Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04521


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1843.
Sabbado 25
l'udo gura depende de nos memos; da nossa prudencia, moderago, e energa: con-
tinuemoi como principiamos, e seremos acontados com admiracao entre as Naques mias
eol'as. ( Proclamagao da Assembleia Geral do Bkasil.)
PARTIDAS DOS CORREIO TERRESTRES.
Goinnna, e Parahyba, segundas e sexlae feiraa. io Grande doNorte, quintas feiras.
lionito e Gartnhuns, !i 4U e 24.
abo, Serinh.tem, Rio Formuso, Porto Calvo, Macain, e Alaoas no 4 44, e 21.
Roa-vista e Flores k i3 e 2"i. Santo Antjo, quintas feiraa Olinda todos os das,
UIAS DA SEMANA.
20 Stg. f. Octavio B. Aud. do J. deD.da.?.
21 Tero. Columbaoo Ab Ral. And. do J. de l>.da3. t.
12 Oua'rl. s. Cecilia V. M Aud. do J. de U. da 3. v.
23 Ouiot.a ClenenteP. M. Aud. do J. de da -j. y.
24 be*, a. Joao da Cruz C Aud. do J. de D. da 2. t.
,i gkh Cnliarina V. M. Re. Aud. do J. de D. da 4 t.
ol Doto, s. Pedro Alcxandrino B.
nMBBH
de Nave mbro Auno XIX. N. 256.
O Di tilo publins-ie todo, ol das que n to forero Santificados: o pre^o da "'S'?*""*. ,
,. de tres mil r'ia por quartel pagos adianlados Os annunoios dos sssifrmnles sio inaefj
gratis os dos que a.io (oren i ras;io de MOreis porlinlia. As reclamaqoM ie^amter
"HVSi*
diri-
gratis os dos que auto loreni a rasao ue nv res por nmia. r.igvr .----------
gidas aestaTip.,ruad*sCrutes N.34, ou apraga da Independencia loja Jeliroa N.
^ CalinosNo dia 24 de Novembro. oompri ada.
C.aabio.obr.Londr.a.i. O.Bo-Mo.d.d, 8,400 V. 4680" J7 0
Paria 37 J res por franco, O.UU
Liboa440 por4U0dpreio. da 4,000 1,2UQ
PATa.-1'atacae
Moada d cobi 2 por cont. a Petos Ooluuinerie
Idea d letras da boas firmas I > I 1p 2 ditos Mecanna
PHASES DA LA O MEZ DE NUVFMBKU.
La Chsia 7, tis 3 lioras e it. da manh.'i jLua ora M, as 3 !i iras e 14 m da tardo.
Quart. ming. 44, aos 13 minutos da larde | Onart.ciesi. A 23, 4 horas e VJ -
4. a 7 uoras a 42 da si!i
1 ,1*00
46.S00
tf.40
i.Wu
1/J20
1 tf.O
.l.t
Prcamar de hoje.
| 2.a aSfaoiae.Ss. da tudtt
ess
jfc-aa^>iaisa.ita BEHSmiii itaci
usn
POLICA.
lllm. o Exm. Snr. Depois da ultima par-
te que dei a V. Ex. ein 18 do corrente a-
penas mo tem chegado a noticia pela dclegatu-
ra de Goianna que no dia 3 do corrente foi
assassinado o preto Luiz em Ponta-dc-Pe-
dras, por seu snr. Jos de Mello Monte-Negro,
que nao foi capturado por se por logo cm fuga ;
que no dia 2 tambem d'cste mez ao aproximar-
se a povoacao da Lapa, atirrao d'umaem-
buscada um tiro contra Manoel Mauricio que
sedirigia para aquella povoacao o qual feliz-
mente escapou por o ter errado.
Pola delegatura do 1. districto do termo
d'esta cidado nada consta que mereoa a pena
communicar a V. Ex. por s constar das dif-
ferentes partes dos subdelegados algumas pri-
ses policiaes, e terem sido pronunciados a
prisao e livramento os pardos Manoel Patri-
cio e Antonia Luiza do Bomlim. Dos guar-
de a V. Ex Scretaria da polica 2i de no-
vembro de 1843. lllm. e Exm. Snr. barao
da Boa-vista presidente da provincia.
C. J. da S. S. Tiago
Correspondencia.
Snrs. Redactores J temos tido duas re-
nrosontaces do snr. Matbevet, o bercules lti-
mamente chegado esta cidade, e n5o devo ro-
oeior ser tachado do leviano ou temerario se
disser, que o novo artista merece a admiracao
do publico nao s pela regularizado e belleza
do suas formas como pela flexibilidade vigo-
rosa de seusmembros, o forca extraordinaria
de seus msculos, com o que na ultima repre-
sentacao obteve o geral applauso dos espectado-
res a quem encheo de admiracao sobreto-
do com a facilidade com que dobrou sobre a
perna um patacao, tirado ao acaso de urna por-
cao d'elles que Ibe frao dados da platea. O
elogio snrs. Redactores j nao meu : o
publico o decidi e eu nao sou mais do que um
orgao delle.
Com a publicacao d'estas linhas muito o-
brigaro Vms. a quem tem a honra de ser &c.
fa Um l'ernambucano.
Variedades.
O CARAPUCEIRO.
UTILIDADE DASVIAGF.NS.
Se os nossos mancebos que esto no caso
de poder sahir do sen paiz qimessem apro-
veitar-se das vantagens que tirar pdem das
dilTerentes viagens por paizes estrangeiros, elles
voltariao patria com um bom cabedal do co-
FOLHETI^I.
O DEO DE SANTIAGO.
Era quasi meio dia quando o deao de Santia-
go apoiou-se de sua mua porta de D. Ulan,
o celebre mgico de Toledo. A casa conforme
urna chronica antiga, era situada na fralda de
um rochado perpendicular que, coroado hoje pe-
lo Alcacar, se eleva a urna altura espantosa.
Urna moca moka, de ps descalcos, levou o de-
ao a um gabinete onde I). Ulan estava sentado
lendo. Os estudos do sabio tinhao augmentado
que nao destruido a urbanidade do nobreCus-
telhano, o qual finalmente nem por seu rosto,
nem por seu vestuario, indicava ser um agente
deSatanaz.
Com o maior praser recebo vossa reveren-
dissima, disse elle ao deao, e roconheco a hon-
ra de suu visita. Qualquer que possa ser seu
objecto, ueco-lho que nos nao occuuernos del-
le seno dopjis que o tiver posto tanto :1 seu
gosto nesta casa, como na sua piopiia. Oi?o a
nhocimentos. Elles formariao os seus costumes,
despir-se-hio de inumeraveis prejuizos;apron-
derio a conhecer os dilTerentes modos de pen-
sar dos homens cstudariao o coracao humano
em o grande livro do mundo onde veriSo os
vicios e virtudes dcbaixo de formas bem op-
poslas s, em que os oncaro no seu paiz. Com-
parando os diversos costumes das nacSes elles se
avesariao a nao admirar cousas que pareccm
mais espantosas, nao julgariao das que Ihes pa-
recen) mais extraordinarias senao depois de
maduro oxame ; elles deixariao docondemnar
o que nao conhecessem evidentemente, que o
merecia ; nao approvariao o que nao fosso ver-
daderamente digno da sua estima; elles adqui-
ririao finalmente um espirito philosophico, qu
f decide depois de maduro exame e isento do
prejuizos, e paixoes.
O homem, que viaja com o designio do ins-
truirle pouco e pouco se acostuma a nao dar
preferencia alguma aos usos do seu paiz sobre
os de qualquer outro. Elle considera simples-
mente os homens como homens e j nao dis-
tingue; porexemplo, o Francez do Hespanhol,
o Italiano do Allemo o Brasileiro do Portu-
guez, &c, senao quando n'um encontra um
defeito ou urna virtude, que no descobre no
outro. Todo o homem honrado torna-se seu
compatriota ; todo o homem vicioso posto
que seu patricio, Ihe pareceabominavel.
i quase impossivel que um homem que
nunca saho do seu paiz,deixe de cahir em mui-
tos erros. Por maior que seja o seu talento ,
e penetracSo, elle nao se pode sentar de certos
prejuizos, que recebeo com o nascimonto e
que pela educacao nao sadquiriro grossasrai-
zes senao que nunca forao contraditos, nem
suspeitos de falsidade. Nos ordinariamente nao
julgamos das cousas, sono por comparadlo..
O meio mais seguro de conhecer, se os nossos
erros, e costumes so t5o bons como os ere-
mos, pol-osem parallelocomosdasoutras na-
V'oes que Ibes parecem ser mais oppostas ; e
deste parallelo foito com conhecimento de cau-
sa que deve resultar o nossosentimento.
Quem nunca saho da trra natal pensa, que
fra desta nao ha mais nada, que preste. D'a-
qui a rasao por que muitos de nossos patricios
affrmo, que no mundo nao ha cousa que se
possa comparar com Pernambuco. D'aqui a ra-
sao sufficiente da pertinacia d'alguus pastranos
entre nos imaginarem, que temos todas as pro-
porces para sermos republicanos. Nao ha du-
vida, que o Brasil 6 um bello paiz, e que Per-
nambuco urna das suas melhorcs provincias.
N5o ha duvida que 6 fertilissimo,. saudavel, e
de grandes recursos : mas por ora ainda urna
pedra bruta ; tem immenso terreno ; mas mui
diminuta populacao : alm disto faltao-lho as
ciencias as artes a industria ; a fatal enra-
yara, quocompoe urna grande parte da sua po-
minha caseira que est preparando o jantar : es-
ta rapariga vos condusir ao quarto que vos
destinado, e quando houverdes sacudido de vos-
sa sotaua o p da estrada, acharis a mesa pos-
ta e um capao ^econego lumegando sobre el-
la.
O jantar que se nao fez esperar era composto
justamento de quanto poda desejar um gordo
conego hespanhol,abundante e do suceulenta
delicadesa.
Nao, nao, exclamou D. Ulan, quando rea-
nimado pela sopa, e por um grande copo de
tinto, odeo pareceo querer explicar-se sobre o
objecto de sua visita. Nada de negocios ao jan-
tar: saborofimos em paz a nossa comida, e de-
pois que a olha e o capao, devidamente molha-
dos por urna garrafa de Xerez, houverem des-
apparecido, ser entao lempo do voltarmos aos
negocios da vida.
Nunca o rosto do conego linha brilhado tan-
to (nem inesmo na consoada do natal, quando
por especial indulgencia da igreja, quebra-so
o jejum ao por do sol, em vez de durar ainda
toda a noute), tanto o bom humor e o bom vi-
nho del). Ulan exercio urna feliz influencia so-
bre elle. Era entretanto evidente quoalznrn di*-
ojn impetuoso Ihe oceupava o cerebro; elle so
trallia por obre-saltos extravagantes, pelu ma-|
pulacao tom-lho importado pessimos costumes,
que lomos croados finalmente todo conspira
para levar ultima evidencia que o Brasil nao
e apto para ser regido pelosystema republicano.
Varios de nossos compatriotas imbuidos na
licao da carunchosa poltica do Mably o do J.
J. Rousseau fazio alarde de ser republicanos,
e neste sentido meltro-se em as nossas passa-
das sedicoes para esse fim : mas bastou-lhes o
emigrar para os Estados-Unidos para se cura-
rem da sua mania Hoje Dos louvado, sao
todos monarchistas, ealguns talvo/. de mais.
Os maioresengenhos sentirlo a necessidade
de viajar : elles comprchendero que era oste
o melhor meio de aperfeicoar os seus conheci-
mentos.Os mais illus res philosophos gregos iao
s regioes mais longinquas beber urna parte dos
conhecimentos, que immortalisrao o seu no-
mo. Simhantes s industriosas abelhas, que
rolhem das difTerentes flores o suco de que
formao o seu niel elles ornro o son espirito
com assciencias dos Egypcios dos Persas, e
nao despresrao nem as dos Indios. Platao, de-
pois de ter ouvido em sua mocidade as licdc de
Scrates, e quando mais idoso, as de Euclidcs,
passou-se a Cyrene, onde conferio com Theo-
doro o mathernatico. D'ahi dirigio-se Italia,
onde Irequentou os pythagoricos e encami-
nhou-se ao Egypto para consultar os seus pa-
dres e fazer-se iniciar em seus mysterios ; e
j ora avancado em annos quando so recolheo
de suas longas viagens.
Pythagoras foi primeramente a Scyros on-
de estudou com Pherecides Morto este, pnssou
se a Samos onde ouvio a Hermodomantcs e
depois correo a Grecia e a Azia-menor. Elle
cuidou de iniciarso em os dilTerentes mysterios
dos Gregos, e dos barbaros e por fim este ve
no Egypto aprendendo a lingoa egypcia para
melhor poder instruir-se dos seus usos, e costu-
mes. D'ahi foi ter com os Caldeos com quem
leve varias conferencias de que tirou grandos
esclarecimentos. Democrito viajou pelo Egyp-
to pela Ethyopia pela Caldea pela Persia,
chegou at s Indias; e teve mui tas conversa-
roes com os gymnosophistas. v) grande philoso-
pho, e orador romano Marco Tulio Cicero foi
instruir-so Grecia. Ainda nos nossos dias o
immortal Cousin viajou pela A/.ia, onde colimo
importantes nocoes para o seu curso de pililo-
sophia.
Nao for3o s os philosophos, que quizerao a-
perfeicoar os seus conhecimentos por meio das
viagens. Grandes homens de todos os estados,
condicoos e jerarqua conhccrao-lho a uli-
lidade. Justino nosconta, quo Mi thrid a tes cor-
reo incgnito todas asrogies d'Azia. Tcito
diz que Germnico sob protexto de ir p<>r or-
dem aos negocios do Egypto quiz viajar por esse
paiz e ver as bollas antiguidades que conti-
neira rpida com que sorvia um copo de espu-
mante vinho, sem tomar-lho o delicado perfu-
me; finalmente por cincuenta outros sympto-
mas dedistraccao e impaciencia, que, a tul dis-
tancia da cathedral, nao se podio attribuir ao
sino do vesperas.
Chegou a occasio de se levantarem da mesa;
e, apesar das instancias do D. Ulan que quera
entrar por outra garrafa, o'deo, com certa dig-
nidadede maneiras, condusio seu hospede para
urna janella quo dava para o rio.
Permetti que vos abra meu coracao, lli j dis-
se elle; vossa amavel hospitalidad!', meu charo
D. Ulan, nao mo poderia fascr completamente
feliz, se me nao concederdes o que venho implo-
rar de vossa generosidade. Sei que nenhum ho-
mem possuio ainda, como vos, poder Ilimita-
do sobre os agentes invisiveis do universo. Mor-
ro de desejos de ser adepto nesta maravilhosa
sciencia, e se queris receber-me pordiscipulo,
nao ha cousa no mundo que me pareca sufici-
ente para recompensar este servico.
Eu nao quera offender vossa reverendissi-
ma, respondeo I). Ulan; mas permitta-me que
Ihe diga que meus profundos estudos sobre os
efToitos as cansas nw martwsrrBfl 2 jslgS o CO-
raeaS dos hornen*, nao so indiforonte pouco
solido, porem mo em si inesmo o por instincto.
isba. Spartiano assevera que o Imperador A-
driano gostava tanto do viajar, que a ser possi-
vol quizra ver todos os paizes de que Ihe
contavo cousas, que mereciao a attencSo d'um
viajeiro.
Mas para viajar com proveito cumpre quo o
homem possa cerlos conhecimentos o tenha
j a rasao desenvolvida. Lm tolo, ou estupi-
do por mais que viaje volta na mesma e
talvez pior. Quantos mocos ha entro nos, que
forao Franca e tornro nao s tolos como
d'antescrao senao insuportaveis pela sua pre-
sumpcao do sabidos reprovando ludo do seu
paiz, fallando em abominavel francez velhas,
o meninos, c querendo quo todos os tenhao
em conta de grandes sabios? Um destes conhe-
ci eu que s porque estove anno e meio em
Pariz j se havia esquecido dos mimes dos
nossos peixes, chamando ao camorim esturgeon,
i\ cnrapclia truit ao bagre sautnon &c. &c.
Este buginico nao poda suportar, que nos ser-
vissemos com pretos escravos e quera quo
com a sua chegada aqui todos os'senhores pas-
sassem cartas dalforria a seus escravos. Zanga-
va-se muito da nossa praca da Independencia
niio se parecer nada com o Pulis Royale, e do
novo caes do Collcgio n5o ser similhanto aos
Roulevards de Pariz. Todo elle nao respirava,
se nao francezismo. Em sua sabia opiniao to-
do que havia em Franca era justo era bom,
era perfeto nao admittindo, que all houves-
se cousa ruim, nem no fsico nem no moral.
Dizia, que travra amisade n3o s com os mai-
ores homens da Franca como at que so car-
teavacom o rei Luiz Felippe! Vendo um dia
duas negras esbofeteando-se no meio da ra ,
exclamou grande falta fazem aqui os Cen~
dar mes de Pariz Hei de mandar contar este
caso ao meu amigo Luiz Felippe. Quando
sahiod'aqui mal sabia ler escrever, e contar,
e com anno e meio de Pariz veio saliendo mui-
to do philosophia, de historia, do eloquencia,&c.
&c., e affrmava ter all tomado o grao do ha-
chare! em letras. Do mo portuguez, que d'aqui
levou com o detestavel francez, que all apren-
deo.compoz um engrimanco do lingoagem,que
pareca um ondemoninhado fallando ediomas
desconhecidos.
Nao basta pois viajar por esse mundo: mis-
ter saber ajuizar e aproveilar do que se v as
viagens : mister conhecer os homens estu-
dal-os a fundo.e formar o habito de descobrir por
entre as falsas apparencias as verdadeiras molas,
que os fazem obrar.Tal deve ser o principal cui-
dado d'um viajante assisado : por isso minha
humilde opiniao, quo mandar viajar rapazas no
vicodaidade, ainda estouvadinhos e faltos
de preparatorios lempo perdido ; porque es-
ses mocos vendo-se fra da disciplina paterna,
e por outra parte destituidos de principios.de
ordinario s trato de divertir se. Entretanto
r7ac32SiL*TO
Isto nao passa de urna conjectura, porque eu
nem sei lr nos pensumentos, nem seguir as
impresscsda alma. Assim, a vosso espeito ,
diz-me a minha arte que caminhaes para urna
grande fortuna, e quo provavelmente chegareis
s pnimeiras dignidades da igreja; mas se, urna
vez, -aulladas as eminencias, vos vos Iembrareis
do pobre sabio a quem peds hoje um importan-
te e perigoso servico, o quo ignoro, e o que
nao posso por forma alguma asseverar.
Bom bom exclamou o deao; mas so me
nao conheceis, I). Ulan, eu me conheco. A ge-
nerosidade o a amisade (j me forcais a l-
ser meu proprio elogio) forao, desde a minha
mais tenra infancia as dilicias de minha alma.
Nao tumaes, charo amigo ( mister consentir
que vos d este nome), nao temaes; disponde de
mim; meo maior praser seria empregar toda
minha fortuna o crdito no vosso servico ou no
servico dos vossos amigos.
Mil agradecimentos, meu digno senhor ,
respondeo D. Ulan.Agora vamos ao negocio.
O sol est posto; se queris iremos para o meu
gabinete.
Depois de ter pedido velas, D. Ulan condusio
rtti hocnu'l
tTrf
{fU,nB *~
-------rMv < rvif iiiam/.vj uu tasa, Ulitt-
gandu u urna porta cuja chave linha na mo
mandoua Muir que se retirasse e procurawo


<- a mea ver milito mais til a um viajante tcr
ou em Pariz a Mr. Mhiers, Guizot Royer-
Colard Cousin &c. do que ter estado "doze
vezes no Vaticano outras tantas no Pantheon,
no> jardins do l.uxembourg ou nos das Thu-
illerias. Os que procurlo instruir-se em suas
viagens devrao ter sempre presente a seu es
pinto o que Joxaris em Luciano diz a seu ami-
go Anacharsis. Elle aflirma, que s na pessoa
de Soln far-lhe-ha ver nao s toda a cidade de
Alhenas senao a Grocia intoiraViso Solone
omnta viditti : hic est Athena hoc
urtvrja
est ipsa
Qlando digo porem queum viajante pro-
ture solcitamente conhecer os homens Ilustra-
dos, nao pretendo com sso sustentar, que
elle dei\e de ver ludo que pode contentar-llie
o gosto pelas artes e pela antiguidade ; o que
ntendo nicamente que elle prelira a OS-
truccao do coracao ao prazer do espirito ; que
comece a tornar-se sabio o virtuoso antes de
cuidar em azcr-se entendedor do pintura de
msica, dearchitectura, &c &c Depois que
tiver conhecido e frcnquentado os homens ,
que o merecem ser procure ver tudo que
podecontentar-lhe a curiosidade e divertil-o
agradavelmente.
Os homens assisados, e prudentes sabem a-
moldar-se aos usos dos paizes, por onde passao.
A^ sua complacencia se Ihes torna til e os
poe em estado de ver e conhecor muita cou-
sa t|uo alias ser Ihes-hiao escondidas. Qual-
quer ordinariamente desconfa d'um estrangoi-
ro e rnais quando teme o seu desprezo, ou
a sua satyra : constrange-se ern sua prezenca .
foge delle e des'arte fica privado de nocoes ,
e esclarecimentos, que podra adquirir de mul-
tas cousas, cujas causas ignora. O amor pro-
prio sempre mal soflrido nao quer, que um es-
trangeiro condemne porseus discursos ou por
seu proceder usos que Ihe sao caros. O via-
jante cordato levo estudar o conformar-se o
mais que Ihe for possivel aos usos e eos-
turnes dos paizes em que se acha. Alcibia-
desera frugal entro os Lacedemonios, amava
o luxo entre os Persas e bebia quando es-
tiva no meio dos Thracios. Todava nao qui-
zra que so seguisse litteral, o rigorosamen-
te exemplo. Cumpre sim que tenhamos
complacencia para com os povos, com quem
vivemos mas nao deve essa complacencia le-
var-nos a ponto de commetter fallas concidera-
veis. Se imprudente rejeitar usos indi (Te-
rentes criminoso o conformar-nos com os
Ha sem duvida mui boas cousas em Pariz ,
p>r exemplo : mas nao se segu que all to-
dos os usos e costumes sejao louvaveis e
justos. Pelo contrario em urna corte lio po-
pulosa e consideravel como 6 a da Franga ,
em urna cidade, onde se renem homens de
todas as parles do mundo e onde o luxo e
osprazeres fezcm incessante morada infalli-
velmente bao de baver muita corrupcao e
muitos vicios Em Puriz acha-se de tudo o
bom e o ptimo o mao e o pessimo. Ha
all mulhcres d'uma honestidado d'uma vir-
lude admiraveis; mas tambem ha mulher ,
que d licoes de prostituido a quantas jovens
se queirlo aproveitar deltas, &c. &c. Os
principios da moral sao eternos, sao os mos-
mos por todo o mundo e os usos que se Ihe
oppoe, sao sempre condemnaveis embora
sejao apadrinhados por todos os bilhotresde
Pariz. A nimia communicacao, e fcil con-
tacto dos dous sexos sao occasionados a mil
perigos por mais que a moda os autorize c
aplauda. Releva pois, que o viajante saiba
distinguir o que 6 polide/. e o que be verda-
deira civilisacao. Pode um povo ter muita po-
li.!
nuez e ser ao mesmo lempo mui corromp- I s t, servo ingrato, dcxas-te ficar no pala-
do om seus costumes Roma, no lempo de co? Porque nao? (responde mu tran-
Augusto levou a urbanidade, e o geando tom *
ao seu ultimo apuro ;
Augusto
mas nunca se vio tanta
corrupco, tanta immoralidade.
Manba de varios viajantes o mentir o
tanto mais, quanto percorrrlo Ierras mais
longinquas, eestranhas. Se dermos inteiro cr-
dito a taes homens, Acaremos persuadidos, que
elles tudo virio, tudo observarlo tudo
examinarlo em suas viajens. Um que fra a
Roma sendo perguntado por certo magano ,
so vira por l o Concilio Tidentino respon-
deo que mujtas vezes o vira com hbitos pre
latidos as tribunas do Vaticano : outro que
estivera em Pariz perguntando-lho urna se-
nhora como era o Delim; respondeo, que
era dolamanho, e figura d'um per scom
a dilerenca do ter urna grande crista, e os ps
de pato Outro sendo perguntado se vizi-
tra o Pantheon disse que por duas, ou
tres ve/es estivera com elle nos campos Elysios:
perguntando-se a outro finalmente se vira as
Tulherias; afirmou, queerlo lindas senhoras,
com quem tivera o prazer de contradancar al-
gumas vezes.
Nem todos esto no caso de emprehender
viajens para instruir-se; porque o individuo
(alto de meios deve resignar-se com a sua sor-
te e dizer com o proverbio veneziano Chi-
non a denari reste a casa quem nao tem di-
nheiro fique em casa. O pai porm que es-
tiverem circunstancias de mandar seu filho via-
jar para instruir-se nlo o deve quanto a
mim largar de si no verdor dos annos, e
quando ainda a sua razio nlo tem desenvolvi-
mento. Faca-o aprender primeramente de-
baixo das suas vistas o latim a geometra a
philosophia racional, e moral, a grammatica
e a rhetorica da sua lingoa a geographia e a
historia. O moco que tem dado capazmen-
te todas estas disciplinas de ordinario j con-
ta seus 21 a 22 annos. Enllo sim poder fa-
zel-o viajar com proveito. Entlo j as suas
faeuldades intellectuaes tem o preciso desenvol-
vimento^ entlo deve de estar firme nos bons
principios da religiao c da moral: mas sol-
tal-o por esse mundo antes disso parece-me
cousa mui arriscada do que podra apontar
nao poucos exemplos. Certo pai que com
grandes despendios mandou seu filho menino
educar-se em Pariz, passou pelo desgostode
o ver de volta de seus estudos que s tinha a-
prendido a tocar tromboni, a nadar por prin-
cipios, e a dar pulos, como um macaco.
Tornou bem aproveitado!
quillo o moquenco Ratn): o caso bem or-
dinario. Nasci neste palacio o consegunte-
mente meu. Cada qual neste mundo segu
o seu carcter. Vos aqu para nos nlo sois
mais, do que o co do snr. ministro : eu c
sou o gato do ministerio.
(Trad. de Mr. Gosse.)
ANCDOTA.
Um padre muito ignorante tratava por he-
rege a Fontenelle por Ihe ouvir quo a trra
girava em torno do sol: e mui enfurecido Ihe
disse Enluc o snr. j nlo er que Josu
fez parar o sol ? Sim senhor acredito ( res-
pondeo o philosor ho com o maior sangue fri )
e dcsd'esse tempo que o sol ficou im-
movcl.
Tobalt, barca inglesa, vinda de Terra-nova,
entrada no corrento mez, a consignacao de Char-
les Hopp # C; manifestou o seguinte :
2:180 barricas com bacalhao; aos consigna-
tarios.
f ovimento do Porto.
Navios entrados no dia 24.
Ass ; lidias, sumaca brasileira Bom-su-
cesso, de 132 toneladas capitlo Jlo An-
tonio da Silva', equipagem 14: carga sol-
la couros &c, : a consignacao de Jos
Manoel Fiu/a.
Aracaty ; 14 dias ,
de 90 toneladas
sumaca Eslrella-do-Cabo,.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 24.........19:5058753
Desear regao hoje 25.
RarcaGlobediversos gneros.
RrigueJosephina e Emiliavinho azeito .
alhos e sebollas.
BarcaNapoleUovinho
DitaPriscilladiversos gneros.
BrigueTalbotbacalhao.
BrigueAnnetta ladrilho.
BarcaGlinbienbiat(arinha de trigo.
Di taBellenata boas.
BrigueJosephinapedras.
' -
duas perdises para a ceia, mas que esperasse
suas ordens para preparal-as. Abrinlo depois
a porta poz-se a descer urna oseada ein caracol.
O dlo o seguio, nao sem mdo, o qual seaug-
mentava a medida que os degros dcsappare-
cfSo debaixo de seus ps: segundo seus clculos,
a escoda desoa por baixo do leito do rio. Nes-
ta profundidadcellc achou urna salla comuioJa
e acetada, corn muitas parteleiras onde e tavao
em ordem os livros maricos de 1). Ulan. Glo-
1) is. planespheriose singulares desenhos guar-
neciaoas partileiras superiores. Constantemen-
te se renovava ahi o ar, sem que (osse possivel
adevinharcomo, porque o murmurio da agoa,
tal qual se ouve no porao do nm navio tocado
de vento fresco, indicava que o gabinete era se-
parado do rio por urna delgada parede.
Aqui, disse o mysteriqso I). Ulan, oiTere-
cendo urna cadeira ao dlo', e puxando outra
para si para perto de urna mesa redonda, esco-
lhamos urna das obras elementares da sciencia
que queris aprender. Por exemplo, oomecemos
a Mr este pequeo volume.
O volume posto sobre a mesa e aberto na !.
pagina tinha circuios concntricos e excntri-
cos, tringulos, caiacleres ininlelligiveis, e bem
condecidos signaes dos planetat.
O gato do ministerio jpologo.
No palacio de certo ministro tivera seu as-
cimento um gato. A lia todos o amimavlo ,
todos o estejavao e elle a todos so mostrava
dcil de maneira quo S. Ex. muitas vezes o
punha ao clo para o alizar, e alagar. Foi
mudado o ministro e tudo ficou deserto. En-
tretanto Ratn v sem magoa ausentarem-se os
que o tinhlo creado ; e no meio de tantos pe-
rigos tem a coragem de ficar. Nlo mediara
um dia quando um novo ministro vem oceupar
o palacio e Ratn sempre firme v substituidos
mmediatamenlo os lugares vagos, outro secre-
tario outro mordomo, e at criados dif-
ieren tes.
Nlo escapao a proscripcao os proprios ces.
Slo todos desalojados, e novos ces Ihessucce-
dem. Um destes, que era de fila e tinha
ares de um grande orador parlamentar voltan-
do se para o solitario Ratn assim o interpella
com o nobre orgulho de um consumado cor-
tezlo Que fa7es aqui traidor ? Porque
fiel aos da tua rale nao accompanhas a leu se-
nhor em sua desgraca ? Todos oseguem, e
IMPORTACAO.
Napolen, barca sarda, vinda de Cette, Mar-
seille, e Genova, entrada no correte mez, con-
signacao de Luiz Bruiguirc, manifestou o se-
guinte :
De Cette 114 pipas, 20 meias ditas, 1< quar-
tolas. 1 barril, 25 vasilhase 160 caixascom vi-
nho, 34 saceos alfasema, 120caixas com licores,
e ago'ardente, 60 ditas conservas, 5S0 ditas
passas, 15 lardos erva-doce, 5 ditas rolhas, 12
vasilhas ago'ardente, 1 barril e 1 caixa com
absintho; ordem.
De Marseile 30 pipas e :!()() caixas com vinbo,
150 barra (arinha de trigo, 34 gigos garrafas va-
sias; L. Bruguire.
40 vasilhas com aseito d'oliveira, 4 barricas
com enxotar; ordem.
De Genova 280 caixas com massas, 19 ditas,
26 narris e 6 volumes drogas, 1 caixa fsforos,
8 ditas ameixas, 2 fardos fio de vella, 20 barri-
cas al pista, 100 bailas papel, 3 fardos erva-do-
ce, 40 cascos azeite d'oliveira, 3:000 pecas de
louca, 1 volume fazendas, 3 barris suis, 50 cai-
xas agoa de soda; ordem.
3 caixas com um tmulo, 1 dita com 14 libras
de insoltade, 2 fardos fio de vella; J. P. deLe-
mos # Filho.
1 fardo erva-doce, 4 volumes sal preparado,
16 caixas massas; Francisco Jos Barbosa.
2 caixas cartas de jogar, 2 ditas salames, 1
dita fasendas de seda, 2 ditas bordfies, 70 res-
teas d'alho; ao oapitao.
Jozeftna-Emilia, brigue portuguez, vindoda
Figueira, entrado no corrente mez, consigna-
cao de Thomaz de Aquino Fonseca, manifestou
o seguinte:
150 pipas, 8 meias ditase 53 barris com vi-
nho, 20 barris azeite d'oliveira, 653 rosteas de
rebollas, 80 ditas d'alho, 1 caixote doce; ao con-
signatario.
23 pipas, 1 meia dita e 4 barris vinho, 28 sac-
eos batatas. 430 resteas de cebollas, 118 ditas de
alho; ao capitlo.
3 barris vinho, 2 caixotes doces; Jos dos
Santos Neves.
1 caixote doce; Jos Joaquim Rabello.
1 volume ignora-se; ao Dr. Antonio de Arau-
jo Eerreira Jacobina.
capitlo Jos Joaquim Al-
ves equipagem 12, carga sola, couros,
e algodlo: a consignacao de Manoel Joa-
quim Podro da Costa.
Liverpool; 38dias, brigue inglez Tartar,
de 203 toneladas capillo J. Gordaw e-
quipagem 11 carga fazendas : a consigna-
cao de M. Calmont & C.
Tripn ; 40 dias barca siciliana Anlenette ,
de 315 toneladas, capitlo Andr Barlod ,
equipagem 16, carga sal, o azeite: a con-
signadlo de N. O. Bieber & C.
Philadelphia ; 45 dias, barca americana Glo-
be de 260 toneladas capillo Nicolao Es-
leng equipagem 13 carga farinha de tri-
go : a consignadlo de L. G. Ferreira & C.
Sahido no mesmo dia.
Parabiba ; hiate brasileiro Mureza-de-M*ria,
commandante Jos Mara equipagem 3 ,
carga varios gneros.
Editaes.
O illm. sr. inspector da thesouraria das
rendas provinciaes emeumprimento dooftlcio
do exm. sr. presidente da provincia de 9 do
corrente, manda fazer publico que segundo
o regulamenlo para as arrematacoes das obras
publicas de 11 de julho deste anno e sobas
clausulas especiaos abaixo transcriptas .so ar-
rematarlo, a quem por menos fizer, no dia 6 de
dezembro prximo vindouro ao meio dia pe-
rante a mesma thesouraria as obras de
urna ponte na estrada da Escada sobre o ro
Jaboatlo oreadas na quanlia de 12:000.) rs.
Outro sim em cumprimento do cilicio do
mesmo exm. presidente de 8 do corrente, o
na mesma conformidade se hlo de arrematar
no referido dia 6 de dezembro,8s obras de urna
ponte e atierros na estrado do Rio-formoso-
orcadas na quantia de 6:000.000 de reis.
E para que chegue noticia de todos mandou
o mesmo illm. sr. inspector alTixar o presente
e publicar pela imprensa.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes dePernambuco 10 de novembro de 18-W,
O secretario ,
Luiz da Costa Porto-carreiro.
Declaracoes.
toda a sciencia. Hermes chamado Trimegisto...
O som d'uma campainha pequea que resoou
muito perto da sala fez que o dlo quasi cahis-
se da cadeira.
Nao temaes cousa alguma, disse-lhe seu
hospede, este o signal com que os mcus cria-
dos me avislo que me querem fallar.
Dizendo isto puxou por um cordlo do seda e
immediatamente depois appareceo um criado
trasendo um masso de cartas. Vinillo dirigidas
ao dlo; um correio o bavia seguido de muito
perto e acabava de chegar a Toledo.
Grande Dos! exclamou o dlo, depois de
as ter lido; meo tio-avd, o arcebispo do Santia-
go est perigosamente enfermo; o que me es-{tos; mas depois de'ler enchugado algumas'la-
creve o seu secretario. Mas aqui est outra car- | grimas decentes, tornou um arde gravidade que
ente e nlo volteis j a Santiago. Poucos dias
bastara para decidir o negocio, e acontece o que
acontecer, vossa ausencia, no caso da eleiclo,
ser urna prova de modestia. Escrevci vossas
respostas, meu charo senhor e continuaremos
nossos estudos em outra occasilo.
Dous dias se tinhlo apenas passado depois
da chegada do mensageiro, quando o bedel da
igreja de Santiago, acompanhado do criados
vestidos com explcndidas libres, apeiou-se a
porta de D. Ulan com cartas para o deao.... O
velho prelado tinha morrido e seu sobrinho foi
escolhido por voto unnime do cabido. O novo
dignatario pareca presa de sentimentos oppos-
= O administrador da mesa da recebedoria
das rendas geraes internas, (endo procurado
todos os meios de cobrar os impostos de 1,000
rs. dos escravos de tojas, tabernas seges;
e carrinhos sem incommodo dos devedores ,
mandando at receder pelo agente da mesma
repartilo bem poucas tem pago ; e por isso
annuncia pela ultima vez que concede o praso>
de 20 dias da data d"osle para vircm pagar,
(indo este remetiera para juiso a relaclo de to-
dos os devedores sem excepcao de pessoa al-
guma. Recebedoria 22 de novembro de 1843.
Francisco Xavier Cavalcante d'\AIbuquerque.
Existo na secretaria da polica por ter
sido achada no altero dos Aflogados, urna car-
ta do arcediago da diocese que me certifica que
o pobre velho nlo vivera mais que um dia...
Apenas posso repetir o que elle acrescenta___
Coitado de meu querido to possa o co pro-
quasi se confundi com o desdem, I). Ulan deo-
Ihe os parabens e foi o primeiro que beijou a
mo do novo arcebispo.
Espero, acrescentou elle, quo possa tam-
longar seus dias !... O cabido parece teros o- bem dar os parabens a meu filho, o moco de
Ihos filos em mim.e... ah isto nlo pode ser... quem vos fallei, que est na universidade de Pa-
mas os eleitores, diz o arcediago, esto inteira-iriz; por que me desvaneco que vossa eminen-
mente em meu favor. I cia Ihe conceder! o decanato, que ficou vago
Muito bem o que sinlo, disse D. Ulan, por vossa promocao.
a intorrupcao de nossos estudos; mas nlo du- j Meu digno amigo D. Ulan, respondeo o ar-
vilo mo 'in breve gosarcis d-j r!i?T2. v ""n cebisoo. nunca
l-n'ui-iei iin.2pSSS57 i'.""
meu carcter, tenho um amigo como um ou-
tro eu; mas para que roubar o moco a seu es-
tudos ? Ao arcebispo de Santiago nunca (alta-
rlo meios de adiantal-o. Segui-me a minha dio-
cese. Eu nao renunciara vossas licoes por to-
das as mitras da christandade. O decanato, pa-
ra vos dizer a verdade, deve ser dado a meu tio,
irmao de meu pai. que tem ha muitos an-
nos mdica renda. muito querido em Santia-
go, e eu perdera minha reputaca, se, para
por um mancebo como vosso filho airete do
cabido, despresasse um sacerdote veneravel, e
meu prximo prente.
Como fr de vosso gosto, senhor respondeo
D. Ulan, e preparou tudo para a jornada.
As acclamacocs, com que foi recebidn o arce-
bispo em sua entrada triumphal na capital de
Gallisa, se trocarlo em saudade geral quando
elle oi nomeado muito pouco lempo depois pa-
ra a da s de Sevilha, enllo reconquistada.
Nlo vos deixarei, disso e'le a D. Ulan ,
quando este, mais limido que em Toledo, veio
beijar o sagrado annel que brilhava na dextra
do prelado; mas nlo me atormentis respeito
do vosso filho. Elle muito moco, o eu tenho
de empregar os prenles do minha mai. Sevi-
iha porem urna s nobre; o santo re Fernan-
__i-,.., ..rinnin!^.. i iu i.>,i i i l ---------7.--------------......" i -k" iv.*...^...o...,,..... u.p..uurcn- mu uuiem v umu se noure; o sanio re renian-
l l'^ncipiou Ulan, o alphabtto de, to esperaes, aconselbo-vos quo vos finjaes do- le us wrvicos que me uestes. Eu vos disse qual do, que a conquistou dos Mouros, enrlqueceo


[
ja pertcncentc a Izidro Fcrreira I.eite do
uuxa.
.__ O escrivao o administrador da meza de
rendas internas provinciaes d'esta cidade faz
publico pelo presento a todos os propietarios
de predios urbanos dos tres bairros d'esta cida-
de e povoacao dos A ffogados que no dia 1.
de dezembro p. vindouro se principiiio a con-
tar os 30 dias, marcados por lei, para cobranca
a boca do core da respectiva decima do t.
semostre financeiro de 1843 a 4844 ; e findo
esse praso se proceder executivamcnle contra
todos os devcdorcs. E para que chegue a no-
ticia de todos mandei aiixar o presente e pu-
blical-o pela imprensa. Recife 23 de novcm-
bredel843.
f.uiz Francisco de Mello Cavalcante.
por se adiar quase carrejado : quem no mes-
mo tiver a embarcar alguma carga escravos ,
ou queira ir de passagem entenda-sc com o
capitao Antonio Alves Mostbe ou com o con-
signatario Manoel Ignacio d'Olivcira ra do
Apollo.
Leudes.
THEATRO PUBLICO.
D1RECCAO DE RAFAEL LUCCI.
Domingo 26 de novembro.
Haver o seguinte e novo divertimento.
Grande representato extraordinaria de gym-
nastica atheniense creada em Athenus por
Mr. Mathevet ; grande AIcides Herculo los
Hercules, primeiro modelo das academias reacs
e imperiaes das cinco grandes potencias mos-
tr de gymnastica da familia real de llespanha ,
artista do theatro da Porta Saint Martin em
Pariz vencedor dos lorneios do Meio-dia da
Franca oriental, condecorado com as meda
Ibas de honra com que tem sido mimoseado por
difforenles soberanos da Europa.
Primeira parte.
Rafael Lucci e sua filha mademoiseile Car-
mela, executaro o lindo o difficultoso duetto
da opera Torquatto Tasso do M. G. Donizet-
t Colei Sofronia Ulindo egli S" appella.
Segunda.
GranJo deslocacao geral executada por Mr.
Carlos Clere, discpulo de Mr. Mathevet.
Terceira.
Pela primeira vez tere a bonra do so aprc-
sentar ao rospeitavcl publico Mr. Eugenio le
Moine discpulo do Mr. Mathevet, o qual
executara As loucuras de Baccj com varios
equilibrios sobre urna duzia de garrafas.
Quarta.
Rafael Lucci e sua filha mademoiseile Car-
mola cantaroo jocoso duelo da opera Elisa e
Claudio, do Mr. S. MercadauteDovemai Do-
ve trovarlo .*
Mr. Mathevet executara oseguinte : Jo-
gos Areos.A Columna do A Meta. Os ju-
gos Sutsios.A Columna do Braco de Ferro.
Grande experiencia do mestre carvoeiro de
Salcrto.
Mr. Mathevet quebrar um pao redondo ele
seis pollegadas, por cima de dous copos cheios
de agua sem so derramar nem urna s pinga
da mesma.
Mr. Mathevet e um dos scus discpulos exe-
cutaroA grande corrida dos Dous rabes.
Sexta.
Terminar o divertimento com urna linda
pantomima intitulada O Saboiardo na
aldeia ou o camponez recrula.
Os hilhetesacho-se a venda no mesmo thea-
tro. .
( Principiar as horas do custume. )
= O capitao U.Fostor far leilao, por con-
ta e risco do quem pertencer, e por interven-
cao do corretor Olivoira de urna porcao de
salitre ou nitro de soda para suppriinento
das dtspezos com o reparo da barca inglesa
Laurer.ce arribada a esto porto com agua a-
berta na sus recento viagem que fazia de
Iquique e Mejellones a Liverpool : segunda-
feira 27 do corrento as 11 horas da manhaa ,
no armazcm da ra de Apollo n. 8.
Avisos diversos.
LOTERLA DA MATRIZ DA
BOA-VISTA.
%& Um pequeo resto ele
bilhetes d'esta lotera (cujas
roelas anelo a 27 elo corren-
te ) acho-se venda as lo-
jas dos snrs. Vieira, c Cu-
aba cambistas, no Recife;
Menezs, Santos Neves, Luiz
Antonio Pereira&G.a, e Mo-
reira Marques, em Santo An-
tonio ; e Saraiva, na Boa-
vista.
No dia 23 do corrento no lugar do
Manguinho do meio dia para a tarde (urtrao
a um preto escravo do padre Miguel o Sa-
cramento Lopes Gama que so dirijia desta ca-
pital para o lugir da Casa-forte urna trocha em
que levava o sogumte 2 livros ainda novos,
bastante altos, escriptos na lingua franceza
com o titulo Dictionaire de la pable; urna pe-
lo .lecouro de lustro ; urna carniza nova d'algo-
'do trancado para preto ; duas e meia varas
domadapolao; algum dinheiro em cobre,
Avisos man limos.
= Para o Aass e Touro o bem conhecido
hiato linda sao no dia 30 do corrente ,
para carga trata-so com o proprictano Manoel
joaquim Pedro da Costa.
L Para o Rio-de-Janciro segu viagem
com brevidade o briguo nacional Indiano,
... -- j 0
sedulas que o preto nao sabe dizer o quanto
era o algumas outras cousas mais de que
tambera elle se nao lemhra ; um bilhete in-
leiro da lotera da matriz da-Boa-vista que ha
de correr no dia 27 docorrente, n. 1322, o
qual nao estava ainda assignado pela dona que
a irmaa do dito padre Miguel. Roga-se pois
a quem do dito furto tiver noticia ouaquem
alguma deslas cousas for oferecida que te-
rina a bondade do participar ao dito padre Mi-
guel ou ao annuncianto que ser gratifica-
do ; assim como previne-so ao snr. thesoureiro
da dita lotera quo nao pague qualquer pre-
mio quo baja de sair senao a ordem do
mencionado paJre Miguel ou ao annuncian-
tc JoSo Sergio Cezar d'yJndrade.
= Alugo-se pelo tempo de (esta ou por
anno tres moradas de casas no sitio do Coju-
eiro e um sobrado com sitio na Passagem-da
Magdalena por preco commodo ; a tratar no
mesmo sitio.
= No sitio, em que mora o major trancis-
cisco Duarte Coelho no Pco-dapanella ,
apparecQO um quarto no dia 9 do corrente ,
urna corda a arrrasto; quem for seu dono pro
curo no dito sitio, que dando os nenies
COLLEGIO-DO-ESPIBrrO-SANTO.
Quinta teira, 30 do corrente, tere lugar no
Collegio-do-Espirito-Santo o examo das edil-;
candas do mesmo pola ordem seguinte :
As nove horas da manhaa comecaro os exa-
mes das alumnas da aula de primeiras letras e
das da aula media sobre as materias de seu en-1
sino; a saber doutrina christaa leitura es-
cripia, taboada, principios d'aritbmetica e
grammatica portugueza.
Ao meio dia suspender-se-ha o acto, e con-
tinuar se-ha das tres s setto horas da tardo ,
pelo exame das educandas da aula superior, que
rosponder sobro toda a doutrina christaa
grammatica portugueza, e franceza analiscs.
grammaticaes e lgicas leitura e recitas em
ambas as linguas traduecesde portuguo/. pa-
ra francez o vico versa; toda a geographia pby-
sica, poltica emathematica, elementos d'his-
toria arithmotica elementar pratcando as 4
especies, os quebrados, as razos e propon oes ,
a.rogra de tres de uros c do companhia sim-
ples e compostas.
Das setto horas em van te as meninas a pre-
sen ti. rao umeaderno do suas escripias, que po-
der comparar-se com a primeira quo fierSo no
Collegio as suas costuras, bordados, desenhos
o outras obras de delicadeza.
Em seguida tocante algumas peras de msica,
o executaro cantorias e euros extrahidos de o-
peras.
Terminar o acto das provas pela execucao de
quadrilhas e dansas de carcter.
No dia l.do dezembro s tres horas da tar-
de so dar as ferias e cada urna das educan-
das poder retirar-se para a casa de seus paes.
A directora tinha tenclo e muito desoja-
ra dirigir um convite especial aos illustrissimos
paes e correspondentes de suas alumnas, bem
como aspossoas de sua arnisado mas porque
teve de anticipar o dia dos exames ao que ba-
ria destinado, para se nao encontrar com os dos
outros Collegios, espera ser desculpada por ap
proveitaresta occazio de rogara todos o obzo-
quio de honrarem com sua assislenca este acto
ta intoressante, a fim de quo melhor possao a-
valiar o adiantamento de suas educandas e
osesforcos que ella tem envidado para que do
Collegio,que dirje.se tirasse a devida utilidado.
A directora nao limita o seu convite 88 pes-
adas mencionadas ; pos estimar que os paes de
familia e pessas interessadas na educado re-
mlo tornar este acto mais hrilhante. Uecife
24 de novembro de 18V3.
O Dr. E. Thebergc.
=a Francisco Joaquim Cardozo embarca pa-
ro o Rio-Grande-do-Sul, por conta c ordem do
sr. padre Joao Nepomucenode Brito da cidade
do Ico, um mulato de nomo Francisco escra-
vo do dito sr
D-se dinheiro a juros sobre penhoresde
ouro ou prata; na Solidade n. 22.
= D-so de quinhenlos a um cont de rois
a premio, sobre predios ; quem os quizer, diri-
ja-se a ra dos Cupiares n.2.
__ Preciza-se alugar um escravo para o scr-
scr entregue.
suaigrejadomaneirajuea fez ribaldas mais
aflamadas cothedraes da Europa. Segui-me o
tudo se far em bem. on. ,-,
D. Ulan lez umasaudacaosullocando um sus
piro e em breve ctaegou as margeos do uadal-
quivir. acompanhando o arcebispo.
H Passado apenas um anno, a PO^Jodli-
cipulode I). Illanehegou a Roma. Mrita
o papa o chapeo do cardeal, o o coi vidou para
junto da sua pessoa. X>* multes lisitenes qile
vinhao felicitar o prelado unpedirao por mul-
to, diasque D. Ilan ofizesse Fina mente,eou-
seauio ama audiencia particular, e, com as id
Simas nos olhos, supplicou a suaemienda que
o nao obrigasse a deixar a Hespanha.
_Vou envellieccndo, senhor, Ihe disse, a
bandonei minha casa de Toledo a^ vosso ped do
o com esporanca de elevar mou Blho a.urna^po
sicao honrosa e vantajosa na Igreja I Rj-J
atodososmeus estudos favoritos a cepco
daquelles, que c, ao proveitosos a vossa emmen-
C^nhra-pa.avraseurespeitoeu-s
pcCo, intorromplm o cardeal. Ac.mpanhae;m
alterna ... assim 6 necessano. Ninauem sano
que pode acontecer... O papa esta felfeo, nao
o naraos... mas nao meafflijacs com esse em-
prego,,. Um homcm publico iem im.*o h
vico de casa ; na Solidade n. 22.
Quem precizar do passaportes para den-
tro ou fra do imperio c do folhas corridas,
com toda brevidade possivel ; dirija-so a ra
da Paz n. 34 das 6 as 9 horas da manhaa.
Roga-so aos carregadores do brigue-escu-
na Deliberaco que hajiio de levar os seus co-
nhecmentos at o dia 25 do corrente a ra da
Moda n. 0 segundo andar.
- Aluga-se um 2o. andar de um sobrado na
ra larga do Rozario n. 40 ; quem o quizer
dirija-so a ra do Crespo n. 14.
__Quemannunciou ter um capado grande,
e gordo, para vender ; annuncie para ser pro-
curado.
- O thesoureiro da loteria"de S. Pedro Mar-
IvrdeOlinda paga os bilhetes premiados da
mesma lotera s quartas o sabbados na ra lar-
ga do Rozario n. 21 primeiro andar.
a. No dia 1. de dezembro pelas 4 horas da
larde ser o encen amento do collegio santo
ANTONIO : e para que este acto se torne mais
lusido, o Director convida aos illm.0' paese
correspondentes dos allumnos que o Ircquento;
assim como a tedas as pessoas que com sua pre-
senca queira i honrar este estabelecimcmo. O
Director aproveita tambem esta occasiao para
convidar aos seus amigos ; esperando que todos
o dispensem do toser especialmente. Collegio
Santo Antonio 18 de novembro do 1843.
Bernardina freir de Figueiredoe Lasttro.
Offerece-se om portugueide 26annos,
para criado ou outro qualquer >ervico ; quem
de seu presumo se quizer utilisar dirija so a
ra do Hurtas n. 18.
= Aluga-se ama loja na Rua-direita n. 8o,
propria para qualquer negocio com armacao ,
ou sem ella ou mesmo para qualquer estabe-
licimento, como seja alfa i a te, sapateiro ou
outro qualquer officio ; os pretondentes, din-
jao-se a mesma casa, ou a ra da Praia no ar-
ma/em n. o que acluuao com quem tratar.
__Da-se 200.) rs. a juros sobre penhores de
ouro: na ra da Conceieo da Boa-vista
n. 17.
__ Precisa-se d'uma senhora idosa quo
saiba pereitamentc ler, o escrever bordar,
e coser para ir ensinar urnas meninas em um
engenho : a senhora que so achar nestas cir-
cunstancias, oque tambem saiba ensinar a
msica e pian no se far com esta dita algum
trato mais vantajoso : quem se achar em cir-
cunstancias de precisar d'este arranjo enton-
da-so com Manoel Ignacio d'Oliveira ra do
Acha-se em poder do subdelegado do 1.*
districto da freguezia da cidade da Victoria,
urna preta de nomo Hoza de dadeJOannos ,
muito bucal e nao diz quem seu senhor so
sim que foi d'uma familia que morreo na guer-
ra do Panellas : portante quem se ulgar com
direito a ella, dirija-so ao mesmo subdelegado,
que dando os signaes cortos Ihe ser entregue.
__ A|Uga-8e urna casa pouco adianle da
ponte do Manguinho, com 2 quartos cosi-
nha fra e por commodo prego : a tratar na
ra da Cadeia, loja de chapelbeiro n. 46; e
bem assim tambem vende-se ou alra-se um
terreno com 40 palmos de (rente n'a estra-
da do Manguinho : na mesma loja cima.
=3 Prcci/a-se de urna pesada, quo lave rou-
pa com aceio, prstese, ese responsabilise por
qualquer extravio; quem estiver nestas circuns-
tancias, dirija-sea ra do Atterro-da-Boa-vis-
ta n. 42 segundo endar.
= Aluga-se o sotao do sobrado novo n. 9
da Rua-augusta com muitos bons commodos,
proprio para urna familia ; quem o pretender ,
dirija-se a ra do Rangcl venda n. 11 na
esquina que volta paia o trem.
= Arrcnda-se por anno, ou para se passar
a festa um oxcellentositio na estrada dos AlTlic-
tos, com grande casa para urna numerosa fa-
milia contendo grande pomar de laranjeiras ,
o outros multas frutas, boa agua de beber,
grande cacimba tanque para deposito d'agua,
estribara coxeira casa para feitor e pretos;
na ra da Cadeia-velha por baixodo corretor
Oliveira.
ss Roga-se a pessoa quo no da lo do cor-
rente tirou da m5o do carteiro dnascartas per-
tencentes a Joaquim da Molta Feneira ; assim
como a quem tirou urna da lista das cartas en-
tradas at 13 do corrente n. 3342 pertencente
a Joaquim Ferreira baja de ter a bondade de
annunciar a sua morada ou de as entregar na
ra da Cadeia do Recife n. G loja de louca.
vos as classes inferiores nao podis pesar e
romprehender. R.-conhoco as obrigacoes que
vos devo; estou muito disposto a recompensar
vossos servicos mas por isso nao entendo que
tenha credores que venhao todos os das baler
minha porta... Comprehendeis Ulan. Daqui
a oito dias vamos para Roma.
A fortuna do prelado nao parou e um au-
no depois da sua chegada Roma o conclave o
fez papa. Estava sentado no ultimo degrao a
,,ue a ambicao do homem podo subir na torra ;
mas no meio do tumulto de sua eleicao e coro-
acao o homem a cuja sciencia devia este rpi-
do progresso, tei completamente nscado da sua
memoria. .
Caneado da procissao solemne que o tuina
mostrado ao povo as alegres ras de Roma ,
o novo papa achava-sc sentado em urna sala do
Vaticano. A claridade de duas velas de cera
esclareca apenas a extremidado d'esta vasta sa-
la onde sua santidade estava entregue ao pen-
samente alegre o triste que segu o inteiro cum-
primonto de desejos rdanles, o por muito
lempo occullos. D. Ulan chegou com furtivo
passo visivelmente perturbado como quem
tem consciencia do sua indiscripcao.
S. Padre, exclamou o velholancando-se
aS i>i s u c
Micpinnio S. Padre or com-
0LU .-..-'--
naixo, por estes cabellos brancas, nao aban-
donis um servo velho nao me ser permiti-
do dizer um amigo velho? Nao o condemneis
ao olvido Meu lilho-----
S. Pedro! exclamou Sua Santidade levantan-
do-se. Vossa insolencia ser punida. Vos ,
meu amigo? um nigromante amigo do vi-
gario de Dos ? retira-te misoravel! Quando
te ped lices foi nicamente p. bysmo de teu peccado, para le fazer soffrer de-
pois um castigo proporcionado a teu crime....
Entretanto, compadecendo-me de tua veihice,
nao darei comtigo um excmplo, com tanto que
eu te nao encontr mais. Vao esconder onde
poderes tua vergonha e teus crimes e se a ho-
ra, que vem, te achar neste palacio, as portas da
inquisico se fecharo para sempre sobre ti !
Trmulo e com as rugas innundadas de la-
crimas D. Ulan pedio que Ihe permitisse dizer
mais urna palavra:
_ Estou muito pobre, Santo Padre; lian-
do-mo em vosso patrocinio abandonei meus
bons, e nao me resta, com quo voltar Hes-
panha.
Sah, torno-vos a dizer, respondeo o
papa ; se minha excessiva bondade tez quo des-
prezasseis vosso patrimonio. nao devo por mais
temoo animar vossa imprevidencia e prodiga-
lidade. A pobreta 6 urna ligeira puni^o em
comparacao da que mereceste.
Mas, Santo Padre replicou D. Ulan ,
minhas necessidades pedem um prompto soc-
corro ; tenho teme dae-me por quem sois al-
gum dinheiro para ceiar esta noute. Amanhaa
partirei pedindo esmolas.
O co me preserve, disse o papa, do
peccado de soccorrer aos alliados do principe
das trvas. Sahi, sahi da minha presen?a,
ou chamarei minhas suardas-----
Pois bem enlo respondeo D. Ulan ,
levanlando-se o Atando um olhar firme no pa-
pa enfurecido como devo morrer de lome em
Roma melhor que eu volte a ceiar em
Toledo!
Fallando desta maneira tocou umacampainha
que estava sobre urna meza ao lado do papa.
\ porta abrio-se immediatamente e appa-
reco a criada moira. O papa olhou em de
redor de si, e achou-se no gabinete subterrneo
que banhava o Tejo.
__ Asse-sc smentc urna perd, disse l).
Ulan ; que nao sou'tao tolo que dft outra ao
deo de Santiago.
(Do Chrontsta.)
{Do Brml.\


n
WE1TCH BRAVO* O
tndem na sua botica e armasen de drogas
na ra da I ladre de Dos, ni
A preparado seguate por preco mullo eom
iodo e do superior qualidado.
Magnesia Ponderosa de Uenry
Este medicamento gosa das mesmas virtu- I
dos, que aMagnesia calcinada; porem conhe-'
ce-so, que seros mulos sao muito mas encr-
gHJOS om razio do grande estado do pureza
em que se acha porcujo principio ho muito
menor a quant.dadc precisa para produzir os
lcitos desojados.
Na rnesma casa tambem se vendem tintas
e lodos os outros ohjectos de pintura ; vern.zes
de superior qualidade, entro cites um perfci-
Umente branca o que so pode appiicar so-
bre a pintura ma.s delicada, sem que produ-
za alteracao alguma em sua cor primitiva. Ar-
row-Root de Mermuda-Sag J Sabonetes -
jabode WiodsorAguadeSeidtitz AKua
de Soda-Agua de Seltz -Limonada gasoza ,
Unta superior para escrevor Tinta para
marcar roupa -Perfumaras inglo/as-Fun
das elsticas de patente -Eseovas e pos para
de.nte ~ *! de muriato do morphina
e ipecacuanha Pastilhas inissimas do hor-
tela-pmieta Pastlbas do b.-carbonato de
soda eg.ng.bre. -As verdadeiras pilulas vo-
getaes universa*, do D.' frandreih vindas
deseuauthornos Estados-Unidos, &c &c
Precisa-sededouscontosde rcis a pre-
miode um emeio por cento, com hvpothoca
em tres moradas de casas no bairro de S An-
tonio por lempo de tros annos e pagndo-
se os juros mensalmente; quem quizer dar an-
nuncie.
Perdeo-se urna livela de ouro na pro-
cissao de Corpus Christi ; quem a acbou que-
de" n loa diri'a"se a rua de Asuas-v-T-
Quem tiver urna preta para alagar das
8 horas da manfaia as tres da tarde, sendo boa
vendede.ra da-se urna pataca ; assim como alu-
ga-se urna canoa do carga de G00 lijlos; na
rua do Caldereiro n 36.
Da-se dinheiro a premio mesmo em
pequeas quantias ; na Rua-nova n. 55.
Aluga se um sobradinho do um andar
coro duas salas, 3 quartos cozinha fra, sit
nal.ua-.mper.aln. 100; a tratar defronte do
mesmo com o Campello no fabrica de rap.
Aluga se urna casa para se pastar a festa
em I onte-de-cha, com commodos para urna
grande familia e tem baixa do capim ; a tra-
tar no mesmo lugar no sitio do Manocl Luis
Cjonc-ilves.
Precisa-so do um rapaz Portugucz que
sequeirasugeitara vender lenba em um ca-
vallo, vindoumalegoa distante desta prara
dando-se o salario que convier o sustento '
na rua estroita do Rozario n. 24 ou no pate
do Paraso n. 15; assim como de urna ama
le leite, que seja escrava.
i"~ .1,az"se todo negocio com urna di-
vida da lazenda publica desta provincia da
quantia de 718 e tantos reis; quem este nego-
cio quizer azei annuncie.
= Predsa-se de um official de cbapeieiro
que sai ha o officio ; na rua da Conceicao da'
Boa-vista n. 17; na mesma casa da-se 200S
rs. a juros sobre pon boros de ouro.
. ,"~ r.snr- Joy(|uim Ignacio Alvos, que ou-
tr ora foi caueiro do fallecido Mendanha, quei-
raannunciarasua morada a negocio de seu
interosse.
Aluga-se polo lempo de festa urna casa
terrea de pedra ecal, sita no Montciro, con.
fronte aooito de S. Pantalcao com suma-
entes commodos por proco mdico ; na rua
do (Jueimado n. 11.
Aluga-se urna casa terrea na Rua-au-ros-
a de 3 portas, % quartos, duas .ilcovas .sa-
la adianto e alraz, cozinba fra, quintal mu-
rado cacimba propria ; a tratar ao pe de
IV. 5. do Terco n. 4.
Aluga-se urna casa no alto de Apipucos
parasopassara4esta; a tratar com o miz d
paz morador no mesmo lugar.
Da-se 2308 rs. a juros sobre penbores de
ouro ou prata; na rua do Mundo-novo n. 58
JosAnastacio de Abroo comprou por
cont de Jos Pinto Coelho do Ico, o buh-
te n. 2W1 da segunda quarta parte da segun-
da lotera a favor das obras da matriz da Boa-
vista o n. 2297 da mesma lotera por con-
ta de Henrique Pinto Coelho.
Da-se a 100 a 130S rs. a premio de 2
por cento ao mez sobre penhoresde ouro- na
rua larga do Rozario botequim n. 34.
Precisa-sede um rapaz Porlugucz de 10
a 12 annos para caixeiro de urna venda ; na
rua do Rangel venda n. 43.
Oflerece-se um rapaz Portuguez para
criado; na rua estroita do Rozario, venda n. 8.
Aluga-se um arma/ero proprio paia re-
colher carvao de pedra com desembarque a
porta com 100 palmus de romprimenlo e
25 de largura com toda seguranza nao so
para esse efoilo como para ferreiro ou ou-
tro qualquer estabolecimonto, os pretenden
les dirijao-sea Fra-de-portas, na rua dos
Guararapes n. 38: declaru-so que o arma-
---------------- t iu-uc portas no
tundo da cusa annunciada tambem so aluga
urna casa na mesma rua dos Guararapes com
sois quartos, sotao com trapera cozinha co
piar, grande quintal com sabida para o des-
embarque.
No da 14 do correnle tomou-so a urna
negra urna annolo de ouro que dizia tol-o
adiado na ponto do Recite; quem for seu do-
no d.r.ja-se a rua do Passeo-publico n. 7
que dando os s.gnaes Ihe sera entregue
Antonio Cameiro da Cunha por intor-
macocs ja sabe, em que mito se acha a sua
cariara annunc.ada no dia 24 do corrente nao
querendoja publicar o nome dessa pessoa. as-
pera, quolhe mande entregar, que recbe-
la gratificacao de 50S rs. no Coelho n 17
Pardeo se no dia 23 do corrento as so-
giiinlos letras sacadas por Deano Youle Com-
punl.ia sobros snrs. Silvestre Goncalves dos
santos& Frios, porl58,8il, Manoel Flo-
rencio A Ivs de Moraos por 2:192,637 rs e
Antonio Duarto de Oliveira Rogo por 220 000
rs.; quem as adiar, leve Ja casa de Deane
loule & Companhia rua do Torres n. 4.
Alugo-se por proco commodo varias ca-
sas terreas do pedra o cal na Capunga na es-
trada que vae para o rio caadas e pintadas
de novo, tendo cada urna duas salas quatro
quartos, cozinha lora, quintal pequeo e mu-
rado quarto para pretos e estribara para 2
cavallos com um bom banheiro onde se podo,
tomar banbo a qualquer hora ; a tratar no
mesmo lugar na ultima das mesmas casas ou
na rua da Senzalla-velha n. 138.
= Na loja deJoaoLoubetdrontedo Pas-
seo-pubhco ha um novo sorlmonto de se-
das e outras azendas novas proprias pa-
ra cobr.r chapeos de sol tudo superior e
de difieren tes cores; tambem so concertao e
fazem-se chapeos de sol, por proco commedo
e com brevidade. '
= Precisa-se de um official de charutero
que trabalhe com perfeicao ; as Cinco-pon-
tas n. 23. r
= Aluga-se urnaoasajterrea noAtlerro-dos-
alTogados por 108 rs. mensaes, tendo urna
sa a o alcova na frente corredor ao lado
sala atraz umacamarinha cozinha, e quin-
tal com cacimba ; na rua da Aurora, casa de-
Angelo Francisco Cameiro.
== oscrvo dos protestos faz publico, que
roadou a sua residonca e cartorio para a rua
da Cade.a de S. Antonio sobrado do um an-
dar n. 2.
= Aluga-se urna casa na rua da Alegra
bem construida com bons commodos para
grande familia por preco muito mdico ; na
Kua-direita armazem n. 9.
= Aluga-se urna preta que sabe bem co-
zinbar, engommar, lavar, e hbil para todo o
servico ; na praca da Boa-vista n. 7.
5= O desembargador Domingos Nuoes Ra-
mos Ferreira embarca o seu escravo Sebastio
irioulo para fra da provincia.
= Manoel Antonio da Costa retira-se pa-
ra as Alagoas.
on^!A,.U8,0",1 daS canoos' urna de c"ga de
N(JU lijlos do alvenaria e a outra de 1200 di-
dodesuparior qualidado ; na rua da Cruz
vendan. 51.
Vende-se urna venda com poucos fundos,
propria para algum principiante sita em mui-
to bom luirar do Fra-d(!-nnria .,., ..... .i.
zemena'ruado Brum em VaTeVortTnrT ^".P-" ^ f** ^ em mu:
fundo da casa annunciada ui&TiCa S^'T J?^.? d
-, """ '"S"' u- '-v/-|wi tus na rua uo
Pillar n. 82 dofronte do beco do farol; a tra-
tar na mesma.
Vende-se um checheo e dous corijs ,
todos bons cantadores, por preco commodo ;
na rua do Sebo n. 11.
Vendem- se canarios de imperio chegados
prximamente do Porto na barca Tentadora ,
em viveiro ejafeparados em gaiolas, muito
cantadores bolaxinha ingleza a 160 rs. a li-
bra doce de goiaba sortido chocolate da Ba-
bia a 100 rs. o pao e 50 rs. meio dito cor-
das de croa a 5000 rs. o cento e a retalho a
60 rs. ; na rua estreita do Rozario, venda n. 8.
V'cnde-so urna rica mobilia de Jacaran-
da de mu'ito bom gosto, e muitos mais tras-
tes tudo de superior qualidado ; na rua da
Cruz, armazn." de trastes n. 63. j
Vende-se u. Preta crioula, de 22 an-
nos perita engomm/>deira cose, cozinha o
lava : urna cabra de 20 annos, com um lilho
mulatinho do 9 mezes, cozinha, faz varias
qualidadesdo doces, refina assucar lava, e
entende alguma cousa de engommar; na rua
das Cruzes n. 41, segundo andar.
Vende-se urna escrava de 20 a.nnos en-
cozinba e lava : urna nuk' de 20
pardk'
gomma.
annos, cose, engomma e faz todo o mas
Ser,ldennu!na casa i uma Preta do moia da Je,
por 280,000 rs. boa quitandeira e ganba
diariamente 400 rs. ; 2 pretos ptimos para
todo o serv.co ; uro dito bom carreiro ; uro
pardo de 20 annos, bom pagem ; e um mole-
que de 12 annos ; na rua de Aguas-verdes
Vende-se uma escrava de 25 annos co-
z.nhe.ra engommadeira e faz todo o mas
serv.code uma casa ; uma parda do 16 annos,
lucamba com boas habilidades; uma dita
tos ; na rua da Madre de Dos n. 28.
Compras
dt 201 annos; uma negrinha de 8 annos; um
mulatmho do 12 annos; um dito mestre al-
fa.atc ebompagom, de 16 annos ; um es-
cravo bom carreiro; ummoleque; tres escravos
para todo o servico ; e 4 escravas engommao
ecoz.nhao; na rua de Aguas-verdes n 46
Vende-se um preto de 25 annos ptimo
para todo o servico ; urna preta de naci, de 28
annos cozinha lava, e quitandeira ; um
terreno nos A (logados na rua de S. Miguel
com dous alicerces; na rua da Praia n 27 '
Vende-se um fardamento do guarda'na-
cional de avallara em muito bom estado
por ter servido urna so vez; na rua de S. Ri-
ta n. 27, segundo andar.
Vende-se uma burra, ou mulla carguei-
ra, e carrocera, e urna carroca juntos, ou
separados; na rua da Glora sobrado n 59
Vendem-se bandas de seda e de Ma por
preco commodo galo de ouro fino a 800 rs
ao.iava eentre-fino a 1120 a vara; na ru
dos Ouarteis, lo,a de Victorino de Castro Mou-
ra, B.a*. assim como ricos pannos para me-
sas de meio do sala de gosto chinez
V Vendem-se lencos de seda encarnados,
proprios para tabaco a 800 rs. toalhas gran-
des de linho adamascadas a 5000 chitas muito
(mas a 280 rs. o covado morcelina branca a
700 rs. a vara cambraas de cores e lisas
com llores de cores com vara de largura a 610
rs a vara e pecas de 7 varas a 48 rs eaiiai
pmtadasal60,180, o200rs. o'covado n
rua do Cabuga loja de Antonio Rodrigues da
tes ditos dobotoespara punhos ; n. re-
ponas n. 45. L,nco-
Vende-se bom milbo cm saccas a innn
rs. o a retalho a 1600 rs. o alqueire
da Cadea do S. Antonio deposito de 7"^
\ Vondem-se botins de bezerro frn
borzoguins de duraque gaspeados, e de '
dos de ponta de lustro sapatos do nalVTV'
couro de lustro para homcm e menino I
zegu.ns, sapatos de marroquim, duraau'o
tim.^couro de lustro; a rua do g^J-
= Vendem-se toalhas de oleado fe,tas a
bada para mesa de mein de sala frt
dondas, como quadradas oleados'pretos
nadas prateadas de roca e sem ella L?'
ingleses elsticos, estribos de metal branCo
ditos de mola talins o cananas para 0mV '
retinas de todas as qualidades bandas do'seda'
| e de fe-a tudo por preco commodo ; na r '
gans." 20re2e8An'0n ******+*
= Vende-se uma escrava de nacao Mina
cozinha, elavadeira; na rua do AragaoV
1. segundo andar, das 6 as 8 horas da ma
nhaa e das 3 as 6 da tarde.
= Vende-se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro pedras de marmore redondas
para mezas de meio de sala, do muito bom go
to ditas para commodas cadoiras america
nascomassentodopalhinha. camas de vi
com rmaco marquozas sofs mezas d
, mtar camas de vento mui bem feitas a 4500
d,V de pmho a 3500, assim como outros Zil
tos ^es; pinho da Suecia com 3 pollegadas
de groast'ra > d'to serrado dito americano de
difierentes larguras e comprimentos ; assim
como travs 0^ P'nho, e barrotes ; na rua da
Florentina em t'*68 de J. Beranger n. 14.
Vende-se uii.'a venda na rua do Padre
l'loriano, com pout.'^ fundos, e com com-
modos para familia b.m afreguezada ; e um
relogio sabonete caixa do prata bom re-
gulador; as Cinco-pontas n. 23.
Escravos fgidos.
---------------------Z.__________________t,ruz. 0
Compra-se um preto bom official de pe- .biV,fS?i2!*2^ da moda-
dre.ro ; na rua estreita do Rozario n 10 ter- I bt'm seconcerta toda obra
ceiro andar. "* ter de tartaruga ; no pateo do Carmo na loia do
r_. I SObranO na PSiininn r... __l.^ _. '
pequea at a
no Recife ou
ceiro andar.
- Compra-se uma casa
.uantia de 600 a 800,000 rs. ,
em I-ora-de-portas ; a fallar com Joo Anto-
nes Guima raos no armazem de assucar junto
ao pelourinbo.
sa Compra-se uma preta moca, que saiba
coser, engommar. o com mais algumas habi-
lidades ; na Rua-velha n. 57.
= Compra-se um missal em meio uso e
um ritual ; na rua doOueimado n. 21.
= Compra so uma escrava do 16 a 20 an-
nos : na rua dos Copiares n. 25.
Vendas.
Vendem se meias de seda pretas bran-
cas e de cores lencos pretos de sarja gor-
gurao e setim do maior tamanho, que po-
dem haver, e lanzinha para vestidos ; na rua
doQueimado, loja do Guitherme Sette n 25
= Vende-se assucar refinado de primeira
qualidade, dito mascavado e caf moido tu-
do por preco commodo ; na Rua-direita re-
nnacio n 10.
=-- \ende-seum escravo de 22 annos, cou-
ros de cabra sola escolhida cera amarella .
decantaos!, pennasdeema. e bezern-s tn-
-Vende-se um caixilho todo envidrando
z:l.T5^nd6rf'",,diipe,"ru"''-,
__Vendem-se uvas muscateis; na rua do Cal-
dereiro n. 56.
Vende-se urna cama de angico com ar-
^oacRae0c|fealralarco'n o distribuidor do Diario
Vende-se potassa nova da Russia supe-
rior ca.xotes com cal virgem de Lisboa Pro-
pnos para so conduzir em carcas ; na rua de
Apollo, armazem de Manoel Ignacio do Oli-
veira. VH
Vendem-se duas voltas de contas do Rio-
de-Janeiro, um copo e salva de prata, cli-
ces de dita para mosa um par de casticaes do
prata anneloes lavrados paros de brincos
de difierentes modelos uma armado de prata
paraoculos duas voltas de cordo coazes
encastuados com eneites de ouro uma colher
de prata de tirar s6pa urna bandeira e co-
roaparaMcn.no Dos, figas. e vernicas de
ouro e prata colheres para cha. e sopa
urna molla de ouro para relogio oculos, e lo-
-neUs pares de argoias iavradas com d.amnn-
-- Da-se mu rs. de gratificrcao a qu'em ap.
prehender, e entregar a Sebastio Jos Go-
me., Penna o moleque Joao crioulo de
17 annos, fgido no dia 16 do outubro Ui
corronte anno com os signaos seguintos : ros-
to redondo cabeca chata cabello um tar>to
bno, o com alguma falta por carregar peso
om em ambas as orelhas um calombinho mi"
ando uma verruga ps grandes e apale-
ados pernas finas, muito esperto o fal
ador gosta muito de jogar capoeira quanto
tem susto gagueija alguma cousa ; levou cal-
cas do algodao de dous fios, camisa de alco-
daoz.nbojavelha, e chapeo de palba tambem
velbo, ha not.c.asd'elle ter passado no engenho
liulhoes, em um comboi de assucar que se
guia para cima por isso desconfia-se que
elle estepa por algum engenho visinho ; quem
o pegar, leve a rua do Collegio n. 12.
Alberto Liivenre promete 30*ji rs de
gratificado a apprehendcr ou descu-
brir a negra Jacinta do nacao Rebollo esta-
tura ordinaria algum cousn-magra, rosto ocu-
do a perna e p esquerdo encbados anda-
ma com urna meia de panno preto, ugl0 a.
24 de setembro do corrente anno andando
vendando bolmhos.e ovos ero um LahuzWro
de tartaruga sem lampa ; quem a pogar lZ
a rua do Sebo casa do anunciante
= No da 22 do corrente fugio a preta Iza-
bel do nacao Angola de 18 annos, Pc0 pro-
a, boca bastante grande, bem leita do T
a.xa e algu.na cousa gorda ; levou Jtfda
de ch.ta encarnada com pintas brancas com
uasvollasdocontnsazues.ebrancase'Z
liga de prata no pescoco e arnlac L
cortadas as ore.fas u.ga!^ Voaffl
Cnco-pontas ou transitar por esto Zar
fuero a pegar, leve a Rua-augusta ca sater'
rea ,u,,loao sobrado, em que mora osnr Ff
genio daalfandega, que La gn'rosamea
recompensado t$-t.ruameaie
fu ji 'f(.n -gvrnSCabe"OS brancos ^r
retinto h ?a ^^'"i^ alto, mui-
retinto heicos crossos u...-
Xt.'K"n!'!'los:,a",o!">"^'--
""= 'rTF.MH.F.FA,1A = 18M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJWINSK2N_OMA3V9 INGEST_TIME 2013-04-13T02:03:42Z PACKAGE AA00011611_04521
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES