Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04467


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
""I*- -T
WLM
V?
AnnoXXVllI
Quarta feya 17
de Marco de 18>2.
N.
DIARIO DE i* PEMAMBMO.
ma
FRKijo A suncmrijio.
PaOisunto Adiintido.
Por trimestre............,
Por semestre......,Vi, .
Por anao ........ -.....
PlOO DENTSO DU niHISTU.
Por quirtel .............
Sf OTIOIAS DO 1MIHIO.
Para .... I8de Ferr Mina.....5de
Maranhlo 24 de dito .S.Paulo, la da
Cear... JSdedlto. R.deJ.. 15 de
Parahlba. ."i Marco Hahil... i de
DIAs DA IDUU,
4/ODO! 15 Seg. S. Ilenrlquerel
8/000 s.Longuinhos.
15/UDOl18 Terc.S.Cyriaco.
17 Quart. S Patricio.
4/TKM) /8 Qulnt. S. <>abrlel.
I 19 .Sen. +* S. los ca-
Fevr. I poso da S Vlrgem.
ililo 20 .s.-ih. S. U.11I111I10.
dito I 21 Doro. 4. da Quares-
Marco 111a ; S. liento.
AUDIENCIA K.
Jmtorlr OrpMo
2. S. As 10 horas.
I. ara do eitel.
[3. e6. ao meio-dla.
Pasenda.
el), l Id horas.
2 taradoetvel.
|4. e sbados ao melo-d,
HtUv&o.
Tercas e sibados.
PHUtflIDII.
Crescente 28, as 8 horas e II minutes di t.
Chela a ti, as 3 horas e II minutos da 111.
Mingoanle ll, as 6 hora e il minutos da t.
Nova 2o, as 4 horas e 14 minutos da m.
mmnm non
Prlmelra da 2 horas e 6 minutos da tarde.
Segunda s 1 horss e 30 minutos da manbSa.
SOI
ITIDAI DO* OOHB.EIOI.
e Parahlba, s segundas e seitas-
Inde-do-Horte, todas as qulntas-fclras
lo da,
unse Bonito, i 8 e 2,1.
I, e Flores, i 13 e 28.
I, As qulatas-felras.
todos os das.
arOTioiaa laTiiANormAB.
Portugal. 15de Fcrr,
Heap.inha. 9 de dito
Franca ... 7 de dito
Blgica... 4 de dito
Italia.... 4 dedito
Alemania. .'Mr dito
Prussla ... 3 de dito.
Dinam>rca3i de Jsnr
Rusta... 29 de dilo
Turqua. i4 de dito
Austria .. a de Fcrr,
Sulssa___ 1 dedito.
Suecia... 30 de Janr
nglaterra 10 de Fev.
E.-Unidos 28 de Janr
Mxico... 20 de dito
California 2 de dito
Cblll. 2 de dito
Humos-A II de Ferr,
Montevideo 16 de dito
CAMBIOS DE 17 DENABCO.
Sobre Londres, a 27 a00 d.
Pars,
> Lisboa, 90 por esnto.
ntaH,
Ouro.Oncas hrspa nhci I a ............. 2r)/000
iloedas de 6/400 relhas......... lb/OtO
a de 61400 ora..........16/000
de4/ni'0................ 9/100
Prata.PatacOes brasilelros........... 1/V20
Pesos rol 11111 nar ios............ 1/920
Ditos mejicanos.............. 1/800
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO I
ineira vara, intrirando-o de o haver designado
para presidir o andamento da segunda quarla
parte da quinta nova loleila, concedida a favor
das obras da Igreja deN.S. do Llrrainenlo, a
qual tein de correr no dia 28 do corrente ( feve-
relro ).
Dito Ao dlr.ctor das obras publicas, Intel-
rando-o de haver, de conformidade coin a sua
informadlo, concedido a Jos Lopes t'.uima-
rfiet, arrematante do segundo lanfo da estrada
do oorte, tnals qualro mezes de prorogaco de
seu contrato, para dentro desle prazo concluir
a dita obra. Communlcou-se a thesouraria
da fuenda provincial.
DEM DO DA 21.
Ofncio Ao cornmando das armas, appro-
vando o contrato que remeneo celebrado cora
doutor ein medicina Francisco de Assis
19 DE FEVEREIRO
(Juicio Ao comtDiinl,' ils rias auto-
risaodo-o i contratar um facultativo, que
se encarreguodo servido do dcimo bata-
Inflo de infantaria, e do hospital rgimen-
1,1,11111 subsllluico ao Dr. Jos Zacharias
de Carvalho, que embarcou para 1 corte.
Communicou-ss a Ibesouraria de fa-
zenda.
Hilo. Ao mesmo dizendo que visto a-
cher-ss parausado o conaelho de investiga-[da Silva Ferreira para servir no hospital re
cUo, que a* mandou proeeder para contait- 1 gimeuial desta guarnicio, em qualldada de
cerdocomportamento dos segundos com- segundo clrurglo do corpo d*J' *"""
mandante, do corpo de ^C..,,koio *J. Z^SSSUStXXSA
francisco Xavier da Costa, e Manoel Pedro de flienda
de Souza, por lisver marchado para Gara-; Dito a' mesmo, trasmlnlndo por copla o
iihuns o cap tilo Firmino Theotonio da Ca-' r,v,,, 0 niiaisterio da guerra de 31 dejanei-
mara Santiago, que dello fazia parte, appro-' ro ultimo, no qual se declara que ao segundo
va, que seja aquello capitn substituido: tenentc ajudante do quarto batalhao de r-
pelo aiudinte d'orJens da presidencia tilbaria a p, ManoelDeodorodaFonseca.se
Dito. Ao mesmo intetrando-o de. ha-' con,r lempo de servio militar des
ver concedido, de conformidade comasuaide ,a.e ,n, de'843, por '"-'" """
# j a 11 .ir na data matriculado na csco a militar, e ei-
mformacao, dous meros de l.cenca ao a fe- lud,do com e ,,, Relnetleu^e
res da quarla classo do exercilo, Jorge lio- gua, conia a |hc,ouraria de fazenda.
ririgues Sidreia, para ir a Corte tratar doj Dito Ao mesmo, remetiendo copia, do a-
negocios de seu interesse. CommuoiCOU- viso do ministerio da guerra de 31 de janel-
se a thesouraria de fazenda. ro ultimo, communlcando tercm sido reforma-
Dito. Ao presidente da companhia de, dos, nos termos do artigo terceiro do plano
Bebiribe recommendando a eipolicSo de! de li de dezembro de i8i5, o primelro sar-
0. genio do
nono batalhao de Infamarla, Ma-
su.s orden*. ?"" n??2ilSS -",^^1 Co "m.,^ o. S
chafanzes antes das nove horas da noite, ceodo ", ecllvo so,do pc|a ,arl'f, ,,
quer no verSo, quer no invern, franquean-
do-se a venda d'agua al aquella luna a
quem quer que a queira comprar, visto ser
islo indispeosavel commodiJade do povo,
on&o resultar d'.hi inconveniente algum.
spectivo sold p
oljado do quarto batalhao de arlilharia
a p I-11111111, Francisco Barbosa na incsma pra-
ca, que ocetipa, com o sold por inteiro.
Communicou-sc a thesouraria de fazenda.
DitoAo mesmo, recommendando a expe-
Communicou-ae ao chefe de polica eao pre dto de suas or.lens para que nos tres das
sidonte do conselhogeral de salubridade. 1 } enraudo *p>"\ presentadas i cada u...
,, ,r ., j. r _j. ,; dos subdelegados das qualro fregueiias desta
Dito. -A thesouraria de f.zenda lutei- cld,de, conforme renu.uou o decinb.rgador
rando-a de haver.de conformidade com a chefede polica, tres patrulhas para rondarem
sua inform>Q5o, concedido tres meies de desde as oito horas da manbaa al urna da tar-
l-ccnr.i ao coronel ex-inspector da pagado- de, eoutras tantas, que,rendendo estas, ron-
ra militar, ora addido aquella thesouraria, dem at as seis da noite, aui de evitarem
Jos de Brito Inglez..
Dito. Ao director do collegio dos or-
phfios dizendo, que n8o obstante o que
Smc. ponderou etn seus IrosoITlcios de 14 e
desordeni, que sempre apparecem uestes dias.
Communicou-se ao mesnio desembargador.
Dito A' thesouraria de fazenda, transmit-
tindo copia do aviso do ministerio do imperio
de 29 de Janeiro ultimo, communlcando, que
15 de Janeiro ultimo, cere dos documen- ie concedeu ao Dr. Miguel Archanjo da Silva
tos, que devolve, com os quaes foram re- Costa, prolesso de ingles e francs do collegio
medidos aquello collegio os educandos das arles de Olinda, qualro meses de llcenca
Firmino, Franquelino e Manoel Cassiano como vencimento do eeu ordenado smente,
Quiotoiro de Andrade, devem os mesa,os Jar tr.ur de sus sade.
educandos, de conformidade com o que pilo--v meama, intelrando-adeliaver eon-
semelhanterespeitoinfo'mou a administra- ;dldo15 d'" de."..' vencimento. ao
cao do patrimonio dos orphaos, ser conser- J-^ft^S&MZZ viS
vados no mesmo collegio ato coaipletarem cellos de Drumond para tratar de sua sade.-
o lermo de sua oducsco. Nesle seulido Neste sentido Hzeramse as outras communl-
officiou-se a referida administrarlo. 1 caedes.
Dito. Ao mesmo devolvendoos docu-| Dito A' mesma, communlcando, que o julz
n cutos, que acompanharam a sua informa- municipal e de orphaos do termo de Nazareih,
cao corca do requerimento, em que Mana Joi Francisco Duarte Jnior, participou baver
Anglica da ConceisSo poda para seu neto "assu.oido no dia 9 do crreme, oc.erciciodo
Manoel de Souz.. educan lo d'aquellecolle- je^cargo. R.spondeu-.e So mesmo b.-
gio, passar em sua comp.nhia os das San- t Dil0' A- ,,,, approvando a arremta-
los da festa ; e prevenindo-o de Haver m- cj0 qui peraiitc aquella thesouraria, lez Jos
deferido o dilo requeiimento. Moieira da Silva Juoir, de vintecavallos na ra-
D.to. A thesouraiia da fazenda pro-! zao de?2/oo" rs. cada um, os quaes, por eice-
vincial transmettindo Copias dos orcamen-| derem do esiado completo da companhia de
tos que approvou, para os concortos. de que
necessitam aspontes dos Carvalhoso Motu-
colomb, lim de que mande por em arre-
iii,irfli;.ui os ditos concert, conforme pro-
pe o director das obras publicas. Coi-
municou-se ao mes no director.
Dito. Aojuiz municipal do termo do
Santo AntSo dizendo licar scienle de haver
Smc. nomeado interinamente o harhsrel
cavallaria desta provincia, foram mandados
por em hast publica.
Dito Ao julz de direito do civcl desta obla-
de, transiniltndo, de conformidade com o que
requisilouo Enn. presidente do supieino tri-
bunal de justica, duas portarias que por elle
Ihe foram enviadas, devendo S. Merc remet-
iera secretaria da presidencia a sua resposta.
Iguaes aos juizes de direito do Cabo ( 3 ),
Nazareth (2 ), Hrejo : 3 ), llooito, Limoeiro, ao
l.uiz Correia de Queiroz Barros psra o c PXiW*'ntMM"'l dV ^U^Arca^dop^Vr. que nfor-
queiie l rmo. me sobre a materia do aviso, que remelle por
Dito. Ao director das obras publicas1 c|)ia> do ministerio da mariuha, de 9 do cor-
para mandar quanto antes Tazer OS ronc t- ,Cnie, indsgando scalgumas einbarcaces na-
tos de que precisa a cadeia desla cidade, clonacs perleucenics a individuos aqu resi-
depois dos estragos, que caussram os res-: dentcs.se empregain na costa desta proviucia.
lectivos presos fazendo dous arrombamon- ; ou no alto mar, na pesca e salga de peiae, a
tos no assoalho da priso do crime e outro eaigindo ouiras informacSes > respeilo.-Neste
na parode, que deita para o v3o da cacada, senudoofHcou.se ao administrador da ...esa do
devendo porm esses concerlo seiera fei-| "Sito".."* director das obras publicas, Intel-
rando*o de liaver, de conformidade coin a sua
infurmafo, deferido o requermeDlo, em que
Joo Augusto llandeira de Mello, arremtame
do aterro e ponte da estrada da cJadc do Rio
Formoso, pedia a prorogaco de quarenta dias
para a entrega da referida obra. --Cominuui-
cou-se a thesouraria da fazenda provincial.
Ditu -- Ao contador de mariona. remetien-
do copia do aviso do ministerio da marinba de
10 do corrente, no qual se determina, que
aquella contador I a aprsente em lempo na the-
souraiia de fazenda o balanco de sua receita e
despeza clasiilicada na conformidade da legis-
lado e ordens em vigor, e se d outras iiispo-
sices a respeilo.
TaiBUl7T"KFLACr\0'.
SESSAO DE 9 DE MAllCO DE 1852.
Presidencia do Hxm Sr. conselhtiro Azevtdo.
As 10 horas da mantilla, estando presentes
os Srs. desembargadores Bastos, Villares,
Souza, Rebello, Tclles, Pcreira Montoiro, e
Valle, faltando com causa os Srs desem-
bargadores Le3o, e Luna Freir: o Sr. pre-
sidente declara abena a sessao.
JULOAMerlTOS.
Appellante, o juizo ; appellados, Johnsloa
Palor 6 Companhia.Mandaram com vis-
ta ao curador geral, e ao Sr. desembarga-
dor procurador da coroa.
Appellante, o juizo ; appeflada, D. Anna Ma-
na da Costa.Mandaram com vista aoSr.
desembargador procurador da corea.
Appellante, Filippe Santiago Vieira da Cu-
nta ; appellado, Thomaz Lins Caldas.
Mandaram continuar visla ao curador ge-
ral.
ppellante, Manuel Jos de Siqueira; appel-
lado, Joa Francisco do llego Barros.
Mandaram avaliar a causa para o imposto
do 2 por cento, polo juiz do civel desta
cidade.
DHIOHAtjOU.
Recorrenle, l.uiz Jos Ferreira Leite; recor-
ridos, Miguel Antonio Lopes e outro.
Appellante, Alexandre Jos de Sanl'Anna ;
appellados, Vicente Ferreira Leal e oulros.
RIVISUES.
Passaram doSr. desembargador Villares
aoSr. desembargador Bastos as seguintes
appellacftcs em que silo :
AppellHnle, Jos Frsncisco da Silva Amaral;
appellados, Joilo Baptista Visnna & Com-
panhia.
Appellante, Manoel Filippada Fonseca Can-
de ; appellado, Jos Rodrigues do Passo.
Appellante, Joaquim Antonio do Forno
appellado, Joo Lopes dos Santos.
Passaram do Sr. desembargador Souzi ao
Sr. desembargador Rehello as seguintes ap-
appellarjOes em que sSo :
Appellante, Joaquim Francisco de Mello
Oxal 1 appellada, a justica.
Appellante, Custodio Ferreira de Mello ,-
appellada, a justica.
Appellante, Msnoel Pires Ferreira ; appella-
do, Domingos Csldas Pires Ferreira.
Appellantes, Miguel Goncalvea Rodrigues
FranQa e outro*; appellados, Jos RomSo
Conexivos Munis e oulros,
Appellante, Joaquim Jos da Fonseca, cura-
dor da preta Mara ; appellada, Mariana
Augusta Monteiro de Mello.
Appellante, e appellados, Francisco Anto-
nio da Silva Cavalcanli e Antonio da Silva
Ferreira.
Passaram do Sr. desembargador Kepeno
aoSr. desembargador Villares as seguintes
appellar;oes em que sSo t
Appellante, Francisca Mara; appellada, a
fazenda publica.
Passaram do Sr. desembargador Valle ao
Sr. desembargador Villares as seguintes
appnllaces ein que sSo:
Appellante, o juizo; appellado, Antonio Jos
deFreilas Guimaros.
Appellantes, e appellados, Manoel Antonio
Dita e Joa Venancio Pimenta de Carva-
lho.
Appellantes, Jos Correia de Araujo Furlado
esua mulher; appellados, JoSo Baptisla
Cuilherme, sua mulher e outros.
Appellante, Jos Bezerra Cavalcanli; appel-
lado, Jos Faustino dos Santos.
Api i'ilano, Feliciano Joaquim des Santos;
appellados, Joaquim Marinho Cavalcanli
de Albuquerque e outros.
DISTMBUICBS.
Ao Sr. desembargador Bastos 01 seguin-
tes recursos em que'sSo :
Rccorrente, Severino Martyr Vieira ; recor-
rido, o juizo.
AoSr. desembargador Rebello as seguin-
tes appellactos em que sSo :
Appellante, o juizo; appellado, Aguiar, es-
cravo do Joaquim Manoel Carneiro da
Cunha.
AoSr. desembargador Tollos os seguinte-
aggravos em que sSo :
Aggravante, Jeronymo Joaquim Fiuzs ; ag-
gravado, Joaquim Ferreira.
Appellante, SebastiSo Luiz Ferreira ; appel-
lado, Manoel Antonio Arantes.
AoSr. desembargador Pereira Monteiro
as seguintes appellae.oc* em que sfio:
Appellante, o juizo; appellado, Francisco
Ribeira de Brito.
N3o foram jntgados os de mais feitos com
dia.assignado por haver faltado a sessSo os
Srs. desembarga Levantou-se a sess3o depois do 111.....da.
da, 1
i
laoc
PO
infla
ripSJava
elu
EXTERIOR.
DF.CRETOS UE LUIZ BAPOLEAO.
O presidente da repblica considerando que
todos os governos que teem succedido a ou-
tros bao julgado indispensavel obrigar a fami-
lia, que deisava de reinar, a vender os bens
novis e immovels que possuia ein Franca ;
Que por esta rasao a 12 de Janeiro de 1816
Luiz XVHI, constrangeo os inembros da fa-
milia do imperador Napoleao a veoderem seus
bens no prazo de seis mezes, e que a 10 de
abril de 1832, Luiz Philippe obrou do mesmo
modo a respeilo dos principes da familia inais
velha dos Bourbons ;
Considerando que laes medidas sao sempre
de ordem e de interesse publico ;
Que hoje mais que nunca altas considera-
edes politicaa ordemnam Imperiosamente que
diminua a^tafluencia que a posse de quasi
tresenlos mftWes ein iiens de rail em Franca
d a familia de rleans.
Decreta ;
Art. 1. Os membros da fimllia de Orleans,
cus esposos, esposas e descendentes nao po-
dero possuir nenbum bem movel nein im-
ntes de sua aceltacao, a qual leve lugar
mesmo mez, leve nicamente por Um
a reunioao dominio do estado dos
nsideraveis oassuidos pelo principe cba-
o tbrono ;
depois, quando foi conhecldo, esle ac.
Itou a consclcncla publica.
nao foi .-mullido, he porque njo ezls-
o na amiga monarebia, urna aulorlda-
petente para reprimir a vlolacao dos
a do direito publico, cuja guarda era
inenle conflads aos parlamentos ;
reaervando o usofruclo doa bens com-
didos na doacao, Luiz Philippe nao se
de cousa alguina e quera smente
i sua familia um patrimonio que J
estado;
a proprla doacao, nao menos que \ es-
do iilbo mais velho, na previdencia da
. ,eao ummu uimua ibivi-.., a. Darte
do,re Luiz Philippe, o rroooheclmrnto o mais
formal desta regra fundamental, pola do non
Crario nao tomarla tamas precauces para II-
Imli-li.
Que ein vao se poderla allegar urna eicep-
(."10 de que a unlfio ao dominio publico dos
bens do principe nao devia resultar senao da
aceilaco da coroa por eale, e de que esta a-
cellacao Dao lendo tldo lugar senao a 9 de agos-
10, a doa(ao feila a 7 do mesmo mez tiuba de-
vido produzir seu eflelto
Consideraado qua nesia ultima data, Luiz
Philippe nfio era mais urna pessoa particular,
pois queaa duas cmaras o tlnhain declarado
rei dos Fraacezes, com a nica condico de
prestar juramento carta ;
Que ein consequencia de sua aceilaco, elle
era rei desde 7 de agosto, porquanlo naquelle
da a vontade nacional ae tinba manifestado
pelo orgao das duas cmaras, e que a fraude
urna le de ordem publica nao delta de eiis-
r por ter sido oonrcrlada em vista de um
fado certo que deve inmediatamente reall-
sar-sc;
Considerando que os bens comprelieodidos
na doacao de 7 de agosto, achando-sc irrevo-
cavclmente incorporados ao dominio do esta-
do, nao poderain ser desligados pelas dis-
poslcdes do artigo 22 da Ic d 2 de marco de
1832;
Que seria contra lodos os principios, attri-
buir um effeito retroactivo a esta lei faze-la
validar um acto radicalmente millo, aegundo
a legislat ao cusiente na poca ein que este ac-
to ful consuinmado 1
Que alin disto, esta lei, dictada cm um In-
tsresse privado pelos Impulsos de urna polill-
os de clrcumstancia, nao poderla prevalecer
contra os direitos permanentes do eitado e as
regras immutavels do direilo publico.
Considerando inais que revindicados assim
os direitos do estado, flcain anda familia de
Orleans mais de cein milhea coin os quaes
pode sustentar sua dignidade no estrsn-
geiro ;
Considerando tainbem que be conveniente
continuar a penado annual de 300.000 francoa
concedida no orcamento em favor da duqueza
Decreta :
Art. 1. Os bens movis e immovels que sSo
obiecto da doacao feila a 7 de agosto de 1830
pelo rei Luis Philippe, sao restituidos ao do-
minio do estado.
Ar. 2. O estado rica encarregado do paga-
mento das dividas da lista civil do ultimo rei-
nado. '
Art. 3. A peuso de 300,000 francos, conce-
dida a duqueza de Orleans ea cm vigor.
ha de ser fatal ao futuro da nosss agricultura,
e que dentro em pouco lempo sublro os eacra-
vos ao duplo do que hoje valem, me parece
que o corpo legislativo deve tomar j alguina
medida, que coarle casa exportaco progressi-
va ; e para que eata assembla proceda com
111 ailiu <->.i oeste negocio, Julgo necessarlo, que
ella procure Informar-se da presidencia da pro-
vincia quantot escravos tem embarcado desde
julho at hoje, para vista dessas liiformace)es
unannos as providencias necessarlas: nesle
sentido mando mesa o meu requerimento.
Vai i mesa e he apolado o seguate requeri-
mento:
a Requelro que pelos canaes competentes se
peasam informaedes ao governo da provincia
sobre o numero de escravos ezporlados desta
provincia desde Junho do anuo precdeme al
hoje. Pinto de Crimnos.
OSr. Paes llarrero : Eu nao tenho repug-
nancia ein votar pelo requerimento, mas de-1 Ira elle.
crelo que o nobre depuladn nSo ganhnu alvi-
caras, porque esta Ideii foi apresentada no
relatorio do Sr. presldeote da provincia, e o
nobre deputado tem onvldo a muilos collegaa
seus Iralarem deste objrcto em particular e at
apontarem as medidas que he preeiso adoptar.
O Sr. Pinto de Campos ; E para que se op-
poem ao requerimento?
O Sr. tarros Brrelo : Por Intil, por des-
necessario. Dlsse o nobre deputado que acaba
de sentar-sc que be preciso discutir a Idcla,
para que o pas saiba sea iinposico he justa
ou injusta. Eu direl ao nobre deputado que
aioda assim a discusso serla prematura ; por-
que a occaslao de discutirnos ou de convencer-
inos o paiz de que a Imposlco he justa, be a-
quella ein que traannos de estabelecer o Im-
posto. Por todas estas rasdes que acabo de ei-
pender, julgo Inleiramente desnecessarla a
.iilopcan do requerimento e por laso voto con-
qual o liin
seio saber qual a sua ulilidade
que o nobre deputaao leve em w,> u
t.....l.j-11. O nobre deputado.apenas dlsse quesa-
hl.im inultos escravos desla provincia, e que
quera aaber o numero delles ; mas para que ?
O Sr. Pinto de Campos: Eu j dlsse, que pa-
ra tomarmos una deliberado que obsiasse a
Isso.
O Sr. Paes Brrelo: Se esta assembla quer
lomar urna medida que restrinja e embarace a
esportar.a'o dos escravos, nso precisa saber ao
certo o numero dos que tem sido caponados,
he mu facto constante que animalmente sahem
desla provincia inultos escravos, e lodos sen-
lem que he isso um grande mal para a nossa
agricultura; portanlo para tomar-se urna pro-
videncia a este respeilo nao julgo occessario
saber exactamente quantos escravos tem sido
levados para fura da proviucia : todava au
quizera deade j oppor-me ao rcquerimeulo
que se discute, apenas limillo-mc a pedir ao
seu nobre autor que me mostr a sua ulilidade
e esclareca o voto que tenho de dar nesla ma-
teria.
II Sr. figueira de Melto (Daremos ein outro
numero )
O Sr. iose Pedro acha ocioso o requeri-
menlo.
U Sr. A, de Oliveira julga intil o requeri-
mento, e combaie-o.
O Sr. Pinto de Campos'. Sr. presidente, co-
mo aquelles meamos que combalem o requeri-
mento, reconliecem ser necessario tomar-se
11 ni 1 medida a respeito da exportaco de escra-
vos, devo estar muito salsfeito por haver dis-
pertado a atlenco da casa acerca do objeclo,
que constituc o mesmo requerimento
(Ha diversos apartes.)
UOiidor: l'arece, que para a assembla
tomar urna resoluco sobre este assuinplo de-
ve ler urna base cena sobre que se Arme, e esta
base o.ui deve ser outra, seno as informaedes
viudas do poder competente ; els-aqui o aenli-
do em que foi concebido o meu requerimento ;
c me espaulo de que baja quem Ibe faca oppo-
sicao, sendo os seus motivos os mais justos e
rasoaveis, quaes os de se pedircm inforinacdea
cerca de mu facto, sobre que a assembla lem
de deliberar....
O Sr. Paes Brrelo: Isso pde-se ver do re-
latorio da ibesouraria.
O Orador: Mas, aenhores, que mal pode
resultar dessa nfurmae.au ? Por que se nao ha
de pruceder rom mais seguraofa?
t7m Sr. Deputado: Pde-se dispensar esse
trabalho que ae val dar.
O Orador : Una vez que se falla em traba-
lho. devo declarar casa, que o proprio Sr.
O Sr. Paes Brrelo cmbale o requerimento
Or. Figueira de Helio (Daremos em oulro
numero.)
O Sr. faaeicl Monteiro insiste na sua primitiva
opinio, e d algumas ciplicacoea em resposta
ao Sr, Paes llarreto;
O Sr. Presidente : A hora dos requerlmen-
tos passou, por conseguinte a discusso tica
adiada,
O Sr. Pinto de Campos: bu considero a ma-
teria do requerimento urgente; por isso cu
peco a V. Kxc. que proponba casa a uecessi-
dade de se prorogar a hora para se coucluir a
sua discussSo,
Vai mesa o sepuntc requerimento.
Requelro a urgencia do requerimento que
se discute. Pi-io de Campos..
OSr. A. de Oliveira o|ipoe-sa a urgencia, pe-
dindo ao prepooente da mesilla que baja de a
demonstrar.
Encerra-se a discusso, e submettido o re-
querimento de urgencia a voiacao lica empa-
lado, e por conseguinte adiado.
OI.IH-.M DD DIA.
Conlnuaco da seguuda discusso das pos-
turas da cmara de Flores.
Eutra cm discusso o artigo quinto, que he
approvado com a aeguinte emenda :
Depois das palavras al as olio da noite
diga-se as pessoas cujos caraos esltverem
os templos ou cciuilerios, e que fuerero eoter-
rameuios fdra das horas designadas neste aili-
go, pagaro a multa de 10| rs. Supprlma-seo
resto do artigo. S. R. t, X. Pae< Brrelo.-
O arllgos sexto e stimo sao approvados sein
discusso.
O artigo oitavo be approvado com a srguinle
emenda,
l'epols da palavra repenilnamente
accrescente-se as villas e povoados, o mais
como no artigo. P. X. Paes Baneto.o
O artigo nono he approvado.
Passase ao artigo segundo e sao spprovados
os arligos 1, 2, 3, 4. 5 e 6
0 artigo 7 approva-se tambem com a seguin-
te emenda.
Em lugar de urna legoa -- diga-se uin
quarto de legoa. S. R. Pelee lla'refo.
1 ni seguida sao approvados sem discusso oa
artigos8. o, 10. II, 12 e 13.
Entra em discusso o artigo terceiro e sao ap-
provados os arligos prlmetro o segundo, re-
jeliado o lercelroe adiado oquarto por falta de
numero legal.
O Se. Presidente desigoa a ordem do dia e le-
vanta a sessao. (Eiain quasi duas lluras.)
Art. i. Os bens, que voliam para o estado ebefe de polica interino, lev.du de elo pela
em vlrtude do art, l., sero vendidos em par- : nossa agricultura, fui o mesmo que me obser-
le pela adminisirac'o dos patrimonios, c seu vou a necessidade da assembla tomar un,a
producto ser repartido pelo modo srguinle : medida qualquer em ordem a dilllcullar a con-
Arl. 5. Des inilhes sao concedidos s so-!linuada exportaco de escravos comprados
ciedades de soccorros mutuos, autonsadas pela "eita provincia, e que elle eslava prompio a
lei de 15 de julho de 1850. furnecer todos os csclareciuieutus de que liou-
Art. 6. Dez inilhes sero empregados em vcsseinoi mlsier; e por isto nao acbo raso em girida; e nos que foam abertus na minlia
inelhorarashabitacdesdos operarios oas gran-los nobrea dcpulados considerarem um grande I presenca nada se acliou.
des cldades inanufactureiras. mus para os empregados da aecrelaru de po- r (;nnrJ,rme qll0 hontem verbslm^nte tive
Arl. 7. Dex milbdes sero destinados ao es- Micia o se prstamo a tacs infurinacdes.
Hopa 1 l'r,"io de polica.
PARTE 1)0 DIA 13 DE MAllCO.
Fui hontem o ante-lieiilem aifandegs)
para assislir ao exane ordenado pelo Kxm.
antecessor dn V. Exc. us diversos vo!uwes>"
do carregamento da barca portugueza Mar-
oe,eci,nen,o ue n.muicoe, de crdito tern- | Por conseguinie, Sr. presidente, fui com m'\l^tJS!^!^t2S2^^
torial nos departamentos que reclamaren esla laa vislasque liz o requerimento, conlra o qual g"ei de asSIStT boje 0 fogunda-fei a dilo
medida submeltendo-se s coudices que fo- ; se ho pronunciado os seuhores deputados sem ,exame o subdelegado do Hecile, Oliveira,
rem Julgadas necessarias. rasao plausivel, e sein altenderem a necessida-j pelas rasOes constantes do olucio pur copia
Art. 8. Cinco inilhOcs aervlro para estabe- de de levanlar-se um bradu em favor da nossa : incluso, tendo isso mesmo participado ao
tos de modo a ficar a mesma cadeia cum
maior seguranca pu-.-nel Communi-
cou-se ao cornmando das armas o ao chefe
do i'olicia.
Ii.'o. Ao presidente do consclho geral
do salubridade dizendo que pode remetler
para Pars, iilim de ser all concertado, o
barmetro comprado para uso d'aquella re-
partirlo, viste n3o poder dilo instrumento
servir no estado em que se acha, nem baver
equi quem o concert.
Dito. A cmara municipal do Recifere
metiendo por eu.ua o ofliclo do presidente
do conselho geral de salubridade de 16 do
corrente, allm de queeiertja a maior vigi-
lancia sobre o modo, porque s8o feiloa os
ra Mies morluarios, providenciando ao
mesmo lempo no sentido de seren sals-
lenas vigorosamente as exigencias contidas
no citado do ofTicio. Neste sentido ofll-
ciou-se a lodosos subdelegados desta ci-
dade, e respondeo-seao presidente do mes-
mo conselho.
Portara. Nomeando profossor da ca-
lima do nstrucclq elementar du segundo
grao do bairro de Santo Antonio desla cida-
I e a Miguel Arcnsnjo Mendello, vislo ter si-
do approvado plenamente em concurso.
Nesle sentido lueram-sa as convenientes
commuoicacoes.
DEM DO DIA 20.
\o cornmando das armas, aceman-
1 informaedes, que vicram an-
i OfTicio de hoiitein, dadas pelo
do corpo de polica acerca du
^^Hbrpo.
Trclator da juma de justica,
ira ser relatado em sessao da
processos verbaes feitos aus
1 nono batalhao de infantaria, Julin
Pedro de Luna e Venceslao Luis Paulo. Com-
munlcou-se ao coinmandante das armas.
Dito Ao director do arsenal de guerra, ton -
cedendo a auiorisaCo que pedio, para despeo-
deranuanllapel28f000rs.com a compra de
16 duziaa de taboas de assoalho de pioln para
facturados cal idea necessarios para conduc-
an dos objectos, que se esto promptlficando
naquelle arsenal com destino a provincia das
Alagas. Communicou-se a thesouraria de
fjzeuda.
Dito A' thesouraria da fazenda provincial,
para 1 andar pagar ao presidente do conselho
geral de salubridade, a vista da conta que por
rile Ihe for apresentada, a importancia do frele
r despezas feitas com o transporte e embarqu
dos objectos comprados em Pars para uso do
11.1......1 iniisi-iho, os quaes vieraui pela barca i
frauceza //tu. Communlcou-se ao menclo-j
nado presidente.
Dito Aojuis municipal supplenle dapri-j
lecer urna caixa de recesso ein proveito dos agricultura.
serventuarios os mais pobres. OSr. torencio : Essa Ideia esla consignada
Arl. 9, O restante dos bens ennunciadns no no relatorio, todos nos levantamosbradosc.il
movel em Franca ; elles sero obrlgados a ven- art. I." ser reunido dolajcfa da Legio de favor da agricultura,
derdeuma maneira dillinltlva, lodosos bens Honra, e seu rendimento ser applcado aos! O Orador > Maso que he verdade beque
que Ihes pertencem na extculo do territorio achulles destinos, maaem caso de iusuffici- at boje nlngueiu lloha dilo nada....
da repblica. [enca se prover a elles pelos recursos do or- I OSr. Florencio: Porque nao era ocasi.o.
inspector int rio da alfandega.
Foram presos: ordem do subdelegado
da frpguezia de San Jos, os paisanos Ju.-c
da Costa Bispo, JosTavares Pinto, eFran-
cisco Mendes de Mello, este por m iiti-.ii .1
juma palrulha, o aquellos por motivos quo
Art" 2. Esla venda ser effecluada no praio cauento.' I O Orador: Essas delougas, e adiameiilos nSo s3o al agora sabidos, O escravo Frau-
de um anno a contar, para os bens livres, do l Art. l0. Todos os offlelaes, offlelaes iofcrlo- de resolU(oes Importantes sau a causa de mu- ;cisco, pur ter SJo encontrado Cum urna
dia da proinulgaco do presente decreto, e para res e soldados de trra c de mar em actividade los males: o que se deve c se pode la/e 1 hoje, naValha ; e do subdelegado da freguezia
os bens sujeltos a liquidaedes ou discussdes, da
poca ein que Ihes forem irrcvocavelmente ad-
judicados.
Art. 3. Caso a venda nao tenha sido effei-
(uada nos prazos cima marcados, proceder-se-
ha a ella por parle dndininistraco dos do-
minios aa forma prescripla pela le de 10 de
abril de 1832.
O valor das vendas ser entregue aos pro-
prietarios ou a quem por direito tocar.
Dado no palacio das Tulherias aos 22 de Ja-
neiro de 1852.
lu': Napoleio.
Pelo presidente:
O ministro de estado,
X. de Casabianca.
O presidente da repblica considerando que,
sem querer violar o direito de proprledade na
pessoa dos principes da familia de Orleans,
nao justificara a cooanca do povo francs se
permitilsse que bens que devem perlencer
nai-ao sejam subtrahidus au dominio do el-
udo ;
Conminando que, segundo o antlgo direi-
to publico da Franca, sustentado pelo decre-
loale 21 de setembro de i7'Jn e pela lei de 8 de
noveinbro de 18M, todos os beos que perleo-
ciam aos principes no lempo de sua clevaco
ao throno eram de pleno direito e immedlata-
inent 1 reunidos ao dominio da coroa
Que por esta raso o decreto de 21 de setem-
bro de 1790, assim como a lei de 8 de iiovein-
bro de 18ii, determina :
Que os bens particulares do principe que
subir ao throno, e aquelles que adquerlr du-
rante seu reinado, por qualquer titulo que se-
ja, sao de pleno direito e immedlatamcnte uni-
dos ao dominio da naciio, e o elleilo desta
nnia 1 he perpetuo e irrcvocavel;
Que a consagraco desle principio remonta
pocas muito remotas da monarebia ; que se
pode citar entre outros o exeinplo de II, nn-
que IV, o qual tendo querido impedir por car-
las patentes de l5de abril de 1590, a reunlo
de seus beus ao dominio da coroa, o parla-
mento de Paria recusou registrar eatas carias
patentes nosderinns de um decreto de i.i de
julho de 1591, eHenriquelV, applaudlndoao
depois eila lirmexa, publicou, no mez de ju-
lho de 1607 uin edicto, o qual revocava suas
prlmelras carta! pateotes;
Considerando que esla regra fundamental da
monarebia ful applicada nos reinados de Luiz
XVIII e de Carlos X, e reproduzida na le de 15
de Janeiro de 1825 ;
Que ni iiluini aclo legislativo a tinba revo-
cado a 9 de agosto de 1810, quando Lula Phi-
lippe aceitou a coroa ; que por esta raso, pelo
faci so detts aceilaco, todos os bens que elle
possuia naquelia poca tornaram-se proprleda-
de incootestavel do estado ;
Considerando que a doacao universal dc-
baixo da reserva de usofruclo, felta por Luiz
Philippe ein proveilo de seus lbos, com a ex-
cluso do primognito, a 7 de agosto de 1830
"os 'legionarios (como al aqui) 258, francos. poslco, sein avaliar bem a sua materia ?
Os oIBciaes 500 O Sr. Paei Barrero :SeJa temoso lesleniu-
Os comniendadores 1.000 nho do presidente c se o nobre deputado apre-
Os gram-olTiciaes 5,000 sema o do chefe_de polica.
Osgram-cruzea 3,u00
Art. II. Flca creada urna medalba
qua d direito a cein francos de renda
cia em favor dos soldados e ohlciaes
do eiercito de trra e de mar collocados
perion-
encont n
casa de Luiz
Copia a que ie refere a parle tupra.
NBo po leudo eu hoje ir asislir ao eli-
mo que su esta fazendo 11 alfandega em os
volumesde que sa compoe o carregamento
as coudires que sero litadas por uin regula-
menlo ulterior.
Art. 12. Um caslello nacional servir de ca-
sa de educaco s lillias ou orphaos indigen-
les dss familias, cujos chefes tiverem oblido es-
la medalha.
Art. i3. O caslello de Saverne ser repara-
do e acabado para servir de asylo s viuvas dos
altos funcclooarlos ciris e militares morios ein
servio do estado.
Art. 1 -i, O presidente da repblica renuncia
a toda reclamaco a respeilo dos conliscos pro-
nunciados ein iSi-i e em 1815 conlra a familia
Bonaparle.
Art. 15 Os ministros So encarregados, cada
uiu na parte que Ibe diz respeito, da ezecufo
do presente decreto.
Dado 110 palacio das Tulherias aos 22 de Ja-
neiro de 18&2.
Luii Napolea'o.
Pelo presidente '
O ministro de estado,
X. de Casabianca.
(Do Uonileur.)
PERNAMBUCQ
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO I :m 15 DE MARCO DE 1852.
( 'residencia do Sr. Bario ie Cap-baribe con-
tinuada pelo Sr. Pedro Cavalcanli.)
(Concluso.)
OSr. Pinjo de Campos: Sr. presidente,
(endo de mandar i mesa um requerimento,
Julgo conveniente prevenir a casa, nao so a res-
pello do seuobjeclo, como das rasdes ein que
elle se funda. Tenho observado, Sr. presidente,
que desde o meado do anno que passou, que
nao desfila para o sul do Imperio uin vapor ou
qualquer embarca(o mercante, que nao v
pejada de escravos esportados ; de sorle que os
especuladores eslo fazendo de Pernantbuco
uin- presidio da Cosa d'Alrica, nao obstante ser
esla provincia a que menos inanchou-se com o
trauco de Africanos.
O Sr. Figueira de Mello: Apoiado ; lodo o
(Ha diversos apartes} a que he preciso dar andamento, e nem 13o
O Sr. Jugusiode Oliveira: J est arrepen- IpotK'o podendo co rparecer em dita aifsn-
dido? Ide'ga ns segunda-feira', pois tenho de fazer
O Oradoi: Qual arrependido? F.slou del- na cadeia visita deque trata o srt, 150 du
xando que cessein os apartes; e como nao t,reffdlaajeotO n. 120 de 31 de Janeiro de
nho esperaucaa delles pararcm, assento-me,
volando pelo meu requeiimento.
Vai .1 mesa e he apoiado o segulnle adita-
mento:
1842, encarrego a Vtnc. de ir assislir das
11 horas da manhaa s 2 da tarde ao men-
ciona lo exame, visto achar-se aquella alfan-
'"Acrescente-se e bem assim qual o nu- jdega collocada 110 districlo de sua juiisll-
c3o, e espero que Vmc. dar mais urna
prova de seu zelo polo servi?o publico fa-
zendo osseeiame com a mesma minuciosi-
dade com que at aqui tem elle sido felo,
nBo so nis pipas de vinho como no sal que
existe a bordo.
Terminando o presente cumpre-me com-
municar a Vmc que o lltn por que se faz o
exame em questao ho o descobrimento de
utas falsas que, segundo urna denuncia
dada presidencia, vem no carregamento
da indicada barca.
Dos guarde a Vmc. .Sen-, liria de poli-
cu, 13 de marc.11 de 1852.Anselmo Fran-
ciico Viretti.Sr. subdelegado do Kecife.
mero de escravos que foram exportados ein
igual espaco de lempo no auno liuanceiro an-
tecedente. -- Figueira de Mello.
O Sr. Macel Monleiio apoia o requerimento
do Sr. Piolo de Campos.
OSr. Barros Brrelo: Sr. presidente, alnu-
lilidade do requerimeulo, meu ver, he lo
manifesta que o honrado membrp queacaba de
senlar-se, apetar dos seus talentos que lodos
nos ihe reconbcceinos, nao Ibe fez una defesa
tal que nos iocullsse no animo a ubi ic, nao de
volar por elle.
Scnborcs, do balanco apresenlado na casa,
vindo da thesouraria provincial, consta o nu-
mero de escravos que se lem exportado duran-
te o semestre lindo; por consequencia apenas
falta saber-se os que 1,11.1111 exportados uestes
dctis ltimos mezes o que nu me parece de
absoluta necessidade.
Uin Sr. Deputado: Melhor se poder coohe-
cer o uiovlmeuio da expoilaco, ella pude ler
augmentado, e muilo, nesses dous mezes....
OSr. barr( llnrro: (lea exportaco tem
aldo multo superior a dos annos auteriores, is-
to be lio notorio, he lo sabino que nao be pre-
ciso deiuonsirar-.se por documentos; tudos aa-
bem que a exportaco teto sido muilo excessiva,
niuguea o poder por em duvlda, o que reala
pois he saber-sc precisamente o numero; mas
o numero nao sel para que sirva. Podemos,
porreutura, laucar una iuiposico sobre os es-
cravos que foram exportados? Podemos fazer
com que urna impongan boje eslabeleclda v
compensar a nossa agricultura do desfalque
solirido pela sanlda dus escravos que j furam
exportados? Podemos apresentar alguma medi-
da neste seuildo? .Vio, por ceno; para que
pois estes esclareclmenlos ? Nio sel, a nao ser
liara a casa saber qual a Idade, o tezo e ualu
ralidade desses escravos, oque por certo no
requerimento seno pede. Dase o nobre de-
""os'r. Pinto deCampos:-... e como estou J puado autor do requ'erlmenlo que elle o apre-
00 dia masino em que a realeza Ibe foi defer-(convencido deque essa especie de einigtaco I sentara para despertar na casa esla tdela. Eu
DIARIO DE PERNAHBUGO.
RECIFE 16 DE MARCO DE 1852.
A assembla approvou boje o requerimento
do Sr, Pinlo Je Campos, apresenlado na sessao
de hontem, pedlodo esclareclmenlos ao gover-
no acerca do numero de escravos exportados
no correte anno liuanceiro, e bem aisiin os
aditamentos qoe ao mesmo offeieceram os se-
nhoret Figueira de Mello c Maclel Munlelro.
Approvou mais em seguuda discusso o pro-
jeclo n. 1 desle anno que fita a furca pullcial
de i85? a 185>, com una emenda doSr. Maclel
Mouielro que aulorisa o presldeote da provin-
cia a diminuir o numero de 600 prncas, nxado
no projecto; segundo ai exigencias do servirs;
sendo rejeitada pcls nialorla de um voto a
emenda do Sr. A. de Oliveira que reduela o
corpo a 400 niacaa,
A ordem do dia para atnanhaa he a couli-
nuacio da de hoje.


Pubhcacoes a pedido.
r eom ella aquietar 01 nimos dui amotina'
doi em S. Lourenco.
Releja purriu diier aV. En., que IB luis-
iililluda a V. El. aa ooiniiiunlcacei do agen
llm. e kxtn. Sr. Tendo prsenle o cilicio
que V. Kie. me endereisou emdaladeC dooor-'tas pnllalaea, com o duplo llin de participar
rente mea ein reapoala ao ineu de 30 do pana- a V. El. 01 ooateclmenloa gravea e noiavel,
do, appreaao-ine ein lignllicar-Ihe a inlnha la- que nccorrernm na provincla.apenai cl.rgavan
tltfacao pela oulorlaac.i que uelte me deu pa-'ao meu oonbeolmento, e de pedir-lhe ai pro-
ra publicar no Diario di Pernambueo, ou oude videncia necenarlai, como era de ineu de-
mala me oenvlrr, a tnlnha oorreipondencla of- ver, em face do determinado pelo artigo 192
licial acerca doa ultimo movimientos ledlclo- do regulamento numero vio de 3l de Janeiro
o! havidoa na provincia, pagando a fatenda de 184-2, ommltte o resultado da vigilancia
publica a despeta feita com a respectiva lu- de polica, c das providencial dada, he por
pressiio; porquanto me babllilou V. Exc. a re- que outrui n3s liaviaiu alein do que era co-
ln ir aa falsldades deae peridico,( I) a con- nhccldo por V. Ex., c por todos quantoa pre-
fundir o calumniadores, ea eaclarecer o pu- senciavam oa fados, e por que nao quera
blico sensato, a quem se nSo deve fallar a ver- nem derla cu atlrlbulr somante i polica a
dade; c easa minha satlsfaco anda mais e qulllo que pertencla tainbem a accao adml-
niais le augmenta, quando rclllclo, que V. Kio. niatraltva do governo da provincia ; mas per-
nem contesta os ineus fracos, mas leaes aer- inlua-me V. Es. declarar-lhe; que sem du-
vicoi a erdem publica na ultimas emergen- vida se equivoca I.* quando auppde, que es-
claa da provincia, que do paiagein fui obrl- sas mlnhas communicaedes berain por mlm
gado a euumerar para demonstrar mais ca- carregada de negras corea, poli ncllas me
ramente os injusllca dol editore do Diario de liiuitei leinpr'c a enmelar li. Iim-i.ii- o que !-
Pernambuca, ou do. que oa inspiraran, (2) nem siam os delegados e sulidrlegades de polica,
tao pouco destroe a miuba conclusao, quao- c tanto hera o meu escrpulo nesta parte, que
to ao estado de tranqulllidadc da provincia, uunca delael de rcmetler a V. Es. copla dca-
que o ineaiuo diario calculadamente deca- es importantes documentos, para que V. Es.
rou ser o mais satisfactorio, e que os Tactos em sua sabedoria mllhor os podesse avallar i -
sin ies-iv.ini. me apparecidoi se lem encarre- c l.i quando me altrlbuc o designio de Mel-
gado de desmentir pelo modo mal positivo, tar o scu selo pelo scrvlco, c a sua vigilancia
peremptorio e deploravel. lobre a culpavel negligencia, e artsolula fal-
Fella esta primeira deelaracao dos mcus sen- ta de forca moral, que apprcsentaram certas
time, tos p ra com V. Eio.. pertoltla-mc V. auctoridadea pollclaes, pois se acerca do prl-
Eic, que mi oceupe anda por algn) inomen- metro ponto terla eu umapretenco dcsnecci-
toi a scii i altenco, que dedica ao negocios saria por infundada, a reapelto do segundo,
publicos para o nin de esclarecer alguns pon- sempre julgucl que o ineus deveres eitavain
tos extranhoi ao objeclo de mlnha reclama- cumpridoi, e minha conscicncia devia tran-
cao, que V. Etc. addusio para o aeu reipei- quilisar-sc, depuis que por mais de urna vez,
i.ivil uinclo no empenho de mostrar todas ou por escrita ou vcrbalinente pedi a V. Ex.
ai altentea de sua parte para comigo, e que desse urna solucao qualquer as mlnhas
que dando-me lugar n explicar a mlnha ges- propostas de empregados policiael, leudo que
lito policial, durante estes ultiiims lempos, antes dos inovlmentos sediciosos j verbal-
nie fazem esperar eom fundamento toda a meute eu havia pedido a demitsao dodeloga-
juslicade V. Exc., do governo imperial c do dude INazarelh em lins de novembrn rin an-
publico imparcial, que he lambem juU dos em- na prximo passado, por que neobuma con-
pregados publicos. banca mcmerecla nem mcrere. << rUpal d.i
cui piiuieiio nigar uirc a v. r.tc-, que se les por olclos de 12 e 14 de Janeiro insist alo-
nas communicaces dos acontecinienlos havi- d. sobre este assumpto, e rcqulsltei a deuda-
dos na provincia, que hei reinrltlilo a V. Exc., sao do Delegado do Limoeiro, UemlisiSe que
nao mcncionel ums servico, diligencia ou es- V. Ex. resiilira por seus olliclos de 20 e do
forco bein succedido da polica cm reina i inesuio niez, apezar de ponderosos motivos
aquelles (actos, de nenhuin modo pode isso em que as tuadaiiientei, entre os quacs lgura-
deilustrar aoa seus agentes, porque esses mo- va essa incsin. culpavel negligencia e absolu-
vimeulo! appareceram de mu mudo nspera- la lalta de forca moral, que V. Ex. ogora lan-
do, cas autoridades pollclaes, ein re de se bra. Ese com ell'eito csjas e outras autori-
acharcm ajudad-s de fuic. publica sull'iciciilc, dades cram negligentes, se uo tiiiliam co-
ac vlain pelo contrario rodeada de fracos de- cello nos seus reupccllvos deilrlcto, se a popu-
tacainenlos policiaes sem disciplina, alguns lacao deltas se allaslava, e o governo naopo-
ule sem inuiiices, que por col.aria do! cun- da coutar com os seus servicos, e nem ob-
inand.inlea.ou pelo diminuto pensoal, cram os liuia com ellas a pactlicaco da provincia, dc-
priineiros a enliegar suas armas aus amotina- ve recabir sobre iiiiui a colpa de sua c.inscr-
dos, e liravam assim a essas autoridades tod i a vacao quando cm t mpo declarei o que cram '
ua accao para abalar a desordem, ao passo Sem duvida que nao.
que a guarda nacional, inleiramente desurga- Ora se com utna polica cm parte des-
nisada u provincia, apezar de j ter dcorrido mousUdu por motivos al boje ignorados,
mala de anuo .'rpola da puhlicacao daraspee- se cum os aKelUej poliniaes, i quem nem
fSA .:X$?&&2XS*$%!. sZe"m Fs""T*01 osmeus s0,,t';
node.gr.cadau.enteacoo.eceunoi municipios "enlosa seu respeilo, me era impossivel
de Pao d'Alho, Limoelro e Naiarelli, em que pierenir os moviinentos sediciosos, porque
os movimentu icdiciuioi tornaram-se mal ai- a provincia tem passado, e vai passando ;
aulladores, e produziram os factos mais vio- (movimenlos que lerSo do sor urrj dia mais
lentos e criminlos. pengosos, e aterradores, segundo lodosos
Seoutro fosie o estado de organlsaro da clculos dos que eonhocom I prorincinciif
forca publica-, sem a qual ai autoridades tor- e ,peiias me ,|(. |lmjlul]o a ajudar as Sibias
V^V^ZZTXZ&L'^ ..... ** Providencias do V Exc. para evi-
fadoi c nao darlam. e at quero acreditar, lro progresso do mal ; bo forcoso lamben,
que ie V. Exc. me nSo tlvene denegado por seu concluir, que nSo me he possivel estar ja
ollicio de de dezembro ultimo a forca que cabalmente Seuhor da origem a nature-
Ibe pedi i n .'i para reforcar o destacamento de za dos ltimos acontecimentos, e tor deseo-
fio d'Alho, e prenderos turbulento! e ciiml- harto os planos e tramas que houvoram,
notoe, de quedcsgrac.damciilc abunda a fre- os meios de eceflo quo so prepararan), OS
guezia da Clona do Guita, e a esa medida bou- ril vesse accrescentado a de iiomrar para otirmo ____ T. _.. *"">
de Pao d'Allio o delegado de que elle careca, c ,rov8' <*" Crimea perpetrados, e ludo quan-
cu piopm na indicada data de i de dciemi.ro l0 cumpre investigar, aprehender o remirar
ultima, fjiendu cumquea polica recalussena i ;l".i precaver iguaes aeontecimenlos no lu-
rjajbsde iiin cldadiodedicado aordem, a ohelo turo, e facilitar a acclo da justicia q lanto
de cuiiideraco cpreiligio nao teriaiii appa- ao passado, como V. Exc. paroce suppor, e
reculo nesse termo as tristes scena-, que todos muito seria para daS"jar.-se b Em verdad-
presenciamos, e cujo regresso .mili uao me d lixando do parte a investigaco das pro'
tE2r!ttXE^ttXSft vuS ,los cri,,.r perpetrado, ou par. L,s
Lin.oeiio, e riasi todos oa seu subdelego osada nonio fallar de quaes os seus auto-
foraui noineadoi pur propostaa de meu ante- res porque a instruccao julicuna, a qua se
ccsur. vai proceder pertence a descobri-las como
Este facto que se reveste de nova forca, e podurjam as autnri lades policiaes doLi-
cliain.aiido a atienco de V. Ex. para os acn- moi'jro faz'ras suas inveslsgaijOcs a seme-
lecimeiiio que deigracadamenie appareceram Ihanto respeito.se ellas no da inmediato ao
em Uaranhuiis, cujo delrgadu lie anida de em quo os seJiciosos tomaram posse da vil-
propoala.de meu antecessor, e aseudu ol.ser- fram exle,poraiiei. o criminosaineule
var a V. Ex. que nos lugares, em que os dele-' .', .,.,.' a, .___ r._
gados, c.ubdelegado. eran, lill.osde propos- I suspensas do ex-rc co de suas taOOMM
las minlias, ou nao appareceram movimeu- P' "r. JUIZ de direito Manoel Teixeira Pel-
los irdiciosos, ou os sediciosos, consclos, da I XOto, e se r-si Magistrado, cujas sympa-
Cnergia da auciorldades, apenas se limilarain thias cm prol dos adversarios do governo
I faier queixas, ou se di&persaram Iinmedia- n3o s5o por ninguem descontiecidas. depois
t'iueuie. i.ouv.i.i-me aluda a Idea de que se je s0 haver robaixado ao |iapel da fraco, a
a pulila da provincia nao lem em cada terina dcil instrumento dos mesmos ciosus,
se lem arvorado em autonJade policial, o
honrado com a confianza de V. Eso. se ar-
roja a dar as ordens oui sou nome, confor-
me declarei a V. Exc. am mcus ollicios n.
Hi, e 338 de 31 do Janeiro, o 5 de foveroiro?
Como pod'iria o delegado de polica de Na-
zarctn fazer oslas nvotigac,ues, so alem do
se mostrar inepto no cumprimeiHo ordena-
rio de seus deveres, como V. Exc. verbal-
mente rccouliecou, vivo hnje em intima li-
12
"=
ComIslonlo quero dlter que para chlitar aoi, para o erro, e do erro para a Tardada. de chefe de polica para nSo ofrendar o ser-1 CONSULADO PROVINCIAL.
resultados indicados praardeiaem piarlaM>|' QuaotO a nSo reallaicao^de certai notieias rico publico, o nem lar agora o deagoslo da |Honuimento do dia i6. 1:760,517
mas tenebrosos, ou em oiuiis ie liveisam pre-( aterradoras, qne V. Ex. atsevera tereu lera- ver lancir-se-moem roito essa miaba aubtt
' no ae
posto
parado nielo de accao, e nomeado LhaMa; em-1 y0 a0 |eu conhecimentO olisorvarci que, I o oxtriordmirla cobarda, que V. Exc. em
bora porem ae alo poiaa deixar de nutrir des- 6upost0 me n3o lombroae nloda communi- sua boaarolancia paraoomml
a freule os huuicus maia capases, ou aules se
acha em grande parte desmoiitada, he pur
que V. Ex. por motivos, que ignoro, e que
respeilu sem querer pcnetra-los, enlendeu ein
sua sabedoria, que devia dcixar de dar mu
solucau as multas propollas, que lenho feilo,
opprovando-ai, ou regeilando-as para que
fossem substituidas por outras, ou declarau-
do-me em particular os defeltos, que encon-
trava nos cidadios proposto, paraque outros
fossem os apresentado, como he pralica.
Se esles faci sao bstanles para que V. Ex.
na aua imparcialidade reconbeca, que sobre
apllela da provincia, c lobre o seu chafe nao
pode recabir deslustre algiiui pela luaueira,
porque ella se lia portodu quauto a prevenco
dos movlmenloa sediciosos nos trez termos de
.Yi/.ni ili, Pao-d'Albo e Limuciro, eu espero
que V. Ex. lambein llie far a devida juslica,
pelo que rcspella represtao dos aulbores, ou
chefes desses movimenlos, e dos facinoroso,
que durante elles coniinelleram roubos, mor-
tei, e outros crlmes, nao j valendo-me do
Importante faci de estarci os lugares de po-
lica entregues al a data de meu olllclo
agentes, em quem eu nao lenba coulianca
cuja demisso pedi por meus ofHciol de 12c
14 de Janeiro ultimo; mas faiendo lembrar a
Vi Ex. nao smenle o espirito de suas ordem,
loda tendentes a empregar os inrius suasorio,
c brandos f espirito de que me possui, coulor-
me declarei a V. Ex. rm meu olficio de i do
iiicsinu mez sob numero '..ni mas tamb-ni
as culi ns verbaes. que V. Ex. me den para
que nao se lisessem prisde, em quaulo a
provincia nao estivesse inleiraineule pacilica-
'I i, e ijiii por V. Ex. lbraiu dilectamente ga-
rantidas em ulna carta ao Alissimiario capu-
xiuhu fr. Caelauo de iilisina, a qual V, Ex.
no ardenle dezejo de pacificar a pruvincia do-
ra copla ao coronel Jos Perc Ceinpello, pa-
g5.1o com rjs adversarios do governo, c
( I ) Chama o Sr. drsetnbargador Figucira de
Mello fatuidades o nao termos uienci.iiado o sen
nome no artigo de fundo, publicado em o nu-
mero 2o desle Diario, con o unidos coadjuva-
dores da pacilicacao da provincia, de que en-
tilo tratamos; e dando por sua conta a urna sim-
ples negacou o duro e iullcxlvel carcter de po-
ailivismo, pretende apresentar-uos an publico
como capases de o embar, fdltando-lbe com a
verdade dos negocios da mais icrla impor-
tuncia.
A omlaao do nome do Sr. desembargado
nao foi r.u infundada r|uanto quer S. S. iucul-
ccr. e, bem longe disso, foi determinada por
valilas razrSes; porquanto tendo nos procura-
do as.iilu iineiiic e com o inalor cuidado saber
dai occurrenclas de cada da, relativas a ei-
tincta ledicco, nunca ouvlmoi dizer que (al
ou tal providencia panlsse do Sr. chefe de po-
lica, e inulto menos que elle ou aquello boro
xito parcial rciullaiie das ordens emanadas
de sua secretaria, conitando-noi, pelocoutrario,
com toda a certeza, que propondodlie o Etin.
presidente o partir S S. para o lugar da des-
ordena alim de ver sea sua prrsenca all, ins-
pirando coulianca e reipeilo aos sediciosos,
apressava a pacilicacao, negou-ie o Sr. desem-
bargado!- a sio.
( '2 ) Sentimos que o Sr. deseinb .rgador F-
gueira dos julguc animados do espirito de In-
juslica a leu reipeltu, porque he tal a nona
iiiparcialidade, que nao duvidainoi inserir o
presente olllclo gratuitamente, s porque nel-
ese trata da nossa folba, para nao deixir no
escuro ludo quauto S. S. pudesse invocar em
seu apolo. Has nao podemos couter nosso Justo
reasentiinento,quando suppde o Sr. chefe de po-
lica,que ul vez fossem os inspirada ao escrever-
xno* o artigo, que tanto o Incotniuodou. tiio:
os edi(orrs do Diario de Pernambueo, assim co-
mo deteslam a lojusllca, lio Incapazei de rece
lier luiplracoai albeiai, que teiidam a dirigir
suas pennai em um lenlldo oppoito aoi peu-
saiucnlos e conviccei que niitrem.
chegou al a dcclrar-mo quo n0o mo dava
informar;oes sobr as pessoas capazes do se-
ren aeus supplentes, porque os defensores
dn poltica actual erum seus inimigos, con-
forme lambem o declarei a V. Exc. ? Como
poderain esses fados darom-se acerca de
Cao d'Alho, se o delegado tsrcelro supplen-
to em exercicio, vendo-se sem for^a, quo
intilmente pedir, assenloo, que devia ce-
der a sua nominal autornlale ao quarto
supplente, e se esto nSo poiia obrar duran-
to a oceupago da villa pelos sediciosos, o
ate desgrur;adamonto nem poda destacar
una parlo da forrea de primeira linha, por-
que inslruoajOes do marechal cominandan-
lu des armas vedavain o seu commandante
a .niiiuir a una tal ordem, como commuui-
quei a V. Exc. em meu olllcio de 28 do mez
dtijauoiro niiriln Como poderia fazer-se
lato em mi.....lugares, onde lambem si de-
ram circumslancias mais ou meuosiden-
ticas !
Entrolanto apezar dostes obstculos n3o
escapa 8<>m duvida a penetrarlo dos ho-
uiens sensatos, quo osultimus movimenlos
tiveram a sua origam em insinuares dos
qoo alo interessaios om manter o anligo
mudo de rogistar os bitos o nascimentos
ou em desacreditar o governo imperial aos
o luis da populado, islo he, dos a Iversarios
da pulilica dominante, o do urna parte dos
vigarios da provincia ; o do ceito seesles
desejiriam nina a dcmoustracSo contrajo
deciolo do 18 do juiho do anuo prximo
passa lo, que appressasso a sua rerogac3o,
aquelles conieguiiam afaslar do govorno
a populacho ignorante, o irrelleclida. en-
culindo-llio prejuizos infunda ios, chaman-
do-a a inlcrvir nas pravas publicas sobre ne-
gocios, que escapain a sua curta compro-
hemjilo, e desvirtuando as leis, e as autori-
dtdos para quo podessem subir ao poder,
de aorta quo se pode com o fundamento di-
zor, que esses movimenlos alo genoinos li-
nios do espirito opposiciomsta ao gorerno,
e liveram em vista obter Has polticos. Ne-
nlium outro inlerosso posso descubrir nes-
lo assumpto,a muito mesquinhas, Infunda-
das, a absurdaa me parecem as asser;0as de
serom elles promoridos pelos defensores do
govorno, como espalbam pennas rendidas
iins jornaes opposicionistas, parame de-
morar um s momento em refutar o que o
simples bom ganso repello; o com quanlo
si-ji facto averiguado, que em alguna des-
sos morimeiitos appareceram individuos da
clasae mais ignorantes moradores em larras
da amigos do governo, nem por isso lira
menos inconcusas a minha couclusoacerca
da origem desses morimentos; porque lo los
esses individuos furam Iludidos com a per-
nicioaa ideada captiveiro que Ihesinfiltr-
ramos adversarios do governo, a os rigi-
rios, que so alislavam nas mesmas lilei-
ns.
connancaa bem fundadn, quando e observa
que a esses movimenlos preceder cm Jlferen-
tei termos da provlucla a iaitalaciode&cleda-
dei, que lem por liui fuer urna revoIScio pe-
los Hielos mais convenientes,confiirme te expri-
mem ol leus eslalutoi, e ha na provincia peri-
dicos,que annunciam,r/ue n thrano tifpariU voard
eomoos estilhacos de urna bomba,se o im/ieukior >lnt
brmilewr nao quizerannuir a irforma&m com-
iluicho iviunl. quando ie considera'aiuda,
que o nono povo, sempre pacifico, e pouco
habituado a tomar parle no bom, ou mi resul-
tado da lel antei deieremexecutailai; tollrc-
dor meimo dos teui Inconvenientes lem recla-
mar na esreranc., de que os poderes constitui-
dos os reformen) ; lem que precedeitam ar-
tigo! de jornaei Delta provincia, qu lufla-
mancn o seui scntlmentoi, ie abalou lemul-
taneamente ein alguna termot da prorincla, e
auail no mesmo dia, contra oa seus comanles
hbitos,pedio a revogacao de um decreto luipe-
riel ; quando em lirn se nota, que he a ease es-
pirito de oppoiicao o governo, que o preilden-
le dai Alagoal cunen ollicioa V. Ex. tobadala
de 3 de dezembro ultimo, por copia a mlm
transmitidlo no de 5, atlribue a perigota Ideia
de que o j citado decreto tein por fim red mi i a
captiveiro ai pesioai llvres, quede ma em dian-
te natcerem e nao ha grande pcivcrsidade em
suppor que otoppoilcionlstas delta provincia
sejaui tilo insidiosose desinquietes, lo eiurupu
loiot nol meios, como ot de Alago quaodo
q ni-1 rain chrgar a leus Ha
Se porem deitai observarles geraes assar,-
moi a factos mais positivo!, e reaes, parece-
nii' que ha toda a probabilidade, de que o Ini-
migos do governo liveram parte nesse raovl-
mentos, segundo a correipondencla ofTlclal dot
deleeadoi de polica com ella repartico. Ai-
.,,,. -^ uu ueiegaao ae punuia ao ferina ac
Pau d'Albo, que remettl a V. Ex. em 2 e I de
Janeiro ie nolao as segulnles palavras e Tem-
sr. divulgado gue aJi/u/ir influentes do partido rf-
rahido desta eommarca tem indispnsto o povo, e
que por Uso elle est accomnutend* a ahi se diz
que os gritot dados eram Morram os gitabi-
ru's, morram os eaiados a No odelo do subde-
legado do 2. destricto do Bom Jardim, que.re-
meiii a V. F.iem 13 de Janeiro, tel o legulnle
Os taes qns se aprescnlam em rampo .ro do sy.
temada praia, e o que gritam he, eiV/i o impera-
ior, viva a tiberdadt, viva a praia, e morra udo
quanio he gnabiru' ; e isio mesmo courina o de-
legado do Liuioeiro no ollicio, que remet! a
V. Ex. em id, quando dit o negocia nao he
mais, nemnunca oi sehi tei do raso; he o pa tido praeiro que se opprovci-
tou desia le para dispor as massas ao seujavnr ;
aaserco que elle pretende comprovar no olHco
que reinelli a V.Ex.em II do correntecom o fac-
i de os amotinados de seu termo perseguirem
pesioas do lado governisla, darein gritos de
morram os guab'rs e quererern depor as au-
Iborldadc!, imufladoi de individuo! bem co-
ii lo li I ns na Comarca. .Vi cilicio do subdelega-
do do 1. destricto da Escada remettfdo a V. Ex.
ein 4 dejaneiro ultimse dit. que entre os indios
tem apparecido pessoas a seduzit-os,e cm umdo di-
rector geral dos indios a 7se declara que o sedu-
tirhe indio IgnacioCiiancapor mandado de urna
pessoa proemlnente na oposico, e no que acoin-
panhou por copla do de V. Ex. aob a data de 2,
que os anarchiilai da Escada propalam.qiie o
decreto de 18 de junho tem por fin icdu/if.i
cicrarido as passoas, e que os conspirador
con Uu iimi a proclamar que loinem as ann s
para noierem reduslduscom seuslhosa cap-
tiveiro, e que o partido liberal he opposio a es-
se decreto, c est promploa defendel-oi. No of
Helo dojuiz municipal supplenta do termu de
Iguarassu', que remen i a V. Ex. ein dai ule S
de Janeiro se diz que a ha bem fundadas sui-
peitai de que essa inlscravel expcculaco ope-
rada sobica crcdulldade, e Ignorancia da parte
mais rude da populaco hegcralmenlealtribui-
daas sui;estdes daqurllea meamos desordelros,
que tem servido em lodosos tempos aporcont-
taulciiienle em alarma a tranqullidade publi-
ca, c que adquirirn! eclebridade nas sedlces
passadas ; o no cilicio do subdelegado do \,
desiricto de Iguarassu', sob a data de O de Ja-
neiro se declara : a o caso he,quc os engenhos
mais perseguidos sao do partidu bojedo guver-
no; poeque nos mais engenhos elles vo ver
ol_iini is cousas, porem sem maior ataque.
Nos ofcios que me dirlgirain odelegadode
Natarelh ein dala de 29 dejaneiro lemetlldo a
V. E. na de 5 de fevrreiro e o subdelegado do
I. destricto na de 10 daquelle mez, ve-seque a
forca legal all reunida ao deslacameoto de 1.
Imli i -o, influencia dojuiz dedireilo, scdei-
persara complclainente quasi, porque alguns
dos principaes influentes Uo partido adverso fi-
r.im espalliar o boato ; e alguem at o alhrina-
ra em carta que existen) em meu poder ) de
que os moviiiieulos havidos na provincia eram
polticos, c J nao podlam os dous partidos des-
se termo, couservarem-sc unidos, como tinham
convcucionadoparaadrfesa de uina causa com-
mum.coino era a das vidas, e propriedades dos
cidados. No olncioquc me dirigi o subdele-
gado supplente de 2. destricto de Nazareth cm
dejaneiro deste anno se leem ai teguinles
paUvras* noineiodocaliol.emque jaz esta com-
marca depois da subverso comptel, porque
tem passado desde 1844 ate o presente, ein que
a gentalha anda munida dai armai di rebelio
e aculada pelos refractarios directores da oppo-
sifAo alira-se ao coinmetlimeuto de factoi de
nalurcie tal, como os que eslamos presencian-
do, e continua a menospresar a aulborldade
publica a>.
Em fim se V. Ex. percorrer ao archivo de sua
prop a secretaria encontrar o ofncio do com-
maudantc supperior da t;uarda nacional ilol.i-
moeiro sob a data tle 15 de Janeiro ultimo, em
que clara nenie ie diz, que eiiei movimenloi
IgO qull occul-
eteo que flz por meu ollicio da 94 do mez tir, oWbsddo-ma ao dusar de urna respos-
dejineiro relativo a boatos de leram part- ti ofllclil, lentlndo sobremodo ter com tflo
do insinuacOes, para, qna ossinotmados do longo ofncio roubado a V. Exc. o aeu pre-
Llmooiro nSo delxnsem ss armas, e des> closo lampo direl a V. Exc. que fif;o Inteira
outra que V. Ex. meociona, communicada jusiica so bom senso da popula;3o pacifica
em conrersa particular ), nunca dei seria da provincia para resistir sos ferozes impe-
importancia is demonstrarlas, qua se pode- tos dos desordelros : porque sem elle aerSo
riam fazer por occasiBo de um ollicio fue- sempre fraess as mais bem combinadas pro-
bre ao fallecido Desnmbargador Joaqun) videncias, e comquanto reconbeca o zelo a
Nunes Machado, e que se apenas ilellas falel activi lado com que o distinclo general corn-
il V. Ex. foi para nao deixil-a na ignoran- mandante das armas tom procurado prestar
ca do que a slmilhante rospeito poderia a- ao restabelecimento do socego publico s-
contocer. Entretanto bem queso possa di- mente julgnrei que este sera comploto, pe-
zor que taes demonstrac,Oes se nSo flzoram renne a fundado em fortes bases, quando
porque se nlo realisou o ollicio funebrp, as autoridades possuidas de confianza no
que Ihes doria dsr motivo, e esta porque a governo liveram a frrja necessarii para tor-
policiaaa dministrsr;So ji estavam prev- nar aos sediciosos aa iratl que manejaram
ni los; congratulo-me todaria de passar por contra a sociodade, e para com a pnslo a
visionario aoso'hos do V. Ex., elouvoso- castigos dos seus chfes dar um grande
bremodo aos virtuosos cidadSos, que pela exemplo que a outros possa conter no l'ulu-
sua influencia concorreram para o grandio- ro ; e anda mais quando V. Exc. hourer
so i-oso ludo de rermos o dia 2 de forereiro por bem em sua sabedoria rerogar todas as
de 1852 deslisar-se loo pacilico como de ordens quo dera para o casi de perturbu-
1850 a 1851. (So da prorincia.
Passando agora tractar da segunds par- Direi anda a V. Exc. cm coucluso, que
te do i'llioio de V. Ex. relativa a reclamadla, se o deslindo general concorreu para ease
que fez contra o Diarlo de Pernambueo, dirol restabelecimento, he a todos manifest que
V. Ex., qua sa me nlo dirig ao sju ade- eu tambero me exforcel tanto quanlo me foi
tor, mas a V. Ex., foi por entender, que so- possivel para obter o mesmo resultado, o
mente V. Ex. em rista do contracto com a- So seguro eslou na minha consciencia que
quolle edictor o podara obrigar a aceitar a posso desafiar a quem quer que seja pira
minha correspondencia ofllcial, ou authori- apresentar um s facto que possa offender
zar-mea fazer as despena da sua impros- a Icsldade do meu carcter, a desmentir
san, que de certo nSo deveriam recibir ao- esses meus condecidos precedentes que me
he. m,. ro iii.o. piccipiuc.lo de mi- garanten) felizmente conlra os ivos da ca-
nha parte, pois que eu devli lemt que V. Ex. j havia recusado mandar dea- Dos guarde a V. Exc. Secretaria da
mentir na fulha ollicial a assercSo da /ai- poli ia de Pernambueo, 15 de forereiro de
prensa, de que eu me achara em lucia com 1852.I!lm. o Exm. Sr. I)r. Vctor deOli-
V. Ex., tendo eu apenas alguns das do ex- veira, presidenta da provincia.
ercicio' durante a sua administracSo, bem ::-------~ _
como a outra mais recente, deque eu Iha Francisco Ignacio de Altayde, oscnvo rita-
liavia requisitado a prlslo de cortas possots "c' d0 Jul?o municipal da segunda vara
Movimento do porto.
irTovfM entrados no dia 16.
Terra Nora SO dial, barca inglaza Rolbe-
sar, de 201 toneladas, captffo Jobo Muon,
equipagem 15, cirga bacalhao a Uc. Cal-
mont & i.ompanhia. l'assageiro, Patrick
Cummios.
Rio de Janeiro --18 das, Luggir inglez Era,
da 200 toneladas, capito Wiliiam Kings-
ton, equipagem 10, em lastro; a Me. (.al-
moni or. Compinhia.
Trieate 69 das brigue sueco Flix do
209 toneladas, capitSo N. Logren, equi-
pagem 10, carga familia e maia gneros;
a C. J. Astley & Companhia.
fiDITAES.
nesta cidade do Recifa de Pernambueo,
a seu termo, por S. M. o Imperador que
lieos guarde etc.
Certifico que rendo os autos de que trata
a pelicSo retro, delles constam as seiiteo^as
pedidas por cerlidSo, as quaes s3o di forma
rain proveniente
verno.
dos adversarlos do go-
Ora, ..un !a estas asser;0es oulciaes se
conbinar cern muitas cartas particulares de
po.mus sensatas, e unanlmos em asseverar,
que esses dosgra;adus acontecimentos tom
essa origem quando so observa, quo ho-
inons adherentes ao parliJo adrerso ao go-
verno sahram para dlITerenles pontos da
provincia sob pretextos mais ou mennses-
peciosos a que al um delles seguio pan lu-
gar, ondo ello mesmo confessra no poder
habitar, como annunciou em um jornal,
quando se n aa, qua he do partido opposi-
cionista, que tem conslanlementoemanido
todas insinuarles, de qua os seus adveni-
rlos pi.'i.'iiilm.i.ii, e pretendem escraveiar
politicamente, o paiz, e tirar a liberdade ci-
vil aos cidados de cor; quaodo se conside-
ra, que apesar doler V. Ex. suspendido a
execuco do decreto de 18 de junho do anno
passado, suspendido, o recrutamento na
provincia, suspendido as pnses dos amoti-
nados e amotiuadores, e tirado aseim os
pretextos para desordem, continua a pro-
vincia anda a agitar-so dolnrozainenle sem
obter a precira Irauquillidade, pude-so an-
da duridar em visla do nina tal munido do
provas, que urna m3o occulta derige as mas-
sas ignoianles, qua um pensamenld, um in-..
teresse ha para entreter esta agitar. 3.i, qua
um fim qualquer so pretende obter, cono
talrez esse de m orla mar-so a constiluinte f
De cario que nlo.
He rerdade quo a impronsa opposicionisla,
sempre falaz, sempre c .Inmoladora tem a-
dherentes ao lado adverso ao gorerno, nao
obstante seretn taes asierres rematadas ca-
lumnias, e ar.niisclliaro.il us bons principios
de admistrai;3o publica nada pode ganhar
com a mentira, e com o descrdito de seus
emprngado.
Agridecendo anda A V. Ex as inlencOos seguinte:
que tom tido de dar o miior ralor aos meus Vistos os autos ele. Julgo improcedente
actos, salvan 1 i-ui' do alniini anniquila- presente queixa, pois que consistindo el-
menlo moral de minha authori lado, -quan- '* na cobranza que diz o queixoso hnurera
do eu malimitava a transmiltir-lho asno- o querellado, quando ja nlo era este mais
liciis receb.das dos dolrgados, e a pedir seu caixejro, feito das dividas do sou esta-
quo V. Ex. dosse proridencias sobre o quo belecimento, apresentou os recibos a folhas
ia oceurrendo dando-me assim a entender, que testificam o contrario, pois sendo taes
queou nada providencien dero significar a recibos pissados antes do dia ti dejaneiro
V. Ex. que apesar de t3o rospeitarel asser- ''" corrente, a propria teslemunha a folhas
(3o, anda ignoro como havia anniquila- declara que at este da o querellado anda
ment de mfnba authoridade pelo simplos permaneca na taberna do queixoso, sendo
facto das communicicOos, a que V. Ex. sa que os recibos de folhas e folhas s3o ante-
reforo, por quanto V. Ex. tonha declarado riores mesmo ao da em quo fra dado ba-
expressamenle, que se deriam empregar os lnso n'aquelle estabelecimento, por con-
moios brandos e suasorios rara dispersar os 8e8uinte as dividas, que dos autos consta
amotinados, era-me forcoso nSo aconselhar terern s'J cobradas pelo querellado, o fo-
o emprego da forca sem ordem positira, o ram D0 tempo em que o mesmo era caixei-
aguardar, que V. Ex. em ristas dos novos ro do queixoso; quanto aos prejuizos quo
fastos mo desso as suas sabias ordens, a *"e8* queixoso dra-lbe o querellado em
anda me lembro, que havendo instante- 80U estabelecimento, n3o so acha provado
ment requisitada & V. Ex. pelas dez para -os lutos, pois quo as teslemunhas quo so-
onzehorasda noilo do dja I do Janeiro, quo Dre esto P0"?'" da queixa deposeram, nada
se mandassena manhSa seguinte urna forca ("zem ter visto, mas urna refere-so ao dito
para o segundo dist.icto policial desla c- de um sobrnho do proprio queixoso, 00-
dado, freiuslco que dopoisrelusi a es- Ira por ouvir dizer a este, sendo que quan-
criplo no dio seguinte com essa dala ), s- d" uiesmo ellas tlressem presenciado o ba-
menteno da J se.lignou V. Ex. fatisfazar '"ico, este por si s nSo faria prora cabal
a ossa exigencia, como me communicou en- para casos crimnaes, porque se tera elle
13o. Confesso que V. Ex. om seus offlcos d,ll'> om vista dos assontos, que s o pro-
do 31 do iceoilii o, a de 3 de Janeiro ultimo prio queixoso tera feto, e que no (lem
me declarou que se poria a minha disposi- cons'i'uir nem mesmo simi-prova, por no
q3o loda a forca do que eu necessitasse; ser queixoso negociante matriculado,
mas todo o espirito mt'aroial reconhecer >ortantojulgoimprocadentasquoxa,epngue
que quando so davam morimentos idnticos Queixoso as custis. 0 escriro cumpra
em diversos pontos da provincia, quaodo ? ?eu regiment enriando os autos ao Sr.
esses monmontos tomavam um carcter JU,Z rnunicipal da segunda vara,
sobremodo assustador pelo numero de pes- "ecife, 7 de junho de 18*4.Joaquim Jos
soas, quo nelles interferiam, pelos atienta- Fonseca.
dos que praticavam-se pela ausencia rpida deformando a sentcnea da delegada, que
dos proprietarios, a qne davam causa a pe- JuIkou improce lenln a presente queixa, jui-
la consiornac.lo geral, que derramavam, go procedente a ni es m a oueixa o obrigo
eradcrneudevemSoantepor-measabeJoria Pr's3 e livramento a o reo Jos Francisco
de V. Ex. apresentando medidas, qua V. Ex. de Lima como incurso nas penas do art. 264
poJeria considerar prejudcias na elereda S e 265 periodo segundo do cdigo penal,
posigo, em quo sj acha para rer todos os O escrirSo lance seu nome no rol dos cuf-
iados do um modo complexo, nada antici- Padosr e passo contra elle mandado de pri-
par sem preliminar authorisa.iu de V. Ex. ,a e P'Kue o mesmo reo as cusas em que
aquem asais especialmente incumbem a condemno.
dispor da forca, e prorer a trajfk.s os meios Recire, 4 de marco de 1845.Jos Flix
delirmira seguranca e trandTiildada pu- de Brll "cedo.
blica; muito principalmenta quando V. Ex. I mal9 ?e "So conlinha nas sentencas que
um s momento senSo dignara conferen- em cumprimento do despacho retro, eu es-
ciarcommigo sobre fados, quosesuccediam cnr3o bem a fielmente extrahi por cerlidSo
com espantosa rapidez, o chamavam a ge- dosproprios originaes aos quies me repor-
ral ltentelo, talvez na convicr;ao, de que lo- e que eslam nos indicados autos; o ra
serenasse a tempestado, em que lutasamos, a Presante sem cousa quo duvi la figa por
apeoasV.Ex.se resolver mostrar sua au- "} escripia e assignada nesta cidade do
Iboridada. Entretanto he forcoso dize-lo, J* do Pernambueo, aos 15 demarco de
que apenas reconheci, que V. Ex. firmando- 1852. Escrevi e assignei em f de rerdade
senoart. 4*daleide31 do dezembro de o esenvao, Francisco Ignacio de Attayde.
"841, quera que eu tomasso a respousabi-
lidade de abalar a sedicSo, nSo hesitei um
s momento, e pedi a V. Ex. por meu offi-
cio de 4 de Janeiro, que mandasse reforcar
os dcscameutos do difhrentes termos, e rer-
balmenle no mesmo dia, quando me cons-
tou i-rem os sediciosos da Pi d'Alho de-
sarmado o deslacamonto, prendido as au-
thoridades, tomando conta da villa etc. quo
aaiiBSBm
PRAgA DO RECIFE, 16 DE MARCO, AS
3 MORAS DA TARDE.
COT1C0ES OFFICItKS.
Cambio sobre Londres : a 27 d. d|r.
so"envi7sseV*a"riV|'iruma"7orcV'respeTtarel"'0'10 dito: a 261|2 60diaspraso.
que os repellisse sem demora, embora logo Descorito de lotras: 1 p. c ao mez, letras de
COMMERCIO.
declarasse a V. Ex que os meus esforcos
nflo poderiam apresentar os milhores re-
sultados, una vez que n3o paitia da autho-
ridade superior a direc(3o de todos os meios
coercetlros, e nao poderia dar-se-lbes a
quella harmona,' unida le, e rapidez que
so faziaai misler. Onde est aqui o anni-
quilamento de minha authoridade ?
Ora, tendo-me V. Exc dado implicita-
menlo a direccSo da frca publica para
abafar os morimentos sediciosos, e tanto
que no seu oflicio de 4 ordenou-me queeu
dsse insinunos a que sob o commando
do major Jo3o Meponoceno Portel la ia mar-
char na imite desse dia para Po d'Albo
(instruccOes que V. Exc. vio a approrou
antes de serem entregues) como poderia eu
5 eC mozes.
Couros salgados : 110 rs. por libra.
ALFANDECA.
Rendimnnto do dia 16.....14:520,104
Descarregam hoie i~ demarro.
Rarca ingleza -- i7e//o ferro e .lachas.
Barca ingleza- Rothesay~ bacalhao.
Barca americana IHisenola merca-
dorias.
Escuna brasileira -- Aroilina -- gneros do
paiz.
Escuna ingleza Julius tesar batatas.
Iiiipnriiii o..
Escuna ingleza Julius Caesar, rinda de
Glasgow, consignada a Admson llovyie &
Companhia, manifesou o seguinte :
20 fardos tecidos do algod3o, 7 caixas dis
Olllm. Sr. olcil-maior serrindo da
inspector da thesouraria da fazenda prorin-
cia! ; em cumprimento da ordem do Exm.
Sr. presidente da prorincia, manda fazer
publico, que nos dias 22, 23 e 26 do corren-
ta ir a praca para ser arrematado, parante
o tribunal administrativo da mesma thesou-
raria, a quem por menos fizer a obra do se-
gundo lauco da estrada da Escada, araliada
am 11:581,210 rs., o sol) as clausulas espe-
ciaos abaixo copiadas.
A arrematarlo ser feita na forma dos ar-
ligos 24 e 27 da le provincial n. 286 da 17 da
malo de 1851.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematacSo comparecam na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar tu mindou afllxar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouratia da fazenda pro-
rincial de Pernambueo, 3 de margo de
1852.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunc'ucSo.
Clausulas e 1.' As obras dependentes desta arrmala-
(3o serSo feitas do conformidade com o or-
namento approvado pela directora emeon-
selho e apresentado nesta data approva-
i;io do Exm. Sr. presidente da prorincia na
importancia de 11:584,210 rs.
2.a O arrematante comecar as obras no
prazo de um mez a concluir noprazo do
um anno, ambos contados da data do termo
de entrega d'arrcmalac,3o.
3." A importancia desla arrematarlo se-
rpaga do conformidade com o art. 39 da
le o. 286
4.a Para tudo mais que nSo est determi-
nado nas presentes clausulas seguir-se-ha
o que dispfie a lei provincial n, 286 de 17 da
ni a iu de 1851.Conforme.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
-- O lllin. Sr. odlcial-maior servindo de
inspector da thesouraria da fazenda provin-
cial ; en cumprimento da resolucJo'do tri-
bunal ailminislraliro, manda fazer publico,
que vai novamente a praca para ser arre-
matado no dia 18 do corrente a quem por
menos fizer a obra dos concertos da pona
dos Carvalhos, avahada em 954,500 rs., to-
mando-so por base d'arrematacSo o oQ*ere-
eimento de 11 por cento de abatimeoto fei-
to por Filippe Binicio Caralcaoti de Alhu-
quarque.
A arrematacSo ser feita na forma dos sr-
tfgos 24 e 27 da lei provincial o, 286 de 17
de maio de 1851.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematarlo comparecen) na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias ci ma mencio-
nados pelo meio-dia, competentemente ha-
bilitadas.
E para constar se mandou afllxar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambueo, 7 de narco de
1852.
0 secretario,
Antonio Ferreira d'Anounciac,So.
Clausulas espiciaes d'arrematado.
1.' Os reparos da ponte dos Carralhos se-
rSo feilospela forma, sobas coudicoes a
do medo indicado no orcamento apprtvado
pela directora em conselho, e apresentado
ao Exm. Sr. presidente da prorincia na im-
portancia de 954,500 rs.
2.a As obras pnncipiaro no prazo de um
mez e serSo acabadas no dequatro mezes
ambos contados da entrega do termo d'.n-
rcattacSo.
3.' O pagamento ser feito em duas pres-
tares iguaes, sendo a primeira quando li-
vor feilo amelado da obra, e a segunda
quando esliver concluida a obra.
4.a (jurante a rxecucSo das obras ser o
arrematante obrigado a dar fcil e comino-
do transito ao publico.
5.* Para tudo mais que nSo est determi-
nado nas presentes clausulas seguir-se-ha
o que dispe a lei prorincial n. 286, de 17
de maio de 1851.Conforme.
O secretario,
A. F. d'AnnunciacJIo.
Declara*; des.
pregoado quo os adversarios do governo ndo
tomaram parlo nesses morimentos,o at por
urna imprudencia sem igual os tem querido
allribuir aos defensores do goveroo. He
rordade que alguDS dos intitulados influen-
tes do partido praeiro lem .procurado des-
mentir as roiini-r rs, que se lam formmdo
julgar conroniente a minha partida para tos de lloho, 1 embrulho amostras, 254 bar-
esse tormo, quando V. Exc. sem m'a o de-'ricis cerreja, 7 ditas tintas, 18 tonelladi-
nar consullou minha opiniSo a semelhmta cairo do pedra ; aos consignatarios,
respeilo, se esla partida, alm do mo pire- I 40 ditas de Ierro para fundir, 16 ditas, 13
cersem proreito a ordem e seguranca pu- quintaos, 1 arroba e 19 libras de laxas de
blica em Pao d'Alho, onde somante dereria ferro, 1 dita, 4 quintaes, 1 arroba, 19 libras
obrar a fr?a, em consequencia dos navos do tubos o barricas de dito, 1 caixa e lo
fados quo all se pissavam, me destocara quiataes de ferro fundido; a llowmann <\
do centro da repartirlo, da qual dereriam Me. Callum.
emanar todas as minhas ordens nao smen-1 376 barras de ferro ; a Antonio V. oa Silra ]
te pira Pao d'Albo, mas para outros pontos, Barroca.
O vapor brazileiro Per nambncana, coms
manila uto 1, II. (liten, hade chegar dosporios
do Norte, a 16 uu 17 do corrente mez do
marco ; e seguir para os do Sul no dia se-
guinte ao da sua entrada.
- Pela delegada do primeiro dislrictodo
termo do Recife Tora recolbido cadeia por
andar fgido o preto Luiz, escraro de Jos
Maximino Perelra Vanna.quo o mandar re-
cebar quando Ihoconrier.
REAL COMPANHIA DE PAQUETES INCLE-
ZES A VAPOR.
No dia 22 desle mez espera-
se do Sul o rapor Tay, com-
mandante Moss, o depois da
demora do costume seguir
para os porto da Iviropr Para passagem
diriji-se em ctsi da ageoea: na ra do Tr.-
oiche-Noro n. ai.
-- Antonio Joaquim d'OIireira Baduem,
esciiplurarlo da segundi recelo do consu-
lado provincial, faz tciento aos proprirta-
rios dos predios urbanus, das freguezias de
S. Antonio, o S. Jos qur pr.i'.dpia buje a
fazer o lancamcnto di decima datutferidos
tvF^DjB
Itccife 15 de marr;o do I Su
Antonio Joaquim d'Oliratra iaducin.
A>
da provincia, onde movimenlos e soebro-
nos appareciam, como V. Exc. nSo ignora ?
Como poda eu resolver a seguir para aquel
lo lugar sem oppor a V. Exc. essas mlnhas
fracas reflexdes, quando d'ante-mflo j eu
previa que outras e n3o as minhas ordens
soriam executadas pelo ofllcial que ia i\nn-
panhia.
235 birria batatas a ordem.
300 ditos polrora ; a Mee. Calmont i
Comprnbia.
1 caixa bigagedopassageiro.
CONSULADO GERAL.
acarea de sua conveniencia ; mis quando o! mandando-a, como o facto verificou, no Rendimento do dia 1 a 15
o fizeram huns e outros ? quando a todos
pareca, que dosses movimenlos podia mol-
lar urna questSo do ragas, o dalla lodosos
horroios que quilquer advinln, quando V.
Ex. mesmo, nutrindo aquellas conviccflis,
como expresssmenle ma segnificou, se pre-
parara a dar as mais enrgicas providencias
eontra os amotinados, e os amolinadores. -
Som durida polo essa conricoSo tar sido
errnea, e V. Ex. parece lel-a repallida sed)
. S2:493,738
2:796,671
cumpriado ello urna s de minhis instruc- dem do dia 16
(Oes, lerando cinco dias e meio para che-'
gir a rula de Pao d'Alho, distanta desta
cidade apenas nove leguas, nSo me dando I --------"""
conta de um s de seus pasaos, talrez pela DIVERSAS PROVINCIAS.
celeridada de aua marcha como V. Exc. se Rendimento do dia 1 a 15 2:656,841
dlgnou declarar-me em seu respeitirel ofll- Idemdodia 16......... 89,999
ci de 13 dejaneiro ultimo? Devo, porm, I
declarar a V. Exc, qua V. Exc enohargan-
. do grandes vautagena na minha partida para
que nisso me cause admiraglo, porque;o Pao d'Alho,'me tiresse positivamente ordo- RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS G!
espirito humano am momentos de eriza nre nado, da nSo duridana su obedecor-ihe, RAES DE PERNAMBUCO.
1 em continua oscilscSo, atirado da verdido uu nflo cooliuuaria a exercer as funccOes Rendimento do dia 16..... 863,252
60 barricas serreja; a C. J. Astley & Com- COMPANHIA BRASILEIRA DE PAJCCTES DE
VAPOR. ,
Sendo notorio que frequentemente os pss-
sigeiros qua riajam nosrapores da compa-
nhia dos paquetes,.transportara clandesti-
namente em susshagagens arultadas quan-
tias de dinbeiro, tanto de conta propria,
como alhena,defraudando assim a companhia
em um de seus ramos Ce rendimento; o
abaixo ssaignalo gerente'da companhia bra-
sileira de paquetea de vapor, faz scieote, que
nSosor permiltidoa passageirv algum lerar
comsigo maior quantia de l:irOO,000 rs. em
qualquer especie. No caso de desconfianza
de contraveneno,' s agentes da compinhia
e os commandante; dos paquetes, poderSo
mandar examinaras bagagens, e sujeilarau
pagamento da Ireta duplo toda a quahtia que
fr encontrada, e exceder aquella somnia.
Rio de Janeiro, 30 do agosto de 1851.
Marcelino Jos Coelho.
25:290,409
2:746,840
ILEGIVEL L


\f*

THBATRO DE SIZABEL.
33.a RECITA DA ASS1CNATURA..
Quarta Mr, 17 da margo de 1852.
Subir i sena depois da execucSo de
umt das melhores ouverturaa pela orches-
Ira, o magnifico e aparatoso drama sacro
em 3 actoa e 4 quadroa.
Santa Cecilia.
Acha-so brilhsntemente preparado todo o
machiniamo, que pede o drama, liein como
o vestuario.
Comecar as 8 horas.
Os bilhetes acham-so a venda no lugar do
eostumc.
carga, passageiros eescravosa fe-
te, para o que teni excellentescom-
modos, trata-se na ra da Gadeia
n. 4<> < ou
signatario
Silva.
na praca*, 3m o con-
Manoel Francisco da
Leiloe.s.
THE ITHII DE APOLLO.
IIECITA EXTRAORDINARIA.
Sabbado 20 do crtente,
EM BEMFICIO DOS ACTORES CAETANO
E FIGUKIUDO.
Una das melhores ouvcrturns annunciar
ao respeitavel publico qae vni dar cometo
a representadlo do um dos milhores dra-
mas originaos purtuguezes, composicao do
insigne poeta Jos Mana Alionen, e appro-
vado pelo conservatorio de Lisboa, o qual
tem por titulo
0CB1ME,
Vinte Annos de Remorsos.
O titulo enigmtico e dllllcil de resolver
que o actor deu a cada um dos actos deste
drama, d bem a eonhocer a magoltude do
mesmo.
t." Acto--OSegreJo.
2.
3
4.
5."
Dir
larga
--As Escrituras.
O Cofre.
O Hemorco.
O Padre Anselmo.
lim o espoctaculo com a graciosa
Oh!
que Apuros.
OU
ONOIVO EM MANCAS DE CAMIZA.
He i'-l" (i divertimento que os beneficia-
dos ollero, em ao respeitavel publico, de
quero esperara toda a protervo.
Principiar as 8 horas.
THEATRO D~S.~FRANUISCO
QUINTA-FEIRA, 18 DE MARCO HE 1852.
5.* representaca da companhia Robert.
Beneficio do joven peraambucano ( pri-
meir.i zoglar do Brasil)
Primeira parte.
I.in lis-irnos e bonitos equilibrios pelo be
neficiadi, o qual no s pela presteza e agi-
lidade com que os desempenha,mas tambem
pela externa seguran? que requerem esses
trabalhos, tem merecido em todas as partes
a approve;2o geral.
Segunda parle.
Necromancia, prestfgiaco e
mgica.
Mr. Robert principiar este acto com urna
maravilhosa sene de melbamorpbosea, illu-
ses, iransformacJes, etc., etc., as quaea no
enumera Mr. Robert, por deixar o direito do
publico, que he o da sorpresa.
Tereeira parte.
Os irmaos Esler ou as escolas de
Alhenas -n^i--..
PelosSrs. Alejandre, Mandu, Sra. -JDseph-
na e a joven gentia. Este admrate! traba-
Iho sera desempenhado com todo o esmero
possivel tanto as posicOes acadmicas como
na (urca muscular que em particular o Sr.
Alexandre execular.
Quarta parte.
Exercicios sobre o lio 'archal pelo Sr.
Mand.
Quinto parte.
Grande danca de corda teza.
1. A joven gentia tara seus costumados
trabalhos.
2.' Bonitos e elegantes passos pela joven
fluminense.
3 O joven pornamhucano, se distinguir
sobre acorda, lauto coma maromba, como
semella, passos de elevarles de muita ele-
gancia, e urna danca chamada 1.a Sabol-
lierrelendo por sapatosum par desabots.
Terminar esta parle com a risonha danca
do palhaco sobre os hombros de s-ia av de
idade de96 annos.
beneficiado far nesta noite todo possi-
vel para continuar a merecer o favor do res-
peitavel publico; e geralmenle conta de an-
lemSocom a estima egenerosidade que ca-
racter i.sam os asus ni ni dignos patricios.
Principiar as 8 horas. .
m "
O corrolor Oliveira far leilSo, por
ordem de llenry Richardson, capitfldda bar-
ca ingleza Fairy Queen, por conta e risco
de quem pertcncer, e em presenca do lllm.
Sr. cnsul de S. M. B., do metal do ferro ti-
rado da dita barca, arribada a este porto na
sua recente viagem procedente do de Tal
culta com destino ao do Dublin, quarta-fei-
ra 17 do corrente, s 10 horas da manliSa,
no Trapiche do Angelo.
LeilSo que faz Domingos Boiano, ca-
pitSo da barca Sarda Balilla na sua recen-
te viagem de Genova, para Buenos-Ayres,
encalhada no lugar denominado Pao-Ama-
rello, por conta e risco de quem pertencer
em presenca do vice confu do Sua Mages-
tade Sarda ;e oSr. Jos Saporille, agente
do seguro, por Intervengo do corretor Mi-
guel Carneiro, quarta-feira 17 do corrente,
as II horas da manhfla na alfandega a cerca
de pipas com vinho, szeite em cauas, quei-
og, papel de pezn, dito de embrulho, I iod-
os, sabio, o mais gneros que pessam se-
em arrematados, tudo salvado da mesma
barca.
-- O corretor Miguel Carnoiro, far leilfio
no dia sabbado 20 do corrente, as 11 horas
da mantilla, no scu armazem na ra do Tra
piche n. 12 de diflerentes trastes novos, e
usados, pianos, um baldo d'amarello, es-
pelhos, quadros com ricas eslampas, lou;a
vldros, candieiros, serpontinas, e outros
muitos objectos que se entregar por qual-
quer preco que for ofTerecido, e ao meio dia
em ponto ir a leillo um cabriolet ingl
ro para loja deferragens: no ater- (jo a outras pessoas, Ibes passaro
ro da Boa-Vista, lo ja n. 4(5. jum titulo de transferencia, que a
-- Precia-sealugargm negro: na reuoa-ipe8soa devela apresentar na ocea-
^^lu^^^^^Mfoem que vier fazer entrega do
um andar n. 14, dio-so bolos de ven Jagemj din lieiro e O mesmo titulo de ve
aso a pataca; bem comoarmam-ie i- ^ recon|iecdo por um tabelliSo.
com arreios, assenlo de palhinha, coberta
de tirar e por, e multo maneiro.
i
Avisos diversos.
AO PUBLICO.
Exlglndo o drama sacro Sania Cecilia
;rande inachinisino. e au lendo corrido satii-
acloriamente aa diflerentes transformaedee no
priinciro ensaio ge ral elTectiiado hontem nol-
le, cnlendeo o administrador empresario mu-
dar antes o espectculo, do que apresentar ao
publico um drama que em tudo nao satlsfzcsse
sua espectativa O administrador empresario
Jamis se poupar afadigas e despezas. como
at aqu, para bem merecer a proteccao e apoio
de um publico a quem tanto deve. Efjectiva-
nicnte acba-se transferido o espectculo de bo-
je 17 para amanba quinta-feira 18 de marco
de i85i.
O abaixo a'ssignado, capillo da barca
Sarda Balilla, naufragada em 2 do corrente
no lugar denomidado Po-Amarello, na sua
presente viagem de Genova para Uuenos-
Ayres, vem respeitosamente manifestar pe-
raote o publico um vot de agradecimiento
ao lllm. Sr. Bento Jos Kernandes Barros
inspector d'alfanlega n'esta provincia, pe-
las promptas e decisivas providencias, que
deu em beneficio do carregameuto da dita
barca, bem assiin ao lllm. Sr. Rodrigo Theo-
doro de Freitas, capillo do Porto desla ci-
dade, pelossoccorrose auxilios, que com
dojascom muito goato, por preco mais em
conta do que em oulra qualquer parte.
O abaixo assignado Ignora o motivo
por que foi chamado por esta folha apre-
sentar-se na rus da Cadeia Vellia do Recife
o. 33, pois julga nlo dever nada a easa casa,
e se he outro o motivo pode dirigir-se a ra
do Amorim d. 4.
Carlos Maria Pereira Lagos.
O abaixo assignado roga as patrulhas de
polica, meslres de campo,- e mesmo a ou-
tras pessoas, que porventura eocontrerem
um menor de nome Benedicto de idade II a
12 annos, cor fula.olhos grandes, rosto com-
prido e com muilas marcas de bexiga.e que
foi vestido com caifa o camisa de riscado
americano, o levem a sua caaa no sitio da
Estancia n. 17,mi a secretaria da pohna.que
recebcrUo alguma gratificarlo; advcrlindo o
abaixo assignado,que o dito munnr belivre,
e que se achava em sua companhia por ser
ioteiramente desvalido aem pai e mli, e que
portanto protesta denunciar parante as au-
toridades legitimas qualquer pessoa que
tootar reduzir a escravidlo o referido me-
nor, o qual ae evadi de sua casa no dia 15
do corrente pelas 9 horas da manilla.
Antonio Jos de Freitas.
llenry Richardson, capillo da barca
ingleza Fany Luceu tendoconcluido os oon-
cerlos desla, occasionada por sua arribada
que neste porto fez, e estando prompto a se-
uir a viagem de scu deslino, do Calcull
. ara Dublin, pretendo lomar a risco 15 a 20
contos de ris sob o cseo, quilha e appare-
Ibo da dita barca,e a carga de assucar,sodas,
i, queconduz a seu bordo: a quem con-
venha esta transacelo fa;a sua proposta por
carta fechada dirigindo-se ao consulado
britennico antes ou at aabbado, 20 do cor-
rente ao meio dia.
Sr. Antonio Jos da Oliveira que quer
retirar-se para Portugal, queira declarar
de que nuci he subdito, pois lia outro de
igual nome.
Na ra Direita sobrado do um andar
n, 33, ao p da botica, tem barrizinhos com
doces de calda de diferentes qualilades, e
com jaleia de superior qualidales o barato
preco, tambem faz-so doces secos e de calda,
lamben) se fazem bolose bolinhos para cha,
estrojJ4ito.laineal.ajd su, *,,,. agui-
lillo ao lllm. Sr. lente Luiz
Avisos martimos.
e
CorrtlTTerreira, aju.lanle do guarda-mr
d alfandega, pela pontualidade, com que
se apresenlou no lugar do naufragio, tilo se
poupaudo, no cumprimento das ordens ru-
cebidas, e no dsompenho dos seus deveres,
durante o espado do 12 dias, a quaesquer
trabalhos, fadigaa, e mesmo prlTarjOet, ahm
da que os objectos do navio, o do carrega-
meuto fossem rccolhidos e acondicionados
em boa guarda e segu'anca. Nestc sentilo
o abaixo assignade confiado em extremo na
benignidade de to distinclos empregados,
espera so dignem receberoste sincero tcs-
tcmunho do mais cordial agradecimento, e
llies roga finalmente queiram disculpar a
publicarlo drstas linhas. Pernambuco 16
do marco de 1852. Domenico Bozano.
-- Ofrererc-se para caixeiru um mogo de
idade 20 anuos, o com alguma pratica de
commercio : a tratar na loja deste diario.
- Quem annunciou precisar de urna pes-
soa que lhe tome conta da roupa para no
lim de 15 dias a entregar engommada, au-
nuncie sua morada pira se tratar.
Quem annunciou querer Jar roupi paia
-.01 diversas g
toes,fazem-sopastis de nala,decarne,po-
del, aro/, de leite, doces d'ovos, pudim,
tortas, trcmodeiras.tambem se aranjlo jan-
tares commodos, ejaleisade sustancia.
Urna casa particular se propdem a co-
sinhar para fora, pelo mdico preco de 500
rs. cada pesssoa,sendo o almocu caf com
loite e torradas, eao jantar sopa de maca,
carne cozida, arroi, carne assida e guizada,
pirlo, e sobre-mesa fruta, e em dias de pre-
ceito almo(') o mesmo, jantar.feijSo de er-
vas, peixe, bacalho, arroz de carnario, e a
ceiachcom biscoulinho ou bolachinhas;
sendo perto se mandara levar, o longe o pu-
derlo mandar buscar : na iravossa da Ma-
triz de S. Antonio n. 20. _
Antonio Francisco de Moraos, subdito
Brasileiro relira-sopara Portugal: a tratar
Em tempo se annunciar a casa
?nde se devem dirigir. O secre-
tario da direccSo, Alanoel Ignacio
de Oliveira.
* Joaquim Francisco de Azevedo, faz
acienle jque de hojeetn diante se assina
por Joaquim Francisco da Silva Azevedo
por haver outro de igual nome.
- Na ra do Cabug o. 1 Use d algum
dinlieiro a juros sobre penhores de ouro e
prata, assim como sobre firmas a contento
F. Sauvaye encarregado pelo Sr. cn-
sul da Franca da liquidarlo daa contas do
fallecido Eugenio Caigo!, quorondo entregar
ao dito Sr. cnsul o importo da mesma li-
quidadlo : roga as pessoas que forem ere-
doras do fallecido de apresentar as suas con-
tas al o dia 20 do corrente mez, na ra da
Cruz n. 8, depois daquclla data no serlo
mais atlendidag. ......
y J. R. Liisscrrc Se Compa-
nhia, teem dado procifraco a li.
Didier.
--'Francisca Joaquina da Concei;3o, sub-
dita brasileira, retira-se para fora do Im-
perio.
O cnsul de S, M. Britannica notifica
que alie pretende vender a rasa, terraa e
tem marinha situado no aterro da Boa-Via-
ta n. 35 e ultimameno servindo do hospital
britinnico; as pessoas qne quizorem com-
prsi-osditos objectus polem examina-losa
qualquer hora ao dia, dirigindo-se a mesma
ca-i, e as offertas de compra sarlo lecchidas
no consulado britannico desta cidade at o
dial do coirente mcz.
. Precisa-se fallar a negocio de interesse
cornos herdeiros de Francisco Correia de
Quidros, natural da ilha Graciosa, o que fui
fetorda mina do ouro, fallecido nesta ci-
dade, segundo consla, ha oim anuos. A
qualquer dos mesmos herdeiros, ou pessoa
quedelles saiba, pede-se queira dirigir-se a
casa n. 6 del'ronle do Trapiche Novo, ou an-
ouittiar sua morada para ser procurado.
.Madama Koulier modisla franceza
Nov.i n. 38,
Irmaodade do Divino Espirito
Santo.
A mesa regedora tem marcado o da 19 do
corrente as 6 horas da tarde para a tra-la-
dacSp dos restos mortaes de seus falecidos
irmflos, da groja deS. Francisco para a de
N. S. da Conceicio dos militares, devendo
celebrarse ahi um solemne Memento, e
urna oraclo anloga, recitada pelo Rvm. pa-
dre mestrepregadorMa cpela imperialJoflo
Capristano de Mendonr;a; convida portanto
a lodos os seus mulos a assistirem a este
acto to pi e meritorio.
Anda de porta em porta, por todas as
ras deata cidade, um individuo de capa
encarnada e bolea da mesma cor, pedindo
esmola para a cera do Divino Espirito San-
io ; o para que por osle modo nlo seja elu-
dida a devoflo do alguns fiis, se declara
que eslas esmolas nSo a8 aplicadas para a
cera do emblema do Divino Espirito Santo
outr'ra coilocado na igreja de S. Francisco
e hoje na de N. S. da Conceic,3o dos mili-
tares.
Quem quizer lomar conta da roa de
um mogo solteiro, para entregar no lim de
15 dias, lavada e engommada: annuncie pa-
ra se tratar do aiuste. ^.'.J Aos 2o:oft.ooode rs.
:;./^^I.ii'^-^_*^yB *, |oj,rde mtSezas da prac, da
~ Compram-ae os diarios n. 3, 4 e 5 des-
te anno : na llvraria da praca da Independen-
cia ns.
Compram-se escravos, ou eacravas de
qualquer idade, que nlo sejam doontes, pa-
gam-se bem: na ra larga do Rozario, loja
o 35. J
-- Cpmpram-se urnas portas de orna relio,
em bom uso, que tenham 5 palmos de lar-
gura e 12 112 ditos do altura.- a tratar na ra
do Vigario n, 19, primeiro andar.
Cumpra-se urna parilinha que nlo tenha
mais de 12 anuos de idade : na ra da Cruz
n. 45.
-.CoTipram-se garrafas vasias e piga-mso
a 6,000 ocento; no pateo do Carmo, ven-
da nova n. 2.
Na ra da'Cruz do Recife n. 52, pri-
meiro andar, precisa-se comprar urna escra-
va cumula que satina co/er, engommar e fa-
zer laberintosa que tenha bonita figura, pa-
ga-se bem.
Vendas.
potera do Kip. le Janeiro.
Quarleis u. ir, proprio pur.i aulq
belecimcnto : a tratar-na ra do Queioji-
do n. 44.
A luga-fe o torcoiro andar da casa da
ra do Quciroado n. 9 : a tratar na loja.
~ Antonio Jos de Oliveira, retira-so pa-
ra Portugal a tratar de sua saude.
Dase 1:000,090 do rs. a juros al l|2
por cento ao mez, por lempo de um, ou mais
anuos, sobre hypollieca em pro lio livre e
daaombara^ado, dontro .lodto eidado, r.>oo
bendo-so os juros mensalmento: quem qui-
zer, annuncie, para ser procurado.
__ O Sr. Carl* Maria PcrerTa" 'vein aa-'tislHS ra tluasJorerras no
ra liov n. ^..
o bandejas enfeitadas com flores, ramos, e p|0 Mvio HVre recebeu.se umT;nrl0 sor.
com diversas galantarias o delicadas peMci- :_..
Lagos, queira apparecer, na ra
da Cadeia Velhs n. 33.
Atierro da Uoa-Vi.-,ti n. tG.
JIJRTO.
Furtaram da sala de detraz do sobrado da
na das Floros n. I^em atarlo do da domin-
go 14 do crrente, urna casaca dfe panno li-
no pieto nova, I calca de casimira prela,
t coleto da .-eiim preto brdalo, e 1 ca-
misa do niadapollo'com o paJtpd'e .Baquim,
oin cuja alieitura se aqh ivairf^Jous liolSo-
smlios de ojifo, esmaltados dji.ie.cii 1 c.u.ai
um liftllianlo em dada un doHfa.
pois JquafiJUr pessoa i quem for
Antonio Francisco de Moraes, ten lo de
rclirar-so para fora do imperio, deixa por
seus procuradores, em primeiro lugar ao Sr.
Antonio Jos Leal Reis, em segundo aoSr.
Joo Jos de Carvalho Moraes, e em terceiro
ao Sr. Thomaz Fernnndes da Cuiiha.
-- Precisa-se de um f-itor para um engo-
lillo distanlo desta pnoa 6 leguas; a tratar
no laivo da Matriz de S. Antonio n. 4.
OITerece-se urna ama para casa de ho-
rnero solieiro, ou de pouca familia : na ra
da S. Cruz n. 26.
Vendem-se sacadas de granito o de pe-
dra, umbreiras, vergas depedrapara portas
ojatiellas, na estrada da S Amaro junto a
fundiclo dos Srs. C Starr& Companhia, pa-
ra tratar por prer;o commo lo : a fallar ni
ra da Cruz n. 51 no armazem, e no escrip-
lorio do primeiro andar.
Na ra das Cruzos n. 22 segundo anlar,
vendem-s^ 4esc-avas sendo 2 o eoulas, e
todas com abelidadese bonitas liguras.
TINTURARA.
Na llova tinluraria da ra do Rozario Es
Para o Porto sabe com muila brevida-
dada a gatera portugueza Hachronse, de
primeira marcha, da qual he capillo Ro-
drigo Joaquim Coreia, para carga ou passa-
geiros, para os quaes tem os mais asseiados
commodos, trala-secom o capillo na pra-
ca ou com Jos Morcira Lopes : na ra do
(.inclinado n. 29.
Para o Uio de Janeiro.
Segu com brevidade, o brigue
escuna nacional Olinda por ter
parte de seu carregamento enga-
jado: para o resto, escravos e pas-
sageiroa, trata-se com os consig-
natarios Machado & Finheirc, na
ra do Vigario n. ig, ou com o ca-
pillo Manoel Marciano Ferreira,
a praca do Commercio.
-- Freta-se a barcaca Tentadora Feliz,
prompla seguir viagem para qualquer por-
to do norte ou do sul com preferencia para
0 de Parahyba por menos vinte por cento
nos fretes de qualquer outro ; e tambem ae
negocia a dinheiro ou a praso ; os preten
denles de urna e outro cousa pdem exami-
nar no Forte do Malo, junto ao trapiche do
algodao : tratar na ra larga do Rozario
n. 18 de manilla at as 9 horas, e de tarde
at as 3.
Para o Porto seguir at no flm do cor-
rente mez a bem conhecida barca portugue-
za Santa Cruz, capillo Manoel Francisco ft'o-
gueira : recebe carga, e tem escolenles
comrr oiloa para passageiros : trata-se na
ra do Vigario escriplorio n. 11, 1. andar
ou com o capillo.
O patacho nacional Alegra,
segu para o Rio de Janeiro, no
domingo, 21 do corrente, para es-
cravos e passageiros, para os quaes
olFerece excellenles commodos :
trata-se com os consignatarios No-
vaes & Companhia, na ra do Tra-
1 iclie n. 34.
Para a Baha.
.Segu CQW brevidade o novoe veleiro hia-
treita n. 23, tingem-se sedas, ecom mistu-
, rs, p nios, casemiras, linho, algodlo e to
so I. vir e engommar, para se entregar no ,]a a qugdaje de fazenda de cores flxas e
flm de 15 dias, dirija-sc a ra da Cadeia por| variadas, coniforme os desejos dos preten-
ders do thealro velho n. 20, primeiro an- denles.
dar. : I Maria de Jess da Relvs, subdita por.
Rogo qullessenhores que llies lenhoiUgUOia retira-se para Portugal,
escripto diflerentes cartas, hsjain do respon-| .. Catliariua Maria da Concomio, previno
deremas minhas, o vejam que eu Ihes nlo ao publico que ninguom fdr;a negocio do
tenho mandado pedir esmolas, esim cobrar qualquer qualidade com seu marido Jlo
oque me devem perto de cinco annos,que Podro da Rocha Arujo, visto que elle sa
em pariiliia couliii a minha mulher por he- aoha julgado prodigo e a annuacianle no-
ranea de seu fallec lo pai Jos Antonio Al- meada sua curadora pelo juizo de orphlos
ves da Silva, que ganhou com o suor de seu desta cidade.
rosto, pois muito admira que sendo senhu- -. precisa-sede urna ama de leite : na ra
res de ongenho precisem ter em seu poder ^ireita n. 2, casa de um an lar.
tanto tompodimioulas quanlias, e sendo ri- .. Furtaram no dia 15 do correntn, urna
coa nlo devem precisar de migilhas; no crianca de iJade 3 pira 4 annos, de nome
obstante eu pessoalmenle j me ter ente 1- Maria, cabra, cabello corrido, sendo forra;
dido com os dilos similores mn seus proprios ccomo naturalmenlo fossepara vender, pre-
engenhos. Marcelino Jos Lopes. vine-se aoscompraloros de escravos, ouou
O abaixo issignado precisa fallar ao tras pessoas que dclla souberem do leva-la a
m. Sr. Jeionymo de Albuquerque Afelio, rua Nora n. 69, danio-se uaiagratilicar;Ioa
senhor do engeuho llamos ,- o por isso rogo- quem a achar.
tmenlo das ultimas modas de Pars, a sa-
ber: (icos chapeos desama do todas as cores;
ditosde palha da Italia abertos, muito boni-
tos ; chapeoainhos deii'eda e de palha, re-
dondos para menino* e meninas de 116
annos, com abas largas de liados enfuites e
de todas as cores ; um lindo sorlimento de
trancas a franjas tanto pretas, como de co-
res, capellas de florea omito ricas e moder-
nas : um grande sorm*nto de filos do to-
daaap qualidades ; muito lindos manteletes
cVJotiiibos de seda do melbor goslo ; llo-
res tinas, manguitas d 1 bico para senbora o
maia moderno gosto, s ilim o Uflas da lo-
Independenciun. 4 ven'lein-se bi-
Ihetesinleiroo, muios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio da
32. lotera do tlieatro de S.Pedro
de Alcntara,e tim resto de meios
bilhetes, quartos, oitovos e vige-
simot, a I.. n .> I i ci .de um hospital
das Agoas Virtuosas daCampanha^
primeirajwvapor que'chegar do llio
de Janeiro.
Apessoajjuc nnnunciou quo tinha rou-
pa pan lavare i'nifcuiiimar, pode levar na
ma do Euciiitairieiito n. 4 secundo andar,
tambem se cozo o cuzmha-so para foca,
sendo para pessoas serias.
Venjem-89-caiX'ohas rom tmaras, ditas
com perasyeaaV, iiitas com pecegos, 'lilas
com menlas, iras de 2 o 4 libras de figos,
lassas du alicaiiti- inuiio graudax, li.:os de
comadro,vnieias as mais superiorres que
. podfi hafr, lujCom sarilinhas de nant'S,
a* es(nliiifiapara.gupa,talhari'n, aletria, fari-
nllh de araruta, amendoas comledada", de
hen le-los, e leva-losa casa cima quo ser
recompensado; a mosina recompensa se of-
ferec) a quem descobriro ladrlo.
--NapuleSo Gabriel Hez,^mbarca para o
llio de Janeiro os seus escravos de nomes
Monica, ci otila; Lusia, creoula ; Thom,
oreo ora.
No deposito de potassa, na rua do
Apollo armazem n. 2 B, anda existora pou-
cos barris com a superior potassa do Rio de
Janeiro da acreditada fabrica de Moura 61
Bastos; a qual so vende ueste deposito por
preco issoavel.
Na tarde de domingo, 14 do corrente,
das as coras; plumas decores para onfeto,| na diracelo do Recife ao Apipuco, perded.
aa um -111 1 e cuave de ouro, sendo
esia do molde de um closioho, e aquella
com urna podra do tupiato amanilla fia
n i'i los ns ditos (drelos u favor do appr. diversos gstos, como seja larar.ja, limlo,
bicos do linho verdsdeiro; ricos toucados de
senliora para baile ou tlieatro ; chapeos de
monlaria ; lencinhos de seda; lencos de
cai!>faia para senliora ; llrese rainosdel quem a ac'hou querenilo restituir^
flores d laranja, ricas luvas de pelica~para
homem e senliora, chamalole preto, luvas
relas para senhora, filas de veludo tanto
prelas, como de toJsaas cores para punhos
e poscoco com as flvellas ricas; muito lin-
dos manteletes do fil preto para quaresma ;
flores e plumas pretas; camisinhas com
ao sobrlo de dous n lares, na ra'
las n. 48 que ser recompensado.
Joaquim da Silva Boa-Vista, retira-se
para Purtugal.
Miguel Joaquim da Cosa, lendo do fa-
zer una viag-'in a Lisboa, pede a quem se
julgar seu credor aprsente sua coma para
hartura e bordado; camisinhas com goli- ser piga, assim como roga a seus devedu-
nhas bordadas ecom bicos ; mangas borda-
das de liln, bicos de hlonde, casaquinhas
brancas bordadas para meninas ; espaitilhos
para senhoras e meninas, atacadores para
li 'luis da senhora ; na mesma loja fazem-se
vestidos de casamento, de baplisado, loca-
de menino e de senliora, capotinhus de to-
das as qualidades, com perfeiflo e preco
commodo ;recebem-se todos os mezes figu-
rines modernos, qui impresta a seus fre-
guezes.
Mobilias de alugnel.
Alugam-se mobilias completas, ou qual-
quer traste separado a vonlade do alugador,
e por preco commodo : na rua Nova, arma-
zem de trastes do Pinto, defrunlo da rea de
Santo Amaro.
-- Precisi-se alugar.uma preta que saiba
bom engommar e lavar, quo lenha boa con-
ducta para andar com meninos : quem liver
diriji-se a rta do Vigario n. 3.
Jos Joaquim Maia Ramos, julga nada
dever, mas se alguem so julgar seu credor
ipresente suas cotilas 110 praso de 8 diis a

(B O Dr. Manoel Joiq iioi Fornandes
0 Eiras (medico), tem fixado sua resi-
9 deucia na rua de S. Francisco, ou- 0
tr*ora do Mundo Novo, sobrado cin- (
% zento n. 68 A. aon le pode ser procu- $
9 rado a qualquer hora. 0
mm9%*99 ### 1
Uesapparoceu do lu,'rde Caiara, vin-
do para esta pra;a o molatinho Esievo,
cor clara, de idado de 16 a 17 annos, cabe-
auvi iw -."p1-""" v k'v.i.guw jone auloiiiu ua i.o.-ii, rea
termo d'Aeoa Pretn, respeitoaes- nho Junco, comarca de Na
Y ,,' aprehender entregue-o ao
crava parda, de nome francisca ser gratifica Jo com 20,000
1
1
lhe baja do declarar so. morada ou seu cor-
respondente nesta praca.
Marcelino Jos Lopes.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra do Pillar em Fora de Portas com mui-
to commodo, bonita vista e fresco : os pre-
tendenles dirijam-se ao primeiro andar do
mesmo.
0 abaixo assignado, previne
ao respeitavel publico, que nin-
guem faca transaeco alguma, com los corridos, que cahism ms extremidades
Manoel Paz do Nascimento mo- estando grandes, com urna cicatriz deferida
, u' c em urna das pernas; pertencente ao aleres
rador no engenhO rao Oangue Jos Antonio da Costa, residente no onge-
"azarolh ; quem o
mesmo Sr. que
000 rs. sendo captu-
de 11 annos de i lade, por perten- rado em pouca distancia, e se longo,genero-
cer ao mesmo abaixo assignado, Mepreci8..9e de um. ama com leif*. que
como se est ventilando no loro o tenha em abundancia e bom, para casa de
commum. Recife, iC de marco de *,B,,U' "a rua AuulU dfronle
l85i. Ivo Pinto de Miranda. J>recisa-sa de 90,000 rs. por cinco me-
--Francisco Antonio Slmfles, lendo de re- zesassignando-se umi letra de 100,000 rs.
tirar-se para Portugal no prximo vapor.de- eo pretndeme tom casa de negocio, ou di
clara que deixa pur seus bastantes procura- um eacravo de segurauca para gara
dores, em primeiro lugar ao Sr. Vicente quanlia :quem quiser anuuocie |
Monteiro Borge, em segundo ao Sr. Jlo procurado.
Fernandes Prenle Vianna, eem terceiro ao jJ^NJO DE PEtlN VMBUGO
Sr. Francisco Rodrigues da Cruz. ..
Quem annunciou no diario de hontem A directora do banco de Per-
precisar de urna pessoa para tomar conta de nambuco annuncia aos chores
rouoa oara lavar e ongommar, dinja-se no ... .
becco do carioca n. 9, que ahi achara com accionijitas, que subscreveram ac-
quom tratar cocs, que tem deliberado princi-
- Desapparecounodia 2 do corrento mez rrr.hfp n nrimpir r,.si 1
a negra creoula de nome Anna ; estatura al- Piar a re=erjer a primeira presta-
nlir dita
pira
te nacional SANTA CRUZ'forrado do coDre la> roai0 descarnado; lem um dedo de urna cao, COntorme determina OS artl-
para o resto da carga lrla-ae na rua da La- mJo ,|ej,do que n8o 0 endireita; tem j h- 3 5 Aoa e.taUlln. nn a:. r.
deia do Recife n, 23. gido e tem sido achada na fazenda doa Ira- goi ? ?.D aos ^Ututos no da IJ
__ Para o Hio de Janeiro, se- dos da s. Bento, ao p de iguarass 1 quem de abril prximo vindouro, e lina-
gue viagem, a barca nacional Mr-'l^^^"^ lisar o recebimenlo no dia 3o do
mera, pregada e forrada de cobre, n.i. mesmo mez. (Js senhores subsenp-
c de muita veleira marcha : para Precisase de um bomcaixei- lores de acedes, que as tem ced-
,u *j* *** ** **** 1 ileGVEL
bntardo presente annuncio : na rua Nova
n. 6, para seren legalmenle pagas
Amorim Irmaos fazem sciente que
tem mudado seu escriplorio, da rua da i.a-
doia, para a rua da Cruz D. 3.
-- Precisa-se de 200,000 rs. por empres
timo, e por tempo de sen mezes, pagndo-
se o premio que se estipular com seguranc
em nn, dous, tres e quatio escravos, con-
formo a vonlade do empresta J .r: quem qui-
zer annuncie.
Na rua do Hospicio n. 52, precisa-so de
urna ama que engomme com perfeiclo : pa-
ga-s bem.
Lotera do llio de Janeiro,
aos 20:000,000 k 10:000,000 de rs.
O cautelista Salustiano de A qui-
no Ferreira avisa ao respeitavel
publico, que as suas cautelas e bi-
lhetes da lotera das Agoas Virtuo-
sas da Campanha, c da -xi. lotera
do Tlieatro de S. Pedro de Alcn-
tara, esto nicamente a venda ,
na praca da Independencia n. i3 e
i5 loja de calcado do Arantes ,
e na rua da Cadeia do Recife n.
46, loja de miudezas de Jos For-
tunato dos Santos Porto. Avisa
mais que no dia ao do corrente, de-
ve chegar do Sul o vapor da com-
panhia brasileira, e no dia 1. des-
te mez, o vapor inglez Tay, con-
ductores das listas de ambas as lo-
tera?, e sao pagos inmediatamen-
te scni ganancia alguma, todos e
quaesquer premios que sahircm
nos bilhetes e cautelas, vendidos
as lojas cima mencionadas, logo
que receher as listas.
Jtilhetes
Ale ios
Quartos
4Jitavos
Vigsimos
J. JA. Lasserre
urna viagem a Franca.
Aluga-se a loja da rua Nova n. 57, on-
do existe a loja de alfaiate, e tambem ven-
de-se a armadlo e seus pertonc s: quem
pe tender dinja-se 1 mesma loja.
res de contas amigas, liajatn de Solver seus
dbitos, ateo lim do.conenlo mez, pelo que
Ule litar agradecu'e.
Poinmaleau culileiro tem'a honra de pro-
vinir ao respeitavel publico que vai fazer
una viagem a Franca e por esto motivo re-
solved vender a preco do cusi todas as fa-
zeudas da sua, Injusto a dinbeiio a vista
abantando a qualulaou das Tazendas que lhe
cun, niniii, tem fumo de muito ln>m gusto
Pede-se aussenhores Joaquim Clemen-
te de Ir m Uuarlo, Manoel de Almeida-JJ-
iiin, o tnsate .Manuel Jos da Silva Leite, o
favor de dirigirein-se a rua 00 Queimado ,
loj n. 18, a negocio des'us inlcresses.
Na noute de 12 para 13 do corrente, sa-
bio desle encalillo Cuararapes, um creo'ilo,
de nome Jlo, com os signaos seguinles:
haixo, grosso, bem preto, pus grandes e
chatos, desdenudo na frente, lem a falla um
lano descaucada : roga-se a todas as auto-
ridades, espilles de campo e mais pessoas
do povo, que no caso de que o cucontrem
o pren lam e facam-uo cuuduzn ao dito en-
geuho Cuararapes a seu senhor Luuioiiqo de
Sa Albuquerque.
O abaixo assignado faz scicnto aos seus
fregue7es, que leudo acabado com a sua lu-
ja de .-llaiii" da rua Nova ; aquellos que ani-
da Uve um obras em sua mo, assim como
os que Iho devem, que pode ser p ocurado
110 atierro da Uoa-Vista, loja n. 46; assiui
como vende 1 baldo de ainareilo, 4caixi-
Ihos promptos a serviretu em qualquer ar-
madlo de loja, I rico espelho com .6 palmos
du altura, e collocadu u'uma porta, tudo poi
, i''v> commodo. J. S. de Menezes.
O lllm. Sr. Manoel Marques da Custa
.Soares, senhor do engenho Subir de Santa
Cruz, fara especial fivor se- uestes 8 uias
matuar conferir e ajuslar sua couti com
Luiz Epifanio Mauricio Wati leriev.
Aquellos senhores quo aioda nlo me
remeiteram assucar tiesta safra,nlo ob.-tao-
te estar ella quasi a lindar, hajam de mo pa-
garem quanto antes os fornecunenlos que
Ihes liz, visto que taes fallas demoustram
uo couliiiuarein suas correspondencias
commigu, comu t ataiam e Jeviaui; scienti-
ficaudo-os de que aquellos foriicjiuienlos
nlo os comprei pelos prasos que Ss. Ss. que
icni. Como eu deva lambeui, u esleja em
veixames para pagar.nlo tenbo remedio le-
nlo fazer este podido, nicamente quelles
senhores que anda tilo me reuielteram as-
sucar tiesta safra.Luiz L,i|linio Mauricio
Wanderley.
Precisa-sealugar umi ama forra quefaQa
> servieo de cisa o rua, e paga-se bem : na
l' .11.11 la 111 lepen icuci.i 11 38, se diraqueni
pretende.
ai,000
11,000
5,5oo
a,800
i,3oo
vai fazer
Na Rua do A raga, 11. 12, se-
gundo andar, copia-se com perfei-
93o qualquer papel em muito boa
eltra e por preco commodo.
canolla, chocolate,, e brancas, tudo muito
superior: na rua da Larangeira n 16.
-- Vende-se b sitio no lugar denominado
S. An 111, cijo sitio ho dofronte do de Nicolao
Rodrigues ala Cunha, o qual lem bastante
terreno o casa terrea;^ com diversos 1 es da
frucleirl, ecupi fora de caaa; a falla da
moradores o t-jjn tornado dmenos valor
ou mesmo alguns que tem t Jo, sebaviam
tratarlo lo com telo, relaxadamenlo ae nlo
emportaram, antes pelo contrario estraga-
ran!,- portanto turna-sc um bonito sitio pa-
ra quem o quizer comprar para morar ou
passar a fesia, quermido-.se despor fazer
drspeza como mesmo, e rasa e serca; lor-
nar-se-ha d dobrado valor; portanto sirva
este'de aviso qu o dono vendeu por mo-'
livus de divida :quem o pertender diriji-se
jlp.Li'rauien_l_o veQda 11. 5, ou tonda
late n. 9 ao entrar para o beco do Pa-
dre que achara com quem Iralar.
Vende-se um cavallo grande, an-la de
baixoat meio: na ; ruca da Independencia
n. 26.
-- Na rna Nova, loj n. 18deM. A. Caj',
ha sempre um sorlimento du obras de alfaia-
te, tanto superior com mais inferior, cami-
sas brancas e do ri-ca los Trancares, ditas do
netas, lencos de setim para gravati de to-
das alcores, chapeos francezes os mais li-
nos (jue ha no mercido, ditos de sol de so la
preta c de cores, ditos de panninlio, suspen-
sorios, ninas croa-, lencos de seda para al-
gibeira. cipas de 1 ,11111o lino proprias para o
enverno, um sorlimento de pannos linos do
todas as cores o qualidades, merinos, biius
1 aneado brancos o de cores de puro linho,
..an.' s francezas e 1,200 rs o corte decal-
ca, e do palito a 2,000 rs riscad francez
mullo lino,proprio para vestido de xiquitos;
faz-so vestido iie montarla de merino da cor
que a pessoa*(|u 1 zer por 50,000 rs. ; lem bo-
uctseveus para a mesma montara, n para
xiquitos ; um sorlimento de charutos linos,
viudos da liahia : emlim os freguezes o lem
sabir de-ta loja promptos de tudo al fuman-
do, se trocorem papel moeda, prata 011 ouro.
O cautelista Faria Barbosa,
venden no pateo do Collegio, casa
do livro azul o meios bilhetes
em quartos que tirou o primeiro
1:000.000 rs. e o segundo 200,000
rs.; e outros premios de eem e
milito* de quarenta. Na mesma
casa vende e pag) sem descont os
seus bilhetes da vigsima segunda
lotera do tbeatro, cuja lista vem
110 vapor inglez de 20 do corrente,
pelos seguintes precos :
Meios io,4oo
Quartos 5,2oo
Oitavos 2,600
Vigsimos 1,200
CIIA PRETO.
Vcn'Ic-se superior cha preto ,
em caix-is de 3o libras cada umi :
em casa de J J. Tasso Jnior, na
rua di Amori a n. 35.
Compras.
-- Compram-se trastes uaadoa etambom
se troca m por novos : na rua Nova, arma-
zem de trastea do Pinto, defronta da rua de
S. Amaro.
Compram-se para urna enoommena
do llio do Janeiro, aesravaa craoulas, ou
pardas, de 12 a 20 anuos, que tenbarn boas
figura: na rua Novan. 16.
-- Ciraipra-aeuma eaaa terrea que lenna
bons commodos para familia, sendo na rua
do AragSo, rua da Matriz a lloapicio : quem
liver para vender annuncie por esta folha
pata ser procurado.
Lotera de N. S. do Livramenlo.
Aos 5:ooo,030 de rs.
Na loja de miudezas da pra?a
da Independencia n. 4 i vende-
se um resto de bilhetes inteiros ,
meios, quartos, decimos e vigsi-
mos a beneficio de N. S. do Li-
vramenlo.
bilhetes inteiroa
Meios
Quartos
Decimos
Yigesimos
Ao borne barato.
Vende-se na rua do Queimado, loja n. 18;
panno fino preto auperior prova de limo ;
seliai preto o nelhor possirel, chamalole
preto de lindos desenhos muito proprio para
vestidos das bellas, sarja preta hespanhola
verdadeira, meias pretas de aeda de peso,
ditas brancas; assim jomo outras rnuitis fa-
zondas propriaa para a quareima, e por pre-
sos de agradar aos compradores.
Sementes de ortalice.
Vendetn-ae somantes de ortaltce de tolas
as qualidades muito novas, viudas de Lisboa
na galera MargaridaK e feijao carrapatoeda
ores na rua da Cruz, aira do Corpo San-
to n. 62.
10,000
5,ooo
a, 600
1,100
600




- Farinha fontana,
chegada ltimamente: eni casa de J. J. Ta-
so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Vende-so um carro de quitro rodil
milito levne seguro, :por multo pouco di-
nheiro : ni prisa di Boa Vista, cocbeirt
do franfois.
f"(tt MjPtKtt.
H Ni loja do sobrado imirello da ra
fl do Quoimido n. 39, tem pan vender
ti um grande sortimento de pumos pre-
tos Anos e de cores flxes;oisemira pre-
ta elstica superior de 9 14,000 rs, o
corte de calca; cortes de colete de cs-
lemira preta bordados; ditos do setim
preto tambem bordados; chapeos pre-
tos rancezes os miis modernos e do
rnelhor qualidade que ha no merct- II
do; ditos de cislor brinco inglez da
ultima moda; e outra* fazendas de
gosto e preco commodo.
nW WNWWWMW 'laiPDf
Moendna Mi|>< rimes.
Na fundiso de C. Starr& Companhla,
em S.-Amaro, acham-se venda moendis
de canni, todas de ferro, de um modelo e
construcfSo muito superior
No armazem da ra di MoJa n. 15
vende-so cal deLlrboi em pedn, a mais no-
va que lia no mercado, cbegada no crrante
mez, no brigue Laya ; issim como mercurio
doce em ciixinlus de libra cada urna, tudo
por menos prefo do que emoutra quilquer
parte.
Grandes pechinchas, na ra do
Creopo n. l4, loja de Jo.- Fran-
cisco Dias, a i/|i? rs. o corte! I !
Riquissimos cortes de vestidos de fioissi-
ma *flda fl n>lir>aririe gnstn, r,/.wi.la inloira-
mente moderne, pelo baralissimo preco do
14,000 rs. o corte ; ditos de cambraia seda,
sendo o mais superior que tem apparecido
no mercado, pelo birato preco de 9,000 rs. o
corte; superiores vestidos do flnissim cam-
braia e de cor, com riquissimos babsdos e
todos os seus pertences, sendo urna peci de
galSoe oulri de cordo, que se di de gri-
tis a quem comprar os vestidos, pelo mui-
to barato prego de 6,000 rs. o corte ; ditos
dd cambraia ccnvbarra branca e de cor, fa-
zenda do ultimo gosto, pelo baratissimo
pre?o de5,500 rs. o corte; .ditos de cassa
chita,com 6 ([2 varas a 2,000 rs. o corte;
ditos muito linos, fazenda de muito bom
gosto a 2,500 rs. o corte; chitas cabocolas
muito fixase linas, cores do caf e de vinho
a 200 rs. o covado; ditas francezas a 240 rs.;
ditas de quadros escuras, fazenda do ulti-
mo gosto e novos pidrOes a 200 rs. o cova-
do; riscadinhos muito linos a 160 rs. o co-
vado ; cassa chita muito largas e de cores
Acudam ao novo barateiro.
Vendem-se ni ruado Cibog n. 6, lola de
miudezas, esporas linas de ico e di ultima
moda, pelo preso de 1,600 rs o pir; cartas
fnncezas para voltarete a 560 rs. o baralho.
Marroquins.-
Ni rui do Cabug n. 6, loja nova de miu-
dezas, tem para vender um sortimento de
neles de marroquim, pelo preso de 1,800 rs.
cada urna, a elle antes que seacaba.
Lindas imagen* chegadas ltima-
mente de Lisboa.
Trocim-se as imagens seguintes pelos pre
Sosabiixo declarados : --sendo, S. Jerony-
mo 2,000 rs ,Santo Antonio 3.000 rs.,S. Fran-
cisco 2,500, S. Jos 2,500, S Benedicto 2,500,
S.Luis 9,000 rs.,S. liento 2,000 rs., S. Paulo
2,000 rs, S. Joo 2,000 rs S. Manoel 2,000
rs., N, S.-do Girino 2,000 rs., N. S. di Sole-
dade 2,000 ra., N. S. do Itozario 2,000 is,| <*.
5. da ConceisSo 2,000 rs., Santa Ajuda, Sin-
ti Rosa, e Sinta gueda 2,000 rs., o N. S. da
Saude 2,000rs. assim nimn algumis flguris
por presos cerumodos : ni ra do Catinga n.
6, loja de miudezas.
-- Veaae-se cera de carnauba, e loalhas
de panno delinho', para rosto: na ra da
Madre de Dos, loja n. 34.
Feij5o mulatinho ,
muito superior, em-saccas grandes, o la ni -
bem se vende emalqueires, medida velha :
na rui di Cruz do Recito n. 24.
Gomma de engommar ,
em siccis : na ra da Cruzo. 24.
I.uvas de torra!, com bolotas
a 12801S.
Vendem-se muito superiores luvas de tor-
Sai, com bolotas, a 1,280 rs. o par : na ra
do Queimado n. 16, loja de miudezas.
Luvas de pellica, de ponto inglez,
a 1,000 rs. o par.
Vendem-se Iuvss de pellica, de ponto In-
glez, para homem, a 1,000 rs. o par : na ra
do Queimado n. 16, loja de miudezas.
Cambraia* para cortinados a a,400
rs. a pe;.i.
Na ra do Crespo, loja da esquins, que vi-
ra para 1 Cadeia, vendem-se cambraiis des-
campinadis, pira cortinados, a 2,400 rs. a
pesa, com se 1|2 varas.
O modernismo
Fszendas muito Anas, is mais modornas
que ltimamente tem ipparecido.
Cortes de sedas escocezas, gostos inteirs-
mento novos, ditos de dita differentespa-
drOos timlicm muito modernas por presos
commodos e muito recommendaveis pela
A
fixas a 200 rs. o covado; alpaka preta muito boa qualidade, ditos do cambraia seda
lina a 640 rs. o covado ; merm preto mui-
to Tino a 1,800,2,500, 2,800 e 3,200 rs. o co-
vado; superior aloalhado adamascado de!
puro linlio, com 8 palmos de largo, pelo ba-l
ratissimo preso de 1,600 rs. a vara; brim
transado de purolinho, de diversas crese
delicados gostos, pelo barato preso de 1,200
rs. a vara; riscado delinho, com 4 palmos
do largo a 200 rs. o cu va lo ; algodSo azul
de 4 112 palmos de largura, fazenda muito
propria para ropa deescravos a 200 rs. o co-
vado ; assim como outras muitas fizendas ,
que se vender por preso mais commodo
do que em outra qualquer parte.
Cobertores de algodao.
Superiores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, tecidos 1 dous Qos, muito
grande, tem todi applicaso em urna casi de
familia, por servir para meza de engom-
mado e forrar camas e mesmo pan escra-
vos, pelo diminuto preso de 1,410 rs.: na
ra uo Crespo n. 6.
l'otassa americana.
-- No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea poreo de polassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivaiisa com a da Russia: vnde-
se por preso razoavcl.
itap Paulo Cordero-
recentemente chegado do Rio de Janeiro
veude-se na ra da Cadeia do lente loja n
50, de Cunha & Amorim.
muito superiores o modernos, ditos de tilo
de linho bordado's de bonitos gostos, mante-
letes dos mais modernos, pretos u de Uiffe-
reules cores: no armazem de fazendasde
Goveia & Leite, na ra do Queimado n. 27
Novidacle para as snhoras-
Acaba do chegar um rico sortimento de
ron.ciras do fil de linho bordadas dos m'e-
Ihores gostos o mais modernos que se lom
visto; cimizetasdo cambraia bordadas mui
to finas, lensos de cambnia de linho com
corcaduras de cor muito Gnos o bonitos pa-
dres pelo diminuto preso de 8,000 rs. a zia : no armazem de fizendis de Govcii &
Leite, na ra do Queimado n. 27.
Para snhoras viuvas.
Mantas de blonde pretas muito finas e bo-
nitas por presos commodos: no armazem de
fazendas de Goveia & Loite, na ra do Quei-
mido n. 27.
Farinha barata.
Ni ra da Cruz n. 33 armazem de I.uiz
Jos de S Araujo, vende-se sacas com al-
queiro de farinha, tanto do S. Calharina co-
mo doS. Matheus, muito suporior por me-
nos pceo que om outra qualquer parte e
levando a sacra mais barata, lica tambem as
barreduras para vender, que serve pan
bixosetc.
A bordo da escuna MariaFirmina un-
diada do fronte do caes do Ramos, ha su-
perior farinha de S. Matheus que se vende
Vendem-se relocios de 011- om,is bmto possivel, trata-seibordo com
o capilSo, ou com* I.uiz Jos de Si Araujo :
na na di Cruz n. 33. .
Na ra da Cruz n. 37, vendem-se 4es-
envos pretos mosos o bonitas figuras, os
quaes traballum em armazem do assucar,
bem como estiva ou qualquer outro sorvic
o 3cosinham o diario de urna casa : atraar
namesma.
Moinbos de vento;
com bombas de repuxo para regrar hortas
o baixas decaplm fundisode Bowmaux
fir. M. Calhem: >> ra do Brum ns. 6, 8 e 10.
Grande e novo sortimento de lousa vidrada.
Uoin sejam talhas do porto grandes e pe-
quenas para deposito de doces, bulhes para
nanteiga e doce, ligelas grandes para bater
po-de-l, cacarolas com cabo, panelas para
cosioha.aasadorea coinpridos e redondof, para
astados do forno, como sejam Iciles, pirs,
galianas, lombos, vitelos a moda da Euro-
pa, vazos finos e ordinarios pare flores figuras
para jardlus calungas muito engranados, jar-
ros finos da Parahiba e da Bahl., quartiuhas
garrafas, copos com pratos, inuringues, resfria-
dores brancos, encarnados, tudo para resfriar
agoa, alguidares de todos os lmannos, balaios
para ineDinos aprendereinandar.ditascom lam-
pa para compras, ditos para costura, ditas com
pes para flores, ou frutas, condecas, e cestas,
casticaes de tonca de diflerenles cores, inorln-
lti' s e quartinhas pequeas de dilTerenlea co-
res para folguedoa de meninos : na ra da
_ Cadeia do llcclfe n. 8.
Alpacas de cores. 4
Ni loja do sobrado amireiio di ra 4 Grande fabrica de chapeos de sol,
ro eprata, patente inglez : na rtta
da Senzalla Nova n. 4a.
Deposito de cal virgem.
Cimba & Amorim, na ra da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedn, chegadi pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prejo do que
em nutra qualqner parte.
No escnplorlo de Minoel Joaquim Ra-
mos e Silva, na ra di Cadeia do Recife,
vende-se por preso commodo cal virgem de
Lisboa chegadi no ultimo navio, bezerro de
lustro, mercurio, linha do Roriz.retroz, fe-
cha linas do Porto, pannos e casemias
de 13a.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vnn.de-se este compendio, ipprovido pon.
as aulas de primeiras lotras, a 480 rs.: na
prasa da Independencia, livraria n. 6 e 8.
Na porta da Alfandega e no
armazem do barateiro Joaquim da
Silva Lopes, vende-se farinba fon-
tona SSSF e de Philadelphia, l-
timamente chegada.
Deposito do. fubrlcn de Todos os j"
Santos na Huilla.
Vende-se, em casi- de N. O. Iiiober & C.,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella-rabrica, muitopropno para sacoosde
assucar e roupa de escravos, por presocom-
modo.
He tSo barato,
Que faz animar ;
Quem vir a pechincha ^
Nao deixar de comprar.
Na rui do Crespo loja da quina que vira
pin cadeia, vende-se panno fino preto, a
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 o 5,500 rs.
o covado ; dito francez muito superior, a
6,000 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dito verde, a 2,800, 3,000 e 6,000
rs. ; dito cor de rape, 1 2,600 rs. ; casimi-
ra preta, 1 4,800 6,000, 7,500 8,500 e 10.000
rs. o corte; sarja preta de seda muito su-
perior, a 2,500 rs. o covado; merino preto
muito bom, 1 2,800 e 3,200 rs. o covado cor-
tes de cassa chita muito bonitos, a 1,920
rs.; e outras muitas fazendis por preso
commodo.
Bom e barato.
Vendem-se bandejas as mais fi-
nas e bonitas, que tem appareci-
do no mercado, por preco comino-
do : na loja de ferragens da ra
da Cadeia do Recife n. 56 A, de
Antonio Joaquim Vidal.
Nova pechincha.
Midapoldos com pequeo toque de iviris a
2,400, 2,800, 3,000 rs., 1 pessi.
Na ra do Crespo loja di esquins que vol
ti pin a cadeia vondem-se midapoioes li-
nos com pequeo toque de svaria 1 2,<00,
2,800,3,000 rs., e outns muitas fazendas
por preso commodo.
Para a quaresma.
Cisemira preta infestada a 5,000 rs., cor-
le de calca.
Ni rui do Crespo loja da esquina quevol-
ta para a cadeia vendem-se casemiras preta
entestada a 5,000 rs. o cirio de calni, sarja
preta hespsnhola a 2,600 rs. o covado ; co-
mo outras fazendas qu por sua boa quali-
dade se torna recomendaveis.
Ra do Passeio Publico n. 9.
Vendem-se 180 varas de bico e renda da
trra a 120 rs., e 18 caxilhos envidras! jos c
promptospara qualquer obra, pelo diminu-
to preso de 2,000 rs. cads um.
Vinho de Champagne,
e superior qualidade : vcude-so no artr.a-
em Kalkmanir IrmSos Ra da Cruz, n. 10
Pal India Ale.
Ainda resta alguma desta deliciosa serve-
ja,que bem pode sumir a compangne, ven-
dem-se em barricas de 3 duzias, e caixss de
urna duzia, muito proprios para mimos e
casas particulares, pelo diminuto preco de
6,000 rs. a duzia : na travessa da Madre de
lieos ns. 4 e 6 armazem piulado do cof.
Farinha de mandioca.
-- Vende-se saccas com superior farinha
de msudioca a presos rasoaveis : a tritar
com J. J. Tasso Jnior ra do Amorim
n. 35.
Vende-se
Cha preto e verde, de superior
qualidade em caixas pequeas ;
Vellasde espermacete de superior
qualidade em ditas ditas,
Fio de sapateiro, de diversas co-
. Lotera do Ro d Janeiro.
Aos 20000/000 rs.
* Na cssi feliz dos Quitro Cantos di ru
do Oueimido n. 20, vendem-se os ifortona-
dosliilhetrs, meios, qualtoi, oitivos, vig-
simos, di 22 lotera do theatro do S. Pedro
de Alcanian, cuj listi cheg no primeiro
vapor at o dii 20: selles que esto no resto.
-. Vende-se umiescriva crloula de 14 a
15 innos, robusta, sem vicise comilgumas
habilidades; vende-se por preciaSo : em S.
Amaro, no segunlo sitio depois do cemite-
rio se dir quem vende.
- Vonde-sn urna loja de couros com mui-
to pouco sortimento, e timbem se trispissa
casa a qual tem pro por -ee s para este ou
qualquer outro negocio, por ser em um dos
melliores lugares di rui Direita, com com-
modos pan mrsdia, e porlo psra o piteo
da Penha : ni mesma ru Direita n.55.
Toalbas de laberinto.
Vendem-se 2 ricas toilhas de laberinto
largo,em rodi.pelo diminuto preso de 14.000
rs. cada una : ni rus do Queimado, loja de
miudezas, junto 1 loja de cera n, 33.
Cera de carnauba a 5,000 rs.
Ven de-so ni rui dos Tanoeiros n. 5, supe-
rior ceri de carnauba de primeira sorte pelo
diminuto preso de 5,000 rs. a arroba; sebo
do porto em caixas a 7,000 rs. a arrob
Vende-se um deposito de vender assu-
car refinado, ni ra do AngSo n. 36: quem
quizer comprar appareca : na rui dos Pires
n. 28 que adiara com quem tratar.
GKANbE PECHINCHA.
Est se desmanchando o thea-
tro da ra da Praia ( casa amarel-
la da esquina ) e l mesmo s ven-
de por todo o preco, 5o bastido-
res em bom estado, pannos de vis-
tas, snelas, calhas, bancos depa-
Ihinha e oulros objectos de thea-
tro, bem como tahuas de assoalho
e forro, caibros, enxameis, travs,
tudo muito barato para desoecupar
a casa.
Vende-se I bandi pira ofilcial da guar-
da nacional, I chorSo pin olUcisI do caval-
liria, 1 relogio ptente suisso e 1 cama de
armaso : na ra Nova n. 16.
-- Vende-se una taberna em muito boa
ra e afreguozada, com poucos fundos, e se
faz todo o negocio, por ser pin admitar
1 scu pagsmentos: ni travessa da Madre Heos
Chapeos do chile finos e baratos.
Vende-se chapeos do chile de
todas as qualidtdes, grandes e pe-
queos, por preco commodo ." na
ron do Crespo n. 38.
Vende-so urna taberna na roa do Ran-
gel com fundos, de 400,000 rs. pouco mais
ou menos : a tratar na ro do Colegio n. 17
segundo andar.
Aos 20:000,000 de rs.
exposto a venda as suas cautelas e
bilhetes da lotera do l\io de Ja-
neiro, a beneficio do theatro de S.
Pedro de Alcntara, da qual a lis-
ta deve chegar do dia 19 do cor-
rente em diante, e os vende na
sua loja n. 37 A, na ra do Quei-
mado, aos baratos precos abaixo .*
1
cus
. f, se din aonde be.
f{; Vondem-so ricos veos pretos de soda,
jji delinho e de retroz de Italia; mante-
fjs leles pretos do ultimo gusto e com ri- n
t\ cosenfeites; mantas do seda pretas g
meias de seda pretas de peso e outras
I j /.eodas de gosto, tudo por preso de 9
agrsdar aos compradores : na loja do *
sobrado amsrello da ra do Queima- it
. I: do n. 29. 9
w inimi tN wwm
Arados de ferro.
Na fundiso da Aurora, em S. Amaro,
vend^m-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Novos cobertores de tapete a
i,44 ,s-
Na ra do Crespo loja da esquina que
volta pin a cadeia, veodem-se cobertores j
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
preso de 1,440 rs.; em qualidade sSo os m-| piche n. dq.
22,000
11,000
5,5oo
2,800
i,3oo
Ibores que tem vindo no mercado, por isso,
j-gg recommondi-se aos Sra. do ongenho que
Ti _... J quizerem comprar da pichincha, no se de-
udo em conta, no .armazem de! morem porquejlha poucos pela eslra5o
Adamson Iloiwe & Companhia,|quetem tido.
Bilhetes inteiros
Meios ditos
Quartos
Oitavos
Vigsimos
Cemento novo a 7,000 rs.a barrica.
No armazem de Antonio Aunes, no caos
di Allandoga.
ATTEnCAO.
Vende-se urna liberna nova bem afregue-
zadi,, ou dase sociedade a um mogo que
entre com alguna fundos :a tratar na ruada
Cio n. 9.
Vndese urna crioula de 24 annos,
boa figura e ptima conducta, ensaba coro
muita perfeiso, cose costura cha, fie
excellenle cosioheira e perita engommadei -
ra; ni ra da Cruz, h. 18 lerceiro andar.
CHARUTOS 1)1-; HAVA.NA.
Vende-se charutos de llsvini muitissimo
finos; no armizem de Kalkmann & Irmdos,
ra da Cruz n. 10.
-- Na ra do Vigirio n. 19, primeiro an-
dar, ba pira vender muito superjor cen
em grumo, em birricas pequeas, e supe-
riores vinhos eogsmfados.
Ovas do Serla .
Vende-se ovas do serillo por preso com-
modo : na ra do Queimado loja n. 14.
Vendse saccas grandes com gomma
muilo alva pan emgommar, e 2 redes com
todo centro marcada, qgullie proprias para
tipoias, assim como duss loalhas com la-
berinto e bico nas ponas : ni rus do Quci-
mado n. 14 loja.
-- Vendem-se 2 esenvos de servido de
esmpo; 1 mulata de bonita figura, ngom-
ms, cosoe cozinha; 1 escrav que corta e faz
qualquer vestido engorama e cozinha ; 1
dita de bonita figura e de todo o servio ; 1
escravo que cozinha bem o diario de urna
casa, o I cscrava demeia idade : na ra Di-
reita n. 3.
Vende-se saccas de muito superior fa-
milia de S. Citharini a 2,500 rs.: na ra da
l'raia armizem de carne n. 10.
Cera em velas.
Vende-se superior cera em ve-
las, fabricada no Hio de Janeiro,
de muito bom sortimento c muito
em tonta : no escriptorio de JNo-
vaesck Companhia, na ra do Tra-
SALSA PARItlLHA
DE
As numerosas experiencias feitil eomo
uso di salsa parrilha em todas as enferml-
dides, originadas pela impureza do singue,
e o bom xito obtido na corle pelo IIIni.
Sr. I)r. Sigaud, presidente da academia im-
perial do medicina, pelo lllustrido Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
sua afamada casa de saude na Gamboa, pe-
lo III m. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, m-
dico do exercito e por varios oulros mdi-
cos, permiliem boje de proclamaraltamente
as virtudes cllicazos da
SALSA PARRILHA
DE
Ja M*. M. 90 TT O WL,
Noti. Cida garrafa contem duis libras
de liquido, e a salsa parrilha de liristol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-se a 5/000 rs. o vldro na botica do
Sr. Jos Maris Consalvcs Ramos : ra dos
Quirteis pegada so auartel de polica.
Molduras douradas
de (odas os larguras : vendem-se no arma-
zem de Kallkmann Irruios,ruada Cruz D. 10.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller &
CompaniVi na ra da Cruz n.
55.
Vernit copal fino 16,000 rs.a garrafa.
Vende-se ni rui do Rangel n 64, vorniz
copal superior a 16,000 rs.a garrafa.
Aos amsnles da casa.
Vende-so ums rica espingirdi inglezi do
2 canos por commodo preso : na rui larga do
Hozariu, loja de miudezas de Soares & Mo-
nos.
Oleo especifico pira limpar a caspa.
Vende-se na rus do Rangel n. 64 oleo es-
pecifico para conservir o cabello e limpa-lo
da caspa a 640 rs. esda frasco.
Vendem-se charutos da Dahia das me-
Ihores marcas om csss de Kilkmao Irmfios :
ra da CrHzn. 10.
MUB1LIAS DE FERRO.
Vcndem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com braco c sem elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann 1 maos, na ra
4a Cruz n. 10.
Em casa de J. Keller & Com-
panhia" acha-se a venda vinagre
naneo, superior de JNantes, em
barris de 36 medidas.
I.ivros em branco.
Vende-se em casa de Kalkmann IrmSos,
na ra di Cruz n. 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio. __________
Escravos fgidos.
lamlia de mandioca.
Vende-se superior farinha de
Santa Calharina, muilo cm conta:
na ra do Trapiche, n. l\i.
Vende-se um Torno para padaria, no
centro da cidade, tendo lugar para morada
earmazem para lonha, com desembarque,
na porta: o pretndanlo annuncie sua mo- no armazem n. 7, delronte da Al-
rada, fandega, de Jos Joaquim Pcreira
-- Vendem-se volas de espermacete, em aigii tratar no Psrrintn
caixas, de superior qualidade: em casa d a.e "* ou a ,ratar n0 esenpto-
J. Keller & Companhia: na ru. t do Queimado n. 29, tem para vendor
?'. um lindo o variado sortimento de al-
?> pacas de cores, proprias para palitos
-- Vendom-se amarras de ferro :
da Senzalla Nova n. 4a.
Vende-se urna mesa de smarcllo, com
7 palmos de comprimento e 4 de largura :
na ra Bella n. 16.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SF.NZALLA NOVA S. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mejito de moendas o meias moen-
das para ngenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedia,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Mus
sia, nova e de superior qualidade.
Casa de commissio de escravos.
Vendem-se escravos e recebetn-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra delta, para
o que se o florece muitas garantas
a seus douos .- na ra da Cacimba
n. f 1, primeiro andar.
de J. Falque tua do C'ollgeio
n. 4.
Nesle aovo estabeleeimento recebeu-se
ns ra um novo e lindo sortimento de chapeos de
I Sol dos ltimos gostos, tanto de sedi como
depininho para homens e snhoras, de ar-
masao de baleia e de asso que se vendem
por menos preso quo em outra qualquer par-
le ; grinde sortimento do chatualole, sedas
e psninhos em pesa de todas as cores o qua-
lidades pan as pessoss que quizerem man-
dar colirir armac/ies servidas. Completo sor-
timento de balelas para vestidos' espartilhos
pan snhoras, fazem-se umbellss de igrejs e
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos
de sol: todos os objectos cima mencionados
sevendem cm porsao e a retalho, por preso
quo agradara aos freguezes vista da quali-
dade.
Negocio vantajoso.
Vende-seo hotel commercio sito na ra
da Cadeia n. 13, cornos utencilios que o
comprador quizer: a tratar no mesmo.
mero 55.
Vende-se ou arrenda-se o Engenho S.
Rita muento e coi i ente meia legoa distante
da villa de Iguarassu'com proporsOespara
safrejar-se, embarque junto ao engenho; ala-
gados, o outras proporertes : quem O preten-
der enlenda-se com o proprietaiio no mesmo
engenho.
MIADOS AMERICANOS, g
> Vendem-se arados ame- >
ricinos, chegados dos Esta- |
U dos Unidos, pelo barato pre- 4
? co de 40,000 rs. cada um: na *
J; ra do Trapiche n. 8.
Vende-se bolacha e biscoutos de fari-le perfeigSo, com c
Vende-so um garrote de pura rasa tu-
rioa : os pretendentes dirijsm-se a ra da
Cruz n. 45.
Azeite de carrapato da fabrica de
Araujo & Fillio, no Fenedo.
Acaba de chegar maisdeste j conhecido
azeite, o miis proprio e econmico, pira
uso de csndieiros de sala, tanto poli sua du-
rasSo, como limpeza, e continuar haver
sempreum depozito pan suprmanlo regu-
lar dos freguezes : no armazem dej. J.Tss-
so Jnior : na ra do Amorim n. 35.
Deposito de panno da algodo da
febrica Todos os Santos da Ra-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dSo desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaes & Companhia, na
ra do Trapiche n. 34.
Vende-se sapatos do Ararati 1 800 rs.
na ra larga do Itozario n. 35, loja.
Vende-se um tenono com 300 palmos
de frente e peito de 1000 de fundo, com
grarifle viveiro, que tem periodo ano pal-
mos de comprido, na estrada que vai para o
llanguinho : a tratar na ra da Cadeia do
llecife n, 9.
- Vende-se um sobrado de um andar e
sol.ni, no principio da ra do Hospicio, cons-
truido ha pouco te
ra do Trapiche n. 34.
Para fechar contas.
No escriptorio de Novaes &
Companhia, na rua do Trapiche
n. 34, segundo andar, vendem-se
carneiras de cores ; capeos do Chi-
le, grandes e pequeos ; linha de
cabea encarnada e de roriz, por
menos preco do que em outra
qualquer parte, por se querer fe-
char contas.
Vende-se um terreno na rua da Aurora
com 50 palmos de frente e 280 de cxlenso,
tendo caes de lijlo a boira mar, {cando en-
tre as casas dos lllms. Srs. Custavo Jos do
Reg e Francisco Antonio de Oliveira : os
pretendentesdirijam-se a ruadas Torres n.
8, primeiro andar.
Simlo de Nantua a
800 1 s.
Vende-se a historia de Slmfio de Nantu
a 800 rs. : na livraria da presada Indepen-
dencia n. 6 e 8.
JJaratissitno.
Vende-se um terreno na rua da Aurora j
aterrado, tendo fundo at a rua do Hospi-
cio, e frente 55 palmos: tambem se verde
so a rua da Aurora : a tratar na prosa da In-
dependencia n. 17.
Taixaa para engenhos.
Na fundicao de ferro de Bow-
man &c Me. Callum na rua do
lirtiiii, pissando ochafariz, conti-
na a haver um completo soi t-
menlo de taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, enibarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com
prador
Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo n. 6, arma/.em de Me. Cal-
montSt Companhia, acha-ac constantemente
bons aortinientoa de taixa de ferro coao e
balido, tanto rasa como fundaa, moendls In-
eiraa todas de ferro para animaes, agoa, ele
ditas para armar cm madeira de todos os ta-
nanhos e madellos o mais moderno, machina
horisoulal para vapor, com forfa de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro cstanhado
para casa de pulgar, por menos preco que os
de cobre, cscovena para navios, ferro inglez
(antoem barras como em arcos folbas, eludo
por barato preco.
nba de milbo : nasSinco Pontea n. 38.
A ultima moda.
As mais bonitas utas de veludo com o sua
competente flvella dourada, proprias para
pescosso de Sra., vendem-se na loja de
miudezas n. 38, da rua Larga do Rozario
junto a botioa do Sr. Bartbolomeu.
Grande invencSo.
Um celebre engenbeiro macbinisla cujo
ame tem assombrsdo lo la a Europa acaba
de descobrir por meio de um pequeo alam-
bique o modo facillimo de em 5 minutos
obter o mais bem feilo caf que so pode
tomar, e pira amostra mandou para esla
provincia meia duzia dos ditos alambiques;
oa quaea ae acbam a venda: na rua larga do
Rozario loja de miudezas n. 38, do Cardial,
pelo preso de a 6,000 ra.
;uipo, com toda a solidoz
antaria de Lisboa, gran-
de quintal murado e plantado de irvoredos,
estribara e cacimba : na rua da Trompo
0,50.
-- Vende-se a meas3o do sitio grande, o*
estrada dos Afllictos, que principia dcfmnle
da capella do mesmo titulo, por muilo me-
nos do valor que Ihe foi dado no inventa-
rio : a tratar no mesmo sitio, com o dono
a qualquer|hora do dii.
-- Vende-se um bom cabriole!, oom todos
osaparellios, e querendooseu cavado, muf-
lo vivo e msnso : a tratar com Jos Pires de
Moraes, na rua da Cadeia do Recife, laja de]
ferngeos.
Vende-se a fabrici de charutos no Pa-
tio do Terso : 1 tritar na mesooi ou no beco
do Abreu, fabrica decherutos n.+, o dar-so-
ha os motivos porque se vende ao compra-
I dor.
0 Sarja preta.
9 Vende-so superior setim preto maco
QS proprio para vestidos de senliora; sar- 9
M ja de seda preta legitima hespanhola,' 9
9 corles de vestido de seda preta bor- 9
(9 dada, gosto moderno, tendo de tudo 9
sjf porso pira o comprador poder csco- 9
9 Iher e por preso muito commodo : na 9
9 loja do sobrado amarello da rua do 9
9 Queimado n. 39. 4
s9smmm s**s *++**+ *
Vende-se um preto corpu
lento, ptimo forneiro e mestre de
masseira: a tratar na rua da Sen-
zalla n. 90.
Na loja da miudezas di rua larga do
Itozario n. 38, do Cardial, vende-sepentes de
tai taruga para coco, polo ridiculo preso de
3,500 rs.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da rua da Cadeia
do Recife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, empedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Superior cha nacional
em caixinhasdo a libras, e da rnelhor qua-
lidadoj vende-se por preso commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
~ Vende-se ou troca-se um lindo sitio
em muito bom lugarnaPassage daMagdale-
n, com muito boacasa, poso, e maitss fruc-
leiras, por outro i boira do Rio Capibaribe,
ou por alguma propriedade a prasa vol-
tando-se em dioheiro o excedente; lambem
vende-se outro sitio em urna llha perto dos
Afogados, com duis formidiveis casss,
muitos 1 s de coqueiros, e umi grande
planta de capim, faz-se lodo o negocio;
vende-se a dinheiro, siroco de escravos, ou
alguma propriedade de maior ou menor va-
lor recebendo-se ou voltando-se o oxee.len-
te, atralar com Joaquim Ribeiro l'onlcs: na
rua da Cadeia do Recife n. 5*.
AtlensBo.
Vende-se ns rua do Creapo n. 16, loja que
volta pan 1 rua das Cruzes, bons chapeos
frincezes 1 5,000 e 6,000 rs. cida um, be
pan acabar; a ellos.
tfCantois Pailhetck CompanhiaS
' Conlinui-se a vender no deposito:*
C geni da rua di Cruz n. 53, o excel-V
lnleo bem conceituido rape ireiifi
I preta di fibrica de'Ginlois l'ailbot&9
jj Compinhia da Babia, em grandes ep
9 pequeas porsOes pelo preso ostabe-jg
m lecido.
Altencio.
Nova fabiica de chapeos de Sol no atierro
da Boa-Vista n. 22, acha-se um grande
sortimento de chapeos de Sol muita
em conta, tanto para homem,como pura se-
nliora, como seja de seda ou de panninho, e
grande sortimento de pesas de seda ede pa-
panninho para cubrir os chapeos de Sol ja
usado.tambem concerta os ditlos peol preso
mas coturno :n do que em outra qualquer
e parte com loda promptido,
Vende-se, em casa de Kalk-
mann Irmaos, um lindo sortimen-
to de obras de ourD, chegadas, ha
poucos dias, como sejam : ade-
recos, pulceiras, alfinetcs., voltas,
brincos, anneis, correntes para re-
lajo, brinquinhos para criancas de
coral, chaves para relojo e me-
dalhdes.
PIANOS.
Vendem-se em casa deJKalk-
inaun IrmSos, na rua da Cruz n.
10, ricos pianos de Jacaranda, com
cxcellentes vozes chegados ha
pouco tempo.
feto. >v
Atlencao.
100,000 rs. de gratilicaslo.
Conlina fgido o escravo Manoel, per-
tonecnto a SebastiSoMarques doNascimen-
to, desde o da 8 tte setembro do snno pas-
sado, foi escravo do Sr. Gabriel Alfonso tu-
guen, tem 25 innos, pouco mais, ou me-
nos, de nasSo Angula, cOr fula, com falla
de a doutus da parle superior do lado es-
ijnenio, e urna pequea corda na calmea do
mesmo lado, corpo regular, olhos peque-
nos, heicos grossos, sem barba, baixo e lio
ollicial de funileiro : peJe-se, portanto, as
autoridsdes policiaes o capitSes de campo a
sua captura, pagaodo-se alm da griliOca-
SSo cima, todas as despezas que seja neces-
sario fazer-se,
Desappareceo no dia 12 do correte
mez de mareo, da csss de sua Sra., D. Anua
Joaquina Lins, moradora na rui Nov, o es-
crivo pardo de nomc Francisco, moito co-
nhecido por o possuir a muitos annos,-com
ns signaos seguimos : claro, barbado, com
assuisas por baixo doquoixo, magro, fala
muito mansa, baixo, e an la cagalo : quem
o aprehender, nu souber onde ello est, e
com o aviso possi vir a nio, se dar urna
boa gratilicas-lo, procurando-so pan esto
li 111 ao seu geuro Jos Candido de Barros,
no sea escriotono: rus ds Cruz n. 66, ou
na rua d'Aurora ultima casa desta meama
rus.
Da fabrica de caldeireiro, da rua do
llriini n. 28, auscnlou-se 00 dia 5 do prxi-
mo passado, o pieto Alexainlre,*do naeSo S.
Piulo, de 35 innos de idade, alto, reforoado
do corpo; falla descansada, desconfia-se que
o mesmo se ache para as bandas do Rio lin-
ce, por ter sido escravo do Ueliquer, Fran-
cez, morador nesse lugar e ter para ahi aeui
conhecimenlos, e foi ltimamente escravo
do Sr. nuil y : roga-se a quem o pegar de
lera-lo 1 dita fabrica que ser recom-
pensado.
Arlenso, 50,000 rs.
I'u'gio, 01: foi se diiznla no dia 19 do mez
p.p., urna pardinhade nome Arcbanja, do
12 innos de idade, com os aignaes sequi-
les :--cabellos corlados rente, olhos meio
vesgos e pequeos, levou vestido de chita,
com listras brancas e cor de caf, com ra-
magons encarnadas; esta escrava vejo re-
meltid di ciado da Victoria, ao Sr. Lulz
Gomes Silverio : portanto roga-se as auto-
ridades policiaes, capilSes de campo e pes-
soss particulares, que a prendam e levem-
na a rua da Cadeia do Recife n. 17, segunda
andar, que receben 50,000 rs, de gntifl-
casSo, e protesli-se com todo o rigor da
lei contra quem a tiver acoitado em aua
casa.
Deaappareceu em setembro de 1850, o
escravo Joo, que havis ipouco ebegado do
Cear, cujo escravo tem os seguintes sig-
naos : bem preto, bonita figura, estatura or-
dinaria, olhos o boca grandes, liegos gro-
Sos, com todos os denles da frente, ps
grandes, muilo ladino com quinto sej de
Angula, he meio gigo e usa quasi sempre
do termo patuscada ; roge-so por tanto as
authoridades policiaes, aos espilles de cam-
po, ou qualquer ouln pessos a captura d'es-
te escravo, a quem se gratificar com 40,000
rs.: no Recife na rua Cadeia n. 34, primeiro
andar escriptorio de Jos Antonio Bastos,
ou ni provincia do Cear, com o seu Sr.
I.uiz Rodrigues Samico.
Dessppireceu na noite de 7 do corren-
te mez do mareo, de bordo do patacho bra-
sileiro, Felicidade, dous escravos msriobei-
ros, sendo um de nome Jos, nacfio llenguel-
la; repreaenta ter 40 annos de idade, pouco
mais ou menos ; baixo, falla bem e tem bar-
ba serrada; e J0S0 creoulo da Baha, de Ida-
de 30 annos, pouco mais ou monos; baixo e
grosso do corpo, e tem barba meia aerrada,
da perna direita melle o joelho para dentro,
e tem os ps muilo cambados; os quiojes
oraros leviram calcas de brim brinco e ca-
misa de algo Jo azul: quem os pegar leve-os
a bordo do dito pslacho, ou rua da Culeia
do Recite n. 39, escriptorio de Amorim Ir-
mSos, que serio generosamente recompen-
sados.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET4A0Z94F_XD6ELE INGEST_TIME 2013-04-13T00:24:04Z PACKAGE AA00011611_04467
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES