Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04561


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de MM. Segunda Fera 22
PARTIDA DOS CORREIOS, TERRESTRES.
GohRKA- e rnruliyba. secundas c sc\la finras. Rio Grande do iNotle, quinta, feiras
' i.Ij". SerinliMm Rio l-'umiuso, Torio Calvo, Mitccy e Alaguas : r.o i. He 21
,le cal m Caranliun e Bonito a 10 e 'A de ca e "8 dio. Ciuauetl Vicloria, quintas feiras. Olinda todos os das.
DAS DA SEMANA.
a Se". Vicente Aud.do.I. de 1). d;t '.'. v.
',". J'erra s Ildefonso Ilel, aud. iludo I), da 3. t.
1 linaria Tlnmotlioo Aud do J. de I', da 3. t.
(luinla s. Annnias Aud. do .1. de D. di 2. v.
l'i SetW Poliearoo Aud do .1 del), da '.'. v.
7 Sab. s. Vilalimiu Pe. aud do J. de V, da 1. v.
l)i.m. Cyrillo a. L-onids
ele Janeiro
Anno XX. TV. 17/
,.^7si5^aKrrri^t!m^wrrTr^^
11.;; di nn proJe-ieie, o<"
gum ,i>. ni los Bum a luir :.u
,,, iProclamiqaed. \-.-mbl'-.i Oral .)
compra.
, -,. 5isrsfa i.-* m.......; i. -kj^^j^EE
ClaflIOl 0 DI il BI I IH1 ii.ii.
C.anibioi solire Londres -0 nominal.
Farii 37U rea por fmiro
Lisboa II |>i>r 10,1 d'' premio
Mm-dade robre an ptr.
dem de letras de boal limas 1 1 *i*
yenda.
oi:.;;.:;;d;tl,H,ov. g* g
,** SS S
PHASES DAL NO HEZ DE JANEIRO.
I......*-1......-o 1,.......da urde I L*. ^i; VAf^V'lnT'd. maXa
Mineuanire l-_'a7 bor e 10 min -I. larde |Cimm> i ./ 10 J m-
Preamar de /yV.
TWra as 0 Loras a 5* min. da n.nh.U. | Segunda as 7 horas e 1S minutos da t.rd.
IBJ^"anaaa^a^icasjgKflnr^ fi-:.aK,Byi.i.
PAITE OFFICIV,
Governo da Provincia.
BXPEDIENTE DE 12 DO CORRENTR.
Ollcios Ao corr.inandanto das armas, e ao
inspector da theso'jraria da fasenda, intelligen-
ciando-osd'haver sido promovido ao posto do
capita para a 'ompanhia de artfices d'esta pro-
vincia o prirr.eiro tonentoda mesnia companha
Antonio Do mollas Cmara.
Dito Ao commandatite superior da guarda
nacional deste municipio, scientillcando-od'a-
charem-se munidos dos compet;nles:titulos o lo-
nontc-coronel noineado para o quinto batalhao
da referida guarda nacional, Joaquim Mauricio
Wanderley, e o respectivo major Manoul Lucas
de AraujY.'pintieiro; e ordenando, que os faca
reconliceer cm frente do mesino batalhao.
dem do da 13.
Qfflcio Ao commandanlc das armas, deter-
minando, que faca marchar para a villa do lre-
jo, fin d'alli estacionar, o capito do cOrpo
destacado, Joao Saraiva do AraujO (alvao, com
incenla pracas do mesmo corpo; e que expe-
ca suas ordens, para que a esta frca sejao re-
unidas as pracas, que j naquella villa existem;
escientificando-o, dequopara supprir alalia,
que este numero de pracas vai fazer na guarn-
Co da praca, ser chamada a primoira legiao
da guarda nacional deste municipio, para neste
servico alternar com a tropa do linha na forma,
que S. S.' houverde determinar. Omciou-se
respeito ao commadanle superior da guarda ha-
cional desto municipio.
Dito Do secretario da provincia ao com-
mandanle geral do corpo de polica, communi-
cando, que o Exm. Sr. presidente, por despa-
cho de 12 d'este ntez, concedeo demissad do ser-
vico do mencionado corpo ao segundo sargento
da terecira companha Barlholomeo lavares de
Oliveira.
dominando das Armas.
EXPEDIENTE DO DA 3 DO COMIENTE.
OlicioAo Exm. presidente, enviando-
llteern proprio original uin oficio do comman-
danledo batalbSo de inlantaria da guarda na-
cional destacada involvendo urna representa-
do uo aores Vasconceos comiiiaiidmilcuo
destacamento do termo do Limoeiro contra o
procedimento que com elle litera o subdelega-
do Joao Antonio de Oliveira Coelho a fim de
queS. Ex. houvesso de providenciara respe-
ln ^cno erslsdesse acortado.
dem do da 4.
OficioAo Exm. presidente, informando
o requcrimcnlo do tenente-coronel Antonio
Gomes Leal, no qual pedia pagamento dosj
encime* que se Ibe estavao a dever na qua-
li.la.lc de commandante da llha-dc-Fernando
Dito- Ao Inspector da Ihesourana reme-
tcndo-lhe a f de olicio do capito Manoel K-r-
iwmrtfT?iT,*>i -'v-?.,;'A'ft.^taiuiii
na mesma
sgm&zrs Tsssfs- .Mto ae,.
nolassem as occurrcncias militares,
f de oficio mencionadas.
dem do iiia S.
Illm o Exm. Snr. Sirva-se V. Ex. do lr o
incluso olicio do tenente-coronel commandante
da Ilha-de-Fernando-de-Noronlia, no qual vera
os trabaHios materiacs, que ha feito no curto
periodo de sua ndininislracSlo. eos que estn
projectados, o vao ser levados a efTeito. O
meimo tenente-coronel com os recursos que
a Ilha ofTerece, espera reparar, som grande dis-
pendio, as fortiflcacoes que existem arruina-
das como acaba de reparar o reducto de 15o -
tln. e corita nesto empenho ser ajudado pelo
governo com a prompta remessa dos indispen-
saveis materiacs, quo houver de roquisitar e
que nao sao produces Ilha. Ello se re
merecedor do elogios pelo seu genio creador,
o pelo muit que so esforca cm tornar-se digno
docommando, que Iho fol confiado. E por
tanto necossario aproveitar tao boas disposi-
Ces para dar a Ilha a importancia, que justa-
mente merece. V. Ex. Uf abondade do rem-
viar-mo o dito oficio. Dos guardo a \ Ex.
luartcl do commando das armas de Pcmambu-
co 5 de Janeiro de 184*. Ulm. e Exm. Snr.
Rarao da Boavfsta prosidento da provincia
Antonio Pedro do SI Brrelo.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., devolvendo-
Ihe o requerimento do |. cadele JooCavalcan-
to d'Albuquerque que Sua Magestade o Im-
perador havia supplicado o posto do 2. lente,
cm 1841, e dizendo-lhe, que este cadete lora
demittido em 5 do setombro do 1843 por ter
(initlizado o sou engajamento.
Dito Ao mesmo Euii. Sin., uanuo ni-
formacao exigida pelo conselho suppremo mi-
litar, em despacho de 3 de novembro ultimo ,
a cerca do numero medio dos doentes que f-
rao mensamente tratados no hospital da Ilha-
de-Fernando, do abril do 1837 a mato de
1841, lempo em que csteve cargo do cirur-
giao-mur S. J. Gomos, e da maneira porque
era o mesmo hospital administrado.
dem do da 8.
Dito Ao Exm. presidente, informando o
requerimento do reverendo padre Clinslovao
d'Hollanda Cavalcante, que ao Soberano imp^-
trava a graca d'o despachar capellao para o 2.
batalhao do artilheria a p.
Dito Ao clicfe do polica, dand.i-lhe o
MclaracimRntn, qua "tedio em <^<"' desta
dala, cerca do da cm que foi excluido do
batalhao da uarda nacional destacada Ma-
noel Soares de Mello, quo passou a disposlcao
da competente autoridade criminal, pela culpa
do se terem evadido dous presos.
DEM DO DA 9.
DitoAo Exm. presidente, onviando-lhe
a rolacao nominal dos individuos, queasson-
trao praca no mea do dozembro ultimo.
Dito Ao chela de polica rogando-lne a
expodiccao de suas ordens, para quo o soldado
Hilario Jos Antonio, que se ocha preso na ca-
deia, por crime civil, passe para a respec-
tiva prisSo militar, no quarteldo hospicio. a-
16 final julgamonto na forma da I. V. de 2 do

taaii'iM1'*
F/OLHETsM.
SAO MIGUEL ARGHAWO.8)
8."
ANDA ELIAS.
_ Que dixeis vos, Theresa, de tanta miseria?
erales anora, que meu pai foi desgracado .
_ Ol'slm, bem desgracado! dissesuspiran-
do a rapariga/cujas palpebras se .heeneh.ao de
laurinas Mas. Fabio, acredilai. Dos vos aeo
oda?e icid.de. que recusou a l"-^.00 ~'
___u-i:.....,,c hriihiinle ocsnlendtdo futuro.
ylmtZ iran* rompe "VdSTtoi"
coloquio, soltando ao p da porta as duas t.mi-
veis palavras:
Pode-se entrar'! .
Na duvida de urna resposta *?;<
portuno nonhuma esperou; ocmpurrou a porta,
dizendo :
(') Vita Diario nS 1, 2, 8, II, *2> *3l4 e
15.
_ Sou cu, ainda Elias... Pecn-lho mil per-
des, charo Sr... slnto incomnndal-o.... uo-
ra prm tratar um nogownho... e advert. Um-
hem a Sra. Theresa. que um homom procu-
rou po ella, 6 subi Ew. i..^.-.- k--
quarto.
Theresa estremeceo.
Olhe, continuoudesapiedadooadello, por
esta fresta. que o ver na escada... Dovo estar
n^eresad.rnCou os olhos para o lado que o ju-
deolhe indicava, o nao pode ^rjjm mov^
monto de surp.esa emedo. Fab.o observava-a
com febril attenca. ,...
- aliuma encommonda de dores, pioso-
rnio Elias com prfida bonhomia; algum rrc-
X rico talves; nao o laca esperar muuo, >,-
"0- Deixe-nos, basta! interrompoo Fabio com
uuicto, aoSpwaDi** .v...-
l Elle! murmurou a moca. Quem vem f.zer?
SU!!Tena?,'na me ouvio, repeli Fabio.
Na vfinue aqui de mais? .
N 1 SeS duvida... perdoe... mas a ninha m-
rhesouraria da Fazcnd^.
EXPEDIENTE DO DA 12 DOCOKUESTE.
OlicioAo Exm. presidente d^ provincia,
informando o rcquerimenlo de Gaspar Jos dos
liis, em quo podio licenca para vender i I).
Francisca Emilia de Albuquerquo Maranh.io
M palmos de terreno que llie foi concedido
por aoramento no lugar do Fra-do-por-
tas.
i OEM do di A 15.
OlTicioAo contador interino da lliesoura-
ria participando para sua inteligencia que
por aviso da secretaria do estado dos negocios
da fazenda do 30 de novembro prximo lindo ,
foi declarado quo o guarda da alandeca des-
pedido ltimamente o depois nomeado para
a mesa do consulado devia solicitar pelo tri-
bunal do thes turo novo titulo, por serem re
partieoes dilerentes.
Dito Ao administrador da mesa do consu-
lado lazendo igual participacao.
DitoAos nogociantes .Mendos & Oliveira
para entrarcm para o cofre da Ihesourana
comaquantia do 50,000 rs. metade da im-
portancia que recobco o capilao do brigue
Tarujo para a passagem para Lisboa do
Joaquim Ignacio da Costa Orolhas, visto nao
se ter ella verificado.
dem do da 16.
OlTicioAo inspector to arsenal de mari-
nha declarando em virtude das ordens ex
pedidas respeito, que a dospeza, que se fizesse
com a barca de escaiacao cujos traballios ti-
nho por fim o melboramento do porto desta
cidado devia sor cscripturada d'ora cm di-
ante como pertoncento a rubrica obras pu-
blicas o ser como tal separadamente con-
templada nos respectivos balancetes.
dem do da 17.
OlTicioA Exm. presidente da provincia ,
informando sobro o olicio do Exm. Itariio de
Casias, que tratou da consignado mensal
mulhr do alfares do batalhao 12 do cacadores
vi a noel Francisco Monteiro.
Dit0Ao Dr. juiz dos eitos da fazenda ,
pedindo, rnandasse proceder lotacao das con-
gruas e beneficios dos conegns o mais dignida-
des ccciesiasticas da calhodral do linda o de
lodos os ofTicios do justiea desta comarca.
Dito -Aucidudao Francisco Antonio de ^ou-
sa Jureina pedindo, que, sem demora hou-
vesso de concluir o seu contracto onviando a
por.o do mil quintiles de po-brasi! b que
se tinha compromettido por ter assitn decla-
rado o tribunal do thesouro publico nacional
pela ordem de 22 de dozembro prximo pas-
sado
PortaraAo thesouroiro da fazenda para
entregara N. O. Bleber & C pela caiaada
receita geral do exercicio corrento de 184-i -
U a quantia do i6:01j9Vl res corres-
pondente a 5,000 libras sterlinas ao cambio de
; dinheiros storlinos por 18000 rs., que a
90 ii/v. sacavao avor dos agentes do Brasil em
Londres.
Dita Ao mesmo, dem a Le Bretn >-
hranim & C. dem dem.
MINAS G ERA ES.
PALLA DIBIOIDA v AS8BMBIA LEGISLATIVA
PROVINCIAL
pelo presidente da provincia
FRANCISCO JOS DE SOUSA SOARES D ANDREA
(ContinuacSo do n." antecedente.)
A palavra pstruccSo na guarda nacional
oceupa vinte o nove instructores cuja despo-
za lem montado 2:980.332 reis ; masestou
persuadido de que a instrucc&O elTectiva nao
rusta nein urna palavra a estes senhores ou
maior parte dolas.
Se esta assembla quizesse dar gratiicaeoes
correspondentes a commandantes de corpos,
que sejao olliciaes reformados de 1.' linda, ain-
da capazos de prestar muitos annos de servico ,
como desgracadamento ha nao poucos tal vez
que se ene tntrassem alguns, quo vista da gra-
tilicacSo (ui/.esscm sabir do seu santo ocio o
entio o governo podoria escollier aquellos do
quem tivesse boas informacocs para comman-
dantes do batalhao.
Ha cinco esquadroes de cavallaria da guarda
nacional ; mas pouco tenho podido saber do
seu estado, porque nao tem sido possivel obter
i tempo os mappas do alguns corpos da mesma
guarda; e por isso o mappa, que levo o vosso
coiihccim^nto, imperloito ; ou pelo menos
nao representa a poca da sua data E o map-
pa n, 3. A frca da guarda nacional por esto
mappa de 53:851 homens.
ouanisa;o CIVIL.
Comarcas e municipios.
Tomesta provncia 13 comarcas, 43 municipi-
os, eiOdistriclos. Algumas comarcas compre-
Itondom 4 municipios e oulras nicamente 2.
Estas d'.visoes deveriao lersido feitas desde os
tiisirictos, peas 173 froguozias pelos muni-
cipios, o pelas comarcas procurando primei-
ro as divises mais notaveis, dadas pola na-
lureza cm sogundo lugar estabolecendo as
froguozias o mais prximo possivel do centro
dos districto os municipios no centro das ro-
guezias as caboeas de comarca o mais prximo
do centro dolles, e finalmente procurar, quan-
lo asoutras condicocs o permittissem que a
populacao fosse quasi a mesma para cada clivi-
sao da mesma denominacao. Para estas cousas
se poderem lazar com vantagern bem como
militas outras, precisao-se boas cartas geogra-
phicas.e topograpliicas do paiz.euma tal ou qual
estatistica da populacao. Asearlas dependemde
tencao, diz Elias, ora fallar-lhe respailo do
seu Sao Jorge... So vm. quer dar-mc urna co-
pia do menor dimensao, acho-lhe immediata-
mente comprador... urna occasiao quo se ol-
foreet *m: saho que as OCC2S5eS. .
Est bem... ao depois... veremos... res-
pondeo Fabio impaciento.
Oh nao se abaste, Sr. Fabio... ao depois,
fique socegado. ou voltarei.
Desta vezo judeo decidio-sea sahir, mas, an-
tes de retirar-so, poz-se as ponas dos ps pa-
ra descobrirajanella do Theresa, e ainda achou
inoio dodizer-lhe:
Va do pressa, signorina. Vm. deixou a
porta aberta, o j lho eotrraoem casa.
Fabio ro direito Theresa, que ostava palli-
B.uffMiMa ui.yirava. Esporava vi-a vuur
ao seul quarto; mas ella conservava-se no mel
do quarto, imniovel, sem ver, e sem fallar.: Fa-
hin (iisen-!he cofln tos grave :
Thereza, conheceis esse homcm ?...
Fabio!
Vos o conheceis
mentiras!
verdade.
Equem 6elle?
!... ao menos nada de
Na5 posso dizel-o.
(kculias-mo osou nomo?
necossario.
Theresa, se vos eu podisso, quo m'o dis-
QP-.UMN '
Callar-me-bia.
E seo meu respailo, meu amor... fossem
com cssa condica?
Renunciara immediatamente, Fabio, um
respeito, quo me nao livrassode tao brutal in-
sulto, um amor, quo ousasse dictar tao injurio-
sas condicoes...
Oh! perdoai-mo, Theresa; se soubesseis
o que soffro! So soubesseis quanto tempo re-
sisto malediconcia, calumnia Ha mais de
um anno que vos delendo, sit contra todos
i.,.ii admirar que tinta vez emitm mecntrasse a
duvida n'alma Ah pordoai-me! compadecei-
vos de mim Nunca me .nostrei com vosco ci-
se, o todava iii lavra, Theresa, urna palavra para curar o can-
cro, que mo devora, urna palavra, que me salve
da mortc!
Theresa nao respondeo: Fabio tornou-se cor
de purpura: a colora vnlvia-lhe de novo ao co-
racao, e violenta opprcssao pesava sobre o poi-


7T.
umtrabalho constante,e dispendioso;mas os co-
nhecimentos aproximados da populaco pdem
adquirr-sc mois fcilmente pelas listas exigidas
por leis provinciacs dos difieren tes parochos ,
urna vez que ellas nao sejao improvisadas; a-
judadas estas pelj* conhecimentos, que se pos-
s"o obter da reparticao da polica.
Perlones ainda organisacao civil a distri-
hneao da guarda nacional de que tratei cm
outro ugar corno forca publica : mas cabo a-
qui dizer-se que 7 commandos superiores ,
35 legioes, e 91 batalhoes nao fazcm boa har-
mona com 13 comarcas 43 municipios e
173 freguesas.
Cmaras tnunicipaes.
Nada me cutnpre di/.or sobro a reccita e
despeza dos divorsos municipios porque as
suas contas, e reclamacoes devem ser dirigidas
a esta assembla por intermedio do governo ,
e as que se tem recebido sero remettidas ao
snr. I.1 secretario.
Carpos municipaes ou antes alislamento
municipal.
A Ici n. 1G9 Je 16 do marco de 18U) que
manda crear os corpos municipaes ainda nao
est cumprida, nem mesmo so tinha dado prin-
cipio esta organisacao. Xosei, se os fins
rao ISo ampios como eu os quero considerar.
Kta instituicao podo tornar-se de grandes van-
tagens para o paiz. Ein lugar de a considerar-
nos como a organisacao ou alistamento de al-
gumas pracas, que estejao promptas para um
servico militar ou policial quando forom pre-
cisas pode tornar-se um verdadeiro deposito
da populacao para d'alli se tirarem os homens
necessarios ao servico publico. Este alista-
mento municipal podo generalis^r-se a todos os
homens desde urna certa idade sete dez ou
outro qualquer numero de anuos e formar
maesas, que se possao dividir ou subdividir
com denominacoes proposito ; e dando a au-
toridade sobro estas massas municipaes s pes-
soas mais notaveis do paiz,cu como a experien-
cia Njostrar que mais convem e a autoridade
sobre >$ divisoes osubdivises outras pessoas,
ser sempre fcil ter urna estatisticada parte acti-
va do municipio, saber de cada individuo, em
queseoecupa, ou que utilidade se tira da sua
existencia poder tirar para os servicos poli
ciaes, por justo detallie, a gente precisa sem pe-
zarsempre sobre os mesmos individuos dei-
xando livres do incommodos os mais ricos ,
tirar por f^rca para os trabalhos pblicos os
horneas, que nao tiverem emprego ou oceu-
pafo continua e dar'pelos seus nomes, som
vexamo e sem perseguices arbitrarias os in-
dividuos quem toque o servico das armas.
Esta especio do organisacao militar, que
proponbo para as massas municipaes sorn
duvida, a que mais se acommoda aos fins da
instituicao; eaforca, que d'clla rezulla, e
indispensavel sempreque se queira a ordem
pblica, e a prosperidade do paiz. Tudo quan-
to temos de liberdade natural como homens
(aneados no mundo nao pode ter lugar na
sociedade organisada ; e na minha opiniao nin-
guem tem direito viver entre os oulros ho-
mens, e gosar das descobertas do espirito hu-
mano e da sua civilisaco som concorrer de
algum modo para o bem estar da mesma so-
ciedade. Tem ella por tanto o direito de obri-
gar a todos os individuos que tomem algu-
ma parle do servico pblico c forcal-os ao
rsbslbo qudiido eiies queiro viver do bracos
encrusados e do trabalbo allieio.
Neste sentido o alistamento municipal ou
alistamento em massa, ser um grande remedio
contra a vadiacao tomando-se conbecimento
dos homens desde os primeirosannos ; e ser
urna instituicao cm que o servico pblico a-
chara umitas vantagons. A' esta assembla to-
ca determinar o que mais conveniente Ibc pa-
recer. Pela minha parte tenho j mandad*
to da rapariga, que nao sabia o que resolvesse:
qulzera escapar aos olhos agastados de Fabio;
porem tema rnuito mais encontrar-se com quern
em casa a procurava.
Vos desprezais as minhas supplicas, como
tiesenhais o meu furor, continuou Fabio com
carregada voz. Comprehendo, que a minha pre-
senea vos serve de suplicio... sou eu que (le-
vo ceder o lugar... Adeos, Sra., adeos... para
sempre.
Theresa quiz detel-o; mas Fabio parou no
mesmo instante, e recuou, tomado de surpresa
ern frente da porta,que elle se dispunfia abrir:
d'Arezzo ahi eslava. Theresa mal tevetempo de
correr para o fundo do laboratorio, e de sentar-
se voltada de ri.uneira, que o cavalleiro nao po-
des?'- vCr-lh O iusu.
Bem ves, que nao tardei muilo, e que es-
tes trajos sao do melhor goslo, diz este ultimo,
desenvendo urna engraesd:: prcela... Sao trez
horas... verdadeiro momento de urna visita de
cerimonia... Ests prompto?
Sim, sim, estou prompto... eu te sigo.
Como isso? diz Raymundo, medindo o
mestre dos ps cabeca; pretendes ir com cssa
casaca t
proceder por intermedio da guarda nacional ,
ao alistamento de todos os individuos desde a
idade de 15 at a de 50 annos completos es-
tabelecendo algumas excepcoes ; o n8o mandei
fazer logo o alistamento desde a idade de 10
annos em dianto e som excepcao como jul-
go preciso para o alistamento municipal em
massa porque era isto urna diligencia exce-
dente ao espirito da Ici.
Casas das cmaras.
Por algumas das correspondencias das cama-
ras municipaes vim no conhecimenio de que
nem todas tem edificios proprios para os suas
reunioes Nao achei noticij alguna detalhada
neste sentido e por isso nada posso informar
esto respeito e so tenho a certeza de que
nenhuma despeza se tem eito com casas de c-
maras separadamente.
Instrucco pblica em geral.
E este um objecto que por toda a parte e
em lodosos dias se falla e em que todos do
pareceres diversos segundo suas conviccoes ,
ou segundo suas intencoes; mas que. apezar de
tanto fallar, est por toda a parte tambem no
mesmo estado de atrasamento sem nos ser-
virom para cousa alguma tantas e 13o bellas
theorias, com que somos regalados.
Como seja esta urna mania quasi geral, e eu
tenha de fallar, por dever, na nstruccSo des-
ta provincia, ninguem estranhara* que eu tam-
bem me alisto no numero dos projectistas. En-
trarei com tudo neste negocio nicamente com
as minhas ideias.
N5o ha effeito som causa e segundo creio
nao por falta de dinheiro gasto para se con-
seguir a boa instruccao da mocidade nem por
falta de abundancia de escolas, que a instruc-
co est em atrasamento ; a causa nica deste
mal segundo eu o entendo quo a maior
parto dos mestres de nstrucc8o primaria ainda
precisavao voltar para a escola e que ern todas
as outras aulas ha muita falta de professores e
lentes que tivessemsidd, ao menos, discpulos
acreditados cm quanto as frenquenlrao : e
quem nao sabe nao pode ensinar. Algumas
pessoas entendem, que na falta de um bom mes-
tro se admita um menos hbil e eu sou de
opiniao, que 6 melhor deixar os lugaros vagos,
at que appareca quem bom os preoncha, do
que obstruil-os intilmente.
Sem fallar, neste lugar, das academias, uni-
versidades e dos estudos, quo ellas tocao ,
tratarei nicamente dos estudos precisos aos
usos da vida as primoiras classes da sociedade,
e dos precisos depois mocidade das classes mais
elevadas por sua riqueza ou posieo social.
A instruccao deve dar-so segundo a condi-
cao e talento daquelles, que teem de a reco-
ber, e tambem segundo os usos recursos, e
necessidades do paiz.
A instruccao nesta provincia est dividida em
instruccao primaria e instruccao secundaria,
comprehendo-se nesta assulas de grammatica
latina, rhetorica e philosophia pharmacia,
anatoma, ecirurgia, tachigraphin francez,
inglcz c historia.
Instrucco primara.
A instracclo primaria toca todas as pessoas,
qualquer, quo deva ser o seu futuro destino.
Na instruccSo primaria so se deve ensinar ,
quanto Cor indispensavel todas as classes para
os usos ordinarios da vida e para preparo de
mais elevada instruccao m deve ella ser
a mesma por toda a parte e as aulas prima-
rias tanto desta capital como de todas as ci-
dades villa, e freguezias da provincia devem
os mestres ser capazes de ensinar aos meninos o
seguintc.
Ler escrever, contar as quatro primoiras
operaedes da arithmetica quebrados, raizes
quadradas, e proporcoes.
Geometra pratica, ensinando, sem demons-
Nao !... vou tomar esta.
Isso oulra cousa !... Oh panno finis-
simo... cxcellente bordadura... farcinos sensa-
cao... Mas eu nao me engao... ests com cara
de quem teve algaras desgraca... Ento que fol
isso?
Nada !
Nao tu ests contrariado.
Em cousa alguma,disseo artista, rindo-se
Toreada mente.
Eu nao te desarranjo?
Desarranjares-me por certo que nao ,
pois que pelo contrario osperava-to com impa-
ciencia.
Este caso Fabio!
Sabes, que esta manhaa a ideia dn travar
um novo ronhecimenlo.de contrahir numerosas
relacoes, me fazia recuar...
verdade.
I'ois bem, mudei de ideia.
Bravo I
Beconheci depois os inconvenientes do
meu systema.
Que te dizia eu !
Benuncio a solidao.
Oll
tracao alguma, tracar tanto no papel como
no terreno linhas rectas as duas curvas, cir-
culo, e elipse e pelo que pertenco elipse ,
tanto pelo movimento continuo de um ponteiro
em roda dos focos como por pontos.
Levantar perpendiculares no centro o nos
extremos de qualquer linba.
Tracar parallelas dividir ngulos e for-
mar algumas figuras rectilneas, e mais nada.
Explicar praticamenle os modos de nivelar ,
seja com urna rogoa e o nivel de pedreiro, se-
ja com o nivel d'agua seja em fim com o es-
cangalho usado muilo entro os mineiros desta
provincia.
Os modos de fixar um dado declive ou in-
clinacSo de trras por meio das crusetas, ou de
tringulos de madeira e prumos.
Conhecer os rumos d'agulha como mari-
nheiro sem Ihes ensinar deste fenmeno, mais
que a dizerem certo que rumo Ihes flca qual-
quer objecto.
Estas cousas sao todas precisas aos homens
de campo, e aos homens de qualquer mister na
sociedade e poucos preciso de mais, e por
isso escusado perderem o seu tempo em apron-
derem, o que Ihes n8o convem.
As mestras s meninas.
Devem ensinar-lhes tudo quanto convem ,
que saiba urna mulher que tem de ser a cria-
da de si, e de seu marido ; por isso a sua edu-
caco deve limitar-sn saber.
Lr.escrever.o contar al as quatro primoiras
especies de arithmetica, e todos os mais traba-
lhos de urna mulher no interior de sua casa.
Tanto os homens, como as meninas devem
aprender a doutrina christSa, por um s cathe-
csmo determinado pelo governo. Devem alm
disto aprender os deveres da sociedade, por um
outro cathecismo civil cujos principios se de-
duzao do primeiro como fonte da verdadeira
moral. Este cathecismo deve ser seguido de
um cdigo em forma de regulamento ern que
se declarem simplesmente os castigos corres-
pondentes aos crimes. De taes cathecismos de -
vem banir-se as palavras engaadoras de liber-
dade e igualdade com que se costuma engo-
dar o povo rude ; porque essas liberdades e
igualdades ninguem as deve tomar por si mes-
mo. As autoridades, que devem ser obri-
gadas s sustental-as em virtude da lei.
Todas as pessoas que por seus meios ta-
lentos, ou condiclo devao ou possao adqui-
rir maiores conhecimentos o dcstinar-se
fODCgSe mais altas na sociedade devem babili-
tar-se, com a instruccao primaria como outro
qualquer individuo e depois de approvadas
nesta que devem passar instruccao secun-
daria e isto tanto para meninos, como para
meninas.
\InitruccHo secundaria.
Tenho por instruccao secundaria aquella ni-
camente que precisa em geral aos homens
das classes mais elevadas, e que se nao destinao
aos olicios mecnicos, ou aos trabalhos bracaes
da lavoura, e outros usos ou servicos gros-
seiros, e corporaes da sociedade. Julgo por
tanto que deve ser limitada quanto aos ho-
mens, at as habilitacoes exigidas em todasas
universidades, e academias para a sua frequen-
cia c quanto s meninas o que Ihes conve-
nha saber para concorrem nos mais elevados cir-
cuios da sociedade e, com as outras d"alta po-
sicao.
Assim como esiou convencido, de que essas
academias ou universidades de estudos maio-
res nao pdem nem devem estar senao na ca-
pital do imperio assim entendo quo as es-
colas geraes capazes de dar toda a instruccSo ,
que eu chamo instruccao secundaria nao p-
dem nem devem existir senSo as capitaes
das provincias. Urnas, e outras nao pdem ,
nem devem ; porque nao ha t3o grande nume-
ro de homens habilitados para ensinarem todas
as materias exigidas que nao soja mesmo rnui-
to dilicultoso ter bons lentes para as diversas a-
cademias da capital do imperio e bons profes-
sores para urna escola geVal em cada capital de
provincia: nao devem ; porquo saomuitosos
ebjoctos de despeza e nao preciso ter o tra-
balbo de os inventar.
Daqui se v que eu nao sou de opiniao do
rnuitas aulas do latim rhetorica, e lgica, es-
palhadas pelas villas, c lugares tanto pelas
despezas, corno pela incapacdade provavel dos
mestres, eatentondo, que nao era pouca for-
tuna se conseguissemos, que metade menrio
dos mestres do instruccao primaria desempe-
nhassem bem sua misso,quanto mais os da se-
cundaria.
Besta-me pois designar, segundo minhas
ideis quaes as materias que se devao ensi-
nar ns escolas geraes establecidas para a
instruecv.' secundaria,para os homens.
Nestas esc'olas devoensinar-sc,grammatica la-
tina, francez, jnglez, italiano allomo, rhe-
thorica philosophia quanto basto para en-
trarem as aulas maiores dos diflerentes cursos,
algebra at asequaces do 1 grao, urna das
geometras mais resumidas, e trignometria
plana : para esta provincia especialmente mi-
ncralogiu e botnica. ( Continuar-se-ha. )
Quero ver gente, como tu fazes.
Isso quo 6! eu bem sabia, que havias de
acabar por ahi!
Theresa continuava estar sentada lonco dos
dous rapazes, com as costas para ellos, e o ros-
to encostado mo direita. O cavalleiro d'A-
rezzo dava mil voltas,todas frustradas, para ver-
Ihe a cara. Quanto Fabio, a tranquillidade ap-
parentede Iherosa havia-lhe causado urna es-
pecie de febre, que so exalava em palavras, ins-
piradas pela colera e despeito; porm quanto
mais fallava, mais essa febre se tornava violen-
ta. Em breve Ihe nao foi mais possivel contl-
a,e resolveo vingar-se de Theresa, fazendo-a sol"-
frer, senio em seu amor, ao menos em seu or-
millin
Tu vas pois a presen tar-me em casa do
conde d'AIbi, disse elle em alta voz, para que
Therfisa titn ovSSC.
Neste andar.
Morro de impaciencia, continuou elle, de
Ihe vr a Oira, a encantadora Beatriz... pois
que tu dizes, que ella encantadora, nao
isto?
Deliciosa I
E tambem se diz, ajuntou Fabio com ma-
PEBftABrIBUCO.
Tribunal t'JaRelago.
SESSAO DE 20 DE JANfc",R0 DE 1844.
Na appellaco civel desta ca^e appellan-
le Caelano da Silva Azevedo ap mellado Ma-
noel da Cunha Guimares Fcrreira escrivao
Bandeira ; foi a sontonca confirmada.
Na appcllacao civel desta cidado app^'lanlo
Senhorinha Joaquina de Almeida appel^'o
Antonio Gardozo do Queiroz Fonscca escri->
vojacomo; se mandou averbar os 2 por0,',
que substituio a dizima da chancellara.
Os embargos de Joo Evangelista Reg e
de Joo Jos Cavalcanti de Araujo na causa
de appollaco civel da provincia das Alagas,
escrivo Ferreira ; frao desprezados ambos.
Os embargos da viuva Costa & Filhos con-
tra Jos Eugenio da Silva Ramos na causa de
appollaco civel da comarca do Rio-formoso ,
oscrivao Reg Rangel; fro desprezados.
Na appcllacao civel do jui/.o dos orphaos da
comarca do Gcar appellante D Mara Bita
deQueiroga, appellados os orphaos filhos da
fallecida D. Gertrudes Luiza Pacheco, e do
Francisco Pacheco de Medeiros escrivao Fer-
reira ; foi confirmada a sentenca.
Na appellaco crimo desta cidado, appellan-
te a justica appellado Manoel Victorianno de
Franca escrivao Posthumo ; oi confirmada a
sentenca.
Na revista civol da rclacSo do Ro-do-janciro,
recurrente a irmandade da Santa-casa-de-Mi-
sericordia de S. Paulo e recurrido Joo Bap-
tista Vaz escrivao Ferreira ; se juigou fa-
vor do recorrido.
Na appellaco crime desta cidado appellan-
te o promotor publico, appellado Malaquias
Gomes de Jcsuz Vianna, escrivao Jacomo : foi
o reo condemnado a 3 mezes e meio de pri/ao,
o perdimento do puuhal.
No recurso crime desta cidade recorrento o
ji/w, rcccrrus, oevenno uuuies ua silva c
Antonio Manoel da Silva cscrivo Jacomo;
foi reformado o despacho
O aggravo de petico de Francisco Manoel
da Silva 'lavares contra Joaquim Francisco de
Mello Cavalcanti do juizo da 1." vara desla
cidade ; nao teve provimento.
POLICA.
Illm. e Exm. Snr. Das partes, dadas por
lignidade, que a sua virtude tao pura como a
sua belleza, ser assim, Raymundo ?
Oh esse respeito urna reputaco mag-
nifica !...
E as reputaedos sao sempre o que devem
ser, nu verdade, Raymundo?
Seguramente, respondeo o cavalleiro da
Estrella d'ouro, atordoado de tanta pergunta
junta. Depois accrescentou em tom conflden-
cialr
Porque me interrogas tu sobre estas cou-
sas diante dessa menina ? Isto mo... bem
vs que a fazes sofiror... Assim Dos me assista,
como rne parece que ella chora.
E ao mesmo tempo d'Arezzo estendi o "e;-
cnco para ver Theresa, o se dava aodiabo por
nao poder conhecer urna moca, a quern, porcor-
respondencia, namorava com assiruirinrln. Fabio
ievuu-o para fra do quarto, dizendo-lhe:
Vamos! de pressa! de pressa! cusa do con-
de d'AIbi! Cre que o acharemos essa hora ?
Se estiver ausente, receber-nos-lia a sig-
nora Beatriz, diz d'Areizo.e asseguro-te que nada
perderemos na troca.
E ambos descerad rpidamente a escada.
(Cvn tinuar-se-ha.)
i


i.
algumas delegacias esta secretaria no presento
ene/ corista da do l.aranhuns que no dis-
(rioto do Taquary da freguesia de Papacaca ,
alguns Indios da Palmeira ( em numero de'
seis ) bastante ebrios dirigirao-se aquello lu-
gar, e, insultando alguns moradores com
quem j viviao rixados promovrao grande
desordem da qual resultou ficarem mortos
dous dos ditos Indios, um cabra, e grave-
mente feridos dous dos moradores que no di a
soguintese seguio a moito do um. Chogando
a noticia ao subdelegado respectivo, nao tar- j
d.u cm reunir numero suficiente de gente e
com ella so dirigir ao mencionado districto e
lugar da desordom a lim de conseguir a cap-
tura do taes individuos, porcm i se haviao
evadido pira a provincia d is Ahgas cujo
lugar do decto limita com aquella provincia :
procedendo nos competentes termos contra a-
quelles ditos individuos, e contra o soldado
Malaquias do corpo do policia por haver es-
pancado a parda Rita de tal dentro da villa
daquelle termo.
Da delegacia do Brejo consta quo lora
ferido de um tiro o sigano Renovato ; o que
dissenses entre algnns moradores do termo do-
rio lugar que ello delegado reunisso no dia
15 do prximo passado me/, quarenta homens
para suTocar algum rompimento, quo por ven-
tura apparecesso entre ellcs, que prejudicasse
a ordem e tranquillidade publica.
Da delegacia doCabo.nosmezes de novembro
edezembro (indos consta que nada occorrra, a
excepcao do alguns (orinientos, prises, &c. &c.,
do que se procedeo na forma da Ici respeito.
De delegacia de Olinda consta que se
procedeo auto devistoria ex oflicio na pessoa
de Jiio Goncalves Rodrigues Franca inspec-
tor do quarteirSo de S. Joao freguezia da S,
pelo golpe que Ihc dra, a traico, no labio
superior na noute de 26 do passado um
pardo desconhecido que por all vagava de
cor escura o chapeo de couro em occasiao ,
que dito inspector passeava tranquillo com sua
familia.
Da delegacia de Nazarcth consta que no
dia 20 do passado o pardo Jos de Oliv&ira os-
sassinra pelas 7 horas da noute Andr do
.Rosario tambem pardo casado morador
no lugar denominado Pirapora evadindo-se
depois ao delicio ; e no dia 25 depois da
missa do Natal Cosme do tal assassinra a
lacadas o proto Jos escravode Miguel Luiz ;
porem consta tar sido preso em o termo de I-
guarassi*, e recolhido cideia c ja requisi-
tada a sua remessa.
Das delegacias do Bonito, e 1. districto
d'nsta ciclado nada consta ter occorrido con-
sorvando-su inaltorravel em ambas osocego p-
blico.
Dos guarde a V. Ex. Secretaria de -poli-
ca de Pernambuco 20 de Janeiro de 18Vi.
Illm. e Kxm. Snr. barao da Boa^vista, pre-
sidente da provincia. Caetano Jos da Silva
Santiago chele interino de policia.
toneladas, capilao G. ttucehnich equipa-
gem 11, carga assucar.
Parahiha ; hiate nacional ConceicSo capilao
Victorino Jos Pereira, equipagem G, carga
varios gneros.
Declaracoes.
iUTandega.
Bendimento do dia 20.......... 9:470S752
Descarregdo hoje 22.
Escuna AncjslijOios.
BrigueFannybacalbo.
Brigue-escuna americanoHenrietta cha {
bolaxinha.c farinha.
BrigueBrasitian-PacketcarsO.
BarcaThomaz-Mellors diversos gneros.
M o v ment do Porto,
Navios tahidos no dia 19.
Lisboa ; patacho portuguez Tarujo 2." capi-
to Manocl de Oliveira Fanco carga as-
Jverpool, com escala pela Parahiha ; brif
inglez Stewarst, capitoJohn Fisber, ca
brigue
carga
lastro de assucar.
Genova ; brigue francez Arago, capitao Doyr-
(iini carga assucar.
-Vacio entrado no dia 20.
Philadelphia; brigue-escuna americanoHenne-
ia,de 120 toneladas, capitao Joseph Farroll,
equipagem 13 carga farinha dn trigo o
mais gneros; a consignaco do Mathcus
Austin & Compatibia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Porto-Alcgre ; sumaca nscioss! Msrianr.a ,
de 132 toneladas, capilao Jos Soares do A-
maral, equipagem 11, carga varios gneros:
ir...... \rtimli>

,.,. .mi r...' I ..... Illin'l \
Brasileira.e 3 escravos de Jos Soares do A-
maral.
Laminhas; brigue austraco Luzitano do 400
toneladas capitao Astolfr equipagem 13 ,
carga assucar.
Triestre; brigue austraco Carolina, de 337 '/*,
= Tendo o subdelegado do 2. districto da
comarca do Cabo eito prender o preto Joao
Sabino, que se inculcava lvro o viva como
tal, ha dozo annos, econduzil-o ao coronel
Francisco de Barros Reg senhor do cngenbo
Sauh de quem o mesmo pneto confessra ser
cscravo; aconteceo que os portadores, des-
cansando no dia 5 do corrente em trras do
engenho LimSo comarca do Rio-formoso ,
tivessem a facilidade de tirar as algemas ao pre-
to para jantar; e este aproveitando-se do um
descuido e estando presente um dos scus guar-
das somonte o malou e lugio ; o quandoa-
co.rao os dous, que estavo um pouco dis-
tantes j o n5o podrao colheras m8os e o
assassino se escapou sao o salvo. Roga-so por
tanto fts autoridades policiaes d'ambas as co-
marcas mencionadas, e as de qualquer outra ,
queirao lazer toda a diligencia por capturar o
escravo assassino cujos signaes sao osseguin-
(es: baixo corpo delgado pouca barba o-
rellia direita Turada casado com mulhcrlivre,
de quem tem filhos ; tem morado como livro ,
esempre com o nome de Joao Sabino cm A-
gua-preta onde casou em Jacararaca ter-
mo de Cariri c cm outros lugares e levou
na occasiao de cscapar-se, urna espada (oda a-
parelhada de prata.
O abaixo assignado, encarregado do lan-
camento da decima dos predios urbanos do bair-
ro do S. Antonio desta cidade, avisa aos snrs.
propietarios n a quem convier, que no dia
3 do corrente principia olancatnento da refe-
rida decima, assim como previne aos inquili-
nos das casas que tenhiio promptos os recibos
do aluguerdas mencionadas casas. Recife 2 de
Janeiro de 1844. O 1." escripturario ,
Jollo Ignacio do Reg.
s= O primeiro escripturario da meza do ren-
das internas provinciacs desta cidade,abaixo as-
signado, tendo sido encarregado pelo sr. escri-
vao, e administrador de proceder ao lancamcn-
toda decima dos predios urbanos do bairro do
Recife avisa aos srs. propietarios, o mais pes-
soas interessadas em dito lancamento quo d
principio ao mesmo em 3 do prezento mez. Me-
za de rendas internas provinciacs 2 Janeiro de
de 1844. Jos Guedes Salgueiro.
THIJATRO PUBLICO.
TERCA FEIRA 23 DE JANEIRO
DE 1844.
NONA REPRESENTACA
da
COMPANHIA RAVEL.
O espectculo comecar as 8 horas cm pon-
to pela overlura da
Gazza ladra,
executada por grande orchestra dirigida por
Mr. Eugnc Fnelon.
Damas de corda.
M. 1. Passo do marinheiro por Mr. Fran-
coisRavel.
2 A ffivnto de Vestris por M me. Mar-
tin Giavelly.
3. Scena guerroira pelo menino.
4. Exercicios espantosos c variados por
Mr. Charles Winther.
5. Mr. Lon Giavelly terminara os exer-
cicios de corda pelo grande salto da ba-
talha.
Flora e Zephxro ,
Dansa cm duas cordas parallelas ,
por Mr. Charles Winther, e Mme. Martin
Giavelly.
A cachuxa.
Dansa hespanhola por Mme. Lon Giavelly.
Intervallo de 15 minutos.
Grando overtura.
O espectculo ser encerrado peio baiic pan-
tommico intitulado ,
Godensky ,
ou
Os patinadores ( viajores sobre o gelo ) de
Wilna.
Penonagens. m ctor"- .
Godensky.......... MMrs. Franco.s Kavel
Grirotiche, estalajadeiro Lon Giavelly.
Lovrinsky.soldadovelho. Charles Wintcr.
.:j____:rn 11.
L. Frin.
Joseph Marcetti.
m,,,I ,.>u's Fn^lnn.
Bet/.............. Martin Giavelly.
[zz.......... ... O menino.
' Passo russopor Mr. L. Krin e Mme. Mar-
tin Giavelly. *
Passo cmico por Mr. Franco.s Ravel, eo
menino.
O bailo terminar pela grande scena de pa-
tinadores no qual Godinsky dar urna imta-
cao do que Mo aconteceo a primeira vez que
quiz correr sobre o glo.
Avisos martimos.
^ Para o Havre seguir no dia 20 do feve-
reiro a barca france/a Cacimir-delavigne ca-
pilao P. Berindoague ; quem nella quitar car-
regar ou ir de passagent, para o que tem ex-
cellentes commodos : dirija-se aos seus consig-
natarios B. I.asserre 4C.
O Patacho portuguez Novo-Congreso,
forrado eencavilhado de cobre e de primeira
marcha pretende sabir para Lisboa com mili-
ta brovidado por ter mais de dois tercos do
seu carregamento prompto ; quem no mesmo
qui/.cr carregar, ou ir de passagem para o
que tem ptimos commodos, dirija-se a Mano
el Jos Machado Malheiro na ra da Cadoia
do Recife n.u47; ou ao Capitao Manocl Jos
Ratto.
Julio, vurceiro
de Lovrinsky
Um recruta....
Leiloes.
O corretor Oliveira (ara Icitao no pri-
meiro andar da sua casa terca felfa 23 do
corrente, as 10 horas da manhla do grande
sortimentode fazendus de todas as qualidades ,
as serao vendidas por todo e qualquer preeo ,
quese oflerecer; assim como se vender urna
porcaodos mais perleitos sanatos e botins in-
glezes de reconhecida grande durato e prin-
cipalmente no lempo do invern por seren
manufacturados de cabedal superior.
Joaquim da Silva Lopes faz leilo do 50
barucas com manteiga hamburgue/a por coti-
la e risco de quem pertencer: no caes da alfan-
dega ( hoje 22 do corrente.)
Manoel Antonio Pinto da Silva tendo de
mudar de estabelecimenlo de marcineiro, con-
tinuar o seu leilao por intervencao do corre-
tor Oliveira da restante mobilia que (om-
prehendeo que al agora tem tido inclusive
cluas mobilias de sala compostas, as quaos to-
rio manufacturadas pelos mais habis artistas
desta cidade .'6 toda a ferramente c bancas
doofficio; quarta (eira2i do corrente as 10
horas da manhac noseuarmazem da ra da
Cruz por detraz do Corpo-santo.
i
\visos diversos.
reino,
miim .
essencias
La P.c, -
LOTERA do theatko.
As rodas da 2.a parte da 5.
lotera teem o seu infailivel
andamento no dia 30 do cor-
rente mez fquem ou nao
bilhetes por vender, e os
restantes aelio-se as lojas
j annunciadas.
' a fabrica de espirites, da-P.ua-imporial,
no Atterro-dos-A(logados, ha superior agur-
dente de Franga, paracompr vinhos, dita do
aniz, genebra, licores finos, e com-
agua de Colonia espiritos para limas ,
de roza cravo, canella superior
i <\ o I nrUo r^^^nf^oMnl, SbS'.l
.. | >. O e.t*..J |------------- t ""*
fino medicinal; assim como sabao para tirar
nodoas de gordurr das golas de casacas, ou
Tardas. Na mesma (abrica compra-se garra-
fa* vasias.
FABRICA DE RAPE
PRINCEZA
GASSE fabricante e legitimo inventor do
bem acreditado rap princeza doRio-dc-Ja-
neiro com seu deposito gcral na ra da Cruz
do Recife n. 38 c outro na ra do Livramcn-
to n. 13 avisa, que as muito boas qualidades,
que possuo o seu rap as quaes pela grande
eslima e crdito que progressivamente de dia
em dia teem obtido n'esta e as mais partes;
bem conhecido por um cuiu5vi inero ue
tomantes e nao consta ter mofado urna s li-
bra : por isso laz publico, que toda e qualquer
pessoav, que queira especular com o seu rap,
attendendo as superiores qualidades, ello fabri-
cante adverte, que se responsabilisa pelo seu
rap por qualquer forma e com condiccoes,
que o mesmo comprador podo apresental-as.
:=Faz-se sciente, que a sociedade commcr-
cial existindo nesta praca debaixo da firma Leh-
mann& C. finalisou-so desdo o dia 17 do
corrente mnz ficando dora em diante o socio
At." Lehmann encarregado da liquidaco da
dita sociedade.
= Os senhores Manoel Jonquim Goncalves
Silva, e Francisco Xavier de Moraes hajo de
r buscar urna encomeiida vinda do Ccara ou
do Ass : na ra da Cruz n. 6i.
Fortunato da Silva Rabello Caneca propoe-
so ensinar primeiras lottras, tanto em sua
casa como em casas particulares c d lices
de msica aos ditos alumnos; quem quizer se
utilisarde seu prestimo, dirija-se na ra de S.
JosnJ 40 : na mesma se vende urna cabra
(bixo) p;iridade novo, queda urna garrafa do
leite.
= Precisa-sede um homcm quo seja ca-
paz, eacostumado a viagens para acompa-
nbar urna familia para Caranbuns e as visi
nhancasdoRio-de-S.-Francisco; na ra do
Torres n. 4.
= Precisa-se de urna ama de leite, quo nao
tenba fillios, e seja forra ; na ra do Crespo
n. 10, tereciro andar.
= Precisa-se de um rapaz Portuguez para
caixniro que nao tenba nota alguma en-
tenda de luja e de fiador a sua conducta ; as-
sim como de um menino tambem Portuguez,
de 10 a 12 annos que saiba bem ler e cs-
crever; na Bua-nova n. 10.
Precisa-se alugar urna casa terrea em
qualquer ra exceptuando-se beccos. o quo
s'eu augucl nao excedade8 a IOS rs. mensaes ,
dando-se fiador a conteni : quem a tivor,
a ti nuncio.
= Francisco Tarault participa ao respeita-
vel publico e com mais particularidado aos
amigos dos bons bocados, que de hoje em di-
ante elle> acharao a toda e qualquer hora na
sua casa de psto franceza da ra da Lingoeta
n. 2, toda a qualidade de comida a franceza ;
assim como vinhos e licores de todas as quali-
dades cal com leite c sem ello pastis ,
pasteles, empadas da diversas sortes sala-
mes presuntos, linguicas &c. ; o que se-
ro servidos com o maior aceio, limpesa e por
preco commodo. O mesmo Tarault offerece-su
para mandar levar em as casas as comidas a
aquc'las pcss%s que com elle se ajustarem ,
diaria ou mcnsalniente ou por urna vez so-
met te ; participa-sema, que todos os dias
de manba um seu agente levar a casa de seus
Ireguezes pastis, pasteles empadas, lin-
guicas e chouricas franeezas. proprias para
almoco.
Alugao-se por 400c rs annuaes os dous
andares do sobrado dos Quatro-canlps da Roa-
vista n. 1 ; tambem se aluga a loja do mesmo
sobrado com armacao para venda ; e a casa
torrea no mesmo lugar n. 3; a fallar com Manoel
Caetano Soares Carneiro Monteiro.
= Em casa de Augusto Coberlt, na ra daCa-
deia de Becifo n. 40 ha sempre para vender
um grande sorlimonto de vinhos muito velhos
engarrafados da Madeira, Xcriy Porto a-
guardente de Franca eShrub, das mclho-
res qualidades que teem vindo a este mercado ,
muito proprios para quem gosta da boa pinga
pela festa tudo por preco muito commodo :
as amostras das difieren tes qualidades esto
promptas no oscriptorio onde os amadores
dos bons vinhos podem proval-os antes de os
comprarem.
= Na Rua-imperial do Atlerro-dos-Afo-
gados, casa n. 165 precisa-se alugar duas
negrinhas, ou moleques para venderem a-
zeite tarde pagando-se o que fr de direito:
quem astiver, dirija-se a mencionada casa,
ou annuncie: assim como urna negra para
vender bolos de hacia s tardes.
__ Ouetn precisar de um caixeiro com 16
annos de idade que tem boa canducla sabe
ler, escrever, e contar, para ser empregado
em loja, ou na ra ; dirija-se s Cinco-pontas
n. 60.
= Precisa-se de urna inulher ja de idade ,
para ama de urna casa do pouca lamilia; no lar-
go de S. Pedro n. 1.
Quem precisar de um homem que sabe
vidrar louca de todas as cores, al azul, di-
rija-sea travessa do Queimado venda n. 9.
= Aluga-se urna parda para casa de pouca
familia a qual ptima engommodeira la-
vadeira, e cozinheira ; e una preta crioula ,
quoengomma, coso e cozinha ; na ra do
Amorim n. 50, segundo andar, ou no arma-
zem da mesma ra n. 32.
= Precisa-so arrendar um sitio perto da
praca que tenha casa do vivenda estribara ,
ecapaciuuu para ter vsccas uc icite ; na i
da Cruz n. 23:
= Offerece-se urna mulher para ama de ca-
sa do homem solteiro, ou casado de pouca la-
milia para todo o servico de urna casa : quem
a pretender, dirija-se ra do Cjueimado ,
oja de meudezas n. 24.
Precisase de 400,000 rs. a premio de
um c meio por cento dando-se por seguran-
ai urna casa terrea : quem os tiver annuncie.
= Pede-sc ao snr. J. F. D. quo quei-
ra ter a bondade de mandar pagar a quantia do
32,5i0 rs. do efleilos que comprou na loja de
JoSo Maa Ponchct. desde o anno de 1834 ;
n5o ignora a quem deve pagar por j se ter
ido muitas vezes cobrar.
Quem annunciou precisar de umeon-
tramestro do alfaiate ; dirija-se a ra do Ran-
gel n. 75 primeiro andar que achara com
quem tratar.
N


J *
Manonl Ferroira da Silva Ramos faz sci-
ente ao snr. Rafael Lucci que nao tem nego-
cio alguui coin o dito snr. Lucci a respeito da
casa n 30 da Rua-bella e s sm coin o in-
quilino que mora na inesma casa.
Troca-se urn menino Dos, quo ton lia
um palmo ou inais ; na ra do Fogo n. 23.
- snr. que tem ido ao heco do Peixe-
frito procurara pcssoa que annunciou certo
lcito de interesso de fabrica, o so tem des-
enconlrado queira apparecer das 8 horas da
manha at as da tarde, ou cnto annunciar a
sua inorada.
= Mara Barbara Constanca embarca para
o Hio-grande-do-sul o seu escravo Domingos,
de nacao Nagou.
Aluga-se a casa terrea junto ao sobrado
da esquina da llua-velha do lado do norte,
entrando da oraca da S. Cruz com bons com-
modos, cozinha fra, quintal, c cacimba;
quom quizer ver vai a padaria da umin alta, e
tratar com Manuel Ignacio da Silva Teixeira.
Deseja-se saber se existe, nesta provincia
Jos de Souia Machado flho de Jos de Soa-
sa natural da llha-do-S. Miguel morador
na ra da Esperanca vindo, ha um anno, da
liba no brigueF. deque era capitaoo snr.
Travasso pois se precisa saber aonde est i as-
sistindo : ou annuncio sua morada ou dirja-
se a Henrique Bernardes de Olivcira Si Compa-
nhia na ra da Cadeia ou na Parahiba a
Jacinto Jos de Medeiros Correira na loja do
6nr. Victorino Pereira Maia para se fallar a
negocio de seu interesso.
O snr. Francisco Manoel Perdigo, vin-
do da llha-de-S.-Miguel no brigue-oscuna
Amalia entrado no dia 7 do corrente neste
porto queira annunciar a sua morada para
seibo fallar, ou entenderse cjm Francisco
Joaquim Pedro da Costa, ou mandar entregar
ao mesmo urna encommenda que trouoe pa-
ra Jacinto Jos de Medeiros Corrcia de cujo
favor se Ihe ficara obrigado.
= Alugao-sc o segundo, e terceiro andares
da casa da ra da Praia, com muito bonscom-
modos para grande familia por preco com-
modo ; os pretendentes dirijo-se a ra da
Cadeia-velba loja do fallecido Antonio Annes
n. 60.
O mestre alfaiate que annunciou pre-
cisar de um alfaiate para contra-mestre., an-
nuncie a sua loja.
Pus asiticos carminados
O uso quasi exclusivo, que boje se faz
destes nos em amitos paizes, e a aporovagio,
que elles teom merecido dos mais eminentes
dentistas da Europa sao provas evidentes de
suas ptimas qualidades: elles conservao os
den tes, e unem a propiedade de os enbranquecer,
e clarear perfeitamente, a de prevenir, e de-
tersua carie bem corno de endurecer seu es-
malte : elles patenteo toda a brancura e es-
plendor dos denles destruindo o trtaro ( pe-
dra ) que sobre elles se deposita c que, alm
de ofluscara sua alvura d as vezes a bocea
pessimo aspecto : elles consolido as gengivas
amolccidas pulo escorbuto, ou outra cousa ,
cornmunico a bocea urna bella cor de rosa e
um cheiro e frescura mu i agradaveis e cor-
rigem o man hlito : vonde-sc sement na ra
da Cruz n. 37, a ljOOO rs. cada um vidrinbo ,
acompanhndo de um cxcmplar
Ljgur da China ou essencia da formosura.
O delecioso, suave e agradavcl aro-
ma deste precioso dommestico o torno digno
de ligurar nos mais elegantes toucadores ( toil-
letes) elle gosa de propriedades mui notaveis ,
que repetidas e variadas exoericncins feitas
em diversos paizes, e mrmente no Brasil, onde
elle e ja bem conbecido por seus salutares effei-
tos, tem confirmado, como sao; primeiro ama-
ciar limpar clarear, e alisar a pelle en-
tretersua frescura ebrilho naturaes tirar as
sardas pannos espinhas, e toda a especie
de manchas que nelle apparegao sem alte-
rar ; segundo destruir as ruga;, a bortoeja ,
empingens e outras muitasaf1icc5es cutneas;
terceiro tirar o mao hlito e a dar a bocea agra-
davel perfume fortificaras gengivas e preve-
nir as dores de dentes. Em todos estes casos a
experiencia tem mostrado o quanto justa n al-
ta reputaciio de que gosa este composto no Ori-
ente onde seus effeitos sao tidos como infal-
liveis ; cada garrafinha custa 1200 r.;. um
impresso explicar seu uso ; vende-se somon-
te na ra da Cruz n. 37.
A senhora Helena Maria da (..onceicao
queira mandar recebor em Olinda na ra do
Paco-castilbano, casa prxima ao theatro, onde
morao os estudantes do Piauhy, a carta que
!hc vc. dsqc'id pitmiii ; po>qu temi-
se mandado posLvamenleievai-a no lugar de-
signado em o seu annuncio, nao appareceo
se quizer utilisar dirija-sc a ra estreita do Ro-
zario sobrado n. 30.
= Furtarao da loja do ahaixo assignado na
Praca-da-inJependencia, no dia 19 do corren-
te peas 3 horas da tarde um relogio borison-
tal, saboneta de caixa de ouro com lavores
na forma de S, sem vidro o est bastante
sujo tendo duas voltas de cabello no registo ,
pelo que se adianta c por isso tinba sido en-
tregue no mesmo dia para concertar ao ahaixo
assignado: roga poisa todos os sen boros relojo-
eiros, e i pessoasa quem for offerecido o dito
loregio deoapprehenderem, ou denunciaren)
ao ahaixo assignado que gratificar e guar-
dar segredo. Joo Antonio de Saboya.
Precisa-se de urna mulher de idade para
ama de urna casa de homoin soltoiro para to-
do o servico da mesma ; quom estiver nestas
circunstancias annuncie,
Alugao-se3 casas no Alterro-dos-affoga-
dos, duas para familia, por terem bastantes
commodos, e a outra para compra de coura-
rna, por ser em bom lugar; quem as pretender
dirija-se ao viveiro do Muniz ou na ra do
Crespo n. 10 terceiro andar.
;= Precisa-so alugar urna casa boa com
bastantes commodos muito porto da praca,
no Hospicio, Mondego ou qualquer lugar
na mesma distancia mesmo em algumas par-
tes da Boa-vista ; na ra da Cruz n. 10.
\luga-se metade de um andar e um quar-
to mais, a um hoinmem solteiro, na ra
larga do Rozario na esquina que volta para
o hoco do Peixe-frito n. 9 ; a tratar na venda
por baixo do mesmo.
= Precisa-se alugar um sobrado de um
andar com soto quintal e cacimba ou
dous andaros com as mosinas circunstancias,
em qualquer das mas do bairro de S. Antonio;
quem tiver annuncie.
O agrimensor, ahaixo assignado, offerece
os seus serviros s pessoas que tivercm proprie-
dades demarcar e afianca a mais escrpulo .
sa exactidao e o maior zelo no desempenho da
sua arte ; devendo todos os que do seu pret-
mose quizerem utilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao mesmo ahaixo assignado, na Bua-direita ,
sobrado n. 121.
Joaquim da Funseca Soares de Figueiredo.
= F. Regord & Companbia, na Rua-nova
n. 17, roga as pessoas, que teem penhores
em sua loja hajao de ir tirar al ao im do
corrente do contrario sero vendidos para seu
embolco icandosem direito a roelamaenrt a_
guma.
= Aluga-soum sobrado do dous andares e
soto na ra do Pillar, em Fra-de-porlas
rectificada, pintada e envidracada de novo;
os pretendentes dirijo-se a ra do Hospicio ,
a tratar com a viuva de Pinho Borges.
=s Perdeo se no dia 17 do corrente um
mandado da fazenda nacional, das 10 para as
11 horas, desde o pateo do Collegio at ao
arco da Conceico ; quem o achou querendo
restituir leve as Cinco-pontas, pateo do Ter
co n. 26, que ser gratificado.
= Pcrdeo-se no dia 18 do corrente um vale
de 46000. passado pelo o sr. major Jo5o Pedro
d'Araojod'Aguiar; faz-so publico para prevenir
negociacoes delle c para que a pessoa, que o
achar, o restitua por favor a Antonio Jos Pe-
reira na ra do Cabug n 16.
as O snr. major Francisco Jos de Menezes
Amorim tenha o bondade de apparecer na
encender com
negocio que
"1
............. IIUIll
se
sobre
Burgos Ponco de Len
Ihe diz respeito.
= Urna pessoa que tem pratica de escri-
pturac^ocommercial, propoe-se a fazer a escri-
plurato de qualquer casa de negocio ou ou-
tra qualquer qualidade de escripia ; na ra do
Cjueimado loja de fazendas n. 41.
= Antonio Pereira de Faria retira-se para
fra imperio a tratar de sua saude.
Compras
= ComprSo-se dous ou tres passiros (viuvas)
na ra do Torres n 4.
f ninnra-se lima jogo de bancas, e um sof v. tudo.de Jacaran-
da e que esteja em bo:n estado ; quem tiver,
annuncie.
Vendas
.un iiji'in ii rcCeuesse.
Oflercco-se um rapaz que sabe ler, es-
crever e contar para caixeiro do ra ou
para andar com um preto a vender fazendas pe-
la ra ou mesmo para o matto o qual d
fiador a sua condurta ; quem d seu prestimo
= O deposito de gelo acha-so na ra da
Senzalla-velha junto ao Becco-largo n. 110,
aonde contina a vender-se pelo mesmo preco
de 2560 rs. a arroba o a Ubra a 100 rs.
ss Vendem-so cortes de vestidos de seda es-
cocc/a do melborgosto, ricos chales, mantas,
e lencos do seda e garca lencos de seda es-
coce/a, e pretos bonitas grvalas modernas ,
lencos para pescoco de hmeme algibeira, meias
de seda prcta para homem e senhora c de pa-
dre ditas de difTerentes cores para homem ,
bonitas bengalas, pentes de marfim para tirar
4
piolhos ditos de marfim e tartaruga para
alisar, escovas para cabello, pentes lisos de
tartaruga, e dourados para prender os cabellos,
perfumara de todas as qualidades o bem sor-
tidas pannos para bancas de dillerentes qua-
lidades toalbas alcochoadas para rosto ocu-
los inglezes de ver ao longe frutas de pedra
de todas as qualidades superior agua de Co-
lonia, essencia de rosa, franjas de algodo lar-
gas o estreitas, de todas as cores, e brancas pa-
ra cama janellas e toalhas superior sorti-
mento de calcado para homem e senhora sa-
Datos de setim preto e de cores, cordavSo e
de lustro horzoguins de todas as qualidades
para homem ricas fitas de setim largas, e mo-
dernas copas para fazer chapeos de senhora ,
luvas do pellica e algodo para homem, ricos
chapeos de seda e crep para senhora, bonitos
bons para homem ricas bandas com borlas
de ouro espadas de ac feitas no Rio-de-Ja
neira rap areia preta e de Gasse do mais
novo e fresco que so vende duas oitavas por
30 rs. pelles de cordavao, e marroquim de
cores redes do Maraohao ricos chapeos de
sol para homem o senhora e outras mu las
cousas tudo chegado agora, e por menos pre-
co de quo em outra qualquer parte ; na loja
nova franceza n. 30. de urna s porta que
foi de S. Martin onde tudo em conta por
ser a loja do liarateiro da Rua-nova
= Vendem-so saccas com superior arroz
branco com alqueire da medida velLa por
preco commodo ; na ra da Cruz n. 49.
= Vende-se urna casa de sobrado com dous
sotos, a pouco acabada sita na ra do Fogo
n. 27; o urna bonita escrava de Angola de
20 annos tem algumas habilidades; na ra
estreita do Rozario n. 10, terceiro andar.
Vende-so milho muito bom, por proco
commodo ; na esquina da ra do Mundo-novo
n. 16, venda de Nicolao Rodrigues da Cunha.
=Vende-se um sortimento de toalhas 4 li-
ado adamascadas de vara e meia at 5 varas
decomprimento com guardanapos de qua-
lidade superior, velas do espermacete em ca-
xas de 25 libras e farollo novo chegado de
Hamburgo, em saccas de 3 arrobas ; em casa
de H Mebrtens na ra da Cruz n. 46.
as Vende-se urna negra de nacao Angola,
com duas crias sendo um crioulo de 6 a 7
annos, eoutra parda com 4 annos, a prcta
lava bem cose e engomma alguma cousa ;
a fallar na entrada da ra da Florentina casa da
esquina.
- Vende-se agua para bordo de navios a
3200 rs. a canoa e a 32 J rs. a pipa ; no dc-
dosito d'agua da ra do Amorim.
se Vende-se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro pedras de marmorc redondas
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to, ditas para commodas, cadeiras america-
nas com assento de polhinba camas de vento
com armacio marque/as, sofs, mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500,
ditas de pinho a 3500, assim como outros mui-
ros trastes ; pinho da Suecia com 3 pollcgadas
de grossura dito serrado dito americano de
dillerentes larguras e comprimentos; assim
como travs de pinho e barrotes ; na na de
Florentina em casa de J. Beranger.
= Vende-se una escrava parda de 19 an-
nos com principios de costura ; na ra do
Rangel n. 26.
ss Vende-se urna escrava de nato de 20
annos com bonita ligura, com urna cria mu-
latinha de um anno tem varias habilidades,
e de boa conducta; urna dita qutandeira que
ganha 400 rs. por dia ; um escravo de bonita
figura : na Rua-direita n. 3.
Vende-so urna boa porco de barricas
vasias para socar assucar ; na travessa da Ma-
dre de Dos n. 11.
Vende so urna escrava com urna cria de
2 annos, a qual cozinba e qutandeira ,
vende-se por necessidade ; na ra do Coelho
n. 2.
cozinha sofrivef lava
urna casa ; na ra do
annos, bonita figura ,
e faz todo o servico de
Arago n. 5.
= Vende-se vinlio muscatel engarrafado ,
em porces e marmelada em latas tudo su-
perior ; na ruado Cabug n. 16; e tamben)
por atacado calcado do homem e de mulher,
de todas as qualidades.
= Vendem-se saccas com mifho o rodas
de arcos para barricas; na ra do Vigario n. 7.
Vendem-se 3 cavallos mui novos, e car-
regadores 2caixoes envidracado que ser-
vem para amostras de venda ; a padaria n. 154
as Cinco-pontas, com todos os seus perten-
ces ; urna commoda do angico e um par de
mangas de vidro bordadas por todo o preco ;
na Rus-imperial n. 2.
Vende-se um moleque de Angola, de
16 annos, de bonita figura ; na ra da Sen-
zalla-velha padaria n. 98.
Em casa do Domingos Jos Vieira na
Praea-do-commercio continao-sc a vender
caixotes com duas duzias dti garrafas de deli-
cioso vinho do Porto de 23 annos.
=Vendem-se terrenos.com 156 palmos de
fundo com as frentes, que os compradores
quizerem na ra da Concordia e as tra-
vessas do Monteiro e Caldeireiro os quaes
sao do 60 palmos, para onde ditos terrenos
tambem lazem frente em direcgo ao rio Ca-
pibaribe : estes terrenos achao-se parte atter-
rados, e parte beneficiados, e tambem teem
alagados para a parto do rio e todos offere
cem grande commodidade para a sua edifica-
cao por proco commodo ; na ra dos Ouar-
teis, hoje larga do Rozario n. 18.
Vende-so manteiga ingle/a superior a
640 rs. azeitedoce a 480 rs a garrafa, cha
hisson a 2560 rs. vinho de Bordcaux a 200
rs. a garrafa ; no heco da Pol, esquina dos
quarteis n. 7.
Vendem-se duas camas de armacao, sen-
do urna de Jacaranda e a outra de angico,
nova o rica com cpula ; um engenho de
moderna invenco para moer milho, com todos
os pertences o macbinismo moderno para
trabalharcom um cavallo ; superior vinho en-
garrafado da Madeira secca Malvasia o de
Buccllas de 1832 ; na ra da Cadeia do Recite
n. 37.
= Vendem-se meios bilhetes da lotera do
theatro ; na ra da Cadeia-velha loja nova de
calcado n. 35.
= Vende-se urna armacao de loja francesa ,
com poucos fundos ; na Rua-nova n. 18.
= Vendem-se muito boas meias para me-
ninos a 200 rs. o par ditas para homem a
3200 rs a duzia ganga azul encorpada a 100
rs. o covado fusles acolchoados a 480 rs. ,
e outras muitas fazendas por preco commodo ,
para liquidarn ; na ra da Cadeia do Recite
n. 27.
Escravos fgidos
No dia 16 do corrente fugio a negra Be-
nedicta de 30 annos de nacao Costa bem
fallante nao tem talhos no rosto s tem um
que principia do meio do pescoco para baixo ,
cabeca grande alta corpo regular, nariz
chato peitosum tanto cabidos, e regulares ,
levou vestido de chita azul com flores amarellas,
e outro cor de rosa camisa de algodozinho ;
quem z pegar, ica a seu sur. Amonio de Sou-
za Barrozo no engenho Groja ou na ra
das Cruz n. 40 quesera gratificado.
Fugiro na noutede 26 do p p. do lu-
gar denominado Jussara provincia da Para-
hiba, os escravos comossignaesseguinles: Fran-
cisco de nacao Angola bem preto meia
estatura testa redonda e bem descoberta ,
tem os dentes da frente; as pernas um tanto ar-
queadas representa ter 30 e tantos annos;
Ignez crioula alta, bonita figura, bem pre-
ta gengivas roxas, tem os dentes da frente, o
Vende-se parte de urna casa de 3 anda- ~ 'gu cibelloi pelo roalo com 24 annos;
j \ j j i quem os pegar annuncie.
res na ra do \Jueimado metade de outra
terrea na ra da Concordia urna cama
ni e nacao Mocainmqi
cor fula magra fcia, ps apapagaiados, traz
SKyS? 2 moderna vum encherges coicnao,
e cortinados, tudo muito em conta ; na ra da
5. Cruz n. 66.
= Vende-se um terreno no sitio Manga-
beira na estrada de Bellem com 200 pal-
mos de frente e mil e tantos de fundo com
bons arvoredosde fruto bem carregados ; assim
como vende-se ou aluga-se urna casa na en-
cruzilhada de Bellem com armacao e todos
os utenciliosde venda ; na venda da esquina
da ra do AragSo. que volts pnre S. Crur s. *3
- Vendc-sc cera refinada c cha hisson; na
ra do Cabug loja de cera.
Ven/i-?e ma negra hos caz!nhc:ra, por
preco commodo ; na ra larga do Rozario n.
20, segundo andar.
= Vendem-se 42 linhas de pao d'arco, sa-
outra -----a r""""-""
, No dia 18 do corrente fugio a prcta Igna-
. '*! de nacao Mozambique de boa estatura ,
no pescoco urnas contas azues levou dous ves-
tidos roxos um de listras e outro de baba-
dos enviasados e panno preto vclho falla
meia apertada ; quem a pegar leve a ra de
Hortas n. 44 que ser gratificado.
No dia 31 de outubro do p. p. fugio a es-
crava Maria da Conceico, crioula, olhos aga-
ropados, o alguma cousa vermolhos altura
regular, ps nnalhclailns rAr fn\ n sicr
signal que tem urna marca na frente do
rosto junto ao queixo que parece urna denta-
da consta ser vista nesta cidade i> ttulo de
forra ; quem a pegar leve a Praga da indepen-
dencia loja n. 3 que receber -^0,000 rs.
de gratificacau.

pocaia e imberiba de 46 a 68 palmos de______________________________
eomprido ; na ra do Queimado n 44.
Vende-se urna negra de nacao, de 18 Racira: a Ttt. db M. F db Faria
^1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1V3CV8GF_JCCHHA INGEST_TIME 2013-04-12T21:44:42Z PACKAGE AA00011611_04561
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES