Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04516


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de 1843. Segunda Fera 20
ludo gura depende de nos mesmos; di nois prudencia, mocieragfu), e enerria: con-
jinuuinoe como pnncijiiamo, e eeremua tMMUdM com dmirac.Ao enlre asNacSeimia
cjlm. ( l'iiiclainag.io da Aisembleia Geral do Bbisil.)
PARTIDAS DOS CORREJS TERRESTRES.
Goianna, e Pirehrba, aegundas e aexlaa feirai. Rio Grande do N irle, quiniai fe ira.
Bonio Gartnhun, kl'e H.
Cabo Serinli.iera, Rio Foriu.uo, Porto Cairo, MaceiA, e AUgoa no 1 41, J4,
Hoa-Tlae Florea kie 21. Sanio Ant'm quimas feiras Oliada lodoa oa diaa
das da semana.
JO Seg. Ocuvio B. And. do J de D. da 2.
:< Tero a Calumban Ab Re. Aad.do J. de D.da3. r.
22 Ouirt. Cecilia V. M 'Aud. do J. de U. da 3. t.
53 Ojinl. Cleaenie P. M Aod. do J. de t. da 'j. y.
24 Sei. e. J3o da Un C, Aud. do J. de t. 'da 2. .
,5 Sal, t. C.lharina V. .<'. Re. Aod do J. de t. de i- T.
26 D". Pedro Alejandrino B-
de Novembro Anno XIX. N* 251.
CSaMMMBiW^k^k^M^!^^^^^^^''^^^^-^'^"^"^^"'^'"^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^ Iva
O HEIO publina-ae lodot n, dial que n.5o forem S^nlifinedoa: o preco da "'S"""*^
e !rea mil reia por qiarlel pago idiaiilado O annunc<> do aigAinMI s;o inen
gr-iii eos dos que n.o tonta 1 m.'io de M'rein por linh. A reclamaqoea deTem er
Cnuei S. 34, ou aptagjl da In.lependencia luja de litro O. 0*
1
gidae a eata Tip., roa da '
CalinosNo dia 1S de Norembro. oompra
Cabio .obre Londr.?6. Ooo-Mo.da de fl,*80 V. 16 8JU
Pan 37j reia por franco. N. 16,>0
LiiballOporlUOd.,.rB.io. a do 4,000 *,200
P.ilA-Patao. 4-!lH)
Moedadecobio 2 por cenlo. Pero. ColuranaMe l.Ol)
Ideai deletread boa firmaa 1 a i l\\%. dito Mejicano i,lW0
PHASES DA LA !\0 MEZ DE NOVFMBRO.
renda
17 000
16,800
9.400
1,920
1,920
1,920
Loa Cheia 7, 4 3 hora e ? nt. da manh.il La ora 2l, a 3
Qnarl. niing. 4 41, "* ^ ? minatusda larda i Ojaars, ciesj. 2S, i
hura e 14 m. da larda
4 luirs e 49 a da I.
4. J hora a 42 a. da aunbaa.
i'reamct de koje
| Z.* a i hora li da larda:
RWSL

S*S
MINIISTEIUO DA JUSTICA.
3.* secgiio. /Wm. e /J-nn. 5r S. M. o
Imperador, a quem tivo a honra de fazer pre-
sento o ofilcio do V Ex. n. 97, de 7 de agosto
d'esie anno, sobre as duvidas, que Ihe orcor-
rem na substituirlo do Juiz municipal do Bio-
ormozo manda declarar a V. Ex., em solu-
cSo 6s mesmos duvidas; 1., que a disposicao
do artigo 19 da lei n. 261 do 3 do dezembro
de 1841, que regula o que se devora praticar ,
quando se escotar a lista dos supplentes, nao
deve ter lugar somonte, quando todos os ditos
supplentes deixarem de scl-o por morto, do-
missao, ou outro impedimento perpetuo mas
gim tambem, quando por qualquer impedimen-
to temporario como molestia ausencia ou
suspoicao, nao houver para urna causa ou
pura muitas uin s dos supplentes, que p..ssa
conhocer d'ellas devendo n'este ultimo caso
ter lugar, n&o s a substituido interina do ve-
reador mois votado, mas tambem a fonnagaode
nova lista nao con tendo precisamente seis in-
dividuos mas smente os que forem precisos
para so completar e que outro sim nao ha in-
conveniente cm que se prehonchao as vagas ,
que successivamente forem appareeendo, dos
supplentes, porque o citado artigo nao o pro-
hibe nem da palavra esgotar que empre-
ga so deve inferir, que s deva fazer-so nova
nomeacao, quando estiver definitivamente cx-
tincta a primeiru lista : 2." que, quanto no-
meacao de supplentes do dito cargo para os ter-
mos, que) em virtudo do dec eto de24 do
marco d'csto.anno, tivero do ser novamente
separados de outros a que estavo annexos,
n3o ha duvida, que, logo que'se fe/, a supara-
(3o di'viiio ser nomeados seis supplentes para
cada um d'clles, com o que terlo decessar os
inconvenientes,'que V. Ex. apona na segunda
parte do seo officio. 1)608 guarde a V. Ex. Pa-
lacio do Rio-de-Janeiro em 26 de outubro de
1843. Honorio Bermeto Carneiro Ledo.
Sr. presidente da provincia de Pemambuco.
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 9 DO CORRENTB.
Ofllcio Aocngenhuiro em chefe das obras
publicas, devolvendo approvados, oorcamento,
plantas, e condicoes para a factura de urna pon-
te na estrada da Escada sobre o rio Jaboaldo.
Ordenou-so ao inspector da ihesouraria das ren-
das provinciaes, que mandasse pOr em arrema-
ta'.a as obras da mencionada ponte, c commu-
nicnu-se ao inspector-fiscal das obras publicas.
Dito Ao mesmo, aulorisando-o fasera-
brir urna picjda, e ostabelccer pequeas ponles
noi lugares da estrada da Escada, quo sao ala-
, Tribunal da li el a cao.
SESSAO PE 18 DE NOVEMBRO DE 1813.
Na appellacao civel da vi i do Taip ap-
pellante D. Josera Joaquina ilo Albuquerque
Maranho seus ilhos, e genros oppellado
Joao de Mello \/.cvcdo escrivao Ferreira ; st:
mandou ouvir o curador geral.
Na appellacao civel di comarca do Ico ap-
pellanteJos de Sousa Pacheco, e appellado
Jo< le Sousa Assiz escrivao Postliumo ; se
mandou descer o jumo da 2.* vara para ser
avaliada a causa para a dizima da chancella-
a.
Na appellacao crime desta cidade nppel-
iante o |ui>.o appellado Jos Vidal Nuncs ,
cscrivio Postrumo; confir:ii)U-se asentenca,
i
FOLHETS
A VESPERA DO CASAMENTO.
Stroller, rico negociante de vinhos, vivia na
cidade de Inspruck, e na casa contigua sua
morava um juiz chamaco Boldheim. Em conso-
quencia das rela?oes que ontre elles estabelece-
rata prxima visinhanca, o ilho do juiz ea
filhado negociante quasi se tinhao criados jun-
tos, e, habituados a parliciparem dos mesmos
brincos, e dos mesmos praseres da infancia,
conc.ebcrao um muito e arraigado affecto.
Quando o joven Roldhcim coinpletou os 16
annos, determinou seu pai mandal-o para Vi-
enna, alim do entrar na universidade, o seauir
a carreira da medicina. Porem nao fui s esle o
motivo quo mover o juiz a separar de si um (i-
Iho, a quem tanto ama va. Havia notado o af-
fecto que una Gaspar a Josofina Stroller, e re-
fra maisque urna umisade pueril, ao litnos te-
sim o pensava elle, vido (tosen* >lver se com
0 lempo, tomasse o carcter de oros violenta
paixao. Porem o amor tmhaj laucado prolun-
das mises nos coracocs dos dous jovens; a sua
separacao foi mui dolorosa; veiterao lagrimas
em abundancia, ju ara o amar-se eternamente;
e por fim Gaspar parti paia Vienna, cholo de
saudade e amargura.
Ants da sua partida tinha esle jven ajusta-
gados pelas levadas do enaenho Suassunu.
Pnrticipou-se ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes, e ao inspector-fiscal das o-
bras publicas.
Portara Ao inspector do arsenal do mori-
nha, determinando en cum>: 'Ment do ordem
imperial, que mande pron"i" j charra Ama-
sonas h todos os concert*, o respectivo
commandante julgar indisp1 is para por a-
quelle navio em estado de para a corte,
e fornoca ao mesmo comm^n e tudo, quan-
to elle 'ho requisitar para co.ii i xuranca poder
faser essa viagem. Communi::j'J-se ao com-
mandante da charra Amazoivi .
Dita Dispensando do snico do batalhao
da guarda-nacional destaca;!, a Jos Leoncio
IJns d'Albuquerque, queall servia-coinO alie-
res da sexta companhia. Communicou -se ao
commandante das armas, e ao inspector da the-
Gouraria da fasenda.
POLICA.
Illm. eExm. Sr Dopois da minha ultima
parto.dada a V. Ex. em 14do torrente, nao t'-m
occorrulo acohtociinentos graves, que mercSo
ser levados ao coiihocimento de V. Ex., ogun-
docommunicacoes, que at boje lem-me sido
feitas pelos delegados do vari is termos da pro-
vincia.
O delegado do primeiro rustrido do termo
desta cidade, participa entretanto em seu olfi-
ciodehoje (18), que hontem dep% das 8 ho-
ras da noute o sargento Ao corpo policial Ma-
noel Jos da Silva Sira, morador na ra dos
Quarteis, tentara suicidar-se o nao o consegui-
r por ter aecudido opporlunamento outro sar-
gento do mesmo corpo de nomo Manoel Joa-
quim de Sant'Anna, quo, ouvindo os gritos da
(amilia, correo a casa daquellc Siara, o cortou
do com um seu intimo-anjigo, e que desde mui-
to lempo era o confidente dos seus amores, que
por via dellechegariao as suas carias ma de
Josefina, e que esta Ihe ei raria tambem suas
respostas. Com effeito pe meio desta corres-
pondencia clandestina suavi^rados dous aman-
tes as saudades o os pa da sua forcosa se-
paracao. Mas um acontec into inesperado veio
interromper esta ordem de c tusas e causar urna
grande mudanga no sitaco de Stroller.
Morreo a mi de Josefina, e o pai, depois de
terem passado os mais pesados dias de dor o af-
fliecio, resol veo deixarde todo o commercio, a-
purar os seus fundos, dar-se lodo aos cuidados
do procurar um casamenlo ventajoso e feliz pa-
ra Josefina, e depois passar na descanco o res-
to dos seus dias.
Informada a menina da ninacao de seu
pai, confessou-lhefrancaine i sua inelinaQo
para Boldheim, eossentim s que este Ihe
havia inspirado, a correspo -ia da parte dol-
i, o a reciproca promessa se havia feito,
sem todava declarar o segr > das suas coes epistolares. Stroller ri destes amores,
trafando-os do criancice. Gaspar e muito rapa/,
anda, disseelle sua filha, apenas tem 19 an-
nos e nao passa de um esuulante, que anda
nao concluioseus esludos; corto que sen pal
um magistrado de respeito, porem nao pus-
suo bens alguns, e apena9 vive do seu cargo.
Esto partido nao pode cunvir-lcdu modo algum,
eeu nao sarrillcarei jamis a felicidade do mi-
nha filha nn< nmoiii-.ns '!" rrni (J.:::::!>
mais que tres annos sao ja passados dep i que
a corda, de que elle se sirvira para seu inten-
to. o que por ora se me offerecc participar
a V. Ex. Dos guarde a V. Ex. secretaria da
polfsia de Pernambuco 18 de novembro de 1843.
Illm. e Exm. Sr. barao da Boa-vista, presi-
dente da provincia.C. J. da S. S.
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Srs. Tendo a administraran da companhia
convocado a assemhla geral dos accionistas, em
observancia do art. 17 dos estatutos, para osla
segunda reuniao ordinaria, do seu dever dar-
vos resumida conta dos seus trahalhos o
do oslado,em quo se achao os negocios a seu car-
go. pois para cumprir este dever que rae
oceupar a vossa attencao
Um dos primeiros cuidados da administra
cao, srs., foi o de aproveitar a quadra da hara-
tesa do ferro para mandar vir do Londres oulras
1000 bracas decanos de 12 pollegadas de di-
metro ; e tendo sido para isto autorisado o pre-
sidente da misma administraran em sessao do
l.dc junho cabo-llie annunciar-vos que
ji se ocha no porto desta cidade parte daoncom-
mondff, quo foi justa porum preco ainda mais
favoravel, do que o da primeira ; isto al. o.
5 e 6 por tonelada. A vista (leste preco a ad-
ministrado entende, quo esta occasiao a mais
opportuna para seeflectuar a compra da lotali-
dade doscanoj precisos para o encanamenlo ;
porm milito rocis, que o retardamento da en-
trada dos fundos para a caixa da companhia a
ho impossibilite de tirar pai tido dascircuns-
tanc/as'/"imprevistas fortuitas, que occasion/i-
riio a e/firaordinaria baixa d'esse importantsi-
mo ar/tigo.
S Ao* mesmo tempo que a administracao pro-
rrvWia a rompra dos canos de ferro, nao se dcs-
cuidou de predispr a acquisigao d'outros ma-
lcraos /indispensaveis para a construeco das
obras. Um dos seiis memhros o sr. Lemos ,
foi encarrogado de obler de Genova e de Lis-
boa algum modelos re cbafsrises e de inlr-
mar-se do costo d'elles, fim do se poder la-
zer a encommenda com anticipacao o acert. J "
em nosso poder existem (res eslampas vindns de
Genova accompanhadas desatisfaloria's explica-
cesa cerca do preco dimensoes ; qualidade
da pedra edifinico dos emblemas; c nao po-
de tardar a resposta. que se espera de Lisboa ,
a vista da qual ser fcil compararos modelos,
e decidir sobre a preferencia evantagem de man-
da r-se apromptar os chafarises em urna d'aquel-
las pracas.
Outro membro da administracao, o sr. A.
F. Carneiro, lomou a si o encargo demandar
buscar por conta da companhia o cimento pre-
ciso para a odificaeo da caixa d'agua o das
mais obras, em que esle material deve ser em-
pregado. l
A' dministragao tem alm disto feito encom-
menda de varios objectos de pequea monta ,
inclusive o de alguns instrumentos do trabalho,
e da profissao de engenheiro mandando vir de
fra os que nao podem ser promptilicados no
pai/:.
Srs. com quanto o engenheiro consultor, o
sr. coronel Conrado, respondesso ao convite ,
que se Ihe fez prometiendo vir inspeccionar
os trabalhos, julgou a administracao que nao
era conveniente deixar por mais tempo de cn-
carregar a execucao das obras n um engenhei-
ro que por sua habilitaeao podesse garantir o
aperfeicoamento d ellas, c concorrer para o
crdito da empresa: conseguintementeconcluio
em 8 de julho um contrato com o'engenheiro
David W.m Bowman pelo qual esle se obri-
gou executar nao > as obras do encanamento,
como tambem oulras quaesquer, quo a compa-
nhia emprehendesse e de que a respectiva ad-
minislracao o encarrepasse. Do mesmo con-'
trato, quo vos-era apresentado, veris as con-
dicoes, com que a administracao o efTectuou.
Depois que o engenheiro tomou conta dos
trahalhos apresentou administracao um rea-
torio do estado, em que achou as obras e deo
o seu parecer a respeito do plano adoptado, fa-
zendo algumas observares cerca da capaci-
rlade dos canos, da direcao do encanamenlo, do
consummo e supprimento d'agua, e das dimen-
ses e dislribuico de reservatorios, e chafarises
nos tres bairros da cidade.
O M.' Wilmer tambem offerecco adminis-
tracao urna expsito accompauhada de planta,
(raeando urna linha para o encanamento mar-
cando local para a caixa d'agua designando a
passagem dos canos sobre os ros que dividem
a cidade e tocando em outros pontos relativos
execucao do plano adoptado.
Esla planta e expnsicao assim como o rela-
torio do engenheiro forao apresentados ao C.
Conrado fim de se tragar e lixar definitiva-
mente o leito do encanamento, e de seren to-
madas cm consideraran as ohservacoes feitas pe-
los dous peritos. vista d'ellas entendeo a ad-
ministragao quo devia demorar a edificagao
do reservatorio para a qual tendo j obtido a
necessaria liecnca havia autorisado o director
fiscal conforme vos foi annunciado.
A leilura do mencionado relatorio, quo des
ouvir, dispensa a administragi>o de entrar cm
me
parti Gaspar para a universidade, e esta longa
ausencia o tem feito sem duvida esquecer de ti.
Estas palavras apertarao amargamen'e o co-
ragao de Josefina, mas nem por Uso descorgoou,
pois so cria segura do aflecto de Gaspar, que
ainda na sua ultima carta cheia docxpresses
da mais ardente ternura, Ihe repeta seu doce
projeeto, e esprangas de urna prxima uniSo.
Mas devia ella avisar o seu amante do quo se
passra com seu pai? Declarar-lhe a inlenca
em que estava de a casar, e a repugnancia que
havia manifestado coroar o seu mutuo amor?
Oque resultara desta declaragao? Afiligil-o i-
nultimente.
Quanto mais qued'alli a pouco mais de um
anno havia Gaspar de receber o grodedoulor,
o Josefina naojulgava possivel que Stroller ou-
sasse negar soa fllha a um doutor como Gaspar
Boldheim Convencida por estas reflexoes resol-
ven guardar silencio.
Logo que na cidade se soube que'StroIler pre-
tenda casar sua filha, so appresentraS nume-
rosos pretndanles, poique nao" era menos co-
nliecida a formosura da filha, que a riquesa do
pai. Porom"Stroller os foi despedndo a todos,
i,u porque nenlium dellts Ihe conviesse, ou por
que tinha langado as suas vistas sobro um, que
pela riquesa e qualidade Ihe pareca o mais pro-
prio para seu genro. Era este Bartholo Carty, o
amigo e confidente de Gaspar, e como Stroller
attribuisse suas frequentes visitas paixao amo-
rosa, Ihe fez saber por pessoa de confianga, que
".:::) dU<>uS7!S dur-i siia ia, ni CiSC u ni ii
pedir.
Bartholo acnlheo com praser esta deckragao,
porque a frequencia de ver e fallar a Josefina
Ihe havia dispertado no corago um sentimento
que a amisade ao principio quisera abalar, mas
que por fim se tornou mais forte que ella; quan-
to mais que este casamento Iheconvinha to-
dos os respetos; e ainda que a delicada sita-
gao em quo se achava a respeito de Gaspar e Jo- ^
sefina, nao deixasse de pungil-o um pouco ,
todava a generosidade cedeo conveniencia e
ao amor.
Bartholo estava seguro do consentimento do
pai, pois que lora elle mesmo quo tisera as pri-
mciras propostas; mas nao bastava isto, era ne-
cessario obtero consentimento da filha, porque,
sendo certo que Stroller nao quera a Gaspar
para seu genro, nao o era menos que o muito
afTecto, que tinha sua lili Ihe nao permet-
(iria nunca obrigal-a um casamento contra
sua vontade; cm quanj/i Jos|w amasse Gas-
par, esejulgasse ppr ellecorw^iondida, nada
seria capaz de a decidir a casar pom^ontro ho-
mem. Era pois mistor a Bartholo haver-se do
tal maneira. que Josefina comegasso a descon-
fiar da constancia de Gaspar, e viesse por fim
capacitar-seda sua infidclidade. Desgragada-
mente para o pebre Gaspar, a confianga que el-
le havia depositado no seu deslial amigo, era
urna arma poderosa de que este podia servr-se
com vantagem para o atraigoar.
J dissemos ijue as cartas de Gaspar sua a-
mada erio dirigidas Bartholo, e por via delle
Cbcg?v -" SC^rc s 1UU9 uo juseuua. L.0g0
quo assentou no projecto do supplantar o seu




MUTILADO




.'U___IM
namannt
maiores detalhes i respeto do estado das obras,
restando-llie smente informar ros, do que sao
diariamente cinpregadas cerca do 180 pessoas
nos Iraliallios do enea na manto que o atierro
sobre o acude grande d'Apipucossc acha qua-
se terminado e que se apcarregou ultimamen-
te da direccSo fiscal dos trahalhos o sr. Angelo
Francisco Gurneiro que, sendo unn dos mais
lories accionistas e por conseguate uin dos
mata interesados na prosperidad da empresa ,
devo desenvolver em proveito tiesta a sua bem
notoria actividude e pratica de lijar coin obras
dcsimilhanto natureza.
Segundo a opiniao doengenheiro e dos di-
rectores fiscaes a adminislraco pode assegurar-
vos queatofim do corrento anno ficara de
todo prompto o atierro, o oin grande progfesso
irn os trahalhos comecados quem do acude
para a continuado Jo leilo do encanamento :
assim como, que durante a estada do C. Con-
rado nesta praca lulvcz se possa dar principio
ao assentamento dos canos, c outras obras ,
que pira maior acerlo requeren a assistencia
desto digno, e experimentado engenheiro.
Cabe aqui participar vos, srs., qu algaidas
rellexes disfavoraveis a empresa lem sido feitas
por curiosos que tem visitado os trahalhos em
execucao entendendo elles, quo fura alterada
a planta com grande penla de tempo.cexcessivo
despendi de capitaes. i verdade que a linha
do encanamenlo se achava trabada pelo lado di-
reito do acude e que nao se tem despendido
'pouco em um atierro de 700 bracas de estenso
sobre 22 palmos de largo em grande profundi-
dade; massealtendermosaque os autores do pla-
no tiverao sin vistas orear o encanamento pela
linha de maior desenvolvimento que nao po
dito marcal-o n'aquelle ponto pela margem
squerda do acude antes de se haver obtido a
concessao de o trazar por onde fosse mais con-
veniente companhia, o que expressamente re-
commendo no memorial que accompanha a
planta,que se p-eliraa linha recta, sempre que se
possa contratar com o governo ou com os par-
ticulares: seatlendermos a que pelo lado di-
reito com urna cstencao maior de 200 bracas,
quo se poupao em canos de ferro, nao se pode-
nao evitar atierros em muitos lugares, talvez
tao deficeise despendiosos, como o que se est
fazondo do outro lado a menos que se nao
preferisse trazar o leito do encanamento em ca-
racol por tidos os ngulos e sinuosidades do ca
tninhu : se atlendermos a que era indisp^nsa-
vel construir urna ponte o um forte pnrodo
para sustentar o grande acude d'Apipucos ,
sendo de inister mandar buscar grande distan-
cia todo o en tu Ibo, que fosse necessario para
eonstruecan das obras, que, se fizessem nessa
margem direita: se attendrmos finalmente
todas as vantagons que resiillao de vir o enca-
namento nivellado e em linha recta sobre
tudo no seu comeco ; conhecer-se-ha que
menor e a muitos reweitos prefervel a des-
peza que se est azondo com o a Ierro e que
a adminislraco peaou com madorosa as razes.
que Ihe torito apresentadas pelo engenheiro
Kersting antes de adoptar essa mudanca ; a
qual ali is foi spprovada pelo coronel Conrado ,
um dos autores do plano, e bem persuadida es-
t a administracao de que, depois de concluido
o atierro merecer a apprnvagSo do todos s
que se quizerem curvaV evidencia. Por agora
bastar repetir-se aqui oseguinte trecho do re-
lalorio do engenheiro executor. Est feita
a maior parte do atierro que alravessa o acu-
de d'.'.pipucos fim de evitar as numerosas
curvaturas do caminho e levar o encanamento de sorte que menos de dous tercos dasrl0:867
por urna linha to recta, como forpossivel. Por acones emittidas so acho realisados com os
amigo, comecou por interceptar as suas cartas;
e quanflo Josefina Ihe persruntava por ellas, rea-
pondia-lhe: escrevu-me ha poneos das, porem
nada maodpu para a sra., nem mesmona m-
nha carta dsia urna s palavra scu respeito.
Este silencio to atorado, cujo verdadeiro moti-
vo eslava hem longo de vir idea da pobre me-
pnina, causa va-lhe viva inquietado, o um pro-
w fundo sentimcnlo.
Assim se passarao alguna rnezes, e Bartholo
para uo dispertar-lhe suspeltas, n da va o
menor indicio de aspirar sua mo Porem o
lempo urgia; s fallavao tres meses para que
Gaspar tomasseo grao dedoutor, e voltasse
Inspruck, e entilo tudo se descobriria: era pois
necessario nao perder um instante. Barlolo
pedio formalmente a mao de Josefina, e o pal
instou Cornelia paja que desse o seu consenti-
mento. Ainda algdV das resisti a pobre me-
nina, at que j capacitada de quo Gaspar a ha-
Via esquecido, tebo s repetidas instancias de
seu pai, cousentliTdo em ser esposa de Hartho-
lo, e lixoij-se odia para a eclebraco do casa-
mento.
Esia noticia, quo alguom teve o cuidado de
mandar a Gaspar,fol mais terVivel para elle que
o eTeito do raio. Custava-lhe 1| crer que a sua
amantee o seu proprio amigo nouvessem cons-
pira.lo contra elle na mais infafoc traico. Com
ludo a falta de cartas de ainbosA.. Esta incer-
tusa maiscuslusa quea murte.J
Parta da Vienna toda a prelsa, e chega a
Inspruck a 3 de maiu de 1817. frntc-vespera do
**!& yira o casamento
este meio se poupar cerca de 200 bracas de ca-
nos e nao obstante alguma dificuldade, e do-
mora que tem occorrido mrmente por causa da
grande profundidado do acude em alguns lu-
gares considero muito judiciosa a adopcSo do
atierro.
Muito importa, srs., ao bom desempenho dos
encargos da adminislraco a certeza de poder
contar com os fundos da companhia, quando se
faca necessario o seu emprego, visto que de ou-
tra maneira a empresa n8o poderia progredir ,
ou pelo menos seria impossivel dar-lhe aquelle
incremento, que indispensavel para que se al-
cance os vantajosos resultados, que d'ella se de-
vem esperar. Para obteresta certeza tem a ad-
ministracao envidado todos os seus esforcos; po
rm srs. .ella nao se pode lisongear de haver
conseguido o seu emponho ; por quanto conti-
na a ser to retardado o recolhimento das
prestacGes exigidas, que seria imprudencia
contar com o valor correspondente as accoes
lestribuidas; assim como nao parece conveni-
ente fazer pesar sobre um grande numero de
accionistas a pena comminada no artigo 9. dos
estatutos contra os que niio reafisarem as suas
entradas dentro do praso marcado ; pois que a
dar se por ora execucao a este artigo seria
impossivel arraigar o espirito de assocacao
tao pouco desenvolvido entre nos, e (icaria
a companhia reduzida em pouco tempo a me
nos de metnde dos seus contrihuintes o na
din ida de oliter inmediatamente otitros que os
substituao Em tacs circunstancias v-se a
adminislraco embaracada. todas as vezes que
tem do tratar do negocios para os quae*
se requer despendi ou certera de fundo-
mais avultados; e por esta causa podem ser
muito prejudicados os interesses da companhia.
secada um de nos nao se empenhar em contri-
buir promplamenlo com as suas entradas, lo-
go que forem pedidas.
No entretanto que so nao pode contar com
esta regularidadc 6 quase orcioso fazer o or-
eamento da foceta e despeza, de que trata o ai t
25 3. dos estatutos; porque calcular sobre
faes bases seria o mesmo que dedu/ir conse-
cuencias de principios duvidosos e contingen
gentes; e um tal orcamento occasionana maio-
res omharaeos ou seria logo despresado vis-
to que nao sendo justo exigir urna prestaco, sem
que a outra estcjajecolhida necessariam">*<"
se lia de esparar os prasos e por ffioT?" rtu,"nte
augmentar as preslacoes, que se seguir01 Parf>
oeiorrer as urgencias da empresa. Con/u''0 v
enhores, a administracao nao se exime 'Va
olirigacao do vos apresenlar o orcamci.to p/'a o
nrimeiro semestre, do anno vindouro supp do. quo o dinheiro existente em caixa e o que
si'ja sufliciente para suprimento das obras n'este
resto de anno e para farer-se urna remessa de
fundos por conta das encomendas de canos. O
mesmo orcamento ser submetlido vossa dis-
eusso ; c nesta orcasio, cumpre que a admi-
nistracao vo* ministro esclarecimentos acerca
do estado da caixa.
Os fundos realisados at esta
dala montao a.............rs. 71:291,000
16 por cento exigidos, apesar d'cstar, ha muito,
lindo o praso improrogavel de 40 dias que foi
marcado para a ultima entrada de 6 por cento.
N'este lugar ser opportunocommunicar-vos,
que o governo clfectuou a compra das 600 ac-
coes decretadas pula assemhla legislativa pro-
vincial conformo vos foi referido no ultimo
relatorio.
Tem-se despendido at o ultimo de outubro
lindo na construccao do acud' e
caixa d'agua do Prata..... rs. 15:293,452
Em canos do ferro, chumbo, tor-
neira &c................. 18:702,056
Com o atierro e mais obras em
continuarlo............. 17:666,700
E com os trahalhos administrati-
vos, e despezas geraes...... 11:130,707
ominando a quantia de......rs. 62:792,915
A qual dedusida da receita mostra
o saldo que se acba em poder
do caixade............... 8:498.085
O que podis verificar pelos respectivos livros, e
conta corrente que va i ser publicada ; devendo
advertir-vos que. importando a primeira en-
commenda decaaos em I. e. 2119.17.3,
remetteo-se por conta d'ella somente I. e. 2000
17. 3 e que por cnsequencia deve-se o saldo
I. e. 119 17. 3, com os juros, que accrescerem
at a data em que fr ultimado o pagamento :
hem assim releva dizer-vos que os canos vin-
los agora porenta da segunda encomenda im-
nortrao em I. c. 327. 14. ; e que muito con-
vm ao crdito da companhia fazer remessa
Testes fundos que est a dever na Inglaterra ,
piando nao possa adiantar outros por conta das
suas encomendas.
Nao ser fra de proposito levar ao vosso co-
nhecimento que o secretario, dando conta do
mprego da quantia designada em sessao de 14
le maio do anno passado para aluguel do es-
riptorio e despezas de cscripluracao decla-
rou haver despendido no 1. anno: com alu-
ruel do escripturario em 5 mezes. 150 000
om um servente em 5 dilos...... 50,000
com gralificaco por escripia feita j
nos livros antes de haver escriptu- [ 150,000
rario......................!
Com um escripturario em 12 mezes. 300,000
Com um guarda livros .Jugar que ) *
servo o mesmo secretario em 12 J 550.000
mezes.....................'
provenientes de 1 fj por cento sobre
o valor de 6.452 cees...... 51:616.000
de 10 dito, dito de3 ,"90 ac... 17:950.000
de 6 dito, dito de 75 ditas..... 225.000
ede4dito, dito de 750 ditas.. .. 1:500,000
Nenhuma duvida Ihe pode ento restar, por-
que na cidade nao se falla va de outra cousa, que
da prxima onifin do rico Bartholo de Carty com
a Rlna do opulento Stroller.
Os mais sinistros projetos comecao a fermen-
tar na caneca do fogoso Boldhcim. Filho do Ti-
rol, e collocado por tanto entre a Allumanha e a
Italia, elle resente-se como todos os seus com-
patriotas, do nfimo de ambos estes paizes, do
primeiro herdou a violencia do amor, do segun-
do o furor do ciume.
OTirolez ama como um Allemo, e vinga-se
como o Italiano-----Com ludj um pensaiuenlo
contera ainda o furioso mancebo.
Josefina obrara neste caso em intuir liber-
dade? Decidir-se-hia por sua espontanea voli-
tado, ou ser conslrangida por seu pai I... Quer
v6l-a, faliar-lhe, onvirdasua bocea que j o
nao ama, quo o esqueceo por outro... Oh is-
to impossivel. Aquella bocea, quo tantas ve-
zes me dis.seamo-te Gaspar, e hei de amar-te
semprenao poder agora diser-me, j te nao
amo, quero a outro !-----Nao, Josefina, tu de
certo foste Iludida, ou ests violentada.
Fez que na manha seguinte Ihe losse entre-
gue um bilhete, em quesupplicava ardentainen-
te que entrada da noute Ihe fallasse no jardim.
As esperaneasdo Josefina renascorad mais for-
tes com a leitura deste bilhete e quisera logo res-
ponder-lhe, mas seu pai que a vigiava com o:
maior cuidado depois que soubera da chegada
de Gaspar; nao Ihe deixou m iodo n instante Yre para responder o seu unante, e
ou o excedente da quantia designa-
da de.................. rs. 1:200,000
Cuja conta foi approvada pela administracao
por achal-a conforme a autorisacao que dora ao
mencionado secretario.
Eis-aqui senhores as informaces, que a
administracao presume serem bastantes para vos
por ao alcance dos negocios da companhia : ou-
tras poderia dar-vos do menor importancia, se
nao receiasse abusar da vossa paciencia; porm,
se todava vos sao precisos mais alguns esclare
cimentos podis recorrer aos livros das actas
e dccontahitidade. que serao sempre franquea-
dos aos srs. accionistas que os quizerem consul-
tar. Escriptorio da companhia do Bebiribe 15
de novembro de 1843.
(Assignados o director e membros da admi-
nistracBo.)
muito menos para acudir noute ao seu cha-
mado.
Entretanto Gaspar pode inlroduzir-se no jar-
dim e ahi espera intilmente : urna, duas .
militas horas se passo, e Josefina nao appa-
rece. A desesperacao e o ciume ralao ocora-
eo do mancebo. J nao ha duvida ; Josefina
j o nao ama. por sua vontade, por muito
sua livre vontade, que vai casar com Bartholo.
A infiel amante, eo falso amigo, ambos o
altraicorao vilmente..... Pois bem : cum-
pro-se os destinos.
Cgo e arrebatado por tao furioso padecer,
encaminha-se para o lado da case acha a por-
la do jardim aberta introduz-so (urtivamenle ,
e vai direito ao quarto de Josefina como quem
to bem condece todos os passos d'aquella ha-
bitaran.
Precisamente n'aquella noute as 2 familias
dos futuros esposos estavao reunidas no salao
para assignatura das escripturas.
Josefina affiicta e angustiada de presenciar
esta scena sobe por um instante ao seo quar-
to para dar algum desafogo ao oppresso cora-
cao ou antes para pensar no modo de afastar.
este consorcio, em que j nao pode consentir, j
Chegando porta do quarto v um vulto, e
salta um grifo de espanto reconhecendo o lo-'
mem que Ihe era tao caro e por quem tanto,
havia padecido.
s t (laspar? s t exclama fra de si,
e vai a lanca^-se-llie nos bracos.
Ao cuvir esta voz que tasto cncSwtws l^
ra para elle ulgum da Gaspar hesita; o seu
3:7178443
A la ii riega.
Bendimento do dia 18. ........
DeiearregSo hoje 20.
BarcaPrinella fazendas.
BarcaCoraeo-de-Jesso resto.
BarcaTentadora mobilia e miudezas.
Barca Touonfarinba.
BrigueJoepAi'abotijas e rap.
DitoAnnettediflerentes gneros.
DitoHellenataboado.
IMPORTACA.
Jozefina, brigue portuguez, vindo de Lisboa,
entrado no corrente mal, a consignaco de
Mendes i Oliveira manifestou o seguinte :
46 pipas, 65 barris vinho, 30 pipas vinagre,
1 esleir para sala 1 volume com chapeos, 21
barris carnes 11 dilos loucinho 46 barricas
sevada 12 caixas papel, 1 dita doce 40 ca-
nastras, e 1 porco a granel de batatas, 1 por-
caode cebollas ; aos consignatarios.
1 caixa impressos; a Vicente Ferreira da Pu-
rificaco.
5 barricas legumes; a Paulo Pereira Simoes.
3 latas bolaxa 1 caixa doce ; a Fernando
Antonio Fidi.
1 caixa vidros, 13 volumes drogas; a Weitch
Bravo & Companhia.
50molhos cebollas; a Cyprianno Jos de
A breo.
1 barrica nozes 1 caixa miudezas; a Anto-
nio Monteiro Concia de Oliveira.
48 ancorclas uvas; a Jordn Jos Cardoso.
5 caixas vellos do cera ; a Manoel Joaquini
da Silva.
2 barris vinho ; a Manoel Antonio Vieira.
G0 pedras de cantara; ao desembagador Bel-
mont.
4 ditas ditas ; a Constantino Jos Raposo.
8 caixas chapeos; a Jos Affonso Moreira.
1 dita impressos e estampas lithographicas; a
JoaquimJos Marques.
9 pedras de cantara; a Manoel Joaquim Pe-
dro da Costa.
15 ditas; a Francisco A. da C. Guimares.
81 gamellas de cera; a Jos Pereira da Cunha.
54 pedras; a Joo Jos de Carvalho Moraes.
1 caixote doce e 1 lata rap ; a Jos Jer-
nimo Rodrigues Chaves. .
30 caixas loucinho; a Antonio Joaquim Ro-
drigues.
1 caixote doce: a Antonio da Silva Gusmo.
1 caixa pcrlences para violas; a Joao Jos da
Cruz.
1 barrica grao de bico ; i Feliciano Jos
Gomes.
1 caixa obras de prata ; a Jos Zacaras de
Carvalho.
1 frasqueira doce 1 embrulho ignora-se; a
Joaquim Candido Gomes.
1 embrulho impressos ; a Joaquim Raptista
Moreira.
1 caixote impressos ; a Joao Cardoso Ayres.
1 dito com calcado ; a D. Luduvina Emilia
Maya.
1 caixote braco de balanca ; a Jos Joaquim
da Silva Maya.
1 barril vinho 1 caixa fazendas de 13a 1
dita perfumara ; a Jos Marques da Costa
Soares.
3 caixas rap 1 esteira para sala, 1 volume
capaxos, 1 caixa obras de olhas 1 dito per-
furor o seu ciume comecao desvanecer-se;
e elle ia talvez ceder, quando abrindo Josefina
a porta do quarto a vista dos enfeites das
joias, dos vestidos de noivado espalhadc.s por
cima de todas as mezas e cadeiras, vem accen-
derde novo e exasperar o seu furor.
Sim sou eu : grita com vo horrivel, ea
agarra com mo convulsa por um braco. Ou-
ve-se um tiro, e Josefina cahe sem vida alra-
vessada pelo coraco. < i sanguc espadana-lhe
da medonha ferida, salpica o assassino een-
Si.pa o pavimento. Gaspar considera um mo-
mento com ternura e espanto este cadver in-
volto no seu sangue, e tirando outra pistola a
descarrega contra a sua cabeca ; porm o tiro ,
apontado com mo inceria nao fez mais que
levar-1 be parte da face.
Ento Bartholo que havia corrido logo ao
primeiro tiro, entra no quarto de Josefina, e
precipita-se sobre o seu ensanguentado rival-
Empenha-se entre ambos urna luta lerrivel.
cahem abracados, e rolo pelo pavimento; po-
rm Gaspar cujo ceg furor Ihe augmentava
as forcas consegue melter debaixo de si o seu
adversario, e procura despedafar-lhe a cabeca
com repelidos golpes da pistola. Chego em fu"
todas as pessoas que se achavao leunidas no
salan, e apodro-se do assassino.
A 27 de maio do mesmo anno de 1837 o povo
de Inspruck aecudio em multidao a vOrexei li-
tar no patbulo um moco de 20 annos.
muco chamava-se Garpar Boldhcim.
Este
Do H. dos P. no Porto..
I


tences para serigueiro, 1 dito impressos, 3 ca-
xas chapos ; o T. do A. Fonseca.
1 caixote coa) doce ; a D. Perpetua P. de J.
Caldas.
25 pipas vinho 20 barrisdito, 10 pipas vi-
nagre ; a Joo Manoel Estoves de Oliveira.
2 botes, 7 laNsbolaxinha, 3 ditas orchatas,
2 fogoes 8 caixas uvas, 1 barril vinho 1 di-
to carnes l barrica bolaxinha 4 caixas cho-
colate, 4 ditas doce; a Paulo Antonio da
Rocha.
1 bacia doaramo 1 imagcm-, a Paulo Jos
Alvos da Silva.
1 oinbrulho ignora-se; a Antonio Jos Fer-
reira.
1 dito ignora-se ; a Jos Antonio Falcao.
1 dito ignora se ; a Antonio Jos do llego.
2caixolescalcido, 1 dito falo, 2ditosuvas,
a Joaquim Jos Pereira.
1 caixoto chapeos; a Gaudino Agostinho do
Barros.
1 dito ditos; a Manool de Azovedo Maya.
1 cmbrulho impressos, 1 caixa plantas ; a
Joo Maria Seve.
1 embrulho ignora-se ; a Jos Carlos Soarcs
Jnior.
1 gaiola com passaros 3 ditos pomhos 1
burro, 1 barrica macaos 4 canastras ditas, 1
dita ditas seccas e no/.es, G embrulho* com 380
pessas de ouro 2caixotcsdoce, e dita ignora-
te ; a ordem.
PRAGA DO BECIFE 18 DE NOVEMBKO DE 1843.
Revista mercantil.
CambiosHouvero tranzaees considoraveis a
26 d. porlg.
Assucar Entrro cerca do 200 caixas, o hou-
vero algumas vendas a 1:100 por
sobro o ferro.
AlgodoAs entradas continuo regulares c
tem havido vendas a :500 por g>.
CourosSao mui procurados pelos precos de
127 a 130 reis a libra.
Azeite-doceVendeo-se a 1500 o galo.
BacalhoNao houvero entradas e o depo-
sito cerca do 3200 barricas, te.ido-
sc vendido 600 barricas para o Rio-
de-Janeiro.
BatatasVemiec-so a 530 a arroba.
Carno-seccaChegaro tres carregamcnlos do
Rio-Grande ; o deposito 6 de
26:000 arrobas regulando as ven-
das de 2000 a 2400 a de Buenos-
Ayres o de 2400 a 3300 a do Rio-
Grande.
Dita de vacca salgadaVendeo-se a 20 o bar-
ril.
Cervojadem de 3600 a 4000 a duzia.
Furinha de trigoChegarao douscarregamen-
tosde Voneza ede Richinund, par-
to dos quaes ditera que segu pai
o Sul; as vendas rogulario de 16:500
a 19:000 a barrica
Fio-de vellaVen leo-se a 580 a libra.
ManteigaChegaro 300 barricas do Liver-
pool os quaes inda nao oro ven-
didos.
Pixe da Succia -Vendeo-se a US o barril.
Queijos flamengo*dem de 880 a 1000.
Sabao nmarellodem a 110 rs. a libra.
Sal estrangeirodem de 800 a 1000 o alquei-
re da medida-velha.
VinhoChogou um carrcgamenlo de Marce-
dla o qual foi vendido ; 83j rs. a
pipa.
Embarcayos existentes no porto cm 18 de
novembro.
Austracas..........3
Americanas..........^
Brazileiras ...... ... 27
Dinamarquezas. ... *j
Francczas..........^
liamburgue/.as.........^
Hollandeza.........'
Inglozas..........^
Portuguezas......... o
Sardas.....-.....*
Sueca .........*
59
Editaes.
Movimeiito do Porto.
Yaoio entrado no dia 18.
Rio-de-Janeiro; 28 (lias, hriguc sardo Pa-
quete feliz, do 194 toneladas, capilar.
J. Viela oquipagem 12, carga lastro : a
consignaco de Woephopp Oenker & C.
dem; 16 dias patacho ingle/. MetMH-
ger de 155 toneladas, rapilo C. Lar-;
halcslivr cquinagom 8 carga lastro : a
consignaco de James Crabtree & C.
Sahido no mesmo dia.
Lnna ; hiato nacional Soto-destino capitSo
Estevao Ribeiro equipagem 5 parga va- :
rios "eneros. PassagcifO bra^'l^iro Joaquim I
Jos de Santa-Anna.
O illm. sr. inspector da thesouraria das
rondas provinciaes em cumprimento doofficio
do exm. sr. presidente da provincia de 3 do
corrente, manda fazer. publico que secundo
o regulamento para as arroma Incoes das obras :
publicas do 11 de julho deste auno o sob as
clausulas especiaes abaixo transcriptas so ar-
rematars, a quem por menos fizer, no dia 6 de
deembro prximo vindouro ao mio dia pc-
ranto a mesnia thesouraria as obras jla
ponte no val da Taquaruna oreadas na quan-
tia de 20:000j rs.
E para que chegue noticia de todos mandou
o mesmo illm. sr. inspector affixar o presente ,
e publicar pela imprensa.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes do Pernambuco 16 de novembro de 1843.
O secretario ,
Luiz da Costa Porto-can eiro.
Clasulas especiaes.
1 Os trabalhos e obras da ponto do val da
Tacaruna sero foitos pela forma sob as
condicoes e modo indicados no orcamento e
*eu accrescimo as plantas geraes o particula-
res, apresentadosa approvaco do exm. sr. pre-
sidente da provincia em 31 dooulubro de 1843,
pelo preco de vintocontos de reis
2*. O arrematante^ comecar as obras no
prazo de 2 mezes contados em conformidado do
art. lOdo regulamento para as arrematares
de 11 de julho de 1843.
3.a As obras deverao ser concluidas no pra-
zo do um anno contado na mesma poca do
quo a precedente.
4." O pagamento da arrematacao realisar-
se-ha em quatio prestacoes do modo e as
epochas determinadas no artigo 15 do dito re-
gulamento.
5.* Para ludo o mais que nao est determi-
nado pelas presentes clasulas seguir-se-ha
inteiramento oque dispoe o regulamento cita-
do. Repartico das obras publicas 31 deou-
tubro do 1843 Oengenheiro em chefe L.
L. Vautber.Approvo -Palacio de Pernam-
buco 3 de novembro de 1843.Raro da-Roa-
vista.
O illm. sr, inspector da thesouraria das
rendas provinciaes em cumprimento do artigo
38 da lei provincial n. 110 de 29 de abril de
1843.0 da ordem do exm. sr. presidente da
piovincia de 16 do corrente 4 manda fazer pU;
Mico que nos dias 13. 14 e 15 do de/embrO
prximo futuroao meio dia se ha de arrematar
em hasta publica peranto a mesma thesouraria
a laxa da barreira da ponte de Bujary na cidade
de Goinna oreada em 5:0008 rs. annuaes ,
contados do l."do Janeiro do 1844 se antes
se nao marcar at 30 dejunhodo 1846.
As pessoasquo se propo tacao compareoo nos dias cima indicados com-
petentemente habilitados.
E para constarse mandou afixar o presente ,
o publical-o pelo prlo.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes de Pernambuco 17 do novembro de 1843.
O secretario ,
Luiz da Costa Porto-carreiro.
cia faz-se saber ao sr. Fausto Benjamim da
Cruz Gove, que para objecto de seu proprio
intoresso dever comparecer pelas 11 horas
da manhSa do dia 20 do corronte na secretaria
da mesma repartico, er.tender-se com o
illm. sr. chefe de polica.
CONSULADO DOS ESTADOS-UNIDOS.
Os credoros da fallecido Samuel Smith sao
convidados a comparecerom n'esto consulado
na terca-foira (21 do corrente)aomeio dia pora
ajusto do suas contas. G. T. Snou cn-
sul.
CIRCO AMERICANO
O beneficio e despedida do Palhaco Mr. S.
Lipman ter lugar hje cuja descripeo se
annunciar pelos cartazos.
Avisos martimos.
Para o Maranho sahir com a maior bre-
vidado possivel o brigue-escuna .*'. Malheos ,
tendo j a maior parto do sua carga a bordo, o
ainda Ihe falta alguma para fecho de seu car
regamento : para passageirosollerece exceden-
tes commodos; assim como para esrravos a
frote ; os pretendentes tratem com Firmino
Jos F. da Roza na ra da Moda n. 7.
Leiles.
Kalkmann & Rosemund faro Iciloes, por
intervenco do corretor Oliveira do mais es-
plendido sortimento de fa/endas de seda la ,
linho, c algodo, a mor parte ebegada pelos
ltimos navios edos goslos mais modernos e
proprios deste mercado : terca c quarta-feira
(21*e 22 do correnle)s 10 horas da manha em
ponto no seu arrnazem da ra da Cruz.
O corretor Oliveira fara leilo franco e
sem limites de um completo o variado sorti-
mento de fa/endas nglezas o francczas que
forcosamentc so bao de vender para liquidadlo
de contas e por isso de avultada pechinxa para
os seus Ireguezes u a quem roga hajo de con-
correr ao primeiro andar da sua caso na 86-
gunda-feira 20 do corrente s 10 horas da ma-
nha em ponto.
Avisos diversos.
Declaracoes.
A charra Amazonas recebo a malla para
o Rio-de-Janeiro auunha ( 21 ) as 11 horas
do dia. ___
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Havendo-se deliberado em assembla gcral
dos accionistas da companhia a plena execuco
do art. 9." dos estatutos concedendo-se toda-
va o praso mprorogatol de 30 dias para dentro
d'elle'serein roalisadas as prostacoes al agora
exigidas sao convidados os srs. accionistas, que
ainda nao completarlo a entrada do 16 por con-
t, para quo hajo de o fazer impretenvelmen-
to at o da 17 de dezembro prximo, certos do
que nao o lamido at essedia perdern em be-
nificio da companhia as contribuyos que ti-
verem loito sem que tenho direito de as re-
clamar em lempo ulgum. Escriptoro da com-
panhia 16 de novembro de 1843.
O secretario ,
/?. /. Fernandes Rarros.
c/abaixo assgnailo faz publico, que do
dia primeiro ao ultimo de dezembro vindouro
que deve ter lugar o pagamento a boca do co
fre da dcima dos predios urbanos los 3 bairros
deste cidade e povoaca dos Affogadns do
primeiro semestre do corrente anno financeiro
do 1843 a 1844 e que (indo o praso marca-
do, se proceder executivamente contra todos os
di odores nao s pelos semestres vencidos .
como dos a'nnos anteriores, no que tem havido
grande omissiio da parte de alguna snrs. pro-
prietarios. Mesa do rendas internas provinciaes
1S V:j, no impedimento do eserivao administra-
dor. Jote (urdes Salqueiro.
Pela repartidto da polica d'wfa provm-
LOTERA da matriz da
BOA-VISTA.
As rodas desta lotera cor-
rem mprelerivelmenU; no dia
2 do corrente e os billie-
tes acho-se a venda nos lu-
gares do coslume.
""__A barca ingleza Laurence, capitao I'orster,
arribada a osto porto com agua aberta na sua
viagemdolquique o Mejellones para Liverpo-
ol preciza de dinheiro a risco sobre o casco e
carga para fazer os concortos necessarios a (im
do proseguir sua viagom ; quem qui/.cr fazer
este negocio poder entender-so com o ca-
pilo da mesma cm casa de Latbam & Hibbert,
ra do Trapiche n. 32.
= Aluga-se urna casa no Monteiro a ter-
ceira da carreira que foi do fallecido Domin-
gos Rodrigues do Passo com duas salas o 3
quarlos grandes muito fresca cozinha fra ,
estribara para dous cavados quintal murado,
com porto para ir se ao banho, por preco
commodo ; no Atterro-da-Boa-vsta n. 21.
Joaquim Francisco do Mello Cavalcante
annuncia, que, mandando hontem 16 do cor-
rente a seu cunbado o eapilSo-mr Joao Le-
te d'Albuquerquo sr. doengenho Monjope ,
as geguites cncommendas urna caixa de
voltrete, nova dentn do oulra de pao pin-
tada de encarnado ; urna pessa de chla larga ;
12 covados de chita fina, assento coberto ; um
corte do marroquim pira sapatos ; urna libra
do sabao ; um embrulho de papel com dobra-
dicas. e lechaduras, ludo dentro de um sacco ,
o qual foi furtado com ludo, dentro : roga se a
quem for ollero ida qualquer dessas pecas as
aprehenda e mando a casa do aununcianle ,
quo ser recompensado.
= Um horneen solteiro seofferece para en-
tinar em algum enenho ou serto primei-
ras lettras, principios de latim e francez ;
quemde seu prestimo sequizer utilisar, dir-
jase a ra do Rngel n. 34.
= Joz Xavier Faustino Ramos embarca
para o Ro-Grande-do-Sul a sua escrava The
reza preta, de nacao Angola.
= Madame Popon & Mademoiselle Zo Po-
pon van fazer urna viagem ao Maranho.
Lina parda se Qerece para fazer o servi-
ro de urna rasa de portas a dentro preerrndo
casa de pouca (amida ou de homem solteiro
os pretendentes podem dirigir-se a ra das La-
rangeiras n. 24.
= E. Schecff participa a quem possa inle-
ressar ser o agente do Lloyd Austraco n'esta
|iraca.
O sr. Antonio Jos Rodrigues dirija-se
a ra do Queimado loja de Antonio Jos Ro-
drigues do Sousa n 13, a (im derecelier urna
carta vinda do Lisboa no briguc Josefina.
Aluga-se um terceiro andar com com-
modos para grande familia o um bello miran-
te de recreio ; assim como um grande armasem,
todo lageado de cantara e proprio para qual-
quer cstabelecimento : na ra da Cruz n. 19
Pos os uticos carminados.
=: A conservadlo dabondade e belleza dos den-
tes foi em todos os lempos objecto de alto a-
preco, nao so pela rcconbccida utilidade d'ostes
orgos na mastigaco dos alimentos, e perfeita
articulaco dos soes, como tambem pela graca,
elegancia e realce, que olles do quando sao
bellos fisionoma mormento no bello -sexo.
Tambem desde a mais remota antiguidade.que,
na Europa, e cm muitos paizes da Asia, a opi-
nio relativa aos caracteres, que consttuem a
bonteza dos denles mais variou. poispen-
sa-se boje a esto respeito di mesiiio modo, quo
se pensava nos tempos de Salomo de Home-
ro, do Verguo de Ovidio, &c. Sendo pois
os denles orgos de to alta importancia como
adorno do rosto, e agentes da nutricio o sen-
do tantas e to diversas as cautas que de con-
tinuo tondem a destruil-os cumpre empregar
todos os meios possiveis para obstar a este in-
conveniente Ora sendo negavel, que a lim-
peza d'estes orgos o seu melhor perservativo,
nos oiereccmos ao publico os pos asiticos, in-
venco moderna de um insigne rhimico Euro-
peo como o mais perfeito offieaz e sublime
dos compostos at boje descuberlos para este
fim : prova-o o uso quase exclusivo que d'el-
los so faz j cm muitos paizes Estes pos de chei-
ro e sabor mui agradaveis, conservao os dentes
6 uncn a propriedade do os branquear perfei-
ttmiente a do endurecer seo esmalte (vidro) ,
bem como a de prevenir e deter sua carie; elles
patenteio toda a brnncura eexplendor natu-
raes destruindo propiamente o limo ou tr-
taro (pedra), que sobre elles se depo/ta, e que
alm deoflerecer a sua alvura e dar as vizes
a bocea pessimo aspecto pode produzir urna
infenidade de lesoes mais ou minos graves, co-
mo seja escamar e abalar os dentes, dispol-os
a carie, irritar c ulcerar as gingiva*, os labios,
a lngoa. Se Elles consOldo as gingivas af-
fectadas de escorbuto do ao interior da boc-
ea e aos labios urna bella cor de roza e urna
frescura mui agradavel e rorrgem o mo ba-
lito : custa 1,000 reis cada vidro acompanhado
do um pequeo tratado (tradusido) sobre a con-
srvacao dos dentes c o modo de os manter
I seinpre bellos ; vende-so somonte na casa do
Novaes & C.a na ra da Cruz n.u 37.
COLLEGIO DA BOA-VISTA ,
DIRIGIDO POR
D. Anglica Faustino de Sequeira Wyatt.
Os exames das alumnas deste collegio ea
distribuico dos premios, tero lugar nos dias
5 e 6 do prximo miz de dezembro.
As lerios tero principio a 7 do mesmo, e
fim a 7 de Janeiro.
__A pessoa que livor urna cadeirinha para
vender c esta que tenha algum uzo annuncie.
Offerece-so um homem portuguez para
criado ue quilqer urna casa ou para qual-
quer outroservic-o; na ra estreita do Ro-
sario n. 8.
= M. S. Mawson cirurgiodenlista in-
forma ao respeilavel publico que, tendo che-
gado do mallo esti prompto para tudo que
cnchente aooxercicio do sua arte na ra
do Queimado n 29 segundo andar.
__ sr. Jos Morcira da Costa venha buscar
una carta vinda do Porto para suasenhoia,
mais tem o seu nome no subscripto que foi
tirado por engao : na Travcssa-das Cruzes
n. 8.
= Quem precizar de urna porrao de entumo
do calica quo da-se gratuitamente ; dirija-se
a ra d Agoas-verdes n. 4'2.
= Antonio Jos Gomes, subdito portuguez,
vae no Rio de-S.-Francisco tratar dos seos in-
teresses, continuando o seo estabelicimento nes-
la pracacomo danles.
= Alii"o-se os segundo e terceiro andares
da casa do 3 ditos da ra da Lapa, por preco
com.nodo a vista dos pretendentes ; a tratar no
armazem da ra a Moda n. 15.
a Manoei Antonio Teixeira,procurador bas-
tante dt Jorefa Joaquina do Livramento az
publico que permuta um sitio na estrada do
Arraial com o sr. Antonio Bernardo Ferreira, e
sua mulher l!o i Escolstica Joaquina, por urna
casa nobairroda Boa-lista na ra da Gloria n.
21 ; quem julgar-secom direitos sobre as di-
tas propriedades cu herdeiros orphSos, ou
divida publica,annuncie por esta folha por t<-
i po de seis da-
MUTILADO





Em um clima Uo qiicnto como o do Brazil,
onde as molestias terminao fatalmente as ve-
zes no espaeo de poucas horas, he ntister ha-
ver u:n emedio que possa servir ao mesmo
teinpo como preventivo e curador. A \1e-
decina Popular Americana tcm essa propriedfi-
de tomada asve/.esem <(uanto ella impede a
accumulacao dos humores, conserva o Mingue
puro e conseguintemente para as pessoas menor
sujeitasa apanbarem qualquer molestia, seja
ella contagiosa, ou nio.
Recommoiida-se portanto ao publico cm ge-
ral de cnsainr este excoMente remedio que,
pelo lado econmico he prclerivel a qualquer
outra medecina de similhante nature/a tendo
as caixnhas maior numero de purgantes e por
menos proco.
O publico achara na Medecina Popular A-
mcricuna as plalas vegetaes do Dr. Brandrelb
estas propriedades que produzem -seu effeito
sem dores ou encommodo algum nao se faz
preciso tli-ta alguma c pode-se tratar dos
seos- nogocios nos mesmos dias, em que se to-
mar.
Vende-se aqui em casa do nico agente
Joao Keller ra da Cruz n. 11 c para maior
commodidade dos compradores1 na ra da Ca-
deia emeasa de Joao Cardozo Ayrcs ra Nova
Guerra Silva & C. atierro da Boa-vista Salles
6t Chaves.
= Vicente Francisco Mendes das Chagas ,
morador no engenho Meguahipe-de-baixo,
comarca do Cabo embarca para o Rio-de-
Janeiro a su i esclava crioula Marcelina a qua!
comprou a Jos Antonio Gomes Jnior mo-
rador no mesmo engenho.
No largo da Solidade n. 22 acha-se abor-
ta urna nova padaria, onde se faz pao, e bola-
xa da mclhor larinha que se acha no mer-
cado.
lilas salas 7 quartos, e urna grande cozinlia ;
a tratar no armazem da mesma casa.
Precisa-se alugar um armazem perto da
mar que seja seguro para recolber carvao
de pedra ; no largo do Corpo Santo n. 11.
Roga-se a pessoa que tcm duas .cartas
para Joaquim da Motta Ferreira de as entre-
gar na loja de louca da ra da Cadeia n. 6 ,
que se Ihe licara obrigado.
Aluga-se mensalmentc um escraVo para
o servico de um casa que seja fiel; na Soli-
dade n. 22.
l'ergunta-se ao snr. Francisco de Frei-
tas Gamboa se tenciona fa/.er este annno ro-
presentaces publicas de presepios. Um
apaixonado.
Quem precisar de pretos para serventes ,
dirija-se a ra da Alegra sobrado n. 4.
Quem precisar de urna ama para o ser-
vico de urna casa dirija se a Rua-imperial n.
7, terceiro andar.
Manoel do Amparo Caj avisa a todas as
pessoas, que tem contas ern sua loja, que Joao
Gomas Marques deixou de ser seu caxerxo ,
desde o da 16 do correnle.
=b No sitio, em que mora omajor Francis-
cisco uarte Coelho no Poco-da panella ,
appareceo um quarto no dia 9 do corrente ,
uirla corda a arrrasto; quem l'or seu dono pro
cure hd o/to sitio que dando os signaos Ihe
ser entregue.
=Aluga-se um sotao, com muito bons com-
modos do sobrado novo da ra Augusta n. 9;
na ra do Rangel, venda n. 11 esquina, que
volta para o Irem.
== Aluga-se urna escrava parda engomma,
cozinba, e faz todo o rnais servico de urna casa ;
na ra do Amorim n. SO segundo andar, ou
no armazem da mesma ra n. 32.
= Aluga-se pelo lempo de fesla urna gran-
O snr. F. S. M. queira ter a bondade de casa feita a moderna, sita na rus de Matbias
de mandar pagar a quantia de 13^720 rs. ao
-ogro de J. M. Ponchet que deve a esto ul-
timo desde 1836 e nao o fazendo nestes oito
dias se publicar o seu nome por estanco ; no
AUerro-da-Boa-vista loja n. 26.
Precisa-se alugar um sobrado de um an-
dar ou um primeiro andar, cujo aluguel nao
exceda de 200S annuaes, pr-ferindo-se as
roas seguales; Hortas, Aguas-verdes, Laran-
geiras Gru/es Cadeia estreita, e larga do
Rozario Trincheiras, Rangel o pateo do
Carme; querr? tiver, dirijase a ra da S.
Piita nova n. 91; na mesma casa precsa-so de
urna ama para rodo o servico do urna casa de
puuca f.imilia.
= Arronda-seo grande armazem da casa
da na da Moeda, junto ao Firmino e Santos
Braga o qual serve para qualquer estabeleci-
mento como timbern para socar assucar no
que esteve ltimamente oceupado ; na ra da
Cadeia do Reclo loja de Joao Maiia Seve '<&
Filho
IIojc be a ultima praca na porta do snr.
do dr. juiz de orlaos, defronte da matriz da
Boa-vista para se arrematara quem maisder
o bom terreno do beco das Barreiras todo
murado, com cacimba aores de froto, e
outras muitas circunstancias favoraveis que
s corn a vista se poderao saber.
Na padaria da Mua-direla n. 40 preci
sa-se de um forneiro para o servico da mesma.
Aluga-se o quarto aniLr e soto da ca-
sa n 19 da Rua-nova ; a tralar na mesma.
Antonio Pereira de Oliveira Ramos avi-
sa ao respeitavel publico que desde o dia 24
deselemhro p. p. nao tem rnais sociedade na
loja da Uua-nova n. 5, nem nenbuma ge-
rencia em dita loja.
Quem precisar de roupa engommada e
< osturas bem como vestidos para senhora ; di-
rija-se a Iravessa do Qucimado n. 7, l">ndar
O abaixo assignado, nao tendo podido
disepdir-se pessoalmentc das pessoas que Ibe
lizerao a honra de visital o quando chegou da
Franca, por causa da brev dado da sabida do
vapor; recorre ao prelo para agradecer aos obse
quios que recebera destas pessoas durante o
teaipo de sua estada nesta cidade e pedir dis-
culpa de tal omissao oflfercceudo sinceramen-
te seu limitado prestimo na provincia do Cear,
onde presen te me ule pretende residir. Dr. An-
tonio Domingos da Silva.
Francisco Eduardo Alvos Vianna rnu-
dou a sua residencia da ra da Cruz: n. 38, pa-
ra a ra de A polio n. 20.
Quem annunciou querer vender urna
mucamba habilidosa para PVra da provincia ,
dirija se a na de Apollo n. 20
Precisa-sede um rapaz porluguez de
Ferreira, com 4 salas, 6 quartos, cozinba fura,
e quintal grande ficando no fundo o poco do
Gonselho; assim como outra pequea junto
a mesma ; a tratar na ra larga do Bozario ,
botica n. 42 de Manoel Felippe di Fonseca
Cando.-
=Aluga-se a casa n. 14 entre as duas pontos
da Passagcm com banho no fundo do sitio ;
a tratar na mesma.
= Aluga-se a casa de dous andares e sotao,
sita na ra da Cadeia do Recife esquina da
ra da Madre de Dos n. 21 ; a tratar na loja
da mesma. .
= Aluga-se urna casa terrea corn duas salas,
3 quartos, cozinha, fura quintal com arvoredos,
e cacimba na ra do Sebo ; a fallar na Rua-
nova n. 63.
Compras
= Compra-se um preto de naco, com
officiode tanoeiro ; na ra da Ciuz n. 4S, casa
de Manoel do Nascimento Pereira.
Comprao-se efectivamente para fra da
provincia mulalinhas crioulas e rnais escra-
vos, de 13 a 20 anuos, pagao-se bem.sendobo-
nitos ; na ra larga to Rozario n. 30, pri-
meiro andar.
Compra-se um selim e cabecada em
meio uso ; atraz do theatro armazem de ta-
beas de pinbo.
Comprao-se eflectivamente para fora da
provincia mulatas, negras o moleques de
12 a 20 annos, sendo bonitos pagao-se bem :
na Rua-nova, loja de ferragens n 16.
Vendas.
Vende-se um bom cavallo alazao com
bons andares; na ra do Crespo loja n. 12
'do Antonio da Cunha Soares Guimaraes.
Yende-se una negra denacao Renguella,
de 20 annos, boa quitandera e lavadeica ;
no pateo do Carmo n. 24.
Vende-se um rologio sabonetc de pra-
ta pequeo e moderno com cadeias de ou-
ro ; na ra do Mundo-novo n. 17.
^=3 \cndem-se chitas finas do ultimo gosto a
240, 280. e 320 rs. o covado cassa-chila
france/.a de muilo lindos, padroes e de tintas
mui seguras a 800 rs. a vara cambraias de
lislras flores, edesalpicos, lencos de seda a
1000 1120 1200rs. ditos com quadrosde
cores a 2000 rs., ditos com franja ditos ada-
mascados tambem com franja cortes de ad-
ietes de setim maco pretos, e de cores len-
cos de dito veludo do cores lencos pretos,
10 a 12 annos que tenha alguma pralica de I arailes de seda e gorguro ditosdecarn-
venda ou mesmo nenbuma ; no deposito de braia bordados decores, a brancos com nomes,
agua junto ao .theatro; no mesmo deposito ditos para o floree i men tos cortes de colietes
vondem-se ilgUttias barricas de farinha de tri- deseda, e gorguro de cores fustoes de cores
i esl hle que serve para fazer gomma pa-'a 320 rs. o covado ditos brancos a 400 rs. ,
ji labrica de chapeos e se dao por proco com- pannos finos de cores de 2500 a 4800 rs. dito
preto a 7500, e 8S00 rs. suspensorios do bur
Alugn-se o segundo andar da casa n. racha a 240. e 280 rs. meias.compridns para
Apollo, com 4 anellas de (renfe onhora a 2RO 300, 320, 360, 4G0, 8G, SOG'j Vendem-se saneas com farcllo a 2880 rs., Rbcifb: na Ttp. i
rs. o par; na esquina do Livramento loja da
viuva do liurgos.
= Vende sea propriedade n. 9 da ra da
Moeda com dous andares lavados outro com
trapera ,' e sotao cm chaos proprios; na ra
da Cadeia do Recife loja n. 57. -
Vcndem-sc duas negras do naca o de 16
a 18 annos, cozinhao, eengommao; na Rua-
nova n. SO, terceiro ailar.
Vende-se um preta moca com urna cria
de 9 mezes a qual cozinha engomma, c lava;
na ra da Cruz n. 19.
s Vendem-se cortes do lanzinha de lindos
padroes, ditos de cassa pintada mantas de
seda para senhora e horneen chales de seda,
e bordados do matiz ditos escocezes lencos
ditos, calcinitas de meias guarnecidas de bi-
cos, e bordadas para meninas e senhora ca-
simiras elsticas do duas larguras, cortes de chi-
ta ditos de cambara adamascada ditos de
laa escoceza chapeos de sol de seda furia co-
res azul, e verde para homem e senhora,
cambraia lisa transparente; e.outras muitas
fazendas de seda relogios de ouro grandes e
pequeos lavrados o lisos dilos de prata ,
patentes e horisontaes tanto para homem ,
como para senhora e ditos de parede com cor-
das para 8 dias e vendem-se por muito menos
proco, do quo em casa dos relojoeiros na Rua-
nova n. 35.
=Vendem-se as bemfeitoriasde um sitio na
Passagem-de-Olinda com casa de pedra e
cal bastantes fruteras e todas as commodi-
dades precisas para planlacqes, e pasto para
vaccas; em Fra-de-portas, lado da mar gran-
de n. 6.
es Vende-se um rico par de'brincos de hri-
Ihantes de muito bom gosto ; urna porco de
pilulas ; castigaos e salvas de prata vindas
lo Porto ; na ra da Cadeia casa de cambio
do Vicira n. 24.
= Vendem-se dous piannos sendo um de
Jacaranda horisontal, e o outro deangico, e de
armario muito rico e de boas vozes, duas
cadeiras de ra modernas, cadeiras, bancas,
mezas, camas, commodas tudo de Jacaran-
da e de outras qualidades, 3 ricos sofas de
dilferentes modelos luvas de pellica para ho-
mem ligas de rame para senhora globos ,
dous bonscandieiros de 3 luzes para meio de
sala campoteiras e salvas do casqunha da
mclhor qualidade que tem vindo e outros
muitosobjectos que a vista dos compradores
se farao patentes;, na Rua-nova armazem n.
67, no mesmo armazem contina-so a rece-
ber todo e qualquer objecto tanto novo como
usado para vender por meio deste estabcleci-
menlo.
Vende-se urna escrava crioula de 22 an-
nos perita engommadeira cose, cozinha e
lava cuma cabrinba de 13 annos ptima
para mucamba ; na ra das Cruzcs n. 41, se-
gundo andar.
=a Vende-se vinho do Rheno espumoso
como o Champanhe de muito boa qualida-
de o prceo commodo; na ra do Trapiche
n. 17.
= Vendem-se a dinlieiro ou a praso as
miudezas que existem em a loja n. 63 da
pracinha do Livramento as quaes alm de se-
ren bom sortidas sao modernas armacao de
muito bom gosto com vidracas, egarante-se
o arrendamento da loja por 6 annos e meio ;
a tratar com Henrique & Cezar com loja no
arco de S. Antonio, ou com J. O. Elster na
ruado Trapiche de quem se pode obter as
necessarias informacoes.
Vendem-se 4 pretos ptimos para to-
do o servico; 2 moloques de 18 annos; um
dito de 12 annos; duas escravas mocas, en-
gommao cozinho cosem e fazem todo o
rnais servico de urna casa ; urna dita de meia
idade por300j rs. cozinha e lava roupa e
da 40 rs. diariamente ; na ra de Aguas-ver-
des n. 44.
Vendo-te urna escrava do 20 annos, per-
feita engommadeira cozinheira o coslureira;
urna parda de 20 annos, cngomina e cose ;
duas negrnhas de 12 annos; urna mulatinha ,'
propria para mucamba de alguma menina ; na
ra do Fogo ao pe do Rozario n. 8.
= Vendem-se 6 esc avosde nacao um of-
ficial de pedreiro e outro serrador ; Um mo-
lequc bom carreiro ; o outro ptimo trabaja-
dor de enchada ; 3 escravas de naco quitan-
deiras lavadoiras e outras habilidades ; na
llua-direita n. 3.
\ ende-se urna mulatinha mucamba re-
colinda do 18 annos, boa coslureira e en-
gommadeira ; urna dita do 22 annos faz to-
do o servico de urna casa ; um casal de molc-
quf.sde nacao Baca de 13 annos ; um escra-
vo proprio para palanquim ; urna escrava qui-
tandera e lavadeira por 2008 rs. ; urna dita
para todo o servico do urna casa: um escravo
mestre do assucar e bom carreiro ; um dito
para o servico de urna casa por 3508 rs. ; na
ra de Aguas -verdes n. 46.
na padaria de Joao Manoel Rodrigues Val|Pn.
ca assim como cm barricas a 38 rs. no ar-
mazem de Dias Ferreira & Companhia.
= Vende-se farinha de mandioca de su-
perior qualidade a 2000 rs. a sacra, dinbeiro
a vista ; no caes da alfndega armazem d
Antonio Annes e na ra da Cadeia, armazem
de Fernando Jos Braguez.
ss Vendem-se 500 oitavas de prala fina
em varias obras lelbas lijlos de ladrilho
e alvenaria cal superior de caiar dita preta'
ripas, e caibros de 30 em Oliuda no Vara-
douro venda n. 18.
= Vende-se um pardo de boa figura d,.
22 annos, e perito offcial de allaiale ; no
Atterro-da-Boa-vista n. 42 segundo andar.
= Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, a 28 rs. ; na ra da Cadeia-volha n. 35_
Vendem-se retratos de S. M. a Imperatriz
uo Brasil chegados ltimamente do Rio-de.
Janeiro no vapor Imperador os quaes sao em
ponto grande, e pinturas muito finas; na Rua-
nova loja de cera n. 63.
= Vendem-se bichas chegadas de Hambui-
go tanto grandes, como pequeas, tambem
so alugo o vo-se applicar por proco com-
modo; na Rua-diroita, loja do barbeiro n 123.
= Vende-se a armacao da venda da ra de
S. Rita-nova n. 93, com commodos para fa-
milia bom quintal cacimba o portao para
a mar o entrada pela frente independente ;
na ra da Paz n. 2.
= Vendem-se perolas muito finas; no At-
terro-da-Boa-visla loja n. 24.
= Vendem-se veludos de cores e de qua-
dros, de bonitos padroes para vestidos a 640
is. o covado, com amostras francas ; na ra
do Queimado, loja n. 11 de A. L. G. Vianna.
= Vende-se jacarando superior chegado do
Rio de Janeiro podras de marmore redondas
para mezas de meio de sala, de muilo bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palbinha camas de vento
com armacao marquesas sofas, mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500,
ditas de pinbo a 3500, assim como oulros mui-
tos trastes ; pinbo da Suecia com 3 pollegadas
de grossura dito serrado dito americano de
diflerentes larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinbo e barrotes ; na ra da
Florentina em casa de J. Beranger n. 14.
= Vende-se gelo todos os dias ( excepto
os domingos); no armazem da ra do Amo-
rim n. 35. i
= Vende-se um sestante muito bom; na
praca da Independencia ns. 18, e 20.
= F.m casa de B. Lasserre & Companhia ,
ra daSonzalla-velha n. 138, acha-se a ven-
da arellode muito boa qualidade, em saccas
de 3 arrobas ; assim como vinho de Bordeaux
em caixas de duzia por precocommodo.
% Vende-se bretanha de puro linho a 320
rs. a vara veludo francez para vestidos de se-
nhora a 560 rs. o covado cortes de laa e se-
da para vestidos sedas de cores loncos de
seda de tres ponas, modernos a 2S rs. c da-
se amostras da bretanha e do veludo para os
compradoies conheccrem a boa qualidade da
fazenda na ra do Queimado, loja n. 1 de
Baslos & Companhia.
Escravos fgidos
as Fugio a preta Florencia de nacao An-
gola de 14 annos cor preta secca do cor-
po; levou vestido de chita roxa com flores ama-
relias ja velho o sujo e panno da Costa,
da mesma forma ; nariz chato boca grande,
beicos grossos, e as costas da mao esquerda
tem urna queimadura que se divulga bem ,
pos apalbetados ; a qual tem sido vista a pou-
cos das nos arrebaldes, e ras da Boa-vista e
anda com outra preta quo dizem ser forra ,
comprando fruas nos sitios visinhos ; quem a
pegar, leve a praca da Independencia n. 4. que
ser gratificado.
== Fugio no dia 14 do correnle a preta Ca-
tharina, do nacao Angola altura regular,
secca peilos pequeos, falta de denles da
parte superior pea feios ; levou vestido de
hila o panno da Costa ; quem a pegar, leve
a Ra nova n 33, que ser gratificado.
== A 28 de ouluhro fugic um escravo de
nacao Gabao do nome Ciprianno, apellidado
por moleque de estatura muito menos de or-
dinaria corpo grosso cor fula rosto com-
pndo leicoes grosseiras nariz bem chato,
pescoco cuito queixo saliente com urna co-
rda ao comprido no alto da cabera o urna ci-
catriz ile (albo outra dita pequea na fonte
esquerda c outra tambem de talho atravessa -
da na frente da canella ; levou camisa o cal-
cas de algodio da torra marcadas com um
C de Imha encarnada ; quem o pegar, leve ao
cirurgiao Silva, na ra da Cruz n. 8.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJLRHCCEH_4TQNFF INGEST_TIME 2013-04-13T01:09:56Z PACKAGE AA00011611_04516
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES