Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04503


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 184.3.
Sabbado 4
l'udo or depende de ni mesmna; di ioi prndenei, moriengilo, e entroja: con-
linuumoi como principimoi, e leremoi aprimarlo com idmiracuo entre aa NagSea mala
CJltM# ( l'riieUmigao di Aiaembleii Geni do Bjusil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES,
tioianna, e Pir.hyba, aeRandas e Milu feirai. Rio Gnnde do Norte, quintil feirn.
Bonito e Garinlmni, iO e 24.
Cabo, Serinhem. Rio Forrado, Corlo Ciro, M.ce.o, Migo, no 1 11. 21.
Boi-i.tie Flores l3 e i\ Smto AnUo qaint.i fer... Ohodi todoi o, din.
DAS DA SEMANA.
30 Seg. .. SenpiSo B. F. Aod. do J **** ,
31 lerg. iejam Qamtino M. Bol. Aad. do J. de D.d.3. t.
1 yuirt. Feta e ti.dos 01 Santos.
2 U.nt. CommemoracSo dos defuntos I \iclr.rmo M.
3 Sei. i. Malaqaiaa B. *ud- do J. de D. da I. '
4 Mb. Carlos Korromeo B. M. 5 D-<*. s Zaciriaie i. liabel pas de i. Joao bapt.sla.
de Novcmbro Anno XIX. N^238.
O l)ito publici-ee telo, os dias que nao forem S.Mtfieirloel o Preo di ,,,SV,'V,
de tres mil reis por quartrl pagos adiar.ta.los Os a-nuncios >los signantes saoioi
gratis eos doi que nao forero I, raso de U res p.-r linl.a A re,-larnaqoes desero ser
gidas eata Tip., ra di Cruiea N. 3*, ou aPraca da Independencia loja de litros
cuinosNo dii 4 de Noiembro. ooanpri
C.bio.ob,.Londr.B?.:d. Ou.o-Moed.d. 0,400 V. 1.W<
/ Pari37jr*isporfraiioo. a N. 16..101
f. Ll. lili____ fifi J-. _^_
y.ooo
1.800
l,i00
t,n00
venda.
17 700
16,500
9.200
1,820
1,820
1,SU
Liibi 110 por 100deprimi. | de 4,000
; Pla.Ta.-Piter.oas
Moeda de cobre 2 por rento. Peros Columnarn
Idendeletrnd.boia firma 1 a 1 1(4 g. cuna Meiie.no*
PHA.SF.S DA LA ;\0 MBZ DE i\0\ FMBRO.
Lu Cheia 7, '3 horas e 1 s. Ha manh.i J La ora h 11, as 3 borato 14 m da tarde.
Onart mine, 14, a* *3 minutos da tarda |-Juart es:, 2S> i 4 lioris e VJ m. di l.
Prenotar de hoj*.
1. -t boris 54 m. de manhaa, "orai 1S m. di tarde.
PARTE OFFJCIAL
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 27 DOPASSADO.
Offlcio a IministracaS dos b<-ns dos orfaSs.
approvando o contrato, quo fiseraS com Do-
mingos Jos Rodrigues de Azevcdo para reedifi-
car a casa n. 4. sita no largo do Paraizo^ e per-
tenoente ao patrimonio dos mcsmos orlaos, pela
quantia de 6:240^ rs.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha,
determinando, que em cumprimento d'ordem
imperial faca contratar um pratico, que leve
ao Para o patacho Camaro; e que mande for-
necerao mesmo patacho um ferro, quo deve
substituir o que ello perdeo ao sair da barra do
Rio-de-Janeiro:Communicou-se ao comman-
dantedo patacho Camardo; e nrdenouse-lhe, que
largarse para os portos do seu destino, logo que
tivesse recebido o pratico e ferros supracita-
dos, e bem assim a malla do correio.
Portara Concedendo demlssodo lugar de
subdelegado do districto de S. Caetano no ter-
mo de (iaraohuns Manoel Joao de Sou/a.
Participou-se ao demiltido, e ao chele de poli-
ca interino.
OfflcioDo secretario da provincia a cmara
municipal desta cidade, accusando recebida a
copia da apuraca geral dos votos para os novos
membros a'assembla provincial.
dem do da 30.
Officio Ao engenhciro cm chefe das obras
publicas, approvando o contracto celebrado com
Jos Dtiarto Rangel para a exccuca5 dos repa-
ros da cidade da Victoria, cujo termo aeompa-
nhou, por copia o seu officio de 27 desto mez
(outubro).
Dito Ao inspector da thesouraria da fasen-
da autorisando-o a despender, at que chegue
a dcci-ao do governo imperial, o que forem vcn-
cendo todas as pracas d', pret, o officia"S de pri-
meira linha em effectivoservico, eo quefrne-
cessario para o fornecimento d'agoa o luz aos
corpos, e (ortalesas ; visto ser insuficienlo o
crdito marcado para as despesas militares des-
ta provincia, segundo informa.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha,
determinando, que mande proceder com brovi-
dado aos reparos, de que necessita o brigue-es-
cuna Gararapcs, cujo orcamento acompanhou
o seu oilicio de -11 do correte (outubro).Com-
municou-se ao inspector da thesouraria da fa-
senda.
Dito Do secretario da provincia Joaquim
Jos det'livcira Calasaes, participando, que S.
M. o Imperador houve por bem fazer-lho tuer-
ce da st rventia vitalicia do ollicio de escriva
privativo do jury do termo do Bonito.
Dito Do mesmo ao inspector da thesoura-
ria da (atonda transmittindo para teretn ee-
cuca, as ordens do tribunal do thesouro sob
os nmeros 153 e 154.
Commanddas Armas.
EXPEDIkNTE DODIA31 DOPASSADO
OdlcioAo Exm. presi lento, reenviando-lhe
orequenmentode Antonio Joaquim Rodrigues,
e dando a informacao pedida pelo conselho su-
premo militar em portara de 30 de setembro
ultimo.
DitoAo mesmo Exm. S. commur.icando-Ihe,
que esta nouto se evad rao da fortaleza do Brum
por meio de um arrombamento praticado na
prisao, quatro presos de justica, e quatro cal-
cetas, entrando no n. dos primeiros o celebre
Alexandrc Valentn!, e que presumindo ter ha-
vidocornnivencia ou desleixo da parle dos que
estavao encarregados dos guardar, mandara
prender toda a guarda, e proceder a um con-
selho d'investigacio para conhecer dos culpa-
dos efazel-os punir em conselho de guerra.
Acompanhou a relaco dos fugitivos, afim
de serem pela polica aprehendidos.
Dito Ao Director do arsenal Je guerra, pa-
ra que remetlesse dous ntappa&i "m oontendo o
fardamenlo abonado a companhia de cavallaria,
desde a sua organisacao, com dirlaracao to va
lordecad.iunia das pecas. < otitro do fartlamen-
lo abonado a companhia dVrt i fices, desde que
ua foi tiesiiaatia o batalluio de artilhana em
Janeiro de 1833.
DitoAo Commandante nternodo2.n bata-
Ihao doartlharia a p, commnnicando-lhe ba-
ver nomeado o MajorCastellobranco, eCapitao
Santa Anna, para em conseiho de investigoco,
no qual o primeiro devia presidir.
Igual communica^ao se fez ao capito Se-
bastio Lopes Guimares, vogal do mesmo
conselho.
PortaraNomeando o conselho quetem
de investigar dos implicados na fuga dos presos
de justica, e calcetas da fortaleza do Brum.
Thesouraria da Fazcnda.
ConclusOo do expediente do dia 27 do
passado.
OficioAo inspector da thesouraria da fa-
zenda da provincia do Rio-Grande-do-Norte ,
participando ter mandado entregar em con
sequencia do seu offcio de 7 do correte ao
capito Jos Alexandre Seabra de Mello a
quantia de 1:470$ rs. em notas do novo pa-
dio correspondente a que aquella thesoura-
ria remetteo, cm 30 de setembro passado, pelo
commandante do vapor Paquete do Sul em no-
tas inutilisadas.
PortaraAo thesoureiro da arenda man-
dando entregar aocapitao Jos Alexandre Sea-
bra de Mello a quantia de 1:470* de que
trata o precedente officio.
Comiii 'nicado.
lllm. Sr. Augustin Sommier fabricante e re-
finador d'assucar debeterraba, em Pernam-
buco.
Tendo nos reconhecido sem grandes esforcos
d'imaginacao o motivo de puro philaucismo.que
o levou a nos dirigir o seu communicado, inse-
rido no Diario de Pernambtico de 28 de setem-
bro, para servir de ponte de prata ao offereci-
mento de seus prnjeetos, tinhamos resolvid > en-
tregar ao silencio essa diatribe, cujo fim nao
quadra de sorte alguma com o quo desojamos
tocar; e demais nao aprsenla algurn argu-
mento valioso, que possa fazer-nos parar no
cumprimento da empreitada, que nos propone-
mos; ulgandi mala conveniente proseguir nos-
so caminho, a fimdechegar rpidamente con-
clusao dos fados, persuadidos que. em qupstao
de to alta gravidade, cste o melhor meio de
responder um sarcasmo sem necessidade, e de
combaler, o annullar assercer. fra de proposi-
to; mas a judiciosa correspondencia d'um a-
gricultor Pernambucano, publicada no Worto
de 23 do passado, lombrou-nos de urna manei-
ra ingenhosa e delicada.que um cartel nos havia
sido apresentado e fleado sem replica: porem
ainda assim, nao obstante o aviso estimulante e
polido, deixariamos de levantara luva se en-
tre as objecces. que encerra o seu escripto, nao
se achassem algumas, cuja refutaciio fornece
materia para csclarecimentos sobre um dos pon-
tos essenciaes da reformaa economa sobre a
applicacao dos meios de melhoramcnto; ex-
plicacoes, que serviro de precedente ao nosso
terceiro artigo, cuja prxima publicacao, a nos-
so ver. satisfar melhor, do que urna similhan-
te discussao. o desojo Inuvavel e zeloso do h-
bil redactor do artjgo. quo temosa vista e a-
presentar mais interesse real aos outros mem-
bros da honrada classe, a que ellopertence.
NSo nos importaremos, por agora, com o a-
taque diriaido contra ascondicSes, sobre as
qtiaes baseamos o bom resultado do systema,
quo julgamos sufficiente para obter productos
em assucar tad bom, como os de primeira qua-
lidade fornecidos aos mercados da Europa pelos
paizes rivaes; porque conhecemos o terreno, so-
bre que pisamos, e estamos certos, que nao
com um resumo lacnico e de forma imperati-
va, atirado ao rosto dos homens, como o ulti-
mtum 'nm despota, pela voz da publicacao .
que se Ihe persuade, que suas combinacesso
absurdas; que sedestroem esperanzas d* resul-
tados fundados em reunan de observaces ra-
ciocinadas, em cnsaios verificados com cuidado,
repetidos com perseveranca, o que tem servido
do meios docomparacao racional: mister ou-
tra cousa do que ludibrios para nullificar pro-
habilidades do born xito, sancejonadas por ho-
mens, cuja experiencia local conhecimentos
orticos no fabrico ros nssttcnroeitn ranim.A um
peso por corto lao ponderoso na balanca da ra-
sao, como os seus ttulos de fabricante e refi-
nador d'assucar de beterraba'
questiio, para por termo a sua itnpaciencia.com
o lom d'uma supremaca que nao admitte re-
plica ou inuteis ou contradictorias ou re-
solvid s.
Que deixa no pensamento do todo o hornera
consciencioso esta senlonca apolgica, se nao a
conjunecao porque ? Km verdade, porque, Sr.
Sommier porque estes principios, ou condic-
coes sao inuteis, ou contradilorias ? Que quer
li/ero seu resohidas ? quer lazer comprehen-
der, que absurdo para estahelecer urna refor-
ma sobre urna industria local, que at hoje tem
licadoestranha aos progressos.apresentar meios,
ou processos de melhoramcnto conhecidos, e
applicados na Kuropa, ou em nutro lugar, on-
de o aperfeicoamento tem penetrado ? Isto nao
provavel : a ra/ao so recusa a una igual sup-
posicao ; porque, o que est resolvdo em pai-
zes estrangeiros, nao o est aqui e precisa-
mente esta applicarfio, quo se procura introdu-
zir com ajuda dos meios econmicos e simpli-
ces. E 6 para demonstrar o ridiculo d'um sys-
tema que no principio do seu artigo nos gra-
tifica com a ingenuidade, que Ihe propria, n-
lerpellando-nos assim ? Vos nos fazeis esperar
o desencotvimento do systema que vas llevis
ter inventado systema inteiramcnle novo e
n&o pedindo nada emprestado cm seus pontos
essenciaes aos processo modernos. Neste caso o
sarcasmo resalto sobre o seu autor ; porque a-
ml.i mesmo, que V. me. tivesse a sua disposico
a mais bem acabada luneta sabida da lenda
do mais celebre ptico nos o desafiaramos a
descobrir nao s- > no nosso primeiro artigo de
19 de agosto, mas tambein no segundo, a pas-
sagem, em que temos esta linguagcm. Eis-
aqui ludo quanto dizemos de mais positivo a tal
respeito (fim do t.artigo. ) Ser alm disto
rnuts satisfalorio para a gloria da industria
b asileira, que tal reforma fosseem seus ponto
essenciaes urna obra nacional, e no urna tmi-
lago cslrungeira. K este simples voto emittido.
0 queseacha em harmona com o fim, que nos
propozemos que servio de ponto d'apoio a es-
ta inulillissima assercao ?
Em quanlo ao mais V me. so desmente posi-
tivamente fallando de problemas, de que nos
demandamos a solueo e sobre ludo nos ap-
plicando esta engracadinha c picante compa-
racao d urna pessoa, que vendo outra doente di-
ra. [ Nos acrescentamosaqui as palavras, que
o Sr. Sommier calou mas que bem se deixo
ver para o complemento do seu admiravel pen-
samento, com a ingenuidade deumhfstalhaoaue
um medico me indique um remedio efficaz (o la-
moso remedio em quesiao ) c eu prometi a
cura. Nao se pode ser mais mordaz, mas tam-
ben poroulro lado mais em contrarlico com
sigo mesmo e mais infeliz no manejo das ar-
mas descorteses da supposico. Quera o sabio
o Hilado correspondente que nos logo expo-
zessemos o systema resolvdo ? Onde viu tal
te circunstanciados, que logo, depois faz v me ? ,, deviamos lembrar a ne-
uma successao d'operacoes por sua naluresa ^^ /^ ^ ^ ^^ ^ pJano
para ella rectificamos por meio de reiteradas
o assiduas experiencias um bom resultado in-
dicamos as bases ,sobre que fundavamosa nossa
opinio offerecemosa ua solucao aos enten-
didos na materia e se por ventura se nos pe-
.dir que ponhamos em pratica a theoria que
oferecemos estamos promptos e at pode-
mos asseverar ao Sr. fabricante, que nesta mes-
ma safra ha de ver ensaios, que o convencers,
de que nao se pedio a indicacao do temedio ,
mas se quiz demonstrar a necessidade de o usar.
' >eno f de fatigar sem interesse a attencao dos leitores,
podeiiamos, esquadrinhando completamente
a metralha da sua terrivel bomba, acharainda
nell materiaes para completar esta miscellanea
de supposicoes, contradiques, diatribes &c:
mas como esta polmica nao offerece nem ulili-
dade nem interesse a pessoa alguma, limitar-
nos-hemos a atacar os pontos que nos bao de-
terminado a responder-lbc.
>ao temos ja mais em algurn de nossos es-
criptos (como \ m. quer fa/er entender) dado
direitoa suppOr, qae duvidamos da autorda-
Julga tambem o Sr Sommier, que, em mate-
ria de critica, com frases semeadas de sarcas-
mo acerbo o sem motivo, do citacoes inuteis ,
d'obejecces sem consequencias, finalmente sem
a menor palavra, que possa fazer dizer a um
homem de bom senso, elle tem raSo, quo faz
abracar a sua opiniSo a um publico cuja me-
lhor parte est familiarisada com o objocto
principal da quostao? Nao 8f nao fa?a tao
pouca justica a um publico Ilustrado, que, co-
mo nos eremos, mais exigente do que isso. c
se Ihe parece necessario aos seus interesses pes-
soaes provar.qne nos somos irtiotas. preciso quo
so daotrabalho de convenientemente o faser
por demonstracSes judlciosas, oomparaces bem
estabelecilas. apresentando a exposico de mei-
os para melhoramentos que juliza mais conve-
nientes e mais vantajosos do que aquelles de
que oferecemos a solucao s pessoas entendidas
no fabricacao do assucar: mister quo trac;de-
talhes analticos ao alcance de todas as intelli-
sencias: emfim cumpre. quo siga a estrada or-
dinaria, quando trata de atacar um projecto ,
que tem por fim provocar indagacios de escla-
recimentos, cuja reunio pode fornecer as ba-
ses d'uma reforma til e proveitosa generali-
dade.
Nao s v. me. despresnu as rogras fundamen-
taesda contraversia, mas at arrozndo-se sem
eorimona a lista de um examinador d'acade-
mia para com mais facilidade nos, passar a
chbala da critica sobre as costas, cau nim de-
dalo de cotitradices, que chocao a rasao.
Analysando rpidamente o sexto da sua
correspondencia que sem duvida alguma
pnssagem mais saliente da mesma o que por
certo v me. fulgou a mais concltidenfc, porque
o que se segu, o o que precede. n5o prova ab-
solutamente nada se poder nlgar, se as-
sim que se persuade se censura, o se prova:
Jlemdasuaordem de classi/iracflo (diz o Sr.
Sommier) me parecer transtornada, e integra-
mente opposta a mceestSo das operantes, ellas
sao de natureza a se contradizerem urnas s mi-
tras de tal mane ira. que,cumprindo urna, torna-
sea outra impraticavel, porque annulla a pri-
meira Ris-aqui um estylo amphybolo2ieo,
e terriv, lmente enigmtico, que po em t -rtu-
ras a mais sagaz Intelligencia: (jenota, 6 verda-
de, urna onvlccafl bem enraizada; mas nada
prova para aquelles a quem realmente se dirige,
e ainda oue tomou urna estrada desviada, pols
oomnosconada se Importou, permittir toda-
va quo Ihe observemos, quo olnigma nao
admltlldo em materia de dscussa: so esta ti-
rada fosse ao menos o resumo de demonstra-
res, ou proposices canvenientemento resolv-
das, passe, mas nada d'isto absolutamente,
caso admiravel. Este golpe do raio cae sobro
coridlcfios de successo do seu 3. que no quar-
to Ihe fai o effeito d'um remedio extrado d'uma
serie do problemas de, que peguntarnos solu-
cao problemas, quev. me. descobro num ex-
posto de principios, sbreos quaes bascamos
nosso systema exposto, quo a'mira nao en-
contrar no nosso segundo artigo de 15 de se-
tembro em quanto quo eiles esla ahi estira-
dos, numerados no fim do mesmo, o de tal sor-
contradictorias. Com effeito para todo o homem,
que tiver usado um par do calcas sobre os ban-
cos d'um collenio condices, sobre as quaes se
basao resultado d'um systema, ou principios,
sobre os quaes se basa o resultado de um sys-
tema sao synonymos, assim como elemen-
tos, consequencias, proposices, fundamentos,
bases etc. sao principios.
Contina o Sr. Sommier Aquellas, cuja
applicacdo pode ser d'um resultado vantajoso ,
so desde longo lempo resohidas e conhecidas de
lodosos pralicos, como dos homens que tem es-
cripto sobre este assumpto.v Com que em
urna serie de problemas acaba v. me. por achar
cousas boas e vantajosas, j conhecidas e escrip-
ias, das quaes quasi que faz a historia antiga
com o seu de longo lempo? Ora, Sr. Sommier,
pelo amor de Dos....
Finalmente latigado de sacudir e mecher es-
sos pobres principios, ou quer que seja, termi-
na V.mc. n sessao por esta fulminante conclu-
sao. l'.u nao entrarei em nenhum detalhe, s-
mente repelirei, que vossas condices sao. Nao
vos parece ouvir aqu um proiessor que zan-
gado alm do ultimo gr.iu. com objecces. que
Ihe sao submettidas por algurn asoo corta a

'


*

dedos homens de genio, que tanto tem feito po-
las artes pela industria; este um absurdo
que nao pdeadmittir-se, uina vez que nos nao
queiro ler por hertico. Sabemos, como Vm.,
que s sabias indagacocs, felizes e brilhantes
descuhertas 'acuelles que se deve o alto grau
de perfeicao que tem tocado a Libricayo do as-
sucar de hcterraba. E se se remonta a cpocha,
em que Achard, celebre chumicode Beriim,
descubri primeiro, no principio d'eslj secu-
lo, os meios de extrahir em grande d esta ral
assucar que vemli lo mais de 2 francos e 50
cntimos (quasi 830 rs.) oflerecia em sua fa-
bricacio vantagens em ra/.ao da guerra marti-
ma que echava os portos dos assucarcsdA-
merica fica-so maraviluado, comparndoos
primeiros conhecimentos da existencia d'esta
industria com o seu estado actual, pois que o
termo medio do assucar de bolomba est hoje
fixado a 75 cntimos (quasi 238 rs. :) mas
preciso tambem notar que sem todos os esforco*
multiplicados da sciencia esu industria nao
existira mnisdepois de 181 i-, epocha da paz
geral, a qual comluzio aos mercados da Euro-
pa osassucares das colonias, c fez abaixar os
precoz d'esta mercadoria quasi at ao estado em
que hojo se acha; e nao obstante estes immen-
sos progressos de mclhoramentos, o caldo de
heterraba nao da ainda termo medio, mais do
quo 5 a 6 por cento d'assucar e nio poderia .
sem os grandes direitos, que pe/.ao sobre os as-
sucarcs americanos, sustentar a concurrencia
estrangeira : em quanto que o caldo da canna .
nao obstante os grosseiros, e viciosos processos.
applieados na sua manipulaeio, d termo me-
dio, 15 por cento d'assucar, quo vendido a 85
rs. produz muito ihaior lucro aos senhores de
engenho, do que aos fabricantes da betorraba
produz o pieco de 3i0 rs.
Agora per^unlar-lhe-hemos, julga Vrric
quo he precisa a reuniao d'esses meios ou apa-
re I los aperfeieoados para obter um assucar tal
qual se exige nos Iu-jares de consummo, e que
possa marclur a par com os dos outros pai/.es
a nei canos que estao classificados em primei-
ra linhi? Nao pansa Vine, que a applcacao d.i
mais preciosa dezcoherta. com que a sciencia
tem enrequecido a fahrieaco do assucar de he-
terraba, o can lio animal, ntrodu/.ida na do
assucar de caima com ajuda de aparelhos sim-
plices e poueo costosos, nao hasta para estabe-
lecer a reforma desojada? Ou acha impossivcl.
que. en? seus pontos essenciaes, soja esta relor
ina urna ob'a nacional? Nao podem encontrar-
se aqu iiUclligencias bem oiganisailas para pro
fundar, combinar e inventar; o desdo o mo-
mento emque urna cousa I lie p.rece problema-
tica, ella nao he mais possivel?
Quo so procura todava actualmente as co-
lonias, e notavelmente na Martinica, onde se
tem reconhecido as immensas vantagens do em
pregado carvao animal, que um certo numero
de agricultores applico, ha alguns annos, na
fahrieaco de seus assucares com aparelhos mais
ou menos complicados? Que se procura senao
meios econmicos de generalizar ousod'cste
poderoso.agente de urna maneira utii e provei-
tosa ? E tambem a generaldade? Dehaixo d'este
ponto de vista que temos encalado o systema
que se deve introdu/.ir no Brasil: porque se he
in.Jispensavei para provocar urna mudanca eon-
vinhael eem referencia com as necessidades
actaaes, cercar docalleirazde cobre, tornei-
ras, bombas, tubos, liitros de Taylor Dumont,
ou outros utensilios que inmediatamente de-
mandan urna desjieza consideravel (nao fallare-
mos dos aparelhos de vapor no vaso, &c. ellos
forman anda una classe parte,.) a reforma
impraticavel, como projecto d'ulilidaiio geral:
ba p lucos senhores de engenho que se determi-
no pelos homens familiarisados com a fabrica-1 expugnado impraticavel com os assenta-
co dos assucares eos novos processos, como meatos ja eslabelecidos. Todos os sabios e pra-
os mais convenientes extraccio do assucar de : i. extraccio do assucar de
cana, offerocendo sobre todos os outros sys-
temas conhe-idos e publicados a lal respeito
vantagens maiores de oconnmia as dospezas
e mo d'onra do estabelecimento. Finalmente
esteja o Ilustre correspondente bem persuadi-
do, que nada temos despresado d'aquillo, que
podesse facilitar nossas indagacoes, e que temos
tido o bom sonso de nos premunir de todos os
materiaes necessarios para estabelecer conbi-
nacoeso eomluzir a novas descubertas. A jun-
ta o mesmo Sr. quo mi ha de pronar que lu-
do til, e que nao pode ah ser melhoramento
exagerado Nao o duvidamos e at mesmo
nnsqujno somos a sciencia infusa, nos juga-
mos com um igual esforco: porem respondere-
mos simplosmente sua observaco, que exis-
te urna grande distancia entro o iridispensavel
e o til e que ha exageracao de apereicoamento
'(liando se se oceupa do meihir antes do neres-
sario, quando querendo ullrapassar o fim
desojado, se cae no extremo da imposribitida-
de, ou pulo menos fa/.endo d'um projecto
d'util'dado geral urna especulacio parcial, el-
la s torna proveitosa somonte aos grandes ca-
pitalistas.
E certamento claro, que, considerada debai-
xo deste ponto de vista a adopcao de appare-
Ihos a ierfeicoados comeca a ser urna necessida-
de; estamos be n longe de duvidar, que es-
tabelecimentos mon ados em grande escala,
trabalhando com o auxilio de todos os elemen-
tos necessarios a urna boa organisac&o, pos-
suindoos molhores apparelhos dirigidos por
homens capazes dario ptimos resultados .
salvo com tudo o exaine do capitulo dos Incon-
venientes, como s5o: 1. o interesse dos gran-
des capites que se enzolfariao em taes em-
presas: 2. a interrupcao dos trabalhos, duran-
te a colheita, em razio do dcsaranjo dos labo-
ratorios, inconveniente mui grave, o que toda-
va se aprsenla frecuente* vezes, nv'smo as
labricas da Europa as mais bem (urgidas e onde
>s materiaes eslo a mao, e os aitistas abun-
18: 3.os effeitos da humidade durante os 6
mezes de repouso no invern, como a oxidacao
rpida dos metaes, mormente do cobre e por
conseguate a prompta deterioracio das machi-
nas uestes cumas durante a estacan chuvosa :
tudo isto deixa urna duvida que sa experien-
cia pide destruir. Alem de que preciso fa-
*er esto raciocinio, que nao destituido de jus-
tesa : se as qualidades d'assucar passando
aquella de que o commercio tem necessidade
para obter urna extraccio prompta e vantajosa
nos mercados da Europa, encontrar procos re-
lativos: e tambem muito duvidoso se o con-
summo local Mies dar a preferencia e um valor
superior, temos vista a prova do contrario ;
que com o.lempo os hbitos mudem qua-
se certo, mas para o momento a duvida existe.
Vamos agora procurar lazer no interesse da
reforma, que desojamos introdu/.ir aquillo que
V. Me. nao se dignou fa/er para atacar as con
linos de seu bom resultado: as quaes se acho
patentes no Diario do 15 de set.tmbro, o cuja so-
lucio submettems s indagaces ou combina-
ces de homens, familiarisados com os proces-
sos modernos, que tem urna experiencia ad-
quirida das localidades.
I. Inventar apparelhos, que nao excedessem
a despeza de 500 a 600:000 ris, para os enge-
\nhos. que produzem 2:000 piles, que aperfeicoas-
sem o trnbalho sem que obrigassem mudancas
notareis nos assentamentos JA eslabelecidos. Nao
pode tor lugar o imitis do sr. Sommier, ouo
contradictorias, e anda menos n resolvidas, na
indagado d'apparolhos econmicos para ap-
plicar os mel* de melhoramento, dos quaes o
primeiro e mais importante de todos os conhe-
oidos 6 o carvao animal. Podia V. m.requan-
jO muilo diter isto a meu ver impossivel
: porque bem verdade que com esta di-
minuta somma nao se podem fazer maiores
mudancas, nem multiplicar ascaldeiras, bom-
nariaoa sacrificios maiores, e arrancar todos ,,as torneiras de cobro &c. ic. Temos
os seus assvntamenlos de forro para.nao terem
su is taxas outra seventia, seno a de pa para
beberem os animaos: avalieoSr Sommier, e
repare somonte na quantidade de caldeiras ,
que em 800 engenhos desta provincia (icavo
inutilisadas, e que immenso capital abandona
do esem valor. Somos de opiniao de que com
o lempo e gradualmente se substitua o forro pe-
lo robre: a evapracao he mais rpida as ta-
chos de cobre de bocea larga e pouco profundas,
por conseguinte ocharope se altera menos, e
d'.iqui resulta maior produvto em poroes cris-
talisaveis: todos os senhores de engenho sabem
isto.
No segundo depois do Sr. Sommier tera-
pros.-otado urna ppquona defeza ao luxo das
torneiras bombas, tachas de cobre etc, ote, ofTe-
rece irnicamente o explicar-nos o uso de cada
um d'ostes utensilios: nao abusaremos da sua
corteza na sobro tal respeito tondo a nossa
disposico planos, dosenhos, e explicaees lun-
dadas no raciocinio de todos os apparelhos in-
ventados na Franca e na Inglaterra e o quu
consideramos aindu mais importante pata a re-
forma que desojamos cstabel cer, temos os mn-
dellos, acompanhadoa de exactas Informacfius,
d'iiquolles que por seu baix i proco sua sim-
mei, que prouuz o sou
r.1
'z'.:, poiu pouco
fundamento para esperar, que o seu scepticismo
sor< em breve convencido de que este capital
suffciente para o lim quese propoe.
2. Achar um reactivo asss poderoso para
el I minar completamente a cal, ou potasta ,
logo que ella tetina produzido o effeito desejado,
afim de evitar a alleraco que a sua demora
prolongada faz experimentar no caldo da can-
na durante a sua evaporaco o seu coti-
mento e at na tacha de christalisar. Aqu
iis palavras inuteis el contradictorias chocao o
bom senso. As indagacoes dos chimicos e so-
bretodo do Ilustre Payen para achar um meio
de obviar a este inconveniente e cujos
trabalhos a tal respeito estao consignados no
diccionario technologico provo exuberante-
mente a justica il osla condico : alem de que
todo o hornem familiarizado com a fahricarao
do assucar neste paz comprehende toda a im-
portancia de urna similhante descuberta ou
innovacao em quanto que para o Sr. Som-
mier existe o resolridas ; isto possivel e
neste caso tanto molhor porque um bem.
3. Excluir a ciar ificaco pelo sangue ou
por oulro qualquer agente anlogo porque
nao so a elumina ainda que activa a secrec-
i.uo da muitrius estrannas e prejuaiciai ao
ticos esto de accordo sobre os e fie i tos de alte-
ra cao que o sangue causa no assucar e tanto
isto verdade que depois dos ltimos mclho-
ramentos introduzidos nos utensilios de 61-
traco, o uso de sangue tem cessado num gran-
de numero de fabricas e refinaces de assucar
Nio pode portento apesar de seus desejos ,
achar-se aqui applicac5o as inuteis, ou con-
tradictorias nem mesmo ao singular resolvi-
das ; porque onde nao ha principio de execu-
cao nao pode haver resolucSo. Dado porem
que seja applicavel o resolvidas muito fol-
gamos.
4". Introduzir o uso simultaneo do carv&o
vegetal e do carvSo animal para obstar o
desenvolvimento do acido que se mostra no caldo
da canna ao sair da moenda,neutralizar aquel-
le, quese forma deixando durante a desecacSo
e a evap>rac&o, descorar ocharope, e precipitar
os lcalis a fim de se produzirem mais subs-
tancias cristalisaveis. No obstante todo o
desejo que se possa ter em deixar escorregar o
inuteis ou contradictorias ha para isto
grande impossibilidade porque sobre a ap-
plicago deste cujas de que as vantagens so
conhecdas e reconhecidas como V. m.0* diz ,
ha longo tempo que se fundao os pontos mais
importantes do systema; e at mesmo nio pode-
mos admttr o resoh-idus no verdadero senti-
lo, quo aqui se Ibe deve dar porque o que
o seu uso est introduzido, nio o est no
Brasil
5. /echar um meio dt filtracao, que dum
charopt claro, e livre de todas os agentes suscep-
tivei* d'alterar as propriedides cristalizareis
do assucar, que seja asss rpido para nSo
embaracar o trabalho continuo do assentamento.
O inuteis e contradictorias gozao aqui de urna
singular lista forcoso confessal-o porque
impossivel obter a reforma desojada sem
urna filtracao rpida e que divida bem o car-
vao do charope ; pois que se para isto nn-
cessara urna multiplicidade de filtros aug-
mentar o trabalho para os proparar, lavar,
ifcc. o systema econmico como se procura,
nao pode applicar-se : alem d'isso a fahricacao
do assucar nio pode aqui admittir certos deta-
Ihes de aperfeicoamentos que pelas vantagens
que apresento nao compensao os embaracos
que alias dio : de mais a intelligencia ou a m
vontade dos escravos nio quadrio com os cui-
dados eattencao, que preciso ler no seu em-
prego.
6. Um m*thodo de purgar o assucar que
economisa os cristaes nSo os suje. E' cerlo
que V. m/' nio pode ter a intencia de collo-
car aqui o seu inuteis ou contradictorias :
seria la/er-lhe injuria s o suppol-o : em quan-
to ao resolvidas; que isto velho e muito ve-
llio na Europa, verdade-, mas aqui est a as
cer porque a maneira do purgar o assucar
a mais viciosa possivel isto sabe V. m" tao
hem como nos.
Finalmente a lide est aborta e os fados
romprovados por experiencias conrludentemen-
te demonstraroo que nio destituida de inte-
resse vital, nio. sr para esta provincia, mas
para todas as do imperio, onde se fabrica
assucar a reforma debaxn das eondi- les in-
dicadas pelo seu attento venerador e criado
O amigo d'agricultura.
Varirdade
qne a totalidade da mistura faca 2 2/3 quartilhos,
mistura-so os outros ingredientes, e teremos a
composica com a qual devemos operar para se
obter a cor bromeada, e a applicarmos do modo
seguinte:
Primeiramente limpar-se-ha o cano da espin-
garda muito bem, de qualquer cousa oleosa ou
suja, epondo-lho na boca urna cavilha ou ro-
Ihudepu.de modo que o vento fique bem tapa-
do, se he dar a sobredita composica com urna
esponja limpa, havendo cuidad em a distribuir
com igualdade pelo comprimento do cano de-
pois do quese doixar exposto ao ar por espa-
co de 24 lioras, passadas as quaes se estregar
bem o dito cano com urna escova spera, o com
um tiapo, para que a superficie fique livre do
oxido
Este processo ser tepetido segunda, e tercei-
ra vez (sendo necessario) e assim flear o cano
i om urna perfeita cor bronzeada, e depois do
bem esfregado com a escova, e bem limpo,
melte-se em agoa a fervor, na qual previamente
se lera laucado urna pequea quantidade de ma-
teria alkalina, alim de destruir a acca do aci-
do sobre o cano, o a intpregnacad da agua pelo
acido neutralizado. Quando o cano da espin-
garda se tira d'agua eest inteiranienteenxu-
to alisa-so com um bruidor de pu, feito do
madeira bem rija, e d-ie ao cano um gru de
oalqr quasi igual ao da agua a ferver, para ficar
pru'mpto a receber o verniz composto dos se-
guintos ingredientes:
Espirito de vinho.... 2 2/3 quartilhos
Sangue de drago.....3 oitavas
Laca deconxa moida.. 1 onya
Dado o verniz, e quando estiver inteiramente
secco, eslrega-se com o bruidor para Ihe dar
pulimento o lustrofixo.
o uso desta composica nos ranos das espin-
gardas d a vantagem de os conservar por mais
lempo livres da lerrugem, o dos dainos e tra-
balho resultante da azsidua limpesa, etorna-os
menos captivos e do mais duraco: hoje qua-
si geral o uso quo delle se faz na Europa, e at
ze pode applicar s pecas do arlilharia de peque-
o calibre.
Modo de restituir e conservar a sobredi'a cor.
Quando o cano da espingarda est muito ro-
gado em consequencia do uso que delle se tem
feito, da-se-lhe um pouco de acido >i triol ico e
pratica-se o quo dsixamos dito no procesto pa-
ra a primeira cor bronzeada, tendo precisamen-
te tido o cuidado de enflaquecer a aeco do a-
cido por meio d'agoa fervend.
Aos canos bronzeados que tiverem continuo,
uso podo conscrvar-seconstantemenle a mesma
cor, pondc-lho vinagre que se doixar na sua
superficie por espaco de um dia e lavan-
do-o depois muito bem com agua a ferver.
Este processo, sendo repetido mensalmente
conserva a cor de que temos (aliado, por espaco
de muitus annos.
Fausto e mania dos orientaes no t ral amento
dos cues. Digno da curiosa attencao do via-
jante o cuidado singular o ao mesmo lempo ex-
travagante com que sao tratados os caes do grao-
senhor, havendo para isso deputados cortos ser
ventes, como so fosse para pensar e vigiar ca-
vallos de muita estimaran ; conservio-os em a-
posentosextremamente limpos, equando sahein
os aderecao com factosde veludos, e pannos de
cores mimosas, com bordados d'ouro. Indo o
sultao guerra, caminha com tamanbo appa-
rato de comitiva e tal sumptuosidade, quo mo-
ve espanto; e nunca deixa de levar adianto
de si iniumeravel canzada com ricos atavos,
pondo nisso tanto luxo, como os principes da
Europa nos cavados d'estado. O grao-mogo!
nio Ihe Rea atraz e por ventura mais excessivo.
at fez paasear de palahquitn uns lehros de boa
raca que Ihe mandou de presente o governo in-
glez.
A satviia a linguagem da inveja, e tanto
mais ahominaM'l que todos se inclinan crer
o satyrico semprc malvolo ; e como se persua-
den) que no poupa vivos, nem perooa a mor-
ios todos o aborrcccn e centra elleconspirio;
e quando assim nao lozse sempre deveria ser
dotado de saos e puros coslun.es, porque na
realidade nada n>ais odioso que um satyrico
dissoluto, que censura vicios alheios ou sup-
pe dofeitos a seus mulos : se acaso julga per
mitlido tudo, porque sabe com sal maligno
adubar os seus epigrammas pela mesma ra-
zao pode um espadachn! acconimeller e insul-
tar os homens mais circunspectos o honra-
dos. .. Comparo o satyrico ao macaco por-
que s se empenha em divertir os outros ; e no
ti cu conceilo, como este, deveria ser tratado ;
um instante faz rir mas logo enfastia, e quase
sempre espancado o expuh-o.Pedegache na
Vid. do Quita.
COMMERCIO.
Alfandcga.
endimento do dia 3......... 3:707875*
Descarregao hoje 3.
Brigue Mary Hatahell bacalho.
Barca \n^\e70--N>glitingalelazendas, louca,
que i jos, e siibao.
Barca ingleza Emely fazendas e ferro.
Palacho Aurora Feliz lazendas, e barricas
vacias,
Brgue Indiano barricas vasias.
modo do iuncciuiiar, tem sido julgados este an- assucar mas tambem porque este genero de
Methodo de dar a cor bronzeada aos canos
de espingarda.
Os ingredientes que entra para a composi-
ca que ha de produzir esta cor sao os seguintes:
Acido ntrico............|/2 onca.
Espirito de nitro doce.....1/2 dita.
Espirito de vinho........ 1 dita.
Vitriolo azul............. 2 ditas.
Tintura do neo mi ferro 1 dita
Tendo antecipadamente dissolvido o vitriolo
em urna suffciente quantidade d'agua, de surto
IMPORTACAO.
Emely galera ingleza vinda de Londres ,
enlrado no correnle mez consignacao do
VI. (..ilmont&C ; inanifostou o seguirle.
272 pecas de cabos 2 lardos co m ditos ,
10 ditos lonas; a James Crablroe & O
1 caixa fazendas ; a B. La-seiro & C
25 lardos fazondaz do lu ho 3 onixas ditas
de seda 1 dita dilaz de la e seda 2 ditos di-
las de linlin e algodo 1 caixa podra-marmo-
re 82 barricas serveja 42 toneladas carvao
de podra ; aos consignatarios.
60 caixasqueijos, 20 bsrris manfoiga, 1
caita magnesia e !i.ros t dita com Sua* Je-
tlas e 2bacamarles 10 rolos de chumbo ;
a L, G. Ferreira & C.


300 harris com plvora ; a W. E. Smith.
300 ditos dita ; a A. S. Corbett.
1 caixa fazendas do algodao o seda 2 ditas
ditas do algodo 600 barris do plvora ; a
Fox Brothrrs.
1 caixa biscoito ; a J. C. Gomes.
1 dita quadros : a M. P. Ferreira.
146 canos do forro; a Companhia de Bebi-
ribe.
65 barricas serveja ; a Deane Youle & C.
9 eaixas canella 40 saccas pimenta da In-
dia ; a J. J. da Cruz.
4 embrulhos gnora-se : a diversos.
Lacorence barca ingleza vinda de Val-
Paraso entrada no corrento moz ( arribada )
consignada a Latham & Hibbert; manifestou
o segninte:
1137 saccas com 15. '
5 ditas com nitrato de soda.
1 Tardo amostras.
3579 saceos salitre.
3 caitas coin 673 marcos e 9 oncas depra-
ta em pinha.
1 dita com 2200 pesos duros
1 dita com 165 marcos e 4 oncas de prata
velha 614 oncas de ouro.
1 embrulbo com 78 oncas do ouro em
barra.
1 cuitle 65 oncas de ouro em pasta.
1 caita 101 marcos e 4 oncas de prata volha ,
e 3 barras com 590 marcos e 2 oncas.
= Oscredores do fallecido Samuel Smith,
cidado dos Estados-Unidos, queiro apresen-
tar suas contas no consulado dos mosmos Es-
tados-Unidos dentro em oito diasda puhlica-
cod'esteannuncio ficando certos quo depois
do tempo marcado nao se recehero suas recla-
macoes; e roga-se aos dovedores do dito fal-
lecido o obsequio de pagarem quanto antes
suas contas no dito consulado. G. T. Snou ,
cnsul.
Movirnenlo do Porto.
Navio entrado no dia 3.
Rio-de-Janeiro ; 34 dias brigue brasileiro
Principe Imperial, de 216 toneladas ca-
pitao Manoel Jos Maria Ribas equipagem
14 carga carne secca; a consignacao de A-
morim & Irmiios.
Sahido no memo dia.
Ro-de-Janeiro, brigue escuna americano Ma-
ry capitao John Slifrio com o reto da
carga que trouce de Ballmore.
Editaos.
S. Et. o Sr. Presidente da provincia ten-
do de contratar em conformidade da lei provin-
cial n. 101 de 9 de maio de 1842 um fabri-
cante do assucar, que onsine pela pratica os me-
Ihoramentos possiveis na actual fahricaro do
assucar naquellcsengcnhos, cujos proprictarios
osquizem introduzir ; convida a todas as pes-
soas, que se acharem para isso habilitadas a a-
presenlurem as suas propostas at odia 15 do
correte nesta secretaria para que lindo este
termo se Ibes indique o engenho em que cada
um devora effocluar as primeiras experiencias ,
vista de cujos resultados urna commissao de
proprictarios de engenho decida qual dos con-
currentes estabelece methodo prefervel, e me-
Ihores resultados aprsenla a fim de que possa
sor contralado o concurrente preferido
E para que chegue a noticia de lodos se man-
dou puidicar o presente. Secretaria de Per-
nambuco 27 d'outubrode 1843.
Casimiro de Sena Madureira,
O Illm. Sr. Inspector da thesouraria da
rendas provinciaes manda fazer publico que
em cumprimento do officio do Etm. Sr. Presi-
dente da provincia de 11 do correte, segundo
o regulamento das arrematarles, o sob as clau-
sulas especiaos abaito transcriptas no Dia-
rio numero 25 de 18 do corronle se arrema-
tar a quern por menos fizer no dia 10 de No-
vembro prximo vindouro ao meio dia peran-
to a mesma ihesouraria a primeira parto do de-
decimo huiro da estrada da Victoria, oreada
em 19:9998468 reis.
Os licitantes deverao apresentar as suas pro-
postas conforme o dito regulamento no dia
e hora indicados.
O lllm. Sr. Inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes manda fazer publico que ern
cumprimento do officio do Etm. Sr. Presiden-
te da provincia de 11 do correte, ir nova-
mente praca no dia 10 de Novembro prxi-
mo vindouro fo meio dia para ser arrema-
tada a quern por monos fuer a segunda parte
de oilavo lanco da estrada do P m-do-alho or-
eada em 20:U3j669 reis sob as clausulas es-
peciaes publicadas pelo Diario de 19 d'Agosto
protimo passado.
Os licitantes djvcrao apresentar as suas pro-
posias. conlorine o regulamento de 11 de Julho
dcsteanno nodia e hora indicados, &c.
I
Oeclaracos.
CONSULADO DOS ESTADOS-UNIDOS.
Em conformidade da lei dos Estados-Un idos
de 14 de abril de 1792 o abaito assignado a-
vm a quern naaietem interesse, que no da 1.
do correntc falleceo o americano Samuel Smith
residente nesta cidade. G. T. Snou cnsul.
CIRCO AMERICANO
CAES DA HUA DA R >DA.
Sob a direcco de M. S. Lipman ,
DIRECTOR EQJDESTRE.
O proprietario Mr Enos Sago avisa mui
respetosamente aos Srs. pas do familias de
Pernambuco quo a fim do satisfazer as nu-
merosas exigencias, que I be ho sido feitas por
parto de familias que preerem ohtnr camaro-
tes especiaos. tem elle resolvido fixar o preco
dos mesmos em 12,000 por cada um admit-
tindo seis a oito pessoas sem mais encargo
algum alem do referido preco.
Sabbado e domingo noite, 4 0 5 de
novembro
Primeiro acto.
O director respetosamente offerecer a es-
pectaco dos benvolos protectores da compa-
nhia o mais escolhido, o mais variado, e ex-
plendido divertimento para os entreter nestas
duas noutes consistindo em exercicios das ar-
tes gymnasticas oequestre, grande espectcu-
lo acompanhado de toda a eloquencia de so-
berbo vestuario, decoraco e musir appropria-
da, intituladaFEST A DA BANDE1RA
de cavallaria chine/a : chelo e director M.
Lipman ; da horda Mrs. Harrington Sane,
\l. Cloud Blakeloy Scolt. Oliveira o Hill,
primeira representacao desta brilhante compo-
sicSo revestida da mais restricta exaccao nos
trajes, accessorios emblemticos, &c. &c. ca-
racterizeos dos Trtaros e Chinezes e as va-
riadas evolucGes esclarecers muitos dos seus
movimentos cavalheirescos.
Segundo.
Seguir-so-ha urna scena de 3 dias de festim
na China com divisas pyradimaes o exercicios
varonis acompanhados das facocias do palhaco
Mr. Lipman.
Terceiro.
Depois do que, Mr. William Harrington o
infantil favorito apparecer no seu gentil acto
depicaria apresentando muitos equilibrios o
atlitudes novas.
Quarto.
Mr. M. Cloud representar a scena dram-
tica das 3 metamorphoses : 1.a, o Marinheiro;
2.1, o Gladiador Romano 3; .*, o Guerreiro
Grego.
Quinto.
Ter lugar urna danca cmica em pernas
de pao pe os Mrs. Blakeleye M. Cloud.
Sexto.
Mr. Harrington representar a cavado a lin-
da scena panlomimica do manijo naufragado,
debutando todos os incidentes da vida marti-
ma os horrores d'uma tempestado a perda
do navio e as ultimas esperancas d'um ho-
mem que se afosa ; sua alegra quando
salvado por outro navioe seguro volta ao seio de
sua familia tudo executado a todo o galope do
cavado.
Haver aqui um intervallo de meia hora.
Stimo.
Mr. Harrington n'um s cavallo executar o
seu acto summamente applaudido com o
seu filbo ias suas varias posicoes.
Oitavo.
Mr. S. Lipman, famieerado volteador de
maroma e professor de gymnasticn appare-
ccr com as suas admiraveis evolucoes.
Nono.
Mr. Harrington e seu filho deleitars os nu-
merosos espectadores com a sua incomparavel
presentacao das contorsoes.
Dcimo.
Seguir-se-ha o principal acto de picara
eteeutado por Mr. M. Cloud que saltar
cavallo por cima do seu chicote arco fitas ,
bailos, &c.
Dcimo primeiro.
Os divertimentos d'estas noites terminarn
pela jocosa pantomima dos dous palhacos re-
representada pelos Mrs. Lipman e Blakeley.
O espectculo principiar as 8 horas em
ponto.
N. R. Achao-se bilbetes venda no arma-
7em dos Mrs. Halliday Prizts & C. Haver lu-
gares separados na platea inferior para as se-
nhoras que quizerem go^ar das representucocg
pela mdica quantiade ljOOOcada urna.
nacional Laurentina Brasileira ainJa recebe
alguma carga, menos gneros de estiva; quern
no mesmo quizer carregar ouirdo passagem,
dirija-se ao seu proprietario Lourenco Jos das
Noves na ra da Cruz n 64 ou ao capitao do
mesmo Germano das Noves.
= Para a Babia sae no dia 8 do corrente,im-
preterivelmente, o patacho nacional Golfinho ,
do qual be capitao Melquades Jos dos' Santos;
quern na mesma quizer carregar,ou irde passa-
gem, para o que tem oxrellentes commodos, di-
rija-so aos consignatarios Novaes & Compa-
nhia na ra da Cruz n. 37.
= Para o Aracaty sae impreterivelmente no
dia 16docorrente o brigue escuna fedberacSo,
anda recebe carga miuda, e passageiros para o
quo tem excedentes (ommodos; quern no mes-
mo quizer carregar, ou ir de pass igem dirija-
se a ra da Cruz venda n.51, ou a ra da Mo-
da n. 9 segundo andar.
Leiloes.
Avisos martimos.
Para o Cearsae no dia 6 do corrente mez
impreterivelmente o bein coahecido patacho
= O corrector Oliveira far leilo por conta
de quern pertencer por ordem e em presenca
JoSr. Cnsul dos Estados-Unidos, da mobilia,
e mais effeitos do fallecido Samuel Smith ci-
dado dos mesmos estados consistindo aquella
em marquezas camas espelhos, aparadores,
bancas, mezas, cadeiras, louca, virlros, qua-
dros e estampas, roupa branca, pistolas, uten-
ciliosde cosinha &c. &c. oestes, em sardi-
nhas eervilhas de romerva armacSo e os
mais objectos do hotel denominado Uniao, do
qual o fallecido era proprietario : e assim mais
de um magnifico relogio patente inglezde ouro,
com traneelimtambem de ouro : segunda leira
6 do corrente as 9 horas da manhaa no dito ho-
tel na ra da Cruz defronte da casa dos Srs. Ja-
mes Crabtreo & Compnnhia.
= The auctioneer Oliveira will sell by auc-
tion, on accountol whom it may concern by
orderand in presence oftheUniledt-States cn-
sul the furniture and all other cflerts of the
deceased Samuel Smith, citizen olthe United-
Statos, consisting. firstly, ofsofas. bedsteads,
lookingglasses sideboards small tables, di-
ning dito chairs, wearingapparel, earthen-
ware, glass, paintings and engravings pistols,
kitehen ware.&c. ,&c. ,and sccondly, preserves of
ilfferent discriptions. fittures, and all other ar-
ticles belmgng to the Union hotel,ol which the
deceased was propretor; and also will be sold a
patent gold english watch wilh gold chain : on
monday nett 6 ,h inlant a nine dock in the
morning, in thesaid hotel, ruada Cruz.oppo-
site Mestrs James Crabtree & C." establishment.
Russell Mellors& Companhia farao lei
lao, por intrveneao do correlor Oliveira de
grande sortimento de fa/euda-1 nglezas mui
proprias deste mercado,e algumaschegadas pe-
lo ultimo navio : tena leira 7 do corrente as 10
horas da manhaa em ponto no seu armazem
na ra da Cadeia.
Avisos diversos.
= Contina-sea tirar folhas corridas, pas-
saportes para (ora. e dentro do Imperio por
preco mui commodo; na ra do Livramenlo n.
26 1. andar.
=Quern precizarde feitores para sitio, ou en-
genho, caixeiros, artistas, o homen para agri-
cultura, ou outro qualqucr trabadlo, chegados
prximamente da Europa, os quaes podem fa-
zer o contrato de locaco deservieos confor-
mo a lei do 11 do outubro de 1837;dirija-so ao
Rccife na ra da Cruz n. 23.
Pcrdeo-se ao anoutecer do dia 2 do cor-
rente urna caixa de prata para rap com os
signaesseguintes: acanoada, e com filetes por
baixo sendo a tampa lavrada a similhanca de
uns coqueiros e tendo na mesma tampa urna
figura com um guarda-sol aberto na man, e por
baixo da mesma asseguintes letras C. J. F. ,
desde as Cinco-pontas, beco do Marisco,ra dos
Martyrios e de Hortas pateo do Carmo, ra
do lio/ario estreita e d S Thezera : a pessoa
que a achou ou Ihe (r offerecida, poder le-
val-a as Cinco-pontas casa n. 134, que ser bem
recompensado.
Aluga-se, para se passar a festa, no Poco-
da-panella 2 casas na ra da Mangueira lendo
cada una 4 quartos, duas salas, copiar e co-
zinha fura, com cacimba de ptima agoa; quern
as pertendor dirija-se a ra da Cruz do Beci
le n. 6 segundo andar.
A pessoa, que no Diario de sexta feira, 3
do corrente, n. 273, se oflerece para caixeiro de
um engenho e d fiador a sua conducta ; di-
rija-se a ra de S. Rita-nova n. 91, de manhaa
ate as 9 horas do dia e a tarde das 2 as 5
horas.
Aluga-se pelo tempo da (esta urna casa
terrea sita no lugar do Monteiro de pedra e
ral rnnliWe =0 C',5o C S. PMwSO pur
commodo preco, e com suflicientes commodos;
quern a pretender, di'ija-se a ra do0.ueima-
don. 11,
= Preciza-se alugar urna casa de 2 andares
e sotao em quaesquer das ras do Collegio, S.
Francisco, d,s Cruz.es CJuoimado ou nessas
vizinhaneas ; quern tiver, annuncie.
Anda em praea do juizo do civcl da 2.a
vara no Atierro da Boa-vista na porta do Sr.
Dr. Sette, para ser vendida, a casa de 2 andares
e sotao, sita na ra da Senzalla-vclba do bair
ro do Recite n. 76 pagando o comprador a
siza : adterle-se, que no dia 8 do corrento he
a ultima praea.
Para conhecimento das pessoas, que ob-
servarao na igreja de Santa Rila no dia 2do cor-
rente a duvida sussitada entre a ordem 3.Car-
melitana e a rmandade do Santissimo 'a-
cramento de Santo Antonio, por occasiao da
conduceao do corpo do fallecido irmao Joao
Francisco dos Santos l.essa se laz publico o
artigo 8."do capitulo 28 dos estatutos du refe-
rida ordem Todos os irmaos, que fallecorem
serao levados sepultura pelos mesmos irmaos ,
ou .ejao seculares, ou clrigos e nao por ne-
nbumas outras pessoas de qualquer ordem, ou
irmandade exceptuamos a irmandade dos cl-
rigos de S. Pedro que estes sendo irmaos o
que morrer della o podero carregar ; porque
assim so usa em toda a parte.
Manoel Ignacio de Oliveira mudou o seu
arma/em para a ra de Apollo; quem com o
mesmo (ver negocios a tratar, ol i que o de-
ve procurar.
Precisa-se alugar urna casa para urna
pequea (amilia sendo nos lugares se-
uintes : Passagem Monteiro, ou Capunga :
quem tiver dirija-se a ra do Rangol n. 34.
Precisa-se alugar duas canoas que peguem
800 a mil lijlos; quem a tiver dirija-so
a ruado Ban|;el n. 34.
Os cscravos Martinho, Manoel, Getru-
des Rozara, Joan na Jovina o Thoma-
zia mulatos sao do Roza anglica de Frei-
las a qual tem legtimo titulo d'ellcs, o est
de posso a J4annos, o faz esta declaracao ,
a fim de n2o se chamar a ignorancia ouser
engaado alguem quo pret nda negociar so-
bre o que tem do tooar a Innocencia Mana de
Freitas Francisco Jos de Freitas Joo Ri-
beiro da Fonseca Roberto Ribeiro da Fon-
seca e Aletandrina de tal, herderos da
fallecida Feliciana dos Santos, cujas poucos
bens que1 deixou e consta de seu (estamen-
to esto sendo por juslca inventariados pelo
cartorio do escrivo Jos Justino.
Em um clima tao quente como o do Brazil t
onde as molestias termino fatalmente as ve-
zes no espato de poucas horas he mister ha-
ver um remedio que possa servir ao mesmo
tempo como preventivo e curador. A Ve-
decna Popular Americana tem essa proprieda-
de tomada as vezes ern quanto ella impede a
accumulacndos humores, conserva o sangue
puro e conseguintemenle para as pessoas menor
sujeitasa apanharem qualquer molestia, seja
Recommoiida-so portanto ao publico em ge-
ral de cnsaiar este excedente remedio que ,
pelo lado econmico he prcferivel a qualquer
outra medecina de similhante natureza tendo
us caxnbas maior numero de purgantes e por
menos preco.
O publico achara na Medecina Popular A-
mericana as plulas \egetaes do Dr. Brandreth
estas propriedades quo produzem seu efleito
sem dores ou encommodo algum nao se faz
preciso di- ta alguma e poae-se tratar dos
tena negocios nos mesmos dias, em quo seto-
mar.
Vende-se aqui em casa do nico agente
Joao Keller ra da Cruz n. 11 e para maior
commodidade dos compradores na ra da Ca-
deia emeasa de Joo Cardozo Ayres ra Nova
Guerra Silva & C. atierro da Boa-vista Salles
& Chaves.
= A viuva do major Fernando da Costa pe-
de a pessoa a quem seu defunto marido eu-
penhou dous pares do brincos de ouro, um
maior e outro menor, pela quantia de doze
mil rs. tenha a bondade de mandal-os a loja
de Jos Joaquim Borgcs de Castro na praca da
Independencia n. 3 onde Ihe ser entregue o
seu dinheiro.
No Passeio-publico, fabrica de chapaos de
sol, precisa-se de urna ama de leile que seja
preta cativa, fiel, e humilde ; quem estiver
nestas circunstancias dirija-se a mesma fabrica,
ou annum ie
-Nodia 4 du outubro p. p. desappareceu
um moleque de Angola de nome Guilherme ,
altura de 7 palmos pouco maisou menos ,
bastante seco do corpo pernas e brucos muito
finas ps grandes, dedos das mos muito
conpridos e linos, rosto bem feito olhos
bastantes vivos ; a pessoa que dedo der exacta
noticia a Manoel Gomes \ iegas na ra do
Crespo receber a gratilicacao de cem mil
res.
- Um rapaz poriuguez do i4 a ib anuos de
idade se oflerece pura caixeiro do loja de fa-
zendas ou miudezas o qual d fiador a sua
conducta.; quem precizar annuncie.


VEITCII BRAVO &G
Vendem na sua botica e armazem de drogas ,
na ruada Madre de Dos, n i.
A preparaeSo seguinle por preco muito com-
modo e de superior qualidade.
Magnesia calcinada ptima.
Os snlutarcseffoitos deste medicamento co-
mo purgante mu suave o capaz de se applicar
a todas as pessoas le qualquer sexo ou dado ,
absorvendo ao mismo lempo todos os cidos
existentes em nosso estomago, e que tanto
perturban nossas uncces digestivas, tornam
8cu uso recommendave!, o muito necessario.
A experiencia tem mostrado a um sem numero
de Mdicos sabios e verdadeiros observado-
res doefTeito therapeulico dos medicamentos ,
que tanto maior be a sua accao purgativa ,
quanto maior he a quantidade de cidos, que
o maior parte das ve/e desenvolvein nossas do-
ancas do estomago. Urna ou duas colheres de
soupa misturado com agoa durante o dia he
qnantidadc sufliciente para produzir bom
efTeilo.
Na mesma casa tambem se vendem tintas,
e todos os outros objectos de pintura ; vernizes
de superior qualidade entre clles um perfec-
tamente branco e que se pode applicar so-
bre a pintura mais delicada sem que produ-
za alteracaoalguma em sua cor primitiva. Ar-
row- Koot de HerminiaSag Sabonetes -
Sahao de WindsurAgua de Se id I i tz Agua
de SodaAgua de Seliz Limonada gasoza ,
unta superior para escrever Tinta para
marcar roupa Perfumaras inglezas Fun-
das clsticas de patenteEscovas o pos para
dentes Pastilbas de muriato do moiphina ,
e ipecacuanba Pastilhas linissimas de hor-
tel-pimenta Pastilbas de bi -carbonato de
soda egingibre. As verdadeiras pilulas ve-
gotaes un!.' i '.jos do D.r Hrandrelh vindas
deseu author nos Estados-Unidos <&c &c.
= Pinico -se no dia '29 do p. p. desde N.
S. do Terco al o fim do beco do Serigado una
cassoleta de vidroencnsloudd em coro; quom
a acbou querendo restituir, dirija-se a ra
Dircita lo a de harbeiro, que ser gratificado.
as Jobnston Pater & Companbia avisao aos
Srs. de en gen ti os o correspondentesdos mesmos
nesta praca que se acba completo o seu esta-
bclecimento de machioisoio para engenhos ,
constando de moendas de diversos tamanhos ,
machinas de vapor, de condesacuo o de alta
prosso da forca de quatro e de seis cavados in-
glezes e laxas batidas e rondas, e promettem
agradar aos seus freguezes tanto em preco como
em qualidade visto serem lodos estes objectos
fcitos nimia das principaes fundices de Ingla-
terra : ra da Madre de Dos n. 5.
es Muga-se urna boa casa moderna, e bas-
tante fresca com quintal, e cacimba paro
grande familia sita na travessa do Monde-
go ; na Rua-nova, armazem n. 67.
Precisa-sede urna mulher do idade, pa-
ra cosa de um homein solteiro : na Iravossa do
Queimado n. 3.
Da-se 300$ rs. a premio de um e meio
por cento io me/., sobre penbores de ouro ,
ou prata; na ra das Larargeiras n. 8.
= Aluga-se o arma/um da casa n. 9 da
ruada Moeda junto ao Fermino, e Santos
Braga o qual he bastante grande e pode
servir para qualquer estahelecimcnlo como se-
ja de socar assiicar noque tem semprc sitio
occup.ido ; na ra d.i Cadeia-do-Recife loja
n. 57 le Joo Mara Seve & Filho.
= l'eseja-se fallar a Manoel Hilario, a ne-
gocio de urgencia ; na ra do Amorim n. 35.
Quem precisar de urna rrioula para ama
de casa para comprar, cozinhar e azor to-
do o mais servico dirija-se ao beco de Joo
Francisco na Boa-vista casa defronle do lam-
pio.
= Offerece-se um rapaz portuguez de 20
annos casado o que da nador a sua conduc-
ta para caixeiro de cobrancas do que tem
pratioa ou para armazem ; quem o precisar
annuncie.
__ Domingos Pires Ferreir desoja fallar a
Luiz Cario* da Costa Campello ; atraz da ma
triz da Boa-vista n. 24.
Alugo-se um armazem na ra de Apollo
n. 86 ; nu ra do Crespo n. 14.
__ Joaquim Antonio da Silveira faz sciente
ao collector docapim que nao tem mais si-
milhante planta no seu sitio que loi rollecU-
do no Manguinho podendo o mesmo receber,
o que se Ihe deve at a data deste.
CHicn annunciou querer alugar urna pe-
quena nasa em Olinda querendo urna na ra
de Malhias Fereira dirija-se a ra larga do
Roza rio botica n. 42 a fallar com Manoel
Felu>|ie da Fondee'Cande.
Alugao-se duas casas em Fora-dc-por-
las iima do lado da mar grande
os sbados, as 4 horas da tarde ; na padaria
do Carlos Ueters, ra dos Burgos n. 31.
O Sr. Manoel Joaquim Franco queira
dirigir-sea ra do Queimado loja n. 6, para
receber urna carta viuda de Macei.
LOTERA DE N. Sra. do
LIVRAMENTU.
As rodas desta Loteria an-
dao infallivelmente no dia 9
do corrente, e o resto dos bi-
Ihees aclio-se a venda nos
lugares do costume.
Compras
escravas, que saibao
Comprao-se duas
bem engommar t coser pagSo-so bem : na
ra de Agoas-verdes n. 46.
A administratao da obra do theatro pu-
blico compra travs de louro de 30 palmos
de comprido 8 pollcgadas de largura e 6 de
grossura ; quem as tiver compareca na dita
obra a qualquer hora do dia para tratar do
ajuste ou com Manoel Caetano Soares Car-
neiio Monteiro no Forte-do-Mattos.
Compro-so vidros para espelhos, gran
des, e mofados; no Atterro-da-Boa-vista n. 17
- Gompra-se urna negra boa engomma-
deira ecozinheira: na Rua-nova, loja n. 11.
Vendas.
umas escolhidas caixas de
, superior, da marca F. Ju-
n. 6
e a
Vende-se urna cama de condur em
bom uso por preco commodo ; no pateo de
S. Pedro n. 22.
Vendem-se machinas de vapor de 3 4,
e cavados moendas para agoa e anima, s .
taxasde ferro balido, e fundido, formas de
ferro, e urna prensa hydraulica para emprensar
sarcas de algodao: na ra da Senzalla-nova n.
42 casa de Fox & Stodart.
= Vendem-se
vinbo de Franca
lien & F. Emillion ; caixas de genebra da mo-
Ihor qualidade, aue tem apparecido neste mer-
cado ; e um pequeo lote de charutos da Ha-
vana e do Manilha verdadeiros; na ra da
Cruz n 7.
Vendem-se livros em branco riscados ,
e pautados, proprios para qualquer escriptu-
raco por serem de muito bom papel ; em
casa de ]. O. Elster, ra do Trapiche n. 19
Vendem se charutos da Havana, de qua-
lidade superior; em casa de J. O. Elster, ra
do I ra|>che n 19.
Vendem-se ricas caixas para rap de
liga de differentes metaes novo modelo e
bom goslo obra da Russia ; pilulas de fami-
lia verdadeiras em frascos de 50 ; na ra
do Qucimado loja n. 6.
Vende-se cal virgem em pedra vinda
ltimamente de Lisboa, em volumes proprios
para serem conducidos em cargas; na ra de
Apollo, armazem de Manoel Ignacio de Oli-
veira.
Vendem-se sementes de hortalica de di-
versas qualidades chegadas de Lisboa no
navio Conc icSo-de-A/aria ; na praca da Boa-
vista n 82L
sa Vendem-se, para pagamento dos credo-
res do fallecido Jos Gomes da vilva, os seguin-
tcs bens pertencentes ao casal do mesmo : um
sitio na Eslrada-nova com casa de pedra, jun-
to a Jos Maiia Giraldes ; um terreno na es-
trada de Luiz do Reg, que vai para S. Ama-
ro com frente para a mesma estando ja at-
lerrado c com parle do alktorce da frente .
tendo o mesmo 60 palmos de (rente e 640 de
fundo ; um preto bom padeiro tanto em (or-
no como em masseira ; dousditos, um affe:lo
ao mesmo servico, o ooutro ao do campo; quem
pretender qualquer de$)*scousas, dirija-se a
ra de (lorias n. 22 tratar com Agostinho
Henrique da Silva da? as 9 horas da ma-
nha, e das duas as 4 da tarde.
Vendem-se bichas grandes, e pequeas
de Hamburgo tambem se alugo e se vai
applical-as: na ra Direita loja de barbeiro
n. 123.
Vende-se orna mulata de 20 annos en-
gomma e cose com perfe o, urna prela mo-
ca da Costa ptima para todo o servico ; um
preto pcifeito sapateiro; urna mulatinha, e orna
negrinhade 12 annos; urna cadeirinba com
milito pouco uso por preco commodo; na
ra do Fogo ao p do Roza rio n 8.
Vendem-se duas negrinhas de nacao Ba-
ca do 13 annos com habilidades; urna mu-
latinha mucamba recolhida de 16 annos e
e lavdeira, por 300$ rs. ; urna dita, por 280S
rs. ; um escravo de nacao Mocambique bom
caooeiro ; um dito de nacao Cabinda ptimo
para todo o servico; e um inoleque de nacao ,
de 15 annos: na ra ra de Agoas-verdes
n.46.
Vendem-se ricas mantas escuras matiza-
das, chales, e meios ditos de seda, lencos ditos
de todas as qualidades, matizados, e lisos,
grandes, e pequeos, ditos sarjados, ditos
de seda para mao ditos de blond mtios cha-
les dedito um completo sortimento de calcado
para homem, son hora e meninas ricos cor-
tes decassa mui fina e de lindos padroes, di-
tos de chitas (rancezas boas chitas brins os-
curos de algodo para calcas, ditos pardos de
linho de diversas qualidades, pannos finos su-
periores casimira, e meias ditas merino ,
ricos cortes de la eicoceza aborta, e fechada,
chapeos de sol para senhora, ditos de sol, e de
chuva para homem chales de la adamascados,
luvasde pellica para homem, e senhora e
outras militas fazendas de bom gosto por mais
barato preco, que em outra qualquer loja ;
na Rua-nova loja n. 52 do Bonifacio Maxi-
mianno de Mallos.
Jos Joaquim de Novaos faz publico ,
que na sua loja de alfaiate, na casa de um an-
dar na ra do Queimado ha urna porcSo de
)bras feitis para se venderem todas feitas ao
gosto moderno e tambero retroz em libras, e
a retalho.
Joaquim Antonio Carneiro pretendo ven-
der a loja de latoeiro, e funileiro sita no At-
terro-da-Boa-vista n. 56; a tratar na ra da
Gruz n. 43, defronte do beco do Porto-das-ca-
noas.
Vende-se Miscellanea curiosa e pro-
veitosa por 1000 rs. o primeiro e segun-
do tomos de Virgilio, por 1000 rs. a obra
de Roberto lurn em inglez por 2000 rs. e
urna flauta de bano com chavo de prata ; na
ra estreita do lio/ario n. 3.
= Vendem-se 3 caixdcs urna masreira 3
caixas. o mais pertences de ama padaria: quem
pretender annuncie.
\ ende-se um bom moleque de Angola ,
de bonita figura; na Ba-nova, armazem n 67.
= Vende-se superior calcado recentemente
begado pelos ltimos navios por preco com-
modo ; na ra da Cadeia-velha loja nova
o. 35.
Vendem-se travs de camassari de 30 a
35 palmos de comprido e prancbes de pao
d'oleo, por muito commodo preco; na Rua-
nova n. 35.
= Vendem-se duas toalhas de lavarinto
obra mui bem f ita e um roda-p para ca'
ma ; na ra do Galdereiro n. 46.
Vende-se rap princeza ( vulgo relio ) ,
vindo ltimamente do Rio-de-Janeiro fa-
bricado pelo bem conhecido fabricante Casse ;
no seu deposito geral da ra da Cruz do Re-
cife n. 38.
= Vende-se chumbo em rolos; no escrip-
toriode L. G. Ferreira & Companbia.
Vende-se um escravo bom trabalhador
de enchada ; na ra do Nogueira n. 27.
Vende-se ou troca-se por urna preta
de idade de boa figura e que saiba lavar ,
urna negrinha de 12 annos, de bonita fi-
gura e que sabe per(eitamente arranjar urna
casa : em Fora-de-portas n. 82.
Vende-se um bahu grande todo en-
ernisado novo o por preco commodo : na
ra do Cabuga loja de miudezas n 1.
= Vende-se urna venda com poucos fundos,
na ra dos Pescadores a. 7 : a tratar na mes-
ma venda.
Vendem-se urna mesa de Jacaranda uza-
da, um oratorio, e um hahul grande por preco
ommodo, quem quizer comprar dirija-se ao
tterro da Boa-vista lado diieito loja de alfaiate
pegada a venda n. 60.
Vendem-se cambraias bordadas de cores
coro vara de largura a 640 a ara, ditas mais
estreitasa 400 rs. ^isas adon,eradas a 200
Escravos fgidos.
No dia 26 de julho de 1838 ausentou-se
desta cidade um preto de nome Antonio de
40 annos de nac5o Cabinda cor fula esta-
tura ordinaria pouca barba pescoco com-
prido hombros descidos, ps grandes com
urna pequea falta de cabellos proveniente de
urna pedrada ou entilada que Ihe derao na
caboca e o dedo pollegar de urna das maos
defTeiluoso por causa de um panaricio qUc
teve ; foi muito tempo servente de pedreiro
era ganhador da ra e canoeiro ; bem conhnl
cido por Antonio iVioribeca por ter sido es-
cravo do fallecido Joao Paulo vigario dessa
freguesia ; nao foi mais visto nesta cidade
mas agoraconsta ter andado por Alagoas: quem
o pegar leve a ra Direita n. 83, que ser gra-
tificado.
= Fugio na noute do dia de 31 do p. p. um
preto de nomo Victorino do nacao Benguella
alto, pouca baiba rosto comprido e mal en-
carado; levou camisa, e calcas de algodao tran-
cado e oulra dila de panno escuro remen-
dada entre as pernas urna carapuca de ma-
rujo inglez e um chopeo de seda preta; quem
o pegar leve a ra de Apollo n. 16 que sera
recompensado.
Fugio no dia 25 de outubro um mole-
que de nome Francisco de nacao Bi ros-
to e cabeca grandes, nariz chato urna ore-
Iha furada com marca de corda no poito es-
querdo pernas curtas ps pequeos e um
delles com bobas, este moleque, ha lempos ven-
da cangica; quem o pegar, lev a ra da Guia,
sobrado de 3 andares n. 53 a seu senhor
Manoel Antero de Souza Reis, que ser
compensado.
Fugio no d id 25 de agosto do corrpnte
auno o moleque Julio de nacao Benguella ,
altura de 6 palmos, e meio secco do corpo ,'
bastante erabigudo urna orelha furada e
outra com um taquinho tirado ; levou calcas,
e camisa de brim branco e de mangas cu'tas ,
tem urna cora na cabeca decarregar taboleiro,
noqual venda cangica; quem o pegar, leve a ra
la Guia sobrado de 3 andares n. 53 a seu
senhor Manoel Anteio de Souza Rei
recompensar.
= Fugio no dia 15 do p. p. a preta Joan-
na de 30 annos gorda rosto redondo ,
olhos pequeos semblante fechado, com urna
cicatriz no braco direito, e urna ferida na ca-
nello da perna esquerda ; quema pegar leve
a praca da Independencia n. 21 que ser re-
compensado.
Na noute do dia 31 do p. p. fugio um
preto acabocolado de nome Jos de 40 an-
nos rosto comprido, cabello lsot flonca bar-
ba chegado do Maranhao a esta cidade ha 15
das no brigue-cscuna laura onde era es-
cravo de Domingos de Pinho ; uuem o pegar r
leve ao escrii torio de Manoel Joaquim Ramos
e Silva, na ra da Cruz do Recife que ser
recompensado.
== Na manha do dia 3 do corrente fugio do
sitio do medico Pereira de Brilo o escravo.
Antonio Benguella estatura baixa corpo
ordinario olhos afumacados gengivas roxas,.
com todos os dentes da Irente tem urna
quena cicatriz na perna direita ; levou
*
re-
3{|, que
rs. o covado
ores e rox.
Cabuga lo
= Vende-i
annos. engor
oulra do Indo in ra n. 5 ; a tratar com Ma-
.1 ,1 i.I v.
com excedentes habilidades; urna esrrava de
naco de 22 annos
fjnnima co/inha
tem ptimo leite en-
o lava: urna ttitn An 23 an-
Conlina-se a fazer pao de centeio, todos, nos cozinha e lava ; urna dita qaitandeira,
das a 180, ditas de
e 140 ; na ra do
Rodrigues da Cruz.
va crioula, de 24
cozinha, e cose: na
ra larga do Rozaro casa de Joao Alancel
Rodrigues Valltace.
Vende-se op escravo moco, apto para
todo o trabalho : na na de Hortas n. 94.
= Vende* se Jacaranda superior ebegado do
Rio de Janeiro pedras de marmore redondas
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palbinha camas de vento
com armacio marque/as, so fas mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500
ditas de pinho a 3500, assim como outros mui-
ros trastes ; pinho da Suecia com 3 pollcgadas
le grossura dito serrado dito americano d>
lifferenles larguras e comprimentos ; assim
como travos de p;r.!;.~, charrales; ;,a ra da I
Florentina em casa de J. Beranger n. 14.
pe-
, ictuu a rou-
pa do seu uso, calcas jaqueta camisa e
ceroulas de panno de algodao da trra do ser-
vico do campo um chapeo francez de palha ,
velho foi comprado por arrematacSo em das
desetembro ultimo na praca do juiz dos ausen-
tes por ter sido escravo de um portuguez,
que venda fa/enda por Goianna Pedras de-
lego c. ; quem o pegar, leve ao Allerro-
da-Roa-vistan. 43 ouaodito sitio na estra-
da da Torre n. 78 que recebera 20$ ris.
= No dia 3 de setembro fugio a preta Be-
nedicta crioula, baixa, grossa do corpo, ros-
to largo nar/ chato pernas algum tanto ar-
quadas, ps rolicos, de 20 annos, mos gros-
"as pis largas; levou vestido de chita escura,
panno da Costa bandado de mutames breos ,
consta andar de trajes mudados, e foi vista para
as bandas dos A Togados, com urna troxa na
cabeca ; esta prela venda fazenda com outra
parceirade nomeTbereza e agora de prxi-
mo vendia frutas e calcado para senhora, em
um landres; julga-se estar acoilada em al-
guma csa ; quem a pegar, leve a ra do Livra-
mento defronle das catacumbas da mesma igre-
ja ou na estrada de Joao de Barros defron-
le da groja daConceico. quesera gratificado.
- Fugio no da 28 de outubro una negra
denome Mequilina de nacao Angola, secca
do corpo de boa altura rosto comprido,
nariz chato, e quebrado no meio pescoco fi-
no e comprido tem urna orelha rasgada ,
pernas linas be escrava de Anno Joaquina
Be/.prra moradora na ra do Cototello n. 12,
aonde sera recompensado quema levar.
Rkcifb: na Ttp. db M. F. de Faria.=1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY3S9ELX7_1U631W INGEST_TIME 2013-04-12T23:59:52Z PACKAGE AA00011611_04503
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES