Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04571


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 8M.
Sabbado 5
O Hl ABlo iinlilirn-se t'di>a na a. ,, .. r
lie de tres mil ra. por ojiarle \ Vn-0s adnr,i.l., t\ i signatura
rratia, om tlosque niinfiircm 1 razan de Sil .,.;. r i i V. s.io inseniloa
5*..,. i,Pq, n^. <:, > 2;;;r,:I'^^^rr,,etem ser d,,i
IMkfr *2
PARTIDA DOS CORREIO& TERRESTRES
[\nn\, e I arnhWia segunda* c seviii (,.:... B; r.._j. i %
le cada mez GaranhuBl a l'onilo a |e "1 de cal. mez .' c, -
28 dUoCdad. a, Victoria, ,.0... KJJJoSd.^do7Z Flr" U
CoMRlMi
Cab
H
c
n s v c D,AS DA SEMANA.
_U .Se, s. Irancisco ,1o S.les. Aud. do.). ,le 1) da 3
.iO Terca a. Matl.nba Bel, aud. do de da 3. i
!i Quera s (ienuniano. Aud do J. del), da 3 v
i Quinta s. Ignacio. Aud do J de 1) da _'. y"
2 Se|ti + PunficacJode KoMa Sinliora.
3 Sab. s. hti. Bel. and. do J. de D. da 1. >
4_Dom. a__A
a^JP*7i-,arpr-TET.--wai. j." VT1
DIAR
de Feverero
Auno XX. H. 27.
Tildo
CCTIT"
ora depende de m'n meamos: di nona |irude ca, oderar.io- e energa: con-
emoa como principiamos e aeiBBOl aplatelos oom .ilmir.ii'" Mitre naijMBIU
ulla*. .Tro-dama I ii. di kaeenMaa Ceral do Bratil.)
cauioi mi
Cambias tobre Lendrea -'5 i.
Paria 370 reii por franco
Lisboa 11 por lili.) de premio
Mocda de cobre /> pnr fentO.
Idam de letra* de hnai flrttai |
MIASI.S
I.ua cSeia a i as S burea e l mi
Minguante a ll ai 5 horaa e ;0 rain
DA I IV NO
DI* 3 IIK I I t l'HKIRO.
Onre-Moedade 8,100 V.
. N.
> de 4,0D.I
p... )......-....
, Peaoa cnlunnnaret
Dito* Mexicanoa
47.HW
17.300
9,600
2,040
,(140
8,040
y.
Mi:/ fE FEVERKIRO.
11..a', iva a !s ia li boma e 1\ min. 1* m
enle i _i ia"i li. a JO, da manliia
l'runii.u- it
da ni
la m
hofa
Primeira aa 4 boras e ,ll min. da manb.ia. I Segunda a- 'i borai e i'l minuto da tarde
r.--l.tmOTrTiii mij
JXZiZKU&rK'XJZ.-' ., :.. .
j--it.il
"iWifT-r
DE PERNAMB
PARTE OFF
^~Stt^'Z**rvnm.-nTv*x*ira.rnyitaa-*,\ \
danle da barca do vapor Paraensc, quo ora so-
guia para aquello porto, a quaotia do 2:1-22,535,
saldo da mesmacoota.
I Portara Mandando abonar ao thesouroiro
da fazenda no livro-caixa da substituirlo das
notas, a quantia do vinte contos de res, que
em notas de 5,000 reis da 8. estampa inutilisa-
Thesourara da Fazenda.
EXPEDIENTE DO DA 23 DOPASSAPO.
OITicioAo Exm. presidente da provincia,
Informando o requerimento do tenente-coronel das recebeo o commandante da barca do va-
Antonio (ornes Leal, commandante da Ilha-de- por Paraense, para entregar no thesouro p-
Fernando-de-Noronha, em quu pedio o paga- blico nacional.
monto dos seus fenclmentos, ato o ultimo de Dita dem 2:122,535 reis para entregar
dezembro p. p. thesouraria provincial dasAlagas, saldo da
DitoAo commandante das armas, enviando- conta corren te, entre esta, c aquella thesouraria
IheosrequerimentosdocapitaoJoaquimdol'on- at 8 do correnle nez [Janeiro).
tes MarillhO, O do alfores Manoel ChltldinO d'->- "-^'gaH-!"MaanaaanawajMaai}^^
liveira Crur.destacados na Ilha-de-Fernando-de- D^^MARflRirA
Noronha, para autorisar com o seuvisto; e ______r ,'WftlDUt^V.
pedindo ao mesmo lempo sodignasse satislazer pm .....
ultima parte da informacao do commiss.rio ,,, r c ;!k ," r
fiscal do ministerio da guerra, dando as pro- ,,e hxm- 's"r-~O alteres .uiz trancisco
videncias, quo llie pedia. Barhalho que no da -20 do corrento parti
PortaraAo contador interino da tliesoura- Pari1 Pedras-de-fogo, cornmandando un desta-
ria, para tomar nota da quantia de 17'-200 rs., camento que ia all estacionar, acaba de reco-
que se dovia a irmandade da Solidada do bair- llier-se as 2 horas da tardo tendo realisado ..
ro da Boa-vista, importancia do frodo terreno, diligencia do quo fui incumbido isto de
m que estova edificada a cotia do extinelo es- prender, em virtude da precatoria do delegado
quadrade cavallaria do primeira linha,vencido
no segundo semestro do anno financeiro do
1842-43, para Iho ser pago, quando se dsse
pelo tribunal do thesouro publico a competente
consisnacao.
dem do da 25.
OITicio Ao commandante das armas, pa-
de Queiiaramobim,comarca doCear. Manoel
da Costa Alecrim all pronunciado por cri-
mc de introdueyao de moda (aIsa na circulacSo
dquello mercado o qul fica recolhido ca-
deia at serremettido para ai|uella provincia ,
onde tem de responder ao jury do distncto da
ra dignar-so salisfazer ao que requisitava o culpa (Queixaramobim). Sirva-se por tanto
commissario-fiscal do ministerio da guerra pe- V. Kx.de proporcionar-lhe no 1. vapor, que
que no proprio origina! acompanha- seguir para o norte passagem, a (mi de ser
sobre a scalisafao das despezas, que se entregue ao abofe de polica do Cear para dar-
llie o conveniente destino a liin de soffrer a llo-
vida punicao. Dos guarde V. Ex. Secre-
taria da polica do Pernambuco 31 de Janeiro
de 184.
IHm. e Exm. Snr. barao de Hna-vista presi-
dente ta provincia.chele interino da poli-
lo officio
va
fasiio rom o recrutamento,
IIIKM no da 27.
Dito Ao Exm. presidente do tribunal do
thesouro publico nacional, remetiendo acopia,
que acompanhava das partidas do livro diario
da thesouraria do mez de novembro doexer-
cicio corre rile.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. dem, pelo com- cia Caelano Jos da Silva Santiago.
mandante da barca de vapor Paraense ---------------------
vinte contos de reis em notas substituidas, ej litndimento d'alfandega de Pernambuco em
com o carimbo inutilisada de 5,000 reis Janeiro de 1841
da segunda estampa. Rendimiento total
Dito Ao Exm. presidente da provincia j Restiiuices
rogando se dignasse expedir as suas ordens ao
dito commandante, para receber na tbesoura- I
ria os vinte cootos de quo trata o precedeiiie i
olTicio; e rnais 2:122,535 para entregar na !
thesouraria provinciHi dos lagOas. j Cnii 50 por % a di-
Dito Ao commandante das armas, paral nheiro
HlM,HJiminamiilTT l'iim'l i tUrTM i|
48 ',i por ,o a d-
nheiro 2:848,716
48 V por o em
assignudos 10:918,8iG
Diversas outras
mercadorias:
a saber
15 por 0a di-
nheiro 28:520,323
15 por /o em as-
signudos 86:851.219
Joia 5 por o
Armazenagem addicional de 3' -'
por %
Reexportaran 2 por o o
Expediente de 1 por o o
(eneros nacionaes '" por o/o
Premios assignados ; por o o
Armazciiagem de > por o'o
Emolumentos de cerlidoes
Multas
Sellos dos despachos
Imposto de 240 rs. por alqueires
de sal
: K~n.TSsi>iwni
115:371,542
.'25,9 W
28:089,646
38,246
12:499,277
40,083
2:323,702
72,907
2.560
280,925
831,342
Variedades.
3.427,320
Rs. 183:020,471
Ronda geral
Dita applicada
154:930,825
28:089,646
183:206.069
185,598
O escrivao d'alfandega ,
Jacome Gerardo Mara Lumack de Mello,
fendimento da meza de recebedoria de rendas
internas geraes, no mez de Janeiro de 1844.
50 por %
assignados
dignar-se salisfazer o quo requisitava o com-
missario-fiscal do ministerio da guerra em sua
informarn nr> rsQUSfitsnto, que acompanha-
va, dejse Soares do Souza cirurgiao encar- Plvora 50 por0'
regado do hospital da llha-de-Fernando-de-No-
ronhu, om que pedio o pagamento dos seus
vencirnentos ate o ultimo dejunhodo anno pr-
ximo passado.
Dito Ao inspector da thesouraria provin- I
cialdas Alagas, remoliendo a conta frrente, Vinhos, e liqui-
entre esta, o aquella thesouraria at o dia 8 do I dos esperituo-
andante (Janeiro) ; e bom assim pelo comman- i sos : a saber
dinheiro
50 por
em
assignados
85.050
3:147,480
159,390
2:362,500
2." dcima de mao mora
Dcima urbana
Dirrit is novos e velhos
Ditos de chancellara
Dm'ma da mesma
-------------------j ImpoStOS de leltras
183-000.471 Emnlnmontos de lafftidoes
Foros de terrenos de marinha
Sit dos .cnsdc raz
Sello do papel
Impostosdo lojasnherlas
3:232,530 l)ll de barcos do interior
Dito de sepes e carnnbos
'loxa de 1,000 rs. por escravo
2:521,890
FOLHETIM.
GENOVEVA, A
1.
LOURA. C)
Em quanto so oceupava d'esle trabalho, al-
guem murmurou atraz d'elle:
Pobre Genoveva, dir-se-hia, que ella na
realidade, que se acba sob este negro veo.
Darcy, vollando-su, vio urna veiha, pobre-
mente vestida; mas CUia fisura annnnriav in_
telligencia, o Tranquesa.
Chama-so Genoveva, disse ello, a moca que
por diversas vezes vi orar neste lugar?
Genoveva Lletaid, Si., do nome de seu
pai, um insigne artista, quo falleceo do una
queda, quo dra do tecto do castello, o tumbem
Genoveva, a loura, como a denominavao no Jis-
trictos, por causa de seus cabellos, tao finos, e
[' )Vide Diario n.26.
tao longos, que a Rella-de-cabellos-d'ouro nao
os linha rnais lindos.
Nao a vi rnais, disse Emmanuel, continu-
ando desenhar, estar doeule ?
II......I C 1 fftom ...-..-tV.ii rwl i V w. .*'--
----- ..w, un j), u.gu WUI.v,.h-----. ..-- ~-
tante a chuva persisti em vir fazer as visitas do
i costumo ai seu Paulinho; j eslava enfraqueci-
da pela febre, e agora a forca a abandona de
todo.
Sua familia a devia ter impedido do com-
metter similhanle imprudencia.
Genoveva nao tem familia, Sr.; nao tem
quem nesto mundo cure d'ella, senao eu; o com
quanto seja dcil, como um cordeiro, nao me
allende, quando a increpo respeito do llho.
PnrAin faundo-ihe es^uero-fe da missaS. de
que ella mo cncarregou!' a vellta foi deposi-
tar sobre o tmulo algumas flores, que Irazia.
Depois de as ter disposto com cuidado, veio lan-
zar os olhos no debuxo de Emmanuel.
Entretanto, quo olla se havia separado, ti-
nha este tirado da algibeira duas peca* de cinco
Irancos, que, quando voltou. rogou-lhe, accei-
tasso para procurar algum lenitivo aos males da
doente.
Tem ?m. um coracSo generoso, disse a
* Rs. 5:805,894
Recebedoria 1.a de feveirodc 1844.
O escrivao ,
Eitanilo Per eir de Oliveira.
13:762,501 REUGIO,
IMDADi: DA IliHIMA.
Esta anidada da igreja catholica urna pro-
va da sua divndade. Com otTeito tantos po-
vos, tantos mHules de homens delinguas,
costumes governos, ate. to diversos, espalha-
dos por todo o orbe, e ha tantos seculos, crendo
unnimemente seni distincao, nem excepcao os
niesmos artigos de f, e as mesmas verdades re-
conhecidas pela greja reveladas por Chrislo
senhor nosso ; ionsi.lerando-se sempro mem-
bros da mesma sociedado com a parlicipacao
aos niesmos sacramentos e as mesmas orn-
eos ; s piule ser obra d aquello quem na~
da impossirel .'
Para inanteresta unidade preriosissima.est.i-
beleceo o Divino Mcslre um ministerio ou sa-
cerdocio queespalhou por todas as partes da
sua greja enrarregado de pregar, e ensinar a
l. administrar os sacramentos, celebrar osa-
crificio, e roger o seu rebanbo. Dividi este
ministerio em diversas ordens, que frmao urna
jerarchia. Em lodo o lugar onde existern alguns
fiis quiz que houvesse um sacerdote, e pas-
tor da ordem inlerior ; estes sao os parocbos ,
e sobre um certo numeio d'esles estabeleceo
um da crdem superior quem estes ibssem
subordinados e sao estes os hspos que se
communicao entro si, ao mesmo lempo nuo
com os parocbos, e por meo (lestes com os
fiis.
Porm romo estes pastores da ordem superior
alm de seren em grande numero se acbao es-
palhados em paites mu i (lisiantes um dos ou-
Iros.afirn de que ellcs nao se desunissem, e en-
sinassem doutrinas errneas, quiz a divina pro-
videncia que o ministerio eclesistico tvesse
um cliefe visi\el e quo representasso o nvisi-
vel nosso senhor JezusCln isto.
Rcvestio pois Dos esle chefe da sua greja
do primado de honra o jurisdiccao a (im de
que elevado cima de toda a greja, e tendo to-
do o poder podesse ser aperrebido do todas as
partes como centro commum conservador, e
defensor in unidads. Ecor.cmia ubmc da
igreja catholica e digna de seu divino Autor !
Organisado assim u rehauho de Dos nao po-
de erro algum introduzir-se na sua doutrina ,
em todo o lugar que elle se mostrar qual-
quer dos pastores como senlinellas em Israel,
levantar contra elle sua voz e se o nao po-
der vencer o denunciar aos domis pastores,
e ao chefe supremo o os esforcos de toda a
igreja rnais tarde, ou rnais cedo d'elle trium-
pharo. Assim o simples fiel est rerto que o
que elle er" o que er o seu parocbo, o seu
bispo e o seu papa.
Ora este chefe supremo,:! quem cabe a honra
do representar na trra o Chrislo filho do Dos
183:020,471
1:827.334
5,226
104,425
h, 830
175,869
63,271
3,200
70.114
1:641,625
471,800
510800
110,400
64.000
753,000
camponoza, sem receber o dinheiro, e sua bon-
dade me anima (azer-lhe um pedido. () que
exarecba o mal de Genoveva, bem o ve, Sr.,
estar separada d'esta porcao de trra, onde se
acha encerrado o edrpo de seu filho. o. ,.m
lugar de dinheiro,dignasse-se vm. de dar-mc es-
te quadro, cstou certa, que m'o agradecera
tnais que tudo.
Urna cousa nao obsta a outra, replicou
Emmanuel, acceite agora o dinheiro, e levar-
Ihe-hei o quadro, apenas o acabar. Onde mora ?
All em baixo, na extremidade do cami-
nho, que seguem os robanhos para chegarem ao
pasto, n'uma casa terrea, amarella, e baixa, di-
ante de cuja porta encontrar urna cabra pas-
cendn.
fnmn se chama *>
Prudencia Valin, sua serva, Sr.
No dia seguinte Darcy encaminhou-se para a
casa indicada; reconhecco-a lacilmente: e entrn
depois de haver ouvido a voi de Prudencio, que
ni-ssa occasiao affecluosamente reprehenda Ge-
noveva, por nao querer tomar alimento algum.
Emmanuel enterneceo-se d'ante-mo pela
pessoa, que ia ver; porm quando a avistou,
tanta mocidade devorada pela dor, tanta belle-
za lanada pela miseria, fizerao nascer em seu
coracad urna d'essas activas piedades, que s
repouso, quando teem mitigado a desgraga,
que Ihes deo o ser.
Genoveva eslava sentada em urna poltrona de
nalha, espaldar de madeirs: sua cabeca, cu-
bera com urna toca pela, atada sob o queixo,
oVclinava-se para traz, como /levada pelo peso
d'uma madcixa, quo da coiTa sobresahia; suas
en.magrecidas mitos apoiavo-se sobre osjoe-
Ihos; mas, apesar da languidez, em que pareca
abysmada, havia em sua posicao urna graca in-
definivel. Quando Emmanuel se Ihe approxi-
mou, caprcsentou-Ihc o debuxo, ugradeceo-lh'o
com urna voz trmula, o baixa; depois, ao des-
enrolar o papel, duas lagrimas sallra5-lho dos
olhos; osles grandes olhos azues lanrra sobro
Caroj urna iiiinaa vista, e em seguida tixarad-se
attentamente na parte do desenlio, oude *ia-se
a cruz de Paulo.
Kiniiriimi'l ennfJuzido h e?*a ro5jr/c IjabitS-
cad por um simples impulso do humanidade,
voltou ella, levado pelo interesse, que aos ca-
racteres serios inspira tudo o que tem o cunbo
d'um zelo duravel. A l'aculdade de esquecer pa-
rece aos espiritos elevados urna iinpcifeica da
naturesa, e a constancia nos pezares para el-
lcs o caracterstico de una roalsuperioridade de


frrtmrt- vmnsoMVC M i
vivo tcm para dcsempohhar tao ardua como
sublime missao asscguintes promessas do mes-
mo Christo.
Infalll)ilidadcM|uantoa l. Egoroguvi pro te
ut non dificiat fijes tita. Autoridado para con-
du/.ir. Pasee ove$ meas.
Soberana do jurisdiccao. Tibi dabo claves
reyni cadorum.
E maii fcil sera passar o Co e a torra do
que um til (Testas promessas !
Embora os hereges, osschismalicos, os phi-
losophos, os impos, os poderes as suas baionctas, e canhoes se conjurcm contra
Pedro diriso tu s Petrus e sobre esta pedra
edificarei a minha greja us portas do inferno
nao prevaloccrao contra elle tu s o pharol ,
o guia o centro a unidade contra ti se es
magar as cabeeas dos loucos, que so levanta-
ren) contra mim !
Se consultarmos a historia, veremos cumpri-
das estas promessas Que combates, que cs-
for^os nao teemempregado contra ella os impos,
eos poderes da trra sobre tudo n'estes ltimos
tempos o quando ellos julgavo submnrgida a
vcllia barca, que conta desanove seeulos 6 quan
do com pasmo de seus perseguidores c nao
dos liis, que isto ja esperavao ella surge se-
rena e victoriosa com a preciosa carga de
unidadeda igreja illesa e inclume.
Oh unidado santa da groja catliolca tu s
divina b ebefe visivcl da igreja tu s digno
de todo respeito! tu representas o ilho de Dos
vivo e tu s o pharol desta unidade taore-
commendada por elle e honra, e amor pois le
sejao por todos tributados.
ORUEXS RELIGIOSAS.
Se ha quem diga mal d'estas nstitUcSet da
groja de Dos, sem fa/er distineo entre bous,
e maos religiosos, entre urna ordem em scu vi-
gor c urna communidade de gente devassa e
relaxada ; ser tal ve/, algum moco inconsidera-
do que so se eleva cm cusaquinbas bem
ranec/.a ou em cabellos divididos ;i compaco ,
com urna estrada pelo mcio [aondt atolissevem
dar o sen passeio, di/Ja Jos Daniel) ou cor-
tados bem ao nivel como vemos pintadas as
damas da era dos Aflonsinhns ; c olhar para
um pobre Franciscano com despreso e per-
guntar : De que serve aquelle sacco de car-
v5o alado pelo meio com urna corda ? E
t de que serves n'este mundo moco incon-
siderado e libertino que andas encuendo de
pernal cssas ras da cidade desinquietando as
donzellas recatadas, e enxovalhando as casas
honradas ou pelo menos escandalisando o
mundo entrando publicamente as casas de
prostituidlo roubando para esse pessimo fim
a gaveta do teu Iludido pai, a quem tanto cus-
ta ganhal-o ; e tolvez satisfuzendo-te com cri-
mes infames, e secretos que herdaste da in-
feliz Pe n taple?
Cala-te, que nao sabes o que dizes nem
aonde tens o nariz. As commundades religi-
osas quando em seu vigor, sao um tbesou-
ro na sociedade ; mas quando relaxadas, c
esquecidas da sua dgnidade sao urna peste na
repblica ; faze portanlo distineco dentro o
hpin p n mal o doools fallars com mais acer-
t. Ponhamos as cousas no seu lugar c nao
troquemos os nomes chamando ao bem mal ;
e ao mal bem. Os religiosos quando bons ,
sao cousa ptima: quando maos, sao cousa pes-
sima. (fuereis vel-o palpavelmento? Ha com-
mundades que se emprego na cura dos en-
fermos e cujo convento um hospital : que
caridade que /lose v n'estes homens que
beneficio humanidade padecente Estes sao
os religiosos de S. Joao de Dos. Ha outros ,
que se dcstinao redempeao dos captivos Que
obras heroicas nao la/iao estes bomens, che-
gando alguns ficar caplivos por um lempo,
organisacao. As poucas palavras, pronunciadas
por Genoveva, seu porte gracioso, na irais com-
pleta miseria mesrno, e alm ri'isto a forma do
seus usados vestidos, attestavao, que a vida dos
camponezes nao tinha sido a nica partillia d'es-
sa des',rnc:,''''>; porns -rey, spesar do grande
desejo, que tinha, de conheccr um passado, em
que sem duvida nao pequea parte teria o a-
mor, e o abandono, nao quiz interrogar Pru-
dencia: elle se disse, que esse presente, cheio do
privaces, ede angustias, e talvez de arrepen-
dimento, bastava para interessar; e que procu-
rar saber o secreto motivo das dores de quem se
obsequia, querer satisfazer una curiosidade
pueril, servindo-se para isso da caridade. Abs-
teve-se pois de qualquor interrogatorio acerca
de Genoveva, e cuidou smente em assegurar-
Ihe os soccorros, que, em sua ausencia, llie nao
poda proporcionar o elo da aia.
O retrato da Sra. laimbaut estava quasi aca-
bado, c Da rey na8 t:r.ha de exprobrar-seda ioi-
nima traicaS para com seu hospede; podia, no
acto de retirar-se, apertar, sem corar, a mao de
Raimbaut; mas a victoria, que havia ohtido
sobre si mesmo, ser-lholhia mais agradavel, se
o abatido gesto de Clotilde nao viesse alterar
o pesar, que d'ella lhe devia resultar. Com
para restituirem os maridos a suas mulhercs, os
pas i seus filhos! Estes sao os discpulos de
S. Felis de Valois, de S. Jo3o da Mata de S.
Hay mundo. Ha outros destinados assistir aos
moribundos, c ajudal-os com os soccorros da
rcligiao e preparal-os para a grande jornada
da eternidade. Estes sao os discpulos de S.
Gamillo de Lellis. Outros servem educacSo
da mocidade i cathequose dos gentos como
fa/ao entre nos os filhos de S. Ignacio e do
grande S. Francisco Xavier. Em fim quo
obra de piedade haver quo nfio tenha sido
promovida por estas santas sociedades ? Que
lirei dos religiosos do monte S. Bernardo, que,
dos que so emprego as escolas pias ?
Havia cm Franca religiosos chamados pon-
tfices cujoofficio era edificar pontes para fa-
cilitar as enmmunicncoes dos povos Os nossos
religiosos do Brasil faziao n'outro tempo aca-
thequesedos indios, aldeavao-nos, amancavu-
nos, e ficavao sendo seus parochos. Quo p-
tima cousa! Anda nos nossos das vimos gran-
Ics religiosos r-rn .ciencias, u virtudes, que pre-
gavao apostlicamente abrirlo aulas pblicas
em seus conventos o vivando n'ellcs religiosa,
e honradamente servirlo como coadjutores dos
parochos c os pas de familia, sobrecarregados
de descendencia achavao nasordens religiosas
um bom commodo para seus filbos segundos ,
e alivio em suas familias. Nao tudo isto cou
sa ptima ? E que faltava ;i um religioso re-
formado ? Nao achava elle alli casa cama ,
meza enfermara medico, botica sinceros
amigos bons mestres bons livros, e occa-
sioes de ser til a humanidade, ja na cadeira .
no pulpito no confissionario ? Tudo isto
ptimo : tudo seria para desojar; seria um Co
aborto na torra.
Mas se estas sociedades se relaxao entilo
nao ha no mundo urna cousa peior nem mais
letcstavel. Acabou-sea vida commum cadi
um procura ter dinheiro o boas patacas or-
na sua celia com boas pinturas, mangas de vi-
dro opresonta bom cha em bom apparelho ,
ricos trastes, l diarios em lugar de breviarios,
nem sabe ja onde fica a livraria. O melhor
panno para os hbitos, boa calca bem lus-
troso sapato, cabello secularesco ( que lhe diz
tao bem como ranho em parede ) sae de noute
nara onde ? Vae ao theatro ; ( por que em fim
ha theatro de S. Pedro de Alcntara de S.
Francisco, de Santa Thcresa falla so de S.
Benlo o de Nossa Senbora do Cormo ) fre-
quena sociedades secretas e como nao lhe as-
sentar bem o tal avental e tiracolo sobro o
habito ( Pon tolo ) Pois se lhe cahirem as
maos as rendas do convento spr possivel di-
lapidabas para sustentar mulher e filhos ?
Tudo possivel. Oh Santos l'atriarchas c-
nheceis vossos filhos ? Isto serao supposicSes ?
Ouserao realidades? Outros, que respondo.
Excellentissimos srs. ministros, Excellentiss-
mo Internuncio, para que se cancao VV. EEx.
com consultas, sem salieren), que remedio da-
rao tantos males? Oucao o parecer de um
homem de boas intences. Se alguma corpo-
racao est n'aquelle estado olhem que nao
tem remedio. Nao soflrao mais similbantes cs-
ndalos iiiniiueni iodos esses para um con-
vento, o que la joguem as cabecadas at nior-
te e faco vir ptimos padres de Franca ou
da Italia pois os tem l excellentcs para a edu-
cacSo, para missocs para a calbequesu, pes-
soas uuc so teein votos iio|*''ntWgUSS esses
ptimas casas a esses sacerdotes : para seu pa-
trimonio basto 2 ou 4 loteras, com que se
lhe comprem apolices. Verlo como o povo do
ftio anda religioso corno so lhe encherao os
noviciados; verao a educacao, e magisterio re-
novado. Acabem-se similbantes escndalos
"empre assiin se tem feito da santa igreja. Aca-
be se corr os relaxados que ignorao que
cousa o espirito de religiao, e enlreguem-se os
conventos a gente, quo faca fruto. Oh so estas
vozes fossem ouvidas por esses srs., que nos go-
vernao outro seria o sou socego e a nossa
ediheacio.
quanto Emmanuel altribuisse ao amor pro-
prio d'essa rapariga urna grande parte da mu-
danca, que se lhe notava; todava nao podia
deixar de reconhecer, que nao" era somonte a sua
vaidade, que se achava olTendida; e persuadi-
se, dC qUC JITi .igual u c.iiu umumudiia o
iii.il. que involuntariamente havia causado.
N'iina manhaa, em que pela primeira vez ia
ser retocado o retrato da Sra. Kaimbaut, elle
pegou as maos do modelo, como para as col-
locarconvuiit'nluincnte, e retendo-as as suas,
d:sse:
Eis urnas maos, cuja purfeicad dera-mo
bastante trabalho.
R para pu ni I-as, vin. as aprisiona? repli-
cn Clotilde, agitada.
K~ r..
'" .....i! u cuas ii mViii.
Obtol-o-ha, se bum que talvez o naS mo-
rera.
Pois bem, uuniinuou Emmanuel com urna
indexafi do voz allectuosa, e grave peco estas
encantadoras maos, que, depois do minha parti-
da, derramaren) algumas grabas sobre urna info-
liz, que o acaso mu fez conhecer urna possoa,
cuja desgraca deve commover...
Viu. a recoounoada, quauto basta, res-
HONBA AO SACERDOCIO.
S6 queTi nunca leo os livros sanios, que
ignora quanto Dos tem sido zeloso pela hon-
ra de seus ministros. Elle os constituio pira
julgar as tribus, para lu^es porpetuas do seu
santuario c medianeiros entre o povo e elle.
Que ttulos e prerogativas nao tinho o snmmo
sacerdote e levita da antiga le! J. Christo,
Pontfice eterno sem mancha depois de re-
gar a trra com seu sangue estabeleceo o sa-
cerdocio para fazer suas funeces e represen-
tai-o visivelmente face de todas as naces.
Por tanto o sacerdocio obra de Dos. Os
ministros do Altissimo sao os homens do Dos e
da igreja cooperadores da recociliaco esal
vacSo das almas, revestidos de um sacerdocio
real, niu siiavei que todas as riquezas da
torra e quo toda a grandeza "dos imperios do
mundo de um sacerdocio superior mesm8
dignidado dos anjos. J. Christo disse que
olios seriio pastores de suas ovelhas; e que
praticassemos o que ellos nog ensinassem, o que
(icaria com ellos at a consumado dos seeulos,
o que quem os desprezasse elle desprezava .
Que respeito o dos nossos pais aos hispos e sa-
cerdotes! Constantino se gloriava doheijara
mao dos hispos, e os signaos dos quo tinhao
soffrido pela f : Theodosio se submetteo pe-
nitencia de Ambrosio e sahio do templo com
tanta submisso como se o mesmo Christo o
tivesse penitenciado. Os reis se honravSo de
receber os ministros do Dos e Ibe Bpresenta-
v5o seus filhos para recoberem a sua benco ,
sentavao-nos a sua me/a como se fossem an-
jos de paz. Todos os bens, dados igreja o ao
conventos, provo a grande venerac5o que
em outro tempo se tinha aos sacerdotes. Ha
entre elles escndalos; verdade ; mas tam-
ben) ha bons exernplos. Temos visto nosacer-
do io homens do integrdade, e HustracSo ,
dignos dispensadores dos santos mysterios: Bo-
ma a quem seaecusa de ser theatro de intri-
gas e ambicio tem tamhem dado ao univer-
so exernplos de nmi altas virtudes e anda all
se acha a verdadera sciencia com a verdadera
virtude. A historia ecclesiastica nos mostr a
veneradlo quesempre houve para Boma e a
Ma a quu o ueniro da unidade.
[Do Diario do Rio.)
No espirito gcral dos homens di/. Bossuet ,
secomprchendem quatro especies d espirito ,
diametralmente oppostas candado e que dSo
progresso ao mol
Espirito de resentimento,
Espirito d'averso ,
Eepirito d'inreja ,
Espirito d'indifferenca.
Faz-se-nos urna affensa esta accSo parti-
cular indispoe-nos contra aquello que a pra-
ticou : = Ahi temos o espirito de resentimen-
to.
O espirito d'aversao vai mais longo : nao
urna accao particular que o laz constituir mus
sim toda urna pessoa quo nos desagrada ; a
sua fisionoma os seus gestos o seu andar ,
ama palavra tudo quanto nella vemos nos
choca c rcvcits.
O espirito d'inveja esse excede os outros :
nao porquo o individuo nos olTendco ou
nos desagrada quo possuimos um espirito tal,
mas sim porque o vemos feliz ; se o nao (osse
nos o amaramos; senao conhcccssemos nclle
alguma cxcellencia pela qual nos queremos
considerar depremidos loriamos 6 seu respei-
to disposices mais justas.
pondeo a Sra. Raimbaut, interiormente olTen-
dida (i'um pedido tao respeitoso; mas, com tu-
do, seducida pela esperance de pudor renovar
com Emmanuel suas relaces, ja prestes in-
terromperem-se; cumpre, que diga o nome da
su jucgiun.
Chama-se Genoveva, e appellidao-na a
loura, por causa...
Darcy nao teve tempo de acabar; Clotilde re-
cuou bruscamente, e, olhando-o com altivez,
disse:
com a intencode offender-me, Sr. Dar-
cy, que pronuncia perante mim o nomo d'essa
rapariga ?
Nada soi d'ella, Sra., senao quo digna
de lastima.
Lastimo-a o Sr., so a julga dqjna d'isto
porm n5o recorra mim para consolal-a. E,
se quizer saber o motivo, por quo me nao asso-
cio uos seus bemfazejos projectos, pergunte-o ao
Sr. Raimbaut; ninguem, melhor do que elle,
, lhe poderadizor, que distancia deve separar Clo-
1 tilde Raimbaut de Genoveva Lietard.
Pronunciando, com dosdem, estas palavras,
Clotilde deixou o quarto.
Emmanuel ficou por um momento indeciso;
O espirito d'indifferenca se d sempro quo,
conlorme ao sentir a linguagem esta :
que me importa que elle soja leiiz ou desgra-
nado hbil OU ignorante, estimado ou des-
prezado? quo importa que isso ou aquillo so
faga? Esta a disposcao mais opposta cari-
dade fraternal. Oqueapossun, cheio o oc-
cunado nicamente de si mesmo nada sent
pelos outros e nao lhe testernunha mais que
tibesa e nsonsibilidade. [Museu Pioresco).
( Trese de Maio. )
COMMERCSO.
Alfandega.
Rendimentododa 1.".......... 8:51-1827
Descarregao hoje 3.
Patacho hamburguezFortunacarvao.
Galera-in^leza6'o/uiusfazendas, sabao,
inariieiga saiitre o ferragens.
Briguo rancezPetrusfa/endas c man-
teiga.
Patacho americanoEUzabeltdiversos g-
neros.
lovimento do Porto.
Navios sahidos no dia 31.
Philadelphia ; brgue-cscuna americano R. F.
Lo per, capito North, carga assucor.
Demorara ; brigue ingloz Wihom capilSo
Thomas Campbell carca lastro.
Ncw-Orleans brigue inglez Agnes capitao
Charles Coble carga assucar.
Navio entrados no dia 1.
Entrou de crusarcom 10 das o brigue-escuna do
guerra braslciro Gararapes commandante
1.a tcnente Jos Secundino Gomensoro.
Roslon; 34 das, brigue americano frig Sylph,
de 19o toneladas, capitao Grap Pallad, equi-
pagem 9 carga farinha.
Sucia; 50 das, brigue dinamarqus Hannel,
de 140 toneladas, capitao F. P. Fow, cqui-
pagem 9 carga lastro.
Ubservaces.
Fundeou no lameirao o paquete de vapor inglez
Club vindo dosul.
Edita es.
0 Dr. Manocl Mendes da Cunha Azevedo, juiz
de direito da segunda rara do crime, na co-
.marca do Recife de Pernambuco por S. Al.
I., que Dos guarde 6e.
Faco saber que abro correccao no termo des-
ta cidade no dia 3 do corrente mez de fovereiro,
e que no prasode 3 das depois do ja menciona-
do, todos os escrivaes dos delegados, subdelega-
dos, e juizes municipaes apresentern em casa
de minha residencia ao escriva da correccao os
reos de culpados, os processosjeriminaes tanto
pendentes, como os definitivamente julgados pe-
los delegados, subdelegados c juizes municipaes,
nnn tenha na.?d'> am migarlo.
' Outro sim ordeno, que os tabelliacs do notas,
eosescrives do tormo apresentern peraulemint
todos os seus livros, e igualmente ordeno, que
os escrivaes de orfos apresentern em casa de
minha residencia todos os autos de inventario,
contas de tutores e todos os livros respectivos;l
seu cargo. E para que chegue noticia de to-
dos os mencionados neste edita I, o na5 possaS
alegar ignorancia mandei passar o presente ,
que ser publicado pela imprensa, e fizado nos
lugares pblicos deste termo. Dado o passado
nesta sobredita cidade do Recite ao i. do feve-
reiro de 1844.Eu Jos Alfonso Guedes Alcan-
forado, escriva da correccao escrevi
Dr. Manuel Alendes da Cunha Azevedo.
depois, tomou o chapeo, e sahio para ir ques-
tionar Prudencia.
Pastorando a cabra, a velha flava, Emmanu-
el assentou-se ao p d'olla, e perguntou-lhc:
Como passaGenoveva?
iusu-ihiiUj, ciimu sciupie, Sr. O medico,
que vm. teve a bondado de enviar-nos, assegu-
ra, que no melhorar, se nao mudar dear, is-
to so naoseparar-se do lugar, que a faz re-
coidar de todos os seus pesares.
tcm ella outros alm do da morle de scu
Certamente; porm este o maior, o quo
a consomm, e o que a matara. Os outros nao
Ihcchegarao ao corago: era tao moja !
Ainda nao tem muita idade?
- Ha de fazer vinte annos no da de Res.
Tinhao seus pais meios, para dar-lhe a e-
ducacao, que parece ter recebido ?
Ah nao oi a morte de seu pal... Mas
isto urna historia muito longa, que vos enlas-
tiar talvez.
Ao contrario, estou certo, que me.ntercs-
sar; farme-ha vm. o favor de contul-a .'
Do bom grado, se esta disposto ou-
v,l*a,' (Continmr-se-ha.J


Manoel Jos Ferreira dos Nascimcnto fiscal
da freguezia da S em virtude da lei, ^c.
Faco saber aos incos comparochianos, quo
da dala do presente vinte das principio a fa-
zer os corridas cm minha freguezia revistan-
do os pesos medidas, varas, covados, b-
Ibctes de boceteiras, e masrates e as estradas;
v para quo nao se obamem a ignorancia OQ
descuido, laco o presente publico pela folha ,
e mando afixar nos lugares mais pblicos desta
freguezia. Olinda 30 de Janeiro de 1814.
Manoel Jos Ferreira do Nascimento-
Deca racocs.
O 1. escripturario da meza de rendas in-
ternas provinciaes desta cidade abaixo, assigna-
do, tendo concluido o lancamento da decima
dos predios urbanos do buirro do Recite, avisa
aos snrs. propietarios, c a quem mais possa
interessar, que, tendo alguma reclamado a
fa7er tendente a collecta dos predios do dito
bairro, o poderd fazer nadita repartiese em io-
dos os dias uleis, das nove sduas horas da
tarde. Meza de rondas internas provinciaes t.
de fevereiro de 1844. -_
Jos Quedes Salgueiro.
- O actual thosoureiro* das subscripcoes da
casa de rorreceo onlrou no dia 31 de Janeiro
com duzentos mil reis para o cofre da thesou
raria provincial, recebido naquelle niez do
snr. Thomaz Alves Maciel por mo do scu
procurador nesta praea cuja quantia o dito
snr. Alves Maciel agenciou de varios cida-
daos da comarca do Brojo para o iim cima
relerido. A saber : ossenhores
Tliomaz Alves Maciel 50,000
Jos do Reg Coulo 25.000
Reverendo Luiz Bezerra Monteiro 20,000
Antonio Alves Maciel 16,000
Jos do Reg Maciel 10,000
Joo de Dos da Luz 10,000
Jos Xavier de Oliveira 10,000
Felis Cavalcanli de Albuqucrquo 10,000
Antao Ferreira Le te 10,000
Venceslao Cavalcanti de Albuquerquc 8.000
Manoel Rento da Cosa Pinheiro 5,000
Jos Manoel da Silva 5,000
Aleixo Teixeira dos Santos 5,000
Hoque da Silva Albuquerque 0,000
Scbasliao Jos da Costa 5,000
Jos Leandro Cardozo 5,000
Rs. 200,000
Manoel Ferreira Ramos.
THEATRU PUBLICO.
TERCA 1 EIRA 6 DE FEVEREIRO
DE 1844.
DECIMA-QUAKTAREJ'RESRNTACAO
da
COMPANHlA RAVEL.
Beneficio de Mr. Joseph Marcetli.
Comecar o espectculo as 8 horas em pon-
to por urna overtura em grande orchestra, se-
guida pelas
Estatuas girantes.
pela companbia Ravel.
EstodoS de estatuas antigs e ideias de
marmore dispostas do modo que estes bel
los grupos de (guras podero ser vistos de to-
dos os pontos.
.; O giadiaior moribundo Aiias sustentan-
do o globo o gladiator combatendo.
2. Hercules, sullocando Antbo os pugil-
listaa.
3." juramento dos Horacios.
4." A partida dos Horacios indo decidir da
sorte dos Romanos em combate com os Cu-
riados Discbolo em accao.
5." Cincinato atando a sandalha o amolador ,
o gladiator em defeza o ultimo suspiro do
gladiator.
6. David conquistador Galsab Hercules,
e Acbilor.
7. Grupo de estatuas da antiguidade.
8." Hercules em ropouso um pai salvando seu
iiu o diuviu grupo iub! de B!
9. Os derradeiros esforcos de um gladiador ,
Camillo voltando do combate.
10. Os habitantes de Troia levando o corpo de
lleitor, para ser queimado.
11." Prometleo agrilboado por ordem de Vul-
cano o vo de Mercurio.
O enlrudo de Veneza ,
ou
Pulsinella de viagem.
Mr. Joseph .iarcetti representar o papel;
de Pulcinella.
Dansas do enlrudo.
A Pulcinella Mr. J.Mrcetti.
A Monlanheza dansa salo.a por Mr. L. f -
rin. e Mme Martin Giavelly.
Suena de arlequn granopss em pernas de
pao por Mr. Joseph Marcetli. que eiecuUra
a secna de bebado e concluir com diversos
exercicios perigosos n'uma so perna de pao.
IntervallodelS minutos.
Segunda parle
Overtura em grande orchestra.
Terminar o espectculo pelo baile cmico de Ahr
Monsieur Dechaiumau ,
ou
A festa n'alda.
Esta peca suppe-se ter lugar n'uma peque-
a aldea de Franca no dia da festa de Mr. La-
ronco.
Pcrsonagens.
Mr. Laronce rico propietario Mr. Len
Giavelly.
Julbo lilho de Mr. Laronce Mr. Carlos
Winther.
Final, primeiro criado de Mr. Laronce Mr.
Martin Giavelly.
Jacques, terceiro criado de Mr. Laronce
Mr. Joseph M.-rcetti.
Mr. Dechalumau original Mr. L. Frin.
Roquinel criado de Mr. Dechalumau Mr.
Francois Ravel.
Madama Oliveira irmaa de Mr. Laronce
Madame Fnelon.
Madamoiscllc Oliveira Madama Lon Gia-
velly.
Coutolc criada do Madama Oliveira Ma-
dama Martin Giavelly.
Rsticos e rusticas
Durante a pantomima, dansar a companbia
um grande galope rustico, e ^'r. Francisco
Ravel com Madama Martin Giavelly dan-
sar o um passo cmico stjrio.
PURUCACAO UTTERAfJA.
Sabio a luz e acaba de por-se 6 venda na lo-
ja do livros da Pracada-independcncia u. Ge8,
um compendio elementar de chronologia ofe-
recido mooidode brasileira. Temos pois mais
esta produccao nacional.
Certo que ninguem contesta a utilidade e ne
oessidade que o homem tem seja qual Irseu
estado o condicao de estudar e se instruir
na historia que com bem razio so diz a
meslra da vida : mas tanibem n5o menos
corto qne sema chronologia, aquella ciencia
se converte cm conlusiioc desordem : portan-
te bem conveniente julgamos este resumo chro-
nologico que nos pareceo adquado instruc-
cffO da moridade e que comprchendia as no-
ces preliminares sobre esta sciencia.
< Evangelho de domingo 4 do rorrete e urna
explicaco ; o trata do pecado da presumpciio ,
e das missoes. Subscrnve-se na Praca-da-in-
dependencia liviana n 6 e 8.
Avisos martimos.
= Para Hamburgo Marcelha Genova ,
ou Trieste freta-se a muito veleira polaca
franceza Petrus capitao F. Madre forrada e
cncavilbada de cobre : os pretendentes dirijao-
se aos consignatarios J. P. Adour & Com-
panbia.
es Para o Aacay o hiate Flor-de-laran-
jeiras segu viagem imprelerivelmente no dia
18 do corrente por Uji parte do sou carrega-
mento prompto : quem quizer carrejar ou ir
de passagom dirija-se ra da Cadeia do Re-
cife. loia de fazendas n. 37.
__para o Porto sahir no dia 10 do corrente
mez o muito velleiro brigue portuguez Prima
rera, capitao Jos Carlos Ferreira Soares ;
quem qui/er carregar ou irdepassagem .para
o que tem bons commodos entenda-se com
o dito capitao ou com seu consignatario An-
tonio Joaquim de Sousa Ribeiro noseoes-
criptorio da ra da Cadeia do Recife n. 18.
-------------- ^^^^nii'
mx. f
Avisos diversos.
= Na ra larga do Ro7ario n. 95 segun-
do andar, precisa-se de urna ama de meia ida
de para servir a urna casa de pouca familia.
FABRICA DE RAPE
PRINCEZA
GASSE fabricante e legitimo inventor do
bem acreditado rap princeza do Rio-de-Ja-
neiro com seu deposito gcral na ra da Cruz
do Recife n. 38 e outro na ra do Livramen-
ton. 13, avisa, que as muito boas qualidadcs,
que possue o seu rap as quaes, pela grande
eslima e crdito que progressivamente de da
em dia teem obtido n esta e as mais panes ;
bem conhecido por um eonstdefavel numero de
tomantes, e n5o consta ter mofado urna so li-
bra : por isso taz publico, que toda equaiquer
pessoa que queira especular com o seu rap,
attendendo as superiores qualidades elle fabri-
cante adverte, que se responsabilisa pelo seu
rap por qualquer forma ecom condiecues,
que o mesmo comprador pode upresental-as.
- Em resposa no annuncio do snr. Mano-'
el Jos Fcrnandes Eiras, no Diario declarao'
os herleiros do fallecido Manoel Estevcs de
que se existe bypothcca no sitio e
casa do Arraial, feita em nomo de Joaquim
Miguel Estove Souto como o mesmo sr. Ei-
ra* declara esta I he nao podo dar direito se
valida for em todo o dito sitio e casa ; por,
quanto tendo os annunciantes direito no mesmo
sitio e casa, em que apenas tem urna pequea
parte o referido Souto e nao bavendo olles
Icito negocio algum com o mencionado sur.
Eiras, continao a ser senhores di-sses bous em
suas respectivas partes. Sirva sto de lemhran-
ca ao snr. Eiras, para nao considerar valida-
mente hypothecado o sitio e casa do Arraial
a sua merco
Offerecc-se para ama de cosa do homem
solteiro ou de pequea familia urna crioula
loira, a qual sabe cozinhar, e engommar,
com perfeicao : quem a pretender, procure no
becco do Sarapalel casa n. 7.
Quem precisar de urna ama de leite, di-
rija-se a Rua-bella n. 4.
= Francisco Tarault participa ao respeila-
vel publico e com mais particularidade aos
amigos dos bons bocados, que de boje cm di-
ante elles achara a toda e qualquer hora na
sua casa de pasto franceza da ra da Lingoetn
n. 2, toda aqualidadc de comida a franceza ;
assim como vinbos e licores de todas as quali-
dades, caf com leite e sem elle pastis,
pastelees, empadas da diversas sortes sala-
mes presuntos, linguicas &c. ; o que se-
rservidos com o maior aceio, limpesa e por
precocommodo. O mesmo Tarault ollerece-se
para mandar levar em as casas as comidas a
aquo'las pessocs que com elle se ajustaren! ,
diaria ou mensalmenle ou por urna vez s-
mente ; participa-semais quo todos os dias
de manhaa um seu agente levara a casa de seus
freguezes pastis, pasteloes empadas, lin-
guicas e chouricas franeezas, proprias para
a I moco.
Precisa-se de um rapaz Portuguez de 14 a
16 annosde idade para caixeiro noRio-gran-
de-do-norlc ; quem pretender dirija-so a ra
do Cabug n. l onde se tratar o arranjo e
condicoes com vantagem se for do boa con-
ducta.
= seus filhos bem adiantados em lr, escrever ,
e contar com toda perfeicao e aptidao os
termos de politica, ecivilidade; cas almonas ,
a ler escrever, contar, custurar, fazer la-
varinto de todas as quididades, bordar de
marca, marcar de dilerenles modelos, e tudo
mais que fr mister para qualquer senbora ;
tambem se recebe meninos pendonistas e
meios ditos e da-se o maior trato e esmero
possivel de ambos os sexos ; quem qui/er se
Utilisar de tudo quanto lica dito cima queira
dirigir-so a aul> da ra Santa Thereza n. 50 ,
que'a matricula contina o por proco com-
modo.
= OfTerece-se um pequeo,Portuguez,de 14 a
15annos do idade, para qualquer arrumacao ,
chegado nesta ultima visgem da Primavera ,
affiancando a sua conducta ; quem d'elle pre-
cisar tenha a bondade de diriir-sc a ra do
Collegio loja n. 16.
= O snr. Pctham.marcineiro,morador na ra
do Aragao.queira apparecer alraz do thuairo ar-
mnzcm que se vende taboado de pinbo : a ne-
gocio. _
= Um professor de pnmeiras lettras, exami-
nado c aprovado as materias que exige o en-
no pblico e que tem mais de do/.e annos de
exercicio propoe-sc a ensinar por casas par-
ticulares e dar lines nao tmente no que diz
respeitoas primeiras lettras, como tambem a
msica ; quem do seu prestimo quizer se uti-
lizar, dirija-se a ra de S. Rom Jess das cri-
oulas.casa da esquina que volta para a de Santo
Amaro, n. 46.
__O snr. Joaquim Jos de Mello morador no
Giqui que annunciou ter apparecido em sua
casaum moleque a tres mezes fgido queira
fazer o obzequio de ver se o dito moleque tem
ijma rnslnr na nprna ilir-nlln nrimn An tnrnn-
zelo da parto de fra ; sendo assim pode o
mandar trazer na ra estreita do Rosario n.
44, primeiro andar, que ahi se dar cincoen
ta mil reis de gratificado.
= Na noute do dia 30 do mez de Janeiro pr-
ximo passado no lugar de Santo Amaro perdeo-
se amo bolea de contas de snra. a qual trazia na
mSo tendo dentro urna camua para rap,
de prata dourada e forrada de tartaruga; qual-
quer pessoa que a tiver adiado o a quizer
restituir se ihe dar de gratilicacao o valor ta
dita caixinha do prata; assim como previne-se
a quem for offerecida de a tomar c leval-a na
ra do Rangei n. 5 que se ie dar a mesma
gjatificacjSo querendo : a caixinha de quatro
esquinas.
A pessoa, que por este Diario annnnciou
querer comprar algumas garrafas com vinhode
caj sendo ainda preciso dirija-se ao Atter-
ro-da-Roi-vista venda n. U, junto a Travessa-
da-matriz.
D-se duzentos mil reis a premio de dous
por cento ao mez sobro pcnbores de ouro ou
prata; no Atterro-dos-Aflbgados padaria o,
37 dcronlo do viveiro.
O abaixo signado roga ao snr. J do S.
M. I quo queira ir pagar o saldo do barril
de manteiga que Ihe comprou visto nao sa-
ber o mesmo abaixo assignado aonde o possa
encontrar para se einbolcar dossa quantia,
J. J. Vusso Jnior.
Quem precisar de um Caixeiro para qual-
quer negocio ou mesmo para o mallo; dirija-
se a ruado Codorniz venda n. 16, ou annuncio
por esla lo I ha : eda fiador a sua conduela.
. O padre Joo Jos da Costa Ribeiro abri
a sua aula no dia I." do corrente na rua do \ i-
gario n. 11.
A pessoe, que annunciou pelo Diario-ie-
Pernamliuco de quinta-leiiv 1." do corrente ,
precisar de uina pessoa hbil para tomar eonta
de ama venda .dando fiador a sua conducta, di-
rija-se ao pateo de Santa Cruz venda de tres
portas do/ron te da botica do snr. Jos Mana
Freir Gameiro.
Trespassa-SO nma bypothcca de um cont do
reis a um e meio por rento ao mez em urna ca-
sa no bairro da Boa-sista livre e desembara-
cado ; quem pretender dirija-se a Rua-bella n.
29.
Urna senbora professora particular que
ensina, ha mu tos anuos, a lr, escrever, con-
tar doutrina ebristfia com explicaedes, coser
chao bordados. c lavarintos, deixando do
exorcer cssas lunecoes por ser convidada para
um collegio : de novo annunci.i que ella
contina a ensinar o mesmo em sua casa na
rua da Cadeia-velha n. 8, o tambem acceita al-
sumas pencionislas : os pas que quizerem uti-
lizar-se das suas lines para com suas fl I lias a
podero procurar na dita casa.
Em um clima to quente como o do Rrazil,
onde as molestias terminao fatalmente as ve-
zes no esparo de poucas horas he mister ha-
ver um remedio que possa servir ao mesmo
lempo como preventivo e curador. A Me-
decina Popular Americana tem essa proprieda-
de tomada as vezes em quanto ella impede a
accumulacao dos humores, conserva o sanguo
puro o conseguintemente para as pessoas menor
sujeitasa apanbarem qualquer molestia, seja
ella contagiosa, ou nao.
Recoiiuiioiidu-se portanto ao publico em ge-
ral ecnsaiar este excedente remedio, que,
pelo lado econmico he prelerivel a qualquer
outra mederina de similbante natureza tendo
as caixinhas maior numero de purgantes e por
menos prcro.
O publico adiar na Medecina Popular A-
mericana as pilulas vegetacs do Dr. Rrandrclh
estas propriedades quo produzem seu efleito
sem dores ou encomniodo algum nao se faz
preciso dieta alguma e podc-se tratar dos
seus negocios nos mesmos dias, cm quo se to-
mar.
Vcnde-sc aqui em casa do nico agente
Joo Kcllcr rua da Cruz n. 11 o para maior
commodidade dos compradores na rua da Ca-
deia emeasa de Joao Cardozo Ayres, rua Nova
Guerra Silva & C. atierro da Boa-vista Salles
& Chaves.
=^ Manoel Joaquim Pascoal Ramos mudou
sua residencia da rua das Aguas-verdes para
a laryd do Rozario sobrado n 48.
= Na rua la Cruz, n. 45 deseja-se fallar
ao snr. Manoel Gomes da Cunha ou saber-se
onde mora par9 ser procurado.
= Urna mulher de bons coslumcs se of-
ferece para o servico interno de urna casa de
homem solteiro; quem de seu prestimo se qui-
zer utilisar, dirija-se ao pateo do Carmo so-
brado de um andar n. 3.
= Precisa-se de urna pes mar conta de urna venda por balanco dando
fiador a sua conducta ese Ihe dar um terco
dos lucros; quem estiver nestas circumstancias,
annuncie.
= Aluga-so o segundo andar da casa da rua
da Cedis do Recife ti. h c tendo os prcii-
dentes interesse tambem no primeiro so alu-
garo ambos por commodo prero; na loja de
chapeos da dita casa.
= Aluga-se um soto novo da rua Augusta
n. 9 com bons commodos ; quem precizar
dirija-se a rua do Rangei \enda da esquina quo
volta para o trcni n. 11.
= Precisa-se de um caixeiro para cobrancas,
e que tenha lettra soflrivel e d fiador a sua
conducta ; dirija-se a Prara-da-independencia
n. 3*J.
= A matricula d'aula de obstetricia se acba
aberta desde o 1." do corrente mez de fevereiro,
e as lices principiaro no dia 15.
Joao Jos de Sousa Brito vai para o
Ass.
= Precisa-se de um feitor para um sitio na
Parabiba-do-norte; na Praca-do-commercio,
armazem de Joao Carrolle & Filho.
u __
JT.


Precisa-so de urna ama, que saiba co-
zinhar e engommar ; na ra da Gadeia do
Recife loja de chapeos n. 46.
Precisa-te de um criado at a idade de 14
annos, promette-se bom tratamento; em Olin-
da beco di) Porto-seguro.
Precis;i-se deuma ama, que tenha bas-
tante c lioin leite ; na ra da Moeda n. 11.
= Aluga-se o armazem da casa n. 13 da
ra 'lo ^ igario ; a tratar por cima do mesmo
armazem.
|jfl Precisa-sede um cozinheiro forro, ou
na cas* da esquina do beco do Torres;
captivo
Compras
= Compra-so urna junta de bois mancos,
para urna carroca ; na Ra-imperial n. 116.
= Compra-se uma liteira ; quem tivet an-
nuncie.
= Compra-se um bom cavallo ja ensinado
para carrinho preferindo se um de cor russa
com dinas pretal para fazer purclha na ra
da Cruz n. 7. pntneiro andar.
= Comprao se 6 ou 8 carnciros ; na ra
larga do Rozario venda n. 29.
Compra-se um relogio saboneto de pra-
ta ou de ouro inglez de fabrica coberta ,
porm com a condicao do dar a contento por
alguns dias, para ver so regula certo; quem
tiver annuncie.
Compra-se um sellim usado com todos
os pertences ; na Ra-imperial n. 2.
Vendas.
11 Vende-se na Praca-da-independoncia li-
vraria ns 6 e 8 o Digest) brasileiro ou com-
monlario das onlenacoes, c leis posteriores at
0 anno de 1811; obra til a todos os cidadaos,
porque lodos devern saber quaes sio as leis do
sen paiz; por um antigo dosombargador do
Porto emigrado no Brasil 3 volumes reis
8,000 A publicaco d'este livro um servico
mu til principalmente para inilhares de pes-
soas, quem falta a instruccao necessaria para
1 dar no foro, es quaes comtudo seria utilis-
simo o sen conhecimento. Por isso deo-se luz
este trabalho sobre os livros 1. 3. e 4, das
ordenaces e leis posteriores, que se adido ao
presente em vigor no Brasil, para que todos
comprchendao fcilmente o que ellas determi-
na!), deixando ludo o que esl derogado eem
desuso. Muitas vezes acontece disputaron duas
pessoas, por causado uina ordenucao, e ne-
nhuma atmava com oque ella queradizer; o
tiradas d'ella as voltas, trocadillios, e repeli-
eres de palavras e phrases, e periodos inteiros,
ficou clara, achro-na convenienteejusta e
admirro-se do seu embaraco. Eis o trabalho,
que o douto autor emprehendoo para o povo en-
tender as leis, que frao eitas para o povo.
=9 Vende-se ou hypolheca-so urna parte
de um sobrado na ra larga do Rozario; na
ra do Uvramento n 13.
= Vende-so um sortimento de toalhas de
linho adamascadas de vara e meia at 5 ditas
de comprimento com guardanapos, de qua-
lidado superior panno de linho em pecas de
8 varas; velas de espermacete em caixas de
2o libras ; farello novo em saccas de 3 arro-
bas, chegado de Humburgo; em casa de H. Me-
hrtens ua ra da Cruz n. 46.
ss Jos Saporiti anda tem para vender um
resto de pudras redondas para meza uu meio de
sala outras para consolos e tremes de mar-
more o mais fino que tem apparecilo de
diferentes e bonitas cores c entre ellas duas
a mozaico por proco commodo ; a traz do
Corpo-Srnto armazem de Manoel Antonio
Pinto da Silva.
Vende-se um adereco de brilhantcs da pri-
meira agua obra de gosto sublimado ; assim
como outras muitas obrasde brilhantes, o cinco
mil oilavas de prata lina de loque de lei, e um
commenda de Christo, dita da roza dita do
cruzeiro, habito de Christo dito do cruzeiro,
dito da roza de 10,000 at 30,000 rs. : no At-
torro-da-Boa-vista iojo de Joaquim de oli-
veira e Sousa.
Vende-se uma casa terrea com 2o pal-
mos de fronte, e 10a de fundo at baixa-mar,
toda Iravejada de novo com quintal cacim-
ba e estribara ; na ra da matriz da Boa-
vista n. 13.
Vende-se assucar refinado e de todas
as qualidades, caf e sevada moida ludo
por preco commodo ; na refinaeao da ra da
Senzalla-nova n. 4, na ra larga do Rozario
n. 38 e na Praca-da-Boa-vsta n. 7.
Vende-se un prctw pscpnv para qual-
quer servico ; na ra larga do Rozario n. 50.
= Vendem-so travs das melhores quali-
dades de madeiras de 30 at 54 palmos de
comprido e de 7 a 12 pollegadas em quadro
lao sito na ra da Cruz defronte do beco da
Lingoeta ou arrenda-se ; a tratar com o pro-
pietario Luil Pereira Vianna no engenho
Moreno, oj com Antonio Joaquim de Mello
Pacheco na ruaestreita do Rozario n. 8
= Vende-se uma casa terrea na ra, que
atravessa da Gloria para Alegria por preco com-
modo a vista do comprador ver a bondade ;
a tratar na mesma ra n. 7.
= Vendem-se 5 pipas de agu'ardente bran-
ca de boa qualidade ; na ra do Livramento ,
armazem n. 20.
ss Vendem-se 18 cadeiras de angico 12
ditas do Jacaranda um sof dito um jogo de
bancas dito urna meza de angico para meio
do sala, uma marqueza de angico, uma com-
moda o uma meza pequea de Jacaranda ,
um guarda-rouoa um dito de louca um par
de lanternascom casticaes de casquinba fina ,
um par de mangas de vidro lisas com casticaes
dito; na ra da Cadeia de S. Antonio n. 19,
deposito de farinba.
= Vendem-se as seguintes propriedados,
saber: uma casa de tres anda-es esoto, na
ra do Kncanlamento no Recife n. 4 ; uma
dita terrea na ra da Conceicaoda Boa-vista
n 1 ; urna dita dita na esquina do becco das
Barreiras n. 1; um terreno de 63 palmos de
frenle na ra do Sebo ; um sitio com boa
casa na estrada dos Aflietos; um dito, na
estrada do Arraial : tratar com Jos Antonio
Bastos, na ra da Cadeia do Recife.
= Vende-so farello em saccas grandes a
2360 rs. ; em casa de B. Lasserre & Compa-
nhi, ruada Sonzalla-velba n. 139.
= Na ra da Cruz n. 33 ha para vender-
se excellente carnauba pelles de cabra, e
guaraz bem como um palanquim ainda em
bom uso e ludo por commodo preco.
Vendem-se bules e cafeteiras de metal
para cha, candieiros, perfumadores, e es-
civaninhas de lata e fogo do ar por pre-
co commodo ; na Rua-nova n. 41.
= Vendem-se presuntos superiores para fi-
ambre sidra em caixas de duzia hervilhas
seccas em barricas e salames novos ; no ar-
mazn do Andr, confronte a escadinha da
alfandega.
= Vende-se uma cscrava de nacao com
bonita figura engomma com perfeico cose,
o cozinha bem ; uma dita de 20 anuos, com
uma cria mulatinbo mui lindo; uma parda
del8annos, boa costuroira engommadeira
ecozinheira ; uma escrava quitandeira e la-
vadora ; dous escravos de nacao um bom
canoeiro, e pescador ; uma escrava de 20 an-
nos boa quitandeira, e cozinbeira; na Rua-
direita n. 3.
Contna-se a vender caf em grao a
140 rs., e moido a 200 rs., sevada nova a 80 rs.,
velas de carnauba de 7 em libra a 440 rs., pas-
sas a 200 rs., chocolate a 320 rs., manteiga n-
gleza a 720 rs., clranceza a 480rs., toucinhode
Santos a 200 rs. nozes e a velaos a 120 rs. ,
rap Meuron e de Gasse a 1000 rs. queijos
novos a 1000 rs. e offianca-se a qualidade ;
no pateo do Carino esquina da ra de Hortac
venda n. 2.
= Vcndem-se meias pretas e branessde se-
da para sen hora a 1920 rs. ditas de algodo
a 400 rs. luvas pretas e brancas do seda sem
dedos para senhora ditas de pellica para ho-
nicni a 960 rs. ditas de algodo brancas a
320 rs. ditas de seda de meio braco para se-
nhora Suspensorios de burracha a 320 rR. .
diios sem serem de burracha a 220 rs. tbe-
sourinhas douradas e lisas a 240 rs. grozas de
pennas de ac a 1000 rs. retroz de todas as
cores pentes de prender os cabellos a 160 rs. ,1
ditos virados de baleia a 500 rs., escovinhas
para dentes a 160 rs. espelhos de damas de
todos os tamanhos ditos de caixa lucos finos
de todas as larguras lencos de seda para al-
gibeira a 2200 rs pentes de tartaruga para
narrafas a 960 rs. caivetes finos de aparar
pennas a 240, e 320 rs. papis de ribiquea
60, e 80 rs. rap princeza do Rio, e de
.Meuron, emboles, meios ditos, e a retalho ,
linhas de carretel a 360 rs. a duzia ditas de
cores a 00 rs papel de peso a 3000 rs. a res-
ma e almeno a 3520 rs., pentes de tirar pio-
Iho marroquins de todas as cores e outras
muitas meudezas baratas, e he? erro (rancez, e
couro de lustro; na Hua-direita ao p do
oitao do Livramento n. 2.
- Vendem-se excedentes cortes
bendo bem cozinhar faz doce de todas as qua- ta 36 a 40 annos, levou vestido de chita bran-
lidades refina asseucar, engomma perfeita- ca e oulro de assento amarello com listras
mente e ptima quitandeira ; na Rua-di- encarnadas o panno da Costa andava ven-
reita n. 82 segundo andar. dendo frutas na ra o ton sido vista do noutn
- Vende-so oleo do linhaca a 320 rs. a li- no Recife e S. Antonio e no tem sido ne
bra toucinhoa 160, 200, e 240 rs. banba goda por que diz. andar no servico do sua se-
de porco a 320 r. tabaco da Bahia a 320 rs., nhora ; quem a pegar leve a ra da Guia
farinba do Maranhao a 140 rs. lutria a 280 entregar a Antonio Texeira Lopes que ser',
rs, cha isson a 2400 rs. bolaxinha ingleza a recompensado.
2i0, e 320 rs., enchofrea 100 rs cafem = Em fins do mez de novembro fugio
grao a 160 rs. manteiga a 480 rs. pastal a pardo Joao, claro, parecendo mui sonso ,.
200 rs. pomada a 220 rs. a duzia, milho al- mui capadocio esteescravo foi vendido pelo
pista a 400 rs. o quarteir5o paincoa 280 rs. doutor Benedicto do Pombal ao snr. Santos
cartas de jogar, papel de peso almaco o do Neves, que o vendeo aossous legtimos senho-
machina e vinhos de todas as qualidades, tu- res, ha toda prohabilidade que_ este pardo ti-
do por preco commodo; no pateo do Terco vesse tomado para o sertao c mesmo para
venda ns. 1, o 4 Pombal, levou jaqueta de lila, o calcas de
= Vende-se uma duzia de lacas com cabos riscado levando alm dessa aqueta do panno
de prata, uma duzia do garfos uma parelha azul calcas do mesmo. chapeo de pello; o sana-
do trinchar, ludo de boa prata e uma por- tos; quem o pegar, leve aossous senhores Len
co-
uma
de grossura ; na ra da Cadeia do Recife lo-
ja de Victorino de Castro Moura.
do lanzi-
nha-pera.vestido riscadinbos francezes muito
finos, lencos do sarja d-cores para pescoeo de
bomem cambraias adamascadas com palmas
rouxas, e cores e outras muitas fazendas de
gosto, por preco commodo ; na ra do Qae-
mado n. 14.
Vendem-se luvas de pellica branca, pre-
ta e de cores nar* hcrr.em propri* yma
bailes a 500 rs. o par, na ra do Cabug, tojas
novas de fazendas inglezas e francezas de Pe-
reira & Guedes ns. 4, e 6.
- Vende-se uma negra crioula de 20 annos,
co de frascos pretos grandes e pequeos ,
que foro de rasqueira; em Olinda ra do
Balde n. 24.
Vende-se uma escrava da 16 annos, de
bonita figura propria para mucama engom-
ma e cozinha ; duas ditas do 20 annos, qui-
tandeiras e lavadeiras; uma dita de 22 an-
nos perfeita engommadeira cozinha e co-
se ; um bonito escravo de 18 annos, proprio
para todo o servico mesmo para armazem de
assncar ; uma elegante escrava parda de 20 an-
nos, perfeita engomma Jcira e costureira ;
uma dita do 12 annos ; na ra do Fogo ao p
do Rozario n 8.
Vendem-se duas escravas de bonitas fi-
guras de 24 annos engommao cozinh8o ,
lavio e cosem uma dita de 16 annos
zinha, lava e serve bem a uma casa
dita do nacao de 25 annos, cozinha, lava, e
quitandeira ; na ra das Cruzes n. 41 se-
gundo andar.
Vende-se urna corrente de ouro mo-
derna com 23 oitavas c meia sem feitio, por
preco commodo ; na ra estreita do Rozario ,
defronte da Igreja n. 4, primeiro andar.
Vende-se uma porcao de barra quar-
tolas c pipas vasias, que (oro de azeitc de
carrapato ; atraz do theatro armazem do ta-
boas de pinho.
Vendem-se 3 cavallos mui carregadores,
e novos; a padaria n 154 na ra das Cinco-
ponlas com todos os seus pertences, um cai-
xao grande de louro dous pares de esporas de
latao uma canoa fechada com mais de 60
palmos de comprido e uma porefio de caixas
vasias do Porto, todo negocio se faz ; na Rua-
impcrial n. 2.
= Vendcm-se cassas de quadrinhos amarel-
los a 180 rs. o covado ditas do quadros e lis-
tras decores a 200 rs. ditas de cordozinho a
200 rs. cambraias de quadros com llores de
cor a 640 rs. a vara e a peca a 4 rs. com
8 varase meia, cortes de chitas finas a 3 rs. ,
ditas france/.as de lindos padrSes a 200 rs. o
covado ditas escuras finas a 180 rs. ditas
encarnadas com flores amarellasa 180 rs. o co-
vado lencos de laa adamascados para pescoco
de senbora a 640 rs. meias de seda preta pa
ra bomem a 1000 rs. o par, bicos pretos at
4 dedos de largura a 2J0 rs. a vara e outras
muitas fazendas por preco commodo ; na ra do
Cabug loja de Antonio Rodrigues da Cruz.
Vende-se para fra da provincia um es-
cravo cabra de bonita figura com officio de
serrador de 24 annos para ver na cadeia e
para ajustar na ra do Arnorim n. 43, pri-
emiro andar.
Vendem-se libras de retroz de primeira
qualidade, preto azul-ferrete, o sortido em
cores da fabrica de Jos Antonio de Siqueira ,
por pejo barato ; na Praca-da-indepcndencia
n. 4.
= Vende-se uma venda na ra da Cadoia-
velba n. 17 uma das melhores ras e bem
afreguezada ; a tratar na mesma venda.
or
que se-
Escravos fgidos
= Vende *e um sobrado de 3 andares e so- j bonita figura sem vicios nem achaques, sa-
Fugio na madrugada do da 1. do cor-
rente um escravo preto de homo Temotheo, cor
fula haixo, reforcado, pouca barba, bem la-
dino ; levou calca, e camisa de algodozinho ,
chapeo de couro e foi montado em um ca-
vallo de estribara preto acaxitado grande,
e carregador haixo esquipar, ecom cangalha:
e*te escravo veio do Rio-grande-do-norte em o
dia 29 do passado em cuja cadeia esteve preso
por causa d'outra fgida pertence viuva de
Jos Francisco da Rocha Guedes, do engenho
.rsT e Fimeniei: os aprehendedores con-
duzao-no ao mesmo engenho, ou a esta praca
entregar a Francisco Jos Silveira ra d'A-
poo n. iO, que sero bom gratificados e
mui principalmente trazendo tambem o ca-
T.dlo.
No dia 22 do p. p. fugio a preta Maria
do Rozario de nacao Angola muito ladina,
baixa e magra testa comprida represen-,
Pugetz Companhia na ra da Cruz,
r recompensado gt'nerosarnente.
= No dia 26 do p. p. fugio do sitio do snr.
Lopes na Passagem-d.vMagdalena a negrinha
Joaquina, de 16 annos, de nacao Costa le-
vou vestido de chita o panno da CoMa ; esta
negrinha foi do finado doutor Ulisses ; quema
pegar, leve ao dito sitio ou no escriptorio de
Lenoir Puget ACompanhiii, na ra da Cruz
quesera recompensado generosamente.
O abaixo assignado dec 'ara que proce-
de com o rigor da lei contra qiialquer pessoa,
que oceulta tenlia a sua escrava trioula, de no
me Joaquina, fgida no dia 2 do p. p. mez,
do 2i annos estatura regular, secc* do corpo,'
rosto comprido cabeca puchada /ara traz,
com dous dedos da mao direita alejado'', mui-
to bem fallante consta ter estado occu.'ta em
casa de uma prostituta em a ra das Li^an-
geiras, e agora ha certeza de ja se ter retii odo
desta casa e ido com o amasio para as Cor-
curanas, c d'ahi tem sido vista nos Aflogados ;
roga-se portanto aos encarregados de policial
que noticias tenhao do estar a dita escrava oc-
eulta ai alguma casa a prendao e recolhao
a cadeia ou facao della remessa ao inspector
do quarteirao na estrada de JoSo de Barros,
defronte do Fxm. visconde de Gnianns.
JoSo Nepomuceno Ferreira de Mello.
No da 28 do p. p. desappareceo 1 mo-
leque do 13 annos, bonita figura, feicdes meu-
das, seceo do corpo ; levou camisa azul e
calcas de estopa ; quem o pegar leve a Rua-
be>la n.^40, que ser;i gratificado.
= No primeiro do p, p. fugio o pardo Ri-
corte de 12 a 20 annos cabeca pequea ,
cabellos pretos e cacheados, testa estreita ,
olhos pequeos o serrados, rosto abocetado ,
faltao-lhe dousdontos na frente da parto supe-
rior pescoco curto sem barba grosso do
corpo ede marca pequea ps grandes o
bem largos cor acabocolada o aman-Haca;
quem o pegar loveao Atlerro-da-Boa vista ,
loja de ourivesde Jos Ignacio do Monte, que
recebera 20. rs. degratilicaco.
=Fugioopreto Thomaz, alto, estatura mais,
que ordinaria, muito direito e bem feito, de na-
cao Mocambique bem ladino de 28 a 30
annos dos quaes est no Brasil a mais de 15 ,
tem da testa ao nariz uma carreira de calom-
los, ou marca propria do nacao rosto com-
prido olhos grandes e bom dentes bem
conhecido nesta praca ; quem o pegar, ou dcl-
le der informaran sonde elle se ae de inanei-
ra, que possa ser capturado, receher 40.000
rs. degratificacSode seu senhor Luiz Gomes
rerreira.
= Continua a estar fgida a preta Floren-
cia de nacao Angola, de 14 annos, secca
do corpo cabeca mal feta nariz chato, boc-
ea grande becos grossos, tem na mo es-
querda uma queimadura, que so divulga bem,
ps grandes, mal feilos e meios apalhctados.
tem sido vista as ras de S. Antonio, e Boa-
vista por isso so suppoe estar em alguma casa
oceulta ; quem a pegar, leve a Fra-de-portas
n. 90. que receber 50.000 rs. de gratiicaco
Fugio do sitio do Retiro na Passagem da-
Magdalena na noute do dia 28 do corrente uma
parda prenho. que estava depositada em conse-
cuencia de um litigio pendente sohresua liber-
dado : quem a pegar leve ao dito sitio ou
ao engenho Cassicule em Nazareth da-malta ,
onde mora o senhor que recompensara.
= D-sc 50j rs. degratilicaco a quem pe-
gar, c levar a ra da Florentina 14 o preto
Jos Pnchete de nacao Mocambique de 20
annos, altura mais que regular, secco do cor-
po com dous denles de menos na frenle da
parte superior rosto redondo bstanle re-
tinto quando falla gagueja alguma cousa ,
ten de coslume ter sempre fumo na bocea ;
tetO c!m, de riscado a/ul caifas de panno
preto ja velho ; este preto 6 empalhador do
obras de rnarcineiro ; lugio no dia 24 do p. p.
Rkufi a ,Typ. i)b M. F de Fama "-1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOUMY71PS_DUS25H INGEST_TIME 2013-04-12T22:47:33Z PACKAGE AA00011611_04571
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES