Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04541


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Afino de 1843.
Sexta Feira 22
ludo agora depende denos momos; da nnsss prudencia, modtrago, e.ener^ii: con-
jciuumos como principiamos, e aeremos ponttdpi com dmiracau enlre as Naguas saaia
4'iltaj. ( l'roclamago da Assembleia Geral do Biu.111..}
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
tioiarlna, e Paraliyba, segundas e searlas reir. Rio Grande do N >rle, quintas fairaa.
Honioe Garenhuns, a 10 e '24.
Cali, Serinhaen, Rio Fr*iso, Porto Cairo, Macei, e Alagoas no d U, ( JJ.
Moa-tistae Flores a 13 e JS. Sanio Anuo, quintas feiras Olinda todos 01 din.
DAS DA SEMANA".
18 ?eg. Experidio C. Aud. do J. deU.da J..
49 Terq. s. Fansta Re. Aud.do J. de I), da 3. Y.
20 Quart. a. Libera o M. Aud. do J. de D. da 3. T.
Si Ouint. a + S Thom A.
22 3a. a. llnnoraio M .Aud. do J. de IV da 2. t.
*;-. Sb. a. VfctoAi V. M, Re. And do J. de D. da 1- .
21 Dos, a. Gregorio M%
de Dezembro Anno XIX. N. V7G.
I .^.aSsL/ii^iV _iil!IV3lsE.-*';..~7T^*--WWil^ra^s^illllla^.- ...ti. -.._ -~
O DlaUO pnblioa-M todo* 01 dias q-ie nSo forem Santificados: o prtao da aaaigaalara
da tres nil res por quarlel pagos sditnlados Os anuuncios dos sssignDts uo inseru o
gratis eos dos que n.10 forem s rss-io de Miris pnr linha. As recia mar; oe a deam aer_diri-
g las a esls Ttp., roa das Crutes K.l*}, ou apra^s da Independencia loja de litros N. >
CaMiiosNo dis i0 de Dexeinbro. ooaspra
Cambio sobra Lvnoraa 26. Oo-Moeda d. 6,*00 V. 16,8l)0
- P.n37j ,.i, por franco. N. 46,01)0
0,tOO
1,'JUU
1,900
i,MU
_.-------- K---------.
a Lisbs 110 poHOUdeprsaio
randa
17 ll."
(6.80U
.4
1.92U
l.'JTJ
1.92U
da 4,000
PlAla-Palacoes
Moadadacobia 2 por cenlo. Patoa Coltrmnaree
Ideas de letras da boas firmas 1 s I 1 i ;;. ditos Mexicanos
PHASES DA LA NO MEZ DE DEZEMBRO.
Loa CheiaC, f 9 horas e 4i m. da tarde I La ora i Jd, 4a 5 horas o 49m.ds .
Qnart. ming. 4 14, a 10 hars ello, da m. | (oarl.oieso. 4 8, ios 43 minutos db tarda
Preamar de hoje.
4.a o horas ti da aaabia. | Z. a i Dorase 30 m. da Inrd.
3S*
PARTE OFF-CVAL.
(Joverno da Provincia.
lllm. Snr. Participo a V. S. que eav
attengo s molestias pelas quaos tem estado
fura do servico da guarda nacional (leste muni-
cipio o tenente-coronel clicfe do 2 batalho
Manoel Jse da Costa o" tenho reformado no
mesmo posto que oceupava.
A presidencia,depoisde sentirenfermidade.
queprivou a G. N. dos relevantes servicos, que
este benemrito tenente-coronel Ihe fizera es-
pecialmente em quanto commandou o 2 ba-
talho que devoom grande parto sua oner-
gia e zelo a disciplina o g.irbo militar, que
tanto o distinguido encarrega a V. S. de la-
aer lionro/a meneiio dos valiosos servicos do
referido tenente-coronel o louval-o em no
me do governo quando cominunicar-lho e
fizer publica a sua relrma. Daos guarde a
V. S. Palacio de Pernambuco 19 de de/.embro
de 1813 Raraoda Boa-vista.Sr comman-
dantesuperior da guarda nacional d'este mu-
nicipio
O presidente da provincia, attendendo as mo
lestias que soffro o secretario geral da guarda
nacional do municipio do Recife, Jos Joaquim
da Fonseca Capibarihe pelas quaes tem ha
tempos deixailod-'emprogar-se no servico ; ha
por bem relrmal-o no dito posto e ordena
que pela secretaria se expecao as convenientes
communicacoes. Palacio de Pernambuco 20
de dezembro de 18W. BarSo da Boa-vista.
O presidento da provincia ordena que pe-
a respectiva secretat ia se oasso patente nomean
do para secretario geral da guarda nacional do
munieipio do Recite ao lente do 2. batalhiiq
da mesina guarda nacional Jos Ignacio Soares
de Macedo. Palacio do Pernambuco em 20
do de/.embro de 18*3. Baro da Boa-vista.
O presidente da provincia ordena, que pela
respectiva sqcretaria se passe patente, nomeando
para tenente-coronel do t. batalho da guarda
nacional do municipio de Iguarass ao major
do mesmo batalho Francisco Cavalcanti Jaime
Galvo. Palacio do Pernambuco em 20 do de-
zembro de 18i3. Baro da Boi-vista.
EXPEDIENTE DE 6 DO COMIENTE.
OmcioAo inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes determinando que da quota,
consignada paia desposasoventuaes, mande en-
tregar ordem do chefu de polica interino a
quantia de2108rs. para o sustento dos presos
pobres de justic da cadeta desta. cidado no cor-
rento mez.Communicou-se ao chefe do polica
interino.
DitoDo secretario da provincia ao comman-
danto das armas, communicando tero Exm. Sr.
presidente indeferldo o requerimento do primei-
ro sargento Manoel Goncaives Sonreir, em que
pedia dous mezes do ticenca, o o do soldado
Francisco Correia do Nascimento que tambem
sollicilava ser licenciado por um mez.
DitoDo mesmo ao inspector da thesouraria
da fazonda, transmittindo a ordem do tribunal
do thesouro sob n. 32, para quo Ihe d exe-
cucio.
IDKM DO DA 7.
OmcioAo juiz municipal e de direito interi-
no do Bonito, declarando em rosposta ao seu
omcio de 9 do mez Ando, que os alvnrs de fo-
Iha corrida devem serpassados peloescrivao do
jury, quando forem requeridos dojuii de direi-
to, e pelo escro das execuces, quando o (o-
remaojuiz municipal; anda e*ino. nos ter-
mos, em que estes dous olucios forom oxercidos
por um s individuo.
Dto-Ao ch.f da legia de Olinda, ordenan-
do, quj mande dispensar do servico os uarjas
do prmeiro batalho duquelle mumcip-io Ma-
noel Ignacio Pcroira Jnior, Chisto Soares. c
Jos Antonio Pereira, por so acharem nomeados
inspectores, os dous primeirosdo 14 e lo.
quarteires d"aquelle termo, e o terceirodo quar-
loiiad de Fragoso. Cominunicou-seao chele de
polica interino.
DitoAo inspector da thesouraria da (asen-
ta, determinando, que expeca suas ordens, pa-
ra que contar do 1 do Janeiro prximo lu-
puro seja abonada & familia do capito Pedro I-
vo Velloso da Silvoira, por conta dos sidos des-
te, a prestaco mensal do 2()f rs., e ailm de que
se declare esta circiimstancia na guia, que se
houverdo passar aquello olTicial.Participou-
se ao commandante das armas.
PortaraSubdividindo em dous o dislricto
de polica da reguesia da Rscada;umdos quaos
Acara ao sul do rio Ipnjuca, e ter a denomina-
cao de Districlo-do-sul, eo oulroao norte do
dito rio, quedenominar-se-ha Districto-do-nor-
te.Communicou-se cmara municipal da
cidado da Victoria: nomeou-se para subdelega-
do do Districto-do>sul ao tenente-coronel Jos
Pedro Velloso da Silveira, destinando-se-lhe
para supplentes em primeiro lugar o capito
Jos Feijode Mello; em segundo o major Ma-
nool Goncalvcs Ferreira Lima; em terceiro o ca-
pitn Antonio Fei de Mello, em quarto o ma-
jor Eustaquio Velloso da Silveira. em quinto
Mariunno Xavier Carneiro da Cunha, e em sex-
to o tenenente-coronel Jos Rodrigues do Sena:
e para subdelegado do Distri to-do-norto ao ci-
dado Henrique Marques l.ins. deMznando-se-
Ihe para primeiro supplenteo cidadnlos Ca-
valcanti de Lcenla; para segundo o major Can-
dido Jo Lopes de Miranda; para terceiro Jos
Sanxo Rizerra Cavalcanti; para quarto Antonio
da Silva Mattos; para quinto o alteres Joaquim
Jos de Mello Jnior; e para sexto o tenonto
Manoel Rodrigues da Silva Cmara: rcmetten-
do-so ("isas nomeaedes ao chele de polica in-
terino para Ihesdar o conveniente destino.
dem do da II.
Odieios Ao inspector da thnnrrl? rlit (Vi.
senda, e ao commandante das armas, remetien-
do copia do aviso da secretaria da Kuerra d ifi
de novninbro ultimo, que determina as declara-
ces, o oxames, que se devem fazer as guias,
que so houverem de passar s^pracas do pret
Ditos Ao mesmo, e ao presidente interino
da relacao, participando tersido removido para
a comarca de Jacobina na Babia o juiz de direi-
to do civel do Rio-formoso, Antonio Alfonso
Ferreira; para a do Natal, no Rio-arandc-do-
norte, o juiz de direito do civel de Garanbiins.
Joao Paulo do Miranda, cd'aquolla para esta o
bacharel Basilio Quaresma Torread Jnior; n
intelligenciando-o> d'havor sido nomea lo o ba-
charel AgostnhoMoreira Guerra para substiluir
o juiz de direito do civel do Rio-formoso.Par-
ticipou-se esto a sua remocad.
Ditos Do secrotario da provincia s cama-
ras municipaes de Olinda, o Flores, aecusando
recepcaS dos balancos da respectiva recolta, e
despesa no anno lindo, o do orcamerto para o
anno futuro.
dem do da 12.
Olcio Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda, determinando, que por conta do ministe-
rio daguerra mande indemnisar o arsenal de
marinha do quo despendeo com o fornecimento
de combustivel, e um pratco, que, em conse-
quencia d'ordem do mesmo ministerio, por al-
l so fez ao vapor l'aquelc-do-sul. Communi-
cou-se ao inspectordo arsenal de marinha.
Portarla Demiltindo Joaquim Jos da
, Fonseca Soares de Figueiredo do lugar do aju-
danto dos engonheiros. Participou-so ao ins-
I pector da thesouraria das rondas provincias, ao
engenheiro em chefe das obras publicas, o ao
respectivo inspector fiscal.
Omcio I>o secrotario da provincia ao ba-
charel Vicente Pereira do Reg, declarando em
resposta ao seu omcio, em que participa nao
poder, por motivo de molestia continuar no ex-
crcicio-do juiz municipal supplente da prirnei-
1 ra vara, que fleve passar os papis & mosm'a're-
Ilativos ao immediato Joao Floripes Da Barr-
! to.Olilciu-s'e respeito este bacharel'
Dito Do mesmo Mena Callado d Fon-
seca aecusando reebido o seu omcio em
que propocm o estabelecimento nesta cida-
de de um museu ou gabineto do historia na-
tural, e olTereca-se ceder em beneficio do mes-
mo a'lguns objectos elle pertencente, que tem
podido obter; e signiflcaodo-lhe, que o Exm.
Sr presidente aguarda a prxima reunia da
assembla legislativa provincial para levar ao
eonliecimentoda mesma a sua ollera, e pro-
posta.
r.oinmando das Armas
EXPEUItNTE DO DA 4 DO CRREME.
Omcio Ao Exm. presidente, oommunican-
I do-lhe, que em inspec9o de saude de 29 do do-
vembro forao considerados incapases os solda-
dos do batalho do infantaria de guardas-nacio-
naes destacado Jos Amaro das Virgens. o Ma-
noel Cactano de Sousa, aos quaes mandara ex-
cluir com guia para os corpos.a que dantes per-
tenciaS.
Dito Ao corone! Joaquim B. de Figusredo,
instando, para quo comparccessenoconselho de
suerra do coronel Burlamaque, nu qualidadede
vogal do mesmo.
Dito Ao commandante do batalho' de ar-
lilhana, communieando-lheo recolhimonto do
primeiro cadete Alfonso do Albuquerquo Mara-
nha.vindoda corte onde so achava frequentan-
do a escola militar.
Portara Mandando excluir com guias pa-
ra os corpos a quo dantos pertencia5, os solda-
dos dnbatalhar de infantaria de guardas-nacio-
naes destacado Jos Amaro das Virsiens, Manoel
Caelano de Sousa, por havero'n sido considera-
dos incapases do servico pela junta de sade.
dem no DA 5.
Omcio Ao Exm. presidente, enviando-lhe
a relacafi das pracas inspeccionadas pela junta
do sado em 29 de novemhro ultimo, afim de
seren propostas para domissao ao governo im-
perial.
DitoAo mesmo Exm. Sr., pedindo-lhe a
expedicca de suas ordens. para que o calceta
Justino Gomes Villar, que so acha em servico
na fortalesa do Bnim, fosse substituido, ern ra-
san de estar enfermo.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., informando os
requerimentos do primeiro sargpnto Manoel
Goncaives Sonreir, e soidano Francisco Cnela
do Nascimento, que pedan licenca, o primeiro
por tempo de dous mozes para condusir sua fa-
milia de Paje-do-flores, e o segundo por um
mez, afim de ir a Rio-formoso.
DitoAo mesmo lxm. Sr.. enviando-lhe. pa-
ra ser paga, a conta do fardamento, que so esla-
va dever ao primeiro sargento Joao Antonio
IVrcira, e soldado Bernardino Jos do Nasci-
mento, ambos do deposito, ha poucodcmUlidos
\ do servico.
Dito Ao commandante interino da fortile-
si d*o Brum, communicando-lhe, que o Exm.
Sr. presidente expedir ordem ao cngenheiio
chell'interino das obras publicas para so repa-
rar o rombo da prisao, por onde se evadirao l-
timamente os criminosos.
Dito Ao tenente-coronel commandante do
batalho do infantaria de guarnas-nacionaes des-
tacado, acerca do comportamonto do soldado M.
Q.. da quinta companhia.
Dito Ao commandante do batalho d'arti-
Iharia, para quoconsiderasse addido o tonente
J. M. C. d'Albuquerque, c mandando que o to-
nente Barbosa passasso a tomar o commando do
urna das companhias, que estivesse sendo diri-
gida pelo capitad addido mais moderno.
Dito Ao mesmo, prevenindo-o de que nos-
tes dias parta para a Ilua-de-Fernando a escu-
na de guerra Garapes, o que tivosse prompta a
importancia dos vencimen'os do destacamento
at o ultimo de novemhro, afim de ser enviada,
e bem assim um inferior, e dous soldados, quo
deviaS render a outros.
Portara Mandando derdigar do batalho do
infantaria de guardas nacionacs o soldado Po-
dro Jos de Oliveira, em attengo a ser casado,
o sobrecarregado do familia.
Dita Mandando excluir com passagem para
a companhia de artfices o soldado do segundo
batalho de artilharia Bazilio Elyso da Silva,
olUcial do latoeiro.
DitaAo commandante da companhia de ar-
tfices para rc:cber o soldado Elysio.
IDKM DO DA 7.
OmcioAo Exm. presidonte, significndo-
me, quo o capitao P. I. V. da Silveira dcixa
sua familia urna prestaca de 20/ rs. mensaes,
a contar do 1. de Janeiro do vindouro anno, e
robando-Ihe a evjediccao de suas ordens, para
que se decarasse esta circumstanuia na guia,
que se ihe devia passar pela thesouraria.
Dito Ao inspector da thesouraria, remet-
tcndo-lhe as guas passadas ao capitao Velloso
da Silveira, e primeiro-tenento Alfonso Ferrei-
ra, conformo exi-iira em seu oilicio de i do cor-
rente.e prevenindo.que o capitao deixa a sua fa-
milia a piestacan mensal de 20' rs., sendo seo
procurador o primeiro-teneiite J. R. Padilha.
Dito Ao coronel da extincta segunda linha
J. 15. do Figueiredo. dizeodo-lbeeo resposta a
seu omcio de C, que eslava dispensado do com-
parecer como vogal no conselho do guerra do
coronel Burlamaque e outros.
Dito Ao tenente-coronel commandante da
Ilha-de-Fcrnando-de-Noronha, respondendo os
seusoflciosde 14, 16, o 17 de agosto ultimo, e
communicando-lhe a remessa da importancia
dos vencimenlos do destacamento, o dealgumas
pregas quo i a o substituir outros.
Dito Ao mesmo, ordenando-lho, que o
mappa n. (> dos artigos bellicos seja enviado de
tros em tres meses, e nao no 1. do Janeiro de
cada anno, como eslava marcado.
Dito Ao commandante da escuna de guer-
ra (aiampes, para que houvesso dorecober do
commandante do balalhad de arlilharia a im-
portancia dos vencimenlos do destacamento da
llha-do-Fernando, a ser entregue ao respectivo
tenente-coronel commandante, assim como tres
pravas, que io substituir a oulras, que na mes-
ma escuna tinha do regressar.
Dito Ao commanda ite da fortalesa do
Brum remettendo-lhe um requerimento de
Francisco Goncaives do llego, para que sobro
seu contexto ouvisse ao capitao P. I. Velloso da
Silveira.
Dito Ao commandante do batalho de ar-
lilharia, para que entiegasse ao commandante
da escuna Gararapes a importancia dos venci-
menlos do destacamento de Fernando, e as pra-
cas, que tinhao de destacar para all; assim co-
mo toda a correspondencia ollicial para o com-
mandante da llha.
PortaraMandando passar para a compa-
nhia de artfices, em soldados, os cabos-de-es-
quadra Dionisio Jos do Bego.e AnnastacioGue-
des Alcanforado, osle aiaiato, e aquello carpin-
tean).
Dita Mandando, que na companhia de art-
fices se recebesHe com passagem as duas pracas
mencionadas na portara cima.
EXTERIOR.
INDIA.
Por expresso de Marselha.
Recebemos pelo nosso correio mensal de Mar-
selha a noticia seguinte enviada de Bombay e
datada a 2 de outubrp a qual chegou a Mar-
selha a 2 de novemhro no#apor Alecto ; to-
mos pois por elle avisos de Calcuta at 19 de
setembro e da China at 3 de agosto.
O principal tem da noticia da India urna
insurreico em Labore e o assassinio de Shere
Singh do seu filho Purtaub Singh, e de todas
as suas familias a 15 de setembro. O Sirdar
Ajeet Singh foi o perpetrador d'esta sanguino*
lenta tragedia.
O general Ventura o seu partido atac-
ro o assassino ,- e foro derrotados. O crpo
de Rajad foi decapitado, o a sua cabera espeta-
da n'uma tanca. O filho de Itajah loi morto
entrada da cidade.
As mulheres, o filhos das victimas assassina-
dassucumblro tambem s mos dos sicarios,
al urna enanca, que linha nascido no dia an-
terior. Este crime foi depois vingado com o
assassinio de Dltyan Singh pelo actual matador
do rei.
Dm rapaz que se diz ser filho de Runjeet,
ja com dez annos de idado loi posto no thro-
no sob a proteo o do vizir, filho, ou irmo
de Dhyan Singh.
^egue-sc um extracto da gazeta de Delhi a
este respeito :
Esteacontecimento leve lugar na porta do
noite de Lahore, cerca de milba o meia distan-
to do palacio s 9 horas e meia da manha do
dia 15 A conspiraco foi (ormada por Fakeer-
A'ce/.-ood-deen. e Lhyar Singh e coube por
sorte a Sirdar Ajeet Singh o executal-a ; Sir-
dars Golab Singh Lena Singh (Majeeteea), e
Soochet Singh tambem tivro parte n'ella ;
Dhyan Singh deo as disposiedes, propondo ao
Mabarajah o inspeccionar as (ropas de Ajeete
ingh o que o Maharajah disse que aria na
manha seguinte e n'esta conformidade expe-
diro-sc as ordens. Na chegada de Maharajah
ao sitio da parada censurou elle a posi^o e
estado de alguns cavalleiros postos de proposito
tiara atlrahir a attencan e entao Ajeet Singh
tornou-sc petulante, travro-se de palanas,


Il
O elle (Ajeel Singh) tirando urna pistola doscio,
disparou-a na cibera de Shere Singli en
tramlo-lho a baila na ontedireita.
O general Ventura, e o seu partido atacto
o assassino, porin encontrando resistencia num
pod roso corpo do tropas, foro derrotados
Ajeot Singh decapitou o corpo de Rajab espe
tou-lho a caheca n'uma lanca e ao entrar na
cidado encontrou a turara do principe Pur-
laub Singh, a qual foi iminediatamentcataca-
da, e o principe morto ; o palacio foi tomado,
Dulecp Singh rapaz do 10 annos de idade ,
A o nico filho lie Fiuojeet Singli que restava,
foi elevado ao throno. O thesouro foi arrom-
bado e as tropas pagas dos seus sidos atrasa-
dos; todos os ilhos. e mulheres de Shere Singh,
e do principe Purtaub Singh foro onto trazi-
los e assassinados, entre elles foi um dos fi-
Ihos de Shere Singb nascido apenas na noute
antecedente. Destacfirao-se tropas para guar-
necer todos os ghauts e todos os do par-
tido contrario forao aprisionados, excepto Ven-
tura quoescapou.
Depois de ter Ajoet-Singh matado a Shere
Singh voltava para o forte quatiJo encon-
trou Duhyan Singh ; disso Ihe que tinha exe-
cutado o leito o pedio- Ihe que voltasse ; met-
4co-se na carruagem de Dhyan Singb e quan-
do so aproximrao da porta do forte Ajeet-
Singh apunhalou Dhyan Singb e enviou o seu
corpo a mu irmao Sonchet Singh e a seu
filho Heera Singh. Estes dous individuos cer-
caro a cidado com as suas tropas e o povo de
dentro continuou a saquear toda a noute.
Na manliaa do dia 16, tendo Heera Singh
entrado no forte prendeo Ajcet Hngh Lena
Singh e outros, e dando-lhes a morte ex-
poz as cabecas na planicie e lanc<>u os corpos
no ba/aar. Dhulleep Singb foi posto noguddee,
e Heera Singh feito Vuzeer. Morrrao 600
bomens J ambas as partes:
este um acontccimenlo importanlissimo ,
porque prova que o imperio fundado com tanto
trabalho por Kunject est na vespera da suo
dissolucao,
Runjcet morreo em junho de 1839 ; suecc-
deo-lho o seu filho Kurruck. Este morreo ,
e foi succedido por Nao Nehal Singh que foi
morto no funeral de seu pui.
Shere Singh foi o successor immediato e
tendo tambein sido morto p74r8Q um meni-
no em seu lugar, para ser igualmente victima
a seu turno.
Como se previsso os acontecimentos de La-
bore, tinha lord Ellenborough mandad prepa-
rar um grande exercito, que devia rnir-so as
marg.ms do Junna, Tambem expedio ordens pa-
ra se Ihe mandar dar um crpo do tropas de
Bengala afim de oceupar Scinde, donde deviao
retlrar-ie as tropas do Bombay; mas agora sus-
citao-se duvidas cerca da exequibilidade d'es-
se movimento, pois que ser pr cisa toda a
frca de Bengala para proteger as fronteiras
contra os Sikhs. Ha presentemente 16,000 ho-
mens em Scinde. Sir Charles Napi'er est em
Kurrachen; as tropas em Scinde gosao geral-
mente de sade, excepto as chegadas do novo
Sukkur que vieran de Bengala.
Diz-S que Silero Mahommed est nos outei-
ros perto de Candahar. Dost Mahommed, que
governa em Cabul, parece desejoso de ficar em
boa intelligencia com o governo inglez. Julga-
so que lie tentar agora retimarPeshavvuraos
Sikhs, o por isso lalvez se ache em collisuo com
o governo, }ue est obrigado proteger os des-
cendentes de Bunjeet Singh.
Excita na India o maior interesse a revolu-
cao de Lahore, a qual espera-se que terminar
por sugeilar ao dominio da Gratn-Bretanha a-
quelle paiz com perto de 4,000,000 habitantes,
c urna renda de inais 2,000,000 Ibs.
Reina a tranquiilldade no interior da India.
Gevalior parece tranquilla por em quanto, an-
da que despertou-se alli grande alarma, quando
se soubeda intcneao do governo supremo do re-
unir tropas. Bundelkund tambem est em so-
cego. No territorio de Nizam occorreo urna mu-
danca pela remoco do antigo primeiro minis-
tro ('.liindoo Lall, que foi succedido por um seu
prente.
Houve aJguns processos de grande interesse
em Bombay, tacs como o de Charkjee Dudajec
contra a enmpanhia da India Oriental
licto de entrar violentamente as suas casase
tomar-lhe todos os papis; outro piocesso o
d'uma senhora Parsee, que propoz urna arcan
contra seu marido por casar comoutra mulher,
alim de reclamar os seus direitos conjugaes.
Tentou-se provar que os tribunaes inglezes nao
tinhao direito de intervir na questao, mas o su-
premo tribunal sustentou a sua jurisdlcco.
Outro processo de grande interesse foi oda
dous dos principaes cabecas e de oito dos con-
socios da quadrilha Runder, que, ha annos, tem
roubado, saqueado, contrabandeado, e suppde-
seque tambem tem assassinado no porto de
Bombay. A descoberta desta quadrilha, depois
de ter existido, ha 20 annos, 6 apreciada -om
grande salisfacao pelos amigos da civilisaca e
juslica indiana.
Lord Ellenborough permanece em Rarrackpo-
re, donde espcia-se que passo brevemenle s
provincias do noite. Elle ainda c insultado por
uma parte da imprensa indiana, mas outro par-
_________*
duzirbons resultados. Sir Hugh Gough tomou do V. M. I. urna representarlo, instruida com
> commando do exercito. A monean tem sido
eminentemente avoravel aos productos agrco-
las do paiz. (Times)
H
baha,
notas de 200*000 falsas !
Verificou-se houtem ( 13 do corrento ) a
existencia de cerca 3:000*000 res de papel
lalso recebido na thesoararia geral sendo
toda a quantia em sedulas verdes, e de 200g000!
O snr. inspector da fazenda immediatamente
se dirigi alfandega e consulado com
urna das sedulas falsas i prevenir os respec-
tivos snrs. tbesoureiros e ao mesmo tempo
indagar so haveria algumas rocebidas; feliz-
mente no cofre d'alfandega nenbuma se encon-
trou falsa e eremos que o mesmo aconteceo
no do consulado. Esta noticia da apparicao
d estas notas falsas fez bastante sensacao na
praca.
( Do Correio Mercantil.
Publicado a pedido.
MARANHO.
Mais urna violencia dos Inglezes contra
um navio de propriedade brasileira.
CORRESPONDENCIA.
Jllm. snr. redactor da Revista Maranhense.
Tendo eu feito ao governo imperial o me-
morial da copia inclusa, instigado pelo abando-
no, em que me deixou o snr. menistro dos nego-
cios estrangeiros Aureliano de Oliveira Sousa
Coutinho, remetiendo o meu direito, e o desa-
gravo nacional para os tribunaes de Londres I!
Ihe rogo o favor de publicar na sua acreditada
folhao dito memorial, e que posto fosseremeltido
d'aquipara o Rio-de-J'uncir em 11 demaio des-
te anno, possivel, snr. redactor at hoje a-
inda nada saber em resultado, cujo esquecimen-
lo parece applicado de proposito ao fraco a favor
do forte. MaranhSo 7 de oulubro de 1843.
Seu assignanle e criado..
Antonio Pinto Ferreira Vianna.
SENHOR.
Antonio Pinto Ferreira Vianna, cidarlSo
Brasileiro, e negocianto estabelecido nesta pra-
ca do Muranliao por s, e como socio de An-
tonio Goncalves Machado, h>je representado
por sua viuva vem ante o throno augusto de
V. M. I. reclamar contra a solucao dada pelo seu
ministro e secretario de estado dos negocios es-
trangeiros em oOliio de 4 de julho do anno p.
p., dirigido ao presidente d'esta provincia
cerca de varias outtas represen tacos, que osup-
plicante fez respeitosamente subir imperial
presenca de V. M. queixando-se das inslitas,
o odiosas violencias praticadas por varios na-
vios da armada real biitanica contra o briguc-
escuna /imalia de propriedade do suppHcante .
edorelerido seu socio; econfia o supplicante
que cssa solucao ?er alterada, em vista do
quo passa expender, e limito mais, atiento
o zelo paternal e todo o Brasileiro, com que V.
M. I. cosluma zelaros direitos de seus fleis sub-
ditos e a honra e dignidado da naco que a
Providencia felizmente confou a sua indefecll-
vel sollicitude.
Bem que os ataques feitos ao brigue-escuna
Amalia, Senhor, fossem largamente referidos
as repiesentaces j anteriormente endere-
zadas a V. M. I., o supplicante tornar aqui
a narrar suTicentementc essas deploraveis oe-
correncias que se nao forem devidamente re-
paradas, cobrir de eterno oprrhrio o pavi-
Iho que abuse u da soafrca para assaltar urna
inerme escuna brasileir8 c despojal a mo
armada da parle mais importante do seu carre-
gamento.
No correr do anno de 1839 por intermedio de
Francisco de Paula Sousa C.olho, seu corres-
pondente no Para, afretou o supplicante ao
cnsul portuguez d'aquella cidade o referido
brigue-escuna Amalia para conduzir d'alli co-
lonos Portuguezes brancos a cidado de S. Paulo
de Loanda e com efleito fro conduizdos -
quelle destino cineoenta e cinco colonos, e
, Je- Produ?io a sua passagem junta ao fr te de ou-
tros objectos de carregamento o venda de co-
mc-tiveis que sobrarn a quantia liquida de
despezas de rs. 5:2568730, que Ihe foi paga
pela junta da tarruda d'aquella cidade ao seu
correspondente Joo Antonio de Moraes Faio ,
em moedas de ouro de 6:400 rs. Na volta da
referida embarcacao, que vinha em lastro, mas
trazia a mencionada importancia em ouro, lo-
go ao sahir foi ella visitada pela corveta portu-
gueza Uranea cujo commandante se portou
em termos habis ; porm depois, e ainda nos
mares da frica, e na altura indicada no termo
de protesto que ento se lavrou foi abordada
pela escuna de guerra britnica denominada
Fair Rosemond que a pretexto de revistal-a
oito documentos, immediatamente que chegou
a este porto o referido seu brigue-escuna de-
pois de ter soffrido aquella violencia que foi
em fevereiro de 1840. Desses documentos se
provava o destino, com que o brigue-escuna se
dirigir a Loanda a importancia em ouro que
trazia a sua aprehenso o como foi passada
para bordo da escuna ingleza e que o brigue-
escuna nao era empregado no trafico o que
alias provaria se duvidas restassem a tal res-
peito o facto de o cruzador inglez o deixar li-
vre so bem que depois de arrebatar-lhe todo
o dinheiro em ouro que trazia sendo de mais
a mais certo que o governo de V. M. Imperial,
nos oDlcios que pela secretaria de estado dos
negocios estrangeiros dirigi presidencia des-
ta provincia om data de 29 de abril de 1840 ,
e 4 de julho de 1842 reconhece valiosas e
convincentes essas provas apresentadas, e quali-
fca de justa a reclamacSo do supplicante.
Ao entrar neste porto e j dentro delle ,
foi ainda o brigue-escuna devastado do urna
maneira insolente pela tripolaco da corveta
face Uorte, que em desprezo de todos os prin-
cipios de direito inter-nacional se abalancen a
similhanle arrojo em face do delegado de V.
M. Imperial e continuando pelo mesmo theor
o encarnicamento da marinha de guerra bri-
tnica ainda urna terecira vez foi o brigue-es-
cuna Amalia assaltado pelo brigue Wiiard,
no dia22 de oulubro seguirte em que sahra
do pf^rto de Pernambuco para este trazendo
passageiros e gneros de cabotagem.
Desta feita o assalto foi acompanbado de in-
sultos ao capitao, e tripolaco da Jmalia do
arrombamento da escotilha dezarrumamento
da carga e da abertura do officio do inspector
da alfandega de Pernambuco, que acompanba-
va o manifest o cujo sello com as armas im-
pertes foi rolo e despedacado pela mo te-
meraria .do commandante inglez. Suspeita-sc
at quo nessa occasiSo a tripolaco aggressdra
fizera alguns rombos no brigue-escuna,que, es-
lando prefeitamente sao comeeou a fazer de-
sesseis polegadas d". gua por ora, depois do mo-
mento da invasSo receiando-se at avaria ,
pelo que se fez enlao o devido protesto.
Sobre estes dous ltimos insultos Senhor ,
dirigi tambem o supplicante suas humildes re-
nmspntaci's a V. M. Imnerinl instruida" com
os necessarios documentos. Acerca destes im-
portantes assumptos trocrao-se algumas notas
entro o governo de V. M. Imperial e o envia-
do extraordinario deS. M. Britnica, que, ten-
do recebido em confianca os oito importantes
documentos, com que o supplicante instruir
do acerca delles responden que os havia re-
metlido aoseu governo sem deixar copia, por
ter a attencao destrahida em muitos outros tra-
balhos da legaco e quanto questo em si,
limitou-se a scientificar que, tendo sido en-
contrados 56 meiosdobres em ouro em poder
de um marinheiro da tripolaco do Fair Rose-
monde seriiio elles pagos ao cnsul brasileiro em
Londres pelo governo inglez alm deafancar
a punico de delinquen te. Pelo que vendo o
ministro de V. M. Imperial com pezar que se
nao dava a solucao por elle exigida,declarnu em
sua nota passada aos 25 de outubro de 1842 ,
que repulava a nota do enviado inglez de 27 de
agosto anterior como urna recusa formal de a-
quiescer s justas reclamacoes do supplicante
transmitidas pelo orgo respeitavel do gover-
no imperial, e em desespero de causa mandou
insinuar ao suoplicante pelo citado officio de 25
do oulubro, e outro de 4 de julho do nnno pas-
sado, que recorresse aos tribunaes de Londres.
Senhor E.contra esla solueo, que o sup-
plicante vem humildemente sollicitar, esperan-
do, que a energa, vigor, e instancia do governo
de V.M. Imperial, alcance do governo britni-
co a restituicao dos dinheiros levados com frau-
do e violencia ao supplicante e a repararan
de todos os aggravns solTridos, que to de per-
to tocao a V. M. Imperial. O insulto nao foi
feito a um simples- particular, mas a todo o im-
perio no seu pavilhao; nao loi feito por um sim
pies subdito inglez mas por um navio armado
daquella naco ; nao leve lugar smenle nos
mares da Afica mas no coraran do imperio ,
as 8guas de Pernambuco e dentro do pro-
prio pOrto da cidade de S. Luii do Maranhao !
E porque aos insultos feitos a nossa bandeira se
ajuntou a sublracco de umaavultada porcio de
dinheiro ha do a vendicacode tamanhos ul-
trages ser exclusivamente confiada a um parti-
cular e este remettido para os tribunaes do
mesmo governo que segundo o ministro de V
armada e despojados do fruclo de sua indus-
tria, e trabalho. Requer pois o supplicante a
V M. Imperial, que, mandando de novo com-
pulsar as suas anteriores rospeilosas representa-
(oes o a correspondencia havda a tal respeito,
ordene ao seu governo,que continuca empregnr
os meios diplomticos at obtor se urna solucao
salivatoria. O supplicante, Senbor, beja desde
j reverentemente a augusta mao de V. M. Im-
perial, pela proteco, que se digna protar-lhe.
P. a V. M. Imperial seja servido assim o ha-
ver por bem. E. R. M.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendment do dia 20..........8:064*782
DescarregSo hoje 22..
BarcaIrtd drenles gneros,
BrigueThomaz-Luk- dilo.
DitoTriumphanteditov
DitoPrimavera dito.
BarcaMercalorcarvao.
DitaBrazilian-Packttdita.
BrigueJucatardito.
IIovment do Porto.
Navio entrado no dia 19.
Maldonado ; 29 dias brigue-escuna hesp -
nhol Jorem-Temerario de 173 toneladas ,
capillo Janiem Rozes cquipagem 13, carga
couros.
_________EditHl._________
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Camargo*
commendador da rdem de Christo, inspec-
tor d'alfandega, <5(c.
Faz saber a quem convier, que, acbando-se
presentemente (echada a parlo do caes d'alfan-
dega que fica desde o lorreao ociupado pela
associaeao commercial at o trapi< he ser do 1.*
de Janeiro de 1844 conservada paleo da mesma
alfandega e as mercadorias, que alli se at ha-
rem e se depositarcm fitao sugeilas a arma-
zenagem demorando-se alem do lempo permit-
tido peto reguiameiitu. Aiauu'ega !S de de-
zembro de 1843.
F. T. P. de F. Camargo.
Declaracoes.
O abaixo assignado oflicial encarrilado
do laboratorio dos fogos art-licii.es do arsenal
de guerra por ordem superior fa/ publico, que
o mesmo laboratorio tem para vender ponao
de plvora grossa e fina da bblica nacional:
a saber a giosse a S'20 rs. a libra e afina ,
640 rs.; as pessoas que quizerem comprar ,
procurem nos dias uteisao annuncianln no dito
laboratorio na fortaleza das Cinco ponas Jo-
s Francisco dos Santos segundo lente.
COMP.MNHA DO BEBIR1BE.
Acho-se a venda as acedes que em virtu-
de da disposiro do art 9 dos estatutos re-
verleraoem favor da companbia : os preten-
dentes dirijo-se ao escriptoiio do caixa o
snr. Manoel Goncalves da Silva na ra da
Cadeia do bairro do Recife. O secretario ,
B. J. Fernandtt Barros.
M. Imperial se nega a dar qualquer satisfacao
amigavel? Nao, Senhor, ao proprio gover-
para averiguar se seempregava no trafico de A- no ^ V. M. Imperial a quem compre zelar to ,
frcanos, a releve prisioneira algumas horas altos, e sagrados objectos, como a honra, e in-ua nao tinhao lodido ser refutadas, que leva
o apoderou-se da referida quantia em ouro. dependencia nacional, offendidos. e ultrajados, !a convieco ao espirito de quem querquecom
Sobre esta escandalosa violacto do direito dai e cubrir con a sus poderosa, e effirai nretecSo s'.ieryo n sem nrevenc^o o leia.
PIJBLICAgES LITTERAPIAS.
Christo perante o seculo ou noros testemu-
nhos daa ciencias em favor do calholeetsmo.
Por Mr Roselly de Lorgues.
Traduzido em portuguez.
Em o estado de desmoralisacio, em que so
acha o Brasil onde descaradamente ainda
reinao as ideias antireligiosas que em o seculo
passado pusroem conflagradlo toda a Europa,
lulgamos acertado romancear a obra de Mr.
Hoselly de Lorgues, convencidos que sua le
tura urna necessidade para toda alma chrisla;
os sabios qne o meditarem no silencio do gabi-
nete di/. oabbadeOrsini acharo nelle ver-
dades luminosas; as almas puderosas um man-
timenlo nohre; os ministros do Senhor mil bro-
queis, e mil gladios para a defeza da ver-
dade.
O autor depois de referir com miudeza ,
o nascimento do pbilosophismo em Franca, e os
trabalhos da seita philosopbanle para acabar
com o que elles chamavo superslico christicola
demonstra com tanta clareza e evidencia a
divindade de nossa religiao e responde lo
victoriosamente s objeccoes cm contrario
que por falta dos conhecimentos necessarios ain-
gentes ,
pavilbSo
sobre este inaudito insulto feito ao
brasileiro, o supplicante Senhor,
proteco
os direitos dos seus subditos que descansados
na f publica, e paz das nnees, se vflem, quan-
re elende as suas actes como tendentes a pro ,' dirigi ao ministro dos negocios estrangeiros do menos oesperavo, accommeltidos de mi
O governo Irancez, querendo dar esse livro
um testemunho publico de sua distincio, no-
meou o seu autor membro da ordoro rea i da


arwti sawt ^vrrxa9ui-'JKKm
egIao do honra sendo e,ta a un.ca obra re- no rr
|iglosa ou philosopbica, a quem a actual d.- cr.vos pode entender-so eom Amorim&Ir-
flaslia tem conferido tal recompensa ; este ac- mSos no Recile na ra da Cadeia n 43
M .. Mi
provaoexhuhcranteinenle seu alto valor. os
o temos traspassado para Porluguez, e, nao po-
dendo carregar com todas asdespezas da imprcs-
so, esperamos, que nossos concidadSosconcor-
ra.para que brevementepossamos publicar nos-
sos trabalhos. Ilecehem-se assign.iluras em a
Praca-da-indopendencia ns. 6 e8, pelo prego
de 9 rs.
MINERVA BRASIL1ENSE.
JORNAL DE
SCIBNCIAS LETTRAS E ARTES.
Publicado no Rio-de-Janeiro,
Por urna associacSo de litteratos.
Apparecera duas vezes por mez de 15 om 15
dias, contendo cada numero 32 paginas de
inipiesso, em quanto grande : alguns nmeros
ser acompanhados de estampas.
Subscreve-se na Praca-da-independencia
loja de livros n. 6e 8 a 108 rs por anno pa-
gos adiantados, e no mesmo lugar serio entre-
gues os nmeros, lis res de despezns do porte.
recebe carga a fiete ; a quom convier dirija-se
a ous consignatarios Mendos & Olivcira nd ra
do Vigario n. 21, ou ao referido cap:tao.
Para o Rio-de-Janeiro sae impretorivel-
= Manoel Anastacio 11 Costa retira-so para
as Alagoas.
=s Bernardo Fernandos Vianna, em raso do
nao poder continuar a entinar prioneiras letras,
vendeo estahelecimenlo Ja suaaulaa qualquer
snr., quose queira propr a ensinar meninos, I
para o (|uo tem a casi escolenles commodos, o
boa ra; na ra da Cadeia do Recifc n. 56, das'
(i as 8 horas da mnhia o do rneio dia as tres
da tarde acharad o dono em casa.
Prccisa-se do um homem para feitor de
mente o hrigue hrasileiro Jpiter no dia 24 um engenho na provincia pas Alagas ; quem
do corronte, com a mesma carga que trouce do so acliar nessas circumstancias dirija80 a ra
Ass ; somente admitte passageiros, e osera-
vosa frote ; quom Iho convier. falle com Jos
Xavier Vianna na ra do Vigario armazem n.
3 ou com o capito a bordo
Avisos diversos.
CIRCO DE NFW-YORK.
RUADA FLOltmiNA TERRENO DES.
FRANCISCO.
sexta feira 22 de de/.embro.
Primeira parte.
l.'acto Dar principio ao espectculo o
grande cortejo equestre, intitulado Os ado-
radores do sol no Per com 12 bellos cavados
bem ademados.
2." Exorcicios athlclicos pelos srs. Nathans.
May Ruggles e Kinoade os quaes repre
sentar urna variodudo de grupos do estatuaria
antiga.
3. O joven William Kinc de, prodigio ju-
venil, apparecera a cavado na figura do marujo,
o concluir o seu acto com urna rpida o bri
ihante mudanca de tra|e.
4.' Saltos, e cainbalholas pela companhia ,
nomeoda qual Mr. ilogers dar um um pas-
moso numero de cambalhotas ern rpida Stto-
cesso.
5. A graciosa perfeita artista equestre, a
r.* Iluw.ird apparecera a cavado e execu-
tara algumas das suas lindas altitudes, e ilans.is.
6. Seguir se-hs a jocosa scena do soldado
om palavra. A parte de Moni au-ciel ser re-
presentada por Mr. Nathans la carreir.
Cozinheiro francez.......Mr. lloward.
N'cste periodo da represen 'co llavera um
intcrvallo do 15 minutos.
Segunda parte.
1 Co mocar com o acto Ilusorio da mata*
tnorphose do sacco que ser meditada pelos
dous palhacos os srs May, e lloward.
2. ir. Rogers, o cavalleiro dramtico, ap-
parecera no seu ligeiro ginete o formse Uess
9 re lo e representar em grando uniformo a
Inglaterra Irlanda, e Escocia. Dopois figu-
rara ello 1 'ocavalleiro Fantivy n'uma caca-
da derapozas; 2. o Paddy Mac Shanc indo
leira e o o seu combalo all; 3 o o meigo pas-
tor Pattic com a sua dansa escocoza : 4. o fo-
ragido montanhez Rob Roy n'uma escaramuca
sanguinosa.
3." Mr. Ruggles executar as suas evoluces
na corda bamba.
4. O Indio bravo daspenhascosasmontanhas
da America do-norte ser representado em ple-
no carcter, a cavado, por Wr.Howard.
5. Ter fim a representadlo ncsta occasio
com os esforeos unidos dos dous cavalleiros ini-
mitavois os srs. Nathans, e Rogers, os quaes
apparecero em dou* cavados n'uma scena in-
titulada os gladiadores.
N B. O directo muito se ulana do estar ao
seu alcanco o apresenlar este ultimo acto ao pu-
blico Ilustrado desla cidade por ter a certeza,
de que ser elle dcvidamcnto apreciado. Os
es!orcos combinados destos dous artistas eques-
tres tcm produzido mui viva sensaeo por to-
dos os Estados-unidos e na maior parle da
Europa. Neste grande acto desenvolvem-se
completamente a maravilhosa forra muscular de
Mr. Nathans, o equilibrio, o agilidado de Mr.
Tbrir-so-ha a porta da entrada s 7 horas da
noute.e principiar o espectculo s 8 em ponto.
Precos entrada.
Camarotes particulares 2.000 reis cada pes-
soa; assenlos superiores 1*500 res; platea
infeiior ljOOOrek
Avisos mar i limos.
= Para o Rio-do-Janeiro seguir o mais bre- cante ftdvoi
ve
Hurte
-equesei.possivelobr.gue5-.a Maria-lioa- rap.
i*?n por ter ja parte de sua carga ; quem que o
== Antonio Joaquim Goncalves Guimares
retira separa f >ra do imperio.
= Osnr. Jos,; Gomes da Silva queira ter a
bondado do dirigir-so a ra do -anta Toaron
casa n. 10 a negocio de sou interesse ou
annuncio a sua morada por esta folha.
Roga-se a pessoa, que no dia 20 do corren-
tc mez, por brincadeira, levou um relogiodo
sobrado do quatro andares da ra do Amorim
n lo, cujo relogio eslava pendurado no se
gundo andar do mesmo sobrado o lavor de o
mandar entregar no mesmo sobrado ou na
ra do Vigario em casa de Nuno Maria do Sei
xas. pois sabo-se muito bem quom he a dita
pessoa que levou o dito relogio pois loi visto
por quem muito bem o conhece e na falta
se publicar o seu nome por eslenco para ser
conhecido o tambem se usar dos meios da
lu.
ss Bernardo Fernandes Vianna faz certo
pelo presente annuncio que nao ensina mais
primeiras letras por causa de una rpida mo-
lestia que Iho repeli. A todos os senhores
pais que confiarao seus charos filhos paraos
ensinar, Ihes agradece muito e muitoacon-
liaoca que Ihes mereceo, e Ibes pedo desoulpem
algumas (altas em que ncorresse. Era de seu
rigoroso dever ir pessoalmente agradecer oque
dito lira a cada um snr. de per si mas a in-
certeza Jas horas, em que os poder achar cm
casa, az que anee mo deste meio.
Aluga-so por preco commodo urna canoa
aborta bem construida que pega em quinhentos
lijlos de alvenaria ; quem a pretender dirja-
se a ra da Praia de Santa Rila sobrado n. 1 ,
sendo de manhaa ate as 0 horas, c a tarde das
2 horas em diante.
Perdeo-se ou urtrao urna carteira rouxa
j usada, desde a ra de Santa Rita al o pateo
do Carino tendo dentro da mesma vinte p
cinco a trinta mil reis em scdulas sendo um i
sedula do IOS rs. urna do 5 rs. outra de
2* rs. o algumas de 18 rs.; tambem tinha
dentro urna lettra da quantia di* quatrocentos
mil res aceita por Antonio Vieira Martins e
endossada por Manoel Jos Pacheco de Mello ,
e duas obrigaces j antigs, e alguns papis de
lembrancas; a pessoa, que a achou, ou quem
forem oflerecidas a letra, e obrigacao paraal-
guma tranzacao, queira restituiros ditos papis,
o documentos que s scrvcui a seu dono e fi-
que com o dinheiro pois j se acho prevenidos
todo os devedores ; na ra do Santa Rila ca-
sa terrea da esquina n. 5.
Precisa-se aluga>- urna preta para o servico
de casa e vender na ra ; quem quizer alu-
gai dirija-se a ruado Cabugt sobrado da es-
quina por cima do relojueiro 1.1 andar.
Perdeo-se da Solidade at a Trompo urna
carteira com diversos papis ; quem a tiver a-
cbado, sea quiser restituir, dirija-so a Solidade
na vonda confronte a igreja que ser recom-
pensado.
Aluga-se urna casa terrea muito larga na
ra da Solidade, com 6 quartos, 2 salas, corre-
dor ao lado.cozinha fra. rom um grande quin-
tal murado, o cacimba com boa agua de beber;
quem a pretender dirija-se a ra da Aurora
casa n. 58.
FABRICA DE IUP
PEUNCEZ-V.
OASSE fabricante c legitimo inventor do
bem arredilado rap prineeza do Rio-de-Ja-
neiro com seu deposito geral na ra da Cruz
do Rocife n. 38 e outro na ra do Livramen-
to n. 13 avisa, que as muito boas qualidades.
que possuo o seu rap as quaes pela grande
eslima e crdito que progressivamento do dia
em dia teem obtido n'esta e as mais partes ;
bem conhecido por um consideravel numero de
tomantes, e nao consta ter mofado urna s li-
bra : por sso faz publico, que toda equalquer
pessoa que queira especular com o seu rap ,
attendendo as superiores qualidades, elle fabri-
que se responsabilisa pelo seu
por qualquer forma e com condieces,
mesmo'comprador pode upresental-as.
Cruz do Recifo n. 49, que achara com quem
tratar, ou annuncie
= Companhia equestre do circo Olmpico ,
retira-se deste imperjo:
Quem precisar de urna de leite, crioula e
forra; dirija-se a ra doRangel n 81.
= Aluga-se o 2.o andar do sobrado da ra
dasTrincheiras n. 46 ; no primeiro andar do
mesmo.
= Aluga-se um ptimo molequo cozinheiro.
de todo o servico, e sem vicio alguin ; quem
o pretender dirija se no dia sabhado,23 do cr-
lente ao 2 andar do sobra lo n. 10 defronte
de theatro velho.
= Na loja de lazendas n. 10 no Alterro-da-
Rna-vista ha um rico sortiment de marme-
lada de talhada secca efina em condeci-
nhas dita fresca fina e em latas ; amen-
doas de chocolate torradas.em latas;ditasbrancas
ile assucar finas e granitadas ; chocolate fino de
canella ; linha do Porto em mia las, meias
curtas de linho para homem e pello de urco
preto proprio para porem em chales, e cm
pannos de negras.
= Aluga-se, ou vndese, urna casa de
pedra e cal no engenho da Torre defronte de
Santa Anna propria para se passar a lesta por
sera margem do rio Capibaribe e por preco
mui commodo ; quem a pretender dirija-se a
Gamboa-do-Carino casa que foi estonque de
tabaco e boje padaria.
== Quem precisar de roupa engommad i com
perfeieao dirija se a ra lo Nogueira casa
n. 30.
A pessoa, que contricin com o snr. Miran-
dinha comprar-lhe a vacca por50Srs. por
ter o dito snr. alianeado-lhe que ella (lava dia-
riamente urna caada de leite quando nica-
mente su mj cosegiu tirar i 1/2 garrafa jo-
clara por meio d'esto Diario, que visto sua
merc di/er que a nao recebe mais; essim
a dita quantia ( oque est muito engaado ;
pois que s isto conseguir quando a sua mgi-
ca poder fizer com que a mesma d pelo menos
metadejequede hoje(21)do correte cm vanle.
Dio e responsabilisa por morte extravio ou
qualquer danno que na dita vacca o lilha a-
confoca lieando certo quesea nao mandar
buscar ateo dia 23 lo correte ser i compeli-
do pelo juizdu paz a f.uel-o assim como a
pagaras desposas, que com a mesma se fizer.
O l.< secretario aviza aos snr-;. socios que
hoje pelas 7 horas da tarde, ha sessao da com-
missao administrativa para approvacSo dos
convidados para a recita damanhaa 23 do cor-
rente.
=3 D. W. Rowman engenheiro executor
doencanamento das aguas do Prata o recen-
temente da lundico da ra da Aurora aviza
ao publico que se acha estabelecido n'esta ci-
dade como engenheiro e machinista ; o fe ro-
ce respeitosamente o seu prestimo esperando
merecer favoravcl acolhimento do governo, dos
senhores de engenho de qualquer companhia ou
de pessoas particulares que queirao empre-
hender obras de engenharia.
Prope-se a desenhar especificar, o orear
qualquer mechanismo a fim de ser executado
aqu ou dse mandar vir de fra.
Prestar a sua inspecc-o e conselho occasio-
nal ou permanente respeito de qualquer me-
chanismo labrica ou outra obra da sua pro-
fisso quer para a sua construcelo quer
para a sua conservaeao ou concert.
OITerece tambem os seus servicos para a ava-
liacAo ou escolha de quaesquer machinas.
A quem o procurar na sua casa n. 15, Ra
lormosa ( Boa-vista) dar mais minuciosas
informaces, cerca das suas condices e
espera que os seus servicos ser julgados profi-
cuos para a mais ampia ntroduceao do machi-
nas e manufacturas n'esta provincia.
OITerece-se para caixeiro de venda ar-
mazom. padaria, ou outra qualquer arruma-
cao um rapaz Porluguez de IV annos ; as
Cinco-pontas ao p do Terco vendan, i.
= Arrenda se para se passar a festa o sitio
n. 136 perto dos Aflogados, na estrada que
vae pora n (linni murado na frente com
excedentes commodos e estribara ', 8 tratar
no mesmo sitio.
ss Quem precisar de um rapaz Portugus
para qualquer oceupacao tanto nesta praca ,
como lora della do que tem todos os conhe-
cimentos necessarios de negocio, e tem boa
lettra ou mesmo para administrar qualquer
sitio dirija-se as Cinco-pontas n. 26.
Domingos Jos Vieira embarca para o
Rio-de-Janeiro ou Rio-grande-do-sul os
seus escravos Joaquim, de nacao ('abunda, o
Mara, de nacao Rebollo.
= Precisa-se de um canoeiro forro, ou ca-
ptivo ; na ra do Ra.igel n. ;i.
ss Francisco Tarault participa ao respeita-
vel publico e com mais particularidade aos
amigos dos bons bucados que de hoje em di-
ante elles acbarao a toda e qualquer hora na
sua casa de pasto franceza da ra da Lingoeta
n. 2, toda a qualidade de comida a franceza ;
assim como vinhos e licores de todas as quali-
dades cal com leite e sem elle pastis ,
pastelees, empadas da diversas sortes sala-
mes presuntos, linguicas &c. ; o que se-
r servidos com o maior aceio, limpesa e por
preco commodo. O mesmo Tarault oflerece-se
para mandar levar em as casas as comidas o
aque las pesso.'.s que com elle se ajustaren! ,
diaria ou mensalmentc ou por urna vez so-
mente ; participa-so mais 1 que todos os dias
de manhaa um seu agente levar a casa de seus
freguezes pastis, pastelees empadas, lin-
guicas c cbouricas franeezas, proprias para
a I moco.
Ainda se aluga o segundo andar da casa
n. 46 da ra da Cadeia do Recite o qual tem
um grande sotao, 3 commodos bastantes ; as-
sim como precisa-se alugar um negro para tra-
balhar em um sitio perto da praca pagando-se
per semana ou mensalmenle; a tratar na lo-
ja da mesma casa.
Em resposta ao que dizemos snrs. Amo-
rim Irmos no Diario n. 275 de 19 do corren-
te posso aliamar-lhes que exacto o que
do preco correte, datado em 18, de haverem
navios offereoidos parj loniarcm frele para
Buenos-Ayres, a pataoSo por cada urna barri-
ca de assucar, por quanto acabo de (retar o
patacho l'aradies, e que ao mesmo preco se me
olferacoo outros navios que, apesar de nao se-
ren de handeira brasilcira, sao igualados no
porto de Buenos-Ayrcs com os dcsta handeira.
Gaudino Agostinho de Huiros
Pos asiticos carminados.
= A conservacao da bondado e belleza dos den-
tes foi em todos os lempos objecto de alto a
preco, nao s pela recoohecida utilidade d'estes
orgaos na mastigacao dos alimentos, e perfeita
articulaco dos ses, como tambem pela graca,
elegancia e realce, que clles dao quando sao
bellos, fisionoma, mormente no bello sexo.
Tambem desde amis remota antguidade.que,
na Europa, e cm muitos paizes da Asia, a opi-
nio relativa aos caracteres, que constituem a
boniteza dos denles jamis variou, pois pen-
sa-se* hoje a este respeito do mesmo modo, quo
se pensava nos tempos de Salomao de Home-
ro, de Vergilio de Ovidio, &c. Sendo pois
os denles orgos de to alta importancia como
adorno do rosto, c agentes da nutricio c sen-
do tantas o tao diversas as cauzas que de con-
tinuo tendem a dcstruil-os, cumpre empregar
todos os meios possiveis para obstar a este in-
conveniente Ora sendo inegavel, que a lim-
pe/.a d'estes orgaos o seu melhor preservativo,
nos oflcrecemos ao publico os pos asiticos, in-
vencao moderna do um insigne chimico euro-
peo como o mnis perfeito elicaz e sublimo
doscompostos at hoje descubertos para este
fim : prova-o o uso quasi exclusivo que d'el-
les se faz j em muitos paizes Estes pos de chei-
roe sabor mui agradaseis, conservao os dentes
e uiiein a propriedade de os (tranquear perfei-
tamente a de endurecer seo esmalte (vidro) ,
bem como a de prevenir e deter sua carie; ellos
patenluiao toda a brancura eexplendor nata-
raes, destruindo promptamente o limo, ou tr-
taro (pedra), que sobre clles se depozita, e que
alcm deoflender a sua alvura c dar as vezes
a bocea pessimo aspecto pode produzir urna
infenidade de leses mais ou menos graves, co-
mo seja escamar e abalar os dentes displ-os
a carie, irritar e ulcerar as gingivas, os labios,
a lingoa, eic Ellos consolidan as gingivas af-
fe. tadas de escorbuto dao ao interior da boc-
ea c aos labios urna bella cor do roza e urna
frescura mui agradavel e corrigem o mo ba-
lito : custa 1,000 iciscada vidro acompanhado
de um pequeo tratado (tradusido) sobre a con-
servacao dos dentes, o o modo de os manter
sempre bellos; vende-se smente na casa de
Novaes & C* na ra da Cruz n. 37.
Achou-sc no porlo de um sitio no Cor-
redor-do-bispo um saquinhocoin dinheiro, o
qual se entregar, a quem mostrar ser seu dono;
na ra do Trapiche n. 17
Acha-so em casa de Elias Baptista da Sil-
va urna carta vinda de Lisboa para o snr. Ig-
nacio Jos de Albuquerque Maranbao, no falta
desle, a seu lilho mais velho ou a seu prente
mais chegado.



Precisa-so de dous contos de reis a um
e meio por ccnto ao mei, hypotbecando-se 1
predio livre e desembarassado ; na pra Boa-vista n. 27.
No dia lo do correntc furtarao um pran-
rliao do 35 palmos do comprido e 2 ditos re-
Jorcados de largo de <|uioa viva, coni a mar-
ca .MR lora a contra marca ; a quem for of-
ferecido haja de o lovar ao p da ponte da Boa-
vista, na serraria do Queiroga, que ser grati-
ficado.
Lina [millar Brasileira toni babilidade
de curar pretos de molestia de quigila vulgar-
mente morfeia e tem curado a immensos;
quem doseu prestimo se quizer utilisar diri-
ja se a Rua-velha n. 67.
A mulher, que tem aula junto ao sobra-
do do doutor Clemente continua a receber
meninas para ensinar a 1er, oscrever contar ,
grammalica portugueza aritbmetica coser ,
luir lar, de seda lacada susto l do linho ,
ouro, prata, matiz, cacunde lavarinto fazer
chapeos, vestidos bordar cueiros macar
de seis qualidades e ensinar doutrina chris-
taa por prego commodo.
- Presisa-so alugar urna preta para o ser-
vico de urna casa ; na Ra velha n. 67.
Quem annunciou querer comprar urna
preta com bom leite dirija-se a Praca-da-in-
dependencia loja n. 3.
Precisa-se de um menino de 12 annos
para entregar pao e sendo queja tenha pra-
tica de padaria ser melhor ; no pateo da S.
Cruz padaria n. 6.
Ha poucos das fugio do muro de S. Fran-
cisco em Olinda um cavallinbo russo bom
carregader, com urna pequea pisadura Je sella
sobre o rim de um dos lados dinas apara-
das de um lado e inteims d'outro para onde
cae est gotdo e bem feito ; quem del-
le souber ou levar, a ra de S Bento, em O-
linda segundo sobrado depois da matriz ve-
lha do S. Pedro ser gratificado.
Existe no engenho Paulista um escravo,
que di/, ser de um senhor Manoel morador na
Trempo quem f ir seu dono, dirija-se ao dito
engenho que, dando os signaos, Ihescra en-
entre-iue : nao se responsabelisando o propie-
tario do engenho pela fuga do dito escravo.
O snr. William dirija-se a ra da Cadeia
doRecile n. 39 para receber urna carta, vin-
do do sul pelo vapor Paraense que foi entre-
gue por engao.
Da-se iOs rs. a juros com penhores de
ouro ou prata ; na ra Lava-se cngoinma-se e cose se toda
qualidade de costura tanto para bomem co-
mo para senhnra tudo com perfeicao ; na ra
da Praia n. 66
Sociedaile Theatral Melpomenenct.
O thesoureiro faz sciento aos soeios da
mesma que hajao de ir receber os hilhetes pa-
ra a recita do dia 26 do corrente, boje, e ama-
nilla na rua da Cadeia do Recife n, 6.
Precisa-se de um caixeiro, que saiba
faigr o servico de armazcm de assucar ; na rua
da"Moeda armazem n. 11.
Aluga-se pelo tempo de (esta urna casa
terrea de pedra e cal sita no Monteiro con-
fronte ao oitao de S. Pantaleao com suffici-
entes commodos c por proco mdico; quem
a pretender, dirija-se a rua do Queimado o. 11.
= Luiz Guilherme Wrassry vae para Ma-
cei com sua senbora e um filho menor.
Precisa-se de um caixeiro para urna ven-
da ; no pateo da ribeira defronte da praca da
farinha n. 3.
= Urna pessoa que tem alguma pralica de
escripturacao commercial prope-se a fazer
a escripturacao do qualquer casa do commercio,
ou outra qualquer qualidade de escripia ; na
rua do Queimado n. 37, primeiro andar.
Urna mulher Portugueza se prope a
criar um meniuo em sua casa a qual teni
bom leite ; na rua estreita do Kozario n. 1.
vontado 8 a 10 pessoas e saccas com superior
farinha de mandioca ; na rua da Praia, arma-
zcm n. 5.
Vende-se o verdadeiro sabao branco hes-
panli il em caixas pequeas e sevada muito
nova a 1600 rs. a arroba ; no armazem de
Francisco Dias Ferreira, defronte do guindaste
da alfandega.
es Vendem-se 7 duzias de costado ( pao de
oleo em pranchocs ) urna canoa para abrir ,
com 55 palmos de comprido e 4 de largo, de
bom amarello, e propria para ba renca ; na rua
da Praia serrara doCardial ns. 15 e 17.
= vende-se urna preta, de 22 annos, com
duas mulatinbas, urna de 9 mez.es, e outra
de 3 annos a preta tem todas as habilidades
precisas e tem bom leite ; na Rua-nova loja
Iranceza n. 9.
= Vendem-se ricos chapeos de seda para
sonhora chegados pelo ultimo navio de Fran-
ca ditos de palha para senhora e meninas ,
ditos do Chile mi'ito finps ricos cortes de cas-
sa bordada do melhor gosto que tem apareci-
do nesta cidade chales, e mantas de seda ,
sapatos desetim bra.ico para senhora, e um
completo sortmento de calgadode todas as qua-
lidades ; na Rua-nova loja franceza n. 8 de
Amaral & Pinheiro.
sb Vende-se um completo sortimento de pe-
dra marmore brancas e de cores as mais
finas e exquisitas para mesa de meio de sala ,
t re m os e consolos, chegadas agorada Italia,
como tambem o mais fino chocolate feito na-
quello paiz de baunilha e outras qualida-
des como tambem agua de flor de laranja e
exeellentcs confeitos dedifferentes qualidades,
em vidrospropriospara mimos da festa; na Rua-
nova n. 65, primeiro andar.
Vende-so urna lanterna mgica fantas-
magrica, vinda ha pouco de Franca, com lin-
das e variadas figuras de machinismo pro-
pria para theatros particulares, edivertimentos
do campo ; noRccife beco do Abreu loja do
Compras
__ CompraO-se eflectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos do 12 a
20 annos, sendo do bonitas figuras pago-se
bem ; na rua da Cadeia de S. Antonio so-
brado de um andar de varanda de pao n. 20.
== Comprao se eflectivamente para fra da
provincia mulatas, negras o moleques de
12 a 20 annos sendo bonitos pago-se bem ;
na Rua-nova n. 16.
Vendas.
= Vende-se urna canoa de carreira quasi
nova por proco commodo; no cstalciro do .Maris
se achara com quem tratar.
Vende-se um relogio de ouro, com mos-
trador de prata, quo trabalha sobre rohins ,
0 pela sua delicadesa mui proprio para senho-
ra: tratar nesta typographia.
= Vende-so urna canoa que carrega a
= Vendem-se os muitos acreditados, e su-
periores estojos de navalhas com cabo de mar-
im eelegante gosto, chegados prximamen-
te agua de colonia e de flor de laranja, ma-
cass perola agulhas cantofas pentesde 8co
para inarrafas facas e garfos de cabo de oco ,
fingindo marfim tudo por prego commodo ;
na Praca-da-independencia, loja n. 5.
= Vende-se urna aguilia de marear um
oilante um apparelhode cha de porcelana,
um paianquim 800 a 900 oitavas de prata em
obras eolheres para soupa e cha facas, e
garfos, um dedal do ouro, dous conloes linos,
obra do Porto um allinetc de peito com d a-
mante e urna volta de cordo lino um an-
nelao com diamante dous anneis com dito e
arosdeouro; na rua do Amorim.n. 32.
=s Vendem-se semenles do todas as quali-
dades vindas de Lisboa no ultimo navio e
e cestos para meninos aprenderem a andar, da
melhor maneira possivel, por proco eommodo ;
na rua da Cruz armazem de louen n. 48.
= Vende-se um pardo de 22 annos boa fi-
gura perito oficial dealfaiate e proprio pa-
ra pagem ; na rua da Penha n. 5.
Vende-se urna balanca com suas compe-
tentes conchas e 3 arrobas em pesos, por
40,000 rs. ; na rua da Cadeia do Recife n. 37,
primeiro andar
- Vendem-se duas negras ptimas engom-
madeiras, lavadciras e cozinheiras ; na rua
dos Gararapes n. 16, da parte da mitr pequea.
= Vende-se um casa de dous andares e soto
rectificada de pouco tempo, em chao? proprios,
na travessa da Madre de Dos n. 7 ; a tratar na
rua da Cruz n. 50.
ss Vendem-se lanzinbas para vestido a 300
rs. o covado lencos para pescoco a 3500, e
para algibeira a 2200 rs ditos para ravata a
:<500rs ditos pretos a 2000 rs. bons de
palhinha para meninos a 280 rs. e 960 rs.
com pala de lustro chapeos de palhinha a
400 rs. macass perola a 280 e 400 rs. ,
pcnlcs para prender os cabellos a 500 e 560 rs.,
e semserem virados a 160, c 200 rs., banha em
boioes ielouca fina a 1280rs. eordinariosa
120, e 160 rs., frascos de agua de colonia a
160. 180. 400. 500,700. e800rs e outras
militas perfumaras facas de cabo de metal de
bataneo a 6400 rs. c de outras qualidades a
3520 rs. suspensorios a 240 rs. e de bur
racha a 320 rs., fitas de todas as qualidades, car-
teiras para algibeira a 640 rs. esteirinhas pin-
tadas a 720 rs. marroquinsde varias cores,
e outras omitas miudezas por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parte ; na
rua do Queimado loja nova n. 24.
Vende-se milho muito novo a 9 patacas
da medida velha ; na rua da Praia armazem
n. 70.
= Vendem-se borzeguins de marrnquim pa-
ra senhora a 2000 rs. sapatos de cordavo or-
dinarios a 480 rs. sapatinhos para meninos a
120 rs. botizinhosde marroquim para ditos a
500 e 800 rs. sapatos de duraque de Lis-
boa a 610 rs. botins de Lisboa a 2200 rs. ,! defronte do n. 88 ; na rua estreita do R07.ari(>
luvas de pellica para homem a 1280 e 1440 n. 1. ....
rs. e para senhora. enhiladas a 2500 is. \ Vende-se urna portfode diamantes sel-
lencos de seda para grvalas meias de seda pa- tos; na rua da Madre de Dos, loja de J0s6
ra homem, e senhora borzeguins gaspeados Antonio da Cunna
para homem senhora, e meninos. sapatos de Vende-se farello em saccas de 3 arrobas a
ouro de lustro para homem, senhora, e me- 2600 rs. ; no armazem ,_ que fo. de Joaqun,
ninas de todos os tamaitos, botins do bezerro Goncalves Viera Gu.maraes.
francez., sapatos de palla para homem, e meni-
nos meias de algodao muito finas para meni-
nas botins de lustro para homom esparti-
Ihos para senhora bengalas de cana modernas,
tudo por preco commodo ; na Praca-da-indc-
pendencia ns. 11, 13, e 18.
Vendem-se uns enfeiles para cinteiro ,
urna cornalina encastoada urna toalha de cs-
guio toda aberta de lavarinto duas varas de
bico largo e mcrgulhos de parreira e de es-
taca ; na rua do Caldereiro n. 56.
m Vendem-se bridas de prafuzo e cam-
ba direita esporas de mola para salto, can-
dieiros escrivanhias perfumadores de lato,
bacas de rame de todos os tamanhos e fo-
guetes do ar, por preco commodo ; na Rua-
nova n. 41.
Vendem-se queijos londrinos presuntos
para fiambre conservas inglezas e francezas
do hervilhas srdinbas, o azeitonas, vinhos
superiores do Porto Madeira secca, Malvasia,
Moscatel de Setubal licores finos de defe-
rentes qualidades, figos de comadre choco-
lato fino de canella agu'ardente de Franca ,
Vende-se rap prince/.a( rolao de Gasse),
na rua do Queimado loja de miudezas n. 24.
Vendem-se charutos da Havana e de
regalio, muito bons e baratos ; e o resto das
arias dedicadas ao dispsonos de S. M. I. c
ligninas modinhas ludo para pianno ; na rua
do Cabug loja do Bandeira e Mello.
= Vende-se urna escrava da Costa boce-
teira coz.inl.eira, o com outras habilidades;
na rua do Aragao n. 9.
= Vendem-se barricas e meias ditas com
farinha de trigo a mais nova que ha, temos
de condecas balaios fechaduras grandes para
porta de armazem bichas grandes, e pequeas
(le Hamhurgo massos de meias de linho sa-
patos para tropa peneirasde rame, pilulas
de familia garrafas brancas pedras de aliar,
navalhas para baiba, retroz de prmeira e
segunda sorte chapeos de sol de seda do Por-
to lencos de seda preta e azul para grvala,
um linio piez.epi icsiuSS c guarouTiSp *
linho de Guimaraes; na rua estreita do Roza-
rio n. 13
Vendem se linhas de carretel de 200 jar-
das de ns. 12 a 120; em casa de Russell Mel-
lors & Companbia ; na rua da Cadeia do Re-
cife n. 39
Vende-se, ou troca-se um cavallo ruda-
do bem carnudo carreaador baixo, muito
ordo bonita figura cauda cortada muito
manso e por isso ptimo para carrinho, ou
arroga; em Olindi a fallar com o porteiro do
collegio dos orfaos
s= Vende-se urna neglinha, ptima para
mucama ; e um moieque de nacao de 16 an-
nos ; na Rua-direita n. 3.
Vende-se um capado para a festa, en-
gordado no quintal ; na rua do Mondego, ven-
da nova n. 31.
Vende-se, ou aluga-se com todos os seus
pertences a padaria da rua das Cinco-pontas n.
154; e vendem-se dous caixOes envidracados ,
que servem para amostras de venda ; um caval-
lo preto carregador e gordo ; urna canoa
fe.hada com mais de 60 palmos de comprimen-
to ; na Rua imperial n. 2.
Vende-se urna vacca bastante gorda ,
para acougue : no Manguinho defronte de
S. Jos.
= Vende-se superior cha isson a 2560 rs. ,
bolaxinba ingleza redonda c quadrada a 240
rs. dita de soda a 360 rs. dita pequenina a
320 rs. meias caixas de passa a 2000 rs. e a
libra a 200 rs. uvas a 320 rs figos a 160
rs. queijos de Minas a 600 rs. milho a I pis-
ta a 32a rs. o quarteiro painco a 240 rs.,
espermacele de 5, 6, e 8 em libra a 720 rs. ,
velas de carnauba do 8 em libra a 440 rs. pa-
pel de machina em meias resmas a 1800 rs e
ou tros muitos gneros por prego commodo ; na
rua das Larangeiras n. 16.
as Vende-se farel o novo em saccas do 3 ar-
robas chegado de Hamhurgo ; em casa de
11. Mehrtens na rua da Cruz n. 46
= Vendem-se canarios do imperio em vi-
veiro e j>i separados em gaiolas, muito can-
tadores bolaxinba ingleza a 160 rs. choco-
late da Babia o pao a 100 rs. ceneja branca a
480 rs. esleirs pequeas de Angola a 320 rs. ,
manteiga franceza a 600 rs. sementes de to-
das as qualidades galinhas gallos frangos,
e frangas, muito gordas; na rua estreita do
Rozario n. 8.
Vendem-se carneiros capados, e gordos,
e urna sabia da malta muito cantadeira ; no
largo do Carino n. 7.
- Vendo so urna venda na rua d Hortas,
Vendcm-so barricas com farello a 3# n .
na rua larga do Rozario padaria de Joo Ma'
noel Rodrigues Vallenga.
Vende-se urna canoa aberta que car-
rega 6 caixas por preco commodo ; na rua
do Queimado n. 4.
Vendem-se 2 escravos, sendo um do
nacao de 30 annos, trabalhador de sitio, 0
o outro, cabra de 14 annos, o de bonita figura-
lia rua da Solidado n. 64.
Escravos fgidos
.* --
= Desappareceo da casa de Antonio Rodri-
gues Lima no dia 19 do corrente, um moie-
que de nonie Calisto de 16 annos, reforja-
do do corpo, cara redonda camisa e cercu-
lasde algudao natural do Aracaly ; quemo
pegar, leve ao largo do Corpo Santo em casa
do annunciante que gratificar
Fugio no dia 3 de outubro a escrava
Maria de nacao Cagange de 40 annos es-
tatura baixa, olhosaboluados, rosto feio, maos
foveiras, unhas grandes c pietas julga-se
estar no Rio-formosoem casa da primeira se-
nhora quescchamava Perpetua aonde ella
tem 3 filhos cuja senhora parda ; quem a
pegar leve a praca da Boa-vista sobrado de
dous andares n. 26, que ser gratificado
No dia 15 do corrento fugio o escravo
Balthazar crioulo de 50 anno, rnuilo re-
grista alto e secco bem preto com falta
de dentes e com urna grande ferida na canel-
la da perna esquerda e no p direilo com fal-
ta do dedo mnimo, ps malfeitos, e pequeos,
quando anda pucha pela perna ferida ; levou
camisa de chita azul de quadios, caigas de hrim
trancado branco e velhas ceroulas de algo-
dao : de suppor quo.ande de camisa, e ce-
roulas ; foi encontrado no Rarro-vermellio,
indo para o engenho S Francisco da Varzea;
quem o pegar leve a Bua-nova n. 67 que
ser gratificado
HU Uld lo uu mf<"file, diiuaiioii um IIIU-
leque na coinoanliia do um homem branco en-
tregando pao pelas ras dcsta cidade e como
de alguma maneira obtivesse fuga ausentou-
sc no mesmo dia levando talcas e aqueta
de hrim pardo bastante sujas eumsacco de
chita escura com dinheiro do nomo Jos Afri-
cano de 18 annos estatura regular set-co,
e bem preto ; quem o pegar, leve ao Beco-
largo venda n. 6, que ser gratificado.
No dia 19 do corrente fugio o moieque'
Bento, crioulo, natural do Aracaly, escravo
de Domingos Jos Pereira Pacheco do Ara-
caty o qual representa 16 annos bem pa-
recido e muito ladino ; quem o pegar, leve a
Joo Jos de Carvalho Moraes.
= No dia 11 do corrente fugio o escravo
Joo de nacao Angola ladino rr.olecote
baixo grosso do corpo cara lisa tem o de-
do ndice de urna das maos sen. caliera e esta ci-
catrizada, ps grossos este moieque ganha-
dor ; quem o pegar, leve ama brado n. 22 ; que sera gratificado.
= No dia 18 do corrente fugio o preto An-
tonio de nagao Angico de 30 annos esta-
tura regular rosto comprido, e lalhado, bem
preto barbado pernas finas, ps grandes .
levou camisa branca e calcas de estopa este
preto vcio de Pedras-de-fogo remettido a Tho-
inaz Fernandesda Cunba pelo niajor Felip-
peNeride Mondones, talvez se encaminbasse
para aquello lugar ; adverte-se que este pre-
to j tem feito algumas fgidas, e cosluma a
mudar o nome para Joo ; quem o pegar, levo
a rua da Cadeia do Recife loja de ferragens
n. 44 que sera gratificado.
Fugio no dia 17 do corrente a preta
\ doria de nacao Angola de 32 annos, es-
tatura ordinaria, bastante surda, beigos gros-
sos rosto redondo p s pequeos secca do
corpo levou panno da Costa e vestido de
chita; quema pegar, dirija-se ao largo de
N. S. do Terco, venda n. 1 e 7 que ser
recompensado.
= Fugio no dia primeiro do correntc o par-
do Monoel, alto, bonita figura, secco, ero-
busto, cor de canella clara cabello annelado,
pouca barba rosto redondo nariz grosso ,
com um signal de ferro muito anligo na pona ,
tem em um dos ps o dedo grande como aleijo
de um panaricio, denles miudos c finos; quem
o pegar leve a matriz i e S. Antonio d 'I ra-
cunhSem a seu senhor Manoel de Brito Souto ,
quo gratificar generosamente.
Racira: ha Ti. mM Fdb Fama. =1843*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EERUAGS4M_RZ43JR INGEST_TIME 2013-04-13T02:41:34Z PACKAGE AA00011611_04541
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES