Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04474


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVIII
Sabbado 27
de Marco de 1853.
N. 70.
5B
DIARIO DE m PEMAMDICO,
mc;o ba sonoRirnAo. d;a: da iimih.
PtOlHINTO ADUMADO.
Par trimestre............ 4/000, 22Seg.S. F.mldlob. ni.
Por semestre ........... 8/000 1.1 .lecln..
Por uno..............15*1)00 23 Tcrj.S. Velorl.no.
Pioodint.o do t.ineitrb. 24 (luirt. S Latino.
Por quartel............. 4/HH) 35 Quii. ** Xnnun-
aroTIOiA DO larcnii ia(ii SS Virgcm.
Para..... ide Marco Mlnai... lodcFevr. 20 Sexl. S. Ludgcro.
Maranhao 8de dito 'S.Paulo. -I de Marco 27 S>b. S. Roberto.
Cear... 13 de dito. H. i J.. 10 de dito 28 Doin. 5. da Quares-
Parabiba. 22 de Marco liabia... 20 de dito | ina ; S. Prilco.
iOBIINCIij,
Jasod OrfhSo
2. e5.ii 10 horas.
I. varado civil.
3. i- li, ao melo-dia.
Faunda.
3. e6. l 10 bora.
2 varadoeivel.
4. e sabadoa ao meio-d,
Hlapo.
Tercas e sabidos.
romirn,
Crrscrntc 28, ai hora e 31 niluuti da I.
Chela afi, a 3 borai e 11 minutos da
Mingoanteli, as 6 hora e ti iuiiiulofda t.
Nova i 20, ai huras e 14 minuto! da
,%
PBBAMA B II BOJ
PrimeJriilU 10 horas e 0 minutos da m
Segunda l 10 lloras e 3" inlnutoi da
baa.
tar
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
PtirMia H it mnrf> dt iS.'.i.
Trinos algumas novidadrs asss Importan-
lei.'e ic todas ellas lo verdicas, o que nao
-aiievcro, ful a semana linda a da dcscoberta
de facloi horrorosos Se eu fora multo cr-
dulo suppona que ella tem leu tanto ou quin-
to de axigo, c notoria em ineu allium a ter-
celra semana de marco, com tinta encarnada
para de ora ein dame dedica-la ao velo, e no
iutenlar negocio Importante, em quanlo nao
passaisem suai malignas influencias. Vamos
aa novidadea.
Fui arrojado a pnli, no lugar Ba'iia' da
TraifSo o cadver de um Individuo decente-
mente tratado, cosido em um laco de lona uu
qual lora lascada instante areta, e envolto eaa
mu mito de pelles de carnelro. O InJlvido
foi anaiilnadu a Tacadas. As pessai que o
viram oo puderam conhece-lo; mas ha bein
fundadassuspeilas deque a victima be o ne-
gociarte Olagallies bastos dessa proviucia; e
nasceu de ter apparecido ao mesino tempo
naquelle lugar um Individuo, com una carta
de outro dessa proviucia, a qual sendo r.or
elle abcita peranle o subdelegado do lugar
moitrou icr dirigida ao dito Magallies, avi-
s iniiu-o que nao poda achar se no lugar em
que havi-nn contratado, por haver adoecidoa
inulher do queaescrevia, c teve elle por isso
de leguir para o recife.
Se a victima he como dlsem, aquclle nego-
ciante pode mu bein aquella caria oriemar
a polica na descobena do aurior de Ha hor-
que efse dolo de barro deiapparcce pol
piysicamente, nada Ihc lobrevive, sedj
uus a degradaran e a proititulcao pro
pelo terror, em outro9oodio a iyranina
lerllisou leu braco eiua inlelligencla,
e a inlelligencla do pas.
Asslm, longe de ser certo que taei tf
coutribuam para reconcllar^coin
Na ultima llora ho quo o mao piiile ter al-
guina Icmliranfa boa, o iguoranlo algum
rasgo sublimo do sstiodoria. O Argos oos-
trou-nos convoniento e concisa ment o
qua ello lio o fui, oo concoiloque mereco
do publico. He tilo odiado aeu nome, que
s podo subsistir miis alguns dias reuegan- uu
do 0 ? MuilOS, OU posso dizer lodos, OS legitimas conquistai da razao e do pr reno do bairro da Boa-vista, no qual pede o aug- denles que enla
Calilo Rosal. Que flea anos elle ? 'i
toro adquirido, pelo crdito quo niert-.ce-
ram, ou inorecain ; o Argos po'm morre
pelo nomo. Basta : est com isso bein dillni-
do ; elle mestno disse com sinceridado o quo
ers, reconhrce o que val, e fez su opita-
phio. A trra llio soja levo ; o os homons o
TUS oTeuMf'^''?0' Ficarei privado de|gleVt" franceze.. vlode ,-lo csr, -lo! de publica, que nao pojar .er .
.. i .,|mL. i -lal.a ? Sara ulistitutdo Vlndr, Fr.ncc.es, lio justamente ut> jp> de, f.ltBdida le os fundos pblicos frem de
snas luminosas oui.to.as r1 Sara suuatitu'dqj-----------;.--------.........-i-.-u. |,|,.!tlc..,'do, com augmentos de ordenados, e e
espacn de vlnle anno* suas lorc.
cia. Isso e nada mais! Estadisn
adal categora deveriatn ser redusldoi; e que alein
e as- disto, o atraso dos inelhoramentoi materiaei
por da provincia, reclamo a inais seria attenco
I n- dcsla asieinbla na consignacu de fundos pa-
irea ra satlsfacio desia palpitantsima neceisida-
ol.de publica, que nio poder ler devidamenl
deslral-
outras
jgyUqubmeOQa*at*i

T) muilislimo aprimeir calamidado ; majd(JJ cs(( pouer qae alacavels como Itorte, e publico
notemoa soguilla, porque tambem oco- 'deelaraveis necessarlo e nonnal. Verel que i E' de parecer que leja indeferido o reque-
I1BTISU DO COBBtlOI,
Golanna e Parahlba, l legunda e leitaa-
felraa.
RIo-Oraude-do-Borte, todas as qulntai-felras
ao mel da.
Garanhuns e Bonito, 9 e 23.
Boa-Villa, e Flores, i 13 e 28.
Victoria, i quiotai-felrai.
Olinda, todos o dias.
NOTICIA aSTn/.MOCIBAI.
Portugal. l5deFevr,
llespanha. o de dito
Franca ... 7 de dito
Blgica... i de dito
Italia.... 4 dedito
Alemanha. 3dedllo
Prussia ...3dedito
Dlnamarca3l deJanr
Russla... 29 de dilo
Turqua. 34 de dito
Austria .. 8 de Fevr,
Sulssa.... I dedito.
Sun i.i.. 30 de Janr
Inglaterra 10 de Fev.
E.-lluidoa 28de Janr
Mxico... 20 de olio
California 2 de dito
* -lala. 2 de dito
Ruenoa-A. II de Fevr.
Montevideo 16 de dito
CAMBIO! Ufe 26 DB MAHCO.
Sobre Londre, a 27 a80 d.
* Paria,
Lisboa,90 por cento.
aaj.TAt.
Ouro. Oncas bespanbolaa.. .;'..'.'*'.".
Hoeda de 6/400 velbai.........
a debHOOnova.........
de4/000................
Prata.PatacSesbrasllelroi...........
PeOI rnllllilli.il los............
Ditos mexicanos.............
loMM
B/ooo
16/tioo
9/100
1/!i2o
l/92o
1/800
ca ou
em
xldas
es-
forca
profeisorda aula de tachygraphla est.beleci- eu lomel parle na 2, dlacusso desle projecto,
ide, em one pede a pro- volei para que tile passasie a 3.", com a de-
? _,______ 4a ...... II... .... ,(..... i. ......I .'..,,. .1
da no Ivr'.ii desia cida
rogacia do seu contracto, debaixo de certa
condiedes. -- A cominisso de policia.
He lido, e apprnvado o seguinte parecer.
A commisio de ordenados iumIm prsenle
nial o requerlincnto de Proflro da Cunlia Moreira
as Alve, professor publico de grardmailca latina por que bascava-se em doceumentos conclu-
- enlao se apresrntarara a casa;
nge de poder dar um voto
( Ha iiii'rn aparte.)
O Sr. Paei Brrelo : N3o se pense quo
claraco deque lhe nao darla o meu vcUoseflu tenno interesse em que a dltMMlu so-
uluriiiacocs viessem da presiden-t ,,_
^,^_...i_____ -____i.. :. .i., j ore o
por ventura ulurinacoc viessem da presideii- bre Q prn ect ,pp,rec,beni que m seia is-
ciaqueme delerininassriii a proceder de dif- diffi.renlB f^jomln ealaa ranrrrp
ferenic mauelra. Vi que o projecto, confor- 80. inaiiwrenle .raiendo calas reileccoes,
me eslava concebido, devla ser approvado. no tenho outro fim se no motivar o meu
que as ra?des de eq
iciii legadas pelo supplicaole provain tambem que
fflcir Progresios administrativos? Pro tssos os ordenados de oulros professore de Igual
moraes? Progressos materiaes? Nadal -*'
icnao o odlo lyranni que empobrece
soln o pala, e.coino dlisemos, eilerlllr1
- 'oreas e iuli
las e eiei

nherjo, e tenho para elle obra prompla, cor-
tada pela sua medida.
aui Iralinlnado o jury nesta cilmlo, o in-
l por absolvieses. No lie hos a oslra ;
veremos se emenda a inHo. Os uossus bo-
mens olliam cum muito, poura *lt6nt}Ro pi-
ra os crimrs do r.siu.uo, e outroa quejan-
do, o nilu veem o grande nal iuo prepa-
ran!, talvez pira si. A impuiiid*'!o dos cri-
mes, principalmente quando da-so em cur-
ios c determinados, fai si|uecerque elle* (q
s

Ircq
roroso attenlado, que sem duvida fui coinuicl- "V'nlrAoJl Ti" ^7. l nonnlram sal-.fa. >eal- os "reuos J',"
lido no lugar apraiado para ajunceo dos dous "' olfe h idos, que ii.1o nciiulram sal.aU ,. ,,,,, coino d(piumaci. ..
aiuigoi flo na '"' Ab Nada'.ventursrei a respello, em quanlo nio O nosso Cdigo foi em demasa indulgen- ,1IU, ac vssaintelllgencia em materias coiunicr.
liver mal! cxactai inl'ormaces. Seja quem te como os pimpo s, o ja 01 homelis de C-'ftl (ciaes, vindk ver como contribiiieis nestea ultl-
foroinfelli, existe o facto, c bein atiroa, que ordem no recurreni B le em tses Casos, linos lempos para escorar o edificio leni base
convein leriamenle Indagar e punir, para I ,, ., ir, l0 ohlem salisfacilo. de um poder que vos fechava mercados desll-
que se nao reprodusam eulre nos os .umir.o,: (.(j, olisorvncies me T iram S MfllUd uu' dar sabida a essa soiierabundanela de
con, que ouir'ora a *,!.. Europa lauto je no- itao,.,S,o, 0OUI 0 devi lo r.pltO, Jlrodacsa.o,,d populacao e de njnrl. qu;;L vos
lab.lisuu, e que anda hoje de quando eu. f|lju|U| qe iv,: lu^ar un da 20 ; o como
tua base nao era o catado locial do pali que rimeato do supplicante.
regia c iinolerror, monslro mulliplicc em suas Sala das couunissdes 23 de miren de 1852. --
formas, mas vigoro;0 em sua aeco, que a ros- arro Falco, Florencio, Harrot Uarrilo.
sahitluria voa fe conhecerj aquelle ineiino OHDEH DO DA.
que Danton desencadeou com um gesto nal Dlllma dlscusso da emenda apresentada em
ras de Pars, e que sujeilou trlnta iiiilhoei de 3 discuiso ao projecto numero l.que Bxa
France/.es au acoiie de um punhado de fana- a forja policial para o anno de iS5' a 1853.
ticos c de asiassluos. Veris que era mu poder Or. ttacitl Mmliiro: -( Nao reslituio o seu
condcmiiadoa siislenlar-se pelo crime, a vlver discurso)
vida vilenla, sem deiaar apds si seoo os dei-| O Sr. Paei Brrelo: -- Sr. presidente, eu
trocos c as ruinas da lula e da violencia. Veris respello mullo as declides de V, Ex., mas nao
que as duas grandes potencias curopai le posso concordar com a Indiligencia que V Es.
O projecto em 2.1
mar, e foi re-
adoptada a mi-
project"
foi regeitado, cuino ha-de agora ser volado c
ler volado sem ser discutido ?
O Sr. Presidmle : O projecto_ nao esl co-
mo veio para a segunda discussao, eit emen-
dado.
OSr, Pan tfnrrelo : O projecto nao psssou
os o determinados. Taz squecerque ellcs que as duas grandes potencias europea, se possoconcoru.r cora mieingr.
lio punidos :e OSO esquecillionlo tnrna-OS proslmram ante u.n phanlasina, ante um gi- acabaIM dar ao regiment Oj
.in.ol.. .ftnrt.nnilar.mO! nsnerar da gnw de preslidlKllaco; que claiiihcaram a discusiao ful regeiado pela ca
eiiliiiilcs: eoqii I ""reinos oi.pe'r ^r,,,!,,,^,,,1, oagaatra como la- gelt.do pelo faci de ter ildo i
rcquenc.a dos Indcalos, mxime sabondo eil,pdo5 llla?, grosseiros, as intrigas nha emenda luhsllluil.va; ora,
ainolliiana'lrlanda.e que amofina todo o inun-
quando se records.
em 2.a diicusso, cabio, e por tamo licou co-
mo se nao existisse.
O Sr. Presidente : Cabio, mas existe um
.ni-2 discusso.
le vejo cada vez inais emba-
razado, em vista de tamos oulros documentos
que vieram da presidencia; por quanlo, com-
parando esses documentos, vejo que um paro-
dio cncomuiendado em 1843 assevera em hu-
ma sua represrnlacao, que a Igreja de Cim-
bres, le acha em esladb de nao poder prestar-
se aos actos rellgloaos; outro vigario, ( creio
que o actual) em um seu olncio concorda em
que essa matriz no pode continuar a servir
de paruchia cin raiao de seu mo estado, en-
tretanto que, se eu me qu :esse regular nica-
mente por esias inforinacdei, deverla volar
agora em 3.a dicusio pelo -projecto. Pda,
se por um lado quero atlender esias consl-
deracdei, por outro vejo um officio desse
meimo vliiario, ein que, invalidando a sua
primeira asseveraco, alfirma que a igreja
nao se acha nesie ino eslado, em que a li u
ron seu prlmeiro ollicfo; vejo taiubem omras
nirormacOes, coinu por exemplo um papel
firmado pelo delegado e assignado por parte
da populacao da freguesia, que reclama con-
tra a transferencia da sede. De mauelra que
suu indusido a crer que, se os prlmeiros do-
cumentos que estavaiu na casa determinaran!
S. Ka. reverrndissima a au se oppor a essa
transferencia; os segundos que agora nos f-
raiu mandados pela secretaria da. provincia,
ei un lugar a que S. Exc. hesilasse, ou antes
julgasse que nao devia inais consentir nessa
a transferencia. A.ssiin, ja v a casa que
cuntrapuiidu-se de um i mauelra formal todos
esses documentos, acbamo-nos collocados ein
voto, o mostrar que os fundamentos com
que o honrado mcoibro sustentou o seu re-
querimputo n3o sSo-os que meleram a apro-
val o. 0vigario (repito) consultado sobre a
transferencia da matriz, diz que nio s he
ella contraria ios interesses don seu* Tegue-
zes, mas ainda que a matriz ile Cimbres nSo
se acha n'esse estado de ruina om que se
quer apresental-a( aendo qoe para os seus
reparos ji nxitero trilitos materiaes como
todo o msdeiramento, grande porcSo do
cal, de lijlos &, o que de nenhum modo
mu de encontr sua prioioira informado,
pois que depois d'ella podiam ter sido com-
prados o reunidos, esses materiaes; e he
cabido que diversas pessoas tem promovido
subseripfOes entre os liabiantesda freguo-
. iiimi-,1 reslisarem os concertos da matriz
sem grveme dos cutrres provinciaes. Ja'
v pois, a casa que no ha contradic3n nen-
huina lias iosformatOes d'csse vigario, como
pareceu eiixergir o honrado macabro aiilor
du requeiimenlo.
Pelo que diz respailo nforoiacSo'da.la
em ixH pelo vigario pnuninmen lo l'ereira,
o que parece fivoravol a transferencji da
matriz, observarei em prlmeiro lugar, que
essa vigario nSo sendo o olfectivo, e nlo de
n lo ter tanto interesa i pela fieguezis oo-
um i-si", uo pude su i ii..iiii.iii meiecero
iiii'.smo grao de impiirlancii, que a do ou-
tro, que ho o verdud'ro parodio de Cim-
bres : ..lii.ii do quo a infirmar;-lu valiosa, a
ue nesla pro-: quando ellas so me nprsenlam
; o como jdo lirp0i Vinde ver e esludar case odio que I pojee.loque u subslituio em 2 discusso.
no pOSSO reDeu,a por'toda a palle, essas rulnai em que i O A'r. /'uei Uarrtlo : Perde-me V. Ex; o
eslado de duvida, e para poder esta asicni-1 alien lvel n'esle caso he a do S. Et. reve-
bla deliberar com conbeciuieiito de causa, reiiilissim, monos quo no queiramos a-
julgo coiivenienic que S. Esc. levcreiidissima gora desconliecer e recusar um p'incipio
rccoosidcic lodos esle doccumenlos, e por qlie sjJn semure seguido por esta a.s-
isso vou manda! a mesa um requcrlmcnir. pa- 90nii,qual ode marchar do aecordo Com
o Ex. bispoquando so trata de transferencia
o mu unirs do freguezis. Mas eu disse
que votiva pelo requprimonlo; e o faco
ra que isto leuha lugar; pnls esluii persuadido
que S. Exc. reverrndissima lei preciso de
examinar melhor a questo; al mcsiiio nisio
crelo que cumpriuios nos um dever, ouviudo .
o ordinaiio a respeilo do projecto como he es; I i'orque lie miiilia opiniao que este negocio
lylo na casa. Vou mandar o requerimculo | he mais da cooapcleticia do Sr bispo do que
mesa. j da nossa ; nirn tu qua devomos deixar a s.
He lido, c apoiado o segulule requeriinento:^ |/x ,, iarefa ,|e examinar o que mas convein
Requeiro, que o projecto em discussao, e (J) jn, res>es j1)s habilanles da fieguozia
t quaes os autores, algum uos quaes 0B seus elementos no pr
jareceberam a divida paga, mas da juslica, (.Mp ,, rscollira superior, nem em lulelligencia, nem em pers- vaase uiua r^uienua arm '"|ld"""V''"'-*'V'"' projecto, (apoiadoi) digo Islo porque creio j di-simii, pois que, lulo lie natural que de re-
que aqu he man cega a inulto lempo, do que i R0 da 3 de fevcrelro ebrgaram as tropas picacia i nova diplomacia americana. ',.., ,'i,,. ,,,. ,, re',.eiia,la a em qualquer oulra parle. I alliadas vlsla dos lo afamailoi Santos Lua- s ultimes aeoiiiecnenlos devein prorar-1 |2"i, C l L fa astaisl' nornuc o "' io desles, e se eulcndeu que : volando pelo requerimento, porque enten-
, uegou aquelle ludo mas esle,! ciedade que opprl
talvez por menos calejado no crime, ludo de- j 85es ijue ebegavam a tomar as formas do fana-
clarou. bis o faci conforme lie referido,I Hamo e da idolalria. tinha-sc transformado
mas, como ja lite disse, cuja verucidade llie ein um mcio de poder e de influeiicia cxlcr-
no posso assever.r, puis o canal donde o re- | na.
cebi nao he dos mais puros. A Inglaterra e a Franca temeram-o I E do te-
Taiubem em Gorabira, ou suas inunediarocs mor iberiamente confessado passaiam, como
f.si assassinado um Portugus honesto, bem os opprimidos habitantes de Iluenos-Ayres, a
quieto e idoso, por um sobrlntio, que inandou rodea-lo de homenagense de sympalliias.
virde Portugal, e cnclieu de beneticios! tiuau-' Um ministro inglez declariva que a desap-
ta perversidade existe entre nos! r parlfao de um poder fundado e mantillo no
chaodo-se aquelle miscravel com algnma assassiuaio c no con6sc>, ser/i umu grande ri-
I i luna e sem filhos, leuibrou-se de mandar t,imidule e as*ociava-sc quelles que peiliaui
buscar um sol rinho, que na ttrra, como disrm sua conlinu9o. Um plenipolenclirlo c al-
eles, tloba. Veio o rapaz, e elle caiou-o com miranle fraii':ez aisignav sem trepidar o tri-
uma engeitada que tinlia, ea quem quena be- umplio do dictador no Kstadn Oriental, e nao
ii. tii i n mas o niuc/iacko contra anidle de s o julgava inevltavel seofio proveiloso.
seus patricio! { quem Cal du ia t ) em vez de ler | Atacado o diciador, veio a diplomacia em seu
amor aos patacos e seu alo de ver a Oem, c dls- i autillo, c a nao aer o aeerlo c a rapidez das
posico para o trabalho, be um perfeilo man-1 uperaedes da alliauca estamos que a diplo-
itii.ui, refinado pelintra e de mais a mais fu- macia leria sido auxiliada por meios inais e-
rioso jogador. Com laes dlsposlcdes, como era J nergicos. Assun, a Inglaterra e a Franca, de-
natural, ia pondo em pantanas os fruclos de p0u de tercm-se indisposlo com os elemeii-
loogo trabalho e aturada economa do velho ius favoraveis a Rosas, depois de ic lerem
lio, que, nao gostando da graca, reprehen- delaalle menoscabar e ultrajar pelo dictador,
deu-o, e al ameacou-'o de driaerd'i-lo. Ein vez niostraram-llie suas sympaibias no in.iuiento
de produzir aquella advcilencia o desejado ef-1 da sua derrota, da sua queda !
lilo, irnlou o mooslro, e f~lo einprebeudcr I Os homens inais eininenles da Franca e In-
e perpetrar o brbaro attenlado, que lhe disse,, glaterra, l.uiz Napoleao, l.uiz Pbilippe eGui-
iiu. s que o to pozesse em execueau sua a-
meaca.
Orscobrlo-se o crime, e foi preso o mandan-
te, e n ni pardo mandatario ; mas pode evadir-
se da priso o inonstro, licando o leu cm-
plice.
Tiuha ou nao razao quando disse que os
Inunyei brevemente apresentariam decantadas ?
Ei-las, e dando de abale o seguodo faci, que
aluda nao est verilicado, restam-nos dous,
que equivalen! bem a vlnle dos ordinarios.
Ainda nao melhorou nossa alhnioiphera, e
appaiecem inais ou menos ell'eitos de sua in-
duenciamaligna. A mortalidade tem diminui-
do, nu lano quaoto couvinha.
Vi a procisso, ile que lhe fullei, e estovo
bem soflVivel. As irmandades pobres sSo
hoje ai que se notabilisam pelo zelo do cul-
to religioso ; ao passo que as neis nada po-
den) fazr. Omesmodirei das ordena reli-
giosas. Oconventod* S.-Kranciscn, quan-
do tem guardio nao mulo amante do me-
tal cunhado, festej e cum limpe/a ; o Cr-
mo poim e principalmnut.o S.-Benlo, s
nos enciimmodem os oovidos, 08 sinos de
suas torres, e quando muito algum cozi-
nheiro. Oque levo dilo niose lefore ao ac-
tual lili i te ; pois hontem na testado pa-
triarctla inl.i dismiutio o Cuuceo qu I mo-
rere de cuidadoso de seus devores, e bou
administrador.
A poltica nada dt ; e o meu sllaiato ho-
norario perdeu ocsiro, o que, sinceramen-
te o digo, muito sinto, o so soubera quo a
falta de gaz deixou aquella candelabro de
zot, lord l'ariin rsinu e lord John Russel, equl-
vocaram-ic redonda e obsecadamenlenoimeoi
e n is oppor iiiiiid ule- da sua polilica naquelles
palies.
Hra este equivoco lo grave contribuiram
inulto os agentes e os escripteres daqucllas
potencias. Um poreorrupcao, outroa por le-
viandade e por ignoraocla aceilaram e defen-
dnaiii o poder de liosas como un poder ne-
cessarlo, normal, intiiuamente ligado as con-
dicoes sociaes daquellas repblicas. Alguna,
como o Sr. Page. confessaram os crimes de
Rosas, o terror que derraman por nielo do
r..iilio e do assassiualo, mas ao lado desia
coulisso forinulivam urna ilicorla completa se-
gundo a qual as sociedades americaiias de-
i'iiin ser levadas liberdade c clvihsaco
pela ino de lyraiiuos barluros a dcsapieda-
dos.
Invocavain-sc exemplos lirados da historia
europea, e que nao tem a mais reinla pari-
dade com a lyrinnia ignorante e terrorista
que pciava s bre o Rio da Prata, para jus-
ullcar aquelle lyranno mesquinho e brutal,
cujo longo iioiniuio, longe de engendrar h-
bitos de uideui, de adiuiuilracao e de juslica,
peiverlia as naces mais tnviaes, as idaa
mais elementares do homem social, sob o pe-
so de urna vontade biliosa e atrabiliaria.
Napoleao deu Eranfa una poderoia uui-
dade administrativa, fecundos processos in-
dutiriaes, grandes esiabeleciineuios de edu-
cacao, os cdigos iminorlaes que deboirain
os diriltos civis dos Fracezes e os colocarain
sob a salvaguarda da Ici escripia, igual para
todos ; e por ella face, a tyranuia do grande ho-
mem reconciliou com a ordem, e consulidou
esso das desordena imeiuas
completa. Nos necessitamos de vossa exhube-
raoc de populacao ede Industria, do vosso
rico commcrcio, da vossa poderosa Dave^ato.
Vos piecisais de Ierras, de agoa, de riquezas
naliiraes e ierras, agoase rlquesas cuja ex-
teuso ainda nao medio a mo do lioinem vo
ser entregues a exploraco das vossas forcas e
da vossa inlclligencia.
He essa nossa base r......mu nosso ponto de
cordial aecordo, de fraternal uuiito. Essa base,
piicui, s pode ser commuin sendo couiuiuiii o
respeilo ao direilo c dignidade de cada um e
de lodos.
Abandona! essas violencias que irrltam, que
sublevam, que produzein um effeito coulrario
a que procuris conseguir; que mullas vezes
cncadeam a aeco dos vussos governanlcs. que
sem essas violencias, se exerceria em vosso be-
neficio e satisfara vosso objeclo do uuico modo
por que pode satisfazer-se, islo he, por nossa
vontide, por nossa mo c por nosso proprlo in-
terei'.c.
Nao ollendls o pundonor de povos novos e
viris;no os insultis por uielo de vossos al-
mirantes e agentes diplomticos. Lembrai-lhei
que nao vm a estes paises para exercercm os
consulados do Levante.
Na America s podereis fuer de hoje em di-
ante mmalos bilaleraes, isto be, fetol com II-
berdade, com igualdade, com direilos, devere
e vanlagcns mutual. A ferca exclue o cootra-
to, e s por contrato poderel adquirir. Os ou-
tros modos de adquirir que reconhece o direi-
lo das gentes e o direilo civil esto-vos veda-
dos. Acabis de confesia-lo no Rio da Prata.
Alb acabamos de v-lo demonstrar.
Ao tratar da queda de Rosas nao podamos
resistir ao desejo de exprimir eitai ideal. Por
oulra parte sao ellas nina prova de que aquelle
grande acunteciinenlo est ligado s nossas
irausaccnes com as potenciis europeas; que
deve exercer nellas alguma intlueucia, ainda
!uc nao seja seno a de nos dar maior con-
anca em nossos proprioa meios, c a de dimi-
nuir a r .mi un; i que tinlia a Europa naquel-
les que podia empreg>r nestas religifies.
Em oulros arligos trataremos da queda de
Rosas ein sua relaeo com o Brasil, com 01
novos argentinos, c com o Estado Oriental.
A. O.
(Jornil do Commercio.)
PERNAMBUC9
SESSA'O EM v3 DE MAR^O DE l8s2.
Presidencia do Sr. ttdro Cavatcanti.
As 11 huras e moa da iiunha, Celia a cha-
mada veriica-sc csureui prceniei3 Seoho-
res deputados.
OSr, Prctidtnte abre a sessao.
O Sr. 2." Secretario l a acta da seaso ante-
rior, que he appiovada.
O -?r. i.* Secretario, menciona o seguinte:
EXl'EUlEi>TE.
Um ofticio do secretariy da provincia re-
metiendo as contas da receia. e dispezi da
um uo gi >"- afT.i"_i v T n espalharsuaa luzes, diminuir,, miuba ra-' n ^^,,'^Z ,uu,as da revolucio. Maso.
Cilo depaoquotldl.lio psra com as econo- ,,.tallllo, colllo i,0, nuuca fundaran! nem cmara municipal da villa do brejo-Acom-
inias foruecer-liro, senilo consom do mui- 'itm fu,lda,. ,enao o dominio passageiro da missao de comas iiuniclpaei.
to ero. u. vonl.de. Ame ella de.app.rece.n a le, a, Uulro de M.uoel Joaqu.m b,leve,, e oulros,
UizemqueomeuamigoArgosesUqii.si n,i,.u,v0e..du,i,,,sir..iva.e jud.c.ariai, asje-|pedindoque it. a.iemolea tome urna inedida
pedindo iuiix"''
lornece lora
n ver se assi
lembrado; laivez que a uiuu.,.v- -- nianlem-ieoinenic pelo lerror que pr
concurra pira livra-lo da morle miserivel embruiece, alfasta inevitavelmema lodo pro-lse consigue fundo para pagamenlo do que a
queo auirici. Felizmente lem iiso da Cun- g,etio moral e material, porque nada ha ga-1 provincia dve aoiupplicanie. A coiumissao
iiiiiin cornos homens honestos, o tnorrer .antido, limitado ou definido As Inslituicesjde fazenda, e orcaiuenlo. ___
p0i,re. concenlramieemuin s homem, e no da culi Olro de Luis Antonio Meiqul
decisao do Sr, presidente he muito confor- ggguro se pode lorinar i respeilo da ques-
me com o regiment, e crelo que o! Senhores ,ao que nos oceupa. Concordo cm que neja
deputados nao leram com a dev.da allencao 0 ..egucio submel.do a decisHuJeS. Kx.
timo : f l) o rcultaido d^ uuestao sera o do b,. _
projecto; .e a emenda tor pprovada, sera revorendissima, poiom nSo poSSCI admitir
substituido o projecto, e te nao for, fica o qu baja a menor conlrailic.lo entre os do-
projecio ... Icumenlos que nos foram rcinolliiltis ultima-
OSr.Paei: Brrelo- liso he oque se nio mente c aquellos que ja possoiamos; assim
conclue.
O orador i Est claro que o
queslo lie o do projecto.
meslos documentos que squillo qu
cei lie exacto. Ha um oPdVio do padre Ma-
noel Jos ilus Prazi-rcs vigario interino de
Cimbras, datado de 8 de abril de 18(3 que
diz o seguinte fie)- Tanjo ido lomar conta
da matriz ns povonrjilo de Cimbres, a Abel-i
no mais deploravol estado possvel: esta
prometiendo um prooptO desoioronamenlo,
'como nSo me parec qoe baja rasao para '"ul""10" ,\'uu,pl''': .,"r .h' ""'' .'
resultado da SUDor.se QUe p,rle ,|'0 ,.:>;,n.J ,.r,.|a,| pos-! conaeguiniemenle convocando ah o pojo.
supor-se que da psrle do Exm. pn-iauo pi
sa lnve a.....nnr duvida a crea da descon-
O&r. Pan Barrito:-liso era se apenas mu lansa da sede da freguesia
WKrsswr-isautss sm **-. q-.- o;.
he a mes,, e lauto mais que a emenda al- b,spo fo, ouvido pela primeira v,z falava-
lerou de liilti prafai para -100, nao subsliluio, sesimplesinelllH da liiiiislerencia provisoria
ora do contrario toda a emenda era substitu- da mairiz, c entilo S. Ex. levado por infor-
tiva niaes n>excts, ecredilou que a igreja dn
U Sr. Ptei Brrelo; As vetei a emenda Cimbies acl,ava-io em lal estado ,ln ruina
he urna s parle ou urna palavra inclino. que 0<1u perinelia que n'clla pndessen |er
i) rini.ii : iliin as das parles da emenda celebados os ollleos divinos, o foi deopi-
estam no projecto. Eu emendo, que a vola- nii0 que essa iraiisferencia piovisona su li-
i.io da emeniia decide a queslo, lito be, se / lss.. 0^e
que se lOedilicaMS a nutriz de
be approvada a emenda, est cabido o projecto, Q._RrM AgO'O porcm qui S" trula de
e se nao passar, lica o projecto. He o que lr>nim)r'r ,julin i i vn inmuta a inalriz para
Peiqtlira, S Ex. reveren lissuna declara que
eu entendo.
0 Sr. Jote Pedro : -. Emendo ser a opioio
1/ or. jvic nan iniicuuii ki .u,o------,- n .r.... I- .. .... ,
doSr.Presidenie, a mais r.soavel e a nica a depois de haver refletido profunda e ser.a-
icguir. mente .sobre a materia, nao podo deixar de
OSr'. flaplista: -- Pronuncia-se pela deci- oupor-se a essa transfeieucia, que reput.
sao do br. preiidente. contraria aos iiiteresses dos povos deC.m-
O Sr. Unciel MonUiro : (Nao reslituio o bres. Aioda mais, S. tx. nos diz que ja nao
seudiscurso.) i.doptaa opiniflo que emilira em primeiro
OSr. Preiidente: Eu nao polio admitllr lgar por so ach. nuil discussao a este reipeito. Apoio-ine na 9C v6 que nem mesmo aprova a transforen-
llleral disposlco do rcgimciito que diz assim af provisorii : no ha pois a menor duvi la
(l.) sobro a opiniJo di Sr. hisp a rcspeito d'es-
Tenhode consultar a casa depois lobre o iB 0o0i:io, e por isso no lie de esperar qoe
projecto; se ai emendas forem approvadas; -.. ier assim exwri.nido o seu voio,
mas, repito sempre lenho de cousullar a casa P (conlradzor-Si-, ordenando urna
sobre o pioiecto. Ku emendo que o regimeu- '" *h'" ... _.,.., ... _, ..
to rom estadispo.icao, o que leve eu vista foi lranferOTC que elle roprovou de um. ma-
erilar nina surpresa na casa, e elle quer que noira 13o explcita.
as emendas eiiidn discussao uo passassem lo, Quanlo a ronlradnao nolidi iiasinlnrma-
sinente por una dlicuisao, pois que podia (oes dadas pelo vigario de Cimbres, cu 119o
acontecer ser a casa surprehendida nutna vota-, (1 enjergo. ISa piimeira i n Inrn .i r.i.i quo be
cao dessas; qniz pois que quando houvessrn uu isj5i, (l vigario sen lo consultado sobre o
emendas em $' discussao, nao fleasse nidal '. ini)inz po nata quo fosse trans-
- ita assemhlva,
ros da luMOl
emenu.s em o oi.cussao, nao ncaise naoa i lg |nHlnz nflo para que
definitivamente approv.do; quis que fic.sse; para olilT-se d'esla
ludo suspenso, al haver oulra volaeao. He l-riua, na ii rA,rn,
assim que eu comidero, e posso harmonisar alguna fundo pra os re jiro.
que eu consioero, e po
com o que emendo; porque o projecto hade
ser votado, aalvo se com esta emenda elle for
considerado prejudicado, se ella ir approva-
da, ein quauto nao for approvada onlra vez'
essa emenda, ludo eit suspenso
milriz, piutou-ii ou mau estado, e como era
natural, carrogou um po.ico as co-
"fir, Uanoel V.avalcanle : Por conse-
senlido cornos vigarios o com as
neme acompauha a emenda.... \"oSr'>aes Uarrelo Ho preciso tor sen-
^a'Si'SSS liiiVnao-cnm os v,g.r,os,P,nas com todos
quo teem pretences.
!"" : ,. ., quencia sentido
O Sr. B.plitlo: -o projecto implcita-P inrormiicOn
i emenda....
cumbe ininha- decilo
o considero assim resolvldo O projecto hade
ser submetiido j volaco, salvo se com a ap-
provaco desia emenda for fulgado prejudi-
cado. Continua pola a discussao sobre a emen
da.
Pozl: \0t0l, VOtOS.
Julga-ie a inalerla discutida, e aubinetida
a emenda volaco, be approvada por 19 vo-
tos contra 13, tendo sabido da tala doi srs,
deputados,
Entra em 3.a discussao o projecto numero
3 que luppriine o comelbo de salubridade.
O Sr. tlanoel Cavitcanlc : Apoiado.
OSr Pac Brrelo : l) mesmo vigario
consultado ullinunienle respeilo da trans-
reucia, sobro o que sinda no tinha dado
voto nenhum, pronuncia-ae muito clara-
mente contra ella por prejudicial enosciva
aos interesses dos seus Treguezes.
Aonde est pois a cnnlradic$So ? Nem o
vigario neg na sua segunda inl'ormicSoque
mitriz se aoba em mao eslado, somenie
Nao bavendo quem acerca delle tome a pa- declara agora quo depois di sui prioieira
larri; he subiiieindo a voiacao e approvado. inforrnac9o se tem comprado, e ja existe
3.a discussao do projecto numero J, que (lJ nuautididc de materiaes para o cou-
iransfere a sede da matriz de Cimbres, para *"" _.,-.,
"ue'lr"* M' SeDbr" "" d<" Home,", "" ""' OS'. Burros Fal'ao : Tem muita madei-
qU0 "sr. Aaniar : -- Sr. preiidente, quando ra, muito cal, 0 muiUtijolo.
!iz tirar toda a tellia, as imagens e algumas
alfaias que ali existiam. Como em seme-
I na uto eslado, impossive! he celebrar-se
u'um edilicio que Po pode tardar em de-
saliar.. lembro a V. S. quo I a rendo levar o
estado ila tnaliiz so conheciuiento do corpo
legislativo proriiieial, fac;a este trasladar a
una matriz para esla vil a, com a interven-
(,'.i do bxm. prelado...
Isto he o que diz o vigario em 1813. Etn
31 do julbo doanno passado, o Sr vigario
Jos MalhiisRibeiro, olllcia exprimindii-se
dest maueia (lj... Chegando a esla villa
(Cimbres) no da 13 de fevereiro do corrento
.iiiini p .r.i ruinrrar o exercicio de minhas
runeces parochias, o lugar queaehei deno-
minado matriz fura ni quatro piredea ape-
nas cuberas e a imagem padroeira do lugar
onde se selebnva o augusto e santo sacri-
ficio da missa ... sem urna oalha docente pa-
ra ornar o lugar em que collucada eslava a
i.na em, im n meios com que se polesse
coucorrer com a decencia dovida a tfio su-
Li 11:- e lugar ... achandu-se a anuos desapru-
mado o oilSo esque>do, desabou nu dia 32
do correle toda a coberia da matriz, lican-
do s colierto o lugar do altar, -porm bas-
tante arruinado co n o aballo do abatinieu-
lo, ossiin n'esla estado lastimlo de ruina
i' i mii ni necessilada de alfaias para o cul -
lodoaltir, jamis be possivel celebrar os
sacramentos com a exigida docencia n'uvi
monlo d ruinan.... etc.
Porconsequencij veo nobre deputado
que em 31 de julho de 1831, o Sr. vigario
actual de Ct ubres o cirio que collado
n'essa freguezia, diz que a igreja se acliava
no estado que acabo de doscrever....
OSr Paes Brrelo -Islo he com quatro
paredes cuberas, que he mesmo como so
as igrejas. .. (risadas )
OSr. Aguiar :Ou por outra, um mntalo
de ruinas : eotretanto que o mesmo Sr. vi-
gario Jos Malhias Ribeiro, em 20 de Janeiro
de 1852, isto besis mezes depois atena to-
das eslascircumstadoias, er na poasibili-
dade de lazer-so da matriz de Cimbres um
dos mais bollos templas do entro, e des-
conhoce eolio a convenienci da transfe-
rencia !
0 Sr. Pitas Barrafo :Agora vamos con-
IradiceSo.. .
(I Sr. A'juiar : Pois o n, deputado a nSo
vfl ? A contradiclo ala em que em virtude
do olUcio do vigario encomendado, e do pri-
meiro otlcio do vigario collocido, as pire-
des tu (igreja baviam desabado eja se ti-
nham recomido as tellus, no existindo lu-
gar decente onde so celebrasse o sicrlficio
di missa, Icndo sido estas duas informaces
quelevaram S. Ex. Itvra. a consantir na
transferencia, como elle diz mesmo em sou
MUTILADO


TT

olllcioio prefjente d proTlncia. entreun-
to que depoie de tudo ijlo, o mesmo vige-
rlo, informando dlfforerltenjente, e j acre-
ilitan Jo na possibilidido de podar a motril
servir aoa mistorss do culto com lijeiroi
reparos, e adiliclbnando-ae esselnf.ir-
macSo um abaixo assignado promovido por
meio de urna portara Urtnida pelo delega-
do da commarca....
O Sr. Corre/a da Brillo :Apoiado ; sempre
he lioin dizer iaso; por portara do dele-
gado....
OSr. .1 guiar :-=..... S. Ex. Rvm. julgou-se
(Iludido, e eotendeu prudente nlo convir
maia nr- traoaferencia. Srs. eu nao quero
dar um voto tiesta matoria, sem permito oo-
ohecimnnlo de causa, intendo quo em ques-
tOea u'esta ordem devo ser ouvido o ordi-
nario, elle he pessoa oompelonto pura bem
aconselbar-nos, he mcaoio conveniente e
poltico, para dSo crear mas dilculdades
futuras...
\>Sr. Mello Reg: Apoiado....
OSr. guiar i-Assim pois quero, apresen-
lando eale requer ment, habillitara assem-
bla a bem apreciar o projecto, porque es-
tou perauadido que em vista das duvidas
que seteot suacitado a respeito d'oste ne-
gocio, S. Ex. hade querer esclarecer-se por
outra maneira porque oa documentos quo
existem nlo poderfio bem orienta-lo, e ao
contrario, ho de colloca-lo naturalmente
em poslclo dinioultosa da qual facHmenle
nfio podar satnr; porque he necessario con-
fesaarqueou fosse porqueae quizesse obter
dinheiro para a reedifcatelo da matriz, ou
fosse por alguma outra rasBo, o certo ho que
pelo que diz agora o vigario, pelo que sa de-
ve deduzr do novo abaixo assignado de al-
guna habitantes d'aquella freguezia, alguns
d'essesdocumentos s3o exagerados e pouco
aredoreade f ...
OSr. Pu Barrero: O vigario que deu
essa informado de 43, tinha niiis de 100
anuos de idade,j caducava....
USr. Aguiar: Bem ; eu s quiz chamar
a altanero da assemola para isto j e nem
estou longede me persuadir, repito, que as
informal/ios anteriores tlvtssem por lim
prinoipal o mover o corpo legislativo a con-
ceder una maiorquota para reparos da ma-
triz de Cimbres, porm nem por isso lio
menos exacto que a Verdad* fui preterida...
Mil S'. Diputado0 vigario disse, qu
estiva a matriz em mo estado, que ti lia *
paredes cobertas.
O Sr. Aguiar:Ora i paredes lem qual-
quer casa arruinada, n se uenliuin du nos
qner habitar n'utna casa n'esse estado, co-
mo poderemos pretender que ella leja a ha-
biU(flO da divindade? Achopoisuuna ser
verdadeesle estado ruinoso, a transferencia
devo ser feila....
Im Nr. Deputado : Nlo SdpponhO....
OSr. Aguiar:En nao supponho que soja,
nem que nao seja, mas entendo urna couss
e vem a ser que se por ventura o Sr. bispo
se convencer do que a matriz de Cimbres,
est em mau estado, que nSo podo servir
ao culto, sem quebra da decencia e respei-
to devidos ao mesmo culto, elle est no seu
dlreito, removeudo a sede para Pesqueira e
que mesmo he obrigado a remove-la por
amor da religilo do estado.
Eiii qual deve ser a sua linha de eonduc
tu, sem altender vontade dosto ou da-
quelle.
Por lantuSr. presidente, j v a casa que
eu quando disse que liavia contradicco nos
documentos disse una pura vurdade ...
O Sr. Paes Brrelo .-Nao Sr....
O Sr. Aguiar: O nobre depulado collo-
cou-se ii'iiii positjno tal, quo eu nlo o pos-
so convencer. Lutnitar-me-liei pois aoque
tenhodiloea assembla ulgai sobre o
aceito de nossas opinies.
Slolidase apoiadas as seuuintes emen-
das!
AccrcscenteAt que so concluam os
reparos da matriz do Cimbros. l'aes Br-
relo.
Sub-emonda emenda.
Accrescente-sea custa dos freguezes.
M. Cavalcautl.
O Sr. Pinto de Campos : Sr. presiden-
te, como quer que a discuss3o tonha salu-
do um pouco fura do circulo em que a de-
via collooar a materia do requorimenlo; e
oliseivequo o nobre diputado qjie se seuta
desfe lado (vollaodo-se para o Sr. Paes Bir-
lo) procuraase, no intuito do sustentar o re-
querimento, atacar de morle as bases do
i rojelo do que lenho a honra da ser autor,
sou toreado a-destruir seus argumentos, de-
monstrando as vantagens que live em vista
realisar, quando propuz a transferencia da
sede da matriz de Cimbres para Pesqueira ;
o det'arle provar a sem rasSo com que o no-
bre deputado tanto lotn insistido m opoor-
t>e i um acto de summa utilidade publica.
OSr. \'au Brrelo : Veremos....
OSr. Pinlo Je Campos : A villa de Pas-
queita achs-se no centro da freguesia do
Cimbres, e agglomerada em tumo dola a
gema da populadlo daqeullo mumcipio:pr-
ineira vanlag-ini :
Na villa de Pesqueira existe urna excel-
lento capella, que adoptada para a matriz,
melhoraremos as c.o.clicoes do culto reli-
gioso, e poupamos as grandes despezas que
demanda a obra do arruinadissimo templo
de Cimbres, onde, para melhor dizer, ha a-
penas um simulacro de igreja, cu|0 aspecto
tristonho e melanclico desaliara n pranto
o lamenlac,0es de Jeremas (risadas e apoia-
dos). Ora, da adopfflo dessa capella resul-
tar una segunda egrandissima vantagem.
Oi'corro mais, senhur presidente, quea an-
liga villa de Cimbres, sobre achar-se na
extremidadeda f/agucsia, collocada no viso
do urna montsnha, he de mais a mais um
lugar ingrato lavoura,improductivo, insa-
lubre, e baldo d'agua. durante o verlo, de
sorte que mu bem Ihe poderei applicar o
seguinte verso de Felinto :
c Val de selxos, sem pilo, sequiosa d'a-
gua.... >
O Sr. Pava Brrelo : Cimbres he muito
mais frtil do quo Pesquera.....
O Sr. Pinto de Campos :ongana-s o nn-
bre membro ; nSo ha mesmo termo de com-
parauso]entre um e outro lugar; o tanto
isto he asslm, que me nao consta que para
a villa de Cimbres fosse nunca pessoa algu-
ma procurar o abrigo do clima ; em quin-
to que a bella villa de Pesqueira, pela sIu-
bridade do ar, e pela ferliltda te do terreno,
se tom tornado a aipun dos Ihijslcos (risist)
ede lodos aquellos enfermos, dianta de cu-
ja mal discra a medicina...
O Sr. l'oes Brrelo : E ser isso rasSo
para se transferir a matriz ?
ido modo qua elle para que aailgoassera eaia
repraieulaejo \ 9 alba o nobre deputado, que
o aballo assignado, ful falto quando o delegado
ae achara acata capital. ( ApAaios. )
Sr. presidente, o nobre depulado, que acaba
de sentar ae, prloclploo o eU dicono,|dlzendo
que en llnba abandonado o raquerltuento, para
me oeeupar ooiu o projecto....
Sr. utdes de Helio 8 Otale eslava
no seu dlrrlto.
O Sr. I'itcj Varrelo i Sel que eatava no meu
dirello | mas o que ha certo he, e appello para
o testeiuuoho da casa, que quando fallel pela
prlmelra vea nesta materia, apenas me limite!
i mostrar que nao havla comradlcSo entre aa
infurmacea dadaa pelo blin. diocesano, e pelo
vigario da freguezia de Cimbrea ; oto combad
o projecto, ncui mesmo Iratel de considera-lo
neasa occaato, o que vou agora faier, valo que
o nobre deputado ^rocurou austeala-lo, apre-
sentando-o como urna medida de grande utili-
dade.
U principal argumento apresentado pelo hon-
rado membro ciu favor da transferencia da se-
de da matrit para Pesqueira, he o achar-se este
ultimo lugar no ceotro dafreguetia de Cimbrea
c poi lauto mala ao alcance da populaco da
mcsina freguezia. Declaro caaa que pelas in-
foriuacdea que lenlio dessas localidades, Cim-
brea be mala ceolral do que Pesqueira.
O ir. Flot.encio i O projecto nao est em
dlscuaao. "
O Sr. Pin/a de Campos ( d um aparte ;.
O sr. Pat tiorreo: O que acabo de dlier
heuina asseveraco, que procurel demonstrar,
eiamin-ndo a stiuaco de Cimbrea em relacao
aosseus limites, emquanto que o nobrn depu-
tado conleutou-se ooui dlaer-uos que l'esi|ueira
ratava no ceutro, sem que em favor de seine-
Ihanteaaserfo apreaeolasse al. um argumen-
.._______ to, alguma prova. O uobre depulatio s.bc, pola
O Sr. Pint ra Campoi : Nilo so admire lqUe monra ser tao coubecedor da freguezia de
o nobre deputado de|asslm oxprimir-me a-(cimbres, que esta freguezia Umita aopoente
O Sr. Poei Barrito :-Tmbem prio mui-
to economa....
0 Sr. Pinto de Campo* : E quem mais
do que ou acreditar nos bons sentlmentos
do nobre deputado ? E he pena Que e nao
aproxime mala de mira no louvavel accordo
de tranl ferirmos a matriz pira a capua
dos Hpicos..,.
Um senhor deputado di um aparte....
O Sr. Pinta de Campoi : Est engaa-
do ; nSo estou pootisando : he urna verda-
experimentado oa otTeitos da doce tempera-
tura d'alhuiosfera de Pesqueira. Ha na casa
um nobre deputado, (apontando paraoSr.
Jos* Pedro) cuja familia all estvese refri-
gerando, e que colheu mui bons resulta-
dos....
O Sr. Paes Barrito : He melhor que |se
mndela fazer um hospital.
O Sr. Pinto de Campos: N3o ha preci-
so ; ohosnital 'l.ll i he a mesma natureza ;
s8o os iiiRucxos iiiliinosferc>i, e tudo o
mais que concorre para a sauds...
O Sr. tiguiira de Mello: Muito bem ;
apoiado.
OSr, Pinto de Campos : E quanto, se-
nhor presidente, a idea de ser este negocio
submettido considerado do Exm. Dioce-
sano, declaro que nSo he isto cousa nova,
nem impraticavel. Em qoestoes de seme-
ntante nalureza a opiniSi) do Exm. Ordina-
rio he mui alten alfil, em qualtdsde de che-
fe do rgimen ospintual....
O Sr. Pereirt de Camaina : Acceito a
conflssSo...
'2
i
gota. Sempre foram estes os meus prin-
cipios, e jamis heide sacrillca-los conve-
niencias do momento. Eu c, senhores, en-
tendo a constituido scientiflcameote, isto
he.de conformidade com as concordatas,com
os caones, eleis da igreja, sobrecojas ba-
isa foi organisada a mesma constituidlo.
Nlo costumo parar as formas exteriores,
vou mais alm ; procuro attingir o pensa-
monto intimo do legislador, e oouhecer
qual o espirito da lei; porque estou persua-
dido do qua a sciencia dodireito (permit-
tain-moos tiobres deputados usar da pla-
vra dirello. do qual nada pesco) a scioncia
do dtretto, dizia ou, no consiste na letra
da lei, mas sim no sou senlido intimo : as-
slm m'o onsinam as regres d'uma hermo-
neulhica esclarecida.
Isio posto, senhor prosidenlo, como re-
cusar a intetvenrjao do senhor hispo, quan-
do se trata da negocios ecclesiaslicos ? No
otilatito que mo paisuado deque S. Exc.
Ilvm ,recotihecendoa conveniencia que cun
pre guardar-se entre os dous poderes, mlu
pollera doixar do tomar urna resolucSo dig-
na da sua prudencia, o quo muito se apro-
xime das vistas e interesaos do poder tem-
poral, que allis tem tido sempre tanta de-
ferencia para com o chelo do Episcopado.
.Nesta couvicfBo, pois, nanhums duvi la te-
nho em volar pelo requerimento, que tem
por fini submelter a questAo quo nos oceu-
pa prudencia e hom MnSO do Exm. Uioee-
coiu Uulque, que lie. im dislaocia de 16 liguas
de Cimbrea que pelo naicente limita c#*a o
Urejo da Sladre de Deas, no lugar denomina-
do .i. Joo, que dea na distancia du 10 leguas I
pelo lado do sul confina com Riacbo do ter-
mo de Caranhuui, que nao dina inenoi de
10 leguas de cimbrea,e pelo norte confina com
a freguezia doa Carirli, que tainbem llca na
iiiesnia distancia, J le ve, pois, que aihan-
do-sc a posico de Cimbres colucada de tal ma-
neira, distando nunca menoi de lu leguas dui
seus principad punios de limite, nao be um
lugar como nos disse o honrado membro, col-
lucado ua eitreinidade de fregueiia ; pelo con-
liario he preciso recouhecer que he um ponto
mu lo central da ineaiua freguezia. Anda maia,
tambres est no centro doa ditterentei povoa-
dos que lem o termo, esta circuuiitancia lie in-
coaulavelineule de grande valor para dar
Cimbrea eila grande superioridade sobre Pe-
(ineira. Pelo lado do poeute aclu-se na dislao-
t la de leguas da villa de Cimbres, e 10 de
Peiqueira a povoaco do ul.'i o d'Agua ; pelo la-
do do norle, est SaubarO, que lica na ni lu-
cia de 7 leguas, ao no, tu esta Pao d'Anucar dis-
tante 4 leguas da villa de Cimbres, c ao sol
cnconlra-sc Pesqueira ua distancia de 4 leguai.
Todas estas povoacei, excepto banhar.. eno
mais peno de Cimbres do que de Peiqueira, nao
fallando nos diverso) e numerlo! pequenoi
aldeamentos de indioi que ae eucontram em
roda de Cimbrci.
San eatas ai Informacdei que eu tenho das
localidades daquella freguezia, e aaseguro c-
mara que essas inforiiiacdes me foram iram-
metllda por peiioas Hdedignas e que me me-
recen! a maior confianca. Ja v, por tanto a as-
.ssno, de quem espero utna decis3o plena e sembles, que o arrmenlo fundado em que
satisfactoria aos diversos interesses, que a I povoacao de Peiqueira flea mal central do que
questao involve. lmbre, nio lem nenhmna forca..
Como provavelmente ters anda de fallar
sobro a materia, agtianlarei essa momento
para produzir outras rasOes em favor do pro-
jecto que ora discut nos; asslm como es-
paro quo o meu Ilustre adversarios con-
venga do que a ni.fio existe de ininli i par-
te, a menos quo uo resista summa evi-
dencia dos meus argumentos....
O Sr, Paes Brrelo da um aparte....
O Sr. Pinlo de Campos : Bem ; ouvrei
com prazer o nobre deputado, ej me sen-
t para csctita-lo.
O Sr. Pinte <( Campos: -Eu demonstraron
0 Sr. Paes Brrelo : O nobre deputado
troute anda a favor do seu projecto a razao
de que a capella de Pesqueira he muito bo-
nita, muilo boa, muito decente, emquanto,
que a matriz de Cimbres acha-se em ruinas
e at comparou-a ao templo n3o sei de que.
1 vi Sr. dequtado -.I)e Salomlo.
O Sr. Paes Brrelo : Sr. presidente, este
argumonto j eu respond, que se fosse mo-
tivo para se transferir urna matriz o adiar-
se ella em mo estado, entilo intuas leriam
Sr. Presdeme : O Sr. Figuelra de Mello, de ser transferidas para capailas do enge-
tem a palavra.... [ nhos e fazindas ; porque tomando-se essa
O Sr. figueimde Mello: -Cedo da patarra,.. I deliberadlo nSo segaste nada que he s-
O Sr. Paes farrelo Peco a pal.ivra. | ment ao qno o nohre deputado parece at-
(JSr. tigueim de Mello -. Peco a palavra. tender nestes Casos : mas dire sempre ao
U Sr. Vresiddente : Tem a palavra, o Sr. honrado mernbr0 que pelo facto de ser a
Paca Uarreo.
O Sr. Paes Brrelo : Sr. presidente, eu nao
deaejava fallar antes do nobre deputado que
acaba de ceder da palavra, am de evilar que a
discusso se prolongassc. c porque dessa forma
Icrla occasiao de responder aoi nobres deputa-
capella de Pesqueira muilo bonita como nos
assegura, nlo deixa com tudo de ser ella
muito pequea, faltando-llie por isso a na-
cessaria capacidade para urna boa matriz,
dirni anda ao nobre deputado quo a matriz
doi, que tem uina oploiao contraria tninha de Cimbros j lem qussi todos os materaes
nesta materia ; isso seria tanto mais generoso de qU0 prccisa para OS seus reparos, uiili los
lito a Cmara a no,_ J pol)pa%ff ,,- Imhilanloa Ha fon-
da parte do honrado incinhro, quan
lera observado que al aqu sou eu o nico que
te fallado contra o projecto, emquanto que
pelo lado contrario diversos oradores lem lo-
mado parle na discuss.io ; mas como ainda me
reala urna vez para fallir, eu me aproveilarel
della para responder ao henrado inembro.
Sr. presidente, fazendo algomas breves ob-
servarles a reapelto do requerimento que se
discute, eu disse, que nao havla contradiecu
as informaedes que foram dadas pelo vigario
de Cimbres, e com rll'clto o que he que diz ene
vigario? Na primeira infonnacao diz, que o 13o; e me perece, Sr. presidente, que es
templo est em mo estado, c que precia, ser [ casa deve dar mais crdito ao vigario de
reparado ; na segunda infonnacao elle afrma i Cimbres, que nilo lem interesso om que a
a mesma couia, accreiceniando, que o oliao da matriz soja antes n'uma localidade do que
matriz desabou, mas que, entretanto eiistem em outra, 0 qua a emitiere perfeitamoillo,
m.itcriacsparaareedicacodesseollo;oude|,lo q,10 0 honrado membro, que nubea l
esleve...
O Sr. Figueira :J tem todos os mate-
raes?
a custa dos recursos dos habitantes da fre-
guezia ; parece me pois que esse a'gumen-
lo nao lem o valor que ae Ihe quiz dar.
Disse o nobre deputado, que a igreja de
Cimbros para poder servir, era preciso edi-
lica-la de novo .
OSr. Pinto de Campos:Dzem os viga-
rlos.
0 5r. Paes Brrelo :Os vigarios nSi di-
zom tal; dizam apenas, quo desabou o oi-
l aqu a conlradicco ? Srnente se nota
una dilferenca, e vern a ler que na prlineir
informaclo elle nao falla de Iranifereocla, por-
que enlao nao ic tralava dliio emquanto que
na segunda elle scoppc transferencia, como
prejudicial aos inleressea dos aeus freguezes :
V. tic. porin convir em que nena diU'crenca
nao importa de modo algum urna contradlco.
Fallou-sc u'uina infonnacao dada em 1843 pelo
vicario de eutao que era o Sr. Prazeres; mas
convm observar que nessa occasiao nao se Ira-
lava de transferir sede da freguezia ; tratava-
e uoicameule de obter melospara dar a ma-
triz de Cimbres o eipleador necesiarlo...
" Sr. Pin/o de Cumpos : Nao be isio o que
elle diz.
O Sr. Paes Brrelo : Nao se tratara de trans-
ferencia o uobre depulado sabe que essa ques-
tao foi agitada lmente o aono panado ; trata,
va-se neasa occasiao de obleroinheiro para os
concerlos da matriz de Cimbres que se acbava
arruinada, e de torna-la digua do culto divino ;
he verdade, que esae vigario pinta a matriz
n'um eatado deploravel, porm depois que ea-
lai lnformacdea foram dadaa fiaerau-ac alguna
concertoa oa ineama matriz,
O Sr. Figueira de Meti : Nao bouve ne-
nbum.
O Sr. Paes Brrelo : Assevero ao nobre de-
putado, que lato he ezacto.
0 Sr.Pinto de Campos: O concert concorreu
para a ruina.
O Se Pnej Brrelo : aa Nao he a prlmelra vez
que acontece ai ruinar se um edificio meimo
durante a s.,a edtflcaco...
O Sr. AiVf: Logo, ha ruinas.
O Sr. Vais tiarreto : K quem uega que a ma-
triz est cm mo estado, que um dos oitei
desabou, assiui como a coberta ? nao est isto
consignado na informaco dada pelo vigario 1
Mas o facto de e adiar a matriz em man esta-
do, nao be bastante para autorisar a sua trans-
ferencia par outro lugar : a queatao he saber
O Sr. Pinlo de Campos : Oh se he Pois' onde Acara mala bem collocada a matriz, se em
nBO vi O nobro deputado qoe he SSO urna Cimbres ou em Pesqueira ; qual be o lugar que
grande vantagom sobre Cimbres?
OSr. Pnce Brrelo : Nlo lodos, tem gran-
de iurto.
otlerece mal cominodidade a populaco ; casa
be que he a questio : porque ae pelo facto de
achar-se em mo estado urna matriz, foase ne-
cenario Iransferi-la, ento todas as matrizea
queae acham arruinadas e ha muito neaae ea-
tado deverlam aer transferidas. Kallou-se tain-
bem n'um abaixo aasignado remettldo ultima-
h r.-Pl\-m?. ni. 11 I P' presidente.... provine, pedindo a
haaresidirem n um lugar !con,erJafopd. ,te d, ^t. eln C,lnbre,, e
o piloiescoi K se ar.io, qU|z.,. ueaconceitua-lo, dizendo-se que lioha
0 Sr. Pues Brrelo : Mo acho que seja.
i asan forte.. .
O Sr. Pinto di Campos : Admiro que o
nobre deputado nao apprecie essa circums-
lanca / Nlo ser melhor para o pancho, o
para as suas ovelh
mano, aaodavel e ,i.,ui r. "a-JqalcaeO. onceltua-lo, dizendo-ae qu
essas vantagens na nebulosa Cimbres ? En- | ,tao feiio em virtude de urna porua do dele
Irelnnto, n3o posso deixar de deplorar que gado : declaro caaa que lito nao lie eiarto o
o nobre deputado IBo rasoavel, como lio, delegado nao ordenou a nlngue.u queassignai-
nlo Ceda de SUas opniOes nesta partea e se essa representado i o que fez, foi escrever
concorra comlgo para o melhoramento da algumai palavraa e,n um papel, dizendo, que
sorte daquella poro, collocatido-lhe a ma- elle tinha de trazeraoeonhecimento d.a.im-
,nz no lugar mais central e m.lscommndo XSnSSL^Si^^
da freguesia; economisando-se assim urna cb" par-Pe.qoeir., e que o. que foi.em de
boa sommade dinheiros pblicos, que po- ilu ioio a,,gnaem nesse papel; isto
dom ser applicados outras obras de que ,,,- De UIQa poriaria, nem pude aer cooside-
t.mlc neceSSlta OOSSa provincia ( apola- rado como urna ordem : o delegado apenas fez
dos. ) um convite as pesioai que pensavam do uies-
Disseainlao nobre deputado, que a po-
voinjlo de Cimbres tem o inconveniente de
nflo posstiiragoa no verlo, emquanto quo
Pesqueira he abundantsima de agoa : para
responder a isto senhores, basta lembrar
que no serllo os lugares mais frescos e on-
de existen) as vertanles mais abundantes,
sSo as serras ; lembrarei mais, que o riacno
de S. Jos que psssa em Pesqueira he tnati-
(alo pelas igoas das vertenles da serrado
Cimbres e que no verao a agoa lica tao m,
que he precise ir busca-la para babor ser-
ia ; e saiba mais a cmara, que ha dous sn
nos existe na villa de Cimbres um afude
faito custa dos particulares, o qual tom
sompre conservado agoa durante o verao;
portante anda essa razao do nobre deputa
do, iin procede. Agora quanto ao grande
argumento da economa,dovo lembrar ainda,
que t'ansfenndo-se a matriz de Cimbres
para Pesqueira, ser necessario fazer-seahi
urna cadeia, om quanto que mi Cimbres
existe urna soffrivel pn/.iin, quo flear per-
dida : sendo que com a nova cadeia que se
lera de edificar talvez venha a provincia a
gastar mais do que aquillo que he necessa-
lu para fazer os reparos da igreja de Cim-
bres. (Apoiado| Sr. presidente, o nobre de-
putado disse, tambem para apoiar o seu pro-
jecto, que Cimbres he um lugar insalubre,
em quanto que Pesqueira era o refugio dos
phtysicos,issegurou-nosquen3o ha phthy-
sico que va para Pesqueira mesmo no ter-
ceiro grao (r sadas) que nlo (que imme-
difltatnenle bom.
O Sr. Pintos de Campos :-0s factos o pro-
vam.
O Sr. Pni Barrito :Eu pnderia apresen-
tar ao nobre deputado fados de pessoasque
tem.ido para Pesqueira curar-se o que l l-
cam para sempre, n3o vale porm a pena oc-
cupar-ma com isso a observadlo do hon-
rado membro quando mesmo fosas exacta,
serveria quando muilo para decretarmoi a
creaclo de urna casa desaudeem Pesqueira,
aonde deveriam ser tratados todos os phlhy-
sicos da provincia, masem referencia mu-
danza da malriz, persuado-me de que nao
tem so jicIIi ni lo ubser vacuo iieuliuma appli
celo.
Disse ainda o nobre deputado qui respai-
la muito a opiailo doSr. hispo, que nesta
queattlo esleve sempre disposto a votar
de conformidade com o seu parecer; sa
isto he assiui, eullo corre ao nobre deputa-
do a obrigacBo de votar contra o seu pro-
jeeto,' por quanto he sabido que 8. Eto. ro-
verenoissima declarou da maneira a mais
explcita em sua ultima i n Tur mielo que
tilo pode de modo algum concordar na
transferencia da matriz de Cimbres para
Pesqueira por ser Inteiramente contraria
suti interesses dos povos daquella freguozia,
se o nobre deputado reapeita tanto a opl-
ni3o de S. Exc. llvtna., como diz, se ooton-
de que o seu parecer nesta questao he deci-
sivo, corre-I lie (repito) a obrigaclo do reti-
rar o |eu projecto, ou votar contra elle.
Quando este projecto foi discutido pola
primeira vez, o nobre deputado assegurou-
nos que tinha-o apresentado porque aabia
queoEim. diocesano approvava a transfe-
rencia que o mesmo prnjecto ordena, sem
o que de certo n.to apresuiitaria -%' Ihanto
medida ; no entanto consultado o Sr. bispo,
pronuncia-so elle muito positivamente con-
tra o projecto; o o nobre deputado em vez
de retira-lo, como era de esperar, contina
a sustentar a sua utilidade, e so vota pelo
requerimento, he porque auppde quo S.
Exc mudar de urna opiniao que declara
ler formado depois de serio exame, e em
vista-das mais completas informales ( a-
poiados).
Eu potera spresenlar anda alguns argu-
mentos em favor da conservarlo da matriz
em Cimbres : .liria por exemplo, que o pro-
prio presidente da provincia ( nao o quo se
ada actualmente frente da administra-
dlo, mas o que ha pouco nos tlcixou ) era
de opinilo que a transferencia so nao II-
zesse.
0 Sr. Pinlo de Campos : Tambem elle
disse quo a provincia eslava om paz.
OSr. Paes Brrelo: Ora polo amor de
n u-: o nobre deputado quando Ihe fax
c na aceita a oppinilo do presdeme, e
cj.i imlri nlo Ihe convm nfo a aceita.
OSr. fJrffto:Isso succede a todos.
OSr. Pas Brrelo :RSo ha tal. Eu
disse quo o Sr Vctor ora deopimSoque
se nao flzesse esta transferencia, tinto as-
sim que tendo-a aulorisido, maudou de-
pois suspende-la, ou ao monos consentio
qua nada so fize-s -, sem duvida porqu i me-
lhor esclarocido ( como aconteceu com o Sr.
bispo) entendeu que essa t'anferencia nflo
corjvinha.
O Sr. Pinto de Campos :Mas nSo he acto
olllcial.
0 Sr. Paes Brrelo :Mas existe o facto.
Pnde'ia sin la spresenlar urna raslo queja
foi allegula na segunda disctalo e que
nSo foi respondida: Senhores, esta nutr?
ja se acha cm Cimbres muitos annos; os
habitantes dosso lugir sBo homioj ignoran-
tes, desvalidos da fui tuna, o quetcein pres-
tido relevantes sorvicos provincia e or-
dem publica ; esses homens, como se v
da representadlo, e como sei por pes-ioas
fidedignas, nlo querem a transferencia, .
antes se oppdem a ella ; para que, pois,
sem a menor necessdada havemos de con-
trariar esse desejo to legitimo, to justo? .
Os indios do Urub, sabem todos, pres-
tiram relevantes servicos dorante as duas
revollas que se deram na provnola; agora
mesmo nos ltimos movimentos ordinarios
prestaran! ainda ventajosos servidos, mar-
chando sobro os drsordeiros que se tinha ti
reunido em um ponto que lica a 20 ou 30
leguas distinto de Cimbres.....
( Ha um aparte.)
O Sr. Paes Brrelo :Posso assovcrsr 80
nobre deputado que he exacto, e o Sr. Vc-
tor de Olivrira fallou nisto no seu relatorlo,
OSr. Figuelra : Isso foi piraprsao de
alguns criminosos.
OSr. Pae Brrelo :Ainda quando fosse
para esso (im nem por isso o servido deixa
do ser relevante; os indios do Urub teem-
so aprsenla.I-i om todas ascrises porque
temos iilt.imenlo passado, em favor da
ordem a das instituirles, e de cerlo nlo
merecem que em paga dos seus servidos,
esta asiomhla os desprese edes- tienda em
umi pretenrjlo alias 13o justa e rasoavel.
OSr. Pinlo de Campos:Eutao s nos in-
dios hoque consiste a freguezia de Cim-
bres ?
O Sr. Paes Brrelo:NSo sSo s os in-
dios ; mas elles tambem fazem parte da fro-
guezta.
O Sr. Pinlo d Campos:O governo que
Ihes d o capelln de que trata o r kuIi-
otonto.
OSr. Paes Brrelo: Eu direi ao nobre
doputido que melhor do que isso he crear
urna capolla filial em Pesqueira ; mas tirar-
se a matriz de Cimbres, he o que o nao
julgo do interesse publico. Nesta quesllo,
Sr. presidente, os quo nlo slo inleressidos
na transferencia, deram a sua oppinilo con
liana ella.
OSr. Aloes: A cmara ha urna autori-
dade qua devo cotiheccr das necessi lades
dos povos.
O Sr. Pijs Brrelo: Mas nos timos infor-
tiiie.Vs do Exm. hispo, da cmara, d vi
gario, do delegado, do juiz de direito.....
O Sr. Pinto deCampos :Que nunca la foi.
O Sr. Pnei Brrelo : ... a smenta a c-
mara se pronuncia em favor da transferen-
cia ; no ontanto cumpre observar que a c-
mara compOe-se em soa totalidsds de cida-
dflos moradores em Pesqueira, e por con-
seizuinte inleressados cm que para ah s<
mude a matriz; limbeui silo alies os ni-
cos que querem a transferencia.....
'.'.a Sr. depulado; E um abaixo assig-
nado ?
O Sr. Paes Brrelo: Eu nlo fallei no
abaixo assignado que existe em favor da
transferencii, porque acho que elle se acha
ii u 11 i lie i Jo com o que nos foi tiltimimanto
remeltido, quoallias he multo mais nume-
roso...
OSr. Brillo :Mas tem urnas 200 assig-
naturas da mesma letra.
0 Sr. Cartalho : Mas he rogo.
O Sr. Paes Brrelo: As rasoes que ha
contra um podem-sa apresentar contra o
outro; portanlo fique. Isso de parte: o que
existe he a oppinilo no Sr. bispo, do viga-
rio, do delogado, do juiz do direito e da
cmara, e so.neute a cmara he qua quer
a transferencia H
Um Sr. depulado : E o juiz municipal?
O Sr. Pae Brrelo :=0 juiz munipal sup-
plente he o pro, rietario o terrono cm que
est situada a povoaclo de Pesqueira, c
por esto facto a assembla concordar em
quea sua oppinilo n3o pode ser conside-
rada isempta do parcial id. le ; esta aulori-
tla.l.i lem um interesso p.rticular na trans-
ferencia da matriz emquanto que os qua se
ODpOrm ella tilo teem nonliuin inteiesso :
o Sr. hispo he mais que desinteressadn nes-
ta quesUo, ao vigario devia ser indifferen-
leso au fnsso con rario aos ulereases dos
leus Tregete que a matriz rstivesse em
Cimbres ouem Pesqueira...
( Ha diversos apartes.)
OSr. Figueira de Mello :Tenho um do-
cumento exlr.ihi.lu de minha estatistica..
O Sr. Paes Brrelo:N8o roe traga o nobre
dentado a sua estatistica como um grande
argumento: ella nao exprime, senBo a op-
piuiao do honrado membro, que futid .mi-
se, como a minha, em informaefles, n3o
pode de certo aspirar o provilegio de infa-
livel.
(Ha um aparte.)
O Sr. Pae* Barrito -.Concordo eu que a
discussSo que tem havdo seja um pouco
extempornea, pois que estamos todos de
accordo em commetttr rsio negocio deci-
slu do Exm. prelado diocesano, mas ni
vejo que baje nisto grande Inconveniente,
pois que tilo temos por ora materia mais
importante, em cuja discusslo embregue-
mos o lempo.
Conoluo votmdo pelo roquwmento, e
contra o projecto.
O Sr. Figueira de Millo cede da pilavri
por estar a hora avancada, pedindo que te
Ih'n reserve para a sesslo s'guinte.
.OSr. Presidente nomcia para a commls-
j!o que lem da rever o regula ment do coml-
terio aos Srs. Figueira de Mello, PaeaBarreto
e Mello llego; designa em seguida a ordem
do dis, e levanta a sessSo (eram duas horas
da tardo). .
DIARIO DE PBRNANBUGO.
RECIFE 26 DE MARCO DE 1852.
A i-s tnlil., dopois da leitura do expedi-
ente, julgou objectode deliberaffio, e man-
.lou imprimir um projecto, creando urna no-
va fregurza denominada de S.-Bento, na
margem do rio Canhoto. Approvou um pa-
recer da cii'iunis-'i de ordenados, acarea
.la pretendi do Hermenegildo Marcellino
de Miranda, amanuense do lyccu, na qual
exiga o pagamento da gratificarlo quo com-
pute ao secretario do mostno lyceu, por ha-
ver exercdo esse lugar interinamente Ro-
metteu commiss3o do polica, duas iiuli-
ca^Oes; sendo urna do Sr. Mello llego, na
qual so prohibe a admsslo nss discusstjes
do nrcimcnt i provincial de emendas com
disposifes que nlo stjam annas, ex-
cceii dos que disseretn respeilo arreca-
ds(lo e risraiisaci.i das rendas provinciaes ;
o das auloiisarOs concedidas ao govorno
para a reforma das repsrtices publicas; a
n u Ira do Sr. A. do 011 ve ira, para si r re/or-
madooart.TI do regimento,que dra respa',-
to aos adiamentos. Tambem adilioQ em pri-
meira discusso. at que se hsja resolvido a
creado de urna escola normal de inslruc-
^ao primara, o projecto n. II, que cria
urna cadeira de primetras letras para o sexo
femininn na villa do Cabo.
Fico'u pola hora adiada a discussSo do or.
I. do projecto n. 8 quo cria urna bibliote-
ca publica nesta ciJade.
A ordem do da para a sosslo soguinte he
leitura de projeelos e indcameles. Primeira
discuss3o dos projectos de ornamento mu-
nicipal e provincial, e bem assim do den.
13 relativos estradas; e a contiiiuacao di
segunda discussSo das posturas da cmara
do Flores.
m.
REAL COMPANHU DE PAQUETES INGLE- ,
ZES K VAPOR.
Espera-se da Europa no da
II do corrente.ebam condeci-
do a veloz vapor Sevorn com-
mandante Vincent, e depois
da demore do costuose seguir para os por -
tos do Sul, para passigem dtrija-ae a casa
da agenda ru do Trapiche Novo o. 42.
COMPANHIA BRASILEIRA DE PAQUETES DE
VAPOR.
O abaixo assignado, agente da companhia
dos paquetes de vapor, nesta provincia, faz
publico e especialmente a quem tver de
embarcar oscravos crcoulos nos vaporeada
companhia, quer elles vio em companhia de
seus Srs. uu a ontregar nos portos; que f rz-
se necessario, una o outros, irem acompa-
nhadosda passaportesou guias da polica;
davendo rslcs titulos serem apresenlados
no escriptorio da agencia no acto do paga-
mento da passagem, os quaes depois de se-
rem verilicados sei lo rubricados para oses-
c.ravos seren recebidos a bordo, fazendo o
abaixo assignado com antecedencia este avi-
so, repetlido por este jornal, com o nico
(m de nuiguem se chamar i ignoranoia e
em cumprimento de'avtso que recebeo do
Rio de Janeiro. Itccife 2z de marco de 1862.
Thomaz de Faria.
THEATRO
BE
S. I/ABEL.
3.' RECITA DA ASSICNATUBA.
SvBAD, a7 K MARCO DE
i85a.
Achando-se melhor a primeira actriz a
Sra. D. Mara Leopoldina, subir a scena ,
depois da execuclo do urna escolhida ouvor-
Itiras pela ni diestra,o magnifico drama sa-
cro, em 4 setos.
S. Cecilia.
Novamcnte enaaiado prometa o machi-
nismo correr satisfactoriamente. A nada se
l" n poupado o administrador empreresario,
para que ero tu lo agrade ao respeitavel pu-
blico.
Comprar as 8 horas.
Os burieles acham-se a venda no lugar do
coslume.
COMMERCIO.
I'RACA UO RECIPE, 26 DE MARCLAS
3 MOKAS DA TARDE.
coT*t;ss ofpicies.
Compras detlgodlo do Aracaly, I." sorte
superior, a 5,230 rs.
Ditas de dito 1.a dita de Pernambuco a 5,200
> 2.a > 4,800
Disconlo de lotras : de 6 mezes I p. c. ao
mez.
ALFANDF.CA.
Rendimento do da 26.....4:401,571
Descarregam hoie 27 de margo.
Barca americana Misenota breu.
Ilarca americana --/lo6to-breu e pinten ta, I "?' om mao 'emP'' Por isso posso a pe-
THEAlTRO de s. francisco.
DOMINGO, 28 DE MARCO DE 1852.
Grande e variado espectculo e
ultima lepresentaco da com-
Iauli,\ Robert.
Eu J. Itubert tenho resolvido relirar-meo
mais breve possivel para Franca, onde pre-
tendo fizar completar a eduCBt3o de meus
jovens discpulos, e nlo podendo demorar-
me por mais tempo nesta provincia em con-
sequencia de se me fazer ainda preciso pas-
sar pelo Rio de Janoiro, e recelar chegara
Escuna iogleza Julius Cesar ferro e
oarvgo.
as dar o especticulo cima menciooado,
que ser o ultimo de meus trabalhos.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE- "o na verdade com bem pesar que mo re-
RAES DE PERNAMBUCO. t0 palz hospitaleiro, onde me tem
981 r94' ernPre acompanhado o mais lisongeiro aco-
, ,0** Ihimento. J urna vez aporlei a esta bella
.090 957 provincia em companhia lio smente de
_____^,_ rninba mulhor, e ao retirar-mo s live que
bem dizer a gonerosidade de um povo, que
Rendimento do dia 26
CONSULADO PROVINCIA
Rendimento do dia 26.
Movimento do porto.
'"" -" -i. .'<
Navios saludos no da 23.
Em commias.lu escuna brasiloira Lindoia,
commandante Joaquim Alves Moreira.
Aracaty hiate brasilairo Duviloso, mestre
Jlo lioiiriques de Almeida, carga varios
gneros. Passageiros, Francisco de Paulo
l; i! lisia Carneiro e 2 criados.
Navio entrado no dia 26
llha de Suciedade 90 das, escuna ameri-
cana Alfredo, de 184 toneladas, capillo J
P. Davomport, equipagem 19, carga szeite
do poixe ; ao cipitSo. Veio refroscar e se-
gu para New BoJford.
/Vaoo sahido no mesmo dia.
Liverpool por Macai -- barca inglcza Ro-
tliesiy, capitlo John Munn, carga assucar
o algodao. Passageiro, P. Cummins.
Declaraiydes.

Cartas seguras na a.Iminstrar;3o,paraos
Srs. Manuel Carina Godngo,Trajano Antonio
.la Cosa, Jerotiyuo Jos Ferretra Joaquim
Teixeira Peixoto Julio Augusto da Cunha
GuimarBes e Joaquim Jos Comes.
O Sr. Dr. juiz da direito ciefo do polica
interino da provincia manda fazer publico,
qua d'ura om diento nSoconcalor passa-
porles a cscravas sem que os senhores des
tes ou seus procuradores appresantem ties-
ta repartidlo, nlo s o titulo pelo qual mos-
u em o dominio que tem nos escravos que-
perlcndem despachar, como os ttulos pelos
quaes possuiam taes oscravos as pessoas a
quem immeiialamenta os compraram, alim
de que com estas e outras caulellas, que a
polica ja lem poslo am pralica.se possSo de
alguma surte evitar a conlinuafao dos abu-
sos, que Irlo aoparecido contra a liberdada
do alguns individuos, n a propriedade de
outros, sem quo a vigilancia da polica os
tentia podido prevenir. Secretaria da poli-
ca de Pernambuco 26 de marco de 1852.
Antonio Jos de Freilas, 1. amanuense.
Pela repartido da polica desla provin-
cia sa faz publico para conhecimenlo dos
inleressados que no calaboiifo do quartel do
corpo de polica desla ci.la.lo acha-se reco-
mido o pardo Jos Caninana, que leudo pra-
ca no 2. batalhao de artilbaria ap, fra a.1
di.l.i ao 4 da mesma arma, e por aviso do mi-
nisterio da guerra do 3 de fevereiro ultimo
posto a disposic3o do Sr. lli. chele de poli-
ca para proceder as necessanas averigua-
res sobro a sua condiclo, visto ser recla-
mado comoescravo de I). Theresa de Jess
Cocino Souza l.i'ln, sob o nomo da Simpli-
cio ; como tu I consta nasla mesma rapar-
lic3o. Secretaria da polica de Pernambu-
co 26 da marco da 1852.Antonio Jos de
Freilas, I. amanuense.
-- Ach3o-se recomidos a cadeia, por seren
presos por um capillo da campo, os prelos
Joaquim e Manoel, disendo o primeiroser
escravo de .Manoel Francisco Cosseiro, do
Rio Forillos..; e o segundo que representa
ler 19 a 20 anuos do idade, boa altura, e com
altfuiiiascicalrizes as costas, veslindo sa-
rola comprida e camisa de algodao grosao,
nao confessa quem seja seu senhor. As pes-
soas que tiverem direito aos ditos prelos,
queiram apresentir-so com os respectivos
ttulos. Subdelegada da freguezia de S.
Fre Pedro GoncMves do Rocife 27 de mirco
de 1852 --O aubdelegado, Jos Joaquim de
Oliveira.
De ordem do lllm. Sr. director geral da
instruccio publica fac,o saber, que achan-
do-se vaga por abandono do professor a ca-
deira de instruc(8o elementar do primeiro
grao da Fazen.la Grande do municipio de
Tacaratu, S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia a mandou por a concurso com o pre-
so marcado at o dia 14 do junbo prximo,
em que se elfecluarlo os exames. Directo-
ra geral da instruc(Bo publica, 22 de marco
de 1852.Candido Eustaquio Cesar de Mol-
i, amanuense archivista.
par do ricas tradicedes, conta urna educa-
I co infinitamente maia pulida do que era
para esperar de um povo lio novo/
Ao voltar agora pela segunda vez ella
coube-me ao menos a salisfa(Bo de aprc-
sentar-llie um lilho seu, que sjudado pelos
meus Traeos estorbos, e mais que tudo dota-
do de um talento admiravel, pode sem con-
tradicho alguma disputar a palma devida
ao artista insigue.
Acompanharam-mo tambem tres outros
discipulus brasileiros, tilhos de outras pro-
vincias, que formam igualmente a mi una
gloria do mestre, primando eolre elles o
joven maranhenso, Alcides da companhia,
cujo talento tem mais esta especialidade
por onde tanto tem elle sobresabido.
A todos elles amo-os como se foram meus
filhos; a tolos considero outras tantas ca-
deiss, que me prndeme esto grandepaiz,
do qual me orgulhra de ser ajadlo, so o
nu fosse de minha cara Franca.
liecebam pois lodosos pernambucanosas
minhas despedidas, e com ella o protesto
de estima e considerado que lhes voto.
O espectculo annunciado se dividir em
6 parles na seguinlo ordem :
Depois de urna hrilhaute symphonia exe-
ctilada a toda orcheslra, dar principio co-
mo abaixo so segua.
Primeira parte.
O mui alegre passo hungaro,dao;ado com
toda a perfeicSo possivel tanto na msica
como em tudo.
Segunda parle.
Os ti ni .Tus Esler : este admiravel trabalho
sera desemponhado com o rigor que requer
tanto as posicOes athlelicas, grupos esto-
nces, etc.. etc., o os trabalhos da joven
genliade 4 anuos.
Terceira parte.
Grande danca de corda leza pelos 4 disc-
pulos do Mr. Robert.
i.' A joven gentia.
2. A menina Josephina executar sobre
a corda as mais bellas posices que urna cri-
anza possa fazer.
3 O joven pernambucano se far distin-
guir sobre a corda com maromba e sem ella,
terminando com a scena cmica do
Soldado cmbiiagado.
Fazendo o dito Sr. Mandu' o papel de sol-
dado, e o palliaco o do oabo de esquadra.
Quarta parle.
GrsnJes torgas na columna olympica gi-
ratoria pelo ilcides maranhense, e o Sr.
Mandu'.
I," As quatro cordas.
2 Posicdes acadmicas.
3 O vo asitico.
4.a A torga da cintura.
5 Os duus pes do ferro cqm enormes
pesos.
6.a Terminar com o mu brlbante vo
de Hercules, Zei'hyro e Flora.
Quinfa parte.
Visto nlo se poder ai ranjar o machinismo
do moinho do vento para domingo, lera va-
rias provas de forca muscular.
Sexta e ultima parle.
Terminar o divertimenio com os formo
sissimos fogos diamantinos chinezas.
Principiar as 8 horas.
Avisos martimos.
Para Lisboa, a galera portugueza Mar-
garida, capillo Silverio Manoel iteis, sane
com a maior brevidade possivel, recebo car-
ga a frete e passageuos : quem pretender ,
dinja-se aos consignatarios Oliveira IrmBos
& Companhia, Da ra de Apollo n. 14, ou ao
referido capillo.
Para o Porto seguir al no Dm do cor-
rente mez a bem conbecida barca portugue-
za Santa Cruz, capillo Manoel Francisco No-
gueira : recebe carga, e lem excellentes
coaotTodos para passageiros : trata-se na
ra do Vigario escriptorio o. II, t. andar
ou com o capillo.
I
i

MUTILADO


T
i
_ O brigue escuna nacional j frmino Herculano Baptis-
Olinda de que h capillo Manoel ta Ribeiro, para prevenir qoal
Marciano Ferreira "segu para o quer m interpretacJo, que pos-
Rio de Janeiro, al o hm do pr-
senle mez, anda recebe alguma
carga miuda e escravos a frete, aos
quaes offerece os melhores com-
niodos : trata-se com os consig-
natarios Machado & Finheiro, na
ruado Vigario n. 19, segundo an-
dar, ou com o referido capito na
praca do Gommercio.
Para o Rio de Janeiro pertende aahlr no
da 31 do correte o brigue braslleiro Sagitario
por ter a malor parte do leu carregamoulo
promptoj para carga paiiagciros ou esciavoi a
frea, trata-te na ra do Collegio n. 17, segun-
do andar ou abordo com o capllao Joao de Uaos
Psreira. .
Para a Baha.
Se|ue com a maior brevidade possivcl a va-
ldr e bem condecid rsouns bnsileira Ade-
laido : qut-m nella quizar carregar dirija-se
a ra do Trapicho Nova n. 16, segundo an-
dar, ou na ra da Cadeia do Recite n. 33.
Para o Rio deJaociro, aegue coma malor
brerldadeagalli.il SS.Triodadc : recebe cirga,
passafelros e eacravoi, lendo para ludo bon
comiuodoa: n ni. do Vigario cscriplorlo n.
11, 1. andar, ou com o capio Maja.
Maranhao e Fura.
Segu ein poneos diaa o brigue eacuna Ar-
eellua, para carga e paisagelros, Irala-se cun o
consignatario Jos Baplisla da Konieca Jnior :
na ra do Vigario n. 23, ou com o capllao na
praca.
-- Para o Aracaty pretende seguir viageni
pestes 15das o hiato Capibaribe.mestre An-
tonio Jos Vianna por j ter a maior parte
da carga ; para o resto ou passageiros trata-
se na ra do Vigario n. 5.
Fara a Babia.
Segu rom brevidadeo novoo veleiro hia-
to nacional SAMA CHllZ forrado de cobre
para o resto da carga irala-so na ra da Ca-
deia do Recite n, 93.
-*
ssm dar algumas pessoas, que Ihes
sao desallcctus, ao annuncio inser-
to neste Diario de a3 do torren-
te, em que se Ihe pede que annun-
cie a sua morada, para se Ihe fallar
a negocio seu, apressa-se a decla-
rar, que o motivo de tamanha so-
freguidSo do autor daquclle an-
nuncio, era entregar ao annunci-
ante urna encommenda, vinda do
Rio Grande do Norte.
--O abaixo assignado, (litio legitimo de
Rento JoSo Cardozo, ja fallecido, faz publi-
co, que desde o anuo de 1839, deixou de as-
5
M ra do Livrataento n. 10, sobrado, i Mathia Jos Gomes, retira-se para (ora
sedirquem vendo 1 adereco, 3 voltas, 11do imperio.julga nao dever a esta prag; po-
corrente para relogio,! relogio patente,pul-|(rm ae por acaso alguem sejulgar seu cre-
ceiras, anelOes, transelins, cordOes, meda- 3dor aprsente sua coota no praso de 30 das
liss, 1 fig, I palileiro de prata, t par de
castigaes, e24colheres.
Ama de leite.
Precisa-so de urna ama de leite : na rus
daScnzalla Velha o. 96.
Na ra do Creapo n. 3, prscisa-se ral-
lar para negocio de interesse, ao Sr. Manoel
Anlonio da Cunha, morador em S. Bento das
Alagoas, que de prsenle se acba nests el*
dade.
De algumas ruis do baliro de Santo
Antonio at a prigi da Boa Vista, perdeu-se
hontom, urna caria, cujo sobre-escriplo he
dirigido ao Sr. director geral dos Indios,
coronel Jos Pedro Velloso da Silveira
quflm a tiver achado e quizer restituir, po-
de Ireze-la esta typograuhia, pelo que
muiluseagradocer este acto de generosi-
dad e uolida educacSo, o se for menino, ou
Leudes.
Crocco & Companhia (arfio leillo, por
inlerveng3o do couclor Oliveira, de grande
porcSo de charutos, os mais suporteros e a.
l.ini i,ios, quo s3o importados da llahia, e do
mu completo sorlimento do n.iudezas, con-
sislindo em luvas de todas as qualidades,
bolfles, peales, lilas, suspensorios, lapis
obrrias, linhas do marcar, bengala*, relroz
da melnor qualidad-, marroquins e muitos
outros arligos : segunda fcira, 29 do cor-
rete, principiando com os chai utos, s 10
horas da manlia em ponto, c logo ense-
guida com as miudezas, no seu aimazem na
ra da Cruz.
- Domingos Uozano, fazleilo bojo 37 do
crrenle as 10 horas da manila na porta da
alfaudega por intervengao do corrotor Mi-
guel Carneiro o em presenca do vico-consul
de S. M. Sarda, e o Sr. Jos Saporiili, agen-
te do seguro do seguinto, salvado da barca
Sarda Balda: pi,ias com vinlio, ditas com
espirito de vinho, barris com azeite doce,
dilos com vinagre, e um maslro grande.
Candido Alberto Sodr da Molta, far
leilSo de urna porgtlo do sarJinh is em bar-
ricas por conta e risco de quem pertencar,
do dia seguoda-feira 39 do corrento as 10
horas do da defronte da Escadiuhi da Al-
fa ndega.
OMlJo de mobiliadel!. II. Sevift.an-
nunciado para 30 do crrante, Tica transferi-
do para 13 de abril prximo.
II. II. Sevift, a seguir pira Europa, far
loillo, por interveng8o do correlor Oliveira,
do toda a mobilia do seu uso, a mor parte
quasi nova tanto de Jacaranda como de
amarello, consistindo em satis, cadeiras,di-
tas de lia lauco e de bracos, nr sis redondas
de sof e de jogo, commoias, aparadores,
mesa de janlar, guarda louga, lavatorios,
mesas para ongomuiar.camas, espelhos,tou
cadores, lanternas, candieirus de globo, ap-
parelhos de cha, o para mesa, galhcteiros,
compoteiras, garrafas, copos, esleir de
forro, trem de cosinha, e outros muitos ob-
jectos asss necessarios: terga-feira, 3o do
coi rento as 10 horas da mantilla, na casa de
sua residencia, sitio do Sr. Elias Baptista da
Silva na estrada do Arraial, com entrada
pela a da Cruz de Almas, junio ao sitio do
sr. Angelo Francisco Carneiro.
^^o^:qr=;.rc= o --<-* *-
rKT ,0,qU,m ^ I Keduvida pagar muito bem
-- Carneiro & Ramos, exportan) para 0 pof uma muUta. que seja moca.
fJ&&S2SF' Vobusta c sadia> -aquenao te-
-- Manuel de Alrneida Lopes, exporta pa- nha habilidades : a tratar na ra
rao Rio de Janeiro, a sua oscrava ignez, \ T 36 segundo andar.
creoula. ..____ '..... ______..^. .mu.
A pessoa que annuoclou quorer com
prar um selim com pouco uso : dirija-se a
rua do Queimado, loja n. 8, que ahi achara
um em oiuilo hoin e-tolo.
-- Pede-se ao Sr. relojoeiro, quo tnorou
S. Anlonio, que an-
JosCongalves Malveira, exporta para
o Rio de Janeiro, a sua escrava Francisca,
parda escura.
No dia 4 do mirQO correntc, desappa-
receu o eicravo cabra Hilario, montado em
um c
Iba, cuj
urmlrc^de^'rp'orcim." dTum. 5 o
sohraacelhis, outra oa barriga puchando
para um lado, proveniente de f.cada, lie
bom almocrvo "
ivallo ruco, capado e ve lio do canga- defronte da maniz de
uio cscmvo lio de bonita figura, re- nunciea su. nova morada, para se procurar
baiba, tem | um relogio, que se Ihe ^.jmfMMlV
entima de trocador deca-
A senliora D. Francisca de Paula Ma-
vignicr, que morou omalgum lempo em 0-
linda, lenhi a bonJade deannunciar a sua
Avisos diversos.
Aluga-se o armazem da casa da rua do
Trinchen. 6, trata-se na rua do Collegio
n. 17.
No Uecife becco do Abreu n. *, preci-
sa-se fallar, com brevidsde, ao Sr. Amaro
Jos Ferreira.
-- Joaquim Vieira da Silva e S, faz scion-
te, que deixou do ser caixeiro do Sr. Ma-
nuel Jos Machado, desde odia 35 do cor-
rente mez.
Francisco Custodio de Sampaio, embar-
ca para o Rio de Janeiro, o seu escravo, de
nome Joto, de nacSo Angola, do 36 annos de
iilade.
Urna i e-son que se arha desemprega-
da, se olt'rece pra escrever a algum senhor
advogado, ou ino-in > em algum cartorio,
a01aur;anda sua conducta se preciso for:
quem precisar, dirija-se a rua do padre Flo-
ii um o. 3i, ou un uucie sua morada para
ser procurado.
CASA FELIZ.
O vendedor de bilUetes da casa
ft liz, dos Quatro Cantos, da rua
do Queimado n. ao roga a pes-
soa que possuir o quarto n. a468,
da -xi. lotera do theatro de S. F.
de Alcntara, que venha receber
o premio que tirou de 20:000,000
de rs., o qual se paga sem descon-
t nlgum.
Uma pessoa que tem pratica
de sdmihistraco de engenho se
offere a administrocao de algum
engenho, ou sitio; ess pessoa he
osada, tem amilia e dalladora
sua conducta : quem precisar, an-
nuncie para t>er procurado.
Aqu nao ha usura.
No terceiro andar da rua do Vigario n. 15,
ae dir quero d dinheiro a premio, e as-e-
vera-so oaodicidade dos juros, mesrno em
pequeas quantias.
A pessoa com quem se fAr trocar um
peso de prata bespanhol, em que existe urna
marca, como um ferro : queira tomar o no-
me o signaos do portador, e fazer aviso a
esla typogriphia que ser* bem recom-
pensado.
Uuetn se julgar credor de Joaquim da
Costa Faria, por transaccOos feitas em sua
padaria, siU na rua da Senzalla Velha n. 96,
qoeira apreaaotar auis contas a Jos Anto-
nio de Carvallio, na pra(a do Commercio ,
casa d. 15, no praso de 8 dias, depois doi
quaes nflo ae responsabilisa, visto estar con-
tractado venda da mesma padana, 000)0
sr. Antonio Jos Pedro Goncalves.
cisco Nogueira deOlivei.a, ou nesla praca *m antes que se empreguem os me.os ju-
vega daqui par. o Rio Formozor ,011,0 de 1816. receben doabaixo assignado Jor llonrique Manoel ''fi""0.
J 50 couroVe cabra e 30 mel, de sola, para ostno l,yMothcc.dos por escr.ptura passsda
entregar ao Sr. Jos da Roza, ou o mesmo em 1813, e que protesta nao ceder de seus
Sr. Roza llieonlretou aqu, como se suppOe.direilos.
uuerendovirdeclara-lu ao abaixo assigna- Doscja-so sibor na rua da Madre o
do rM rua da Cruz n. 33, se Ihe dar urna Dos, venda n 36, se nesla praca existo o
boa g /t Dccno "Loqu se tem de reque- Sr Agos.iol.o Comes da MMI
rer a tliesour.na s copia domamfesto, e se falU deste, sua mulher Sra. Hlie and ala-
ignora 0 nome de bar caca o do mostr. na Cavalcaut.,a negocio de um seu prenle
que depois de verificada serapromolamente
satisfeito e Igualmente pede aquellas pes-
soa que anda Ihe restsm algumis piquems
quaatias baja de o.indemnisa roo mesmo pra-
zo para evitar oais tribalho
' No principio do corrente mez dessppa-
receu do cercado do Forno da Cal um boi
manco braoco, cinsento, xifres grossos e
abertoa, e ferrado Da pA direita com esti
marca CP, pertencente ao servico do terrei-
ro lineo da estrada do Norte; quem delle
der nolicii, ou esteja prezo em algum cer-
cado,annuncio pelo Diario para ser procura-
do e satisfazer se qualquer despeza.
Aluga-se ou vende-se um sitio com ca-
sa de viveuda, no lugar do Parnimeirim
adianto-da Ponte de Uchi: quemo per-
tender dirija-so a travessa do Veras n. 15.
Na rua do Caldeireiro n. 43, precisa-se
de um mulatinho do 15 a 16 annos de dade,
o qual tonha muito boa figura o sem vicios
Tinturara franceza
No aterro da Boa-Vista n. 17, lingem-sb to
da e qualquer fazenda, seda, la, algodSo e
linho, tanto em obra como um peca, o com
muito aceto; assim como se limpam casa-
cas e outra qualquor roupa do panno que ti-
ver nodoas, pondo-se como novas e por pro-
cos muito commodos.
Ignacio I.ni/, de limo Tabordi, n8o
quizera mais chamar a altencSo de
seus devedores pelo jornal, mas o es-
quecioienlo dos mesmoso fazem no-
vamenlelanfar mSo deste meio de
que nao quizera usar, e portanto ro-
ga a todos os devodores do linado ^j
Antonio da Cunha Soares Guimaraes, i
a> Jos Joaquim de FreitasGuimarSes,
> u Viovn I nulas Guimar3es, venliain
solver vos debites at o lim de abr
pruii 1110,|no lim do cujo praso passa-
1 a a publicar seus noiues por exten-
50,0 uzar de seus direilos; e nessa
occasio nao poderi uenhum dos di-
tos deveres apresentar motivo do
queixa per ilegafuo de ignorancia.
Lutz Jos dcSa Araujo.
OlTorece-so uma mullier, som lilho ,
para ama de leilo, a qual mora na ruada
Calcada do Manuel Coco, dcfronlo de dous
sobradinhos.
Precisa-so de um caixeiro quo lenha
pratica de tiberna, de i lade lia 16 annos o
que seja de boa conducta : na rua das Cin-
cas Punas n, 67 so dir quem precisa.
Offcrece-se urna pessoa de bons costu-
mes para ama do casa de liomem SOlteiro 011
dopouca ramilia.a qual desempenlia perfei-
tamente o servico interior de qualquer urna
casa : na rua
r com que n tratar.
que mora na comarca de Goianna.
-- Aluga-se o (aguado andar esotUoda
Aluga-se o primniro andar, da csa sita
na rua da Aurora n. 34 : quem o pretender,
dirija-se na venda por baixo, 011 na rua do
Crespo n. 4.
Na rua das Agoas-Verdes, sobrado do
um andar n. 14, dao-so bolos devendagem
a 80 rs. a pituca; bemco:rioarmatn-se ban-
dejas com muito goslo, por prego mais em
coi,la do que em outra qualquer parte.
BANCO DE PERNAMBCO.
A directora do banco de l'er-
TJ^+^Xtf+ttp**' annunc:a aos seillores
do Recite n 43. accionistas, que subscreveram ac-
Precisa-soalugaruma ama [orra quelaija Q t deliberado princi-
v o servico de casa o rua, e paga-se bem: na VCD> i1" ,
rua das Cin- Praga da Independencia n. 38, so dir quem piar a receber a pnmeira presta-
pretende, icio, conforme determina os arti-
Contralo das carnes. a cj .. t; ".
Para melhor andamento do servigo dos'gOS e 5 dos estatutos no da ID
agougues, precisa-se de pessoas que saibam e abril prximo vindouro, e fina-
talhara carne, pagando-so a razio de cern.. ro<-l.imntn nn ,lii ^o do
ds;'inc'o Poni.rn.5i, acba- ris por cada arroba que picaren, tendoll'sar o receb.mento no dio
principio no pnmeiro
que
de abril prximo: |mesmo mez. Os senhores subscrip-
to estiver nestas circumstancias pule t de acc5e8 que BS tem ce.ii-
?trWT;rSoli^ U5 passaro
> tenda de cosiolia, daodo-se bom orle-
nado, comformo ose t,aball,o, ^ as Langas do costume.
um titulo de transferencia, que a
amigos nesla cidade, soccorre-se deste moio ""
f*nfr-to"<%*\^"-\ -Quem precisar de um menino, para
to na puress de suas inUncoe pjeb^pem ^ Je ,Jj ^ f,Z6nuas> ou mludezas :
dessi involuntaria omiss3o, assim
(lignem dcdarem-lneali ropelidas occasiOos
,lo occ.ipar-se em seu servigo, afim de de-
monstrar-lhes a acrisolada gratilao, quo
sompro confessar dever-lhcs. Assim como
deixa por seos bastantes procuradores na
gerencia de seus negocios iOS S's. Joaquim
Anlunesda Silva, Manoel Joaquim Millieros
Franrisco Jos de Araujo, e Cirios da Costa
Velloso: para o ciime, civel. o commer-
cio.
Jos Francisco do Lima.
-F.m consequoncia do me retirar desta
provincia, convido a todos os mcus credo-
res no praso do 8 das contados da dacta des-
te, me apresentarom todas as suas cotilas
para serem mnicditlamente pagas, na cer-
teza de que depois deste praso nflo annuirei
qualquer exigencia que se me faga por jul-
tiar 11.ola dever; espero todos os dias al
as 9 horas, e das 3 da lardo em diante na ca-
sa de mitiha residencia : na rua do Vigario,
n. 15, 3. andar.
Manoel Jos Rarboza Braga.
F01 achido no mar por um escravo do
abaixo assignado um barril com vinagre per-
1 arenle a um navio que deu a Costa em
Pau amarello, a quem pertencer entregare!,
ou o seu valor. Gatuama 9 de margo do 1853.
Antonio (ongilvos do Azrvedo.
Hoja depois da audiencia do juizo do
civel da 3 vara na respectiva salla, tem do
se arrematar do renda um sitio na estrada
da Magdalena, avaliado em 300,000 rs., por
auno por execugSo de Joo Kelle.r & Compa-
nhia contra Sustiniano Antonio da Fonseca e
sua mulhor.
Precisa-se de uma ama para o servigo
externo e iuterno do uma casa de pouca fa-
milia, preferindo escrava : no Hospicio, si-
tio do porlSo verde junto do da Sr. Viuva
Cunha. .
-- Precisa-se de um Mtor para un) sitio :
na Passagem da Magdalena, que enlenda de
planlar capim, o da ortalices : ua rua do
Trapiche n. 3.
No dia 27 do corrente moz pelas 4 horas
da tarde na porta da casa da residenciado Sr.
Dr. Jos Raymundo da Cosa Menezos juiz
do commercio da segunda vara na ruada
Madre de Dos do bairro do Recite n. 1. se
ha do arrematar em leilSo judicial o carre-
gamenlo de farinha ou mandioca do brigue
Paquete do Periiamhuco, cliegado prxima-
mente falledo Leopoldo Jos da Costa Araujo.com
assistencia dos depositarios da uiassa falli-
da, Oliveira lrnilios Companhia e curador
fiscal Gustavo Henriquo l'rozeger; os con-
currentes comparegam peranlo o mesmo
juiz afim de se Ibes recaber seus (ancos.
Desejando se fazer uma visita ao lllm.
Sr. esludaiito Francisco correia Pessoa, o
nao se sabondo de sua morada, pede-se ao
mesmo senhur que se digne declara-la por
este jornal ou dirigirse a praga da Boa-Vis-
ta D. 33, primero a miar.
AUengSo.
Na nova fabrica de chapeos de sol no
aterro da Boa-Vista n. 22.
Neste novo estabelecimento recebeu-se
um novo o lindo sortimento de chapeos de
sol do ultimo goslo tanto de seda como de
panninho para homem e senhora.rjor monos
prego do que em outra qualquer parte;
grande sortimento do panninho e seda em
pega de todas as coros para cobnr armagOos
servidas, concerta-se qualquer chapeo e por
menos que em outra parte.
Precisa-se de uma boa ama de leite "
em (Unida, no sobrado da ladeira da S, es-
quina da la do Bom Fim.
go-
tario da direcc5o, Manoel Ignacio
de Oliveira.
dirija-se ao l'asseio Publico, loja n. II, que
sealianga sua conducta.
O Sr. Jo3o Jos do Reg, ou a pessoa au-
torisada a cobrar os foros da rua da Alegra,
porlencentes ao Sr. Dr. Luiz de Boaventura
Salerno : aniiuucie sua morada, que se Ihe
deseja fallar.
O senhor cobrador dos foros, perten-
cenles a capella de Nossa Senhora da Con-
ceigSo dos Coqueiros da Boa Vista : queira
O Dr. Manoel Joiqiim Fernandes
10 Eiras (medico), tom lixido sua resi-
ff dencia na rua de S. Francisco, ou-
? tr'ora do Mundo Novo, aobrado cin-
^ zento n. 68 A. aonde pode ser procu-
rado a qualquer hora,
AOS DCNTES
J. A. S. Jane dentista, tem a honra
de
nnunciar a sua morada, que se Ule deseja avisar ao respeitavel publico, que se acba
fallar. irczidindo na rua Nova n. 19 pnmeiro an-
OSr. JoiquimdeSouzaTeixeira.quci- |(jar, aonde oslar sempre prompto a qual-
ra apparecer em Olinda, na rua de Malinas | qUer chamado, desde s 9 horas da manhaa
Ferreira, sobrado n. 6, alim de pagar a quan- ateas 4 da larde ; o annuncianle encherta
lia de 43,180 rs., que desde 1839, licou a de um a todos 09 denles, que por isso tem
dever, do aluguel da casa em quo morou na um completo sortimento de denles artifi-
mesma rui. :ciaes, incorrutiveis e de porcelana,mui de-
conselho de direceo do lirados e do ullimo goato ; e to tos os mats
_____.*,______accessonos tendentes a sua profigao, asse-
verando a to las as pessoas que se quizerem
utilizar do seu presumo quo nSo exige pa-
ga alguma, nao (cando os denles bem pos-
tos quenosepossa deferengar dos proprios
naturaes, e podendo-se masligar com os
banco de Pernambuco, convida aos
senhores accionistas, para se reu-
nirom em assembla geral, no dia
5 de abril, ao meio dia, na sala da
i i_____j. mesmos loda a qualquer comida sem senlir
associacao commercial, no largo do 11 menor dor nem le rece|o do os quebr,r.
Corpo Santo para dar compn- tambem chumbaos denles naturaes fura-
mente- ao que determina o artigo -
3a dos estatutos, llecife aa de
marco de i852. Pedro Francis-
co de Paula Cavalcanti de Albu-
qtierqite presidente. Gervazio
Goncalves da Silva primeiro se-
cretario.
Precisa-se alngir uma negra para ser-
vigo de uma casa de pouca familia : a tratar
na rua largado Rozarte n. 36, loja de miu-
dezas.
Os lierdeiros do fallecido Affonso Jos
de Albuquerque Mello,previn, a quem con-
vierque sbreos sitios do Alto, Pogo das
Pe,Iras, Batalha, Braga, e JordSo na Boa-
Vtagem, de que se diz senhor o escrivfio Mi-
guel Archaujo Posthmo do Nascimento, e j j
alias so penencentes aos mesmos liordei- !
ros, pende litigio importante, e por isso el- |
les se apressam em fazer este aviso, afim de |
queyeguom em boa fe n5o seja illudido, ef- "
fettuando qualquer conlrato millo, e donde
Ihe possa provir graves iribalhos e incom-
mo to, visto como desde ja protestan) pro-
ceder judicialmente contra q.iem quer que
for, e haver Ihe os rendimentos, perdos,
damnos, o todas as despezas resultantes.
O abaixo assignado faz scionle ao res-
peitavel publico quo tndu em seu poder
uma letra da quanl.ia de rs. 556,350, sacada
por James Hay ter & Compunllia, e aceita
por Gongalves & Ribeiro, a vencer em 31 de
julhodo corrente anno, cuja letra fol des-
contada no cambio do Sr. Tiburcio Antonio
de Oliveira, e acba-so endogada pelo mosmu
senhor, acontece que a lecha perdido, e por
isso previne aos mesmos senhores de nao
fazerem transacg.lo alguma com dita letra,
e nem pagarem sonSoao abaixo assignado.
Jos Narciso da Silva.
O linchar, 1 formado, Jos Joaquim de
Miranda Hurta, actualmente estabelecido na
corte, com esciiplorio do advogacia no lar-
go da Ajuda, oQercca seu prestuno ao res-
peitavel publico, e com especialidade aos
seus amigos desti provincia, para qualquer
encumbencia inherente a sua profissao; as-
segurando aos que o honrarem coro suas
orrlens, toda a deJicagao e zelo no desem-
penho das mesmas, o a melhor vonta Je par*
os particulares de que for encarregado.
dos da caria com ouro, p
cu, 1 revelln I" assim a conlinuacSoda ca-
ria, dores e mesmo evitando por isso a for-
ma de passar a caria dos denles turados para
os outros s3os ; tambem tira pedras 011 ca-
rias dos denles em geral, que tanto os dam-
nedea e coopera para omaoalitoda bocea,
nao sendo lirado: o annuncianle a 10 an-
nos que exerce a sua u/ofisgao nesla cida-
de, e os muitos exemplos que tem dado
nesse longo lempo, sera quinto bosta para
se garantir.
Q-mmrnmmwmm--mm9mmmmQ
n Aquellos senhores que anda nao ||
me remetieran) assucar nesta sifra, g
f nSo obstante estar ella quasi a lindar,
hajam de me pagarem quinto antes
a os fornecimenlos que Ihes fiz, vislo j
S que taes faltas demonstram nao con- |g
linuarem suas correspondencias com- j
migo, conforme trataram edeviam ; 3
advertindo-os de que os gneros por S
mim fornecidos n3o oscomprei pelos |
? prasos porque Ss. Ss. querem. Como -
ii> tambem deva, o esteja veixado a pa-
l gar, nSo tenlio remedio ae nao fazor m
; este pedido, que s he dirigido a a- f&
quelles senhores que anda n3o me }
' reinetteram assucar nesla salra. B
M Luiz Epifanio Mauricio VVanderley. 4f
~;.iU*ZJ.^M IHaMMa. MftMKS
-- Na rua do Livramento, sobrado n. 10,
se dir quem da dinheiro a premio.
Na rua do Hospicio n. 52, precisa-se de
uma ama que engommo com perfeigSo: pa-
ga-se bem
Jo3oMiraSeve,doutorem medicina A
tj) faz saber.que est no oxercicio de sua 4
v', profissSo, e que tem xado sua resi 4
B dencia na rua da Cadeia de Santo An- W
1.) touio, casa n. 10, aonde pode ser pro-
B curado. _____
I******************
Mobili.i.s de aluguel.
Alugam-se mobilias completas, ou qual-
quer traste separado a vontade do alugador,
e por prego commodo : na rua Nova, arma-
zem de trastes do Pinto, dcfronlo da rua do
Santo Amaro.
-- Precisa-si de uma negra captiva que
saiba cosinhar, engommar e comprar; oa
rua Nova n. 69, primeiro andar.
Furlou-se urna loneta de ouro de dous
vjdroi, lavraila, com mola e cideia de segti-
r ar no braco, feita em Paria; quem da mes-
ma der noticia, conseguindo-se que a mes-
ma seja restituida a seu dono, receber* qua-
renta mil ris de graliflcagSo, econseguin-
do-so descobrir quem foi o ladran, dez mil
ris mais : na loja do Sr. Luiz Antonio d
Siqueira no Recife se dir quem he o dono
da referida loneta.
O caulelista Faria Barbosa ,
vendeu o biihete da lotera de S.
Pedro n. 118, que tirou i:ooo/Jfde
rs. em vigsimos, e em quartos o
n. 5827 que tirou 100,000 rs. :
recebeu e vende no pateo do Col-
legio, casa do livro azul, os seus
bilhetes da 16 lotera das matri-
zes. O caulelista paga sem des-
cont os bilhetes que vende.
.Madama Houlier modista franceza
run Nova n. 58.
Pelo navio Havre recebeu-se um lindo sor-
timento das ultimas modas de Pars, a sa-
ber: ricos chapeos de seda do tedas as cores;
ditos de p.ilh 1 da Italia abertos, muito boni-
tos ; chapeosinhos de seda e de palhe, re-
dondos para meninos e meninas de 1 a 6
annos, com abas largas do lindos eofoitese
de tedas as cores ; um lindo sai tmenlo de
trangas e franjas tanto prelas, como de co-
res, capailas do flores muito ricas o moder-
nas; um grande sortimento de flls de to-
das ss qualidados ; muito lindos manteletes
e capotinhos de seda do melhor gosto ; flo-
res finas, mauguilss d> bico para senhora o
mais moderno gosto, satim u felas de to-
das as coros; plumas decores para enfeite,
bicos de linho verdadeiro; ricos toucados de
senhora para baile ou theatro ; chapeos Je
montarla ; lencinhos de soda ; lengos do
camina ni para senhora; drese ramos de
flores de laranji, ricas luvas de pelica para
homem e senboia, chmatele preto, luvas
prelas para senhora, fitas do vellido Unto
pretas, como de todas as cores para punlios
e poscoco com as fivellns ricas; muilo lin-
ios manteletes do lit prolo para quaresma ;
flores e plumas prelas; camisinlias com
brrtura o bordado; caniisinhas com goli-
nhas bordadas e com bicos ; mangas borda-
das do lit, bicos de blondo, casnquinhas
brincas bordadas para meninas ; espaitilhos
para senhoras e meninas, atacadores para
botina da senliora ; ua mesma loja fazem-se
vestidos de casamento, de baplisailo, toca-
de menino o de senliora, cipotiotioa de to-
das as qualidades, com perfeigiio e prego
commodo ;recebom-se tolos os mezos figu-
riuus modernos, que impresli a seus fre-
guezes.
FURTO.
Furlaram da sala de detraz do sobrado da
rnadas Flores n. 1,em atarlo do da domin-
go 14 do crrenle, uma casaca de pinno fi-
no preto nova, 1 caiga de casemira preta,
1 coleto do selim preto bordado, o 1 ca-
misa demadapol.locom o peitodeesquiao,
em cuja abertura so achavam dous boiao-
sinhos de ouro, esmaltados de azul com
umbrilhante em cada um dalles. Roga-so
pois qualquer pessoa a quem orem olfe-
recidos os ditos objeclos o favor de appre-
hendc-los, e leva-Ios a casa cima que sera
recompensado; a mesma recompensa se of-
ferece a quem descobrir o ladino.
Engenho Una.
Arrenda-sa, verrde-se, ou permuta-se o en-
genho Una distante desla praga 10 legoas.na
comarca de Santo Antao, com boa cisa de
vivenda, grande aenzala o estribara. Ven-
de-se a safra deste anno, c do anno vindou-
ro. Oengenho meo com agua he muito copei-
ro, e tem urna serra d'igoa, e uma distila-
g3o bem montada, e Ierras de cxcellentes
qualidades para loda oualquer plantag.o:
os pretendentes dirijam-so ao pateo do Car-
ino, sobrado n. 2, primeiro andar.
Usbanos assignado, fazem publico
que se acha entnela a sociedado commer-
cial, quo giratn debaixo da firma Pacheco
lilho & alendesnesla cidade.de que os mes-
mos abaixos assignados foram merobros,
como fallecido Sr. Domingos Jos Pcrei-
rd Pacheco; os momos abaixos assignados
tambem fazem publico quo tem eito nova
sociedade, debaiio da firma Pacheco & Mon-
dos. Aracaty 38 de foveretro de 1853. Ma-
noel Jos P. Pacheco Jos Mendes.
O Sr. B. L F., naja do ir pagar o que
ficou restando do aluguel da casa da rua du
Amparo em Olinda, e remir a sua obnga-
cSn : para o que pode dirigir-so a rua de
Mathias Ferreira n. 6.
Precisi-sedouma possoa,quesaiba mur-
gir lene e tratar .levaccastourinas.a quem
paga-se bem: noManguinho, la lo direilo,
ultimo sitio prximo aponte. No mesmo
sitio appareceu um boi, que fielmente se
entregar a quem for sou dono e der os
signaescertos, n3o se lomando porctn a res-
ponsabilidade da fuga.
O senhor estudante de preparatorios ,
Anlonio Carlos Augusto Damaceno, queira
dirigir-senestes 3dias, a padaria do Vara-
douro em Olinda, pois que morando na mes-
ma cidade, nSo he possivcl saber-se de sua
morada.
-- Pede-se encarecidamente ao Sr. F. r.
R.S., o favor deannunciar por esta folha
sua residencia, para sor procurado, a nego-
cio que nflo isnora.
Roga-se ao SenborC, o favor devir
nestes 3 das remr sua lelra dn 150,000 rs, ,
proveniente de alugueis de casa, do contra-
rio vera a seu nome por ealenso nesta folha.
Preciai-se alugar um primeiro andar ,
ou casa terrea que sej) fresca, em qualquer
uma das ras de S Antonio, S. Jos, ou Boa
Vista : na rua Nuva n. 50, ou na rua da Sen-
zalla Nova nT43.
O Sr. Joaquim Wollchar dlrlja-ae onde nao
ignora para resgatar o aeui relogiol, lito no
praso de 8 dial a contar da dala dete, Ido con-
trario lerao vendidos para pagamento do prin-
cipal eiiiroa, (cando vin. obligado pelu relian-
te que laltar.que se provara a vista do apurado
ROUBO.
Na noite da 91 do corronte foi roobada a
loja de calgido do aterro da Boa-Vista o. 14,
constando o reubo em 30,000 rs em sedulas
sendo tres de 5,1)00 rs. e 15 de dez tosles
cada urna, o mais 4 a 5,000 rs. em cobre que
ludo junto eslava em uma gaveta, e mais
alguna objectos de pouca menta; o dono
da loja offerece lodo esie roubo apparecida
queaeja a pessoa que Ihe descobrir o autor,
tillo oblante estar quasi descobarto em razio
deserviste na occisiBo em que saitava o
muro do quintal, e prometle-se guardar to-
do o segredo a pessoa que descobrir.
Aluga-ae um armaie'n, ou casa terrea oai
mas seguinle: travessa da Madre de Daos, A-
mor 111, Muda, Lappa, ou Coila; a fallar no lar-
go da asaeinbla n, 9.
Compras.
Compram-sc 3 moleques de 13 a 14 an-
nos : na rua do Collegio n. 35.
Compram-se algumas apollces da com-
panhia de Bebiribe, no segundo sobrado da
eaaa n. 89, ni rua Direita, das 9 horss al o
meio dia.
Na rua da Cruz n. 18, 3. andar Jcom-
pra-se um moleque de 14 a 30 annos que se-
ja da boa conducta e figura.
LL ______I
.1 _. HH"
Vendas.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 10:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da prnc > da
Independencia n. 4, vendem-se bi-
lhetes inteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, da 16 lotera
a beneficio da conslrucco e re-
paros das matrizes do Kio de Ja-
neiro, que havia de correr no dia
17 do corrente, e o vapor inglez
sabio no dia 16. Na mesma Toja
tambem tem a venda, bilhetes in-
teiros, meios, quartos,-oitavos e
vigsimos, a beneficio da a3. lote-
ra do theatro de S. l'edro de Al-
cantara, que ficou para correr de
a8 a 3o de marco.
~ Vende-S'i urna taberna com pciucos fun-
dos, o se faz todo o negocio : a tratar na rua
da Moda n. 35.
em 09 ditoa rclogios.
Alberto Jaciolo de Souia, e Francisco Mo-
relra da Costa fazem sciente que, dlssolveram
amigavelincnte no da l de fevereiro p. p. a
sociedade que tinhain ua tavema 11. 11 a.ta ua
rua Dircila, cua sociedade glrava sub a raiao
de Francisco Moreir da Coila 6t oompanliia
ficindo a cargo do ea-soci.. Albcrfo, toda a li-
quidado da ealintca locicdade.
Quem quizer neguciar tras ricos ro-
quetes crespos do cimbris do linho, diri-
ja-se ao pateo do Carmo, sobrado de um an-
dar, por cima da botica, das 6 as8 da ma-
nli.ia, ou das 5 da tarde em dianto.
Um padre vindo prximamente de Por-
tugal, pretende se arrumar de capellSo, in-
da mesmo sendo para o mato : quem pre-
cisar pode dirigirse a rui do Queimado, so-
brado n. 24.
O Sr. Bernardino Jos da Silva, vindo
pouco do Rio de Janeiro queira comparecer
no largo do Corpo Santo 11. 2, ou aunuuciar
sua monda para Ihe ser entregue uma carta
de circuu1sla11c1.11
Acha-se fgido o escravo Jo3o do Au-
gola.caiador e canoelro, e bem couhecido
por Joao pincel: quom o pegar leve-o a rua
da Alegra, casa n. 34.
Ama deleite.
Precisi-sedo uma ama deleite, que seja
sadia e tenha muito bom leite para criar nm
miuinonascido a pouco, paga-se bem: na
Capunga em urna das esas da Sra. viuva
l.isser, em que mora Antonio Cliudiiu.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos 30:000,000, 10000,000, 4:000,000 ,
2:000.000 e 1 .-000,000 de rs.
Na loja da Viuva Vieira t Filhos, na rua
da Cadeia do Recife n. 24, ainda acham-se
a venda um resto do bilhetes o caulelaa da
16. lotera a beneficio daconstrucglo e re-
paros das matrizes da provincia do Rio de
Janoiro, cuja lista vom no primeiro vapor,
na mesma tambem receberam pelo vapor
ng'ezTay, entrado em 21 do corrente, os a-
furlunadus burieles e cautelas da 23. lulena
beneficio do theatro de S. Pedro de Al-
cntara, os quaes acham-se tambom a ven-
da e t'OCm--e por Dilhetesj premiados das
loteras do Rio de Janeiro o dosta provincia.
Vende-se a taberna sita no becco do Pei-
xe-frito n. 5, bem afroguozada : a tratar na
mesma com o dono : faz-so todo nego-
cio.
Entre as duas pontes ds passagem 1.,
sobrado indo da ponte pequea, vende-sel
vacca que d bastante leite e o bizerro est
com s dias por prego commodo.
Ven letn-,.' barreduras de farinha do
Santa-Catlicrina muito em conta, por 1,000
rs. o alqueire da medida velha : a bordo do
brigue Sagitario deTronte do arsenal de
guerra.
- Vendem-so saccis de muito superior fa-
rinha de Santa-Catharina a 2,400 rs.: na
rua da Praia armazem de carne n. 10.
Vende-se uma laverna na rua do Ran-
gel com o fundo de 400,090 rs. pouco mais
ou menos, faz-se todo o negocio : na rua do
Collegio n. 17, segundo andar.
-- Vendem-se saccas com farinha de San-
ta Catharina, a 2,400 rs ; ditas de milho, a
2,000 rs.; arroz de casca, a 2,400 rs. o al-
queire ; azeite de coco a 2,800 rs. a cana-
da ; dito de carrapalo, a 1,440 rs.: no Caes
do Ramos n. 4.
Vende-se sebo derretido de superior
qualidade, a 6,400 rs. a arroba, e velas de
carnauba, a 8000 rs. a arroba: na rua Direi-
ta n. 59.
Vende-so um violSo de chave, em bom
uso : na rua da Penha.que faz frente para a
mesma rua, o par a rua Direita, junto a ca-
sa em que esteve outr'ora a typographia da
imprensa, segundo andar, a qualquer hora
do dia.
Vende-se um cabriolet coberto, quasi
novo, com um cavallo gordo e muito man-
so : na rua larga do Rozarte, loja delouca,
a qualquer hora do da.
__Vende-se um escravo pardo escuro ,
propno para o matto, por ser robuato e acos-
tumado ao servigo de campo, vindo ltima-
mente do Para : a tratar na rua da Cruz nu-
mero n. 45. .
Vondcm-se 3 cisinhas terreas, no lar-
go da igreja de S. Amaro, que rende um e
um quarto por cera ao mez, ou troca-se por
uma casa aqui na praga, ou por escravos :
a tratar na rua das Cruzes n. 40.
Attentpao.
Na rua do Rosario cstreita travessa para o
Queimado, deposito de Joao Jos Mondes da
Silva n. 39-A-, coiitinua-ae a vender latas de
aramia inulto supperior como be sabido;
vende-se om libras a 400 rs., bolachinha, re-
gala muito Una a 320 rs., futase biscouti-
iiini de araruta a 320 rs., bolacbinha ngleta
a 200 rs., dita quadradaa 240, falias e bis-
cuutus mais interiores em libra a 200 rs; e
anda vende uma pequea porefio de biscou-
tos de reons qo para acabar veudem a 480
rs. um embrulho contundo lduzia, vende
tambem castanhaa o amendoas por commo-
do Drego, po'tinto os freguezes devem pre-
ferir, a vista do prego e quilidade.
Na loja de miudezas n. 3,da praga da In-
dependencia,vende-se polkas, nova mzurk,
lindas valsas, quadrilhas na opera-os Lom-
bardos, sinfona na opera Zampa, ludo pa-
ra pinino ; luvas de torgal, ponto de no, pre-
tas e de cores, tengo de torgal, ponto de 06 >
muito em uso para enfeite de pescogo de se-
nhoras, de cores, por mdico prego.e garra-
fas com tinta de escrever muito superior.
Madama Bueasard Millochan recebeo
pelo ultimo navio ilo.llavre os objectos de
quaresma seguinles ; ments de bico preto
para cabega, bicos, lOgos de sedi, filos,
crep, chales, litas,.transas e franjas lu-
vis de mallia que se venderSo muito em
couta no atterro da Boa-Vista loja n. 1.


*P"
Farinha Fontana,
chegidi ultimimente: em casi de I. J. Tas-
io Jnior, ni ru do Amorim n. 35.
R .$ MWllMlMMMMVMMnMl *
Na loja do sobrado amarello da ra jjt
do Queimado o. 39, tem pira vender &
um grande sorlimento de pannos pre- jp
loa (nos e de corea fixesjeasemira pre- a
la elstica superior de 9 a 14,000 rs, o
corte de calrja; cortes de coleto de c- m
aemira preta bordados; ditos do setim S
preto tambem bordados; chapeos pre-
tos fnncezes os mais modernoa e de
melhor qualidtde que ha no merca- m
do; ditos de castor branco inglez da I
ultima moda; e oulras fazendas de
costo e preco commodo.
Moendas superiores.
Na fundico de C. Starr* Conipanhla,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construegno muilo superior
No armazem da ra da Mola n. 15 ,
ende-se cl deLlboiem pedra, a mais no-
va que ha no mercado, chegada no corrente
mez, no brigue Laya ; essim como mercurio
doce em caixinhas do libra cada urna, tudo
loor menos preco do que em outra qualquer
parte.
Cobertores de algodo.
Superiores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, lecidos a dous fios, muito
grande, tem todaapplicaco em urna casa de
familia, por servir para meza de engom-
mado e forrar camas e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto preco de 1,410 rs.: na
ra do Crespo n. 6.
l'otassa americana.
No antigo deposito dacadeia velha, n.
13 existe urna pequea porr^So de pulassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisi com adallussia: vnde-
se por preco razoavel.
ilap Paulo Cordeiro.
recentemente ebegado do Itlo de Janeiro :
voode-ae na ra da Cadeia do Rccifo loja o.
50, deCunha & Amorim.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente nglez : na ra
da Senialla Nova n. \i.
Deposito de cal virgem.
Cunha &. Amonio, na ra da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-j
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos preco do que1
em ouli a qualquer parte.
No escriptorio de Manoel Joaqnim Ra-j
mos o Silva, na ra da Cadeia do Recife,
vende-se por precocommodoc.il virgoai de;
Lisboa chegada no ultimo navio, bezerro del
lustro, mercurio, linlia de Roriz.retroz, fci-
cbaduras do Porto, panuos e casemiras
de Ifia.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vnnde-seeatecompeudio, approvado para
as aulas de primeiras letras, a 480rs.: na
praca da Independencia, livraria n. 6 e8.
Na porta da Alfandega e no
armazem do baraleiro Joaquim da
Silva Lopes, vende-se farinha fon-
lona SSSF e de l'hiladelphia, l-
timamente chegada.
Vendomse amarras de ferro : na ra
da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se urna mesa de amarello, com
7 palmos da compnmenlo e 4de largura :
na ra Bella n. 16.
AGENCIA
da undicao Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA 43.
Neste estabeleeimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamonhos, pa-
ra dito.
Anligo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,!
llegada ltimamente de Lisboa:'
tambem se vende potassa da Kus-
sia, nova e de superior qualidade.'
Casa de commisso de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se offerece muitas garantas
a seusdonos : narua da Cacimba
n. 1 1 |H inicuo ailar.
Vende-se um terreno na ra da Aurora
com 50 palmos de Trente e 280 de extensao, I
leudo caes de lijlo a lien ,1 mar, Meando en-
tre as casas dos lllms. Srs. GuslavSo Jos do,
Reg e Francisco Antonio de liveira : os
prelendentesdirijam-se a ruadas Turres n.i
8, primeiro andar.
Para a quaresma.
Grande sorlimento de sarja preta hespa-'
nhula, selim preio maco, cortes de vestido
de seda prolt bordados muito novos pa-
drfies, cha malote de aeda preta com listras. j
veludo prelo, veos prelos, manas de fl1
prelo, maateletea pretoa e de corea, caaemi-.
raa pretaa, pimos fios, cortea de colele de
aeda bordados, merinos, alpaca, lopim, tudo
ltimamente chegado, e por pi ecos com mo-
dos : na ra Nova n. 23, loja de Antonio Go-
mes Villar.
4,000 ,
Vende-se rape do Lisboa, chegado lti-
mamente, vindo de encommenda, cousa
superior, e respoosabilisi-se pela qualidade:
na ra da Cadeia do liento, loja de JoSo
da Cunha UagalhSes, n 51.
Vende-se marroquim de lodas as cores
a 1,600 rs bandejas tinas, collieres de me-
tal do principe, facas com garfos muito li-
nas, ditas para meninos, bocetas pintadas
para doce, enxadas calcadas com ac, arcos
de ferro para barris, pipas e toneis, tornei-
ras de metal com chaves para barris e pipas,
parafusos para camas francesas, jarros duu-
rsdos para mesa de jantar, e todo o trem
para urna cosinha : na ra Nova, loja de fer-
rageua n. 16 de Jos Luiz l'eroira.
Na ra do Vigario n. 19, piimeiro an-
dar, ba pura vender muito superjor cera
em gruuie, em barricas pequeas, o supe-
riores vinhos engarrafados.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra de Apollo n. 6, arinazein de Me. Cal-
mootSc Coinpanbla, acha-se contlanleinenle
booa tortimenioa de t&ixa de litro coado e
batido, tanto rasa como fundas, moendas in-
elraatodaade ferro para anlmaea, agoa, ate,
ditas para armar em madeira de todos os ta-
maitos e madellos o mais moderno, machina
borlsoolal para vapor, com forja de 4 caval-
los, coucoa, pasaa'dsjiraa de ferro estancado
para caaa de pulgar-, por ineuoa preto que os
de cobre, escreos'p/a navios, ferro tnglez
tanto cm barras como eih arcos fohas, e tudo
por barato preco.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doRecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Superior cha nacional
em caixinhas de 3 libras, e da melhor qua-
lidade ; veude-so por preco commodo, ni
ra do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
.- Vende-se um carro de quatro rodal
muito leva e seguro, por multo pouco di-
nheiro: na praca da Boa Vista, cocheira
do francois.
Ovas do SertSo.
Vende-se ovas do sertSo por pror.0 com-
modo na rus do Queimado loja n. 14.
Vende-se no armazem do caes da alfan-
dega de Jus Joaquim Pereira de Mello, a
muito superiorcola das fabricas doltio Gran-
de do Sul, chegoda agora ltimamente,eo
preco muilo commoJo.
* Sarja preta.
Vende-so superior setim preto maco ?
t proprio para vestidos de onhorajsar- A
a> ja de aeda preta legitima hespanbola; o)
cortes de vestido de seda preta bor- 4
> dada, gosto moderno, lendo de ludo $
.. porcSo para o comprador poder esco- a
a> Iher o por prer;o muilo commodo : na
> loja do sobrado amarello da ra do 9
a> Queimado n. 29.
10,000
5,000
a,600
1,100
600
Lotera de N. S. do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo ders.
Na loja de miudezas da praca
da Independencia n. 4 ? vende-
se um resto de bilhetes inteiros ,
meios, quaitos, decimos e vigsi-
mos a beneficio de N. S. do Li-
vramento.
Bilhetes inteiros
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
CHA PRETO.
Vende-se superior cha pelo ,
em caixas de 3o libras cad 1 urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do A mor o n. 'j.
Sementes de ortalice
Vendem-se sementes de ortalice de todas
as qualidades muilo novas, vindas de Lisboa
na galoia Marganda, o reijSo carrapalo e de
llores: na ra da Cruz, airas do Carpo San-
to n. 62.
Pechincha.
Na loja do Pas-io Publico n. 15 vnde-
se superior cal virgem, chegada Diurnamen-
te de Lisboa, por prer;o inulto commodo pa-
ra acabar.
Na ruado Apollo, no trapi-
che do Ferreira, vende-se cal vi -
gem de Lisboa, em barris, chega-
da ltimamente no brigue Laia ,
pelo diminuto preco de 3,5oo rs.
Vendem-se batatas muito
superiores, inglezas, recentemen-
te chegadas : no armazem de Jos
Joaquim Pereira de Mello, no lar-
go da Alfandega defronte do guin.
das te.
Banana c goiaba.
Vendo-so superior doce d'aquellas fruclas
do mais lino quo! ha : na venda da ra
da Cadeia do Recite de fronte do lleco Lar-
go n. 85.
Vende-se
Espermacele em caiasde 16 libras.
Farinha superior em saceos de alqueire.
Cha preto superior.
1/ v.i malte.
Verdadeira genebra doOlanda em frasquei-
ros.
Charutos da Babia superiores.
Serveja fina : na travessa da Madro de Dos,
armazem ns. 4 e 6, pintado de cor.
Moinbos de vento
com bombas de repuxo para regrar hortas
o baixas do caplm na fundilo do Rowmaux
& M. Calliem: na ra do Urum ns. 6, 8 e 10.
Cambalas para cortinados a a,4oo
rs. a peca.
Na FUa do Crespo, loja da esquina, que vi-
ra paras Cadeia, vendem-ae camhraias des-
campinadas, para cortinados, a 2,400 rs. a
pec.a, com 8 e l|9 varas.
Farinha de mandioca.
-- Vende-se saccas com superior farinha
de mandioca a precos rasoaveis : a tratar
coro J. J. Tasso Jnior ra do Amoiim
n. 35.
Grande fabrica de chapeos de sol,
de J. Falque tua do 'ollgeio
n.4-
Neste novo estabeleeimento recebeu-se
um novo e lindo sorlimento de chapeos de
Sol dos ltimos goslos, tanto de seda como
de paoinho para homeos e senhoras, de ar-
ma(So de baleia e de asso que se vendem
por menos preco que em outra qualquer par-
te ; grande sarlimento de charualole, aedaa
o paninhos e.n pee.ii de todas aa cores o qua-
lidades para aa pessoas que qaizerem man-
dar cubrir armacOes servidas. Completo sur-
timenlo de baleiaa para vestidos espartilhos
psra senhoras, fszem-se umbellas de igreja e
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos
de sol: todos os objectos cima mencionados
se ver.dem cm porcSo o a retalho, pof prego
quo agradara aos freguezes vista da quali-
dade.
A bordo da escuna Mara^irmma fun-|
diada de fronte do caes do Ramos, ha mi-
perior familia de S. Matheus que se vende
o mais barato pussivcl, trata-se abordo cum '
o capitSo, ou com Luiz Jos de S Araujo :
na 11 da Cruz n. 33.
-;..; -::' ^T"?
I'.nuil) preto fino.
9 Venda-se superior panno lino pre- ij'
9 to, cor lin, a 4,000 rs. ocovado:na tf
na ra do Uueimado, loja do sobrado ^
amarello 11. 29. ft
Farinha barata.
Na ra da Cruz n. 33 armazem de Luizj
Jos de Si Araujo, vende-ae sacas coro al-
queire de farinha, tamo de S. Calharina co-
mo de S. Matheus, muilo superior por me-
nos preco que om outra qualquer parte e
levando a sacca mais barata, fica tambem as
barreduras para vender, que sorve para
bros Ote.
Vendem-se velas deespermacete, em
caixas,de superior qualidade: em casa de
J.Keller&Companhia: na ra da Cruz nu-
mero 55.
Vende-se um cavallo alazflo, bom an-
dador baixo e muilo novo : na ra do Cres-
po, loja n. 6.
Arados de ferro.
Na fundicBo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde ferrode divorsos mo-
delos.
Para a quaresma.
Casemira preta infestada a 5,000 rs., o cor-
le de calca.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
la para a cadeia vendem-se casemiras preta
enfestadaa 5,000 rs. o corte de caifa, sarja
preta hespanhola a 8,600 rs. o covado ; co-
mo oulras fazendas que por sua boa quali-
dade se tornad recouiondaveia.
Vinlio de Champagne,
o superior qualidade : vende-se no irma-
em Kalkmauu Irruios Ra da Cruz, n. o
Deposito ta fabrica to Todos os
Santos un Ilnlila.
Vonde-se.emcasa deN. O. Bieber&C.,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado ds*
quella fabrica, muilo proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por pre(ocom-
modo
Vcnde-se mais barato do que emou-
tra qualquer parte, ricos manteletes pretos
e de cores : na ra da Cadeia do Recife, lo-
ja n. 18.
He tio barato,
Que taz animar ;
Quem vir a pechincha
N5o deixar de comprar.
Na ra do Crespo iojada quii que vira
para a cadeia, vende-se panno lino preto, a
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 e 5,500 rs.
o covado ; dito frincez nuil superior, a
6,000 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dito verde, a 2,800, 3,0U0 e 6,000
rs. ; dito cor de rap, a 2,600 rs. ; casemi-
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500 e 10 00O
rs. o corle; sarja preta de seda muito su-
perior, a 2,500 rs. o covado ; merino preto
muilo bom, a 2,800 e 3,200 rs. o covado cor-
les do cassa cinta nimio bonitos, a 1,920
rs.; e oulras muilss fazendas por pre;o
commodo.
Cemento novo a 7,000 rs.a barrica.
No armazem do Antonio Aunes, no caos
da Allandega,
-- Vende-se um teneno com 300 palmos
de frento e perto do 1000 definido, cotn
grande viveiro, que ion perto de 500 pal-
mos de comprido, na estrada que vai pra o
Mangumho: a tratar na ra da Cadeia do
Recife n. 9.
4
*
i
A 1\ A DOS" a M l UICA NOS.
Vendem-se arados ame- %
ricanos, chegados dos Esta- *3J
dos Unidos, pelo barato pre- t
' co de 40,000 rs. cadaum: na 9
ra do i'rapiclic n. 8.
Vende-so urna preta creoula, moca o de
(bonita figura, sadi,i,cosoch3o, cuzinha, la-
va, he vendedeira do ra e tem excellenie
conducta : na ra larga do Hozarlo, loja
n. 35.
Deposito de pinno d) algodao da
lebrita Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
do ilos a fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador : no escrip-
torio de Novaes & Companhia, na
ra do Trapiche n. 34.
Azeite de carrapalo da fabrica de
Araujo & Pillio, ns Penedo.
Acaba de chegar mais desteja conheride
azeite, o mais proprio e econmico, para
uso decandieirosdesala, tanto pela sua du-
raciio, como limpeza, econtinuar a haver
sempre um depozito para suprimonto regu-
lar dos freguezes : no nrmazem de J. J. Tas-
so Jnior : na ra do Amurim n. 35.
Vende-se 011 arrenda-so o Engenho S.
Rita moenle e corrente roeia legoa distante
da villa de Iguarassu'com proporcOes para
safrejar-.se, embarquo junto ao engenho; ala-
gados, o outras proporfAes : quem o preten-
derenlenda-secomo proprielariono mesmo
engenho.
Novos cobertores de tapete a
1,44 rs.
Na ra do Crespo lujada esquina que
Loja nova,
Vende-se nesta loja por precos baratsi-
mos o mais moderno sorlimento de fazendas
finas a saber: cortes de vestido de seda
brinca, manteletes pretos e cipotinbos pira
meninas, rnmeiras de linho com enfeites de
seda, los pretos, ricos cortes de cliamalote
psra vestido, bem como gros de aples de
furia cores dos gostos mais modernos para
vestidos, cortes de lila de camello com 14
corados pelo barato prec.0 de 6,000 rs. o cor-
te, luvas de seda de cores, de trocal e peli-
ca, e muitas outras fazendas, tudo por ba-
rato preco : na nova loja da ra do Rangel
n. 8.
Vende-se um palanquim da Baha, de
bonito gosto : no largo dit S. Pedro, por ci-
ma da loja de marcii.eiro, segundo andar.
- Vendem-se 5 escravos, sendo I mulata
de :>.< .nios de ii] ule, cose, engomma bom
e cuzinha; 2 pretas mocas de bunitas figuras;
2 escravos, sendo umeozinheiro e moco, e
outro do lodo servico de campo : na ra Di-
reila 11. 3.
MMMMtMMi wmmtmmm :?*
Vendem-se ricos veos protos de soda,
de linho e de retroz de Italia; manto- ge.
leles pretos do ultimo gusto e com ri- ;
{| eos enfeites; mantas do seda pretas ; S
" ineias de seda pretas de peso o outras
'' fazendas de gosto, tudo por proco de *'
agradar aos compradores : na lujado jaf
4 sobrado amarello da ra do Queima- :i
do n. 29. m
Grande sorlimento de fazendas
baratas
Panno fino preto a 3,000 rs ; sarja preta
hespanbola, de superior qualidade a 2,500
rs. o covado; aetim prelo maeso, muito su-
perior a 4,000 rs. o cuvado; alparca, muito
fina a 610, 800 e 1,000 rs. o corado; caasaa
de flores brancas, propiias para cortinados
O bom barateiro.
Acaba de ser rjaberta a loja que foi do
fallecido Jos Pinto da Fonseca e Silv, bo-
je pertencente Nicolao Gadault, na ra
Nova n. 12, onde a troco do polco dmliei-
ro aclaro os compradores excellootaa ob-
jectos de diveisas qualidades, bem como
se_i.no : ptimas luvas tanto para homem,
como para senhoras, bicos de liulio, seda e
blond, brancos e pretos, cortes de seda de
crese preta, lencos do seda cum franjas de
infiranles lannoiios e qualidades, chapeos
de pal lia e de soda aberlus com enfeites para
senhoras, fitas, leques, rendas de linho, pa-
pel para forro de salas, guamicOes e barras
para o mesmo fim, espelhos com molduras
duuradas, estojns de costura com msica,
candieiros de meio de sala, globos para os
meamos, rebecas, fiautas. Iludios, violdes,
clarinelise outros diferentes instrumentos
para msica militar; msicas para piano,
metliodus para diversos instrumentos; alm
de outros mullos objectos, que seria enfa-
donhn enumerar, mas que com vista ngra-
darSu aos cornpradores, quo os 11 "10 puderSo
comprar pur preco iSo vanlajosu em outra
qualquer parte.
Vende-se urna porta : na ra da Paz
n. 36.
Velas de espermaecte.
Vendem-se velas de espormacote, em cai-
xinhas do 20 libras: na ruada Cadeia do
Recife n. 48.
Vende-so a taberna sita no aterro dos
Afogados n. 123 com poucos fundos: a tra-
tar na mesina por preco commodo por sou
dono ter de se retirar para fon.
Vende-se um elegante moleque, de 20
annos de idade, proprio para qualquer ser-
vico : na ra do Crespo, luja da esquina
que volta para a ra das Cruzes n. 16.
Vinho branco.
Vende-se vinho branco do melhor, que
de cama, cum 8 l|2 varas a 3,500 rs. a peca;' vnm ao murcado : na ra da Cadeia do lle-
cassas chitas a 2,000 rs. o corle; lencos de cifen.48.
cambraia de linho, para homem a 40, 560e)jIW>t'anBilW^aWal|WliWg
640 rs; riscado assentado em mnlim, pro-, JGantois Pailhetrk Companli;.i
prios para ropa de meninos a 200 rs. o cova-lf Conlinua-so a vender no aposito*
do, e outras muitas fazendas em conls : na; fe gera, d, ,. di Cruz n. 52, oexcel-i
luja da ra do Crespo n. 6. ,. | tf Huleo ben. conceituado rap areiaf
- Vcndem-se saccas com luri- prelada fabrica deCaotois Paillicl&3l
nha de Santa Calharina a j.aijo | Gompanhia da Itahia, em grandes ei
1 {| pe)iietas porgues pelo preo eslabe-y
4':-:-''' -" "- -::-c:':r- -
Vidros p>r? esselhos
Vendem-se vidros para espulhos de todos
os tamaitos gor precos muito em conta en
casa de Kalkmsn IrmSos ra da Cruz n. 10.
SALSA P.IHHILII \
o 3
rs. : na ra da Praia de Snnla lil-
la, venda defronte da ribeira do
peixe, n. I.
Vende-se urna mulata, que sabe de lo-'
dooarranjo de urna casa, he muito fiel o
cuidadosa : na ra do Amorim n. 35. i
-- Vende-se urna preta, de naco Rebol-,
lo, de 30 e tantos annos de idade, cozuha n
faz todo o servico de urna casa, menos en-
gomtnado e costura : na ra dos Murtmos
u.36.
Vendem-se 2 cavallos, novos e fortes:
na ra da Aurora, venda n. 21. As numerosas experiencias fetta
Vende-se urna porco de barricas vs- uso da salsa parrilha em lodas as enfermi-
sias, promplas para se socar assucar, a oc- dades, originadas pela impureza do sangue,
casi0o he boa, que se precisa dedinheiro, o e o bom xito obli lo na corle polo lllm.
alguna mergulhos de paneira muscatel em Sr. I)r. Sigaud, presidente da academia ini-
caixfles, resoonde-se pelos que falh.irem : penal de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
na praca da Sauta Cruz, na padaria por bai- 'Antonio Jos Peixolo em sua clnica, e om
xodosobradon tno. sua afamada casa de saude na Gamboa, pe-
-- Vende-se na ra Nova n. 8, um rico lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
Arados da fabrica dos Srs. Ranso-
mee May
Proprios pira plantare ahornar einna de
djifferent'smodellds e feitos na mais acre li-
tada fabrica na Inglaterra ; sendo muito su-
periores a qualquer que tem vindo a este
mercado.e proprio para plantarem qualquer
terreno e de qualquer largura, por ter um
arranjo proprio para abrir e fechar 1 liveca.
O bico, aiveca e sola destes arados pas-am
por um processo que da-lbet consistencia
do ac temperado di manein que ifo-de
mnita duraclo, alm de que tem bicos da
aobre-excelleute : ni ra do Trapiche n. 14.
MOBILUS [)E PEURO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com br;ico c scn elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann Irmios, na ra
da Ci hi n. 10.
Escravos futidos.
chapeo preto, de seda, pora alguma senhora
vuva; um dito de seda de cor, tambem pa-
ra senhora, ambos mandados vir de encom-
menda e chegados pelo ultimo novio fran-
cez, mas por 1180 chegarem as pessoas, para
quem vienm, vendem-se por proco com-
modo.
Feijo.
Vendem-se saccas com feijflo novo e de
boa qualidade, pelo diminuto preco de 5000
rs. : na ra da Cadeia do Recife, loja n. 5.
Madama Hoza Hardy, modista bra-
silera, na ra Aova n. 34 ,
neste estabeleeimento he chegado recenle-
menlo, um grande o brilhante sorlimento do
modernas fazendas, vindas de Parlf, consis-
tlndoalcm de outras fazendas,em ricos Cibn-
LOes prelos de blonde; mantas de fil de seda
preta bordadas a jmtacao de bioude; lisim
como capolinhos pretos e de cores, muito
proprios para os actos da semam Santa.
Vendem-se 12 portas novas do sodro ,
proprias para casa decam.o; assim como
30enxameis de dito de 14 a 18 palmos de
comprimenlo, por prer;o commodo : na ru
do Vigario n. 5.
Na ra do Crespo n. 2l, loja de
Ucrnardino Maia da Silva.
Vendom-se nesta loja chapeos para Sra.
. > .1 lian **** vivji/u i'ju u viuuriiv volta para a cadeia, vendem-se cobertores os mais modernos que tem vindo dePans,
do tapte, grandes e bonitos, pelo diminuto se" Prf, s. a,,sla d qualidade; nesla lo-
proco de 1,440 rs.; em qualidade sil) os me- J tambem tem um completo sortnnento de
lores quo tem vindo no mercado, por isso, 'ondas fraocezas, dos goslos mais moder-
recominendi'Se eos Srs. de engenho que 'os por ludo ser de encommenda fela pelo
quizerem comprar da pichincha, no se de- dono do estabeleeimento, da-se amoslros
inorem, porque ja ha poucos pela estraclo para ver se agrada ; comosejam ricos e|ia-
quetentido. malotes pretos para vestido, sarjas pretas,
.', i muito superior pannos prelos, setius maco
KII.VUS p(U'a ClIfJCnllOS para vestidos e coletas, cambraia3 de seda
Na fundicao de ferro de Bow- PgPrtai para bailes pelos seus ricos deze-
_..., ,. nh^s, e bonita vista que parece sedo, dulas
man OC lUC. l.nlliiin na ra (JO Iranceas com barra a modado Paris e ou-
Brum, passando OChafariz. conti- Iras muitas fazen las proprias do mercado
, \ 1 ,. Vendo-se urna taberna pequea com
nua a haver um completo SOrtl- poucos fundos, na ra do Colovello: quem
menlo de taixas de ferro fundido e 1 pretender dirija-se a mesma ra, padaria
batido, de 3 a 8 palmos de bocea 'n^9Vonue.Se um mathodo para violfio, por
as quaes acham-se a venda por LuigiCasteicci, emfrancoz, e com ptimas
nreen riimnvndn e com nrnmnti- mu8'c oulro aito CDI Portuguez, por Ma-
preco commouo e com prompu noei NU1,es Aguedo, ambos com muilo boas
dao, embarcam-se, OU carregam- licOes para se aprender: na ra das Cruzes
se em carros, sem despezas ao com- n0 primeiro andar desta typognpbii.
' Vende-se um escravo cabra de 25 an-
prador. nos, pouco mais ou menos, creoulo, ollicial
Baratissiino. do sapatiro;em Fra deportas ao p da
Vende-se um torreoo na ra da Aorora j ''J io^U'' c'*' da '""' se dir 1ue,n
aterrado, tendo fundo at rui do Hoapi- y8nde' "a *<>oesertio, como urna escravo
co, e frente 55 palmos: tambem se vende t,m',e,n creoul moca-
s a ra da Aurora: a tratar na praca da ln- Com dinheiro avista.
^'vindesa1 nl'loja nova da ra do Ran- JS}ML^" Zh Z T""""'
siskr, ""-"" -sssssBsarjsn s
Milico de iNaiitiia
a
800
sucar, vendem se o seguinte assim como em
a ru da Auroro n. 32 Inhuma nova pintado
de azul, mmleiga ingleza da melhor 610,
** 400 rs., dita franceza 560 rs., cha do mois
Vende-se s historia de SimSo deNantua, superior 2,101) rs., dito prelo do melhor quo
a 800 rs. : na livraria da praca da Indepen- ha neste merend 1,9-20 rs. a libra,lem 3 em-
dencia n. 11 r h. brulhoschinezes cada embrulh 1 pur 610 rs.,
Cebo refinido. assucar refluida fino 100 rs., dito 80 is, vei
Vende-se superior cebo refinado, em bir- l de ^rmacete 610 rs., dita de carnauba
ricas, que por muito superior se recornmen- T'*-,hC",'LU? '* 1lar'".ha d "J'^oaa
' ^ r- NO rfl I111 *e 1111 1:1 nit,(i''/a i1a i'r.inl'k oln
dicodo ejercito e por vanos oulros mdi-
cos, permiltem hoje de proclamaroltamenle
as virtudes cllieojes da
SALSA PARRILHA
DE
conlas um terreno proprio com vivelro de
peixe e porta d'agoa, em Sanio Amaro ou
marnela l em latas de 4 libras
u q S. MaVlerearprom^ p.7d"B" ^S ^f 'M0' 20U 1' ?^
ciclo 1 quom pretender diril.-se no sitio do X "d Iri.. n ,,ra *""? C"'"0 V
Ar^a, a f.llarPco,n Manoel u, da Valga. S tu^:.'?.; .oo.?' mU,t "" ^
O, luna mesa de jantar. .. Aonovo sorlimento de condecas e pe-
Vende-so una mesa de jomar com 18 pal- neiras de rame chegados ultimamonto do
mos de comprida muito moderna, fela de Porto : na ra estrellado Rozarlo u. 13, pa-
amarello, enveraisada, ps torneados e com dsna que foi do Sr, Cunha.
pouco uso: quem 1 pretender dirija-se 1 Vendem-seuvis muscatel muilo boas:
ra do llangel, loja n. 8. ni ra da ConceicBo da Ro-Vista n.58.
Ven le-so docede bocuri em fnscos por Vndese um cavallo sem achaques e
proco commodo : na ra di Cadendo Recife bom cairegador baixo : na ra da Cadeia do
O. 23. Recife n. 48.
Nota. Cada garrafa contem dnas libras
de liquido, c a salsa parrilha de Kristol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, Olio, pul i-Mll'l .
Vende-se a 5/000 rs. ovidro na botica do
Sr. Jos Mora Goncalves Romos : ra dos
Quarleis pegada ao umrlel de polica.
PIANOS.
Vendem-se em casa de Kalk-
mann Irmaos, na raa da Cruz n.
10, ricos pianos de Jacaranda, com
excellentes vozes chegados ha
pouco tempo.
Molduras douradas
de todas os larguras : vendein-sc no arma-
zem de K.illkrnann Irmilos,ruada Cruz n. 10
Livros em branco.
Vende-se em cosa de Kalkmann IrmSos ,
na ra da Cruz n. 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio.
Em casa de J. rieller *i Com-
pnnhia, acba-se a venda vinagre
branco, superior de Nanles, cm
barris de 3(> medidas.
CLBA EM VELAS.
Vende-se cera cm velas das
melhores fabricas de Lisbo.i e do
Kio de Janeiro, sorti^nentos mili-
to variados e a precos com ojo los :
na ra do Vigario 11. 19, segundo
andar, escriptorio de Machado &
l'inheiro.
Sobrado cm Goiaiina.
Vende-se, muito em conta ,
um bonito sobrado sito na ra
do Meio, n. 58 avaliado em
2:000^000, em o qu*l lem parte
rsula Maria das Virgens e sua
irmaa Joaquina Vives de I'ai va na
importancia de io7,^"]3 rs. quem
pretender dirija se a cata de Kal-
.111.1111 limaos,na ila diuz,n. 10
Altenc3o.
Nova fabrica do chapeos de Sol no atierro
da Boa-Vista n. 22, acha-se um grande
sorlimento de chapeos de Sol omita
em conta, tanto para homcm.cumo para se-
nli'o como seja de seda ou de panninlio, e
grande sortnnento de perjusdeseda e.le pa-
panninlio para cubrir os chapeos de Sol jo
usado.tambeni conceda os ditlos peol precu
mas commodo do qie em nutra quilquer
e parle com toda romplidSo,
Ven Je-sc, em casa de Kalk-
mann limaos, um lindo sorlimen-
to de obras de 011ro, rbegadas, ha
poneos das, romo sejam : --ade-
recos, pulceiras, alfinetcs, voltas,
brincos, aunis, correles para re-
lojo, brinquinhos paca ct-ancas de
coral, chaves para relojo e me-
dalboes.
Vende-se vinho de cbampa-
nhe legitimo e de superior qmli-
dade : em casa de J. Holler o
Compunl/'i < na ra da Cruz n.
CHARUTOS DE HAVANA.
Vende-se charutos de lia va no muilssimo
finos; no arunzeiu de Kalkmaun & lennios,
ra da Cruz n. 10.
No da 17 de fevereiro deste anno ile-
sa iipareceu do cidade da Parahyba o escravo
de nomo Domingos, que representa ter 95
nmis [ estatura regular, cheio do corpo,boa
figuri, rosto com cicotrizes ou signaos de
sua nuco, denles perfeilos, mflos, pomas o
ps bem feilus: tem urna hernia om urna das
veril ha*, he muito fallador, a he ollicial de
pedreiro. Consta-nos que esteve nesta cida-
de do Recife em urna caaa na ra du duro,
e na madrugada do dii 19 do correle sald-
r para o lado do sul, levando coosigo um
chapeo do chile novo, jaquel preta de me-
rino, caifa de brim branco com lislris en-
carnadas ; levava tambem um bah de folln
do (landres com ondeado azul Que teri 3 a i
palmos decomprimnntncom miudezas para
vender, iodo icompanhido por um prelo
velho. Este preto quando desappareceu da
cidade da Parahyba recebeu 300,000 rs.: ro-
ga-se a todas aa autoridades policiieso ca-
pules de campo que o a prebenda m e o le-
vem na Parahyba no sobrado juntos loja de
linio Jos de Medeiros Crrela & Companhia,
nesla cidade do Recife a seu sonhor Miguel
Kelicio da Silva na praia do Cal leireiro, so-
brado novo, que recompensar generosa-
mente,
Desappareceo no dia 12 do cnrrenle
mez de marco, da casa de sua Sra D. Anna
Joaquina Lins, moradftra na ra Nova, o es-
cravo parlo de nomo Francisco, muito co-
nhecido poro possuir a muitos annos, com
os signaes seguimos claro, barbado, com
as suics por bailo do qunixo, magro, falo
muito moneo, baixo, o an la calcado : quem
0 aprehender, ou souber onde ello esli, e
com o aviso possa vir a inao, se dar umo
|^i boa grolilicaclo, procuran.lo-se para este
liin ao seu genro Jos Cornudo de Borros,
no sen escriotorio: ra da Cruz n. 66, ou na
ruad'Aurora ultima casa desta mesma rui.
Desappareceu do lugar de Caiiri, vin-
do para esla praca o molatinbo EslevSn,
cor clara, do idade de 16 a 17 innos, cbe-
los corridos, que cahiam as extremidades
estando grandes, com urna cicatriz da ferid
cm urna das pernas ; pertencente ao alfares
Jos Antonio da Costa, residente no enge-
nho Junco, comarca de Nazireth; quem o
aprehender entregue-o ao mesmo Sr. quo
sera grolilicadocum 20,000 rs. sendo captu-
rado em pouca distancia, e se looge.genero-
samente.
-- Desappareceu 00 dia 17 do corrente
urna prela de nume Filicldade ; estatura re-
gular, magra, lem falla de denles nfrente,
urnas marcas de panno no rosto, eflr mo
muilo preta, vestido de chita brinco desbo-
lado, panno da costa nul, um laboleiro quo
iiodnv.i vendendo, costuma guardar o labo-
leiro e mudar a roupa, e andar pelaPasss-
gem e pelo engenho S. Cosmo onde tem a
mili o mesmo por lora : roga-se as autori-
lades peliciaes e capil0es de campo que ap-
, rehenil 1 ni e levnii na ra da Cruz n. 35 que
senlo generosamente recompensados, issun
como se protesta contra quem a tiver occul-
(a e rn iia ni-v os das deservido.
Desappareceu no dia 17 do corrente da
1 ovo ic.i.i do tlonteiro da casa de Luiz Anto-
nio da Cunli 1, urna preta escrava de noma
looquina, levando vestido verde e panno da
costa azul com lislras brancas, e tem por
signal em urna das mos um lobinho em um
dado polegar : rogs-se porlanto as autorida-
des policiaes ou cspiles de campo que del-
la livcrein noticia do o participar na ra do
Crespo n. 4, onde mora a senhora da dita
escrova que gratificara.
-- Dosapparecou no da 9 do fevereiro
prximo lindo, a prcla l.uiza de nacao rebo-
lo ; boixo do corpu, magro, moco e esperta,
venda arroz de manh.la, e de tarae dooe do
calda em tabolairo, levou veatido j desbo-
tado e panno de llslm, lalvez diga que an-
da procurando quem a compre por ter pedi-
do para ser vendida, desconlia-se que foi se-
duzida o esteja acoitada, pois nao tinha o
vicio de fugir, e se proceder com o rigor
ia lei contra o seductor,ou quem acoita-la:
quom a aprehendero cunduzir a ra da Sen-
z.Ha Nova n. 4, sar com generosidade re-
compensado.
-- Na noilode!2 para 13 sanio deste en-
genhu 1. nampes um crioulo de uome lun,
e mi os signaes seguinles: baixo, grossp.
bem preto, os ps grandes, chalos,desden-
lado na frente, e tem a falla um lano des-
convida ; rogo a tolas as autoridade, ca-
utUes do campo, o mais pessoas do povo,
que no caso de qui o encontr, o prendo e
fagom cunduzir a este engenbo Gararapcs
a seuSr.
Desappareceu no dia 21 do corrente de
bordo do palocho brasileiro Alegra, o prelo
de uome Francisco ; hecosinlieiro, estatura
baixo, magro, tem signaes as costas-ds
castigo, ps combados, pouca barba ; levou
camisa e caifa azul, chopeo de palha cons-
to que osla acoutadoem urna pasa no becco
a-go : quem o pegor pode leya-lo a casa de
\o ai-s & Companhia na ruado Trapiche 11.
31, que s.-ra recompensado.
Desappareceu no dia 24 do mez passa-
do, urna escravo de nume Auno, altura ie-
gular, cabellos aparados, olhos gran les ,
denles limados e sem fallo de algum, hom-
bros dcscidos, 1 dos cahidos, costas car-
nudas e com uma queimadura no meio; le-
vou vestido de chita rOxa clin, pauno da
costa usado com listas azues e encarnadas,
brinco de ouro Trance?, e tem alm dos mois
signaes as oreltias pequenrs c algum lano
rasgadas; levou uma bandeiji grande nova,
e uma lualha de meso, cum as letras 1.1. G ;
suppoe-so terfugiJo pan omito, dunde,
lia 4 mezes de la veio, tendo sido sera va
de Jeronymo Teixein Cuelho, eserivo do
subdelegado do disli icio de lugizeira: quem
a apprelien ler, leve-a a ra uo Queimado a.
15, quo ser recompensado.
- No dia 21 do corrente, desappareceu do
lugar da Cruz de Almas, um moleque de 17
a 18 anuos, reforcaio do corpo, o qual le-
vou um quarlo russo, que tem urna marca
nu i]ii..i 11 direito, de um taino, que a lem-
pos lovuu : quem o pegar, leve-o ao referi-
do lugar da Cruz de Almas, cos de bilhar ,
que serl recompensado ; eale moleque este-
va no engenho Palmeira, e foi vendido pela
senhora Viuva Ruma, ao proprietario do di-
to bolequim.
1I1 1T1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E20QY4E75_83PLG8 INGEST_TIME 2013-04-12T21:36:21Z PACKAGE AA00011611_04474
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES