Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04557


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anuo de 1844.
" naamzart
O Pimo pt.b1ie.-r. ,,, 0i Ai qM n-0 foiem
de de ire mil n por quarlel pago, adianlail
j; >. do. que nao roten razo de 80 r
Quarta Fcira
giilu a -sia l'yp ra dii Crutei n.
4,
l pieco di lo O* annuncioadoi auignantei ato hwridni
>u por linha A. rcclmecSe derem Mr diri-
" .1 praga de Independencia I. jo dc linuin (> e 8
PARTID \ DOS CORREIOS TERRESTRES
CouNNA, e PrUjb.. gnd.. e ,ex>.. f,Mrns Kiu ,;,,,,,. ^ ^
Cal,,.. S,nW, ll.o Formo*, Pono C.l M" V\ '*' 'TT
de c.d. .e. -G.nnl.on. Bonito a I,i, j *Ur0" : Io 4 41 ':l
. 28 d:,o.-c.d.aeH. v,,,,,,., J......l4lt^^r-re Flr" 1S
, DAS DA SEMANA.
J5 Seg. *. Amar,. And. do .1 de ll da 2. v
II) Tere s. Marcello Re, u.l do de 1) ,ia ;S T
47 Quatla s. Anido. And do J .le II ,!> 3 ,.'
<-s Quii, s. Priica Auil do I. ,1,. |) da '_>. v.
1'J Setll s Cannio .Aml do .I deT*.r2. v.
?0 Sal. s. Sobulo. B.|. a,id do .1. de D.da 1. t.
'_'! Ilom. s gnea a. Patroi-ulo,
<1c ianciro
Anuo XX. IV. 15-
'i;".ji"nwi'vaj >.
rudo agora depende de ni mesntns; di m. iirndeicia, moragilo" e energa: con
> iiii i -m.i-i como principiamos,, arrestos aponitloi cotn admiroslo enlre as nages mais
,' ., fullas Cl'roclamag.u da Ae eral o araiil.)
r I
)%0, V"y < vMI'lov so lh |jj .
Lainhios folne l.orc'rfs .'(i nominal.
i i Pars S70 rea poi franco
i I. i boa M por 10 I de prem
Mocita di-
Idem da
Cflbr* aO [' r.
letras te boas firn aa I
Oni Moeda de 6 100 "v.
. V
, de i,00J
I'; ala- Patafies
, Pesos >> lummnaref
i Ditos Mexicanos
i *i*8
ii\si.s d\ i.i \ \o mi/ di; .i \m:ii;(i.
compra. renda.
17,00 ! 17,200
16,600 16,80 '
9.2 9.400
1,940 1,900
1,94(1 V.mo
1; 10 ,900
I niliiMMiiliiiiiMiiiiiiiBiim..........., ^esarsgmsatasssstasKmiraaa
BSSZTBG*- T,' :-. -?.;..- .j-r-.-r?..... rr,-
enei. i > as :i li o i< | -j min
Mingaantea 12 .i* / horas a I.....in
IVimer.i < 2 horas e 54 min
.32
da li le I 1. < n n i al!" as 3 h< ras r >7 min. da lardo
alarde |(>eeenie i !7 as 10 hje 10 m, da manha
Vretimar d- boje,
mantl.ia. | Secunda as :| llorase 1s minutos da manba
- "-x ''wMn.-wKt
OFFIClAi
Thesouraria ca Fazenda.
BXPKDIENTE DE 2 DO CBRENTE.
Oficio Ao Kxrn. presidente dg tribunal
do tbesouro publico nacional com o conhoci-
mento em forma de 3();000S de res un no-
tas de 5#10#6 20S reis, substituidas pela
respectiva eaixa que reccheo o commandante
da barca de vapor Pernambucam, para entre-
gar no dito tbesouro.
Dito Ao mesroo Exm.tr.,dem de 2:0(b
reis em notas dilaceradas dem.
l'orturia Ao contador interino rcmet-
tendo por copia a relac.io dosconhecimentos em
forma do dinbeiro, quo entrou no cofre do al-
moxarirad da liba -do-Fernando de oronha,
para ser pago por o cofre da tliesouraria.
iii:..m oo da .'i.
Officio Ao inspector da tbesournria da fa
zenda da provincia do Para cotn o conheci-
mento em forma de 4:80j reis quo recebeo
ocommandante da barca do vapor Imperatriz ,
por ordemdo tribunal do tbesouro publico na-
cional de i de de/embro ultimo para entre-
gar na dita tbesouraria.
DitoAocontador da dita thesouraria, accu
saniloareuepcao do seu oficio de fado de/embro
prximo passado, em que participou, quo nao
obstante ter ja recebido o decreto, pelo qual S.
Magestade o Imperador bouve por bem despa-
chado contador desta thesouraria continua-
va no exorcicio ern que se achava interinamen
te do inspector d'aquella thesouraria at nova
ordem
l'oriaria Mandando abonar ao thesourei-
ro da lazenda os 30:000* do reis, de que trata
p offoio de 2 do correte.
Dita dem os 2:100S reis, idom
dem do da 4.
OITicio Ao inspector da alfandega envian-
do o decreto de 9 dede/embro lindo que a-
companhou o officio do lixir.. presidente da
provincia desta data pelo qual Sua Magesta-
de o Imperador bouve por bem nomeal-o ad-
ministrador da .-esa do consulado, afim de
que, tomando immediatamentc posse e pres-
tando o iurarne^o do estilo, enlrusso iogoem
oxercicioi igualmente Ibecommunicava.quc,
em cumprimento da ordem do tribunal do tbe-
souro publico nacional de !9 do dito me?, do
de/embro devia recolher ao cofre da thesou-
raria a importancia de 53*200 reis. da dns-
pea do mencionado decreto sendo 20* reis
do sello e 38*200 reis dos emolumentos.
Dito AoUdministraoor da mesa do con-
sulado idem Msainspector da alandega: dem
5*200 reis, send\30S reis de sello, o 33*200
reis dos emolument
Dito Ao juiz de orphos desta cidade, pe-
dindo soliuaoilo officio que Ihe dirigi em \
deouluhrodo anno passado constante da co-
pia que acompanhava, sobre a entrada do di-
nbeiro dosorf.ios para o cofre da thesouraria.
Portara Mandando abonar ao thesourei-
ro da fazenda a quantia de i:080,S reis, que
ocommandante da liana de vapor Imptratril
recebeo da thesouraria em virtude da ordem
do tribunal do tbesouro publico nacional de
de dezembro ultimo para entregar na thesou-
raria do i'ar.
Dila Ao thesoureiro da fazenda, para ac-
ceitar e pagar no dia de son vencimento, co-
mo determinava a ordem do tribunal do tbe-
souro publico nacional de 21 dede/embro pr-
ximo lindo, a leltra, queacompanliava.de
.'J:G7()S reis que 8 das precisos saccou o
thesoureiro gera do dito tbesouro favor de
Mendos & Olivein.
Dita Ao mesrno idem de 23 idem de
10:000S de reis, idem de Johnston & Com-
pa nbia.
Dita Ao mesmo idem de 10:000* de
reis idem de Cairns Asllev & Companhia,
Dita Ao mesmo, idem de 10:000* de reis,
idem.
Dita Ao mesmo, idem de 3:000* do reis,
idem de Hobkerk Weclman & Companhia.
Dita Ao mesmo, idem de 2:000S de reis,
idem.
Dita Ao mesmo, idem de 10:000* de reis,
15 dias precisos idem de Kduardo Johnston
& Companhia.
, dem do da 8.
Officio Ao Kxm. presidente da provincia ,
esrrivo da dita mesa Francisco Manocl do Al-
enla Ca lanho 3 mozos delieenca, com os
seus vene i mentes pura tratar de sua sade
EXTERIOR.
REVISTA DOSJORNAES DRPRIZ.
O Conslilutionnel dis'orre sobre a abertura
la sessao das cmaras Irn,e/as. O ministe-
rio diz elle buscar evitar todos os debates
da tribuna ; iinporta-lbe amortecer as discos
soes e n'is>o bem podorft elle ser segundado
pela fraque/a da cmara electiva. Kntretanto
a presenta r-so-ho as questoesdilTiceis ; quaes?
nada se sabe d'ellas; mister contar com o im-
previsto. Kntretanto o Conslilutionnel \t^ tres
cousas de que se devera tomar contas ao mi-
nisterio : as demonstracos facciosas do clero ,
a extensao arbitraria que foi dada fortifica-
pSo.parisiense o direito de visita em fim. Eis-
aln todas as queixas do Conslilutionnel.
A' proposito do trabalho. que M. de Lamar-
tine acaba de fa/er apparecer sobre o f5rfo a
'9rej i < e o entino, o Sicle, indicando a sulu-
liceis (|uestoes que elle trata, exprime o pen-
samento que esta soluco nao sera acceita pelo
clero : M. de Lamartine exige quo o estado
liberte a igreja de toda a dependencia mas
quo o clero renuncie ao subsidio do estado. Ha
lannos que M. de l.amennais tinha rccla-
III iiraTHaTW
A Democratie pacifique nttribue a durac.r>
do ministerio actual ftdifilculdade de substituil-
o, porque, segundo a sua opiiiSo estao gas-
tos lodosos homens polticos.
O magnifico trabalho de M.de Lamartine so-
bro as relacoes do eslaiio e da igreja agita
as paixdes que elle ipiera adocar, e reconci-
liar por urna solucio philosopbica agradavol
iodos Esta soluco a iiberdade. Defacto,
.M. de Lamartine parece nao ter contentado ;i
ninguem. O Journal de Debatt apodora se
bem de pressa da porcao do trabalho do Ilus-
tre escriptor em i|iie sao recapituladas as pre-
rogativ.is da igreja a lini de mostrar ao clero
mais eis ludo quanto la/ o jornal ministerial ,
que sustenta a ordem de cousas estabelecida o
repolle absolutamente a proposta separaefio dos
dous poderes : 6 com efleito sso o que exige
M. de Lamartine. Nao se devia pois accusal-
o do chamar com todos os seus votos o dia em
quo a sociedade ficora som religSo om quo o
governo se confundir com a igreja. E visivel,
que o trabalho do pensador tem por objecto es-
tabelecer urna ordem de cousas inteiramento
diflerenle.
O Univers acceita perfeitamente a liberdado
reciproca do estado e da igreja porm na
iroporcao om que o chofo da igreja a livor ap-
provado e consentido n ella. Esta declara-
efie que nao obriga milito o orgao do clero ,
seguida d'umo soberba protostacao de deslo-
mado esta independencia reciproca dos dous twewe tal qual nl-a furao desde que se a-
viagem liorna, pa- 8'^ oslas questoes. Aspira-se Iiberdade ,
poderes ; ello at fez urna viagem a liorna, pa
ra expor ao papa as suas idoias o enoontrou
urna repulsa que separou da igreja o padre e
FOLHETI
SAO MiniJEL AP.GSANJ
participando le mandado entregar ao mestre |0quente e consciencioso.
do biate S. Joo faptisla as 50 arrobas del a-Presteadopta, punco mais. ou menos a
plvora, vindas do Rio-de-janeiro para a pro- opino do Constituionnelsobre o carcter da
vincia da Parahiba-do-nortc, visto o dito mes- sessio que so vai abrir. Nao se aprsenla
tre nao ter podido levar na antecedente viagem. quoslfio alguma de gabinete. Os dous nicos
Dito Ao inspector da alfandega, mandan- objectos importantes sero a lei da regencia,
do pora bordo do dito biate as 50 arrobas de q,,,., noscu modo de pensar, pareca dever reu-
polvora de que tracta o precedente oficio. | nir todas as opinioos o a lei da instruccao se-
!DE.>fDO iiia 9. cundaria tantas ve/es promeltida. Em quan-
OfTicio Ao Exm. presidente da provincia, to OOS projectos de refoimas sejSo -es quaes
rogando, se dignasse mandar dispensar ao ter- forem pensa ella queosebefes da esquerda
ceiro esciipturaiio da contadoria da thesouraria rio se arriscarG a reproduzil-OS. A sessao
Irederico Augusto del.cmos, guarda do se- ser toda dedicada aos negocios. Prescindir-se-
gundo batalhao da guarda nacional destemu- lia da poltica.
nicipio do servico activo da inesma guarda | O .Xational discorre sobro o concorto do m-
DiluAo procurador lisca da thesouraria nislerio que parece di/ elle, dever liniitur-
enviando por copia, para sua inti-lligencia as se .retirada de M Testo que pastara apre-
ordens do tribunal do tbesouro publico naci- slente de la court de cussnlion em substituieo
nal do nmeros 212, 227, 229, 231, e 233, de M. Bostard. Porm, se M Gui/ot dezeja
do anno passado. livrar-sed'um collega pouco capaz. M.M Soull
Dito Ao administrador da mesa do consu- e Martin parecem ater-se isso para fazer con-
lado participando, que pela ordem do tri- tra-peso no conselho ao elemento doutrinario
bunal do tbesouro publico nacional de 4 do no- Finalmente este negocio no parecer do l\a-
vcinbro prximo passado forao concedidos ao lional, refere-so ao da dotacao.
pede-so s a Iiberdade, a cruz do madeira, ote ;
mas aproveita-se brandamente do privilegio.
O Conslilutionnel entra milito mais no fun-
do da queslao. Declara resolutamente que a
seperacSo do estado e da igreja impossivcl;
impossivel legalmento, porque existe urna con-
cordati ; impossivel philosophicamente, o que
muito mais grave. [La Patrie )
vm

Ah basta, di/ Fabio indignado...
Esta bom! tranquillisa-te, replica d'A-
rezzo. O quo eu digo 6 por teu propiio nteres-
se. Olha, eu c lanco-mo no grande mundo, e
acho-me o melbor que possivel. Depois que
ininlia velha tia de Bolonia mortaDos a lo-
nha cm gloria,deixando-mo ludo quanto pos-
suia, nao por alToicao a mim que ella nao co-
ndeca, mas por odio aos outros seus hr-
Doosou em divindade do paganismo. Moje que te de suspirar, de que faco um estudo parlicu-
mediantu algumascentenas de escudos, fiz que lar, deveria merecer grande attenco na edca-
me dessem um diploma do cavalleiro de Estrol- cao de um rapaz bem nascido.
la-d'oiro, e que ajudado polas tuas lices, e mi- Nao quero contestar-io essa scicncia, meu
nhas disposices naturaes, me tenho tornado charo Kaymundo: mas contas tu nninr. surpirar
um dos melhores artistas da escolla moderna... toda a tua vida, enao cuidars seriamente em
Aqui Fabio seotio urna contracca nervosa, faser urna oscolba ?
que Ihe encrospou ligeiramento o rosto Kssa cscoIha esl feitai respondeo mvstc-
Agora, continuou d Arezzo, som dar t desta ri()Samentc 0 cava|,ciro da Estrella-d'oiro." Co-
rnuda interrupcao, sou annmado alTagado, re- nh|i(.es op|iinarnento 0 teu rko yisu0 ocon(lo
cebido bracos abortos; o. atiendo bem. longe d-Albii essc nobr(. proteclor da:i arto caj0 no.
de nio Jeixar deslumhrar por este trmmpho, e m( anencoado por ,odn a ,la|iai ., cuja );asa lc
do mo comprometter>por orna2^JZ[ quii hontem levar, eque(digo-fo agora) leon
muitocontrariado porto nao ver, tanto mais
quanto ello te ha va convidado por oscripio e
com instancias ta lisonueiras...
dadeem corresponder esto lisongeiro a.olbi-
ineiilo, sou de unta ciicunspeccao incrivel, do
urna delicadesa minuciosa na escolha de minhas
rolaroi; Vi' L2!be'!! d'Jtrib" OS f!!C"S f"S-
MINAS GEIUES.
FALLA v AS8EMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL
Na abertura du sessao ordinaria do anno
do 1843, pelo presidente da provincia
FRANCISCO JOS DE SOUSA SOAKES DANDRA.
Senhores de miados provinciaes.
Em cumprimento das ordens do governo im-
perial recebi o encargo do dirigir a administra-
cao desta provincia em verdade urna d'aquel-
I is, em que mais embaracos devia encontrar por
sua posico central a que naoestou aleito o
pelas suas leis peculiares, consequencia dessa
posicao : e nao ja pequeo aquello em quo
Iciios,que ella conliecia de mais,depois, di- res com sabia reserva, e pcifeil inleigencia
gu eu, que ella morta, oque, giacas esledos direitos de cadaum. A orgulhosa duquesa
desgracado successo, consegu urna agradavel I urna dedaracSo a maneira hespanhola; s torna
"Siyuu cm i-'n icnr.i, so irequcnio s summida-
des do mundo social. Em outro tempo, pobre,
desconhecido, perdido um canto deluborato-
riii de um obscuro succssor dos Carrachos ,
quaodo muito poderla obter urna olbadella de
alguma dessas bellesas nmadas, que o capri-
cho do pintor motaiuorpbpsfia em santa mfii de
l*) YideWarwD. 1, 2, 8,11, e 12.
Sim.. .ja sci... mas cntao".'
Kntao, meu amigo '.' elle tem urna filba...
__Tambe! sel
L'ma rapariga adoravel.
Disem.
li fui sobre ella, que lancei os olhos,
Oh oh! as tuas pretencOcs nao sao mo-
marquesa um madrigal n > gusto francs; dis-
trabida e exaltada condessa um bilhetinho mys-
tico onde o amor exprimido em termos tad
ini omprebensiveis como apaixonados Bem vos
que com a simples baronesa sou menos espan- destas...
sivo, c quj a una pleboa, quando muito, honro E as juicas indignas do serem acolhidas .'
com urna saodsflo bem fra e desdenhosa. Iti- Minha tia de Bolonia legou-me d quo \ ver hon-
to muito embora... siio estas distinecoes menos radamerrte.a chancellarla de Milo.oulorgon
pucrs do quo se pensa, e asseguro-ie, que a ar- me o titulo do cavalleiro, me autorisou a sjuj*
tar ao meu nome o da villa em quo nasci, o que
faz que me chamo o cavalleiro Kaymundo d'A-
rezzo, c todos convem quo eu tenho o ar do um
Jidalgo de tmpora velha... Quanto ao meu bu
lento nao ienio no.essidade do diser-te o quo
... sabes que como paizista, goso em Forunca
do ama reputaefio colossal...
E verdade, disse Labio sorrindo-se, que
se falla muito em ti.
As mulheres, meu amigo, as mulheres 6
aellas que eu dovo ludo isto. Voltando ao nos-
so negocio, cont boje mesmo pedir ao conde de
aAlbl a mo da bella, da adoravel Beatriz.
Mas ao menos, interrompeo Fabio, certi-
ficaste-te primeiro da vontade dessa moca,
crs que o sen viracSo ?...
Ah'.ah.'ah! exclamou d'Arezzo com es-
trondosa kargalbada ; ter-me-hia eu rnettido
em similliTiile negocio, sen estar d'aoteroa cor-
to do resultado.' A signora Beatriz, meu charo,
est iiitoiramente disposta om meu favor.
Tu crs ?
Eslou corto. Oepois do baile desta nouto
nao me mais permitlido duvidar. Mas a pro-
posito, quero que a vejas, quo me diga* franca-
mente o que pensase seu respeito, para isso
levo-te boje mesmo a casa do conde. .. Vem, tu
Ihodars as tuas escusas, a asseguro-lo que fl-
tntado de travwos relacoo 0001 bU^,,,


/
<.
2
boje dejo achar-mc tando de vos fallar sda acro mais acertadas : o Icnho o pra/or de sa-
iicce&idadcs della com pouco mais de um met ber que foro respeitadas as mirillas ordens, e
de lempo para poder oricntar-me. Nao olis- espero entretanto as do govemo sobro aquel
tante, confiando eni que cumprirei sempre
com meus deveres em me empreando de boa
ecom todas as minhaa faculdades no seu
desemponho : e que vos, conliecedores, como
devesser, da vossa provincia, sabureissup-
prir as lacunas que eu deixar entro mais af-
foito nesta empreza.
Com a mais completa satisfaco vos participo
que Sua Magostada o Imperador e suas au-
la administrado. Esta reuniao nao tinha
simptoma algum polilico emesmocreio, que,
quando alli fossem ter alguns grupos rebeldes ,
ou mesmo chefes secundarios da rebellio ,
icariao gnmpeiros. O segundo o movimen-
to realmente sedicioso feilo na cidade deS
Joao-d" I re i no (lia da procissao do deposito
do Senhor dos Passos, em que cntrro reos
da rebellio passada a quem a intelligencia
gustas irmes gozSo do sade inateravel. No Io dada as leis. e talvez contemplaees mal cabi-
deste mez teve lugar o casamento da serenissi- das teem subtrahido um justo castigo. Estes
ma princeza a senhora 1) Francisca com S | bomens devem ser extremamente loucos, ou
A. real o prineipe de Joinvilie. Contente por
dar-vos tao gratas noticias passo a cumptir a
ininha tarefa do hojo.
Tranquillidade pblica.
Pelas noticias recebidas directamente por es-
ta presidencia e pelas puhlicacf.es ordinarias
la imprensa nao consta que o socego publico
se tenlia alterado em algunta provincia do im-
perio e somonte se volvem a inda sobre o Rio-
grande-do-Sul olhos solcitos e esperancosos.
lodos aguardad cada momento a noticia de
alguma accao brilhante, que justifique, e
corde os esforcos que o enverno tem leito para
dar lim aquella luda desastrosa.
Ettado da provincia quanto a (rmquillidade
Tcndo-vos dito quanto sei das outras pro-
vincias do imperio justo que alguma cousa
ro diga desta misma provincia
t ma rebellio syslematica organisada com
premeditado e desenvolvida com actividade
e energa estara ponto de mudar os desti-
nos desta provincia, e talvez de algumas ou>
tras do Brasil se tao grandes elementos nao
fossem logo neutralidadoserebatidos pelo valor.
fidelidade constancia, e patriotismo da maior
parte dos Mineiros, quemsodove principal-
mente o restabelecimento da ordem. Uestes
precedentes nao podio deixar de se formar dous
partidos: um do grande numero dos implica-
dos na rebellio a quem talvez urna lalsa in-
telligencia da lei deixa impunes ; e o outro
dessa parte sa dos habitantes da provincia ,
que por urna fatalidado lamentavel nao perce-
bern que o nico remedio em males tao geraes,
tao graves, e para com os menos criminosos
o inteiro esquecimento do passado. Destas dis-
posiedes irritantes, eda imprudencia mesmo
com que o partido venc lo quer ostentar Idrcas,
e sympatias que nao tem. resulta cssa in-
quietadlo geral esse frene?! com que todos
procurao meios de se oflenderem unsaosou-
tros; e os que se sacrificarte pela manutenan
da ordem se julgo a cada momento em perigo,
c vexao a pnmeira autoridade da provincia com
representacOes imprudentes com projectos
impolticos, e com exigencias de frcas em tal
numero e para to variados lugares, que todo
o exercito do Brasil nao seria sobejo. Da minha
p^rt<:, resolvido como estou procurar o s-
celo e a restahelecer a confianca reciproca
entro um (ovo brioso activo e todo irmo,
pelos meios directos da justa persuaso, da
imparciahdade e da justica rigoroza e promp-
ta bei do esquvar-me quanto possa ao em-
prego da frca e s traja0 de 8 ter disposta
a dar rpido castigo aos perversos quando por
desgrata queiro pdr-se em campo.
De lodosos pequeos desaguisados, que teem
bavido so tres sao dignos de mensao : o pri-
meiro a reuniao de mais de tres mil gtimpei-
ros as inargens -do Gequitinbonha lavrando
diamantes despeito das autoridades algumas
das quacs faltando a seus deveres tem au-
torisado d algum modo estes excessos. Sobre
isso tcnbo dado as providencias que me pare-
perversos nao tendo em conta quo no estado
presente de cousas urna nova tentativa de revol-
la nao podo terminar em qualquer sentido ,
sem devorar talvez a quinta ou a quarla parte
da populaco da provincia caps/ de mpunhar
as armas. Porfi dadas as ordens para se pro-
ceder contra elles pelos meios que as nossas leis,
organisadas na hypothesesempre de um estado
normal, pdem permittir Oterceiro em
fim muito recente na cidade de Rarbacena a-
nnde parte dos soldados do um deslacamento ,
que alli se achava ba tompos oflendeo alguns
cidadaos, e passou depois ao excessode penar
em armas dando algum trabalbo s autori-
dados e fio sen commandanto para os aquie-
tar. Este fado urna m demonstracao da
inconveniencia de pequeos destacamentos;
por cuja persuaso eu o tinha mandado reti-
rar : disposicHoaccrescentada hoje rom nutras
ordens que tenho dado ; e foi eiTectivamente
rct'rado o destacamento.
Secretaria dogoverno.
A secretaria do governo acha-se montada ,
no que parece com um numero sufficiente de
empregados para o s tante o grande expediente em que se oceupa ,
mnita- vezes at em algumas horas da noute.
O mappa junto n. 1."declara a qualidadee nu-
mero dos seus empregados, e os vencimentos
correspondentes s diversas classes, e mitras
despezas indispensaveis. Alm destes empre-
gados achei o uso de se chamarem at seto
amanuenses extraordinarios, para ajudarem
em alguns trabalhos da secretaria ; e como sao,
ou teem sido elTectivos at agora deve cnten-
der-se que ainda ha servicos extraordinarios ,
ou que os empregados da casa sao poucos. Des-
tes amanuenses um vence 1,100 rs. diarios ,
uml.OOOrs. dous 800 rs um sargento do
corpo policial 9.600 rs. mensaos, um porta-
estandarte de linha 8.000 e um empregado
da thesouraria 30,000 mensaes. O sargento e
o porta-estandarte j foro rocolhidos aos seus
corpos e sobro os outros esta assemhla de-
cidir.
Occorre pnmeira vista dividir a secretaria
pelo menos em duas secedes urna de corres-
pondencia exterior e oulra da interior ; mas.
se pensarmos as alleracdes, que soflrem os
nessoaes de qualquer repartidlo com as moles-
tias licencas e principalmente com os ser-
vicos estranhos inteiramente o exercicio deltas,
e perturbadores do **rVtCO como sao Bfl 35-
semblas geral e provincial a guarda nacional,
e o jury, onto se conheoer que toda a separa-
ran de trabalbo impossivel e que o melhor
partido distribuil-o por quem estiver pre-
sente.
Nao me resta pois senao trazer vossa lem-
branca um s caso que m parece digno de
attenefio. Os secretarios do governo de qual-
quer provincia devem ser da perfeita confianca
dos presidentes e assim o diz a resoluoo de
13 de setembro de 1837; mas, quando j exis-
te um secretario pareco-mc que nem elle deve
um homem de bem, um pouco melanclico.,
gosli da solidan, conversa puuco... mas tem um
coracuo excelleute... e de urna generosidad!.*.
Ah se tu soubesses,... para os artista* que
homem precioso !.. um amigo... um pai !...
Vamos, tu me me acompanhas. Esta decidido,
nad assim ?
Hoje ser-me-liia impossivel, diz Fabio?
logo, nutro dia. .
Isso... quando eu or casado !... ser
boa occasiad de te pedir cnnselbo.
Mas tu sabes muito bem, replicou Fabio
que eu tenho horror ennhecimentos novos...
e o Sr. conde d'AIbi poderia achar indiscrico...
Mas se elle anhela conbecerte!
Alm disto eu nao queria sahir.. .
E porque?
Porque tenho que trabalhar, c estou resol
vid;; C '.DO ::;" 3ft;dai j'ui|ii buje.
Poto enlfio aqu me installo, nesta cadei-
ra... e espero que te decidas...
___ Cira mili' iinri>r-m<> mi< oclij (Jcci.'uw
diz de prompto Fabio, cujas leiydes expriniirad
urna distraccad bem visivel.
Ests gracejando, diz Raymundo.
Tao pouco gracejo, que estou prompto
seguir-te.
Vens comigo asa do conde d'AIbi ?
Nad, vou comtigo tomar fresco.
ser imposto ao presidente nem deve perder o
seu lugar sem ter commettido alta ; e neste
caso julgo forcoso conceder-se crdito para um
segundo secretario ou official do gabinete ,
quo faca o expediente que o presidente no qui-
zcr confiar secretaria.
Como toco nesta especie convem declarar
francamente que fallo neste ponto nicamente
por me parecer justo e nunca para ter appli-
cacao em tempo que eu seja o encarregado da
administraco da provincia pois que em rola-
c3o ao actual secretario do governo s tenho
sympathia e sentimentos de estima ; e pelo
que pertcnce ao secretario interino nenhum
motivo tenho para desejar substituil-o.
A despeza com os empregados desta reparti-
co monta 13:597,665 rs., alm das do
expediente, que anda englobado com o da se-
cretaria desta assemhla e a de um corrcio ,
como se v do mappa junto; porque a despe-
za com os amanuenses extraordinarios sabe dos
discontos feitos aos empregados nos vencimen
tos correspondentes aos lugares vagos licen-
cas e molestias.
Secretaria da assemhla provincial.
Tendo esta secretaria muito poucosemprega-
dos elTectivos, s acho despeza perdida a grati-
ficarlo dada aos tachigraphos pelos exercicios ,
quo nao fazem fura do tempo das sessdes. A
sua despeza provavel com o pessoal contan-
do o tempo das sessdes de 2:110,000 rs. ;
e abatidos os iOO.OOO rs., que julgo occiosos ,
ficar reduzida 1:710,000 rs.
A despeza do expediente das' duas secretaria*
tem sido oreada em 2:000,000 rs. e nenhu-
ma reprosentaco tenho recebido quo exija
augmento.
Corretos.
A administraco do correio pertencendo
repartico geral, nada tenho dizersobreo
seu estado actual, nem mesmo tenho tido tem-
po para mais quo evitar em urna s direccao ,
o abuso de repelidas arremataeoes sem con-
currentes e sempre em progressao crescente ;
mas sendo os correios o nico meio que esta
presidencia tem de communicar-se com as di-
versas autoridades, entendo eu que seria
justo ser autorisado o governo a fazer a despera
de algnm estfela ou correio extraordinario ,
que venha ser preciso para qualquer servico
puramente provincial sem dependencia de
approvaco ou consentimento do governo
geral.
Culto.
E' tao geral aconviccao que se vai voltan
do a geracao presente do que a religiao a-
lm de santa e divina em suas instituirnos
til e necessaria em seus fins que mal cabido
seria da minha parle qualquer esforco para
o fazer sentir. Limitar-mc-hci por tanto
fallar da organisaco ecclesiastica e dos tem-
plos.
Ha um hisbado nesta provincia : mns ella
tao estensa quo d ainda muito campo aos
bispadosdoRio-de-janeiro, S.Paulo. Bahia.
Pernambuco., e Goyaz para comprehenderem
muitasdas suaS fregue/ias.
A igreja Mineira est Sede vacante mas
foi j eieito hispo de Vlarianna e tem accei-
tado oExm.eRm"" snr. D. Antonio Fer
reir Vicozo em cujas virtudes e sabedorin
licito fundar grandes esperancas.
A S compde-se alem das dignidades exer-
vmiu] inn'3 oot.j, */* ft"> w-' .um
10 conegos.
10 capellaes comprehendidoo suh-
chantre e mestre do ceremoniac.
4 mocos do coro.
1 Organista.
1 porteiro da massa.
1 sub-thezoureiro.
A despeza com estes empregados, e suas
gratilicaedes monta a 8:663,33i ao que deve
junlar-se a quantia de 540,000rs. para sachris-
tia, e fabrica : e 800,000 rs. que diver-
sos ttulos sao destinados S. Ex Ra1"0, que
far elevar a despeza total rs. 10:000,334.
As igrejas parochiaes sao 173.
Vigarios collados 108
Encomendados 49
Igrejas vagas 15
Renunciadas 1
Com licenets 1
Encomendados com os parochos presentes 10
O total da despeza com a reparlicao ecclesi-
astica para o annofinanceiro de 1843 1844
est oreada em 79:116,974 rs.
De todas as freguezias
Pertencem ao bispado do Marianria 123
ao do Rio-de-janeiro 1
ao de S. Paulo 14
ao da Bahia _________21-
ao de Pernambuco
ao de Goyaz
6
8
D'Arezzo mostrou no rosto o seu espanto; c
Fabio applicou o ouvido urna bulha longiqua,
e n i ii r o i n mu :
Meio dia Nao ha duvida... ella mes-
mo. E eu que Ihe havia promettido estar s !.
depressa, depressa...
Que resmungas tu ah: ? Pcrgontou Rai-
mundo.
Eu ? diz Fabio arranando-se comopddc.
Digo, que faz um dia magnifico,e que urna lou-
cura emparedar-se a gente em casa com simi-
Ihante tempo. Ests tu prompto?
Entad agora ests muito apressado?
Por tua culpa.
Estou s tuas ordens.
Partamos.
Era tempo, e a impaciencia que mostrava Fa-
bio em arrastar com sigo o discpulo e amigo,
era muito bem fundada. Apenas haviafl piles sa-
hido por um lado, entrava Theresa pelo outro
com todas as precauQes.
o.-
A TISITA.
Quando a senboritaee vio no quartorie Fa-1
bio, subio-lhe o rubor ao rosto por um mo-
Tolal 173
Organisaco do syslema jndiciario e policial.
Sem ser prolessional creio que hoje est
gcralmenle reconhecido, que o syslema judi-
ciario do imperio melborou muito com a ulti-
ma reforma tanto na parte civil como nado
processo criminal muitoombora seja ainda
susceptivel de aperfeicoamentos quo nao seria
talve/ possivel darem-se em lempos como os
presentes.
Parte civil.
O rcgulamcnto n. 143 de 15 de marco de
1812 quo regulou a execucao da parle civil
da lei n. 261 de 3dedezembro de 1841 est
em observancia nesta provincia c vai produ-
zindo alguns beneficios segundo sou infor-
mado. porm digno de observacao aparte
relativa administraco dos bens dos Indios,
que julgo peior parada, que no tempo dos an-
ligos ouvidores. A parte administrativa pas-
sou para os juizes dos orpbfios dos respectivos
municipios, e a parte contenciosa para as jus-
ticas do foro commum sendo perante estas
seus curadores os juizes dos orphaos.
Esta provincia urna das que mais diver-
sas nacoes de Indios tem em si os quaes sao
sempre pobres : e parece-me claro, que, sem-
pre que Ihes I ni- feita aiguma violencia Ibes
cahir em cheio o antigo proverbio Tem ra-
mas faltalhe a justica.
(Continuar-se-ht.)
sao
leiro veio tomar lica, e Fabio, vendo-me diri-
gir-me para c, sahiocom elle.
O cavalleiro! repolio ella com tom de
compaixad irnica. Pobre rapaz... quando dei-
xar elle de me atormentar rom as suas epsto-
las tad amorosas o sobre tudo tao aborrecidas...
E.disendo isio,dedobrava urna carta, que ti-
nha na man, e que leo com voz baixa:
SRiioiina, ama-vossem vos conhecer; qup
sera se vos houvesse visto? Acreditar-me-
<( liis, sequiserdes, mas a paixadque me ten-
<( des inspirado um delirio, urna loucura,
urna vertigem De noute adejais em meus so-
nhos, como urna ponina branca, de dia a vos-
sa imayem vem por si mesma pr-se-me sob
o pincel... Vos^a imagem Com efleito idos
tratar-me como um mentiroso, visto quo de
a tn\ a v Mg magnificas trancas napolitana, o no vos-
so talhe mais delgado e melhor proporcion-
is do quo o da Venus antiga... erro! uorauo a
imayinarao os tem excedientes, egracasasua
lucidez, eu vos vejo a mais comple'a e a mais
't bella do mundo, O cavalleiro
Raymundo d'Arezzo.
ment; mas pnucoa pouco lhe passou osla per- mortificador este homem disse a ino-
turbaca involuntaria, echegando a urna janel-Ua delxandocahir a carta, e volveo os olhos pa-
la, donde so avistava a ra : I ra a ra, esmerando com impaciencia a volta de
Eil-o alli! disse... Ah j sei.,. o caval- | Fabio. e/fm d'alguns minutos Fabio appare-
PERNAMBUCO.
Tribunal da liclarao
SESSAO DE 16 PE JANEIRO DE 18H
Na appellaco civel desta cidade appellante
Jernimo Cezar de Mello appellado Hudnlfo
Joao Barata de Almeida, escrivo Jcomo; li
confirmada a sentenca recorrida.
Na appellaco civel desta cidade appellante
Francisco da Silva appellado Manuel Luiz
Goncalves, escrivo Jacomo ; se mandou ouvir
o curador geral.
Na appellaco civel desta cidade, appoilante
o tenente-coronel Joaquim Cavalcanli de Al
buquerque appellado Luiz do Reg Barros,
escrivo jacomo ; se mandou ouvir o curador
geral.
Na appellaco civel desta cidade appellante
Antonio Goncalves Lage appellado Joaquim
Henriquo da Silva escrivo Jacomo ; sejul-
gou pela confirmaco da sentenca appellada.
Na appellaco civel desta cidade appellanto
Francisco do S Peixoto appellado Manuel da
ceo na extremidade da ra, eunia alegra celes-
te se manifestou no rosto do Theresa. Atraves-
sara praca, subir as escadas e apresentar-se
foi para Fabio obra de alguns momentos; mas
era curto o tempo, pois que s havia consegui-
do separar-se de Bar mundo, prometteodo &w!i-
paidial-o d'ahi urna hora casa do conde de
Albi. D'Arezzo fdra compor-se de mam-ira que
nao ficasse em duvida a sua superioridad*) so-
bre Fabio, como fasem todos os namorados en-
fatuados. Fabio humilde e modesto em seu tra-
jar.com oem suas manciras, pareca na verdade
Raymundo um rival oouco temivel. O caval-
leiro da Estrella-d'oiro comprasia-se mesmo al-
gumas vezes em mostrar-se as ras du Flnren-
ca com seu joven proleSSor, porque lhe pareca
a comparaco toda em seu favor, e porque, na
sas IdcSa, Fabio Spciula lievia ser para Ray-
mundo v"Ar<-/./.w o que sao u peclas para o
diamante, o cobre para o oiro, a sombra imra o
sol. Havia promettid<
un 11
rpaia pr
curar Fabio, e este sabia que elle era exacto'
Estavo pois contados os seus momentos de ven-
tura.
Tolaviaos primeiros momcnlosda entrevis-
ta livero nao sei que de penoso e embancado:
os dous amantes, trocadas as ternas palavras,
que a alma dicta na occasiad de um encontr de-
sejado, ficrad em um silencio, que quasi pare-


PVBUCCA TITTERAMA.
MISERIA BRASIUENsE.
JROAL nK
se da so a cxlracco dos bi-
llietes restantes continuar
civol. escrivSo Bando\ra; forao despreados.
Osembar os*de Manoel Jos deSousaCar-
nciro e Joao Alvos de Carvalho contra Jos
Baptista Ribeiro di- Fariu, na aopcllacfl.o c'vel
desta cidado escrivao Jucomo ; forao des-
prezados.
Na uppella< .".o civel desta cidade, appellantes
os herdeiros de Jos Gomes da Silva appella-
do Daniel A.ntunos dos Res, cscrivioFerreira;
se mandor, pagar os 2 por0/.
Na apf M>lla<;iio civel desta cidade appellante
Joaquin ( Galdino da Poi appellada Mara da
Concei',-ao de Jess, escrivao Ferreira; se man-
dn p; igaroa 2 por ,.
Na appellnciio civel da cidade da Fortaleza do
Cear n appellante Francisco Xavier do Almei-
da., ^ppollado Si mao Barboza Cordeiro es-
cr'ivao Bandeira ; semandou pagar os 2 por0,.
Na appellacao civel dojuiso (los orlaos fiesta
Cidade, appellantes os administradores do patri-
monio dos orlaos desta cidade, appellada D.
Mara Candida Pina, escrivao Jacomo; se man-
dou ouvir o curador geral.
Pin Babeas-Corpus pedido en favor do preso
.Tos- Paes Brrelo; foi denegada a soltura.
o aggravo de potica > de Antonio Percira, do
juisodos orlaos desta cidade; se nao lomou eo-
pRacmenlo por nao ser casodelle.
Na appellacao civel desta cidade, appellante
Maooal Jos Goncalves Braga, appellado Kodol-
io Joao Barata de Almeida, escrivao Bandeira;
6e niundou ouvir o curador geral.
t.( a *^'"*" "f^
mmercio.
Alfandcga.
Rendimento do dia 16..........'7:8338907
etcarregao hoje 17.
BarcaThnmaz- Mellors diversos gneros.
BrigueRrasilian baca'bo.
BrigueFanny bacalhao.
BrigueS. Domingospedras.
BarcaCosmir-aWawanediversos gneros.
Barra liella-Pernumbucanabarricas vasias,
o cunbetes abatidos.
llovimeiilo do S*orto
- O ahaixo as.ignado faz sciente aos mora
dores do IbVquartoiriioda Ba direita do bair
ro de S. Antonio desta cidade que ein virtude
do oflicio abixo transcripto, que Ihe dirigi
osnr. subdelegado, contina a exercer o ein-
prego de inspector de quarteirao sendo a sua
residencia no primeiro andar do obrado n
120 no qual se devem npresentar os snrs. es-
trangeiros moradores no mesmo quarteirao ,
da publicacao deate a 3 dias, com seus titulo*
de residencia para Ihe por o competente vis-
to e do contrario Ibesera imposta a multa do
art. 108 do regulamenlo n. 120 de 31 de Ja-
neiro de 1841. = Caetano Pinto de Veras
lilil, snr. Cpnstando-me que \. S. ja
seacba recolhido a esta cidade, cumpre que
entre no exercicio do* lugar de inspector de
quarteirao que antes de retirar-se exorna :
do seu zelo e actividade espero o bom des-
empenbo do referido lugar.
Dos guarde a V. S subdelegada de po-
lica da Ireguezia de S. Nntonio 2 de Janeiro
do 18H lllm. sur. Caetano Piulo de Veras,
inspector do quarteirao n. 15. da Ireguezia
deS. Antonio Domingos Aflonso Nerc Fer-
reira subdelegado.
Oabaixo assignado, enearregado do lan-
camenlo da decima dos predios urbanos do ha-
irro de S. Antonio desta cidade, avisa aos srs.
proprietarios e a quem convier, que no diu
:{ do corrento principia o lencamente da refe-
rida decima, assim como previne aosinquili-
nos das casas que tenho promptos os recibos
do aluguer das mencionadas casas. Recife 2 de
Janeiro de 18U. O l escriturario ,
Joo Ignacio do llego.
Vice-romulado de S. M. calkolica en Pn-
nambuco.
Para a Ilha-de S -Miguel o patacho .//
be lo forrado e pregado de cobre de pri-
mer, man ba e decplenles comi.wulos pa-
ra passageiros pretende RlriT Ble o fon do cor*
rente por ter a maior parle da carga prompta;
ouem quiter carregar ou ir de passagem .;
iliria-aeaJos l'ereira lagos, na ra larga
doRozarion. "io ou a Germano SerraoAr-
naud na Praca-do-commercio.
s= Para o ssu seguir o patacho nacional Lau -
rentina, capitao Antonio Germano dasNeves;
quem qoiier carregar ou ir de passag...... dl-
rija-seaoseu proprieterio Lourenco Joio das
Neves na ra da Cruz n. 64, ou ao dito ca-
pitao. .
= O brigue nacional Hotventura aclia-se
carregado e prompto seguir para o Rio-dc-
lanoiro mproterivelmenta no dia -20 do corren-
te mas ainda recebe alguma carga muida OU
escravos : os pretendentes pdem entender-so
na ra da Cadeia do Recite n 10 ou com o
capitao Joaquim Pedro de S;i 0 I ana.
I.roos.
O corretor Oliveira fara leilao no pri-
meiro andar da sua casa boje 17 do correle
as 10b-asda manhaa de grande sortimento
de la/endas de todas as qualidades as quacs
serao vendidas por todo o preco que se ollcre-
cer ; assim como se vender urna porcao dos
L nm, r> -> i ('. |-" -
quealmde se nao'revolar ha sigilo, eso re-
compensar generosamenie.
_ Em caa de Avrial IrmSos, na ra da Cruz
n. -20 recebem-se assignaturas para o Jornal
di Cammercio .1. Rio de-janeiro : assim como
limbem se vendem enllocos das Icis o de-
rrotes do imperio (lo Brasil desde 1822 at o
prsenle o \futeo-universal historia da re-
voluco Iranceza dita do NapoleSo, tebou
de juros, eoulras militas bislorias. e follie
los ile limito boas o escolbidas historias, e bol-
las novellas mpressas no Rio-de Janeiro em
casado .1. Villeneuve& C.
__Roga-se a pe-soa. que tirou urna carta do
corroiovinda deOeiras para FranciscoXatier
da Cunha lenha a hondado dea mandar en-
tregar na ra das l.arangciras -obrado n. do
Claudio Dubeui. .
__A pessoa, que annunciou no />iario n.
12, tor urna preta para alugar dinja-sea
ruadoCabugno 1. andar por cima da toja
do cera.
Tendo-se descncaminbado urna letra de
rs 1:150.000. aaccada em data de 20 de se-
tembro de 1843 por Jones Patn & C. so-
bre Manoel Ferreira Hamos, a qual e vence
em 20 de julbo prximo e acceita polo mes-
mo ; previne-se por este meio ao publico para
que ninguem faca qualquei transaccao com dita
o se vomiera urna pvtyv (|ni ninguem iav Mu'" <" ;
mais perfoitos tpalos e botina inglezes de re- |,lttra vist0 qUc as necessarias providencias ja
"e duracao c principalmente S). nc|,r,o dadas.
conbecida grandt
\avio entrado no dia lo.
T>" i- :.--.:- c\r. it-- i_:....l.r*'iriarniip/
i\io-iic-ianeiiu tuins unjj"*- .......i -
lleelors, de 176 toneladas, capitao LuilC.
Ilajersing equipageu. 10 carga lastro; a
consignaco de Le-Breton Schramm & Com-
pa nbia.
Navioi sabido* no dia 16.
Bio de-janeiro; brigue brasiluiro Principe-
Augusto capitao Joaquim Soares Meariui ,
carga diversos gneros.
Rio-Grande-do Sul ; brigue nacional Pnn*
cipo imperial de 19S e meia tonciladas ;
capitao Jos Mara Ribas; equip. 15 car-
ga assucar e couros.
cia abatimento. Fabio sobreludo com a cabeca
cl.eia do nsinuacoes do prfido adelo, e dos io-
insidiosos motejos d'A-ezzo, ced..man, grado
sou. urna surda aRtaV5o. pensando que emlm
tantos encantos, innocencias ingenuidadeappa-
rentes poda. muito bom ser so um *J&-
ca'.lasse odiosa perversidado. A calumnia inlia-
Ihe introdusido n'alma suspeitas, contra as
uaes era preciso luctar com tolas as lorcas do
seu amor. Thercsa adivinhou este interno com-
bate, sem Ihe penetrar o sentido, e pegando-lne
as maos disse-llie com ternura:
Que tenues vos? Estis docnte .'
SaO vos admiris disto, responde triste-
mente Fabio. Bem o sabis... tenho as vM
ideias lgubres, estravaantes... Ha momentos
emoueinui sinceroctia.no a multe... IMM-
vol- pela vezpri.i.eira. muito lempo ha. e_ vou-
me persuad no. re or.V em leiicnlade...
_ Ainda assim. diz "> prompto a rapariga,
__-.........., ..r mo oueixar-vos da otterilida-
de de vossos tiahallms. ..
_ NVrdade, Theicsa, que depo.s que vos
u coidieco tenbo reaHsado um dos pensamen-
^qoom.;^ charos ...eerao;possov,v,rd,
El infrascripto v. cnsul deS. M.catholi-
ca orevine a los subditos he panoles, en esta
cedlidv provincia, y misino a los traiueui,
lea, que por orden superar, Oliste abierta u-
n8 Subscripcin voluntaria, en mano dcUub-
dito hespano! I). Bonito Antn... Bomingueti,
i la callo nueva para el lin de se er,.r un mo-
numento a las glorias de Espna Ntanm*
la independencia : invita pues, el .n r-sT.plo
a los hijos de la nacin a que se apresuren a
concurrren con el que sus riMU**1
triotismo les permita .PJVSJaf/S
v digno fin. Vice-consulado de I r
ambuco a los 13 .aero 184*. \ ^-coMUl,
,1J" tfuno Mara de bttxat.
_ Faz se saber aos subditos Britnicos, re-
gid enteaeropernambuco que no J^"^"
(eir 20 do correte pelo meio da lera lugar
o consub do britnico da ra da Cru, o ajun-
.".ento dos s ibscriptores para todos os hns
designados no acto Goo : 1N Cap. 87 Con
salado britnico emPemambuco 14 de Janei-
ro de 1844. U. A. Co,cper, cnsul.
Oue espoculava com a u.concia de vossas
nocessidados Pobre Fabio! Efuieuquovos
^ab"^.sol..ossobreac.>bicadess^mem
fui eu quem primeiro vos disse; labio, y s
tondi rnais aLuma cusa do que talento tfe
nda genio! lisqucccslcs ludo isl- meu a-
SnT N vos recordis, que .1 ...inh. voz
se ios abrirG as ponas oo fulu.o. J ';'-
verdes dilo. estendendo-me a mao. lhtresa,
n qualo estiverdes ao meu lado, como u,.
iuar'da v guante como o anjo que vela em o-
dS os meus passos, juro prezar a v.da tra-
illar com gusto, o nao pensar maisem ac-
bar com a vida !
_ Sim reeordo-me. dosse juramento ,
Therosa Vo fl com toda a sincer.dadc da mi-
,,|,,,|,:,mL. e se algumasvezes vos parece .que
delle me esqueco...
_ p.rquc vosesqueceis do mim mesma ,
acabo.. Theresa com vozcommov.da.
_ OU! nao digis isso .
princip
no lempo de invern por seren manufactu-
rados de enhedal muito superior.
Manoel Antonio Pinto da Silva, tendo de
mudar de ostabele imonto de marcineiro fara
leilao por intervenco do corretor Oliveira do
toda a mobilia, que comprchende o que at
a^ora te.n tido, consislindo esta em rommodas,
caderas, sofai, leitos. armarios, bancas, mar-
quetas roncadores, m-aas. inclusive urna
mobilia completa do Jacaranda, trramente e
hancos doolcio e muitos outro* trastea com
a|KUmuso; oqnetudo se vender;, paral.qui-
,|ac8o: sexta feira 19 do corrento as 10 horas
da manhaa, no seu ar.nazem na ra da Cruz ,
por detraz do Corpo-sanlo.
Avisos diversos.
Ssaov^^rode'^orge.-asuarecep-
moerao; iiww ira w v.isao*. h enca
mg&SSr^&saasitssti e -r...........-- -
LOTERA DO THEATRO.
O ihesoureiro des a lote-
ra declara da maneira a mais
positiva, e le minante, que as
respectivas rodas anclAo im-
nrelerivelm nie no dia 30 do
corrente, e lalvez antes des-
verdade... Ainda a pouco... Quem vol-o-
dlTheresa tinha dito muito. Tornou-se ver-
melha e halbuciou a'gumas palavras d oxp ica-
eo que Fabio nao ont.-ndeo Este incidente
oha'via de novo laucado em grande pe.piexida-
de. Thercsa depois de se iranquilluar con-
" Bem vedes, que as minl.as predieges se
realisao, e que a gloria...
_ Ah exclamou labio, como quem des-
pertad de um sonho a gloria que me 1111-
DOita a loria, se nao tenho no mundo a quem
della ollereca a metade Que valle urna coroa,
se se nao partilha a sua realeza?
Nao, nao, dispenso esses triumphos 1 he-
rosa porque sao inuteis alma magoada que
nao sabe sentil-os o os praz.res do mais legi-
timo orgulho irritao um coracao ulcerado-----
yue .pjeieis ui/i-i cun issu
_ Quero diier, Theresa que sobre o meu
nome pesa urna falalidade..Sou, como meuipai,
destinado a otlrer.,. e hei de soffrer. (.orno
meu pai, tambemime empenhei em urna luda
violenta, ass.dua, doosperada con. os homens
c as cousas... Elle suecumbio eu como elle
suecumbirei. ,
iheresa tinha os olhus rasos de lagrimas,
se acbao dadas.
Francisco Ferreira da Silva, subdito
Brasileiro retira-se com sua familia para
Tira do imperio.
FABRICA DE RAPE
PRINCBZA
G VSSE fabricante c legitimo inventor do
bem acreditado rap princeza do Bio-de-Ja-
neiro, rom seu deposito geral na ma da Cruz
do Recife n. 38 o outro na ra do l.ivramen-
to n 13 avisa, que as muito boas qualidades,
que'possue o seu rap as quaes pela grande
estima e crdito que progresivamente de da
,., dia teem obtido n-esta c as mais partes ;
bem conhecido por um considcravcl numero de
tomantes, e nao consta ter mofado urna so li-
lira- por sso faz publico, que toda equalquer
pessoa oue queira especular com o seu rap ,
attendendo as superiores qualidades, elle fabn-
cante adverte, que se responsabilisa pelo seu
rap por qualquer forma e com condiceoes,
que o mesmo comprador pode apresental-as.
__ L'm moco Brasileiro, cazado o de boa
conducta, se prope cr.:-:r.ar piuneiras .curas ,
fora desta praca ; assim como sua mulher a en-
cinar meninas a ler escrovor contar, e inda
qualidade de costura, bordados, lavarmlos,
e marcar ; quem de seu prestimo se qui/er uti-
lisar, annunce.
pali.itacoes do coracao: aproin.ou-se mais de
Fabio, o Meu amigo, frequentes vezes mo tendes
tallado de vosso pai... Entao elle foi. .. mul-
lo. .. infeliz ?
Estas ultimas palavras mal as haviao articu-
lado os labios. Theresa para as pronunciar ,
,..;.. rcunidotodas as toreaa, o no rosto se mo
aviso pintado os signae's damais pungente
emocao. labio respondoo con. arrebatamen-
"' Se elle foi infeliz! Queris julgal-o,
Theresa'.' Queris, que vos cont lodosos
pormenores dessa longa agonia, que eu nao
ouso chamar a vida de meu pai.'
Bem vetes vol-o-lenho pedido !
Ouvi-mepois, e persuadi-vos que se aos
rneus olhOS e ao meu coracao nao fosseis urna
c.nii ..-w. nrgUerlB diante de vos o veo desse
uguVre passado, nao vos narrara urna histo-u
ria que loi o nico legado de urna ma. moribun-
da a seu lilho. Theresa o que vos vou reve-
lar o segredo de um tmulo.
- A rapariga dispoz duas cadeiras, de maneira
a ficar em frente de labio que, levando a mao
a testa, como para recoiher->e em sua memoria,
conv'you assim. ,
[Conhuuar-se-ha.


'
--. -1
K'.VvW^l*,. .
= Ainda est por alugar o primeiro andar
do sobrado n. 03 em Fra-de-portas, com bas-
tantes commodos para una familia, cozuilia
lora dispensa quintal e cacimba, tern boa
vista, mu ito fresco a sabida para o mar; a
tratar.com Joaquim Lopes de Almeda.
Aluga-se um quarto com alcova para
hornein solteiro, ou para urna mulher capaz ; a
tratar na ra de S. Amaro n. 20 de manhaa
at as 9 boras, o das duas as 3 da tarde.
Deseja-se fallar ao snr. Joaquim Jos
Fernandos a negocio de seu interesse ; no
pateo do Hospital do Paraso n 18.
Aiuga-se o primeiro andar, c soto cor-
rido rectificado i pintado de novo da casa
da ra da Cadeia-velha n. 11.
= Deseja-se sabor se inorto ou vivo ,
Joao Ferreira filho de Manoel Joaquim Fer-
Ainda est para se alugar a casa terrea
nova com bonito soto de (i janellas envidra-
cadas no bero do Sengado ; assim como ou-
tra na-rita do Padre Floriano ; a tratar na ra
da Cadeia n. 25.
- (uem tiver pegado um concliz quefu-
gin nudia 15 do corrento da ra de Ilortas ,
quoira leval-o a mesma ra tenda de tartaru-
guciro junto ao acougue ou no sobrado per
cima do mesmo acougue que sar gratificado
generosamente.
Roga-se ao sur. Prudencio Jos Lobo de
Figuoiredo queira dirigir-sea loja da esquina
ao pedo arco de S Antonio que vira para a
cadeia entender-se com Antonio Martins de
Carvalho.
Jos Francisco de Lima faz sciento ao
publico, que deixou de ser caixeiro de Joa-
reira natural de Pombeiro reino de Purtu- quim Dias Femandes desde odia 12 do
gal que veio para esta provincia em lins de
1827; roga-se as pessoas quedo mesmo tc-
nbao noticias, de annunciarem, ou dirigirem-
se a ra do Crespo loja de Joaquim da Silva
Castro.
ss Joo 'Lavares Conkiro mudou a sua re-
sidencia para a ra do \ igario n. 13 primei-
ro esegundo andar.
Qucm precisar de urna crioula forra para
ama de urna casa de pouca familia dirija-so a
ra das Cruzes n. 32.
= A luga-se urna morada de casa terrea mu i
bertl construida a moderna com seis quartos ,
duas sala*, corredor ao lado, cozinlia lora,
quintal murado o cacimba sita na Rua-au-
gusta n. 72 ; na ra do \ igario n. 12 casa
de Timotheo Pinto Leal.
- O inspector do 20 quarteiro da fregue-
sa da Boa-vsta achou duas cabras (bichos ) ;
qucm for seu dono dirjase ao mesmo ins-
pector na Passagem n. 38.
= Jos da Maya se offerect* para receber em
sua aula meninos que se destinao a seguir a
carreira commereial para o que se Ibes ensi-
nar a fallar eescrevor as linguas ingleza ,
e franceza arithmetica e conhecimento dos
cambios ; escripturaco por partidas dobradas ,
o geographia; tambem se ter cuidado em que
os alumnos adquiro um bom carcter de let-
tra ; os pais que quizerem mandar seus filhos
a esta aula dirijo-se ao annunciante das
duas boras as 5 da tarde, em sua casa na ra da
Praia n 39.
Quem precisar de urna parda para ama
de casa, dirija-se a travessa lo Calebouco n. 1.
= Os credores do fallido Joaquim Jos
Lourcnco da Costa fazem sciente a todos os
moradores das casas pertencentes ao cazal do di-
to fallido para a sua intelligcncia, e seguran-
za que os recibos dos alugueis d'ora em
diante, s> sero valiosos os passados por Ma-
noel AlvesGuerra, e Manoel Antonio de Aze-
vodo por se acharem para isso autorisados pe-
los mais credores entregando-os dopois a An-
tonio Jos de Magalhcs Basto para proceder
ao dividendo por ter tambem sido nomeado
pjra similbante fim pelos mesmos credores.
Alugo-sc duas inoradas de casas sen-
do urna assobradada e envidracada em F-
ra-do-portas do lado da mar grande n. 6 ,
e a outra n. 4 ; a tratar com Manoel da Silva
cor-
rente e em particular avisa aos freguezes da
mesma casa que Ihc nao paguem dividas con-
tradas na dita de quaquer quantia, que
seja do contrario incorrero na pena de as
pagar segunda vez.
= Precisa-se de urna ama de meia idade ,
para servir a urna casa de pouca familia ; na
ra larga do Rozario n. 35 segundo andar.
=Precisa-se alugar urna casa na Solidade, ou
na ra do Cotovelo que tenha quintal e
cacimba cujo aluguel nao exceda de 7 a 8a
rs. mensaes; quem tiver annuncie.
= O padre Joo Jos da Costa Kibeiro par-
ticipa aos pais de seus alumnos, que no dia
primeiro de fevereiro pretende abrir a matri-
cula de sua aula na ra do \ igario n. 11 ,
primeiro andar.
O deposito do gelo acba-se na ra da
Senzalla-velba junto ao Beco-largo n 110,
aonde contina a vender-so pelo mesma preco
de bordo.
= Miguel Correia de Miranda embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro a sua escrava crioula, do
nome Anna.
ss Arrendiio-sc partes do sitio da Capelli-
nba quevae para a Passagem-da Magdalena,
rom muitas arvores de fruto e grande csten-
raode terreno para plantacocs, e capim sem
casa por pertencer a outro senhorio; na Rua-
no va n 67.
= Aluga-se urna casa no Atlerro-dos-afb-
gados por 6400 rs. mensaes com 3 portas
de frente, duas salas, 3 quartos, cozin ha fu-
ra ; a tratar na Rua-direita n. 66.
= Alugao-se duas pretas, que sabem co-
zinbar, engommar, e lavar; na Praca da -
Boa-vista n. 7.
trariioem exercicio as mestrasha pouco chega-
das de Lisboa.
O agrimensor, abaixo assignado, olerece
os seus serviros s pessoas que tivercm propie-
dades demarcar c afianca a mais escrpulo
sa exactido e o maior zelo no desempeuho da
sua arlo ; devendo lodos os que do seu prest-
mose quizerem ulilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao mesmo abaixo assignado na Ba dircita ,
sobrado n. 121.
Joaquim da Fonseca Soares de Figuei/edo.
Compras
RAPE FINO FRINrEZA
ra-
.tes,
Precisa-se de urna mulher
para mais de 40 annos para servir em urna
casa de pouca familia distante desta praca 6
leguas, dando-se Ihc o sustento e mais al-
go ma rtnrjsa conforme se justar; r.a ra cs-
treila do Rozario n. 32.
'fondo do benzer-se na manhaa de 18 do
corrente a imagem do glorioso S. Amaro por
se ter de novo encarnado ; roga-se a todas as
corporacoes religiosas o obsequio de ( o signal
urna girndola de fogo ) mandarem dar um
repique de sino em demonstracao do rego/.ijo
DA BAHA E RIO-DE-JANEIRO.
= Acha-se venda o mu oxcellento
pe da nova fabrica doGodinhoda Baha, e do
Bio-de-Janeiro pelo mdico preco de 1:000 rs.
cada libra : este rap chegado ltimamente ,
c torna-se milito recommendavel pelo seu bom
aroma : roga-se aos compradores, desediri-
girem ao nico deposito existente n'esta pro-
vincia na ra da Cruz n. 16, que ainda
encontrarte meias libras e levando poreo se
far um preco muitorasoavel.
= Aluga-se um segundo andar de sobrade ,
I na ra do Rozario larga n 40 : quem o pre-
que tenbn tender dirija-se a ra do Crespo n. 14
= Compra-se effectivamente nesta Typogra-
pha toda a qualidade de pannos cortados ou
velhos de linho, e aigodao, toda a especie
de fibra linheza aigodao do refugo em ra-
ma papel e papelao velho.
Comprao-se para fra da provincia es-
cravos de ambos os sexos, de 12 a 21 annos ;
no armazemde cabos defronle do Corpo-santo
Compra-se um relogio de algibeira ;
quem tiver annuncie.
= Comprao-se dous ou 3 bancos dos que
usao as escolas; quem tiver annuncie.
Comprao-se effectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos do 12 a
20 annos, sendo de bonitas figuras pago se
bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio so-
brado de um andar de varanda de pao n. 20.
Compra-se effectivamente para fura da
provincia mulatinhas crioulas e mais escra-
vos, de 13 a 20 annos, pago-se bem, sendo bo-
nitos ; na ra larga do Rozario n. 30 pri-
meiro andar.
Comprao-se 4, ou 5 portas vclhas; quem
tiver annuncie.
Compra-se um jogo de bancas e meza
redonda para meio de sala que sejo do Ja-
caranda e usadas; na ra de Aguas-verdo.
n. 4i.
Compra-se ouro velho sendo do lei ;
no Atterro-da-Boa-vista, loja deourives n. 57,
do Costodio Manoel Gonealves.
= Compra-se um diccionario latino de com-
posico j usado e um dito francez ; quem
tiver annuncie.
= Comprao-se effectivamente para fra da
provincia mulatas, negras e moleques do 12
a 20 annos, pagao-se bem ; na Rua-nova .
loja de forragens n. 16.
Vendas
= O abaixo assignado Hebrard, Pre com
botequim na Rua-nova n. 69. participa ao
rcspeitavel publico que seu filho Augusto- He -
rard deixou de ter ingerencia em todos os seus
negocios, tendentes mesma casa nem se
responsabilisa por quaquer negocio, que o
mesmo seu filho lizer a tal respeito ; pois que
ser somonte valiosa para o dito estabelecimen-
to a firma de Herbrade Pre
= As chancellaras dos v. consulados de S.
M. Catholica e da Repblica dos Estados-Li-
desse acto, para oqua!, bem como para oda pro- nidos do Rio da-Prata ro transferidas para
cisso que se ha de fazer na tarde do mesmo o 1." andar do sobrado da ra do Amorim nu-
c
dia levantamento da bandeira na madrugada
de sexta feira soguinte e novena do dito San-
to se convida a todos os seus devotos ; a pro-
eisso sae da igreja da S. Cruz da Boa-vista
= Precisa-sede um homem que soja ca-
par e acostumado a fisgeos para acompu-
nhar urna familia para (iaranhuns e as visi-
nhaneas do Rio de- '.-Francisco; na ra do
Torres n. 4.
= Precisa-se alugar um sobrado do um an-
dar, com solio e cacimba, em quaquer das
ras do bairro de S. Antonio; quem tiver
annuncie.
O mestre alfaiatc que precisar do um
contra-ineslre, annuncie.
Ouem precisar de urna ama para tndn n
servico de urna casa a qual sabe coser lavar,
engommar e tratar de todo o mais arranjo ,
dirija-se a ra de ilortas n. 74.
A luga se urna mor-'da de casa de dous
andares, e grande soto com quintal e ca-
cimba, e alguna arvoredos do fruto, sita na
Praca-da-Boa-vista ; a tratar na ra da Cadeia
do llecife o. 25.
mero 15.
COLLKGIO-SANTO-ANTONIO.
= Esta aberto o dito collegio o em exer-
cicio as aulas das linguas nacional, latina ,
grega franceza ingleza italiana e hes-
panhoUk, cas matriculasabertas para philo
sophia geometra rhetorica geographia e
historia; o exercicio das quaes disciplinas tera
principio no dia 17.
As aulas de prendas k comeco no mez do
fevereiro. Bernardino Freir de Figueiredo
Abreu e Castro director.
as Aluga-se o encllente predio da ruado
Amorim pertencente ao Exm. sr. Manoel de
Carvalho Pes de Andrade, o qual foi por mui-
Vende-sosal de Lisboa, cm grandes, e
pequeas porcoes; a tratar com Leopoldo Jo-
s da Costa Araujo no Forte-do-Mattos.
Vende-se urna escrava de naco boa
engommadeira ecozinbeira; um escravo bom
canoeiro ; um dito de servico de campo ; urna
escrava quitandeira o lavadeira ; na Rua-di-
reita n. .!.
=Vende-se um escravo de nacao bom ca-
noeiro ; urna negra com urna ciia do umanno;
e3 duziasde costado de vinhatico ; na ra de
Apollo n. 20.
ac Vendem-se 8 arrobas de novo e ptimo
chocolate; na ra do Vigario armazem de
atracar a fallar com Jos Paulo da Funseca.
ss Vende-so um apparelho para guarda na-
cional do cavallaria sendo barretina pluma,
talim com pasta canana selim com todos os
seus pertences tudo quasi novo ; na ra es-
treita do Rozario botica de Joan Pereira da
Silveira.
= Vendem-se taboas de pinho da Suecia ,
costado costadinho, e forro para fundos de
barricas de 20 a 30 palmos do comprido e
por preco em conta ; atraz do theatro armi-
zem de Joaquim Lopes de Almeida.
Vende se um escravo de nacao, de 18
annos ptimo para todo o servico ; na ra do
Queimado casa de Antonio da Silva Gusmao.
= Vende-seum elegante carro de duas ro-
das de solida construccao, emboas molas, com
os arreios competentes ; no Atterro-da-Boa-
visla a tratar com o segeiro Emilio ; tambem
vende-se um cavado para o mesmo carro.
Vende-se urna cama de amareo nova,
urna marqueza de condur duas banquinhas
de amarello cm meio uso, urna cama de ama-
relio encherges c colxes tudo em mili-
to bom uso urna duzia do cadeiras de sergei-
ra em miso uso ; na travessa da Madre de Dos
n. 16, segundo andar
Vende-so urna cama de armaco nova ,
de angico por preco commodo; na ra da
Guia n. 29.
vulgar, os siViptomas as causas, e c trata-
mento das mol stias ossoccorros quo so de-
vem prestar no; accidentes sbitos, os contra-
venenos de todos os venenos tonhecidos os
preceitos para a tonservi.cao da sade, as plan-
tas, 8 preparadlo< dos remedios caseiros, ,&c,
dous voluntes om t juarto com 950 paginas or
10 rs.
zz. Venem-se n iQzicas pata piano forte, re-
centemente chegadis de Lisboa ; na loja de
Joao do Albuquerqut'e Mello na ra do Ro-
zario, esquina da de Queimado n 18 A.
=r Vende-se a histt "ria de Gil Braz em i
tomos urna frasqueir. i com 11 frascos grandes
e pequeos, tudo poi' proco commodo ; na
travessa das Cruzes n 8.
Vendem-se diccin, tos classicos hist-
ricos geographicos, mi thologieos para uso
geral, e particularmente y 'ara os seminarios .
collegios o aulas ; na ra da Cadeia do Re-
cife n. 23.
Vendem-se pegas do o iro de 6400 rs. ;
na ra do Vigario n. 19.
Vende-se um escravo m oco com oflicio
decozinheiro ; na Rua-velha ">. 111.
Vende-se por precisao un 'acama de Ja-
caranda nova e feita com tn uito gosto ; e
urna dita de condur j usada pu, r 13000 rs. ;
na ra estreita do Rozario n. 32.
- Vende-se urna escrava de nat o Rebollo,
coso, lava, o vendo na ra; na 1'onte-velha
n. 20.
Vende-so o resto das superiores i pilulas ,
um rico e de milito bom gosto par de brin-
cos de brilhantes ; na ra da Cadeia d o Reci-
e, loja de cambio do Vieira, n. 24.
Vende-seum palanquim de braco s em
bom uso ; e urna negrinha de 12 anno.' ; na
Solidade sitio pequeo do Herculano ou na
ra da Cadeia-velha n. 11.
Vende-se um escravo de nacao de .ida-
de, mas ainda robusto, que ganha 640 rs.
por dia, grande horteleiro canoeiro, o tre-
pador de coqueiros e outro ainda moco ,
com toda a pratica de servico de engenho, ou
troca-se por quaquer d'elles urna escrava de 40
annos ; Atterro-dos-aflogados, casa terreara-
vidragada n. 171.
Vendem-se duas cscravas com bonitas fi-
guras sendo urna de 14 annos o a outra de
20 esta engomma ecozinha bem e aquel-
la cose soffrivel o recolhida ; na Rua-nova
n. 30, terceiro andar.
ss Vende-se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro pedras de marmore redondas
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palhinha camas de vento
com armacao marque/as, so fas mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500,
ditas de pinho a 3500, assim como outros mui-
tos trastes ; pinho da Suecia com 3 poBcgadas
degrossura, dito serrado dito americano de
difieren les larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinho e barrotes ; na ra de
Florentina em casa de J. Ueranger.
= Manoel Joaquim Bernardos aulorisado
competentemenle ( com consenlimento do se-,
nhorio ) vendo a armacao da loja da Bua-nova
n o cGn as fueiiud. us nreiendentes din
jo-se a mesma.
= fbomaz de Aquino Fonceca na ra
do Vigario n. 19, vendo rap princeza chega-
do ltimamente do Lisboa ern caixas de 100
libras a 2560 r<
ss 'Vende-se urna escrava de 30 annos, boa
qnitandeira o lavadoira ; na ra do Alecrim
n. 17.
= Vende-se urna casa terrea na ra defron-
le da Gloria ; a falla na mesma ra n 7.
Vendem-se por preco commodo dous
cazaes de rolas de Hamburgo; na ra de Aguas-
verdos n. 36.
Vendem-se transelins de ouro do loi e
do uitimo gosto, e soore tudo de pouco dinhei-
ro chegados de Franca pelo ultimo navio ; a
fallar com Affongo S. Martin no segundo an-
dar do sobrado quo faz esquina da ra do
Cahug para a ra das Trincheiras.
Escravos fgidos
= Vende-se a vida do D. Joo de Castro .
abUov wlqario vice-rei da india, a peca do captivo
Cumpajihia eJusRay, e assim mais o ter-de Fez, e a caverna da morte, tudo por preco
ceiro andar e soto da grande casa da ra do [commodo ; na ra doQueimado n. 18.
Collegio, pertencenteaomosinuEim.tr.; os' Vende-sena loja de Joo lardoso Aire*,
pertendentei dirijao-se ao corretor liveira. na ra da Cadeia-velha urna obra publicada
COLLEGIO DO ESPIRITO SANTO. no Rio-d,--Janeiro no anno de 1813. intitu
A (I i re tora do dito collegio tem a honra lada diccionario de medicina popular, pelo
de participar aos pais de lantilia que estfio doutor Chemoriz em quo so descrevem se-
abuta todas as aulas do mosmos; e que ja cn-lgundoaordem alphabelica e em linguagein
tos annos nrrnna<}o pe!"
= No dia 15 do corrente fugio o preto Izi-
dro meio bucal, de naco (jingolo de
20 annos, de 7 palmos de altura bem feito
do corpo candas e bracos delgados rosto
descarnado olbos regulares e muito vivos ,
nariz chato o bti.o inferi.- cabido, tem de-
baixodo quoixo urna cicatriz pequea, com
n mGmm un uabeiios cor preta sem bar-
ba pos largos e grandes, ievou camisa de
aigodao de mangas curtas e calcas de brim liso
3 rotas no assento, e com um remondo azul na
entre-pernas ; quem o pegar, leve a ven.ia de
Loflor na ruada Cruz, que ser recompen-
sado.
Rbcifb ; ua Tip. db M, F db Faria ^=1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW8MWTOOZ_A9G0UZ INGEST_TIME 2013-04-13T01:11:43Z PACKAGE AA00011611_04557
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES