Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04533


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anio de 1843.
Terca Fe ira J2
. llaUI3
iBMK
.f.-fr-T-
ijdo gor depende de nos mesmus; da nossa prudencia, n1mier15.n1, e enerp*: ron-
j.i.umo como [rincimaci'is, e tiremos aponiados cum dmiray.'io entre a Naques mnia
( l'riH'Umaii.iu da Assemblei ter.l do BtusiL.)
liou
CJl'-
PARTIDAS DOS CORIIEIOS TERRESTRES.
tioisnna, e Parahjba, segundas e aexlas feiras. Hio Grande do Sirle, quintas feiras.
Bonito e Gartnhuna, k 10 e 24. ....
Cabo, Serinrem, Rio Formoso, Corlo Cairo, Macei, e Alaoas no 1 44, 54
u*-vi *" U1ASDA SEMANA.
11 Se l)uo T. Aud. do J deD.dal.r.
1j Tero. Justino M. Re. Aud.do J. de D.da3. t.
13 Quarl. Lutia V. M. Aud. do J. del) da 3. T.
44 Ouint. Agnello Ab. Aud. do J de D. da -i. T.
5 Sel t. Cbristiun Aud. do J. de D. da 2. r.
l Sb. i. Albina V. M. Re. *nd do J. de 1). da 1- ,
17 Do. B.rlholumco de S, Ciniiui.no,
*! .**.-**
MW4KJIIIII II
de Dezcmbro Anno XIX. N. 268.
O Duaio publica-.e todo, M da. que n.lo forro. 8iMlM>M o prtOO d. ..*..,"
. detre. mil rei. por q...rirl D.gO, dictados. 0, anounri. do, as,1Snl3 *"
patil eos do. que ., fuer, a n I le i re., porfiaba. A, rrol.m.goe, derem a er
gidM a esla Tp., ru. da, Cru.es N.3y.u apr..; da l,.leren.
^ Clamos>o da 10 de Detembro. 0OBl,r
Cibio obr. Londres 26.
Paria 37) res por franco.
Lisboa 1J porl00d.pr.aaio.
randa.
or.o-Mo.d.d.a.oov. A .2
N. 16,5IK>
d. 4,000 l>,M0
Pann-Fal.cO.. *ii>00
Mo.dad.oob.. 2 por cen.o. P.to. Col.n.. 1,900
Idea, d.lelr.ad.boa. firma. l.H, 2. dilo. M.uc.no. 1,000
PHASES DA LA HU MEZ DE DEZEMBRO.
Lu. Cheia (i, 9 horas e i I d. urda I La. or. I, 2 b m-
31 m. d. .. | Qutt.OlM. 4 S, o. t3 ".'-.utos db l.rd.
16,800
0,400
1,920
1,920
i,y:o
Quarl. ig.l'i, 10 Inras
Precintar de hoje.
roru.4'! d. urde

%&. %&:&i < V b V-
&>
buniBififtir.-
EXTERIOR
REPBLICA ORIENTAL.
Montevideo, 28 do outubro 18W.
Depois da minha ultima carta tcm-se limita-
do as hostilidades a pequeas escaramuces que
em nada adiantao a qucstao.mas que vao sempre
adiantandoamorte ajalgumas duzias deguer-
reiros. Hoje desceu de suas trincheiras o gene-
ral sitiador com seis pecas e duas machinas de
foguetes congreve. Ahi tem estado todo o san-
to dia, mas nao nos mimoseju scnocom tres
ou quatro tiros que nenhum estrago causaran.
Parece que o tenente de Rosas se resolver a sa-
hir de sua inamobilidade por dever partir hoje
o paquete e desojar que leve para a Europa a
noticia do estar elle sobro a praca vomitando fo-
guetes o bombas reaes. Sao gostos.
Da campanha tambem pouco ha a accresccn-
tar. Rivera diz que tem grandes operacoos em
projecto, e da a entender que tem feito e far
umitas cousas grandes e proveitosas. Creio que
ha operacoes, que ha cousas, mas que sejao
grandes e de proveito o quo quero ver para
crr. J agora ninguem me tira do sopticismo :
chamao-meo Manoel das duvidas, e nao del So
de ter sua raso.
O que porm vou acreditando 6 que os rosis-
tas tem infido de dividir as suas (oreas. Nada tem
tentado sobro Maldonado. Urquisa eucurralou-
se no rincaodePereyra, oalli passa o tompo do-
mando eguas: nao mao offlcio. Tontou sedu-
ir Fnrhinato Silva, nm dos melheres guerri-
heiros de Rivera. As cartas que Ihe escreveo
convidando-o para virar a casaca vfil-as-ho
publicadas no Nacional, que o creme das fo-
Ihas no capitulo das verdades. Bonzj-te Dos.
O bloqueio 6 do papel; faltava maisesta para
o tornar hlho legitimo de Rosas, que capnclia
em andar sempre as avessas. Ahi entrao todos
osdias navios carregados de gado, e ninguem
com isso se importa. Agora digao-me vms. pa-
ra que se Tez tanta bulla com o tal bloqueio, e
dou-lhi'S tim queijo do ouro.
Desde lionlem quo corre aqui por corto qjo,
tendo-seapproximado Rivera a Ironleira, sto
ao passo de Valiente, seis leguas distanto do
Bagfi aproveitra o barao do Casias a oocatHo
para atacar os tarrapos commandados por La-
navarro, os quaes sondo balidos, lugirao para
o Estado Oriental c se relugiro ao campo de
Rivera, o qual osdesarmou olhestomou asca-
valhadas. ..
Se esta noticia se confirma, quero ver que di-
tero os su eitos que com tanto afinco sustentao
que Rivera protege os rebeldes porcombinacao,
convieco o aleicao. Conviccoes alTeicoos.....
Ainda so fosse interesses....
Des.:obrirao-so hoje d.>us depsitos de armas
e municoes, e prendorao-so quatro desgra?ados,
dous dos quaes sao desertores da guarda-nacio-
nal. Pareca que com a oxecucao do Baona se
conlehao os conspiradores, porque em Monte-
video nao estavamos acostumad >s a castigos
tan summarios; mas parece tambem que nern
todos escarmentao em cabeca alheia.
Cuido ter-lhes dito ha lempo que Rosas res-
ponder ao prime.ro enviado que veio do Pa-
raguay pedir-lho o reconhocimento da sua ndJ-
pendenc.a, que nao loria duvidaem roconliecei-
a se o Paraguay se federasse coma Repblica
Argentina, e se oorigasse a nao admittir outra
bandeira que nao .sse a argentina em todos os
>eus porto. Agora acaba de regressar a Buenos-
Ayres o mesmo enviado autonsado para lser
um tratado sob aquellas bases.
Chegou tambem a Buenos-Ayresem cami-
nhopara o Paraguay, ocoronel ). Manoel Ma-
garinos, que vai autorisado pelo govorno de
Bol Va para reconhecer aquella independencia
e residir no Paraguay como minerojW>>
tenciario. Veremos como se concil.ao estas duas
m Juga'-se aqui que a doferenca do Paraguay
(breada e para ganhar lempo, que em casos taes
tSdo. Com ludo veja o goven.o imperial o
partido qne Rosas pode tirar des e tratado; ve-
ja o Brasi' o que isto ludo quer d.zor. o o quao-
to importa estar do sobreav.s,., para nao perder
s uaPsrolacoscommorciaos eomurn p. tao
vantajosamonte situado, e para nao duor do-
pais, tarde e a mas horas, se eu oubesse.....
P Etnlnsde marco rene-se o congrosso na
dada d'Aosumpeao, e ^^f^J" ',c
,onomear-se o govorno da<|U.-lla repblica.
No Nacional encontrar.} os projectos do le
sanecionados pelo poder legislativo para dar re-
cursos ao governo oriental. A subsistencia da
guarnicao esta assegurada at o dia 26 de do-
zembro, o para essa pocha de crer que as o-
peracoes da campanha terao decidido em favor
do mais feliz, porque, digao o que disserom ,
all fique ha do decidir-sea qur-stao.
D. Duarte ainda est em Buenos-Ayres com
urna molestia grave; diz-se que o remedio quo
a ha de curar o espera elle do Rio-de-Janeiro.
Ser alguma dose homeopathica?
Aqui chegou no dia -2-2 o briguc do guerra
francez D'Jssas, vindo de Cdiz com 42 dias de
viagem. Recebeo all de um vapor chegado do
Rrost. oTicios com tres logos para o ministro
Belurde. quo devemandal-os por Ierra para Val-
paraso. Diz-se que tem referencia aoarranjo
das dinVrencas entre a Inglaterra o a Franca so-
bre a oceupacao das lhas do Pacifico.
(Carla particular.)
(J. do Commercio.)
Uio-de-janeiroa22. Alfim do que doixamos
transcripto em outro lugar consta-nos quo
vierao por esse navio algumas remojos de jui-
'esde direito entro as quaos a do sr. r An-
tonio AIonso para a Jacobina o a do sr. Dr.
rtierra para o Rio-furmoso
UiB
Variedades.
RIO DE JANEIRO.
O sr Digo Antonio Feij senador do im-
perio pela provincia do Rio-de Janeiro ex-
ministro da justica e ex-rogentc, falleceo na
cidado de S. Paulo.
O capitao de mar e guerra Joaquim Leal
Forreira foi nomcado commandante da divisao
do centro o deve partir no din 18 do correntc
mc (novembro*i, nacurveta januaria, para a
sua estacao.
MINAS GERAES.
uro-Preto 28 de outubro.
O naturalista viajante, PedrojClaussen,cons-
ta-nos haver descoberto em Scte-lagt*>as,
em um lugar denominadoMelanciasabun-
dante mina, que contm cobre chumbo e
prata.
Qunndo meditamos nos recursos do toda sor-
le. que nos ollereco nosso paiz c ao mesmo
tompo pensamos em as ninharias quo al.sorveni
nossa attencao parece-nos vfir um povo-rci .
pela suporioridade do seu solo abaleando toda
a importancia quo poderia ter. Nao haver
industria n'um paiz onde tantas materias pri-
mas se encontro' para lastimar! Masa ler-
tilidadedo solo, a facilidade de subsistencia
sao a causa de, livres do aguilhao da neces-
sidade n3o cuidarmos senao do mundo pes-
soal, e agucar paixfies funestas moral a
industria o civilisacao.
Consta-nos que S. Ex. o snr. Andrea, co-
nhecido geralmonte por um administrador acti-
vo e enthusiasta dos melhoramentos materiaes
o do progresso da industria rocelifira do mes-
mo naturalista urna prova dos mencionados
mineraes ; e estamos certos que S. Ex. nao
dcixara de premiar a nteressanto COriosdade
daquolle estrangeiro com a costumada atten-
cao a si.mi I lian tes objectos.
(Correio de Minas.)
(J. do Commercio.)
Lfi-se no Jornal do Commercio :
Pelo brigue dinamarquez Carolina Amalia ,
sahido de Montevideo em 6 do corronte(novem-
bro) .consta,quo a guarnicao daquella praca ll/era
umasorti la om grande (orea no dia 4 para prote-
ger urna partida, que sedirigia ao Buseo. Aceres
centa-se, que esta partida conseguir comple-
tamente o objecto, que so tinha em vista que
era destruir a alfandega. e mais cstabelecimen-
tos do Buseo, bem como os gneros, que all
oxistio para provimento do exercito rosista.
Recebemos jornacs do New-York at 30
do setembro. A nica noticia que nellos encon-
tramos a do ter havido um grande incendio em
Kingston, capital do Jamaica. O fogo descubri-
se no dia 26 do agosto ao moio dia, e conti-
nuou ateo dia 27 de manhaa. deixando redu-
sida ciozas motado da cidado.
O CARAPUCEIHO.
OS SECri.OS ILUSTRADOS SKR.VO OS MAIS VIR-
TUOSOS ?
Problema philosofico.
A rasa e a necessidado ensinao aos homens
os rudimentos das artos, c das sciencias. As ar-
tes lorao os primeiros vnculos da sociedado, as
sciencias dosterrraS a barbaridado. A's scien-
cias, e artes somos devedores das mais puras de-
licias da vida; porm as ontes dcstas mesmas
delicias nem sempre oorrrafl com igual abun-
dancia Considemo-so como vasios nos annacs
da historia aquellos seculos tenebrosos, nos
quaes a naturesa, como quedesmaiada, parece,
]\ie abandonara os homens a sua mesma igno-
rancia, 'lodo a nossa attencao deve recair so-
bre aquellos formosos seculos, em que rompfio
d'cntre as sombras o bom gosto, e se remontou
com rpido vo. tornando-so em um novo astro
para Ilustrar com scus ratos, e influencias to-
das as nacoes mais privilegiadas. Taes foraos
seculos de Pericleg, de Augusto do Leao X ,
e do Luz XIV seculos ditosos, quo reunra,
e fix.ira a perfeca em todos os gneros; po-
rm nnanto mais ditosos riaA. se as Inclina-
Qosdo corayao houveisem correspondido as
luzes do engenbo? He meu intento na rosolu-
caodeste problema examinar o infiuxo dos pro-
gressos doengenho em os costumes dos povos.
Sera os homens mais Ilustrados os mais vir-
tuosos? O caminho dos lados som compara-
cao o mais seguro. De nada valem os lugares
cominuns, ha tanto tempo, esgotados sobre a u-
tilidade, abusos, vantagens, e vaidade, ou inu-
tilidadodas sciencias.
IIURIII lili PSaNWBUClK
N unos Jornaes do Commercio al 21 lo r.e,
voi hro vindos pelo brigue /(ios, que saliio do
Costumes da Grecia antes de Fereles.
Por muito tempo se governrao os (rogos por
axiomas, e precoitos do moral, cuja simplicida-
de nos d;'i a conherer. o patentla a simplicida-
de do sous costumes. Homero, Theognis, Hesio-
do, l'ocilides forao sous primeiros legisladores.
Urna virtude sincera, e sem ostentacao foi as
primeiras Idades da Grecia a r :gra constante de
todos os deveres, e obrigagoes da vida civil. .V
estes povos virtuosos sem estudos se atrevfira
a propor svstemas alguns meros cidadas, tan-
to para rogra de seus costumes, como bases de
seu governo poltico, e porum elTeito prodigio-
so, esem exemplo fezentao a simples persua-
sao o quedepois foi obra reservada ao crdito
das riquezas, forca das armas, e autoridade
da rcligiao. voz do Lycurgo o povo mais fe-
roz da Grecia abraca a mais severa disciplina.
Soln soubefixar com lea a inconstancia dos
Atlieniensos. lodos os Gregos sacrifican urna
parlo da sua liberdade (nico cabcdal do que
erad zolosos) aos moios, que so Ibes propoe pa-
! ra os tornar molhores.
0 respoito aos pais, c aos anciaos, a hospita-
lidadepara com osestrangeiros, a igualdado so-
cial entro os cidadads, a modestia, a siinplici-
dade, o dosintoresso erad j como virtudes pro-
prias da Gracia. O objecto das novas leis loi li-
gar estas virtudes, o dirigil-as a um mesmo lim.
A' estas virtudes, e estas leis deveo a (recia os
oxemplos de herosmo universal, exemplos ra-
ros, que mereefirad a admiracao de lodos os se-
culos. Toda a fdrea da (recia parece, que con-
sista nos costumes, e na simpliciJado, compa-
nheira ordinaria da ditosa ignorancia. Quanto
mais Athenas se cultivava mais rpidamente
caminhava ao seu precipicio. So nao foi tao r-
pida a quedado Lacedemonia, deveo esta ven-
tura ao rigor das suas leis: cmfiru as ultimas
virtudes da Grecia florecfirao na Beocia, cuja ru-
deza preservou os costumes do contagio uni-
versal.
Costumes do neculode Pericias.
As sciencias, e as artes ae eperfeicora' na (re-
cia, ao passo que os costumes soia estragando.
Aquellas ganluvao o terreno, quo estes 0 pu-
dendo, e emlim urna quasi repentina rovolucSo
levantOU as sciencias sobro a ruina dos COSlU-
mos. Fiscmss a attengao sobro Atbenas uttk*-
. mente. \ sciencia draaiali< a foi a primeira, que
se cultivou, e aperleicoou entre aquello povo vi-
vo, leviano, inconstante, satyrico. motejador,
ancioso do mudancas, e novidados, o nica-
mente constante em sua furiosa paixao pelos es-
pectculos. As obras de tlieatro fora para os
Athenionses o primoiro ensaio daquella oxacti-
dao doengenho, e \ive?a de sentimen'os d'a-
quolla suinina dolicadesa, com quo em um pon-
to abracrad, e julgrad decisivamente de todas
as artes e sciencias. Nao sem temor vio nascer
Soln, e apontaresta dolicadesa de gosto, pre-
vendo relativamente aos costumes suas damno-
sasconsequencias. Tema o espirito caprichoso,
a falsidade, o o lingimento que o movel pri-
meiro de toda a accao tlieatral. Tema, que A-
thenas (amliarisada com o fgo das paixdes, o
com a representado de Ilustres dolidos, se nao
familiarisasse logo com p mesmo dolido; eo
successo justilicou o seu temor. Melpomenc o
1 li.ilia levrad as musas a Athenas, onde se cs-
tabelecerad para desterrar de seu seio a rgida
virtude. A pliilosolia, o engenbo, o donaire, o
deleite occuparad o lugar dos bons custumes, da
candura, e da antiga si:n|)licidado: linalmonte
segundo refere Platao as maravilhas do seculo
de I'ericlos arruinaran os costumes do Athenas.
Se duvidarmos do funesto infiuxo das scien-
cias nos costumes dos Athenienses, abramos a
historia: comparemos Periclos com Soln, Alci-
biadescom Aristides, e Nicias com Melcades.
Os segundos sao uns homens, que nao pelejao,
quo nao obrad, quo nao respirao, senao para o
bem, para a glora do sua patria, e para felici-
dado do seus concidadaos: os primeiros sao uns
homens frivolos, vaos, presumidos, choios de
si, anicaiiiento oceupadosem suagtorta par;-
cular; solcitos do applausos, sacrificando tudo
ambicao de adquirir um nomo.
Con. este parallelo julguemos agora dos cos-
tumes do Athenas pelos costumes de seus pri-
meiros cidadas, o busquemos em Athenas fu-
til, e .Ilustrada os costumes do Athenas virtuo-
sa. A philosophia, tornando-so popular, era
um dique mui fraco contra a corrupgao. Os ra-
ciocinios dos philosofos, seus erros sobro a di-
vindade, sobro a essencia do bem, o sobre os
doveros destruirlo, ou QserSo problemtico o
quealentao havia passado por corto. Os di-
reitos da relgiao, da naturesa, o da decencia lo-
rao submettidos ao tribunal da rasao, o pesados
as balances das paixdes. Tudo se translormou
em meios nomes, quo apenas podiad Iludir a
Ignorancia, ou a irreflexaO. E que podio espe-
rar os costumes do urna philosoa communica-
da pelos mais infames canaes ? D'uma philoso-
fia sentada nos domicilios do vicio ao lado da
prostituicao .'
Taes rao as escolas das Aspasias, das Leon-
cas, o das Lais; escolas eternamente celebres
pela lama dos discpulos, que produsira; mas
que escolas paia os costumes! Vejamos os fruc-
tos dcstas douti inas nos costumes d'um Cimon,
que conserva publicamente sua irina em lugar
de sua mulhor, e nos de um Pericles, que eslen-
de at sua mesma ora o direito, quo lhe dava
a di^solucao publica a todas as mullieres; nos
de um magistrado, quo se so contm em seu
mesmo tribunal vista de um farinoso mance-
bo, a lorca do gritos, e reprbenseos do seus
meamos companbeiros; nos de um Alcibiades,
discpulo amado das muzas, oda philosolla; om
lim em todas as abominacoes, que nos conser-
vou Alheen como monumentos do miscravel
inluxo das sciencias nos costumes da Grecia.
O' Attica, dizia Euripedes no tliealro de A-
thenas, as musas (xrao om ti sua divina har-
mona; tu s a amada rogiad dos Numes, e os
Zafiros, que refrescao as ribeiras do Cesilo, sao
o alent, e spro da mai dos amores, e das gra-
bas, emlim Cytherea, coroando-secom suas fio-
res, todeixouo amor, o os genios, que presi-
dem as arles. Na visnbanca do Athenas, Lace-
demonia e Thebas, privadas dos lavores de Ve-
nus, mais alguma cousa consorvro a puresa
dos costumes antigos; a austeridade das leis de
Esparta, e a asperosa do clima da Beocia nao -
raoda urisdiccao das muzas, cujo imperio nao
se estende a homens, que nicamente aspirao
a obrar com rectidao. Sigamos as sciencias &
Roma, o exainincmos seu infiuxo nos costu-
mes dos senhores do universoRomanos re-
rum domiw.
Costumr dos Romanos antes de Augusto.
Todas as nacoes, todos os homens, todos os
seculos se parecen as virtudes, e nos vicioso
que nascem do coracao: porm ha iiouiens, ,
i

ca



I
I
tem liavido povos inteiros nos quaes parece,
que a humanidade si mesma se exceder, pa-
ra darem aos futuros seculos un exemplo da
niais rara, e niais sublime virtude. Quern ha-
ver todava, que, cheio deprcocupacaodaspri-
meiras escolas, nao faca ainda um grandecon-
ceito destas vozes Osenado, eopovo Romano!
Mas o philosofoda servidas das preocupa-
res julga d'outra maneira, e com mais distinc-
^ao da virtude romana. Nao descobre no sena-
do de Roma mais do que urna companhia de
homens, que fazem consistir a honra e a jusli-
5a smente no que vantajoso sua patria; ho-
mens, que considerao justo, e honesto quanto
ontriba para o augmento de seu estado; ho-
mens emfim, que formrao para si um dolo do
orne romano, a quern sacrificio asras5es mais
efficazes, e poderosas da naturesa.
Os costumes privados dos Romanos naoro
mais suaves, que os pblicos. Por a juros seu
capital, emprrgal-o com usura, cobrar os inte-
resses no dia assignalado, atropolar as fazen-
dasdos miseraveis devedores, trabalhar sempre
para augmentar os propn'os fundos, taes era
as oceupacoes dos Romanos dados nicamente
aos negocios domsticos sem enlace, sem ci.m-
municacao, sem outra companhia mais, que a
de seus clientes, e escravos; finalmente at
destruicaodeCarthago a asperesa de um carc-
ter duro, rustico, silvestre, e feroz foi o princi-
pio, e o movel da virtude dos Romanos, que
por muito lempo naiconheceraodebaixo deste
formoso nomemais do que a rca, a arrogan-
cia, e o valor. Se esta virtude, so estes costu-
mes nao sao para nos outros do apreco, ao me-
nos nos devem causar admiraca; poiscom el-
les conseguirs levantar tamanha altura a
gloria do nomc romano.
A conservacao, e a grandesa da repblica es-
tavao como unidas, e ligadas a virtude feroz dos
Brutos, Decios, Camillos, Suvolas, e CatSes :
virtude feroz, que ousou conceber o projecto da
conquista do universo, e que soube vencer to-
dos os obstculos, que podiao impedir ou retar-
dar sua execucao. As victorias, e as derrotas ,
as vantagens, eos reveses, tudo foi igual para
aquellos nimos inflexiveis, e infaligaveis. Os
successos mais gloriosos nascio dos mais des-
grasados. Destruirao Roma os vencedores Gal-
ios; mas ficarao sepultados em suas mesmas
ruinas. Perde Roma nos Fabios sua nica defen-
sa contra os esforcos dos Veios, e dos Volscos;
mas esta perda atraza smente quatro annos a
queda de Ancio, e derrota de Luceria se segu
a conquista de todo o paiz dos Samnitas. Pyr-
rho, vencedor em Heraclia, publica com a sua
victoria adebilidade de seus projectos contra os
Romanos; emfiri as derrotas do Tessino, do
Trebla.e do Lago Trasimuno de Carinas na
impeiieiii incontratavel Roma, que caminha
sempre lirme a conquista do universo. Mas
quando, vencida Cartlago, comccroos Roma-
nos a conhecer, e a gostar das sciencias, c das
artes, e mais que tudo da polida urbanidade ,
Catao, aquello Ilustre coryfo.e censor da virtu-
de ro nana, as considerou como ferrugem, que
ia roers molas da coustituico da repblica,
prognoslicou a sua ruina, e vio de ante mao pre-
preparados os grilhSes para os que at ento s
tinhao sabido vencer, e commandar; presagiou,
que os altivos fllhos de Romulo, fazendo-se ho-
mens, deixariao de ser Romanos; e para um
homem persuadido, como elle esta va de que o
poder de Roma estribava na duresa dos costu-
mes pblicos, na asperesa do carcter romano,
polir estes costumes o mesmo era, que debiltal-
os e corrigir este carcter era nao s enfraque-
cel-o, porm destruil-o.
nhecimento do quo se encaminhava ao bem do
estado, com pura, erecta intencio se Iison-
goava de poder esquivar a repblica do seu em-
minonte precipicio. Algumas vezos esorcado
na apparoncia mas tmido e pusilnime na
realidade, ningem se pareceo menos que elle
com os grandes, que quera imitar. Pelejar
as escondidas, minar em silencio, aproveitar-
se das inteligencias nos partidos contrarios,
consolar-so as presents desgracas com futu-
ras, o incertas felicidades, esperar tudo d'algum
enredo mal forjado, tirar do nada, elevar,
fortificar urna autoridade recente, eseroprl-
meiro, que desviou sua oppressao, fdraoos
recursos, ou, para molhor dizer, as fadigas
em que se perdeo o orador romano, perdendo a*
repblica. Foi urn negociador perpetuo, mas
sempre irresoluto, sempre vacillante, sempre
engaado a ponto de deixar no throno o mesmo,
que tinha escolhido como instrumento nico da
sua ruina.
Taes er5o os costumes pblicos dos Romanos
depois de limados pelas sciencias. Aquella vir-
tude spera, silvestre, feroz, e inflexivel ,
que constitua os costumes, c o carcter dos an-
tigosRomanos, trocou-seem urna timidez, em
urna desidia, em um desalent tal, que julgou
urna carga pezada a mesma liberdade. Plutar-
co, retratando um antigo Romano, se lamenta,
que seus costumes se houvessem suavsado com
o trato das musas, cujos afagos e benignida-
de sabem abrandar a naturoza mais ind-imeta
* agreste. Mas quando Plutarco fazia esta re-
flexao, tinha-so esquocldo de que em sua
proprias obras havia dito, que a virtude sobre-
sahe mais quanto mais apartada estiver do
seculo em quo florecrSo as artes e as scien-
cias ; e seno, enlro seus vares lustres com-
parem-se os Publiclas, os Camillos, os Fa
bios, os Emilios aos Crasssos, aos Lucullos ,
aos Ciceros, e aos Antonios; e vja-so que
differenca de costumes, do intencSes, de ca-
rcter de ordem do vida Em lugar d'aquella
naturoza varonil, e vigorosa, que admirava-
mos nos primeiros se descobre nos segundos u
ma virtudo artificial, composta, estudada.
cujo espirito o interesse particular, o amor
proprio. Roma senhora do mundo pela virtu-
de de uns veio a ser pela frouxfdao dos outros
o ludibrio, e o despojo da ambicSo de seus ci-
dados : Roma em fim vea Bruto como o ulti-
mo dos Romanos: Julio Cosar deo um bosque-
jo da sua servido; Augusto destruio para sem-
pre a sua liberdade. (Continuarse-ta.'
Macei, 6 dias, In'ate brasileiro S.-Jos-
Flor-do-Mar do 38 toneladas capitao
Jernimo Moreira equipagem 5 carga
lastro.
Camaragibe ; 4dias, In'ate brasileiro Novo-
destino de 21 toneladas capitSo EslcvSo
Ribeiro equipagem 4 carga assucar.
Navios entrados no dia 10.
Maranhao ; 15 dias brigue-escuna brasileiro
Laura de 163 toneladas capitn Anto-
. nio Ferreira da Silva Santos, equipagem
17, carga diversos gneros: a consignaco
do capitao.
Genova ; 53 dias briguo sardo Catharina de
203 toneladas capitao Angelo Cette e-
quipagem 13, carga azeito-doce pagel ,
e mais gneros: a consignado a ordem.
Saludos no mesmo dia.
Ilha de Fernando ; brigue-escuna de guerra
nacional Gararapes, commandante o 1.
tenento Jos Socundino Gomensoro.
Babia ; brigue-escuna brasileiro S.-Jos-Na-
regante, capitao Antonio Pinto Lessa :
carga diversos gneros
Val-Paraizo ; brigue hamburguez Erepress ,
capitao Christian Malchin : carga assucar.
Navio sakido no dia 11.
Estancia ; escuna brasileiro 4ve-Maria de
3* toneladas capitSo Manoel Rom8o Tei-
xeira equipagem 7 carga varios gene-
ros.
Editaos.
ANCDOTA.
Certa snr,\ vendo o grande pleito das tres
dcosas representado n'urn painel, pergunteu 3
um frado Bernardo o que significavao'aquellas
tres figuras nuas, e o tal marmanjo com a ma-
ca na mao ? O padre, depois de parafuzar um
oouco respondeo, que o pastor era o dragao
infernal, que com o pomo engaara a Eva no
Paraizo que.... Mas ( replicou a snr.) Eva
ira urna s, e nao tres. Embatucou o Bernar-
do; porm sahio-se duendo que all estava
representada Eva antes do peccado, Eva no
peccado e Eva depois do peccado ; e assim
todas as tres Evas formavo urna s.
E
Costumes de Roma no lempo de Augusto.
Com effeito a Ilustrada Roma mudou de ge-
nio. A' idolatra do nome romano se seguio a
admiraca das maravilhas da Grecia. A urba-
nidade abrandou o feroz espirito republicano ,
ospassos, que os Romanos davao para sahir
da barbaridade, crao para cahir na servido.
O ostabelecimento do imperio das sciencias em
Roma foi a poca do imperio dos Cesares. E
forao accaso melnorcs os Romanos na domina-
Co dos Cesares ? Ficario seus costumes mais
puros depois de suavisados ? Em urna palavra
o cortezao de Augusto, e de Tiberio foi mais
virtuoso, que oconcidado do< Brutos, Camil-
los, Fabios, e Paulos Emilios? Repasscnus
pela memoria os costumes dos Romanos e fi-
caremos convencidos, que as sciencias levan-
t irao o throno dos Cesares sobre a ruina dos
costumes.
As sciencias o as artes ero em Roma o pa-
trimonio de todos os que depois da ruina de
Carlhago ousarao conspirar contra a liberdade
publica. A corrupcao formou urna cad a de
conspirares menos terriveis a repblica pelo
poder, e autoridade de suas cabecas, que por
seus talentos, e eloquencia. Que uso fez Sem-
pronia dos primores que adquiri com o s-
tudo da lingua grega da eloquencia, e da phi-
losophia dosGregos, edos Romanos? Infa-
mou seu Ilustre nome, fazendo-sea alma de
urna conspirado formada no seioda proslitui-
cao, c mantida com as mais infames desen-
volturas.
Deixando de parte os coracSes indignos do
nome romano, julguemos dos costumes dos l-
timos lempos da repblica por um dos seus ul-
timo defensores, quero dizer; Cicero; ejul-
guemos destes costumes, nao por suas palavras,
mas por suas obras. Em vao Cicero com um
ensenho enriquecido das mais eimiUnc no-
ijas, com as iuzes mais claras, cm pleno co- j
Alfandega.
Rendimento do dia 11.........13:1308100
Descarrego koje 12.
BrigueLaura farinba albos, barricas,
e passas.
DitoAragolijlo.
Dito Napoleoladrilhos.
DitoCatharinafazendasdiferentes.
DitoOrralloocha especiaras, farinba ,
bolaxinha potassa e trastes.
Dito Mary-Queen-of-Scot fazendas e
manteiga.
Dito americanoFelizcerveja e vidros.
Dito-HelenaPixe o pedras.
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Camargo,
commendador da Ordem de Christo, inspec-
tor dalfandega, 6[c.
Faz saber que no dia 16 do corrente se ho
de arrematar em hasta publica na porta d'al-
fandega um bote no valor de 30^ rs e qua
tro massos de alfinetes no 38200 rs. apprehen-
ilidossem despacho pelo guarda Thomaz Jos
da Costa e S sendo a arrernatacao livre de
direitos ao arrematanto ; outro sim no dia 14
do corrente sero igualmente arrematadas tres
caixas com 36 figuras em mangas de vidro e
um sacco com 20 almofadas para senhora,
ludo no valor de 368 rs. impugnado pelo
guarda Manoel da Fonseca de Araujo Luna no
despacho por factura de S. Bollo n. 2072, sen-
do o arrematante sugeito aos direitos. Alan-
dega 11 de dezemhrede 1843.
O Um. sr. inspector da thesouraria das
rendas provinciaes em cumprimento do artigo
35 da le provincial n. 110 de 29 de abril de
18i3 da ordem do exm. sr. presidente da
provincia de 16 do corrente manda fazer
publico que nos dias-13 14, e 15 do cor-
rente ao meio dia se ha de arrematar em hasta
publica perante a mesma thesouraria a taxa da
barreira da ponte de Bujary na cidade de
Goianna oreada em 5:000S rs. annuaes, con-
tada do l.do Janeiro de 1844, se antes se
nao marcar at 30 de junho de 1846.
As pessflas que sepropozerem esta arrerna-
tacao comprelo nos dias cima indicados
competentemente habilitados.
E para constar se mandn afixar o presente
c publical-o pelo prlo.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes de Pernambuco 17 de novembro de 1843.
O secretario ,
Luiz da Costa Porto-carreiro.
outro sexo que so dignro de tomar parte n
seu contentamonto concorrendo ao bailo
mostrando assim que tem em boa conta a nuu
cidade estudiosa e bem concertada.
O secretario ,
Jffonso Peres d'Mbuquerque Maranhao
Pela sub-delegatara de polica dos Alibi
gados se fax publico quo acbao-se recolhidos
a cadeia por fgidos Joao prto crioulo e
Antonio, mulato de menor idade : ol.de-
clarou ser escravo do propietario do eoaenho
Carana e o 2. ser escravo de Arsenio de
tal.
Faz-so saber aos subditos Britannicos re-
sidentes em Pernambuco que no dia quii a-
leira 20 do corrente pelo meio dia (era lus -ar
no consulado britannico da ra da Cruz o a-
juntamento dos subscriptores para todos os fi ns
designados no acto Geo : IV Cap. 87. Cons 1-
lado britannico em jPernambuco 9 de noven 1-
bro de 1843.U. A. Cutoper, cnsul.
= 0 collector de diversas rendas do munici i-
pio de Olinda manda lazer publico todo t >s
seus collectados, que do Io. ao ultime do cor -
rente me/, contaS-se os 30 dias marcados par a
a arrecadacao a boca do cofre do 1. semesln )
do corrente anno financeiro do 1843 a 1844 di 1
decima urbana e do todas as mais imposSes
a seu cargo, devendo ficarem na inteligencia
de quo lindo este praso se proceder excesiva-
mente contra os que nao comparecerem e
para quecbegue a noticia todos laz publico
pelo presente. Olinda l.dedezembrode 1843,
O escrivao ,
Joao Goncalves Rodrigues Franca.
COMPANHIA DE BEB1RIBE.
Os senbores accionistas que ainda nao rece- -
brao as suas apolices podem mandal-as rc-
ceber no escriptorio da companhia das 6 as 9
horas da manbaa ou das 3 s 6 da tarde.
No dia 17 do corrente completo-se os 3 0
dias concedidos em assemba geral dos accio-
nistas para se recolhercm as entradas at agora
exigidas. Findo este praso perderao o direito
de accionistas o as entradas que tiverem Jeito
todos aquelles quo nao tiverem realisado 16
porcento ou 8:000 por cada urna aeco.
O secretario B. J. Fernandes Barros.
Deca racoes.
RIO DE JANEIRO.
Cambios nodia 20 do novembro.
Precos da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres..... 25 72
Pariz....... 368
Hamburgo... 680a 685
Metaes. DobrSes bespanhoes. 30,400 a 500
da patria___ 30,000
Pezos bespanhoes... 1,930
da patria___ 18890 a 1,900
Pecasde6g400velhas 17,500 a 600
de novas 16,200 a 300
Moodas de 48000... 9,200 a 250
Prata ........... 98
Apolices de 6 por cento..... 713A a 72
(Jornal do Commercio.)
Xlovimeiilo do Porto.
Navios entrados no dia 9 de novembro.
Rio-de-Janeiro ; 17 dias brigue brasileiro
Ros de 206 toneladas capitao Manoel
da Silva Braga equipagem 25 carga car-
iM-MM*e : 5 corisignacao de Amonm & lr-
mos.
O paquete inglez Peterel recebe as mallas
para o Rio de-Janeiro e Bagia, amanha
( 13 ) as 4 horas da tarde.
No dia 13 do corrente mez teem de ir a
praca pelo juizo da 2 vara na porta do snr
Dr. Nabuco, por execucao de Francisco Ignacio
terreira Das contra Manoel de Barros Passos
d-us quartos tres bois e um casal de es-
cravos proprios para servico decampo ; quern
pretender dingir-se no dia marcado a dita
praca.
SOCIEDADE COLLEGIAL.
O director e membros da commisso da so-
c.edaue Colleg.al desejando palentear sua
grat.dao pelo obsequio que receberao da socie-
dade huterp.na. que se dignou de facultar-lhes
a sua casa e movis para o baile que na noute
do 1. do corrente derSo os alumnos do Col-
legio-Santo-Antonio, celebrando o acto de
encerramento do mesmo collegio quo teve
lugar na tarde do referido dia aproveito este
meio para patentearem o seu reconhecimento ,
e mu cord.almente agradecerem a promptido,
e generosidade com que Ibes foi leita tai con-
cessao e bem assim a eficaz cooperaoao que
muitos dos illustres socios da Euterpina vo-
luntar.amenle prestro, a fim de se conse-
guir quo fosso to numerosa a reunio e tao
bnlhanto como foi, este acto de regosijo
O director e commisso nao esquecem
quanto sao devedores pela alinelo que mere-
cro, a tantas e tao distinctas pessoas de um e
SOCIEDADE DE MEDICINA DE PERNAMBUCO.
Programma dos premios para os annos Je
1845 e 1846.
A sociedade na sesfao deste dia adoptou os
seguintes assumptos para as memorias que h5c>
de ser premiadas em abril de 1845 o 1846.
Para o anno de 1845.
Premio j proposto para este anno em 1842 -
Fazer a analyse chimica do sueco da game-
leira e mostrar quaes os principios activos e
therapeuticos comidos nesso substancia. De-
terminar por urna serie de observacoes exactas a
accao e modo de operar deste medicamento sobre
os hydronemicos ; as diversas preparaces, que
delle se podem fazer, e o melhor meio de o
administrar.
Para o anno de 1846.
Fazer a maior colleccBo possivel das plan-
tas e remedios indgenas que tem sido ou po-
dem ser applicados s enfermidades do homem
ou dos animaes. Determinar por experiencias
therapeuticas quaes os effeitos desses remedios
indgenas e quaes os remedios exticos que po-
dem substituir com vantagem.
O autor da memoria que para cada um dos
premios fr prclerida pela sociedade receberl
urna medalba d'ouro na forma dos estatutos,
do valor de cem mil res, e duzentos mil reis,
em dinheiro.
O autor da memoria que para cada um dos.
premios fr julgada segunda em mrito, ser
premiado com urna medalba de prata do va-
lor de vio te e cinco mil reis e fecebera ctenla
mil reis em dinheiro.
As memorias serao entregues ao secretario
da sociedade antes do fim d.; Janeiro dos respec-
tivos annos.
Pernambuco 27 de novembro do 1483.
Est conforme. Dr. Sarment secretario
perpetuo.
THEATRO PUBLICO.
Urna definitiva representaco a beneficio
do snr. Mathevct, 1 albleta da Europa.
Quinta feira 14 do corrente de?embro. O sr.
Mathevet depois do acolhimcnto recebido dos
illustres habitantes de Pernambuco lena fal-
tado ao seu dever relirando-se sem deixar u-
ma recordacao de suas forcas musculares. Es-
ta funccSo a mesma que elle teve a honra de
representar no thealro francez do Bio-de-Ja-
neiro em preienca de Sua Magestade o Impe-
rador do Brasil, e sua Augusta Familia. O
snr. Mathevet empregar todos os seus esforcos
para merecer novos applausos do respeitavel
publico.
PROGRAMMA.
Primeira parte.
Mr. Eugenio Lcmoine, desempenhar &
scena das loucuras de Bacco,


M
Segunda.
Rafael Lucci, esua filha mademoizello Car-
mela cxecutarS o muitu lindo duelo da opera
Jielizario do M. G. Donizetti Quand" de
iangue tinto; a qual desempenhar a linda
parte do mesmo joven Almiro.
Terceira.
M VI. Eugenio Lemoine e Carlos Cleve exe-
cutar.if) cm dous a scena das deslocacoos, com
o titulo dos Phenomenos occidenlaes.'
Quarta.
Rafael Lucci esua filha mademoizello Car-
mela cantar o jocoso dueto da opera italiana
em Argtl do M. G. Rossini Aicaprice de la
sorte.
Quinta.
Gymnasio thcnienso. A columna e o bra-
co d'aco. A columna e o braco do ferro.
O braco doSunsao. A columna do athleta.
Sexta.
Jogo antigo da Grecia. Grande escarpe
Duplicado vo rpido. As toreas de Hercu-
les. O passeio de Alcidcs.
Stima.
O jocoso pantomimo do Pintor logrado
com as scenas e dancas necossarias.
O i lava e ultima.
Mr. Mathevet dar fin ao divertimento com
a difficil scena de Mario nos ferros na qual
executar todas as posices de dores o tormentos
que soffreo Mario segundo conta a historia.
N. B. O snr. Malhevet previno ao respeita-
>el publico que na experiencia do braco d neo,
lie se servir de um pequeno cordo de seda ,
nicamente para separar os pos da columna ; a
lim de tornar o exercicio mais agradavcl, e este
ordao ser entregue aos espectadores c a co-
lumna collocada ao p do lugar do ponto.
Os buhles achiio se a venda no mesmo
theatro. (Principar s horas do costume.)
Avisos martimos.
Para Lisboa sahir no da 16 do cofrenlo
o brigue portuguoz Feliz-desti>ic~r do que
capitao Antonio Goncalves do Azevedo, a-
inda recebo alguma carga e passageiros; trata-
se com Francisco Severianno Rabello no Forte
do Mallos.
= Para Macei segu viagem a lancha 5.-
.1 as-Flor-do- Mnr ; nnpim na mesma quizer
carregar ou ir de passagem pode dirigir-se a
bordo da mesma fundeada delrontodoTrapixc-
do-algodao ou a ra da Cruz por baixo do
deposito de rap Ara-prela-de-Meuron & C.
n. 20 venda do ^ Arauj & Irmao.
= Para o Aracaty seguir no da 18do cor-
rente.por ter o seu carregamento quasi promp-
to, o hyato Flor de Larangeiras ; quem qui-
zer carregar ou ir de passagem dirija-se a ra
da Cadeia do Recifo loja de lazendas n. 37.
fjcilocs.
O corretor Oliveira far leilo quinta-
ierra 14 do correte s9 horas da manhaa ,
da mobilia da casa da ra do Amorim n 35 ,
consistindo om commodas canaps, cadeiras.
camas pianno, espelhos castiees lampioes
d'escida guarda-roupa guarda-livros, dous
baleos e pertences d'escriptorios, carteiras de
urna o duas faces burra de ferro livros em
varias linguas, imprenca de copiar cartas ,
louca vidros de cristal, utenciliosdecosinha.
o mais outros ob|ectos &c.
Hojo 12 do corrente haver leilo de urna
porco de barricas de cerveja defronte do
caes d'alfandoga as quaesso vender porto-
do o proco para fochar-so contas.
= O corretor Oliveira continuar o seu leilo
de todas as qualidadesde fazondas inglezas e
francos sol) as mesmas condices de vender,
como at agora por todo o prego : quarta -
reir, 13 do corrente. as 10 horas da manhaa ,
no primeiro andar da sua casa ra da Ca-
deia._________ ______
Avisos diversos.
LOTERA DO THEATRO.
Nao so tendo podido effeituar no da II do
corrente mez o andamento das rodas da lotera
do theatro. om consequencia de existir anda
por vender nma avultado numero do bilhetcs .
que o theatro nlo podo arriscar sem que se-
nao sujeite grandes prejuisos; faz publico o
respectivo thesoureiro quo tem pedido a s.
Exc. o sr. presidente da provincia o espassamen-
to das ditas rodas para o dia 19 do presente mez.
e que. apenas S. Exc. decidir, serio fetos os
annuncios sobre esteobjecto definitivamente.
AlUM-se um preto possanto, hbil para
todo o servieo prcfcrindo-se para armazem
deassucar; na ra da Cadeia de S. Antonio,
deposito de larinha n. 19; O mesmo'aposi-
to precisa-so de urna ama para casa de lamilla ,
sabendo engommar, e cozinhar.
Na ra de Santa Rita casa n. 83, en-
gomma-sc e lava-so roupa com toda a perfei-
cao e cuidado, e por muito commodo preco.
= O abaixo assignado viudo da capital
do Cear para a de Pernambuco succode ser
rouhado por 3 ladres, na entrada de urna
mata, ao pe de urna cruz, distante da villa de
Extremor, meia legua pouco mais ou menos,
s 0 horas da tarde sendo o roubo que fizrao
de 230 meias doblas 20 oncas hespanholas ,
que so achavao em urna bolea de retro', verde ,
com um transelim de retroz amarello na boca,
11,000 rs em notas do 1,000 rs. de dentro
da gaveta de um pequeno espelho : e assim ro-
gaa todos os snrs. que, sendo, que alguma
pessoa que seja desconhecida, appareca com taos
moodas a trocar ou comprar alguma cousa ,
do leval-o ao conhecimento da polica para
fazer as indagacoes, que sao permittidas, vis-
to a doclaraco que agora faz o abaixo assigna-
do ; assim como prornette dar umis boas alvi-
caras, a quem doscobrir o dito roubo vindo
ter em poder do mosmo abaixo ass dado do Natal 29 de oovombro do 1813.
Jos Pacheco Lima.
= Na ra do Rozario larga botequim de-
nominado Coa-da-onca contina a haver
n I mocos do boin caf o diversas comidas; cha-
ropes de refrescos do superiores qualidades,
em porgues, e engarrafados a.'i-Ors. e sem
garrafas a 480 rs. ; saber tamarinos, ma-
racuja I i mo e rozas.
Quem precisar de um cazal s, sem mais
familia para sitio ou outro qualquer servi-
eo ; dirija-se a ra das Cruzes n. 31.
Furtrao no dia 8 do corrente um relogio
London de duas caixas, leudo a de ra de
tartaruga : a pessoa que o furtou foi um pardo,
que ha pouco sabio do Hospital por doente, es-
lando com calca parda, ejaqueta de chita j
branca : quem o tiver comprado levo-o a Mar-
celino da Costa no convento de S. Antonio ,
que receher o que tivor dado.
= Deseja-se saber em que se fundou o snr.
Antonio Pinto d'Azovedo para dizer cmsu
annuncio inserto no Diario n. 26o que
ninguom fizesso negocio com o terreno situado
na ra da Praia-da-ribeira; o annunciante sem
duvida desconhece qde ote terreno coube
dous herdeiros do fallecido Antonio Jos de
!' igueiredo e que um d'elles nenbuma
transaeco fez com o annunciante ; pode ven-
der como de facto vende a parte, que Itao
coube no dito terreno para o que os prete.i-
dentcs dirijao-se a serrara n. 23 na mosma
ra ondo est situado o terreno que ahi se
dir quem est autorisado para o vender.
= Urna pessoa, que aflianca sua conducta, so
offerece para cobrar dividas nestas cidade e
tambem o faz judicialmente ; quem de seu
prestimose quizer utilizar dirija-se a ruada
Penha n. 4 que se dir quem .
=r Um rapaz brasileiro so offoroco para caixei-
ro de qualquer casa ingleza ou do cobranoa ,
0 qual ja tem bstanlo pratic desta occupaeo,
e d fiador a sua conducta ; na ra estreita do
Rozario casa n. 12 segundo andar.
__ Adverte-sea pessoa que ha mais do tres
me/.cs empenhou um annel por tres mil res na
venda n. 1 na travessa do Qiioimado haja de
ir tirar do contiario se vender para paga-
mento .
__Quem precisar do urna mulhor para ama
de casa de homum solteiro ou de pouca fa-
milia; dirija-se a ra do Rangel sobrado n. 20.
__Aluga-se o 2. andar do sobrado da ra da
Roda n. 45. pintado de novo com urna gran-
de sala e juntamente um grande sotSo; se
a pessoa nao quizer o 2. andar se aluga so-
mente o sotao; dirija-se a Rua-nova loja
n. 32. .
-Aluga-se o primeiro andar do sobrado a
traz da matriz da Boa-vista que fica junto ao
collegio com grandes commodos : a tratar
na mosma ra n. 22 : na mesma se vendo urna
porco de barricas vasias que forao de fannba
de trigo. .
O snr. Dr. Simplicio Antonio Mavignier.
queira ir ou mandar receber dous recibos da
companbia do encanamento das aguas quo fo-
rao achados ; na praca da Boa-vista venda
l Francisco das Chavas Ferreira Duro (az
certo ao respeitavel publico que ninguem ne-
gocie ou trato negocio algum com Luiz do
Reo Barros sobre urna letra sacada pelo fal-
lecfdo Amador Araujo Cavalcaute Lins, a ven
cer-so em 10 do maio prximo vindouro de
18H aceita por Pedro Alexandro de Mattos,
e endocada por Antonio Pinto de Mattos, se-
nhores do engenho alamar por ser a mesma
destribuida com os credores do cazal d'aquelle
fallecido, de quem hojo sussessor o dito Ilc-
' go sendo ella da quantia de dous coritos e
1 quinientos mil rs. ; e adverte mais o annun-
| ciante que essa e outras letras se achiio en-
bareadas em mao do credor e indossantc .
i mais como o nvontariante a nao enlregou em
ijui/.o por isso se faz o presente annuncio.
Urna senhora de bons custumes se encar-
rega da criado do meninos de peito impedidos
e de/empedidos e tambum recebo meninos
desmamados para curar da sua educacao ; no
que prornette esmerar-se; quem do seu pros-
timo se quizer .utilizar dirija-so ao pateo do
Carmo n. 24
Urna pessoa hbil prope-se ensinar pri-
meiras lettras em casas particulares, com o
maior zelo edisvelio quo so pode encontrar ;
quem protendor dirija-se a ra da Cruz n. 28 ,
primeiro andar que se dir a pessoa.
O abaixo assignado roga as autoridades,
ocapitaesde campo ,_ o a quem tiver noticias
de dous moleqijos um por nome Antonio ,
estatura regular, cor preta grosso do corpo,
com urna coroinha na cabeca do lado diroito ,
feicojs regulares; outro por nome Lourenco ,
baixo ropresenta ter 12 annos cor preta ,
grosso do corpo pernas lit.as al^uns bixoS|
pelos ps ambos d'Angola ; oro comprados
a Agostinho Jos da Silva, morador em Porto-
do-galinhas, limtrofes da fregue/ia de lpojuca,
e fa/.om 3 semanas ate hoje s tivo noticias ,
que elles passarao para as partes de l, ao rom-
per do dia 9 do corrente dia om que fugirao;
quem os troucor aoongenho Guerra do lpoju-
ca ser gratificado com 50S rs alem de al-
gumas despezas que por acaso tiverem com el-
Fes feito. Jos Antonio Pires FalcSo.
= Constando ao abaizo assignado quo alguns
escravos ou lamulos do snr. tenento-coronel
Francisco de Paula Sousa Leo lorao a beira da
estrada da Merooira em um lugar pertencen-
teao vinculo, que administra o mesmo abaixo
assignado o all derrubrao um pao de secu-
pira que ha annos se conservava para o que
fosso'mister; e como aquello snr. nada escre-
visse ou mandasse fallar at o presento ao a-
baixo assignado sobro este facto quo pode ter
consequencias mais serias do que algum pensa ,
lanco mao desto meio de publicidade, para que
chegando ao conhecimento do referido snr. ,
nao liquem sem a merecida correceo os seus
autores : isto um devor seno urna obriga-
c8o reclamada pola honra do mesmo snr. to-
nente-coronel Sousa Leo.c o que d'cllo espera
Salvador Coelho de Drumond e Albuquerque.
- Precisa-se alugar urna cona para a con-
duoco d'agua que leve do 5 6S rs. e es-
teja wn bom estado ; na Ra da-praia a tratar
com Antonio Dias da Silva Cardial na serrana
ns. i5 e il. m .
__Ossenhores Ignacio Nunos do Uliveira ,
Francisco Pereira Pinto do Monozes e Joao
Gomes Moreira queirao dirigir-so a ra do
Queimado loja n.6,a receberem cariaseencom-
mendas, vindas do Porto na barca Tentadora.
__j_ p# C. Guimaraes doixou de ser caixei-
ro dos senhores Gomes & Carvalho desdo o
dia 11 do corrente c para sou crdito faz
este annuncio.
as luga-so um segundo andar do sobrado
da Rua-nova na esquina junto a ponte da Boa-
vista com sotao com muitos bons commodos;
quem o pretender dirija-se ao sitio do Cajei-
ro a tratar com seu proprieta rio Francisco
Ribciro de Brito ou na loja do snr Villaca ,
junto ao mesmo sobrado.
__Francisco Severianno Rabello avisa aos
senhores seus assignantos do jornal Panorama ,
que o mez de setembro se acha no seu escrip-
torio.
Precisa-se alugar urna casa terroa ou
sobrado de um andar as principaes ras. A sa-
ber : Trinxeiras, Rozario, Queimado, Cru-
zes Pateo-do-hospital Roda ou Quarteis;
na ra do Cabug n. 4.
co in tho ra da Praya a school for childror
where tho englisb fronch and portuguese
languages Arithmetic and Goography will
bo taught: The lessons will be given every
day ( tho usual days exceptad ) from 2 O'clock
to j in the afternoon. Parents willing to send
their children to it, are requested to address
themselves to the advertiser, or to Mess.r
Veitch Bravo & C. Madre deDeos street o.
1 where furthor particulars rnay bo Icarn-
ed.
Any Gentlemen wishing to tako lessons in
portugueso ; the advertiser has no difficulty ,
to cali at their own residences at any hour bo-
tween 7 and 12 O'clock in the morning.
Pernambuco 1." Decembor 1843.
ssJos da Maya subdito britnico se pro-
poo a abrir no primeiro do Janeiro nroximo
vindouro en sua casa na ra da Praia urna au-
la aonde se ensinara a lallar o escrever a
lingua ingleza; e como esta aula se destina
geralment para as pessoas empregadas no com-
mercio com o lim de nao tomar a lempo as
quo a quizerem frequentar; seao as licoes da-
das de nouto das 0 at as 8 horas um dia sim,
o outro nao. As pessoas que se quizerem disto
utilisar sirvao-se ir inscrever seus nomes a
casa do annunciante ou na botica dos snrs.
Weiteh Bravo & C. n. 1 na ra da Madre-
de-eos ; aonde podero obter as informacoes,
que desejarcm.
O mesmo annunciante d tambem liedes
d'inglez demanhaa cm casas particulares.
LICOR-DA-CH1NA
ou
BSSmCIA D\ F0UM0ZIHA.
O deliciozo suave o agradavcl aroma des-
te pr.-cioso comesttico o tornao digno de figu-
rar nos mais elegantes toucadores (toillettes),
elle goza de propriedades mui notaveis.quo re-
petidas e variadas experiencias leitas cm diver-
sos paizes emormento no Brasil onde elle
j foem conhecido por seos salutares cfleitos ,
tcem confirmado, como sao: primeiro amaciar,
limpar, clarear, o ali/ar a pello entreter sua
frescura o brilho naturaes tirar as sardas ,
pannos espinhas, e toda a especie de manchas
que nello apparecaosem a alterar: segundo des-
truir as rugas, a bortoja, empingens, e mui-
tas outras affeccoes cutneas : 3o tirar o mo
balito e dar boca agradavcl perfume forti-
ficar as gingivas prevenir as dores dos denles,
&c. Em todos estes casos a experiencia bti
mostrado o quanto justa a alta reputaco de
que goza este composto no Oriente, onde
seus effeitos sao todos como infalliveis; cada
garrafinha cusa 18200 rcis ; um impresso ex-
plicar seu uso : vende-se smento cm casa
de Novaes & C*, na ra da Cruz n. 37.
__Trespassa -se o arrendamento do um sitio
perto do Rccife comprando o rendeiro o
quo nelle houver como seja : vaccas do leite ,
arvoredos de fructos do que houver princi-
palmente de coucos que para isso ha do ter seus
tresenlos ps o outras mais fructas tendo
proporcoes para umitas vaccas de loito com
mais outras particularidades de alguma vanta-
gem como ludo se far ver a quem preten-
der quo so entender com Joaquim Francis-
co de Abreu no Forte-do-.Mattos, quo este in-
lormar quem quer fazer este negocio.
__A pessoa. que annunciou no Diario-de-^
Pernambuco de 4 do corrente n. 202 vender
um terreno na Rua-da-praia-da-ribeira .de-
clara ao snr. annunciante do mesmo Diario n.
266 o ao publico que falso estar esse ter-
reno obrigado a pessoa alguma ; tanto assim,
queclleherancadc douscoherdeiros rece-
bida a poucos dias. O arresto que nello preten-
de fazer o snr. Antonio Pinto de Azevedo ,
por contas que tem com um dos consenhores ,
nao pode obstar a venda por isso essas contas
serao ajustadas na occasiao de vender-se dito
terreno como sempre prctendeo o menciona-
do consenhor c assim tinha tratado com dito
snr. Azevedo. Podcm portanto os pretenden-
tes do mesmo terreno dirigirem-se a ra estreita
po Rozario n. 27.
To ihe Hritisk 'icsidenr*.
losepfa Maya has pened ut his residen-
Pos asiticos carminados.
=A conservaeao da bondade c belleza dos den-
tcs foi em lodos os tempos objecto de alto a
preco, nao s pela recoobecida utilidade d'estes
orgaos na mastigaco dos alimentos, e perleita
articulacao dos soes, como tambem pela graca,
elegancia e realce, quo elles dao quando sao
bellos, fisionoma, mormente no bello sexo.
Tambem desde a mais remota antiguidade.que,
na Europa, e em muitos paizes da Asia, a opi-
niao relativa aos caracteres, que constituem a
bonileza dos dontes jamis variou, poispen-
sa-se hoje a este respeito do mesmo modo, que
se ponsava nos lempos do Salomao de Home-
ro, dcVergilio, de Ovidio, &c. Sendo pois
os denles orgaos de tao alta importancia como
adorno do rosto, e agentes da nutricSo c sen-
do tantas e tao diversas as cauzas que de con-
tinuo tondem a destruil-os cumpre empregar
todos os meios possiveis para obstar a este in-
conveniente. Ora sendo inegavel, que a lim-
peza d'estes orgaos o seu melbor preservativo,
nos offerecemos ao publico os pos asiticos, in-
vencao moderna do um insigne chimico euro-
peo como o mais perfeito eficaz e sublime
dos compostos at hoje descubertos para este
fim : prova-o o uso quasi exclusivo que d'el-
les so faz j em muilos paizes Estes pos de chei-
ro e sabor mui agradaveis, conservao os dentes
o unem fl propriedade de os branquear perfei-
tamento a de endurecer seo esmalte (vidro) ,
bem como a de prevenir c deter sua cario; elles
patcnteiao toda a brancura oexplendor natu-
raes, dcstruindo promptamente o limo, ou tr-
taro (pedra), que sobre elles se depozita, e que
alm de oflcnder a sua alvura e dar as vezes
a bocea pessimo aspecto pode produzir urna
infenidado de leses mais ou menos graves, co-
mo seja escamar e abalar os dentes, displ-os
a carie, irritar e ulcerar as gingivas, os labios,
alingoa, &c. Elles consolido as gingivas af-
fectadasde escorbuto do ao interior da boc-
ea e aos labios urna bella cor do roza e urna
frescura mui agradavcl e corrigem o mo h-
lito : custa 1,000 rcis cada vidro acompanhado
do um pequeno tratado (tradusido) sobre a con-
servaeao dos dentes e o modo de os manter
semnr. helios : vende-se smento na casa d
Novaes & C." na ra da Cruz n. 37.
\




Osnr. Paulino Augusto da Silva Frei-
r queira apparecer na Rua-nova n. 8 a nego-
cio de seu interesse.
Offerece-se um sacerdote para dizer as
missas de Natal at o da de Reis, em algum
engenbo ; quemo pretender, dirija-se a li-
vraria da Praca-da-Independencia n. 6 e 8.
Aluga-se um moleque de 14 annos para
o servico de casa ; quemo pretender dirija-se
a Praca-da-lndependencia loja n. 3.
Precisa-se de um caixeiro para padaria ,
e vender pao com um preto ; as Cinco-pontas
n. 63.
Manoel Ferreira Ramos comprou por
suaconta, e do snr. doutor Francisco Elias do
Reg Dantas um bilhete da segunda parte da
decima-quinta lotera do tbeatro de n. 110
Aluga-se o segundo andar da casa n. 7
da ra da Moeda, com 7 quartos, e duas gran-
des salas independente da cozinha; a tratar com
Firmino Jos Felis da Roza no primeiro an-
dar.
= Aluga-se por commodo preco o segundo
andar da casa n. 46 da ruada Cadeia o qual
tem um grande sotao os pretendcntes dirija-
se a loja de chapeos da mesma casa.
= Precisa-se alugar um negro que saiba
trabalbar deenchada para ser empregado em
um sitio pertoda praca, que, agradando a sua
pratica e sujeita-se a ensinar primeiras let-
tras quando nao houver que lazer no mesmo ,
adverte-se, que tem pouca familia e d fiador
a sua conducta ; quom precisar annuncie.
Compras
Comprao-se efectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos, sendo de bonitas figuras pagao-se
bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio so-
brado do um andar de varanda de pao n. 20.
= Comprao-se efectivamente para fra da
provincia mulatas, negras o moloques de
12 a 20 annos sendo bonitos pago-se bem ;
na Rua-nova n. 16.
= Compra se urna escrava que tenha lei-
te para criar um menino annuncie.
Compra-se um oscravo oficial de tano-
eiro, paga-se bem ; na ra da Gadeia do Re-
cite n. 21.
vaccas, e vitellos para acougue ou para criar
por serem filbos do pasto e de boa raca ; na
ra do Hospicio n. 21.
Vendem-se 6 escravas duas pardas boas
engommadoiras, cozinheiras e fazem todo o
mais servico de urna casa ; urna dita de 16 an- j 24 annos ,
nos, mucama ; 4 pretas com boas habilida-, n. 18.
des; 2 preto* para todo o servico ; um dito Vende-se urna catraia nova mijito be
bom carreiro ; um moleque de 12 annos ; um feta por preco commodo ; no Forte do Mat"
mulatfnbo de 10 anuos ptimo para servir a tos, estaleiro do Jacinto.
qualqucr portada de sitio um tacho de
bre com 13 libras, um ogao inglez com 3 ^'
reos, tudo em bom estado, e por preco cn^
modo ; na ra da Paz n. 2. m"
- Vende-se urna preta de najao Congo i
1 0""rtC na ra da Conceifao da Boa-vist*
urna casa : na ra de Aguas-verdes n. 44.
Vendas.
FOLHINIIAS PARA 1844.
Vende- se um carro de 4 rodos
\Vendem-se castorinas de lislras o qua- forte com commodos para 6 pessoas; em cas
dros para calcas a 400 rs. o covado ; na ra do de J. O Elster na ra do Trapiche n. ig
Queimado n. 25, loja de Guilherme Sette. Vende-se ou aluga-se a padaria da ra
Vende-se urna escrava recolhida de 16 das Cinco-pontas n. 154 e vendem-se douscai.
annos engommadeira cozinbeira e cose; xoes envidracados para amostras de vemJa tu-
duas ditas mocas que cozinhao, o engommao; do por preco barato; eum cavallo preto, novo
urna dita de todo o servido; um preto de 18 ecarregador; na Rua-imperial n. 2.
annos perfoito oleiro; duas negrinhas, e urna Yende-se urna porcSo de frascos nietos
mulatinha de 12 annos; urna mulatinha de grandes e pequeos, 500oitavasde prata fina'
20, engommadeira, e costureira; e um mo- telhas, tijolos de alvenaria ladrilho, e d
leque de 12 annos propro para aprender al-1 fornalha cal superior de caiar e preta r-
gum offcio ; na ra do rogo ao p do Rozario pas, e caibros de 30, tudo de melhor qualida-
Achao-se a venda na livraria da praca da
conducta, se comprar no caso do dono o querer 1 Independencia is. 6, e 8 ; ra do Cabug ', lo-
cbapeos
loja de
vender; na ra da Cadeia loja de
n. 46 ou no Atterro-da-Boa-vista ,
chapeos de Salles & Chaves.
Novaes& Companhia embarcSo para o
Rio-grande do-sul o escrava' Joao de Castro,
de propriedade de Simplicio Dias de Seixas e
Silva, da Paralaba
Aluga-se um sobrado muito fresco, com
quintal murado proprio para se passar a fes-
ta na cidade do Olinda ra de S. Bento da
parte do nascento n. 16 ; a tratar no mesmo.
si No Atterro-da-Boa-vista n. 43 ou no
sitio da estrada da Magdalena do medico Bri-
to precisa se de um feitor que cntenda de
pomar, e horta.
Aluga-so urna casinha terrea no beco da
Camboa do-Carmo por 68 rs. mensaos ; os
pretendentes dirijo-se a ra do Nogueira n. 39
= Quem qni-er dar 300$ rs. sobre um bom
escravo annuncie.
= Precisa-se fallar com o Sr. Pedro Zanni-
ni, para negocio do seu interesse ; na ra da
Cruz botica de E. Schaefler.
= Da-se dinbeiro a premio mesmn em
pequeas quantias sobre penhores do ouro ;
na Rua-nova n. 65.
Precisa-se de um caixeiro do 12 a 15 an-
nos que tenha pratica de venda ; na ra da
Senzalla- nova n 7.
Roga-se aossnrs. encarregados da poli-
ca que lancem suas vistas para os atravesa-
dores de peixc, que vaocompral-o em Fra-de-
portas pois existem 21 pessoas neste trafico ,
e todos os dias ba alli grandes barulhos.
Perdeo-se desde o Carmo at a Rua-di-
reita um alli neto de peitode senhora com os
seguintes signaes ; tem um jarro, por cima do
jarro um roda de ouro por cima da roda um
diamante, e a roda do diamante um esmalte,
e um ramo de ouro ; quem o tiver ochado ,
ou a quem for offerecido leve a ra estreita
do Rozario n. 26 que se Ihe dar o achado.
Alugo-so por preco muito mdico, para se
passar a festa, em Olinda duas excedentes casas
rectificadas de novo muito arejadas, do lado
da sombra na ra dde S. Bento, ao subir da
ledeira do Varadouro do lado direito indo para
o mosteiro de S. Bento com bons commodos,
anda mesmo para acommodar duas ou tres
familias ; e a outra terrea para pouco familia ,
na ra de S. Francisco da mesma cidade; quem
as pretender, dirija-se a ra dos Gatos n. 1, ou
na ra dos Quarteis n. 6, da mesma cidade.
=s Aluga-se para so passar a festa urna mo
rada de casa em Olinda no pateo do Amparo,
com muitos commodos boa vista para o Mon-
te e para o Jardim ; a tratar na mesma cida-
de na ra do Amparo defronte do sobrado
do Braga.
ss Precisa-se de um forneiro que entenda
bem do me>mo trabalbo ; as Cinco-pontas
n. 30.
=. Aluga-se um escravo ptimo padeiro ,
por 12,> rs. mensues ; na ra das Trincheiras
n. 46, primeiro andar.
ss Traspassao-sc as chaves da loja do Atter-
ro-da Boa vista n. 74, propria para calcado ,
ou outro qnalquer estabelecimento e vende-
se por preco commodo ; a tratar no mesmo lu-
gar n. 72
Aluga-se um sobrado de 2 andares no
Atterro-da-Boa-vista com excedente quin-
tal ; na Rua-direita n. 36, primeiro andar.
ss= O snr. Jos Francisco dos Reis queira
fazer o favor de ir a ra do Crespo n. 23 para
negocio, que nao ignora antes que se retire
para a Purahiba.
ss OfTerece-se um hon.em casado
" que
uo
tem
a do Bandeira ; defronte da matriz da Boa-vis-
ta botica do Moreira; no Recite, ra da Ca-
deia loja de ferragens n 45; em Olinda, ra
do Amparo botica do Rapozo; e nos Qua-
tro-cantos loja do Domingos : as excedentes
folhinhas impressas nesta Typographia com-
postas pela primeira pessoa, que as fez nesta pro-
vincia e que tanto crdito tem merecido; conten-
do as do algibeira ptimas chcaras, e a disputa
entre urna pulga, e um piolho sobre a fidalguia;
outras contendo a confisso do marujo ; e ou-
tras finalmente com a linguagem das flores, ou
novo diccionario para a correspondencia ama-
toria ; brevemente se exporao a venda, as que
tem os nomes, e moradias dos empregados p-
blicos.
- Vende-se farello de superior qualidade ,
em saccas grandes por preco commodo ; no
forte do Bom Jess.
Vende-se vinho de Bordeaux de superior
qualidade engarrafado, e em caixa, Cham-
panhe das melhores marcas em garrafas, e
meias ditas vinho do Rheno o cerveja em
barr? Aa \ daz;j5 por piec-u coiiimudo ; em
casa de Kalkmann & Rosenmund na ra da
Cruz n. 10.
Vende-se para fra da provincia urna es-
crava crioula de 24 annos boa lavadeira, e
cose alguma couza ; na ra do Livramento ,
sobrado n. 33.
== Vende-se urna venda no pateo da Penha
n. 3 defronte da praca da farinha com
poucos lundos; a tratar na mesma.
V.= Vendem se missaes romanos ricamente
encadernados em marroquim dourados e
com caixa ; imitacode Christo por Kempir,
em latim, e portuguez; imagem da vida chris-
taa por Fr. Hctor Pinto; corda sarapfaica
de Fr. Pedro de Jess; doutrina christaa de
Chomond em portuguez ; ritual breve ; consi-
Ibo tridentino; tbeatro ecclesiastico; obras theo-
logicas de Canaza Bergier &c. ; breviarios
dourados; obras de direito cannico; e ou-
tros muitos livros de doutrina christaa reza ,
e &c. ; na ra do Collcgio livraria n. 20 de
Coutinho & Lopes.
Vende-se urna tipoia ovelhas garra-
las vasias e 100 ps de coqueiros; na Rua-
imperial n. 218, armazcm de Francisco
Xavier das Ghagas.
Vende-se um excedente cavallo mellado,
ainda novo com todos os andares e por pre-
co commodo ; e um bom quartio ; na ra da
Conceico da Boa-vista n. 26.
Vendem-se 500 cabecas do sement
de inhame e urna partida de rossa no sitio de
.Manoel Cameiro, na estrada de Bellem ; a
tratar no mesmo sitio com Jos Qoaresma.
= Vendem-se alguns utencilios de venda ,
urna armacao, urna jama do armacao para
casal, e trapassao-se as chaves de urna casa em
muito bom lugar para negocio ; em Fra-de-
portasn. 122.
"^ Vende-se um lambique de Derosnc Can-
tino com seus pertenec ; urna bomba de co
bre com 36 palmos, esta machina se faz mui-
to rccommendavel aos snrs. de enyenho pela
vanlagem de fazer para mais de duas pipas de
agu'ardente por da e na mesma orcasiSo se
pode tirar espirito de 36 graos os pretenden-
tes podem ir ver na ra dos Quarteis n. 10 e
acharad urna pessoa que se oflerece a fazer o
assentamento por commodo preco.
Vende-se um boi manco para car roca ;
na ra atraz da matriz da Boa-vista n. 31
Vende-se um caxorro grande e brabo ,
para quintal ou sitio ; quem o pretender an-
para cai- jnuncie.
bastante | Vendem-se 20 cabecas de gado sendo
n. 8.
Vende-se urna preta de nacSo, moca ,
para qualquer servico; no Atterro-da-Boa-vis-
ta n. 3.
Vende-se resina de angico, queijos lon-
drinos, presuntos para fiambre conservas de
de ; em Olinda, no Varadouro, venda n. 18.
Vendem-se chales de seda bordados
grandes e pequeos mantas ditas, chapeos d
seda para senhora e meninas ricos cortes de
seda para vestido luvas de seda e de pelli-
ca para liomem e senhora chapeos de sol
sardinhas ehervilbas, por preco commodo;'para ditos e ditos pretos da ultima moda, tu-
na ra da Cadeia venda n. 2 de Jos Goncal- do por preco commodo ; na Rua-nova n. 17
ves da Fontc.
Vende-se urna porcSo de tamarindos, mui-
deronte do exm. Visconde de Goianna.
Vende-se urna porcSo de madeira de lou-
ro em pranchdes; na serrara do Manoel Luiz
de Mello, ou na ra do Rangcl venda de
Marcelino da Silva Ribeiro.
- Vendem-se lencos de seda preta os mais
superior que ha no paiz chegados ult ma-
mentte do Rio-de-Janeiro por preco commo-
do ; na ra do Queimado esquina da Con-
gregacao loja de Jos Esteves Vianna.
- Vende-se urna casa terrea de pedra e
cal, sita no principio do Atterro-dos-affoga-
dos, confronte ao viveiro do Muniz com
duas salas 4 quartos sendo dous envidraca-
dos cozinha fra, quintal murado e cacim-
ba ; na ra do Livramento botica n. 21.
Vendem-se duas bancas de Jacaranda ,
novas e feitas a moderna por barato preco ;
na ra estreita do Rozario n. 32
- Vendem-se bridas de ferro de difl'cren-
tes modelos, guarnecidas de lado e esporas
de ac com mola para salto por preco com-
modo ; na Rua-nova loja de ferragens n. 41.
loja de F. Rigord & Companhia.
=Vende-se um relogio de patente inglez,
toemeonta; na estrada de Joao de Barros, trabalha sobre dous diamantes, moderno e
por preco commodo ; na ra. da Conceicflo da
Boa-vista n. 17.
sss Vende-se superior oleo de castor, o qual
tem a propriedade de fazer crescer os cabellos
em pouco tempo elexir para os dentes suas
virtudes de conservar e tirar as pedras, sem
offender o esmalte o'os mesmos, e torna-se mais
recommendavel pela a'vura, e bom aroma, que
dcixa na boca, flores finas para chapeos, e guar-
nices de vestidos agua de colonia em garra-
fas, passa tempo muzical, contradanzas, e hvm-
nos para pianno e diversas faze ndas, e miudc-
zas ; na loja de Joo de Albuque.rque e Mello ,
na ra do Rozario n. 18 A vol tando para a
do Queimado.
Vendem-se superiores caivetes finos com
mola que em se mettendo a penna saem per-
feitamente aparada ; na ra do Cabg loja
d miidMnc jante de de BanJcim.
= Vendem-se relogios patentes de ouro e
prata inglzes ditos rncezes com 10 dia-
mantes, ditos com 4 ditos ditos de mesa, e
de parede tudo por preco commodo ; na loja
de relojoeiro junto ao arco de S. Antonio.
Vende-se urna barcaca que carrega 18
caixas, do muito boa conslruccjio e prompta
a fazer qualquer viagem ; na praia defronte da
ribeira ou na loja da esquina do beco do Pei-
xc-frito.
ss Vendem-se cassas-chitas de bonitos pa-
dres e por preco commodo; na ra do Cres-
do n. 23.
Vendem-se excedentes uvas ferraes vindas
de Lisboa e farinha de trigo das verdadeiras
marcas SSF u SSF no armazem de Fernando
Jos Braguez ao p do arco da ConceicSo ; a
tratar com Firmino Jos Felis da Roza.
Vende-se urna porcSo de couros de ca-
bra por preco commodo ; na ra da Cadeia,
loja n. 51 de Antonio Jos de Barros.
Vende-se mel de pao engarralado a 240
rs. ; na ra de Hortas n. 110.
= Vendem-se sementcs de todas as qualida-
des de bortalica; na ra da Cruz armazem de
louca n. 48.
= Vendem-se duas escravas de nac3o,-de
30 annos, boas quitandeiras, e sao lavadei-
ras ; um moleque de nacao e duas
com boas habilidades; na Rua-direita n. 3.
s= Vendem-se chapeos de palhinba para
meninos a 500 rs. bons a 300 rs. ditos de
polla de lustro a 1000 rs. ditos de veludo a
1000 rs. pentes de prender os cabellos, vi-
rados a 500 e 560 rs. ditos direitos a 160 e
200 rs. transelins dourados para relogios a
2000 rs. carteiras para algibeira de deferen-
tes qualidades, bicos largos e estreilos len-
cos de seda para algibeira a 2200 rs., suspen-
sorios a 240 rs.. o do burracha a 320 rs.. ma
cass perola a 400 rs., dito de oleo a 160 rs.,
um grande sortimento de perfumaras, cha-
peos de sol a 2000 rs. luvas de cores para se-
nhora a 640 rs. ditas pretas bordadas a 1600
rs. facas e garfos de cabo de metal de ba-
taneo a 6500 rs., ditas de outras qualidades fi-
nas a 3520 rs. meias finas para homem a
3500, 2*00 e 2240 rs. e outras mudas
miudezas por preco commodo; na ra do Quei-
mado loja nova n. 24.
vendcm-so 4 grades que lorao de acou
gue, todas chapeadas de ferro fortes para
\ endem-sesaccas com feijao muk'tinbo ,
a 1 j rs. a sacca ; no armazem de Femando
Jos Braguez ao p do arco da Conceicflo.
.= Vende-se um negro de Angola, acostu-
mado ao servico decampo ; na ra do Vigario
n. 3.
s= Vende-serap': rolSo bamburguez, bis-
couto fino para cha em lata papel de peso,
candieiros para meio de sala, cartas para jogar,
calungas charutos de Manilha e varios ob-
jectos para loja de miudezas chegados agorai
de Hamburgo ; na ra do Trapiche:novo 11
16, segundo andar.
== Vende-se por preco commodo e que
muito deve convir a quem pretenda ter missa
pela festa em casa urna cazula com estola ,
manipulo alva cordSo bolea corporaes,
sanguinhos, veos de calis pedra d ara ga-
Iheias, missal com estante e urna caixa para
santos olhos, tudo em muito bom uso; na ra
da Gruz, venda n. 51 ou na ra da Moeda
n. 9, segundo andar.
Vende-se urna escrava de 25 annos que
cozinha lava e engomma ; na ra da Cvuz,
venda n 51, ou na ra da Moeda n. 9 se-
gundo andar.
Escravos fgidos.
Fugio no dia 9 do corrente o moleque
Policarpo de 18 annos, secco do corpo', levou
calcas de pao preto, e outra de ganga azul, ca-
misa de algodozinho e chapcopreto; quem o pe-
gar, leve a Cam boa-do Carmo n. 18, que
ser recompensado.
No dia 7 do corrente fugio o preto Joa-
quim do nacao Milhange secco, altura re-
gular, de 20 annos, sem barba ; levou ca-
misa de algodozinho c ceroulas de algodao
da trra ; quem o pegar, leve na Trempe so-
brado n. 72, a Manoel Jos da Silva Guima-
raes, que sera gratificado.
sss No (lia22 de noveinbro do anno passado
fugio o preto Antonio, de nacao Angola de
35 annos, vcio di provincia do Ceara ba 5 an-
nos baixo. corpo regular, dentes acangula-
dos com um carosso em cima do embigo para
um lado do estomago ps radiados antlava
vendendo pao pela Boa-viagem ; levou camisa
de algodozinho ou estopa e calcas velbas
pretas ; quem o pegar leve a praca da Boa-
vista n. 28 ou no Atterro-dos-aflbgados n.
120 fino ?*>r orntif'n'C'.
Recifb; vk Ttp. dbM. F. di Fabu=1843,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6I62RVYA_OA435E INGEST_TIME 2013-04-13T03:37:23Z PACKAGE AA00011611_04533
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES