Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04572


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo ce 1844.____Segunda Feira >
O l>U*IO (Wblici-N t ido! is !. ,ie ik-s mitra por quartel usgos adianlados. Os anBUMoadMBBsii.a*a ft.ti", < doaqoe nao (oren i ratita g
las a csla 1 yp na tas Crines n 4 mi a
praca i n lndeprnilenria I'ja de Hian 6e S
Uaa fciras. Kio (Irandc do Morte, qu:nls frirajJ
rono Calm, Maccv e Al.goas : no 1 = lie 21^
PARTIDA DOS COIUIEIOS TERRESTRES.
Counma. e t'aralivba segandsi e sextai
Cabo, Sftinhaeni II i o ronaoso F
je rada met Garantan! e Bouilo a Me 24 de ca a mei Boa-sisia e Flores a 13
t 28 dito. Cidade da Victoria, ntala) feira,. Olinda lodos os das.
das da semana.
rj Seg. Lucila And. do .1. do 1>. da !?, t.
Ii lerea a. llorul'ea Hel aud. do de I) da 3. y.
7 Quarla a Hominl 'o Aud ilo J de ll da 3. v
,>i (Juinta a. Cor nimia Aud. do J de II da 2. ,
i Sesta s. Apollonia. Aud do .1. deD. (la g, v.
i Sab. n. EaeoWttfoa, Hel. aud do .1. de D.da 1. y.
11 l)om. a. Laxara I, Daiit ,
de Fevcreiro
Anuo XX. IV. 28.
r^-re*!U7lflBBDRB9l
Todo ajiin doeada di" n<
linuoaioa conio pfiiii'iniaiinis
riiilas.
mesaros: di nowa proe-eia, Knani auiiulosoon amiraflie ealra a naji
iran.)
;Proclaoi i; in ili tssembla
Garal du
CAMBIOS NO
Cambios soh.e I oni'rrs SS }.
i Para S70 res por ranco
o ,i Lisboa M por lu.i da premio
Nfoedade cobr' > pr pealo
dem da letra* de boaa Eraat 1
PlIvSES DA Ll A NO HEZ DE
as S boras e ;>1 min la m
nu 5 ni revi ii i i.o.
Oura-Moeda de ti.iUO V.
N.
. de 4,000
Prala-faiaeSee
i Pesosculummnaraa
,. Ditos Mexicanos
I7.5U0
17. .1(10
'.1,500
3,040
2.U4U
8,040
ia : ron-
iea mais
I.na e' eia a i
Mirgoaulc a 11 a.s > linras e }! '""i 'a ni
FEVEREIRO.
I,'la nova a 1S as (i horas el min.d
;' .. 7 Ii 3'iia. da
l'..e...i-iil.'
y.
a m.
ni.nli-.
' ".:'.
HBKB^.aUa^MMJWlWltaaW'aWam'glggyTaTTi"'-
DA
Primeira as
.- soaan zsaxrm fnT.g?zBjm^-8T--s
L
(i lioras e i min. di
I'namar de luye.
manli.ia. | Sagitada as l horii e SO minutos da I
.... _____.....-^. ~-.. i*, i iiiti.
irde
PERNAM
Biiwiii i mu ii ii 'i i im i ii ii i i ii iii ii mi iinii "iH'Tir 'lij. -.aeammz ,.\narLiaBisaBBa5>tsrr
ai,T5 OFFICIAI.
N. 164lim. e Exm. Sr.Envi V. Ex.
ominformacao do conunundanto das armas,
para ser deferido, como fr de jtistica, o reque-
rimento incluso de Fausto Renjainim da Crui
ra lhe ser entregue, a um seu escravo de nome
Amcrico. que se actia com praca na companliia
di1 cavallaria de primeira linha desta provincia.
Dos guardo i V. K. ihuitos annos. Cidade do
Recife del'ernambuco em 12de julho de 18W.
Illm. e Exm. Sr. Salvador Jos .Maciel. lla-
rdo da Roa-vista. Conforme. No impedimento
,do ollicial-maior, Francisco Xavier e Silra.
Illm. e Exm. Sr. S. M. o Imperador
manda devolver a V. Ex. o requeriinento docu-
mentado, que acompanhou o seu oiTuio sob n
16i, e no qual Fausto Ifcnjamim da Gru GoU-
va, pede se lhe entregue um escravo de nome
Americo, que se ocha com praca no esquadrao
de cavallaria de linha dessa provincia, lim de
que V. Ex. remella taes papis ao juiz de direi-
t chele do polica, perantc quein (leve o sup-
plicante juslilicar o seu direito; podendo V. Ex.
nessecaso maudar-ihe entregar o individuo ro-
clamado, fazendo previamente dar-lhe haixa.
Dot (iuarde a V. Ex. Palacio do Rio-de-Janri-
roein 18 de seteinbru do 1S3. Salvador Jos
Maciel.Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco. Conforme. No impediment do oi!i-
cial-maior, Francisco Xavier e Silva.
Illm. Snr. Em cumprimento do im-
perial aviso que me foi expedido pela secre-
taria'd'estadodoj negocios da guerra com da-
la de 18 de se.temliro ultimo remeti n V. S.
o incluso r<;,|Uerimento de Fausto Benjamn, da
Cruz G'juvOa em que pede se lhe entregue
um scruvo de nome Arncrico (|uc se atlia com
'(rraca no esquadrao de cavallsiria de linba a
iim de que mando avisar o supplicanle ^>ara
justificar o seu direito peranto Y. S.; depois
do (|u V. S. me dar parte do resultado
fin de resolver sobre este objecto na conformi-
dade do mencionado aviso. Dos guarde a \ .
S. Palacio de Pernnnbuco 91 de outubro de
1SV: Borlo da Boa-vista Snr. Caetano
Jos da Silva Santiago, Jai/, de direito chefe
de polica interino. Conformo. No impe-
dimento do ofllcial maior
francisco Xavier e Silva.
Goverito da Provincia.
KXPEDIESTE DE 29 DO PASSADO.
Ollicio Ao capita-tenento Antonio Jos
Francisco da paixa. Mgnilicando, que a vista
da uigencia de sua ida para a cuite, que se no-
ta no aviso de 23 de doseu.br.. passado, e da de-
claraca.que fazo dito aviso deque e neste
porto, que ha de lomar cunta d cunuiiand do
brigue-escuna Leopoldina o ollicial que ne.le
vem subslituil-o, deve s. me. seguir no vapor
lmperalriz, o entreor o mimando interino do
mesmo brigue-escuna aoseu inmediato.Lom-
FOLHETi
GENOVEVA, A LOURA. (')
2."
Guilherme Lietard, Sr., disse Prudencia,
cobrindode linbo a roca, era carpinteiro Mta
aldea e sua casa, cujos restos anda existen.,
lmente dislava da minha cousa de dous pas-
aos Desuosu urna virtuosa rapariga que ao
cabo d' anno o le* pai deGenoveva. Era urna
rido, e da mulner, nada fallava Uepo.sde sus
ani,sdetran.p.ill.dadiNao_tcriUmSi..gundol.-
in uuandoo pobre uieaiu. uuuansaaa>
igamento do castel.o. cahio da cum.eira sobre
o pavimento. Sua mulher, que lhe tras.a a for-
ra me, te vio-o levantar, morto em sua presen-
S Troxda depois ello loi interrada; ososo
a matou. Todoodislncio flcuo cm conslenw-
[') Vida JWorio n.26,e27.
municou-se ao commandante da dmsao do
centro.
DitoAo juiz relator da junta dejustica, de-
clarando, que dosigna odial.di feverelro
correnle) para 8 horas, o rn> lugar do cistu-
m reunir-se a mesma junta, lim de definiti-
vamente julgar os processos dos reos militares,
que participa acharom-se vistos.Offlci.u-so h
respoito aosvogaes togados, e ao commandante
das aunas para fazer avisar os vogaes militares.
DitoAo chefe interino da legiao do Cabo,
autnrisando-o lazer reeoihecer em frente d>
prlmeiro batalba da referida guarda nacional
o tenenle-coronel para elle nomeado, Joaquim
Manoel do Reg Rarreto.
EXT Cfi
0r
rfrrii i"i '
INGLATERRA.
Londres 1 We dezembro de 181-3.
Ilontem as 2 horas e meia da tarde Jeo S M.
a rainba audiencia corte caoconsolho pri-
vado no caslello de Windsor.
Peranto a c^rte foi o scnlior Ribeiro cm
missao especial doimperadordoBrasil, apresen-
lado rainlia em audiencia pelo conde de A-
bordeen, principal secretario de estado de S VI.
para os negocios estrangeiros.
No conseibo resolvoo-se, que OSS0 o parla-
mento adiado do terca leira 19 do correte ,
mais at quinta 1. de levcreiro p. f. ; e orde-
nou-se quo se espedase a seguinte proclama-
cio, convocando o parlamento para reunir-se
no 1. do fevcreiro em sessao ordinaria.
Proclamacflo.
Victoria R.
Visto (juo o nosso parlamento est adiado al
terca feira, 19 do correnle me/, de de/embro ;
n s ouvido o nosso conselho privado, poros-
la publicamos, o declaramos que o (lili par-
lamento continuar licar adiado, desde o men-
cionado dia 19 do correnle deiembro at quinta
feira, 1 de levcreiro p. futuro; e havemos or-
denado ao nosso chanccller d'aquella parte do
nosso reino uaido chamado Gram-Bretanha,
qu prepare urna coinmissao a fim.de adiar
o mesmo parlamento n'osta conformi.lado ; e
poresla declaramos mais ouvido o nosso so
bredito conselho quo nossa real vontade .
quo o dito parlamonto e rena no lesfido da
quinta feira, 1." de evereiro prximo, eque
abra as suas sesses para expo licao dos diversos
negocios urgentes, e importantes : e os lords
espirituaes, fl temporaes cavalheiros cida
daos, e representantes das provincias, e cida-
Jes na casa dos communs sao por esta convi -
dados, e convocados para se acharem conse-
guintemonte em Westminster no dito da
quinta leira 1." do fevcreiro vindouro.
Dado no nosso palacio do Windsor aos 13
diasdo me/ de dezembro do anno de N. 5. de
I8VJ c 7. do nosso reinado.
Dos salve a rainha.
(Dagazeta de Londres de lo de dezembro.)
Urna resoluco tomada em conselho data-
da de 13 de dezembro e inserida na mesma
Gazela, ordena que todos aquellos navios, que
se conlem na seguinte relacao.. e que tiverem
menos do (30 toneladas poderS entrar nos
portos do Kingston-upon-llull do New-cas-
tle-upori-Tyno o nos portos, e lugires que
perlenr-erem aquellos respectivamente :
Relacao l." navio pertencen.es aos se-
guintes paizes : Franca, Sardenha, Portu-
gal Texas quo viorem ou voltarem para os
portos dos pai/es, quo respectivamente per-
tenoom, ou quo viorem, ou voltarem em las-
tro para outro qualquor lugar: 2 navios per-
t.'nccntes aos pai/os e lugares seguinte* :
Suca, eNoruega, Russia ; Dinamarca, Ha-
nover, Prussla as edades livres Anseticas de
Bremen l.ubeck Hamburgo e Franklort;
osPaizes-baixos, a Grecia os Estados-unidos ,
o Mxico a Colombia, Venezuela, o Brasil,
a Bolivia, o Per, as provincias unidas do Rio-
d i-prala e o Uruguay.
Affirma-se sob boa autoridade que S. M. a
rainha, eo principe Mborlo iro visitar o cas-
tello de Warwick dentro em seis semanas e
que a rainha torn rosolvido aproveitar a oeeasio
para visitar Rinningham. Se tiver lugar esto
lisonjeiro acontecimento, estamos convencidos,
de que as demonstra -oes Ja lealdade o adhe-
saodo povo d esta cidade para com a nossa a-
mada soberana serio as mais satisfactorias e
enthusiasticas. liirminqham Adrertiser.
[Times.)
ISITESV'OR.
cao. Eu recolhi Genoveva; porque seus pas no
linhao mais prenles: e tel-a-hia conservado
semprcem minha companhia, o ofllcio de
parteira me n5o obrigasso sahir de casa a lo-
dos os momentos: era vinva, e na5 tmha lilnos;
como dcixar so em casa urna menina tao peque-
a? Piouvera Dos, que assim otivesse feto !
() resultado nao lhe podia ser mais funesto;
masnadnospossivel lr no futuro O cura,
que entilo tinhamos era um homom justo, e
roclo, foi tercom o dono do casiello, o sr li-
lippoRaimbaut, lio do Sr. Lesar; disse-lne,
i.ie a dosgraca do pobro carpinteiro, succed.da
em sua casa, opunlia na obrigaCao do cuidar
de (ienoveva; oque o menos, que lhedemla-
zcr, era mandal-a educar por pessoas honradas,
at que a sua idade lhe permittisso trabalhar. O
com quanto naoousassc oppr-se a propo-ta do
cura, dispoz as cousas de maneira, que Geno-
veva lhe custasse o menos, que fosse poss.vel.
Pol-acm casado jardineiro do caslello, onde,
nao obstante seus poucos annos. ens.nou-so-a
mondar os algreles, para com o produelo d es-
te trabalho sustontar-se.
-.-iS-JMI I Hi iilllW I
Por que ra/ao acontece quo a i ni prensa da
faccAo limitada somonte A atacar a administra-
cao, o seus agentes nao sooT.upa de urna s
qnestSo que seja interessanle para o futuro
lo pai/. ? Por que ra/fio nossa defjffcioncia em
que estamos de tnloo quo pile concorrer para
desenvolver nossos recursos o augmental-os ,
essa impiensa nao se oceupa do urna s- ideia
de molhoramentos? Ha ah urna multi.lao dal-
les, que po.lem ser oxaminados attentamente ,
ou porque se vulgarisem ou se j sao conhe-
oidos para mostrar sua vantigem c destenta-
sen., a (im do nao haver omprehendores lou-
cos que nao S gastem seus capitaos cm pura
perda mas o que ainda peior ; qun fac1.
desacreditar inventos ou applicacoes do que
so pdem tirar muitas vantagens.
Mesmo em poltica eein economa, quan-
tas questoes importantes em linancas ? E toda-
va a impronsa di lacean neinumi si palavra
diz mesmo a respoito : smento envolvida na
polmica poltica um s artigo se nao encon-
tr nella quo possa sobreviver ao momento ,
que o produzio. Nao dizemos que abstrabisso
dessa polmica ; sabemos que isso o quo a
faz viver; mas tambem sabemos que nao se
aneaEKMaVJ.JLiaar' '.>1'!lJ. LiUIW-IIHMSSBBaHBsaWWffl*
deveria oceupar s em destruir, devia mostrar-
se habilitada para construir quo nao tao a-
bdStado o paiz que possa consentir m que
ve lhe tire o que tem sem ao menos se lhe da-
rem ampias mdeinnisacoes. Tambem nos sa-
crificamos muito a necessidade do momento ;
'tas de vez em quando la apresentamos nossa
ideia, nao dizemos bein nossa quasi soinpre
alhoia quasi sempre tomada de oolha mas
em lim sement, que atiramos, a ver so algum
dia fructifica.
Por esta maneira de escrever, se pdem bein
classifcar as opinioes, que so combtelo o
qual o lim a que cada urna dolas aspira. Os
do lado ministerial apresentando artigos dou-
trinaes, ja sobre mera poltica i sobre todos
os oulros objectos que pdem intoressar o p-
blico mostro trabalhar para alguma cousa
mais o'ie o simples momento ; mostroocou-
par-se do dia de am tnhaa. Queremos dar por
um momento que lodos estamos em erro;
seja; mas ao menos mostramos nossos desojos,
o por alguma cousa deve ser avaliada nossa boa
tencio : mas os adversarios nem esses desejos
iiiostrao : limitao-se destruir : nao s niio so
oceupi do dia de umanhaa mas nem mesmo
para hojo querem alguma cousa : destruido
apenas ; s dcstruicao : sejao nossos passos da-
dos sobro ruina : ellos estao satisfeitos E on-
de ropousar sua cabeca ? Onde dcscancar
amanhaa? Onde abrigaran suas mulheres, e fi-
llios ? Oh isso nao Ibes importa.
A que devenios altribuir este proceder ? nao
seremos tao exagerada quo digamos que
por falta de conbocimontos : as folhas da Eu-
ropa o sobre tudo essa multidfio de Revistas ,
quo todos os dias ahi nos chegao de todos os
pontos dola nos traten, (anta novidade quo
pdem algunas sor aproreitadas;' o quando o
nao sejao sao ao menos vulgarisadas. Nao
I pois essa a ra/ao : a rasio est no genio o
lindle da fac ao ; esl nos seus principios,
h nos seus lins. A laccao nao tem ideia
alguma deordem ou establidade ; a laccao
ssabe quo quer una cousa ; sabe que quor
o poder ; nem pira que Ibes servir csso poder,
isso nao sabe a maior parle do seus mesmosco
rifos. Alguna quorem o poder, para gotsrem
do suas (locuras seir. se Icmbrarern dos amar-
gores (]ue traz comsigo : outros querem o po-
der s para vingar-se de seus inimigos ; outros
para aeommodar seos aflhados e alguns fi-
nalmente s para destruir, porque, genios das
(revas, a destruido o seu elemento : ra
dallo nao lia para ellos pra/.er niio ha vida.
Era lempo do emendarnos a mo : era lem-
po do la/or servir a imprensa para os altos des-
tinos para que a providencia a liberalisou aos
homedS. Assim como o pensaiiiento Ibes foi
dado para que so aperfeicoassoin assim Ibes
loro dados liara seu aperfeico tinento todos os
moios do poderem conservar, e communicar
aos outros o que urna vez pensaren!. Os irra-
Faziapcna ver urna menina tao bella de ras-
tos pela torra em todas as estacoes, arrancando
com as masinhas as ervas nocivas, que ja co-
nheca! N'um da do grande calma, ella ador-
meceo sombra dos arbustos; e a irmaa do Sr.
Raimbaut, Que raras vezes passeava, descobrin-
do-a a travczda folhagem, lovou-a comsigo, di-
zendo, que era a mais linda flor, quo linha a-
chado nojardim.
Na verdade, Sr., era a mais bella creatura,
que imaginar se possa; alva, delgada, loura, e
extremamente ineiga. A senhora Raimbaut to-
mou-lhe affeic3o, econservou-a sob sua guarda;
ensinou-a a Icr, cscrever, e contar, do maneira
que, ao cabo de alguns annos, Genoveva, ele-
gantemente vestida, em nada dilTeria de urna
moca de distinecao.
.-; Bntrcftato ss setornon altiva; nunca p<>s-
sou por urna habitante do M**-, que nao fosso a
primeira cm saudal-o; e no domingo vinha con-
tar-me tudo o que havia feto na semana. (Jua-
si sempre, antes do dcixar-mo, convidava-mo
para irosos visitar a casa de seus pais, que con-
tinuou deshabitada, emeonsequencia d'haverem
poucos locatarios n'alda, por ter cada um seu
domicilio proprio. Prjzava esta casa, por ser o
nico bem, que linha bordado de seus pais, e
diiia-me, que tornara < ir iabital-a, se a mor-
te lhe roubi-sse a bemfeitra. Com quanto (ie-
noveva fosse muito crianca, presenta, quo os
criados do caslello naogostavao-na.c que o pro-
prietario a considerava urna carga. Alm da se-
nhora Raimbaut so tinha ella seu lavor o se-
nhur Cesar; porm este, anda escolar, nao es-
lava om casa do to senao pelas ferias, e, alm
d'isto, era tao eslouvado,. que nao obstante pro-
tegel-a. fazia-lhe medo. medida, que lhe cres-
Cia a idade, ia elle so modificando, e, quando
brincava com Genoveva, esmerava-so em afa-
gal-a.O Sr. Cesar tinha cinco annos mais que
a pequea, era alto, e vi/oroso, eclla, ao con-
trario, delicada. Muitas vezes a punha sobre os
iiuiiiio paia ievai-a casa; ia buscar ninhos
de passaros nos ramos das mais altas aores,
para Ih'os offere:er; passeava com ella naala-
goa; e, quando lia. juntos os contos da adas,
dizia, que ella era a princesa desgracada, cello
o cavalleiro, quo a vinha salvar; mas s era tao
bom, e complacente, quando Gonoveva se lhe
mostrava submissa. A menor resistencia s

a


cionacs nunca se aperfecoSo ; porque sua fa-
cultado de raciocinar parece que nao 13o per-
fela como a do* homens; e porque nao (eem
uicios para conservar ein lembranca o que
una vez pensrSo; e por que nao (eem moios do
transmittir a seus similhanlcs as suas idoias.
Mas os homens tudo sso leem ; e como remate
de tudo tecm a imprensa que nao s faz con-
servar a lembranca do que se faz e pensa, mas
se cointnunica de urna a outra extremidade do
universo porassim dizor, com a velocidade
do raio: unta ideia appareeida na Europa, dahi
pordous mozes e meio esta ntrenos tao fi-
elmente como foi concebida e com todas as
suas circunstancias e esclarecimentos. A'
eseriptura e sobre tudo imprensa o deve-
nios.
Pois bom : se a imprensa meio de aperfei-
ooamentn facamol-a servir para nos aperfei-
oar. E so os homens que nos combatem cm
poltica, teeni algum amorao seu paiz, o nao
curem gmente de destruir; concorrao tambem
com a sua quota para odia de amanliaa, l'm
pouco de amor da patria e verao que proce-
dem mal quando como at agora proceden.
[OEcho do-Rio.)
'E
RNAMBUCO.
Tribunal i!a lielacao.
SKSSA DE 3 DE FBVERE1BO DE 18-5-.
O dia de app.ireror .Je Antonio Ricardo do
Rogo contra I). Emilia Cavalcanti Barbalho
Uchoa escrivao Ferreira ; fo ulgado proce-
dente, e e appellacjSo dezerla e nao seguida.
Na appellacao civel da 2." vara desta cidade ,
appellante Joaquim Jos de Seixas appellado
manoel Ferrera da Silva Ramos, cscrivo l'er-
rera ; fo confirmada a sentenca.
Nrt appellacao citcl dojuizo dos fetos da fa-
zenila desta ciliado ,- ap|iell n!e o |U70 ap-
pellado Jos Pedro \ cllozo,escrivao Posthumo;
se mandou vista ao desembargador procurador
da coroa, e fazenda.
Na appellacao crime desta cdr.de appolhn-
te o Dr. Francisco darlos Brandao appellado
Antonio Pedro de Carvalho escrivao Ferreira;
foi julgado improcedente o recurso.
Na appellacao civel desta cidade appellante
Jos Gomes Perera da Silva, appellado Daniel
Antonio dos Reis escrivao Ferreira; foi a sen-
tenca confirmada.
Na appellacao civel desta cidade appellante
Joaquim Goncalvcs Vieira GuimarSes appol-
lada Mara Candida Pena escrivao Ferrei-
ra ; se mandn descer para aavaliacao.
Na appellacao civel do jui/o dos Coitos da a-
sonda appellante o juizo appellados Mendes
iv Irmaos CSCrivSo Bandeira ; se mandou ou-
vir o desembargador procurador da cora c fa-
zenda.
Na appellacao crime da cidade de Goianna ,
appellante o juizo appellado Jos Pereira da
Cruz escrivao Bandeira ; foi julgado proce-
dente o recurso.
Os embargos de Jacomo Andreatt, contra
Nuno Mara le Seixas na appellacao civel
desta ciJade, escrivao Reg Rangel; faodes-
prezados.
Na appellacao crime da cidade de Goianna ,
appellante Jernimo Borgcs de Mallos, appel-
lado o juizo escrivao Reg Rangel ; nao to-
in:iriQ conbecimente do recurso.
Na appellacao crime da comarca de Iguiass,
appellante o juizo, appellado fructuoso Gomes
de Fara escrivao Reg Rangel; foi o recur-
so julgado procedente
Na appellacao crime desta cidade appellan-
te o promotor pblico,appeliado Francisco An-
tonio da Cunha escrivao Posthumo ; foijul
gado procedente o recurso.
Na appellacao civel desta cidade appellante
Maximiano Francisco Duarte, appellado o jui-
zo dos eitos da fazenda escrivio Posthumo ;
se mandou ouvir o desembargador procurador
da corna
Na appellacao civel desta cidade appellante
Jos Luiz Pereira, nppellada Anna Rita do Sa-
cramento escrivao Ferreira ; foi a sentenca
confirmada.
Na appellacao civel do juizo dos feitos da fa
zenda desta cidade appellante D. Anna Cle-
mencia Lisboa e Jos Ignacio de Seixas ap-
pellado o juizo escrivao Ferreira; foi a sen-
tenca confirmada
Na appellacao crimo da comarca do Ccar ,
appcllanie Mara Antonia appellado Faustino
Fernandos do Luna escrivao Reg Rangel ;
se julgou improcedente o recurso.
Na appellacao crime da dita comarca ap-
pellante o juizo appellado o reo preso Cosme
Damiao, escrivao Reg Rangel; se julgou im-
procedente o recurso.
Na appellacao crime da cidade de Goianna ,
appellante Antonio Jos Gomes, appellado o
jui/o escrivao Jacomo; tomraoconhecimen-
to do recurso.
Na appellacao crime da comarca do Rio-
grande-do norte appellante Manoel Pereira
da Silva, appellado o juizo escrivao Jacomo ;
oi o recurso julgado procedente.
Na appellacao crime do jury de Nazareth, ap-
pellante Antonio Joaquim dcSousa Noronha ,
appellado o juizo escrivao Bandeira ; foi o
recurso julgado procedente.
mais mandados, como dantes, contra os seus
devedores o que se v do officio de 25 de agos-
to do recrido anno, e sim so rernettesse ao
procurador-fiscal, a conla dos devedores para
seren executados. Dos mappas desta meza, re-
medidos a V. S, se v a nao pequea difleren-
co para menos, que tem havido e'm seu rendi-
mento, desde que loi esta reparticao privada
em proceder, como d'antes, na arrecadacao ju-
diciaria. Pela nota junta ver V. S., que de
1:303 devedores, remettidos para juizo, desde
1840 at 1843, s tem-se recolhido nesta meza
a qiiantia de 5:163,552 reis, correspondente a
150devedores, estando anda por recolher-sea
de28:504,200 reis, de 1:153, nao comprehen-
dendo para mais de 900, que dos anno.s ante-
riores a aquello existem ainda em juizo, sem
que esta meza possa entrar na indagacao do que
j froou nao pagos os seus dbitos, ou parte
dellcs, visto a privacao, em que me ado de
proceder a similhantes indagacoes. Estou cer-
to, que V- S., por ignorar da maneira, com que
se procede em juizo a respeito da arrecadacao
dos impostos desta moza, visto o arbitrio que
sobre ella teem os ofliciaes de juslica, que at
passfo a d^sapparecer mandados (como ha pou-
co acontecer) tem tratado com indiderenca as
representac00* por mim feitas respeito de ser
esta meza agrisada, como d'antes, i proceder
na arrecadafo judicial dos impostos della fa-
zendo-se en,rcHa ao solicitador dos mandados
nao pagos a mu de fazer proceder respecti-
va penhora : se accaso existe le em contrario
para esta meza n3o fazer extrahir, em nome do
procurador-fiscal, os mandados contra os de-
vedores della ; porque nao se poz em execueo
desde a sua crcac3o? logo admissel, que
idas internas pro- |-a Q p0(Jc fMcr com aulorsac3o de V. S., de
aecrdo com o procurador-fiscal, principalmcn-
Snr. Joao Goncalvos da Silva inspector da
thesouraria da fazenda.
Francisco Xavier Cavalcanle d'Aluuquerque.
vinciaes no mez de Janeiro prximo /indo.
A saber :
Decima urbanas.............
Sello de herancas c legados.....
Meia siza dos escravos.........
Kscravos exportados para fra da
provincia..................
Passaportes de polica..........
impostos sobre olarias.........
Dito serraras........
Dito fabrica de tabaco.
Novo e velhos direitos ......
Matrirulasdo lyro............
Ditas de grammatica latina.....
Juros da divida activa........
13:2298884
7:779*534
897j750
180.) 000
168200
12^800
38*100
1*2 S 800
Rs.22:378*056
Meza do rendas internas provinciaes l.'de
fevereiro de 1844.
No impedimento do escrivao c administrador,
Jos Gutass Salgueiro.
i- pi .... _______.
Publicando a pedido

suas ventados o encolcrisava: estimava-a mui-
to, porm por amor de si mesmo, como os ricos
estmanos pobres, que os divertem.
L'm da [Genoveva contava enta* qualorse
annns': tendo-a condusido ao rio, deixou parar
a barca, c, largando os reinos, oi assentar-se ao
p della: all, tomou-li.e asmaos, disse-lhe,
que a amava, e que a desposara em sua maio-
ridade. Genoveva, sorprehendida, quiz metter
o caso rediculo; porm elle irritou-so, e amca-
cou-a de fazer virar a barca, se Ihe nao promet-
tessodar-lhe a ma d'esposa. A pequea, per-
turbada, nao sabia, de que modo Ihe dara
perceber, que nao assentia do, felizmente, oSr. Raimbaut os chamou -
praia. O lio forma va, respeito do sobiinho,
cerlos projectos, que receiavu, fossem desarran-
cados lelos bellos olliosaziies de Genoveva; o
Sr. Cesar recebeo ordem para no dia Mguinte
voltar para o collegio. A partida do mancebo
fo, quasi immediatamente. seguida da morte
da Sra. Raimbaut, (|ue, ao accordar, fui acco-
mettida (Turna lerrivel apopleaia.
Dcpois d'este triste aconlecimento, Geno*
veva uo esperou, que a despedissem, o que de
Illm. Sr. Tendo sido esta reparticao mon-
tada em 2 do jullio de 1838 ficando a seu
cargo a arrematadlo da divida proveniente dos
impostos de lojns abertas de seges e carri-
nhos, barcos do interior, decima urbana 2.*
decima de mao mora taxa de escravos, e
outros foi a mesma reparticao autorisada por
V. S. contra os devedores de similhantes impostos,
procedendo-se penhora contra aquelles, que em
virtude da primeira notificacao nao pagassem ,
e neste caso rcmelter-se logo ao solicitador da
fazenda para fazer acuzal-a em audiencia a fin
de nao ficar circonducta. por officio d V, S.
dirigido a esta meza em 27 de fevereiro de 1839
se collige a verdade do que levo dito a qualse
ai ha confirmada poroficios tambem de V. S.
de 30 de agosto d'aquelle anno ede 4 maio de
1841. Esta meza sempre procedeo da menei-
ra cima indicada desde a sua criaco at agos-
to do mesmo anno de 1841 resultando em
beneficio da sua arrecadacao nao pequea .iif-
ferenca em favor da fazenda ; mas por causas ,
que nao sao ignoradas, foi V. S. servido deler-
ter.ninar, que por ella se nao fizesse passar
te conhecendo-se a grande conveniencia que
resulta em beneficio da fazenda pois ninuuem
mais que esta reparticao interessa no augmento
da sua arrecadacao em razo de tambem aug-
mentar a sua porcentagem que infelizmente
o nico ordenado, que percebe.^ os seus em-
pregados. Alguma omisso existe em juizo na
arrecadacao dos impostos desta meza tanto as-
i sim, que teem-me sido presentado por dTersos
devedores recibos passados pelos ofliciaes deju.*"
tifa e por outras pessoas mais, sem que es-
25*000 i iejo recolhidas esta meza similhantes quan-
40*000 I Has. A' vista pois do que levo dito, espero
57*600 que V. S. mande, que ficando de nenhum ef-
88*088 ; feito a deliberacao conimunicada h esta meza ,
em offirio de 25 deatrosto de 1841, subsista a
do officio de 30 de agosto de 1839, que existia
desde a creacao da meta, e que a experiencia
tem demonstrado ser a mais interessanle fa-
(azenda. Todava V. S. melhor deliberar,
tendo em vistas os interesses da mesma fazen-
da, pelos quaes se tem sempre mostrado 13o
incansavel em zelal-os. Aproveilo a occasiao
para lembrar a V. S. a decisao .1 respeito da
providencia pedida em meus ofTIcios de 14 do
marco de 1842, e de 3 de novembro de 1843 ,
para que os escrivaes dos jui>os de paz, e do
civel, remeltessem esta meza urna relac3n das
causas, que pelos seuscartoriosse linhao fina-
lisado, sem recurso, desde 31 de agosto de
1836, data do decreto de que trata aquelles
meusnfiicios, assim conioconlinuassem intn-
salmente rcnielterem relceos das que iao fl-
nalsando-sc, c isso de conformidade com o
artigo 5. do citado decreto. e at o presente n3o
tive snluco alguma este respeito, e com o
que tem sotTrido bastante a arrecadacao dos im-
postos da dizima. Em virtude do regulamentn
de 9 de abril de 1842, e decreto em additamento
ao mesmo regulamento, se est procedendo no
averbamento de todas s causas cu jos pedidos
excedem de rs. 1:000.OOO, por isso rogo a V. S.
quanlo antes a decisao a respeito pois nao s
com ella evitar-sc-ha o piejui/o da fazenda,co-
mo me guiar a proceder na cobranca das cau-
sas que se achao averbadas, que por se igno
rar absolutamente quando ellas finalizao tor-
na-s de necessidade que as relaces que
houverem de remetler os respectivos cscrivoes
venho declarados o principal e juros, conta-
dos at a data do finalisamcnto lo processo.
Dos guarde a V. S. Recebedoria de rendas
internas geraes 31 de janeiro de 1844. Illm.
A landega.
iendhnento do dia 3........... 6:057So88
Descarrego hoje 5.
Galera inglezaColumbasdivorsos gneros.
Fscuna americanaElizabetl diversos g-
neros.
Briguo inglexDianna bacalho.
Brigue americanoSilphdiversos gneros.
IMPOltTAOAO.
Petrus polaca-franceza vinda do Havre,
entrada no mez passado a confignacao de J.
P. Adour & Companhia manifestou o se-
guinte.
225 barris, e 225: mcios ditos com manteiga,
i caixas com vidros para espelhos 1 dita aspe-
Ihos, 1 dita perfumaras, 1 dita fazendasu'al-
godao 1 dita diversos tecidos 1 dita couros,
1 dita objectos para carrinho 2 ditas pellos de
carneiro 2 ditas a.'.endas de Iao, 12 ditas pe-
dras marmores 7 ditas calcados 4 ditas cha-
peos, 2 ditas ditos de sol 3 ditas fazendasdo
seda, e objectos de cbapeloiro, e selciro, 1 di-
ta brinquedos de meninos, 2 ditas alnetos, 17
ditas papel 4 ditas dito de imprimir, e 1 bar-
rica rame de latao ; aos consignatarios.
30 barris manteiga 1 barrica rame de la-
tao ; a ordem.
3 fardos cobertores de algodao ; a J. Keller.
2 caixas instrumentos para ourives 1 dita
caixas de prata para tabaco; a Dedicrft Robert.
1 caixa calcado; a V. Lasserre fe Columbicr.
6 caixas papel ; a Jos Ramos da Silva.
4 ditas velas; a L. Bruguire.
2 fardos fazendas de algodo ; a Bolly &
Chavannes.
11 caixas papel 1 dita fa/endas do seda, 1
dita ,rieU('tzas 3 ditas pannos de loa 1 dita
guillas, (''la 'cn^os' ^ embrulhos amostras;
aKalkm'ann &Ri"s!'nund- r .,
2 caixas fazeii.'las dealgodao;a I oblerI'reres.
4 ditas ditas dito ," aU-bTobler.
1 caixa livros em brhnc0 2 ditas couros, e
arcos para seleiro; a Avi.,a' r'Ofes-
1 dita doces cabecadas, Ranlas paraca-
vallo; a F. Belenoto
certo nao tardarla; voltou para sua casa, e al-
l estabeleceo-semui contento de ser sua dona.
Dos sabe, Sr., que se Genoveva amava a bor-
dad", nao era para abusar d'ella.
a Nao Iho podendo ser til em urna aldea o
que havia aprendido com a Sra. Raimbaut, pe-
dio-me, que a ensinasse fiar, c, gracas sua
I i.'oirosa de e/los, em pouco teiupo poz-se a
melhor fiandeira do districto: seu trabalho era
bem pago; e por isso contava com a subsisten-
cia segura.
Se o Sr. enta a visse, nao se admirara de
sabor, que, quando se punha jancllu, todos os
viajantes, que passavao, voltava6-so para admi-
rJ-a. Era osboila, grave, e tao linda, como a
Santa, queso vem nossa capella. Sempre que
as minhasoecupacoes me permittiao, ia traba-
Ihar junto alia, c, converandao, <>cuintuiiava-
a ser discreta, nao dar attenca aos diver-
sos rapazes, que so Ihe mostrava afectuosos,
o sobre tudo nao ser vaidosa de sua bel lesa;
mas, se assim Ihe fallava, era por desencarjzo de
consciencia, pois reconhecia o quanto era ella
modesta. Levava toda a semana trabalhar; e
no domingo, preeuctiidos os deveres da icligia,
ia passear commigo aos prados, onde colhia flo-
res, com que vinha ornar os nossos quartos.
Quando cbovia, lia-me bellas historias cm urna
biblia, que Ihe tinha dado a Sra, Raimbaut: as-
sim passou-se um anno, durante o qual sempre
a vi contente, applcada, e sem mostrar-so sau-
dosa do castello,
a Ao cabo d'este tempo fez urna ausencia de
alguns dias. Quando voltei, achei-a inquieta.
O Sr. Cesar, que, havendo concluido os seus es-
tudos, como pode, regressra para a aldea, ti-
nha Ido visital-a. Depois de ralhar mulio com
ella, por ter sahido do castello sem consultal-o,
assevemu-lhe, que ainda a smats, 0 persistid
nos gous anligos projectos. Porm, como Geno-
veva respondeo-lhe, que era preciso nao cuidar
mais nossas puerilidades, quo nao tinha naci-
do para elle, e que quera, Iho fizesse a graca Je
nao procurar vel-a secunda voz, irritou-se, ac-
cusou-a d'entrcter intrigas amorosas, o disse,
que era esse o motivo por quo quera vi-
ver so; mas que anda mesmo contra a sua von-
tade continuara a frequental-a.Depoia pedio-
Iho perdiio de sua violencia, repelindo, que a-
dorava-a, e nao poda supportar a ideia de vl-
PRACJA DO REC1FE 3 DE FEVEKEIKO ?E 1844.
Revista mercantil.
Cambios As tranzaces da semana fraoa-
vultadas ao cambio de 25 /* d. p. 18
reis.
Assucar As entradas rao reglales, eos
ultimas vendas dos de caixa i 050
reis por ( sobro o Ierro do brinco,
e a 18000 reis do mascavado.
Algodao A entrada foi mu diminuta ; po-
rm as vendas regulrao a 5l00rs.
por (a.
Couros Niio ha deposito ; mas sao menes
procurados A 48480 reis a (g).
Bacalho Nao teem havido entradas, e, tendo
sido regular o consumo o depo-
sito nao excede a 2,u0u uarness.
Carne secca O deposito nao excede a 6,000
() ; porm acaba de chegar dous pe-
queos ca regamentos de Ruenos-Ay-
res, com os quaes havera alguma dif-
ferenca dos procos da semana que
frao os mesmos da antecedente.
Farinha do trigo Chegrao dous carrega-
mentos, com os quaes o deposito de
11,000 barricas.
Fimenta da India Vcndeo-se 200 reis a
libra.
a, tao linda como era, casada com um aldao.
Nao tencionacasar-niH. resnondeo-lheGe-
novova; nao desojo mais, do que livor tranquil-
lamente do producto do meu trabadlo, e passe-
ar algUIOaa vezescoma visinha Prudencia, que
me ama, como se (Ora sua filha. Recuso reco-
ber-vos, porque nao quero, que no districto se
ponli em duvida a minha reputacao.
Vendo-a tao dicidida retirou-se, porm
voltou no dia seguinle. Genoveva pedio-me,
quo Ihe pioporcionasse um cneii para evitaras
suas perseguices. Prornetti-lhe tallar ao Sur.
Cesar, o se elle me na5 altendesse, dirigir-Ole
ao lio, cojo apoonessecaouu!>dcvia ser inl d-
livel. O primeiro despresou as nimbas obser-
vac&es; mas o Sr. Raimbaut, disse-me, que eu
era urna :r.u!!:cr de tem; po quera salvar r.2
casa d'um casiimento desigual. Tivo desejos de
responder-lhc, que sua casa era ontafl com o
queeu menos mu imporlava; poim calei-me,
dando-me por muito feliz de me lia ver elle pro-
mettido, que, passados trez dias, estara seu 80-
brinbo de viagem para a Allemanha.
(Continwr-se-ha.J
y


Pafos de Lisboa Nao lia. i
SabaoVendoo-se al 10 res a libra do a-,
marello.
Salitre Nao ha.
Sal cstrangeiro Falta.
Tabacornaependim Vndeo-sc do liGOO
3500 res a g).
Toucinlio de Lisboa Nao ha.
Em barracos existentes no porto.
Austracas.......... 4
Americanas..... 6
Brasileiras......\ 15
Belga .x.........1
Dina.inarcfezas. ... .... 8
Francesas.......... 3
Hamburguesas........ 2
Hollande/.a _......... 1
Hospanhola.......... 1
Inglezas.......... 8
Napolitana.......... 1
Oldemburgueza........ 1
Portuguezas......... 4
Sardas ........... 5
Siciliana. ........ 1
Suecas.......... 9
05
Movimento do Porlo
Navio entrado no da 2.
Buenos-Ayres; 26 dias, brigue-e-cuna sueco
Orion de 180 toneladas capito Nicols
Larsson cquipagem 10, orga carne.
Navio sahido no mesmo dia.
Lisboa ; patacho-portuguez !Yovo-c<>ngresso ,
de 1GI toneladas capito Manoel Jos ia-
to nquipagom9, carga assucar: passigei-
ros. Hita Maria de 'ousa, e 2 menores, Por-
tugue/es.
Navios entrados no din 3.
Buenos-Ayres; 35 das, brigue-hespanhol Te-
merario de 149 toneladas capilao Anto-
nio Zuiusta equipigem 13 c rga carne
secca ; a consignaco de Manoel Joaquini
Hamos &. Silva.
Buenos-Ayros; 4G das hrigue-amoricano
Pltjmoiith, de 178 toneladas capito Itolt
Goodhue cquipagem 10 carga la.i ; a
cinsignaciio do capito.
Triostro; 05 das, polaca austraca Vladisloo ,
do 242 toneladas capitao Joao Antonio
Heggio equipagem VA ca ga farinha.
Navios sakidos no mesmo aia.
Trieste ; barca sueca Haparunda de 401 to -
iteradas capito Wierslroen cquipagem
10 carga assucar.
Gotomhurgo ; brigue-sueco Skelleftia de
20G toneladas capitao Flcctusood equi-
pagem 7 carga asancar.
Stuckliolin ; briguo-suco Ilellena, de 321 to-
neladas, capito J. 11. lnoll. equipagem 9,
carga assucar.
COMPANHIA DE r.EiURIBE.
== Os snrs. assionistas da companhia do lie-
Ionio Joaquina de Sous Ribeco noseoes-
criplorio di ro i da Cadei i do Recife n. 18.
hiribcsSo convidados entraren com una no- Para o Aracaty o hiato Flor de-taran-
va pri'stncaode 4 por'o ( mi 2,000 rs porcada iras segae vagem mproterivelmcnle no dia
aceao ) no praso de 30 dias contados da data 18 do corrento por ter parte de seu carrega-
deste. Eseriptorio da companhia 5 d feveroiro monto prompto : quem quizer carrejar ou ir
de 1844. O secretario B. J. remandes Barros. Ido passagem dirija-se ra Ja Cadeia do Ile-
1 tenente Antonio Jos do Mello jeife, luja de lazendas n. 37.
agento do hospital regimental do 2. hatalhao de !-----------------------------------------------------------
artilheria precisa contratar carne verde para j IjCICS .
o mesmo hospital nesto semestre corronte sob '
Sppfai'iir.ot's
Totalidade da quantia, que S.
Ex. Rm.* despendeo na forma
ahaixo declarada desde outubro do
1833 at 31 de dezembro do
1842 como consta dos roci-
nos ......R*' 1*25:509,315
Ouantia distribuida no anno
do S43pnlos pobres das tres fre-
guozias do Recife da .S e S.
Pedro Martyr, pelos recolhimon-
itosd'Olinda Uua vista Igua-
>rass eGoianna, pelo semioa-
irio om dispensas malrimoniaos
gratuitas, o para o Culto Divino
ncsla capital, e lora d'olla Rs
8:958.570
Rs 133:907,885
Palacio da Solidado 31 de Janeiro de 1844.
Antonio Teixeira .
Mordomode S. Ex. Rm.a
D'orJem do Exm. snr. hispo eleito direc-
tor do lyceo se fa/. publico quo da data desta
a 40 dias iro a concurso as eatkiras de pri-
meis leltras da villa do Rioformoso, e fre-
guezia da Varzea : os candidatos, quo a ellas
se queirao oppr. habililcm-so na forma da lei.
Secretiria do lycoo da cida le do Recife 3 de
fevereirodo 1844. O secretario ,
Joao Facundo da Silva (lUimarnes.
= O administrador da meza de recebedoria
de ron las goraes internas avisa pela ultima
vez aos llovedores da trfa d.. **r* do l.an-i
co legos o carrinlios liens do mi morta e I
de canoas, que espera at o lim desta semana
para virem pa-ar o que esto a oever : pena de
proceder executtivo nohlra aquellos que deixa-
rem de o fazer. Rocebedofia 5 de evcreuo de
1844
Francisco Xavier Cavalcanti de Albuquerque. \
as condicoes que ser patentes em acto de
contrato.
THEATRu PUBLICO.
TERQA FEIRA 6 DE FEVEREIRO
DE 1844.
riECIMA-QUART.VKEPRESEXTACAO
da
COMPANHIA RAVEL.
Beneficio de Mr. Josepk \farcetti.
Combara o espectculo as 8 horas om pon-
to por urna overtura em grande orchestra, se-
guida polas
Estatuas girantes ,
pola companhia Ravel.
Estudos do estatuas antigs o ideias de
niarmore dispostas do modo que estes bel
los grupos do figuras poder ser vistos de to-
dos os pontos.
1. O gladiator moribundo Atlas sustentan-
d i o globo o gladiator combatendo.
2. Hercules suflocando Anlho os pgil-
listas.
3.' O juramento dos Horacios.
4. A partida dos Horacios indo decidir da
soite dos Romanos em combate cornos C-
nanos Discbolo em aeco.
5." Cincinito atando a sandalha o nmol'dor ,
o gladiator em defeza o ultimo suspiro do
gladiator,
G. David conquistador Galsah Hercules,
o Achilor.
7 Grupo de estatuas da antiguldade.
8 Hercules em repouso tim pai salvando seu
lillio do diluvio grupo ideal de David.
9 Os derradeiros esforcos de um gladiador ,
Camillo voltando do combale.
10. Os habitantes de Troia levando o corpo de
Heitor, para ser queimado.
II.0 Prometteo agrilhoado por ordem de Vul-
cano o voo do Mercurio.
O entrudo de Veneza ,
ou
Puhinella de viasem.
Mr. Joseph Marcetti representar o papel
dePulcinella.
Dansas do entrudo.
\ Pulcinella Mr J Mrcetti.
A Montanheza dansa saloia por Mr. I.. F-
rin e Mme Martin Giavelly.
Scona de nrlequim granopas em pomas de
po, por Mr Joseph Marcetli que execulara
a scena do bobndo e concluir com diversos
ejercicios perigosos n'uma s pnrna do pao
Intcrvallo de 15 minutos.
Segunda pane
Overtura em grande orchestra.
Terminar o espectculo pelo bailo cmico de
Monsieur Deckalumau,
ou
A fes'a n'ald".
Esta peca suppe-se ter lugar n'uma peque-
a aldea de Franca no dia da festa de Mr. La-
ronce.
Pereonagens.
Mr. Laronce rico propietario Mr. Lon
Giav lly.
Julho, Gibo de Mr. Laronce Mr. Carlos
Winthcr.
Final. primeiro criado de Mr. Laronce Mr.
Martin Giavelly.
Jacques, terceiro criado de Mr. Laronce
Hr. Joseph M rcolti.
Mr Dechalumau original Mr. L. Frin.
Roquinel. criado do Mr. Dechalumau Mr
Francoig Ravel.
Madama Oliveira irma de Mr. Laronce
Ma>lame Fnelon.
MaJamoisello Oliveira Madama Lon Gia-
velly.
Coutotc criada do Madama Oliveira Ma-
dama Martin Giavelly.
Rsticos e rusticas
Durante a pantomima, dansara a companhia
um grande galopo rustico, e ''r. Francisco
Ravel com Madama Martin Giavelly dan-
ctr i nm nacen Q;iCG SiTiO.
Ivsh manhinos.
__p:iri o Porto sahir no dia 10 do correte
O corretor Oliveira far loilao de bonito
sortimento de fa/endas limpas in^lezas, o fran-
cczas.as maTs proprias d'este mercado, por com-
prehendercm algodiiosinhos, madapoloes, cha-
les, chitas, riscados lilas, brins. suspenso-
rios, platilhas, cassas, pann;nhos, batas, bi-
cos linos moiai de seda, e de algoilao &c. :
quarta-feira 7 do corrente s 10 horas da
manhs, no primeiro andar dasuacasa.
1JU 1 I '.. --------------II.-. .-_______L I I
il visos diversos.
i'runa
mez o muito velleiro briguo portuguoz
r*ra, capitao Jos Carlos Fcrreira Soaros ;
quem qiii'er carregar ou ir .le passagem para
o que tom bons commodos, ent.-nda-so com
o dito capito ou com seu consignatario An-
LOTERA DO TIIEATRO.
O thesoureiro desta lotera principia
pagar no dia 6 do correte mez em seu escrip-
torio na ra da Cadeia-velha os premios
obtidos pela extraccao da 2. parte da 15.* lote-
ra das dez horas da manhaa urna da larde ,
continuando o mesmo .pagamento nos dias 7 ,
e 8 e deste ultimo dia em diante as quartas
e sabbados de todas as semanas na lrrna do
costume.
Na ra da Calcada, n. 38. lava-so, o
engomma-so roupa com toda a perfoiclo ; e
fa7cm-se vestidos de senhora carnizas do ho-
mem c obras de allaiato do qualquer quali-
dado tudo com prompthllo e mdico proco.
Aluga-se urna casa no Coelho na rao do
Jotmim por dotrax da groja de S. (lonralo a
segunda do lado esqnerdo ; quem a pretender
dirija-se a casa junto a mesma que la achara
a chave para ver.
Ouom adiou um par de botins de couro
de lustro para menino querendo entrgal-
os levo os ra do Livramento botica n.
22 que ser recompensado.
= Aluaa-so o tifrcelro e quart andares do
sobrado da ra estreita do Hozaiio n. 30, o
qual tem commodos su'ticientes para urande
taoiilia : tratar na roa rio Queimado, loj n.
13 de Antonio Jos Rodrigues de Sousa.
se Procisa-se alugar por anno, um sitio
porto da praca que tenlia cusa c proporefies
para ter algumas vaccas de leite; na l'raca-da-
indoponiloncia loja de Henrique Jorge.
ts Ahiga-se o soiiunilo ailar da casa 'la ra
da Cadeia do Roeife n 40 o lendo os preten-
dentes inlcresso tomliem no primeiro se alu-
garfl ainbos por commodo proco; na loja de
chapeos da dita casa.
I na mulher (Je bons eos tu mes se of-
for.'ce para o sorvico interno de una casa de
homem solteiro; quem de seu prestimo so qui
wir utilisnr, dirija-se ao pateo do Carmo so-
brado de um andar n. 3.
Kc primeiro a'vhr do sobrado da es-
quina da ra das CrU7.es apromptao se ban-
dejas do bolinhos com todo o aceio e perfei-
cao; fazem so podins, paodel bollo in-
gle/. letria d'ovos, semdo arroz de leito ,
pastis de nata, o tudo com enfeites d'alfi-
nins doces seceos e de calda para embarque :
(atnbcm aprompto-se comidas para fon;
tudo com aceio promptido, e commodo
proco.
Assignei o Athleta e cahi com os meus
cobres ; rocebi alguns nmeros mas a minha
.ubscripcao icou incompleta, isto ; nao me
drSo todos os nmeros, que por ella tinba
direito : ha tros mozos, que espero pelo re-
sultado de um negocio em que cu tinha toda
a f porquo os rapazes erao opposicionistas
como trinta o c entre esta gente nao ha tra-
ficancia ncm pelodiabo ; mas vao-me a cousa
cheirando a calote. Do ouem haver os tantos
res quo mo devem e que nao eUou resol-
tnlo ;i ceder para obras pias pelo intermedio de
mos duvidosas? Creio, que do ninguom
melhor do que de M. Braz quo era a alma do
Athleta o tanto mais quanlo elle com o seu
cnstumadedesembarace pelo /). novo, a cujas
paginas voltou consurou a Estrella e bem
censurado do seu silencio : ora a Estrella
appareceo a final; mas o Athleta queanin-
guem disso aqu fico as chaves ? Nao es-
perava esta logracao da parte de gente tao hon-
rafia um ^ cc*nr\'t*\i'* "n Alntttn
= O bacharel formado Joao Floripes Dias
Brrelo inudou a sua residencia para a ra
das Cruzes. sobrado n. 22: ahi.contina
advogar no civel c crime.
= Anda em praca para ser aremalada nos
dias G e 9 do corrente urna morada de casa ter-
rea de pedra e cal sita nos Amigados roa
de S. Miguel n 22 ( pela nova numeraco )
com sala adianto e atroz doui quartos to-
zinha fra quintal murado e cacimba : po-
nhorada a Reanlo Raimundo Ribeiro e snn
mulher avallada 0.01 300.000 res: quem a
pretender, p le dirir-se ao porteiro e com-
parecer n 18 (iias cima mencionados porta
do Dr. Ju do direito da primeira vara do rivel
pelas 4 horas da tardo.
Alborto Lavenre tem a honra do parC
cipar ao respeitavel publico que elle contin i
a dar licoes das linguas franceza e latina de
mathematiea geographia e desenlio : as
pessoas qu-prol 'iidorom, pJom dirij.ir-se na
Boa-vista ra do Sobo casa do annunciaii-
te ou aniiunciar pelo Diario.
Manoel L'iiacio da Siva l'eixeira com
padaria na travessa da Madre-de-Dos, pa'ti-
cipa aos seus freguezes que pela escacez de
trucos mendos, tem resolvido dar o pao c o
rnais que qui/erein por bilhetes, c logo
que obtenba trocos, OS ir distribuindo polos
seus freguezes.
Aluga-so um arma/en:, com 4 portas de
frente no Recife ra d'Apollo confronte
lo theatrinho : quem o pretender dirija-se a
ruada M.idre-do-Ueos, confronte a groja, no
segundo andar que achara com quem tratar ,
das 7 as 8 horas da uianha o das 3 as 5 da
tarde.
Maria Tbeodora Vianna de Carvalho pro-
fesora pblica de primeiras lellras do bairrodo
Recife faz scienle ao respeitavel publico que
abre a sua aula boje 5 do corrente.
= A requerimento dos administradores da
! liquidaco dos fundos da companhia gcral
extincta e por o jui/.o da 1.a vara do civel
! desta cidade acha-se em praca para ser ar-
rematada de venda e lindos os dias da lei ,
1 urna inorada de casas de dous andares, 0 sotao,
'n. 47 sita na Rua-r.ova com 30 palmos de
fronte o 98 de lundo quintal murado ca-
l cimba propria portao em chaos loreiros .
avaliada om 9:000,000 rs. penhoradas aos
lierdeiros de Joaquim de Almoida Catanho.
Manoel Jos de Azevedo Maya deixou
desde o dia 3 do conente de ter ingerencia na
fabrica de sabao.
= Pcrdoo-se um annelao com um s bri-
llianle e o aro esmaltado do a/ul ; isto desde
o sitio do Mondego al ao theatro pblico ;
ouem o livor adiado o o queira restituir di-
rija-se ao mesmo sitio grande do Mondego ou
a ra da Cruz do Recilo n. 1G quesera re-
compensado.
Precisa-se de una ama, que saiba co-
zinliar e engommar ; na ra da Cadeia do
Recife, loja de chapeos n. 4G.
Precisa-se de um cr ado at a idade de 14
annos, promelte-se iiom tratamento; em Olin-
da hoco do Porto-seguro.
== Aluga-se o armi/eiii da casa n. 13 da
ra do Vigario ; a tratar por cima do mesmo
arina/om.
Urna senhora professoia particular que
onsina, lia mullos annos, a lOr, escro.ver, con-
!,ir doutrina clirislaa com explicacoes coser
chao, bordados, o luvarintos deixando de
excrcer essas (uncedea por ser convidada para
um collegio : do novo annuncia que ella
contina a cnssnst o esro em sua casa na
ra da Cadeia-velha n. 8, e tambom acceila al-
gumas pencionisias : os pas quequizerein uti-
lizar-so das suas litos para com suas ilhas a
poder procurar na dita casa.
Precisa-se de un. rapaz Portuguez do 14 a
l nnos do idade para caixeiro noRio-gran-
do-do-nortc ; quem pretender dirija-se a ra
do Cabug n. 10 onde se tratar o arranjo e
condicoes com vantagem se lor do boa con-
ducta.
sb s chafes de lamillas, que desejo ver os
seus filhns bem adiantados em lr escrever ,
e contar com toda perfeicao eaptidao, OS
termos de poltica, ecivilidado; c as alumnas ,
a ler escrever, contar custurar, fazer la-
varinto de tod s as qualidades, bordar de
marca, marcar do difforcnles modelos eludo
irais que fr niister para qualquer senhora ;
tambom se recebe meninos pencionisias e
meios ditos ed-sco maior trato e esmero
possivi I de ambos os sexos ; quem qui>er se
utilisar do ludo quanlo lica dito cima queira
dirigir se a auh da ra Santa Thereza n. 60 ,
quo a matricula contina, o por preco com-
modo.
= Offereco-se um pequeno.Portuguez.de 14 a
15 annos de idade, para qualquer arrumacao ,
chegado nesta ultima vagem da Primavera ,
nfliancando a sua conducta ; quem d'elle pre-
cisar tenha a bondade de dirigir-sc a ra do
( nlli'or, luir n 11
-" P-- ,-- ------
= Um professor de primeiras lottras, exami-
nado e provado as materias que exige o ensi-
! no pblico e que tem mais do do/n annos de
jexercicio, prope-sc a ensinar por casas par-
ticulares o dar ligos nao somonte no que diz
respeito as primeiras lellras, como tambom a
i msica ; quem do seu prestimo quizer so uti-
lizar, dirija-se a ra de S. Bom Jess das cri
oulas.casa da esquina que volta para a de Santo
Amaro, n. 46.
m,


4
= I.ava-se e engomma-se com todo aceio,
perfcico', e promptido, por preco mais com-
nimlo que possivel ; assim como se acceitao
costuras, tanto de alfaiatc, como outra qual-
quer uuese offereca ; na ra do Aguas-ver-
des n. 100
= Quem precisar de urna pessoa capaz e
hbil para caixeiro de ra armazcm ou ven-
da por balanco o qual'e Potingue/ de ida-
de de 22annos, dirija-se ao pateo do Carino ,
esquina da ra de Hurtas n. 2.
i Ouem souber ond existe nesta praca,
ou ra della .lose Antonio Ferreira natural
de Lisboa, chegado a esta cidade em 1830, an-
nuncie. <
Precisa-so de um caixeiro para venda ,
de 12 a l annos. que tenha pratica di ines-
iii ; na Ra dircita padaria do Oliveira.
Quem annunciou precisar de urna pessoa
para tomar conta de urna venda por balanco ,
dando um terco dos lucros dirija so ao pateo
do Carmo, na venda da esquina n. 13.
A pessoa que deo no dia 30 do p. p.
dous colchaozinhos de bcrgo a urna preto e
se perdeo delle dirija-se a ra da >cnzalla-
velba n. 8\, que Ihe sero entregues.
Aluga-se osobrailinbo n. 100 da Rua-
imperial por preco barato ; a tratar na mes-
illa ra n. 167.
Precisa-sc de 250S rs. a uros de dous
por cento ao me/. com boas firmas ; na Bua-
direita n, 40.
= Roga-sea qualquer pessoa a quem for
ollerecida urna caixa de prata de tomar tabaco ,
de marca grande quadrala, toda do gommos,
foi furtada na noute de quinta feira primei-
ro do corrente, do boleo da sobre-casaca de
um dos agentes do enterro da finada mullier de
Manoel Jos dos Santos na igreja da Concei-
co dos militares; a queira apprehender,'c
leval-a asCinco-pontas n. 26, que ser gene-
rosamente recompensada.
Negoeia-se urna lettra de 1:450)000 rs.
acceita pelo snr. J. V. A. R. P. B. ; quem qui-
zer annuncie.
Comprao-sn seis ps de fruta p5o de mas-
sa ; na ra estreita do Rozario n. 13.
= Compra-se urna garrafa ou maior por-
cio de azeitc de batoput ; na Rua-nova n.
41 segundo andar.
Compra-se urna mulatinha ou crioula,' modo,
de 12 a 16 annos, que seja recolhida, e de
bonita figura paga-se bem ; na ra larga do
Rozario sobrado n. 48.
Compra-se urna corrente de ouro de lei,
sem feilio ; na travessa do Queimado n. 3.
Compra-se um relogio, saboneto de pra-
ta ou de ouro ingloz de fabrica coberta ,
porm com a condicao do dar a contento por
alguns das, para ver se regula certo; quem
tiver annuncie.
Vendem-se nos Arrombados travs de Vendem-se bules e cafeteiras de meta/
25. 32, c 40 palmos, enchams de 20, 30, para cha caniliciros perfumadores, o es)
Vendas
Vende-se na Praca-da-independencia ,
livraria ns. 6 e 8, collccco completa das mxi-
mas pensamentos e reflexoes do Kxm. Snr.
Mrquez de Marica ; 1 volume ornado com o
retrato do autor o o facsmile da sua cscripta ;
preco 3000 rs. Offcrecendo aos appreciadores
do alto talento do I Ilustre Anciao todas as suas
mximas revistase publicadas debaixo da sua
vista em um volume impresso com o maior
cuidado em excellente papel, temos a satislacao
de crer, que levantamos um monumento de
gloria litleraria para o Rrasil. Todas as classes
da sociedade acharad n'este livro sem duvida
o mais interessanto e mais bem escripto, que
se tem publicado no Brasil mximas, e pen-
samentos dignos de Icitura omeditacao que
se espalho com um estilo encantador sobre
todos os objectos de humano saber e co-
nhecimentos cdcixaoo l-ilor espantado de
tanta instruccao e experiencia reunida em um
nico homem que (ao generosamente com-
munica seu tbesouro o fructo de urna longe
vida estudo e leitura immensa para o apro-
veitamento dos seus concidadlos.
\ endem-se listas geraes da segunda par-
35, 36, e 40, nos travessas de 30, caibros de crivaninhas de lata c logo do ar por pro.
25, e30, e estacas de dous palmos e meio co commodo ; na Rua-nova n. 41
'de roda, de imberiba tudo por preco com- Vende-se um adereco de br.lhantos da pri-
nicira agua obra de gosto sublimado ; assi m
-= Vndese um sobrado em Olinda sito omooutras militas obrando brilbanles, e cinco
na fuaduS. Bento tem seis quartos, bom mil oitavas do prata fina de toque de lei, ettni
quintal, portaoparaa ra, terreno proprio commenda do Christo dita da roza dita do
por preco commodo ; na ra da S. Cruz, ven- cruzeiro, habito de t.hristo dito do cruzeiro,
ja n_ Co. dito da roza de 10,000 at 30,000 rs. : no At-
= Vendcm-se os livros seguintes inteira- terro-da Boa-vista, lojo de Joaquim de Ol-
mente novos e por preco muito commodo : veira e Sousa.
Oeuvres politiquea de M Pradt, 28 v. 288 Vende-se um molato bom official de sa-
rs.; Otuvrcs completes de Corneille avec notes, pateiro, de dude de 28 a 39 annos, sem vido
12 v., 12,000 rs.; Oeuvics completes de Jean algum, bom para pagem, e o motivo da venda
deRacine, 6 v. 5000 rs. ; dictionaire de la se dir ao comprador, ou mesmo troca-se por
Fable par Fr. Noel 2 ?., 10,000 rs. obra um negro, recebendo se a volta, que se conven
rarissima aqui e desummo interesse ; Salus- cionar; na ra de Heras n. 142 das 6 at s
tioem lotim um v. 1000 rs. ; Virgilio em 9 horas da manha. ou no Forle-do mattos
latim 3v., 6000 rs. ; IliadofHomer.lv., fallar com AotonioJoaquim d'Oliveira Badtiem.
2240 rs. ; na ra do Queimado n. 25 loja_______________________,______________
de Guilherme Sete.
Vendem-se 4 estrivarias novas, fe tas a
moderna ; na ra da Senzalla-velha n 24.
Vende-se milho superior em saccas; na = Desappareceo no dia 2 rua larga do Rozario, venda da esquina n. 39. ta Maria natural da Ilba-de-Cabo-verde, al-
= Vendem-se cortes de laa e seda o de ta bem parecida rosto com algumas pi-
la* a so, dos padrfics mais lindos, que teem nhas et um tanto magra, levou vestido
pparecido : na ra do Cbug n. 16, loja de branco panno da Costa maisalguma roupa
Antonio Jos Pereira. em um tengo dcsuppor se, que tenha mu-
Vende-se caf moido o melhor possi- dado de trage ; roga-se a todas as pessoas, que
vel muito em conta, em porcSes grandes, estao encarregadas da polica ou outra qual-
e a retalbo calda de tamarindos, em garrafas;
na travessa da Madre de Dos n. 11 padaria
Escravos fgidos
As pessoas ene pregadas a festejaren) a I te da decima-quinta lotera do theatro ; na
Scnbora das Necessidades, erecta em sua capella
na (lasa-forte fazem sciente aquellas pessoas,
que receberao cartas com suas assignaturas,
para coadjivarem a festejar a mesma Senhora ,
que ficao de nenhum effeito por motivos, que
occasionarao c por isso se faz o presente an-
nuncio.
No dia 28 do p. p. a noute furtar3o urna
canoa de conduzir familia com os signaos se-
guintes : pintada de encarnado por fora sin-
tada de branco falca preta beira por cima
branca e dentro verde corrida de bancos
at o meio e estos com os assentos pintados do
sinzento .'paneiro grande oamirotc, coirn
te de ferro e cadeado na popa bastante larga ,
e muito veleira, c ornaiz da proa tuuito levan-
tado ; quern della soubor dirija-se a Rua-
jmperial n. 67, quesera gratificado.
= Aluga se um sobrado com um grande
sitio, na ra do Sebo, com inuitas arvores de
fruto ; a tratar com o brigadeiro ".Imekla.
Precisa se de um trabalhador do massoi-
ra ; na Rua-direila padaria n. 82.
Perdeo-se, 0U Cm casa du sin. douior
Aires ou na do annunciante um recibo de
saldo de contas, entre Fabiana do Barros N-
gramonto c scu fl'ho Antonio Francisco do
Reg Harros, oqual foi passado no lugar Ca-
poeiro tendente a urna sociedade do fabrica-
do de assucar ; quem o apresentar ao atiaixo
assignado na ra dasTrincbeiras n. 1S re-
ceber 100S rs. de gratificacao. Gaspar di
Silva Frites.
= Piecisa se alugar urna cscrava para o ser-
vico de una casa de pouca familia que
saiba cozinhar comprar e lavar dando-se
o sustento e 10,000 rs. mensaes ; na Soli-
dade indo pela Trempe, lado osquerdo n. 42.
D-se dinbeiio a juros com penbores
de ouro ou prata em quantias de cem mil
rs. para cima ; na ra da Praia n. 22.
Precisa se de urna ama de leilo para aca-
bar de criar urna menina indo ella para vi I
a do Rio-formoso ; na ra do Crespo n. 12 .
egundo andar.
O sr.r. Manoel Antonio Monteiro do An-
drade queira dirigir-se a ra do l.ivramento n.
8 a negocio de seu interesse.
Aluga-se urna preta crioula para ama de
leite a qual nao s o tem com abundancia e
muito bom como bastante cuidadosa e ca-
rinbosa para meninos ; quem a pretender, di-
rija se a ra da Palma, caa com trapcira
n. 17.
Praca-da independencia ns. 6c8.
Vendem-se velas do carnauba de 6 e &
em libras, por preco commoJo ; na ra do
Nogueira n. 13
Vende-se urna negra de nacao Angola ,
de 28 annos boa engommadeira c cozinhei-
ra a qual se vende por necessidado ; na ra
da Guia n. 50.
= Vende-se um bom cavallo muito novo,
e gordo bom cstradeiro baixo at meio, bas-
tante ardigo ; na Rua-nova armazem n. 67.
Vendem-se 10 canoas boas e baratas ; na
ra do Queimado loja n. 6.
Vende-se tatagarca do prata fina pro-
pria para sintos de senbora dita de seda para
m'hIo, e sinteiro docricncas c para suspenso-
rios seda frouxa do superior qualidade sur-
tidas de todas as cOres para bordar, c retroz de
Italia fiinissimo em qualidade e em cores e
estas fixas para bordar ; na Rua-nova lado
da matriz loja nova france/a n. 30.
Vende-se em casa" de Augusto Corhctt,
de Manoel Ignacio da Silva Teixeira.
- Vende-se pao, bolacha do todos os lma-
nnos por preco em conta caf moido de li-
bra para cima ; na praca da S. Cruz padaria
da fumin alta.
- Vende-so na ra da Gloria, p5o e bo-
lacha e tambem seda de vendagem a prctos
e pretas que seussnrs. affiancem.
- Vende se papel de peso a 2800 rs. a res-
ma e almaco bom com cem cedernos a res-
ma linha de carretel a 360 rs. a duzia ta-
Ihcres muito finos a 3200 rs. a duzia sabone-
tas para barba rap princeza do Rio ma-
cass perola agua de Colonia muito fina li
nba do peso ditas para bordar, thesnurss
douradas a 320, 400, 500 rs. ditas lisas a
180 rs., eolebetesa 800 rs. a duzia e a cai
xa a 80 rs. meias para meninas do 2 a 10
annos, eoutras mutas meudezas baratas a
contento dos pretendente:; na pracinha do Li-
vramento n. 53.
= Vendem-se presuntos superiores para fi-
ambre sidra em caixas do duzia hervilhas
seccas em barricas e salames novos ; no ar-
mazem do Andr, confronto a escadinha da
alfandega.
as Vende-se urna cscrava do nacao com
bonita figura engnmma com perfeico cose,
e cozinha bem ; urna dita de 20 annos, com
urna cria mulatinho mui lindo ; urna parda
de 18 annos boa costureira engommadeira
e ro/inheira ; urna cscrava quitandeira c la-
viul.'ira ; dous cscravos de natfio um bom
na ra da Cadeia do Recife n. 46 excellente canoeiro, e pescador ; urna cscrava de 20 an-
Compras
tolos
__ Compra-se umscllim usado com
os pertences ; na Rua-impjrial n. 2.
__ Compra-se prata velba e dous cordes
de ouro sem feitio ; na ra da Cruz n. 48,
iipioca em barricas de o a 6 arrobas cada urna ,
por pr co muito commodu.
Vendem-se 4 escravas mofas de boas
figuras engommao c lavan urna cose mui
bem ; 4 mulatinbas boas engommadeiras,
costureirs.. e corinheiras ama ptima ama
de osa.; 5 escravos bons para todo o servico ,
tanto da praca como para o campo ; um pardo
bom para pagem ; um moleque de 12 annos;
na ra larga do Rozario sobrado n. 48.
Vendem-se panellas vidradas de todos os
tnmanhos, sendo as maiores proprras para doce,
assadeiras o alguidares de todos os tamanhos;
na ra da Madre do Dos n. 7.
Vendem-se 3 cavallos mui carregadores,
c novos ; a padaria n 154 na ra das Cinco-
pon'as com todos os seus pertences, um cai-
xfo grande de louro dous pares de esporas dr
lato urna canoa fechada com mais de 60
palmos de comprido e urna porcao de caixas
vasias do Porto, todo negocio se faz ; na Rua-
imperia n. 2.
sSt Vende-so urna escrava preta de meia
idade cose co/inha, e ptima para ama de
casa pelas suas qualidades ; na ra atraz da
matriz da Boa-vista sobrado n. 11.
Vende-se urna balance do signal, chega-
da ha pouco da Frai ca, de forca de mil libras;
na ra da Cruz n. 48 primeiro andar.
Vende-se cera para limas de cheiro a
1120. 1200, e 1280 rs de boa qualidade ;
S2 raa estreita do Rozario uju Je cera n. 3.
Vcndem se 10 pipas vasias urna pre-
en de espremer caj; na ra da Calcada res-
'v n. 12, assiiii como aiuga-sc o sobrado
por cima da mesma rcstilacao.
Vende-so urna venda com os gneros
a vontade do comprador, ou s a armaiao e
seus pertences sita no principio da ra de
Hortas n. 7; a tratar no pateo do Carmo a. 13. |
nos boa quitandeira, e cozinheira; na Rua-
direita n. 3.
= Vendem-so travs das mclhores quali-
dades de madeiras de 30 at 54 palmos de
comprido, e de7 a 12 pollegadas em quadro
d ni ovu i a rua da Cadeia do 15 en le lo-
ja de Victorino de Castro Moura.
= Vendem-se terrenos com 156 palmos de
lundo com as frentes, que es compradores
quizercm na ra da Concordia c as tra-
vessas do Monteiro e Caldeireiro os quaes
*5odo 60 palmos para ende ditos terrenos
tambem fazem frente em direccSo ao rio Ca-
pibaribe : estes terrenos acb8o-se parte atler
rados e parte beneficiados e tambem teem
alagados para a parte do rio e to.dos oTcre-
cem grande commodidade para a soa edifica-
cao por preco commodo ; na ra dos Quar-
teis, boje larga do Rozario n. 18.
= Vende-se urna duzia de facas com cabos
de prata urna duzia de garfas urna pareha
de trinchar tudo do boa prata e urna por-
cao de frascos pretos grandes e pequeos ,
que forao de (rasqueira; em Olinda ra do
Balde n. 24.
= Vendem-se cassasde quadrinhos amarel-
los a 180 rs. o covado ditas dn quadros e lis-
tras de cores a 200 rs. ditas de cordozinho a
200 rs. cambraias de quadros com flores de
cor a 640 rs. a vara e a peca a \j rs. com
8 varas e meia, cortes de chitas fins 3 m
dltM lrance/as de lindos padres a 200 rs. o
covado, ditas escuras tinas a 180 rs. ditas
encarnadas com flores amanillas a IfiO rs n co-
lado, lencos de lia adamascados para pescoco
de senhora a 640 rs. meias de seda preta pa
ra homem a 1000 rs. o par bicos pretos at
4 dedos de largura a 240 rs. a vara e outras
tnuitas fazendas por preco commodo ; na ra do
Cabuga, loja de Antonio Rodrigues da Cruz.
quer pessoa de a pegar e levar a ra do Vi
gario em casa de JoDo Francisco Ponles, que
recompensar.
No dia 22 de agosto de 1842 fugio urna
preta de nome Maria do nacao Rengurlla, cor
preta alta secca rosto comprido e cheio,
olbos grandes, nariz meio afilado, bocea re-
gular, beicos grossos, peitos cabidos e peque-
nos tem as costas de urna das maos um ca-
rocinho pequeo ps apalhelados, e em i>m
ilcllcs tem o dedo grande mais virado para den-
tro o sem unha ; quem a pegar, leve ao pa-
teo do Carmo n. 24, que ser gratificado.
Fugio na madrugada do dia 1. do cor-
rente um escravo preto de nome Temolheo, cor
fula, baixo, reforcado, pouca barba, bem la-
dino ; levou calca, e camisa de algodaozinho ,
chapeo de couro o foi montado em um ca-
vallo de estribaria preto acaxitado grande,
e carregador baixo esquipar, e com cangalba:
este escravo veio do Rio-grande-do-norte em o
dia 29 do passado em cuja cadeia esteve preso
por causa d outra fgida perlence viuva de
Jos Francisco da Rocha Guedes, do engi*nbr>
4rariba de Pimenlel: os aprehendedores con-
du/.3o-no ao mesmo engcnbo, ou a esta praca
entregar a Francisco Jos Silveira ra d'A-
pollo n. 10, que ser bem gratificados e
mui principalmente trazendo tambem o ca-
vallo.
=. Em fins do mez do novembro fugio "o
pardoJoo, claro, parecendo mui sonso
mui capadocio este escravo foi vendido pelo
doutor Benedicto de Pombal ao snr. Santos
Nevcs que o vendeoaosseus legtimossenho-
*ardc ti-
ros ha toda nrobabihdade que uoio *
vesse tomado para o sertao e mesmo para
Pombal levou jaqueta de lila e caicas de
riscado levando alm dessa jaqueta de panno
azul calcas do mesmo. chapeo do pello; c sapa-
tos; quem o pegar, leve aos seus senbores Lrtoir
Pugotz Companhia na ra da Cruz que se-
r recompensado generosamente.
=s No dia 26 do p. p. fugio do sitio do snr.
Lopes na Pa>sagem-da-Magdalena a negrinha
Joaquina de 16 anuos, de nacao Costa le-
vou vestido de chita e panno da Cota ; esta
negrinlia foi do tinado doutor Ulisses ; quem a
pegar, leve ao dito siliq ou no escriptorio de
Lenoir Puget &i Companhia, na ra da Cruz ,
que ser recompensado generosamente.
No primeiro do p. p. fugio o pardo Ri-
corte de 12 a 20 annos, caheca pequea,
cabellos pretos e cacheados testa estreita ,
olhos pequeos e serrados rosto abocetado ,
faltao-ihe dousdentes na frente da narle sune-
. I -
rior pescoco curto sem barba grosso do
corpo ede marca pequea ps grandes e
bem largos cor acabocolada c amarellaca ;
quem o pegar leveao Allerro-da-Boa vista ,
loja de ourivesde Jos Ignacio do Monte, que
recebera 20j rs. de gratificacao.
=Fugio o preto Thoraaz, alto, estatura mais,
que ordinaria, muito direito e bem feito, de na-
cao Mocambique bem ladino de 28 a 30
annos dos quaes est no Brasil u mais de 15 ,
te un c.i uo nariz, urna carreira de caiom-
bos, ou marca propria do nacao rosto com-
prido olhos grandes e bons denles bem
csnhecido n.-a piuca ; quem o peicar, ou uei-
le der informaco aondeelle so ac'ia de manei-
ra, que possa ser capturado, reicher 40.000
rs. de gratificarlo de scu scnbor Luiz Gomes
Ferreira.
Rcifs ha Ttp. ds M. F db Faru.184 i.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6NA3QGT3_9JZMSW INGEST_TIME 2013-04-12T23:03:47Z PACKAGE AA00011611_04572
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES