Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04517


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1843,
Terca Fera -21
tildo agora depende de nos meamos; da nossa prudencia, moiierago, e energa: con-
tiouenoe como principiamos, e eremos apuntados cnr.i admirai fio entre as Naques mas
editas. ( Prnclamagao da Aasembleia Geral do Brasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goisnna, e Parabyba, segundas o senas fciras. ilio Grande do Norte, quintas feiraa.
Bonito e Garenliuns, ln e 24.
Cabo. Serinhem. Rio Formoso, Porto Cairo, Maceto e \laoas no 1 H, r 21.
BoS'Tsla a Flores a, 3 e 21. Santo \nt.u> quintas Tetras Olinda todos os das
DAS UA MMaINa".
20 Seg. a. Octavio B. Aod. do J de D. da 2
21 Tero, s Columban Ab Ral. Aod.do J. de .da3. t.
22 Quari s Cecilia V. M 'Aud. do J. de D. da 3. V.
23 O-'i't. Cleuente* M Aud. do J. de 1). da t.
t Se, a. -'-Oo da CrtU C, Aud. do J. de D. da 2. t.
jb Si*, a. Cvlharina V. .'. Ral. Aud do J. de D. da i- t.
2(i D'*. s. Pedro Alcxandrino B.
de Nove.nbro Anno XIX. INT. 252.
MMBBBaans
O Ditltto puhlica-se todos os dias <('i* n to fnrem SknrifiOadoa; o preyo da asaijoatora O"
de tres mil res por quarte". piOs adiantados Os annuncios dos sssignsntes sao insenUos
gratis eos dos que n.io forem a ras.io de vO'reis p >r inlia As reclamarles derem serdiri-
gidas a ata Tip., ra das Crutes N. 3$, ou apraca da Independencia toja Jelirros N. oeo.
Tanda.
17 000
N. 46 60u
emitiosNo dia ;U de iNorembro. compra
Caasbiosobre.Lor.drea 26. 0umo-.oda de 8,400 V. WW
, Pars 7' reis por franco.
a Lisboa 110 por 100 daprsimio.
16 MtU
'J 0i
4,920
4,920
l.'JO
da 4,000 V Uto
PaUM-PatteM i 900
Moedadecobie 2 por cenlo. PeioaCaiumnara 1,900
Idea de letras de bne 6rmaa 1 a 1 1^9. ditos M-.ii.amis i.ilO
PHASES DA LA i\ MEZ DE P.OVPMBRO.
La Cheia A 7, as 3 horas e '( >. da machi I La ora a 1, a< 3 b..raa e 14 m da tarde
Qnart. ing. 14, aos li minutos da tarda | Juan aia*>. i 2S, e4 horas e 49 da l.
P reamar de hoje.
1. a 4 horas a "0 as. da anhSa. | Z. a 4 horas a 54 a da larda.
m
G^
fe
^>- 6"5 EXTERIOR.
POR TUGA l.
PORTO 9 DE ETEMBRO.
Urna visita ao general Zurbano.
Fmos hontem ao Castcllo-da-F07.com ofim
do verrnos o general Zurliano c contaremos o
que vimos, e o que pudemos colher do dito ge-
neral. S. Ex.* andava passeando sobre a hate-
ra do castello com inri Hespanhol, quo nos ds-
seriio ser o seu ajudante. O general eslava ves-
tido de calcas alvalias, o urna especie de casa-
ca o que tem o nomo a jaique, cntreos
llespanhoos so chama sacco, c sem lenco ao pes-
coco. Zurbano tem 59 anuos d'idade ; altura
57 pollogadas; falto de carnes e seco, rosto tri-
gueiro e maceratlo ; olhos castanhos ennovoa-
dos; cabello igualmente castanho e algum lan-
o calvo, e debaixo da suissa osqut'rda tom urna
mallia de falta de cabello e tem algumas bran-
cas. Seu carater enrgico.
O general disse quo eslivera escondido em
Madrid e que seollerecra a fazer a sua justi-
licacao perante o governo por mediacao do Olo-
saga seu amigo mas que o governo Ihe Cue-
ra saber, quo nao poda garantir a sua existen-
cia no meio de um povo agitado ; que sahisso
para lora do reino, o se apresentasse a qual
i|uer dos cnsules da raia fazendo peranto elles
a sua submissBo e que depois tornara Hes-
panha sem perigo de vida.
Que entilo sabra de Madrid s oceultas e
viera com diltorentosalmocreves atea raia e sem
perigo algum. Que de Braganca se dirigir a es-
ta cidade que ello havia escolhido como ponto
de reunido sua familia dispersa. Que ebegan-
do aqu se fra apear casa do cnsul hespa-
nhol, que o li/.era accompanhar do sen secre-
tario ao quartcl-general. Quo S. Ex.* o com
mandante da divisao Ihe li/.era intimar para
marchar para Lcria que era o designado quar-
tel dos emigrados ao que elle Zurbano nao
quizera obedecer porque tinha tencao de se
demorar poucos dias nesta cidade e sabir pela
barra lora sendo esta desobediencia a causa
de tersido preso o retido no Castello-da-Foz.
O general mostrou-se muito sentido de ter
sido preso sem ter ollcndido a naciio portugue-
7.a onde viera buscar hospitalidade ; e quei-
xou-se amargamente de ter sido acompasado
de dous soldados de cavallaria : 'elle mostrou
julgareste proced ment olTensivo da dignidade
do governo de llespanha, e mostrou-se muito
pouco satisfeito do comportainento pouco acti-
vo do cnsul hespanhol. Ao mesmo lempo c-
logiou o comportamento do coronel Passos Pi-
incntel governador da Foz que o havia tra-
tado com delicadeza e com respeito devido
i
QUERER PODER.
Verdades ha ruste mundo que nos espanta
quando pela primeira vez as vemos emittidas,
que condemnamos como absurdas; porque Ibes
nao podemos dar crdito. Entra nossa classo a
proposicao que serve do titulo esto folhetim.
Querer poderninguem o acreditar; todos
os obstculos que se erguem ante a vontade,
do homem a presenta-se a idea, todo esso tropel
de impecilios quo resistem os nossos danos. Se
querer fosse poder, ninguem seria pobre, que
lodos querom ser ricos, e apesar do o quererem,
inuitos o nao alcancao: esta e outras objeccoes
ser-ine-hiao iinmediatamente oppostas para me
convencurem de absurdo. E no entanto nada ha
mais real do que essa proposicao, nada ha uiais
real do que o invencivel poder da vontade hu-
mana, quando reno toda sua inteligencia,
toda sua aclividade, quando empenha lodosos
seus f-s(orcos para alcancar algum fim.
Se de autoridades caiecesseiiios paia apoiar
nossa these, poderiamos citar o vate romano o
BOU famosoNil murtalibus arduum es/: nada
lia de impossivel para o homem. Mas pretorio-
do a autoridade do poeta, aooiemos ni rio mnor
capuao de nossos secutes, na do mais hbil po-
sua graduacao. Zurbano casado e tem a mu-
Iber em Franca, e 3 filbos ignora aonde.
O official que o acompanhou Foz foi o ma-
jor Rangel, de 2 de infanteria.
Fallando-se sobre o estado da Hespanha ,
disse que se ai hava dividida em dous partidos :
o exaltado ou ayacucho que quera casara
rainha com o infante filho do Francisco de Pau-
la ; e o moderado ou christino que a
quera casar com um principe francez. Que a
llespanha estava como urna espingarda,que da-
va fogo pela colatra; e quo os llespanhoes mon-
tavao pela cabeca, em vez de montar pelo rabo.
Que nenhum governo era capaz do subjugar
Barcelona porque al havia urna revoluco
permanente promovida pelos fabricantes e
que onde haviao fabricantes nao poda haver
socCgo.
Como o general, quando chegou a Foz nao
quz acceitar urna chavena de cha,que o gover-
nador Ihe odorecera e apenas cera dous ovos
assados, que mandara buscar mis Ihe disse-
mos que nao devia rocear da comida ao que
nos respondeu, que nenhum receiodsso tinha,
mas que nao tomava cha nem chocolate, nem
bebidas espirituosas e s gostava muito de
fructas. O seu jantar que hontem mandou ir
da casa de pasto do Silvestre era mui parco ;
elle o desjgnava pela palavra el Puchero.
Disse-nos mais, que nunca tivera receio de
sor assassinado ; que D. Carlos o mandara as-
sassinar varias vezes; e que o Prim ltimamen-
te oTereccra 50 mil p^zos, e a patente do coro-
nel a quem o envenenasso ; quo elle descohrira
os assassino em Lrida, e achando-lhes o ve-
neno os fi/.era logo fucilar.
Accrescentou, que a nica cousa, que o affli-
gia era a sua familia que elle amava em ex-
tremo o cuja sorte Ihe causava o maior cui-
dado. Ohservando-lhe nos, que essa saudade
era um signal de fraqueza em um coracao crea-
do nos combates o general mudou de cor, e
dosenvolvendo um terrivel accionado, e um ros-
to o mais ferozmente expressivo, perguntou-
nos Useid es padre"* e ten do' Iho 'tssegu-
rado. que eu tinha esposa e filhos exclamou :
nos combates sou urna lera o meu gosto na-
dar em sangue e pizar cadveres I E acom-
panhou estas terriveis expressOes com urna phy-
sionomia tao atrozmente expressiva que nos
espantou ; nella conhecemos o general Zurba-
no. Mas logo mudou do tom e disse : porm
ao pe do minlia mulher e de minha familia sou
um cordeiro : o seu gesto se colirio de placidez
o dosocgo. Pareceu-nosum africano devorado
de paixoes.
Fallando se sobre a campanha ultima dis-
se-nos que elle tinha com o general Seoane mar-
chado sobre Madrid com toda a forca, que pu-
litico, na de Napoleo emfim, esse tonento de
artilhariacorsego que chegou a sentar-seno mais
alto dos Himnos da Europa.Impossivel 6 pa-
lavra sem sentido, disia o here, que deve ser
riscada dos diccionarios,que tudo possivel
quando de veras o queremos.
Milheso milhoes de argumentos poderia a-
qui expender, que pelas leis da lgica, levasse
a conviccao aos espirilos; mas dar em folhe-
tim urna argumentacao lgica com todo oseu
a tubo do- syllogismos e enlnimemas,seria de-
sconhecer inteiramente a naturesa do folhe-
tim. Melhor 6contar urna historia verdica,
como tudo quanto corre em lettra de forma e
que pora patente quequerer poder: a histo-
ria nao 6 de invoncaS minha; li-a, nao sei em
que livro, e com as ideas que me ficrao na re-
miniscencia, pretendo arranjar tres apndices
dos quaes este o primeiro.
Viviad n'uma quinta dos arrabaldes de Pars,
retirados do mundo, sos com um flho, anda
em tenra idade, um antigo negociante o sua mu-
lher. nico objecto de sous desvelos, nico con-
solo, nica oceupaca das longas horas de seus
dias era ese ilhinhoquo gentil, como todos os
meninos o sao aos olhos de seus pas, brlncava,
saltava, corra sobre verde relva por entre as
llores, mais vivo, mais bello do que ellas
derao reunir quesecompunha do 11:800ho-
mens inclusos 800 cavallos. Que fra Seoa-
ne o que deitara tudo a perder pois nada sa-
bia de guerra de posicoes ; o que a retirada ha-
via desmoralisado os soldados. Perguntando-lhe
o motivo,por que Sua Ex.* se nao appresentava
fardado e com as suas insignias, respondeo-nos
que nunca usara de uniformes nem era gene
ral de paradas, mas s apparecia frente dos
soldados na occasiao de ataque.
Durante a nossa conversacao que durara
urna hora continuando nos a dar-lhe otrata-
mento de excellencia o general dando-nos o
braco, nos disse com a maior franqueza dei-
xemos-nos desses tratamentos. Achando-nos
j no quarto com o general receheo elle um
pequeno presente de deliciosas peras, que o go-
vernador Ihe olfertou saliendo que elle gosta-
va muito de fnieta.
Disse-nos tambero que o infante D. Fran-
cisco de Peala Iho offnreccra o spu palacio e a
sua proteccao se ello general quizesse seguir o
seu partido; mas que elle recusara, porque nao
quera involver-se mais as guerras civis da sua
patria : e dando- Iho nos a noticia du tentativa
revolucionaria de Madrid ltimamente feta
pelo regiment do principo o general respon-
deo que se nao admirava e que Ihe pareca
impossivel, que nella niio entrasse tambem o
batalhaode Izahel2.*S. Ex." nos affirmou.quc
nunca estivera prezo.
Concluiremos nosso artigo di endo que nos
parece que o general Zurbano mostra niio ter
uso das grandes sociedades, e nao ter tirio edu-
cacao fina ; mais um cossaco, que um ho-
mem de corte ; mas conversado niio deixa de
er interessante, tratando bem o com maneiras
de um homem cuja vida se tem empregado nos
combates. Tem sido objecto da curiosidade pu-
blica, e a sua delencao nao tem sido geralmen-
to appl.uidiila.
11 de setembro.
A Inglaterra olTerece actualmente um pheno-
meno digno de meditacao; em nenhuma na-
cao a industria so ha elevado a tanto auge em
nenhuma nacao as classos industriosas se a-
ehiio em tanto apuro os tumultos dos Rebe-
caitas tiveraoorigem no grande numero de bra-
cos quo ficarao sem ter que fazer por falta de
consummo das obras de ferro, e os dos carlis-
tas niio tem outra origem mais que o apuro,
em que es tao as pessoas que se sustentan da in-
dustria: espantosa a miseria que reina om
Birmegham e Manrhoster.
Os interessados tem tido varias conferencias
com o primeiro ministro, e tem-lhe suggerido
varios alvitres para remediar o mal; porm a
opinio do ministro que o mal procede do ex-
cesso da produccao, quo os alvitres sao incul-
cases, o que o mal incuravel. A resposta do
ministro tem sido tao mal recebida que anda
v;~~..-.
^t|uiuiu... vj.-iu iumiiiiu a nao ser
um voiho Aiieinao, phiiosopho, especie de urso
que depois de ter muito viajado, muito estuda-
do os homens e as cousas, viera sentar sua re-
sidencia em urna cabana arruinada, quo ficava
naquella visinhanca.
Em suas longas viagens, o Allemo havia fei-
to larga ceifa de verdades ignoradas pelo vulgo,
e que o esludo e a observaco Ihe haviao desco-
berto, larga ceifa dos erros, dos ridiculos e dos
crimes dos homens, de modo que ouosso phi-
iosopho via-se obrigado detestal-os: bom pro-
veito de tanto trabalho! Pedia porem a sensibi-
lidade de seu coracao que esse odio geral, esse
despreso da especie humana tivossem umacom-
pensacao, e o nosso pliilynptjo a achava no a-
oior que consagra ve infancia; a infancia era o
objecto de seu culto, pois delta esperava a rege-
neracao da humanidade, pois em suas (cees
anglicas ainda puras e virgens, elle via pa-
rar um nao sei que celeste, pois ainda as nao li-
uliao adeiado paixoes ciimioosas, o habito dos
vicios, c os pesares e os prascros tao estragado-
res. Tal vez que fosse por causa do menino Jor-
ge que elle frequentasse a quinta do velho ne-
gociante, talvez que em favor do filho dsse elle
indulto ao pai, e o nocnvolvesse na geral pros-
cripcao de sua misanthropia.
Fosse pelo que fosse, o certo 6 que o no?so
phiiosopho era o companheiro inseparavel dos
brinqueaos ae jorge, que, para com elle correr,
e saltar como que remocava, como que se fa-
lla pouco se propz em urna assemblea, que se
pedisse rainha .-juc demittisse um ministro
que por o fado de asseverar que nao sabia re-
medio para a miseria dasclasses industriosas ,
era incapaz do ser ministro ; ninguem gosta do
medico quo Ihe diz, quo a molestia nao tem
cura e 6 isto causa muitas vezes de irem cair
as maos dos charlates que prometido quanto
se quer.
Se o mal fra curavel, e de presumir que
homem de tanto talento como S. R. Peel Iho a-
cortaria com a cura. O excesso da produccao
relativo ao consummo ; pode a produccao ser
pequea eser ainda excessiva relativa ao con-
summo. At agora a Inglaterra abasteca, por
assim dizer, todos os mercados com a sua in-
dustria mas actualmente ja nao fornece os
mesmos mercados. A industria tern-so apura-
do em naces, que at agora erao consummido-
ras da induslna ingleza e que agora o nao
sao: c a Inglaleora tinha abracado quantos
mercados podiao dar extraccao sua industria.
Pode o primeiro ministro fazer retrogradar o es-
tado actual de cousas como seria necessario.
para que a industria Ingleza se sustentasse n
mesmo p que se elevara ? So isto nao pos-
sivel, tambem parece nao sor possivel achar re-
medio molestia que afflige as classes. o que
sobe muito sujeito a dar maior queda.
Os tratadores decommercio podem dar al-
gum refrigerio ao padecimento mas naocu-
ral-o; para isto seria preciso que podessem
fazer retrogradar as cotisas ao que erao, o que
moralmente impossivel. O ministerio tem
fcito esforcos consideraveis por conseguir estes
tatados, mas nao tem sido muitofelit; para
que fossem proveitosos conviria receber muito
em troco de pouco e isto que se torna dif-
ficultoso.
Alguns assento que a abolicao da lef dos ce-
reaes remediara o mal; mas esta abolicao po-
da arruinar a agricultura, e nao ser vantajoso
para os industriosos. Parece-nos que a opi-
nio do primeiro ministro verdadeira; que
acertou com a sede da molestia ; que o mal so
tem a cura que Ihe dora natureza das cousas.
Mr. O'Connell em urna das assembleasdos
repealers disse que i Irlanda da uniao coma
Inglaterra nenhum bem tinha vindo e s mal
que a Irlanda nunca fra tao feliz como no pe-
riodo que decorreu desde a incruenta revolu-
co de 1782 ate 1799 ; qUe esta era tamDem a
opinio do conde Clare o Robespierre da Ir-
landa o maior tyranno que ha vivido ; que a
Irlanda dorma agora mas quu breve acorda-
ra ao glorioso som da trombeta que retumbara
nos outeiros de Tara.
Ao fechar-se a discuss3o na cmara dos com-
muns Acerca dobill d'armas na Irlanda disse o
doputado Disracli que na > estava distante a -
poca em que resurgira um grande homem
sia croanca, em quanto o menino, para con-
versar com seu velho amigo, como que senta
sua raso elevar-se, desenvolver-se sua compre-
henso.
Emfim chegou Jorge idade de 10 annos ,
sentirn seus pais que deviao delle separar-se
para que fosse em algum collegio receber essa
educacaem commum, queda tao bons resul-
tados, para que, longe da proteccao paterna ,
comecasse o longo tirocinio da vida, como oco*
meca a avisinha que, deixando o ninho, se 'a-
bandona aos ares, liada as suas, ainda tao de-
licadas e inexpertas pennas.
Muito contrariou esse designio ao nosso phi-
iosopho; achava que, no collegio, o seu Jorge
1a perder o vico de sua innocencia, cancar-se
com escusados estudos o apprender esse vicio
tao hediondo e tao commum, a hypocrusia. No
entanto, apesar de suas observaces. apesar da
dr que haviao de sentir em sua ausencia, ape-
sar dos amargores da separaco, seus pais resol-
vera seguir o caminho que os mais dos homens
seguem para a edueacao de seus filhos. Jorge
enlrou para o collegio.
Nao minha tencao seguil-o aqu, passo a
passo, na novacarreira quo vae trilhar, bsta-
me quo vos diga que nessa repblica de que a
igualdadea primordial base, onde nnn vxlem
protecces nem emponhos, nndesiSccadmiUem
as dilTerencas que introduzem a lrea. a habili-


m
que salvara a nacao do msora em quo jaza ,
e a restituira ao seu antgo esplendor S. R.
Pee! picado respondeo que quando Ihe ouivra
fallar no grande homem, que proporia gran-
des e applausiveis medidas, nunca cspenra que
o honrado "nombro as desenvolvesse liudamen-
te ; mas que vendo agora quo tomava u reso-
lucao de nao votar cntrava em receios de que
nao fosse elle ( Disraeli ) o grande homem pre-
conisado. Esta allusuo do prmieiro ministro
refore-se ao seguLntecaso.
Andando Disraeli passoando chegou-se a
elle com grande respeito Sane Fon ( o celebre
membro do parlamento j perguntando-lhe
quando lhe seria possivel ter em casa deile Sane
Fon urna entrevista com Disraeli pois tinha a
communicar-lhe ohjecto de grande impor-
tancia.
Convencionou-se o dia e depois de se a-
char Disraeli em casa de Sane Fon entrou este
a pequeo intervallo a explicar o motivo da en-
trevista que era de summo interesse nao s
para o honrado membro por Shrewburg mas
para toda a naci. Disse que a orca de medi-
tar as escripluras o prophetas tinha vindo no
? conhecimento de que eslava prxima a viada
d'um Messias que manifestndose ao povoo
restituira sua antiga gloria ; que este Messias
procedera'los Israelitas, masque seguira a
fdoChrsto ; que quantoelle Sane Fon po-
da alcancar tinha M. Disraeli todos os signaes
de ser o Messias preconisado que primeiro so
lhe revelava a elle eui particular, mas que
breve se manifestara a toda a nacao.
Puhlicou-se em Londres urna caricatura de-
vida a H. B. a qual tem por ttulo Nao ha
fumo sem fogo. Nella se veem os ministros
em volta d'uma bomba que lhe landra O'Con-
nell o qual espera com ancia que rbente,
.ord Stanley com a sua habitual ousadia ,
vae lap.car-se bomba,exclamando : deixae-me,
o n um instante a apagarei ; ajas contem no
S. J. draham di/.ondo-lhc que queimar os
dedos. Lord Elliot com urna seringa tira a-
gua d'um vaso que tem por nomo oill das ar-
mas e lauca agua bomba mas com pouco
efeito em quanto o manso e pacifico Lord
Grey,por extremo emharacado com o papel que
ha de fazer, folhea precipitadamente o livro dos
estatutos buscando a pagina ,relativa aos mee
tings. S. R Peel com a maor tranquillidade
do mundo diz : nao vos caneis que por si se
apagara ; e Lord Wellington que ha visto
muitas destas sceiias e que por isso esta Iho
nao causa commodo contentase com dizer :
podo ser mas tambem nos podemos ser quei-
mados. O agitador est no fundo do quadro
com urna tocha na mao caminhando com as
avgberas chcias de dinheiro.
DECLARADO
Em nomt e por ardan de El-rei o sr. D. Mi-
guel X." N.274.
Sabendo Sua Magestade que um grande nu-
mero de possoas de dilTerentes classes o opinies
em Portugal, ao creuim approxlmar-se as cir-
cunstancias opportunas para se efTectuar alli
urna restaurad0 nacional, desejo comtudo
conhecer as suas reaes intencoes a esse respei-
to, quer que estas se Ihes faco explcitamente
constar, da melhoi* maneira possivel na posico
actual das cousas; manifestundo-se o systema ,
o methodo, eos principios, porque flrmeo in-
variavelmente ha determinado proceder ,' e fa-
zer so proceda, em tao honrosa e patritica em-
preza. Para este flm ha lempo j, constitui-
do aqui, autorisado com os poderes competen-
tes o centro de direceo para regular-se o an-
damento dos negocios da mesma restaurado ,
acaba d<; ordenar-me, por instrueces e resolu-
! i
cues de 15 e 27 de maio passado, e referindo-
se a mitras precedentes de diversas datas, que
em seu augusto nome faca opportuna e discre-
tamente conhecer no reino varios pontos e bases
que vou a designar ; para que todos os honra-
dos patriotas, todos os bons Portuguczes aman-
tes da independencia e verdadeira liberdade na-
cional posso a isso conformar suas vistas,
tendencias, esforcos e procedimentos de um
modo convergente o uniforme, como essenci-
almente importa ao ellicaz desemp.nho de tao
nobre proposito.
Kntende Sua Magostado : *
I." Que o nico meio de salvar-se a nacSo
do sua total ruina e o fazer-se que reverta
unidade social, o reunir do novo n'uma s fa-
milia e concorde irmandade poltica todos os
Portuguezcs.
2." Que a s base para bem se elTectuar boje
taodesejavol resultado, o reslabelecimento
da sabia e bella antiga constituirlo nacional ,
coeva da monarchia, e com esta nascida, crea-
da desenvolvida, identificada; repondo-se
em seu completo vigor de facto como semprc
o estove de direito pois a le constitutiva do
estado nao presnreve, nem se alterou em Por-
tugal pelas nicas formas legaes por onde s
podia invadir-so.
3 Que similhante restabeleciment nao sig-
nifica rejeitnr-se o principio de melhoracSo c
aperleicoamento progressivos, na administra
cn no governo as instituiedes as leis ,
adequados ao adiantamento social da nossa ida-
de, mas que tudo prudentemente se faca pelo
orgao formas, e methodo regulares, isto ,
pela devida intervendo da legitima represen-
tado nacional, segundo da mesma constitu-
cSo e sem o que taes alteracoes nao podem
hem e validamente fazer-se.
. 4. Que o liaver-se abusivamente desusado ,
fin mais de um seculo, mas sobreludo no ac-
tual da sabia pratica e regras d'aquella verda-
deira constituido deslocando-se dos orgos le-
gtimos e naturaes do estado ( as cortes, os
trihnnaes os conselhos, as corporac5es as
magistraturas &c. ) suas apropriadas compe
lentes, e respectivas atlribuicoes, para arbi-
trariamente as arrogaren) a si ministerios ou in-
dividuos imprudentes, foi a fonte fecunda e
principal de tanta confusao e desordem como
.p introduzio no gnverno e administrado pu-
blica ; dando isso lugar a mil abusos de auto-
ridade, e estes aos sodrimentos do povo, d'on-
de em fim se motivarlo as revoluc5cs.
5. Que a restauraco nacional deve portan-
to primeiro que tudo consistir n'uma comple-
ta restituido do exercicio do seus direitos .
funeces autoridade e prerogativas consti-
tucionaes a todos esses orgos a quem se rou-
baro : reparando-se assim os erros e engaos
de 1820 em que isso deveo fa'er-se como
se prometteo, e seno lez : falta donde proveio
a serie de civis desgracas que desde entilo tem
arabrunhndooreino eotrouxerSo a seu de-
ploravel estado actual.
6. Que cumprir pois e mprehender-se
brevemente um esforco nacional para por tal
resfahelecimento se restituir ao povo pnrtuguez
o ao mnnarrha legitimo o livre exercicio de seus
dislinrtos c respectivos direitos. quaes a dita
excellente constituicao os estahelece ; firma e
saneciona : garantidos 1. as cortes de Lame-
eo 2.9 nos assentos constitutivos suhsequentes
dos tresestados do reino e leis que Ihes sao
relativas 3o as mui sabias e venerandas an-
tisas institiiices, muncipaes, consultivas,
administrativas, udiciaes. zc. como tudo es-
tove anda em plena pratica, e exercicio no rei-
nado do Sr. D. Pedro IT.
7. Que a bandeira da restaurarlo deve ser
tambem a da rHconciliado nacional e da
5!
cessaco de partidos: n5o se consentindi mais
perseguido ou animfdversao qualquer por o
pinioesou actos polticos passados.
8. Que na condigno deploravcl a que os
grandes desperdicios e malversaces bao trazido
a fazenda publica s por um systema da mais
exacta economa c udiciosa parcimonia tem-
poraria poder vencei-sea grande difficulda-
de da nossa posicao em tal artigo e vir a sa-
hir-se gradualmente da profunda miseria actual;
devendo assim a adopdode tal systema ser
um dos mais prominentes cuidados da restau-
raco o havendo tao salutar eiemplo de co-
mecar pelo proprio paco de 9. M.
Com a maior satisfacao tenho a honra de
fielmente expr estas mui sabias e patriticas
vistasde S. M. considerado de todos os ho-
mens sensatos, confiando el-rei que nao po-
derSo deixar de ser applaudidas e secundadas
por todo individuo que ainda nutra senlimen-
los verdaderamente portuguezes. Para mais
firmeza do que deito dito concluirei annun-
ciando que tenho em meu poder documentos
authenticos e assignados da real mo de S. M..
em que declara com a maior decisao e nobre
seguranca que observar e far observar
exactamente a descripta verdadeira constituicao
nacional, da qual ser elle proprio semprc a
mais firme columna e garanta
Londres 24 de junho de 1843. Antonio
Ribeiro Saraiva.

dade, eas outrasqualidades sociaes, nessacom-
munldadecollegial. Jorge se a Hez em breve
seus costumes. e s suas exigencias, em breve
esqueceo o inspido ngasalho da casa paterna
para posar dos turbulentos praseres da existen-
cia coegiana Jorge, por instincto, adoptou es-
se meio termo da mediocridade taoconsentaneo
com a fellcldade e com o desea neo : elle nao era
dos mais preguicosos nem dos mais trabaja-
dores; nem dos mais travessos nem dos mais
socegados; nem dosprimeiros, nem dos ltimos:
emfliii era um menino como os mais.
Acabados seus estudos preparatorios, nao tan-
to por escolha de sua vontade, como para obe-
decer a seus pas, Jorge matriculou-se na esco-
la de direito e comecou a sosar de ta vida de
estudante, que delxa tao doces recordaces, e
que por desgraca tem tao pouca durad0*
Emfiiii terminados seus estudos, recolheo-se
casa paterna para descancar desses trabalhos,
e refazer-se de lonjas para comecar a vida de
preocupacocs do homem socil. Poderia se o
qui/esse, aspirar algum lugar de magistratura;
mas Joige sabia que nao tinha proteccoes nem
tambem as qualidades precisas para supprir es-
sa deficiencia, via pois que nao alcancaria ser
magistrado. Poderia lancar-se na carreira das
lellras, compr novellas, dramas, e tragedias,
i'inf.f ** -<- liit.ir^fi-' n*nc -^!*y>'i Monte
para a meta Ue>a carreira, vio pojKWi e o i
hospital, eJorge desacoror;ooii: poderia met-
ter sea rabiscar papel com artigos de poltica,
com censuras ou louvores aos ministros, a col-
loborar emalgum jornal, mas Jorge era o ho-
mem da rasao, e n5o do enthusiasmo; fro e
calculador vio logo a principio todos os dissa-
boros da vida do jornalista, eassentou ^ue me-
lh"r era atirar-se a affagar. Emflm sua indolen-
cia lhe fez escolher a profissao de advogado: o
advogado se nao trabalha, se nao ganha, no
por culpa sua, que os domandistas o nao pro-
curan; se perde as demandas, a culpa nao
sua, preciso que um perca para queoutro ga-
nhe, e a corrupcao ou ignorancia do juiz ah es-
15o para pOI-o a salvo Serei advogado; disse
Jorge, o que melhor carreira posso escolher? o
que que nao pode alcancar o advogado, na -
poca da regenerado social ? O que o yste-
ma representativo spno o imperio dos advoga-
do s, ou o da loquella ? assim serei advogado,
e ao depois o que mais Dos quiser.
Hem resolvido seguir essa vida; Jorge se
dispunha a voltar para Paris. quando o philo-
sopho tomando-o aparte: Meu Jorge, disse-
Ihe, ides principiar vossa vida, quer dar-vos
um presente, em penhor da amisade que vos
tenho: nao acreditareis as minhas palavras ,
tomar-mo-heis por louco; mas pensae o que
q:;5e.dcs, S vos pc>~ que me :r.cutc:s co.r. a-
tendo, que vos lerubreis do que vos digo, que
C0NTIN0ACA DAS NOTICIAS DO PAQDBTE.
O padre Matheos, o apostlo da tempornea,
continuava a pregar a abstinencia de bebidas
espirituosas,e a receber na associado dos Tee-
tolalers os que se prestavo a farer voto. Em
29 houve grande assembla cm Somers-town ,
em que fallrao varios oradores cerca das van-
tagens da abstinencia de bebidas espirituosas.
Um destes notou, que em Sheffield se gastavao
annualmente em serveja quetrocenlos mil libras
esterlinas que das indagacoes feilas por or
dem do parlamento constava que em Londres
as lojas de bebidas espirituosas erao nove vezes
tantas como as dos outros alimentos ; que si
fflsse possivel ajuntar todas as que se consom-
mem em um anno formariio um lago do 84
milbas de compriniento 60 ps de largura ,
e tres de altura. Notou e provou com docu -
mentes estatiscos, que a maior parte dos crimes
procedem do excesso de bebidas espirituosas
Disse que a opiniao vulgar de que o uso de be
bidas alceolicas era til sade era errnea ,
como se demonstrava por a anatoma physio-
logia e medicina. O padre Matheos tem na
Inglaterra Icito grande numero de proselytos, c
tratava de ir a Londres.
(P. dos Pobret no Porto.)
DIARIO HE PEBNAHBUCQ.
0 vapor Paquett-do-Sul chegado boje (20)
do Rio-de-Janeiro com 11 das de vagem dei-
xou a capital, a Baha e Macei em tranqu-
lala de.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 20......... 4:5008202
DescarregSo hoje 21.
BarcaTentadora diferentes gneros.
Patacho americano Mary Col dilTerentes
gneros.
Brigue portuguezJosephinadem.
Barca inglezaPriscilladem.
acceiteis meu mimo, que o guardis*, as cir-
cunstancias vos obrigard a usar delle. Aqui o
tendes, e apresentou-lhe urna bem trabalha-
da caixinha de cliarao.
Dentro desta caixinha, continuou, existe
um frasquinho: um poderoso talismn. Quan-
do anuentemente quiserdes alguma cousa, o ta-
lismn vol-a dar. Esperareis que chegue a la
cheia, feichar-vos-huis s com vossa caixinha;
reflectireis em todos os meins humanos de ob-
ter o que desejaes.e se nenhum econtrardes.vos
serviris do precioso liquido que conten. Mas
cumpre que, as 24 horas queprecederem. as
24 que se seguirem essa bebida.concontreis em
um nico todos os vossos desejos, que s nellc
pensis e noi meios de o alcancar. Excuso di-
ser-vos que um desojo vago, indeterminado e
complexo, naoo queseive. Em balde quere-
reis ser rico, querereis ser feliz, ser poderoso,
o talismn no vos servir para tanto: preciso
que vosso desejo seja nico, determinado e
simples.
O mancebo ficou espantado de ver tamanha
loucura em um homem que tomara at enlao
por sabio e discreto: todava por complacencia,
! talvezmesmo por commiseracao, acceitou-lhe o
! mimo, guardou-o, e levou-o com sigo para sua
j nova residencia de Paris.
Corr.Gcazde sua r.cva c.ister.cis, Jcrgc ienlio
\ que dcviauai Ue mao a todos os seus amigos
Dita austracaClieienbltfaringa de trigo.
BrigueHellenaU boado.
QJnneto diversos gneros.
IMPOnTACAO.
Tentadora barca portuguesa vinda do
Parto entrada no correte mez, consignacao
de Manoel Joaquim Ramos e Silva, manfes-
tou o segunte :
1596 alqueires de sal, 3 caixas com chapeos
grossos, 31 canastras d'alhos; a o consignatario.
2 caixas chapeos grossos 1 dita calcado 1
dita ma alampada de prala 2 pipas, 3 meas
ditas c 1 barril vinagre 500 feixes de pir.bo
abatidos, 10 feixes d'arcos de pao ; a Manoel
Ignacio deOliveira.
10 pipas vinho; a Thomaz de Aquino Fon-
ceca.
36 caixas vinho engarralado, 3 canastrasce-
bollas, alhose nozes; a Domingos Jos Veira.
6 meias pipas e20 quartolas vinho;a Cht>rles
Ropp & Companhia.
2 meias pipas encapadas com vinho ; a Luit
Gomes Ferreira.
1 meia pipa e 34 quartolas vinho ; a Manoel
Duarte Rodrigues.
18 barris pregos surtidos 11 ditos tornos
3 caixas lnhas ; a Jos Alfonso Mofeira.
1 caixa linbas ; a Francisco A Ivs Taques.
3 ditas fechaduras; a Fonseca & Silva.
3 marquezas e 2 mezas de cerdeira; a Anto-
nio Jos \ illas-boas.
2 caixas coeiros de batlha ; a Jos Pereira
Monteiro.
2 ditas macella ; a Thomaz de Faria.
1 embrulho castcaes de prata ; a Joio de
Fretas Guimaraes.
7 cunhetes vasos de loace ; a Jos Joaqun*
Pereira.
5 barris presuntos, 2 caixas rolhas de corn-
ea ; a Antonio Ferrera Lima.
1 caxn com maos peitos e pernas de cera ;
a Antonio Francisco Cordeiro.
5 caixas diversas ferragens e palitos 4 ditas-
e 30 barris machados enxadas, e pregos sur-
tidos 1 caxa ffir de sabugueiro 1 pedra la-
vrada; a Antonio Valentn da Silva Barroca.
6 barris enxadas, 6 ditos tornos, e pregos;
a Mendes & Oliveira.
10 caixas pomada ; a Joo da Costa Lima.
9 ditas dita ; a Jos Duarte das Neves.
1 embrulho meias de linho ; a Joaquim Jos
de Amorim.
1 barril vinho ; a Jos Alves Lima.
3 pacotes coeiros de algodao; a Joaquim Fer-
rera Ramos & Irmao.
I caxa botes de retroz e de linba ; a Jos
Carlos Teixeira Soares.
5 barricas rlhas de cortica ; a Joaquim da
Costa Faria.
1 caixa nozes 1 dita hacalho 2 cunhetes
doce ; a Jos Pereira da Cunha.
1 caixa com basinhos de chifre ; a Antonio
Jos Nunes.
3 barricas drogas; a A. I. Pimenta da Con-
ceico.
1 dita ferragem ; a Luiz Jos das Neves.
2 barris carnes 4 caixas e 1 sacco ifllhas
de cortica ; a J. G. da Fonte.
1 embrulho ignora-se ; a Jo5o Pinto de
Lemos.
1 caixa impressos; a Manoel Figueirfla de
Faria.
6 barricas ferragens ; a Francisco Jos da
Silveira.
100 feixos de pinho abatido; a Jos Ignacio
de Medeiros Reg.
9 canastras mac5es ; a Manoel Fcrnandes
Gucdes.
hbitos, e recuperar pela assiduidade do traba-
Iho e do estudo. o lempo quo havia pi rdido: ha-
via-se contentado com ser mediocre esludantc;
quiz ser bom advogado, e comecnu a frequentar
n foro, a procurar relaccscom os mais afTaina-
dos dos seus collegas, a ouvirsuas lices, a ap-
proveitar seus conselhos. Essa profissao que
a indolencia lhe tisera preferir, entao conheceo
quanto era espinhosa, masquanta dofuia tinha
para suavisar seus amargores, e enlhusiasmou-
se por ella.
Todava, ou por timidez natural, ou porque
nenhum cliente se atrevesse a confiar sua inex-
periencia a defensao de seus direitos, Jorge an-
da nao havia patenteado sua habilidade, e seis
meses j erao passados, o o moco se afliga des-
sa vida obscura que viva suspirava por urna
causa que defendesse, como a trra abrasada pe-
los raios do sol suspira pelo tenue rociar do or*
valho: mas o anjo que velava sobre seus desti-
nos rctardava como do proposito, sua entrada
no foro, para que, no silencio do gabinete, se
preparasse, e podesse ahi apparecer armado de
longo estudo, de longa meditacao-.
Emflm um aviso dochefe de sua ordem orde-
nou-lhe que se encarregasse da defesa de um
infeliz, que comprometido em grave aecusa-
co que o subjeitava pena ultime, azia pre-
so, e tinha de mm juigudo dentro de um oij.
(Contina.)


w
1 caixa diversos objectos ; a Bernardo G. de
Carvalho.
1 caixa panno do linho ; a Francisco Anto-
nio da Costa Guimares.
4 barricas biscuuto 1 volme capaxos, 1
gaiola coclhos; a Antonio Joaquim Ferreira de
Sampaio.
9 canastras majaes; a Mosquita# Dutra.
1 caixa enaceita, 1 dita bacalho; a J. da Sil-
va Castro.
4 canastras macaes; a I. I. Pires.
3 ancuretas aseiio de oliveira; a Jos Pereira.
1 barril peixe; a J. B. Bntelho.
1 caixa fu sendas; a J. Munteiro da Cruz.
14 barris vinho, 2caixas cueiros du alRodo,
i santuario, urna mesa do jamar, 1 barril car-
ne do porco, 1 dito peixe; a Jos Antonio da
Cunha
23 canastras macaes, 1 caixa urna imagem, 1
pacote i; um embrultio pan pomada 1 dita ferragem, 2 barris pcixe, 2
galotas passaros e pombos; a ordem.
3 cunhetes doce; a Antonio Pereira da Cu-
nha.
1 dito dito; a J. dos S. Nunes Lima.
2 caixa papel, 1 dita fasendas, a Oliveira 6
Maia.
700 resteas de cebollas; 13 canastras macaos;
a Manuel da Silva Santos.
1 caixa cun urna cabelleira para o Sr. Bom
Jezus dos Passos; a Fortunato Oardoso de Gou-
va.
3 caixas ferragens; a M. A. de Sousa.
i dita pentes; a Jus Jouquim Anastacio.
1 dita ferragem; a A. F. da Gusta Braga.
28 canastras macaes; a Manuel d'Azevedo
Maya. .
1 caita (erragens; a Jos Antonio Bastos.
1 dita miudesas; a Manoel Goncalves.
1 jumento; a Manoel da Silva lava.
5 caixas chapeos de brajja, 2 ditas ditos de
la, 28 barris e 34 canas ferragens, 7 canastras
mages; a Silva Barroca V Andraile.
7l2cadeiras, 16 mullios rom ditas, 4 canaps,
10 mesas, 1 guarda-ruupa, 3ct>in cador de diversas madeiras, 2 barris vinho, 20
caixascevada, 5 barris enxadas, 197 feiches de
pitillo abatido, 119 rodasd'arcos de pao, 1:000
llagas de vimos, 26 canastras maraes, 1 caixa
miudesas; a Emygdio Jus de Oliveira.
28 canastras e3 gigus mages, 10caixas plan-
tas, 10 viveiros o gaiullas passarus; a diversas.
1 barril peixe; a Antuniu DiusSoulo.
Primeira parte.
Madamoiselle Carmela Adelaido Lucci,
executar urna linda cavatina da operaJor-
ra/ do Doriska.
Do mestre G. Rossine.Tuto i vano.
Segunda.
Mr. Mathevel deseen pon liara () Pedestal.
O Homem Msculo. O Passeio de Her-
cules.
Terceira.
Madamoiselle Manoela Caotana Lucci can-
tar urna linda VIodinha.
Quarta
O Alcides Irancez far? as seguintes posicoes:
O Vi rpido. O Dos Marte. A Ca-
deira romana.
Grande experiencia do Marechal Xax na
qual Mr. Mathevet dobrar um pataco com
a forca dos dedos polegares juntos com os quatro
di'il s das mos ; experiencia que teve a honra
de executar diante de sin Magostado o S. 1).
Pedro II imperador do Brasil.
Mr. Mathevet pede aquellas pessoas que
julgarem que elte tem alguma preparadlo no
ditopalo, levein ulgum para nello fazor-se a
mesma experiencia.
Quinta.
Rafael Lucci, e sua lillia Madamoiselle Car-
mela cantarao o jocozo duelo da opera O
Porta abandonado do mestre S. Mercadante
Jo vorrei che il tuo bel core.
Sexta.
Grande deslocaco geral executada por Mr.
Carlos Clere discpulo de Mr. Mathevet, com
o tituloO Phenomeno occidental.
Stima e ultima parle.
Mario nos ferros.Mr. Mathevet executar
todas as posicoes do dores e tormentos que so-
(reo Mario segundo a historia.
Os bilbetesacho-se a venda no mesmo tneu-
tro.
( Principiar as horas do custume.'i
= Por execucao dos administradores da I i-'tando a retirar-se desta provincia, oferece
quidacao dos fundos da extincta companhia ceder o seu estabeleciuiento por inteiro com
peranteosr. Dr. juizdedireito da t a vara do tudas aslrmis, tintas, vernizos, e gfoso
civol acha-secm praca para serarrematada de urna pessoa <|ue so qui/.er dedicar a esta arte ,
venda urna murada do casas de dous andares c compromettendo-se a t-nsinar Ihe piecisamente
sotao n.47 sita na Rua-nova com 36 pal- toda a mmifestacDo e confeicao da mesma \
mosde frente o 98 do fundo quintal mura- advertindoquon gsso lamqem empregado na
do, cacimba propria, o porto em chaos de, Europa para estuque de casas assim como
foro avahadas em 9:000j de reis penhora- cumi/es orios, e outros adornos de sai as :
Movimeuto do Porto.
Navio entrado no din 19.
i
Baha ; 8 dias barca austraca Fenece de
"290 toneladas capitn .los Vecino, cqui-
pagem 11 carga lastro.
Boston; 7o dias, patacho americano Mary
Col, de 17\ toneladas, capit Geu C.
Prim equipagem 8 carga gelo &c. :
a consignago de Henry Fnster & C.
Sahido no mesmo dia.
Rio-do-Janeiro; patacho brasileiro Josephina,
de 155 toneladas, capitao Francscu Jos
Ribero equipagem 13 carga diveisos
gneros Passageiros o capitao-tenenle da
A. N. I. David Petra de Barros., o seu cria-
do Brasileiro 11 escra-os a entregar.
Entrado no dia 20.
Estancia ; 7 dias escuna brasileira Ave Ma-
fia de 3i toneladas capitao Manoel Ro-
moTeixcira, equipagem 7, carga fari-
nha de mandioca : a consignacao do mes-
tre.
das aos hordeiros do Pinado Joaquim de Almei-
da Catando.
A barca ngleza Laurence, capitao Forster,
arribada a este porto com agua aborta na sua
viagem de Iquque e Mejellones para Liverpo-
ol preciza de dinheiro a risco sobro o casco e
tratar na ra da Senzalla-velha n. 36,1. andar,
confrontando com a botica franceza do sr.
>aisset, da ra da Cruz d i Recite.
O reverendo i\ianuel Florencio d'Alhu-
querque arhou na tard.j do dia 19 do corren-
te mez um alfinte de peito : quem fur seu do-
carga para fazor os concertos necessarios a fim no pido procurar na ra de Hurtas n. 46 ,
de proseguir sua viagem ; quem quizer fazer i que dando os signaes Ihe ser entregue.
este negocio, poder entender-se com oca- = No dia 1. dedezemhro pelas 4 horas da-
Seclaracoes.
Thesouraria das rendas provinciaes.
O thesoureiro paga nos dias 21 22, e
23 do frrenle os ordenados vencidos at o mez
desetembro, aos empregados que nao pe ce-
bem emolumentos. Thesuuraria 20 do no-
vembro de 1843
Joo Manoel Mendes da Cunha Azevedo.
CONSULADO DOS ESTADOS-UNIDOS.
Os credores da fallecido Samuel Smith sao
convidados a comparecerem n'este consulado
na terca-eira (21 do corrente)aomeio dia para
ajuste de suas contas. G. T. Snou cn-
sul.
THEATKO PUBLICO.
DIRECQO DE RAFAEL LUCC.
Quinta-feira 23 de noveinbro.
Hacera o seguinte di^ertimento.
Grande representadlo extraordinaria de gym-
nastica atheniense creada em Alhenas por
Mr Mathevet ; grande Alcides Herculedos
Hercules, primeiro modelo das academias reaes
e imperiaes das cinco grandes potencias mes-
tre degymnastica da familia real de Hespanha ,
artista do theatro da Porta Saint Martin em
Pariz vencedor dos lorneios do Meio-dia da
Avisos martimos.
O brigue-escuna Bonito-porto, forrado de
cobre,e de boa marcha, deve largar para o Rio-
Grande-do-Sul quarta-leira (22), as 2
horas da tarde ; as pessoas que tiverem escra-
vus a embarcar podem dirigir-se a Gaudino
tgostinhode Barros na ra da Cruz no Re-
cife n. 66 ou ao capitao Ancelmo Marques
Vieira.
Para a Baha sahir quarta fejra ( 22 do
corrento) a barca americana Toulon ; quem
quizer ir de passagem node entonder-se com
os consignatarios Henry Forster & C. na ra
do I rapiche-novo n. 8.
Para o Maranhao sahir com a maior bre-
vidade possivel o brigue-escuna S. Malheos ,
tendo j a maior parte de sua carga a bordo, o
anda Ihe falta alguma para fecho de seu car
regamento : para passageiros oferece excellen-
tes commodos; assim como para eseravos a
frote ; os pretendentes tratem com Firmino
Jus F. da Roza na ra da Moda n. 7
= Sahir para a Babia at o fim do corronte
mez o veleiro hiate Vingador recebe carga o
passageiros, parao que Irata-se na ra da Ca-
dcia n. 45 om Amorim Irmao.
Para Val-paraizo seguir com muita brevi-
dade o brigue hamburguez Fxpress, forrado
de cobre e de superior marcha ; quem nelle
quizer ir de passagem pode dirigir-se a Gaudi-
no Agostinho do B irros na ra da Cruz n. 66 ,
ou ao capitao a bordo.
O brigue Fiel partir para o Rio-Grande-
do-Sul, dentro em poucos das ; ofTerece ex-
celentes commodos para passageiros; assim
como para escravos a frete ; os pretendentes
tratem com Firmino Jos F. da Roza, ou
com o capitao Manoel Marcanno Ferreira.
Leiloes.
Jones Patn & C. faro leilo por inter-
vencao do corretor Oliveira de bom sorti-
mento de fazendas inglezas muitas das quaes
chegrao pelo ultimonavio de Inglaterra: quin
ta-feira 23 do corrente as 10 horas da manhaa,
no seu armazem da ra do Trapiche-novo.
Avisos diversos.
LOTERA DA WvTiUZ DA
BOA-VISTA.
ks" Em consequencia dos
transtornos da lotera de S.
Pedro Martyr fica transfe-
rido o andamento das rodas
desta lotera para o da 21
pito da mesma em casa de Latham & Hibbert,
ra do Trapiche n. 32.
= E. Schaeffer participa a quempossainte-
ressar ser o agente do Lloyd Austraco n'esta
praca.
= osoncaminhou-so a 6 dias desta parte da
casa do abaixo assignado um cordo grosso com
duas voltas, e urna cruz de ouro de le, pesan-
do urna, e outra couza 17 18 oitavas, e como
de suppr, que (osse oflerecido, ou vendido a
algum ourives ; roga-se aos mesmos srs. ou a
quem listo der alguma noticia que haiao de
declarar ao mesmo annunciante em particular ,
que promette guardar perpetuo silencio e dar
de alvicaras 20,000 reis.
Joaquim Goncalves Vieira Guimares.
LICOR-DA-CHINA
ou
ESSENCIA DA FOBMOZURA.
O deliciozo suave e agradavel aroma des-
te precioso comesttico o tornSo digno de figu-
rar nos mais elegantes toucadores (tolettes),
elle goza de propiedades mui notaveis, que re-
petidas e variadas experiencias eitas em diver-
sos paizes e mormente no Brasil, onde elle
j bom conhecido por seos salutares effeitos ,
tem confirmado, como sao: primeiro amaciar,
limpar, clarear, o alizar a pello entreter sua
frescura e hrilho naturaes tirar as sardas ,
pannos espinhas, e toda a especie de manchas
que nelle apparecao sem a alterar: segundo des-
truir as rugas, a bortoeja, empingens. e mui
tas outras affeccoes cutneas : 3o tirar o mo
hlito e dar boca agradavel perfume forti-
ficar as gingivas, prevenir as dores dos dentes,
&c. Em todos estes casos a experiencia tem
mostrado o quanto justa a alta reputaran de
que goza este composto no Oriente onde
seus effbitos sao lodos como infalliveis ; cada
garrafinha custa 1S200 reis ; um impresso ex-
plicar seu uso : vendo-se gmente em case
de Novaes & C*, na ra da Cruz n. 37.
=Traspassa se urna hypotheca de seiscentos
e tantos mil reis j vencid a, vencendoo ju-
ros de dous por cento ao mez nica em urna
parte de um sobrado de dous andares na ra
larga do Rozario ; quem quizer annuncie ou
procure na ra estreita do Rozara venda que
faz esquina para o Carmo.
= Na loja de Joao Loubet derontedo Pas-
seio-publico ha um novo sortimento de se-
das e outras fazendas novas proprias pa-
ra cobrir chapeos de sol tudo superior e
de diTerentes cores ; tambem se concerto e
fazem-se chapeos de sol, por preco commedo ,
e com hrevidade.
- Aluga-se o segundo andar da casa da ra
do Queimado por cima da botica, o qual
se ada pintado de novo ; a fallar na mesma
botica n. 15.
Aluga-se urna casa no Poco-da-panella ,
defronte do rio a qual tem commodos para
urna pequea familia ; na botica da ra do
Queimado n. 15.
-O abaixo assignado, encarregado que a-
caba de ser rendido do brigue escuna de guerra
Gararapes tendo de retirar-se para a corte a
fim do prestar contas e pela brevidad" da
sabida nao tendo lempo de particularmente
dirigir-se a todos as pessoas de sua amisade para
dispedir-se o faz por meio do presente ro-
gando a lodosos seus amigos hajo de descul-
pal-o por essa falta involuntaria
Joo Manoel de Almeida Lobo.
OfTerece-se um homem portuguez para
criado quer outro servico; na ra estreita do Ro-
sario n. 8.
=s Alugao-se os segundo e terceiro andares
da casa de 3 ditos da ra da Lapa, por preco
com nodo a vista dos pretendentes ; a tratar no
armazem da ra da Moda n. 15.
Manoel do Amparo Caj avisa a todas as
pessoas que teem contas em sua casa, que Lino
Pereira da Fonseca est autorisado a receber
inca oriental, condecorado comas nieda-cio COrreilte fiquem OU 11O
imoseado por dif- i_ii_ j. _______ i
Ihas de honra que tem sido mi
ierenies soberanos da Knrona.
tarda ser o encen amento do coi.i.egio santo
antosio : e para que oste acto se torne mais
lusid i o Director convida aos illm."" paes e
correspondentes dos allumnos que o frequenlo;
assim como a todas as pessoas que com sua pre-
senca queirao honrar este estabelecimenio. O
Director aproveita tambem esta occasio para
convidar aos seus amigos ; esperando que todo
<> dispensen! d'o fuzer especialmente. Collegio
Santo Antonio 18 de novembro de 1843.
Bernardino /'reir de Figueiredo e Casttro.
Vendo o proprietario da casa o annun-
cio de hontem (20 do corrente) sobre venda da
loja de miudezas da pracinha do Livramento n.
63 : declara que nao ha tal garanta nem
seguranca que do os vendedores, de 6 annos
e meio.
Manoel Jos da Silva faz sciente ao pu-
blico que mudou-se da na do Rozario larga
para o beco da Pol sobrado n. 14 1. an-
dar ; assim como roga a todas as pessoas que
tem penhoresem sua mo, j vencidos que
os vao tirar, uu pagar os juros, do contrario
o annunciante os vender para em bolear o seu
dinheiro.
= O thesoureiro da lotera de S Pedro Mar-
tyr d'Olinda paga os bilhetes premiados nos
dias 22, 23, e 2i do corrente. no consisto-
rio da Igrcja do N. Penhora do Rozario.
Hontem (20 do corrente) entregou na sua
casa da ra do Rangel n. 54 Victorino Fran-
cisco dos Santos a um preto ganhador urna
ancorta com 10 caadas d'agu'ardente do rei-
no para levar venda da ra de Hurtas es-
quina que volta para o pateo deS. Pedro; e
como o negro furtasse a dita ancorta : roga-se
a quem for ofTerccida tome-a avisando ao
dito Victorino que pagar generosamente.
O abaixo assignado estando a retirar-se
para o Caxang tratar de sua sade tem por
issodeixado de continuar com o giro de sua lo-
ja persuadido est que nada deve a pessoa al-
guma com quem tem tido Iransacces de nego-
cio: com tudo quem sejulgar seu credorquei-
ra entender-se com os srs. seus compadres,
Jos dos Santos Neves e Joo Antonio Mar-
tiiis Novaes: igualmente roga a todos os seus
devedores, que hajao de o mais breve possivel
pagar aos mesmos srs o que Ihe estiverem a
dever, pois, seacho autorisados a liquidar to-
dos os seus negocios.
Joo Fernandes Vianna.
O abaixo assignado nao tendo podido
despedir se pessoalmente das pessoas, que fize-
rao a honra devisital-o, quando chegou da
Franca por causa da brevidade da salda do
vapor, recorre ao pr*-lo para agradecer a tstas
pessuas os ubzequios que recehra das mes-
mas durante o tempo de sua estada n'esta ci-
dade, e pedir desculpa de tal omissao ; oflere-
cendo sinceramente seu limitado prestimo na
provincia doCcar, onde presentemente pre-
tende residir.
Dr. Antonio Domingues da Silva.
= Una pessoa, que tem bastante conheci-
mento de causas civeis se oferece a encarre-
gar-se de qualquer queslao ; assim como tam-
bem as ajusta para fa/er as despezas a sua cus-
la : qualquer pessoa que de seu prestimo se
queira utilisar dirija-so a ra da Penba n. 4,
das 6 as 8 horas da manhaa e das duas as 3 da
tarde.
Antonio Jos Gomes, subdito portugus,
vae ao Rio-do-S.-Francisco tralar dos seos in-
teresses, continuando o seo cstabelicimento nes-
ta praca como dantes.
O abaixo assignado declara ao respeita-
vel publico que no dia 18 do corrente en-
trou com cento e dez mil rs. paja a thesoura-
ria provincial, recebidos no dia 24 d'oulubro
p. p da mo do sr. Dr Henrique Jorge Ra-
bello cuja quantia o dito sr. Dr. recebe de
varios cidados, que subscre\r8o para a casa
de corrcccao e foro os srs. Martinho de
Mello e Alhuquerque, senhor do engenho
capita-mr Antonio Lou-
tjuiicicb iui vcuucr.
qualquer quantia perlenccnte mesma cosa j Verde, 50,000 rs.
por ser caixeiro dclla. renco Torres Galindo 20,000 r. ; padre Joa-
Nicolao Bcllonchi Italiano, estatuario I quim Jos deSantaAnna, 20,000 rs. ; An-
emgesso, tendo um estabelecimenio comple-i tonio Correia de Mello de Panellas, 20,000.
tonara formar toda* n nnn>ennr pcfnin;; z sr-.nr,.'. 1.. ""
i guras para ornameios de salas e quintas, es- Thesoureiro Manoel Ferrtira tamos.


4

= Mnnoe! JosSoaresde Avillar vae ao Ma-
r n bao azwr algumas cobrancas de seu casal,
prelendendo deinorar-se auando muito, por
dous mezas, e dcixa em sua casa nesta praca ,
coin nodercs sufli-Mentes seu irmao Antonio
Jos Soares de Avillar.
ss Aluga-se urna casa no Montuiro a ter-
eira no correr das que forao do fallecido Do-
mingos Rodrigues do Passo com duas salas.
3 quartos grandes, muito fresca cozinhn
fra estribara para 2 mallos quintal mu-
rado com porliio para o banbo por prero
bmmodo ; no Atterro-da-Boa-\ista n. 21.
= Quem annunciou querer comprar urna
cadeirinba dirija-sea ra larga do Rozario .
sobrado que volta para a ra do Cabug pri-
meiro andar.
= Precisa-se de urna ama de eito forra ,
ou captiva ; na Rua-direita loja de barbeiro.
= Jo3o Pereira Lagos declara que nao se
responsabilisa por qualquer divida, que facao
seus escravos em seu nome logo que esta no
seja por sua ordera ou contraliida pelo an-
nunciantc.
Pede-se ao advogado de Mara Anglica
do Sacramento queira por favor despacbar os
autos que so achao em seu poder a mas de 3
mzes.
* A pessoa que na noule do dia 18 do
(Jrrente levou porengano da Apollinea um cha-
peo ainda em bom estado, deixando em seu
lugar um de castor ja usado queira por obse-
quio annunciar a sua morada para se desfazer o
engao.
Aluga-se urna preta que sabe engom-
mar, cosjrcom perfeicao e cozinhar; quem
pretender dirija-se a ra larga do Rozario ,
segundo andar por cima da botica do Bartho-
Jomeo.
provincia mulatas, negras e moleques, d
12 a 20 annos, sendo bonitos pagao-se bem
na Rua-nova, loja de ferragens n. 16.
Vendas.
FOLJIINHAS PARA 1844.
Ach3o-se a venda na livraria da praca d*
Independencia as. 6, e 8 ; ra do Cabug ', lo-
ja do liandeira ; defronte da matriz da Boa-vis
ta botica do Moreira; no Recie ra da Ca
deia loja de ferragens n. 45; em Olinda, ru
do Amparo botica do Rapozo ; e nos Qua-
tro-cantos, loja do Domingos: as excellente.
folhinhas impressas nesta Typographia com-
poslas pela primeira pessoa, que as fez nesta pro-
vinciae quetantocredito tem merecido; conten-
do as do algibeira ptimas chcaras, e a disputa
entre urna pulga, c um piolho sobre a idalguia;
outrascontendoa confissao do manijo ; e ou-
iras finalmente com a linguagem das flores, ou
novo diccionario para a correspondencia ama-
toria ; brevemente seexporao a venda, as que
(em os nomes e moradias dos empregados p-
blicos.
Vende-se urna morada de casa terrea na
ra da Conceicao da Boa-vista n. 9 ; a tratar
na mesma casa ou na ra da Penha n. 31.
= Vende-se um rebudio novo de panno fi-
no que serve para menino de 11 a 12 annos:
na ra estreita do Rozario, loia de alfaiate
n. 4.
= \ende-seuma preta de naci Baca co
znfaeira lavadeira engommadeira e faz to-
do urna casa ; na praca
cas e de cores a 5 6$ rs. o corte chitas
di,
do o maisservico
Boa-vista n. 7.
Vende-se um terreno em Fra-de-por-
Precisa-se alugar um sotao com com-|'as da parte da mar pequea, prompto pa-
modo>* docentes para urna pessoa capaz, que rase edificar; na ra do Pillar n 122.
seja bem arejado e que a familia que more
na casa seja tambem capaz ; na ra do Fogo,
no segundo andar da casa que ica na traves-
a que vae para o Carmo
=s O snr. Mi noel Jos Pereira Tavares de
Mello queira ter a bondade de dirigir-se a ra
da Penha n. 4 que se Ihe deseja fallar a ne-
gocio de seu interesse.
j= O secretario da irmandade de N. S. da
Conceicao dos militares, em conformidado do
artigo 18 dos novos estatutos convida a todos
os irmiios para quo em assembla geral se
reuno no dia 26 do corrente pelas 8 horas da
manhaa no consistorio da igreja da mesma ir-
mandade afimdequese procoda a importan-
te eeicatv do novo presidente.
= Quem precisar de um homem ultima-
mente chegado d > Porto para feitor de sitio ,
ou engenho o qual ho hbil no officio de fer-
rador dirija-sea praca da Boa-vista n. 13.
Aluga-se pelo lempo de festa urna casa
terrea de pedra ecal, sita no Monteiro, con-
fronte ao oitao de S. Pantaleo com suffici-
entes commodos, e por proco mdico ; na ra
do Queimado n. 11.
Precisa-se de um rapaz de 14 annos para
caixeiro, chegado prximamente do Porto ;
na praca da Independencia loja n. a na
mesma loja da-se 200# rs. a premio com boa
firma.
Alusa-se a loja do Atterro-da-Boa-vista
n. 74 com armaco para calcado ou outro
qualquer estabelecimento; a tratar no mes-
mo lugar n. 72.
= Vicente Francisco Mandes das Chagas,
morador no engenho Mcguahipe-de-baixo,
comarca do Cabo embarca para o Rio-de-
Janeiro a sua escrava crioula Marcelina a qual
comprou a Jos Antonio (jomes Jnior mo-
rador no mesrno engenho.
= Arrenda-seo grande armazem da casa
da ra da Moeda, junto ao Firmino e Santos
Braga o qual serve para qualquer estabeleci-
mento como tambem para socar assucar no
que esteve ltimamente oceupado ; na ra da
Cadeia do Recita loja de Joao Mara Seve &
Fbo.
3= Aiuga-so o segundo andar da casa n.
20 da ra de Apollo com 4 jancllas de frente ,
duas salas 7 quarto, c urna grande cozinba ;
a tratar no armazem da mesma casa.
= No sitio, em que mora oinajor Francis-
cisco Duarte Coelbo no Pco-da panella ,
appareceo um quarlo no dia 9 do corrente ,
urna corda a arrrasto; quem for seu dono pro
cure no dito sitio que dando os signaes Ihe
ser entregue.
Compras
= No novo deposito do pateo do Hospital
indo para a Florentina na loja do sobrado n.
18, contina-se a vender as melhores quali
dades de farinha, e milho, e alguma cousa mas,
ludo pelo maiscommodo preco sendo a fari-
nha pelo diminuto preco da praca, para mais
commodidade da pobreza.
Nendem se duas negras de nacao de 16
a 18 annos ,' co/inhao, eengommo; na Rua-
nova n. 50 terceiro andar.
= Vende-se urna armaco nova, muito
bem feita com alguns utencilios de venda ,
em mui bom lugar; em Fora-de-portas n. 122
Vendem-se 14 travs de louro, com pal-
mo e torno em quadro, de quina viva ; na ra
da Praia aro azem n. 22.
- Vondem-se superiores vinhos engarrafa
dos de Madeira secca Malvasia e Bucellas
de 1832 ; na ra da Cadeia do Recife n. 37.
Vende-se urna balanca propria para ar-
mazem de assucar, com 13 arrobas em pesos,
po.a preco commodo ; na ra da Cadeia do Re-
cie n 37
Vendem-se duas camas, sendo urna de
angicocom armaco e outra de Jacaranda ,
com cpula ; na ra da Cadeia do Recife n. 37.
= Em casa de Augusto Corbett, na ra
da Cadeia do Recife n 46 vende-se um sor-
timento do agurdente de Franca, e vinbos
do Porto Madeira Xerez Shrub tudode
exccllcnte qualidade e por preco commodo.
Vende-se vinbo do Madeira secca de
superior qualidade, em barris de 8 em pipa ;
na ra da Cruz botica n. 50.
Vende se urna parda de 23 annos, com
algumas habilidades ; e urna preta de nacao ,
boa quitindeira ; na Rua-velha n. 111.
= Vende-se um preto cozinheiro; na Rua-
nova n. 21.
Vende-se urna preta de nacao, com boas
habilidades; na ra do Arago n. 1 segundo
andar.
*v = Vendem-se cortes de finissima lanzinha ,
de soberbos padroes ditos de cassa pintada ,
de cores fixas a 38 rs. chales de seda os mas
modernos cortes de chitas finas lencos de
seda de escolhidos padroes meias para meni-
nos e meninas ; na ra do Cabug n. 10 ,
defronte do cereiro.
Vendem-se 4 bancos um par de tintei-
ros grandes de estanho urna mesa bastante
comprida 8 passaros bons urna mesa de
janlar com pps postiros que tirados nao oc
cupa a nenhum lugar ; no pateo do Hospital do
Paraso n. 20.
Vende-se urna venda com poucos fundos,
sita na ra do Pillar em Fra-de-portas de-
fronte do beco do farol n. 82; a tratar na
mesma.
Vendem-se bonitos veludos de cores mui-
to em moda para vestidos mantas pretas ma-
tizadas e de cores lisas e matizadas bons
linas riscados rancezes cortes de cassa mui
linos, de lindos padroes perfumaras brins
le linho, algodo para calcas pannos finos,
superiores casimiras, e meias ditas, merinos ,
chapeos de sol e de chuva, para homem ,
litosdesol para senhora flores para chapeos,
um completo sortimento decalcado para ho-
mem senhora _e meninos bons do muitas
qualidades e outras muitas faz.ondasde esco-
cido gosto, epor menos preco, do que em
mira qualquer parte ; na Rua-nova n. 52, lo-
ja de Bonifacio Maximianno de Mattos.
= Vende-se um sortimento de toalhas de
linho admacadas com guardanapos de qua-
lidade superior; panno de linho em pecas de
18 varas; velas de expermacete em caixas de
25 libras, farrello em saccas de 3 arrobas, che-
gado agora de Hamburgo ; em casa de H. Me-
hrtens, ra da Cruz n. 47.
Vende-se um relogio de ouro de patente,
trabalha sobre dous diamantes de caixa la-
vrada muito moderno por preco commodo;
na ra da Conceicao da Boa-vista n. 17.
Firmino Jos Felis da Roza vende fari-
nha de trigo do superior qualidade da bem
conhecida marca SSSF e SSF no caes da
alfandega e no armazem de Jos Rodrigues
Pereira & Companhia e tambem no arma/em
afra/ do tbeatro de Joaquim Lopes de Almeida
assim como enchofre em caixas de 4 arrobas.
Vende-se um terreno sito por detraz do
convento do Carmo com 240 palmos de fun-
do e 32 de frente cuja frente laz o alinha-
mento com a ra da Concordia oulr'ora ra
do 1 mandes com o fundo para o mesrno
convento ; no pateo do Carmo esquina da ra
de Hortas n. 2 na mesma casa tambem ven
dem-se barricas vasias que forao de farinha
de trigo e pipas tambem vasias, por preco
commodo.
Vende-se um sitio na estrada que vae
da Magdalena para os fiemedios, com casa dr
pedra, e cal com 6 quartos duas salas, co
'nha fra e mais arranjos para estribara ,
duas cacimbas urna olaria coberta de telbas ,
com dous fornos muito a margem do rio, e
por isso tem a vantagem de com duas pessoas
sahir o lijlo do fornopara a canoa, tem barro
para toda qualidade de obra tem cento e tan-
tos pes de larangelras, e entre estas algumas
seletas edeembgo, e mais algumas arvores,
tem principio de viveiro e baixa todo cer-
cado ae espinho ; a tratar no mesrno sitio com
Miguel Correira de Miranda ou na Rua-no-
va loja de Ferreira & Braga para se in-
formarem.
= Vendem-se toalhas de oleado feitas em
bata para mesa de meio de sala tanto re-
dondas como quadradas oleados pretos, es
nadas prateadas de roca, e sem ella selins
inglezes elsticos estribos de metal branco ,
ditos de mola talins e cananas para ofliciaes
tanto de cavallaria como de nfantaria bar-
retinas de todas as qualidades bandas de seda,
e de la tudo por preco commodo ; na rua-
nova lojas de Antonio Ferreira da Costa Bra-
ga ns. 26, e28.
- Vende-se urna porcao de taboado vinha-
tico superior para costado ; na ra de Anol-
20. '
dos, e com commodos para familia
quintal %
e cacimba na ra da Gloria n. 93.
= Vende se urna porcSo de livros de prata
proprios para pintor; na ra da Cruz n. 23 *
= Vende-se vinbo de Bordeaux em barris
branco, e tinto, azeite doro, biscouto de Rhsi^
mes muito frescos, consrevas de doces dedif-
ferentes qualidades de frutas ditas em vina-
gre francezas e inglezas, Champanhe su-
perior a 15e 26, rs a duzia, vinagre de lam-
bones differentes licores linos de Bordeaux
agu'ardente de Franca de differentes qualida-
des ; na ra da Cadeia do Recie n. 16 casa
de Fernando de Lucca.
=Vende-se um lambique contino deDeros-
nc com todos os seus pertences de demen-
cao grande ; este lambique faz muita conla aos
snrs. de engenbo, por ter a vantagem de a-
zer 3 pipas de agurdente por dia o nao ha-
ver esperdicos, como acontece nos outros
tambem se vende una bomba de cobre cora
36 palmos tudo por preco commodo ; os pre-
tendentes poder5 ir ver na ra dos Quarteis n.
10, oficina do Braga e tratar na praca da In-
dependa n. n. 28.
=a Vende-se urna canoa que pega a von-
tade 8 ou 10 pessoas por preco commodo;
na ra da Praia armazem n. 8.
= Vendem-se saccas com superior farinha
de mandioca por preco commodo ; na ra da
Praia arma/em n. 5.
= Vende-se um born moleque de 17 annos-
na Rua-nova armazem n. 67.
= Vende-se farinha de trigo da bem co-
nbecida marca Galrgo, em barricas e meias
ditas, em casa de Henry Forsler & Companhia.
na ra do Trapiche-novo n. 8.
- Vendem-se serains, e piannos de varias
qualidades e de ptimas vozes: na ra da Cru.
n. 10 casa de Kalkmann & Roscmmund.
Vende-se um carro muito leve de 4 ro-
las para um cavallo um dito para dous ca-
lilos muito elegante o um dito de duas
rodas por preco commodo ; a tallar no At-
lerro-da-Boa-vista com osegeiro Miguel.
Vende-se a terca parte da casa que oi de
Antonia de Lemos, no Pocoda panelto. defron-
ledo rio; a tratar com francisco Ribeiro do
Brilo no sitio Cajueiro, a quem pertence,
por a ter comprado a mais do 5 annos e de-
clara que tem de haver os alugueis da pessoa,
que est de posse da dita casa e a tem aluga-
do desde o lempo que a comprou at o pre-
sente pois nada tem recebido.
= Vende-se urna preta de bonita figura de
e cose sufrivel; na ra da
nacao ,
Cruz n.
engoma
15.
Escravos fgidos.
lo
CompraG-se electivamente para fra da chales de seda ditos assitinados, lencos de
provincia escravos de ambos os sexos do 12 a' blonde com franja dilosde seda de todas as
20 annos, sendo de bonitas figuras pagao-se q na I, dades, matizados, e lisos, ditos sarja-
beia
|lta.lo
na ra da Cadeia de S. Antonio, so- dos, meios chales de blonde
do um andar de varanda de pao n. 20. tidos, sarja preta veos de
v =*= Vende-se um carro de 4 rodas muito
forte com commodos para 6 pessoas; na ra
do Trapichen. 19, casa de J. O. Elster.
= Vende se um moleque, e urna negrinha,
erioulos dc4a5annos, os pretndenos po-
demirver no pateo da ribeira de S. Anto-
nio sobrado de um andar n. 15 e tratar do
ajuste na ra da Cadeia do Recife loja de fa-
zendas n. 62.
V- Vende-se o tratado de geographia por
Casado Giraldes em muito bom estado, epor
preco commodo; na travessa do Queimado n. 3.
* Vendem-se mantasdeseda bordadas para
senhora chales de seda grandes e pequeos,
chapeos de seda e de palha para senhora
meninas, luvas de pellica enfeitadas para senho-
ra senhora ditas lisas e pespontadas para ho-
mem chapeos pretos do ultimo gnsto para
homem o meninos papel para forrar salas ,
guarnicoes e barras e outras muitas l'azcn-
das de gosto por preco commodo ; na Rua-
nova loja Iranceza n. 17 de F. Regord &
Companhia.
Vende-se bretanha de puro linho a 320
rs. a vara veludo francez para vestidos de se-
nhora a 560 rs. o covado cortes de la e se
da para vestidos sedas de cores lencos de
seda de tres ponas, modernos a 2S rs. e dao
se amostras da bretanha e do veludo para os
compradores conhecerem a boa qualidade da
fazenda, na ra do Queimado, loja n. 1 de
Bastos & Companhia.
= Vendem-se 500 oitavas de prata fina ,
em varias obras telhas lijlos de ladrilho ,
e alvenaria cal superior de caiar dita preta,
sedas para ves-J ripas, e caibros de 30 em Olinda no Vara-
inho setins de; douro vpiwI n Ift
= Fugio no dia 6 do corrente do engenho
\ icente-Campello, freguesia da Escada, o mo-
leque de nomt Lourenco de 20 annos do
nacao Angola baixo corpo regular veso,
quando anda inclina., corpo para frente; quem
> pegar, leve a Rua-nova a Delfino Guncalves
Pereira Lima que gratificar com 30g rs. ,
ou no dito engenbo a seu propietario Manoe
Goncalyes Pereira Lima quo receber 50. rs.
de gratificacao.
= Fugio do engenho Vicente-Campello,
freguesia da Escada no dia primeiro de Ja-
neiro a negra Maria Christina, de 50 annos,
alta e magra rosto muito secco a qual fo
escavra no Becife e acostumada a vender na
ra ; quem a pegar leve ao dito engenho a
seu propietario Manoel Goncalves Pereira Li-
ma ou no Recife a Dellino Goncalves Perei-
ra Lima que recebera 1008 rs. de gratifica-
cao.
Fugio no dia 19 do corrente a preta Ma-
ra de nacao Loanda, de 25 annos, cor preta,
olhos grandes, beicos grossos pernas arquia-
das altura regular, corpo grosso, con. um
lilnopardinho de um anno e meio; levou
vestido de chita cor de roza, outro amarelloja
desbotado e 5, ou 6 camisas do filho cons-
tando de 3 de chila azul do quadros, o urna de
chita cor de ro-a e outra branca ; quem a
pegar leve a ra dasLarangeiras n. 5, que ser
gratificado.
= A 28 de outubro fugio um escravo de
nacao Gabao de nome Ciprianio, apellidado
por moleque de estatura muito menos de or-
dinaria corpo grosso, cor ula rosto com-
prido fecoes grosseiras nariz bem chato,
pescoco curto queixo saliente com una co-
raaocompndonoaltoda.abeca e urna ci-
catriz de talho, outra dita pequea na fonte
esquerda, e outra tambem de talho atravessa-
da na frente da canella ; levou camisa e cal-
cas de algodao da trra, marcadas com um
C de linha encarnada ; quem o pegar, leve ao
cirurgiao Silva, na ra da Cruz n. 8.
v.y;iiprao-se electivamente para fura na todas as cores, cambraias adamascadas, bran-J = Vende-se urna venda corn poucos fun. |Rbcifb: na Ttp. vm M F dr Fa iflll


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBZOODWI6_2EWDUM INGEST_TIME 2013-04-12T23:05:11Z PACKAGE AA00011611_04517
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES