Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04616


This item is only available as the following downloads:


Full Text

y*-IS
AnnoXXVlII
Quinta feira 29
de Janeiro de 1852.

N. 23.
saa
DIARIO DE PEMAMBMO.
FBEOX) SUBORIPljAO.
Po.minio Aduwtauo.
Por trimestre...........
Por semestre
Por inao .....';
. Pago dentso dutkihestri.
Por quartel.........
HOTIC1AS DO IMPERIO.
Pari..... 2 de Janeiro Mlnai... lOdeNovbr
da d* inilA,
Maranho 7 de dito
Ceara... dedlio.
Parahiba. 5 'le Dezbr
S.Paulo. 10 de dito
It.deJ., ]4 deJaneiro
Babia... Hde dito.
4/000 [ 26 Seg.S. Policarpo b
8/000 m : S. Theogenes.
15/UOO 2- Terc.S.Vitailano.
28 t>uart.S. Cvaillo.
4/50012g Quii S. Francisco
de Siles
.10 Srit. S. Martlnba.
31 Sab. N. Cyro.
1 Uoiii. Ultimo depois
da Epifana. S. Efrein
AUDIENCIAS.
JuitotU OrpMo
.' e.'i. as 10horas.
1. vara do civil.
3. i'li. aO niel'i-ill I.
Faienda.
S. e li. as 10 borai. I
2. vara do civil.
4. esbados ao melo-d.
RiUcio.
Tercas e sabidos.
EranaanlOBi.
[Crescente i 29, u 8 horas e 15 mi utos da m.
[Chela a7, a 3 horas e 48 minutos da m.
I Mingoante 16, a I lora e 8 minutos da m.
I Nova 21, as 1 horas e 34 minutos da m.
VBJtAMAH D> HOI1
Primeira s 10 horas e 54 minutos da manbaa.
Segunda sll horas e a minutos da tarde.
FAUTIDAB DOS coaalios.
Goianna e Parahiba, s segunda* e lextaa-
felni.
RIo-rande-do-Norte, todas ai qulntas-felras
ao mel da.
Oaranhuns e Bonito, i 8 e 23.
Boa-Vista, Floras,i 1328.
Victoria, As quintas-fe iras.
Olinda, todos os das.
KOTICIA IITniKOriBS,
Portugal, i:, de lie/ln -'.nstria. 2 de Dezbr
Hespanba. 8de dito Suissa.... 2de dito.
'Succia... 28deUutbr
Inglaterra 8deDezbr.
E.-Unldos 23 deNoabr.
Mxico... 16 de dito,
Franca ... 7 de dito
Blgica... 3de dito
Italia..., 2 dedlto
Alemania. 4 de dito
Prussia ... 3 dedlto
Dinamarca 2deOutbr
Russla... 1 de Dezb,
Turqua.. I de dito
California I" de tito
Chil). 12 de dito
"lenos-\. 8deNovbr
Montevideo 21 do Outbr
CAMBIO! IIr 28 DI J1IVE1BO.
Sobre Londres, a 27 'I, e J7 Va d. p. 1|
Pars, 340 .li2
> Lisboa, 90 por canto.
METAIf.
Ouro.Oncas beipinhola......... .7.. 28/500
Uoedas de 6/400 velhas......... 16/000
> de 6M00 noval......... 10/200
de4/000................ i/100
Prata.PatacSes brasilelro............ 1(920
Pesos columnarlos.....t*... 1/970
Ditos mexicanos..............
1/800
pl do aviso do ministerio da deudo .uiorl.ac.1oqucpca.nuc ,., o, -"'-
o crreme sel. e.emplares do HeVcom ..compra de la loasde as0.||odcpin o
r do auno lindo de 1851, e bera pira o. ''ncoenlacai.de dnue'M o ad-
elo, da. informaces semestres, do, que devolve. do hospital regimeiilal.-Loin.
parte orncuL
"GOVEKNO DA PROVRCU.
EXPEDIENTE DO DI A 22 DE JANEIRO
DE 1852.
I inicio.--Ao conimando das armas, rrmet-
tendo com copla
guerra de 10 do
.ilmaiiak milita
asslin seis modelos da. informaco.
das instruefes explicativas, aliin deque as Ta-
ca observar com a pontoalidadc iri omine ndada
no citado aviso.Igual reincssa se I-i a thesou-
saris de lazenda.
Dito.Ao iiirsmo, dizendo que para poder
cumprir o dl.posto no aviso do 11.11.1 1..... da
guerra de 9 do crreme, fas-se preciso que re-
meta secretaria da prcsipencia una cdpia
auleuticada ordem dadla daquelle coinmahdo
de ll de novembrode 1849, publicada na villa
d'Agoa-Preta.
Dilo.--Ao mesmo, transmittindo por copia o
aviso do ministerio da guerra de 13 do corren-
te, do quall consta ter sido horneado segundo
cirurgirio alfcrcs do corpo de suade do exerl-
lo o Dr. Jos Zacaras de Carvalho que deve
cguir quanto ames para a corle. Igual copia
etleu-sc a thesouiaria deazenda.
ao administrador da mesa do consula lo, que [que mesmo estes artificios produslram effelto
por carta paientc de i2dcoutubro ultimo se j por un lempo sobre o povo, A escolha que
concedeu o Imperial exequatu a noineaeSo de "
Goer.p ( Thcdoro Charles Frcdcrico ) para cn-
sul darupublica francera ne.la cidade.Nsste
sentido fierain-sc as convenientes communi-
l)llo.--Aodiicctordo arsenalde guerra,conec-
dendoautorlsacoquepediodcll.tV|i.iradespen-
municou-se a tliesouraria de faienda.
Dilo --Ao juizde paz do do prnrieiro dlstric-
to da frcgiieiia de Itamarac para faze raunir
no da" de marro prximo vi adjuro, preced-
.las todas as publicarles c diligencias legael, a
nula qualificadora para a revisan dos volantes
110 crreme auno, visto nao se ter reunido a
mesma juuta uo dia marcado por le.
EXTERIOR.
Ihc he proposla he entre Luis Napoleao ou na-
da ; Isto he, total ana rebla. Elles esto anclo-
sos de resignar este fatal dom de responsabili-
dade civil que a revoluco collocou ein suas
mos, pois em verdade o voto pelo qual exlln-
uiram a repblica Coi o de 10 de dezembro de
348, e nio o que deve ser dsdo em 20 de de-
seinbro de 1851 e logo que os horrores que
bao acorepanhado esta unidme a, pelo menos
em Pars, forana passados, o prximo impulso
de mu tal poro aleirorlsado e exhausto por es-
tes conflictos, aera jaser proslrado diante de
leu senhor.
Com effelto segundo parte tomada peloexer-
cito ueste periodo da historia da Franca, sendo
oexercito como as forcas do continente o sao
presentemente, um estabelecimento de guerra
para lins Internos, he provavel que se Luis Na-
poleao comeguir assegurar sua posbjao pela
unio e energa de seus recursos militares, o
nico perigo serio que elle lera que corroer
por algum tempo be o da desatlcif o^nilitar.
O partido popular e republicano est Identi-
ficado com a faeco socialista e proscrito. O
partido parlamentar e constilucioual est di-
vidido pela m conduela da ultima assemblca,
pelas intrigas de Mr. Thiers, o qual viveu para
completar a ruina de todos a que professou ser*
vir, e pela priso dos outros ebefes. O exerci to
be senhor do campo; todos o. partidos e todas
iinalmente tenho a declarar a V. Ru, que
tenho dado as convenientes orden, alias, de
que se orgaiilscm os processos por semePiantes
crimes, c se transmitan) as mals clrcums-
lanciadas iuformacces a cerca de taes faetns.

uccessos, veremos logoque as paixes polticas
sito inherentes em uin corpo que tem cessado
de ser um mero Instrumento, e que oulro In-
leresse ser feitn para a gralilicaco de seus de-
lejoi e para a manutenso de sua ascendencia.
O exercito, diz Gibbon em um dos captu-
los de sua historia que descreve as brutaes e
vergonbosas cleicOes de um Coiumodo e de um
Maxiinlnfo pela soldadesca romana, he a nica
ordem de homens sufliccnleinente unida para
concorrer nos mesmos seDtiincntos, e bastante
poderosa para impo-lo. ao resto de seus const-
dados ; porm o temperamento dos soldados
habituado ao mesmo lempo violencia e a es-
cravido, lorna-os mui improprios para guar-
das de urna constituirlo legal, ou ainda civil.
A juatica, a humanidade ou a sabedoria polti-
ca sao qualldades que elles acbam mu pone
em si mesmos para poder aprecia-las nos ou-
tros. O valor adquirir sua estima c a liberda-
de comprar seu sullragio; porm a primeira
destas qualldades reside mullas vezes nos uiais
selvagens peitos; a ultima id pode exeroejssc
cusa do publico; e ambas podem ser con-
vertidas contra o possuidor dolbrono pela am-
bico de um rival ousado.
11 defellos geraes doi governos milita res silo
augmentados no caso de Luiz Napoleao pela
LONDRES, 8 DE DEZEMBRO DE 1851.
Em 18 de novembro de 1850. I.uiz Napoleao
declarou em sua mensagein assembla nacio-
nal de Franra que- considerava como grandes
criminosos aquelles que por ambicio pes.oal
Dilo,Ao Bun- presidente do supremo tribu-1 compromelliam a pequea somma de estabili-
nal dejuslifa, Iransinltllndo as respo.las que dade assrgurada pela constituido ; que esta
deram os juizes de direitoJoao Paulo de Miran-1 era sua profunda conviccao, a qual nao fdra
da. Manoel Tclxcira Pcixoto, e Alexandrc Ber-Jamis ansiada ; que a regra Invariavel de sua
nardlno dos Res e Silva 'l portarlas que S. vida poltica seria, em todas as clrcumslanclas'
l'.sc. reinetteu para sercm enviadas aos mesmos .fazer o seu dever c nada seno o seu dever ;
juizei.Comiiiuiilcou-se a estes. | que todos, excepto elle, erain llvres de procu-
Dito.A lliesouraria de fazehda remeneado rar apressar a revisSo da le fundamental que
copla de um omcio do secretarlo da directora se a conillluiro tinha defeilos eperigos a as-
do Monte Po dos sei vidoms do estado, fim de sembles/ era competente para expo-los aos
que, ficando na iiitelligencia de que o ofHcial olhos do pait, porm que elle s ligado por aeu
escriplurario da secretariado (iiinin.il do com- 'juramento, se conlinha'dentro dos estrello!*li-
mercio, Joo Facundo da Silva Guimaracs, foi miles tracados por esse acto; que qualquer
admillido conlr|liutntc daquelle cstabelcciineii- que fosse a futura solu{o dos negocios, eia es-
to, d sua. ordem para que se receba do 1 de sencial providenciar contra ella, para que a pal-
julho do presente annoeni dlaolc a annuidade xao, a surpreza e a violencia nodecidisse
de 40'que elle tem de pagar. nunca da sorle de urna grande nacao que o
Dito.A mesma, remetiendo por copia o avi- primeiro dever das autoridades era inspirar ao
so da 1. 1... 1 ... da guerra de 30 de dezembro povo veneraco i lei, nao desviando-o nuoca
ultimo, mandando restituir ao padre Jos 11- della ; e que oque elle desejava ardentemenle,
defoaso Rodrigues da Silva Dulraa quanlia de nao era saber quem gnvernaria a Ir inri em
7o/i00 que elle pagou nesta provincia de dlrei. I8b2, mas empregar o lempo ri sua disposico
tos e emolumentos do seu titulo de incstre de de sorle que n transicao, qualquer que ella fos-
primeira. lemas dos educandos do arsenal de se, se cQ'cctuassc sem agliaco, sem disturbio,
guerra, visto j terem sido satisfeitos na cor- pois disse elle, o mals nobreobjecto,tambera,
te lacs dircitos pelo procurador do mesuro o mala digno de um espirito elevado, nao he
pi.hr. procurar, quando no poder, como perpetua-lo,
Dito. A mesma, transmittindo o aviso de porm Irabalhar Incessanteinenle para forlifi-
uma letra na importancia de 100/sacada pela car em beneficio de todos aquelles principios
Ihesouiaria do Rio Grande do Norte sobre a de auloridade e moialidade que zomliam das
desla c a favor de Canuto Ildefonso Emerencia- paixes do genero humano, c da instabilidade
no. Parlicipou-sc ao Exin. presidente da- das leis.a
quclla proviucia. Ainda nos lembramos da alegra e contianca
DitoAmesma, inleirando-a de haver con- com que estas palavras loram recebidas pela
cedido ao Juiz de direito da comarcado Pao assembla e pela naco franceza; estas pala-
d'Alho, Joao Paulo de Miranda, vinte dias de vras que devem agora ferir seu autor no meio
liceuca com venciinenlospara traanle sua sau- de seu sanguinoso Iriumpho e imprimir um es-
de. rizeram-se ueste sentido as uecessarias tigina sobre a veacidade e honra do mesmo
coinmunicaces. que a cora de um imperio nio poder occul-
Dito.Ao direclor do arsenal de gera, di- tar ncm apagar. Se tal livesse sido o espirito
zendo que para poder salisfazer a exigencia genuino da admini.tracao de Luiz Napoleao,
contida uo aviso da reparlifo da guerra de 9 quem poderia duvidar que. medida que elle
do crreme, faz-sc uecessarioque Smc. infor- se approximasse mais do termo dclla resoluto a
me, do que madeira se/azeii niquelle arsenal cumprir toda as cuudipoe. legaes de sua elci-
as coroobas, remetiendo amostras. 'vao, a gralidao do j i. nao menos que o recelo
Dilo.Ao primeiro substituto do joiz nmni- de mmlanea, superaudo todos os obstculos te-
cipal da primeira vara para por a dUposiro do lo-llia uianlido em una posi^ao que elle se li-
marecbal coininaiidanlc dasannaso. senlen- nha mo-trado digno de oceupar." Porm em vez
ciados militares Izldoro Vicira Lopes, Antonio dcsta feliz renovajao de seus deveres constitu-
Joaquim I, Jos Fclippe do Nasciinenlo, Fre- cionacs, porque sinistrosacconleclmentos, por
derico Carlos de Aiaujo, Innocencio i'crcira que pialnas secretas, por que terrivel violeo-
da Silva, Joaquim Itaibosa, Joo de Dco. da cia lem sido acompanhado o estabelecimento
Cruz e Amaro Ferrcira, que regressaram do de seu poder diitaiorial! Em vez de ser um
presidio de Fernando no patacho PtaHvna a acto de bomenagein econfianca da naco niel-
sua disposigaoNcsle sentido oBiciou-sc ao ra, a posse deste poder he o resultado da cons-
incsmo marechal. piracao de um gabinete clandestino c deve ser
Diio.Ao mesnio, para que informe sobre o mantida pela irresistvcl auloridade de 300,000
desliuo que leve o sentenciado inllilar Domin- bayonetas. -Nunca em lempo algum se dispoz
gos Jos Amonio, que seguudo consta de olli- mais cBctivamcnlc da sorle de una grande
ci do coininaudaule do presidio de Fernando nar,So pela surpreza e pela violencia, nunca em
nSoeiisic all, entretanto que foi elle requisi- lempo algum os principios de auloridade e mo-
tado por olalo dcasc Jallo no qual se declara- ralidade loram mais audaclosamenle invadidos
va acar-se no mesmo presidio. pela forja c pela deshonestidade. Oexercito,
Dito.Ao juiz de paz do primeiro districlo da excitado por allusOcs i suas primeiras derro-
i'reguczia do Poco da Panella, dizeudo que nao las, c inllamiuado por mals vulgares cilimu-
deve o escrivao de paz daquelle dislricloconti- lantcs de suas paixes foi primeiro que ludo
nuar a accumular o exercicio de escrivao do lanfado sobre os Miembros da legislatura dls-
segundo districto, visto qnr, pelo rcgulamento persos, c depols solt com nao mitigada ferocl-
11. 798 de 18 de jiinho do anuo passado, cun- dade sobre o povo. Todos quautos oppuzeram
pre, que baja um escrivao do registro dos Das- a menor sombra de resistencia a aclos que des-
anenlos e bitos em cada districto de pas.~ truiam a consliluicao eameicavain anniquil-
Coinuiunicou se a cmara rnuuicipal do Re- lar todo o vestido da liberdade publica foram
cif. confundidos em urna cominum proscripeo corre-noi mal que uunca a obrigacao de jus-
Dito.A cmara municipal de Cimbres, di- com os socialistas e anarchislas, sendo morios tincar sua autoridade, e bem que animados de
endo que opporlunamente serao levados ao pela melralba nos boulevanU ou pelas execu- senllinenlos de iuallerada benevoleucia para
eonlicciincnto da assembla legislativa nrovio- eOes militares que se seguiram immediatamn- com a najo francesa, cumpre que nos ponha-
eial o balanco c ornamento que a mesma cama- ie no campo de Marte. Neuhum) signal deste mos de lobre avilo contra a surpreza cvlolen-
ra reinelieu para ter esse deslino. enlhusia.ino popular que coininumente assig- ca de um governo que nao escrupulisou em
D.lo.A cmara municipal do Limoeiro com- nala o cornejo e o tim dos reinados dos princi- [ irahir as liberdades de seus proprioi subditos.
mullicando que nao acompsnbou ao seu om- pes se vio, porm esta falla foi compensada pe- I Tiinc.i)
eio de 20 de dezembro ultimo o balanjo da re- la oppres.ora arrogancia de um exercito confi-
edla c despeza daquella cmara no anno li- dente de sua victoria sobre; o poder civil.
nanceiro liodo, c bemassim o orjainenlo para l'or numerosas narraedes que temos reccbl- <
o de i852 a 185J, devendo-os enviar para seren do sabemos que o comportarnculo deste exer- '
reiuettidos oppnrtuaamenle asscniblea legis- cito nao fura o de tropa, empreadas no triste ,
laliva provincial. dever de reprimir disturbios entre seus consi- '
11'. M DO DIA 23. dadaos, porm o de honicns que perseguiam
idi'u io.-Ao Eim. presidente do Cear, 11- seus inimigos al morte, sem quartel, nem <
leirando-o de haver expedido ordem aojuiz misericordia, uocorajao de una cidade con- o pardo Francisco Rodrigues da Paixiio por ser
municipal da primeira vara desta cidade no quistada. Nao se saber lamis acuita de quan- indlgitado como um dos que livera parte no
sentido de serem desembarcados de bordo da las vidas de cidadiios de Varis Luiz Napoleao se assassinato commettido da provincia da Para-
escuna Emiha os dou. criminosos, que vleraiu achou senhor do governo na noile de 4 de de- hiba na pessoa do Dr. Trajano Alipio de Uol-
com destino ao presidio de Fernando, e bein sembr, porm pela perda comparativamente tanda Cbacon, e dos presos que havia fgido da
assltn ao agente da coinpanlila de paquetes de menor da parte do exercito be evidente que a cadeia de Coiannha em consequenciade um
vapor para faier transportar para aquella pro- resistencia nao foi de nenhuma sorle compara- assalto que soffreraa respectiva guarda, tendo
viociaas Ircs prajas, que vicraw guardando vcl com a dos insurgentes dejunho de 1848 ; perdido tres soldados do corpo policial; oque
os ditos criminosos.Nesle sentido expediram- todas as medidas foram tomadas que ascienda veriliquel nesta reparlico combinando os sig-
se as convenientes ordens. aperfeifoada da guerra das ras e as desapie- naes do referido Francisco Rodrigues com os
Dilo. Ao cominando das armas, recommen- dadas ordens dos generaes africanos poderam que me enviara o chefe de polica do Rio Gran-
.1 .nlio a espedirn de suas rdeos para que ca- suggcrr para cahir com toda a (or;a de urna de do Norte, em oflicio de 31 de Janeiro de
da uin dos cadetes do dcimo balalhao de infan- lilao armada sobre as cabejas do povo. O ex- J1850 ; a ordem do delegado do primeiro dis-
tarla Francisco Viclorioo de Meira Lima, Felii crcilo, para usar de uina expreiso significativa, trelo desle termo a parda liayinunda, cscrava,
de Paula Meira Lima, Pretextado Heraclio de fez o pelor, que pode. Urna tal opportunidade para averiguacoes policiaes ; e a do subdclcga-
Araujo Peruambuco c Agnello Heraclio de de cxicrininai a faeco vermclha em Parla era do da freguezia da Boa Vista Germano Dias da
Araujo Pernambuco, aos quaes segundo consta ha mullo tempo procurada pelos prlncipaes ge- Silva por ebrio e desordeno.
de avisos do miui.lerio da guerra de 3 do cor- neraes, e esta lico de terror he a inaugurado j Odelegado de polica do termo de Nazareth
rente, se concedeu licenes registrada para es- do poder absoluto de Luiz Napoleao. Fallando em ofHclo de 11 do crreme partlcipou que
.nd.ir preparatoris, pague na recebedorfa de denlro dos limites da verdade histrica e sobre um grupo de ledlcloioi que regreiiara da Vil-
rendas iulernas a quanlia de 10/. sendo 4/ de ; depuimeolo de inuitas lesteinunhas desies la de Pao d'Alho assassinara brbaramente no
sello c (J de emolumentos da secretaria daqtiel- | acootccimenlos, alarmamos que os sanguino- lugar do Calumbi do segundo districto da fre-
le ministerio, c apresentein os respectivos co- sos e prfidos feilos de 4 de dezembro sero guezia de Tracunbaem a Patricio de Tal, csr-
lembrados com horror nos annacs mesmo da- cereiro nomeado pelos ditos sediciosas para a
quclla cidade que testcmunhou a iimaiica de cadeia da referida villa de Pau d'Alho, durante
San Rartbolomeo c o reinado do terror. o lempo em que a oceuparam ; e que elle lem
Depols de o governo ter assim claramente felto todas as pesquizs.s para descobhr o autor
mostrado sua resoluco e sua torca militar, e deise altetado.' Tainbem partlcipou, que
quando o paiz pde-se dizer que se acha Intel- pelo subdelegado do segundo districto da fie-
ramente debiixo da lei marcial, a pretenro gueiia de Nazarelli llie fora communicadoque
do que se chaina, consultar o poro, he um es- no lugar dos Tlpis havia sido a.sasslnado Joa-
carneo aos vencidos. O modo de volar adop- qulm Lopes, por um pardo que iinmedialamen-
tado no exercito tem lido formar 01 rgimen- le se fora unir a. forcas sediciosas alim de el-
los em um quadrado ler a proposta que coafe- capar-sc da perseguido da polioia.
re plenos poderes a Luiz Napolelo precedida e Odelegado do termo de Pao d'Alho, tendo
seguida de um rufo de tambores c conciuir por participado em tomcio de 11 do correte o
uina deelaraco de unnime assentimento, que assassinato do referido carcereiro. que tivera
he registrada nos llvros meslres do regiment, lugar em coosequencia da fuga de tres cda-
i'omo a elcico civil deve ser feila por voto doi que 01 sediciosos baviam recolbidoi a rei-
ecreto debaixo da nica iospec[io de oRlclac pe. ti va cadeia, entre os quaes flgurava o iub-
do governo, Ji comproineliidos a apoiar todas delegado daquella freguezia ; tamben) com-
suas medidas, nao ha nenhuma garanta da muolcou que os mesmos sedlciosoa assai-
sincerldade ou exaclido de lal escrulioeo, e slnaram ao pardo Manoel Monteiro, que 01 a-
como toda a imprenta provincial eit suspensa, consclbava para que adoptanein o caminho da
Gommunicado.
11 iv mi. 1 sido o Sr. Pudro Nolisco
Baptiata exonerado da direcco d musid
iln V" batalhSo d.arlilharia a p.nSo por
quo 1 iv.'s^ dado roais simples causa, mu
sim por no ser possivel ao batilhSo grati-
lica-lo em relapso ao seu bem conhecido
mrito, nos oluciaes do supra meneionado
liHtalli.lo, deixariamos de cumprir cooi o
dever da equi lade, justij o gratidSo se
publicamente no patenteassernos o nosso
grande pezar por urna perda, que julgamos
irrepiravel, pois que nSo sabemos se ha-
wr aqui alguera bislante (hbil para sub-
tlui-l o capazmente, ou pelo menos imi-
tt-lo.
Vimos a msica do nosso batalhSo flore-
cer, quando guiada polo genio dosso perito
artista ; praza a Dos quo a no vejamos
morrer, hoje, que no mais brilha u seu
pharol.
administrif;0es gratuitas, poimnao heto
dispendioso como o da centralsimo. Os
ordenados 1S0 mais modestos : at no silo
i'.'i 111 alenles nos Estidos-Unidos ; so pro-
porcionados dia por dia aos servicos quo re-
almente se luerain.
O povo que lix estes ordenados nos lown-
mietings, neuhum interesse tem em oxage-
rar despezisde que no tira proveito, e pi-
ra as quies tem de contribuir. Os costu-
mes demoonticos, alm disto, pouco so li-
gan) comas ideas do luxo o de profusSo ;
lie di llicil comparar de um modo inalheina-
tico os tres or?amentos da Suissa, dos Esta-
doi-Unidos e da Franca. Porm o que se
sabe perfeitamento he quo na Suissa um mi-
nistro, um couselheiro de estado, um mem-
bio do conselbo federal, tem um ordenado
de 2 a 3,000 francos : estes funecionanos
trapo, silo lestemunhos patentes da supe-
1101 Liado das ada)inistrac,0es Incaes sobre a
centralistffio.
As obras publicas so dirigidas pelas au-
toridades electivas e looaes, e por aisocia-
(Oes permanentes. As cldades decretam
a imposto, e nomeiam os inspectores dis
estradis.
Oculto nSo eslii abandonado discricSo
dos fiis; ha um culto publico estabelecido
como em lodos os Estados civilisados, e os
impostos necessarios sua conservacSo co-
bram-se pela forma ordinaria. Nos Esta-
dos-Unidos so as p.ame,.ias que cuidara de
todas as necesidades lempones o espiri-
luaesdu culto publico. Na Sulaia sao os
synodos eclesisticos, sob a inspeccQo do
Estado.
As i'iilail-'.s ameriemas determinaran) ms
Recebo nois o Sr. Pedro Nolasco Raptista
as ambiedes esto afundadas em suas lileiras; |ag sinceras e saudosas despodidas de nos,
porm a despello de sua disciplina e de seus seusaffeicoados e administradores do sos
superiores ganliam seus modestos alanosJassetnalasannuaes um imposto escolir, o
por um tiMh.iiliu assiduo ; o luxo da empre-luomeiam os conseihos encarregidos da re-
gocracii quasi que he desconhecido. AljparticSo deste imposto, da inspeccao das es-
tlenlo.
Sereriano Marlins da Fonsecs, primeiro
tenente. Joo Matia d'Almeida Fej, pri-
meiro tenenle. Jos Ignacio Coimbn, se-
gundo tenente.Caetano da Silva Pernam-
buco, segundo tnnente quartel.meslre.
a constituido dol8t8, cujasconsequencias
so didlceis de apreciar, ira en era o impos-
to na Suissa, o a divida publica quisi ne-
nbuma.
A respeilo dos Estados Unidos, ronun-
ciouo Sr. Tocquoville a um parallelo que
llie pareceu mpossivel, porm aflirma duas
cousas : a primeira quo a ausencia de um
exercito permanente e de urna grande ma-
nnha militar concorrom com a siuiplicidide
e das (urinas administrativas para alliviar
o peso dos impostes nos Eslados-UniJos; a
segunda, 116 que o movimento poltico ten-
denle a collocar em ceito tempo determina-
do o goveruuwentre as muos dos pobres, os
Jos Angelo de Moiaes Reg, segnndo te- esforcos que estes hlo de fazer para abri-
' 1 1 1 I 1 I A \ I B^> a
iieiil... Maimi'l Theodoro, da Fonseca, se-
gundo tenente sjudanle.Firmino llercu-
lano Moraes Ancora, segundo tenente.
VARIEDADES.
VANTAGENS E INCONVENIENTES DA AD-
MINISTRACAO'MUNICIPAL E FEDERATI-
VA DA SUISSA E DOS ESTADOS-UNIDOS.
A administraco municipal e federativa
da Suissa e dos Estados-Unidos da America
he o que os antigos publicistas chimavim
urna idministraciln movel, isto he, est con-
fiada por corto tempo a certas pessoas
eleitise .substituidas successivamente por
outras.
Talara o principal carcter da adminis-
circumstancia peculiar de nao estar identifica- tracto de Roma ; e basta lancar os olhos so-
do com o exercito sobre o qual se apota. Se bre os innmeros ttulos do tigeslo e do Co-
elle possue talemos militares, estes talentos sao (igg regula.m lodos os pormenores des-
al ao presente desconbecidos e sua inRuen- .dministrnco modelo para comprehen-
ca nessoal sobre as tropa lie limitada aopres- _^ ," r ,
tiglo de icunome.ou 1 prodigalidade desea. <* a innaenca benelica que o duplo
meios de corrupeo. Uc evidente que ellas principio da diviso do traballio e da mo-
consideraces, das quaes a existencia de um bilidade dos funccionarios que parlilham
tal governo depende, tem uina ascendencia di- entre si o servido administrativo pule ter
recia sobre as duas importaniissimas qucsides sobre o bem estar o sobre a moralidado das
de seus recursos fioanceiros c de sua poltica populacOes.
terna. He a Franca for obrlgada A. dura ne-, divisao do traballio, como nota Platao,
" curro0ca?n- hcC, primeiro beneficio da civilisacJo. Ain-
uiua
que repele a anllga li(o qne he
uho de lael excelsos populares tjrannia mi-
litar, podemos deplorar a extlncco de seus di-
reltos constiluclonaes, porm vemos sem sur-
preza os resultados ordinarios da revoluco de-
mocrtica. A uianutencao de lea crdito < seu
sistema linanceiro, e anda mais a preservacao
da paz, sao materias de geral Importancia para
a Europa, e desejamos, nuil do que eiperainoi,
que uestes pontol o governo de Luis Napoleao
remova a deiconfun(i que taes successos na-
turalmente excltam.
A noticia deite ousado leito ser provavel
mente recebida com salisfaco nao mullo pers-
picaz por alguns dos ebefes militares e desp-
ticos do continente, porm mui difireme he
seu e 11 ei 10 sobre o animo e sobre o espirito do
povo de Inglaterra. Percebemos com orguliio
que a mpreosa Inglesa (com urna s escepcAo),
senlindo que he agora quasi a nica que na Eu-
ropa cooserva o poder e a voatade de defen-
der os grandes principios da liberdade poltica
e legalidade, | profere com sua unida voz o
horror que aclos taes como estes devem exci-
tar em urna naco llvre. Se estes principios
forein outra vez peludos do continente pelas
revolucesdemocrticas e pela rcacco militar
PERNAMBUCO
Repart.Qo da Polica.
PARTE DO DA 20 DE JANEIRO DE 1852.
Foram presos: a ordem do chefe de polica
da que urna cidade nascente fosse composta
Mmenle de sois individuos, \eriets, diz elle
que sob a influencia da autoi nl.nl j so entre-
gavam a diversas funcgOes. Tendo-nos da-
do a natureza a cada um de nos talentos
diversos, a esta lu ca, aquello a dexterida-
de, a uin o genits a nutro a eloquencia he
evidente que nos destinou a differentes em-
pregos. >
He a divisSo dotrabalho, diz um publi-
cista americano, que distingue as nacoes
civilisadas dos povos selvageui; entre es-
tes, cada individuo he obrigado a prover por
si mesmo a todas as suas necessidades;
entre aquellas, cida pessoa tem o seu Im-
balho, o seu etnprego, a sua industria. Urna
admimstracSo concentrada na cabe$a de
um funcciuuario, obrigado, como o minis-
tro do interior em Franca, a cuidar, por
meiodemilharesde subordinados, em in-
nmeros pormenores, he urna adminstra-
cao selvagem, comparativamente com es-
sas administiacOes movis que como os
municipios romanos e como o nosso aoligo
systema communal e provincial, tlnho por
agentes funccionarios eleitos por um tempo
1 e 111 oscaminhes do podere para augmenta-
ren) o bem estar e as luzes das classes infe-
liores, darn necessanamente, apezar du
iiumei u exiguo dos funcctonirios federaes,
orcamentostao elevados como aquelles da
inaior parle das aristocracias ou das monar-
cliias da Europa ; nova e dobnda prova das
vantagens da dcscentralisa(3o e dos incon-
veniente.-: do democracia poltica.
Outra vsntagcm da democracia commu-
nal he o tirocinio continuo que-faz o povo
da vida publica nos comicios municipaes.
Esclarecc-se sbreos seusverdadeiroa 111-
luresses e torna-so capaz de defeQde los
n'utn Iheatro mais vasto. Alm disto, o es-
pirito municipal inflamma o patriotismo lo-
cal, e he por meio da patria pequea que se
lem amor grande.
Serio, refleclido, cheio de rospeito pelo
direito e pela lei, he o patriotismo quo nas-
co das localidades; prende-se a todos os
seulimentos desinleressadus, nobres e pie-
dosos.
A consura dos costumes he al corto pon-
to 1 .| i.'-siv. I n'uma grande monirchia, diz
Montesquieu ; os censores ficariam infec-
tados por aquelles mesmos quo quizessem
emendar. As repblicas municipaes o fe-
derativas possuetn todas, pelo contrario,
tribuna.., de costumes. So na Suissa os
consistorios de parochias ; o pastor lio de
direilo o primeiro membro o o secretario;
os outros Miembros so eleilos pela assem-
bla geral dos habitantes da parochia.
Nos l.sl.nlos-l 111,1 pertcnce a conserva-
rjSo dos costumes ao grande jury, o jury de
accusacfto, urna dasinstituices mais nota-
veis que a Inglaterra exportou para o novo
mundo. Esta magistratura, anloga a dez
colas e do ludo quanto tem relaco com o
ensillo publico. Na Suissa silo os distric-
los e as cunaras de oduca;3o que regulam,
de accordo com o Estado, os meios do dar
uosestabolecimentosdo instrucfo publica
o grao do perfeico dequesSosusceptiveis.
11 Suissa e nos Estados-Unidos, como em
lodos os estados protestantes, 1 caridade
egal existe como principio desde a refor-
ma : os cantOos suissos estavam todos an-
da ha pouco tempo sob o rgimen do impos-
to completo, communal e especial. Este im-
posto que se pagava sob varias frrnas.mon-
lava em geral de 1 a 5 por mil, e em alguns
cantes mesmo a 8 por mil da fortuna dos
contribuimos. Contava-se no canino da Bor-
ne 40,000 pobres em urna populacSo de
370,000 alma,. Ein 1 evay, sobre 100 pessoas
moras em 1832. 27 rccebiam soccorros. Em
alguns distintos o imposto dos pobres su-
bi sessenla vezes ao que era primitivamen-
te. Este encargo tinha-so to'nido tao into-
lei-jve que foi a supprimido em alguns can-
tees no momento misino em que a elevucao
do partido democrtico pareca dar-lbe novo
impulso.
O imposto dos pobres tambem existe cm
lodosos Estados da rinflo, cxccpcflo da
Georgia e da Louisiaoa. Paga-se es'o tribu-
to no estsdo de New-York segundo a desig-
narlo fita pela jimia dos inyectores, no de
Massacliussetls, a pedid'i dos inspectores
dos pobres (surveyor: of the poor). As leis
tratam com a maior solicitude do alivio dos
cidadSos domiciliados e at dos estrangei-
ros manila ni as municipalidades rocursos de
,ieca.) snb.e os b-'iis .o auxiliado o contra
sua lamilla, bem crjmo contra o districto.
Todas estas accOes s9o reguladas com urna
rigidez que records a honivel origem desta
tributo. Todava sua progressSo no tem
sido menor nos Estados-Unidos do que nos
oulros Estados protestantes. Em New-York,
ie 1815 a 1851, o imposlu dos pobres subi
de 1,300,000 a 3,731,000 fr. No Messachus-
sntls augmenlou em 20 minos (de 1800 a
1820} na propon-flo de 2a 5, augmento igual
ao que lave a Inglaterra no decurso de 30
.unios .de 1785 a 1815), o de 1821 a 1831 o
numero dos soccorridos elevou-se de!3t a
255 em 10,000 habitantes.
A forca das cousas ha de motivar nos Es-
tados-Lindos como na Suissa a suppressSo
de um tributo que em toda a parte onde se
eslabelece, cava e augmenta iocoasantemen-
censoros de Roma, toma conliecimento por.'te o sorvodouro em que se abysma toda a
denuncia dos olliciaes de polica, como os fortuna publica.
selectmen. constables e tytHjmtn, dos actos O que ha do sobreviver, porm, ao tribu-
que, sem offerecar os canelares determina-' to dos pobres, na Suissa o nos Estados-Uni-
dos do delicio, tendem a alterar os costil- dos, sao os estabelecimentos inspirados pelo
mes, e sao considerados como ollensas pu- espirito municipal, taes como os estabele-
bcas. 'cimentos agrcolas o industriaos de Massa-
A inspecOo das industrias suspoitis ; a chussettseas instituigOes borneases do Siiin-
policia rigorosa, e a sequeslracflo as casas miswold e de Laugnosse.
dotrabalho dos pelotiqueiros, saltimban- O espirito communal e federativo he lavo-
eos, nigromantes, gatunos, u merelrizes a ravel a baneliceucii. Nao sendo o districto
repressaoda imbnuguez, dojogo, di pre- senSo a extensSo da familia, he natural que
guita, da devassidSo, das nfracc,0es lei o indigente ache na compaixSo de seus
que manda guardar o domingo, em urna pa- compatriotas antes do que nos soccorros or-
lavra.de lodos os abusos que atacam a mo- liciaes da emprogocracia os soccorros de quo
ral, a prosperidad!?, a hygiono publica, eis o priva a indigencia dos seus pareles. L'm
nliccinienlos aflu de expedir-se as convenien-
tes ordens para poderem entrar no goso das re-
leridas liccnras. Offioiou-se nesle sentido a
tbesouraria de fazeoda.
Dito.-.Ao inesino, remetiendo copia do aviso
do ministerio da guerra de \ de dezembro ul-
timo relativamente a infarinac.o dada por a-
quelle coinmando em observancia do aviso de
15de Janeiro antecedente, cercado se^uodo
cadete do seguudo batalboele caradores Joa-
quim Jos Pereira Codeco.
Uno Ao mesmo, para mandar por ein li-
berdade o recruta Jos Filis llaplista, que fora
u colhldo ao deposito com o nomc de Jos An-
io de rrritas, visto ter apresenlado Isenco le-
gal.Coinmunlcou-se ao chefe de policia pa-
ra fazer constar a auloridade que o eap-
turou.
Dilo.A thesouraria de fasenda, disendo que
visto achar-se esgotada a quanlia consignada
para as despezas do arsenal de guerra, como
re evidencia de sua tuformaco, a autorisa
mandar pagar sob a responsabilidade da presi-
dencia, nos termos do de. reto de 7 de maio de
1842, a quanlia de 1:2'J2260 que, segundo os
dominemos que devolve. importa a farla do
inclino arsenalde H a 20destem.cz,Cominu
nieoii-se ao director dd referido arsenal.
Dito,
que o
lo i 11
all.'ll 1
seus concidadSus, ede progredirem n'uma
ra 1 en a em que nao 'so podan) tornar no-
taveis senSo pelos servicos l'oitos ao paiz.
A empregocracia, triste auxilio da cenlra-
lisacSo, a.Tiimola econcentra as secreta-
rias dos ministerio traballios que o espirito
de locilidide espalha polo contrario, por
toda a superficie do territorio. A legislado
dos Estados-Uoidos multiplica em lodosos
districtos 11llicn.es encarregados cada um
de um ramo especial do servico administra-
tivo. Se estes ofliciaes commeitem actos de
negligencia o de fraude, no podem invocar
como em Franca, a sua inviolabilide, a sua
garanta constitucional. Tratados como
simples ci.lad.1os, tem de dar cunta de sua
conducta requisicSo de qualquer pessoa
que pretenda ter razSo de queixar-sc, tanto
perante a lei que antev o reprime com mi-
nuciosa solicitude os actos roprehensiveis
como permito os tribunaes encarregados de
infligir multas o at destluic,6es e final-
mente perante o povo, sempre ltenlo
marcha dos seus negocios, zeloso dos seus
direitos, e reunido com tanta frequencia
que podo tirar quasi instantneamente os po-
deros aos homens que delles abusaran).
A successSo rpida dos funccionarios no
poder acarreta consigo, bo verdade urna
'1
<'r I II' t Hl Mil I I t'i > I 1 l"-' PWI UiSS tuill|>ll I "i| f v.., v. m-^-; -j D------ |--------_------f -,--- lili O m
limitad o, e compromettdo pela honra epe- asatlribuicOe-s dessa dictadura temivel que economista elimino, o sr. vmenouve uar-
nteresse, a cumprir lielmonte sua tarefi, tende a completar a Icgislacflo criminal, 01 gemont, nota que a beneficencia lloreceu
n de nSo desmerecerem a conlianca dos por ordem as aceces que no pod> alean- em toda a pirte na razflo directa asa ren-
gara justigidostiibunaes. "lias municipaes, e cita, sobretudo, a suissa
O cidadflo dos Estados-Unidos goza de em prol de seu argumento.,
urna liberdade quasi Ilimitado na escolha Encirad no seu todo, una gemacracia
da sus profissSo, no emprego dos seus cipi- federativa he Uo propria como qualqa-------
taes, no direito do associar-se com quem oulra forma de governo, se se acbar as
quer e como ontende, mas nSo goza da li- comlices econmicas e moraos proprias
berdalo da fraude. Todos os productos, so- para seu desenvolv ment, para realisar os
bre-ludo aquelles quosao destinados a"ex- principios e os costumes de ordem e de l-
l'in lac.lo, estao sujeilos a regulamenlos ri- bordade, que fazem viver e prosperar as so-
gorosos. O inspector dos carregamenlos ciedades polticas. VJe a Suissa : tem bel-
{mrteyor of dumbtr) verifica a qualidade e las estradas, universidades celebres, profes-
diiiiences das madeiras, das tahoas, das soros eminentes, numerosos monumentos
aduelas, dos arcos, dos pregos, e rejeila as uteis, fabricantes ricos, populacOes esclare-
fazendaa que nao sSo inteiramente confor- cidis, abastadas, armadas, e tributos mode-
rnos com os regulamenlos. O inspector da rulos.
cal {inspector ol lime), atiesti sua inspecc8o As familias se perpetuam, a existencia na-
por meio de umi marca feita com um ferio conal atravessa os seculos; apezar dos re-
quente sobre as barricas que a contm. O vezeg temporarios da fortuna, este povo,
iospector do peixo salgado (surveyor of dry aps as nvasoes quesoffreu ou a que so vio
AjA), o das carnes salgadas venlicam se < exposto, volta s suas fronleiras seculares,
tnercadoria exportada tnm a quantidade de assim. como as agoas dos seus bellos lagos,
salmoura necessaiia e he de boa qualiJide. asoutadas durante alguns dias pelas tempes-
O examinador dos couros (sraeTo/ leatker) tades, voltim aos seus limites eternos,
marca as botas, cothurnos, sapatos, escar- VJe os Estados-Unidos : em cada urna de
pins, sendalos, coro as letras iniciaes do suas pequeas nasoes, que nio tem a cui-
manufactureiro. dar nem em sua defensa nem em seu en-
As leis americanas prescrevem com igual gnndeclmento, fermentara todos os espiri-
solicitude as fraudes do commercio ndigo- ritos animados por um nico desejo, o das
naeasdocommercio estrangeiro. Recen- conquistas pacificas dos melboramentos lo-
grando instabilidade administrativa, e pode !temento promulgou o congresso urna lei teriores. oomhiA
por obstculos 10 mesmo lempo aos pro- para proteger o cidadao amoricano contra As assembleas communaos, as assemuieas
gressosda scienciae* marcha da adminis-ios remedios falsificados quo poderiam in-.de condado, as legiilaturas polticas oe
tracJo. (Vada se sibeao ebegir ios neg- troduziroi chimicos di Europa. Em Fran- cada Estado trabalham sem descanso no
cise nada se sabo ao deixi-los. Entra-se ca entende-se a liberdade de outro modo, e, bem estar geral. A agricultura e a '"du'm
com enthusiasmo, que vai affrouxando lo- gracas ao systema do taiisezpatier consen- se estendeme se aperfeisoam, o commer-
go diante das djfliculdados, e at da con- tio-se ha alguns annos que aos nossos sol- cise propaga, as cidades se emucim, as
correncia, e diz-se como Benedicto XIV; dados da frica di2mados pela febre se des- populacOes decuplan ; as estradas, os ca-
a Sara iakare del papa che viene. se fcula em vez de quina. naes, os camionos de ierro lucwg territo-
S3o desvantigeus graves ; mas por outro Cousa nolavel! lie nos Estados da Nova rio; ai escolas, as casas de traoaino, os os-
lado, os funccionarios frequentemente re- Inglaterra, he nesga cidade de Boston, don- tabelecimentos de beneuceocia se muiu-
novidos tem mals zolo, porque nao tem de parti o grito da independencia, o onde plicam. .
tempo de gastir-se ; pde-se-lhes suppr o setf government vio o deseuvolvimento o A aclividide industrial, commerciai, aa-
miis honra porque nao so Ipresume que ho- miis completo, que o espirito regulamen- ministntiva, poltica dos bsiaaos-uniuos ne
mens que apenas lum de govumar um ou tar, gerado do espirito religioso, be mais cousa prodigiosa.
dous annos, ousem comprometter-so pelo minucioso e severo. Soffrem por ventura a a Apenas pomos o po no solo noi le-amo-
interesse de um momento.,- sao sobretudo industria e o commercio com estas peas? ricano, diz o Sr. Tocqueville, acnamo-nos
menos iufeclados deste funesto espirito de N3o,decerto; as vantagens topographicas no meio de um especie de tumulto. Levan-
corporacaoquefaz de urna empregocracia dos Estados-Unidos, a extencBodas costas, ti-so por tola a parle um clamo conluso;
namovivel e centraltsada urna especie do a profundeza dos porlos, a aclivldade, aau- mil vozes chegam ao mesmo tempo a nos-
cicepto smenle as pouess gazelas do governo, paz e daobedienciaao governo. .m.,,,.----------------------------r----- -r--------------------r-------,-----------------,------- -
toda a condico de urna boa elelco falia. Nei- O delegado do segundo districto deste ter- I man laiinato de autcratas, semelhante dacia do genio niiiitinno dos Americanos, sos ouvidos : cada urna dellis exprime urna
Us extraordinarias transacedes perce'
urna soinuia Igual de vethacarla ede vio'
todas ellas sao viciadas por uin ar de fal
o nesle respeilo particularmente parccei
urna dki revoluces de Labore doqae um con- partido, de um grupa dos sedicioso, daquella I ysiema1 ueiiiucrauco u mnw a 1 n._". -_^-.^T^^TJ'^'S' :"";^''rn7rs''l'mnie"o7deputa
. -A meima, communicando, afim de: Hielo cnure a liberdade e a despotls.no n. caPl- fregu.!., mas que smente o cavallo em que Estados-Unidos be sem duvida menos eco- obns publicas, o culto as escolas, a benell- ante; mais louge os ^P d,menl0 ptra ,
lifa consuro inspector da a fandega el tal da franca. Com tudo nao he Improravel la moudo he que fora ferldo. I ootn ico do que o systema aristocrtico das 1 cenca publica, todos os ramos da adminis. tSoeucaminbam-*e apreisauau. P... .
MUTILADO
!


cidade, aOm decuidar de cortos melhura-
mentos lcaos em outro lugar slo os agri-
cultorea d udii aldea que abandonara seua
campos para diacutirero o plano de una pa-
irada un da urna escola ; ajuntam-ie olda-
dflos oom o nico flm de declarar que deaap-
provam a marcha do governo, emquanlo
outros le rouliara para proclamaren! que 08
hornees que occupam os ompregos pbli-
cos so oa pala da patria.
oulrus anda ba que consideram a em-
briague! como a Tonto priocipal de todos os-
malea do Estado, e compromettem-se so-
lemnemente a dar o ezemplo da sobriedado.
O grande moTimonto poltico que sempro
agita os legisladoros americanos, o nico
que se torne patente ao exterior, nSo hn
senoum episodio ou una especie depro-
rogaclo desse movimento universal quo
tem aua bate naa ultimas flleiras do povo,
e Tai pouco e pouco abrangendo todas as
classes de cidados.
Qual he a causa impulsiva desta inmen-
sa actividade T Slo os coslumes de um po-
vo livre que, depois do so terom desenvol-
vido a principio no districto, depois no es-
tado, applicaffl-se finalmente sem trabalho
ao paiz em geral. O espirito publico da
nifo no he, at certo ponto, seolo o re-
sumo do patriotismo provipcial.
Urna repblica federativa pode tornar-so
algunas vezes, at para um estado monar-
ehico, orna necessidade social transitoria.
Apodere-so urna rcvolugo de pretorianos
u de demagogos, ou um exercito inimigo,
da sede do governo, dever-se-ha cobarde-
mente curvar a cabera e deixar Impr ao
paiz un governo que Ihe ho profundamen-
te antipathico t
Quando as vantagens das armas ou a onda
das revoluto s pOe frente dos governos
homens que, depois de naverem destruido
a autoridad, atacara a propria liberdade,
e nilo offerecem assim nenhura seguranga
social, hado deverdoa povos concentrar-se
em si mesmos, e procurar no espirito mu-
nicipal e federativo um recurso supremo.
Entilo, em cada cidade, rhegam-se os visi-
nhns una aos outros o armam-se para a de-
feza commum soba direcglod'aquollcsquii
aeus talentos o seu carcter designam natu-
ralmente para easa perlgosa misslo. EnISo
como indos seanimamcom o contacto do
sentimento publico, renasco o patriotismo
nos cora;Oes, c gera prodigios imprevistos
de dedicado.
Em urna sociodnde abalada at s su as
bases, nSo he somonte no centro que se de
ve cuidar em defend-la. Por toda a par-
te atacada, diz o Sr. Guizot, he preciso que
a propriedade, a familia, todas as bases da
sociedade sejam enrgicamente defendidas,
os funccionarios e aa ordens partidas do
centro, ainda que sustentadas por soldados,
nlo baatam para as defender.
((espritu municinal e federativo nlo ho
largas, sem abalar oa alicorees da orden);, pedem-vos um grande valor, quatro vezes
a hereditariedade do poder, diz enrgica- maior do que aabem que Ihesooneederen,
manto Mirabeau, he a ublago de urna fa-jporque auppoem que a vista de um grande
milla ai liberdadea publicas. I pedido nao Ihes recusareis urna quantidade
De todos oa ayatemas do governo, he osconsideravel. Depois do examinar as mer-
melhor, segundo o parecer de todos os phi-fcadorias, ajaatar, e asalgnar um Bilhete
losophos eminentes, aquello que equilibra {para que ae no poder pagar ao cabo de
um com outro os trea elementoa monarchi-iuu) corto tempo, soffram oefleito do cartas
co, aristocrtico edemocrtico. Xenophon- clausulas penaes, se as mercadorias Ihe
te e Aristotelea louvam a monarchia; Platlo! slo entregues, partera alegres e vilo pas-
e seua adherentesathenienses, a ariatocra- liara tarde em regozijos. Os principan* ar-
ria ; Themistocles, segundo dliThocidides, I Ugos do couimorcio alio oa algodoosde
democracia. a queatSo, insto ponto, |Manchoster, as espingardas, a polvoreo
2
diz um publiciata do secuto XV, ainda est
pendente; porm todos, finalmente concor-
dan um
  • florecer e prosperar deve governar coifl o e
    quTlibrio destes tres estados. lie a mo
    na i ol a representativa, inais do que qual-
    quer nutra forma de governo, a que pJo
    realisar esta conciliaglo.
    Posue, alm disso, vantagens que debalde
    ae procuraran em outra forma do governo
    a proinptidSo de execuglo ; a direccSo da
    ambicio para o bem publico; maior oabe-
    daldeforca no poder ; urna certa dedica-
    ban ao un uno, quo cada um considera como
    centrada propriedade commum como fonte
    da felicidade publica; he o governo mais na-
    tural. Amamos o rei porque amamos o pai,
    porque amamos a familia, porque amamos
    a nos mesmos.
    Suisso ou Americano poderia talvez a-
    mar a repblica federal; Francez, amo o
    desejo a monarchia representativa.
    F. Bichar,
    epresentanto da asaembla legislativa fran-
    ceza.
    COHMERCIO E VIAGEM NO GOLFO DE GU1
    N E FRICA OCCIDENTAL, COM PAR"
    1 K.ri.AlllliMiK SOBRE OS COSTUMES E
    REUCIAO DOS HABITANTES. '
    Por J. siuitti.
    ( Artigo raduzido do inglez.)
    O autor deste pequeo volume tondo feto
    muitas viagons na frica occidental na du-
    pla qualidade decirurgilo e de capillo de
    commercio ( nomo que os Africanos dio aos
    agentes do mercadorias europeas) por conta
    de urna das piimeiras casas da Inglaterra,
    e tendo estado muitas vezes em contacto
    com grande numero de indgenas por inuito
    tempo sem interrupgio, pensou tor adquir
    rido algumas informbaos, ter visto algu-
    mas scenas extraordinarias dignas do pu-
    blico inglez. (i volume escripto sem ne-
    nhuma pretonclo litteraria est cheio de
    cousas interessantes, e d mais informagOes
    sobre dos naturaea da frica occidental do
    3ue muitos outros do maior dimenslo, e
    o mais valor Iliterario.
    Ainda que o autor exprima seu excessi-
    vo horror ao trafioo, as descripgoes que d
    do estado social dos paizes de escravos ne-
    gros, e dos terriveis solfrimentos a que es-
    meuos elhcaz contra os inimigos do inte- tes, sobre ludo as mulheres, so submetli-
    Para que um povo aprsente urna re-1 dos pelos chefes e outrossenhores de escra-
    vos de sua propria raga, pHem fazer com
    prehonder como os defensores do trauco
    sistencia enrgica, he mister, dizSismon-
    di, que seja dotado de vida, nlo smont"
    no seu chefe, mas cm todos os sous mom-
    hi-os; he preciso que em qualquer lugr
    que se presente o inimigo, encontr nao
    s urna foro material, porm uro pensa-
    mento e urna vontade independertte; he
    preciso que cada cidade se defenda como
    urna repblica que sent que arrisca tudo,
    e que o combate om quo vai entrar he para
    ella urna experiencia de vida ou de morte.
    He com cunfederages que os povos resis-
    tiram sempre a todos os gneros de oppres-
    alo : por ezemplo, nantiguidade as lutas
    da confederarlo grega contra os potentados
    da Asia; na idade media, as ligaa da I.om-
    bardia, da Suissa, das Cidades Anseticas;
    nos lempos modernos, as guerras dos l'ai-
    zes-Baixos contra o rei Filippe II, dalles-
    panha contra o imperador NapoleSo, da'
    Polonia contra o imperador da Russia, dos
    Estados-Unidos contra a Inglaterra.
    Foi federando-so que as colnnias hespa-
    nholas se tornaram Independentes. Tendo-
    se tornado, por desgraca dolas, grandes
    repblicas unitarias, estaoentregues anar-
    i lna e guerra civil.
    Oque, apesar dos males que rem a In-
    glaterra, a preserva das revoluces, e favo-
    rece ha dous serillos o seu movimento as-
    cendente, he sobre ludo a livre organisaglo
    dos seua municipios e rondados. O que,
    apesar das variadas riquezas do seu'territo-
    rio e do genio dos seus habitantes, faz a
    Franca, ba sessenta annos a esta parte, o
    club central, o foco das revoiucOes da Eu-
    ropa, he oezcesso da csntrallsaglo. Sea
    monarchia deaapparecesse da Europa, do
    que Dos nos livre, a Inglaterra adoptara
    o governo dos Estados-Unidos, e a Franca
    o da America hespanhola.
    Nao exagoremos com tudo as vantagens
    dos governos folenitivos.
    Nos estados federativos a polica geral
    nilo est como nos estados centralisados,
    sempre presente, prompta, rpida, enr-
    gica Nos Estados-Unidos tem o constable
    de suprir militas vezes a ausencia de auxi-
    lios ollioiaes pedindo soccorro e asslstencja
    aoa cidadoa para execuglo da le. Porm
    e.ta as-istencia obrlgatoria, -prestada sem-
    pre com boa vooJ.aae, baseada no respeito
    ojaielj-Hrfrtlvez tant0 como o sabio mc-
    -WSiilamo desta polica franceza que um
    hbil jurisconsulto, o Sr. Beranger, define
    do modo eeguinte : Urna instituirn, cujo
    flm he corromper urna parte da oaglo para
    vigiar outra.
    Necessit, porm, ser sustentada pelos
    costumea pblicos. Seria em Franca um
    triste auxilio o que pedase um agente do
    polica aos cidados. (iracas ao espirito de
    opposigflo, que he um dos distinctivos do
    genio franco*, ha sempre maior disposicie
    para desapprorsr a autoridade do quo para
    Ihe prest r soccorro e auxilio.
    Urna repblica federativa nilo so distin-
    gue de ordmirio nem pelo esplendor da
    sua capital, nem pela pelleza dos seus mo-
    numentos. Ha duas rasOes para Isto. As
    despeas eslo mais disseminadas do que
    concentradas, e o gosto do til domina
    mais do que o do bello. NSo existe na Suis-
    sa urna cidade que se distinga das outras;
    e apezar das vastas proporgoes do seu re-
    cinto ideal, Waahiogton ainda he o ha do
    ser urna cidade modosta. Porm, se esta
    cidade nilo tem o esplendor de Pars, tam-
    bera no tem a sua corrupgio e a sua tur-
    bulencia.
    Urna democracia, federativa, collocada
    mesmo oas melhores condicOcs para o pro-
    gresso, nunca ha de exceder urna certa ele-
    vando. Os rudimentos dos conbecimentos
    humanos se hlo de derramar em todaa as
    c|asses porem as intelligencias superiores ,
    oa grandos genios pouco se lio do desen-
    volver nella.
    Oa custumes hlo de ser em geral hones-
    tos, pacficos ; as virtudes, poucas vezes
    heroicas, lia deae provar com intelligen-
    cieesolicitudosprimeirasiiecessidadesda
    vida no se ha de procurar nem o luxo.nem
    o brilho das letras e das bellas-artes. Antes
    ha de denominar o espirito de conserva-
    cao do que o genio das grandes cousas. Sa-
    ber-se-ha defender numa guerra de resis-
    tencia, o Taltar-lhe ha audacia e talvez a ha-
    Dilidade numa guerra de invasSo.
    A paz, o bem-eatar material, aa virtudes
    domeslicaa.o patriotismo, eis a partilha daa
    repblicas federativas.
    Urna monarchia representativa pode pre-
    tender a mais subidos deslinos. Assentada
    na vasta baae da familia e da cidade, e co-
    roada por um poder hereditario e inamiaai-
    yel, poda dar a liberdade as satifacOes ma/s
    ios negros poderam sor lovados a sustentar
    que be fazer um servica aos negros o sujei-
    la-Ios a senhores brancos.
    Algnmas das particularidades que elle di
    sobros costuraos dos negros podom justi-
    ficar quasi esta c inclusa., que he na fri-
    ca occidental que so acha a condifSo mais
    aviltada da especie humana. Segundo sua
    narrar.) acham-SO roiinnumnente entre OS
    negros Indgenas abominacOes e crueldades
    de todas as sortes Todava a impressSo
    que disso se recebe he que o aviltamento
    do negro n > he o do uro sclvagom condom-
    nado a um irrevogavel barbarismo por um
    vicio essencial de sua organisacSo, porm
    a dopravaco de um onto quo tem paixdes
    fortes e faculdades suseoptiveis de cultura
    posto que no cultivadas.
    A passagem seguinte he um esbogo into-
    rfssante da maneira por que se faz o com-
    mercio entro os navios europeos e os ne-
    gros da costa d'Africa. Certamento os ne-
    gios ah so mostram mais claramente eorao
    commcrciantes habis, do que tem sido re-
    -presentados al ao presente:
    Ha poucas cousas que mais admircm
    a um branco que vem pela primeira vez
    aqu em urna expedc3o de commercio dn
    quo a quadtidade de mercadorias pedidas
    o dadas a crdito.
    Com urna ioteira confianca um homem
    quasi n vos pedir 3, 4, e mesmo 5,000 li-
    bras esterlinas de mercadorias crodito, e
    muitas vezes ellas Iho silo dadas, bem que
    de dez dos que pedem crdito nao ha um
    ,iio morrea. Smente alguna dos chefes
    silo na realidado grandes commercianles
    diilceis na concluso de suascompras, po-
    rm pontuaes em seus pagamentos, elles
    se assemelham muito em suas traosaeces
    commerciaes aos seus irmos da Europ
    das partes civilisadas da Asia c da America
    Entregam-ae a seus negocios como \
    deiros homens de negocio. Capital
    r um chele, quero que mo Ge algum
    tabaco, a agoardenta, ea louca ; ha alero
    disto muitos (nitros artigos menos jmpor-
    tantea que elles lo mam como as barras de
    ferro, as varinhas de cobre ou de lato
    carnes, facas, maobadinhoa, sabOes, louca
    de barro, cristaes, cantaros, potes de ferro,
    bolOas de pcrolas, lengos de soda, etc.
    Quando tiverJes vendido iodas as merca-
    dorias que restavam depois das vendas que
    tuestes a crdito, dais o signal de quo aca-
    daales de traficar, e esperis o pagamento
    daquelles a quem vendestes a crodito o he
    entilo que comecam verdaderamente os
    vossos enfados alguns dos que vos fallan
    tilo bellas promossas na vossa entrada no
    no, nao se aproximara mais do vosso na-
    vio depois que Ihes vendestes a crdito,
    porm dirigem-so para outro navio a cum-
    merciar com as vossas mercadorias quo
    venderlo a dinheiro. Isto be extrema
    mente prejudicial; vndenlo a crdito
    perdis talvez um bom Ireguez o corris
    risco de perder novas mercadorias no mer-
    cado, ou pelo monos de serdes exposto a
    grandes enfados ; so nao dais a crdito,
    os grandea mcrcadores nao negociarocom
    vosco. Se alguos a quem vendestes a cr-
    dito commerciam com outros navios por
    nieiu das vossas mercadorias, a Mm de re-
    novar o seu capital quanto mais vezes for
    possive, ou se suas canoas foram retidas
    em diOereutes mercaderes de azete, a
    obra das reclamagOes comeca seriamente,
    o para convenc-los de que vossos passos
    sao io iiniont serios, o ides procurar bem
    tres vezes por dia ; vossas visitas sSo per-
    feitamente comprehendidas.
    Como, oSr. vem outra vez. capitSo .'me
    disso um mercador na minha terceira visi-
    ta ; desde o canto do gallo vejo seu rosto,
    quando o sol para ( meio dia ) vejo seu ros-
    to, e agor que cada um ae vai deilar vejo
    seu rosto; que quer dizer isto? Invehir,
    meu amigo, precizo do meu dinheiro ; nao
    se i .mina mars, diga-me, que desde tal tem-
    po tem orneo dinheiro? NSo me disse o
    Sr. que eu no me demorara por sua cau-
    za,enSov que os mastros do meo navio
    estSo arvoradoe, e que os rnous marioheiros
    gritarno brevemente com lome ?
    Se ellas vos prometteram pagar em um
    da liso, podis geralmente contar com el-
    los". Se estis muito atormentado, algumas
    vezes perdis ou fings perder a paciencia,
    e Ihes dais nomes vis como negros, malu-
    los, t eosamoacais de escrever a todos os
    brancos para informa-los de que os negros
    cousa alguma a eate respeito. Outra didl-
    euldade queso oppe a que se adquiram
    e spalho informales, e que se faca adop-
    tar oossos costumea mis civilisadoi, vem
    da influencia quaai sem limites dos padres,
    Sos exercem em grao eapaotoao o direito
    e vida, e de morte. Pela menor infraego
    das leis ocolesiasticas (que esto de tal sor-
    te ligadas as leis civis, que be fecil achar
    ocoasiSo de delicio) um chefe be condem-
    nii lo a fazer urna viagem de a 5 mozos, de
    ida e volta, pelo interior para consultar o
    grande ejuju, com grande detrimento dos
    nogocios doste chefe, e no sem despezas,
    o trabalhos.
    Os padres tem horraras innovacaes. El-
    los tem muito espirito para saber que so
    se desse o menor passo para a civilisacjlo
    bavetiam rpidos progressos, e seu poder e
    s i.i arrogancia seriara promptamente des-
    truidos. >
    EiS ii ni nutr) deque nao SO ti ulia ainda
    conhecimento, e que merece seroitido.
    Eu nlmocava em casa de um merca-
    dor inglez; um Bia/bufcimnoAanja ('magistra-
    do de urna ordemsuperior) veio fazer-nos
    companhia a meza o foi ello que me ensi-
    nouqueogalo tinha cahido em profunda
    desgraca por ter sido causa de que a mota-
    do dos habitantes do globo fossem negros,
    ao passo que os outros eram brancos. Eis
    aqui substanciolmente a convorsacHo que
    tivemos.
    Que quer tomar Mafauka-.Machanya?
    Quor peixe, aves, cabrito, familia de man-
    dioca, po, caf, agoardento, agoa ? Um
    pouco de tudo; porn que espele de ave
    he? Umagalinha ou umgalo? NSo sei, no
    rem supponho que isto pouco importa ~
    Ob! isto importa muito ; se he um galo,
    uito quero comer delle. Porque ? Porque
    este galo he um malvado muito grande.
    Como assim ? Que mal Ihe fez elle ?
    Um grande mal, se elle nao fOra, eu seria
    branco como oa Sra. -- Que ha enlilo entre
    o gallo e a sna cor negra f Tudo. Ve-
    jamos, explique-nos isto Assim he preci-
    zo. Vejam : quando Dos todo poderoso
    croou o homem so tinha um dia para faz-
    lo : commegou logo pela madrugada, e tra-
    palhou firme todo o dia porque era preciso
    razer muitos homens. Qnando auoitaceu
    Ma ordenou que todosse pozessem em urna
    lileira para poder ver como eslavam.
    Examinou-se um por um e achou que to-
    dosi eslavam muito bons, pelo menos quan-
    to forma; mas elle os tinha fuito todos
    dui 30i psssageiros sendo 36 para esta
    provincia, e segu para o Rio de Janeiro.
    Rio de Janeiro 20 das, brlgue inglez Ca-
    rolina, oapi to W Nant, equlpagem9, em
    lastro | a Me. Caloont & C. Fieou da
    quarentena.
    batial lahdoi no miModfa,
    Parahyha hiate nacional Parahybano,
    mestre Victorino Jote Pereira, carga va-
    rios gneros. Passageiros, Jos Antonio
    Pereira Gnimaros, sua aenbora e urna
    eserara.
    Rio Grande do sul brigue escuna nacio-
    nal San JoSo Voncedor, capillo Jos da
    Silva Novas, carga sal e assucar. Paasa-
    gciros.Joaquim Jos Izidorio da Silva,Ma-
    noel Jos Rodrigues Torres Jnior.
    Oburvafao'.
    Entrn arribado com agoa aberte o brigue
    nacional Marianna,que tinha sabido honloni
    para Lisboa.
    ajaf
    Deelarafoes.
    Aula de Obstetricia.
    A matricula estar aberta desde o pri-
    meiro at ao ultimo de fevereiro, as lijOos
    principiarn no dia 16.
    ' Pela segunda secco da meza do con-
    sulado provincial annuncia-se aos colleta-
    dos no un insto de 3 Dor centn, e bem assim
    aoa de casas em que se vendem bilhetes de
    loteras de outras provincias, e tojas de mo-
    dns,q no a cohraue i dos mencionados impos-
    to deve principiar no dia 3 de fevereiro
    vmdouro.
    REAL COMPANHIA DOS PAQUETES. INGLE-
    ZES A VAPOR.
    No dia 31 deste mez, espera-se
    o vapor Teviot, commandante
    Revelt.o qual depois da demo-
    ra do costume seguir para os
    portes do Sul: para passageiros, trata-so na
    casa da agencia, na ra do Trapicha Novo
    n. 49.
    -- Em consequodcia da diciso do Exm.
    Sr. presidente da provincia, pela directora
    doLyceosofaz publico, que continua em
    vigora portara do !.' de fevareiro de 1843,
    aparte em quo se ozigo exame degram-
    matica latina, feito oeste estabelecimento
    para a matricula das aulas de philosophia,
    e rhetorica, e approvago de lingua nacio-
    nal, oblida no mesmo liceo, para as demais
    aulas de instrueco superior,
    Outro sim, declara-se queoexercicio da
    todas as aulas
    --------------.- comegar no dia 3 de feve-
    in-gros, e ponsou quesera melhor que fos- reiro p. vindouro, s mesmjs horas lixadas
    sem brancos, ento poz-so a lava-Ios, e la-
    vou mui vivamente durante toda a noite
    ahm de acabar no tempo que tinha limita-
    do. Bem, porm quando cheguu ao meio
    de seu trabalho, o gallo cantou ; era de ma-
    nha e Dos foi obrigado a deixar os outros
    sem lavar; se uo fosseo gallo elle teria
    lavado a todos o todos os homens seriam
    ranos. Eis a raz3o porque metade dos
    iiouions s3o brancos, e outros negros, o
    porque no posso comer desse malvado gal-
    lo que nilo esperou que Daos acabasse sua
    so velhacos, e que se Ihes no deve vender pbra_ I O Mafouka-Machanya aplacou si i co-
    a crdito, e dizer a todos os mercaderes da, leij* com um bom copo de aguardento pura,
    Inglaterra que prohibamseus agentes de ocamo quer quo o cosinheiro sendo chama-
    negociar com elle. Se elles tem muios do do assegurasse que era urna galinha, elle
    pagar esta especie do linguagem produzir almogou slidamente da ave, e de todas as
    geralmentoo elfeito dezejado; porem de- putrs boas cousas aom fazer nenhuma ou-
    reis sempre esludar os caracteres, e trata- tra dilliculdade.
    (Moniteur.)
    COMMECil
    los segundo o resultado nesle esludo. Al-
    gumas vezes seris obligados a embarcar,
    brancos, apartar-vos multas milbas durante
    a noite, a esperar que suas canoas venham
    com as cargas, a aprehender as quo perten- LFANDEia ~^""
    cero aos vossos devedores, a reboca-las ao Rendimento- do dia 28 1S.M. 358
    vosso navio. Vi canoeiros to espantados n,,... TJTaa j o,-8
    ...lonoapracipiavamosaub,^
    bree les quesaltavam por sobre o bordoe Escuna holl.ndez.--Curaca/-, feo
    so salvavam como se fossem surprehendidos Escuna dinamarqueza -- aten merca
    ponnimigos; porom vollavam logo ffue dorias merca-,
    sabiam quo oramos Inglezes. f rjarca portugueza -- S Crus~ iilnm
    Este proeedimento he pongoso polos-ac- Brigue ingllz--C/(IH,--bacaIho-
    cldentesquefrequontemento causa, e pela Patacho inglez --Velrris --r nha'ii hr..
    saude. Umamanhvoltei para bordo de- Hiato brasil, ira aZZ -. :""'e brou-
    pois de ter pass.do toda a noita em um ba- fi'S, Vaiz ^ttl,xra geno-
    tel; eslava de tal modo desfigurado pelas Patacho brasileiro-'ff.rid-sabao
    pijadas dos mosquitos que mal me podiam iimiortacaa
    conhecer. Escuna dinamarqueza Helena violador
    Quando falham todos os outros meios, Hamburgo, consignada a ilalkmann lrm3os Jocosa comedia
    sso ultimo recurso he cspreitar vosso de- manifostou o seguinte : 'lnm rFvina tnr
    nos annos anteriores, a saber : latiin das
    8 as n ; inglez, geograpbia, e philosophia
    das 8 s 10; fraocez, liogua nacional, geo-
    metra, rhetorica e dezenho das 10 someto
    dia.
    Liceo, i!-' de Janeiro de 1852.
    O Amanuense
    Hermenegildo Marclino de miranda.
    --Por ordem do Sr.director interino fago
    publico que na conformidade do art. 13 do
    regulemento de 12 de.......> do anno p.flndo
    abrir-se-hsa matricula dasaulaa do Lyco
    no dia 15 do corrento, eser encerrada no
    ultimo deste mesmo mez, excepgo da de
    I.ilim Lyceu 2 de Janeiro de 1852.O
    amanuense.Hermenegildo Marcellino do Mi-
    randa.
    TBEATRO DE S JZABEL.
    des sullicientes, (rata-se com o mesmo ci
    pitiooulcom Luiz Jos d S Arauio n,
    ra da Cruz, n. 33. *
    Para o Rio de Janeiro, sa-
    ne em poucos dias, o patacho bra-
    ileiro Confianca: para o reslo da
    carga e escravoa a frele, trata.Je
    com os consignatarios Novaes -,
    Companhia, na ra do Trapiche
    n. 34, ou com o capitio, na nran
    do commercio.
    Para o Porto-
    - Segoir com muita brevidade brisni.
    portuguaza Boa-Viagem, capillo AntoL
    Pereira LoitaJuoior, tem bons commodos
    e excelleote tratsoieoto : para passageiroi
    o carga trata-se na ra do Vigario, n. l| u
    nm o capitSo na praga.
    Para o Porto, sahir impreterivelmen-
    te no dia 4 de fevereiro, a barca Bspirih
    Santo, capilo JoJlo Carlos Teizeira, i-
    bou commodoa e excelleote tratamenlo
    para passageiros e o resto da carga, trati...
    na ra do Vigario n. 11, ou como capitJo",'
    bordo.
    Para Lisboa com brevidade o brij.,
    portuguez Laia de que he capitam Jo.o .,,
    Ahrou, para o resto da carga e passageiros
    para o que tem os melhores commodos: i
    alar coro o mosmo cupito na praga do com-
    mercio ,ou com Francisco Severiuo Habana
    & filho.
    Para o Para em direitura ,
    a bom conbocida escuna brasileira Emii
    oapito e pralico Antonio Silveira Uaci-I
    Jnior, tem de seguir para o Para em direi-
    tura, com a maior brevidade poasivel, por
    ter quasi toda a carga j engajada : qu-tai
    pretender engajar o resto, ou ir de passi-
    gem pode entender-so com o rapiSo da
    mesma, ou com J. C. Augusto da Silva, m
    ra da Cruz, armazem n. 13.
    Para a Baha.
    O brigue brasileiro Almirante,
    forrado e pregado de cobre, de su-
    perior marcha, segu impreteri-
    velmentc no dia 28 doeorrentc,
    recebe alguma carga e passageiros,
    aos quaes offerece excedentes com-
    modos: trata-se com os consigna-
    tarios Machado & Pinheiro, na ra
    do Vigario n. 19, segundo andar,
    ou com o capitn na praca.
    ^^^H^WajajJBjajBJJBBBBajM^BfcaagBJBJBlBJBJJBBJpR
    Avisos diversos.
    Antonio Jos Ribeiro Bastos, embarc
    para o Rio de Janeiro os seus escravos Jo3o,
    e Luiz monillo-, e Luzia, parda.
    Precias-se alugar dous moloques : n
    ra da Cadeia n. 13.
    Instrueco elementar.
    O estabelecimento de iostruego elemen-
    tar, dirigido por Jos Xavier Faustino Ru-
    mos, no aterro da Boa Vista n. 5, acha-tc
    em efTectivo oxercicio, desde o dia 12 do
    crreme Janeiro.
    Quem quizerencarregar-sedo urna co-
    Motivus impievistos l'azem com quadei-,.
    xede haver o espectculo annunclado para I branga, no Penedo, aendo que d garanta
    K;_ 1 -----I Fin-cu. hn lnim IhIau-.,. l*_aa______
    hojo, 29 do correte, e lica transferido para
    quando de novo se lizer publico.
    TiIEATRO DE APOLLO.
    20.' RECITA DA ASSICN4TURA.
    Sabbado, 3i de Janeiro de i85a.
    Subir de novo scena, com
    nova devisSo de papis, o muito
    applaudido drama
    OSINEIIIO DES. PAULO.
    Finalisaraodivertimento com a
    veJor, al que elle venha ao rio visitar o 38 caixas e 4 fardos tecidos diversos 78
    vosso navio, seno podis decidi-lo a vira caixas miudezas, I dita um piano 1 dita
    bordo, e preude-lo. Ento o negocio se couros preparados, 5 ditas charutos' 1 dita
    torna serio. chapeos, 3 ditas mobilia. 4 ditas figuras de
    a Fechado com elle no escriptono, ella louga, 20 ditas vidros, 67 barns prezos
    commessaporopprimir-vos com um chu- 1 embrulho amostras, 2 ditos carne 2 latas
    veiro deepilhetos insolentes, e talvoz vos bolachinhas, 1000 garrafes; aos c'onsicua
    ameace de malar-vos na primeira vez que tarios. b
    descordes praia. Primeiro qua tudo de- 1 caita livros; a J. Uerki.
    veis guardar o sangue fri, enlodar o me- 14 ditas miudezas, 2ditas'pertences para
    or signal de medo. Quando elle ve que chapeos o papel de embrulno, 1 dita charu-
    zendas. Se souberdes quo ete homem be
    bom nosGntido commercial da palavra tal-
    vez lite peguntareis quando vos pagar as
    mercadorias que desoja comprar, e quaes
    silo os seus recursos. Ficai cerlo de que
    antes de responder-vos cousa aiguma, elle
    vos perguntar se no tem bda cabega, e
    so nlo sabe como poder pagar todas as
    mercadorias que Iba poderdes dar crdi-
    to, e se no tem bom nomo entre os bran-
    cos, e se no faz sempro bem os seus paga-
    mentos.
    Quando (verdes reconhecido a verdada
    de tudo o que elle diz da si, vos dir que
    tem tantas canoas, o tantos escravos sua
    disposiglo, qne tem alguns bona escravos
    para governar as canoas, e fazer o com-
    mercio das mercadorias no interior, a que
    para enviar ao mercado elle nlo tem
    precislo senlo de dinheiro. He soment
    e Jdepols destas circunstancias qne se da
    a crditonmagrandesomma, ou nlo seda
    nenhuoia.
    Se um mercador tem boa reputago e
    urna grande casa, isto he muitas mulheres
    e escravos, o que faz que sojulgue bom do
    sua riqueza, pode-se dar-lhe a crdito;
    porm em alguns dos jovens aspirantes a
    reputago commercial, pode-se confiar tan-
    to quanto nos grandes chefes. Para enri-
    quecer, elles sah un que devem ter boa fa-
    ma, e isto os faz ser alientos aos seus ne-
    gocios, e exactos em sens pagamentos;
    pode-se tratar com elles mais commoda-
    mente do que com os marcadores mais
    ricos...
    Estando tudo preparado para a recop-
    go das mercadorias, o commercio comega
    desojando vivamente cada um obter mer-
    cadorias a crdito. Se he a primeira vez
    que commerciais, os chefes eos pequenos
    mercadores entram en, negocio com pre-
    cauglo. Elles vos fallarlo de suas grandes
    riquezas, e da importancia dos negocios
    que fizeram, quaodo eris capillo, cirur-
    fiilo,em tal ou tal navio; desuapontua-
    idade no pagamento sem demorar o navio
    um so dia (os brejeiros talvez nlo tenham
    jamis pago); da boa amizade que lhea
    tesleniunhaslcs, talvoz que VOS pegara no-
    ticias do papagaio ou do macaco que vos
    olfereoeran na viagem precedente, insi-
    nuara que saliera que devieis commandar
    desta vez urna embarcaglo, gue esta deve-
    ria commerciar, quo sola um bomem h-
    bil, e que amis os negros, o que elles
    disseram isto as suas mulheres e a sens li-
    Ihoa. Depois de um longo colloquio pe-
    dem-vos que Ibes vendis a crdito, ese
    hesitis, julgam-se seguros do auccosso, o
    piedado por suas lagrimas, e avilta-seca- ferragens, 1 dito e 3 volumes garrafas va-
    hindo a vossos ps para obter sua soltura, sias, 5 pacotas papelo, 1 barril arenuues
    epromette pagar tudo 4 maoh suas mu- 1 dito sardinbas, 1 caixinha obras de ouro'
    Hieres e seus lilhos escarnecerlo delle e o 1 dita instrumentos pticos, 2 ditas eslam-
    desprezarlo, elle perder o seu lugar ontre pas e objectos lithograpbicos, 1 embrulho
    sous compatriotas, e sou crdito entre os amostras,a orJem.
    brancos. Vendo que ludo o que pode dizer 3 caixas tecidos de algodo 1 pacote
    ho intile que he procizo pagar suas divi- amostras, 2caixas tinta azul; a'j Koller
    das para ser restituido a liberdade, talvez Companhia.
    se ponha a rir e voa diga ; vos todos sois os 1 dita um retrato e diversas obras de flan-
    mosmos diahos, e ordenar ao seu princi- dres, 1 dita oleados, 1 dita espadas e razon-
    pal escravo que o acompanha, que va pro- da do couro; a F. Feuerheerd.
    curar, e trazer-vos o que vos he devido. 2pacotes amostras, 2 caixaa agulhas 1
    Poucas horas depois do urna conversaglo dita mercadorias diversas, 8 Tardos tecidos
    deita natureza desci a trra, e l fui tratado de la; a C. J. Astley & Companhia.
    da maneira a mais poliJa sem me fazerem 4 caixas couros preparados,! fardo o I
    allu/a 1 alguma a circumstaucia desagra- caixa tecidos diversos, 1 pacote amostras 1
    davel que tivera ha pouco lugar. a Manoel Jolquim Hamos e Silva. '
    MrSmilhconilr.ua o qne muitas vezes se 3 caixas sanguexugas; a Tegetmeyer
    tem dito sobre a rocura dos negros ero ral- I caixinha obras de ouro ; a Sul Rabo.
    lar aobre religilo com estrangelros. II fardos e 8 caixaa tecidos diversos, 1
    Os naturaes homens, mulheres, o me- embrulho amostras; a J. II. Gansloy.
    nios slo reservados mesmo para os neg- 2 caixas objectos de escriptorio, 4 ditas
    ci do mais pequeo inleresse em um grao espolhos; a J. I). Wolfhopp & Companhia.
    Inteiramenle espantoso e incomprohensivol 1 caixa obras de estanto e oculos ; a Cesar
    para a Europeus, principalmente parosla- Cruger.
    glezes, eFrancezes. Talvez a primeira pa- CONSULADO GERAL.
    DOIS GENIOS ICUAKS NAO FAZEM LIGV.
    Pttblicacoes litterarias.
    ELEMENTOS
    DI
    Homosopathia.
    Sabio a luz a segunda parte desta obra
    composta pelo professor homceopatha Cos-
    set Bimont. Recebem-se assignaturas para
    a obra inteira a 6,000 rs., no consultorio
    homceopathico da ra das Cruzes n. 28. De-
    pois da publicago da terceira parte, o pre-
    go ser elevado a 8,000 rs. para aquellos
    quo nlo tiveremassignado. No mesmo con-
    sultorio, acha-se a venda tudo quanto he
    necessario para o estudoea pratica dalio-
    mceopathia, como seja : livros impressos
    para historias de doentes, regimens apro-
    priados para a provincia de Pernambuco, e
    encarrega-so de mandar fornecer qualquer
    encommenda de medicamentos homceopa- ...
    thicos, tanto avulsps como em caixas, em o uenudo lol n
    glbulos como em tinturas. 1ao Qu2'mj,\''J, hn;
    JOSirol Va">9Sn,"a dS 'n'SC,men- i' c'porTo* sol
    tampCp^^
    res 00 consultorio homceopathico da ra
    das Cruzes n. 28.
    faz-se-lhe bom inleresse : a fallar no pales
    Jil'r.i/'Ul. 20.
    ~ OITcrece-se um mogo brasileiro, pin
    raixeiro de venda, do que tem bastante on-
    dea e he pessoa muito capaz 1 na ra do V-
    gario n. U.
    #>i O cirurgiflo Jos Antonio Marques, |
    fe: inudou aua residencia, para a ra da |
    9 Senzalla, casa n. 140, prlmeiro andar,
    ?>.. junto da casa dasenhora Viuva Las- *
    a>: serie. 1
    **(-'*?>>* *)&&B&,*
    Os senhores que licaram a dever, no
    armazem de molhadns da ra da Cadeia do
    Recile n. I, a Lino Jos de Castro Araujo.e
    que com elle nlo tem outras relagfles, sao
    rogados a satisfazerem seus dbitos, com
    maior brevidade possive : dirigindo-se pi-
    ra issoao seu escriptorio, na praga do Cor-
    po Sanio n. j, ou ao mesmo armazem, ao
    Sr. Jos Jorge Pinto, que Ihes dar quitaglo.
    Quem precisar de um caixeiro, com
    pratica de vonda e hbil para qualquer nc.
    gocio quo Ihe enlregarem, na praga, ou fu-
    ra dola queira annunciar por este Diario
    para ser.procurado.
    Pretendo-so arrumar para caiseiroda
    ra, loja, armazem de assucar,. ou nutra
    qualquer oceupago, um mogo de 16 an-
    nos, natural do Rio Grande do Norte: quem
    delle precisar, entenda-se nr ra I nperial
    n. 167 ou na travessa da Madre de Deas,
    armazem n. 7.
    Precisa-so alugar urna preta, que com-
    pre e venda, e que seu senbor, se responsa-
    belise pela mesma : no pateo do Carmo, es-
    quina quo volta para a ra de Hurtas, segun-
    do andar.
    -- O Sr. Francisco Jos de Santa Anua,
    morador no Giqui, queira dirigir-se a ra
    18, no praso de 3 dias.
    ras da tarde, vai a pra-
    ga por venda o sobrado de doua andares
    l
    TRA.TAA1ENTO UOMEO-
    PATHICO. -
    DAS MOLESTIAS VENREAS,
    Oabaixo assignado, previne pelo pre-
    sente a pessoa queaonunciou por este Dia-
    rio pretender comprar o armazem da ra da
    Senzalla n. 6, que foi do finado Jos AfTonso
    Higueira, que a parte que tem no mesmo
    armazem. o herdeiro Gabriel Alfonso Iti-
    o.rDOT;,ornrrs',rhTde med,co; hfM^.^m^WRum^^,
    pelo professor homceopatha
    Gosset-Bimont.
    . 67:556,084
    . 2:470,926
    70:027,010
    livra quo se eiisina a um monino seja ane- Rendimento do dia 1 a 27
    "!! :uilose). Intilmente se tsntaria ar- dem do dia 28.....
    ranear mesato de um monino ou de um ho-
    mem ebrio Oque elle nlo quer dizer. Na-
    da se pode saber a respeito de suas ideas
    sobre o bem, aobre o mal, sobre Dos, etc., DIVERSAS PROVINCIAS,
    senlopormeio dos chefes ou dos padres Rendimento do dia 1 a 87.. 2:813,038
    que slo al certo ponto superiores s con- dem do dia 28........ 120,962
    sequencias de urna conversaglo. Um dia -____
    perguotei a um rapaz que surprehendi fur-' 2:934,000
    tando urna pega de panno, o que Ihe acn-' -
    locera no outro mundo se eu o mandasse RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
    langar ao mar para d-lo a coinur aos tuba-
    roes. Aleme" me respondeo elle.
    Como Ihe disse, no sabes onde hasde
    viver depois quo deixar este mundo i
    Anei'ia'n ; como posso saber ? sou ape-
    nas um pobre rapaz, pergunte aos chefes
    Procurei iuterrogaj-um chefo que me res-
    pondeo framente que ojtiju (padre) sabia
    tudo, o que ella ole era umjuju; elle bem
    sabia quo aa o nfo ignora va.
    Iiirigi-uie entio a amiuju, o qual a seu
    turno disso que nlo era Chefe, mas um ini-
    sorazel juju, e om bonsoquencia disto nada
    aabia, que eu obrara melhor dando I lio
    urna paga de panno para mandar rogar a
    ;'JM pela minha feliz chegada Inglalorra ;
    ao mesmo tempo me reenviou ao chefe que
    sabia tudo. Eala reserva no vom d'elles
    nlo tarem nogOas sobres vida futura, bem
    que talvoz as no tenhlo bem dlfUoidas,
    porm do sua averslo em RAES DE PERNAMBUCO.
    Rendimento do dia 28..... 974,913
    CONSULADO PROVINCIAL.
    Rendimento do dia 28.....2:584,831
    da cera que fbrneceu para o funeral do dito
    ' r "' '''""0r'- pnmeiramente se ont-nda cora oibaioas-
    Aviso.s mari'imos.
    Movimento do porto.
    ........ ^
    Navios entrados no dia 28.
    Rio Grande do norte 3 dias, lancha na-
    cional Feliz das Ondas, de 29 toneladas,
    capito Vicente Jos da Costa, equlpagem
    3, carga assuoar ; a Jlo da Cuaba Maga-
    lliea.
    Liverpool 34 dias, barca inglsza Cumber- i Rocife n.49, segundo andar.
    signado. -- Pedro Ignacio Bapiista
    Prccisa-se de urna ama de leite forra,
    --------- ------. ou captiva, para criar um minino : napra-
    --Frela-se a barcaga Tentadora Feliz para ga da Boa Vista n 7
    qualquer porto do Norte ou Sul, com prefe- O homem sem' familia, de 49 annos,
    renea para o da Parahiba e tambem se ven- que se offerece par administrar ongcnlio e
    de a dinheiro ou apraso ou por troca de es- eiisloar meninos : dirija se a ra da Praia
    cravos correspondentes ao seu valor, os n. 55, que achara com quem tratar,
    peneudentes deumaaouira cousa podem di- .- Aluga-se o terceiro andar, da casa di
    rijir-ae a ru. larga do Rozar.o n. 18, que ra do Queim.do n. 9, a tratar a loja.
    achar! ocom quem tratar. prScisa-so de um fetor para olaria ,
    -Freta-se para qualquer parte do med- que teoba alguma ortica deste servigo: na
    torraneo o brigue inglez Salla Rookh, ca- ra da Auroran .} v
    pillo Jlo Haciaravich. Trata-se em caaa .- o Sr. Jos D.as'da Costa, tem urna car-
    fSaaSl fISm "i" Mre,^, rl" d '"' Tnd' du Porl0' de 8ua fam1U : n" P"5*
    Trapiche o. !3,ou com o capillo na praga ou da Boa Vista n. 14
    ' o.,. Offerece-se urna mulher, para amada
    ._ aarao AraesiY. casa de nomem solteiro, ou pouca amilia:
    Segu na presente semana, o beroconhe- quem a pretender, dirja-se a ra do Pilar,
    do hiato Capibanbo mostie Antonio Jos casa do Sr. Jezuino, onde se dir.
    Vianna, para o resto da carga, trata-se na Josepha Epifana da Fonseca, esljus-
    rua do Vigario n. 5, ou com o mestre do ta com o Sr. Matbeus Jos Gomos, a comprar
    mesmo no Forte do Mallo. ao llo Sr-( 0 ,eu gj,0 dl c,pungl qU(in
    - Para o Aracaty aahe impreterivelmen- tiver alguma reclamaglo a fazer o faca neJ-
    te al o da 4 de fevereiro, o hiate Fiordo les 3 dias. t
    Cururipe : quero nelle qulzer carregar ou -- A pessoa que annunciou querer com-
    !irJfrfa,S.aageX..iriJ,"8e/ruada Cadeia do P"r uma c terroa no bairro de S. Ao'0"
    nio, quor.nulo nina na ra de llorbas, t0!
    land, de 38 toheladaa, capitSo Archebald P Para o Rio de Janeiro sej con muita 800,000 rs.: dlriia-so a travessa do V"
    Johuson, equipagem 16, carga carvlo; a'brevidade por ter parte do seu carrega- mero 18.
    Deane Youle & C. monto prompto o brigue brasileiro Animo, -. I)ezeja-se fallar aosSrs. Jos R
    llhas de San Miguel e Terceira 42 dias, | capito Domingos Antonio de Azavedo : Lima, Henrique Antonio Rodrigue
    galera brasileira Sophia, capito Manoel; para o restante da carga, passageiroa e es- quim dos Santos Craca a negocio'
    Ignacio Correa; a Machado Pinheiro. Con- cravos a frete, para os quaes tem commo- interesses: oa ra da Cadeia do Rec
    driguc*
    Jja-
    1 sous
    en-51.
    MUTILADO
    *F*


    H
    """-
    --Palneir & Beltrfio. eom armasem de
    molhados no largo do Corpo-Santo, cabio
    de receber verdadeiros miresquino do Za-
    ra,qucijos londrinos,e presuntos para Ham-
    bre & 4.
    O Sr. Jos Mauricio Telxein d'Albu-
    querque queira ppareoer na ra da Praia
    u. 49, a negocio de seu inleresse.
    Precisa-se alugar urna ama para o ser-
    vico de caaa e ra: a tratar na ra daa La-
    rangoirai n. 33.
    Avizi-se a quem convier, quo a Capel-
    la ds Senhora Saota Anna do no doce til i al
    do curato da S, he propriedade do povo, e
    <|ue o sitio annexo a mesan Capaila lbe es-
    ta sugeito pola quantia de aels mil r. an-
    Alug.-se o lerceiro e quarloandar do
    sobrado da ra larga do Rosario n. 3G; a
    Tallar com Bartholomeu Francisco de Souza.
    -- m.i i.iiuii Rosa S. Martin retira-so para
    o Hio de Janeiro, levando em sua compa-
    nhiaseua lilhos menores Affongo, Amelia,
    IL palito e Carlos.
    Agostinho I.iii/. Fernandos, subdito por-
    tuguez, retira-se para fra da provincia.
    Antouio Jos Ribeiro Basto, embarca
    para o Rio de Janeiro, o seu escravo Maooel,
    creoulo.
    -- Aluga-se o segundo andar do sobrado
    da ra Direita n. 120, com commodos para
    grande familia : a tratar na loja do mesmo.
    Desapareceram na noito do da 27 do
    crrante do engenho Tapera, freguezia do
    JaboatSo dois escravos, de nomo Narcizo
    e Andr cujos signaos caractersticos s8o os
    seguinles, o primeiro do altura regular eco
    do corpo, olhos vivos e saliontoa, dantes li-
    mados, pouca barba, espadoas largas, per-
    itas finas, e representa de idade 26annos, e
    o seguinte do altura regular, bastante cheio
    do corpo, testa grande olhos um pouco ves-
    go, pellos salientes, pernas arquiadas e
    grossas, ps grandes ; represonea de idade
    35 annos e no tem barba : recommenda-se
    pols aos capitSes de campo a captura dos
    mencionados escravos, pelos quaes teram
    a gratificaglo de cem mil rs. lovando-osao
    sobre dito eogeoho. onde acharam com
    quem tratar.
    Oliereco-se um moco portugoez para
    receher dividas dentro ou fra dosta cidade,
    o qual di fiador a sua conducta.
    - O Sr. Gervasio Rodrigues Campello,
    Joflo de Freitas CuimarSes, embarca pa-
    ra o Rio de Janeiro o sed escravo crioulo da
    nomo Caetaoo.
    Acha-se farinha nova de SSSF, (de ra-
    minha) para vendar, nos armazens de Dea-
    ne Koule & Comr-anhia, no beoco deGon-
    calves.
    No pateo da ribeira de S. Jos n. 15,
    lava-so o eagomma-sc com perfeigSo e ac-
    ceio.
    AlugSo-se os 2 andares da casa da ra
    da Madre de Dos n. 26, defronte da Igreja :
    tratar na ra da Cadeia do Recife n. 49
    1.a andar.
    Madama Rosa S. Martin retira-se da
    provincia com seus filhos menores, para o
    Rio de Janeiro.
    Os crodores do falecido Ilenrlques Ca-
    ntillo Ferreira podem mandar receher o
    rateio em casa do J. D. Malftiappo & Com-
    panhia.
    --Aluga-se urna preta escraya para todo
    o servio dn urna casa de familia : na ra
    da Alegra, n. 44.
    Joaquim Ribeiro Pontos tendo contas
    e letras de alguns senhores quo tem deixa-
    de pagar-lhe, uns por amizado, outros por
    j-olaxacSo tanto da parto do seu cobrador
    como dos devedores, roga pelo presente
    aos mesmos Srs. de virem quanto antes pa,
    gar seus dbitos a ra da Cadeia do Recife-
    u. 54 assegurando toda acontomplag3o nos
    juros; eseassim o nao fizarem passarSo
    a ser demandados, oque ser urna vergo-
    nha para osdevedores alem do abuso com -
    mettido, alguns ate ha 15 annos. .
    \ II" II (fio.
    Nova fabrica do chapeos de Sol no atierro
    da Boa-Vista n. 22, acha-se um grande
    sortimonto de chapeos de Sol multa
    em -ni.i i. tanto para hornero,como para se-
    nhora, como seja de seda ou de punninho, e
    grande sortlmento de pecas de seda ede ps-
    paniiinho para cubrir os chapeos de Sol ja
    usado,tambem concerta os ditlos peol preco
    mas comino lo do que em outra qualquer
    e parte com toda i romptidfio,
    Nodia2l do crrante sahindo a vender
    tapioca como he costume o africano de ri-
    me Amonio; levando um taboleirode ps
    oliados de encarnada e urna bande|a ; lovou
    cale i azul anda em folha e camisa de risca
    do tambem azul : como al o presento nSo
    Roga-se aoa moradores d" S. Amaro,
    Bcllem e outros arrebaldes, que no 92 do
    crrante deiippireoeu orna vaca com o bi-
    zarro, a qual andava pastando, com um
    molatinho que por descuido nSoaprocurou
    aenlo na hora de querer se retirar para o
    Heciffe, ecomo ate o praaente nfio tenha-se
    adiado, roga-se a pessoa que a tiver em aeu
    poder de a> mandar conduzir ao atterro da
    Boa-Vista n. 17, que se pagar as despesas
    havidas, Tas signaes da vaca silo as seguid-
    les ; cor sinzenta, galhos com as ponas
    fuides e na coxa um 8, o bezerro be de cor
    castanho.
    Aluga-se o segn lo andar o solo da
    casa n. 29 da ra do Vigario : a tratar no
    armazem por baixo do mesmo. Precisa-se
    de-um caixeiro para casa de purgar > de
    engenho : quem estive nesta circunstan-
    cia dirija-se ao mesmo armazem
    #**?
    9 Preciaa-se de urna ama aecca ou
    mesmo urna escrava para todo o ser-
    vigo do urna casa de pouca famila, e
    % que d iiador a aua conducta quem
    * estiver neatas circunstancias apare;
    # ii.i ra do Vigario n. 9, que se dir
    quem precisa
    3
    tomuma carta na loja da ra do Rozara |la aparecido roga-se a quem o pegar leve-o
    n. 21, para se Ihe entregar viuda da Pa- a rua Augusta casa n 33.
    rahyha. -Contrata-so a compra de 2,000 estacas e
    Desapparoceu em dias deste mez o mu-' 8jo varflS> tujp je madeira, sendo as esla-
    latoJoSo, condecido por JoSo grande; he | cisje to palmos de altura, e 4 polcadas de
    canoeiro, tom um talho no rosto, magro, grosiura, pouco mais ou menos ; e as viras
    estatura regular, foi escravo do finado Jos de trinta palmos : a casa n. 24 atril dai-
    Joaquiui de Mosquita, e hojo perlnceiite a grja 0 p,iar> dB parta do mar : na mesma
    viuva do mesmo; roga-se as autoridades po- casa vende-so urna porgan de sement de
    lciaes, capitSes de campo e mais pessoas in|iatrie.
    quo o encontrarem de agarra-lo e leva-lo a: .. 0 contractador da conduccSo dos cada-
    rui de Santo Amaro, casa n. 6, quo se pa- vores para 0 cemiterio publico em earros
    gario as despezas que com o mosmo II- a0hj.gB estebelccido na rua estreita do Ro-
    zerem. I zarjo. n. 3, ondo achralo tamoem caixOes
    .- Um rapazlbrasileiro, quo jl fo caixei-| e madeira para euterramentos.
    ro de urna casa estrangelra de grosso trato, i ~ Os credores do fallido Francisco An-
    o da qual tem muilo bom atlostado de sua | toniu Mosquita podem rceeber dos admi-
    conducla;seoHereceparacixeirodequal-| jjjtrgdofjg 0 qe n,es toca em rateio
    quer outra para casa ou cabrangas de rua. i .-Quem qnizer comprar cinco vaccas
    lando cinhecimento de sua pessoa : na rua ulnas do pasto, una parida do novo, e
    da Soledade n. 44 indo pela trempe.
    OSr.Bernardo Jos da Costa hoja eropre-
    ,M'l.i no cemiterio pubhico querr ter a
    bondade do ir a padaria do pateo da San-
    la Cruz, n. 6, a negocio que n3o ignora.
    Na noitedo da aG do cor-
    rente, desemcarmnhou se
    pertoj
    quatro em das de parir : a pessoa a quem
    convier drrifa-so ao sitio Engenhoco, no
    leme lio que achara com quem tratar.
    Arrenda-ae um sitio, at urna legoa
    distanto da praca, no qual se possa ter 6
    vaccas do leito o planta de capim : na praga
    . | da Boa Vista n. 14.
    , ueaNuuinauaa.u-.. s0 .. PreclM-l de um caixeiro, quotenha
    da Soledade um cao preto, novo, bastante pratici de venda, para lomar con-
    culcados de branco, e ponta da' la porbalango: na rua do Cano, venda nu-
    '. t mero n. 2.
    cauda tambem branca, de raca le-, .. precisa-se iicumn mulhercapaz, que
    ra-Nova, com coleira de COU O, saibacozinhar eengommnr, para ser ama
    ___, / ii i. i_.,-,_ do casa de um liornom viuvo MU lamilla :
    urna chapa, e fivella. de latao ,f ai rua d|) CoJornlz ,
    quem soubcr dirija-se a rua do| Manoel Antonio de Carvalho vai a Por-
    Trapiclie-^ovo n. 3, que ser gra-
    tificado.
    tugal.
    -- O senhor JoSo Francisco da Costa
    morador em Olinda queira entender-so
    Joaquim I.uiz Vieira, retira-se para f- com Luiz Jos do S Araujo, na rua da Cruz
    ra doimpeiio,deixBndoencarregailodoseus[ n. 33, anegocioque Ihe diz respeito.
    negocios a seu irmUo Antonio Luiz Vieira. -- Precisa-se de uan mulhcr de meia
    - O Sr, Luiz Antonio Armes, queira an- idade, para fazer compaollia a urna seuho-
    nunciar sua morada, que se Ihe precisa
    fallar.
    Precisa-se de um criado para um ho-
    inemsolteiro, qued liadorasua conducta:'
    ra, e algum sorvico de portas a dentro :
    comprela no terceiro andar da casan. 20,
    da rua largado Rosario.
    ~ Precisa-so de um moco que queira co-
    quem estiver tiestas circumslancias, dirija- brar dividas dentro da prac.a, mediante a
    se a rua Non n. 35, para se tratar doa-
    juste.
    ~ Troca-se urna linda imagem de madei-
    rs, da senhoraSauta Auna, fcita em Lisboa,
    nova, o muilo bem encarnada
    Collegio n. 1.
    porcentagem que so convencionar : na bo-
    tica de Bartolomeu Francisco de Souza, na
    rua larga do Rosario.
    nuaes para paramentse; como roelhor se
    na rua Jo pulcra ver na Cmara Ecclesiastica ; e isto
    para nflo haveiem duvidas no futuro.
    Precisa-sede um feitorde boaconduc- -Pretendo-so comprar o armazem n. 6
    la, para um sitio perlo da pra(a : a fallar; da rua da Senzalla Velha, que pertenceo ao
    na rua da Madre de eos, loja de fazenas fallecido Jos Alionen Rigueira ; quem se
    n. 16. julgar com direito ao mesmo anuncie por
    Tinturara franceza, no aterro Ja ?sto "* todia30do coirente mez de
    ,-.,,.' i Janeiro.
    Boa Yistan. 17. O9&&^0OO9 OQQ99Q&Q
    Trngc-se toda e qualquer fazenda delaa, (anos O
    algodo, seda e lioho, tanto cm obras como q q
    em pecas e com muito asseio ; assimcomoQ Alberto Prevost segeiro tem a hon- q
    se alimpam casacas e outra qualquer ropa j ra de prevenir ao respeitavel publico X
    de pao, quo tiver nodoas, pondo-se como| X queestabeleceu-se nobeccodo Tam- ^
    novas o por presos commodos. ~ bia defronte do chafarif da- praija da JIJ
    Jo3o Francisco Maya, vende a sua loja g Boa-Vista,primeira coabeiraa osquer- J
    de miudezas, na rua larga do Rozarlo n. 26, O da onde as pessoaj que do sou <3
    e so liouver quem se of-ponlia a este neg- <3 prestimo precisareis, oacbarflosem- O
    co, annuncie por esta folha, no praso de O pre prompto para servil-as com bre- O
    3 das. O vidado e preco commodo. O mesmo O
    ~ Aluga-se urna ama captiva, ou forra,1 Q encarrega-se de qualquer concert
    quesaiba bem cozinhar : na rua do Quei-, tt tendente ao sou oflicio. fvj
    nmdoo.40. [ 00000OOOOO OQOOOQO
    Aluga-se o segundo andar do sobrado, 1 Quem precisar de roitpa lavada o en-
    da travessa do Sarapatel.com commodos pa-1 gommada, com asseio e promplidBo, por
    ra grande familia, pois tem um grande so- preco commodo: dirija-se a rua de Ilortas
    13o com dous quarlos: os pretendentes, di-; n. 40. Na mesma casa cima apromtam-ae
    rijam-se a Cambua do Carmo o, 33. I bandejas com boliohos para fra e fazem-
    -- Joaquim Autonio Seguro, vai ao A-|Be boliohos de diversas qualidades, tudo
    : '"'a 1 y. em conta,tambem se vende velas de cania 11-
    Bailar & Oliveira, embarcam para o Rio ba 1)' superior qualidade.
    de Janeiro, a sua escrava creoula, de nome .. ,\a primeira audiencia do lllm. Sr. Dr.
    I;'''"i;l juiz dos feitos da fazenda.so hSo de arrema-
    -- Precisa-se de alugar um preto que en- iar h seguintes objectos : um engenho de-
    tenda bem do masseira para urna padaria nominado Barbalho na freguesia da comar-
    nesta praca: quem tiver equizer aluga-lo, ca do Cabo, com todas as suas trras, mat-
    lalie com Manoel Luiz da Veiga. tas e logradores, casas do engenho, de v-
    -- Precisa-se de alugar urna preta capti- venda e de purgar, com 30 furos e 3 balcOes
    va, que muIi 1 fazer todo o servido de urna I grandes, senzalla para prelos, 1 moenda, 4
    casa de pouca familia; paga-so mental-! tachas e um (Jarol de caldos, tudo de ferro,
    menle 10,000 rs.: na praqa da Independen-
    cia n. 38.
    Precisa-sede um homem ponuguez,
    que ontenda do plantajes para feitor de
    um engenho pertodesta pra;a : quem esti-
    ver nestas circumslancias, dirija-se rua da
    Concordia, ultimo sobrado do lado do Sul :
    a fallar com Manoel F. Ferreira.
    Antonio Jos de Siqueira ,cidad3o por-
    tugus, relira-se para forado imperio.
    Aluga-se o terceiro andar e sotSo da
    casa da rua da Muela n. 7 : a tratar na mes
    O JAROM DAS DAMAS.
    . Este peridico, todo dedicado lnilruc(ao e
    frecrelo do bello aeio, he, segundo aedeclarou
    no prospecto ja publicado neite Diarlo, divi-
    dido em duaa partea, parte Instructiva e parte
    recreativa. Na primeira ir dando em forma
    de dialogo e em artigos separados os cooheci-
    mentos que urna senhora deve ter para poder
    dlser-ae bem educada Isto he ir apresenlan-
    do da modo proporcionado comprehensao de
    suas leltoras desenvolvl/oenlos mais ou menos
    cstensos sobre a historia sagrada e profana, so-
    bre as aclenclas naturaoa e positivas, sobre os
    direitos c deveres proprios da inulher, sobre
    litteralura, elo. A segunda contera poesas,
    romanses, dramas, coatos para meninos, ane-
    doctas, jogos de prendas e reccitas utels c cu-
    riosas.
    Lodos os nmeros do Jardiui daa Damaa, n
    qual sahir duaa vezes por mez ern fothetitn de
    16 a -i paginas, aero acompanbados, ora de
    flgurlnos representativos das modas mais re-
    centes de Pars, ora de liados riscos de borda-
    dos, ora de bonitos moldes de labyrlnthos;
    alem disso oJardiin das Damas dar dentro de
    cada quartel da assigoalura urna rnodrnha bra-
    sileira com acompauhaincnto para plano: o
    rnelhor presente que um pal pode fazer a sua
    Riba, um irino a sua Irroa, he portanto sem
    duvida iirnlinin.i urna assignatura do Jardlm
    das Damas, pois elle satisfaz a todas as neces-
    aldades do bello seo.
    O primeiro numero sahlo luz e se acha
    dposico do publico ua praca da Independen-
    cia loja o. 0 e 8 na qual se recebem as assig.
    naturas raso de 2 ra. por aerie de seis n-
    meros, lato he por teuipo de tres mezea. Alem
    do que conim aparte instructiva, o primeiro
    numero do Jardlm das Bamas cooim na par-
    te recreativa duas poesas escolbidas, dous bo-
    nitos romances, dous contos para meninos, um
    Jogo deprendas e varias receltas utels, perfa-
    zendo tudo 24 paginas de impresan ern forma-
    to grande c multo elegante.
    Accmpanham a este numero duas estam-
    pas, urna grande, toda cheia de delicados
    riscos de bordados Impressos em tinta azul
    sobre campo cor de rosa, e una mais pe-
    quea com bonitos moldes de lahyrinthos.
    uJardim das Damas nao sppareceu logo
    no principio do mez, como foi anuunciado,
    portersido precisorefazer-se toda a chapa
    dos bordados, que da primeira vez n3o al-
    bir* perfsita, alm de varios outros emba-
    razos quosempra encontram em principio
    as emprezas deaU ordero, principalmente
    em una cidade Como a nossa, na qual as
    artos se acham anda t3o atrazadas ; elle
    porm envidar lodos os esforcos para ven-
    cer as dilliculdades com quo esta luciendo e
    (em de luctar, alim de apparecer regular-
    mente e satisfazer as bellas que se digna-
    rem honra-lo com suas assignaturas.
    (J Sr.trnardo de Albrnjnet-
    que Fernandes Gama, queira mau-
    dar pagara subscribo deste Diario.
    '>!' *#?
    49 Paulo tial ri(in\. dentista ,,
    francez.olTercce seu prest- ^*
    Feata de S. Amaro.
    Hoje 39 do correte pelas 7 horas da tar-
    de haver abiadeira de S. Amaro, a qual
    sahir da igreja da ConceicSo dos Coquei-
    ros ns Boa Vista, Ir em direccjlo para a
    igreja do meamo milagroso Soneto, tem
    de continuaren] as nvenis ata o da de
    festa, que ser no dia 7 do p. mez de feve-
    reijo : h pessoas que quiza rem coacor
    rer com snss esmolss. poderSo deposta-
    las em mflo de Manoel EstevSo doNiscl-
    mento QuiDteii*o, como thesoureiro da
    mesma : na Itua Nova, n. 63.
    AVISO SATISFACTORIO.
    O abaiio assigoado, agente do Dr. Bran -
    drelh, faz sciente ao respeitavel publico,
    quo pelo brigue americano James Crosby
    vindo de Roston entrado no correoto mez,
    recnbeu novo provimento da pitillas vege-
    taes de seu proprio autor; estas celebres pi-
    lulas s3o recommoudadas por militares de
    possoas a quem ellas tem curado de phtisi-
    ca, influencia, catarros, indigestos, dis-
    pepsia, dores de caber,*, dores ou pezo na
    nuca, quo geralmenle sSo simptomas de
    apoploxia, ictericia, fobres intermitentes,
    billfs, escarlatinas, febreamarella, e toda a
    classe de febres, asma-, gota, rheuroatismo,
    enfermidados nervosas, dores no ligado,
    pleuresa, debilidade interior, abatimeito
    da espirito, roturas, InllammafOes, ncba-
    c"s dos olhos, accidentes, parlisis, hidro-
    pesa, boxiga, sarampo; enformidadesdos
    meninos, tossn de toda a classe, clicas, co-
    lera-morbus, dor de podra, lombrigas, de-
    srnteria, surdez,vagados de caboga orispel-,
    la, ulceras algulas de 30 annos, cancros, tu-
    mores, 1 ui'li 1 i/i.'n nos ps e pernas, almorel
    "ns, errupc,;ln de pelle, sonhos hurriveis,
    p 'i'lellus ; toda a qualidade de dores o
    molestias de mulheros, como obstruc(0es,
    relachacOas ele. etc. ; heum medicamento
    inteiramente inoffencivo, podando applicar-
    se at as cranlas rescemnacidas; ltima-
    mente se tem applicado, a urna enfermida-
    dedo molestias julgadas encuraves, de cu-
    ja applica(3o se tem tirado tilo felizos resul-
    tados quo parece cada vez. mais resolvdo o
    problema de um remedio universal : von-
    dem-se com o seu receituaro, t.a rua da
    Caileia-Velha n. 61, botica de Vicente Jos
    de Brito.
    Na Rua do Aragao, n. i2, se-
    gundo andar, copa-se com perfei-
    cao qualquer papel em muito boa
    letra e por preco commodo.
    na, de meio dia al 2 horas da larde.
    Offerece-so um rapaz de 15 a ni annos,
    para caixeiro do venda, da qual tem alguma
    1 cuica : na rua do Collegio n. 5, se dir
    quem be.
    Precisa-sede urna ama para tratar de
    urna Sra. doei.to, em casa de pouca familia,
    sonde tem escravos deservido para fra, pa-
    ga-se bem agradando aununce para ser
    procurada.
    Justino Antonio Pinto embarca para
    o Rio de Janeiro, o seu escravo de NacBo S.
    Thom, Damnsaa.
    Joflo Francisco Maya vendo a sua loja
    de mindezas na rna larga do Rozario, n. 26,
    e se houaer quem seopponbaa este nego-
    cio, annucie por esta folba no .prazo de
    tresdias
    I 1110 no publico para tollosos
    % misteres uc sna proflsso:
    a) piiiir-cr procurado a qual-
    * 0 rua larga doRozario, 11. 36,
    9 segundo amLi'"-
    Nova fabrica le chapeos da sol e
    tinturara, no aterro da Boa Vis-
    ta n. 29.
    Nesta nova fabrica o respeitavel publico
    achara um completo sorlimento de chapeos
    deso do seda epaninho, tanto para ho-
    mem, como para senhora, e concert igual-
    mente, por pircos mais commodos do que
    em oulra qualquer parte ; para este mesmo
    eslabelecimento se acha mudada a tinturara
    franceza da rua Velha n. 74, tingindo-se to-
    da e qualquer fazenda de seda, 13a, algodSo
    e linbo, tanto em obra, como em peca e
    com muito asseio, assim como se alimpam
    casacas e outra qualquer ropa de panno,
    que tiver nodoas, pondo-se como novas, e,
    por presos muito commodos.
    Emilio 1 indi, retratista ale-
    mo, tem a honra de recommen-
    dar-se ao respeitavel publico des-
    11 prara c provincia, prometiendo
    executar com promptidao e per-
    fecao toda e qualquer obra de
    sua arte : quem quizer utilisar-se
    de seu prestimo, he rogado de di-
    rir-sc a casa de sua residencia ,
    na rua do Trapiche Novo n. 2, ter-
    ceiro andar, em todos os das utes
    das 9 horas da manha at as 4
    horas da tarde.
    -A8 das quo me procurou para com-
    prar a creoula Pastora dizendo era escrava
    do Sr. Antonio Jacinto, Sr. do engenho ca-
    nhoto, freguezia de S. Bento, termo de Por-
    D. W. BAYNON.
    ^^_ Cirurgi3o dentista ame- ($
    *> 1'-;'%!& ricanu. nvis" respei- l
    (- Han? tavel publico destcidade *)
    ?; ter recentemento voltado dos Estados -v
    tt': Unidos, e que se acha prompto a fazer 4
    * toda a qualidade de operarjSo per ten- ?
    >* cen-te a sua arta segundo os me- 4
    a, Ihoramentos mais molernos: pdese
    ) procurar no hotelFraneisco. (
    Flores de gomma,
    para cabello e cima de mesa, bonecas, ole. ,
    fazsa com perfei(3o, naturalidade e bom
    gosto : na rua do AragSo n. 12, segundo
    andar.
    Na rua do Hospicio n, 52, precisa-se de
    urna ama que engomme bem ; prefere-se es-
    crava, o pagasse bem.
    -- Aluga-se a padaria nova do Mangui-
    nd, com todos os seus parlcnccs : quem a
    pretender, dinja-sa a casa junto a mesma ,
    qae achara com quem tratar.
    L- Precisa-se alugar urna preta captiva,
    ou forra, qua faca todo servido de urna ca-
    sa de pouca familia, proferiudo-se captiva,
    paga-se bem : na praca da Independencia n.
    22, se dir quom a pretende.
    Frccisa-se alugar urna escra-
    va, que seja boa cosinheira e com-
    pradeira, : quem a tiver dirija-sc
    a rua da Assumpcao ou muro da
    l'enha n. 16.
    Banco de Pernambuco.
    A direcc.3o do banco tendo em considera-
    rac,3o os pedidos que algumas pessoas desta
    provincia lenhSo feito para se lbe reservar
    algumas acetes que queri3o assignar.tomou
    a resoluto de reservar um pequeo numero
    de accOes para estss pessoas que convida a
    vir assignar no cscriptorio do Sr. Manoel
    Concalves de Souza al odia 31 docorronta
    mez de Janeiro fochando-se nesse dia as as-
    signaturas por todo o capital effectivo do
    Banco por haver pessoas que querem to-
    mar o restante que nesse dia houver.
    Madama Uouticr modista franceza
    Rua-Nova n. 58.
    Participa ao respeitavel publicoe princi-
    palmente a seus freguezos quo tem em sua
    loja um lindo sorlimento de fazendas fran-
    cezas e tudo que ha de mais moderno em
    Pars; ricos cheos de seda do todas as
    cores, dilo de palha d'ltalia abarlo, muito
    bonitos chapeosinhos de seda o de palha re-
    dondos para meninos e meninas de um
    seis annos, com abas largas de lindos en-
    feitesede todas as cores; um liado sorli-
    mento de trancase franjas tanto protas co-
    mo de cores; capellas de flores muito ricas
    e modernas; um grande sorlimento de
    filos de todas as qualidades; muito lindos
    manteletes de fil preto; chales, mantas,
    manteletes e capotilbos de seda do rnelhor
    goslo ; chamelote preto; (llores linas, man-
    guitos de bico para senhores o mais] mo-
    derno gosto, selim, tlelas de todas as co-
    res, plumas de cores e brancas para enfeite,
    atacadores para bolina de senhor, ricas lu-
    vasdepelica para senhora o senhor, luvas
    pretas para senhora, bicos de liuho verda-
    deiro, ricas romeiras bordadas, ricos lou-
    cados de senhora para bailes ou theatro,
    chapeos de montsria, lencinhos de seda, li-
    ma de passara caria dos denles Turados para
    os outros Sos ; tambem tira pedras ou ca-
    rias dos dentes em geral, que tanto os daoi-
    neflea e coopera para o rno alitoda bocea,
    nSo sendo tirado : oannunciantea 10 an-
    nos quo exerce a sua profrscSo nesta cida-
    de, e os muitos exemplos que tem dado
    nesse longo lempo, sera quanto basta para
    se garantir,
    DJo-so tresentos aquatro cantos mil
    reisa jur8, na Boa-Vista, rua d'Alogria.
    casa u. 34,
    -- Anna Joaquina do O", faz saber quem
    convier, que continua comoseu eslabele-
    cimento de ensinar a lor, escreve, contar
    as quatro especies princtpaes, doutrina
    christSa ; o bem assim a cozer, n3o s liso,
    como bordar, e laberinto : iudo isto ensi-
    na por commolo preto. na rua de Cula
    n, 45.
    Aluga-se a silla do frente e tres quar-
    toa da casa terrea, n 23 da rua das Laran-
    geiras proprio para rapaz solteiro; tratar
    na mesma.
    Quem annuciou no Diario de 22 do-
    corrento querer 600^)00 rs. com hypotheca
    om urna cas, querendo 500^000 rs. dirija-
    se a rua de S. Thereza, n. 21 que se dir.
    -- D-se a juros de 2 por cento ao mez e
    sobre pinhores de ouro e prata, a quantia
    do 280/000 rs.: na rua do Caldereiro, n,
    82 se dir quem os d.
    Aluga-se o segundo andar de um sobra-
    do da rua do Ranget defronte da botica : a
    fallar na rua do Cabug loja de Joaquim Jo-
    s da Cosa Fajoges.
    ~ O abaixo assignado declara ao respei-
    tavel publico, principalmente aos seus cre-
    dores, qqg desapartou a sociedade que ti-
    nha na sua venda na rua do l.ivramento n.
    28, com a firma de Malos & Magalhaes, li-
    cando o abaixo assignado desde hoje res-
    ponsavel pelo activo e passivo. Jos Luiz
    de Mallos.
    -- Antonio Pinto de Magalhaes faz sciente
    a todos os credores portenecntes a venda
    sita cumfronte o oil3o da igreja do Livra-
    mento n. 38, que tem apartado a sociedade
    que linha na dita venda com Jos Luiz de
    Mallo o por isso he justa menta a pessoa
    que fica obrigada a pagar todas as transacOes
    que a mesma venda estivor a dever,pois que
    elleannuncianteda data deste em dintese
    acha !e todo desonerado por assim se ter
    convencionado no apartamento da socieda-
    de e para que chegue a noticia a todas faz o
    presente annuncio.
    OSr. Antonio Pinto ,la Magalhaes he
    responsavol pelo dobito contrado pola so-
    ciedade do Mattos & Magalhaes estabeleci-
    dos com urna taberna defrou te do oit3o do
    livramenlo n. 20, em quanto n3o forem pa
    gos todos os seus credoros, ou que espreca-
    meute o desuno em por um documento as-
    signado por todos, n3o ha um simples an-
    nuncio publicado no Otario n. 20, que o
    desonera dossa responsabilidade, e so al-
    gum documento tem que o desonere quei-
    ra publicar por este folha.
    Servi?os prestados pela homeopa-
    thia ao publico.
    O Sr. Manoel Pacheco de Rezcnde, por
    causa de urna hernia inguinal, reputada
    quasi incuravel pelos mdicos, tem sido t
    agora isento do servico da guarda nacional;
    mas gragas a homcepalhia est curado! Pode
    portanto ser qualillcado para o servido ac-
    tivo. A homoDpathia deu mais um soldado
    guarda cvica.
    Aluga-se a loja do sobrado
    n. 9 da rua do Apollo com porlao
    para o becco, bem concertada e
    pintada, com commodos para fa-
    milia e mesmo propria para haver
    lidia refrescos c bolinhos a venda
    as noites de theatro por fcar em
    frente ao mesmo : na rua do Quc-
    mado, loja de ferragens n. 37 A.
    -- Deseja-se fallar com o Sr. Bernardo
    Jos Lopes, pratico da barra a negocio qua
    que o mesmo Sr. nSo ignora : na pareada
    Indepedencia, n. 15'
    ~ Arrenda-se, e tambem permuta-se,
    por una casa da sobrado de dous andares
    no bairro do Recite, S. Antonio, o Boa-Vis-
    ta, corn commodos suflicientes para grande
    familia, um sitio muito perto da pracat, por
    ser logo ao sabir da Soledade para o
    Maiiguinlio, com nao poucos srvoredos do
    fruclo, ciiSos proprios, com grande, e de-
    cente casa da sobrado, esollo, toda envi-
    dracada, contando 15 quarlos, um algrelo
    na frente, o qual he todo murado, o engre-
    dado, com 2 porlCes de ferro, e 4 columnas
    com 4 lefles, e no fundo oulro porlSo, duas
    grandes estribaras para 7 cavallos, e 2 co-
    cheiras, casa para prelos, ecoziuha, gran-
    de puco d'agua do beber, e lauque para ba-
    nho : a quem convir esta permuta ou arren-
    damenlo, dirija-se ao mesmo sitio a qual-
    quer hora do dia, a tratar como seu pro-
    irietario, que nestecasa vender um excel-
    ente, e novo carro de 4 rodas, e urna boa
    parelba de cavallos.
    -- Antonio do Oliveira Deniz, faz publi
    co, quo ninguem faga negocio algum, com
    urna morada de casa de Manuel Baptista Ro-
    drigues da RossurreicSo, sita na villa da
    Albandra rua da Matriz n. 5, cuja casa esta
    hypulhecada ao mosmo annuncianlo pela
    quantia de 200,000 ris.
    Comp'a-se um relogio par senhora;
    ai rui do Livramenlo n. tO.
    Compri-se urna poreflo de formal de
    9 em libra, pan inrvelas de carnauba, e
    3ue sejam multo exatas no peso : na prisa
    i Boa Vista n. 17. __________________
    Vendas.
    FOLHINHAS PARA i85a.
    Vendem-se folhnhas de porta ,
    de padre, e de algibelra de tres dif-
    terentes qualidades,sendo urna del-
    tas com oalmanak da cidade" e pro-
    vincia: vendem-se nicamente na
    praca da Independencia n. 6 e 8;
    inifio de ;>auttii a
    800 rs.
    Vende-se a historia de SimSo de Nntoa,
    a 800 rs. : na livraria di pricada Indepen-
    dencia n. 6 es.
    Deposito de cal virgem.
    Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
    Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
    rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
    navio de Lisboa, por menos precu do que
    em outra qualqner parte.
    Vendem-se os seguintes livros : 1 Tito
    Livip, 1 obra do lloralio, I dita do Virgilio,
    2 Cornelios, 2 fbulas, 1 Salustlo, i Solela,
    t Diceionario magnum lexicn, 1 dito da
    composicSo, 1 compendio de pbilosophia
    por Ceruzez : na rua da matriz da Boa-visla
    n. 22.
    Vende-se urna porteo de barrioas va-
    sias que forim de farinha de trigo : na rua
    Matriz di Boi-Visti n.22.
    Halles inascarados.
    Ni rui da Cadeia do II -rifo loja n. 50, da
    Cunha &. Amorim, vende-se villudilhos ds
    differenles, e brilhantes cores, para vestua-
    rios de bailes mascaras, e roupas de tbeatro
    chegados pelo oh uno navio de Kraotja as-
    sim oomo calcas de meias ; e troco de di-
    nheiro se vendem por barito preco. *
    Hap Paulo Cordeiro.
    recntenteme chegado do Rio de Janeiro .
    vende-se na rua da Cadeia do Recife loja n,
    50, de Cunha & Amorim.
    S. Flix.
    Vendem-se os vordadeiros charutos deS.
    Flix: na rua do Queimadon.f.
    Vende-se urna mulata recolhldi, da
    boniti ligara, de 20 annos de idade, com
    todas as habilidades : na rua dos Pires o. 9.
    Lotera do Rio de Janeiro.- *-
    Aos 20:000,000 de ra.
    Na loja de miudezas da praca da
    Independencia n. 4) vendem-se bi-
    Ihetes inteiros, indos, quartos, oi-
    tavos e vigsimos, a beneficio da 4
    lotera da freguezia de S Jos do
    Rio de Janeiro.
    Loteria do Rio de Janeiro.
    aos 20:000,000 e 10:000,000 de rs.
    O cautelista Salustianode Arrui-
    no Ferreira avisa ao respeitavel
    publico, que no dia 3 do prximo
    futuro mez, deve chegar do Sul o
    vapor da companhia brasileira ,
    conductor das listas da 20. lote-
    ria do theatro de S. Pedro de Al-
    cantara, e da 4- loteria a beneficio
    da lreguezia deS. Jos, que cor-
    ren 110 dia a.'i deste mez, e paga
    immediatamente logo que receber
    as listas, sem descont algum, to-
    dos e quaesquer premios que sahi-
    rem nos bilhetes, meios, quartos,
    oitavos e vigsimos, vendidos, na
    prara da Independencia n.i3 e i~>,
    loja de calcado do Arantes, e na
    rua da Cadeia do Recife n. 46, lo-
    ja de miudezas. Estilo expostos
    venda os bilhetes e cautelas da 4-
    loteria de S. Jos.
    o outros objectos avahados em 38:000,000 rs.
    o da mesma forma van a praca os b;ns an-
    nunciados ern o Diario de Pernambuco do 26,
    !7 e 28, de oovembro do anno p. passado,
    a excepto de alguns queja foram arrema-
    tados.
    - Aluga-se urna escrava, para todo sor-
    vico de urna casa : na rua do AragSo n. 40.
    O abaixo assignado faz pu-
    blico, que se acha encarregado da
    administracSo da casa do reveren- "r,m e m8"' quem convier o quizer.pa-
    .. ra por meio de um ajuste razoavel, ostratar
    dissimo Sr. COnegO Joao nodrigues. animalmente das molestias que possam ap -
    de Arauio, por procuracSo que a- parecer, quo lenham a bondadede virem a
    , 1 J 1 1 o- j. casa de sua residencia na ruado Razano
    caba de receber do Rio de Janet- iargan.30,paraospoderlancaremn.deseus
    ro ; os devedores e inquilinos do clientes.
    _. i- -_- < l,,;,rv; --Quem tem para arrendar um sitio pe-
    mesmo reverendsimo t>r. hajam quenu porto dovRtc,[ei >endo na Soledade,
    Francisco u'Assis da Silva Ferreira,
    ^ Dr. em medicina pela faculdade do
    Rio de Janeiro, avisa ao respeitavel 4
    publico que so acha morando na rua
    ? do Livrmento n. 24, segundo andar,
    aonde pode ser procurado para as
    ? funeces de sua proflssSo.
    Deseja-se fallar ao Sr. Antonio Nuues
    d'Azerodo Campos, natural di freguesia de
    S. Bento, da villa do Porto-Calvo, a nego-
    cio do seu inleresse e de sua fimilia : na
    rua do Uueimado loja u, 7.
    -- Joflj Francisco Martins, retira-se para
    Portugal.
    Precisa-se de um amassador de pada-
    ria, que desemponhe o seu lugar : na rua
    do Domingos Pires n. 44, nao se olha o or-
    denado.
    Bilhetes 33,000
    Meios 11,000
    Quartos 5,.loo
    Oil a vos 3,800
    Vigsimos i,3oo
    mande ou venlra vende-la ou conduzi-la,
    que ae sanio auzentar, se ihe far a compe-
    tente entroga,0 quaudo assim venhaou man-
    de, seja com mutulla alim de se evitar nova
    fuga, sitio capelinha, 26 de Janeiro 1852.
    O Arco-Verde.
    O cirurgiSo Bernardo Pereira do Carmo
    faz sciente aa pessoas que a lempos Ihe Ta-
    la
    de entender-se em Olinda com o
    annunciante. Salvador Uenri-
    que de Albuquerque.
    Precisa-se alugar una casa terroa om
    urna das ras seguintes : Cruzes, Flores,
    Bella Florentina Orlas Agoai-Verdes ,
    Trinelieiras o Direita. Quem tiver annun-
    cie, ou dirija-se ao segundo andar do so-
    brado n, 20itrizdo Tbeatro Velbo.
    rua do Hospicio ou outro qualquer lugar que
    seja perto,annuncie por esta folha,ou dirija-
    se a essa typographia.
    -- Precisa-se alagar umi preta escrava,
    para sorvico de muito pouca familia: na
    Poute Velba n. 14.
    -- Alu ga-se um escravo 01050 que sirv
    pira criado de urna casa eslraugeira, e que
    seja humilde, e fiel; quem olivar dirija-sel
    rui do Trapiche 11. 8.
    ohora, capotinbos de todas as qualidades,
    com perfei(3o e prego commodo recebem-
    se todos os mezas ligurinos modernos, que
    impresti a seus freguezes.
    AOS DENTES.
    J. A. S. Jane dentista, tem 1 honra de
    avisar ao respeitavel publico, que se ichi
    rezidiodo na rua Nova n. 19 primeiro an-
    dar, aonde estira sempre prompto a qual-
    quer chamado, dasde s 9 horas da manilla
    at as 4 da tarde*; o annunciante encherta
    de um todos os dentes, que por isso tem
    um completo sorlimento de denlos artifi-
    ciales, incorrutiveis $ de porcelans,mui de-
    licados e do ultimo gosto ; e toJos os mais
    sccessories tendentes a sua proficuo, asse-
    verando a tolas as patsoas que sequizerem
    utilizar do seu presumo -que nfio exige pa-
    ga alguma, u3o Ucando o* denles bom pos-
    tos que nao se possa deferencar dos proprios
    naturaes, e podondo-se masligir com os
    meamos todi a qualquer comida sem sentir
    a menor dor nem ter receio de os quebrar,
    tambem chumbaos denles naturaes fun-
    dos da caria com ouro, prata e metal bran-
    co, prevenindo assim continuado da 'ca-
    ria, dores e mesmo evitando por liso a for-
    Compras.
    Compra-so urna casa terrea no bsirro
    deS. Antonio, cujo prego nao exceda de 600/
    rs. : quem tiver annuncie.
    Na Rua-Nova, n. 63 compram-se bicos
    e rendas feitos ua trra da largura de um
    at 3 palmos.
    Compra-se um portSo de ferro, ou de
    taboa para sitio que tenlia 10 palmos de lar-
    gura, e outro tanto de altura ja servidos,
    mas oue esteja em bom estado : quem tiver
    annuncie, ou falle na rua do Sr. B. Jezus
    das crinlas venda por baixo do sobrado de
    2 andares.
    Na rua do Vigario n. a3, se-
    gundo andar, compram-se escra-
    vos de ambos os sexos, de i2 a 3o
    annos de idade, pagam-se bem a-
    gradando.
    Compra-se um escravo da idade pou-
    co mais ou menos 40 annos : na rua da Sen-
    zalla velha n. 96.
    Compra-se urna loja de fizeada com
    poneos fundse 01a boa rua: quem tiver
    annuncie.
    Loteria do Rio de Janeiro.
    Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000 ,
    2:000,000 e 1:000,000 de rs.
    Na rua da Cadeia do Recife o. 24, loja da
    Vinva Vieira & Filhos, ainda existem os
    mui afortunados bilhetes, meios, quartos,
    oitivos o vigsimos da quarta lotera a be-
    neficio da freguezia de S. Jos, dos quieg
    vem a lista no vapor que deve chegar no dia
    3 a 4 do mez prximo futuro.
    Vende-se urna casa nova no corredor
    do Bispo, com muito excellentes commodos
    para familia, por ser necessario pagar urna
    hypotheca, e igualmente se vende 130 pal-
    mos de terreno junto a mesma casi : 1 tra-
    tar na incsina.
    Vendem-se duas grammaticas da fran-
    co/, para portuguezem meio uso, por bara-
    to preco : na loja de chapeos 10 p do Ar-
    co de S. Antonio n. 2.
    Para bailea de mascaras.
    Na loja da rua do Crespo n. 10, vende-so
    excellente merino de cores, proprios para
    bailes de mascaras, pelo deminuto prego de
    3,500 rs. o covado. _
    Hoje estarSo a venda na rua da Concor-
    dia, 2 queraos, foitos ao pasto.
    Vende-se bom fumo em folba da Baha,
    para charutos : na travessa da Madre de
    Dos, armazem n. 7, de Campello Filho; as-
    sim como pira milo a 4,000 rs. a arroba.
    Vende-se um terreno com duasolarias,
    casa para familia, senzalla, estribarle, casa
    para feitor, barro para toda 1 qualidade de
    obra, a margena do rio com toda a maro de
    embarque, com duas canoas e todos os mais
    utencilios, para fabricamento das obns : ni
    rui di Aurora n. 44.
    Vende-se na rua do Queimado, n. 19
    corlas ido casemirsi mais superior que ha
    no morcado a 4500, cortes de cassa de lin-
    dos padrOes, a 2000, chitas escuras de cores
    fuas a 140 o covado: acha-se um grande
    sorlimento de fszendis de todas as quali-
    dades.
    I
    MUTILADO


    ins-
    3,000
    a do
    __ Vende-se farinhn fontana
    muito superior e nova no merca-
    do: a tratar com Manoel da Silva
    Santos, narua do Amorim n. 56 e
    58, ouno armazem do Annes no
    caes da alfandega. .
    Vende-ge, n loja do livros do baratei-
    ro, na ra de Crespo n. 11, ettlas de Seman-
    cour, a 8,000 rs. ; magno lexicn, a 5,000
    rs.; diccionario francez-portuguez-por u-
    guez-francez, a v. 3,000 rs. ; dito portu-
    uez-inglez-inglez-portugiiez 3,000 rs.,
    Virgilio, 3,000?.., dito a 2,500 rs. ; Cornelia
    Salusli a 800 rs.; grammatica latina a
    1,000 rs.: compendio de theologia moral
    evanglica, 6 v. 6,000 rs. ; promptu.no de
    theologia moral, 4 v. 2,000 rs. ;*><***'
    B. Pognelin de Moliere, 7 v. 4,000; memo-
    rias histricas da provincia ^ Pernambuco,
    3v.2,000rs. ; tynopal.ou 9\ed,u^ chro-
    nologica da historia do brszil, 3,000 rs. ,_i_i-
    gOes de eloquencia nacional 3,uou rs.,
    UluicOei oralorias-quintiliino, 8 v. .
    rs.; Panorama 3. v 2,000 rs; histori
    Brazil, 12 v. 8,000 rs., ornada com 18 es-
    tampas ; geographia elementar Vellez, 1,440
    rs. : no mesma Toja acba-se um grande sor-
    timento de obras classicas, tanto ern por-
    tuguez, como em latim, francez e mglez.
    Vendem-se muito bons presuntos, re-
    cernemente chegados, como tambem mili-
    to boa carne de fumciro, salame, queijos
    londrinos, concervas de todas as qualida-
    des, manteiga muito frescal em Irascos,
    mustarda e muitos outros objectos : na ra
    da Cruz armazem n. 15.
    -- Vende-se um pardo de bonita ligura. e
    som mazellas occultas. o que se alian a :
    na ra da Senzalla-Velba n. 38.
    Vendem-se pelles de cabra curtidas,
    c de eicellente qualidade, em purcSo. por
    baratissimo prego na ra da Cruz do lleci-
    fen. 14 1. andar:
    Vende-se nm escravo de nagao cosa,
    de bouita llgura e de idado de 28 annos,
    sem vicio de qualidade algum, o qual se
    aflanca ao comprador : na rus dos Tanoei-
    ros n. 5.
    -- Vende-se capim de planta por com-
    modo prego : no sitio da trompe, u. 4.
    Vende-so na ra da Cadeia do Recito,
    n. 54, loja de Jooquim Ribeiro Pontes, chi-
    tas multo bonitas pelo diminuto preco de
    4,000, 4,500 e 5,000 rs. pessa e a covados
    de 120 a 160 rs., assim como corles do chita
    caca por 2|000rs., o muitas mais fazendas
    que se venderSo por barato preco. Na mes-
    mi loja se vende urna porgSo decaixoes
    'oHU'Je Flandres violas com fazondas;
    como bemuma porgSo do taboas de ama-
    relio e de louro muito seccas, e paos de
    sicupira muito em conla; ,
    Vendem-se queijos londri-
    nos os mais novos possiveis, por
    preco muito commodo: na ra lar-
    ga do Rozario, na esquina do bec-
    co do Peixe Frito n. 9.
    Vendem-se dous cavallos, sondo um
    dsela, carregador baixo a meio, e outro
    de cangalba 1 na ra do Rozario da Boa Vis-
    ta n. 2.
    Brim militar a 800 rs., o corle de
    calcas.
    Vende-se brim entransado branco de al-
    godSo fino, para calsa, pelo barato prego de
    dous cruzados o corte de calsa : na ra do
    Quoimado n. 8, loja defronto da botica.
    Chitas a 120 rs. o covado.
    Vendem-se chitas do bonitos padroes, a
    sois vintens o covado, e lencos do cambraia
    com bico, para nulo do senhora o meninas ,
    a dose vintes cada um : na ra do Quoimado
    n.8, loja defronte da bolic
    Fariulia detrigo superior
    chegaram recentemente algumas
    barricas de farinha de trigo, de
    urna marca nova neste mercado, e
    de qualidade muito superior e in-
    teiramente igual as melhores mar-
    cas, queaquise vendem; tem mul-
    ta acceita^So o Rio de Janeiro e
    na Babia onde be considerada a
    par da mehor de marca gallega, e
    mesmo a de Trieste : vende-se na
    ra do Trapiche Novo n. 16.
    He baratissmo a 3ao rs. o covado.
    Na ra do Queimado defronte do becco do
    Peixe Frito, loja n. 3, verjde-se tafet roxo
    muito encorpado com am pequeo toque
    de moto, pelo admirado prego de 320 rs. o
    covodo.
    Diamantes para vidra-
    ceiros ,
    chegou urna pequea porcSo de
    excellentc qualidade, e vendem-se
    na ra do Trapiche Novon. 16.
    Ra do Crespo n. a3.
    Vendem-se cortes d casimira muito finas
    e modernas a 5,000 rs i chacos do Cinto
    nenuenos a 4,000 rs.; cortes de brim escuro
    hbr. ; meios chales de la a 640 rs ; filo de
    cores para vestido* a 480 rs. IMI lencos
    do 13a e seda a 480 rs., e outras fazendas
    baratas para fechar contas. f
    Vidros para viuracas,
    de ptima qualidade e muito me-
    hor sortimento : vendem-se na
    ra do Trapiche Novo n. 16.
    Potassa americana.
    .. No antigo deposito da cadeia velha, n.
    12 existe um pequen, porgo dapoUMi
    americana, chegada recentemente que por
    superior rivalisa com adaRuss.a: vande-
    se por prego razoavel.
    Papel para imprimir,
    de excellente qualidade e preco
    commodo : existem por vender al-
    gumaf caixas, na ra do Trapiche
    Novon. 16.
    Cobertores de algodao.
    Superiores cobertores de algodSo de di-
    ferentes cores, lecidos a dous fios, muito
    grande, tem toda apnlicsco em urna casa de
    familia, por servir para meza de engom-
    mado o forrar camas e mesmo para escra-
    vos, pelo diminuto preco de 1,4*0 rs.: na
    ra do Crespo n. 6.
    Pannos e casimiras,
    pretas e de cores, fazenda de qua-
    lidade muito superior : vendem-
    se por precos muito commodos, na
    ra do Trapiche Novo n. iG. A
    mesma casa tambem recebeu re-
    centemente fllgumas caixas com ri-
    cos sortimenlos de tpeles de lin-
    dos padrco.
    Grande fabrica de chapeos de sol,
    de J. Falque la do Coliglo
    n.4-
    Neste novo estabelecimento recebeu-so
    um novo e lindo sortimento do chapeos de
    ~ Na ra do Quoimado, loja n. 18, ven-. So| dos u|imos gostos, tanto de seda como
    de-so urna canoa de carroia. de paninho para horneas e senhoras, de ar-
    - Vende-se doce fino da entre-casca da maC|go de baleia o de asso que se vendem
    goiaba, em caixinhas do 4 libras, em gran* por menos preco quocm outra qualquer par-
    des e pequeas porcOes : na ra das Cinco le grln(je sortimento de chamalole, sedas
    Poetas n. 82. o paninhosomjiOQa de todasas cort-s oqua-
    Vende-se um sitio com magnifica casa Hdades para as pessaas que quizerem man-
    abeira dorio, tendo grande sala adiante,2 dar cobrirarmagOes servidas. Completo sor-
    cabinetes e2 alcovas, sala igual atrs, com (tmeni de baleias para vestidos espartilhos
    S ____t.k. i~_.lv. mntnAn Tftno ,______- .............. \.. I I .. I ...........
    3 quartose cozinha, tendo ao todo "Opal-
    inos de frente e 90 de fundo, com terreno de
    mais de mil palmos de compnmento o gran-
    de baixa de capim : a tratar na ra de S. A-
    rnaron. 16.
    para senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
    concerta-seqnalquer qualidade de chapeos
    do sol: todos os objectos cima mencionados
    se vendem em porfo o a retalho, por prego
    que agradar aos freguezes visla daquali-
    - Vende-se um bonitobote.com todos j jgjo.
    osseus pertences edemuito boa construc-, ^a ru do Passeio Publico, loja n 9,
    gSo : trata-se na ra da Cruz do Recito, ar- ^ Vonilcm-se 300 varas do bico e renda da ter-
    mazem n. 15. j ra, atacados, a 160 rs., e junlamento 18 ca-
    - Vende-se, ou troca-se por boas obras. x|nos envidracdos e promptos para qual-
    um rico diccionario francez do Napolen iqUerobra, por prego commodo.
    Hallad. AtoalhadoB de linho e de algo-
    - Vende-se cerveja para mimos, em bar-1
    ricas do 3 a 3 112 duzias cada urna : a tratar
    no armazem de Jos Rodriguos Pereira, na
    ra da Cadeia do Recito.
    - Vendom-se 3 vitellos muito gordos,
    proprios para rancho de navios : a tratar
    com Mrnoel Luiz da Veiga, na casa de sua
    residencia em S. Amarinho, ou no Passeio
    Publico loja do chapeos n. 83.
    -- Vende-so para liquidarles de contas,
    um sobraao em muito bom estado na ci-
    dado Nova deS. Amaro, com terreno, ovi-
    veirode peixe liem cimentado, proprio para
    qualquer propietario de engenho ter urna
    casa de regallo na praca, porque offerece no
    andar terreo grande armazem para depsi-
    tos de assucar, agurdente ou mel, com por-
    to de embarque, e muito fresco : a tratar
    com Manoel Luiz da Veiga, na fabrica de
    chapeos n. 23, do Passeio Publico, ou na
    casa de sua resiuencia em S. Amarinho.
    Vendem-se 3 escravas mogas de boni-
    tas figuras e com varias habilidades, 1 mo-
    latiohode idade de 16 annos, muito lindo
    e proprio para pagem, Sescravos de servigo
    do campo, num pardo de idade de 22 an-
    uos : na ra Direita n. 3.
    Vende-so urna preta que engomma,
    cosinha muito bom e faz todo o mais arrau-
    jo denma casa, 1 preto creoulo mogo, sem
    ofllcio, que serve para o campo ou ganha-
    dorde ra por 300,000 rs., e 1 parda para
    auna de casa, mesmo de humen, soltoiro
    por nao ser bonita e ter boa conducta, tam-
    bem por 300,000 rs. : islo para ajuste de
    contas antigai: na ra larga do Rosario lo-
    ja n. 35.
    --Vende-sopor prego commodo, um ex-
    cellente sitio no lugar das curcuranas, de-
    nominado Salinas, com boa casa de viven-
    da, trras com plantagOes, e alguna ps de
    coqueiros, sendo muito periodo mar; quem
    o quizer dirija-se : a ra do Crespo n. 11.
    Couro de lustro patente.
    No aterro da Boa Vista, loja de calgado n.
    58, junto aoseleiro, vende-se superior cou-
    ro de lustro a 8560 rs. a polle, nao tem de-
    leito ; a elle freguezes, que a pechincha be
    pouca.
    Cortes de sapatos de tapete.
    Superiores cortes de sapatos de tapete,
    bordados, de lindo gosto a 480 rs. o corte,
    e em duza a 5000 rs.; assim como sapalos
    da mesma fazenda j promptos : no aterro
    da Boa Vista, loja de calgado n. 58, junto ao
    seleiro.
    Moinhos de vento
    ora bombas de repuebo para regar borlas
    d baixas de capim : vendem-sena fundigao
    nesB60"eio&MC- Cmam'M rU d BreB MahrAwtn & Companbia.
    Vende-se um civallo rudado com to- No aterro da Boa Vista n. 58,-endem-
    do sos andares por prego commojo: na ra se cordas para rabecc, mas barato do que
    dam.
    Na lol do sobrado amarello nos quatro
    cantos da ra do Queimado n. 29, ha para
    vender toalhasdo linho e de algoddSo o to-
    dos os lamanhos e larguras, assim como
    em pega para vender a varas; e mais um
    grande sortimento do guardanapos de
    linho de varios lamanhos, tudo por prego
    muito commodo.
    Na loja do sobrado amarello dos qua-
    tro cantos da ra do Queimado n. 29, ven-
    de-se as seguintos fazendas finas e de goslo,
    por pregos de agradar ao comprador, corte,
    de vestido de cambraia com barra ebabados,
    fazenda de mBito gosto emuilo modernas
    dilo de cambraia de seda igual a blonde de
    rico gosto, dito do seda do cores a 20 e 25/
    ditos do seda furta-cores e tambem seda de
    furta-cores em coado, chales e mantas de
    seda superiores, manteletes pretos e de co-
    res da ultima moda, chita francesa psdres
    do cassa o cores lixes e outras muitas fa-
    zendas de gosto.
    Vende-se urna propriedade que existe
    em um dos milhores lugares do bairro de
    S. Antonio, cuja propriedade faz quina para
    a ra da Roda e para a praga do Capim, fa-
    zendoesta todo fundo da praga, a boira do
    Capibaribe, com toda sua frenle olhaodo
    para o templo dos protestantes, lugar este
    que daqui a muito pouco lempo nao ter
    nada a invejir daquellet que hoje gozam de
    boa nomeada, com 134 palmos de frente, e
    33 de fundos, muito bous alicerces, cordflo,
    soleiras, ombreiras e verbas de boa pedra ;
    paredes muito grossas, com 10 ponas de
    custadinhu do Vinhatico, boas ferragens e
    fechaduras em todas as portas, est devidi-
    da em armazens que se alugam para reco-
    Iher capim; esta propriedade est na altu-
    ra de um primeiro anJar, com todas as san-
    eadas de pedra sentadas em seus lugares,
    tod travejada com madeira de qualidade,
    esta coberia toda como so fosse meia-agua.
    Em I i -ii be um dizer geral de todas as pes-
    soas que passam por esta praga que esta bem
    collorada esta propriedade, o seu propie-
    tario a vende para pagar urna divida que
    existe encravada no mesmo predio; os pre-
    tendeules dirijam-se ao Sr. Antonio da Sil-
    va Pimentel, em um dos armazens da mes-
    ma propriedade ; o comprador ver outras
    obras.que existem, e deixam-se de mencio-
    nar.
    Vendem-se barns com breu,
    por preco commodo, e em lotes a
    vontade dos compradores : na ra
    do Trapiche n. 36, escriptorio de
    So escriptorio de Novaes &
    Companbia, na ra do Trapiche
    n. 34, vendem-se osseguintes ar-
    tlgos, por preco commodo, para
    fechar contas: chapeos depalhado
    Chille em porc5es de Cicoenta;
    linhas de roriz de nmeros; cu-
    nheles com arcos, e cafireir&s de
    cores: a tratar no mesmo escrip-
    torio.
    Vende-se por prc90 commo-
    do, cal virgem, muito nova, che-
    gada pejo ultimo navio, por preco
    muito commodo : no armazem de
    Di as Ferreira, no caes da Alfande-
    ga, ou com Novaes & Companhia,
    na ra do Trapiche n. 34-
    Vende-se por preco muito
    commodo, para fechar contas, sac-
    cas coa superior farinha de man-
    dioca, muito fina e alva, nos ar-
    mazens de Dias Ferreira e Antonio
    Annes no caes da Alfandega: a tra-
    tar nos mesmos,ou com Novaes &
    Companhia, na ra do Trapiche
    n. 34,
    Arados de ferro.
    Na fundicin da Aurora, em S. Amato,
    vendem-se arados de ferro de diversos (no-
    dolos.
    DEVERES DOS HOMENS,
    a 5oo rs.
    Vende-se este compendio aprovadpara
    as aulas, em meia oncadernagSo, a 500 rs.,
    cada um : nalivrarian. 6 e8, da praga da
    Independencia. *
    Superior cha nacional
    em caixinhas de 2 libras, e da melhor qua-
    lidade ; vende-se por prego commodo, na
    ra do Corpn-Santo 11. 2, primeiro andar.
    Velas de carnauba em libras.
    Vendem-se velas de carnauba imitando
    espermacete : na loja de sleiro da ra da
    Cadeia do Recito n. 36.
    -- Vende-so champagne da marca amiga
    ebem conhecida, Comet,em casa de Deane
    Yule & i.ompanhia : na ra da Cadeia.
    Para baile mascarado.
    Vendem-se mascaras de cera e de pan-
    no por prego commodo na ra larga do Ro-
    zario, loja de miudezas, n. 44.
    i Vende-se no armazem de Vicento Fer-
    reira da Costa na ra da Madre-de-Deu,
    loug azul fina avulso, apparelhos de meza
    e cha dos melhoros modellos e qualidades,
    por prego commodo.
    Moniun* superiores.
    Na fundigSo de C. Strr& Companbia,
    em S.-Amaro, acham-se venda movndas
    de canna, todas de ferro, do um modelo e
    construegao muito superior
    Oprimo vinlio branco.
    Vendem-se barris de 5 em pi-
    pa, com vinho branco de Lisboa,
    da melhor qualidade que apparece:
    trata-se na ra da Cadeia do He-
    cife n. 48.
    Vende-se em casa de A-
    damson llowie & Companhia, Jia
    ra do Trapiche n. li pumo,de
    algodo para saceos de assucar ,
    muito superior e barato.
    Na ruado Vigrio n. 19,1. andar che
    gou recentemente e se acha vonda a su
    perior bolaxinha de Lisboa propria para
    cha, finissim mermelada em latas de li-
    bra, e excellente chocolate de todas as qua-
    lidades medicinaos, ondo so vende por
    junto ouemporgSo.
    Deposito de cal virgem.
    Caoba & Amorim, vendem barris com cal
    em pedra, chegada ltimamente de Lisboa,
    na barca Margarida, por menos prego do
    que em outra qualquer parte: na ra da Ca-
    deia do Recito n. 50.
    AGENCIA
    da fundicao Low-31oor.
    RA DA SEZAI.LA NOVA N. 42.
    Neste estabeleeimento conti-
    na a haver um completo sorti-
    mento de moendas o meias moru-
    llas para engenho, machinas de
    vapor, e taixas de ferro batido e
    coado, de todos os tamanhos, pa-
    ra dito.
    Vinho de Champagne,
    e superior qualidade : vende-so no arma-
    em Kalkmanu IrmSos Ra da Cruz, n. 10
    FAIUNHA DE BALT1MORE,
    muito nova e de superior qualida-
    de : a tratar com Manoel da Silva
    Santos, na ra do Amorim n 56
    e 58, ou no armazem do Aines no
    caes da Alfandega.
    Antigo deposito de cal
    virgem.
    Na ra do Trapiche, n. 17, ha
    muito superior cal nova em pedra,
    chegada ltimamente de Lisboa:
    tambem se vende potassa da Hus
    sia, nova e de superior qualidade.
    Principios geraes de economa pu-
    blica e industrial.
    Vnnde-se este compendio, approvado para
    as aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
    praga da Independencia, livraria n. 6 e 8.
    -- Vende-se urna preta com 40 annos de
    idade pouco mais ou menos, de muito boa
    conducta e propria pera todo o servigo : no
    armazem de Vicente Ferreira da Costa na
    ra da Madre-de-Deos.
    FARINHA DE S. CATUAR1NA.
    A melhor farinha de mandioca
    e mais recentemente ebegada ao
    mercado, vende-se por preco mais
    commodo do que em outra qual-
    quer parte, a bordo do brigue Al-
    mirante fundeado confronte ao
    caes do Ramos : trata-s a bordo
    do dito brigue, pu no escriptorio
    dos consignatarios Alachado &c Fi-
    nlieiro, na ra do Vigario n. 19.
    Vendem-se amarras de torro: na ra
    da Senzalla nova n. 42.
    Vendem-se relogios de ou-
    ro eprata, patente inglcz : na ra
    da Senzalla Nova n. !\i.
    4
    Cal vilg-em de Lisbo t.
    Vende-se cal de Lisboa, de p-
    tima qualidade vinda no ultimo
    navio : trata-se com Augusto C.
    de Abrcu, na ra da Cadeia do Ile-
    cife n. 48...
    Bombas de ierro.
    Vendem-se bombas de repuxo,
    pndulas e picota para cacimba :
    na ra do Brum ns. 6, ft e 10,
    fundicao de Ierro.
    Vendem-se velas de espermacete, en)
    caixas.de superior qualidade: em casa de
    J. Keller & Companhia: na ra da Cruz nu-
    mero 55.
    Deposito da fabrica de Todos os
    Santos na Ilahia.
    Vende-se, em casa deN. O. Rieber&C.,
    na ra da Cruz n. 4, algodao transado da-
    quella fabrica, muito proprio para saccosde
    assucar eroupa de escravos, porpregocom
    modo
    Vendem-se e alugam-se bichas, che-
    f gadas ltimamente de Hamburgo, por
    prego commodo: na ra de S. Amaro
    n.'as.
    DA
    WITOGyMB)!
    SALSA PARRILHA DEBRISTOL
    SALSA"Kllt"rSAlS.
    Casa de commissHF de escravos.
    Vendem-se escravos e recebem-
    se de commissao, tanto para a pro-
    vincia como para fra della, para
    o que se offerece muitas garantas
    a seusdonos : narua da Cacimba
    n. ti, primeiro andar.
    Arados de ferro.
    Vendem-se arados de diversos
    modelos, assim como americanos
    com cambo de sicupira e bracos
    da ferro 1 na fundicao da ra do
    Brum ns. 6, 8 e 10.
    Cazemiras de cor.
    Na loja do sobrailo amarello nos quatro
    cantos da ra do Queimado n. 29, lia para
    vender um grande sortimento de cazemiras
    do cores de superior qualidade e padioes
    muito modernos pelo baratissimo prego de
    ,000 rs. e 5,500 cada corte._
    Agencia de Edwin Maw.
    Na ra de Apolla n. 6, armazem de Me. Cal-
    itniii.v Companhia, acha-ae comtanlemenle
    bous aorlimenlos d* talla de ferro coado e
    batido, tanto raaa como fuodaa, moendas in-
    elras todas de ferro para animaea, agoa, etc ,
    ditas paca armar em madeira de todos o la-
    manhos e insdellos o mala moderno, machina
    horiaontal para vapor, com forca de 4 caval-
    los, coucoa, paaaadeiras de ferro eatanhado
    para caaa de pulgar, por menoa preco queof
    de cobre, escovena para navios, ferro inglc
    lano em barras como em arcos folhas, eludo
    por barato preco.
    Deposito de cal e potassa.
    No armazem da ra da Cadeia
    doltecife n. 11, ha muito supe-
    rior cal de Lisboa, em pedra, as-
    sim como potassa chegada ultima-
    mente, a precos muilo rasoaveis.
    Vendem-se cera em velas ,
    fabricadas em Lisboa e no Rio de
    Janeiro, em caixas de 100 libras
    aortidas, de laifiem libra,e tam-
    bem de um s tama-nho, por me1-
    nos preco do que em outra qual-
    quer parte : trata-se no escripto-
    rio de Machado & Pinheiro, na
    ra do Vigario n. 19, segundo
    andar.
    Vendem-se selins e silhdes
    inglezes, de couro de porco, da
    primeira qualidade: em casa de A-
    damson llowie & Companhia, na
    ra do Trapiche i\.!\i.
    Vende-so superior'cal virgem de Lis-
    boa vinda pelo brigue Novo Vencedor no
    passeio publico loja de fazendas n. 15, pre-
    go muito commodo.
    Sebolas.
    Na travessa da Madre de Dos, armasom
    n. 19 vendem-se muito boas sebolas a 320 o
    cento.
    Taixas para rn-iniio.
    Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
    acaba-so de recebar um completo sortimen-
    to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
    quaas acham-se a venda por prego com-
    modo, e com promptidSo embarcam-se,ou
    carrogam-se em carros sem despezas ao
    comprador.
    Farinha de mandioca.
    -- Vende-se saccas com superior farinha
    de mandioca a pregos rasoaveis: a tratar
    com J. J. Tasso Jnior ra do Amoiim
    n.35.
    Damasco de seda.
    -- Na loja do sobrado amarello dos qua-
    tro cantos da ra do Queimado, n. 29, ven-
    de-se damasco de seda do todas as cores
    por prego muito commodo.
    Oh !
    Que sBo chegados os excellentes sganos
    de palha do milho : na travessa da Lingueta
    n. 6.
    Vendc-se um escravo de 25 annos, que
    cosinha bem o diario de una casa e engom-
    ma, um dito bom padeiro, 3 ditos muito
    mogos e robustos, bons para todo o servi-
    go, um dito com defeito pequeo em i.ma
    per na porm muito robusto por 350,000 rs.,
    um pardo de25annos bom para todo o ser-
    vigo, 1 preta que engomma e cozinha bem,
    Jita de elegante Ogura grvida e sam ha-
    bilidades, 1 dita de meia idade porm ro-
    busta, por prego commodo : na ra da Ca-
    cimba n. II,onde morou o tinado vigario
    do Recito.
    -vende-se um sitio no lugar denominado
    Santana defronte do de Nicolao llodrigues
    da Cunta, o qual tem casa para morada
    con. cupi fura e he lugar muito fresco tem
    diversos ps de arvoredos do frutas bom co-
    mo larangeiras.maogiieirasqueo) o preten-
    der comprar dirjase ao dono na venda n
    5, ra do Livramento, ou ra doiQuarteis
    de Polica loja n. 28, pois se vonde por pre-
    go commodo.
    Papel para paquete.
    Vendo-se papel para paquete por prego
    mais commodo do que em outra qualquer
    parte; na loja de miudezas da ra do Coito-
    gion. 1.
    Vende-se sapatos da couro de lustro
    para senhora a 640 rs., diltos de marroquim
    de Lisboa para homem e senhora 800 rs. :
    na loja de calgado da praga da independencia
    n. 35
    Farinha Fontana,
    chegada ltimamente: em casa de J. J, Tas-
    so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
    Na loja da ra do Crespo n. 10 ven-
    dom-se chapeos brancos castores a 8,000,
    muluzinas com lista na frente 700 rs. a vara,
    ciaas cagas de cores 800 rs. a vara.
    A salsa parrilha deBristol data desde 1832, e tem constantemente manlido sua repula.
    cSo, sem necessidade de recorrer a pomposos annuncios do que as preparagoes de m-
    rito podem despeusar-se. O sucesso do Dt. Brislol tem provocado infinitas invejas, 8
    entre outras, as dos Srs. A. H. D. Snds, de New-York, preparadores e propietarios di
    salsa parrilha conhecida pelo nome de Sauds. '
    Estessenbores solicitrSo em 1812 a agencia de Salsa parrilha de Brislol, e como uSo
    o pudessem obter, fabricaran urna imitagflo de Brislol.
    Eis-aqui a carta que os Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no dia 20 de abril
    de 1842, e que se acha em nosso poder :
    Sr. Dr. C. C. Brislol.
    Bfalo, etc.
    Nosso apreciavel senhor.
    Em todo o anno passado temos vend lo quantidades coisideravcis do extracto da
    salsaparrilhadevm. e pelo queouvimos dizer de suas virtudes quelles que a tem usa-
    do, julgamos que a vendada dita medicinase augmentar muitissimo. SeVm.quizer
    fazer um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vantugem, tanto a nos
    como a Vm. Temos muito prazerque Vm. nos resumida sobreest assumpto, e se Vra.
    vier a osla cidade daqui a um-mez,ou cousasemelhante, loriamos muito prazer em o
    ver em nossa botica, ra do Fulton n. 79.
    FicSo As ordens^e Vm. seus seguros servidores.
    (Assignados) A. II. D. Sands.
    concLUS-aCo.
    l.'Aantiguidade da salsa parrilha de Brislol, he claramente provada, pois que ella
    data desde 1832, e que a de Sands s appareceu em 1842, poca na qual oste droguis-
    ta nao pOde niitei a agencia do Dr. Brislol.
    2.* A suporioridade da salsa parrilha de Brislol he incontestavel, pois que nBo obs-
    tante a concurrencia da de Sands, e de urna porgSo de outras preparagoes, ella tem man-
    tido a saa reputagaoem quasi toda a America.
    As numerosas experiencias feitas com n uso da salsa parilha em todas as informida-
    des originadas pela impureza do sangue, e o bom xito obtido nesta corte pelo lllm. Sr.
    Dr. Sigaud, presdento da academia imperial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
    tonio Jos l'eixoto om sua clnica, e em sua afamada casa de saude na Gamboa,pelo lllm.
    Sr. l')r. Saturnino de liveira, medico do exercito, epor varios outros mdicos, per-
    mittem hojo de proclamar altamente as virtudes efilcazes da salsa parrilha deBristol.
    Vende-se a 5,000 rs. ovidro; na botica de Sr. Jos Mana Gongalvos Ramos, rui
    dos Quarteis pegado ao Quartel de Polica.
    Vende-se urna escrava moga do gento
    daAogola.com principio de costura, co-
    zinha, e engomma soffrivel: quem preten-
    der dirija-se ao pateo do S. Pedro casa
    n. 20.
    Na Inja da ra do Crespo n. 10 vender
    se pelo dimiouto prego panno fino multo
    bom azul, e proto a 3000 o covado, seda li -
    za furia cores para ve.ti.lo a 1,300 o cova-
    Palilid$ panno.
    Lauriano Jos de Barros, mestre alfaiah,
    moradgr na roa do Queimado sobrado da
    quina dos Quatro- Cnl is, com escada pan
    1 a travessa do Rosario n. 18, vende palito;
    I de panno cor de eafc, cor Qxa, e com mui-
    lo bons aviamentos, e fetos do ullimo gos-
    to, pelo commodo prego de 22,000 ris.
    liiih s d'amburgo
    do.chitas francezas a 240 o covado, challes cheg,d,s nesle uui|I]0 nav|0 mujto bols
    de seda a 5.000 \*fi*>, palitos, cazsea de|gr,|ldeS( Tendem-se aos ceios : na traves-
    sa da Msdrc-de-Daos n. 9, assim como tem
    bolacinha muito nova, da quadrada e re-
    donda ; barricas com dita grande tambera
    nova, massas, passas, figos, amellas, nozes,
    amoridoas, vinho, vinagre brancoe tinto;
    papel almago aparado, dito florete, farinha
    fontana o milho; caixas com enxofre, di-
    tas com ago, ditas com espermacete, o oais
    gneros, tudo por prego commodo para nilo
    escandalizar os compradores.
    Continua-sea vender manteiga ingle-
    za nova a 480 rs., caf a 140 rs., cha hisou
    a 1,920 e 2,400 rs. a dinheiro, de S. Paulo a
    1,600 rs., o queijos a 800 rs, : no pateo do
    Carmo taberna nova n. 2.
    Na loja pernarabucaua, rua 9
    * do Crespo n. 11
    ? vendem-se perfeitissimos peitos, pu-
    9 nhos, e colarnhos, de linho e fio de j
    escocia.
    brim de linho a 5,000.
    Vende-se por 50,000 rs. urna escrava
    sadia e de todo o servigo, a qual d por mez
    14,000 rs. por llugoe! I narua do Collegio,
    loja n. 9.
    Na loja da rua do Crespo n. 10. ven-
    dem-so pessas de madapolam com 20 varas
    a 2000, cortes de casimiras a 2800, a 4800, e
    5000, mantas de seda para menina, o para
    grvala a 610, mantas de crepo bordadas a
    5,800, ditas muito ricas a 8,000, longos de
    seda de cores a 1,000.
    -- Na loja da rua do crespo n. 10 vende-so
    por diminuto prego, mantelletese capoti-
    nhos de seda prelos,'e do cores a 10,000 e
    13,000,brins mesclado do linho proprios
    para palito o cazaca a 320 o covado, longos
    de cambraia de linho a 320, riscado largo
    azul pararoupa de oscravos a 120 o covado,
    sarja o do algodflo largo a 320 o covado, e
    outras muitas fazendas que so vendo por
    menos paego de que em outro qualquer par-
    te.
    Vende-se urna prota creoulaque cose,
    engomma, cozinha, 8Tai ludo o mais som-
    go, e tem um moloque filho da mesma es-
    crava com 5 annos, que val 300,000 rs.; e
    tudo so vende por 700,000 rs.,o quo he mui-
    lo barato pelo tempo, lato para liquidar :
    na rua largado Rosario lojan. 35.
    -- Vende-se urna luja decalgados bastan-
    te afreguezada : os pretcndenles dirijam-se
    o rua Direila n. 65 quo achanto com quem
    tratar.
    Cera de carnauba liarata.
    Vende-se cera de carnauba em porgilo o a
    retalho de superior qualidade, vinda no ul-
    timo navio do Aracaly, por prego commo-
    I do : na rua da Mueda n. 23, primeiro an-
    1 dar.
    Graxa do Rio Grande do Sul.
    Vende-se graxa do Rio Grande do Sul om
    Jigarros de palha de milho.
    Vendem-se os famosos cigarros de palha
    de milho, na loja de charutos na rua estrel-
    la do Bosaro n. 45.
    Musios modernas.
    Acham-se a venda,na loja n.8 na rua Nova,
    muscas para piano, da autores modernos;
    por prego muito diminuto.
    Vendo-se um quarlo novo e forte para
    carga, por prego commodo : na rua da Traa
    armazem n. 8.
    Atlemao.
    Na rua ostreita do Rosario, taberna n. 11,
    quo faz esquina para o becco da rua do Ro-
    sario, vendem-se muito superiores passas a
    160 rs. a libra, marmelada em caixinhas da
    libra, figos de calda, ameixas, nozes, amen-
    doas, queijos muito novos, e que tudo -
    bexieaV de muito boa qualidade por prego vendo Por m,"aos rrnco do que em outra
    cmmodo: narua da Moeda 23. prime.- qualquer parte, en. mesma se dir quem
    commuuu. na ma v vende 100 espanadores muito be
    ro andar.
    Vellas de carnauba.
    Vendem-se vellas do carnauba bem fabri-
    cadas, o se faz o sortimento dos tamanhos a
    vonlade dos compradores, por prego muito
    commodo : na rua da Moeda n. 23, primei-
    ro andar.
    Vende-se a taberna n. 67, da rua Velha
    na esquina que volta para a rua d Alegra,
    muito afreguesada para a trra, e com mui-
    to bons com, modos para familia, indepen-
    demos da mesma taberna : a tratar na rua
    do Aragao taberna n. 8.
    Vende-se um bilhar om bom estado,
    ousedsociedadeem urna parle do mes-
    mo : na rua da Cruz do Recito n. 43.
    Vende-so urna porgSo de saceos com
    feijo miudo, proprio para pretas que fa-
    zem comer para venderem pelas ras: na
    rua da Cruz do Recife n. 43.
    Bichas de Hamburgo.
    Vendem-se e alugam-se as verdadeiras
    bichas do Hamburgo, navalhas para fazer
    barba, e bonitas perfumaras, tudo por pre-
    gos commodo ; na rua da Cruz do Recife n
    43, loja do Joaquim Antonio Carneiro de
    Souza Azevedo.
    Vende-se por preco muito commodo,um
    terreno com 30 palmos de fronto, e mais de
    300 d efundo: na rua Imperial do attorro dos
    AiTogados, pouco adianto doviveirodo Mu-
    / ; a tratar na mesma rua com o Sr. Ma-
    noel Carneiro Leal, na sua fabrica de cal-
    dereiro.
    --Vende-se melhor farinha quo existo
    no mercado a bordo do brigue Sagitario en-
    trado de S. Cj| lien na no da*25 do correte
    quem pertenderqualquer porgSo dirija-se a
    bordo do mesmo brigue, ou na rua do cole-
    gio n. 17, 2.* andar.
    Velas de Esparmacete.
    Vendem-se velas de esparmacete
    em caixinbas de ao Ib, em casa de
    Augusto C, de Abreu : na rua da
    Cuten do Recife n. 48.
    Vende-se urna casa terrea no
    pateo de S. Pedro, n- i5 com bas-
    tante commodo, quintal murado
    > hem feitos.
    Escravos fgidos.
    -.:,!>, ...i. ,i IhaC cinco sacos d'algodSo urna medida de
    e cacimba, tambem vende-se a ^'eil;rfarnnai e9#eiiotosis, en dinha.-
    melado de um sitio com muito..
    um sitio com
    boa casa de vivenda, na rua di
    Pires do bairro da Boa Vista:
    quem pretender pirija-se rua'.do
    Collegio, n. 15 terceiro aiyi4r.
    Vende-se cebla nova viudo de /.boa
    despencada eem molhos, por prcgj pom-
    i.iiklo : narua da Cadoia, n, 18,
    Vende-se um cavallo bom carregador
    haiao, meio e por cima, muito marMeudo,
    com trreiosou sem ellos, por prego/ com-
    modo : na rua da Praia armazem n. lis,
    MUTILADO
    Dssaparecnu em uezembro do anno
    passado urna preta de nome Mara, nagan
    Benguella que reprezenla 30 annos de ida-
    de tem faltado um dente na frente, uma
    marca no brago de huma ferida que'ja leve,
    ps grandes, alta do corpo ; tem-se enconlra
    do peloManguinheo Capunga,qoem ape-
    gar faga favor de a levar a rua da Sen/alia
    Velha n. 100 ou 108 1. andar que sera re-
    compensado.
    10^000 do gra ti (icagSo
    Pela entrega do escravo Valerio, fgido no
    dia 5 de novembro p. p. do engeoho S. Julio
    do Cabo, de Manoel I.ins d'Albuquerqun
    sendo'da Costa, alio, grosso, cara chata, o
    curta, olhos pequeos, um pouco gago, ci-
    nellas finas, ps chatos, tendo os dedos
    grandes separados dos outros, o uma cica-
    triz no p esquerdo, junio aododo mnimo:
    ser entregue a gratiflcagJo do 10/000 a
    quem o levar ao dito engenho, ou ao Mon-
    dego casa do commendador l.uiz Comas
    Ferreira, ou ao engenho Fragoso, do Manoel
    Joaquim Carneiro da Cucha.
    Desappareceu no da 15 do corrcnle
    uma escrava crioula do nomo i: me.lita de
    idade de 22 snnos comprada a Jos da Fon-
    seca e Silva, cuja escrava foi da Sra, I). Joa-
    quina Mara da Conceigo moradora em
    Iguarassu,sendo os signaes, meia fula, o tem
    uma sicatris debaixo do queixo quooi a pe-
    gar, leve-a a casa do Sr. Jos Mari 1 do Albu-
    querque MaranhSo, no attorro do effogado
    sitio n. 209, que ser bem recompensado.
    Deseapareceu da cidade da Parahiba em
    o dia 9 do correte um escravo africano do
    nome J0S0, cerca de 35 anuos de idade, boa
    estatura, espadau'do, ps grosnos, andar
    achamboado o um pouco inclinado para
    diante, olhos rasos, labios um tanto encar-
    nados, pouca barba, o mages agudas, ten-
    do om uma deltas, ao pe do final doolho,
    pequeas cicalrizes, que parece terem sido
    do contusuo. Levou vestido caigas do ris-
    cado azul, carniza de algodSosinho, e cha-
    peo de palha, e foi montado em um cavallo
    russso-pedrez com cangalba, um par de
    malla.s de couro cru' com cabellos verme-
    ' de
    ro. Esse escravo he conhocido nesl ciaaua
    do Recito com o nome de Joo cascalho, o
    j pertenceo a um pescador de Fora d.' Por-
    tal chamado por alcunho Jgnacio sem-ci-
    roulas ; depois passou Domingos Jos Ma-
    chado, que leve vend no Arco do Sr. Bom
    Jess dos Portas, o deste passou a Antonio
    Jo3o Ramos, em cujo senhoiio so mandou
    para a Prrahiba. Quem o pegar pode con-
    duzi-lo naquella cidade a Antonio Rodri-
    gues Segismundo, que ser generosamente
    reeompessado.


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ECTGKW9HY_I8M6MR INGEST_TIME 2013-04-13T01:31:48Z PACKAGE AA00011611_04616
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES