Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04470


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXVllI
DIARIO
tv-v
Segunda feira 22
mrqjo ba sVBomrgAO,
PtSSNINTO ADIiNtAIio.
fdt trimestre........... .
Per emettra -,..........
Por anno...............
. PiOO DltlTXO DO TalNr.STSI.
Por qiirtel.............
hoticiai so lHrimo.
Par..... nlrMimi Minai... IS de
Maranhao 8de dito S.Paulo, i- de
Cear... 13 de dito. |R. deJ.. de
Parahiba. 18 le Mareo Haba... 4 de
4/000
8/000
lfl/UOO
4/W
Ferr.
lito
illlo
Mar(o
das ba iiaiai,
22 Seg. S. Emidlo b. ni,
1. Calecina.
23 Terf.S. Velorlino.
24 Quart. S Latino.
16 iliiini ;-* Annun-
riacSo aS Vlrgein.
26 Beit S. I.udgero.
27 Sab. S. Roberto.
28 l)om. 5 da Quares-
nin S. I'n-csi.
AUDIENCIAS.
Jaita di OrpMo
i. e5.il l0 horai.
I. tara do eiW.
3. cti, ao meio-dit.
Pitstnda.
3. e 6. i 10 hora 1.
2 rara do civil.
4. e sbados ao meio-d.
Hilario.
Tercas e sabidos.
riiMHIDri.
Cresceate i 28, (1 S horas e 31 minutes
Chela a 6 as 3 boras e 11 minutos da m
Mingoante* 12, as bora e il minuto*
Nova i20, as 4 boraa e 1* minutos da m.
raiuuBBi bojb
Prlmira lis 6 horase 6 minutos da manhfl
SVgunda Bis Inras c.1. minutos da'tarde.
de Marco de 1852.
N.'G6.
AaTIDA BOl OOBBEIOI,
Golanna e Parahlba, is segundas e lexUa-
feiraa.
Rio-Orande-do-Norte, todas ai qulatas-felras
ao mflo da,
Garanhuns e Bonito, 8 e28.
Boa-Vista, e Florea, i 13 e 28.
Victoria, a qulntaa-felraa.
Ollnda, todos os dial.
aTOTICIAl ITBlNMIBil.
Portugal, iide Ferr
ilespanha. o de dito
Franca ... 7 de dito
Blgica... 4 de dito
Italia...; 4 dedjto
Alemanba. 3de dito
Prnssia ... 3 de dito
Dlnamsrca3t deJanr
Ruasia... 29 de dito
Turqua.. a4 de dito
Austria.. de Fevr,
Suissa. > I dedito.
Suecia... 30deJanr
Inglaterra 10 de Fer.
E.-nidoi 28 de Janr
Meilco... 29 de dito
California 2 de dito
Chill. 24 de dito
Rueos-A. l> de Ferr,
Monterideo 16 de dito
CAMBIOS BE 18 DSMABCO.
Sobre Londres, a 27 a 60 d.
a Paris,
Lisboa, 90 por canto.
SCXTAE*.
Ouro.Oneas heipanholas...;::::""',
alcelas de 6/400 reina.....8.... 16/000
. de CMO0 oras......... 16<0IIO
de 4/000................ 8/100
Prata.Patac8eibraiiIelros........... 1/J0O
Pesos columoarloi............ 1/zo
Ditos mexicanos.............. 1/800
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA GUERRA.
Vartieipacoes officiaes da batalha de llorn em
i de Fevereiro de 1852.
Illm. e Exm. Sr.. Tenlo-se encontrado
as 6 horaa e meia do dia 3 do crrante as
Torcas do exercilo alliado rom as do exerci-
to inimigo nos campos de Morn, leve lugar
batalha desse ds, qne consta da parlo in-
clusa do commandante da priineira divisflo
do oxercito que commando. Cumpre-me
pois enmmuiiicar a V. Ex, para que baja
de leral-p presen? de S M. o Impera-
dor, que a dita primeira divisflo, formando
parte do exercito alliado que marchou sobre
Buenos-Ayres, fez prodigios de valor. O
brigadeiro Manoel Marques de Souz, com-
mandante dola,mo-lrot nodiadess memo-
rovel batalha muilo tino e valor dirigindo o
combate do centro da linha* inimiga, s:m
duvida o ponto mais forte delle, prevenin
do tutumo o ataque quaodo vio que a occa-
sio era opportutia. Nossos batalhes ma-
nobraran! como se estivessem em parada, e
isso alterrou considoravelmenle o inimigo,
Eu recomend a S. M. o Imperador este
ofDcial-general, que faz honra ao exercito
brazileiro. .Na inclusa referida parto ,que
me elle dirigi se relatara todos os porme-
nores da aecho, ea ella me retiro etn ludo.
Ao proprio general Urquiza ouvi fazar-lhe
os mejores elogios ; e tal foi a *confianca
que elle Ihe soub inspirar, que aquella ge-
neral llie confiou o commando do centro
doseu exercito ; e, addcionamlo divisflo
brszileira que commandava mais tres bala-
Ihe.s do Argentinos e urna forte batera le
arlilharia, o encerregou detonar o ponto
sem duvida mais forte da linda inimiga.
Usando da aulorisscSo 'qua V. Ex em
nomedeS. M o Imperador, me concedeu,
promov a alguns subalternos que so distin-
guirn], como V. Ex. ver da relarjo inclu-
sa ; e raga a V. Ex. baja de obter do mes-
mo augusto senhor sua approvar3o.
Pelo capullo Ernesto Antonio I.as-anee
Cunta envi a V. Ex. urna bandeira loma-
da ao inimigo no campo de batslha por um
soldado do segundo regiment de cavallaria
ligeira, ao qual mindei dar 200,000 rs. de
gratificarlo e 3 mezes de licenca com suido
paragozal-a na provincia do Rio Grande do
Sul. donde he natural.
Permita V. Ex. que, alm da recomendar
todos os ufficiaes que conmandaram corpos
no dia da mencionada balalha, lar;a expecial
meneflo do coronel do oilavo balalho de
infantaria Francisco Flix ds Fonseca Pe-
rn Pinto, commandantn da primeira bri-
gada, do lente coronel commanlanlo in-
terino do *egundo regiment de cavallaria
ligeira Manoel Luiz Oz ronel graduado Francisco Viclor de Mello a
Albuquerque, commandante interino do ba-
I minio dcimo prjmeiro de infautaiis, e do
major Joaquim JosGoncalvesFonlcs,com-
mandante interino do corpo de aililharia a
cavallo, por lerem sido, dos oDiciaes supe-
riores, os que se tornaram mais nolavcis,
nflo obstante lerem todos os mais cumprido
o seu llover.
' Dos guarde a V. Ex. Qunrtel general do
commando em chafe do exercito brazileiro
na colonia do Sacramente, u de fevereiro
de 1852 Illm. e Exm. Sr. conselheiro Dr.
Manoel Feiizardn do Souza-e Mello, ministro
e secretario de estado dos negocios da guer-
ra. Conde de Caxias.
Relaq/io dos officiaes da armada nacional e
imp'rinl e guardas-marinhas promovidoi
por decreto desla dala.
A VICK-aLMIRAUTK.
O che/e de esguadra.
Joflo Piscoe Grenfell.
A chefes de devisdo.
Os opimos de mar e guerra
Cuilherme Parker.
Joaquim Marques Lisboi.
Joaquim Jos Ignacio.
A capilaei de mar e guerra.
Os cipitfles de fragata :
Francisco Vieira Leilflo.
Joflo llenrique de Carvalho o Mclllo
Augusto Levera-or.
Diogo Ignacio Tavares.
Francisco Manoel Barroso.
Jesuiuo Lsmego Costa.
Poro coronel commadanle do segundo regi*
lo de cavallaria ligeira :
O tenente-coronel do mesmo regimei
Manoel Luiz Osorio, por merecimento
da urna vez comprovado no campo da bi
Iha.
Pora leuente coronel commandante doa
de cavallaria di Malto-Crosso
Omaiurdo primeiro regiment de ca1
Iharia ligeira, Bento JosLeilede Farla,'
antiguidade.
Poro lenente-cpronel do legando relmenlo
'vallarla ligeira :
O major do terceiro rigimento da 'araI
rierltajefra, Joflo !to4r1ues Feo de Carva-
lho, poranliaujidade.
A capiliet de fragata.
Os capitGes-tenenfls;
Joaquim Jos de Oliveira, por antiguidade.
Joaquim Alvcs de Castilho, idem.
Rsphael Mcndes drs Muraos e Vallo, idem.
JnSo Nepomnceno de Menezes, idem.
<>uiIhei ino Carlos Lasiance e Cunlia, idem.
Antonio Francisco Pereira, idem.
Antonio Jos Francisco da Paixfle, idem es-
tove no combale de Tonelero.
Joaquim Raymundo de I.amaro, por escolha
por ter estado no combate de Tonelero,
Fernando Vieira da Rocha, por ter estado
no combate de Tonelero.
A capit3cs-'l'enenlts
Os primeiros-Tonentes:
itmo
' CapitSr. de trgala Antonio Jos Francisoo
| da Paixto.-
Dito Joaquim Raymundo de l.atnare.
CapitSo-tenente Fernando Vieira da Rocba.
Coronel Martinho Baptista Fdrrelra Tama-
I rindo.
Bito Luiz Jos Ferreira.
, Tenente-coronel Antonio Jacinlho da Costa
' Freir,
Dito Francisco Vctor de Mello e Albuquer-
I que.
Dito Joiquim Jos Goncalves Fontes.
Cavalleiroi.
atji-ir oo Dsnll Dmaso dos Reis.
CapitSo graduado llenrique Jos Morajrs
Dito Jos Crispiniano Contreiras e .Silva.
rakio Argentina, o abalxoaasignado foi noinea-l principios: D. Joo Manoel Rosas he mrra-
do governador provisorio da provincia de Pue-i mente um devedor publico o brigado reiti-
nos-Ajres, ataque reunido o corpo legislativo! tu icio e indeninisacio de prejulios.
se floja o cidadao que deve continuar a presl-' Nao entra srgursinente, nos principios do
di-la, enmo V. Kc. ver pelos actos impremos, govrrno adoptar a barbara e antisocial con-
olitica, introducida no paiz por
linmein; porein entra, a deve entrar,
successo que terminou a douiioa;o do tyraono | taxer reinlregar a naci em quanto fr possi-
Joao Manoel Rosas, devo felicitar aV.Ei.es
t | | O, iUIIIU ajfc. V I. i" |'>. >!* Mfc W llill'I .,-1 ii J 1 B^VVtlIlU .1 in
que tenho a honra deremelter-lhe. li.carao po
Levando aoconheclmento de V. Esc. o fausto \ ai|uellc hom
Paro lenenteWoronel do terceiro regiment de Dito Manoel Ignacio da Silva.
CapitSo da guarda nacional Jos de Oliveira
Bueno.
Alferes Manool Antonio Soares di Gama.
Primelro-tenente Francisco Cordetro Torres
e Alvim.
Ordemde Chritto.
Cavalleiros.
cavallaria ligeira i
O major do mesmo regiment, Candido
Jos Sanchos da Silva Brandfio, por anti-
guidade.
Poro majar do guari regiment de cavallaria
ligeira :
O major graduado do tereeiro regiment
de cavallaria ligeira, Jos Viclor de Oliveira Guards marinha Antonio da Silva Cavalcin-
Pinlo, por antiguidade. j ti de Albuquerque.
Para major do primeiro regiment de ruvalla- Dito Joflo Evangelista uordeiro de Araujo
rio Ugtira : Lima.
O major graduado commandante da com- Dito Cayo Pinheiro de Vasconcellos.
panh'afixa de cavallaria de Pernimbuco. Dito Joflo Gomes de Firia Jnior.
Sebasliflo Lopes Guimarfies. por antigui- Dito Antonio Joaquim Moreira Marques.
dalo. Dito Fortunato Fusler Vidal.
l'.irn major do segundo regiment de cavallaria DilO Thamiz Pedro do Bitancourt Cotrim.
ligeira: Dito Carlos Braconot.
O capltaodo quario regiment de cavallaria Dllo Francisco de Paula Fragoso.
I^IWIKS S antiguidade. Eg2^+2gSS&~ "'?*? i"0" ^^"^ C^
Jos Antonio de Lima, dem. no da bat.iba. .9'"}' Ll ,. ....,.-..,.
Joflo Gomes de Aguiar, idem. Paro major do tercem, regiment de cavallaria Dito Manoel Martins de Araujo Castro.
Jos Manoel I'icanso da Costa, idem. ligeira. Aspirante a guarda marinha Larlus Augus-
Manoel Joaquim Correia dos Sanios, idem. O capito do mesmo regiment, Joio Daniel to de Cerqueira Lima.
Manoel Luis l'ereira da Cunta, idem. .Dmaso dos Reis, por merecimento-ainda uina Commissario extranumerario Jos Joaquim
vei comprovado no campo da batalha. Ferreira de Magalhfles.
Infantaria. Dito Msrcolino deSouza e Mello.
n i .* i cor .: j m. n..... Dito Antonio Jo Cesarino.
O coronel graduado commandante do nono ..,,. B_______,_,__ ..-.
bat.lbo de infanta.ia, Jos F.rreira de Aieve- tto Francisco Antonio Braga,
do, por antiguidade. Lscnvil extranumerario Justino ds ROSS
Vara coronel commandante do quinto batalhao de Soares.
infantaria:
O lene ule-coronel corousandante do mel ba-
talhao do Piauhy, Antonio Jote de Carvalho,
toda a provincia do seu mando por um aconte
cimento que sera de eterna memoria, e que fl-
aar a poca da paz na repblica, da fraternl-
dade entre os povos, da sua organiaac e cons-
tlluicao nacional, conforme a pacto federal, por
cniu trlompho combaleram os potos da rrpui li
ca.
Dos guarde a V. Ex. mullos annoa. Tcente
Lope?..
Viva a Confederac&o Argentina.
Buenos-Ayres, 14 de fevereiro de 1853.
Ao Sr. ministro secretarlo de guerra e mari-
nha, D. Manoel Escalada.
Acabo de rrceber o ohlcio de honlem rm que
Vel do que Ihe foi roubado. Esta determina-
cao concorde com na principios geraet, que
responsabelisam a todo o individuo que ma-
neja fundos pblicos; he tanto mais Justa e
urgente, quanto malor he o legado de trope-
{.os Oseaos, dividas, chns e conlusio, que
delta ao pas a adininistraco dictatorial. Des-
gracjdamenle as propriedades dcste devedor,
bem que em grande numero e valioaas, so
podein satisfaser urna mnima parte desla Im-
mensa divida; apesar porein de pouco satis-
fazerem, forcoso beque nellas se cumpra esta
exigencia suprema da justica publica.
Portanto, o governo lein resolvido e decreta:
Art. I. Todas as propriedades de qualquer
oSr. ministro da guerra e marinha me commu- (genero perlencentes a D. Joao Manoel Rotas,
nica era termos homosos, e que slnseramentele existentes no territorio ds piovlncia, sao de
efo, o acto em que oSr. governador pro- propriedade publica.
Aiioiuo Xavier de Noronha TorrezSo idem.
Jos de Mello Christa d'Uuro, idem.
Antonio Lopes doMesquita, i lom eslevo no
combate do Tonelero.
Jos Segundino de Gomensoro, por antigui-
dade.
Pedro Mara Coelho de Abreu, idem.
Ernesto Augusto do Reis, idem.
Victorino J i-e Barbosa da Lomba, por es
Dito Jos di Silva GuimarSes.
Dito Antonio Jos dos Santos.
Dito Jos Faustino da Gama.
colha por ter estado no combale de Tone- P""''J"1/"S*t*. rf, ,,*/.,, DUo CaBlil10 Prlmo dM Chagas.
i-. .Para coronel commandante do p:,me,rooatallu o Dito Antonio Jos Meirelles Lisboa. .
Escrivflo inteiiiui Quintino Tliomaz
bos
RELACA'O.
Dos ofllciaes e cadetes fazendo servigo de of-
iciaes que, segundo as parles dadas pelos
enmmandantes das brigadas e corpos, se
distinguirn! na batalha de 3 do cnente
e om viitude da a'.itorisacflo que tem u
general em chefe furam promovidos, co-
mo abaixo se declara.
Arma de cavallaria
Para capilSo, o tenente do segundo regi-
ment de cavallaiia ligeira, servindo de a-
judante, Pedro Luiz Ozorio.
Para lenles, os alferes do segundo regi-
ment de cavallaria ligeira Luiz Joaquim de
Si linio, e Hippolilo Antonio Ribeiro, e o
atieres do quarlo regiment da mesma ar-
ma, afudanle d'urdens de possoa do briga-
delro commandante da piimeira divisflo,
Jos Belzeb de Oliveira Nery.
Para altores, cadete dos -gundoregimen-
to de cavallaria ligeira, fazendo servir; do
oflio al Jos Tliomaz Vieira da Cunda,
Dito dito, Felishioo Antonio Mendes.
Dito dito, Sebastian) Xavier de Azambuja
Jnior.
Dito dito, Angelino de Cirvalho.
Dito dito, Francisco Rodrigues de Lima.
Dito dito, Mtnoel Jacinlho Pereira.
Dito dito, servindo de secretario, Diogo
A Ivs Ferraz.
E os segundos cadetes do mesmo regi-
tnenlo Miguel Beniciodos Anjos e Telicia-
noTuiibio Along.
Arma de infantaria.
Para tenente, o alferes ajudanle do pri-
meiro batalhflo da mesma arma Antonio
Rodrigues do Nsscimento.
Para alferes, o particular sargento aju-
danle do oilavo batalhflo da mesma arma
Manoel Caejano Muniz brrelo, o primeiro
cadeteto segundo sargento do mesmo bata-
lhrOo, fazendo servico de odela!, Antonio
Rodrigues Ribas, o segundo cadete segundo
sargento do mesmo Batalhflo Domingos Au-
gusto Goncilies, o particular segundo sar-
gento mesmo batalhflo Joaquim Mendes Ou-
nque Jacques, o sargento-ajudante do sexto
batalhflo Antonio Rodrigues da Silva, o sar-
gento quarlel mostr do mesmo batalhflo
Joflo Mara Xavier de Brito,
Quartel-general do commando em chefe
do exercilo na colonia do Sacramento 13 de
fevereiro de 1852. Conde de Caxlas.
lero.
Joflo Carlos Tavares, idem.
Pedro Anloniu Luiz Ferreira, idem.
Joaquim Lucciu de Araujo Jnior, idem.
A primeiros Tenente.
Os segundos tenentes:
Satyro Gomes Cruz,oor antiguidade.
Ricardo da Silva Neves, idem.
Theotonio Meirelles da Silva, idem.
Pedro l.oita i da Cunha, idem.
Carlos Augusto Victoria, idem.
Antonio Joaquim Ferreira Ramos, idem.
Giacomo Haya Gabaglla. tem.
Cvndido Custodio de Lomos, idem.
llenrique Antonio Baptista, dem.
Clemenlmo Placido de Miranda Machado,
idem.
Jeronymo Pereira de Lima Campos, idem.
Antonio Marianno de Azov lo, idem.
Jos Carneiro de Amorim Bzerra, idem.
Luiz Maria Piquel, dora. Esteva no com-
bate de Tonelero.
Manoel Luiz da Silva Souto por antiguidade
Eneas Justo do Barros Torreflo, por escolha
por ter estado no combate de Tonelero.
Mamede Simesda Silva, idem.
Basilio Antonio de Siquoira Barbe lo, i lom.
Antonio Manoel Fernandos, idem.
Jos Lopes deS, idom.
A segundos tenentes.
.-oni a rhusula porm de nflo gnzarem des-
te posto emquanto n3o satislizerem aos
exames exigidos pelo decreto n. 881 de 10
de dezembro do armo prximo preterilo.)
Os guardas marinhas :
Thomiz Pedro de Bitancourt Cotrim,por ter
estado no combate de Tonelero.
Francisco de Paula Fragoso, idem.
Jos Manoel de Araujo Cavalcanti de Albu-
querque l.ins, idem.
Carlos Braconnot, idem.
Antonio da Silveira Cavalcanti de Albuquer-
que, idem.
Palacio do Rio de Janoiro, em de mar-
co de 1852. Manoel Vieira Tosa.
Bar-
de infantaria!
O tenente-coronel commandante do declmo-
terceiro batalhao de Infantaria,'Martinho Hap-
tlata Ferreira Tamarindo, por merecimento Piloto Dmaso Pinto Araujo Correa,
anda urna vez comprovado no campo da ba- Capillo Augusto FreJerico Pacheco,
talba. i Dito Cuilherme Leopoldo de Freitas.
Para corone/: Dito Mauricio de Souza Freir.
O tenente-coronel commandante do tetto Dito Jos Antonio de Oliveira Botelho.
bat.lbo de infantaria, Lula Jos [emfrtupor A(erM Leandro Correa do Lago.
cn.:nrp.,da"n'.0..,!hn.,1, """ C0^"'"0 DitoAolonio C.rdoso da Cst?,
Para /enenie-eoroiu/ conmandante do eorpo da Dito Jos Mana de l.arvalho.
guarnieo fixade Minas Ijeraet: Dito Antonio Carlos Pereira de Mello.
O tenente-coronel graduado do mesmo cor- Segundo cirurgiflo Alextndro de Araujo Ri
po, Jos Pinto da Silva, por antiguidade. I beiro.
Para tenente-coronel commandante do corpo de Dito Pedro Tito Regis. .
auarm-fao'/xarfeGoiax: Dito Jonathas Abbot.
.^^SiM Pedro'^r,^ ' por antiguidade. Ordem da Hosa.
Vara tenente-coronel eommaadanle do terceiro ba-' Gran-Cruz ellectivo.
lalhao- de injaniaria: Vice-almirante Joflo Pascoe Grenfell.
O tenente-coronel graduado do primeiro ba- Dignatario,
taiiian de infantaria, Ernetto Emiliano de Me- Chefe de divisflo Guilneime Parker,
deiros, por antiguidade. | Officiaes.
Para tenente-coronel commandante do eorpo de C8pitB0.tenenle Viclorio Jos Barbosa
guamicao fixa de San Vauto : (jimba
O tenente-coronel graduado commandante _ul"'"' ,,. _,
do corpo de guarnicao lita de Goyas, Pacifico Tenente-coronel JoSo Cuilherme Bruce.
Antonio Xavier de Marros, por antiguidade. I Dito Manoel Lopes Pecegueiro.
Pora tenente-coronel commandante do iecimn- .Major Antonio Vaz do Alincnli.
primeiro batalhao de infantaria: | Dilo Manoel da Gama Lobo d'Eca.
O tenente-coronel graduado do decimo-se- Tenenle-corunel da
gundo batalhao de infantaria, Manoel Itolera-
berg de .Mnenla, por antiguidade.
Vara tenente-coronel commandante do batalhao' de
cacadores do Hato Grosso'.
O lenle 'coronel graduado do teito bata-
lhflo de infantaria, Antonio Jacinlho da Coila
agrad ,
visorio da provincia me honra confiando-me o
cargo de aecretario de estado da repartida do
lulerior. Acriio-o, Sr. ministro, e cainprirei a-
manhaa a ordem de S. Ex.
Nao posso promeller aptidflo e acert; farel
o que pudor, porm fd-lo-hei com sinceridade
e reaoluco.
Seja-me permetlldo acrecentar que aceito es-
te dlfflcil cargo pela intima consclencia que te-
nho dos nebros sentlmcntos e designios do ho-
roem veneravel a quein o esclarecido vencedor
de Morn leve o acerlo de collocar hoje afren-
te dos negocios pblicos.
Aceilo-o, porque nao duvldo da homogenei-
dade de vistas e principios que ba de presidir
aejao dosoutros Srs. ministros.
Aceilo-o, porque, voliando a pisar o querido
solo aonde Uve o berco, compeneIrei-me do
desojo de ajudar o governo na marcha para o
bem, que hoje domina soberanamente ein to-
das as classes, em todos os homens uteis, em lo-
da essamucidade patriota, inteligente crden-
te que, com inui poucas excep des, a lyianuia
nao conseguio perverta.
Aceilc-o, porque, ao vollar minha palria dl-
laeerada e abatida, cabel de penetrar-me da
necesiidade que lodos temos de empregar to-
dus os sacrificios para proc-irar levntala do
abysino em que Joao Manoel Rosas a tinba
sepultado; para procurar comer o primeiro
Ari. l.o Emquanto nao se adoptar uina me-
dida gcral sobre todas as propriedades ruraes,
licam estas sob a vigilandia dos respectivos jui-
sei de pax, os quaes procederio nnmeaco
de um visinho de probidade e inielilgencia,
para administrador de cada urna dellas: dan-
do parle ao governo das nomeaedes que lizo-
rem.
Art. 3.' Ot adminislradore so recebera por
conla e inventario, que devorad appresemar-
Ihat os actuaes administradores, a quem os
liosos de pat IransmilUrr) para tal cuello, a
competente ordem. ierain instruidos pelos
juises de pax do presrnle decreto. Formarao
um invcnlario completo de todoa oa bens e
existencias dos estabelecimenlos, e delle re-
inetterflo copia ao governo. Limftar-se-am
por emquanlo tuas funccdei a guarda-Ios,
conserva-Ios e adianlalos. Podero faser,
com setenla dos juizes de pax, as vendas que
forem indlspensaveis para acudir aos gastos
ordinarios dos estabelecimenlos, (aneando lu-
do na respectiva conla, e fasendo-a subir i
I rcsenei do governo mentalmente, juntamen-
te com urna informarlo aobre o estado dos es-
tabelecimenlos.
Art. 4. Todo o habitante da provincia, que
conservar em invernadas, ou de outra qual-
quer inaneira gados perlencentes a D. Joflo
iVIonoel Rosas, tica obrigado, debaizo das pe-
e arrancar pela rail lucrativamente, os profun-j as legaes, oontia os occuliadores e recepta-
1 ... s- i __n .i____..- c.-._- ___b. ..___ir-... i., i.
rjl
dos e variados germens de iinmoralidade em
que se baseava o seu aystema ; i.ara procurar
soiliier a corrupcao que se iufiltrou lao pro-
fundamente em quaii todoa os ramos da admi-
nislra(ao publica; para procurar por lermo
deiordem.ao vicio, roubosedilapidares de que
foi victima a nossa triste patria, por taolo lem-
po explorad por um lyramio abominavel, e por
uina duxia de malvados aem coiaco e sein cons-
cieocia,
Aceito-o, ciniini, porque confio cegainrntc
uessa providencia divina que dispox as cousas
de inaneira que hoje podemos emitir ein Hue-
nos-Ayres esies votos, e trabalhar para reali-
sa-lo.
Com lies vlitai e sentimentus aceito esse pe-
noso cargo. Descjo que sejao levados ao co-
nhecimenio de S. x., juntamenlo com a ex-
pressao da minha gratidflo pela confianca que
se digna depositar em inlin ; servindo-se o Sr.
ministro aceitar o da minha considerado c res-
pello.
Dos guarde a V. S. inultos annos.Valentn
Alema.
Vivnaconf'edcracao' Argentina.
buenos-Ayres II d fevereiro de 1852.
O governador previsorio da provincia ;
Considerando :
Primeiro.Que he urna exigencia imperiosa
da rasao e dajuiti(a nio detxarsein caic'go os
criminosos que depois de lerem assignado a
convencode7de oulubrodoannoproxiino pas-
torea de furtos e roubos, a manifesta-los nn-
mediatamenle i autoridade local, a qual o
participar ao governo para resolver o que
convier.
Art. 5 O presente decreto, que ser com-
munlcado a quem compete, se publicar e Ins-
crever no registro nacional, ser submeti-
do ao exame e anprovacao da prxima legisla-
tura, LPEZ.
laleniiii Aliina.
Viva a Confcdcraco Arjnlina!
Deparlamento do governo.
Buenos-Ayres, l7de fevereiro de 1852:
Devendo o heroico exercilo libertador, c
seu illustre chefe verificar a m do correte sua
eutrada nesta capital, aliin de solemnisar, co-
mo por ora he possivel, lo fausto aconieci-
nento, o goveroo, sein prejuixo das demons-
tracoes, que os cidados lein preparado es-
ponlaneamente, tem reaolvido e decreta:
Arl. l.sOs olficiaei do estado uiaior do exer-
cilo da capital se anticlpard a receber ein
distancia cumpeteute e acompanbar al o lu-
gar oceupado pelo governo ao Esin. Sr. gene-
ral em chefe, danuo-se urna salva ao ebegar
este s primeiras ras.
Art. 2,s A ebegada do Exm. Sr. general em
chefe prafa da Victoria, lera lugar oulra
salva e um repique geral de tinot, durante
meia hora.
Art.l.o A Exm' cmara de justija e Juizes
de primeira instancia, os Iribuoaes do comer-
dido Jos de Figue
Cavalleiros.
'sado no Estado Oriental do Uruguay, fallando ci e medicina, e Illm. hispo de Aulonecle-
" os chefes das repartieres, concorieram at
ras ao palacio do governo para acompa-
lo ao lugar aonde deve receber o Exm.
egudo.="6ue'foramellfa causa mu prinrl- Sr. general em chele. O corpo diploinalicoe
D > ... .......... 1^ -a.4....... 1. ..I. -..l.tl. a a.ln
___... .-';..i r.n rcligiin do juramento, se apresentaram lias fi-1 ro, os c
guarda nacional Can- ltirasBdo 'aod,.goldor, SC|Vagkn unitario hora,
llf*. J0Jo Wanoel llosas ; nha-lo
MINISTERIO DA MARINHA.
Ilei por bem promover no corpo da arma-
da nacional e imperial os officiaes o guar-
das marinhas constantes da relaQflo que
rom esteTiaix, assignada por Manoel Viei-
ra-Toila, do meu consclhu. ministro e so-
cietario de estado dos negocios da mari-
nha. O consclho supremo militar O tenlia
assim entendido e faca executar com os
despachos neceisarios. Palacio do Kio de
Janeiro em i de marco de 1842, trigsimo
da Independencia e do imperio. Com a
rubrica de S. M. o impersdor. Manoel
Vieira Toeta.
MINISTERIO DA GUERRA.
Relaco dos officiaes promovidos por decreto
desla data.
ESTAOO-MAIOft OENEaAL.
Vara tenentes-generaes :
) mnrechaes de campo:
Antera Jos Ferreira de Brito.
t'oiihe de Caxias.
Bento Manoel Ribeiro.
Manoel da Fonseca Lima e Silva.
Para marechaes de campo:
Os mnrechaes da campo graduados :
Antonio Correia Seara.
Jos Joaquim Coelho.
Jos Mana da Silva Bitancourt.
O brigadeiro Manoel Marques de Souza.
Para brigadeirot.
O hrigadeiro graduado commandante do
batalhflo do deposito da corte, Jos Leile
Pacheco.
O coronel commandante do primeiro bi-
ta I i no de infantaris, Visconde de cama-
mu'.
O coronel comniaiiJanlo ilo oilavo bata-
lhflo de infantaria, Francisco Flix da Fon-
seca Pereira Pinto.
O coronel commandante do quinto bata-
lhflo de infantaria Feliciano Antonio Fal-1
eflo.
Corpo de engenheiros.
Para majores :
O major graduado do mesmo corpo, Joflo
Vito Vioira da Silva, por antiguidade.
O capitflo do mesmo corpo, Ernesto An-
tonio Lassance Cunha, por merecimento a-
inda urna vez comprovado no campo da bl-
laliia.
Aililharia.
Para major do primeiro regiment de ar-
tilhana a cavallo :
6 major graduado do mesmo regiment,
JoSo Baplisla de Alencastro, por antigui-
dade.
Paro majar do primeiro batalhao' de arinca-
ra a p:
O major graduado do primeiro regiment
de aililharia a cavallo. Manoel da Gama
Lodo d'Eca, por antiguidede.
Cavallaria.,
Para coronel commandante do terceiro re-
giment de oavalharia ligeira :
O coronel graduado do mesmo regimen-
t, Francisco de Paula Macado Rangel, por
antiguidade.
Dito Joaquim Cuilherme de Mello Carrflo.
Freir, por merecimento anda uina vez com- Dito Antonio Claudio Soylo Jnior i
provado no campo da batalha. Segundo-tenenle Antonio Benedicto Oro-
Vara tenente-coronel commandante do stimo ba- sirnlio Xavier de Azevo 1
lalhao de infantaria: Dito Orosimbo Alves Branco Muniz Brrelo.
O tenente-coronel graduado do mesmo bala- Dit0 Podro Ferreira de Oliveira Jnior.
taiha r Dito Antonio Correa de Brito.
Para 'tenente-coranel commandante do decimo-ier- Dilo Francisco Jos Coa I ho Netto.
cetro batalhao de infantaria i
O tenente-coronel graduada du mesmo ba
Ibao, Francisco Viclor de Mello e Albuque
que, por inerecimenlo ainda uina vex compro- Djlo Constantino do Aroaral Tavares.
vado no campo da batalha. ..,.,. k. Dilo Francisco Antonio Salom Peraira.
Para 'enente-coronet g* ^ oUavo ba- f^Q
O major do quarlo batalhao de Infamarla, I Dito Manoel Antonio Viegas.
Joaquim Jos Gonfalves Fontes, por mereci-
Primeiro-teoente Francisco Manoel da Sil- pal dosangueinnocenle derramado na glorila
Va Guimarfies. 'jornada de 3 do corrale, que seilou os deslinos
da repblica como completo exterminio da dic-
tadura ;
Terceiro.Que nao sflo menos criminosos a-
quclles individuos que sublevando-se na
provincia de S. F assassinaram cobarde e
ni la memo uto o seu chefe o coronel D. Podro A-
quino c alguns oulros ornciaes e tropa ;
Quarlo,Que esles principios se acham em
confurmidade com os manifestados na procla-
maban receiitcmcutc dirigida aopovodeRue-
consular, ser convidado a asslstira eale acto.
Art. 4.* Concluida esta ceremonia, o Exm.
Sr. general em chele, ser acompanbado em
seu regresso at .onde elle o detei minar, pelos
luesmos olticiaes do estado-maior, e saudado
com outra salva ao deixar as ultimas ruai da
cidade.
Arl. 5. O diada entrada do exercito liber-
tador e os dous seguioles, terain reputados
civilmente feriados, e a cidade ser emban-
derada e Iluminada.
Arl. 6. A respeilo da funcelo de Igreja, a
ual lera lugar ein oulro dia, se dlsporo qua
Dito Francisco Leopoldo Cabial do Cinto e no.-Ayre, pelo Ex,. Sr. governador e capi.ao qual jlera lugar *.." BOl
ta I T.. general da provincia de Lutre-Rlot, general ein i'O' conveniente ein decreto separarlo,
er- ni ,inr- A. cu. n,..rl.- cbete do exercilo alliado liberlador. brigadeiro Art. 7. Coininuuique-ie, pub iqiie-i
er Dilo Francisco de Sales Duarte- n Jusio Jos Uniuita .se ao registro nacional. LUfEZ.
fqu
Rtrsolveue decrcia .
Art. 1. Siio declarados fura da le tanto o
individuos que com prfjuno e (ransgretao di
referida convenco de 7 de outubro proiiino
se e d-
Valentin Atiina
Primeiro cirurgiflo r. Tliomaz Antunes do passado tomaran, anuas contra a causa da -
n-eu Lcrdade, como todos os que perteuciaui a divi-
tsss^tja Hnm^S5g$gSBsii9r-
Silva.
Dito Jos Ignscio da Silva
Manoel de Escalada.
memo anda uina vei comprovado no campo
da balalha.
Para tenente coronel commandante do meio bata-
lhao' do Viauhy.
O major do quinto batalhao de Infantaria,
Manoel Lope Pecegueiro, por merecimento
ainda urna vex compruvado no campo da ba-
talha.
Paro m ajor do primeiro bdtolhat' de infantaria:
O major graduado do nieiino batalhao, Joa-
quim Mendes Guimaraes, por antiguidade.
Para major do meio batalhao' do Viau'y.
O major graduado do quarlo batalhao de in-
fantaria, Jote Domingo do Couto, por anti
guidade.
faro major do elimo batalhao' de infantaria
O major graduado do oilavo batalhao de lu-
la utana, Antonio Vax de Almelda, por mere-
cimento alada uina vex comprovado no campo
da balalha.
Poro major do yuintr batalhao' de infantaria:
O capitn do segundo batalhao de infamara,
Andr Alre de Oliveira Bello, por mereclineu-
to ainda uina vex comprovado no campo da ba-
lalha.
Palacio do Rio de Janeiro, era 3 de marco de
i 52. Manoel Felisardo de Sousa e Helio.
Conforme, Libatio Augusto Ha Lanha Maltas.
Por decreto de 3 do correle forain passadoi
para o commando do batalhflo do deposjto o
coroocl coininandame do stimo batalhao de
infaotarla Fraocisco Jos Damaceno Hosado, e
para oquarto regiment de cavallaria ligeira o
tenente-coronel Joao Amonio de Oliveira
Lobo. ^^___^_
MINISTERIO DO IMPERIO.
Relacflo dos despachos que em remunen-
gflo de servi-os militares, baixaram se-
cretaria de estado dos negocios do Im-
perio em dala de 3 do crreme mez.
C Titulo com grandeza.
Marechal de o.mpo Monnel.Marquei de Sou-
za, barflo de Porto-Alegre.
Ordem Imperial do Cruieiro.
Dignitsrios.
Brigadeiro Francisco Felii da Fonseca Pe-
reira Pinto.
Dito Feliciano Antonio Falcflo. ollo que u,,
Coronel Manoel Luiz Osorio. Roa., refugindole este em um navio de meiro naltir.do de ui poy.do. I indo, que
Ofllciaes. guerra da marinha inglesa. represenUin o aiior dele nao adminislra-los
CapitSo de mar e guerr Jesuino Lamm;o Abalido para semp.e o poder que llnha en- bem aem mal, he furtar eroubar com; clrcuns-
Cosli. tanguculado por longo teuipo toda a
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO 10 DE MARCO DE 18SJ.
Pelo paquele de vapor Imperatril recebinot
folhaa de Porto-Alegre e do Rio Grande ate
a9 do paitado. Nenhum aconteclinento poli-
mais auloridadeada provincia sob a mais leve- ||co de importancia tinha occorrldo na pro-
ra retpontabilidade, ficain obrgados a proce- jviocia.
Barros. mente castigado, ficando sujeito as penas dis-
Tenento da guarda nacional Delfino Rqdri- crlclonarlas que o governo provisorio bouver
KuesdeAltneida. Vr be,n Impor-lhe.
Tenente Manoel Porfirio de Castro Araujo.' ^SSmaTSL\Tm\^9^9^
Primeiro tenente Frederico Augusto de, tencer, e lance-.e no registro^officlah^
Ama(al Sarment Mena.
Alferes Adolfo Sebastiflo de Atayde.
Dilo Miguel da Rocba Freitas Travassos.
Secretaria de Estado dos negocios do Im-
perio, ein 6 de marro de 1852.No impedi- '
moiito do olllcial-maior, oaquim XavierGar-
cia de klmeida.
(lornal do Cemmercio.)
EXTERIOR.
BUE^,OS-AyRES.
Fito a Con/ederacSo Argentina'.
Departamento do governo.
Buenos Agres l dt fevereiro de I85S.
DECRfc.rO._
Ainda deixando apreciacao da historia e do
mundo os crimes sangmuolentos de Joao
Manuel Rosas, tiiinu laiiiheiii osiinmensos ma-
les que na ordem moral elle legou ao paix
, nao he possivel prescindir dos prejuizos maierl-
j aes que com taola profuso deiramou t. bre
elle. A este genero perience a copiosa lerle
' de delapldacdes e apTopria(0es para ti mesmo
Dito Cr. Eusebio Beojamim de Araujo Ges. der a captura dequalquer delles logo queoppa- o diario Ro Grande dit
Dilo Dr. Jos de Vtsconcelloa Menezes de reja, e a dar parle disso nnmediatameme. Foi assasinado a facadas, na fronleira de
Drutnoild. I ToJo cidados ficain aulorlsadoi para Chuhy, em um doi ullimoi das da semana
e.mmiiiiria lio numnrn da fraesta. Jos apprehender ot meocionadot individuos, de- passada, um Infelli mofo de nome Antonio
C2 AlmSxiT e Alburjueruue do.logo que effecluem a pri-o, participa-lo Rodrigue, da Silva ( por anlono.n.xi. H.rroc.l,)
Paulino du Almetdae Albuquerque. | uloridade colnpetenie. Idade JO annos, solleiro, cidadao braiileiro.
Escnviio do numero de rragataJose Joaquim 4 Aquelle que occullar de qualquer modo, | o aisasioo, escravo de uin vislnbo, o Sr.
da Bocha Filho. I ou procurar meios de evaso a alguma das pes- Zeferino Ambrozio, foi iininedlatsinenie pre-
Primelro cirurgiflo Dr. Polycarpo Cezario de ,oa5 compreheodidas no ait. 1., ser severa- !,, e .cha-se recolhido cada desla cidade...
O Mercantil de porto Alegre iranscrev. a
seguinte carta particular:
Cbarqueadaa 14 de fevereiro de 1851:
a Temos sido esta semana penalisadoa por
mais um aconteclmento triste ; realmente o
oosso districio est pouco favorecido
II i apenai um mes que terrlvel tempettade
desabava Sobre o Novo Tnumpbo, eque o ralo
malava trea petioas, das quaes duat na Qor da
idade ctlavoem oracu ; e eisque agora con-
tamos urna inorte acompanhada de circuns-
tancias bem singulares. Um dos nossos prinel-
paes charqueadores, lendo ido no ultimo do-
mingo a urna liba que flea diaote da charque-
ada da ini delles, levou coinsigo a sua Joven
esposa e a deixou por alguns instales, segundo
se diz, para la examinar as plantacOei. De tol-
la, l nao achou a la eipoia, e foi lmenle na
quafla-felra que appareceo o cadver delta
que, aoque paiece, morreo arogada. Urna ei-
cravadouda era a uolcaque tinha ficado com
a pobre lenbora, ella nao pode, peloteucita-
do de alienaeflo, dar neohum esclareciinenio.
Todo o distrlclo foi linpieisiouado coin una
accideote to original como esse, quachaiuou
a aiten(io da au.oridade. Esta proceded a
faxer o corpo de delicio aobre o cadavw,, *
adiando em caa o marido, que, ao dlxer da
sua familia, tinha ido gafa Porto-Alegre.
Ubatallio Graustiano estacionado no Rio-
Grande continuaadar provaa do losubordlna,-
cao, como ver osleilores do seguinte onsci.
do commandante das armas daquella cidade;
i Illm.Sr. Devolvo o auto de inquiricao
feilo ex-officio, para se reconhcccr quaes a*
pracas, do >; reglmenlo de arlilharla a caval-
lo que, em numero de 18 ou mais, pelas ho-
ras e melada nnlle do dia 2i do correte mes,
subirn tumultuariamente ap quartel do
commando da brigada, e da guirnicao dei-
h>! tawlM".! a'griTM*) debaiio, poli, deat ta cidade e fronleira, capitaneados pelo cabo
CUENOS-AVRES.
Doeamentos officiaes.
VlvaaCoofederao Argentina.
O governador nroviiorioda provincia de Bue-'dos fundos pblicos com que tao tem pudor
n.s-Avre i augnienlava sua forluna particular a vista du
Buenot-Ayre, 12 de fevereiro de l8s2. proprio povo, a quem uo obstante obrigava a
Ao Exm. Sr. governador da provincia de... | exaltar sua falsa pure.
O governador provisorio da provincia de O governo nao se fixa por enquanto nos Ta-
Ruenos-Avre tem o praxer de dirlglr-ie ad lo detie homein considerado como mao adinl-
Extn. Sr. governador da provincia de... cora- lustrador islo be, nao te fixa na arbitraria e
inuiilcando-lheque a campanha abena pelo prejudicial Invenao felta de grande parte des-


Beh
2
i
m
4f
Hugo Mivlolsky, o loldado Ca loi flhren,
a pretexto de prenderen o cldado braidelro
Francisco Mende. l'ereira, que a da soUre
.11i 11 v:' <> mental, como he notorio. Eata
deaenfrrada aoldadetca, sem apellar o lu-
gar, ai lela, c o decoro daa aenboraa que coi.a-
tltuem nlia familia, invada dlverio. apo-
eemoa em procura do fugitivo, e quereodo
n.lnha mulher obstar a tan Inaudito proced-
inento, fol pelo cabo Mavtolikv indignamente
. a...cacada, tomando para ene A ni a espada de
uin eu cantarada. Una scena tan tuniulluo-
aa durou mal de una hora, at que sendo
avilados, o major encaregado da polica dei-
ta cldade e os ofBciies do ineu eitadomaior
que le achavam em Casa do Si. capllao do
porto, estes, ecun aquella energa que lie pro-
prla de oluclses do excreto imperial, leva-
rode rojo aemelhanle calila, e outra aluda
mala numerosa, que Impasslvcl observaya da
ru. os actos cima praucadoi, proprlos de no-
inens ebrloiou d-eaubsllnados. nlo de soldados
conhecedores da disciplina a que estao lujei-
to. .. .
Como rejo com espanto que o resultado
desta inquiricao anda di como justiiieaveis
oscrimesdo mencionado cabo e soldado,
neo se tratar de descubrir quem eti seus
cmplices : quandopelo fado de os solla-
dos Julio Topfer e Jollo Krobs se msubordi-
narem contra um sargento e um lenle, o
conselho de guerra prussiana acaba de
char tnaleria sudlciente para os oondem-
nar a 6 annos de piisao, o que deixa a des-
conllarquenocasoa que me rellro o en-
carregado da inqunelo se houve com ma-
nifest parcialidad, prucedimenlo que nao
icari impune, V. S. considerara presoB a
orden do Exm. Sr. comi de Caxias, pre-
sidente e gonersl em chefe do exercilo, o
cabo Mavioisky asoldado Hebreos, al que
S. El. decida em sua sabedoria como deve
Sur punido gemelhanle atlenlado contra a
lei fundamental da monurchia, e nunca pra-
tir-ado pela tropa braziloira, que lie ","
dlo da subordinarlo, du valor e da lldoli-
dado.
Este facto, apezar de inaudito, mo di-
minue o grao de confian;* que deposito em
V. S., porm devo reconimendar-lhe quo no-
do sua restricta obrigafAo compellir a todos
os seus subordinados, som eicetufio do
mais graduado, a cumprireui exactamente
os seus deveres, nico tneio de so no de-
sacreditar um corpo, cujo commxndo S. M.
o Imperador cniiliou ao zelo e intelligencta
do V. S., para cujo li.u encontrara em niim
o mais decidido apoio, como al a-jui ten
encontrado ; por isso que qualquer ide no*
he responsavol peranle o Sr. general oin
chefo e o governo imperial, se por conlem-
plar,oes indirectas ou mal entendida bonho-
inia deixarmus alterara boa ordem e per-
verter a subordinarlo na tropa sob as mu-
sas ordens.Dos guarde a V. S. Quartel do
commando da 9'brigada e guarnicSodo llio
Grande, 23 de fovereiro de 18J2.-VC-M.*
lWo di OUveira Vitlai Boai, coronel com-
lunii'laiiti'.-IiIin. Sr. lenle coronel Guido
Molde, comman'daule do 2 regiment de
artilharia.
No Rio Gradde havia noticias de Buenos-
~ Ayres al 19 do passado. O exercilo alija-
do devia entrar naquelle dia na capital ar-
geutina.
O governo provisorio por decretos de 16
do passado declarou propriedade publica
lodos os bens do general Rosas, e isenlou
do sur vico militar da repblica a lodos os
subditos hespanlies
Na parle exterior publicamos o primeiro
licites decretos, bem como o de 17 do mol-
ino moz, sobro a ontrada do exorcito alna-
do na capital.
coronel Julio Manrique Knorr, que triduzi- sorra de vara no pobr atildante, torean-,
r as partes essoncises ddprocesso, antes|do-o elle com um punbal sobre a nuca a
do ser remullido a S. Exc. o Sr, conde delconservar-se prostrido a sem gritar duran*
Caxlas, presidente e general em chefe do j te todo o seu canibalismo o enme, p< m,
ixercit'o. O oonceito que foraio da oapaci-
dade deV. 8. me conduz a esperar que
rupeito do quinto acabo de recommetidar,
o sobre tudo quanto heconcernenta dis-
ciplina desse corpo, sehaver com aquella
actividade e enorgia que se ha mistar, e
que a todo o custoestou d-ispo-to a susten-
tar como me cumpre, para que urna peque-
a porcBo de ebrios a desorieiros nSo ve-
nham manclur'o crdito que tem granget
do a tropa allcrnaa desde que serve sob o
mou commondo
Dos guarde a V. S. Quarlel do comman-
do da 9.' brigada e guarnidlo doRioCran-r
do, 7 do fevereiro do 1852. Vietnle Paulo
de OUveira Villas-Boas, coronel comhian-
danle. lllm. Sr. lenente-ooronel Guid
lleld, commandante do segundo regiment
de artilharia. ,
( Diario do Rio Grandt. )
{Jornal do Comnurcio).
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
HAMBUCO.
Serijo do Cear, 20 de fevereiro de i S.V2.
Tenho visto em seu Diario que letn Vine, cor-
respondentes rni quasl todas as provincial do
Imperio, por cujo ineio pe os seus leilore. ao
correte de tudo que aellas se passa : maa an-
da nao vi que lenba Vine, quem I he escreva do
centro de nenhuma provincia, e por liso Indo
eu de boje era diante tomar sobre mlm a tarefa
de noticiar -Ihe o que occorre pelos serlOes vlal-
ninha habltaco, semprc que os cl-
pelo qual soffroo agora rasa condemnacAo
fui o do ter morlo um seu agpregado, tam-
bem com urna grande surra, duendo as les-
temunhaa do processo, segundo me infor-
mam, quo a Infolz victima antes de espirar
fra arremessida em urna foguelra, onde
exhalara os ltimos alontos! E quanto ios
treza reos absalvidos, o juizdo direito, Dr.
Jaguaribe, ap olioii di sbsolvcSo de seis
por contraria a evidencia dos debites Fol
milito pequeo o numero das condemni-
(Oes, mis tendo linda o anoo passido o ju-
ry d'aquella comarca sob a prosidenoia de
iini)in/. leigo d-idu a um grande numero de
criminosos, processadtis pelo Dr. chefe do
pollca, quando all foi, urna atisolficAo ge
ral, ou indulgenpia pleniria, ja loi un
grande triumpho obter-se alH trescondem
nacOes, miximo por ser urna deltas em um
dos potentados da trra; e por saber Vine,
que n'aiuella comarca ten constantemente
reinado a mais completa impunidade sem
que a autori lado publica j mais valosse
all cousa alguma antes da patritica admi-
nistracAo do Dr. Silveirada Motta.
Ja estt condecido o resultado da elecBo
provincial i o govorno nSo leve nella a me-
nor ii>Icrvonc.no i deixou que os part los a
pleilassem com a maior liberdade, e correu-
do entre os ele i torea duas chapas urna do
Eartido caranguejo e outra do grupo equili-
rista, Iri ii ni piloii a primeira conipleiauen-j
te, de maneira que os dois candidatos mais
Je causa da per da daqnellea Infelices mocos ; e
asseveram que o Joaqun est ligado a ella
pelo Hiedo da inorle, com qua ella o ameaca
no casa de divorcio ; agora porm he ella uina
Infelli senhora, e para malor escarneo ante-
pdain seu amaldicoado nome um Dom, com
que cnstumainos honrar is senhoraa dignas de
rcspelto e conslderacao. Parece que he urna
zdmbarla por demaia forte. Estimo que g'ie
laude e venturas.
nlios de ininha habltaco, semprc que os eul- "' i" -~ "r"~r .""",'"
dado, despendidos com o meu gadlnho a isto importantes da segunda.o visiladorPioto de
me deremlugar, devo antes de ludo pedir per- 'Mendonca, eo vice presidente Joaqun
dio aos aeus leitores desse, talvez louco arrojo,; lleudes, que na eleicto passada foram elei-
de um grosselro habitante do serto tambein tos 80b a proleccSo do entilo presi lente da
querer que suaa mlssivaa flguremein um Jor-| provincia, licaram 13o atrazados em vota-
nal acreditado, como o seu, a par das de tantos ^ao> qUe nj0 ha esperanca de que na futura
correspondente! mustiados, que Vine, conla I As8embla possam tomar >s>-nto iiui ii-.s-
pre uero dlzcr alguma cousa para justificar o Anda nlo he por aqu Conhecido o resu -
ineu arrojo. Dotado como ae acha feliimenla tado da eleifSo prortucial do l'iauhi, onde
o nosso pala, de iustitulcfle livres, cu pens ;dizem-me que entre o mosmo partido do
que um dos malea que o affligem he a falta de
verdadeiro espirito publico, d'oude vein que as
masas populares nao conhecendo seus direitos
e seus deveres na interveocao d'is negocios pu-
gove.'no corrern! duas chapas, urna pela
qual o presidente daquella provincia se inte-
ressa, composta de candidatos quo desojam
a mudan(a da capital da cidade de Oeiras,
^*>^"'^*.*'^W\onit lem sempre sido, para as margens do
UDAftOl lascara cus los e d'.hl U.U.TravolUa e o.. *.0 qujl M navegavel promeiie
mofoes, porque temos pis.ado, d'abi cssac- projeladp capital um futuro mu bnlhan-
tupida sublcvtco uliiinainenic havida nessa e [ to ; e outra composta do candidatos, que
em outras provincias contra o novissiiuu decre-| tendo proprieda Jes em Oairas, OU amigos
lo, queordenou a organlsaco docenso naci- que is lenllam, desejam a i-unliiiii.-u; in do
nal, regulando o registro dos niscimentoa e ob- estalu que, porque com a mudanza da Capital
los, ccl.. etc. Ora eu queconhecoesta verdade e |cariam ellas completamente depreciadas :
gracas ao eco e aos cuidado, que ineus bo, |8 ( ^ illleress9j nd|vi.
donucadeiiiultos.losineusco...panhelrosser.,c,"nstaiicias excusado ho dizer-lho que eu
tanejos, queao menos me habilita ella para di- desejo 0 triumdho dostes. O presidenla da-
rlgir-lheestas toscas IihIi.h, c sabe Vine, que o j quella provincia Dr. Saraiva he mullo int -
maior numero da populaco do campo no Bra- 'ressado nessa mudang, e dizem-me que
-"I nao aabe lr e escrever; eu sim, que aaiim contanda conseguil-a este anuo ja lem feito
pensando leohoardcnle desejo de vera popu-<0DriSmui mp,,,!,,,,!,.. n, projectada Capi-
lacao domen pan sahlr do estado de abatlmeo-',., B ;,,, .,.,., r .n ,!;
PERNAMBUCO
ASSEMBLEA PROVISCIAL,
to, ignoraucia que faem que ella no passe
tal. Eu pois vendo quatito aquello digno
nos iiegocios pblicos de mero Instrumento presidente se ten mostrado nteressado pe-
dos espeitalhOea. lembrei-me de conatlluir-ine ,' melhorainenlo da provincia, que I he fol
correspondente do seu Diario, c destes cons- | confiad', ja desemvolvendo a maior enrgia
fina, aooda habito para asilm convencer aos na puncho dos criminosos, ja promovido es-
que vivem como eu por estas brenbas, de que tes beneficios nuteriaes, fico votos para
elles lambem leen dlrelto de aeren ouvidos que sej elle mais bem suCceJido com este
c cheirados no que diz respeito aos negocios da 8eu piojelo predilecto na assembli deslo
no.sa patria cominma, i: que do .nea.no modo f d passado, ni
que eu posso estar einlttindo ineus pensamen- .,., '.,,,; .____ ... .,,... .' ,
tosp.rasercm estampados e.n u.n jornal mie quH contra aua espoctiva foi elle rege lado,
he geralmeote lldo em todo o imperio, elles A Ueos. Para a primeira voz tenho sido de-
por um esforco de inlelllgencla e patriotiimo masiadamenle extenso ; si islo llio desagra-
i mili.ni o podem faaer, ou por Igual modo, ou da dosculpe ao seu criado.
RI-CU I.MIK 110 SUL.
Cimmando da guarnida!.
Copia.lllm. Sr.Tendo V. S e o major
Von Ur.M k'-nhiiiis honlem me c immunici-
do verbilm-nlo, que na antecedent-i noite
um pelo quo ja so achiva preso pela poli-
ca linha assa-sinado um soldado do secun-
do regiment do arlilharia cavallo, no
aclo da ambos rnnip h Ii r "i as bandas da
msica militar quo serelirvain do toqui
de recolher je V. S. alni de po lir provi-
dencias psra o cntermnonlo do cadver,
reclamuu a punir;!! do reo; ou Ihe deler-
minei que imniediitamente me ds*c parle
por cscripto circuinstanci'iido o laclo, e
declaran lo os nomos ds t stoipunlus'quo
o prosa iaram, para as autoridades crimi-
naos ruis procederem na forma da l con-
tra o delinqueiite.. i>So tondo V. S. cuinpri-
do aquello dever, poiquo, segund i hola
me declara, nao se encoiilra o inculcado
cadver, c s fallan dous soldados, que lia
diasnSoleem rouparan lo ao quarlel, c se
julga t> re,u doserlado, ao paso que, se-
gunloi.s informacfi'S quo obtme do major
encarogadoda polica de-tu cilade, apenas
culi-la que fra preso o preto MOrlVO do ci
didOo francisco Vieira do Castro, por ter
atropellado a marrha dos music >s, com des-
concertadas dantas, do quercsultou um h-
geiro conflicto, sem que msls de 100 peas ias
que acomiianliavam as bandas militares
cssem f de semolhanlo assassinsto ; acou-
Uca finalmente ser avisado pelas 10 horas
da noita quo urna porco de trop allemaa,
p>rte armada o parte sem armas, cunduz-
das por um oflicial, segua para o lado do
entrinebdramento ; duvidsn lo de semo
Ihonto procedimento, por sor opjosto aos
principios de disciplina, nao deseonbec>du
pelo ni..is bisonho soldado, fui iinmelista-
mente aos quarlos, e soula com espaulo
que tal frca tinba sabido com hcenca do
nente-ajudante Morilz ilecher, a pretexto
de alguna sol ladus embriag-dos afiirmir m
que o seu eamarada moito tinba sido ent1 r-
ra lo clandetmameiito no cemiterio publi-
co, o proiendiam guarda-lo at que hoje
se verillcssse a existencia do c idaver. Diri-
jin iii-nie instintmeamento aquclle lugar,
aconipnihado do Sr. delegado de polica,
e d pois do severamente eslnnhar tan ro-
prehenaivi-l proced minio, liz retirar todi
a tropa, e a pedido do dito Sr. delegado
deixei penas seis innn n< o um cilio, al
que esta autoridade flzcsso suas averigua-
(Oes, como acaba defazer perante V. S. e
outros olliciacs, provando-s i a extravagan-
cia da aemellianta susoeita. Convindo,
portento, piofundar a nrigim da 13o dispa-
ratada idala, que impert um grave insulto
feito as autoridades policiaes desta lugar,
pelas julgar conlventes em um acto op
posto k le is, ordeno que V. S. sem perda
de lempo man le proceder na fra do ra-
gulaoionto prussiano contra ai sguiutes
tucas, que ji so acnam presas O soldado
Milde, que di-se ter-lhe morriJo nos bra-
cos o supposio assassinado. Os soldados
Priebe e Weishuhn, que forma los parto da
frca que marebou para o cemiterio, decla-
raran que na tarde-do honlem un preto ser.
vente du coveiro lhes moatrou o lugar em
que ae tiuham enterrado t-os Aliemh-.s, o
soldado Joflo Voigl, que se cnmportou in-
subordinadamente quanlo o mmdei para
o quaital, estando a dirigir a palavra no
meio da um circulo de aeus camarades, re-
probando a retirada da gente que foi ao ce-
Slitofld. O soldado Keruando Schlaf, de
ue ira la aa partos nclusis dadas pelo epi-
to ErniHii brillo de Eliremlcouz'; indagan-
do-so igualmente so por ignorancia ou mil-
dada se conce leu licenca para as pravas de
artilharia sabir, ni do quailel armados ou
desarmados depois do toque de recolher,
sem permissSo minha : finalmente qual o
offlcial que em trage di-f .reado acompa-
nhou a dita frca, a o que disse aos solda-
dos. Podendo acontecer que para este con-
selho saja preciso chamar algumss testemu-
nhis qua nSo entendam o idioma alleroio,
eolio sssislir como interprete o Sr. tenen-
nai uruas, ou finalmente por qualquer dos
ineloa perinlttldos pela eonstituico,' tratando
assiin cada um de preparar um inelbor futuro
para o paii, principalmente por meio de urna
ni ii- acurada eduuaco a seus filhos do que a
que cada qual recebeu de seus pas, aliin de
que as geraces futuras nao sejam, como grnn-
de parte da preseule, guiadas a more pecudis.
Estando dada a rasao do ineu proceder, va-
mos entrar em materia, posto que podendo-se
lomar por esordio o que lica escripto, eslou
um pouco receioso de que desta vez esta mi-
ulia produceu sai*, com o pequeo deleito de
licar com n cabeca malor que o corpo, porque
em verdade o que cima tenho dito para prem-
bulo j he urna boa lirada. Acha-se esta pro-
vincia em plena paz, e a sua populafio mu Sa<
tisfeila, a eiccpco dos lugares onde a febre
amarella anda fas victimas, como Ico, Itaturi-
te, etc., porque quasi por toda a parte j tem
cbovido solfrivelmcntc, e para o Cear he este
n piiiueiro sigoal de cooli.-nlaiiieolo. A polti-
ca marcha de modo satiof ictoiio para o maior
numero, pois todos presencian! o zelo com que
O Sera/o.
Parahiba, 15 de mar$o tte 1582.
Temos estado em completo armisticio com
os ihuaqs, o que mullo eslimo e com prazer Ihe
commuulco.
Do Inga nada mais consta, alcm de que em
Serra ftedouda ainda se coniervam promptoa
ao primeiro signal os travessos, de quem llena
nos guarde por todo o aempre.
Nos demals pontos reina completo socego,
anda que, como por vetes Ibe hei dito, os mi-
ninos nao dormein.
A aalubrldade nao val mal, e posto que ap-
parecem frequentes eucommodos sao elles de
pcqueuo momento.
Nenbuma noticia tenho tilo mais recente
do novo astro brilbante, que appareceu em
nosso borlsonte politln, quero dizer da nova
lociedade philantt opica tibcrrima9constiluiiUe, e
creio que ou ella est oceulu por alguma ne-
gra nuvein, ou ento julgou conveniente bus-
car outio hemispherio ein que faca seu giro.
I- ni qualquer dos casos, conscienciosamente
.. governo por mtcr.ned.o ue seus agente, per- f-lla'do,Healllin, lnc|hor do quc elWrialnos
legue 01 criminosos c e.purga assima pro vi n- ,ob as nn,lenc ca dessa rafa de reprobos que a infe.tava. Nao BOlteretn, deve parlilhar do ,nao agouro,
se podendo porm de urna vez relurmar a so- a'inu .ensatas, allribucm aos co-
cicdade e acabar com o espirito de patrouato, ,,,(,,
o qual no lirasil he to commum que V.o. aa- Dis,e.lnl. um 1In|g0 ou ira um doi
e que un.viajante estrangeiro oqualilicou de conJli[uinl(,5 de a|l0Bc0lhlirn0, e longo higo,,.,
quinto poder do imperio, ten. o governo para a reunla0, que erradamenle o vulgo ignol
cl.egara.eus I,.,, encontrado alguma. ilffl. allribu0 \ inlla||ac0 .oci'dade, na-
culdades, ou porque o jury na nossa trra lem da iai. rui do que urna Junta medica fel ao
sempre um. grande di.po.icao em absolver os lneu A> ,n e|do a(.on|,aole
cnmiuo.os, ou porque la entre a. malta, auto- fa|u m, ^,e, Se e ver(Iaflra ,.,.
ridade. policiaes apparece urna ou outra que ,, ,,, p(llisica do lneu ,,.
he complceme con. u.n ou outro cr.m.n.i.o. ,, dc ,odo io a ,|do "Jg
No enano o actual presidente da provincia ,eal cava||elr0 ,a|a da |fai e'm qoe,tem ad7,ul.
Ur. Almclda Reg nao leu. poupado mel para rld, elern0, |ouro um f,,,,^^ ,ao ,,m'eQ
vencer estes e.nbaracos, quer recommendaado 11V(,[
aosjui.es de direito c aoa promotores publico. A ju| u liagotgcm d,que||e amigo nao
usem de remedio que a lei Ibes faculta contra podino, errar ,e ,cverarmo., que elle lem
aab.olv.ce.io.ustas,qerdr.nill.ndoaqucl- ,d0 grandea aeccos febris, e at mes.no di-
tas autoridades polica, que se mostram com- ,|rios" aDda ittm o, .naldizent, que
plcemes com os criminosos, se... ae Importar ,., circulnsla*ncia ndlca Uln boill e.tado aa-
com a pequenlna conslderacao dc seren ella. purque nunca elle este.e e.n perfeilo
sectaria, dos principio, do governo actual. eado d'c c,oc,olo. Nada venturo a tal r-
Tal tem sido o empenho que o governo : pfUo para n!o perd,r Ka boa amliade.
tem desenvolvido em todo o Rrasil na pu- o meu alfaiate honorario me nao tem con-
nicSo dos criminosos e repressao do crime tlnuado a honrar con. sua. mlislva., pormoc-
que, apesar da disposi^So em qua a maior cupou seu posto uin outro nao menos Ireslou-
parle das vazes esla o jury em absolver os cado, nue tamben conbeco, e quem na reln-
criminosos, romoj cima Ihe disse, o xe- cidencla chainarci a rasao com duas regras de
10 do actual ministro da ju,t,C. o qual da %?*?& Z ta,
passsgam seja dito, he no mau entender :golo_ H
o ministro que em nosso paiz, depois de, a'nona cmara posturante canalnha como
sua emancipadlo poltica, mais tem feito sempre 10b a pn.ldenca do decano naaieiw-
pira melhorar os diversos ramos do poder gacia desta capital, que pretende autorlsaco
judiciario, vai pouco 8 pouco nesta provin- para fazer toda. a. deageza. que entender eon-
cia sa apodorando do arrimo dos jurados, venientes, no que se nao haver mal como co.-
pois ein la ha pouco, em dezembro ultimo,' *am*- .."'"'*''' Toscano tem sabido su.ten-
vio-se que tendo os jurys do Sobral e do ^'Jo't" queV'5 "^Vt rTo.n"elle
Cralo tr.balhido, foram tantas as condem- deo,lncado
nacoes sobre urna ou outra absolv- j Nadl de melhoramento. munlclpae., e te S.
c'io que todos bem disseram aquelles dous Eic. nao tomar a.I manda-Ios faserireinospe.-
t.i liuii -i1-, dignos sem duvida de ser imita-1 simamrnte, segundo o costume,
dos pelos de maia jurys da provincia. T3o! Co.npletou-se o prazo determinado rtela.s-
bom resultado, porm nao tiveram dous ju-' sembla para a mudanca do. armasen, dc car-
rvs que ei ja terem esta atino trabalhado; nc e Pe!,e 0o, ^a Varadouro para a ra do
esao os do Barbali o, na comarca do Cr.to *"";-. /"" rir ofervetopu, com que al-
i o ...n. 4. n..,.,. .,____.. gun. individuos, que tinbain querido campar
e n do S. JoSo do Prncipe, na comarca de e le|,n0,ol em'na llludar ', rmazens an-
lihimuns; no | n neiro dos quaes tando daTam u|,inmcnte em cala de casas para
sido julgados S'IS reos, dous foram con- aquello fim, alugando redieulas palhocas, ao
demnados, um apena ultima, o o outro pa.io qoe os mais avisados j lee.n bem soffrl-
seis annos de priso, equalro foram absol- veis casa, suas, em que estao continuando aeu
vides, po m laudo justamente no fim do negocio naquellarua, que ae o espirito me nao
jury entrado em exercicio o promolor no- flloa wm de vira ser uina bem Importante
veniente nomead-, o Dr. Jos Fernandos "" fuluro- A M,rr. .nJ
,. a -i* .- 1 Neste momento diz-me o Marcos que andam
Vieira, este, como anda no tivessem pas- aln,la amonlaio, nMta c,dad. o ex-d'.l gado do
Sido emjulgado as senlencas absolutorias, |nga(. 0 Dr. Peiiolo, que anda mal restabe-
apelloudellasparaarela(SodePernambuco: I |ec.doado susto que por l .offreram nioou-
SESSAO EM 20 DE MARCO DE 1M.
Presidencia do Srt Bardo de Copibaribe.
A. onae e inela hora, da mauhia, feita a
chamada achatn-.e prc.enle. 33 scohores depu-
tados.
O Sr. Presdeme abra a se..o,
OSr i. Secretario le a acta da aeiso anterior
que beapprovada.
0 Sr. i. SecrrMrio menciona o seguate
EXPEDIENTE.
Um olTlcio do secretario da provincia, a-
companhando a remessa da um requeri-
niento de Ji.ii) i.oile Torres Galindo, a ou-
tros, contra a transferencia da matriz de
Cimbres.A quem fez a requisito.
Urna representaQilo do padre Joo Mauri-
cio da (: nirvicao vigario collado na fregue-
zia de ipojuca, expondo o astado em que se
acha a igreja matriz, que foi destruida por
un incendio, e pediodo que a assembla
auxilies roo iificac i da mesma.-A' com-
misso de orcamento.
Outro de Antonio Jos Goales do Correio,
eoulros. po lindo que se corujarle a ostra-
dados A inicios al Beberibe. sv commisso
de obras publicas.
Um requenmonlo de Joiquim Cordeiro
Riboiro, lirio unanlo do imposto de 2,500
rs. sobro cabera de gado Consummido no
trienio de 47 a 50 pertencente a comarca do
Rio-Formozo, pedindo que se declaro, se
elle como repr-sentante do arrematante go-
rl Francisco Carneiroda Silva, tem, ou nSo
direito ao favor quo a este foi concedido.
A' commissSo de orgamento.
Outro de Porfirio da Cunha Moreira Al-
ves, professor de latim do bairro da Boa-Vis-
pedindo augmento de ordenado. A'
commissao de ordenados.
ORDEM DO DA.
Terceira discussau do projecto n. ( ,- que
fixa a fnri;;. policial para o anno de 1852 a
1S53, com a emenda do Sr. Maciel Monleiro
approvada em segunda discussSo.
Vii a mesa, e he apoiada para entrar em
discusso a scguinle emenda.
Art. I. A furca policial de toda a provincia
para o anno nancelro de 1852 a 1S&3, ae cora-
piir.-i dc -lini.|ir,irai de infantaria, podendo er
elevada a 600 se aisi.n o exigir o servieo pu-
blico.
Art, i. 0 pre.idente da provincia di.tribuir
c orgaoi.ar a referida forca como julgar mais
conveniente a economa e disciplina do corpo,
tendo em vi.ta a. di.poslces do artigo segun-
do da le n. 273 do anno passado, e ficando au-
torl.ado a conservar como apregados ao mes*
mu corpo al que tenha.n outro destino os of-
nciaea cu jos servieo. pela nova organi.aco po-
dein ser despen.adns. P. X. Paes Varrelo.
N!o bavendo quem peca a palavra encerra-
se a dl.cu.io.
Submettida a emenda offcreclda votacao
por partes, lie apprnva la por l voto, contra
14, com ciclu.So da ultima parte que coineca
-- e ficando amorisailo, & que fol rejeltada.
Tendo-se assim concluida a votaco, fica a
emenda approvada reservada na forma do
regiment para ulterior votaco.
Em seguida he lido c mandado imprimir o
projecto de orcamento municipal aprc.enlado
pela reipectiva co.ninis.o.
Entra em pri.uulra diacusso o projecto
n. 8, creando urna biblioteca publica nesla
cidade, annexa aolyceu; qua he apoiado
sem discusao.
Primeira discussSo do projecto n. 7 deste
anno ; adoptando com applicacSo fazenda
provincial as inslrucces dadas pelo minis-
terio do i.i/i'inl i em data de iO de novembro
de 1851 pira regular o modo de proceder
na (-n'.iniiii; i das letras saccadas a favor da
fazenda nacional, e seus respetivos juros.
OSr. Quedes de lello: Sr. pre.idente, na
sess.lo do 17 do corrento foram apresentadoi
diversos projeclos a rospeito da organisar;3o
e li-c,ili.,n;.-io da renda provincial livo a
hunra de olTerecer um cujas disnosifes
contm totalmente as do outro olTerecida
pelo nobre Sr. deputtdo, que se seula em
frente do mim eem todos elles se acham
disposi(es quasi idnticas, que podem ser
reduzi las a um sysloma mais resumido.
Foram dados para a primeira discusso os
de ns. 7 e 10 ; o de n. 10, comprehende to-
das as disposifes do de n. 5 que ainda no
foi dado para ordem do da, mas queja esta
mpresso a distribuido na casa; o de n. 7
conlu algumas dispusieses, que lambem
se acha prevenidas pelo de n. 10.
Isto tudo prora que necessidade de sys-
tomatisar milhoresles projeclos, conforme
a mturea diversa driles ; por isso tenho
de oflerecer um requerimonto consldera-
cao da casa, para que esses projeclos vao
commissao de legislarlo, para que ella re-
fondi ido-us ofiereca um trabalho mais
completo.
Vai i meza e he approvado um requeri-
menlo do Sr. Guedes de Mello, pedindo, quo
seja o projecto em quesillo romettido a
commissSo de legslarjo, assim como os de
mais que contam materias idnticas, afim
de que ella aprsenlo um trabalho mais
completo.
He lido a ipprovado o seguate parecer:
A commissSo de constiluicSo a poderes
tando examinado o diploma do Sr. deputa-
do eleito, Jos Pedro Velloso da Silveira,
e o leando c informe com a appurac,3o ap-
provada por esta assembla, he de parecer
que o mes ni o Sr. deputado lomeassento.
Ssla das commissOes DO de marco da 1852.
OUveira Maciel, Aguiar.
0 Sr. do, ululo a quem o parecer sa refe-
re he introduzido com as formalidades do
estvilo, presta juramento, e toma sssento.
Continua a segunda discussSo das postu-
ras da c.mira de Flores.
SSo approvadas as emendas, o ao art. t do
titulo 7 addiado, este e aquelles da sessSo
antecedente.
Iviira em discussSo o artigo 2.
Verifica-so nSo haver numero legal ; a
discussSo (lea adiada.
O Sr. Presidente: D para orde.n do dia da
sossSo soguinte: primeira discussSo do
projecto numero 9; e segunda do de nume
ro ; continuacSo da de boje; e levanta-se
a sessSo. (Era urna hora da tarde.)
psra alivio dos moradores da cis', arda
fugo tnorto.
- Por esta occasiflo conven) observar que,
se cumpre estar alerta a prevenido quanto
aos incendios; por outro lado, lambem,
nSo se deve fcilmente encommodtr, e pdr
em alarma a populaco, quando nSo ba po-
ngo real.
Na tarde do mesmo da cima trsnsltnu
m solemne procissS. as ras dos dous bair-
ros, Boa-Vista o S -Antonio, a imagen do
8enhor Bom Jess da Cruz' conduzida pela
respectiva irman lade orela na igreja do Ho-
zarlo daquella f>eguezia.
Falleceu no dia 15 o commerciante bra-
sileiro Jo.'io Francisco da Cruz, viclima da
febre amarella, deixamlo, segundo nos di-
zem urna fortuna bem principiada, a que,
anSoser a sua murta prematura, viria a
constituir urna das nossas rasas de com-
mercio mais solidas. Desle modo continua o
terrivel fiagello, que nunca nos deixou de
todo, a ceifar urna ou outra vida surraleira-
mente.
Alguns casos do dysentoria, ou mimbra
do sangue tem apparecilo dealgum tem-
po esta parte, os quaes junto aos da febre
loi nain bem pouco lisongeiro o estado ss-
nitsrio desta cidade, onde a crescida cifra
da mortalidade, que tomos regularmente
Sublicado, prova que alguma causa morbi-
ca existe fora do ordinario.
No dia-18 recolheu-se ao hospicio de
N. S. ds Penha o reverendo prefeito Fr. Cae-
tao de Missina, depois de ter missionado
como maior provoito em Po-d'-Alho, Tra-
cunhen, Alagoa do Carro, Limoeiro, lloin-
Jardim, NaZarelh e Palma. Entre os inn-
meros bens, que com o auxilio da palavra
divina, promoveu ozeloso ministro do Se-
nhor, devenios conimoiii irar a realisaco
de tresentos casamenlos de concubinados,
o muitas raaounliac/.ui de inimigos mais
ou* menos figadais, contando-se no numero
dolas a do coronel LuCena com seu irmSo o
capitSo Matheus, o a do Dr. Mauricio Wan-
derley com SebasliSo l m-, os quaes lam-
bem so reconciliaran, com aquello coronel.
He escusado dizermos a boa influencia, que
davem ter sobre a paz daquolles lugares ISo
importantes reconcilisfOes, porquanto o
publico bam pode avalis-la ; louvores, pois,
so meritorio capuxinho, que lio felizmente
soube empregar a vn tu le da religiSo, pro-
curando no mesmo interesse da sociedade,
realisar o mais sublime preceito do evau-
gclho.
No dia l'J cntrou do uorte o vapor /7*rn>m''U-
cana, tendo deizado todas a. provincias desse
lado e.n plena paz.
No Cear ainda continuava a febre amarel-
la, que parece nao querer delxar o. lugares,
que uina ves dcsgracadamenle vis.lou.
y a tarde do mono di. percorreu as ra. doa
bairro. dc Santo Antonio e Rccife a solemne
procis.ao do henhor llo.n (Jc.us do. Martyrios,
que fot feita pela respectiva irmandade com o
as.eio e decencia devidus, sendo aluda para
cen.urar-se severamente a criminosa e estupi-
da irreverencia que ostenta.n algumas pessoa.
da no.sa populaco, conservando-se coberta.,
durante o transito da. procissdes, e indo mes-
mo algumas aps ellas. He mister convencer
ao. iguorai.te.de que a liberdade de con.ci-
cncia ou religiosa os nSo autorisa a desacatar os
actos da rellgio do estado, que pelo menos de-
ven ser reapeitado. ein attenc-io a personali-
dade dos que os praticatn.
Tambe.n leve lugar no dia 19 pela. 7 hora,
da noitc, em procis.ao fnebre, a trasladaco_
dos ossos dos fallecido, meinbros da irmanda-
de do Espirito Santo, do convento dc S. Fran-
cisco para a igreja da Conceico dos militarea,
onde se acha de presente a me..na cbnfraria.
Chegou hoje do sul o vapor S, Salvador, tra-
zendo as partfeipaedes oftclaea do Eim. con-
de deCa.xiaa, e brigadeiro Maooel Marquea
dc Souza, relativa, a parte que to.nou o no.so
esercito namcmoravel batalba de 3 de feve-
reiro nos campos de Moro, e que os leilores
encontraro em outra parte, podendo por ellas
avahar ae ten havido exageraco na ineuc.o
quegcralmente se leui feito do valor do. nos-
.os soldados,
eiiacdei de embarque foram .pique algumas
einbarcacfleicarregadaa, sendo ainda Ignorada
a .orle de multas pencas da irlpolacuo e dos
pas.agelroi i oulrot, qur naclonaes, qur es-
trangeiro. .offreram gravea avarlaa.
Koran reformado! no po.to de marechal do
exerclto o senliore. tenente. genera, Fran-
cl.ooJo.edeSouiaSoare.de Andrea* Francis-
co de Paula e Vaiconcello..
Publlcou-se o quadro do rendlinento du al-
fandegas, consulado, e recebedorlaa do Impe-
rio no primeiro seme.tre do anno flnaocelro de
185* a 1882, e aobre elle dU o Jornal do Com-
meicio:
Vi.no. por e.lc quadro que a renda dea.
>ei> mes, nestaa tre. rcpartlcde. montou a
i."1.8?Iris.ij" i-1, e que a mano renda em Igual
periodo do auno fiiancelro de 1850 T85I, sa-
bio smenle a I3,28.!l8i/'j!l3.
u Ha poi. um augmento de renda em .el.
meze.de 2,534:50X1451. Provin quaal todo da
recelta de Importaco cujo augmento sobe a
2,523:115/613.
a Na renda de eiportacohouve a diminu-
ciio de 'Cl:9'2l|62l, que fol coberta ein parte
pelo augmento noa- rendlmento. das recebe-
doria..
Tinba chegado acorte a ala eiquerdado de-
cimo-.egundo batalbo de cacadore..
Da Hahia nao na novidade alguma. Chegou
alli o Sr. Vctor de OUveira no da 16 do cor-
rente.
No dia 5 5 ililo da cidade de San Salvador no
vapor ioglez Conjlict, com destino a loglaterra,
o general Rosa.com sua comitiva, compo.ta do
general Echague, e outra. personageo. que o
qulieram acou.panhaj ao estilo. OLouflici de-
norou-se na baha tre. da. para tomar car-
vaoe refrescar.
U Tempo, gazeta publicada em Macelo notl- *
cia os dous seguinte. atlenlado.:
* E.n dia. de dezembro do anno prosi.no
passado ns im.nediacdes do engeubo Carrilho
mataran de ccete uincigano, e espauca-
ram outro.
* Recbeme com data de hoja (ls dc mar-
co} urna carta de u.n nosso Importante amigo
da villa do norte que no. d o .eguinte!
No dia 8 do correte Filippe lasado clava
queimando um palbico de canua, .offreu um
tiro ua cabeca e no dia i2 falleceu. Nao aca-
be ao certo quem foi o anassino, e be difficil
de saber-.e, porque o infeliz coimnellia suas
Imprudencia. a um dava urna bofetada, a
outro uu.a cbicotada, etc., etc. E.iam* preso,
u.n trabalhador c o pal de.te, porque na vea-
pera do tiro o infeliz havia dado no dito traba-
lhador urnas el.icotadas.-
|HHaB||a|aa|a^BBa|BsiBBHaaarJ^B|RB|
COMMERCIO.
PIUCA DO RECIPE, 20 DE MARCO, AS
3 HORAS DA TARDE.
a i.otacocs OFFICIAES.
Cambio sobre Londres : 27 d. a dinheiro;
letras a 60 das.
Dito dito: a 27 praso de 15 das dito.
Dito dilo : a 26 3|4 dito de 30 dias dito.
Dito sobre Pariz : a :155 por f.
Frete para o Canal: a 27e 6 d., psra 0 conli-
nenie mais 5, ojiara o Bltico 42 e 6.
Disconto de letras : a o 5 mezes i|8p. c.
ao mez.
ALFANDECA.
Rendimento do da-jo.....4:948,743
Descarregam hoje 2-2 dt marco.
Barca ingleza Rolhesay bacalbo.
Brigue sueco Flix familia de trigo.
Escuna ingleza Juliut Cesar merca-
dorias
ImixirlnriK.
Vapor brasileiro Pernambucans, vindo
dos porlos do Norte, consignado a agencia,
manifeslou o seguinte:
1 caixote; s N. O. Bieber.
1 dito : a JoSo Ferrara Ramos.
6 fardos ; a Deane Youle & Companhia.
18 rolos ; a Kalkmann Rozemund.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 1 a 18.
dem do dia 20......
, 30:914,474
, 1:401,087
32:315,561
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo dial a 18 3:871,946
S.M. o Imperador abri o cofre das gracas |demdodia20.......... 302,143
para remunerar os biavos da ii.aru.lia e eier- ....... ..,....
cito, que se distinguir.n na luta do Prata,
na. nao e.quecet aquelle. a quem a antigui-
dade e .ervico. panado, recominendava.il a
.ua imperial ...uniliccncia.
Entraran! durante a semana II embarcarles
e -1 loi.un 8.
Rendeu a allandega 12:011JI83 rs.
As parcas foram menos fataes esta m-iiiiui,
na qual so tivemos 44 mortosisendo l* bo.ucna,
9 uiulbere. e 13 parvutoi livres, cii luulbere
eicravai.

3:174,089
HEC1FE 20 DE MARCO DE 1852.
l'.\|)iii(iicao.
Triestn, lugar auslriaco Cpaf Appony, de
3IC toneladas, conduzio o seguinte : -- 4650
ssccos com 23250 arrobas de assucar.
Buenos Ayres com escala por Montevideo,
escuna hanoveriana Ludwig & Elise, de 171
toneladas, conduzio o seguinte : -- 60 pipas
agurdente, 750 bar.leas, 100 meias dilase
100 saceos com 6690 arrobas e 24 libras do
assucar.
Rio do Janeiro, patacho brasileiro Felici-
dade, conduzio o seguinte:-- 1250saceos
' com 6250 arrobas de assucar, a 2000 meios
; de vaqueta.
Pe\o San Salvador entrado hoje do sul rece-' dem, patacho brasileiro Alegra, condu-
- zio o seguinte :'-- 880 saceos e 250 barricas
com 6345 arrobas e 9 libras de assucar, 1157
meios de vaqueta, 22 pipas e 6 barra azeite
de carapato, 90 mullios de esleirs, 80 di-
tos de cominhos, l caixa espanadores, 5 di-
las doce, I dita barras de prata, e 40 saces
algodilo.
no outro jury, isto he, no de Inhamuns,
dezeseis foram os los julgados, a desles
s tres foram condemnadss, a saber: um
escravo gales perpetuas, urna eterava
pena de morte, e Louraneo Alves da Castro
aun voltar ao. lar, principalmente em quan-
to nao tivere.n nelhor noticias da Serra Re-
donda.
,J desesperamos de verino. Semana Santa
neata capital, e eu e.lou qua.l re.olvido a ir lavamos longo de pensar que teriamos d.
penado giles perpetuas'; sendo denot.r l}^\^^^\\'Ml"^M^,^ ""' solTrer um susto provenienlo decusa iden-
soWe o. Sousescravos que or.m reo. do. '^^pVu'.ne d"er-Th. no'Sgar compleme. I'ie. TZl'^Tt^X'rZ^V,?^
um mesmo crime, isto he, tmh.m aasassi- oue o Argos voltou carg, no numero 80 co. nolte d8 domingo 14 do crranle. Palas 7
__ ..-._..*._ 1 i> w __ i.-.,,. Uaa"! m i n i"** ti iilA na Imni rlate i n r _i _
nado o eenhor da escrava ; a sobre Louren-
co Alves, que he esta o celebra potentado
da Inhamuns, que no fim do anno de 1850
por causa de alguns gracejos de um estu-
dante docollegio do padre Ko'ilin, na pro-
vincia da Parahyba, dirigidos um sobri-
oho do mesmo Lourourjo Alves, collegiai
do mssmocollegio, dingio-se eileaolugir
do collego e abusando da hospitalidade do
padre Roulia maodou dir urna horrivel
RECIFE 20 DE MARCO DE 1852.
IS 6 HORtS DA. Tiltil!'..
HirraosFECTo sehanai,,
Quando, em o sabbado passido, noticia-
mos o derramamento da agoa rat por de-
balxo das portas do armazem ds fazendas
da casa eommercial de Brander a Brindis &
Companhia, a fizamos ver o grande perigo
de incendio, que corroo a rus da Cruz, es-
nue u /*iu as luppostas violencias f..us i sua dilecta Car- I horas locaram a incendio os amos das igre-
lotapelo carcerelro, e por Ino reiponsabili- jis do bslrro do S.-Anlonio, a a populagao
aatn ao presidente, dando a integra do reque- I pressurosa acudi de todos OS lados procu-
rlmenti de queia feito por ella e do deipa- rando o lugar dosinistro, queso descubri
cho Ji em outra Ihe disse o que entenda a Mr na ra das Trincheirss. FelUmente,
tal reipello agora acreiccntarel, que nao ael t(nj, ueaW fel ieve de presenciar o nutne-
ntender o. taei amigos, qua dingem aquelle1 CODCUrso de povo, que se reuni no
^r^wlid. d. defender ao. bam..' P d. matriz, o na imboedur. d. so-
Leaes% barbara marte do Dr. Trajaoo atlram bredlU ra, um parto de moalintli, fazen-
toda a culpa naquella, que chamitu perrera, do de rediCMiu mus um velho enxergSo, que,
bemos jornaes do Jtio de Jaueiro al 10 do cor
rente, da Babia at 17 e de Macei at 18.
Permanecen cui locego todas as provincias
ni in (mi.is eceotrae. desse lado do imperio.
Em outro lugar encontraro o. leilores as
noticias ...ais recentes de buenos Ayres, cuja,
datas chega.n a 19 do passado, c bou a.sim as
do Rio Grande do sul, que acan^am a 20 do
mesmo, noiaudo-no. por agora accresccntar s
primeiras o seguinte:
Devendo o general Urquisa fazer a sua en-
trada na capital da repblica argentina* no dia
19 do passado, houvequem pedl.se que, fossein
ezcluidos della o. brasileiro., ao que reapon-
deu o general que entrariam ejbrmariam a van-
guarda, porque por todos os ltalos cabia-lhes este
lugar de honra.
OSr, conselhelro Lsrneiro Leao ainda se con-
lervavacm bueno. Aj.es.
Acbava-se all co.nposto o ministerio do mo-
do seguinte : interior, Dr. Valentim Alsina
fasenda, D. Jos B. Gorostiaga estrangeiro.,
D. Luiz de la Pena marinba e guerra, D. Ma-
noel Escalada.
l'or decreto de II de fevereiro (orain declara-
do, loi a da lei todo, que a despeito da conven-
co de 7 de outubro proil.no passado comba-
teram contra o ezerelto alliado, e bem assim
toda. a. pracs. qua pertenceram ao corpo de
cavallarla, que mblevou na marcha aobre Hle-
nos Aj-rea, a aiiaaiinou o aeu coronel D. Pedro
de Aquino.
Em Montevideo toinou po.se da presidencia
da repblica o Sr. Berro, presidente do senado.
A diviao oriental que entrou na batalba de
3 de fevereiro obtere urna medalba de honra,
que ser para o commandante dc ouro com
iiinii de i.mu, para os oIRciacs superiores do
mesmo metal .e.n corda, para o. capiles e su-
balterno, de prata, e para a. pracas de pret de
lato:
O ario do Rio de Janeiro noticia mail o le-
guinte:
O ezcrcilo imperial principiara retirar-
le do Rio da Prata. J havia partido para a
corte o batalho declino-segundo dc cacadures,
c ti.iham orden de embarcar para o uies.no
destino o primeiro e o.egundo corpo de arti-
lharia e o quiuto de funieiros.
A segunda e a terceira diviso haviain mar-
chado para Santa Luzia, devendo uina deslas,
compo.ta ein mxima parte dc cavallarla, ae-
guir por trra para eita provincia.
O batalho Urceiro e declino-quinto reco-
Ihem-se igualmente ao Rio Grande.
a Todos os doent do eiercito recolhem-ie
ao hospital militar desta cidade, tendo j vindo
alguns uo Castro II, que tran.portou parte do
tren de guerra que tem de vlr.
a A primeira d.vi.o reiirou-.e de [tuenos-
Ayre. para Mootevido,
Por viade Pelota, sabemos que o general
Oribe desapparecra de Montevideo.
Consta, de fontc bens Informada, que serio
aonullada. as elelede. de deputado. e senado-
res a que ltimamente te proceder no citado
Orlan tal.
A-st't, lancha brasileira Nova Esperanza,
de 31 lonoladas, conduzio o seguinte : I
gigo ntica, I caixo fazendas, 3 barricas ba-
eali.ao, 2 ditas familia de trigo, 1 barril
manteiga, 3 taboas de amarello, a 10 brsn-
ilOes do cera.
Parahiba, hiate brasileiro Psrahlbano, de
37 tonelada?, conduzio o seguinle: 3 sal-
sas e I barrica drogas, 1 caixi espermacrle,
i barricas alvaiade, 2 caixas folhas de flan-
des, 60 armellas de cobre, 4 barricas ser-
veja, 4 birris manteiga, l caixa queijos, 3
barricas facOes, garios e mais objeclos, 11
caixas, 4 fardos, I carlBo a 2pacotas fazen-
das, 3 voluntes utencilios pira seleiro, 2
caixas chapeos, 3 pecas de lona, 2 caixas
miudezas, I gigo Iouqi, 1 barrica genebra,
4 pacotas fazendas a miudezas, 3 taixasde
ferro coado, 30 barricas familia de trigo, 2
barricas assucar, 3 rolos salsi, 1 sacco cola,
8 caixas doce, 1 barrica farinha de mandio-
ca, 800 arrobas carne secca, e 18 chapeos do
aisla.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 20..... 970,991
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 20.....1:188,903
i~n aaa
PRACA. DO RECIFE, 20 DE MARCO DE
1852, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio.- Sobre Parlzsacou-.e a 355 por
franco ; aobre Lisboa a 85 por
cento de premio e aobre
Londres a 27 d. por 1|000, di-
nheiro a vilta, e 18 1|2 com
60 dial de praio.
Algodilo- Entraram 12*26 saccas,as quaes
venderain-ie de 4/000 a 5/000
a arroba dc prlnelra lorie e
l'.'niO a de segunda.
A.iucar O. preco. tiveram pouca alte-
raco, lendo-.e vendido o bran-
c i de segunda .orle de 2/800 a
a 2j350 ; da terceira de 2,100
a 2/200 : de cuarta a z/OnO de
quinta e .cita de 1/800 a 1/900
malcarado e.colhido a 1/500 ;
e regular a 1/-00.
Couros ----- Venderam-se a 110 n, por
libra do. salgados seceos.
Arroz ----- dem de Ij70qa2/00 rs. por
--------- arroba do>llado vapor.
OSr. conde de Cillas pretende relirar-ie Bacalbo Retalhon-ie a 11/800 rs. por
para acorte em liu. de marco ou principio, dc barrica, e Acarara em ter 3000
-bril, pas.ando por esta provincia.* atarricn.
A diviso auxiliar francea preparava-ie para Balaxinha Vendeu-se de 3/SO0 a 3/300
regresiar Franca. ra. por barrlqulnha.
No da 3 do corrente rr'iento.t sobre a cida- Carne secca dem em primeira mo de
de do Rio de Janeiro urna grande t. ovoada, qoe, 5/iOO a 3/ rs. por arroba da do
causou considerareis estragos. Na. di venas llio Grande, e de 2/-O0 a 2/500
V


'V- >
de Buanoa Ayrea i ficaram
un ser J8 000 arrobaa.
Ch Hyison dem d '/600 'A50 Por
libra.
Canclli- Ideini640 ra. por libra.
Ceneja dem de 4f200 a 4/300 n. por
dutU de garrafal.
Far. de Irlfo- Flcaram era ler 7,500 barrica
e retalhou-ae de 15/a lU/000
ra, da de Rlchinond, de l.'lj a
i4f da de Balllmore, a H/a
de Philadelphla e de 16/200 a
17/ da de Trieste SSSF
Dlicontoa I.rlrai para oulubro e novem-
bro a i;o 118 por eeolo ao
mea.
Flcaram no porto 62 embarraron: aendo J
amerlcanaa, i auatrlacal, I belga, 30 bratllel-
raa, 1 dlnainarquezas, 2 franceas, I haoove-
rlana,2 hespanbolai, I hollandea, 8 inglcias,
.0 portuguesas, I romana, 1 rusia, I larda e 2
sueca,
Pauta
doi preces torrentes do aisucar, algaida, e
maii gneros do pal i, que se despacham na
mesa do conminan di Pernambuco, na e-
mmo de 30 a 27 de Uarco de 1852.
Aisucar eme. branco 1" qual. Arroba
t a "
mase....
bar. csac. branco
mase....
refinado....... *
Algodio odj pluma de 1" qual.
Dito ........ 2"
Dito.......3"
Ago'ardenle caxaca 20 graos Pipa
Dila.........Canad
Dita de canna ......
Dita. .-<.......Canad
Dita restilada.......P'P
Dita.........Canad
Genebra....... Canad
2,100
1,700
1,400
2,250
1,550
2,880
5,100
4,700
4,300
45,000
250
52,000
300
48,000
260
180
180
400
180
EDITAES.
Dita.........Botija
Licor..........Canad
/ )i|aa>.........Garrafa
Arroz pado 2 arrobas um Alqueire 4,400
Araras.........Urna 10,000
Papagaios........Um
Bolachas.........Arroba
Biseoitos........
Caf bom '."......
Dito restolho.......
Dito com casca......
Carne secca....... "
Coucosoom casca.....Cento
Charutos bons......
Ditos ordinarios. .
Dito regala o primor
Cera de Carnauba .
Couros de Boi salgados
Dito espixados .
Dito de onca .
Doces de calda .
Dito de goiaba......
Dito secco........
Estopa nacional......Arroba
Farinba de mandioca. Alqueiro 1,280
Feij3o......... 4,000
Fumo bom........Arroba 6,500
Dito restolho....... 3,000
Gomma.........Alqueire 2,000
Gengibre........Arroba 2,500

a
Arroba
Libra
, Um

Libra
3,000
3,500
5,000
4,300
3,200
3,200
2,880
4,000
1,400
700
2,500
5,000
110
140
15,000
240
200
400
1,000
Lenha deacbas .... Cento
Dito de toros.......
Pronohasdeamar.de 2 oust. Um
Ditas de louro.....
Costado de amarcllo de 35 a
40 p. dec.o2 i a 3 de I.
Dito dito usuaes.....
Cosladinhodv dilo.....
Soalho de dito...... '
Forro de dito.......
Costado de louro.....
.u-i.ilinlio de dito ....
Soalho de dito.......
Forro de dito.......
Ditos de cedro.....
Toros de tatajuba ....
Varas de pirre ira ....
Ditas de aguilhadas .
Ditas dequiris.....
Rodasde sicupira para carros
Eixos de dita para dilos .
Mol empipas.......Urna
quartolas......Canad
barirs........Um
1,600
9,000
16,000
8,500
22,000
12,000
8,000
6,000
3,500
6,400
5,200
3,800
2,500
3,200
1,600
1,280
1,000
,960
40,000
18,000
35,000
190
6,8011
Milho..........Alqueiro 1,600
Pedras de amolar .. ... 1,000
Ditas de filtrar- ..... 6,000
Pontai de boi......Cenlo 3,200
Piassaba.........Mlho 200
Sola........ Me0 I -900
Sarcaparilha. ...".. .Arroba 18,000
Tapioca......... 1,600
Unhasdoboi. ..... .Cenlo 200
Couros de cabra..... a 16,000
Aieite de catrapato.....Canad 640
Quintal
llu/ia
Par

Movimentodo porto.
/Varios entrados no da 20.
Rio de Janeiro e portos intermedios 9 diss
e 19 lloras, paquete de vapor brasleiro
S. Salvador, comoiandante n primeiro te-
Denle Coulinho. Tras a suu bordo para
esta provincia: Manoel Lotes Rodrigues
GuimarHes, Manoel Vctor de Souza Mo-
teiro e um africano livre, Antonio Pclro
Ferreira Monteiro de Barros c 1 escravo,
Prudente Francisco da Silva, Jos Domin-
guesPereira, padre ChristovSo de dolan-
da Cavalcanti, Cypriano do AlmeiJa Sil-
vSo e 1 escravo, llelmiro Pereira da Mulla
e 1 escravo, Dr. Maximiano Lopes Hacha-
do, sua irmSa, 1 filha o 2 escravos, Anto-
nio de Araujo AragSo huido e 1 escravo,
Francisco Adolpho Pererra Cuimarfles,
Francisco Antonio de Borja e Castro, ca-
pilSo Alejandro Gomes de Argollo FerrSo
e 2 escravos, Dr. Francisco Leite da Cosa
li.-1i'in, Antonio Jos Pereira da Silva, Jos
Pereira de Coas, Manoel Balthasar Pereira
niegues, 1 soldado de arlilharla e 5 ex
pracas da armada.. Para o norte: Dr. Jos
Paca de Souza. sua senhora e varios es-
cravos, Guilherme Luiz Bassoly, Jo.- Das
Pinicnla.
Baha --12 das, hiato brasllero Ligeiro, de
78 tonelladas, mastre Joaquim Jos Alves
das Noves, equipagemS, carga, varios g-
neros ; a Lu/. Borges de Cerqueira.
Rio de Joneiro 55 dias, bngus Sardo
Gemma,de 182 tonelladas, capflSoJ. Cor-
diglia.equipagem II, carga, lastroefer-
ros velho; a Jos Saporllte.
navios sabidos no metmo din.
Rio de Janeiro e portos intermedios pa-
quete de vapor brasllero l'ernambucana,
commandante Otleo. CoDduz a seu bordo
os passageiros seguintes: Joflo Rodrigues
Cardoso, Jos Antonio de Araujo Jnior,
JoSo'Joaquim Aires, Msr.oel Prudente de
Jess e 1 escravo, Moeser Serfaty, Cordo-
lina Maria da ConceicsSo, Jorge Drl nk wa-
tt r, lOrecruta, 3 pracas de marinhaea
escravos a eulregar, Tresle Luggar, aus-
riacoGroff AppoDy, capilflo G. Zaoelli,
carga, assucar.
Parahyba blata brasiielro Parahybano,
meslre Victorino Jos Pereira, carga, va-
rios gneros. Passageiros, Antonio da
Costa Ferreira, Cistor dos Santos Lima,
Claudio Jos Pereira. \
O lllm. Sr. omclal malor, aervlndo de Ini-
pector da theaourarla da fatenda provincial,
eincumpriinenlo da ardein do Exm Sr. presi-
dente da provlnclar manda faier publico que
nos das 6,6 e 7 de abril, proilino vladouro lia
a praea para aer arrematado peraote o irlbuoal
administrativo da niesma tbesourarla, aquein
por menos flzer a obra daconcluiSo do aterro
eilerior da caa de deteoco, avallada em ri.
5:857/709.
A rremalac.o aera feila na forma dos arllgoa
24 e 27 da le provluclal n. 286 de 17 de malo
de 1851.
Aa peasoai que ie propoKfcm a ella arre-
mji.ii'.iu, comparecam na aala da sessees do
iiicsmo tribunal, noi dial cima mencionado!
prlo mel da, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou alisar o prsenle e
publicar pelo Diario.
Secretaria da iliesourarla da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 15 de marco de 185*.
O secretarlo,
Antonio Ferreira d'Annuneiacao'.
aiiiulai cspccioct d* arremeticao .
I." O arrematante ser obngado a eiecu-
tar o aterro da caa de detenefio confrmele
acba designado no orcameolo, que nesla he
apreaentado a approvaco do Exm. Sr. preal-
deuie da provincia, na importancia de 5:857/709
res.
al." Elle aterro ser principiado no praio
de 30 dlaa, e concluido no de nove metes a con-
tar da data da arremalaco.
al. Serio aterrado! com preferencia aquel-
lea lugares que o eogenheiro encarregado da
obra dealgnar ao arrematante.
i." O Importe deaia arremataco aera pa-
go em qualro prestacdei Iguaea, da manelra
segulnle: a prlmelra quaudo o arrematante ll-
verl'clioaquaria parle do aterro, a segunda
quando tlver feito a metade, a lercelra quando
Uvcrfello oa tres quartoa do aterro, e a quarla
quando tlver inteiraruente concluido.
5.a Para ludo mala que nao estiver decla-
rado as presentes clausulas aegulr-se-ha o
que dlspoe a lei provincial n. 286 de 17 de maio
de 1851.
Conforme.O secretario, A. F. U'Annun-
Ciacao'.
-- O lllm. Sr. oflicial-miior servio lo de
inspector da thesouraria da fazenda provin-
cial; em cumprimento da ordem do F.im.
Sr. presidente da provincia, manda fazer
publico, que dos dias 22, 23 e 26 do corren
te ir a praca para ser arrematado, perante
o tribunal administrativo da mesma thesou-
raria, a quom por menos lzcr a obra do so-
gundo Unco da estrada da Kscad, avallada
em tl:58t,210rs., e sob as clausulas espe-
ciaos abaixo copiadas.
A arrematarlo ser fcita na forma dos ar-
ligos 21 e 27 da lei provincial n. 286 de 17 do
maio do 1851.
As pessoas que se propozerom a.esta ar-
rematado compare;am na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o pre-
senteo publicar i'clo liinro.
Secretaria da thssouraiia da fazenda pro
vinciai de Pernambuco, 3 do margo de
1852.
O secretario,
Antonio Ferreira d'AnnuncistSo".
Clautulas e i." As obras dependentes dosta arremala-
c,3o serJo feitas dn conformidade com o or-
namento approvado pela directora em con-
selho o apresentado nesla data i approva-
(80 do Exm. Sr. presidente da provincia na
iniportancia de 11:581,210'rs.
2.* O arrematante comec;ar as obras no
prazo de um mez e concluir noprszS de
um anno, ambos contados da data do termo
de entrega d'arromatacSo.
A iniDOrtancia deata arrnmalacSo sa-
ri paga de couioiuiiuodo mm o art. 39 da
lei n. 286
4." Para ludo mais que nSo est determi-
nado as presentes clausulas seguir-se-ha
o que dispOe a lei provincial n. 286 de 17 de
maio de 1851.Conforme.
O secretario,
Antonio Ferreira d'AnnunciaQSo.
MIJM.IW II RUI 1-gHt
lias de dinheire, tanto de conta proprit,
como alheia,defraudando assim a companhia
em um de seus ramos da randimentOfO
abaixo assignalo gerente da companhia bra-
sileira de paquetes de vapor, faz sciente, que
n.1o suri permillidoa pissigeiro algum levar
comsigo malor quantla de 1:000,000 rs. em
qualquer espeoie. No oaso Be desconflanca
de contravenQo, os agentes da companhia
e ua com mandan tos dos paquetes, poderflo
mandar examinar as bagagens, e sujeitar ao
pagamento de frete duplo toda a quantia que
for encontrada, e exceder aquella somma.
Rio de Janeiro, $0 de agosto de 1851.
Marcelino Jos Coelho.
Pela recehedoria de rendas internis ge-
raes se arrecada, durante o crranle me de
marco, o foro dos to: renos do de mariohs,
devido al o ultimo de junho de 1851,
e do I' do abril em diante sera remettida a
conta dos devedores para o juizo dos feitos
da fazenda afim de se promover a cobranza
execulivamente.
O administrador.
Manoel Carneiro de Souza l.acerda.
3
THEATR0
DE
S. IZABEL.
33.* RECITA DA ASSICNATURA.
TERCA tfEIRA, .a3 DE MARCO
L)E i85a.
Subir a sena depois da eiacurjSo de
urna das melhores ouverturss pela orclies-
Ira, o magnifico o aparatoso drama sacro
em 3 actos e 4 quadros.
S. Cecilia.
Acha-se brilhantcmente preparado todo o
machinismo, que pede o drama, bom como
o vestuario.
Comcc.ar as 8 horas.
Os bilhetesacham-se a venda no lugar do
costume.
RH
Declarajoes.
O Sr. Dr. chefe de polica ioterino da pro-
vincia, manda faier publico para conhecimen-
to dos inlercssados, que d'ora em dianlc nao
couscnlir que sejam conservados na cadeia
desla cidade por mais de um mes, os escravos
que all sao rccolhldos a requisicodescus ac-
nliores para correcto de ialtas commellidas
para com estes, visto que a mesma cadeia nao
pddc adiuiltir grande numero de presos, e 80
por falla de um esiabelcclmenio proprio para
correcccs daquella nalurrza, he que ae con
cnle que all irjam rrcolhidos escravos pelo
lempo de um mez, como Oca dito.
Secretaria da polica de Peruambuco, 18 de
ni i.. ii de 1852. Antonio Jos de Frcitas.
Primeiro amanuense.
OSr. Hr. chefi! de polica interino da
provincia, lendo de contratar o sustento
dos presos pobres da cadeia desta cidade
pelo lempo de um anno, assim o manda fa-
zer publico afim do que as pessoas que a is-
so sequizerem propor coaipa e;am nesla
repartirlo com as suss proposlas dentro do
prazo de 15 das da data deslo; certas de
que as condi(0es do ultimo contrato que
devem servir de base sSo asseguintes:
1. Que se dara a cada preso por almoco
urna tigella de caf e um pilo de vintom.
2. Que para o jantar, que seria a urna ho-
ra da tardo, se daria nos domingos, segun-
das o quinlas-feiras urna libra do carne fres-
ca, caldo, 1/16 de 1/4 de farinba; as ter-
ca* o quarlas-feiras meta libra de csrne sec-
ca com fejo em proprfao, e mesmo
1/16 defannha ; as sexlas-fi'iras e sabba-
dos 1/2 libra de bcalho eo mesmo 1/16
de farinha, accrescentando-se nos dias de
carne 10 lis de touciabo e 4 res do couve
por cada preeo.
3. Que a-comida seria dada pelo fornece-
dor prompta e com a necessaria limpeza,
feila na cosinhi da cadeia o destribuida em
bandejas de madeira ou estanto, ou a cada
preso ou por turmas do dous at cinco,
conforme isso parecesse mais conveniente,
requisico dos mesmos presos.
4. Que se Ihe daria pelo fornecimento do
sustento de cada um preso a u.uantia de 160
ris diarios; quo este pagamento seria mon-
salmenta feito precedenJo attestado do Sr.
chefe de policia em que se declamase que o
un ri-. |.i: cumpria com os seus deveres.
5. Que o foroecedor se sujeitava a ser
despedido toda a vez quo o mesmo Sr. chefe
de polica entrasse no conhecimeiilo do n."m
ler este cumprido com as condicOes a que
se sujeitava.
6. Que lho seria dada por esta repartido
a lista dos presos pobres existentes na ca-
deia, que se houvesse concedido racOes
diarits, afim de por ella regular-se no cum-
primento do seus deveres, licando, porm,
entendido que no numero dos presos pobres
nSo seriam contemplad! s os escravos om ra-
llo do fornecimento do sustento destes, de-
ver correr por conta do carcereiro, como he
de lei- e eslylo.
7. Que o fornecedor so sujeitava a forne-
cer o sustento aos presos pobres recolhidos
i enfermarla da mesma cadeia dando-se-lhe
320 ris dianos por oda um e obrigando-
se elle a cumplir o regulamento na parte
que Ihe diz respailo.
Secretaria da policia, 16 de rnarc.0 de
1852. Anionfo Jos de Freilai.
COMPANHIA BRAS1LEIR1 DE PAQUETES DE
VAPOR.
Sendo notorio que frequeotemeote os pas-
sageiros que viajam nos vapores da compa-
nhia dos paquetes, transprtala clandesti-
namente em suasbagagens avultadas quan-
visos martimos.
Para Lisboa, a galera portugueza Mar
garida, capiLlo Silverio Manoel Iteis, sal
com a maior breviilndo possivel, recebo car'
ga a frete o passitgeuos : quem pretender ,
dinja-se aos consignatarios Oliveira IrmSos
& Companhia, na ra de Apollo n. i i, ou ao
referido capilSo.
Para o Porto sahe com muita brevida-
dade a galera portogueza Bacharense, de
primera marcha, da qual he capitSo Ro-
drigo Joaquim Coreia, para carga ou passa-
geiros, para os quaes tem os mais asseiados
commodos, trala-se com o stpitlO na pra-
;a ou com Jos Moreira Lopes: na ra do
Queimado n. 29.
Para o Rio de Janeiro.
Segu com brevidade, o brigue
escuna nacional Olinda por ter
parte de seu carregamento enga-
jado: para o resto, escravos e pas-
sageiros, trata-se com os consig-
natarios Machado & Pinheirc, na
ra do Vigario n. 19, ou com o cu
pito Manoel Marciano Ferreira ,
na praca do Commercio.
Para o Porto seguir al no fim do cor-
rente mez a hem conliecida barca portugue-
za Santa Cruz, capitSo Manoel Francisco fto-
gueira : recebo carga, e tem excellentes
comrrodos para passageiros : trala-se na
ra do Vigario escriplorio n. 11, 1. andar
ou com o capitSo. -
l'ara a Baha.
Segu com brevidade o novoe veleiro hia-
to nacional SANTA CllliZ forrado do cobre
para o resto da carga Irata-sj na ra da C-i-
deia do Recife n. 23._
Para o Ufo de Janeiro, se-
gu viagem, a barca nacional Fir-
meza, pregada e ferrada de cobre,
e de muita veleira marcha : para
Precis-se fallir com o Sr. Jcsuino An-
tonio de Bastos, para.urna informsglo, para
Tora : na ra da Cruz do Recite n. 24.
O lllm. Sr. Manoel Marques
da Costa Soares, senhor do enge-
nlio Se jiro de Santa Crui, hoja de
mandar conferir e a justar sua con-
ta nestes 8 dias, j que deixou de
consignar-me seu assucar. Luiz
Epilauio Mauricio Wanderley.
Ramosot Companhia, embarcam para
a corte do Rio de Janeiro, o seu escravo, de
nome Joaquim, de nacilo Angola.
Andrade& Lisl, compram alguns es-
cravos mofos, de 13 a 11 annos, proprios
para ofilcio.
-- Aruga-se urna casa de dous andares ,
nos burros, de S. Antonio, ou Doa Vista, ou
entSo de um andar e sotSo, que sejam de-
centes o tenham sufficientes commodos para
numerosa familia : quom tiver annunrie,
ou dirija-se a Soledado, sitio dos qualros
lees.
-- Precisa-se alugar urna ama deleite,
para criar urna criaoca : na ra da Cruz nu-
mero 1.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia : no pateo do Paraizo, sobra-
do n. 18.
Aluga-se a metade da casa da ra do
Pilar n.75.
Precisa-se alugar urna negra, para o
servico de urna casa de pouca familia: a tra-
tar na ra larga doRozario n. S6, loja de
miadezas.
jg Aquellos senhores que anda nSo :|
me remetteram assucar nesta safra, sjj
nSo obstante estar ella quasi a lindar, g|
Eba a mi de me pagarem quanto antes aj
os fnrnecimentos que Ihes fiz, visto te
as que taes filias demonstrsm nSo con- 31
S tinuarem suas correspondencias com- *a
I migo, conforme trataram edoviam ;
g advertindo-os do que os gneros por 1
if ni i o fornecidos n.v> oscomprei pelos j*
(? prasos porqueSs. Ss. querem. Como 9
9 tambero deva, e esleja veixadn a pa- I
9 gar, nSotenho remedio so nilo fazor II
D este pedido, que s he dirigido a ,i- :
31 quelles senhores quo anda nilo me 'j
^ remetteram assucar nesta sana.
Luiz Epifanio Usuricio Wanderley. .1
0**ll!*!*.1IMr~^iai30
Precisa-se de um prolo para padana, el
queertenda de masseira : a tratar nos Qua-
(io Cantos n. 116, ou no Manguinho,padaria
nova.
MaooleSo Gabriel Bez, embarca para o
Rio de Janeiro os seus escravos s^guinles :
Balbiiio.Cosmo, Cezario, todos creoulos.
UapoleSo Gabriel Hez, embarca para o
Rio de Janeiro as suas escravas seguintos
Maria creoula de idade 30 annns, Maria cre-
oula de idade 14 annos, Josopha parda, Vi-
cencla parda, Benvinda parda.
Jos Veirade Figueiredo.embarca para
o Rio de Janeiro a sua escrava Maria de na-
co Angola de idade 30 annos.
-- O abaixo assignado faz sciente a ledos
os seus credores, quo elle nSo podendo con-
tinuar mais como seu cstabelecimentode
confeitaria na ruaestreita do Rozano n. 43,
Ihe he necessario ultimar suas contas, por
isso osconvida para no da 24 docorrenle
as II horas do dia, impreterivelmente se
acharem emditoestabelccimento. N.B. to-
dos aquelles credores, que faltarem ao cha-
mado do abaixo assignado, no dia e hora
cima marcado, terflo o disgosto de no se-
rem pagos.Jollo Luiz dos Sautas.
-- Aluga-se o seKundn an lar e sold da
casa da ra <] slarirn do Dos II. 24 : a tratar
nn aroiazem da moirns ou na ra da Cadeia
do Recie n. 42.
A cesa commorcial desla prar;a do fal-
lec lo do Sr JoSo Francisco da Cruz passa a
serlquidada por sua viuva abaixo assignada
com a lirma de vjuva J. F. da Cruz eiu li-
quidarlo,Joaquina lliazida da Cruz.
Os Sis devedores da casa do fallecido
Sr. Jo5o Francisco da Cruz podero pagar ao
caixeiro do mesmo, oSr. JoSo Jos Chaves,
que contina nesse emprego, devidamente
autonsano.
-- Precisa-so de um homem para caixeiro
de engenho e encaixamenlo, que d conlui-
ciuici 11 i loneo de sua pessoa : no engenho
Novo da Muribeca.
Salustiano de Aquino Fer-
reira, faz sciente ao respeitavel
publico, que oram vendidos na
carga, passageiros e escravos a (re-
tejara o que tem excellentes com- pra?a da Independencia, loja de
da Cadeia calcado do Arantes, n. i3 e i5 ,
modos, trata-se na ra
n. 4o > ou na praca, com o con-
signatario Manoel Francisco da
Silva.
Leiloes.
- Domingos Bozano, como nilo podesse
concluir o lellSo de 18 do crrenle dos ob-
jectos salvados da barca Sirda Bahlla, con
tinusr por intervengo do corretor Miguel
Carneiro, r em presenca do vlce-cousul de
sua Mageslade Sarda, e o Sr. Jos Sapontte,
agente do seguro nos diss 23 e 21 do corren-
te as 11 horas da manha na alfandega, e ao
mesmo lempo r a leiiSo um mastro gran-
de perlencente ao mesmo navio.
O corretor Oliveira far IciISo em um
s lote, por ordem de John W. Peed, capi-
tSo do patacho americano llenrietla, por
conta e risco de quem peitencer, e em pre-
senc dos consignatarios Henry Forster l
Companhia, do casto, crrenles, mastrea-
cSo, vellame, utencillos, e mais pertences
do dito patacho, de lote 123 tonelladas n-
glezas, o qual foi legalmente condemnado
nesle porto, onde recentcmente chegou.vin-
do de Ballimore com um carregamento de
farinha : qusrta-feira, 34 do crrente, ao
meio dia em ponto, porta da associacio
commercial desta prar;j, onde os prelen-
dentes pbdem examinar o respectivo inven
tao, ou anleclpadamento tanto este, como
o c.iii'iii do mesmo patacho, a bordo, no lu
gsr onde so acha Tundeado.
e na ra da Cadeia do Recife n.
46; os premios seguintes, da lote-
ra das Agoas Virtuosas ; assim
como da aa. lotera de S. Pedro
de Alcntara, a saber : Agoas
Virtuosas, meios bilhetcs, 5gai ,
1:000,000; 4^37, aoo,000 ; iai8,
100,000; ia38 100,000. Quar-
tos, i.'\~n, a:ooo,ooo; 3379, loo*.
Uitavos, ai54, 200,000 ; IfiGo ,
aoo,000; 1 !).'!(>, 100,000. aa. lote-
ra de S. P. de .Alcanta; quartos,
ai58, 1:000,000; 1770, 200,000;
5638, 100,000; 5893, 100,000.
Todos estes premios sao pagos sem
ganancia alguma as menciona-
das lojas cima.
ffVf<^VfVi>''v:VfVfVfVVf
* Botica homopathici. <
28 RA DAS CRUZES 28, J
J Dirigido por um pharmaceutico
Avisos diversos.
A mesa regedora da ir-
miindade do Santissi-
mo Sacramento da fre-
guezia de S. Antonio ,
pretende no dia ai do
corrente mez, as 4 ho-
ras da tarde dia de
sua Instituirn, cele-
brar a bencio da Cruz e Custodia
do frontetpicio da igreja, e para
mais solemnilade deste acto, con-
vida a todos os irmaos para com-
parecvrem no referido dia e hora.
O Sr. Raymundo Jos de
Araujo, queira apparecer na ra
da Cadeia de S. Antonio n. 9 a
negocio de seu intresse.
Na ra do Caldeireiro n. 56, aluga-se
um moleque creoulo, de 14 annos de idade.
approvado, .aj
a> Este estabelecimenlo pnssuo todos &
.* os medicamentos at agora uxperi- *
> mentados, tanto na Europa como no 2
*| Brasil, e preparados polas machinas *
' da inven;3o do Dr. Mure.
W Preeos.
> Das carteiras tiomopathiras. -C
a Emcarteiras do 12 tubos grandes 12/ -9
0. 1, a 24 a c 20/
a> a 24 pequeos 15/^
S* Tubos escolhidos (cada um) 1/ 3
O escrivo dos protestos de
letras' mudou o seu escrptorio pa-
ra o primeiro andar do sobrado n.
que faz esquina com o tlie.itro de
O. Francisco, aonde pode ser pro-
curado todos os dias uteis das 8 as
11 horas da manhSa, e das 3 as 6
da tarde.
-- Antonio Francisco de Moraes. ten lo de
retirar-se para fora do imperio, deixa por
seus procuradores, om primeiro lugar aoSr.
Antonio Jos Leal Res, em segundo aoSr.
JoSo Jos de Carvalho Moraes, e em leroeiro
ao Sr. Thomaz Fernandos da Cunta.
Miguel Joaquim da Costa, ten lo de fa-
zer urna viagnm a Liahoa, pede a quem se
julgar seu credor aprsente sua con la para
ser psga, aasim como roga a seus devedo-
res de contas amigas, hajsm de solver seus
dbitos, at o lim dojeorrente mez, pelo que
Ihe tirar agradecido.
Precia-se de urna ama de leite: na ra
do Collegio n. 16, lerceiro andar.
Joilo Antonio da Triudade, faz sciente
ao respeitavel publico, que de boje em dian-
te se assignar JoSo Antonio de Abreu Triu-
dade.
Bernardo Domingues Silva Araujo
embarca para o Rio de Janeiro, o seu escra
vo Jos.
Lino Jos de Castro Araujo, remelle pa-
ra o Rio de Janeiro, o escravo Joaquim, de
na^flo Angola,do 33 annos de idade, a ser
entregue a seu proprielario Beruardjno Jos
Pinto.
Francisco Antonio Smiles, tendo de re
tirar-se para Portugal no prximo vapor.de-
clara quo deixa por seus bastantes procura-
dores, em primeiro lugar ao Sr. Vicente
Monteiro Borges" em segundo ao Sr. Joo
FernanJes Prenle Vianiia, e om terceiroao
Sr. Francisco Rodrigues da Cruz.
-- Precisado alugar um silio para as par-
tes de Santo Amaro :quem o tiver annuncio.
Aluna-so em soparado urna sala, com 2
quartos e I soto, 4 quartos, 2 salas o cozi-
uha : na rus da Penlia, sobrado 11. 1, com
limpeBo.
-- Na praca da Independencia n. 12, tro-
ca-so por 2 i) un reos, um lindo cavallo ,
multo gordo ecom bons andares.
O Sr. Francisco Biboiro Tavares, tem
urna caria, na ra da Cadeia do Itecifo 11.
48, primeiro andar.
-- OSr. Bernardino da Silva Cuimariies.
faca favonio aparecer na ra do Cabuga n.
2, a negocio do seu inleresse.
Precisa-so lugar urna ama secca de
hons costo mes, e quo saiba bom cosinhar,
nansoduvida pagar bem, se agradar o seu
servido : na ra das Trinciieiras n. 19, so-
brado de 2 andares.
Precisa-se de um preto, que seja bom
0 liel paga-se bom : quom livor e quizar
alugar, dirija-se a ra do Trapiche Novo
n. 10.
(Jrecisa-se de urna ama, para servir o
interno do urna casa de mui pouca familia :
no Hospicio, silio de porlSo verde, junto do
da Viuva Cunhs.
Ilenry Richardson, capitSo da barca
ingleza Fany Luceu tendo concluido os con-
cerlos drsla, occasionada por sua arribada
que neste porto fez, e estando prompto a se-
guir a viagem de sou destino, de Calcult
pare. Dublin, pretende tomar a rised 15 a 20
contos do ris sob o cas,eo, quilba appare-
1 mi da dila barca,e a carga de assucar.sedas,
di, que conduz a seu bordo: a quem con-
venlia esta transacco laca sua proposla por
carta fechada dirigindo-se ao consulado
britannico antes^ou at sabbado, 20 do cor-
rete ao mel dia.
11.1- -. 50.000 rs. a juros, "bre penno-
res de duro : "quem qui--, Sinja-so ruj
Augusta, venda 11. 31, que se dir quom d.
-- Precisa-se de urna* boa ama de leite:
em Olinda, no sobra.lo da cadeia da S, es-
quina da ra do om-Fim.
-- A-cha-seaberta na ra do Santa There-
zan. 28, urna aula particular de primeiras
letras para moninos, onde se ensina com to-
do o zelo e solicilude a ler, escrever, e con-
tar, elementos de grammalica nfcional, co-
zer, bordar, marcar, elavarinto : os pais de
familias que qutzeiem admiltir suas Tilias,
dirijam-so a niesma aula, que- Misarlo coui
quom tratar.
-- Aluga-se urna escrava que coze, cosi-
nha, lava e engomla o diario de urna casa:
na ra .lo Seve, casa terrea e sotSo, defroule
do Ihoatro. #
Mterro da Boa-Vista n. 10.
Pommateau cutileiro tem'a honra de^ire-
viuir ao respeitavel publico quo vai fazer
(una viagem a Franca e por este motivo re-
solveu vdnder a pre^ do custo todas as fa-
zendas da sua, lojusto a dinheiro a vista
allancando a qualidado das fazendas que Ihe
comprarem, tem fumo de muilo bom gosto
Precisa-se alugar urna atoa forra quo faga
o servico de casa e ra, e paga-se bem : na
Praca da Independencia 11. 38, se diraqiiem
pretende.
Precisa-so alugar om moleque, para o
.sorvic.ii do urna casa de familia o vender na
ra : quom o livor, dirija-se a ra do Hospi-
cio n. 17.
Hua das Trincheirasn. 12.
Tiram-se passaporles para dontro e fra
do imperio, e tambem tiram-se folhas corri-
das, ttulos do residencia, por diminuto pre-
eo : a tratar na mesma casa cima. m
D-se 1:000,0(10 rs. a juros, de I I [2 por
cento ao mez, por lempo de um anuo, ou
mais so convier, sob hypothoca em preJios
nesla Cidade, li res e desombaracadus, re-
cebendo-se os juros meosalinente : quem
quizer, aununcie.
Ileccbemos do Sr.-Francisco
Joao de Barros a quantia de rs.
436,4oo provenientes da subs-
cripcao, que p mesmo Sr. obteve
em nosso favor pelas pcssois de
sua amisade, como consta da mi-
nuciosa reluc3oque precede, e de
que ficamos com oulra igual. Re
cife, 17 de marco de i85a. An
O consol de S. M. B itannica notifica
qoeolle pretende vender a ci, trras e
ierra marinha situado no aterro da Boa-Vis-
ts n. 35 e uliimamen'o servindo de hospital
britannlco,' as pessoas qn quizorem com-
prar os ditos ohjectus podem examina-los a
.(iialquer hora do dia, dirigindo-se a mesma
casa, e as ofJTertas de compra serSo recebidaa
no consulado britannlco desta cidade at o
dia 20 do correte mez.
. -- Precisa-se de 2:000,000 rs. para paga-
mento de urna hypolheca, sobre una casa
nova adabada niuito pouco lempo, na en-
trada do corredor do bispo.
Nilo se euten leu lo com o abaixo as-
signado o annuncio que se acha transcripto
no Diario de Pernambuco o. 57 de 10 do cor-
rente em que pede o pagamento de 9 letras
e para que no aparetam equvocos seme-
Ihantes o abaixo assignado declara que de
hoja em vante se assignar Antonio Coo-
(alves Ferreira CascSo.
Antonio Consalves Ferreira.
Precisa-se alugar urna mulher do ida-
de, livre e desempedida, para ama de casa
dn pouca familia : a tratar na ra do Cres-
po n. 10. _________________
1 ',
Compras.
;>
*
i
Tinturas de medicamentos em
frascos de 1|2 on;,i (cada um.) 9f
Ha mais, alem destas, outras muitas
csixascom glbulos o tinturas por
precos variaveis, conforme o tama-
nlio ea qualidade das ciixas, e a
quantidade dos remedios e as suas
dynamlsacOes, etc.
Avi.lo-se gratuitamente para os po-
br'S, todas as receitas que para ali
mandar qualquer professor.
**********************
Na roa do Caldeireiro n 42, precisa-se
de um mulatinho de 15 a 16 annos de i lado,
o qoal tenha muito boa figura e sem vicios.
Compram-se trastes usados e tambem
se trocam por novos : na roa Nova, arma-
zem de trastes do Pinto, deronta da ra de
S. Amaro.
- Compram-se para urna encommenda
do Rio de Janeiro, S escravas creoulas, ou
pardas, dn 12 a 20 annos, que tenham boas
figuras: na roa Nova n. 16.
Compram-se escravos, ou escravas do
qualquer idade, que n3o sejam doentes, pa-
gam-se bom: na ra larga do Rozario, loja
u. 35.
. Na ra da'Cruz do Recife n. 52, pri-
meiro mular, preosa-so comprar urna escra-
va creoula quo saiba co?er, engommare fa-
zer laberintos.e que tenha bonita figura, pa-
pa-so bem.
-- Compra-so um escravo para o servico
do una casa de familia, que saiba comprar
e fazer o servico extoeno, paga-so bemres-
poiisabilisando-so o vendedor por algum
loinpo pelos actiaquos o vicios dosse escra-
vo, quem quizer fazer esss venda procure o
priinoro tenente reformado Joaquim Igna-
cio do Dtrroi Limajnii Boa-Vista ra da Sau-
dade, ou no consulado geral aonde lio ar-
quiador.
Compram-so 2 ou sfronhis pequeas
do laberinto, 6 a 7 varas de bico fino que se-
ja largo o bem foito que he para lo a I ha do
brolanha lina, renda para botar em fronhas :
na ra do llang.l n. 36, primeiro andar.
-Compra-se um escravo que entenda
alguma cousa de padarla: na padana do
Forte do Mallo n. 31. r.
Compra-se a Medicina Popular do Hr.
Chernoviz, mesmo usada, sondo barata :
quem tiver annuncio.
agradando paga-se bem. ^^^^^^^^
Vendas.
gela lamina Pereira Motta, a rogo
de Maria Jos l'ercira Motta, Joa-
quim Antonio Finio SeroJio J-
nior, como lesti'iiuiiih is Candido
Alberto Sodr" da Motta, e Joa-
quim Filippe da Costa.
Traspassa-se por precos muito commo-
dos, at o meado de setembro deste snno. o
aluguol do silio do Sr. Queiroz Fonspca.silo
no principio da estrada do Remedio, planta-
do de arvoredos, com boa casa para grande
familia, sen/alia para escravos, cocheira,es-
triban, etc. : quem o pretender dirija-se ao
sobrado o. 1, na ra da Cruz.
Na ra do Hospicio n. 52, precisa-se de
urna ama que engomme com perfeicJo : pa-
ga-se bem.
Aluga-se a loja do sobrado da ra dos
-- Antonio Francisco de Moraes, subdito ? Qoarlis 11. 16, proprio para qualquer esta-
Brasllelro relira-so para Portugal: a tratar I belecimonlo : a tratar na ra doQueima-
desuasaude. ido o. 44.
OSr. Jos Antonio da Silva, natural da 1 Precisa-te de urna ama de leite : na rui
freguezia de S. Salvador de Arvore, em Por-Direita n. 31, casa deumaniar; .......
tugal, tem urna carta, viuda de sua familia:) -- Precisa-se alugar um negro: na relloa-! porcode madeiras, muua peura, esoieirasi
aa ra da Cruz o. 59. fio da ra dos Guararapes o. 16. | na ra do Rangei n. 47.
Vende-so sement de coentro rnuit"
nova a 120 rs. a garrafa, leite liquido a 200
rs. a garrafa : na ra da Assumpc.ao n. 36,
segundo andar.
Ricas toucis dn lila para senhora e
menina.
Vendem-se na ra do Cabug*. loja n. 6.
toucas de 13a as mais ricis que tem appare-
cnlo, por preco muito commodo, a ellas que
se estSo acabando.
Na ruado Apollo, no trapi-
che do Ferreira, venJe-se cil vir-
gem (le Lisboa, em harria, cliega-
da-wUi.^amaiiie no brigue Laia ,
pelo diminuto preco de 3,5oo rs.
Vende-so a armaco e ben-
feitoriasda lojx da ra Nova n. 6 :
a tratar ni mesma com iMaia
Hamos.
.- Vende-se urna escrava, propria para o
01 vico do campo : na ra Nova n. 28.
Vcnde-se um prelo de na-
cao, ptimo forneiro e mestre de
masseira : a tratar na ra da Sen-
zallaftn. 90.
Vendem-se batatas muito
superiores, inglezas, recentemen-
te chegadas : no armazem de Jos
Joaquim Pereira de Mello, no lar-
go da Alfandega defronte do guin-
daste.
Banana e goiaba.
Vende-se superior doce d'aquellas fructas
do mais lino que) ha : na venda da ra
da Cadeia do Recife defronte do Beco Lar-
go n. 85.
Vendem-se lanternas de papel, pintados
de muito bom gosto, e preco commodo, pa-
ra os meoinos acompanharem a imagem do
Sr.dos l'assos do Corpo Saoto para a Matriz
da Boa-Vist, na quinta-feira 25 do crranlo
mez : no Recife loja demiudezasde Anto-
nio Jos Moreira Pontos, S. Antonio* do
lenlo Joaquim Cor-leiro Lima, e na Boa-
Vista na do JoSo burcio da Silva Gui-
niarps. ,
Vendem-se por barato preco 4 canoas
de crreira de diversos lotes, promplas a.
navegar : om Fora do Portas casa 11. 24atiaz
da igreja, da parte do mar. .....
Vende-se urna escrava cnoula de idade
17 anuos, som achaques ncm vicios, aqual
lava, e omgomma, ele : em Olinda ladeira
da Mizericordia casa contigua ao sobrado
que faz esquina para o beoo do Bom Fim.
Vendo-so
F^permacete em caiasde 16 libras.
F.rinha superior em saceos do alqueire.
Cha i'i- tu superior.
Krva mallo.
Verdadeira genebra deOlanda era rrasquei-
ros.
Charuto* da Baha superiores,
Serveja lina: na travossa da aladro de Dos,
armazem ns. 4 e 6, pintado de cdr.
-- Vonden-so 50 bastidores para qoalqoer
theatro, em muito bom estado, o2 vislasj;
quasi todos a 500 rs. cada um: na casa ao
tlioatro da ra da Praia.
Aos babuleiros.
Veodem-se taboas de pinho e pedscos di-
versos, bons para bahs e multo baratos :
na ra da Praia, casa do tneatro q-sea asa
desmanchando.
Aos padeiros. .....
Vende-se lonha barata e de qualidade boa
para padaria : na casa do theatro da ra da
Praia que se est desmanchando.
-- Vende-se um preto moco e robusto*,
proprio para padaria por ter pratlca desse
trabalho .' na ra do Trapiche n. JO, esqutua
daLingoeta.
Vende-se urna bonita perciba da caval-
los de carro mangos e bem gneas; doua
quartos muito bons de cir^a : na ra Nova
u.61". ,
Vende-e urna cisi terrea na praia do
Caldeireiro n. 4 r a tratar na ra de Hurtas
'' Vende-se um terreno excedente para
edificaco de urna cass, nSo he foreiro, lera
i MUTILADO


r*r
Farinha Fontana,
cheMda ltimamente: emcasa de I. Mea-
So .Sniorioa rui do Amorim n. 35.
.-Vende-se um carro de qustro rodss
multo levo e eguro, por muito pouco di-
nheiro : ni prasa da 60. Vista, coche.ra
^*1ot?*?o*?dT'm.rello d. rui
2 do Quelmado n. 29, tem par vender g
3 um rando sorllmento de pannos pre- j
, tos finse de cores riiesicasemira pre- a
I ta elstica superior de 0 a 14,000 rs, o S
' corto de calsa; cortes de coleto de ca- y
semira preta bordados; ditos de setim
preto lambem bordados; chapos pre- E
tos francezes os mals modernos e de
! melhor qualidade que ha no merca- M
do; ditos de castor braoco inglez da
ultima moda; e outris fazendas de jg
(rosto o rreco comniodo.
wmm%4mmmmmmmmmmw
Moendus superiores.
Na fundicSodeC. Starrfc CompanhL,
em S.-Amaro, acbam-se yenda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcSo muilo superior
- No armazem da ra da Moda n. 15,
yende-se cal de Lisboa em pedra, a mais no-
va que ha no mercado, chegada no correte
mez, no brigue Laya ; assim como mercurio
doce em caixinhas de libra cada urna, ludo
por menof preso do que emoutra qualquer
parte. ,
Grandes pechinchas, na ra do
Crespo n. i4,lojade Jo. Fran-
cisco Das, a 14,f rs. o corte! I I
Rlquissimos cortes de vestidos de finissi-
maaedae delicados gosto, fazenda loteire-
mcnto moderna, pelo baratissimo preso de
14,000 rs. o corte; ditos de cambraia seda.
seodoo mais superior que tem apparecido
no mercado, pelo barato preso de 9,000 rs. o
corte; superiores vestidos do linissima cam-
braia e de cdr, com riquissimoa babados e
todos os seus pertences, sendo urna peca de
galio e outra de cordo, que se di de gra-
tis a quem comprar os vestidos, pelo mul-
to barato prego de 6,000 rs. o corte ; ditos
de cambraia ccm barra branca e de cor, fa-
zenda do ultimo gosto, polo baratissimo
preco de 5,500 rs. o corte ; ditos de cassa
chita, com 6 1|2 varas a 2,000 rs. o corle;
ditos muito linos, fazenda de muilo bom
gosto a 2,500 rs. o corte; chitas cabocolas
muito fixas;e flnss, cures de cafo e de vinho
a 200 ra. o covado; dilas francczas a 240 rs.;
ditas dequadros escuros, fazenda do ulti-
mo gosto e novos padroes a 200 rs. o cova-
do; riscadinhos muito fixos a 160 rs. oco-,
vado; cassa chila muito largas e decores
fixas a 200 rs. o covado; alpaka preta muito
Ona a 640 rs. o covado ; merm preto mul-
to fino a 1,800, 2,500, 2,800 e 3,200 rs. o OO-I
vado; superior aloalhado adamascado de.
puro linho, com 8 palmos de largo, pelo ba-
ratissimo preco de 1,600 rs. a vara; bnm
trancado de puro linho, de diversas crese
delicados goslos. polo barato preso de 1,200
rs. avara; riscado de linho, com 4 palmos
de largo a 200 rs. o covado ; algodao azul
de 411.2 palmos de largura, fazenda muilo
propria para ropa de escravos a 200 rs. o co-
vado ; assim como outras muitas fazendas ,
que se vender por preso mais cmmodo
do que em outra qualquer parte._
Cobertores de agodo.
Superiores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, tecidos a dous fios, muito
grande, tem toda applicas&o em urna casa de
familia, por servir para meza de engom-
mado e forrar camas e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto preso de 1,440 rs.: na
ra do Crespo o. 6.
i'otnaaa americana,
__No anligo deposito da cd.-*w*' *~
12 existe urna pequea porsSo de potassa
americana, chegada reccntemente que por
.superior rivalisa com adaltussia: vnde-
se por preso razaavel.
Rap Paulo Cordeiro.
recntenteme chegado do Rio de Janeiro :
vende-se na ra da Cadeia do Recife loja n.
50, deCunha & Amorim.
Vendcm-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. !\i.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ra da Cafeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos preso do que
em outra qualqner parle.
-- No escriplorio de Slanocl Joaquim Ra-
mos a Silva, na ra da Cadeia do Recife,
vende-se por preso commodo cal virgom de
Lisboa chegada no ultimo navio, bezerro del
lustro, mercurio, linha de RoriZiretroz, fei-
chaimas do Porto, pannos e casemiasi
de ISa.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vnnde-seeslecompendio, approvado para
s aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
prasa da Independencia, livraria n. 6 e8.
__ Na porta da Alfandega e no
armazem do barateiro Joaquim da
Silfa Lopes, vende-se farinha fon-
tona SS5F e de Philadelphia, l-
timamente chegada.
Vende-se sem limite
Pannos finos preto e de cores a 3,000 rs. o co-
vade, chapeos prelos franceses V'00
rs. cada um, corte de cisemira de pura I
5 000 rs., cortes de cambraia branca com
li'atras a 2,400 rs., cambraia de organdy pa-
drOes modernos a 400 rs. o covado, chitas
francezas e riscados, a 240 r. o covado, pe-
sas de chita azul com flores amarellas com
38 covados por 4,400 rs., bnm raneado de
puro linho de liatras de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muitas fazendas por baratissi-
mo preso : na ra do crespo, loja amartilla
n. 4 de Antonio Francisco Pereira.
Para a quaresma.
Grande sorlimento de sarja preta hespa-
nhola, setim preto maco, cortes de vestido
de seda prota bordados muito novos pa-
drOes, chamelote de seda preta com liatras,
veludo preto, veos prelos, manas de nio
preto, manteletes prelos e de cores, casem-
ras prelas, pannos linos, cortes de colele de
seda bordados, merinos, alpaca, lpim, ule
ullimameute ebegado, e por presos commo-
dos : na ra Nova n. 23, loja de Antonio Go-
me Villar.
4,000
CHA PRETO.
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra d*i .imorim n. 35.
Lotera de N. S. do LiVramento.
Aos 5:ooo,ooo ders.
Na loja de miudezas da praca
da Independencia n. 4 > vnde-
se um resto de bilhetes nteiros ,
meos, quartos, decimos e vigsi-
mos a beneficio de N. S. do Li-
vramento.
Bilhetes inteiro
Meos
Quartos
Decimos
Vigsimos
Na ra Nova, loja franceza n. io.
Recebe, se de Fransa pelo ultimo navio,
10,000
5,000
3,600
1,100
Coo
para urna cosinha
ragens n. 16 do Jos Luiz Pereira.
a I 600 rs banZ.s linas, colheres de me- e de algodUo brancos e preto*, sarja preta
t. 'dVnriQcioe Smi"om g.rfos muito fi- hesp.nhol.de diversas qu.l.dades.veos pre-
as ditas n.ra" meamos; hcelas pintadas tos imitaso de blonde, e muito objectos
n^doceex.dM caldas com aso, reos proprios par. a quaresma ;como tambem
de rorro m?" barris pipas" toneis. tornei- instrumentos de msica : rebecas rebecOes
r.s de mel com chaves par. barris epips, violOes, flautas, Daut.ns, clarinetes e todos
n.r.fu* oir?Mm.%oeezM, i*'F'> os instrumentos de cobre, malhojos para
fado, na aPn sa d ilntsr, tid o trem pianos, rebecas, e para violOes dos melhores
na rua Nova, loja de fer- ulores ; solios para homem e senl.ora, chi-
cotes para carros de todas as quahdades,
chapeos de sol para homem esenhora ; e tu-
"preta. 9 do que di respailo as lojas francezas, por
I vnndB.sflsuneriorsetim preto maco (# barato preso. .
fr orarlo nafa ves idos do senhora; sar- ? Vende-se um sitio beira do no.ad.an-
1 uXsedapreu legitima hespanhola; te da ponte de Ucna. com casa magnifica
cortes de ve? dode soda prela bor- 4 tendo adianto grande sala, agabineiei.es
dada gosto moderno, lend do ludo 4 alcovas, sala igual aires, mais 3 qu.r os *
2 Porco'psr. o compr.'dor poder caco- cosinha, terreno com mais de mil palmos
toe-e uor oreco muito commodo : na 9 decompr.meutoe grande ba.xa de capim : a
i o?, do obrado amarello da ra do (9 fallar na ra de Santo Amaro n. 16.
Z oueimado n S9? < Vende-se um. capa de gurgurflo, rica,
\rn^in Vinario n. 19. primeiroan- canlamenlo n. 11.
da"r' ha os vender mu lo sperjor cera No .Ierro da lloa Vista n. 54, vondem-
ior^s vinhos engarrafados. "*&& S par.as-
Uvas do oenao. soalho.japparolhadas, por preso em con-
Vonde-se ovas do soitao por preso com- (J ,,, rua j, cadeia do Recife, loja n.6.
modo: na rua do (Juoimado loja n. 1*. l'echinclia.
m^S^ZSJSSffVSBXm loja do Passeio^ublico n. 15 vende-
todo cintro mweXegUlh proprias para se superior cal virgem, chegada uU.m.men-
Upoi.!a.1m como ouas toalh.s com la- te de Lisboa, por preso muilo commodo pa-
fe "i* fo0i.n" Pnl"S : "' fU8 ^ QUe'"-ra--CVcnde-se um. b.ci. de rame, grsn.
madon. 14loa. ., em bom estado : na rua doRangel n. 54.
Agencia de Ldwin iUaw. __ Vcnde.se um plano ing|CZi para quem
Na rua de Apollo n. b, armaiein de c.i.a- aPrender, por ser de preso muito com-
montfc Companhla. *-=" "S" 1 modo e se achar em bom estado : no aterro
bons lortlmenlo de tana de ferro co.ao c nhrdo n 17
balido, tanto ra.a como fundas, mocadas le- da lloa Msla, sobrado n. 17.
eiraa toda de ferro para animae., agoa, etc L0ja de quatro poKas, nO aterro
dita para armar em niadeira de todna oa ta- .. y-, r
manhoa e madelloa o mai. moderno, machina 103 TIN n. OO.
horlsontal para vapor, com forca de i caval- Vendem-se riscadmhosescocozes, padrOes
los, coucos, pasaadelraa de ferro cstanhado escuros, muito bonitos, para lodo servigo,
para caa de pulgar, por ineno. preco que os a j40 rj, 0 covado; dito de outra qualidade,
de cobre* escovena para navios, ferro iogle a 120 e a 100 rs. o covado, e muitas fazen-
lantoem barra.como em arcos folbas.etuao rf presos commodos.
por barato preco Vendem-se palitos france
Deposito de cal e potassa. ^ ammaMm dle ,rancas> for_
No armazem da rua da Ladea
guarnecidos de trancas
rados de setim, pora homem, a
do Recife n. ia, ha muito supe- no000 n_: na rua do Crespo, Iujh
or DlljblJilska a, esrfrrt as- amare||a n t e Anloni0 Fran-
sim como potassa chegada ultima- ^^ perera
mente, a preces muilo rasoaveis. Sementes de ortalice.
Superior cha nacional Vendem-se sementes de ortalico do todas
em caixinlias de 2 libras, e da melhor qua- as qUa|jaauc muito novs, vindas de Lisboa
lidade; vende-se por preso commodu, na na ga|era jiargarida, o feijo carrapaloede
rua doCorpo-Sanlon. 2, primeiroandar. dores: na rua da Cruz, atrs do Corpo San-
-- Vende-se 011 troca-se um lindo sitio lo n 62
em muitoom lugarna Passago da Magdale- { _. Na rua ,j,s cruzes n. 22 segundo andar,
n,com muito boiicasa, poso, o mHitas rruc- T6nem-se 4escravas sendo 2 creoulas, e
teiras, por outro beira do Rio Capihariue, i0jascom abelidadese bonitas figuras,
ou por algtmra propriedade na Pr,*0 | Ao bom e barato.
tando-seem dinheiro o excedente ; lambom ._ i. 10
vende-se outro sitio cm urna lilis perto dos Vende-so na rua do .ueimado, loja n. 18,
SSSdM.1rom dul formidaveis casas, panno fino preto superior proys de limlo
mullos ts do coquoiros, e urna grande seiim preto 0 melhor possivel, cham.lote
plantade1 capim. faz-se todo o negocio; preto do lindos^uenbos mu,to propnop.r-
vende-se a dinlieiro, atroco do escrav is, ou
Deposito de panno d.J aluodSo da
febrca Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preo commodo
o bem conhecido panno de algo-
dio desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaes & C'ompanhia, na
rua do Trapiche n. 34
Azeite de carrapato da fabrica de
" Araujo & Filho, noPenedo.
Acaba de chegar mais desteja conhecido
azeite, o mais proprio e econmico, para
uso decandieirosdesala, tanto pelasua du-
rasao, como limpeza, e continuar a haver
sempre um depozito para guprimonto regu-
lar dos freguezes: no armazem de J. J. Tas-
so Jnior : na rua do Amorim n. 35.
~ Vende-se ou arrenda-se o Engenho S.
Rita moente o correte roeia legoa distante
da villa de Iguarassu' com proporsOes para
aafrejar-se, embarque junto ao engenho; ala-
gados, o outra proporsOes : quem o prelen-
deretenda-secom o propietario no mesmo
engenho.
Vende-se a melhor salsa, chegada do
Para, pela escuna Argelina, hontem despa-
chada : veode-se no escriplorio do corretor
Oliveir.
Vende-se spalos do Ararati a 800 rs.
na rua larga do Rozario n. 35, loja.
Cera de carnauba a 5,000 rs.
Vende-s na rua dos Tanoeiros n. 5, supe-
rior cera de carnauba de prlmeira aorta pelo
diminuto preso de 5,000 rs. a arroba ; sebo
do porto om caixas a 7,000 rs. a arroba.
<)*mmm tVendein-80 ricos veos pretos de soda,
de linho e de retroz de Italia; manto-
l)j leles pretos do ultimo gosto e com ri-
V'j'j "11;.' .' cosenfeiles; manta de seda prelas;
qualidade em caixas pequea ,| meja8 jaed, pretas de peso e outras
Vellos de espermacete de superior
qualidade em dilas ditas,
Moinhos de vento.1
Com bombas de repuxo pare regrar horta
o baixaa decaplm na fundie-1ode Bowmaux
de H. Calhem: n. rua do llrom ni. 6,8 e 10.
Gr.nde e novo sorlimento de lous vidrada.
Como srjam talhas do porto grande, e pe-
queas para depoztto de doce., bulhde. para
m.ntelga c doCc, tlgelas grandes para b.ter
pao-de-l, cacarol.s com cabo, paneras para
cosinha, assadores comprido. e redondoi, para
ssados do torno, como .rj.m lelloes, pinis,
g.linh.s, lomboa, vittlo. a moda da Euro-
pa, vaioa finos e ordinario, para flore, figuras
para jardn, calungas multo engranado., Jar-
ro, fino, da Parahlbae da Baha, quartlnba.
garrafas, copos com pratos, murlnguea, reifrla-
dore. brancos, encarnado., tudo para resfriar
agoa, alguidare. de todos o* tamaitos, balaios
para menino, aprenderemandar,ditas com lam-
pa para compras, dlloa para costura, dita, com
pe. para Dores, ou frutas, condecas, e cestas,
cstic.es de lonc dedillerentes cores, inorin-
guea e quarlinhas pequeas de dlITcrenlca co-
res par. folguedo. de menino. : na rua da
Cadeia do Recife n. 8.
Negocio vantajoso.
Vende-seo hotel commercio sito na. rua
da Cadeia n. 13, como utencilios que o
comprador.quizer : a tratar no mesmo.
Farinha barata.
Na ruada Cruzn. 33 armazem de Luiz
Jos de S Araujo, vende-ae sacas com al-
queire de farinha, tanto de S. Camarina co-
mo doS. Matheos, muito superior por me-
nos preso que em outra qualquer parte e
levando a sacca mais barata, fice tambem as
barredura para vender, que serve para
bixos etc.
A bordo da escuna MriaFirmina fun-
diada do fronte do cae do Rmos, ha su-
perior f.rinna do S.-Malheu que se vonde
o mais barato possivel, trala-se abordo com
o capitao, ou com Luiz Joa de S Araujo :
na rua da Cruz n. 33.
Vende-se
Cha preto e verde, de superior
Fio" de sapateiro, de diversas co-
res :
Tudo em conta, no armazem de
Adamson Hoiwe & Companhia,
na rua do Trapiche, n. 4a-
~ Vendem-se velas de espermacete, em
caixas, de superior qualidade: em casa de
J.Kellor& Companhia: na rua da Cruz nu-
mero 55.
Arados de ferro.
Na fundisSo da Aurora, em S. Amaro,
rendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Para a quaresma.
Caaemira preta infestada a 5,000 rs., o cor-
te de calca.
Na rua do Crespo loja da esquina quo vol-
ta para a cadeia vendem-se casemiras preta
entestada a 5,000 rs. o corte de calsa, sarja
preta hespanhola a 2,600 rs. o covado ; co-
mo outras fazendas que por sua boa quali-
dade so tornaO recomendaveis.
Rua do Passeio Publico n. 9.
Vendem-se 180 varas de bico e renda da
trra a 120 rs., e 18 caxilhos envidrasados e
promptospara qu.lquer obra, pelo diminu-
to preso de 2,000 rs. cada um.
Vinlio de Champagne,
e superior qualidade : vende-se no arroa-
em Kalkmana IrmSos Rua da Cruz, n. 10
Deposito da rubrica Torio oa
' muios na IkIiji.
Vende-se, em casa deN. O.Bieber&C.,
m rua d. Cruz n. *, algodSo transado da-
luella rabrica, muito proprio para saccosde
assucar e roupa de escravos, por presocom-
modo.
Nova pechincha.
MadapolSe com pequeo toque de avaria a
2,00, 2,800, 3,000 rs., a pessa.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia vendem-se madapolOes fi-
nos com pequeo toque de avaria a 2,400,
2,800,3,000 rs., e outras muitas fazendas
por preso commodo.
He t5o barato,
Que laz animar ,
Quem vir a pechincha
Nao deixar de comprar
Alpaca de corea.
s> Ni loj do sobrado amarello da rua 4
+ do Queimado n. 29, tera para vender #
*/ um lindo e variado sorlimento de al- #
s> pacas do cores, proprias para palitos.
9
Vendem-se amarras de ferro : r
da Senzalla Nova n. ai.
.- Vende-se urna mesa de amarello, com
7 palmos de comprimento o 4 de largura :
ua rua Bella o. 16.
AGENCIA
da fuiulicao Low-Moor.
RUA DA SENZALLA NOVA S. 49.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorli-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Antigo deposit de cal
virgem.
Na' rua do Trapiche, n. I7, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Rus-
sia, nova e de superior qualidade.
Gasa de commissio de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commssao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece muitas garantas
a seus donos .- na roa. da Cacimba
n. 11 primeiro andar.
alguma propriedade de maior ou menor va-
lor recebendo-se ou voltndo-so o exceden-
te, alralar com Joaquim Hibeiro Ponles: 114
rua da Cadeia do Recifo n. 54.
Vendem-se sacadas de granito o de pe-
dra, umbreiras, vergas do pedra para portas
ojanellas, na estrada do S. Amaro junto a
rundiso dos Srs. C. Slarr & Companhia, pa-
ra tratar por preso commodo-: a fallar na
rua da Cruz n. 51 no armazem, o no escrip-
lorio do primeiro andar.
Vende-se urna tonda de sapateiro, com
todos os pertencos, muito afreguezada, na
rua da Lingoeta : a tratar na mesma.
CLRA EM VELAS.
Vende-se cera em velas das
melhores fabricas de Lisboa e do
hio de Janeiro, sortimentos mui-
to'variados e a precos commodos
na rua do Yigario n. 19, segundo
andar escriplorio de Machado &
Pinheiro.
Cola do Rio Grande.
Vende-se cola do l\io Grande do
Sul, por prego muito commodo
na rua do Vigario n. 19 segundo
andar, escripto/io de Machado 6c
Pinheiro.
Panno preto nao.
Venda-se superior panno fino pre-
i to, cOr fixa, a 4,000 rs. o covado: na
I'na rua do Queimado, Joja do sobrado
amarello n. 29.
mmmmmmmmmmm--smmmMmmm
Vende-se no armazem do caes da alfan-
dega de Jos Joaquim Pereira de Mello, a
muito superior cola das fabricas do Rio Gran-
de do Sul, chegoda agora ltimamente, c o
preso muito commodo.
Mello Freir.
Vende-se o direito das pessoas por Pascoal
Joe de Mello Frelre.traduzido em portuguez
para uso do Srs. acadmicos do terceiro en-
no : na livraria ns. 6 e 8 da prasa da Inde-
pendencia.
Vende-se a dinheiro ou aprazo.
Na rua Nova loja de Jos Daptista Draga,
um excellente alambique novo pelo sistema
de Derosne, sempleflcado,que tendo costado
1:200,000 rs., e vende com grande abale;
previne-se que no caso de ser preciso f.zer
alguma modificasSonodito alambique p.ra
deslillarcomo o dec.rpus, er ella fei-
ta a contento do comprador, e gratis. Qual-
quer al. mbiquerulineiro, e i mperfeito.cus-
800/ rs., quando o de que se Ira-
i
Na rua do Crespo loja da quina que vira
,t,l,do,Sul>.ll.s. <". >' I...p.nhoU p" TS,\'';,S'TmlVm',,'
sasisaauusjat fsifffisRa&K
\rjAtutitxasait sSm^-HHS
Rodrigues a Cunha, o qual lem bastante rs. o corle sarja preta de seda muito su-
terrenoe casa terrea; com diversos Pcs de P*r!?r. 2.500*.o covado mermo preto
ructeiras.ecupiforade casa; a falta de bom. 2W 3.20 fJ^SS
moradores o tem tornado de meaos valor "a chita muito bonitos,s1^,920
ou mesmo alguns que tem tido, sehaviam e 0Ulr" fndas por preSo
tratar ludo com zelo, relaxadamento so n3o commodo.
emportaram, antes pelo contrario estraga- ~ Ver.de-so urna loja de couros com mui-
v.m; ponanlo torna-se um bonito sitio pi. Pouco ortimenlo, e lambem,*iMM*
ra quem o quizer comprar para morar ou a caa a qua lem proporsOes para este ou
passar a fesia, querendo-se despor fazer WW potrj negocio, por ser **J?>
despezacomomesmo.e casa e serca; lor- melhores lugares da rua Direita, com corn-
nar-se-ha de dobrado valor; portanto sirva modos para morad.a, e portSo para o pateo
esto de aviso que o dono vendeu por mo- Penn : n mesma ru DirelU "55, .
tivos de divida : quem o perlender dirija-se demento novo a 7,000 rs.a barrica.
a rua do Livramento venda n. 5, ou tenda Noarmazem de Antonio Annes, no caos
dealfaiate n. 2ao entrar para o becodol'a- da Allandega.
dre que achara com quem tratar. | Lotera do RO de Janeiro.
-- Vende-se um forno para padarla, no nnnnrin rs
centro da cid.de, tendo lugar para morada ....,,, 00', !*,. h. ru.
r*d8-, ,. .. simos, da 22lotera do thealro deS. Podro
Cambraia* para Cortinados a a,q00 de Alcntara; cuja lista chega o primeiro
l'S. apeca. vapor al odia 20: a ellos que eslo no resto
Na rua do Crespo, loja da esquina, que vi- ~ Vende-se um terreno com 300 palmos
para. Cadeia,vondem-.ecimbris des- d8 fr1enle e.V^ d <0 de fundo, com
...........i..- .,.. ^rii,..inc o mu grande
ra .
campinadas, para cortinados, a 2,400 rs.
peca, com 8je l|2 varas.
grande viveiro, que tem perto de 500 pal-
mos de comprido, na estrada que vai para o
-!'Vende-se'umTe'r'renona ruada Aurora Manguinho: alralar na rua da Cadeia do
com 50 palmos de frenle e280 de extensao, "eciie n. 9.
tendo caes de lijlo a beira mar, ficando en- Vende-e um sobrado de um andar e
ir as casas dos lllm. Srs. Custavo Jos do ?oia?' Io pr'ne'P'O < rua do Hospicio, cons-
Rego e Francisco Antonio de Oliveira : os tru,do !< pouco lempo, com toda a solidez
BErJSSr* rU,d"TOrrMD- dePq3m^d^rt.tLdf.rvS
GSriannca de chapeo, de sol, ** e -f* d' Trempe
ilque ma do Collgco j##*Bslfl>$t
ABADOS AjyiEKICANOS. e
Nesto novo estabeleeimento recebeu-se j Vendem-se arados ame-
um novo e lindo sorlimento de chapeos de
de J.
n.4-
"*
um novo e lindo sorlimento Je chpeos de ,. rrBnn, rliprraHnn rln Kra- 9
Sol dos ltimos goslos, lano do seda como 2, canos, cnegaaos nos sm-
depaninho para homens e senhoras, de ar- < dos Unidos, pelo barato pre- 4
masSodebaleiae de asso que se vendem () co de Ao.ooors. cada um: na
por menos preso quo emoutra qualquer par- ^, "" ""
t; grande sorlimento decharualole, seda (,, rua (lo trapiche 11, 8. ^
o paninhosempesade todas as cores o qua- #***#rfft^*#** lidades para as pessoas que quizerem man- .. vende-se urna preta creoula, moca e de
darcobrirarmasOes servidas. Completo sor- bonU r,gUra, sadia.cosecho, cozinha, la-
timento do balelas para vestidos espartilhos a, he vendedeira de rua e tem excellenie
para senhoras, fazem-seumbellas de igrejae conducta : na rua larga do Rozario, loj*
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos n 35
de sol: lodos os objectos cima mencionado '__vende.se mais barato do quo em ou-
as vendemem poreflo e a reta I no, por preco tri qualquer parte, reos m.nlelete pretos
quo agradar aos freguezes vista da quali- tdec6res: na rua da Cadeia do Recife, lo-
dado. __,_., ,. ja 0. 18.
Farinha de mandioca. Naru
ta 7008 _
ta tem duas caldeirase diflerenles acesso- _.
riosqueolornanimuito rcomendavel sen-lcoro J. J. Tasso Jnior rua a<
do em relaso muito mais barato, I n. 35.
Nova 11. 8, vendem-ae duascol-
- Vende-se sacca com superior farinha chaade damasco de seda, 2 loalhas de la-
de mandioca a presos rasoaveis : a tratar varinto, 1 jarro e baca le cusa I, tratado e
Anioiim diccionario de harmooia, por Berton, o Ji-
1 versos livros de direito e romances. *
fazendas de gosto, ludo por preso de
ti agradar aos compradores : na loja do
3 sobrado amarello da rua do Queima-
t. do n. 29.
imtm m ^m-mwnKimnm vmmmw*
Novos cobertores de tapete a
i,44o rs.
Na rua do Crespo leja da esquina que
volt, para a cadeia, vendem-se cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
preso de 1,440 rs.; em qualidade slo os me-
lhores quo tem viudo no mercado, por isso,
recommenda-se ios Srs. de engenho que
quizerem comprar da pichincha, nSo se de-
moren), porque ja ha poucos pola estrasSo
que tem tido.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de
Santa Calharina, muito em conta:
no armazem n. 7, dcfronle da Al-
fandega, de Jos Joaquim Pereira
de Mello, ou a tratar no escripto-
rio de Novaes & Companhia na
rua do Trapiche n. 34.
Para fechar conlas.
No escriptorio de Novaes 6c
Companhia, na rua do Trapiche
n. 34, segundo andar, vendem-se
carneiras de cores ; capeos do Chi-
le, grandes e pequeos ; linha c.l..<.> encamada e de roriz, por
menos preco do que em outra
qualquer parte, por se querer fe-
char contas.
Taixas para engenhos
Na fundic3o de ferro de Bow-
man 5c Me. Callum na rua do
Bitim, paseando ochafariz, conti-
n. a haver um completo sorti-
menlo de taixas de ferro fundido e
balido, d* 3 a 6 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Simo de Nantua a
800 rs.
Vende-se a historia de Simflo de Nantua,
a 800 rs. : na livraria da prasa da Indepen-
dencia n. 6 e8.
.Baratissimo.
Vende-se um terreno na rua da Aurora ja
aterrado, tendo fundo at a rua do Hospi-
cio, e frente 55 palmos: lambem se vende
s a rua da Aurora : a tratar na prasa da In-
dependencia n. 17.
Arados da fabrica dos Srs. Banso-
me e May
Proprios para plantare alimpar canna de
lilTerentosmodellose feitos na mus acre li-
tada fabrica na Inglaterra sendo muilo su-
periores a qualquer que tem vindo a elle
mercado,e proprio para plintarem qualquer
terreno e de qualquer U'gura, por tor um
arranjo proprio para abrir o fechar a aiveca.
0 bico, aiveca e sola desies arados pas ror um processo que da-lhe a consistencia
de aso temperado da maneira que s5o da
mniL durasao, alm de que tem bicos de
obre-excellente : ua rua do Trapiche n. 14.
^mmmmwmmmmmmmmmmmmt
SGantois Palhet& Companhiai
l Continua-se s vender no deposito*
:L- geral da rua da Cruz n. 52, o excel-J.
tontee bem conceituado rap areia
;li preta da fabrica detiantols l'ailhet&
M Companhia da Baha, em grande ei
& pequelas porsOes pelo preso estabe-
S lecido. 9
mwmmwmm-immmmmmww &
--Vendem-30 charutos d. Dahia da me-
lhores marcas em casa de Kalkman IrmSos :
rua da Cruzn. 10.
Em casa de J. Keller & Com-
panhia, acha-se a venda vinagre
bronco, superior de Nantes, em
barris de 36 medidas.
Livros em bronco.
Vcnde-se em casa deKalkmann IrmSos.
na rua da Cruz n. 10, livros em branco che
gados pelo ultimo navio.
PUOS.
Vendcm-se em casa deJKalk-
mann IrmSos, na rua da Cruz n.
1 o, ricos pianos de Jacaranda, com
excellentes vozes chegados ha
pouco tempo.
Yende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller &
Companb'i na rua da Cruz n.
55.
SALSA PAMllLILl
DE
As numorosas experiencia feitaa como
uso da salsa parrilha em todas as enormi-
dades, originadas pela impureza doaangoe,
e o bom xito obtido na corte pelo lllm.
Sr. Dr. Sigaud, presidente da academia im-
perial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
gua afamada casa de saude na Camboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
dico do exercito e por vario outro medi-
co, permitlem hoje de proclamar al tmenle
9 virtudes cUlcazes da
SALSA PARRILHA
DE
Nota. -Cada garrafa contera duas libra
de liquido, e a aalsa parrilha de Orislol he
garantida, puramente vegetal tem mercu-
rio, iodo, potaaaium. .
Vende-se a 5/000 r. o vidro na botica do
Sr. Jos Maria Gonsalves Ramos : ros dos
Quaricis pegada ao auartelde polica.
Sobrado em Goianna.
Vende-se, muito em conta ,
um bonito sobrado sito na rua
do Meio, n. 58 avallado em
.ioooooo, em o qual tem parte
rsula Maria das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alves de Paivana
importancia de io7,473 rs. quem
pretender dirija se a caza deKal-
kmann lrm3os,rua da Cruz,n. 10.
Escravos rugidos.
Attenrao.
100,000 rs. de gratiRcaso.
Contina fgido o escravo Manoel, per-
tencenle a SebasliSo Marques do Nasclmeo-
to, desde o da 8 Ce setembro do anno pas-
sado, foi escravo do Sr. Gabriel AlTooso Rl-
gueira, lem 25 annos, pouco msis, ou me-
nos, de nasSo Anela, cdr fula, oom falla
de 2 dente da parte superior do ladoes-
querdo, o urna pequen corda na cabeca do
mesmo lado, corpo regular, olhoa peque-
os, beisos grossos, sem barba, baixo e he
official de fuoileiro : pede-se, portanto, as
autoridades noliciaes e captSe de campo a
sua captura, p.gando-se alm da gratifica-
S5o cima, todas as despezas que seja neces-
sario fezer-se.
Desapparecea do engenho S. Paulo,em
dezem'bro de 1851, o escravo creoulo de no-
mo Leocadio, de dado de 22 annos, pouco
mais ou menos, com os signaos seguinles:
altura regular, cor fula, cheio do corpo, ps
achapados, pomas fins e arquiadaa. liste
escravo j nSo he a prlmeira fuga que tu;
julga-se andar pelos suburbioa da comarca
do Cabo por ter nascido no engenho Mundo-
Novo da mesma comarca. Qualquer caplSo
de campo que o pegar e conduzi-lo ao men-
cionado engenho S. Paulo, na freguezia dos
Afogadoa, recebor 50,000 rs. de gratiDca-
elo,
No dandefevereiro deste nno de-
sappareceu da cidade da Parahyba o escravo
de nome Domingos, que representa lar 95
annos: estatura regular, choio do eorpo.boa
fimir*. raaia oiu-inzes ou signaos de
sua nasSo, denles perfeitos, mSos, perna e
ps bem feilos: tem urna hernia em urna da
verilhas, he muilo Tallador, e he official de
pedreiro. Consta-nos que estove nesta cida-
de do Recife em urna csaa na rua do Ouro,
e na madrugada do dia 19 do correte aahi-
ra para o lado do sul, levando comsigo um
chapeo do chile novo, aqueta preta de me-
rino) calsa de brim branco com Ijslras en-
carnadas ; levava tambem um bah de folha
do (landres com ondeado azul que lera 3 a _
palmos de comprimento com miudezas para
vender, indo acompanhado por um prelo
velho. Este preto quando desappareceu da
cidade da Parahyba recebeu 300,000 ra.: ro-
ga-se a todas as autoridades policiaeso ca-
piteles decampo que o aprehendam e o le-
vem na Parahyba no sobrado junto a loja de
J0S0 Jos de Mederos Crrela & Companhia,
e nesta cidade do Recifo a seu senhor Miguel
Felicio da Silva na praia do Caldeireiro, so-
brado novo, que recompensar generosa-
mente,
-- Desapparoceo no dia 12 do crranle
mez de nnreo, da casa (k sua Sra., D. Anna
Joaquioa 1 .ins. moradora na rua Nova, o es-
cravo parlo de nome Francisco, muito co-
nhecido por o possuir a muito annos, com
os signaos seguimos : claro, barbado, com
as suisss por baixodo quoixo, magro, fala
muilo mansa, baixo, e an la raleado : quem
o aprehender, ou souber onde ello osla, e
com o aviso posa, vir a mSo, se dar urna
hoa gratiflcasSo, procurndose para esto
lim ao sen genro Jos Candido de Barros,
no seu escriotorio : rua da Cruz n. 66, ou
na rua d'Aurora ultima casa desta mesma
rua.
Desappareceu do lugar de Caiar, vin-
do para esta prasa o molatinbo EslevSo,
cor clara, de idade de 16 a 17 annos, cbe-
los corridos, que cahiam as extremidades
estando grande, com urna cicatriz de ftida
cm urna das peroas pertencente ao alteres
Jos Antonio da Costa, residente no enge-
nho Junco, comarca de Nazareth ; quem o
aprehender entregue-o ao meamo Sr. que
ser gratificado com 20,000 rs. sendo captu-
rado em pouca distancia, e ae longo,genero-
samente.
Est rugida a escrava creoula de nome
Leonor; baia, grossa, e tem um olho mais
pequeo do que e outro; levou alguma rou-
pa de seu uso, e anda passeando nesla cida-
de: quom a pegar leve a rua do Collegioa
seu senhor J0S0 dos Santos Porto, que gra-
tificar.
Desappareceu no dia 14 do correte
o cabra Bernardo; altura regular, cheio do
corpo, com denles limados, de toado 18 an-
nos, ps grandes, com algumaa marcas do
bexiga : a pessoa que n pegar leve ao enge-
nho do Boto, comarca'de Santo AntSo, que
ser bem recompensado.
- Desappareceu no dia 14 do corrento pe-
lo meio dia o mulato, bolieiro, escravo do
dosembargador Firmino Antonio deSouza,
morador no ultimo sitio'do Hospicio viran-
do para o doPombal. O dito mulato he bas-
tante moco, cheio do corpo, tem barba, ca-
bes* groasa e chata, cabello carapiohado, o
levava-o grande, quando se retirou; tem os
ps grossos, andar ligeiro e algum tanto ero-
balaucado, e quando lalla as vozes querga-
guejar, principalmeute quando lem ruedo; .
trajava cal?, preta, vesta branca, e chapeo
prelo de pelo fino : quem o aprehender ser
bem recompensado; assim como quem o oc-
cultarsar reaponsavel na forma da lei peto
racto criminoso e damno que causar.
No dia 7 do crrante desappareceu um
mulatinho de nome Franeiaco, de idade de
12 a 13 annos; muito claro, cabello louro e
cortado rente; levou cals e camisa de cou-
ro, parece branco, e lalvez e intitule forro ;
protesla-se conlra quem o tiver occulto 011
seduzir, de usar do rigor daa lei : rog.-se a
quem o pegar de levar a seu senhor o b.r.o
u c.pibanba, morador atr.z da matriz da
Boa-Vista que gratilicar.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2SNIFDSJ_Y4BZS6 INGEST_TIME 2013-04-13T01:17:21Z PACKAGE AA00011611_04470
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES