Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04492


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-u -A 'Vfrr
Anuo de 1842. Quinta Feira 17 de
Todo aforadapawiel a nos) nespios ; d aoiaa prudencia, njoiteraciio, caoerrisi : cqa>-
|( miemos como principiamos, seremos appnladoa cosa adamacfio entre as Nac'ei sis
callas.
(l'roclamac-o da Aasemblea Geral do atasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, ParaiSa, e Rio jranile do Norte, na segunda e sexta feira.
Bonito e Garsnbuns, a 40 e 24.
Cabo, Serinbsem, Rio Formoio, Porto Cairo, Macei, a Alagoas no 1 14, e 21.
Faje 13. Saato Anta, qninta feira. Olinda lodosos dias.
DAS DA SEMANA.
ib Se*. *. Mathildes Rainha. Chano. Aud. do Juitde Direito da 2. vara
45 Tare. s. Ilearique Rei. Ral. Aud. do do juitde Dirailo da 1. vara.
46 Quatl. a. f.iriaco. Chae. Aad. do jais de dircil da 3. rara.
47 Quint. a. Patricio. Aud. do juit de direito da 2. rara.
48 sext. Graliiel Aroanjo. Aud. do Juit de Direito dafl. rata.
49 sa. s. .Tose Esuoro de N. S,
2l) Do. a. Martinho Uoroioiense.
Mar 9 o.
Anuo XVIII. N. 0J.
inaxaassHrsci^?raij
O Diario publica-se todos os diss que n.'io forem Santificados o prefo da asaignatura ha
de tres mil res por quarlel pagos adianladoa. Os annuncios dos assignantei sio inseridos
gratis, eos dos que o nao forera rajo de SO reis por linha. As reclamacoes derrm ser
dirigidas a rstaTypografia ra das CroaesD. 3, oa praca da Independencia lojaa de livros
Nmeros 37 e 3S.
CAMBIOS o da
Cambio obre Londres 2S Ii2 d. p. 1U.
Paris 320 reisp. franco.
.. Lisboa 0 a 85 p. 400 de pr.
OuRo-Moeda de 6,400 V. 41,500a 44.700
N 44.300 a 14,500
. de 4,000 S,10a 8.900
r*T* Pataccs 4,660 a 4,680
16
I1E
M.ingo.
PraTa Peros Cnltimnarrs 4,660a
Meiicanos 4,640 a
ii miuda 4,440 a
Moeda de cobre 3 por 400 de discord.
Disconlo de billi. da Alfandv^-a li j por 400
ao mea.
dem deletrea de boae firmas 4 e Ir i-
4 .6.80
4 .660
4,460
Preamar do ata 47 de Marv.
1.a aa 9 horas e 48 m. da mauk.T.
2. as 9 boras e 42 m. da larde.
PIUSKS DA LOA NO MEZ DE MAROJO.
Qaart. ming. a 3 41 horas e 4 nr. da tarde.
I.ua Nora a 42-- 4 horas e 8 ra. ds manh.
Quart. ores*, s 49 as 8 horss e 28 a. ds tarde.
La chela a 26 -- ni II lloras e 39 m. da manh.
m
baV
DIARIO DE PER NAM BUCO.
PARTE OFFICIAL.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
ACTA n.V 10.* SK8SA" ORDINARIA DA ASSEMBLEA
LEGISLATIVA DE PBRNAMDUCO KM 14 DE
MAUgO DE 1842.
PREZIDENCIA DO SNR. CONS. MACIEL MONTEIRQ.
Feita a chamada achar3o-.se presentes 2i
Srs. Deputados. faltando com participagAo os
Snr. Vieira de Mello, esem ella os Snrs.
Rezerra Cavalcante e Pinto d'Almeida.
O Snr. Presidente declarou aberta a sesso,
foi lida e approvada a acta da sess3o antece-
dente. .- ,
EXPEDIENTE.
Um ofliciodo Secretario do Governo remet-
tendoas informages do Exm. Bispo Dioce-
sano e do Vigario de Serinhaem satisfa-
zendo-se assim a exigencia da Assemblea em
ofliciode 90 do Abril do auno prximo passa-
do. Um requerimento de L. Ignacio Ribei-
ro Roma olTerecendo-se para se cncarregar da
pufclioago dos trabafbos da Assemblea na
prxima futura sesso, sugeitando-se as
mesmas condigesque foro impostas ao pro-
pietario da Typografia do Diario com fdo-
brada multa. Foi approvada a urgencia do
parecer da Commissio de Justica f ivil c cri-
minal sobre o requerimento do Juiz do Di-
reito criminal Manoel Teixeira Poixoto o
dispensada a mprcssAo a pedido do Snr. U-
cha Cavalcante. Discusso do parecer adia-
do da Commissio de ordenados sobre o reque-
rimento do.-, coadjutores das freguesias da Boa
Vista, Santo Antonio, Maranguape o Recife,
que prelendem se Ihes augmente a congrua
de cem a duzentos mil reis, e ficou addiado
pela hora.
ORDEM DO DA.
O Snr. Nabuco requereo a urgencia da lei-
tura do projecto de lei do ornamento e foi a-
poiado e vencido deliberando a Assemblea
que fosse a imprimir o referido Projecto. En-
treu em primeira discussaojo projecto numero
0 deste anno e vindo a mesa um requeri-
mento do Snr. Urbano para que se exigissem
as informages marcadas no 2. do artigo 12
do Acto Addicional, continuando entretanto
a discusso da projecto numero 6 ea Assem-
blea o adoptou, assim como approvou o re-
ferido requerimento. Entrn em primeira
discusso o projecto numero o. O Snr. Fi-
gueralo requereo que icasse adiado o dito
projecto para quando se tratasse da approva-
go definitiva da reforma do Liceo, foi appro-
vada O Snr. Netto requereo que o projec-
to seja submettido Commisso de constitui-
co e poderes para dar o seo parecer, suspen-
sa entretanto a primeira Jiscusso do dito
projecto, foi prejudicado. Entrou em torcei-
ra discusso o projecto numero 22 de 1810.
FOLMITO
ANNA DARCONA (*).
Era nos primeiros dias do outono do an-
no de 1610 a pesar de estar o lempo mui
fri e nublado c de a clin va que tinba ca-
bido toda a noite ter encharcado a trra que
se apresentava por todos os lados um com-
pleto lodassal, havia urna grande influencia
as ras do Ruo que estavam immediatas ao
porto.
Os habitantes daantiga cidade normanda
tinham quasi todos sabido de suas gothieas
babitagdes como nodiaem quo linha vindo
visita-la Henrique IV a convocar os esta-
dos geraes do reino dentro do recinto de seus
muros. Ao observar aquolle inexplicavel
(*) Vid. o* Diarios Ns. 45, 44, 47, 48,
49 51 52, 53, 56, 57 ,59 e 00.
O-Snr. Pereira de Brito requereo, que seja
ouvida a Administrago to Patrimonio dos
orfos licando adiada a Jiscusso foi apoia-
do. Entrou em segunda discusso o projecto
numero 10 de 1811, c foi approvado. por
ter dado a hora o Snr. presidente levantou
a sesso, dando para ordom do dia em pri-
meiro lugar leitura de pareceres e indicages,
e em segundo lugar segunda discusso do
projecto numero 10 de 1841 ; segunda do
numero 2 deste anno; lerceira do numero
35 de 1839, e continuago de posturas de C-
maras.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro,
Presidente.
Jos Felippe de Souza Lefio ,
1. Secretario.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 9 DO CQtBENT?.
OTicio Ao Inspector Geni das obras pu-
blicas, remetiendo copia das Insirucgocs ,
que regem o Commssariado Fiscal da Repar-
tido da Guerra, segundo o havia requisita-
do em seo oflicto des la data.
Dito Ao Promotor Publico da Comarca
de Nazarelh signiicando-lhe em resposta ao
seo oilicio de 7 do crrente que pela circu-
lar de 15 de Janeiro se acba resolvida a du-
vida que suscitou o ex-Prefeito da dita co-
marca a quern somente competa exigir o
nessario ao ervigo .d.9 .Polica mas nunca
decretar penas aos Guardas Nacin aes desta-
cados nem determinar a execugo dellas ao
Teuenle da Guarda Nacional Coiiimandante
do Dcstacamen'o.
Dito Ao Inspector da Thesouraria da Fa-
zenda, communicando haver partecipado o
Director Secretario do Monte Pi dos Servido-
res do Estado, que recebeo a importancia da
letra do Rs. 54i,>484, que foi rcmetlida pelo
Inspector da Tbesouraria da Fazenda da Pro-
vincia da Paraiba, favor do dito Monte Pi,
pertencente a matricula do Fetor conferente
da Alfandega daquella Provincia Silverio da
Costa Cirne.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Santo
A libio dizendo que tendo oCommandante
Geral do Corpo de Polica representado a nc-
cessidade do comparecinienlo no mesmo Cor-
po por espago de tres dias do Coiiimandante
do destacamento d'aquella Comarca Joo
Pacheco Alves cumpre que o manilo a-
presentar ao referido Commandanle Geral.
Dito Ao Commandanle Geral interino do
Corpo de Polica, communicando a expedigo
da ordem precedente em resposta ao seo of-
icio de 8 do corren te em que a requisitava.
Dito Ao inspector interino da Thesoura-
ria das Rendas Provineiaes, para mandar u-
ma relaeo dos devedores das lelras venci-
das no semestre coi rente informando que
providencias se (em dado por aquella The-
sentmenlo de curiosidade impresso em todos
os semblantes era mui fcil conjecturar qu
um motivo mui poderoso tinba feito cada um
desertar de seu tecto domestico e de suas oc-
cupagoes diarias ; mas ao mesmo lempo no-
tava-se urna impresso particular de tristeza
que se mjsturava com a curiosidade ; na fi-
sionoma dos espectadores. Todas as vistas
estavam lixas na direcgo do rio ; todos fazi-
am mil perguntas que nao eram mais que
as variafjoes d'um mesmo thema. Anda nao
chegou:' Nao se ve vir nada ? Em lim aquello
grito esperado com tanta impaciencia Ja
ubi vem resoou entre os espectadores, li-
ma barca empavesada com bandeiras (de ve-
ludo preto com as armas de Franga sobrec.u-
regadas d'uma mitra e semeadas de lagrimas
do prata apareceo no rio e veio amarrar-se
na praia Tiraram della um fretro cuberlo
! igualmeule de um panno de veludo ; 8ie
souraria para a cobranza das mesmas le-
tras.
Dito Ao mesmo ordenando qne re-
melta com urgencia a conta do que se dis-
pondeo pelos Cofres Provineiaes com o barra-
cao, e parle do convento da Solidado quan-
do se determinou que para alli passasse o
Grande Hospital de Caridade para ser pre-
sente Assemblea Legislativa Provincial.
Dito Ao Inspector da Thesouraria da
FaiafMjR parteeipando baver communicado
em oilicio de 14 do corrento o Director Se-
cretario do Monte Pi dos Servidores do Es-
tado, que foi paga a lettra daquanlia de
995jiOI2 res que so lbe romelteo com oili-
cio de 27 de Janeiro.
Dito Ao Commandanle Supperior in-
terino da Guarda Nacional doGoianna, com-
municando em resposta ao seo oilicio de 18 do
mez ultimo, que acompanhou a proposta dos
olliciaes para o segundo Batalbao da mesma
Guarda Nacional, ter approvado a mencio-
nada proposta a qual mandar publicar or-
denando aos propostos que sollicitem as su-
as patentes pela Secretaria da Presidencia
lim de poderem entrar em exercicio.
Dilo Ao Agente da Companbia das Itor-
casde Vapor nesta Cidade significando em
respo&ta aoseooiicio de hontem que par-
tecipa a ebegada da Barca de vapor Pernam-
bucana que pode-a fazer seguir o seo desti-
no depois de completas as 48 horas do costu-
mc.
Exm. e Itm. Snr. Em resposta aos olTi-
cos de V. Ex. Roa, de 28 de Fevereiro e
2 de Marco corren te tem esta Presidencia de
significar V. Ex: Rma. que ella approva
a maneira, por (pie (bro distribuidas as au-
las certa de que a Congregago do Liceo
sob a presidencia de V. Ex. Rma. n;1o deixa-
ria de executar literalmente a reforma se
noporserem anda quasi invenciveis os obs-
tculos a que da lugar o acanhamenlo doe-
dificio, em que se acba o Liceo e queb-
r lodos os esforgns para aproximar-se o mais
possivel da letra da sobredita reforma por
cuja execiic/io lanto se tem V. Ex. Rma. em-
penhado.
Dos Guarde a V. Ex. Rma. Palacio do Go-
verno de Periiambueo 9 de Margo de 1842
Exm. e Rm. Sur. Rom Thomaz de Noronba,
Rispo Hesignatario e Director do Liceo -Rarao
da Boa-vista.
Dito -- Do Secretario da Provincia ao pri-
meiro da Assemblea Legislativa Provincial,
romettendo para ser levada a presenca da
mesma Assemblea a representago do Ins-
pector interino da Thesouraria das Rendas
Provineiaes, na qual expoe as diliculdades,
que se apresentao, para cumplir a exigencia
de remellar as con tas do semestre lindo do
anno correte e dos anteriores depois
de ter enviado o balancete e orcamento do
anno futuro, que em oilicio do 1. deste mez
fretro con tinba os despojos moraos de Car-
los doRourbon arcebispo de Ruo.
Odeo mor com todo o capitulo que tinba
vindo da metropole para rece be r o prelado ,
forarn os primeire-i segundo o costume que
pegaram no corpo e odeposeram ao p da
barreira junto a cruz de Saint-Ouen onde
se achava o prior deste mosteiro com lodos os
1 demais religiosos a fim de receberem a seu
: turno o corpo do arcebispo e pralicarem para
! com elle pela ultima vez os sagrados deve-
! res da hospitalidade. Assim que os conegos
entregaram o fretro aos religiosos o acom-
panhamento se poz em m.trcba para a ab-
Imdia de Saint-Ouen onde licou depositado o
corpo.
Entaosuccedi-oaosileuno da muiliilo quo
se linha alvorocado para ver pasar o cortejo,
o murmurio de mil differenlOS considera-
CM.
A\
se lbe enderegou para ser prsenle a menciO_ %
nada Assemblea.
dem do da 10.
Oilicio Ao Engeiihoiro em Chefe L. L.
Vautbier, ordenando que remella a nota da
(pianlia precisa para o andamento das obras
de que est encarregado a fim de poder a
Presidencia deliberar a respeito do quo elle
requesila em seu oilicio de hontem.
Rito Ao Administrador Fiscal das obras
publicas parteeipando ter indelerido o re-
querimenlo do arrematante doquarlo lan-
0 da estrada do Pao do Albo Francisco Xa-
vier de Miranda em que pedia prorogagao
do praz.o que lbe foi concedido para finali-
zar a obra ; e ordenando-lbe que no caso
de nao ter anda recebido a multa que foi
imposta ao mencionado arrematante, ba-
ja de remelter os precisos documentos ao
Procurador Tiscal das Remlas Provineiaes
lim de que este faga ell'ectiva a referida
mulla.
Ditos Ao Engenhciro em chefe L. L.
Vautbier, cao Inspector Geral das obras pu-
blicas, conimiincasdo o conleudo no oilicio
antecedente.
Dito Ao Commandanle das Armas, trans-
intlindo-llie o requerimento do Cidadfio Jo-
s Victorino de Lomos, em que olfeivee para
assenlar praga voluntariamente no Batalhao
Provisoriodesla Provincia aseo filho Fran-
cisco ile Lemos Duajte lim deque fofa
ellecliva a mencionada offerta, logo que pelo
referido Cidadao lbe for elle apresenlado. ,
Dito- Ao Cidadao Jos Victorino de Lanos,
dizendo que havendo a Presidencia Aceitado
ooficrecimenlo que fez, de seo filho Francis-
co de Lemos Duarto, para assenlar praga
voluntaria no Ratalbo provisorio desla Pro-
vincia cumpre, que oapresente aoComnian-
dante das Armas para se fazer fivcliva a
praga e Iouvando-o pelo patriotismo (pie
manifesta em siniilhante procedimenlo.
Dilo Ao Eogenheiro em chefe L. L.
Vautbier significando em resposta ao seo of-
licio de hontem datado, em que partecipa o
enibarago que poe o Senhor do Enge-
nho Rujari lirada do pedregulbo ,
com que se deve cobrir a estrada do mes-
mo nnnic, que nenhum lugar devo ter essa
opposigo, nem apreleudida indemtiisacao
prgvia, por qiiauto nao se devendo pagar na
forma da Lei Provincial numero 9 o valor do
material mas s o damno que por ventura
possa causara siiaextragio he claro que 6
depois de lirada a pedra se pode conhecer o
supposlo damno ; e ordenando-lbe em conse-
queueia que mande proseguir na tirada da
pedra para a dita obra.
DitoAo Inspector do Arsenal de Mari-
nha, disendo que para poder a Presidencia
cumpriro que lbe foi determinado em Aviso
de 12 de r'evereiro ultimo expedido pela
Veja dizia um ; ja est de volla para
a sua diocese este formoso prelado que b.i
tido por bem abandonar-nos por lano tempo.
Por a cruz do Cbrislo dizia outro ,
parece que nao temos perdido milito com
a morte deste arcebispo pois falla-se bas-
tante a seu respcilo : dizeni quo durante de-
sasseis anuos que oceupou o arcebispado de
Ruo nao celebrou urna s vez o santo sacri-
ficio da missa nem se quer pregn um ser-
niiio. Que conduela para um prelado parc-
co (jue tinba feilo algum pacto com o dial>o.
Jess Dos uieu iizestes bem em
leva-lo disse urna velba sempre CU pro-
nostiquei mal deste arcebispo desde a sua
entrada em RufiO onde solleiras e casadas
nao tinham olhosseno para elle.
Oquec.iusoua queda do anjo das trovas
fui a formesura.
Edepois destes romenlarios iudividuacs


Secretaria de Estado dos Negocios da Man-
iiha niister se faz, que elle informe com a
maior urgencia sobre o estado do Farol da
barra desla Cidade, bem como arespeito de
tudas as obras nao s relativas aodito Arsenal
e escavacao do Porto mas tamben quaes-
quer Embarcaces, que se achem no Esta-
leiro.
Ut0 ;\o Inspector Geral das obras pu-
blicas, para marcar a Jos Joaquina Biserra
(avaluante .uc exige ndemnisaQo previa
pela porgao do sitio, em que passa a estrada
da Magdalena oitodias para que aprsente
os seos ttulos, nos quaes se nao contenba a
obrigaco de dar estradas para a serventa pu-
blica edcterminando-llie que se assiin o
nao lizer o ditb Jos Joaquim ueste improro-
gavel termo, proceda do aperfeicoanjepto da
estrada sem embargo da reclamacfto do mes-
ar Biserra, a qual stem lugar na forma d,|.
aflige 13 da Lei Provincial n. 9.
Dito Ao Chele interino da Legio da
Guarda Nacional do Municipio de Olinda de-
terminando que expela assuas ordens pa-
ra que urna Guarda de honra do primer
transmiti certificando a V. S. que foro
remedidas as informacoes dos VigariosdeJJn-
e Sernhaem ; assiin como a participadlo
lia
,.,a Ao lente Coronel Com-
odante do Batalho Provisorio mandando
excluir com guia de passagem para o Depozi-
sw-sTinstadTi3Ts^rt"fc-i^ >>dzad0 (la 5-Cmpanhia ManelC'"
matfo, que 17 de Abril dejgll tfnha re Jj-^ ^^^ do Deposito ,
pedido aCamaraMuiHcipaldoltiotormoso,, passagcin o
cuja distancia n4o ^^^rS^SSi 3 ^ mencLado na precedenle Portara,
ordem ltimamente exped.da era Uo *rto ^ Aq mesmo ^ man(|ando eK,ur Cm
espado. Dos GuardeaV..
Provincia de Pernambuco 10 de Margo de 1842 -
Hm. Snr.-Dr. ose Pilippe deSouza Leal,
1. Secretario da Assemblea Legislativa Pro-
vincial -- Casimiro de Se na Madureira.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE
1)0 DA 5.
OOiciO AoExm. Presidente, procuran-
do saber como devia considerar o Teen te
Jo.o Marinho CaValcahte de Albuqucrque a
pouco rccolhido da Provincia do Maranhao,
onde se achava em servido.
Dito Ao Exm. Prezidente, Comman-
. dante das Armas da Provincia do Cear a-
o radceendo-lhe a remessa que Ihclizerado
Batalho da Guarda .Nacional da Legio do
seo Commando apresente-Se em a tarde do
da lodo frrente na trente da Igreja de S.
Joao daquella Cidade, a lim de acotnpanliar
ii procisso do Sur. Bom Je/.us .os Martirios
que a respectiva irmandade pretende fazer em
o referido dia.
Dito Do Secretario da Provincia ao pri-
meiroda Assemblea Legislativa Provincial ,
remetiendo para severa presentes a mesma
Asamblea, e por ella lomadas em eonside-
racio as re pesen tacaos do Vigario da 1* re-
Discurso pronunciado n'abertara d'Assem-
l.lea Provincial a 10 de Setembro do anuo
lindo.
Dito Ao Exm. Commandanle das Ar-
mas da Provincia do Para acensando recebi-
da a guiado soldado invalido nlonio Rodri-
gues 2. que acompanliara o sen ollicio de
14 de Janeiro ultimo.
Dito Ao Exm. Commandanle das Ar-
mas da Provincia do Maranhao significan-
do-llie em resposta ao sen Ollicio de 11) de
muito Ihe agradeca a
Dita Ao mesmo mandando excluir com
guia, ao 1. cadete dol. Batalho de cassa-
dores Carlos Frederico d'Alvclos Goes de
Brito, que tinha de seguir para a Corte no
Vapor Bahiana com destino a servir no Sul,
devendo enviar urna guia a Secretaria Militar ,
al as 10 horas da manila do dia 7.
Dita__Ao Tenente coronel commandan-
te do Batalho Provisorio, remettendo-lheo
(oneellio dVeriguaco Jeito ao 2. Sargento
Manoel Alexandrino d'Aibuquerque Pita e
mandando que elle fbsse reconherido 2. ca-
dete na forma do Decreto de 4 de rcvereiro
de 1820, e Proviso de 26 de Outubro do
niesmoanno, cujas disposices prehenchera.
Dla__ Ao mesmo, mandando excluir o
2. cadete Antonio Generoso da Silva do 5.
Batalho de cassadores que linha de seguir
para a Corte no Vapor Baldara com destino
a encorporar-se ao sen Bata [bao no Exereilo
do P.io Grande do Sul devendo SUa guia ser
enviada a Secretaria Militar.
Dita Ao mesmo, mandando, em cum-
plimento d'Ordens Soberanas, communica-
dnsem ollicio da Presidencia datado de 25 de
rcvereiro ultimo excluir do Batalho a 40
pravas que devio embarcar |>ara a Corte no
Vapor Bahiana devendo o embarque ellec-
luar-se no caes de Palacio pelas (i horas da
manl.a do dia 7 0 as guias serem com an-
tecedencia remeltidas a Secretaria Militar,
wu ,.;,-..u ..- Fevereiro lindo, que
B2a d, lUrac Vlaeido Antonio da Sil- cointin.cacao que "^^U"(Z
Illm. Su. O Exm. Sr. Presidente desla lo a prestar toda a cooperado para hom anda-
Provine ia manda satisfaser a requisico da
Assemblea Legislativa Provincial com as 15
copias inclusas das quaes se ve, que por at-
lender aosinteressesda Nac^O sem prejudicar,
iieir. lcveiiienie, Pi ovinci.i mandn elle passar
ment do publico servido cooperado que
lhe retribua de igual sortc.
Dito Ao Inspector da Thezouraria pa-
ra mandar pagar ao Thezoureiro da Irmanda-
de de N. S. da Concedo dos Militaros a qnan-
lemporanamente para o barradlo da Solidado, lia de 25,600 rs. ^f1^
que Ib. sempre ura estahelecimcnto militar | f^^J^J^J^SfiJ^
e para urna parte do convento que tora
rendada a respectiva Irmandade, o Hospital
Regimenlal e as pracas do Deposito em
consequencia de nao ler a Admnistraqo dos
orftos encelado o Estabelecimenlodo Collegio
para que lhe forao (loadas as bemfeitorias, em
que a Provincia despender 0:850.995'reis ,
oque desla despesa mandn indemnisar o co-.
lie Provincial pelos Oeraes por entender ,
que sem esta indemnisaco nao podia a Presi-
dencia dar apptieacfto alguma a aquellas beni-
feitorias, as quaes nicamente he, que tem
a Provincia di,vito por ser barraco pro-
n. de pracas falccidas no mez de Fevereiro
ultimo.
Dito Ao Vice-Prezidente da Me/a Re-
gedora da Irmandade da Concedo dos Milita
res, communicando-lhe o ex posto no ollicio
precedente, com o que (cava respondido o seu
que tractavade semelhante objeclo.
Dito Ao Inspector do Arcenal de Mari-
nha rogando-lhe houvessc de mandar trans-
portar para bordo da Charra Carioca o 1
cadete Augusto Leal Ferreira, que seguia
na mesma Charra para a Corte.
Dito Ao mesmo, para que tivesse a bon-
dia 7 do crreme, nma aivarenga pain u iir ,_
de Palacio, a lim de receber e transportar ^^fi"^^ Tribunal do lhe,ou.oo pre-
para bordo do Vapor Bahiana 42 pracas,
prio nacional, e a parle do convento cujo da.Je de mandar pelas 6 horas da manba do
alrendamento l.avia expirado, da pbsse da da 7 do corrente urna alvarenga para o caes
Irmandade da Solidada quem a'lhesou-
raria da Fazenda tem de pagar o alugner. O ,
que tudun.andaomes.no Snr. Presidente par- que segu.ao para o Riode Janeiro
ecipar a V. S. para o fazer presente a mesma Dito Ao (.ommandante da companh a
Assemblea de Guardas Nacionaes destacada, naCidadc
Dos Guarde a V. S. Secretaria da Provin- de Goianna devolvendo-.e os papis de con-
cia de Pernambuco 10 de Marco de. 1842- tabilidadc da companlua, para que fossem re-
lllm.Snr.DoutorJoseFilippede Souza Leao formados no sentido, que se.Hn"{*
primeiro Secretario da Assemblea Legislativa Ido-- Ao Pre fe, o interno da Com na,
Provincial, Casimiro de Sena Madu.eira. doRec.fe dizendo-lhe que em vista do
Illm. Sur.- Em resposta ao ollicio, que iOlheio de hontem recebido mandan poi
V.S. me dirigi com data de boje, manda o n liberdade orenla Nemezio 1 ere.ra de
Exm. Snr. Presidente declarar V. S. para o ; Lira que se achava em custodia por isso
fazer presente Assemblea Legislativa Pro- ; que asseverava ser lill.o umeo de l.avrador e
vincial, queaexigenoaleitaemolciodcLiide Paes velhos o que taobe.n recebera e
de Abril doannopaasado, de informacfles den destino ao desertor Joze Cavalcante, do
respeito de Eleicdes Parochiaes, a mesma 3. Batalho d'Artilbena mencionado noseu
de que fallou o ollicio de V. S. de T. do corien- ollicio de 4
te, pedindo documentos relativos eleigo D.to- Ao mesmo d.zendo-lhe, que ,-
primaria do Kio Formas,,, do qual S. Ex. dh. entregar a Po-'tador ^os^vms^.eMat,.-
mandn no dia
ressei a
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE Do DIA 5 DO C6ttRENTE.
OllicioAo Exm. Sr. Visconde d'Abran-
tes Presidente do Tribunal o Thesouro
Publico Nacional participando que em 8 de
Outubro de 1840 havia levado ao conhecimen-
to do mesmo Tribunal, que deixava da mes-
ma data em diante, de enviar os balancos
mensaes resumidos da Reeeita e Dispesa
Geral em quanto mo recebesse novas ordens
a respeito ; por que havendo a ordem de 18
de Janeiro de 1857 exigido estes Balancos,
em consequeiua da demora que sempre ha-
via na remessa dos Balancos explicados pa-
reca que tendodesapparecido este motivse
faziao desnecessarios : porem que em cum-
primenlo Ja ordem de 29 de Janeiro proxi
mu pastado-, d'ora em diante seriao pontu-
almenterenieltidos.
DitoAo Exm. Sr. Baraoda Boa-vista Pre-
sidente da Provincia pedindo se dignasse
HIO ,'01 rilOSO UU iJU"l -' '......-.....i- r ,. .
lia 4 dar a resposta, que ende- cula da Guarda Nacional desto Municipio,
conforme a copia que lhe l requisitados em ollicio de 3.
ceden te ollicio.
DitoAoSr. Prefeitoda Commarca do Ca-
bo rogando seservisse de mandar allixar nos
lugares mais pblicos da sua Commarca os
Editaesque se lhe envin sobre as notas de
5. rs. de chapa falsa que apparecerao na
circulc&o.
Iguaes o'.cios forao dirigidos a todos os
mais Sis. Prefeitos da Provincia.
Porta. iaAoSr. Collector de Diversas Deu-
das do Municipio de Olinda remelt-ndo pa-
ra sua inteligencia lies exempla.es do R-
diial cu que se publicou a ordem do Tribu-
nal do Tbesouro Publico Nacional de 24 de
Dezemhro prximo passado e o resultado do
exame as Notas de 5,> rs. de chapa falsa ,
que apparecero na circulago.
Jguaes Portaras forao-dirigidas a todos os
mais Srs. Collectores da Provincia.
dem do da 6.
OlTici__Ao Sr. Inspector Interino da The-
I55
souraria Provincial participando car au-
ahorisado o Thesoureiro desla para entregar
ao d'aquella como requisito,! em SOU ollicio
do i. do correte aquantia de 12:500. rs.
da prestagao do presente mez.
dem do da 7.
DitoAo Exm. Sr. Visconde d'Abranles ,
Presidente do Tribunal do Thesouro Publi-
co Nacional participando, que foro entre-
gues na Thesouraria por Joaquim Peixolo
Guimares Commandante do Paquete de Va-
por Bahiana dous caixotes lacrados com
as Armas Nacionaes, e com letreiros pela cai-
xa da Ainortisaco un para a Thesouraria
da Parahiba, e outro para a do Rio Grande
do Norte, os quaes conforme a ordem do
Tribunal do Thesouro de 5 de Fevereiro pr-
ximo lindo e as facturas e conhecimentos
que acompanhara devio conter a quanlia de
2t:000tf rs. e que serio remettidos s ditas
Provincias na 1. occasio opportuna.
Dito Ao Exm. Sur. Baro da Boavista ,
Presidente da Provincia pedindo se dignasse
transmillir ao Tribunal do Thesouro o prece-
dente ollicio.
Diloao mesmo Exm. Sr. Presdeme da
Provincia informando o requerniento de Jo-
s Pereira Vianna em que pedio por afora-
mento o terreno alagado na ra de. Apollo do
bairro.do Reoife, que existe nos fundos do
de n. 116 j medido, al a direccao do caes
projectado.
DitoaoSr. Tenente Coronel Commandante
das Armas da Provincia remetiendo a F de
ollicio do CapitaoJoao Pedro de AraujoeA-
guiar que requiaitou em 28 do passado.
IDKM DO DIA 8.
Dito ao Exm. Sr. Presidente da Provincia
do Cear agradeceudo a remessa do exem-
plar do Discurso, que em 10 de Setembro ul-
timo, recilou por occasio da abertura da As-
semblea Legislativa d'aquella Provincia.
DitoaoSr. Inspector da Alfandega, rever-
tendoo Livro, que havia remettido para ser
rubricado.
dem do da 9.
Dtoao mesmo Sr. Inspector enviando por
copia para lhe dar cxecuQo a Ordem do
Tribunal co Thezouro Publico Nacional de 12
de Janeiro deste anuo que dissolveu a duvi-
da que se oflerecia na execugo da de 28 do
i"ual mez do anuo prximo passado relativa a
restituicao mandada fazer aos negociantes
Me. Calmont & Companhia.
Dito ao Revendo Sr. Reitor do Seminario
de Olinda disendo que nao se podendo con-
cluir na Contadura da Thezouraria oajusta-
menlo das conlas da 4. e 5. Loteras do dito
Seminario, das quaes forao Thezoureiro Joao
Martina Rbeiro e Escrvo o Reverendo Fr.
Miguel Joaquim Pegado por falla de Lvros
daescripluracao dos bilhetes premiados, que
dizem dever existir em seu poder pedia re-
etesse coma brevidade possivel ditos l-
vros com os planos das mesmas Loteras.
IDKM DO DIA U).
Dito -- Ao Exm. Snr. Visconde dAbiumles,
Presidente do Tribunal do Thesouro Publico
Nacional com o Balanco da Receila e Des-
peza da Thezouraria do me/, de Fevereiro
prximo lindo e o das Rendas applicadas ao
resgate do papel, e do rcndimenlo de um por
cento de arraaaenagem addicionai pertenecntes
ao mesmo mez.
Dito Ao Exm. Snr. Baro da Boavista,
logo se seguiram as aecusaees mais graves
8 t os eptetos de impo e oulras semeihan-
tes comecavam j a circular ; quando um ho- j
mem bastante Idoso vestido de pelo ecu-,
jo rosto manifestava tristeza no meo do ge-
VjI sentimento de indignadlo, (jue acahava
de'succeder curiosidade, exelamou com nio
modo.
Sois mu pouco caritativos Pin fallar
assim d'um homem ao qual nem sequerco-
irhcccis, o mui impios em vos atrever a blas-
femar do nome do vosso arcebispo !
E vos sois muito atrevido responde,!
outro individuo para o'usar dcfende-lo. Quem
sjs vos para, isso ?
Eu respondeoo velho ; cu naosou mais
que uni dos seus criados j porm cu seria
mui ingrato e mu vil se nao fallasse assiin ,
poaquella que estis condemnando foi para
mim o mclhor dos amos, e no espaco de de-
zasseis annos que estivo no sen servico na-
da vi na sua conducta nem as Bas menores
acedes que possa justificar as censuras com
que nao temis vitupera-io. Nao era rico ,
poderoso e nao eslava car regado de honras .
quando deixou Buo para nao tornar a en-
trar vivo ? 0 defunlo rr seu irmo, que Dos
lenha em Gloria nao lhe ha mostrado al
ao seu ultimo momento sempre o mesmo fa-
vor
Presidente da Provincia pedindo houvcsse de
Iransiniltir ao Tribunal do Thesouro o pre-
cedente Ollicio. -
Dito -- Ao Snr. Inspector da Alfandega ,
participando ter a Thesouraria em visla do
OiOoio de 8 do correle, e dos documentos
que o acompanhra relativos a apprehensao
feita em um caixao de fasendas pertencente a
Joaquim l-rancisco de Meirelles; que lira
embarcar sem despacho da mesa do ConsuJa-
. Meo amo a ludo podia aspirar e tudo
renuncin: sao isto accoesde um homeinmo.
Eslevelhp tem razo, disseram algu-
nas 'wssoas de eiilre o poVO ; mas por (pie
i seria que o nosso arcebispo esleve sempre a-
! parlado da sua diocese !
Isso um segredo que s Dos e elle o
sabe.- Eu tambem poderia perguntar-vos
porque meu amo se punha tao trisle quando
fallavam diante-delle sobreest particular,
c porque passava dias inteiros absorto em li-
ma sombra tristeza e com os olhos titos no
seu annel pastoral. Sabis, vos que o es-
tis acensando quando meu amo mostrou
maior alegra!1
Pois foi quando lhe annunciaram que o seu
lim eslava perto ; eutflo se soi rio como aquel-
lo a quem se d nina feliz noticia e excla-
moll : em lim ven podar tornar a Ruao.
E'extraor(linarioislo,murn.urou o-povo.
E ningiiem disseram varias oulras
pessoas ; niuguem lem sabido al boje o
motivo que leve o arcebispo para obrar dessa
maneira ?
__ Sim responden o criado do arcebispo,
um homem o soube foi o re do Franca o
qnalj nao existe.
llouve nm momento de silencio entre o
criado e os seus interlocutores em quanto a-
quelle dizia com sigo mesmo : outro oadvi-
nhou mas saber-se-ha calar.
Neste pOHto um marinheiro que tinha o-
Ihado para o dito creado com muita alten-
cao, se aproximo delle e lhe disse :
_.As voseas leicoes nao me sao desconhe-
cidas nos nos temos visto em eutro lempo,
se me nao engao. Nao vos chamaes Joao
Claudio?
Ha dezasses annos responden e"io
ehamavam-me Joao Claudio o barqueiro.
Nao ha duvda fomus antigos cama-
radas mas vs lizestes muito bem em dci-
xar o mar pois que os tempos est) mui n,aos
e o ollicio que eseolhestes vale mais que o nos-
so : ha grandes prove tos,, no servico dos po-
derosos ; estou seguro que. sois agora neo.
E' verdade, meu amo me fez rico, re: -
pondeu Joao Claudio com expiesso concn
trada e quero passar o reslu de meus das
em rogar a Dos por elle j e depois acresceu-
tou em voz baisa Dos me perdoou- a muw.

.


...li.
do confirmado a deciso que dera julgando
improcedente dita apprehenso.
Tendo nsdecididodaraonossoDiarioaquel-
la unil'ormidadeque todoojorual na parte polti-
ca deve rigorosamente conservar ; publicando
somonte em nossas columnas artigos polticos
ou nossos, ou que vo de accordo com as nos-
sas opinies tildas de nossa convicgo ; en-
tendemos que se nao compadece com este pla-
no a publicago de doutrinas contrarias s
nossas ; porque seria isto nada menos do que
destruir os meios que em pregamos por alcan-
zar o lini que nos propomos; e consentir
que no recinto de nossas opcages se intro-
(lu/.a o inimigo que procura ou combate-las
ou estorva-las. A opposigo tem un peridi-
co e urna typograplu que se proclamo dcllu,
nao podem por tanto queixar-se de falla de
muios de publicago que a exigi-la de nos
seria pedir-nos mais urna arma para nos fica-
rcm superiores. Julgainos tur satisloilo a
quem possa ter in torease nesta nossa de-
clarago.
COMMUiNlCADO.
A le da reporta do cdigo do processo t
E A UPPOSIQAO.
Emquanto os homens mais eminentes da
sociedado Brasileira promovio as Cmaras
Legislativas os melhoramenlos do Paiz em
quantoos Anciaosda Patria esgotavo no Se-
nado do Imperio tuda sua prudencia, para
eonfecgodeuma Le, que salvasse a Nago
dos vrtices da demogagia, e reprimisseo
desenvolvimento das tendencias criminosas ,
urna minoriasemeonceito, e possuidade prin-
cipios Peprovados pela populago Ilustrada ba-
ralliava todas as ideias e bradava contra es-
sa Lei com um furor inqualilicavel. Venda
porem baldados todos os seos esforgos pois
que o bom senso Nacional aplauda esse mes-
mo acto que tanto desafiara os seus furores,
relirou-so uuvergonliadadas discusses que
nao podera sustentar e dexou passar mo
grado seo a Lei da reforma do Cdigo que
tinba de diminuir sua influencia e acabar
com o seo imperio mas assim derrotada es-
sa minora nao esmoreceo de todo ; appellou
para o lempo da execugo da referida Le, e
agora que ella ebega ei-Ia de novo em cam-
po. Em venlade a opposigo que ora se faz
eitralguns pontos do Brazil e mesmo n'esta
Provincia Lei da reforma do Cdigo cabal-
mente manifesta que a minora imperceptivel
que votou contra ella no Corpo Legislativo
contina a hostiliza-la e por urna maneira
indecorosa. Com elleito se consultrnosos he-
los elles nos estao dizeudo quu a opposi-
gao quu presentemente se maneja eiilium de-
coro tem cantes lie dirigida com llagrante
violago de todas as rearas da decencia. Em
nutro lempo os opposicionisUs de urna Lei ,
e mesmo do um Governo exibio principios ,
allegavo doutrinas combatio com o racio-
cinio para obterem oseo triumlb; a opposi-
gao de boje |K)rem be toda superficial nada
e valioso allega, e quaudo inuito produz he
urna representacao impregnada do vocabulos
obsoletos, lidiados e insultantes qual a
que dirigi a Assemblea Provincial de S Pau-
lo so Coverno Supremo. Ora sendo esta a
conducta da opposigo actual he natural ,
que ella procure desconceituar a Lei da refor-
ma do Cdigo urna vez que nao leve capa-
cidade de combate-la victoriosamente as C-
maras Legislativas e he isto o que justa-
mente tem feito e de prsenle val fa/.endo.
Nao he outro por tanto o proposito da opposi-
gao de hoje seno desacreditar ussa Lei ,
^Drna-la odiosa aos olhos da Nago, e d'est'ar-
to embaragar a sua execugo. Quanto porem
nao he mizeravHl e indecoroso este plano dos
opposicionistas Homens que assim pensacs,
nao vedes vos que com este sistema daos urna
provadevossa nullidade e da nulldade de
vossa causa ? Nao conheceis que por esta
forma vos tornaes perigosos ao socego publi-
co e atrahigoaes a l>oa fe da sociedade, a que
pertcnceis ? Nao sabis que o primeiro dever
do Cidadao he respeitar as Leis do seu Paiz ,
e recominendar a todos a sua obediencia ? !
Allegaos que essa Lei he do Cdigo de Draco e que por isso deveis de-
zacredta-la ; mas dizei-nos quanto sangue j
fez ella derramar na trra da Patria ? Quan-
tos innocentes j fez subir ao cadafalgo ? Oh
que ella he de sangue porque vos j nao po-
dereis mais ter os vossos guarda-costas por
que vos nao ser possivel mandar fazer vossa
mortezinba porque os vossos agentes j nao
vir'5 a praga publica procurar victimas para
saciar vossa vinganga, porque emlim nao dor-
miris mais em leilos dourados comprados
com o suor do pobre. Por todo islo he que
a apellidaos como Lei de sangue e copiada
do Cdigo de Draco. Nos porem diremos ,
que verdaderamente sanguinaria era cssa
Lei que vos dava o direto de matar impu-
nemente que vos fazia contar com a protec-
go no julgamentode vossos crimes que vos
f.icullava poderdes dizerao Coverno Eu
zombo do vossa impotencia que finalmente
patrocinava vossos dbelos o maldades, e que
deixavao Cidadao honesto, o homem laboro
so sem um abrigo contra vossa prepotencia.
Esta sim era sanguinaria e s ella vos po-
deria agradar. .
Allegaos mais que a Lei de cuja defeza a
tal que tratamos passara a galope no Cor-
po Legislativo, e nao ti vera a devida discu-
go. Oh quanto sois nescios Nao sabis
que os Jomaos da Corte correm por todo o lm*
perio e que desmonten) solemnemente esta
vossa asscrgo ? Pensis acaso que o Bra-
zil todo nao sabe que esta Lei tivera lenta ,
c demasiada discusso na salla dos Ancios ,
e que pela mesma passara na Cmara quatrie-
nal ? Alguns de vos nao fazeis parte do Cor-
po Legislativo ? E porque nao apareceo um
s raciocinio vosso, que convencesso a Nago
dos defeitos d'essa Lei '! Ah que a vossa ha-
bilidade e poder scientifico sse limita a
falcilicar os fados ?
Allegaes anda que ella deo ao Governo urna
Magistratura sua como lim do poder elle o-
primirosCidados ; porem dizeme que tal
foi o procedimento dos Magistrados do Povo .
durante o tompo qne exercero a Polica ? !
Nao foro mu tos d'elles os assassinos mais
tem veis os despotas mais formidaveis que
o Paiz tem lido ? Oh que sim se o queris
saber, bid, como nos poresses Serles,
e perguntai s viuvas dos assassinados por
seus maridos e ellas vos respondero que o
Juiz de paz Kuo e Fuoos mandn matar.
Como pois clamaos contra a nova Magistratu-
ra que nenhum mal ainda vos tem cauza-
do ? Vos, que vos dizeis to versados na
sciencia administrativa deveis saber mui
bem que o Coverno, melhor que o Povo ,
conhoce as capacidades e (pie por isso a sna
escolba seinpre be te i la com mais acert. Es-
ta assorgo lie ilba da experiencia ; se a no-
bardos he por capricho. Se queris sabor das
boas intenccs do Governo e conbecer o Pa-
triotismo que o anima, lede o seo Begula-
mento e ento admirareis a sua franqueza ,
o vosenvergonliarois de vossos terrores. Bem
podera elle alargar mais o seu poder porem
o que fez foi. Jangar cadeias a si mesmo, pres-
crevendo formulas que o irnpossibililassem a
toilo o tempo de por si ou seus Agentes o-J
primir os Cidados.
Allegaos finalmente que a Lei conecdoo o
varejo c que por esta forma facultou a viola-
gao dasylo domestico, mas comparai esse
artigo d'ella com o do Cdigo que trata do
tnesmo assumpto e apenas adiareis huma
alterado, que vem a ser nao exigir ella
que se faga mengo no mandado de busca
do nomee depoimentode qualquer testemu-
nha sendo ludo mais conforme com a Legisla-
go anterior porem nao vedes que esta alte-
rado nada conten que possa ameagar a liber-
dade individual, e a paz domestica dos Cida-
dados honestos ? Nao conheceis que ella
tem por Pim habilitar a Polica para soccor-
rer com mais promptido a esses mesmos Ci-
dados, que forem offendidos em suas pes-
soas ou direitos ? A que vem desacredta-
la, porque nao fez necessaria a desgnago do
nome e depoimento de urna lestemunba em
um mandado de busca doixando no entanto
em vigor ludo o mais que no Cdigo se acha a
este respeilo decretado ? !
Oh quanto sois injustos e cobardes homens
da opposiro !
Terminaremos este artigo declarando aos
opposicionistas que se a Lei he m, como el-
les dizem appellem para as urnas Elleitora-
es procurem n'ellas urna Legislatura sua ,
(pie a revogue o deixem de fazer urna oppo-
sigao tao ignobil e mesquinba invocando
o soccorro das turbas c desacreditando un
acto que todo Brazileiro deve respeitar.
COMMERCLO.
AI.FANDEGA.
Bendimento do da 16. 2: .'10,>().'>.'>
Nao existe descarga nenhum Navio.
EDITAL.
= Pela Administrago da Meza do Consu-
lado se faz saber que no (lia 'l do corren te
mez se lia de arrematar porta da mesma Ad-
ministrago umacaixa de assucar branco, a-
prehendida pelos respectivos Em pregados du
Trapixe novo por inexactido da tara ; sen-
do a arreniatago livre de despezas ao arre-
matante. Meza do Consulado de Pernambu-
co i o de Margo de 1843.
Miguel Arcan jo Montciro de Andradc.
DECLABACOES.
Continnaco dos nomos dos cidados qualii-
cados jurados :
Vem do n. 58.
Joaquim Mara de Carvalho All'er. Jos Cone-
5lindes da Silva Joo Alcruo da Cmara Cisneiro,
eronimo Cezar de Mello Jos Candido de Barros ,
Joo Izidro Lope Lima Joo Hibeiro da Cuulia ,
Jos lienrii(iic Masado Jos Ignacio Pereira irtra,
Jos Marcelino da Hoza, Df. Joaquim Villella de
< astro Tawe "Dr. Jos Francisco de Arrutta
Camera Dr. Jos Francisco de Paiva Dr.
Joo Antonio de Souza Beltro Araujo Pereira Jos
Guet'es Salgueiro Joaquim Jos Franco Jos
Pedro do RegO, Jos Hibeiro do Auiaral Cap. Joo
do llego Barros All'er. Joo Germano de Paula ,
Ajud Joio Hernardiuo de Vasconcellos Jos da
Cosa e Albuquerque, Joo Paulo Xavier de Salles,
Joo 'l'liomaz Pereira Joo Cando Pereira Freir ,
los Vicente Mangueia, Joo Leito Figueira ,
Joo da Silva Loureiro Joo Theodoro da Crut ,
P. Joaquim Antonio Gonsaves Lessa, Joaquim Jos
lnnoceiicio Gomes. Joaquim Francisco de Mello Ca-
valcante Ignacio Nunes Correi Joo Bautista
Pereira Lobo Jnior Joo Cavalcante de Albuquer-
que Joo Cameiro Paes de Audrade Joo Car-
neiro Masado Kios Cor. Joo Francisco de Cbaby,
Joo Gonsalves da Silva Joo Manoel Mcndes da
Cunlia e Azevedo, Joo Pacheco de Oucroga Joo
Pires Ferreira Joo dos Sanios Nunes de Oliveira ,
Joo dos Santos Porto Tenente Coronel Joaquim
da Annunciaco Siqueira Varejam Joaquim Can-
dido (ODOS ," Joaquim Cameiro Masado rtios, Joa-
quim Mauricio Vanderlci. Joo Maria de Uliveira ,
Jos A Honro rerreira, Jos Antonio A Ivs da Silva,
Jos Antonio de Azevcdo Santos Jos Bautista Ri-
beiro Je Faria, Jos Rento da Costa Jos Ce//
Cameiro Montciro Major Jos Carlos Teiseira
Jos Gabriel de Moraes Maier Jos Francisco Fer"
reir Cato Jos Joaquim do Espirito Santo Jos
Luis Ineoccncio l'ogge Jos Luis da Veiga Pessoa ,
Jos de Pinbo Borges Padre Jos Gonfalo Jos
Pereira Jos Pacheco de (^ueiroua Jos Ramos
de Uliveira Ten. Jos da Silva Guitnarans Jnior,
Jos dos Santos Nnncs de uliveira Jos Thomaz
de Freitas Jos Thomas de A guiar, Jos Pires
t'erreira Joaquim de Uliveira e Souza Ignacio
A Ivs da Silva Santos Jos Joaquina lzerra Ca-
valcante Joaquim r'rancisco Duarie Joo Hibeiro
de Vasconcelos l'essoa, Joaquim Jos Morera ,
Joaquim Luis Viratis, Joo Domingos da Silva,
Jos Maria Freir Gameiro Joo rebaslio Perete ,
Joo Lopes Giiimarans Joaquim Corris da Costa ,
Jos Son res de Azevedo Jos Nicolao Rigueira
Costa, Joo Vieira de Araujo Jos Cavalcante de
Albuqucrque Jos Ignacio de Albuqiierque Jos
Ignacio d'Assumpeo Jos da Silva Costa, Jos
Uodrigues dos Passos Joaquim Pereira IIomern ,
Joaquim Coclho Cintra Jos Francisco Pinto Gui-
nianiciis Jentiiuo Jos Tavares Jos Antonio dos
Santos e Silva, Jos Gonfalo da Silva, Joo Jos
Ribeiro de faria Maji.r Joaquim Elias de Moura ,
Jos Victorino de Leinos Joo Francisco Regs .
Jos Antonio dos Santos Jernimo da Costa Gui-
maraeus Joa<|tiim Leocadio de Uliveira Jos Car-
valho da Costa Joaquim Jos de Miranda Junior ,
Jos Lopes de Uliveira Joo Pinto de Lentos Jos
Pereira da Cuaba, Jos da Silva Braga Joo Anto-
nes GurnaraeOS Jos Antonio Gomes Jnior, Jos
Joaquim de Uliveira, Jos Manoel Fitiza, Jos
Goiisalvcs Feneira Jos lguacio la Camera ,
Leite I'ita Urtii-iieira Jos Antonio i'into ,
Uiogo da Silva Joaquim de Souza Pinto ,
(ioiisi Kes Gloria. Jos Joaquim da Cuoha ,
Gotisalves Kcrreira Hoza, Joo Antonio Ettevi
Joaipi ni
a I
Jos Mar-
I
Aooulrodia pela manh mesma hora
se celebraram com grande pompa na cidade
de Buo as exequias do arcebispo Carlos de
Bourbon terceiro deste nome. Ao lado do
fretro caminhavam desasseis conegos da ca-
tbedral, com tochas na mao em memoria
dosdesasseis annos, durante os quaeso pre-
lado linha oceupado a cadeira de Buo. Quan"
do o acompanhameuto passou por diante do
mosteiro de Saint Amand a abadega que
desta vez se nao fez esperar, estva j na
frente de toda a communidade porta do con-
vento.
Ella se encamirihou com um passo firn:e
ao encontr do acompanhamento que logo
se deteve e em quanto todos ajoelhavam se
aproximou do caixiio e tendo-lbe o prior
dado a chave o abriu e levantando o veo com
que eslava cuberto o arcebispo pegou com
urna de suas mos naquella gelada dello etn
quanto com a outra levantou o seu veo e en-
tilo deixou ver aos circunstantes urna formo-
sura notavi'l apezar de que!suas faces sum-
mainenle plidas revelassem os signaos de
maoerages do claustro ou ao menos de una
dor intima e profunda.
Depois de ter contemplado ixamenle du-
rante alguns instantes o fnebre espectculo
que se offerecia a sua>ista oxclamou com
voz cheia de solemnidade.
Eu vo-lo -.avia dado vivo devolvei-
m'o depois de morlo.
Ao mesmo tempo tirou do dedo do ar-
cebispo o annel pastoral que ainda brilhava
nelle e o substituiu por um de oiro mui sin-
gello ; depois acrescenlou com voz commo-
vida langando sobre) o rostoj[de Carlos urna
vista a mais dolorosa.
A Dos senhor Carlos de Bourbon ,
dorm em paz.
Ento deixou cahir a tampa do caixiio que
exparzio um som lgubre e langando o veo
sobre o seu rosto entrou no mosteiro segui-
da de toda a communidade. O acompanha-
mento conlinuou o seu caminho at Cathe-
dral onde foi sepultado o corpo depois de to-
das as cerimonias requeridas para as honras
do arcebispo de Buo.
Eml73, tondo-se feito escavag(5es as
abodadasdacathedral de Buo, o fretro de
Carlos de Bourbon foi aberto e segundo di-
zem urna mo sacrilega se atreveu a arrancar-
Ule o annel que a mo de Anna de Arcona
tinba posto ne dedo do prelado. Este annel
era formado de dois circuios de ouro entre-
lassados que se desuniram na occasio de o
tirar ; sobre cada um dos circuios eslava es-
cripto um nome e reunidos apresentavam a
inscripgo seguinte :
Anna de Arcona, Carlos de Bourbon...
Joo
Jost1
Jos
Jos
ves da
Silva, Joi Antonio hibeiro, Jtfio Evangelista da
Costa e Silva Jos Fernandos tiras Joo BapiSta
Uibeiio Joo Manoel de Barros Vandedei Linj ,
Padre Jos Leite Pita Urgueira 7cronimo Moreira
tomes Joo Manoel de Jczus da Mota
Lucio Mouleiro huiro Jos tlaplista Ribeiro de Fai
luis Pereira Jos Lopes de Uliveira Joaquim Ro-
drigues de Almeida Joo Francisco Pardcllas' ,
Joaquim Gonsalves Feneira, Jos Fernandos da
Silva Maula Junior Jos Esteves de Uliveira Jos
Bernardo de Souxa Jos Duarte de Aguiar Joo
da Cruz teruaudes de Souza Marauguapc, Jos
(ionsalves de Fontes Jos Pereira Vmiuu Joo
Leite de Azevedo, Joo rrancisco Pon tes. Jos
Zacaras de Carvalho Jos Antonio de Carvalho
Braga, Jos Antonio Guimaraeus Joaquim Fran-
cisco de Aicni Jos Joaquim da dista Leite, Jo-
Pereira Campos Jos t-raucisco Marques Padre
Ignacio Francisco dos Santos Jos (ionsalves Tor-
res Jos Gomes Leal Jos Antonio Bastos Jos
Antonio de Uliveira Joo Alvesde Carvalho Porto ,
Jos Antonio de Siqueira Joo Cardozo Aiies JoAo
Miguel da Costa Joo Cardozo Aires Junior Joo
Alaria Seve Joo ua Cunha Magalhaens Joo Ne-
pomoceuo Barrozo, Jos Dias da Silva Moirao, lose
Maria Seve Jos Luis Paredes Jos Antonio Leu-
renco Joaquim Feneira liamos, Jos da Cunha ,
Jos Joaquim de Lina Jos Auacleto Allbuco .
Joaquim Pereira Peuoa Ignacio Marques da Costa
Soares, Joaquim Jos de Ainorim, Alteres Joo
Joaquim Haberlo, Jos Gonsalves Casco, Jos eronimo Montciro Jos
Marques da Costa Soares, Joaquim Jos de Uliveira ,
Jos Pires de Moraes Joo dos Santos Porto Joa-
quim da Silva Lopes Joaquim Jos de Seisas ,
Joo Jos de Carvalho Moraes Joo Manoel Pirtto
Ciiavss Joaquim Feneira Fontes Jos Francisco
Ribeiro ./os Vellozo Soares 7oo Miguel da Cos-
ta Ignacio Antonio llorges Dr. ,/n.V) ./os Pinto,
./oo Antonio Pereira Bocha Bacharel /oo Fra'n-
ciseo Coclho I iiancui l Padre 7oo da Silva Fooce-
ca Jos ./oai|uiiii de Figueredo Coronel 7os de
Brito Inglez, 7os ./oaipiia de \lmeida Guedes, ./os
Policarpo de Freitas, Dr /os Francisco de Paiva /ti-
uior, Jos Miguel de Souza iMagalhaeiis ./unior, 7oo
Antonio de Uliveua 7uuior Padre 7oo Francisco
Jo Espirito Santo Cap Jos Ignacio Xavier .
Ten. 7o Fustaquio Maciel Montciro 7oo Gorl-
salves Bodrigues Franca ,/oaquim Uarques de S.
Trago ./oo Lliuiaco Freir loo Aulouio Fstevs
da Silva, Joo Nicolao Gomes da Molla ./oso
Theodoro de iloracs Lins Joo Pereira da Silva ,
Bacharel 7oo de Souza Bcis Voaquim Pinto Bra-
zil Padre ./oo Masado Freir Jomo Haptista da
Silva Wauguiiho /oo Antonio Ce uliveira Mar-
ques /os/aciuto Tavares de Arruda ./oo Soa-
res Bapozo Vos Antonio Feruandes Jos An-
tonio da Silva Viauna.
(Continuar-se-lia.)
= A Escuna de Guerra Fidclidade, rece-
be as mallas para Macei c Bio de Janeiro
hoje (17) ao meiodia.
Anna de Arcona sobreviveu muitos annos
a Carlas de Bourbon niorreu em Pars em
1(330. Ataofim do seculo passado se via
ainda na capella do collegio de Cluny pcrlo
do pulpito da igreja um tmulo de marmo-
re negro metido na parede no qual se lia este
epitafio que se tem olbado sempre como um
problema.
1). O. M.
Anna de Arcona.
Abbadega Bolhomagensc ,
Aqui.jaz, o apartamento oc-culto.
Morreo no dia20de Setembrodoanno delG50.
Assim o deslino que parece ter-se rompra-
zido em separar estes amantes durante a sua
vida quiz tambem que o estivessem depois
de morios pondo seus sepulchroslo distan-*
tes um do outro.
FIM.
'..
'
f 1


SKi
aaata ii BBBBBHI
A
TlIEATRO.
Tendo rauilas pessoas pedido para variado
dos Espectculos urna pega sacra, os socios
e Emprezario faio representar no Domingo
20 do corren te, a sublime Oratoria S. Se-
lwstio Martyr, advogado contra a peste, fome
e guerra ; rematando com o Drama de um
acto S. Marlinlio nos Alpes : o nao estar
em pratica o apresentarem-se mais Pegas Sa-
cras em scena (talvez pela milita despeza dos
machinismos) nos Theatros Je Portugal fez
com quo os Socios e Emprezario se esquivas-
setn a taes rcpresentages ; porem para agra-
darem a seus apaixonados apresentaro a so-
bredita Oratoria por esta vez someute Do-
mingo 20 do corrente.
t&" Funrgo extraordinaria para quinta
fetal 17 do correte Beneficio de Madama
Emilia Amanti.
A Beneficiada tendo recebido nesta heroica
saber se existe nesta provincia Manoei Joze
Gonsalvcs Lombo.
tsr Precisa-se alagar urna canoa que pe-
gue em mil tijojos ; quem liver annnncie.
tsr Aluga-se gm sobrado de itm andar e
soto com suficientes commodos para urna fa-
milia na ra Formoza no bairro da Boa vis-
ta : no atierro do mesmo bairro sobrado De-
cima 46.
tsr Francisca de Paula Jovita PernambU-
cana professora particular em Olinda mu-
dou a sua residencia do sobrado da ladeira da
S para a ra de Mathias Ferreira onde con-
tinua em o mesmo exercicio de ensinar nao
s tudo quanto he costura 1er escrever e
arithmetica como msica tocar pianno e
violo tambem leccioua a msica em casas
particulares a meninas que ja noestao era
idade de frequentar aulas.
tsr Na ra do Livramcnto D. 2 doseja-se
cidade o melhor acolhi, fa- b se nesta provincia existen,i Manoei An-
vores de seus bons
seus bons habitantes em que se
distinguen) excellentes qualidades sociaes ,
nao deixar de o reconhecer, e confessar,
provando em todos os lempos e logares a sua
devida gratido e respeito, confiada em tanta
benevolencia, reiterados beneficios, e gene-
rosa protecgo deste respeitavel publico ella
vai apresentar-lhe nesta noite um expecta-
culo que espera soja digno de attengo dos
que a quiserem honrar com a sua assistencia ,
dando principio do modo seguinte :
Os Professores de Muziea desempeuharo
urna grande overlura escolhida para esta noi-
te que seguir a Beneficiada cantar pela vez
primeira nesta eidatfc o excellente e sempre
elogiado Bondo, conhecido com o titulo da
Casta Diva na grande opera a Norma, a
continuago a mesma Beneficiada e o Artista
Joze dos Beis cantarn um novo e delicado
Duelo de Tenor e Soprano, com o titulo do ul-
timo a Deus na opera estrangeira ; advertindo
que tanto este do como o Hondo anterior se-
rlo desempenhados com a sua competente sce-
na como se executa as ditas operas.
Depois tero lugar extraordinarias evolu-
Ccs pelos artistas gynaslicos entre ellas a
subida da ccia orega e a nova experiencia da
figurago da sumpluosa Ponte do Danubio >
,por onde se vero andar varias pessoas por ci-
ma dos seus corpas que formoa dita Ponte ,
sorte esta de toda a difftculdade o Director
igualmente pora em pratica tres sortes de de-
lcil execugo.
A Beneficiada conhecendo que estes Mus-
tres expeotadores tem goslado muite da To
nadilha Espanhola tem determinado para
esta noite a sua execugo sendo a tragedia e
quadras tudo novo concluida que seja se
executar urna nova e jocosa Pantomima que
tem por titulo As astucias de um caloteiro
ou a alma do outro mundo.
Dando fim a to brilhante expectaculo de-
zempenhando Joaquim dos Beis a grande sor-
te nova da escada oriental estando guarne-
cida de fogo artificial.
( Pincipiar as oras do costume.)
He esto o espectculo que a beneficiada tem
a destincta honra de offereccr aos Illustres
Pernambueanos e respeitavel Publico do quem
espera indulgencia e proteccao.
N. B. em um dos intervalos sera repartido
pelo Ilustre Auditorio em nome da Beneficia-
da.um soneto de gratido.
Os camarotes estaro venda desde ja no lu-
gar do costume.
AVISOS DIVERSOS
pode a commodarduas familias, tem casa d<*theatro que corre no dia 21 do corrente : na
COLEGIO s. cnuz.
Pe-se a concurso a cadeira de desenlio e
a de historia natural. As ferias fia Semana
Sancta comego este anno no Sabbado por
ser Dia Santo cacaba no ultimo Dia Santu
deFesta.
ARTIGO
Extrahido dos Estatutos d'este Colegio
Os paes e correspondentes dos alumnos,
b?m que nao posso ingerir-se na economa e
disciplina do Eslabelecimento tem comtudo
a facuIdade de visitar as aulas e o refeitorio ,
quando Ibes approuver.
nico. = Fica em virtude d'este artigo,
desobrigada a 1 tcenlo de responder a quaes-
quer arguigoes, que por ventura possa ser
agitadas por algum alumno descontente ou
de ndole menos-boa : ( ou tambem por algu-
mas pessoas invejosas e mal-intencionadas. )
N. B. Este artigo tem sido mullas vezes pu-
blicado.
t>r Boga-se ao Sr. Joze da Molla ou pes-
soa que deste Sr. tenha ou baja tido conheci-
memo, de dirigir-se a ra da Cruz n. 57 para
negocio'de mutuo interesse.
szr Na ra do Livramento D. 2 deseja-se
tonio de Carvalho Diogo de Carvalho Ga-
briel de Carvalho todos 3 irmos e natu-
raes de Cabeceiras de Basto Beino do Por-
tugal.
tsr A pessoa que annunciou querer com-
prar urna venda dirija-se a ra do Vigario
n. 2o.
tsr *ntonio da Costa Ferreira comprou
por conta e ordem do Snr. Antonio Francisco
de Oliveira residente na Cidade da Parahiba,
obilhete de n. 3145 da segunda parte da pri-
meira lotera a favor das obras da Igreja de N.
S. do Bozario da Boa vista e o meio bilhe-
te n. 5749 da primeira parte da nona lotera
a favor do theatro publico da Cidade do Becife
cujos bilhetes ficoem poder do annunciante.
s^- Precisa-se alugar urna casa terrea que
tenha quintal e cacimba, n5o excedendo o
seu aluguelde 8 a 10* rs. e que seja no
bairro de S. Antonio : quem tiver annuncie.
tsr Tendo sido convidada a Irmandade do
Sr. Bom Jess dos Passos pela vencravel
Ordem Terceira do Carmo para acompanhar
a Proeisso de Triumpbo por este annuncio
a Mesa actual roga a todos os Srs>. Irmos para
qne no dia 18 do corrente as 2 horas da tar-
de se achem na Matriz do Corpo Santo.
cr Precisa-sede urna pessoa que saiba fa-
zcr bahus : na ra do Colegio D. 8.
ZET Quem annunciou dar roupa para lavar
e engonimar ficando-se responsavel pela fal-
ta que honver dirija-se a ra do Bangcl casa
terrea D. 22.
tsr Apareroo no sitg) das Bozeras do Ma-
jor Joaquim Elias de Moura urna escrava
meia bucal, a qual nao sabe zer quem he
seu Sr. : a quem pertencer dirja-se ao mes-
mo sitio.
tsrO Sr. M. de T. queira vir tirar a casaca
azul queempenhou em Julho do auno passa-
dO nestes8 dias c nao vindo ser vendida
para embolco do mesriio dinheiro.
cr Precisa-se de urna boa lavadeira : na
ra do seho primeiro sobrado a osquerda.
tsr O Bacharel formado Joo Antonio de
Souza Beltro de Araujo Pereira Professor
Adjunto de Bhetorica e Potica do Lyeeo avi-
sa a quem convier que depois do ultimo Dia
Santo de Pascoa ha de abrir de novo Aula de
Bhetorica f.eografia, Geometra e Francez ,
para o que ja se acho alguns matriculados.
Quem de seu prestmo se quser utilsardirija-
se ao 2."andar do sobrado em cujo primei-
ro andar mora o Sr. Advogado Joze Narciso ,
as segundas tercas q;artas sextas e
sabbados dasG as 10 horas da manh.
tsrJoo Claudino Muinello partecipa. a
seos freguezes que mudou o seo estabelle-
cmento para a ruado Collegio D. 7, primei-
ro andar aonde continua a consertar toda
qualidade de panos.
tsr 0 Provedor da Irmandade do Senhor
Bom Jess das Chagas do Hospital do Paraso
concordado com a mesa regedoura passa a
fazer publico que no Domingo de. Hamos 20
do corrente tem de patentear a vista dos fi-
is a solemne procissao do mesmo Sr. pelas
ras seguintes : sahindo da Igreja pela ra
dos Quarteis tomando a praga da Indepen-
dencia ra das Cruzes beco da Ordem 3.
de S. Francisco ra da Cadeia em segui-
mento para o Becife Cadeia velha, em direi-
tura ao Bom Jess travessa dos Tanoeiros,
Corpo Santo ra do Vigario beco de Joo
de Barros ra da Madre de Dos procuran-
do a ponte ra do Colegio pracinha do Li-
vramento ra dita Direita al o Terco ,
farinha prompta de tudo com forno de co-
bre muito boa estribara para 4 cavaltos, um
armazem grande que pode acommodar at
200 escravos muila trra para plantaces de
roga e canas tendo ja porgo plantada, gran-
des baixas plantadas de capim que do diaria-
mente 16 arrobas, tem bastantes arvoredos de
fructodetoda qualidade, 4 cacimbas de pe-
dra e cal com muito boa agoa permanente ,
borla para hortalica todo cercado sendo o
seu arrendamento annual de 400* rs. : a
tratar no mesmo sitio junto ao jarditn bot-
nico.
tsr Quem annunciou querer comprar urna
venda que vende para Ierra, dirija-se a ra
da Boda D. 8, a qual tem commodos para
morar familia.
tsr Precisa-se de urna criada para todo o
servico de urna casa : na ra da camboa do
Carmo sabrado de 2 andares no primeiro.
AVISOS MARTIMOS.
Para Loanda com escalla por Benguel-
la a Barca Brazileira Temeraria de superior
marcha a qual sai com muila brevidade
por ter melade do seu carregamento pronto ;
qnemquizercarregar ou hir de passagem di-
rija-sea Jos Francisco de Azevedo Lisboa
no seu escriptorio na ra da Cruz n. 57 ou
cora ocapitao Jezuino Jos Simes na praga
do Commercio.
LEILAO'.
^k i .------------------------------ .....-------------.
ur James Crabtree & Cpmpanhia fazem
leilo por intervenco do Crretor Oliveira ,
de grande porcao de fazendas inglezas avaria-
das sendo'chitas de chao cor de flor de algo-
do, ditas de varias qualidades madapoles
dito algodoznhos ditos, brins escuros com
principio de mofo: Quinta feira 17 do corren-
te as 10 horas da manh impreterivelmente
no seu armazem ra da Cruz.
COMPBAS.
tsr Negrinliase moloques de 10 a 20 an-
nos, agradando paga-se bem : na ra do Fo-
go ao p do Bozario D. 25.
VENDAS.
ra de Agoas verdes beco de S. Pedro, pateo
do Carmo, ra estreita do Bozario Queima-
do ao entrar para a Igreja.
s^- Traspassa-se o arrendamento de um
grande sitio na Cidade de Olinda por tempo
de um annoe meioou por 7 annos como con-
ricr aos pretendentes e isto por cscriptura
publica com o consengo do proprietario ,
cujo sitio tem una grande casa com soto que
ssy Potassa da Bussia da primeira sorte ,
em barris pequeos por prego commodo : em
casa de Joo Hulino da Silva Ramos na Boa
vista ra do Hospicio sobrado defronte do Co-
ronel Brilo lnglez.
tsr Urna venda com poucos fundos e tem
commodos para morar familia e se faz todo
o negocio a dinheiro ou a praso na ra es-
treita do Bozario D. 30 : na ra do Cabug
t^ Urna escrava crela de 20 annos, co-
se chao, e cozinha : na ra do Queimado
D. 11.
tsr As finissimas chitas da India com no-
vos padres : na ra do Queimado loja D. 13
de Carioca & Selle.
tsr Umpreto crelo bom canoeiro e pes-
cador e proprio para outro qualquer servi-
co : no Becife casa de Joo Joze de Carvalho
Mora es.
tsr Urna morada de casa de dous andares
e soto, em chaos proprios cita na ra da
senzala velha D. 38 ruja venda ser muito
rasoavel ao comprador por se precisar muito
de dinheiro para satisfazer a diversos que a
mesma casa tem direito : na ra da Cadeia
velha a fallar com Joo Vaz de Oliveira.
tsr Um bonito casal de escravos e um
molequede 5 annos lilho dos mesmos, ocscra-
vo he oleiro ; um bom pardo official de tano-
eiro de 20 anuos ; nm escravo bom cozi-
nhciro ; 4 escravos para todo o servigo, urna
escrava que engomma e cozinha por 350.
rs. ; urna moleca de bonita figura ; e 4 escra-
vascom boas habilidades : na ra de Agoas
verdes D. 58.
t^~ Vinagre em pipas e quartolas muito
proprio para conservas a 30* rs. a pipa cer-
veja boa em barris de 4 duzias de garrafas a
2ff500 rs. a duzia ; genebra superior da Ho-
landa ltimamente chegada a 6*400 rs. a fras-
queira-, e charutos da Bahia a 700 rs. a caixa:
na ra da Cruz D. 4.
tsr Urna caixa com realejo que toca dan-
do-se corda gamelas grandes para banho ,
um ternode pesos de bronze de 8 libras at
meia quarta ditas de medidas de pu do
novo e velho padro e tambem de folha em
bom estado urna pipaarquiada de ferro ja
cortida de agoa arden to um funil de pu,
caixas de pinbo e de amarello de diversos ta-
manhos : na ra da Roda venda D. 8.
tsr Bilhetes e meios ditos da lotera, do
loja ^e chapeos defronte de palacio.
tsr A armago e gneros colocados no ar-
mazem cito na ra das Cruzes D. 7, a di-
nheiro ou a.RfajSQ : a tralar no me6m.
tsr Um eseravo official de sapateiro de
25 annos, robusto, sem achaques, tambem
se troca por um molequnho : na ra da Glo-
ria casa do Padre Gongalo D. 1 i.
82J- Muito boa farinha em sacas a prego
commodo azeite de peixe a 2ff400 rs. a ca-
ada manteiga a 560 rs. a libra e muito
bons queijos a 800 rs.: em Olinday ra do
Amparo venda n. 7.
tsr Massas do Porto para chapeos em
porges grandes e pequeas ditas para cha-
peos armados : na ra do Colegio D. 8.
tsr Libras de retroz preto de primeira sor-
te e azul ferrete por prego comiuodo : na
pragada Independencia n. 39.
tsr Urna negra de nago parida de pou-
co tempo, com muilo bom leite, propria
para ama de leite : na ra da praia serrara
de Constantino Joze Bapozo.
tsr Urna molatinhade 10 a 12 annos : na
casa do Solicitador Felis Francisco de Souza
Magalhes no pateo de S. Pedro D. 9.
tsr Um armazem no Becife ra do Amo-
rim : na ra do Fogo t). 7 lado esquerdo,
vindo do Rozario.
%sr Azeite doce a 5* rs. a caada eOiO rs.
a garrafa dito de carrapato a 3*200 rs.,
dito de peixe a 2*210 rs., batatas a 640 rs.,
presuntos novos a 360 rs. a libra lingogas
a 560 rs. paios a 220 rs. sevadinha a 160
rs. farinha do Maranho a 120 rs. seva-
da a 100 rs. castanha do reino a 100 rs. ,
bolaxinha ingleza a 5*520 rs. a barrica e 200
rs. a libra passas a 200 rs. manteiga su-
perior a 960, 800, 640, e 400 rs., toucinho
de Santos a 160 rs., espermacetea 800 rs.,
sal de Lisboa a 1600 rs. ancoretas com azei-
tonas novas : na ra Nova ao p da ponte
venda D. 55.
tsr Urna mulata de 18 annos, cose en-
gomma e cozinha : na ra velha D. 19.
S^- Urna venda com poucos fundos, e
grande casa para moradia de familia por ser
sobrado de um andar por cima da mesma ven-
da e oalnguel he muito em conta : na ra
velha D. 19.
tw Calgados para homem botins sapa-
tos iic. pelles de bezerro francez marro-
quins pelles do cabra preparadas e por pre-
parar pos para calgar botins urna porgo
d banha de porco para curtir couros formas
para calgado em bom uzo fio seda &c. ,
por atacado ou a retalho : na ra da Crbz
n 51.
tsr Um sobrado no pateo de S. Pedro na
quina que volta para o beco da virago : na
ra do muro da Penha D. 17 a fallar com Jo-
ze Bernardo.
i^- Cadeiras de palhinha Americanas, mar-
quezas de condur, camas de vento com arma-
go esem ella mui bem feilas a 4*500 reis
ditas de pinho a 5*500 o mezas de jantar ,
assim como outros muitos trastes ,~"fe pinho
da ueca com 5 polegadas de grossura e
dito serrado ; tudo por menos do que em
mitra qualquer parte : na ra da Florentina
em casa J. Beranger.
ESCRAVOS FGIDOS
tsr A 14 do corrrente desapareceo a ne-
gra Anglica angea bem ladina fula ,
alta tem o rosto todo lalhado de baixo do
queixo a mo esquerda tem um calombo ,
levou vestido saia preta 'camisa de algodo-
zinho e por baixo da saia preta urna saia de
oassa chita com palmas grandes encarnadas ,
panno da cosa azul ja velho: quem a pegar
leve a ra da Cruz D. 25 que ser bem re-
compensado.
tsr No dia 7 do corrente fugio o escravo
Joo angola baixo cheio do corpo, bei-
gos grossos cara fula ; levou vestido oamisa
e caigas de brm branco, chapeo de palha ,
consta que tem andado por Olinda e Affoga-
dos : quem o pegar leye a Marcelino Joze Lo-
pes na ra do sebo que gratificar.
MOV1MENTO DO PORTO
NAVIOS S.VIlllHM NO DU 15.
Philadelphia; Barca Americana Navarre, Cap.
James Miller carga assucar.
Baltimore ; Brigue Americano Hannah, Cap.
James G. Smith carga assucar.
Bahia j Barca Austraca Perastina Cap. Deo-
dato Gragizzo carga lastro de assucar.^
Haraburgo ; Galera Hamburgueza Ida Cap.
Rissen carga assucar.
REC1FE NA TYP. DE M. DE F = 84


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXQBWTQUI_9LEV9Z INGEST_TIME 2013-04-12T21:59:46Z PACKAGE AA00011611_04492
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES