Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04484


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo (Je 184*.
Terf ii Feira 8 de
TaHo tor cUpeadeJ ns me sin na ; H nnssa prudencia, moderar.., e Mtlfil : con-
|.ueinus cono priBcipumos, e remos puntillos com dmirr.;io entre M dtici'es man
euius. (ProClamafio da Asseaiblra Geni du Brasil.)
PARTIDAS DOS COR REOS TERRESTRES.
Coi*nM. P*"'k"- R'o?rntle du Norte, n* guma sexta feira.
Bonito etirinhun, ol0e24.
Gibo, ^ernliem, Kio Forirm.i, Pon,, CiUo, MaceiA, e Alvuai no i l, 21.
Pije i3. Santo Ant.it>, quinta fera, Olinda tudns os das.
DI\S DA VEMANA.
7 Sf. s. Thnruai il'\ 8 Tero. s. Jo't" de de Dem, Re. \o,l. do do u i 7. de Direito di 'i. rara,
!> Oiisrt. s Francisca Romana, Citarte. Aud do uii do direito di o. Tari.
li> <>"in.t. *. Mtlit.to, Aud. do juitde direito di 2. rara.
41 Seat, a. Candido. Aud, do Juiz de Direito di i. Tara.
sab. s. Qreoeio. Re. Aud. do Juitde Direito da 3, Tara.
13 llnit. a. Fufrazia.
Clareo.
Ainia XVIii. N. 53.
m"*m^BKrfv,rittuvr??i"mt,i.'*'-'rWFKinri[B
r%,^. O Diario pul.liea-se lodosos diss nuenfio forem Santificados: o prceo da iMienalura he
\t~ffo oe,re5D"1 ,eis porquartel ptgot niianlados. Os mntinrio* dos asignantes iau insetidoi
(tralla, eos dos ene o nftv turen .i rnz.io tle 80 res por Imhs. A rerlamicoes defem ser
(^dirigidas arataTypograt ra das CruirsD. 3, o praea da Independencia loja de hviot
Nmeros 37 e 3Jj.
Cambio sobre Londres 2'.' d. p. ilI,
> i> Parii .V-U rei* p, franco,
u Lisboa SO S.) p. 100 de pr,
Olio- Mord de 0.400 V. 14.400 l'u'ni
- a N. 14.200 14.400
.. He 4,000 MUOa S.-'tM
a*sUt>* rtac6es 4,050 a t,G7Q
CAMBIOS no da 7 de .M.vntjo.
Liuti Poto* 'olumnates l.flSOa 7ft
Mexicanos l.fl'Oa 1,68(1
>u'! l..t:ja l,4r
Moeil de cobre 3 por 400 de disconto.
Dlonto de btllt. ,|. Alfnde0-a J c i por 10
ao mtt.
Mam de letra de boas lirmas 1 e
ale f.
P reamar do n.n S ,/ .)/,>.
t. a 1 Itorts e i y na. di m'i.iu!i,.
2. al huras e 42 ni, da tarde.
PII\SF.S DA l-A NO MBZ'E MARCO.
art, min*. a 3- s II horas e 4 m. 'n tarde.
Lu Nova 12-- lis 4 Iwra* a 8 m. d m.inh.
Ouart. creso, a 19.-- 8 boras 28 ni da tarde.
I.ua ebeia a 2 -- as 11 boras e 30 m. d.i falt.
HS

i
w na ii
O i na mi
nr*y waniT
GOVEUNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 28 DO PASSV.lo.
Ollicio Ao Inspector Coral das obras
publicas dizendo, que havendo parlecipa-
du o Commandanlc das Armas ter-se effectu-
ado a mudauya do coiilingeiite decavaltaria
de Linlia desta Provincia para o barradlo
contiguo a Palacio Vcllio, requisitando que
se mandaste ladrilhar a parte reservada du a-
lojaiiien'to dos soldados que se aclia arrui-
nada collocar cabidas e travesseiros de
madeira, o fazer all outros pequeos arranjos
indispensaveis commodidades dos iriesrnos
soldados cumprc, que elle com urgen-
cia passe a examinar os1 referidos concerlos
c orear a dospeza que com elles podar ser
feila.
Portara Ao Director do Arsenal de Guer-
ra, ordenando-Ido cm consecuencia de requi-
sico do Coinmandanle das Armas, feita eni
olicio de 20 do corr., que Iomega ao Contin-
gente le Cavallaria de Liona desta Provincia,
ora alojado no barracao contiguo Palacio
vollio, dez coehos para garapa dos cavallos,
e dous carrinbos de mo.
Ollicio- AoCommandanle das Armas, oom-
municando em resposta ao seu o oficio de 26
to crrente ocontuutio ijo ollicio e portara
precedentes.
Dito Ao Inspector Geral das obras pu-
blicas ordenando, que com urgencia remet-
a ao Engt'iiliciro L. L. Vautbier os ornamen-
tos e contractos de arremtatelo dos primei-
ro segundo, tt'rc-'ro, quarloe quinto landos
da estrada do Pao do Aillo os riscos orca-
nientos, e contracto de arrematacao da Ponte
do Bujari na estrada do Norte ; o orgamento
e contracto d.: arrematagao da estrada do
Parnainerij)) e a planta desde a Magdalena*
ou Caxang at S. Lourengo da Malta or-
ganisadada, a auno emeio pelo dito inspec-
tor Geral ; a falla do que repr-j.seuta o referi-
do Eiigenlieiro, que seacba empatado o ser-
vido e que Ibi encarregado.
Dito Ao Engenbeiro L. L. Vauthier,
partecipando *em resposta ao sen ollicio de
- to coirenteaexpedicao da OrdetnSUpra.
Dito Ao primeiro lente ( andido Jos
Fcrreira ordenando queein CU O) pr i ment
do Aviso n. 71 de 4 do correle entregue
SFLf3!TQ[M.
fVkm DAnCONA (*).
Apenas o senbor de Arcona acol)ou de d-
zer estas palavras leu ordetn a ova dos cria-
dos para que fosae chamar a Carlos de Bour-
boil, advertiniio-o que Ibe nao dissesse que
o rei se achava all
O criado enando no quarto deste acliou-
o adormecido sobeo a cama mas completamen-
te vestido., poisque tendo sabido do quarto
le Auna acbou ser mais acertado recolher-se
io seu para all esperar o que poJessc acon-
tecer ; mas como ninguem viesse dizer-lhe
nada persuadiu-se que os individuos que An-
ua tiiitia visto com arebotes quando elle se
achava no seu quarto nao eram outra cou*a
mais ]uc alguns prenles lo i;oiide e coniiado
insto seenlregou tranquillameute ao souuio,
mas quando o criado Iberog-ou oseguisseal
onde se achava seuumo comceyn a inquie-
ta r-se ; poisno era natural viiein-no cha-
mara taes boras da noile sem ser por algum
imporlaote-motira.
C) Vid. os Diarios lXs. 43, 4i, 47, 48,
SO, 51c 32.
o Commajido da Escuna Bella Americana ao
CaptSo Tenante Francisco Pires deCarvallio;j
enarregando-O decommandar interinamen- ;
te o Brigue Capibaribe, e di/eiuto-lhe, que c.i-
pera to zelo promptido e lidelidade com
que elle tem deSempenhado todas as com-1
miss5es,que lbe tem sido incumbidas pela Pre-
sidencia, que concorra com o Inspector do ar-
senal de Marinha para ficar dito navio promp-l
to lim le seguir no mez proxittTO ao seu des-
tino.
Dito Ao Capito Tmenle Francisco P-
res d^Carvalbo dizen lo em ciimprimenlo
t|j Aviso n. 71 de 4 do corren te pelo qual
foi el\; transferido do commando do Brisue
Capibaribe para o da Escuna Bella America-1
na, haja de tomar conla do commando da
dita Escuna entregando o do referido Bri-
gue ao primeiro Tenento Candido Jos Fcrrei-
ra, a quem se tem interinamenteencarregadoI
de commaiidal-o ; e ordenando-lhe que na
mar da manba.de 5 de Margo prximo
a vela para a Provincia do Cear n estacionar
n'aqiielle Porto as ordtms do Exm. Prcsi-
deote d'aqPlIa Provincia.
Dito Ao Com mandan te Superior da Gqar- i
da Nacional deste Municipio significando em '
resposta ao ollicio, por elle dirigido 23 do I
mez corrente em que pede resobicao sobre i
un outro scooflicio de 4 de Novembr to au-
no prximo passado no qual conforman h-
sjcom as raso>s expendidas pelo Ma-
jor Comnian-Ianle do Esquadro de Cavai-
laria da Guarda Nacional do seu Commando
Superior na represen tacto que acompanhou
o seu ultimo ctalo pQlcio diz julgar con-
veniente que Odito Rsquadro seja fardado
romo o. da Corte, tendo dragonas, plora-;
encarna las.abas na farda com vivo* araarelios,
corrame branco que approva as ulterac es
indica-las. visto que pouco mais dispendio po-
dem exigir dos guardas do mesmo Esquadro
e concorrem nata sen brilhantis*mo.
Dito Ao Commandente Superior da Guar-
da Nacional de Coanna. communican-
do-lhe que tendo apnrovado a proposta
por elle feila em ollicio de -2 do corrente no-
rneia o Teen te Jernimo Cezar le Mello eo
Alferes Bartholomeo Gomes de Albliquerque
para subalternos da companhia destacada na-
quella Comarca.
DitoAo Major Com mondante interino
do Batalbflo da Guarda Nacional Albo, significando-]he em resposta aoseu
ofiieio, em que solicitava saber, se llie com-
Apezarde ludo islo temeu excitar suspei-
las reeiisando-sc ao convite que Ibe faziam .
e com pondo o melbor que pode os seus ves-
tidos depois de ler feito algomas pergunlas ao
criado que Ibe responded de urna mancha mu
evasiva o seguiu fiara onde se achava o conde.
0 re i apenas o viu entrar no salo excla-
mou
irmii>inmiws
petia orgmisar a prdposta Je officiara pvira o
mesmo Batalii.-io que sendo pelo artigo I.
das htstruetjdea Provinciaes de I de S.-t-mi-
hrode 1838se nelhante comnetencia dos (,le-
les efTectivos dos,cornos da Guarda Nacional,
nao pode elle proee-Jera orgamsat}So da referi-
da proposta, na qual sedere sobrestar, a-
t que o respectivo Tenente Coronel se acba
desimpedido e couseguintemente habilitado
para organisal-a.
Dito Ao Inspector do Arsenal nha, dizendo. que nflo obstante t<^r ellesatis-
f.'iio a ordemda Presidencia do I. deBezera-
brodonnuo ultimo ,'enviando o mapna da
Forca Nival estacionada no Porto tiesta ei Ijide.
misterse fa>., para poder ser cumprido o Avi-
so de 3 do corrente expedida pala Secreta-
ra de Eslailo dos Negocios da Marinha no
qal se insta pela remessa de semilhante map-
pa que remeta urna segunda va.
Dito Ao E\'m. e Km. Director do Lvceo,
parleeipan lo ler approvado a nonioiu-o feita
pelo Presidente da Cmara Municipal de I-
guarassu' dj Padre Herculano .lose Gomes
Pacbeeo para regar a Caiera de p'-iin iras
Leltrasd'aquella Villa tlurante o inipedimenlo
do respectivo professor.
Dito Ao Inspector da Thesouraria das
Rendas Provincias, fezendo igual parteeipa-
go.
DitoAo Presidente da Cmara Munioi-
dal d" Iii irag communieando em resposta
ao seu oli "o <| 26 'lo corrente o conteudo nos
dous oTicios antecedentes.
PortaraAo commandantc da Escuna
Bella Americana para recebar a sau-bordo
e conduzir Provincia do C-ar o Alferes do
BitalhoProvisorio da mesma Provincia,Le-
ocadio da Cosa Weyne, que [>ara este fin so
Me aoresenlar.
OTicio AoCommandanteda Armas, sci-
entillcando-o em resposta ao seo ollicio de 23
do corrente, le que tem expedido a ordoin su-
pra.
Illm. e Exm Sr.
T*ndo esta Cmara recebdo o oQicio dcs-
sa Presidencia do \. deDezembro prximo
lindo no qual exige della una informago
circunstanciada do estado deste Muncipio, c
as providencias que mais reclamooas necessi-
dadespubloas passa a fazer como Ibe enoir
pre. A Cmara t'Mido em vista a lei da re-
forma do Codwofa ser sanceionula) como coi-
re cm papis pblicos, lembra desde j como
una das n-'cessidatles um edilicio que sir
va para reuniflo dos Jurados, e pris pa-
blica de vendo observa r-sa que sendo a sa-
rde do termo desta Villa tifio podo approvei-
tar. urna Cadeia existente na antiga Villa do
Cimbres, quedista daqui cincolegoas. A.lverto
I mais que nesta villa lia algunsedificios quo
po.lem servir para os lins a cima indicados ,
cujos proprielarios nao duvilam vendel-ot},
i urna vez que se approve a exigencia feita, nao
| reala duvida ser melbor compral-o contrac-
ta:tdo#c,im o proprietano, do qu:- fazer um edi-
licio njoYQ por seren bein notorios os tra-
ba i los e dtjspezas que demando e nein
j a Cmara pode pelo seo cofre pagar os altl-
! gneis segundo a disposic/io do artigo 2^ da
i Lei Provincial numero 7), por isso que tem
muitas vezes apresen lado a esse goveruo a
tenuidade de suas Rendas Palrimoniaes. Em
segundo lugar tendo a llamara em data de 10
de .lulho do auno prximo passa lo feito ver
quanto era gravoso o imposto de 2.) res so-
bre cabega de gado vacum do consumo par-
ticular pelas rasos que exppudeo em o citado
ofiieio, e sendo-lhe respondido por essa Pre-
sitl-ncia em ofiieio de 23 de Agosto do mes-
mo auno, ue a ella nao compela dar as pro-
videncias que reciamavo esm a Assem-
blea Legislativa Provincial insta pela mes-
illa reelamacao, a roga V. Ex. baja de le-
var seinelhantt objecto considerago da-
quele Corpo legislativo em pri'senca do mes-
mo ollicio da Cmara donde conslo os
justos motivos, em que ella bazeou sua re-
presen tagao a lim de obter o recurso do
que necessila. A Cmara condece mu bem
o estado das forgas do cofre da Provincia o
por isso poupa-se a maiores exigencias alias
de abruma consideragao : porem que quanlo
as reclamadas espera s>jao a Hendidas. Tde
I o presente o sistema Policial em nada tem
i contribuido para a felicidade geral como a ex-
j periencia o tem feito ver; com ludo a cmara
nao ousaern.tlir o seu parecer nem pedir
providencias acerca de objectos de lao gran-
de monla esperando pela reforma do Cdi-
go pie talvez offerega os nocessarios mo-
Ihoramenlos.
Deus Guarde a V. Ex. mullos annos Villa
de Cimbres em Pesqueira em sessao ordinalia
de II de Janeiro de 1812. Illm. c Exm.
Sur. Barao da Boa-vista Presidente da Pro-
vincia de Pernambuco.
Izidro Camello Pessoa de Siqueira Caval-
canle.
Ao otivir islo todos os circumstantes es-
tremeceram e as damas de honor de Catha-
rinaolharam para Carlos e Anna com vis-
las tle horror o desprezo. NotOU-o o conde ,
n como tolos permaneciam calados leu al-
fftins passo? para no aproximar do rei e de-
pois como tora de si e com una voz na qual
mostrava a sua turbadla c angustia excla-
Por a cruz de Christo N8o me oqui- mou :
voco, nosso primo Carlos de Bourboii. Queisto? Quo aconleee i' Porque t>
Oue nehocio vos trouxe aqu para nos ncon- Iham assm para minba lilha i* Porque e este
tramos, disse o rei? Ha ja algum lempo I silencio? Ah vos me fazeis tremer, leude com-
que euvos suppunha em Rujo ao lado do I paixSo de mim Oh meu Dos a presenca I
cardeal, em cuja casa me dissestes que ies d'um rei nao deve trazar desgracas, nao I
refugiar-vosdepois do fatal da das barrica- j verdade senbor vos sois o rei eavs toca
(jas | fallar urna so palavra urna SO palavra \
eu vos supplico.
O re lcvanlou-sc- e disse :
Comiede Arcona, compadeco-mede
vos, (depois vollanloso para Carlos que
eslava no meio da sala ihwb os odos baixos,
O conde quando OUVu fallar no cardeal car-
regou o sobr'olho c Carlos que se achava
mais mortoqne vivo disse ao rei, com una
vozquasi imperceptivel : senbor em tempoe
lugar oportuno vos contarei ludo o que me accn>scenl()U Com severidade cavalleiro ,
acontceeu. i sabi no mesmo inslante deste caslello. Cir-
QuanIo juizerdos respondeu o rei: los de Bourbon fez um movimenlo para o-
alegremente e vollando-se logo para o con-
de Ibe disse em voz baixa tarde vem o vos-
so ful uro genro.
bodener ao rei mas deteve-se ouviodo um
grito que soou ao seu lado.
Era a voz de Anna de Anna que pros-
muiiu yeijiu. >..... ......- > -- -- i
Nao por corlo, .senbor respondeu elle trada e abracanda os joelhos do re : di-
apontaiido para Carlos; all.o tende*. ,zia :
Piedade senbor piedade nao mo ar-
rebatis pois que o amo.
i Vos o amis ? repeli o rei espantado.
Ab desgranada .'
Xeste momento o mais violento furor suc-
cedeo na alma do conde de Arcona a todas as
suas angustias. Esqueceudo-se al do res-
peilo que, devia impor-lhe a presenta do rei
deseuibainhou a espada e coi reu para Car-
los...
Miseiavel exelamou elle tu me leus
engatalo, sem duvid* scaUolico e se fn$
calholiCo Defenje-lo Jefende-te ou la
malo.
Delende-vos conde este hoinem 6um
pagAo, estehomem utn malvado, mas
preciso rcspeita-lo.
E emquantoassm falfava o re tin!ia-sa
arrojado entre Carl.Js e seu ajressor e pa-
lera querer defender com sen corpo ao
primeiro.
Rejpeita-lo Porque ? repollo o con-
de clnio de furor.
Porque i' respondeu o rei benzendo-se,
ponjue todo aquelle qu; Ibe tocasse comet--
tei ia um sacrilegio. Eslu bt>rnaqi i scen-
te !....
t-isnliuuar-se-ha.)


?BBWaWfc^ilj111 A" dlSS ?*; ?js?. JAii'ffl tflr*y.*hl1"JJfriftl
. 3b ~- *
faquim Narciso de Siqueira Mello.
fiaUhazar dos Santos Barbosa,
lose Cavalcante deCarValho.
Manol Camello de Siqueira.
Jase Francisco Le Le.
lllm. oExm. Sur. Cumprindo com o
.(ue ni tai determinado pel Antecessor de
V. Ex. i-jii ofllciodo i. deDezembro prxi-
mo flassado tenho a informar que na Admi-
ustrac*> da Justina Criminal ; continufia a
aparecer os mesms inconvenientes j por
mim presentido nosannos anlerioros. pos-
to que alguna delles prometi molhoramento,
rom as Reformas do Cdigo do Processo ; e
uniros se acliem pelas mes ni as prevenidos, e
emediados, como passo a expor.
As Posturas Mun.cipaes anula se Conacrvao
mm malhoramento em sua execuco ; e nao
saptisfazem as necesidades do Municipio .
pois posto que ja fossem aprovados.pela As-
semblea Provincial algufw Artigos queso
lornavao neee.-nn.is, Pom ludo oulros in-
disnnsaveis anda se achao por serem des-
cntiios e aprovados. Os HsCaes das Fre-
guesas de tora contiouao na seudoleixo, e
o da Ci la le posto que pareces*.', lornar-sc
mais activo no cum'primenlo de bous deveres.
(Jepos de ter <> ordenado de duzenl >s mil res,
im nftq aconteceo c parecc-mc que se
o ordenado fosse lirado de .alguna por ceios,
Jas nmitas, que fixesse rerottier no Cofre Mu-
nicipal elle tea mais em'penho em bi r e-
xcular as Posturos-, poischega a tal ponto
useu pcucozello que constando esta tilda-
do de mais de mil togos. no decurso lo an-
uo apenas aprsenla a este Juico quatroon
-inco multados: o os das Freguesias durante
o tempo Commarra o lugar de Juiz do Crime ainda
nao Uve de julgar huma s.
Em quanto ad Tribunal dos Jurados hmn
dos inconvenientes que apresentava era o
grande numero de .Tui/.s rara haver Sessflp .
oque fazia demorar os bous trnbalbos por
muilos das porcmeomo esse inconvenien-
te foi remediado pelo Aniso 107 das Refor-
mas do Co ko deixo de me demorar.
Tam bsm foi remcdiadt pelo rligoi6Gias
mesmas Reformas o grande inconveniente
r lambem ja por mim aprcsmtado ) de exigir
o Cdigo nnanimidade para a imposicaode pe-
na de morte pois ras Commarcasde fofa se
liona trnalo Ilusoria esla pena.
Em quanto aos Protestos por novo julga-
mento, das sentcncas dadas no Jury da Ca-
pital para os das Cummarcaa se Ida tornan-
do o mais abuzivo o escandaloso pois logo
i|i)C o Reo sahia da Capital vinha carreado
deempenbos c apresenlava-se no Iribunal
debaixo .as handetrns do patronato ; o alh
ltimamente .-' tinlia Untado mo do outro
meio ainda mais deponente ; e gracas as Rc-
forrtWs, que em parte acabaro com este a-
buzo.
Ainda nao foi pos.sivel acabar-se com o gran-
de inonveniente de nao poder a Justica ac-
cusar nos primes do furto quandoo Reo nao
he preso em flagrante e > qntuxoso deixa de
comparecer, pois --ir. quace todas as sessOes, o
Tribunal v sabir Reos cujos crimes se nclia-
vo plenamente provados e que por nao le-
rem.comparecido os queixozos sao seos Pro-
Cessos julgados pefemptos pois quase sem-
prea parle aecusadbra logo que tm alcance-
do a cousa furtada ou o seu vaHor, nao quer
mais proseguir r*a accusaQo ficando desta
lnaneira o Heos impunes.
A dificuldade das tcslemunhas para at'aetu-
fa dos Prcessos cujos crimes sao perpelra-
dosfora dacidade tam bemse ada prevenida
tom a auioridade que tem (pelas reformas)
os Sut> IVu^a.losd- proerssarom.
Finalmente a falta de pessoas que queirio-
st emprear em ser off.ciaes de Justira tor-
Tio-se menos s.msivol por terem elles menos
traballiosdepois das Reformas.
Kis Etm. Snr. os inconvenientes mais
forte: que tem Ba apresontado na Adminis-
liaeto da instiga Criminal e ja por mim re-
damados.
PeosGuardo a \. Cx. Goianna 2 do Janei-
ro 1842. r>
|!l:ii. e I'a.:i. Sur. Rarao da Boa-Vista
Presdeme desta Provincia.
.1 ,Ki Paulo de Carvalho
Jttiz d i>- do Crime, e Interino doCivel.
Illrn. e L\m. Sur. 0 pequeo espado de
poucoi mais*ftrw mozos, nos qmres tenho
exercido, una porao da Junsdicao criminal
n-sta Com marca naomo permitto saWfiwer
Portara do i." de De/embro
\K auilior da celebre represenlacay em que
por conseguinle a Pessoa de S M. I. nao po-
da ser convenientemente acatada e o Minis-
D'silc Oulilbro passado at boje tem vmdo
a este Juizo, 59 differenle pessoas indiciadas
de delietos, e P2 infractores das Posturas Mo-
ni cipa es, dentro asquaes pessoas, tornaju-
mas deixado de serem julgadas criminosas por
deleito das loslimunlias.
A immoralidade essa peste que infeliz-
mente tem lavrado com espanto, nao poda
deixar d'empecer a administiacao da Juslica,
.lom tciio que succedeo ao de 21 de Julbo de
ensao mencione! na ^h^r2^2J. necessidade havia de ser insultado com o*
a V. Cv ; exjMdi para lmda oCap.tao Seve-
JinodoCorpo'.'e Policia e Sub-Prde.todes le
Rairro, com urna Escolta do mesmo corpo,
a Ql de capturar ,ps ditos Portuguezes po.
haver suspeila de que elles para al, se Iaviao
dirigido : mas tendo-se frustrado todas as
diligencias, pelo mesmo Capillo empreadas :
Jdenei en.') ao Sub-Prcfeito do Bairro do
termos os mais affronlosos Demonstremos
a"ora a illegitimidade Ja representago.
Dous sao os objeclos, que se propoem a
Assemblea Provincial do S. Paulo- a sustagao
das leis do conseho de Estado e reforma do
codi"0 e a demisso do Ministerio. A de-
mi sso do Ministerio que ostensivamente he
o flm secundario da mensagem mas que na
\.iu-... ...------- n>cnllS-IS O Illll SllUliuaii- -----------o-----i ------- i---------
Recife que passasso a fazer novas pesq ri.aldadc he o que ella tem em mira porque
ara descubrir a casa aonde se linh
L'iado OS
s mencionadas Portuguezes? e com ei-
uslracao na jusupa, ?> "3 u,< "'"-r*; ... 17. pmnre<*ado nao
e augmentar o numero dos crimnos, Pes- ^^^^^^^:^-
s:,as ha, que eonadas cm sua efl.e.enca sen, so de cob,.^a^dnU. c^ ; s ^^
rubor infringem as Ieis,ep5eem alarma osC- tos com i^t dadaosso!, o pretexto de se bserem respettar., le ebrios, no acto da par r ^
Outras para saciaren, paixoes desregradas go apprehencao nos ^ctos ^^
ftccvnrem aaverso, que lera ao trabamo dito roubo, osquaealbw i n n ^^
rontedaseommodidadessociaes,ousadostrans. entregues a seo dono, | r n-i ^^ ^ otu^ m ]o Lsl do,
pTe os limites da sua blrrdade legal iMh res do mesme.roubo OS q ... |)0ik,Mll exerCer p0, sl u PJ. exeout.vo de
as Lis, e ultras os direitos mais ^grados ; ^SS^ZaI '
ILUI'liUU -- i,
nada mortifica tanto os bumens de Julhocomo
estarem tora do poder ja mais forneceria as-
sumplo para urna representaco s. m. i. ,
se os preceitos mais comesinhos de organisa-
cao social fossem observados, e se se guar-
dasse o que est estabelecido em nossa Lei
Fpndamental.
He principio coito nos Governos constilu-
vez' mais aos criminosos deste genero". A :-
leusSudo territorio ainda mal povoado, dif-
fioulta o conhecimento dosantores dos delirios,
pratieados em logaros ermos embora pelos
vistigios do facto criminoso haja conheci-
mento da sua existencia i Uto pjrem nao obs-
imiii iik .pitvMii'C.
BEPRBSBSTAC.Vfl \ *
I'\L'LO.
i, esmo nao fosse aniquilada desdo .que o
Monarch nflo cxerc.-s.se por si, e indep-n-
deid 'mente de sggestdes estrar.li.is essa im-
portante prrogativa da coroa. mas eslivesse
'i na obrigago de attender ao que Ihe represen-
tasse urna assemblea provincial ou quem
rmao com juramento, que aua aei, >' porem recmvhecendo, que
l8m resultando disto a unpumdade de debe- ^^P^,,^ 0 ar,]vsal.a circunstan-
08Ie,,yes" f. 4 n-ibriao c de seuu- ciadamonte contentamo-nos com fase,- algu-
L^Tmlsididet'JSSpitaTliJ-- fil P ~t^..fadd.
ranea
este respeilo he un contr-senso, porque
sendo destinada essencialmento girar em u-
maespbera inferior nao est habllitadapara
conhecer das daestOes de alia poltica toEs-
,re ha om mas reflexOes para m0^[i^i^^ lado para formar um juiso seguro sol)re a mar-
virem lestimunhas dos logares mais distan- | ^^fJ/^f^to^lK cha dA "^i"istra^ ^Cidir do acert ou
desacert della.
So da demisso do Ministerio passamos
sustaclo das leis do conseho de Estado e re-
forma" do Cdigo a inconslitucionalidade da
representaco he ainda mais'palpavel. Causa
admiracfloo rancorque a assemblea provincial
viri.'n loslimunhas dos louares iilim ui^vum- i"-b.n- -- -
r t^rfazt^
Justica, joisqno prezoc.deboquente e con- r d,.- "- m f_
M,vado por mais tempo do que marca a Le, -^ ja < .p. n( huese pode
SKIta^r i culpa, rquer babeas cor- "solenclb que so pode
0s eom fundamentos legaes, e se ocofcegue, |ma8,n^r-
vai forcejar para nao virem a-: tCSlimunbas .
ou para que viudo nada depoithfto. A falta do
Olieiaes de Justica asss sensivel. Os que
tem exercido estes logares, pobrissimos sub-
trahem-se servir no crime onde Ihesn
A Assemblea Ceral compoz se. du-
diz a repre
rante ?i ultima legislatura.
senlacao, de urna maioria vembda >> --~ pauIo tem querias dwsieis,
Os Ministros de S. II. I. a. i 'm^^i^A wpiinda ,U1C hedtwididamente vanl-do-
com os epilhelos de traidores, rufiies e man- i^ i i ^ pm vJsU ^ Q pmv;iu,_
dis do arbitrio ineptos, alrros, e ouiios j ^^ conS(l{;Ull.;i formar no Brasil a seguran-
afugento-ce do Juizo { e como sej lo ches ni -
jispensaveis fleo que seria conveniente dar
tendido dos paizes cultos, fallar n0 te^I ^cnstituiClo, e o acto ad icional, tra-
nco qu ... "' ",;,is comedidos e respe. ^^ ,,lll^ I'; cn!1(io 8 attribuiees das *ssembleas provin-
SrerioumO^
me Sesta Comarca. Ktopoqoena dificuldade cc,,s..r. -tAo -'";'--^ .'. ^ ^,s celias nao envolvao eom os in.eresses geraes
emacbar-se Advogado que graluianum- senlacao lende .!.. f v ^ "' .V., ,'^.' da NaCo, que sSo confiados ao supremo po-
^endanoJuryaosVsos,.....rcs o nao' a de.slu.lrar ^^^
ouereudo a Justica nem consentindo a bu- servar, c: .e,.uM.ai con.,I- l"' dl.as heOmente curar dos nleresSes ocaes
S dade que e'.les sejn condemnados nu to carrogado ; s jM e franca ^ ^ ^ ^
Mm seria conveniente, que a Cunara Mu- J^'^j^^T urna Ieg-SrS sen. posiclo de nossa legisla.ao ^t^.uaU .o
consciencia, e sera honra, pudendo dissol-
vel-a importa da parle do Monarcl.a o mes-
mo que apoiar o crime e a picvaricaQao.
A rapresenlacfto offende directamente a sa-
nicipal augmenlasse a gratificaco do s.-u Ad-
vocado do partido, eoncumbisse da defesa
desses miseraveis .. pie por si mesmo o nao
poflem lser.
As prisoes para guarda dos suspoitos o a
, a.Cons.tUo, k como ^ o f d 1""'^ ffiS., Ldo
claro que a Assemblea provincial de s. Paulo
exorbitou oecupando-se em appreciar actos
ib. Assemblea Geral, e o que he mais censu-
rando-ose reclamando sua revogaco.
Se as leis do conseho de Estado, c refor-
ma do cdd. nao sao de utilidade publica, se
mesmo orao decretadas com infr;.eco do que
est disposto na constituidlo, segOml incul-
ca a maliciosa representado a Legislatura ,
Ex. pot nimios anuos como e misler.
Recife 27 de Janeiro de 842. Hlm. Exm.
Sur. Baraoda Roa-Vista Presidente da Pro-
vincia, .los Francisco de Paiva
Jiz Int. da 1. V. do crime da Com. do Reeife.
PREFEITIRA.
Parte do dia 5 do corrente.
llm. e Exm. Senbor Participo n V. Ex.
desde o momento, en. que ebegou hon-
"*"*;-.....o7,.rU a I de De/embro lllti- que, desde o inomemo, woH"y--
yrdenou tocarei
^ssrsi'aa; *?= &>*,. **-!.,-
eniaiorioi uu i "',"" ----- ,,n
u;ictiiw! na liberticidas (pa.no realmente aao salva-
consti.uico, nao pode abranger os Ministros. n hypothose que es-
(Je Estado, ^a^^SirTJi^\iXS^ deXMSC sem remedio os suP-
d0 Monarcba. D'aqu. S ^JJvJjJdtj po^os males da ratria tem a Nacao o recur-
(,1(l0 .o. ps pela Assemblea ^fijjjj- ^"1 nae rmir8R Vleicoes deoosilar sua
Paulo o dogma poltico da niviolabibdudo uo
chele do Estado todo decoro violado com
aseas proposices imprudeolissimas da repre-
sentaco acuna indicadas Mas o que ha ah
para admirar ?
Esse hornero de desmedido orgulho que
no scio da representaco Nacional leve o anno
nassado audacia de proferir as deteslaveis a-
meacas de S. Helena efiiody Rood esse in-
dividuo cuja soberba e ambicio deslustrlo
qualqueV mrito, que por ventura tivesse ,
so de as primeiras clcices depositar sua
confianca em quem melhor a represente, e
seja capaz de restituil-a perdida hberdade.
Em todo caso quandoo elemento popular ir-
nue com tanta preponderancia no Governo da
PacaO como acontece no Rrasil, be incon-
testnvel que a Naeao tem em si todos os mcios
legtimos de remediar seus males sem rec-
correr a um expediento la insidioso, e mai-
chico como o de que usou a Assemblea pro-
vincial de s. paulo.


iS9&3SBBB& "-' ^BH^PM^^^KJ
Os Deputados daquella Provincia nao podiaO
dos ingerir-se nos actos da Representaca Na-
cin! mas qudo se qucira conceder Assem-
filca provincial de s. Paulo odiretto do repre-
sen lar sobre a execucafl dessas LeiS, que tan-
to Ihe desagiada anda assim o modo porque
O devera faser jamis seria o qie extravagan-
temente adopton. O. meio legitim seria re-
correr .\ssemblea Coral : ao Poder Exee.ulivo
conjunctamenlo, como so ola proscripto na
constituicao do Imperio. Mas a Assemblea
provincial des. paulo, que caprichou em des-
via r-se de seus deveres nao dirigio-se aos po-
deres que por ventura serian competentes
para eonhecor do urna represen tacan desta na-
luresa abandonou o poder Executivo, e a
Assemblea Geral, eneaminliando-se directa-
mente ao Throno, anto o qual, se Ihe nao
vedas o Governo Imperial. leria injuriado
os poderes supremos do Estado com insolencia
sem excmplo. a moa gara com a lava revolu-
cionaria os talismans da hierarchia, e da au-
tliondade, e proferir em suinma o mais que
su con tem na sua monstruosa representago.
Terrivol precedente estahelcccria es.se p.is-
so da Assemblea Provincial de S. Paulo se a
sahedoria do Governo o nao alalhas.se em 8UU
ni. Que Ministerio deitaria de estar con-
o meu brago disse-me : Fazei o favor de
pergunlar que menina esta ?
Madame Willard urna Americana que faz
pelo son paiz mais do que eu julgava ser dado
a urna mulher fazer ; ella engrandece e forma
d'antemo asgeraces futuras, dando una
direcgfto inteiraim nte nova a educaco d'aquel-
las que pelo titulo sagrado do mais sao as pri-
meiras instituidoras do genero bumano. As
escolas normaes de meninas estabelecidas pelo
modelo da sua cobrem ja os Estados Unidos,
o Madame Willard vinlia perguntar velha
Europa se faria tambem algfla cousa para a
educacAo das mulberes am d tirar parti-
do dos nossos progressos', se os houvesse.
Olhei para o lado da Americana, o vi duas
meninas de onze a do/.e anuos ; una d'ellas
ora mui linda Nao essa ; essa nao
mais do que formosa, disso-me Madame Wil-
lard ; porm a piysionomia daquella outra
rala de inteligencia. Com effeito a me-
que as pessoas qualilicadas Jurados pelo Pre-
feito desta Comarca sao os cidadaos cdjos
nomes sao os seguintes :
Capilao Allonco Honorato'Rastos.
Antonio Alves da Fonceca.
Amaro Fernandos Cama.
(Sachar] Antonio Joze Pereira.
Antonia Jo/e T'eixeira Bastos.
de S Loitao.
Cordeiro da Cosa.
Joze Alves Ferfeira.
Jo/e dos Santos ( Henifica.)
Xavier da Silva.
Tenente Antonio de Castro Delgado (Comarca
Angelo Custodio dos Santos. do Cabo.)
Antonio Ricardo do llego.
Fabin de Mendonca.
Baptisti Kibeirode Faria.
da Cunta Soares Guimars;
Jo/o de Sjuza.
Advugado Antonio joa;U, ,ie Mello.
TEHRENOS DE MAR1>H^.
=1= Tendo-se de proceder medigo de urrl
terreno do marmita ,' concedido pelo Exm.
Sur. Presidente ao Sur. Jos Ramos de 0-
liveira nos fundos do sen arma/.em deno-
minado do sal na i na da Praia : deOrdem
do lllm. Sur. Inspector Geral Jas Obras
idlicas tenlto de convidar ao dito Con-
cessionaro Iteraos, e mais inleressados pa-
ra (pie h ijao de comparecer por si ou seos pro-
curadores no diaH do crrente mez pelas
6, 112 horas da man b.Reoilc u de Mar-
go de 1812. JofiO Francisco Bastos. F.s-
crivo das Modiges.
AVISOS I) I V E R S O S .
| mi uu iai%WMlgeilCie. ^-'... ~......^. .. v | sawwpMMv i.iiwu|w J|J|] 1
nina sobre quem ella litava aquella vista! A.ntoitio Pinto"Lopes.
profunda que s noll.i tenlto divisado.. Joaquim do Mello.
Luizde Soiiza.
Caldas Brandao.
linha em sua figura apenas agrada ve! um sin-
gular atractivo do caridura d'inlelligencia e
de razao. Chamando por um pouco de parte > Andr Alves da Fonceca.
a inspectora interroguci-a. Ali exelamou I Allbneo Joze d'Oliveira.
uieipaes ouquaesquer outraa authoridados I espirito caminha adjante o com tanta razfto.
gosao da pretugativa le instituirem examo so-; (locura e firmeza que maravilha Tambem |
bre a marcha da Administradlo, discitir,Isenhora quando a pessoa que faz ocurso da;
censurar, e pedir a revogaijta do leiscompe- tardo, na classe d'adult.is em que as niulhe-'
ten teniente decretadas? res dosnrrehaldcs, o da praga MauherU vuem
Feli/.menle poreat essa donlrina nmrciiica aprender ador (piando nos falta a Diestra da j
tarde, a osla menina qi'm eu eiionrrego-del
fazer as sitas viv.es ; ella instriie o contm me-1
Ihor do que qualquer outra pessoa essas terri-
Franciscoda Cosa.
Joaquim Ferreira.
Rodrigues Samico.
Dantas do'Reg.
Joaquim Percha.
TeixeiaCliristovAo.
Joze Batideira de Mello.
Joze Bandeira de Mello Jnior.
Vteira Coelho.
que perturbando as relar. s da bierarchia so-
cial oo I loca de corlo modo os poderes supre-
mos da Nagaosoha inspecoAo o influencia de
cornos o athoridadas subalternas nao aclia veis aluninas : sim se o hora .
acolhimetu as pessoas sensatas que una- zes unta rapariga de do/.e anuos que faz aula ; Tcnente Antonio Dmelas Cmara,
nimente a roprovao o o Governo de S. M. j para cem ou duzenlas regateiras. Antonio Joaquim-do Mello Pacheco.
I. oobrio-sede eternacloria condemenando-aj Madame Willard escutava ; e pusou-me Capitn Antonio Ferreirad'Annunciaco.
taosolemnemente como o fez em Aviso de <> para outra mestra a quem a sen rogo reno- Antonio Ignacio da l'urilicaco.
...- .. ___________1_ .11 I...............,l. ..I.< t I_ i"!____I. '......I,
militas VM Agoslinho llenriipieda Silva.
do mez passado.
A meiisagem da \ssemblea Provincial de
S. Paulo altentatoria como he da Conslitui-
c;\0 do Imperio precedente fecundo em pe-
rigosas eonsequencias s seria attendida por
um governo que deiconltecesso sua digni-
dade, o cuja fraquesa o inhabililasso para
manter ) respeito ilevido as Insltluigoes do
P.U.'. Mas o Gabinete de 2 do Margo que
tem consoienciada sua torea por que possue
-a coniianga e as simpalhias do Brazil nao
eslava no casode icquiescer impudente pre-
tenco da Ass. Provincial de S. Paulo. Elle
vei as porgunlas obtendo em resposta elo-
gios igualmente completos. Dar-nie-bao es-
ta menina para lev-la comiso para a Ameri-
ca perguntou enlAo Madame Willard como
sen ar tranquillo decidido ? Eu estou tes-
ta d'uma ins(itnig;lo de duzentas a trezentas
meninas entre as quaes sio educadas as mais
ricas herdeiras dos Estados Unidos : esta me-
nina tratada como minha libia lera ameama
educagAo ; encarrego-me do seu destino.
Ab senhora replicn a inspectora, seus
pas sao muilo pobres, mas nao sel se con-
sentiriao nisso. porque a sua Hllia c o sen bom
ICM^rtU un .1 1.1. i rvffvvim u *-* .*.,*- { -..... ---------,-----t- -
puis junlou aos varios ttulos queja tem anjo ; rin quanto a mim ( certamento me re-
as heneaos da Patria, o de impedir com a solvera a faze-lo para proveilo d'.-lla ) po-
deciria urna peda cruel; seu pai um des-
do Brazil losse conculcada e menoscabado o gi aeado obreiro dourador a quem as enfer- j Tenente Antonio Camello Pessoa.
i) Braziino de Olnda Cavalcante.
i) Marinho Pes Brrelo.
' lexandre Ferreira dos Santos.
AnIonio Joze d'Oliveira.
Joze Men.les.
Capilao Antonio Comes Pereira do S.
Tenente Antonio Egidio da Silva.
Antonio BenloFroz.
Felis dos Sanios.
Virissimod Silva Pimentel.
>. Prisco da Fonceca f.arneiro.
), Avelino Ferreira Lopes.
n Vital de Olive;ra..
i, .lo/e d'Albu'querque.
Juaquim Rodrigues.
dos SaiitosPiulieto.
Throno com os primeiros poderes da Nagp ,
por essa delestave e detestada representagao,
que O malva lo espirito de partido insprou a
desvairada Assemblea Provincial de S. Paulo.
ttiuyauu wvi* n w uuuiuuvi 'i"' ^r -- | t l 111 i ''"'' vnuii' uw i
midadesque acairela esse funesto ollicio ca Amaro Benedicto de souza.
miseria que. se Ihe segu* tinbio tirulo os mei-
osde suateutar asna fainia. nicamente
por causa da estima que nos inspiroii esta me-
MISCELLAKEA.
ESCOLLA E CAZAS D'aSYLO.
Continuado do n." anlocedento.
Reliiaro e indiearao successivumenle lo*
Antonio Joze de Albuquerque.
Tcixeira d'Avila.
di- Assitnipco Cabial.
nina anda muilo pequea ento tomamos Amara! Goncalves dos santos.
o pai por guarda-porlflo da casa ; ha trez an- j \||Vres Antonio Joaiptim de Almeida (ji eles.
nos a osla parte que todos os dias nos congra-: Antonio Francisco de Moura.
tillamos de o ha ver feito : poisqup ella al Juaquira d'Oliveira Baduem.
perola e a alegra da (isa. Joze de Mello.
A negociagao foi assaz longa ediflicil : po- ; Capilao Adelo Lopes de Sania Anua,
dos os oslados por que passa ala para chegar \ rom prevalecerAo Madame Willard e o inlfc-, Antonio Vicente Guimaraes.
a fazer-se d'ella urna carapuea. O menino pu- ; resse da menina. A nobre e digna America-
ti iu/.';i -a* u i-iiu n ni.i v ,i i .i | m n .r. / niv y*-* wi-" ..... -. .------ ,-
nha-se assim em relago com a civilisacao na enthau'ou-se no Havre iFahi a trez mote
como Adfto com o universo, denominando ca- com a rapariga da casa do asyk).
xiii i i.,i..:.i., \\,
Pinto de Barros.
Mull/ Pereira.
da cousa de per si.
Urna especie do estante de madeira com-
jirda e baixa com dous declives enllocada
no meio da salli, farmuva uro leilo de repoU-
so sobre o qal dormiap dous meninos fali-
yados a soinno solt :
Finalmente os pruneiros cnsaios de escrip-
ia erao gravados sobre areia por bai\o dos
caixillios por pequeos dedos desazados e
graciosos. A inspectora, viudo tercomnos-
co inforiiioii-nic de que gracas bottdade
providente de M. Coclin Cada menino podia
cceber todas as manhas por um sold ( e
inuilas vezes sem sso ) urna boa o abundan-
do sopa ; e introdu/.io-nos na segunda casse.
Alli achei duzentas meninas dispostas por
ordem ; a mestra assentada ti'uma cadeita al-
ia conservava-se na exlremidade superior ila
salla e urna moni tora de pe insjiccionava
cada banco. Era clia de trabadlo d'agulha.
Examinei os bordados as obras de costura ,
us pannos de marcar e o que mais me agra-
dou foi o concert dolado velho dos pas.
Eu escutava a inspectora quo me fallava dos
dias do can loria de desenlio d'ortbografia,
o lastimava quea minha visita nao livessean-
tes lido lugar no momento, d'esses exercicios ,
quando Madame Willard pondo a mao sobre
MI!
>',
Adelaide Montgolfier.
(Traduzido. )
lr. Agoslinho da silva Neves,
Antonio Pinto de Barros.
(Mvaro Fortunato Jbrdao.
Padre Antonio le Faria .Noves.
Adriio Joze dos santos.
Bfiga'deiro Aleixo Joze d'Oliveira.
Antonio Bernardo Rodrigues selle.
Alferes Antonio Clemente Este ves de Larras.
Rendimento do da & 3:308*837 (mente coronel Antonio Germano cavalcante.
DESCABftEGAO hojk K no CORBEtt. Antonio Comes Pessoa.
Barca lng. W." Russell. Tm .as da ferro, ; Alteres Antonio de lloanda cavalcante.
ancoras, ferro em i. II .. i: ..reos, lou- Antonio J./.e da cosa
ca, cerveja, ferragens, vid ros alca-: Joze Comes ( lo Corrcio.
COMMERCO.
ALFANDEGA.
tro. farinba d'aveia.
R. lnglez Romance. Carvfio de podra.
R. lnglez D. Bacalbo.
R. lnglez riocipe Alberto. Dito.
B. Courier. Dito.
Tenente Joze de souza cousseiro.
Antonio Luiz Goncalves Ferreira.
(Conliiiuar-se-ba.)
Pela Administrado da Meza do Consu-
lado se faz saber que no dia 10 do concille
L.ourier. mu. .....- -. ; ,
Ratea Port. Espirito Santo acabou de des- mez se ha de arrematar a porta da mesma Ad-
carregar, o nassou para o ancoradouro da ministrado, una ca.xa d assucar branco ,
I. I- I .11.- 11(11' I I \ .- ltlIV>.lL.lll..' lili
carf;a.
D E C L A R A Q O E S.
apreendida pelos respectivos Em pregados do
Trapixo do Pellourinlto ; e no dia 11 do mes-
nto otra caixa taotiem branco apreendida
pelos respectivos Empregdos do Trapjxe da
Alfandega velha ambas por inexactidao das
A Cmara Municipal de>ti Cidado do Recie i taras ; sendo as arreuttacies livres de des-
e seu Termo &c. I,,'zas a0 arrematante. Meza do Consulado de
Faz saber em cumpriinento do artigo 20 ,1 Pcrnambuco 5 de Marco de iM
cap. 5. scccAo 1. do Cod. do Proc. criminal I Miguel Arcanjo Monleiro d'Andrade.
Snrs. Redactores.
Li a correspondencia do Sur. Antonio 'Jor-
ges da Fonceca transcripta nu seu Diario n.
50 na qual to acre calumniosamente infa-
ma ao Sur. Manuel Gomes da Silva sem pa-
ra i sso ler'motivos, emquebaseie 14o teme-
rario arrojo qual o de denigrrum Cidadao ho-
nesto o respeilavcl firmando-se para isso
noque ouvio le um recrutado, e de urna car-
ta que recebeo de um qudam. Admira Ss-
nhor.'s Redactores como o Sur. Borges que
assevera que nunca hisultou aalguent levo
a sua impudencia ao ponto de insultar ao Sr.
Mattoel Comes da Silva ehatnando-o assas-
sinb E nao ser isso insulto? Nao ser men-
tir dcspejadamenle asseverar o Sur. Borges .
que aquella "Snr. ha quatro anuos nao venia
esla Cidade, quando lodos que o conhcceni,
e com elle tem relajos, sabem que elle tem
eslado uesta Cidade por diversas vezes o quo
no anuo passado vcio ditas ou trez vezes e
que aqui eslevo pela Fesla do Natal Emlim
a caria calumniosa do Snr. Rorges nao mere-
ce analise mas cu nao posso corno amigo
do Snr. Gomes da Silva ler inuJo e quedo
tanta calumnia c lana ousadia. lie natu-
ral que aquello Snr. busque as nossas Lois
o desagravo de tao grave oflensa mas em
quanto elle nao faz eu rogo ao f-speilavel
Publico, que suspenda o seu juizo so por
ventura alguin peso mereceo a insolente dia-
tribe do Sur. Borges visto pie aquella
meo amigse nao acba uesta 'ilaile temi-
se retirado para o seo Engenho em fina lo
mez passado.
Um amigo do Snr.Gomes da Silva.
ssEstevftoCavalcanled'Albuqnerquefazsci-
ente ao respeilavcl pubcd que liavendo em di-
as d'Agosto do auno passado abonadoao seuso-
brinho Joaquim Cavalcante d'Albuquerque na
quanlia de500j r.-is, ea Manuel Tetxeira em
igual quanlia forao os uiesmos abonos ter a
casa dos Snrs. Novaos e Raitos } elendooan-
niniciante mandado a seu lillio JoAo ile Sa Cal-
vacante d'Albuquerque pagar ambos os abo-
nos os Snrs. Novaes e Bastos s Ih'apre-
sentarao o de Joaquim Cavalcante, e mais
um crdito d'este da quanlia doblo,) res,
porem que nao linha a firma do mesmo an -
nuncianlc, e porque seu mencionado fllho re-
cuzasse pagar semolhante crdito, aquellos
Snrs. contra toda a espoelaliva affirmarao-
Ihe, que o abono linha sido vocalmente, c.
desta sorte conseguindu Iludir seu filho l'o-
ro pagos daquella quanlia de 6 \$t rei; coo-
perando muilo para isso o dizerem-lhe aquel-
es Snrs. queeni seu poder nioexislia mais
abono algum do anuunciante : quamlo pelo
contrario devem ellas tero de Mattoel Tcixei-
ra ; e como o mesmo aunuociante nao fizesse
vocalmente semlhante anonade ti\> rei,
segundo falsariamente dissero aquelles Snrs.,
por iso faz scienlepara que ofngnem receba
em pagamento ou laca outra qualquer tran-
zae.. com o referido abono dado a Manoel
Teixeira existente em poder dos Snrs Nova-
es e Basles da quanlia de oO res pois
que o annunciaiite ja o pagou e pretende em
lempo pedir aesses Snrs. o excesso que in-
devdamenle. recebero do seu lilho como
tambemos juros competentes, assim como
tambem provar-u'.s a m f com que hou-
verao em semetbalife negocio rhfcerta-
merle indigna de bomens dados ao commcr-
cio. Recife 23 de Fevereiro do 1812.
= Pelo Juizo do Civel da segunda vara se
sedado arrematar, una casado un aedar o
sotlAo sita no atierro do Ahogado defronte
!do viveiro ; aqi/al tem 28 palmos de frente e
i cem de fundo ,. portadas e grande caes de pe-
dra no quintal um grande telheiro leja repar-
tida no primeiro. andar duas sallas grandes
o pabinele e sette quartos, no sottSo cosinha.
dispensa, trez sallas o um quarto :
ludo acabado a moderna de mudo baas w.
deiras.


*
4
SSi
3* O Thesoumro do Gabine-<1 Rozaiio JaB^ *}** de 3150 e do',s
, ., o c i mcios ditos 11. 2f>01 e um bilhete inteiro tic
te Literario previne aos fcrs. Oo-|n-47:(Jai pi.imera parle da nona ,otera do
cios que 9 tendi desapparecido. Thcatro ,. por conta do Sr. Joze Pinto Coe-
&r Procisa-se de una ama de leite forra
C'J cativa, na ra da Cruz ti. 40.
fe?" Precisa-sc arrendar urna olaria grande:
uem tivor annuneie.
tsr O BaitiaivWbrmado Joo Antonio de o Cobrador do mesmo Gabinete de "10 5 e um bilhete da mesma lotera do thea-
Soirta Beltrao d'Ara'njo Pereira muilou asna ra minhandn Mmniffa sbrima rpJ tro den. 495 por conta do Snr. Manoel Joze
: videncia para o 2. e 3." andar do sobrado i n(-a"imaao CO n.MgO algllllS W-j^ Lima ambos residentes na Villa do
<:i ra de b. Francisco ein rujo primeiro CII)OS de inensaiidades nao pa-' ic <,como remetteoos mesmos bilheles aos
dar mora o Sur. Advocado Jos'.'; Varoizo. oiiciii se nao ao novo cobrador lisos Snrs. e para evitar qualquer duvida
i i ____ --......'.....________*_____'____:- -'- -'" *"'
cjnc se acha justo e munido de
S2f OCirurgio LinodaPenha de Franca,
iftuxfou a stia residencia para a ra eslreita ..
d Rozario casa 1). 20 i- dois andares, ra authomac&o expressn que apre-
sarte do norte. I sentara no arto da eobranea.
SS7" Aluga-se-0 armazem o o 3. andar do' ff Quem piiser duas amas dirija-se a ra
sobrado de quatro, da ra da Moo!a ; aquelle. do Bangel D. 2.
. roprio para qualquer estabelecinienlo de
que possa iiavercom o extravio de algum del-
les por isso taz o presente anr.uncio.
C ) M P R A S .
ou.d" Artista ; na ra do Yigario
rom mera o,
!>. 12.
=s Sexta reir do corren te entre o llos-
l.icio c a Trem-pe. perdeo-se um allinetedc Recife n. peito grande, com lopaz no roei o llores Bernardo Fernandos Vianna.
tte oui'u fle roda. Quem o livor adiado, que-j j^y Heurique Zimmer mudon o seu ar-
iviiilnu restituir rccober o valor delle na l mazem de chapeos da ra da Cadeia velha pa-
Hua dacadeia do Recife K 18. ra a mesma ra n. i2 no primeiro andar.
X27" Escravas para fura da Provincia com
C5F* OSr. M. G. S. ven ha ou mande res-1 vicios ol seori elles de 50 anuos para baixo :
gatar um seu crdito da quantia de 21*600 na ruado Collegi O. 2 botica de Cyprianno
rs. vencido eni o de Abril de 182(5, ao abai- Luiz da Paz.
Xo assignado que mora na ra da Cruz no' x^r Garrafas vazias de vinho musealcl : na
ra do Queimado D. 5 lado do puente.
ssr Tartaruga em grandes e pequeas por-
ches pentes quebrados ou inteiros ; e tam-
bero se concern toda obra de tartaruga; na
ra do Arago casa D. 5i ou no deposito de
=r O aballo assijjnado, e juntamente] jsj- Aluga-se um sobrado de um andar e assucar refinado na mesma ra.
s-'ii cunhado Frederico Chaves, milito aga- j sotan com sucientes commodos para urna
rteoem *o Olm. Sr. PrelVito e Sub Prefinios, familia na ra Formoza no bairro da Boa
do B. do Recife e S. Antonio e coinuus- vista : no al trro do mesmo sobrado I). 10.
cirios de polica, n actividade e zoilo com; %zj- Aluga-se duas canoas que carrego
que se prestaran em seu auxilio, i Bm de {JOO lijlos de alvenaria cada urna e serven)
capturarle os dois ladros ( como de tocio para tirar areia na corea : napraea da Inde-
aconteceu ) recomendados no Diario de o ilo pendencia loja n. 20.
corren te rezulla n do da apreengo dos mes-! c5= Cals Jnior retira-se para a Europa e
mus seren entregues dequaze todas as pes- jdcixa para seu procurador bastante ao Sur.
sas roubadas faltando nicamente 100* rs. ; Cals Ain.
emseduias tres ou quatro aueles, um mas-i ^y- Aluga-se um grande armazem na Boa
so de eordaocontendo varios pedagos i 112 i vista com porto de embarque proprio para
vara dito orna medalha com Din diamante qualquer estabelecimento : na na da Cadeia
6 garios de prata promettendo-e melado velha D. II.
do restante dodilo robo a pessoa que o descu-l t^> O ahaixo assignado lem aborto um
brir. 0 mesmo agradecimenloderigemaosSrs. curso completo e regular do Thoologia no
G. M. que os acompanhanio cm todas as de-, qual se aclio ja matriculados muitos alum-
gencias e as pesspas que Ihe zero a cari- nos, e qualquer pretendente que se ochar
dade prender um dos latimos naocazio de se j munido da especial foienca de S. Ex. Revm.
retirarein. o poder procurar no son Convento de S.
Candido Jos de Salles.
poiiora proei
Antonio dest Cidado a qualquer hora; onde
*s Arrenda-se um silio com casa de ao- tao bem tem aberlo aula de Latim e Geo-
braJo, frucleiiMS, e porto d'embarque
entre as duas puntes da Magdalena; urna
engenhoca de assucar no sitio Alemao da Hid-
ra com embarque fructeiras trra devo-
lula e maltas para madeiras e lenha : na
tua da Gloria sobrado I). 50.
aa Sabio o 9. n. do Espelho las Bellas ,
conten os artigos seguintes: A Moderagao -
Pai dos vclhacos tui eoslume celebre E-
ducago Desejos los meninos Rifa he nova
nveneno Ancdotas Receitas para o A-
g rafia.
Fr. Joao Capistrano de Mendonca.
G7* Aluga-so o primeiro e segundo andar
e armazem da casa da ra do Fagundes que
bola para a ra da praia ; na ra da Cadeia
velha n. 5">.
%sr Nos lias do inlrudo furtaro urna ha-
cia grande d<* cobre de banho. ja velha, com
S2T Uma cometa com chaves que soja
boa paga-se beni : a fallar com Marcelino
Joze Lopes.
V E N DAS.
C^- Um pianno inglez com pouco uzo e
por proco com modo; uma mesa de costura
para senhora de novo modello e m'ito ri-
ca : na ra Nova D. 16 casa de Madamc Th-
ard.
si-T Fina venda com muito pouco fundo,
arranjo para familia agoa de beber o em
muito bom local da Magdalena: na ra do
Cutovello D. 20.
xcf Bap areia preta do Mouron (^ Compa-
nbia asoitavas nudas libras a i"20 rs. o
as libras a 1040 rs, : na ra Nova loja de li-
vros D. 17.
t^r Urna casa terrea na ra da Conceico
da Boa vista ', do lado da sombra he casa
de quina : tiesta Typogralia.
25T Charutos ve rdadeiros da flvana de
superior qualidade : cm casa de Heurique
Zimmer ra do Collegi D. A.
SSP Erna duzia de cadeiras de Jacaranda ,
novas; o uma Biblia : no pateo de S. Joze
D. 2 lado do pculo.
SS7* Um negrinbi do naC-fiO muito linda,
o ptima para mumbanda engomma, cose,
carnudo e muito manco, proprio para moiv
taria de senhora : no atierro das 5 pontas fa-
brica de tabaco.
ssy Um cavado alazo esquipa .-e carre-
ga baixo, por preco muito commodo : na Ins-
tancia segunda casa das do Sr. Joze Baplista
Ribeiro de Faria.
ts&" Dous papagaios muito bons fallado-
res : na ra larga do Rozario D. 9.
SST As verdadeiras pilulas vegetaes do iJr.
B. Brandreth cujos salutares olTeitos sao bem
conhecidos ; he p-ntanlo falsa a decaraco
de ser o armazem do Sr. Domingos Knotli o
nico deposito das mencionadas pilulos : na
ra da-Cruz n. o i botica do Sacsset & Com-
panhia : prego 800 rs cada caixinha.
t&" Uma mulata de 2o anuos com dous
(ilhos um eom 7 para 7 annos e oulro.l,
um negro de iOannos que entend: de co-
zinhar : na ra da Cadeia velha n. 53.
CT Esencta de ani* a 8^ rs. a garrafa e
I aga de zimbro a 200 rs. a libra : na ra do
S. Bita Nova fabrica de licores : na mesnm
preeisa-se de U9l bom reslilador.
C^* Um molcquo de na;au de-16a 18an-
nos, robusto, bemsadio, e ainda meio bu-
gal : em S. Amaro sitio de Joao Baplisla
Claudio Tresse.
&S5- O resto d'agoada do Brigue Leo que
conduzio Iropa do Maranho para esta Cida-
de ; na ra do Viga rio D. 12.
tST Uma venda no atierro dos A (Togados a
immediata de Antonio Luiz de Kreitas; e urna
cabra bixo com cria muito boa de leke : na
mesma.
as boiras quebradas e supoe-se ler sido fur- e coziuba. aianga-s a h>a con luda; o da-se
lada por um escravo ; <]U'-m a tiver guardaila a contento : na ra Direita D. 20 lado do Li-
dirija-se a ra estrella lo Rozario sobrado D. vramento.
SST Caixasde tirar fogo muito boas, por
proco commodo: em casa de A. Hosch na ra
da Cadeia velha D. 17.
mants infeli/.es Mximas e pensamientos : \ o<) nQ terceii'O andar que ser 'ratificado.
vi'ti le-se na prac.a da Independencia X. 57 e. j^T Prccisa-se do um dixeiro portllguez
58, pa Typogralia imparcial, na loja lo Sr. de dade de 12 a 10 annos, para venda em-
Bez ra nova na botica lo Sr. Prannos hora nfio tenha pralica : na ra da S. 'Cruz I x>5- Uma casa terrea com urna porta o ja-
ma do Rozario estreita luja de fa/onda do ; venda defronte da ribeira de baixo de um so-; nela na ra de S. Thereza desta Cidade : na
Sr. Angelo ra direita : na ra da cadeia bradinhoD. 50. I ra de S. Joze a fallar com a viuva do I'alco,
irr- Quera estiver as circunstancias de ( assim como duas portas de amarello.
poder recebar um cavallo do estribara de es- \ %z?- Sal do Ass a bordo do Brigue Matbil-
timagao para o engordar fora da praca, o qual des fudtadb'defronte da Lingoeta : para o
nao est magro e entrega-lo bem gordo no ajuste falla-so aoCapito Manoel MarcianoFer-
mez de Ndvemhro do crrenle anno se gra- reir, ou a Firmino Joze Felis da Roza
jutoria la mesma freguezia que lica distan- tilicar com 100. rs. ; dirija-se a ra eslreita %y Um moleque : na ra da Praia sbra-
le desta pra$a dez legoas, lugar de muito do Rozario D,. 49 no tereciro andar. j do do Pinto, armazem de carne,
bom passadio de boas possos para com- ^5 Aluga-se o primeiro andar do segunda i^r Tres casas terreas de laipa no lucrar da
do Recite loja do Sr Bjurganl.
= 0 Reverendo vicario da freguezia de I-
pojuca conviiladous Reverendos sacerdotes,
que se queirao empregar um na cpela
curada de N. Sra. do O', o eutro na coad-
niunicacao : dirijao-su a esta Typ. que se di-
r a residencia.
= Ofcrece-se um preto forro capaz o
de boa conducta para criado de algum Sr.
1) quitado Assemblea Geral: quera precisar
an nuncio.
l= Jacinto Fernandos di Costa negocian-
te da praca la Babia faz publico, quechegou
ao.seu CBiihei'imenlo que nesta praga se tem
perU-ndido descontar letras com sua firma li-
gurada por jaso por esta se previne ao res-
peilavel publico que essas letras sao falcas.
-=^ Precisa-ae Je uma ama de caza, branca
Sm lillios, para o servigode um eslrangeiro ;
paga-se bem dando abono sua couducla :
aiin-iucie.
pL-rtende-se arrendar um sitio que te-
rina baixa |iara "plantar cap ni j'ructeiras ,
caza sofl'rivel para morar e que soja porto da
praca i fajar na ra da cadeia velha l). ii.
<= Aluga-se a caza terrea D. 51 na ra do
mundo, novo : na ra do crespo loja D. 7 la-
do do norte.
* o- i...... ........ f-------- -------- --------------
sobrado na entrada da ra do Aragiio do lado venda grande com camarinuas e qninlaes :
esquerdo ,. no bairre da Boa vista com duas i na roa da Palma armazem de madeiras.
salas, oquartos, cozinha fora, quintal su-| sjj* Um cahrinha de 18 annos, ptimo
(ciento para estribarla e cacimba : no segn- i para pagem :. na ra do Kivramento V.i I
do andar do mesmo.
tST Quem precisar do um forneiro dirija-
se a ra dos Quarteis casa de pasto D. 2.
siT" Vinho Francez lito da Figueira, di-
to de Lisboa PBR de muito muito bol quali-
dade, por proco commodo : na ra da Ca-
madoira ; a quem convier pode comparecer
no mencionado lugar.
cr Precisa-sede u m caixeiro capaz, que
nao SO duvida pagar bem a proporgo lo seu
merecimento para tomar conta por balango
de uma casa de negocio de venda e fazenda
porto desla [iraca : na ra da Palma armazem
de madeiras.
ty Engajo-so para o torno de cometas do
,=53 Perdeo-sei um livrinho intitulado Ligues terceiro Batalho da G. N. dous individuos.
de Eloquencia Nacional desde o adro da Se um para locar clarim e nutra para primeiro
de Olinda athcolim lama pusso castilhano : | corneta : a tratar com Marcelino Joze Lopes
HT Quarta feira 0 do corrents pelas \ ho- deia do Recife D. 11 dcfroflie do Vieira Cam-
ras da tarde na porta do Dr. .luiz de Direito da bisla
tereeira vara do Civel no atierro ra Boa vis-1 srj*Uma insignia do comendador da ordem
la se ha do arrematar por ser a ultima praga da Roza, uma fita de Oifieial da ordem do
urna eserava moga asedia, que tem as ne- Cruzeiro um habito Ja ordem da Boza, um
cessarias hahefidades que exige o bom aeran-1 dito de Christo, illas para dignatarios la or-
jo de um casa, esobre ludo oplima engom- di*m do Cruzeiro, e ditas para os hbitos.
piem o achou cquizer restituir dirija-se a
mesma ra casa do Padre Pompeo.
= Percisa-se alugar um andar de sobra-
do ou casa terrea no bairro do Santo Anto-
nio ; ou boa-vista cujoaluguer nao exceda
de 8 a tOj reis : na ra da Aurora D. '9.
= Deej-se fallar ao Snr. Reverendo Jo-
e Pedro Bandeira de Mello ; queira aauu-
sciar a sua morada.
i^" Os Srs. Manoel da Silva Maia o Anto-
nio Ferreir queirao dirigir-so a praga da
Independencia n. 28 e 29 para recoherom
urnas cartas vindas do Porto pela Barca Es-
piro Santo.
ssr Precisa-se de2:000j de rs. a juros oom
seguranca ; qoem quiser dar annuncie.
x^" Joao da Cunha Magalhfies comprou um
ludo do muito bom gosto e chegado ullima-
-.enlo do Rio de Janeiro : na ra da Cadeia
do Recife loja de Joo da Cunha Mngalhes.
\ j- Duas grandes c ricas re es (citas no
Maranhftft, com os seus competentes conloes,
una branca o outra pintada : na loja da
quinado pateo da Matriz de S. Antonio a fal-
lar com o Sr. Brandan
837* "A armacao e gneros colocados no ar-
mazem da ra das Cruzes D. 7 a dinheiro
ou a praso : no mesmo.
cy Um escravo de nago muito ladino ,
cozinha o ordinario e tem principio de pa-
daria : no atierro da Boa vista padaria de
Francisco Consalves Reg D. 50.
S~j" Sacas com feijo branco muito novo ,
chega o ltimamente do Porto por prego
commodo : na praga da Independencia o.
28e29,
tsy Um bom e bonito cavallo castanho ,
ESCRAVOS FGIDOS.
bilhete dfe segunda parte da primoira loteria carregador de baixo a meio he'novo e esta
<~$~ Do sitio do Tenenle Felip-
pe Servulo no lugar da Piranga desaparece o
na noute do dia ullimo de Fevereiro um ne-
gro de nome Antonio de nago Congo sec-
co do curp' cara descarnada altura re-
gular, de maisde50 annos, o dedo gran-
de do p direito lorio para dentro, e a pri-
moira junta do dedo ndex da mo esquerda
cortado de um panaricio, oceupava-se em ven-
der leito; julga-SS ter sido sedosido e desenca-
minbado por corto sucio do mesmo lugar, quo
se cosluma intreler nessas brincadeiras, sem
se lonibrar que o diabo tem capa, e chuca-
Iho.
tsr Fugio no moz p. p. a eserava Calhari
na de nago Songo alta secca do corpo,
cor preta tem uma marca de ferida em uma
das ps ; quem a pegar leve a casa de Joo
Mara Seve que gratificar.
S-#* Xo dia 0 do crrante fugio o preto Joa-
quin de nacao Quigam estatura alta
proporcionada bem feilo de corpo rosta
'!o com umaorelha turada com esto
signal =00= em cima do peito, um R no
braco esquerdo eoutrona p pea peque-
nos canellas linas nariz regular foi vis-
to chapeo de pallia ; qi/em o pegar l!ve a ra
Direita D. 45 junio ao beco do serigado pa
dara do AntonioAlves do Miranda Guimaraes.
MOV1MENTO DO PORTO.
NAVIO S.VHIDO NO DIA ).
Ton Ion ; Brigue de Guerra Francez Cygne ,
Cemmandanle IVIlion.
ENTRADO NO DIA 6.
Rio de Janeiro ; 20 dias Brigue Porluguez
Liade.266 tonel., cap. Ricardo Xavier da
Cimba, equip. i, carga lastro: a Joa-
quimJoze de Amorim.
Rio Grande do Sul ; Brigue Dinamarqus Al-
vina de 120 tonel. cap. H. J. Jorgcnsew,
equip. lo, carga lastro : a Ordem.
Babia; 6 dias, Brigue Escuna Americano
Ilannab de 152 tonel., cap. James G. smilh
q'.iip. 8 carga lastro : a lienry Forslcr &
Compaubia.
SUimOS NO MESMO DIA.
Bio do Janeiro; Charra Brasileira Carioca,
Commandante o Capno Tenenle Manoel
Francisco da Costa.
Acarad; Patacho Biasileiro Emulagao, cap.
Antonio Gomos Pereira, carga diversos g-
neros.
Maranho ; Patacho Brasileiro Carolina cap.
Francisco Bernardo de Mattos carga di-
versos generas.
Baha ; Hiato Brasileiro F'or das Larangeiras,
Cap. Francisco dos Reis Augusto carga
lastre.
Macei ; Sumaca Brasileira Bom Jess dos
Navegantes cap. Antonio dos Anjos Cal-
das carga diversos gneros.
RECIFE NA TVP. DE M. F. DE F. =.***"-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEE9RS3QP_3SAIP0 INGEST_TIME 2013-04-13T01:16:09Z PACKAGE AA00011611_04484
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES