Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04519


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1843.
Quinta Feira 23
sean
judo agora dej.cnde ile no meamos; da nossa |>rudencia, moiierigao, r energa: con-
.; tumos como principiamos, e seremos pmulos com dniiragao enlre n N>(5m mili
'.\.A9 ( l'roclamagjo di A.sembleia Geral do Bhamlo
PARTIDAS DOS CORIIEIOS TERRESTRES.
Goinn e Parabyba, segundas e sextas fcir.s. Rio Grande do Norle, quintal feiras.
Sbu Snbem, o Formo, Porto Cairo, Macelo, e AlaSoa, no 1 H, e 21.
RnaTriaU e Flores 13 e 2S. Sanio Anuo, quinta fe.raa, Olinda lodua oa diaa.
" DAS da semana.
"0 Se- 9. Octavio B. And. doJ. de D. da 2..
J. TS. .. Columb.no Ab. Kel. Aad.do J.de -1.3. ,.
22 guar, s. Cecilia V. tt Aud. do J. de da 3. Y.
).- Oulnt CleuenieP. M. And. do J. de da !l. v.
4 Sex. a. Joo d. Crnt C. Aa. do J. de i), da 2. .
,5 Sah. .. C.har.n. V. M. Re. Aud. do J. de D. da i t.
<)(-. Ombi. s. l'edro Akxandrino B.
de Noveanbro Anno XIX. N jjg*
c*miioiNo dia I'i de Norembro. ooaapra Taarla.
^ r.aJQ.obr.Loidr.a2t>. i Ooio-Moada d. ,400 V; *6,8<> ".Jg
'. Paria 37 j i. por franco. a N. 16,600 46,800
LiaballOporlOd.praiao. da 4,000 ,200 ,40H
P.4T*-P.t.c.. 1,'JIW *,20
Moedadeoobi J por cento. a P.ioa Colu.aar.a l,J0O 4,U20
Id. da letra, da bo.s 6raa. 1 1 l^g. | dito Mexicano. i ,10' 4,SW
PHASES DA LA NO MEZ DE 1NUVFMBRO.
Ln Cheia 4 7, 3 botase 2 r. da m.oli.i I La ora 4 21, ai 3 hora e 14 a. da Urdo.
Quart. miag. *4, 1J minulus da tarde | (
4. R hor. < da avanbia.
i^uart.e.eso. 4 JS, a 4 horas e 49 dat.
I'reamar de hoje.
2.a al) iora. aillo, da laida.

3
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 10 DO CORRENTE.
OITicios Ao Exm. director do lyco, can
inspector da thesoutaria das rendas provincia-
es, communicando ter concedido .lubilicao, na
forma da lei.ao professor de primeiras loltras do
Rio-fonnoso; por haver o mesmo provado nao
poder continuar a servir em consequencia de
molestias, que padece. Tambem se participou
a cmara municipal do Rio-formoso.
Dito Ao engenhelro em chefe das obras pu-
blicas, determinando, que a ordem do chefe do
polica interino entregue dous dos calcetas, que
se acha empregados as mosmas obras alim
do faserem a limpesa das priscs da orlalesa do
Bru em lugar dos, quo d'alli se evadirao.
Olficiou-se respeito ao chefe de polica interi-
no, e ao commandante das armas.
Dito Do secretario da provincia ao inspec-
tor da thesouraria da fasenda, transmittipdo,
para ter execuga, a ordem do tribunal do the-
souro sobo numero 157.
DEM DO DIA 11.
OfflcioAo inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, determinando, que da quota
das despesaseventuaes mande entregar ordem
do chefe de polica interino a quantia de :t0$
rs. para o sustento dos presos pobres desta co-
marca no corrente mez.Communicou-so ao
chefe de polica interino.
DitoAo mesmo, ordenando, que mande pa-
gar a Manoel Pacheco de Queiroga a quantia do
l:460#rs., importancia de madeiras, queorno-
coo para a ponte suspensa do Caxang.
Dito Do secretario da provincia ao doutor
Jos Thomaz Nabuco de Araujo Jnior, aecusan-
do recepgao do seu officio de honteru (lo), em
que participa ter entrado no exercicio da segun-
da vara do civel, de que 6 proprietario.
DitoDo mesmo cmara municipal da Boa-
vista, aecusando recebidos o balanco da respec-
tiva receita, c despesa no anno findo, e do orna-
mento para o anno futuro.
'dem do da 13.
Officio Ao director interino do curso jur-
dico de Olinda, scientificando-o de ter S. M. o
Imperador concedido seis mezes de licenca com
os respectivos vencimentos Jos Antonio l'er-
nandes, porteiro do mesmo curso.
DitoAo agente da companhia das barcas de
vapor, autorisando-o fazer seguir para os por-
tos do norte, dopois que no desta cidade so hou-
ver demorado as 48 horas, marcadas no respec-
tivo regulamento, ao vapor Imperador chegado
do sul.
Dito Ao administrador do corrcio, commu-
nicando para sua intelligencia, e para que faca
constar s differentes agencias desta provincia,
que em 26 do mez lindo tomou posse do lugar
de director geral dos correios, para que lora
nomeado por decreto de 11 de marco do anno
passado, o conselheiro Bernardo Jocinto da
Vciga.
Dito Ao mesmo, e ao inspector da thesou-
raria da lasenda, intelligenciando-os de ter S.
M. o Imperador decidido, que fosso elevado a
800 reis a diaria do patra-mr do escaler da
inspeccao da sado do porto desta cidade, e a
C40 rs. a do cada um dos rcmeiros do referido
tsc&lcr
Dito' Ao tenente-coronel Simplicio Pereira
da Silva, louvando-o pelos relevantes servicos,
que acaba de prestar, esforcando-sc com sacri-
ficio do seu repouso e fortuna por condusir a
estado de domesticidade as ordas dos Indios
bravios, que existem as proximidades da co-
marca de Flores; congratulando-secom elle pe-
los bons resultados, que tem conseguido nesta
empresa, digna de elogios; communicando-lhe
ter determinado ao respectivo juiz municipal, e
de orlaos, que sobre sua informacao nomeasse
um director para os mesmos Indios, dosse as
mais provindoncias, que as leis lho incumben,
o lormulasse, para ser presente presidencia ,
una relagaodos instrumentos labris, c ruraes,
que forem absolutamente indispensaveis, para
que aquelles infelises passem a ter urna vida la-
boriosa, e honesta; o pievonndo-o, de que na
prxima futura sessa da assembla legislativa
provincial, vao dellu sollicitar os precisos nietos
para ser concluida a obra meritoria, ques. me.
guiado pelos principios do humanidade, o pa-
triotismo, ha incetado.Ulliciou-se a respouo
ao juiz municipal, e deorfaosdo termo de llores.
Ditos Do secretario da provincia ao inspec-
tor da thesouraria da fasenda, transmittindo,
para terem execuga, as ordens do tribunal do
thesouro sob os nmeros 179, 180, 181, 182,
183, 186, 188, 189,0 190.
Commando das Armas.
EXPEDIENTE DO DIA 4 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. presidente, envlando-lhe
a relacao nominal dos individuos, que assent-
rao praga voluntarios, e recrutados, no mez de
outubro ultimo.
DitoAo inspector da thesouraria, para que
houvesse de passar suas ordens repartigao do
commissario fiscal acerca da remessa da guia do
alteres Joaquim Pereira Xavier de Oliveira, do
quarto batalhaS de fusilciros, que mandou sus-
tar o pagamento da prestagao.quedeixra a sua
inullier nesta provincia.
Dito Ao commandante do batalhao de ar-
tilharia mandando lavrar termo deconsummo
do varias pegas de fardamento arruinadas, cons-
tantes da relagao, queso lho enviava.
dem do da 6.
Officio Ao Exm. presidente, inlormando o
rcqtierimento d reverendo capello do extincto
hospital militar Bernardo Lucio Peixoto, quo a
S. M. I. pedia a graga de lhe mandar abonar o
sold mensal de 22# rs., correspondente ao que
foi concedido aos capellaes do fortalesas.
Dito Ao inspector da thesouraria, comrau-
nicando-lhe, que o alferes reformado Antonio
Soares Barbosa, fallecer na cidade defoianna
a 14 do margo deste anno, conforme tinha par-
ticipado o delegado respectivo, em consequen-
cia de exigencia, que se lho fez.
Dito Ao commandante da fortalesa do Ta-
mandar, aecusando recebido o seu officio do
1. do corrente, o disendo-lhe, que o destaca-
mento ia sor rendido por outro do balalhaS de
artilharia.
Dito Ao commandante interino da fortale-
sa de Itamaraca, dizendo-lhe em resposta ao seu
officio de 5, que poda remoller para o arsenal
de guerra os objectos, que necessitavaS de con-
cert, inclusive a bandeira.o o feicho da espin-
garda, quo mencionava em seu dito officio.
Dito Ao tenente-coronel commandante do
batalhao de infantaria de guardas-nacionaes des-
tacado, fasendo-lhe scientc, que fra absolvido
no jury da cidade de Goianna, e solt o solda-
do Jos Borges.
pito Ao juiz municipal da cidade de Goi-
anna, disendo-lhe, que ficava scienteda absol-
vigao e soltura do soldado Jos Borges, mencio-
nada em seu officio de 30 do mez p. p., assim
como do fallecimento do alferes Antonio Soares
Barbosa.
Dito Ao delegado supplente do termo do
Bonito, dizendo-lhe, que ficava entregue do de-
sertor Jernimo Bspo da Costa.
Dito Ao chefe de polica interino, rogan-
do-Ibo suas ordens, para que fossein enviados
ao batalhao de artilharia os soldados deserto-
res Manoel Amancio, FilippeJos doSant'An-
na, e Joaquim Jos de Sant'Anna, que estavao
recolhidos ao calabougo do corpo de polica.
Portara Mandando excluir com guia para
o corpo, a que d'antes pertencia, o guarda do
batalhao destacado Manoel Thomaz d'Aquino,
em consequencia d'ordem do Exm. Sr. presi-
dente.
Thesouraria da Fazenda.
EXPEDIENTE DE 2 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. presidente da provincia ,
informando o requorimento do primeiro escrip-
turario da contadura Francisco de Piula Frei-
r, em que pedio 30 dias uteis de licengu na
forma da lei, para tratar de sua sade.
Dito Ao secretario da provincia, aecusan-
do a rocepgao do seu officio de 30 do outubro
passado, que acompanhou os exemplares dos
decretos de n. 304 321, e das decises do go-
verno tomo 6. quaderno 4. 5. e 6., quede or-
dem do Exm presidente da provincia enviou.
Dito Ao inspector da alfandega, remetien-
do para sua intelligencia e cxecugaS na parte ,
que Ihotocasse, duas collecgoes dos exemplares
dos decretos o decises do que tratao preceden-
te offlcio.
Igual remessa su fez ao administrador da
mesa do consulado.
yii0 Ao iiisucctor d aiianega, declaran-
do, que a quantia de 448$ rs. importancia de
vinte barris de carn apprehendidos ao com-
mandante da barca inglesa Porcia, depois de de-
dusida a multa e respectivos direitos, pertencia
ao amanuense Domingos da Silva Guimaraes,
que isoladamentcverificou o accrescimo dos di-
tos barris.
Dito Ao administrador da mesa do consu-
lado, participando ter sido approvado pelo Exm.
ministro da fasenda, a norneagao do guarda da
dita mesa Francisco Jos de Veras.
Portara Mandando abonar ao thesoureiro
da fasenda a quantia de 46.548go26 reis que
em notas inutilisadas recebeo o commandante
do vapor Paraense para entregar no thesouro
publico do Rio-de-laneiro.
Dita dem de 21:9708 rs., em notas subs-
tituidas, dem.
dem do da 3.
Officio Ao inspector da thesouraria das
renda provinciaes para mandar receber a
quantia de 8:766^666 relativa a prestagodo cor-
rente mez.
dem do da 4.
Officio Ao Exm. presidente da provincia ,
informando o requerimento do Manoel Alves da
Cruz guarda aposentado d'alfandega, em que
pedio a S. M. o Imperador, lhe mandasse mar-
car o ordenado que devia vencer com a sua
aposentadoria.
Dito Ao mesmo Exm. snr. rogando ex-
pedisse as suas ordens ao commandante do va-
por Imperatrtz. que acabava de chegar do
Sul, para receber na thesouraria 10:000,000
rs. em notas do ultimo padrao para entregar na
provincia do Ceari; assim como as prestacocs
pelos seus supprimentos a aquella e a do
Para.
Dito Ao mesmo Exm. snr. informando
sobre a autorisacao, que pedio o director do
arsenal do guerra para poder permutar urna
porco do vidros, que existio nos armazens
do mesmo arsenal, por outros mais pequeos
de que agora se precisava para a casa da di-
rectora.
Dito Ao mesmo Exm. snr. sobre a
comprada plvora quo era indispensavcl para
o servico em quanto nao chegava a porgo ,
que o Exm. ministro da da guerra participou
em aviso de 21 de agosto ultimo ter mandado
remetter para esta provincia.
HESPANHA.
Despachos telegraphicos.
Bayonna 28 de setembro.
Na vespera do dia 25 noute oi posto um
aportado bloqueio a Saragoga pelo capito ge-
neral ejallihavia falta do provisoes. Os
insurgentes quizerao fazer urna sortida mas
abandonarlo o seu projecto ao receber noticias
da derrota soffrida por Ametler. Madrid es-
lava tranquilla no dia 24 noute.
PerpinhQ 26 de setembro.
A junta de Gerona publicou antehontem
urna proclamacao ameacadora contra os per-
turbadores da paz publica. Amettler chegou
noute com 14 soldados pedindo racoes para
2:500 homens. Exislia grande agitagao alli.
dem, 27.
Ainda nao chegou a diligencia de 25.
Sahia-se hontem em Figueiras que Prim esta-
va entre Mataro e Gerona em seguimento das
tropas de Ametler das quaes ficavao pela es-
trada alguns estropeados.
Ametler estava ainda hontem em Gerona
tentando debalde sublevar os habitantes.
Apenas nove guardas nacionaes deixarao
alli Figueiras para se unirema elle.
Barcelona 26 de setembro.
Chegou hontem o general San a cidadella.
Araoz entregou-lhe o commando da provin-
cia.
Elle anda hoje inspeccionando os pontos
militares roda de Barcelona.
Os insurgentes vao evacuando as Ataraza-
nas, e transportando para a_ cathedral a sua
manicio.
u Ijuta us abobadas u igreja oi conver-
tida em armazern de plvora.
Bayonna 30 de setembro.
A 27 estavao as cousas em Saragoga no
mesmo estado. Os insurgentes eomegavao a
desavir-se entre si. O general Caedo assumio
o commando das frcas do governo. O blo-
queio summamonte aperlado e a cidade
tem consummido as suas provisoes. A junta
impoz urna contribuigSo extraordinaria sobre
os habitantes.
Madrid estava tranquillo no dia 26 noute,
mas tinha havido novas prisoes na prece-
dente.
Contina a reinar a ordem na Andalusia e
Galliza.
k Prim foi nomeado major general por um
decreto de 26.
Perpinho Io. de outubro.
i Apresentro-se no Jia 26 do mez p. p.
diante de Puycerd 40 insurgentes com ordem
da unta para se Ibes entregar o dinheiro do
thesouro publico c mandar carabineiros a Ge-
rona. O governador recusou obedecer a esta
ordem e ameagou-os de fazer-lhes fogo se
avancassem. Os insurgentes retirarao-se.
Cartas e jornaes at 24 de setembro inclusive,
recebidos em Londres por expresso de Madrid,
dizem o seguinte :
(( As autoridades tinhao por muilos dias
multiplicado as suas precaueoes para a manu-
tcnco da tranquilidade por circularen! boa-
tos assustadorcs de que estava prestes a reben-
lar urna conspiracao n'aquella capital. No
meio d'estas preocupaces polticas occorreo
um acontecimento que espalhou o (error pe-
la cidade, sendo attribuido por uns a malevo-
lencia e por outros a mero accidente. No
dia 22estiverao as autoridades em sessao per-
manante, o numerosas patrulhas cruzarlo as
ras at tarde da noute. Reinava o mais per-
feito socego quando s 8 horas e meia da ma-
nhaa seguinte urna horrivel explosSo atterrou
de repente a populagJo. O armazern de pl-
vora de T.os-Posos situado porta de Bilbao,
tinha voado pelos ares espalhando a morte e
a destruicao at urna distancia consideravel
dacircumvisinbanca. Muitas casas ficroem
Madrid mais ou menos damnificadas, e as
vidracas quebradas em todas as ras. Fecha-
rao-se as fojas, as tropas puzer3o-se em armas,
e os generaes Narvaez e Aspivoz correrao com
alguns osquadroes de cavallaria scena da des-
truigao. Marchou immediatamente para o
mesmo lugar um batalhao do cavadores que se
puzerao a lipmar as ruinas, em busca das victi-
mas do accidento. Tirrao-se debaixo d ellas
dez cadveres mutilados. O numero dos paci-
entes foi avahado em 30 a 40. O armazern
continua 127 quintaos de plvora, 700,000
cartuchos embalados 10,000 cargas do arti-
lharia 800 granadas, 10,000 granadeiras ,
e um material immenso para artilharia. A ex-
plosao foi tao fortemente sentida na cidade que
se suppOz ao piincipio ser o choque d'um terre-
moto. ( Times. )
TRANSCREVEMOS DA ESTRELLA O SE-
GUINTE ARTIGQ
I.I l'TKRATLII A NACIONAL.
Curso da historia da philosophia pelo tr. V.
Coustn, vertido em portuguez pclosr. A. P.
de Figueiredo.
No estado de prxima transformacao social
em que o globo se acba nenhum estudo con-
vem hoje cultivar de tao bom animo e tao se-
riamente como o estudo da philosophia. A
humanidade caminha para urna phase de as-
cendi gloriosa, em que tem de realisar a har-
mona para que Dos a destinou ; e esta revo-
lui-ao pacifica que ella tem de eflectuar nao po-
de ser foita seno pelas ideias. O Brasil ,
que se acha Lineado pela mao da providencia
como um grande coragao de fogo no meio do
orea no ieui pul sua posicao geographica ,
de representar um grande papel no meio des-
I




ta inevitavel transformacao. Aqu tem do ela-
!>orar-so os planos fecundos que devem en-
grandecer a condicao da America do Meio-
dia; o o espirito ardente dos Brasileiros, quan-
do tiver cm torno do si todos osconfortos da
vida que a ciencia llio houver ministrado ,
produzir entao as maravilhas da arto que o
trasil chamado a produzir sol) o formoso
ceo quo o cobre, mas sol) um rgimen de at-
traccao para o trabalho que o patriotismo de
seus (ilhos abracar em pouco. O estudo da
philosophia pois necessario a todas as na-
ques do globo mais elle de urna utilidade
manifestamente superior gerac5o brasileira ,
que se levanta e que tem de influir grande-
mente na sortc futura do paiz.
O curso da historia da philosophia do sr.
Victor Cousin 6 o melhor livro, que hoie pos-
sa inculcar-senara similhante estudo: sao as
licoes do Ilustre prolessor nos annos de 1828
e 29 as quaes formao um desses livros impor-
tantes destinados a introduzir a mocidade no
sanctuario da sciencia o a derramar noenge-
nho de quantos o estudao um i somma de lu<
pura c generosa. A maior parte das nac,ocs da
Europa possucm o curso dosr.Y. Cousin tras-
ladado para as suas respectivas lingoas : a A-
inerica do norte acaba de imital-as ; e smen -
te o Brasil ainda nao via as suas bibliothecas
este monumento de profunda reflexao e traba-
lho. esta lacuna que acaba de encher feliz-
mente o sr. A. P. de Figueiredo com a fide-
lidade de um interprete rigoroso c com a cor-
reccjjo da lingoagem que similhante versao rc-
clamava. Felicitemos por tanto o digno tra-
ductor pela nobre inspiradlo a que obedecco ,
6 tambem a mocidade brasileira a quem elle
dedicouoseu trabalho.
Nos curtos limites do um artigo nao cabe urna
larga exposicao das doutrinas que se cncerrao
as lices de que nos oceupamos. Sao ellas
divididas em tres series, como o profossor as di-
vidi e formao por isso tres volumes. O pri-
meiro urna introdcelo ao curso na qual o
sr. Cousin assignalou o lugar quo a philoso-
phia devia dar-sc no quadro dos conhecimentos
humanos e qual o quo devia tor a historia da
philosophia na historia geral : urna reve-
lacao de todo o seu ensino. No segundo volume
faz. cllcescolha de urna poca particular da his-
toria da philosophia para a ella applicar os
principios que proclamara no anno anteceden-
te : esta poca o XVIII seculo. que vem pre-
cedida deum examc minucioso das quatrogran-
des escolas?desse seculo o de um esboco do to-
da a historia da philosophia desde o oriente.
O lerceiro volume abre a exposicao das escolas
philosophicas do XVIII seculo, comecando pe-
a sensualista, representada por Locke; o quase
todo esse volume he consagrado urna critica
profunda e rigorosa do emaio do entendimento
humano. O primeiro volume um modelo de
methodo o segundo de erudicao o terceiro
de dialctica. O primeiro volume acha-se im-
presso e acaba de publicar-se; o segundo pa-
rece que se acha ja no prelo ; e o terceiro ap-
parecer logo depois, segundo nos informo.
Basta esta rpida cnumercao quo fazemos
do que esses livros abrangem para se compre
hender a sua immensa utilidade. O nomedo
sr. V. Cousin um elogio europeo o america-
no. Ninguem melhor do que elle tem contri-
buido para apressar a poca da redempcao das
ideias, c constituir em fim a sciencia que a-
inda voga azoinada como um navio sem bus-
sola.
O sr. Cousin descobre-nos o verdadeiro o o
falso de cada systema com urna lucidez admira-
ve I e faz-nos trabalhar com elle de todo
coracao no monumento glorioso que devemos
legar a nossosfilhos : a unidade philosophi-
ca. De tantos trabalhos do pensamento que os
homens bao laucado ao mundo apenas se le-
vanto oito ou dez nomes que represento a sci-
encia, e tresou quatro genios que a resumem;
mas estes tres ou quatro genios sao urnas per-
sonagens histricas que se ergucm orgulhosas
no meio da historia como os cedros soberbos
do Lbano c afronto as idades e as theorias
por vir: Platao e Aristteles! Leibnitz e Des-
cartes Quem pronuncia estes nomos venera-
veis, pronuncia o que ha de mais i Ilustre na
philosophia antiga e moderna; e forao esses os
iuzeiros quo o sr. Cousin compulsou para con-
ducir o auditorio que tinha diante de si aos ad-
miraveis resultados a que o levou a analyse.
Aslcoes3.\ 8.\9.*e 10.* do primeiro vo-
lume que se acha impresso, e que temos pre-
sente sao de um interesse immediato para to-
das as escolas secundarias a quem as recom-
mendamos. Eis-aqui por exemplo como o dou-
to representante do eclectismo nos faz compre-
hender a belleza da historia depois dea ter
concebido como urna manifestacio do plano da
providencia.
Assim a historia nao urna anomala na
ordem geral: pode ser verificada em lodos os
si-us (rfios iu>r Inilns n (irAns da existencia nni-
uns pelos outros. Duvidareis vos dos caracte-
res essenciaes da Divindade? Dirigi-vos ao
mundo; porque repugna que o eiTeito nao re-
flicta mais ou menos a causa. Duvidareis vos
dos caracteres d'este mundo ? Dirigi-vos
humanidade; porque repugnar que a huma-
nidade, cuja apparicao feita no seio do mun-
do, nao o reflectisse d'algum modo. Duvidaeis
vos da legitimidado dos vossos resultados hist-
ricos, hesitareis cerca da marcha e ordem do
desenvolvimento da historia? Dirigi-vos ao
mesmo lempo humanidade, natureta e
Divindade. Verificai continuamente todas es-
sas espheras da ordem geral urnas pelas outras :
esta verifleacao dar-vos-ha sempre o mesmo re-
sultado. Ah veris que a historia reproduz os
movimentos successivos da existencia universal
na concessao de suas pocas, e que est chela
de harmona de si mesma para comsigo mes-
ma, nos diversos momentos do seu movimen-
to total, o de si mesma para com tudo o mais.
A historia, concebida, assim n'esta harmona
universal, he pois eminentemente bella :
urna poesa admiravel:o drama ou a po-
peia do genero humano. (liqao 8.1)
Eis-aqui ainda por exemplo como a huma-
nidade as pocas e a natureza inteira se resu-
mem nos grandes homens, e como elles nas-
cem e morrem a proposito :
Mas o que ser a propria humanidade ?
A humanidade, j nos o temos visto, nao
outra cousa seno a ultima expressao da ordem
universal. A humanidade resume a natureza
inteira, o representa-a. Esta natureza mesma,
como o temos visto igualmente, a manifes-
tacao do seu autor. Dos nao poda Mear no
estado de urna unidade absoluta : esta unidade
absoluta, esta substancia eterna, sondo urna
forca creadora devia crear, devia produzir e
manifostar-se as suas prodceles com todos
os seus grandes caracteres. Por tanto a natu-
reza representa a Dos; e como a natureza com
todas as suas leis so resume na humanidade, e
a humanidade com todas as suas pocas se re-
sume em os grandes homens, resulta d'ahi,
com um rigor que nada deixa a contostar, que
a ordem das cousas, ou alias o movimento per-
petuo das cousas nao em todos os seus mo-
mentos, e em todos os seus graos senao a appa-
ricao dos grandes homens. Part da unidade
absoluta e chegai aos grandes homens, e vos
tereis nem mais, nem menos os dous extremos
da cadeia dos sores. Depois dos grandes ho-
mens nao ha mais fiada a buscar, porque o
grande homem a mais alta individualidade
possivcl; e a individualidade o termo de to-
da a cousa como a unidade absoluta o seu
ponto de partida.
Assim ludo conspira no mundo para for-
mar a maravilha do grande homem. Eil-o for-
mado : eil-o que chega na scena da historia ;
mas d'ahi o que faz elle? Que papel represen-
ta e sob que aspecto a philosophia da histo-
ria o deve considerar ?
Senhores, um grande homem seja em
que genero fr, em qualquer poca do mundo,
em qualquer povo que appareca, vem para
representar urna ideia urna idoia determina-
da e nao outra, em quanto essa ideia tem for-
ca e val a pena de ser representada; nao an-
tes nao depois. A consequencia que um
grando homem apparecc quando elle deve jus-
tamente apparecer, e desapparece assim que
termina a sua misso que nasce e morro a
proposito. Quando nada ha de grande a obrar,
o grande homem impossivel. E o que ser
com elTeito um grande homem ? O instru-
mento d'um poder que Ihe estranho ; porque
todo o poder individual miscravel; e nenhum
homem se rende a outro homem : rende-se
apenas ao representante d'um poder geral:
quando pois este poder geral nao existe ou j
nao existe, quando falla ouseesvaece, que
forca ter o seu representante ? Assim, nao
sois vos que podis fazer nascer o grande ho-
mem antes da sua hora nem ofareis morrer
antes do tompo pnfixo: nao podisrcmovl-o,
nem apressal-o nem fazl-o recuar: nao
podis continual-o, nem subslituil-o ; porque,
se elle existia, porque tinha urna grande obra
u executar; e se j nao existe porque nada
mais tem que fazer: conlinual-o querer
continuar um papel finito e esgotado. ( li-
cao 10.)
Paremos aqui. Se cedessemos tentacao
que temos de indicar ao publico todo o valor
do livro de que boje damos conta iramos sem
duvida mu longc.
O snr. Victor Cousin encontrou no snr. A.
P. de Figueiredo um traductor fiel, e um ami-
go cheio de dedicacao. O joven prolessor de
Pernambuco urna das mais vcosas esperances
do paiz ; e nos nao duvidamos que dentro em
pouco elle realise o generoso desejo que o ani-
ma de ir Europa visitar os seus mestres, e
colher com as viagens que tenia fazer um
novo cabedal de variada sciencia.
Queira elle no entanto accetar esta homc-
nagem que boje Ihe rendemos em nomo da
philosophia e da litteratura nacional, como um
tcstemunho nao suspeito de gratidao publica.
Desear regao hoje 23.
BarcaTentadora arcos, albos caixOes a-
batidos o plantas.
Brigue./Atna-vinho vinagre e a-
zenaas.
BrigueHellenataboado.
BarcaGlinbienbiatfarinha de trigo.
Dita sardaNapoleovinho.
DitaPriscillafazendag.
importacao.
Mary-Cole, pataxo americano, vindo de
Boston entrado no crrante mez a consig-
nado de HenryFoster & C. manifestou o
seguinte :
100 toneladas de gelo 3 caixas com pentes
de marrafa 8 ditas chapeos do palha 2 bar-
ris breo, 15 caixas com cidra engarrafada 1
dita phosphoros, 24- baldes 10 barris man-
teiga de porco 1 embrulho dous vestidos, 1
caixa relogios de parede 2 arados 1 grade ,
1 barrica e 1 meia dita farinha de trigo 5
caixas com serveja 2 ditas vinho engarrafado,
8 ditas charutos 1 dita calcado 12 cadeiras
do balanco 138 cadeiras, 13 pecas de cabo
de manilha 3 ditas de linho 2 barricas com
prezuntos, 5 vengontas, 3*800 ps de taboado
de pinho ; aos consignatarios.
Movimento do Porto.
Navios entrado no dia 21.
Cear ; 21 das hiate hrasileiro Olinda de
49 V1 toneladas, capitao Antonio Jos V-
anna equipagem 8 carga varios gneros.
Passageiros brasileiros Sivirino Gomes da
Silva, Manuel Thomaz de Sousa Joo
Luiz dos Santos, e um escravo a entre-
gar.
Sahidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro ; charra brasileira Amasonas,
commandante ocapito-tenonto de A. N. I.
Francisco Jos de Mello. Passageiro brasi-
leiro o capitao-tenento de A. N. I. Joao
Custodio d'Hondain o oito pracas de ma-
rinba.
Liverpool ; galera ingleza Emily de 307 to-
neladas capito William l-'ovl equipagem
13 carga algodo.
Sahido no dia 22.
Para ; charra brasileira Amphitrite com-
mandante o l.tenente Francisco Jos do
Ama ral.
Entrados no mesmo dia.
Aracaty ; 11 dias hiato hrasileiro Flor-dai-
Larangeiras de 59 toneladas capitao
Bernardo de Sousa equipagem 9 carga
couros sola e algodao : a consignado
do capitulo
Cette ; 43 dias barca sarda Napoleo de
325 toneladas capitao Joao Anir Bollo ,
equipagem 18, carga varios gneros: a
consignadlo de Luiz Bruguire.
das rendas geraes internas, tendo procurado
todos os meios de cobrar os impostos de 1,000
rs. dos escravos de lujas, tabernas seges -
e carrinhos, sem incornmodo dos devedores '
mandando at receber pelo agente da mesma*
repartidlo bem poucas tem pago ; e por isso
annuncia pela ultima vez que concede opraso
de 20 dias da data d'este para vi rom pagar
findo este remetiera para juiso a relacao de to-
dos os devedores, sem exeepcao de pessoa al.
guma. Bccebedoria 22 de novembro de 1843,
Francisco Xavier Cavalcante d'sflbuquerque.
ANNUNCIO.
E. Sage Propietario do Circo A merica no, ven-
do no Diario de Pernambuco de terca-feira
22 do corrento urna correspondencia feita por
Mr. Mathevet, aondo declarou ser primeiro
profossor de gymnastica e chama o annun-
ciante ea sua companhia saltinbancos ; tem
a propor em nome do Sr. Lipman urna aposta
de 1:000.) rs contra o mesmo Sr. M. em li-
gereza de gymnastica e em nome do Sr. cott
em poder de forca, mais mil patacoes e como
o annunciantc est para seguir viagem para o
Norte a manlia precisa que o mesmo Sr.
M. Ihe responda at meio dia, para elle pe-
der demorar o navio. A resposta receber-se-ba
no armazem de Davis & C. na ra da alfan-
dega velha n. 36. Ao mesmo lempo o
propriotario approveita a occasiao para despi-
dir-se dos habitantes de Pernambuco e agra-
decer-Ibes o bom acolhimcnto que tem recc-
bido nesta praca. Kecifc 22 de Novembro de
1843. E. Sage.
S. Lipman. E. Scott.
Declaracoes.
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Havendo-se deliberado em assembla geral
dos accionistas da companhia a plena execuco
doart. 9. dos estatutos concedendo-se toda-
va o praso improrogavcl de 30 das para dentro
d'elle serem realisadas as prestacSes at agora
exigidas; sao convidados os srs. accionistas, que
ainda nao completriSo a entrada de 16 por cen-
to, para que liajiio de o fazer impreterivelmen-
te at o da 17 de dezembro prximo, certos de
que nao o lazendo at esse da perders em b e-
n i (icio da companhia as contribuirnos queti-
verem feito sem que lenhao direito de as re-
clamar em tempo algum. Escriptorio da com-
panhia 16 de novembro de 1843.
O secretario ,
B. J. Fernandes Barros.
Alfandega.
versal, como estes graos pdem ser verificados I Kcndimento do dia 22.........10;097g249
es \j abaixo assignado faz publico que do
dia primeiro ao ultimo de dezembro vindouro .
que deve ter lugar o pagamento a boca do co-
fre da decima dos predios urbanos dos 3 bairros
des'.a cidede e povoacao dos A (Togados do
primeiro semestre do correnle anno financeiro
de 1843 a 1844 e que, findo o praso marca-
do, se proceder executivamente contra todos os
devedores nao s pelo semestre vencido ,
como dos annos anteriores no que tem havido
grande omissao da parte de alguns snrs. pro-
pietarios. Mesa de rendas internas provinciaes
18 de novembro de 1843, no impedimento do
escrivao administrador. Jos Guedes Sal-
gueiro.
A pessoa, que annunciou vender agua do
Monteiro a dez rs. o caneco; dirija-se ao
arsenal de guerra, para contratar a precisa pa-
ra o fornecimento do mesmo, boje t o
atKiw *jif.
= O administrador da mesa da recebedoria
THEATRO PUBLICO.
DIRECCO DE RAFAEL LCCI.
Ouinta-feira 23 de novembro.
Haver o seguinte divertimento.
Grande represen tacao extraordinaria de gym-
nastica atbeniense creada em Alhenas por
Mr. Mathevet; grande Alcides Herculedos
Hercules, primeiro modelo das academias reae&
e imperiaes das cinco grandes potencias mes-
tre de gymnastica da familia real de Hespanha ,
artista do theatro da Porta Saint Martin em
Pariz vencedor dos torneios do Meio-dia da
Franca oriental, condecorado com as meda-
Ihas de honra comque tem sido mimoseado por
differentes soberanos da Europa.
Primeira parte.
Madamoiselle Carmela Adelaide Lucci,
executar urna linda cavatina da operaTor-
va Ido e Dorliska.
Do mostr G. RossiniTuto t vano.
Segunda.
Mr. Mathevet desempenhar O Pedestal.
O Homem Msculo. O Passeio de Her-
cules.
Terceira.
Madamoiselle Manoela Caetana Lucci can-
tar urna linda Modinha.
Quarta.
O Alcides rancez fart as seguintes posicoes;
O Vo rpido. O Dos Marte. Ca-
dena romana.
Grande experiencia do Marechal Xax na
qual Mr. Mathevet dobrar um pataco com
a forca dos dedos polegares juntos com os quatro
dedos das maos ; experiencia que teve a honra
de executar diante de Sua Magestade o S. D.
Pedro II Imperador do Brasil.
Mr. Mathevet pede aquellas pessoas que
julgarem que elle tem alguma preparacao no
dito palacao, levem algum para nelle fazer-se a
mesma experiencia.
Quinta.
Rafael Lucci, e sua ilha Madamoiselle Car-
mela cantarao o jocozo duelo da opera //
Posto abandonato do meslrc S. Mercadante
Jo vorrei che il tuo bel core.
Sexta.
Grande deslocacjio geral executada por Mr.
Carlos Clere discpulo de Mr. Mathevet, com
o tituloO Phenomeno occidental.
Stima e ultima parte.
Mario nos ferros.Mr. Mathevet executar
todas as posicoes de dores e tormentos que sof-
reo Mario segundo a historia.
Os bilhetesachao-se a venda no mesmo thea-
tro.
( Principiar as horas do custume.)
Avisos martimos.
Para Macei sahir com multa brevidade ,
por ter a maior parte da carga prompta, a ianxa
Conceico-Flor-das-Virtudes ; quem na mes-
ma quizer carregar ou ir de passagem pode
dirigirse- ao mostr Victorino Jos Pereira ,
bordo fundeada defronte do trapiche do
nlgodao ou na ra da Cruz n. 26 venda de
n Araujo elrmao
iato Olinda sao no dia 30 do corrente,


3
para carga trata-so com o proprictario Manoel
J/^quim Pedro da Costa.
^a Para o Cebra pretendo sahir em 10 do de-
embro a sumaca Estrella-do-Cabo para car-
ga e passageiros, trata-so com Manoel Joaquim
Pedro da Costa.
__ Seguo com brevidade para Lisboa com es-
cala pela Ilha-de-S.-Miguol o briguo brasilei-
ro Triunfo-americano ; quem no mesmo qui-
zcrcarrcgar ou ir de passagem para o que
tom oxcellentes commodos dirija-se ao Recito
ra da Cruz n. 23.
Leilcs.
Kalkmam& Rosemond far.'i) leiloes.ex-
ntervoncao do corretor Oliveira do mais a,
plcndido snrtimcnto de fuiendas de sCJa, laos
linho e algodo n mor parto chegada pe e
ltimos navios e dos gostos mais modernos ,
proprios de'ste mercado : quarta e sexta feira
22 o 24 do corrente s 10 horas da manha em
ponto no sju armazem da ra da Cruz.
= Ooapitao U.Fostcr fara lelo por con-
ta e risco de quem portencer o por interven-
go do corretor Oljveira de tima porciio de
salitre ou nitro de soda para supprimento
das despezas com o reparo da barca ingleza
Laurence arribada a esto porto com agua a-
berta na sui recento viagem que fazia de
lquiquc e Mojellones a Liverpool : segunda-
feira 27 do corrento as 11 horas da manhaa ,
no armazem da ra de Apollo n. 8.
Avisos diversos.
__ Aluga-so urna boa casa terrea asso-
bradada o onvidraeada em Fra-de-portas ,
lado da mar grando n. 4 : os pretendentes di-
rijo-se a Manoel da Silva Neves, no mesmo
lugar de Fra-de-portas.
LOTE'ftlA DA RUTIUZ DA.
BOA-VISTA.
99* Em consequencia dos
transtornos da lotera de S.
Pedro Martyr Pica transfe-
rido o andamento das rodas
desta lotera para hoje 23
do corrente ficta sin ou nao
bilhetes por vender.
Manoel Antonio Teixeiru.procurador bas-
tante de Jo?efa Joaquina do Livramento az
publico que permuta um sitio na estrada do
Arraial com osr. Antonio Bernardo Ferreira, e
sua mulher Roza Escolstica Joaquina, por urna
casa no bairro da Boa-vista na ra da Gloria n.
21 ; quem julgar-sc com direitos sobre as di-
tas propiedades ou herdeiros orpiSos, ou
divida publica,annuncie por esta folha portcm-
podeseisdias
=Manoel Jos Soares de Avillar vae ao Ma-
ranho lazeralgumas cobrancas de seu casal,
pretendendo demorar-se quando muito, por
dous mezes e dcixa em sua casa nesta praca ,
com poderes sufficentes seu irmao Antonio
Jos Soares de Avillar.
-= Aluga-so urna casa no Monteiro a ter-
ceira no correr das que forao do fallecido Do-
mingos Rodrigues do Passo com duas salas,
o 3 quartos grandes, muito fresca cozinha
fra estribara para 2 cavallos quintal mu-
rado com portao para o banbo por preQo
commodo ; no Atterro-da-Boa-vista n. 21.
= Joao Pereira Lagos declara que nao se
responsabilisa por qualquer divida que faeno
seus escravos em seu nome logo que esta nao
seja por sua ordeno ou conrahida pelo an-
nunciante.
Boga-sea um collegial franciscano, quo
quanto antes mande pagar a quantia de 40# rs.,
que deve a um sicular; quando nao declarar-se-
na seu nome para ser conhecido, e a maneira
porque contrahio cssa divida.
A mesa regedora da irmandade do br. is.
das Dores cm sua igreja com a invocacao de
S. Goncalo no bairro da Boa-vista, participa
todo os devotos doSr. B. J. dos Pobrcs-artlic-
tos colocado na mesma igreja, que se translcrio
a festa do mesmo Sr. para o da 30, por nao ser
possivel faser-se no dia 19 como eslava mar-
cado.
Quem precisar de urna mulher para ama
de casa de hoinem solteiro ou viuvo ; sendo
cstaj idosa: dirija-se ruado llangel sobrado
n. 20.
Tendo sido frequenle os engaos appa-
recidos as exlracces das loteras desta cidade.
acontecendo, que tendo muitas pessoas tirado
premios grandes o outros mediatos e contan-
do ellas com este beneficio, passem pr-lo desgas-
to de perderem suas sortes, com anullacao de-
vida, que o juiz Ihe da cm consequencia de
iiuiiicius icpcuUUS lanas, C aUj,l""-~ -~---
dulas apparecidas as urnas, como tem sido no-
torio, e por vezes tornando-sc assim do alguma
maneira desacreditadas as sobreditas loteras pa
ra com o publico e convndo evitar d'ora em
diante o apparecimento d'este mal convida-so
polo presente annunco nos srs. thesoureiros ,
ou outras quaesquer pessoas encarregadas das
referidas loteras para acceitarem um homem,
quo tem os conhecimentos neces-arios para se
encarregar d'cslcs trabalbos, empregando-so
este na factura das ditas sedulas com todo o
cuidado e promptidao, por menor proco que
costumao pagar presentemente. Affianga-so ,
que jamis apparecer engao naextraccao das
sedulas visto quo estas passao a sor rubricadas
por baixo do numero para evitar qualquer n-
troduccao de outras, que por malicia sejao lan-
zadas as urnas e pondo-se igualmente em
pratica as precauc5es, que se indicar a respeito;
trata-se na ra da ConceicSo da Boa-vista casa
n. 8, a qualquer hora do dia, ou annuncie pa-
ra ser procurado.
= Os herdeiros do finado coronel Joaquim
de Almeida Catanho avista do annuncio pu-
blicado pelos os administradores da extincta
companhia no Diario n. 252 no qual dizem,
que so achava em praca para sor arrematada
de venda a morada de casas do dous andares e
sotao n. 47 sita na Rua-nova tem a decla-
rar que nao obstante o recurso que enter-
poserao ao supremo tribunal de justica a que
se acha affecto e do qual esperao decisao om
(aceda ruzo ejustica que Ibes assistem, nao
suspendesse a execucao ; com tudo os mesmos
herdeiros j requererao ao senhor juiz da 1.a
vara do civel, vista para embargos de nullida-
de pela falta de habilitacao de dous orfos mo-
nores e outros herdeiros ; protestao portanto
pela injusta arrematadlo que se proceder a
respeito n8o s da referida propriedade co-
mo de quaesquer bens penhorudos, pertencen-
tes ao casal daquello finado coronel.
Da-se 508 res a promio com firmas, ou
penhores; quem os pretender, dirija-se a Rua-
direita n. 100 que se dir quem os da.
Aluga-seum escravo bom amacador, o
fornciro; na Rua-augusta n. 9.
Aluga-se um sogundo andar de sobrado
n. 40 da ra larga do Rozario; quem o preten-
der dirija-se a ra do Crespo loja n. 14.
= Preciza-so do um prcto molequo ou
preta para todo o servico da casa de urna pessa
solteira ; quem a pretender, dirija-se a ra do
Encantamento n. 4.
= Aluga-se um sobradinho de um andar e
solo para pequea familia o qual tem arma-
zem que serve para carne secca, na ra da Praia
n. 66, defronte do Francisco Jos Rapozo; a
tratar na praca da Independencia loja n. 2.
= Aluga-se urna loja na Rua-direita n. 85,
propria para qualquer negocio com armacao ,
ou som ella ou mesmo para qualquer estabe-
licimento como seja alfaiate sapateiro ou
outro qualquer officio ; os pretendentes, diri-
jao-se a mesma casa, ou a ra da Praia no ar-
mazem n. 55 quo acharao com quom tratar.
Appareceo no dia 22 do corrente urna
preta bastante nova que nao sabo dizer quem
seu sr., com um par de argolas de ouro as
orelhas ; quem for seu dono ; dirija-se a ra
do Rangel no acougue n. 18 que dando os
signaos certos Ihe ser entregue.
Offorece-so um homem portuguez para
feitor de algum sitio perto da praca ou para
cozinheiro de algum navio mercante; quemo
pretender, dirija-se a ra das Cru es botequim
n. 33.
= Preciza-se de urna pessa, quo lave rou-
pa com aceio, prestesa, ese responsabilise por
qualquer extravio; quem estiver nestas circuns-
tancias, dirija-se a ra do Attcrro-da-Boa-vis-
ta n. 42 segundo andar.
__ Preciza-so de um pequeo para caixeiro
de urna venda distante desta praca urna legua ,
destes chegados na Tentadora e quo saiba ler
e escrever; na ra da Santa Cruz n. 56.
O meio bilhete n. 1807 da 2 4.a parto
da 2.a nova lotera a lavor das obras da matriz
da Boa-vista, pertence a Antonio Joaquim de
Almeida Couceiro residente na cidade do
Maranho.
__ Aluga-se aloja de um sobrado sito na
Bua-direita, propria para um pequeo estabeli-
cimento ; quem pretender dirija-se a mesma
rita n. 80.
83 Prociza-se de serradores brancos para
serrarem urna grande porcao de madeira de pi-
nito adverto-se que se di que fazer continua-
mente ; a tratar detraz do theatro no armazem
de Joaquim Lopes do Almeida.
__ Aluga-se por tempo de festa urna casa
terrea de pedra e cal sita no lugar do Montei-
ro confronte aooito deS. Pantaleao, por m-
dico preco, e de sufficientes commodos ; quem
a pretender, dirija-se a ra do Queimado n.ll.
__ Preciza-so de um portuguez idoso para
feitor de um pequeo sitio pcrlo da praca da-
se-lhe casa para morar, o sustento e mais al-
mtm inlnrncco a finpm onnv'ipr driiase ao
princio do Atterro-dos-Aflogados n. 9.
- O bacharel Vicento Ferreira Gomes, juiz
municipal da tercoira vara, mudou sua residen
ca para a casa n. 18 do largo do Carmo.
O IndoJus de Almcida.que eracnadodo
desembargador Amaral dispedio-so de casa do
mcsmodesembargadornodia21donovembrodo
corrente anno de 18W, e consta quo assentra
praga no batalhao de artilharia no da 22 do
mesmo mez, o que se provino para quo nada
so Ihe de que por elle pedido seja cm nome
do mesmo desembargador.
Jos Luiz Pereira embarca para o Rio-de-
Janeiro as suas escravas Florinda, mulata, Es-
peranza e Marianna do Angola.
- Joaquim Francisco do Mello Cavalcante
annuncia-, que, mandando hontem 16 do cor-
rente a seu cunhado o capito-mr Joao Le-
te d'Albuquerque sr. do engenho Monjope ,
as seguintes encommendas urna caixa de
voltarte, nova dentro de outra de pao pin-
tada de encarnado ; urna pessa do chila larga ;
12 covados de chita fina, assento coberto ; um
corte de marroquim para sapatos; urna libra
dosabao ; um embrulho de papel com dobra-
dcas, elechaduras, tudo dentro de um sacco ,
o qual foi furtado com tudo dentro : roga se a
quem for offerecida qualquer dessas pecas as
aprehenda e mande a casa do annunciante ,
que ser recompensado.
= No sitio, em que mora o major Francis-
cisco Duarte Coelho no Pco-da-panella ,
appareceo um quarto no dia 9 do corrente ,
urna corda a arrrasto; quem for seu dono pro
cure no dito sitio que dando os signaes Ihe
ser entregue.
- Quem precisar de um fornciro dirija-se a
ra dos Quarteis casa de pasto n. 19.
Umcredordosr. Manoel Jos Soares do
Avelar, vendo annunciada no Diario a sua via-
gem para o Maranho roga-lhe o obzequio
do declarar se o procurador que declara consti-
tuir est uutorisado para cumprir todas as
obrigacese contractos a que se acha ligado ,
isto mesmo em juizo pois sabe dito sr. que
com o credor annunciante tom tran/.acoes que
se vencem antes do seu regresso a Pernambuco,
eumad'ellas nao pode dispensar a accao |udi-
cial, no caso do nao ser cumprida dita obri-
gacao.
Da-se 200 rs. a juros sobre penhores de
ouro: na ra da Conceicao da Boa-vista
n- 17- .
A pessoa.quc annunciou no Otario de terca-
feira 21 do corrente ter por engao trocado o
seu chapeo na Apolnea na noute do da 18 do
corrente, tenha a bondado de dirigir-so a ra
do Crespo loja n. 14 onde se acha um cha-
peo quo na mesma noute ficou na Apollinea ,
sem dono em lugar de outro que desapa-
recto
Precisa-se do 5008 rs. a premio de um e
meio por cento ao mez, com penhores de ouro,
oucom hypotheca em duas escravas desemba-
razadas ; quem quizer dar annuncie sua mo-
rada.
Precisa se de urna ama para casa de lami-
lia nao grando, que saiba lavar engom-
mar, o cosinhar dando fiador ou conbe-
cimento a sua conducta; procure no deposito
de farinha da ra da Cadeia de Santo Antonio
n. 19. ;
-Na ra do Vigario n. 5 se acha urna carta
vinda de Lisboa para o sr. Jos Francisco Bran-
dao o Castro quo a poder vir receber ou
declarar sua morada para se Ihe mandar en-
tregar. ,
Na Solidado casa n. 32 ha para alugar
duas pretas crioulas.
Precisa-se de um official de chapoleiro que
entenda tanto do chapeos como de barretina;
na ra da Conceicao da Boa-vista n. 17 ; e
na mesma vende-so urna p^uena venda sita na
ribeira em um dos quartos da mesma c sendo
um dos melhores lugares da ribeira por ser
confronte ao acougue; quem a pretender di-
rija-se a mesma ra a tratar com Jos Nicolao
NunesSette.
= Roga-se a pessoa que no da 18 do cor-
rento tirou da mao do carteiro dnascartas per-
tencentes a Joaquim da Motta Feneira ; assim
como a quem tirou urna da lista das cartas en-
tradas at 13 do crrante n. 3342 pertencente
a Joaquim Ferreira baja de ter a bondade de
annunciara sua morada ou de as entregar na
ra da Cadeia do Recife n 6 loja de louca.
Francisco Joaquim Cardozo comprou ,
e fico em seu poder 8 bilhetes da lotera da
matriz da Boa-vista annunciada para corre-
Tero as rodas ( hoje 23 do corrente ) por con-
ta da sociedade Icoense amante da fortuna de
n.'1313. 1314, 1771, 1774,2992, 2993,
2994 e 2996, sendo todos inteiros. O mes-
mo embarca para o Rio-Grande-do-Sul, por
conta e ordem Jo snr. padre Joao Nepomoceno
do Brito da cidade do Ico um mulato de
nome Francisco escravo do mesmo snr.
O tenento-coroncl Ignacio Antonio de
Barros Falcao comnrou por conta do reverendo
conego Joao Rodrigues d'Araujo, o bilhete
inteiro de n. 137 da 2." parto da 15.a fote-
ra do theatro publico do Recife.
= Acha-se em poder do subdelegado do 1.
districto da freguezia da cidade da Victoria,
urna preta de nome Roza de idado 40 annos ,
muito bucal e nao diz quem o seu senhor s
sim que foi d'uma familia que morreo na guer-
ra do Pancllas: portanto, quem se julgarcom
direitoa ella, dirija-se ao mesmo subdelegado,
que dando os signaes certos Ihe ser entregue.
No domingo a tarde perdeo-se urna cai-
xa de prata dourada : quem a mesma fr of-
ferecida para comprar, queira lomal-a o cn-
tregal-a ao abaixo assignado que ser grati-
ficado. Jado Nepomoceno l-'erreira de Mello.
Na Ba direita sobrado d'um andar n.
33 au p de 2 de varandus douradas ha
doces muito bem leitos, e de muito bom as-
sucar, por commodo preco de varias quali-
dades bem como mangaba cidrao pitan
ga e anans : na mesma se faz toda a diver
sidado de sobre-mezas, e tambem bollos da
melhor qualidade que se possa imaginar.
Roga-se ao snr. L. P. S. N. que venba
satisfazer ou ao menos passar clareza de 16
mezes e meio, quo ficou devendo de aluguel
da casa em que morou na cidade d'Olinda ,
ra de Porto-seguro n. 3.
O abaixo assignado faz sciente a todas as*
pessoas, com quem tem transaccoes de nego-
cio que Miguel Porfirio de Nazar que be*
fazia as cobrancas, deixou de ser seu caixeiro ,
desdo o dia 22 de novembro do corrente anno.
Florido ./uguto Marques.
Fazemos sciente ao respeitavel publico-
d'esta praca que, tendo fallecido o nosso so-
cio o sr. Daniel P. Austin de Philadelphia, em
15 de julho do presente anno quo em cuja
data findou o interesse que elle tinha na socie-
dade de Matheus Austin & C.a; nao obstante
esto acontecimento a casa fica no mesmo giro
commercial; e contina debaixo da mesma fir-
ma ficando smenlo interessados os abaixo as-
signados ; os quaes lequidro todas as tran-
saccoes da cx-sociedade. Recife 21 de no-
vembro de 1843. Joao Matheus.
Nicolao Hartery.
Desappareceo no dia terca feira 21 do
corrente novembro do lugar do Soccrro ( es-
trada de Santo Anto) s 10 horas da noute ,
urna mulata por nome Genoveva com os tra-
jes seguintes : um vestido rocho de chita, eum
chales tambem rOcho levando urna trxa ; tem
d'idado 40 annos, pouco mais ou menos, ja,
pinta; julga se estar pelas C i nco-pontas: quem
a achar leve-a a casa de Nicolao Rodrigues
da Cunha que ser generosamente recom-
pensado.
O abaixo assignado avisa ao respeitavel
publico que deixou de ser caixeiro da senhora
viuva Cunha Guimarcs d'esde o dia 21 do
do corrento novembro.- Jos Joaquim da Silva.
Os snrs. Raimundo Frederico da Costa e
Silva Serafim dos Anjos, e Jos BrandSo J-
nior hajao de comparecer na ra da Praia n.
33 para receber urnas cartas, vindas do Por-
to na barca Tentadora.
Precisa-so d'uma mulher para cosinhar :
na ra do Trapiche n. 17 se dir quem .
= O thesoureiro da lotera de S. Pedro Mar-
tyr d'Olinda paga os bilhetes premiados no
dias 22 23 e 24 do corrente. no consisto-
rio da Igreja de N. Senhora do Rozario.
= Por execucao dos administradores da H-
quidacao dos fundos da extincta companhia ,
peranteosr. Dr. juiz de direito da 1 a vara do
civel, acha-se em praca para ser arrematada de
venda urna morada do casas do dous andares e
sotao n. 47 sita na Rua-nova com 36 pal-
mos de frente o 98 de fundo quintal mura-
do cacimba propria, e portao em chaos de
foro avaliadas em 9:000 de reis penhora-
das aos herdeiros do finado Joaquim de Almei-
da Catanho.
= Na loja de Joao Loubet defronte do Pas-
seio-publico ha um novo sortimento de se-
das e outras fazendas novas proprias pa-
ra cobrir chapeos de sol tudo superior e
de difieren tes cores; tambem se concertao e
fazem-se chapeos de sol por preco commedo ,
e com brevidade.
= No dia 1. de dezembro pelas 4 horas da
tardo ser o enceri amento do coiXEflio santo
amonio : e para que este acto se torne mais
lusido o Director convida aos illro.0* paes e
correspondentes dos allumnos que o Irequentao;
assim como a todas as pessoas que com sua pre-
senca queirao honrar este estabelecimenio. O
Director aproveita tambem esta occasiao para
convidar aos seus amigos ; esperando que todos
o dispensem do fazer especialmente. Collegio
Santo Antonio 18 de novembro de 1843.
Iternardino Freir de Figueiredo e Casttro.
Precisa-se de um menino portuguez, que
tenha 12 a 14 annos d'idade para ir ser cai-
xeiro de loja na villa das Larangeiras pro-
vincia de Sergipe d'EI-rei: a quem convier ,
pode ir tratar na esquina do beco da Congro-
ga<;ao n, 39.



=Quem precisar do feitores para sitio ou I nos
engenho caixeiros artistas e homens para a I nos
agricultura ou outro qualquer trabalho, che-
gados prximamente da Europa os quaes po-
demfazer o contracto de locacao de servicos
conforme a le de 11 do outubro de 1837 ; di'
rija-scao Recito, na ra da Cruz n. 23.
Quem precisar de urna ama para o servico
interno do urna casa dirija se ao beco do Sa-
radatel n. 22.
4
Compras
Comprao-se 2 quartos possantes que
nao estejo muito magros ; na esquina do ti-
vramento toja da viuva do Burgos.
Comprad-sc os pertences para urna pa-
daria ; e precisa-sede um homem que tra-
balhe na mesma c que tenha bastante pratica;
na travessa do Queimado n. 3.
Comprao-se 30 a 40 travs de 32 a 33
palmos de comprimento e um palmo em qua-
dro de qualidade, para a Ordem terceira de
S. Francisco ; a tratar na mesma Ordem ou
na ra do Encantamento armazem n. 11.
Vendas.
Vende-se um capado muito grande, e
gordo criado com feijao ; quem o pretender
annuncie
- Vende-se bolaxinha de Hamburgo, cbe-
gada rerentcmente; na ra da Cruz n. 48
primeiro andar.
VenJe-se potassa de primeira sorle ; na
ra do Collegio n. 23.
_ Vende-se arroz branco pilado em por-
cao e a retalho ; na ra estreita do Rozario
fenda n. 6. .
Vende-se um pianno horisontal, de cons-
truccio ingleza e do muito boas vozes por
preco commodo ; na ra da Cruz n. 48 pri-
meiro andar.
Vende-se urna espingarda muito boa de
caca de dous canos com pouco uso ; no
Atterro-da-Boa-vista n. 86.
Vende-se urna bonita preta de 20 annos,
cozinha, refina assucar com perfeicao, engom-
ma cose e com um filho mulatinho de um
anno emeio ou troca-se por um moleque,
que nao tenba vicios ; no Atterro-da-Boa-vis-
ta n. 86.
= Lima Jnior & Companhia tem para ven-
der superior vinho do feitoria em pipas, e bar-
ris e caixas de velas de sebo de nova compo-
sicoj na ruada Cadea armazem de Mar-
tins Cosa e nos armazens do caes da alfan-
dega.
Vende-se urna toalha de esgui8o toda
uberta de lavarinto, nova, edebomgosto; na
ra do Nogucira n. 13.
Vende-se urna escrava recolhida de 16
annos eogomma, cozinha e cose com per-
feicao ; urna parda de 20 annos engomma-
deira e cose com muita perfeicao ; duas ne-
grinhasde 12 annos urna mulatinha da mes
ma idade; urna preta de todo o servico ; na
ra do Fogo ao p do Rozario n. 8.
Vendem-secharopes de roza, tamarin-
do, limao, capil a 480 rs. a garrafa tudo de
superior qualidade; e bichas grandes a 400 rs. ,
menores a 240 rs. e pequeas a 100 rs. ; na
ra larga do Rozario botequim da Cova-da-
onca
Vendem-se 3 escravos para todo o servico ;
um dito bom carreiro ; um pardo de 18 an
nos, ptimo para pagem ; um preto de meia
idade por 260 rs. servo bem a urna casa e
ptimo para botar sentido a um sitio ; um mo-
Jeque Je 12 annos ; urna preta de mcia i dado ,
por 280$ rs. boa quitandeira ed 400 rs.
diariamente; na ra de Aguas-verdes n. 44.
Kissel lelojoeiro junio ao arjo de S.
Antonio contina a vender relogios patentes ,
e horisontaes tanto no vos, como de segunda
mao por preco commodo.
Vendem-se 2 caixes envidracados, pro-
prios para amostras de venda urna canoa com
mais de 60 palmos de comprido e /echada ,
4000 ponas de boi, tudo por preco commo-
do ; na Ra imperial, venda n. 2.
Vcndem-se queijos novos a 1000 rs.
caixas com arrobado Ietriaa4000 rs. e a li-
bra a 160 rs. macarro a 160 rs. batatas a
60 rs. sevada a 100 rs. velas de esperma-
ceto a 720 rs. cha a 2080 rs., bolaxinha amo-
ricana a 2M) rs. sabo branco a 200 rs. e
todos os mais gneros por preco commodo e
2 casaes de patoris vindos agora do serto ; na
ra do Arago venda da esquina que volta
para a S. Cruz.
Vende-se urna parda recolhida de 22
annos (az todo o servico de urna casa ; urna
dita de meia idade, engomma cozinha e
cose mui bem ; duas escravas boas quitandei-
ras ; urna dita por 2008 rs. ; um pardo de 16
anqos official de alfaiate ; um dito de 12 an-
um moleque de nacao Baca de 13 an-
urn escravo bom carreiro e meslre de
assucar; 4 ditos para todo o servico; um dito
por 350S rs. ; na ra de Aguas-verdes n. 46
^Vendem-se meias de seda pretas de peso
para senhora e brancas, o pretas para me-
ninas de 6 a 12 annos borzeguins de duraque
com ponta de lustro para meninos sapatos de
be/erro para meninos de 6 a 12 annos, ocu-
os do armacao de tartaruga eastiasde prata
tollos em Lisboa, pentesde marfim do alisar'
do diferentes gostos o ditos de fechar d
marfim e chifre facas de marfim e ocode
lechar cartas, ligas de seda do Porto meias
eluvasdela para homem e senhora, caixas
de tartaruga linhas de marcar cm miadas de
Lisboa cordes para borzeguins, atacadores
de espart.lhos ap.tos grandes de marfim len-
cos de seda grandes de Lisboa sarja da fabri-
ca preta azul claro e roxo colheres para
tirar rape de marfim dados de dito pen-
tes de tartaruga deprender os cabellos a 3200
rs. ditas de marfim camisas de chita de dif-
erentes padrees sapatos de duraque preto ,
latas com calda de tomates a 860 rs a libra
marmelada a retalho e grangea para entoitar
pastis; na ra da Cadea, loja n. 55 do Bour-
gard.
Manoel Alves Guerra na ra do Viga-
no n 3 vende taxasde ferro de todos os ta-
manhos, algumas ferragens antigs para en-
genho e travejamentos, tudo por preco ba-
rato. r *
= yende-sesalcaparrilha, vinda do Para
pelo ultimo vapor, por preco commodo ; ao
p do arco da Conoeicao, armazem ic Braguey.
= > ende-se urna porcao de azeite de car-
rapato ; na ra do Vigario armazem n. 18.
Vende-se um coeiro de casimira branco
bordado de ouro urna barretina de pello e
outra de oloado urna jravata um corrame
em bom estado, tudo para inferior de guarda
nacional, por 20S rs., e o coeiro por 228 rs
na Bua-nova loja n. 63.
= Vendem-sc bichas muito boas, ebega-
das ltimamente de Hamburgo; tambem se alu-
gao e vao-se applicar; na Rua-direita to-
ja de barbeiron. 123.
- Vende-se a venda da ra da Paz n 2
com poucos fundos e com commodos para
lamida e a armacSo da venda da ra de S.
Kita n. 93, com todos os pertences; a tratar
na ra da Paz na mesma venda.
Vende-se urna negra de nacao Benguel-
la de 20 annos boa vendedeira compra-
dera e lavadeira ; no pateo do Carmo n. 20.
-Vndese um atlas moderno para uso d
mociedade; na praca da Independencia, loia
n. 21. '
Vende-se genebra da Hollanda, em caixas
de urna duna de frascos, feitos a proposito para
gasto de casa por um dos mais renomeado*
rabncantes urnas poucas de caixas de superior
vinno de Franca F. Julien & F. Emilliao .
e um pequeo sortimento de charutos da Ha-
vana eManilha verdadeiros; na ra da Cruz
n. 7.
Vende-se urna morada de casa terrea na
ra de S. Miguel nos Afogados; na Rua-
direita n. 101.
Vendem-se meios bilhetes da lotera da
matriz da Boa-vista ; na ra do Cabuga loia
de miudezas junto da do Bandeira.
Vendem-se canarios ebegados do Porto ,
muito cantadores; no armazem defronte da
escadinha junto a Conceicao.
Vende-se urna flauta de bano com
chave de prata a obra do Boberto Burn em
mglez urna pequea porcao de milo
charutos ; na ra estreita do Rozario
Vende-se urna escrava crioula de 14
annos, recolhida e tem algumas habilida-
des ; na praca da S. Cruz n 8.
Vende-se urna escrava crioula de 22 an-
nos engomma cozinha e lava ; na ra das
Cruzes n. 41 segundo andar.
Vendem-se esteirinhas de Angola, as me-
Ihores que ha no mercado ; na ra do Ran-
gcl loja decora n. 1.
Vendem-se balainbos para costura ces-
tinhas para pastoras assafates, condecas pa-
ra roupa c cestas maiores para fazer com-
pras tudo por preco commodo; atrazdo thea-
tro, armazem de taboado do pinho
Vende-se um moleque crioulo de boni-
ta figura do 18 annos; na ra do Cr.spo ,
toja n. 12 de JosJoaquim da Silva Maia.
Vende-se superior milho a 1280 rs o
alqueiio e arroz ; na ra da Praia arma-
zem de carne secca n. 70.
v Vendem-se botoes do retroz, grandes,
e pequeos proprios para vestidos de senhora
toncos de seda a 2200 rs. suspensorios de
burracba a 240, e 320 rs. facas de 6 a 12
pollegadas e de cabo preto, e branco, papel
de cores, dito branco de peso e almaco meia
hollanda agulhas francezas em caixinhas a
320 rs. penlcs de prender os cabellos a 160
e 200 rs., ditos virados a 500 rs. thesouri-
n. 3.
para
uhasfinasa 160, 240, e 28Jrs. caivetes
finos a 320 rs., ecom instrumento 300 rs.
carteirasaSOOrs. arieiros, e tinteiros a 560
rs. o par, linha de carretel de diflerentes co-
res a 400 rs a duzi clcheles a 880 rs. e a
80 rs. a caixinha, caixas para rap a 100, 200 ,
400 e560rs. ditas de bucho a 280 rs. ,'
bons de vot/ldo a 1000 rs. ditos de brim a*
1120 rs r,(fidi do palhinha a 300 rs. sabo-
netes a 240, e 320 pomada a. 240 rs. dita
france/a a 160 o pao agua de colonia a 180,
400, 500, 720, e 800 rs. macass perola a
00 rs. dito de oleo a 160 espirites de dif-
lerentes qualidades em frasquinhos pequeos a
209 rs., banha em boies a 120 rs. rap ro-
lo e princesa de Gase, dito de Meuron e
outras militas miudezas por preco mais com
modo do que em outra qualquer parte ; na
ra do Queimado loja de Joaquim dos San-
tos Azevedo Jnior.
- Vendem-se sorvetes de frutas a 200 rs.;
no botequim da estrella.
\Vende-se um alfinete de oaro de le com
um diamante esmaltado para abertura, bo-
tos para dita, e punhos, um transelim. mo-
derno um relogio horisontal. sabonete de
ouro, um dito inglez sabonete de prata urna
medalha de ouro de lei com diamantes para
senhora, um par de caslicaes de prata semfei-
tio um salva para 4 copos 4 clices para vi-
nho urna colher para tirar sopa, 6 ditas para
dita fivelas para suspensorios e sapatos,
ponteiros, ttulos para crucifixo pares de es-
poras, um arrelcario para pescoco urna sal-
va pequea e urna faquinha apparelhada de
prata ; as Cinco-pontas n. 45.
\ Vende-se panno azul a 1800, 3500, e|
4500 rs. brins escures de linho pintados a
560 rs., branco a 640 rs., e de listras a 480
rs., lanzinba para vestido, cortesde 14 cova-
dos a 5500 e 6500 rs. rapoes para calcas a
280rs., casinetas decorosa 400 rs., rucados
francezesa240, e 380 rs. cambraia lisa a
3600 rs. e outras muitas fazendas por pro-
co commodo ; no Atterro-da-Boa-vista, to-
ja n. 14.
= Vende-se um carro de 4 rodas muito
forte com commodos para 6 pessoas; na ra
do Trapichen. 19, casa de J. O. Elster.
= Vendem-se 500 oilavas de prata fina
em vanas obras, telhas lijlos de ladrilho I
e alvenana cal superior de caiar dita preta'
npas,ecaibrosde30, em Olinda no Vara-
douro venda n. 18.
= Vendem-se toalhas de oleado feitas em
baeta para mesa de meio de sala tanto re-
dondas como quadradas oleados pretos, es-
padas prateadas de roca, e sem ella selins
ingieres elsticos, estribos de metal branco ,
ditos de mola talins e cananas para ofliciaes
tanto de cavallaria como de infantera bar-
retinas de todas as qualidades, bandas de seda,
e de laa tudo por preco commodo ; na rua-
nova tojas de Antonio Ferrera da Costa Bra-
ga ns. 26, e 28.
= Vende-se um sortimento de toalhas de
mbo admacadas com guardanapos, de qua-
lidade superior ; panno de linho em pecas de
18 varas; velas de e5permacete em caixas de
a libras arrello em saccas de 3arrobas, che-
gado agora de Hamburgo ; em casa de H. Me-
hrtens, ra da Cruz n. 47.
\= Vendem-se cortes de'finissima lanzinha
de soberbos padrOes, ditos d cassa pintada
de cores ixas a 38 rs. chales de seda os mais
modernos cortes de chitas finas lencos de
seda de escolh.dos padrees meias para meni-
nos e meninas; na ra do Cabuga n 10
defronte do cereiro. '
= Em casa de Augusto Corbett, na ra
da Cadea do Rec.fe n. 46 vende-se um sor-
timento de agurdente de Franca, e vinhos
do Porto Madera Xerez Shrub tudo de
excollente qualidade, e por preco commodo.
Vende-se urna parda de 23 annos com
algumas habilidades; e urna preta de nacSo
boa quitandeira ; na Rua-velha n. 111 '
= Vende-se um preto cozinheiro; na Rua-
nova n. 21.
= No novo deposito do pateo do Hospital
indo para a Florentina na loja do sobrado n.
18 con inua-se a vender as melhores quali
adesde far.nha, e milbo,e algumacousa mais,
ludo pelo mais commodo preco sendo a fari-
nba pelo diminuto preco da praca, para mais
commodidade da pobreza.
= Vende-so um rebucao novo de panno fi-
no que serve para menino de 11 a 12 annos
na ra estreita do Rozario, toja de alfaiate
n. 4.
== Vende-se urna preta de nacao Baca co-
z.nheira lavadeira engommadeira e faz to-
do o ma.s servico do urna casa; na praca da
Boa-vista n. 7.
= Vendem-se barricas com (farinha do mi-
no ditas com farello. meias ditas com
farinha ; yem casa do Matheus Austin & Com-
panhia ; na ra do Trapiche-novo n. 18.
Vendm-se cones do ianzmna imitando
chal, de gostos encantadores, por preco p
modo, em relacao a qualidade, e prxima
le ebegados; na ra do Cabuga n. 16 """^
= Vendase urna preta de bonita (gura i
nacao, engomoy e cose soffrivelmente- n ll .
Cruz n. 15. X. '"ruada
= Vende-se uma^Mia de angico para
sal, com enxerges, e cortinados; eoBiji.'
da-livros moderno em 3 volumes : na r .
Encantamento n. 4. U8 do
= Vende-se cassa-chita do melhor cosin
que tem vindo da Franca tanto em linl'
padrees, como pela superior qualidade da casw
por preco rasoavel ; na ra do Crespo l7'
n. 23. v a
== EmcasadeB. Lasserre]& Companhia
ruadaSenzalla-velban. 138, acha-sa ven'
da farello de muito boa qualidade, em sacca",
de arrobas ; assim como vinho de Bordeaut
em caixas de duzia por preco commodo.
Escravos fgidos.
No da 20 do crrante veio dos Aflorado,
um preto de nome Garca, com um eixe J
lenha e nao voltou mais e como nunca n
gio tem causado algum cuidado ; levou ca
misa eceroulas de estopa urna patrona ne~
quena na cintura enfiada em umacorreia; quem
o pegar, leve no primeiro sobrado ao p da
ponte dos Alfogados, que tem em baixo que
dagua, que ser gratificado.
Desappareceo na noutedo da 18 do cor
rento o preto Antonio, Cacange de 35 an-
, nos ; levou vestido camisa, e calcas de algodo
Ivelhas, chapeo de palha pintado de preto
quem o pegar leve a ra da Solidado n 64 '
que ser recompensado. '
An^ .Nodal9do corrente fugio o moleque
Antonio de nacSo Angola de 16 annos, ma-
gro meio fulo nariz chato, boca grande-
levou calcas de brim e camisa de algods
azulI ; quem o pegar, leve a ra do Crespo! toja
graLrd0arCOdeS-Ant0n0^u-
= No da 22 do corrente fugio a preta Iza-
bel do nacao Angola de 18 annos, cor pre-
ta boca bastante grande, bem feita de ps
ba.xa e alguma cousa gorda; levou vestido
deeh.ta encarnada com pintas brancas, com
duas voltas do contas azues, e brancas e um
figa de prata no pescoco e argolas de ouro
cortadas as orelhas julga-se estar occull. as
C.nco-pontas ou transitar por este lugar-
quema pegar leve a Rua-augusta casa ter-
Jn,J0ir,0r-d0' raflMo.or. e!
n7iiN0Adia ^ d COrrente desPPareceo o
preto Jos Pnchete, alto, magro, de 20 an!
nos com dous denles do lado superior que-
brados na frente cabello corlado bascan-
te ladino; quem o pegar, leve a ra da Flo-
Sl'dT CaM ^ J' Be^.^-
Fugio no dia 14 do correle a pretaCa-
banna.de nacao Angola alturaT^
secca pe.tos pequeos falta de denles"
parte superior ps feios ; levou vestido de
chita e panno da Costa ; quem a pega |ct
aRua.novan. 33. que ser"gratificado '
-- No d.a 2 do crreme fugio o moleoue
Joao, de nacao Rebollo, estatura bai^ To
magro, tem osdentes da frenle limado; e
um cravo na sola de um p, de sorle que qua'n-
At rredPaarBneaCX(;; '" ^
cado "' qUe Se" ratifi-
= Fugio do engenho Vicente-Campello
freguesia da Escada no dia primeiro de a
ne.ro a negra Maria ChrstinaP. do 50 1^
av'ra ZV'f "^ mUl Secco 1"*
escavra no Recife e acoslumada a vender na
ra; quem a pegar, tove ao dito engenho a
seu proprietano Manoel Goncalves Pore raLi-
rerara Lima que gratiCcara com 308 r<
ZZXZ:)0 aSCU ^P-1"- Manoei
- Fugio na noute do dia 18 do corrente de
um s,t.o na Cruz das Almas um pardo Je 20
annos, grosso robusto, bem proporciono
fa 8meStortCabe,,8 *nnd" de boa ^
CnuSn : qem P0g8r ,eV a ^a do
Ullegion. 15, quesera gratificado.
Rkifb: ha Ttp. dbM. F. de Fahu=1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2ITMKQXW_67O4WE INGEST_TIME 2013-04-13T00:29:36Z PACKAGE AA00011611_04519
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES