N. Kslins ; quem quiser car-
regar ou ir de passagem paa o que tem ex-
cedentes commodos, dirija-se ao Capito a
bordo, ou aos consignatarios L. 0. Ferreira
A: Companhia.
L EI L A 0'
C?* Oleiloda casa da viuva de Burgos
Ponce de Len que annunciou para boje ,
tica transferido pira outro dia que ser an-
nunciado.
ar Russell Mellors A C. fino lelSo por
inlervenco do Corretor Oliveira de varias
qualidades de fazendas inglezas com loque de
avara em consequencia da prxima mu-
danza de suas fazendas de um para cutr^ ai-
mazem, vendero mais um grande sorlimen-
to d'ellas em perfeito estado hoje 12 do
corrente as 10 horas da manh em ponto no
seu actual armazem da ra da Cadeia.
conduiYi ,
mezas de janlar, cadeiras Americanas com
assento de palhinha camas de vento mui
bem feilas a 4*300 ditas de pinho a 5*500,
e pinho da Suecia com 5 polegadas de gros-
sura (Jilo serrado ; tudo por preco mais ba-
rato de que em outra qualquer parte : na ra
da Florentina casa de J. Beranger.
tj- Saldo Ass de ptima qualidadft, a
bordo do Brigue Tenlacao fundiado defron-
te da Lingoela ou a tratar com Firmino Jo-
ze Felis da Boza na,ra da Moeda n. 1 40.
SF" Barricas coir. sardinlia de superior
quadade chegado prximamente : no ar-
mazem de Fernando Joze Braguez junto ao
arco da ConceiQo.
ey Duas canoas abertas proprias para con-
duzir lijlos ou entulbo ; dous allinetes de
ouro parasenhora ; tudo por prego commodo:
na ra do Zurrich D. 13.
3" Urna rede para pescara de viveiro ,
com doze bragas de comprido nova por
prejo commodo : na pracinha do Livramen-
to n. 29.
X23~ L'ma escrava de naeo de 20 annos ,
bastante hbil para todo o servido : na na
do Queimado l>..9.
tsy lous ptimos escravos mogos pro-
prios para qual(|uer servico : na ra do tra-
piche novo 11. 10.
s=y Um sortimenlode relogios patente, e
horisontaes e ditos de parede com des-
pertador por preco commodo : na ra das
Cruzescasa de relojoeiro francez.
tsf l'ma cadeira de dous bragos nova ,
acabada de pintar, domada, forrada de seda
com bambinelas borlas, viJro cochim e
tpele por preco commodo: na ra de Hortas
D. 20.
SW Charutos de Manilha de boa quada-
de : por preco barato : na ra do trapiche
novo n. 10.
C7- Para fora da tena una escrava de na"
gao de angola criada desde pequea em ca-
sa de idade de 18 annos sabe bem coser
cortar vestidos para senbora e juntamente ca-
misas tanto de senliora como de homem sa-
be engomar de varias qualidades sabe cosi-
nhar : quem a quiser dirija-se a ra das au-
ges sobrado 1). I no segundo andar.
ESCRAVOS Fl (MI) OS.
cr No (]a 10 do p. p. fugo a escrava Jo-
sefa de nac.Ao angola de 30 annos levou
vestido de chita com assento branco panno
da costa ja tizado, estatura regular, consta
que esta escrava esl lavando roupa nos ar-
rumbados em Olinda porto de madeira e
Beberibe ; quem a pegar leve a ra do Pala-
cete entregar a Manoel Joze Galvo que
gratificar.
MOVIMENTO DO PORTO.
COMPRAS
ey L'm espada de ponta direita e um
talim de couro de lustro que seja em conta :
na ra das larangeiras sobrado de duas varan-
das de ferro ou na ra estreita do Rozarlo
botica de Joo Pereira da Silveira.
C?" L'm quarto e iimaT-carroca ja uzada :
no atierro da Boa vista padaria de Francisco
Gonsalves Reg D. 2!.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 11.
Phladelphia; 40 dias, Hiate Americano VV.
Spear de (28 tonel. Cap. W. F. Norlh,
equip. 7 carga bren taboado e bolaxa:
ao Capito.
Mozambique e Inambane ; >0 dias Pata-
cho Portuguez Paquete da Madeira de 94
tonel. Cap. Antonio Joaquim Rodrigues,
equip. U carga ursellas e marfim : a
Vicente Thomaz dos Santos.
Bio de Janeiro ; 23 dias Galera Brasileira
Brasil de 087 tonel., Cap. JoSo Mdilao
llenrique ejuip. 23 carga hacalho, fa-
rinba de mandioca e mais gneros : a Joa-
quim Baptista Moreira.
Boston ; 59 dias Brigue Americano Samu-
el Johnjle 200 tonel. Cap. Matheus Hall,
equip. 7 carga taboado ^ n Joseph Ray.
BAHIDO NO MESMO DIA.
Babia ; Hiate Americano \V. Spear, Cap. Vi.
I" Norlh carga a mesma que trouxe de
Phladelphia.
B EC1FE NATVP. DE M. F. DE F. = 1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELBJLI3YN_BNSM6L INGEST_TIME 2013-04-12T21:43:30Z PACKAGE AA00011611_04651
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES