Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04578


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1844. Segunda Fcira *2
O Diario | lie de Ires mil rs. iior qunrlel pagos adianlados. Os *nnunciodos assi;nanies s;"io inseridos
gratis, e os dos que nao forem raio de SU reis por linhii. As rerlamecoes devem ser diri-
gida! cilalyp rua das Crur.es n. 34 ou .'i praga da Independencia loja de Uvrun. ti e 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goiann*i e Faraliyba. segundas e se\la fciras.Rio Grande do Norte, quintas (eir
Cabo, Serinliaem Rio Formoso Torio Caito, Macer e Alagoas ; no 1. o H e 04
ila cada met. Garanhuns e llonilo a -10 e '24 de caria met Boa-Ysla e Flores a i3
e 28 d.to. Cidade da Victoria, quintas fu irag. Olinda todo os da.
das da semana.
42 Ses. s. F.uialia Aud.do J. de I), da .'. v.
43 Ter 4i Quarla s Yaleniim Aud do J. del), da 3, v.
ii Quinta s. Faustino. Aud.do J. de D. da 2. y.
4(i Seala s. Porfirio. Aud. do J. deD. da 2. y.
47 Sab. I. Silvio o. Bel. aud. do J.de D.dal. y.
4S Dom. s. Tlieotunio I rior
aMajaetMatev:
m
de Fevereiro
Anuo XX. IV. 54.
ludo agora depende do ,,. nMittMj da nos,. prudencia. linu.-i.ios como principiamos e seteno* apuntado co:ii admiradlo entre as iiag
cultas.
II ll'i 1 r 1 i i- -. t ------
[Proclama,, di Wmbloa Geral do ii-etil.)
cambios a>o da 4U DE rEVERlIkO,
Cambios lobre I.oiu'rc, JS J.
Paria 370 reis por fraii'-o
a n Lisboa 14' por 100 de premio
Mocdade cnbr 5 por rento.
dem de lelras de boas firma 4 a I 1il %
O,..Moed.deti,W0V g.800
! ", de 4,0O 9,M
l'rala-ratacoes 8.040
I'csos colummnarcj 2,0411
Ditos mexicanos '2,010
3
a
PHASES damja PfO MEZ de fevereiro.
La cliei a 1 as S lloras e I min. da m.
Minguanle a 11 as > lloras e SO min da m
LuaROYI a IS as fi horas c 54 min.da m;
ICrOeOenle a 20 as 7 b. e Jtim. da manli.i
'reamar de hnjt.
Trimeira as II boras e 42 min da nianh.i... | Segunda as 12 lloras e (i minutos da tarde
.-.j.^.i^.^1Ii[ihIi ,iwTu" i'iiiiiiinmi neiiWMiiiHi' ir......n-nj-i-ifrwrnir 1 1 naiwiiiaii.....mmaaammrfmi^
DIARIO DE PERNA
1111 "'"iirr"*
rsjB ":riyj..caiMirrEiEaczr-:'gr.,ag3
: Eiv:r..-. :c_i i-t^i u-. _^/2:>^."au-'. jt-- ;.....
'--'.
rr^cp-Z'Vji
pura sor julgadoem ultima instancia pola junta
do Justina, o processo verbal do reo Luis Pedro
de Mello Seabra, soldado desertor do segundo
batalhaSdc artilharia a p.
Dito Ao Illm. brigadeiro Alexo Jos do
Uma "MINISTERIO Da JUSTigA.
Illm e Exm. Sr. Tendo acontecido, que uno ao mm. Drigaaciro aicuu jum' ue
alguns uizes de direito removidos do suas co- Oliveira, dizendo-lhe, que, tendo cossado o seu
marcas para oulras, por decreto imperial se incommodo de sade o convidava a tomar
deixao ficar nellas, inutilisando assim a provi- assento no conseibo do guerra do coronel Bur-
dencia que o governo ulga de necessidade lamaque e outros, na qualidado devogal do
ou interesse pblico e tanto mais, que as ve- mesmo.
zesa impossibilidadodc apresentar-se o sucecs- DUc- Ao Illm. brigadeiro J. i. Coelho.,
sor tomar posse vem apoiar a negligencia do dizendo-lhe, que. tendo cessadoo impodimento
juiz removido cuja residencia e'urisdiccao do brigadeiro Alexo J. de Oliveira e estando
na comarca, em alguns casos, pode al concor- prompto para o consellio de guerra do coronel
rer para a perturbado da publica tranquillidu- Burlamaque e outros, bavia nosta data dis-
do : manda S. VI. o Imperador declarar a V. pensado o tenente-coronel M. J. de Castro, que
Exc., que o juiz de direito removido de sua co- 0 substituir.
marca para outra anda quando se nao apre- Dito Ao inspector da thesouraria devol-
gente o successor, deve passara vara, eocxer- vendo-lhc os requerimentos docapitao J. de P.
cicio do cargo ao juiz municipal quo Ihe es- ftf. alferes M. C. de O. Cruz, e cirurgiao S.
livor marcado, como substituto, mmediata- do Sousa cm servido da Ilha-de-Fernando, e
mente quo receber participadlo official da re- dizendo-lhe, que secingia as infrmales da-
moco e que do contrario incorre as penas das peU contablidade militar e que ao com-
do artigo 140 do cdigo criminal, o que deve mandante de Ilha prevenira sobro a maneira do
outrosim, para nao perder o direito perpetui- serem os pagamentos militares requeridos,enlo-
dado do seu cargo o soutrasvantagens, quo do de os legalisar.
Iho sao inherentes sollicitar logo o seu titulo Dito Ao director do arsenal de guerra,
da nova comarca e tratar do partir para ella respondendo ao seu oflicio do 1. do crrante ,
tomar posse. Picando tambem entendido, que queixando-se do procedimento dos officiaes
desdo o momento, em que tiver noticia dar- commandantes da guardo principal com o pre-
mocao perdo o direito ao ordenado ainda to encanegado de fazera limpesa deitar azei-
que o sceossor so nao aprsente, pois nosso caso te, e accender os candieiros das guardas,
ser pago o ordenadlo aosubstituto, salvo quando Dito Aocommandante do batalhao d ar-
por justificados motivos o governo imperial Iho tilharia p nomeando-o, e aos mejores gra-
conceder licenca.com vencimento de ordenado. O duadosCastello-branco, o Pinheiro ; assim co-
que tudo tenho de communicar a V. Exc., para mo 8o capito Bastos para membros doconse-
queo faca executar, quando soder ocaso e, |h0 de direocao dos prelendenles primeiros
alm das ordens thesouraria para suspensao do cadetos Christovao Guilberme Brenkfeld Jnior,
ordenado, expoca tambem as necessarias "para 0 soldado Joao Jos de O. Maciel, cujo conse-
se fa/.er effectiva a responsabilidade aos que |h0 se reunir na manhaa do da .
n'ella tiverem incorrido. Dos guarde a V. Dilo Ao commandante interino da forta-
Exc Palacio do Bio-dc-janciro em 22 de ja- lesa de Itamarac encarregando-o da dircccao
neiro de 184-. Honorio Mrmelo Carneiro do concert da ooberta da casa de sua residencia
Jeo -Sr presidente da provincia do Pernam- a fortalesa segundo o orcamonto que Ihe
uco' remetlia devondo mandar siguen, receber a
Cu'mpra-se Palacio de Pernambuco em 9 de quantia de 3778000 reis, destinada para tal
fevereiro de 18U Baro da Boa vista. concert. Conclua recommendando-lhe toda
_____________ a economa, a ver so a obra se fazia por menos
aiMi.iitiilii laS AnilclSe da quantia mencionada.
iiOmmaiiaO OU *"" ,3ortara __ Mandando dar baixa ao soldado
expediente do da 1. do corrbnte. artjRce8 Francisco de Carvalho Lessa por
TJtt&SttSSttSJZ Thesouraria da Fazenda.
Silva Cordeiro.
Dita-Mandando dar baixa aos .dados do
artilharia p Manoel Sabino, e Manoel dos
Santos Leal, por terem flnalisado o lempo de
servigo, o primeiro como voluntario, e o segun-
do como recrutado.
DEM DO DA 3.
Conlinuago do expediente do dia 31 do
OflicioAo commissario-fiscal do ministe-
rio da guorra remettendo a conta da despeza ,
que se lez pelo arsenal desta provincia por
_._'. ,1. tr\m niTiin P Ill7
Ofllcio-Ao ExTpresiLte, remettendo-lbe conta do ministerio da guerrs, com sgua.e luz
FOLHET
GENOVEVA, A LOURA. fl
A sado do Genoveva, sob a influencia das
commodidades, em cujo goso de novo so acna-
Twn o soccorro da mocidade, restabclecec-
se pramptamente: o com quanto, nao obstan te
teSparecido o padecimonlo. ubsislD.se o
pozar sofTreo este urna translormacao, e gradu-
almente chegou ao ponto da melancola.
a,7noepois,ae por S ^ST^
ESEES *E&S2T*
S notrb.lho reff lo e ***"
,__ ......i......,.%^11-nil a. Usproaressosae
mrnba"aTuma"dVo-n,e a esperanza de que
antes de dous annos, char-se-ha l
do de tambem encarregar-so de a guma educa-
aoT ou de vantujosamente estabolecer-se em al-
* Vlde/>anon.26,27,28,29,30,e31.
guma pensao. Sua Intelligencia como essas
trras incultas, mas iecundas, em que germina,
cresce e amadurece tudo o que se semea. Creio,
quepormuito lempo gosarei exclusivamente
dos ruclos, cuja pruduccao hei provocado, por-
que Genoveva smente conversa commlgo. As-
semelha-se urna corca-montez, tirada frga
das maltas, e que anciosamenle busca meiosde
vollar vida livre e solitaria, que passava.
Todos os seus movimentos parecem-so com
os do gracioso, e esbelt animal, com quo vo-
nho de comparal-a; sao meigos, subtis, e recel-
osos; nella se observa a elegancia natural par
da timidez.
i Durante os dous primeiros annos da ausencia
!deEmmanuol, as cartas de sua mal meudamon-
to descrevra o dosenvolvimento mtellcctual de
Genoveva, e os progressos de suas maneiras;
mas, se bem que passado esso lempo, tenoo-se
alterado a sade da Sra Darcy, tornasse-se i
I sua correspondencia menos actifa, e ^requenlej
jmate ella ciiegnu as ...aesde jeven p.n.cr; sc:r.
quo troucesse algum elogio a ortaa de M .
Por diversas vezes temeo Emmanuel os resul-
tados da fadiga. que sua mi podiao causar
as licoes, que com tanta frequencia dava dis-
Jcipula. Eis-aquicomo a Sra. Darcy respondeo
dos corpos do guardas da thesouraria olfande-
ga consulado, e arsenal de marinha desde
o l.de julho at 10 de novembro e da ca-
deia at 13 do mesmo mez do exercicio correntc
de 1843 44 ; e dizendo que mandasse f.i-
zer os competentes assentos, a fim tiestas des-
pezas ficarem abonadas da conta do dito mi-
nisterio, e carregadas aos ministerios, a que
pcrtenciSo.
EXTERIOR.
BLGICA.
BKXELLAS 14 DE NOVEMBRO.
SetsUo real de abertura Discurso do rei
as cmaras.
Senhores.
Contino i receber dos gabinetes estrangei-
ros testemunhos de confianca, o de ami/.ade.
A rainhn da Crafn-Bretanha deoultimamen-
lo Blgica um testemunho de viva sympathia
visitando algumas de nossas provincias.
Felizes por mostrar a antia hospitalidade.as
nossas populatoes desenvolverao urna solicilu-
de cordeal.que permittio que minha augusta so-
brinha apreciasse as boas disposices, em que
ellas se achao.
Asqucstoes territoriaes, financeiras.efluviaes,
cuja solucao cstava preparada pelo tratado de
5 de novembro de 1842, for8o decididas minu-
ciosamente por convencocs, fructo do zelo, e
das lu/es das commisses instituidas pelos dous
governos.
As nossas relacijes polticas,c de boavisnhan-
ca com o reino dos Pai/es-baxos, e gram-t!u-
cado do Luxemburgo acho-sc firmadas em ba-
ses solidase regulares.
Em consequencia desses arranjos a Blgica
tomou posse do valores, que permittirao o ac-
crescmo dos dominios do estado a reducciio
da divida fluctuante, o o saldo dos encargos,
que pesavao em algumas vias de navcgacSo.
Para apagar os ltimos vestigios de um esta-
do do hostilidade, ja passado ha lempo, e para
restituir agricultura terrenos.aindainundados,
appellar-se-ha novamente para os varios senti-
mentos de equidade e de benevolencia.
Um grande facto se aca boje consummatlo ;
as linhas de carrisde ferro.decretadas em 1834,
e 1837, echSo-se entregues ; circulacao das la-
zendas.e passageiros em toda a sua extensao.
A Blgica, dando conta do empreza de tal
magniftide havia apreciado a influencia que
estaobra devia exercer sobre nossas relacSes
commerciaes, c sobre nossa prosperidade inter-
na. J contamos com algum desses resultados;
o futuro nos proporcionar outros.
O meu governo concentrar d'ora avante a
sua atlcntacao sobre as bases do systema do ex-
plorarlo que se prop5e seguir no duplicado
-^...-.laaaaaaaMMiaaMeeaaaaaaaaa
ao troxo d'uma das cartas, em que ello Ihe ma-
n festou os seos receios.
Se na roalidade, meu amigo, tivesse eu na
instruccao de Genoveva ultrapassado o limite,
que mo prescrevem minhas frcas, nao poderla
sem Injustica altribuir esse trabalho o estado
de molestia, em que me acho, e no qual grande
parte leemos annos. Alm d'isso esse trabalho
produi-me hoje mu corinhosos cuidados, que
moindemniso inteiramente das fadigas, que
me custrao. Genoveva nao smente para
mim urna enfermera.que m vigia toda a nou-
te, e emprega o dia em alliviar-me dasoecupa-
coes domesticas, tambem urna companheira,
cuja tocante, esensata cotivcrsacao distrahe-me
em muitas occasioes dos males, que padeco, e
algumas vezes de tua ausencia. Todos aqu o-
mao-na, e respeitao-na. Nossos velhos criados a
hnrJB'"6nS tSt0 niianfr 4 rri;r; r dQ-jtcr CCf
van sempre se serve, para com ella, d'uma lin-
guagem terna; e o 8r. de LaTour. que to disse
ser o mais distincto de nossos visinhos. quando
so acha seu lado, perde o orgulho de barao.
O que mais sentio Emmanuel ao lr essas li-
nhas, loi o rnio estado de sado, em que, ellas
Ihe manifestavao, que se achava sua mai. Es-
creveo-lhe pelo mesmo correio, participando,
que um amigo, que voltava para a Franca, of-
ponto de vista da utilidade industrial, o das no-
cessidades financeiras.
Besta-vos decidir acerca das conclusoes da
commissao do inquerito,formada ha tres annos.
um dos mais importantes objectos,do que tra-
tareis nesta sessao : toma um novo carcter do
urgencia pelas decsoes, que adopta a respeito
de actos internacionaes sujeitos vossa appro-
VBQO.
Tambem isto so liga urna questo cheia do
interesse .i respeito da qual j noanno passa-
do invoquei a vossa attem/ao. Em um paz in-
dustrioso, commercial, como o nosso, e onde a
mocidade intelligentc numerosa, necessario
animar o espirito do empreza, organisando reta-
cos regulares com os paizes longinquos. Urna
associacao, creada para esteefleito, segundo a
que j entre n/w houve, ha um secuto, faria ao
paiz assignalados serviros.
A Blgica tao aflamada por seus progressos
agrcolas, comprebende todava terrenos in-
cultos; o meu governo vos pedir laculdado pa-
ra obler um resultado que d aos povos novos
recursos.
O systema tos canaca tendo a completar se.
4 administrado applica-se. com assiduo zelo
aos estudos, e trahalhos, que reclama o cuida-
do do nossas vias de navegaco.
A executao da Ici acerca da instruccao pri-
mara prosegue; anhelo que possais, mao-grado
dos multiplicados aflazeres da sessao oceupar-
vos do completar a organisacao do cnsino.
Tereis de examinar projectos de Ici relativos
as pensos dos funecionarios civis, e dos mi-
nistros dos cultos e a contabilidade geral das
rece i tas o despezas.
Um projecto vos ser presento para assegurar
magistratura urna posicao mais em harmona
com a importancia de suas funerdes. Desojo,
que elle seja discutido nesta sessao bem como
aquelle, quo restringe a jurisdceo dos juizes
de paz.
O exercito nao tcm cessado pelo seu espi-
rito do ordem, a sua disciplina, e os progressos
do sua instruccao, de bem merecer do paiz, e
de so tornar digno da minha constante sol
citudc.
Adoptar-se-hao medidas para entreter, e
multiplicar as fileiras urna nobru, e constante
emulacSo.
Tambem veris um projecto para completar
a organisacSo militar, que ficar sobre bases
perdura veis.
Sem Dresrindir da e'neranea d'nmn reforma
mais extensa dos cdigos militares, pareceo ur-
gente introduzir algumas mudancas no systema
penal: ser-vos-hao presentes as disposices pro-
prias para restringir o numero das prisSes e
castigos militares.
Sou feliz em annunciar-vos, que ser possi-
vel estabelecer ao passo, que se tera contem-
ferecia-lho um lugar em sua sege, e que isto o
fazia approximar-sede Senlls mais cedo do que
esperava O tnstincto filial rovelava-lhe, que sua
presenca ora um auxilio, quo indispensavelmen-
to careca a medicina para poder iriumphar da
molestia dj>ra. Darcy.
Foi em tim dos domingos do mez de maio.
que o joven pintor chogou casa paterna. Com
quanto a Sra. Darcy o esperasse soflreo um gran-
de choque, qundo o vio, e, apertando as maos
dofllho, que com urna varonil, e vibrante voz
dizia: minha mai! as suas tremiao. Fic-
rao alguns momentos 6 contemplarem-se:el-
la feliz, eorgulhosa de descobrir-lhe, sob um
aspecto mais viril, a mesma ternura, que outra
ora tinha;elle eheio de urna alegria melanc-
lica como que interrogando o paludo, e charo
rosto, que amorosamente Ihesorria.
- Achas-me mudada? disse ti iiii, utlenia
s impresses do filho. Mas em que te deve isto
surprehender? O lempo, quo me havia pouDa-
do, est agora tirando" disforra. F|imen!e, de
conlormidade com a eterna, e sabia le, que nos
dirige, no entretanto que urna geracSo lana-se,
a outra se desenvolve. Encontras-me abattida,
porm voltas mais lorie; e bem depressa leras
occasio de reconhecer, que tudo aqu nSo estA
decahido como eu.


placi com os interesses dosconlrbuintes, um
perfcilo equilibrio entro os encargos e os re-
cursos do thesouro. Este resultado, to apeteci-
vel,alcancal-o-hemos pelo cerceamento de des-
pezas, e por alguns meios financeiros, que vos
serao indicados.
E'-nos pois permittido senhores, encarar o
futuro com seguranca. O espirito de uniao,, e
oncordia o amor das insttuicocs nacionaes
hao de inspirar vos sem outra preoccupacio ,
no desempenho da tarea, do que comigo ten-
dos a dar conta para ventura da patria, para seu
aperfeicoamento moral, e material. Assim vos
tornareis benemritos e dignos por novos t-
tulos do reconbecimento do paiz.
(Diario do goterno.)
SECCO DE MARINHA.
AVISO AOS NAVEGANTES.
Stochholmol de julho de 18-3.
A administracao da real marinha az publi-
co para conhecimento dos navegantes que
e acha efTectuada a premeditada alteracao do
farol do Falsterbo confrmeos annuncios de
15 de abril, e 4 de outubro de 1842, noticia
publicada no referido anno sobro os fares ,
e balizas da costa da Suecia ; que o dito farol
se acha acceso desde 24- de junbo prximo pas-
sado por meio de um apparato de lentilha de
segunda classe a fogo fxo. A luz durar o
tempo determinado nos respectivos regulamen-
tos. Outro sim, por ordem de Sua Magestade,
a real administracao faz pblico que no an-
no prximo futuro de 1844 se postara urna
embarcacao com dous fares na ponta mais
exterior do recite de Falsterbo o as necessa-
rias informacoes sobre estes fares fluctuantes
serao em devido tempo publicadas
Stockholmo22.de retembro de 1843.
Na conormidade dos avisos com data do 10
de junbo do anno prximo passado e 17 de
marco ultimo assim como dos annuncios pu-
blicados sobre os faros e bali/as das costas da
Suecia a administradlo da real marinha (az
publico para conhecimento dos navegantes:
1. (Jue se acha concluido o novo farol de
Morups-Tenge situado no (.-attegat, na lat
tude norte 56u 55'12" e longitude 3fP 31'
36" a leste do Meridiano de Ferro ou 12o 22'
36'" a leste do de Greenwich urna milha ao
norte da cidade de Falkenber : que no dito fa-
rol se acha collocado um apparelho de lentilha
da segunda clusse fogo fxo que produz um
clarao ao redor do horisonte. A torre urna
exceilente marca durante o dia visto que ella
tem 70 ps cima da superficie d'agua e vi
sivel cm liom tempo na distancia de 3 e 3 quar
tos de milhas martimas de Allemanha.
2. Que se electuar com brevidade a re-
construegao e alteracao do larol dcKullen ,
isto que em vez de farol de carvo de pedra
que 6 ser.'i farol de reverberos; dovendo este
farol desde a superficie d'agua ter a mesma al-
tura que o antigo farol circulante com a
circulacao de oito minutos durante os quaes
elle produzira qualro luzes fortes da duracao
de 30 segundos cada urna com intervallos es-
curos de um minuto o meio. Ambos estes fa-
res se accendCrao pela primeira vez na noute
antecedente ao primeiro de novembro prximo
futuro, e devem ser accessos s horas determi-
nadas para os outros fares do reino confor-
me os regulamentos existentes.
como na de Algesiras = /. Ilerbert, secreta-
rio.
Trinity-House, Londres em 2\ de iunho
de 1843.
Por ordem dos lords, commissarios do al-
mirantado se publica o seguinto aviso para
conhecimento dos navegantes. = /. Herbert
secretario.
Repartido hydrografica almirantado em
19 de junho de 1843.
FAROL DE APLES.
A torre do farol, no ngulo ao su! do mo-
Ihe de aples, foi consideralvemente elevada,
eum farol de rotacao ( de gaz ) substituto o
anterior farol fxo.
O periodo da rotacio de dous minutos,
durante o primeiro dos quaes a luz ce mostra
com toda a sua frca e durante o outro mi-
nuto o seu brilhantismo dcsapparece com ra-
pidez. A altura do pbarol de 161 ps cima
domar, e avistase na distancia de 18 a 20
milhas.
Naextremidadeoriontal do molhe ha urna
luz baixa e lixa afim de guiar as embarca-
ces por fra do molhe.
Foi denegado o habeas-corpus pedido pelo
preso Manoel da Costa Alecrim.
., ____!J.. _____'.'J_'J_J
Variedade.
Aviso aos navegante.
Aos 15 de dezembro deste anno ser* accen -
dido um farol de rotacao de segunda ordem em
Honstholmeu, no cabo do Nord West da Jutlan-
dia. debaixo de 8." 36' 10" longitudo e 57 6'
50" latitude o qual estar collocado sobre
urna torre de 58 ps cima do baixo e 212
ps cima do lumed'agua. O farol dar to-
dos os meios minutos um resplendor que du-
ra pouco mais ou menos quinze segundo, e
pode se assim diflerencardo farol deSkagen ,
que fxo assim como tambem nao se pode
confundir com o farol noweguez em Oxo,
que differente no resplendor quo so v todos
os quatro minutos. ste farol pde-se avistar
do mar a urna distancia de quatro a cinco le-
guas e sera accendido todas as noutes to ce-
do que poderi arder do equinocio da prima-
vera ao equinocio dooutonouma hora, e do
equinocio do oulono ao equinocio da primave-
ra meia hora depois do por do sol, e arder
at ao nascer do sol.
PERNAMBUCO.
IALIAIIi
....!. '. II .
Trinity-House, Londres em 31 demaiode 1843
Esta corporacao tendo determinado que a
disposicao da luz na torre do farol da ponta da
Europa em Gibraltar fosse mais visivel na
direccao do norte annuncia que o dito farol
actualmente visivel tanto na bahia de Gibraltar,
Tocou a campainha, e perguntou por Geno-
veva. Respondera-lhe, que nao se achava em
casa.
Devia tl-o previsto, disse ella, porque
anda nao se nos apresentou. Repeta Emma-
nuel tudo, quanlo ja Ihe havia coaimunicad
por escripto acerca do que devia rapariga. En-
tretanto que fallava, enirou Genoveva. Emma-
nuel, que se tinha assentado na poltrona ao la-
do de sua mii, ao ver urna pessa, que Ihe pa-
recer estranha, levantou-se. Nada Ihe poda fa-
zer reconhecer uessa pessoa de porte nobre, e
gracioso u amiga de Prudencia.
Entretanto Genoveva, havendo desatado o
chapeo, e depositado-o sobie urna cadeira, ap-
proximou-se: quando chegou ao p do joven
pintor, com os ollios bandados em lagrimas,
disse:
J nao cenhece mais a mai do Paulo, Sr.
Emmanuel ?
Emmanuel, extremamente admirado, excla-
mo u :
possivel.que seja Genoveva.quem me falla ?
Sim, a pobre Genoveva, a quem vm. en-
viou o anjo salvador. E, impellida pelo reconbe-
cimento, pegou n'uma das inaos da Sra. Da rey,
ecobrio-a de beijos, e lagrimas.
Eu bem receiava, que su commettesse al-j
Tribunal da Rclacao.
SESSAO DE 10 DE FE VER El KO DE 1844.
Na appellaco civel do juizo dos ausentes do
Rio-grande-do-norle appellante o juizo, ap-
pellado Antonio .los Pereira, escrivio Ferrei-
ra ; foi reformada a son tenca.
Na 8ppcllacio civel da cidade da Parahiba ,
appellante Joio da Silva Machado appellado
Jos Luiz Pereira Lima escrivao Reg Ran-
gel ; foi reformada a sentenca.
Na appellaco civel desta cidade, appellan-
tes Lehmam & Gompanhia, appellado Francis-
co Poirer escrivao Bandeira ; se mandou pa-
gar o imposto de 2 por %.
Na appellacio civel desta desta cidade ap-
pelianto a cmara niunicipai da mesma appei-
lada a fazenda nacional escrivao Ferr ira ; se
mandou ouvir o desembargador procurador da
corda, e fazenda
Na appellaco civel do juizo dos orphaos des-
ta cidade appellante I) Mara Marroquim de
Jezus Nazareno por s e seus filhos, appellado
Gaspcrda Silva Froes escrivao.Ferrera ; se
mandou ouvir o Dr. curador geral.
Na appellaco civel desta cidade empellante
Jos de Mello de Macollo appcllada a fazonda
publica escrivao Posthumo ; foi a sentenca
confirmada.
guma imprudencia, disso, entrando de repente,
o Sr. Cervan. preciso, j o tenho dito vinte
vezes, nao abalar os ervos da doente, e se me
nao promettem serem d'aqui em diante mais
prudentes, nao permittirei, que ninguein, ex-
cepcaodcmim, se Ihe approximc.
Genoveva enchugou promptamente as lagri-
mas; a Sra. Darcy tomou um ar risonho, o eu
lillio abracou o medico como um seu amigo.
O doutor, depois de haver insistido de novo
respeito da necessidade da dieta da Sra. Darcy,
accrescentou:
A fim de interromper os enlernecimentos,
pedi ao nosso visinhojogador emsth, que nao
deixasse de apparecer hoje, e com quanto sua
dignidado Ihe nao permita vir esta casa antes
doler sido visitado por Emmanuel;todava, co-
mo uns curtos olhos azues, quo me nao sao desco-
iiiicriiiu.i.ui-in maiti poder sobre ella doque oor-
ulho, brevemente aqui veremos o Sr. conde de
Tussires.
Doutor, disse Genoveva em voz baixa,
preparando a meza, em que todas as noutes se
renovavao alguns rohbs, nao Ihe est bem tratar
sempr6 assim do Sr. de La Tour.
Emmanuel, sem saber por que, persuadio-se,
de que o Sr. de La Tour era um sugeito insup- |
portavel.
DOS ECnOS MAIS CELEBRES.
Osenos, como todos sabem, sao produzi-
dos pela repercusso dos sons sobre os corpos
susceptiveis de os reflectir. Para ter a percep-
co dos sons percutidos pelos chos necessario
estar collocado urna certa distancia, para que
o som reflectido nao se confunda com o som di-
recto. Esta distancia deve ser ao menos du 17
metros cada metro abrange o espaco de 4 pal-
mos -) gastando em correr este espacoo
intervallo da decima parte d'um segundo. Esta
demora ser tanto maisconsideravel quanto
mais tempo se precisar para ser pronunciado o
som, vocabulo. ou phrase As circumstancias
locaes modificao tambem muito os chos: assim
um outeiro ou monte coberto do arvoredos
reflecte melhor os sons que urna montanha
inteiramenle na : um tiro de fuzil repetido
as florestas, ou nos valles com um estrepito
espantoso, ao passo quenas planicies produz
um som mais surdo que logo amortece.
Aponto-se cm todos os paites chos mais ,
ou menos notaveis, particularmente os chos
multiplicados; tal era aquello, que se dava
entro duas torres rol locadas a 156 ps urna da
outra perto de Verdun cidade de Franca ; o
som era all repetido 12 ou 13 vezes, que a
pouco e pouco se enfraquecia at deixar dse
perceber. Nota-se tambem um echo junto de
Woodstock em Inglaterra que repete distinc-
tamente 17 sy liabas, sendo de dia, e 20, sen-
do de noute. as margens do Rbin, perto de
Coblentz ha outro que repete os sons 17 ve-
zes segundo testifica Bartbius.
Existem ontros phenomenos de repressio de
sons cuja explicacao nao tilo lacil; toda-
va basta examinar a disposicao dos edificios ,
para distribuirnos a razio do muitos outros fac
tos anlogos. Em urna das salas do conserva-
lorio das artes em Pariz, na qual os quatro n-
gulos veein cruzar-se no centro da abobada, se
duas pessoas se collocarem nos dous ngulos
oppostos estas poderfi sustentar urna con-
versacao em voz baixa sem que os outros es-
pectadores a percehSo. Este mesmo efleito so d
em urna casa situada no interior da nossa Torre
de Bellem que, tendo o tecto formado em a-
bobada o sem simalba roda faz com que
o ar encanado pelo canto da casa chegue ao
outro opposto sem se espalhar. Na igreja de A-
grigento na liba da Sicilia quando se falla
atraz do altar-mr ouvem se as vozes dis-
tinctamente perto da porta principal ou do
guarda-vento; ao posso que em toda a nev
nao se percebe urna s palavra. Junto de Mi-
18o havia ( segundo o testemunho do padre
Kirker ) urna casa que repetia a voz mais de
vinte vezes. Alguns escriplores affrmao que
antigamente houvera em Olympa ( cidade da
Grecia hoje em ruinas perto d'uma peque-
a aldCa chamada Miraca ) um prtico que
repetia a voz sendo de duas sy liabas, sete ve-
zes. Outros tambem fazem menco de haver ,
anda no seculo passado cm Saragoca da Si-
cilia um carcere chamado de Dionzio Ty-
ranno no qual ainda que se fallasse com vuz
branda pareca que se estava gritando : dizem
ser is Ca compriua une ra em rocua viva ,
e em forma de abobada. Poderiamos citar mil
exemplos deste genero.
E pela mesma razo phsca que se d tam-
bem oseguinte efleito na sala vulgarmente dita
das columnas da nossa Praca do-commercio :
na verdade em razio do cruzamento dos ar-
cos que assentao sobre dezaceis columnas ,
reflecte o som das vozes em diversos sentidos
c de tal maneira que estando as pessoas
conversar em voz natural, e s vezes ainada
nao sao entendidas do nutras, que esleaos
pequea distancia: vantagem reconhecida
por quanto os negocianates e outras pessoas'
pdem fallar com seguranca acerca das suastran-
saedes negocios e objectos d'entdade sem o
risco de serem ouvidos. ( Treze-de-maio. i
. COMMERCIO,
Alfandega.
Rendimento do dia 10.......... 1:352824$
DeiearregSo hoje 10.
Brigue inglezMedumfazendas, e gigos com
louca.
Brigue F'rancez Adolfo batatas, e
que jos.
Brigue inglez Mary-Uounsell baca,,
Iho.
PRAfA DO RECIPE 10 DE FEVERIRO DE 1844
Revista mercantil.
Cambios Houverio transacoes a 25 / no
principio da semana e s duas
depois da ebegada do vapor dospor-
tos do Sul e os tomadores estao
mais firmes.
AlgodaoAs entradas foro pequeas, e no
principio da semana houveru albi-
nias vendas a 5:100, e no fim a 5000
rs. por (ffi.
AssucarComprrao-se algumas partidas no
principio da semana a 1050 rs.() so-
bre o Ierro do branco, e 1000 rs. do
mascavado mas nao ha mais com-
pradores este proco.
Couros salgados Sao menos procurados sos
procos de 4:200a 4400 rs.por arroba.
Alcatrio suecoVendeo-se a 7:200 rs.o barril.
BacalhoO deposito de 1900 barricas, e
esta-seretalhandodell,500a 12,000
rs. conforme a qualidade.
Carne-secca Carne de charque che.ou um
carregamento do Rio-grande com
o qual augmentou o deposito a
23:000 arrobas, tendo-se vendido a
do Rio-grande de 3:200 a 3:400 rs.,
e a de Buenos-Ayres de 2:500 a 2;720
rs. a (q).
Farinba de trigo Entrou um carregamento
de 1 riestre com 2000 barricas,e tem-
se vendido a americana nova de 14 a
17:500 rs., e a velhaa 12,000 rs.,
e a de Triestrede 17000 a 19,000
res.
Folhas de FlandresVendeo-se de 18,000 a
20,000 rs. a caixa.
Ferro inglez em barradem a 4:600 o quin-
tal.
Manteigalde m de 385 a 390 a libra da fran-
co/a.
Massasdem de 3800 a 4500 rs @.
O'leo de linhacadem a 1:900 rs. o galo cm
hotas
Papel dem a 2:700 rs. o almaco azul,2. sor-
te 1500 rs. odeenibrulho, marca
grande e 1000 rs. o de marca pe-
quena.
Sabio amarello dem de 110 a 111 rs. a II-
, bra.
Vinho tinto de Lisboadem a 125,000 a pi-
pa.
Embarcaces existentes no porto.
Austracas..........4
Americanas..........3
Brasileiras.......... 14
Belga........... 1
OSr. braode La Tour era offlcial da guarda
real, de quarenta annos pouco mais, ou menos,
muito presumpcoso do sua nobresa, porm bom
homem, e jovial, quando se achava entre mocas.
Depois da revolucio de julho, tinha vindo ha-
bitar emSonlis em urna fasenda, cujo parque
conflnava cora a casa da Sra. Darcy. Por inter-
medio do Sr. Cervan, que, nao obstante mote-
jar de suas fumacas, estimava-o, havia o ex-
capitao trocado a insipidez da vida solitaria,
que aristocrticamente passava, pelos prazeres
d'uma intimidado aldeia, que era attrbido
mais pelos encantos de Genoveva do que pelo
Jogo.
Trocadas algumas palavras entre Emmanuel
eobarad, que se nao fez esperar muito, sobra
os prazeres da viagem, e acerca da felicidade da
volts, reconhncenrirt o doutor, que a gravidade
alo wt'sAconvinha mais a Sra. Darcy, do que as
agitacoes d'uma conversado animada, fez com
que principiasse a partida,, n obsertou so joven
pintor, que obrga-o-bia retirar-se, se com
vistas pertinazesdistrahisse sua mai, ou Geno-
veva.
Emmanuel alongou-se, com docilidade, dos
jugadores; mas, seus olhos, proporco, que
elle ia examinando cada urna das pecas da mo-
j bilha, que tanta afei$o tinha, fitavao-se, in-
voluntariamente, com ternura, sobre a Sra. Dar-
cy, e com admirado sobre Genoveva.
Para que se conheca o motivo da grande e
repentina attencao, que esta ultima mereceode
Emmanuel, cumpre confessar, que estava nes-
sa occasiao um oomposlo de perfeices ra-
ras.O elegante, delicado, o esbelto talhe de
Genoveva assemelhava-a esses verdes alamos,
cuja haste, movida pelas impressdes do vento,
com graca se curva, e ergue. Ao seu rosto,
summamente bello, tornavio encantador a sen-
sibilidadedo olhar, o a ternura do riso: sob es-
tas delicadas, e puras feices via-se raiar urna
alma, da mesma sorte que sob urna copa de a-
labastro se v brilhar urna alampada.
Duas louras, e bem formadas transas desciio-
Ihe da fronte s faces, e. atrs da cabeca, o
unir-se outra mais espessa cujos lacos to-
cavao sobre um esbelto, alvo, o arredondado
eolio.
"ader psiu, que um pinior contempla"'
se tantos attractivos sem render-lhes horaena-
em; entretanto as frequentes relaces, que se
eslabelecra entre Genoveva e Emmanuel, as
cualidades inoraos d'osa rapariga cuptivarad-
no ainda mais do quo os seus encantos phy*
vicos.
(Contimtar-se-ha )



3
com 191:944
(W 3 libras.
Dinamarquezas. ........ 2
Francczas.......... 4
Hamburguesas........ 2
Hospanhola.......... 1
Inglezas.......... 5
Napolitana.......... 1
Oldemburguoza........ 1
Portuguezas......... 4
Sardas...........3
Suecas..... ..... 4
EXPORTAQAO
Da provincia de Pernambuco pira fra do im-
perio no mez jineiro de ISii.
Alguno saccas 4:366 com 2*2:943 g 15
libras.
AssucarCaixas 1:517. \
Foixos 150.
Barricas 6:197.
Saceos 12:150.
Curase latas 168.
AguardantePipas 168 com 26:880 cana-
das.
ArrozAlqucires 121.
Couros salgados 14:178.
Chifres 8:364.
Caf 5 arrobas.
Doces 180 libras
Melaco Barris 37 com 1:372 caadas.
MadeirasPaos e taboas 55.
Vaquetas 400.
Moda rs. 223,200.
Gneros meudose gasto 2:427,702.
Valor da exportacao 588:364.481.
Dito dos direitos 119:203,361.
Foi ellectuada a exportacao em 20 navios,
sendo 3 hrasileiros 4 inglezes, 1 francez 3
portuguezes, 2 austracos, 2 sardos, 2 sue-
cos 1 hollandez, 2 americanos tripulados
por 250 pessoas, e contendo 5:643 V tone-
ladas.
ilovimenlo do Porto.
Navios entrados no dia 10.
Parabiba ; 2 dias; hiate nacional Conctic&o-
Flor-das-virtudes de 1 tonelada; capitao
Victorino Jos Pereira ; equipagem 3 ; car-
ga madeira.
Macoi ; 4 dias; patacho sueco dignes, de
181 toneladas; capitao E. P. Wikstron ;
equipagem 7 ; carga assucar.
Navios sahidos no mesmo dia.
IJba-de-S. -Miguel; patacho nacional Alber-
to ; capitao Antonio Pereira do Faria ; car-
ga assucar: passageiros, D. Jacinta Can-
dida c 2sobrinhas; Manoel Pereira Reg,
o 1 filho ; MatbuOS Jos Pereira ; D. Mara
Izabel Scrro e 2 filhos; Francisco Perei-
ra da Silva suasenhora, e 6 filhos; An-
tonio Brandao da Rocha ; e Joao Jos de
Rezendo portuguezes.
Macei ; brigue inglez Fany ; capitSo C. J.
Stoeyle; carga assucar.
Parahiba ; hiate nacional Pureza de Maa ;
capitao Jos Maria ; carga varios gneros.
Navio saludo no dia 9.
Parahiba ; brigue inglez Andes ; capitao J.
Gavey : em lastro.
Navios entrados no dia 11.
Rio-de-janeiro ; brigue nacional Feliz Destt-
/(/ iio iiuj uiioiuuuj capnoa -----------
Peroira de > ; equipagem 13 ; carga va-
Vrios gneros : passageiros Justino Pereira de
Sa ; Joao Soares de Meara portuguezes, e
4 escravos entregar.
Maraibao; 27 dias; brigue escuna nacional
Laura de 163 /o tonoladas ; capitao Luiz
Ferreira da Silva Santos; equipagem 17 ;
carga varios gneros. '
/Vacio sahido no mesmo da.
Goianna; hiate nacional ConceicHo do Pilar ;
capitao Francisco Rodrigues de Brito ; car-
ga carne secca : passageiro Antonio Jos
Henriquos, brasileiro.
ObservacHo.
O patacho sueco Agnes b<"dia no la-
meirSo.
Etlitaes.
-=OIIlm. sr. inspector da thesourariadesta pro-
vincia manda Tazer pblico, que pela mesma the-
souraria contina a substituicao das notas de
5^000 108000 e 208000 rs., da !. estam-
pa o 5S000 da 2.*, mus que, havendo presen-
temente grande falta de notas de pequeos va-
lores, em quanto nao so ooieni os recuiw ,
que se tem pedido s se i. fazendo a substi-
tuido por meio das arresadacos, que so fl-
zerciii fias esta"5es ph'<-* em notas de ne-
quenos'7aro'res'7"conrme'o psrmittirem asi
circumstancias; e em.nolas do 100S000- 2008000 I
e500S000rs. (rancamente quem apresentarj
iommas correspondentes 5 estas quantias. No
impedimento do officiat maior.
Emilio Xavier Sobreira de Mello. |
Miguel Arehanjo Monteiro aVJndrade ca-
valleiro da ordem de Christo,e inspector d'al-
pindega de Pernambuco por S. M. 1. e
C., que Dos guarde 9c.
Faco saber que no dia 13 do corrente ao
meio dia na porta d'alfandoga se ho de arre-
matar dqze possas da seda para vestidos, ses-
senta mantas de seda trinta chales do dita ,
edozeduziasde lencos de seda no valor 1:200$
rs. impugnado pelo amanuense Gabriel Af-
fonso Rigueira no despacho por factura de J.
P. Adour&C. sob n. 3215 sendo a arre-
matado sugeita I dircitos e expediente. Al-
andega 10 do fevereiro do 1844.
Miguel'Arehanjo Monteiro de Andrade.
Declaraces.
COMPANHIA DE BEBIRIBE.
= Os snrs. assionistas da companhia do Be-
biribe sao convidados entraren) com urna no-
va prestado de 4 por / ( ou 2.000 rs. por cada
iceao ) no praso de 30 dias, contados da data
desto. Escriptorio da companhia 5 de fevereiro
de 1844. O secretario B. J. Fernandes Barros.
= O Dr. Joaquim Nunes Machado uiz
do crime da 1 vara esta exercendo as func-
ooes do seu cargo e reside na ra do Colle-
gio.
THEATRU PUBLICO.
TERCA-FEIRA 13 DE FEVEREIRO
DE 1844.
UECIMA-SEXTA REPRESENTACA
da
COMPANHIA RAVEL.
Beneficio do Snr. Eugenio Fenelon.
O espectculo comecar as 8 horas em ponto
por urna
Grande overtura.
Zampa
por grande orquestra e dirigida por Mr. Eu-
genio Fnlon seguida da pantomima c-
mica
As modistas,
ou
O Rendez- vouz hngaro.
Distribuic&o.
Vernis, pintor Mrs. Len Giavelly.
Simn, criado Francisco Ravel.
Jacnues c M i ti (L. Perin.
* J Soldados Hngaros .. ...
Henry ( (J.Marcetti.
Longitude, joven estudante
amante de madama Ver-
nis Charles Winther.
Madama Vernis M.mo* E. Fnlon.
lara ( Modistas- "{fT^SS",
Jonny ( ( Martin diavelly.
Dansa do espelho por Mr. L. Frin ; Alle-
mande passo do tres por VIr. Charles Win-
ther madama E. Fnlon e Martin Giavel-
ly ; Passo de tres hngaro por Mr. Francois
Ravel L. Ferin e J. Marcetti.
Grande solo
por violino executado por Mr. Eugenio F-
nlon.
O sonho de Hercules
ou
A noute dos morios
executado por Mr. Mathevet ,
primeiro athleta da Europa.
Intervallo de 15 minutos.
^y"-' r'-
Grande overtura
por toda a orehrestra. seguida da pantomima in-
titulada
As Pillulas Mgicas.
Grande espectculo com transformacSes, mu-
(lanas &c.
D/stribuioHo.
D. Francisco rico pro-
pietario Mr. L. Frin.
O cavalleiro Grinaldo Charles Winther.
Claudio, rival de Grinaldo Francisco Ravel.
Poltrao criado de Grinaldo Lon Giavelly.
Dentista J- Marcetty.
Elena,ilha deD. Francisco M."" E.Fnlon,
Arcenit, Fada M. Giavelly.
Escrivao notario estalajadoiro &c.
O baile termnala pelo
Grande quadro oriental
Iluminado por fogo d'artificio.
Avisos martimos.
= Para o Aracaty o hiate Flor-di-laran-
jeiras segu viagem imprelerivelmente no dia
18 do crreme por ter parie de mju uairega-
mento prompto : quem quizer carregar ou ir
de passagem dirija-se ra da Cadeia do Re-
r i l t_____J O
ene, ioiu un loiiiiuuj ii. oit
= Para Lisboa pretende sair no dia 20 do
corrente o bem construido e velleiro brigue
portugus Bobim forrado e oncavilhado de
cobre de que capitao Alexandre Jos Cor-
roa : quem quizer carregar ou ir de passa-
gem para o quo tem milito bons commodos ,
dirija-se ao sea consignatario Francisco Sevo-
rianno Rabello ou ao capitao na Praca do
commercio.
Le i loes.
Joao Kcller far leilao por intervencao
docorretor Oliveira, de grando sortimento de
fa/endasde seda la linbo c d'algodao as
mais proprias d'esto mercado o algumas das
quaesserao vendidas por todo preco; terca foi
ra, 13 do corrento s 10 horas da manhaa no
seu armazom na ra da Cruz.
O corretor Oliveira far leilao do mais
completo sortimento de fazendas bem conbeci-
das de seus fregue/es tanto em quanto as suas
qualidades, comoaos haixos precos porque
teem de sor vendidas; quarta eira 14 do cor-
rente as 10 horas da manhaa no primeiro
andar da sua casa.
Por ordem do consulado de Franca o
peranteoohanoelleirodo mesmo, ser vendida,
em leilao, urna cala do cambraia adamascada
vindacom algum toque do averia pelo navio
france/ Casimir-Delavigne; terca feira, 13 do
corrente as 10 horas da manhaa em ponto no
armazemde J. Keller na ra da Cruz n. 18.
Avisos diversos.
Offcrece-se un moco para caixeiro de ven-
da o qual da mesma tem bastante pratica ; ou
mesmo para nutra qualqucr oceupacao : a tra-
tar na ra do Amorim venda n. 17.
Quem precisar de urna ama branca para
casa do homem casado com pouca familia di-
rija-sea Boa-vista na travessa do Noras n. 14.
=a Troca-se urna escrava crioula boa cozi-
nheira engoinmadeira por um eicravo ,
menos crioulo ; quem liio oonvior este nego-
cio procure no primeiro andar da casa n. 56 ,
ao pedo arco do N. S da Concomio a qual-
quer hora do dia.
Quem tiver para alugar a metade de urna
casa sendo de boa familia e pequea : an-
nunce por esta follia.
Offerece-so um moco portuguez do 18 an-
nos do idade para caixoiro de venda ou mes-
mo para padaria dentro desta praca ou mesmo
para o matto sendo perto desta praca ; quem
de seu prestimo soquier utilisar dirija-so a
ra estreita do Rozario venda n. 8.
Quem annunciou querer um sellim usado,
dirija-se a Rua-velha em urna casa terrea pa-
rede-moia da aula do padre Manoel Tbomaz ,
(|uc achara somonte com o uso da (esta, eem-
conta.
=j Precisa-so d'um menino portuguez ,
idado de 12 a 14 annos para caixeiro de loja
um urna villa na provincia do Rio-grande-
do-norto ; deven.In pira isso dar inlormacoes
de si por pessoa de boa fe : no bairro do Re-
cife perto do Corpo Santo hotel commer-
cial, nestes G dias, sompre s 7 horas da ma-
nhaa.
Na noute de Santo Amaro furtro urna
canoa de conduzir familia com os signaos se-
guintes : pintada por fra de encarnado sin-
tado branro falca preta por dentro de ver-
de, corrida do bancos at meio e estes com
assento pintado do cinzento, paneiro grande
com camarote, corrente o cadeado na popa:
quem della tiver noticia dirija-se Rua-im-
p'erial n. 67 casa de Vicente Tbomaz dos San-
tos que ser gratificado.
No Atterro-dos-A(Togados, lugar do c-
queiros, da parte da ni ar pequea junto a
camboa, chamada do Pavao acba-se urna ca-
nda decarreira prornpta passar toda e qual-
quer pessoa para o porto dosCoolhos ponte-
velba Rua-nova &c., desde s 6 horas da
manhaa s 6 da tarde.
Quem precisar de um eaiteiro para ven-
da o qual j tem pratica da mesma de idade
de 16 annos; dirija-se Fra-de-porlas, venda
n. 92, ou annunciepara ser procurado.
Antonio Pereira de Faria pela brevidado
de sua viagem para Portugal, nao pode despe-
dir-sede todos os seus amigos, o que faz por
meio do presenta : offorernndo o seu prestimo
naquelle lugar.
Ainda est por alugar o segundo andar da
casa n. 46, da ra da Cadeia do Recife, com
commodos su lucientes para qualquer familia ,
por ter um grande solo, o qual se aluga por
menor preco quem d bom tratamento: na
loja de chapeos da mesma casa, ou no Atterro-
da-Boa-vista loja de Salles & Chaves, acha-
rad com quem tratar.
Quem annunciou no Diario de quarta-fei-
ra n. 13, querer alugar um sitio, perto da
iM.ii, j, Cii casa 9 baiiu |j para dous cavallos querendo um na estrada
de Uellem quasi ao chegar a Passagem que
vai para Olinda : procuro na estrada de Joao de
Barros defronte do Exm. visconde de Goian-
na, sitio, que faz esquina para a estrada do
Santo Amaro, com a cruz pegada esquina.
Acha-se para alugar um sobradinbo no
becco da Bomba : quem o pretender, dirija-so
ra d'Aurora n.AS.
Precisa-se de um menino portuguez de
idade 10 a 1-2annos, para caixeiro, destes,
quo ltimamente chegrao: na Rua-direita
n. 114.
O snr. Antonio Podra de Alcntara queira
ter a bondado do apparecer em casa do Jarnos
Crabtree & C.", ou ao sur. Dr. Felippe Menna
Callado da Fon seca.
D-se por 300.DOO rs. urna leltra sacca-
da pelo genro do snr. Agostinho Henriques da
Silva. Jos Antonio de Sousa Vieira acceita
por Manoel Pinto de Sousa Leitc, da quantia
ders. 310,000, IV.ra os uros, ijuo andar por
100,000 rs. pouco mais ou menos: na ra do
(Jueimado loja n. 5.
(^uem precisar do um honieni bom mar-
cineiro para trabalbar em obras novas, ou
colicortos para aqui ou fora da (erra por
dia ou empleitada ; dirijase ra da Soli-
dado casa n. 70, quo achara com quom
tratar.
(^ucm quizer dar costuras fazer de
toda a qual idade de homem e do senhora e
tambeni llores ludo com perfeicao e aceio ,
assim como entornillados de todas asqualidades;
dirija- se ra do Falcan n. 1 que achara com
quem tratar ; adverte-se, que a pessoa tambem
se propo ;i coser em casas particulares ou
francezas por j ter servido.
= Offerece-so um rapaz brasileiro de 16
annos para caixeiro do cobrancas, de qual-
quer casa de commercio nesta praca que para
isso bastante diligente ; c se quizer banca da
conducta, dar-se-ha : quem quizer annuncie,
ou dirija-se ra do Pillar n 118.
= abaiio assignado vende a sua casa ,
sita na ra da Praia n. .'i travejada e bem
edificada com oitocs dobrados, 102 palmos
do fundo, e 27 O'/ de largo, livres de pare-
des com poco d'agua e um grande lelheiro
no lundo onde tem serrara a qual tambem
se vende com todos os pertenecs c madeira
serrada e por serrar : trata-so na mesma ;
adverle-so, quo o loro 870 por anno toda
a largura. Antonio Dias da Silva Cardeal.
as Faz-se todo negocio com urna lettrinha ,
que se est a vencer, acceita por pessoa segura,
e com duas firmas de muita consideracao;quem
quizer este negocio annuncie : adverte-je ,
que se faz este negocio por a pessoa ter de fazer
urna viagem ao Rio.
O agrimensor, abaixo assignado, oflcrece
os seusservicos s possoas que tiverem propie-
dades demarcar e afianca a mais escrupulo-
sa exactidao o o maior zelo no desempetiho da
sua arto ; devendo todos os que do seu presti-
mo se quizerem utilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao mesmo abaixo assignado na Rua-direita ,
sobrado n. 121.
Joaquim da Fonseca Soares de Figueiredo.
= (^uom precisar de urna pessoa capaz o
hbil para caixeiro de ra armazem ou ven-
da por balanco o qual Portuguez de ida-
de de 22annos diri|a-so ao pateo do ('armo ,
esquina da ra de Hortas n. 2.
FABRICA DE RAPE
PRINCEZV
GASSE fabricante o legitimo inventor do
bem acreditado rap princeza do Rio-de-Ja-
neiro com seu deposito geral na ra da Cruz
do Recife n. 38 e mitro na ra do Livramen-
ton. 13, avisa, que as muito boas qualidades,
que possue o seu rap, as quacs, pela grande
estima v cicuio que nogressivamento de da
em dia teem obtido n'esta e as mais partes ;
bem conhecido por um oonsidcravcl numero de
tomantes, e n3o consta ter mofado urna s li-
bra : por isso laz publico, que toda c qualquer
pessoa que queira especular com o seu rap ,
attendendo as superiores qualidades elle fabri-
cante advortc que se responsabilisa pelo seu
rap por qualquer forma e com condieces,
que o mesmo comprador podo upresental-as.
= Tiro-se passaportes para fra e dentro
do imperio folhas corridas com toda a preste-
za e commodidade; na ra do Rangel
n. 34. ^
= Ni #ua de S. Bom Jezus das croulas,
casa n. 2 acha-se um homem pobre, caza-
do e com 5 filhos menores, o qual tendo
padecido em 4 annos urna forte tosse boje
chegou a ficar ceg ; e como necessitado e
amante de sua infeliz familia com ella roga
aos devotos, o compadecidos dos pobres, que
se dignern lavorecer-lhe com alguma esmolla ,
para bem de sua familia.
A pessoa que annunciou no Diario de
6 e 7 do corrente querer tratar com o dono da
casa terrea em Olinda que a quer vender,
dirija-se a ra do Dique n. 9, segundo an-
dar.
Offerece-se uma ama para todo o servico
de casa : quem a pretender dirija-se ao pateo
da Ribeira n. 19.
Precisa-sede uma mulher de cor, ido-
sa sadia livre e desimpedida de ludo,
para ama de uma pequea familia ; quem esti-
ver nestas circumstaacias, annuncie.


4
.--a,x
*i
LOTEttlfc DO GUAOK
LUPE.
UIo dia *24 do corren te
mez de everciro torre-
rao impreterivelmente as
" rodas desla lotera. Os bi-
Ihetes achao-se venda ,
nos luga re* do costiime
O snr. Luiz Jos de S Araujo queira
mandar procurar urna carta vinda do Aracaly ;
na Rua-velha n. 111.
= O snr. Antonio Augusto da Fonccca
dirjanse a ra da ('adera do Recita n. 40 pa-
ra receber urna carta vinda do Para.
Precisa-se aflorar 50 a 60 palmos de ter
reno que no fundo tenlia frutoiras quo nao
exceda da Estrada-nova S. Anna S. Ama-
ro Capunga e Solidado ; no Atterro-da-
Boa-vista, loja n. 51.
= Piecisa-se alugar urna escrava para o ser-
vico de uina casa de pouca familia que
saiba cozinhar, comprar, e lavar, dando-se
o sustento e 12,000 rs. monsaes ; na Soli-
dado indo pela Trcmpe, lado osquerdo n. 42.
= Na ra atraz da matriz da Boa-vista ,
as lojas do sobrado aonde mora o coronel Bar-
ros engomma-se toda a qualidado de engom-
mado liso tanto para bomem, como para se-
nhora ainda mesmo de fil de linbo com
toda a promptidlo aceio e por preco com-
modo.
= Um homemsolteiro se offerece para onsi-
nar em algum engenho ou fazenda as pri-
meiras lettras, e principios de latim, c francez,
ou para outra qualquer occupa?ao nesta cida-
de, ou para fra da provincia; a quem convier
annuncie.
Aluga-se ums casa terrea na ra de S.
.los n 43; a tratar no Atterro-da-Boa-vista
n. 2 primeiro andar.
= a porta do douloi juiz de orlaos no dia
12 do corrente as 4 horas da tarde, vae em
praca em arrendamento urna casa dous an-
dares e sotao, sita na na ra do Vgario n. 17.
= Deseja-se fallar a Jos Mondes de Arau-
jo ; na ra do Crespo n. 4.
KAPE FINO l'RLN EZA
DA BAHA E RIO-DE-JA1NEIRO.
= Acha-se venda o mu excellente ra-
p da nova fabrica deGodinboda Bahia, c do
Rio-de-Janciro pelo mdico proco de 1:000 rs
cada libra : este rap chegado ltimamente ,
e torna-se muilo recommendavel pelo seu bom
aroma : roga-se os compradores, desediri-
giremao nico deposito existente nesta pro-
vincia na ra da Cruz n. 16, que anda
encontraro meias libras e levando porco se
far um preco muitorasoavel.
Desappareceo no dia 8 do corrente uin
cavallo russo rodado capado, com cangalba,
com o ferro L. A. S. ; quem o pegar, leve a
Olinda a Vicente Ferreira Marinho, ra da
Bica de S. Pedro quo ser rocompensado.
O velho advogado Joo Baplista Soares
tem aberto o seu esc/iptorio em sua casan. 1,
da ra da Concordia por detraz do Carmo e
no mesmo lugar admitte discpulos de gramma-
tica latina a W00 rs. mensaes; quem de seu
prestimo se quizer approvcitar o pode alli pro-
curar nos das uteis das S horas da manha
at as 4 da tarde.
Aiuga-se o segundo andar da casa da
Rua-nova n. 19 ; a tratar na mesma com F.
Rcgord & Companhia.
Alutra-sc urna casa feita a moderna na
Rua-imperial do Atterro-dos-Affogados, da
parte da mar pequea com bastantes com-
modos para urna grande familia e tambem
se vende ou se permuta por outra igual, es-
tando em bom estado o livre de ruina ; a
tratar no mesmo Atierro com Antonio Jorge
Riboiro de Brito com venda no mesmo lugar.
Quem precisar do um bomem Brasileiro,
de 2( annns que da fiadora su* *pn Jucta ,
para caixeiro ou fcitor de alguma sitio an-
nuncic.
$, Precisa-se de um ollicial de charuteiro ;
cm Olinda ; na ra do Amparo n. 29.
Compras
= Compra-so um alambique j servido ; na
rua do Rangel n. 54 a fallar com Victorino
Francisco dos Santos.
= Compra-se o guarda-livros moderno :
quem o tivpr annunrie para ser piocuiado ,
ou leve na ra da Cadeia do Recife n. 37 (das
10 horas do dia s duas da tardo.)
Vendas
Vende-se na Praca-da-independencia,
livraria ns. 6e 8, o espelho fluminense ou
novo gabinete de leitura, modas, poesas, cha-
radas &c. 2 grandes vol. de 600 pag. com 50
fin. gra. color. por 12)000 rs.
Neste bello lvro tudo encantador! Ex-
cedentes novellas sublimes poesas, maisde
150 espirituosas charadas e oais de 120 fi-
gurinos de enhoras, enancas e homens das
ultimas modas de Pariz nao recreao s<>mente
o espirito mas regalao ao mesmo tempo a vis-
ta eservem utilmente as familias. Para dar
urna limitada ideia do seu contedo aponamos
apenas o titulo de algumas novellas inseridas
no primeiro volume a saber :
O importe de urna consulta ; um vestido
galante ; o cardeal o ministro e o medico
dorei ; a priso por divida ; um Ilustre uva-
rento ; a fuinha ; o chapeo de Erederico II ;
a vinganca deSoleiman ; John Poker ; mimes
de pailrinho e finozas de compradre; um ho-
rnero extraordinario ; o esquecirnento ; Mara,
ou o lenco azul ; historia do Cagliostro; Otel-
lo ; um acto de desesparaco ; o Rcauvio ; um
dia e nada ; um supplicio; a segunda mulher;
a semana dos accidentes ; um lio como ha pou-
cos; historia de ladro ; a celia ardonte; via-
gem a Italia ; utilidade dos tolos ; urna bes-
pan hola em Pariz ; madame Villiors ; as mo-
cas para casar; o quarto mobiliado ; a lelici-
dade no mundo ; os sapatos encarnados ; urna
senlenca paterna ; um jogador ; a espera; duas
noutesem Roma; urna carta ; um rival; as 7
orelhas, &c.
Vendo-se biscouto de Rheims, de boa
qualidade: em casa de J. u. Elstcr, ruado
Trapiche n. 19.
Vcndem-se 4 vaccas de leite com crias ,
no sitio da Passagem-do-Arrombado, por falta
de pasto: fallar no mesmo sitio da Pas-
sagem.
= Vende-so um negro proprio para tra-
balho do campo ou praca : na ra do Viga-
rio n. 3.
Vende-se urna balanca decimal, chegada
ha pouco de Franca, de rca de mil libras, por
prego commodo : na ra da Cruz n. 48
Vendem-se 5 escravas, sendo o de 24
annos, de bonitas figuras sabendo engom-
mar, coser, e cozinhar ; urna de 30 annos,
boa quitandeira e lava de salmo, e varrela ,
coso e cozinha ; c una de 35 annos, por
250,000 : na ra Velha n. 111.
Vende-se um lindo moleque, sem vi-
cios nem achaques, ou troca-se por urna
moleca que tenha principios de cosinba e
engommado : a tratar na ra do Amorim nu-
mero 17.
Vende-se milho muito superior, em
saccas vendido por medida velha ; manteiga, a
mais superior possivel, a 640 rs. a libra; ch de
primeira qualidade, a 2560rs. a libra; azeite do-
ce de Lisboa, caada a 3500, e garrafa 480 rs.;
esparmacete 900 rs. a libra ; sevada 80 rs.
a libra ; larinba do Maranho 100 rs. a li-
bra ; sevadinha de Franca 280 a libra ; vi-
nho bom de Lisboa caada 1760 e garrafa
220 rs.; serveja, bocea de prala, 400 rs. sem
garrafa e 480 com garrafa e todos os mais
gneros muito em conta : na venda da esquina
da rua do Rozario larga n. 39.
Vende-se um piano horisontal, deei-
cellentes vozes, sendo de construceao inglezo :
na ra da Cruz o. 48.
= Vcnde-se um jogo de banquinbas de
Jacaranda em bom uso ; e bichas de Ham-
burgo ; tambem se alugSo e vo-se applicaT ,
tudo por preco commodo ; na Rua-direitn ln>
de barbeiro n. 123.
=Vende-se urna grande morada de casa
terrea em Olinda com grande quintal pro-
prio para plantar capim por ter urna lian ,
c com bom poco ; na ra do Dique n. 9 se-
gundo andar.
= O deposito de gelo acha-se na ra da
Senzalla-velha junto ao Beco-largo n. 110 ,
aonde contina a vender-se a 2560 rs. a arro-
ba e a libra a 100 rs.
= Vende-se vinho de fcitoria em barris
o quartolas de 5 em pipa chegado prxima-
mente do Porto e proprio para se engarrafar;
na ra da Cadeia loja de ferrageos n. 44.
Vende-se urna escrava ptima r.o?isbci-
ra engommadeira e cose liso sem vicio al-
gum vende-se porque seu dono relira-se para
a Europa; na ra larga doRozarioo. 46, pri-
meiro andar.
= Vende-se um terreno na ra do Sebo,
com 62 palmos de frente e 150 de fundo ; e
sitio na estrada do Arraial coro casa de taipa;
a tratar com Jos Antonio Bastos na ra da Ca-
deia do Recie.
Vendem-se 1500 ebifres de boi
- Vende-se cera refinada para limas de chai-
ro e cha hisson ;>a ra do Cabug loja de
cera. \
Vende-se farinha em muito bom estado
a 1600 rs. a sacca com dous alqueires e meios ,
novos ; nos armazens de Jos Goncalves Tor-
res, no beco do capim Das Ferreira, o An-
tonio Annes no caes da alfandega.
Vende-se um sitio com bastantes arvores
de ruio baixa para capim casa de pedra e
cal, na estrada que vai para Bebiribe, no
lugar Agua-fria por preco commodo; na ra
do Queimado n. 4.
Vendo-se farinha do mandioca muilo
nova em saccas a 2560, o 3000 rs. ; no
Forte-do-Mattos, prensa do MenJonca.
Vende-se urna escrava de 20 annos, per-
feta engommadeira cozinheira e costrel-
as; duesdttas de+6 annos com muito bons
principios dos orranjos de urna casa ; duas di-
tas de 20 a 22 annns lavadoiras o quitandei-
ras ; 3 moloques de bonitas figuras do 14 a
18 annos proprios para pagens e para todo
o servico ; urna elegante parda de 20 annos ,
sabe pereitamente engommar e coser ; urna
mulatinha de 12 annos propria para mucama
de urna menina cose muito bem ; e um ca-j
vallo de bonita figura ; na ra do Fogo ao p
do fio/ario n 8.
ca 3 legoas, prompto do bemfeitorias, e uten-
silios me com agua c ptimo do assucar
tem mattas cercado bem tratado e hoas
Ierras; a tratar no Engenho-velho de Jahoalo
as Vende-se urna mulatinha de 18 annos
boa engommadeira cozinha e cose muilo
bem ; duas escravas boas quitandeiras, e la-
vadeirus; um escravo ptimo para todo o ser-
vico ; na Rua-direita n. 3.
= Vende-se superior rap hamburguez
chegado ltimamente, cm garrafas grandes
pequeas; na ra larga do Rozario n. 22 o
na Praca-da-independencia n. 39.
= Vende-se um engenho moenle e corren-
te com boas trras de producao 10 leguas
distante dista praca por preco commodo; a
lartar na ra do Queimado n. 37 primeiro
andar
Vende-se um negro moco do bonita
figura trabalhador de carpina e com mais
habilidades; na ra do Queimado n. 4.
= Vendem-se por preco muilo commodo
duas canoas, urna de milheiro de tijolo con-
certada de novo e bem construida outra
meia tambem quasi nova ; atraz do Carmo
no porto dos Martirios a trotar com Jos-An-
tonio de Moraes.
= Vende-so na principal ra de Olinda ,
um grande sobrado de um andar, com grao-
fresco excellente vis-
murado ; na rua das
Vendem-so cortes de chita larga franco- des comnidos muito
za, de muito ricos padroes a 4500 rs ditos ta o grande quintal
de cambraias de cores transparentes do ultimo t Flores n. 7.
gosto a 5500 rs., chales do seda padroos es-' = Vende-se a historia do conde Romalioo ,
euros de superior qualidade e grandes a em dous volumes e o Archivo Popular orna-
12000 rs. coeiros de merino,
cores, bordados de retro/. o mais
|/IVK UUIIIIII'
S. Pedro n. 46.
por
odo ; em Oiinda rua da Bica de
Vende-se um preto crioulo
gur iiuiii carieu vaqueiro
dordeenxada, e machado
, de bonita
e traba Iba-
urna parda de
bonita figura por preco commodo; na rua
do Crespo n. 12 a fallar coro Jos Joaquim
da Silva Maya.
sivel a 5000 rs.; na rua do Cabug lojas no-
vas de fazendasfrancezas e inglezas de Pcrei-
ra & Guedes, ns 4 e 6.
= Vendem-se urnas bandas de urna barca-
caja servidas, algumas cavernas, o mais alguns
pertenecs ; na venda da esquina da travessa da
Concordia.
Vende-se urna par de mallas brancas,
novas, porUSrs. brim trancado pardo com
toque de avaria proprio para chumacos a
160 rs. a vara ; na Rua-dlreita n. 114.
Vende-se um cordfio do ouro um
transolim e um par de brincos; na Rua-nova
n. 55.
Vende-se urna parda muito robusta e
de bonita figura de 18 annos, lava bem, e
engomma ; um preto de 24 annos, de boa fi-
gura o de todo o servico; um moleque de
18 annos, com principios de aapaleiro, e pti-
mo para pagem ; na rua do Queimado loja
n. 5.
VenJem-se bules e caeteiras de metal ,
para cha ; bacas de rame ; candieiros, e per-
fumadores ; escrivaninhas de lata o ; e fgo do
ar por preco commodo : na Rua-nova nu-
mero 41.
Vende-se urna obra do breviario nova :
na rua dos Pescadores casa n. 21 achara
com quem tratar.
Vendem-se superiores charutos regalas
da Bahia por precos commodos : na rua do
Trapiche n. 19 e na rua da Cadeia loja de
chapeos n. 29.
ss Vende-se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro podras de marmore redondas
para mezas de meio desala, de muilo bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palhinha camas de vento
com armacao marquesas, sofs mezas de
jaste? camas de vente mui bem feias a 4500,
ditas de pinbo a 3500, assim como outros mui-
tos trastes ; pinbo da Suecia com 3 poilegadas
degrossura, dito serrado dito americano de
diflerentes larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinbo e barrotes ; na rua de
Florentina em casa de J. Beranger.
=Vendem-se terrenos com 156 palmos de
fundo com as frentes, que es compradores
quizercm na rua da Concordia e as tra-
vessas do Monteiro, e Caldeireiro os quaes
sao de 60 palmos para onde ditos terrenos
tambem azem frente em direcc.o ao rio Ca-
pibaribe : estes terrenos acbao-se parte atter-
rados, e parte beneficiados, e tambem teem
zados para a parte do rio e todos offere
cem grande commodidade para a sua edifica-
cao por preco commodo ; na rua dos Quar-
tois, boje larga do Rozario n. 18.
= Vendem-so botins e moios ditos de be-
zerro francez, inglez, e de Lisboa sapatos
de urna e duas pallas ditos de tres solas ,
tudo para bomem e menino, borzeguinsgas-
peados para bomem, sanhora e meninos, sa-
patos de couro de lustro para bomem, e me-
ninos de 8 a 12 annoi ditos .! cordavSo pa-
ra bomem ,v ditos de couro de lustro para se-
nhora o meainos ditos de lustro, e marro-
quim com clchetelas snalos de mnrrnnmm
duraque setirn ecordavao, tanto de Lisboa
como francez sapatos de franja para meninos,
eoutras muitas qualidades de calcados por
preco commodo; no A tterro-a-Boa-vista n 24.
- Vtndc-se oca engenho distante desla pra-
do todas as do com estampas tudo em bom estado por
rico pos- preco commodo ; na rua do Queimado n. 18.3
=i= Vende-se carnauba da melhor qualidade,
que ha ; na rua do Cabug n. 16.
= Vende-se um bonito moleque de 18 an-
nos oprimo para pagem ; e um excellente
cavavallo com andares ; na rua da Conceico
da Boa-vista n. 26.
= Vcnde-se superior farinha de milho ,
muito nova a 80 rs. a libra ; na rua da Flo-
rentina unto ao circo dos ct'vallinhos.
E sera vos fgidos.
Em 8 de fevereiro do corrente anno desap-
pareceo um negro de nomo Joo naco Con-
go tem os signaes seguintes : boa estatura ,
cara um tanto redonda nariz pequeo, e di-
reito, tem urna marca no rosto, em um dos
lados, falla muito descancada. muito fallador,
e conversador, grosso do corpo pernas a pro-
porcao, ps grandes; quando anda parece,
que deita as pernas lorca, e anda de vagar;
levou vestido calca de algodSozinho transado
branco, carniza tambem d'algodaozinho liso,
com um remend no hombro, chapeo de palha
velho, e baixo : roga-se a todas as autorida-
des policiaes, e pessoas que o virem nao
!he consinto o transito ; porque nao foi alu-
gado, e nem pode sahir da praca : quem o le-
var, por dolo ; o quem o aprehender, le-
ve-o & rua do Cabug, loja de Joaquim Jos da
Costa com loja de meudezas.
Fugio no dia 28 de p. p. o preto Manoel,
crioulo de 22 annos altura regular sec-
co do corpo pernas arqueadas sem barba ,
i;om alguns caiombos no assento por ter sido
surrado, foi comprado no Olbo-d'agua-da on-
ca donde natural; levou calcos, camisa ,
jaquetaazul e urna pequea trouxa namo;
quera o pegar, leve a Albino Jos Ferreira d
C.nstn
- Tugio no dia 27 de novembro de 1843
o escravo Joo de naco Quilhiman alto,
secco do corpo cor muito retinta, fallas man-
cas com cicalrizes pelo corpo de castigo que
tem levado ; levou um ferro de gancho no pes-
coco calcas, e camisa de algodozinbo
canoeiro j foi pegado em Olinda de outra
vez que fugio ; quem o pegar leve a Rua-
imperial n. 67 casa de seu snr. Vicente
Thomaz dos Santos que pagar todas as des-
pe/as e gratificar com generosidade.
Fugio no dia 6 do corrente do lugar dos
Bezerros um escravode nome Agostinbo, de
naco Angola, de 36 annos, bonita figura,
alto grosso do corpo urna cora un caby C
carregar peso padeiro, o qual vinha do ser-
tao em companhia de seu snr. ; quem o pegar,
leve a Rua-impeaial a Silvestre Joaquim do
Nascimento, que gratificar.
= Fugio no dia 8 do corrente o preto Joa-
quim crioulo, de 30 annos alto bastante ,
bonita figura bem preto rosto desramado ,
olhos fundos e bastantes brancos, nariz de pa-
pagaio ps largas, cintura estreita ps gran-
des chatos e apalbetados : levou sumi de
couro de carneiro branco com bastante rou-
pa lina e grosso calcas de algod o transado
azul chapeo fino de massa ; quem o pejjar,
ieve a rua de Crespo n. 16 que receber 50
rs. de gratificacuo.
Rkcif ha Ttp. di M. F pb Fabta. 18**'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1OCK53YG_XRINZ1 INGEST_TIME 2013-04-13T00:13:07Z PACKAGE AA00011611_04578
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES