Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04586


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
i.
Anno de 1844.
Quarla Feira 21
.....""^'"'aaK'.^WisiaajssnBw
O DlAMO publica-ss lodoiOl d.as une n.":o fumn sanHieadns o ineco d asaiRnalura
lir ile Uret mil ri. por quariel |)sos adinnladns. Os anmini'iosdns aaalgMaMI ao inserido
gil., e os dos que 11.10 fuiem i rano de SU rea por liuha. Aa reclamar/oes devem aer diri-
gidas esla lvj> na das Crates n. 34 ou a iiracja i'a Independencia luja de livrcan. (i e S
PARTIDA DOS GORREIOS TERRESTRES.
GolaNMa, e Taraliyba sejundas e se\iaa feiras. Bio Grande do Norte, quinlaa feiraj,
Cabo. Seruibasm Rio l-'ormoso, Pono Calvo, Macey e Alagoaa: no 1. He '-'1
de cada me* Caranliiins i* Boofo a -tilo '_>4 e '-'S dito. Cida le da Vi.'loria, quinlas eira,. Olinda todos os das.
DAS l>.\ semana.
1'J Se, a, Conrado Aud.do J. da 1). da '.'. v.
20 Ierra s. Eleu li rio Re, aud. do de I) da 3. v.
21 Quarla cinsa s Maximiano Aud. do J. del), da 3. .
12 Quinte a. M.-ii. amia. Aud.do J. de 1). da '.'. r.
J3 SoiU s. Lauro. Aud do .1. de D. (la '2. v.
') Sab. s Pretxtalo. Bel. aud do .1. de D.da 1. v.
2> l)nm I. c da qiisnsma s. Malllias vC "V*
I II I IIMIIIIWIIIaMIIIIIalMMM I II I II H III I III I I m T .....
DIARIO DE
de Fevcrciro
Anuo XX. N. 4.2.
i 111111 Mi II i ailHaWllllim ieiti ir -
Tudo agora depende da nda meamoa; da noaaa proaVeia, roderaglo- e anergia: eoa-
Pi-. linuemoa .-..uio prmoipiamoa ( ieremi apnaiadoa oom ad*iraao n aanagOee*!
i3 A' f ,.u|s, (IWlaiuaj.... da Aaenbla rumios O 1>U -d 01 rRVBRF.ItO.
Cambioaaobie Londre S |,
Paria .t .ii rail por franco
Liiboa 1CS por lU de premio
Moi'dade i'iibre 5 por cenlO.
_li |ii ll.trun i>". _. .
Ou,..M.d. de 6,400 V. I7.70U
,. N. I7.S00
, da 4,00a 9fiW
r,.i. riiinv, 4.010
Peto culummnares '-,<'-"
Dito a meiieanoa 1,'JSO
e
dem de letra< le boaa firmal I por |
PHASES DAL \ NO HEZ DK FKVERE1RO.
la che i a 4 as 8 boraa e Si >". dim, |LuaaoTa a 18 aa 6 boraa e'i .nm.da ui
Alinguanie a U as o Loras e :il uim da ni. | Cucenla a J< s 7 b, a 3o .u. da n..ul,.ia
'iiamar dt Iwjt.
Primeira as l> horas e Si min da manlija. | Segunda as 7 luirs e IS minutos da larde
-n*r'" i i un r "'-"''-"' *-*

PARTE OFFICIAL.
-------------------------------------------------------------------------------------------- ....
Ooverno da Provincia.
EXPEDIENTE DO [)IA 13 l>0 CORRF.MTK.
OfllcioAo inspector da thesouraria da (asen-
ta, declarando, que as despesas, que se houvo-
rum de fazer pelo arsenal de marinha cun a
barca de escavacao, devem ser pagas pela ru-
brica de qiiu renta contos de rs., decretada para
as obras pblicas do inesino arsenal; por isso
denilo S. Ble., que a longitude e a alta de
muios inpedem a dita viuva do por sir agenciar
laes documentos conforme fez sentir em um
requoiimento.
Dito Ao inspector da thesouraria res-
pondendo ao seu olicio desta data a cerca da
exigencia feita pelo commissario fiscal dse
juntar o original da guia.pcrtencentc ao 2 sar-
gento \lvaronga a conta dos voncimentos ,
que se llie dcixou do pagar.
Dito Ao commandante interino da forta-
cabo da guarda.
EXTEMOB.
do as rondas nocturnas, que teem por fim v6r ,
rado como urna das obras d aquelia roparticao. ,. .. ,. i_:i._,_. _-.. nn.rna
.-. i j so assentinel as estao v 2 antes nos seus postos,
Communicou-se ao inspector do arsenal do i"" "^V.., i,in
lnarjnha F | serem fetas pelo ajudante, commandante, t
dem do da 15.
OfficioAo uiz municipal supplentedo Rio-
formosu, significando um resposta ao seu oli-
cio de t do corrento, que vista do disposto no
imperial aviso do 1. = de fevereirodo auno pas-
sado, que, declarando nao ser incompativel a
nomeacao na mesma pessoa para supplente do
subdelegado, ejuiz municipal, determina, que
todava cessem as funecoes d'aquelle lugar, lo-
go que se en're no excrcicio das d'cste, nao po-
des, me. servir oempregode subdelegado, em
quanto estiver oxercendo a vara do juiz muni-
LISBOA.
SESSA0 real da abertura,
Em 2 de Janeiro de 18 .
Depois do meio da se reunlrao na sala das
sessoes da cmara electiva os dignos pares do
reino, e os senhores deputados da necio por-
Depois da ahortura solemne da ultima 168-
sio legislativa approuve i providencia, com o
nascimonto de uina infanta conceder mais um
meio do seguranza ao throno destes reinos.
Tenho a gatisfacSo de poder certilicar-vos,
que contino recebor de todas as naces alna
das provas seguras de aniuade e confio plena-
mente que em breve ettarfio terminadas as
negociacoes com a Santa Se guardados os di-
reitos da cora c attendidas as necessidades da
igreja lusitana.
K' para Mim sobremodo acradavel o asse-
gurar-vos que a tranquilizado pblica nao
tom soffrido a menor alterarao nestes reinos.
< Na lixaro da forc armada de trra o mar
altendcreisaos interessesda honra eda segu-
ranza nacional.
Em conformidade com o disposlo na carta
constitucional da monarohia ser-we-he apre-
j sentado o orcamento da receita o deapea do es-
i lado para o futuro anno econmico ; e tanto
; sobre este objecto, como a cerca dos difieren tes
ramos do servido pblico os ineus ministros
vos jprcsentr/io a- propostas que se julgarem
opportunas o que a experiencia tiver demons-
trado serem neressarias.
Tenho extrema confianca ; cinqueas c-
maras prestaras ao Meu Governo a coadjuva-
" "...... j j ,t"'" i ='''''"">" .._....- rnaras presiarao ao neo uurnnu a .i.aui.-
quanto estiver oxercendo a vara do juu mum- tuf[lieza amando os lugares marcados no ar- aue e do esnerar do seu 7tMo e inteiesso
cipal. e deve por consegu.nto sobr estar no oxer- t ()ezenove da carla conslituciona|. np.0'| nlb|ico '
cicio do primoiro desses lugares, e continuar so-
monte no ultimo.
igo dezenove da carla constitucional. j0 |jem pblico.
Occupada a cadeira da presidencia pelo snr. (< ^ a()erti| scss5o
Wto~Ao inspector da thesouraria das rendas oque de Palmella presidente da cmara ho- TriihJS" e leitura Suas Magestades se
1 'evantrao o sahirao da sala com o mesmo
provinciaes, ordenando, que, por conta da quo-
la das eventuaes, mande prtr disposico do
chefe de polica interino a quantia de OOg rs.
para as despesas, que neste inez se teem do l'a-
zer com o sustento dos presos pobres do justiya
da cadeia d'osta cidado. Communicou-so ao
che/e de polica interino.
Coimiando das Armas.
KXPEIENTE DE 9 DO CRREME.
OfficioAo Eim. presidente ponderando- ,
the o atroplo do servico da guarnicao por falta duas cmaras, leo o seguinle
Je gente e u conveniencia de so poder man-
dar recolhcr o soldado ordenanza do commis-
sario-fiscal que, lendo um conlin jo para a
ondoef&O do seu expediente quasi todo diri-
gido ao inspector da thesouraria podia dis-
pensar o ordenanca no entretanto quo os pa-
pis de contabilidade dos oorpos, no acto de
mostra podiao ser conduzidos por um solda-
do do primoiro ao segundo, e do ultimo a casa,
ou a roparticao.
),to ao Etqi generai commananio em
ebefe do exercito do sul re|uisitando-lhe a
guia e frJd'officio do capitio do 5. batalliao
de cuvallaria JoSo Francisco Cavalcanti que
constava haver fallecilo; assim como a certidao
d'obtido do mesmo oficial para que o viuva
pos,a entrar na percepcao do meio sold quo
em virtude da le I he lica compet odo atten-
nao* e --------------
cortejo que havia tido lugar na sua entrada.
Voltando a deputacao e sendo urna hora e
vinte minutos, rotirrao-sc os inembros do
corpo legislativo.
necrologa.
FOLHETIW.
ADHMAR.O
Paraanoute, uSr. deManesaa do seu quar-
to, ganhava a parle mais sombra da tapada^ e
la pensar margena de um lago. Esta solidao,
esta tranquillidade, e o ar puro, longo de alivia-
rem O triste pesar d'Adhmars lazia augmon-
tal-o pelo contrasto mesmo do sua serenidade
com a agitado, que Ihe devorava interiormente
o coracao. Aqu deveria estar Hortensia;
" *" c2 o",pi'n os nossos risos; *g"l-
riamos as voltas destas alamedas mysterio-
sas. Estos lugares se povoariao para nos de
encantadoras visos, de imagens encantadas...
lnuteis pozares Hortensia osi ao p de mim,
e eu longcdella; estamos unios, e para sem-
c prest-parados! .
Era sobre seu malogrado amor, quo se liavia
[*) Vide Diario n. 40, e 41.
roditaria S. Ex. nomeou a grande deputacao
para recebar Suas Magostados porta do palacio
das cortes.
Sendo dada urna hora entrou Sua Magos-
tado a Kainiia acompanhada por El-Rei e
precedida da corte dos olliciaes -mitres do rei -
no, e da deputacao das cortes geraes. Guar-
dado o cerimonial determinado no respectivo
programma, Suas Magestades tomrao assento o ex mi DA tt0?J'*NOA- -
as cadeira.. o throno ; e. tendo a Ramiia Cu Iherme tredenco. P""r2?"^
permittido. que se senlassem os inembros das ede Nassau, tom part.c.pado de todosios gran-
des aconteermentos dos ltimos cincoonia an-
Dcurso nos e toinou urna parte bstanlo activa em
, Dignos pares do reino', e senhores depu- ^^fcT,^*Bffit2d
lados dagna,ao portugueza DoUde do carcter ~*
Com prazor vejo do novo reunidos neste soa cwaentrou no manejo ^^a atane
respeitavellugar os represntenles da na,o i de asss tan. Pelejou ^***g*1g
quem a loi funtajnentel do estado investio do a IIManda fo. .corporalla ^P^ "'
Lre carcter da ,g,,mos interpretes dos vo- ---se para ^5^-
^taB 3Sde porto as necessi- |do ,, 18 annos, Ln pnncezjg
dades do.povo.uhi por algumas semanas da Wilhelmina Luu. ^filh.ido r-lo Uussia ,^c
capiiai em compauiia ue Muu Augusto Esposo, uoim .^ em i/rf- iw"
. de dous do Mous Filhos para ir visitar as tual re de llollanda.
,r ncpa" ovles do lm^O e Estro- guando a l'russ.a fez a paz com a Iran.a
madura- o espero que esta digressio nao se- estipulou-se em favor do ant.go Sla bom tr,
r iuUl'para a fei idlle daquellos povos de pai do principe Gu.lherme a cessao do an t.go
cur.mw edhosio e resneito. Minha Real bispado do Fulda o de alguns oulros t.-rr.lo-
linSi. dar neste lugar pblico testo- rio, de Allemenh. "**"*';
r assuasperdas na lollanda sol) conuuao tit
inunlio. '
fixado a constante preocupaco, quo elle senta.
Dividido entro duas vontades, ora SO langava
pelo pensamento para Hortensia, ora estreme-
ca do ndignacao, excitava-so a detostal-a. Es-
ta dupla propensao conservava-lhe o espirito
em urna espocie do equilibrio tao atiganto, que
Adliemaniniachogaaoa nao estiiiMi-M na,
c n5o reconhecer em si nem energa,nem torca
moral.
Quando se achava tranquillo, estudava os au-
tores antitros, a historia, as altas questoosda ar-
te militar, o da economa poltica. So pelo con-
trario se ateava o volco da sua caneca, entao,
tornando-so poeta pela dr, tirava das suas son-
sacos versos cheios de profunda sensibil.dade.
Mas Adhmar nSo sacrificava a vaiade, musa
dos nossos poetas contemporneos, ^unca o vi-
r tomar em lace da platea urna altitudo thea-
tral, fazer sentir a sua tristesa ou modular sus-
piros Tinlia o maior cuidado, em quo as suas
quexas nafi fossem ouvidas de ninguem; para
eiio a poesa naucm lira oraciu, -' "'"" n
queencontravanas horas de inspiraco, um o-
cho melodioso, quo sedespcrta.e repele o que o
coracao Ihe quer confiar. Momento deesquec-
mento em quo se apaga o presente em que en-
tre os das passados se escolhem pela lombran-)
Ca os mais bellos, os mais tranquillos, assim
como entro os cachos de llores a moca eolhe a-
quellas, (jue Ihe agradao para formar a sua
cora.
lima das distraccocs d'Adhcmar era escrever
a seu Iranio, mas oncobria-lbo urna parto da
, ^^.^-v
1(1 / 11
i,, n.n;..
cellonte Arthur.que em sua franca e boa amisa-
doso (allava do obteruma licenca para vir fazer
conhecimento com sua linda irma. De todas as
partes o conde recebia cartas de felisitacoes, que
do continuo Ihe abria de novo a sua ftida. A
gente, que o na*b conhecia bem.dizia:Que lin-
do par! Homens, o mulheres invejavao un. Ad-
hmar, as outras Hortensia. Eis-ahi como se
fonno as reputaces de felicidade !
A pozar do cuidado, que tinha o conde de fur-
tar-seaos convites, e de fugir das partidas de
praser, pedio um ia paia azer parte ue mu
pAMelo a .:avollo, que so organisava para o dia
seguinle,
Tratava-ae du ir vinr pesias ruina* ralebre.,
distantes algumas logoas. A reuniao eslava de-
signada, e o numero devia sordo vinte a trnla.
A admirarlo loi oxlrema, e o Sr. de Moane sof-
fre) at alguns gracejos, aos quaes rospondeo
sorrindo-se:
v.'rcsasanBB)
renunciar i todas as suas pretencoes este pai/.
em favor do chefe do imperio francez. t) prin-
cipe (luilhernie loi o que entrou no goso des-
ta concessao que perdeodepois em virtude da
desmembracSo uamonarchia prussiana. Tendo-
se refugiado pela segunda vez em Inglaterra,
regressou a llollanda em 1813, e aprovoitou-
se das circumslancias para substituir o titulo de
Stalhonder pelo de principo soberano das Pro-
vincias-unidas, Em 1815 o congresso de V-
, enna creou para elle o reino dos Paites-baiios,
o as dezaseto provincias separada, desde oseculo
luse reunlrao debaiio do seu poder.
A re vo Inca o franceza de 18:50 mudou nova
mente o estado de cousas, e aos dia. du albo
segutrSo-se os de setombro, A Blgica pro-
clamou a sua independencia nacionsri o sua
liberdade poltica, e religiosa e a allianca dos
dous grandes pai/.es oonslitucionao. da Europa
consaprou a emanespoefio do novo reino. Aqui
preciso fazer elogios constancia e i ener-
ga, com quo se liouve o rei de Hollanda, de-
lendendo a sua causa com o denodo pro| rio da
sua raca.
A popularidade do rei de llollanda perdeo
muilo em consequencia dos ltimos actos do
i seu reinado pela desordena, a que cbegro as
(naneas c especialmente pelo seu segundo
matrimonio com a condena do Oultremont.que
6 Belga e catholica. Antes de realissr este casa-
mento o rei entendeo conveniente abdicar a
cora. Desde entao tein residido ordinaria-
mente em Berlim dedicando-se nicamente a
administrarlo da sua mareosa fortuna particu-
lar, que, segundo consta chega laOmi-
Iboes do dorio. ou 312 nilhues do Irancos ,
ou 120 rniiboe. do cruzados. Grande parle
destes capitaes acbo-se depositado, nos cofres
da soeiedade geral da Blgica.
Metade da immensa fortuna deste principe
lica pertencendo condessa de Oultremont e
o resto ao actual rei de llollanda esposa do
prncipe Alberto de Prussia Gibado fallecido
ei-rei de llollanda e a oulros prenles.
Frodcrico Guilherine expirou em Berlim na
inanbaa do dia 12 com 71 annos de dade. A
sua morlo por efl'eito de una apoplexia fo
repentina e inesperada. Um ajudante de cam-
po que elle mandara chamar, ao entrar no a-
posonto encontrou o principe sentado dclronte
da sua escrivaninha n'uma cadeira de bracos ,
cnaattitudo do escrever, mas sem vida. To-
dos os remedios, do que selancou mao, for3o
outeis. Sunca mais faou ou se "novec, desde
que fo encontrado mmobil e insensivel.
Como abdicou em 18V0, o sou fallecimento em
nada altera a soberana na Holanda.
O actual rei de llollanda enviou as cmaras
a soguinte mensagem, dando conta da morte de
seu Ilustre pai:
Nobres o poderosos senhores:
Confosso, meus senhores, o pouco prazer,
que me inspiran as distraccoes por que sao vms.
taoapaixonados. S a cpailaQao me agrada...
Serv na cavallaria, o ainda nao esqueci de lodo
o ineu ofllcio.
A partida teve lugar de madrugada. M.
\' illernv 'J'J35 si>nhnra ifjntac g'U2C 2 fC
marta em calcca descoberta. Hortensia, com
urna vivacidade toda juvenil, fazia campear a
sua egoapreta, que Impacientada da brida, sac-
cudia a cabeca, o agitava alternadamente as fi-
nas o nervosas pernas. O conde havia aven-
turado a sua observaca respoito da escolha
deste animal fogoso: mas Hortensia havia re-
plicado com seusares de basolla, que Mub co-
nhecia sua ama, e se. comportara bem.
O passeio loi encantador. Na volta alguns ra
pazes, para ostentar audacia, e habilidade, po-
:aSw-5 a sudi tis uaiici!,eo!>iossos, queen-
contrava. Arranjou-se urna especie de sleeple-
chase nao sem que Adhmar recommendasse a
Hortensia, quo nao tomasso nartn nnssn norigo-
so divertimento. Ella responder, que nada ha-
via temer, o adiantou-sc saltando admiravel-
mente um fosso mu to largo. Mas como, se acaso
quizesse realisar os temores do conde.tfoft, tendo
tocado n'uma moita deespinhos, teve mdo e de-

i
m


T
E' com o mais probado scntimento, que vos
annunco a triste noticia dofallecimento de nicu
amado e veueravel pai o rei Guilherme Frede-
rico conde de Nassau ern virtude de um a-
taquo de apoplexia, que leve em Berlim a
12 do corrente mez.
Assim terinioou urna vida cheia de trabalhos;
o, posto, que na sua carreira deparasso com
muitas agiu-oes, elle soubo percorrel-a com
arando gloria. Desde os primeiros annos se
dedicou ao servico da Hollanda e passou 27
anuos da sua existencia no arduo desempenho
dos altributos magestosos. Os ltimos dias des-
te Ilustre principe forao assignalados por mui-
tos exemplos do seu amor sincero sua patria ,
e ao paiz da sua predileccao.
Submettendo-mo com humilde resignado
aos decretos da providencia eu o a minlia fa-
milia licamos todava sepultados na mais viva
allliccao por esta inesperada calamidade.
Decertosympathisareis plenamente senlio-
res com o meu pezar, o partilhareis cornigo
na expressao desentnenlos, que nossaocom-
muns e que sao inspirados por todos os suc-
cesos q!Ie ou favorecen! ou enlutaoa nossa
dynastia.
Hogo Dos senhores, para que vos con-
serve em sua santa guarda. Hava 15 do do-
zembro de 18 W. -( Assignado )' Guilherme.
[Diario do Governo.)
NOTICIAS DIVERSAS.
Batera sub-maruia. Seu inventor, mr.
Colt, acaba de fazer, as visinhancas de Was-
hington, um novo ensaio com esta terrivel ma-
china ; de quedemos noticia ao fallar da cele-
brado do da 4 de julho nesta cidade. O re-
sultado Ibi, como na outra experiencia, summa-
menle satrsfacor o,voan:lo i istantaneamenter e
lo ar.feito em mil pedacos, o casco de um gran-
de navio.a que seachava pregado. O mais pro-
digioso 6, que orncsrnu mr. Colt oi o autor da
explosa, aihando-se cinco millias de distan-
cia ; passando a accao elctrica da pilha vol-
taria por esta consideravel distancia com a ra-
pidez do peusamento.
A nica dvida sobre a utilidade do invento
consiste em averiguar, se ser posslvel fixar es-
ta machina destructora debaixo do casco de um
navio inimigo vela; porm para a defeza de
passos estreitos do qualquer baha, parece do
summa importancia, podendo preparar-so de
ante-muo, como os fornilhosdas minas em urna
brecha. ( Guia-do-Commercio. )
Uescobrimento de. um rio.Appressamo-nos
em roproduzir a noticia, que da o Globo inglez
sobre um importante descobrimento. que aca-
ba de fazer-se na frica.
Otenente demarinha, Christopher, quesaio
de Adeu por ordem do capitao Haines, com o
objecto do explorar o litDral d'Africa, desco-
brio ao ao norte da ribeira Jub um magnifico
rio. peloqualso internou distancia de 130
mimas Ingleas da sua embocadura. A medi-
da que ia avancando, observou, queaugmen-
tava sempre ern largura e prolundidade, e se-
gundo a inlormacao dos indgenas que sao
mui pacficos e civilisados, este rio navegavel
al urna distancia de outras 401 milhas inule-
188. Seuundoa descripcao, que tez o lente
Christopher, o rio ter 289 a 300 pos de largu-
ra, e 60 de profundidade. As margens teem a
apparencad: urna cultivado muito adiantada,
c produzem com abundancia varias especies de
cereaes, que se vendem por hain prego. (! to
nente Christopher deo a ste rio o nomede Hai-
nes-II i ver.
Um phenomeno.Escrevem ao Chalosse, jor-
nal de Saint-Sever:Em urna das ultimas tar-
dos, no districto de Damouleus, um cultiva-
dor voltava para O horisonteannunciava urna prxima tempes
tade, massemapparencia alguma que podesse
torna-la temivel. Srnente eslava a atmosphc-
ra muito carregada de electricidade : o calor
era suflocante. De repente esto homem vio
nao longe de si varias labaredas, que sahio da
T
*
torra, e que tnho a core a apparencia das do
enxofre. Ao aproximar-se ao lugar onde tinha
apparecido o phenomeno, um choiro insuppor-
tavel de enxofre surprehendeo o cultivador, e
reconheceo varios lagartos, e umitas fondas na
superficie da trra, quedevio tersido aquel-
los.por onde sahirao as chammas que descubrlu
do longe. Duranleasua exploraco urna dol-
as subi at altura de cinco ou na pos do so-
lo, e quasi o suffocou o cheiro do enxofre, ex-
cessivamente forte, que exhalava.
Novo arado.Um moco de lavoura de Ne-
vors, dependente da casa do conde de Fante-
nille, acaba do inventar um systema de arado
por tal modo, que, puchado por quatro bois,
marcha do per si, tracando elle mesmo o sulco
MUI auxilio do lavrador, que nao tem outro tra-
halho, senao o do prenderos bois a machina.
Urna ommissao, nomeada pela sociedade cen-
tral de agricultura, cnsaiou a perfeila execuco
da lavoura por este novo methodo, cujo meca-
nismo dos mais simples.
[IU nutres des Pyrines.)
O selvagem por frga.O conselho de guer-
ra de Brdeos tratou, na sua ultima sesso, da
causa de um fugitivo, que presenta pormeno-
res bastante curioso*. Mr. P. ., natural de
um povo do departamento de Lot-et-Garonne,
estudava medicina em Pariz em 1833. A sua
paixao pola botnica Jevou-o sregioes do Per,
e quando em 1835 Ihe tocou. pelo sorteamento,
ser soldado achava-se elle prisioneiro em urna
tribu india de Archlona, depnis de ter soffri-
do um naufragio na costa de Bolivia. Duran-
da
sembestou. Hortensia susteve-sc na sella, o em
pouco lempo desappareceo aos olhos das pes-
soasda comitiva, porque a egoa corra com um
impelo medonho, e os esforcos da senhora para
a esbarrar erao infructferos. De repente um ca-
valleiro, que por um atalho liavia corlado a es-
trada, poz-se por diante de Mab, c conseguio
fazel-a parar, e contel-a. Hortensia delsoc 55
escorregarda sella, e cabio quasi desmaiada nos
bracos do seu salvador. Este susteve-a respei-
tosamente.
Tranquillize-se, senhora, lhe disse elle, e
para outra vez seja mais prudente.
A o som da voz de quem lhe fallava, a Snra.
deManeeslreincceo; urna sorpresa indisivel se
lhe pinlou ras feicSes.
Que vejo, Sr.! balbuciou ella; vm.
que devo a minhu salvaco?
Nada me deve, Snra., respondeo com gra-
viHaii- Adhmar, eujfl corara.-, baia violento
achava-meaqui... obrei como todos os >>eus a-
mgos terio obrado em meu lugar.
Ah*Sr.; in nao parece bem;
quernem os meus agradecimentos.
Acceto-os com urna condiyao.
Qual?
Prometta-me nunca mais commetter se-
te os dous annos que esteve captivo, o chefe
tribu fez grandes, mas inuteis esforcos, para
converter o seu prisioneiro em um selvagem
completo. Debalde lhe vestiu o trajo indimo,
que se compe de um arco e aljava : o oven
discpulo de Esculapio achava-so muito desgos-
tosn com aquello singular vestido, em cuja com
posicao entra s a natureza ; e por outro lado
os costumea e hbitos do seus hospedes nao ti-
nbao attractivos bastantes para lhe azer esque-
cer a sua patria. Finalmente, depos de ter
chegado.a for^a de ohservaces'e a conhecer me-
diocremente a topographia do paiz, aventurou-
se atravesar aquelles bosques com um Dalia
no,seu companheiro de infortunio, e ambos el-
los, depnis de urna jornada de 150 legoas a p.
chegrao saos e salvos urna cidade da repbli-
ca do Equador donde alguns Europoos Ihes fa-
cultrao meios para se transportaren! Ingla-
terra. Chpgado mr. P..... I ranga in-
formado da sua posicao, relativamente entrada no exercito, apressou-se a reivindicar
os sousdireitos. honra de ser soldado frencez,
e o conselho deguerra determinou.que passasse a
azer servico nocorpo. para que primitivamen-
te tinha sido destinado. {Constitucional.)
Edificio incombustivel.Em urna das ulti-
mas reunioes do instituto de engenheiros'civis
de Londres, mr. Fairbairn, habilissimo cons
tructor, expz oplano de um edificio destina
do as manufacturas de laa.e construido de bron
ze c ferro las fabricas inglezas, o qual deve ser
nstallado perto da villa de F/met (Turqua) por
contada Sublimo Porta.
Em urna viagem, que em 180 fez mr. Fair-
bairn Tijrquia.chamado pelo sultao anterioro
que.entre outros projectos de reforma,concebe'
o de livrar seus subditos do flageiio dos incen-
dios, sirbstituindo por casas de ferro as suas ca-
sas de madeira, faclitou todos os materaes
para construir um moinho. e urna cas r.r2 }.3_
bitacao, ludo de ferro, e bronze. A casa tinha
50 ps de comprimento, 25 de largo, e tres
andares.de altura sondo o tecto do ferro. O
resultado feliz desta tentativa animou o governo
turco para azer um novo ensaio com maiores
proporcoes, e em consequencia enviou ordem
a mr. Fairbairn para executar um grande edifi-
cio de ferro e bronze para as maaufacturas de
lia.
Este edificio compde-so exteriormento de
pranchas de bronze, e interiormente est fr-
mado.em todas asparles, por arcos de lijlo,que
asssento sobro columnas de bronze ; o tecto
de ferro.
O motor, que pe em movimento as machi -
as da fabrica, urna queda de agoa de 25 ps
de altura, e cuja forca se calcula, prximamen-
te, em 180 cavallos.
Tomrao-se engenhosas disposices contra os
inconvenientes do uso geral de um corpo, lao e-
minentemente conductor do calrico como o
ferro : os pilares entro as janellas esto furados
d modo,o que admittem urna corrente de ar na
estacaocalida, eos tectos de ferro sao cohertos
pela parte inferior por urna carnada de gesso,
corpo nao conductor.
As duas salas principaes do edificio teem as
dimences seguintes : a primeira 272 ps de
comprimento (ps inglezes) ; 40de largura, e
20 de altura; asegunda 280 ps de compri-
mento, 20 de largura, e80 do altura.
Um grande numero de salas, menos impor-
tantes, estao dispostos para a installaeao de vari-
as officinas, assim como para servir de habita-
cao aos directores, e para receber o sultao.
(Rvue des conomistes.)
DIARIO DE PERNAT
Chegro-nos de Lisboa mais alguns nme-
ros do Diario do Governo e do Patriota .
que alcanco 15 de Janeiro prximo passado,
e os quaes nos fornecem. em resumo,as seguin-
tes noticias :
Por decreto de 30 do dezembro ultimo foi o
ministro do reino Costa Cabral agraciado
com a nomcacao de conselheiro de estado vita-
licio eeffectivo.
Abrio-se com, cfTeito, a 2 de Janeiro a sessan
ordinaria das cortes ; em lugar competente in-
serimos a falla do throno na abertura das mes-
mas. Tendo-se procedido devida eleirJSo para
a presidencia da cmara temporaria foi esco-
Ihido, por S. M.,o Sr. Bernardo Gorjao Hen-
riquespara presidente, e o snr. Agostinho Al-
heo da Silveira Pinto para vice-presidente da
mesma cmara.
Na sesso de i de Janeiro ventilou-se sob
proposta do deputado Castello Branco a ques-
tao se o ministro do reino havia perdido o lo-
gar de deputado pelo facto de ter sido nomeado
conselheiro de estado ; e foi decedida negativa-
mente por 71 votos contra 12.
O Diario do Governo vm cheio de repre-
sentacOes de varias cmaras municipaes rai-
nha favor do ministerio; e o Patriota
contina publicar outras contra elle.
As ultimas noticias da Hespanha chegao G
de Janeiro : porm nada adiantao de maior im-
portancia senao que na sesso da cmara
dos deputados, cm 27 de dezembro, leo o
ministro da justica um decreto, pelo qual fi-
crao suspensas as sesses das cortes na presen-
te legislatura.
muiL i. IJLB
Variedffde
s.

SIR ROBERT PEEL.
A influencia, que tem sir Robert Peel. como
miiMsiro o como chele do um partido politi-
co um desses phenomenos britannicos que
nao comprebendem fcilmente aquellos,que nao
teem seguido a marcha dosacontecimentos pol-
ticos da Inglaterra, ou que nao tivrio ensejo
para estudar c admirar a sociedado ingleza ,
tao frlemente organisada e tao propra para
os combates, em que as sociedades modernas
vm. nao
melhanles imprudencias, e conservar dias pre-
ciosos...
Preciosos, a quem? perguntou ella prom-
ptamente.
As suas amigas... a Sra. sua tia.
A chegada da cavalgata nao permitlio, que
Hortensia replicasse.
A Sra. de Mcano foi rodeada, e atormentada
com perguntas, e demonstracoes de interesse; e
dera-se os parabens ao conde, que, mo grado
seu, foi o here do da.
Em vezdeproduzir urna reconciliacaS entre
os dous esposos, esta scena como quo augmen-
tou o mo humor de Adhmar; porque pensa-
vo, que, apreciando-so a sua corugem, se lhe re-
cusava essa estima, sem a qual nao existe a-j
mor: de mais temia parecer querer vender um
servico; e por issod'alli cm d iante, anda appa- '
receo mennt.
Hortensia, caneadadesse constrangimento.em
que vivia, annunciou pelos fins do agosto ao Sr.
de Mane. que lesejava voltar a Pariz no pri-
metros dias de setjmbro. Adhmar nada rcpli-,
cou; lmente no dia seguinteentrou na sala, on-
de se achavao a lia e sobrinha, dispondo-se
visitar urna castellaa da visinhanca.
Snras., disse elle, sabendo que vao para
fra esta tarde, lomei a liberdade de vir pedir-
Ihe as suasordens. Eu parto para Pariz.
Vm. parle para Pariz! repeli Hortensia,
cujo olhar admirado se cncontrou com o da Sra.
Vallera;.
Sirn, Sra., negocio de erando mnert;:)ca
aiii me chama.
devem onlrar, no governo representativo arist
cratco ou mesmo olgarchico como se c
da que esse paiz na opiniao do resto da Eu"
ropa.
Ella admitte.nasua composigao.asss do ele
ment democrtico, para com ello se fortificar ~
e para permittir ao h'lho de um rico fabricanl
de figurar testa dos seus destinos, e de oceu-
par a primeira posicao n'um governo, qU e
por assim dizer, o patrimonio exclusivo de urna
nobreza, senhora de tres quartas partes da pm-
priedade rural do paiz. Cumpre todava obser-
var, que esta aristocracia eminentemente i|l
lustrada ; e que sempre tem mostrado o boro
senso de absolver em seu gremio tudo oque
encerra verdadeira illuslracao, ou poder. (Ju
sejao aquelles que adquirirao nomeada p0r
servcos prestados, ou pela sua sciencia ouos
que se tornao poderosos pelos seus capitacs e
industria todos alcanco um lugar disln'cto
na hierarchia social desse governo aristocrtico
SirHobert Peell pors o filho deumdoj
mais ricos fabricantes do norto da Inglaterra
que conseguio realisar urna fortuna inmensa
na poca da guerra com a Franca. Mr. pj
que recorra todos os meios para contralla-!
lancara perigosa influencia das ideias democr-
ticas que entao se achavao em voga no conti-
nente assim como para organisar e desen-
volver as frcasdssa famosa cruzada quede-
bcllou edestruio a revolucao franceza na sua
ultima formula a omnipotencia de Napoleo
careca muito do primeiro elemento de qual-
quer guerra para deixar de attrahr os grandes
capitalistas Inglezes. esta a origem dasin-
numeraves promocOos que entao tivrao lu-
gar, de ricos ban(|ueiros, capitalistas elevados ao
paralo e a calhegora de Baronet (1).
Mr. Pitt converteo o rico fabricante em Ba-
ronet e mr. Peel tornou-se sir Robert Peel.
Este oi por vezes nomeado representante de um
dos condados do norte no parlamento e deo
seu filho primognito, nascidocm 1788, a edu-
ca?ao primorosa, eclassica quo da partilhn
das classes opulentas na Gra-Rretanha. Come-
cada em Eton, caporfeicoada cm Oxford, essi
educacao oicoroada pelas distnecoes honora-
rias mais lisongeiras dos cursos escholare, e
acadmicos. Apenas sabido da universidade, o
joven Peel lo elelo membro do parlamento, o,
depos de servir o lugar de subsccrelaro de es-
tado no ministerio do interior, acompanhou
lord Castlereagh.lenenle-rei da Irlanda,naqua-
iidade de secretario de estado lugar, que lo
desempenhado por lord Wellington e oulros
estadistas celebres equo reputado, como o
do membro da administracao de Reino-Unido.
Peel nao foi um destesoradores precoces,
quem a vehemencia, ou o talento arraslo anti-
cipadamente a agitada arena das discussoes po-
"iticas, onde correm o perigo mais commum de
apodrecercm antes de maduro. Pelo contraro
triturou-se gradualmente na gerencia dos ne-
gocios de estado e boje colhc os frutos da san,
e boa cultura que a sagacidade do seu espiri-
to soube preparar com discernimento. Prestou
juramento, como membro do conselho privado,
em 1812 na idade de 21 annos. Subsequente-
mente ministro do interior na administracao de
lord Liverpool tornou-se entao o homem im-
portante e o coilega distncto de mr. Can-
ning. Foi nessa capacidade quo concebeo.
reformas consideraveis na legislacao criminal da
Inglaterra nessa legislacao salpicada de sin-
gue monumento da barbaria da idade media,
anda vigente na poca da eminente civilisaco
do seculo 19.
Desdo entao as suas tendencias liberaos e a
(1) Ordem de nobreza secundaria que nao
d assento na cmara dos lords mas que con-
fere o titulo de sir aquello que o possue.
Pois bem, Sr., disse Hortensia com ar in-
dirTerento mas cortez; oceupe-se a sua vontade
dos seus negocios.
Meus negocios?... nao os tenho. Esse
o seu eterno erro: nada tenho a accrescentar a
dolorosa conversaca, que ti vemos um dia...
A voz se lhe amorteceo; porm um momento
depois conlinuou:
Nao sei se a sua opina a meu respelo se
tem .ilaiimn soess modificado.
Hortensia tornando-sc vermelha, pergun-
tou-lhe:
Como pode o Sr. pensar, que o r,a5 es-
uma 7
Crcio oque se me disse:
Agitavu-se extremamente a lia da moga, pare-
ca muito oceupada em endireitar o seu chapeo
de palha um espelho, abotoar as luvas, em
um a palavra, em terminar os seus enfeiles. Ad-
hmar senlio, que era necessario por flm urna
situacaodesagradavel para todos
Sra., disse elle, os seus inleresses e nao os
meus (pois que elle sao inteiramente dislinclos)
ordenad a minha partida, e certas rases rneo-
uigaa me nao explicar mais. Se dovesse ac-
credital-a, as suas prevcn?es teriao cessado...
ao monos em parle. Vm. pode dar-me disso
urna grande prova. Assigne este papel... por-
que a sua assignatura indispensavel para o
quo eu medito.
Antes quo a lia podesse fazer a menor objec-
co, Hortensia tomou o papel, correo urna me-
za redonda, que es'.ava no centro da sala, eas-
signou sem lr urna palavra do contedo does-
cripto.
U Sr.de Mea ne dobrou o papel, o metiese
na carteira. agradecendo Hortensia esta acca",
na qual via, dizia elle, urna inspiracao gene-
rosa...
O conde retirou-se para o seuquarlo, eas se-
nhoras partirn para a sua visita. Na volta de-
rao-lhcs parto, que Adhmar liavia partido, o
deixado runa carta, na qual Ihes dizia aieos, o
que as esperara cm Pariz.
[Conlinuar-se-ha.)



*'
-'".i
n-w't*
3
*>
*
sua vigorosa rosolucao do marchar pela vereda
do progresso Ilustrado o philosofico o tor-
nro algum tanto suspeito ao partido lligh-
Tory. Fstas suspeitas adquirro una frca
irresislivel, quando foi ministro do interior na
administracao do duque de Wellington ese
decidi a partilliar com este Ilustre guerreiro a
difTicil trela de fazer incluir no catalogo das
leis o acto da omancipacJodoscatholicos Irlan-
deses. Repollid, pela universidade de Oxford,
da representa protestante leve a combater na cmara do
cotiiniuns os prejuisos religiosos, queso desen-
cadero em mil injurias o insultos contra os
nobres athlelas da santa causa da tolerancia. O
combate foi rude, a Peel sustenlou o seu posto,
eom a energa propria do lioinem do confianca
do duque de Wellinglon desto estadista de
frreo bomsemo, segundo a phrase do uin dis-
tincto escriptor que entre outros talentos ,
posse a difficil qualidade de l>em julgar, e de
apreciar os homens.
Com tudo os olleitos desta luta sustentada
contra o seu proprio partido so!>ro o carcter ,
e a conducta de sir Rohcrt Peel pdem ser a-
preeiado* do um modo justo na minlia opiniao,"
se por ellos se explica a sua posico durante a
discussao do bil da reforma E impossivel a-
creditar que um homcm de tiio esclarecido ,
e profundo entendimento,dotado do tanta pers-
picacia nao avaliasse desde o principio da lu -
ta toda a forra e alcance del la o nao procu-
rasse entilo modifcal-a, oannullal-a, poreon-
cesses que, tortas a lempo leriao tirado ao
partido revolucionario todo o prestigio o po-
tencia, com que contou por muito lempo, pon-
do om perigo o throno o as melhores institu-
coos do estado. Mas sir Ilohert pretendia an-
tes de tudo portencer ao seo partido e dirig I -
o para oportunamente operar urna regeneraco
completa dos bons principios. Para oblar este
resultado cumpria nao sabir do seu campo, nao
justificar suspeitas, nao dar largas descon-
fa nca.
Logo que terminou o conflicto, mostrou-se
tal qual o vimos, e a sua tctica durante os de
annosda administracao Whig o elovou ao pos-
to eminente, que h-ije oceupa como homem de
estado, talvez maisbrilhantemente do que nun-
ca, l'or espaco do dez annos soube moderar o
ardor dos seus partidistas ; combateo os seus
adversarios com o principios que professa o nut -
cacom osalheios. Dotado de muito sangue fro,
e pouco vido de poder, sahio da administra-
cao em 1839, apenas reconheceo, que anda nao
era ebegada o occasio da victoria completa, a-
provoitando-soda celebre dissencao com a rai-
nba, a cerca da escolha das damas de honor.
Dopos, soube tirar partido do'triumpho. que se
apr/^enlou com todos os predicados de urna
yafifio poltica.
Sir Kobert senbor do mrnensa fortuna, lier-
dada de seu pai, e,sendo, lamben pai, esmera-
se em dar a seus lilbos a melbor educacao.
de estatura alta, de agradavel eensinuante pby-
sionomia ; ostenta urna certa pomposidade de
formas ; urna deficiencia do maneiras, e do que
seconvencionou designar com tacto de socieda-
dade, urna certa altivo/, burgueza, que provo-
cao o sorrso oceulto o desdenboso de mals de
um desses elegantes parsitas polidos e perfu-
mados, que por vezes fazem as delicias dos cir-
cuios onde Sir Kobert Peel apparece frequen-
iomeule,Um diplmala Poriuguez.
{Diario do governo.)
Capilaes inglezes. Tamanlia na Inglater-
ra a accumulacao de capilaes di/, o Journal
du Commerce do Inthuerpia tao desenvolvi-
do ahi se acha o espirito do empreza que todas
as operacoes, todos os paizes vem buscar (Oreas
nesse coinmum deposito. Km seu constante
anhelo do alargar o circulo de suas tentativas
commercaes, os Inglezes s'> talvez exceptuem
um paiz dos do quo sompre eslo promptos
tirar proveito > a Irlanda. Posta essa nica
exeepeo, licai cerlos que por toda a parto os
acharis: as incertezas o as com pli cagos fi-
nanciaos as guerras civis o at as revoluces
nao conseguem suspender o curso de suas com-
iiiaacocrf.
Vo-se este anno om Franca que de tres
companhiasque se apresentavao para executar
as grandes linhas do estradas de ferro duas
ero anglo-francezas : a companhia de estrada
de Ierro de Roao lormou-se om Londres levo
o mesmo berco a do Havre. Se conseguimos
estabelecer o banco de Flandres foi pela inter-
venco dos Ingle/.es. A mr parte das nossas
cidudes sao allumiadascom gaz, por interme-
dio de urna companhia, cujo centro esti na In-
in"latorra o o servico do nossos dous portos
feito com barcas de vapor, quo nos manila
companhia goral dos barcos do vapor de Lon-
dres.
No Mxico sao as minas lavradas por Ingle-
zes: nos Estados-Unidos, canaes estradas,
banco carecerao do capilaes inglezes : os em-
prestnos de todos os estados fracos ou sli-
damente estabelecidos agenceio-se om todo
ou em parto na praca da melropolo ingleza : ahi
fa*-se e desfaz-se o crdito do quasi todas as
naces ; nao havoria crdito possivol para urna
nacao se contra ella se decla;asse a praca de
Londres.
Ojuom acreditar quo agora quando se nao
sabe a que governo estar sujeita ainanha a
Hespanha o momonlo escolhido em Londres
para a formneo de urna companhia com o fun-
do de 500,000 libras sterlinas ( cerca do 4 mil
la provincia fr publicada esfa delerminaeo idade de 12 a 14 annos; na ruada Penha
(cando as notas,que nao forem apresentadas ao n. 4.
troco at o fim delle, sugeitas d'ahi em diunte Josu.'-de Jess Jardim. em resposta ao
ao descont successivo do dez por cento em ca-i annuncio de Joo Manoel Pinto (.haves, no
da mez na frma do artigo 5.-da lei numero diario n. 39 de 17 do crrente, declara, que
53 de 6 do outubro do 1835 E para quo che os seus bens oslad livres .le hypotheca, quer le-
gue noticia de todos mundei lavrar o presen-, gal, quer convencional; de penhora, OU em-
o alli-
lo
burgos,
dispora
e quepor tanto pode dispr delles, e
livremento, como Ihe permittem as
te, que ser i publicado pela imprsnsa
contos da nossa moda correte ) para appro- xado nos lugares mais pblicos do termo. Dad
veitar os recursos da pennsula brica? O fado
da concepeo do semolliante companhia nos
parece assus curioso e caracterstico da nacao Ier-causa aos 8 de fevereiro d 1814. Fu Fran- ciante respondenle, s poder tolher o uso do
o pjssado nosta cidade do Recife sob o meo lea; o que urna accaO de pretexto prolexto)
signal e sello deste juizo ou valha sem sello |j contraproteslado, como o tom feito o atinun-
que tanto pesa no mundo commercial com os
seus navios, os seus capilaes os seus produc-
tos o mais anda com o seu esperito arrojado ,
o invasor.
Telegraphos Recehem-se em Parz no-
ticias de Calais ( 69 legoas de iutervallo ) em 3
minutos por moio de 27 telegraphos; em 2 mi-
nutos, por meio de 22 telegraphos de Lille
( 47 legoas do distancia ) ; em 6 minutos por
meio do 4 telegraphos de Stra/.burgo ( 105
leguas do distancia ) ; em S minutos por
meio de 50 telegraphos do Lyo ( 93 leguas
de distaheia ) ; e em S minutos por meio de
80 telegraphos, de Brest ( 129 leguas do dis-
tancia). [O Brasil.)
cisco Ignacio de Alhahydo escrivao a escrovi.
Jos Nicolao figueira Cosa.
louiinio e posse dos seus bens aquello contra
Avisos martimos.
quem se protestou no entender da ignorancia,
I ou da malicia, quo intente desacreditar a al-
. giiem. O respondenle nada deve a aquello Sr.
' esto siin devedor ao anniinciante de nao pe-
I quena somnia, proveniente da sociedade em
= Para qualquer porto tem de sabir da Eu- que falla, o que se descutir e algara compo-
ropa o superior briguc nglez Medum de L* tentemenle no juizo.
classo, forrado, e cncavilhado de cobre; os pro-1 Francisco Taraull participa ao respeila-
tenilenles dirijo-so aos consignatarios Jones | el publico e com mais partcularidade aos
lfandega.
Rendimento do din 20............ 279*007
DescarregSo koje 21.
Escuna portugue/.a Tarujo &[ Filhos diver
sos gneros.
Barca ingleza IP'm.-Russel diversos ge
eros.
Brigue ingle/. Jany bacalh.o.
Hrinuo suoco Julia l.iboado.
Bergantim Dous-amigos diversos g-
neros.
Polaca austraca 1 Pladitlato farinha.
Hiato S.-Jos-Flor-do-mar diversos g-
neros.
LISBOA.
Cambios em 13 de Janeiro passado.
Dinli.* Letras.
Amstcrdarn.............. 4-
Hamburgo 80.......... 50 49
. ( 53 a 54......... 54 53'/
Lon,,res( 54 a 54 /....T.. 54',. 54
Genova................ 514
Pariz...51G............ 516 518
Valor de metaes e papis de crdito.
Objectos. Compra. Venda.
Pecasde7S500........ 7g720 7*740
Oncas hespanholas..... 14*300 148400
Soberanos............ 4*420 48450
Ouro cerecado......... 1S920 18930
Dito em barra......... 27 27'/'
Patacas hespanholas. ... 91. 920
Ditas brasileiras....... 900 910
Ditas mexicanas....... 900 905
Prata em barra........ 28 a 28V
( Do Patrila. )
Hovimento do Porto
Navios entrados no dia 20.
Liverpool ; 38 das brigue inglez Secilia ,
de 25 toneladas capitao Willian Colk ,
oquipagom 11, carga carvo.
Terra-nova ; 34 das barca ingleza James-
Steuart de 214 toneladas capitao John
Seind cquipauom 13 carga bacalho.
Navios saludos no mesmo dia.
Parahiba ; lancha nacional 5 Joo Baplista ,
capitao Florianno Jos Pereira carga varios
gneros
Lisboa ; brigue portuguez Robim, capitao Alc-
xandre Jos Corroa carga assucar.
Canal; brigue nglez Brasilian-l'acket capitao
John Fadely carga assucar.
Yones* ; brigue dnamarquez Htclor capitao
L. C. Hersitgl carga assucar.
Edital.
O Dr. Jos Nicolao figueira Costa fui*
municipal da segunda vara do termo do Re-
cife por 5. Ai. /. e C, que Dos guarde,
Ye.
Faco saber aos habitantes deste tormo em
rinde de ordom que para so recobi do
Exm. presidente da provincia, que pola or-
dem do tribunal do thesouro publico nacional
de 19 de Janeiro ultimo foi marcado o praso de
seis mezes para f.ndar a substituidlo das notas
de 5,000 10.000 e 20.000 rs da pnmetra
estampa, determinado pelas orden de 11 do
marco do 1840 e 12 de fevereiro e 24 de
dezembrode 1841 o qual dever expirar seis
; mezes,depois q' por edilaes da Ihesourena d es-
Paton & Companhia.
= Para o Pdrto sahir no dia 5 de marco a
barca portugueza Bella Pernambucana ; quem
quizer carregar, ou ir de passagem trato com
o capilao na Praca-do-commercio ou com o
consignatario Ihomazde equino I'onseca na
ra do Vgario n. 19.
A barca franceza Camelia,tendo urna parto
da carga prompta e excellenles commodos para
passageiros, seguir infallivelmente para o Ha-
vre no dia 4 de marco : para carga o passagem
fallo-se com o capitao Guilbert, ou aos consig-
natarios Bull & Chvennos.
Lciloes.
que de boje em di-
C qualquer hora na
= Joao Keller far leilo por intervencao
do corretor Oliveira, de variado sortimento de
fa/endas franco/as, allomaos, e suissas de seda,
laa, linho e d'algodo. proprias da eslaeo ,
slgumas dasquacsserio vendidas por qualquer
preco; sexta (eir, 23 do corrente, s 10 horas
da manhSa no seu armazcm na ra da Cruz.
= Por ordem ilo cnsul de S M. Britnica,
o peranto um delegado do mesmo scrao ven-
didos em leilo pblico, no lugar onde esto, na
praia do Pai va pcrlo do Cabo urna lanxa com
mastros ellas e remos, um escaler com re-
mos cinco bahus dos marojos os quaes per-
tenciao ao brigue ingle/. Finnes que foi
fundo ; sexta feira. 23 do corrente ao meio dia.
0 corretor Oliveira far leilo de gran-
de sortimento de (alendas as mais proprias des-
te mercado e que continuar.! a vender sem li-
mites; quarta feira, 21 do corrente, ;is 10 horas
da manha no primeiro andar da sua casa na
ra da Cadeia.
James Crabtree & Companhia fro lei-
lo por ntervenclo do Corretor Oliveira de
grande pona) de fazendas ingle/as avariadas ,
einultas oulras om perleito estado, asmis
proprias desle mercado : quinta feira, 22 do
corrente s 10 horas da manha em ponto no
seu arma/om da ra da Cruz.
Avisos diversos.
amigos dos bons bocados ,
ante ellos acharan a toda
sua casa de paslo franceza da ra da I.ingueta
n. 2, toda a qualidade de comida franceza ;
assim como vinhos e licores de todas as quali-
dades caf com Icitc o sem elle ; pastis,
pasteloes empadas de diversas sortes sala-
das presuntos linguicas &c, ; o que se-
rio servidos com o maior aceio limpesa, e por
preco commodo. O mesmo Tarault ollcrecu-se
para mandar levar om as casas as comidas a
aquellas pessoas, quo com ello se ajustaren! ,
diaria ou mensalmenle ou por nina vez s-
mente : participa-so mais, que todos os dias
de manha um seu agenlo levar a casa de seus
Iregue/es pastis, pasteloes, empadas lin-
guicas, e chouricas francczss, proprias para
al moco.
Alugao se 3 casas terreas em Fura de-
portas duas do bulo da mai grande ns. 4 ,
e (i e a outra do lado da ra n. 5 ; e um so-
bradinho na ra do Hom-liin em Olinda ; a
tratar com Manoel da Silva Nevos em Fora-
do portas.
aas (iuillierme Augusto Rodrigues Selle, ten-
do acabado de pagar todo o debito da extincta
firma Carioca \ Selle de que foi socio ge-
rente ; o ccrlo por isso na final liquidaran pas-
siva dessa extincta firma de quo licou en
earregado: roga comtudo quem por acaso se
julguo afnda credor mesma, por qualquer
titulo de leltra obrigaco ou cotila de livro ,
o favor de ir receber, no prelixo prazo do tres
dias, em casa do infrascripto, ra do Quei-
mado n. 2' ou annunciar por esta fulba.
Guilhertne. Augusto fodrigues Sette.
A commisso administrativa da sociedade
Apollinea segunda vez convida aos snrs. so-
cios para se reunirem na casa da mesma so-
ciedade no dia 21 do corrente pelas horas
da tarde, para se eleger a commisso, que tem
de servir no presente anno ; advertinda, que se
proceder eleico com o numero de socios,
que romparecerem : no mesmo dia so Dio de
receber as proposlas para convidados partida
do 4 de marco prximo.
Sociedade Philo-Thalia.
= O primeiro secretario por ordem da
direccao, avisa aos snrs. socios que nao lrao
buscar os bhetes da recita do dia 17 do cr-
rente e se acho dever as respectivas mensa-
lidadcs, queiro satisfazol-as aos procurado-
res, os snrs. Candido Jos da Fonseca C Re
/.ende Alvos da Silva quo Ihcsapresentar.io o
competente recibo do Iheseureiro quando nao
queiro quo so Ihc imponha a pona do artigo
93 dos estatutos; e nao ter. mais parte como
socios na pessa mgica o Momo de Ormuz ,
que tem do subir scena em o mez do marco
vindouro.
Muito importante aos doentes a medicina po-
pular americana.
= Acaba de cliegar urna grande quantida-
de dcstas pilulas ( remedio composto inteira-
monto do vegotaes ) conhecidas na America e
na Furopa desdo o anno do 1790 e das quaes
se (em vendido ja no Brasil ( aonde conheci-
do apenas 3 annos ) mais do quarenta mil ca-
zinba OOI que leem provado sua superiorida-
do de todos os remedios em numerosas curas
as molestias do ligado ebres rheumatis-
mo lombrigas i particularmente a solitaria )
thisica ulceras, inflammacoes nos olhos, es-
crfulas e risipellas &c.
Roga-se aos padecentes para provarem esto
infalivel remedio. Vende-se com seu com-
petente receituario cm casa do seu nico agente
Joo Keller ra da Cruz n. 11 e para maior
commodidade dos compradores na roa da Ca-
= Aluga-se a loja da casa do Alterro-da-
Boa-vista n. 38, para fazendas ou outro
qualquer estabelecimento; a tratar na mesma
Casa.
Precisa-se alugar urna casa terrea no bair-
ro da Boa-vista as seguintes ras; Ro/ario,
Gloria, e velha ; na ra do Quoimado n. 4
rsAluga-fe, por preco muito commodo, o so-
brado n. 15 da ra do Vigario, de tres andares,
e solao com commodos para urna grande fa-
milia e em lugar mu proprio para escripto-
rio, e residencia do qualquer negociante; quem
precisar, dirija-seao Atterro-da-Boa-vista n.
t"2, segundo andar.
= Aluga-se o primeiro andar da casa n.
42 do Atterro-da-Boa-vista com bons com-
modos e ptima vista por preco muito com-
modo ; quem o pertender, dtrija-se ao segun-
do andar da mesma casa
Quem precisar de dinheiro a premio so-
bre escravos; pode fallar com Cuimares I'er-
re ira.
= Precisa-sede urna ama secca sem vicios,
para casa do urna pequea familia; na ra da
Senzalla-velha n. 132.
Precisa-se de urna ama para acabar de
criar um menino ; na ra do Ro/ario larga
o. 17.
-= Precisa-se do um feitor para um sitio ,
disiantn desta nraC2 iegca e meid, deia emeasa de Joao Cardozo Ayres, Rua-nova
estiver nestas circumstaneias dirija-se ao ar-j Guerra Silva & C, Atterro-da-Boa-vista Salles
mazcm na ra da >cnzalla-volha n. 106. ou no & Chaves.
migenho S. Paulo frege/ia dos ABogados Lma senhora de bons costumes se encar-
Aluga-se um sitio no lugar de Hebiribe rega da criacao de meninos de peito impedidos,
com casa e quarto trra sultciente baila e desimpedidos e tambem recebe meninos
paracapim, e arvoredos de fruto; quemoqui- desmamados para curar da sua educacao, no
/cr comprar, ou alugar dirija-so a Rua-ve- que promette esmerarse; quem do seu presti-
Iha n 113. mosequizerutilisar, dirija-seao pateo do Car-
es Precisa-se de um caixeiro poriuguez de, ru o. 24.


w
4
>
= Deseja-se fallar ao snr. Manoel Joaquim
Pinto Machado (juimarcs para negocio de
seu interesse ; na rua do Encantamento ar-
inazem de molhados n. II.
Antonio Jos Francisco Moreira deixou
de ser caixeirode Manoel Jos Antunes des-
de o dia 1!) do corrente ; as pessoas que com
o ultimo tiverem contas, farao o favor de fi-
carem entendidas.
Alugiio-scduas lojas no Palaceto, adi-
anto dos .Martirios; na rua do Amorim n. 15.
Mathcus Austin & Companhia mudarao
o seu oscripturio para a rua da Alfandc^nvellia
n. 36 aonde loi o antigo escriptorio do fal-
lecido Antonio Varques da Costa Soares.
Precisa se de urna preta para o servieo de
urna casa da familia ; annuncio.
A oficina de encadernacPo que o pa-
dre F. C. de l.emos e Silva dirige na Rua-bel-
la n. 45 ucha-se provida de ricos ferros de
dourar magnificas placas de relevo e encl-
lenles couros e marroquins de todas a cores ,
com o que pode oxecutar as mais elegantes en-
cadernacoes que se exigirem quer inteiras,
quer cartonadas e o novo processo, que em-
prega no applicar e lirunir o ouro torna o
suu dourado do urna permanencia infallivel. A
mosma olficina so encarrega tamben) de bro-
char quaesquer obras impressas, com a perfei-
yio que conbecida do publico, ea um pro-
co moperado.
=s Urna pessoa queda fiador a sua con-
ducta e que por ella ge icsponsabilisa pro-
pe-se a servir de criado em qualquer casa ca-
pa?. ou a administrar qualquer obra, assim
como tratar de cavallos e dirigir qualquer ca-
vallarice vistos indiligencia que tem para
csse lim ; (jucni o pretender, dirija-se ac lu-
gar do (lorlume dos Cocidos na lojadacasa,
quo foi de Antonio Coelhoda Silva.
Joo Manoel Pinto Chaves em respos-
ta io annuncio do Josu de Jess Jardim in-
serto no Diario de 19 do corrente tem a de-
clarar, que nao por ignorancia ou malicia,
que o annuhcianto fez sciente ao respeitavel
pubico que nao contratassem com aquello
Josu sobre os soiis bens porque sendo estes,
segundo rne consta um pequeo terreno sito
ern Fra-de portas c 3 ou i escravos tao s-
mente nicos bens, que o dito Josu possue,
pois os que pder possuir anda presentemente
nao sao seus ; e como os bens a cima referidos
jamis possao edegar para satisfacao nao s do
annunciante cmodos mais credores prin-
cipalmente de urna letlra do maior quantia ,
pela qual dito Josu est sendo demandado em
juizo pelo Carlorio do escrivo Reg, logo
parece nao ser muto exacto oque o snr. Jo
su allirma acharem-so os seus bens livref e
desembarazados, achando-se sugeitos ao pa-
gamento de seus credores e o dito Josu que-
rendo vendol os por todo e qualquer negocio,
que se oflcreca o que do certo Ihe nao mu i lo
airoso muito principalmente nao tendo outro
qualquer negocio neni rendimentos mais, do
que a simples caixeiraria da venda de algumas
canas do assucar de remessa e a trislissima
oceupacao de enredos na ordem da cbicana ju-
dicial, onde de corto continuando, so deve sup-
por a sua total ruina.
Em quanto ao feche do annuncio do snr. Jo-
su dizer, que o annunciante devedor de
nao pequea quantia, o snr. Josu nessegran
de numero de testemunhas, que deo de 10
11 pessoas pela maior parte dignas de toda
n consideraco anda urna s nao foi capaz de
justificar o que o snr. Josu afirma e nem
o snr. Josu apresentar um documento s por
onde mostr a verdade do que diz e anda
mais digo que se o snr. Josu presume fallar
verdade, desdo ja o convido apresentar ao pu-
blico a copia do bataneo, recibos, ou docu
mentos ou mesmo nomear as pessoas que
comprovom o que o snr. Josu falsamente
tem Cuito espaldar para descrdito tao somonte
do annunciante ; para seu lempo guardo a pu-
blicarlo Jestc negocio com todas as suas cir-
cunstancias para por meio de corresponden-
cia mostrar ao publico a minha innocencia, e
que eu segundo essa sociedade entre mim co
snr, Josu nunca fui snr. de nada: ossim
de dirigiros trahalhos o que a casa era admi
nistrada segundo a liscalisacao do dinheiro
pelo dito Josu como caixa ou pelo caixei-
ro de sua confianza da sala e a este a quem
o dito Josu tornou responsavel por algumas
Caltas que diz liouverao, o a mais de tres me-
zes que est demandando ao relerido cai-
xeiro e Ido propoz um libello sobreas mesmas
faltas i e ajustes de contas, pelocartoriodo es
crivoRego; cujo procedimento bastante es-
candaloso no dito snr. J^su que-, lendo pro-
posto similhanto libeilo ao caixeixo a cima re-
ferido at o presente anda nao ntcnlasse ac-
cfio legal contra ao annunciante pois o que o
dito Josu tem .praticado sao lalsidades. a
lim do aterrar ao annunciante para este des-
animar o seu direito, o justica, como tudo ha
de ser em tempo publicado.
LOTERA DO GUADE
LUPE.
[\o dia 24 do corrente
mez de feverciro corre-
ro impretervelmente as
rodas desta lotera. Os bi-
Ihctcs achao-se venda ,
nos lugares do eos tu me
= Quem quizer dar 500 a 600 000 rs. a
uros, por espaco de um anno, com seguran-
za em 4 ou 6 escravos, os quaes so achilo
desembarazados como se mostrar ; annun-
cie
Precisa-so de um feitor para um enge-
nho distante desta praoa ; na rua da Cruz n.
40, primeiro andar.
0(ferece-se um moco Portuguez de 17
annos, para caixeiro de venda do que tem
pratica, ou para oulra qualquer oceupacao. por
saber bem ler escrever, e contar e da fia-
dor a sua conducta; quem o precisar diri-
ja-se ao pateo de S. Pedro n. 5.
= Precisa-se de um criado branco ou de
cor que entenda de tralamento de cavallos,
e carro e apto para outro qualquer servido ,
quo se Ihe mande fazer; na rua do Amorim
n. 15
= Roga-seaosnr. Jlo Baptista Neto, que
veiode Cntinguiba villa das Larangeiras, de
dirigir-se a rua do Livramento loja de cou-
ros n. 11 a negocio de seu interesse.
=s A proessora particular que mora no
segundo andar do sobrado n. 16, defronto do
theatro velho avisa aos pais de suas alumnas,
o a quem convier, que abre a sua aula no dia
22 do corrente mez
= Pedro Antonio Lino, subdito Portuguez,
retira-sc para a Babia.
FABRICA DE RAFE
PR1NCEZA
GASSE fabricante e legitimo inventor do
bem acreditado rap princeza do Rio-do-Ja-
neiro com seu deposito geral na rua da Cruz
do ReciCe n. 38 e outro na rua do Livramen-
to n. 13 avisa, que as muito boas qualidades,
que possue o seu rap as.quaes pela grande
estima e crdito que progressivamentodedia
em dia teem obtido n'esta o as mais partes ;
bem condecido por um considerave! numero de
tomantes e nao consta ter moCado urna s li-
bra : por isso faz publico, que toda e qualquer
pessoa que quoira especular com o seu rap ,
attendendo as superiores qualidades elle fabri-
cante adverte, que se responsabilisa pelo seu
rap por qualquer forma e com condiccoes,
que o mesmo comprador pode apresental-as.
agoa clices para vindo ditos para champa- rafado dito da Madeira dito Muscatel, ,,
nhe e cerveja, chicaras finas de porcelana em Cdampande Irascos de licor do marrasquino,
du/.ias e outras militas fazendas por preco e garrafas do dito de Hamburgo ; di brenles
commodo ; na rua do Livramento n. 16. qualidades de dito Crancez, e ou tros mui tos g(l
Vendem-se luvas do pellica para senhora eros por preco muito commodo por ser para
a 320 rs. o par, ditas de carmuca para tomem liquidado deste negocio; na rua da Cadeia-ve-
a 2i0 ditas de algodo brancas curtas, e com- Ihda n. 17.
pridas para senhora meias do algodSo pretas =Vende-se urn terreno no lugar dos Remo-
para homem e senhora ditas biancas, suspen- dios com o fundo para a parlo do nascente ,
sorios de burracha ditos a fingir bons de ea frente para a estrada que vai para os Affo-
paldinda pintada a 2i0 rs. facas e garlos de H0*^ tomjo frenfe 150 palmos o de
cabodeoco, ,ecabopreto, fitas de seda li-
sas e lavradas, papel de peso a 28iX) rs. a res-
ma dito de meia bollanda a 3600 rs. cor-
rentes de ouro francez para sendora a 4000 rs. ,
rap Meuron & Companhia a 100 rs. a libra ,
e de 5 libras para cima a 1000 rs. a muito
acreditada linha de carretel de 200 jardas a
1000 rs. a duzia e a 90 rs. o carretel dita
un-
loja de
do 500 a 600 ; a tratar na Rua-nova
Antonio Ferroira da Costa Rraga.
= Vendom-se ricas mantas e chales de soda
chapeos de seda e palha para senhora, e me-
ninas ricas sedas pretas, e brancas para ves-
tidos sarja preta hcspanhola selim pretn
para collvte, luvas de seda preta comoridas
sem dedos ricas fitas do selim lavrado cor-
de 100 jardas branoa e de cores um completo j t-'s de colletcs do veludo lavrado do melhor gos-
Compras
Compra-so moeda de cobre a 5 por cen-
to para troco de quem vier Cazer despeza de
compra no botcquim da rua larga do Rozario
n. 34.
-= Compra se um jogo de breviarios Sara-
fieos Romano, ainda mesmo em meio uso,
quem tiver annuncie.
= Compra-se um relogio, sabonete de pra-
ta ou de ouro ingle/, de fabrica coberta ,
porm com a condicao de dar a contento por
algunsdias para se ver se regula corlo; quem
tiver annuncie.
Vendas
ELEMENTOS D E DESENHO E PINTURA
com regras geraes de perspectiva oflerecido
a S. M. I. o Snr. Pedro II pelo seu mais
hulmide subdito Roberto Fcrreira da Silva ,
oficial do imperial corpo de engendeiros ; se-
gunda edicto, correcta e emendada ; 1 v. com
estampas por 2500 rs.
Vende-se na l'rai a-da-independencia li-
vraria ns. (i e 8.
Vende-se urna balanca grande com um
torno de pesos de duas arrobas; na rua dos Ta-
noeiros armazem do porta-larga.
=Vende-seuma negra crioula do 20 an-
annos, coso e engomma ; na Rua-velha
n. 57.
= Vende-se um escravo ainda moco, pro-
firi para qualquer servieo ; na rua do Livra-
mento sobrado n. 18.
Vende-se um boi de carga muito man-
("lana de maitos gostos ditos mijm < de
outras cores, ditos esmaltados, apparelhos pa-
ra meza de jantar de militas cores, c gostos ,
mangas de vidro lapidadas, e lisas inglezas ,
frascos de bocea larga garrafas lapidadas e de
cristal, campoteiras para doce, copos para
sortimento de calungas por preco midi bara-
to, marcas, para cobrir, grandes e pequeas,
botesdeduraque e um completo sortimento
de meudezas por prego mais barato, do que em
nutra qualquer parte na rua do Oueimado ,
loja nova n. 53 de Ferroira & Oliveira.
Vende-se o tratado de economa polti-
ca em 3 volumes por Joao Baptista Say por
preco muto barato ; na rua larga do Rozario ,
loja de meudezas n. 35.
Vondem-se duas vaccas prximas apari-
rem ; na rua Augusta n. 19.
Vende-se Virgilio trad. por Delille; gram.
fr. do Monto verde ; obras do conde de Maistre;
Direito cambial de F. Borges; Thentro de
\oltaire; o ensaio sbreos cost. e espirito
das nacoes; Resumo da historia universal; Pu-
cella d rleans; Exorcicios de convers. port. fr.
e inglez; Instruccao do ministro principian-
te ; Economa social; Revolucao Romana ,
por Vertot ; obras de Boileau ; Revoluciio das
duas Americas; Confissoesde Rousseau; Vol-
ney ruinas dos imperios ; Pluralidade dos
mundos de Fontenelle ; Origcm de todos os
cultos por Dupus ; Homcns Ilustres de Plu-
tarco ; Diccionario dos homens Ilustres; Me-
morias sohre Mirabeau ; Memorias de urna
comtcporanea sobre os principaes lados da
repblica consulado e imperio francez; Ci-
dadao Luzitano pelo Abbade de Medroes,
com um cap sbreos pedreiros livres ; na rua
doCollegio livraria n. 20.
= Vendem-se as msicas seguintes dos
autores mais celebres e modernos; as operas
inteiras para cantar com acompandamento de
fortepiano, Norma, Parisina, D. Caritca ,
Matilde Ottollo La Griselda italiana, Edu-
ardo e Cristina ; para tocar s no piano ; D.
Ignez de Castro ; II Bravo Asscdio de Calais ,
Elena de Feltre Esmeralda Iltemplario, os
dous Fgaros Domin negro Roderto de
Vereaux c mais outras muitas obras do me-
lhor gosto methodos os mais modernos de
cantar e tocar de todos os conservatorios sol-
fojos de urna dificuldade progressiva, ^uadri-
Idas modernas para piano, e valas concertos,
variacoes, sonatas, caprichos, sinfonas, me-
thodos para rabeca com quartettos fros e
dos; um pianinho em figura de banquinha ,
honi para aprender urna menina ou menino
do 8 para 10 annos, o qual tem 3 oitavas e
mea e se d em contd ; urna espingarda de
muito alcance com todos os preparos para
caca e de espoleta ; na rua da Aurora, casa
ao p dn igreja dos inglezcs onde mora o pro-
essor Antonio Wenceslao Chaves mestre da
msica de artlbaria.
Vendem-se pannos finos pretos e de co-
res merino dito de duas larguras, lencos pre-
tos de sarja, muito grandes para pescoco cba-
peos pretos de formas mui modernas ede su-
perior seda sarja preta de differentes padroes
para collete, setim maceo superior veludo
preto de differentes gostos, gravatas de setm
maco de pcilo e de (ivela, tanto pretas como
do cores, los de lindo brancos e pretos broca
pretos de seda de todas as larguras, meias in-
glezas muito elsticas e encorpadas para senho-
ra chales pretos ede cores mui ricos, e ou-
tras muitas qualidades de fazendas que a vis-
ta dos compradores ser o patentes ; na rua do
Cabug lojas novas de fazendas inglezas e
france/as ns. 4, e 6 de Pereira & Quedes.
= Vendem-se botjes de oleo de lnhaca ;
na rua do Amorim n. 15.
Vende-se urna canoa nova para abrir; por
detrazda rua do Fagundes, serrara n. 23.
Vendem-se os seguintes livros em latim ;
Selecta Phcdro Cornelio eSalustio; urna
flauta de chano com chavo de prata por preco
commodo ; na rua cst.cita do Rozario n. 3.
Vende-se arroz de casca e dito ver-
lo que tem apparecido ditos de seda meias
de seda preta para senhora ditas para padre
preto o mais
ricas bengalas de cana morin
superior que ha riscadinhos de muito lin-
dos padroes, ricos corles de cassa bordada
lencos de selim preto para grvala aventaos
pretos, e do eflres para senhora borzegains
para homem e senhora um completo sor-
timento de calcado de todas as qualidades, cha-
peos pretos para homem bons bezerros do lus-
tro e outras muitas fazendas de gosto ludo
por preco commodo ; na Rua-nova loja Irn-
ceza n. 8 de Amaral & Pinheiro.
= Vende-se farinba da trra mui boa, tan
to em porcao como a retalho por preco com-
modo ; na rua da Praia n. 20.
= Vendc-sejacarand superior edegado do
Rio de Janeiro podras de marmore redondos
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de paldinda camas de vento
com armacao rnarquezas soK'is mezas de
janlar camas do vento mu bem ffitas a 4500,
ditas de pinbo a 3500, assim como oulros mui-
tos trastes ; pinde da Suecia com 3 pollegadas
de grossura dito serrado dito americano de
diflerentes larguras e comprimentoL ; assim
como travs de pind e darrotes ; na rua de
Florentina em casa de J. Beranger.
= Vendem-se taxas para engendo trave-
jamentos de 30 a 40 palmos, e um preto de
Angola ; na rua do Vigario n. 3.
Escravos fgidos
levuu
nome
, nao
c novo ; na rua da Cadeia-velda n 60.
Vendem-se appareldos para cd, de por- melho pilado; na rua cstreita do Rozario n. 39.
= Viidu-e una venda na rua de Aguas-
verdes com 4 portas de frente, e urna para o
Ira-
beco, osla bom sorlida, c afreguezada ; a
tar com Joao da Costa Lima Jnior.
= Vende-se vinho de Lisboa de PRR, dito
de segundaqualidade ditodo Porto, engar-
Em a noute do dia sexta feira 10 do cor-
rento fugirao dous escravos; urna preta de na-
ci Mina baixa rosto comprido, de 25 a
27 annos; lovou camisa esaiade algodaode
.Minas sem signaes visiveis da nayao ,
com sigo urna lilha de 3 annos de
Querina barriga grande pernas linas
anda ainda a preta chama-se Emilia. E um
preto de nome Aurelio de nacao Mina con
os signaes da nacao no rosto urnas riscas, bar-
bado alto representa 50 annos ps gran-
des e meltidos para dentro; levou camisa, e cal-
cas de algodao de Minas o a camisa j rota
atraz ; quem os pegar, leve a rua do .Amorim
n. 15 ou no sitio doseusjir Nuno Maria do
Seixas na estrada do Cordeiro que ser gra-
tificado.
= Fngio no dia 12 do corren te a preia M-
chaella, crioula de 22 annos estatura re-
gular olbos grandes denles alvos e limados,
rosto meio aboceitadofcnariz regular, cor pre-
ta peitos moles, pernas linas a proporcaodo
corpo, ps apalhetados ecompridos, sendo
mais o esquerdo bonita figura levou una
trouxa de sua roupa, contendo dous vestidos do
edita dous ditos brancos sendo urn de cas-
sa um chales branco de dito um par de sa-
patos de marroquim amareilo um par de so-
litarios de podras brancas as orelhas; fugio
do lugar Gamella-da-barra grande de casa
de Pedro Nolasco de Albuqucrque oslando
a embarcar para trazar a seu snr. Manoel Buar-
que de Macedo na rua do CJueimado n. 19, ha
noticias de ter sido encontrada chegando a
comarca do Cabo ; quem a pegar leve a rua
do Queimado n. 19 ou no engenbo Samba o"
Gamela do-barra-grande, quo ser gratificado.
Fgio no dia 18do corrento a eserava Fran-
cisca de nacao Rebollo de l5 annos, bem
retinta beicos grossos ps meios apalheta-
dos o cheios de bichos ; lovou vestido do metim
desbotado e panno da Costa : quem a pegar,
leve a rua da Praia n. 6-, quo ser recompen-
sado.
= No dia 15 do corrente desappareceo o
escravo Benedicto crioulo de 25 annos ,
batXO, cueio do corpo ; levou calcas do liruii ,
o camisa de madapolao muito ladino; quem
o pegar leve a rua do Amorim n. 36 a seu snr.
Antonio Va/, do Oliveira quo ser recompen-
sado.
Rnura ha Ttp. dbM. Fdb Faiwa.1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E49BSPBHN_BOF0HW INGEST_TIME 2013-04-13T01:20:15Z PACKAGE AA00011611_04586
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES