Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04483


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de I84 Segunda Feira 7 d
Todo aoradap"dej n6a nttnoi ; da nnssa prudencia, moderarlo, eneria : con-
tinuemos aomo principiamos, o seremos apontaHoa coro anWaco enire aa NafOaa ais
cullas. ,__________^_ (Proclsmacjo ila Assenblea Geral du trasil.;
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, Paraiba, e Rio rancie du Norle, na segunda e sexis feira.
Bonito e Garantan, lile "24
Cabo, Sarinhaem, Rio l'ormoxo, Po.no Cal. MaceiA, e Ala Pajea 13. Sanio Antao, quima feira. Olinda iodos os dias.
DAS DA EMANA.
7 8 Tere. a. Jo i., de de [)eos. Re. Aud. do do juir.de Direilo da 1. rara.
9 Quart. s. Francisca Romana. Cbanc. And dojuit de clircil da 3. Tara.
10 Quii, t. Militio. Aud. do juii de direilo da 2. Tara.
11 seal. s. Candido. Aud, do Juii de Direilo da 1. Tara.
\\ 13 Itom. s. Eufraiia.
Marco.
Auno XVIII. N.o-h
'a* O Diario pul.lica-se lodos os dias que nao forem Santificados: o preco da asignatura la
fiL de Ires mil res por quariel pajroa adianlados. Oa annimcios dos asaltantes sao inseridos
m cralis, eos dosqiie o n.io liirem a rar.io de 80 teit por liaba. As reolaaiafOea ilevem ser
l^dirisidas a -la ITpografia ra das Cruzrs I). 3, ou praca da Independencia lujas de liTroe
IJ Nmeros 3/ e 3S.
Cambio sobre Londres 29 d. p. 'II'.
> u Paria 320 railp.fr a.....>.
n Lisboa SO a 83 p. loo depr.
Ouno-Mordade6,4(lU V, !/l(IOa 14,000
CAMBIOS m> da S de Mine.
Prata Paiaces
PnTA- Pezosi olumnares 1,6501 1.670
" Menanos 1.1) ;0 a 1.050
""'! 1,4401 1.400
M.ieila i!e ...lire .1 por IDO de d~ onlo.
N. 14.300 a 14.400 ; Diaoonfude b.ll- Alfandea I e 1 poi 1U
le i.dilO N.lil'la 8,200 aonet.
1,050a 1,0701 dem de lenas de boas Crinas Je a i e i.
nusr.s da u \ no mez e sunco.
Mr !>>.
da ni.iuh.'i.
i da larde.
Ouart, minj. a ."> s II lloras e 4 m. da larde,
I.ua -Nova a 12- lis 4 llorase S m. da nunil.
Ouarl. rese, a li)-- lis S lloras r ?S m da larde.
Lila ebaia a 20 11 huras e 3'J m. da manh.
PARTE OFFICIAL.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
ACTA DA 3." SESS.V ORDINARIA EM 4 DE
MARCO DE 1812.
PAEZIDBCU DO SNR. CO.NC. M1CI1 '.!. M0NTEIR0.
Feila a chamada comparccerAo 2o Snrs.
De potados faltando sem parlen pagao os
Surs. Pedro Cavalcante, Manuel Ignacio,
Antonio Carae.ro, Lopes Gama e Manoel
Cavalcante. Foi lida e approvada a acta da
seasAo antecedente. Tomn assento oSr.
Reputado Barao do Suassuna.. 0 Snr. pri-
meiro Secretario fez a lei tura do expediente.
Um ollicio do "ecietario da Provincia re-
metiendo as informaces dadas pelos Viga-
ros de serinhahem e Una sobre a passada
eleico dosel altores T do Ro Formoso.; A'
Commissao deCunstituicAo e Poderes.
Outrodo mesmo snr. acompanhando co-
pias de un ollicio do llm. Prelado Diocesano,
em que representa sobre o estado ruinoso da
lgreja Matriz de santo Amaro de Jaboato ,
e da requisieao do Vigario da l'reguesia de
Aguas Bellas acerca dos concerlos e para-
mentos de A' Commissao do ornamento Provincial.
L'm requerimento do Padre Laurentino An-
tn o.Yloreira deCarvalho Prolcsso jubilado
daCadeira de Geometra do Liceo, pedindo a
reahilitacopara a dita Cadeira. ou melhora
emsuajhilacao. A' Commissao de Inslru-
QAO publica.
Oulro dos moradores da fracc/fio da Fregue-
zia de Ipojuca pedindo a revoga<;ao da Lei
Provincial de i de Maio de 1840 aparte que
mandou que el les licassem pertencendo
F.reguesia de serinhaem. A' Commissao de
Estatislica.
A Commissao de Consltuicao e Poderes a-
presentou o sen parecer a ce roa dos Diplomas
dus Snrs. Deputado Antonio Joaquim de Mel-
lo, e Supplente Venancio Henrique de Re-
zende julgaiidu-os legaes. Posto a volacio,
fui approvado 5 e sendo os referidos Snrs.
inlroduzidos na sala prestara o juramento
do estilo e tomara assento.
Entrando em discussAo o requerimento do
Snr. Pereira de Brito adiado por empate na
sesso passada fui rejeitado.
Foi lido, e posto 'Mii discusso o Parecer da
Commissao de Petiges adiado na S'sso do
anuo paasado sobre o requerimento da Ir-
mandade da Santa Caza da Mizericordia de
Olir.da pedindo esta Assemblea naja de
resolver a duvida em que se acha a Admi-
nistracao dos Eslabelecimentus de Caridade ,
s^bre o cumplimento do Decreto de 15 d'Ou-
tubro de 1831. Tornou a lioar adiado.
O Sr. Jos Pedro andou ni"za a seguin-
te indicac.lo- sabendu-se por experiencia,
que a decadencia do Curso Jurdico de Olin la
be devida em grande parte ao lugar em quo
elle se ada ; assim tambeni. que nenhuma
prosperidade tem este estabeleei ment pro-
movido aquella Cidade, e que sao muitos OS
soflVmentos, e privaco-s que ali esto su-
geitos os seos empregados, e wstudanles in-
dico queosta Assemblea tomando em consi-
dera^o. todas estas razos, represente As-
semblea (eral a hecessidaJe da remocAo deste
estabelecimento para o Recife. A' Comnws-
sao de nstruc/10 publica. O m-smo snr. fez
oseguinte reqifRrimento Ten,lo o semina-
rio de Olinda entendido que os exames pre-
paratorios para a Ordenacao de que tracla o
artiga i. da Lei Provincial n. 18, podem ser
feitos no mesmo seminario, embora nao hajao
ali as respectivas Cadeiras ese veja por islo
na rigorosa precisan de procurar examina-
dores, (pie a estes exaraos se queir&o prestar;
o que se tem deisado repetidas vezes a von-
lade e diligencias dos proprios esatlipadOS ;
requetro que esta Cmara pesando em sua
sabedoria os niales, quedestaabuso podem re-
sultar, peca ao Kxm. Presidente providencias
respeito. Posto em discussAo o Snr. Re-
sende mandou meza o requerimento segin-
teRequeiro que a materia, que se acha
em discussao, v a Oommissao competente
para dar osen diclame a respeito. Bepoisde
apoiado e posto em discussSo o sen author pe-
dio reliral-o ; o que Ilie foi concedido. Sendo
considerado o requerimento do snr. Jos
Pedro como indiccao. na forma do Regimen-
t da Casa, foi remettido Commissao de Ins-
trucc.ao publica.
OSnr. .Neto mandn Meza o requerimen-
to seguinte = Requeiro, que antes de ser dis-
cutido se imprima, o distribua o parecer da
Commissao de Peticoes acerca do requerimento
da Irmandade da Sania Casa da Misericordia
de Olinda. = Entrando em diseussSo o Snr.
Pereira de Brito mandou o seguinte a Idila-
mento : =que se imprima tao bem a repre-
si'iitagao feila pela Administracao dos Esta-
belecimenios de Caridade sobre o mesnm objec-
to no caso de existir no Archivo desta As-
semblea. Foi apoiado e approvado conjunta-
mente com o requerimento.
Enlrou em discussAo o Arl. 2." do Projecto
n. II do auno de I8il. O Sur. R 'si-nde
mandou Meza a seguinte emenda : 1= Sup-
prima-se o Art. 2." Foi apoiada. Mandou mais
o seguinte Art., para ser enllocado onde con-
viesse = 0 Governo dar o regula ment, e
plano para a e\ccuc;io desta Lei. Depois de
apoiado oseu autor pedio reliral-o e assim
FOLMTQ
ANNA D'ARCONA (*).
O conde de Ancona.quando soube a visita
inesperada que acahava de chegar vestiu-se
a pressa e chegou bastante a lempo para re-
caber a seus illusires hospedes porta do
grande salo do castello para onde tinlia
mandado aos seus escudeiros que os oondu-
zissem. All fiel aos antigos usos dos lem-
pos feudaes os comprimenlou pondo o joe-
llio em trra e ento umes(M temente eslranho, sobre ludo para um ve-
lliu senhor hugonote que liavia muito lem-
po eslava retirado em um antigo castello e
ignorava completamente os costdmes da cor-
te ; veio ferir seus olhos.
A' luz das tochas que tinham na mo vp-
rios pagens c criados vio adiantarem-se urna
banda de mulheres todas na flor de sua ida-
H Vid. os Diarios Ns. 4S, 44, 47, 48,
50e 61.
de e de sua formosura as quaes ao passai
por elle o cumprimentaram com um estudado
sorriso.
Que contraste este com a cortesa severa
que o conde se recordara ler visto na corte, do
rei Henrique 2. ; porque eslrauha mana li-
li ha subsistido aos guerreiros cu herios de fer-
ro que geralmente escollavam aos res de
Franca um coro de ninfas que parecan! dis-
pos'.as para entrar n'um baile. Tal era a vo-
luptuosidad*? e abandono quo reinava em
todas as suas altitudes Apoz estas jovens vi-
nha urna mulher plida vestida de prelo ,
cujos olhos hrilhavam com um fugo sombro.
e que pareca mandara lodos. Era a rainha
Calharinade Mdicis ou a sua sombra pois
que podiam ler-se i em sen rosto abatido
signaos percussoresdo sen prximo lim : por
ultimo e em distancia deHa e em certo modo
como se fusse seu lacaiu vinha o rei de Fran-
ca Henrique 3. tendo pendente ao pesonsso
um grande rosario e ilebaixu de cadi braco
um dos seus cozinhos estimados.
Sem duvida que ao ve-lo entrar assim -
Ihe foi concedido. O Snr. .los Pedro mandn
0 seguinte art. substitutivo. ^=0 Governo da-
r o plano para a execuco desta Leicontando
tanto a porcentagem como o imposto den-
tro da capital : Apoiado.
O Sr. Netto mandou a seguinte emenda
em lugar do constante diga-se ss annexo : =
apoiada. Oiicshid Sr. mandor nias est'ou-
tra : = Nem esta Lotera nem oiltra qual-
querdesta Provincia est sujeita ao impos-
to de 8 por ojo aneado pelas Lis Geraes so-
bre as Loteras Provincaes. = Foi apoiada ,
e depois retirada pedido do sen auloii com
o consenso da Assemblea. Encerrada a discus-
sAo fui appiovada a emenda de supprcssao
do Sr. Resende e Ii.mii assim o Artigo subs-
titutivo do Sr. Jos Pedro ; lieando prejudi-
cadas as demais emendas. Entrou em diseus-
sSo o Art. 3. e fui approvado passando o
'r.'jeelo em 2. dscussao.
Entrando em I. diseussoo Pvojecton. 13
do auno de 1811 licou esta alala porter
ilado a hora. 0 Snr. Prezi.lente mnrcoii para
ordeno do da em primeiro lugar- Pareceres
de Commi-SSes entrando u voto separado de
um dos M-mhros da ('...iiiinissao de Poderes :
lei tura de indicaedes o. Projectosj eem 2. lu-
gar continuando daOrdem do fia de boje e
levan ton n sesso depois daxduas horas.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro ,
Prezidente.
*Joze Felippe de Sou/.a Leo ,
1. Secretario.
Antonio Joze d'Oliveirn ,
2. Secretario.
(OM.MAM)O DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO IH.V 20 DO PASSACO*.
Ollicio Ao Fixm. Presidente significan-
do.-! he que estando j em e\eci:cai) em aigl-
mas Provincias a Lei dol. deDezembrodu
anuo passado, na parte relativa ao augmento
dos sidos bavendu-se executado nesta de
Pernambuco ordens Imperiaes que tendem a
suprimir a gratilicacio addicional pela nics-
rua lei marcada aos oilieiaes empregados em
Reparlicoes nao consideradas do Exercito, o
que deixava prever qu a remeasa da Lei j
se haviafeilo c que o ollicio se desencami-
nhara ; rogava a b. Ex. tivesse a bondade
i! solicitar do Exm. Ministro da Guerra a re-
messa olBcial da mencionada Lei para que
a ollicialidade da guarnicao nao (icasse por
mais lempo privada dos henelicios quo lhe fo-
ro concedidos.
Dito -Aomesmo Exm. Snr.,communicon-
do-lhe que o contingente de Cavallaria effec-
luara a sua paseagem para o BarracAo conti-
guo a Palacio Velho, e rogando-lhe a expe-
dieeao de suas ordens, para que a paite des-
tinada ao alojaniento dos Soldadosfose ladri-
llada, colocando-se cabidos travesseiros de
madeira e outros pequeos arranjos indis-
pensaveis a cummoilidade dus mesiuos solda-
dos. Tambern requisilava que fosse forne-
cido aCoxia 10 coxos para garapa dos cvala
los, e dous carros delimpeza, por cslarem
arrunalos os utensis desta naturesa uclual-
mi rile existentes.
Dilo Ao mesmo Exm. Snr., enviando*
lhe urna requisicAo dealgunsobjectos pie e-
rao precisos para o temo de cornetas do Ba-
lalhao Provisorio, a llm de os mandar satis-
fazer pelo Arsenal de Guerra.
RiloAo CbmmandanteSuperior da Guar-
da .Nacional do Municipio do Recife, dizendo-
Ihe em resposta ao seo ollicio de 23 du corren-
te que mandara por emliberdadu os Guar-
das Nacionacs Jos AI ves da Silva e Manoel
(!e Santa Lusia recrutados pela Prefeilura
desta Comarca visto reclamar a soltura dos
mesmos por terem prestado valiososservi-
QOS na guaroiejao.
Dito Ao Prefeito interino da Comarca ,'
remettendo-lhe o requerimento, edocumeo-
los do recrula Eustaquio Jos Nunes Muniz,
para que houvesse de informar sobre sua pre-
t-nco.
Dilo Ao Tenenle Coronel Cominandan-
te do Batalho Piuvisorio mancando por
em liberdade osrecrutas que seachavfioem
custodia Jos .Uves da Silva. Manoel do
Santa l.uzia o Manoel Pedro Luiz do Mon-
te, por terem provado izempees eassen-
lar praca lio mesmo BatalllAO aos recrula
Reinaldo Gomes Francisco Aives de .Mello,
Joaquim Pedro da Silva, JoO BomAo Bispo,
Silvestre Alves du Nascimento, Antonio
Goncalves do Norle Joao Francisco, e Ma-
noel Antonio da Roza queseachavAo tam-
bern em custodia.
Portara -Ao mesmo, mandando dar bai-
ffl ao S ddado Jofiu r\ieira de Sandes pov
assim o determinar S. M. o Imperador em A-
viso da reparticAo d Guerra de 31 de Janei-
ro ultimo enviado a Presidencia desta Pro-
vincia visto ser o referido Sandes lilho u-
nico de N i uva e sustentar a esta e duas
i nias.
Dita Ao mesmo, remettendo-llie o Con-
seibo de direceo leilo ao suldado da tercera
Coinpauhia Antonio Generoso da Silva e or-
denando-lhc queOzesse reeonhecer soldado
particular ao dilo Generoso, de conformidad.
com o decreto de 4 de Fevereiro de 1820, cuja
lisposcao prehenxera.
Circular Aos Commaudantes, do Bala-
IhftoProvisorio, Deposito, Companhia de
Artfices, e Contingente de Cavallaria para
Erazde todas aquellas mulheres o conde a-
jnta que nao quizestse devia recordar-se da-
quelles ludnosos versos de sen correligionario.
I Agripa de Aubim e perguntara si mesmo
como elle.
Se va um rei mulher Ou se um homein
rain ha.
Tendo Catharina dado a mao a b-ijar ao
conde o rei julgou apezar da carga que
Ir.izia dever fazer o mesmo qu- sua mal.
Todava foi ella como do Costme que to-
mn a palavra depois de ter ajudadu a le-
vantar o conde disse i
Temos de disculpar-nos senhor de Ar-
eoe.a de vir inrommo ar-vos perturbando o
vosso soumo mas-HSperamoS que nos dis-
pensareis, pois anda que sejie.s mu hiiao-
notesabemos que os hugonotes sempre foram
nossos amigos atm iisso vos temos por um
dos mais bous e liis servidores de S. M.
' O conde dispunha-se a responder ; mas a
rain ha prosegu u no mesmo momento.
Nao estando a pessna do rei com sulli- ;
cente seguranza cm Charles, preferimoj
I buscar um azilo contra os culpa veis designios
dos rebeldes na nossa le! cidade de RuAo, o
Iesperavamos com u favur de Dos, la
rhegar antes da noile : mas a tempestade
fruslrou o nussu projecto e por isso viemos
pedir-VOS huspitalidade.
Sim senhor de Arcona disse o rei
que emlim julgou dever romper o silencio :
i smente estaremos o lempo necessario para
' que descancem oscavallos e logo que ama-
nheca marcharemos.
Senhor responden o cavalleiro com
gravidadfl grande honra para a casa df
Arcona dar bospedagem a V. M. anda que
n in fbsse mais que por algUUS minutos, e d'a-
(]iii em diante este castello nao ter nada
que invej ir a ) i m lis orgUtO. da Norman-
dia pois que o rei e sua augusta mi se dig-
nrim cruzar seus umbraes e por tanta hon-
ra al o; nossos avos se regozijaram nos seus
sepulcros. Stenho um s n imenlo, senhor,
au poder ull'erecer-vos urna hospitalidadi-
digna de vos.Aqui nao encontrareis pompa
nem iuxa Iguui : genitor, a religue que


t yfc jja&cS^Nrrnaft <. ^iWtD
que ni acto das revistas de mostra, alem das
das relages (duplicadas) do alterag V'S for-
necessem ao Coinniissario Fiscal do.Ministerio
da Guerra, mappas tambem duplicados das
Fragas doentes no Hospital, destacadas, em
diligencia e de guarda cobrudo a todos
este; mappas, urna relacao nominal dos do-
enteJ assignada pelo Facultativo do Bata-
lho o*,i polo Commandante, onde nao hou-
vcr Facultativo.
Dito Ao Inspector da Thesouraria com-
municando-lhe o exposto na circular prece-
dente, edsendo-Uie que o mappa apresenta-
do pelos Commandantes de cornos no acto de
mostra, con leudo o numero dos compare-
cen tes e nao comparecen tes a revista dos
doentes dos presos dos destacados dos
en deligencia e de Guarda, emtulo co-
herentes com as notas fetas as relages de
alteracoes, bastara para prehencheras dispo-
sicoes do artigo 8. das InstrucgOes de 10 de
Outubro do anno passado, pois que pelas di-
tas relago-s, poda elle verificar se com effti-
to as pregas rioladas no mappa existiSO.
Dito Ao mesmo, eommunicindo-lhe
que de conformidade com os Avisos da R mar-
tirio da Guerra de 28 e 51 de Janeiro ultimo,
erdem da Presidencia de 26 do crrante
mez semandou elevar a SOjOOO do 4. de
Margo em diante, a consignagao Ja -2h que
deixara nesta Provincia a sin familia Quar-
^^^fSSi^nSS^J^S^S'' wwi*.SCBJ
ro batalhao de Guarda Nacional deste Munici-
pio por ter fracturado a caboca sua pro-
pria mai, e pelo sub-prefeito da Freguesia da
Boa-vista o portnguez Manoel Ferreira, por
ter com Oais outros dous portimuezes de no-
mes Manoef, e Joaquim assaltado a casa no
Haguinffo, pertcncente ao Francez Frederico
Chaves de quem o segundo he feitor en-
trando de sbito, e agarrando a urna parda,
que na dita casa existia a fim de nao cha-
mar por soccorro, e elles poderem livremente
roubal-a como fizerflo, arrombando urna
cmoda e tirando della um bahuzinho, con-
tando alfaias de otiro sedulas letras etc. .
cujorouboo inesmo Chaves diz ser de 5 6
coritos de reis : procodeu-se nos termos da le
respeito e os sobredi los presos forao re-
mettidos Cadeia para passarem a diSpo-
sieflo do Juizo criminal, fieando-se entretan-
to na diligencia de capturar os dous cmpli-
ces deste crime. para terem inal destino.
Foi igualmente preso palo sub-orefito dos
Afogadoso pardo JoseCa vafeante, por wrde-
sertor rio Corpo de Artilheria e ralo a flirt o
de cavados; foi remettdo ao commahdante
das Armas para tr o devido destino.
Parteciponais V. F.x. que hontem pelas
sete n meta horas ra noile em a rtia da Ghn-
ceicao rio Bairro da Boa-vista foi crnolmente
assassina lo com nm tiro de pistola o Cida l'io
Antonio Luiz de Mainlhfles, em sua nrooria
que por meio d'um emprestimo publico pode
faser face a despezas extraordinarias em lu-
gar do recorrer a eonlribic'S para satisfa-
ze.-Ias. Tratando agora rio peso que esso
divida vai levar sobre a posleridade, aSSegoin-
tes tabellas provaro alem de toda duvida a
insignificancia do sacrificio, ou antes a fel-
cidade que ha em resgata-la.
Desojando dar aquellesdo nossos le lores que
nao forem versados em semillantes clculos,
urna deia do espago de lempo em que be ex-
linguivel urna divida por meio d'mna amorti-
saoao annual e fixa por pequea que seja 5
apresntamos aqui tabellas calculadas a juro
de 5 p. C
Un emprestimo com juro de > p. c. e ainor-
tisaCodeS p. c. he pago em 20 anuos. .
26
57
r, 49
8i)
100
qu

<(

a
tLlXiUti llv.Sl'1 i IUU.HK4 u .-.cki iiiuii'i<> vJ1" /\III'MIH.I UUIA un lu*l*Nlua^i *" o... ....#---
le mestre do terceiro Bataihflo tle Arlilhe-1 Asa. estando elle janella ao lado de na mu-
ra Manoel Lopes Maciel, b reduzir a 90 rs. i |her, por um sugeito 'avallo, vestido do
diarios somentede24 de Janeiro docorrente jaqueta preta calca branca, o ehawv tam-
anrio em dianle aquadeixara o cidet va- j)om preto, oqualveio dolado da Solida'1'
cu mestre do mesmo Batallio .'ose Cosme Da-
min.
Dito-Ao Gap. Coininan lano da Companhia
de Artfices, dando-Uie ordena, para que fos-
semcobradas, e pagas as prestagos do Qu-ir-
tcl mestre Maciei, e Cadete vago mestre Da-
mito no sentido do olliciu precedente.
Dito-Ao Presidente da Junta de Saude ,
mandando inspeconar ao Guarda Nacional
do Bataihflo de guarass Luiz Gonzaga que
tinha de ser proposto para reforma.
Dito Ao Commandante rio Balalho pro-
visorio ,
mitas que se acliavfloem custodia, Antonio de
Paula Souza Ignacio Ribero Fran o e Ri-
cardo Fernandes, por terem provado suas al-
Ittgacdes.
Dito Ao mesmo mandando por em li-
berdade orecruta Jos re reir da Luz, por
nao estar no caso de servir ni Tropa de Li-
nda.
D(n \n Prefeito da Comarca, diiendo-
Ihe que asssntaw praca o recruta Francisco
Jos d'A'm-ida queacompanbara osiu olfi-
ciode hontem.
DitoAo mesmo. para quebouvesse d
informar a cerca da prelengau do recruta Jo-
s do Nascimento, cujo roquerimento o do-
cnmenlos ibes enviava
f e
passandoa porta dodilo Magalhes denoisde
tercaminhado um pouco, persuntou onde
elle morava e tendo-se-Ihe rmsmado a-Onsa
vollou aproximnii-se a ella e pode impnne-
ment" perpetrar Iflo horrivel Hltentado. tor-
nando a tomar o mesmo raminhn da Soiidade,
armado re nutra pistolla carregada ; o por
ir bem montado, nao pode ser cantorado,
a pesar das diligencias, que poueo denois foro
emoregadas de parte da polica, a qual, nao
obstante continuar a emprear lodos os
meros ao seu alcance, fim mandando por em I i b'rdade 09 re- sino venlia a final a ser capturado, e ontre-
gueao rigor da .lustica para ser punido,
como merece, en humndadeexiae.
He o qu< consta das partes hoje receidas
nesta S'eretaria.
D'ostimrde <>te.
Com amortisago de2 p. c.
i
112
i! 1o
1(20
Estes calclos mostrao que com urna a-
mortisco de 5 p. c. se resgata urna divida
01 20 anuos (pouCo maisou menos) ao mes-
mo lempo que com um vigsimo por cenlo
se pode ella remir em 100 nnos Por tanto,
urna divida do un mlho com juro deop.
c pode ser remida com um fundo de amor-
tisacn de500L. annuaes, on.ua nodeuran
de tOO anuos, clarum desnmbol?o de 50,000
L., e rlesla forma com 50,000 L. pode urna na-
cao pagar um milhfio, sefli molestar a pessoa
alguma.
Nem a exac:io deste calculo admite :i menor
duvida por que be demonstrada mathemati-
camente; com ludo, talvez se nos diga que
ella nao passa d'uma mera ilhisao ; sim, tai-
ve/ s? nos diga, que se 500 L. annuaes dio
emlOOannos um miihao, a juro compojto,
he obvio que quem contribue com as 500 L.
no fim de 100 anuos tem pago um milhlo.
Tambem este calculo he exacto, devemos po-
rem observar em resposla a esta obj^g-io :
Que se um individuo economisa urna pe-
quena somma em cada um anuo nao pode, por
isso mesmo que ella lie pequea da-la a ju
ro : quem no fim do auno se ama com um e\-
cesso em sua receita de meia dusia de L. ,
pilo pode emprega-las em negocio re que lhe
resulte grandes vanlagens e o que faz em tal
cazo, he hir acumulando essas economa de
anno em anno, al que as terne em um ca-
- pila! que posas fa/.er fructificar. Aquello que
economisa inais consideravel somma, pode
de um mesmo corpo a Nago.
Os capitaes que se em pregan em fundos p-
blicos sao (nao havendo divida) postos a ren-
der em maos particulares emprestados com
hypotheca e applicados por primeira ou ter-
cena pessoa, a emprezas particulares&c. Tal
lie o caso em todos os paizes onde nao ha di-
vida publica.
Ora, collocados assim esses capitaec, neoes-
sariamente as dividas, contractos, e liypo-
thecas particulares montariao a tanto maior
somma quanto fosse a importancia da rliv(da
publica, ctijojuroem tal caso seria desem-
bolsado por poneos, podendo-o ser, pela mas-
sa geral da Nago que o paga debaixo do nome
de impostes. De mais he problema de rlif-
ficil solugiio saber-so, so alem dos contrac-
tos particulares existentes outros se poderio
realisar naexteng.o que equivalesse a uma
enorme somnta : e aida mais duvjdoso he o
como se poderia pagar o juro desse enorme ca-
pital contrahido particularmente ; e se com
eileito isso fosse pralicavel r< seguramente
se esgotar&o militas Cuntes de prosperirta-
de e milito perdera de sua importancia a
grande potencia do consumo.
(Conluuar-se-ha.)
lilf) DE PERX^IBrCO. |cer"tVmentraZe-l*rcoderdesdelogo, comju-
_ ...___________________________________i ro sil:.pies e nao com juro G
CONSIDERAQES SOBRE A (JTIL1DADE E M0-
RVLID'JE D'M EMPRE8TIM0 PUBLICO.
Continuado do N." 47.
Em prova do qu temos ex pendido citare-
mos osegUinte exempo: em vate anuos de
memos un- eimuv,,. guerra a [nglatorra augmentou o sua divida
Portara Ao Tenente Coronel Com man- com mais quatro rentos milh0"s deL. vinte
dantft do Batalho Provisorio mandando por milhoas por anno (termo medio); eassim.em
cm liberdade o recruta Eas Cava loan te de lugar deexiftir deseussubitosvnte millies
Albuquerque, porsrmenur de 17 anuos. annuaes onerou-os apenas com 600,000 L.
Dta A6 inssmo mandando sol ti r o re- no i.' anno com 1200.0OQ L. no2..&c.
crtita Jos' Rodrigues de lanos, por nao estar ; e foi s no ultimo anno ra guerra que os in -
no caso de servir no exercito. j postos se elevaran a I2 milhoes. Eis como a
Dla AoCommandanle da Companhia de i ehormhslma despeza feita com essa prolonga-
Arlilices, para que lhe man lasso apreaelar da lucia se tornou menos pezada ao crfado
o soldado Jos R movato. Britnico; que parece dar-se por indemnisado
------------- ,)os sacrilicir)s<|ue fizera quundo allenrle ao
PREFEITURA. I interesse annual que lhe provem do juro da
, .. divida e eis finalmente como a Inglaterra sa-
Partedo da 4 docorrente. |(jo (|v.sa gU8rPOj mut0 mas poderosa-do
Illm. e Fxm. S.'ulior Forao hontem pre- que era ao entrar nella.
zos pela palmilla do dtrclo da Ribsira Ben-
to Fernundes Vianna Irombone do prime-
A' vista do exposto eleve admitir-se, que
militas e grandes sao as vanlagens da geraeflo
tado poiem que esteja em circunstancia de
podor ecunomisar largas sommas em cada -
no lera sempre meios de Ihes procurar um
juro composte. O augmento do juro esl sem-
pre na rasao directa da qantiu economisada ;
com um miihao obtem-se juro composto; com
um cenlo, apenas se conseguir juro simples i
e com vinte, nem um nem ontro.
Si-.'iie-se pois rio expendido que se uma
divida publica houYesse de ser reunida pelas
economas annuaes de individuos particula-
res c n8o por impostos applicados a um fun-
do de nmoriisacao ; nunca laes economas po-
deiaop/-dUZr lo importante somma cumio
o i.u iflo as maos do Governo : e he ;iislo que
consiste urna das grandes vanlagens da fuu-
dag8o re uma divida interna.
Havendo procura.lo os meios de rovar qufio
diminuto he o sacrificio que he mister fazer-
se para o resgatodeuuja divida com amorti-
sagao marcada o lixa ; seja-nos licite repetir
nossa anterior assercSo quanto ao juro dessa
divida; isto he que o pagamento dVile lie
mera transferencia do uma para outra mo
profes:o me prohibe eslas vaidades munda-
nas, e demaisos inimigos desla religio ti-
veram cuidado de roubar da morarla de meus
pas todos os adornos que em outros lempos
teriam podido faze-la digna de vos. Hojeo
eastello de Arcona nao mais que uma po-
bre habitago meio arruinada-, as paredes
estao nu<>s como vedes, e em quanto eU e-
\istir permanecer assim pois quero que
os furores re rneus inimigos permaneci tiio
duradouros ueste eastello como o a minlia
tlor. O re i caramba quando ouviram esta
seotimenlal resposla rio conde ojharam um
para o outro r- esliveraui por um momento
indecisos haviam dedizer. Km "fuii o rei inculcando
t upar urna grande resolugo e depondo as
nios re uma das damas de honor da rainlia
;i carga cujo cuidado nao tinha querido con-
fiar a ningucm durante todo o caminho ; se
;i5.sejilo'.i em uma qadeira c dando um pro-
fundo suspiro exclamou :
Senhor de Arcona de toda a minha
alma ten lio compaixto de vos i porcm se vos
.. i
parece que a minha sorle mais feliz do que
a vossa rlesengabai-vos-, vossos inimigos ro*
baram o vosso eastello mas nao tem podido
tirar-vo-lo : c eu ando errante e fugitivo de
um subdito rebelde que perlende roubar-me
u cor.
Viva Dos Senhor responden o ron-
de com extrema vivacidade leria que ver
que o senhor de Guise se alrevesse a lano.
E que.i: poder impedir-llie !_ re-pon-
deu o rei cl.eio de tristeza.
Duas cousas senhor desembainhai a
vossa espada e ja que os catholieos s. ligara
com a easa de Lorena contra vos cliamai
em vosso Boccorreaos hugonotes.
Eslas palavras foram pronunciadas com tal
calor pelo antigo cavalleiro que |iouco fallou
as damas de honor c Catharina Medicis que se
nao benzessem como se tivessera ouvido uma
terrivel blasfemia porem um gesto da rain ha I
as conleve e Ucavam anda mais admiradas,
quando ouviram rlizer ao rei.
Senhor de Arcona, tomaremos cm con-
sideracao os vossos consclhos.
ia**72-3
Soguramenle neste momento por pouco
que o livessem instigado Henrquo 111. liou-
vea eslado a ponto de confessar que linlia
alguma tendencia a fazei -se hugonote.
O ivi ia a continuar, quandoapareceu ase-
nhora de Arcuiia que se adantou com ti-
midej alaoweio ra sala.
__ Quem esta joven ? Dissa a rainha ,
que milito estimou ler este pretexto dedizer
alguma cousa para poder mudar a conversa-
V*o. .
__, Senboia responden o conde e mi-
nha filln.
__' Aproximai-vos minha lilha disse a
rainha ; como vos chamis.
--r Auna para vos servir senhora.
Anua 6 este o nome que mais vezes
o tem acompannado as gragas e a formsura
rio que a felicidade.Senhora jueira Dos ,
que se tem manifestado lao prodigo para com
vosco a respeito do primeiro desteS dous, nao
recusar-vos o segundo.
Elle vos ouga senhora lhe tornou
Auna.
MISCELLANEA. ,
ESCOLBA E CAZAS D'ASVLO.
Antigamenteera urna mulber velha mili-
tas vezes rebjenla descontente da vida e
da fortuna que nada lhe tinha dado ou dcixa-
.lo nem marido nem lio nem rquezar
era um velho melanclico que eusinava a 10;
eaescrevor, que abra a porta re lodosos
con heci mritos e de todo o saber, r; receba
no iiminar da sociedade para introduzir n'el-
laess multdao alegre de entes Iblgazes e ri-
sonhos que saltan mais do.que ando cn-
ido mais do que 'fallo o que assombra-
vao anda mais a tristeza do'mestre e da
mestra d'escola pelo contraste de suas faces ro-
sadas e deseus gritosalegres d'essa supe-
rabundancia le vida que assoma n'el'es por
lodosos lados por todos os sentidos e por
todos os poros. Tambem a primeira hcao
que se Ihes dava era de se calarem e de nflo
se bolirem ; reprimir era a palavra d'ordem
cruel escripia na palmatoria e na claase no
abeedario e no exemplar da escrita.
N'aquelle quarto escuro ao redor d'aquel-
las mezas negras sobre aqimlles bancos em-
poeirados a alegra era um delicio, eexi-
gia-sedo menino que apenas comega a brin-
car com a vida a seriedade que um homem
f.'ito umitas vezes tem pagado 1ro caro. Po-
bres pequeos queridos meninos cuja voz
encantadora cujo riso Ingenuo cujo olhar
alegre, precursor da palavra eu tanto amo,
fica contentes com este seculo avaro para
nos, mas que vos ac! he com amor e com
as maos eheiasde promessas. As escollas 8
as cazas d'asylo que se abrem aos mais pobres
d'entrevs, teemluz^ar; o-alphabeto, es-
se rlemonio Imrrivrd e irjgro que vos aspan la-
va oulr'ora com as suas garras manchadas de
lilil, agora um'genio hemfazejodn face ri-
sonhae bochechuda como asvossas; assaas
maos estao chelas d'imagens. e assim como
vos elle cania nina cantilena que nao acaba ,
que nao se p Ib comprelien ler e cujo segre-
do s vos pOSSUS na vossa alegra sem motivo
e sem limites.
llavera dous anuos (I) que pela primeira
vez live conhecimento das casas d'asylo; li-
nha ouvido fallar n'ellas ; oorm as recorda-
(|)Este cscripto de 1831 (Nota do tra-
ductor. )
Senhor de Arcona disse com viveza o
rei eu vos felicito vossa filha i.ma das pes-
soas mais bellas que lenho visto em minha
villa. Nao notis, senhora acrescenlou
rdle em voz baixa dirigindo-se rainha que
a senhora de Arcona tem as l'eices certa
seiiielhanga com a formosa princeza de Ele-
ves a quem lano amei.
E' verdade respondou Catherina tam-
bem em voz ba'xa ; mas urna joven cuja c-
ilucagao anda esl por formar pois que lhe
fallam as maneiras da corte.
B^m se lhe podem ensnar.
Nao o duvido : calai-vos e uo esqucgaii
r|ue respiramos aqu o r calvinista: sede
prudente.
Senhor de Arcona ,. disse em voz alta
rei nao leudes mais filhos ?
Uma lagrima assomou aos olhos do antigo
cavalleiro que respondeu.
Tinha tres filhos, queeram o meu or-
gulho aminha esperanca j tres filhos que
tinha criado para o servigo do rei mas em


ESE
aaiWB
^fc^^M
U
ces da escola se bem que longiquas nada
linho deassa/ risonho para que cu tve..se
vontade de aviva-las. Mu i Las pessoas gabo
afelicidadedosseus primeiros annos; cu pre-
sumo que a fim de por a felicidade algures.
Enlrclanto urna amiga fallou-me com lanos
elogios do estabelleci ment fundada por M.
Cochin que conscuti em,visita-Ib.
Tiya de atravessar Luxemhourg, parte dos
boulevards exteriores muilas ras mal cal-
cadas', onde liquei admirada de acharar es-
paco pontas de herva aqui c ali como se
os campos disputassem anda o lerreiio ao
grande Pariz invasor. Nunca havia eu chega-
do ao arrcbalde de S. Margal seno por es-
treilas ras, inmundas eescuras ; achei es-
tas tao aceadas e agradaveis como ras de po-
voado. Ciieguei por um longo passeio cober-
to e guarnecido de arbustos casa d'asylo
composta d'uma reunido de pequeos edifi-
cios.
Grupos de meninossem se iniporlarem com
as pessoas exlranhas se apressavao alejrre-
inente ao redor d# mim para entrar ta "bem.
Cada um d'elles linlia a sna preocupadlo a
sua cantilena osen brinquedo
guantas cstoalli .* Duas, senhor.
E aqui Outras duas. K agora ? Qua-
tro.
Depois passava-se da addieo a ..ubtraco 5
e vi lazer alegremente applica^Ao das quatro
operacoes entretanto que se lia em carto<\>
os algarismos correspondentes. Em seguida
Lravou-se urna conversacao entre o professor
eos alumnos Tens um lindo barrete, Jac-
ques exclamou aquello a um gordo rapazi-
nho assaz ufano d'uma carapuca grega que
tinlia muito nova com a sua grosga borla de
seda preta sobre-posta. Deque clle? O
dono nao sabia responder porm o seu vi-
sinlio com olhar manhoso gritn muilo de
pressa De la Dobde se tira a l dos
carneiros.
Continuar-se-ha.
A' PEDIDO.
O Dr. luiz de Diroito interino da secunda
Vara lo CvpI (Pesia Com marca do Rocife at-
tendendo ao que |he represenloii o Dr. Procu-
rador Fiscal da Thesouraria das Rendas PrO-
Q seu pe-1 vineiaes, ha por b^m de ennfnrmidade com
quenocesto com o almoco eos prazeres a-1 n disposto no $ 20 da Ord. do Liv.it. Tit.
fuados da infancia ; porque ella d.i aos seas 8(, suspender" de sens obVios aos OfTiciaes
divertlmanto aquella intensidad* d'atlmeao de Justica Desiderio da Cruz Cordeiro Anto-
que nos so prestamos aos uossos coi lados, nio Simos Carneiro Joaquim de Torres
Pelo seu traje eraofifhos do pobre, do o- Randeira, e Vicwite FerrHra de Mello, por
breiro 5 mas estavo bem dispon Los nao nao haverem dado rumnrimentn dentro do
muito mal vestidos e evidentemont conten- nraso da predita ord-nacao aos Mandados de
tes to me enoantou, um pateoquadrado cujope- rieSo forao por este Juizo encardados. Os
quenotectoabrigavaocircuito, me parecen um Qfficiaes de Justica pois Ihes inlimem a refe-
lugar ile recreio bom para a china e para o
tempa sejcco. A' roda eslava suspenso uro ro-
sario dCestinhos, cada um no seu prego e com
o seu numero. Dbaxo d'esta coberla que
era sustentada deespacoom espaco por pila-
res que formavo colunmetas 011 pilastras .
rida susnensfio passando ao p d'esta a res-
pectiva cerlid'io. Cidade do Recite 11 de Fe-
vereiro de 182. Francisco dos Reis Nu-
iles Campello subscrevi.
Neiva.
Certifico, que intimando a Portara snpra
Alemao pelo famoso Zimmermann e ora
vertida do F ranee:, em romance pelo Sur. Dr.
Casimiro Joze de Moraes Sarment.
Al onde chegara minha mu diminuta ca-
pacidaiie tenho por boa esta traduco assiin
no sentido que rre parece ter sido bem apa-
nbado pelo traductor como na lingoagem
nao mescJada de podres e vergonbosos gale-
cismos, com que a mor pa te dos nossos tra-
ductores e periodiqueros tem abaslardado ,
o ridiculamente afiliado a varonil, o formosa
lineoa de Carnosa, e Vieira. Eu entendo,
(estarc ensaado) que nflo he possivel a-
pren.er o Portucrucz nos livros Francezes ,
onde concedo de barato se encontr oque de
melhor baja produzido o espirito humano ;
mas nao concebo como em taes escriptos se
ache ao mesmo lempo a elocuco propria da
nossa Lingos.
Louvores don por tanto ao Snr. Dr. Casi-
miro Joze de Moraes Sarniento por esse seu
Sftrvico nossa alias l.1o atrazada lilteratnra.
Snrs. Redactores em quanto outros embu-
cao-se sob a capa doanonymo para dostara-j
curada e vendeo-sc de 7000 a 800i
a Sacra
Manteija Ingleza As vendas regularan en-
tre 660 e G0U a libra
Rap de Lisboa He procurado a 2800 a Ib.
\ idros de \ idraca A caxa vale 5000 a
GOOO.'
D E C L A R A ; 0 E S.
= Pela Alfatidega se Taz saber, que no ar~
mazem n. G della se acho com princi-
pio de avaria as seguintes mercadorias : 1
barrica com albos perlencente Manoal
Joze Cabra 1 entrada em 5 de Oulubro de
1811, S. N., marca MC contra-marca 71--
9gigos com scbollas, S. marca, S. N., en-
trado em 1(5 de Dezembro de 1811 contra-
marca 111 vinilos 110 Briguo Mara Feliz
oidem. i fardo com fumo, perlencente a
C. A. S. entrado em o de Dezembro le 1840.
contra-marca 141 marca TB, S N. o
caixas cam a^oa Ingleza pertenrentes Joze
S. N. marca PH ,
traicoala e seguramente a sens concidados. da Rocha Parauhos ,
loica de prestar homenagem ao mrito, ondo|contra-,narca '*- entradas em 90 de Novem-
quer, que se elle d o brode 1839 as quaes se seus donos as nao
Sen constante leitor vierem inmediatamente despachar serio ven-
O Padre Miguel do Sacramento Lopes Cama, didas em hasta publica porta d'AIflMldega ,
por corita, e a cusa de quem pertt-ncer. sem
COMMERCIO.
se abri aporta da primeira classe cujas | aos Otilciae* deJuHch Desiderio da Crm Cor-
largas Janeilas recebifto o ar t a luz por cima deiro. Antonio Simoes Csirneirn Joaquim
doalpendre. Entre e VI uma Serie de dogra- de Torres Randeira, e Vicente Ferreira de
osem forma de escala e de ampbitheatro, Mello em suas pronrias pessoas, wnnride-
de sorte que se poda observar com urna rao-^e que fleavao entendidos Recife 15
Vista d cilios e desde a cabera at os pos j P |Vvereiro de 1813. Em fde ver.lade.-
todo o pequeo povo que cantava e se mova ( o Official de Justica Joaquim Martins
all por cima 5 os mais p-quenos, no alto Ayres.
de todos nao podio ter mas de trez anuos; I ______
os mais velhos pe baixo terjfto menos de == Recib do |||m. Sr. Sb-Pr seis e lodos pareciao estar n'uma f.-sta. Recite o Sr. Jos Antonio da Silva Crilo a
Os rapa/es d'um lado e as raparigas do eSsas sefruinles que me retobarte os trez
nutro cania vilo com tqda a torca pussivel o b. PortuffUPzes doze comeres de prata uma
i, ha a, b, ab cas numerosas coplas f rorretecrossa de ouro um trancelim oom
tran-
e meia
das sobre largos cartas Ihes orno n presenta- fjeeordad, uns corazes com diamantes, nm
formadas das differontescombinacoes das con- paasador de diamantes trez vollas de
soantes c das vogaes, escripias em letras gra- C(.\\m fc 0upo uma redoma com vara e
das por um manceba e sua una. Estes di-
iim
ALFANDEGA.
Rendimentns dodia 5. 3:404^841
DESCjiRRKGA/i BOJE 7 no cnnRENTE.
B. Ingle/, "rincipe Alberto. Pecas de cabo;
fazendas. caixas com arenques.
Barca Espirito Santo. mastaros e peque-
as encommendas.
B. Inglez Lii'lv Sarah. Bacalho o barri-
cas vazias.
R. lnMez Romance. Carvfio de pedra.
Barca W.1 Russell. Fazpndas ferrasens,
vidros cerveja, lonca, taixas de fer-
ro ancoras c ferro em arcos e fo-
Iha.
B. Courier. Bacallio.
VKXCk DO RECIPE i) DE MARCO 1842.
Revista Mercantil.
Cambio Nao tem havido tran^aces.
que Ibes lique compelindo allegar cousa algll-
ma contra o effeilodesta venda como deter-
mina o artigo 27 do Regulamento das Al-
fandegas. Recito de Pernambuco o de Marco
de 1842.
V. T. P. deF. Carnario.
= 0 Vapor Bahiana recebe as malas pa-
ra os portos do Sul boje (7) as 10 horas da
manda.
= O Arsenal de guerra compra de mil a
duas mil varas de brim da llussia para ma-
sillas da tropa ou de outra qualquer quali-
oade que se assemelhc quem liver dito ge-
nero compareca com a amostra na Salla da"
Directora no da 8 docorrente pelas 10 horas
da manh.
= A Adminstratao das obras publicas
compra para a ponte do Recite, asmadeiras
seguintes, a saber: 3o linhas de o pal-
mos de comprido e 12 para 13 polegadas de
grosso. Seis linhas de 5o palmos de com-
prido c 12 para 13 polegadas de grosso.
Trnta estivas de 47 palmos.de comprido u
lftodao Porfo pequeas a< vendas da se- 7 Para (,lt Polegadas de grosso oSo estivas
mana, e reri.larao de 5:900 a 6-000 (,e 4i P'dnios de comprido e 7 para pole-
r_ Pode renntar-se corrente a 650 Ba,,as degTOSSO. Todas as pessoas que quise-
Assuear fnff repi
por arroba o branco e
cavado.
Couros Sao ron ira dos a 135 rs. a libra, os1
do Anvali e a 130 rs os da trra
par de brincos de ouro com diamante,
rigio com vowss bem conevrtadaS o alegre p8r de rozelascom dittes, um an-d com dia-1 Bacalh u Enlrarao* tres rarregamentcwrom |menor temP eln queasdaro,
coro, *> pareciao participar da alegra geral. mants, um niH com esmalte branco, e
Bateduras de nios inuvimentos regulares de trez anelOes lavrados um alnete com dia-
p marcavao esti ondosamente a cadencia e mants um dttocom diamantee flor de an-
os meninos tinhao na verdde ludo quanto pe|ca urna pu'ceira com umn cara em cima.
lheseoivm : uma vigilancia benvola, com-
panheiros da sua dado estrepito e movi-
menlo. Acabada a loriga caucio durante a
qual j se deslinguiiio pequeos monitores ,
inteligencias unti vigorosas que se applica-
vfto a dirigir o< outros o joven meslre estn-
eo um quadru. Esferas dispostas por deze-
nas e enfiada j em cordfles estendidos, eor-
riaod'um para outro lado do quadro. Havia
com j ede dez em de/., tiuho di floren te c.'r.
Com o auxilio d'este novo B.-zoul comee ju a
licao d'arilhi.ielica.
De que cor sao estas e fJras ? pergunlava
o mestro.
Vermelhas reapondia uma multidao
urna dita cim diamante, um passadorde len-
co um nar de brincos de ouro uma Oa de
ouroe duas voltasile cordo de ouro nive a
dez contos de re; em letras, quatro mil
e tanto reis em cobre e trez moedas de ouro
volhoRccfeide Marco de 18i2.
F. Chaves.
ue vozes.
um mesmo dia perd a lodos nu kerrivcl ba-
lalha de Jaruac.
Debaixo de que bandeiras ?
Debaixo da di; seu pai, senhora res-
ponden o conde cheio ie lmiraco.
Com prebendo erain tres hugonotes...
que Dos lenba piedade de kuas almas Se-
nlior de Arcona, tainbem eu perd tres fllhos,
que lambem eram o nieu orgulho e a mi-
nha esperanza e os tres eram calholicos !
J vedes que se a rcligo nos separa ub me-
nos ha entre nos falernidade i[> dor. Calhe-
rna baixou a cabeca e perinaneceu por alguns
momentos entregue a urna melanclica medi-
tacao e depois proseguio.
Tristes recidacoes sfio estas ; uo Ta-
lemos inais Disto ; pois Que lemos de tratar
de outras cousas mui dislinclas e anlecipan-
dn-nifj devo dizer-vos que antes de deixar
este caslello tenho a pedir-vos um favor.
Din favor ? A miui vosso subdito fal-
lai fallai.
Sois iiin cavalleiro demasiado polido
rara negar-mo. Tendes escondido aqui, o
CORRESPONDE NC1 A.
Snrs. Redactores.
Grucas a Dos, queja sabio entro mu ao
prelo uma Iraducco limpa e feita em ln-
goagerp Portugucza : fallo da excedente obra
jdaSolidao, &c. escripia originalmente em
| oceulto a todas as vistas um Ihesoiiro com o
qual conheco que orgulboso deveis estar pela
cobija que eslov em possuil-o, espero ao
menos que nao seris tao avaro que me ne-
guis que eu odesfruct lambem por a.'gum
lempo.
Que, senhora, o que queris Respondeu o conde. com una tui bacilo que
nao foi senhor de dissimular.
Conde em vo tratis de enganar-me;
estol] segura que me lendes compreheiidido ,
pois que acabis de elhar para a vosas iillia.
Minha Giba !.. de niinlia lilha que se
trata i'
Sim nao vossa lilha de Ilustre nas-
cimenloe digna por lodos os ttulos de ser cal-
locada entre as inhibas dama* de honra.
Senhora respondeo o conde eom um
amargo son-izo 6 uma prova mu grande de
favor real oque V, M. se digna o fie rece r
casa de Arcona \ porm impossivel accei-
ta-lo.
Impossivel! e porque :' exclamou o rci.
Senhur, minha lilha a unjea copso-1
5:300 barricas
10 vcudeo-se a 10:800, e o ultimo j
a 10:900 a barrica
Carne se< ca Exisfem em ser 23:000 arro-
bas irtelnn've nm rarregamento
viudo de Monte-Vid o; est se reta-1
I liando de 2:200 a 2:600 a ar.
FarieliaBr Trigo Torarafi aqni dous rar-
rega mentos com 4000 barricas os
ooaes seiMiira para o Sol por nao
Ibes agfadar o preCO do mercado :
A Americana vendeo-se de 15 a 18 ,)!
a barrica.
Azeile do'-e !'em-se vendido de -j450 a
2500 o glao
Carne de Vara salgada Yendco-sc a 18 ) a
barrica
Cha Ilvson e Perola Tem subido, e as
vendas regularan a 1:800 a libra
as_ rem vender taes ma leiras podem concorrer na
salla da sob.edila AduiinistracAo lodos 09
dias, as horas do expediente para declararcm
os ltimos procos poique as \cnder, el
e sabereni
mej;deque qualidade deven, ser, e oais circuns-
tancias. Administragao riscal das obras
Publicas 3 de Fevereiro de 184. Moura ,
Administrador Fiscal.
AVISOS DIVERSOS.
V-T Aluga-se uma grande casa na ra Ja
Mocdan.l'iO, com armazem de 1-iO palmos
que deita para a irar proprio para assucar,
ou outro qualquer estbelecimonl : ao lado
do Carpo Santn. 60,
t3" Quem preci/.ar de um homeni para co-
sinlieiro ou Criado pode procurado no bote-
quim da cova da on^a ra larga do Roza-
rio.
%zr Offerece-se um hom?m pardo de bons
codumes para pagem ou bolieiro e d fiador
Farinha de Mandioca Contina a ser pro- a sua con lucia 5 na ra do Alecrim V. V.
lacao e apoto de minha velhice : nao tenho
mais que ella no mundo para dislrar-me de
rii'iis so.'nbrios pe/ares, para fallar-ine de sua
mAi de seus irmos que me esperara.
j breve... e queris que me separe della Ah!
I senhora, sto nflo pode ser; pedi-mc lu o o
'que possuo mecos ella ; ludo vos darci ; mas
' ella ah deixai-ma.
Em quanlo assim fallava o velbo cavalleiro
j tinlia a sua lilha eslrcitablete aperlada con-
I ira o seu coracao.
Pois bem conde, respondeo a rain ha, quem
vos impede que acouipanbcis a vossa lilha ?
boje somos vossos hospedes sede vos ma-
lilla o nosso. As portas do Louvre se vos
fraiiqueium o ha dignidades no reino que
nao esperam mais que um cavalleiro para
occupalas.
Fallai, senhor de Arcona acressentou
o rci que destino dquelles que acham va-
gos em nossa casa vos agrada mais.
Nenhum, senhor entrei nesle caslel-
Io para acabar nelle meus dias e se V. M.
o permittir, dellc nao sahrrci mais.
Com ludo, cedo ou tarle, quando li-
verdes escolbido um esposo para a vossa li-
lha servos-ba necessaYu licar so ro cas-
tello.
Pode ser que o esposo que cu escolha
coiisinta em acompanhar-ine na minha soli-
do : ao menos cu assiin o espero.
J entendo tendes a respeitodes-
te ponto piojelos cujji realisaco...
Pode estar mui prxima t Senhora.
sso j eu havia julgado 1er nos olhos
de vossa lilha.
Ser-me-ha permillido iiiterrompeo o
rci fazendo ao mesmo lempo um moviinenlo
de impaciencia saber 0 uome do feliz caval-
leiro.
Senhor respondeo o conde tenho
algum motivo para pensar que o seu li-
me nao desagradar a V. M. ; mas tuero
deixar a quem o tem o prazei do o dizer ella
mesmo.
(Conlininu-se-ha.) ..
-*i


' V


,4
te Literario previne aos Srs. So-
cios que tendo desapparecido
o Cobrador do mesmo Gabinete de-
sencaminkando comsigo alguns re-
cibos de mensalidades nao pa-
^nera se nao ao novo cobrador ,
que se acba justo e munido de
authorizacao expressa que apre-
se litar no acto da cobranca.
sw Aluga-se urna casa de 5 andares com
-armazem Dar socar assucar com 140 pal-
mos de fundo at a inar tudo ou cada um
andar ao lado do Corpo Santo n. 00.
s=5~ Deseja-se fallar a Luiz Ribeiro e a
Manoel Antonio Muniz Tavares, ou a seus
berdeiros a nleresse particular de cada um;
na ra da Cadeia velha n. 48 no primeiro an-
dar.
%W Quem precisar de algumas canoas de
rea tanto para obra com mesmo para algum
terreno por prego muilo commodo dirja-
te a ra do Rttflgei D. 17.
ssr P.i-se OUjf rs. a juros a dous por cento
no mez sobre pinliores de ouroou prata : na
ra do Kangel D. 17.
US" 0 Bacharel formado Vicente Pereira do
Reg avisa a quem convier que tem de-
signado os dias segundas e quintas feiras ao
raeio da para dar audiencia publica as partes
as causas em que foi nomeado Juiz ad hoc.
5*^ Aluga-se a casa D. 2 do atierro da Boa
vista aonda esta va o collegio Pernambuca-
no e mais casas terreas com quintaes e ca-
cimbas, citas na Soledade : no atierro da Boa
vista em casa de Francisco Antonio do Oli-
ve ira.
tar Quem precisar de urna criada parda
para o servico deportas a dentro de urna casa
de pouca familia dirija-s; a ra dos b iitos
baixos defronle do quinlal do Padre Manoel
do Muro D. 13.
E5~ Pede-seencarecidamante ao Snr. que
trouxe do Porto urna carta para Francisco
Moreira Dias de entrega-la no atierro da
Boa vista D. lOou annuncie sua morada.
jj- Os Srs. subscriptores Historia Geral,
publicada por Bernardino Freir de Figueire-
do Abreu e Castro residentes em linda ,
podem mandar receber o primeiro tomo no
Seminario Episcopal da modo Illm. e Revm.
YioReitor e abi satisfazendo o importe da
assignatura, pars cujo recebimento se acha
autliorisado o dito Sr. bem como para accei-
tar novos assigiiantes.
i_^" Quem precisar de urna ama para casa
de um homein solteiro dinja-se a ra de Hur-
tas D. (>3.
cy Precisa-sede um caixeiro de idade de
10 a 20 annos chegado ltimamente do
Porto, e que tenha praticadeloja demercearia
na ruado Rangel D. 39.
537" Quem precisar de urna ama para casa
de um homem solteiro a qual sabe eos r ,
engonimar ecozinhar com perfeicao diri-
ja-se a ra Direita loja de couros D. 20 do la-
di: l.ivramento.
CJ" Ha para alugar duas pretas, fiis e
deligentes para venderem na ra ; quem as
pretender dinja-se a ribeira da Boa vista ven-
da dentro da dita defronle da guarda.
ssy Perdeo-se a dias um bilhele da rifa
que a muilo se pretenda fazer com o n.
20 a 2io0 o qual eslava assignado no ver-
so por Manoel Joze de Souza e Manoel Jo-
ze Gonsalves ; quem o tiver adiado pode en-
tregar ao dito Souza na ra do Crespo D. 12
quesera gratdicado.
527" Precisa-se saber se existe nestas praga
um poitugueza quciucliamavo o Tondella ,
natural do Bispado de Aveiro Fregnesia de S.
Maria de Lamas, ou descendentes del le pa-
ra se llie fallar a negocio da seu interresse; na
ra Dirila D. 41.
tsy Roga-se ao Sr. que por engao tirou
do Correio urna carta viuda pelo ullimo vapor
do norte, para Manoel Domingues Moreira,
haja de fazer c favor de a deilaroutra vez no
Correio ou leva-la na ra da Praia no ter-
*ceiro armazem do lado do nascente.
l^T Precisa-se de un caixeiro para loja do
fazendas que tenha 12a 16 anuos: na ra
Direita loja de fazendas D. Ai.
xsy Quem precisar de um hom^m solteiro
para caixeiro de engenho ou m sino para a
praga o qual sabe 1er e escrever dirja-
se a ra da Cadeia vclha loja de fazendas De-
cima 34.
zsr tyiem precisar de urna ama de leite ,
dirija-se ao forte do Mallos casa de Joo Mari-
nho da Silva.
xsy Vestem-se figuras para as procissOes ,
por prego com modo, e bastante ricas: na
cainboa i'o CVmo casa que tem pad,aria.
Aluga-se urna casa terrea na ra da Espirito das leis de Montesquieucom o com-
Alegria com bastantes commodos : na ra mentario da obra por Tracy ; Contracto So-
da Aurora n. 9. jcial de'Rousseau \ Tctica das Assembleas por
t&" Estando prxima a procisso do Snr.; Bentham ; Historia dos Concilios e dos Pa-
Bom Jess dos Passos e achando-sea maior j pas ; Pensamentos Theologicos ; Rogron Co-
parte das capas por casas de l'-mos que nao, dico de commercio ; Carvalho Orfanologia ;
s deixo de comparecer aos actos como at obras em bom uzo proprias para o segundo e
mesmo se eximem de as mandar entregar ,
por este annuncio se pede encarecidamente
aos mesmos Srs. Irmos que se por impossi-
bilidade nao poderem a companhar a dita pro-
cisso se dignem mandar por na mo do
Thesoureiro as mencionadas capas a fim de
eom maior brilhantismo se expor avista dos
ieis um acto que se faz digno da maior de-
cencia.
ssy* Na noute de Sexta feira 4 do corren te
perdeo-se na Igreja de S. Thereza um transe-
lim de ouro com vara e meia tendo pen-
dente umeoragode filagra ; quem o achar,
ou a pessoa a quem for ollerecido o levar
a casa de Domingos Joze Vieira na praga do
commercio, que recompensar generosamente.
SS7* Deseja-se queoSr. Fiscal do bairro do
Recife tenha a bondade de Jangar os seus pie-
dosos olhos sobre o beco das almas ao p do
Corpo Santo, que se acha em estado inlran-
sitavel, que lbe licar sumamente obligado
Um dos lucommodados.
ssy F. Belenotretira-sedesta Provincia.
S^F" Joze Antonio Gomes Jnior, roga aos
Srs. carregadores do Brigue Triumpho Ame-
ricano que segu viagem para Ilha de S. Mi-
guel o obsequio de quanto antes Ihe levarem
os conhecimentos no seu escriptorio ra da
Cruz D. 12 am de se poder ultimar os mani-
festos visto que dito Brigue deve sahir com
muita brevidade.
tsy Hezeja-se fallar ao Snr. Jos Pinheiro
Velho Cabral de Mello na ra do Livramento
loja de fazendas D. 2o a negocio de seo in-
te re sse.
t3" Preciza-se alugar urna escrava que sai-
ba cosinhar e engomar para casa de pouca
familia na ra lo Calinga casa da quina por
cima do Relojoeiro.
tsr A Com. Administrativa da sociedade
Terpsichore pela 2.* vez convida aos Snrs. so-
cios a reunirem-se em o dia 7 do corrente mez
pelas seis horas da tarde a fm de ter lugar
a proposta de candidatos e tratar-se da mu-
danza para nova casa outrosim faz lembrar
que urna hora depois da marcada considera-
se a sociedade reunida com os socios pre-
zentes.
tZF" Deseja-se fallar ao Snr. Jos Thomaz
das Neves natural de Lisboa em nogocio du
seu nleresse na ra da Cadeia Vclha D. 62.
cy Segunda feira 7 do corrente na praca
do Juiz do Civel e Orfos as 4 horas da tar-
de se ha de arrematar de renda de 3 annos,
a casa de 5 andares na ra do Colegio D. 7 ,
avaliada em 7o0# rs. por anno ; a qual aca-
bou o seu arrendamento que hera de 900 rs.
e porisso commoda a avaliago presente.
ey Precisa-se de 4:00U de rs.
para seguranga hypotheea em urna grande
propriedade : quem quiser dar annuncie.
AVISOS M A R I T 1 M OS?"
em Olinda ra de S.
ssy Para o Rio de Jeneiro o BTgantim
Nacional Imperador D. Pedro, CapitaO Joa-
qun) Soares Miarim a sahir com muita bre-
vidade por ter ja parte do sen carreja me ni,
prompto para o resto da carga Iratu-'se com
Joaquim Baptista Moreira, no seu escrip-
lorio ra de Apolo ou com o Capitao a
bordo.
CT Para Genova recebe carga a frete com-
modo a Polaca Santa Maria Tliereza Capitao
Tiscornlfl a tratar com o consignatario A.
Schramm.
ssy Para o Rio de Janeiro segu em pou-
sos lias a Barca Brasilcira Firmeza bem co-
ndecida pela velocidade de suas viagens e bom
tratamento aospassageiros para o restante
da carga., passa-eiros e escravos trata-se com
Antonio Francisco dos Santos Braga ou com
o Capitao Narciso Joze de S. Auna.
L E I I. 0 E N S .
ssy B. Lasserre& Companhia fazem leilo
em presenga do Chanceller do Consulado de
Franga por corita de quem prelencer, e por
intervengo do Corretor Oliveira de umacai-
xa contendo cerca dp 30 duzias de chinelas de
niarroquim para homem ; avariadas a bor-
do do Navio Armorique Capitao Renouf ,
na sua recente viagem do Havre para este
porto : Segunda feira 7 do corrente as 11 ho-
ras da manh no seu armazem na ra da
senzala velha.
VENDAS.
sy Obras polticas de Benjamn Conp.aai
qu^rto anno jurdicos
BentoD. 13.
tjy Urna casa terrea nova de pedra e cal
na povoago dos Allbgados ra de N. S. da
Paz, defronte da Igreja, com bastantes com-
modos para grande familia corredor ao la-
do, cozinha fora, quartos estribara para
4 cavallos tarimba para pretos cacimba e
quintal murado, ou tro<-a-se por escrav6S>
ou outra casa no Recifu : na ra da Cadeia to-
ja de ferragem n. 41.
cy Duas pipas de agoa ardente branca ,
e bichas pretas a 160 rs cada urna trocndo-
se as que nao pegarem : na ra do Cabug
loja de miudezas n. 4.
tsy Urna vacca parida a oito dias boa lei
teira ; Historia Ecclesiastica ; Ponelle e a
obra do Arcebisbo da Bahia : na ra Nova na
penltima loja do lado do norte.
tzj~ Urna grande casa d taipa no pateo da
Igreja da Casa forte em chaos proprios, com
grande quintal com fructeiras e terreno pa-
ra plantar : no mesmo lugar quasi defronte
da gamileira na casa da quina a fallar com Fe-
lis Marinho Falco.
tST Urna banda nova para official, por pre-
go commodo : na ra do Alecrim ultinia ca-
sa por detraz da ra do Palacete.
s^- Meias Barricas de farinha de trigo mui-
to nova e boa : no armazem de Joaquim de
Sonza Pinto, e na ra Direita padaria di.
Macha !o.
ey O engpnho Mussupi cito na ribeira
de Araripi tendo de distancia para esta pra-
ca 9 legoas, e menos de 4 para a Villa de
Iguarass onde he o embarque o engenho
posto que nao tenha obras muilo boas toda-
va est paramentado porque tem boa casa de
vivenda excellente casa de purgar como se
poder ver boa casa de engenho maquina,
taixas &c. : trala-secom o proprielario do
mesmo Joze Pedro Carneiro da Cunlia.
C? Uns caixilhos proprios para armago
de loja duas escadas de mao urna balanga
de cobre e i rago de ferro pezos de meia ar-
roba at meia quarta urna rotula e una
caixa grande : na ra Direita D 41.
cy Um Vanguerve pralica judicial; Gme-
neri direito Ecclesiaslico ; Joao Baptista Say
Ecconomia Poltica ; Ferreira Borges Contra-
to Mercantil ; Mili Ecconoinid Poltica : Ca-
lliecismo de Joo Baplista Say sobre a niesma
materia ; e um CornHio Nepos : na ra do
QueimadoD. 6 primeiro andar.
C7" Sola bezerros, viados capoeiros e
ipecacuanha no forte do Mallos D. 7
12^" Capim de planta a 120 rs e mais or-
dinario a 100 rs. a arroba indo-se 1 corlar,
dando-se e pezar : na estrada do corredor do Bis,io -si-
tio do Major Mayer.
S^m ptimo escravo crelo vin lo do ser-
ti > bonita ligura de 22 annos he vendi-
do para se pagar dividas e nao por ser vicioso :
na ra da Cruz venda D. r>,X.
C? Urna cadt-ira de rehogo feita na Bahia
das melhores que ali se fazem : na j'ua do
Crespo D. 9 lado do Sul.
SS^ Arroz de casca asquartas ou alquei-
res : na ra do Crespo D. 7 segundo andar,
lado do sul.
cy Urna escrava de nago Angola de 14
anuos, bonita figura cozinha o ordinario,
lavadesaba, e tem principio de costura:
na camboa do Carino no segundo andar do
sobrado de Manoel Thomaz.
tS" Um quartode cangalha muito bom :
no paleo do Carmo D. 3.
ssr* Lina parelha de escravos de bonitas
figuras, ptimos para palanqun! : no atier-
ro dos Anegados sobrado da viuva do Baptista.
ssy 3 escravos de 18 a 20 annos de bo-
nitas figuras e ptimos para todo,o servico
um molequp bom para pagem e serve a urna
casa, duas esclavas que fazem todo o servico,
urna moleca de 12 anuos, e urna preta coz-
nbeira, e engommadeira : na ra de Agoas
verdes D. 37.
C^ Rita Maria da Conceica vende para
pagamento de seus credores mastros, e ver-
gas de ninlio escravos obras de prata e ou-
ro : na ra da Cruz n. 17.
*W Um escravo de naga de idade, boa
figura : he trepadpr de coqueiro caiador ,
ptimo fetor de um sitio e servente queea-
nha duas patacas por dia vende-se por 320j
rs. : no atierro dos Aflojados casa terrea en-
vidragada do Sr. Rebello fronte do. sitio
dos coqueirosdo Muniz.
tsr Dous cavallos sendo um carregndor
e r-roprio para qualquer viagem e o outro
*
carrega e esquipa i na ra do Crespo loja D.
2 A.
zsr Algodozinho grosso proprio para sa-
cos'e roupa de pretos dito trangado dito
azul tambem trangado dilode riscado: len-
gos pretos de seda da India, gangas amarel-
las esleirs para forrar salas, barricas com
fumo para charutos ditas com farelo sali-
tre rpli nado caixas grandes com cha hisson
epreto de superior qualidade caixas com
vellas de espermarete ; tudo por prego com-
modo : na ra do Trepiche novo n. 12 casa
de Malheus Austin & Companhia
ty Rap Imperial fabricado pela regra do
princeza de Lisboa e tabaco rolo, nos lu-
gares seguintes por grosso e a retalho : na
Venda da quina confronte da porta da Igreja
da Penha, na Boa vista ra do Arago fabiica
de charutos na ra do Queimado loja D. 2 ,
prego i a 120 rs. e levando porgo a mil rs. ,
faculta-se trocar-se qualquer ou dar-se o di-
nheiro a quem nao goslar sendo por justa
cauza.
siy" Joo Rufino da Silva Ramos vende a
dinheiro ou a praso o documento que tem
da entrada que fez para cem aeges na com-
panhia da agoa encanada para esta Cidade ,
tambem vende por prego commodo um res-
to de barrisde potassa da Russia adverlindo
que guardou a melhor para ultima venda, por
isso que com a falta que tem havido tpve oc-
casiode vender a mais inferior e hmida; os
pretendentes dirijo-se a Boa visla ra do
Hospicio sobrado defronte do Coronel Brito
Inglez.
ES'- Um moleque de nago de 10 a 18 an-
nos robusto, bemsadio, eainda meio bu-
gal : em S. Amaro sitio de Joo Baplisla
Claudio Tresse.
tSF" Caixas com passas muilo boas e ba-
ratas e em libra a 160 rs. batatas a 40 rs.
dita, e urna porgo de esleirs de pipiri : na
ra das Larangeiras venda D 8.
SSS" A armago de urna venda por prego
commodo no largodo Tergo D. 7 : a tratar
na ra do Fogo venda D. 19.
tsr O Brigue Inglez Prince Albert, folia-
do e encaviltado de cobre novo de tu-o ,
de marcha superior (AI at L'loyd's ) : .no
escriptorio de Me. Calinont & Companhia
ESCRAVOS FGIDOS.
tSF~ No dia 27 de Fevereiro pelas 9 horas
da noute fugio um escravo do sitio de Joze
Ribeiro de Faria de nome Antonio baixo
e grosso setn barba testa pequea cara
redonda, psgrossos, de 28 annos, levou
vestido calcas de riscado miudo azul jaquela
de riscado de metim .encarnado camisa de
madapoln, um bonet azul, c mais roupa ;
o qual eslava depositado e lem por coslume
fugir, e ir para o engenho Penedo aonde ja
foi pegado um vez e como o Snr. mora para
as bandas do Sul he de supor ter procurado
essa eslrada ; quem o pegar leve aodilo si.io
que ser gratificado com oOi reis.
c? Noanno de 1841 nomez de Julho fu-
giotia CiJacle deGoiannao pardo Joo Mar-
ques, por anthonomazia Joo Camaro de
40 annos principia a pintar cabello, cara-
pinha olhos grandes e fumacenlos. boca pe-
quena, denles limados bem barbado, tem
suissas alto, ps bem feitos, bom pescador,
a toda probalidade que anda pescando pelas
praias do rio doce; quem o pegar leve no
lugar de Catuama ao Spr. Framisco Gongal-
vesdeArru a, quesera recompensado.
M 0 V1M E N T O DO PORTO
NAVIOS ENTRADOS NO DIA
5.
Massechuselts ; 08 dias Barca Americana
Sarah Esther de 159 tonel. Cap. W.'n M.
Lambert equip. 23, carga petrexos para
pesca : ao Capitao.
Cear ; 3 dias Vapor Brasileiro Bardana ,
de 240 tonel. Commaiidanle Joaquim
Peixoto Guimaraes equip. 24, a Joa-
quim Riplisla Moreira conduz rterutas
para o Rio de Janeiro.
SAHIl.OS NO MESMO DIA.
Ro de Janeiro; Escuna Americana W." Tom-
pkins, Cap. ErasmusPeterson carga" las-
tro.
Lisboa pela Ilha da Madeira ; Patacho Porlu-
guez Paquete da Terceira, Cap. Joaquim
Maria Silvcira carga assucar.
Bahia ; Patacho Brasileiro Edina Restaurada,
Cap Manoel Martins da Silva Vianna car-
ga lastro.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F.=: 1812


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX4C56RPP_YNS0RI INGEST_TIME 2013-04-13T01:40:33Z PACKAGE AA00011611_04483
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES