Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04629


This item is only available as the following downloads:


Full Text
X
Anuo (le 181-2. Quinta Feira 14 de
Tn.lo a'ora depende e n)i mesmos ; da nos prudencia, moderarlo, e energa : con
Imitemos ^omo principiamos, e aeremo. .pontado, pom admir.cao entre ,s N.coe, m.,
. (Proel.m.cuo da Assemblra Ger.l do ir.sil.)
culi... v _________________
.PARTOAS Dds CRREtQS TERRESTRES.
Goianna, P.r.ib., e Rio-r.n.l do Korle,' na egunda e sexta feira.
Bonito e Caranhuns, a-40e24. j '
C.b.. Serinliaem. Rio JPorrapio, Porto Calvo. Maceio, e Alago oi,ll, e 21.
P.je Sanio Antio, quinta feira. '
Olinda todos os das.
DAS da semana.
41 Ser s. Le3oP. Chano. Aud. doJ. deD. da 2. v.
42 Tero. s. Vctor, ty#, Re. Aurl. do junde Direito da 4. rara.
43 Qu.rt. Hermenegildo M. Chae. Aud. do J. de ft. da 3-. v.
44 Quii. Se. Tiburcio e Smaua Mro. Aud. do .1 de D. da 2. T.
45 sext. ss. BaiilissaiB Anast.ci.Mm. Aud, do J. de D. da l.T,
4(i .s.l). s. Engracia Y. M. Aud. do J. de D. da 3. t.
47 Dom. a. Aniceto P M. Elias Monge.
."/.. .i ..u-. ____________________: i'j'A o n-'i
Abril.
Anno XVIJ1. N. 80.
O Diario pnblica-ee lodos os dial que n3o forem Santificados: o prero da asignatura Ka
de tres mil res porquartel pagos adianlados. Os anauncios dos assignantes sao inserido't
gratis, eos dosqoe o nao forera i r.ian de 80 reis por lirlha. As rectatnace* devem ser
dirigida, a esta TypograGa ru. das Cruies I). 3, oa praea da Independencia lojas de lirroa
Nmeros 37 e 3S.
CAMBIOS no di 15 de Abril.
Cambio sobre Londres 28 d. p. 4U.
u Paria 320 re*a p. franco.
i) .isboa 80 a 85 p. 400 de pr,
OBo-Moeda de 6,400 V. 44,500 a 44,700
N. 44.300 a 44,500
de 4,000 8.4U0a 8.20
Pbata Patace. 4,660 a 4,680
Pnil- PerosColumnares 4,fi60a 4,6*0
Mexicanos -1. i i 'i 0 a 1,0tiU
u miinl. 4,440a 4,460
Moeda de cobre 3 por 100 de risconto'.
Disconlode bilh. da Aland-ga 4 e {por 409
aomez.
dem de letras de boaa firmas 4 e alej.
P1IASES DA LIJA NO MEZ E ABRIL.
----------1a
DIARTO" DE
Preamar do da \ 4 de Abril. _
4. a 7 hore e 42 > d* manh5.
2. a 8 or.i o 6 m, da tarde.
i "'i ii'i
Qu.rt, ming. a 2 4 horas e 4-1 m. da tarde.
La Nava 10 s 8 hnr.s e 4.3 m. da tarde.
Quart. cresc. a 1S ka 4 horas e 14 m. da manh.
La cheia a 24 s 9 hora S m. da larde.

MINISTERIO DA JUSTIQA.
KEGLLAMENTO Ni 143 DE 15 DE MARCO DE 1842.
Regula a execugao da parte civel da lei n. 261
de o de dezembro de 1811.
Heiporbem, iendo ouvido o rejatorio do
meu ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da justiga e o parecer da respectiva
secgo do conselho de estado usando da at-
tribuigo queme confere o artigo 102, 12
da constituieo do imperio,
guinte :
PRIMEIRA INSTANCIA.
I.
decretar o se-
Capitulo
Da jurisdiego civil dosjuizes de paz.
Art. 1. Aos juizes de paz compete:
1. Conciliar, por todos os meios pacilicos
que estivorem ao seu alcance as partes que
pretenden, demandar procedendo na forma
prescripta nos artigos 1. 2. 5. -i. 5. 6. e 7. da
disposico provisoria sobre a administrago
da justiga civil, e fazendo lavrar, das conci-
liages que se verificaren! termos mui cir-
cumstanciados e claros os quaes tero forga
de sentencia na conformidade do artigo 4.
do decreto de 20 de setembro de 1829..
Para que sejo exequiveis estes termos ,
sero finalmente passados por certidao subs-
cripta pelo escrivo do juizo e rubricada pelo
juiz.
2. Conhecer verbal e summarissimamente,
c julgar definitivamente as pequeas deman-
das cojo valor nao exceder a sua alijada, ouvin-
do as partes e, vista das provas apre&en-
tadas por ellas reduzindo-se tudo a termo,
que dever conter asua deciso e ser assig-
Dado por elle pelas partes e pelo escrivo.
3. Conhecer e decidir pela mesma manei-
ra as causas dealmotagaria que nao excederem
a sua aleada na forma do decreto de 26 de
agosto de 1850 e artigo 114 da lei de 3 de
dezembro de 1841.
4. O conheciment de todas as aeges de-
rivadas de contractos de locaco de servi-
dos, o qual, na conformidade da lei de II
de'outubro de 1857 contina a ser da pri-
vativa competencia dosjuizes de paz do foro
do locatario.
Capitulo ii.
Da jurisdiego civil dos juizes municipaes.
Art. 2. Aos juizes municipaes compete :
1. Conhecer e julgar definitivamente todas
as causas civeis ordinarias ou summarias,
que se moverem no sea termo, a excepeo
daquellas que tem privilegio de foro.
2. Conhecer"e julgar da mesma forma,
contenciosa e administrativamente todas as
causas da competencia da provedoria dos re-
siduos.
3. Conhecer e julgar definitivamente no
seu termo (aind que haja nelle juiz do civel),
todas as causas de almotacaria que excederem
a aleada dos juizes de paz.
4. Executar no seu termo todos os manda-
dos e sentengas civeis tanto as que forem
por clles proferidas como por outros juizes
ou tribunaes com excepgo nicamente das
que couberem na aleada dos juizes de paz ,
porque estas sero executadas por elles.
5. Exercer na forma das leis em vigor ,
toda a majs jurisdiego civel que exercio os
uizes do civel.
0. Substituir os actuaes juizes do civel nos
seus impedimentos.
Nos lugares onde houver mais de un juiz
municipal o governo na corte c os presiden-
- tes as provincias marcars a ordem pela
qual deyorQ substituir os juizes de direito do
civel, quando haja mais de um.
7. Exercer a jurisdiccao dosjuizes dos or-
phos nos termos em que os no^riouver por
nao terem sido creados ou em que as suas
hincones nao form exercidas pelos juizes do
civel.
Capitulo III.
Da jurisdiccao civil dos juizes de direito.
Art. 5. Aos juizes de direito compete em
primeira instancia : ,.
Exercitar toda a jurisdicejio que tinho os
pfovedores de comarcas a respeito da revisiio
dascontas. de tutores, curadores, testa men-
te iros administradores judlciaes deposita-
rios pblicos e thesourciros dos cofres du9 or-
phft'os, e ausentes, lomando as que nao adiar
tomadas pelos juizes a quem compete toma-
las ou provendo sobre a sua lomada e pro-
cedendo civilmente oa forma da od. liv. 1.
til. 02, e mais legisaro em vigor.
Capitulo i\.
Da juriadieco dosjuizes de orphifos.
Art. 4. Aos juizes de orphos compete co-
nhecer e julgar administrativamente os pro-
cessos de inventarios, partilhas, tutelas,
curadoras, coritas de tutores c curadores.
Art. 5. Fico-Ihes outrosim pertencendo :
1. Asearlas de eniaicipagao.
2. Os supprimentos de idade.
3. As icengas a mulhcres menores para
venderem bens de raiz consenlindo os ma-
ridos.
4. Dar tutores em todos os casos marcados
as leis.
2. Conhecer dos aggravos de peticao e ins-
trumento interpostos dos despachos proferi-
dos pelos juizes municipaes ou de orphos dos
termos que nao distarem das mesms rela-
gOea mais de quinze leguas.
Dos aggravos de peligo ou instrumento in-
terpostos dos despachos dosjuizes municipaes
e de orphos dos termos que disto das rela-
gOes mais de quinze leguas conhecer os jui-
zes de direito.
3. Conhecer dos aggravos de peligo ou
instrumento interpostos dos despachos dos
juizes de direito do civel ainda que estejo
fra das quinr.e leguas.
Art. 9. s quinze leguas para o fim de que
trato s arligos antecedentes sero contadas,
nao da cidade ou villa em que residirem os
juizes do civel municipaes ou de orphos ,
mas dos limites dos seus termos at ao lugar
em que estiver a relaco do districlo.
Capitulo vi.
Da ordem do juizo.
Art. 10. A ordem do juizo tanto na pri-
meira como na segunda instancia e as exe-
cuges continuar a regular-se pelo que se
acha disposto no L. 5. ds ordenages nos
artigos lo 1G 17 18 e 19 da disposigo
provisoria no regulamento de 5 de Janeiro
de 1855 e mais Icgislago em vigor que nao
estiver alterada pela lei de 5 de dezembro de
18 41 e reclmenlos expedidos para a sua exe-
cugao.
Art. 11. Os juizes municipaes deorph-
5. Supprir o consentimento do pai ou tu- os e os de direito do civel e crime faro obser-
r para casamento. var rigorosamente todas as d.spos.gGes das
tor p
6. A entrega de bens de orphos sua mi,
avs tios, etc.
7. A entrega dos bens de ausentes a seus
prenles mais chegados. ,
8. A entrega dos bens de orphos a seus
maridos, quando casarem sem licenga dos
mesmos juizes.
9. A dispensa para os tutores obrigarem
seus proprios bens fianga das tutelas para
que foro nomeados ainda que os bens es-
tejo fra do districlo onde contralurem a o-
brigago. (Lei de 22 de setembro de 1828.)
10. Conhecer e julgar contenciosamente as
causas que nascem dos inventarios parti-
lhas e coritas de tutores e bem assim as ha-
bilitages dos herdeiros do ausente, e as cau-
sas que forem dependencias de todas as que
lico referidas neste pargrafo. (Art. 20 da
disposico provisoria pelo qual licou revoga-
da a od. do liv. 1. tit. 88 45.)
11. A arrecadago e administrag.o dos
bens dos ausentes nos termos da ord. liv. 1.
tit. 88 e 90, e 62 % 58, versculo Absentes
e mais leis a este respeito. (Lei de 5 de no-
vembro de 1850.)
Art. 5. A administrago dos bens perlen-
centes aos Indios nos termos do decreto de
5 de junho de 1855.
Art. 6. Quando em um termo houver mais
de um juiz de.orphos por virtude do art.
117 da lei n. 261 de 5 de dezembro de 184-1,
o governo na corte e os presidentes as pro-
vincias llies marcarO distrelos.
Art. 7. Ojuiz de orphos da corte conti-
nuar a exercer as suas funeges como at ao
presente, em quanto nao for em pregado em
outro lugar de magistratura.
SECUNDA INSTANCIA,
sobreditas ordenages leis e reglamentos
dativamente assignago e langamento dos
V*
Capitulo V.
Dos juizes e tribunaes aos quaes mcumbe o
conhecimentoe julgamenlo das causas %
civeis em segunda instancia.
rt. 8. Compleos reagesdos districtos ,
4. Conhecer das appellages civeis das sen-
tengas definitivas eu interlocutorias com forra
de definitivas proferidas pelos juizes do'ci-
vel, municipaes u de orphos e dos ag-
gravos no auto do processo inlerposlos dos
seus despachos.
termos lixados para os actos do processo e
b.:m assim as quenas mesmas ordenages e
mais leis em vigor sao relativas s penas e
multas impostas s partes e seus advogados e
procuradores pela aeges ou omisses contra-
rias aos regimentos e regras legaes do pro-
cesso.
Art. 12. Nenhum requerimento ( salvos
aquelles pelos quaes se pedem cerlides ) se-
r despachado pelos juizes sem que venha as-
signado pela parte ou por seu advogado^ou pro-
curador.
Capitulo vil.
Dos Recursos.
Art. 15. Do-se as causas civeis os recur-
sos seguinlea :
1. Aggravo.
2. Appeilago.
3. Revista.
Do aggravo.
Art. 14. Os aggravos sao de tres especies:
1. de peligo, 2. de instrumento, 3. no
auto do processo.
Art. 15. Os aggravos de petigo smente
tero lugar quando a relago ou o juiz de di-
reito a'quem competir o seu conhecimento se
adiar no termo ou dentro de S leguas do lu-
gar onde se aggrava. Smente se admittir:
1. Dusdecises sobre materia de compe-
tencia, quer o juiz se julgue competente quer
nao. (Ord. L. 1. tit. 6. 9;L.5. til.20. %%)
2. Dassentencasdeabsolvigoda instancia.
(Ord. L. 3. tit. 14, pr.; tit. 2018e22.)
3. Da deciso que nao admitte o terceiro
que vem oppr-se na causa ( ord. L. 5. tit.
20 51 versoE tratando-sc) e da que dene-
ga vista dos autos ou admitte nos proprios au-
tos ou em separado os embargos opposlos na
execugo.
4. Das senlengas as causas de assignago
de dez dias quando por ellas o juiz nao con-
demna o reo porque provou seus embargos,
ou llie recebe os embargos e ocondemna por
llie parecer que os nao provou. ( Ord. L. 3.
tit. 25 $2.)
5. Dos despachos pelos quaes se concedem
para lora do imperio dilages grandes ou pe-
quenas j ou pelos quaes inleirameiile se de-
negri para o imperio ou fra delle. ( Ord. L
1. tit. 6 9, cL.Stit. 20 5, til. 54 12.
6. Dos despachos pelos quaes se ordena a
priso dos executados no caso da ord. do L.
5. til. 80 18, oude qualquer parle em caso
civel.
7. Dos despachos pelos quaes se nao man-
da proceder a sequeslro no caso da ord. do L.
4 tit. 9615.
8. Dassentengasque julgo ou nao refor-
mados os autos perdidos ou queimados, em
que ainda nao iavia sentenga definitiva. (As-
seno de 25 de maio de 1758.)
9. Dos despachos de recebimento de appei-
lago de denegago do recebimento della.
(Ord. L. I. tit. 0 i, tit. 58 27 e L.
3. tit. 74 pr.)
10. Das decises sobre erros de contasde
cusas e salarios. ( Ord. L. 1. tit. 14 4.)
11. Da absolvigo dos advogados das penas
e multas em que incorro nos casos expresso*
as leis do processo. ( Ord. L. 5 tit. 20 45.)
12. Da licenca concedida para casamento ,
supprido o consentimento dopaiou tutor .(Lei
de 29 de novembro de 1775.)
Este aggravo sempre "de petigo e nao do
instrumento. ( Assento de 10 de junho da
1777.)
Art. 16. Os aggravos de instrumento da
rnesma sorto smente sero admitlidos nos
mt smos casos em que tm lugar os de petigo
enumerados no arligo antecedente.
Art. 17. Os aggravos denominados de or-
denago nao guardada nao sao admissiveis em
casoalgum.
Art. 18. Os aggravos no auto do processo
que se interpoem das sentengas meramente
interlocutorias que tendem a ordenar o pro-
cesso s poder ser jidmitlidos nos casos
expressamente conteados as ordenages, leis
e assentos que reguloa ordem do juizo e
declarando as partes especilicadamente em
suas peliges escripias, ou feitas verbalmen-
te em audiencia qual a disposigo dessas or-
denages leis ou assentos quelhes permiti
interpr o aggravo no auto do processo no
Caso de que se tratar. ( Ord. L. 1. tit. 8 2 ;
L. 3. tit. 20 46 e 47.
Art. 19. Os aggravos de petigo sero in-
terpostos em audiencia ou no cartorio do es-
crivo por termo nos autos, dentro de cinco
dias contados da intimago ou publicago dos
despachos ou sentengas em audiencia.
Art. 20. Havendo sido interposto o aggra-
vo o escrivo sem perda de tempo far
os autos com vista ao advogado do aggravanle
para minuta-lo c, dentro de vintequalro
horas improrogaveis, dever o aggravante
apresentar a petigo do aggravo a* escrivo,
que immdiatamente a far inclusa com os
autosao juizo a quo, o qual se nao. lefor-
mar o despacho do qual fra interposto o ag-
gravo dever fundamenta-Io dando as ra-
zes delle porescripto para serem presentes
ao juiz ou tribunal superior, no praso de qua-
renla e oito horas.
Art. 21. Terminadas as diligencias do ar-
tigo antecedente dever ser a presentados
os autos na superior instancia dentro de dous
dias estando no mesmo lugar a relago ou
juiz de direito para que se tiver recorrido ;
alias ou sero os mesmos autos entregues
na administrago do correio dentro dos ditos
dous dias, ou apresentados no juizo superior,
ou relago dentro desse praso de dous dias o
mais lanos quanlos forem precisos para a
viagem narazo dequatro leguas por dia.
Art. 22. A apresentago destes aggravos ,
para se conhecer se foi feita em tempo ser
certificada pelo termo da mesma apresenta-
go e recebimento que lavrar o secretario da
relago ou o escrivo do juiz de dimito.
Art. 23. Os aggravos de instrumento se-
ro interpostos processados e apresentados
as instancias superiores no tempo e m.a-
neira marcada na legislago instaurada pelo
artigo 120 da lei a. 201 "de 5 do dezembro di


811 devendo os aggravantes, as peludea
e termos de sua intcrposigo declarar espe-
cificadnmente todas as pecas dqs autos de que
pretenden! ha ver traslado.
Art. 21. Preparado o instrumento do ag-
gravo, far-sc-lia a sua remessa na forma pros-
cripta na segunda parte do art. 21.
Art. 25. 'lodosos termos de interposigo
dos aggravos dever ser assignados pelas par-
tes ou por seus procuradores e as petiyrtes
ou minutas dosdo petigo e instrumentos nao
serAo accedas sem que sojo assignadas com o
nomo inteiro do advogado constituido nos au-
tos ; o que igualmente se observar a respeilo
das respotas ou contestares dos aggravados
no aggravo de instrumento.
Art. 2(5. (Juando os aggravos frem in-
lorpostos do despachos e sentengas nao com-
prehondidas as qucco especificadas no ar-
tigo 13 ojuiza pecho que os nfioadmitte por illegaea, eon-
deiiinaras partes as cusas do retardamento,
e impor aos advogados que liverem assigna-*)
do as peligdes e minutas as mullas respectivas.
Arl. 27. Omcsmojuiz nao admilur que
os aggrcrvantes nos termos da intcrposigo
no aggravo, annexem o protesto de quedo
caso se conhega por apnellago quando nao
seja de aggravo ou llis fique o direilo salvo
para a inlerpor se do aggravo se nao conhe-
cer: e caso tal protesto se fttffa, sernullo e de
nenhun pffeito.
Art. 2S. Os juizes do direito logo que
1 lu-s lo re m apresenlados os aggravos de peti-
co ou instruinento dosquaes I lies compele
conhecer sem niais audiencia ou an-azoa-
dos das parles, proferir a sua sentenga,
confirmando ou revgando os despacliosou
sentengas das qnaes sehouver aggravado.
Art. 29. As relaees julgaro os aggravos,
no auto do processo, pela maneira estabele-
cida no rogulamento de 5 de Janeiro de 1853,
artigos 11 e ssguints eos de petigo e ins-
trumento, segundo o disposto no artigo 23
do mesmo regulamenlo, versoe sendoe
"artigo 33.
Da appellagao.
Art. 30. As appellac/ies das sentengas de-
finitivas ou iiteilocutorias edm Torga do de-
linitivas, proferidas pelos juizes do civel, pe-
los municipaes ou de orphaos, sero processa-
das e julgadas mis relagoVs dos respectivos
dJstriclos, na forma dos artigos 13, 18 e 19
ta disposigo provisoria e regnlaoipnto.de 3
de Janeiro de 1-833 artigos-17 o seguintes.
)a revista.
Art. 31. As revistas conliuuo a sor pro-
cessadas e julga..as na conformidade dasdis-
posiges da lei de 18 de selenibro de 1828 ,
decreto de 20 de dezeoibre de 1830, e mais
dispnsigos legislativas e legiilameutarcs em
ord. do L. 1. tit. G2 ou prover sobre a
sua tomada excretando a este respeito toda
ajurisdiego que compela aos provedores de
comarcas a respeito dos orphaos residuos ,
capellas misericordias, hospitaes e alberga-
ras na forma da ordenaco citada e_dos
alvars de 13 de Janeiro de 1615 de 23 de
maio de 1773 e de 18 de outbro de 1806,
9.
Capitulo xi.
Dos emolumentos salarios e custas judiciaes.
Art. 37. As appellages civeis e aggravos
continuaro a ser preparados com a importan-
cia das assignaturas bragagens e mais con-
tribuices eslabelecidas pelas leis em vigor ,
para seren apresentados s relacOcs recahin-
do em prejuizo das partes o retardamento que
bouver por falta deste preparo.
Aat. 38. O juiz de direito e seus escriva-
es e ofliciaesde justiga no que pertence ao
civel, percebero ., pelos actos que pratica-
rem os emolumentos e salarios marcados
noalvar de 10 de outubro de 1731 para as
provincias de Minas Geraes (oyaz e Mato-
a esta ssembla := depois de discutido, foi
reproyado.
ORDEM DO DA.
Foi approvado o parecer adiado da commis-
sao de inslruccao publica para se nomear
urna commissao especial a fim de redigir -a
representado sobre a mudanga Jo curso ju-
rdico de diinda para esta cidade ; e o snr.
Bresidente nomeou para a dita commissao
ossnrs. Nabuco, Joze Pedro, e Paos d'An-
dralle. Foi taobem approvado outro Parecer
da commissao de contas das cmaras, confir-
mando o augmento de ordenado dado pela c-
mara de Pao do Albo ao respectivo porteiro.
O sr. Barros cavalcante mandou meza o
seguinle requerimen'o : requeiro que a
urgencia vencida para o Projecto n. 6 deste
anno seja por boje prorogada por mais meia
hora : apoiado e approvado. Entrando
em discissao o arf primeiro do referido pro-
jecto o sur. Neto mandou meza as seguintes
emendas : depois da palavra ~ pracas di-
ga-se de infantaria : apoiada : substi-
tua-sea preposigo para pela preposigo-a-
snr. Presidente deo para ordem do dia em pri"
meiro lugar Pareceres de commisses, e lei
tura de Projectos e indicaces, e em segundo
e terceiro discusso dos Projectos n. 6 e 8
deste anno, 3. do n. dez de 1841 1. do n.
10.deste anno ; continuago da ordem do dia
de hoje e lavantou a sesso.
Thomaz Antonio Maciel Montciro ,
Presidente.
Joze Felippe de Sousa Lefio,
1. Secretario.
Antonio Jos de Oliveira,
2. Secretario.
Grosso percebendo os juizes de direilo cri- f tobem apoiada. 0 senbor Oliveira
Art. 32. Nao se dar recurso anda mes-
ino de revista, das sentengas proferidas em
causas cojo valor couber na aleada dos juizes
que is houverem proferido.
Capitulo vio.
Dos embargos.
\rl. 33. Nao se admiltir embargos a 1-
guns antes da sentenga final de quaesquer des-
; adis ou sentengas interloeulorias com-
] hendidos os langamentos e as decises so-
3 aggravos, quer proferidas pelas reiagos ,
uel" pelos -uizes de direito. Excepluo-se
os embargos que as causas suniinarias ser-
vem de conlcstaooda aego.
(Capitulo ix.
Das algadas.
Art. o. A algada dos juizes de paz de
dezeceis mil rcis em bens movis e de raiz.
A doo juizes do civel, dos municipaes e de
orphaos .de I intaedous mil reis nos beiisl
de raiz, e de sesscnla e quatro mil reis nos
movis.
Adas relares decent e c'mcoente mil
reis em bens de raiz e de trezentos mil re is
cin bens movis.
Art. 33. Para so verificar a competencia
do juizo a^respeito das causas de ainiotagaria,
i>! se o valor dellas cabe ou nflo na aleada
juizes de paz as partes que intentaren!
qualquer causa devorad declarar logo na pri-
incira petigo o valor da causa demandada ,
ji seja o real ou o de estimago o qual a
parle con Ira rja poder contestar para lirmar-se
u sobredi la couipetencia.
Capitulo x.
l)a jurisdiego civil dos juizes de direito as
correigoes.
vil. 36. Os juizes de direito na mesma
occasiao em que zerein as correicne crmi-
minacs os emolumentos marcados para os oti-
vidores e provedores de comarcas e os do
civel os (pie cs^o designados para os juizes
de fra.
Art. 39. Os juizes municipaes o de orphaos
percebero em dobro os molumentos marca-
dos no dito alvar para os juizes de orphaos
e de fra, nao sendo porm extensivo este
favor aos escrivaes e olliciaes de justiga que
perantc ellos servirem.
Art. 40. Os juizes de direilo mun icipa-
es e de orphos seus escrivaes e olliciaes de
justiga, lom o direito de cobrar execu ti va-
mente a importancia dos emolumentos e sa-
larios que Ibes frem devidos quer das par-
les que requerem ou a favor de quem se -
zerem as diligencias e praticarem os actos an-
tes da sentenga, quer das que frem con-
demnadas.
Art. 41. Nao poderrt receber qiianlia al-
guma adiantada r.em a pretexto de falta de
pagamente podero os estrivaes e mais olli-
ciaes de justiga retardar o andamento dos pro-
cessos c a extraego e entrega dos traslados
precisos para a inslrucgo dos recursos ou
quaesquer oulros actos e diligencias sob pe-
na de se Ibes fazer effectiva a responsabilidade
pelo delicio do artigo 129 0. do codito
criminal.
Paulino Joze Soarcs do Souza do meu
conselho ministro e secretario de estado dos
negocios da justiga assim o tenha entend
do e faga executar.Palacio do Bio de Janei-
ro em lo de margo de 1812 vigsimo pri-
meiro da independencia e do imperio.lom
a rubrica de sua Magostado o Imperador.
Paulino Joze Soaros de Souza.
ACTA DA 23.* SESSAO ORDINARIA DA ASSEMBLEA
, LEGISLATIVA DE PKIt.VVMl'CO EM 1 1 DE
ARRIL DE 1812.
PRESIDENCIA DO SNR. MACIEL MONTEIRO.
Feita a chamada acharao-se presentes 23
srs. deputados fallando com pai ticipago o
sr. Lopes Gama e sem ola os srs. Uchoa
Cavalcante Manuel Cavalcante efiarao de
Suassuna.
O sr. Presidente deelarou aborta a sessao^
foi lida e approvada a acta da antecedente
EXPEDIENTE.
lTm oficio do secretario da provincia a-
companhado de informagoes do director do
Liceo, e do piol'essor da cadeira de obstreti-
mandou o seguinte art substitutivo :
A Forca Policial para o anno linanceiro da
1812 1813 sercomposla de 130 pracas,
com a organisacfto, que lbe for dada pela
Presidencia : apoiado. Encerrada a dis-
cusso, foi rejeitado o Art. substitutivo, e
approvado o do Projecto com a segunda emen-
da do snr. Neto. Ao art. 2, o snr. Joze Pe-
dro mandou a seguinte emenda : suppri-
ma-se o art. 2. : apoiada Depois de dis-
cutida foi rejeitada e approvado o art. Da-
da a hora manada o snr. Nabuco mandou o
seguinte requerimento : requeiro a urgen-
cia por mais meia hora para a discusso do
Projecto n. 6: apoiado, e approvado.
Continuou a discusso. Ao art. 3. o snr.
Barros Cavalcante mandou a seguinte emen-
da : depois da palavra presente ac-
rrescente-se, abonando-sc aoAjudanlee
Quartel Mestre a gratificaoo mensal de 4j
rs. cada un, conforme o Decreto e Tabella
de 28 de Marco de 1823: apoiada. En-
cerrada a discusso, foi approvado o art. e
rejeitada a emenda ; passando o Projecto em
2. discusso.
0 snr. Pedro Cavalcante mandou meza o
seguinte requerimento : requeiro urgencia
para entrar em 3. discusso amanb o Projec-
to que (ixa a Forga Policial: apoiado e
approvado.
Continuando a discusso do art 13 do Pro-
jecto n. 9. O snr. Oliveira mandou meza
a seguinte emenda substitutiva : com o Jar
dim de Olinda (cando supprimida a cadeira
de Botnica -- 300. rs. : apoiada. Encer-
rada a discusso foi rejeitada a emenda subs-
titutiva do snr. Oliveira assim como a do sr.
.Neto, o approvado o art. do Projecto lican-
do prejudicadas as duas emendas do snr. Fi-
gueiredo. Ao art. 11 o snr. Neto apresontou
as seguintes emendas : em lugar das pala-
vras com a Biblioteca publica diga-se
com a fundago de urna Biblioteca publica na
Cidade do Becil'e : Ao art 14 augmente-se-
e sendo o Presidente da Provincia autorisado
a mandar copiar os livros e documentos anti-
gos e deteriorados, existentes nos archivos
COMMERCIO.
ALFAiNDEGA.
Bendimento do dia 13 3:983*575
DESCARRECA llo.li: 14 DE ARRIL.
Barca Ingleza = Thomaz Mellor= Ancoras,
Ferragem, carnes, caixas de felha de
flandres, lengoes de chumbo sabo,
arcos de ferro e barras.
Pataxo Americano = llenry=: Vellas, sabo,
fumo, miudezas, cavalinha, bolaxi-
n!;a, manteiga de porco conservas ,
fsforos, calgado, azeile barricas a-
batidas com tampos, e breo.
Patacho Americano = GiraHe = Fasendas ,
barriz de pregos cadeiras, cha, ca-
bos vellas, farinba, bolaxinha bar-
ricas vazias, e arcos.
Brigue Prasileiro Bebougas duas caixi-
nhasde fasenda.
LMPOBTAQA.
0 Brigue Portug. Josefina vindo de Lis-
boa entrado no corren te mez consignado
a Meudes & Oliveira, manifestou o se-
guinte*
barricas de drogas a Saisset & C.
20 caixas de toucinbo a Manoel Joaquim
Brando.
30 pedrasde cantara a Manoel Joaquim
Pedro da Costa.
211 ditas dita, ao Dezembargador Belmont.
2 barriz de vinho a Joze Goncalves da
Fonte.
10 pipas de vinagre, a Joo Manoel Este ves
de Oliveira.
2 caixotes de livros impressos a Joze An-
tonio Bastos.
2 ditos com ditos a Bernardino Joze Pe-
reira de Brilo.
1 dito com dito a JooCardozo Ayres.
2 caixas de cha ao mesmo.
10 pipas de vinagre a Luiz Gomes.
1 caixole com obras de lato, a Silva Bar-
roca tx Andrade.
20 pessas do cabo de cairo a Francisco
Mameded'Almeida.
a Manoel Ignacio
pblicos da Provincia e interessantes his-
toria dola : em lugar de 4:000. rs. di-
ga-so 6:000, rs. : apoiadas. O snr.
Nabuco supprima-so o art. apoiada
Passando-sc a votar foi approvada a emenda
de suppresso do art. O art. 15 foi approva-
do rom a seguinte emenda do sr. Babello:
supprimao-se as palavras sendo devido o or-
cia sobre o n. de nlumnas e seu aprovoila- I denado somonte quando bouver o n. de dez a-
luninas. Os artigos 10, e 17 licaro adia-
seguinte e-
mento = ;i comtnissao de Fazenda c Orga-
mento. Urna representaco da cmara de I-
guarass pedindo, que aquello municipio seja
elevado a comarca := commissao de eslatis-
tica. Lm ollicio do I. secretario da ssembla
Legislativa da provincia de S. Paulo reluci-
dos. Ao 18 osr. Neto mandou a
metida : suprima-se o artigo 18 : foi a-
poiada c rejeitada c approvado o arl. Ao
art. desonove o mesmo sr. mandou a seguin-
le emenda : supprima-se o artigo desenove:
; proceder rcviso das contas dos
tutores, curadores, testamenteiros admi-
radores judiciaes depositaras pblicos e
thesouroro dos orphaos eausenls3 tomaro
;jl' ro eslivercra tomadas na forma da
leudo em nome da mesma un exemplar da apoiada : o snr. Babello:-- eleve-se acon-
representaco dirigida ao Governo Imperial gra de todos os Coadjuctores a 200, reis, e
pedindo S. M. ol. se dignasse sobrestar i augmente-se para isso o quantitativo : a-
na nomeago das leis da reforma do cdigo ,, poiada. Foi approvado o artigo e rejeita-
e crinro do conselho d'esado : = recebido. jilas as emendas-- Ao art. 20o snr. Neto man-
Oulro do cxm. sr. hispo esignatari de Olin- don a seguinte emenda: supprima-se o art.
da D. Thomaz deNoronha olerecendo dous2() : foi apoiada e rjeitada e approvado
exemplares da memoria por ello feita e pu- |o artigo. Ao artigo vinte e um o mesmo sr.
blicada sobre as sepulturas em ceniiterios :: Neto mandou igual emenda, a qual foi lo
= recebido com agrado. Um requerimento bem rejeitada sondo approvado o artigo.
do advogado da cmara municipal dosta ci-i Foi apoiado o seguinte artigo additivo do
dade Jos da Silva Guiniares pedindo a con-sr. Neto : com a suciedade de Medicina do
flrmago do augmento de ordenado que lbe
foi conferido pela mesma cmara : = com-
Becife para premios e impresso de memo-
rias e mais despesas do seu expediente
missfio de negocios das cmaras. O sr. Neto 112:000. reis 0 snr. Figueiredo mandou a
mandou meza o requerimento seguinte := j seguinte emenda : cm lugar de 2:000ji reis
requeiro, que se nomeie urna commissao es- diga-se 1:000. reis: apoiada. Encer-
petial para responder o ofiicio dol. secreta-! rada a discusso foi approvado o artigo addi-
rio da ssembla Legislaliva da provincia de tivo do snr. Neto ficando prejudicada a e-
S. Paulo que em nome della acaba de dirigir 1 menda do snr. Figucredo. Dada a hora o
10 caixas de toucinho ,
de Oliveira.
20 ditas com dito a Marques & Veiga.
1 caixole de chocolate ao mesmo.
1 barril de vinho a Firmino Joze Felis da
Boza.
10 caixas de toucinbo ao mesmo.
15 barriz com dito, a Manoel de Azevedo
Maia.
104 pedras de cantara 30 pipas de vina-
gre 84 pipas de vinho 31 barriz de di-
to 30 caixas de toucinho 20 barriz de di-
to- 10 barriz de carnes 20 ditos de azei-
te ~ o 1 caixa com brago para balanga, a Mon-
des & Oliveira.
o pipas vinho 30 barriz dito 12 ditos
azeite 8 pedras de cantara ~ e 2 caixas o-
bras de lato a Thomaz do Aquino Fonceca.
Fora do manifest ~ 1 caixole calgado 1
barril sardinhas2 barriz carnes 1 caixa
com urna carteira a ordem. 5 caixas fer-
ramenta de carpinteiro 2 farros 0 volumes
trastes a Domingos Joze Pereira Bocha.
3 caixotes vasos de louga a Antonio Felis
dos Santos.
7 sacras alpsta a Joze Antonio da Silva
Vianna.
10 barriz carnes a Joo Tavarcs Cordeiro.1
1 caixole impressos, ao Exm. Bispo Besigna-
tario.
10 caixas toucinho 20 barriz carnes 10
barriz azeite a Joo Pinto de Lemos & F.
30 cestinhas 3 latas amendoas cobertas
1 caixole doce 1 porgo de molhos de ce-
bollas a Paulo Antonio da Bocha.
3 barriz carnes a Antonio Ferreira.
1 caixa papis de msica a Pedro Ga-'
chedo.
A Barca Jngleza Thomaz Mellor vinda
de Liverpool, entrada no correnle mez e
consignada a Bussel Mcllorsz C. manifes-
tou o seguinte
1 fardo de fasendas de la 1 caixa dita -
18 ditas dita d'algodo a Alex Me. Kay & C.
20 fardos de fasenda d'algodo 10 caixas-
ditas, a Latham & Hibbert.
^v




di
5 fardos fasendas d'algodo -- o caixas com
ditas a Fox Brothers.
100 barriz de manteiga, a Diogo Cockshott
& Como.
90 caixas com vidros 2 ditas fasendas de
Ia- o ditas dita de linho -- e 2 ditas dita de
laa e seda, a Gaskell Johnson & C.
10 barricas de ferragcm urna caixa de
queijo urna dita com falo e pertences para
livreiro- e 12 ancoras, a Kenworthy Brander
a Brandis.
45 caixas fasendas d'algodo e 11 fardos
ditas de laa, a Geo Kenworthy & C.
18 fardos fasendas de 19a 5 caixas ditas
dita89 ditas dita d'algodo um fardo dita
dito um dito dita de linho-4 caixas dita
dito -'- e 100 barriz de manteiga a James
Crabtree & C.
8 caixas fasendas d'algodo--e 50 barriz
de manteiga a Me. Calmont & C.
25 barriz dita Joo Pinto de Lemos & F.
Urna barrica de ferragem 50 toneladas de
ferro arcos e barra 5 caixotes fasendas de
algodo- e 3 ditas lio d'algodo a ordem.
Um embrulho de livros impressas, a P.
Furby.
20 fardos fasendas d'algodo 4 caisotes
dita dito 4 barricas com pezos de ferro-- 20
ditas ferragem 36 feixes com paz de ferro
1000 caixas com saho urna caixa com vi-
dros e urna barrica ditos a Johnston Pater
& Comp.
55 lardos fasendas d'algodo e 30 caixas
dita dito, a Russcl Mellors & C.
100 barriz com chumbo-e 14 rollos dito,
a Smith.
7 fardos fasendas de algodo 0 caixas di-
ta dito- duas caixas com chapeos de sol e 5
ditas com (o d'algodo a John Stwar.
8 folhas de chumbo 200 feixes d'arcos de
ferro 30 caixas folhas de llandres- onze di -
tas fasendas de l-dez ditas fio d'algodo e
2 fardos fasendas dito a B. Lasserre & C.
Fora do manifest urna caixa de folha
(ignora-se ) urna barrica dita a ordem.
Um cesto com copos e um barril com lin-
goas, ao Dr. London.
Um barril com conservas 6 ditos tijollos
de limpar e um volume pezos de lato a
Jolion Carrol! & F.
Um barril de conservas urna caixa com
mustarda um cesto com agoa de soda um
barril de carne um dito com lingoas dous
meios barriz com manteiga- 385 {jigoscom
batatas 50prezuntos 74 queijos urna
vaca e um embrulho cotn letras impressas ,
a Russell Mellors & C.
19 embrulhos com amostras a diversos.
Art. 2. No caso porem de que o proprieta-couias ; e qrfando isto depois se requera empanhi gimnstica
EDTAES.
ODr. Vicente Pereira do Reg, Juiz Muni-
cipal suplente da primeira vara do termo
desta cidade &c.
Faso saber, que competindo aos Juizes
Municipaes nomear os ofliciaes de Justina do
Termo, e fixar o seu numero; fazentoa
distribuiQo do servido entre elles com igual-
dade na conformidadodo Art. 51 do Regu-
lamento N. 120 de 51 de Janeiro do frrente
anno, ficar suspensos todos os officiaes de
Justiga doivel, ou Crime que nao tiverem
ohtido o cumpra-se do Juizo Municipal nos
Ttulos ou Provises com que servem no Ter-
mo d'esta cidade : para o que se dever a-
presentar no mesmo Juizo dentro do prazo
de tres dias. E para constar mande passar
o prezente que ser publicado pela irnprensa.
Recife 12d'Abril de 1842. Eu Felippe Re-
ido Cavalcante de Albuquerque, Escrivo
o escrev
Vicente Pcteira do Reg.
== O Illm. snr. Inspector da thesouraria
da Fazenda desta Provincia tendo em con-
formidade do Regulamento de H de Janeiro
docorrente anno, adianle transcripto, de
contractar o corte e conducho para esta Cida-
de de dez mil quintaes de Pao Brasil; con-
vida aos proprietarios dos terrenos, que pro-
duzem este genero e bem assim s pessoas ,
que quiserem encarregar-se do corte nos ter-
renos devolutos para dentro do prasodetrez
mezesvrrem appresentar mesma Thesoura-
ria sitas propostas. Secretaria da Thesoura-
ria da raseuda de Pernambuco 8 de Abril de
1842, Joaquim Francisco Bastos ,
Official Maior.
REGULAMENTO.
O Visconde d'Abrantes, Presidente do Tri-
bunal do Thesouro Publico Nacional, ordena
que na execugo do artigo 11 da Lei n. 243 de
oO de Novenibro de 1841 se observe o seguinte
Art. 1. O corte do Pao Brasil as Provin-
cias, em que for permitlido pelo Governo
sera nicamente feito pelos proprietarios dos
terrenos, que o produzem, conforme as exi-
gencias das Thesourarias.
rio recuse encarregar-se do corte sendo con-
vidado pela Thesouraria a que o fac^i, esta
depois do receber delle resposta negativa ou
nenhuma dentro de um praso rasoavel, que
Ihe ser marcado poder encarregar o mes-
mo corte quem se propozer a faze-lo com
mais vantagem em favor da Fazenda Na-
cional. .
Art. 3. Nos terrenos devolutos permiti-
do corte a quaesquer pessoas, que forem pa-
ra isso devidamente autorisadas pelas The-
zourarias respectivas.
Art. 4. O Tribunal do Thesouro sobre
propostas e informaQes das Thesourarias
poder elevar o prego actual do corte do Pao
Brasil at ao mximo marcado na Lei.
Art. 5. As pessoas que se proposerem ao
corte, assignr" termo por si, ou seu procu-
rador em que se dever declarar o prego de
cada quintal, e a quantidade que se obrigo
a cortar sujeitando-se expressamente a nao
trascrem para o deposito se nn o Pao Brasil
de superior qualidade pena de lhe ser re-
geitada e queimada a porgo, que for qua-
lificada como inferior. E prestaro alem dis-
to flanga idnea, salvo se forem proprietarios
dos terrenos.
Art. t. Um dos Fe lores da Meza do Con-
sulado nomeado pelo Inspector da Thezou-
raria ser incumbido de examinar a quali-
dade do Pao Brasil trasido pelos encarregados
do corte e regeitar todo oque nao for de
superior qualidade. Vencer por este traba-
Iho urna gratificago marcada pelo Tribunal
do Thesouro sobre proposta do Inspector da
Thesouraria; e quando se verifique de m
qualidade o Pao Brasil recebido pelas Thesou-
rarias e remettido para a Europa o referi-
do Feitr ser por isso responsabelisado.
Art. 7. O Feitor certificar no recibo de
entrega feita nos respectivos depsitos a su-
perior qualidade do Pao Brasil, que for rece-
ido ; e sem esse certificado sobre a qualida-
de nao se far pagamento nem ser abona-
do adiantamento algum feito aos ditos encar-
regados do corte.
Art. 8. No fim de cada trimestre o Inspec-
tor da Thesouraria remetiera ao Thesouro
Publico um mappa assignado pelo Feitor no-
meado declarando os nomes dos proprieta-
rios ou outros encarregados do corte do Pao
Brasil, o prego e quantidade a que se obrig-
ro as porces que tiverem trasido ao depo-
sito as regeitadas equeimadas, as embar-
cadas para Europa o nome do Navio, e seu
destino. e finalmente o estado do deposito.
Riu de Janeiro era H de Janeiro de 1842.
Visconde d'Abrantes.'
O Illm. Sr. Inspector da Thesouraria desta
Provincia em curaprimeiitn da ordem do Tri
bunol do Thesouro publico Nacional de 7 de
Marco prximo fiidn manda faier publico o
Art. 20 da Le de 30 de novembro do anno
passado e os captulos 209 e 210 do regimen-
t da fazenda abaito transcriptos. Secreta
ria da Tbcsouraria de Fazenda de Pernambuco
S do Abril de 1842.
Joaquim Francisco Bastos,
Official Maior.
Art 20 da Lei de 50 de Novembro de 1841.
Dol. de Janeiro do 1843 em dianle nao
ter mai lugar inscripcan alguma de divida
passiva fluctuante, mandada fundar pela lei
de 15 de novembro de 1827 a excepefto da-
quellas que nessa poca se acharen em liqui-
daco ou penderem de prueesse judicial t
cando interinamente prescriptas, e perdido
para os credores u dircito de requerercma li-
quidaeSo e pagamento dcllns D.i mesma da-
ta em diantc fico em vigor os captulos 209 ,
e 210 do regiment da fazenda assim pelo qne
rpspeita a divida passiva postericr ao nhno de
1826 existente at boje e a divida futura ,
como pelo que respeita a toda a divida activa
da nnco. O governo dar toda a publicidade
a disposico deste artigo e dos referido* ca-
ptulos.
Capitulo 209.
Que passando cinco anuos as partes que
nelles nao requererem as dividas j que
IhesElrei dever, perco seu direito.
Por quantn ot agora em nossa fazenda mili-
tas vezes aconteca .il ninas pessoas deixarem
em alguns anuos de tirar e requerer sua ten
cas assentamentos enrrigimentos man
iiik utos que de nos havin de lia ver e su
do ordenadamente cada auno na dita nossa
fazenda por nossns Officiaes quando pelas
partes sao requeridos ; c quando vinho pedir
seus despaches, era fadiga c trabalhos bus
carcm se livros e registoi dos annos passados
para ver se os linho (rudo ou nao e dinda
sobre isso se recrescio ootras duvidas que
muas vezes os taes dinheirus lhes ero tirados,
ou passados ou por en tros respei tes e justos
impedimentos tirados porque os nao deviao
ha ver, ou por nosso mandado, ou por satis-
? fac, ou por erros ou trocas, ou oulras
nosa fazenda nrtssos Officiaes nao er5o em
lembranca das taes cauzas por se nao esereve-
rcra algumas vezes ou se erraren* o ttulos
delle nos registos e multas vezes aconteca
de lhes seren despachados, e irem duplicados
os ditos dinbeiros o pagos duas vezes, e as-
sim os donos ou seus herdeiros e mitras al-
guma" pessoas estarem obre isso cm grandes
debate e duvidas nao sabendo que os ti
nhJo j ssim havidos bu assim mesmo se llio
nao despachavSo sernpre ficav cm duvida se
verdaderamente Ih'os devio ou nao ; oque
pela quanti dos annos e mudncas de nossos
Officiaes e grande negocio de nossa fazenda
a verdade verdaderamente seno podia saber: c
querendo nos a isso nrover determinamos
queremos e mandamos que daqui em diante
qualquer pessoa de quulqucr sortB e qualida
de que for que dentro de cinco annos n5o ti-
rar ou requerer as cartas e desembargos
dos ditos despachos cima declarados dahi
em diante nao lhes sejo inais dados nem ae-
jo as partes sobre isso maisouvid)*. Outro
8in pelo dito modo mandamos que a dita ma
neira se tenha em todas as dividas qne nos dc-
vamos a que sejamos obrigados de nossa fa-
zenda assim por nossas cartas alvaraes do
sembdrgns certidoes e lcrubrancas o dos
vedores de nossa fazenda o contadores que
pura isso nosso poder tiverem como quaes-
quer outras tibrigaces de maneira que den
tro dos ditos cinco annos hajo disso despa-
cho ou se mostr como as taes dividas reque-
rero na dita nossa fazenda e houverao dos
ditos nossos vedores certido as costas de seus
despachos como se lhes nSo poderao pagar ,
porque do dia que tal certido for posta lerao
lugar para outro* cines anuos podercm reque-
rer, e havrrem seus pagamentos assim de
cinco em cinco annos quaudo fossem taes as
dividas que por alguns respeitos se nc po-
desem pagar no dito tempo : e quem assim
o nao fizer, queremos que dahi em di-
ante assim mesmo nSo seja mais ouvido nem
coubecido de tal divida ; porque por boa orde-
nadlo e regiment de nossa fazenda e por
cvHarem duvidas havemos par bem que se fa
ca assim : salvo quando a parte mostrar tal
cauza por onde se mostr no dito tempo nao
poder por 8, ou por outrem requerer nem ha-
ver certido cima conteuda
Capitulo 210.
Do tempo que se podem demandar as di-
vidas deElrei.
Mandamos, que por nossas dividas se nao fa-
ga penhora nem execugSo nem outro algum
cwnslrangimcnto depois de seren passados qua-
renta annos salvo se por nossa parto e era
nosso nome for allegado e provado que foi
feita interrupcab que foro estas dividas pe-
didas ou es devedores penhorados ou bou ve
rem de nos espago ou por outra semelhante
maneira : e do tempo da interrupcao nao fo-
rem anda passados os qu.'irenta minos.
Olllm. Sr. Inspector da fazenda desta Pro-
vincia manda fazer publico a ordem do Tribu-
nal di Thescuro Publico Nacional a diante
transcripta* Secretaria da Thesouraria de Fa-
zenda de Pernambuco 11 de Abril de 1842-
Joaquim Francisco Bastos ,
flicial Maior.
Of'em N. 39.
O V.cnde de Abiantes; Presidente do Tribu-
nal rio Th' souro Pul lico nacional participa ao Sr
Inspector da Thesouraria da Provincia de Pernam
buco, que em ibservanca do Art. I. do Decreto
de 22 de Julhorie 1841 n. 188 m.ndou abrir no-
v< troco na caixa (.'Ainoili^aco por quatro mezes ,
das not s do ex tinelo Raneo, que deixaro de ser
tricadas no praso marcado pcl> arl. 7. Jl.
da Lei de II de Outubro de 1837 ; ohservandr-se
nesta operaco as dispozicoes do Hegulamenlo de 29
de Novembro do mesmo auno : em observancia do
art 2 do lito Decreto andn lambem abrir de
n vo o t no das- not.s de &0jjf000 terminado em
viilude da Portara do l. de ezembrode 1838 ,
livan 'i. at 31 de De embro do co reme anno o pra-
so dentro do qual ssho as ditas notas ser apre-
seutadaS na sobredila caixa rnente em confn m da le do art. 21 da Lei d 30dr
Novembro pas 31 de Deseinbro para terminar a subsiituicSu das no-
tas de :>0#00n a 500^0(10 mandada faier por ccazio
do r< utio do Thesouro ; licandocs psssuidores depo-
is delle sujeitos s penas marcadas no art. 5. da
Lei n. 63 de 6 de Outubro de 1835. O que o Sr.
Inspector fi publicar por editaes, e nos Jumaes
par* conbec ment dos interetsados ; repetindo os
arinuncios ami dadas \ezes at o (im de^ie anno.
TheSOuro Publico Nacional fcm 18 de Marco de I84.
Visconde di branles.
mu/ca Jos d fteis
quinta feir 14 docorrente.
O Beneficiado tem a honra e a satisfecho d
apresentar ao respeitaVel publico desta Cida-
de um magnifico espectculo, pois que des-
velladamente solicita, em corresponder o
extremado acolhimenlo cm que elle tem
sempre sido recebido pelos bemfazejos espec
tadores ; procurar constantemente por todas
as maneiras mostrar o enthusiasmoe deligen-
cias de lhes ser grato e recoohecido ; infla-
mado nestes sentimentos tem destinado pre-
hencher este divertimento com variacoes mui
agradaveis dando principio do modo seguin-
te: urna escollada overtura ser desempe-
nhada pelos Snrs. profssores da orchestra;
concluida que seja Joaquim dos Beis subir
ao Brandecho volante em o qual pora em
pratica diflerentes ejercicios gimnsticos e
sortes da maior destreza e dilliculdade par-
ticularisando-se com novas experiencias, as
quaes sero desempenhadas pela vez primei-
ra em esta Cidade; depois Madama Emilia
cantar urna preciosa Aria de Bossini, que
seguir Um novoe jocoso Duio da Opera
o Barbeiro de Sevilha, qiie tem por titulo- O
Barbeiro embasbacado.
Cantado com a sua^brilhante Competente
scena por a dita Madama Emilia e o Benefi-
ciado. A continuado o Artista Joaquim dos
Beis executar Um divertido baile juntando
lhe urna graciosissima scena de bastante difi-
culdade eque espera seja d agrado dds bene-
mritos espectadores. Finalisando lera lu-
gar o mui gracioso Dueto dedois bixos co-
nhecido com o titul de D. Magnific e Dan-
dino ou o Principe fingido na opera a ce-
nerentol-i. Desempenhand papel de D:
Magnifico Joze dos Reis ; e d Principe Ma-
dama Emilia Amanti para cuj effeito saldr
.vestida de Homem. Em seguida subir a sce-
na a nova e divertidsima farga em Pantomi-
ma ao estilo Gimnstico Italiano intitulada
Morto Fingido, ou seja o Esqueleto Diablico.
A qual ser embelezada com todo o seu a-
parato e galantes scenas milito singulares e as
mais graciozas que se podem imaginar as qua-
es terminaro agradavelmente to escolhido
variado espectculo.
N. B. Os Illms. Shrs. Que tem tomado
camarotes terao a. bondade de mandar bus-
car os seus bilhetes na quarta feira para evi-
tar qualquer falta que possa haver po,r parto
do encarregado dos mesms. Em um dos
intervalos sero destribuidos pelos Ilustres
espectadores em nome do beneficiado um so-
neto de gratido e para maior luzimento dd
espectculo o thealro estar decentemente a-
dornado e Iluminado.
= Os snrs. Assignantec que inda esto
dever as suas assignaturas de camarotes da
Quaresma de 1841 qneiro mandar pagar n
Thealro visto que o espac de qatorze me-
zes tem de tal sorte tornado fastidiosa a co-
branza aos recebedores, que nao !i quem
della se queira encarregar:
DECLABAgOES.
CONSULADO BRITNICO.
Faz-se saber aos Subditos Britnicos resi-
dentes em Pernambuco ; que no dia Quinta
feira 21 do corrente mez de Abril meio di,
ter lugar no Consulado d Sua Mageslade
Britnica, ra do Trapixe novo : oajunta-
mente dos ditos Subditos para os fins desig-
nados no acto Geog. IV. cap. 87. Consulado
Britnico 8 de Abril de 1842.
A. Augstus Cowper, Cnsul.
T1IEATBO.
Beneficio do Artista, e Director da com-
AV1S0S DIVERSOS.
Francisco Duarte Coelho, tim dos her-
deiros e successor na capeila de Porto de Ga-
linhas boje extincta na forma d Lei pela
morte da ultima administradora tendo re-
sol vido faser venda da parte que lhe toca em
a mesma capeila ; convida as pessoas que qui-
zerem comprar a dita sua parte hajSo de se
entender com. o a un inicia rite, morador na
Freguezia do Poco da Panela, ou na ra dd
Cabug na Caza de Joze Bernardo Fernandos
Gama, lambem herdeiro, que o annuncian-
te na occazio da venda aprezentar os ttulos
de dominio da mesma propriedade para uso}
econhecimento do comprador.
Os consignatarios da Barba Ingleza Tilo-
mas Mellor, partecipaOa quem pertenc^r 260
feixes de arcos de ferro, 09 feixes de barras
de ferro e 643 barras de ferro que se a-
cho a bordo da mesma Barca e que ho de
descarregar para a Alfandega, boje 14 d
corrente ; e como os ditos ferros n podem
entrar na Alfandega e devendo serem des-
pachados no mesmo dia da descarga: por este
motivo os consignatarios nSo fico respohsa-
veis por aljjuma falta que haja depois d se^
rem contados a bordo 5 e previne a dtt que
se nao vier despachar boje tirar pagando o a-
luguel da Alvarenga que exceder do dia da
descarga e qualquer outra despeza qu
houver:
tsr Joaquim Jos* Pereira Guimars re-
tia-c para a Cidade da Babia:
t^- Joaquim Jernimo da Luz Oliveira j
retira-se para o Rio de Janeiro.
= O abaixo assignado tem de fazer urna
viagem a Macei 8 por isso faz o coro pe*
tente annuncio ha conformidade da lei.
lexandre Ribeiro de Miranda FoRtour*:


RTyiwat#w^ iq'i lio

^y^aa^gai^fc^WJK*^u^"^7S3tSiig/
i r Aluga-se una ama captiva quetenlia 1
brnn loit para acabar do criar urna criauga de
idade de 5 mozes ; quema tiver dirija-se a
iii ifa Cadeia de S. Antonio porcuna da fa-
brica de chapeos.
tiy Aluga-se o tercero andar do sobrado
do becado peixe frito D. 5, coni commodos
pua pequea lamilla ; quem o pretender di-
rija-sj a rua do Padre Floriano venda que li-
ta junio do beco tapado, 5o.
tsy (Juein lile faltar urna canoa pequea
dando ossigwaes ll>2 ser, entregue, pagan-
do as despezas que se tizerao com quem a [
aehou : alraz do Corpo Saulo n. 00.
ssy Desapareci to porto das canoas un
bntelao Je carreira consertado de novo, cpm
unas taboas de pinho novas a proa ; quem
do mesmo der noticias ser bem recompensa-
do airas.do. CorpoSanto D. 00.
OT, Antonio Rodrigues da Cruz comprou
e tem em seu poder um bilbete da segunda
part da nona lotera do tbealro publico da
Cidade do Recite de n 475 por ordem do
Sr, Joze Ribeiro Barboza do Rio de Janeiro, c
por contado Sr. Joze Antonio da Veiga.
V3" Quem precisar de urna ama parda de
idade para oservico de uina casa de pouea
familia ou de homem solteiro dirija-so a rua
da Piedade no bairro do Recfe no correr do
nicho no segundo andar do sobrado que tetn
em baixo leuda de torneiro.
52^- Arrenda-se uina casa terrea no beco
de Joao Francisco no bairro da Boa vista ;
quem a pretender dirija-se a rua da Cadeia
velha D iS primeiro andar.
EF- Lima pessoa capaz que d fiadora sua
conducta prope-se a cobrar dividas tiesta
praca ; quem de seu prestimo se quiser uli-
lisar annuncie.
BE" Precisa-so alugar urna casa terrea no
bairro de S. Antonio, (pie o seu aluguel nao
exceda do 10j ; quem tiver annuncie.
xs^ Quem precisar de urna ama parda pa-
ra casa de um liomeiii solteiro ou de pouea
familia. drija-*e a ruado Nogueira 1). 12.
51/" Sinetes da nova inveueao para marear
roiipa com a sua competente caixa de tintas
a (pial se alianca que nao desbota O nem
(pieima a roupa, estes sinetes taihbem servem
para fechar cartas : na rua do Rangel D. Si-
da parte da ribeira no primeiro andar ou na
rua da Cadeia loja do Bourgard onde os po-
de ro encomendar. T
r Aluga-sc urna casa terrea qife ten ha
commodo para urna grande familia no bair-
ro de S. Antonio, leudo quintal ctpimba e
cozinha fora nao se olhaa prego: qem tiver
annuncie.
S*y Com muita urgencia deseja-sc fallar
com o Sr. Antonio Pedro de Barros Cavalean-
ti Sr. do engenho Conceigao ou com o seu
correspondenlo nesla praga : na quina da
pracinha do Livramento loja da viuv de Joao
Carlos Pereira de Burgos Poncede Leo.
S2T Desoja -se saber nesta praca quem tem
correspondencia para a Villa de Pianc com o
Reverendo Vigario Manocl da Conceigao : an-
nuncie a sua morada.
835* Quem precisar de urna pessoa para lec-
cionar de latim e primeiras letras, por pre-
co rasoavel do que tem bastanffe pratica ;
0 tambem se offerece para adiantar alguma es-
cripturneo que exista em atraso; annuncie.
cr Oabaixoassignado avisa ao respeita-
vol publico que comprou na loja do Snr. Me-
nezes, mat bilicte la lotera I favor das
obras de .\. S. do Bozario de n. 203 c pa-
ra tirar de du vidas qu presente. = Antonio Pereira de Fana.
ts?- A pessoa que annunciou o Diario de
11 do conente um grande sitio para vender,
distante desta praca tres quartos de legoa di-
rija-se a rua Direita sobrado de 2 andares do
Jado do Terco D. 20.
tU" OSr. Manpel Joze Guedes de. Maga-
Ihes queira procurar urna carta^vinda do Rio
de Janeiro no escriptorio de tti idino Agos-
linho de Barros. ^
sry Quem tirou por engao lima carta do
Correio dirigida a Carlos Evaristo Justinia-
no da Silva roga-se o favor de mandar levar
no escriptorio de Gaudino Agostinhode Bar-
rosna pracinha do Corpo Santo D. 07.
cr Joo Pacheco das Mercez faz ver ao
respeitavel publico que por serm tristes as
suas circunstancias no estado de indigencia ,
relira-se com sua familia para a Cdade da
Baha d'onde espera seu valirnento.
K W Acho-se dous sitios devolutos para la-
vrador de cana, ambos tem casa sofrivel, com
boas torras de pa rila r e multo productivas;
quem pretender dirija-se o proprietario do
engenho Carahuba da fregusia de S. Antonio
de Tracunhaem termo e comarca de Nav.a-
reth: as trras do mesmo engenho tem mal-
tas lugares proprios para foreiros plantarem ,
e por mofliao foro.
V E N D AS
or Ositioannunciado a venda no diario] gia o mais moderno
de II to correnle .he no Giqui e tem| D. 16.
commodos para 10 a 12 vaccas, e trata-se na
rua doQueimadoD. 12.
O*0P. TtMOtoio Tiburlino Couro-Dant,
queira fazer o favor fe aparecer em fora de
portas n. 08, para concluircerl negocio.
tJ" Quem precisar de ma ama coin mui-
lo boni Jeito e sem lilbo dirija-se ao beco da
bomba entrando pelo Carino 3.
= 0 arrematante do, imposto de 20 por
cento sobre o consumo das arguardentes de
produco Biazileira ayiza aos Srs. quea-
inda nao pagarfto dilo consumo ve nho fa-
zel-o nos das 15 11, 15a 10do correntc ,
no largo de V. S. do Terco D. 0 lindos os
quaesso proceder na forma da lei contra a-
qutllesq" dcixarern de pagar nos dias marcados.
na praca da Boa vista
AVISOS MARTIMOS.
Rodrigues
, por
tsy Freta-so para qualquer porto da Eu-
ropa excepio de Trieste o muto velleiro c bom
conhecido Brgtie Portiignez Emprehendedor,
forrado de cobre : os pretendentes dirijo-se
ao Capitao na piuca do commercio ou no es-
criptorio de Francisco Severiano Rabello.
U- Para o Rio Grande do Sul a Sumaca [
Carolina Capilo ^Manoal Rodrigues Pi-
menta da Cunha forrada de cobre, e de pri-
meara marcha pretendo sabir com brevi-
dade por ter mais de dous tercus de sua car-
ga ; quem na mesma quiser carregar ou
ir de passagem dirija-se a Machado ei Santos
ou ao referido Capitao.
EJ" Para o Rio de Janeiro e Rio Grande do
Sul a Barca Triumpho da Inveja chegada
de Fernando e segu impreterivelnientc por
estes 8 dias para carga e passageiros para o
que tem excedentes com modos e escravos a
lete ; dirija-so ao Capitno Carlos Evaristo
Juslianiio d Silva ,oua(audino Agostinho
de Darros na pracinha do Corpo Santo Dci-
ma 07.
X5' Para o Cear o Patacho Nacional 4 de
Maio sabe impreterivelmente no dia 50 do
conente, por estar com melado do seu carre-
gamento prompto ; quem quiser carregar ou
ir de passagem para o que tem excellentes
coinmodos dirija-se a Manocl Joaquim Pe-
dro da Costa na rua da Cadeia.
tt^ Para o Havre de Grace segu viagem
impreterivelmente al o lim do correnle mez ,
a Barca Franceza Hortense Capilo Morvan
Keval aqul recebe passageiros qu para isto
l.in excellentes com modos ; quem Quiser ir
de passagem dirija-se a rua da Cruz D. 00.
L E I L A (T
T,

sor Manoel Joaquim Pedro da Cosft-, ^z
leitfio de fumo e charutos no armazm de
Antonio Aunes Jacoine Pires no dia i do
corrente as 10 horas da marida.
tsy Ilenry Christophers por eslar prximo
a fazer una viagem at Inglaterra far leilo
/tor intervencAo do Correlor Oliveira Sexta
i'eira 15 do corrente as 10 horas da manha ,
no sitio de Sua residencia pertencente a (i. C
Cox na estrada do Maiiguinho de toda a ex-
cedente mobilia do mesmo sitio ,' e de grande
poarao de livros escolhidosdos melhores aii-
thores 5 assim como se vendero dous pti-
mos moleques um at cozinheiro ensinado
pelo perito e bem conhecido mestre desta arle,
e dous carrinhos inglezes de duas e de 4 ro-
das com seus competentes arreios.
V9F* Miranda Cii Pereira farolelSo 'por n-
tervenco do Correlor Oliveira Quinta feira
14 do correnle as 10 horas da manh de to-
dos os gneros que formao o fundo da sua bem
acreditada venda com grande armazern es-
tablecida na rua do Vigario n. 2o, e da arma-
c,o da mesma, em um ou mais lotes vontade
dos pretendentes ; adverte-se que ludo se
vende no mesmo lugar por liquidaco em
consequencia da prxima retirada de ditos
Miranda Si Pereira para fora da Provincia ,
que muitos dos gneros em ser sao da melhor
oscolha c se aclio em perfeito estado ; e que
a vantajosa posicjfo do estaheleciment he su-
ficiente para assegurar una decente subsis-
tencia e fortuna a qualquer pessoa assidua ,
que ficando no paiz queira continua-lo.
COMPRAS.
jr Cdigo do Processo criminal do pri-
meira instancia, do Imperio do Brasil, com
a disposico provisoria acerca da adminislia-
cbo da Justiga Civil c a lei das reformas du
dito Cdigo com olas as quaes se mos-
trao os artigos, que oro revogados, amplia-
dos ou alterados e a smnia dapleis. e
decisoes do Governo relativamente a mudas
de suas (lelerminaces. Dito Criminal au-
gmentado cqqj as leis decretos, avisos, e
portaras que desce a sua publicago ate o
fim do anuo de 1859 se tem expedido ; ex-
plicando, revogando ou alterando algumas de
suas disposicoes. Na praga d Independen-
cia, loja ijpjivos n. 37 e 38. ,
Bllhetes da 2. parte da
1. Lptci concedida
'Irmandadc do hosario
da Boa-vista, cujas rodas
ando iripreterivelroente
18 do corrente; nos lu-
gares do costuitie.
%W Duas canoas com mais de GO palmos de
comprido urna aborta e outra fecbaila, e du-
as duzias de costado de amarelo tudo exis-
tente na serrara de Joo de Rrito e cem
,m,eios desoa viudas do Aracaty : na padaria
de Joo Lopes Lima.
l\ Cf L'ma obra da traduco do quarto li-
vro de Direilo Civil Luzitano por Pascoal Jo-
ze de Mello Freir : na botica da rua do Am-
paro.
p Um negro de 20 a 27 annos, para to-
do o servico heganhadordo rua e d 010
por dia : na rua do muro da Penha D. 0.
SST Lina porco de ps de coqueiros de
encllente qualidade, proprios paro mudarse
por ter sido plantados para csse lim e esta-
reni em estado disso : ein Ohnda na rua de
S. Pdrp venda de Anselmo Joze Ferreira.
tsr Manoel Antonio da Silva Molta ven-
de ou permula o sitio de Agoazinha em Bebe-
ribe com casa de vivenda grande plaa
e capim c urna porgao de laiaugeiras co-
queiros principiando a darem frucio e mui-
lo terreno para plantar como para criar gado,
por ter militas baixas e sao Ierras 'que ::ao ;a-
go foros : na ruada Cadeia do Becife n. 0.
Bf- Pao de linhoem pegas de 18 varas:
na rua da Cruz D. 25 casa de Hermano Mehr-
lens.
szj~ Fmaduzia de cadeiras de Jacaranda
em meio uzo e por prego commodo; assim
como um par de castigaos de vidro lapidados:
na rua do Colegio D. 8.
S2j- Meos blhetes da loleria do Rozario
da Boa vista : na rua do Cabug loja de relo-
joeiro jui.to do Sr. Bandeira.
S3f Papel de peso azul de muito boa qua-
lidadeem meias resmas a 1*410 dito almas-
so do melhor que ha a 2*880 a resma dito
de sagimda sorte a 1 ,?920 dita, e muitas
mais miudezas por prego mais commodo de
que em outra qualquer parte : no atierro da
; Boa vista D. 55 junto ao tintureiro.
^ir^ Meias de linho linas ecompridas para ;
senhora outras mais grossas que servem
tanto para senhora como para homem e pro-
nho por prego 'commodo ; na rua larga do
Rozario a fallar cm Joo Manoel
Valenga.
tr Farinha de mandioca *da tena
prego commodo : na rua da Cruz n. 61.
ts^" Urna cama de Jacaranda nova que ^in-
da nao servio : na rua do Livramento D. 4.
tsy Por prego commodo um cavallo me-
lado bom carregador : na rua Nov.a D. 32.
tST Um molequede nago de 12 a 14 an-
nos proprio para aprender qualquer oflicio;
e urna bomba de ferro propria para canoa
d'agoa : no principio do atierro dos Allegados
em casa de Silvestre Joaquim do Nascimento.
sry Um moleque de nagao de 10 anmis,
proprio para aprender oflicio : na rua do Fa-
gundes D. 18.
Cj- Bichas grandes e pequeas de muito
boaqualidade echegadas prximamente do
Lisboa : na rua do Vigario venda de Themo-
Ihio Pinto Lial n. 50.
C^ Duas casinhas na estrada que vai pa
ra S. Joze ao virar para a Capunga ; assim
como se vende terrenos no mesmo sitio para
se edificar casas : na rua das Cruzes D. 7 tei-
ceiro andar. _
ESCRAVOS FGIDOS.
H5- Botijas vasias que fossem d genebra :
na fabrica de licores na rua de S. Bita nova.
CF- O livrinho da conversago franceza :
na rua da Florentina sobrado nov< ao p da
mar.
tsr O Cdigo pharmaecutco ultima edi-
gSO e o tratado completo d'auatoma e cirur-
lanio para seiinora i-oiiiu imi.1 iiuim.-m c |>iu- .______u ;
prias para terceiros de S. Francisco ou d Car- dy s^ *J* '.e n'n8
mo: no atierro da Boa vista loja de fazen- fSJ^t&SB&J!*
das D. 4.
izr !m negro de 25 annos sem vicios
nem achaques, ptimo para o servigo de
campo: na rua do Cabug loja de fazendas
Decima i.
vss^- Bombas de ferro para cacimbas, mui-
to commodas : na ruada Cruz D. 64.
CT Urna escrava crela de 15 annos com
principios de coser e engommar : na rua da
Ordem terceira de S. Francisco D. lo.
|g,Meios bilhetes da Lotera do Rozario :
na rua do Cabug loja de miudezas junto do
Sr. Bandeira.
E3" Barris de quarto de pipa com vinho de
superior qualidade e ja bastante claro: na
rua das Cruzes D. 7.
tsy Um sortimenlo de reogios patente ,
ehorisontaes e relogios de parede com des-
pertador por prego commodo : na rua das
Cruzes casa de relojociro francez D. 4.
t&~ A meiago de urna casa de taipa no at-
ierro dos Allomados : na rua cstreita do Roza-
ro loja de relojoeiro.
SST" Urna casa na rua do Nogueira :"na rua
doQueimadoD. 12.
t^ Urna marqueza uzada compost de no-
vo : na rua estrella do Rozario D. 2>.
ssr Diis escravos que foro de um engo-
tar Fugio no dia 10 do corrente a negra
Miquilina da costa, de 40 annos, altura re-
gular ciliosgrandes levou vestido corda
caf: quem a pegar leve a rua Direita Deci-
ma 50.
xm~ No dia 10 do corrente desapareceo um
molequinio crelo de6a7annos coni ca-
misa de riscadinho encarnado com os cbe-
los acabralhados e os ps apalhetadoJ: quem
o pegar leve a rua velha venda da quina volta para a da Alegra qu ser recompen-
sado.
cr No dia 9 do corrente fugio um escla-
vo de nome Manoel, de nagfio cassange le-
vou vestido calcas de panno da costa camisa
de algodao da trra de mangas curtas tem
o dedo mnimo de urna das mos alejado es-
tatura ordinaria cara larga, dentes alvos e
abertos tem estado sempre ganhando na
rua porisso se presume que anda mesmo
por aqui : quem o pegar leve a rua da Auro-
ra casa de sobrado de um andar nico que
nesta rua que se mete entre este e o da fun-
dicfto de ferro urna casa terrea, que ser re-
compensado.
$-? No fim do mez de Outubro do anno
passado fugio um casal de escravos Joze
poralcunha Carini, do gentio de angola,
baixo, grosso peinas um pouco arquiadas,
barbado, tem bastantes Cabellos brancos,
olhos vermelhos mal parecido falla grossa,
representa ter 50 annos : Maria do mesmo
gsntio alta se cea cara bechigosa dous
dentes abertos no queixo de cima, tem um
signal junto ao dedo mnimo da mao esquer-
pa he mal parecida e representa 40 annos :
quem os pegar leve a rua da Cruz em casa de
Joze Joaquim dos Reis D. 28, ou ao seu sur.
no engenho Carahuba na freguezia de Tracu-
nhaem termo e comarca de Nazarelh da mat-
ta que receben 50* de gratlicago.
CP* No dia 27 de Margo fugio um cabra de
nome Pedro de 50 annos, alto cheio do
corpo bem assuissado, beigudo nariz cha-
lo, muito prosista e falla como matulo, pu-
cha por urna perna e esta ficando calvo,
tem oflicio de serrador e carreiro e entende
ninguem faga ne-
sua legtima
Senhora D. Antonia Florinda Pessoa de Mello;
quem o pegar leve ao pateo do Carmo venda
D. 7 quesera recompensado.
MOV1MENTO DO PORTO
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 1 2.
liba de Fernando ; 12 das, Escuna de Guer-
ra Brasileira Legalidade Commandantc o
primeiro Tenente Jos Maria Galhardo.
Dito H dias Barca Brasileira Triumpho
da Inveja de 200 tonel. Cap. Blthazar
Joie dos Reis equip. 10 carga lastro : a
Gaudino Agostinho de Barros traz o des-
tacamento que acompanhou os presos.
ENTRADOS NO DIA 15
Camaragibe ; um da Palhabote B. Conceica
Brasileira, Cap. Joze Alves Pereira, equip.
3, carga assucar : a Joze Manoel Marlins ;
passageiro Manoel de Souza Portuguez.
SMIIDO NO MESMO DIA
Trieste ; Barca Austraca Ciro Capitao C;
Crusich carga assucar.
BECIFE NA TVP. DE M. F. DE V, = 18*2
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAW843RO4_WOC72O INGEST_TIME 2013-04-12T21:58:23Z PACKAGE AA00011611_04629
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES