Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04537


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Ant o de 1843.
Sabbado J6
lado pora dependa .le nos meamos; da no.sa prudencia, moderaglo, t enerva: con-
tjaUClMt OSO priMIpUaHW, seremos srxiiitailos com tdmiracao entre aaNagoeinnn
( i'iiiclauafj.in da Aasembleia Geral Uo Brasil.)
alta.
PARTIDAS DOS CONIIEIOS TERRESTHES.
Ge; '-!-' "i e Parahyba, secundas e sextas feiras. Vio Grande do Norte, quintas faina
({onilo e Garenhuns, a 10 e 24.
Cabo, orinhem, Rio rormoso, Porto Calvo, Maoei, e A1.ros no 1 H j|
lina vista e Florea a lo e 'i. Sauto Ant.i. quintas fe.ras Olinda todos os das
DAS DA &EMAJNA.
H Srg. f. Dmaso P. Aud. do J de I, da 2..
li Tero. a. Justino M. Re. Aud. do J. de l).da3. t.
13 Uuarl. i. I.uiia V. M. Aud. do J. del), da 3. Y.
14 Ouint. Agnello Ab. Aud. do J de D, da U. r.
45 3ex. *. Christiua Aud. do J. de 1). da 2. Y.
1G S**. Albina V. N, Re. Aud do J. de I), da 1- y.
17 t"a< s< Uarluolonico i!c S_ Giminiano.
glw.a.-*-
de Dezombr o Anno XIX. N. &73.
ODlaJeKI publicase todo, m dias que n.o forem Santificados: o pr-o.i da ,,,^"l'',of
d. tres p.il re., or quarlel patJOl adiantadoa. Os anuuncioe dos .sa.gna.nleS ea. n
gratis os do. qae nao forem a relo de SO rei, por liaba. A, '"U-nanoes dere* ser
pin e.ta T.p., ru. di. Pares N.3t,ou pr.c. da 1dependencia loj. Je Irnos
c tunosNo dia ib de lieiembro. m""
Cambio .obre Londres 26. Ooeo-Moed. da 8,400 V. 4,8J0
Parij7)/.iepor franco,
,2U0
1,900
1,900
1,UII0
Lisboa ll por 00 Japr.aaio I da 4,000
PlAli-Palacos
Moeda de cobie por cerno. Patos Caluan ares
Idaa da letra, da boa. f.r.aa 4 a i I, ) g. di'oa Menean...
PITASES DA LA ISO MEZ DE DEZEMBRO.
La Cheia u li, na 9 boras ella, da larda I La nova 2 I, as M*U e 49 m
0_uart. aing. 14, as 10 limas 3i m. Ja ia. | 0_uari e.es: a 2S, >' aataal 's
Preamar de bojt
!. al) horas SO J. di eaenh.ia | l a 11 horas a y) o. da lar da.
renda.
17.000
lO.SOO
9.400
1,920
1,929
1,9*1
.Ib lardj
"I :S~r i
!aaajwssa>*ja)swtaaffaaj|
Val
i.......linra
IRLANDA.
O ministerio inglez acaba de adoptar uma gra-
ve rcsoluca respeito Irlanda.
Cedcndo 8S instancias de seus mais sinceros
amigos e partidarios, que se moslravao at a-
gora sunimamcrite descontentes do syslenia ob-
servado com os agitadores de Irlanda, sedecidi-
ra finalmente a empregar medidas de vigor
contra osdelensoresda independencia daquelle
paiz.
O lugar-tcnenlc de Irlanda lord-Grey, obede-
cendo s ordens do gabinete tory, se trasladou
Dublin a 7 desto mez (outubro), com o objecto
de impedir a todo custo um meeling que se pre-
paraba para oseguinte dia (domingo) cm Clon-
torf, o que, segundo parece, devia celebrar-se
com mais ostentaban e anueu.cia de gentes que
nenhum mitro dos que a lempos teem oceupa-
do a atlencao da Europa intuir.
Quando todos se achavad dispostos para esta
grande reuniao, suppoz-su que o consellio de
(rlanda se achava reunido debaixo da presiden-
cia do lord lugar-tenente, e poucos momentos
depois appareceo em pblico aseguinte procla-
maco.
Por o lorj lugar-lenenle e o conselho de Irlanda.
PROCLAMAIJO.
Attendcndo a que se annunciou publicamen-
te que domingo 8 de outubro devia verificar-se
um meeling em Clintorf, ou em suas immedia-
ejes, com o pretexto de dirigir uma peticaS ao
parlamento para annullacaS da uniao legisla-
tiva entre a ra-Brelanlu c Irlanda; e que se
liserad imprimir e circular com prolsaS avisos
e annuncios para advertir as pessoas que se pro-
punhaoirao meeling, que se rcunissem com o
objecto de lormar-se cm procissao e marchar
em ordem e forma militar.
Attendcndo a que se verificaran j numerosos
meeling em d i Aeren tes partes da Irlanda com*
mesmo pretexto, e que neslas asseiiiblosse pio-
nunciira discursos sediciosos e incendiarios
dirigidos s pessoas que se achavao presentes,
com a intencSo de excitar no animo dos subdi-
tos de S. M. o descontentamento e a desafleiyao,
indusindo-os ao odio e desprso do governo e
da uonstituiao do paiz tal como se estabeleceo
por as leis.
Attendcndo a que em mullas destas assem-
blas esses discursos sediciosos e incendiarios
lorao pronunciados por pessoas que depois ma-
nifestaras sua inlencao de assistir e tomar parte
em o meeling annunciado em Clontorf; e que
este meeling projectado de tal naluresa que
pode suscitar o temor rasoavel e bem fundado
de que o objecto e os motivos das pessoas que
se devem reunir all nao consisten) em o exer-
cicio legal de seus direitos e privilegios consti-
tucionaes, e s em o desejo de excitar o odio do
governo e da conslituicao do reino unido, taes
cuno as leis os estabelecem, conseguindo a al-
teracao das leis oda conslituicao por meio do
temor, ostentando a orca physica.
Nos o lod lugar-tenente de aecrdo e por
o ditame do consellio privado de S. M., estando
convencido de que o meeling projectado em
Clontorf tendo nicamente a satisfaser os pro-
jectos de facciosos o sediciosos o a perturbar a
paz publica: laxemos sauer positivamente e
mandamos a todas as pessoas, quaesquer que
sejao, que se abslenliaode assistir ao menciona-
do meeling.
Fazemos saber todava que se. apesar da nos-
sa proclamaco, se verificar o mencionado mee-
ling, todo< os quo nelle se acharen) serao per-
seguidos conforme a le.
Mandamos e ordenamos a lodosos magistra-
dos e othciausencaregados da manutencao da
paz publica caos de mais a quem este perten-
cer, qne ajudem e prestem mao forte para a exo-
cuo da lei, impedindo o mencionado meeling,
dispersando-o e procedenio perseguicao o ar-
restos dos, que segundo esta prevenco, trans-
gredirem estasdisposicSes Dado em acamara
do conselho do Dublin hoje 7 do outubro de
1843. .
(Seguem-seas assignaturas.)
Ao mesmo lempo que o governo publicava es-
ta proclanavaS, tumava as medidas necessanas
de precauga, enviando dous regiwientos a Du-
blin cm ordem de rechacar cotn a torca qual-
quer tentativa contra a auloridade legitima.
A agltacaS da multidao cresciu cada momento
desdo que rol lida a procluma;ao anlecuduiue, e
setemia que as massas accolhessem com enthu-
siasmo qualquer proposicaS de combater com
mao armada. O'Connell naojulgou todava que
houvesso chenado a occasia de resistir com a
Srca, e pelo contrario (ez uso de uma modea-
cao que qualifirraO de cobarda.
esta a proclamaco quelez em aquelles mo-
mentos crticos o lanoso agitador a cujo man-
dato se submetteo, ao que parece, a immensa
coucorrenca convocada para o meeling. O do-
cumento que vamos a publicar loi impresso em
uma folha de papel que trasia no frontospicio
urna harpa irlandesa c uma corda,
o segrate:
sissociaco leal e nacional da revogacilo.
Altcndendo a que se publicou com a firma
de mr. Sugden, chanceller etc., um papel que
ou aflecta ser uma proclamaco concebida em
termos ambiguos e inexactos, em a qual so des-
conhecem evidentemente os factos provados, e
cujo objecto parece ser impedir o meeling pu-
blico annunciado para oitodocorrenteem Clon-
torf, atim de formular uma pelic3o para a an-
nullaca da funesta e perigosa medida da uni-
niao legislativa; e altcndendo a quo esta procla-
maco nao se publicou antes do meio dia de
sabbado 7, de maneira que de todo impossivel
que possa lazer-se saber a sua existencia por o
crrelo ou outro conductor em lempo opportu-
no s pessoas que se propSe passar a Clontorf,
aonde gentes mal intencionadas podero valer-
se da dita proclamaco para perturbar a tran-
quillidade, e exercer violencias com os cida-
daos que aecudissem leal e pacificamente a esse
meeling:
Nos. a commissao da associara. rogamos com
instancia as pesadasbem intencionadas que se
rctirem, ao receber este aviso, 6 suas asas,para
nao seexpurem a collisOes ou mOS tratamen-
tos; c por tanto vos fazemos saber que, em ap-
provar em nada as allexacoes mal fundadas cm-
inittidas na proclamaco, juluamos prudente
e avisado, com vistas de liumanidado, declarar
que fita abandonado o meeling, e por tanto nao
se verificar.
D'este modo se pode evitar um confuto gravis-
simoentre a autoridade legitima eos numero-
sos parlidarios da independencia legislativa da
Irlanda, cujas exigencias haS de traser comsigo
successos de grande importancia, quo nao dei-
xaremos de expr successivamente considera-
CaS de nossos leitores.
Segundo as ultimas noticias de Irlanda quo
inserem os peridicos de Londres, a proclama-
caSdelord lugar-tenente nao deo occasia a
collisaS alguma. Es os pormenores quo conlm
uma caria de Dublin de 8.
Os acontecimentog d'hontem produsirao
aqu grande sensaco, sobro ludo no bairro
prximo a Corn-exchangc, e as ras que con-
dusem a Clontorf. O'Connell foi hoje pela ma-
nha cedo Corn exchange eesteye na com-
misso da revolucao at a uma. Cria-se que
fallara ao publico ; porm a uma so retirou, e
sua pliysionomia (lava evidentemente a conhe-
cer grande inquietcao. I*or toda a estensao
do molhe prximo a Corn-exchangc circulavao
patrullias de dragues. O povo nem applaudia,
nem murmurava. uma o regiment n. 3i ,
que havia chegado as dez a Kingestown pelo
caminho do ierro dcsfilou para o quartel real.
Um grupo de gente saio ao encontr d'este re-
giment saudando-o com applausos, e deixan-
doouvir ao mesmo tempo hurrahs a favor da
revogacao. A tropa nao fez caso algum destas
nrovocacSes, c o oflicial, que commandava, deo
a voz de armar bayoneta. Este movimento hos-
til desagradou multidao que se entregou a
declamares violentas contra algumas autorida-
des superiores.
O caminho, quo conduz a Clontorf estava at-
testado de curiosos. Havia-se estabelecido um
forte piquete no grande edificio da antiga resi-
dencia do conde de Morboroug, e o povo mos
trava muita curiosidade do ver estes soldados
Havia-se dito que se apresentariao muitas
pessoas com a toca, ou gorra, que distingue os
partidarios da revolucao porm nao teve lugar
esta demonstraco T alvez uaveria uns do/e .
que se appresentro desse modo, mas a mul-
tidao se ria dellcs'
s duas .Mr. Sleelc o primeiro pacificador,
c segundo Jo O'Connoll.accompar.ha.lo do don
tor Cray, o d'outros memhros da associacao ,
fez retirar do Clontorf todos os concurrentes ,
arengando-lhes, cconvidando-os a que o sc-
gtiissem em dirceco da cidade. I.eyava na mPo
um ramo de oliveira, o marchou accompanha-
do de 500 pessoas que deslilnrao silenciosa-
mente. O povo do Clontorf esl situado a um
quarto de milha de Rattlc-hill i a collina da ba-
talha ) aonde se haviao concentrado o regi-
ment de hussares n 11 o 5 de dragues, o
68 de carabineiros o 5- de infantera, c duas
brigadas de artilharia com quatro pecas de 6.
A cavallaria estava montada em p de guer-
ra com orragem para os cavallos. As armas
de infanlaria estavao ensarilhadas e os solda-
dos vista tranquillamente. Alguns esquadroes
de cavallaria faziao o servico activo dividindo-
se em patrulhas pelos arredores.
Nao houve desorden) alguma, a tropa, eo
povo se condusiro perfeitamente e com a
melhor disciplina. s quatro e meia via-se to-
dava circular a Mr. Seele com um ramo do o-
liveira na cabeca. Os rapazes o applaudiao fu-
riosamente.
Desde a vespera se haviao dobrado todas as
guardas em Dublin, concentrando-se no pala-
cio frcas de respeito. O forte de Legion-house
se achava em estado de defesa ; a artilharia car-
regada com artilheiros junto s pecas com
murrSes accesos. Havia tambem postadas ou-
tras bateras de modo que podessem yarrer o
caminho de Clontorl. Cada soldado tinha ses-
scnla cariuxo.
Todos as barracas e plata-lrma que se
linhao levantado pora o meeling desaparecerlo
de manhaa. Aos preparativos da festa succedeo
bem de pressa o apparato militar mas.fonnida-
vel. frente das tropas e do regiment de
dragSesreaes se distingua fcilmente o conde
do Cardigascom miitos offioiaes. <>^ dragos
tinliao os cavallos por o freio promptos a mon-
tar ao primeiro Bgnal. Os hussares do ( re-
giment do principe Alberto ) estavao como os
dragues de p em trra. No Conucr-hill on-
de havia de verilicar-se a rcnio nao havia
alma viva. Entre a multidao s notavao os
impulsos da curiosidade, o a tropa deixava pas-
sar livremente todas as pessoas.
Todos os saloes da Rotouda estavao destina-
dos para o banquete que se devia verificar a-
manhaa o t|ue ser um banquete monstro.
O'Connell assista. Os bilhetes vendem-se s
a 3 schelins, e penes, para que o povo possa
assistir. Huanle o dia virao-se grupos conside
reveis por-'m socegados oceupando o molhe
em frente do Corn-exchangc.
No dia 9 a associacaocelebrou uma scssfio se-
manal para receber os auxiliares, que tintillo
vindo de Liverpool, e outros povos sem po cr
gosar da reuniao de Clontorl. O'Connell pro-
no! a seguinte resolucao.
Sem dexar de fazer presento ao povo Ir-
landez, que todo quecommelte umcime, d
Corea ao seu nimigo, obrigando-nos ao mesmo
lempo assim como o povo a obedecer em tudo a
le, declaramos todava, ante os habitantes do
reino de Inglaterra e ante os do mundo civi-
lisado q-uc nao deixaremos do continuar por
as vas logaes o constitucionaes, promover
separagao at que o povo Iriandez se sent em
Collego-Grecn.
Ao reproduzr estes pormenores, os peridi-
cos ingleses actrescentao, que o governo estava
decidido a denunciar aos tiibunaes os discursos
sediciosos pronunciados em varios meettngs por
O'Connell, e que constavao por trabalhos de
lachigraphos, que por ordem do mesmo gover-
no assistirao aquellas renioes sem permittir
no lucturo o menor acto do illegalidade na Ir-
landa ( Peridico dos Pobres no Porto.)
siaEjB-^-.-J-
que conservem a mais estricta e completa tran-
quillldade. Qualquer tentativa que tivesse por
objecto perturbar a traiKiuillidade seria crimi-
nosa e malvola.
Em consequencia amados concdadaos, at-
tendei-me : nao vos deixeis sedu/.r por nin-
guem para perturbar a paz violar a le ou
fazer qualquer tumulto ou desorden). A me-
nor quebra da paz ou ordem publica pode arrui-
nar a nossa causa por outra parle tao bella o
triumphante
Se na presento crise vos guiardes por meus
conselhos, o procederdes como vos conjuro do
lazer com paciencia legalidade o tranquilli-
dade, parece que posso garantir-vos de que nao
vira longo o tempo em que o DOSSO venerado
soberano faca a abertura do parlamento irian-
dez em College i.reen.
Totlas as tentativas de nossos inimigos para
estorvar o movimento da separado bao produ-
cido al hoje o elTeito contraro. Esta lera a
mesma sorte se o povo nao apoiar com algum
acto Ilegal. Esta i tranquillos. e triumpha-
remos. Tenho a honra &c. Daniel O'lon-
nel. t dem.)
CARTA DE O CONXEM..
Merrion Square \\ d'ouluhro.
Queridos concdadaos, participo-vos que
hoje prestei cauco para responder a uma aecu-
sac do conspirar/80 e outras tentativas do
desorden as prximas audiencias. Recom-
:;u;;d^ a todos individual collectivamcntc
POLICA.
Illm. e Exm. Snr.Levo ao conhocimen-
to de \ Ex. as occorrencias, que teem tido lu-
gar no i.9 distivi da deegacia d'eaia cidade
nos duas semanas passadas, conforme consta
das partes que em 2 c 5 do correte deo-mc o
respectivo delegado c veem a ser, que no dia
1.* do corren te polas 9 horas da noute lizerao
os presos da cadea grande desordem da qual
resultou serem feridos gravemente o condemna-
do 7 annos de prisao Jos Mauricio, com duas
lacadas recebendo-as uma em um braco .
e outra as erutos ; Manoel Cosme com urna
ua testa o Antonio Joaquim de Sousa Noro-
nha com uma no ventre que Iho sahirao as
banhas, almde uma cacetada quo levou
Francisco Elov Xavier que como jui/, da ca-
dea descera a enchovia com o delegado para
pacificaren! a desordem que conseguirlo com
alguma dfliculdade ; e sendo eu sabedor na
manbade2, conforme verbalmento partci-
pe! a V. Ex., fiz immediataniente recolher ao
hospital de caridade os tres feridos, dos quacs
la Descera no dia 3 Antonio Joaquim de Sousa
Noronha reo condemnado pelo jury de Na-
za reto 8 anuos de gales, de ruja sentenca
apellara para a relacao. Releva aqu mencionar,
que tendo eu mandado para o referido hospi-
tal no dia 13 de novembro o preso Antonio
Manoel da Silva por se aeher com bexigas,
fallecer no dia 2(i do mesmo mez.
Oue nodistrkto dos Al'iogados cz-se corpo
deedlioto poroflensos fizicas, feilosem tres
muiheres por Joao Gomes de tal; e uo Re ,
tambem se lizerao corpos de delicio por (eri-
mento grave cm o preto Domingos escravo
de Joao do Carvaiho Moraes, o por ferimento
le\e em um marlnheir i ingle/. ; sendo presos
os que fizerao as ollensas, no Recifo.
Que, tendo sido roubado Saint Martin lo-
gsta francez da Rua-nova por um portuguez
muitomoco, que tinha sido despedido de cai-
xeiro pelo mesmo roubado no dia antece-
dente, fo pelo delegado desle districto desco-
berto todo o ronbo com falta de muito pequea
parte.
CJue occorreriio tambem alguns estrupos,
cu|os eslrupadores lorao pela polica obrigados
a casar.
Que lallecrao no hospital de caridade em 4
do correle o condemnado i 23 annos, o 4
mezes de prisao pelo jury de Santo Anto ,
de espasmo ; o em 10 do mesmo corrente mez
o pardo M a noel escravo de Antonio Alves Vi-
anna, de bexigas.
E que no dia 12 do corrente pelas 4 horas da
manhaa foro brbaramente assassinados um
caixeiro de urna padaria, que acompanhava um
preto com um panacuin de pues, e o mesmo;


osquaesforao ichados morios depois do poucos
minutos.tcndoacodidoapatrulha.quc mais pr-
xima se achava, equeouviragritar, mas nao en-
contrara ninguom, ape/ar de sabir logo a avisar
outras palrulhas que por sereno 4 distribuidas
pelo bairrode Santo Antonio,ede 2 homens cada
urna, nao se podio auxiliar, e nem provi-
denciar um assainato ti> repentino como pa-
rece ter sido : e na mesma noule supoo-se
que pelos mesmos assassinos foriio feridos
com Tacadas mais um home.ii neslo bairro de
Santo Antonio e um preto no do Recife.
Da delegada da Boa vista at (i de novefl.bro
n5o bavia novidade.
Pelado Bonito consta quo tora achado um
escravo morto no districto da Scrra-da-Russa,
edizemque por seu senhor. No mesmo dis-
tricto foi assassinado Carlos Jos da Silva por
seu gonro f.uiz Jos dos Santos e que lora lo
golo preso e processado.
E o quanlo por agora occorre-mc commu-
niear a \ Ex. a quem Dos guarde.
Secretaria da polica 14 de dezembro de
18i3.Illm e Exm. Sr. bario da Boa-vista,
presidente da provincia C. J. da ">ilva ^an-
chefo interino do polica.
tiago
1AKI DB PHWtiUlJO.
A sedicao do Ex.em que tanto se fallou o an-
no passado, estomagadas as preeminencias da
opposicaS com a Taita de votos no collegio da
Roa-vista, mereco anda um artigo no D-n.
n. 299;pormadmiravelmenterecheado de futi-
lidades e erros acerca do processo criminal, e
em flagranto contradiccad com oque se esnre-
veo nessa poca respolto dos negocios do Ex.
Entao oi o governo accusado por nao ter man-
dado processar os, que se envolvra no ajun-
tamento, por nao ter dado conta ao publico
d'csse processo, e das diligencias, que devia
faier para prendere punir os culpados; hoje to-
dos esses individuos ontrrao n'um ajuntamon-
to licito, sao innocentes perseguidos para ga-
nhar-se a eleicao.
Diz Jo D-n., que tendo o jury da Roa-vista
trahalhado quatrn das, logo que c/iegou o Sr.
jury.
snlliciador de causas nao escrevera estas duas
linhu com o intento de ser acreditado. As pes-
siias, queteem a mais simples noci do cdigo
penal, e do processo, nao ignorad, que, para en-
trar em juramento no jury um pronunciado
por ermc de sedicyao, que nao necessario, quo esteja preso alguns dias antes
de se abrir sessa, para quo o juiz municipal
aprsente o processo aojuiz de direito se
faca a chamada do preso (na qual s se chama
os presos, os amaneados, e os que se livra sol-
tos) porque s os chamados no dia da abertu-
ra sao julgados naquella sessao. A prova da
imparcialidade. e da independencia, com que o
juiz da Boa-vista exerce o seu iugar, o fucto,
que nos conta o D-n., de nao ter elle por trans-
Occao, ou conti-mplacao com o Sr. Severo Gran-
ja, e leas nicos companheiros, admittido a
julgamento estes reos do crime inaTiancavel,
que nao podiao responder ao jury, tendo chega-
do ao tribunal, ou cabeca da comarca 4 dias
depois de aborta a sessao, e sem que ossem
presos, ou se rocolhessem prisao alguns dias
antes da abertura do jury, para que, intimados
elles losse, apresentado o seu processo ao tri-
bunal pelo juiz preparador e se izesse a cha
mada conforme o nosso processo criminal de
primeira instancia. Para serem indefiridos si-
milhantes reos ern sua illegnl pretencao, nao
erao necessarios geilos, nem (retas ao modo do
D.-n. bastava a dignidade, e independencia
de carcter do juiz de direito da Boa-vista ,
que nao sacrifica seu dever transaccoes Fal-
lan-os o D. .em qualro dias de sessao, como
para fazercrcr, que houve causa extraordina-
ria para isso sem advertir que s nesta ci-
dade do lecie assesses do jury levo 15 dias,
o que todos teem noticia do curto espaco de 4 ,
5 e 6 dias, que duriio as sessoes as comarcas
centraes, eas vezes at as cidades de Olinda ,
Goianna, e Victoria.
Admira, que o D. -n., para abocanhar o juiz
da Boa-vista por causa de eleices, nao se lem-
brasse dos erros de direito, e de farto do seu ar-
tigo quo tornilo inverosmil a dissolucao ex-
traordinaria do jury daquellc termo. A ceguci-
ra dos candidatos desprezados pde-se descul-
par, pois o seu fim mostrarcm, que nos col-
legios.onde elles nao teem votos,ha algumacau-
sa extraordinaria e por isso servc-lnes para a
Boa-vista o thema da sedicao do Ex. Nem ao
menos quizerao notar a inverosimilhanra de se-
rem lio papalvos estes homens influentes da se-
dicao, que, logrados, c processados depois da
eleicao dos deputados assembla geral, ainda
por promessas de amnista exciuissem da urna
as notabilidades da praia opposicionisla na clei-
cSo do* Miembros da a-sembla provincial? Nao
pois patente ao homem, o menos perspicaz ,
Que a derrota continuada que soffrem estes
corifeos no collegio ua Boa-vista parte da ad-
L'.'sQc decidida, que teem vs homens piubos,
e pacficos lavradoreg daquclla comarca ao go-
verno de S. IW. I. o aoseu delegado?
O auter do artigo, a que nos referimos, des-
confiou da historia do jury, e das transaces da
Uoa-vista e procurou eival-a dosonhode fal-
sficicao de actas, com que se consolo na de-
monstrado que Ibes deo a maioria da provin-
cia as ultimas eleicoes. Noste ponto naosa -
bem elles, com que se peguen; basta-Ibes bla-
sonar que nao Ibes falli sufTragios espont-
neos : ora a sua derrota vem de falsificaco de
urna ou outra authentica ora alirmio, quo
oi falsificada a de Iguarass e nao se pejSo de
(undar esta grave imputacio na demora que
teve em chegar a esta cdade a authentica na
inlluencia de eerto cidadao conspicuo daquel-
lc termo e na diferenca que houve entre a
apuracao do Otario e da cmara municipal.
\ demora na remessa da acta antes urna prova
do descuido que de falsificaco ; tambem a do
collegio desta cidado chogou secretaria ape-
nas Odias antes da de Iguarass. Se espera
do resultado dos mais collegios estivesse demo-
rada esta authentica poda ella vir, logo que a
27 do setembro se publcou a votacio da Boa-
vista. A influencia d'esse cidadao honesto, c
estimavel nunca foi a servico do governo: elle
a conserva com muita independencia por sua
fortuna o probidade e por sua familia ,
mas nao para praticar similhantes falsidades.
A apuracao do Diario nao pode servir de
argumento conveniente nem de presumpcio
contra a veracidade das actas, e da apuracao da
cmara. Primeramente falso, que o Diario
apurasse a 27 de setembro os votos vista de to-
das as authenticas tendo adeslacidade che-
gado no 1., e a do Iguarass como contra-
dictoriamente diz o D.-n. a 6 do ouluhro. Se
tal apuracao fosse feita a vista de urna relacio
verdadeira dos votos de Iguarass como que
ao sr. Manuel Joaquim Carneiro da Cunha, que
sempre o candidato mais votado nesse colle-
gio poder-se-hia na falsificaco augmentar tan-
tos votos, que d^ssem a differenca para mais
de 40 que Ihe deo a apuracao da cmara e
como ao sr. Barboza Nogueira Paz candidato
da opposicio e tambem dessa pessa influente
em Iguarass poder-se-ho augmentar os 30
votos, que demais Ihe d a apuracao da cmara
comparada com a do Diario de setembro? Se
por influencia, e em beneficio do governo se
falsificou a votacio de Iguarass se essa fal-
sificacao produzio a diferenca entre as apura-
cues do Diario e da cmara quu vantagem
feriamos em passar o sr. Paes Brrelo delegado
do Goianna de inteira con flanea da presiden-
cia para supplenle abaixo dos sfs Urbano ,
e Mello., quo se julgio prejudicados estando
elle pelo Diario na lista dos deputados ? Pois
osr. Paes Brrelo mereca que o governo o
prejudicasse por beneficiar ossrs. Mcdeiros e
Oliveira cuja candidatura alias todos sabem ,
quo nao recebeo influencia do governo ?
A apurado da cmara foi resultado de actas
falsificadas para darem-se mais 30 votos ao sr.
Barboza e mais seis ao sr. Mello e menos
cinco ao sr. Paes Barreto? Quem pode dar peso
a? presumpces que ora vagamente ora com
indicacoes infundadas estabelecem os homens
da praia ? Hiles conhecem o nenhum efleito
do taes conjecturas e recorrem agora a asser-
coes mais positivas levantando, que se furou
a authentica que se a grosseiramente falsifi-
car e depois mandou-se substituir em Igua-
rass por um empregado. Declarem esses alei-
vosos quem este empregado quem foi que
raspou a acta; nio se envergonhem de mais es-
ta calumnia.
precisos documentos em como ora portuguez ,
por isso que tiiha sido empregado por aquello go-
verno ; estes documentos elle os apresentou no
conselho de qualiflcaco quando o chamrao ,
e a vista delles foi dispenso, isto elle mesmo
di-se a varias pessoas; por isso seo snr. Jos
Percira Lagos quer agora ser cidadao brasileiro,
preciso que destra os referidos documentos
por elle mesmo apresenlados e seria bom que o
mesmo snr. apresentasse o motivo, porque nao
guarda nacional, e porque o snr. I)r. Dele-
gado desta cidade o nao mencionou na lista
dos jurados. Jos Antonio domes Jnior.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rend ment do dia 15 .........10:2348444
Desear regio hoje 16.
BarcaIrtfazendas.
BrigueSuperiorcabos, e figos.
DitoCalharinamarmore.
DitoPrimavera frutas, e falo de passagei -
ros.
EscunaParaizobacalho.
BrigueHelenaferro.
G alilaMercalorcarvao.
Barca Mary-Queen-of-Scosditos.
BrigueLoper farinha e bolaxinha.
Publicado a pedido
Domingos Afjmso Neri Ferreira major e che-
fe interino do segundo batalhao da guarda-
nacional do municipio do Recife S(c.
Atiesto que Jos Pereira Lagos foi por
niiiii mandado excluir do servico da guarda-na
cional, por haver provado ter accetado em-
prego de governo estrangeiro e ter por simi-
hanlo acto perdido os direitos de cidadao bra-
sileiro. E por esta me ser pedida a passei.
Quartel do commando interino do segundo ba-
talhao da guarda-nacional do municipio do Re-
cife 13 de dezembro de 1843.
Domingos Affbnso IS'eri Ferreira.
= Indo no dia 12 do corr ente osr. Jos Pereira
Lagos na mesa do consulado pagar a si/a d'um ***
patacho,que diz ter comprado; como o sr. admi-
nistrador Ihe nao conseutisso o pagamento co-
mo propriedade brasileira e este snr. dissesse
que eu nao era capaz de provar ser elle cidadao
portuguez por isso declaro na > s ao referido
sr. administrador, mas sim a todas as autori-
dades que o snr. Jos Pereira Lagos natural
desta provincia relrou-se para a ilha de S.
Miguel, all se casou enviuvou e passou a
segundas nupcias, (oi emprogad na qualidade
IMPORTACA.
Mary Quee ofScott, barca ingleza, vinda
de Liverpool, entrada no corrente mez, a con-
signado de James Crahtree & C. ; manifestou
o seguinte :
30 toneladas de rarvao 414 barras e 6 ro-
los de chumbo 2 barriets com estanho 1 di-
ta ferragens, 19 caixas ffllhas de cobre, 26
ditas linhas 15 ditas e 16 fardos fazendas de
algodao, 3 fardos ditas de lia; aos consig-
natarios.
29 caixas e 1 fardo fazendas d'algodo ; a R.
Boyle & C
4 fardos fazendasd'algodao; a Fox Brothers.
8 caixas cobre 6 rolos do chumbo ; a Silva
Barroca & Andrade.
150 barris manteiga ; a J. Cockshott &C.*
25 ditas dita ; a J. P. de Lemos & Filho.
165 gigos louca 1 barrica dita, 1 dita fer-
ragens, 8 caixas fazendas de algodao 6 fardos
ditas de algodao e laa 1 dito fo de vella 8
fardos fazendas de linho ; a Johnston Puter
16 fardos o 13 caixas fazendas d"algodao ,
3 barricas ferragens 2 caixas oleados 1 dita
papel e chumbo 2 latas queijos, 1 baril lin-
guas ; aG. Kenworthy & C."
4 fardos fazendas d'algodao ; a J. Stewart.
11 ditos e 3 caixas ditas dito 3 caixas e 1
fardo fazendas de linho 150 barris manteiga ;
aRussell Mellors&G*
15 caixas e 1 fardo fazendas d'algodao, 1
dito ditas laa 50 barris manteiga ; a Jones
Patn & C
18 laxas de ferro 384 pecas dito em folha ,
e em barras, 14 fardos fazenda d'algodSo 3
latas queijos ; a ordem.
10 barricas ceneja 4 ditas bolaxinhas, 6
ditas o 2 tinas carnes, 2 barricas e 1 caixa con-
servas, 30 presuntos, 100 queijos; aoca-
pito.
25 caixas e 29 ditas fazendas d'algodao, 1
dita ditas de seda ; a Rozas Braga & C.1
25 fardos c 4 caixas fazendas d'algodao 1
dita comestiveis ; a Deane Youl & C.(
3 caixas queijos, 6 ditas conservas, 24
presuntos 1 barril linguas; a W. E. Smitb.
Loper brigue americano viudo de Phi-
ladelphia entrado no corrento mez a con-
signaclo do Matheus Auslin & C.; manifestou
o seguinte:
1234 barricas com farinha de trigo 228
caixas de cha 355 barriquinhas bolaxinhas ,
20 caixas com cadeiras 24 duzias de ditas, 17
caixas vellas 30 barris pregos 3 caixas agua-
mineral 1 fogo de flandres ., 1 banheiro ;
aos consignatarios.
Francis-ann, patacho americano vindodo
Cdiz entrado no corrente mez a consigna-
cao do seu cnsul; manifestou o seguinte.
14 cavados 2 macacos e pertences de um
circo olmpico.
Thomas Leeek, brigue inglez vind de
Londres entrado no corrente mez a consg-
nacao de Me. Calmont & C.; manifestou o se-
298 canos de ferro; a companhia de Be-*
biribe.
300 barris plvora ; a A. S. Cobert.
1 caxa (gnora-se) ; a J. O. Elster.
Grabriella brigue napolitano vndo de
Trapani, entrado no corrente mez a consg-
naci de N. O. Bieber &C, manifestou o
seguinte :
220 salins de sal; aos consignatarios.
20 barris vinho 5 caixas massas, 4 ditos
llores de mariscos, 1 porcao de cebollas; ao
capitao.
IIovimcnlo do Porto.
Navio entrado no dia 14.
Hespanha ; 35 dias, patacho americano Ru/i*
no-Xels, de 160 toneladas, capitao W.
Geliem equipagem 9 carga circo eques-
tre.
Entrados no dia 15.
Marseiles; 54 dias brigue sueco Argo do
233 toneladas, capitao Sodcrsquit, equi-
pagem 12 carga lastro : a consignaejio de
Le Bretn Schramm & C,
Vcneza ; 62 dias brigue austraco Venezia ,
de 236 toneladas capitao L. F. Ivancich ,
equipagem 11, carga farinha, e lastro:
a consignacao da ordem.
AVISO AOSNAVEGAN1ES.
Farol do Cabo Carvoeiro em Peniche.
Por participado feita pelo director mach-
nista dos faroes do reino, Guadencio Fontana ,
em oflico de 20 do corrente, consta que no dia
trinta deste mez impreterivelmente, ao por do
sol, ha de ser Iluminada a nova lanterna do so-
l rdito farol, que se acba melhorado segundo
o systema moderno pelo mencionado director
machn isla cm consequencia das ordens do
goveino de Sua Magestadc.
A posicao e propriedades deste farol sao as
segnintes:
Est enllocado na ponta do Cabo-Carvoeiro,.
conhecido as cartas martimas inglezas pulo
nome de Cabo Tiferaon na Pennsula de
PenicheCosta de PortugalO centro do lu-
miar do farol lira a 253 V* palmos de lei por-
tugue/esf 182 V p';s inglezes ) cima do nivel
do mar na latitude de 39 graos 21 minutos c 8
segundos e longilude Oeste do castello de S.
Jorge, 16 minutos o 4segundos ( 9 Rrose
14 minutos a Oeste de Greenwich). A g\iu bu-
llante luz existir assente sobre urna machina
de movimento perenne e regular de rotacao; a-
presenlando eclypsesdedousemdousminutos.
Alfandega-grande de Lisboa 22 de setembro
de 1843.Osecretario, Cypriano Manoe) da
"Silva Moraes. Esta conforme Cyprianu Ma-
noel da Silva Moraes. Est conforme. Se-
cretaria d'estado dos negocios da fazenda em
28 do setembro de 1843.na ausencia do con-
selheiro ofcial-maior Cazimiro Mara Par-
relia.
Esta conforme.
Secretaria d'estado dos negociosestrangeiros,
em 2 de outubro de 1843.
Antonio Joaquim Gomes de Oliveira,
Esl conforme.
Consulado de Portugal em Pernambuco aos
12 de dezembro de 1843.
Joao Baptista JUoreira cnsul.
Edita].
120 barris alcatrio 20 ditos pixe 20 di-
tos manteiga 50 caixas queijos 30 gigos
vinho 1 caixa chapeos de sol, 60 barricas
cervja ,400 barris plvora ; a Fox Brothers.
54 caixas queijos 38 ditas conservas, 1
dita doce ; a N. O. Bieber & C.'
100 barricas graxa ; a J. Crabtrce & C.
14 caixas canella 1 dita amostras, 200
barris plvora ; a Me. Calmont & C.
de administrador na alfandega djquella cidade
de l'onte-delgada ; e quando aqui foi chamado
para a guarda nacional, mandou buscaros
1 caixa de seda ; a C. I. Aslley.
250 barris plvora : J. Psion C.!
60 caixas queijos; a L. G. Ferreira & C.
O Dr. Jos Thomaz Nabuco de Araujo juiz
de direito da 2.' vara do civel nesta cidade-
do llecife por S. M. I. e C. que Deo*
guarde, rc.
Faco sader aos que a presente carta do edi-
lal virem e della noticia liverem em como
Henrique Zimmcr me fez a peticao do theor
seguinte Henrique Zimmer, tendo contrala-
do sociedade commercial com a casa de Ramm
& C., do l.de maio de 1840 por cincoannos,
com a firma social de Ramm & Zimmer obri-
gando-se esta nova firma pelas dividas das ex-
melas firma Ramm & Zimmer & C. quer
o supplicante liquidar sua casa o desoncrar-se
das obrigacoes a que se comprometteo por a-
quella sociedade pelas dividas anteriormente
contrahidas pela firma extincta de Ramm & C,
requer por isso a V. S mande citar por carta
edital a todos os credores da firme extincta
Bamm & C. para que estes at o primeiro de
maio de 1845, tempo em que espira a socie-
dade hajao de apresenlar suas contas, que
serio promptamente liquidadas, eo nio fazen-
do n aquello prefixo tempo o supplicante desde
j protesta contra ellas como falsas e para
o que requer tambem a V. S. mande que de-
pois de citados os credores cima referidos se
lavre termo de protesto contra elles, sendo
julgados de m f aquel les, que em lio longo
periodo nao aprezentrao suas contas e tan-
to que j fallecido o primeiro representan-
te da firma Ramm & C, e dessolvida a socie-


1 **
.dadenol.'demaio de 1845, fallecrao desde
litio ao supplicante dados por um exacto co-
chee i me uto de qualquer reelamaco que se faca;
nestes termos pede ao illm. snr. Dr. juiz do
civel se digne mandar citar aos credores ditos,
por carta edilal edepois lavrar-se o protesto
na forma requerida. E receber merc.
Como procura lor Felis Francisco do Sousa Ma-
galliits --E mais se nao continua em dita peti-
cao a qual, sondo-me apresentada, nella dei
,o mi'O de-pacho do theor seguinte. Como
requer.Recile 29 de novembro de 1843
Nabuco da Araujo.Em virtude do que oes-
erivo, que esta subscreveo, fez passar a presente
pelo theor da qual vao a ser citados ditos cre-
dores para ocontedo na mesma peticancom a
pena nella communicado e esta ser publi-
cada e afixada nos lugares pblicos com o praso
de 30 das. Dada e passada nesta cidade do
Recife aos 5 de dezembro de 1843.Eu An-
tonio Francisco Rodrigues Magalhes escri-
vao interino da 1. vara a subscrevi.
Jos Thomaz Nabuco do Araujo.
Declaracocs.
O brigue escuna Carolina recebe a mal-
la para oMaranhao hoje(16) as'll horas
do dia.
= O administrador da mesa da recebedoria
das rendas geraes internas tendo por muitas
vezes annunciado pelos diarios, aos devedo-
resdo hairro do Recife, S. Antonio, Boa-
vista e Aflogados para pagarem os impos-
to* de lg rs. por escravo lojas e tabernas ,
seges e carrinhos, casas, terrenos de marinha,
e bens do mao morta ; muito poucas pessoas
tem pago ; e por isso annuncia pela ultima vez,
que espera at o fim do correlo mz para pa
garem ; (indo o praso remetter para juizourna
relaco de todos os devedores ?em excepcao
de pessoa alguma. Recebedoria 14 de dezem-
bro de 1843,
Francisco Xavier Cavalcanti de Albuquerqae.
== O illm. snr. inspector do arsenal de ma-
rinha manda fazer publico, que no dia 18 do
andante mez, pelas 11 horas da manhaa,
contrahar n'esta secretaria o f irnecimento de
carne verde p;io e bolaxa caf moido a-
gu'ardcnto bacalho vinagre, azeite-doce ,
feiao, arroz assuoar e toucinho para as
iTiibarcaces d'armada pelo tempo que se
convencionar. contado do 1 rlpjnpir<> nrn-
ximo em diante ; assim como que tambem
contratar no mesmodia e hora a co mpra de
urna porcao de linha alcatroada mer'im la-
xas de bomba r er eleo de linhaca pa-a
o fornecimento do almoxarifado ; e convida
a todas as pessoas, a quem convier similhantes
contractos, compaiecrem com assuas propos-
tas fechadas at o referido dia, acompanha-
das das amostras de cada um dos objectos, de-
clarando n'ellas o menor preco por qtic po-
dero fazer o lornecimento e a venda d'elles.
Secretara da inspecco do arsenal de mari-
nha de Pernambuco em 11 de dezembro de
' 1843. O secretario ,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
CONSULADO DE PORTUGAL EM
PERNAMBUCO.
Precisando dar effectiva execucao aportara,
que recebi do governo de Sua Magostado Fide-
lsima de 19 de agosto do 1842 eaosar-
tigos a ella annexos com referencia a de 9 de
dezembro do dito auno : cumpro-me fazer sa-
ber a todos os passageiros subditos portuguezes,
procedentes dos portos de Portugal e seus do-
minios que se nao tiverem apresentado n'este
consulado hajao de o fazer com promplido ,
a fim de se verificar o que dispem os artigos
das citadas portaras, esperando que se prestem
a este cbamamento em beneficio dos seus pro-
nrios interesses. Consulado do Portugal em
Pernambuco aos 27 dj novembro de 1843.
Joaquim Baptsta Moreira cnsul.
COMPANHIA DE BERIRIBE.
Os senhores accionistas que ainda nao rec-
belo assuas apolices, podem mandal-as re-
ceber noescriptorio dacompanhia das 6 as 9
horas da manhaa ou das 3 s 6 da tarde.
No dia 17 docorrente completao-se os 30
(lias concedidos em assemha geral dos accio-
nas para se recolherem as entradas at agora
exigidas. Findo este praso perdera o direito
de accionistas e as entradas que tiverem eito
todos aquelles que nao tiverem reahsado 16
porcento ou 8:000 por cada urna accao.
O secretario B. J. Fernandes Barros.
das) offerecer aos cidadaos d'esta praca di-
vertimento e prazer .durante o curto periodo ,
em que se demorar aqui, e merecer aquella
approvacao que nao poupar esforcos para
obter.
Avisos martimos.
s= Para o Rio-de-Janeiro seguir o mais bre-
ve queseja possivcl o brigue5ania-A/ario-//oa-
Sore por ter ja parte de sua carga ; quem
no mesmo quizer carregar, ou embarcar es-
cravos pode entender-so com Amorim afir-
maos no Recile na ra da Cadeia n. 45
Para o Porto seguir no dia 18 do corren-
te impreterivelmento o brigue Paquete-Bahi-
anno capitao Lourenco de Araujo Guimares,
ainda recebe alguma pequea porcao de barri-
cas a frete ; quem no mesmo quizer carregar,
ou ir de passagem pode fallar ao seu capitao,
ou a Mendes & Oliveira na ra do \ icario
d. 21.
= Para a Babia sahir com a hrevidade pos-
sivel a sumaca Tamega; quem na mesma
quizer carregar, dirija -se ra da Cruz n. 'i,' .
em casa de Manocl do Nascimento Pereira.
Lcilcs.
Matheus Austin & C. farao loilo, por in-
tervencao do corretor Oliveira, de 87 barri-
cas de (arinha de trigo desembarcadas de bor-
do da escuna americana Urraloo, vinda de
PhilaJelphia as quacs sern vendidas por to-
do o preco ; segunda-feira 18 do corrente as
10 horas da manhaa, no armazem dos mesmos,
na ra da Senzalla.
Avisos diversos.
CIRCO DE NFW-YORK.
O emorezario d'esta engenhosa companhia
respetosamente participa aos habitantes de Per-
nambuco que os espectculos equestres e
RV'nnasticos comecar amanbaa ( Domingo
17 do corrente dezembro); e confia que o pro-
?.,1 .,o! Mt pneeificBuO no pequeo
^laiinna tu! !i es
uartaz do dia ( e que
lotera do theatro.
\Zf As rodas da 2.a parle da
5. lotera ando impreterivelrnen-
te no dia 19 do corrente mez, nao
se tendo cIFcctuado esle acto no dia
I I, por ainda restar um crescido
numero de bilhctes, os qnaes se
acliao venda nos lugares i au-
nunciados ; e e d'esperar a mais
prompta extraccao dos mesmos bi-
Iheles visto que a fesla se apro-
xima e nada ha tao bello como
passal-a na fruicao de bons pre-
mios.
= N. Smitt retira se deste imperio.
=Perdeo-so da Solidade al a Trempc urna
carteira com diversos papis ; quem a livor a-
chado, se a quiser restituir, dirija-se a Solidade
na venda confronte a igreja que ser recom-
pensado.
= Aluga-se urna casa terrea muito larga na
ra da Solidade, com 6 quartos, 2 salas, corre-
dor ao lado.cozinha fra, com um grandequin-
tal murado, e cacimba com boa agua de beber;
quem a pretender, dirija-se a ra da Aurora
casa n. 58.
=s Alexandre Carneiro da Cunha est justo,
e contratado a vender o seu sit.o da Floresta ,
havido por heranca do seusogro Antonio Annes,
o que faz publico a quem por si, ou por ou-
trem tenha alguma duvida.ou embaraco a pro-
pr sobre esta tranzaccao. Recife 2 do dezem-
bro de 1843.
= Offerecc-se um rapaz portuguez de 16
annos de idade, para caixeiro de cobrancas ou
para armazem de assucar ; quem precizar, an-
nuncie.
= Aluga-se um armazem na Ponte-velha
da Boa-vsita com 40 palmos do largo e 80
de fundo perto do embarque assim como
urna canoa de conduzir agua ; a tratar no de-
posito d 'agua do Clao.
Roga-so ao sr. subdelegado da cidade da
Victoria o obsequio de examinar se a escrava
de que fez mencao. o seu annuncio tem os
seguintessignaes : Joanna de naco Angola,
cor fula idade 33 annos estatura regular ,
est lugida ou lurtada desde 1841 foi do
capitao Nicolao Tolentino de Vasconcellos e
oulrora do major Manoel Rodrigues de Paiva ,
cujo signal asss vesivcl que tem a escrava
um dedo do p alcijado e muito capaz de
mudar o sen oroprio nomo e fingir-se buc ,
se tiver qualquer dos signaes mencionados ,
ara o favor de mandar entregar no pateo do
Terco n 141.2 andar que promptamente
se pagarSo todas as despezas.
Na noute do dia 10 do corrente, chama n-
do-se no porto da Rua-nova um ganba-
dor, este desappareceo da esquina da ra
do Queimado levando urna condeca sem
sera
mudado todos os lampa, com osenfeites e saia de um vestido de
veludinho duas carnizas de snra., de bretanha
de linho, quatro caifas por fazer, quatro carni-
zas um dedal de prala o diversos ob|ectos ;
roga-se a todas as pessoas que for eflorecido de
aprchenderem eannunciar, ou dirija-so a
travessa do Rozario n. 18 que sera grati-
ficado.
A pessoa, que pretende fallar a Marcellino
Rodrigues Lopes, dirija-se a ra do Crespo
n 11.
Precisa-se de um feitor que entenda bem
de plantacoes do sitio na Rua-imperial n.
209.
Urna senhora de bonscuslumes se encar-
regada criacao de meninos de peito impedidos
e dezetnpedidos e tambem recebo meninos
desmamados para curar da sua educa^o ; n-
que promette esmerar-se; quem do seu preso
timo se quizer utilizar dirija-se ao pateo do
Carmo n. 24.
Precisa-se alugar urna preta para fazer o
servico de casa e de ra ; quem qui/er a-
lugar dirija-se a ra do Cabug loja n. 1.
O snr. que empenhou urna sobre-casaca
na loja de charutos do pateo do Carmo. queira
no prazo de 8 dias ir tiral-a se nao se ven-
der.
Previne-fe ao publico para que ninguem
faca negocio com o pardo Antonio Joaquim da
Silva sobre urna negrinha crioula do nomo
Serafina, idade de 13 annos com os denles
da frente sabidos para fra da bocea a qual
foi desencaminhada no'dia 14 de dezembro da
casa onde estava pelo dito Antonio provavel-
mente para a vender; por isso so roga a todas
as autoridades policiaes ecapiles decampo,
tanto domatto como da prar;a hajao de capluiar,
tanto um como outro e levarem a negrinha
ra de Santa Sicilia n. 4 que se gratificar.
= Manoel Goncalves Pereira Lima embarca
para o Rio-de-Janoiro o seu escravo Lourenco
de naco Angola.
ss Aluga-so um sitio na Ponle-de-L'cbda ,
aonde morou ltimamente o snr. Dr. Jos
Narciso com boa casa coxeira estribara ,
e algumas fruteiras; trata-secom Delfino Gon-
calves Pereira Lima na Rua-nova n. 44.
= Aluga-se o Io. andar do sobrado em Fra-
dc-portas na ra principal n. 63 com mag-
nifica vista para o mar que se v as entradas
e sabidas das embarcaces, muito fresen, o com
commodos para urna familia quntale cacim-
ba e por preco commodo ; a tratar com Joa-
quim Lopes de Almeida caixeiro do snr. Joo
Mateos
= Alraz do theatro vendem-se taboas de pi-
nho at 3 palmos de largo e de todo o compri-
mento ditas de cosladinho e assulho forro,
e para fundos de b;rris at 30 palmos de
coinprido e tudo mais em conta do que se
vende em outra qualquer parle.
Aluga-se a mei'agua da ra da Alegra,
propra para coxeira ; quem a pretender dir-
jase a ra da Cadeia-do-Recifo n. 37 1.
andar.
No dia 16 do corrente teem de ir a praca
pelo juizo da 2.a vara na porta do sor. Dr.
Nabuco por execucao de Francisco Ignacio
Ferreira Dias, contra Manoel do Barros Pas-
sos dous quarfios, tres bois do lote c
um cazal de escravos, proprios para o servico
decampo ; quem pretender dirija-se a mesma
praca.
Na Rua-nova n. 32 em casa de mada-
ma Theard modista se acha sempre um
grande sortimento de chapeos de seda para se-
nhora de muito bom gosto e po'r mdico pre-
co : madama Theard tambem tem a honra de
avisar ao respeitavel publico que acaba de re-
ceber pelo Camelia um rico sortimento de
pentes de todas as qualidades tanto de baleia
como de tartaruga ; pentes de tartaruga para
atar os cabellos, porm de modelo novo mui
ricos, e como se usa agora em Pariz ; ditos de
marrafas de tartaruga muito finos delicados ,
e bem feitos ; pentinhos e escovinhas com es-
pclho para bigodesesuissas, para os gamenhos;
perfumara de todas as qualidades mui ricas ,
finas e galantes, que se posso ver. Tambem
chegro cabellos do todas as qualidades para
cresecntes e marrafas chinos e cabelleiras de
homem e de senhora.
Jos Ricardo Colho, tendo chegado ha um
mez do Rio-de-Janeiro tem a honra de
participar ao respeitavel publico e particular-
mente as suas Ireguezas que quem se qui/er
utilisar de seu prestmo tanto para cortar os
cabellos como para tudo o que concerne ao seu
cilicio sempre o acharad prompto.
Jacinto Jos Pavo adverte ao snr. Joa-
quim Jos Corrcia que sequer ter direito a
metade do meio bilhete n. 3593 da 2.* parte da
lo.* lotera do theatro Tenha quanto antes
pagar a sua parte, ja que, tendo oannunciante
Ihe dado gratuitamente inleresse no tal bilbete,
o snr. (lorreia depois de o assignar no verso ,
teve a sem ceremonia de fazer o annuncio que
se l no Diario de hontcm.
Aiuga-se urna casa terrea que tenha
quintal, cujo aluguel nio exceda de 8? rs. ;
quem ativer, dirija-se a Praca-da-lndepen-
cia n. 3.
Joo Francisco Santos de Siqueira, mo-
| rador p.esenlemente no engenho Pererecas co-
marca do Rio-formoso participa ao publico ,
|c todas as autoridades policiaes, que ao a-
manbecer do dia ID do mez de outubro so
evadir do dito engenbo o seu feitor por no-
me Joaquim Jos Pereira, sendo pardo, com
; os signaes seguinles : cor escura cabello prelo
estirado com poucas vollas, estatura ordinaria,
I um tanto secco do corpo, nao mal parecido,
I nariz alMudo, olhos grandes e bastante vivos ,
barbado com pequeas suissas, e estas do
pouco cabello, dentes alvos, tendo da parto
esquerda dous ou tres dos mesmos pretos, por
estarem principiando a apodreeerem sobran-
celhas feiehadas de cabellos sem serem encon-
tradas, e quando falla faz por nao encarar
pessoa com quem (alia, e pelocostume de an-
dar descalso tem os calcanhares radiados, o
ainda mais o direito sellado do corpo quo
ainda mais se confiere no andar, inscparavel
de um cachimbo que poucas vezes o nao tem
na boca, as>im como d'uma faca de ponta,
sendo o cabo da mesma guarnecido do lato ;
costuma a andar sempre de chapeo de couro,
desles de cor e forma'dos de sertanejos, o sem-
pro com um chapeo de sol de panno: fugio
roubando-me um cavallo de estribara do cor a-
lazao claro sendo capado, e de bom tamanho,
descarnado, com signal branco na testa e com
pintas bran.'as no sellador; muito bom esqui-
pador e carregador de baixo al meio, pcsctlco
fino, tendo o costume de sempre tomara corda
da mao da pessoa que o tem do safar da es-
tribara escossiando quando isso fai; roubou-
me tambem omeu escravo mulato de cor escu-
ra mais que a do ladro cabello pouco mais
ruim do que aquello, e mais alto o grosso do
corpo cara larga nariz curto, boca grande ,
dentes largos e alvos, olhos nao grandes, com
o branco um tanto avermelbado, principal-
mente quando bebe agurdente ou outro qual-
quer espirito, sem nenhum defeito no corpo ,
antes tem boa postura so tendo no braco cs-
querdo urna pequea costura com marca rxa
de roda procedida d'uma dentada de cachorro
que levou quando pequeo : bem eito de ps
e mos, e um maior signal, por onde nodeixa
de ser conhecido, quando anda dar immensos
estallos as juntas, e mais ainda quando se a-
preca no andar, a ponto de com distancia se
ouvir: chama-se Lino, levou igualmente um
quarto de roda do que se nao pode dizer a
cor, por ser preciso um exame, que pela preca
deste nao pude fazer; e s s'aUlrma, quo tem
o signa! o ferro deste engenho que AS, le-
vando cangalha nova e bem preparada, e at
coberta de couro e urna igual levou o ladro.
No dia 3 do relerido mez tambem fugio um
meu escravo mulato, de nomc Sevcrino, com
os signaes seguinles :cr alvacentaeavermelha-
da, cabello ruim, cara larga, cabeca chata ,
orelhas em p nariz chato boca grande, den-
tes da (rento podres urna costura de talhe ou
cutilada na testa junto a sobrancelha do lado
direito, as quacs com poucos cabellos, esta-
tura mediana grosso do corpo e chaboqueiro
na lu matua nao sent bem algumas vezes os
ps por Ihe arrebentarem por baixo algunscra-
vos, ou Tachaduras, com a pello do corpo um
tanto cinzenta por ter acabado d'umas sarnas,
a imilacao de quem soffre calor do ligado: este
tambem levou um quarto de roda cor alazo
caboclo, estando carnudo, o sendo carrega-
dor tendo alciii d'outros ferros a mesma mar-
ca referida do ferro dos animaes deste engenho ;
julgo e at sou informado que foiseduzido
pelo mesmo feitor, por fugir antes delle, e sem
duvida para o mesmo lugar, em que cstejacom
o outro : este escravo ha pouco comprei, e fui
informado pelo vendedor, que foi escravo de
pessoa moradora no sertao sendo este de ida-
de pouco mais ou menos de 46 annos, e o ou-
tro parceiro com 22 annos; c o feitor represen-
ta ter 30 annos : sou informado com certeza ,
que lillm bastardo d'um homem, morador no
sertao Cariri de fra d onde lilho sendo
por isso de presumir, que para all seguisse.
Peco a todas as autoridades, de darem todas as
providencias quo e&tejio a seu alcance a fim
de se descobrir o que referido fica concorren-
do eu com todas as despezas, que para dito
descobrimento se possa fazer ; assim como a
todas as pessoas particulares que posso cap-
turar os fgidos, e haver os referidos ani-
maes ; alm do muito que licarei obrigado ,
darei a quantia de 200,000 rs. podendo vi-
rem entregar-me ou avizar-me neste enge-
nho e no Recife ao snr. major Manoel do
Nascimento da Costa Montero que em urna
ou outra parte se satisfar a referida despeza ou
a quantia de 200,000 rs. que cima ofle-
reco.
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra estreita do Rozario n. 21 ; a tratar no se-
gundo andar do mesmo
=. Precisa-se alugar um negro que saiba
trahalhar de enchada para ser empregado em
um sitio perto da praca, que, agradando a sua
conducta, se comprar no caso do dono o querer
vender; na ra da Cadeia loja de chapeos
n. 46 ou no Altcrro-da-Boa-vista loja de
chapeos de Salles & Chave.


\
MUSEU PITTORESCO.
= Omelbor dos jornaes que at ao pre-
sente tem saliido a luz cortamente o Museu
Pitnico publicado cm Lisboa por urna soce-
dade de litieratos portuguezes.
As materias de que o Museu se occupa
sao: Religio Historia antiga e moderna,
Philosopha Geographia Viagens Scien-
cias, e Bellas Artes Agricultura Novellas
eicolhidas istudos inoraos, e biographicos,
( olTerccendo nesta classe adiscripcao da vida ,
o accao de todos os reis de Portugal o dos
lieres que mais florecorao em cada um dos
reinados, dando-so os seus respectivos retra-
tos ) Pensamentos Ancdoctas Mximas mo-
raes
vi
o Hisseilaoas.
ii .,
Todos estes ohjectos,
tratados com o esmero de que sao credores,
formao urna biblioteca variada e instructiva ,
um alimento para a reflexao um recreio de-
pois dos trabalbos dodia.
Ovolumo constado 16 cadernos, ou n-
meros em cada um dos quaes ba duas lolbas
de impressao de 17 pollegadas de comprido e
11 de largo ; duas magnilicas estampas ( de
formato igual ao da impressao para afinal se
1 encadernar o volunte ) lythografadas em papel
velin ( de 40S rs furtos cada resma ) com tal
perfeicao que, medidas em quadros, podem
servir para o ornamento das melbores salas o
finalmente em cada numero impar se ve urna
exacta dscripcao das modas sendo esta acom-
panhada de figurinos, e collecooes de lindsi-
mos debuxos para bordar de branco e de ma-
tiz o que servir de muita utilidade para as
senhoras de bom tom.
As pessoas, que pretendCrem subscrever
para esta excellente obra podem dirigir-se a
Joaquim Baptista Moreira agente da sociedade
nesta provincia em casa de quem se achao ja
patentes collecooes do primeiro volume1 at
16e da primeira serie, do segundo vo-
lume.
Constando, que nesta provincia tem ja ap-
parecido a venda collecooes do Museu inculcan-
do-so os vendedores =af;entcs da sociedade =
para crdito da empreza se previne o publico,
que falso tudo quanto se disser a similbante
respeito. A dirceco da sociedade declara ao
publico que s recor.heco vlidas as assigna-
turas, sendo os recibos do primeiro volume 1
at 16 inclusive impressos em tinta verde c
os da primeira serie do segundo volume ,
impressos em tinta encarnada dovendo ser
assignados pelo agente supra declarado o qual
garante a subscripto sendo (cita e paga em
sua casa.
Primeiro volume do Museu consta de 16 ns
1 al 16com 32 estampas frontispicio ,
e ndice &c. por 12f960 rs. ( moeda fraca. )
Segundo volume do MuseuA dircegao di-
vidi este segundo volume.em duas series, afim
de facilitar mais a extraccao estas series crao
de 9 nmeros, porm a empreza resolveo alte-
rar esta ordem estabelecendoagora a seguin-
te : a primeira serie ser de 8 nmeros prin-
cipiando em numero 17 e finalisando em nu-
mero 24 inclusivo por 6S720 ( moeda fraca.)
Segunda serie, lera otros 8 nmeros, co-
mecandoem n. 2o e terminando em n. 32
inclusive ; o mesmo porm s se pagar em
1844.
N. B. Dar-se-ha com o numero 32 um
novo frontispicio eo ndice geral das mate-
rias tratadas em os 16 nmeros das duas seres
17 at 25 inclusivo que reunidos forma-
rs o segundo volume do Muieu.
= Aluga-se o segundo andar da casa n. 20
da ra de Apollo com muito bons commodos
para familia ; a tratar no armazcm da mesma
casa.
=^ Alugiio-se 3 casas no Alterro-dos-a(To-
gados ns 143, 160, e 162; quem as pretender
falle defronte do viveirodo Muniz n. 67 com
Jos Francisco da Silva Penna.
= Aluga-se um sotaocom muito bons com
modos, do sobrado novo da ra Augusta n. 9;
quem pretender dirija-se a ra do
esquina que \olta para o trem n. 11.
=. Osnr. Paulino Augusto da Silva Freir ,
que mora cm o sitio junto a Cruz-de almas
queira apparecer na lua-nova n. 8 a nego-
cio de seu interesse.
= Aluga-se um sobrado de um andar no
principio da Rua-imperial n. 49 pintado de
novo ; quem o pretender, dirija-sc ao arma-
/em de vidrosao lado da cadeia.
=A pessoa, que quer alugar um sitio a mar-
gem do Capibarbe para passar a fcsla dirija-
sc a ra de Acuas-verdes n. 36.
s= Arrenda-se para se passar a festa o sitio
n. 136 periodos Aflogados, na estrada que
vae para o Giqui murado na frente com
excedentes commodos e estribara ; a tratar
no mesmo sitio.
= Jos .I/arla Vicra, Portugucz relira-sc
para fra do imperio.
Aluga-se o segundo andar e solo do
-obrado do Atterro-da-Boa-vista n. 3, com
voinmodos para familia; a tratar no mesmo.
Aluga-se um sobrado do um andar, com
duas salas 3 quartos, cozinha fra e quin-
tal caiado e pintado, na Rua-imperial n.
100 ; a tratar defronte o. 167.
= Urna pessoa que ansina primeiras lat-
irs do que tem muito uso se offerece a dar
licoesem casas particulares; quem de seu pres-
tidlo se quizi.-r utilisar annuncie.
Precisa-so de um rapaz para acompanhar
um preto que sac de manhSa a repartir 16 pa-
tacas de paos ; na Ruu-direta n. 80.
Precisa-se de urna ama livre e desem-
pedida, para servir a urna pequea familia ,
pelo sustento e algum ordenado ; na ra do
Nogueira n. 13.
Precisa-se alugar metade de um andar do
um sobrado para um moco solteiro ; quem
tiver annuncie.
= Precisa-se de um feitor, que entenda
de borla e pomar ; no Atterro-da-Boa-vista ,
casa do medico Brito.
Perdeo-se no dia 9 do crrante os papis
da barcaca Flor da Liberdade; pode-se a quem
os tiver achado os mande entregar na ra do
Amorim n. 33, primeiro andar.
=3 Precisa-se alugar annualmente urna bar-
caca de 12 a 20 caixas e que csteja prompta
a navegar ; quem a tiver e quizer alugar di-
rija-se a ra dos Copiares n. 7.
= A viuva do doutor Ulisses D. Mara
Roza Pontes Leooesi, pretende ir a provincia
da Baha levando em sua companhia seus 2
filhos Ulisses e Carolina ; e os escravos Her-
culano, Thomaz, Leonardo, Apollinaria, Joao-
na, Mara e Josephina
= Quem annunciou precisar de 2008
juros sobre ponhores de oufo dirija-so a ra
da Cruz n. 43.
Precsa-se de um caixero que entenda
de venda; no largo da rbeira de S. Antonio
n. 1 defronte da praca da farinha.
Manoel Jos Rodrigues retira-se para o
Aracaty, levando em sua companhia o seu es-
cravo Manoel.
O n. 3593 da segunda parte da deci-
ma-quinta lotera do theatro de um meio
bilhete e nao do bilhete inteiro como por
engao se annunciou no Diario de 15 do cor-
rente. -
Aluga-se pelo tempo de esta urna casa
terrea de pedrae cal sita no Monteiro con-
fronte ao oitao de S. Pantaleao com suffci-
entes commodos o por preco mdico; quem
a pretender, dirija-se a ra doQueimadon. 11.
pre$o commodo; cm casa de Calkmann & qualidados estaopromptas no escripia rio onde
Rosenmund, na ra da Cruz n 10. os amadores dos bons vinhos podem prova|-os
= Vende-so um elegante carrinbo de duas antes de comprar,
rodas, com os arreios competentes para umea- Vende-se ou aluga-se a padari a da ra
vallo de solida construccSo boas molas, e das Cinco-pontas n. 1S4 com todo os seus
com pouco uso ; no Atterro-da-Boa-vista na pertonces; um cayallo preto, bornea rregador
coxeira do segeiro Miguel. dous caixes envidracados que ser vem para
Vendem-se pannos de algodo de qua- amostras de venda um dito para ar mazemde
dros para mesas muito finos e baratos; na assucar, ou farinha por ser muito grande -
ruado Queimado, loja o. 25 de Guilhermo na Rua-imperial o. 2.
Setto. Na loja de calcado da ra do Queimado
Vende-se um bom carallo de estribara n. 22 acaba-se de receber 1 novo sor tmenlo de
novo, muito gordo, e com todos os andares; agua de Colonia da mais superior, que tem
na ra de Aguas-verdes n. 10. apparecido "como so mostrar aos pretenden-
- Vende-se um par de casticaes do prata tes, pois se achao frascos abertos pai a se obser-
modernos um relogio que mostra os das do var as boas qualidades, e por preco mais bara-
mez e da semana abnete de prata um dito lo, do que em oulra qualquer pa rte ; a sa-
inglez, um transelim de ouro para o dito um ber as garralas a 1600 rs., frascos a 320 e 400
alunte de diamantes cravados em um jacar de rs, da alr/scarada a 1000 rs. a gu rrafnha o
ouro, botos para abertura e punbos, urna 480 rs., ea do mbar a 2000 rs. e 480 e
salva para 4 copos de prata, urna dita para 600 rs. o frasco lavrado aguada china para
um dito 6 colberes para soupa um duzia tirar noduase sebo das golas das casacas sem
ditas para cha urna dita para tirar soupa, f- deixar mancha alguma a 1000 rs pomada
velas para suspensorios e sapatos urna ar- : virginal para ex tinguir totalmente o s piolhos da
maco de prata para oculos um ponteiro de cabeca sem nunca mais apparecerem alOOOrs.
o boiao, dita de al'ambre para amaci ar os cal.el-
Compras
= Comprao-se effectivamente para fra da
provincia mulatas, negras o moleques de
12 a 20 anuos, sendo bonitos pagao-so bem ;
na lua-nova n. 16.
= Comprao-se eflectivamente para fra da
provincia escravos de 16 a 20 annos de bo-
nitas figuras e sem deffeitos pago-so por
bom dinheiro agradando; na ra da Cadeia do
Recifen. 45..
= Compra-se um, ou dous caroeiros gor-
dos ; na Rua-direita esquina do beco de S.
Pedro n. 16.
Compra-se urna folhinha do anno de
1827 ; annuncie.
Compra-se a obra de Virgilio traduci-
da ao p da leltra; quem tiver annuncie.
prata e titulo para crucifixo ; as Cinco pon-
tas n. 45.
Vende-se urna mulatinha de 16 annos,
recolbiila muito bonita mucama, e com boas
habilidades duas ditas de 25 annos boas
engommadeiras, cozinbeiras e fazem todo o
servico de urna casa ; duas prctas com boas ha-
bilidades ; dous pretos para todo o servico; um
dito bom carreiro ; um moleque de 12 annos ;
um mulalinho de 12 muito alvo ; na ra de
Aguas-verdea n 44.
= Vende-se um carro do duas rodas, com
arreios, ecavallo, tudo omelhor possivel e
por preco commodo ; na ra da Cadeia do Re-
cife loja n. 33.
V Vendem-se as obras completas de Luiz de
Cames, nova edicao por J. \. Brrelo Feio ,
e J. G. Monteiro, em 3 volumes, pelo bai-
xo proco de 6100 rs. cada obra ; na ra da
Cadeia do Recife n. 37, primeiro andar.
=Vende-se rap de Lisboa em libras, e oi-
tavas assim como de todas as qualidades que
ha no mercado e muito bom cha hisson ; na
ra do Collegio loja n. 4 do Menezes.
Vende-se para fra da provincia urna es-
crava crioula de 24 annos boa lavadeira e
cose alguma cousa ; na ra do Livramento .
sobrado n. 33.
= Vende-se farinha para escravos, porcos,
o gs!ih9 G40 rs. medida nova e pcia ve-
S.
An-
Vendas.
Rangel
FOLIIIN I AS PARA 1844.
Acho-se a venda na livraria da praca da
Independencia ns. 6. e 8 ; ra do Cabug lo-
ja do Bandeira ; defronte da matriz da Boa-vis-
ta botica do Moreira; no Recife ra da Ca-
deia loja de ferragens n. 45; cm Olinda, ra
do Amparo, botica do Rapozo; e nos Qua-
tro-cantos, loja do Domingos : as exccllentes
folhinhas impressas nesta Typographia com-
poslas pela primeira pessoa, que as fez nesta pro-
vincia o que tantocredito ten; merecido; conten-
do as de algibeira ptimas chcaras, e a disputa
entre urna pulga, e um piolbo sobre a fidalguia;
outras contendo a confisso do marujo ; e ou-
tras finalmente com a linguagem das flores, ou
novo diccionario para a correspondencia ama-
toria ; brevemente se exporao a venda, as que
tem os nomos, e moradias dos empregados p-
blicos.
Vende-se um flauta de bano de urna s
chave de prata por 64 rs. ; na ra estreita do
Roza rio loja de cera n. 3.
Vende se (arollode superior qualidade ,
em saccas grandes, por preco commodo; no
forte do Bom Jess.
Vende-se vinho do Bordeaux de superior
qualidade
Iba a 1600 rs. ; na ra da Cadeia de
tonio deposito de farinha n. 19.
Vende-se toucinho de Santos, muito al-
vo a 160 a libra ; vinho de Bordeaux a 200 rs
a garrafa ; na travessa das Cruzes n. 7, esqu
na da dos Quarteis.
Vendem-se por 40g rs. duas bancas de
Jacaranda novas feitas a moderna e forra-
das de panno fino verde; na ra estreita do
Rozario n. 32.
Vende-se urna tipoia 100 ps de co-
queiros para plantar urna porcao de garrafas ,
e ovelhas prenhes e paridas; no Atlerro-dos-
affogadosn. 218.
= Vendc-se urna padaria e refinacao com
todos os utencilios, e pertences promptos a
trabalbar, e novos segundo o modelo adopta-
do o lugar alem de ser muito bom para ne-
gocicio foi julgado pela vesturi que se fez,
capaz para conservacao do referido estabeleci-
mento vende-se a dinheiro ou a praso at
mesmo se faz sociedade ou se aluga; em F-
ra-de-portas n. 122.
=\ ondem-so carteiras envernisadaspara via
gem com estojo e mais pertences por 16, rs. ,
locadoures com estojo por 24000 rs. espelhos
grandes para sala a 4 rs. e mais pequeos a
2800 rs., camas de mogno com colxes do mo-
la para recreio tocadoures mui ricos de mo-
gno com apparelho de porcelana, ditos pe-
queos para senhora camas, bancas, mesas,
solas e cadeiras de Jacaranda c de outras qua-
lidades c outras muitas cousas,' que a vista
dos pretendentes sero patentes; assim como
so continua a receber qualquer objecto tanto
novo como usado, para se vender por meio d'es-
to estabelecimento; na Rua-nova armazem
n. 67.
Vende-se a venda da ra da Paz com pou-
cos fundos, e tem commodos pora familia ,
propri para qualquer principiante por ser
em muito bom lugar e nao ter outra que
I he faca guerra ; urna rotula nova pintada de
verde feita a moderna um fogio inglez com
3 buracos e suas tatupas tudo por preco
commodo ; a tratar na mesma
Em casa de Augusto Corbett, na ra da
Cadeia do Recile n. 46 ba sompre para ven-
der um grande sortimento de vinhos engarrafa-
dos da Madeira Xcriz Porto, agurden-
los a 2400 rs., cat:xas de pos para dentes a 120
rs. e outras muit -S perfumarlas.
Vendem-se 5 escravos, sondo duas prc-
tas urna mulata /odas com algu mas habili-
dades; urna negrinhi'de 10 annos ; e um mo-
leque ; na Rua-velba n. 111.
Vende-se carne d ecarneirobem sevadoa
200 rs. a libra ; noagouguede Joo uhu,
na ra dos Quarteis qu> durante os Shbhados
de festa e de hojo em vai. 'te so vender depois
do meio dia para mais con imodidade do seus
freguezes levar para o malto.
Vende-se na loja de Joai' Cardozo Aires ,
na ra da Cadeia-velha urna 0Dra publicada
no Rio-dc-Janeiro no anno do 1843 intitu-
lada diccionario de medicina j. copular pelo
doutor Chernoriz em que so d escrevem se-
gundo a ordem alphabettea o 01 liguagem
vuigar ossimptomas, as causas e o trata-
menlo das molestias, os soccorros qut'se devem
prestarnos accidentes sbitos, os co ntra-ve-
nos de todos os venenos conhecidos s prc-
ceitos para a conserv; cao da sade as pl, inlas ,
a preparacao dos remedios caseiros ; dous volu-
mes em quarto contendo 950 paginas preco
lOjrs.
= Vende-so urna grande porcao de bar i-
cas vasias para assucar, uns poucos de barris ,
que forao de vinho ; no armazem de iaboado,.
da praia de S. Francisco ns. 8. e 10.
Vende-se urna escrava de 16 annos, que-
engomma cozinha e cose; 4 ditas com ha-
bilidades e sem ellas; um preto do 18 annos,
para lodo o servico ; urna parda de 20 annos ,,
engommadeira e costuren a; duas negrinhas,
e urna mulatinha de 12 annos; na ra do Fo-
go ao p do Io/ario n. 8.
= Vende-se a armaco de caixes, pesos ,
bataneas e mais utencilios c Irapassa-so as
chaves do deposito de assucar da ra larga do
Rozario confronto a travessa do Peixe-frilo ;.
em Fora-de portas n. 122.
= Vende-se urna bonita escrava de nacao ,
de 15 annos com boas habilidades ; na ra
da Cadeia do Recifo loja de ferragens n. 56.
Vendem-se barris com sebolas de con-
serva ditos com repolbos e pescadas salpre-
sas ; na ra das Cruzes ri. 41.
=Vende-se para fra da provincia um preto
a fallar com Manoel Luiz da Veiga.
em quartolas e engarrafado em ; le de Franca eShrubdas melbores qualida
caixas, vinho de champanhe das melbores mar- i des que ha no mercado muito proprio para
cas, em garrafas c meias ditas, vinho do quem gosta da boa pinga pela festa, tudo por
I! nono e ceneja em barris de 4 duzias por I preco commodo; as amostras das difieren les
Escravos fgidos
sa No dia 27 de novembro p. p. fugio o es-
cravodenaco In'oambane, alio, magro, cor
retinta, falla muito manco levou jjm ferro no
pescoco ; quem o pegar, leve a casa do Vicen-
te Thomaz dos Santos del ron le do viveiro do
Muniz, n. 67, a imtregar a Jos F. da Silva
Penna quesera gratificado.
Fugio no dia sette do correte o pre-
to Joaquim de naco Milanpe alto clieio
do corpo o beico inferior alguma cousa ca-
bido tem na barriga algumas marcas de sua
trra est Ihe sahindo a barba falla muito
o bem expressado ; levou camisa de algodaozi-
nho eceroulas de algododa trra; quem o
pegar, leve a Manoel Jos da Silva Guitnares,
na Trompe sobrado n. 72 ; que ser recom-
pensado.
= No dia 22 de agosto do anno p. p. fugio
a preta Mara de nacao Benguella alta, sec-
ca rosto comprido e cheio olhos grandes,
nariz meio afilado boca pequea, beicos pros-
sos peitos pequeos e cahdos tem as
costas da mo um carocinhos ps apalhetados,
ecm um delles tem o dedo grande mais virado
para dentro e sem ter unha ; quem a pegar ,
leve ao paleo do Carmo n. 24, quesera grati-
ficado.
Rrcifb: n* T?p d*. M Fde Fa'.. =184p.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV69TTC1W_1DBK5U INGEST_TIME 2013-04-13T01:02:24Z PACKAGE AA00011611_04537
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES