Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04574


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de M.
O Dj .vmo [lublicB-r Udos 01
Quarta Fcira 7
de FcvereLro
CakWIOSitO IV
*^S T..n.l.o..oh.*l........ .!> .
m>ww / < '' 1'""* a"0 r*a por franco
A'li'tnV '',' .; Lisboa lt porll deprtmi
i
BTJ'TOa.
Auno XX. IV. 50.
que lijo forem santificados : o juceo i! assignatura
lie ile tre nnl rs por quarlel pagoi afliantailos. Oa annuncioadoi aaai|rnn gratis, e os Jos que nao forem i raiAo ile 80 rea por Mnba, A rrolamaiOe devota ser diri-
giJas esla 1 jp ra daa CrDiei -4 ou a prtgt n Indeptndcncia I. ja de luri id 6(8
%PARTTOA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GouvSA, e Parahyba secundas scvtaa fcras._ Rio Grande do Norte, quintas letras
Cab. Srrinhaeiii Rio l'ormoso, Torio Calvo, Maccy e AU(,oas no i. M e M
de cada mci Garanliuns e Bonito a 10 e J de cala mei Doa-tista e Flores a 13
e 28^dilo. Cicla leda Victoria, quintas feira, Olinda lodos os das.
DAS DA SEMANA.
6 Seg. s. Gurda Aud. do J. de I). d;\ '.'. v.
C, Terca a. Ilorot'ea Re, aud. do de I), da 3. t.
7 Quarta s llomualilo Aud do J. de I), da 3, v.
S Quinta s. tor.nlinlia. Aud. do J. de I), da 'i.
'y .^eta s. Apollonia. Aud. do J. de D. da 2. *.
40 Sab. s. liscolastica. Re. aud. do J. de D. da i, x.
1 | Don. s. 1.azaro 8. ])nii\o
I ll'aIIIWMliJMIlHIIIMII '*"UJIIIIIIIMI"I ''
^ // /'/ Ibbw dependo de n. mmmj l< .oata prado ca, -oeraeatv'e emerga, wj-
.--'.- '. ,.,... nono pr...c,.a.,.. a ,;, ,..,, aln.ra ;,.. ea.r, as n.S-s m.i-
l'r,,lM.n ,,.,!, Issembla Coral ^ "'>)
Woedadecobre .'i porrelo.
dem dr letras Je boas firmal I a 1 lii ,-
WMoed.de MWV. J7.50
, ,.,. .i.u.. ,b
Praii re8ea '2-m>
Pesos columawsrea 2,0*u
, Ditos Meiicanoa t.040
E
o
jjjpjSapp^4?arJa.vn-3g-.ijmiM!V.TCT-'t--\i- ..-".CjI.
PITASES DA LA NO HEZ DE FEVERE1RO.
L. 0k.it i as S .....a, Si ...... dan, ,Lo...... O ** ** *
Mirlante .11 .1 6 boru e (0 -' I ^ '"" '' -J"' -
Prctimar de hoje.
Trimeiraas 7 boras e -'- mi. .1 manb.la. | Segunda asftboraa e fi minoloa da lord.
,a
. i &
'-:::,.:.. ESUM*

Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DO 1." DO COURENTE.
Officio Ao inspector da thusouraria das
rondas provinciaes ordenando que mande
|ir ein arrematado os reparos da ponte de Pi-
rauira as immcdiacoes da villa do Limoeiro.
Communicou-se ao engenheiro em cliefe.
Portara Nomeando para 1." supplen-
te do subdelegado da frcgueze da Luz, do ter-
mo do Po-d'alho .Manoel Goncalves da
Luz; para2." a Victorino Goncalves da I.uz;
para 3.' i Jos da Costa Nogucira ; para A.
Manool Antonio Correa de Queiro/. ; para 5.'
.-, Caetano Ferreira Chaves ; e para 6. Jos
Joaquim da Costa Pereira. Parlicipou-se ao
chefe de polica inlenno.
Offcio Do secretario da provincia ao
inspector da thesouraria das rendas provinciaes,
acensando recepcao do balancete 0 demons-
tracao do saldo existente no respectivo cofre em
31 de Janeiro ultimo.
Dito !o mesmo ao juiz de direito do cri-
Miguel da Fonseca Soares de Figueiredo es-
crivao 11. Rangel ; foi a sentenca conlirmada.
Na appcllacao civcl da cidade das Alagues ,
appellanle habel Maria, appellado Antonio
Pinheiro de Sonsa escrivao Posthumo ; foi a
sentenca confirmada.
Os embargos de Manoel I5e/.erra do Albu-
querque contra Sarci/.o Jos Ferreira naap-
l'ellacao civel da comarca do Cear escrivo
Ferreira ; lorao desprezados, e reformado o
accordao embargado.
Do aggravo de peticao do doutor Manoel
Francisco de Paula Cavalcanti de Albuqucrque
contra D. iNIaria de Jess Cordeiro doiUHO
da 1.a vara do civel ; so nao tomou conieci-
menti).
Os embargos do Manoel CaetanoSoares Car-
neiro Monteiro contra o thesoureiro e escrivao
da I." parte da 3.a lotera do Hozario escrivao
\\. Rangel; foro desprc/ados.
Os embargos do Jos Rodrigues de Sena ,
e outros contra Antonio Goncalves da Fonseca,
na causa de dia de apparecer da comarca de
Santo Anlao, esciivao Ferreira; fo rao des-
piezados.
Na appellaco civel desla cidade appellanle
Dito Vo mesmo ao juiz uo oireuo uo en- Na appe||a(.5o cve| desla cidade appellanle
me do Rio-formoso.communicando ter o Exm. Jose i{t(jrgUes pinheiro appellados Antonio
sr. presidente mandado passar nomeaco Intc_ j ja ,>i|va & C. escrivao liego Rangel; foi
ria do escrivao privativo do jury de -erinhem Cnrrma,]a a sentenca.
_ privativo uoj
a Joaquim da Costa Arruda e Mello ; e decla-
rando queom consequencia d'csta nomeafo
(leve leixar de ser chamado para servir 'aquel-
la termo o escrivao do da peca da comarca ,
como se determinou em 17 de marco do anuo
prximo passado.
Dito Do mesmo ao commandante das ar-
mas remoliendo, ulgados pela junta de jus-
t<;4. os pocessos dos soldados do 2 balalho
d'artilharia p Francisco do Sousa Pontes ,
Francisco Antonio de Sousa Antonio Manoel
i confirmada a sentenca.
Na appellaco crime da cidade da l'araiba ;
appellanles Manoel Francisco de Dos, e ou-
tro, appellado a justica escrivao llego Ran-
gel ; nao tomro conhecimenlo do recurso.
Na revista civel, recorrente Joao Clemente
Vieir Souto recorrido Manoel de Azevcdo
Sampayo escrivao Jacomo ; se julgou a favor
do recorrente.
Rendimento total da meza do consulado desta
cidade, no mez de Janeiro fmdo a saber :
railCICO AlHlMii" uc ouu i.------------------i nutiot, w mi v""v'
e Mello, e Manoel Antonio do Kspirito Santo, Dlreitoi de 7 porecnto.. 73:'28S.O-20
e os dos do corpo destacado Francisco Jos Ce- '
menta e Narci/o Correa.
PERNABS3UCO.
Ditos de 1,2 por cento...
Ditos de 2 por cento-----
1,116
4,913 73:291,051
Ancoragem de 50 rs.....7:142,600 1,2
Dita de 30 rs...........2:116,912 1,2
r-tTjrta-delOrs........... 308,535 9:o<>8,0.8
Tribuna! da lletn^So.
SESSA DE 6 DE FF.VKREIRO DE 18.
UIIIUIUI1IGII1UJ UBVSI tl*JWV-J
Depsitos, que excederao
tir annu.
muw ...... jjC jjniiu.............
Na appcllacao civel desta cidade appcllante Pape| de passaportes....
Lehman & C, appellado Francisco Poir.er SizadeS porcenlo..... UJ
escrivao liandeira ; so mandou averbar os
por
Dita de lo por cento-----
,050
1 -.380,000
i* tan
30,426
,300
1:575,050
Dita deieors. porcada
de nssucar.......... 615,280 *
Dita de 40 rs. por tedio
de dito............. 14,720
Dita de 20 rs. por barrica
e sacca dito......... 734,300 31:064,409
Diversas provincias.
Dizimo do assucar da l'a-
rabiba............. S.68T
Dito do dito das Alabas 2:375,362
Dito do dito do Ro-gran-
do-do-norte......... 15,026
Ditt) do algodaoda l'ara-
biba............... 159,112
Dilododitodoltio-gran-
dc-do-norle......... 2,191 2:533,348
Rs. 119.203,361
Pernambuco 5 de fevereiro de 1844.
Pelo Administrador
Francisco de Paula fapet lle's.
Variedades.
Sello do i/10 por cento.. 1:045,632
Dito de 1/20 por cento... 60,737 1:106,369
Osembardos do Manoel da Silva Neves con-
tra Jos da Silva Neves na appellaco civel des-
ta cidade escrivao Randeira ; lorao rccebidos,
e reformado o accordao embargado.
Na appcllacao civcl desta cidade appellanle pr0V1Iltlu............,.
Me. Calmont, appellado Nuno Mana de Se.- ,)ito do algododila.... BM>
xas .escrivao Poslhumo ; foi confirmada a, I)ilo do caf dita.....
crn,' i Dito do fumo dita.....
N appcllacao civel da cidade de Goianna..T. di.-rs. porracea
appellanle Ignacio Rento de Loiola, appellado'
FOLHETS
Dizimo do assucar desta
provincia...........24:205,784
-"18,751
3,430
2,904
2.15SoT..T7.7.";: 169.24o
85.585,604
O CARAPUCFIIIO.
O HABITO E A AUT01UDADE.
O habito tyrannico sobre pessoas ediotas ,
e na idade senil menos intenso as outras,
mas sempre forte em todas torna-se multas
vosos damnoso aliciando o pensamento re-
primindo-lhe o desenvolvimento retendo-o
em eslreito circulo a maneira da gravidade, que
recondu/. c retm o pndulo no mesmo arco
de oscillacao. Ochimico quer explicar todos
os fenmenos com as leis da alinidade ; o ge-
metra reduz a problemas de geometra al as
variacoes do pensamento ; o mechanico veas
leis da silica em todas operayes da nalure-
u, itdaarto. Qcava'l liroLouvjilleem todas
as obscrvac3es aslrenomiw s descobrla o giro da
eclypt.ca. Tod.os os grandes lenomenos da tr-
ra moslfavao & Galilcoosau movimenlo diurno:
Fvclio chava toda a astronoma na la,da qual
se (aculara toda a sua vida : Rlank conlessou
ingenuanie: te a l.avoisier, que o habito de en-
sillar por 30 anuos doutrina do ilogistico o
afasiou |ioi iiiuitu empo da nova dbutrinado
ar. Em geral nos suppomos que as nossas ob-
servavOes particulares teem um caractci exclusi-
vo e absoluto e indico os limetes da scien-
cia. Toda vez, que a preguica do homem o
tnrna oiiso da sua pouquidade elle lolga com
isso "presisle no *scu estado e oppoem-se a
novas combinacoes.
Nem outros frao os motivos, por que o mo -
vimenlo da trra por exemplo acirculacao
do sangue os fenmenos dos plipos a de-
composiyaod'agua, a accao inensivel dos ga-
ces b novo sjtema dos pesos das medidas ,
das modasencontrro obstculos em as ideias
habitUAM do vulgo. O imperador do Japao
quasi arrebenta de rir quando Iho disserao os
GENOVEJA, A LOURA.
3.
Era o que na realidado convinha, Sr., con-
llnuou Prudencia; mas em que pdem aprovei-
r os melnores conselhos quem nao esta no
casodeab;slii-Ku,r2orcar;n'os;
vevaomesmo, Q^"" -^ nara.
tabelecer-se; porm Jamis a alfgr a reappare-
ceo sobre o seu ro.to; porque Paulo conservou
o arlanauido, que urna amcaca, sempre pre-
sente, ara o coraco d'uma mi. O medico,
chamado pela segunda voz, receitou drogas ca-
ras; o boticarlo. muito pago puntualmente, loi
a final obrigado esperar; ao que principio
ore.tou-so de bom rado; mas, quando a divi-
da enseco, nao quiz continuar a vender cr-
dito.
Ento a nossa casa tornou- se um triste es-
pectculo. Genoveva jolga va a vidiido n o de-
pendente de quaiquer prescnpc> do doutor, e
,le*esperava, quando nao poda sal.sfazel-a 19.
vergonhosa.eta tmida, oomo a, ***rr>
a mao.os ricos, de quem. antes de retirar-se,
TJX^SSSnSS^ Parai ZZ^^^ "nica casa havia
de que linha neMlsu"i. |rRhi|har. vendeo S ____------ nrm finh batido, era a do
seo. o IW so..:.., ,f-" a caSili quasi cm ,T.F^.t-a.t
Genoveva curar-ee, o suas frcas paretrao rts-
OVide Jario n. 26, 27, 28; c 29.
Sr. Cesar RaimbauL
ATirmava-se-ihc, que o Sr. Cesar poda to-
mar-fho o o, e temor d'uma .
linda sido sempre superior ao desejo de ser so-
corrido. M'um dia. em que estavac em lm es-
golados todos os nossos recursos, declarou o me-
'.' t
dico, que s restava um mcio de salvar a vida
de Paulo, o qual era fazel-o tomar urna bebi-
da, cuja reccita. retirando-se, deiiou Bear.
ir a botica semdinieiiu ca ueic um teilipo
precioso; Genoveva sabia -o, e nem mesmo simi-
Ihantjideia iho occorreo; acceitou poz essa ul-
tima, e bem pesada cruz. Depois de, coberta de
lagrimas, ter ajoelliadn junto ao berco de seu li-
Iho, depois de ter abi murmurado algumas pa-
lavias, que nao me foi possivel ouvir, sahio, e
dirigio-se para a avenida, que conduzia ao cas-
te"0 .
Grandes mudancas tinhaS all havido. Ao
cabo d'um anno de ausencia, tinha o Sr. Cesar
sido chamado pelo lio, que, reconhecendo pr-
xima a morle, havia estipulado como cndilo
heranca, quo Ihe deixava, o seu inmediato
casamento com Clotilde Paulet, que uns diziao
___nu..a.. ^..i'- mi > Sr aimbsut. O
casamento efTeituou-se semdifliculdade; e obr.
Cesar regressou M"' para vir receber os aueo-
ses do tij, e tomar conta do todos os seus bens.
Com quanto nao tivesse sabido do que acon-
teceo a Genoveva, quando se apresentou nesta
casa, onde havia sido criada, seno muito de-
I Hollandezes, que a sua nac5o nao era governe-
da por um rei. O Iroque/es, e os Algonqui-
nos nao entendio, tomo se podesse fa/.er a
guerra sem assnr ao logo o< prisioneros. An-
da admitlindo, que o homem aeja ntensivel
ao prestigio da novidado, lora de duvida, que
a inercia prevalece R0 Bspirilo humano e que
algum prazer encontra nessa habitual servidlo .
quo 0 dispensa da fadiga do pensar. D'aqui
opina o doutor Hooke.que na solucSo de quai-
quer problema deve o sabio sempre inclinar o
animo para o lado opposlo aquello que o
conduzria o seu gosto favorito ou a sua ha-
bilual maneira de pensar.
Os hbitos excrcom maiot imperio sobre as
massas sociaes do que sobre os individuos :
d'aqui veem-se respeitados usos absurdos no
mcio de nacSes onde a voz de muitos os de-
sacredita. A academia dassciencias de Pariz
observou em leus rclatorios a respeito do gran-
de hospital quo os prejuizos dorio menoaiob
um s administrador, que sob muitos. 'lam-
ben! em consequencia da nossa inercia antes
queremos julgar com os olhos do nossos maio-
res, do que com os nossos proprios olhos. O
peso dos sceulos faz-nos curvar a fronte, ca
ferrugem da antiguidade, como que se commu-
nica ao nosso animo. D'aqui muitos em vez
de calcular a somma dos bens, e dos males, quo
pode urna lei produsir perdem-so as trevas
dos passados tempos para encontraralgumpovo,
que a admittisse ou regeilasse. Os sacerdotes
do Fgyplo, quando sngravao os seus res. fa-
ziao-os jurar quo sob pretexto algum intro-
duziriSo no paiz usos estrangeiros. As mais ce-
lebres universidades especialmente a de Pariz no
14 seculo levarlo a sua veneraclo por Aristte-
les a tal extremo de extravagancia que oses-
tudanles erao l'orcados a jurar de defender to-
das as opinies (leste philosopho, as de Averroes,
c dos mais seus antigos comentadores. As bai-
xellas da China sao mal construidas ; c posto
que os Chioetes nao possao forrar-se admira-
cao a respeito das da Europa, todava os seus fa-
bricantes licao espantados quando se Ihes pro-
poem, que imittem a estas. Ellos di/em, quo
a sua fabrica conforme ao sntigo uso da Chi-
na osealguc'm insiste, demonstrando Ihcs
os inconvenientes respondem : assim est es-
tablecido no imperio e quonto basta An-
tigamente os relogios de Rasila davao urna hora
antes dos outros do maneira que ja era meio
dia nessa cidade quando no testante do paiz
anda erao on/c horas. Esse porm qual fsse
a origem (leste usoantigo, e absurdo de bal-
de tentraosuprimil-o os magistrados. Esta
supersticiosa confianca as praticas dos antepas-
sados foi causa de no observatorio de Pekinc se
nao faur uso de telescopios para os objeclos ,
que fogem a vista e do pndulo para medida
do lempo. Na mesma Inglaterra, e no seculo
17 o grande Uarvey que se fez Ilustre pelo
descobrimento da circulacao do sangue, foi tido
pois, vou todava contar-ll.'o. Oa fmulos, que.
a excepcao de urna antiga criada grave, erad to-
dos novos, ao ouvirem urna rapariga to bella
procurac peo amo, pozerao-sc a cnasquaai-a;
mas, quando viro-no alHigir-so por saber, que
o Sr. Raimbaut eslava na cassa, compadecrao-
sed'ella. Um dos criados disse a Genoveva, que,
se vinha pedir algum soccorro, devia dirigir-so
Sra. Raimbaut.
A Sra., accresccntou elle com o tom cho-
carreiro.de que so serven os criados, quando
fallaodos amos, nem sempre est de mo hu-
mor, ftalvcz vm. a achede boa mar.
Genoveva nao hesitou; o que Iho podia ser
mais lerrivel do que o perigo do Paulo? Acom-
panhou o criado, atravessou vanas salas, ta
ricamente mobilhadas, que com dilficuldade as
reconheceo, o parou porta de um salaosinho,
onde percebeo dizerem com impaciencia ho mu
guia
DU-lhe, que nao cstou ahi Porm Geno-
veva eslava resolvida soTrer tudo; approxi-
mou-se, e o criado, pouco s'importando de im-
portunar a ama, nao ihe prohibi a entrada.
Senhora, disse humildemente Gonoveva

*'l
T
A


fc
=
por temerario por se haver apartado da trilha
da antiga escola e como medico perdeo boa
parte du sua clientella.
Se examinarmos porm em si mesmo o argu
monto tirado da autoridade dos nossos maiores
adiaremos: l.quo, sendo cstranho naturezn
da ideia proposta, nao subministra criterio al-
gum para distinguir as boas ou ms qualida-
des. 2."este argumento presta o seu patroci-
nio astim as mais salutares como s mais per-
niciosas instituices tanto as boas como ;s
ms leis. Ossystemas discordantes dos Brami
nes de Eo e de Mabomot nao tivero ou-
tro arrimo san So a autoridade dos antepassa-
dos. 3-1 se verdade que a experiencia mai
da sabedoria ; se a experiencia cresce na rasao
da idade claro, que oseculo actual deveser
mais sabio que os antecedentes; porque ex-
periencia de outros une a propria similhante
a um rio que engrossa a proporcao que vae
descendo : 6 claro oulro sim que os nossos
maiores erao os mocos, e nos os velhos. Entre
individuos contemporneos, (diz Jeremas Ben-
tham) collocados na mosma situado, o mais a-
vancado em annos possue seguramente maior
fundo de experiencia ; mas entre duas geraces
a cousa muilo diversa ; isto ; a que precede
nao podo ser to rica de experiencias quanto
a que se Ibe segu bem como um rio em sua
madre menos rico de aguas, do que na sua fot
Dar s geraces anteriores o nomo de velbo
tempo 6 o mesmo, que cbamar bomcm velbo
a um menino decoeiros. A sabedoria pois do
Telbo tempo nao a sabedoria dos cabellos
brancos seno a sabedorh da infancia. Quem
pretende conduzir-se pelas opinies d'outrose-
culo (a/o mesmo que farii um vijeiro ex-
travagante que para ir, por exemplo, do Pa-
r/, liorna preferase iar-se em um itinerario
do seculo 12 a seguir o mais recente livro de
posta.
Advirta-se porm que, quando inculco o
exame das opines, de nenbuma sorte pretendo
tirar a autoridade aos lados, quo nos trans-
mit! r3o os antepassailos como resultados da
sua experiencia. Giles lrao o que nos somos;
clles soflrrao males, c procurro rcrnedial-os:
a sua pratica forma urna parte da nossa experi-
encia ; o que elles reconhecro por bom em
lodo o genero constitue a nossa heranoa. Nos,
por exemplo, j nao eremos na phizica de Aris-
tteles ; mas conservamos os fados que Aris
toteles colheo e as varias idades eonlirmro.
Do respeito supersticioso s opinies da an-
tiguidade pareco lilho natural o ojio contra to-
da a innovacao. Com o primeiro prejuizose
di/: nos queremos manter tudo que foi es-
tabelerido pelos nossos maiores : com o segun-
do se diz : nos recusamos fazer o que os nossos
maiores nao lizro. Este prejuizo endereza-
se condemnar tudo, quanto at hoje se tem
leito ; porque o que actualmente se cbama an-
tigo algum ilia (oi novo; e tambem cncaminha-
se condemnar os progressos do espirito bu-
mano cm todas as artes e scicncias. Km de-
feza deste prejuizo dil-se que, se a ninidade
proposta fsse til, j loria sido adoptada pelos
nossos maiores que sabino mnis lo que nos.
Mas esto sofisma responde a historia mos-
trando-nos por urna parte muitas novidades u-
tilissimas que frodesconhecidas de nossos
maiores e por outra que algumas novidades
achraoopposicao nos interesses privados.Servia
d'exemplo a t.1 proposicao a publica illuminaco
nocturna, c-ulioduziiia smenie oseculo passado
na maior parte das cidades europeas e ainda
boje nao estabeledda em todas : sirva de exem-
plo outro sim o uso de sepultar os morios cm
cemiterios abortos antes, do que as igrejas ,
como nos deix&ro os nossos maiores. A se-
gunda proposicao sirva de exemplo a escravido
dos servos da Gleba conservada, e delendida
por tantos seculos pela usurpaco pela frca ,
pelo interesse ambicao e vaidade dos feuda-
senhora Haimbaut, que lia, ropimpada em urna
poltrona, leconheco, que vonho incommodal-a;
mas, se vin. sabe avahar, (piando soffrer urna
mai, que v seu lilho expirar, stou certa, que
me perdoara essa impertinencia.
'( A Sra. Haimbaut, odiando para Genoveva
com arde surpresa, e enfado disse :
J 6 mai.' que idade tem, quando se ca-
sou?
Nao sou casada, respondeo Genoveva co-
rando.
i;, Ah isto outra cousa, eme explica a
sua ousadia.
A senhora Haimbaut tornou a pegar no li-
vro, quehavia largado, e accrescentou:
Nsds !b? posse- fazer; bem sabe, < muitas mais de familia honradas, cujos dinitos
caridade sao mais respeitaveis, do que os
seus.
Senhora, nao para mim, que eu implo-
ro a sua proteecao, exclamou Genoveva, con-
tundida d'um tal acolhimento, 6 para urna in-
nocente creatura, que morrer, se alguma alma
piedosa nao soccorrer.
Nocustumo iiiteressar-me por bastardos, j
tarios : sirva de exemplo o trafico dos negros ,
que despeito da biimanidade e da religiao
ainda nao tem sido possivel abolir-so ; porque
grandemente defendido pelos interesses pri-
vados.
A palavra innovacao 6 argumento d'aquclles,
que querem salvar algum interesse clandestino.
Sendo impotentes para sustentar, com boas ra-
zos, assuas thescs.ees recorren) essa palavra;
porque sabem que a ella andao posto que
indevidamente, associadas as ideias do estragos,
e d'anarcbia e fallo imaginacao persuadi-
dos que nao podem ser attendidos do juizo.
Essa palavra s por si deve aterrar as almas Ira-
cas susceptiveis de movimentos sentimentaes;
mas niiu de actos reflexivos. Sao certamente
condemnaveis as innovaces que, produzindo
corto abalo nos hbitos e daino (ualquor
classo nao dcixo apoz si a compensaco cor-
respondente. Mas, quando a sua utilidade
evidente, querer oppor-se s innovaces|o mes-
mo, quo querer, que as estradas estreitas,
tortuosas, c encharcadas do nossos maiores pre-
liro ;s estradas direitas espacosas c enchu-
tas dos lempos actuaes.
Nao possivel que o Brasil do hoje o
Brasil do seculo 19 seja adminisliado da mes-
ma sorte que o foi, ha 60 annos dcsta parte.
Causa-me d, quando nao riso, o pensar d'al-
guns que entendem que o remedio aos
nossos males polticos seria o volvermos mo-
narchia absoluta do nossos maiores. Km ver-
dado, se entao era toleravel esse rgimen pro-
vinba isso dos costumes assim dos governantes
como dos governados. Os bomeni d'aquelle
lempo erao mais cavalheirosos mais (ementes
Dos e conseguintemente mais subordina-
dos, e observantes das leis : tinho brio ti-
nhao palavra e punhao a honra cima de tu-
do : mas hojedomino oulros principios; hoje
o nosso idolo cuiinheiro, gosar todo o nos-
so intento a religiao essa atiramol-a para
o meucalho entre tanto que nos a este respei-
to ou somos indiferentistas ou atheos. Alm
disto as mximas da igualdado c libordade sao
os dogmas do presente seculo : e ser possivel
que hoje se governem os povos como sego-
vernavo n'aquelles lempos?
\< Os inconvenientes e males que sofTremos
veem de nos mesmos, veem das pessoas, e nao
das instituices. Quando governamos, todo
o poder nos parece pouco e insuficiente ;
quando somos governados ludo julgamos de-
masiado, s queremos agorentar as attribuicoes
s autoridades e conspiramos para Ihes tomar
o posto. Quein ignora que a punicao dos
criminosos e malfeitores 6 o primeiro elemento
da lelicidade social ? Entre tanto donde pro-
vm seniio de nos mesmos a to geral e es-
candalosa impunidade? Somos nos que ac-
colhemos, c protegemos os assassinos e sica-
rios ; porque os queremos para ministros dr
nossas vingancas: somos nos quo envidamos
todos os esforcos, para que taes malvados sejo
absolvidos no jury te. &c. : e ainda cusa-
mos ufanar-nos do livres e hons patriotas?
De mais, para que sao esses lamentos, essas im-
proicuas saudades do rgimen absoluto? Seja
qual fr a lrm de govefoo que tenhamos,
sempre este ser absoluto em quanto lormos
corrompidos e ebeioa de vicios; porque, em-
bora o systema escripto seja a propria repblica
de Plato eu chamarei absoluto a todo e
uualqucr rgimen om n nn| prsticsmcRtc
dominao as paixes e caprichos dos homens ,
o nao as leis.
Um dos graves prejui/os para oconbecimen-
lo da verdade est em tomarmos por norma na
eseelha das opinies, na as razes que as
provao sim o numero (ras pessoas, que a se-
guem. No anno de Christo 718 instado Rad-
hodo principe dos Friscs, para que renunci-
ase o paganismo, prometteo ao hispo Wol-
(ramno receber o baptismo ; e j havia posto
disse framente a senhora Haimbaut; creio,
que os ha em demasa.
Oh! Senhora, que crueldade mas eu Ih'a
porda; un. nao tem Silbos, e por isso ignora,
que dr certas palavras causo urna mi.
Agradeco-lho a indulgencia, disse a Sra.
Haimbaut interrompendo-a; porm, repito-
Ih'o, ha desgracas mais dignas de soccorro, do
que as suas, por isso mesmo que sao menos me-
recidas.
E ia puchar pelo cordSo da campanhia,
quando Genoveva, (ora de si, ajoelhou, o disse:
Em nomedo co, Sra., nao deixe de soccor-
rer-me; nao seja causadora da morte de Paulo;
porque so meu filho, tambem n do senher
haimbaut.
Laborava em um engao, exclamou a se-
nhora Haimbaut com impeto.Voce a rapari-
-.i, de quem ja so me havia fallado; a que pa-
gou os beneficios, que Ihe prodigulisou a Sra.
haimbaut, sedusindo-lhe o sobrinho; a que
pretondeo amistar um moco de familia nobro
um casamento extravagante; eattreve-se ap-
parecer-me Dito isto, tocou violentamente a
cumpa, e ordenou a o criado, que fizosse sabir!
o p no baptisterio quando Ihe occorreo per-
guntar a Wollramno, se ello cria, qne entro
os seus maiores haviao mais individuos no in-
ferno ou no paraizo : e como quer que o pro-
lado tivesso a imprudencia de responder secca-
mente que haviao mais no inlerno o rei re-
tirou-se dizendo : mas val seguir as opinies
do maior nnmero do que do menor. Nao
conbecendo Radhodo as numerosas provas, em
que se funda o christianismo e monos a bel-
leza esublimidada da sua moral, cedeo ao
respeito pelos seus maiores o opiniao pro-
fessada pela sua naco. Segundo a lgica d'a-
quelle rei nos devoramos ainda hoje tremer
vista de um cometa ; porque assim o praticrao
por muitos seculos os nossos maiores. Bem
longo eslava elle da ideia de Fontenelle que
dizia. O numero dos que admittem um sys-
tema eslabelecido nao augmenta ncuhum grao
sua probabilidade em quanto que o nume-
ro dos que duvido alguma cousa Ihe tira. O
estupido Musulmano ainda hoje raciocina co-
mo raciocinava Radhodo no oilavo seculo.
Alm disto releva confessar que o argu-
mento tirado da autoridade do maior numero
um resultado necessario da nossa ignorancia ,
e da nossa fraqueza. De corto que asomma
das ideias, que cada um pode adquirir por si
mesmo, sempre pequenissima em compara-
cao das que recebemos dos outros. Em quasi
todas as circumstancias da vida somos forcados
recorrer experiencia de outras; o muito
natural queos juizos que se toman empres-
tado rresco de preco na razo do numero c
da qualidade das pessoas que os garan-
te.
A raidade de pessoa de escola de partido,
de naco c de governo oppe mil obstculos
s novas comhinacos. As nossas opimoes tor-
no-so um patrimonio que defendemos com
calor, e o tempo longe de as enfraquecer ,
nos torna mais obstinados. Accaso vistes j
( diz Bailly ) um Molinista convencer a um dis-
cpulo de Jansenio ? Um moco forte de razcs,
e de verdades conseguir nunca o fa/er que
um velbo mude de opiniao ? Similbantes com-
bates pdem comparar-se aquellas batalhas ,
que nada decidem edepois das quaes osdous
partidos cantao o Te-Deum. o bom Panglos
sa persuadido do que o mundo era ptimo ,
apezar de preso, perseguido, eespancado,
vivia dizendo que tudo ia o melhor possi-
vel.
Cada um julga do seu dever nao examinar,
mas conservar os seus usos assuas opinies
com o amor e cegucira da vclhice. A refor-
ma do calendario gregoriano necessaria para
os cmputos annuaes foi regeitada pelos es-
tados protestantes e se bem que os ciumes ,
.c prejuizos de religiao cedro a final forao
precisos dous seculos,para qae a refrmase tor-
nasse geral. O systema de Newton relativo
gravitacao universal achou a maior opposieo
na academia das sciencias de Pariz que com-
bata sobre as ruinas do systema de Descartes.
Os homens pela mor parte asscmelho-se aos
gegrafos Chinezes que fazem a Ierra qua-
drada ; porque tal a forma do seu imperio.
Elles crem que a China oceupa toda a Ierra ,
de que apenas por favor deixao algum pequeo
ngulo aos demais povos, caracterizando-os
por homens monstruosos, andes gigan-
tes &c.
O bcmC'i cnipraz-se da sua inercia ain-
da quando se peje da sua ignorancia ; pelo
que accolhe a duvida que o mantem n'aquel-
la e o excusa desta : d'aqui a razao, por que
lodosos inventos teem sido expostos aos apodos
da ignorancia coligada com a inveja. Antes
que Colombo passasso America o seu deseo-
hrimenlo era impossivel: mas, logo quo o pro-
jecto leve feliz successo nada havia mais fcil;
os antigos j o tinho eecluado e aquelle nao
mereca nem a honra da invencao.
Genoveva, o, sob pena de ser despedido, a mpe-
disse, at de approximar-se do castello. Geno-
veva, durante ted essa scena, s lii dado
attenco um magnifico collar d'ouro, que a
Sra. Haimbaut trasia ao pescoco, edo qual um
nico annel tal vez bastasso para por salvo a
existencia de Paulo; vista d'essecollar recor-
dou-se, de que o annel nupcial de sua mai an-
da nao tinha sido vendido. Esta lembranca fui
o mesmo, que um raiodeluz. Sem responder
as injurias, que acabava de Ihe ser dirigidas,
sem mesmo as comprehender, porque naquelle
momento smento urna ideia a oceupava, o pe-
rigo de Paulo, apressou-se de sahir.
vumio cnegou em casa, sem dar urna pa-
lavra, dirigie-se ao armario, tirou o annel de
urna caixinha.em queestava, echegando-o aos
oos do "nc, cntuG uCilu subi as minlias
pernas, disse:
Beija-o, meu filho, d'ello depende a tua
salvaco. O pequeo, sem abrir os olhos, pro-
nunciou o termo maman; era a nica de todas
as gracas, que ainda nao tinha perdido; e a po-
bre mai sahio com urna nova esperanca n'alma.
Durante suu ausencia, Sr., o aojo fallcceo
O que sao as modas.
Parece, que leve mu ita razo o faceto e
judicioso Erasmo quando disso que nao ba-
via quem nao tvesse seu tanto ou quanto de
loncura do manera que esto mundo bem se
pode chamar um grande hospital de deudos.
Para demonstrar esta triste verdade basta atten-
tar paid a ninita variedade e extravagancia
das modas. Ha tres para quatro annos pouco
mais, ou menos appareceo por aqu ( vndade
Pariz j so sabe ) a moda dos cabellos naza-
rena isto ; entrro os homens a trazer ca-
necas de jtideos ou sganos ; e as mocas a-
chavo-os la o bonitos Com ceito nao se viao
por ahi so nao res mouros profetas cen-
luries, e Ho lofernes de casaca com barbas,
e gadelbas de desmamar criancas. Principal-
mente a cavallo t ada uniera Mr. Bcrnab.
Mas esta moda to geral to aplaudida, t,lo
bella j passou : a g o que voga outra mo-
da diumetralmcnte opposta quero dizer; a-
gora o ultimo gostt' dos figurinos vivos, ou
pintados de Pariz trk icrem os homens os ca-
bellos to rentes com o casco da cabeca que
parecem uns doudos ass.:"' preparados para re-
ceber papas emolientes &c. &c. ou calieras
dos antigos donatos Nao 'Ia muitos dias, que
vi em certo casquilho urna metamorfose que
em verdade surprendeo-me e causou-mc una
sensaeo to dtsagradavel qi/e "So posso ex-
primir Na vespera tinba-o vis lo um comple-
to Israelita com urnas gadlhas o barbas lio
compridas que quasi me meltem medo. No
outro (lia eis se me appre/cnta co."11 a caliera
quasi raspada navlba ; mas com as barba
como dantos. Confesso, que fiquei enloado.
Nao tardara que se ache a nova moda mulo
inda. Tinha umita razo o snr. Erasmo.
Publicando a pedido.
Joaquim Jos Pereira dos Santos escrivao
das varas do civel e da terceira municipal des-
la comarca da cidade do Hecie de Pernambuco,
por Sua Magestade Imperial quem Dos
guarde &c. Certifico que, vendo os autos
de recurso que a petico retro menciona, del-
les consta ser o theor da sentenca de provimen-
to do dito recurso pedida por certido, da
maneira seguintc Tomando conbecimento
do presento recurso reformo o despacho fo-
Ihas vinle cinco : porqUanto, sendo a denun-
cia, folhas oito dada por haver o reo no
numero vinte quatro do peridico Indigena-
injuriado assemblcia geral e a pessoa de Sua
Magestade Imperial, devia o juiz a quo julgar
o reo incurso no artigo duzentos e trinta, com-
binado com o artigo duzentos e quarenta e dous
do cdigo criminal que o que no presente
caso tem applicafo e nunca no artigo duzen-
tos o trinta e sette, que inteiramente extranlio
a presente bypothcse e nao pode ser combi-
nado com o artigo duzentos e quarenta e dous;
nao podendo de maneira alguma prevalecer o
principio do que tendo o cdigo distinguido a
injuria da calumnia e cominado a cada uro
destes delictos penas differentes, no caso
presento deveria guardar a utesma sinccao ,
pois (ue vista da expressa e terminante dis-
posico do artigo duzentos quarenta e dous,
nao pode o juiz dar outra interpreta) o seno
: que grammaticalmmle nelle se contm, c isto
ainda mais quanto desta inlernrolnrn grsm-
matical nao resulta absurdo ; e sendo Sua Ma-
gestade Imperial e assemblca geral, pes-
soas a quem tanto damno se causa injurian-
do como calumniando tornando-se em am-
bos os casos despreziveis o odiosos, as penas
devio ser as mesmas, como anteriormente ao
cdigo criminal dispunba a lei de vinte de se-
tembro de mil oitocentos o trinta que tratan-
do dos abusos de liberdade de rnprensa dis-
tingui a injuria, que contm fados em que
cabe a aeco, da justica du que nao contm e
lentamente, e como urn menino, que adormece.
Senli muito a sua perda; mas a ideia dogolnc"
que Genoveva ia soirrer.occupou-mc ainda mais.
Nao sabia o que fazer; se pol-a par do acn,
tecido, ou deixal-a por mais tempo gosar da
esperanca. Quiz accender urna vela benta, e
pr-nieem oraco, firn do por esse meio an-
riunciar-lhea sua desgraca; porm julguei mais
prudente preparal-a gradualmente para isso.
Depois de ter depositado o corpinho no bercOi
voltei-o para a parede, o assentei-me... D'ahi
pouco Genoveva passou por defronto da janel-
la.com urna garrafinha na mo. Quando en-
'.rou, nao Uve animo de encara!-; na, venas,
que dirigia-seao leito de Paulo, fil a parar.
Dormo? pergunlou-mc ella.
Fiz-lhosignal, aue sim: mas as lacrimas
sattavo-me dos olhos, Genoveva percebeo-as, e
disse, comecando tremer:
Quero vl-o, Prudencia.
Agora, nao, respondi-lhe, sustendo-a.
Comprehendeo omfini, eom seu desespero ti-
rou com a garrafinha, que se lez cm pedacos, o
exclamou: meu Dos! vim muito tarde.
Kecebi-a nos bracos, o fui collocal-a sobre
i .


s
m paragrapho stimo do artigo segundo, tra-
tando da pessoa de Sua Magestade Imperial ,
nao faz dislinccao alguma o impoe a mesma
pena. Por tanto vista do exposto e mais
dos autos reformando como relormo o despa -
dio follias vinlc cinco ; julgo procedente a
denuncia do folhas oilo pelo crime de nitt
riar a Sua Migcstadc Imperador, e tamben)
pelo do injurias assemblea geral e a denun-
cia de lolhas tre/.o pelo crime do injurias so-
mente contra a pessoa do mesmo Augusto Sc-
nlior, e por cada um desle, crimes o reo obri-
gado a prisao e livramento como Incurso as
penas do artigo ddenlos e trinta ein dobro na
fi')rma do artigo du/entos equarenta o dous do
cdigo criminal. O escrivao laca rerncssa dos
autos para o juiz aqu e pague o recorrido as
custas. Recife vinte seis de Janeiro de mil oito
ceios quarcnta e quatro. Francisco Rodri-
gues Selle V. nada mais seconlinba cm dita
senlenca cima transcripta da propria om ditos
autos. a uue me renorto .. o van esta na verda
de som cousa que dvida faga depois de
conferida e concertada o por mim sobscripta
e assignada nesta cidade do llecife do Pernam
buco aos trinta de Janeiro de mil oitoecntos
quarcnta e quatro. Subscrcvi e assignei.
Jim l de verdade.
Joaquim Jos Percira dos Santos.
I Enxadas 30 machados 30 fauces 30 ,1 sortimenta de fa/endas limpas ingieras, e fran-
I fechaduras de j orlas 90 pares de dobradicas: ce/as,as mais proprias d'este mercado, por com-
,120, (errolbos 30. prehenderem alu> liosinbos, madapoldes, cha
COMMSRCIO.
Alfandega.
Rendimento dodia .......... 10:614S634
Deicarrego hoje 7.
Briguo inglezDianna bacallo.
RrigueMary-llammcll hacalho.
Galera inglezaColumbusfazendas, e ferro.
Briguo americanoSilph--dilTerentes gneros.
RrigueRobimdi Arenles gneros.
BriguoLadislao farinha.
II oriniento do Porto,
Navios entrados no dia ti.
Malaga ; 37 dias polaca hespanhola Ardilla,
de 110 toneladas, capito Jos Uliver, equi-
pagem 10 carga vinho e mais gneros; a
consignado de Joo Pinto de Cemos *
Filho.
libas de Sandwich, tendo sabido de Stanington
a 26 mezes ; galera americana Vuvask de
829 toneladas capito R F. Pcndletorn ,
equipagem 26 carga azeite de peixe:
consignaoo do capitao.
jandwich-slunds j 120 dias, galera amen-
rana \rw- York, do 325 toneladas capitao
Benjamim Pendletan, quipagem 36, car-
ga azeite.
Navios sahidos no mesmo dia.
Babia ; brigue escuna nacional Leopoldina ,
com man dltYto o 2 o tenentc Jos Pires Mon-
te i ro.
Trieslre : bruma dinnmarqnez Phnrmnidnn f
capitao Peter Jesson carga assucar.
Liverpool; barca ingleza Manchester, capito
JohnSemit carga algodo o assucar.
Philadelpbia : barca americana Navasse, capi-
tao Henry Col, carga assucar.
Laminbas: "barca seciliana Amntela, capitao
Andr Dibartolo carga assucar, e couros.
Declaraces.
A thesouraria das rendas provinciaos com-
pra por ordem do Exm. snr. presidente da
provincia osobjectos abaixo descriptos para
serem enviados aos Indios da misso do Choc ,
no termo de Flores:
a cama, j privada dos sentidos. Certa do que
sem soccorros, ella custaria muito tornar a i,
liedi a urna mendiga, que ficasse vigiando os
dous corpos inanimados, e resolvi-me ir ao
castello, persuadida de que Genoveva ainda nao
tinha la entrado.
Quando choguci, eslava-so mesa: o Snr.
Raimbautdava um grande banquete nesse dia,
a da anlc-camara, onde se me tez assentar, ouvia
eu, rir, fallar, o encontrarem-se copos. Fcil o
de comprohender o que enta so passava no
meu interior; mas o pesar, que essa alegria me
causara, tornou-se ainda maior. quando os cria-
dos so puzraO conversar acerca d-i que pela
manhSa havia tido lu*ar enler a uona da casa,
o Genoveva.
__ \ senhora, dis-e um, est de pessimo hu-
mor, depois da entrevista, que leve com a rapa-
riga. Acbou mo o jantar: nunca loi taddillicil
cuiitental-a.
Quizra saber, disse oiitro, o que se pas-
SOQ entre ella, e a pequena; mas Roberto, que
que ludo ouvio, guarda inviolavel segredo.
Faz-se discreto, pura que o interroguem,
As pessoas, a quem convier vender os referi-
dos objeclos.comparecaocom as amostras dalles,
ojjom as propostas dos procos na salla das es-
soes dit mesma thesouraria no dia 12 do cor-
rente ao meio dia.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaesde PernambucoO de (evereiro de 18M.
O secretario ,
Luir da Costa Porto carreiro.
=s O administrador da moza de recebedoria
de rendas geraes internas avisa pela ultima
ve/, aos devedores da taxa de escravos do ban-
co segos e carrinhos bens de mo mora e
de canoas, que espera al i o fim desta semana
para virem pagar o que estao a dever : pena de
proceder executtivo contra aquellos que deixa-
rem de o fa/.er. Recebedoria 5 de fevereiro de
1811
rrancICQ Xavier Cavalcanti de Albuquerque.
THEATRU PUBLICO.
QUINTA FF.IRA 8 DE FEVEREIRO
DE 1844.
DCIMA-QUINTA REPRESENTACAo
da
COMPANHIA RAVEL.
Ren'ficio de Madama Martin Giavelly.
Comecar o espectculo as 8 horas cm pon-
to por urna
Grande overtura.
Pansas de corda.
por toda a companhia.
Grande pasto de Schall,
por Madama Martin Giavelly.
O fre gladiadores,
quo teem sido applaudidos em todos os theatros
principaes da Europa e representados pelos
snrs. Francisco Ravel I .ton Giavelly e
(-arlos NVinter.
Inlervallo de 15 minutos.
Segunda parle.
Grande overtura.
pela orchestra.
O espectculo terminar pela nova panto-
mima intitulada
As Pillulas Mgicas,
Grande espectculo com transfbrmaeocs ,
mudancas &c.
DistribuicSo.
D. Francisco, ricoproprietarioMr. L. Frin.
Q cavalleiro Grinaldo Mr. Charles Winther.
Claudio rival de Grinaldo Mr. Francois
Ravel.
Pollito criado de Grinaldo Mr. Len
Giavelly.
Dentista Mr. Joseph Marcelti.
Elena, fillin de D. Francisco Madamc E.
Fnlon.
Arsenia lada Madame M Giavelly.
Escrivo notario estalajadeiro.&c.
O baile terminar pelo grande quadro orien-
tal Iluminado por fogo d'artiltcio.
Aviso* martimos.
= Para Hamhurgo Marcelha Genova ,
ou Trieste, 'Creta-so a muito veleia polaca
franceza Petrus capito F. Madre forrada e
encavilhada de cobre : os pretendentes dirigi-
se aos consignatarios J. P. Adour & (!nm-
panbin.
=. Para o Aracaty o hiato Flor-de-laran-
jeiras segu viagem imprelerivelmente no dia
18 do corrente por ter parte do seu earrega-
mento promolo : quem qui/.er carregar ou ir
de passagem dirija-sen ra da Cadeia do Re-
cife, foja de fazendas n. 37.
liO.loes.
O corretorliveira far leilao de bonito
observou o primeiro; quando nada mais se Ihe
perguntar, dir tudo.
O que se chamava Roberto annarpre er-
to, contou o que respeito do tuccedido com
Genoveva eu j Ihe refer, e accrescentou:
Ha muitotrmpoquca Sra. odeia essa rapariga;
e com quanto a nao conhecesse, ficou para Isso
habilitada pelo retracto, qued'ella Ihe fez a ve-
ha rsula. Esta rsula iinpagavel; percobeo,
que a senhora, sem atlenderaos servaos, que
mais de trinta annostem olla prestado aos Raim-
baut, quera despedil-a; e para vingar-se, con-
!tou-lhe, com o seu ar de indilTercntisino, quo o
'Sr. Cesar amara urna orfa, criada no castello,
c;;m quem qiiii Cssr, c qSc c^iiaa o mi,
que jamis teria ninguetlf tanto amor, como
o que Ihe consagrava.Esta orfa a mesma
, Genoveva, quo vein implorar da senhora ntt-
1 corros para seu lilho, isto 6, para o fllho doSr.
Cesar!.Muito ter-ino-hia eu rido cusa des-
ase caso, sea pobresinha nao estivesse to an-
gustiada; e ter-lhe-hia cortamente dado a es-
molla, que ta pedosamente pedia, su nao des-
,apparecessn com tanta precipitadlo.
llavendo-me impacientado urna siinilhanto
P
les. chitas, riicados lilas, brins. suspenso-
rio, plalilbas, cansas, panirnbos, batas, bi-
cos finos moiai do spila, <> de algodo &c. :
hoje 7 do corrente is 10 horas da manhia,
no primeiro andar da sua casa.
-JL.- ____------------- 1_______ L--------1I------i ---------
Avisos diversos.
Alugao-so tres casas terreas em Foi a-de-
portas sendo duas do lado da maro grande ns.
i o 6 e a outra do lado da ra n 5 : um
sobradinlio na ra do llom-fim na cidade de
Olinda ; quemas pretender falle em Fra-de-
portas com Manoel da Silva Neves.
LOTERA DO GUADE
HIPE.
Rfo dia 4 do correte
mez de fevereiro corre-
ro imprelerivelmente as
rodas desta lotera. Os bi-
llietes acliao-se venda ,
nos lujare." do costume
A pessoa que annunciou no Diario de
bontem precisar do dous pretospara trabalharem
em armase de assucar, pode dirigir-se a Rua-
nova n. 48
Offerece-se para ama de casa para todo o
sen ii o de portas a dentro urna iiiullier parda;
quem precisar procure em o tanque d'agua jun-
to ao thealro que abi achara com quem tra-
tar.
A senhora I). T. J. A. T. queira ir res-
gatar os seus penhores pela quantia de 25.000
rs. no praso do 8 dias ; do contrario sern
vendidos para pagamento da mesma quan-
tia.
Toma-se trezontos mil reis a premio por
lempo de um anno dando-so em seguranca a
parte de urna casa em Olinda ; a quem convier
annuncie.
= A luga se urna grande casa feita a moderna,
a qual tem i salas o (i quartos com cosi-
nha fra sita na cidade de Olinda na ra de
Mathias Ferreira ; quem a pretender dirija-se
a ra larga do Rozario na botica n. 42 de Ma-
noel Filippc da Fonseca Cande.
AlugaS-se duas casas terreas o novas ama
na ra do padre Fl iriano e outra no beco da
Serigado; os pretendentes dirijo-se a ruado
Cadeia do Rcco n -.'i.
= Ollerere-se un L'ortuguez que offiansa
a sua conducta para caixeiro de casa ingle/a ,
ou para qualquer cscriptorio : a tratar na Pra-
c-da-independencia n. 3V.
(hiom precisar do um moco Rrasiloiro pa-
ra caixeiro nesta praea ou matto engcnbo ,
cobrancaa, ou o que Ihe possa apparecer nao
sendo venda : annuncie por este Diario.
A pessoa que annunciou querer comprar
um relogio do sabonote de prata fabrica co-
berta de conslrucco ingleza bom regula-
dor ; dirija-se a ra estreita do Rozario botica
n. 10.
=Oferecc-se um pequeo,Portugus,de 14 a
IR nne de iddc, para t|uiiquer arrumacao ,
chegado nesta ultima viagem da Primavera ,
affiancando a sua conducta ; quem d'ellc pre-
cisar fenha a bondade de diri^ir-sc a ra do
Gollegio loja n. 16.
Precisa-se de um rapaz Portuguez d 14 a
16 annos do idade para caixeiro no Rio-gran-
de-do-norte ; quem pretender dirija-so a ra
do Cabug n. 16 onde se tratar o arranjo e
condicoes com vantagem se lor do boa con-
ducta.
= O bacharel formado Joao Floripcs Dias
cenversaco, nao quiz mais esperar, charnetas
insolentes, edisse-lhes, que tinha urgencia de
fssr&scs amo. ."uifjiu-iiie; uorm griiei
tanto, qne, tendo-se-ine ouvidoda sala dejan-
lar, o Sr. Cesar veio fra indagar da causa do
rnotim.
urna mulher, que absolutamente quer
incommodal-o, disse Roberto.
Sim, Sr., soueu, aecudi, approximando-
me; talvez j me nao conheca; porcm meu no-
me Ihe lembrar...
Reuonheco-a, Sra. Valin, disse elle, reco-
nheco-a; entre para o meu gabinete; ah pode-
r fallar- me mais vontade.
u A vista da deiicadesa do amo os criados li-
cro confundidos: mas eu percebi, que o te-
nsor do escndalo era a nica causa, que o leva-
va i sssii uumi. Apenas nos adiamos sus, tor-
nou-se elle carrancudo; porm, quando disse,
que vinha pedir-lhe o ultimo vestido para seu
lilho, quando tratei da bellesailo menino, do
seu abatimento, e mortc, quando fallei em Ge-
noveva pereceo commover-sc.
Ignorava tudo isto, disse elle; meus nego-
cios, emeu casamento mu teem distrohido; Ge-
Rarreto mudou a sua residencia para a ra
das Cruzes sobrado n. 22 : ahi contina
,- advogai no oivel, o crime.
.._ I ni professor de primeiraa lettras, exami-
nado o aprovado as materias que exige o ensi-
no pblico, e que tem mais do do/e annos Jo
esercicio prope-se a entinar por casas par-i
ticulares e dar lales iuio smente no que di!
respeito as primeiraa lettras. como tmbeme
msica ; quem do seu presumo quwer se uti-
lizar, dirija-se a ra de S. Rom Jess daaerr-
oulas.casa da esquina que \olla para a de Santo
Amaro, n. 46.
I.nva-se e ongomma-se com todo aceio,
perfeicao a promptidfio, por preco mais com-
modo que possi\el: assim como se acceitlo
costuras, tanto do aloiuto, como outra qual-
quer, que se oflereca; amado Aguas-ver-
des n 100.
= Perdeo-se um annelo rom um s bri-
Ihante c o aro eamajtado de azul ; isto desdo
o sitio do Mondego at ao tbeatro pblico ;
quem o tiver echado e o queira restituir, di-
rija-se 80 mesmo sitio grande do Mondego ou
a ra da Cruz do Recitan. 16 quesera re-
cem pensado.
bb Quem precisar de urna pessoa capa/ o
hbil para caixeiro de ra armazem ou ven-
da por bataneo o qual Porluguez de ida-
de de 22 annos, dirqa-se ao pateo do Carmo ,
esquina da ra de Hurtas n. 2.
= Na noute do dia :',() do mez de Janeiro pr-
ximo passado no lugar do Santo Amaro perdeo-
se umo bolea de contasde snra, u qual trazia na
mo temi dentro urna eaixinlia para rap.
de prata dourada e forrada de tartaruga ; qual-
quer pessoa que a tiver adiado, e a quizer
restituir se Ihe dar de gralilicacao o valor da
dita caixinha de prata; assim como presine-so
a quem fr offerecida de a tomar e le\al-a na
ra do Rangel n. .'i que se Ihe dar a mesma
gratificarlo qoerendo: a eaixinba h de quatro
esquinas.
Na ra da Calcada, n. 38 lava-se e
engomma-se roupa com toda a pcrfeiclo ; o
fazem-se vestidos de senhora carnizas do ho-
ineni e obras de alfaiate do qualquer quali-
dade tudo com promptido e mdico prefo.
Aluga-se um armazem. com 4 portas de
Irenle no Recito ra d'Apollo confronte
o theatrinho : quem o pretender dirija-so a
ra da Madre-de-Deos confronte a igreja, no
segundo andar que achara com quem tratar ,
das 7 as 8 horas da inanha e das 3 as 5 da
tarde.
(Juem annunciou precisarde de um sitio
perto da praca com capini para dous cavallos ;
dirija-se ra do Queimado n. (>.
Alugfio-se duas casas terreas ns. 4(!ei8 ,
na ra do Hospicio com bons commodos o
quintaes murados: na ra da Cadeia-velha
n. 38.
No dia o do corrente, pelas o horas da tarde,
cahio una aqueta de panno lino preto da va-
randa do sobrado da viuva Joanna Francisca da
Silva, na ra da Conceico da Hoa-vista: a
pessoa que aponnou-a ou della tiver noticia ,
iniiTi-ndo entregar, pode dirijir se ao mGsmo
sobrado, quesera gratificada.
= John Mac Doxvule pretende retirar-se pa-
ra fra da provincia e por isso avisa as pes-
soas que se julgarem credores do cima dito ,
que liajao de apresentar as suas contas no praio
de 8 dias para serem pagas.
= A requerimento dos administradores da
liquidacao dos fundos da companhia geral
extincta e por o juizo da I.1 vara do civel
desta cidade acba-se em praca para ser ar-
rematada de venda o lindos os das da loi ,
una morada de casas de dous andares, e soto,
n. 4" sita na Rua-nova com 36 palmos de
frente e 98 de fundo quintal murado, ca-
cimba propria porto em chaos loreiros ,
avahada em 9:000,000 rs. penhoradas aos
berdeiros de Joaquina, de Almeida Catanho.
mjBiiw.!!! } LiJ-'H'Jl- .PHSHHgBH^Ha
noveva devialcr-se-mo feito lembrar; este in-
feliz menino viveria talvez andaEu o teria
tomado...
Tel-o-hia vm. tirado do poder da mi, de
quem fazia as delicias, para o confiar aos cuida-
dos de urna mulher, quo o detestara sem dvi-
da: Genoveva receiava isto mesmo, o por essa
rasan nad llie communicou o seu nascimento.
Em quanto eu fallava, o Sr. Raimbaut a-
brio urna gaveta, cuja chave trasia com sigo,
lirou um sacco decem escudos, c, o entregan-
do-m'o, disse:
I'rocurarei conservar a vida da m3i; j
mtM nlopudo salvar a do StO.
Tive a simplicidade de cr'-r nessa promes-
sa; por'm d'ahi em diantc nao ouvi mais fallar
em siinilhantoprojecto; e, tendo Genoveva sa-
bido d'esse meu passo,prol:ibio-mederepe-til-o.
<( Que me rosta i diicr-vos, Sr. 1 Ha quinzo
metes, que isso sepassou, e o pesar de Genova-
va nao tem diminuido. A este pesar accrescc o
recelo, que ella tem, de ha ver abreviado a vida
de Paulo com a sua demasiada ternura; c is-
to o que a faz desfallecer cada vez mais !
(Continuar-sc-ha.J
'i
Kli Kjt


quem
O snr. Jos Maria Barhoza qjeira an-
nunciar a sua morada que se lm> desoja fal-
lar a negocio que Ihe diz respeito.
Precsa-se alugar uin sitio pcrto desta
praco que tenha casa baixa para plantar ca-
pim para um ou dous cavallos ; quetn tiver an-
nuncie.
A luga se o segundo andar do sobrado da
ra do Rango! defronte da botica ; a tratar
na ra do Cabug loja de meudczas de Joa-
qun) Jos da Costa.
A senhora que tem aula junto do dou-
tor Clemente contina a rcccbcr meninas pa-
ra educar, pois tem todo o zelo e cuidado;
ensina a ler escrever, doutrina obristla ,
grammah'ca portugueza arithmetica coser,
bordar de seda d susto de lacada do re-
troz de matiz de ouro e prata fa/er cacun-
d vestidos, e chapeos, marcar de todas as
qualidades, como umita perfeico e bom
adiantamento por proco commodo.
A ollicina de encadernacao que o pa-
dre F. C. do Lomos e Silva dirige na Rua-bcl-
!o n. 55 acha se provida de ricos ferros de
dourar, magnificas placas de relevo e cxcel-
lentes couros e marroquins de todas as cores,
com o que pode executar as mais elegantes cn-
cadernaeoes, que se exigirem quer inteira^,
quer cartonadas o o novo procosso que em-
gn no applicar, e bruir o ouro torna o seu
dourado de urna pennanenci a invallivel. A
mesma ollicina se encarrega tambem de bro
obar quaesquer obras impressas, coin a perfei-
co ja cenhecida do publico, e a um proco
moderado.
esappareceo urna cabra ( bicho ) preta
com malhas brancas e um filho com os mes-
mos sitiaos a cabra tem o pescoco com alguma
falta de cabellos per ter estado presa com cor-
da ; quem da rnesma tiver noticias, dirija-se a
Cambo-do Carnio n. 12, que sera gratificado.
- Ouem annunciou precisar do dous pretos
para armazem de atracar sendo que queira
um dirija-sea ra da Senzalla-vedja n. 68.
I m rapaz Rrasileiro, de 10 annos se
oflerece para caixeiro de alguma casa ingleza
ou franceza ou armazem de assucar
o precisar annuncie.
Quem precisar do urna ama para todo o
servico interior de urna casa dirijasca ra de
Hortas n. 2-.
Precisa-se de 200,000 rs. a juros dan-
do-so para seguranca um moleque de 20 an-
nos ; na Rua-imperial n. 66 ou na ra da
Senzalla-\elha n. 144.
Sebastiao Jos Pinto do Lima escrivao
do briguc-oscuna de guerra Leopoldina, ten-
do de retirar-se desta provincia neste navio e
como pela brevidad.; da sahida do mesmo nao
Ibeseja possivel despedir-sedas pessoas de sua
amizade eque com tanta pfodigalidade se
dignarao obsequial-o lama mo deste meio
para testoinunbar o quanto se acha penhorado,
c que jamis deixar das ter om lemhranca.
Aluga-se o sobrado da ra da Praia n.
37 com 3 andares, sotao e armazem, com
commodos para grande familia e tambem se
luga por andares ; a tratar na ra da Cadeia-
vclha loja n. 00 por precji commodo.
Aluga-se o armazem, o primeiro andar
da propriedade n. 49 da ra da Cruz ; a tratar
na ra de Apollo n. 23.
Quem annunciou querer comprar um
relogio com caixa do prata, querendo um de
(latente dirija-so a ra das Crozm n. Precisa-se de um sacerdote para capel-
dio de um engenho distante desta praca 12 le-
goas cujo capellana bastante rendse ; na
ra da Cadeia-vclha loja n. 50.
Perdco-se no dia 4 do corrente no aconi-
panhamonto da bandeira de S. (ionrallo des-
de o Monteiro al o Poeo-da-panea, um bo-
to do ouro do abertura ; quem o achou o ti-
ver consciencia, leve-o a ra doQueimado, loja
de ferragens n. 13 ou no Monteiro casa
que tica por detraz da groja que sera recom-
pensado.
Para maior commodidade dosseus alum-
nos o abaixo assignado tem mudado a sua re-
sidencia para a ra do Atierro-da-Boa-vista
n. 8 aondo contina a ensillar na sua aula das
6 as 8 horas da noute as pessoas quo se
empregao no commercio a fallar e escrever
a lingua ingleza. lamben) recebo na sua aula
das duas as 5 horas da tarde meninos que se
destinoa vida commercial, ensinando-lhesa
fallar, o escrever as linguas Irance/a, e inglez,
arilbmelica conliecimentosdos cambios, cs-
cripturai.o por partidas dobradas o geogra-
phia. Ao mesmo lempo se cuidar em que os
alumnos adquiri un: bes csracer do eitra.
Os pais que qui/c.em confiar a educacao
de sous filbosao abaixo'assignado so digna-
idu procura! c en sua ci Jo duas at as 5 ho-
ras da tarde. Jos da Maya.
Precisa-se alugar urna preta para o servico
RAPE FINO FI\Il\(EZA
DA BAHA E RIO-DE-JANEIRO.
= Acha-se venda o mui cxcellento ra-
p da nova fabrica deGodinhuda Baha, o do
Rio-dc-Janciro pelo mdico preco de 1:000 rs.
cada libra : osle rap chegado ltimamente ,
o torna-sc rnuito recommendave! pelo seu bom
aroma : roga-so aoscompradores, dosediri-
girem ao nico deposito existente n'esta pro-
vincia na ra da Cru/. n. 16, que anda
encontraro meias libras e levando porco se
far um preco muitorasoavel.
= CJuern annunciou querer vender um ca-
sa terrea em Olinda com bastantes commo-
dos quintal grande e boa cacimba queira
annunciar o lugar da ra, onde tem a casa, e
com quem se dove tratar do ajuste.
= Os administradores da extincta loja de
Joaquim Jos Fernandos da Luz fazcm publi-
co para con hecimonto de quem pertencer e
mui particularmente aos devedores do dito Luz,
quo o sur. Jos Joaquim da Silva Mala, a ni-
ca pessoa competentemente habilitada para a co-
branca do todas as dividas que quelles se de-
vino at hoje.
= Alugao-se 4 easinbas no Attorro-dos-
ATogadosa 4000 rs. cada urna ; defronto do
viveiro do Muniz sobrado n. 67.
SOCIEDAETHEATRALMELPOME-
NENCE.
su O primeiro secretario fazsciente aos so-
cios que hoje 7 do corrente baver ses-
siio extraordinaria da socedade pelas 6 horas
da tarde na casa de suas representacoes.
= Precsa-se alugar um sobrado de um an-
dar e sot5o com quintal e cacimba em
qualquerdas ras do bairro de S. Antonio ;
quem tiver annuncie.
Alberto Lavenre tem a honra do parti-
cipar ao respeitavel publico que elle contina
dar licoes das linguas franceta e latina de
mathematica geographia e desenlio : as
pessoas que pretenderen), pdem dirijir-se na
Roa-vista ra do Sebo casa do annuncian-
te ou annunciar pelo Diario.
Arrendo-se duas pequeas casas terreas
na ra do Palacete ; a tratar na ra do Amo-
rim n. lo.
Vende-so um moleque de 16 annos, bo- I = Vcndc-se sevadinha de Franca a 320 rs.
nita figura e sem vicios a vista do compra- a libra ; na botica da Rua-nova.
dor te dir o motivo; na ra do Crespo loja Vendc-se um casal de cachorros de fila do
n> 19 boa qualidade vndos prximamente da liba-
= Vendem-se sementes de todas as quali- de-S.-Miguel; na ra da Cruz n. 31.
dados de hortalica cestos para meninos apren- = Vende-se o patacho Hamburgucz Fort.
deremaandar, telhas de vidro, tudo por pre- na, forrado de cobre edo primeira marcha,
co commodo; na ra da Cruz n. 48. com todos os seus pertences; a tratar com os
= Yendem-so saccas com arroz da trra pi- consignatarios N. O. Bicber & Companhia ,
lado ; na ra da Cadeia do Recife n. 20. na ra da Cruz n. 4.
Vendem-socento o tantas barricas, que! Vendem-se sapatos franco/os do ultimo
fbrSo de farinha de trigo, proprias para as-' gosto, demarroquim, e couro de lustro de
sucar; na ra daCadeia-velha n 50. todas as cores para senhoras e meninas, ricas
= Vendem-se cassasde quadrinhos amarel- loalhas envernisadas com elegantes pinturas,
losa 180 rs. o covado ditas de quadros e lis- : proprias para meza do mcio de sala ; na RUa-
tras decores a 200 rs. ditas de cordozinbo a nova
200 rs. .cambraias de quadros com flores de
cor a 610 rs. a vara e a peca a &j rs. com
Compras
s= Compra-se urna garrafa ou maior por-
Co de azete de batopul ; na Rua-nova n.
41 segundo andar.
Compra-se um sellim usado, com todos
os pertences ; na Rua-imperial n. 2.
= Compra-se um palanqun) de rebuco;
quem tiver annuncie.
Compra-so um historia sagrada ; quem
livor annuncie.
Compra-so um sellim com todos os seus
pertences que esteja em bom estado ; na ra
da Cadeia do Recife n 47, primeiro andar.
Vendas
\ende-sc na Praca-da-iodependencia ,
livraria ns, 6 e 8, o manual bomooopatliico con-
tendo adescripcao, e Ira la ment das molestias,
que grasso com mais frequencia no Brasil, pe-
'odoutor Emilio Germon; um volunte de mais
le 300 paginas por 3000 rs. O maior e o mais
til desjuln ment medicinal, que jamis se
fez em lempo algum nao linha at agora na lin-
gua portugueza um interprete que o pozesso
ao alcance de todas as indiligencias. Esta falta
se tornava tanto mais sensivel quanto in-
conlostavcl, que as bellas curas que se con-
seguem todos os das em todos os ngulos do
vasto imperio brasileiro demonstrao do urna
maneira peremploria a eficacidade da bo-
mceopalbia om una multido de enfermidades
reputadas at aqui como ncuraveis. O presen-
te manual portanto destinado a derramar em
todas as classes da sociedade os beneficios da
boiiiu-opalhia pois contem em resumo a ma-
teria de muitos volumes ese aprsenla ao pu-
blico debaixo do melbor de todos os auspicios ,
e do interesse fgeral.
Vende-se linha de carretel de 200 jar-
das sortida de ns.; em casa de Russell Mel-
lors& Companhia na ra da Cadeia do Re-
cife n. 39.
=a Vende-se um piano novo, de forte cons-
8 varas o meia. Cortes de chitas finas a 3j rs. ,
ditas france/as de lindos padrOes a 200 rs. o
covado, ditas escuras finas a 180 rs. ditas
encarnadas com flores amarellas a 180 rs. o co-
vado lencos de 13a adamascados para pescoco
de senhora a 640 rs. meias de seda preta pa
rahomema 1000 rs. o par, lencos do seda
encarnados a 800 rs. mursulina muito fina a
700 rs. a vara e outras muitas fazendas por
preco commodo ; na ra do Cabug, loja de
Antonio Rodrigues da Cruz.
Vende se um cavallo castanho dourado,
carregador baixo at meio excedente passeiro,
mulo novo e manco proprio para senhora,
ou homemde idade ; na ra do Hortas, so-
brado de um andar por cime do urna tonta de
tarlarugueiro junto ao acougue
Vende-se vinho geropiga superior, em
garrafas; na ra da Cruz n. 37.
Vende-so salsa-parrilha superior ebe-
gada do Para no vapor lmptratriz ; no arma-
zem de Fernando Jos Braguez ao p do ar-
co da Conceicao.
Vende-se um bonito annclSo com um
diamante esmaltado e um punhal pequeo
todo apparclhado de prata com dous cora-
ces de ouro ; um jogo de pistolas de algibeira,
tudo por preco commodo ; na travesssa das
Crzes n. 14, primeiro andar.
Vende-se um sitio com bastantes arvo-
redos de fruclo baixa para capim casa de
podra o cal, na estrada que vae para Bebiri-
be no lugar Agua-fria por prego commo-
do ; na ra do Qneimado, loja de ferragens
n. 4.
Vende-se urna porco de barricas, que
forao de farinha de trigo por preco commo-
do ; na Gamboa doCarmon. 12.
= Vende-se vinho da Figueira em barris
cquarlolasde 5 em pipa, chegado prxima-
mente do Porto o proprio para se engarrafar ;
na ra da Cadeia loja de ferragens n. 44.
= Vendc-se urna venda muito afreguesada,
na ra da Cadoia-velba n. 17; a tratar na
mesma.
= Vcndc-se um calis dourado, um missal
com sua estante urna pedru dar um orna-
mento branco, e um rouxo j usados urna
alvaaceiada e alguns outros pertences de al-
tar tudo pelo mdico preco de 55> rs. ou
vende-se as pocas separadas; na Rua-direita o.
36, primeiro andar.
s= Vendem-se dous escra vos de nacae, com
bonitas figuras, um bom canociro e pes-
cador; urna parda de 18 annos, engomma bem,
coe camisas de
L
UU-
cozinha com perfeico
moni: duas ditas quitandeiras e ptimas pa-
ra todo o servico todas do-se a contento ; na
Ra direila n. 3.
= Vende-se .'an'nba da torra muito boa a
oito patacas o alqueiro da medida velha em
porco de quarta para cima ; na ra da Praia,
armazem n. 20.
Vende-se urna canoa aborta nova que
carrega de 600a 700 lijlos de al venara grossa;
o 3 podras de Lisboa para sacadas com 35 pal-
mos ; na serrara por detraz da ra do S. Rita
n. 22.
- Vende-se cerveja branca em barricas de 4
duzias, em grandes e pequeas porcoes ; em
casa de J. O. Elster na ra do Trapiche
U. IV.
= Vendem-se os seguintcs litros ; geome-
tra de Elididos, arilbmelica de Lacroix, gram-
matica franceza de Sevene diccionario fran-
ecz por Fonceca Horacio em lalim e portu
guez Prozodia, e Cornolio; na ra de Aguas-
verdes n. 42.
- Vende-se um Cornelio e urna Fbula
truccao e ptimas vozes, macacos para es- com algum uso e por preco commodo; na
tivar carga de navios encerados, e urna rica
radeira de arruar forrada de seda. mm
franja de retro* ; na ra do Yigario n. 13.
= Vende-se oleo de linhaca em bo ti jos ;
na ra do Arnorim n. 15.
Vendc-se superior bolaxa a 9, 10 o 11
patacas a arroba ; na ra estreita do Rozario
n. 13 padaria da Francisco Alves da Cunba.
ra do Cabug, loja de meudezas n. 1.
Vi>nHm-SC 3 esCiivat. muras e u mas
figuras, com algumas habilidades ; na Rua-
vclha n. 111.
Vende-se mho novo em saccas e me-
dido ; na ra larga do lo/ario venda da es-
quina n. 39.
Vendem-se rieos cortes de vestido de
"a
lojas ns. 5, 2G, e 28.
Vende-se um bonito moleque do 18 an-
nos proprio para pagem ; um excedente ch-
vallo com andaies; na ra da Conceicao da
l3oa-Asta n. 26.
- Vendem-se trez carrinhos de mo em
bom oslado 10 pas novas sendo 3 de lama,
cOenchadas, tudo por proco commodo; no
sitio do thesourero das rendas provinciacs na
estrada de Joao de Barros.
- Vende se um negro de bonita figura de
24annos, ptimo para todo o servico; um
lindo moleque do 18 annos, com principio de
sapatoiro um cabrinha de 14 annos bonita
figura, e ptimo para pagom ; urna parda de
19 annos do bonita figura engomma, cose,
o faz ronda urna dita de 18 annos, engom-
ma e lava lodos estes cscravos nao teem
vicios nem molestias ; na ra da Cadeia de S.
Antonio n. 25, por cima de urna fabrica do
chapeos.
= Vende-so um sobrado em Olinda sito
na ra do S. Bento tem seis quartos bom
quintal, porlo para'a ra, terreno proprio ,
por preco commodo ; na ra da S. Cruz, ven-
da n. G0.
Vendem-se 2 cavallos mui carregadores,
o novos ; a padaria n. 154 na ra das Cinco-
pon'as com todos os seus pertences, um cai-
xao grande de louro dous pares de esporas do
latao urna canoa fechada com mais de 60
palmos do comprido e umu povcao de caxas
vasias do Porto, todo negocio sn la.' ; na Rua-
imperial n. 2.
= Vendem-se 8 quadros novos do boni-
tas imagens por preco commodo ; na /ua da
Penha n. 4.
= Vende-se um fiteiro proprio para loja OO
sapateiro c umu meza, que servo para casa
de pasto ou serventa de cozinha ; no Alter-
ro-da-Boa-vista n. 48 loja de Antonio da
Silva Guimaraes.
"= Vendem-se luvas de pellica brancas, pro-
tas e de cores para homem e senhora, pro-
prias para bailes a 500 rs o par ditas curtas
sem dedos, de seda e tambem de cores a
200 rs. o par, chapeos pretos de palhinha bor-
dada, c forrados de seda para bomcm a 1600 rs.;
na ra do Cabug lojas novas do fazendas in
glezas e rancezasns. 4c 6, de Pereira &
Gucdes.
= Vende-se a venda sita na ra do Quci-
mado n, 50 a dinheiro ou a praso com boas
firmas : a tratar na mesma.
= Vende-so sal de Lisboa om grandes, e
pequeas porcoes por nreco mais commodo ,
do que em oulra qualquor parte; na ra da
Moeda n. 9.
= Na ra da Cruz n. 33 a para tender-
as excedente carnauba pedes de cabra, e
guara/, bem como um palanquim aindacm
bom uso o tudo por commodo preco.
a Vende-se um bom cavallo muito novo,
e gordo bom estradeiro baixo at meio, bas-
lanteardigo; na Rua-nova armazem n. 67.
= Na ra larga do Rozario botica de Bar-
tbolomeo & Ramos vcndc-se um excedente re-
medio para lombrigas o mais eficaz possivel,
vindo ltimamente de Franca.
= O deposito de gelo acha-se na ra da
Senzalla-velha junto ao Beco-largo n. 110 ,
aonde contina a vender-s'e a 2560 rs. a arro-
ba ea libra a 100 rs.
= Vende-so farello em s?cr rndes s
2560 rs. ; em casa de R. Lasserrc & Compa-
nhia, ra da Senzalla-velha n. 139.
= Vende-so urna escrava prota de meia
idade coso cozinha, e ptima para ama do
casa pelas suas qualidades ; na ra alraz da
matriz da Moa-vista sobrado n. ll.
Escravos fgidos
de urna casa do pouca familia ; quem livor di- j \ onde-se um bom escravo serrador, pa- chal, de listra assitinada e de primorosos
rija-se a Rua-imperial n. 39, ou annun-,ra remir urna divida ; na ra de Apollo, ar-;padroes; na ra do Cabug n. 10, defronte do
ci. I mazem n. 23. | cerieiro.
Anda contina a osiar ugiuo o moicque
Lu/. crioulo secco do corpo, bonita figura,
feicdes meudas, ps um tanto grandes, e chcios
de !;c!s, ifin decostume, quando anda, dal-
lar a cabera sobre o hombro ; levou camisa
azul, eticas de estopa ja muito sujas; quemo
pogar, leve a Ra-bella n. 40 que ser re-
compensado.
RfdFB na Ttp. obM. F db Fabu.1844


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E87MO5OOL_UE39JE INGEST_TIME 2013-04-13T03:28:11Z PACKAGE AA00011611_04574
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES