Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04526


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m
^a
Afino de 1848.
Sabbaclo 2
ludo agora dejende de noa meamos; da nossa (.rodeara, moderarlo, a enerria- con-
tinu.-raoa como principiamos, e remos acontados com admirac.io mire aa NacCa mais
'''** ( l'fnclamagjo da Aasembleia erl do Biusn..}
PAKTIDAS DOS COKREIOS TERF.ESTHES.
tioiam.a, e I'arahyba, segundas e sexlas feiras. Hio Grande doNorie, quintas feiras
Uonilc e Garenliuns, a 1U e 24.
Cabo: Serinhaem, Rio Form.no. Porto Calvo, Maceio, e Alaoas no i H e 21
Koa-vjslae Flores* 13 21. Sanio Anlao quintas feiraa Olinda todos os dial
DAS DA -EMaIVA'.
11 Scg. s. Facundo M. And. do J. deD.da2.v.
SS Tela. Crejorio ; e 1' Re. Aud.do J. de 1). da 3. r.
VJ yuarl. jejum i. Saturnino M. M Aud. do J. de I), da 3. y.
30 Ojmt. 4- a_ Anilr A[>. s. 'i'rovanno K.
i Se i. t.Eloi'b. Aud. do J. de da 2. v.
( 2 Sk, Hiliiannna V, M. Kel. Aud. do J. de D. da 1* T,
B.l l)"a.s, Francisco Xavier Aj.
de Dzcint>ro Anuo XIX. N. 261,
de tres mil res por quartel aagoa adianlados Os annuncios dos
gratis eos dos que n'io f.irrm a r.ism da ".O res porlinha. As reclaraac/ies Jevem aerdiri-
gidas a esta Tip., ra das Crutea \. ?.t, ou aprtca da Independencia loja delivroa N. 6eo.
ssisnsnies o inaeridoa
diri-
C1NBIOS>. da
Cambio sobra Londres 2li.
Paria 37 J res por franco.
de Dexenbro. compra Tanda
,Ouo-Mr,edad 8,400 V. 16.8JU 17 0-U
. N. I6.M
16,800
9.100
1,920
1.U2U
1,9*1*
, Liibail poriUOdtprtmio. a da 4,000 9,200
. PlAte-Pataces 1,900
M.ieda de cobre 2 por ce..,, frm Cilusr.ifsi 1,900
Idea deletreada hoas firi 1 1 )|', Jjlfla MelAcanol Ijilll
PHASF.S DA LA NO ME'/. DE DEZEMBRO.
Lna Cheia (i, fa !l horas rila, da tarde I Fus nova 2 I, ai 2 horas e 49 m da m,
Quart. ming. 14, as 10 Inris p 3 m <|.i I rjoart. Cien, 4 2S, ni 43 minuto-, dli tardo
I'reamar dt hoje.
1.a alboras e IS a. da aank3a. | 2. a I boraaa 42 a da tarda.
SO SENHOR. n. PEDRO II.
O da uous dr dezf.mbro um dia eminente-
mente nacional para o povo brasileiro : sempre
que elfo raa em nossos horisontes para nos
convencer, que o Supremo Arbitro dos mundos
vella nossds destinos. A reaparitao d'esse dia
um anillado beneficio que a nacao brasilei-
ra recebo da bondadosa mao da Providencia ;
beneficio que cresco tanto mais em valor ,
quantas sao as altas virtudes, que adornan o
sub'do e precioso carcter do nosso Augusto
Monarcha. Sim o da DOUS de DEzEMBRo solire
nos conservar e garantir um dos Thesouros
da mais alta valia que a naco se ufana de
possuir tambem um forte e inexpugnavel
antemural quo nos poc acobertos, e fra
do alcance das fragoas d'advcrsidade, em que se
abras trao aquelles desventurados povos, a quem
coube a mesquinha sort; de presenciar a in-
terrupcao da vida mai? interessauto para um
estado.
Desenove vezes tcm o da uous de de?embro
despontado em nosso hemisferio circundado de
fulgurante luz, e agora cada vez que volve a
nos nos annuncia, que sobre o tbrono bra
sileiro senta-so um Joven e Innocente Mo-
narcha que tem votado sua vida inteira ao
bem da nacao ao bem da patria, que o
vio nascer e quo Ihe conliou os scus des-
tinos. Por tanto a innocencia a virtu-
dc e a mesma ventura do imperio brasileiro
altamente reelamao de nos respeito o amor a
l'essda do nosso .Monarcha < e que rclribuamos
com gracas incessantes ao l)eos das nacoes a
continuacao de tao preciosa existencia.
Se alguns hereges polticos em scus delirios,
cphrenesins fallao com desrespeito da sua sa-
grada o inviolavel Pcssa nao nos deve isso
maravilbar, por isso quo, para entes tao in-
vilecidos, a Magestade Divina mesma um
objecto de pouca ou ncnbuma importancia ;
para essas almas de lama nao ha no mundo
objecto sagrado ; tudo solTre quando suas dam-
nadas paixdos se (ermento. Para essas pestes
da sociedade nao s nao agrada o governo e
administradlo de homem algum como al o
governo de Dos. Mas o que vem a ser um
pugillo de hereges comparativamente a quasi
toila na?ao brasileira que considera o muito
Alto SENHOR D. PEDRO II. como dolo
em primeiro lugar Joad Manoel de Barros
Wanderley, en secundo a Giristovadde Barros
Wanderley, cm terceiro Domingo* Alfonso
Ferreira, em quarto Antonio Gernano Pinto
de Sousa, em quinto i Jos Venceslao l'ereira
Rlgueirado Bastos, o em sexto Joa5 Baptista
Accioll Lins. OIBciou-se respeito ao cliefe do
polica interino.
FRANCA.
(Correspondencia do jornal do Havre.)
Havre, 30 de setembro.
Sr. fedaclor.PermUta-me, que leveao sen
arroz, cat, assucar, limari, etc. quadro mui se-
ductor, u que poderla, mais do que oulro qual-
quer motivo, determinaros nejiros .'i expatriar-
se; nada dist > aproveUou. As companhlas ln
Rieras nao acharar* engajados voluntarios. Um
ollicialda marinha francesa, que visitou no mez
de abril passado um dos barcos destinados ao
transporte dos emigrantes, declara terl visto
S rapazes do 106 16 annos quando muito, e
que esses mesmos rapazes provinhao quasi to-
dis do estabelecimento (lindado na Serra-LcOa
para os (llios dos negros capturados.
Reconhecendo entaS a Inglaterra que as com-
panhias nao acliavao engajados volntanos, a-
frouxou das precaucoes que tinha tomado no
primeiro momento para impedir que se abosas-
conhecimentoamd'esseslacios,desgranadamen- sedo systcma de em1graca5. Passaportes, re-
e tao frequentcs, pelos quaes temos de dar gra-
tas i benevolencia da marinha ingleza,
A 2Ct do corronte mez, saindo do rio Sena a
Roleta inglesa klisabth, com destino a Newcas-
tle, encontrou na sua marcha o barco de pesca-
ra ranrez le Sitence, mestro l'icard. RsteDarco
tinha lancado a sua rede, e por isso nao poda
desviar-so della. Pelo contrario, o ingle* nao
tinha mais do que mellerdel, ou deixar arri-
bar um poUcopara evital-o; porm achou mais
commododeixar-se correr em chelo sobre o po-
bre pescador, elevou-lhe toda a poupa do bar-
co, desarmando-o das suas vellos, nos quaes se
tinha embarazado o gurupez do outro. O que
ha de mais indigno na conducta do capitn in-
lez, (oi ser enta tres horas da tarde, e esta-
rem os marinheiros da goleta inglesa neglige-
mente encostados nos pavezes da proa, para go-
zarem do mal que iao lazer. S u acaso impedio
o Si Unce e ir a pique immertiatamenie.
O mestre Picard na sua volta a Honfleur de-
pz a sua queixa ras mans do commissario da
marinha. (Um dos setts assit/nantcs.)
de suas sympathias afieicoes respeito e
grande amor! Viva por tanto o da DOUS de
DEZEMBRO J O mil veZCS vivo O IMPERADOR do
Brasil, e sua augusta esposa.
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 22 DO PASSA DO.
OtricioAo director do arsenal de guerra, de-
terminando em cumprimento de orden impe-
rial que limite os vencimentos do escriptu-
rario daquello arsenal quinlientos mil reis ,
e o do respectivo ajudanto do porteiro du-
zentos mil reis, visto nao ter a lui do orca-
mento em visor consignado quantia alguma pa-
ra fsratificacocs aos empregados da reparlicao
seu cargo; que dispeca o esnipturario do com-
missaoThomaz Antonio Maciel Monteiro, cuja
noineacao loi aulorisada por aviso de 7 de fe-
vereiro do 184-2; eque informe, quando oi des-
pedido ooulroescripturario decommissao. loa-
quim Carneiro de Sousa Lacerda. Olliciou-se
respeito ao inspector da thesouraria da fa-
senda.
dem DO DIA 23.
OiTicio Ao commandante das armas, orde-
nando, em consequencia de requisieio do che-
fe de polici't interino, quo mande augmentar 8
guarda da cadeia desla cidade com O numero
de pracas, que julsar conveniente, para que com
mais seguranca sejao vigiados os IS presos,
que alh presentementeexistem. Communcou-
se ao chefede polica interino.
Portaras Nomcando o coronel Gaspar de
Mcacics Vssccncsos de Dran*"'' riAipgrin rin
termo do Scrinhcni; e para seos suppicntes,
Pariz, -28 do setembro.
Os Inglezes sao muito philantropos : fazein
guerra ao China para o obrigarem a deixar-se en-
venenar; opprimem os brancos da Irlanda, mas
emunciparao os negros.
J temos dito muilas vezes, que essa emanci-
pacao nao oi mais do que una medida poltica,
a qual j valeo Inglaterra o dreito de visita ,
que ella exerce nos navios francezes; e deo-llie
o n.eio do exerc :r a supremasa que arroga a s
sobre o imperio dos mares. Sen duvida j al-
guma cousa; mas anda nad tudo quantoquer
a Gra-Bretanha; pretende ella constraogeras
unirs potencias, que possuem colonias d'es-
cravos, a seguil-a por um vereda que ella tinha
preparado, ha muito, o da qual todava nao se
tem saido muito bem
O alvo, a que ella ai ira, a ruina da produc-
ead americana, a6m de elevar o poder das In-
dias sobre os destrocos daquella. Com tudo, bo-
je reconhece ella, queseapressou muito, e que
anda nao est alcance de atlingir esse resol-
tado. As resistencias da Franca, da llespanha,
de Portugal, dos Estados-unidos, c do Brasil Ihe
teem feito conhteer que tinha grandes obstcu-
los a superar. -lhe pois mistar p ocurar men-
tor as suas colonias das Antilhas, s quaes fal-
tad* bracos e minga a produccao.
Assimque a Inglaterra ha sido introdusida
a buscar soccorro para as suas colonias compro-
metidas n'um systema de emigraco dos Alin-
anos. Comprehende-se que este systema devia
suscitar muilas d sconfiancas e dar lugar a de-
sagrada veis interpretaces. Para melhur Iludir
lingio a Inglaterra a principio revislir d'um cer-
to numero de formalidades esses suppostos en-
gajamentos voluntarios dos negros Africanos. O
governo poz-sc testa da cmigracafi; e^tabeIe-
ceo agentes; criou registros; estipulou prasos;
rnandou examinar se o jemigrante parta por
o seu pleno o livre consentimento, se tinha no-
Ces exactas da sorte que o aguardava. Havia
nestas medidas urna apparencia de precaucao,
que podia engaaras outras potencias, fazendo-
as acieditar na boa f do governo inglez.
Porm oque aconteceo? I'oi nao apparece-
rein emigrantes, ou pelo menos se apparecra,
forao "m mu pequeo numero. Por mais que
allixassem proelamaedes fasendo-lhes as mais
billas promussas; por mais que dissessem aos
negros que o precodoS salarios as colonias era
muito maiordo que na frica, o que nAu era
dilicil de acreditar-so, mas que nao parecera
lio ventajoso se a pardo preco dos salarios se
tivesse indicado o dos objectos de consummo;
nrir rnnie rtlIO l7PS>-.em mu QUadro (los allinen-
gistro prazo para a notifleacafi publica, tudo
isto foi supprimido ou modificado para tornar a
emigracao mais fcil. Os rapazes de menor i-
dade poden ser admittidos entre os emigrantes
com tanto que sejao acompanh.idos d'um tutor.
O emigrante contratar um engajamento na co-
lonia tinte e quatro horas depois da sua clie-
gada.
Promette-se-lhe passagem gratuita de retorno
no espaco dos dous annos que se seguirem cx-
plracio dos cinco annos de residencia, com tan-
to que elle declare seis ntezes antes, e que apro-
sente seu certificado oainhsnti. N'uma pala-
vra, multa lacilidade para a emigracao, muila
dilficuldade para a volta es o que lord Stan-
ley prescreve as suas Instru cocs.
Porm nao parard ah. As precaucoes, que
Ungen anda exigir para certificar-se da vonta-
de dos emigrantes, nao tardaro a desapparc-
cer inteiramente. Nao queremos outra prova
desta tendencia mais do que o (avoravel acolhi-
mentodado pelo parlamento peticaS d'um
meeting de Glascow que reclama a aboliciio de
todas as restrieces que teem sido impostas'
emigracao africana.
lisia pelicad reqoer entre outras cousas oque
j tinha sido formulado n'um projecto elabora-
do por urna assembla dos commerefantos no-
taveis de. Londres, saber, que a einigracao nao
seja mais limitada a pontos determinados os
quaes sao boje Serta-Leda, Boa-vista e Loanda ,
mas jue os agentes possao recrutar directamen-
te os negros por toda a extunsSo da costa d'A-
frica; o () que ha ah de notavel, que esta abo-
licadde toda a precaucao, e por conseguinte d
toda a superintendencia reclamada em nomo
dodireito fnalienavel que posauc a ract negra, c
que o signal caracterstico do homem livre,
do ir para qualquer lugar para onde o incline a
sua vontade.
Quer se trate de supprimir o trafico, quer de
reslabelecl-o fraudulentamente, os Inglezes a-
chad semproadmiraveis principios a invocar!
Na realidade, o systema de emigracao desem-
barazado hoje da maior parte das garantas, a-
lis bem Iracas que apresentava, nao ser bem
depressa mais do que um trafico disfarcado de-
balso d'outro norne. Os melosdo quo se ser-
vern os agentes para conduzir os negros aos lu-
gares do recrutamento c para arrancar Ibes
contratos, cujo valor ellos nao comprehendem,
rnerecem j ser condemnados. Kmbora se em-
pregue o ardil em vez da fdrea, o fim ( o mesmo;
e se ha mais barbaridade em agrilhoar os negros,
ha mais immoralidad em abusar da sua igno-
rancia para enttanal-os. Po'rn quando fdr per-
mittido o recrutamento por toda a costa, e a
Inglaterra nao poder deixar de permltil-o, se
quizer adquirir um numero consirtoravel de tra-
bnlhadores empregar-se-ha indiiTerentemento
a frca ou o ardil, c untad se restabelecei com-
pletamente o trafico em beneficio dos Inglezes ,
que alias era outr'ora os grandes protectores
dos negros. (Le Commcrce.)
INTERSOB.
MAIIAMIAO.
Correspondencia do Diario de l'nnamlmco.
21 de novembro de I84S.
A assembla provincial ent^-rrou-se no dia 7
d'este mez, conservamlo-se em opposicio de-
cidida AO presidente, porm mais decente, e
comedida do que principiou o deputadu Jamen
Perreira: indicou que a commisso doconsti-
luicSo examinando c, revolvendo lodos os ac-
tos d'administracao do sur. Figueira dsse pa-
recer sobre ella designando as i.iI'i.i 'ces, 111 f
por ventura enlendesse ler elle commi ttido C0 i-
tos que elles teriao durante a viagem, de carne, j ir.j :>< |eis. A commissSo apresenlou o parecer | tivero.
que v. ver de um dos nmeros do Correio,
opinando que S. Ex. tinha violado a constitu-
cao e algumas leis, e que devia ser responsa-
bilizado peranteo tribunal competente. O pa-
recer que sem duvida alguma teria sido appro-
vado porque a assembla era toda bemtevi ,
foi a imprimir, e porque restava um s dia de
sessSo, nao entrou em discusso (cando a
questo para ser decidida pela futura legislatu-
ra. Deixo de reflexionar sobre as imputaedes
fi'itas a S. Ex., porque sao ellas tao infunda-
das etofuteis, que qualquer pessoa ela-
bora eslranha aos negocios d'csta provincia, e
ignorante dos actos do actual administrador,
a primeira vista conheceri, que sao nicamen-
te (Ibas do despeito e do espirito departido,
que ofusca as mais brilhantes intelligencias j
e invenena os mais puros e generosos coraedes ,
O Correio continua a abocanhar, oa velipen-
diarao snr. Figuei a, como tambem v. ver do
leftura d'esta gazdta qual se se der, coma
supponho, conhecer que, alm de doestos, de
arguigdes dosacompanhadas de prova, de nao
pocos aleives desmentidos por pecas olliciaes im-
prossasno Publicador, nada mais conlm relati-
vamente ao presidente que detlendido, louva-
do, e aplaudido pela fecista, Maranhilo, e
Echo da o i pos i rao ; gaztas todas cabanas, as
quaes aproveitando-se da occasISo de justificar
ao snr. Figueira, tem atassalhado a quanto
bemtevi mais influente ha e os amigos c conhe-
cidos d'estes por mais indillerentesque sejao as
polticas d'aqui, com a maior virulencia ', com
o mais immundo cinismo. O Echo leva as lam-
pas a todos os outros: o Echo a guhotina da
honra e do merecimento, o pilourinho ern
que duas vezes por semana acoutada a repu-
tadlo de todos os homens de bem, que tcm a
ventura de cahir no desagrado dos tres que o
escrevinhao. Nao consta que nenhum dos in-
sultados queira atacal-o, mas elle, creio.que
advertido pelos remoraos assentou de tomar es-
la medida nao s porque muito cobarde ,
mas poique com simlhante traca assanhar
mais os de seu circulo. Se similhantes infames
continuaren) na sua marcha parecc-mo que as
cousas aqu vo tomar urna face medonha ; e
tal vez corra sangue----- O Echo defende caloro-
samente ao presidente, para que um dos seus ra-
biscadores seja nomeado secretario do governo,
J^gar, queo Dr. Moraes tenciona largar, visto
que, segundo me consta, vae uceupar o de ins-
pector da instrocclo publica : se porm as es-
perances do digno triunvirato supramenciona-
du so burlaren, vel o-h -moa espatifando o
crdito do snr. Figueira, com o memo desfastio
car decrpo con que agora insulto aos seus
desafectos!! As ultimas noticias da Chapada sao
que a comarca contina em paz! O tenente-
coronel MilitSo de que Ihofallei na minha carta
ultima anda esl aqu na cidade; apresenlou
a assembla provincial urna queixa contra oba-
charel Francisco Bernardo, jui/. municipal d'a-
qti lia comarca pelo motivo de se haver con-
servado no exercicio do seuernprego, c nao
passar aexercer o dejuizde direito, queesl
ausente contra o disposto no rcgulamento do
31 de Janeiro do annopassado: a assembla
deliberou que o querelado (bise ouvido na
forma da le: na lutura sessao teremos do ver
este jui/ suspenso ou domittido, o que sem du-
vida acontecer, porque os bemteris ganhao
nlallivelmente a eleicao de deputados pruvin-
ciaes, que ha de ter lugar a 6 de Janeiro do
auno prximo futuro ; e os bemteris tem-lhe a
maior gana. O presidente sanecionou todas as
leis que a assembla volou ; e lallando-lhe mui
seriamente todas ellas tem o cunho da utilida-
de publica, us calanos tem gritado muito,
porque foi supprimida a cadeira de grtffO, mas
sem rasao alguma, porque na so o seu pro-
l'essor ignora absolutamente esta lingua mas
lamben porque era aula que nao tinha um s
discpulo e entretanto o snr. bacharel Vilhena
eslava chuchando 700,000 rs. sem saber a
materia e sem ter um s momento de traba-
Mi >. Aciu v. que nao obrou bem a assembla em
acabar com este escndalo? (.) snr. Vilhena
lu examinado por dous sugeitos, que anda
hoje rabero grego como eu hebraico ; e por
um livro que tinha grego de um lado, e fran-
cei do outro : se o acto d'assembla nao pa-
tritico nao sei (|ual ser no meu humilde
pensar todos os actos legislativos da sessao ulti-
na sao dignos de elogios e da sanelo que


que o tem mimoseado o triumvirato assassina- infame parto faccioso projectado para conlen
. "'l,flnl?J..(lU d,C St' t?"ha Pr,t0 de a'* vingancas. '
parte n'esta
porque conuccendoV Franei-co Jos Paco e Gresorio deaeronl
to que tenho do carcter e do procedimento do
Dr. Moracs Sarment me autoriso a fazer um
contra o acoute dos yrannos, sao lodosconhe-
cidos pelas suas inslitas proezas, um como re-
dactor do celebrado peridico o Bcmtevi

com os seus deveres.
agonas da FAcgo !
Na sessao do da 4 do mei p.p. appareceo em
scena o ultimo acto de desespero da faeco, is-
to o parecer da commissao de infracrcs da
constituico e das Iris sobre os actos do governo
provincial. Esta commissao composta dos tribu-
nos Jos Paco. D. Francisco Baltha/ar, e do sr.
Antonio Jos Galvo examinando a materia
attentamente accordou que se dcvia dirigir ao
supremo tribunal de justica urna queixa contra
o Exm. presidente da provincia Este parecer ,
segundo nos consta to importante pelo ob-
jeclo como singular pela conccpco injustica e
despeito Nao nos dcteremos aqui em discutir
os varios pontos da accusaco que esta tarefa
reservamol-a nos para quando apparecer im-
pressa essa peca primorosa e original; daremos
porm urna breve noco dellcs e passaremos a
ponderar a imbecilidade dos autores e a ma
neira, porque, querendo Fazer praca de valen-
ta e de carcter livre e independento arre-
pirao a carreia, expondo-se s chacotas e mo
fas do povo.
Se bern nos informao o primeiro capitulo
da accusaco consista em baver o governo man-
dado continuar a obra da caes da sagraco (em-
presa estupenda do sr. Miranda ) com dinbei-
ros do Ihcsouro provincial para ser este indem-
nisado pelo producto das subscripcoes que se
cobrassem em virtude de nao alluir-se o caes,
o perder-se urna obra que j tem custado mui-
ros contos do reis: outro era Pandado em haver
o governo nomeado para escrivfio da villa do
Rosario um cunhado do juiz municipal; ter-
ceiro por nao ter mandado o mesmo governo
responsahilisar o juiz municipal da Chapada o
sr Francisco Bernardo de Carvalho que se con-
servou durante alguns das no exeicicio destel
corno carrasco dos innocentes violentanao um
jury e lazcndo outras gentilezas que breve-
mente sero publicas.
Alm de serem malquistos estes tribunos por
estas e outras tremendas faranhas sao de mais
a mais uns verdadeiros possessos cujas lingoas
infernaos vomilo diariamente injurias, calum-
nias e os mais aviltantes epithetos, que se cos-
tumao ouvir em reunioes de trapiches c de
forras accrescendo que a sua imbecilidade
tao notavel que nao ha urna obra sua, de que se
nao benza o homem cordato como incada de
dislates, esandices.
(guando queiro os autores da accusaeao dcs-
culpar-se de nao havel-a levado a efleito sob
pretexto de nao terem sulicicntc tempo ftcil
nos mostrar o contrario como vamos fazer ,
e desenvolver as verdodeiras causas de sua inne-
gavel derrota que dando um triumpbo ao go-
verno apresentou provincia os facciosos tri-
bunos taes quaes sao.
Os corypheos desta heroica aeco os snrs. D.
Francisco, ejos Paco: declarrao desdeas
primeiras sesses que cstavo colligindo falos e
documentos para (ormar a queixa contra o snr
Figueira de Mello e tivero assim sobejo tem
po para preparal-a e ventilal-a durante o tem-
po dos trabalhos sen lo a procraslinacao, que
fi'ero para o penltimo dia, exuberante prova
de que era seu primario intuito intimidar o go-
verno c arrancar-Ibe concessoes prejudicraes
aos interesses pblicos c so proprios para for-
talecer o dominio da faeco ambiciosa, eop-
pressora. Ncm so diga que os esclarecimentos
precisos para fundamentar a accusaeao Ihes
'-heg.iro is maos L 'ard; pois que sabemos ,
e pelos jornacs nos podemos certificar do que
os ltimos esclarecimentos exigaos presiden-
cia sao datados de 25 de outubro restando-
Ibes anda treze dias, espato sufliciente para
quem j d'anterr ao arranjava e diligenciava tal
peculio, visto que todo o trabalho cifrava-sc
cargo para montar a justica, e p."l-a em anda- entao em coordenar os materiaes e apresen-
lar a obra maiormente escorreita e limpa co-
mo foi ella Nao querendo ainda por esta fr-
menlo visto nao achar quando all chegoi.
o escrivo, (que o cartorio condusio com sigo,)
officiaes de justica nern outras autoridades ;
quarto por haver recusado remelter a assembla
provincial para serem lidos em sessao secreta os
officios e correspondencias do referido juiz mu-
nicipal e do chefo de polica sobre os negocios
da Chapada allegando que por ora mi julga-
va acertado dar-Ibes publicidade;o quinto e ul-
timo em firn por se ter negado a informar as-
sembla dos motivos porque conservava o sr.
Digo Lopes d'Araujo Salles chefe de legio da
Chapada e de Pastos-Bons depois que foi a
primeira elevada omarca e separada da se-
gunda.
Niio mister ser muito atilodo, nem versado
na abstrusa e recndita sciencia das leis para que
logo primeira vista comprehonda qualquer
quamfutes.e frivolos sao ossobreditos captulos
da accusaco.
A facciio e a sua assembla despeitosas e en-
raivadas contra o governo por nao baver annui-
do tantas injustas medidas c vantagens que
beneficio seu sollicitro nao podrao acabar
com sigo em ficarem silenciosas sem urna des-
forra qualquer e para logo conceberao o fe-
mentido e estpido designio de ensaiar o abjecto
meio de accusaeao para intimidar o governo ;
mas desenganou-as a experiencia que erfio bal-
dados todos os esforcos, e oi o sr. D. Francis-
co Balthasar da Silveira ( o mesmo, que havia
annuuciado as suas importantes lucubrarles e
pesquizas este respeito) o primeiro que exco-
gitou um vergonhoso expediente para encobrir
a sua negra maldade ( sulocada pela forca da
ns.iw e ju-lira ) corr apparencias de interesse
publico, ed'amor da verdade, requerendo que
o parecer da commissao fosse impresso como
materia de muita monta para entrar em discus-
siio a fim de descobrir-se por esta se era bem | in.ibalavel esta verdde
on mal fundada a accusaeao.
lar a obra
mo foi ella : ;>ao querenuo anda po
tissima raso argir assembla algumas ou-
tras nos rest.o para convencer o publico dos
fins sinistros que se propuzero osscusmem-
bros e da completa e inquestionavel derro-
ta solrida para seu eterno descrdito e repro-
vaco.
No dia 4 d'este mez foi I ido em sessao o pa-
recer da commissao e os nossos desatinados
tribunos que tanto empenho mostravao em ver
coroada a sua obra immortal, e cantada a vic-
toria dovro apresentar a sua mocao para
que fosse impresso o parecer segundo a termi-
nante disposicao do artigo 184- do regiment
interno, attendendo sobre ludo a que ra a-
diadopor baver pedido a palavra o snr. Rafael
de Carvalho. Tanto mais estranhamos este
procedimento novo quanlo cerlo que os
snrs. cmnrczarios d'este drama sao os mais aco-
dados em pedir urgencia em quasi todas as dis-
cussoes por menos interessantes quesejo.
Nao esteve so n'isto o descoco da nossa gente,
porque devendo fazer sessao no dia inmediato ,
posto que domingo a nao fizero e portanto
muito de proposito delerrao a discusso do
parecer para o dia seis j com o designio pre-
meditado de pedir entao a impres.-ao nao se
lembrando que d*esla rma icario os hroes
da peca confusos escarnecidos e ludibria-
dos como acconteceo !
Nao crio os Maranhenses do interior que
este abandono de urna causa com tanta solre-
guidao o pharisaico zelo sustentada, oi effci-
to de vontade e bons dezejos de terminal-a e
fazel-a morrer antes do julgada porque ahi
cstao os factos precursores e os mais que se
Ibe seguiro sem exceptuar os mesmos do dia
seisque o contrario apregoo ; o tanto mais
quanto certo e
que
bla pareciao ir deaccordo,mas que, apenas ap-
parecrao asvergonbas e escndalos do costu-
me, alguns d'entro clles dero nao equvoca
demonstracao de desprayer e que ti na I mui-
ros se obstinato em nao votar pela accusaeao ,
de modo que os cheles presentirlo logo que
nao conseguiriao a cubicada victoria e cuida-
rao de quanto antes retardar o andamento d'es
ta larca para allegaren) que se nao poz em ef-
eito pelo (sia-so prazo de tempo que Ibes res-
tava nutrindo todava esperances de ainda
concluir-se a obra Chegado o dia seis foi to-
tal o desalent dos tribunos, tanto que reco-
nhecrSo que muitos se nao sugeitavao a seus
capriihos e que outros at fugio s sessoes
para se n8o envolveren! em to immunda mea-
da e contriio em continente a empreza mal-
lograda e sem regresso com a solemne declara-
cao que izerao estes de que nao contribuiriao
para tal escndalo c baixa desaffronta. Foi
pois a discordia e deleccjio, rebentada no seu
proprio seio.'uma dascausas queconstrangrao
os nossos Montanhezcs u desistir do seu pri-
meiro desenbo mas nao foi a nica, nem
lalvez a mais poden sa sem neste momento ter
em conta o im sinistro que j dissemos fra o
alvo da manhosa facrao.
Quando abrio-se a sessao, e que os cory-
pheos lancrao os olhos para todos os lados e
virao presentesos membrosdaopposicao e as ga-
leras e corredores pejados de cerca de qua-
trcenlos espectadores da gente mais grada e
quasi todos do partido da coaliciio ( tao poucos
sao boje os Jansenistas ) ficariio eniados e nao
Ibes foi mais possivel recobrar o menor alent.
Era tal c to significativa a indignacoque
ahi.se pintava em todos os rostos.que a assem-
sembla posto que insolente e desacatadora,
eslremeceo e nao ousou aflrontar o opinio
publica e sobretudo pronuncindole ella
maniestamentc em continuas risotas e mo-
fas dirigidas aos famosos D. Francisco e
Jos Paco quixoles da poca !
Esta narracao exacta c a discordia appare-
cida no seio da assembla corroboro duas ver-
dades que por vezes temos enunciado. A pri-
meira que a accusacAo qne se intentava con-
tra o snr. Figueira de Mello era injuslissima ,
acintosa e nicamente para desaggravo de nao
terem sido attendidos as suas loucas perten-
eces, e com o im sinistro de obter concessoes
contrarias ao interesse publico para triumpha-
rem as eleices dominando os collegios, e
entre estes o da Chapada com preferencia que
onde julgao naufragada toda a esperanca : to
conscios esto das torpezas e malvadezas dos
seus amigos ntimos os snrs. Gregorio c Mi-
lilao !
A segunda verdade que a deseno das fi-
leiras Jansenistas cresce de dia em dio motivada
pelos seus desatinos o immoralidades de ma-
neira que se est engrossando o partido da coa-
eio o que aquelles que ainda nao se decid
rao a abandonal-os s claras esto desconten-
tes e dispostos a servireni-se do menor pre-
texto que Ihes appareca para o executarem.
Para melhor desengao dos Iludidos que a-
inda crem singelamente as vocicracOes in-
culcadas patriticas, mas na realidade prfidas
da faeco bastar dizer-lhcs que n'esta cidade
sao mofados e aborrecidos de todos geral-
mente e isto bem se vio quando no dasete,
ultimo do seu reinado parlamentar sahiro
dos seus trabalhos no meio de numeroso con-
curso chasqueados com risadas subindo ao ar
em applauso de estarmos libertos d'esse foco de
immoralidade algumas gi'andolas de Ago.
(Do Maranho. )
- I i ---- ---------' -------...~......vij.u mua tunu uu UUM 0\J\> Da
I accusaeao Este expediente foi por cerca de quatrocentos espectadores de cas, 2. porque diminuindo grandemente a,
com que presum.o o furioso tr.bunosahir-se a.-l todas as classes presenciado, que o snr. D. sinuosidades, e nao bavendo subidas a forca
roso do melindroso negocio poz patente a sua Francisco e Jos PaCo requer^ro, aquelle a da correte nao to enraquecida. nem os de-
. e so Ihe servio de desdouro e pejo !... nnpressao do parecer da commissao este a dos psitos e
I.equerer que o parecer da commissao fosse documentos annexos com vozes balbucanlesc promptos 3,'porque o encanamenlo tem n
impresso no> penltimo d,a de sessao, foi fazer trmulas, debuxando se fielmente nos seus parte superior urna estrada privativa, que alr
publica conlissao da sua loucura eaccinte, e_ semblantes desn.anrhado? <1 r p2!ld l,.: delegante uciiiia vs seus reuuio.
ca o licao das furias que nternamento os re- Finalmente o que se acha feito interamen-
(ueimavao. te conformo as nossas ultimas instruccoes, nas
E'averiguado e sabido de toda esta cidade quaes expressarnente declaramos, que todas as
jue nos primeiros dias os mcrnbros da assem- vezes que fosse possivel encurtar a drecco j
deveria preferir a mudanca, embora della pr0.
viessem despezas maiores, c se o nao delinea-
mos entao neste sentido foi nicamente, porque
sendo franca e solida a estrada actual apc-
sar dos muitasvollas.receiavamos obstculos n-
voncivcis da parte dos propietarios na direccao
mais conveniente, e todos os nossos esforcos to-
rio, estopara conduzir agua a Boa-vista no
menor espato de tempo possivei, ( nao semen-
t para a companhia com o seu producto poder
fazer ace as suas despezas como para desva-
necer os receios infundados em que se achao a-
inda alguns a respeito da possibilidade de vir a-
gua em abundancia a esta capital ) posto que
milhoramentos posteriores posso e devoser
execulados depois de obtido eslo fim principal.
Muito me agradouactnstruccodacaixad'a-
gua do Prata com o sangrador, que Ihe an-
nexo, e bem assim o maracbo do assude reves-
tido interiormente d'aivenaria indicando ludo
urna duraran prolongada ; louvores sejo dados
ao M.e Wilmer seu autor.
Os atierros verdade, que tem sido despen-
diosos e demorados na consolidaco ; assim
se deveria esperar tendo de atravessar um assude
estenso com fundo esponjoso ; mus a sua se-
guranca se ha de obter havt ndo methodo e
preseveranca no trabalho e tal solidez, romeen
j|a manieslar-se em partes da sua estenso :
de mais srs. se metermos em calculo todas as
circunstancias occorridas, pro, ccontianoor-
camento feito, a balanca pender ainda a favor
da companhia.
Firo marcados na planta e no terreno seis
esgotos d'aivenaria, cujos desenhos sero apo-
sentados convem quanto antes construil-os
com toda a seguranca at assenti ndo os so-
preciso or sobre urna grade de madeia de lei
em todo o seu comprimenlo c largura, e de-
pois le\ar por carnadas successivas o atierro a-
t' a altura de receber com a consistencia in-
dispcnsavel os tubos de ferro os quaes scrao
ainda cobertos depois com mitra carnada de tr-
ra nunca menor de 2 '/* palmos abalando
superiormente com pissarro cluvo pedia mo-
le e segurando com lijlos de grama os talu-
des ; devendo haver em todo o seu prolonga-
mrito ao menos do lado da montanha com
aTastamcnto rasoavcl una valla mestra que
n8o Smentc cnesminhu a aguas aos desagua-
douros indicados como que acili.c o deseco-
ment do pantano quando aberto a proposito
o sangrador do grande assude d'Apipucos : se
no uclo de colocar os lubos, apesar do terreno
firme se julgar, que pode ainda nos atierros
haver, abatimento se cravaro toros de madeira
de lei em cujos extremos se apoiem os ditos
tubos.
A drecco doencanamento desde a caixa d'a-
gua atao Monteiro est dilinitivamenle mar-
cada e nivelada, e bem assim a sua passagem
na levada do Monteiro nao convm mais fa-
zer-lhe alteraco alguma pois que alm das
escavaioesacluaes no morro junto aos dousir-
mos Barre tos, das que devem ter lugar no oi-
tero que forma o arraial d'Apipucos, e dos
atierros j mencionados, o resto relativamen-
te de pouca despeza, e consideradlo.
A planta da caixa d'agua, e chaariz da Boa-
vista a que convm dar principio quanto an-
tes, para ter tempo de se lindar com seguranca,
c ganharem consistencia os materiaes, ser a-
presentada pelo M.e Wilmer contm ella um
deposito cima de 16,000 barris e apesar d'e-
legante eespacosa, sua importancia nao ex-
ceder lalvez a 20:000^000 reis, quantia esta
muito ineror ao orcamento,anda mesmo nde-
pendentemente das eventuaes.
O engenheiro da companhia Mr. Bowman
fez ltimamente suas reflexes acerca dos tubos
respiradores em lugar de pias de pedra com re-
gislos, dadas em nosso projecto e bem assim
mais simples torneiras de despejo e fazer pa-
rar a agua no encanamenlo alm de canos de
abasa proposito espaciados para fcilmente se
deslocarem, quando houver de ser reparado o
encanamento,acommodei-me as suas judiciosas
reflexes bascadas em experiencias modernas,
e como nao envolvem contrariedade, ncm aug-
mento de despeza c o julgo hbil em tudo ,
que diz respeito a objectos similhantcs, Ihe dc-
clarei, apresentasse brevemente os desenhos pa-
ra se azerem com an'.ecipago as encomendas,
a fim de nao retardarcm o andamento da obra.
Julgo bem 1., que em fins de julho de
1844 deve oencanamento estar concluido at ao
Monteiro, sem que a sua despeza exceda muito
ao total do orcamento respectivo o ser para
lastimar, que isso dcixe de acontecer.
Persuado-me 2., que no fim de 1845 de-
ve a agua correr na Boa-vista o dado o pri-
meiro caso eu farei pessoal todos os esforcos
para que tenha lugar este segunoo o qual desa-
lar o n gordio dos incrdulos; nao farei para
a minba vinda exigencias indiscretas; mas tam
PERNAMBUCO.
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Illm. sr. Chamado segunda vez. por Vv.Ss.
para examinar os trabalhos actuaes do cncuna-
mento do Prata destinado a absteccr d'agua
potavel esta capital, em conormidade do meu
plano, e do tenenle-coronel Bellegarde dar-
Ihe andamento regular, e inalteravel, desvane-
cendo quaesquer duvidas, que se tenho susci-
tado e que pareco a primeira vista aos temo-
rlos de ver esfriar os nimos dos accionistas por
o julgarem alheio do plano primitivo, que cor-
re impresso ; domeudever declarar franca-
mente, que a direceo actual do cncanamento,
desde o assude do Prata at ao Monteiro
superior do projecto ,1. porque Ihe da um
desenvolvimiento mais curto de quasi 300 bra-
oxidaeoes por conseguinle
to
a
lm


..
I1
3
bem na;) tomarci compromettimentos directos
se:n as segurancas, e g irantias indispensaveis as
minina actuaos circunstancias.
Hivendo porcao de tubos e couvindo
coin brevidade, olocal-os no terreno firme, ap-
presso-mo a reclamar as suguintes encom-
mcndas,
20 canos do 12 pollegadas inglezas dacons-
trucco dos quecliegro.
20 torneiras modelo n. 1.
20 tubos respiradores dito n. 2.
40 ditos com abas dubradas dito n. i.
20 ditos com abas singelas dito n.4.
20 ditos ditos ii o 5.
20 ditos de curtas dimensoos dito n.6.
1 dito pira a caixa d'agua dito n.7.
1 dito para o despejo do assude dito n. 8.
3 ditos para o mesmo fim dito n.9.
Fiz enchor o acude do Prata nao smente
para bem calcular a sua capacidade e seguran-
za como para em tompo obviar a qualquer
desvio ou falta d"agua que possa mas nao
supponho haver em consequencia do alguma
nascento comprimida filtraco ou commu-
nicacao subterrnea principalmente para o as-
sude d'Appipucos, o tambom para molbor de-
linear o methodo d'encaminhar a agua das ver-
tentes por meio (Fuma levada ou qualquer
outro motliodu fcil, o proinpto, a caixa d'agua,
quando fi#r preciso Unparo assude, ou quando
solTrer elle qualquer extravio pois que sem tal
cautela nao havendo probabilidade que o di-
to assude so despeje limpe repare, et)rne
a encher em menos de 10 ou 12 dias, ficaria-
inos na capital sem agua por um tal espaco de
tempo nao sendo admissivel baver reserva
torios suffiuientes para prevenir casos simi-
Ihantes
Estou inteira mente animado com a proleccao
dada pelo governo companbia : a coadjuva-
cao que Ibe presta o actual presidente da pro-
vincia o Exm. barao-da-Boa-vsta me fazcm
sporar que elle ter mais este padro de sua
gloria obtendo ainda em seu tempo o resul-
tado feliz de urna empre/.a tao v intajosa e ou
me acbo penhoradu de gralidao porsuasma-
neiras allavcis, pelas dos accionistas, eem
ge ral da populadlo d'esla capital que tanta con-
fianza musir em minhas dispusces.
Em quantoa direccao do encanamento des-
de Monteiro ate a Boa-vista julgo bem que
se tornara vantajosa cncaminhando-a desde a
confluencia da estrada do Arraial at a sua no-
va reuniao com a da capital na Cruz das Mo-
ras em linha recta seguindo depois pela es-
trada dos fflictos at perto do Manguinho e
d'abi a Solidade e ra da Conceicao a en-
trar na caixa c chafar da Boa-vista ; com si-
milbantc desenvolvimento ou outro que me-
nos difficuldade oflereca da parto dos particula-
res se podera muito encurtar a cstenso do
encanamento e descnvolvl-o com menos tor
tuosidades, sem que a despe/.a spja no total su-
perior ao orcamento em attencao ao baixo
preco dos canos de ferro.
Nao m'cstendcrei em rHlexes sobro este 2.
caso, pois que, havendo teinpo de sobra para
modificacoes posteriores ellas se facilitarn
muito, apenas o encanamento es leja prompto at
ao Arraial do Monteiro e o chafariz com a
caixa d'agua da Boa-vista concluido : pelos
mesmos motivos calar-mc-hei por ora acerca
dos trabalhos na passagem das pontos, e nos
bairros de S. Antonio e Recife.
Instruccoes especiaos sobre o melhor metho-
do do servico aprsenlo para serem dadas ao cn-
genheiro Bowman e ao administrador do
servico e aquello apresentar a planta do en-
canamento entre Monteiro c caixa d'ngua com
todas as circunstancias necessarias para obviar
desculpas, e difficuldades para o futuro e
d'esla sorte deixo claro todo o processo do tra-
balbo que se for seguido a risca e nao cor-
responder perfeitamente fornecendo a com-
panbia todos os meios a falta ser nicamente
minba ; mas se tiver resultados funestos ser
tambem do engenbeiro Bowman e M. VVil-
mcl a quem tenho francamente exposto mi-
nhas idoias, e desvanecido quantas duvidas se
tem apresentado deixando-os comigo em
perleito aecrdo.
Nada mais julgo preciso manifestar a Vv. Ss.,
a quem eos guardo. Recife 27 de novembro
de 18VJ. lllms snrs. Director e membrosda
administradlo da companbia do encanamento
das aguas do Prata. Conrado Jacob de Viemeyer.
Illm. snr. A administ.acao da com-
panbia do Bcberibe tevo a satisfacao de lr o
relatorio que V. S. se dignou indoreear-lhc em
dita de 27 do p. p. novembro, manifestando o
estado em que acbou as obras do encanamento,
e dando as disposices necessarias para o regu-
lar andamento da empreza ate a povoacao do
Monteiro. Com igual satisfacao recebeo as
instruccoes que V. >. ofereceo para a melhor
direccao dod trabalhos marcando com preci-
san e clareza as obrigaces e cada um dos em-
Cumpre por tanto significar a V. S. que a
administrara apreciou em grio uiui subido es-
se importante trabalho, nao menos pela sua roco-
nhecida utilidade, que pela conanea que sem
duvida inspirar a todos, de que o encanamento
van progredindo com perfeico e segundo as
vistas e plano tracado por V. S. e pelo digno
tenente-coronel Bellegarde. Mas o que sobre
tudo salisfez. a administracao foi a esperonca,
que V. S. ibe transmittio no scu relatorio do !
vir penalmente tomar conta da empreza ou
por administradlo ou por contrato ainda;
que para isso tonha le superar algumasdifficul-'
dades : ser esta a ultima seguranea que V. S.
tora de prestar a urna empreza tao vantajosa pa-
ra Pernambuco ; e so a administracao nao t-
ve^se por ponbor d'essa lisongeira promessa a
palavra do V. S. e principalmente os bons
desejos que V. S. patenteia para coma prosperi-
dade dcsta provincia nao perderia ella agora
a occasiao do importunal-o com novas e redo-
bradas instancias.
Reconbecendo pois a administracao que os
valiosos servicos de V. S. prestados a prol da
empreza do encanamento ainda contino,
sern que por ora se Ibes possa medir toda a cs-
tensao ; nao p le comtudo deixar de fazer che-
gar d'esdo ja ao conhecimento de V. S. a fiel
expressao dos sentimentos de perfeita gralidao
de que ella se acha penhorada pelo nao pe-
queo sacrificio que V. S. acaba de fazer-lhe ,
ausentando-se de sua familia de seus commo-
dos, e importantsimas emprezas, para sem al-
gum estimulo de lucro, viranimar ostrabalhos
da companhia. E pois que V. S. no seu no-
bredesinteresse tanto se engrandece e maniles-
ta a maior devocao para com a empreza que
tamanha solicitmle nos mereco ha de permit -
tir que a administracao tome a liberdade de, em
noine da companbia d'offerecer a V. S. um pe-
queo signal do quanto ella deseja perpetuar
seu sincero reconhecimento na lembraca de V.
S. e ilos herdeiros de sua bem merecida gloria.
Dos guardo a V. S. Escriptorio da com
panbia do Bchcribe em sessu do 29 de no-
vembro do 1843. Illm. snr. coronel Con-
rado Jacob de Niemeyer. Assignados o di-
rector c membros da administracao.
COMMEBCIO,
Alfandcga.
Rendimento do dial.0......... 3:011 SOTO
DesearregSo hoje 2.
Ba rea/V / poleaod i versos ge eros.
Brigue /frag)idem.
PolacaCatharinaidem.
Briguo Carolinabarricas vasias ealhos.
DitoFeliz-deilinodiversos gneros.
Barca RioBacalhao.
Dita//ntotnelesal.
Brigue Ilellena pedras barris de pixe ,
alcatrao c taimado.
Portos do norte; vapor brasifeiro Pernaw/m-' to de fazendas inglezas e rancezas, que
cana, cap tao Joao Milita Henriqucs. car-1 forcoMiliento se bao de vender para liquida-
ga lastro Passageiros os mesmos quo trauco, fo de contas, o por isso de avultada pechinxa
eoexm. presidente para a Parahyba. para os seus fregueses a quem pede liajao de
Varios entrados no dia O concorrer ao primeiro andar da sua casa n;i
Terra-nova ; 42 dias patacho hospanhol Ju- ; segundn-feira 4 do correnle as 10 horas da
liana do 105 toneladas capitao Antonio manliaa em ponto.
Santiago equipagem 10 carga bacalho : = Gcorge Kenworlhv & C fafSo leilao, por
a consignadlo de Vi, Calm Hit & C. i inlervencao do correlor Oliveira de grande e
Maranbao ; 22 dias patacho brasileiro Ca- variado sortimento de fazendas inglezas as mais
rolina do 122 toneladas, capitao Francis- proprias d'esle mercado, muitas das quaes
co Bernardo de Mattos, equipagem 10, car- chegrao recentemente pelos ltimos navios do
ga diversos genero? : a consignado deMa-
noel Duarle Rodrigues.
Montevideo ; 34 lias brigue
ingle/.
Princess-
Inglaterra : terca-leira ,'i. do corrente as 10
horas da manhaa no seu armazcm da ra da
Cruz.
Victoria, do 229 toneladas, capitao Richard
Tront, equipagem 10 carga lastro* a con-
signacao do capitao,
Declaracoes.
= Pela repartija da polica se faz publico ,
para conhecimento de quem pertencer que
forao capturados ese achao recolhidosa ca-
deia da cidade de Ulinda dosde o dia 6 do
corrente os pretos cscravos fgidos: An-
tonio crioulo de dado de 50 annos diz
ser de D. Antonia, moradora em Paja de
I Flores; e Jos Cassange de idade de i0 an-
nos de um Portuguez de nome Jos Pereira ,
que lora dono de urna venda na Rua-direita ,
tiesta cidado e assassinado na abrilada em
cuja occasiao ausenlra-se para o Monleiro ,
ondate o dia precedente ao do sua prisiio
I existia. As pessoas porm que com direito
i se julgarem aos referidos pretos dinjao-so a
; respectiva secretaria munidas da competente
habilitadlo.
CONSULADO DE PORTUGAL EM
PKRNMMRUCO.
Precisando dar effectiva execucao portara,
que recebi do governo de Sua Magostado Fido
lissima de 19ile ago-to do 1842 e aos arti-
gosa ella annexos com referencia a de 9 de
dezembro doditoann : cumpre-me fazer sa
bera todos os passageiros subditos porluguezes,
procedentes dos portos de Portugal e seus do-
minios, queso nao tivercm apresentado n'este
consulado ; hajao de o fazer com promptidao ,
a lim de se verificar o que dispoem os artigos das
citadas portaras esperando que se prestem a
este chamamento em beneficio dos seus pro-
pros nterOsSOS. Consulado de Portugal cm
Pernambuco aos 27 de novembro de 1843.
Joaquim Baplista Moreira cnsul.
Avisos diversos.
Movimenlo do Porto.
Navio entrado no dia 30 do passado.
Portos do norte ; vapor brasileiro Imperatrtz ,
capitao-tenente Jesuino Lamego Costa e
quipagom 30, carga lastro. Passagciros hra-
sileiros : Manoel Duartedo Valle Filho e
um escravo Manoel Francisco do Azevedo
Ca/iipos e um escravo Domingos Jos
Pereira Pacheco, e dous escravo Jos An-
tonio Pereira Pacheco doutor Miguel Joa-
quim Ayrcs, e dous escravos a entregar,
Francisco Pedro da Silva Joao Sanchos
Monteiro, eum escravo, doutor Joaquim
Augusto de Hollanda Costa Freir, e um es-
cravo coronel Manoel Mauricio Tavares, e
sua senhora um escravo a entregar G.
A. Broesse allemao.
Su h idos no mesmo dia.
Aracaty ; briguc-escuna brasileiro Delibera-
Qo", de 210 toneladas, capitao Jo-. Joa-
quim de Miranda equipagem 17, carga
varios gneros. Passageiros brasileiros: Joa-
quim da Silva Reg Jos Gomes do Reg ,
Felippe da Silva Porto nlonia Lucina dos
Praseres Jos Simplicio do S Esteves ,
Francisco Antonio Fsteves e sua familia ,
Manoel Goncalves Gloria Manoel Caetano
da Silva Vicente Joaquim do Lima, Fran-
cisco de Paula Joao Cassianno Pompolona,
Joao Chrisostimo de Oliveira o 2 escravos,
Claudio Pereira de Farias, Manoel Anto-
nio de Oliveira Jos. Ribcro Bessa Igna-
cio Ribeiro Bessa Antonio Ribeiro Bessa,
Maroim ; hiato brasileiro Especulador de 38
toneladas capitao Jos Mauricio da Silva ,
equipagem carga varios gneros.
Babia ; brigue brasileiro linda de 49 Va
toneladas, capitao Antonio Jos Vianna, e-
quipagem8, carga varios gneros. Passa-
N inter e Ma-
geiros inglezes Henriques
11'. I! .
IIICU9 ? IIIC,
Avisos martimos.
= Seguir para a Baha o mais breve possi-
vel o brigue S.-Jos-Navegante ; quem no
mesmo qui/er carregar pode entender-se com
ocopilao Antonio Pinto Lessa ou com A.
Irmao na ra da cadeia n. 4a.
= Seguir para o Rio-Grande-do Sul den-
tro em poucos dias o brigue-escuna Marirul;
recebo escravos, e passageiros para o que tem
bons coniniodosjquempretenderpdeenlender-
se com os consignatarios Amorim lrmao no Re-
cife ra da cadeia n. 43.
= Para o Aracaty seguir o hyate/-7or dt-
Larangeiras ; quem quizer carregar dirija-se
a ra da Cadeia do Recio loja de fazendas
n. 37.
= Para Lisboa sahir no dia 16 do corrente
o briguo portuguez Josephina-Emilia ; quem
quizer carregar, ou ir de passagem trate
com o capitao na Praca-do-commercio ou
com o consignatario Thomaz de Aquino Fon-
seca na ra do Vijario n. 19.
= Para o Rio-de-Janeiro sac tcrca-feira( 5 do
corrente) o briguo nacional Indiano ; us snrs.
passageiros,que tem fallado para ir em dito bri-
gue queirao ir realisar assuas passagens ; as-
sim como igualmente os que prctendem carre-
gar escravos ; para urna e Oitra cousa tra-
ta-se com o consignatario Manoel Ignacio de
Oliveira na ra de Apollo ou com o capitao
A. A. Martha.
A sumaca Fclicidade sae para o Aracaty no
dia 1G do corrente mpreterivelmente por
ter <|uasi o seu car' egamento prompto ; quem
na iiiesma quizer carregar ou ir de passagem ,
trate com o mestre Ignacio Marques, ou com
seu propietario Antonio Joaquim de Sousa
Ribeiro.
= Para o Porto sahir brevemente o brigue
Paquete-faiunno capitao Lourenco de A-
raujo Guimarcs, tem muitosexcellentes com-
modos para passageiros ; quem no mesmo
quizer carregar ou ir de passagem dirija-
se 8o mesmo capitao ou a Mendos & Oliveira
na ra do Vigario n. 21.
Leiles.
= O corretor, Oliveira fan leilao franco e
> -tifwi.vtf i
= Precisa-so alugar urna ama para o servico
do urna casa de pouca lamila que saiba cosi-
nhar o engommar forra ou captiva : na ra
da Sensalla-vellia n. 10G.
= Osnr. Jos Joaquim Alves, querendo
receber urna carta vindi de sua lamila, de Lis-
boa na Tentadora que por engao de igual
nonm se tirou do correio procure na Rua-di-
reita heco do S. Pedro n. lt.
=s Tirao-sc folhas corridas passaportes para
dentro e lora do imperio e outros quaesquer
despachos tudo com presteza e commodi-
dade : na ra do Kangel n. 31.
= Oescmao da irmandade de N. S. da
Conceic" da igreja da (^ongregaco faz cerlo a
todos os irmaus em geral que domingo (3 do
dezembro), o dia marcado para a eleidio da
nova mesa regedora e por isso dever com-
parecer no consistorio da u esma igreja pelas
9 horas da manhaa do referido dia.
Aluga-so urna boa casa terrea assobradada,
e envidracada f em Fui a-de-portas do lado
da Miar grande n. -i ; eoutia do lado da ra
n. G; quemas pretender dirija-se a Fra-de-
portas a tratar com Manoel da Silva Noves,
A pessa quo preciar de urna preta parida
de quatro lias para criar que para isso tem
muito houi leite, dirija-se a ra do, Cabug loja
de miudezas n. 5.
Jos Dias de Castro, retira-se para a Babia.
Aluga-.ie urna casa do sobrado com a loja,
ou sem ella por comino.lo proco para se passar
a festa por dous ou tres mezes com com -
modos sufficientes para urna, ouduas familias:
na ra de S.-Bento defronte da porta travessa
de >.-Pedro-Martyr : a tratar na loja de cabos
defronte do Corpo-Sanlo n. 17"
Precisa-se do um caixeiro para tomar
conta por bataneo de urna venda ; quem esti-
ver nestas circunstancias dirija-se a casa do
Nicolao Rodrigues da Cunha.
= Precisa-se de urna ama para criar com
bom leite e sadia ; a pessoa livre ouescrava
que estoja nestas circunstancias, e quo se que-
ra alugar oppareca na Rua-nova l.0 andar do
sobrado n. Ga para se tratar do ajuste.
Lotera do Guadelupe.
Correm as rodas d esta lotera no dia 11 de
dezembro prximo. Os bilhetes achao-se
venda as lojns docoslumc, e em Olinda na
botica do snr. Rapozo ra do Amparo, nos
(^uatro-cantos loja do snr Domingos e no
Varudouro lojo do snr. Amorim.
Alugao-se as casas o sitiodoarco daPonte-
de-Lchoa junio a Passagem de S. Anna : os
pretenden tes dirijao-so a ra da Cadeia-velha
na loja de Manoel Luiz Gonealvcs para tratar
do ajuste.
WEITC1I BRAVO & C
vtndem na sua botica e armazem de drogas ,
na ra da Madre de Dos n 1.
A preparadlo seguinte por preco muito com-
Anodo e de superior qualidade.
Magnesia Ponderosa de Henry.
Este medicamento gosa das mesmas virtu-
des, que a Magnesia calcinada ; poremeonhe-
ce-sc que seus cffeitos sao muito mais enr-
gicos em razao do grande estado de pureza
em que se acha porcujo principio he muito
menor a quantidade precisa para produzir os
eleitos desejados.
Na mesma casa tamlem sevendem tintas,
e todos os outros objectos de pintura ; vernizes
de superior qualidade entre clles um perfei-
tamente bronco e que se pode applicar so-
bre a pintura mais delicada sem que produ-
za alteracao alguma em sua cor primitiva. Ar-
row-Root de BermudaSag Sabonetes -
Salmo de WindsorAguadeSedlitz Agua
de SodaAgua de Seltz Limonada gasoza ,
'I inta superior para escrevor Tinta para
marcar roupa Perfumaras inglezas Fun
das elsticas de patente'Escovas o pos para
dentes Paslilhas de muriato de morphina ,
e pccacuanlia Paslilhas finsimas de hor-
tel-pinienta Paslilhas de bi-carbonato do
soda egingihre. As verdaderas pilulas ve-
getos unveisacs do D r Rrandrelh vir.das
.1.. o.,,, iiill,r.r&nr>c K.staitnc-.Tin'iiloc ,-v-------------------............ t -......


= Precisa-se Je CGO rs. a premio com
hypotbcca que val o dobro ; quem quizcr
dar annuncie.
= O abaixo assignado convida a todos os
credores do fallido Manoel Pereira Guima-
riles & Companhia para verem no cartorio do
tabelliiio publico Manoel Antonio Coelbo de
Oliveira a escriptura de hypotheca que o de-
vedor sua sogra e os que tem direito a he-
ranca desta z.erao lavrar para scguranca e
firmeza dos pagamentos novamente contratados
com 20 e tantos dos ditos credores e estes fir-
jnarem o termo de acceite ; como pois a dita
escriptura declara que so 6 valida para aquel-
Jes que assignarem o termo, e nao para os
dcscidentes, motivo pelo qual se faz este annun-
cio afim dos nao concordados firmaren) o di-
to termo al o dia 20 de Janeiro prximo futu-
ro, e em tempo se nao queixarem de ignoran-
cia. Da mes:jia escriptura se observa ter linda-
do a administraco da casa fallida, e ella na
posse de Guimaraes com quem se deve enten-
der, os que tiverem negocios. Os snrs., que
acceitarem a hvpotbeca, podem sacar as lettras,
que ser pelo annunciante rcmettidas a Gui-
maraes e quando acceitas resgatar os ttu-
los antigos, que bao de ser pagos novamente pe-
lo annunciante Jos Antonio Pinto.
Aluga-so urna boa casa terrea com duas
salas 3 quartos cozinha fra quintal e
cacimba ; na Ra bella n. 40.
Da-se roupa a lavar a alguma preta cap-
tiva cujos snrs. se responsabilisem pelas fal-
tas ; na ra do Nogueira n. 13.
Precisa-se de urna mulber forra para ama
de pequea familia dando-so-lhe o sustento ,
e algum ordenado ; na ra do Nogueira n. 13.
Hoje haver sorvete no botequim da es-
trella das 9 horas da manhaa cm diante.
Quem annunciou precisar de 708 rs- a
premio com penbores de ouro dirija-se a ra
da Cruz loja do sobrado n. 28.
Francisco Pinto da Costa Lima, mestre
alfaiate na ra largado Rozario n. 40, pre-
cisa de oiciaes do mcsmo officio.
Desappareceo do porto do Mundo-novo
urna canoa abcrta de carreira com asscntos
pelos lados; quem a achar, leve defronte do
palacio do governo, no sitio de Francisco X.
M, Bastos, que ser gratificado.
/ssociac&o para propagagGo da f.
No domingo 3 do correte dia em que a
igreja celebrar a feslividade do apostlo das In-
dias S. Francisco Xavier se dever reunir
pela? 10 horas la maahSa no convento de S.
Fiancisco, todos os que j estao associados para
o ensino da f bem como aquelles, que qui-
zerem inscrever-se, afim de naquelle dia se
proceder a eleico da direccio e a instalacao
formal da mesma pia associaco; roga-se pois a
lodosos fiis que concorro a dar principio a
tao edificante e conveniente instituido ; as-
sim como a todos os que a estao associados ou
que se quizerem associar que veriliquem o
pagamentodaesmola da entrada, que sao 5S
rs. afim de que logo a direcelo fique habi-
litada a dar principio, e andamento aos encar-
gos, que incumbem a associacao.
= Aluga-se o segundo andar da casa da ra
estreita do Rozario defronte do armazem de
trastes de Jos Moreira da Silva ; a tratar com
o mesmo Moreira.
Os abaixo assignados tem amigavlmente
dessolvido a sociedade, que tinbao na loja de
lazendas da ra do Q.ueimado n. 3 sol) a fir-
ma de Silva & Ribeiro licando o socio Joao
Raptista Vieira Ribeiro com o estabelecimento,
e encarregado de liquidar todas as transacoes
feitas com a mesma firma. Joao Baplista
Vieira Ribeiro e Jos Maria Thomaz da
Silva.
__ Aluga-se urna casa na ra dos Pires da
Roa-vista n. 23, com 4 quartos cozinha f-
ra copiar quintal murado e cacimba pro-
pria ; na praca da S. Cruz padaria n. 6.
__ Tirao-se passaportes para qualqucr par-
te com brevidade e por preco commodo; no
becodo Lobato da ra deS. Thereza casa de
LtlU Bezerra Montoiro Padilba.
__Jos Luiz Pereira embarca para o Rio-
de-Janeiro as suas cscravas llieodora, criou-
la e \'arianna de nac5o Angola.
__ Oerece-se um rapaz Portuguez de 15
annos, para de loja fazendas, do que tem algu
ma pratica ou outra qualquer arrurnacao ;
quemdeseu prestimo precisar, annuncie.
__ Ouem tiver canegado no briguc Maria-
feliz, queira levar os conhecimentos no es-
criptorio de Antonio Joaquim de Souza Ribei-
ro, al boje (3 do corrente).
__Continuo-se a alugar as casas terreas no-
vas da ra do Padre l'lorianno e beco doSe-
rigado ; na ra da Cadea do Recie n. 25.
= Osnr. Firmino Antonio Rodrigues di
rija-se a ra do Crespo n. 2, ao pe do arco de
S. Antonio para recocer urna carta vinda de
Lisboa.
ss Na noule do dia 27 para 28 do p. p.
j.,nnro'' cilio 2 cscruihad de
Bellem um boi manco de carroca um tanto
velho, cor de rapoza muito brancacenta e
tem diversas marcas pelladas ; quem o pegar
leve a venda grande do mesmo lugar que se-
r gratificado.
Joaquim Jos de S. Barros faz sciente ao
respeitavel publico que deo este anno por
promptos a dous dos scus alumnos os ques fo-
rao examinados, e sahirao approvados, cujos
exames tiverao lugar no dia 27 do p. p ; a ce-
remonia deste acto teve comeco as 8 horas da
manha e terminou as duas horas da tarde ,
no meio de grandes applausos de todos' d'aula ;
eis-aqui os nomes dos alumnos que obtivero
a approvaco ; Jos Joaquim Lopes de Almei-
da approvado plenamente com preferencia ;
eJoao Francisco Teixeira Jnior, approvado
plenamente.
= Aluga-se um grande sitio no principio
da estrada do Arraial com grande casa do po-
dra e cal, estribara cacimba com excedente
agua com mu i tos arvoredos, e no fundo um
riacho corrente ; no Atterro-da-Boa-vista ,
loja deseleiro.
- Aluga-se pelo tempo de festa urna casa
terrea de pedra, e cal sita no Monteiro, con-
fronte ao oitao de S. Pantaleao com suffici-
entcscommodos e por preco mdico ; na ra
do Queimado n. 11.
Novo rap fino princeza da nova fabrica de
Godinho da Bahia.
= Acha-sea venda ( vindo do Rio-de-Ja-
neiio no bergantim nacional Rom Jess, che-
gado ltimamente ) o novo e excedente rap
da nova fabrica de Godinho da Bahia pelo
proco de 1000 rs. cada urna libra ; este rap
torna-se muito recomendavel pelo seu bom aro-
ma nao faz bolao nos narizes o bastante
lino ; os prctendentes dirijao so ao nico depo-
sito existente nesta provincia na ra da Cruz
n. 16, onde acharo um boto aberto para se
vcriicarem das suas boas qualidades.
Compras
= Compra-sc urna parelha de ferros, e to-
dos os mais pertences de chapeleiro ; na Roa-
vista ra do Tambi fabrica n. 10.
Compr8o-se dous ps de jasmins do Im-
perador ; na ra estreita do Rozario n. 13.
Compra-se urna meia commoda de oleo,
em meio uso ; quem tiver annuncie.
Comprao-se eflectivamente para fra de
provincia mualas negras o moleques de
12 a 20 annos, sendo bonitos pagao-se bem :
na Rua-nova, loja de ferragens n 16.
Coinpro-se se mentes de fruta pao, ana-
nais sapoty condeca e de pinha ; na ra
da Senzalla-velha n. 40,
= Comprao-se dous carrinhos de mao ,
quesirvao para conduzir arei.a tijolos &c. ;
na ra do Mundo-novo n. 50,
Vendas.
Vendem-se listas genes da loteria da ma-
triz da Boa-vista ; ua livraria da praca da In-
dependencia ns. 6, e 8.
Vende-se para fra da provincia um pre-
to perito official de alfaiate. sapaleiro, e que
ptimo cozinheiro de 20 annos; na ra do
Queimado n. 11.
Vende-se ma preta de nacao, de 2i
annos ptima para todo o servico ; na ra
larga do Rozario n. H segundo andar.
Vende-se um jogo de diccionarios de Mo-
ra es quarta edicao e a recreacao philoso-
pbia em bom estado e por preco commodo;
na ra do Queimado n. 3.
ss Vendem-se duas escravas de nacao, boas
quitandeiras, e lavadeiras e urna deltas co-
se, eengomma; um moleque do 16 annos,
ptimo para p..gem ; urna parda de 19 annos ,
cose cozinha, e recolhida ; na Rua-direi-
ta n. 3
Vendem-se massos de meias de linho do
Porto toalhas e guardanapos de Guimaraes,
peneiras de rame muito finas comieras de
todos os tamanhos meias barricas de farinha
de trigo e bichas de Hamburgo tudo por
mdico preco; na ra estreita do Rozario
n 13.
se Vende-se milho alpista a 360 o quartei-
riio ; na esquina da ra do Aragao que vol-
ta para a S. Cruz, venda n. 43.
Vende-se urna porcao de cestinhas enfei-
tadas de flores de varias qualidades p.oprias
para pastoras de presepios ; na ra da Cadeia
do Recife n. 25.
= Vendem-se 6 cscravos, sendo um preto
de nacao r'e 35 annos ; urna preta de 20 an-
nos ; urna dita crioula de 20 annos ; um ca-
hrinlia de 20 annos; e dous moleques crioulos
de 16annos; a tratar com Antonio Rodrigues
Lima no largo do Corpo Santo.
Vendem-se casaes de rolas de Hamburgo,
z?. 25!c!ss, sor ellas, i/OiZSh .crc-1
na muito nova em barricas de 25 libras, di-
ta de soda em barricas o as libras ; no pa-
teo da S. Cruz, venda de 3 portas, junto a pa-
daria de urna s porta.
=. Vndese farinha de superior qualidade ,
' a bordo da escuna Ave Maria a 2000 rs. o al-
queire da medida velha o a sacca a 2400 e
em porcao de cem se dar mais barato; as amos-
tras se achao na ra da Cadeia loja de cambio
do Vieira e no Atterro-da-Boa-vista loja de
Jacinto Affonco do Mello Botelho.
ss Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca a 38 rs. ; na ra da Cadeia-velha n. 35.
- Vende-se urna barretina, um bon, urna
grvala e um corrame por preco commo-
da ; na ra da Senzalla-velha n. 40.
= Vende-se por preco muito commodo um
terreno ja aterrado na estrada de S. Amaro ,
junto a casa em que mora Joao Stowarth ,
com 60 palmos de frente e 640 de fundo; na
ra de Hortas n. 22.
>v Vende-se panno de algodao da trra a
220 rs. a vara marroquins a 188 rs- a duzia,
alguidares grandes a 1500, e 1600 rs. ; e um
moleque crioulo de 18annos; na ra do Cres-
po, loja n. 12 de Jos Joaquim da Silva Maia.
ss Vendem-se duas pipas de agurdente
branca ; na ra do Livramento armazem de
iouca, e mulhados n. 20.
Vendem-se dous moleques de bonitas fi-
guras ; na ra do Padro Florianno n. 23.
Vendem-se saccas com farellos e bar-
ricas i 3000 rs.; na padaria de JoSo Manoel
Rodrigues Vallenca.
Vende-se urna venda cora poucos fun-
dos propria para qualquer principiante sita
em bom lugar da ra do Pillar em Fra-de-
portas defronte do beco do farol n. 82 ; a
tratar na mesma.
Vende-se urna preta de meia idade, qui-
tandeira faleira e mariscadeira ; na ra da
Senzalla-nova n. 36.
Vende-se a venda da ra da Paz n. 2 ,
com poucos fundos e com commodos para fa-
milia eosutenciliosde outra venda; a tra-
tar na mesma.
Vende-so urna toalha de esguiao nova ,
toda aberta de lavarinto do bom gosto ; na ra
do Nogueira n. 13.
Vende-se urna parda de 22 annos, faz
todo o servico de urna casa ; urna dita de 25
annos cose engomma cozinha e borda ;
duas escravas recolhidas de 19 a 20 annos ,
boas costureiras e engommadeiras ; urna d-
a boa quitandeira por 200$ rs. ; urna dita
por 2808 rs. ; um escravo peca de 20 annos;
um dito bom carreiro ; um mulatinho do 12
annos; um dito official de alfaiate ; urna mu-
latinha de 8 annos ; e um molcquo peta de
13 annos, de nacao Baca; na ra de Aguas-
verdes n. 46. ,
Vendem-se superiores chapeos do Chile;
na ra do Queimado loja n. 6.
Vende-se vinho de Bordeaux de superior
qualidade em arralas, c em caixas vinho
de Champanhe em garrafa e meias ditas dito
do Rheno e cerveja em barricas de 4 duzias ,
por preco commodo ; em casa de Kalkmann &
Rosenmund na ra da Cruz n. 10.
Vende-se farello do superior qualidade,
em saccas grandes e por preco muito commo-
do ; no forte do Rom Jess.
Vendem-se duas escravas de nac3o, de 14
a 16 annos, com habilidades; na Rua-nova
n. 50 terceiro andar.
Vendem-se urnas bandas de urna barcaca,
o mais alguns utencilios; atraz da igreja do
Carmo venda do Francisco.
Vende-se urna armacocom alguns uten-
cilios de venda e traspassa-se a acbave da ca-
sa que heem muito bom lugar para negocio,
um caixao envidracado proprio para amostras
de venda urna cama de armacao, propria para
casal; em Fra-de-portas, ra do Pillar n. 112.
Vende-se, ou aluga-so urna canoa nova
de carregar agua que pega para mais de 300
baldes; na praca da Independencia n. 3.
Vende-se um par de casticaes de prata ,
um cascavel de dita para menino, urna duzia
de colheres para soupa, urna dita para cha, urna
caixa que dando-se corda toca 4 arias um
relogio horisontal, sabonete de ouro, um tran-
sflim moderno, um relogio inglez sabonete
de prata pares de botes para punho ditos
de diamantes para abertura duas voltas de
cordode ouro, um relogio para cima'de me
sa urna pouca de prata de bom toque an-
nelcs lavrados urna faquinha apparelhada de
prata urna coiher de tirar soupa e] uns
cora/es com requififes de ouro ; as 5 pontas
n. 45.
Vende-se urna porcSo de taboado de cos-
tado de vinhatico de superior qualidade ja
serrado e prompto ; na ra de Apollo n. 20.
Vendc-sc um excedente carrinho de 4
rodas, construeco ingleza muito boas mo-
las coberta de couro de lustro e novos ar-
reios para urna cavado sendo o carro tambem
uurv, pue-se examinar na coxcira do i liorna/
na ra da Cadeia de S. Antonio, e tratar do
ajusto na ruado Vigario n. 21.
^= Vendem-so sapatos inglezesdo duas, e3
solas borzegins gaspeados e de ponta de
lustro de urna o duas solas pretos e deco-
res botins, e mei'os ditos do bezerro francez,
e de Lisboa sapato.s de couro do lustro para
meninos, ditos de bezerro Irancez de entrada
baixa do urna e dua s solas ; ditos de couro de
lustro para homem borzegins gaspeados para
senbora e meninas botins de couro de lus-
tro para ditas sapatos de tapete para homem ,
c senbora ditos de dur que, marroquim, cor-
davao setim e couro o 'e lustro para senho-
ra e meninas sapatos de couro de lustro ,
o marroquim com clchete.' para meninos o
outrasmuitas qualidades do calcados por preso
commodo ; no Atierro da- Boa-vista loja n
24 de Joaquim Jos Pereira.
- Vendem-se as mui conh ecidas laes, e se-
das de muito bom gosto para vt 'stidos, cortes de
colletc de setim a 2000, e 2606' rs. e de casi-
mira de 13a a 3000 rs. e outi as muitas la-
zendas de gosto ; na ra do Quei mado, loja n.
11 de A. L. G. Vianna.
= Vende-se sevada muito boa a 1200 rs.
a arroba batatas a 800 rs. e se\vadinha ; no
armazem do Dias Ferreira & Comp anhia no
caes da alfandega defronte da cscadin. 'ia.
= Hebrard pai, e filho acabao d o receber
directamente pelo ultimo navio de Fra nca um
sortimento de vinhos em barris, c meia s pipas,
de Bordeaux, Langlade verdadeiro, S. Cristol,
barricas de agurdente do Franca de 30 galoes
cada urna azeitedocedo mais novo, e niclhor
que ha, licores finos do div.crsas qualid&des,
ahsinthoem barricas, e garrafas, tudo ven-
de-se a retalho, e por atacado, ,oor preco com-
modo ; na Rua-nova botequim n. 69.
= Vende-se na olaria do func'o junto a fa-
brica de Gervasio telhas bem cocidas de bom
barro a 3200 rs. o cont e em p orces gran-
des a 38 rs., tijolos de Indrilho a 2 500 rs. di-
tos de alvenaria batita a 2700 rs. Mos de ta-
pamento a 1000 o 1200 rs em poi coes gran-
des ditos quadrados para ladrilho de forno de
padaria a 200 rs. cada um ditos pa.ra fogao
inglez, o maior a 280 rs. o segundo iHO rs.,
e o terceiro 200 rs. tedias de ponta co m seu
mintilo a 480 rs. cada urna cal branc. a su-
perior medida velha a 2240 rs o alqm'ire ;
na mesma olaria tem urna canoa aborta de car-
reira e com assentos para alugar.
=Vendem-se sedas pretss pars cebrir chspc1??
deso, chapeos maiores a 5500 rs. e meno--
res a 4500 rs. ; e sarjas para forro de obras ;
na travessa do Rozario n. 2
= Vendem-se 12 cadeiras duas banqui-
nhas de Jacaranda 4 mangas de vidro lisas
4 casticaes de vidro um candieiro novo de
globo, urna mesa irande de 12 palmos, 4
bancos de 8 palmos uns passaros cantadores ,
urna mesa de jantar com ps posticos tudo.
barato ; no pateo do Hospital do Paraso n. 20.
= Vende-se urna parda de 23 annos com
algumas habilidades ;'e urna preta do 30 an-
nos; na Rua-velha n. 111.
=Vende-sc muito boa bolaxa de primeira ,
e segunda qualidade a 9, 10,11. e 12 pata-
cas por ; rroda farinha ptima para bolaxa por
13 e 148 rs. : assimeomo o bem conheci-
do ti jlo de alvenaria tanto pela sua qualida-
de como em tamanho tendo de mais a van-
tagem de se mandar descarregar naquellas obras,
que tiverem poucos serventes; na ra dos Quar-
teis, padaria n. 18 deManoel Antonio de Jess
& Filho.
Escravos fgidos.
A inda est ausente o preto Jacinto des-
apparecido no dia 20 de maio de 1841 de na-
cao Rebollo, de boa altura, cor preta, bo-
nitos denles falla descansada toma bastan-
te tabaco quando ausentou-se nao tinha bar-
ba ; quem delle dor noticias certas ter 1008
rs. de gratifica^ao ; assim como o moleque
Julio que venda cangica do nacao Ben-
guella de 14 annos tem o embigo grande
do tamanho do urna laranja a orelha esquer-
da funda, e a direita com um taquinho tirado ;
quem delle der noticias certas receber 20
rs. de giatificacao; ambos sao escravos de Ma -
noel Antero de Sousa Res morador na ra
da Guia sobrado de 3 andares n. 53.
Auscntou so no dia 28 do p. p. o escra-
vo Benedicto de 18 annos do nacao Congo,
baixo cor fula tem urna marca no nariz de
um talho e urna cicatriz em um dos hombros,
que parece ser de queimadura ; levou calcas de
estipa c camisa de chita azul, foi escravo de
Jos de Carvalhoem Garanhuns; quem o pe-
gar, leve a Rua-direita refinaco n. 10, que se-
r recompensado.
Rbcifb: na Ttp. m M F. db Faria=1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX7DDSE7P_BBHBL6 INGEST_TIME 2013-04-13T02:49:59Z PACKAGE AA00011611_04526
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES