Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04497


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1842. Quintil Feira 24 de
'lulo ajora depepdel e nci piesmnj ; da noui prudencia, moderaciio, e energa : oon
lnueiuos como prinsipiamus, e seremos apontatloa com adrniracfio entre as Nncies mai
(Prucl.maB jo alias.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, Faraika, e Rio grande do* Norte, na segunda e sexta feira.
Bonito e Garanhuns, a 10 e 24.
Cabo, Serijiriaem, fiin Forraoto, Porto Cairo, M,ceir>, e Alagos no i t\, e 21.
Paje 13. Santo Ant.io, quinta (eir. Oiinda lodos os dias.
DAS DA SEMANA.
21 See.s. lenlo Chaoc Aud. do luit de Direito da 2. s,ra
22 Tero. s. Emenelgid'). Re. Aud. do" do juir.de Direito da 1. rara.
J-1 Quart. de Trevas. s. Felis. Chae. Aud. do juii de dircit da 3. rara.
2i Qnint. de Indoencas (guarda-te do sacio di at o meio dia seguinte) s. Ag apilo
25 sext. di Paixao. t. Irrneo.
2G sal), da Alleluia s. I.ndugerio.
27 Doto, de Pascoa s. Roberto,
Marco.
Auno XVIII. N; GG.
:r- -j
O Diario pulilira-se todos os dias que n.o forero Santifeados: o p*n *" Magnatura l.a
de tres mil res |>orquar|el pagos adiantados. Os annunrins dos assignantrs aup inseridos1
gratis, eos dos que o no fi>rem ra Jo de SO res por linha. As rerlama.oes denrn sei
dirigid a >sta Tyuografia ra das Cruies D. 3, un prara da Independencia tojas de hvrus
Nmeros 37 c 3S.
CAMBIOS o da 25 de Marco
Cambio sobre Londres 2S d. p. 111.
i I'aris. 32(1 reis p. franco.
>< Lisboa SO a Si p. IDO de pr.
Moeda d. G, N. 14.300 al 4,500
.. d. 4,000 SltlO a 8.200
Paiaccs 1,01)0 a 1,680
Ol'no-

1.6SD
1.01,0
r,46u
I'ki r Peos ('nlumnarea l.fifiOa
u Mexicanos 1 ,<) i
ii miuda 1,44(1 a
Moeda de cobre 3 por 100 de diiconio.
DUeotahJ de bilh. da Alfand-ga i e { por 100
ao mei.
dem de letras de hoss firmas 1 e
de J.
Preamar do da 'A di Marct.
1. as 2 horas e 5-4 m. da mana!.
2. as 3 horas e S ra, d tarde.
natasajsoaoaaa-aaasaaaa-asassaaasasaaaai m Ja.
Quart, min;
La Nora
Quart. cresc
La cheia
PHASES DA LOA NO MEZ UE MABCJO.
a | lis II horas e 4 m. da tarde,
a 12-- as 4 horas e 8 m. da manh.
li) -- k S toral e 28 a. da tarde,
a 20 -- lis 11 horas e 30 ni da manh.
<
Jj
ni A RIO 1>E PERNAMBIW
ADVERTENCIA.
O cumpra-.se dos dous Avisos do Ministerio
da Justina publicados no Diario 6i he do
mesmo dia 18 do corrente e nao de 18 e i i
como por enga foi impresso.
No artigo importacao do Diario N. 64 pag.
3 col. 3, linhas do art. ti e 7- "i ditos de ditos
(fardos de cobertores) pertencem a remessa
de Jolinston Pater A Companhia do paragra-
pho-immediato : linhas 10 e20 50 fardos
com panos leia-se 50 barrial com man-
teiga.
Commissao de ConstituicSo e Poderes acajg
da lndicaQodoSnr. Diputado Lopes Ni.',
oqual, dada ahora, icou adiado. levan-
tando-so a Sesso depois de mareados os traba-
Ihos para a Sesso seguinte a saber ; Pare-
ceres de Commissao e Unturas de Projeclo^e
Indicares, e coutinua^ao da ordem do da
de hoje.
ThomazTAntonio Maciel Monteiro
Presidente.
Antonio Jos de Oliveira
1. Secretario interino.
Bernardo Rebullo da Silva Pereira.
2. Secretario interino.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
ACTA DA 10." SESSO ORDINARIA Y ASSEMBLA
LEGISLATIVA DE PKRNAMBUCO KM til DE
MARCO DE 1812.
PRESIDENCIA DO SNR. COKS. MACIEL MONTiJIRO.
. Feita a cliamada acharo-sc presentes 32
Srs. Deputados. fallando com participacao os
Surs. Vieira de Mello Domingos de Souza e
Jos Felippe.
O Snr. Presidente declarou-aberta a sessao,
foi lida e approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um requerimento de Proliro da Cunha Mo-
reira Alves actual Professor de Crammali-
ca Latinado Bairro da Boa-Vista, em quepo-
de que seja igualado o seu ordenado ao do
Professor do Lyco : Commissao de Orde-
nados. Foi lido outro requerimente de Esta-
nislau Pereira de Oliveira que pede se Ihc
mande pagar o que se Ihe dover pelo trabalho
de haver feito o andamento dos Impostos Pro-
vinciaes: Commissao de Orcamenlo e Fasen-
du. O Sur. Depulado Jos Pedro olTereceo o
seguinte Projectu de Lei : artigo I. Us orde-
nados dos Professores e Substitutos das Au-
las theologicas do Seminario d'Olinda lico
igualados aos ordenados dos Professores de
scenoias do Lyceo ; e o ordenado do Profes-
sor de Canto-chao do mesmo Seminario fica
elevado a iOOjOOO reis. Artigo 2. Fico
revogadas as disposigoes em contrario : foi
apoiado e mandou-se imprimir. Veio ao de-
pois d'islo a mesa o requerimento seguinte
do Snr. Deputado Lopes Netto= Requeiro
que se perpunte ao Exm. Presidente da Pro-
vincia quantos alumnos foro examinados
em cada urna das aulas do Liceo d'esta Cida-
de no anno prximo possado : foi apoiado
e approvadQfSem discussao.
ordem do da.
Continuou o debate sobre o parecer da
GO.VERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE 1)0 DIA 17 DO CBRENTE.
Officio Ao Inspector interino do Thesou"
raria das Rendas Provinciae.s, ordenandos
que mande pagar ao Major Antonio da Silva
iusmo aconta da despesa feita com o sus-
tento dos presos pobres da Coma rea de Flores,
correspondente ao semestre do Julho Qft-
zembro do anno prximo passado e remel-
tida aquella Thezouraria pelo prefeito da
referida comarca.
Pito-Ao Prefeito da Comarca le Flores,
communicando a expedieo da ordem supra.
em resposta ao seu oflicio de 27 do mez ulti-
mo- cm que a requisilava.
Dito Ao Commandante do BatalhiO da
Guarda National de Cimbres, aurtorisando-o
para alugar um cavallo, Ikn de ser condu-
zido para esta cidade o soldado da primeira
Compardiia do Corpo de Polica Cosme Da-
min Ferreira que ali se acha bastante en-
fermo.
Dito A Cmara Municipal desta cidade-
A' vis'la da informaeo que Vms. dero sobre
o requerimento de Antonio da Cunha Soares
Cuiniare.cumpre decIarar-Vhes>que na facul-
dade da '"residt'ncia approvar ou reprovar os
contratosfeitos por essa Municipalidade com os
particulares nao se comprehende o direito
de oonstranger os proprietarios a cederern
88 esti[)iilae(')L\s, que Ibrem indicadas, as quiies
servem somente d direreo Vms. para no-
vamente eontratarem com os ditos propriela-
rios, que devem lertoda aliberdadeessencial
dos contractos. E nao tendo a Presidencia
approvado todas as condicees do contracto,
que Vms. celebraro com o dito Cunha, faz-
se necessario que entren em novo ajuste ,
cedendo cada um dos cont-actantes o que po-
der para chegarem um accordo deinitivoso-
bre essa dilferenQa em que laboro.
Portara-Ao Director do Arsenal de Guer-
ra, ordenando que reciba os objectos cons-
tantes da relaco que se lhe remelle, os quaea
sero enviados pelo Commandante das Ar-
POLLITO
florita(*).
Urna noite a do anniversario da sua en-
trada no theatro, Florita desempenhava o
papel de Euridice e o publico a interrompia
a catla momento com applausos.
Acabada a opera a joven cantora vollou
scena para recelar as coroas de llores c os
applausos de seus mais ardentes partidistas e
apaixonados: pareca que um delirio se havia
apoderado dos espectadores. Florita recebeo
a homenagem tributada ao seu talento com o
confite palpitante de reconhecimenlo e de a-
legria ; e ao levantar avista vio pe rio de si ,
a dois passos quando milito, o bello cava-
Hieiro. Este poz a mo sobre o seu corago ,
e laocou-lhe um olhar lo ardente que se-
ria dilicil explica-lo. A este olhar Florita
eslremeceo e nao soube o que naquelle mo-
mento se passava cm torno dclla : felizmente

) Vid. Diario N. 02, G3, c6.
wmmmmmmmmmm
o actor que a linha pela mo conheceo que o
seu estado era critico levou-a para os bracos
de sua mi que com Caldern de la Barca so
acliava entre os bastidores.
Que dia to bello, querida Florita I
cxclamou Amia Muller com as lagrimas nos
olhos.
Oh sim sim minha mi.
Ocavalheiro anda olhava para ella. Flo-
rita apoiou-se enlo no braco de Caldern de
la Barca c pcrguntou-lhc com affcclada in-
diireremja.
D. Pedro, conheceis aquclle cavalhein
que est all vestido de seda preta e com
um broxe de esmeraldas no chapeo ?
Sim ; < um francez : paitce-me que se
chama o Mrquez de Ribiers !
Ah estrangeiro !
Sim ; um grande senhor que viaja.1.)
com o objeelo de conhecer a boa sociedade de
lodos os paizes. Ha ja algum lempo que esl
cm Madrid.
E*t de passagem nao verdadtf-'
quem elle passar a competente re-
Olicio Ao Commandante das Armas,
communic.mdo o conteudo na portara prece-
dente.
Dito Ao Sachare! Antonio Bapttata (ti-
rana partecipando, em consequencia de com-
rnunjcaoio feita em Aviso de 1 i de Fevorei-
roultimo,,.para sua intellicrencia, e a (ini de
que solicite a oxpedico da respectivo Carta.
ler sido elle removido por decreto de 10 do
referido mez da vara criminal da Comarca
de Nazarelh para a do Civel da mesma Co-
marca.
De igual theor e dala se dirigi ao Bacha-
charel Joaquim Mauoel Vieira re Mello .
communi'cndo-lh tor sido removido da va-
ra do Civel da Comarca de Nazarelh para a
ilo Critno e ao Bacherel Joaquim Gemin-
nianode Moraes Navarro, parleeinando-lhe
It sido removido da Comarca de Coiana pa-
ra a de Sania Cruz na Provincia de Goyaz.
Dito Ao Inspector da Thesouraria da Fa-
zenda commiinicando-lhe as remoees an-
leceilcntes.
Dito Ao Ctiefe interino da Legifie de
SiptoAnto, significando em resposta ao
seu oflicio de 14 do corrente que pode fa-
zer marchar a Guarda de Honra que no
mencionado oflicio enmmunica fora-lhc re-
qotsitada pela Irmandade do Sur. dos Pasaos
tlaquella Villa, para acnmpanhar a Procissfio
do mesmo Snr.,, que ella pretende fazer em
o dia 20 do corrente.
Dito Ao Commandante do Brigue Capba-
ribe, ordenando i qued guiada desembar-
que ao Commandante interino, que eslava
naquelleBrigne, cao criado, que com elle
destacou na Escnna Bolla Americana por
nao ser da guariiicfio do mencionado Brigue
0 tliloollicial. que eslava em sua ausencia.
Conimaiidaiitlo interinamente com destino
de retirar-se para a Corte conforme o Aviso
numero 71.
dem do da 1S.
Officio- Ao Commandante das Armas or-
denando cm consequencia t!e requisico do
CommanJanteda libado Fumando, que faca
seguir nesta occasiio para a dita liba um Sol-
dado da Companhia do Actiflces, que seja Ta-
noeiro.
Dito Ao Commandante da liba deFer-
nano, partecipando a expedico da ordem su-
|>ra.
Porlaria Ao Commandante da Escuna de
Guerra Legaldade, para reeeber seo bor-
do, os sentenciados que lhe forem remetti-
dos pelo Preleilo interino desta Comarca pa-
ra serem entregues na liba de Fernando de
Nmoiilia ordem do Commandante respec-
tivo.
Oflicio Ao Prefeito interino fiesta Cornac
ea>, communicando ler expedidos ordem an-
tecedente;, e ordenando-lile, qne remeta para
bordo da Escuna Legaldade, que tera de se-
guir na mar do da d'amanh paro a liba
de Fernando todos es sentenciados que ti-
ver tanto desta Provincia, cmodas outras,
para a mesma liba.
0ito-Ao Commandante da liba da Fer-
nando, commimicando, que a bordo da Es-
cuna Legaldade seguem para aquella liba
seie sentenciados, a lint decumprirem, suas
sentencias, e determinando-lhe que faca re-
gressar bordo da mesma Escuna, os (|ie as*
liverem linalisado.
Porlaria Ao Commandante da Escuna -
Legaldade -ordenando que receba sen bor-
do, e de passagem para a liba de Fernando
ao J'adre Albino de Carvalho Lessa lint de
servir o lugar de Capello, para que foi no-
meado pelo Fxm. Bispo Diocesano.
Dito A Cmara Municipal desta cidade,
ordenando cm consequencia de resoluc/io da
Assemblea Provincial que chame o suplente,
que deve substituir o deputado Assemblea
Domingos d Sou/.a Leo, oqual a ella par(e-
cipou nao poder continuar comparecer na
presente sesso.
Dito Do Secretario da Provincia ao pri-
meiCQ da Assemblea Legislativa Provincial ,'
eommunicanilo em resposta ao seu officio de
hontcm datado a expedieao da ordem trece-
dente.
COMMANDO DAS ARMAS,
CO.MT.MA( AO no EXPEDIENTE DO DIA 17
lio CORRBNTZ.
Oflicio Ao Cap tilo Commandante ta
Companhia d"Artilices dizendo-lhe em
resposta ao seu oflicio de l.">, que lizesse subs-
tituir os qualro soldados artilices que estavo
a disposico do Engenheiro Vautliier, por
outros qualro 'ue menos peritos nos seus
ollieios pouca falla Bzesscm ao servido da
companhia, e aos trabalhos do Arcenal 5 que
ditos soldados levario nicamente 0 farda-
ment de quartel e alguna vencimentos adi-
antados (piando por ventura se achassem fo-
ra da capital, e nao podessem comparecer a
companhia nos dias de pagamento.
Dito Ao mesmo, exigindo iuformacoes
sobre objectos tendentes a disciplina da com-
panhia.
PRKFEITI 1! A.
Parle de dia 22 do corrente.
Illm. Exm. Sur. Foi bontem preso pela
primeira patrulba de Fora de Portas, o por*
tu-'iiez Jo/e Luiz Teixeira por lhe ser ap-
Sim Florita.
Florita passou toda a noule chorando e
pelindo no fundo d<> sen coracfto : il O mar-
ques de Ribiers!. Um francez! Partir bre-
vemente... Meu Dos, para que veio elle
a Madrid!' Porem son urna crianea Que me
importas mim que elle v ou Qque .'... Olbou
para mim esta noite de urna maneira!.. Oh!
quanto mal I.co em pensar nelle Assim nao
poderei amanear a sua imagem da minha
alma !
St't fallava gloria de FlorLla a honra de
cantar no theatro da corte e na presenta do
re. Milito desejava islo Caldern de la lin-
ca o o teria conseguido antes, a nao o ter
impedido a enlermidade da rainha Isabel ,
que tez suspender por algum tempo os saraos
outras diverso. Fetippa Io vivaencer-
la.toeont sua sspoza no palacio do Retiro, e
cm slgona meses a sua wrte se perecee com
adeFilippe 2=i na gravidade e austeridade.
Filippe i. gostava das testas. e linha dado
aos coslumes do palacio toda a folga qus'lhe
permetliam as leis da etiqueta ; porem os des-
astres to seu reinado e sua idade talvcz co-
mecavam j a diminuir sua alegra. Filippe
i. ia-se tornando devoto e melanclico e es-
lava prosima a hora em que seu confessoria
lomar mais ascendencia sobre sus ventado ,
que o seu primeiro ministro. Pareca que, o
re olhava com apalhia os aconlecimentos
mais notaveis do reino ; e nao era isto cor-
tamente porque nao houvesse j em suas veas
o sangue da casa de Austria quando consi-
derava as desgranas da HcpanDS, quando via
a poderosa monarqua de Carlos 5. efraque-
Lcer. e desmembrar-se grabas s revollas in-
testinas, e seinpre desastrosas -. nao: quando
este quadro fnebre e la.slimoso se apn.'senlava
sua maginacao, Pelippe i. ora agarjeva
com niao indolente e fraea o sceptro Je Cas-
tella, ora o basti dojnando e preparava-
9e para marchar contra 0 InilUgu .1 testa do
seu exercito, porem bem depressa seus hbitos
de inaeco e inolleza o lancavam em sua ha-
bitual inercia o deixava aliuic do Conde
MUTILADO


o
"pretendida urna faca do ponta ; foi recolhido
acadeia.
He o que consta das partes lioje rccebidas
nesta Secretaria.
Dos 0uarile Sx.
M^
XTEIUOR.
Vimos tullas inglezas que alcango al 20
de Janeiro pp. A attencao publica em Lon-
dres eslava absorvida pelos sumptuosos pre-
parativos que se fa/.ia para o baptismo do
Principe de Gales o qual devia ter lugar no
dia 23 de Janeiro, e para recepgo do Rei
du Prussia c de Baviera, e outras grandes
personagens que ero alli esperadas para as-
sistir ((uella pomposa oerinionia.
Dizia-se geralmente que o Principe seria
baptisado coin o nome de Alberto Duarto ,
antepondo-se o do Augusto I'ai ao da Dynas-
tia Ingleza -. .porem os Jornaes como igaos
da opiniao publica faziao vitos, para que se
preferase o segundo nome ao primeiro, por
ter sido Durto* o nome do Duque de Kenl
Av do Principe, assim como d'urna serie de
seis Monarcas do mesmo nome na Inglaterra;
t: por conseguinle aquelle a que o publico con-
sagra mais vcneraeao do (pie a nutro qual-
<|uer.
A Gazeta de Augsburgo de \K do predito
mez annuriciava a partida do Principe Paulo
Esterhazy de Vienna para Londres a 9 do
mesmo. Este Principe ia enearregado de a-
presentar i Ranba Victoria um discurso con-
gratulatorio pelo nascimento du Principe de
(.'ales.
O Timos, folha ministerial. Iiavia com-
Dienlado d'um modo nuii desfavoravel a visi-
ta do Rei da Prussia a Inglaterra, attribuin-
do-lhe lins polticos muilo pouco decorosos
dignidadc Real, e tralando-o de espio,
bypocrila e fanl'arro: porem foi aquelle jor-
nal v.golosamente rebatido pelo Sun e
outros peridicos Inglezas que altamente dc-
sapprovarao tao indecentes e grosseiras ex-
pressoes, dirigidas a un Monarca adiado e
Hospede Real pelo orgao d'um Ministerio
Tory !
A proposito lembra o Sun que o actual
Rei da Prussia j lnl.a visitado a Inglaterra
em companliia de seu Pai e de sen imperial
irmao o Imperador da Russia em 1814, ten-
do ent'to aquello Rei apenas nove anuos d'ida-
df: e havendo estado anteriormente ao lado
de seu Augusto Pai no campo da batalha.
As gazetas Inglezas tambem annuncio a
tomada da Cidade de Amoy e da IlhadeGo-
long soo na India con? todas as suas fortifica-
res, a 26d'Agosto, pelas torgas combina-
das da expedicao Rritaenica, constando es-
tas noticias por despachos ollciaes dirigidos
ao Almiranlado, e publicados cas mesmas
gazetas. ^
Pelas ultimas noticias da llespanha rebebi-
das em Londres eonslava que M. de Salvan-
dy depois de ter dirigido ao Gabinete Hdspa-
niol o seu ultimtum sobre a queslAodc eti-
queta que Iiavia suscitado, e leudo recebido
H respos'a, sabio de Madrid para Pariz a G de
Janeiro, nomeando um dos addidos para
representar naquclla Corte como Enearregad*
de .Negocios da Franca.
Urna carta do Madrid datada de 11 Je Ja-
neiro dizque o precursor (avant eourier) do
Conde de Salvandy lora rondado a pouca dis-
tancia das portas da Cidade por salteadores
que Ihe lirarAo o dinbeiro que levava para
pagar os postilhes at Baionna. Ellevollou
e niformou o Conde do seu perigo, o (pial
reqisitou. e do-sc-lhe nina escolta de sinco
bussares.
O Governo Francez est multo pouco sa-
tisfeiloda partida precipitada que fez M. de
Salvandy de Madrid ; c anda mais pela sua
absurda conduela alli. Elle mesmo tanto fe-
m o ridiculo de ser aponlado como umarle-
quim diplomtico que se diz estar muilo
mal por isso.
Na Cmara dos Depulados da llespanha se
fez urna interpellago ao Ministro da Fazcn-
da por admittir gneros ns Provincias Vas-
congadas com um abatimento de direitos da
13a20porcento, mas tal foi a unanimida-
de da Cmara em repelli-la que a indicacao
leve de ser retirada. Os cidadaos estavAu
enlcvados pela firmeza desenvolvida pelo Re-
gente no caso de M. Salvandy e TallavAo com
apparenle prazer d'um rompimento prova-
vel cun a Franca.
NAo obstante a determiuada resol uefio da
OpposicSo em DO afroxar de esforgos para
derrotar o Ministerio, bem se sabia que o
Regente eslava firme em nao se sugeitar aj
uma modilieagao forjada do Gabinete, iftat>
antes a dissolver as Cortes.
Espera va-se que a resposta falla, a qual
havia de ser apresentada Cmara dos Depu-
tados a 12 de Janeiro, dara origen o um
debate tempestuoso, eseria decisiva da soite
do Ministerio.
O Courrier Francais diz que o Conde
Pablen nao voltaria Pariz para reassumir as
suas funeges como Embaixador da Russia
na Corte d Franca : Cartas de S. Petccsbur-
go nao dcixAo duvida sobre as intenses do
Imperador a esse respeito. O Governo Ibis
siar.o conservara somente um Encarrega
do de Negocios em Pariz
M. Cassimir Perier ( Ministro Francez na
Corte da Russia ) ada tao desagradavel a sua
posicao em S. Petersburgo, que tcm pedido
demisso.
Na Cmara dos Pares, em Franca, appa-
receu barra o editor do Siecle em ci n-
formidade da resolugo da mesma Cmara.
Depois de ter ouvido a defesa do editor, o
Presidente condemnou-o a um mez de priso ,
c a uma multa de 10.000 fr. por ter publica-
do um artigo extremamente moderado es-
cripto e reconhecido por M. Grambolle ,
membro da cmara dos Deputados censu-
rando os indecentes ataques dos Pares contra
a liberdade da imprensa !
A serem exactas as noticias de Argel pu-
blicadas nos jornaes Frsncezes eslava pres-
tes a completar-se a conquista d'aquelle paiz
pelos Francezes.
A discusso na cmara dos Deputados ver-
sava sobre a resposla falla do Rei oujo de-
bale continuava com bstanlo indiiTerenca e
pouca attenco da parte da cmara para com
os Oradores da Opposigao.
( Extracto das folbas Inglezas.)
Duque a prosperidade a paz e a guerra da
mo'narchia.
Nao obstante isso o poderoso valido que
a seu talante1 dispunba dos destinos da Hes-
panba presenta a sua desgraca c procurou
desfazer a tempestado que ia langar por Ierra
a sua fortuna e poder. Um s meo para con-
seguir : era o de afaslar o rei da vida triste e
montona que levava e rodea-!o de prazeres
' f: Testas, o faze-lo esquecer entre o movimen-
V> e o buliclo dos di veri intentos a revoluto
que collocara no throno de Portugal o duque
de Rraganca : a rebellio daCatalunha, mais
um acontecimcnlo inesperado veiu mu de-
pressa acalmar os temores do Conde-Duque ,
i nffeircer-ibc um pretexto para o mesmo em.
ic pensara a rainha melborou notavelrnen
desande, e seu semblante plido e en-
vilecido por causa de seus continuos soflri-
ulos, recobrou sua primitiva frescura c
inia. O Conde Duque quz celebrar esta
/ oonvalescenga cojn uma dessas Testas ma-
leas que com tanto goslo e estnlaro
POST-SCRIPTM.
Acabamos de reteber folbas de Lisboa, que
ebegao a II de Fevereiro, e por eslar adian-
tada a composicAo deste numero e ser j lar-
de daremos somente um resumo do que nel-
lasse encentra de mais notavel, reservando
para o seguate fazermos alguns extractos
mais extensos.
Logo que o Governo central de Lisboa te-
ve noticia do movimento revolucionario c-
corrido na cidade do Porto a 27 de Janeiro
em favor da Carla de 1830, proclamou em
sentiilo contrario e deo todas as providenci-
as para inutilisar aquello movimento, tra-
tando de reunir Torgas em Lisboa para esse
11 m.
Porem no da 7 de Fevereiro rcsgnarAo as
pastas os Ministros ale en tao existentes, e
sabia dispor e propoz-se apresentar ao mo-
nareha um especiando novo nos jardins do
Retiro.
Nada do que boje existe pode dar uma dea
1 do que era ento o palacio real do Retiro : os
edificios mandados construir por Carlos V.
e seus successores eslavam rodeados de vas-
tos bosques cujos multiplicados arvoredos
langavam suas silenciosas sombras sobre va-
ledas tortuosas e sobre elegantes jardins
espalbados sem ordem enlre as ras copudas ,
e como se fossem ramos de llores collocados
por casualidade ao longo de um prado. No
meo desia silenciosa obscuridade brilbavs
como um claro inmenso espell-.o o'grande
lago emque n'lguns barquinhos ricamente
empavesados passeava a ranba de llespanha.
Foi este o sitio escolhido pelo Conde-Duque
para ofterecor ao rei um espectculo novo ,
unta representago nutica.
Caldern de la Rarca recebeu ordem para
escrever uma comedia sobre este objecto o
que nao foi um grande trabalbo para o poeta.
DOiueou S. M. a Ranba o Duquedepalmella
presidente do conseibo de Ministros e en-
earregou-o de organsar um novo Ministerio ,
o qual leve de retiraF-se no dia seguinte sen-
do .substituido por outro a cuja frente se aeba
o Duque da Terceira como presidente.
Deo lugar a esta mudanca repentina o ser
acclaniada a carta no castello de Lisboa,pela
tropa de briba alli estacionada, na madrugada
do dia 8 a cujo movimenlo adherio a maior
parte da forga amada, sem que com ludo
ebegasse a haver minina allerago da or-
dem publica.
Neste apuro convocou S. M. a Ranba o seu
conselbo de Ministros, e finalmente por De-
creto de 10 de Fevereiro resolveu declarar em
vigor a carta constitucional de 1820 como Lei
Fundamental do Estado e convocar cortes
Extraordinarias para o dia 10 de Junho do
corrente auno, ordenando que os Deputados
venhAo a ellas com poderes para alterar qual
CU* artigo da mesma caria se assim for ne-
cessario ; visto baver-se declarado neste sen-
tido a volitado da maior parte da populagao do
Reino e da Torca militar.
CONSlDERAgBS SOBBE A DTILIDADE fe MO-
KALIAUE D'L'M EHPRESTIMO PCBI.ICO.
Continuado do N." i.
Examinando-se as tabellas de amortisaco,
r ver-se-ba qfe para resfalar inseusivelinente
Acrescenta-se qoe nao he misler alongar o praso alem de um
secujx, e pode mesmo diser-se positivamen-
te, que jamis se (leve exceder delle. Tam-
bem por outro lado uma divida' conlrahida
para um lim particular, cuja ulilidade a-
parecc em menor espago de lempo, deyeser
remida den tro desse mesmo espago.; a lim de
que resbalada ella, lenha o paiz senqire mei-
os de conlrahir novas dividas para aciulir a
novas prceisocs.
He poisnossa opiniao que conlrabido um
emprestimo para objecto especial, deve ha-
ver um Tundo especial e de proposito
levantado para Tazer face a sua despeza a
funde que reunido em proprio lempo deixe
lugar vago para contrabir-se outro no mo-
mento que mister seja ; e nisto vamos perfei-
tamente d'accordo com o prespicz e previ-
dente systema de Pitt, qnea par da crago
de urna divi'a creava logos impostos ade-
quados nao s ao juro mais ao resgate do ca-
pital em um lempo dado.
Em summa ,'o principio geral para deter-
minar-se o augmento ,' ou redoegao de una
divida, deve ser -a causal que fez necossaria
a sua creacao -de nianeir.. porSjn (pie remida
uma parle della possa mmedlalamente le-
vanlar-se oulra se as circunstancias assim
o exigirera : c para marcar o ponto (pie ella
nao deve ultrapassar servem os meamos da-
dos, ou diclames que regulan o mximum
do meo circulante em relacio as transacoes
do paiz.
Eis como na justa e equitativa distribui-
rlo de con tribu igfies uma nacao lem conta
a berta com a posteridade bem como a Uve-
ra com a coeva gerago.
Examinada assim a dividadebaixde lodos
seos aspectos hincaremos um rpido golpe
de vista sobre sua influencia na prosperidade
do paiz, e neste [ionio os lacios dizem mais
do que pode escrever-sc.
Oual be aponte-se-nos, qual be o paiz que
possa npresenlar-seem comparago com o Im-
perio Britnico ; com sua riquesa, poder e
industria, commercio, eprosperidade geral ?
Tao bri-
To grande era a sua facilidade !
litante e fecundo o seu genio.
Senhor Conde disse Caldern odian-
do para a agoa tranquilla do tanque na qual
relleliam as estrelas ; se se levasse ao cabo o
pcnsamenlo sua magestade pedia assislir
muilo .bem conquista do Vellocino de
ouro.
Bella idea Engenbosa aUegoria res-
pondeu o Conde Duque. Sua Magestade co-
lher para si allusoes doassum|)lo na quali-
dade de grao mestre da ordem.... bem,, bem.
Caldern. Farei que os actores venbam boje.
mesmo: Florita dsempenbar o papel de
.M.'dea.
lia muito tempo Sur. Conde, que Flo-
rita aspiraba honra de cantar ua presnca
de S. Magestade.
Quiaze dias depois na noute de S. JoAo,
achava-se reunida nos jardins do Retiro toda
nobresa de llespanha.
linba-se levantado um grande sali aborda
do largo c o palco deste titea tro improvisa-
Observe-se seu incessante augmeuto, e riie-
lhoramenlos ; olhe-se para todo o paiz e ver-
se-ha levantar diariamente edificios pblicos,
que por sua perspectiva, grandeza e elegan-
cia parecem outros tantos Palacios ; ver-se-
ha urna imensidade de magnificas casas na
cidade e deliciosas habilages no cempo,
aformoseadas com soberbos sitios e jardins
etc. : observe-se as suas S000 milhas de ca-
laos e cslradasde Trro ; 43000 machinas de
vapor em completa aclividade ; sua esquadra
de mais de 000 vasos ; seus navios mercantes
compondo um agregado de mais de 2000,009
de toneladas ; observe-se finalmente o conti-
nuado e sempre progressivo producto de su-
as manuTacturas em todos os ramos mesmo
depois do tempo em que a* mais Iisongeiras
esperanzas em tal objecto deverao reputar-se
rcalisadas : sim olhe-se para essa tao espan-
tosa massa de riquesa e decida-se se a In-
glaterra est prxima a sua decadencia ; ou
se pelo contraro ha ebegado a um ponto tal
de prosperidade, qual nunca conseguir im-
perio algum da anliguidade.
Cortamente nfto diremos nos que so a di-
vida publica deva a Inglaterra o auge de
riquesa, e prosperidade a que ha ebegado.
Nao tao grande Torluna he devida a inllu-
encia de seus subditos a seu espirito em-
prehendeder, a sua industria e perseve-
ra rica ; dove-se tambem ferlilidade do ter-
reno riquesa de suas minas as -vanla-
genscommerciaes que Iheofierece sua posi-
cao geogrfica e finalmente, a sabedoria de
suas ustituiges publicas. Todava se es-
las vaiitagens inoraos e pbisicas formo a
base do incens podero da Gran-Brctanlia,
nem por isso dexa. de ser evidente-que da
di villa publica haja nascido o grande desen-
volvimenlo de todas ellas- Sim lio a divida,
que tem facilitado mais que em nenhum outro
paiz, meios de esleuder a melhor educagao a
um extraordinario numero de individuos-, e
da educagao do povo nascc sempre uma e-
nergia moral que forma o primeiro passo pa-
ra a prosperidade da Nagao. A divida tem i-
gualmente facilitado meios para o desenvOl-
mento da riquesa territorial; lem dado gran-
de impulso as. molas da industria geral, e
multiplicado' todos os recursos conxmerciaes.
Coin da ha constantemente augmentado a
Torluna publica; he ella que tem Tomecido
meios de levantar, e man ter cssas armadas,
e exercilos, que se directamente nao ha
contribuido para o augmento da produego ;
sem duvida o tem realisado de uma maneira
indirecta isto he conquistando e deen-
dendo as inmensas colonias qiie boje possue
a Inglaterra e que sao outros tantos canees
de consumo aos objeetos da sua industria e
commercio.
A Inglaterra collonada a fenle da poltica
Europea babililada por um simples signal
telegrfico a despachar de seus portes ,e en-
viar a qualquer parte do globo formidaveis
esquadras : levando reforeos a seus exercilos
aoude quer queellcs se achem ; em posse de
arsenaes abastecidos de lodo o preciso para ar-
mar meo milhAode homens ; e podendo em
cousequencia de seu grande crdito obler
em poneos dias, sufflcientes sonunas para Ta-
zer Tace a despesa de diversas cainpanhas:
sim, coin lautas e tao extraordinarias vauta-
gens est certa mente mu longe de ver ve-
rificado o limite e terriveis agouros de tan-
tos Economistas Polticos, desde D'Avernant,
lluine eSmith.no tempo era que a divida erado
pouca monta al Ricardo, Say e Parncll,
ora (pie ella ha subido a 800 milhes e ben;
pode dizer-se desse prognoslicado limite, que
; elle lio seinelbante a illusao que ao lOQge
Torma no descro o esplendor do sol (Mirage)
do descancava sobre barcasatracadas urnas as
outras. .
Era naverdade um espectculo magnifico .
De um lado osalo resplandecen te com un
lustre de cristal c riquissimas armacoes c
no nieio o Ibrono em que se va Filippe4. ,
sentado ao lado da ranba Isabel, sua espo-
sa : os grandes de Mespanha e as pnmeiras
damas da corte com seus sumpluosos vestidos
c adoregos apenas proinetliam aos olbos em-
pregarem-se qm outro objecto: e ninguem se
lembrava de olbar para a chusma de corle-
zaos que se eslenda maior distancia do
ultimo degru do Ibrono. Na trente desle
sumptuoso salao eslava a secna represen-
tando um bosque com suas arvores verdenc-
gras cujas folbas se movam a mais leve vi-
rago da noite : no fundo viam-so as escuras
e pacificas aguas do lago quebrando-se blan-
damente contra as rochas arlificiaes da sce-
na e o eco lodo coberto de iuivens sombras.
Era uma magniCca decorago.
- (Continuar-sc-lia.)


\
g-y-fjv
parecendo sempre a pequea distancia do vi-
ajante ; e sem que jamis este consiga apro-
ximar-se-Ihe.
Os pontos que temos procurado discutido
a favor dos quaes liavemos cmitlido nossos
argumentos, sao de urna importancia tal pa-
ra a Inglaterra, cuja existencia depende em
nini grande parte e seu crdito, e fin angas;
cpie be bem de esperar caso as razes apre-
sentadas se nao julguem convenientes, que
ao menos induziio a rellectir seriameute no
assumpto ; e por milito felfees nos daremos,
se conseguirmos suscitar duvidas u em t-
picos at aqu reputados axiomas- ; pois
que taes duvidas pdenlo ser decididas por
mais habis pennas ; e sua discussao resolve-
r lalvez hum dos mais importantes proble-
mas em Economa Poltica, a sabar Que in-
fluencia exerce a respeito da prosperidad^ do
paiz, a existencia de una divida publica ?
( Extrae. dwOtor. de Mr. M. B. da Div.
pub. sobre a prosp. das Nac. )
CORRESPONDENCIA.
Snrs. Redactores.
Quandb appareceu o primeiro annuncio das
piplas vegelaes do Dr. Brandrelh suppon-
doser destempero do annunciante, e parecen-
do-me que o povo de l'ernambuco saberia dar
o justo valor tal remedio, nao quiz fazer
obsenago alguma como ja lluvia feito sobre
um pomposo annuncio de un balsamo itali-j bem curo a paralysia ehydropsi'a mas ll-
gumas pessoas de.vem saber que Mr. Sansn
lo milagroso que ja curou um cancro que in-
vadi o corpo do tero qual o que curou
um cancro do recto ? Todos sabem que o
Pae da Medicina pbysiologica que o celebre
Broussais morreu de nm cancro do recto e
que esse horneen nao se quiz sugetar nem
mesmo a peracSo do anas artificial que Ibe
quera praticar.Mr. Amussat, porque sup-
punba elle que tal operacao poderia apenas
prolongar por alguns mezes seus solTrimen-
tos e nao cura-Ios. Todos sabem que o cele-
bre autor do stetboscopio c da- PercucAo me-
diata qn o celebre Laennec morreu de urna
tysica polmonar elle que tanto havia traba-
Ibado sobre as molestias de polmo sem que
bouvesse remedio queopodesse salvar. To-
dos sabem que o celebre autor dos- Elementa
medecimr que Brown padeca martyrio cora
agota e que nao podendo descobrir reme-
dio que podesse faze-lo soflrer menos, lem-
brou-se dediser que a vida desregrada que
odebauebe poda fazor desapparecer taes sof-
frimentos porque, pretenda elle quede-
pois que se havia dado s bebidas c mulberes
4c. sollria menos. Qual foi o sancto por
mais milagroso que seja que j Icnha feito
desapparecer a pedia da bexiga? Todos sa-
bem que s urna operacao, a talha e algumas
vezes a lthotricia capaz de fazer desappa-
cer taes dores, que s provem da presenta
da pedru na bexiga.
O Sr. Knolh pretende que suas plulas tam-
ao homogneo sympatico que tambem
tudo curava ; mas forga de annuncios ,
vejo que o povo e sobre tudo os habitantes do
matosevao deixando levar pelo charlatanis-
mo e eu quisera posto que seja contra nos-
sos interesses, ver si posso por algum meio ,
oppor-me impostura.
Com o titulo de pilulas vegetaes tem o Sr.
Knolh nico cncarregado de negocios do
Dr. Braodretli, n'esta Provincia alordoa-
do o publico como se fora extraordinario
compor pilulas vegetaes. Sabem mui bern
os que esludaro Materia Medica que quas to-
dos os drsticos pertencem ao reino vegetal,
e que sendo o numero (Testes drsticos gran-
de fcil compor centenares de pi'uias ve-
getaes sem que urnas sejo melhores do que
outras ; por quanto sendo o oleo de crotn
tiglium a coloquintida o oleo de catapucia,
a gomma guita o oleo de jatropha curcas
(pinho), o aloes jalapa scamonea elle-
boro negro, euphorhio graciola soldanel-
la bryona, verprum &c. &c. os evacuantes
vegetaes mais fortes nem um milagre seria
reunir algumas d'estas substancias e compor
ou pilulas ou outra qualquer cousa que pro-
duziria o mesmo elTeito que as milagrosas pi-
lulas vegetaes.
Todos sabem que nem um remedio por
mais universal que se diga pode curar todas
as doencas porque si em urna hepalite por
cxemplo faz algum bem em a mesma mo-
lestia e em diferentes circunstancias, ser-
llie-h prejudicial e grande numero de en-
lermidades nao poderia ser curado pelo mesmo
remedio fosseelle qual osse. Todos sabem
que si houvcsse remedio que podesse curar
toda e qualquer molestia seria esse o lido
da mais espantosa descoberta muito mais do
(pie o da pedra philosophal sera a resolu-
(,'o do maior problema da vida seria a revo-
liieiio contra Dos mesmo. Todos sabem que
si um tal remedio podesse entrar na concep-
to humana e que boje estivcsse descoberto
todas as Vacuidades de Medicina do Mundo
cahiriao ou jestaro por torra porque s
o Dr. Braiidreth e oSr. Knolh seriAo bas-
tantes para fazer face ao genero humano.
E' o defeito de lodo ocharlatao fazer ludo
sem exeepgo como se nao fora muito con-
tenlar-secom melade. E'justamente ah que
pcccaoSr. Knolh, porque, s com suas pilu-
las vegetaes s pretendosse curar certas mo-
morreu de urna paralysia das extremidades
inferiles, paralysia que Ihe foi nvadindoo
corpo, sem que houvesse meio de o salvar; to-
dos sabem que o grande Cirurgifio que o
maior Cirurgo do Mundo que o Baro
Dupuylren morreu de um bydrothorax sem
que a Medicina em peso podesse dar-lhe vida.
Ora parece que, vista do que tenho dito,
as pilulas vegetaes sao mais poderosas que a
mais judiciosa Iherapeutica mas porque ra-
zao seu autor nao vae lixar-se ou em Pars ou
em Londres, porque razooSr. Knolh nao
nos hiOstra os resultados por elle obldos na
Europa, patria das Sciencas ? Anda nao
cncontrei nem nos Formularios de Pars ,
nem na ultima edigo de 1810 da Pharmaco-
pea do Jourdan nem nos Annaes de Thera-
peulica nem em lim no Formulario do Dr.
Chernoviz que apenas c urna tradcelo dos
Formularios Francezes, anda mo enconlre,
nem cilaco das pilulas vegetaes nem o ri-
me do seu autor e porislome parece que so
pod mui bem c rasoavelmenlc duvidar da
autencidade das curas obtidas por taes pilu'as.
Fazenda desta Provincia vendo a impossibi-i Recreo & Instrucgo avisa aos socios qu< ;;
lidade de se fazerem logo no principio de ca- recita he no da 27 do frrenle e que podis
da mpz os pagamentos de todas as dcspezasjhr receber os b i Ihe tes para a mesma nodn
militares, e que para o prompto expediente ,'20 na casado Snr. Tliezoureir
e conimodidade das partes be necessario abso- cadeia velha D. I.
I'liezoureiro na ra ..i
utamente determinar a ordem e pocas em
que os mesmos pagamentos devem ser feitos ;
e havendo-lhe ponderado o Commissario Fis-
= Aluga-se um primeiro andar de casa in>
beco do peixe frito I), 5, com cmodos para
pcquena familia quem pertender dirija-se a
cal do Ministerio da (nena que osdiasl.c ra do padre llorianno venda que lica junl<
2. de cada mez e as vezes o terceiro, s po- do beco topado D. 53.
dern em consequencia dos dillerenles corpos = A pessoa que precisar de urna ama pa-
se acliarem em grades distancias uns dos ou- ; ra todo o servico de urna casa dirija-se na roa
tros, ser applicados ao expediente das mos-
tras, recebimentos das folhas de rrets, e
sua conferencia e pagamento : tem em ion-
formidade do artigo 50 do Begulamento de 10
de Abril de 1852 marcado os ditos dias I. ,
2.,
do Bozario estreta botica do Paranbos.
= Da-se liinhciro a jures de 2 por cento
na ra por delraz dos Martirios casa D. 55
sob pinhores de ouro.
= Quem tver um jrtgo de bas de -4 pal-
e 5 de cada mez para aquello lim ; os,llos ""e cuinprimcnto pouco maisou menos ,
dias 4o 5 para pagamento da repartalo do usado e o queira trocar por um jogo de-ma-
Cominando das Armas, folhas dos Olliciacs'las bastantes fortes, ( em cabellos ) e com
dos corpos, edas ForlaiezasdoBrum c Bu-1 l,ouco uso > annuncic ou dirija-se a ruado
raco ; os dias (>, 7 8 c ) para o dos Of- S- ,ila "va D. 18 lado do nascente.
fi'iaes avulsos, e reformados ; os dias 10, c
11 para o dos i'iets das .raras reformadas ; e
os dias seguinles para os mais pagamentos ,
que tiverem lugar; advertindo que desta
IVrcisa-se falar com o Sur. Major Ma-
rine/ lves MonterVo na ra da Praia serra-
na de Ca dial.
= Al (iza-se o Armasen), o o 1. e 5. andar
regra (cao livres.OScasos extraordinarios, c,do Sobrado de-t andares da ra do amorini;
urgentes; que os dias de que se trata se de- I a l'alar na ra do \igario D. 12.
vem entender dias uteis e que quando o ex-, Pa.lco o S- Pedro ii,do Ja rua da
pedience operipittir se anteciparo os paga- Vralo D. 5, allugo-se caixdes para Arijos ,
montos, segundo a ordem establecida. jevestem-se os mesmos de qualquer vestua-
Secretara da Tliezouraria da Fazenda de I no- i'om lodoo accio n protnplulo; c igual-
Pernambuco 22 de Marco de 1812.
Joaquim Francisco Bastos,
Quicial Maior.
rs Pela Ailministiagao da Meza do Consu-
lado se faz saber, que no dia 50 do correte
mez se bao de arrematar a porla da mesilla
Administrarn duas caixas de assucar, urna
braneo, e outra mascavado, aprehendidas
pelos respectivos Kmpregados dos Trapiles da
e -Novo por inxaeldao das
mente caixcs para defuiils, o carrogas com
pretos fardados para os mesmos ; e faz-se to-
da a qualidade de armaejao lauto para feslas,
como para actos fnebres : os pretenden tes
dirijo-sc a dita casa que acharad com quem
t radar.
t?- O Sur. que honlern, 25 do cerrente, a
se recolherA procssao do Senlior aos enfer-
mos, levou porengano (se he que o foi) do con-
Cistorio da Matriz da Boa-vista hum chapeo
Companhia e -i\ovo por .
(aras; sendo a arrematado livre de despezas "ovo (le.xar.do um muito yelho, queira tin-
ao arrematante. Meza do Consulado de Per- mesmo ( nsistorio receber o seo c entre-
nambuco 25 de Margo de 18-42. 8ar itl,,cl P0,fi l,,,uv,; (luo,n V,SSJ a ma~
Miguel ArcanjoMonteirod-Andrade. danga das luvas, que eslava no alucio para o
seu velho, por isso se nao quiser ter o dis-
DECI. AB AflAft.
ss 0 Brigue Imperador D. Pedro recebe
a mala para o Bio de Janeiro ( boje 24 ) as
dez horas do da.
sabor de ver o seo nome publicado, faca o que
Ihe consolha por esle presente annuncio.
embacado.
= Christovao Vieira de Mello Pessoa snr.
doengenho Var/.e-Craiide parlecipa ao snr.
Alfares Joo Alves Pragana que deu ordem
em principio de Dezembro do auno lindo ao
seu correspondente na praca de l'ernambuco ,
Joze Antonio Alves da Silva bem condecido
TIIFATBO.
S2J" Sbado 2(5 Anniversario do Juramen-
to da Constituido do Imperio se representa- j deste snr. para satislazer-lhe a Letra que
r a pega Nova O filho do Vi gario ou os havia vencer-se no miado do mesmo mez do
Porque raso o autor dos Annaes deThera-j abrasadores em Paris: leosla lalvez a mais I Dezembro, urna vez que o dito snr. Pragana
excellente peca que se ha representado no exigsse a sua importancia ; e como onofi-
thealro publico. Rematara o espetaculo com | zesso no dia do seu vencimento, e nem pro-
um nielo-drama critico e moral nova compo- curasse a elle Christovao para receber a im-
Sfifio de um Pernanibucano-A inorlo de judas j portancia da referida Letra, previne ao dito
em que representarao dez actores, o qualrojsnr. Pragana ou a quem tiver sido Iraspas-
damas. 0 lim deste drama he a corregao sada a dita Letra que pagara nicamente a
leslias teria conseguido um imenso terreno
na arte de curar mas nao elle quer e pre-
tende ludo curar e nao contente com discr to-
das asenfermidades, para melhor iludir, tem
a coragem para nao diser o despejo de men-
cionar quaes sejo essas enfermidades. Co-
meta logo elle pela tysica como se fora pos-
sivel curar com evacuantes urna tysica bem
caracterisada, e mais abaixo traz a gota o
cancro a pedra ove. dtc. como leudo sido cu-
radas pelas taes pilulas.
Seria intil mostrar a falsidade de tudo is-
to, por quanto ainda nao appareceu remedio
que curasse a tyeica no 2 e 5 o periodo e
nem remedio queisesse desapparecer a gota,
lodos sabem que apenas urna operago cirur-
gica 6 capaz de fazer alguma vez cura de al-
go m carcinoma c islo extrahindo-o mas
qtre nem sempre se consegue resultado feliz
porque o carcinoma se tprna Ue novo for-
mar e a arte 6 impotente. Mas qual o sanc-
peuticade 1841 nao se oceupou em fallar da
grande descoberla do Dr. Brandreth elle
que ath se havia oceupado dos remedios Bra-
sileros ; a monesia e pollinea ; poripje o
dito autor nao fez nicnco da sublime deseo-
hera que vem fazer a maior revolucao pos-
svel as Sciencias Medicas, e destruir todas
a^ bibliotecas de Medicina esentar-se sobre
a ruma de Irabalhos de lanos seculos ? !!
Basta Srs. Redactores ; deixemos a im-
postura e digamos ao pobre e crdulo povo
que taes pilulasem nadadillbrem do remedio
do Leroy, q' taes pilulas s produzem evacua-
coes e que com evacuacoes se nao curo to-
das as enfermidades ; facamos crer que lal
remedio producto do charlatanismo.4 e que o
continuado uso de laes pilulas determina irri-
tac,es de cntestinos, irrilaces, que s os
mdicos podem curar e as pilulas matar.
Pecamos a Sociedade de Medicina que exija
saber a cmposico de taes pilulas como se
laz em Pariz com lodos os remedios secre-
tos a lim deque o abuso nao continu co
charlatanismo nao impere.
Son Srs. Redactores ftc.
Um doutor em Medicina.
A' PEDIDO.
A F. 22,do Livro de Reeeila e Despeza
Provincial (ca debitado o Thezourciro Joo
Manoel Mendes da Cunha e Azevedo no va-
lor de um cont de reis entregues por Felis
Joze Marques Baealho Vigario da Fregue-
zia de Serra Talhada. Importancia que ha-
via recebido para a obra da Capella-mor da
Matriz da mesma Freguezia e que por nao
se ter applicado a mencionada obra nesta
restituio segundo as ordens da Prezidencia.
E para constar se deo este assignado pelo
mesmo Theioureiro, e Escrivo. Tliezou-
raria das Rendas Provinciaes de Pernambuco
em 18 de Fevcreiro de 1842. Joo Cavat-
canle de Mello e Albuqnerque. Evaristo
Mendes da Cimba Azevedo Fiel.
A Y| I S O S D I Y E B S S .
dos maus cosluines. sua importancia sem os juros que a mesma
indigila vencer harendo falla de pagamento ,
logo (pie seja a prese rila da ao dito seu corres-
--------ipondente, ou a elle acceitanle pois que a-
= SalieaJuz o Carapuceiro que apare- 'llu'l,a omisso nascida do snr. Pragana ou
de (piern a esliver possuindo nao ter procura-
do o seu cmbuhjo como era de seu dever e
nao da parte do acceiUnte.
= Os abaixo assignados leudo noticia ,
de (pie o snr. Jo.lo Francisco dos Santos Si-
queira pretende vender o Engendo Pirang ,
silo na Freguezia d'Agoa-i'iela, com marca
do Bio Formozo fazcm scienfe a quem con-
vier, que o mesmo Engenbo foi vendido pelo
finado Joze Mara Callado, ao snr. SiqueM ,
para pagamento dos abaixo assignados da
quanlia de cinco cotilos deis., pouco mais
ou menos ; o que nao leudo sido cumprido
pelo dito snr. Siqueira, hero ajuizar em
cera as (piarlas e sabbados dol. de Abril en
diante. 0 seu programa he o mesmo islo
he; combater os vicios mrmenle os que
nosexpoe'ao ridioulo em um estilo faceto.
Huma vez por outra far sua digresso pelo
vasto paiz da Poltica ; mas quer em um quer
cm outro caso nunca se dirigir a pessoas,
nem se apartar dos principios de subordina-
gao e de ordem. Os seus retractos sero
sempre fantsticos pelo que a ninguem de-
vem oll'ender. Subscreve-se na loja de livros
da Praca da Independencia n. 57 c 58 a
I i600 por quartel, pagos na occasio da subs-
cripto sem oque nao se far entrega do'
prrnie.ro n mero. i dita commarca os berdeiros do dito Callado ,
= OSnr. que annunciou no Diario de 22 do Pff.J^0.0??.^".18 '^_g '"81^^0
corren te a fuga de uni papagaio com corren-
EDITAES.
0 Illm. Snr. Inspector da Tliezouraria da
te ; dirija-se a rua d'Agoas verdes D. 36.
= Previne-se a Thesoureiro da Lotera
do Theatro que nao pague caso saiao premia-
dos os do:is meios Bilheles da 1. parle da 9.
Lotera do Theatro senoao abaixo assignado
por se a el) a re m lirmados pelo mesmo em fren-
te e ao trav/. Jos Joaipiim da Costa.
= Tendo-sedesemcaminhado da algibeira
do abaixo assignado urna letra da quanlia de
200.)000 reis sacada por elle a favor de Mano-
el Ferreira Passos e a vencer-se n ultimo
do corren te mez, deelara-se que nenhum ef-
felo baver no imbolco d'clla por convencao
d'ambas as parles.
= Quem annunciou no Diario de terca
feira 22 do corren te querer comprar urna ou
2 vacas de leitecom bzerros novos queren-
senlenca a seu favor publicada otn audien-
cia de 8 de Marco do corren te anuo : e como
tem de seguir a sua Esecucao cm o referido
Kngenbo Pirang. por se adiar obrigado ao
pagamento ; por isso prolestao desde j por
qualquer venda que fot uta em eontrario ,
sem seren embolsados de loda a quanlia de
principal, juros, e cusas; e para se nao
alegar ignorancia em lempo algum fazem o
presente. Becife 25 de Margo de 1842.
Viuva Costa Filhos.
= Precisa-se de una criada para lodo o
servico de dentro e fora de casa quesaiba
coser, engommare cosinbar na rua doCoi-
legio N. 8, 1-andar.
= Precisa-se de una preta captiva para
servir a una casa de liumciit solleiro na boa
vista rua do Rosario D. 50 junto a Igreja ,
do duas dirja-se a botica de Joo Pereira | casa de venda quem quizer alugar procure
da Silveira rua do Rosario estreiUi.
= O 1. Secretario da Sociedade Thcatral
a Jos Pereira da Alcntara para tradar di/
alugucl da dita escrava.
MUTILADO
.


"'
v^,nv*sffL
riwij ^ijfTJ^gyjj-iwjiiilrT Tiat-ntnrF "ar='= -
4
t*a*.-*%-am*'t 'mu fifi izo*.-.
fr^[^im^,
= Os abaixo assignados previnom o Publi-
co que lendo em data de 12 do crrente ,
passado um crdito da quantia de Rs. 4:001b
a favor de Joze Octaviano Telles de Saldanha ,
para com elle effuctuar qualquer transago t
mencionada quantia, sucede haver-lhe sido
desencaminada a certeira em que o dito Sur.
Saldanha levava o mesmo Crdito, em via-
gem desta para o Rio Formozo ; e por isso os
abaixo assignados previneai que o dito crdi-
to Tica de nenhum efleito e validado alguma
seja em que tompo ou mao possa vir a en-
contrar-se. Pernambuco 21 de Marco de
4812.
Mondes & Oliveira
= P. Aubertin Professor d'Esgrima da
Academia Imperial doBrazil, chegado prxi-
mamente do Rio de Janeiro, onde teve a
honra de ser o professor dos mais distinctos! prego commodo : qncm pretender annuncie.
Brasileiros acha-se establecido nesta Capi- 527" Rap areia preta de Meuron & Compa-
nhia as oitavas as muas libras a 52o rs.,
e as libras a 1*040 rs.: na ra Nova loja de
livros I). 17.
527"' A historia de Carlos Magno ; quem li-
vor anuuncic.
527" 1200alqueiresdesal, medida velha ,
posto na Parahiba a 900 rs., dinheiro avis-
ta : na ra do Cadeia loja de Joze Pires do
Moraes & Companhia.
527" Urna preta que saiba com perfeigo en-
gommar cozinhar e alguma couza coser ,
nao se pora duvida em pagar-so bem: na ra
da Mucdant 142.
527" 70 a 80 enchameis de louro de 25 a
21 palmos de comprido : na ra do Vigario
D. 7.
VENDAS.
S2y Urna morada de casa terrea no bairro
de S. Antonio na ra do Calabouce por
tal, cujos honrados Habitantes se offerece
para dar lices da arte que professa na casa de
sua residencia ruadoRangel l).2i, lado do
uascente primeiro andar, ou em casas parti-
culares : as pessoas que se dignarom aprovei-
lar-se do seu prestimo p'odem procural-o na
referida casa a qualquer hora da manh at o
meio dia cortos do que aeharao no annun-
cianle o mais arden te desojo de preehcher sa-
tisfaloriamentc o lima que se propoo.
|:Cy Troca-se urna excedente casa feita a
moderna com um grande quintal lodo mu-
rado de podra e cal com cacimba por ou-
tra casa que seja no Becife ou em S. Anto-
nio sendo em boa ra embora so ten ha de
repor qualquer quantia : na praga do Corpo
Santo a fallar com Joao Antunes Guimares.
527" Arrenda-se um sitio muilo perto da
praga com casado vivenda bastantes arvo-
iei/os de fructo duasexcedentes baixas pa-
ra capim urna com planlagao de capim e
a ontra propria para hoi talica cacimba de
agoa de beber e outra de agoa do gasto, e lem
no fundo do dito sitio porto de embarque: na
ra velha da Roa vista l). 21.
53T Qualquer pessoa que tonha pratica de
estampara e que se queira empregarem di-
ta occupago ou qualquer menino de idadc
de 14 a 15 anuos que se queira propor
aprender dita occupago, dirija-se a ra es-
treita do Rozario D 20 da parte do norte se-
gundo andar ; asaim como M faz scionte a
qualquer Irmandade ou cncarrogados de
festaa que precisarem de resislos ou oulra
qualquer obra as devem encomendar com
antecedencia para seapromptar, e caso nao
tenha chapas para so mandar azer com
te uipo.
527" Tundo prevenido os Srs. Mendes &
Oliveira de que tinha perdido a abonago (pie
os mesmos Srs. me zenio por carta do 12 do
corente de 4:000c de rois elles annuncia-
ro no Diario de 22 do presente esta perda ,
e eu por prevengan fago este anmincio decla-
rando que nao me serv da mesma abonago.
Joze Oclavano Tulles Saldanha.
537* Precisa-so de urna mulher que tenha
boa conducta, e que sirva para andar com
urna enanca e lamboiu acceita-se para mo-
rar por toda vida: na ra larga do Bozario no
terceiro andar do sobrado q?.o lica por cima
da botica do Sr. Barlhotomeo.
= Os Snrs. Francisco Xavier do Macedo ,
Joao Paulo de Miranda quoiro annunciar
suas moradas ou duigr-se a Alfandega a
fallar com Goncalo Jos da Costa e S Jnior,
para Ihe entregar urnas cartas.
= Em casa dcThomaz Jos da Costa e S,
appareceo um negro bugal que nao sabe di-
zer quem he seo Snr. quem se achar com
dilato queira procural-o pagando as des-
pesas outro sim nao se responsabelisa pela
uga do niesmo.
AVISOS MARTIMOS.
5^" Para Lisboa o Brigue Portuguez S.
Domingos, segu viagera no dia 2G do cr-
renle anda recebe alguma carga e passagei-
ros trata-se com o Capito Manoel Gonsal-
ves Vianna na praga do commercio cu com
o consignatario Thomaz de Aquino Fonseca ,
na ra Nova D. 21.
tsr Para a Baha segu com toda brevida-
de por lor a maior parte de sua carga proni-
pta o bem conhecido Patacho Minerva de q'
Cap. Frcisco Fortunato Pereira da Silva, pa-
ra carga e passageiros trata-se com o mesmo
Capilo ou n escriptorio de Joze Ramos de
Oliveira na ruada Cruz n. 0.
527" Urna preta que Java de sabio engo-
ma e cozinha : na ra larga do Rozario De-
cima 9.
527* Urna mulata boa engommadera co-
zinheira e cose chao, bem parecida, o re-
presunta 25 anuos: na praga da Boa vista bo-
tica doSr. Ignacio.
5sy Urna morada de casa terrea na ra dos
Copiaos a da quina que bota o porto para
a ra do Padre Manoel do Muro : na ra Di-
reita D. 58 defronte da botica do Sr. Peixa.
5^* Dous caixos que forao de venda, com
4 vidros : na ra larga do Bozario venda de-
fronte do beco do peixc frito.
527- Um cvalo novobom carregador : na
ra Nova loja de ferragens D. 18.
527" LTm realejo novo e muito bom que
toca 20 e tantas marchas cada qual mellior ,
todo de mogno e muito rico para ornato de
urna sala e um tanque para banlio do ma-
deira que leva 2 pessoas muito a commodo,
obra muito bem feita e de gosto, ludo por
prego commodo : as 5 ponas D. 54.
527* Urna nog.a coznheira engommade-
ra quilandeira, c lava de sabo : na ra do
Arago casa emque mora Joze Quintino de
Castro Leo.
S27"Lengos protos de boa seda muilo gran-
des pannos linos pretosjde superior quali-
dade chapos francezes e castor tinos ,
chales de seda pretose de cores veos pretos
do lil e ditos brancos, meias de seda de to-
das as qualidadee cores, luvas com dedos e
sem olios ludo por procos rasoaves : na ra
doQueimado D. 15 loja do Carioca & Seto.
7" Urna marqueza uzada composta do no-
vo por proco commodo : na ra estreita do
Rozario D. 25.
tsr Um fronlim de ouro muito bonito ,
por prego commodo : na ra Nova D. 9 em
casa de Joao Cals Ain.
527" l'm panno novo por prego commodo:
na ra da Cadeia loja de Joze Pires de Mora-
es & Companhia.
527* As linissimas chitas da India do novos
padroes : na ra do Cabug loja ote Antonio
Rodrigues da Cruz.
527* Chapeos linos do Chile de aba larga a
8j500 rs. bonets de brirn para homcm e
meninos, bengalas de cana a i rs. cha-
peos do Chile de copa alta a 1 rs. esparti-
Ihosparasonhora a2 rs. chapeos de soda
francezaa G,)io00 rs. lengosde seda preta e
de cores para grvala meias de 'seda preta
para liomem e senhora luvas de polica para
homem a 040 rs. luvas do seda para senho-
ra borzeguins gaspiados para homcm-, 88-
nhora e meninas sapalos do lustro para lio-
mem : na praga da liRlependencia n. 6, 7 o 8.
527* Lm sobrado de 2 andares e soto cor-
rido formando 5 andares para a parlo de de-
traz com inultos commodos para grande
familia, e um grande armazem todo ladri-
Ihado de pedia, e com a vantagem de ter em-
barque a toda hora na porta porisso muito
proprio para qualquer sr. de engenho : a fal-
ges tratado sobre risco o ovara, Pardessus
curso do direilo commercial Azuni direito
martimo Bentham penas e recompensas ,
Ronlay-Paty tratado sobre quebras e banca-
rota a tradugao de Pascoal direito das coti-
zas ; por prego commodo: quem pretender an-
nuncie.
537" Caff moido ; calda de tamarino e
marucuj : na padaria de jManoel Ignacio da
Silva Teixera.
SS7* Vende-se ou troca-se por outros pas-
saros casaes de pombog do todas as coros : na
ra de S. Pedro D 10.
137* Uma preta de angola, engomma, lava
sofrivelmente o he quilandeira : na ra do
Nogueira D. 15.
S3~ Clao fino para bonets dito estreto
para divisa de ofliciaes dito entrelio de su-
perior qualidade chapeos envernisados para
pagem globos dourados ecstrelas para in-
signias de ofliciaes de guarda nacional ; tud
por prego commodo: na praga da lndepen
dencia, n. H loja d Antonio Felippe da Silva"
ESCRAVOS FGIDOS.
C7* Fugio no dia 8 do correnle do engenho
Antas um escravo de nomo Antonio, do
gento Angola mas parece crelo por ter
vindo muito pequeo de 20 a 24 annos, com
officio de alfaiate de que tem calos nos dedos
da thesoura alto secco do tcorpo rosto
caboaa2,00rs. a duz.a genebra de Ho- re(JonJ principiando a barbar, olhos gran-
quahdade, ltimamente Aaeo !,,.m^,aAni[ cn^CD,n^ naB r;
jST* Foijo fradinho muito novo em sacas
a 9j rs. rajado e amarello a 8> rs. : na
ra do Azcile do j>eixe armazem de couros do
Arantes.
. j-j- Urna morada de casa de dous andares
e sotao em chaos proprios cita na ra da
scuzala velha D. 58 cuja venda ser muito
rasoavel ao comprador por so precisar muito
de dinheiro para satisfazer a diversos tjue a
mesma casa tem direito : na ra da Cadeia
velha a fallar com Joao Vaz de Oliveira. *
C7" Urna negra de nago cozinha admi-
ravelmente engomma, taz toda qualidade
de doces, refina bem assucar, e cose chao : na
ra do Livramento D. 19.
SJ7* Urna canoa de conduzir agoa, e um
violo: na ra Augusta casa que faz quina com
o beco do Peixolo.
527* Um garrote proprio para carroga ou
parapaidecurral, muito mango por ser cri-
ado em quintal, vre de morrinha : na ra
de S. Gonsalo casa pegada a Igreja.
537- Urna obra de ouro para pescogo de se-
nhora, vindado Rio de Janeiro muito em
conta : na ruadas Cruzes D. 18.
527* Bichas de muito boa qualidade a pre-
go de 80 a 1(50 rs. trocando-so as que nao
pogarem : na ra do Padre Floriano venda
jnnto ao beco tapado n. 55.
5S7* Vinagre em pipa c quartolas proprio
para conservas a 50 rs. a pida, cerveja bran-
a frasqueira ,. charutos
eaixa : na ra da Cruz
C O M P RAS.
Cr* Um oitante e urnas taboadinhas reque-
sitas inglezas na ra da Cadeia n. 12,de-
ronte"do beco largo.
lar com Joao Henriques da Silva junio ao ar- co D. 1.
lauda de superior
chegada a 6ji400 rs.
da Babia a 800 rs. a
D. 4.
527* Azcitede carrapato a 5,>200 rs. a ca-
ada c em garrafa a 5j520 rs. diio de pcixe
a 8 patacas a caada e em garrafa a 9 ve-
las de espermacete a 140 rs. cada urna e 800
rs. a libra ditas de sebo da Holanda a 60
rs. cada una oa 520 rs. a libra cal bran-
ca do caiar a 7 patacas oalqueire, ese forem
porgo ser por menos farinha de mandio-
ca de boa qualidade a 10,> rs. a saca e a 520
rs. a cuia arroz de casca muito nevo por
prego commodo, cha isson papel do peso em
meias resmas, dito meia holanda bom para
desenho genebra da Holanda, vinho tinto
e branco ; tudo por prego commodo : na Boa
vista no beco do Veras casa que tem lampio
D. 0.
tST Urna morada de casa de pedra e cal,
em chaos proprios, e com terreno muilo bom
para plantagoes na Villa de Ignarass ra
de S. Sebaslio ; e um moloquede 14 anuos,
de nago angola, muilo robusto : no paleo
do ("armo quina da ra de Hurtas I). 1
SS7" Aparelhos zues e de mais cores para
mesa ditos para cha de porcelana doura-
dos azuise esmaltados, mangas de vidro
lapidadas e lisas inglezas frascos de boca lar-
ga de diversos tamanhos bandejas linas imi-
tando Jacaranda em cor aparelhos transpa-
rentes linos campolciras de vidro lapidadas
para doce garrafas pra vinho calis para
hanipanhe ditos para vinho, copos para-
agoa e serveja, e oulras muilus mais fazen-
das por prego commodo : na rita Nova loja
de louga ao p da bolica do Sr. Joaquim Joze
Pinto. i .
527* O resto ds agoada do Brigue Nacional
Leo que con'duzio tropas do Maranho pa-
ra esta Cidade : na ra do Vigario D. 12.
527* Urna porgao de sacos vasios por preco
barato: na fabrica do farinha do atterro da
Boa vista.
527* Superior rap da Baha, igual ao de
Lisboa, por ser foito por um fabricante que
estove na fabrica de Lisboa edito superior
massaroca : no escriptorio da Typograia Im-
parcial na ra do Colegio D. 12, aliangando-
se a sua boa qualidade pela grande ext:ago
que o mesmo rap tem tido.
527" Sacas com farinha de mandioca, por
prego commodo : na ra do Amorim arma-
zem de Machado & Santos.
5.^7* Urna toalha de cacund de bom gosto,
por prego commodo : na ra de Manoel Co-
tes e afumagados supe-se andar nesta Ci-
dade e que deseja sahir para fora da provin-
cia : quemo pegar leve a ra da Cadeia do
BecifeD. 17 loja de Joaquim Domingues de
Souza, ou no dito engenho a seu sr. Joze Joa-
quim de Miranda que ser bem recompen-
sado.
527* Fugio de Bordo do Patacho Beja Flor
um mulato alto secco do corpo, nariz bas-
tante grande ; quem o pegar leve a Firmino
Jos da Hoza que recompensar.
527* No dia 21 do correnle fugio um preto
crelo de nome Nicolao de 22 a 25 anuos,
sapateiro muito regrista secco do corpo ,
e he fulo ; qnem o pegar leve a ra da Cadeia
de S. AnIonio D. 8 que ser gratificado.
527* No dia 18 de Julho de 1840 desapare-
ceo da porta do abaixo assignado um seu es-
cravo de nome Gregorio do gentio de an-
gola do 25 a 25 annos alguma couza bu-
gal r alto e com alguns signaes de bechiga ,
narize boca regular, bonita figura e muito
alegre barba serrada por baixo' do queixo ,
com estas letras entrelagadas ADS no bragq
direito ps c mos pequeas a proporgo do
corpo : quem o pegar leve a ra da Cruz que
receber 100> rs. de gralilicago.
Antonio da Costa Ferrcira.
527* No dia 10 do correnle fugio a preta de
naca congo com vestido de chila trangada,
pao da costa listrado de azul e branco eont
argolas de ouro francez as orelhas, alta, bem
magra e faz-se nova : quem a pegar leve a
ra dos Quarleis loja D. 2 que ser bem re-
| compensado.
MOV1MENTO DO PORTO.-
co de S. Antonio.
537* Urna escrava recolhida de 22 annos
perfeita engommadeira cozioheira e lava-
deira, 6 ditas com habilidades ; urna dita por
200. rs. boa quitandeira urna linda moleca
527" Urna morada de casa terrea no bairro
de S Antonio em boa ra : na pracinha do
Livramento D. 25.
527* Um terreno com duas frentes eum oi-
to de podra ecal urna porgao do lelha e cal
du 14 annos, dous moleqnes de 10e 15annos branca c preta e lijlos madeiras para
sondo! cozinhoiro; 1 pardo oflicial le tanoeiro obra, portas, janelas ja feilas os chaos
sao proprios : emOlirida na ruado S. Joao :
escravos
eseravos
um escravo ptimo cozinbeiro
paia todo o servigo ; e um casal do
com um molcquinhode 5 anuos: na ra de
agoas verdes D. 58.
c-4' Bolaxa a2.) rs. a arroba : na ra Di-
reita padaria D. 10 defronte da venda do fal-
lecido Joze da Penlui.
na ruada son/ala velha venda n. 54 na mes-
ma 4 pipas urquiadasde forro, um porcao
de soblas om reslcas drogadas prximamente
do Porto a 040 rs. o cento.
527* Taxas de ft-rro coado e balido cm bom
sorlimento e allomas ferragens mais para
ytT 5 negnnhas muito espertas esadias engenho : na ra do Vigario D. 7.
e.~> niolequesdedilierentcs tamanhos: na ra 8T Loho direito emphyteutico Carva-
Nova defronte da JfNpi da Couceigao n. 105. !l lio tratado sobre os tombos. Ferreira Bor-
NAV10S ENTRADOS NO DIA 22.
Aracaty 5 dias Sumaca Brasileira Delmira
de 74 tonel. Cap. Joze Joaquim Alves,
equip. 9, carga diversos gneros : a An-
tonio Joaquim de Souza Ribeiro.
Bahia ; 12 dias, Brigue Inglez Graivvelle de
126 tonel. Cap. Augh equip. 9 carga
lastro : a Me. Calmont e Companhia.
SAHIDOS ISO MESMO l'l \.
Ilha de S. Miguel ; Brigue Brasileo Trium-
pho Americano Cap. Alexrande Joze Al-
ves carga assucar.
Canal \ Galiota Hollandeza Jorge Ary. Cap.
S. Post carga assucar.
Trieste ; Brigue" Bremense Hellena Cap.
G. IhldirJ. carga assucar
Ass ; Brigue Brasileiao Sagitario Cap. An-
tonio Jos dos Reis carga lastro do areia
ENTKAD0S NO DIA 25.
Lisboa ; 55 dias, Brigue Portuguez Empre-
hendedor de 240 tonel.', Cap. Ignacio Joze
de Araujo. carga diversos gneros: a Fran-
cisco Severiano Rabel lo.
s MI I mis NO MESMO OA.
| Rio Grande do Sul; Sumaca Brasileira Emi-
liana Cap. Eufrasio Lopes de Araujo, car-
ga diversos gneros.
Para ; Charra Brasileira Amphitrile Com-
mandanlc o Capito Tenente Antonio Joze
Meira.
Genova Brigue Sardo Maria Theresa Cap-
^ Bartholoineo Tiscornio carga assucar.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DEF. =T8i:2


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8GT4LSOE_9VJ12Q INGEST_TIME 2013-04-12T22:19:52Z PACKAGE AA00011611_04497
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES