Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04618


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV11I
Sabbado 31
DIARIO DE
de J.ineiro de 1852.
N. 25.
FEMVMRMO.
racqo m strncnirtjlo.
PiOAHIHTO ADUKMDO.
Por trimestre............
Por se mcjlrc *........
Por nao .......-,
Poo dbnuo oo timnwi.
Por quertel...........
TOTICIil DO 1MHBIO.
DAS DA IMn, AUDICNClAfc.
4/000
8/000
1S/U0O
#00
Para..... 2deJanelro
Mar n lio 7de dito
Ceari. de dito.
Parablba. 21 de Deibr
Minas... l&deNovbr.
S.Paulo. 10 dedita.
II. de I.. l4deJaneiro i
Babia... l'de diio. I
26 Seg. 8. Pollcarpo b
m, S. Tbeogenea.
2; Tere. S. Vliallano.
28 Ouart.S. Cyalllo.
2g Qulot. S. francisco
de Salea
30 Srxt. S. Marllnha.
31 sai). N. Cjro.
I Dom. I '111.....depoia
da Epifana. 8. Efrein.
Jaldada Orjskao
2. e5. a 10 horas.
1. tura do civel.
3. c. 10 meio-dla.
Faunia.
3. c I!, aa 10 horas.
2. vara do civil.
4. e sabadoa ao ineio-d
tlfo.
Tercas e sbados.
lora.
Creacente i 29, ai 8 horas e 15 mlnutoa da m.
Chela 7, a I horaa e 48 minutos dt m.
Mingoante i 16, a 1 hora e 48 minutos da m.
IfdVa i21, as T horas e 34 minutos da u>.
FKKAStAB DC HOJI
Prlmelra 0 e 30 minutos da tarde.
Segunda Oeil minutos da manbaa.
VA11TIDAI 901 OOBBIIOI.
Qolanna e Parahlba, s segunda! e sextas-
feiras.
Rlo-Crande-do-Horte,todii as qulntas-felras
ao mel dia.
Garanbuns e Bonito, 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores^ 13 e 28.
Victoria, as quintas-reirs.
Ollnda, todos os das. '
NOTICIAS TBNCI1B1I.
Portugal. lSdeDeibr
Mespanha. 8 de dito
Franca ... 1 de dito
Blgica... 3 de dito
Italia___ 2 de dito
Alemania. 4 de dito
Pruasia ... 3 de dito
Dinamarca 2deOutbr
Ruasla... 1 de Dczb,
Turqua.. I de dito
Austria 2 de Dezbr
Suissa.... 2de dito.
Suecia... 28dl nglaterra 8 de Dezbr.
E.-Unldos 23 deNoabr.
Mxico... 16 de dito,
California 10 de dito
Chili. 12 de dito
Huenos-A. 8eNovbr
Montevideo SI de Outbr
CAMBIOS DE 30 DZ J NElnO
Sobre Londres, a 27 I, e J7 '/, d. p. If
Pars, 340 342
Lisboa, 90 por cento.
. WT1IS.
Ouro. Oncas hespanholas........."... 28/500
Moedas de 6/400 velhas.........16/000
de li-llK) novas.........16/200
a de 4/000............... 9/100
Prata.Patacflee braslleiro............ 1/920
Pesos coluninarlos.. ......... 1/BlO
Ditos meilcano............... 1/800
PARTE OFFICIAL
GYERNO DA PHOVNClA.
EXPEDIENTE DO DA 26 DE JANEIRO
Olicio.Ao dosemhirgador chafo do po-
lica dizendo que se o relatoro d'aquolla
repartirlo e os mappas dos crimes julgi-
dos no a uno passado, n3o poderem ser fal-
tos, com at hrevidade que recommenda o
1:xni. ministro da justica, pelos empregados
da mesma repartirlo, nSo obstante o aug-
mento de numero que ella leve ltimamente
pode incumbir desse trabslho alguma pes-
soa|enlendida, medianteom ajuste rasoavel.
Dito.A thesounrii de faienda commu-
nicando, que o juiz municipal dq termo de
Carinhuns, Hemeteno Jos Velloso da Sil-
veiri Jnior enlrou no ezercicio do seu car-
go no dia 12 do corrente. Nesto senlido
fzeram-se as convenientes communici-
cOes.
Dito.Aojuiz relator da junta de justica
Iransmittindo, para ser relatado eo sessSo
da mesma junta, o processo verbal feito ao
soldado do primeiro batalhBo de infamara
Manoel Ferreira d'Almeida. Pirticipou-se
aocommando das armas.
Dito.--Ao major oncarrogado das obras
militares dizendo que a vista do disposto
na ordem do thesouro n. 38 constante do
cxemplar, que remelle, nSo pode mais
ter lugar o adiantsmenlo da quantia de
1:500,000 rs. que solicitou Smc. para dar
comego s obras militares, de que se acba
encarregado,
Dito.AO director das obras publicas ap-
provando a deliberarlo, que- tomou, de
mandar proceder aos coocertos de que ca-
rece a pootoda Boa-Vista, cuja impoitancia
n9o pode exceder de 50,000 rs. devendo
Smc. apresentar repartiefio fiscal a conta
dos mencionados coocertos. Communi-
cou-se a thesouraria da fazenda provin-
cial.
Portara.O presidente da provincia,
constan Jo-llic por ollicios do juiz de direito
da comarca do Brejo de 29 de dezembro ul-
timo, e da cmara municipal de Cimbres de
10 do junho do anno passado, que o cida-
d5o Bernsrdino Leite da Fonseca Galvflo,
numeado por portara de 26 de marco d'a-
que lie anno para o lugar de sexto supplen-
le do juiz municipal e d'orphOos no lermo
de Cimbres, he domiciliario no do Brejo,
resolve considerar vago o referido lugar,
licando sem effeitosemelhante nomeacSo.
--Neste sentido flzeram-se ll convenientes
comniuuicaco-'s.
IDEIi lii) DIA 27.
(inicio. A thesouraria de fazenda de-
volvendo o pedido de gneros e efleitos para
o presidio de Fernando, iim de quo faca
proseguir na promptificagSo dos objectos,
que tem de ser remelllos para o mesmo
presidio, ,
Dito. Ao cnsul da repblica franceza
dizendo que com a copia, que remelle, do
ollicio do desembargador chefe de polica
responde ao em que o gerente do consulado
a cargo de S. S. reprsenla sobre ter o on-
carregado do registo do porlo desta cidade
prohibido o desembarque dos passageiros
vindos na barca franceza Rollou de Kouer,
em consequencia do no teremapresenlado
passaportes. Igual so vicecnsul daSar-
denha a cerca de um passageiro sardo que
veio na mesma barca.
Dito. Ao inspector do arsenal de mari-
nlia transmittindo por copia o officio, em
que o Exm. presidente da l'arahiba, acen-
san Jo a recepcSo das la bracas de corrente
e ancora com sepo de ferro que foram,on-
commendadas pelo mesmo presidente, agra-
dece ao proprietario do hiate ExhalacSo, a
sua generosidade de mandar effectuar a con
duccSo dos referiJos objectos para aquella
provincia sem dospeza de fretc.
Dilo. Ao director do lyceo inteirando-o
de haveem vista desua inormacSo deferi-
do o requerimento, em que Manoel Antonio
de Camargoe Silva pedia licenca para ma-
tricular-se na aula de Uchigraphii n'aquel-
le lyceu, sob concicSo de Tazer exame de
lingua nacional no Iim do anno lectivo.
Dito. Ao inspector interino da alfande-
ga corpniunieunlo que, de conformidade
com a sua mlormago, concedeu ao capito
toda ioteira das nobres e tocantea emocoes que
a solemnldade deate dia fez nascer entre esta
mullldo, flor de artistas e de manufacturemos,
operarioaamtr'ora pela malor parte, e boje glo
rosos pelo trabalho, pela acleocia e pela indus-
tria.
Els-aqui, segundo aa gaxetas da tarde, algu
mas particularldadea aobre eata ceremonia:
Bem como J ae aabe, o circo doa campos ely-
seos fol o escolhido para eata solemnida.de.
. Ao meio-dla, os numerosos bancos e o hippo.
dromo transformados em platea, estavam oo-
cupados por um publico escolhido. Um nu-
mero bastante grande desenlilas confundan*
se com as casacas pretas, dando assim varleda'
de ao todo deste espectculo
; dada pelo juiz de direito da segunda vara crl-
l me desta cidade, bacharel Alexandre Bernar-
. dio Hela e Silva, portarla, que S. Eic. enviou
para aer entregue o mesmojulz.
> Dlo.--Ao colimando das armas, declarando
que pedio aa conveniautes ordens nao s ao
agente da companbia daa barcaa de vapor para
mandar transportar para o Rio de Janeiro por
conta do governo no primeiro vapor que paasar
para o sul ao seguudo eirurgan alferesdocorpo
de saude do eierclto, Dr. Jos Zacariaa de Car-
valho eaua mulber, mas tambe ni a thesouraria
de fazenda para lhe ser passada pela estacan
competente a respectiva gula.Neste sentido
expedlram-se as necessarlas ordens.
Dito.Ao mesmo, para que remeta um qua-
dro demonstralivo da forca de primeira linha,
guarda nacional* polica, que ae acha deataca-
da am cada um dos pontos da proviocla, com
deelaraco dos ofnclaes empregados em dita
forca.
Dito.Ao mesmo, intelrando-o de baver de-
ferido, de conformidade com a sua inlormacao,
o requerimanto em que o guarda nacional Fran-
cisco Maya Corles, pedia ser dispensado do ser-
vico de aquartelamento.
Dito.Ao mesmo. remetiendo para os fias
convenientes, a guia das pracas do mel bata-
Ibffo do Ccar que vieram para esta provincia
escoltando presos de justica.
Dito.A thesouraria de fazenda, inteirando-a
de haver expedido ordem ao inspector do arse-
nal de marlnha e ao administrador do crrelo,
para tnandarem recolher a meama thesouraria
no flin deste mes os saldos, que ezistfrem em
poder dos respectivos almoxarife e thesourelro,
iinii de que|oo Io de fevereiro prximo vlndouro,
possa principiar a ter execucaona mencionada
thesouraria. a ordem circular do tribunal do
theaouro nacional de 10 de dezembro ultimo,
que manda centrallsar as tbesourarias os pa-
gamentos de todas as desperas geraes. Neste
sentido espediram-se as convenientes ordens.
Dito.Ao inspector do arsenal de raarinha,
dizendo que, visto ter adoecido gravemente, o.
detpenseiro do brigue escuna Legalidadc Eliseo [ rigi ao presidentejira discurso.^do qual eis-
de Olivelra Borges nomele Smc. urna pessoa
capaz para o substituir, bem como um escri-
qual seja o futuro para o qual a Providencia I aperfeicoamentos devldos a 18,000 conedrren
fula neste momento uossa patria, porm dse-1 tea, em todas asparles das artes utels e das
triamos que ella podesse sentir e participar) bellas artes.
Entre os membros deste tribunal, a Franca
nSo era representada seno por urna nova par-
le ; esta minora tilo fraca, como vedes, nao ti-
nha para exercer inBuencla senio urna aeco
puramente moral.
Ella tlrou aua forca da justica que rendeu
e que fez render ao mrito dos estrangeiros;
posso e devo offerecer-vos um exemplo memo-
ravel disto.
o O jury especial das mecnicas era pre-
sidido, basta dizer isso, pelo general Pon-
cela!, que os inglezes escolheram.
Quando o conselh superior dos presi-
dentes quiz saber quintas recompensas de
primeira ordem se pedo nSo para este jury
para o inventario a que se lein de proce-
der. Inteirou-seao commandante do mesmo
brigue. .
DitoAo commandante nomesdo para o pre-
sidio de Fernando, remetiendo em original
Urna escada communicava o hippodromio.lao : 28, respondeu Mr. Poncalet, das quaes
18 sSo para a Inglaterra. Um lirado espan-
toso levantou-se contra a apirencii exorbi-
tante de nina tal prelegcSo. O inimigos
systematicos das recompensas da primeira
ordem esperaran) I poriia triumpbar de urna
tal proporciio, e prepararam-se para o assal-
to. Nosso general de engenharia guardn
o mesmo saogue fro como em um sssedio.
tilo defendeu palmo palmo como um mi-
nciro, i eminencii das invcnc/irs offereci-
dis pelos estrangeiros, sem desprezar os
francozes, e sobre 28 recompensas contesta-
das obteve razSo para 22, das quaes 15 fu-
ram dadas inglaterra.
Todava, como nSo ha nada completo
Oeste mundo, por um desses olvidos muito
raros no socolo em que vivemos, o Ilustre
jurado francez desprezou os direilos de umi
machina admiravel; ora seu proprio enge-
nlio de liar i Poncelet, que mereca a re-
compensa de primeira ordem. Esta he a
honra da Franca ; esta he a honra de sua ri-
val. (Explosflo do aplausos.)
No ultimo dia dos julgamentos om ul-
tima instancia, reservado pin as nicas re-
compensas de urna ordem superior que fl-
cassem pin distribuir, os Srs. presidentes,
depois iip terem dado i palma i Franca re-
oude achavam-se'-D>expositores, com urna tri-
buna reservada para o presidente da rep-
blica.
A' esquerda desta tribuna eslava a do corpo
diplomtico cujos membros moatraram-ae pou-
co aolllcitos.
A' dlrelta eslava a tribuna dos jurados france-
zes. Mela bora depois de mel dia o presiden-
te da repblica fez aua entrada.
Mr. Lula Bonaparte collocou-se na tribuna
tendo i sua dlrelta Mr. Dupln, presidente ds
assembla nacional; Mr. de Casabianca, mi-
nistro da faienda, Mr. Lefvre Durefi, minis-
tro da agricultura e do commerclo ; Mr, 11 ninas,
ex-minlstro do coinmercio a sua eaquerda
Mr. Koulay (de la Murthej, vlce-presidente da
repblica; Mr. Carlos Dupln, presidente do
jury internacional de Londres. Por tras daca-
delra do presidente estavam collocados o Sr.
eneral Magnan, general etn chefe do exercito
eParis; o Sr. general Perrot, commandante
em chefe da guarda nacional de Pars; Mr. Ber-
ger prefelto do Sena e diversos generaea que
exercem commandos em Pars.
Mr. de Casabianca, ministro da fazenda, di-
aqui as passagens mals inleressan.es
' Nossos expositores eram apenas 1,760, sen-
do o numero total de perto de 19,000 assim
mesmo elles obllveram 51 medalhas grandes,
de 172 queforam concedidas; 622 medalhas de
preco d entre 1.9SI
c 372 nomeaedes honrosas
offlcio'do aimoiarifedaqueie presidio de 28 de (Teir 2,093.
dezembro ultimo e mais papis que vieram an-1 Assim como ja o (Uestes observar era vossa
nexos, afim ne que, procedendo a um rigoroso mensagem, a Franca recebeu uO recompensas
exame sobre as occurrenclas que all se tem por cada 10o expositores, a Inglaterra 29, as ou-
dado, e conhecendo do estado de insubordina- tras naedes reunidas 18.
cao dos empregados do mesmo presidio, como I Este glorioso resultado, nos o devenios nao
faz patente o estylo do citado officio, propo- SO aesUvivacidade de intelligencia, a este ar-
nha ludo o que julgar conveniente para que rojo de concepcao, a este gosto lio puro, tao
o dcploravel estado de cousis, indican- delicado que o mundo Inteiro nns inveja, se-
ro, nem devo lembrar-me porque milagro
deprogrammi subsequenle Mr. Charrire
podedeixar de ser inventor e como a una-
nimidade favoravel transformou-seem suf-
fragio negativo. AlBrmo I face de meu paiz
na consciencia intima de Irints o seis jura-
dos fnncezes o do instituto nacional de
r'r.-nic.i, como da Academia de Medicina e do
Cirurga, que Mr. Charrire he anda om
seu genero o que elle era antes o durante a
ExposifSo universal, o primeiro artista da
Europa....................
a Urna ultima palavra aos expositores que
sem serem detidos pelas didlculdades dos
lempos, foram com coragem io terreno do
desafio. Nos fomos para vos ? Senhorcs,
menos os guias quo os serra-fillas que vos
impelliim victorii. Podemos algumas ve-
zes uo ser felizes em nossos esforrjos para
. i conquistar os lugares ios quaes tinheis di-
iit.vimente ao alaude, ao puno, a harpa a ,,* m n3o fo por faUa de zelo e de
rabeca o aos instrumentos do cobre, nSo ad-' cor,9n) ,
milliram nosso nico candidato relativa-1 A,8paiavras de Mr. Csrlos Dupin foram
menteexecuSao do orgo. Elles prefer-'tMlb&|scom calorososapplausos.
rim ilternadimente trez concorrentes n- Luiz Bonaparle fi,,ou dopois nesles
glezos; icabada a votaffio, os ttulos deates
ltimos, posto em pirillelo com os do pri-
meiro uo nos parecern! superiores.
o duque de l.uynes, relator por acclamscSo
como teria sido eleito VVinckelmann ou
Quatremre de Quiney. No ultimo dia cada
jurado das diversas nacfles Irouxe sua lisia
de recompensas; lodos collocaram em pri-
meiro lugar um mesmo nome, o de Fro-
ment-Meurice. Todava entre seus juiz?s
nosso Bnnvenulo-Cellini contava eminentes
rivaes. Os jurados francozes serfio orgulho-
sos para semprn de ter tido taes collegas.
a Terminaroi esta exposic3o t8o curta
para um acto de reparaco generosa, qual
se associar,estoucerto disto, todo o ami-
go da mis' ica e da honra.
Um artista comeQou por ser pequeo ope-
rario em metaos; elle aprendeu gradual-
mente a fazer, a compor os instrumentos 09
maisdelicados da cirurgia ; 1 ll>- 'm.....1 s
o discpulo, o auxiliar, digamos mcllior, o
cooperador de nossos mai engenhosos ci-
rurgiOes. Este artista, apreciado pelo jury
especial de cirurgia na exposic3o universal,
vio-se collocado immediatamente, e por
unanimidade na primeira ordem em sus
irte.
ociosidide neste invern. NSo receeis o fu-
turo.
< A tranquilidide ser mantida, succeda
o que succeder. ( Visos applausos ) Um go-
verno que nrma-se na msssa inteira ds 11.1-
cap, que nSo lem outro mobil senflo o bem
publico, e quo anima essa f arJenle aira-
vez de um ospaco no qual n3o achou cami-
nlii) tracado, este governo, digosaber pre-
liencher sua mis-n, porque ternero si o
direito qu e veni do povo, e a forca que vem
de Dos. (Numerosos signaes de adhesSo.)
Dorois desto discurso. M. de Casibiinca
fez a chamada dos nnvos ofllciaei e civil-
leiras da legao do honri.
(Journal del Debat.
INTERIOR.
COIIRESI'ONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Parahyba, 28 de Jantiro de 1852.
Estimo que tenhs tido felizes entradla
Longe do solo di Ingliterra, nSo que- do anno novo, o que este Iho seja mais
termos
Senhores. Ha ceremonias que pelos
propicio do que o passado, ao qual nao ces-
sarei de mildiier per temnia sacula latculo-
rum. Amen. Tirilla resolvido nSo tratar
mais d'aquelle 51 de triste rernr laco, mais
elle deixou os negocios i.io complicados pa-
ra o corrente, que nao ha remedio senJo
de vez em quando chama-lo a emitas, -
crepa-lo pelos males durante elle occorri-
dos.
\id ~ que se elle findasse suicidou-se
enforcando-se um preto escravo d'um pobre
bomem, causando assim duplo prejuizo
aquello infeliz cora seu aclo de louco deses-
tero.
O meu editor responsavel, aquello que,
carrega com as consequencias de minha
mana epistolar, solTreu por suas m3os um
tii pro quo do bol icario, com o qual e9teve
quasi ile profundit : quero dizer, o secreta-
rio do governo desta provincia, tendo de
celebrar noite de natal mais de urna missa
em diferentes lugares, deixou o lavatorio,
por engao, em um frasco que liulia agua
forte, e quando leve de consumir bebeu
quelle pouco confortante quod ore, que o
deixou bastante aperlado. Desta vez uo
so quoixoii queeu Ihearranjo as carrapslas
sofrer ello os effeitos, o tenlio este
sarlas para rrslabelecer o bo'm reglmem do di- dade respeltavel dos sabios Ilustres
lo presidio, cujos empregados parecen) deseo- fenderam nossos direitos com tanta elo
nbecer todos os seus deveres. no jury internacional. (Apoiadoa.'
Dito.Ao major encarregado das obras nul-
para solrer ello os elleilos, o
'Mfaru^^ltolm^niZto- cunsol' Pr"uu n.verd.do j* oa na
. que lazem nascer, nao saoilllJM peoia consciencja essa re|a3o fat,] qU9 entrc
,lucae. ,*.-..-------------.,..,-.. .-j.^..- oulo. l"^m'';".e|l*L2 S* nos querom descobrir Receba elle mcus
qunola [ dsda ns_MUms e cimentsds^pelsjustici^os ^^J^ZSlS^^m^TtSSm embotas pelo seu melhoramento, que muito
Apenas ousamos reclamar urna reconsi- senlmentos que inspiram e pelas reflexOes
derscSo sobro os mritos respectivos, e pe- que fazern nascer, nao 'OjmvtooxpsoU- C( ( fssa ^^ rat|> qU9 enUc
do desde logo as demissfle1 que se: facam necea- nao tambera^^aci^putloUct.itaurt. ^^ .^H o signiVdViimiiid fn- ulo. NSo posso eximir-me de urna" certa n
presidentes estrangeiros nlo se envergo- 0iOW ^SSS^i m rr! ">, nao par. continuar a sorvir-me de
Seriamos Injustos se ao mesmo lempo nao muran), como isso tena tido lugar emou- honrosos que, adusto ue tantos esiorcos e cnpo[ porque lhe tonho elgumas
lliaior cni'Brrecauo uas ouras mili- scnaiiju iujhi ^ ...*.-... .^...ru..- ,,..u. -u., ,.... .oaU .^..- ..- .[,,.. ~... u- -- i i 1 I n,
(ares, aecusando recebido o relatoro dos tra-1 rendessemos homenagem generosa imparcia- trasassemblas, de reTormar seu julgamen- sacnlicios, mantiveram com espunuor no syinD,-lnaSi
balhos de que Smc. esteve encarregado no se-, lldadede nossos rivaes, os^^'^^"'tQ: elles innullirsm immediitimente sua 8*'e[.V'ePiLla_S...e"?*.S".i) *S' A mim lambem acontecen umi catestro-
gundo semestre do anno prximo passado, o' sos como sao de todai superioridade Industrial, proprja sentenca e deram Franca a ultima nossss artes, do nossas scencias. rnfprir- Fslava i
qual lera o conveniente deatino ; e declarando consentirn) em confeasar-se vencidos por nos Da|aB aue votaram. He esta a mais chara Ja flz merecidos elogios ao grande sen- ."
que o pagamento das despezas das obras a seo em seu proprio solo em mullos ramos de In- '
cargo ser feito do I* de fevereiro prximo vin- duatrla. (Bravos unnimes.)
douro em dlante, de conformidade com a or- I Nao podemos tpdavia aceitar todos os prin-
dem sob n. 18 do tribunal do Ibesouro naci- clpios que elles (Iterara prevalecer no jury. As
nal, da qual j Ibe remetteu um exemplar. I grandes medalhas nao foram cancedldas senao
Dito.Ao director do censo provincial,trans- a lnvencao; ellas foram recusadas ao apcrfci-
in i ui nd > por copla o aviso do minialerto do iin-'coamento, ehe por este motivo que nossas se-
bera
perio de 1 do corrente, ebem assim o decreto,
que elle se refere, n. 8s8, alterando algumas
das dtsposicdcs do regulamenlo n. 797 de 18 de
junho do anno passado.
Uito.A thesouraria da fazenda provincial,
remetiendo copiado orcamento, que approvou,
para os concertos urgentes, de que precisa a
liontc dos Afogados, tm de que essa obra seja
feita por adininlstraco, conforme propOe o di-
rector das obras publicas.Communicou-se ao
mesmo director.
Portarla. -- Ordenando ao commandante do
patacho Ptrnpama que quando liver de partir
para o presidio de Fernando conduaa a seu bor-
do o capilao do quarto batalho de artilbaria
ap Alfonso de Alraclda c Albuquerque, o se-
gundo lenle da quarta elasse Jos Francisco
dos Santos, bem como as prafas de pret, que o
o marecbal commandante das armas tiver de
remclter para alli.Communicou-se io mes-
mo marecbal. ___
EXTERIOR.
PARS, 25DENOV&MBB.ODEI8M,
A dcstribuico das cruzes e das medalhas aos
nossos expositores de Londres teve lugar hoje,
I assim como tinha sido aonunciado, em presen-
i (a de perto de duas mil c aciscenlas pessoas,
! das quaea quasi inelade eram expositores. As
j dlsposicdes desla vez, foram convenientemente
tomadas c ludo passou-sc com urna ordem per-
no brigue inglez Queen a licenca que pedio fei,aj Dem que a la|ta estivesse quasi chela. Um
para ir Tundear no lameirSo alim de alli'estrado elegantemente ornado fra reservado
completar a sua equipagem pan poder se-i para o presidente da repblica, o qual tinha
guir. Neste sentido olciou-se locapitao aua dlrelta os membros do corpo diplomtico, e
do porto ,ua esquerda os membros do jury francez de
Dilo. AO juiz de orphaos do termo des- i *"' vicepresidente da repblica, o prc-
t. cidade declarando^ver recom^entUdO ^TZr^^^^.TT^
aos juizes de paz das freguesus d^termo, funccionar0s c os diversos corpos constituidos
que obnguem aos respectivos cscrivaesi acharam-se grupadosemderredor dopreslden-
remetterem I Smc. as participarles, que re- te ou junto do estrado. Mais adianie damos as
quisita a cerca das pessois, que fallecerem principies passagens dos discursos que foram
no mesmo termo, deixando beos, e herdei- pronunciados antes da destribuicao das cruzes
ros menores, ou que os nao liverem presen- e,laa medalbas, primelramenie pelo ex-minis-
les. oniciou-se neste senlido aos mencio- < f g25&S?22* 5i5 ";Vi n?"
__. :..:_. ca, hoie ministro da fazenda ; depois pelo pre-
ados juizes. .ju ,.j.jj sldente do jury francez, Mr. Charles Dupln, e
Dito.Aojuiz de piz do dislrilo di cidi- j^imeme 0 discurso do presidente darepu-
dc de Nszarelh trallemelo para o dil 18 de hlica.
fevoreiro prximo futuro, como Smc. pro-1 Foram deslribuidas seis cruzes de ollicial e
pOo, a rouniSo da junta revisor! diquallfi- nuarenta e setc de cavalleiros da Legiao de
celo dos voluntarios no correnle inno, Honra. Quinto s medalhas, sas de primci-
vistonflo se ler ella effectusdo no dia mir- ; ra elasse poderam ser deslribuidas; paris ou-
cado por lei.-No mesmo senlidoiofflcto-j. J -,; g*K ?% ^
aojuiz de paz do distr.cto de Iracunhem ."'^j,,,,,,, lrcm lirar cllesme.mossuaa me-
roma diliorcnca porem de ser (leste no d,|h no ministerio do commerclo. Em resu-
dia 15. mo, esta solemnidade, na qual acbavatn-se reu-
I'oitiria. O presidente di provincia, 'nidisis humnidadea da selenclac da industria,
tendo em vlsla as communicicOes, que ao teve o carcter o mais digno, o mals respeita-
chefede polica izera ofiscil interino do vel: abitricio feiu das cooildericSepolticas
15 do corrente, ordem io mesmo fiscal, ~~a'Vimeira, a xposlfo universal de Lon-
que contine por si, e por feus agentes a dres, e era um bello espectculo ver estes ros-
i'in pregar tode i vigilincii, e proceder ios tos radiantes dos industriaes felizes e orgulho-
mais rigorosos exames sobre as carnes ox- sos ao mesmo lempo de seu trlumpho e da glo-
DOltll t venda nesla cidade, fazendo, como rlficaco do trabalho.
Um feito, retirar do mercado e IDulillsir Deste modo .cha- ,e dignan. ler minado, do futuro
das e nossos tecidos impressos apesar de sua
superioridade ncontestavel, nao obllveram se-
nao medalbaj de urna ordem eecundarll.
PensamVt' que nos productos daa artes c
daa manufacturas, a m'cnto e o apcjeicoamtnto
confundem-se quasi sempre, e que o mrito
destes productos deve ser apreciado principal-
mente segundo a belleza, a utllldade e a bara-
teza relativa, sem considerar se sao obtidos por
uina nova lnvencao ou por processos aperfel-
coados.
Estas duas grandes industrias dos lecldos e
das sedas teem tanto mais direito benevolen-
cia do governo quanto ellas contribuein na ra-
io de quatro pan cinco para a fabricaco to-
tal da Franja.
* Quaea sao as princlpaes causas dos pro-
gressos tao rpidos, tao espantosos de nossa in-
dustria no mel de nossas ulssensdes pjlltlcas t
o Comprazo-rae era aasignalar duas: a pri-
meira he que entre nos o operario nao he um
instrumento ceg que vende uina cooperaco
material, he quasi sempre um auxiliar enge-
nboso que apodera-se do pensamento antes de
traduzi-lo, que o faz seu e o verifica por uina
execuco esclarecida e conscienciosa. (Hravos
prolongados.) D'ahi esta harmonia em todas aa
partea da obra e esta perfelco de minuciosida-
des que caracterisara nossa industria e lbc do
tantos encantos.
A segunda causa de nossos progressos be
que em nenhum outro povo, u patro nao re-
ne a una intelligencia mais elevada, mais acti-
va, mais afteico para com aeus operarios, nao
trata-os mals paternalmente, nao estuda mais
em melhorar-lhcs a condeno, em assegurar-
llies o futuro. (Vivos applausos.J
E presentemente o que falta nossa In-
dustria, com tantos elementos de prosperida-
des, paraestender por toda a parle o seu do-
minio ?
a Falta-Ibe o que a Inglaterra possue ha c-
enlo e mel, o que consume sua riqueza, sua
forca : a seguranca. (Adbeaao geral.)
Interroguemos os factos que se passam de-
baixo dos nossos olhos ha tres annos a esta par-
te. Qual era em igual poca, em 1848, asitua-
cao da Franca t O crdito particular aatava ani-
quilado ; os capilaes atemonsados ouocculta-
vam-se, ou refugiavara-ae na ierra estraogei-
ra, nossas manufacturas, nossas fabricaa esta-
vam fechadas, o luxo tinha desapparecido: a
vida iodiaalrial e commercial exlingua-se,
300,000 penoasein Paris recebiam soccorros da
inunicipalldade ou do governo, a cifra das nos-
sas importaedes e de nossas exportares tinha
diminuido de 'Mi milhOes.
Eis-aqui o que era nossa industria e nosso
commerclo em deaembro de 1848.
a Um anno se linba apenas passado, e j com
o restabelecimento da seguranca publica, o
crdito se tinha reslabelecido, o numerario af-
lluia as cali aa do calado, o trabalho reanl-
mava-se por toda a parte, a miseria desappa-
recia como por encanto, noasas iuiporiaces e
nossaa isportacdea augmentavam de 49> mi-
Ihdes em 1849, de 68S miibOes em 1850, e exce-
dan) a eifra dos annos mais ilorescentes da mo-
narebia.
Porem este feliz movimenlo comeca a en-
fraquecer, o trabalho dlmioue, o commerclo e
a industria hesitara diante das coinplcacdes
"uturo.
Estas lices sao graves. Possam ellas apro-
veltar-nos, e possam d'ora avante as patxes
polticas ao oppor nenhum obstculo ao des-
envolvlmento da prosperdade que promette
Franca o genio industrial e a actlvidade com-
mercial de seus habitantes. (Applausos unni-
mes e prolongados.)
Depois deste discurso, Mr. Carlos Dupin le-
vantou-se e dirigio-sc aos expositores, Eis-
.Acharaos entre os mmufictureiros da roldo dsreTOlualoa esbldM %<> desla provincis da Pinhybi do Norte, fez
.So-Bretanhi um estnnho preconceilo umi snciedade quasi sempre agiladsi polo nserjr uma corro3pondelJlcla cstrepaoss a
contri todi gridacSo de recompens ede temor do presente como pelas amcacas do
mrito pin os fios e pin os tecidos. Pro- futuro? Relleclirido nos obstculos que vos
Grao
que is ciscumstinciss permittirem, nos y- ~o concurBO ioduri,i de todas as na-
termos da condic3o segunda do relerido taes. Ella foi como dlsiejustaioente Mr. Cbar-
contrato, e apprehendendo a que estiver lcs Dupln, tao gloriosa por seus resultados
urruinids, ou corrompida pan ter lugir quanto honrosa para nossos expositores aos
na subdelagacia dodistricto O exime neces- quaea nao desanimara) um ai Instante as tor-
sario,eremetter-se i presidencia por ter- mentas polticas que afillgem o nalz ; "
mo o resultado do mesmo^ exame, a fim de ffi'^^^^""*^ o, tpico, of.i. ...ien.es de seu discurso.
serem multidos os contritsdores, ilm de unle, do,yp,uHe, eranbgelro, nzeram ao nosso |..................... ..t................
formar-se o processo competente por in- Ja ull( e leal ascendencia que elle exer- i Dando-nos por collegas os membros mais
Iracco de postum. Oquetudo cumpri e ceu neile congreaso de celebrdade. udus- honrados de seu parlamentos, dando-nos entre
faca cumplir o mesmo fiscal, observindo (riaes. Uas particularidades interessantes da- .seus sabios lllustres os Herscbeil, os Brewster,
exsctimento o disposto no 2." doirtigo das pelo presidente de nosso Jury de Londres, os Faraday, oa delaBche, e mullos outros,
2/ do regulsmeelo de 7 de junho de 1851. resulla que nessa como em oulras tantas clr-
ll)i:M lid DIA !. cumstanidas, foi a Franca que deu o impulso,
OIliclo.-Ao Exm. presidente do supremo que teve a iniciativa das n.edidas a de inleresse
tribunal de justica, transmiltindo a resposta geral, das decisOes ImporUntes. Kao sabemos
cujos nomes sao europeos, a Gra-Uretanha
raostrou a grande ldeia que tinba conhecldo do
tribunal internacional, do tribunal encarrega-
do de pronunciar sobre as mvencoes, sobre os
pin os nos e pi._
tendii-se que taes gredicOes occasionariam foi preciso vencer, tenho dilo : oonlgo mes-
detrimentos inflnilos is fabricas inglezis, mo. Quam Brnueseriaesti,.n':,;^fl1q.1.'r
as mais ricas do universo. Debalde, ha meio
seculo que concedemos recompensas gra-
duadas, mostravamoso admiravel progresso
de I.yao, do Ruo, de Elbeuf o de Louviers,
de Sedon, de Reims, de Mulhouse, e cima
de lado o de Pars. Nossas razOes uo nze-
ram profunda impressSo sobre espiritos
preocupados.
Minchester,Glsscow,Leeds, Prestoo e vi-
riis outris cidsdes nos declararan) por seus
zessetn doixa-li respirir o ar e viver do sus
vid! (Applausos.)
i Com efTeito, foi quindo o crdito prin-
cipivaapenisirenascer; foi quando umn
idea infernil impellia continuadamente os
trabajadores aseccaras proprias fontesdo
trabalho; quando a demencia, ornando-se
com o manto da philantropia, vmha desviar
os espiritos das oceupacoes regularos para
lanca-los as especulicOes da utopia ; rol
mandatarios que seus productos nao tinham nMis tem que moslrastes ao mundo produc-
direito a recober distioccao de primeira or- t.,s ,.,,,. Umi calma duradoura pareca s
dem em presenca de uma segunda ordem ; permjttjr executar.
porm isso lmente debiixo di cund gao do nl,;n) presenga pois destes resultados ines-
que o estringeiro i n3o receben.-, tsmbem. nerados devo repeli-lo, como podera ser
tilas execulavam-se intecipadamento pa- l.rande ', repblica franceza, se llio fosse
ra executar os outros: era schsr o segreJo Derrnettido applicar-se aos sous verdadeiros
de ser parcial com imparcialidade. (Ililari- jntorcsses, e reformar suas insiituigocs,
dnte geni). emvez de'ser inuitas vezes perturbada, do
-Sob i monirchii a miisconslitucionil um lado pelas ileias demagogicaa e deou-
ei mais iristocritci, como debiixo di re- tro lado pelas illucinsces monarchicas .
pnTilica a mais democrtica, (piando o povo ( Novos ipplausos. )
torm-se ipiixotudo de umi idea qualquer Por ventura as ideias demaggicas pro-
que el
me bem escolhidc ..
miis querido dos direitos do bomem no es- quietacSo as precede, a deccpgao as segu,
_ ____________a haba niirimi. u
li sejl, invocando debiixo de um no- clamara uma verdade ? N3o. Ellas espalham
m escolhido sem diroilo so erro, o por toda a pirte o erro o i mentira. A in-
. querido dos direitos do bomem no es- quietaco as precede, a decepgao as segu,
tsdo de cegueiri, i rizao mes-no deve ceder, o os recursos empregados para repritni-las
Um tal expectaculo, tao singulir ios orhos- sBo nutras tantas perdas para os memora-
do sabio e que nos he 18o familiar deste lado mentosos mais urgentes, pira o illivio ta
di Mincha, nos o livemos durante os tres mlsoria. (Signaes de adheiao)
mezos de nosss residencia deslm mir. Quinto s illucinagOes monarclncas,
Debilde reuninm-se is sutoridides dos sem fazer correr os mesmos perigos, orriba-
represenlinles mais respeitiveis di socie- ragam igualmente todo o progresso, todo
didareal de Londres eao instituto nicio- o trabalho serio. Luta-seem vez de mar-
nal de Frmca : ellas nSo conseguiram com char. Vemos homens, oulr ora ardeolo pro-
seus exforcos estender a outros productos motores das prerogitivis da sulondsde
senao aos productos das srtes scientifieas e real, fazerem-se convencionaes iTim de di-
dis bellas irtes i dislinccao dis recompon- ssrmaropoder eminido do sulingio po-
lis ordonadas pelas gradicOes do meiitoe pular... I Applausos.) Vemos aquellos que
dos servigos. IPsIs sofTreram, que mus gemeram com as
llouve portanto n3o oxcesso, n3o abuso revolugOes, provocaren) uma nova revolucao
mmero das meoilhas de primeira or- e islocomo uraco Iim de subtralurem-se ao
no numero
dem, mis pelo contrario, suppresso syste- voto nacional e de impedir o movimonto
msties psrs urna c.legri intein de arles que transforma as socedades de seguir
imporUntes assim entre os fnncezes como uma pacifica carreira. (Novos simes de ap-
otre os estrangeiros. . ; ProT*8aes-esrorcoS8er5o vaos. Tudo o que
' '.Tenho'sempre diinte dos olhos o mo- est ni neccssididedoi lempos deve com-
men o, um pouco tsrdio pin noss. imp.- prir-se. somonte o tnu te n3o pode reviver
Sencis. no qusl os aprestos ds FrmSi ici- Ests ceremonii he aindsumi prova de que
badss^descubrirn) por fim em um primeiro se cerlss inst.tuicoes cahem para sempre;
.nd"cheio dos primores d. obra da Paris, QuelUs pelo conlnrio que sao conformes
sessents metros de fachada oceupados por com oscostumese nsbltOS da poca, affron-
nossas admiraveis sedas, com estas palivras Um os itsques diilntojt o do purilanismo.
su per uas escri pUs na renle: Ly3o, LyHo, Todos vos, filhos desla socied.de rege-
Lvao Vum-so estss sedas comprimidas, nerada. a qual destruio os antigos previle-
pertadas umis contra is oulras; Unto gioseproclsmoucomo principio fundimen-
convmhi economisar o lugir alim de que i.l a igualdadecivil e poltica, oxperimen-
elle b.stasse pin taes thesouros. Uis lo lavia um juslo orgulho em ser no-
De reponte, dos dous lados da maiorga- meados cavalleiros da ordem da legiao de
lerii diinte dossi linhi deslumbradora, honra. He que esta instituigao bem oomo
deso'to bandoiras uniformes se suspenden) todas as que foram credos naquella epoca
ao mesmo lempo e fizem brilhar debaixo eslava em harmona com o espirito do secu-
da abobidi de crystil is tres cores de uosso lo e com is ideas do paiz. Longo de ser-
Iris nacioml. Ah! sentimos no mesmo ins- vir, como oulras, para tornar as demarca-
linte a victoria bndir em nossos corseos i coes miis salientes, ella as destroo collucin-
A Franga eis-iqui I Frauga!.... (explosio de
pplausos) eis-aqui a graca e o esplendor
da Frauga I E a victoria en verdadeira no
palacio de crysUl como ella o terii sido om
todos os palacios do mundo.
Ao lado do trlumpho de I.yo, umi pi-
lavra sobra uma s industria de Paris.
do na mesma linha todos os mritos, qua
quer profissao, i quilquer ordem di soci-
odade que olios pertenceai. (Applausos.)
Rocebei pois estas cruzes da legiao de
honra, as quaes segundo a grande ldeia do
fu. dador, sao feilas para honrar o trabalho rem em grandes obras
a bravura
igualmente quo bravura, o
.'sbeissVrTes'd'ignimente sentidas ele- igualmente que a sciencia.
ra ilma; ellas preservsm-m das bsi- Antes de ^-"S^P"'"^'
xezis ds invejs. O jury dos melles precio- ^J^^J^K^JlaimivlAttt^l
sos ers presidido por iim Mecems frincez, prebendei-os sem temor, ello impedirSo i
e
fulminante contri "mim, porque, diz elle,
em minlias noticias oftendi a sua reputagao,
quando lhe tratei do negocio do cha, o para
pi ova de minha calumnia ipresenlou umi
certid3o do despicho do dilo cujo cha, con-
cluindo que brevemente desmascarsria o
assassino e I ol o do quo elle mais preza
f este seu criado ) sua honra e reputagao,
lazondo respousabilisa-lo perante os Inhu-
mes etc., etc., etc. Tal fluxo de riso me
acrommelteo vista de semelhante hespa-
nholada que inmediatamente desceu-me
a.....e fiquei de cama em tal estado de
prustiaco, que suecumbiria a nSo ser a
humanidade do mui honrado e philintro-
pico sub-delegado do lugar, que mandou
chamar um Indio enlondido na obstreclicia,
e este com esfregages e emplastos me res-
tituio a siude. Que grici?! Mo houve
quem nflo sofresse mais ou menos com a
retirada d'aquello fatal 51. At a tranquil-
liria le publica com a celebre lei do senso,
porque os matulos entendern) que devem
sempre estar sem elle o por forma alguma
o querem admiltir. Eu julgo que ella tem
seus inconvenientes para os habitantes do
mato, eque por isso deve ser modificada
em algum sentido mais favoravel, porm
estes inconvenientes nao s3o os que homens
mal intencionados leem podido persuadir
ao pobre povo, que sempre ero lulo, e cio-
so de sus liberdsde estao promptos s crer
qusntos despintes neste genero se lhcs
conU. Em alguns pontos da provincia ex-
plicado o fim da loi foi fcilmente percobido
o desvanecida ests descunlianca que reioa-
va no povo, era outros, porm, assim nao
tem acontecido, porque ilguem que s
tem por timbre desmorilisar o governo e
ss leis tem ensinuido prejuizos que s com
o correr dos tempos fir convencer io povo
sua utilidade.
Dizem que, constando ao presidente dests
provincia que os escrivSos de paz exigiam
160 ris por cadi umi cerlidao de bitos
e nascimentos, mandou por uma portaru
ein en colar por termo i um tal abuso, pois
s estes podera perceber esta quintil pelas
certides que posteriormente lhe forem re-
queridas pel parto.
Pirtio pin o Inga, londe os espiritos
estavam mais igiladgs,ko Dr. juiz de direi-
to, por n3o poder ir o chefe de polica que
dizem estar muito oceupado, lupponho, quo
por alli s remara travesiurai, e que breve
teremos ludo reslabelecido io enligo es-
Udo.
No Brejo do Fagundes, dizem que o ne-
gocio andou mais serio, porque fra assas-
sinsdo por ocessiao destes movimenlos um
inombro di junU de quslificicao, de nome
Jos Constsntino.
Ji foi reformada thesouraria desti pro-
vincia, tendo chegado, e tomado posse o no-
vo inspector, o Sr. Pedro Pinheiro.
Teve lugar no lia 19 do corrente o con-
curso pira a cadeira de geograpbia o historia
do lyceo dosta eidsde, croadi pel lei
| provincial de 27 de setembro de 1851, com-
pireceo, sem oppositor, o Sr. Thotniz de
Aquioo Minilello, que, fazendo um bora
exime, ti i ou a cideira.
Os thuggs teem estado em armisticio, po-
rm parece quo se v3o sproveitindo destes
pequeos movimentos do poro pin eotra-
Aqui mdou o delegado de Patos, que em
umi dasminhis Iho dice ter sido iccusido
por uma ropresenticBo dos habitsntes d'a-
quells villa, porm ebegando aqu recor-
reo sos rucios justificativos, e apresenlou
'I


^^
m
um calbamago de etteatados, que alera de
O inm cantaren o beatificaran).
NSo teebo lempo por agora de continuar
C5tn o meusontao, porm na primeira opor-
tunidade dir-ll)e-be o que einda se a res-
peiio, que nSo he pouco, emb'irt me cha-
mom massltla como j o vSo fazendo.
Correspondencia.
Srs. Redactores.Lendo boje o Echo Per
nambucomo n.40,deparei com um artigo man
dado das Alagoas pelo correspondente desso
jornal, no qual (aliando da redjscgSo do
Timbra Magoano, aventura pelavras insul-
tuosas contra meu irmSo o Dr. Jos Sezl-
nando Avellno Pioho, que elle auppOe ser
um de seus colaboradores.
Nada devendo eu diier a cerca da honra-
dez, probidade, HustragSo, honestidado o
independencia de carater de meu ,irmSo,
qualidades nelle reconhecidas por todos que
o tem communioado, nSo deixarei todava
de fazer algumas observagoes, quo servirBo
para demonstrar a sem razSo, com que pro-
cedeo ocorreepondento do EchoPrnambuea-
no.declarando antes de tudo que nlo em-
pregarei nosta resposta as indecorosas ox-
pressues.de quo se servio o dito correspon-
dente.pois que as considero como sua pro-
priedade.
Accusa se meu irmSo por escrever para o
Timbre Magoano, peridico, que em Macei
sustenta a poltica saquarema e a adminis-
tradlo do Exm Sr. Dr. Jos Bento Si he
verdade que elle faz parte da redagSo desso
peridico, por certo que est em seu direi-
to ; o sorit um acto de inaudita tyrania da
parte daqueiles que com a maior liberdade
expeudem auaa ideas, quere-lo privar de
manifestar pela impresas suas opinifles ,
O que poaso n ("migar he que em seus escrip-
tos jamis descera aos argumentos adhomi-
nem, sempre odiosos para aa possoas de boa
eduesgo, quesibem respeilsr o melindre
de seus adversarios, tanto quantoodeseus
correligionarios.
Tambem se accusa de ser palaciano, isto
be, de entreter relacOes de amizade com
ao Sr. Dr. Jos Bento! NSo sei onde so
possa abi enchergar um acto digno de
seusura I Dar-se-ha caso que os pre-
sidentes pelo simples Tacto de serem
presidentes fiquem inhibidos de terom a-
migos ? Ninguera aflrmar tal despropo-
sito I X posigSo de meu irmSo como medi-
co, a quem a presidencia tom com vanta-
gem consultado em objectos de saude publi-
ca, e a qualidade de correligionario mode-
rado em poltica o tem aproximado do Sr.
, Dr. Jos Bento, e feilo entre elles desenvol-
ver-so mutuamente o doce sentimento da
amizade. Nada por tanto lia ah, que me-
reca reprovagSo.
Fat-se-Jbe tambem a censura ou a aecu-
sagflo de haver arrematada urna escrava ;
mas como por ora ignoro esse facto, e o
Illm.correspondonte promete contar a histo-
ria dessa arrematado, espera re por ella pa-
ra dar-lhe entilo a competonfe resposta.
Quelram, Sra. Redactores, dar publicidade
a esns liubis ,|pelo que Ibes ficar obrl-
gado.
Recife 29 de Janeiro de 185i.Dr. Sabino
Olegario Ludgero Pinho.
VARIEDADES"1'
por esta parte da ceremonia. Ella rae lembrou
a paasagem seguate do xodo 1
Knsopai um pequeo hissopo no sangue
que tveriles posto sobre a aoleire da vossa
Corta, com elles fareis urna aspersSo so-
re o alto desU, e sobre os dous por-
taos......
Guardareis este coatume, que deve ser
eternamente Invlolavel, tanto pira vos co-
mo paravossos lllhos. t
Em quanto isto se passava os outros pa-
dres continuavam sempre o seu canto. O
comiasso da msica mudava frequente-
menle: ora ella era viva e animada, ora
lenta ci solemne; porm sempremelauco-
lica. Terminada esta parte do servico todos
os padres se inclinaran) lentamente diante
do altar, e quando se levantaran) comegou
urna procissSo. Us padres do lado direito,
e os do esquerdo do altar destilaran) cada
um de seu lado andando uns atrs dos ou-
tros, dos dous lados desta sala espacosa, e
cantando urna aria lenta e solemne. Quao-
doas duas procissOes se encontraran) no
im do edificio cada um voltou na mesma
ordeni para o lugar donde tinha partido.
A procissSo durou perto de cinco minutos,
depois os padres lomaran) de novo seus lu-
gares eru face do altar, e o cantor adian-
tou-se como d'antes. Um ou dous minutos
depois todos cahiram de joolhos, e canta-
rain por um momento nesta poseso.
Quando se levantaran) 08 do lado esquer-
ido cantaran) sos, c depoisse ajoelbaram ;
entilo cantaran) oa do lado direito e depoia
tambem se ajoelbaram.
Os padres do lado direito se levantaran)
outra vez, e caminbaram una dex minutos
prostrando-se um apoz o outro diante dp
altar.
O resto da ceremouia continuou como
tinha commecado.
Eslaestranha ceremonia duron perto de
nma hura. Em todo este tempo um repos-
te iro esto vena porta do templo para apar-
tar os raios do sol. Antes do fim do officio
tiraran) o reposteiro, o que produziu |um
effeito mui curioso, e mui notavel. Raios
de luz vermelha penetraran) no templo, as
velas do altar pareceram arder obscuramen-
te, eos dolos colossaes me parecern] en-
tilo mais massigos, e mais estrenaos do que
me tinnSo parecido antes.
Os padres se retiraran) lentamente um
por um com a mesma solemnidade com que
tintiu viudo, o pareciSo profundamente im-
pressionados pela davocSo que Ibes inspi-
ra va o templo, e os diversos exercios do
culto a que se tinbSo entregado.
Terminadas as orar/Oes quesi todos os pa-
dres foram ao rofeitorio, onde urna refeigSo
Ibes foi immediatamente servida. O rofei-
torio consiste em urna vasta sala guarneci-
da de mezas dispostas em cruz, e bancos
que podem conterpelo menos duzenuti pes-
soas.
Os bulhstas nao eo iiem 1 carne dos ani-
maos, mas gsstam urna graudiasima quan-
tiJade de arroz e de legumes. Fiquei ex-
tremamente admirado da quantidade de ar-
roz que vi um desses padres comer em urna
s refeigSo. E todava geralmente elles tem
um exterior magro,e mesquinho, que pro-
vavelmente he devido antes vida sedenta-
ria que psssam do que natureza do
limento.
O***
(lonileur)
A
CEREMONIA DO CULTO BUDIIISTA HA
CUINA.
( Traduzilo do inglez, )
He as provincias de Che luang que os budbis
tas pirecem tersuasdc principal. Com effeito
abi se observan sobre cada declivio das cnll-
n.!', templos c mosteiros mu frequentados.
Xendo ulUraaincnte ttdo occaso de estabele-
cer-me por algum lempo em um deiscs mos-
teiros, fiquei de tal sorle impressionado pel-'
ceremonias do culto imdbisla que tomei cui-
dadosameiite nota dos diversos ritos da mais
notavel ceremonia diaria.
esejandoassistir ceremonia inteira, resol-
vi ir em tempo conveniente, e colloquei-me em
urna dasgaleriasque conduzem ao templo,, al-
guus instantes antes de se reunirem os sacerdo-
tes. Um momento deps un padre velbopassou
diante de uiim e dirigio-se para um enorme
pedaco de madera cortado em iurmadepeixe,
que eslava suspenso na abobada de urna das ga-
leras. Bateu-o multas vezes coin urna alavanca
tambem de inadeiraeproduzioum ruido surdo
6 retumbante, que i'.i ouvido em todo o mos
leiro ; um enorme sino de brome soou tres ve-
zes, eos padres apparecerain em todas as di'
recfes, revestidos de urna tnica amarella lan
jada por sobre o hambro esquerdo. Ao mesmo
tempo um velho deu urna volta em roda do
mostelro batendo sobre um pedaco de pao
quadrado para acordar os padres que podesseui
estar doriuindo.e para chamar a oraco aquel-
Iet>que tardavam em vir a ella.
O templo para o qual os padres se dlriglatn
era um vasto edificio de cem ps quadrados. A
abobada tinba sessenta ps de alto e era sus-
tentada por numerosos pilares de maderi. fres
dolos colossaes o Passado, o Presente e o Fu-
turo cada um pelo menos de trinla ps de alto
cstavam collocados no meio do templo diante
do altar, em face do qual eslvam postos mais
de cem genullezorlos para que nellcs podessem
os padres ajoelhar durante a ceremonia.
Viam-se de cada lado desta sala espacosa,'nu-
merosos dolos de menor dimensao represen-
tando os reiaendeozadose outros grandes ho-
ruens celebres por sua piedade durante a
vida.
Entrando no templo com os padres vi um hu-
inem accendendo velas postas sobre o altar, e
Suelmando um perfume grosselro porm agr*
avel. Um silencio solemne relnava ueste
lugar.
Os padres vieram de nm em um com todos
os signaos de devocao levantando apenas os
olbos da ierra, pozeram-se de joclhos ao lado
direito e ao esquerdo do sitar depois de se te-
rem Inclinado profundamente, e repetidas ve-
zes diante dos dolos.
O grande sino soou de novo de um modo len-
to e ao mesmo tempo solemne, depois as bada-
jadas augmentaran, gradualmente em veloci-
dade, e tudo entrou depois outra vez no silen-
cio. Os padres estavam enlo reunidos em nu-
mero de perto de ollenta, i as ceremonias co-
xnecaram. Aisentel-me perto da porta donde
ndame poda escapar, e tomei o meu cadtrno
de notas para escrever o que se la passar dian-
te dos meus olbos. O padre que eslava mais
perto do altar totnou urna campauhia que
agliou multas vetes, outros baleo em um
tambor, e todos os oitenta padres curvaran, re-
petidas vetes osjoelUos. Uradellesbateudepois
emuin pedaco de pao redondo mais largo que
0 crneo de uin bomeiu, co no interior, e (o-
cou alternativamente um giande sino de bron-
ze. Neste momento da ceremonia um padre
moco sabio de seu lugar e foi por-se em face do
altar, incllnando-se profundamente, e muitas
ve*es. ntao coinecou o bymno de supplica.
Um dos padres, a ppi reo te me ote o leitor co-
inecou baleado no crneo de pao de que falle!,
e todos os outros cantaran em tom lgubre.
Ao principios padres estavam dispostos, me-
tade direta, inetade esquerdae voludos
para o lado das estatuas; porm ueste momento
1 iliv-j-c pozeram um defronte do outro. Aquelle
qne cantava eque tinha comecado lentamente
cantou com mais rapidez, deools em certo mo-
mento parou repentinamente. O silencio durou
um ou dous segundos. Urna sd voz cantou al-
guns instantes, depois toda a assembla se reu-
ni e collocou-sc como dantes. O padre moco
veio de novo por-se em face do altar, porm
prrto da porta do templo e bateu lentamente
maltas vezes em urna almofada posta ah para
este fim. Elle dlrlgiu-se depois para o altar a
passos lentos, e de um modo solemne: tomou
um vaso que abi eslava, e encheu-o d'agoa :
depois de ler f.ito sobre elle varios signaes da
cruz, e uiovimentos giratorios com a tno, der-
1 1 inuu urna pouca dessa agoa sobre a mesa.
Feilo isto derrainou urna pouca d'agoa do vaso
em mn copo e retirou-se lentamente para a
portado templo. Sabiodabl, molhou os dedos
n'agoa e aspergi o alto do um pilar de pedia
que estava perto da porta. Eu nSo pude deizar
:i
CANCAO'* DO PESCADOR.
I. i.' 1(1. 1 a..111 mjifi,
Eipoflo i> rliui*. e aoi vento.
P.iM loimenloi I
Alma cortada a tortura.
De louca. fragela p.Iifl.t *
N'um pego de de.vrnturai,
Vendo boje magua, eacuraa,
o que eram d'aute vliBea !
Um tnnhador do pa.aado,
Sem existir no pre.ente;
Lcndo n'um llvro raigado
Tanto aonlio dearjdo,
E perdido de repente I
Sou um quebrado lo.trumenta.
Que perdeu toda a harmona !
Ruinas d'um monninento
A qu.m o tufSo cruemto
Rouba uiiki flor cada da !
Sou a rclva do. Aado.,
Que pl.a um p deatraldo
Quaudo os cearo. elevado,,
1, 01 aalguelroa debrucado.
Soltam lgubre gemido :
Hou urna vaga deafelta 1
'Urna prala .em abrigo/ *
Urna planta que ae engelta....
Alma pela dor aujelta
A con.entrar-iecom.lgo.. .. .
Que bu.co? Que mundo habito?
Quem aou eu ? Que Importa quem?
Sou nm trovador proacrlpto,
!2
O arsenal de guerra compra azite de do dinbeiro ou aprito ou por trooa de el- j Thomaz Hara, embarca para o Rio d,
rrapato e de efleo, velas de carnauba, lio cravoa oorreiondentls .0 leu valor, ol Janeiro, o feu eioravo.denome Benelicto
1 algodSo e paviol 1 quem qulier for- periendentesdeumaeoulra eouiepodem dl-jcabre.
Que tragona fronte escrlpto
tata palavra:Ningm ;
(Um.)
COHWEBC0O.
ALFAISDEGA.
Rendimento do dia 30. fO:96i,58T
Ditearregam hoie 31 de Janeiro.
Barca franceza ~ Julu mercadorias.
Barca portugueza -- 5. Crui idem.
Hiate brasileiro vNovo Olinda sal e palha.
11111 ni it i> 1; 11"
Hiate brasileiro Novo Olinda, vindo do
Assu', consignado a Hanoel Dias, manifostou
o aeguinte :
378l|2alqueires sal, 20 saceos cera de a-
belha, SO ditos dita de carnauba ; a ordem.
Hiate brasileiro Anglica, vindo do Assu',
consignado a Theofllo Seve & Companhia,
manifestou oseguinte :
410 alqueires sal, 100 molhos palha de
carnauba; a ordem.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 1 a 29 .73:767,147
dem do dia 30.........2:447,57
78:214,804
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimontodo dia 1 a29..
dem do dia 30......
3:014,301
138,136
3:159,437
,2a>;
onrrapato
de
neoer os referidos gneros, eomparer,* no
dia 3 de fevereiro prximo vindouro, Ira-
zendo sua proposta.
Aula de Obstetricia.
A matricula estira aberta desde o pri-
meiro at ao ultimo de fevereiro, aa lirjOes
prlncipiarSonodia 16.
Pela segunda secc8o da meza do con-
sulado provinci.l annuncia-sa aos colleta-
dos no imposto de 3 por oento, e bem assim
aos de casas em que se vendem bilbetes de
loteras de outras provincias, e lojas de mo
das,quo a cobranza dos mencionados impos-
tas deve principiar no dia 3 de fevereiro
vindouro.
REAL COMPANHIA DOS PAQUETES 1NGLE-
ZES A VAPOR.
No dia 31 deste mez, espera-se
o vapor Tevlot, commandante
Revett,o qual depois da demo
ra do costume seguir para os
portosdo Sul: parapassageiros, trata-sena
casa da agencis, na ra do Trapiche Novo
n. 49.
- Em coosequedeia da iciafo do Exm.
Sr. preaidente da provincia, pela directoria
doLyceosefaz publico, que continua em
vigora portaria do 1.* de fevareiro de 1843,
aparte em que se exige exame-^legraai-
inntica latina, feito neste estabelecimeoto
para a matricula das aulaa de philoaophia,
erhetorica, e approvacfio de lingua nacio-
nal, obtida no mesmo liceo, para aa demals
aulas de inslrucco superior,
Outro sir, declara-se queoexercicio d
todas as aulas comecar no dia 3 de feve-
reiro p. vindouro, s mesmas horas flxadas
nos annos anteriores, a saber: latim das
8 sll ; inglez, geograpbia, e philosophia
das8 asi; francez, lingua nacional, geo-
metra, rbetoricae dezeobodas 10 ao meio
dia.
Liceo, 22 de Janeiro do 1852.
O Amanuense
Hermenegildo Marclint de Miranda.
-Por ordem do Sr.director interino faco
publico quo na conformidade do art. 13 do
regulameoto de 12 de malo do anoo p.Qndo
abrir-se-ba a matricula dasaulai do I.yceo
no dia 15 do crrante, e ser encerrada no
ultimo deste mesmo mez, i excepto da de
Latim. Lfceo 9 de Janeiro de 1852.0
amanuense,Hermenegildo.Marcellino de Mi-
randa.
THBATRO DE SIZABEL.
Quarta-feira, Ude fevereiro ae 1852.
GRANDE ESPETACUr.O EM BENUIO DOS
ARTISTAS
Luis Antonio Honteiro, e Mara Amalia
Mon leiro.
A orcliestra ejecutar urna escolbida ou-
vertura, depois da qual subir a scena a
muito excellenteopera cmica em 3 actos,
ciimpusii; ni do Sr. L. A. Buigaim.
O REMENDAD DE SMIRNA ,
oo
Um dia de Soberana.
Msica do maestro Theodoro Orestes.
Perionagens.
Msrnheiro ja can.ado,
Muli'i harca aliaiidoaei ;
Af ondas do mar salgado
[Nunca mal. m'abitarei J
Ja nao tem vigor raen, bracos,
A iiimiIi 1 voi roqueljou,]
O. meus remo., e'o ueda;os,
Dma vaga dispsrsou,
0 leme, tambem perdi
Foi n'um prande temporal !
Houve urna eucliente uo no,
K adeus agua, de crsvlal!
Nao ha fiar na.eatrellas
Quando a nuvem tolda o ceu".1
As.im foi Que noites liellaa
Aqnella noite involvau!
Quaudo a vida em mar de rosas
V .i 11 ni id epinuo tem,
Sao ludo gitllaa formosaa,
Nao leinbra a morie a uiaguem !
Mas sciim dia aOVou o veuto,
A calina segu o lufao,
Valel-me ne.tc raomenlo,
U' Virgem da Conceiro I
barcos e redes se largam !...
Quem peutreve a navegar/
Quando a. lagrima, amargan).
Que farao aguas do mar ?
1 ii-|. 1 que o pao est rolo,
E i]ii .11 ii eucalba o baixel,
E o rumo larga o piloto.
Como as re.leas ao corcel |
Has anda a v.iea nos lenta
Um nao asi... que o mar 110. diz,
E espreitar vae a tormenta
O pescador infcliiR...
Da praia volre solado
Para o toaco aivergue seu,
Quando i noitc o ecu toldado
De uuveo., se escureceu.
Move o triste o. debis passos.
Camiiiha o pobre a aclamar.
A Virgem levanta o. bracos,
Murmura, depois d'ortr :
Maiinheiro j encado,
Minha barra abandone! ;
Aa onda, do mar aalgado
Nunca mais m'alloltarei t
F.xporlaco.
I'arahylia, Mate brasileiro Tres Irmos >
de 30 toneladas, conduzio oseguinte:- 2
gigos loiirja, 160 barricas bacslhao, 2 barris
vinho, 3 dito serveja, meia arroba de ra-
me, 1 dita cera, 8 caixas e 1 fardo fazen-
das, 1 dito ditas e bicos, 50 barricas fari-
as, 10 caixas queijos, 4 ditas psssas, 3 di-
tas" masis, 4 barricas bolaxas, 1 saqulnho
cravo, 1 dito erva-doce, 3 barricas farlnha
de trigo, 9 Barris e 2 meios ditos mante- Aly-Bab, remendo Monteiro.
ga, 1 sacca pimenta, 8 resross de papel, 1 F,iin8i su, mulher Mara Amalia
canastra rolhas, 2 rollos com quatro frro- Aben-Amet, sultSu Reis.
bas 0 25 libras de fumo, 2 ssccas com nove ,;;.,far vizir Bizerra.
arrobas o 29 libras dearrs, 9 barricas com escarias iudeo Alves
55 arrobase 20 libras de assucsr, SOpedras Zo-zo,anao disforme Raymundo!
de amolar, 50 duzaf de cOcos para agua. Zobeid, odalisca D. Emilia.
Liverpool, barca ingleza a Robert Ale- n0,9.n, olllcial de Palacio. Coimbra
xander Parke de 418 toneladas, conduzio oscltl JoaquimJc.se Pereirs.
o soguinte :-1053 saccas com 5,693 arrobas CuarJ8 e8cravos &.
e 30 libras de algodSo, 2,400 ditas com Em segUida representarso-ba a interes-
iXBEDORU DE RENDAS INTERNAS^- ffif 9acU,sornad. de mu
rijir-se a ra larga do Rozarlo n. 18, que
aoharfl ocom quem tratar.
Freta-se para qualquar parte do medi-
terrneo o hriguo inglez Salla Rookb, ca-
pitSo J080 Maeiaravich. Trata-se em easa
de Manoel do Nascimenlo Pereira, ra do
Trapiche n. 13,ou com o capit&o na praeja ou
a bordo.
Para o Aracaty.
Segu na presente semana, o bem con he
do hiate c Cepibaribo a mestie Antonio Jos
Vianna, para o resto da carga, trata-se na
ra do Vlgario n. 5, ou com o mestre do
mesmo no Forte do Matto.
Para o Porto.
Seguir com muita brevidade a barca
portugueza Boa-Viagem, capilSo Antonio
Ferrelra Lelta Jnior, tem bons commodos
e excellente tratimento : para paassgeiros
e carga trata-so na ra do Vi gario, n. 11 ou
com o capitSo na prafa.
Para o Para em direitura ,
a bem conbecida escuna brasileira Emili
capitSo e pratico Antonio Silveira Maciel
Jnior, tem de seguir para o Para em direi-
tura, com a maior brevidade possivel, por
terquasi toda a carga j engajada : quem
pretender engsjsr o rosto, ou ir de passs-
gem pode entender-se com o capitSo da
mesma, .ou com J C.Augusto da Silva, na
ra da Cruz, armazem n. 13.
-- Para o Rio de Janoiro sao; com muita
brevidade por ter parte do seu carrega-
ment prompto o brigua brasileiro Animo,
capitSo Domingos Antonio de Azevedo
para o restante da carga, passageiros e es-
cravos a frete, para os quaes tem commo-
dos sufllcientes, trata-se com o mesmo ca-
pitSo oulcom Luiz Jos de S Araujo, n.
ra da Cruz, n. 83.
'Para o Rio de Janeiro, sa-
ne em poucos dias, o patacho bra-
sileiro Confianga: para o resto da
carga e escravos a frete, trata-se
com os consignatarios Novaes &
Companhia, na ra do Trapiche
n. 34, ou com o capitao. na praca
do commercio.
Eco 6 de fevereiro prximo sahe para
Lisboa o brigue portuguez Lais, capilSo
Jos de Abreu : para o resto da carga tra
ta-ae com os seus consignatarios, Francisco
Severiano Rabello & Filbo.
Avisos diversos.
RAES DE PEHNAMBUCO.
Rendimento do dia 30..... 860,720
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 30.....1:398,595
Movirnentodo porto.
O Gara linda.
OD
O Pregador de cartszes,
Pcrionagens.
Msica do maestro Pedro Garca.
N'wios mirados no dia 30.
Rio Grande do Sul 35 dias, patacho bra-
sileiro Felicidade, de 136 tonellaJas, mes- Pochard,' mercadorde vinhos
Ir Evaristo ChristovSo de Campos, equi- Nina, suaOlha
Job, cara linda
Pedro, pintor
Lambert, antigo cocheiro
Monteiro.
Silvestre.
Alves-
Pinto
Emilia.
Alguns homens &.
Terminar o espetaculo com urna gra-
ciosa farsa.
pagem 19, carga farinha de mandioca .
Amoriin & IrmSos.
Acaracu' 18 dias, patacho brasileiro Emu-
larlo, de 135 tunda las, mestre Antonio
Gomes Pereira, equipagem 10, carga sola
e mais gneros ; a Manoel Goncalves da
Silva. Conduz 7 passageiros e 18 escravos.
Navios sahidoi no metmo dia. Por se achar um dos actores Incommoda-
Canal pela Parahiba brigue inglez Queen, dos, .lena do havor o espectculo annuncia-
capitSo John Squareg, carga assucar. do para hoja 31 do correte, licando traua-
Trieste barca austraca Melink capitSo ferido para quarta-feira, 4 do prximo fu-
T- l.azzari, carga assucar. (uro mez do fevereiro.
TIIEITRI) DE APOLLO.
A. B. Ztlluar.
NINGUEM I
Fr- Jorg.
Romciro, romcii, quem ta 7
laaaalra
Ningem
Mu i.TT,1 r. Laia d Souaa.
Suem sou cu? pba.ta.ma errante
ni solitario penar I
Vaga sombra vacillante,
?ue apparece n'um insume
ara nunca mal. voltar !
Sou urna foloa que o vento
Sobre o chio amarellece :
Urna la do pcnsainriiio,
Sue brilba por um momento
n'um outro desfallece I
Poeta, que .offro e choro,
F.nlre o aepulcro e a crur !
Que meu. tormento, devoro ;
E de joelho. Imploro
Aurora d'ignota la I
Viajante triste., incerlo,
Longe da patria e do. lares;
Perdido neale descro
Chamado mundo;e aberto
A seus lbricos cantare. !
Horneo de fronte abitada,
Sem alent, c .em esperanca ;
De.creodo da propria vida.
Como sombra perseguida
-Vuiii brlquedo de crianca I
EDITAKS." D ... IU,
__________________________.-^__ Publicaoes Iliterarias.
Pela inspectora da Alfandega se faz ELEMENTOS
publico que no dia 31 do crreme se hSo de
de arrematar em hasta publica 37 canastaes Homosopalhia.
e 130 resteas de sebolas com 266centosa Sabio a luz a aegunda parte desta obra
800 rs. conforme a tarifa, total 212,800 composta pelo professor bomoaopatha i.os-
abandonadas pelos di re i los por Francisco setBimont. Recebem-se assignaturas para
Alves da Cunha & Comparad!, sendos ar- a obra inteira a 5,000 rs., no consultorio
retnalacSo livre de direitos ao arrema- bomceopathico da ra das Cruzes n. 28. De-
lante, pois da publicarlo da terceira parte, o pre-
Alfandega de Pernambuco 30de Janeiro (osera elevado a 8,000 rs. para aquellos
de 1852. O inspector interino. quo nSo tiverem assignado. No mesmo con-
Bento Jos Fernandcs Barros, sultorio, acha-ae a venda ludo quanto be
necessario para o estudoea pratica da bo-
l Dr. Cuatodio Manoel da Silva GuimarScs, moeopathia, como saja : livros impressos
Juiz de Direito da l.'Vara Civel, e do para bistoriss de doentes, regimens apro-
commercio, nesta cidade do Recite de Per- puados para a provincia de Pernambuco, e
iiainhiico por sr. M.l. c. que Dos Guar- ncarrega-se de mandar fornecer qualquer
de etc. encommenda de medicamentos bomceopa-
Faco saber aos que opresente Edital virem thicos, tanto avulsos como em caixas, em
queda data d'elle a dez dias, que he o dia glbulos como em tinturas.
6 de Fevereiro do corrente auno, na oasa No prelo : Vathogeneti* dos mdica Hien-
das audiencias depois de meio da se bflo'de tos brasileiros.
arrematar por venda aquem maia der osee- Elementos de anatomae phisiologia com es-
guintes gneros; cinco sscoas com arroz tsmpas, paraos curiosos em bomecopatbia.
pezando 22 arrobase 18 libras,a 1,790 a ar- Roga-se aos senbores assignantes o ob-
roba,- quarenta pipas vasiae a 7,000 cada sequo de mandar recebor seus exempla-
hul; oito pessaa de cabo de linbo pezando res no consultorio bomoopatbico da ra
353libras a qulnhentos reis a libra; urna das Cruzee n.28.
pipa de vinagre avali.daem 35,000 ;o se-, TRATAMENTO 110MEO-
tenta e dous frascos de mostarda a 64o cada n n aTHirr
um, vindo a aer o seu total da avalia(So 1 AIIIIIj''.
575,936 reis ; penhorados a William Baocb, das molestias veneris.
por execuoSode Crocco e Companhia. aj conselhos aos doentes para se curaron) a
para que chegue a noticia de todos mandei g mesmo, sem precisarem de medico ;
pasear o presente, e mais dous do mesmo pelo professor liomceopatha
teor, que serSo publiosdos pela Impronsa, e Goeiet-Bimont.
afilados nos lugares determinados no artigo Sanio a luz e aoha-se a venda no consul-
538 do Decreto n. 737 de 25 de Itovembro tono bomceopathico da roa das Cruzes n.
de 1850. Dado nesta cidade Reclfe de Per- ga pelo prec.0 de 1,000 rs.
nambuco em 28 de Janeiro de 1852. Eu
Joaquim Jos Pereira dos Santos Escriro o
subiscravi.
Custodio Manotl da'JSUvafiuimarats.
>cclara9es.
Curso jurdico de Olinda.
Avisos maritimos.
- Segu para a Babia em poucos diaa o
hiate Novo Olinda, para carga e passageiros
tratase cosa Manoel Dias na Senaaila Velha
n. 139.
Para o Cear, sahe a qualquer da o
Osexame's'prVpaaloroacomecarSo no hiate Anglica : quem nelle qulzer carre-
dia tres de Fevereiro prximo vindouro gar. ou ir de pass.gem. dtrHa-se a ra da
guardada a ordem seguinta : segunda fei- Csdea do Recife n. 49, segundo andar.
ra latim. terca leira rhetorlca, quarta fera. .,p"a ,u" w.:__ .:.
lgica o geometra, sexta feira francez e 8aa.towsjai**e>) "P*"*1
inglez, s.bbado goograpbia e historia. nal Concenflo, capitSo Jo'qu" r*mira
N. B. Havendo impedimento em qualquer dos Santos, quem no mesmo 2u'zer """
dos referidos dias licar substituido pelo Ifar dirija-se ao escriptono da Manoel Alvas
dia quinta feira ; o que eu Manoel Zacaras Guerra Jnior: na ra da Gru10. 40.
da Silva Braga de ordem do director nta- -Freta-se a baicaaTentadora Mtpir-
rinof.so publico para couhecimento dos'qualquer porto do Norte ou Sul,.comiprefe-
mteressados. Olinda 30 de Janeiro de 1852. Venca para o da Parahiba e tambem se ven-
Precisa-sede um mestre de latim pa-
ra dar licOes a um menino dentro desta
cidabe; quem estiver nestas circunstancias
annuucie para ser procurado.
Precisa-so de um caixeiro para venda
dos chegados de prximo: no becco Largo
do Recife venda que volta para a Seuzalla
nova.
Oa freguezes dasbolsxinhasdoces ame-
ricanas as poderSo procurar junto a mesma
padaria em urna venda pois he o nnico de-
posito das verdsdeiras bolaxinhas ameri-
canas.
No da 29 do corrente Janeiro de tarde
auzentou-se a preta crioula de nomo Mar-
garida, altura regular, cor preta, rosto lizn,
e redondo, perto do sangradouro do braco
direito tem urna cicatriz e no dedo
apontador da mesma mSo tem um talho de
fresco, tem as mSos o dedos bastante carnu-
das, i Jade 20 a 24 annos, : levou vestido de
chita de listas rochas enviazadas e cor de
cafe com leito.coni oropinhodo mesmo vas-
tnl'i franzido na cintura e no talho, pao
da costa azul e encurnadu bastante velhbi
quem a mesma Meta pegare levar na pra-
i;a da Independencia n, 17, ser bem gratifi-
cado do seu trsbalho.
-- Jos Francisco Gomes dos Santos em-
barca para Lisboa a tratar de sua saude.
Casa de modas francezas, madama Milocliau
Buessard ra do Atierro da Boa Vista
n. 1
Pelo navio o Havre recebeo-se um lindo
sortimeoto das ultimas modas de Paris ;
em chapeos de senhoras, manteletes e en-
feilos de cabera e de vestidos. Ricos cha-
peos ; capotinhos de rede de retros de co-
res, bordados, ditos de bieo, ditos de cam-
braia ; ditos de seda, enfeitos de cabeca e
loucados para senhoras; ricas fitas dores e
luvss ; cabecOesde blonda e do lindo bor-
dados romeiras e camisinnas de bico bor-
dado ; mantas de blonde para noivas ; ricos
bicos e habidos ; mangas de bico ricas e
simples; lencos de cambraia de linho bor-
dados, bicos, transas e franjas psra quares-
ma; mantas de bico preta para mlssa ; um
sortimento de pulceiras de todas as qua-
idades ; gravatinbas de fita de velndo e pul-
ceiras com as fivellas ricas de madre de pe-
rola, faz-so sempre tudo o queemeommen-
darem segundo ss modas de Pars por prego
commodo.
100:000 de gratificacSo.
Roga-se as autoridades policiaes que
capturem oescravo Manoel, pertencente a
SebastiSo Marques do Nascimento, fgido
desde o dia 8 do mez de Setembro de 1851.
Foi elleescravo do Sr. Gabriel Aonso Ri-
gueira, a quem foi comprado ltimamente :
tem 28 annos de idade pouco mais ou me-
nos, cor fula, com falta de dous denles na
frente, e de cabellos do lado esquerdo da
cabeca, que se torna bem visivel por pare-
cer urna corea, tem ollios pequeos, beicos
grossos, sem barba, baixo, corpo regular,
e be olllcial de funileiro. Trajava jaque-
la de riscado azul, caiga branca, camisa de
madapolSo, e levou urna trouxa, conlendo
caigas o jaquetas : quem o appreliender e
levar ra da Aurora n. 62, reesber a gra-
tificacSo promettida. Suspeita-se que foase
seduzido, e por isso desde j protesta-se
contra quem o conservar em seu poder.
Precisa-so alugar urna escrava que te-
nha capacidade para lomar-conta da casa de
um homem soltei ro, sabendo cosinbsr, son-
do limpa e cuidadosa, dispeosando-ae o en-
gommado; quem ti ver dirija-se a roa Dire-
ta n. 72, ou annuncie.
-- Deseja-sa fallar ao Sr. Antonio Nones
de Azevedo Campos, natural da fregueziade
S. Bento, da Villa do Porto Calvo, a negocio
de seu interesse e dtaua familia : na ra do
Queiinado, loja n. 7.
Jos Pereira da Cunha, tem contac-
tado comprar as partes da casa da ra do
Trapiche Novo, e da qual he com-senhor, aos
herdeiros do fallecido Lino Francisco Xa-
vier .- quem tiver objecgdes a fazer por es-
criptura de hypotheca, ou por outro qual-
quer tracto a respeito, queira faze-lo publi-
co por este Diario.
Manoel Francisco Coimbra, tundo ne-
cessidade de ir a cobranga, do que se Ihe de-
ve, lora desta cidade, e devendo-se demo-
rar algum tempo nessa diligencia, consti-
tuio seos bastantes procuradores sos se-
nhores Manoel Jos de Azevedo Santos ,
Francisco Jos Baplista, e Manoel Mara Ro-
drigues do Nascimento, com todos os pode-
res para em sua ausencia trataren de todas
equaesquer negocios, que Iba disserem res-
peito, como ae presente fosse.
Offerece-se um rapaz portuguez, com
bastante pratica de loja de fazendas, como
para escriptorio, ba pouco chegado do Cea-
ra,dseja-searranjar, para oque dallador
a sua conducta : quem o pretender, dirija-.
se a ra do Cano a. 7.
o armazem de Pedro Antonio Telxc.
ra GulmarSea, na ra da Concordia, ezis
tem 6canosa de amarello, de 30 a 36 p,|.
mos, sem defeitos algum, as quaes se ven.
dem por todo prego para acabar: trata seno
dito armazem at o da 3 do prximo mez
do contrario sorSo embarcadas para fura d
provincia.
Antonio Martina Vianna Jnior, retira-
se para o Porto.
Preciaa-sa de urna ama forra, ou cap.
liva, que faga todo o servicoxle urna casad,
pouca familia : na ra da Cadeia confroola
ao theatro de S. Francisco n. 8.
No dia 4 do corrente desapptreceu di
casa do abaixo assignado o'preto africano
Aurelio de estatura regular, cheio do cor-
po, ps largos, com urna marca em um dos
lados do rosto : quem o capturar ser gra-
tificado.
lloilol/o loilo Barata d'Almotda.
Aluga-ae urna negra creoula, moc,
para criar, com muito bom leite : quem j
pretender, dirija-se a ra Velha n. 21,ou no
aterro da Boa Vista, loja n. 78.
~ OITorece-se um mogo brasileiro, pin
caixeiro de venda, do que tem bastante pra-
tica e he pessoa muito capaz : na ra doVi.
gario n. 14.
Alngt-se o terceiro andar e solSo di
casa da ra da Moeda n. 7 : a tratar na mis-
ma, de meio dia at 2 horas da tarde.
Madama Routier modista fraaceta
Rua-Nova n. 58.
Partloipa ao respeitavel publico e princi-
palmente a seus freguezes quetememsui
loja um lindo sortimeoto de fazendas fran-
cezas e tudo que ba de mais moderno en
Paris ; ricos chapeos :de seda de todas ii
cores, dito de palha d'ltalia abnrto, muito
bonitos chspeosnhos de seda e de palha re-
dondos para meninos e meninas de urna
seis annos. com abas largas de lindos en-
feitesede todas as cores ; um liado sort-
mento de trangss e franjas tanto pretas co-
mo de cores; capellas de flores muito ricis
e modernas ; um grande sortimeoto g
filos de todas as qualidades; muito linJoi
manteletes de filo preto; chales, mantts,
manteletes e capotilbos de seds do melhor
gosto ; chamelote preto; (llores finas, man-
guitos de bico para senhoras o mais mo-
derno gosto, setim, tafets de todas as co-
res, plumas de crese brancas para enfeite,
atacadores para botins de sonhor, ricas la-
vas do pe i ca para senhora esenhor, luvis
prelas para senhora, bicos de linho verda-
deiro, ricas romeiras bordadas, ricos ton-
cados de senhora para bailes ou thealro,
chapeos de montaria, lencinhos de seda, li-
les de veludo para punhos e pescogo, de ve-
ludo preto, lengos de Cambraia psra senho-
ra, llores e ramos de flor de laranja; ai
mesma loja\fazem-se vestidos de casamen-
to, de baptis'ado, tocas de menino e de se-
nhora, capotinhos de todas as qualidades,
com perfeigSo e prego commodo recobem-
se todos os mezes figurinos modernos, que
impresta a seus freguezes.
AOS DF..NTES.
-- J. A. S. Jane dentista, tem a honra de
avissr ao respeitavel publico, que se ach
rezidindo na ra Nova n. 19 primeiro an-
dar, aonde estar sempre prompto a qual-
quer chamado, desde s 9 horas da manh3i
at as 4 da tarde; o annunciante encherta
de um a todos os denles, que por isso tem
um completo sortimeoto de denles artifi-
ciaos, incorrutiveis e de porcelana,mui de-
licados e do ultimo gosto ; e todos os mais
accessorios tendentes a sua profigSo, asss-
verando a tolas as pessoss que sequizerem
utilizar do seu prestimo que nSo elige pa-
ga alguma, nSo ficando os dentcs*bem pos-
tos que nSo se possa deferengar dos proprios
naturaes, e podendo-se mastigar com os
meamos toda s qualquer comida sem senlir
a menor dor nem ter receio de os quebrar;
tambem chumbaos denles naturaes Tura-
dos da caria com ouro, prata e metal bran-
co, preven indo assim a continuado da ca-
ria, dores e mesmo evitando por isso a for-
ma de passar a caria dos denles furados pan
os outros silos ; tambem tira pedras ou ca-
rias dos den tes em geni, que tanto os dam-
nelica e coopera para omoalitoda bocea,
nSo sendo tirado : o annunciante a 10 an-
nos que exerce a sua profisgSo nesta cida-
de, e os muitos exemplos que tem dalo
nesse longo tempo, ser quanto basta para
se garantir.
Anna Joaquina do O', faz saber a quem
convier, que conlinua com o seu estabele-
cimento de ensinar a ler, oscrevo, contar
as ijuntri) especies princfpaes, doutrina
christSa ; e bem assim a cozer, nSo sd liso,
como bordar, e laborinto : iudo isto ensi-
na por commodo prego, na ra da Cuia
n.45.
Emilio fiauch, retratista alc-
mao, tem a honra de-recommen-
dar-se ao respeitavel publico des-
ta prara e provincia, prometiendo
executar com promptidSo e per-
feico toda e qualquer obra de
sua arte : quem quizer utilisar-sc
de seu prestimo, he rogado de di*
rigir-ae a casa de sua residencia ,
na ra do Trapiche Novo n. a, ter-
ceiro andar, em todos os dias uteis
das 9 horas da
horas da tarde.
manhaa ate as 4
Paulo Galgnoiix, lentislit w
francez, oSierece sen prest-
4 mo ao publico para todos os *
mlstci-es sua proflaso: A
4 pode ser procurado a qual- aj
qner hora e m sua casa, na g
ra larga dn'.lozario, la. 3t, ,
see-undo andar- 0
Aluga-se a padaria nova do Mangui-
nha, com todos os seus perteoces: quem a
pretender, dirija-se a casa junto a mesma ,
qne achara com quem tratir.
Flores de gomma,
para cabello e cima de mesa, bonecas, ole.,
faz se com perfeigSo, naturalidade e bom
gosto : na ra do AragSo n. 12, segundo
andar.
Tinturara franceza, no aterro da
Boa Vista n. 17.
Tinge-se toda e qualquer hienda de 13a,
algodSo, seda e linho, tanto emobraa como
em pegas e com muito asseio ; assim como
se alimpan casacas e outra qualquer ropa
de pao, que tiver nodoas, pondo-se como
novas e por pregos commodos.
Aluga-se oseguodo andar do sobrado,
da travessa do Sar.palel, com commodos pa-
ra grande familia, poia tem um grande so-
tu com dous quartos : 03 pretndanles, di-
rijam-se a Cambo, do Carmo o, 33.
OSr. Bernardo Jos da Costa boje empre-
ado no comiterio publiico queira ter a
bondade de ir a padaria do paleo da Sae-
ta Cruz, n. t, a negocio que nSo ignora.
Precisa-se de um feitor de boa conduc-
ta, para um sitio perto da praga : a fallar
na ra da Madre de Dos, loja do fazendas
n. 16.


V
' .m
Caligrafa
Na Ra do AragSo, n. i2, se-
gundo a ndarj copia-se com perfei-
r5o qualquer papel em muito boa
eltra e por pre90 commodo.
,..*??**<*?*?'"
D. W. BAYNO.N. J
.. CirurgiBo dentista ame-
>. rm Laat. ricano, avisa ao respe- 9
I i^^W tavel publico destacidade 9
X ter recntenteme voltado dos Estados 9
fi Unidos, e que se icha prompto a ftzer
toda a quilldida de operaco parten- g)
m cen-te a sua arte segundo os me-
a Ihoramento mais modernos: pode se 9
Z procurar no hotelFrmcisco.

Banco de Pemambuco.
A direoQSo do banco tendo em considera
racSo os pedidos que algumas pessoas desta
provincia lenho feito para se Ihe reservar
algumas acfles que queriSo assignar.tomou
a resolucSo de reservar um peqoeno numero
de accfles para esta pessoas que convida a
vir assignar no cscriptorio do Sr. Hanoel
Concalves de Sonta tt odia 31 do correte
mez de Janeiro feehando-se nesse di as as-
signaturas por todo o capital cffoctivo do
Banco por haver pessoas que querem to-
mar o reslanteque nesse da houver.
___ l'recisd-sc alugaruma escra-
va, que seja boa cosinheira e com-
pradeira, : quem a tiver dirija-se
a ra da Assumpclo ou muro da
l'enha n. 16.
Arrendase, e tambem permula-se,
por urna oaaa de sobrado de dous andar
no bsirro do Recite, S. Antonio, e Boa-Vis-
ta, com commodos sufllcientes para grande
familia, um altio muito perto da praca, por
ao sahir da Soledade para o
ser logo
-- Preoisa-so de alugar urna prata eapli
va, que aaiba fazer todo o servico de urna
casa de pouoa familia; pana-so meofal-
meoto 10,000 rs.: na praga da Independen-
cia n. 38.
-- Acha-se farlnha nova de SSSF, (de ra-
minba) para vendar, nos armazens de Dea-
ne Joule t Comr-aobl, n0 beccodeGon-
cslves. ,_
No pateo da ribelra de S. Jos n. 15,
lava-so e cngoiunia-sc com peifoico e ic-
ceio. .
-Aluga-se urna preta escrava para loao
o servico de urna casa de familia : na ra
da Alegra, n. 4*.
Joaquim Ribeiro Pontea tendo contal
e letras de alguns senhores que tem deixa-
de pagar-lhe, uns pot amizade, oulrospor
rolaxacSo tanto da parte do seu cobrador
como dos devedores, roga pelo presente
aos meamos Srs. de virem quanlo antes pa,
garseus dbitos a ra da Cadeia do Reciie-
n. 5* aisegurando toda a contemplado nos
juros : o se assim o nfio flierem passarSo
a ser demandados, o que ser urna vergo-
nha para os devedores alem do abuso com-
mettido, alguns ate ba i5 annos.
ltenlo.
Nova fabrica de chapeos de Sol no atierro
da Boa-Vista n. 22, acha-se um grande
sortimento do chapeos de Sol muita
em conta, tanto para homem.como pira se-
nhora, como seja de seda ou de panninbo, e
grande sortimento de pecas de sed. ede pa-
panoinho para cubrir oschapos de Sol ja
usao.tambem concerta os dittos peol preco
mas commodo do quo em outra qualquer
o parte com toda romptidSo,
O Sr.Bernardo de Albuquer-
que FernandesGama, queira man-
dar pagara subscribo deste Diario.
Na primeira audiencia do lllm. Sr. Dr.
juiz dos feitos da fazenda,so bSo de arrema-
tar os seguintes objectos : um engenho de-
nominado Barbalbo na freguesla da comar-
ca do Cabo, com todas as suss trras, mat-
ine logndore, casal do engenho, de vi-
venda o de purgar, com 30 furos e 3 baleOes
Manguiobo, com 080 poucos arvoredos de grandes, senzalla para pretos, 1 moonda, *
fructo, cbSos proprioa, com grande, e de- tachase um parol de caldos, ludo de ferro,
cente casa de sobrado,esolao, toda envi- eoulrosobjectosivaliadosem38:000,000rs.
dracada, contando 15 quartoa, um algrete1 ,. da mesma forma v3o a praca os bms an-
na frente, o qual be todo murado, e eogra- nunciados m o Diario de Pematnbw de 26,
dado, com 2 portoes de ferro, e columnas, J7 e 28, de novembro do anno p. possado,
com 4 lefles, e no fundo outro portan, duas| excepto de alguns queja foram arremi-
erandesestrib.ri.s para 7 cavallos, e Seo-, tadoi. ,
cheiras, casa para pretos, ecozuha, gran-1 Aluga-se urna escrava, para todo ser-
de poco d'agua de beber, e tanque para ba- vico de urna casa : na ra do AragSo n. 40.
, nho: quem cooviresU permuta oo.rren- pr8cisa-se aiugar urna casa terrea em
damento, dirija-se ao mesmo sitio a qual- amt at8 rdtg seguintes : Cruzes, Flores,
querhoradodia, a traUr como seu pro- Bella, Floronlina Orlas, Agoas-Verdes,
prietario, que neste casa vender um excel-; Trincheiras e Direita. Quem tiver annun-
lonte, e novo carro de 4 rodas, e urna boa, ci, ou dirija-se ao segundo andar do so-
E MAIS OFFIC1NAS
NA
lina Imperial n. 118 e 12o, e deposito na ni Nova n. 33.
Respeitosamentoavisam ao publico, e particularmente aos Srs. deengenhose des-
tiladore, ele., que este esl.belecimento se acha completamente montado, com.ipro-
por^Oes necessarias, para desempenhar qualquer machina, ou obra concernente ao mes-
mo. O mesmos chamam a attencSo para as seguintes obras, ai ajuaes construidas em sua
fabrica competen comas fabricadas na Europa, na qualidade amSodeobra, e por me-
nos praco, a saber :
MACHINAS oontinuas de destilar, pelo mettiodo do autor francez Derosne, as me-
lbores machinas, que para este fim at hoje tem apparecido.
ALAMBIQUES de cobre de tedn as dimensoes.
TODOS OS COBRES necessarios para o fabrico de assucar.
TAIXOS DE COBRE para refinacSo.
TAIXAS DITO para engenho.
DITAS DITO movis para dito.
BOMBAS DE COBRE de picote, de repuebo, de roda e de pndulas.
ESCRIVANINHAS de lalSo dos melhores modellos.
DITAS DITO galvanisadas. u
SINOS de todos os tamanbos.
OS APRECIA VEIS fogOes de ferro econmicos.
BURRAS de ferro as mais beru construidas.
CARROS dito do ni.Vi.
PORTOES de ferro.
VARANDASdito.
GRADIAMENTOS dito.
TAIXAS dito.
CALDEIRAS dito.
BANIIEIROS do zinco e de folha, para banho de choque._______________
parelha de cavallos.
Precisa-se saber d'alguma senhora
que esteja habilitad para curar doenles
para se Ihe entregar um molequinho que
est com principio de orna dyarrha de
singu : a tratar na ra da Cadeia do Ke-
cife, n. 54.
-- A. Ilenriques Willmer, tendo de ven-
der a grande parte que tem no sobrado de
dous andares sito na rua|lmperial, onde est
a fundicSo, d'accordo com o Sr, JoSo Jos
do Carvalho Moraes. como possuidor de urna
parle, roga portanto a quem for autoriza-
do, por urna pessoa da cidade da Vietori
que tem tambero urna parle no mesmo so-
brado, haja de apparecer para tratar-se des-
se negocio : na ra do Sol por cima do ar-
mazem de capim.
Desaja-se fallar aoSr. capilSo Antonio
Benedicto deAraujo Pernatnbuco: na ra da
Cadeia do Recife n. 54, para se Ihe entregar
urna carta e uns papis vindos deMaceid.
Desapparecau no da 26 do correte ,
urna escrava preta, de nomeMaria, com os
signaos seguintes : cara descarnada, cor
fula, olhos pequenos, nariz chato, bocea ras-
pada ps acambitados, baixa o bastante
brado n. Matul do Theatro Velho.
SALSA PARRILHA DEBRISTOL
MSilMium^DSAMS.
tt
A salsa parrilha doBristol dala desde 1832, e tem constantemente mentido sua reputa-
~cirurg5o*Bernardo Pereira do Csrmo 'afo, sem necessidade do recorrer a pomposos annuncios de qiieas propara<;Oesde me-
fazscienteas pessoas que a tempos Ihe la-, rito podem despensar-se. Osucesso do Dr. Bnslol tem provocado inllnitas mvejas, e
laram e mesaos quem convier e quizer.pa-;entre outras.asdos Srs. A. R. D. Ssnds, de New-York, preparadores e propr.etanos da
ra or aneio de um ajuste razoavel, os tratar salsa parrilha conhecida pelo nomede Sauds. ... ._..- .
animalmente das molestias que possamap-1 Estes senhores solicitarlo em 1842 a agencia de Salsa parrilha de Bnslol, e como n5o
parecer, que tenham a hondada de virem alo pudessem obter, fabrfearo una imitacao de Bnslol.
casa de sua residencia na ra do Rozario j Eis-aqui a carta que os Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bnstol, no da 20 do abril
larga n.30,para os poderlantaremn.de seusido 1842, eque se acha em nosso poder :
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nosso apreciavel senhor. .... .
Em todo b auno panado temos vendilo quantidades coisideraveis do extracto de
salsaparrilhadevm. e pelo que ouvimos dizer de suas virtudes aquelles quo a tem usa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentara multissimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vantsgem, tanto a nos
.,... -_,....u_... --~-r-- Pnmn- vm Temos muito oraior que Vm. nos responda sobreest assumpto, e se Vm.
mVm l^VJSn'S 2S&A& I ~:&SSSf Ug!. semolhante, loriamos muito pr.zer em o
mente, por precos mais commodos do que ver em nossa botica, ra do
em outra qualquer parte ; para esto mesmo
estabelecimeutosoiicha mudada a tinturarla
clientes.
Nova fabrica de chapeos de sol e
tinturara, no aterro da Boa Vis-
ta n. ii.
Nesta nova fabrica o respeitavel publico
achara um completo sortimento de chapeos
SALSA PAHRILHA DE
SANDS.
E^e excedente remedio cura todas as en-
fermidadas il quaes sSo originadas pela
Impuresa do singue ou dosystema ; a si-
ber : escrfulas, rhruavjatismo, prunelas
cutneas, bretiulliaa na ora, almoroiilai,
doerlfas chronicas, brebulhas, bortoeiji,
tlnha"; enctraefl8,e dores nos ossos, e jin-
tas, ulcar, doenr;as vonerias, citica, enfcr-
midades quo attafilo pelo grandi uso do
mercurio, hidropesa, expostosa urna vita
extravagante Assim como, chronicas de-
aordens da constituicKo, sero curabas por
esta t ro til, e appro'vada medicina.
a admnistracSo deste helo remedio, nos
ataques mais eslraordinsrios tem sido sem-
pre seguidos pelos mais felices resultados
naa suas operado l; porcm, o seu principal
objecto be de puriear n singue, e lm|iar o
svstema de qualquer influencia de mercu-
rio. No seu modu$ op'randi, he di recta-
mente como um remedio alterativo, ainda
que, indirectamente aerveao systema como
um verdadeiro tnico. Doeo^as nos ossos
e no systema grandular; assim como as
juntai, e ligamentos, aSo inleiramente cu-
radas pelo uso desle remedio, sem que o
doente faja resguardo algum, quindo usar
este remedio. A oppersfSo deste remedio
consisto em remover a desordem do ayste-
ma, e em breve terapoo doente ganhar a
sua saude.
A Salsa Parilba tem ganhado por mmlos
annos urna alta reputarlo, de ter curado
doencas mu diUlcultosas, que nenhum ou-
tro artigo de valor em materia medica lem
curado. He de saber que a Salsa Parilha he
um dos mais valerosas remedios que os
doctores usSo em toda a parte do mundo ;
com vistas de gaobarem a cura pelo uso de
tal remedio vegetal. Porm, deve-so da
notar, que nem todas as pessoas sabem pre-
parar este remedio, assim como esco-
lliercm a melhor parte que se deve usar em
tal preparadlo. Um celebre Medico escrip-
tor, que residi por muitos annos no lugar
soude ha a melhor prodcelo da Salsa l'a-
rilla dissa : Seis ou oito especies destas
raizes que crescem nesles bosques, admra-
me que nSo podesso icbar, se nSo urna,
com o gosto, e propriedade da verdadeira
Salsa Carilla, que se fossa recomrnendar
para medicina ; poisas mais eram inspi-
das e inertes. Porm, como os mdicos
nSo se d3o ao trabalho de fazerem as
suas propriss medicinas, mas sim eonfiam
nos seus habis boticarios, para a prepara-
ren!, o comporem diiTerentes drogas. ,fo, reu no Jja a3 rjeste tnez,
reos de todas ss prepararles de Salsa Pari-
Vendem-se cascos de pipis do Lisboa,
carrinbo de mfloe um jago de gimto : ni
ra da PraadeS. Rita, defronte da Riboira,
can n. 10 6 li.
Vende-so va canoa demllheiro, em
muito bom uso, por lijlos de a I venar agros-
sa e tenas : na ra das Trincheiras o. 17.
Vende-se ni rui do Crespn. 11 loja
de livros do barateiro, geometra de La-
croix al/000, geometra do marquex de
Puranigu 2/000, philosnphia de Charmar
3/000, li^Oes deeloquencia nacional 4#0OO,
burro de Salui'io SgOOO, lillimptica de
l.acroix lgOA9, mestre ingle ou gramma-
tica 1,600, vlgario ingle* 1,600, fbulas da
l.afonlaine a 1.200 obre o processo civil por Caetano l'ereira
5,000, escola mercantil aobro o commarcio
4,000, code do commerce par Rogron 2,000,
Iraildo droit penal par Rossi 3,000, insti-
tuicfieade medicina forenie 8,000, Horacio
.i.oiio e 1600, grande sortimento de livros
em allcmno, um grande alias allemo, atlas
par aaaulas 2,500.
-- Continua-se a vender gomma muila
alva, farinha do reino, issucar reunido, a
branco de Carolo, farinha do Maranhao a
80 ra. a Ib., chourieas novas, cha llylion a
2,400, dito bnsileiro, caf de earoco 140
rs., toucinbo de Lisboa 280 rs., graxa em la-
lata a 100 rs., azeitonis novas, e outros
muitos gneros do bom e melhor o em conta:
no pateo do Carmo venda da quina do beco
da Bomba por baixo do sobrado deiprimei-
ro andar n. 13. Na mesma casa a cima pre-
cisa-se alugar um preto sadio sem vicios e
nemschaquei pira o serviQO de urna casa.
-- Vende- una rica flauta de pau garna-
da com 8 chavea, le da melhor construcc3o,
vinda ltimamente deinglaterra : na ra do
Vigario d 9, irmasem de Carneiro &
Ramos.
'lranceza da ra Vclha n. 74, tingiodo-se to-
da e qualquer tszenda da seda, lia, ilgodSo
e linho, tinto em obra, como om peca e I
com muilo asseio, assicr como se '*-
casacas e outra qualquer ropa de
FicSo asrdeos de Vm. seus seguros servidores.
i
(Assignados) A. R. D. Sands.
limnlimi 1.' A antiguidade da salsa parrilha de Bristol, he claramente provada, pois quoella
panno d' desde 1832. e que a de San.ls s apparcceu em 1812, poca na quil este droguis-
ov. la "3o p.leobtera agencia do Dr. Bristol. _.._., _. ..
niagra; e o^^ebit. o J. l! J" J^* !,** *"" *' I "ZZXS&Srrwm p'.rilh. de Bristol he incontestivel. pois que nSo obs-
-.... ...= .,.. i por pre0SAm|^s^7sm^s(Jn|0 (ante a concurrencia da de Sands, e de urna porreo do outras preparares, ella tem man-
i desbotado : quem a pogar, leve-a a ra
a Assump;3o n. 24, que ser bem recom-
pensado.
Desappareceo ou furtaram da Sole-
ilado de casa do Sr. Davil, ni noite do da
.r.lo correlo, um cavallo castanho com
dous ps calcados, una estrelinha na testa,
em meas carnes, faca, sem andar e de se te
anuos, presume-se ter fugdo por ter dei-
\ ulii um i uJaco de corda com que eslava
. tu lirado, con lo/indo o resto : quemdel-
le dr noticia dirija-se cocheira na ra da
Cuia, n. 1 que se recompensar o seu tr-i
1 allio e se pagarlo todas as despezas.
Precisa-se alugar dous moloques : na
ra da Cadeia n. 13.
instrucc,ao elementar.
O eslabelecimento de instruccSo elemen-
tar, dirigido por Jos Xavier Faustino Ra-
0 abaixo assignado, agente do Dr. Bnn- 'id < reputacao aWUi toda a *"
1 As numerosas experiencias lem
rilha em todas as infermiJa-
jbiico, i "'""'"',""" pi.rnnurezado sangue.e o bom xito olilido nesti corte peto lllm. Sr.
que pelo brigue americano ^Ct^,ma^'>*g^gt9^ impe.ial de medicina, pelo llluslr.do Sr. Dr. An-
vindo de Roston entrado no corrento mez,, Jjj 1ASfni dinica, o em sua afamada casa da saude na Camboa.pelo lllm.
recebeunovoprovimentode pilulas vege- ionio Jom I exoto em w exercito, epor varios outros mdicos, per-
taes de seu prapno autor; estas celebres P'" ^V'm f'"^''^^'.r .it.monte as virtudes ellicazes da salsa parrilha de Bristol.
lulMlIoreeommernJ.dlipo**^*lm,S2tt*XS^itt na botica deSr. Jos Maria Conalvos Ramos, ra
pessoas a quem ellas tem curado de phtisi- venue-se a s.otw ""'",,' .,:.:.
ca, influencia, catarros, indigestOes, dis- dos Quarteis pegado ao Quartel de Polica. ^
pepsia, dores de cabera, dores ou pezo na,
nuca, que geralmente silo simptomas de
apoplexia, ictericia, febres intermitentes, I
billis, esca latinas, febre amarella, e toda a
HEQtS
classe de febres, asma, gota, rheumaiismo,
enfermidades nervosas, dores no ligado,
pleuresa, debilidsde interior, abatimeuto
de espirito, roturas, inflammafOes, incha-
, tOes dos olhos, accidentes, parlisis, hidro- i
mos, no aterro da Boa Vista n. 5, acha-se pesia, bexiga, sarampo; enfermidades dos
cm cITectivo oxercicio, desde o da 12 do( meninos, tosse de toda a classe, clicas, co-'
correle jaueiro. : lera-morbus, dor de pedra, lombrigas, de-
A vi /a-so a quenr convier, que a Capel- sin teri a, su rdez, vagados do ca boga erisipel-,'
la da .Senhora Santa Anna do rio doce filial la, ulceras algulas de 30 annos, cancros, lu-
do curato da S, he propriedade do povo, e I mores, inchac,Oes nos ps e pernas, almorei
queo sitio aonexo a mes na Capella Ibe es-| mas, errupcdJo de pello, sonhos horrveis,
ta sugeilo pola quantia de seis mil rs. an- pezadellos ; toda a qualidade de dores e
nuaespara paramentos & como melhor se molestias do mulhores, como obstruc;Oes,
poJera ver na Cmara Ecclesiastica ; e isto relachac,Oes etc. ote. ; heum medicamento
para nao haverem duvidas no futuro. iqlciramente inoffencivo, podondo applicar- |je sell9 numerosos freguezes e do publico
Precisa-se de urna ama de leite forra, se at as cranlas rescemnacdas; ultima- em g9ral,-tem aberto em um dos grandes
ou captiva, para criar um minino : na pra-; mente se tem applicado, a urna enfermida- lrmazens do Sr. Mosquita na ra do Brum,
r;a da Boa Vista n. 7. de de molestias julgadas encuraveis, de cu- alraz jo arsenal de marinba, um
-- Ossenhores que Rcaram a dever, no ja applicac3o se lem tirado tflo felizesresul- fjepoSiio de machinas,
Ihaileviado ser da genuna, para quoofi-
cultitivo e o publico Dcassem bem lindos
as preparares de Salsa Parrilha a ser da
melhor qualidade. Pois he este o genuino
vegestavel,que seofferecwao poblico; nes-
te se v combinados o ulile cum dula ; pois
em inlinitos casos em que o doente espe-
ranzas algumas linha de viver, e grandes
quanlidades de remedios experimentados,
mas sem resultados de melhoras ; mas com
esta pura Salsa Parilha, suas curas tem sido
infaliveis, pois os certificados que temos
recebido de pessoas que tem usado deste
puro remedio, illirmam da sua boa efUca-
cia ; estes certificados temos a honra de
aprensentar ao respeitavel publico, para
que fiquemcertos, oque cima se diz, he
verdadeiro. Os proprietarios deste reme-
dio tem por muitos annos empregado todos
os meiospara prepararem este 13o ntil, e
essencial remedio da raiz da Salsa Perilla,
qne por flm, conseguirn! as suas vistas, em
prepararem um t3o valuoso reme lio, e seus
lao lindos resultados tem enchido os pro-
prietarios do gloria, e triumpho de terem
preparado urna linda compitilo contra
doencas, que o seu lint he. destruir o corpo
humano. Esta composicSo he qumica e
nova. Esta Salsa Parilha be combinada com
outros engredientes que lodos elles perten-
cem classe vegetal, e todos com o poder
de purilicarem o singue. O doonte que usar
desta composicSo, pode comarque tem o
mais eflicaz remedio, para a sua enfermi-
dadeusa. O nico agente nesta cidade he
Vicente Jos de Brito, na ra da Cldea do
Recifo botica n. 61.
Quem tem para arrendar um sitio pe-
queo perto do Recife, sendo na Soledade,
ra do Hospicio ou outro qualquer lugar que
seja perto.innuncie por esta folha.ou dirija-
fi aessatypographia
DAURORA
C. Starr & Companhia,
Rospeitosamepte annunciam que no seu ex-
tenco estabelecimento em Santo Amaro,
continua a fabricar, com a malor perfe<;ao:
e promplidSo, toda qualidade do machinis-',
mo para o uso da agricultura, navegado o
manufactura, e que para malor commodo
lados que parece cada vez mais resolvido o ii.irimnh
llocilen. I.alino Jos de Castro Araujo. e' problema de um remedio universal: ven- construidas no dito seu asti
armazem de molhados da ra da Cadeia do
' problema 'da um remedio universal: ven- w7jr_5.j compradores um comple-
que com elle nao tem outras relacOes, sao dem-se com o seu receituano, r.a ra da ,l''?_',!-.li1, .i. panna com
rogados, satisf.zerem seus dbitos, com. Cadei.-Velha n. 6l.botic.de V.cente Jos %**^U^{^*&*
maior brevidade poss.vel i dingindo-se pa- de Br.to t,dos "fiHSHJ que a experiencia de
raisaoaoseuescriptorio, na pr.qa do Cor- Ofljcina de enc.dern.ao na ra do T0S.,e u''"', mn\r., fl r-ressidade
po Santo n.2, ou ao mismo armazem, ao Collegio n. 20, primeiro andar. O padre m^lSt^^aM TiU iZ
Sr. Jos Jorge Pinto, que Ibes dar quitacSo. Francisco Coelhode Lemos e Silva faz scien- .', 'P": ,, "? ,.mnhn tanto hallas
- Protendo-se arrumar par. calxeiro de te ao respeilavel'publico que tem mudado ^SS^iSSS^rTmmmm
,ou outra a su. residencia par. .ru. do Collegio n. CO^Til^SfSZt SS
ra, loja, armazem de assucar,
'. conduzir formas de assucar, machinas para
qualquer occupacSo, um moco de 16 an-, 20, primeiro andar, onde continna a enea- ***** "S^Tr^rr^ZAuTi^Z
nos, natural do Rio Grande do Norte: quem dern.r. e espera a mesma considerado e **&"2%*J?JttSe
dello precisar, entend.-se n. ra Imperial favor que sempre tem receido. Ahi vende erro b-t.do pera Ur ni.. r.d de lar
bel isa pela mesma : na pateo do Carmo, es
quina quo volla para a ra de Hurtas, segun-
do andar.
O Sr. Francisco Joi de Sania Anna,
morador no Ciqui, queira dirigir-ae a ra
do Queimado, loja n. 18, no praso de 3 dias.
-- Aluga-se o terceiroandar, da casada
ra do Queimado n. 9, a tratar na loja.
Precisa-ae cUnini feitor para olaria ,
quo lenba alguma ortica deste servico: na
ra da Aurora n. 44.
Josepba Epifana da Fonseca, est jus-
ta com o Sr. Malheus Jos Gomes, a comprar
ao dito Sr., o seu sitio da Capunga : quem
tiver aguma reclamado a fazer o faca nes-
tes 3 dias.
-- Aluga-se o segundo and.r do sobrado
da ra Direila n. 120, com commodos par.
grande familia : a tratar ni loja do mesmo.
O Sr. Gervasio Rodrigues Campello,
lem urna carta na loja da ra do Passeio
n. 21, para so Ibe entregar vinda da Pa-
labyba.
Um rapaz bnsileiro, que ji foi caix,ei-
ro de umi casi estringeiri de grosso trato,
e da qual tem muito bom itteitado de sua
conducta ; se offerece para caixeiro de qual-
quer outra para casa ou ctbrancas de ra.
dando coohecimento de sua pessoa ; na ra
i da Soledade n. 44 indo pela trempe.
folliise tem para vender tanto em poroso ----, .,,. ,n,i.
comoaretalhocartlsde A. B. C, taboadas, telligente habilitad ^P?""c,08nr,. "^"
cartilhas cathecisojosdo differentes edicOes ecoo.menda. et. etc., Qtae oa nnnc'nf.
e precos, verdade aos meninos, sinopses, tea,eotvfaliteO**'*. + *'.Lg.
Fleury, deveres dos horneo, pudautas, l.nas e machin.smo, e peric.a do ,
procura50ei bastantes, rotlos para garra- ciaei, ae comprometlom
fazer executa.r,
perfeioto, exacta
obras da sua arto, Bowman & Me. Callum
deseiam mais particularmente chamar a
.llenero publica para a sseguintes, por
erem dolas grande sortimento jprompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com s fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em pre^o como em qua-
lidade da materias primas e m3o d'obra
asaber :
Machinas de vapor da melhorconstrucc3o
Moendas de canna para engenhos de to-
dos os tamanbos, movidas vapor poragoa
ou animaes.
Rodas d'agoa.moinhos de vento eserraas
Manejos indepondentes para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzesechumaceiras.
Cavilbes eparafusos de todos os tama-
itos.
Taixas,pares,crivose boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fog3o e frnos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a mSo, por animaes ou vento.
Guidastes, guinchos e macacos.
Prensas hydrauhcas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, cirros de m3o e arados de ferros
etc etc.
Alm da superioridade das suas obras, j
geralmente reconhecida, Bowman & Me.
Callum garantem a mais exact conformi-
dade com os moldes e dezenbos remolimos
pelos senhores que se digoarem de fazero
Ibes encommendas, aproveiUndo a occasiSe
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que teeni
sido por elles honrados, e assegum-lbes
esloicos a diligencia
Compras.
i, se-
Na ra do Vigario n. j,
gundo andar, compram-se escra-
-1 vos Je ambos os sexos, de i2 a 3o
annos de idade, pagam-se bem a-
gradando.
Compr.-se um esenvo da-idado pou-
co mais ou menos 40annos: na ra da Sen-
zalla velh.n. 96.
Compr.-se effectiv.mente papol Dia-
rios a 3,200 rs. a arroba : na ra larga do
Rozario n. 15.
Compra-se um escravo de nacao, mo-
co, com principio de cozinbeiro, on habili-
daue para o ser : Irata-se na ra da Cruz n.
4, primeiro andar.
-Na Ra Nova, n. 63, compram-sebi-
cos e rendas feitos na trra da largura de
um dedo at um palmo.
Compra-se umi escrava creouri, ou mu-
lata, sendo moca, de boa figura e com ha-
bilidades : em Olinda, no sobrado da ladei-
ra da S.
lUtUIWa !! JJ"t
fas de vinbo. e livros," letras, conhecimen- com a maior Pre""
toa, fo.linhi.de lembranc.s, edicSo de Pa- *'*ttSZ l'if^Z^foTne-
Vendas.
FOLU1NHAS PARA i5a:
Vendem-se blhintMs de porta
de padre, e de algibeira de tres dif-
ferentes qualidades,sendo urna del-
tas com o almanak da cidade e pro-
vincia: vendem-se nicamente na
praca da Independencia n. 6 e 8
dimito de JNantua a
800 rs.
Vende-ie a historia de Sim8o de Nantua,
a 800 rs. : na livraria da primada Indepen
que u3o pouparBo ------.
para coQtinuarem i merecer sua conanci. aencian.6e8.
Lotera do Rio de Janeiro.
ris, traslados, livros em branco etc.
n los, a
cidas.
ioatrucQoe que
J coasuLToaio cinibl uoMceoraTHico
9 "i vi i.Miiiiucs.
# Derigiao pelo Dr. Sabino Olegario lud- <>
M /ero Pinko.
4 Ra do Trapicbe Novo n. 15.
fl Todoa oa dias uteis se darSo consultas
9) e remedios de grifa aos pobres,desdo
pola manha, at as duas horas da tar-
8 de. As correspondenciss e imforma-
(Oes poderfio ser dirigidas verbal-
9) mente, ou por escripto, devendo o
9) doente indicar primeiro : o nome, a
9 idade, estado, profissao, e constitui-
(3o ; segundo: ai molestias, que tem
tido, e os remedios tomados; tercei-

2 Consultorio iouieo-
*
patlco.
# Ra do Collegio n. 25, pri-
meiro andar.
BOWMAN MC. CALLUM, engenheio
rol machinieta e fundidores da ferro mu
respeitosamenta annunciam aos Senhores
proprietarios de engenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes a ao res-
peitavel publico, quo o seu estabelecimento
de ferro movido por machina da vaporcon-
_ tinem eflectivo exercicio, eaeachacom-
ro : a poca do appar.ecimento da mo- 0 pletamente montado com apparellios da pri-
lestia actual, edeacripgflo minucioea, 0 meira qualidade para a perfelta confectao
dos sign.es ou symptomas que soffrer m) das maiores pecas de machinismo.
>t9>B9h999999 tMIMIJ Habilitados para emprehender quaesquer
i
9
Aos 20:000,000 de rs.
Na loja de miudexas da praca da
Independencia n, !\, vendem-aebi-
jlheles inteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio da 4
O Dr. P. A. Lobo Mosco- loteria (ia freguez.a de S. Jos do
so d consultan gratis aos R0 de Janeir0.
- No irmizem de rui di MoJa n. 15 ,
vende-se cal rfeLlboa em pedra, a mais no-
va que ha no mercado, cttegada no corren o
mez, no briguo Laya ; assim como "
doco em c.ixinhas delibra cada urna, ludo
pobres, todos os dias das 8
i as 1 a horas damanbaa. Pra- j
! tica qualquer operarao de ci- ^
rurgia, ou de partos. Rece- 9
I be escravos doentes para tra- 9
\ tar de suas enfermidades, ou 9
i fazer qualquer operacSo, por |
f preco commodo. ^
^##9af>9V##ftW1 xeain. 26.
por menos preco do que em outra quilquer
P*LteVende-se farinha de 8. Mittieus e de
SaoU Cath.rina, do ptima qualidade, em
uceas, por menos preco do que em outra
qualquer parto :
na ra do Remgel, arma-
Loteria do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 e 10:000,000 de rs.
O cautelista Salustiano de Aqui-
no Ferreira avisa ao reapeitavel
publico, que no da 3 do prximo
futuro mez, deve chegar do Sul o
vapor da companhia brasileira ,
coaductor das listas da ao. lote-
ra do theatro de S. Pedro de Al-
cantara, e da 4- lotera a beneficio
da Ireguezia de S. Jos, que cor-
e paga
immediatamente logo que receber
as listas, sem descont algum, to-
dos e quaesquer premios que sahi-
rem nos bilhetes, meios, quartos,
oitavose vigsimos, vendidos na
praca da Independencia n. i3 e i5,
loja de calcado do Arantes, e na
ra da Cadeia do Recife n. 46>lo;
ja de miudeas. Estao postos
venda os bilhetes e cautelas da 4-
lotera de S. Jos.
Bilhetes
Meios
Quartos
Oitavos
vigsimo
- Na ra da Cadeia do Recito, n. 49 e-
gundo and.r vende-se muito boa cera da
carnauba a 5#000 is. a arroba, saceos da
gomma, pelles de cobra mu grandes, a
chapeos da pallia a 10900 rs. o cont vin-
dos ulti mmente do Aracaty.
Deposito de tecidos da labri- "*
ca de Todos os Santos,
na Rahia.
Vende-se em casa de Domingos Al- -8
ves Malheus, na ru da Cruz do Re- *
cifen. 52, primeiro andar, algodao *
*" traiisadodaquellafabrica,B>uitopro- J
* prio para saceos e roupa de escra- ^
vos, ssim como lio proprio para re- ^
des de pescar e pavios para vellas, ^aj
por prego muito commodo.
aa,000
11,000
5,5oo
a,800
i,3oo
-
i
Ra lo Collegio n. 4.
Novo sortimento do chapeos de sol, par
hornera e senhora, a sabor :--chapeos da
sol do seda, armacao de baleia, de 4,500 rs.
para cima; ditos ditos para senhora, de 4,000
rs. para cima ; ditos do panno lino, de ar-
macao de baleia e de ferro, de 1,600 a 3,200
rs. : ditos ditos de armaSo de junco, de
1.200 a 1,800 rs., todos limpos: grande sor-
timento de sedas e pannos, em pecas para
cobrir os mesmos, baleiai para vestidos a
espartilhos desenboras. Concertam-se to-
das is qualidades do chapeos da sol, tuoo
com perfeieflo e por menos proco do que em
outra qualquer p.rte. g
Sobrado em Goianna.
Vende-se, muito em conta ,
nm bonito sobrado sito na ra
do Meio, n. 58 avallado em
a:ooo|ooo,'em o qul tem parte
rsua Mara das Vrgens e sua
irmaa Joaquina Alves de Faiva na
importancia de 107,473 rs. quem
pretender dirija se a caa de R.al-
kmann lrm5os,raada Crur,a. 10.
a^toiTPailhet& Companhia.
Continua-se vender no deposito
oral da ra da Cruz o. 58, o excel- :
Pwtee bem conceituado rap; .reto :
oret.d. fab.icadeetoisPailhetft |
Comp.nt.ia d Baha, em grdese
pequetas porctes pelo preso estaba- 9
''ionmim:mmmmmmmmmm
MANOS.
Vendem-se em casa de Kalk-
mann Irn.Sos, na ra da Gru n.
o, ricos pianos de Jacaranda, com
excellentes vozes
pouco tempo.
Charutos de
De superior qu.lid.de
chegados ha
Havana
vendem-se no ar-
mazem de Kllcmann IrmSos, na ruada
Cruz n. 10.
MUTILADO


__ Vende-se farinhn fontana
muito superior e nova no merca-
do : a tratar com Manoel da Silva
Santos, na ra do Ainorim n. 5C e
58, ouno armazem do Annes no
caes da alfandega.
Vendem-se rouilo bons presuntos, re-
ceotemente chegados, como tambem mui-
to boa carne de fumeiro, salame, queijos
londrinos, concervas de todas as qualida-
des, manleiga muito frescal om frascos,
mustarda e muitos outros objectos : na ra
da Cruzarmaiem n. 15.
-- Vendem-se pelles de cabra curtidas,
o de encllente qualidade, em purcSo, por
baratissimo preco na ra da Cruz do R(
fe d. 1* 1." andar.
- Vende-se na rus da Cadeia do Recife,
n. 5, loja de Joaquim Bibeiro Ponles, ohi-
taa multo bonitas pelo diminuto preco de
?,000, 4,500 e 5,000 rs. pessa e a covados
de 190 a 160 rs, assim como cortes do cuita
caca por 2|000 rs., e muitas mais fazendas
que se venderSo por barato preco. Na mes-
maloja se vende urna porgo decaixoes
folha Je Flindres vindas com fazandas;
como bemuma porcSo de laboss de ama-
relio e de louro muito aeccas, e paos de
sirupira muito em conta. _
Vendem-se queijos londri-
nos os mais novos possiveis, por
preco muito commodo: na ra lar-
ga do Bozario, na esquina do bec-
co do Peixe Frito n. 9.
Brim militar a 800 rs., o corte de
calcas.
Vende-se brim entransado branco de nl-
SodSo lino, para calsa, pelo barato preco de
us cruzados o corte de calsa : na ra do
Queimado n. 8, toja defronte da botica.
Chitas a iao rs. o covado.
Vendem-se chitas de bonitos padrOes, a
seis vintens o covado, e lentos de cambraia
com bico, para mio de senhora e meninas ,
a dose vintes cada um : na ra do Queimado
n. 8, loja defroute da botica.
Vende-se um bonito bote, com lodos
osseus pertences e de muito boa construc-
(3o : trata-se na ra da Cruz do Recife, ar-
mazem n. 15.
Vende-se cerveja para mimos, em bar-
ricas des a 3 i|2duzias cada urna : a tratar
no armazem de Jos Rodrigues Pereira, na
Ma da Cadeia do Recife.
Vndelo urna preta que engomma,
cosioha muito bem e faz todo o mais arran-
jo de nma casa, 1 preto creoulo mogo, sem
officio, que serve para o campo ou ganha-
dorde ra por 300,000 rs., e 1 parda para
ama do casa, meamo de homem solteiro
Cor nSo ser bonita e ter boa conducta, la m -
em por 300,000 rs.: islo para ajuste de
conlasantigai: na ra larga do Rosario lo-
ja n. 35.
Couro de lustro patente.
No aterro da Boa Vista, loja de calcado n.
58, junto ao seleiro, vende-se superior cou-
ro de lustro a 2560 rs. a pclle, nao tem de-
feito ; a elle freguezes, que a pechincba be
pouca.
Cortes de sapatas d tapete.
Super<;;-eg corleg de Sapatos de tapete,
b?rJados, de lindo goslo a 480 rs. o corte,
e em duzia a 5000 rs.; assim como sapalo*
da mesma fazenda ji promptos : no aterro
da Boa Vista, loja de calcado n. 58, junto ao
seleiro.
He baratissmo a 3io rs. o covado.
rru af.i.iiiaoipiBaB?r 5*o"
Z .^ili-?^3i:l:! *?

lf4a>U!ni

3
I? l-s=
lili
isg-
c o o 2
E ^ o-r.
a r*
tfcf'M O
O o _
\\\
w <
- Se

3 o o a o 0
" 9
a q -
2.7 7 s ->
0 2
2.*
<* O q D O -
si
li'isflil'llil'i
I i 8
If i
a
~m *M
0>-
i
B
0,-"_Bo,egr
B-S-5-'o5s".s
2^3?3 5-S.o-S
So

- n 2
-5 -t, 3
O
o mS-"1 c 2 B 5'S g -'
Mi i
oa>c-cgcro
cB
ei
i-
B
a OI
N Q.
*
bS-
o
^ v> re
c rs
b5?
s
Ifi-
a
5 S
B o
o o
i

- o.

o O
-J (A
2-
B S
5 I
Br!Iifileirt;ifj b
m re I a.a-f*^^.aN= o.
*iIl8lWiJ|
5s?Is4|llU.-|if.
'?! fl fi a
a 5
a a
g-SS^rs-f^SSil-gg
i o
w. n
_ 2.5 3 b
gal2 8-:S.2.|
* = T
-o ja
18
s-SajS'
d.3 5SbSo-
121 iR'r'R ti
fMilhHiliS'l;! I
a a
32.
- c j: ,
ll*B>.Sg|e>3 S 5-
ll|iiif8!f?ll?!
1 1 y. re 1 re 1 *i o 1__'
re a
5,3
a-o
1
O I
Moinhos de vento
om bombas de repucho para regar borlas
dbaixasdecapim vendem-sena fundido
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6.8 e 10.
AttencSo.
Na ra estreita do Rosario, taborna n. ti,
que ftz esquina pira o beccoda ra doRo-
ssio, vaodea-M BUltO superiores pssssss
160 rs. a libra, marmelada em caixinbas de
libra, figos de calda, ameixas, nozes, amen-
doas, queijos muito novos, o que ludo so
vende por menos rreso do quo em outra
qualquer parte, e na mesma so dir quero
vende 100 espanadores muito bem feitos.
Na loja da ra do Crespo n. 10 vende-
so pelo diminuir |in<.'" panno fino muito
bom azul, o preto a 3000 o covsdo, seda li
za furia cores para veBtidoa 1,300 o cova-
do,chtasfrancezasa240 o covado, challes
Na raido Quemado defronte debecco do de'sedl 5 000 e 6,000, palils, cazaca de
Peixe Fnlo, loja n. 3, tende-se t.feta roxo v
rnuito encorpado com "^^nflKllffl Crespo n. 10. ven-
de mofo, pelo admirado preco de 320 rs. \mfm^mg^mtK^JTmm 20 varas
covodo. a 2000i cortes de casimiras a 2800. a 4800, e
Kua do Crespo n. aa. j 5000, mantas de seda para menina, e para
Vendem-se cortes de casimira muito finas gravata a 640, mantas de crep bordadas a
e modernas a 5,000 rs ; chapeos do Chile 5,800, ditas muito ricas a 8,000, lencos de
pequeos a 4,000 rs.; cortes de brim escuro j seda de cores a 1,000.
para calc,a a 640 rs. ; cha hysson a 500 rs. a | Na loja da ra do crespo n. 10 vende-se
libra ; meios chales de 13a a 640 rs j fil de 1 por diminuto pre^o, rnantelletes e capoti-
cres para vestidos a 480 rs. a vara ; lentos nhos de seda pretos,!e de cores a 10,000 o
de 13a e seda a 480 rs., e outras fazendas! I3,o00,brins mesclado de linlio proprios
baratas para fechar contas. I para palito e cazaca a 320 o covado, len;os
l'ctassa americana. decambraia de linho a 320, riscado largo
- No antigo deposito da cadeia velha, n., ul para roupa de escravos a 120 o covado,
12 existe um. pequea porcSo de polassa \ rjo de algodSo largo a 320 o covado, o
americana, chegada recentemente que por, onlras muiUs fazendas que so vende por
superior ivalisa com a da Russia: vande-J menos |paeco deque em outro qualquer
so por preco razoavel. I P,rle-
r !-, I 1 1__j- Vendo-so urna preta creoula que cose,
Cobertores de algodao. < engomm8i coz>Dba, e faz ludo o mais servi-
Superiores cobertores de algodSo de 01-, ^0> e tem um moleque flho da mesma es-
ferentes cores, tecidos a dous fios, muito crava com 5 annos, que val 300,000 rs.; e
grande, tero toda applcaco em urna casa de tu j0 se ven(e por 700,000 rs., o que he mui-
familia, por servir para meza de engom-'i0 barato pelo lempo, isto para liquidar :
mtdo c [orrarcamas e mesmo para escra-.na rua largado Rosario lojan. 35.
vos, pelo diminuto preco de 1,440 rs.: na Vende-se a roelhor farinha q
rua do Crespo n. 6.
Grande fabrica de chpeosle sol,
de J. Falque ma do Collgeio
n. 4.
Neste novo estabelecimento recebeu-se
um novo e lindo sortimento de chapos de
Sidos ltimos gostos, tanto de seda como
depaninho para horneas e senhoras, de ar-
macSo de baleia e de asso que se vendem
por menos preco que em outra qualquer par-
te ; grande sortimento de chamelote, sedaa
e paninboa om pe;a de todas as cores e qua-
lidades para as pessoas que quizerem man-
dar cobrirarmatOes servidas. Completo sor-
timento de btelas para vestidos espartilhos
para senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
concerta-so qualquer qualidade de chapeos
de sol: lodos osobjectoscima mencionados
se vendem em porcSo e a retalbo, por preto
3ue gradar aos freguezes vista da quali-
ade.
* Na rua do Passeio Publico, loja n. 9,
que existe
no mercado a bordo do brigue Sagitario en-
trado de S. Catherina no da 25 do corrente
(iie 111 pertenderqualquor por(3o dirija-so a
bordo do mesmo brigue, ou na rua do cole-
gio n. 17, -!.' nuilai,
Yelas de sparmacete-
Vendem-se velas de esparmacete
emeaixinhas de ao Ib, em casa de
Augusto C, de Abreu .na rua da
Gadea do Hecife n. 48.
Vende-se cebla nova vinde de Lisboa
despencada eem mol nos, por preto com-
modo : na rua da Cadeia, n, 18,
Na loja do sobrado amarcllo dos qua-
tro cantos da rua do Queimado n. 29, ven-
de-se as seguules fazendas finas e de goslo,
por rec/is de agradar ao comprador, corte,
de vestido de cambraia com barra e babados,
fazenda de nimio gosto e minio modernas
dito de cambraia de seda igual a blonda de
1
.;;m ,r, UD1IC0' !'J D: rico gosto, dito do seda do cores a 20 e 25/
r. .,.. ., ". blC,e rnd.a ter"' Ed rurta-cores e tambem seda de
ra, aucados, a 160 rs., e juntamente 18 ca-, furta.coreg em cofado, cnaies e mantas de
o, r^h'Sn'r'?6,^0 T P'" qU"" di superiores, manteletes pretos e de co-
quer oim. por praa^ comaiodo. re9a uftim, moda, chila francesa padrOes
Atoalhados de linho e de algo- decassa e cores lixes a outras muitas fa-
(lam. zendas de gosto.
Nalola do sobrado amarcllo nos quatro Vendem-se barris com breu,
cantos da rua do Queimado n. 29, ha para I Dor preCO Commodo, e em lotes a
vender loalhas de linho e de algoddSo e to- Y, ',
dos os Umanbose larguras, aasim como l vontade dos compradores : na rua
ero pe$a para vender a varas; e mais um' do Trapiche n. 36, escriptorio de
grande sortimento de guardanapos de, xi i... i.i; r,Ltln
nono de varios tamanhos, ludo por preco Matheus Aust,n & Gompanhia.
mnito commodo. Vende-se por preco muito
.#8! commodo, para fechar contas, sac-
Na loja pernambucana, rua g|ca8 com8Uferor farinha de ma-
,MJ. ,enP n" !. i dioca, muito fina e alva, nos ar-
vendem-se perfeitlssimos pellos, pu- ,.. .
nhos, e colannhos, de linho e fio de $ mazens de JUias t erreira e Antonio
Annes no caes da Alfandega: a tra-
- vende-se capim de planU por com- lar nos mesmosJou com ovaes
modo prego: no sitio da trempe, u.i. Gompanhia, na rua do Trapiche
Bichas d'Ilamburgo n. 3A,
cnegadas neste ultimo navio, muito boas e, Vinhn lo Tllniri nao-no
grandes, vendem-se aos ceios : na travs- MIlO UG l^liaillp.l^Ili ,
sa da Madre-de-Deos n. 9, assim como tem e superior qualidade : vende-se no arroa-
bolscioba muito nova, da quadrada e re- em Kalkmaoo IrmSos.Rua da Cruz, n. 0
donda ; barricas com dita grande tambem Na loja da rua do Crespo n. 10 ven-
nova, massas, passas, figos, ameixas, nozes, dem-se chapeos brancos castores a 8,000,
umendoas, vinho, vinagre branco e tinto ; muluzinas com Usta na frente 700 rs. a vara,
papel almago aparado, dito norete, farinha ciaas cacas de cores 800 rs. a vara,
fontana erailho; caixaa com onxofre, di- Vende-se bom fumo omfolba da Baha,
tas com ac, ditas com espermacete, e mais para charutos: na travessa da Madre de
gneros, ludo por preco commodo pan nSo Dos, armazem n. 7, de Caropello Filho; as-
escandalizar os compradores. sm como para milo a 4,000 rs. a arroba.
Vende-se por pre^o commo-
do, cal virgem, muito nova, che-
gada pelo ultimo navio, por preco
muito commodo .- no armazem de
Das Ferreira, no caes da Alfande-
ga, ou com NovaesSc Gompanhia,
na rua do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amar,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
DEVERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernacSo, a 500 rs.,
cada um : nalivrarian. 6 e8, da praca da
Independencia.
Superior cha nacional
em ramullas de -.! libras, e da melhor qua-
lidade ; vende-se por preco commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas de carnauba imitando
espermacete : na loja de seleiro da rua da
Cadeia do Recife n. 36.
Vende-se champagne da marca amiga
e bem conhecida, Come!, em casa de Deane
Yule a (.(impanlna : na rua da Cadeia.
Para baile mascarado.
Vendem-se mascaras de cera e de pan-
uo por preco commodo na rua larga do Ro-
zarlo, loja de miudezas, n. 44.
Ven le-se no armazem de Vicente Fer-
reira da Costa na rua da Madre-de-Deus,
loura azul fina avulso, apparelhos de meza
e cha dos roelhores modeilos e qualidades,
por preco commodo.
Moendas superiores.
Na fundicSo de C. Starr & Companhia,
om S.-Amaro, acham-se a vonda modulas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
ronstrucf fio muito superior
ptimo vi 11 lio branco.
Vendem-se barris de 5 em pi-
pa, com vinho branco de Lisboa,
da melhor qualidade queapparece:
trata-se na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Vende-se em casa de A-
damson llowic & Gompanhia, na
rua do Trapiche n. 4a panno de
algodao para saceos de assucar ,
muito superior e li ralo.
Na ruado Vigrio n. 19,1. andar che-
gou recentemente e se acha a venda a su-
perior bolaxinba de Lisboa propria para
cha, finissima marmelada emlataade li-
bra, e exceliente chocolate de todas as qua-
lidades medicinaes, onde se veude por
juntoou em porcSo.
AGENCIA
da-fundic3o Low-Aloor.
RUA DA SENZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a lu ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
FARINHA DE BALT1MORE,
muito nova e de superior qualida-
de : a tratar com Manoel da Silva
Santos, na rua do Amorim n 56
e 58, ou no armazem do Aines no
caes da Alfandega.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Rus
sia, nova e de superior qualidade.
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na rua do Amorim n. 35.
Vende-se urna preta com 40 annos de
idade pouco mais ou menos, de muito boa
conducta e propria para todo o sei viro no
armazem de Vicente Ferreira da Costa na
rua da Madre-de-Deos.
Cal vilgem de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, de p-
tima qualidade viiula no ultimo
navio : trata-se com Augusto C.
de Abreu, na rua da Gadeia do Re-
cife n. 48.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brum ns! 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Vendem-se velas de espermacete, em
caixas,de superior qualidade : em casa de
J. Keller & Companhia: na rua da Cruz nu-
mero 55.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na llahia.
Vende-se, em casa deN. O. Bieber&C.,
na rua da Cruz n. 4, algodSo transado da-
I uel la rabrica, muito propri para saceos de
assucar e roupa de escravos, por preroeom-
modo.
k)
Vendem-se ealugam-se bichas, che- -.<
gadas ltimamente de Hamhurgo, por
preco commodo: na rua do S. Amaro
n. 28.
Gasa de commisso de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commisso, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece muitas garantas
a seusdonos .* narua da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambSo de sicupira e bracos
da ferro ; na fundicao da rua do
Brum ns. 6, 8 e 10.
Cazemiras de cor.
Na loja do sobrado amarello nos quatro
cantos da rua do Queimado n. 29, ha para
vender um grande surtimento de cazemiras
de cores de superior qualidade e padies
muito modernos pelo baratissimo preco de
,000 rs. o 5,500 cada corte.
Agencia de Edwin 31 aw.
Na rua de Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
niniiiSi Companhia, acha-ae conalantemente
bona sorllmenioa de (alia de ferro coado e
balido, tanto raaa como fundas, moendaa In-
eiraa indas de ferro para animaea, agoa, le ,
dilas para armar em madeira de todoa 01 la-
manbo8 e raadelloa o maia moderno, machina
horiaontal para vapor, com forfa de i caval-
loa, coucoa, paaaadeiraa de ferro ealanhado
para caaa de pulgar, por menoa preco queoa
de cobre, escorena para navios, ferro Inglez
tanto em barraa como em arcos folha, eludo
por barato preco.
Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez: na rua
da Senzalla Nova n. /ja.
MUTILADO
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000
2:000,000 e 1.000,000 de rs.
Na rua da Cadeia do Recito o. 24, loja da
Viuya Vieira & Filtaos, ainda existom os
mu afortunados bhetes, meios, quartos,
oitavose vigsimos da quarta lotera a be-
neficio da freguezia do S. Jos, dos quaes
vem a lista no vapor que deve chegar no da
3 a 4 do mez prximo futuro.
Molduras douradas
de todas os larguras : vendem-se no arma-
zem de Kallkmann Irmaos,ruada Cruz n. 10,
Deposito de cal e potassa.
No armazem da rua da Cadeia
do Hecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vnnde-seeste compendio, approvado para
as aulas de priroeiraa letras, a 4o rs.: na
praca da Independencia, liviana n. 6 e8.
Vendem-se selins e .sillines
inglezes, de couro de porco, da
primeira qualidade: em casa de A-
damson llowie & Companhia, na
rua do Trapiche n. 1 ->
-- Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa vinda pelo brigue Novo Vencedor no
passeio publico loja do fazendas n. 15, pre-
CO rouilo commodo.
Para bailes de mascaras.
Na loja da rua do Crespo n. 10, vende-se
exceliente merino de cores, proprios para
bailes do mascaras, pelo deminuto preco de
2,500 rs. o covado.
Taixas para engenho.
Na fundicao de ferro da rua do Brum,
acaba-so de receber um completo sortimen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quass acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptido embarcam-se,oo
carregam-se em carros sero despezas ao
comprador.
Farinha de mandioca.
-- Vndese saccas com superior (arinba
de mandioca a nrecos rasoaveis : a tratar
com 1. Tasso Jnior rua do Amorim
0.35.
Damasco de seda.
Na loja do sobrado amarello dos qua-
tro cantos da rua do Queimado, n. 29, ven-
de-se damasco de seda de todas as cores
por preco muilo commodo.
Oh !
Que sfio rlicgados os excellentes sigamos
de palha de millio : na travessa da Lmgueta
n. 6.
Vende-so um escravo de 25 annos, que
cosinha bem o diario de urna casa e engom-
ma, um dito bom padeiro, 3 ditos muito
mocos e robustos, bons para todo o servi-
co, um dito com defeito pequeo em ama
perna porm muito robusto por 350,000 rs.,
um pardo de 25 annos bom para todo o ser-
vico, 1 preta que engomma e cozioha bem,
I dita de elegante figura grvida e sem ha-
bilidades, 1 dita de meia idade porm ro-
busta, por o eco commodo : na rua da Ca-
cimba n. 11, onde morou afinado vigario
do Recife.
-- Vende-se um terreno com duasolarias,
casa para familia, senzalla, estribara, casa
para feitor, barro para toda a qualidade de
obra, a margem do rio com toda a mar'de
embarque, com duas canoas e todos os mais
utencilios, para fabricamento das obras : na
rua da Aurora n. 44.
Vende-se na rua do Queimado, n. 19
cortes de casemira a mais superior que ha
no mercado a 4500, cortes de cassa de lin-
dos padrOes, a 2000, chitas escuras de cores
fizas a 140 o covado: acba-se um grande
sortimento de fazendas do todas as quali-
dades.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos preco do que(
em outra qualqner parte.
~ Vendem-se os seguintes livros : 1 Tito
Lirio, 1 obra de Horatio, 1 dita de Virgilio,
2 Cornelios, 2 fbulas, 1 Salustio, 1 Selecta,
1 Diccionario magnum lexicn, 1 dito de
composicSo, 1 compendio de pbilosoplua
porGeruzez : na rua da matriz da Boa-vista
n. 22.
Vende-se urna porcSo de barricis va-
sias que foram de farinha de trigo : na rua
Matriz da Boa-Vista n. 22.
Bailes mascarados.
Na ruada Cadeia do Recife loja n. 50, de
Cunha & Amorim, vende-se villudilhos de
differentes, e brillantes cores, para vestua-
rios de bailes mascaras, e roupas de theatro
eliegados pelo ultimo navio de Franca ; as-
sim como calcas de meias ; e a troco de di-
nheiro se vendem por barato preco.
Vendem-se duas tercas partes do en-
genho Pereira de cima, sito na freguezia de
Agoa Preta, bom d'agoa,.e de trras, com
muitas matas, eextenso sufflciente para se
levantar mais dous engenhos, ambos tam-
bem d'agoa: quem pretender dirija-se
esta typograprna.
Vende-se urna mulata recolhlda, de
bonita figura, de 20 annos de idade, com
(odas as habilidades : na rua dos Prea n. 9.
Vende-se urna preta, moca, sem vicios
ecom habilidades : na rua atrs da matriz
da Boa Vista n. 26, primeiro andar.
Vende-se um sitio pequeo, com casa
de pedra e cal, por 800,000 rs., muitas plan-
tas de fructo, vi veno o bom liaulio: a tra-
tar no Manguinho n. 35.
Farello a 3,000 rs.
Na rua da Cruz, armazem n. 13, de J. C
Augusto da Silva, vende-se farello o mais
novo que ha no mercado, a 3,000 rs. a sacca.
-- Vendem-se 12 cadeiras, sendo 6 de as-
senlo de pi, americanas e ja. usadas, e 6
novas com assentu de palha, sendo do Por-
to, por preco commodo : no caes do Ra-
mos n. 9.
A -i,000 e 1,100 rs.
Na rua Nova n. 18, loja de M. A. Caj ,
vende-se pelo preco de 2,000 rs. o corto de
palito de ganga amarella, franceza, de qua-
droe lista, e 1,200 rs. o corle de calca, fa-
zenda muito fina, e que nada desmerece ;
ten) um soi lmenlo de panno de todas as
cores e qualidades; merines, brins brancos
e de cores; um grande sortimento de obras
feilas de todas as qualidades; fazenda para
se fazer qualquer obra para homem; cami-
sas brancas ede cores; bonets para senhora
montar a cavallo; ditos .modernos para pe-
queos, ludo por preco muito commodo, a
dinheiro a vista.
Vende-se carne de vacca salgada, pro-
pria para embarque, ou engenhos, em bar-
ris maiores e menores, e por prar;o commo-
do : a tratar no acougue grande da Ribeira
de S.Jos.
* Na loja pernambucana da *>
, rua do Crespn. 11,
9 vendem-se ricos vestuarios 9
4 para bailes de mascaras, todos de (1- 9
9 no veludo, com difierentes cores, os 9
9 mais modernos e interessantes que se 9
9 tem visto at hoja : os precos sSo $
S mdicos e os uniformos inteiros, ten-
do cada um o competente figurioo.
SALSA PARRILHA
DE
As numorosas experiencias feitaa comf
uso da salsa parrilha em todas as enfermi
dades, originadas pela impureza do sanio
e o boro xito oblido na corte pelo liim
Sr. Dr. Sigaud, presidente da academia im
perial de medicina, polo lllustrado Sr n,"
Antonio Jos Peixoto om sua clnica e
sua afamada casa de saude na Gamboa n.
lo IIIm. Sr. Dr. Saturnino de 01iveiri,',"
dico do exercito e por varios outros oiedi
coa, permitiera hoje de proclamarallampn
as virtudes olUcazes da e
SALSA PARRILHA
DE
Nota.Cadagarrafa conlem duaslibru
de liquido, e asalsa parrilha de Bristolh
garantida, puramente vegetal sem merco.'
rio, iodo, potaasium.
Vende-se a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Mana Concalves Ramos : rua dos
Qoarteis pegada ao auartal de polica.
Vende-se urna loja de sapateiro muilo
afreguezada, e com commodos para fami-
lia ; a fallar na rua Direita n. 55.
No escriptorio de Manoel Joaquim lti.
mos ecSilva, na rua da Cadeia do flecif
vende-se por prco commodo cal virgem da'
Lisboa chegada no ultimo navio, beznrrods
lustro, mercurio, linha de Roriz.retroz, foi-
chaduras do Porto, pannos e casemin
de La.
Vendem-se relogios de ouro, patente w
# inglez, por preco commodo: na rui
9 do Vigario, no primeiro andar do so- *
9 brado n. 9.
AttencSo.
Ni roa Nova loja de affaiate n. 14, de Dio.
go Jos da Costa vende-se todas as qualida-
des do obras feitaa, palitores de riscado,
dito de pao fino, calcas de casimira, dita
de brim de linho,'lito de meias chogadosa-
gora a pouco lempo, coletea de selim preto,
jaquetas de paito, ditas de riscado e outras
mais obras, ludo por um precinbo rasoavel
que faz agradar os freguezes que vem com-
prar : tambem se vende cortes de casimira
de bom gosto por preco commodo, dito di
ganga franceza a 1,200, pao fino preto pro-
pri para palito 1 5,000 rs., o covado, carni-
zas brancas, a 2,000 rs., ditas de riscado a
1,600 rs.. sobrecasaca de peno fino azul pa-
ra militar; cheguem logo a pichincha antes
que se cabem: 10 bom e barato.
~Vendo.se muito bom doce da priman
qualidade tanto de golaba como de arar, 1
por preco muito commodo : na rua Direiti
n. 16 quina de S. Pedro,vonda que tam lam-,
pilo.
ilap Paulo Gordeiro.
recentemente chegado do Rio de Janeiro.
vende-se na rua da Cadeia do Recife loja d,
50, de Cunha &Amorim.
S. Flix.
Vendem-se os verdadeiros charutos de-.
Flix: narua do Queimado n. 9.
Sementes.
Vendem-se somentes de hortalices de to-
das as qualidades, chegadas proximarrenli
do Porto, muilo novas, e por precos com-
modos : na rua Direita, venda n. 76, esquina
do becco dos Peccados Hurtaos.
-- Vende-se pombos bons baledores : as
5 ponas n. 116.
Vende-se urna escrava da costa, con-
nheira, engommadeira, lavadeira, e ptima
quitandeira ; sem o menor defeilo fsico ou
moral : em nimia rua do Amparo o. 37.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade em casa de J. Keller &
Gompanhia, na rua da Cruz n. 55.
MOBIL (AS DE FERRO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com braco e sem elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann Irm3os, na rua
da Cruz n. 10.
Em casa de J. Keller & Com-
panhia, acha-se a venda vinagre
branco, superior de Nantes, em
barris de 36 medidas.
Livros em branco.
Vende-se em casa deKalkmann Irm.'io-,
na rua da Cruz n. 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio.
Escravos fgidos.
Ovas do Sert5o.
Vendem-se ovas do Sertao muito frescaes;
cheguem freguezes anles que se acaben),
por se estarem vendeodo muito barato : na
rua do Queimado loja o. 14.
-- Vende-se um sitio no lugar denomi-
nado Floresta, na cidade de Olinda, com
casa de taipa, e bastantes arvoredos de fruc-
to, baixa de capim : a tratar na estrada do
Pombal.com Leonardo Bretlz.
Desappareceu em das deate moz o mu-
lato Jo3o, conhecido por Jo3o grande; he
canoeiro, tem um talho no rosto, mi-i .
estatura regular, foi escravo do finado Joje
Joaquim deMesquita, e boje pertencente a
viiiva do mesm ; roga-se as autoridades po-
liciaes, capitales de campo e mais pesso
que o encontraren) deagarra-lo e leva-loi
rua de Santo Amaro, casa n. 6, que se pn-
garSo as despezas que com o mosmo li-
zorem.
- Desaparecern) na uoilo do da 27 d 1
corrente do engenho Tapera, freguezia de
JaboatSo dois escravos, de nomo Narciza
e Andr cujossignaes caractersticos sSo os
seguintes, o primeiro de altura regular seco
do corpo, olhos vivos e aalientes, denles li-
mados, pouca barba, espadoas largas, per-
es finas, e representa de idade 26 annos, o
o sjguiote de altura regular, batante chcio
do corpo, testa grande olbos um pouco vrs-
go, peitos salientes, pernas arquiadas o
grossas, ps grandes; represenea de idade
35 annos e nSo tem barba : recommenda-sj
pois aos capites de campo a captura dos
mencionados escravos,. pelos 'quaes teram
a grutilieiirlo de cem, mil rs. lovaudo-osau
sobre dito engenho. onde acharam com
quero tratar.
10/000 de gratilieacao
Pela entrega do escravo Valerio, fgido no
dia 5 de novembro p. p. do engeoho S. Jo3o
do Cabo, de Manoel Lina d'Albuquerque
sendo da Coala, alto, grosso, cara chata, a
curia, olbos pequeos, um pouco gago, ca-
nellas finas, ps chatos, tendo os dedos
grandes separados dos outros, e urna cica-
triz no p esquerdo, junto ao de lo miniaio:
sera entregue a gratificacao de 10/000 a
quem o levar ao dito engeoho, ou ao Mon-
dego casa do commendador Luiz Comes
Ferroira.ou ao engenho Fragoso, de Manoel
Joaquim Carneiro da Cuoba.
- No dia 23 de Janeiro de 1852, desapa-
receu um escravo de nome Antonio, cojo
oscravo, tem os signaes seguintes : he cre-
oulo, de idade de26 a 28 annos pouco mais
ou menos; de bOa altura, cor fusca, bem
feilo de ps, emfios; tero em simado urna
p urna marca de ferida, sabio com camisa
de algojaosinho transado azul, e calca da
mesma fazenda, nao tem barba nenhuma:
quem o prender conduza ao engenho Pipi-
cu, que ah seri recompensado do seu ira-
balho.
\ vaTvi'. di; M.r'.ir- FV:i
a-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF74QNPR7_VKN5NK INGEST_TIME 2013-04-13T00:36:46Z PACKAGE AA00011611_04618
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES