Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04548


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Z'
Anuo de iSiM.
Sexta Fcira
*.
O Di io pri.lic.-a. iodo. o. di*. ,,e .fio fon-i., san. .ir,,l.K ylec ,,, ,,,,, ,
,. ,,. ,r,s tailr. porqu. p.go..d.MUdo.. O ..uncilo, .VU, t07S
,.,,.. Jeque .,,,, lon.n, ,., ,le Sl ,,|s p, |,|,, A, .,.,.,,, lV, s
gid,, ., e j, Independencia l..j. de lm-, s (i e S
PARTIDA DuS CORRF.IOS TERRlSTREr
Goum, e l'*k "gnod... .ex. f,,r.,._ |< <;,,,, ,, Notk; .....fei __
1al-.. Sermbtem Bio Foraoso, porlo ij.l,o, M.cey e Al...,,, J -- alai
de o.d, -;"''"' .<>""" O, 34 de e me, -Boa- Flore. 48
'> .lio. Udadeda Victoria, qnintaa '..;,,, O'.ia-U i.i.......;...
DAS D\ SEMANA.
I Se;. V Circumris.io ilo cenbor, s, Enfr
/ 2 Toree s". leodoro, Arpeo
;/ Quarla s Aprisio, ) Anlfro.
r.-.u!u
"U i,s t.lils
Ironna.
i. r.iu!o.
/i Quinte s. 1 i"> discpulo le
5 Setit s. Siinc'io Eelellisle.
l Sal). + Di.d.n reie m.goaGaipar, Mleeior er.abaiar.
7 Dom. Theodoro moiige, s. Ncelo.
y de Janeiro
Armo YX. IV. 4 >
ir^grgf*u.?^'.4 j:j ^L^fg.'Xflg*xTan^i|-gum<>-**^'iUJBgflj.li bbh in
Tuda >^.iri depende de n. mes.no |i nos** iiruie'eia, "" e cn>rga .un
i) / Todo ,-nn de|.....de de mi. mes.no |i no.......ile-.-i. rni ragjo1 e enrrgu ,-on
y^^1,^ linuem i como principianio* e s-,-,1..* -i, i ,:. 1. < ,.,, edintre^ti entre m nagi'iea mate
/SV'-' cuitan l'ru 1 iMiaq... di \--.inll i Geral ''u man.;
\\0. 'W/ '" "MBios o Un i iik iimiu. compra, renda.
r*
Cambial olit* I nnd
l'ans 3.0 re. |,,.r franco
Lisboa 11 por lOJ ,),- premio
Oure-Moedade 6.10 '. .*>' M.*W
\ |ii,11)11 Irt.jlT.)
.', 4 un I
Pesoa-columinnaree
Pitos Mexicano
1>, J0 '.' 00
-i.'.tu 1.920
I.UO.I ,:'-'l
i .ooii ,y.'<
Moi'iladt cobr 2por cenio,
dem de letras Je boaa fira.aa I a I 1(1
PifASKS DAL \ SO MI'./. DI. JVXEIRO.
I.iit r>ieia a.S s .'! Iiir.is ,- I.S min. da lirde iL'lanora a li> a J hora* <-(>-/ min daiarile
Minjuamea l.'a 7 lior.n e Ifl mili ,la i..r-1 11 c enle 1^1 as ill i, je |0 m. Vrtomar de lwj<.
Prtmefra as 5 horas e is min da manb la, |Se;nnda a ;; horai e 'J minntoa la manli ,a
kszb raras r ^a^.-TKAiEijan iriTtTfT- fVHii ifijSsaKsz as '-',.-: r*arg:intiL
grs-srestrv-tiBa-'.'.inE
PERNAM
-.j.^-.:.-='?:rin-ffja? .:-^f.r;-;?.M -----...-iirg-eiPf.-anPBr/ ..- ag.'.,-;'-
unua
EXT
E
IIR PANIIV.
Por oxpresso, choganio n osta capital, recohe-
mosfolliasilo MalriJ at i de novembro e
conti'in noticias mui importantes.
O ministerio achava-se em lim organisado ,
e assiin composto : presiilento do conselho o
ministro ios negocios estran^eiros, D. Salas-
tiano Jo Olosaga ; ministro da UStica l>.
Claudio Antonio de Luzuriaga memoro do
tribunal supremo de justica o depulado as
crtrtes pela provincia de Logrn no ; ministro
dafaienda, D. Manoel Cantero, antigo di-
rector da caita do amortisacao e deputado
pela provincia de Madrid ; ministro do reino ,
1) Jos Flix Domenech, membro do tribu-
nal supremo de justica cx-deputado s cortes
pelas provincias do Barcelona e Taragona ; mi-
nistro da guerra o tcncnte-gci.cral D. Fran-
cisco Serrano deputado por Malaga ; minis-
tro la marinba commercio e ultramar, I).
Joaquim do Frias senador pelas ilbas Bal-
cures.
Os dous ltimos ministros pertcncem ad-
ministracao transacta.
A cidade do Barcelona entregou-se no dia
20 s tropas da rainlia por capitulacao nos
termos que indicamos cm as noticias de Hespa-
nha cima transcriptas com pequea altera-
oao. As tropas oceupavao a cidade.
Eis o documento olcial transcripro afia-
zeta de 25 (|ue d;'i conta destes successos.
Exercito de Catalua, ss Kstado maior. -=
Exm. snr.=Asfrcas do meu commando oc-
'iipao Barcelona em virtude do convenio esti-
pulado : nelle fiz algumas concesses de poli-
tica o do conveniencia publica a lim de
inaugurar o reinado de D. Izabel 2.a com um
acto de clemencia, segundme foi determi-
nado pela real ordem de 11 do corrente que
deo motivo a to feliz desenlace.
eAnno-bom pelos ingleses. O presidente do i convenio ser declarado (,ra da Iei, e entregue do>speracao fr;.i de vencer os seus tnais ter
conselho responden que o governo nao tinha no-1 aos tribunaes competentes,
ticia alguma desse assumpto. Art. ti. As tropas naoenlrao em Barcelona
Pouco depois entrrao os ministros na cama- como hostia, mas sim para abracar os seus llu-
ra dos deputados, onde se via numerosissima didos irmos. (D. doGoverno.)
V. Ex nao desconhoce os innumeraveis in-
teresses de toda a especie que se abrigao den-
tro dos muros do Barcelona ; o a tomada desta
praca Ierro o fogo destruira o porvir Jo nu-
merosas familias originando urna catstrofe
no comfico do reinado que cometamos a dis-
frutar. En mu felicito Exm. snr. por ter
entrado em Barcelona como pacificador antes
do que como vencedor; o smente anhelo
jila o iiieus ucios lodo dirigidos ao bem da
uonarchia mereci a approvcaa do S. I\I.
Sao immeosasas altencoes que neste momen-
to absorvem a minba imaginacJIo e mo rou-
bo o lempo necessario para dar a V. Ex. os
minuciosos detalbes que me cutnpro transmit-
tir-lho. Anhelando que S. M. nada ignore
do que occor'reo neste pai/. mando pela pos-
ta com este olicio o meu ajudante de campo o
tenente-coronel Figueirola o qual de viva
voz po lera dar V Ex. quantus explicacoes
desejar faber.
Bogo a V. Ex se sirva fuer presente a S.
M. esta participaco para suasatisfaco. Quar-
tel general em Barcelona -O do novembro de
o...
concurrencia. OSr. Cabellen), ex-ministro, a-
cbava-se sentado no seu antigo lugar da extre-
ma esquerda. O presidente do conselho tomou
a palavra; e com voz pausada o tom solemne
pronuncinu um curto discurso, ouvido com re-
ligioso silencio, em quetracou a vereda consti-
tucional e de perfeita igualdade para com to-
dos os partidos que peicorrera para alcancar a
felicidaile do paiz, e merecer a conlanca da rai-
nha e do parlamento.
la proceder-se nova cleicao para presidente
da cmara d is deputados, por ter deixado esse
lugar o actual presidente do conselho.
Sobro as tentativas do assassinato contra o
general Narvao/. publica o Castellano o seguin-
te:
Saojii tres as tentativas de assassinato alei-
voso contra o denodado Narvaez: primeiro qui-
zerao minar e lazer vour a casa em que habita;
depois leve lugar a espera e as descargas que
dorad a morte ao infeliz Base ti; e por ultimo
laucad inao das armas de que usavafl os Horgias
e os Colynoriosdo veneno Temos atravessa-
do urna larga revolucao, teem succedido ho-
micidios no meio do furor dos motins, e quandn
as paixocs estavo mui agitadas; tramar porm
sanguefrio nina, duaso inais vetes um assas-
sinato horrivel, iniquo, contra um general be-
nemrito que ha scividolealmentea suarainha,
|e a libe.dade da sua patria, e que nao tem ou-
tra culpa seno a de vencer no campo de na ta-
ina as hostis ayacuchas, e defender na capital
a ordem e a fortuna dos seus habitantes, isso
o que nunca se havia visto em Hespanha, o
que somonte eslava reservado para urna pandi-
Iha, que se alcunha de nobreeliheral. Nao, nao
nos culpe a Europa por taes iniquidades, por-
que a nacao inteira se horrorisa ao ouvil-as ,
detesta os seus fautores, e pedo a vindicta le-
gal.
I BLANDA.
L-se no Vacional de l'.iri/. o seguinte :
Da crise irlandeza.
O govemo ingle/, declarou definitivamente
I/- srion Square, 20 de outubro.
Manifest de O'Connell aopovo Irlandez.
i Amados compatriotas: Achamo-noseui-
ponhados na pro va mais nobre que nunca ne-
ii ti ti ni honiem nem nenhuma arc.lo tem expe-
rimentado, temos procurado obter a restau-
racao das liberdades e dircitos, de que temos si-
guerra a Manda Depois de ter por muitos do iniquamente despojados, e chegar a esta res-
t.-mpos alTetado esprezr o movimento da revo-! tauracfto por^meios inteira e puramente legaes o
gacao nnuifesta de repente os seus temores,
probibindo as reunios, li cert imente, se san -
guiaras collisoes nSo teent perturbado a paz
publica, a culpa nao do ministerio, lina
pacficos. esta urna grande cnpreza. Te-
n lio desejado o tratado oe provar todo o mun-
do, que a intervenco moral do povo o meio
mais poderoso de alcancar o mellroramoiito das
inlituicoes de um paiz. A emancipacao catho-
vez empenhados na via de repressao, os orM, |fca 6- una prova disto e a re\ ogacO da uniao
nao podem recuar ; e por isso nao nos temos i legislativa pela abrogacSo do estatuto 40 de Jor-
admirado de ver chegar a Dulilin a ordem do | ge 3., cap. 3S, 5 outra.
prisao para O'Connell e sen filho.
A populacao, vivamente indignada llcou
Oomtudo pacifica ; nem se quer um grito sedi-
cioso sabio da muiliilao que acompanhou o
libertador a casa dojuiz, e, corno sempru ,
os Irlandczes teem obedecido s exortat des do
seu chefe. .Mas esta paz ser tluradouta o
povo cercado de tropas hostis resistir s provo-
experiencia leve bom resultado ; temos culebra-
fio uos vinte ituxtingt monstros para demonstrar
a forc, e a universalidade dos desejoa do povo
irlandez, pela restauraco do seu parlamento
particular. Nunca se reuni tanto numero de
homens com objecto pacifleo como nestes m$e-
tings.
Alin disto oulro laclo igualmente certo 6
cac.les, e a voz pacifica de O'Connell cncon- queemnenhum destes tneeHngs tem havidoo
trar ainda por muilo tempo cebos fiis entre os
opprimidos ? Uto 6 diflicil de acreditar.
Desde a accusacSo de O'Connell, data o ver-
dadeiro principio da criso irlandeza. Ate ao
presente os partidos nao teem feilo senao pro-
mais leve acto de que se teuha perturbado a
paz. IV- ai isto bem vos todos os homens ge-
nerosos que tendos no melhoramento do ge-
nero humano em qualquer parte do mundo que
habitaes. Gonsolai-voa com esta convicco de
parar-se para a luta : o governo, reunndo lr- 1ue innumeraveis m.lhares de homens se teem
' r. ii i i reunido sem violar em nada a paz, a ordem e
cas considerayeis, accumullando municoes de Q dccoro nacJona, l
ti Luuieu^u
Ib ..
JUIt-u.
i.\i... 0111.
da guerra.
A Gazeta publica tres bandos do general Sanz,
datados de Barcelona o Io. permiltindo de 21
em dante a entrada o sabia livre de quaesquer
pessoas na cidade ; o 2. designando o forte de
Atarazanas o o convento de Belem para a rece-
pe.lo das armas da milicia eacion.il dos patu-
leas e jamancios ; co 3. considerando deser-
tores as pracas do corpos francos que niio se
aqreannarem no prazo das 24- horas autori-
dade competente.
Continuad as lelicitacSes S. M. a rainha, c
as demonstracde.s de regosijo em multas povoa-
Cdea do reino visinho.
No dia-2.1 compareeAro no senado ns novos
ministros Olosaga. Serrano, Domenech, Cnta-
ro, Luturiaga e Fras, e o presidente do conse-
lho fez a sua expnsitao.
O marquez de S. Felices inlerpellou o gover-
Acha-so preso o em processo um.soldado
comprado para introdusir veneno na comida de
Narvaez.
Escrcvem de Barcelona a 20 que as tropas en-
trrao na cidade pela nina hora da larde. A in-
fantaria levava a sua lente o general Shelly, e
nunnlmn nata '. > 'I*. Plia H>l Iflnitfl r*u-
[i. i,- .../vi [ii ni ..,. v mi ..i. .... ... ,%aaiMj| ~ .. --
vallara pela porta dol Argel. A capitulacao foi
feita pelos revolucionarios mais decentes; ma-
pa rece que ainda lia outra junta do rel, a que os
seus stellites oceupad tres pontos que lisamen-
te se naodesigno; unsdi;.em que sao a oatlio-
flrnl f..*...... i- *2 I t..... a I .,-. i ..-.( .. ii itr i-.
Uij| piuyu >it sj. .itatni' \j iiviuiiji".'| -"
quo sao o Carmo, e suas iinmo lia .-des. So al-
ies naoeviiuarema pratja (diz o correspon len-
te do Heraldo) leremos escaramuce, o (carao
por urna vez escarmentados.
Pelos documentos offlciaei firmados polo ge-
neral, I). I.uareano Sanz ve-so quo os revolto-
sos redorad em lodos os ponto^ da cidade, e que
a ordem nao lardara em ser restabeL'cida.
O convenio consta das seguidles condados:
Art. 1. Os defensores de Barcelona reconhe-
cem como at aqu a rainha 1). Isabel II, e pres-
tan obdicneia ao governo.
Art. 2. A milicia nacional pode conservar as
armas ou largal-as, e lira sugoita a roorgani-
saco.
Art. 3. A fonja restante ser dissolvida.
. r i\. ..............I,...-----UII.Afl .1- Ia4 n
.XII. -. ""^ 11 |> > nuil l'iiiiin.i.' ''- '."'ii.-' Q3
classes recoberd passapirtos, para aguarda-
ren! a resolugad definitiva do governo.
Art. 5. Serorespeiladas as opinides poli-
ticas.
Art. 6. Desde a ratificacao do convenio ces-
sard os processos por delictos faitea.
Art. 7, = t)s prisioneiros fleo sobre a protec-
co do governo.
Art. 8. Impetrar-se-ha da benignidade do
S. M. indulto para os j condemnados.
Ars. 9. Ser examinada a cobranca e ap-
nlieaelo *>o fondos nue houve em Barcelona
desde 1. de setembro.
Art. 10 5A deputacao provincial e ajunta-
mento serio renovados segundo a iei.
Art. 11.-0 convento dever ser brevemente
ratificado para quesepossa celebrar no dia do
fioje 19) a cessacao da situacao critica do Bar-
celona.
Art. 12. Qualqner pessoa pode sair da cida-
de para fura do reino
engrossar o numero dos
do sobre a oceupavao das HUas de Fernando P( Art. 13. Quem so opposer a uxecucao do
guerra, fortificando os quarteis; e o povo
reunindo-se em massas compactas nos meetings,
para manifestar as suas qucUds, e formular os
seus votos.
O ministerio lauca boje a sua luva Irlanda,
os seus orgos nao dssimlao os seus pro|ec-
tos. O governo, diz um delles est deci-
dido (azor cessar inmediatamente todas as
reunidas, assooiacOes e oommissdea da revo-
gacio. Elle tomou todas as precauroes, a-
junta oulra follia e mette O'Connell em pro-
cesso porque parece que tem as ruaos os
meios de o fazer cundemnar ; c os consellieiros
da corda nao duiido do resultado. E pois ,
moa guerra de exterminio queso prepara con-
tra a Irlanda se ella tratar de resistir. O
poder executivo diz o Morning Poti est
decidido a collocar artilluria a todas as princi-
pies portas de Dui.iin para impedir s popu-
lacdes ruraes o virem
des ontentes.
Emquanto o ministerio toma esta attitudc ag
gressiva as reunides continan em Inglaterra,
e na Irlanda. Em Bermigbam umareuniao de
cidados honrados manifestou altamente a sua
admirado pela conducta de (''Connell o do
povo irlands; cm Sligo os revagadores
declarro que sustentario O'Connell at ao
ultimo momento da sua vida. O tribunal ar-
bitrario organisado pelo libertador j 80 acha
installado o nao se sabe, se a associacao da re-
vogagao ter ainda reunides.
Na situacao dos nimos, bastara urna faisca
nara nhrnjur n. Ifljnda. O CinC.! aCCUSO'.G
de traicao o conduzido perante um jury nao
se torna um homem ordinario : a causa do
seu paiz que vae comparecer tt tea. Do resul-
tado do processo depende a aorta da Irlanda.
Porm esta nao duvidosa um vereditum de
absolvico ser a condemnaco solemne do go-
vernoi ingle/. se pelo contrario o jury con
demnar o agitador quem pode prever os-re-
sultados da sua sonlenc ?
O ministerio acredita provavelmente ter pre-
( lm miiio laclo que (ambem caracterisa os
nossos meetings vem a ser que o povo eslava tao
disposto evitar qualquer acto de violencia ,
que nem urna so disputa se moveo, nem acci-
dentalmente, nestes meetings. A experiencia de-
mnnstrou completamente: primeiro; o voto
unnime, universal do povo irlandez em favor
da revogacao do estatuto 40 de Jorge cap. 38,
j chamado Estatuto de l nio : segundo; o
! procedimento pacifico do povo irlandez.
A experiencia to pouco nos tem engaado
com a inutilidad^ du proclamacao dirigida con-
tra meetings de Clontarf. Antes pelo contrario,
e a prompta submissao a urna proclamacnque
julgamos, e ainda julgan.os Ilegal pela manei-
ra, com que o povn nbandonou a ideia de cele-
brar o seu meeting, logo quo os seus cheles Ihe
fizro ver que assim era necessario tudodeo
evidentes provas de que as licoes de paz, que os
seus ebefes Ibes teem dado, se teem comprebendi-
do, e adoptado pelo sentimento popular, e
chegrao a ser a regra lixa e naltcravei de sua
conducta poltica: sima proclamacaodemonstrou
que o povo irlandez est bem convencido do po-
der de seu pacifico procedimento para que se
deseje ver provocado a commetter a mais leve
violencia. Sim : a mencionada proclamacao
velo mostrar at evidencia o ardor com que os
lilandezes se adherem ao sentimento honrada
do que se podem obrar mudanras polticas uteis
e permanentes, por meios pacficos e moraes ;
cen lim que nenhuma destas mudancas deve
comprar-se com um crime nem com urna s
gota de sangue humano
lalvez se me perguntar : que exige ento
o povo irlandez? Honrado com a confianca a
inii.' i i i i ni i mu u >U'' i -" < i* liil Piuyuu tC CCTaCC"
dido nunca a um individuo o meu dever a-
conselhar, usando um pouco desta influencia
quequasi se ussemelha ao mando.
Dous sao os meus pareceres. Aconselho a
perseveranca em doUs casos dilTerentes, mas
essencialmenle unidos.
Em primeiro lugar aconselho a perseve-
ranca na ordem e na paz : a perseveran(a em
fugic a toda a collisao, a toda a violencia qual-
quer quo seja ; qualquer que seja tamben, a na-
tureza da provocaco ; qualquer que seja o des-
visto todas as laces desta luta comecada perante contentamento e os males que nos lacao sem-
ostribunaes, para evitar a guerra civil. Vvei-
ligton conta com as suas tropas; e o mais pe-
queo oretextoser o signal d. car.iagem.
Tal tem sido em todas as pocas apoltica
da Inglaterra a respeito da Irlanda. F. sem-
pre a tiros quo ella ten. foi lo callar os descon-
tentes. Mas os lempos teem mudado ; os Ir-
lande/es se leem aguerrido, e nao seria pri-
uieira ve/, que. un po\o tenba esgotado a *uo
prC pZ O I ,11 ill i nr,irr m.
ca : e torno a enearregar que, qualquer que se-
ja o rcciitado das adunes persaguierjei, sem-
pre paz ordem e nada de violencia. Este a-
viso ama precaucio superllua; mas em todo
o caso insisto c;n paz, ordem e nada de vio-
lencia.
O segundo ponto, sobre o qual aconselho
perseveranca, trabalbar sempre por meios l-
gaos e coniUtUCronaes para obter a revogafio du

s


OJU ^,f,
BHta
*
estatato la unilo. A nossa pretcngao nao de-
ve abandonar-so; antes pelo contrario cada
sucoesso pro va cada vei mais a necossidade abso-
luta de uin parlamento local sanccionado por
S. M. e unido inviolavelmento domina-
dlo inglez.) pelos lagos dourados c.vantajosos da
loria Pnnovofai nanas, ordena, lealdndee
obediencia ; perscverai na obra constitucional
para oliter a, revogagao do estatuto, de que to-
mos fallado.
Nunca as perscguiees destruirlo urna
grande causa : poden) sim retarda!*! ; mas nao
terminar as lulas, que teem por objccto obter
melhoramento as suas instituigoes."" Multas
dolas houverao para deter a luta da emancipa-
dlo ; com tudo nos a obtivemos triumphante-
mcnte. Tambem as houve innumeraveis para
suflocar a causa da lerma par.i mentar e a-
|)csardelta*obtove-se grande reforma.
As actuaos perscguices nao podem ter por
objecto destruir a causa da revogagao e sto
eria o mesmo, que se um menino quizcssc fa-
zer mais Ir.ilha com a sua campainha do que as
vagas do Ocano. Deixando a linguagcm fi-
gurada posso allirmar com toda n vcrdadc ,
dir que a nacSo chegue a gozar o direito de um
parlamento particular; antes pelo contrario
farad* mais sensivel a noccssidadc de urna legis-
acao.
Povo di Irlanda ; sede paciente e perseve-
rante. Continuai a experiencia que temos co-
megado para obter por meios pacficos os nos-
sos direltos polticos. Esem duvida urna no-
bre empreza tratar de obter a rcstaurago dos
meios pacficos e lgaos. Reuni-vos ao redor
de inim para esta prova e para esta gloriosa lu-
ta. Tenho a dizcr-vos nao te deixes abatcr
nem te espantes.. Paz, ordem o tranquilli-
dade estas sao as nossas armas. Com ellas
estamos seguros do triumplio. Perseverai e
o vosso paiz ser urna nagiio ligada do nrvo in-
dissoluvelmente lira-Bretanha ; mas fazendo
as.suas leis. Perseverai firme e pacilicamente ,
e a revogaco est ce;ia. Sou e seroi sempre
vosso fiel servo. Daniel O'Connell.
(Crise. *| ((J Patriota)
RETROSPECTO POLTICO.
Em Montevideo o cnsul geral de Franca c
o commandante da estado naval fazao todos
os esforgos para dissuadiem os rancezes, que
teem tomado parte na luta travada entre Oribe,
e Rivera de continuar no seu empenbo.
Na America do norte havia o encarregado dos
negocios de Inglaterra em \ eracruz suspen-
dido as suas relacocs com o governo mexicano ,
mconsecuencia deste se ter recusado a tirara
bandeira ingleza d'entre os Irolos que erigi
em celebragao do urna batalha naval ganbada
pe|os Mexicanos.
Na Nova Orleans azia a febre amarella gran-
des estragos c especialmente nos periodistas.
Tres ou quatro redactores em chafo do peri-
dicos teem suecumbido : cha peridicos, que
j teem perdido dous redactores.
Km iaiiv oi a cidade de Prio-princlpe
theatro do una nova nsurreido que feliz-
mente Iwgo s*fLou. No a i ue setembro
um general de brigada preto chamado d'Al-
son, tratou de se apoderar do forte, que domi-
na a traca ; porm em quanto se empenhava
intilmente em seduzir o ollicial que gover-
nava o (orte cheguu um regiment, edis-
persou os revoltosos ; ficando morto o chefe da
insurreiclo.
No Egypto dizla-se em Alcxandria.quc Ach-
met-Pach se declarou independonte na Nubla,
fronte de 40,000 prelos, a instigaclo dos In-
glezes.e da porta. Mebemet-Alli provenio Ach-
met, que se nao se Ihe apresentasso a dar contas
do seu procedimento ira em pessoa procu-
ral-o.
Na Grecia, ainda que as declaraces do re
Othon tcnhio conjurado a tempestado politica,
que a rcaccao ia embraveceudo em Athenas ,
parece nue o viio de porto. Toda a viola-
rao de fidelidade jurada constituirlo confir-
marla a suspeita, que recae sobre elle, e cau-
sara o seu desterro, como nico meio de o sub-
trahir a urna sorte uiais fatal. Segundo a opi-
nlao de alguns jornaes allomaos a situado da
Grecia das mais delicadas, e exige a maior
circunspeegao da parte dos diplomticos. Os a-
pistas actualmente senhores do poder, assus-
tao-se da sua propria obra e nao se atreven
a levar ao Um o plano de substituir a dynastia
reinante porouira. Tudo faz acreditar, ditemua
mesmos periodistas, quo os acontecimentos de
lo de setembro SO alcanzarlo a sanegao aa
Franca oda Inglaterra.
Na Russia tinhlo comecado os gelos a 2l de
setembro. A mperatriz, e as grl-duquezas Ol-
ga e Alexandra chegrao a Zarskoje-selo de
volta da sua digressao Moscow. No da 22 de
setembro baptisou-se o grao-duque Nicolao ,
ijlho dv bjirdeiro do throno, cuja ceremonia se
fez com grande pompa no palacio de Zarsko-
je-selo.
Na Dinamarca publicou o rei um decreto ,
permittindo osmatrimonosmixtos entre protes-
tantes, e catholicos, attendendo, queasclasses
pobres nao podio pagar o imposto estabelocido
para as licencas de taes unoes. O governo au-
-r:---- a ulaftr9i8fl Analtas
l i I l 'l l > .....
previa autorisaclo.nem pagamento de direitos,
limitando-se a oxigir, que os conjuges fagao
abencoar a sua unilo, por um padre protestan-
te e outro catholico.
Na Allemanha corra a voz, de quo o rei de
Bavira trata de ir a Grocia informar se ocul-
tamente do estado das cousas; e das disposgGes
dos naturacs a respeito de seu filho o rei Othon.
Com motivo de taes rumores diz um peridico,
que se os protestos do mencionado rei da Gre-
cia sao sinceros o passo do rei de Bavira
intil, c imprudente. Golocotroni, compromet-
ido nos ltimos acontecimentosda Grecia, che-
gou a Munich onde foi muito bem recebido
pelo rei de Bavira.
Na Italia tinha o papa declarado no negocio
relativo occupaglodas legaces que no ca-
so de novas revolugoes se julgar insufTlciont'S
osseus recursos para as reprimir se acha dis-
posto a pedir o apoio da Austria ; porm nao
quer ouvir fallar de intervendo franceza.
O duque de Aumalo chegou o Roma a 29 de
outubro, depois de ter recorrido varias cidades
da Italia comoTurim, Genova. Lime, Fio-
renga e Civita-Vccchia. Em toda a parte, tem
sido obzequiado. Propde-se ir a aples c
Malta e depois ^sitar todo o littoral de Al-
geria.
Parece, que no Piemonte tem apparecido al-
gumas guerrilhas politicas similhantes as que
recorrem os estados pontificios.
Diz-sc, que alguns dos comprometidos nos
movlmentos revolucionarios da Italia se teem re-
fugiado na Corsega e quo o governo do papa
pedio ao da Franga a sua entrega ; mas acredi-
ta-se, que este nao acceder a esta supplica.
Na Suissa os cantos de Berne eZurchdiri
giriio.ha tempo,notas amcagadoras ao de Lucer-
na c agora esto tomando todas as disposicGes
necessarias para por promptos com a maior bro-
vidade 30.000 homens, os quaes acudirs ao
ponto cm que a revolado levante a sua bun-
deira.
Km Inglaterra esperavlo-sc em Londres os
duques de Nemoure e o duque de Bordos. A
presenta dusles principes era o assumpto de to-
das as conversagGes.
Formou-sc em Bermingham urna associaglo
nacional entre todas asclasses laboriosas da In-
glaterra, sendo o seu objecto fa/er os ministros
a coroa legalmente responsaveis da prosperida-
dedopovo.
O governo inglez contina a azer considera-
veis preparativos para reprimir a guerra civil,
queameaga rebentar na Irlanda.
O palz de Galles n5o deixa de ser victimado
frequentes incendios, e dcvastacesatlribuidos
malevolencia dos revoltosos.
Parece, que o governo inglez enviara instruc-
coi'S ao seu ministro na Grecia, as quaes des-
approva os principios da revoluco grega; con-
siderando-a con) tudo como um facto consum-
Di/.-s^, que a Franca taruiem a roco-
nhece sob igual aspecto ; porm exige do rei o
cumprimento das promessasde 15 de setembro.
"* com psta cinilirrSn
nft\p
r-----
Hr
com o seu apoio.
Na Irlanda, se o governo desenvolve urna ex-
traordinaria energa noprocessoiustaurado con-
tra O'Connell eseuscumplices osaecusados
pela sua parte nao se descuidao. Os advogados
.le O'Connell tivrao urna conferencia com el-
le em sua casa a qual durou desde o meio dia
at as cinco horas da tarde. Parece, que o go-
verno trata de indagar, que pessoasassistirao
reuniao de Mallow quando all seapresentou
O'Connell. Os empregados da policia tinho
chegado a Dublin e dero informac5es a M.
Ardeston chele do dito ramo em Mallow. S-
milhante actividade da parte do governo pa-
rece dar a entender que os dados adquiridos
nao sao bastantes para alcangar a condemnacao
de O'Connell. O tribunal, que deve julgar este
celebre tribuno tem-so reunido. A concurren-
cia tem sido extraordinaria e reina nella a
in.ilor agita'cSo. Os aecusados forlo recebidos
pelas ras com muitos aplausos. O objecto
das sessfjes foi nicamente declarar n5o a cul-
pabilidade destes mas sim se devem ser for-
malmente aecusados. Em urna das sesses ha-
vendo-se o jury retirado sala das deliberagoes,
tretanto propoz-se dirigir um manifest ao povo
protestante da Irlanda a im de desmentir as
aecusaces queselhe lazcm : Io em projec-
tar urna separacao e 2 em querer submetter
o paiz influencia da corte de Roma. J tinha
feito a leitura do manifest o qual foiappro-
vado peloconselho arbitrario. Kspera-se o re-
sultado da causa de O'Connc com a maior im-
paciencia.
Segundo a opinio de alguns jornaes inglo-
zes da opposicSo, vao ad(|uirindo fundamento
assuspeitas da intervengo ingloza no reino de
Lahore. A revolugao, diz o Aforning-Chro-
nicle que acaba do rebentar em Laboro de
tal carcter, que talvez provoque a intervenco
da Inglaterra nos negocios do Punjab e urna
anneXaco eventual desse frtil palz s posses-
soes inglezas na India
Em Frangaannunciou-seoficialmenteavia-
gem do duque.eduqueza doNemoursaLondres,
a qual se verificou no dia 9 Esta viajem cha-
ma muito a altengo da imprensa que faz so-
bre ella grandes comentarios, em consequencia
de se encontrar precisamente nesta poca em
Londres o duque do Brdeos.
SS. AA. RR. embarcarlo em Dunquerque
no vapor Archimedes que os conduzio ao seu
destino.
Os jornaes france/csconiem tristes pormeno-
res acerca dos desastres causados pelas inunda-
goes do Rhodano, edoDurance, em resultado
das copiosas chuvas dos ltimos das de outu-
bro, e primeiros de novepibro. A cidade de Avi-
nhao acha-se inundada : o Rhodano arrehatou
a ponte de Bellegarde, que serve de communi-
caclo entre o Languedoc, ea Provenga : o di
que do mesmo rio entie Tarascn, e Arles rom-
pe'o-se ficando completamente inundadas as
planicesdo Arles,e Beaucaise. O Durancear-
rehatou quatro fontes. As desgracas felizmen-
te nao teem sido muitas, ainda quo alguns edi-
ficios teem sido destruidos. O Isere, Dusamer,
o outros ros, quedescem dos Alpes tambem
tinlilo engrossado conslderavelmente. Attri
buem-se estes fenmenos ao corto dos bosques ,
que povolo as vertentes da cordiJheim pela par-
te da Franca, e cuja falta communica as aguas
urna formidavel potencia de destruicao. lti-
mamente sabla-sc cm Marsclha que a inun
daglo ia dimiuindo.
Acreditava-se em Parlz, que a rainha Chris-.
tina voltava Hespanha pelo extraordinario
movimento, que se notava no palacio do Cour-
celios. Aigumas cavaigaduras de carga )tinhlo
partfdo para Hespanha o dizia-se, que toda a
comitiva partira no dia 15 de novembro.
Parece que o ministro dos cultos de Fran-
ca dirigir urna circular aos bispos e arcebis-
pos do reino exhortando-os a que nlo sigao o
exemplo dos bispos de Lyon, Chaions, Langris,
e diz-se que a dita circular est redigida em
termos ameacadores.
O principe Jusu Soutzoapresentou amr.Gui-
zot as suas crcdcnciacs como encarregado de ne-
gocios da repblica helvtica em Franga.
Segundo as noticias de Algeria o coronel
Evnard hbvia completamente pacificado as tri-
bus situadas ao sul das montanhas de Ouaren-
seris sem disparar um tiro. Havendo o governa
dor general de Algeria mandado urna columna
de 3 a 4 mil bomeiM paia proceder ixagao
dos limites daquelle territorio com o dominio do
bey de Tunes ; esperou eni vio que se apre-
cnnioeenrn c !" ^otoncisrics dsstc para o sr-
ranjo segundo eslava convencionado. Os
Francezes tivrlo, que ac8mparem um terreno
descoberto oque occasionou muitas enfermi-
dades na tropa.
Na Hespanha trata-so de mudanca ministe-
rial. Aflirma-se que o ministerio Lopes
persiste em nlo qterercontinuar na gerencia
dos negocios nlo obstante os esforgos ,. que
se tem feito. Parece, que so propoz urna com
binaglo, entrando para o gabinete dous corifeos
da opposicao, porm estes nlo quizrao aeccitar
o encargo. O sr. Ologaia acha-se incumbido de
compor o ministerio mais parece quo en-
contra grandes difTiculdades.
Os centralistas de Barcelona ainda se susten-
tavao. Km Gerona capitulen Ametler, mas re-
tirou se com as suas tropas para Figueiras, cujo
castello tem abastecido ; e tem imposto pena de
morte a quem desertar ou fallar contra a jun-
ta central. -_
! geral a opinilo de quVa socego da Cata-
lunha nlo ser duradouro. J
Continuavao as (estas pela exaltadlo da rai-
nha ao throno.
Falla-se da demissao do general Narvaez e
.:______..:.i ~. u..
IU,UlIUn_.ilVJ-' +\r
II.
as cortea tinhlo havido varias interpclla-
*ltWU,pU990Ud livit
vido um erro material no appellldo de um dos
aecusados, cujo nomo so inscreveo Petcr Ja- j goes sobre desarmamento da milicia nacional ,
mes Theyerney, em ve/, de Tyrrel. Depois de e sobro outros assumptos.
urna longa duracao o presidente autorlsou o O governo hespanhol approvou as condires
cscrlvao para riscar o appellido engaado e da empreza para a navegacao do Tejo desde A-
substituir o v.-rdadeiro. O'Connell apresen- ranjuez at Lisboa.
lou-seao conselho arbitrario e manifestou ,' Em Portugal representou a cmara munici-
que respondera a tudo aquillo, de que tem sido pal de Villa-franca de Xira pedindo a de-
aecusado no tribunal do banco da rainha. En- missao do ministerio. A cmara dos deputa-
dos depois de suspender por tres dias ou seus
trabalhos por falta do numero conlinuou a
funecionar por chegarem alguns deputados das
provincias. Os projectos vo sendo discutidos
a galope, c a miseria publica contina. [dem)
NOTICIAS DIVEUSAS.
A Gazea Colonia! de Londres diz que Sir
Robert Peel.tencionando levara ofeito um tra-
tado de commercio com o imperio do Brasil ,
tenciona reduzr o direito de entrada ao as-
suoar estrangeiro .e que na prxima fulla do
throno se mencionar este projecto para sor
quanto antes decidido pelo parlamento.
O'Connell contina as suas reunioes em
edificios particulares recebendo as propinas
para a revliago da unilo c preparando-se
para responder nos ins de novembro perante o
tribunal. o paiz de Galles ainda nao desap-
parecro os turbulentos o nao ficrao escar-
mentados com o castigo do seu chefe Rebecca.
Tem-se destruido mais portagens e barreiras;
e a policia anda oceupada em procurar os ag-
gressores.
__Mr. Libois, procurador das associacao
etrangeira da propagaclo da f residente em
Macau partcipou para Londres que o doulor
Castro gerente apostlico em Pt-kin Ihe dera
aviso de terem sido marlyrisados na Corea ,
provincia limitrophe do celestial imperio tres
misionarios francezes, eduzentos o cincuen-
ta christlos indgenas que forao todos sacri-
ficados. ( Diario do Governo )
Amor paternal. A le da conscripiuo deo
lugar no dlsti icio de Cahors a um desses acon-
tecimentos que manifestao at que ponto po-
de chegar o fanatismo do amor paternal.
Um honrado lavrador da suhprefeitura de
Saint-Cirq diz o Radical-du-Lol, vio chegar
a poca do sorteio do recrutas com essa anflie-
dade dolorosa que alimenta em nossas popula-
cies a preoccupaglo. Chegado o dia, acompa-
nhou o seu filho a prefeitura. O mancebo met-
teo a mi na urna e o pai empalideceo ,
quando ouvio pronunciar o nomc de seu filho.
Jlo Lafon poisquo assim se chamava. Es-
te propunha-se entao a declarar ante o tribu-
nal que nlo tinha boa sado o que quasi
sempre acontece em similhantes casos, quando
o pai que se achava atraz delle gritou di/endo :
Nao lemas Jlo, que eu tenho um meio do
livrar-te.
Sahiro ambos da prefeitura c frlojantar
a um sitio prximo, c, durante este, pouco fal-
larlo porque estavlo tristes. Acabada a col-
laclo partirlo para a sua aldeia rmi, tendo
que atravessar o rio mettrlo-se na barca quo
all havia para este fim e quando esta j ia no
meio da torrente o pai de Lafon lungou-se
agua. Seu filho e mais alguns individuos, que
tambem ao na dita barca se arrojarlo logo a-
traz elle porm ou fosse porque se conscr-
vasse inalteravel a sua vontude de acabara exis-
tencia, ou que a asfixia fosse instantnea, quan-
do se conseguio recolher o seu corpo forao
inuteis os soccorros para chomal-o vida. Es-
te inflexivel chefe de familia tinha cumpridoa
sua palavra o seu 11 i to icava iivro porque
era filho de viuva.
Dito inicioo. = Madama Deiina an-
tes duqueza de Borgonha gostava muito da
pesca. Um aldelo que observava certo dia es-
ta "finceos no eu diyijriimentQ favorito nao
pflde conter-se ; elbedisse: Por muito bem
que madama Delfina pesque nao podera pes-
car melhor peixe do quo j pescou. Com hi-
to fazia alluslo a ter esta senhora casado com
o Delfim.
Exemplo digno de imitaca. O director
do um dos theatros de Londres mandou an-
nunciai qu se darilo 500 libras o urna
grande parte do producto da entrada ao au-
tor da melhor comedia ingleza de costumes ,
que se aprsenle no seu theatro por todo o cor-
renle anno. O premio ser adjudicado por u-
ma junta composta de Iliteratos o actores.
(O Patriota,)
NOTICIAS 00 PAQUETE.
As olhas inglezas aleando at 22 e as
francezasat 20 do corrente f novembro. )
O processo de O'Connell c de seus cumplices
progreda e o advogado geral por parte do
governo empregava os maiores esforcos para
que no dia 27 comecassem as audiencias do
tribunal quo deve julgar definitivamente essa
causa importante. No entanto os advogados
dos aecusados ;io dos recursos legaes para
i prc!rsh:r a uCa un qucSio.
A renda da associaclo da unilo tem aug-
mentado muito, desde que comegro as perse-
gulcoes judiciaes contra o agitador e seus com-
panheiros.
No paiz do Galles teem serenado mais os ni-
mos ejnlose contlo os antigos ataques
contra as barreiras e portagens.
O duque e a duqueza de Nemours devio
partir de Londres para Parz 25 e estavo
I I
i


V
o
b
gitOS os preparativos para a sua jornada.
Contina a residir no palacio de lord
Mhtirv nerto do Liverpool o loveii d
O grao-duque Iffguel da Itussia chegou a
Shre- Haya, e assistio a grande revista de tropas, e
verpool o joven duque recebeo a gr-cruz da ordem de (iulieruie, que
llie concedeo o rei de Hollunda.
Os jornacs allomaos noga que o rei de navie-
ra tencione lser una viagom incgnitamente
Grecia; e ajunto quo mrs.de Pyscalon o de Le-
n seesforcao, aconselhando ao rei Othon, que
sustente os principios da revolucodo setombro.
[Patrila.)
icpsbury porto
de Brdeos.
fundos nortugnezes lieavo a \\ e 05 hes-
panhes a 31 i'*.
A imprensa franco/a contina a tratar da
vitgem do duque de Brdeos a Inglaterra das
fortilicacoes de Par/. e das disputas do bispo
deClialons com a universidado.
Esso prelado em logar de desistir da repro-
vaeao, que recebeo do consclho d'estado.lornou
a sabir a campo pela imprensa poriodica e
atacado lorte.nento pelo Jornal dos-Debates ,
que SO qaoixa da intolerancia do clero e pede
uin remedio pira os seus exeess >s.
O Gloor duvida quo o duque de Nemours
acceitasse <> convite para o bailo em favor dos
refugiados Polacos, dado em Londres o affir-
ma que o reoeio de um comoromeltiment com
o imperador !< Russia obstara a quo o prin -
cepe comparecesse.
() Galignani's Wessenger publica detalb.es
do ron limento da casa de Olean desde 1f:{()
al agora.que sobcm a 3GG mullos de frar.cos ,
inclumdoos proventos da lista civil.
Corriaquo o governo Irmi'c. recebar ,1 noti-
cias desagradareis de aples. Parece ,.,,,. bou-
ve serios disturbios 11 as visinhancas da capital
desse reino, o naGalihra; u que havio
marchado tropas para su (Toe ir a msurreico.
O rei do Hannover tencin* partir para lier-
lim onde so demorar por al/ um tempo.
Kspera-se brevemente er Allemanhaa im-
peratrii! da Bussia. S semanas no palacio da S ans-Souci.
Segundo a Gazeta r'ie Colonia, o gabinete de
Vicua declarou qti'j so opporia a qualquer
tentativa do reacc,, t ,.ue sc (zesse na Grecia
A Gazgta Urvversal AllemSa refero que o
imperador da rV JMia nj0 contarte de recusar a
sua sanelo ao, ltimos acontoimentos da Gre-
cia tiiiha res- j|vj0 publicar um extenso protes-
to dirigido > lS potencias da Kuropa contra a re-
volacod/j lodesetembro.
A Ga zeta de dugsburgo mostra quo os Ba-
varos residentes na Grecia esto a morrer de
fome_. t (iUe mister acudir-lhes quanto an-
tes com subscripces.
Tinho-so concluido as eleicoes da Grecia.
Je 223 membrjs do congresso constituinte a-
penas 90 sao do partido russo : e 135 pugno
por urna constituidlo liberal. O general Co-
letti gosava de umita popalridade.
As noticias do ConsUntinopla sao de 31.
Toda a idea do hospitalidado contra Tunes
rdesapparecoo ; e j so expedirao ordens para
que a esquadra ottomana rogresseaos DarJa-
ellos.
Dos Estados-unidos ha ornaos at 2 do cor-
rente e nada oflerecom de interesse. Os
partidistas de mr. Clay faiiao muitos esforcos
para vencer as eleicoes.
O general Santa Anua continate a publicar
medidas obnoxias aos estrangeiros para capta'
assympatbias populares as prximas eleicoes.
Alein do augmento de direitos nos gneros de
mportaco ostrangoira determinou que ne-
!:!;':::: 'Ojlrangcir pGuCSSG \.cr casa 16 negocio
por grosso sem mostrar que tinlia por socio
uin Mexicano. ( Diario do Governo. )
*-.
LISBOA.
Cambios em 21 de novembro paitado.
' Letras.
RIO GRANDE 1)0 8UL.
Carta de David Canararro adiada na bagagem
de Neto.
A migo Neto.Fica recebida a vossa carta de
2i do prximo passado. Multo convm a vin-
dri de Camacho at Sant'Anna do Livrami'nto
fiara com elle ter urna entrevista relativamente a
nossos interesse* o dos Correotlnos, que care-
cein de communicacao com Rivera oucom seu
delegados.
Os Correnlinos nos offerecern 301) a 400 ca-
vallus gratuitamente, que hontem deveriao estar
no Uruguay a pastar a este lado, c temos pro-
messa de -2,000 daqui mais das; secundo di/.
11 teen te Jos Antonio de Sousa, elles sentem
naQ ter mais que olTorecer em premio de nossa
generosidade. As autoridades alli tem ordem de
dar bomacolhiment iaos republicanosrio-gran-
densos. Elles tenm Falta de municoesde guerra.
o como soccorrl-os deste artigo, nos quo o nao
temos? Cortamente devemos obt'd-o donde el-
les esperad.
Quando recebi vossa dita carta j o amigo Sil-
veira havia marchado para S. Gabriel; por isso
nao me dirig a ello respeito das cavalhadas
do deposito.
Amigo, por ora cstou atado de ps e mos,
de ha ver cabido no senado a emenda que auto- )ito-/y-bacalbao
risava o governo a supprimir a alfandega desta p.to-W/a/uHr-bot.jas.
cidade. Os negociantes cotisrao-se entre si pa- I5arcaHelia Pernambucana dille
ra Icstojareni no dia 2 prximo futuro, com il- nCros.
luminicad e msica, este acontecimento,. O go- ,rjgUt_Cabriellasal.
verno nao reOectio bem na medida proposta. Se j)to_ Sophia carvao.
ella passasse, anniquilaria esta capital e todas:
as povoacoes que com ella commerciao, e cho-
cara tantos inferesses, que iinpossivel ora que
nao produzisse tumultuosas secnas. PiWtiinHn Dinb
O commercio est empatado. Agglomer.irao- *"" n
se tantos gneros 110 mercado por caifta dos a- Amswraam........... **
vullados lucros dos primeiros especuladores Jlaniburgo BU. ......... w
que necessariamento devora sroste o resultado. lm||)rtN, '/......... ;||
O trigo est novamente dando bem, e servir [ 5* 1/8......... >J
por muito tempo deindemnisacao da falta de Genova.................' '
jado que os farrapose os legaesteem destruido. I parjr 5|Q............ si
As oncasesta a 32, e ha falta dellas. Valor de metan t papis de crdito.
As lettras para essa praca ao par. Obiectos Compra.
harta particular. p ^75500........ 7ST10
-28 de novembro Oncas hespanbolas..... U.JOO
.... Muita gente pede ao barao que puonquc 1
a carta escripia aos rebeldes, aflm dedosmasca- SObOanos. ........
rar esses republicanos que ah na corte encapo- Uuro cerceado.......
lados vao tendo vol deleberativoem nossos ue- Dito em barra......
gOios. Porm o barao, queem tudo cavalhei-, Patacas hespanbolas. .
'ro, nao tem acced lo a esse ped 16; e talvez la- Ditas brasileiras.. .
rentes go-
53>
51
:;i8
ca o mesnio que fez em outras p'ovincias pois
que nao deseja cmiprom-tter pessoa alguma.
Qnem conhece o carcter nobre e generoso do
barao nao se admirar deste seu proceder. Nln-
guem melhor do que elle tem o segredode con-
quistar oscoracSes dos proprtol vencidos em
provelto da causa do imperio.
Folgo ter do dizer-lbe que quanto mais tra-
badla o barao. tanto melhor passa de sade.
Esta gordo e forte como nunca' ah esleve. Este
clima ptimo. dem.)
Santa Catharina. ti-dodezembro.
Pela Itahianna recebemos noticias recentes
Ditas mexicanas .
Prata em barra. .
\i 1-20
27
915
905
900
... 28 a 28','
f Diario Jo Governo. )
Venda.
7)730
uswo
48*50
l g930.
27'-
020
910
905
Amigo, por ora cstou atado de (1()|jo.,raI1do. Corraalli que a 36 de novem-
nao posso dar urna_passada; mas augmento nos- ^ |jnha d|vso.
Pelos jomaos franceies consta teroccorrido na
mari'ianr) (lrgta do CHminh de ferro '' Pari/
Versailhes outro desastre, quasi simllhante ao
que lez tantas victimas.em malo do 1812 ; po-
rm este foi menos uneslo Havendo urna das
carruagenschegado a um sitio, em que o cami-
nho faz una curva, saltou fra do canil, cabio
abaixo quatro ou cinco metros d > terrapleno c
voltou-se. Esto accidente causou grande com-
mocao as demais carruagens que seencontr-
ro urnas com as outras voltando-se urnas, e
quebrando-se outras. Felizmente as desgranas
nao oro grandes : ficarao feridos tres empre-
ados da administracSo, um viajante com urna
perna quebraja, um machinistaconi um hom-
bro desmanchado, e um servente com una con-
tusao. O servico do caminho de Ierro se restabe-
leceo, passadas algumas horas.
Continuara 2 auestio "nt o clero frannet n
a universidade de Parh. O conselho do estado
havia decidido que o bispo do Chalons havia
abusado das suas attribuicoes ingerindo-sc na
questao. Diz-se que o embaixador de Roma tam-
bem se involveo nella, e que incita o clero a
oppr-se ao poder temporal. A imprensa oceu-
pa-se largamente com esle assumpto.
Alfirma-sc que as desoldeos das legaces de
Italia vao tom indo grande incremento, o que o
governo pontificio nao deixa de estar assustado.
Parece que irritou os nimos a condemnacao
de um dos cotnoiicados, o uouior iuraiori, a 1
quem"mpozerao a pena de 20 anuos de rigoro- terceptou cartas e urna carreta de IBMle5* de
' i Fructo para os (arrapos.
O duuue de Anale parti do Roma para Na Fortunato Silva com 1,200 homens oi sor-
po es O ,apa deo ao principe urna collecao de prebenddo junto s Minas pe o onb.sla &; ano
medaihas que so tem cunhado desde que elle Gomes, e completamente der otado. Qlllciaes
subi .0 Vntmado. Parece que a viagm, do disperso queyiersfldsf *Z*tf*fc
principe rancez a aples tem por objecto o firmao eata^noicia. Ha J^^S
leu casamento com urna princeza das Duas Si- t. *^^g^SSlSS.
ciiias.
sas invernadas e nao cesso de dar e faser cum-
prir ordens respeito para poder caminhar bas-
tante, pois ao contrario nos veremos em po-
sica bem desagradavel; ao mesmo tempo tomo
medidas sobro o mais que nos neressario. Di-
zei-me do nosso governo alguma cousa; se pre-
tende apoiar-se aoexercito ou onde, pois vejo
por vossascommunicaces que elle ahi de ve an-
dar pelos mallos, pois o ioimigo tendo invadido
essa fronteira por toda a parte, nao resta ao go-
verno seno dous expedientes a tomar, ou o
mallo ou a frca armada para sua seguranca
Vosso amigo certo. />. Canavarro.
Porto-laegre, 25 de novembro de 1813.
Rento Goncalves. com (00 homens e urna po-
ca do calibre 1. atacou de novo a Chico Pedro.
110 dia 6, junto a Canguss; mas depois de urna
hora de cjmbate, teve de rctirar-se, perdendo
30 homens o 2 prisioneros, e nos S morios c 11
feridos.
Urna partida rebelde decent e tantos homens,
ao mando do Carvalhinho, foi Cruz-alta, co-
lheo5 mil pataces dos tropoiros de muas que
alli invornavao, o depois de se demoraren! al-
guns dias na Cachoeira, retirra-so com 200
cavallos gordos que alli tirrao aos particulares
em direccao Cangass. sem duvida para se u-
nirem Rento Goncalves.
Segundo as ultimas noticias, Canavarro esta-
va em Ponche-verde, e Rento Manuel na suaTc-
taguarda, poucas leguas de distancia. O barao
eslava, no dia H, no flanco esquerdo daquellc
cabelha no Serr doTabolelro, pontas HuJa-
guary. Cr^se que Canavarro trata de junlar-se
Rento Goncalves para baterem a Chito Pedro;
porm esta manobra, alm de nao poder surtir
elleito, porque Chico Pedro tem 800 homens de
infantaria, frca superior desta arma que ven-
cen em Ponche-verde, enllocara a Canavarro no
mel das nossas tres columnas, e em terrenos
pedregosos que destruiran a sua cavnllaria. E11
portanlo pens quo seu im antes approximar-
se de lgum pont> em quo possa receber por
contrabando algumas munices e dar lugar ,
distrahiado a attoncao do bara, a que passem a
salvo no Uruguay as cavalhadas que espera de
Corrientes, obtido isto, meu juiso que elle
retroceder sobre Algrete, e continuar alli a
fazer a guerra de recursos, por ser departamen-
to do que tem inteiro conheciinento, o pela fa-
cilidade de passar-se a Corrientes no caso de
um retes.
as canastrasde Neto, tomadas por Chico Pe-
dro na sorpresa de 25 do passado, foi encontra-
da urna carta escripia dessa corle, em que dizia
lovimenlo do Porto.
brodevena haver urna reuniao na linha diviso-
ria para as partes de Algrele, em que so arha-
riao Neto, Canavarro, Rento G mcalves, Rivera.
o onde comparecera tambem o barao general
em chafe para tratar-se da pacillcacao; mis as
cartas do exercito r.ao fazem menco de tal en-
trevista.
Contina em grande escala a emigracao ori-
ental para o Rio-grande, o ha pouco chegou e
acampou noCurral-allo, alcm do Taim, o co-
ronel Fortunato Silva, que, batido com Mado-
nado, o perseguido por Servando Gomes, que
o espreita postado na linha divisoria, veio abri-
gar-se ao territorio brasileiro com 800 homens
pouco mais ou menos, dos quaes nao poucos
j se acho em S Jos-do-norte o em outras
parles da provincia. Esta frga foi intimada pa-
ra largar as armas; mas o choro respondeo que
se dirigir ao Sr. barao de Casias, o que aguar-
dava a sua resposta. Por ora nao ha qucixas
contra os individuos de que so compilo esta fr-
ca; poremolho vivo com 0$ laes metros.
[dem.).
[J. do Com.)
mHBHHSHSB
iiiAiim u nmvm'M,
Depois de estarem sobre o prlo as no-
ticias de Portugal e Hcspanha publicadas
no nosso numero de hontem e recebidas pe-
lo Porto viero-nos mao o Diario do Go-
verno eoPitriola, dos quaes aquelie che-
ga a 2doiie/.embro p. p. ; por conseguinte
adianta s i dias ao Peridico dos Pobres da
mais recente data.
Na sessao da cmara dos deputados de 25 de
novembro interrompendo-se a discussao d'um
projectodfl lei sobro estabelecimeuto pios foi
concedida a palavra ao ministro do reino que
Ico urna proposta de lei sobre a repressSo dos
abusos da liberdade de imprensa que trans-
creveremos no numero seguate requerendo
que fosse enviada s commisses de legislaco
eadministraco publica e impressa no Diario
do Governo. A cmara approvou este reque-
rimiento. ,
Na Hespanha havia cessado a crise ministe-
rial sendo finalmente nomeado novo gabinete,
cojo possoal vero os nossos leitores em lugar
competente. A cidade de Rarcelona acha-se
pacificada tendo entrado n'ella as tropas da
rainha no dia 20 de novembro em virtude
Navios sahidos no dia 3.
Havre ; barca franceza Hortense de 308 to-
neladas capilo Morven Keral, equipagem
13 carga assucar, algodo e couros.
Mareteus; patacho inglez Anne de 109 to-
neladas capitao Charles Rabert, equipa-
gem li carga vinho.
Rio-de-Janeiro briguc americano Brandyev-
ne de 220 toneladas eapitio Porel Suea-
ck equipagem 12 carga farinha.
Babia ; hrigue ingle/. Andes capilo Brock-
lebanck : com a mesina garga quo trouco
de Tefra-nova.
Navios entrados no dia h.
Terra-Nova ; il dias brigue ingle; Iceni ,
de 180 toneladas capitao Archibald Steel ,
equipagem 12 carga bacalho: aconsig-
nacodo M.Calmont&C.
Val-Paraizo ; 70 dias, barca ingleza Tritn ,
de 490 toneladas, capilo Frederick Ander-
son equipagem 2'j carga salitre laa o
madeira de tingir : a consignaco do ca-
pitao.
Ilichmond ; Vi dias brigue americano 'Lot-
toff, de 220 toneladas, capitao John Cross,
equipagem 11 carga farinha de trigo, e
fazendas : a consignaco de Matheos Aus-
tin & C.
Rio-de Janeiro ; 29 dias, brigue austraco
Lusitano de W)0 toneladas, capitao Mi-
guel Astolf equipagem 13 carga lastro :
a consignaco de Le Bretn Schramm & C.
Rio-de-Janeiro; 31 dias, polaca sarda Ze/bro,
de 211 toneladas, capilo Joao Baptista
Lente equipagem 13 carga 'lastro :
consignadoa ordem.
1 ----------------------------*
da urna carta escripia dessa corle, em que1 uiza itulaci eta^pelOS revoltosos com o
que tinha sido presentes as ultimas noticias aos | ^F,Mi aa
senadores (tres sao os designados), e que estes
recommendavaoq' de maneira alguma cceitas-
sem os rebeldes combate, que flzessem por de-
morar a guerra at s prximas eleicoes, porque
vencidas estas, o entrando no poler os do seu
partido, seria melhorada a sorte dos indepen-
denles desta provincia. Daqui so v que os cons-
piradores nao doriiiem em seus tenebrosos pla-
nos, e o governo conhecer quanto deve redo-
brar de vigilancia para salvar a monarchia a-
neacada. .
nlHilm>nl nno n rynrxn in-
1 iiiu' ni Cw.
general saas.
O governo imperial houve por bem remover
o snr. \ cente Thomaz Pires de Figueredo Ca
margo do emprego de 'inspector d'allnndcga
d'esta cidade para o de administrador da me-
za do consulado o deste para aquello o snr.
Miguel Archanjo Monturo d'Andrade.
Alfandcga.
Ilendimento do dia i..........7:3628340
I lesear reg o hojt S.
BrigueStwartlouca.
Dito Tani/odiflerentes gneros.
DitoTkomat-Cukwnoi de ferro,
fiscal da freguezia de S. Pedro Martyr
da cidade de Olinda pela lei, &c. Faz saber
a todos os seus comparochianos, a quem convier
aflerico do correte anno queponhaoem
execucao dentro do praso de 30 dias datado
deste e para que nao se chamcm a ignoran-
cia mandei publicar por esta folha.
.InfoniH Manoel Lobo.
Avisos martimos.
= Para o Para segu viagem no da G de Ja-
neiro o brigue feos-te guarde c tendo o seu
carregamento prompto apenas recebe passa-
geiros ; os prctendentes entendao-se com Hen-
riques Bernardes de Oliveira & C. na ra da
Cudeia-velha armazem n. 12 ou com o capi-
tao a bordo.
Para o Rio-de Janeiro segu breve o
briguc Santa alaria Boa-Sorie : quem qui-
zer embarcar escravos, pode entender se com
Amorim Airmaos.
Para o Porto segu o brigue portuguez
Primavera capitao Jos Carlos Ferreira Soa-
res ; quem no mesmo quizercarregar ou ir
de passagem para o que tem bons commodos
trate com dito capilo, oucom seu consig-
natario Antonio Joaquim de Sousa Ribeiro. 3
Para o Rio-grande-do-sul seguir coma
irpvidadf rnccivpl n lirionn Princ.inr-AunUStO .
i uin!,ni Joaqun. Soarcs Mcanm receuc car-
ga, e escravos; quem preiender pode enten-
derle na ra da Cadeia n. 4H enm o consig-
natarios.
Para o Rio-grande-do-sul seguir com
brevidade o brigue Principe-imperial ;' quem
quizer embarcar escravos, pode drigir-se
aos consignatarios Amorim & Irmo,
ILEGIVEL
S


.
Il
vhJ,, 2 I ni"nl'l,0:""'er"-'tnn ,seS"e| Precisa-se alugar um negro para servir
v.gem com a ma.or ircvidado posS,v I para u, sitio pequeoaporto da praca prefer -
ainlar, ? ^ ^**-*W*i\*>* "'> algum. cousa idoso; .',.*-
P r ., e^ T'l Carga> tePaMTr0S- e r*ad0R0ar0' ,'0,(;a d Jo5 freir da
por menor Irete do que outro qualquer: alSilveira
guom convier dirija J08e Antonio Gomos [ o'snr. Francisco Gomos da Silva Ferrei-
lunior no Recita ra da Caiiz n. 23 ou ao
capilSo.do mesmo na Praca-d-commercio.
de Cliristello) dirija-se a ra Augusta n.
entregar
una carta de sua
Leiloes.
l.eilao, que faz .Manoel Joaquim Pedro da
Costa por conta de qiiem pertencer de urna por-
fi de saccas de farinha desde o da 8 do cor-
rente al finalisar, e deve-se vender a
quem maisder, cm poredes de 10 saccas a
100 cuja farinha est em superior estado para
fabricas e para quem'nao pudor comer da fari-
nlia fina, e ter lugar no armazem de Jos Gon-
i-alves Torres no becodo Capim.
Avisos diversos.
Pretende-se abrir urna aula de primeira<:
lettras, na Rua-imperial-do-atterro; as pessoa*
que quizerem-se utilisar desto commodo, diri
ja-se deronto do viveiro do Muniz n. 55.
: Aluga-se um moleque muito inteligen-
te para o servico d'uma casa de familia o qual
tem pralica de comprar na ra : quem o pre-
tender dirija-se ra da Prai'j 1. andar do
sobrado n. 33.
S_ Ossnrs. Rocha & Bastos, dirijo-sc a
lr>ja da viuva Cunha Cuimaraes sita na ra do
Crespo n 10, negocio
Precisa-se alugar urna
negra
para ser-
vico da casa de pasto da ra da Lingoeta n. 2 ;
a tratar na rnesma casa.
= Um rapaz da liba, ptimo bolieiro se
OTerece para o mesmo servico ; quem de seu
prestimo se quizer utilisar dirija-se a toja da
viuva do Burgos.
= Aluga-se una casa com commodos para
familia quintal murado cacimba do lado
da sombra e sita na ra de S. Goncalo;
quem a pretender dirija-se a ra d'Alegria casa
n. 3-.
= Acaba-se de receber um grande sorti-
mento de vidros para vidraca e quadros do
todos os tamanhos os quaesse mandao botar
por preco commodo ; assim como vendem-se
tintas em p o ja preparadas de todas as co-
les e qudlidades; na loja de pintor e vi-
draceiro na travessa das Cruzes.
= Cjuem precisar de urna ama para todo o
servico de urna casa, dirija-se a ra lanza do
Roza rio n. 50.
= Fernando Jos Braguez embarca a sua
escrava Rufina e o seu escravo Francisco para
Rio-de-Janeiro.
= Precisa-se de urna cozinheira, e urna en-
gommadeira ; no collegio de meninas, atrada
matriz da Boa vista.
= Da-se dinheiro a premio em pequeas
quanlias com penhores de ouro; na Rua-no-
va n. 53 ;. na rnesma casa ven ie-se una casa
terrea feita a moderna com quintal cacim-
ra
22 para se Iho
mai Josefa Ferreira Viuva
=No dia secunda eira 8 do corronte, at as
4 horas da tarde se ha de alugar um mole-
que ptimo cozinheiro ede todo o servico;
quem o precisar dirija-se ao segundo andar
do sobrado n 16 deronto do theatro velho.
Deseja-se fallar aosnr. Luil Jos da Sil-
va Guimaraes ; na ra das Cruzes n. 42.
=(v)uem quer mandar ensinar aalgum es-
cravo o oflicio de ferreiro com perfeicao sol
favoraveis condices, dirija-se a casa de llen-
riques Eride na ra do Brum.
Precisa-so de urna ama de leite que se-
ja forra o sem filho ; na ra do Vigario n.
23, no primeiro andar.
= Aluga-se urna canoa aberta quecarre-
ga 600 lijlos ; na ra doCalderciro n. 56.
Da-se 500S rs. a juros de dous por cen-
to ao mez com penhores de ouro ou prata ;
na Hua-velha n. 111.
l-ma ama, que acaba deamamentar urna
erianca de 15 mezes deseja continuar a criar;
tem excedente e abundante leito e as qua-
lidades, que se podem desojar: quem quizer
contratar, dirija-se a ladeira do Varadouro,
sobrado n. 14 ou na ra larga do Rozario ,
botica de Barlholorneo z Ramos.
O snr. G J. S. M. segundo sargento ,
que foi do batalhao de guarda nacional desta-
cada baja de apparecer em Olinda na ven-
da do beco das Cortezias a negocio que nao
ignora.
Da-se 100 a 200Srs. a juros sobre hv-
potheca cm urna escrava, ou penhores de ouro,
ou prata ; no beco da l.ingoeta 0. 68.
Na ra do Vigario casa n. 5 primei-
ro andar dlseja-se fallar a Joao Baptisla Pc-
reira a negocio de seu interesse.
^ Aluga-se urna casa terrea no pateo da
>. Cruz n. 8j<, com muitos commodos ; a Ira-
lar na padaria junto a rnesma casa n. 6.
O snr. Rafael Lucci dirija-se a Rua-bel-
la n. 37 primeiro andar.
Offerece-se um rapai Brasileiro de 20
inos para caixeiro de armazem de assucar ,
legio para odia lado correnlc porque, tendo 'propria para mucama ; na ra do Queimado .
recenlemente chegado de Lisboa as tnestras loja de ferragens n. 10, ou na Rua-impeiial
que devem tomar conta do cnsino foi misler ; n. 30;
terem alguns diasde descanco, afim de cui-i = Vendem-se uvas pretas, e muscateis bran-
daren! de seusarranjos a directora pois avisa cas muito doces ; urna toalba de lavarinto to-
por este meio aos pais e correspondentes, da aberta e de esguiao mergulhos de par-
que podem mandardormiraocolle^iosuas filhas, ireira, ede estaca; na ra do Caldeireiro n. 56.
o recomendadas no dia 14 pois que os traba-: = No deposito de farinha da ra da Cadeia
sao
de S. Antonio n. 19 e no pateo do Carmo"
sobrado novo junto a rdem terceira, vende-se
farinha a 640 rs. o alqueire pela medida no-
va epela velha a lb'OO rs. milho a 1280
rs. o alqueire c a sacca a 38 rs. c um Lom
meio- i escravo para todo o servico.
iiaiuuiatas c cucul. Vende-se um ardamenlo completo para
As materias, que se ensinao.no collegio guarda nacional de cavallaria em muilo bom
estado; o guarda livros moderno em 3 volumes;
e urna prela para todo o servico; na ra es-
trellado Rozario botica de Joao Pereira
Ihos comecaro no dia 15.
Colleg io-S. Cruz.
As ferias indo no dia 7 do correte ,
porom as aulas nao se podem abrir antes do dia
15; entretanto acha-se aberta a matricula para
as tres classes de alumnos ; pensionistas
pensionistas, eexternos.
_ Primeiras lettras, elementos de moral <
civilidade, deutrina christa.
Grammaticas, linguas, portugueza france-
sa ingleza latina grega italiana.
Geograpbia, chronolofjia e historia.
Mathematicas puras.
Philosophia racional, e moral.
Rhetorica, potica e litteratura classica.
Msica vocal e instrumental.
Dansa desenho, e pintura.
O director
Antonio Ufara Chvete Mello.
= Jos Martins dos Santos retira-se para
fura do imperio.
Compras
|uem tiver annuncie.
Comprao-se4,
t ainda estejo em bom estado ; t
pois tem bastante pratica de todo o servico do I nunrie.
mesmo ; na Ra nova n. 8.
Compra-se urna ou dual c'rrocas, pa-
ra uso de carrejar pipas; na Ruj-imperial
n. 116. r
Compr3o-se eflectivamente pardas, pre-
tas emolequesdel2a 20 annos cumprin
do-sea exigencia do vendedor de ser ou nao
para lora da provincia ; na Rua-nova loja de
ferragens n, 16.
Compro-se garrafas vasias de todas as
qual.dades; na ra eslreila do Rozario venda
da esquina do beco da rnesma ra e na da
esquina da,ra das I.arangeiras.
Compra-se urna negra de naco de 18
a 22 annos, que saiba engommar coiinhar,
lavar, coser e fazer lavarinto e renda ;
i portas usadas, que
tiver an-
i.
= Aluga-se urna casa
'iii.na
Alegra ,
a tratar
na ra da
* ..iii <. i > t,,. ], j ...,,., .... I
vwau -i. i. w ,,, tiiunuc
na Rua-direita armazem n. 9.
== Precisa-sede urna mulher de assento ,
sadia livre, e desempedida. para ama de urna
casa de pequea familia; na ra do Nocueira
n. 13.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra da Cruz por cima da botica defronte do
Corpo Santo; a tratar na ra da Cadeia n. 40.
= Aluga se o segundo andar da casa n. 63
da ra-Pillar em Fra-de-portas, tem mui-
to boa vista para o mar, e muito fresca; a tra-
tar na rnesma casa.
= Precisa-se alugar um moleque, quesai-
lia alguma cousa de cozinha e para oulro ser-
vico de urna casa de pequea familia; na ra
do Trapiche n. 18.
= O snr. que empenhou urna sobre-ca-
saca na loja de charutos do pateo do Carmo ,
queira no praso de oito dias ir tiral-a, do con-
trario se vender.
= Precisa-se alugar urna escrava para o ser-
vico do urna casa de pouca familia que saiba
lavar e engommar dan Jo se-lbe o sustento,
e paga conforme o ajuste ; no Atterro-da-Boa-
vista sobrado n. 65.
= Francisca da Cunha Bandeira de Mel-
lo viuva de Joao Carlos Pereira de Buros
Pbnce do Feon faz sciente ao rcspeitavel pu-
;.::-0 C SCpCCSiuilM i seus ueteuores que
j.uiz Ignacio Pessoa de Mello deixou de ser seu
procurador, segundo as sua* cartas de ordens .
di i i i
-.i-; .i"., .mu u (jo anuo p. p. em consequen-
cia do que nao esli mais habillilado para con-
tratar validamente qualquer negocio seu.
Quem preiisar -le roupa lavada com
promptjdac dirija-se a loja da viava do Bur-
gos,
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra eslreila do Rozario n. 21 ; a tratar no se-
gundo andar do mesmo.
Precisa-sede um caixeiro diligente; no
botcquim da l niao junto a polica.
= Joao Abreo de Mello Portuguez, re-
tira-se para fra da provincia.
(lerece-se um sangrador e dentista ,
para abrir e chumbar denles, e applicar ven-
tozas ; no beco da Pol n. 14 primeiro an-
dar
Precisa-se alugar um sitio perto da pra-
ca que tenha baixa para plantar" capim para
sustento de dojs cavallos, e tenha casa; no
eco da Poj n 14. primeiro andar.
Precisa-se alugar urna preta para todo
o servico da-se-ihe o sustento, e 8S rs. men-
: no beco da Pol n. 15 primeiro andar.
Joaquim Jos de S. Anna Barros faz sci-
nntn anc n2c ,U seU3 a.'umos qu ubre as suas
aulas de primeiras lettras arithmethica e
rancez no dia 8 do correte ; assim como lam-
bem scientifica a lodosos mais snrs. que de-
sejao o zelo, prosperidsde, e aptidao de seus
Vendas.
L )
- Vende-se urna lancha nova inda *.
I orto; a tratar com Antonio Joaquim deSou-
za Ribeiro.
Vendem-se 5 barricas com sebo vindas
do Aracaly ; a tratar com Antonio Joaquim de
Souza Ribeiro no seu escriptorio da ra da Ca-
deia n. 18.
\ ende-so urna escrava de nacao de 30
annos, cozinha, engomma e lava; no At
ferro da-Boa-vista loja de ourives de Miguel
Ribeiro do Amaral.
Vende-se um escravo de meia idade ,
proprio para todo o servico; na Rna-novn
ojl n. 52. "" '
Vendem-se saccas com milho bom a 3200
rs. ; no armazem de Dias Ferreira defronte
Ja escadiiiiu da aianrtega e na Praca-da-
Boa-vista venda n. 18 tambem se vendo a
a 3520 rs. o alqueire da medida velha.
= Vendem-se laboas
...... da
Silveira.
^cndem-se saccas com favas proprias
para escravos a 1500 rs. na ra da Cadeia n. 23
--Vende-se um preto moco bom canoei-
ro ; na Rua-nova loja n. 58.
Vende-se urna canoa aberla muito forte,
com poi/co uso qucarrega 550 lijlos de al-
venaria ; o um negro da Costa de meia idade,
bom canoei.'o trabalhador deenchada e en-
tende de hon a. por estar acostumado em sitio,
e (arnbem ga/'^ador; na ra de Apollo n. 32
Vendem-iv'!du8s pretas mocas, que en-
gommao bem ; ni' Rua-velha n. 111.
- Nendem se Sk C-as com alqueire da me-
dida velha do farinh'a de mandioca chepu-
da de prximo, salea-parn'ha e tres barris
com carne salgada em sa>''"oura ; no armazem
do Braguez junto ao arco da Conceicao.
= \ endem-se barris com azeite do carra-
pato ; na ra do Vigario ark Ta?em n. 18.
Vendem-se apparelhos pai,' *h de por-
celana dourada e pintada, d 'tos azues e
le ou.'ras cores e gostos, ditos do meza de
jantar de varios padres o goslo.' cempo-
teiras para doce garrafas para vinbv"' copos
liara agoa clices para vinho eChb 'panhe,
copos para cerveja frascos de bocj larg1 para
bichas mangas do vid o lapidadas, e lis*' n-
glezas lanternas de vidro de varios goslc .
pralos de vidros eoutras muitas fazendas poJ
preco commodo ; na ra do Livramento n. 1.
- Vende-se urna crioula mucama de S
annos, prendada bonita figura e reco-
cida ; urna preta de 34 annos boa cozinhei-
ra lavadeira e ptima para vender na xua ,
etem um filho crioulo de 14 annos. que ja.
estove 3 annos no oficio de alfaiate e ultimar
mente dous no de marcineiro; urna negra de
nacao Mina, de 29 annos, boa engommadei-
ra e lavadeira com urna filha crioula de 11
annos estes escravos vendem-se por causa de
seu senbor relirar-se par Europa; na Praca-da-
independencia, loja n. ,2 de Jos Joaquim Bor-
ges de Castro.
= \ende-se para fra da provincia urna es-
crava dooannos, que engomma, cozinha,
cose o faz renda ;' na ra eslreila do Rozario
n. 21.
= Vende-se um grande sorlimento de cha-
rutos regala e de nutras Dualidades ,
dos pelo ultimo vapor da Baha ; cm
Fernando I occ
n. 16.
casa de
na ra da Gideia 'o Recite
- de pnho americano ,
.largas, e de todos os comprimentos dito da
linios e que de seu presumo se queiro ulili-|Suecia costado, costadinho assoalho for-
r. ha|ao de dir.g,r-se a Fra-de-portas a ro e para fundos de barricas, e urna 'porco
derefugo por prego commodo; no armazem
alraz do theatro.
Vende se urna venda com os fundos a
vontade do comprador ou s com a armacSo
e pertences, e a vista dos pretendentesse dir o
motivo da venda ; em Fra-de.-porlas n. 82.
N ende-se urna oorcao de cera de carnau-
ba por preco commodo: na ra do Colle-
rua dos Gararapes sobrado n. 2.
== Antonio Meira subdito Hespanbol ,
retira-se para fra do imperio.
Alugao-se 3 caas, urna afra/, da ma-
triz da l'oa-vista e duas na Solidade repar-
tidas a moderna e com muito bons commo-
dos ; a tratar na ra da Aurora n. 58.
Anda est para alugar o primeirond ar
da casa da ra do Pillar em Fra-de-or!ss n
63 com muito bons commodos, cozinha f-
ra quintal cacimba e cxcellente vista para
ornar; a tratar com Joaquim Lopes de Al-
meida.
Na ra de Hortas n. 82 aluga-se urna
ama forra ou captiva para cozinhar, e en-
gommar para um s pessoa ; quem iiie convier,
dirija-se a rnesma casa.
Sociedade Florence.
I^spravfic ffifririft*;
U- .i :-----------
v.ju uc Liiapcus ii .
- Vende-se um relogio de caixa de ouro ,
um dito de prata um Iransellm e correnti-
nha para dito, urna gargantilha com laco de
diamantes brincos a e annelcs de difieren-
tes modelos cordes de nuro de diversas gros-
suras, relogios para cima de mesa caixas de
msica franceaa titulos para crucih'xo urna
colher do tirar soupa urna duzia para dita,
urna dita para cha um par de castices de
. -. .-----: u... una para cna um par de caslicaes
Aeomm.ssao admin.strat.va tem fixado| prata. moderno., fivelas nara siisnensorin.
1 in i 1111 rnrrun ln ii,n ni'i i..*....;... .____if J. I l____ m **

odia i. docorrenle para sua terceira partida ,
e convida aos snrs. socios para apresentarem no
Jia 7 as propostas de seus convidados pelas 4
horas da tarde na casa de suas sesses no lu-
gar do Monteiro: a commissao previne aos
mesrnos snrs. socios que ella nao distribue
convitesilepoisdeste dia.
Collegio do Espirito Santo.
I ica deferida a abertura do referido col
snalos ( cu!"* 3e arms'So un'0 laaoinlia
apparelhada de prata argolinhas ligas, e
vernicas, nm ooscavel di>nr.it nine, "uar
tolas e barricas ; as 5 ponas n. 45.
Vendem-se apolices da extincta compa-
nhia que representa cada urna 200 rs. por
135S rs. ; na ra Augusta n. 22, casa de
Francisco GoncIvs do Cabo.
No dia 31 do p p. fugio a preta Bita ,
de nacao Benguella cor fula alta cheia do
corpo, rosto grande o ebeio nariz um tanto
chalo boca regular beicos grossos e pre-
tos dentes alvos, peilos pequeos; est* pre-
nhe bonita figura levou saia de chita preta
j usada com flores grandes camisa de algo-
daozmho bastante suja um chales rouxo com
barra branca urna volta de conta* francezas no
pescoco sabio vendendo carno de porco em
um taboleiro pequeo e um prato com ba-
nha ; quem a pegar, leve ao pateo do Carmo
n. 24, que ser recompensado.
= No dia 3! o p. p. fugio 5 escrava Cae-
tana de nacao Angola bstanle conde-
cida por ter um calumbo no pescoco de al-
tura e corpo regular ar risonho levou ves-
tido de metim preto, c panno da Costa ja usa-
do ; quem a pegar leve a ra da Senzalla-ve-
Iha n. 48 a Antonio de Souza Res que gra-
tificar.
= Fugio no dia 24 do p. p. 0 preto Miguel,
alto magro, descarnado do rosto idade re-
gular tem um lobinbo na testa da pHrte direita.
junto ao dito um sinal do sua naco. que
Mocambique; quem o pegar, leve a ra d Ca-
deia do Recife n. 37, primeiro andar ou na
ra larga do Rozario segundo andar por ci-
ma da botica de Barlholorneo que ser re-
compensado.
Vende-seuma negrinha de 13 annos, | RMira: r.? Ttp.dk M Fr-B^nrA -ISfcl
ILEGIVEL
i>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDV0B6MAI_71ANKM INGEST_TIME 2013-04-13T00:40:26Z PACKAGE AA00011611_04548
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES