Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04627


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1842. Terca Feira 12 de
lado agora Updl c ni Mimi ; da non* prudencia, aaoderac3o, eenerga : con-
linuaaaoa cumo priampiaaios, aereaoa apnnladoa coa adamarn titira as Narrs maia
eoltaa. (Froclaaaco da Aunblca Geral du iraail.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Coiaana, Paraiba, c Rioraada do Norte, na segunda asenta feira..
Bonito Garanhan, a 10 e 24.
Cabo, Sarinkaen, Hio Fonaoto, Porto Cairo, Maeeio, e Alagoaa ao 4 H, 21.
Pajc 13. Saalo Arijo, quinta ftira, Olinda todoa ua diaa.
DAS da semana.
il Se*;, a. LeSoP. Chae. Aud. doJ. de D. da 2. r.
42 Toro. a. Victor M. Re. Aud. do juii de Direitoda i. Tra.
43 Quart. a. Hermenegildo M. Chae. Aud. do J. da S. da 3. t.
44 Quii. Sis. Tibureio e Sntaaa Mm. Aud. do J de D. da 2. r.
45 lext. is. Baxiliaaae AnastaciaMm. Aud, di J, de D. da 4.T,
46 sib. a. Engrila V. M. Aud. do J. de D. da 3. T.
47 Doaa. a. Aniceto P M. a. EUaa Along.
Abril.
Anuo XV111. N. 58.
O Diario publica-a* todoa o diaa qo n.io (oreaa Santificados n preco da assignstura ba
de treaail raa porquartel pagoa adiantadoa. Os annuncios dos assignamet sao inseridos
gratis, eos dos que o o for.m raiao de 80 reis por linha. As reclamaces derem ser
dirigidaaarslaTTpograna ra daa CruieaD. 3, ou praca da Independencia lojas de linos
Mamaros 37 a 38.
CAMBIOS no da 11 de Abril.
PkiTa Peos Columnares 4.660s 4,680
Mexicanos 4,640 a 4,660
miuda 4,440 a 4,460
Moeda de cobre 3 por 400 de disronto.
Diaconlu de bilh. da Alfandvga 4 e j por 4 09
ao met.
dem de letras de boas firmas t e a 1 e f.
Cambioaokte Londres 28 d. p. 41'.
Paria 320 rea p. franco.
Lisboa 80 a 85 p. 400 da pr.
Ooe.0-Moeda de6,400 V. 44,600a 44.700
a N. 44.300a44,500
. de 4,000 8,400 a 8.200
PkATA Patacoea 4,660a 4,680
Preamar do da
4.a a 6 borea a
2. a 6 toras *
l2r/e Abril.
6 m. da aianai.
30 m. da tarda.
PHASES DA LOA NO UlEZ UE ABRIL.
Quart, ming. a 2 --a 4 horas e 44 m. da larde.
La Nora a 40 -- a 8 horae e 43 m. da tarde.
Quart. creac. a 1S ka 4 heraa e 44 m da manb.
La chaia a 24 da 9 horas e Sa. di tarde.
DIARIO l>E PER NA II HUGO.
PARTE OFFICIAL.
ACTA DA 25.* SESSAO ORDINARIA DA ASSEMBLA
LEGISLATIVA DE PEHN.VMIIIT.O KM 8 DE
ABRIL DE 1842.
PRESIDENCIA DO SNR. SOL'ZA LIA.
Feita a chamada acharao-se presentes 21
Snrs. Deputados fallando cun partid pago
o Sr. Pereira de Brito e Maciel Monteiro ,
e sem ella os Srs. Alvaro, Machado Ros ,
Lopes Gama. Lourenco Bizerra, ManoelCa-
valcante e Barfto de Suassuna.
O Snr. Presidente declarou aberta a sessao,
foi lidaeapprovada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um requerimento de Silvano Thomaz de
Sou/.a Magalhes rogando a esta Assembla
ha ja defer r-lhe o seu requer ment, ende-
ressado mesma Assembla o anno p. p. :
fui enviado Commisso de instruego publi-
ca. Outro do Cidado Jos Pedro Velozoda
Silveira arrematante do impasto de 40 reis
por medida de bebidas espirituosas em que
pode a esta assembla o abate de 7:867*000
res animaos no prego do contracto : Com-
misso de fazenda e ornamento. O Sr. Bar-
ros Cavalcante requereo a urgencia do Pro-
jecto n. 6 d'este anuo para ter hojo mesmp
a 1. discussfioat meiodia 5 foi apoiadae an-
provada. O Sr. Figueiredo offereceo os 2 se-
guintes Projectos, os quaes fui o apoiados,
julgados objectos de deliberado e a impri-
mir : o primeiro reduzindo a um e um quar-
to a meia sizados escravos e o outro autho-
rizando o governo a contraclar com umapes-
soa nacional, ou estrangeira para aperfei-
coar o fabrico do assucar.
ORDKM DO DA.
Proscguindo-se na discusso do projecto N
9 d'este anno o Sr. Jos Pedro mandou a
meza a emenda substituitiva ao artigo 10. -
Com os Professores de Seminario de Olinda .
elevando os ordenados dos professores
a Hiedra ticos a 800, rs. o do substituto a
600/ rs. e o de canto-cham a ooO, rs. :
3:3504 rs.: foi rejeitada eapprovado o art.
Passou-se ao art, 11 e a elle mandouoSnr.
Oliveiraa emenda seguinte Suprimo-se as
palavras sendo devido &c. at aulas foi
apoiada e rejeitada. Ao mesmo art. oflere-
ceo o Sr. Rebollo urna emenda para que se
elevasse o ordenado dos Professores de latim
do centro da provincia a Oji rs. augmen-
tando-so o quantitativo para essefnn: nao
foi apoiada. A emenda do Sr. Figueredo
lim de que se substituisse as palavras- que
vagarem at o fim por estas ou tras cuja
populacho nao der a aula mais de 6 alumnos
frequen tes salva a redaeco- foi apoiada e
ao depois reprovada. Das duas emendas do
Sr. Lopes Netto sendo urna para que se i-
gualasse o ordenado do Professor de Latim do
Bairro do Recife as dos Professores do Ly-
ceo e outra para que se supprimissem as
palavras pouco populosas ; a 1 foi apoiada
e approvada e a 2. apoiada e reprovada : a-
provou-se o art., salvas as emendas. En-
trando o art. 12 em discusso, oSr. Netto
mandn a meza a emenda seguinte em lo-
gar de 333*353 rs. diga-se-350. rs. esu-
primam-S9 as palavras authorizado o Presi-
dente &c. at convenientes : foi apoiada. A-
presentaram-se mais varias ou tras emendas ,
sendo urna do Sr. Paes d'Andrade para que
se deduzisse da quantia marcada para os
Professores de primeiras letras a quota desti-
nada ao pagamento do Professor da Povoago
de Taquera : foi apoiada ; outra additiva do
Sr. Pinto d'AlmeidaDepois das palavras
convenientes -accreseeitte-se cando desde
ja removida a cadeira de primo i ras letras de
dous bracos na Freguezia da Escada para a Villa
deS. Anto; foi apoiada; outrado Sr.Figueredo-
A' emenda do Sr. P. d'Andradeaccressentando-
se, cuja cadeira fca suprimida: foi apoiada: ou-
tra do Sr. Aguiar-Igualada a gratifcalo para
aluguel de casa do professor da cidade de Goi-
anna e concedida aos professores de Olinda ,
salva a redaeco : foi apoiada ; a outra do Sr.
Rebollo Sendo prvidos independentemente
de novo concurso os tres Professores approva-
dos no ultimo concurso : foi apoiado. O Sr.
Lopes Netto, offereceo urna emenda para que
se criasse urna cadeira de primeiras letras pa-
ra meninos na povoago da Boa-viagem, aug-
mentando-se para issooquantitativo : foi a-
poiada. Foro ignalmente apoiadas urna e-
menda do Sr. Oliveira Suprimo-se as pala-
vras- o qual servir noCollegio dos Orphos,
eduasdoSr. Nabuco d'Araujo urna addi-
tiva Removida a cadeira de Maranguape pa-
ra os Affogados e com o substituto dos me-
ninos para d'esta cidade e outra iguala-
da a gratilicaco do aluguel das casas para
lodos os professores com excepgo dos pro-
fessores do Recife. Dada a hora o Sr. Pre-
sidento levantou a sessao, iicando adiada a
discusso do art. e emendas para o d a se-
guinte e marcou para ordem dos trabalhos -
leitura de Pareceres e Indicagrs e 1. dis-
cusso do Projecto N. !9 d'este anno.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro ,
Presidente.
Joze Felippe de Sousa Leo,
1. Secretario.
Antonio Jos de Oliveira,
2. Secretario.
GOVERNO DAPROVINCIA.
CONTINIJACA DO EXPED. DO DA 8 DO CRRENTE.
Oflicips Ao Inspector da Thesouraria da
Fazenda, e ao Presidente interino da Rea -
Sao, communicando-lhes achar-se o Bacharel
Antonio Joaquim de Moraes e Silva no ejer-
cicio de Promotor das Capellas e Residuos,
e Curador Geral dos Orfos e ausentes do
Termo do Recife. para que fra provisoriamen-
te nomeado pela Presidencia em 6 do cor-
ren le.
Ditos Aos mesmos, participando-lhes ,
que por impedimento do actual Juiz de Or-
laos interino d'este Termo, acha-se em ejer-
cicio de taes funeges o Bacharel Manoel For-
re ira da Silva, Juiz substituto em 2. lugar.
Portara Achando-se impedido o Juiz
Municipal da 1. Vara do Termo do Recife o
Presidente da Provincia determina que o seu
supplente substitua igualmente o Juiz de I)i-
reito tio civel da 1. vara, quando esto for
suspeito.
da 9.
Ol icio Ao chele de Polica interino da
Provincia, dizeodo vista das represen tagnes
feitas pelo ex Prefeito, boje Delegado de San-
to Anto sobre a molestia, que sofTrem os
presos na Cada daquella Villa, que mande
remover os que all se acharem, para a Cada
d'esta Cidade determinando que se orcem
os reparos de picar as paredes e os mais,
que forero urgentes para a salubridade, e se-
guranza dos criminosos a fim de se mandar
proceder a estes concertos pela maneira mais
conveniente.
Portara Ordenando, que se passem Por-
taras de nomeago para Subdelegados da
Freguezia dos Bizerros ao Tenente Coronel
Jos Moreira Alves da Silva e para a do Bo*
nito ao Tenente Coronel Jos Joaquim Bizer-
ra de Mello.
Oflicio A Cmara Municipal do Bonito,
communicando as nomeages antecedentes.
DitoAo Commandante Superior da Guar-
da Nacional deste Municipio, communicando
terem sido nomeados para servir no Bitalho
de Guardas Nacionaes destacados mandado
organisar pelo Decrelo de 9 de Dezembro de
1841, os seguintes Officiaes da mesma G. N. ;
a saber o Major da 1. Legio Thomaz Jos da
Silva Gusmo Jnior ; o Capito da 4. com-
pantu'a do 3. Batalho Maximiano Francisco
Diarte ; o Alferes do mesmo Batalho Fran-
cisco de Paula Gongalves da Silva ; o Alferes
Porta Estandarte do 1. Esquadro Jos Fran-
cisco Carneiro Monteiro ; e o Sargento Aju-
dante do 3. Batalho Jos Carlos de Souza
Lobo.
Dito Ao Tenente Coronel Chefe do 2.
Batalho da G. N. de Santo Anto transmit-
tiitdo a proposta que acompanhou o seu of-
ficio de 6 de Janeiro do corrente anno, a fim
de que a faga enviar ao respectivo chefe de
Legio na forma das ordens d'esta Presi-
dencia.
Dito A Cmara Municipal do Lmoeiro,
communicando ter a Assembla Legislativa
Provincial indeferido a representago que
a mesma Cmara fez Presidencia em oflicio
de 12 de Abril de 1839, pedindo auctorisa-
go para fazer cobrar pelas portas ou por
avenga o dizimo de miungas.
Dito Ao Commandante das Armas or-
denando em consequencia do que determi-
na o Avizo Imperial da Secretaria d'Estado
dos Negocios da Guerra que mande orga-
nizar e remeta Secretaria da Presidencia
urna tabella das luzes que devem ser conser-
vadas as fortalezas, e quarteis desta Provin-
cia e que suste o fornecimento d'ellas aos
Officiaes do Excrcito, ainda mesmo aos ,
que se acharem em destacamento como tie
expresso na Proviso do Conselho Supremo
Militar de 27 de Agosto de 1828; assim como
que faga observar puntualmente o Avizo da
Secretaria d'Estado supracitada que prohibe
o fornecimento de farinha; e remettendo-lhe
copia d'este ultimo Avizo.
Dito Ao Juiz Municipal supplente da 1.
vara d'este Termo remetiendo copia da por-
tara da Presidencia determinando quem
deve substituir o Juiz da 1. vara do civel ,
quando este for suspeito.
De igual theor.ao Juiz de Direito da 1.
vara do civel d'esta Comarca.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DM 6 DO CORRENTE
Oflicio Ao Exm. Presidente, remetten-
do-lhe informado o requerimento do Alferes
de linha Antonio d'Albuquerque Maranho,
que pedia a S. M. o I. houvesse por bem man-
dar expedir o Avizo de communicago da Re-
forma que se Ihe deo em 1839.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., remettendo-
lhe informado o requerimentodorecruta Joa-
quim Jos Pessoa, que vindo o anno passa-
do recrutadoda Provincia daParahiba, e ten-
do em 4 de Margo demigo por nSo estar no
caso de servir na tropa de linha fora no-
vamente recrutado naquella Provincia e re-
medido para esta a 21 do mez findo, nao obs-
tante a saa legal escusa.
Dito Ao commandante superior da G.
N. deste Municipio, communicando-lhe, que
se offereceo para servir na 1. Linha, e assen-
tara nesta data praga Joo Theodoro dos San-
tos, G. N. do2. Batalho, e rogando-lhe a
expedigo de suas ordens, para que fosse del-
le ellminado.
Dito Ao Inspector da Thesouraria en-
viando-lhe a guia que pela Pagadura das
tropas da Corte foi passada ao Alferes do
6. Batalho de cagadores de linha Jos Al-
ves Pimentel, que obtivera licenga do Gover-
no Imperial, para se traclar nesta Provincia.
Dito Ao Engenheiro Wauthier para
que houvesse de prestar com a brevdade
possive as informages que Ihe tinha de de-
precar o Coronel Moraes Ancora, acerca das
obras Militares do Forte do Buraco, e quar-
tel da companhia de cavallara pois que a
continuago de taes obras dependio de taes
informages.
Dito^Ao mesmo, dizendo-lhe, que tendo
de dar ao Governo Imperial informages acer-
ca da pretengo do Capito reformado Mis-
quita Pimentel que se prope a fazer sua
cusa urna sistema na Fortaleza do Brum ,
houvesse de se dirigir dita Fortaleza exa-
minar o local onde deve de ser construida a
sistema e orgar a respectiva dispeza ser-
vindo-se de enviar-lhe o resultado do seu
exame e orgamento para ter o devido des-
uno.
Dito Ao Major Fernando da Cosa, en-
viando-lhe a portara de uomeago, e mais
papis que servem de base ao conselho de
guerra a que vai responder o cabo d'Artilhe-
ria Pedro Chrisostomo da Cuiiha a lim de
que desse ao mesmo conselho prompto anda-
mento.
Dito Ao Capito Sebastio Lopes Gu-
mares remettendo-lhe a portara de nome-
ago e mais papis que dizein respeilo ao
conselho de guerra a que vai responder o Par-
ticular Joo Carlos Tavares do 3. Batalho
d'Artilheria para que desse ao dito conselho
o devido andamento.
Dito Ao commandante interino do 3. Ba-
talho d'Artilheria para que informasse -
cerca d'avaria que soflreo um caixo, no
qual foro acondiccionados para a Corte em
Junho do anno passado os objectos perlen-
centes a Agencia do Batalho, o o archivo da
4. companhia ento commandada pelo 2.
Tenente Agente Pedro AtVongo Ferreira.
Dito Ao mesmo remettendo-lhe os re-
querimentos e documentos dos soldados re-
formados Jos Domingues de Mello e Feli-
zardo Jos da Fonceca para que Ihes nian-
dasse organisar em triplcala a conta do
que se Ihes licou a dever em vista dos mes-
mesmos documentos.
Dito Ao Tenente Coronel commandante
do Batalho Provisorio, mandando considerar
addidas ao mesmo at seren remeltidas pa-
ra a Corto, 10 pracas viudas do Rio Gran-
de do Norte abonando-lhes sold e Etapo
do 1. deste mez em diante.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Santo
Anto pedindo-Ilie informages ouvindo
ao recrutador acerca do recruta Francisco
Alves que consta ser casado no entanto
que a rtota que o acompanhou diz ser sol-
teiro, e chamar-se Francisco Pinto Soares.
Portara Nomeando o Conselho de Guer-
ra do Cabo d'Esquadra d'Artilheria Pedro
Chrysostomo das Lhagas.
Dita Nomeando o Conselho de Guerra do
particular Joo Carlos Tavares, do 5. Bata-
lho de Artilheria.
1NTER1K.
RIO DE JANEIRO.
S. M. I. houve por bem perdoar no da
de Sexta feira da Paixo o resto de tempo
que altava aoreo Cyprianno da Fonseca Ri-
beiro para completar o de nove nnnos de pri-
so com trabalho em quanto fra condem-
nado.
Por decretos imperiaes foram promovidos
ao posto de alferes honorarios doesercito ,
com o sold corresponden te o sargento Jos
da Silveira e o alferes Antonio Pereira Porto,
da (inania Nacional do Rio Grande do Sul ,
em remunerago dos servicos por elles pres-
tados ltimamente.
O presidente da provincia do Espirito Sne-
lo em seu oflicio do 1. e o de Minas Gera-
as no de 10 de Margo communieam que
reina socego em ambas ellas.
O resultado at hoje conhecido da eleigo
para senador pela provincia de Minas Geraes
o seguinte : ( Candidatos minisleriaes ;
Honorio 508 votos ; Jos Cwario 304 ;
__


o
; .11 Mmi *!* r ~"jJ^.L-' ir=~*"-""*" *"
txSE35Se7
B. Belisario 407 ; ( da opposiQo) Limpo ,
4i>0 ; C. Pinto 388 ; Jos Feliciano 586.
Osluzciros da facco anarchisadora no Rio
de Janeiro eslo eclipsados: "felizmente est
suspenso por era quanto o -commercio de in-
jurias e calumnias, Foi bastante urna aecu-
saco para que os defensores do povo so calas-
sera A historia d'essa accusa?o vergonlio-
sa para o partido que se proclama constitucio-
nal c liberal : deixaram os impressores na
priso em quanto agenciavam responsaveis;
e sao taes os artigos que publicara os dous
jornaes da Tarco pie nAo acharam urna
pessoa decente do partido que quizesse tomar
sobre si a responsabilidade d'ejles No por
vos a popularn toda que receio pois tol-
des de comparecer perante o jury e fazer
triumphar nos tribunaes a vossa causa ?!...
tendes vergoidia do"* que est escripto ? As-
sim devia ser ; as indecencias as calumnias
que esses dous luzeiros publicavam nao per-
mitiera que um .'inmom serio e que se preze
soja por ellas responsavel.
Entretanto os partidos nacionaes nao licarii
suffocodos pelas perseguios ; a contrario
medrara. A facco desorgahisadora poiem
cala-se oceulta-se lesde quo 0 governo langa
nio da lei contra ella oda assim prova de
sua nenhuma torea do'fienhum conceito em
que 'ida e do que tem consciencia !...
Ora isto vergonha Srs. 5 vonha ura de
Vms. responsabillsar-se pelo Minorista e
outropelon Constitucional ; facara este sa-
crificio a phtria !...
ma mandando-lbe primeiro assignar o no-
me em ura livro.
Que sendo o interrogado preso a 18 do
corren te noite no dia seguinte recebeu da
parte de Sancta Barbara urna nota de i rs. !
e um bilhele que dizia : Sr. Vasconcelos.
Se fra perguntas que nao ir ; mas se fr,
n;lo diga quera Ihe pedio para assignar, guar-
de segredo ; e se precisar de roupaou dindei-
ro, mande dizer.-- Que este bilheto nao era
assignado mas que (fuem Ih'o trouxe era
ura Francez alto magro de nom Le Ba-
rn erapregado na dita typographia.
Que alem dos i a rs. referidos elle nao
recebera raais dinbeiro e que era 21 se-
riam 0 I 2 horas da manda o Sancta Barba-
ra Ihe inandou pelo dito menino Manoel',
urna camisa umajaqueta e urna pataca em
cobre!!!...
Que o biete cujo conteudo relatou o
mandara mostrar a pedido do juiz da pristo,
ao carcereiro da cadea e depois du Ihe ser
restituido
partida de Silva levares que o aprisionou! dos seus generosos sacrificios: os amigos
cora mais alguns notempo da primeiraad- da especie, porque achara que as escolas e os
ministrado do Doutor Saturnino ; eslava re-! gymnasios sao os naturaes laboratorios ond
colhido presinganga desta cidade : all ten- a sorte de tocias as classes tem de mclhorar de
M."" Ogier sen lilho Lniz Julio Ogier fo-
ram reeolhidos cadfeia como impressores do
h Maiorista que se acba aecusado. Dizem-
nos que ielo lites aconteced porque os Ilus-
tres publicistas d'esi peridico e do tilucional julgavam-se to authorisados pa-
ra escrever ludo quanto quizessem que nao
haviam assignado sequer a responsabilidade
que exige a lei c que poria fra de compro-
raettimento os impressores.
Eniqiianlo ao que espalda a opposio dl-
zendo que o subdelegado dodistriclo da typo-
graphia nao quizera receder a responsabilida-
de do S. F. de Salles Torres Hornera que
}he fura apresenlada nao crivel que seja
elle tfto estpido: o que nos consta a esso
respeito que ella s apparecen depois de
estarem aquelles pronunciados. Ederaais,
a authoridade lera interesse era ventilar essa
questao .le iraprensa nao com os desgrana-
dos impressores estrangeiros mas cora o
impvido Sr. Torres lloinem com o nao
menos esforcado S. Snela Barbar e com ou-
tros patriotas da mesma esleir.
Cene queja eslosollos os impressores.
Processo do Constitucional.Grandeza de al-
. ma do Dr. Sancta Barbara !!!
Os impressores Viuva Ogier & Filhopre-
sentaran] como responsavel de dous artigs
publicados no n. 2Ud'csle peridico um a-
gente dos presos do Aljuhe (pie compare-
cendo era jui/o declarou chamar-se : --
Manoel Jos Femandes l'ereir.i de Vascon-
celos natural da Babia, morador ha 2 me-
zes no principio da ruado Jogo da hola em
una casa sera numero ; viver de agenciar
requerimentos dos presos da cadea ; e ao
tempo da publicado e distribuido do n. ac-
ensado nao lembrar-se onde eslava e era
conbecer as teslemundas que jurarara contra
elle f nao ter motivo particular a que altri-
buissea denuncia; e era sua defesa allega os
lados seguintes :
Que na quinta feira 17 do corrente fra
chamado por ura menino da lyp. Ogier de
Doma Manoel, da parle do bacharel Francis-
co de Sancta Barbara Garca, morador na
ra do Bozario, junto quasi igreja do Hos-
picio em ura sobrado a quera indo n'esse
mesmodia fallar este Ihe pedir o nslara
para que aasignasse o papel de resposabilida-
de ( que sendo-lhc mostrado reconheceu )
ellieassegurara que nada succcderia:pois,clIo
Santa Bardara licava responsavel por ludo
quanto ihe aconteeesse que Ihe dara 80 rs.
para se vestir e alimentar, visto o estado de
sua precis&o e alem d'isso j,i rs. de gra-
tifiraco pela assignatura.
Que entao persuadido elle Manoel Jos
Fernandos, de que no tul papel porque se
responsahilisnva nada havia contra o Impera-
dor o governo ;> constituic,ao e mais leis ,
a religiao e socego publico o assignou ; e
indo aos tabellies Castro e Miranda estes
Ih'o nao quizeram reconhecer ; do que dando
parte ao dito Snela Barberil, este o levou ao
cartorio do tabellio bacharel Joao Gomes
Guerra de Agujar, que rcconhcccu sua fir-
BIO GRANDE 1)0 SUL.
As noticias que nos trouxe do Bio Grande
o vapor k Paquete do Norte avancam algu-
raa cousa s anteriormente recebidas.
0 cabo Jos da Silveira e soldados Jos Dor-
nelles Guarany e Juo Gomes Lemos, do 12.
corpo de avallara de guardas nacionaes ,
patruldando na margem esquerdado Jacudy,
bu lera m e dspersaram una partida de 14 re-
beldes dos quaes perecerm dous no conflic-
to. Por este insigne feilo de bravura foi pro-
movido a sargento o cabo deesqnadra, ea
esta ptenle os soldados lodos os quaes usa-
rn no ante-braco de um escudo de prata,
com a legenda Tres ton lia 14 !
O alferes Antonio Ferreira Porto tendo
sido mandado ao outro lado de S. Goncalo ,
para obler noticias dos movimenlos do ininii-
go, e, saliendo que o intitulado major dos
rebeldes Flix Vieira andava reunindo gen-
te juntou alguns imperialistas que havia no
districte os quaes nao excediam ao numero
de 10 e niarchou sobre elle no dia 21 de fe-
vereiro para as imniediaoes da villa de Ja-
guaro onde travaram peleja. O iniraigo ,
que era era maior forca foi destrocado e
licou prisioneiro o dito Vieira e mais dous
couipanheiros. (Sentinella**)
=Netto nos primeiros dias d'este mez ,
se aproximou ao passo de Sant'Anna no U-
ruguay, com urna Torca de cerca 800 homens,
>00de infanlaria e o reato de cavallana : era
osoccorro promeltido a Bivera para a sua ex-
pedico de Entre-Bios em compensado do
vestuario e mu nices que Ibes elle mandou
no lira do auno passado. Agora me dizera
que no momento de passar o Uruguay, son-
be N'elto do desastre de lenlo Gonsalves e
em consequencia regressrq a reunir-se cora
este.
A intitulada brigada de fronte ira do Al-
grele commandada por Giudes, est licen-
ciada eeste era sua casa.
Caabarro havia marchado com 800 a 1:000
homens para a frente doexercito imporiil e
hoja inesnio sou informado que con tramar-
choi: para as inamediagoes do Algrele : igno-
ro as causas de tal retirada mas calculo que
a cousa nao Ihe loara bein por l.
O que cerlo que a rebeliao do Bio Gran-
de est como as fructas que cabera de madu-
ras : os nimos esio caneados a discordia
declarada en lie os seus primeiros cheles.
Qualquer capacdade vulgar testa do exer-
cito imperial antes de 0 mezes teria anuiqui-
lado a rebelda e reduzido suus forjas a gru-
pos dispersos de salteadores. Basta saber-sc
queellesj entregaran! seu destino as raaos
de Bivera que boje o seu regulador e asna
esperance. para avadar o estado em que se
81 -liara. E' muito para lamentar que se v
poniendo o tempo que j eru occasio de a-
provetar.
Esquecia-me di::er-lde que os symptomas
de revolucfio em S. Paulo 1'orani aqu applau-
didoscorao prognosticos de prxima e infalli-
vel desracmdrago do Brasil; o que lo des-
ea roa vel me ule desejarn sujeilos que alias nao
sao maiis pensadores quando parece mais
natural que elles olhassem para o imperio
como a nica garanta de ordem na America
do Sul e desejassem que a sua consolidac/io
fosse em creseirneiilo. ( Extracto de una
carta de Mon ti video.)
( Diario do Bio. )
tou urna sublevado para fugir ; o Doutor Sa-
turnino o mandou ir para a priso do Porto
Alegre onde eslava quando chegou a amnis-
ta do ministerio passado.
assignou-lhe a corte para lugar do sua resi-
dencia emquantodwasv a lula, e o mandou
soltar paracguir ao seu destino. Chegando
a esta eidade, em vez de embarcar para a cor-
te embarcou para S. Goncalo, passou aos
rebeldes e logo juntou sua partida o eontinu-
ou a guerrear-nos. Quando o Silva Tavares
passou o S. Goncalo para lizer juneco com o
brigadareiro Joao Paulo foi elle quera Ihe
fez guerrilbas em toda a marcha. Estove no
combate ultimo do Cainacuan em que len-
to Gongalves foi derrotado e depois da der-
rota foi fazer reunies para o Jaguaro onde
cabio de novo prisioneiro dos bravos que ti-
verao a generosidade de conservar-lhe a vida ,
apesar de elle nao costumar fazeroul.ro tanto
aos Jegaes em iguaes crcunislancias. Foi
una boa acquisipo poique u.n che fe te-
naz activo influente e destemidb e que
muita falta faz aos rebeldes para as reunies
por aquello lado ; as que elle tinha feilo des-
ii/.eiHOrse cora a sua derrota e priso. L va
supprir alalia doFelisberto Ourique que
alii dexarao fugir e Dos queira que por l
o conservera bem na lago. ,
Neto marchou para o Estado Oriental com
una forra de 500 homens, segundo as me-
drares informales ; diz-se que est em Santa
Anua, junto ao Uruguay, no territorio orien-
tal, s ordens de Fruito; o que certo que
por ora nao consta que Neto leuda passado o
Uruguay, e por isso sabe-se com certeza da
juamarcha mais nao do seu verdadeiro
deslino.
Berilo Goncalves contina a permanecer
em lag e Canavarro pela margem esquer-
dado Bio Santa Mara, semprc alm deS.
Gabriel, A noticia de estar Canavarro i> ou
0 leguas distante do nosso exercito lo fal-
sa como a de ter elle licado H leguas quem
do lugar em que eslava no BincO de S. Vi-
cente. Quera nos deraque Canavarro viesse
com a sua for?a nao digo a ">, mas a 10 le-
guas de distancia do grosso do nosso exercito!
Se era tal cadisse de certo nao escapara. Enga-
na-se quem d essas noticias. Se quizermqsCa-
navarro davemos de ir busca-jo e segui-lo
bem longe e a meu ver ha de ser alm
da fronteira. Neto bem est mostrando aon-
de o nosso exercito lera de ir perseguir os re-
beldes para da** Cobo delles si nao quiser fi-
car de guarda na fronteira para que elles nao
vollem. ( Carta particular)
SANTA CATHAB1NA.
Desterro 18 de marco.
Hontem entrarle do Bio Grande a Todos
os Santos eo Paquete do Norte, *que
ambas para ah vo seguir.
Se as cousas do Bio Grande apresento um
aspecto lisongeiro nao sao lo satisfactorias
as noticias que aqui correm chegadas de La-
ges. Segralo estas os rebeldes agora de-
simpedidos pelo lado de Sania Mara subiro
a Serra em numero de>00, pondo em fuga
as reunies que Vidal commandava ; apresen-
laro-se na Cnlz Alia apoderaro-se de
rauilas mercadorias que ali havia h manda-
rn partidas ateo Passo Fundo na Vacara,
relirando-se com ludo desle ultimo districto.
As niesmas noticias accrescento que se espe-
ravo peloButucaraby tropas iraperiaes para
repellirem os rebeldes. Deosoqueira: San-
la Catiarna eS. Paulo eslo desprolegidos ,
e Porto Alegre nao est mu'o seguro.
Daqui nao tenho que dizer-lbe seno que
varaos vivendo em paz asombra da actual
admnstrago toda paternal. No primei-
meiro deste da marcado na lei inslalou-
se a nova assembla provincial e abri a sua
primeira sesso ordinaria da actual legisla-
luia. ( Carta particular. )
( Jorrad do Cora. )
RIO GRANDE 10 DE MARQODE 182.
Para ahi segu preso o famoso rebelde F-
lix Vieira que outra vez cadio prisioneiro
cm combate. Este berc foi bellido por urna
DIARIO DE IIIMIII'CO.
AI.CIMAS PALAVRAS SOBRE 0 LYCO
REFORMADO.
0 plano de reforma para o I.yceodo Recife,
concebido e publicado pela Prozidencia em
17 de Fevereiro de 1840, he oiii monumen-
to de bablidade e d'experiencia que honra-
r sempre sobremaneira a penetrago solicita
do Reformador. Com raso be chamada a
nossa poca o seculo das escolas porque
todos os homens pensadores se oceupam hoje
dcste assumpto, e Ihe consagrara una parte
cerlo, por urna depurago.rpida e infali-
vel: os economistas, porque sabem que
alguns milhes consagrados pelo Estado e-'
O general Andrea ducago popular evitam de gastar muitos mi-
lhes, que seria necessario despender com a
represso dosdelietos: os polticos, por
que reconhecem que a instruc^ao publica he a
mellior de todas as garantas que liberdadu
commum se possa dar.
He por isso qu estamos persuadidos d'an-
lemo que a excedente obra do Reformador
do Lyceo passar toda inteira gerago que
nos succede, como um grande legado d'amor
e de felicidade : dizemos toda inteira ,
porque nao quisramos ve-la' mutilada como
urna velda estatua d'Athenas nem ao me-
nos deturpada em seu desenlio por mesqui-
nhas consideractt* do dia. Os legisladores
da provincia vo tomar cm suas mos ess o-
bra de reforma vo pez-la e examina-la em
lodas as suas relac/ies de conveniencia ; e de-
pois da luz dos debates, ella apparecer seui
duvida qual denecessaria para preen-
eder um lim nobre c generosou il, para
accelerar o progresso iotellectual da nossa
mocidade gloriosa para a provincia quo a
adoptar inteira.
As aulas do Lyceo, como ellas se achavain
organisadas antes da reforma nem guarda-
ran! harmona em sua natural dependencia ,
nem erara compactas em systema algum lu-
minoso : era urna eollecco de professores ,
que se reuniam era urna s casa cada un
ensillando sua parte a disciplina de que es-
lava encarregado, nunca SU jeito a base sci-
entilica nem a lei alguma racional. 0 Ly-
ceo reformado, tal como o concebe o plana
do Exm. Bario ca Boavista be um gymna-
sio modelado pelos intrnalos" comparados
de Prussia e Franca ,' accommodado s neces-
sidades de Pernambuco, onde os alumnos
por urna engciiliosa combinago de princi-
pios seguem a marcha natural dos couheci-
mentos humanos em seus elemeutos e onde,
as principaes vistas do Reformador que sao
as dos homens Ilustres que elle seguio le-
vara por alvo o enlendimento, ocoragoeo
pdysico dos alumnos, caminhando de mos
dadas na educago publica que se Ibes offere-
ce ajudando-se mutuamente no desenvolvi-
inento que se Ides prepara de tal sorte que ,
as primeiras noges por excmplo dolreino v
getal, sao impressas nos meninos com os
primeiros ensaios da palavra escrita ; as m-
ximas severas da Religiao, com os suaves
encantos da Muzica ; os primeiros elementos
de Calculo, com as primeiras evoluces de
Gymnaslica ; as mais simples regras de Gram-
malica Geral, com as primeiras surprezs do
Dezendo e da Geograpdia ; e assim por diante
ueste plano d'iustrucgo combinada at que
os mais altos principios de Moral e de Philo-
sophia se abraccm no caminho que descrevem
com os assombrosos milagros da Physica o
de todos os ramos de Sciencias Naturaes, o
vo remalar o edificio assignado para cada ura
dos qual ro Cursos que o novo Lyceo com pre-
bende. 'Temos ouvido dizer que alguem h
por adi que desejaria ver suppriniidas algu-
mas das aulas do plano considerando-as su-
perfinas, ou de mero luxo, e docomo des-
te numero, por exeraplo as de Botnica ,
Zoologa, Physica, e mais ramos Naturaes ;
mas os que asssiin arriscara urna tal opinio
nao attentain sem duvida que todas essas
aulas sao raais que necessarias no quadro que
abrangi'o o Reformador para um Lyceo de
Helias Letras e Sciencias Industriaes, quo
vai converter-se n'um Collegio regular d'Eilu-
cago superior de que lano carece a provin-
cia o do qual temos de colder as inmensas
vantagens que estes estabelecimentos offere-
cem Europa eque j boje q Collegio de
Pedro II. oficrece ao Brazil no Bio de Janei-
ro. Pena de que o Lyceo reformado de Per-
nambuco nao esteja j em completo andamen-
to, eque os alumnos externos que o frequen-
tam nao possam desde j sor sujeitos regula-
ridade das disciplinas que all se cnsinam ,
como logo o seri', quando esse plano for de-
finitivamente approvado, e se eslabelecer o
" intrnalo que to anciosamente reclamara
todos os amigos da civilisaQo e do paiz.
Se urna dessas aulas fosse por ventura cer-
ceada em qualquer dosquatro Cursos que o*
plano encerra o defeito consideravel do e-
diiicio seria a cousa de menor importancia a
observar ; mas he que todo o fin da reforma
fcaria assim frustrado as esperanzas das fa-
milias Iludidas, manos os esforcis de nos-
sos llllios e a censura d'uma instruegoa-
leijada com as suas inevitaveis consequen-
cias, seria pela maior das iujusticas lanzada
*^_


BP
conta do Reformador quando a posterida-
de nao curasse mais de saber que alteraco o
plano sofrera em nossa tribuna provincial. '
Masa tanlo nao julgamos nos quo se expo-
nha a Assemblea Legislativa da Provincia,
na prxima Jiscussao da reforma que vai ter
lu,Tar. Nao : as aulas que esse quadro com-
prehende sao todas elementares, sao prepa-
ratorias para estudos especiaes sao inds-
pensaveis para o Curso de Bellas-Letras, pa-
ra o d'Engenhciros-Archteclos, para o de
Apicultura, e para o de Commercio. Sao
todas garfos d'uma grande arvore : qualquer
delles que fosse decepado lhe faria logo myr-
rar o tronco. Os nossos legisladores attcnta-
r sem duvida para esta necessidade e nao
querero arredar de si a gloria de tercm con-
tribuido para a grande obra do excelleute ci-
dadao a quem a provincia tanto deve e que ,
ajulgarmos por nos, ser de todas as suas
obras a de que elle mais se deve honrar. Se-
r como o lirio do Liba no, que venha entrela-
ear-se coroa cvica do Sr. Baro da Boavista,
esobresair por entre as domis llores que a
perfumam e que a posteridade conservar
em deposito como urna grande lembranga
de vida intellcctual.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Bendimento do dia 1 1 5:0IG\>755
DESC.VRUKGAO HOJK 12 DE ABRIL.
Barca Portugueza = Snra. do Bozario=Vi-
nho presuntos e sebolas.
Barca Ingleza = Tliomaz Mcllor = Fasen-
das, ferragen's ohumbode munico,
conservas carnes manleiga sa-
bSo 8 urna vacca.
Pataxo Americano = Henry = Pimenta, fu-
mo azeite sabo salmo vellas,
cavallinha bacalho papel barri-
cas abatidas e com lampos.
Brigue Portuguez = Empreheudedor s= Pe-
dras.
Brigue Portuguez = Jozefina = Fasendas,
droga, carnes azeite, e sebollas.
Escuna Americana = Girafle = Barricas, de
farinha de bolaxa e vazias.
A PEDIDO.
Em sesso extraordinaria da Cmara Munici-
pal daCidade do Hecife de 51 de Margo des-
pea n no resol ve u a mesma Cmara levara
presenta do K\m. Presidente da Provin-
cia a seginle Bepresenlaco.
Illm. e Exm. Snr. A Cmara Municipal
dcsta Cidade veni representar a V. Ex. con-
tra a multa que pela Portara de 7 do cor-
rente, e fundado na Lei Provincial n. 79,
lhe impoz V. Ex. por nao haver a mesma C-
mara apresentadoem o termo prefixo pela Lei
as contas da Beceita e Despesa do anno Mu-
nicipal prximo passado e oryamento do an-
no futuro.
A Cmara confiada na rertido que carao-
tensa a V. Ex. espera, que a referida mul-
ta soja levantada e revogada por conside-
radlo as razoes, qu vai expetidei. Esta C-
mara Exm. Snr. que braceja com immen-
sos obstculos que impedem a satisfago
dos variados, e onerosos encargos que lhe sao
impostospor Lei est na absoluta impossibili-
daiie de lormalisar as contasdo anuo pretri-
to e orcamento do anuo futuro por quan-
to excret-ndo as Cmaras sus TunQes por in-
termedio de seus Empregados e Agentes ,
visto que faltando-llieestes, ou tornndo-
se nullos pela sua teimosa e continuada de-
sobediencia fica impossibilitada de obrar e
reduzida a um simulacro de autboridade sem
aco e sem meios.
A Cmara passa provar o estado de inac-
oao forgada a que se v reduzida. Logo de-
pois de sua instalado a Cmara principiou a
examinar o estado dos negocios da Municipa-
lidade e teve de ver com pasmo que o
maior desleixo relachayo e desordem se
havio introduzid em todos os ramos da sua
administraco : o archivo achava-se no esta-
do que consta do Relatoriodo Vereador Mello
Cavalcante apresentado em urna das sessoes do
mez de Abril do anno passado sob o nume-
mente as Contas do Procurador nica fonte ,
que actualmente existe no archivo donde se
pode extrahir algum elemento para a actura
de taes Balances ; mas nao sendo estas cun-
ts acompanhadas de documentos quo de-
monstrem e expliquem muitos artigos de
Beceita taes como Foros, laudemios a-
rigo impostos sobre Boceteiras e Masca-
tes e outros e nem podendo-se por ellas
conhecera divida activa e passiva da Muni-
cipalidade nem estando a despeza devida-
mente classificada ; tem a Cmara deixado de
approva-las, em consequencia do que a Com-
misso de Polica pela Portara por copia nu-
mero 3 datada de 8 de Outubro do anno pas-
sado mandou que o Procurador formalisasse
as contas de Beceita e Despesa pelos modellos
anexse predita Portara ; o Procurador po-
rem seguio o quo lhe conveio e pouco lhe
mportar3o ( como sempre ) as ordensda C-
mara e pensou quo a Cmara para nao in-
correr na multa havia por necessidade de ap-
provar suas contas taes quaes foriio apo-
sentadas. Que deveria pois fazer a Cmara? As-
sentar o seu trabalho sobre dados falcos no
incertos orear rendimentos pelo simples di-
to de um Procurador em quem nao pode
confiar e que lhe he infenso e de cuja in-
fidellidade tem exuberantes provas ? Apre-
sen tar suas contas pro formula ? Perpetuar
os abuzos e relachacjio ? Nao por certo.
.utando sempre a Cmara com as dificul-
dades que lhe opunhao a nhabelidado e al-
tivez dos Empregados Municipaes e apre-
ciando em summo grao as funeces para as
quaes foi ella chamada pelos votos de seus
Concidados dimittio a esses Empregados ,
cujas malversacOes e desleixo sao paten-
tes e quando cria que assim desembaraza-
da desses en travs po'eria satisfazer asna
misso foro reintregados os referidos Em-
pregados por ordem do antecessor de V. Ex.,
que os julgou immunes, e privilegiados, co-
mo se os Agentes e o Procurador de urna pes-
soa izica ou moral podessem subsistir sem a
sua confianza, e sendo-lhe hostis, e dezobe-
dientes. Desde, essa epocha a Cmara perdeo
toda a forca moral e vio-se reduzida co-
mo actualmente est rece be r os ditames
de seus subordinados.
A Cmara est pois eolloeada na posico
mais dillicil; sobre seus hombros pezo to-
dos os encargos e responsabelidades que]
lhe impoem a Lei e sem os meios de os sa-
tisfazer : se ella deixou de apresentar as suas
contas, be por culpa do Procurador, eal-
guns Empregados da escripturagao e guar-
da do seu archivo e fora injustiga que ella
respondesse por faltas que nao sao suas.
A Cmara Exm. Snr. tornar-se-hia fasti-
diosa nesta represenlaco se relatasse os abu-
sos e malversass(5es comeltidas por alguns
de seus Empregados desleixo eommisso de
outros sem que a Cmara os possa chamar
a ordem e corrigir ; permita pois V. Ex.
que esta (amara nao omita um fado que ca-
raterisa a ndole desses Agentes. Possuia a
Muncipaldade um rico Estandarte que lhe
havia distado GOO^OOO reis desapareceu es-
te no lempo da Cmara trnsala ; a nova ad-
mini.^tracao qus reivindcalo ; os Emprega-
dos a cuja guarda eslava desculparo-se uns
com os outros; tentou porlim a.Cmara urna
accao pelos meios ordinarios eleve em re-
sultado a perda do Estandarte e pagar as
cusas! !
Huma observado rulo menos altendivel Ja-
r V. Ex. presumir quantos extravos tem
sotrido as rendas Municipaes e vem a ser ,
que em todo o anno de 1840 ( tempo da C-
mara tranzada ) rndenlo as multas por i ti
fraeco de Posturas Municipaes dos tres Bair
ros d esta Cidade e Povoagiio dos Afogados
a quantia de 2:60oi500 res esomente nos
tres meses que decorrero de Julho a Setem-
bro do anno. passado rendeo a quantia de res
5:(K)G000 Foi precisamente nesses lti-
mos tres meses que a Cmara com a mai-
or energa fez sentir esses Empregados, que
passaria a tomar medidas eflicazes si nao
conseguisse sua correceo e de fado o fez
em Outubro do anno passado dimitliiido al-
guns d'elles; foi devido a esse receio ios Em-
pregados o augmento extraordinario desse ar-
tigo de Beceita Municipal.
Se V. Ex. quer que esta Cmara prehen-
c Exm. Snr. Bario da Boa-Vista, Presiden-
te da Provincia.
EDITAES.
= 0 Illm. snr. inspector da ThesouiaTTa
da Fazenda desta Provincia tendo em con-
formidade do Begulamento de H de Janeiro
docorrente. anno, adianle transcripto, de
contractar o corte e conduccao para esta Cida-
de do dez mil quintaes de Pao Brasil; con-
vida aos propietarios dos terrenos que pro-
duzem este genero e hern assim s pessoas ,
que quiserem encarregar-se do corte nos ter-
renos devolutos para dentro do prasodetrez
mezes virem appresentar mesma Thesoura-
ria suas propostas. Secretaria da Thesoura-
ria da Fasenda de Pernambuco 8 de Abril de
1812. Joaquim Francisco Bastos ,
Ofllcial Maor.
BEGULAMENTO.
O Visconde d'Abrantes Presidente do Tri-
bunal do Thesouro Publico Nacional, ordena
que na execucao do arlifo 11 da Lei n. 215 de
50 de Novemhro de 1811 se observe o segumle
Arl. 1. O corte do Pao Brasil as Provin-
cias, em que Cor permittdo peloGoverno,
ser nicamente feito pelos propietarios dos
terrenos, que o produzem conforme as exi-
gencias das Tliesourarias.
Art. 2. No caso porem de que o proprieta-
rio recuse encarregar-se do corte sendo con-
vidado pela Thesouraria a que o faga esta
depois do receber delle rosposta negativa ou
nenhuma dentro de um praso rasoavel, que
lhe ser marcado poder encarregar o mes-
mo corte quem se propozer a faze-lo com
mais vantagem em favor da Fazenda Na-
cional.
Art. 5. Nos terrenos devolutos permitti-
do corte a quaosquer pessoas que forem pa-
ra sso devidamente autorisadas pelas The-
zourarias respectivas.
Art. 1. O Tribunal do Thesouro sobre
propostas e informadles ras Thesourarias
poder elevar o preco actual do corte do Pao
Brasil at ao mximo marcado na Lei.
Art. o. As pessoas quo se proposerem ao
corle assgnrd termo por si, ou seu procu-
rador, em que se dever declarar o prego de
cada quintal, e a quantidade que se obrigo
acortar, sujeitando-se expressamente an5o
traserem para o deposito se nao o Pao Brasil
de superior qualidade pena de lhe ser re-
gentada e queimada a porgAo, que for qua-
lilicada como inferior. E prestro alem dis-
to lianca iJonca, salvo se forem proprielarios
dos terrenos.
Art. t. L'm dos Fcitores da Meza do Con-
sulado nomeado pelo Inspector da Thezou-
raria ser incumbido de examinar a quali-
dade do Pao Brasil trasido pelos encarregados
do corte o regeitar todo o que nao for de
superior qualidade. Vencer por este traba-
lho urna gratificacao marcada pelo Tribunal
do Thesouro sobre proposta do Inspector da
Thesouraria ; e quando se verifique de m
qualidade o Pao Brasil recebido pelas Thesou-
rarias e remeltido para a Europa o referi-
do Feitor ser por isso responsabelisado.
Art. 7. O Feitor certificar no recibo de
entrega feita nos respectivos depsitos a su-
perior qualidade do Pao Brasil, que for rece-
bido ; e sem esse certificado sobre a qualida-
de no se far pagamento nem ser abona-
do adiantamento algum feito aos ditos encar-
regados do corte.
Art. 8. No lim de cada trimestre o Inspec-
tor da Thesouraria remetiera ao Thesouro
Publico um mappa assignado pelo Feitor no-
meado declarando os nomes dos propneta-
rios ou outros encarregados do corte do Pao
Brasil, o preco e quantidade a que se obrig-
ro, as porefies que tiverem trasido ao depo-
sito as regeitadas e queimadas, as embar-
cadas para Europa o nome do Navio, e seu
destino, e finalmonte o estado do deposito.
Bio de Janeiro em 11 de Janeiro de 1812.___
Visconde d'Abrantes.
rol oqual indus.o a Cmara a fazer as Ins- [cha o seu im rcstilua-lhe odireito
trucoes sob o numero 2 para regular e sis-
thematizar oservico dos Empregados Muni-
cipaes e poder ella prehencher os deveres ,
qu eslo a seu cargo : mas df> que servirao
essas Iuslruces se nenhum dos seus artgos
foi executado pelos Empregados que podero-
sos pelo Patronato zombao da Cmara e de
seus exforgos ? Na fallencia dos precisos da-
dos para orgam'sar o seu balanco, e orgamen-
at boje
nao contestado a nenhuma Cmara do Impe-
rio de poder nomear e dimitlir s:mis Empre-I
gados, e chamar outros que melhor desem-
penhem suas obrigages, eseesse direito ihe
for recusado ella protesta deixaro lugar s
pessoas que merecem as simpathias desses
Empregados e com quem elles podeni ser-
vir. Dos Guarde a V. Ex. muitos annos.
Casa das Sesscs da Cmara Municipal da Cl-
in >; o o r < j -,-...-.. v. t v.o-se a Cmara lorgada a recorrer so-, dade do Becifc 51 do Margo de 1812. Illm.
O Illm. Sr. lnupeotor da Thesouraria desta
Provincia em cumprimerito da urdem do Tri-
bunal do Thenouro publico Nacional de 7 de
Margo prximo fmdo manda faer publico o
Art. 20 da Lei de .30 de novembro do anno
passado e os captulos 209 e 210 do regimen-
t da fuenda abako transcriptos. Secreta
ria da TIum uiraria de Falcada de Pernambuco
S de Abril de 1842.
Joaquim Francisco Bastos,
Oficial Maior.
Art 20 da Lei de 30 de Novembro de I8.
Do! o de Janeiro de IS'i.'f em diente uo
ter ma* lugar nscripeo alg.uma passiva fluciuante nlaa de 15 de novembro de 1827 a excepco da
quedas que nessa poca se acha rem em liqui -
daco ou penderem de pruoesse judicial, fi -
cando intcrinameot p'reicriptas, pordido
para os credores o direito de requererem a li-
quidago c pagamento deba* Da mesma da-
ta em (Imili. fico em i;or os capitulo 209 ,
e 210 do regiment la faze.nda assim pelo que
respeita a dmda jmssiva poslericr ao anuo de
1826 existente at boje, c a divida futura ,
nomo pelo que respeita a toda a divida activa
da narao. O coverno dar toda a publicidade
disposicao deste artigo e dos referidos ca-
ptulos.
Capitulo 209.
Que passando cinco annos as partes que
nelles nAo requererem as dividas que
llies Elrei dever perco seu direito.
Por qnantn al agora em nossa fazenda mu-
tas vetes aconteca algumas pessoas dcixarem
em alguns annos de tirar e requerer sua ten-
cas asscntamcntoB corrigimentos c man-
timentus quo de nos baviao de haver e tfe-
do ordenadamente, cada auno na dita nossa
faienda por nossos Ufficiaes quando pelas
partes sao requeridos ; e quando viubA pedir
seus despachos era fadiga e traballios bus-
carem se livros e registo* dos anuos passadus
para ver se os tnliAo tirado ou nao e anda
sobre isso se recrescio uutras duvidas que
militas vezes os taes dinheirus Ibes ero tirados,
ou passados mi por cutios rspedes e justos
impedimentos tirados porque os nao deviao
haver, ou por nosso mandado ou por satis-
fafi* ou por erros kou trocas ou oulras
couzas ; e quando isto depuis se requera em
nossa fazenda nossos OfKeiaes nao ero em
lembranca das taes cauzas por se nao esrrevo
rem algumas vezes ou se errarem os tilulos
delles nos reisto8 Q minias vezes aconteca
de Ibes seren despachados, e irem duplicados
os ditos dinheirus, e pagos duas vezes. e as-
sim os dorios ou seus herdeiros e outras al-
gumas pessoas eslarein subre isso em grandes
dbales, c duvidas, nao sabendo que os ti-
nlijo assim havdos ou assim rnesruo se lliu
nao despacbavo empre ficavo em duvida se
verdadeiramentc Ih'os devino, ou nao ; oque
pela quantia dos annos e mudancas de nossos
Officaes e grande negocio de nossa fazenda
a verdade verdadcimiiiente seuao podia saber: a
querendo nos a isso nrover determinantoj ,
queremos e mandamos que daqui em diante
qualquer pesaoa de qualquer sorte e qualida-
de que for que dentro de cinco annos nao ti.
ra- ou requerer as cartas e desembarcos
dos ditos despachos cima declarados tlabi
em dante nao Ihes sejo mais dados nem se-
jo a partes sobre isso mais ouvidn. utro
sim pelo dito modo mandamos que a dita ma-
neira se tenha em todas as dividas qne nos de-
vamos a quo sejamos obrijados de nussa fa-
zenda assim por nossas cartas alvaraes, de-
sembargos ( erlidcs e leiubrancas e Jos
vedores de nos*a fazenda o contadores quo
para isso nosso poder tiverem como qu.nes-
quer oulras idirigaces de maneira que den-
tro dos ditos cinco annos hajodisso despa-
cho ou se mostr como as taes dividas reque-
re rao na dita nossa fazenda e houvero dos
ditos nossos vedores certido as costas de seurf
despachos como se Ibes n5o podero pagar ,
porque do dia que tal certido for postfi ter
lugar prira outroj cinco anuos |)odcrcm reque-
rer, e haverem seus pagamentos assim de
cinco ein cinco annos qunudo fussem taes as
dividas, que por alguns respeitos se nc po-
dessem pagar no dito tempo : e quem assim
o nao fizer queremos que dabi em d-
ante assim mesmo n3o seja mais ouvido neja
conhecido de tal divida ; porque por boa orde-
narlo o regiment de nossa fazenda e por
evitaren duvidas havemns par bem que se fa-
ca assim : salvo quando a parte mostrar tal
cauza por onde se mostr no dito lempo nao
poder por si, ou por outrem requerer nem ha-
ver certido cima conteuda
Capitulo 210.
Do tempo que se podem demandar as di-
vidas de Elrei.
Mandamos, que por nossas divida* se no fa-
r.a penhora nem execucao nem outro algum
cunstrangimento depois de sercm passadus qua-
renta anuos, salvo se por nossa parte e em
nosso nome for allegado e provado que foi
feita nterrupo.'io que .foro estas diviJas pe-
didas, ou os devedores penhonidos ou houve-
rem de nos espaco ou por outra semclhante
maneira : o do tempo da inlerrupcao n5o fo-
rem ai ma passados os quarenta anno i.
D E C L A B A C O E S.
= D'ordem do Illm. Sr. Inspector do Ar-
senal de Marrnha se faz publico, que se tem
de Contratar ^or tempo de 5 mezes u for-
necimento para os Navios da Armada dos
segiiintes objeclos : agoa-rdente, azeite dc,
spermacete ferro da Suecia papel almaco'
e pennas de escrever. As pessoas a quem o
dilo fornecnientocom'ier sao convidadas pelo
mesmo Illm. Sr. Inspector aapresentar as suas
p- opostas na Secretaria do mencionado Arse-
nal al o dia 15 do corren te mez. Secreta-
ria da Inspecco do Arsenal de Marinha de
Pernambuco em 6 de Abril de 1842.
Alexandre Bodrigues dos Anjo*
Secrdri.


TilEATRO.
Beneficio do Artista, e Director da com-
panhiu. gimnstica e msica Jos dos Reis
quinta reir 1 4 do cor rente.
O Beneficiado tem a honra e a satisfaco de
apreseiaraorcspeilavel pu Tico desta Cidade,
um magnifico espectculo pos que dcsvella-
damente solicita em corresponder ao extre-
mado acolliimento rom que elle lemsempre
sido ret*ebido pelos bemiazejos espectadores :
procurar constantemente por todas as manei-
ras mostrar o euthusiasmo e deligencias de
Ihes ser grato e recouhecido ; aflamado pes-
ies sentimentos tem destinado preheucher este
divertimento cora variaces mui agradaveis ,
dando principio do modo se;uinte : urna es-
collada overturaseri desempenhada pelos Srs.
rofessores da orchcstra coucluida que seja
oaquim dos Reis subir ao Brandecho vo-
laute em o qual pora em pratica di furentes ex-
crcicios Gimnsticos e sortes da maior destreza
e dificuldade particularizando-** com novas
experiencias as quaes sern desempenhadas
pela vez primeira em esta Cidade ; depois Ma-
dama Emilia cantar urna preciosa Aria Ros-
sine que seguir um novo e jocoso ueto
da Opera o Barb iro de Se\illia que tem
por titulo O Barbeiro embasbacado.
Cantado coru a sua brilhante competente
scena por adita Madama Emilia e o Benefi-
ciado. A oontiuuacao o Artista Joaquim dos
Reis executar um divertido baile juntando-
llie urna graciosissima scem de bastante difi-
culdade eque espera seja do agrado dos bene-
mritos espectadores. Finalisando lera lu-
gar o mui gracioso Duelo dedois ha i sos co-
nhbcidoconi o titulo de I). Magnifico e Dau-
dino ou o Principo fingido na opera a co-
nerentoli. Desempcnhando o papel de D.
Magnifico Joze dos Reis e do Principe Ma-
dama Emilia Amanti para cujo efieilo saldr
vestida de Iloniem. Em seguida subir a sce-
na a nova e divertidsima larga em Pantomi-
ma ao estilo Gimnstico Italiano intitulada o
Morlo Fingido, ou seja o Esqueleto Diablico.
A qual ser embelezada com todo o seu a-
para'o e galantes scanas muito singulares e as
mais graciozas que se podem imaginar as qua-
es terminaro agradavelmente lo escolliido e
variado espectculo.
N. B. Os Illms. Snrs. Que tem lomado
camarotes teiiio a houdade de mandar bus-
car os seus bilbetes na quatta eira para evi-
tar qualquer falla que possa haver por parte
do encarregado dos mesmos. Em um dos
intervalos serao destribuidos pelos Ilustres
esp-cladores em nomo do beneficiado um so-
neto do gratido e para maior luzimenlo do
espectculo o tbeatro estar decentemente a-
dornado e Iluminado.
AVISOS DIVERSOS.
BT
Roga-se a certo Sr. que se quer azer I uo Brigue Indianno, que sahir at 15do cor-
engracado com um chapeo de sol novo que
levou no dia 9 do correute da porta ta sala em
que d audiencia o Exm. Sr. Presidente, que
o baja de ir levar uo continuo daquella repar-
tigo quando nao se publicar o sen nomo ,
visto ter sido conbeci lo pela sentinela.
tsr A pessoa que annuuciou no Diario de
11 docorrente um sitio com varias proporces
tendo tambetn para lu ou 12 \accas delei-
te de verao e averno declare o lugar.
xsr Serafim Joaquim Vinhas comprou por
cor.ta de Francisco Soares morador no As-
s um meio bilhete da segunda parte da 1.
Lotera a favor das obras da Igreja de N. S.
do Rozario da Boa vista, de n. 12939.
C7 Joze Joaquim Maia retira-se por al-
guns mezes para Portugal deixando o seu
negocio girando na mesnia forma de baixo da
administrago de seu caixeiro Joaquim de
Oliveira Maia Jnior, e do seu primeiro pro-
curado." o bnr. Antonio da Cunha Soares Gui-
niares.
C5~ O abaixo assignado tendo de retirar-
se da provincia avisa aquellas pessons com
queni tenha con tas queiro apresentar no pra-
so de (-ito dias na botica nova da ra estreita
do Rozario D. 51 para serem pagas.
Manoel Joaquim Brando
xsr Precisa-se de um rapaz que tenha
pratica de venda : na ra Direita D. 1.
XST Detettres Antonio subdilo de S. M.
Rei dos Francezes relira-se para lora da pro-
vincia.
tSF Aluga-se urna casa terrea na Boa-vista
no beco que vai para a Gloria com commo-
dos suficientes para urna familia os preten-
dentes dirijo-se ao Recife ra da Cadeia ve-
iba D. 14 no segundo andar.
= Gregorio Domingues Ferreira : retira-
se para Portugal.
xsr Quem annunciou querer comprar ps
de sapoti dirija-se a ra do Sebo primeiro
sobrado quem vem a mao direita.
xsr A pessoa que annunciou no Diaria n.
72 ter um habito de terceirode S. Francisco
para vender annuncie a sua morada.
XSJ-0 Sr. F. d'Albuquerque, queira annun-
ciar a sua morada para sel ralar negocio de
seu interesse.
%sr A pessoa que annunciou a permuta de
urna casa de 10* por una de 16*, dirija-se ao
ultimo sobradinho da ra do Fogo.
xsr Precisa-se de urna criada para acom-
panhar urna familia que se retira para a Eu-
ropa : na ra da Crdeia D. 4.
xzr Precisa-se de 50* a juros por lempo de
6 mezes sobre pinhores de ouro e prata
quem quiser dar annuncie.
XW Aluga-se um preto bem possante para
armazem de assucar ou outro qualquer servi-
co ; quem o precisar annuncie.
rente : na ra da Gruz n. 26 escriptorio
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
do
VENDAS
-^ xsr A obra de Salustio traduzida ao p de
letra ao qual se costuma chamar =Burro=
na praca da Independencia leja de livros n.
37e38.
xsr A armago de urna loja cita defronte do
passeio publico pintada e acabada de novo :
no mesmo passeio na loja D. 6.
xsr Um pianno poF prego muito commodo,
s por ser orisontal : no atierro da Boa vista
no terceiro andar do sobrado D. 65 o p da
casa do Dr. London ou hospital dos inglezas.
X3T Um escravo mogo capaz de todo o ser-
vico na ra larga do Rozario D. 7 sobrado
de 4 andares por cima da botica de Bartholo-
meq uo terceiro andar.
xsr lima preta crela de 18annos sem
vicios e acostumada no matlo por prego
commodo : as 5 ponas D. 56.
xsr Um compendio de Rhetorica histo-
ria Ecclesiastica, urna obra por Genuense em
latim dephilosofia Melhafisica por Cardozo
em portuguez historia de philosophia pelo
Padre Mestre Joo Rodrignes de Araujo ns-
truego sobre a lgica elementos de philoso-
iia moral. compendio histrico e universal
de todas asscienciase arles o novo guia da
conversacfto em portuguez e francez e o se-
gundo tomo de Selecta : na ra da Cruz ar-
mazem de trastes n. 51
X.X37- O segundee terceiro tomos das orde-
naces um par de estrellas de ouro grandes,
um talim e urna barretina para official de G.
N. : na ra do Colovello n. 580.
xsr Excelleute farinha de mandioca por
prego commodo : a bordo da sumaca S. Roza
lundiada ao p do caes novo.
xsr Vellasdecarnahuba de 6, 7. e H em
libra e sapatos de burracha por prego bas-
tante commodo: na ra do Rangel D. 7.
W Chapeos de sol de seda ingleza e de
superior qualidade: na ra da Cruz armazem
n. 55.
xsr Urna preta de nago angola de 55
anuos para fora da provincia : na ra de
Agoas verdes sobrado de um andar D. 6.
vs~ Azeitc doce a ',h a caada e a garra-
fa u640 dito de coco a -2*880 e a garrafa a
400 rs. caixas com passas.de marca M R a
5* ea 200rs. a libra, agoaardente do caldo
Pittoresoo de 2 annos com boas estampas tl
historia da Grecia um Pope em inglez: as
5 ponas loja D. 8.
xsr Urna armago de urna venda com todos
os pertences em urna casa com comtnodos
para familia, as 5 punas : no pateo do Ter-
go venda D. 4.
tsr* 400 couros cortidos na provincia do
Gear : na ra Direita padaria do Machado.
tsr Ricos de fil de linho de todas as lar-
guras e de lindo gusto libras de retroz preto
azul ferrete de primeira sorte massinhos de
fsforos Americanos, massos de cartas fran-
cezas e portuguezas : na praga da Indepen-
dencia n. 59.
cy- Duas canoas com mais de 60 palmos
de comprido urna aborta e outra fechada ,
e2 duzias de costado de amarelo tudo exis-
tente na serrara do Sr. de Brilo : a fallar na
padaria de Joo Lopes de Lima.
tST Um negro crelo com officio de ca-
noeiroe pescador: no beco da lingoela ven-
da de Joquim Joze Rebello.
xsr Urna escrava anda moga com algumas
habilidades : na ra das Flores D. 6.
xsr Exceltente taboado de Pinho da Sue-
cia e Americano, e duas mil barricas vasias
proinpas para assucar : no armazem atraz do
theatro da parte da mar.
tSs^ Barricas grandes e pequeas de sardi-
nha superior por prego commodo : no ar-
mazem de Fernando Joze Braguez.
xsr Urna duzia de cadeiras utn canap ,
um jogode banquinhas obra moderna e com
pouco uzo e dous espelhos grandes de sala ,
por prego commodo : na ra do Fagundes De-
ima 18.
sss Oflerecc-sc um mogo portuguez para
caixeiro do qualquer casa de negocio ou de
Tua o qual sabe bem 1er escrever e con-
iar, tem principios de Grammatica latina
e francez ; pelo que se acha apto ainda mes-
mo para ensinar primeiras letras em algurna
casa particular nesta praga ou fora della :
quem do seu presumo se quiser utilisar
annuncie sua morada para ser procurado.
t?y Gaspar da Silva Froes tendode se re-
tirar o mais breve que Ibe for possivel para o
Rio de Janeiro vende a sua loja de livros e
encardernago cita na ra do Colegio D. 7
contento as melhorcs obras de leis estudos,
novellas e &c. e na encadernagao os mais ri-
cos ferros flores, viradores chapas para
pastas e ludo o mais que lhe he pertencente ;
tatnbem se vende a armago separadamente:
os pretendentes dirijo-se a ra das Trnchei-
rasD. 9. O annunciante partecipa pela se-
gunda vez as pessoas que tem pinhores venci-
dos hajo de os irem resgatar no praso de
8 ditos contados do dia 6 do corren te adver-
ando que passado este tempo nao se respon-
sabelisa por pinhor algum vencido, e para
mais claresa far annunciar os nomes das pes-
soas que tem deixado de comprir sous tratos,
para ao depois nao se chamarem a ignoran-
cia.
tzr A pessoa que annunciou precisar de
metade da urna casa que tenha potica fami-
lia annuncie sua morada para se lhe fallar.
t~7* Joo Childerico de Garvalho retira-
se para Loanda.
Mi noel Andr Gomes de Lima relira-se para
Porlugal.
xzf Joaquim Jernimo da Luz Oliveira ,
retira-se para o Rio de Janeiro.
S^- Quem precisar de urna ama parda para
cozinharem urna casa de hornero solteiro ou
de pouca familia dando fiador a sua condu-
cta dirija-se a ra das Cruzes D. 18 de bai-
xo de um sobradinho de am andar e varanda
depu.
AVISOS MARTIMOS.
tw Para o Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o muito velleiro Brigue Orien-
te do Brasil Capilo Luiz da Cosa Ferreira ,
recebe carga a frete e escravos para -o que
trata-se com Manoel Ignacio d Oliveira na
praga do Commercio n. 28.
L E I L A O'
tjr Miranda & Pe re ira faroleilo por in-
tervengo do Correlor Oliveira Quinta feira
14 do correnle as 10 horas da manb de to-
dos os gneros que formo o fundo da sua bem
acreditada venda com grande armazem es-
tablecida na ra do Vicario n. 25, e da arma-
go da mesma, em um oumaislotes vontade
dos pretendentes ; adverte-se que tildo se
vende no mesmo lugar, por liquidaefio em
consequencia da prxima retirada de ditos
Miranda & Pereira para fora da Provincia ,
que muitos dos gneros em ser sao da melhor
escolha e se achc em perfeito eslado ; e que
a vantajosa posico do estabelecimento he su-
ficiente para assegurar urna decente subsis-
tencia e fortuna a qualquer pessoa assidua ,
que Picando no paiz queira continua-lo.
ESCRAVOS FGIDOS.
COMPRAS
xsr Escravos prelos de dade de 12 a 20
annos para fora da provincia e tambem
com officio do carp na e pedreiro : na praga
do Commercio casa de Manoel Ignacio de
Oliveira.
XW Urna rotula tizada que sirva para
urna porta.: a fallar com o mestre marcineiro
defronie do Theatro.
cy Ps deabacati arlicum a pee arass
raeirim : quem ti ver annuncie
Xsr Escravos para fora da provincia, e ta
bem se recebejn a fete para o Rio de Janeiro
da cana a 160 a garrafa e a caada a I-i 120 ,
holaxinha quadrada em caixa a 5*200 e a li-
bra 240 barricas com dita a 5*500 e 200
rs. a libra alpista a 200 rs. o quarteiro ,
paingo a 200 rs. inanteiga superior a 640 ,
dila a 520 toucinho de Lisboa a 280 dito
de Santos a 160 presuntos a 560 lingoigas
dito lombos de porco de Santos novos a
100rs. a libra, cha superior a 2* e 2*240,
sevada a 100 rs., ameixas a 200 rs. batatas
inglezas a 1*280 o gigo. sal de Lisboa a 1*600
o alqueire : na ra Nova ao p da ponte ven-
da D. 55.
xsr Farinha da trra de 5 quarlas em sa-
ca de muito boa qualidade : na ra da praia
armazem de Joo Thomaz I ereira da Silva.
Ssy-Um bom escravo de nago com bo-
nita figura possante ganhador de ra d
640 por dia, vende-se por necessidade a qual
se dir ao comprador : na ra da cadeia de
S. Antonio armazem de Assucar D. 2.
OT" A casa da ra de Apolo pertencente
ao casal do fallecido Joaquim Antonio Ferrei-
ra de Vasconcellos, isto para pagamento dos
seus credores ; esta casa tem no fundo urna
ja edificada com 57 palmos de frente e
100ditos de fundo, travejada em primeiro
andar e &oto e a da frente acha-se em res-
paldo tendo 41 palmos de frente, e 117 di-
tos de fundo
de 20 palmos com porgo de terreno foreiro \
athe abaixa mar, em parte aterrado, he
ptimo para urna perfeita edificago de todo o
genero e tambem um bom trapiche : trata-
se na ra da Cruz n. 16.
v xsr Boloes de massa para casaca a 800 e
1* rs. abotuaduras ditas pretas de selim e
amarellas muito finas, e bonitos padroes ,
ditas de Pedro segundo ditas para guarda da
alfandega bicos finos pretos e brancos fi-
las assetinadas largas e estretas lavradas, es-
sencia de rosa em frasquinhos fil de linho,
meias pretas e brancas de seda ditas de laia
e de seda curtas e pretas pentes de tarta-
ruga para marrafa a 1*440 o par, dados,
pescoinhos brancos a 480 e pelos de iinho ,
eoutras mui tas miudezas por prego commo-
dos : na ra do Cabug loja de miudezas nu-
mero 4.
cyPor prego commodo as seguintes obras:
historia do Brasil por Constancio em 2 volu-
mes Geometra por Lacrois o Universo
xsr Fugio no-dia 29 de Agosto do auno
passado um escravo natural da Freguesia do
Bem Jardim termo da Villa do Limoeiro do
lugar da Malta Virgem de norae Procopio,
crelo d 50 annos alto bem feito ds
corpo nao he mal parecido barbado, hom-
bros largos ps curise um tanto grnssos :
quem o pegar leve ao mesmo lugar da Malta
Virgem a entregar a Pedro Francisco Camelo
que ser recompensado.
xsr No dia 10 do cor rente pelas 5 horas da
tarde desapareceo um molequede home An-
tonio de 6 a 7 annos crelo levou ves-
tido camisa de riscadinho encarnado tem
as pernas finas ps pequeos e apalhetados,
barriga um tanto grande cabellos puchando
a cabra ; quem o pegar leve a ra velha ven-
da da quina que volta para a da Alegra, que
ser recompensado.
xsr A abaixo assignada faz publico que no
dia 7 docorrente fugio de casa o cabra Firmi-
no escravo que foi de sua Mi, de 18 annos,
o qual se acha descripto, e avallado no in-
ventario, que a annunciante est procedendo
pelo Juizo da segunda vara do Civel desla
Cidade hoje de Orfos, ede que ella he ni-
ca herdeira.
Mara Satrica de Jess.
xsr Do engenho Santa freguesia de Ja-
boato desapareceo em dias de Fevereiro um
preto de nome Manoel, Rebolo alto bem
preto corpo regular bem parecido, cara
lisa dentes alvos ; levou vestido camisa de
algodo trancado e caigas de riscadinho
azul: quem o pegar leve a ra do Hospicio
sobrado n. 5.
MOV1MENTO DO PORTO
IUV10 SAII1DO NO DIA 9.
Stonigton ; Escuna Americana Entrepnze ,
Cap. John Creen carga a mesma que
e entre urna e outra cha^55c>-v>J'rouxe'
ENTRADOS NO DIA 10.
Illia da Assencgo ; 14 das Barca Ingleza
LadyMary de 210 tonel. Cap. Edmond :
Tomkins, equip. 11 carga lastro : a Or-
den).
Rio de Janeiro e Baha ; 10 dias, sendo do
ultimo porto 2 dias e meio, Barca de Va-
por Brasileira Bahiana de 220 tonel, Com-
raandante Joaquim Peixoto Guimaraes ,
equip. 22: a Joaquim Baptista Moreira ;
vem em commissao.
New York;, 58 dias Patacho Americano Gi-
raff, de 126 tonel., Cap. Thomaz Elvridge,
equip. 7 carga farinha de trigo e fazen-
das: a Me. Calmont & Companhia
Baha ; 5 dias Brigue Brasileiro Rebougas
de 255 tonel., Cap. Joo Joze Peixoto,
equip. 16,carga carne secca : a Ordem ;
passageiros Joze Joaquim de Oliveira, e
Agoslinho Martins, Brasileiros.
RECIFE NA TYP. DE M. F. D F< = J842


*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETGZAWPYJ_VCBHOT INGEST_TIME 2013-04-12T22:08:45Z PACKAGE AA00011611_04627
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES