Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04567


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
Anno de 1814. Segunda Fcira 2t>
,: ^.".-.-"^-^^^asMSsaaaBim^
0 Diario publioi-ie n-doeoe diaequeaao orem Mni.i:.-*.1.: o preco .1. uimiar.
fc, de iret mi rl por (foanel pagoi idunudo, OsaniiuncoidoiasigniWeoia. r...,,, e i J..s que ru forma 4 raio de 8U reU por ln.l.a A. reclama. Je, deicm ,cr di.i-
s |H ., Nli ljrp na drs Iruzes .1 -4 ,lu ,,<,., a Independencia |j. de livr. la. 6 c S
PARTIDA DOS CoilRKIOS TKIUIK.StIksT
GoiiiHU. a Paranyba aeraad o aewai fcras._Rio Graade Jo Norte, quinfa feira.
Cabo. Serinhaem Ido lormoso, Pono Caito, Macey a Alagoia; no I. 11 e i
de cid me* Garanlium e Honilo a lUe 34 de cal mea _uoa-tisl < Florea a 13
e '.'3 d!.Cldadeda Victoria, quimas feira,. Olinda lodos o, dia,.
das da skmana.
9 Seg s. rranciaoode Siles. And. do.I. do 1). da 2. v,
Terra a. Mari nlia Re. aud. do de It da 3. y.
31 Quilla s Genuniano. Aud do J. de I). da 3. v.
1 Quinta s. linnoio Aud.do J. de D.da '2. v.
2 Seila + Funlioarjo de Nossa Sonliora.
3 Sab. s. Braz. Bel. aud. do .1. de D. da 1. v,
4 Doro. s. Andr Cursi no
de Janeiro
Anuo
W. 23
rtfir* Tudo aSora depende da na M*iaVH d. no prole ''. -"oderaeio- e energa: <-en-
, J unueraut aomo priaeipiamo*, e ae.aiio, ap,tvlo< con a+oifelito entre aa yo&ee mata
,-ulia.. (Proclamaalo di Asaembla Geral.au iran.)
CaWBIO* R0 un J7 iik jiinr.0.
Cimbioi lohre Landre* ?5 .
; 11 11 liara 170 rel por fianco
V/-, > > IisLu.il! por 101) de premio
H'Jfy' Moeda de cobre 5 porcento
dem da lftr..< -!e luas firrtas I i I 414 5
0Bre.Moedae,H>y. .600
, ."N 17.300
', d. 4,003 0.800
..:, .....,-,- 8.040
., Peaoa colummnare* -,04
Diloa Mexicano) -.O
3
o
K ;,-' '"
' ~"-'"**""HililTflilMllllirT^'l>--rvT'-*"- ~-"1" iny'Mum..".- '..i;.:;'~,.^r .'.TSSETUIB:
PHASES DA LA NO MI/ DE JANEIRO.
T.oacWia aRaa Sboraa e 13 mi, da tardo iLwaora 10 ai 3 boraa iJ ma. iaiar*
Mineante 12 as 1 hurai e 10 ma na larde |C aaceoie a _>/ .s lo bje 10 m. da "..nh..a
l'namar de hojt.
Primeira as 0 horas e 20 min. da raanh.ia. | SegOn le le 0 iras e 54 mianlOl da larde
tsmmmamKmmmt
I AWaWHn3aCC=^BTE3 i,Tmr" cr.r^JaaBi
iajuw
i
>?*I3H
Goverirj da Provincia
KXPKD1'NTE DE 22 DO COKIIEXTE
Portara.'J Presidente da provincia, atten-
dendo ao que Ihe representou o chefo de poli-
ca interino cm oflicio de 2 do corrento, ha por
bom dividir m tres dstrictosa freguezia de a-
zareth, eaindous, a de Tracunhaem, cojos li-
mites de jurisdieco serao os seguintes :
O pr'.mciro distrcto da freguezia do Njza-
reth cryinprehender a parlo da ar.tiga frcuuzia
de Tr.aconhuem, que passou )ertencer nova
de Nazarcth ; ao segundo, que ter a danoini-
n acao do laramjeiras, car parteneondo todo
o terreno da freguezia suppriuiida de Larangei-
ras, queflea ao sul da Serra-Massarenlias, ede
toda a cordilheira, e mais a pequona parte da
freguezia de Goianna, que pertenoj de Naza-
Teth; eotercolro, que denuninar-se-lia do S.
Vicente, abran^er todo o terreno da freguezia
de Nazaretli ao norte da Serra-Mascarenhas.
Aoprimeiro distrcto da freguezia de Tracu-
nliaeui pertoncer todo o terrono da mesma fre-
guezia, que fica ao norte, c oosto da linlia di-
-visoria, que comeca da Estrada-do-carpina po-
,1a Floresta, Santa-Cruz, baldo do assde da
matriz, a foz do riacho Papa-caxorro, o por es-
te cima encontrar torras do Trapo e seguin-
dn ntreos 1 mi t"s do Ira pa com Diamante e
breos ao riacho Tapuy-ass, e por esto abaixo
at o rio Tracunhdem ; o ao segundo todo o
terreno da fregaeiia de Tracunhaem, que tica ao
sul, e leste da linha divisoria do pri.neiro dis-
trito, semprepulo lado direto dos pontos in-
dicados, e toda a parle da Ircgucsia, que fica
direita do rniTraciinhilem, desde a foz do ria-
cho Tapuy-ass M encontrar nos limites de
Goianna. Iiariio da Boa-vista. Nomeou-SO
para subdelegado da fregus!a do Nazaretli o
major Joaquim Jos de Albuquerquo .Maranhao,
e para seus supplentes cm priinoiro lugar Joo
Baptista Paes Brrelo, em segundo o tenonto-
coronel Antonio Aurulano Lopes Couto, em
terceiro Munoel Gomes de Andrade, em quarto
Francisco Gomes de Araujo Lima, em quinto
Francisco Gomos Pereira de Andrade, o em sex-
to Pedro Jos de Oliveirae Mello: para subde-
legado do segundo o tensoti'-eoronel Jos Fian-
cisco Lopes Lima, dando-se-lhe para supplen-
tes em primeiro luzaro maiorManoel Felisbet-
to Marinho Falcad, em segundo Antonio Lou-
renco Tavares Jnior, om terceiro Manoel Ga-
bral de Oliveira o Mello, em quarto Joao A uto-
<>'<> Marinho Falcad, o em sexto Antonio Ribciro de
Moura: o para subdelegado do terceiro Joaquim
Francisco Cavalcante d'Albuquerquo, dostinan-
do-se-lhepara supplentes Joao do llego Gaval-
cente d'Albuquerquo, Patricio Bizerra Cavalcan-
te d'Albuquerquo, Agostinho Jos d'Andrade,
Joaquim Francisco do Reg Cavalcanti d'Albu-
querque, Joaquim Jos Velho de Mello, e Jos
Francisco Bibeiro da Cunha: para subdelegado
do primeiro districto da freguesia do Tracu-
nhaem ocidadao Manoel Cavalcanto de Albu-
FOLHETI
SAO MIGUEL ARCHANJO.
Eis-me aqu diz elle, aTectando suavi-
dade; que manda V. m., sr. Fabio, do seu ser-
vico ? bem sabe, que sou todo seu...
E porque o sei que me dirig a voc ,
meu caro Elias. Tenho preciso de dinheiro...
Coitado!... Vao ver. que depositou mal
a sua confianza... Algum quadro liado Al-
tano devedor, que lez banca-rota Ha lo pou-
ca Doa peio muinioi...
Nao nada disso. Voce se engaa meu ca-
ro visinho. Logo Ihe direi os motivos de ininha
caiKBi.ca. Cometarel pr anosciar he a mi-
nha partida...
V. m. deixa esta casa ?
Deixo Florenca.
Brevemente ?
Amanha.
() Vide Diario o." 1,2, 8, 11, 12, 13, U,
J5,17, 18,19, 21, e 22.
querque, desiunnndo-si'-lhe para supplentes H-
nacioXavierCarneiro, ManoelJoso deOliveira
e Mello, Joao Mauricio Wanderley, Jos do Br-
ros Cavalcantn Marinho Palead, Joa Civalcan-
te Mauricio Wanderley, e Jos Pedro Carneiro
d'Albuquerquo: o para subdelegado do segundo
ocidadao Joao Marques Bacalhao Jnior, dan-
do-se-lhe para supplentes Antonio da Silva Pes-
soa, Francisco Xavier Soares d'Albuquerquo,
Joao da Cunha Forreira, Antonio Miguel de Bar-
ros, Laurontino Gomes da Cunha, o Mauricio
Jos Beniclo.Olllclou-se i respeito ao chelo do
polica interino.
Com mando das Armas
EXPEDIENTE OO DI A 11 DO CORttENTE.
OQloioAo Commandante do corp.i do guar-
das nacionaes destacado, diseodo-lne, quo de-
via remoller aos respectivos delegados os venc-
montos dos destacamentos das comarcas da Vic-
toria, Bonito, Brejo, Nazaretli, eLimoelra, vs-
11 quo taes dostafilionlos na5 sao commanda-
dos por oRoiaes, e dizendo-lhe, quo aos referi-
dos delegados oIBeiava noste sent lo, e bem as-
sim para que mensalmentc abonassein os ven-
cimentos, autorisando a alguem nesta capital
para os recebar, evitando-so por esta (orina ex-
travio nascondueces, cdelongasnos pagamen-
tos da tropa.
DitoAo delegado da cidade da Victoria, sig-
nineando-lho.quemandassereceberdociiinman-
dantcdocrtrpodeG. N. destacado os vencimen-
tos do destacamento, o que para evitar extravos
as conduccoes, e demorado pagamentos tro-
pa, seria conveniente, que abonasso taes venci-
mentos, autorisando a alguma pessoa nesta ci-
dade para os receberdo dito commandante.
No mesmo sentido se offlciou aos delegados do
Bonito, Brejo, Nazarcth, e Limooiro.
ID2M DO DI V 13.
OfllcioAo Exm. presidente, enviando-lhe
os quatro mappas da torca do linha, o da guar-
da nacional destacada nesta provincia, porten-
centes ao moz de dezombro ultimo, alim de que
tivesse a bondade d'os encamnhar secretaria
d'estado dos negocios da guo'ra, contormo de-
terminara o aviso imperial do 13 do selembro
prximo passado.
DitoAo mesmo Exm. Sr., remetiendo-lhe,
emeumprimento do imperial aviso de 19 de Ja-
neiro do anno pretrito, o mappa demostrati-
vo dos individuos, qu* tivera demissao no se-
gundo semestre do reler do anuo.
DitoAo mesmo Exm. Sr., enviando-lhe, em
observancia do aviso imperial do 19 .le abril do
anno passado o mappa dernonstrativo dos
morios em cada moz, com declaracao do nume-
ro medio dos doentes em cada dio, e causas da
maior ou menor mortalidade no hospital regi-
mental, durante o segundo semestre do anno
de 1843.
dem no da 15.
OfllcioAo commandante do batalhao de ar-
tilharia, communicando-lhe, que havia adocci-
do o primeiro cadete A. C. P. Brrelo, que esla-
va dgstacado em Gaib, o qual tivera faculdade
para se ir tratar em casa do uin seu prente, pro-
Amanha! repeli o judeo estupefacto...
Sem mais demora! Bem v agora, por-
quo recorro a voc. Similhante mudanca...
Nao se pd< 'aZrscr;; urr.s qusr:..s re-on-
dinha concluio o adello, com um risinho, que
quera ser benvolo mas que Ihe dava phy-
sionomia alguma cousa de feices de raposa.
Estou sua disposifo sr. ; mas sobro que
penhor?
Um quadro, quo Ihe vonderei...
O judeo estas palavras leve tal estremeci-
mento de prazer que Ihe repuxou a cara, e 0-
cou ainda mais feio. Mas esforcou-se por se
mostrar indilTerento proposicao do artista, e
neruuntou :
Um quadro !... faz favor do me di/er
qual ? .
_ So t.nhn a dispr neste momento do cs-
boco do meu sao Jorge...
Um esboco! disse Elias com desdem.
Quereria antes... com tudo, deixe-m'o exa-
minar um momento... e... talvez...
Ei-lo aqu diz Fabio encaminhando o
judeo para o quadro indicado. Mas quasi nou-
te e voc nao pode julgar...
Noiiupoita... rejamossempre.
xima ao forte, o que manlasso rondar 0 desta-
camento no dia 2 de fev reiro, man lando outro
commandante em lugar do cadete.
DitoAo commandante do crpo de guardas
nacionaesdestacado, ordohando-lhe, que na ma-
drugada de 17 do corrent li/o=so marchar para
o termo do Brejo urna torea roinnandada pelo
capitafi Saraiva, com posta do um subalterno,
um inferior, 2 cabos, 1 tambar, o'ni sellad).;
cuja fdre so devoria reunir ao destacamento all i
existente, para auxiliar as diligencias da poli-
ca, o manter a seguraocfl pblica. Conclua
dando-Ihe varias disposicoes acerca de venc-
montos adiantados. quoocapito deveria levar
para pagar a tropa nos devidos lempos, e da
subordinacao o disciplina, que devia sustentar
tanto em marcha, como no lugar para onde so
destinava.
DitoAo delegado supplente do termo de Na-
lareth, dizcnlo-lheom resposta ao seu oflcio de
8 do frrente, que dra conveniente destino ao
desertor Felppo de Freitas Ferreira, do batalhao
de guardas nacionaes destacado, o pozera em
liberdade a Manoel Jos Rodrigues, por nao ser
desertor, como suppunha, visto que legalnionle
Uvera balsa doservicodo exercito G selem-
bro de 1818. IE DO DI A 16.
OfllcioAo coronel reformado Antonio Jos
Victoriano Borgos da Fonseca. nomeando-o vo-
gal do conselho de guerra do coronel graduado
T. C. B., e outros.emsubslituica ao Illni. bn-
gadero V. B. d'Almeida.
Dito Ao Inspector da Hiesourarla, para que
bou veste de mandar abonar Wrca que marcha-
va para o Brejo, assim como ao destacamento
que all seachava, os venciinentos al o fim Jo
mez.
DitoAo commandante do crpo do guardas
nacionaes destacado, para entregar ao capitao
commandaito do destacamento do Brejo o car-
tuxanio neccssnrio, que o conservara na me-
Ihor guarda, esobsua responsabilldade.
DitoAo Illm. brigadeiro Antonio Borges
Leal, nomeando-o togal do conselho de guerra
que lem do responder o coronel Trajan > (.osar
Burlamaque, ooulros.einsubstituicafi a outro
VOgal noineado, queso escusou por molestias.
DitoAo delegado do Brejo, communicando-
lhe, qued'ordemdo Exm. Sr. presidente segua
ocapitaJ.S.d'A. Galvao com urna forca de
50 pracas para o coadjuvar as diligencias da
lista mannaa 0 Tamisa irasboriiou daSSUQI
margeos. Militas pessoas perderlo a vida, e
o estrago causado por esta inundadlo conside-
ravel As 2 horas e meia da manliaa isto ,
nina hora anlesda praia-mar, o< lugares bai-
tosdo rio estavSoubmergidos. Urna multido
de mercadores de vveres soffrdrSo muto ; na
praia-mar havia Irinta pes, o dnas pollegailas
dagua no ancoradouro de Santa Catbarina Es-
pera-se outra endiente esta tarde mas como
o vento virou ao sudueste nao sea Ifio grande
como a primeira.
M. Dupin, consellieiro de estado om sor-
vico extraordinario antigo memoro daassem-
bla legislativa, antigo subprefeitode Clameey,
pai de M. Dupin procurador-goral no tribu-
nal de cassaco, de M. barSo Carlos Dupin o
de M Philippo Dupin, acaba do fallecer na ida-
do de mais do 8.' anuos, listo volho vcncravcl,
dotado ilo urna energa moral o physica que
os anuos nao linliao podido onfraquecer havia
conservado o uso permito do suas raras, e om-
nenles faculdades. Os seus tres lilhos cuja
educscio elle linha dirigido e que Ihe consa-
gravio tanta ternura, quanta veneracao, tinhao
partido de I'ariz a toda a pressa para recolhe-
rern, ao monos, o seu ultimo suspiro Temos
o pozar de annunciar, que ellos chegrao mu-
to tardo, para rece'ocrem as despedidas ea
bencao do moribundo pai.
A 22 do novembro do 18W, urna hora
da manhaa ro descoberto um cometa telesc-
pico perto da estrella Gamma de Orion por
M. Fayo astrnomo addido ao observatorio.
Apezar das nuvens, e dos vapores que tor-
navao a observadlo incerta.detorminou-sea posi-
caoapproxiiiiadadesteastrodamaneiraseguinte:
A 22do novembro de 1843 as \\ horas ,
H minutos, e 11 segundos, lempo medio de
Para contado do meio dia a ascensao recta do
...I...... n nrainnvfir l* ^l*
Mirnnca nblica, cuja
frca se reunirao as 27 pracas, que j all esta-
vao destacadas. Conclua providenciando acer-
ca do pagamento da tropa.
BorlaraAo alferes reformado F. d'A. M.
Guimaraes. ordenando-lhe, que com urgencia
>nac? estavao seu cargo, pertencentos a quinta com-
panhado redusido batalhao de infanlaria de
guardas nacionaes destacado.
EXTERIOR.
NOTICIAS DIVERSAS.
L-sc no Sun do 23 do novembro de
18W :
Como fr do sou gosto, diz Fabio.
Elias s olhou para a forma do esbogo. Mais
d'uma duzia do vezes o tinha elle visto e ad-
mirado no laboratorio de Fabio,e entre as obras

do joven pintor era a ne quo uno mato (justau
tambem ora dove-se dizer, a que talvez me-
coinola era de 81 graos j' minutos e a de-
clinacao boreal era de G graos, c o minutos.
O Co licou encoberto na nouto seguinte e
foi s a 2V, que se tornou a ver o cometa, cuja
posicao.se obsorvou com urna grande precisao :
A 24 de novembro do 1843 as 17 horas, 4
minutos, 43 segundos, lempo medio do Pariz
contado do meio da ; ascensao recia do come-
ta : 80 graos 50 minutos, e 42 segundos;
declinacio boreal do cometa : 6 graos, 30 mi-
nutos e 35 segundos.
Assim a ascensao recta apparentc do cometa
'jiminnjo cerca de 1 iniiin Hm grao em 24
horas, o no mesmo intcrvallo de tempo a sua
declinacio diminuo tumbem 12 minutos.
Este cometa apresenta um ncleo mu dis-
tincto que facilita singularmente as observa-
cocs ; d'osto ncleo divergen) ligeiros restos do
luz dirigidos pouc > mais, ou menos para a
parte onposta do sol : esla cauda tcm actual-
mente perto de 4 minutos do grao, do estensao.
[Journal des Debuts. )
mente produzirao menos cont por cenlo. Fol
ontao, que neile se dcsenvolvrao essas qualida-
des notaveis, que o tornarn lo tetnivel aos jo-
ven artistas. Vampiro u ave carnvora ao
iiiesino tempo, ene su agarrava ac talento como
a unta preza viva, quo nao largava senao de-
Ihor havia sabido do primeiro jacto. Nao se j pois do chupado o mais puro sueco o mais ge-
conclua porm d'aqui, que Elias fosso um ver-
dadeiro conhecedor. Tinha elle o instinclo, mas
nao a intelligencia do bello. Incapaz de com-
prehender o gonio, sabia ao menos adevinhal-o.
Ea finura para apreciar, quo alias nao exige,
nem estudo, nem raciocinio, essa especie de fa-
ro cujo germen era talvez natural em Elias ,
se tinhao em outro tempo desenvolvido com a
assidua frequencia de diversas olllcinas da Ita-
lia. A rQa do ver pinturas, havia-se elle torna-
do amador, poder do ouvr fallar, eprofessar
os mestres conseguio possuir urna sorlo de
criterio infallivel, com cujo suceoifo davu a cti-
da cousa o seu conveniente valor. Fra por es-
tos symptomas que o adello reconuecra em
outro tempo a sua vocar,ao. As obras d arte so
teem um valor ficticio, um preco relativo, e elle
entendeo logo, quo o alborque applicado a mer-
caduras que por sua natureza s podo ser
estimadas arbitrariamente devia necossaria-
neroso sanguo.Desto modo havia obrado com Fa-
bio al o dia, em quo uconselhado por Theresa,
c favorecido por um acaso providencial osle
conseguio adiar extraegao ao sou trabalho em
o soccorro de lo caro intermediario. Desde a-
quclla poca a tral ancia do judeo havia singu-
larmente abaixado e por isso grande foi a sua
alegra ao ouvir.a proposta de Fabio.
Eentao! disse este quando suppoz ter
dado a Elias todo o tempo de considerar o esbogo.
Eentao eentao! respondooo judeo res-
mungando entre os denles um calculo aproxi-
uiulivu .. udr-'oe-ie... uitcnta ni res...
Fabio nao pode eixar de rir-se, e exclamou:
Dos nos acuda mestre Elias; todos dl-
riao, que voc esla no seu estado natural. Eu
nunca o tihha visto to asizado...
Eu bem sei, que omito...
De vagar!... Nao demasiado e o que
lite eu digo, sopara lazer-lbe justica.. Nunca

,


2
u
R.
MINAS G ERA ES.
KAU.V DIBiGIDA i ASSEMBLA LEGISLATIVA
PROVINCIAL
polo presidente da provincia
KKANCISCO JOS DE SOLSA SOARES ANDREA.
(Continuacao do n.* antecedente.)
Colonisaco.
A falta de bracos para a agricultura e para
todos os trabadlos, que pdem, edevcm des-
envolver-so nesta provincia tao scnsvel ,
principalmente depois que loi vcdjdo o trauco
da escravatura que inuito se deve pensar nos
rucios de a remediar ; e nenbum arbitrio por
pouco pareca produzir.sedeve desprczar,porque
em lim os rios mais caudalosos compoem-se to-
dos de pequeos regatos O primeiro de todos
os meios est em adoptar medidas, que obri-
guem os individuos de um eoutro sexo pro-
dtizir diariamente um trabalho til qualquer.
O segundo est em cstabelecer czaos em tr-
ras novas, ou ellos venhiio de fra ou sejao
mesmo dos filhos do paiz. Os czaos, ou col-
lonias vindasdo frasaoem verdado muito uteis,
uestes soccorros e passando sempre essas con-
cessis poracclamaio na encara dos senhores
porque, trazendo comsigo alem de um pessoal, Aaml.At* !* .., i i .
,,... .. i denotados, levao coin ludo muito tempoestes
que promette o crescimento da raea branca n.,,lir:n<.
pregados debaixo de tutefa.por um certo nume-
ro de annos, na construccao'de estradas, e ex-
ploracao de minas, vencendo nos primeiros an-
nos racao e vestuarios, c nos segu n tes um
certo augmento em salarios, saccessivamente
maiores al os igualar aos procos correles ,
comprehendida a comida e vestuario. Esta
medida dara provincia bracos para as suas
obras pblicas restandj a bem da agricultura,
c outras industrias a populadlo do paiz.
Soccorros em geral.
O artigo 14 da lei provincial n. 230 lendo
sido tao generoso com os ofBcaes e ofliciaes
inferiores do corpo policial, mal feridos na luc-
ia contra a rebellio de junho e at para com
as praeas municipaes que estivessem no mes-
mo caso nada dispoz a favor das familias dos
morios e eu peco esta assembla qne me
autorise soccorrer ts viuvas filhos, ou mfiis
dos morios em combate e em geral dos que
tiverem perdido as vidas por motivos do servico
nesta rehelliao e talvcz na sedico de 1833 ,
sealguom existir esquecdo e em proporco
das praeas ou posto* dos seus finados, ate
que o governo geral o faca; poisque, tendo-s
mostrado o mesmo governo solicito, e franco
trazem tambem o que mais importante o
desenvolv ment de novas industrias e mellio-
ramentos reaes aquellas que ja e\istem en-
tre nos ; mas porque estas colonias sao muito
apreciaveis, nem por isso devemos deixar de
protegor as outras.
Esta assembla pude pedir assembla geral
a conccsso de 2 3 ou 4 quadrados de urna
legoa por lado, ou superficies equivalentes an-
nualmente e estes terrenos medidos, e de-
marcados pdem dar-se em pequeas porcoes
todo o cazal que se appresentar, de gente mo-
fa sejao el les de querelgiao, ou parte do
mundo forem e isto com taes condices que
os obriguc a habitarcm e cultivarem essas
ierras por suas preprias maos ou por gente
livre, por um certo numero de annos, para
entaose Ihcs dar um titulo definitivo, que os
faca verdadeiros propietarios dessas trras c
das bemfeitorias que nellas bouverem.
Urna legoa de tres mil bracas, dividida em
datas de 20 bracas de frente com 40 de fundo ,
ou um terreno equivalente chega para H;2o0
cazaes, e valle bem a despeza que so far em
passar 227 rumos de legoa para Ibes marcar
suas datas. Esta divisao de tetras tem com
tudo suas condiees e nem possivel ou an-
tes nao justo dar-se exactamente urna porcao
de trras a um cazal que venba ficar em
urna brenha estril ou em pantanos inbabi-
laveis ao menos por longos lempos nem
ser precizo marcar a todos divizas artificiaes,
podendo-as ter naturaes nem mesmo dar to
pequeas poreos de trra ; mas o meu fin
neste detalhe nao outro mais que mostrar cla-
e a miseria extrema nao pode soffrer
adiamenlos.
Taires fosse proposito alem destes soc-
corros por disposicao do governo urna certa
quantia para aecudir desvalidos em variadas
circunstancias.
A posentadorias de empregadoi e soccorros s
familias.
Depois que as assemblas provinciaes fTuo
instituidas, e que principiadlo a ser nomeados
empregados pblicos exclusivamente provin-
ciaes deve esperar-se que as provincias se
vejiio nos mesmos apuros e sujeitos aos mes-
mos inconvenientes, que se seguem da exis-
tencia dos empregados geraes. Fallo da sorte
de familias abandonadas, o entregese mise-
ria pela morte de seus chefes, c da considera-
cao que se deve aos empregados inutilisados
ponto de nao poderem prestar mais servico e
a quem ser indspensavel tirar dos empregos
para so darem os lugares quem os possa
desempenhar.
Pelo que pertence <'is familias, existe boje um
estabelecimento na corte o Monte-pio dos
servidores do estado para o qual teem j en-
trado alguns empregados dcsta provincia ; o ou-
tros prctendem entrar, como explicare! ; mas
todos devem ser obrigados entrar tenho ou
nao familia.
Este estabelecimento como sabido per-
miti a entrada de todos os empregados pbli-
cos pagando joias o.ais ou menos onerosas,
segundo as idades em que os conlribuintesse
malriclao ; e permlle estes inscreverem-se
para deixarem s suas lamilias pelo menos me-
ramente, quanto se pode fazer com urna bem !ade de seus respectivos ordenados, emasgra
entendida distrbuicao de trras mu paran do (ificaees e permitte-lhes anda eslimar os seus
assim algumas pessoas que nada possuem vencimentos em mais um terco da sua totalida-
neni presumem que possao possuir. 1. ma qual- de para deixarem >s familias pensoes iguaes
maiores s podero queixar-se de seus fina-
dos que se esquivrao isso.
Deixo sobre a meza urna rclacao de empre-
gados provinciaes quodesejo fazer suas en-
tradas no cofre do Monte-pio dos servidores do
estado mas quem seus meios o nao nermit-
quer quantia,votada para esta empreza serve pe-
lo meaos para se adquirir este gito e depois
se tirar conhecida vantagem.
Ha ainda outro modo de adquirir bracos
nara a aoririiltnra AsSTS CGB10 "iGyuG ftg'c-
za que mais philantropbia tem mostrado, pro-
curando todos os meios de abolir entre nos a
escravatura bem como entre outras nadies ,
tem adoptado de ir comprar colonos costa
d'A frica que logo ficao livres, c os vao levar
para Ihescultivaren) suas colonias assim esta
provincia pode pedir ao governo faculdade de
procurar nlguma companliia que se proponba
a trazer-lhes Africanos livres para serem em-
fez mal moslrar-se a gente generosa sobre lu-
do quando nao tem cssecostume...
V. m. sempre est grao jando... Mas,
ouve-me querque Ihe diga, porque estou bo-
je mais fcil, do que e de costume.. .
Lisonjear-mc-hei muito de sabl-o.
porque estou muitocontcnte meu ca-
ro sr. Fabio da determinaco que V. m. to-
mou, o a minha liberalidadeo urna indirecta de
Ihe dar os meus sinceros parabens.
Que determinaco?
Ora ossa boa!... esta partida... esta al-
teradlo dos seus costumes... eu adevinhei tudo.
__ Ati voce adevinhou tudo !
Certa rr.cr.lc... A coneqyec!2 das .i-
nlias advertencias, dos meus toiiselhos... V.m.
quer desviar-seda senhora Theresa!... (ib! V.
m. em umita raso. Olhe. sr.. nao me fall rf
confundir o trabalho com certas preoecupa-
coes... isto nunca da bom resultado... c como
V. m. confia muito...
__ Nao tanto, coffiovoc, impertinente, e
fallador, interrompeo Fabio... Quanlo sua
adevinhacao desta vez falhou... porque longe
de abandonar Theresa estou decidido a dar-
jbe o meu nome, a partir amanba com ella!,
dous trros do total de seus vencimentos
reaes.
O Monte-pio dos servidores do estado est
hoje com um rendimento muito superior s
suas >!t .|h-/.., nao obstanic pagar uns 70 con-
tos de pensos annuaes e tem um fundo mui-
to superior mil contos.
Obrigando esta assembla todos os empre-
gados provinciaes entraren) ao menos com
as contribuicoes correspondentes .'s pcns5es de
melado dos seus ordenados simples; ficar dis-
|ii'ii-,nl.i de aecudir indigencias, que nao ha-
ver ; porque as familias (carao dlo menos
remediadas e se nao ficarem com vantagens
Desposal-a exclamou ojudeo, mudando
de ar porquoa uniao de Theresa com Fabio
Ihe tirava para o futuro toda a esperance de ne-
gociar custa do artista. Desposal-a e o d-
nbeiro que Ihe eu der, servir para o comple-
mento de similhante Irucura ? Nao! nao: a mi-
nha consciencia m'o nao perdoaria nunca... e
seria fazer-lhe um servico recusar-lhe a quantia,
deque V. m. tem necessidade... Comtudo, se
uns 60g reis...
Pois sim vinto mil reis de mais, ou de
menos me nao i m pedir de concluir este nego-
cio sr. judeo astuto ecomo a ultima vez ,
que cont tratar com voc...
A ultima vez! oh! permitta-me meu caro.sr.
rbiC. 2 pouco h'Ouisso ; su itj uareci mais
liberal do que ordinariamente sou porque
na Mnima, que Ihe oflerecia haviao, duas par-
tes ; a primeira era da obrs s scgndd repre-
sentava... como Iheexplicarei eu isto?... ar-
i lias para o futuro, urna especie de adiantamen-
to sobro nossas operaces luturas. V. m. me ti-
ra esta vantagem. portento um negocio sola-
do, um mercado accidental, que V. m. me pro-
pde. Em consciencia, minhascondicoes nao p-
dem ser as mesmas. Alm do que este esboco i
parece a primeira vista d'olbos muito melur, ]
tem para adquirirem desde logo o direito s
pensos, direito, que se nao adquiro,em quan-
to certas entradas se nao verificao e por isso
preciso adiantal-as. Se esta assembla appro-
var, que estes adiantamentos se faeno pdem
depois ser indemnisados os colrcs por descontos
da 5.* parte dos ordenados dos contrihuintes at
ficarem saldados, e pode ficar em regra enviar-
so no principio de cada anno ao cofre do Mon-
te-pio dos servidores do estado a importancia
adiantada de todo o anno fazendo-se-lhes os
descontos mensaes na occasiao do pagamento.
Para os casos de fallccimento de algum contri
buinte, antes de estar indemnisado o cofre pro-
vincial, ser o cofre do Monte-pio, quem far
a irSitii Um similhante proeedment podo ser orde-
nado respeito dos empregados que n5o teem
dado o seu nome para se infcreverom no Monte-
pio urna vez que esta assembla os queira o-
brigar.
Quanto as aposentadoras tambem esta as-
sembla deve preven i r-sc com tempo. Ilojo
quasi moda ou polo menos urna especula-
cao frequente ei.trar nos empregos, ainda mes-
mo depois de urna idade provecta, para ser logo
aposentado e to grande o numero delles,
que talvezse approxime muito a ser igual ao nu-
mero dos empregados efectivos. Na classe m
litar sei de certo que o numero dos ofliciaes re-
formados ? muito maior do que o numero dos
officiae determinados para o estado completo
do quadro do exercito.
[Continuar-se-ha.)
MARANHAO.
De urna carta vinda da Chapada enm data
de 14 de dezembro, extractamos o seguinte :
Posso afliancar-lhe quo esta comarca nun-
ca gosou de mais socego, que presentemente
debaixo da administradlo do Dr Carvalho ; el-
le tem o maior desejo de desempenhar bem as
suas obrigaces e contentaros povos o por
isso mesmo faz quanto Ihe possivel para dis-
solver algumas rivalidades que de facto j nao
existem. Nao ha quem tenha tentado vingan-
ca e nem contra quem se tente porque quem
deseja beber o sangue do genero humano nao
est no paiz e os que por temor Ihe obedecem.
s o fazem na presenca ou sao alias crimino-
sos que sem o menor motivo relirao-se
para o termo de Goyaz o tanta a falta de
gente desse lado que agora vejo approvado
para supplente do delegado Juvencto de tal
Marinho morador no termo de Goyaz e tao
miseratel, que me dixem andar com urna pe-
quena tenda de ourivet, de fazenda em fazen-
da fazendo algumas obras isto naquella
provincia e Manoel Goncalvps da Silva que
nflo existe e se existe tambem para o termo
de Goyaz porque alm de conhecer eu to-
dos os moradores d'aquclle termo r.So tenho
podido alcancar noticia de tal homem. Nao
pode V. me. fazer ideia da gente que segu o sr.
MilitUo era preciso vl-os ; causa pasmo ter-
se o Correio, relativamente esta comarca, mas
elles ficaro sempre mentiroros porque Ibes
nao havemos de dar o gosto de apresentar um
nico acto de vinganca. Nao bouve n'esta co-
marca assassinato algum excepeo do com-
mettido no infeliz Jos Lcitc Cavalcante 15
leguas d'esta cidade c pessoa com quem cont-
ramos. ... e segundo consta a sua morte
proveio de um caso bem extraordinario.
(Do Publicador Maranhense.)
do que na realidade... e cuido, que com 40
reis...
Nem umde menos disse Fabio com se-
Elias levou a mao algibeira som mais desa-
pei t;.r os denles. Elle tinha notado entre as so-
brancelhas do artista um rpido Iran/imento ,
cuja signiflcacao Ihe era muito conhecida. Re-
conheceo, que havia apurado a paciencia de Fa-
bio e que se Ihe nao pegasse a palavra, era
capaz de nao acceitar mais condicao alguma.
Tenho aqui justamente esta quantia, disse
elle pondo o dinheiro sobre a meza,o se o quizer
contar...
rabio porem o nao onlou. Seus olhos, ain-
da pouco resplandecentes de alegria se ha-
viao ixado sobre o judeo com vaga expresso de
colera v desgiisi. G especio desse homem
produzia sobre elle o eleito de um reptil hedi-
ondo, e malfico. Comtudo mais indignado es-
lava da sua impudencia, e m f do que con-
trariado pela depreciadlo gradual,porque Ihe li-
zra passar o esboco. Tinha vontade de o ver
partir immediatamenle. Elias adevinhou som
duvida esto desejo porque tomando conla.sem
mais tardar, da sua acquisico fez urna reve-
NOTICIAS ELEITORAES.
Memorndum.
No dia 6 do corrente leve lugar a rcunio
desto collegio eleiloral. No dia 7 52eleitores
assignro a acta do dia antecedente rctiran-
do-se antes de o fazerem o snr Rafael de Car-
valho e um outro que nao conhecemos de-
pois de baverem entregado as suas listas ao pre-
sidente pretexto de incommodados. Con-
vidados os eleitores fazerem a entrega das
listas procedeo-se ella confusamente sem
que precedesse chamada nominal como con-
vinba e aparecrao 77 listas ao despejar da
urna sendo o numero dos que comparecrao
no collegio, bem contado e recontado 64
inclusivo os dous que nao assignro a acta
A'vista deste grande excesso de listas sobre o
numero dos votantes claro ou que houve
elcitor que deo mais de urna lisia ou que j
havia algumas do pre\encao na urna. O as-
sombro que se pintou nos semblantes dos es-
pectadores nao teve maos a medir e lazia per-
fcitocontraste com a impertur.l>aliilidade appa-
rente da meza composta dos snrs. Jos Paco ,
Izidoro Costa Claro c Antonio fiernardi-
no Ferreira Coelho os quaes pesrSo a lazer
a apuraeao com a maior sem cercn.'onia e co-
mo se ludo se passasso naturalmente o nao
houvessc a menor dvida. Este facto tao ex-
traordinario e inqualificavel realisou-re em
presenca de mais de cem espaciadores todos
pessoas conspicuas e honradas e no *eioda
nossa capital, plena luz meridiana
Com esta falsidade t5o escandalosa e pa-
tente, a indignacao, e o drsgoslo so apoderou
ainda dos mais indiflerentes. Muitdsjdos es-
pectadores sahiro inmediatamente e ende-
recro urna representadlo ao governo na
qual se narrava o acontecido e pedia provi-
dencias, a fin que a lei fofse observada e nao
se violasseacintemente amoral pblica. Al-
guns ficrao ainda presenceara appuraeao.que
a meza encerrou s 2 horas da tarde sem ne-
cessidade algurna c contra o disposlo as ins-
trucees, appurando apenas nesse dia 16 ou 17
listas.
Em consequencia do rumor pblico,que cor-
ra pela cidade de que a meza ou o seu pre-
sidente levara para casa a urna, e papis con-
cernentes cleicao, contra o disposto as
instrueces c sendo para acreditar quanto se-
dizia depois do escandaloso procedimento que
tiverio; o juiz municipal da primeira vara o
snr. Viriato Bandeira Duarto, apresentou-se-
ex-ofljcio na casa da cmara no dia 8 anles da
reunan do collegio acompanhado do seu cs-
crivSo e meirinho ; e procedendo ao necessa-
rio exame em presenca dos eleitores, queso reu-
niao e de um sem numero de espectadores
que afluiSo achou-se a urna mas. verificou-
seque fallava o litro das arlas e matricula ,.
que chegou muito depois do exame trasido de-
casa de um dos mzanos pelo snr. Orsi. Pe-
ludo isto se lavrou termo judicial em boa e
devida lrma.
Na ncc9i[>o do exame tiverat: logar scens
desagradawis, motivadas pelo sedicioso Jos
Paco, que i'uiii acto, que era lodo do juiz mu-
nicipal, nvolvia as principaes aut< ridades r
proferia feios insultos, e palavradas, que s cos-
tumao a sahir da bocea das mais infames mere-
trizes bradava e esbravejava como um pos-
sesso tanto fra, na piaca como dentro do
collegio. Tamanbo foi o escndalo que foi pre-
ciso vr urna guarda do quarlel e postar-se
em frente da casa da cmara para fazer respeilar
a autoridade do juiz, que esse loucodesconhe-
cia. O grande Izidoro steve mais reportado, e
s amcacava com revoluces.
na propra capital da provincia, que os
immoraescaudilhos da faccSo jansenista des-
rencia bem humilde bem respeitosa e disse
dirigindo-se para n porta:
Al logo, sr. Fabio. Espero, quo me
nao (pielera mai, por ter sido franco com o
snr... Disse-Ihe o que pensava da senhora
Theresa; mas, a final pode ser falso... Ha
(anta (acilidade em suspeitar, em maldizer!,..
Nao importa desconfi sempre.
B escapou-se ligeiro, porque esperava algum
effeito deste tiro dado em plena retirada ma-
neira dos Parthos. Mas a feliz disposicao de es-
pirito, em que se achava Fabio, poz entre o
velho e elle tal distancia, quo similhantes a-
taques nao podiao alcancal-o. Ero bailas frias,
niiA Un vinli'iii eair mis nAc
Depois de pensar, e imaginar largamente;
Fabio deilou-se, o o somno foi prompto em
cerrar-lho as palpebras. Adoimeco, e ainda
assim loi leliz; pois o somno, tempo de esque-
cimento paraaquelle, quesoflre, derecolhi-
mento pura o que espera em todo o caso
um repouso da vida, Fabio vio maisdistincta-
rnente, atras das transparencias do sondo, os
signaos propbeticd8, que Ihe annone)8v8o afe-
Iicidade. Havia muito tempo quo elle nao
passava tao bella noute.
(Continuar--se-ha.)


pidos-do todo o scntimento de pudor, sem
considoraco algutna para com a sociedade ,
nem para com sigo mosmos e a face de um
pblico inteiro fazem Ira pacas, as mais por-
cas, commettem usurpaces, as mais patentes,
pratico acges.as mais indecorosas, e vis e
ostento o mais descarado desprezo das leis e
o mais profundo esquecimento do justo e do
honesto. Anda em parte ncnhuma do impe-
rio chogou a tanto oxcosso a immoralidade, co-
mo no infeliz Mamadlo depois q ie figuro
na scena poltica entes to depravados. Os ci-
dados honestos, que presenciro o escndalo
das vinto e tantas listas que crescro sobre o
numero dos votantes, revoltillos de procedi-
miento tao infamo j derao o primeiro passo
para se desfazer toda a tramoia ; e levaro ao
ultimo apptiro os autores destas gentilezas com a
roviso, que requerem actualmente na forma da
lei e nao desstir'io do seu louvavel intento
emquanto nao se obtiver o completo triumpho
da lei e da decencia pblica tao indiana e
sivelmente ultrajadas. Desla vez nao apro-
vcitaro por certo aos prevaricadores, que fazem
gali do o sor, tanta bjixca, o immorali-
dade.
Pelas noticias, que at esta data (18do cor-
rento) nos tem chogado dointerior.obteve a coa-
licoo rnaiscomplcto triumplio noscollegios de
Cururup Itapucur-merim, e Cixas Igual
triumpho se espera nos collegios do Brejo,Tutoia,
Pastos-bons, e Chapada, com o que ser infal-
livel a derrota da acco.
A reviso no collcgio da capital ainda nao
est i ultimada e logo que esteja daremos aos
leitorcs a curiosa historia do quanto se tem pas-
tado.
[D* Revista.)
No dia 8 noute percorreo as ras desta
cidade, com bandas da msica, o foguetes
urna hrilhante reunio cuinposla do cerca de
400 a 500 cidados da gente grada e honra-
da Uiri^lro-so em seu passeio ao palacio do
governo e em frente desto dro vivas a Sua
Magostado o Imperador, conslituoo do im-
perio ao presidente da provincia e ao par-
tido da coalco edaordem. Esta demons-
tradlo de allecto o adliesao dada a S. Exc. ,
foi sem dvida motivada pelos desatinos do cau-
dilho jansenista Josi Paco observados na ma-
nliau do mosmo dia ; e a reunio teria sido du-
plicada, o triplicada, se se nao resolvesse o
passeio j tardo o por noute. O snr. Figuei-
ra podo lisongear-se de que tem por si as sym-
pathas de todos os Maranhenses, amantes das
inslituicoi!, o da prosperidad do paiz que o
estimo o respeito em rasao da imparcia-
lnlaile, juitica e moderaco com que pro-
cele. Ocia que essa guerra injusta que
llie fazem quatro dscolos o anarchistas que
vvom ile agtaco e que tecm atraliido sobre
si a indignaco. pblica pelos seus feios vicios e
crimos longe de o fazer desmerecer no con-
ceito ilos homens do bem s servo de llie dat
honra, eacredtal-o cada vez ma,
[Do Publicad ir Maranhense )
Hontern 19 do corrente, amanheccoo cofre
da alfandeg'a arrombado faltando segundo
nos infrmao a quantia de reis 19:978,754.
O telhado do edificio eslava igualmente arrom-
bado presumindo-so que por aiii so iniro-
duzira ou evadir o ladro. Acharo-sc al-
gumas sedulas esparsas pelo sobrado e pelo
telhado o di/.em-nos que cerca de dous cori-
tos de reis em um pequeo sacco que se
esquecro de levar. A polica est proce-
dendo.
[dem.)
Snr. redactor da Revista. Lendo o Cor-
reio n. 78 em um pequeo artigo SATIS-
FACVO AOS SUBSCRIPTOR ES di* o re-
dactor nao ter sahido regularmente aquella f-
Iha porque o snr. presidente invadi tambem
u imprensa. mandando incluir na lista dos
proscriptos os compositores da typographia
monarchica gue virao-se obrigados a se es-
conder as maltas para evitar o despotismo a-
troz que pesa sobre o Maranhao, s por
causa das eleiciies. Eu que fui um dos com-
positores d'aquella typographia sah d'olla ,
nao porque alguem me ameacasso com recruta-
mento ou me induzsse fazel-o por qualquer
outro principio mas tao somonte por falta de
pagamento da parte do propietario; e por
CSIU llielUU i3m'u "----- -"- --!'-."
tes de mim e outros teem deixado de la ir.
Rogo-lhe, nr. redactor, queira inserir esta
miaba iMuracSo na sua bem conceituada to-
lda para desagravo da verdade ultrajada e
para* quo se fique sabendo que a asscrco do
Correio toda falsa e calumniosa.
Sou snr. redactor seu venerador obrgado,
e criado.
Antonio Jos da Cruz.
PERNAWIBUCO.
Tribuna! da Relajo.
SESSAO DE 27 DE JANEIRO DE 18U.
Os embargos de Floroncia Mara dos Praze-
res. contra Francisco Jos Dias da Costa na
appellaco civel desta cidade escrivo Poslhu -
mo; ro desprezados.
Os embargos de Jos Ray contra Luiz Go-
mes lerrcira & Mansfield na causa de appol-
laco civel desta cidade escrivo Posthumo ;
fro desprezados.
Na appellaco civel do juizo dos eilos da fa-
zenda appellanto a mosma la/.enda appella-
do Jos Francisco Branco escrivo Jacomo ;
se mandou vista ao desombargador procurador
da coroa, e fazenda.
Na appollaco civel do juizo d'ausentes desta
cidade, appollante o juzo, appellados Joo
Jos dos Anjos Perera, e outros, escrivo Foi-
reira ; se mandou vista aodesombargador pro-
curador da coroa, e fazenda.
Na appellaco civel desta cidade appollante
o juizo appellado a viuva de Joo l.uiz Vctor
Lucutier escrivo Rogo Ban^ol se mandou
dar vista ao desembargador procurador da co-
ra, c fazenda
Na appollaco civel desta cidado appellantcs
os testamonteiros e herdeiros de Jos Thomaz

Aifamiega.
5:460$513i
Hendimcnto do dia 27..........
Oescarrego hoje 29.
BarcaThomaz Mellors -carvao de pedra.
BrgueDiannabacalhao.
Brgue V. Joao BaplisUibarricas vasias.
pr Augusto do 205 tonelladas ; capilao
Joaquim Soares Miaver; equipagem 14;
carga sal : passageiros .Manoel Jos Saraiva ,
e sua senhora, Domingos Concalves d"Olivci-
ra .Maia, Claudino Salvador Perera Braga ,
Antonio da Silva d'uliveira e Manoel Vi-
era Terra-nova, brasilciros.
| Paralaba; lancha brasiloira Santa Cruz, do
20o tonolladas ; capilao Joaquim d'Olivei-
ra ; equipagem 5 ; carga diversos gneros.
PHAg.i DO UECIFE 27 DE JANEIRO DE 18H.
Revista mercantil.
CambiosNao houvoro saques durante a se-
mana havendo sacadores a 25 d.
ti. por \ a 90 dias.
AssucarAs entradas lriio regulares, c teem-
se efectuado vendas do 1050 a 1:100
rs. por ( sobre o ferro do branco ,
edo 1:000 a 1:050 rs. do masca-
vado.
Algodo Tem entrado muito pouco e os
precos nao teem tidn al terafo de 5100
a 5:200 rs. gj.
CourosNao ha deposiio;tcem-se obtido 4:480
rs. por pelo do Aracaty
BaclbioKntrou um oarregamentoda do Ter
ra-nova com 2500 barricas pie loi
vendido entro 10,800 e 11.000 rs.
a prasos pequeos e esta se rota-
Ihaudo de II.200a 11,500: o de-
Declara^o.
O vapor Imperatriz recobo as malas pa-
ra o sul hoje polas ;5 horas da tarde.
Avisos martimos.
psito de 5:500 barricas
e Campos Quaresma, appellado Jos Thomaz BreuVemlco-se a 4:500 o barril.
do Campos Quaresma escrivo Forreira ;
mandou ouvir o Ur. curador geral.
Nos embargos de Gabriel Antonio contra
Antonio da Silva k Cunha, na appellaco civel
desta cidade escrivo Bandeira ; se mandou
ouvir o curador geral.
Na appellaco civel desta cidado appollante
Manoel de Jezus da Silva, appellado Miguel
Carlos da Costa escrivo Poslhume ; se con-
lirmot a sentenca.
Na appollaco civol do juizo dos ausentes ,
appollante o juizo appellados Johnston Pater
& Companhia escrivo llego Bangel ; se jul-
gou pela confirmaco da sentenca.
O embargo? do Johnston Pater & Compa-
nhia contra Manoel Elias de Moura na ap
pollacao civel desla cidade escrivo Jacomo ;
torno desprezados.
Na appellaco civel, appellanle Antonio Pe
reir, appellado Domingos Rodrigues do Passo,
escrivo Jacomo ; se mandou ouvir o curador
geral.
Na nppcllaco civel desta cidade appellanto
Rita Maria da Conceico appelladas Candida
Maria da Penha e Januaria Ferrera escri-
vo Bandeira ; loi confirmada a sentenca.
Na appellaco crimo do Biaeho-do-sangue ,
appollante a justica, appellados Jos Domin^uos
Perera Luiz Marques e outros escrivlo
Ferreira ; se julgoii procedente o recurso.
Na appollaco crime desta cidade, appellan-
to Manoel Jos Ferreira Coelho appellada a
pislica escrivo Ferreira; foi julgado o recur-
so improcedente.
Na appellaco civel desta cidado appellante
o juizo nppella lo Joaquim Ferreira da Silva,
c.crivo Posthumo ; se julgou procedente o
recurso.
Na appellaco crimo da cidade do Januaria ,
iippeanteo juizo, appoiiado rineo Rodrigues,
escrivo" Bandeira ; se julgou o recurso impro-
cedente.
Na appellaco crime da cidado de Goianna ,
appellanto Raimundo, pardo, escravo do Padre
Joaquim Jos Pereira appellado o juizo es-
crivo Reg Rangel ; se julgou improcedente o
recurso.
Na appellaco crime da cidade de Macei ,
appollante o juizo, appellado Antonio dos An-
jos Caldas escrivo Rogo Rangel; foi o recur-
so julgado procedente.
IHAll) DE PjRNMBjM.
Os vapores Paraense e Imferatriz en-
trados do norte o 1. s 7 horas da noute do
dia 26 e o 2.* pelas 4 horas da tardo de 27 ,
deixrao tranquillas as diversas provincias, por
que passro. Em lugar competente acharad
os nossos leitores o quo de mais importante en-
contramos nos jornacs do Maranhao onde a
opposicao a respectiva presidencia contina
desarrasoada e despeitosa como d antes ,
ar~u:r:dc-2 de !co ; 'Hija s!$!Hde quoh-
dianamente demonstrada pelos peridicos do
lado governista. bem como o da ameaea de re-
crutameptO aos compositores da typographia
monarchica quo a correspondencia da Revis-
ta assignada por Antonio Jos da Cruz com-
positor da mesma typographia o que tambem
transcrevemos, prva ser inteiramento desti-
tuido de fundamento e somente filho da ima-
ginaco dos opposiconistas.
Bolaxnhadem a 0:500 rs. a barrica.
Carne-secea Chegou um carregamenlo do
llio-grande-do-sul com 10:000 ar-
robas da nova ; na precos obtidos sao
de :i:000 a 1:200 rs. pela nova e
3000 a:i\00rv pela velha : o de-
posito de 9:000 ...
EnxolreVendeo-sede 1:500 a 1:700 rs ",.
Familia de trigo Nao chegou carroamento
algum o deposito de 10:000 bar-
ricas. o as vendas de 14,000 a
20,000 rs.
FeijoVendeo-so o 4:000 rs. a sacca.
Genebra em botijasdem a 3:120 rs. a duzia.
Manteiga nglezadem a 400 rs. a libra.
Mascas surtidasdem de 4:500 a 5:000 rs. <,.
Milhodem a 2:000 rs. a sacca.
Papol dem a 2G00 rs. o al maco 2.* sorto ,
2:000 rs. o branco 2:600 a 18:00
rs. o florete e 750 a 800 rs. o de
embrulho marca pequea.
Queijos flamengosdem de 700 a 900 rs. ca-
da um.
Toucinho de Santos dem de 2:000 a 3200
rs. a (j>.
Yinhode Lisiioa^PRRdem a 120,000 a pi-
na, e do outros autores de 100,000
a 112,000 rs.
Embarcaeoes existentes no porto.
Austracas..........4
Americanas..........4
Brasileiras...... ... 10
Belga .........1
Dinamarquezas. ... .... 4
Francezas..........2
Hamhurgue73s ........2
Hollandeza.........1
Inglezas..........8
Napolitana..........1
Oldembrgueza........1
Portuguezas.........5
Sardas...........5
Siciliana. ........1
Suecas..... .....8
= Para o Aracaty pretende sair o bem co-
nhecido hiato Otinda no dia 8 de fevereiro p.
futuro impreterivolmenle com a carga quo
tver a bordo : Iratnr-se com o propietario
Manoel Joaquim Podro da Costa ra da Cruz
n. 51-
Para o Ass no dia 2 de fevereiro pre-
tende sahir impretcriu'lmonle o brigue-escuna
nacional llenriqueta lorrado de cobre, e do
superior marcha ; quem quizer carregar ou
ir de passagem, para o que tem superiores com-
modos dirija-se a Manoel Joaquim
Costa, na ra da Cruz n. 51.
Pedro da
Leiles.
O eorretor Oliveira lar lelo de bonito
sortimento de fa/endas limpas inglezas, o fran-
cezas as mais proprias d este mercado, porcom-
prebenderem algodosnhos, madapoles, cha-
Jos, chitas, nieias, rscados, lillas, brins, sus-
pensorios, platilbas, cassas, panninhos, hartas,
bicos finos nieias de seda, o de algodo, &c,
que so vendor a praso por proco rasoaveis ; o
0 dinlieiro urna porco de botins, e sapatos in-
gle/.es e alguns outros artigo! por todo o pro-
co, que se ollerocer: lerca-fcira, 30 do corren-
te, s 10 horas da manha, no primeiro andar
da sua casa.
= .Manoel Antonio Pinto da Silva, tendo do
mudar de estabelecimento de maicineiro, con-
tinuar a vender em leilo. por lodo, e quilquor
proco e por intervenco do corrector Oliveira,
a restante mobilia, quecomprehendia o que at
agora tem tido inclusive duas cxcellentes mo-
bilias completas as quaos foro manufactura-
das d'encommenda pelos mais habis artistas
d'esta cidade o toda a ferramenla o bancos
doofficio: quarta-feira 31, do corrente, s 10
horas da nianba no seu armazem na ra da
Cruz, por detraz do Corpo-santo.
Avisos diversos.
63
llov ment do Porto
Navios entrados no dia 27.
Portos do Norte ; 20 dias; paquete vapor bra-
sileiro Paratnse. de 180 tonelladas; comman-
danto Joaquim Peixoto Guimares ; equipa-
geni 26 : passageiros Jos Candido Guerra
Passos, e 2escravos, Antonio Maria Bes-
sone o capilao-tenente Joaquim Alves Cas-
lilho e 1 escravo, o 1. tenenle Joo Joa-
quim da Silva Guimares, e 1 escravo bra
Jos de Mello Costa Joaquim Go-
Aluga-seum sobradinlio na Rua-da-Praia-
do-Fagundes defronte da serrara do sr. Men-
donca ; quem o pretender falle as Cinco-
ponlea pallara n 63.
= Aluga-so no Forte do Maltos ol." andar da
casa, junto do snr. Belem e na mesma um
pequeo armazem : a fallar com Jos Ribeiro
de Brito era sua pronca no mesmo lugar n. 18.
Perdeo-se Ansdv a Rua-direila et-: a
ra de Aguas-verdes um hotao de ouro de
punho de camisa quem o achou querendo
restiluiol-o, dirija-se a Bua-direita na esqui-
na de S. Pedro n. 16, que ser generosa-
mente gratificado.
Precisa-se alugar dando-se 128 rs-
mensaes c o sustento, dous pretos para o ser-
vico ordinario de padaria para carregar pao ,
e agua ; na travessa da Madre de Dos n 11.
Aluga-seum prelo muito fiel por (i.)
rs. mensaes, isto sendo para sitio ou en-
genho como para tratar do vaccas; na ra
dosCjuarleis n. II.
=. Appareceo no dia 22 do corrento pelas 8
horas da noute, na Solidade casa n. 6. um
cavallosem sellim lo somente, com as ca-
becadas, por j ter sido o dito cavado da mesma
casa; quem for seu dono dirija-se a mesma
casa que dando os signaos cirtos Iho ser
sileiros
mes Villar Garralo Antonio Francisco entregue pagando as despezas e a seguran-
Bandeira portuguezes e 2 escravos en- {ca do mencionado cavado.
tregar. = Oualquer snr. guarda-livros ou mesmo
Pesca ; 26 mezes; galera americana Stehba- outra qualquer pessoa, enesrregada de qualquer
na, de 315 tonelladas; capilao Y Coligo; 'escripturacao que precise d'um ajudanle in-
cquipagem 23 ; carga azeite. \ telligivel e do boa letra, com as precisas qua-
Portos do-norte : 10 brasileiro Imperatriz,
de 315 tonelladas,
commandantc capito-tenente Jezuino La-
liflilne
* ---------- .*. .....,..
nunciar, porque por inleressc se propuo a
isto pessoa desembarazada o com bastante
mego Costa : equipagem 30 ; carga a/cite : \ pratica.
passageiros Dr. Kzoquiel Francisco do Sa, o 1 | = Aluga-sc o primoiro andar do sobrado da
escravo ; Dr. Jos Fernandes Vianna, Fran- ra da Moda n. 9 ao p do snr. Santos Bra-
cisco Marianno Ribeiro, capito-tonente ga proprio para cscriptorio ou grande fa-
jse Moreira Guerra, brasileiros, e mais i milia pelos seus grandes o bons commodos,
escravos entregar. ; por proco rasoavel; quem protender dirija-se
Navios sahidos no mesmo dia. a ra da Cadeia do Rccife loja n. 57 a tratar
Rio-grande-do-sul; briguo brasileiro Princi- com Joo Maria Seve & Filho,


LOTERA DO THEATRO.
As rodas da 2.a parte da 15.
lotera teem o seu infallivel
andamento no dia 30 do cor-
rente mez iquem ou nao
bilhetes por vender, e os
restantes aeho-se as lojas
j annunciidas.
= Gcorge C. Prior cidadiio Americano ,
relira-se para fra do imperio.
= Do porto da ra da Aurora desapparecco
urna canoa aberta, pequea sem banco eso
com paneiro ; quem della souber, ou tiver no-
ticias aonde est dirija-se a ra da Senzalla-
velha n 8 que ser recompensado.
= Aluga-se urna casa terrea da parte da
sombra com commodos para familia quin-
ta! murado, c grande sita na ua de S. Gon-
calo ; quem a pretender, dirija-se a ruada
Alegria n. 34.
Precisa-se de 800Srs. a juros, com hy-
potboca de escravos ou predios nesta praca ;
quem tiver annuncie.
= Precisa-se de um feitor para sitio que
enlenda lem dejardim e borla ; a tratar na
ra da Aurora n. 26.
== O snr. Manoel Rodrigues da Silva, que
foi caixeiro em urna loja do cera delronte do
beco do Hozarlo assim como o encarregado
da casa do fallecido Jos Antonio Gomes ba-
jo de dirigir-se a ra de S. Tbcresa n. 10
a negocio de seus interesses.
D-se dinlieiro a juros cm quantias de
100,000 rs. para cima com pcnWiesde ou-
ro ou prata ; na ra da Praia n. 22.
O agrimensor, abaixo assignado, oflerece
os MUS serviros s pessoas que tiverem proprie-
daoles a demarcar e afianca a mais escrpulo
sa exactido e o maior zelo no desempenbo da
sua arto ; devendo todos os que do sou presti-
o se quizerem utilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao mesino abaixo assignado na Rua-direita ,
sobrado n. 121.
Joaquim da Fonseca Soares de Figueiredo.
= Francisco Tarault participa ao respeita-
vel publico e com mais particularidade aos
amigos dos bons bocados, que de hoje em di-
ante ellos acbarao a toda e qualquer hora na
s>ua casa de pasto franceza da ra da Lingocta
n. 2, toda a qualidade de comida a franceza ;
a.isitn como vinhos e licores le todas as quali-
pasleloes, empadas da diversas sortes sala-
mes presuntos linguicas &c. ; e que se-
rG servidos com o maior aceio, limpesa e por
preco commodo. O mesmo Tarault oflerece-se
para mandar levar em as casas as comidas a
aque las pessoc's que com elle se ajustaren) ,
diaria ou mensalmente ou por urna vez s-
mente ; participa-semais que todos os das
de manhaa um seu agente levara a casa de seus
Ireguezes pastis, paslcloes empadas, lin -
guicas e chourkas franeezas, proprias para
a! moco.
Precisa-se alugar um sitio perto da pra-
pim para um ou dous cavados; na travessa
das Grates n. t4 primeiro andar; na mes-
ma casa se (.fferece um sangrador e dentista
que chumba denles o applica ventolas.
O snr. bacharel Carlos Honorio do Fi-
gueiredo, que onnunciou retirar-se para o Rio-
dc-janeiro no Diario de 26 do corrente se
quizer um criado para o servir na viagem ou
mesmo no Rio so pela comida annuncie.
= O snr. Joao Senhorinho Bezcrra de Vas-
concellos, chegado ha poucoa esta prava, queira
por obsequio dirigir-se a ra do Rangel, ven-
da n. 9 para tratar de um ajuste de contas
com Marcelino da Silva Ribeiro e caso nao
appareca, passar pelo desgosto de ser justicado.
= Os carregadores do patacho Alberto po-
dem levaros conhecimentos na ra larga do
Rosario n. 26, seguido AfMlaf isto quanto
antes.
Precisa-se alugar una casa terrea com
grande quintal e cacimba, no bairro da Boa-
vista sendo as ras da Concoicao la Jo do
Hospicio Rozario e Gloria cujo alugusl
nao exceda de 10 a 12,000 rs.; quem tiver an-
nuncie.
= Aluga-*e urna casa terrea repartida a
moderna com commodos para urna grande
familia na ra da Solidado ; a tratar na ra
da Aurora n. 58.
= Alugao-seo primeiro o segundo anda-
res da grande casa da ra de Apollo n. 20, com
muito bons commodos muito frescos, e boa
vista ; a tratar no (erceiro andar da mesma casa
com Jos Antonio de Sou/a Machado.
__ Quem annunciou precisar de urna pes-
soa para apercyoar um menino em escripia ,
dirija-sea rua do Queimado loja de meude-
zas n. 24.
O snr. Antonio Jos Pinto da ConceicSo
queira dirigir-se a Rua-nora botica n. 57,
a negocio de seu interesse : na mesma botica
precisa-se de um pequeo de 12 annos, para
caixeiro.
=(s)uem precisar de um caixeiro Portuguez,
que sabe Icr, c escrevor para tomar conta
de urna venda do que tcm bastante pratica ,
dirija-sea ra do Livramonto n. 13.
Precisa-sede urna mulher de cor, ido-
sa sadia livre e dcsimpedida de ludo,
para ama do urna pequea familia ; quem esti-
ver nestas circumstaucias dirija-se a ra do
Noguera n. 13.
Precisa-so alugar um moleque que sir-
va para andar cm recados o comprar na ra :
no becodo Veras n. 18.
= Pela primeira vara do civel vao pela ulti-
ma vez a praca, no dia 6 do levereiro futuro ,
duas corroas um boi para as mesmas um
cavallo e mubilha, ponhorados a Jos Epifa-
no Durao ; os pretendontes dirijao-se a pra-
ca alini do lancareui
Precisa-se de urna mulher de bons cos-
tumes e que tenha bom leite; annuncie
Xa noute do dia 26 para 27 do corrente
desapparoceo de S. Amaro um canoa poquena
do carreira ; roga-sc a quem della souber ,
(lie o declare na ra do Gabug n. 17, ou avi-
se a Antonio Jos Pereira.
No dia 25 do corrente furtaro do sitio
affianca-so a qualidade por ja ostar experimen- rola, linhasde carretel a 360 is. a duzia
lado caf, e sevada moida tudo por preco meias para meinos. luvas de seda preta corr
commodo; na Rua-direita n. 10 e na ra dedo a 800 rs., e outras muitas meudezas por
estreita do Rozario deposito de assucar. barato preco; na pracinha do Livramcnlo
as Na olaria do fundao junto a fabrica do loja n. 53.
Gervasiovendem-setelhasbemcoMdasedobom = Vende-se muito bom rap de Lisboa;
barro a 30,000 rs. o milheiro lijlos de la- na ra da Cadeia do Recifo loja de Joao d
drilho a 25,000 rs ditos de alvenaria batida Cunba Magalhacs.
a 26,000 rs., ditos de tapamento a 11,000 rs = Vcnde-sc urna venda nos Quatro-canlos
ditos de cacimba de 5 a 5 palmos emeio de boc- da Boa-vista n, 93, com poucos fundos,
ea a 32,000 rs. ditos quadrados grandes para bons commodos para famlia a dinheiro, ou
forno de padaria a 200 r. cada um ditos de a praso ; a tratar na ra do Amorim n. 50, pri-
buraco para fogSo o primeiro buraco a 240 meiro andar.
rs. cada um o segundo dito a 200 rs. e o Vende-se um piano novo do excellen-
terceiro a 160 rs. tudo de bom barro, bem les vozes e de ptima construc?ao ; c urna
cozido o bem feito, telhasdo ponta para can- rica cadeira do arruar forrada de damasco, a
lo de cornija com coninhoto a 500 rs. cal franja de retroz; na ra do Vigario n. 13.
branca muito alva a 480 a quarta da medida ve- = Vendem se livros em branco de muilo
Iha, barro a 80 rs. a tina, areia a 20 rs.; quem l>om papel, proprios para recibos, entradas,
orecisar nao querendo ter o incommodo de ou utra qualquer escripia por preco muito
ira dita olaria dirija-sea ra do Caldeireiro commodo ; na ra de S. Rita-nova n. 88.
casa terrean. 16, que achara com quem Ira- Vende-se um sobrado de 3 andares, e
tar a quaniidado que quizer, que prompta- solio sito na ra da Cruz defronte do beco
mente o annunciante mandar botar no porto da Lingoeta ou arrenda-se ; a tratar com
mais perto da obra pagando 100 rs. por cen- Luiz Pereira Vianna, no engenho Moreno,
lo o sendo quantidado grande nada paga de Vende-se um escravo de Angola de 24
lete o a qualidade se mostrar na mesma annos muito robusto sem achaque nenhum
casa. de molestia ptimo para todo o servico ; no
- Vende-se urna casa terrea de pedra e cal, armazem d. caes da alfandega defronte da
sita no povoaco dos A Rogados ; e um carnei- cscadinha de ias Ferreira & Companhis.
do Pina um bote (casco americano ) pintado
todo de verde por dentro o todo preto por
fra, e eslava fazendo agua da banda deste bor-
do ; roga-se o quem for offerecido que o to-
me e dirija-se ao principio do Alterro-dos-
afogados, sobrado n. 63, que ser recompen-
sado.
=s Precisa-se de um rapaz Portuguez de
12 a 15 annos, que sai lia ler eoscrever para
urna venda de mulhados, e fazendas perto
desta praca ; na travessa das Cruzcs n. 8.
- V. T. P. de F. Camarmo, lendo urgen-
te necessidado do ir a provincia da Baha, e
nao podondo por suas molestias pela pouca
demora do vapor neste porto dispedir se dos
seus amigos e das pessoas do quem ltima-
mente recebeo os maiores obsequios, o faz pelo
presente.
Quem precisar de um oficial de barbei-
ro branco o qual quer se aperfeicoar an-
nuncie.
O abaixo assignado lendo, no Diario de
vinteeseisdo corrente; neile depaiou um an-
nnncio do senhor Miguel da Gunha sobre
a compra de urna venda ao snr. Antonio de
Vasconcellos Menczes pelo que faz publico ,
que similhante annuncio nao Ihe diz respeito ,
nom a elle se refere, e igualmente roga a quel-
las pessoas com quem teem nagocios que ba-
jad de attender bem para o seu nomo por in
toiro para evitar qual ucr equivoco um vez
que existe esse snr. com quasi o mesmo nome.
Jntuniode Vasconcellos Ifenezes de Drumond.
Compras
c= Compro-se 6, cu 8 garrafas u ihmq de
caj ; quem tiver annuncie.
Vendas.
Acho-se a venda na livraria da praca da
Independencia ns. 6, e 8 ; ra do Cabug lo-
ja do Bandeira ; defronle da matriz da Boa-vis-
ta botica do Moreira; no Recife ra da Ca-
deia loja de ferrageos n. 48; em Olinda, ra
do Amparo botica do Rapozo ; e nos Qua-
tro-canlos loja do Domingos : as cxcellcntes
folbinhas impressas nesta Typograpbia com-
poslas pela primeira pessoa, que as fez nesta pro-
vincia e que tanto crdito tem merecido; conten-
do as de algibeira ptimas chcaras, e a disputa
entre urna pulga, e um piolho sobre a fidalguia;
outras contendo a confisso do marujo ; ou-
tras com a linguagem das flores ou novo dic-
cionario para a correspondencia amatoria : ou-
tras com o almanak dos empregados pblicos ,
e finalmente ecclesiasticas para o officio divino.
Vende-se o brigue-escuna americano
Ueniietla, de lole de 120 toneladas forrado,
cencavilhadodecobrc.de superior marcha, e
prompto a seguir viagem para qualquer porto ;
a tratar com Matheus Austin & Companhia, na
ra do Trapiche-novo n. 18.
No deposito do farinha de mandioca no
pateo do Carmo sobrado novo junto a Orden,
terceira e na ra da Cadeia de S. Antonio n. (a 180 rs. o covado
rinho manco propno para menino; na ra
de S. Jos n 40.
=? Vendo-se urna oscrava de naco do 20
annos, com algumas habilidades e tem urna
cria mulatinha de um anno ; um dita engom-
madeira cose e cozinha ; dous cscravos de
naco com bonitas figuras, um bom ca-
nooiro e pescador, todos do se a contento
e gosto do comprador; na Rua-direita n. 3.
= Vende-se um forte-piano de armario ,
com muito boas vozes, e de um dos mais afa-
mados autores por preco commodo; no lar-
go do Corpo Santo n. 17.
= Vende-se urna estante nova com car-
teira para soescrever, obra mui bem trabalha-
da, e por preco commodo ; na pracinha do
l.ivramento venda n. 3 junto a loja da viuva
do Burgos.
= Vendem-se superiores cortes do chita
franceza de cores finas imitando^ perfei-
tamente lanzinha ; na Rua-nova n. 11 loja
de Guerra Silva & Companhia.
= Vendem-se ricos chales c mantas de seda,
ditas matizadas lencos de garca cortes de
la a para vestido ditos decasa com listras as-
sitinadas ditos de chita muito fina cambraias
adamascadas, riscadinhos de todas as quali
dades de cores ixas, sarja de lia preta, pan-
no fino de todas as cores e qualidades merino
preto enlistado chapeos do Chile ditos de
massa da ultima moda ditos de castor bran-
co sapatos de marroqnim o couro de lustro ,
para senhora borzeguinsgaspeados de conro
do lustro para homem e senhora lencos para
grvala escocezes, do ultimo gosto, ditos
de selim lavrado dito do seda bretanhas de
linho de 6 varas muito finas, setins para col-
lotos pretos e de cres tudo cliogauo uiiimamente de f ronca e eu
tras muitas fazendas poa preco commodo ; na
Ra-nova n, 29.
- Vende-se urna rabeca em bom uso por
preco commodo ; na Ra-bella n. 26.
= Vendem-ee meia? de Icodf? psrs ho-
mem feitas no Porto, pocas do babados de
linho um braco de balance grande e o me-
Ihor possivel um temo de pesos novos de 4
arrobas para baixo dos volumes do Museu
Ptttoresco, com 32 estampas cada volurno ,
em formato grande obra mui rica o outras
muitas obras em bespanhol; na ra da Praia ,
armazem n. 37.
Vendem-se 4 alqueires de superior gom-
ma de engommar muitoalva, e bastante sec-
ca advertc-se que nao se pora duvida em ven-
der so a retalhode meia quarta para cima : na
ra da Cadoia de S. Antonio n. 25 por cima
da fabrica de chapeos.
Vende-se um moleque peca de 18 an-
nos sem vicios nem achaques ; e urna parda
moca com algumas habilidades ; na ra do
Qneimado loja n 5.
Vendem-se cassa-chitas de lindos padrees
a 180 rs. o covado ditas brancas com listras
de cores a 200 rs. cambraias de quadros com
flores de cor a 640 rs. a vara e a peca a 4*
rs. com 8 taras e meia, rr.ursulina a 700 rs.,
a vara chitas muito finas do assento escuro a
180 rs. ditas encarnadas com flores amarellas
e outras muiias fazendas
= Vendem-se dous cavados de estiibarij.
i bons carregadores de meio e esquipadores,
um russo eoutro castanho; ni ra do Quei-
inado loja de meudezas n. 24.
= Vcndem-sc damascos, tafel franjae
galoes de retroz de todas as larguras hollan-
dilhas, erues, tudo proprio para ornamentos,
reconlemente chegados de Lisboa e muitas
fazendas modernas, proprias para a praca, tudo
por commodo preco ; na ra da Cadeia do Re-
cife loja n. 57 de Joao Maria Sevo & Filho.
= Vendem-se meios bilhetes da lotera do
theatro que corre no dia 30 do corrente ; na
rua da Cadoia-velha, loja nova de calcado n 35
= Vendo-se farol lo em saccas grandes a
2560 rs. ; em casa de B. Lasserre & Compa-
nhia, ruada Senzalla-velha n. 139.
= O deposito de gelo acha-se na rua da
Senzalla-velha junto ao Becco-largo n. 110,
aonde contina a vender-se pelo mesmo preco
de 2560 rs. a arroba e a libra a 100 rs.
= Vendem-se as seguintes propriedades,
saber: urna casa de tres andaies c soloo na
rua do Encantamento no Recife n. 4 ; urna
dita terrea na rua da Conceicaoda Boa-vista
n. 1 ; urna dita dita na esquina do becco das
Barreiras n. 1; um terreno de 63 palmos de
frente na rua do Sebo ; um sitio com boa
casa na estrada dos Alflictns; um dito na
estrada do Arraial : tratar com Jos Antonio
Bastos no rua da Cadeia do Recife.
Escravos fgidos.
19. vende-so farinha a 640 rs. medida no-
va da velha a 1600 rs. milho a 1280 rs. ,
o em saccas a 3000 rs. 4 uiqueires de gom-
ma de engommar ; euro escravo posante, pa
ra todo o serrico ; azeilede carrapato a 1440
rs. a caada.
Vende-se assucar refinado das qualida-
des seguintes; branco, su me no mascavado,
e dito de carosso bronco para doce de caj,
por preco commodo; na rua do Cabug,
loja de Antonio Rodrigues da Cruz.
Vende-se papei aimaco muito bom, pro-
prio para secretaria dito de peso superior a
2800 rs. a resma thesourinhas douradas mui-
to finas a 500 rs. e lisas a 240 clcheles a
800 rs. a duzia cacaixa a 80 rs. talheres
finos, pedra9 para meninos de escolas a 120
= Fugio, ha 6 mezes o preto Jos de na-
co Angola, de 26 annos, alto, grosso, ros-
to larim otnos "rnarssdos tcm uns ferid
no torno/ello pode ser que tenha (irado boa ,
bem fallante tem de costume, quando fo-
ge, dizer que forro e sempre toma o ca-
minho de Olinda ; quem o pegar, leve a Rua-
direita n. 38, que receber 30,000 rs. de
gratilicocSo.
= No dia 14 do corrente fugio a preta Lau-
riana crioula baixa meia fula tem urna
belida cm urna olho, urna orelba rasgada, um
p encbado de 40 annos tem sido vista nes-
ta praca o fallado com pessoas conhecidas,
que ignoro estar fgida ; quem a pegar le-
ve a travessa do Lobato por dotraz da rua de
S. Theresa n. 12 que ser recompensado.
F'ugio no dia 26 do corrente a escrava
Catharina ; de naco Congo, de 15 annos,
estatura pequea magra fula, bastante ser-
rada muito calada tem um signal junto ao
nariz olhos grandes ; levou vestido de chita
escura com flores amarellas, camisa de ma-
dapolao ; suppGe-so ser cccu'taJu por nao
ter nunca fgido ; quem a peg8r leve a ven-
da n. 1 do arco do Bom Jess, que ser gra-
tificado com 20,000 rs.
= No dia 17 do corrente fugio o preto
Manoel de nacao Angico do 50 annos, al-
to magro secco do corpo cor nao muilo
preta pernas muilo finas tem no alto da ca-
neca urna pequea falta de cabellos procedida
de urna pancada que levou o julga-se an-
da apparecer a cicatriz tem na mo esquerda
odedo pegado ao mnimo sem unha; levou cal-
cas e camisa de algodo americano muito sujas,
e sem chapeo n .ntnl remador em lanchas ,
e pescador de rede de camarao ; quom o pe-
gar, levo a Fra-de-portas n. 68, que cra
gratificado.
I
rs. agua de Colonia muito fina, macass po-1 Rkcifb wa Ttf. m M. F db Faiwa -184*.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESB8SBNCA_PNDR79 INGEST_TIME 2013-04-13T02:08:29Z PACKAGE AA00011611_04567
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES