Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04435


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 184*?. Secunda Feira 7 de
Tmln agora depende I nuemos como principiamos, e aeremos apontadoa con admiracfio entre as Naccs mais
cultas. (Froclamacio da AasemMea Geral du Brasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Tinianna, Paraiba, e Rio'rande du Norte, na segunda e sexta feira.
l. mi no e (iaranhuns, a lile 24.
Cabo, Serinliaeni, Kio Fornoa, Porto Calvo, Macem, e A1a*oas no 1 H, e 21.
Paje 13. Sauto Anuo, quinla faira. Olind.-i todog os das.
DAS DA SEMANA.
7 Se. I. Romualdo.
N Tere. Coriuthia.
'J Qua'rt. Apolonia.
! Quii, s. Esclavina. Aud. do juir. de direito da 2. rara.
|1 sext. I.a'0. Aud. do Juir. de Direito da 1. rara.
12 sab. a. Eulalia. Re. Aud. do Juiz de Direito da 3. Tara.
43 Doro. a. Gregorio.
Fevcreiro. Anuo XVIII*. S.'9.
O Diario publicase lodos o, diaa que ndo forem Santificado, o prero da asstm.tura ra
de,re.,l *.. porquartel pago, adiantados. 0. annunc,,,, do. .., ?""1
fr.l,. e o. do que o n;,o forem A r.tao do SO re por linna. A. ,eel.n,.co "Z[Z,
^SZmTSr^iu*dii c,uze,D 3-ou p"-1 '^^'^u,:
CAMBIOS so du
Cambio sobre Londres 2! d. p, 1L'.
) Paria 320 reis p. franco.
u Lisboa 80 a Sii p. 1(10 de pr.
Obho-Moeda de 6,400 V. 14.400a 14,600
' IS. 14.200 .i 14.400
de 4,000 8,100 a 8,200
PaaTi Patacoes 1 ,(ij() a 1 , > de FeveAbimo.
PRT Peos Coliionaies 1,660 a 1,070
Mexicanos l.OMra l!i)
a miuda 1.440 a l,4tttt
Moeda de cobre 3 por 100 de duconto.
Disconlo de bilh. da Alfandega le, por 100
an mri.
Mem di' letras de hoaa firmas le a 1 e i.
1'reamar do d,u 7 de Fa-ereiri.
1." as 2 horas e 6m. da nmuha.
2.". as 2 horas e 30 m. da tarde. -
PIIASKS DA l.t'A RO MEZ DE LEVEREHI.
Qoarl, min<. a 2--s 18 ora e S m. da manh.
I.ua Nova a 10-- na Quart. creac. a 18- ka 1) ora, e 22 m. da mnnh.
La chcia a 2-> -- s 1 oras e ;>( m. da manli.
OEPEMA M ltn O.
PARTE OFFICIAL.
GOYERNO DA PROVINO l A.
EXPEDIENTE DO DA o DO CORRENTE.
OtTicio Ao Commandante das Armas,
nppruvando o contracto celebrado com o cirur-
gioJoao Themotedi da Rocha Galvo para
servir no Batalhao Provisorio comas mesmas
cndilos -por que actualmente servo no
Hospital Regiment! Manoel Bernardino
Monteiro, e comniunicando-lhe que nesta
couformidade se esped rao as ordens a Thesou-
raria da Fazenda
Dito Ao Inspector da Thesouraria da
Fazenda, communicando-lhe o conteudo no
precedente ollicio e ordeuando-lhe que faca
abrir ao referido cirurgiao os competentes
asscnlamcntos.
luto Ao Inspector da Thesouraria das
Rendas Provincies, enviando-Ihe a conta
das despesas feilas pelo Prefeito da comarca do
Bio I'ornroso com o sustento dos presos po-
bres de justica e luzes para a respectiva
Cadea, na importancia de 58 i 10 res, e oPt
denando-lhe que mande satisafizer a referida
quantia a Braz Antonio da Cunha como re-
quisita o diio prefeito.
Dito- Ao Prefeito da Comarca do Rio For-
moso, communicando-lhe o conteudo no pre-
cedente oficio.
Dito -- Ao Commandante Superior da
Guarda Nacional do Recife, para ordenar
que o segundo batalhao se aprsente no dia
) do corren te pelas 5118 horas da tarde na
Vente da orden) Terceira de S. Francisco, a
lim deacompanliar aProcissode Cinz..
Dito Ao Commandante Superior da Guar-
da Nacional de Goianna, approvando a pro
posta do Tenente Jernimo Cezar de Mello, e
do Alferes Barlholomeu Gomes de Albu-
querque para subalternos da Companhia des-
tacada.
Dilo Ao Commandante Superior da Guar-
da Nacional de Flores approvando a prop-is-
la para Tenente da primeira Companhia do
priineiro Batalhao, que remetteo com o seu
ollicio de 25 de Novembro do anuo prximo
passado.
Dilo-Ao Inspector geral das obras publi-
cas oidenando-lhe que se dirija a Villa do
Eimoeiro a lim de examinar o estado da res-
pectiva Igreja Matriz e orear a despesa da
obra que ella precisa.
Dito-AoVigario da FregUfisia de Nossa
Senhora da Aprcsenlaeao do Limoeiro.com-
mumcando-lhe o conteudo no precedente of-
Dilo Ao Inspector dG Arsenal de Mari-
nha respondendo-lhe que pode mandar des-
carregar na pra.a fronteira a casa que serve
para as sessoes do Jury, a arcia necessara ao
atierro do caes do Colieo-0
Dito -Ao Juiz de Djpe d0 cve, (]a Co_
marca do B.o I-ormoso acusando a reeenco
dos seos ornos de M e 18 de Janeiro ultimo
acompanhados dos mappns dos inventarios ,
e dascauzasciveis, que forao definitivamen-
te julgadas no anno p. p.
Foi receida com milito especial tarado
a offerla que Vms. fizrfio a esta Presi-
dencia da Memoria orcamento e riscos;
priiicipaesvdo projecto de encanamento d'a-oa
potavel para esta Cida.le com o desci-
ment do pantano de Olinda e navegacaodo
rio Beberibe edepois de louvar-lhes esta
Presidencia o zelo com oue se cmpenlio pelos
melhoramentos da Provincia partecipa-lbes
que enderecou a mencionada offerla i Direc-
Ci5o da (-ompanln'a de Beberibe. para que eh>
tomando em considerado a utilidadedo pfo-
jecto o Caca executar se Ule parecer conve-
niente como parece a esto Governo.
Dos Guarde a Vms. Palacio dh Govnrno
de Permrmhuco o de Fevereiro del8t2--
Bar/io da Boa-vista Snrs. Kmenheiros L.
L. Wauthier Bolitreau e A. Milet.
g^Psai i
COMMANDO DAS AB M A S.
i:m>kdiente do da 51 do p.vss.vdo.
OfficioAo Exin. Presidente, disendo-
lhe em additamento ao officio de 27. que vi-
era a trra a privada do Forte do Buraco e
rogando-lhe expedidlo desuas onlens .
para que fosse com urgencia outra privada
feila.
Dito Ao Inspector da Thesouraria, re-
mettendft-Uie para que tivesse conveniente
deslino, a guia que pela Pagadoria do Arse-
nal de Guerra da Corle foi passada ao priinei-
ro Cadete Francisco Firmine Cavalennle de
Albuquerque, que ohteve passa?em do Ba-
calhao terceiro de Arlilheria a p |iara o Ba-
talhao de Caladores Provisorio desta Provin-
!FL3IT
ARE>-KAHEL,0 TERRIVF.l(*).
Meu ilhocontinuou a mgica com amor;
deixa (sle paiz... e quando a tiveres esqueci-
do...volla. .mas, s enlaopara o p da lua
pobre Mi !...
Ku ofurei...mas vem comigo ... Elle
levantou-se c pegOU na mao de Zara.
Nao, nao possivel acompanhar-te
me" fho respondeu ella com tristeza... 0-
ha para miin...Estas rugas dao sinal de urna
longa vida /!... talvez quando voltares s a-
ches o meu cadver eslendido nesta gruta. .
D(Mxa-me acabar aquv com socego a minha
existencia como a chamma desse braseiro se
Vti pouco a poueo apagando !...
Zara respondeu o mancebo eu amo
Zulmira como tu amas a trra de Hespanha ,
que nada le far abandonar !
Aben-kahel sentou-se outra vez defronte
da velha e bou ve un silencio de alguns mo-
mentos'...
Zulmira nunca ser tua disse ella em-
lim.
Veremos...respondeu Aben-Kabel, me-
chendo no Imne com um punhal que tinha
tirado do peito.
( ) Vid. Diario N. 28.
ca.
Dito Ao mesmo, communicando-lhe. que
oprimeiro'Tenenle Pompeo Romano de Car-
valho deixara desde o dia IB docorrente,
o lugar de Ajudante do F'orte de Gaib, que
interinamente exercia recolhendo-se nesta
data a sua respectiva companhia.
Dito Ao Tenente Coronel Commandante
do Batalhao de Cacadores Provisorio remet-
tendo-Ibe a guia do priineiro Cadete Francis-
co Firnnno Cavalcante de Albuquerque.
Dito Ao niesmo remettendo-lhe por co-
pias as tabellas de 1 a 4, a primeira que di-
zia respeiloas pegas de fardamento que ven-
cem s pracas das tres armas do Exercito,
com o lempo da durac/to ; a segunda do ar-
mamento ,*-e equijiamento cornos respectivos
valores ; a terceira das pecas de que se com-
poe urna espingarda do adarme 17, e s'mis
piceos ; a quarta finalmente da duracao do
armamento, eqoimamento, utensis. instru-
mentos blicos e insignias regimentaes, a
lim de por ellas se reger no Batalhao do seo
Com mando.
D_lo Ao Tenente Coronel Commandante
do deposito, enviando-Ihe os papis de contd-
hilidade do destacamento da Comarca de
Nasarelh relativos ao mez de Dezembro ul-
timo, cuja importancia devia de entregar ao
Yice-Consul J. .1. dos Beis.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Nasareth,
communicando-lhe o exposto no officio pre-
cedente com oque ficavarespondido oseo
de 2( do corren te.
Dito Ao Prefeito da Comarca do Recife,
remettendo-lhe para ter destino o sentenciado
Jos All'or.so (iuedes Alcanforado, que temi-
se evadido ta Forlalesa do Briim em lo de
D.seniliio do anuo lindo. Pora capturado po-
la Prefeitnra do Bio Formoso.
Dito Ao Prefeito da Comarca do Rio For-
moso acensando a recepeo do seo officio de
28do corren! \ e a entrega do sentenciado
J. A. G. Alcanforado, c de cinco recrulas, dos
quaes o de nome Joao Francisco Qcara em
castodia para ser inspeccionado c observa-
da a molestia de gota coral pie disse pa-
decer.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Nasareth.
disendo-lhe que com o seo ollicio de 27 deste
mez. se recebero 0 recrulas, que assentaro
piaea.
DitoAo Prefeilo da Comarca de Santo
Ella nao te ama Aben-Kahel.
Quem to disse )... respondeu o mance-
bo enterrando o punhal no brazeiro atao
cabo e queimando a mo.
O sen eoraco pertence a D. Carlos.
= Maldico !...gri(ou Aben-Kahel levan-
tndole e atirandocom o punhal que se
foi cravar na tena...
Antes que o sol desaparecesse para la
das monlanha? al hora em que as estrel-
las relectiram no lago, Zulmira esleve aqui :
Zulmira aqui!... comtigo I...boje...que
dizes !... e.elle se aproximoudeZara.
A verdade.
Fatalidad* : falalidade, ijepelia o man-
cebo passeando pensativo ; do. repente [>a-
rou...
Minha mi Zulmira disse-tc que
amava D. Carlos, responde:'...
Nao meu til lio.
Aben-Kahel conlinuou no seu passeio de
quando em quando algumas palavras solas
Ihesaiam dos beicos plidos e trmulos, via-se
que una violenta eommoejio o agitava".
Zara levantou-se e puchando a manta so-
bre seus hombros aiaslon com a mao os ca-
bellos que llie cobriam o rosto e pegando no
braco do filho se dirigiu com elle para a ohou-
pana ; e abra a porta ; urna rajada de vento
entrou com tanta violencia que a chamma do
braciro subi at ao tecto; a lemnestade es-
Anlo, aecusando o recebimento de quatro
reciutas dos quaes um foi posto em custodia
por allegar izempcAo coulro devolvido por
padecer visivel molestia na cabeca.
Dito AoMajor Ernesto Emiliano de Me-
deiros fasendo-lhe certoqne tendo de tomar
o Commando do Batalhao Provisorio do Pa-
ra, devia para ali partir quanlo antes em vii -
tilde d'ordcns do Ministerio da Guerra com-
municadas a Presidencia desta provincia, e
procurando saber se o seo estado de sainle,
permettia j a execucao desta ordem.
Dito-Ao Capito Commandante interino
da Companhia de Artfices coinmimican-
do-lhe o recolhimento do primeiro Tenente
Pompeo Romano de Carvalho (pie deixara
de exercer as funecoes de Ajudante do Forte
de Gaibu', desde 10 do corrento.
TEZGURARJA DA FAZENDA.
ESP1.DIENTE DO DI.V 20 DO PASaUDO.
Officio-Ao Exm. Sur. Visconde dAbran-
tes, Presidente do Tribunal do Thcsouro pu-
blico Nacional, remetiendo com os bnlancos
da receita e despeza Geral desta Provincia do
mez de Dezembro ultimo c do semestre
prximo lindo doexercicio corren le e do
passado, os quereapeiliio as mesmas pocas
as rendas applicadas oresgate do papel, e ao
rendimento de um por ccnlo de armasena-
gem addicional. '
Dito-Ao Exm. Sur. Ministro e Secretario
de Estado dos negocios do Imperio, enviando
com as contas do respectivo Ministerio (bitas
I por esta Provincia no exercicio de 830 a
| INiO, e nos doze inezes to prximo lindo.
o ornamento para o de ISISa I8tt.
Iguaes o'licios foro dirigidos aos Exms
Snrs. Ministros e Secretarios de Estado dos
Negocios da Justica, Guerra, e Marinha com
as contas e ornamentos relativos aos seos Mi-
nisterios.
Ollicio-Ao Exm. Snr. Baro da Boa-vista
Presidente da Provincia rogando se dignas-
se transmittir os precedentes officios.
Dito Ao Procurador Fiscal Interino da
Fazenda partecipando que constando nao
se ter pago a siza das parles do engenho Sou-
za sito no terreno da villa de aerinhaem,
compradas por dezoilos conlos em presta-
ces aunases de dous conlos vencendo*-se o
lava ento no sen auge e foi horrivel o qua-
dro que se offerecia aos olhos dos dous espec-
tadores que recuaram esaindo juntamente
da choca pararam na plataforma.
Aben-Kahel...disse a velha : estes ven-
tos (lesencadeados que desarreigam as arvores
mais vicosas ; esta torrente que arrasla a poz.
si os roohedos espalhando a desolacao no paiz;
o faio que tanto abate a cabana do pobre,
como ocastello drico !.., emlim o combate
horrivel dos elementos que presenciamos so-
bre nossas cabecas ; nao sao mais terriveis
do quenossas paixes !... do que eu experi-
mentei na tua idade e do que agora se passa
na tua alma Aben-Kahel !...
Ternario a entrar e tomaran seus loga-
res costumados defronle do fogo : Aben-Ka-
hel deixava condiizir-se como un/a crianca
sem responder...Mas que volcao dentro de seu
peito ..
Meu lilho conlinuou ZaYaJjixl cs quin-
to me dolororo deitar os olhos sobre a minha
vida passada!...Nao importa; eu o farei: Aben-
Kabel lembra-te que foi o amor este senli-
nienlo devastador como a chama do incen-
dio!... a causa de meiiscrimes, e da minha
desgraca.e tua !... A desgranada mulher que
te den o ser... a filha de Abilel llasam era bel-
la como a mais fresca rosa dos jardins de Gra-
nada ; pura como as nevesque cobreni es-
tes rechedos -' e que o sol nao tem calor para
desfazer !...<*ra tao rica e feliz que a todos
com razio causava inveja ... al ao momento
em que o amor tomn posse de seu coracao
pelo homem que nao ouso chamar teu pai!...
O sen nome; mas di/e-me o seu nome,
! Zara ; repeli o mancebo com inleresse :
Nao Aben-Kahel, n8o t'odirei ainda...
Basta que saibas que era um joven hespa-
nhol de cabellos louros, e olhos azues, cheio
degracas, c atractivos que ou nunca tinha
enconlradoem Mouroalgum !... Em urna das
batalhas que se tinham dado entre os nossos ,
e os Hespanhoes, \l. Fernando gravemente
feriilo tinha ficado prisioneiro de meu Pai ;
este o condiiz.iii para una nossa casa de cam-
po perto da citlade c tractando-o como um
lilho me cncarregou da sua cura; euconhe-
cia as virtudes particnlares d'algumas plantas,
e fui desta maneira que o liz tornar vida ..
Dos eterno como elle me pagou Debaixo
de todas as seduc(;es leu pai occultava urna
alma perversa como dopais m'o provou !...
Eu nao combat osentimentoque me cegava,
e arraslava ao abysmo e um dia caindo aos
ps de Abdel disse-lhe Amo oChristao !>
Mea pai qtiiz matar-mc ; eD. Fernando foi
condemnado : mas no mesmo dia em que de-
via perecer foi livre !... e quem Ihc deu a vi-
da pela segunda vez fui eu !...
A velha intei rompen o seu discurso torcen-
I
II i


\
p/'. i i.1'; pagamento cm maiu le 1821, se
fat'.i tsasario deligenciar, pelos humos, que
iulgsse convenientes esta arrecadaco; ten-
do r:n vista, que M. F. Lamen ha Lins he
quem se acha presentemente de posse do re-
ferido engonlio.
Dito- Ao Coutador da Tliesouraria parte-
cipando o conteudo no precedente ollieio a
fim de mandar procede:- aos assento. UL-cessa-
rios.
PortaraAo Thezureiro dos ordenados
mandando entregar a Me. Calmont & C. a-
quantia de l)!)5.>U12reis de urna letra a 8 das
precisos, que sacaro sobre Cairos Aclhy &
C. do Rio de Janeiro, a favor da directora
do Monte Pi dos servidores do estado, das
CPtribuiccs do inesnio .Monte Pioarrecada-
Florinda MafKns Pereira, eappellado Ber-
nardo Jos Martins Pereira tutor dos erraos
filhosdo falecido Elias .los Martins Pereira,
escrivao Rebebo ; sejulgou pela conlirmaeao
da sentenca appcllada.
Na appellacao civel do Rio Grande do Nor-
te appe-llante Antonio Dantas appellado
Francisco Gomes da Silva Kscrivao Ferrei-
ra : Ib i julgado nullu todo o processo por
Calta de Concilia^ao, e eondemnado o appel-
lado as costas.
Na appellacao civel desta cidade, appellsntes
Jos Gomes de Mello e outros e appellado
Miguel Francisco de Queiroz, Kscrivao Jco.-
mo; sejulgou pela con irmaco da sentenca
appcllada.
Na appellac.o civel do Juiso de Pireitoda
!'
das por esta provincia desde 22'de Agosto! Viih d Angico appellnte Joaquim Pereira
da Costa e appellado o Juizo, EscrivAo Re-
bello, sejulgou pela reforma do despacho ap-
pellado.
Na appeIlac,ao civel desta cidade anpel-
laiite Manoel Francisco Fduvirgens om as-
sist"iicia de eco curador appellado Mano-
el da Silva Barros Escrivao Rebebo ; sejul-
gou pela conlirmaeao da sentenca appcllada.
Na appellacao civetdesta cidade, appellan-
le Pedro Francisco de Mello appellados Pan-,
lino dos Santos Camello, o sua mulher, Ks-
crivao Jacomo ; se julgou pela conlirmaeao da
sentenca appcllada.
Na appellacao civel do Juiso de Direilo des-
p. at 22 de Janeiro ultimo.
dem do da 27
OllicioAo Fxm. Sr. Presidente da Pro-
vincia informando o requerimenlo de Fran-
cisca X. d'AssumpcAo.
DitoAo mesmo F\m. Sr. dem dito do
Leandro J. Ribeiro.
OffieioAoExni. Sr. Presidente da Pro-
vincia inforinando o requerimiento de J. F.
Monteiro.
DitoAo mesmo Fxm. Sr. idem dito de
J. F. de Azevedo.
DitoAomesmo Faiii. Sr. idem a reprc-
sentaco do Commandante das Amias de..la
Provincia relativa ao eslabeieeimento da cai-
\a do batalhao provisorio.
DitoA A. da Silva & Companhia para
apprcaentarem na contadoria do Thezouro
o plano da I. Lotera do Seminario de Oln-
da aiin de se ajusta.- a suacola.
dem do da 29.
Portara- Ao Col lector de Diversas Rendas
do Municipio de Goianna em resposta ao
sen ofikio de 20 de Selembro prximo passa-
do em que pedio esclarecmentos sobre a
reforma da Sentenca do Tribunal di RelaQfio
a favor de T. A. Cu i manes e sua mulher.
TRIBUNAL DA RELACAO.
Sossao de o do.corrente.
Os embargos de Tbeodoro Teixeira de Mel-.
lo contra Joao Camello Cavaleante nacauza
de appellacAn civel do juizo de direito da
Comjnarca de Santo Autao escrivao Fer-
vio sido emprohendidos tanta miseria sup-1 instante nao bavia soflYdo o menor abalo des-
portada sob esta dupla e gloriosa invocacao la louca tentativa a aversao do povo aOjUgo
Ella nao quiz annuir e rcpellio com nobreza nglez e o odio dos exaltados contra alguns
as ordens dos revoltosos ; ecomtudo be pro-
vavel que ella tivesse podido suspender o mo-
vimentodespedindo os ministros ; porem nao
o fez smo algum tempo depols, e so pelo re-
ceio de comprometter seus servidores e ins-
tada pelos seus conselhos h" qu se resigtiou a
assignar. Fo ento que ella .brramou lagri-
mas. O conde de Cumiares Bernardo de S
o Passos Ionio nomeados ministros e a rai-
nba obrigou-se reunir as cortes segundo as
hornos polticos. Freir bava sido assassi-
nado na ponte do Alcntara.
A 18 de Janeiro de 187)5 depois dequatro
mezes e meio de un poder dictatorial exerci-
do sob a invocaco da constituico por Ber-
nardo de S e Passos se reunirn as cortes
conslituintes em Lisboa. Na confonnidade
da Le de 1822, tormavo nina s cmara e
havio sidoeleilas por um suflragio quasi u-
uiversal. Desde 0 de Maio ostabelecero as
formas da constituico de 1822, para que ellas cortesas bases da constituido, e \ votos con-
tratassem de reformar a le fundamental do Ira 10 decretaran o veto--absoluto., as
Passos era um mancebo entbusasta
reino.
que aspirava a governar Portugal pela virliide
e eloquencia o visconde de S mutilado
como Rantzau e dotado de rara coragem en-
cobria sob a leviandade do seu genio e sua
bravura a ven tu rosa urna nmbieSo tenaz e um
duas cmaras eos grandes principios de to-
das as luis fundamentara. O proceder da As-
smbiea leve um certocarcter de transacefio :
ella pareca destinada a volar urna le, que ,
como a de Hespanba fosse o meio (ermo en-
tre a carta e a constituico. Os exaltados se
assustarao eom islo e aos seus clamores nao
sceplicismo profundo. Estes dous homens assusiarao eom islo caos
de enios mu diferentes e analmente es- 'orto insensiveis as cortes que nao obstante
a grande niaiona manifestada sobre os princi-
pios sacrificaro as pessoas e por um voto
tranbos s paixes do partido que os levava ao
poder seguiro seus instinctos um indepen-
dente do outro. Passos decretou um Pantbe-
on referendou mil decretos relativos bibli-
otecas e museos e aboli por philantropia os
combates de touros. Bernardo de S destruio
ludo oque pode ; seu principio era que as
cousas se arrnjariao com a conlnuaco como
podessem, e que aquillo que una vez era des-
ta cidade, appellnte Salvador Coelbo de Dru- rmdo i mi,1(:a "1;,IS M levantara. As Qousas
mond e Albquerque. appellados Francisco marchamo ueste andar ale o mez de Novembro
da Rocha Paz Barreo,e outros. Escrivao Ja- sem que as novas cortes fossem reunidas, e
como 5 se julgou pela conlirmaeao da swi len-
ca recorrida.
Na appellacao crme desta cidade, appelln-
te Manoel Jos de AzevedoAmorim e appel-
lado Joo Francisco Terreira Escrivao Poi-
thumo; foi asen lenca confirmada.
Na appellacao civel desta cidade appellnte
Francisco Pacheco Soares appellado Antonio
Pedro de Barros Cava (cante Escrivao Randei-
ra ; sejulgou pela reforma da sentenca recor-
rida. ,
PORTUGAL
DESDE A REV01.lt>") DE 1820.
Passos, cujasmultiplidas determinacOesen-
chiaoa gazeta ofRcial se julgou por algum
lempo o regenerador de Portugal. Mas a
do mesmo mez algumas pessoas da corte ten-
anlo execular sem que nmguem osoubesse, a-
t mesmo Os seus urna contra-rcvoliico. A
rainha parti secretamente paraBelem ; deste
lugar cliamou para o pe de si o exeroito e as
pessoas da sua corte e revogou o juramento
significativo frcarao os ministros a retirar-
se. O novo poder portan lo pareca vacilante
desde a sua origera ; eile se separa va dos seus
primeiros chefes e se va abandonado por
urna parte dos seus soldados. Isto foi um at-
tractivo para lodosos seus inimigos ; o bario
de Leiria que comniaudava ao norte levan-
tou a 12deJulbo o estandarte da revolta.
Militas guarnieres, mais importantes pelo no-
medps cidades do que pelo numero dos solda-
dos se suhlevarao aos gritos de viva a car-
ta! 7- O niarecbal ."aldanba dirgio-se para
Cstl-Branco ; o duque da Terceira cm bre-
ve se Ihe uni, educante um mez os dous
marechaes insurgentes percorrer&o o paiz sem
opposc"io. O governo de Lisboa linlia confi-
ado poderes extraordinarios ao visconde de S
e ao barao do Bonilim : Estes dous ofciaes
com as fbrgas constitucionaes a taca rao 28
forcadoque hava prestado a 10-de Setembro. Agosto em Rio Maor as tropas dos marecha-
Esta empreza m por s mesma e imprati-
cavel apresentava nina dificiildade entre
outras militas que nao havia occorrido aos
Conjuradas: Belem he separada de Lisboa ppr
um riaciio eos coiislitucionae:; apossando-
se da ponte de Alcntara, cortaro toda a eom-
inunicacao entre o palacio e os partidistas da
(Continuado do N. antecedente.)
Go/avao os governantes da IVivolidade dono- carta. To admirados como seus adversarios,
reir forAo recebidos'e reformado o accordao vo e da sua propri leviandade, quanda0|estfi*5flzerao mais do quo afeiar a erapre-
embargado mandndole subsistir o.prmeiro de Setembro os deputados do Porto, nova- za concebida, diz.aoelles pelo ministro
que reformbu a sentenca recorrida. mente elcilos, desembarcarao em Lisboa: to- britannico. Esta desaventurada cooperacq de
Os embargos de Joaquim de Barros c sua d s eles perlenciao ao partido exaltado ; e lord Howard timu aos carlistas todo o desojo
Antonio Siinoens Rossatf Freir appcllada dos juntos .gritaran : Fora os ministros! vi- recentes victorias ,
a Fazenda Nacional escrivao Ferreira ; se
julgou pela conlirmaeao da sentenca recor-
rida
va a"constituico de 1822! Esta tropa exaP-1 tempo de se dividirn, os constitucionaes lor-
iada e ao principio mais aleare que hostil tiflearao o seu amor da constituico com o odio
lu. i. do piiiupiu mil "'S,'^ i. ,. a inaintorrn ...locia ve/n novo de Lis- i rs, i,s espadase depois d- se baverem abraca-
dirigio-se ao palacio e envin a rainha sur-1 contra a Inglaterra, eueaia vezo povoaeii | ,_ ,._,/....,_,,_ ,,..... i:..,.....,_ ,u;
es. e ainda que de nina e outra parte se hon-
vesse tido mais de seis semanas para fazer pre-
parativos nenhum dos dous exerritos centa-
va oito ceios liomens. Nao he islo a prova
evidente da futilidade dos partidos e dopou-
co fundamento do todas essas guerras civis, as
quaes, qualquer que seia a causa o aggres-
sor he sem pro culpado!' Os constitucionaes
linliao omeltido urna pessima acro derriba
do a carta, e os carlistas nfio haviao obrado m e-
Ihor atacando a constiluico : era de ambos
Os lados arraslar o paiz a ruina por motivos
individuaes. Os soldados porem forao mais
prudentes do que os cheles : depois de um li-
geiro combate de infantera no qual a po-
breza porlugueza leve de deplorar perdas mili-
to sensrveis leudo os dous marechaes orde-
nado ao sen pequeo esquadrao que carregas-
se e bavendo avallado o visconde de S
testa da sua tropa acavallaria de ambos os
lados fez alto cincoenta passos embainba-
,.. mi. en ,nma,i iio nm Koni i men In do e Ira tcmisado, voltaro lielmenle as bn-
Os embargos dos administradores lo pa- presa urna depntacao que ll.e .i.l.mou q^l^^f j" T?j^-SnhTrenunci-Ldriras de seusreapectiv- cheles. Esl,s vi-
trimoni dos orlaos contra Vicente Perei- cxpulasse os ministros e adherisse a consli- unnime, lies das depois a lainlia lenunc
tuicao. Profunda commoco abalou a oven ou o seu pengoso projeelo, e recollieo-se a ci-
rainlia: a dr mais que o temor a agitara; dade no meio das acclamaeoes eiitlmsiasticas
reeordava-se que por milito tempo estivea o do poro c de fogosde alegra. Esta desgra-
sen nome confundido no coracao dos portu- cada e temeraria empreza provou tres cousas:
ra na cauza de appellacao desta cidade es-
crivao Jacome ; foj'o dispre/.ados mandndo-
se cumprir o accordao embargado.
Na appellacao civel do Juizo de dire-
ilo desta ldade appellnte D. Mathilde
o da carta : tantos trabalhos ha- a solidez do throno de I). Mara, que por um
ro-e constrangidos a assignar um armisti-
cio c os marechaes relirarao-se para o noria.
para se unirem ao bario de Leiria queainde
se conservara nos arredores de Valonea. As
loicas estarao em equilibrio e a victoria de-
i m /' Ahcn-K-ihel se no7 em ni' a raiva o or- pressores da tua patria!!! de balde que
o linchando ne los cabe js Com o>.-i- Ancn-ivan i st puz tni|ii. aiaira, i i m
...... ....ii........furor reconcentradoestaram pin- tenho querido nutrir em ten petto um justo
nador, echecue assim ao p do guarda qu gulho, e um furor reconcentrado eslavam pill-
en tinha comprado para me dcixar fugir!.... lados en, seu bello, e plido rosto.... os be.- resentimente contra ellesi..... oh. me,, (iho
lembra-te que e por sua causa que nos esta-
do as mos,
frenes :
__ Ten na i uuoria partir para o campo dos
Chrslaos, masen nao me querendo sepirar Mas apenas se tinha aberlo aporta fatal que (^ tren..am-lhc, e os ollios el.amn.ejavam-
delle nao lhe arranjei os meios seguros e ineus olbos viram brilhar o ferro de um pu-
deixei-o ficar escondido na gruta do que eu \ uhal. e ir ferir o peito do guarda infiel......
mi sabia a existencia...Via-o muitas vezes s 'm \ dei um grito, e meus labios balbuciaram o
innguein suspeitar ; fo durante este tepipo nome de Fernando!.... nin^uem^me respon-
uue me un com elle debaixo das formalida- deu e s vi urna tropa d'Hespanboes mtro-
qu
des da niinha religio ; naquelle tempo apc-
!:as corriera va a conhecer a .sua .. Aben Ka-
bel ; tenho ebegado ao momento terrivel; ...
deiza-me tomar algum animo para lereptlir
a iirinha desgranada historia.
ZaVasuspirou profundameijte; e eonlinuou
depois.
Alguns mezes cram passados quando dis-
se a,D. remando Vo'u ser.M; mister,
fugirmos.Elle deseorou....... Insensata,
jutauei que era d^prazer! Em fin i). Fer-
nando partu s__ e-ajuslpu comigo a ina-
neira
duzirem-se npCastellodando gritos de .norte
e vinganca!... Perd de. todo os sentidos, e
cahi*por Ierra ; como eslava de preto nao rc-
pararam em mim.... Quando abr os olbos par-
ifcomo louca por cia de cadveres, e pan-
gue atravessei o Castello deserto, e s pb-
vondp de morios! al que cheguei ao quarlo
de meu pai, e dei com elle agonisante estn- quera offender.
lhe!....
Nao, nao, repeliu elle: D. Fernando,
nao meu pai.... eu o reriego... Dize-me,
dze-me aonde est esse homem que quero la-
var noseosanguea tua afronta !.....Quero ser
um reprobo! um parricida!.... Zara o teu li-
bio quer-te imitar!....
Todos os msculos do corpoda velha se tor-
ceran!, e o rosto lornou-se medonho.
Assim deviaser, mumuroo ella; Aben-
Kahel deitou-se a seus pes.
Mai perdoa-me, perdoa-me. cu nao te
rtido no meio do chao !......Quando me vio
ainda leve a torca de estender o braco, o foi
urna maldieo que seus lvidos beicos pronun-
cia ram contra mim!.... Justica eterna !... Eu
d nos loriarnos r: ::ni;-.....'Meu pai I sou parricida!.... Ah Aben-Kahel, Aben-
nfio Buspeitava nada.....Pedi-lhe com o pre-
texto da niinha saude cpie parlisscmos para
outra casa que ludamos mais longo d < -
nada; era um Castellu [meort para ae
l'eza-. da Cidade. As tropas OOS.Chrisiaoa
tinhaiu aproximado, e eraai que ten pai de-
i,\ia yirdistor^ado para me levar!.... Na imi-
te terrivel desci tremendo as oseadas do Cas-
tt.jio ,..... i-assei plida diante das sentiircltaa
Kaiei tem piedade de mim!
Zara, eclle?.... diseo mancebo.
Elle, coiitnuoii a velha com violencia.
Levanla-ta AbiCn-Kahel, disse ella le-
vantando-se lambem. O meu corado insen-
sivei como a pedia desla rocha tildo recebe,
sem se alterar!..... Mas tu meu lilho, meu
Fernando, meu Aben-Kahel tu s joven; tua
alma ardente, e virgem de sensacoes esta ex-
posta teropestade das paixOes-E.. ab! nao te
arrisques sobre o simples baixel nesse Oeea-
No me quiz ver, e abandonou-me a meus \ no iudomavel!.... Escuta os conselhos da tua
remoran!.,.; Algum tempo depois quando desgracada Mai!.... fogecm quantoc tempo
as tropas d'lsabel, e Fernando entraram em
Granada, e que eu te apresentei sobre meus
bracos a seus olbos; elle repeliu-uie, e disse-
mc que tu nao eras seu fillio!!!
os olhosda llespanhola engaadores como os
do basilisco!. Aben-Kahel que do fruto de
meus trabalhos!.... Foi emvaoque teliz beber
cm men leite o odio eterno aos infames op-
nrios proscriptos sobre a Ierra de nossos pais!..
Queeu vivo miserarvel, e abandonada de to-
dos sobre este rochedo rido!.... Que os meus
dias se tem consumido entre desgranas e do-
res!.... \
Zara, Zara; repeliu o mancebo passe-
ando agitado na gruta ; c a mai o segua!...
Lembra-le que por sua causa contnnou
ella, que o teu nome amaldicoado com rai-
va, c desprezo!... Que a tua pessoa compa-
rada a Satanaz!.... e que a tua cabt'ca est a
proco!!.. Aben-Kahel, Aben-Kahel nao me
juraste tantas vezes pela niorle de Abdel vin-
ganca eterna sobre todos os llespanhoes Fi-
Iho s perjuro lambem ?!....
Nao., disse "o mancebo taciturnamente,
Zara veneeste o meu coracao! Adeos!...
A'vinganca !. e sabio precipitadamente.
A velha cahiu sobre i pedra caucada peloses-
forcos que tinha toilo, maso m:u rosto bri-
Ihava de urna alegria feroz.... Assjm como o
braseiro pouco a pouco se hia apagando por
falla de alimento ella foi cediendo ao sbmno;
e algum lempo depoiso lume eslava apagado ,
e Zara dorma profundamente defrontc des
cinzas que o vento espalhava.
Conlinuar-sc-ha. )


penda depois de haver servido no exercito da rainha
Christma voltava Portugal sob as ordens
,lo visconde das Antas. Este general decidi-
se pelos coiistitucionaes. e depois de iim com
Late sanguinolento dado em Raives a 20 de
Siembro, os restos do corpo.carlista forfio o-,
brisados a refugiar-se na Caliza.
Nestas circhfancias-as corles denlo ao mi-
nisterio poderes extraordinarios, c suspende-
rn em lodo o reino-a liberdade de imprensa
fas garantas individuaes. Desde o mez de
Marca que o Algarve e Alemtejo aviao sido de*
clarados em estado de creo para reprimir a
insur eicte de un partidista iniguelisla cha-
mado Remechdo. Esta providencia foi es-
tendida por causas anlogas outras partes do
territorio de sorlc que depois da revoluco
de Selembro at a proclamarlo da nova cons-
tiluicfm, Portugal foi quasi inteiramcute sub-
mettido um rgimen excepcional. Deve-se
todava por amor da juslica di/er que si os
pailidos uo duvidaro perturbar- o sen paiz
eom frivolas revoltas a geral ndilferenca e a
futitidade das causas produziro ao menos um
nObre resultado que ellas nem sempre arras-
tao o esquecimento dos odios depois da vic-
toria. O tacto de B^Iem tiuha sido considera-
do como nao existente ea rainha pode recu-
sar a sua saneco ao decreto das cortes que
privava os cheles cartislas dos scus postos.
Durante 5 mezes (fuma insurrcic/io feita em
sen nomo, parece que a rainha devia correr
graves perigos : as proclamaQOes de ambos os
partidos erao as mais violentas mas o (pie os
conslitucionaes censuravao sobretodo aos car-
listas era perturbar j reino no momento da
gravidez da cainita. As, imprudencias que
o ardor de urna joven coragem havia arraslado
o principe Fernando de Saxe-C.obourg se-
cundo marido da rainha forao tamhem fa-
cilmente esquecidas. O poyo portugus, que
Up cuidadosamente se informa dos pormeno-
res da vida privada dos seus principes, era re-
(oiihecido terna all'eigao que o re i havia sa-
bido inspirar .-i rainha, c o nascimenlode al-
guns lilhoscxaltou depois anda mais as sym-
patias da nacao.
Os movimentos dos carlistas tiverao por u-
nicoeffeitoconfirmar a ruina da*caria, echa-
mar direceo dos negocios o visconde de S e
n baro do Bonilim. As cortes, mais tranquil-
las tomarao o lio das suas discussoes sobre a
le fiiinJainenlnl. A iiovacoust.iliiicao difteria
da carta principalmente em que os senadores ,
elegiveis segundo us calhegorias erao nomea-
dos pela rainha sobre urna lista trplice de
candidatos, lima modificaban mais importan-
te as ciises actuaos loi a cieigao dos depula-
dos por suffragios directos com um censo muito
liaixo ; excluiro-se da cmara os funeciona-
rios 5 a admissao desta ultima clausula devia
ter em resultado destruir toda a influenciado
governo as cortes. Desgranada mente a lxa-
cao de um subsidio consirferavel fez dasfunc-
Qes de deputado um modo de vida. Vivendo
nuiilos driles soniente dos seus salarios e a-
chando-se su jeitos para a sua cleicfio influ-
encia do governo ou dos clubs a independen-
cia e dignidad!) que se haviao imaginado tor-
narao-se nominaes, Porein o mal que ne-
nhunia consliluieao podia remediar, aggrava-
va-se cada vez mais : a 14 d'Ouliibro de 1857
a banca-rota bi do fado proclamada ; a ne-
cessidade de saldar os vencedores esgotou as
ultimas reliquias das nai.casdo estado. Foi
preciso recorrer medidas que todas destruido
o crdito sem dar alivio ao thesouro, e sobre-
carrcgavo o futuro sem remediar o presente :
os clubs nao eslavo satisfeitos ; as ideias mais
exaltadas nao havio ti iumphado as cortes :
nem todos podiSo ter sido recompensados
medida de seus excessivos desojos. O hata-
lhao de operarios do arsenal, que havia quin-
ze dias dava signacs nao equvocos de descon-
tentamcnlo insurgio-sc abertamente a 15 de
Marco de 1858. O barao do Bomfim fez cer-
Fumo
Geoebra Botijas
Licores garrafas
Melar.o
Sola e Vaquetas Meios
Tatajuba
Toucinlio
A sorte dos ministros estava desde entilo liga- dem ; nao podem verificar a percepcao dos
da manulencao Ja ordem e Bernardo kppostos, as naneas esto na ultima penu-
ria S tomou allbutainente o sea partido ; na e a corrupcao administrativa ejudiciaria
marchoU com o barao do Bomfim contra os j nao cessa de devorar lentamente a sociedade.
revoltosos, queforocnnipletamen te destruidos Nflo^e poderia dizer o que he na realidade es-
depoisd'um renhidoe sanguinolento cmbale.! se poder confuso e oscillanle que se sustem
Depois disto o partido do arsenal como o pela fraqueza de seus inimigos ; ao menos ha
Chaman tem tentado novas revoltas e a- alguma cousa bem pacifica e moderada que su Tapioca
meacado maisde urna vez atranquillidadedo quer viver. Este governo seria conslilucio- Moeda
reino; mas a jornada e 15 de Marco havia i nal, si se executasse a conslituicao e pode- Gneros m indos e gasto
irrevogavelmente lixado a posigo do governo. I ria chamar-se popular, si o estado dos ani- Km barranes
Desta sorte, quando a 4 de Abril a rainha | mos nao separasse o povo de (oda a parlici- Valor da Exportoc.Su
presin juramento nova consliturao e deo' pacao nos negocios pblicos ; tal qual elle he,
una amnista geral para o passado os cartis-' devem-se fa/.er votos pela sua conservado:
tas e,a porgan moderada dos conslitucionaes se i a duracao he o primeiro dos elementos da
acharao naturalmente reunidos contra o part- forc,a c da moralidade.
Rs.
das
10." i
1"
:,;:;
346 C'
&>303
W q.
107 a
132 J
12: I MI., >: 1
V
2:352*898
634:907*601
77:084ji4l
(C.onlinuar-se-ha.)
M1SCELLANEA.
PARAB0LA8 OKIEXT.VKS.
Fm bomem ia Svria conduziudo o seu
Valor dos Direitos.
Esta exportacaoeirctuou-se em 29 navios,
das segundes nacoes | \nstriaco, 5 Ame-
ricanos, 1 Brasfieiro, I Dinamarquez, 5
Franceses', 1 Hamburquez, I Hollandez, 9
llespanhoes, 7 Ingle/es 5 PorCuguezes c
6Suecos; ronfeudo8f04toncllads, e tripu-
lados por353 pessoas.
l'iucv do RECIPE .'i DE PETEREIRO.
Revista CommerciaL
do mais exaltado. Ellcs se confundirao de-
pois sob o nome de amigos da ordem.
Tal he o imperio da raso; tanta forra
tem o instincto da conservando que al no
pequeo numero de t omens, que dominao e
agitan a sociedade o partido do bom senso
corita em Portugal urna grande maioria. 0 camello pelo cabresto : de repente apossa-se
mal est muito mais na falta de accordo entre do animal um terror pnico levantarse com j
os partidos e senlimentos nacionaes, naau- pipeto, escuma e salladum modo Uo hor- Cambio Fizcrao-se pequenaastransacOes i
seneia de homens de experiencia e de carac-j rivel que seu dono o abaiidonua com'angustia, a ti'. d. por mil reis.
ter. do que novicio dos principio* polticos e escapa-se. A pequea distancia da estrada Algodo As entradas tem sido pequeas
lomados por si mesmos. lie porem urna ver- avista elle um lago profundo e como anda e as vendas forflo diminutas
dade Uloextraordinaria como triste queem ouva osrmchos furiosos do camello, procu-i 6#000por g.
quanto a nacao anhela somente o repotiso, e ra refugio e cabe no lago ; mas um arbusto Assucar 0 Deposit om caixas pequeo
a maioria dos que tem parle no governo se li- 11 he serve d"arrnio ; agarra-se a elle com as Tem'-sevendido a 800 reis sobre
ga ao sistema de ordem e estabilidade os duasmAoS, e lauca por todos os lados um o- o ferro o bronco ede 000 a (J.'iO
principios tem sido de continuo sacrificados lhar inquieto. A pos elle vm o camello ter- o mascavado.
s paixoes anarchicas. Isio parece aulhorsar I rivel que nao o perde de vista nem um ns-I Couros Conlinuao a ser procurados a l."l)
aopiniao admttida em Franca, de que na lante. No abismo est U'm dragan (pie abre j por Ib.
Pennsula todos os partidos sao extremos, una goela monstruosa e parece aguardal-o Cha efiectiiou-se urna venda a (730 em
Km parte alguma, ao contrario hcocynis- para o devorar. A seu lado descobre deus eonsequencia do augmento dos
mo da indill'erenca to grande etao commum, ratos, ;m b raneo outro negro que alterna- "direitos deste artigo,
c e.*ta mesma indill'erenca produz os elleitos ., tiyamente rem e dilacerao a raiz do arbusto' Bacalbo Sem alteraco e o deposito de
que engaan' o espectador (lisiante. A socie- que lhe presta apoio. 0 desgranado all Dea 7000 barricas,
dade be tac dividida as dissencoes polticas gelado de terror, ngo vendomais para s re- Farinba de mandioca -Tem sido procurada,
eadesgraca, esta grande causa de immora- tiroaigum, nem meio de salvacio. Sbito' e lem-se vendido de 5,000 .i
lidade tem de tal sorte quebrado todos os \ descobre nuin pequeo ramo do seu arbusto'
laco.s e todos os coracoes, que s restflo ato
mos inertes Nada os une nada faz corpo ;
a menor forga organsada se faz sem cusi
obedecer ; nao encentra sinao individuos so-
lados e desanimados'.' Todos os inleresses
tem sido esmagados todas as ordens destrui-
das as corporacoes enflaquecidas ; as cinzas
licarao esteris; nao se tornou a compor urna
naco nova e nos pontos extremos da cadeia
poltica existem duas torcas compactas de o-
5,500 a sacca.
algumas fructas. e no mesmo Instante deixa \ Manteiga A Ingle/a tem-se vendido de 523
aivado camello, a goela do dragAo, 580-
de ver a
a pasmosa actividade dos ratos. Fstende a
inao s fructas colhe-as, e saboreando-as
esipiecc-.se dos seus temores e do seu perigo.
Talvez perguntcs, quem ser esse lonco
que to depressa osqiuva um perigo mortal ?|
Poissabe amigo que esse lal es t mesmo. i
O drr.gao do lago 0 abismo da morte sempre I
aborto. O camello a angustia da vida. Es-
e a rranoesa de 300 a
310. Ha faltada (ng/eza.
Potassa A Americana lem-se vendido de
180 alOO e a da Riwsia a 200
rs. a II).
DECLARACES.
rigem bem d Hieren le urna be antiga a ou-: tas suspenso no arbusto do mundo entre a.vi-
tra toda moderna, mas parecem-se em que el-
las sao dotadas de movimento e que se diri-
gen igualmente s naixoes violentas. A' som-
bra da divisan universal, c de um septicismo
da e a morte. Os dous ratos que rocn as
raizes do arbusto o dia eanoile; c nesla
situacao engoda-te o fruclo do prazer. Es-
queces as angustias da vida as aineacas da
moral anda mais corruptor do que oda ntel-j rnorle curso rpido dos dias e das nuiles .
ligencia ellas tem alternadamente arraslado, | para procurares a plaa do deleite margem
nao a nacao, immovel em sua inercia, mas do tmulo.
os successivos, e diversos governos que S ----------------
Providencia Ibe tem enviado. Si o vento so- Viajava um bomem a cavallo com um rr.ia-
pra do lado do absolutismo dominao os fia- do (pie caniinhava a p. O cavalleiro galo-
sai para a Babia
. sai para Mace,
A Sumaca Bollo l'.liziu ,
no dia 7 do concille.
O Talacho Aurora Feliz
no mesmo dia.
Publica-se para conheciment de qnem
conver que no dia 17 do crrente deveriiu
principiar os Iralialhos das aulas do Lyceo
pela ordem seguinle : a de Falim das oilo
as onze lloras da manha : a de Rhetorica, das
oilo as de/.: a de Filosophia, das dez asdo-
ze : a de Inglez das oilo as dez : a de Fian-
ce/ das dez as do/e : a de Gcographfi das
SasIO: a de Geometra, das I0si2: a de
des, c dominao e opprimem exclusiva e f-
cilmente porque s nelles existe a forca : si
a tempestado reconduz as ideias liberaes os
clubistas e exaltados cereo o poder ; seu nu-
mero he pequeo; mas os moderados tem
grande trabalho em subtrahir-se ao sen im-
peno i porque s aquelles sao unidos e acti- Que importa dase o cavalleiro: pregos por I 7urante o anuo lectivo: os que se qusereii
vos. Basta-Ibes afluir um ou dous reg- .aqu, pregas por acola, nfio nos falfo pregos; |
montos: ao primeiro tumulto corrematri- caminhemos,
umphflo sem resistencia, e a populado intei- ; Dahi a pnuco. brada-lhe o criado onda vez :
pava por montes o por valles ; o criado fiel
corra aira/ d'elle, e mal poda acompanha- ^^^^7Ta"dVto;ah-
lo. Senhor benhw grito., d improviso cjona| (|as 0t() as (I(1/. (1 fl (,e ,Iisloi,a Xji(m..i|
o criado prudente, la cabio um pregodafer- dajj (lozils ll(), A ma,rCIlIa (>stara aderbl
radura do vosso cavallo; ternai a p6-lo em ^ as Ao,as at 0 ^ ^ de M
Seu lugar se nao queris perder a ferradura.- ^ dfl ^ m ((,m ^^
ra conserva-se passiva. Com indillerenca he
apeado um ministerio ; com indillerenca he
posta por Ierra una conslituicao ; e diz-se I Que importa
matricular devralo apresenlar os seos reque-
rimenlos na Secretaria do Lyceo, apompaqha-
dos do competente conbecimento de matricu-
la e em que declarem seos nomos. (iaces,
nlo quiserdes perder o vosso cavallo .^^ nalm,,|i(laill,s 0 mora(lias, ,,,,,, Sl.
S-nlior. Senhor, l cabio a ferradura ; se
diz o cavalleiro ; ferradura por
enlao que he a voz do povo e do ejercit que aqu, ferradura por acola nao nos fallar ;
se fez onvir e em Franca a inercia da nacAo
portugueza he tomada por um signal de as
senlimento.
Mas talvez. Portugal marche para melhor
futuro talvez o presente valha mais do que
o passado. Portugal desenibaracon-se da es-
phera d'acco da Hespanha resisti imita-
qiio das ultimas crises de seu turbulento visi-
nho ; este fado s por si he de um feliz presa-.
caminliemos.i) Mas antes que o criado dsse
tercero aviso, o cavallo topa d'encontro a
una pedra ecahe. O cavalleiro deixa a sella
ecaniinha penosamente a p a par do seu
criado.
COMMERCIO.
car o edificio do arsenal pela tropa de linba e
us revoltados forao os primeiros a fa/cr fogn
sobre os soldados: foi urna poca verdadera-
mente critica para Portugal. Os novos minis-
tros conslitucionaes linho que lultar pela
primeira eno pela ultima vez com os cons-
llucionaes revoltados com aquelles mesmos
que faziao a sua for^a contra os carlistas com
o nico exercilo activo do partido da cons-
tituco. Por aso Bernardo de S cui-
dou mais cm operar una trausacQo do
(ue em restahelecer a ordem ; ordenou
tropa de linlia que se relirasse, e deixou ao
batalho do arsenal as suas armas e posicao.
Kstelatalliaocxaltadopelavanlagem que pare- cionalidade. Os COnsttOConaes moderados
ca haver obtido, uno-se outros baalhoes da! possuem ha quatro anuos o poder que ei-
guarda naciona
gio ; be um signal de vida, unta prova d
individualidade. A rainha Christina cabio
coberta d'insultos, em quanto o tbrono de
D. Mara be sustentado pelo allecto e respei-
to. O partido exaltado hespanhol se divido ,
eos conslitucionaes portuguezes se ti nem aos
carlistas; isolar-sc de loda a influencia es-
trangeira nao importa porque caminho be
dar o primeiro passo para a liberdade sincera.
A conclusao das negociages entaboladas com
a Santa-s pelo visconde da Carreir olTereoe
um progresso anda mais til. A unan de
Portugal com Roma pode abrir ao novo rgi-
men o caminho para a conquista da sua Da-
l, e oceupou no interior da! les tem oxercido ao principio sos e depois
III ZIMO
De exporlaeo da Provincia de Pcrnambuco
para lora do Imperio no mez de Janeiro
p. p.
Algodao saccas "718 com
Assucar caixas ."l(>3
Feichos 319
Barricas 7978
Saceos 12032
poder proceder a matricula.
Lyceo 3de Fevereiro de 1K2.
O Secretario.
< Joo Facundo da Silva Guimares.
AVIZOS DIVERSOS.
dade
A saber
14.803 @i Ib.
I.alas
IS
cidade postos formidayes. As cortes oppu-
nho-se a toda a medida vigorosa e se in-
clinavo insurreico; foi o que a perdeu.
reunidos aos cartistas. He verdade que os a-
migos da ordem como elles se cnaniao tem
raras vezes a possiblidade de manter a or-
Aguardent- pipas 170
larris II
Garafocs (5
Couros salgados
Chifres
Cobre velho
Charutos
Caf
Cravo
Doces
Farinha de mandioca
i3J* A spsso da sociedade me-
did ica transferida de segunda
fera para a quinta fe ira i0 do eor-
rente mez as horas do costume.
=r A pessoa (|uc annuncou no Diario de
Sabbado, querer tallar a Vicente Perchado
Reg Professor da Lingoa Ingleza quera
W)X;. -27 < Ib. dirigir-se ra do Collegio D. 10 1. andar.
%-r OsBll>etesda2.* parle da 5.a Lotera
a favor das obras da Igreia de N. S. do Livra-
mento nesla (lidade ; acho-se a venda nos
lugares segundes = Bairro do Recife as io-
jasdosSnrs. Vieira cambista e Joo Jo/e de
carvalho Muraes =a S. Antonio lujas dos Sis.
Joze de Menpzes Jnior ra do collegio Pra-
fitas ra das 8 Pontas Randcira ra do cabu-
g Joo Moreira Marques, botica na mes-
ma ra = Boa-vista lojadoSnr. Jo/e Igna-
cio do Monte ; c tambem so vendem na loja da
Thczoureiro da mesma Loleria ra do crespo
29,069 C.'
20.101
2,800
r>.r,2!) ib.
71,400
100 ti
;it <>
1,110 Ib.
4,770 Alq. D. 9.
\.


m.
as
4
V
tsr O Snr. Antonio Joze Marques ttat-j 52^ Obras;de prata velha : na ra do
cal da Ma quena annunciar a sua morada Queimado D. 12.
XP A Theologia Mora! pelo Padre Monte ,
que selhe dezeja tallar.
tsr Dezeja-se saber nesta praga, quem se-
1 1 t? I 14 1 .1.. r* .
Como se ignora a morada do Snr. Pe
sein uzo ou mesmo uzada, sendo que este-
ja em bom otado : na ra de Agoas verdes
D- 56 ou annuncie.
S25** Uma crrente com chave de ouro para
relogio : em fora de portas venda D. 21.
Sjy Al mil barrizinhos proprios para do-
ce, eu a 4o arrobas de doce de perluxo, em
pequeas ou grandes porgoes ; assim como
qualquer porcao de fructas proprias para do-
ce : na ra da Madre de Dos loja D. 21.
^>-S2r Un? compendio de Rhetorica pelo Pa-
dre Marinho : na ra de Agoas verdes 12.
5S7" Para fora da provincia negrinhas creo-
-1 las e de naco sendo de bonitas figuras, e
(ue ja abri a sua aula no dia (|e jdade de 1 4 al 8 annos, e moleques cre-
los da mesma idadc : no forte do mallos no
beco da Boia no segundo andar do sobrado de
4 ditos de grades de ferro das 9 horas da
manila as 3 da tarde.
535 Escravus moleques e molecas para fo-
ra da provincia de idade de 12 a 2o annos ,
com prendas ou sem ellas os quaes se pa-
gao bem sendo boas pegas : na ra da Cruz
n. 25 no segundo andar.
tsr Escravos para fora da provincia de
idade de lo a 2o annos, sendo de bonitas
ja correspondente do Sr. Joo Manocl de Bar-
ros Wanderley l.ins, queira ter a bondade
du annunciar a sua morada.
tsr -
droJoze de Liw roga-se-lfie queira annun-
ciar sua morada para se llie fallar ou baja de
dirigir-so a praga da Independencia loja de
litros n. 3" e 38;
Iflf A pessoa que annunciou ter um at 2
bahiis de 4 a 5 palmos ,* queira ter a bondade
de annunciar a sua morada.
tsr Francisca de Paula Jovita Pernambu-
cana, professora particular em OlinJa avisa as
suas aluinnas
A do corren te.
tsr Avisa-se ao respeitavel publico que
pessoa alguma contrate negocio sobre a es-
crava parda de nome Marcianna vinda pr-
ximamente da ('.idade do Rio Grande do Nor-
te, por se achara mesma escrava letigiosa ,
cujo processo est afecto a Helacao desta Pro-
vincia por apello ; sob pena de a perder quem
a comprar e pagar os das de servic.o caso
sahiu a demanda contra quem a venden.
tsr O Snr. Nicolle ltimamente chegndo
a esta praga, tem a honra do avisar ao res-
peitavel publico que acaba de receber de
Franca ptimo azeite doce da mais boa qua-
lidade comotambem tem agoa ardente de
franca, absinlho c outras couzas para uzo dos
consumidores; ludo por prego rnui.o rasoa-
vel : na ra Nova I). 7.
S3- No dia 9 do correte tem a Veneravel
Ordem Terceira de S. Francisco de expor aos
olhos dos fiis um dos actos mais tocantes
danossa S. Religiao como aja a roeissao
de Cinza e para isso roga a todos os mora-
dores das mas por onde tem de passar hajo
de ter as testadas das portas limpas, e as ras
qnfi tem de passar sao as seguintes : da Ca-
deia de S. Antonio dita do Recite, da Cruz,
dos Tanoeiros Alfandega velha do Vigario,
lieco do Azeite do peixe iua da Madre de
ligurrs pago-se bem : na ra do Collegio
D.5.
~\ENDAS.
Dos ra
do Colegio
pracinha do Livra-
mento ra do Livramento e Direita lar-
go do Terco ra da Agoas verdes beco de
S. Pedro Pateo do Carino ra do Rozario
estreita ra do Queimado e das Cruzes.
tsr Precisa-sede urna ama de leite qe
nao lenha Ribo : na ra da Conceicao da Boa
vista casa de Rufino Comes da Fonseca.
O Precisa-se alugar um sobrado em
qualquer ra do Recife preferindo-se na ra
da Cruz ecadeia ; quem tiver annuncie.
tsr O abaixo assignado comprou por corita
do Sr. Jos Martina Ferreira, do Ass dous
bilbeles da 2.a parte da 8.* Lotera do thea-
tro, r.. 247-4, e 2503.
Emygdio Joze Pereira Guerra
tsr Quem precisar de uma ama para o ser-
vico de uma casa dirija-se a ra do Noguei-
ra n. 6.
tsr Tendo sido convidada a Irmandade
do Snr. Bom Jess dos Passos do Recife ,
para acompanhar a Procisso de Cinza no dia
9 do corren te roga-se aos Srs. Irmos ou
aira, qualquer pessoa, que tenha em seu
poder opas pertencentes a mesma Irmandade,
se dignem comparecer naquelle dia pelas 2
horas da tarde na Igreja do Corpo Santo ,
011 no caso de impossibilidado dirigi-Ias me-
diatamente ao Sacristo da dita Matriz ou
ao rmo Thesourciro isto a fim de se po-
der concorrer para to edifican le acto da nos-
sa Religiao.
S2F" Urna morada de casa terrea por de-
traz da Igreja de S. Consalo : a fall r na ra
do Collegio por cima da botica D. 5.
^ 5S7* Chapeos de sol de seda de cabo de osso,
babados de linho proprios para toalhas e len-
ces por prego muitocommodo : na loja da
quina do beco da Congregago D. 21.
*M2r Chapeos de sol de seda de cabo de osso,
babados de linho largos proprios para toalhas
e lences por prego mu i lo com modo : na
ra do Queimado D. 5 lado do poente.
-^t^- Volumes das leisdo Imperio do Brasil
de 1822 a 184o, memorias da eampanha de
D. Pedro revoluco franceza historia na-
tural dita deNapoleo guias dos colecto-
res c collectados thesouro de meninos voz
do profeta Simo de Nantua regulamen-
tos das alfandegas Talismo historia do
Brasil manual do agricultor brasileiro, no-
ticias descriptivas da provincia do Rio Grande
de S.Pedro do Sul vademeco das G. N. ,
novas guias das G. N. obras completas de
Camoes modelos para OS meninos ; as se-
guintes novellas : casamento por vinganga ,
Leocadia ou a innocente victima do crime,
Valeria ou alma de outro mundo, Malina,
noiva brasileira forga de Uiua paixo So-
fronimoe Termira vida e amores, I)
competente folheto superiores bichas ham-
burguezas ltimamente chegadas grandes e
pequeas por prego commodo : na praga da
Independencia loja n. 2o.
tsr Para liquidago de contas vende-se
uma morada de casa cita por detraz da ribei-
ra do peixe travejada com 101 palmos de
fundo livres Je paredes e 27 e meio de lar-
go e com 16o palmos de terreno no fundo ,
tambem se vende so,a casa com 5o palmos
para quintal ; uma canoa nova muito bem
construida de boas madeiras para conduco
de agoa uma dita em bruto com 5o palmos
de comprido uma porcao de caixas para as-
sucar bem feilas e de boas madeiras a 6
rs. cada'urna : na ra da praia serrara do
Cardial.
cy- Uma escrava que paga 48o rs. por dia
por 2">o0 rs. : na ra de Agoas verdes venda
que foi ilo Zacaras.
tsr Uma banquinha e lo cadeiras de
Jacaranda, .ja uzadas : nesta Typografia se
dir.
tsr Um chapeo armado para oficial supe-
rior um bonel com galo e um fiel de ou-
ro tudo novo : na casa D. 13 da ra do Li-
vramento de manh at as 9 horas, e a tar-
de das 2 as 5.
tsr Um bicudo muito bom cantador de
churameMa e he bastante antigo de gaiola ,
uma macaca grande mut0 nianca, uma gaio-
la de rame grande para se ter um casal de
passaros : na ra do Livramento D. 13 ou por
cima da loja de couros casa aonde morou o
Snr. Antonio Joaquim de Mello.
tsr Um escravo crelo de bonita figura ,
de idade de 2o anuos bom canoeiro e pes-
cador, a vista do comprador se dir o motivo-
na ra do Queimado loja D. 17.
tsr Esleirs de carnauba chegadas ltima-
mente para salas e marquezas por mdi-
co prego : no pateo do Hospital venda I). 1.
"^SU* Meias curtas de linho rozetas de ou-
ro babados de linho largos para toalhas e
lenges chapeos de sold seda, e toalhas
de linho ; tudo por prego commodo : na ra
do Fagundes D 4 sobrado de um andar.
tsj~ Carne salada de superior qualidade ,
e recentemenle chegada de Inglaterra : na
ra da Cadcia do Recife n. 18 em casa de
Russell Mellors & Companhia.
tsr Cartas dejogar a que chamo portu-
guezas, fabricadas no Rio de Janeiro, o ni-
co depozilo nesta praga he na ra do Vigario
D. 3o casa de Joaquim Osear Elster onde se
vendem pelo diminuto prego de 1^3oo rs. a
duzia attenla a sua superior qualidade.
tsr Travs de 55 a 4o palmos de compri-
mento e 7, 8, e 9 polegadas em quadro e
das melhores qualidades como sejao sapu-
cairana bom nome iniberiba prcta e sa-
pucai veradeira cm porgoes ou a retalho,
ESCRAVOS FGIDOS.
fronimoe Termira vida e amores, I) Ignez pucai veradeira cm porgoes ou a retalho,
de Castro diaho amoroso religiao amor e para as ver as obras do Sr. Cunha e para
patria, 5 das de vida, dote de uma irm o ajuste na ra do Vigario D. 5o.
ponte dos noivos amor ofi'endidoe vingado,
o quebrador de Imagens urna desgraca cm-
plela amores de um ladrao Vinjinita e
Ileitor, osefTeitos da sympalliia Napoleao
ou a espada de pao doce o ladrao por amor,
o anjo da guarda, o noivo defuuto, a constan-
cia do amor Magdalena ou amante desgra-
nada Fabiana Colomba ou a vinganga
corga o segredo da confisso o lilho da lou-
ca D. Marlins de Freilas Bertha ou aman-
te en feliz o egode nascenga museo uni-
ss^* Excedente farinha de mandioca em
sacas dealqueire e dita muito fina de Mag ,
arroz pilado em vapor tudo por prego com-
modo : na ra dos Quarteis padaria D. 5.
iQr- Cadeiras de palhinlia Americanas,
marquezas de condur camas de vento com
armagao e sem ella mui bem feitas a 4o00 rs.
ditas de pinho a 5,*o0 e mezas de jantar ,
assim como outros muitos trastes, e pi.ho
da Suecia com 3 polegadas de grossura e
. dito serrado ; ludo por menos do que em
versal, bosquejo histrico, compendio de mi- ioutra qualquer parte : na ra'da Florentina
filologa e oulrcs umitas novelas: na ra em casa de J. Beranger.
AVISOS MARTIMOS.
txr Para a Baha segu viagem com a
maiorbrevidade possivelo Patacho Bcja Flor,
forrado e pregado de cobre recebe carga e
passageiros para o que tem excellentes com-
111 odas i quem no mesmo quiser carregar ou
ir de passagem dirija-se a ra do Vigario nu-
mero 7.
%~r Para o Rio de Janeiro sahir com bre-
vidadeoBrigue Incansavel Maciel quem no
mesmo quiser carregar embarcar escravos ,
ou ir de passagem para o que tem bons com-
modos dirija-se a ra da cadeia D. 21.
SST Para o Rio de Janeiro com toda bre-
vidade o Brigue Nacional Bom Jess por
ter a maior parte do carregamento prompto ,
para joquena porgo de carga e passageiros ,
Irata-se com Gaudino Agostinho de Barros na
Pracinha do Corpo Santo D. 67 ou com o
Capito Joio Rodrigues Amaro a bordo.
do Vigario
.n-
COMPRAS.
tzy Urna prela creoula moga de boa figura,
sem achaques que saiba bem engommar e
ci.sahoar e coser no beco do capim vol-
tando para" a ra da senzala D. 2 ou annuncie.
do Vigario n. 16.
SSF" Potassa Russiana : na ra
casa Dcima 15 a tratar com Ignacio
Ionio Borges.
C7- Mantciga in^leza a 52o rs. dita fran-
ceza a 28o, uma porgao de 5oo a 5oo caixas de
xarutos, que se vende por di ni i 11 u to prego para
liquidago de contas : no beco da Polo D. 6.
tsr Urna escrava moca de 2o a 22 annos ,
sabendo engommar coziuhar, e todo o
mais servigo deas ditas lavadeiras e qui-
tandeiras urna moleca de idade de 14 a lo
annos, recolhida, sabendo coser muito bem,
e engommar um preto muito refergado e
de linda figura perfeito carreiro bom tra-
balhadorde machado e fouce ; dous mole-
ques de idade de 14 a 15 annos proprios para
lodo o servigo uma mulatinha, e uma ne-
grinha de idade de 12 a 15 annos : na ra do
Fogo ao p do Rozario I). 25.
He?-Ch isson de primeira sorte a 256o rs. a
libra tinta de escrever em potes ,^ahotua-
duras de retroz para casacas ditas de metal
da moda ditas com o letreiro de Pedro II
Imperador ditas para marinha ditos para
aifandega com a letra A, pentes finos, de ti-
rar piolhos ltimamente chegados de Lis-
boa transa fina de retroz para casaca tan-
to quadrada como redonda as verdadeiras
pilulas da famlia em frascos de 5o com o
- ------7
tzr Potassa de superior qualidade em bar-
ns grandes e pequeos adinheiroca praso
com boas firmas : em casa de Joo Rufino da
Silva Ramos, na ra do Hospicio sobrado
de um andar defronte do Coronel Brilo In-
gle/. .
tST Farinha de mandioca recentemenle
chegada de boa qualidade e por prego
favoravel : Irata-se a bordo do Brigue S. Ma-
ria Boa Sorte fuudiado em frente do trapiche
do algodo ou na ra da Cadeia D. 21.
S?y Dous escravos de nagao ptimos pa-
ra todo o servigo, e um he canoeiro e uma
escrava de nagao com algumas habedades ,
todos se do acontento : na ra Direita D.
20 lado do Livrameuto.
SSF- Francisco da Silva tem para vender
urna negra crela de idade de 18 a 2o an-
nos sem molestias nem achaques : quem
pretender procure na ra da Cadeia do Reci-
ie casa n. 41. O mesmo tem para alugar um
sitio no principio da estrada do Pogo da Pa-
nella com boa casa de vivenda, coxeira ,
estribara para cavados casa para {.retos e
boa agoa cujo sitio he pegado ao do Sr. Joa-
quim Gonsalvcs Basto e os fundos vo a en-
costar ao do Sr. Nuno Maria de Seixas.
es* Um cavaljo alazo muito bom car-
regador : na ra do Rozario larga D. 9 o an-
nuncie.
tsr Fugio no da 22 de Janeiro do corren-
te auno um escravo de nome Manoel, com
o apellido de calombo dogeuUode Angola ,
baixo barbado com uma ferida na canela
e:querda com officio de serrador, repre-
senta ter 5o annos de idade levou vestido
caigas de hamburgo suja e velha :. quem o
pegar leve a serrara da viuva de Jos Luiz de
Souza Barhoza na ra da praia do Fagundes,
que ser gratificado.
tu* Fugirao no dia 2o de Janeiro do cor-
rente anno 4 escravos a saber : um negro
de nago congo de idade de 5o aunos pou-
co mais ou menos secco do corpo baixo ,
quando falla mete um olho pelo ontro ; urna
negra muiher do dito de idade de 60 annos
pouco mais ou menos, de nome Joaquina,
com principio de frialdade 5 urna negra de
idade de 18 annos pouco mais ou menos de
nome Lucana crela baixa, e grossa do
corpo, cara redonda, as pernas um tanto
lorias; eumanegrinha tambem crela, de
nome Calharina, de idade de 15 annos, olhos
fumacentos foro do Sr. Dr. Lourengo Be-
zerra Carneiro da Cunha : quem os pegar le-
ve-os a Marieola no Municipio lguarass casa
do seu legitimo Sr. o Capilo de (i. N. Joao
Amancio do Souza Rolim que ser recom-
pensado.
tsr A 22 do mez de Outubro de 184o fu-
gio do abaixo assignado um mulato de no-
me Paulo com os signaes seguintes bas-
tante alto, grosso cor alva, e escaldada ,
olhos azues cabellos acastanhados pouca
barba no queiso ter 25 annos de idade ,
tem o dedo grande do p dreito aberto para
lora, temas costas picadas de chicote que
receheo do seu antigo Sr. e he lilho do rio
da S. Francisco : quem o pegar leve a ra
de Agoas verdes I). 12 que receber looj rs.
de gralicago.
Francisco Jos Duarte.
tsr No dia 2 do correle fugio de bordo
do Brigue Voador um mulato de nome Joze ,
de idade pouco mais ou menos 24 annos ,
he bastante gago secco do corpo estatura
regular levou vestido camisa de riscado
amarello caigas de ganga azul franceza :
Joaquim cabra do serlo reforgado pas
largas bem fallante e alegre levou vestido
caigas de brim, e camisa de chila azul: quem
os pegar leve a Fermino Jos Folis da Hoza ,
na ruada Moeda 11. 141 que. receber 5o*
rs. : tambem gratificar a quem Ihe descu-
brir a lanxa do navio cm que elles fugirao ,
tendo de sinal urna laboa quebrada no cui-
tado.
tsr No dia 5 do corrente desaparecen uma
negra de nomo Luzia nacao Angola, alta,
nariz chato um tanto f.'ia falla algum tanto
atrapalhada sabio a noute com um caneco ,
com vestido de chila de llores rouxas e assen-
to branco panno da costa azul : quem a pe-
gar leve a praga da Independencia I). 1 ou
na ra dos Quarteis D. 2 no segundo andar,
que ser gratificado.
No da 25 de Janeiro do corrente an-
no fugio uma escrava crela de nome Bene-
dicta baixa um tanto fulla, grossa do
corpo pernas arquada> bem fallante a
qual venda fazendas com outia parreira de
nome Theresa e da testa do Natal em dian-
te passou a vender fructas levando vestido
de chita pretaja tizado panno fino rouxo ;
u pessoa que aprehender levo a estrada de Joo
de Barros sitio defronte das casas do Reve-
rendo Vigario Padre Luiz que ser bem re-
compensado do seu Irabalho.
tsr Fugirao no dia 2 do corrente 2 escra-
vos um mulato de nome Jos bastante ga-
go altura regular magro levou caigas de
ganga azul, camisa de riscado amarelo : Joa-
quim cabra reforgado do serlo marujo ?
levou caigas de brim e camisa de chila: quem
os pegar le\e a Firmino Jos Fclis da Roza.
MOV MENT DO PORTO
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 5.
Bal ti more ; 52dias, Brigue Escuna Ameri-
cano Hannoh de 152 tonel. Cap. J. G.
Smitb equip. 8 carga farinha de trigo :
a Henry Forster & Companhia.
Philadelphia ; 55 das Barca Dinamarque-
za Preciosa de 25o tonel. Cap. JosephJ.
Kier equip. 15 carpa taboado cha ,
fumo c fazendas : a N. O. Bieber.
SAHIDOS NO MESMO DIA.
Cowes ; Barca Ingleza Cigar, Cap. John Har-
vy, carga assucar.
I

RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. =1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3XPRVJ1A_7AB7EO INGEST_TIME 2013-04-12T23:50:38Z PACKAGE AA00011611_04435
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES